Você está na página 1de 316

Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental

Anos Iniciais – Anos Finais

2ª Edição
Brasília, 2018
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Governador do Distrito Federal


Rodrigo Rollemberg

Secretário de Estado de Educação


Júlio Gregório Filho

Secretário Adjunto de Estado de Educação


Clovis Lucio da Fonseca Sabino

Subsecretária de Educação Básica


Luciana da Silva Oliveira
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Coordenadora Geral
Daniela Lobato do Nascimento

Analista de Gestão (Consed)


Lucas Moura Maximo

Coordenadora dos Anos Iniciais


Viviane Carrijo Volnei Pereira

Coordenadora dos Anos Finais


Alessandra Edver Mello dos Santos

Redatoras de Língua Portuguesa


Alessandra Edver Mello dos Santos
Eliana Maria Sarreta Alves
Janaína Vieira Pinto
Viviane Carrijo Volnei Pereira

Redatores de Arte
Ana Carolina Mendes
Augusto Charan Alves Barbosa Gonçalves
Daniela Lobato do Nascimento
Frank Nely Peres Alves
Juliana Cunha Passos
Kyara Christina Marrocos Cerqueira
Luzirene do Rego Leite
Maria Luíza Dias Ramalho
Pedro Ivo dos Santos Leite
Rafaela Eleutério Holanda
Sara Paraguassú Santos do Vale

Redatores de Educação Física


José Manoel Montanha
Luís Maurício Montenegro Marques

Redatores de Língua Estrangeira


Ivo Marçal Vieira Júnior
Juscelino da Silva Sant’ana

Redatoras de Matemática
Cacilda de Souza
Erika Botelho Guimarães Rijo Alves
Marilene Xavier dos Santos

Redatores de Ciências da Natureza


Guilherme Baroni Morales
Maria Aparecida da Silva Prado
Sebastião Ivaldo Carneiro Portela

Redatoras de Geografia
Dayana Aguiar de Oliveira
Márcia Garcia Leal Pires
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Redatores de História
Antônio Carlos de Rezende Filho
Thalita Coelho Dantes

Redator de Ensino Religioso


Tadeu Amoroso Maia

Capa, programação visual e diagramação


Frank Alves

Colaboradores
Daniel de Lima Goulart (Língua Estrangeira); Keila Cristina de Araújo Reis, Leticia Papa
Vila Verde, Rosana Gonçalves Silva e Silvana de Faveri (Arte); Guilherme Pamplona
Beltrão Luna (Educação Física); Cristiano Alberto Muniz, Raimunda de Oliveira, Rosália
Policarpo Fagundes de Carvalho e Simone Alves Côrtes (Matemática)
Leitores Críticos da Subsecretaria de Educação Básica: Cícero da Silva Lima, Ellen
Daiane Cintra, Elna Dias Cardoso, José Ricardo de Moraes Veiga Abreu Neto, Pedro Ivo
Silva, Renata Callaça Gadioli, Ruth Meyre Mota Rodrigues, Sérgio de Oliveira Souza e
Simone Soares Nogueira
Leitores Críticos das Unidades Regionais de Educação Básica
Leitores Críticos das Unidades Escolares
Conselho de Ensino Religioso do Distrito Federal
Comissão Estadual de Implementação da Base Nacional Comum Curricular no Distrito
Federal (instituída pela Portaria nº 163, de 07 de junho de 2018)
Instituto Federal de Brasília

Colaboradores Institucionais
Janduy Procópio Leite Júnio e Ednéia Alves Cruz (CRE Brazlândia); Marcos Antônio de
Sousa e Simone de Almeida Alves de Souza (CRE Ceilândia); Firmino Moreira de
Queiroz e Carla Geórgia de Freitas Queiroz (CRE Gama); Afrânio de Souza Barros e
Flávia Marize Cadena Bragança (CRE Guará); Ana Maria Alves da Silva e Vanessa
Romão Rodrigues (CRE Núcleo Bandeirante); Isac Aguiar de Castro e Raquel Vila Nova
Lins (CRE Paranoá); Queti Diettrich e Ana Paula Monteiro da Silva (CRE Planaltina);
Ana Lúcia Marques de Paula Moura e Cleire de Souza Miranda Varella (CRE Plano
Piloto/Cruzeiro); Célia de Lira Soares e Carlos Venício Siqueira (CRE Recanto das
Emas); Cícero Elivan Alves Feitosa e Débora Vilhena Perugino de Araújo (CRE
Samambaia); Claudiney Formiga Cabral e Mariana Almada Viana (CRE Santa Maria);
Paulo Viana de Souza e Luiz Eugênio Barros de Brito (CRE São Sebastião); Marco
Aurélio Vieira de Souza e Ana Cristina de Castro (CRE Sobradinho); Juscelino Nunes de
Carvalho e Giseliane Barbosa Barreira (CRE Taguatinga); Antônio Carlos do Patrocínio
(Coordenação de Políticas Educacionais para a Juventude e Adultos); Hélia Cristina
Sousa Giannetti (Coordenação de Políticas Educacionais Transversais); Klesia de
Andrade Matias (Coordenação de Políticas Educacionais para Educação Infantil e
Ensino Fundamental); Andyára da Gama Wolney, Daniela Aparecida de Castro, Débora
Cristina Sales da Cruz Vieira, Jaqueline Fernandes, Kátia Ceanne Bomfim Borges, Kátia
Leite Ramos, Marília Magalhães Teixeira e Simone Pereira Costa Benck (Gabinete da
Subsecretaria de Educação Básica).
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1ª EDIÇÃO (2014)

Colaboradores – Anos Iniciais


Álvaro Sebastião Teixeira Ribeiro, Ana Karina Braga Isac, Amanda Midôri Amano, Ana Maria
Araújo, Ana Paula Rodrigues da Silva, Andréa Cristina Gevaerd de Aguiar, Andréa Lúcia Rocha
Araújo, Caroline Bianca e Silva Teixeira, Cília Cardoso Rodrigues da Silva, Cíntia Ribeiro
Rodrigues, Daniela Lobato do Nascimento, Daniela de Souza Silva, Débora Gonçalves de Bastos,
Dóris de Paiva Amaral, Edileusa Martins de Oliveira, Edna D’ Abadia Rosa Gomes do Carmo,
Elayne Beatriz da Silva Pereira, Elisa de Araújo Pinheiro, Enuque de Freitas Barbosa, Erisevelton
Silva Lima, Fernando Ribeiro Alves, Greyciane Kelli de Jesus, Helia Cristina Sousa Giannetti,
Ivone Miguela Mendes, Janaina Tavares Ribeiro, Juliana Keoui Ammirabile, Juliane D. Caixeta
da Silva, Jusmar Antonio de Oliveira, Karine Macedo Spezia, Kátia Franca Vasconcellos, Kira
Zanandréa Duarte de Souza, Leonice Pereira dos Santos, Luciana Duarte Dutra, Luciana da
Silva Oliveira, Márcia Vânia Silvério Perfeito, Margareth Rodrigues Lobal, Maria Andreza Costa
Barbosa, Maria Aparecida Aragão dos Santos, Maria da Glória Bomfim Yumg, Maria Luiza Dias
Ramalho, Mariana Duarte de Souza, Mariângili Lucas Vieira, Marta Elias Ferreira, Michelly Vaz
Martins Moreira, Munique Dayene Borges Camilo, Nair Cristina da Silva Tuboiti, Paula Patrícia
Ribeiro de Almeida, Pollyana dos Santos Silva Costa, Priscila Campos de Souza, Raimunda
Ferreira Chagas, Raquel Soares de Santanta, Rejane G. Lima, Rosana César de Arruda
Fernandes, Silmara Cruz Leal, Simone Santos de Oliveira, Sirlene Reis Landim, Sueli Brito de
Freitas, Tânia Cristina, Tatiana de Melo Alves, Vânia Leila de Castro Nogueira Linhares, Virgínia
Gonçalves Feitosa, Viviane Daemon, Wagner F. Santana.

Colaboradores – Anos Finais


Achiles de Almeida Fernando, Adelino de C. B. Martins, Ademar Santana Bernardes, Adilson Alves
Gonçalves, Adilson dos Santos, Adriana Carneiro Portela, Adriana Dias da Silva, Adriana
Guimarães Rocha Campos, Adriana Quidute, Adriana Tosta Mendes, Adriano Carvalho dos
Santos, Adrião Henrique da Silva, Agda Gonçalves da Costa, Alberto Roberto Costa, Alcides
Geraldo Hack, Alcides Rogério de Brito, Aleska Carvalho Marques de Matos, Alessandra Campos
Coepke, Alessandra Edver Milhomem, Alessandro Alves de Sousa, Alessandro Henriques Gomes,
Alex Santana Dias, Alexandra Pereira da Silva, Alexandre de Pádua de Sousa Rodrigues,
Alexandre Machado, Alexandre Moreira dos Santos, Aline Cristyna G. Alves, Aline Torres Baena,
Alsira Lourdes de Sá Deusdará, Álvaro Sebastião Teixeira Ribeiro, Alzira Dayrell de Magalhães
Neta, Amanda B. Menezes, Amanda dos Santos Pontes, Amanda Modesto M. Vieira, Ana Cláudia
Correa dos Santos, Ana Eveline C. M. Machado, Ana José Marques, Ana Lígia de Araújo David,
Ana Lígia de Araújo David, Ana Lúcia A. de Souza, Ana Lúcia Sartori, Ana Márcia de Sousa Melo,
Ana Maria Alves Queiroz, Ana Maria de Araújo, Ana Paula de Souza Patrício, Ana Paula Duran
Rodrigues, Ana Paula Fernandes Barbosa, Ana Paula Moreira Bahouth, Ana Paula Nunes, Ana
Paula Oliveira Maranhão, André Anderson da Silva Nunes, André Felipe de Araujo Arraes, André
Rabelo de Sousa, André Takashi Yamanaka, Andrea Cristina Gevaerd de Aguiar, Andrea Ferreira
Passos, Andrea Kaiser Cabral Brandão, Andrea Kaiser, Andréia Alessandra A. de Freitas, Andréia
Costa Tavares, Andréia Seixas Cardoso, Andreia Silva Costa, Andressa dos Santos Guidini,
Anésia Vasconcelos, Ângela Divina da Silva Couto, Antônia Luciana C. Fina, Antônio Carlos F.
Braz, Antônio José A. Sousa, Antonio Lázaro Rodrigues Junior, Aparecida Donizeth Ferreira de Sá,
Ariosvaldo Vieira de Sousa, Aristéia Isabel Porto, Arnaldo Evaristo Ricardo, Aura Maria Michetti
Furtado, Áurea Maria dos Santos Sousa, Bárbara Brito Tocantins, Bárbara Cristina G. de Miranda,
Bárbara Lhorrana A. L. Brasil, Breno Ramiris Vargas da Silva, Bruno da Silva Anselmo, Bruno
Gonçalves Monteiro, Carla Nayara O. Castro, Carlos Alberto Resende, Carlos Lindember S. Vilela,
Carlos Roberto R. de Almeida, Carolina Gabriele Ferreira, Cecília Emerich da Cruz, Celestino Neto
Guimarães, Célia Cristina Rossi, Celma Maria P. da Silva, César Augusto de Souza Oliveira,
Chaianne Carla Farias Barbosa, Chirleny Pereira Barbosa, Christiane de Castro Quartieri, Cilene
da Silva Patrício, Cíntia Mattão da Silva Nunes, Ciro José Casimiro Dias, Cladis Henriques de
Vasconcelos, Clara Regina L. Queiroz, Clarice Pereira Cavalcante, Claudelis Duarte, Claúdia de
Andrade Cambu, Cláudia Ferreira Sousa, Cláudia Reis de Almeida, Clébia Ferreira da Cruz,
Clécia Alves de Souza, Cleinaan Lima Martins, Clemente Silva, Clesio Lopes do Nascimento,
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
Conceição Maria Alves de Araújo, Conceição Maria Alves de Araújo, Cristiane Alves Machado,
Cristiane Matida de Melo Del Fiaco, Cristina de F. Rocha, Daiane Caroline M. Santos, Daiane
Marques da Silva, Dalmir Armando, Daniel Fama de Freitas, Daniel Felipe da Silveira Pinheiro,
Daniel Gustavo Barnabé dos Santos, Daniel Luiz Mota, Daniela P. Rodrigues, Darlene Alves de
Almeida, Darlene Alves de Almeida, David Langrafe, Davys Luis Paxiuba Durcan, Dayanne
Ferreira Costa, Débora Alves S. da Silva, Débora Gonçalves de Bastos, Deborah Moema Campos
Ribeiro, Deborah Raquel de Almeida Pereira Passos, Deire Lúcia de Oliveira, Delton Naranda de
Avila, Denise D. Alves Sousa, Denise de Jesus Vieira Corrêa, Denize da Rocha P. Bacelar, Derli
Luiz de Oliveira, Deuselina Alacoque, Deuselina Xavier Alacoque, Dhara Cristina de Souza
Rodrigues, Dhione Vieira Carvalho, Dianna Cristina F. Lima, Diego Rossani Vasconcelos Silva,
Domingos Sávio L. Oliveira, Donizete Batista de Souza, Douglas dos Santos Ferreira, Dyago
Paulo Muniz de Lima, Dymas Júnior de Souza Oliveira, Ederlânia Morais Rodrigues Machado,
Edicarlos Albino, Edilson Fernandes do Nascimento, Edilson Fernandes do Nascimento, Edimilson
de Sousa Caldas, Edinalda Barroso Menezes, Edinalva Vitorino dos Santos Pinheiro, Edjane
Pereira Tavares Rabelo, Edson Kleber de Araújo, Eduardo da Costa Oliveira, Edvaldo Alves de
Souza, Efraina Soares dos Santos, Elaine Cristina M. S. Neves, Eliana Leal de Araújo, Eliane de
S. Marçal de Lima, Elias de Araújo Borges, Elida Sandes Bringel, Eliene Nunes de Jesus, Elisa
Araújo Pinheiro, Elisabete de O. Afonso Souza, Elisama Inácio Severino, Elisandra Cardoso,
Elisângela da S. Freitas, Elisete Oliveira da Mata, Elizia Corrêa de Souza, Elizia Corrêa de Souza,
Ellen Cristina da Silva Soares, Emanuel Marques de Souza, Emerson Alves dos Santos, Eric
Naves, Erisevelton Silva Lima, Eronaldo Soares de Almeida, Esthel Duarte de Freitas, Eva Cristina
Medeiros, Evaldo Carvalho Fernandes, Everaldo J.B. Diniz, Fabiana de Melo Gouvêa, Fabiano R.
Marcolino, Fábio Faria, Fabio Roberto Corrêa, Fábio Roberto Viana de Oliveira, Fabíola Gonzaga
Freitas, Fanuel Sousa Cerqueira, Felipe Serra, Fernanda B. C. Bernardo, Fernanda G. Mourão,
Fernanda Machado Costa, Fernanda Valéria, Fernando de Oliveira Silva, Filipe Alcântara,
Filomena F. Noronha, Flávia Antunes Silva Barichello, Flávia Denofre de Sousa, Flávio Alexandre
Lopes de Lima, Flávio Eduardo C. Pedrosa, Flávio Rodrigues Xavier, Florisvaldo de Jesus,
Fracimary Macedo Marques, Franciele Santini Cunha, Francijane Lima dos Santos, Francimeire
Nava Bueno, Francisca de Sales Lima, Francisca Edna Lins de Paula, Francisca Eva Pereira,
Francisco Antônio da Silva Neto, Francisco Antônio da Silva, Francisco Celso Leitão Freitas,
Francisco Thiago Silva, Gabriel Antunes, Gabriel Pereira de Deus, Gabriela Cristina Luiz Ribeiro
Vieira, Gabriela de Andrade, Genivaldo Fernandes Inácio, Geracina Moreira Germano Lopes,
Geraldo Pereira da Silva Filho, Geraldo Richard M. Silva, Gercina P. O. Guedes, Gerson Carlos
Vieira, Gilberto Alves Barbosa, Gilton Lázaro de Lima, Gilvan Ederson L. de Souza, Giovanni
Anselmo Vieira, Gisele A. Figueiredo, Gisele Cristina, Gisele David Sousa, Gisele Rocha do
Nascimento, Giselle da Silva Ramos Cardoso, Greyce Caroline V. dos Santos, Guilherme Eduardo
Pereira, Guilherme Pamplona Beltrão Luna, Haroldo A. Eleotério, Heitor M. Kanegae, Helen
Oliveira da Silva, Helena de Jesus Ramos Arruda, Helena N. do Couto Reis, Hélia Cristina Sousa
Giannetti, Heloísa Alves de Sousa, Heloísa Helena Fonseca, Henrique Semensato Holgado,
Herinaldo Henriques de Oliveira, Hilarião Gomes de S. Neto, Hilda Maria F. Crispim, Hodney Rosa
da Silva, Hugo Rafael Soares de A. Souza, Humberto Pereira dos Santos, Ígor Meneses Mota,
Ilma Correa Bittencourt, Inêz Lucas, Iranete dos Santos Marques, Irene Fernandes da Mota, Iron
da Silva Braga Filho, Isabel Cristina M. G. Porto, Ítalo Barros dos Santos, Itamir Bezerra, Ivani
Lima dos Santos, Ivo Marçal Vieira Júnior, Jacinto Agi, Jades Daniel Nogalha de Lima, Jailton
Lopes Vicente, Jairo Gonçalves Carlos, Jairo S. Peixoto, Janaína Rodrigues Theodoro, Jandson J.
Santos, Janete Alcântara Cordeiro Soares, Janildes Rodrigues Avelino, Jean de Sousa Costa,
Jefferson de Lira Pereira, Jennifer Naomi Zupnek, Joanny Danielle do Lago Costa, João Almeida e
Silva, João Augusto Carreiro Morais, João Batista da S. Alves, João Batista Rodrigues, João de
Pádua Cawestri, João Marcos C. Marçal, João Nunes, Jocília Seixas de Morais, Jônatas Silveira
Fialho, Jorge A. C. Albuquerque, Jorge A.C.L. Santos, Jorge Luiz de C. Oliveira, José Alberto
Oliveira, José Augusto Borges, José Carlos Touret de Faria, José Eduardo Fernandes de Sousa e
Silva, José Eduardo Todecasto, José Geovano de Araújo,José Milton Alves dos Santos, José
Milton Alves dos Santos, José Paulo B. S. Filho, José Roberto B. Vilela, José Soares Ribeiro Neto,
Jose Vanderlei R. Gonçalves Junior, José Waldir Modesto, Joselle de Oliveira R. Caldas, Josiane
Marques C. Costa, Josilene Cristina da Rocha, Júlia Frazão Viana, Juliana Aires S. Pisano, Juliana
Naiomi Nunes Toratani, Juliana Rocha P. Souza, Juliana Viegas Mundim, Juliane Almeida
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Carvalho, Juscelino da Silva Sant’Ana, Juscelino da Silva Santos, Karen Cristina doAmaral
Gomes, Karina Ap. Martins, Karine M. C. Lemos, Karine Macedo Spezia, Karine Martins C. de
Lemos, Karlla da Silva Vieira, Kátia Franca Vasconcellos, Katia Isis M. Souza, Kátia Pradera,
Katiúscia Andréia de Medeiros Balduino, Keila Márcia de Paula, Keila Tatiane Soares Formiga,
Kellen Nogueira de F. A. Alves, Kelly Cristina de Almeida Moreira, Kelly Regina de Jesus, Kênia
José da Rocha, Kerly Cristina F. Tolentino, Kilson Eduardo Bottentuit Silva, Kléuber Ferrari Merli,
Kotaro Uchigasaki, Ladiane Carvalho Sales, Laíse Heleny Soares, Larissa Germana, Laura Alves
da Silva, Lázara Santana, Leandro de Oliveira Nardi, Lécia Maria Campos Alves Carvalho, Leila
Aparecida Dias Pineo, Leila Carioca M. Pereira, Lenita M S e Silva, Leonardo Bernardes Nogueira,
Leonardo Valadares Campos, Leonice Pereira dos Santos, Leticia Martins dos Santos, Lídia de O.
Cunha Nunes, Lídia de Oliveira Cunha Nunes, Lídia Lima, Lilian Cristina da P. e Sena, Lilian dos
Santos Brandão, Liliane Aparecida Barbosa, Liliane Cristina Barbosa, Liziane Gomes R. Oliveira,
Loraine Borges Guimarães, Lucas A. Miranda, Lucas Alves de Oliveira, Luciana da Mata Barbosa
Macedo, Luciana de A.B. Ribeiro, Luciana Duarte Dutra, Luciana Ferreira de Moraes Takahashi,
Luciana Florentino de Lima, Luciana M. de Araujo, Luciana Machado de Freitas, Luciano Dartora,
Luciany Oliveira Osório Borges, Luciene Cristina Peixoto Oliveira, Lucilene de S. Gomes, Luís
Filipe Ferreira Anastácio, Luís Gustavo F. Venturelli, Luiz Alberto Fiuza dos Santos, Luiz Carlos
Resende, Luiz Eduardo Mendes Batista, Luiz Felipe da Silva Soares, Luiz Gonzaga Gadelha,
Luzelline Cardoso de Carvalho, Luzia Aparecida Carnicelli, Luziana da Silva Araújo, Luzimeire
Cristiane Soares Santana, Madeleine Cássia Andrade, Magda de Loureto Hipólito, Mara Lúcia
Alves Rocha, Mara Silva Pereira, Marcela Akyke Machado, Marcela G.B. Domiciano, Marcelia
Lopes N. de Oliveira, Marcelino José da Cruz Filho, Marcelo Maciel de Lima, Márcia Maria da
Silva, Márcia Maria Viana Coimbra, Márcia P. de Sales Raposo, Marcio Barrio Mendes, Marcio
Gonçalves da Silva, Marco Cézar da Silva Perez, Marcos José R. Barbosa, Marcus Vinícios de S.
Oliveira, Margareth Oliveira de Godoy, Margareth Rodrigues Lobal, Maria Abadia Braga, Maria
Andreza Costa Barbosa, Maria Aparecida da Silva Prado, Maria Braz Ribeiral, Maria Celeste,
Maria Chaves de C. da Silva, Maria da Glória Bomfim Yung, Maria das Graças Dias Goulart, Maria
de Fátima B. Muniz, Maria de Fátima M. Silva, Maria de Lurdes dos Santos, Maria do Rosário
Loiola Nascimento, Maria Edilene da Cruz, Maria Eliana Silva de Almeida, Maria Graciele Oliveira,
Maria Helena C. Moniz Freire, Maria Helena Custódio, Maria Lúcia O. Santos, Maria Luiza
Nogueira A. Inglês, Maria Luiza Nogueira Aboim, Maria Wanuza Marques da Silva, Mariana B.
Torres, Mariana Freire Barros, Mariane Ferreira da Silva, Marilena M. Azevedo, Marilene Francisco
Lopes, Marília Alves, Marília Luiz do Nascimento, Marília Teresinha de Souza Machado, Marina
Maria de Oliveira Nascimento, Marina Silva Lima Alves, Marivone Ribeiro, Marlene S. C. Santos,
Marx Lamare Félix, Mateus Ferreira de Moura, Mauro Márcio Santana Costa, Melissa Martins
Alves, Meri Costa, MessiasMiguel Fernans, Michelle Katarina da Silva, Michelle Medeiros, Millena
de Oliveira Lacerda, Mirailde Teles de Faria, Mircéa Cândida Cardoso, Mircéa Cândida Frasão,
Míriam Mascolo Santos, Mírian Fiuza Braga, Mirian Mascolo Santos, Moacir Clodoaldo de
Mesquita, Moema Filippi da Silva, Mônica A. P. Wefforp, Mônica F. Bastos, Múcio Fernando
Lacerda da Silva, Murilo Silva Carvalho, Nair Cristina da Silva Tuboiti, Naíra Giselle de Brito
Carvalho, Natália Souza Resende, Neide Rodrigues de Sousa, Neurizete R. Maciel, Neuzeline dos
Santos Morais e Silva, Nilma Cupertino D. de Jesus, Nilzete Barbosa dos Santos, Nitis Nanci
Manzon, Odenice Rodrigues Lopes Mariz, Odete Roseli S. Bortaluzzi, Orlando Pereira dos Santos,
Osires Rezende, Otávio Alves de Oliveira, Paloma Maciel de Santana, Pamella Karina T. de
Quadros, Patrícia de Souza Rodrigues, Patrícia Gardina de N. e Deus Vieira, Patrícia Moreira
Campos Curado, Patrícia Rodrigues Lopes Araújo, Paula Esteter Colaço, Paula Valéria Ribeiro de
C. Araújo, Paulo Campos de Oliveira, Paulo Cesar Alves Filho, Paulo Cesar Machado Moreira,
Paulo Henrique Ferreira, Pedro Fabiano Gonzaga, Pedro Silva de Almeida, Perpétua Rodrigues
Porto, Priscila Cordeiro Vidal, Priscila Menandro Mendes, Rachel Alves da Silva, Rachel Angélica
de Andrade Cota, Rafael dos Santos Dias Nunes, Rafael Gauche, Rafael Pereira de Souza, Rafael
Souza da Costa, Rafaela de Oliveira Alves Pires, Raimunda V. R. Ferreira, Raiza de Miranda
Vasconcelos, Rander Pereira do Vale, Ranielle Carlos Pereira, Raquel Melo de Oliveira, Raquel
Passos Chaves Morbach, Raquel R. de Oliveira V. Toscano, Rebeca Flor da Silva, Reginaldo S.
Farias, Renan dos Reis, Renata Caxito de Assis, Renata de Oliveira Ramires, Renata F. Pacheco,
Renata Pacini Valls Carvalho, Renata Parreira Peixoto, Renata Pereira Nunes da Silva, Renato
Rodrigues, Ricardo Andrade, Rita de Cássia Cota Pereira, Rita de Cássia da Costa, Rivânia de
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Araújo Resende, Roberto da Silva Alves, Roberto Liáo Junior, Robson Raymundo da Silva,
Rodrigo Gomes de Souza, Romildo Queiroz, Ronaldo Lopes Bezerra, Ronaldo Pacheco de
Oliveira Filho, Roni Ivan Rocha de Oliveira, Ronivaldo Lustosa, Rosalina Gabriel Alves, Rosana
Carneiro M. de Castro, Rosana Carneiro, Rosana César de Arruda Fernandes, Rosana Sarkis
Campos, Rosane Machado Barbosa Mostacatto, Rosária Rosa dos Santos, Rose Mary de Sousa
Guimarães, Rosendo Eloi dos S. Cruz, Rosiene Aparecida Noronha Ribeiro, Rosilane Terezinha
de Sousa, Rosilene Andrade de Souza, Rosiline Pereira de Sales, Rosimary Dias da Silva,
Rubens Paes Ribeiro, Ruth de Oliveira Tavares, Salatiel Sousa, Salomão Carvalho de Castro,
Samara Gonçalves, Sandra Cristina A. Almeida, Sandra de Fátima Xavier, Sandra Gilda da Silva,
Sandra Helena Aguiar Vieira, Sandra Leila de Souza, Sandra Lopes Teixeira, Sandra Regina S.
Oliveira, Sandra Zita Silva Tiné, Sandro Batista da Silva, Saul Guimarães Filho, Savia A. Dantas,
Selma Elias de Macedo, Selma Marcelina de Medeiros, Sérgio Jesus dos Santos, Sérgio Luiz
Antunes Neto Carreira, Sheila Mendes Mota, Shirley Fiuza Dias, Silon Silva de Ataíde, Silvestre
Lopes Soares, Silvia Gardênia C. Sabino, Simone Bordignon Giongo, Simone Moura Gonçalves,
Simone Santos de Oliveira, Sofia Bethlem, Soleane Emerick Ferreira, Sonaly Carvalho de M. da
Silva, Sônia M. Barbosa, Sônia Sant’Anna de Araújo, Sônia Sant’Anna, Susie Ferrira Barreto,
Tábata Nunes, Tamar Rabelo de Castro, Tânia Alves de Oliveira, Tânia M. Y. Ofigi, Tânia Maria
Rodrigues Silva, Tarcilio Ribeiro de Negreiros, Tatiana Aparecida Fanti, Tatiana Ribeiro Varetto,
Tatiane Rocha Vieira, Telma Maria de Sousa Andrade, Teresa Cristina de Sousa Alves, Thafares
Rodrigues da Costa, Thaís Lopes, Thalita Oliveira Honorato, Tiago Luís da Silva Baldez, Valdeci
Moreira de Sousa, Valéria Porto Duro, Valmira Alves dos Santos, Valquíria P. da Silva Bezerra,
Vanda do Carmo B. Ferreira, Vanda M. de A. Cavalcante, Vando da Silva Oliveira, Vanêssa
Oliveira R. de S. Fonseca, Vanessa Saraiva Freitas, Vângela do Carmo Oliveira Vasconcelos,
Vania da Costa Amaral, Vania Elisabeth Andrino Bacellar, Vanise Persiani Rega, Vanusa Crus de
Freitas, Vany Maria Ramos, Vera Lúcia da Silva, Vera Lúcia Santos de Oliveira, Vera Lúcia
Valentin dos Santos, Verônica Maria da Silva, Victor Bernardes de Souza, Vilma Nunes da Silva,
Vinícius Lobo de Araújo, Virgenia Maria Bezerra Carneiro, Virgínia Gonçalves Feitosa, Vitória
Marques Cantanhêde, Vivian Alves de Moura, Vivian Lourenço Lima, Viviana Rodrigues de
Carvalho, Viviane Coelho da Silva de Lima, Viviane dos Santos Aguiar, Wag Sil, Wagner F.
Santana, Waleska Araújo, Waleska Carvalho G. Damasceno, Walmy Silva Siqueira, Walser Viana
Barbosa, Wédina Maria Barreto Pereira, Welba dos S. Barbosa, Wellington Raw, Willian L. de
Faria Junior, Wilson Aleixo Vieira, Wilson Barboza da Silva, Zuleika Soares Fernandes Gomes.

Revisão
Edileuza Fernandes da Silva
Erisevelton Silva Lima
Rosana César de Arruda Fernandes
Santana.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Ilustrações
Ailton da Silva Santos (PAAE2 8º ano, CEF 05 de Sobradinho); Ana Beatriz Soares
França (5º ano F, EC 03 do Paranoá); Ana Luíza de Sena Santiago (2º ano C, EC 14
de Planaltina); Anderson Fernandes da Silva (8º ano D, CEF 209 de Santa Maria);
Aysla Nathiellik Costa Mascarenhas (6º ano E, CEF 209 de Santa Maria); Christyan
Pereira (5º ano E, EC 03 do Paranoá); Emilly da Silva Carvalho (9º ano C, CEF 05 de
Sobradinho); Evelly Gabriela Alves Silva (8º ano D, CEF 05 de Sobradinho); Geidiara
Ferreira Santiago Ferraz (8º ano B, CEF 209 de Santa Maria); Giovanna Estolano
Silva (9º ano C, CEF 09 de Taguatinga); Gustavo da Silva Souza (4º ano B, EC 803
do Recanto das Emas); Isaque da Silva Dantes (5º ano B, EC 803 do Recanto das
Emas); José Daniel Ribeiro Mariano (9º ano F, CEF Miguel Arcanjo de São Sebastião);
Karen Cristine de Moraes Tavares (6º ano E, CEF 504 de Samambaia); Leandro
Francisco do Nascimento Silva (5º ano E, EC 03 do Paranoá); Lucas Nogueira Cruz
(5º ano D, EC 03 do Paranoá); Maria Helena Gabrielly Rodrigues Oliveira (8º ano D,
CEF 05 de Sobradinho); Maria Luíza Oliveira Sales (5º ano D, EC 03 do Paranoá);
Rennan da Silva Araújo (8º ano D, CEF 05 Sobradinho); Ryan Gabriel Soares dos
Santos (3º ano F, EC 803 do Recanto das Emas); Sara Oliveira Medeiros (3º ano B,
EC Aspalha do Plano Piloto).

Documento aprovado pelo Conselho de Educação do Distrito Federal nos termos da


Portaria nº 389, de 4 de dezembro de 2018.

2ª edição atualizada pela Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal a


partir da 1ª edição, publicada em 2014.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

SUMÁRIO

APRESENTAÇÃO ..................................................................................................... 7

LINGUAGENS .........................................................................................................12

LÍNGUA PORTUGUESA...............................................................................17

ARTE.............................................................................................................57

Linguagem artística: Artes Visuais .............................................................59

Linguagem artística: Teatro........................................................................72

Linguagem artística: Dança........................................................................82

Linguagem artística: Música.......................................................................97

EDUCAÇÃO FÍSICA ................................................................................... 109

LÍNGUA ESTRANGEIRA ............................................................................ 125

MATEMÁTICA ....................................................................................................... 151

CIÊNCIAS DA NATUREZA ................................................................................... 205

CIÊNCIAS HUMANAS........................................................................................... 251

GEOGRAFIA............................................................................................... 254

HISTÓRIA ................................................................................................... 272

ENSINO RELIGIOSO .................................................................................. 299


Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Autora: Karen Cristine de Moraes Tavares

APRESENTAÇÃO

A Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal - SEEDF, reafirmando


seu compromisso com uma educação de qualidade social para o sistema de ensino
do Distrito Federal, e com o intuito de garantir que o currículo continue à serviço da
aprendizagem de todos os estudantes, apresenta a 2ª edição do Currículo em
Movimento do Distrito Federal para o Ensino Fundamental. A sua 1ª edição,
construção coletiva resultante de estudos e debates entre profissionais da educação,
em seus pressupostos teóricos, assegura a identidade dinâmica do documento
quando, ao se propor em movimento, prevê a necessidade de “[…] ser
permanentemente avaliado e significado a partir de concepções e práticas
empreendidas por cada um e cada uma no contexto concreto das escolas e das salas
de aula desta rede pública de ensino” (DISTRITO FEDERAL, 2014).
Após quatro anos de sua implementação, mesmo traduzido como uma
referência para as redes de ensino no Distrito Federal, cujos alicerces epistemológicos
corroboram uma educação baseada em teorias crítica e pós-crítica de currículo, a 1ª

7
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

edição do Currículo em Movimento da Educação Básica necessitava de atualizações


especialmente após a universalização da organização escolar em Ciclos para as
Aprendizagens na rede pública de ensino em 2018. Outra questão importante
considerada para a revisitação desse documento foi que, com a homologação da Base
Nacional Comum Curricular – BNCC em dezembro de 2017 (Resolução CNE/CP nº
2), seguida de adesão da SEEDF ao Programa de Apoio à Implementação da BNCC,
previsto na Portaria nº 331, do Ministério da Educação, surgiu a necessidade de
alteração das matrizes curriculares a fim de contemplar os conhecimentos essenciais
trazidos na BNCC, garantindo aos estudantes do Distrito Federal os mesmos direitos
de aprendizagem assegurados a todos os outros estudantes brasileiros (BRASIL,
2017).
No processo de construção da 2ª edição do Currículo para o Ensino
Fundamental, a partir de discussões realizadas por professores de todos os
componentes curriculares, como também das modalidades da Educação Básica, e
diversos outros profissionais da educação, optou-se por manter as concepções
teóricas e os princípios pedagógicos da 1ª edição do Currículo em Movimento:
formação para Educação Integral; Avaliação Formativa; Pedagogia Histórico-Crítica e
Psicologia Histórico-Cultural; Currículo Integrado; Eixos Integradores (para os Anos
Iniciais: Alfabetização, Letramentos e Ludicidade; e, para os Anos Finais: Ludicidade
e Letramentos) e Eixos Transversais (Educação para a Diversidade, Cidadania e
Educação em e para os Direitos Humanos e Educação para a Sustentabilidade).
Também primou-se pela manutenção da estrutura de objetivo de aprendizagem e
conteúdo por entender que esses são elementos que corroboram os pressupostos
teóricos assumidos enquanto fundamentos de currículo da SEEDF.
Importante salientar que, neste processo de visitação do Currículo para sua
reelaboração, foram oportunizados, aos profissionais de educação e à sociedade civil,
espaços para estudos, reflexões e discussões da proposta e contribuições diversas
para elaboração final do documento: Fóruns Regionais; Ciclo de Formações; Ciclo de
Plenárias por Componente Curricular e por Área de Conhecimento; Leitores Críticos
e Consulta Pública. Houve ainda a constituição de uma Comissão Estadual,
formalizada pela Portaria nº 163 da Secretaria de Estado de Educação do Distrito
Federal, de 07 de junho de 2018, composta por representantes de dezesseis
instituições: unidades administrativas da SEEDF, Poder Legislativo e entidades
representativas de docentes e discentes, pública e privadas. Esse grupo, de caráter
consultivo, reuniu-se periodicamente com o papel de fortalecer o movimento,
sugerindo melhorias ao processo.
Essencial também o destaque de que o material produzido foi de um currículo
para a rede pública de ensino da SEEDF que sirva ainda de referencial curricular para
a rede privada do Distrito Federal. Esta, em respeito à sua forma de organização
escolar – seja em ciclos ou em séries – fará os ajustes necessários ao documento,
visando o desenvolvimento do seu trabalho.
Ao atender intrínseca necessidade de atualização do Currículo, a partir de
contribuições de professores das redes de ensino e diversas entidades da sociedade
civil, a SEEDF propõe como principais mudanças para a 2ª edição do Currículo em
Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental:

8
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

• um único volume que contempla todo o Ensino Fundamental (Anos Iniciais e Anos
Finais) a fim de que se tenha uma visão ampla do processo de aprendizagem dentro
dessa etapa da Educação Básica;
• objetivos e conteúdos dispostos por ano, para viabilizar o trabalho das unidades
escolares organizadas em série; mas com traçado pontilhado que os separe dentro do
mesmo bloco indicando possibilidade de transitarem no tempo proposto para esse
bloco, o que oportuniza o trabalho das unidades escolares organizadas em ciclos;
• inserção dos conhecimentos essenciais trazidos pela BNCC não contemplados na
edição anterior do Currículo em Movimento e/ou transferência dos objetivos e
conteúdos para os anos em que eles são apresentados na Base;
• contextualização do Distrito Federal, ao ampliar elementos locais nos objetivos de
aprendizagem;
• abordagem da cultura digital, explorando recursos midiáticos e características próprias
de comunicação e informação;
• progressão dos objetivos de aprendizagem nos anos/blocos subsequentes a fim de
que, gradualmente, ampliem-se e aprofundem-se os conhecimentos, minimizando
assim os impactos ocorridos nos processos de transição entre os anos e inter e
intrablocos.

Os objetivos de aprendizagem do Ensino Fundamental apresentados nas


normativas pedagógicas da SEEDF, pautadas nas Diretrizes Curriculares Nacionais
da Educação Básica – DCN (2013), visam:
1. possibilitar as aprendizagens, a partir da democratização de saberes, em uma
perspectiva de inclusão considerando os Eixos Transversais: Educação para a
Diversidade, Cidadania e Educação em e para os Direitos Humanos, Educação para
a Sustentabilidade;
2. promover as aprendizagens mediadas pelo pleno domínio da leitura, da escrita e do
cálculo e a formação de atitudes e valores, permitindo vivências de diversos
letramentos;
3. oportunizar a compreensão do ambiente natural e social, dos processos histórico-
geográficos, da diversidade étnico-cultural, do sistema político, da economia, da
tecnologia, das artes e da cultura, dos direitos humanos e de princípios em que se
fundamenta a sociedade brasileira, latino-americana e mundial;
4. fortalecer vínculos da escola com a família, no sentido de proporcionar diálogos éticos
e a corresponsabilização de papéis distintos, com vistas à garantia de acesso,
permanência e formação integral dos estudantes;
5. compreender o estudante como sujeito central do processo de ensino, capaz de
atitudes éticas, críticas e reflexivas, comprometido com suas aprendizagens, na
perspectiva do protagonismo estudantil.
Para que os estudantes alcancem os objetivos de aprendizagem, é
fundamental que este Currículo seja vivenciado e reconstruído no cotidiano escolar,
sendo, para tanto, imprescindível a organização do trabalho pedagógico da escola. A
utilização de estratégias didático-pedagógicas deve ser desafiadora e provocativa,
levando em conta a construção dos estudantes, suas hipóteses e estratégias na
resolução de problemas apresentados. Como aspectos fundamentais para essa

9
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

construção, constituem-se o Conselho de Classe, preferencialmente participativo; a


análise das aprendizagens para reorganização da prática docente; a formação
continuada no lócus da escola; a coordenação pedagógica, como espaço e tempo
primordiais para o trabalho coletivo; entre outros. Um ambiente educativo com
recursos variados, materiais didáticos atrativos e diversificados e situações
problematizadoras que contemplem todas as áreas do conhecimento disponibilizadas
aos estudantes são elementos capazes de promover as aprendizagens por meio da
ação investigativa e criadora.
Para a qualificação da implementação deste Currículo nas unidades escolares,
é essencial a articulação das diferentes áreas do conhecimento, com vistas à
compreensão crítica e reflexiva da realidade. Um diálogo entre os conhecimentos,
proposta que quebra a fragmentação do currículo na perspectiva coleção
(BERNSTEIN, 1977), demonstra compromisso ético no cumprimento da função social
da escola. A opção por um trabalho pautado nos princípios de unicidade teoria-prática,
interdisciplinaridade, contextualização e flexibilização fortalece propósitos
educacionais relevantes para a formação dos estudantes. Nesse contexto, abre-se
espaço para experiências, saberes, práticas dos sujeitos comuns que protagonizam e
compartilham conhecimentos e vivências construídos em espaços sociais diversos.
Também dentro dessa perspectiva, os estudantes do Ensino Fundamental
assumem, em seu percurso formativo, a condição de sujeitos de direito e constroem,
gradativamente, sua cidadania (BRASIL, 2013). O trabalho pedagógico desenvolvido
nas unidades escolares, portanto, deve estar voltado para as necessidades de
aprendizagem de todos os estudantes, respeitando seus tempos de desenvolvimento,
com a garantia de um processo contínuo de formação integral. O ensino, então, não
fica restrito à transmissão de conteúdos e à prática de avaliações que valorizem
apenas o caráter quantitativo ao final de cada bimestre; diferente disso, aprimora-se
constantemente os processos de ensinar, de aprender e de avaliar, tendo como
princípio fundamental a garantia das aprendizagens para todos os estudantes.
Visando um processo ininterrupto de aprendizagem, a compreensão de
educação trazida neste Currículo adota o princípio da progressão continuada, que é
basilar no modo de organização escolar em ciclos e pressupõe avanço nas
aprendizagens dos estudantes, diferentemente da chamada promoção automática,
caracterizada pela aprovação dos estudantes nos anos escolares independente da
conquista das aprendizagens.
Como contribuição para uma educação transformadora da sociedade pela
promoção das aprendizagens de todos os estudantes, alicerçada à perspectiva de
uma avaliação encorajadora, esta Secretaria de Estado de Educação apresenta a 2ª
edição do Currículo em Movimento do Distrito Federal para o Ensino Fundamental,
como material passível de constante avaliação e alterações tendo em vista a
necessidade de acompanhar inovações, estudos e discussões pedagógicas atuais
tanto quanto aspectos da contemporaneidade que precisem ser considerados.

10
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Referências
BERNSTEIN, B. Clases, códigos y control: Hacia uma teoria de las transmisiones
educativas – v.2. Madrid: Akal, 1977.
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e
Educação Integral. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica, MEC, 2013.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum
Curricular. Brasília, 2017.
DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado de Educação. Currículo em Movimento da
Educação Básica: Pressupostos Teóricos. Brasília, 2014.

11
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Autor: Gustavo da Silva Souza

LINGUAGENS

Linguagens é uma das áreas do conhecimento que se estende,


principalmente, à produção de sentidos na perspectiva de representar o mundo e
socializar pensamentos. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (2001),
o uso de diferentes linguagens, ao longo da história, tem sua importância e valor
diretamente relacionados com demandas sociais e culturais de cada momento
(BRASIL, 2001).
Nesse sentido, sendo a escola um espaço cuja função precípua é a de
democratizar saberes, é importante considerar que o trabalho com as linguagens no
Ensino Fundamental pressupõe a articulação entre Língua Portuguesa, Arte (Dança,
Teatro, Música e Artes Visuais), Educação Física e Língua Estrangeira. Essa
articulação permite a continuidade das experiências vividas na Educação Infantil,
expressas em manifestações artísticas, corporais e linguísticas, transitando-as
progressivamente para o Ensino Fundamental sem que os objetivos de aprendizagem
e conteúdos de cada um dos componentes curriculares se ocultem, mas que se

12
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

apresentem como parte de um todo com sentido e coerência em relação à vida dos
estudantes.
Para o desenvolvimento das linguagens, pressupõe-se leitura relativa à
interação do ser humano em suas relações, ao mundo do trabalho e da tecnologia, à
produção artística, às atividades de cultura e prática corporal, à área da saúde, aos
movimentos sociais, e ainda incorporam saberes como os que advêm das formas
diversas de exercício da cidadania, da experiência docente, do cotidiano e dos
diversos interesses dos estudantes, na perspectiva de sua formação integral.
As linguagens permitem ao estudante uma leitura mais ampla do meio em que
vive, de sua identidade nesse lugar, de quem é o outro como também das relações
interpessoais entre os seres humanos. Elas possibilitam comunicação, que pode ser
“verbal (oral ou visual-motora, como Libras, e escrita), corporal, visual, sonora e,
contemporaneamente, digital” (BRASIL, 2017, p. 61), e permeiam todas as atividades
humanas na produção de sentidos que representem o mundo e que socializem
pensamentos. Tais atividades permitem a interação das pessoas, constituindo-se
como sujeitos sociais e históricos, dotados de conhecimentos, atitudes e valores
culturais, morais e éticos.
Com relação à Língua Portuguesa, cabe ressaltar que seu ensino tem
passado por diferentes enfoques ao longo da história: do método sintético ao analítico,
da simples reprodução mecânica em que o estudante apenas recebe, sem a
oportunidade de construir para si o conhecimento, ao caminho para a emancipação,
no qual o estudante tem a oportunidade de pensar, compreender e reconstruir, sendo
um sujeito ativo no processo de aprendizagem.
Tendo em vista que a língua é um instrumento de poder, pois, por meio dela,
efetiva-se a comunicação, construção de conhecimentos, apropriação dos meios
científicos, tecnológicos, participação em processos políticos e expressão cultural, é
responsabilidade da escola garantir a todos os estudantes acesso a saberes
construídos historicamente pela humanidade em relação à língua. Nesse sentido,
ressalta-se que a finalidade precípua do ensino da Língua Portuguesa é propiciar aos
estudantes a competência comunicativa, ou seja, a capacidade de expressar-se
adequadamente em qualquer situação, de forma oral e escrita, portanto, ler e escrever
proficientemente de modo a “[…] resolver problemas da vida cotidiana, ter acesso aos
bens culturais e alcançar participação plena no mundo letrado” (BRASIL, 2001, p.41).
Nesse contexto, ampliar a competência comunicativa de estudantes, pensando na
participação social, pressupõe o ensino da Língua Portuguesa por meio de textos
concretizados nos mais variados gêneros e suportes que circulam na sociedade,
cumprindo funções específicas de comunicação (ANTUNES, 2009).
A partir desse ensino que contemple o trabalho didático com gêneros textuais,
é possível a articulação entre oralidade, leitura/escuta, escrita/produção textual e
análise linguística/semiótica, pois saberes provenientes de cada uma dessas práticas
de linguagem se relacionam na compreensão e utilização de diferentes gêneros
textuais, diversificando e ampliando situações de letramento vivenciadas por
estudantes. Marcuschi (2008, p.149) confirma essa perspectiva de ensino da Língua
Portuguesa ao dizer que “[…] o trato dos gêneros diz respeito ao trato da língua em
seu cotidiano nas mais diversas formas”.

13
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Dell’Isola (2007) considera que gêneros textuais são vias de acesso ao


letramento e propõe que o ensino da língua se dê por meio de textos encontrados na
vida diária, ou seja, carregados de sentidos, levando-se em consideração a
heterogeneidade de textos existentes em nossa sociedade e a necessidade de tornar
os estudantes proficientes leitores e produtores de texto.
Assim, é importante que o professor entenda que gêneros textuais se referem
a textos específicos que são encontrados no cotidiano (poemas, cartas, e-mails,
receitas, anúncios, WhatsApp, Twitter, Instagram, vlog, podcast, trailer), enquanto os
tipos textuais dizem respeito a modos textuais (narração, exposição,
injunção/instrução, descrição, argumentação) que podem aparecer com certa
predominância ou articulados entre si na organização interna dos gêneros
(MARCUSCHI, 2008). Nesse contexto, o desenvolvimento da oralidade,
leitura/escuta, escrita/produção textual e aprofundamento de análise
linguística/semiótica e trato com a literatura se dará por meio do trabalho com gêneros
textuais que oportunizem situações em que estudantes tenham contato sistemático,
em contextos significativos, com a variedade de gêneros textuais que transitam no
meio social.
Já o ensino e a aprendizagem de Língua Estrangeira – LE, na etapa do Ensino
Fundamental, têm como propósito o desenvolvimento do educando para a construção
do exercício de sua cidadania de forma consciente, participativa e dentro de uma
perspectiva de valorização e respeito à diversidade humana. Além disso, o processo
educativo que o currículo de Língua Estrangeira propõe visa à preparação do
estudante para as relações no mundo do trabalho e em esferas acadêmicas, tendo
como base a visão de que o ensino de outras línguas contribui para o aprimoramento
pessoal, a formação ética e o desenvolvimento da autonomia intelectual e do
pensamento crítico.
Nesse contexto, e tendo em vista as abordagens contemporâneas de ensino
de línguas, as quais apontam para a necessidade da inclusão de dimensões
historicamente relegadas à marginalidade do processo em ensinos centrados no
caráter metalinguístico, o currículo de LE procura incentivar um processo de
ensino/aprendizagem com centralidade no sentido. Para isso, o trabalho a partir de
temas, o estímulo ao protagonismo estudantil e o desenvolvimento da pessoa em uma
perspectiva de educação integral são elementos de suma importância para que esse
processo se realize de forma consistente e significativa. Entretanto, o foco nesses
aspectos não implicam a exclusão de outras dimensões privilegiadas em abordagens
que mantêm a língua como centro. O redimensionamento dos elementos, implícito em
propostas contemporâneas, busca ajustes mais equilibrados, cuidado que
tradicionalmente não integra a abordagem majoritariamente instalada nos sistemas de
ensino: a gramatical. Assim, este currículo propõe indicar uma abordagem de caráter
mais comunicacional como parte das estratégias de superação das dificuldades que
ainda geram resultados indesejados no ensino de LE no Brasil.
A matriz curricular de LE apresenta, então, uma alternativa aberta e plural na
oferta linguística. No entanto, para que se efetive esta proposta na implementação do
Currículo do Ensino Fundamental, pressupõem-se outras ações do poder público:
formação continuada institucionalmente estabelecida; investimento nos diferentes

14
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

níveis formais de apoio à implementação do currículo; reestruturação de elementos


condicionantes da oferta de LE; e estímulo frequente ao compromisso profissional de
professores na experimentação de novas abordagens.
A Arte é um componente curricular, dentro da área Linguagens, capaz de
promover diálogos que extrapolam as linguagens oral e escrita, além de contribuir
para a formação integral do indivíduo por meio da dialética existente entre a
subjetividade e o repertório cultural, seja individual ou social. No ensino da Arte, o
contato do estudante com as diversas linguagens artísticas (Artes Visuais, Dança,
Música e Teatro) propicia a leitura de mundo e de sua realidade, de forma reflexiva e
crítica.
Nesse contexto, esse componente curricular permite a relação do estudante
com o contexto social por meio da experiência e do entendimento estético, articulados
à compreensão histórico-cultural, a fim de compreender a arte como fenômeno
humano. Pretende-se assim que as diversas manifestações da arte e da cultura
formem um indivíduo plural, capaz de conhecer a história construída pela
humanidade, o patrimônio do mundo e de se comunicar de forma criativa e sensível a
fim de que se fortaleça laços de identidade.
O ensino de Arte foi incluído no currículo escolar da Educação Básica a partir
da Lei de Diretrizes e Bases – LDB de 1961 (Lei 4.024/61), fortalecendo-se como
componente curricular a partir da LDB de 1996 (Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de
1996), em seu artigo 26, § 2º: “O ensino da arte constituirá componente curricular
obrigatório nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o
desenvolvimento cultural dos alunos” (BRASIL, 1996, s.p.).
Em 2016, a Lei Nº 13.278/2016 incluiu as Artes Visuais, a Dança, a Música e o
Teatro nos currículos dos diversos segmentos da Educação Básica. Desta maneira,
os sistemas de ensino deverão promover a formação de professores para implantar
esses componentes curriculares na Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio,
no prazo de cinco anos (BRASIL, 2016).
Para a organização do trabalho pedagógico nos Anos Iniciais, sugere-se uma
abordagem integrada das linguagens artísticas, por entender que o professor,
enquanto um organizador do espaço social educativo (VIGOTSKI, 2003) tem maior
flexibilidade e condições de garantir um trabalho interdisciplinar da arte com as demais
linguagens e tecnologias.
Já nos Anos Finais, os conteúdos e objetivos de aprendizagem pautam-se na
cronologia histórica aliada à apreensão espiralada das manifestações artísticas
próprias de matrizes culturais africanas, orientais e de povos originários, procurando
articular-se aos conteúdos dos demais componentes curriculares com vistas ao
trabalho interdisciplinar. Dessa forma, procura-se evitar ou reforçar visões mais
particularizadas geograficamente em movimentos artísticos, considerando que seja
abordada de maneira integrada, fundamentada e consistente. Contempla-se ainda os
diversos elementos das linguagens artísticas (Visuais, Dança, Música e Teatro),
contextualizando-os no momento histórico, em uma concepção pedagógica que
propicie a formação integral do estudante.
Em relação à Educação Física, esse componente tem como objeto de ensino
as manifestações da cultura corporal, que contribui para a formação integral do ser

15
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

humano, desde seu ingresso na escola, por meio de brinquedo, de jogo simbólico, de
movimentos gerais vivenciados mediante atividades orientadas, de iniciação das
danças, de ginásticas e de jogos pré-desportivos, entre outras atividades que, ao
oportunizar as aprendizagens, favoreçam o desenvolvimento do estudante.
O enfoque dessa abordagem é mais abrangente à medida que valoriza e
considera aspectos sócio-históricos de cada atividade trabalhada, como também o
contexto em que os estudantes estão inseridos e as aprendizagens motoras
individuais, independentemente do nível de habilidades que apresentem. Assim, é
fundamental para formulação de propostas para a Educação Física Escolar localizar
“[…] em cada uma dessas manifestações (jogo, esporte, dança, ginástica e luta) seus
benefícios fisiológicos e psicológicos e suas possibilidades de utilização de
instrumentos de comunicação, expressão, lazer e cultura (…)” (BRASIL,1997, s.p.).
Entende-se que a Educação Física trata do conhecimento produzido e
reproduzido pela sociedade a respeito do corpo e do movimento como um veículo de
expressão de sentimentos, como possibilidade de promoção, recuperação,
programação e manutenção de uma vida de qualidade.
Assim, a área de Linguagens tem o principal objetivo de possibilitar aos
estudantes a participação em práticas de linguagem diversificadas que lhes permitam
ampliar conhecimentos e capacidades expressivas em manifestações artísticas,
corporais e linguísticas, considerando o processo de constante transformação social.

Referências
ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial,
2009.
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional. Brasília, DF, dezembro, 1996. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 12/07/2018.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros
Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEMTC, 1997.
______. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília:
MEC/SEMTC, 2001.
______. Lei Nº 13.278, de 02 de maio de 2016. Altera o § 6º do art. 26 da Lei No 9.394, de
20 de dezembro de 1996. Brasília, DF, maio, 2016. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13278.htm>. Acesso em:
12/07/2018.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum
Curricular. Brasília, 2017.
DELL’ISOLA, R. Retextualização de gêneros escritos. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007.
MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo:
Parábola, 2008.
VIGOTSKI, L. S. Psicologia Pedagógica. Trad. Claudia Schilling - Porto Alegre: Artmed,
2003.

16
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

LÍNGUA PORTUGUESA

As primeiras experiências e registros de ensino da Língua Portuguesa no Brasil


foram realizados por jesuítas, que tinham como objetivo a catequização da população
indígena. Com a expulsão dos jesuítas pelo Marquês de Pombal e a instituição do
decreto de 1759, o ensino da Língua Portuguesa tornou-se obrigatório nas escolas
brasileiras, mudando “as condições de produção do saber linguístico, privilegiando-se
o estabelecimento do português como língua obrigatória” (BEREMBLUM, 2003, p. 66).
Após a Independência, e a partir da necessidade de criação de uma identidade
nacional, a escola passou a ser cenário para a consolidação da língua oficial e
homogeneização de culturas coexistentes no Brasil, e não espaço para o
reconhecimento da diversidade (LUZ, 2009).
Até meados do século XX, o ensino da Língua Portuguesa valorizava o estudo
da gramática desvinculado de textos e de situações comunicativas. A partir da
segunda metade do século, quando as discussões linguísticas lançaram novos
olhares sobre a linguagem, a Sociolinguística trouxe reflexões que repercutiram na
concepção de ensino. Nesse período, surgiram várias pesquisas que discutiam e
refletiam sobre práticas discursivas e de letramentos, valorizando o papel fundamental
da língua de promover a comunicação (LUZ, 2009). Em 1997, os Parâmetros
Curriculares Nacionais – PCN passaram a atender novas demandas curriculares
provenientes de um contexto de reestruturação política, econômica e social do país.
O ensino da língua, então, priorizou aspectos interacional e dinâmico, vinculados a
contextos de uso, isto é, as mudanças sociais, culturais e tecnológicas advindas da
era do ciberespaço passaram a requerer um cidadão aberto à diversidade cultural, à
pluralidade étnica e à convivência virtual.
Nessa perspectiva, atualmente, o ensino da Língua Portuguesa tem por
objetivo precípuo desenvolver multiletramentos, um conjunto de novas práticas de
leitura, de escrita e de análise crítica, a partir de práticas de linguagens
contemporâneas e colaborativas que fortaleçam o papel ativo do estudante,
evidenciando seu protagonismo e participação crítica. Tais práticas e linguagens
ganham sentido na medida em que reconhecem, respeitam e valorizam os indivíduos
em suas diversidades coletivas e individuais. Os multiletramentos, portanto,
funcionam, segundo Rojo e Moura (2012), pautando-se em algumas características
importantes: são interativos (colaborativos); fraturam e transgridem as relações de
poder estabelecidas; e são híbridos, fronteiriços, mestiços (de linguagens, modos,
mídias e culturas).
Assim, as práticas de linguagem: oralidade, leitura/escuta, escrita/produção
textual e análise linguística/semiótica ganham uma nova dimensão quando, dentro da
cultura digital e local, são trabalhadas de forma contextualizada a fim de assegurar
aos estudantes voz e interação significativas. A Língua Portuguesa, dessa forma

17
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

articulada, possibilita que o estudante amplie suas referências culturais, produza,


publique, curta, comente, construa novas práticas socioculturais, desenvolva
possibilidades variadas de expressão, sendo capaz de circular em diferentes esferas
de comunicação. Compreendida nessa perspectiva, ela é uma ferramenta do trabalho
integrado/interdisciplinar entre os componentes curriculares, visto que cada professor
usa a língua e a utiliza como competência linguístico-comunicativa, em que o social e
o cultural não se dissociam.
Nesse contexto, dentre as práticas de linguagem (BRASIL, 1998; BRASIL,
2017), a oralidade é uma ferramenta capaz de promover a interação e possibilitar uma
aprendizagem integral do estudante. A consciência de que a tomada da palavra é uma
das atividades mais importantes a serem desenvolvidas em sala de aula amplia as
competências comunicativas e a formação intelectual, sociocultural e crítica dentro e
fora da escola.
Em relação à leitura/escuta, para o alcance de proficiência, evidencia-se a
necessidade de ações como interpretar ideias; fazer analogias; perceber o aspecto
polissêmico da língua; construir inferências; combinar conhecimentos prévios com
informação textual; perceber intertextualidade presente em textos; fazer previsões
iniciais e alterá-las durante a leitura; refletir sobre o que foi lido, sendo capaz de tirar
conclusões e fazer julgamentos sobre ideias expostas. Nesse nível de leitura,
observados os propósitos do autor, o sujeito adentrará, letra por letra, em um mergulho
no enredo lido, permitindo-se avançar, esclarecer e validar suposições. Acredita-se,
então, que esse mesmo leitor seja capaz de processar, criticar, contradizer e avaliar
as informações que estão diante dele, aprumando o significado obtido (SOLÉ, 2003).
Assim, os PCN (2001) apresentam quatro estratégias: seleção, antecipação,
inferência e verificação ou autocorreção (BRASIL, 2001). A seleção permite ao leitor
escolher apenas conteúdos/ideias que lhe são mais relevantes, de acordo com a
necessidade do momento. Por meio da antecipação, o leitor vai formulando hipóteses
utilizando pistas fornecidas pelo próprio texto, conhecimentos prévios, informações
implícitas ou suposições, percebendo o que está por vir. Ao levantar hipóteses sobre
gênero, autor, título, vocabulário, pistas durante a leitura, o professor torna essa
estratégia consciente para seus alunos. A inferência é o ato de deduzir por raciocínio,
ou seja, captar informações implícitas no texto. Pode-se inferir sobre conteúdo,
intenções do autor ou significado de uma palavra, com base em pistas dadas pelo
próprio texto, relacionadas com conhecimentos prévios do leitor. A verificação ou
autocorreção consiste na capacidade de corrigir a si próprio. O leitor volta atrás para
ler novamente palavras ou trechos lidos, apressada e/ou descuidadamente que
ficaram sem sentido ou reformula hipóteses levantadas inicialmente, corrigindo o que
for necessário. O leitor proficiente utiliza todas as estratégias de leitura mais ou menos
simultaneamente, interagindo com o texto e construindo significados. Para isso, é
imprescindível que o professor atue como mediador na mobilização de estratégias
cognitivas de leitura que contribuirão para que estudantes leiam com propriedade e
eficiência.
Nesse aspecto, a metodologia de leitura apresentada por Bortone (2008) é um
caminho para o professor que deseja mobilizar estratégias cognitivas de leitura em
seus alunos, pois, ao realizar a leitura objetiva, aborda-se o que está explícito no texto;

18
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

na leitura inferencial, a abordagem é do que está implícito e, na avaliativa, extrapola


o texto e o estudante manifesta postura crítica, julgamentos e crenças diante das
ideias apresentadas pelo autor. Dessa forma, a leitura, na Língua Portuguesa, na
perspectiva de formação de leitor competente e literário, é vista como oportunidade
de ampliação de mundo, constituindo-se como estabelecimento de relações
dialógicas, construção de conhecimentos, apropriação de objetos e desenvolvimento
de aprendizagens.
Na aprendizagem da escrita/produção de textos orais e escritos, por sua vez,
consideram-se as condições da esfera de circulação do gênero: quem, para quem,
para quê, quando, como e o que se produz. Em relação à produção escrita e oral, é
necessário proporcionar aos estudantes, situações de escrita e uso da fala
semelhantes àquelas que acontecem fora da escola, para atender a finalidades e
diferentes interlocutores por meio de diversos textos que circulam na vida real; é
preciso ensinar usos orais e escritos da língua (MARCUSCHI, 2008). A adoção dessa
perspectiva de trabalho “[...] tem como finalidade formar escritores competentes
capazes de produzir textos coerentes e eficazes [...]” (BRASIL, 2001, p. 65), além de
propiciar situações em que estudantes exponham oralmente o que pensam, sentem,
por meio de argumentos, debates de ideias, ampliação do imaginário e construção de
textos coerentes e bem estruturados de acordo com a situação comunicativa. Ainda
para a produção escrita, é imprescindível que o estudante compreenda que o
processo de construção do texto é dinâmico e perpassa geração de ideias, seleção e
decisão sobre conteúdo e gênero, revisão e edição final com o objetivo de
aperfeiçoamento e adequação do texto ao contexto de comunicação. De fato, é o
conjunto - léxico e gramática, materializado em textos, que permite a atividade
significativa de nossas atuações verbais, isto é, falamos com palavras, com o léxico
da língua, organizado, nos textos, em combinações, em cadeias, em sequências,
conforme as regras previstas pela gramática e pela coesão e coerência textuais
(ANTUNES, 2007).
Já a análise linguística/semiótica no Ensino Fundamental compreende
reflexões sobre o uso da língua na produção de discursos, com o objetivo de promover
interação entre os sujeitos em diversas situações comunicativas, possibilitando
posicionamentos como cidadãos críticos e reflexivos. Além disso, também considera
as atividades metalinguísticas, semânticas e pragmáticas, de modo que estudantes
se apropriem de instrumentos para identificarem unidades e compreenderem relações
entre essas em um determinado contexto. Bakhtin (1981) corrobora esse pressuposto
quando afirma que a palavra é ideológica por natureza, que nenhum significado é fixo
e que não se deve estudar a língua de forma exterior ao fato social ao qual ela está
incorporada.

O locutor, na verdade, serve-se da língua para suas necessidades


enunciativas concretas (para o locutor, a construção da língua está
orientada no sentido da enunciação da fala). Trata-se, para ele, de
utilizar as formas normativas [...] num dado contexto concreto”
(BAKHTIN, 1981, p. 92).

19
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Na contemporaneidade, as práticas de linguagem envolvem gêneros e textos


cada vez mais multissemióticos e multimidiáticos, daí a necessidade de se implantar
uma cultura de práticas de leitura e escrita capaz de criar novos sentidos em que
convergem palavras, imagens, sons, movimentos, sinestesias variadas
(multimodalidade) em ambientes em constante transformação. Para Rojo e Moura
(2012), o conceito de multiletramentos aponta para dois tipos específicos e
importantes de multiplicidade presentes em nossas sociedades, principalmente
urbanas: a multiplicidade cultural das populações e a multiplicidade semiótica de
constituições dos textos por meio dos quais ela se informa e se comunica.
Dessa forma, por meio de campos de atuação como jornalístico/midiático, vida
pública, práticas de estudo e pesquisa e meio artístico literário, o professor tem a
possibilidade de desenvolver letramentos, desde aqueles com baixo nível de
hipertextualidade até os que envolvem a hipermídia. As canções, WhatsApp, Twitter,
e-mail, Instagram, fotos, vídeos, áudios, vlog, podcast, trailer e diversos outros
gêneros expandem a consciência do estudante, e assim constroem novas relações e
sentidos. A curadoria das informações (combate às fake news) é outro aspecto
importante a ser desenvolvido, pois afina o senso crítico e estabelece postura flexível
que torna o estudante capaz de rever suas opiniões.
Trazendo as especificidades das fases do Ensino Fundamental, importante
salientar que, nos Anos Iniciais, os Eixos Integradores (a Alfabetização, os
Letramentos e a Ludicidade) são elementos que possibilitam a articulação dos
objetivos e conteúdos curriculares no processo de ensino e de aprendizagem.
Segundo Emília Ferreiro e Ana Teberosky (1988) em seus estudos sobre a teoria da
psicogênese da língua escrita, a Alfabetização é um processo complexo que implica
a compreensão do estudante passar por etapas sucessivas e pela elaboração de
hipóteses para se apropriar do sistema de escrita alfabética. Portanto, cabe ressaltar
que a diversidade de hipóteses está presente em sala de aula e deve ser vista como
um aspecto importante na organização do trabalho pedagógico, contemplando a
lógica do processo de aprendizagem, em contextos significativos e com a variedade
de gêneros textuais que circulam no meio social (FERREIRO; TEBEROSKY, 1988;
FERREIRO, 2001).
Dessa forma, as práticas de linguagem em sala de aula devem estar orientadas
de modo que se promova a alfabetização na perspectiva do letramento e, como afirma
Soares (2009, 2018), que se proporcione o aprendizado da leitura e da escrita
(sistema alfabético e ortográfico) atrelado à apropriação desse sistema de escrita para
o uso competente nas práticas sociais. Também nesse sentido, conforme estudos de
Morais (2012), é imprescindível um trabalho constante com as propriedades do
Sistema de Escrita Alfabética – SEA, visando a compreensão e apropriação do mesmo
pelos estudantes, ampliando e consolidando o processo de alfabetização. Assim,
alfabetizar e letrar são ações distintas, mas, indissociáveis, possibilitando o ensino da
leitura e da escrita no contexto das práticas sociais, de modo que o sujeito se torne,
ao mesmo tempo, alfabetizado e letrado.
Nesse sentido, espera-se que, ao finalizar o primeiro ano, o estudante leia e
escreva um pequeno texto com compreensão e encadeamento de ideias, a partir de
contexto significativo, sem exigências das complexidades ortográficas. Esse processo

20
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

de alfabetização, iniciado no 1º ano, deve ser ampliado e consolidado para que, ao


final do 1º Bloco (1º ao 3º ano), o estudante seja capaz de usar a leitura e escrita
eficientemente em situações comunicativas da vida em sociedade, na perspectiva do
letramento e da ludicidade. Em continuidade ao processo de aprendizagem, ao
estudante do 2º Bloco (4º e 5º anos), devem ser oportunizadas situações de
letramento que retomem, aprofundem e ampliem conteúdos num desenvolvimento em
espiral do currículo; aumentando a competência comunicativa para expressar-se de
forma adequada nas diversas situações e práticas sociais, de modo a “[...] resolver
problemas da vida cotidiana, ter acesso aos bens culturais e alcançar participação
plena no mundo letrado” (BRASIL, 2001). Além disso, o alcance dos objetivos de
aprendizagem propostos para os anos iniciais do Ensino Fundamental precisa ocorrer
à medida que conhecimentos da língua sejam desenvolvidos de forma transversal, ou
seja, perpassem o desenvolvimento dos demais componentes curriculares,
contribuindo para a construção global e dialógica de conhecimentos.
Considerando os Eixos Integradores dos Anos Finais do Ensino Fundamental -
Letramentos e Ludicidade, ressalta-se que a continuidade do ensino de Língua
Portuguesa no processo de escolarização deve propiciar a ampliação da competência
comunicativa dos estudantes, qualificando sua participação social, por meio de textos
concretizados nos mais variados gêneros e suportes que circulam na sociedade.
Necessário destacar ainda que o trabalho com o eixo Ludicidade não se restringe ao
jogo e à brincadeira, mas pressupõe pensar e incluir atividades que possibilitem
momentos de prazer, entrega e integração dos envolvidos. Segundo Luckesi (2000),
essas atividades são aquelas que propiciam uma experiência de plenitude, em que o
estudante se envolve por inteiro, estando flexível e saudável.
Portanto, o processo de ensino e aprendizagem da Língua Portuguesa implica
considerar as práticas de linguagem como eventos de letramento que possibilitam a
progressão das aprendizagens no desenvolvimento da competência discursiva, em
seu domínio da língua padrão nas modalidades oral e escrita, respeitando, assim, as
diferenças dos diversos contextos e situações de práticas sociais.

Referências
ANTUNES, M. I. C. M. Muito além da gramática: por um ensino de gramática sem pedra no
caminho. São Paulo: Ed. Parábola, 2007.
BAKHTIN, M (VOLOCHINOV). Marxismo e Filosofia da Linguagem. 2. ed. São Paulo:
Hucitec, 1981.
BEREMBLUM, A. A invenção da palavra oficial: identidade, língua nacional e escola em
tempos de globalização. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.
BORTONE, M. E. Competência textual: a leitura. Brasília: Editora UnB, 2008.
BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília:
MEC/SEMTC, 1998.
______. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF,
2001.

21
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional


Curricular Comum. Brasília, 2017.
FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Madrid: Artes Médicas,
1988.
FERREIRO, E. Reflexões sobre Alfabetização. São Paulo: Cortez, 2001.
LUCKESI, C. C. Educação, ludicidade e prevenção das neuroses futuras: uma proposta
pedagógica a partir da Biossíntese. In: LUCKESI, C. C (org.). Ludopedagogia – Ensaios 1:
Educação e Ludicidade. Salvador: Gepel, 2000.
LUZ, A. R. A língua portuguesa na escola: revendo construções históricas para “transver”
a ação docente e as práticas de leitura e escrita. Campinas: UNICAMP, 2009.
(Comunicação oral).
MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo:
Parábola, 2008.
MORAIS, A. G. de. Sistema de Escrita Alfabética. São Paulo: Melhoramentos, 2012.
ROJO, R.; MOURA, E. (Org.). Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola editorial,
2012.
SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Editora Autêntica,
2009.
__________. Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2018.
SOLÉ, I. Ler, leitura, compreensão: “sempre falamos da mesma coisa?”. Porto Alegre:
Artmed, 2003.

22
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – LÍNGUA PORTUGUESA
2º CICLO – 1º BLOCO

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Oralidade Oralidade Oralidade Oralidade Oralidade Oralidade


• Identificar os diversos • Diversos falares • Reconhecer os • Modos de falar: • Corresponder os • Modos de falar:
falares regionais regionais – diferenças diversos falares regionalismo, sotaque diversos falares regionalismo, sotaque

LÍNGUA PORTUGUESA
relacionando-os a e semelhanças de regionais adequando- adequação linguística à regionais adequando- adequação linguística à
aspectos culturais sentidos de palavras e os a situações situação comunicativa os a situações situação comunicativa

LINGUAGENS
evidenciados em expressões ligadas a comunicativas. comunicativas.
• Relatos orais de • Relatos orais de
diversos gêneros aspectos culturais
• Identificar a função de acontecimentos do • Compreender a função acontecimentos do
textuais.
• Relatos orais de determinadas palavras: cotidiano de determinadas cotidiano
• Apreciar a função de acontecimentos do verbos (como ação) e palavras: verbos (como
• Entrevistas, relatos de • Entrevistas, relatos de
determinadas palavras: cotidiano adjetivos, em contextos ação) e adjetivos, em
curiosidades e curiosidades e
verbos (como ação) e de uso oral. contextos de uso oral.
• Entrevistas, relatos de reportagens reportagens
adjetivos, em contextos
curiosidades e • Reconhecer • Participar de situações
de uso oral. • Descrição oral (sala de • Descrição oral (sala de
reportagens características da de produção oral de
conversação
aula, pessoas, imagens aula, pessoas, imagens
• Identificar diferentes gêneros:
• Descrição oral (sala de espontânea presencial, etc.) etc.)
características da debate, entrevista,
aula, pessoas, imagens respeitando os turnos
conversação • Recados orais, opinião exposição, relatos de • Recados orais, opinião
etc.) de fala, selecionando e
espontânea presencial, e comentário, experiências para e comentário,
respeitando os turnos • Recados orais utilizando, durante a declamação, cordel desenvolver as declamação, cordel
conversação, formas
de fala, selecionando e habilidades de
• Recursos de tratamento • Recursos • Recursos
utilizando, durante a argumentar, relatar,
paralinguísticos adequadas, de acordo paralinguísticos paralinguísticos
conversação, formas expor, narrar e
(gestos, tonalidade da com a situação e a (gestos, tonalidade da (gestos, tonalidade da
de tratamento descrever.
voz e expressão facial), posição do interlocutor. voz e expressão facial), voz e expressão facial),
adequadas, de acordo
23
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
24

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


com a situação e a de acordo com o • Descrever contos de de acordo com o • Corresponder de acordo com o
posição do interlocutor. objetivo do ato de fadas, lendas que objetivo do ato de características da objetivo do ato de
interlocução conhece e textos que interlocução conversação interlocução
• Recontar contos de
se sabe de memória. espontânea presencial,
fadas, lendas que • Roda de conversa: • Roda de conversa: • Roda de conversa:
respeitando os turnos
conhece e textos que regra para escuta • Reconhecer e produzir, regra para escuta regra para escuta
de fala, selecionando e
se sabe de memória. atenta, fala e em colaboração com atenta, fala e atenta, fala e
utilizando, durante a
manutenção do tema os colegas e o manutenção do tema manutenção do tema
• Identificar e produzir, conversação, formas
professor, diversos
em colaboração com • Escuta, leitura, reconto • Relatos espontâneos de tratamento • Relatos espontâneos
gêneros do campo
os colegas e o oral: cantiga de roda, de acontecimentos, adequadas, de acordo de acontecimentos,
investigativo, que
professor, diversos música com histórias vividas com a situação e a histórias vividas
possam ser

LÍNGUA PORTUGUESA
gêneros do campo movimento, parlenda, biografias e posição do interlocutor. biografias e
repassados oralmente
investigativo, que trava-língua, autobiografias autobiografias

LINGUAGENS
por meio de • Reconstruir contos de
possam ser lengalenga,
ferramentas digitais, • Escuta, leitura, reconto fadas, lendas que • Debates: espontâneo e
repassados oralmente adivinhações, piada,
áudio e vídeo, oral: cantiga de roda, conhece e textos que planejado (escuta e
por meio de quadrinhas, poemas,
considerando a música com se sabe de memória. argumentos)
ferramentas digitais, contos de fadas e
situação comunicativa movimento, parlenda,
áudio e vídeo, lendas, contação de • Planejar e produzir, em • Apresentação de
e o tema / assunto / trava-língua,
considerando a histórias colaboração com os trabalhos, exposições e
finalidade do texto. lengalenga,
situação comunicativa colegas e o professor, palestras
• Entrevistas, relatos de adivinhações, piada,
e o tema / assunto / diversos gêneros do
curiosidades e quadrinhas, poemas, • Escuta, leitura, reconto
finalidade do texto. campo investigativo, que
reportagens contos de fadas e oral: cantiga de roda,
possam ser repassados
lendas, contação de música com
oralmente por meio de
histórias movimento, parlenda,
ferramentas digitais,
trava-língua,
• Entrevistas, relatos de áudio e vídeo,
lengalenga,
curiosidades, relatos de considerando a situação
adivinhações, piada,
experimentos, registros comunicativa e o
quadrinhas, poemas,
e observação e tema/assunto/finalidade
contos de fadas e
reportagens do texto.
lendas, contação de
histórias
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Entrevistas, relatos de
curiosidades, relatos de
experimentos, registros
e observação e
reportagens
• Planejamento e
produção de textos
orais: telejornal,
notícias, textos de
campanhas
publicitárias

LÍNGUA PORTUGUESA
LINGUAGENS
Leitura e escuta Leitura e escuta Leitura e escuta Leitura e escuta Leitura e escuta Leitura e escuta
• Identificar diferentes • Texto: verbal (escrita), • Relacionar as • Texto: verbal (escrita), • Corresponder as • Texto: verbal (escrita),
linguagens (verbal e não verbal (imagem) e linguagens verbal e não verbal (imagem) e linguagens verbal e não verbal (imagem) e
não verbal) presentes multimodal (escrita e não verbal presentes multimodal (escrita e não verbal presentes multimodal (escrita e
em gêneros textuais. imagem), em diversos gêneros imagem), em diversos gêneros imagem),
concretizados em textuais para concretizados em textuais para concretizados em
• Reconhecer que textos
diversos gêneros, em construção de sentido diversos gêneros, em construção de sentido diversos gêneros, em
são lidos e escritos da
diferentes suportes e compreensão do diferentes suportes e compreensão do diferentes suportes
esquerda para a direita
tema/assunto. tema/assunto.
e de cima para baixo • Nome próprio e de • Leitura e escuta de • Leitura e escuta de
da página. colegas: leitura e • Ler e interpretar, em listas diversas de • Ler e interpretar com listas diversas de
escuta colaboração com os acordo com alguns autonomia, textos em acordo com alguns
• Perceber o assunto
colegas e o professor, critérios: ordem diversos gêneros, critérios: ordem
principal de textos • Leitura e escuta de listas
textos em diversos alfabética, contexto mobilizando e alfabética, contexto
lidos, com autonomia diversas de acordo com
gêneros, mobilizando e semântico combinando semântico
ou por outros leitores. alguns critérios: ordem
combinando estratégias de
alfabética, contexto • Rótulos, embalagens, • Rótulos, embalagens,
• Verificar (confirmando estratégias de antecipação,
semântico, entre outros logomarcas e slogans: logomarcas e slogans:
ou não) hipóteses antecipação, inferência, inferência, seleção e
leitura apoiada em leitura apoiada em
levantadas, facilitando seleção e verificação verificação para
25
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
26

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


a compreensão do • Rótulos, embalagens, para compreensão do imagens e em textos compreensão do texto imagens e em textos
texto lido. logomarcas e slogans: texto lido. (quantidade, forma, lido. (quantidade, forma,
leitura apoiada em disposição gráfica, disposição gráfica,
• Compreender as • Compreender o • Compreender e
imagens e em textos prováveis prováveis
finalidades de textos assunto principal de desenvolver o assunto
(quantidade, forma, interlocutores) interlocutores)
lidos e produzidos textos lidos, com principal de textos
disposição gráfica,
oralmente e por escrito. autonomia ou por • Histórias em lidos, com autonomia • Histórias em
prováveis quadrinhos: exploração
outros leitores. quadrinhos: exploração ou por outros leitores.
• Selecionar informações interlocutores) de inferências e
de inferências e
necessárias para • Verificar (confirmando • Retomar e relacionar previsões a partir da
• Leitura, declamação, previsões a partir da
compreensão do texto ou não) hipóteses informações explícitas sequência de imagens
brincadeiras e sequência de imagens
de acordo com o levantadas, facilitando e implícitas para a
produção

LÍNGUA PORTUGUESA
objetivo da leitura. a compreensão do • Leitura, em compreensão de textos • Leitura com autonomia:
texto lido. colaboração com os lidos. agendas, avisos,
• Leitura, em

LINGUAGENS
• Relacionar os assuntos calendários, bilhetes,
colaboração com os colegas e com a ajuda
de textos lidos a • Relacionar os assuntos • Compreender as convites, receitas,
colegas e com a ajuda do professor ou já com
conhecimentos prévios, de textos lidos a finalidades de textos instruções de
do professor ou já com certa autonomia:
construindo conhecimentos prévios, lidos e produzidos montagem, notícias,
certa autonomia: agendas, avisos,
significados. construindo oralmente e por escrito, anúncios, dentre outros
agendas, avisos, calendários, bilhetes,
significados. de acordo com o gêneros usados no
• Perceber, com a calendários, bilhetes, convites, receitas, cotidiano, de acordo
conteúdo de
mediação do professor convites, receitas, • Antecipar conteúdos instruções de com o contexto de uso,
uso/circulação.
a intertextualidade instruções de (levantamento de montagem, notícias, sua forma e finalidade
presente em textos. montagem, notícias, hipóteses durante a anúncios, dentre • Relacionar os assuntos
anúncios, dentre outros leitura, feita por outros outros gêneros usados de textos lidos a • Níveis de compreensão
• Antecipar conteúdos da leitura: objetiva,
gêneros usados no leitores ou com no cotidiano, de conhecimentos prévios
(levantamento de inferencial e avaliativa
cotidiano, de acordo autonomia. acordo com o contexto construindo
hipóteses) durante a
com o contexto de uso, de uso, sua forma e significados. • Ilustração (desenhos
leitura, feita por outros • Selecionar informações
sua forma e finalidade finalidade ou colagem) de
leitores ou com necessárias para • Identificar as
autonomia. • Níveis de compreensão compreensão do texto • Níveis de compreensão características poemas, músicas,
da leitura: objetiva, de acordo com o da leitura: objetiva, composicionais de contos de fadas, como
• Antecipar e inferir forma de interpretação
inferencial e avaliativa objetivo da leitura. inferencial e avaliativa gêneros textuais,
assuntos de textos a do tema abordado
Reconto de histórias relacionando-as ao
serem lidos em função
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


de seu suporte, gênero • Reconto de histórias • Antecipar ou inferir por meio da oralidade, assunto e ao contexto • Anúncios publicitários e
e contextualização. por meio da oralidade, assuntos de textos a escrita e desenho de uso. propagandas –
escrita e desenho serem lidos em função levantamento de
• Fazer inferências para • Poema (versos e • Estabelecer relações
de seu suporte, gênero hipótese sobre
perceber informações • Poema (versos e estrofes) e textos em de intertextualidade
e contextualização. produtos, informações
implícitas no texto. estrofes) e textos em prosa – diferenças entre textos lidos e
explícitas e implícitas,
prosa – diferenças • Estabelecer, com a entre as estruturas produzidos oralmente e
• Retomar informações finalidade e construção
entre as estruturas mediação do professor, por escrito.
explícitas e implícitas • Ilustração (desenhos) de senso crítico sobre
a intertextualidade
de textos lidos, por • Ilustração (desenhos) de poemas, músicas, • Vivenciar por meio da o conteúdo
presente em textos
meio de perguntas de poemas, músicas, contos de fadas, como literatura o exercício da apresentado
lidos e produzidos
mediadas pelo contos de fadas, como forma de interpretação fantasia e da
oralmente ou por • Conto folclórico, lendas

LÍNGUA PORTUGUESA
professor. forma de interpretação do tema abordado imaginação.
escrito. e conto acumulativo:
do tema abordado

LINGUAGENS
• Ilustrar histórias • Criação de histórias por • Perceber variações escuta da conotação e
• Formular inferências
clássicas da Literatura • Criação de histórias por meio de desenhos entre o imaginário e o comparação com a
para perceber
Infantil. meio de desenhos mundo real por meio de leitura do texto escrito
informações implícitas • Escuta e manuseio de
textos literários. (exploração de contos
• Apreciar a literatura em • Escuta e manuseio de no texto lido. livros e obras infantis
indígenas e africanos)
sua diversidade a fim livros e obras infantis • Desenvolver o gosto
• Retomar informações • Enunciados de tarefas
de aprender a ler com pela leitura e pelas • Fábulas: leitura,
• Enunciados de tarefas explícitas e implícitas escolares,
prazer e aprimorar-se artes por meio da apreciação e análise
escolares, de textos lidos. curiosidades, pequenos
como leitor e escritor literatura.
curiosidades, pequenos relatos de • Escuta e manuseio de
proficiente. • Experimentar a
relatos de experimentos, • Reconhecer alguns livros e obras infantis
literatura em sua
• Lidar com textos experimentos, entrevistas, verbetes tipos textuais
diversidade a fim de • Enunciados de tarefas
variados para descobrir entrevistas, verbetes de dicionários infantis (narração, descrição,
aprender a ler com escolares,
a diversidade estética de dicionários infantis argumentação,
prazer e aprimorar-se • Leitura de imagens, curiosidades, relatos de
presente na literatura exposição) que possam
• Cantiga de roda, como leitor e escritor gráficos, tabelas, experimentos,
infantil. aparecer no texto
parlenda, trava-língua, proficiente. desenhos: levantamento entrevistas, verbetes
literário.
• Identificar a função lengalenga, de hipóteses, discussão de dicionários infantis
• Reconhecer a
social de textos que adivinhação, piada, coletiva e construção de • Compreender a
especificidade do texto • Leitura de imagens,
circulam em campos da quadrinhas, poema sentidos especificidade do texto
literário; lidar com seus gráficos, tabelas,
vida social dos quais literário e lidar com
27
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
28

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


participa • Relação imagem-texto: elementos estéticos e • Obras infantis de seus elementos desenhos:
cotidianamente e nas leitura de narrativas discursivos. autoria (Monteiro estéticos e discursivos. levantamento de
mídias impressa, de somente com imagens Lobato, Irmãos Grimm, hipóteses, discussão
• Reconhecer a • Compreender a
massa e digital, Perrault, Esopo, La coletiva e construção
• Estudo de personagens especificidade da especificidade da
reconhecendo para que Fontaine, Câmara de sentidos
clássicos da literatura autoria, a relação autoria, a relação
foram produzidos, onde Cascudo e outros):
brasileira: diferença da intrínseca entre autor e intrínseca entre autor e • Obras infantis de
circulam, quem os leitura e manejo de
obra literária, de obra. obra. autores
produziu e a quem se suporte, escolhas,
adaptações feitas pela contemporâneos:
destinam. • Compreender e discussão e • Perceber que os textos
criança escuta, leitura e
valorizar obras comentários sobre a literários mobilizam
manejo de suporte
• Literatura e cinema: decorrentes da cultura autoria desejos humanos,
(Exemplo: Ana Maria

LÍNGUA PORTUGUESA
diferença entre o filme popular em publicações inclusive o desejo de
• Obras escritas que Machado, Ruth Rocha
e o livro, realçando a antigas e atuais. expressar-se.

LINGUAGENS
contenham coletâneas e Ziraldo)
autoria
• Relacionar a função de origem oral, • Comparar diversas
• Poesias de autoria:
• Jornal, campanhas e social de textos que parlendários, versões, tanto escritas
diferenciação da poesia
anúncios publicitários, circulam em campos da coletâneas de quanto
de autoria e textos
cartazes de vida social dos quais adivinhações, cantigas, cinematográficas de
anônimos (parlendas e
conscientização, participa outros diversos contos de fada
outros); exploração da
notícias, folhetos, cotidianamente e nas e histórias infantis.
• Leitura e manejo de rima e da musicalidade
textos digitais mídias impressa, de
suporte, relações e • Compreender a
massa e digital, • Contos infantis e
comparações como as função social de
reconhecendo para que fábulas: leitura, análise
que as crianças trazem textos que circulam
foram produzidos, onde da estrutura,
em memória; em campos da vida
circulam, quem os enfatizando elementos
elaboração de uma social dos quais
produziu e a quem se da narrativa, uso do
coletânea participa
destinam. léxico literário,
cotidianamente e nas
• Contos infantis e comparações entre
mídias impressa, de
fábulas: leitura, análise textos
massa e digital,
da estrutura,
reconhecendo para • Biografia e obra de
enfatizando elementos
que foram produzidos, autores
da narrativa, uso do
onde circulam, quem
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


léxico literário, os produziu e a quem contemporâneos
comparações entre se destinam.
• Literatura e cinema:
textos
autoria e
• Poesias de autores características
contemporâneos: principais
biografia e obra
• Jornal, campanhas e
• Literatura e cinema: anúncios publicitários,
diferença entre o filme cartazes de
e o livro, realçando a conscientização,
autoria notícias, folhetos,

LÍNGUA PORTUGUESA
textos digitais
• Jornal, campanhas e

LINGUAGENS
anúncios publicitários,
cartazes de
conscientização,
notícias, folhetos,
textos digitais

Escrita/produção de Escrita/produção de Escrita/produção de Escrita/produção de Escrita/produção de Escrita/produção de


texto texto texto texto texto texto

• Participar de situações • Escrita do nome • Experimentar situações • Noção de espaço • Desenvolver situações • Comparação e
de produção oral e próprio e de colegas de produção oral e movimento e direção de produção oral e diferenciação de
escrita de textos em escrita de textos em em produções escritas escrita de textos em diversos gêneros
• Noção de espaço
diferentes gêneros. diferentes gêneros. diferentes gêneros. textuais quanto a
movimento e direção • Produção textual por
aspectos
• Identificar as em produções • Reconhecer as meio de diversos • Compreender as
composicionais
finalidades de textos escritas finalidades de textos gêneros, finalidades de textos
lidos e produzidos lidos e produzidos preferencialmente em lidos e produzidos • Elementos que
• Escrita de listas
oralmente e por escrito. oralmente e por escrito. situações reais de uso oralmente e por escrito. compõem a
diversas de acordo
apresentação de
com alguns critérios:
diversos gêneros e seu
29
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
30

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Escrever um pequeno ordem alfabética, • Escrever um texto com • Diferenças entre • Produzir textos escritos contexto de produção
texto com contexto semântico compreensão, estrutura de poemas com autonomia – (autor, interlocutor,
compreensão, encadeamento de (versos e estrofes) de coletiva e situação de interação,
• Produção textual por
encadeamento de ideias e autonomia, a textos em prosa individualmente – nos finalidade, suporte e
meio de diversos
ideias e autonomia, a partir de assunto mais variados gêneros, circulação)
gêneros, • Gêneros que
partir de assunto significativo e considerando:
preferencialmente em apresentam • Produção textual por
significativo e contextualizado. planejamento, revisão
situações reais de uso instrução/injunção em meio de diversos
contextualizado. e reescrita de textos
• Produzir textos escritos sua organização gêneros,
• Produção oral e escrita produzidos.
• Conhecer e manusear – coletiva e interna: receitas, regras preferencialmente em
de gêneros que
diferentes suportes individualmente; com de jogos, manuais – • Manusear, diferenciar e situações reais de uso
apresentam a narrativa
textuais. ou sem auxílio de um leitura, compreensão e nomear diferentes

LÍNGUA PORTUGUESA
em sua organização • Poesias/Poemas:
escriba - nos mais produção suportes textuais.
• Vivenciar textos interna: contos infantis, leitura, compreensão,

LINGUAGENS
variados gêneros,
variados para descobrir lendas, fábulas • Cartas, bilhetes, • Analisar textos escrita e declamação
considerando:
a diversidade estética convites, cartão postal variados para descobrir
• Elementos que planejamento, revisão • Reescrita de poemas
presente na literatura e outros – estudo de a diversidade estética
compõem a narrativa e reescrita dos textos em prosa e vice-versa
infantil. gênero e produção de presente na literatura
(presente em diversos produzidos.
acordo com o contexto infantil. • Reconto e reescrita de
gêneros): personagens
• Manusear, identificar e de uso histórias a partir de
(quem?), lugar/espaço • Compreender e utilizar
diferenciar suportes outro ponto de vista
(onde?) e ações (o • Cartazes educativos – a organização de ideias
textuais. (Exemplo:
quê?) produção de acordo em parágrafos na
Chapeuzinho Vermelho
• Reconhecer as com o assunto produção de textos
• Manuseio de suportes na versão do Lobo)
finalidades de textos trabalhado escritos em prosa em
textuais: livros,
lidos e produzidos diferentes gêneros. • Reconto e reescrita de
revistas, jornal, gibi, • Reportagens (temas
oralmente e por escrito. histórias acrescentando
folhetos, folder, significativos) – leitura, • Escrever, revisar e
ou mudando
encartes, cartazes, • Lidar com textos compreensão, reescrever textos em
personagens ou uma
cartão, panfletos variados para descobrir identificação e escrita diferentes gêneros
parte (início, final, título
a diversidade estética de manchetes considerando um ou
• Exploração estética etc.)
presente na literatura mais aspectos de cada
(ritmo, rima, estrofe e • Anúncios publicitários –
infantil. vez: coerência, coesão, • Gêneros que
silhueta) de gêneros da levantamento de
pontuação, apresentam a
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


tradição oral: • Compreender a hipóteses sobre translineação, instrução/injunção na
parlendas, cantigas, organização de ideias produtos, informações concordância nominal e sua organização
música popular, outros em parágrafos em explícitas, finalidade e verbal, adjetivação, interna: receitas, regras
produção de textos construção de senso pronomes pessoais. de jogos, manuais –
• Elementos que
escritos em prosa em crítico sobre as leitura, compreensão e
compõem a estrutura e
diferentes gêneros. informações produção
a escrita de diversos
apresentadas
gêneros e seu contexto • Escrever, revisar e • Cartas, bilhetes,
de produção reescrever textos, (com • Produção oral e escrita convites, cartão postal
(características o auxílio do professor) de gêneros que e outros – estudo de
composicionais, autor, em diferentes gêneros, apresentam a narrativa gênero e produção de
interlocutor, situação considerando um ou em sua organização acordo com o contexto

LÍNGUA PORTUGUESA
de interação, mais aspectos de cada interna: conto popular, de uso

LINGUAGENS
finalidade, suporte, vez: coerência, coesão, conto folclórico, conto
• Cartazes educativos –
circulação) pontuação, de fadas, lendas,
produção de acordo
translineação, fábulas, entre outros
com o assunto
concordância nominal e
• Características físicas trabalhado
verbal, adjetivação,
do personagem
pronomes pessoais. • Reportagens (temas
principal e do lugar,
significativos) – leitura,
sequência de ações
compreensão,
(começo, meio e fim)
identificação e escrita
de narrativas presentes
de manchetes
em diversos gêneros
textuais • Verbetes de dicionário,
textos explicativos (de
• Recontos e reescrita de
livros didáticos ou não),
histórias mudando o
artigos de divulgação
início, o final ou outra
científica, entre outros
parte
• Produção oral e escrita
• Pontuação –
de gêneros que
observação no texto
apresentam a narrativa
para compreensão do
31
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
32

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


sentido produzido: em sua organização
exclamação (!), ponto interna: conto popular,
de interrogação (?) e conto folclórico, conto
ponto final (.) de fadas, lendas,
fábulas, entre outros
• Manuseio e
Identificação de • Diferenciação entre a
suportes/portadores: fala de personagens e
livros, revistas, jornal, do narrador
gibi, folhetos, folder,
• Identificação do foco
encartes, faixas,
narrativo: personagem
placas, cartazes,

LÍNGUA PORTUGUESA
(1ª pessoa) ou narrador
cartão, panfletos,
que não participa da

LINGUAGENS
outros
história (3ª pessoa)
• Escolha de
• Características físicas
suporte/portador mais
e psicológicas
apropriado para
(corajoso, medroso,
publicação do gênero
apaixonado etc.) do
produzido: mural, jornal
personagem principal
da escola, caderno,
das narrativas
livro, outros
• Personagens
• Adjetivação (sem
secundários, tempo
nomenclatura) por meio
(quando),
de jogos e
caracterização de lugar
brincadeiras, contextos
(onde) das narrativas
de leitura e escrita
• Sequência de ações
• Concordância nominal
(enredo) de narrativas
para aperfeiçoamento
presentes em gêneros
de textos: gênero e
textuais
número
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Concordância verbal • Cantiga de roda,
para aperfeiçoamento música com
de textos: sujeito e movimento, parlenda,
verbo trava-língua,
lengalenga,
• Verbos - apenas para
adivinhação, piada,
perceber e nomear
quadrinhas, poemas –
ações na leitura e
escuta, memorização,
escrita de textos
leitura, reconto oral e
• Cantiga de roda, produção
música com
• Manuseio, identificação

LÍNGUA PORTUGUESA
movimento, parlenda,
e escolha de suportes
trava-língua,

LINGUAGENS
de acordo com o
lengalenga,
gênero e seu contexto
adivinhação, piada,
de circulação: livros,
quadrinhas, poemas –
revistas, jornal, gibi,
escuta, memorização,
folhetos, folder,
leitura, reconto oral e
encartes, faixas,
produção escrita
placas, cartazes,
• Pronome pessoal cartão, panfletos,
(elemento de coesão) mural, jornal da escola,
para evitar repetições caderno, livro, outros
de nomes em
• Parágrafo – para
produções textuais
organizar ideias no
texto
• Pontuação – uso no
texto para produzir
sentido: exclamação
(!), ponto de
interrogação (?),
33
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
34

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


ponto final (.) e
underline (_)
• Concordância nominal
para aperfeiçoamento
de textos: gênero e
número
• Concordância verbal
para aperfeiçoamento
de textos: sujeito e
verbo

LÍNGUA PORTUGUESA
• Adjetivação (atribuição

LINGUAGENS
de qualidade /
características) por
meio de jogos,
brincadeiras, contextos
de leitura e escrita
• Pronome pessoal
(elemento de coesão)
para evitar repetições
de nomes em
produções textuais
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Análise Análise Análise Análise Análise Análise


linguística/semiótica linguística/semiótica linguística/semiótica linguística/semiótica linguística/semiótica linguística/semiótica
• Diferenciar as unidades • Símbolos: identificação • Nomear e utilizar • Alfabeto: topologia das • Conhecer, nomear, • Alfabeto: topologia de
linguísticas: letras, e diferenciação (letras, diferentes tipos de letras, tipos de letras ordenar e utilizar os letras, tipos de letras
palavras, textos, números, figuras etc.) letras. (maiúsculo e tipos de letras. (maiúsculo e
números e outros minúsculo), ordem minúsculo), ordem
• Alfabeto: topologia de • Utilizar a consciência • Identificar na leitura e
símbolos. alfabética, identificação alfabética, identificação
letras, tipos de letras fonológica para usar na escrita de textos
de consoantes e vogais de consoantes e vogais
• Conhecer o alfabeto, (maiúsculo e relacionar fonemas e em diferentes gêneros, a
perceber a função das minúsculo), ordem grafemas na leitura e • Relação de palavras letra maiúscula e • Exploração de sons
minúscula de acordo

LÍNGUA PORTUGUESA
letras e reconhecer os alfabética, identificação na escrita. com imagens iniciais (aliteração) ou
diferentes tipos. de consoantes e vogais com as convenções. finais (rimas) das

LINGUAGENS
• Compreender que as • Exploração de sons
• Compreender e criar palavras
• Desenvolver a • Letras iniciais de palavras são iniciais (aliteração) ou
consciência fonológica palavras significativas – compostas por sílabas finais (rimas) das rimas e aliterações em • Relação entre grafema
para relacionar percepção do som registrando cada uma palavras diferentes gêneros. (letra) e fonema (som)
fonemas e grafemas na delas. • Relacionar fonemas e – na leitura e escrita
• Relação de letras, • Segmentação (divisão)
leitura e na escrita. grafemas na leitura e
palavras e imagens • Compreender que oral da palavra em • Estruturas silábicas:
• Perceber que todas as todas as sílabas são sílabas na escrita. CV, VC, CCV, CVC,
• Análise de palavras
sílabas são constituídas por • Compreender as CVV, V, CCVCC,
significativas quanto a • Identificação do som da
constituídas por unidades menores e diferentes estruturas CVCC e outras
número de letras, sílaba na palavra
unidades menores e pelo menos por uma silábicas, para ler e
sílabas orais, letras • Correspondências
pelo menos por uma vogal. • Relação entre grafema escrever palavras e
inicial e final regulares diretas entre
vogal. (letra) e fonema (som) textos.
• Identificar e criar rimas letras e fonemas em: P,
• Estruturas silábicas: – na leitura e na escrita
• Identificar rimas e e aliterações em • Compreender e fazer B, T, D, F, V
CV, VC, CCV, CVC, de palavras e textos
aliterações em diferentes gêneros. uso de letras que têm
CVV, V, CCVCC, • Oposição surda/sonora
diferentes gêneros. • Correspondências mais de um som e de
CVCC e outras (diferenças sonoras)
regulares diretas entre certos sons que podem
• Perceber as diferentes entre: p/b; t/d; f/v
• Classificação de letras e fonemas: P, B, ser grafados por mais
estruturas silábicas,
palavras que começam T, D, F, V de uma letra.
para ler e escrever
35
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
36

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


palavras e pequenos e terminam com a • Reconhecer as • Oposição surda/sonora • Ler e escrever palavras • Correspondências
textos. mesma letra diferentes estruturas (diferenças sonoras) e textos utilizando regulares contextuais
silábicas, para ler e entre: p/b; t/d; f/v diversas estruturas entre letras ou grupo
• Conhecer fonemas que • Exploração de sons
escrever palavras e silábicas. de letras e seus sons:
em nossa língua são iniciais (aliteração) ou • Estruturas silábicas:
textos.
grafados apenas por finais (rimas) das CV, VC, CCV, CVC, • Analisar na leitura e o C/QU (cadela/quilo)
uma letra (P, B, T, D, F, palavras • Reconhecer fonemas CVV, V, CCVCC, CVCC empregar na produção o G/GU (garoto/ guerra)
V). que em nossa língua e outras textual a segmentação
• Segmentação (divisão) o J (com as vogais a, o, u)
são grafados apenas adequada das
• Identificar a função de oral da palavra em • Correspondências o E ou I (perde, perdi)
por uma letra (P, B, T, palavras.
determinadas palavras: sílabas regulares contextuais
D, F, V). o O ou U (bambu, bambo)
verbos (como ação) e entre letra ou grupo de • Identificar palavras
• Identificação do som da o Z em início de palavra

LÍNGUA PORTUGUESA
adjetivos, em contextos • Identificar e fazer uso letras e seus sons: diferentes com sentidos
sílaba na palavra (zebra, zangado)
de uso oral. de letras que têm mais semelhantes

LINGUAGENS
o C/QU (cadela/quilo) o Uso do R/RR: r (rua,
• Relação entre grafema de um som e que (sinônimos).
o G/GU (garoto/ guerra) barata, honra, porta), rr
(letra) e fonema (som) - certos sons podem ser (carro)
o J (com as vogais a, o,
• Identificar palavras
na leitura e escrita de grafados por mais de
u) semelhantes com o Uso do S/SS em
palavras e textos uma letra. palavras com som de S:
o E ou I (perde, perdi)
significado diferente
s (sapo), ss (pássaro)
• Correspondências • Ler e escrever palavras (homônimas).
o O ou U (bambu, bambo) o Modos de nasalação -
regulares diretas entre e textos utilizando
M e N no final da sílaba
letras e fonemas: P, B, diversas estruturas o Z em início de palavra
(bombom, ponte); NH
(zebra, zangado)
T, D, F, V silábicas. (galinha); usando o til
o Uso do R/RR: r (rua, (maçã, anão)
• Oposição surda/sonora • Analisar na leitura e barata, honra, porta), rr
o Contiguidade (cama,
(diferenças sonoras) empregar na produção (carro)
dama)
entre: p/b; t/d; f/v textual a segmentação o Uso do S/SS em
adequada das palavras com som de S: • Alguns casos de
• Palavras novas a partir s (sapo), ss (pássaro) irregularidade (que
palavras.
de outras, trocando dependem da consulta
o Modos de nasalação -
letras e sílabas M e N no final da sílaba e memorização):
(PATO/MATO, (bombom, ponte); NH
(galinha); usando o til o Uso do X ou CH (xícara,
GADO/DADO)
(maçã, anão) chuva)
• Utilização da estrutura
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


silábica CV para ler e o Contiguidade (cama, o Uso do S ou Z (casa,
escrever palavras e dama) azedo)
pequenos textos • Segmentação de o Uso do S ou C (selva,
cidade)
palavras no texto
• Adjetivação oral
considerando a o Uso do G ou J (girafa,
(atribuição de jiló)
hipossegmentação e a
qualidade/característica
hipersegmentação o Uso do H inicial (hora,
s) de objetos ora)
enfatizando formas, • Vocabulário –
o Uso do L ou LH (Julio,
cores e função por ampliação a partir da Julho)
meio de jogos e compreensão de
o Uso do U ou L (anel,
brincadeiras significados

LÍNGUA PORTUGUESA
céu)
contextualizados
• Verbos - apenas para • Redução de gerúndio:

LINGUAGENS
perceber e nomear andano/andando
ações realizadas no dia
• Observação e escrita de
a dia: correr, caminhar,
fonemas em final de
levantar, pular, comer,
verbos. Exemplo: r -
escovar, escrever,
vender, comprar, sentir;
espreguiçar, outros
u (indicando pretérito) –
• Vocabulário - vendeu, comprou, sentiu
ampliação a partir da • Nome próprio
compreensão de (percepção nos
significados no diversos contextos de
contextualizados leitura e escrita)
• Nasalização em final
de verbos:
viajaram/viajarão
• Vocabulário
(ampliação,
significação, sinônimos
37
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
38

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


e antônimos) a partir da
leitura ou uso de
dicionário
• Uso do dicionário:
função, organização e
utilização

LÍNGUA PORTUGUESA
LINGUAGENS
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – LÍNGUA PORTUGUESA
2º CICLO - 2º BLOCO

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Oralidade Oralidade Oralidade Oralidade


• Planejar a fala, selecionando e • Recursos paralinguísticos (gestos, • Organizar a fala, selecionando e • Recursos paralinguísticos (gestos,
monitorando o uso de recursos (tipo tonalidade da voz e expressão monitorando o uso de recursos (tipo tonalidade da voz e expressão

LÍNGUA PORTUGUESA
de vocabulário, pronúncia, facial), de acordo com o objetivo do de vocabulário, pronúncia, facial), de acordo com o objetivo do
entonação, gestos etc.) adequados ato de interlocução entonação, gestos etc.) adequados ato de interlocução

LINGUAGENS
ao gênero oral a ser produzido. ao gênero oral a ser produzido.
• Debates: espontâneo, temático, • Debates: espontâneo, temático,
• Discutir tema em grupo, defendendo intencional e planejado (escuta • Debater tema em grupo, defendendo intencional e planejado (escuta
ponto de vista (argumentos) e organizada e apresentação de ponto de vista (argumentos) e organizada e apresentação de
elaborando síntese sobre o assunto argumentos, opiniões e comentários) elaborando síntese sobre o assunto argumentos, opiniões e comentários)
debatido. debatido.
• Entrevistas • Técnica de discussão em grupo, para
• Entrevistar com o intuito de • Entrevistar com o intuito de posterior plenária: debate de temas
• Obras literárias, de arte e pinturas
esclarecer dúvidas ou ampliar esclarecer dúvidas ou ampliar em grupos, elaboração de síntese
conhecidas
conhecimento. conhecimento. seguida de apresentação para o
• Planejamento e produção de textos grande grupo
• Interpretar oralmente pinturas e obras • Interpretar e opinar oralmente sobre
orais: telejornal, notícias, textos de
literárias e de arte conhecidas. pinturas e obras literárias e de arte • Entrevistas
campanhas publicitárias
conhecidas.
• Estruturar e produzir textos • Comentário crítico sobre obras
• Relatos de acontecimentos,
jornalísticos e publicitários, oralmente • Planejar e produzir textos literárias, de arte e pinturas
histórias e experiências vividas a
ou em meio digital, considerando a jornalísticos e publicitários, oralmente conhecidas
situação comunicativa e o partir de anotações prévias ou em meio digital, considerando a
• Planejamento e produção de textos
tema/assunto/finalidade do texto. • Relatos de experiências científicas situação comunicativa e o
orais: telejornal, notícias, textos de
ou de estudos do meio com tema/assunto/finalidade do texto.
campanhas publicitárias
39
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
40

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Relatar para a turma alguma planejamento prévio e organização • Produzir e reproduzir textos orais, • Comédia, piada, tragédia, drama
experiência vivida. de registros segundo uma dada intencionalidade
• Seminário: exposição oral na sala,
(fazer rir, chorar, sentir medo etc.).
• Recitar e expor temas estudados em • Peças teatrais, cordel, declamação, usando apoio de anotações; estudo
apresentações, feiras culturais, performances orais, jogral, auto, • Relatar e expor temas estudados em de algum modelo (exposição gravada
exposições ou em outras atividades. comédia, contos, obras literárias apresentações, feiras culturais, em vídeo, por exemplo)
exposições ou em outras atividades.
• Representar cenas de textos • Peças teatrais, cordel, declamação,
dramáticos, reproduzindo as falas • Representar cenas de textos performances orais, jogral, auto,
das personagens, de acordo com as dramáticos, reproduzindo as falas comédia, contos, obras literárias
rubricas de interpretação e das personagens, de acordo com as
movimento indicadas pelo autor. rubricas de interpretação e

LÍNGUA PORTUGUESA
movimento indicadas pelo autor.

LINGUAGENS
Leitura/escuta Leitura/escuta Leitura/escuta Leitura/escuta
• Ler com fluência e compreensão • Textos: verbal (escrita), não verbal • Ler com fluência e compreensão • Textos: verbal (escrita), não verbal
diversos gêneros textuais. (imagem) e multimodal (escrita e diversos gêneros textuais. (imagem) e multimodal (escrita e
imagem) concretizados em diversos imagem) concretizados em diversos
• Adequar procedimentos de leitura • Ler textos em diferentes gêneros
gêneros em diferentes suportes gêneros em diferentes suportes
(destacar informações importantes, para perceber modos (tipos) textuais
analisar o contexto de produção, • Comparação e diferenciação de que compõem sua organização • Comparação e diferenciação de
comparar informações etc.) a diversos gêneros textuais quanto a interna – narração, descrição, diversos gêneros textuais quanto a
objetivos da própria leitura. aspectos composicionais e finalidade argumentação, relatos, exposição e aspectos composicionais e finalidade
• Antecipar conteúdos de textos a instrução.
• Níveis de compreensão da leitura: • Elementos que compõem a
serem lidos, em função de seu objetiva, inferencial e avaliativa • Empregar recursos expressivos apresentação de diversos gêneros e
suporte, gênero e contextualização. (ênfase, entonação de acordo com a seu contexto de produção (autor,
• Leitura textual, contextual,
• Antecipar informações sobre pontuação etc.) durante a leitura. interlocutor, situação de interação,
inferencial e intertextual
assuntos durante a leitura de texto. suporte e circulação)
• Utilizar conhecimentos prévios e
• Letras de músicas: uso de recursos
• Selecionar informações significativas buscar pistas textuais, intertextuais e • Níveis de compreensão da leitura:
estéticos, composição e
ou relevantes para compreensão do contextuais para ler nas entrelinhas objetiva, inferencial e avaliativa
comparações entre vários autores
texto lido. (fazer interferências de informações
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Buscar pistas textuais, intertextuais e • Artigos de divulgação científica: implícitas no texto), ampliando a • Leitura textual, contextual, inferencial
contextuais para ler nas entrelinhas análise de texto utilizando esquema compreensão. e intertextual
(fazer inferências), ampliando a gráfico, com o objetivo de evidenciar
• Identificar e selecionar informações • Letras de músicas: uso de recursos
compreensão. dados do texto; análise do contexto
relevantes para a compreensão do estéticos, composição e
de produção, o autor, portador,
• Destacar no texto, elementos texto, de acordo com os objetivos da comparações entre vários autores
público, leitor, objetivo, assunto
linguísticos, verificando a validade de leitura.
• Notícias e manchetes: estudo de
hipóteses levantadas. • Reportagens e suplemento infantil de
• Desenvolver a compreensão global gênero enfocando os elementos
grandes jornais: leitura e estudo de
• Construir a compreensão global do do texto lido, unificando e inter- fundamentais (O quê? Com quem?
reportagem levando em conta o tipo
texto lido, unificando e inter- relacionando informações explícitas e Quando? Onde? Em que
de leitor
relacionando informações explícitas e implícitas, produzindo inferências e circunstâncias?)

LÍNGUA PORTUGUESA
implícitas, produzindo inferências e • Obras literárias (apreciação, escuta e validando ou não (verificação)
• Carta de leitor: finalidade, localização
validando ou não (verificação) manuseio; compreensão e hipóteses levantadas.

LINGUAGENS
do assunto, destaque da reclamação,
hipóteses levantadas. interpretação, leitura individual e
• Corresponder relações entre o texto isolamento do relato ou exposição do
coletiva
• Estabelecer relações entre o texto e e outros textos (intertextualidade) e assunto e argumentos
outros textos (intertextualidade) e • Ditados populares, trovas, literatura recursos de natureza suplementar
recursos de natureza suplementar que • Reportagens e suplemento infantil de
de cordel e adivinhações; Contos de que acompanham (gráficos, tabelas,
acompanham (gráficos, tabelas, grandes jornais: leitura e estudo de
fada, contos populares, contos desenhos, fotos etc.) no processo de
desenhos, fotos etc.) no processo de reportagem levando em conta o tipo
indígenas e africanos, folclóricos, compreensão e interpretação do
compreensão e interpretação do texto. de leitor. Tiras de jornal: análise de
causos, mitos e fábulas texto.
ambiguidades no efeito de humor
• Compreender o que ouve, • Livros e obras infantis: Clássicos da • Compreender a especificidade do
argumentando, comparando e • Poesia moderna e contemporânea:
Literatura Infantil texto literário lidando com seus
concluindo. leitura e análise. Sugestão de
elementos estéticos e discursivos.
• Estudo de personagens clássicos da autores: Cecília Meireles, Manuel
• Compreender a especificidade do literatura brasileira: contexto histórico • Compreender a especificidade da Bandeira, Vinícius de Morais, José
texto literário, lidando com seus e geográfico autoria, a relação intrínseca entre Paulo Paes, outros
elementos estéticos e discursivos. autor e obra.
• Comparação de versões literárias e • Obras literárias (apreciação, escuta e
• Reconhecer a especificidade da produções artísticas (cinema, telas, • Demonstrar que textos literários manuseio; compreensão e
autoria, a relação intrínseca entre livros) analisando similaridades e mobilizam desejos humanos, interpretação, leitura individual e
autor e obra. mudanças das obras inclusive o desejo de expressar-se. coletiva)
41
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
42

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Perceber que textos literários • Poesia/Poema: moderna e • Compreender e valorizar obras • Ditados populares, trovas, literatura
mobilizam desejos humanos, contemporânea; uso de metáforas e decorrentes da cultura popular em de cordel e adivinhações. Contos de
inclusive o desejo de expressar-se. outras figuras de linguagem (estudo publicações antigas e atuais. fada, contos populares, contos
sem classificação, apenas discutindo indígenas e africanos, folclóricos,
• Descrever e valorizar obras • Descrever no texto figuras de
o sentido) causos, mitos e fábulas
decorrentes da cultura popular em linguagens (metáfora, antítese etc.).
publicações antigas e atuais. • Elementos da narrativa: enredo, • Livros e obras infantis: Clássicos da
• Ler e interpretar diversos textos
tempo, espaço, personagens, literatura Infantil
• Perceber no texto figuras de literários, identificando o uso dos
narrador e a construção do discurso
linguagens (metáfora, antítese etc.). mesmos em contextos variados. • Estudo de personagens clássicos da
direto e discurso indireto
literatura brasileira: contexto histórico
• Ler e interpretar diversos textos • Identificar na leitura elementos que
• Letra de música: compreensão do e geográfico
literários, identificando o uso dos compõem a narrativa, presentes em

LÍNGUA PORTUGUESA
contexto da autoria; paródias
mesmos em contextos variados. diversos gêneros. • Comparação de versões literárias e

LINGUAGENS
• Cordel: análise do gênero e estudo produções artísticas (cinema, telas,
de obras de alguns autores livros), analisando similaridades e
mudanças das obras
• Biografia e obras de autores
selecionados • Elementos da narrativa: enredo,
tempo, espaço, personagens,
• Funções do texto dramático (escrito
narrador e a construção do discurso
para ser encenado) e sua
direto e discurso indireto
organização por meio de diálogos
entre personagens e marcadores das • Letra de música: compreensão do
falas das personagens e de cena contexto da autoria; paródias
• Biografia e obras de autores
selecionados (Exemplo: Poesia:
Cecília Meireles e Pedro Bandeira,
Fábulas: Esopo, Contos: Irmãos
Grimm)
• Cordel: análise do gênero e estudo
de obras de alguns autores
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Funções do texto dramático (escrito
para ser encenado) e sua
organização por meio de diálogos
entre personagens e marcadores das
falas das personagens e de cena

Escrita/produção de texto Escrita/produção de texto Escrita/produção de texto Escrita/produção de texto


• Planejar a escrita do texto • Elementos que compõem a • Produzir textos escritos em diferentes • Gêneros que apresentam a narrativa
considerando o tema central, o apresentação de diversos gêneros e gêneros, adequados a em sua organização interna: fábulas

LÍNGUA PORTUGUESA
gênero textual e os prováveis seu contexto de produção (autor, objetivos/finalidade, tradicionais e modernas; contos de

LINGUAGENS
destinatários/interlocutores. interlocutor, situação de interação, destinatários/interlocutores e o suspense; conto popular; lendas,
suporte e circulação) contexto de circulação. mitos e crônica – análise de
• Escrever textos em diferentes
mecanismos de coesão e coerência,
gêneros de acordo com a • Gêneros que apresentam a narrativa • Escrever textos em gêneros que
reconto oral e produção escrita
finalidade da situação em sua organização interna: fábulas apresentem em sua organização
comunicativa: convidar (gênero- tradicionais e modernas; contos de interna diferentes modos (tipos) • Análise, percepção de elementos
convite), informar (gêneros- cartaz, suspense; conto popular; lendas, textuais: narração, descrição, da narrativa presentes em
bilhete, notícia etc.) instruir mitos e crônica – análise de argumentação, instrução, relatos e diferentes gêneros: foco narrativo;
(gêneros, receita, regra de jogo mecanismos de coesão e coerência, exposição sem necessidade de características físicas e
etc.). reconto oral e produção escrita classificação pelo tipo. psicológicas (teimoso, corajoso
etc.) do personagem principal;
• Escrever textos atentando-se para • Análise e percepção de elementos • Identificar na leitura e empregar na
identificação de personagens
elementos que compõem a da narrativa, presentes em diferentes escrita elementos que compõem a
secundários; caracterização de
estrutura e a apresentação de cada gêneros: foco narrativo; narrativa, presentes em diversos
lugar (onde) e tempo (quando);
gênero (o que compõe uma fábula, características físicas e psicológicas gêneros.
enredo (desenvolvimento do
um poema, uma notícia, uma regra (teimoso, corajoso etc.) do
• Refletir, revisar e reescrever textos conflito, clímax e desfecho);
de jogo etc.). personagem principal; identificação
produzidos considerando um ou mais discurso direto e indireto
de personagens secundários;
• Escrever textos em gêneros que aspectos a seguir: organização em
caracterização de lugar (onde) e o • Autobiografia
apresentem em sua organização parágrafos (quando for o caso),
tempo (quando), enredo
interna diferentes modos (tipos) sequência lógica de ideias, coerência
43
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
44

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


textuais: narração, descrição, (desenvolvimento do conflito, clímax e coesão, pontuação, escrita correta • Notícia: escrita de texto de autoria a
argumentação, instrução, relatos e e desfecho), discurso direto e indireto das palavras etc. partir de pesquisa de dados e
exposição, sem necessidade de organização de informações
• Fábula: produção de reconto e • Apropriar-se de diferentes
classificação pelo tipo.
autoria de fábulas após comparação procedimentos necessários ao ato • Notícias e manchetes: estudo de
• Refletir, revisar e reescrever textos entre fábulas tradicionais e de escrever (compreender gênero enfocando os elementos
produzidos considerando um ou mais contemporâneas, considerando os aspectos notacionais e fundamentais: o quê? Com quem?
aspectos a seguir: organização em aspectos que compõem esse gênero discursivos), considerando a Quando? Onde? Em que
parágrafos (quando for o caso), diversidade de gêneros que circunstâncias?
• Transcrição de diálogos sob a forma
sequência lógica de ideias, coerência circulam em sociedade.
de texto narrativo usando pontuação • Carta de leitor: finalidade, localização
e coesão, pontuação, escrita correta
• Utilizar vocabulário específico ao do assunto, destaque da reclamação,
das palavras etc. • Textos de divulgação científica:

LÍNGUA PORTUGUESA
gênero textual produzido. isolamento do relato ou exposição do
resumo a partir de esquemas
• Apropriar-se de diferentes assunto e argumentos

LINGUAGENS
• Priorizar a morfologia de palavras em
procedimentos necessários ao ato • Poesia/Poema: produção a partir de
situações de uso da escrita, • Análise e enfoque em gêneros que
de escrever (compreender um texto em prosa, de um
construindo significados a partir do apresentam em sua organização
aspectos notacionais e tema/assunto significativo, por meio
código escrito e seu contexto. interna a instrução: manual, regra de
discursivos), considerando a de paródia ou autoria
jogo, entre outros
diversidade de gêneros que • Demonstrar autonomia para revisar o
• Reescrita de poema em forma de
circulam em sociedade. próprio texto durante e depois do • Fábula: produção de reconto e
prosa e vice-versa
processo de escrita. autoria de fábulas após comparação
• Aplicar vocabulário específico ao
• Notícia: escrita de texto de autoria a entre fábulas tradicionais e
gênero textual produzido. • Compreender diferenças entre
partir de pesquisa de dados e contemporâneas, considerando os
organização de textos em
• Considerar a morfologia de palavras organização de informações aspectos do gênero
estrofes/versos e em prosa com uso
em situações de uso da escrita,
• Criação de manchetes para notícias de parágrafos. • Poesia/popular (Cordel): completar
construindo significados a partir do
textos com lacunas ou paródia
código escrito e seu contexto. • Resumo de livro • Produzir, revisar e reescrever textos
• Desenvolver autonomia para revisar considerando sua estrutura: • Contos e crônica: análise, produção
• Sinopse (de livros ou filmes):
o próprio texto durante e depois do paragrafação, marginação e título de reconto e texto de autoria
produção após assistir um filme ou
processo de escrita. ler um livro procurando demonstrar clareza e • Textos de divulgação científica:
coerência nas informações resumo a partir de esquemas
• Reconhecer diferenças entre
registradas, observando sinais de
organização de textos em
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


estrofes/versos e em prosa com uso • História em quadrinhos: reconto de pontuação e sua relação com o • Entrevista: planejamento, realização
de parágrafos. fábulas e contos em forma de HQ e sentido produzido no texto. oral, organização de dados e escrita
produção de autoria
• Produzir, revisar e reescrever textos • Produção de diário e relatórios a
considerando sua estrutura: • Criação de suportes para publicação: partir de fatos motivadores
paragrafação, marginação e título mural, varal, revistas, jornais, placas,
• Resumo e sinopse (de livros ou
procurando demonstrar clareza e faixas, folhetos, cartazes
filmes): produção após assistir um
coerência nas informações
• Concordância nominal em situações filme ou ler um livro
registradas, observando sinais de
contextuais: relações de gênero e
pontuação e sua relação com o • Criação de suportes para publicação:
número necessárias para o
sentido produzido no texto. mural, varal, revistas, jornais, placas,
aperfeiçoamento do texto
faixas, folhetos, cartazes

LÍNGUA PORTUGUESA
• Concordância verbal em situações
• Concordância nominal em situações

LINGUAGENS
contextuais: utilização de sujeito e
contextuais: relações de gênero e
verbo visando aperfeiçoamento do
número necessárias para o
texto
aperfeiçoamento do texto
• Elementos coesivos e de coerência
• Concordância verbal em situações
(para garantir a progressão temática
contextuais: utilização de sujeito e
e conceitual)
verbo visando aperfeiçoamento do
• Revisão e reescrita de textos texto
produzidos, considerando um ou
• Elementos coesivos e de coerência
mais aspectos: pontuação,
(para garantir a progressão temática
paragrafação, ortografia,
e conceitual)
concordância nominal e verbal,
coerência e coesão, características • Revisão e reescrita de textos
do gênero produzido produzidos, considerando um ou
mais aspectos: pontuação,
paragrafação, ortografia,
concordância nominal e verbal,
coerência e coesão, características
do gênero produzido
45
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
46

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Análise linguística/semiótica Análise linguística/semiótica Análise linguística/semiótica Análise linguística/semiótica


• Reconhecer regularidades e • Revisão do alfabeto (letras • Compreender regularidades e • Letra maiúscula: nomes próprios,
irregularidades ortográficas aplicadas maiúsculas e minúsculas) irregularidades ortográficas aplicadas início de frases e parágrafos
em produção de texto. em produção de texto.
• Letra maiúscula (substantivo próprio • Acentuação de palavras conhecidas
• Reconhecer indicadores que – revisão) • Revisar e corrigir a grafia empregada
• Acentuação gráfica de
permitam situar a cadeia cronológica: na produção textual, levando em
• Ordem alfabética – revisão proparoxítonas
localizadores temporais, tempos conta a importância da grafia
verbais e advérbios etc. • Acentuação de palavras conhecidas adequada à produção de sentido. • Classificação quanto a tonicidade
(oxítona, paroxítona e
• Usar a variedade linguística • Classificação quanto a tonicidade • Contrapor ocorrências de

LÍNGUA PORTUGUESA
proparoxítona), com foco na
apropriada à situação de produção de (oxítona, paroxítona e proparoxítona), interferências da fala na escrita,
acentuação de palavras conhecidas,

LINGUAGENS
texto, fazendo escolhas adequadas com foco em acentuação de palavras analisando as possibilidades de erro
destacando a frequência de
quanto a vocabulário e gramática. conhecidas, destacando a frequência (inadequação).
paroxítonas na língua portuguesa
de paroxítonas na língua portuguesa
• Utilizar a língua escrita como meio de • Estabelecer relações entre normas
• Marcadores textuais: artigo,
informação e de transmissão de • Substantivos (apresentação do sistematizadas e uso na fala e na
preposição e conjunção – sem
cultura e como instrumento para conceito, em situações contextuais) escrita.
nomeação, com foco na
planejar e realizar tarefas concretas
• Adjetivos (apresentação do conceito, • Aplicar conhecimentos paragrafação
em diversas situações comunicativas.
em situações contextuais) morfossintáticos na leitura e escrita.
• Elementos coesivos e de coerência
• Construir significados a partir do texto
• Verbo (apresentação do conceito, em • Aplicar regras convencionais de (para garantir a progressão temática
escrito e seu contexto.
situações contextuais) acentuação gráfica na produção e conceitual)
• Consultar dicionários enciclopédias e escrita.
• Verbo (pretérito perfeito) – em texto • Pronomes pessoais (reto, oblíquo) –
gramáticas sempre que necessário,
com lacunas (apenas evidenciar o • Aplicar vocabulário a partir de uso do pronome no texto, realçando
em momentos de leitura e escrita
tempo passado, sem classificar o atividades de pesquisa em jornais e seus efeitos na coesão
ampliando seus conhecimentos.
aspecto) revistas, Internet e enciclopédia.
• Pontuação: importância e uso
• Pronomes pessoais (reto, oblíquo) – • Utilizar a língua escrita como meio contextual; pontuação do diálogo e
uso do pronome no texto, realçando de informação e de transmissão de reticências
seus efeitos na coesão cultura e como instrumento para
• Verbos: presente, passado e futuro
planejar e realizar tarefas concretas
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Pontuação: importância e uso em diversas situações • Verbos “pôr”, “querer”, “dizer” –foco
contextual; pontuação do diálogo comunicativas. na forma ortográfica
• Revisão: R (cantar, dançar), S • Reconstruir significados a partir do • Verbos na terceira conjugação
(plural), U (desinência de pretérito) texto escrito e seu contexto. (partir, sorrir), nas formas “sorrisse”,
“partisse”, sendo contrapostos a
• Revisão: Modos de nasalização - M • Consultar dicionários enciclopédias e
outras palavras, como “tolice”,
e N no final de sílaba (bombom, gramáticas sempre que necessário,
“meninice
ponte); NH (galinha); usando o til em momentos de leitura e escrita
(maçã, anão); contiguidade (cama, ampliando seus conhecimentos. • Contraposição – fazendo/fazeno (uso
dama); uso do “m” antes de “p” e “b” popular do gerúndio)
• Sibilantes: /s/ e suas escritas (“s”, “c”, • Análise das diversas formas de uso:

LÍNGUA PORTUGUESA
“ç” etc.) por que, por quê, porque, porquê

LINGUAGENS
• Representação das sibilantes /s/, /z/ • Revisão: modos de nasalização - M
representadas por “s” (Exemplo: e N no final de sílaba (bombom,
sapo, asa) ponte); NH (galinha); usando o til
(maçã, anão); contiguidade (cama,
• Verbo: contraposição de desinências
dama); uso do “m” antes de “p” e “b”
do gerúndio (falano/falando) e entre
as nasais “am” (passado) e “ão” • Fonemas/sibilantes: /s/, /z/
(futuro) a partir do uso representados pela letra “s” (sapo,
casa)
• Dígrafos: “nh” e “ch”
• Sufixos: esa e eza
• Redução de ditongos (poço/ pouco;
pexe/peixe) • Fonemas /ch/, /ksi/, /s/, /z/
representadas pela letra “x” (xarope,
• Sufixo “oso”(adjetivos) e “eiro” –
fixo, próximo, exato) – sons da letra
fama=famoso, leite=leiteiro
X
• Hipercorreção “u/l” em verbos
• Manuseio e uso de dicionário,
(enganol/enganou)
enciclopédias e gramáticas
• Palavras semelhantes (a palavra
• Vocabulário: ampliação, significação,
47
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
48

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


dentro de outra palavra. Exemplo: sinônimos e antônimos (inferir o
preferido/ferido; felicidade/cidade) sentido a partir da leitura e uso do
dicionário)
• Contraposição entre representações
da letra “c” (fonemas /k/ e /s/: cada,
parece)
• Fonemas /ch/, /ksi/, /s/, /z/
representadas pela letra “x” (xarope,
fixo, próximo, exato) – sons da letra
X

• Consulta a dicionário: estudo de

LÍNGUA PORTUGUESA
verbete como gênero e formas de

LINGUAGENS
uso
• Vocabulário: ampliação, significação,
sinônimos e antônimos (inferir
sentido a partir da leitura e uso do
dicionário)
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – LÍNGUA PORTUGUESA
3º CICLO – 1º BLOCO

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Oralidade, leitura/escuta, Oralidade, leitura/escuta, Oralidade, leitura/escuta, Oralidade, leitura/escuta,


escrita/produção textual e análise escrita/produção textual e análise escrita/produção textual e análise escrita/produção textual e análise
linguística/semiótica linguística/semiótica linguística/semiótica linguística/semiótica

LÍNGUA PORTUGUESA
• Utilizar as variedades linguísticas, • Variação linguística • Valer-se da linguagem para melhorar a • Organização temporal no texto
sabendo adequá-las a circunstâncias qualidade de suas relações pessoais, narrativo

LINGUAGENS
• Leitura de textos jornalísticos com
da situação comunicativa de que sendo capaz de expressar seus
ênfase em temas relacionados à • Leitura de textos jornalísticos com
participam. sentimentos, experiências, ideias e
cidadania ênfase em questões de gêneros na
opiniões, bem como de acolher,
• Compreender e interpretar textos contemporaneidade
• Caracterização do campo interpretar e considerar os dos outros,
orais e escritos em diferentes
jornalístico e relação entre os contrapondo-os quando necessário. • Criação de artigos jornalísticos
situações de participação social.
gêneros em circulação, mídias e (anúncios e classificados)
• Usar conhecimentos adquiridos por
• Valer-se da linguagem em relações práticas da cultura digital (notícia,
meio da prática de reflexão sobre a • Elaboração de reportagens
pessoais, sendo capaz de expressar reportagem, crônica, comentário,
língua para expandir possibilidades de (manchete e notícia) e entrevista
sentimentos, experiências, ideias e charge, meme)
uso da linguagem e capacidade de
opiniões. • Caracterização do campo
• Apreciação e réplica de textos de análise crítica (propaganda, jingle,
jornalístico e relação entre os
• Reconhecer as principais diferenças diferentes tipos e gêneros spot).
gêneros em circulação, mídias e
tipológicas e de gêneros textuais.
• Estratégias de leitura: distinção de • Conhecer e analisar criticamente os práticas da cultura digital
• Identificar registros formal e informal fato, opinião e identificação de teses usos da língua como veículo de valores
• Apreciação e réplica de textos de
de acordo com as condições de e argumentos e preconceitos de classe, credo,
diferentes tipos e gêneros
produção/recepção de texto. gênero, procedência e/ou etnia.
• Efeitos de sentido: conotação e
• Reconhecer a parcialidade/ denotação • Distinguir diferentes propostas editoriais
imparcialidade em textos jornalísticos – sensacionalismo, jornalismo
49
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
50

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


e tornar-se consciente das escolhas • Estratégia de produção: investigativo etc. –, de forma a • Estratégias de leitura: distinção de
feitas enquanto produtor de textos. planejamento de textos identificar os recursos utilizados para fato, opinião e identificação de teses
informativos, argumentativos e impactar/chocar o leitor que podem e argumentos
• Estabelecer relação entre os diferentes
apreciativos (propaganda, artigo comprometer uma análise crítica da
gêneros jornalísticos, compreendendo • Efeitos de sentido: conotação e
publicitário) notícia e do fato noticiado.
a centralidade da notícia. denotação
• Textualização, tendo em vista as • Comparar notícias e reportagens sobre
• Analisar, considerando o gênero • Estratégia de produção:
suas condições de produção, as um mesmo fato divulgadas em
textual e a intenção comunicativa, a planejamento de textos
características do gênero em diferentes mídias.
função e as flexões de substantivos informativos, argumentativos e
questão, o estabelecimento de
e adjetivos e de verbos nos modos • Formar, com base em palavras apreciativos
coesão, adequação à norma padrão
Indicativo, Subjuntivo e Imperativo: primitivas, palavras derivadas com os
e o uso adequado de ferramentas • Textualização, tendo em vista as

LÍNGUA PORTUGUESA
afirmativo e negativo. prefixos e sufixos mais produtivos em
de edição suas condições de produção, as
português.

LINGUAGENS
• Empregar, adequadamente, as regras características do gênero em
• Produção e edição de textos
de concordância nominal (relações • Reconhecer, em textos, o verbo como o questão, o estabelecimento de
publicitários
entre os substantivos e seus núcleo das orações. coesão, adequação à norma padrão
determinantes) e as regras de • Planejamento e produção de e o uso adequado de ferramentas
• Identificar, em orações de textos lidos
concordância verbal (relações entre o entrevistas orais de edição
ou de produção própria, verbos de
verbo e o sujeito simples e composto).
• Contexto de produção, circulação e predicação completa e incompleta: • Produção e edição de textos
• Identificar, em textos, períodos recepção de textos e práticas intransitivos e transitivos. publicitários
compostos por orações separadas relacionadas à defesa de direitos e
• Identificar, em textos lidos ou de • Planejamento e produção de
por vírgula sem a utilização de à participação social
produção própria, a estrutura básica da entrevistas orais
conectivos, nomeando-os como
• Relação entre contexto de produção oração: sujeito, predicado,
períodos compostos por • Contexto de produção, circulação e
e características composicionais e complemento (objetos direto e indireto).
coordenação. recepção de textos e práticas
estilísticas dos gêneros (carta de
• Identificar, em textos lidos ou de relacionadas à defesa de direitos e
• Identificar, em texto ou sequência solicitação, reclamação, petição
produção própria, adjetivos que à participação social
textual, orações como unidades online, carta aberta, abaixo-
ampliem o sentido do substantivo
constituídas em torno de um núcleo assinado e proposta) • Relação entre contexto de produção
sujeito ou complemento verbal.
verbal e períodos como conjunto de e características composicionais e
• Estratégias e procedimentos de
orações conectadas. • Identificar, em textos lidos ou de estilísticas dos gêneros (carta de
leitura, planejamento e produção produção própria, advérbios e locuções solicitação, reclamação, petição
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Classificar, em texto ou sequência em textos reivindicatórios e adverbiais que ampliem o sentido do online, carta aberta, abaixo-
textual, os períodos simples e propositivos verbo núcleo da oração. assinado e proposta)
compostos.
• Curadoria de informação • Utilizar, ao produzir texto, • Estratégias e procedimentos de
• Identificar sintagmas nominais e (comentário, vlog, anúncio conhecimentos linguísticos e leitura, planejamento e produção em
verbais na oração. publicitário) gramaticais: modos e tempos verbais, textos reivindicatórios e propositivos
concordância nominal e verbal,
• Utilizar, ao produzir texto, • Estratégias de escrita: • Curadoria de informação
pontuação etc.
conhecimentos linguísticos e textualização, revisão e edição
• Estratégias de escrita:
gramaticais: tempos verbais, • Identificar, em textos lidos ou de
• Conversação espontânea textualização, revisão e edição
concordância nominal e verbal, produção própria, períodos compostos
regras ortográficas, pontuação etc. • Tomada de nota nos quais duas orações são conectadas • Conversação espontânea

LÍNGUA PORTUGUESA
por vírgula, ou por conjunções que
• Utilizar, ao produzir texto, recursos • Fonortografia • Tomada de nota
expressem soma de sentido (conjunção

LINGUAGENS
de coesão referencial (nome e
• Léxico/morfologia: Estrutura e “e”) ou oposição de sentidos • Fonortografia
pronomes), recursos semânticos de
formação das palavras; substantivo; (conjunções: “mas”, “porém”).
sinonímia, antonímia e homonímia e • Elementos notacionais da escrita
adjetivo; locução adjetiva; artigos;
mecanismos de representação de • Reconhecer recursos de coesão
pronomes; numeral; verbos; • Léxico/morfologia: gênero, número
diferentes vozes (discurso direto e referencial: substituições lexicais (de
interjeição e grau do substantivo e do adjetivo;
indireto). substantivos por sinônimos) ou
gênero e número do artigo; gênero
• Morfossintaxe: Sujeito simples, pronominais (uso de pronomes
e número dos números dos
composto anafóricos – pessoais, possessivos,
numerais e dos pronomes;
demonstrativos).
• Semântica: Formação das palavras preposição
• Estabelecer relações entre partes do
• Coesão • Morfossintaxe: sujeito simples,
texto, identificando substituições
composto, predicativo do sujeito,
• Sequências textuais lexicais (de substantivos por sinônimos)
predicado nominal, verbal
ou pronominais (uso de pronomes
• Modalização anafóricos – pessoais, possessivos, • Sintaxe: frase, oração e período;
• Figuras de Linguagem demonstrativos), que contribuem para a termos essenciais, integrais e
continuidade do texto. acessórios da oração
• Identificar a modalização e • Semântica: sinônimos, antônimos,
argumentatividade em textos. parônimos, homônimos
51
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
52

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Coesão
• Sequências textuais

• Modalização
• Pontuação

• Fonologia: acentuação gráfica


• Figuras de linguagem

LÍNGUA PORTUGUESA
LINGUAGENS
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – LÍNGUA PORTUGUESA
3º CICLO - 2º BLOCO

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Oralidade, leitura/escuta, Oralidade, leitura/escuta, Oralidade, leitura/escuta, Oralidade, leitura/escuta,


escrita/produção textual e análise escrita/produção textual e análise escrita/produção textual e análise escrita/produção textual e análise
linguística/semiótica linguística/semiótica linguística/semiótica linguística/semiótica

LÍNGUA PORTUGUESA
• Reconhecer a relevância dos Eixos • Textos expositivos e argumentativos: • Promover a relevância dos Eixos • Humor em diversos gêneros
Transversais do Currículo na resumos, resenhas de mídia, Transversais do Currículo na
• Mistério e suspense em diversos

LINGUAGENS
aquisição de saberes e relação fichamentos aquisição de saberes e relação
gêneros
conteúdo e forma com vistas à conteúdo e forma com vistas à
• Identificação de características e
prática cidadã. prática cidadã. • Elementos e tipos de debate (debate,
produção de charges, anedotas
palestra, apresentação oral, noticia,
• Ampliar o repertório de leitura. • Confrontar opiniões, expressar
• Crônicas midiáticas reportagem)
ideias, despertando a criticidade por
• Identificar e comparar os vários
• Elaboração de reportagens com meio de argumentos. • Construção de textos de humor
editoriais de jornais impressos e
ênfase em tema de sustentabilidade
digitais e de sites noticiosos, de • Identificar e construir o humor, • Construção de textos de mistério e
forma a refletir sobre os tipos de fato • Elaboração de textos críticos com suspense e mistério em diversos suspense
que são noticiados e comentados, as relação às fake news gêneros textuais.
• Elaboração de debate com ênfase
escolhas sobre o que noticiar e o que
• Caracterização do campo jornalístico • Identificar, analisar e utilizar figuras em Direitos Humanos
não noticiar, o destaque/enfoque
e relação entre os gêneros em de estilo, pensamentos e sintaxe em
dado e a fidedignidade da informação • Raciocínio crítico, prospectivo e
circulação, mídias e práticas da textos literários e não literários.
(fotorreportagem, foto-denúncia, interpretativo de questões
cultura digital (gameplay, detonado,
editorial etc.). • Analisar o fenômeno da socioambientais
podcasts)
disseminação de notícias falsas nas
• Produzir artigos de opinião, tendo em • Estrutura de palavras
• Estratégias de leitura: apreender os redes sociais e desenvolver
vista o contexto de produção dado, a
sentidos globais do texto estratégias para reconhecê-las, a • Processos de formação de palavras
defesa de um ponto de vista,
partir da verificação/avaliação do
53
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
54

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


utilizando argumentos e contra- • Estratégia de produção: veículo, fonte, data e local da • Acentuação gráfica
argumentos e articuladores de planejamento de textos informativos, publicação, autoria, URL, da análise
• Pontuação
coesão que marquem relações de argumentativos e apreciativos da formatação, da comparação de
oposição, contraste, exemplificação, diferentes fontes, da consulta a sites • Período composto por subordinação:
• Estratégias de produção:
ênfase. de curadoria que atestam a orações substantivas, adjetivas e
planejamento, textualização, revisão
fidedignidade do relato dos fatos e adverbiais
• Utilizar, ao produzir texto, e edição de textos publicitários
denunciam boatos etc.
conhecimentos linguísticos e • Concordância verbal
• Estratégias de produção:
gramaticais: ortografia, regências e • Analisar e comentar a cobertura da
planejamento e participação em • Concordância nominal
concordâncias nominal e verbal, imprensa sobre fatos de relevância
debates regrados (petição on-line,
modos e tempos verbais, pontuação social, comparando diferentes • Regência verbal e nominal
requerimento, turno de fala em
etc. enfoques por meio do uso de

LÍNGUA PORTUGUESA
assembleia) • Figuras de estilo, pensamento e
ferramentas de curadoria.
• Analisar processos de formação de sintaxe

LINGUAGENS
• Estratégias de produção:
palavras por composição • Produzir artigos de opinião, tendo em
planejamento, realização e edição de • Colocação pronominal
(aglutinação e justaposição), vista o contexto de produção dado,
entrevistas orais (apresentação oral,
apropriando-se de regras básicas de assumindo posição diante de tema • Homônimos e parônimos
esquema, relatório etc.)
uso do hífen em palavras compostas. polêmico, argumentando de acordo
• Caracterização do campo jornalístico
• Argumentação: movimentos com a estrutura própria desse tipo de
• Identificar, em textos lidos ou de e relação entre os gêneros em
argumentativos, tipos de argumento texto e utilizando diferentes tipos de
produção própria, os termos circulação, mídias e práticas da
e força argumentativa argumentos – de autoridade,
constitutivos da oração (sujeito e cultura digital
comprovação, exemplificação
seus modificadores, verbo e seus • Estilo
princípio etc. • Estratégias de leitura: apreender os
complementos e modificadores).
• Modalização sentidos globais do texto
• Escrever textos corretamente, de
• Diferenciar, em textos lidos ou de
• Contexto de produção, circulação e acordo com a norma-padrão, com • Estratégias de produção: planejamento
produção própria, complementos
recepção de textos e práticas estruturas sintáticas complexas no de textos informativos, argumentativos
diretos e indiretos de verbos
relacionadas à defesa de direitos e à nível da oração e do período. e apreciativos (artigo de opinião,
transitivos, apropriando-se da
participação social ensaio, reportagem, texto didático etc.)
regência de verbos de uso frequente. • Identificar, em textos lidos e em
• Relação entre contexto de produção produções próprias, orações com a • Estratégias de produção:
• Identificar, em textos lidos ou de
e características composicionais e estrutura sujeito-verbo de ligação- planejamento, textualização, revisão
produção própria, verbos na voz ativa
estilísticas dos gêneros predicativo. e edição de textos publicitários
e na voz passiva, interpretando os
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


efeitos de sentido de sujeito ativo e • Estratégias e procedimentos de • Diferenciar, em textos lidos e em • Estratégias de produção:
passivo (agente da passiva). leitura, planejamento e produção em produções próprias, o efeito do Planejamento e participação em
textos reivindicatórios os propositivos sentido de uso dos verbos de ligação debates regrados
• Interpretar efeitos de sentido de
“ser”, “estar”, “ficar”, “parecer” e
modificadores (adjuntos adnominais • Curadoria de informação • Estratégias de produção:
“permanecer”.
– artigos definido ou indefinido, planejamento, realização e edição de
• Estratégias de escrita: textualização,
adjetivos, expressões adjetivas) em • Comparar o uso de regência verbal e entrevistas orais
revisão e edição
substantivos com função de sujeito regência nominal na norma-padrão
• Argumentação: movimentos
ou de complemento verbal, usando- • Fonortografia com seu uso no português brasileiro
argumentativos, tipos de argumento
os para enriquecer seus próprios coloquial oral.
• Léxico/morfologia: verbos regulares e força argumentativa
textos.
(tempos primitivos e derivados) e • Identificar, em textos lidos e em
• Estilo

LÍNGUA PORTUGUESA
• Interpretar, em textos lidos ou de irregulares produções próprias, a relação que
produção própria, efeitos de sentido conjunções (e locuções conjuntivas) • Modalização

LINGUAGENS
• Fonologia: Acentuação gráfica
de modificadores do verbo (adjuntos coordenativas e subordinativas
• Contexto de produção, circulação e
adverbiais – advérbios e expressões • Uso dos porquês estabelecem entre as orações que
recepção de textos e práticas
adverbiais), usando-os para conectam.
• Morfossintaxe: adjunto adnominal e relacionadas à defesa de direitos e a
enriquecer seus próprios textos.
complemento nominal; período • Identificar efeitos de sentido do uso participação social
• Identificar, em textos lidos ou de simples, oração absoluta; período de orações adjetivas restritivas e
• Relação entre contexto de produção
produção própria, agrupamento de composto, oração principal; explicativas em um período
e características composicionais e
orações em períodos, diferenciando complemento verbal; vozes verbais; composto.
estilísticas dos gêneros
coordenação de subordinação. classificação de verbos quanto à
• Comparar as regras de colocação
predicação • Estratégias e procedimentos de
• Identificar, em textos lidos, orações pronominal na norma-padrão com o
leitura, planejamento e produção em
subordinadas com conjunções de • Aposto e vocativo seu uso no português brasileiro
textos reivindicatórios os propositivos
uso frequente, incorporando-as às coloquial.
• Noções de colocação pronominal
suas próprias produções. • Curadoria de informação
• Inferir efeitos de sentido decorrentes
• Conjunções coordenativas; orações
• Inferir efeitos de sentido decorrentes do uso de recursos de coesão • Estratégias de escrita: textualização,
coordenadas
do uso de recursos de coesão sequencial (conjunções e revisão e edição
sequencial: conjunções e • Pontuação e acentuação gráfica articuladores textuais).
• Fonortografia
articuladores textuais.
• Identificar estrangeirismos,
• Léxico/morfologia: Processos de
• Utilizar, ao produzir texto, recursos caracterizando-os segundo a
55
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
56

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


de coesão sequencial (articuladores) conservação, ou não, de sua forma formação de palavras, estrutura de
e referencial (léxica e pronominal), gráfica de origem, avaliando a palavras
construções passivas e impessoais, pertinência, ou não, de seu uso.
• Elementos notacionais da
discurso direto e indireto e outros
escrita/morfossintaxe
recursos expressivos adequados ao
gênero textual. • Semântica
• Estabelecer relações entre partes do • Coesão
texto, identificando o antecedente de
• Figuras de Linguagem
um pronome relativo ou o referente
comum de uma cadeia de • Variação Linguística
substituições lexicais.

LÍNGUA PORTUGUESA
• Fonologia: Acentuação gráfica
• Explicar os efeitos de sentido do uso,

LINGUAGENS
• Pontuação
em textos, de estratégias de
modalização e argumentatividade • Sintaxe: Período composto por
(sinais de pontuação, adjetivos, subordinação: orações substantivas,
substantivos, expressões de grau, adjetivas e adverbiais; Concordância
verbos e perífrases verbais, verbal; Concordância nominal;
advérbios, etc.). Regência verbal e nominal;
Colocação pronominal
• Figuras de estilo, pensamento

• Semântica: Homônimos e parônimos


Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

ARTE

A primeira normatização sobre o ensino da Arte nas escolas de Educação


Básica do Brasil remonta à década de 1970, quando a Arte foi incluída no currículo
escolar ainda como “atividade educativa” a partir da Lei de Diretrizes e Bases – LDB
de 1971 (Lei 5.692/71). Desde então, a promoção e regulamentação do ensino da Arte
no país têm sido alvo de diversos instrumentos legais, dentre os quais se destacam a
LDB de 1996 (Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996) que determina o
estabelecimento da Arte enquanto “[...] componente curricular obrigatório nos diversos
níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural dos
alunos.” (BRASIL, 1996, s.p.), e a Lei de Nº 13.278/2016, que incluiu as quatro
linguagens da Arte (Artes Visuais, Dança, Música e Teatro) nos currículos dos
diversos segmentos da Educação Básica (BRASIL, 2016).
Identificada como uma área de conhecimento, a Arte é capaz de promover
diálogos que extrapolam as linguagens oral e escrita, além de contribuir para a
formação integral do indivíduo por meio da dialética existente entre a subjetividade e
o repertório cultural, seja individual ou social. Nesse contexto, o ensino da Arte, ao
levantar possibilidades de entendimento estético vinculadas à compreensão histórico-
cultural, permite a relação do estudante com o meio social de forma reflexiva e crítica.
Corroborando tais aspectos, a concepção de ensino da Arte proposta neste
Currículo é a de que essa área do conhecimento humano constitui elemento central
para o desenvolvimento integral do estudante. Assim, para que a Arte favoreça a
progressão da sensibilidade, da expressão e da autonomia dos estudantes, é
fundamental que o educador reencontre, no presente, a memória viva da história
social, visando novas reflexões para o trabalho educativo.
Seguindo tal entendimento, as diversas manifestações da arte e da cultura
formam um indivíduo plural, capaz de conhecer a história construída pela
humanidade, o patrimônio do mundo e de se reconhecer como protagonista. A Arte,
como forma de comunicar, criar e sensibilizar, cumpre seu papel de fortalecer laços
de identidade do ser humano para que ele se caracterize como sujeito de sua própria
história.
Neste Currículo, para a organização do trabalho pedagógico nos Anos Iniciais,
sugere-se uma abordagem integrada das linguagens artísticas, por entender que o
educador, enquanto um organizador do espaço social educativo (VIGOTSKI, 2003),
tem maior flexibilidade e condições de garantir um trabalho interdisciplinar da Arte com
as demais linguagens e tecnologias. Nos Anos Finais, os objetivos de aprendizagem
e conteúdos pautam-se na cronologia histórica aliada à apreensão espiralada das
manifestações artísticas próprias de matrizes culturais africanas, orientais e de povos
originários, procurando também articular-se aos conteúdos dos demais componentes
curriculares. Dessa forma, procurou-se evitar ou reforçar visões geograficamente

57
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

particularizadas em movimentos artísticos, considerando que a Arte seja abordada de


maneira integrada, fundamentada e consistente.
Para a concretização do trabalho pedagógico proposto por este Currículo, que
efetive a integração das quatro linguagens artísticas, é importante destacar a
necessidade de fortalecimento na formação docente. Assim, por meio da promoção
de experiências coletivas e individuais, a Arte contribuirá para a construção de atitudes
e valores sociais de respeito à diferença no e do outro, revelando e desvelando
mundos particulares.

Referências
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional. Brasília, DF, dezembro, 1996. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 12/07/2018.

______. Lei Nº 13278, de 02 de maio de 2016. Altera o § 6º do art. 26 da Lei Nº 9.394, de 20


de dezembro de 1996. Brasília, DF, maio, 2016. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13278.htm>. Acesso em:
12/07/2018.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia Pedagógica. Trad. Claudia Schilling - Porto Alegre: Artmed,


2003.

58
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Linguagem artística: Artes Visuais

As Artes Visuais se fundamentam num fazer artístico que se utiliza de meios e


materiais tradicionais, articulando um conjunto de manifestações artísticas, e, além
desses, acolhendo mídias resultantes de avanços tecnológicos e estéticos do século
XX (BRASIL, 1998).
Para que o ensino das Artes Visuais dialogue com as diversas áreas de
conhecimento e promova o desenvolvimento integral do aluno, a teoria e a prática
precisam estar articuladas. Essa articulação pode ser desenvolvida a partir da
interseção entre o fazer, o apreciar e o contextualizar, ações propostas pela
Abordagem Triangular de Barbosa (1991), que organiza o trabalho em Artes Visuais
pautando-o na reflexão do objeto sociocultural e histórico para a aprendizagem
significativa.
A Abordagem Triangular deixa evidenciada a relação entre os sujeitos
apreciador, produtor e a obra, que não precisam ser compreendidos numa visão
hierarquizada, nem sequencial. Os planejamentos devem sugerir sequências
diferenciadas de acordo com os objetivos de aprendizagem. Essa flexibilidade
contribuirá para o desenvolvimento da criatividade, uma vez que os estudantes
poderão elaborar imagens bi e tridimensionais sem terem, obrigatoriamente, como
referência, uma produção específica. Nesse contexto, o planejamento da aula pode
evidenciar processos de aprendizagem que respeitem as particularidades de cada
ciclo e, ainda, características da própria comunidade escolar.
Nas matrizes de Artes Visuais, são apresentadas também propostas de
produções artísticas baseadas na releitura, em acordo com a Abordagem Triangular.
Entretanto, há de se considerar que comumente ocorre um equívoco na interpretação
do conceito “releitura”, fato constatado quando se reduz as produções nas escolas em
cópias fiéis de obras dos artistas estudados. Nesse aspecto, Analice Pillar (2009, p.
18) afirma que:

A cópia diz respeito ao aprimoramento técnico, sem transformação, sem


interpretação, sem criação. Já na releitura há transformação,
interpretação, criação com base num referencial, num texto visual que
pode estar explícito ou implícito na obra final. Aqui o que se busca é a
criação e não a reprodução de uma imagem.

A prática baseada na cópia permeia o universo escolar desde a escola


tradicional, e precisa ser repensada, uma vez que já não atende aos direitos de
aprendizagem e, principalmente, aos pressupostos do ensino da Arte, que destaca
um lugar importante e fundamental da inventividade.
Isso não quer dizer que as produções dos estudantes não possam ter como
referência as obras de arte, porém, é preciso criar formas de garantir, em todas as
produções, o lugar do exercício da criação, para que o autorismo e o protagonismo

59
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

possam ser experienciados. Dessa forma, o estudante poderá estabelecer um diálogo


com a obra já produzida, considerando o seu contexto, os seus sentimentos, as suas
percepções e os seus pensamentos, dando um significado individual à sua produção.
O ensino-aprendizagem em Artes Visuais busca desenvolver o processo
criador e de ressignificação do fazer artístico, envolvendo diversas formas pelas quais
pode se manifestar. Nessa perspectiva, tais aprendizagens estarão a serviço da
Educação para a Diversidade, da Cidadania e Educação em e para os Direitos
Humanos e da Educação para a Sustentabilidade, com vistas a contemplar, de
maneira crítica e com senso de equidade, a:

[...] natureza das diferenças de gênero, de intelectualidade, de


raça/etnia, de orientação sexual, de pertencimento, de personalidade,
de cultura, de patrimônio, de classe social, de idade, de diferenças
motoras, sensoriais, enfim, a diversidade vista como possibilidade de
adaptar-se e de sobreviver como espécie na sociedade (DISTRITO
FEDERAL, 2014, p. 41)

A construção dos objetivos de aprendizagem e conteúdos de Artes Visuais para


o Ensino Fundamental foi alicerçada na perspectiva contemporânea, que a
compreende como uma linguagem capaz de estabelecer conexões ao longo da
construção e percurso da humanidade. Esse conhecimento não deve se restringir à
identificação das experiências artísticas de forma cronológica, e sim ampliar para o
diálogo das manifestações contemporâneas com a arte produzida historicamente,
considerando também o contexto social e cultural dos estudantes.

Referências
BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. São Paulo:
Perspectiva, 1991.
BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília:
MEC/SEMTC, 1998.
DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado de Educação. Currículo em Movimento da
Educação Básica: Pressupostos Teóricos. Brasília, 2014.
PILLAR, A. D. (org.). A educação do olhar no ensino das artes. Porto Alegre: Mediação,
2009.

60
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: ARTES VISUAIS
2º CICLO – 1º BLOCO

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Explorar a imaginação, • Desenho, pintura, • Criar, explorar e • Autorretrato e releitura • Produzir trabalhos • Espaços culturais
a criatividade e a colagem, escultura, expressar-se a partir de de obras de arte artísticos a partir de diversos
expressividade a partir modelagem e temas e observação do temas e observação do
• Arte como • Produção plástica a
de temas e observação construções a partir de meio ambiente. meio ambiente.

ARTE – ARTES VISUAIS


manifestação da partir da leitura de
do meio ambiente. vivências relacionadas
• Identificar diferentes cultura e identidade de • Selecionar técnicas, imagens de artistas

LINGUAGENS
às questões ambientais
• Conhecer diferentes cores e experimentar um povo (matrizes materiais e suportes locais e regionais
cores e experimentar • Cores e formas materiais e suportes brasileiras) para a produção de
• Desenho de
materiais e suportes presentes na fauna e diversos da natureza. imagens justificando
• Composição de observação
diversos da natureza. na flora do Cerrado; suas escolhas a fim de
• Explorar diferentes imagens em suporte de (paisagens, objetos,
elementos encontrados desenvolver o processo
• Apreciar e reconhecer tecnologias e recursos tamanhos, formas e pessoas etc.)
na natureza (folhas, criativo.
formas distintas das digitais nos processos texturas variadas
pedras, terra etc.) • Suportes de tamanhos,
artes visuais de criação artística. • Relacionar e
• Técnicas artísticas formas e texturas
tradicionais e • Técnicas artísticas com compreender
• Associar imagens de variadas com variadas para
contemporâneas. variados instrumentos criticamente formas
obras de arte instrumentos e elaboração de
e materiais (pincéis, distintas das artes
• Conhecer os tradicionais e materiais diversificados trabalhos
lápis, giz de cera, visuais tradicionais e
monumentos/pontos contemporâneas com
papéis, tintas e argila) • Produção de imagens contemporâneas locais, • Cores presentes na
turísticos a fim de temas, contextos e gráficas e plásticas a regionais e nacionais. natureza em diferentes
despertar o sentimento • Espaços naturais, pensamentos partir de diferentes épocas do ano
de pertencimento e a como áreas verdes, distintos, • Analisar imagens de
tipos de histórias e
apropriação do parques ecológicos, reconhecendo a obras de arte • Obras de artistas
temas
patrimônio cultural e parques urbanos e de tradicionais e brasileiros
diversidade cultural
ambiental da cidade. múltiplas funções, • Ponto, linha, forma, contemporâneas
presente nas
cor, contrastes de claro brasileiras com temas,
61
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
62

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Conhecer espaços Jardim Botânico e manifestações e escuro, espaço, contextos e • Cores secundárias e
culturais diversos. outros artísticas brasileiras. textura, equilíbrio, pensamentos, terciárias (cores
movimento etc. reconhecendo a produzidas)
• Conhecer elementos • Exposições, galerias, • Criar formas artísticas,
diversidade cultural
que contribuem para a oficinas, ateliês e exercitando a • Experimentação com • Composição com cores
presente nas
formação do outros imaginação e o desenhos, pinturas, frias e cores quentes
manifestações
espectador. potencial criativo. colagem, quadrinhos,
• Monumentos/pontos artísticas brasileiras • Cores na natureza e as
dobradura, escultura,
• Experimentar turísticos do Distrito • Explorar e reconhecer para ampliar o produzidas pelo
modelagem, instalação,
processos de criação, Federal e identificar elementos repertorio cultural. homem
vídeo e fotografia
explorando constitutivos das artes
• Elementos da • Explorar a imaginação • Desenhos, pinturas,
pensamentos, visuais. • Diferenciação entre
linguagem visual: e a expressividade por

ARTE – ARTES VISUAIS


emoções e museus, galerias, esculturas, etc.
cores, linhas, ponto, • Conhecer as distintas meio de temas que
percepções. instituições, artistas, • Elementos básicos da

LINGUAGENS
formas e textura matrizes estéticas e contextualizem a ação
artesãos, curadores linguagem visual:
• Conhecer imagens de culturais locais e criadora.
• Composição de etc. relação entre texturas,
obras de arte regionais.
imagens em suportes • Compreender as formas, ritmos,
tradicionais e • Produção plástica a
de tamanhos, formas e • Experimentar diferentes movimentos e equilíbrio
contemporâneas partir da leitura de
texturas variados diferentes formas de características das
reconhecendo a imagens de artistas • Espaços de
expressão artística. cores, como forma de
diversidade cultural • Composição de brasileiros informações e de
elaborar novos
presente nas imagens utilizando • Conhecer alguns comunicação
• Espaços naturais, parâmetros de
manifestações fotografia por meio de fundamentos da artística/cultural:
como áreas verdes, conhecimento e
artísticas brasileiras. softwares linguagem visual (cor, museus, mostras,
parques ecológicos, observação da
forma, textura, exposições, galerias,
• Apresentar produções • Leitura de imagens parques urbanos e de natureza.
equilíbrio, movimento, oficinas, ateliês e
dos estudantes aos (fotografia, desenho, múltiplas funções,
contrastes de claro e • Conhecer e identificar a outros
colegas, aos pintura, escultura, Jardim Botânico e
escuro), aplicando seus diversidade cultural
professores e à colagem, instalação e outros • Cor, forma, textura,
princípios na criação de presente em
comunidade, narrando objetos) equilíbrio, movimento,
trabalhos artísticos • Exposições, galerias, manifestações
o seu processo de contrastes de claro e
• Manifestações variados. oficinas, ateliês e artísticas brasileiras.
construção. escuro
populares retratadas outros
• Conhecer alguns
em diferentes imagens
fundamentos da
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Reconhecer • Desenho, pintura, • Reconhecer categorias • Monumentos/pontos linguagem visual, • Espaços naturais,
semelhanças e colagem, modelagem e das artes visuais turísticos de Brasília aplicando seus como áreas verdes,
diferenças em imagens construção a partir de (museus, galerias, princípios na criação de parques ecológicos,
• Composição de
e obras de arte temas, contextos, instituições, artistas, trabalhos artísticos parques urbanos e de
imagens utilizando
observando os objetos e imagens artesãos, curadores variados. múltiplas funções,
fotografia por meio de
elementos da etc.). Jardim Botânico e
softwares • Produzir diferentes
composição visual. outros
• Conhecer os imagens/composições
• Apreciação de
• Vivenciar experiências monumentos/pontos por meio das mídias • Monumentos/pontos
turísticos do Distrito exposições a fim de
por meio das mídias digitais. turísticos do Distrito
Federal a fim de despertar a apreciação
digitais nos processos Federal
despertar o sentimento estética • Conhecer os
de criação artística.

ARTE – ARTES VISUAIS


de pertencimento e a monumentos/pontos • Leitura de imagens
apropriação do turísticos do Distrito (fotografia, desenho,

LINGUAGENS
patrimônio cultural e Federal e suas pintura, escultura,
ambiental das regiões
motivações históricas a colagem, instalação,
administrativas.
fim de despertar o objetos)
sentimento de
• Exposições e rodas de
pertencimento e a
apreciação estética
apropriação do
patrimônio cultural e
ambiental das regiões
administrativas.
63
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
64

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: ARTES VISUAIS
2º CICLO - 2º BLOCO

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Reconhecer e valorar a influência de • Manifestações culturais e artísticas • Pesquisar e conhecer as diversas • Profissões artísticas: pintor, escultor,
distintas matrizes estéticas e das culturas locais, regionais e áreas de produção e trabalhos arquiteto, artesão, musicista, ator,
culturais das artes visuais nas nacionais artísticos. fotógrafo, designer, poeta, etc.
manifestações artísticas das culturas
• Vivências com brinquedos, • Elaborar trabalhos que utilizem de • Manifestações culturais e artísticas das
locais, regionais e nacionais.

ARTE – ARTES VISUAIS


brincadeiras, jogos, danças, canções aspectos artísticos visuais da culturas locais, regionais e nacionais
• Conhecer obras de arte sobre a e histórias de diferentes matrizes diversidade brasileira.

LINGUAGENS
• Vivência com brinquedos,
diversidade cultural presente no estéticas e culturais
• Reconhecer e valorar a influência de brincadeiras, jogos, danças, canções
Distrito Federal.
• Diferenciação de cores primárias, distintas matrizes estéticas e e histórias de diferentes matrizes
• Pesquisar e exercitar as diferentes secundárias e terciárias culturais das Artes Visuais nas estéticas e culturais
propriedades da cor. manifestações artísticas das culturas
• Experimentação com cores frias e • Artesanato regional e nacional
locais, regionais e nacionais e
• Conhecer os fundamentos da cores quentes
internacionais. • Relação da arte e do artesanato com
linguagem visual e aplicar seus
• Cores na natureza e as produzidas a cultura do estudante e de outras
princípios em criação de trabalhos • Reconhecer e valorar a influência de
pelo ser humano regiões
artísticos variados. distintas matrizes estéticas e
• Desenho de observação e de culturais das artes visuais nas • Arte como manifestação da cultura e
• Apreciar obras artísticas, observando
imaginação sobre a cidade (casa, manifestações artísticas das culturas identidade de um povo (matrizes
fundamentos da linguagem visual a
rua, quadra, praça, escola, bairro). locais, regionais, nacionais e brasileiras)
fim de estabelecer conceitos e
universais.
significados propostos. • Desenhos, pinturas, construções e • Composições temáticas com cores
esculturas temáticas • Conhecer a diversidade cultural frias e cores quentes
• Pesquisar e conhecer três dos
como meio de construção da
maiores protagonistas na cena da • Elementos básicos da linguagem • Cores e suas diversas
identidade coletiva.
construção de Brasília, visual: relação entre ponto, linha, representações na natureza e as
estabelecendo a relação de plano, cor, textura, forma, volume, • Compreender as diferentes produzidas pelo ser humano
elementos visuais como formas características das cores e elaborar
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


geométricas, volume, equilíbrio, e luz, ritmo, movimento, equilíbrio novos parâmetros de conhecimento. • Artistas nacionais e locais que
dinâmica de cores e traços (linhas) utilizaram a cidade e temáticas sociais
• Noções de plano, volume e espaço bi • Apreciar obras artísticas,
com a Arquitetura. para elaboração de trabalho plástico
e tridimensional identificando fundamentos da
• Conhecer o patrimônio artístico do linguagem visual e estabelecendo • Elementos básicos da linguagem
• Primeiras noções de
Distrito Federal. conceitos e significados propostos visual: relação entre ponto, linha,
perspectiva/profundidade
por artistas. plano, cor, textura, forma, volume,
• Frequentar espaços culturais
• Criações bi e tridimensionais luz, ritmo, movimento, equilíbrio
diversos. • Estabelecer relações entre
• Noções de proporção elementos (objetos, formas) de • Noções de plano, volume e espaço bi
• Selecionar técnicas, materiais e
diferentes proporções. e tridimensional
suportes para a produção de • Athos Bulcão
imagens justificando suas escolhas a • Conhecer, apreciar e valorizar o • Noções de perspectiva/profundidade

ARTE – ARTES VISUAIS


• Desenho urbanístico de Lúcio Costa
fim de desenvolver o processo patrimônio artístico do Distrito
• Criações bi e tridimensionais

LINGUAGENS
criativo. • Monumentos de Oscar Niemeyer Federal.
• Pesquisa e experimentação com a
• Conhecer diferentes • Obras de artistas do modernismo • Frequentar espaços culturais
proporção nas obras de arte
imagens/composições por meio das brasileiro diversos, conhecendo aspectos
mídias digitais. importantes na formação estética e • Obras de artistas do modernismo
• Arte no Distrito Federal e seus
visual. brasileiro
• Analisar imagens de obras de arte artistas locais
tradicionais e contemporâneas • Construir imagens a partir da seleção • Arte no Distrito Federal e artistas locais
• Obras artísticas em períodos e
brasileiras com temas, contextos e e pesquisa de materiais, suportes e
movimentos distintos • Obras artísticas em períodos e
pensamentos, reconhecendo a técnicas que melhor dialogam com
movimentos distintos
diversidade cultural presente nas • Pontos turísticos da cidade as produções dos estudantes a fim
manifestações artísticas para ampliar de desenvolver o potencial criativo. • Pontos turísticos da cidade
• Espaços de informação e de
o repertório cultural.
comunicação artística/cultural: • Criar imagens e produções visuais • Espaços de informação e de
• Reconhecer processos de criação, museus, mostras, exposições, por meio das mídias digitais. comunicação artística/cultural, museus,
explorando pensamentos, emoções e galerias, oficinas, ateliês, feiras e mostras, exposições, galerias, oficinas,
• Conhecer as diferentes imagens de
percepções para instigar a reflexão, a outros ateliês, feiras e outros
obras históricas da arte brasileira a
sensibilidade, a imaginação, a
• Suportes de tamanhos, formas e fim de compreender a importância e • Composições a partir de técnicas
intuição, a curiosidade e a
texturas variadas para elaboração de a diversidade das manifestações artísticas com variados instrumentos,
flexibilidade.
trabalhos artísticas. materiais (pincéis, lápis, giz de cera,
65
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
66

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Identificar o processo de construção • Técnicas artísticas utilizando • Explicar o fazer artístico como meio papéis, tintas, argila) e meios
das produções realizadas individual variados instrumentos, materiais de desenvolvimento de tecnológicos (fotografias, softwares,
ou coletivamente, demonstrando (pincéis, lápis, giz de cera, papéis, potencialidades, percepção, reflexão, vídeos etc.)
atitude de respeito frente aos seus tintas, argila) e meios tecnológicos intuição, sensibilidade, imaginação e
• Suportes de tamanhos, formas e
trabalhos e dos colegas. (fotografias, aplicativos, vídeos etc.) flexibilidade.
texturas variadas em objetos e
• Valorizar o patrimônio cultural, • Experimentação de elementos • Avaliar o processo de construção das materiais diversos para elaboração
material e imaterial, de culturas objetos e materiais diversos produções realizadas individual ou de trabalhos
diversas, em especial a brasileira, coletivamente, demonstrando atitude
• Arte como manifestação da cultura e • Arte como manifestação da cultura e
incluindo-se suas matrizes indígenas, de respeito frente aos seus trabalhos
identidade de uma região (arte identidade de um povo (matriz
africanas e europeias, de diferentes e dos colegas.
produzida no Distrito Federal) africana, indígena e europeia)
épocas, favorecendo a construção de

ARTE – ARTES VISUAIS


• Analisar imagens e obras de arte
vocabulário e repertório relativos às • Manifestações folclóricas, populares • Características da produção visual
destacando os elementos da

LINGUAGENS
diferentes linguagens artísticas. retratadas em diferentes imagens inspirada na cultura afro-brasileira e
composição visual e suas relações
indígena
• Visita a espaços naturais, como com a produção de sentidos e
áreas verdes, parques ecológicos, significados. • Manifestações da cultura popular
parques urbanos e de múltiplas retratadas em diferentes imagens
• Analisar manifestações artísticas
funções, Jardim Botânico e outros
brasileiras expostas em espaços • Espaços naturais, como áreas
• Produção de desenho, pintura, culturais, com atitudes de respeito a verdes, parques ecológicos, parques
colagem, modelagem, construção, a fim de desenvolver a argumentação e urbanos e de múltiplas funções,
partir de temas, contextos, objetos e o repertório relativo às diferentes Jardim Botânico e outros
imagens linguagens artísticas.
• Desenho, pintura, colagem e
• Leitura de imagens (fotografia, modelagem a partir de temas,
desenho, pintura, escultura, colagem, contextos, objetos e imagens
instalação, objetos)
• Leitura de imagens (fotografia,
• Participação em exposições e rodas desenho, pintura, escultura, colagem,
de apreciação estética instalação, objetos)
• Exposições e participação em rodas
de apreciação estética
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: ARTES VISUAIS
3º CICLO - 1º BLOCO

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Compreender a evolução do homem a • Origem e o conceito das Artes Visuais • Apreciar manifestações artísticas ao • Arte e Artesanato
partir da apreciação da arte rupestre longo da história e suas influências e
• Elementos da linguagem visual: cor, • Patrimônio – definição, termos que
brasileira e das demais manifestações contribuições como instrumento de
ponto, linha, plano, textura, figura, envolvem o conceito e classificação
artísticas ao longo da história. transformação social.
ritmo, volume, proporção, equilíbrio, segundo o IPHAN

ARTE – ARTES VISUAIS


• Desenvolver a capacidade de leitura simetria, bidimensionalidade e • Conhecer e valorizar a pluralidade do
• Influência da Igreja Católica em
e análise de elementos das artes tridimensionalidade patrimônio cultural brasileiro e de

LINGUAGENS
produções artísticas na Idade Média
visuais, contextualizando-os em outros povos, posicionando-se de
• Arte e artesanato no contexto da arte
estilos/movimentos artísticos, e maneira crítica contra qualquer • A arte do Renascimento
local, regional e nacional
utilizar as noções trabalhadas em discriminação baseada em
• Arte da Contrarreforma: Barroco
produções artísticas. • Modalidades da linguagem visual – diversidade cultural, social, étnica, de
desenho, pintura, escultura, gravura, gênero, crença, religião ou de • Barroco como o primeiro estilo
• Relacionar a produção artística do
fotografia etc. qualquer natureza. artístico brasileiro, diferenças
Distrito Federal produzida em
regionais e a contribuição do negro
diferentes momentos com os • Arte na Pré-história • Desenvolver a capacidade de leitura
em seu desenvolvimento
aspectos sociais, geográficos e e análise de elementos das artes
• Características de culturas da
históricos. visuais, contextualizando-os em • Rococó – Origens e características
antiguidade: Mesopotâmia, Egito,
estilos/movimentos artísticos. gerais
• Reconhecer, respeitar e valorizar, no Grécia e Roma
âmbito familiar, escolar e regional, a • Identificar e utilizar, em produções • Neoclassicismo em manifestações
• Características da Arte Bizantina
diversidade cultural. artísticas, elementos básicos da artísticas no Ocidente
• Principais características da Arte linguagem visual.
• Reconhecer a produção visual como • Estilo Neoclássico introduzido no
Medieval: Românica e Gótica
produto cultural sujeito à análise e ao • Conhecer, valorizar, respeitar Brasil pela Missão Artística Francesa.
entendimento. • Influência dos estilos/movimentos espaços reservados à arte, Principais artistas e surgimento da
artísticos da Pré-história à Idade Média reconhecer sua importância para a Escola Imperial de Belas Artes
• Indicar e conhecer produções visuais
do/no Distrito Federal, e sua • Matrizes culturais brasileiras construção e preservação de bens
67
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
68

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


contribuição para a construção da (indígena, africana, europeia e artísticos e culturais brasileiros. • Academicismo brasileiro - artistas
identidade cultural. demais povos imigrantes) e suas brasileiros oriundos da Academia
• Produzir conteúdo audiovisual a
influências na formação da arte e da Nacional de Belas Artes
• Apreciar e entender as partir de dispositivos móveis e outros.
cultura local, regional e nacional
manifestações culturais de vários • Romantismo em movimentos da arte
grupos étnico-raciais que compõem a • Arte pré-colombiana – civilizações no ocidente
nação brasileira em seu universo maia, asteca, inca, marajoara,
• Influência do Romantismo em
pluricultural. santarém e outras
manifestações artísticas brasileiras
• Conhecer e valorizar a cultura visual • Diferenças e semelhanças das artes
• Realismo em movimentos da arte no
local e global; fomentar a pluralidade visuais em diferentes contextos
ocidente
cultural no espaço escolar. históricos e sociais

ARTE – ARTES VISUAIS


• Influência do Realismo em
• Analisar diferentes representações • A arte como linguagem universal
manifestações artísticas brasileiras

LINGUAGENS
artísticas, como linguagem estética e
• Tipos de desenho
comunicacional. • Obras dos grandes mestres do
• Espaços de informação e de Renascimento ao Realismo
• Localizar e analisar, em produções
comunicação artística/cultural: museus,
artísticas, o uso de elementos
mostras, exposições, galerias, oficinas,
básicos da linguagem visual.
ateliês, feiras e outros
• Identificar, conhecer e utilizar os
• Introdução de diferentes formas de
elementos da linguagem visual, a
linguagens expressivas, sensoriais e
história da arte e os formadores da
sinestésicas como formas de
cultura brasileira, bem como
comunicação humana: artes visuais,
reconhecer-se como sujeito de
teatro, música, fotografia, cinema,
mudança de sua formação cultural.
publicidade, TV, arquitetura, poesia,
• Propiciar momentos de entretenimento, literatura e dança
exposição, apreciação e fruição da
produção artística; despertar reflexão • Simbologia de cores em diferentes
coletiva e debate. culturas e sociedades

• Produzir conteúdo audiovisual a • Pontos turísticos das regiões


partir de dispositivos móveis e outros. administrativas do Distrito Federal
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: ARTES VISUAIS
3º CICLO - 2º BLOCO

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Compreender a arte como fato • Ambiente cultural artístico do século • Compreender manifestações • Expressionismo: tendência para
histórico contextualizado em diversas XVIII e XIX no Brasil artísticas em diversos continentes e traduzir em linhas e cores
culturas, conhecendo, respeitando e sua influência na arte realizada no sentimentos mais dramáticos do
• Surgimento da fotografia e o seu
observando sua constante mudança. Brasil. homem
impacto na arte

ARTE – ARTES VISUAIS


• Desenvolver a capacidade de leitura • Conhecer e identificar os • Cubismo: abandono da perspectiva;
• Impressionismo: início das grandes
e análise dos elementos das artes estilos/movimentos artísticos e a cubismo analítico e cubismo sintético

LINGUAGENS
tendências de arte no século XX
visuais contextualizando-os nos cultura produzida pela humanidade; (construção e colagem)
movimentos artísticos. • Realismo: arquitetura civil urbana; respeitar e valorizar a diversidade
• Aspectos da arte africana
arquitetura e “pintura social” cultural e perceber a arte como
• Compreender a influência de relacionados ao Cubismo
linguagem expressiva estética e
estilos/movimentos ocidentais do • Movimento das Artes e Ofícios e o
comunicacional. • Abstracionismo: relação de
século XX sobre produções visuais Art Nouveau
elementos da linguagem visual
brasileiras. • Reconhecer diferentes tipos de obra
• Arte na América Latina em obras de (ponto, linha e plano)
de arte e suas características
• Entender a produção visual como Frida Kahlo, Diego Rivera, José
próprias e compreender tendências • Dadaísmo: signo e significado em
produto cultural sujeito à análise e ao Clemente Orozco e outros
artísticas do século XX. obras de Marcel Duchamp e
entendimento.
• Artistas precursores do Modernismo Readymade (Paradigmas da arte
• Desenvolver a capacidade de leitura
• Reconhecer a importância do diálogo Brasileiro contemporânea)
e análise de elementos de artes
entre as diversas áreas do
• Semana de Arte Moderna e busca visuais, contextualizando-os em • Surrealismo: valorização de
conhecimento, reforçando a
de uma identidade cultural movimentos artísticos do século XX pesquisas científicas; inconsciente e
importância da Arte na formação da
nacional. Artistas, intelectuais e até os dias atuais. sonhos em expressões artísticas
sociedade por meio de
estilos/movimentos artísticos e literatos que participaram da • Relacionar os elementos da • Introdução a novas tendências da
culturais, bem como identificá-los Semana de 1922 linguagem visual às produções arte no século XX
dentro do contexto histórico vigente. históricas e imagens cotidianas.
69
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
70

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Analisar e experimentar diferentes • Modernismo Brasileiro após a • Reconhecer influências da ciência e • Influência e domínio dos Estados
representações artísticas, como Semana da Arte Moderna da tecnologia sobre produções Unidos na Arte Pós–moderna
linguagem estética e comunicacional. visuais do século XX, a fim de
• Expressionismo, Cubismo e • Op Art/Pop Art;
perceber desdobramentos no cenário
• Identificar, conhecer e utilizar os Surrealismo no Brasil. Principais
mundial de novas tecnologias digitais • Arte concreta
elementos da linguagem visual, a inovações na arte brasileira e
relacionadas à arte.
história da arte e os formadores da influência europeia - teoria • Expressionismo
cultura brasileira, bem como antropofágica, simplificação da forma • Compreender o universo poético da
• Introdução a transformações
reconhecer-se como sujeito de linguagem visual.
• Elementos da linguagem visual estéticas e tecnológicas da arte no
mudança de sua formação cultural.
relacionando-os à história da arte e • Compreender e utilizar a arte como século XX: Arte computacional;
• Compreender e reconhecer às imagens cotidianas linguagem, mantendo uma atitude de vídeo-arte, Arte conceitual, Hiper-

ARTE – ARTES VISUAIS


diferentes modalidades da linguagem busca pessoal e ou coletiva, realismo, Minimal Art e outras
• Diferentes formas de expressão
visual como forma de comunicação articulando a percepção, a

LINGUAGENS
artística e a integração entre elas • Arte Contemporânea no Brasil e no
humana. imaginação, a emoção, a
Distrito Federal
investigação, a sensibilidade e a
• Reconhecer e utilizar procedimentos
reflexão ao realizar e fruir produções • Relação entre arte e mercado
artísticos para análise, entendimento
artísticas.
e fruição da produção visual. • Influências da arte produzida ao
• Construir uma relação de longo da história sobre produções
• Conhecer, respeitar e valorizar a
autoconfiança com a produção modernistas brasileiras
diversidade de expressões artísticas
artística pessoal e conhecimento
responsáveis pela formação da arte • A influência dos meios de
estético, respeitando a própria
brasileira, além de identificar diversos comunicação de massa no
produção e a dos colegas.
artistas e suas características. comportamento da sociedade
• Conhecer e utilizar elementos
• Impressionismo: Início das grandes
básicos da linguagem visual em
tendências de arte no século XX
espaço bidimensional e
tridimensional em diferentes • Influência da tecnologia em
possibilidades expressivas. realizações artísticas atuais
• Desenvolver um pensamento • Elementos básicos da linguagem
reflexivo sobre a realidade a partir da visual relacionados ao estilo artístico
análise crítica, da pesquisa e e período histórico
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


investigação do objeto artístico • Diferença entre cor luz e cor
contextualizado. pigmento
• Identificar profissões que envolvem o • Fotografia e Pontilhismo
universo artístico.
• Pós-Impressionismo: uso arbitrário
• Produzir conteúdo audiovisual a da cor, definida e limitada por linhas
partir de dispositivos móveis e outros de contorno visíveis

• Tendências de novas profissões


ligadas a arte e a tecnologias
contemporâneas

ARTE – ARTES VISUAIS


• Arte Cinética, Vídeo e os elementos
da linguagem videográfica, Animação

LINGUAGENS
(Stop Motion)
• Conceitos da linguagem
cinematográfica, tais como: captura
de imagem, ângulos,
enquadramento, recursos de
montagem, etc.
71
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Linguagem artística: Teatro

Na história do Brasil, houve um tempo em que o teatro foi utilizado como


instrumento de catequização dos povos originários por meio da missão dos jesuítas
no processo de colonização desse país. Com o advento da República, houve uma
expansão dos direitos educacionais, que foram concretizados somente na metade do
século XX, sendo marcos desse processo o manifesto dos pioneiros pela Escola Nova
(1932) e a criação da Escolinha de Arte do Brasil (1948).
Assim, quando a educação artística chegou à escola como atividade curricular,
em 1971 (Lei Nº 5.692), a sua fundamentação teórica ainda estava em construção.
Os professores de Artes Cênicas/Teatro tinham que fazer transposições das ideias
dos grandes mestres para o campo educativo, dentre estes: Constantin Stanislavski,
Bertold Brecht, Antonin Artaud, Jerzy Grotowski e outros. O Serviço Nacional de
Teatro – SNT foi o órgão responsável pelas primeiras publicações e traduções de
autores estrangeiros como Peter Slade e Viola Spolin, além dos livros de autores
nacionais, como Olga Reverbel, Joana Lopes, Fanny Abramovich, Ingrid Koudela e
outros pioneiros (SANTANA, 2016).
A partir da década de 1980, a demanda teórico-metodológica para o ensino do
teatro foi impulsionada pela expansão dos cursos de graduação em educação
artística, além do fortalecimento do movimento de arte-educadores em busca do
reconhecimento da área, do campo de pesquisa e da luta pela qualificação dos
processos educativos em Arte. Esse movimento fomentou o surgimento da pesquisa
específica nas subáreas do ensino da Arte, como estabelecido na Lei de Diretrizes e
Bases de 1996 (Idem). Entretanto, para que os estudos da Pedagogia do Teatro
compusessem uma bibliografia de referência, foi necessário que a pós-graduação se
firmasse nas últimas décadas.
Nos dias atuais, existem inúmeras fontes de pesquisa na área do Teatro,
permitindo ao professor um suporte teórico-metodológico amplo, seja por meio da
Internet ou por outras possibilidades tecnológicas, que viabilizam a interação e a troca
de ideias, de propostas e de práticas. Dessa maneira, o ensino e a aprendizagem em
teatro requerem um espaço de articulação entre os demais saberes e produções
artísticas e permitem singular apropriação histórica, social, política e geográfica de
temas e elementos desenvolvidos no currículo escolar.
O processo de criação de cenas oportuniza o fortalecimento da coletividade,
permite criar sentimentos de pertencimento e desenvolve a capacidade crítica por
meio da convivência e interação com diferentes culturas em diversos contextos
históricos. Nesse sentido, o currículo proposto visa uma aproximação do estudante às
linguagens de cena, com produção e reflexão crítica que se desenvolvem a partir da
relação corpórea sensorial em sala de aula e sua relação com a construção do
conhecimento.
Para Hartmann e Ferreira (2010), a sistematização da abordagem da Arte
Teatral pelo professor, por meio da implementação de um discurso teórico, histórico e

72
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

técnico, poderá permitir a instrumentalização de jovens e crianças para que possam


participar/ter acesso à cultura teatral de maneira mais completa, abrangente e
inclusiva. Nesse sentido, tem-se desenvolvido estratégias metodológicas para
viabilizar a mediação pedagógica do professor de Teatro em sala de aula, na intenção
de propiciar a capacidade de apreciação e avaliação dos estudantes:

[...] O que e como avaliar devem ser questões norteadas, antes de tudo,
pelos objetivos da disciplina e não pelo aparecimento aleatório de
"talentos" individuais. O teatro, sobretudo na sala de aula, na
contemporaneidade, deve fundamentalmente ser exclusivo e não
discriminatório e excludente (HARTMANN; FERREIRA, 2010, p.17).

Para isso, faz-se necessário que o professor esteja atento para essas questões
do ensino-aprendizagem em Teatro na contemporaneidade, sendo fundamental que
o educador busque a construção de suas práticas pedagógicas por meio da união
entre teoria e prática, de forma a permitir aos estudantes a reflexão e ação a partir dos
conteúdos abordados em sala de aula. Ainda, para Hartmann e Ferreira (2010), o
professor necessita assumir-se como um agente transformador, considerando os
aspectos político, social e cultural, e tendo em vista que as abordagens pedagógicas
contemporâneas em arte-educação têm enfatizado a seguinte distribuição em sala de
aula: a criação (prática), a apreciação (formação de público) e a contextualização
(atenção às peculiaridades da cultura e da sociedade em questão). Assim, é primordial
que as práticas pedagógicas em sala de aula não estejam distantes da realidade
cultural e social dos estudantes.
Por fim, o ensino do Teatro na escola busca contribuir para o despertar da
sensibilidade, para a promoção das potencialidades expressivas mediadas pela
dimensão mágica, ritualística e ancestral, bem como para a facilitação da articulação
entre diversos saberes por meio dos Eixos Integradores fundamentados neste
Currículo.

Referências
HARTMANN, L.; FERREIRA, T. Módulo 16: história da arte-educação 2. Programa Pró-
Licenciatura em Teatro. Brasília: Estação Gráfica Ltda., 2010.
SANTANA, A. P. Artes Cênicas: teoria e prática no ensino fundamental e médio. In:
FERREIRA, T. Artes Cênicas: teoria e prática no Ensino Fundamental e Médio. Porto
Alegre: Mediação, 2016.

73
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
74

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: TEATRO
2º CICLO – 1º BLOCO

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Conhecer espaços • Espaços de informação • Utilizar espaços • Espaços de informação • Conhecer espaços • Teatro Nacional, Centro
culturais de e de comunicação culturais de e de comunicação culturais de Cultural Banco do
comunicação artística artística presente na comunicação artística artística presente na comunicação artística Brasil, Complexo
teatral que estejam em cultura: teatros, salas de teatral que estejam na cultura: teatros, salas de teatral do Distrito Cultural Funarte
torno da escola ou da apresentação e outros cidade ou em regiões apresentação e outros Federal. Brasília, Teatro Dulcina,
Espaço Cultural Renato

ARTE –TEATRO
comunidade do vizinhas.

LINGUAGENS
• Espetáculos cênicos: • Espetáculos cênicos: • Compreender
estudante. Russo, Teatro Mapati,
teatro em espaços • Apreciar diferentes teatro em espaços diferentes formas de Espaço Cena, Espaço
• Desenvolver a convencionais e de rua
formas de convencionais e de rua manifestações do Cultural Bagagem,
percepção sobre • Conto e reconto de manifestações do teatro em diversos Espaço Semente,
• Cenas dramáticas: jogos
formas distintas de histórias: jogos teatro em diferentes contextos, conhecendo Teatro da Escola
dramáticos e teatrais;
manifestações do teatro dramáticos e teatrais; contextos, conhecendo aspectos de formação Parque 307/308 Sul,
improvisação teatral e
em diferentes improvisação teatral e aspectos de formação de plateia. entre outros
representações corporais
contextos, conhecendo representações de plateia.
aspectos de formação • Expressar-se • Espetáculos cênicos:
corporais • Elementos do teatro:
de plateia. • Criar cenas dramáticas cenicamente por meio teatro de rua, teatro de
palco, plateia, cortina,
• Palco, plateia, por meio de histórias do corpo, visando criar sombras, teatro de
figurino, máscaras,
• Exercitar a criatividade figurino, maquiagem e bonecos/ marionetes
ou memórias utilizando maquiagem e sonoplastia hábitos sociais,
por meio do faz de sonoplastia o corpo. organizar ideias e • Expressão corporal e
conta e imitação • Variadas entonações de
• Variadas entonações pensamentos. vocal
utilizando o corpo. • Conhecer elementos voz, diferentes
de voz, diferentes da teatralidade e suas fisicalidades, • Dramatizar cenas • Improvisação teatral,
• Conhecer elementos da
fisicalidades, relações expressivas e estereótipos, diversidade explorando desde a enquetes, dramatização
teatralidade e suas
diversidade de compositivas. de personagens e teatralidade dos gestos de cenas e situações
relações expressivas e
personagens e narrativas e das ações do
compositivas. • Interpretar • Elementos do teatro:
narrativas cotidiano até
personagens de palco, bastidores,
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Utilizar-se de • Narrativas de textos narrativas teatrais para • Narrativas teatrais: elementos de camarim, cenário,
modalidades teatrais infantis, de espetáculos estimular a autocrítica, textos infantis, peças diferentes matrizes cortina, plateia,
para desenvolver a teatrais, histórias em o senso estético e infantis, musicais, entre estéticas e culturais. sonoplastia, figurino e
confiança em si quadrinhos, filmes, desenvolver a outros maquiagem
• Utilizar os elementos
mesmo, a propagandas, autodisciplina e • Criação e interpretação
• Diálogos e enquetes. teatrais nas produções
autodisciplina e a desenhos animados e liberdade de de personagens de
Improvisação de cênicas.
liberdade de programas infantis de autoexpressão. filmes, livros, contos,
pequenas cenas
autoexpressão. TV • Criar e interpretar desenhos animados,
• Produzir e encenar
• Elaboração de texto personagens de peças infantis, entre
• Reconhecer a • Histórias dramatizadas pequenas peças
dramático com início, narrativas teatrais para outros
estrutura do texto e repertório ficcional teatrais.
meio e fim estimular a confiança
dramático: início, meio • Elaboração de
• Texto dramático e • Produzir individual e em si mesmo,
e fim. • Histórias criadas e espetáculos em grupo

ARTE –TEATRO
elementos do coletivamente textos desenvolver a

LINGUAGENS
dramatizadas, repertório • Gêneros dramáticos:
• Interpretar narrativas. espetáculo dramáticos com início, autodisciplina e
ficcional comédia, drama,
infantis (personagem, cena, meio e fim. liberdade de
texto, iluminação e • Movimentos autoexpressão. musical, entre outros
• Perceber o teatro • Reconhecer e
sonoplastia) socioculturais (frevo • Encenação de cenas a
como fonte de cultura compreender o teatro • Produzir e encenar
maracatu, quadrilha, partir de ações do
e sua relação com a • Movimentos como fonte de cultura e espetáculos teatrais.
samba, capoeira, rock, cotidiano até elementos
história, respeitando as socioculturais (frevo sua relação com a
gospel, rap) e outros do • Produzir com de diferentes matrizes
diversidades étnicas, maracatu, quadrilha, história, respeitando as
contexto autonomia textos de estéticas e culturais
religiosas, culturais e samba, capoeira) e diversidades étnicas,
diferentes gêneros (indígenas, quilombolas,
sociais. outros do contexto religiosas, culturais e
dramáticos com início, afro-brasileiras, entre
sociais. outras)
• Confeccionar e utilizar • Máscaras com meio e fim.
máscaras com referências indígenas, • Encenar pequenas
• Conhecer cenas
referências indígenas, africanas japonesas, cenas teatrais,
cotidianas das culturas
africanas japonesas, gregas, indianas e utilizando máscaras
indígenas, quilombolas
gregas, indianas e outras com referências
e afro-brasileiras
outras indígenas, africanas
respeitando suas
japonesas, gregas,
especificidades.
indianas e outras
75
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
76

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: TEATRO
2º CICLO – 2º BLOCO

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Experienciar diferentes formas de • Espetáculos cênicos convencionais e • Conhecer espaços culturais • Pesquisa de espaços teatrais nas
manifestações do teatro em diversos não convencionais. Formação de históricos de comunicação artística regiões do Brasil por meio de
contextos, observando os aspectos plateia nas regiões do Brasil. recursos tecnológicos e digitais.
de plateia. Exemplo: Teatro Municipal de São
• Composição de cenas teatrais: • Pesquisar e conhecer os principais
Paulo, Teatro Municipal do Rio de
• Combinar movimentos corporais e monólogo, stand-up, esquetes dramaturgos e atores teatrais do
Janeiro, Teatro da Paz – Belém,

ARTE –TEATRO
LINGUAGENS
vocais em atividades cênicas em Brasil.
• Dramatização de histórias diversas Teatro José de Alencar – Fortaleza,
grupo ou individual.
• Experienciar e comparar diferentes Teatro Ópera de Arame – Curitiba,
• Produção e encenação textos
• Produzir textos dramáticos e encená- formas de manifestações do teatro Teatro Nacional – Brasília
dramáticos: expressão corporal;
los expressando-se por meio do em diversos contextos, observando
expressão vocal: articulação, dicção • Dramaturgos e atores brasileiros
corpo, voz e sensações. os aspectos de plateia.
e projeção e comunicação
• Espetáculos cênicos convencionais e
• Identificar as diferentes modalidades espontânea das diferentes • Compor movimentos corporais e
não convencionais. Formação de
teatrais. sensações (olhar, ver, escutar, ouvir, vocais em atividades cênicas em
plateia
comer, pegar, cheirar, andar etc.) grupo ou individual.
• Reconhecer e experienciar os
• Composição de cenas teatrais:
elementos teatrais em espetáculos • Teatro de bonecos/marionetes, teatro • Encenar textos dramáticos de peças
monólogo, diálogos, stand-up,
cênicos. de atores, teatro de sombras, teatro brasileiras expressando-se por meio
enquetes
de máscaras, musicais, entre outros do corpo, voz e sensações.
• Explorar diferentes tecnologias e
• Auto da Compadecida, Pluft o
recursos digitais em produções • Elementos do teatro: palco, • Produzir peças teatrais com definição
Fantasminha, Os Saltimbancos, entre
cênicas. bastidores, camarim, cenário, cortina, de elenco (atores, diretor,
outros
plateia, sonoplastia, figurino, sonoplasta, cenógrafo).
• Vivenciar cenas cotidianas das
maquiagem, iluminação, entre outros • Elementos do teatro: palco,
culturas indígenas, ciganas, • Utilizar diferentes tecnologias e recursos
bastidores, camarim, cenário,
quilombolas e afro-brasileiras dos • Tecnologia e recursos digitais em digitais em produções cênicas.
cortina, plateia, sonoplastia,
grupos que residem no Distrito produções cênicas. Exemplo:
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Federal e entorno respeitando suas filmadora, gravador, câmeras, • Identificar e compreender as figurino, maquiagem, iluminação,
especificidades. celulares, jogos eletrônicos, influências das culturas indígenas e entre outros
aplicativos, websites, entre outros afro-brasileiras, marcadas pela
• Criar e exercitar novas formas de • Produção e encenação de peças
diversidade de rituais, mitos e
linguagens corporal e cênica a partir • Grupos indígenas (Tapuias-Fulniôs, teatrais em grupo, definição de
imaginários, entendendo a função do
do circo (palhaçadas/clown por meio Guajajaras, Pataxós, Tukano e papeis. Exemplo: diretor, atores e
corpo como elemento expressivo das
da definição de um personagem. outros), Quilombo Mesquita, Ciganos atrizes, sonoplasta, cenógrafo
relações pessoais.
e Afro-brasileiros
• Tecnologia e recursos digitais em
• Produzir e exercitar novas formas de
• Criação de um personagem (sua produções cênicas. Exemplo:
linguagens corporal e cênica a partir
própria “cara de palhaço”), filmadora, gravador, câmeras,
do circo (palhaçadas/clown) por
maquiagem, mímica, acrobacia, celulares, jogos eletrônicos,
meio da criação de personagens e
malabarismo e outros aplicativos, websites, entre outros
ter a possibilidade de brincar com

ARTE –TEATRO
LINGUAGENS
outra personalidade. • Culturas indígenas e afro-brasileiras
no teatro: danças, rituais,
brincadeiras, jogos, danças, canções
e histórias, entre outras
• Criação de um personagem (sua
própria “cara de palhaço"),
maquiagem, mímica, acrobacia,
malabarismo, improvisação,
exercícios de equilíbrio, criação de
histórias e outros
77
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
78

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: TEATRO
3º CICLO – 1º BLOCO

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Conhecer a história do teatro da pré- • Multiplicidade da obra cênica • Conhecer e valorizar o Teatro • Teatro Medieval: principais gêneros
história à antiguidade e teatro grego. Medieval e o do Brasil Colônia: teatro teatrais
• História do Teatro, da dança e do
jesuítico, teatro como catequese
• Apreciar manifestações afro- circo: Conceito de Teatro, de dança e • Teatro no Brasil Colônia: Teatro
(José Anchieta); Comédia de
brasileiras e indígenas na cultura de circo como linguagens artísticas Jesuítico: teatro como catequese
Costumes (Martins Pena).
brasileira: maracatu, congada, (José de Anchieta); Comédia de
• Origem do Teatro como expressão
bumba-meu-boi, capoeira, frevo, • Compreender o conhecimento Costumes (Martins Pena)

ARTE –TEATRO
da diversidade humana; mitologia

LINGUAGENS
entre outras. artístico como produção, fruição e
• Manifestações culturais afro-
• Teatro Grego: mitologia e arquitetura contexto histórico.
• Reconhecer os elementos principais brasileiras e indígenas na cultura
do teatro: figurino, cenário, • Tragédia e Comédia; Teatro • Valorizar e respeitar manifestações brasileira
iluminação, sonoplastia, maquiagem, Romano: aspectos históricos e culturais afro-brasileiras e indígenas
• Histórias de resistências de povos
adereços e trabalho do ator. arquitetura na cultura brasileira.
indígenas e afro-brasileiros com
• Apreciar o fazer artístico, • Rituais litúrgicos em diferentes • Produzir gêneros dramáticos. identificação de elementos cênicos
contextualizando a produção com culturas: aspectos dos povos de obra dramática
• Conhecer e valorizar as Artes
teatro, dança, circo, mitologias de indígenas e afro-brasileiros
Cênicas em manifestações • Conceito de Arte, de Teatro, de
diversas culturas, teatro brasiliense e
• Conhecimento artístico cênico como socioculturais. Dança e de Circo como linguagens
manifestações culturais brasileiras.
produção, fruição e contexto histórico artísticas e de comunicação
• Elaborar peças teatrais fazendo uso
• Compreender as Artes Cênicas como
• História do Teatro Brasiliense dos elementos da linguagem teatral. • Cultura Popular e Erudita
linguagem e forma de expressão.
(valorização e contextualização)
• Elementos da linguagem teatral: • Frequentar espaços culturais e
• Conhecer e valorizar manifestações
corpo, voz, expressão corporal, exercitar atitudes de plateia. • Elementos da linguagem teatral:
culturais afro-brasileiras.
figurino, iluminação, sonoplastia, figurino, iluminação, sonoplastia,
• Conhecer e utilizar técnicas de
• Utilizar os gêneros dramáticos em cenário, maquiagem e adereços cenário, maquiagem e adereços
expressão corporal e expressividade
produções cênicas.
• Elementos formais de dança: vocal. • Montagem teatral
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Perceber as artes cênicas como movimento expressivo, ritmo, • Apreciar e interpretar elementos • Formação de plateia
ciência voltada para a formação equilíbrio, eixo, orientação espacial, cênicos de produções culturais.
• Consciência corporal: postura,
crítica, política e social. composição coreográfica
lateralidade, locomoção, respiração,
• Conhecer produções cênicas • Formação de plateia tônus, relaxamento
brasiliense.
• Consciência corporal: postura, • Expressividade vocal: articulação,
• Identificar os elementos da lateralidade, locomoção, respiração, projeção, dicção, entonação e
linguagem teatral. tônus, relaxamento projeção da voz associadas a
movimentos respiratórios e
• Apreciar e interpretar elementos • Movimento expressivo: ações
respiração diafragmática
cênicos em produções culturais. corporais básicas de movimento
• Movimento expressivo. Ações
• Conhecer espaços culturais e • Estudo de movimento expressivo em
corporais básicas de movimento

ARTE –TEATRO
compreender atitudes de plateia. manifestações cênicas afro-

LINGUAGENS
brasileiras: maracatu, congada, • Elementos de movimento expressivo
• Conhecer e utilizar técnicas de
bumba-meu-boi, capoeira, frevo, em diversas manifestações afro-
expressão corporal e expressividade
entre outras brasileiras: maracatu, congada,
vocal.
bumba- meu-boi, capoeira, frevo,
• Expressividade vocal: articulação,
• Desenvolver potencial criador, entre outras
projeção, dicção, entonação e
capacidade de leitura e releitura de
projeção de voz associados a • Jogos dramáticos e teatrais como
elementos teatrais.
movimentos respiratórios e elementos de ação cênica
respiração diafragmática
• Jogos dramáticos e teatrais como
elementos de ação cênica
79
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
80

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: TEATRO
3º CICLO – 2º BLOCO

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Conhecer o teatro da Idade Moderna: • Teatro Renascentista Inglês - Teatro • Conhecer e valorizar o Teatro • Correntes Teatrais no século XX, na
Renascimento, Barroco, Elisabetano: William Shakespeare Moderno e Contemporâneo. Europa: Novas tendências teatrais na
Neoclassicismo e Romantismo. Europa; Influências do teatro oriental
• Comedia Dell’Art: Goldoni e Molière • Identificar as novas tendências
no teatro do século XX
• Conhecer e valorizar: Teatro teatrais na Europa. Teatro Realista,
• Teatro Romântico, Realista e
Renascentista Inglês, Comédia Naturalista, Épico, Teatro do • Novas tendências no teatro brasileiro
Naturalista
Dell’Art, Teatro Romântico, Realista e absurdo, novas correntes. do século XX: Influência europeia no

ARTE –TEATRO
LINGUAGENS
Naturalista. • Estudo de manifestações e Teatro Moderno Brasileiro; Formação
• Conhecer e valorizar manifestações
elementos culturais afro-brasileiros e de grupos teatrais brasileiros (TBC -
• Pesquisar as principais culturais afro-brasileiras e indígenas
indígenas na cultura brasileira Teatro Brasileiro de Comédia, Arena,
manifestações culturais afro- na cultura brasileira.
Oficina, Teatro Experimental do
brasileiras e indígenas na cultura • Leitura dramática e análise de textos
• Apresentar peças cênicas com Negro); Principais atores e atrizes em
brasileira. teatrais
produção a partir de gêneros início do século XX: Procópio
• Produzir gêneros dramáticos em • Elementos teatrais presentes em dramáticos. Ferreira, Bibi Ferreira, Dulcina de
coletivo. obras de dramaturgos brasileiros Moraes, Ruth de Souza, Grande
• Valorizar as Artes Cênicas em
representantes das correntes Otelo, Paulo Autran, Fernanda
• Identificar e conhecer elementos de manifestações socioculturais, locais,
artísticas: Romantismo, Realismo, Montenegro, Oscarito, Eva Todor,
linguagem teatral. regionais e nacionais.
Naturalismo, entre outras entre outros; Teatro de Revista
• Utilizar as técnicas de expressão • Reconhecer e utilizar elementos da
• Elementos da linguagem teatral: • Dramaturgia brasileira: Nelson
corporal e expressividade vocal. linguagem teatral.
figurino, iluminação, sonoplastia, Rodrigues, Augusto Boal, Dias
• Conhecer e utilizar técnicas de cenário, maquiagem e adereços • Utilizar as técnicas de expressão Gomes, Gianfrancesco Guarnieri,
expressão corporal e expressividade corporal e expressividade vocal. Plínio Marcos e Ariano Suassuna
vocal. • Montagem Teatral
• Poéticas teatrais contemporâneas
• Interpretar elementos cênicos de • Elementos formais da dança
produções culturais.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Formação de plateia • Construir personagens com suas • Elementos da cultura afro-brasileira e
possibilidades gestuais e de indígena na dramaturgia brasileira
• Consciência corporal e
movimentos do corpo em diferentes
expressividade vocal • Elementos de linguagem teatral:
contextos.
figurino, iluminação, sonoplastia,
• Movimento Expressivo
• Encenar elementos cênicos de cenário, maquiagem e adereços
• Jogos dramáticos e teatrais como produções culturais.
• Montagem teatral
elementos de ação cênica
• Formação de plateia
• Elementos básicos e consciência
corporal: Expressividade vocal;
Movimento expressivo

ARTE –TEATRO
LINGUAGENS
• Noções de corporeidade baseadas
em culturas afro-brasileiras e
indígenas

• Jogos dramáticos e teatrais como


elementos de ação cênica
• Construção e interpretação de
personagens em diversos espaços e
contextos
81
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Linguagem artística: Dança

A Dança conquista espaço como linguagem no componente curricular Arte com


a Lei 13.278, de 02 de maio de 2016 (BRASIL, 2016). Até esse momento, sua
presença, nas práticas escolares, era relativamente escassa e se dava de forma
espontânea, assistemática, extracurricular, vinculada às experiências coletivas de
manifestações culturais da comunidade escolar ou como repertório do legado gestual
da cultura corporal, dentro dos estudos da Educação Física ou do Teatro.
Tal situação se apresentava, e se apresenta ainda, a despeito dos caminhos já
trilhados pela área na construção de conhecimentos específicos e de pedagogias
próprias, a se refletirem nos currículos de formação docente em Dança do país e,
também, em documentos legais como os Parâmetros Curriculares Nacionais
(BRASIL, 1997) e, recentemente, nas Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da
Educação Básica (2013).
Esses documentos reconheceram e enfatizaram a importância da Dança na
formação integral do indivíduo, sistematizando os objetivos de aprendizagem
necessários para compor o ensino dessa linguagem e formulando diretrizes
específicas norteadoras. É importante lembrar também que o primeiro curso de
Licenciatura em Dança no Brasil surgiu na Universidade Federal da Bahia, na década
1960, e que o Distrito Federal tem polo próprio de formação desse profissional desde
2010, no Instituto Federal de Brasília - IFB.
Com a homologação da Base Nacional Comum Curricular – BNCC em 2017,
tornou-se fundamental a inserção da Dança nos currículos de Arte dos sistemas e
redes de ensino de todo o Brasil. Assim, a Secretaria de Estado de Educação do
Distrito Federal - SEEDF propôs a reformulação do Currículo em Movimento do Distrito
Federal, inserindo, nesta nova edição para o Ensino Fundamental, a Dança como
linguagem específica no componente curricular de Arte.
Nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, a dança deve estar pautada em
vivências lúdicas do movimento, estabelecendo conexões com as experiências
vivenciadas na Educação Infantil. Com o ganho de desenvoltura e autonomia motriz
que essa etapa traz, as crianças ampliam suas relações com o espaço físico e cultural
e com sua própria corporeidade, abrindo-se para novas percepções.
Cabe, então, ao ensino da dança, oportunizar a experimentação intencional
dessas novas relações espaço-temporais internas e externas da movimentação, no
sentido de uma progressiva compreensão desses elementos na constituição de sua
própria identidade e do mundo. Isso pode ser feito tanto na exploração de repertório
gestual próprio como na experimentação de diferentes manifestações de dança
presentes no contexto social.
Promover a curiosidade e a reflexão por meio de proposições indagativas que
resgatem ludicamente vivências anteriores é um caminho metodológico sugerido. Por
exemplo, para o desenvolvimento da percepção da movimentação articular, assim

82
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

como do tempo e do espaço ocupado pelo gesto em relação ao espaço da sala e aos
colegas, pode-se perguntar: “e se eu mover meu braço como um grande cata-vento,
o que acontece?”
A capacidade de fazer perguntas inseridas no contexto de interesses dos
estudantes e de respondê-las por meio do movimento dançado gera um ambiente
propício para a ampliação de operações sensíveis, cognitivas, motrizes e expressivas.
Ao perceber o movimento em si mesmo, pela via sensorial e não pela reprodução
mecânica de padrões, o estudante desenvolve estruturas perceptivas sensíveis que o
capacitam, também, a compreender o mundo a partir de novos olhares.
Para os Anos Finais, busca-se ressignificar as aprendizagens do ciclo anterior,
aprofundando-as e oportunizando a ampliação dos saberes específicos da Dança, no
sentido da percepção de uma maior complexidade nas relações estabelecidas, seja
na própria construção do movimento, seja na conexão entre ele e o contexto social
em que está inserido.
Na passagem da infância para a adolescência, as situações de vida do jovem
adolescente tendem a ser intensas e complexas, decorrentes das transformações
orgânicas, emocionais e sociais as quais vivencia. Diante desse contexto, o ensino da
Dança precisa acompanhar o desenvolvimento das aprendizagens dos estudantes,
atentando, sempre, para o complexo mundo emocional que se processa nele.
Avança-se nessa etapa na compreensão dos fatores do movimento (LABAN,
1978 e 1990) e na sua utilização, de forma a estimular a expressão autônoma. Ao ser
acolhido em sua movimentação expressiva, o estudante é convidado, também, a
acolher a movimentação do outro. No processo de expressão e fruição artísticas,
pautado na observação dos fatores do movimento e dos elementos constitutivos da
expressão dançada (ROBATTO, 1994 e 2012; MARQUES, 2010), e desvinculado de
julgamentos e pré-conceitos, consolida-se uma prática corporal integrativa e
humanizadora, respeitosa das diferenças e contrária a formas de violência simbólica
presentes na comunidade e na escola (BRASIL, 2017).
A estratégia da problematização, assim como na etapa anterior, continua sendo
aliada metodológica, avançando-se na complexidade das conexões propostas nas
indagações. A pergunta, por exemplo, “Que sentidos podem nascer de um gesto
dançado?” possibilita respostas aprofundadas tanto no campo da percepção
cinestésica (dos movimentos do corpo) quanto no campo das representações e
significações, favorecendo a construção de sentidos individuais e coletivos para as
formas estéticas elaboradas e fortalecendo a compreensão da Dança como prática
artística.
Também no campo dos processos de composição, a problematização permite
a pesquisa e exploração de diferentes modos de construção e encenação da Dança,
presentes nas diversas culturas, ampliando visões e contextos e incentivando
diálogos, integração e interdisciplinaridade.
A proposta de matriz curricular de Dança para a etapa do Ensino Fundamental
pretende estabelecer bases sólidas de autoconhecimento e expressão que possam
conduzir os estudantes, com mais autonomia e autoestima, à desenvoltura e
criticidade, à sensibilidade estética e ética, a fim de que progridam em suas
aprendizagens vivenciando novos desafios no Ensino Médio.

83
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Referências
BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF,
1997.

______. Lei Nº 13278, de 02 de maio de 2016. Altera o § 6º do art. 26 da Lei No 9.394, de


20 de dezembro de 1996. Brasília, DF, maio, 2016. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13278.htm>. Acesso em:
12/07/2018.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum


Curricular. Brasília, 2017.

LABAN, R. Domínio do movimento. São Paulo, Summus, 1978.

______. Dança educativa moderna. São Paulo: Ícone, 1990.

MARQUES, I. Linguagem da dança: arte e ensino. São Pulo: Digitexto, 2010.

ROBATTO, L. Dança em processo - a linguagem do indizível. Salvador: UFBA, 1994.

______. A dança como via privilegiada da educação: relato de uma experiência.


Salvador: EDUFBA, 2012.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

AMANTINO, M (org.). História do corpo no Brasil. São Paulo: UNESP, 2011.

ANDRADE, M. de. Danças dramáticas do Brasil. Editora Itatiaia, 2002.

BOURCIER, P. História da dança no ocidente. São Paulo: Martins Fontes,2001.

GOLDBERG, R. A Arte da Performance: do futurismo ao presente. São Paulo: Martins


Fontes, 2006.

HAAS, J. G. Anatomia da Dança. São Paulo: Manole, 2011.

KAPIT, W.; ELSON, L. M. Anatomia – Um Livro Para Colorir. Tradução Claudio Fava

LOBO, L.; NAVAS, C. Arte da composição: Teatro do Movimento. Brasília: Editora LGE,
2008.

______.Teatro do movimento: um método para o intérprete-criador. Brasília: LGE Editora,


2003.
MARQUES, I. Dançando na escola. São Paulo: Editora Cortes, 2003.

RODRIGUES, G. Bailarino pesquisador intérprete. Lauro de Freitas-BA: Solisluna, 2018.

SOARES, C. L. Pesquisas sobre o corpo: ciências humanas e educação. Campinas:


autores associados, 2007.

84
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: DANÇA
2º CICLO – 1º BLOCO

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Contextos e Práticas Contextos e Práticas Contextos e Práticas Contextos e Práticas Contextos e Práticas Contextos e Práticas

• Vivenciar brincadeiras, • Brincadeiras, jogos • Experimentar, • Brincadeiras, jogos • Conhecer, vivenciar e • Manifestações de
jogos rítmicos e rítmicos, brinquedos conhecer e rítmicos e canções apreciar manifestações dança: estilos,
canções presentes em cantados e canções do compartilhar de (cantigas de roda, de dança do contexto linguagens e práticas

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
sua cultura, que repertório da criança e brincadeiras, jogos brinquedos cantados, do estudante seja ele diversas da dança
resgatem o universo de seus pares rítmicos e canções do cirandas, entre outros) familiar, da
• Manifestações de
infantil da criança. contexto do estudante comunidade e/ou da
• Espaços culturais da • Espaços culturais de dança da cultura local e
seja ele familiar, da escola.
• Conhecer espaços comunidade local dança da Região regional pertencentes a
comunidade e/ou da
culturais da Administrativa • Conhecer as danças diferentes matrizes
escola.
comunidade local circunvizinha à escola. das diferentes matrizes culturais brasileiras
voltados para dança. • Conhecer espaços Espaços de culturais presentes no
• Espaços culturais de
culturais de dança da convivência (hall de patrimônio artístico
Brasília (Centro de
Região Administrativa entrada), espaços de brasileiro.
Dança do DF, Teatro
circunvizinha à escola contemplação (espaço
• Conhecer espaços Nacional, Espaço
e identificar seus da cena: palco, arena
culturais de Brasília Renato Russo, entre
elementos etc.), espaços de
com promoção ao outros)
constitutivos. ensaio e preparação
sentimento de
dos espetáculos
pertencimento à
(camarins)
cidade.
85
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
86

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Reconhecer e • Espaços de fala,
identificar os elementos espaços de escuta,
constitutivos dos espaços de
espaços culturais e deslocamento, espaços
suas formas de de não deslocamento
funcionamento.

Elementos da Elementos da Elementos da Elementos da Elementos da Elementos da


Linguagem Linguagem Linguagem Linguagem Linguagem Linguagem
• Identificar as partes do • Partes do corpo: • Identificar as partes • Partes do corpo: • Conhecer as • Pequenas e grandes
corpo e o corpo em sua cabeça, braços, fracionadas do corpo e cabeça, mãos, braços, articulações do corpo e articulações

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
totalidade no pernas, tronco. Forma o corpo em sua antebraços, coxa, suas possibilidades de
• Formas do corpo:
movimento. corporal totalidade no perna, pés, coluna, movimentação.
curva, reta, simétrica e
movimento. cintura, quadril
• Experimentar ações • Ações corporais: • Explorar e assimétrica, formas
corporais. caminhar, correr, saltar, • Explorar as • Formas: grande, compreender as geométricas
girar, pausar possibilidades de forma pequena, curva, reta possibilidades de forma
• Conhecer e vivenciar • Ações corporais
do corpo. do corpo.
os elementos do • Níveis do espaço (alto • Conceito de espaço combinadas. Exemplo:
espaço. e baixo) e direções • Diferenciar ações de pessoal, espaço global. • Combinar ações pular e correr, girar e
básicas (frente, trás, deslocamento das Ações corporais: corporais, com e sem rolar etc.
• Vivenciar percursos
lado) ações no espaço caminhar, correr, pular, deslocamento.
espaciais variados. • Níveis do espaço e
pessoal (cinesfera). saltar, girar, pausar
• Deslocamento: retas, • Associar ações direções básicas
• Experimentar variações
curvas, círculos, zigue- • Conhecer e • Níveis do espaço (alto, corporais explorando (frente, trás, lado,
de tempo do
zague e formas experimentar médio e baixo) e os elementos do diagonais)
movimento.
geométricas elementos do espaço. direções básicas (frente, espaço.
• Retas, curvas, círculos,
trás, lado e diagonal)
• Movimento com tempo • Combinar percursos • Combinar ações zigue-zague e formas
rápido, lento, pausado espaciais variados. • Retas, curvas, círculos, corporais explorando geométricas
zigue-zague e formas percursos espaciais.
geométricas
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Combinar variações do • Movimentos com • Compor diversos • Movimentos com
tempo dos movimentos. tempo rápido, lento, percursos espaciais em tempo rápido, lento,
pausado diferentes variações de pausado em diversos
tempo. percursos

Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação
• Vivenciar • Improvisação livre com • Vivenciar • Improvisações livres • Vivenciar propostas de • Criação e improvisação
improvisações em movimentos improvisações em e/ou dirigidas criação coletiva. em pequenos grupos
dança. espontâneos dança individualmente,
• Improvisação a partir • Explorar a criação • Recursos audiovisuais:
em duplas e/ou trios.
• Experimentar • Improvisação a partir das características da artística por meio de vídeos, fotografias,

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
movimentos a partir de das características da • Experimentar fauna e flora fotografias, vídeos, áudios e outros
elementos da natureza. água, terra, fogo e ar movimentação a partir áudios e outros.
• Obras literárias, • Obras arquitetônicas,
de elementos da
• Utilizar a imaginação • Imaginário infantil musicais e fotográficas • Utilizar obras artísticas teatrais, plásticas e
natureza da fauna e da
como estímulo e (sonhos, fantasias, presentes na cultura como inspiração para a audiovisuais presentes
flora.
material para desenhos, relatos, infantil criação em dança. na cultura infantil
improvisações em histórias, narrativas, • Improvisar danças
• Registros pessoais da • Vivenciar trocas e • Registros pessoais e
dança. outros) inspiradas em obras
experiência vivenciada reflexão sobre as coletivos da
artísticas de outras
• Vivenciar momentos de • Registros pessoais da em dança experiências de dança experiência vivenciada
linguagens.
trocas sobre as experiência vivenciada vivenciadas em grupo.
experiências em dança. (conversas, desenhos, • Compartilhar e refletir
textos) em grupo sobre as
experiências
vivenciadas nas
atividades em sala.
87
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
88

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO


PARA A SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: DANÇA
2º CICLO - 2º BLOCO

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Contextos e práticas Contextos e práticas Contextos e práticas Contextos e práticas


• Conhecer, vivenciar e apreciar • Manifestações de dança da • Conhecer as manifestações de • Manifestações de dança do Norte,
manifestações de dança da cultura comunidade local e regional dança das regiões do Brasil. Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-
local e regional. Oeste
• Manifestações de dança da cultura • Adquirir repertório relativo às

ARTE – DANÇA
• Pesquisar a diversidade cultural brasileira e suas matrizes indígenas diferentes manifestações de dança • Manifestações de dança da cultura

LINGUAGENS
presente nas manifestações de e africanas de matrizes indígenas, africanas e brasileira e suas matrizes indígenas,
dança brasileira. europeias. africanas e europeias
• Espaços culturais do Distrito Federal
• Conhecer espaços culturais do • Conhecer possibilidades alternativas • Espaços urbanos: praças, avenidas,
• Elementos do espaço teatral: palco,
Distrito Federal, em especial aqueles de espaços cênicos urbanos e seus parques etc. Espaços de mobilidade
plateia, coxias, rotundas, camarim,
voltados para as práticas de dança. elementos constitutivos. urbana, espaços de lazer, espaços
cabine de som e iluminação
de comércio, espaços residenciais
• Identificar elementos constitutivos do • Explorar jogos eletrônicos de dança.
• Campos de atuação: ensino, entre outros
espaço cultural teatral.
composição coreográfica, direção,
• Jogos eletrônicos de dança: Pump It
• Conhecer os campos de atuação produção, elenco, iluminação,
Up, Dance Dance Revolution, Just
profissional da área de dança. cenografia, sonoplastia
Dance etc.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem


• Estabelecer relações entre o • Independência de movimento das • Explorar diferentes posturas • Partes do corpo como pontos de
movimento das partes do corpo, partes do corpo (movimentos corporais, alternando as partes do apoio sobre o solo
movimentos parciais, e do corpo na parciais). Domínio de movimento do corpo que o apoiam sobre o solo.
• Formas (contraída, dilatada etc.),
totalidade, movimentos totais. corpo como um todo (movimentos
• Identificar e caracterizar as formas, ações corporais (inclinar, gesticular
totais)
• Ampliar as possibilidades de as ações corporais, as estruturas etc.), organização espacial e
experimentação das formas do • Formas do corpo: contraída, dilatada, espaciais e temporais mais presentes temporal características das
corpo. curva, reta, simétrica, assimétrica, nas manifestações de dança das manifestações de dança das
geométricas, estáticas e dinâmicas diferentes matrizes culturais matrizes culturais brasileiras
• Ampliar o repertório de
brasileiras.
experimentação de ações corporais. • Ações corporais: inclinar, gesticular, • Atitude ativa e passiva (abandonada)

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
cair, levantar, espreguiçar, torcer, • Identificar as qualidades do fator de com relação à gravidade. Qualidades
• Conhecer e vivenciar os elementos
deslizar, chacoalhar movimento peso e as atitudes com firme e leve do fator de movimento
do espaço.
relação à gravidade. peso
• Níveis do espaço (alto, médio e
• Combinar variações de tempo dos
baixo) e planos horizontal (mesa),
movimentos.
vertical (porta) e sagital (roda)
• Tempo rápido, lento, contínuo,
descontínuo, pausado
89
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
90

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação


• Vivenciar propostas de criação • Criação e improvisação em • Vivenciar propostas de criação • Criação e improvisação em grupos
coletiva em dança em pequenos e pequenos e grandes grupos coletiva em dança.
• Fatos do cotidiano, notícias da
grandes grupos.
• Imaginação, memórias, histórias • Experimentar movimentos a partir de imprensa etc.
• Experimentar movimentos a partir de pessoais ou inventadas diferentes estímulos narrativos e
• Recursos digitais: celulares,
estímulos internos (pessoais). factuais.
• Obras literárias, arquitetônicas, aplicativos, gravadores etc.
• Utilizar obras artísticas (músicas, musicais, teatrais, plásticas, • Explorar a criação artística por meio
• Experiências pessoais e coletivas em
peças teatrais, literatura, artes fotográficas e audiovisual de fotografias, vídeos, áudios e
dança.
visuais) como inspiração para a outros.
• Experiências pessoais e coletivas em
criação em dança. • Etapas dos processos de criação em
dança • Vivenciar momentos de reflexão

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
dança vivenciados.
• Refletir sobre os momentos de sobre as experiências de criação em
• Dança e sua característica
criação em dança vivenciados. dança, compreendendo as etapas de
processual: a dança como um
seu processo de criação.
• Compreender a dança como um processo de criação. Etapas dos
fazer processual identificando suas processos de criação em dança
etapas. vivenciados
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO


PARA A SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: DANÇA
3º CICLO – 1º BLOCO

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Contextos e Práticas Contextos e Práticas Contextos e Práticas Contextos e Práticas


• Compreender as noções históricas, • Aspectos socioculturais das • Conhecer a dança na Idade Média e • Dança na Idade Média e
estéticas e socioculturais que manifestações de dança (quem Renascimento relacionando-a Renascimento – séculos V a XV
envolvem as manifestações de dança, idades, gêneros, etnia). criticamente à dança na (danças populares e dança de corte)
dança. Grupos e artistas da dança de contemporaneidade.

ARTE – DANÇA
• Danças de diferentes matrizes

LINGUAGENS
diferentes épocas
• Conhecer as origens históricas da • Conhecer, vivenciar e contextualizar culturais presentes nas regiões Norte
dança relacionando-a criticamente à • Dança na pré-história e na Idade manifestações de dança das regiões e Nordeste brasileiras. Exemplo:
dança na contemporaneidade. Antiga (grandes civilizações da Norte e Nordeste brasileiras. Carimbó, Siriá, Lundu e Xaxado,
Antiguidade) Frevo, Coco
• Conhecer, vivenciar e contextualizar • Contextualizar e refletir sobre as
manifestações de dança com ênfase • Danças de diferentes matrizes produções artísticas criadas pelos • Aspectos corporais: percepção da
na região Centro-Oeste brasileira. culturais presentes na região Centro- estudantes e de produções de diferença entre os corpos. Locais
Oeste brasileira. Exemplo: Catira, companhias e artistas diversos onde a dança acontece: na sala, no
• Vivenciar e contextualizar a
Cururu, Cavalhada observando os aspectos espaciais, pátio, na praça ou no palco. Aspectos
apreciação estética dos trabalhos
corporais e expressivos. expressivos: sentidos estéticos
criativos desenvolvidos pelos Aspectos corporais: percepção da
criados pela dança
estudantes e de outras diferença entre os corpos. Locais • Conhecer e caracterizar diferentes
manifestações de dança observando onde a dança acontece: na sala, no formas de expressão, representação • Danças narrativas, dança-teatro,
os aspectos espaciais, corporais e pátio, na praça ou no palco. Aspectos e encenação da dança. dança-tecnologia, danças clássicas,
expressivos. expressivos: sentidos estéticos da dança moderna, dança
dança contemporânea, entre outras
91
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
92

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem


• Perceber a distribuição do peso • Peso do corpo em deslocamento. • Perceber a organização e as • Organização e qualidades do peso
corporal na execução dos Peso das partes do corpo: tronco, qualidades do peso na execução dos em manifestações de dança como
movimentos cotidianos. membros, coluna. Movimentos movimentos nas diversas balé clássico, danças urbanas,
cotidianos manifestações de dança. danças de salão, dança
• Mover-se a partir do espaço interno,
contemporânea etc.
estabelecendo relações formais e • Ampliação e redução do espaço • Compreender o conceito de fluência
simbólicas com os espaços interno. Espaço interno, espaço do movimento. • Fator do movimento fluência e suas
interpessoal e grupal. pessoal, espaço interpessoal, espaço qualidades
• Experimentar diferentes qualidades
grupal
• Ampliar o repertório de de fluência do movimento. • Fluência livre, controlada/conduzida,
experimentação de ações básicas de • Ações básicas de esforço: socar, contínua, interrompida
• Combinar ações básicas de esforço

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
esforço. chicotear, pontuar, sacudir,
explorando diferentes qualidades e • Ações básicas de esforço (flutuar,
pressionar, flutuar, deslizar e torcer
• Desenvolver a percepção musical e elementos do espaço e do tempo. torcer, pressionar, deslizar, chicotear,
dos elementos musicais a partir do • Percepções rítmicas com ou sem sacudir, pontuar e socar). Elementos
• Desenvolver a percepção musical e
movimento. estímulo sonoro. Jogos e do espaço (níveis, planos, direções)
dos elementos musicais a partir do
brincadeiras com som. Pulsação, e do tempo (velocidade, acentuação,
movimento.
andamentos, ritmos duração)
• Desenvolver o sentido de
• Elementos da música: ritmo, melodia
cooperação e interação, a partir de
e harmonia
jogos corporais de dança em grupo.
• Dinâmicas de interação e jogos
corporais de dança em grupo
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação


• Aguçar a percepção sensorial e • Sentidos: paladar, olfato, audição, • Experienciar o tato e o contato com o • Diferentes texturas (áspero, liso,
utilizá-la como estímulo para o visão, tato e propriocepção. outro como estímulo para a criação rugoso etc.) e contato interpessoal
movimento expressivo. Percepção sensorial (dos sentidos) em dança.
• Percussão corporal, vocalizações,
como estímulo criativo para o
• Identificar e refletir sobre as etapas • Produzir sons a partir dos onomatopéias, canto etc.
movimento expressivo
do processo de criação em dança. movimentos corporais.
• Etapas da criação em dança: escolha
• Etapas do processo de criação:
• Reconhecer e vivenciar diferentes • Identificar etapas do processo de de tema, exploração de movimentos,
escolha de tema, exploração de
funções no processo de criação em criação em dança. seleção de movimentos, construção
movimentos, seleção de movimentos,
dança. de células ou frases de movimentos,
construção de células ou frases de • Compreender e vivenciar processos
definição de estrutura sequencial das
movimentos não hierárquicos (colaborativos) de

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
cenas, ensaios
criação em dança.
• Funções de coreógrafo, diretor,
• Abordagens colaborativas de
ensaiador de dança
processo de criação em dança
93
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
94

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTBILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: DANÇA
3º CICLO - 2º BLOCO

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Contextos e Práticas Contextos e Práticas Contextos e Práticas Contextos e Práticas


• Conhecer a dança na Idade Moderna • Dança Cênica na Idade Moderna • Contextualizar as noções históricas, • Interpretação e compreensão crítica
relacionando-a criticamente à dança (séculos XV a XVIII) estéticas e socioculturais da dança. de manifestação de dança de
na contemporaneidade. diferentes épocas e culturas
• Danças de diferentes matrizes • Conhecer a dança na Idade

ARTE – DANÇA
• Vivenciar e contextualizar culturais presentes nas regiões Sul e Contemporânea relacionando-a • Dança Cênica na Idade

LINGUAGENS
manifestações de dança das regiões Sudeste brasileiras. Exemplo: Chula, criticamente à dança na Contemporânea (séculos XIX a XXI)
Sul e Sudeste brasileiras. Pezinho, Chimarrita, Congadas, contemporaneidade.
• Identificação dos movimentos e suas
Jongo e Caboclinhos
• Conhecer e apreciar manifestações • Compreender criticamente a relação combinações, reconhecendo
de danças do contexto local, • Aspectos corporais: percepção da estabelecida entre estética e diferentes formas corporais,
reconhecendo seus aspectos diferença entre os corpos. Locais identidade, a partir da apreciação das utilização do peso, fluência, e
corporais e cênicos. onde a dança acontece: na sala, no formas poéticas do movimento relações espaciais e temporais
pátio, na praça ou no palco. Aspectos dançado na contemporaneidade.
• Refletir sobre produções artísticas de • Análise de danças veiculadas pela
cênicos: figurino e adereços,
diferentes linguagens criadas pelos • Refletir sobre a cultural corporal mídia televisiva e pela Internet.
maquiagem, cenário, objetos cênicos
estudantes, e produções de presente nas redes sociais digitais. Formas de apresentação,
e iluminação
companhias e artistas observando representação e identificação do
• Manipular diferentes tecnologias e
suas semelhanças e diferenças. • Apreciação de produções artísticas corpo e seus gestos na cultura das
recursos digitais de produção,
de diferentes linguagens: teatral, redes sociais digitais
registro e compartilhamento de
musical, visual, circense, audiovisual.
produções de dança. • Recursos de captura de audiovisual:
Sensibilização estética
câmeras, celulares e outros
dispositivos. Softwares de
manipulação de imagens
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem Elementos da Linguagem


• Perceber as qualidades da fluência • Qualidades da fluência em diversas • Identificar e caracterizar as • Qualidades dos fatores de
dos movimentos nas diversas manifestações de dança como balé qualidades de peso e fluência mais movimento peso e fluência
manifestações de dança. clássico, danças urbanas, danças de recorrentes nas manifestações de características das manifestações de
salão, entre outras. dança das matrizes culturais dança das matrizes culturais
• Aprimorar a percepção dos espaços
brasileiras. brasileiras
corporais em relação ao outro, ao • Espaço pessoal, espaço
grupo e ao espaço cênico. interpessoal, espaço grupal. Projeção • Identificar e caracterizar as • Qualidades de tempo e espaço
espacial: foco único e multifocal qualidades de tempo e espaço mais características das manifestações de
• Experimentar e compreender o ritmo
(espaço indireto) recorrentes nas manifestações de dança das matrizes culturais
interno, individual e coletivo dando
dança das matrizes culturais brasileiras
ênfase às possibilidades de dançar • Percepções rítmicas com ou sem
brasileiras.

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
com som ou em silêncio. estímulo sonoro. Percepção de • Fatores do movimento: tempo,
fontes sonoras: corpo, instrumentos • Vivenciar e explorar as qualidades espaço, peso e fluência.
• Aprimorar o sentido de cooperação e
musicais e meio ambiente. Ritmo dos fatores de movimento, a partir de Expressividade do movimento e
interação, a partir de jogos corporais
interno, individual e coletivo experiências corporais sensíveis, movimento sensível
de dança em grupo.
com finalidade expressiva.
• Dinâmicas de interação e jogos • Formas corporais: parafuso, agulha,
• Conhecer princípios básicos de
corporais de dança em grupo • Ampliar a experimentação de tipos parede, bola. Direções espaciais
anatomia: ossos e articulações para
de movimentos explorando formas (horizontais, verticais e diagonais)
estímulo ao movimento consciente. • Anatomia: ossos e articulações
corporais e direções espaciais.
• Anatomia: músculos e tendões
• Conhecer princípios básicos de
anatomia: músculos e tendões para
estímulo ao movimento consciente.
95
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
96

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação Processos de Criação


• Conhecer e experimentar os • Contato-improvisação. Danças de • Vivenciar processos de criação • Processos de criação artística
processos de criação da contato- salão (forró, samba de gafieira, zouk coletivos de obras interdisciplinares, interdisciplinares
improvisação e das danças de salão. brasileiro, entre outros) promovendo o diálogo da dança com
• Estruturas contemporâneas de
outras linguagens artísticas.
• Vivenciar diferentes formas de • Dança-teatro, dança-tecnologia, composição: dança interativa, flash
representação e encenação da contato-improvisação etc. • Experienciar estruturas de criação e mob, dança telemática etc.
dança. composição contemporâneas.
• Espaços tradicionais de encenação • Elementos cênicos da dança:
• Perceber as relações expressivas e (palco italiano, teatro de arena, semi- • Elaborar elementos cênicos da dança cenário, figurino, iluminação e
estruturais que se estabelecem entre arena), espaços não tradicionais (cenário, figurino, iluminação e sonoplastia
a encenação e os espaços cênicos. (ruas, parques, praças etc.) sonoplastia).
• Etapas do processo de criação,

ARTE – DANÇA
LINGUAGENS
• Identificar e refletir sobre as etapas • Etapas da criação e encenação em • Vivenciar, identificar e refletir sobre encenação e produção em dança:
do processo de criação e encenação dança: escolha de tema, exploração todo o processo de criação, composição, encenação, ensaios,
em dança. de movimentos, seleção de encenação e produção em dança. produção, divulgação, montagem,
movimentos, construção de células apresentação e registros impressos e
ou frases de movimento, definição de midiáticos
estrutura sequencial das cenas,
ensaio, definição do espaço de
encenação
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Linguagem artística: Música

A música é tão antiga quanto a humanidade e é considerada a primeira de


todas as artes. A “arte da música”, como Vigotski (1999) a costumava chamar,
enquanto “técnica social dos sentimentos” e como uma atividade humana, surgiu de
uma necessidade histórica específica de nossa espécie. Para alguns teóricos, a
música cumpriu variadas funções evolutivas que auxiliaram na sobrevivência humana,
podendo inclusive educar o desenvolvimento da musicalidade das pessoas em
quaisquer condições sociais - razão de ser de uma educação musical comprometida
com atividades musicais de cunho educativo.
O que vem a ser musicalidade? A musicalidade é toda a possibilidade que os
seres humanos possuem para expressar, explorar e organizar sons produzidos
através do próprio corpo ou pela manipulação sonora de objetos. A atividade musical
educativa é a musicalidade em ação intencionalmente voltada para o desenvolvimento
da própria musicalidade do indivíduo, e não para outros fins. Sendo assim, a atividade
musical é a musicalidade em ação (GONÇALVES, 2017) e, em sua expressão
psicológica, possibilita o acesso consciente e a particularização das emoções das
pessoas (PEDERIVA, 2009).
A música é indispensável para a formação integral e estética dos indivíduos.
No Brasil, o ensino formal da música ocidental começa com criação de escolas pelos
jesuítas (MARTINEZ; PEDERIVA, 2014). Desse tempo até atualidade, a
escolarização da atividade musical no Brasil tem ocorrido com propósitos diversos
que, de acordo com Martinez e Pederiva (2014), colocam a música como atividade
subserviente de outras disciplinas. Sabendo-se disso, o Currículo de Música dos Anos
Iniciais e Finais foi elaborado com o propósito de estabelecer atividades musicais
educativas como o início e o fim de todo o processo estético-musical.
A dinâmica das atividades musicais nessas etapas da Educação Básica deve
estimular e propiciar a pesquisa sonora, considerando aspectos de possibilidades
vocais, corporais e instrumentais de estudantes, proporcionando a oportunidade de
explorar o mundo sonoro com liberdade e expressar suas próprias ideias musicais. A
vivência e a experiência musicais dos estudantes e professores, provenientes sejam
de suas relações em grupos sociais, familiares, religiosos, devem ser elementos
levados em consideração no processo educativo musical, pois o compartilhamento
dessas vivências e/ou experiências possibilita troca e ampliação de repertórios,
enriquecendo os contextos de trabalho com a música, na escola.
A perspectiva histórico-cultural aponta essa troca colaborativa como ação
promotora de oportunidade de desenvolvimento musical dos envolvidos no processo
educativo em música. Cabe ressaltar que o trabalho educativo musical na Educação
Básica não ocorre somente com atividades que envolvam a execução instrumental e
a leitura musical. A audição, a composição e a improvisação, organizam e ampliam a

97
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

compreensão musical que os estudantes possuem, por meio de analise, reflexão,


criação, adição de música, valorizando, sobretudo, sua experimentação e criação.
Penna (2012) ressalta que o ensino de música, portanto, não deve trazer um
padrão musical exterior e alheio, imposto para ser reverenciado, em contraposição à
vivência do estudante que, muitas vezes, é tida como não representativa, como
determina a indústria cultural. Em relação à atuação do professor, segundo a
perspectiva histórico-cultural de Vigotski (2003, p. 77), este é o organizador do espaço
educativo, e não um detentor de saberes. Dessa maneira, utilizando os princípios
educativos da colaboração e troca de experiências, as atividades musicais devem
tratar, como elemento central, as experiências dos estudantes e professores
envolvidos no processo educativo.
Organizada de maneira integrada, a matriz de música leva em consideração a
complexidade gradativa dos objetivos de aprendizagem e conteúdos, que são
aprofundados progressivamente nos ciclos. Esse movimento também busca
contemplar as especificidades da formação docente, isto é, dos Pedagogos - que
atendem do 1º ao 5º ano - e dos Especialistas em Arte - que atendem do 6º ao 9º ano.
É preciso ressaltar que, representados pelas linhas pontilhadas das matrizes,
objetivos e conteúdos contam com uma dinâmica flexível em relação à mobilidade de
tempos e espaços, observando as especificidades da Proposta Pedagógica das
unidades escolares e planejamentos docentes.
Essas são as perspectivas de Educação Musical para a Educação Básica, com
as quais este Currículo pretende reiterar a concepção de formação integral do
indivíduo-social.

Referências
GONÇALVES, A. C. A. B. Educação musical na perspectiva histórico-cultural de
Vigotski: a unidade educação-música. 2017. xiii, 277 f., il. Tese (Doutorado em Educação) -
Universidade de Brasília, Brasília, 2017. Disponível em:
<http://repositorio.unb.br/handle/10482/31392>. Acesso em: 08/10/2018.
MARTINEZ; A. P. de A.; PEDERIVA, P. L. M. Eu fico com a pureza das respostas das
crianças: a atividade musical na infância. 1ª ed, Curitiba: Prismas, 2014.
PEDERIVA, P. L. M. A atividade musical e a consciência da particularidade. Tese de
Doutorado. Faculdade de Educação da Universidade de Brasília. Brasília: UnB, 2009.
Disponível em: <http://repositorio.unb.br/handle/10482/4430>. Acesso em: 02/05/2018.
PENNA, M. Música(s) e seu ensino. 2ª Ed. revisada e ampliada. Porto Alegre: Sulina,
2012.
VIGOTSKI, L. S. Psicologia da Arte. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins
Fontes, 1999.
______. Psicologia Pedagógica. Trad. Claudia Schilling - Porto Alegre: Artmed, 2003.

98
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: MÚSICA
2º CICLO – 1º BLOCO

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Apreciar diversas • Gêneros e estilos • Apreciar e identificar • Gêneros/estilos • Perceber e reconhecer • Gêneros/estilos
formas, gêneros e musicais (cantigas de diversas formas, musicais (marchinhas, diversas formas, musicais do repertório
estilos de expressão roda, marchinhas, gêneros e estilos de parlendas, trava-língua, gêneros e estilos de pessoal e local
musical, do contexto do canções indígenas, expressão musical, do jingle, cívica, regionais, expressão musical da
• Gêneros/estilos
estudante, seja ele cirandas, parlendas, contexto do estudante, dentre outros Região Administrativa
musicais e diversidade
familiar, da canções afro- seja ele familiar, da na qual vive e/ou

ARTE – MÚSICA
• Audição de repertórios: cultural

LINGUAGENS
comunidade e/ou da brasileiras, música comunidade e/ou da estuda.
escola. popular brasileira – escola. o familiares • Confecção de
• Trocar as
MPB e de massa, o pessoais instrumentos com
• Conhecer, valorizar e • Valorizar e respeitar a experiências/vivências
jingles, trilhas sonoras, o comunitários
materiais da natureza e
respeitar a diversidade diversidade musical dos diversos
música instrumental) objetos cotidianos
musical como resgate como resgate da cultura o portifólio musical da gêneros/estilos
da cultura popular e • Manifestações popular e ampliação de turma musicais de seu • Cuidados vocais:
ampliação de tradicionais (folias de repertório. • Sons do corpo, contexto, aquecimento e
repertório. reis, folguedos, materiais da natureza, reconhecendo sua respiração correta;
• Organizar as
congadas, cavalhadas, objetos e instrumentos diversidade cultural. ajuste da intensidade
• Explorar diversas sonoridades por
dentre outras) musicais da voz na fala e no
fontes sonoras, como classificação de fontes • Utilizar diversas fontes
canto para preservação
as existentes no • Percussão corporal: sonoras, observando • Canto individual, sonoras em criações
da saúde vocal
próprio corpo (palmas, estalo, passos, palmas, suas características. coletivo, canto coral, musicais: trilha sonora
voz, estalos, passos), assovio, voz duplas, trios, acapella para peças de teatro, • Elementos constitutivos
• Explorar suas
na natureza e em (onomatopeias, (sem dança, contação de da música por meio da
possibilidades vocais
objetos cotidianos, vocalizações) acompanhamento) e história, atividades voz
bem como os cuidados
reconhecendo os com acompanhamento corporais livres e/ou
para a preservação da
elementos constitutivos guiadas.
voz.
da música.
99
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
100

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Observar suas • Instrumentos musicais: • Identificar os elementos • Consequências do grito • Utilizar adequadamente • Ritmo
possibilidades vocais convencionais ou constitutivos da música e da fala forçada para a o potencial vocal no o pulsação (percepção do
bem como os cuidados alternativos por meio de jogos, saúde vocal canto individual e/ou tempo forte da música e
para a preservação da brincadeiras, canções e coletivo, fala, conto e da palavra)
• Cuidados com a saúde
voz. • Materiais da natureza práticas diversas. reconto de histórias, o lento/moderado/rápido
bucal e respiratória
(madeira, pedras, nas atividades em sala,
• Perceber e explorar os • Discriminar o silêncio • Intensidade
sementes, galhos, • Ritmo no geral.
elementos constitutivos como parte de
folhas, outros), sons o forte/médio/fraco
da música por meio de sequências sonoras o pulsação (percepção do • Analisar os elementos
dos bichos tempo forte da música e • Altura
jogos, brincadeiras, nas atividades de constitutivos da música
da palavra)
canções e práticas • Objetos (canos de brinquedos sonoros e em audições guiadas. o agudo/médio/grave
diversas. jogos folclóricos. o lento/moderado/rápido
PVC, barbante, jornal, • Criar e produzir • Duração: sons
copos, conduítes, • Intensidade

ARTE – MÚSICA
• Criar e produzir música • Improvisar em contextos sonoro- curtos/médios/longos

LINGUAGENS
a partir de jogos elásticos, cones de diversos contextos o forte/médio/fraco musicais, utilizando
plástico, entre outros) • Criação de parlenda,
musicais, brincadeiras, musicais (corpo, • Altura intencionalmente os
trava-língua, paródia de
brinquedos cantados, • Canto individual, natureza, objetos, elementos constitutivos
o agudo/médio/grave jogos musicais, dentre
rítmicos e sonoros. coletivo, canto coral, ambientes e da música em peças
outros. Exemplo:
duplas, trios com e sem instrumentos), como • Pausas rítmicas e teatrais, jogos, trilhas
• Perceber o silêncio Escravo de Jó,
acompanhamento processo de criação. melódicas; som e sonoras, histórias,
como parte de Monjolo, Eu vou pegar
(acapella) silêncio brincadeiras, dentre
sequências sonoras. • Acompanhar música, o trem, dentre outros
outros que compõem o
• Ritmo utilizando instrumentos • Jogo sonoro “o que é o
• Experenciar cotidiano escolar. • Composição rítmica
da bandinha e/ou que é”; “Que som é
improvisações sonoro o pulsação (percepção do livre
confeccionados. esse?”, dentre outros • Relacionar o silêncio
musicais por meio de tempo forte da música e
da palavra) contido nas sequências • Codificação e
atividades diversas no • Criar códigos próprios • Criação e
sonoras como decodificação de
intuito de desenvolver o o lento/moderado/rápido para representação experimentação
elemento formador do registro musical
seu protagonismo • Intensidade sonora. sonoro-musical em
ritmo (pausas) em
expressivo individual percussão corporal, • Atividades musicais
o forte/médio/fraco • Propor temas para atividades de
e/ou coletivo. canto e execução escolares
projetos temáticos percepção musical,
• Altura musical com interdisciplinares
• Explorar sonoridades musicais com seus livres ou guiadas.
instrumentos
de banda rítmica (de o agudo/médio/grave pares para
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


instrumentos • Brinquedos cantados e apresentações na • Pulsação da música • Compor repertório • Manipulação de
convencionais ou de jogos folclóricos como: escola. musical individual e/ou recursos tecnológicos
• Classificação de sons
materiais reutilizáveis) ciranda, canções coletivo utilizando em apreciação crítica
• Utilizar diferentes (timbre):
como chocalhos, folclóricas, indígenas, instrumentos da de trabalhos musicais
tecnologias e recursos
pandorins, reco-reco, africanas, asiáticas, o tambores bandinha. de seu contexto escolar
digitais (celular,
triângulo, pandeiro, ocidentais, orientais, o chocalhos
filmadoras e • Utilizar códigos • Jogos musicais por
caxixi, guizo, agogô, sobre bichos e
gravadores em geral) o percussivos (clavas, próprios de registro aplicativos para
afoxé, clavas, marchinhas baquetas, xilofone, reco-
nos processos de musical, para pesquisa e criação
tambores, bumbu, carnavalescas reco)
criação, improvisação representação sonora. musical
xilofone, pratos, dentre • Representações
• Jogos de Bingo sonoro musical,
outros. gráficas de sons. • Elaborar projetos
intercalados com apresentações,
Exemplo: figuras temáticos em coletivo
• Explorar diferentes silêncio e som, apreciação e demais

ARTE – MÚSICA
com seus pares e

LINGUAGENS
formas de registro brincadeira de estátua, espaços, como registro geométricas
representativas para professores para
musical não dança das cadeiras, das atividades musicais
determinadas atividades musicais
convencional para dentre outras realizadas.
sonoridades. Uma escolares.
anotações de criações
• Improvisações em palma correspondendo
próprias, de seus pares • Apreciar criticamente
rodas de percussão a um quadrado; uma
e contextos. atividades musicais
corporal, rodas de pisada correspondendo realizadas e
• Reconhecer e cantos coletivos e a um retângulo e outros registradas por meio
experimentar, em individuais meios de das tecnologias de
projetos temáticos, as representação como
• Pulsação da música mídia.
relações processuais letras, desenho de
(percepção do tempo
entre diversas objetos e materiais • Utilizar diferentes
forte da música e da
linguagens artísticas tecnologias e recursos
palavra) • Eventos para datas
(dança, teatro, artes digitais nos processos
visuais). • Variações rítmicas com comemorativas, de criação, vivência,
os instrumentos culminância de experenciação,
• Explorar diferentes projetos, atividades apreciação,
tecnologias e recursos • Representação gráfica artísticas culturais, compartilhamento
digitais nos processos de sons, partituras dentre outros artístico.
de criação, vivência, alternativas, ilustrações
101
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
102

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


experenciação, sonoras de cantigas, • Apreciação e execução
apreciação, canções e brinquedos musical em parceria
compartilhamento cantados, músicas com familiares,
artístico. instrumentais, dentre comunidade escolar,
outros colegas de sala e
demais atores
• Montagem de
espetáculos e • Gravações em áudio,
apresentações: vídeo e fotografia
figurino, sonoplastia,
cenário, coreografia

• Multimídia, animações,

ARTE – MÚSICA
jogos eletrônicos,

LINGUAGENS
gravações em áudio e
vídeo, fotografia, Wii
Music, softwares etc.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: MÚSICA
2º CICLO - 2º BLOCO

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Apreciar estilos e gêneros musicais • Música portuguesa, africana e • Utilizar gêneros e estilos da • Contos, canções, brinquedos
no contexto da formação da indígena expressão musical no contexto das cantados dos povos tradicionais
sociedade brasileira. tradições orais, em pesquisas
• Gêneros e estilos musicais dos • Gêneros e estilos musicais das
musicais.
• Perceber e reconhecer elementos migrantes do DF desde sua origem, regiões do Brasil
dos vários gêneros e estilos da enfatizando os povos indígenas e • Conhecer elementos dos vários
• Composição e processos de
expressão musical do contexto da quilombolas gêneros e estilos musicais do

ARTE – MÚSICA
montagem de espetáculo: trilha

LINGUAGENS
origem do DF. repertório das regiões do Brasil.
• Diversidade musical e cultural do DF sonora, plano de fundo, música
• Combinar gêneros e estilos musicais (forró/xaxado, sertanejo, gospel, • Montar espetáculos temáticos para ambiente
do DF para expressar sua música clássica, samba, hip-hop, rap, execução de composições individuais
• Jogos de imitação e improvisação
diversidade cultural desde sua choro, jazz, entre outros) e/ou coletivas utilizando diversas
vocal utilizando os registros graves e
origem, por meio das demais fontes sonoras.
• Canto em festas, festivais, jogos de agudos em vocalizações,
linguagens artísticas (artes visuais,
karaokê, dentre outros contextos • Reconhecer sua tessitura vocal com onomatopeias e canto de repertório
dança e teatro).
base em registros sonoros graves e livre
• Análise da estrutura musical:
• Perceber suas potencialidades vocais agudos.
pulsação, ritmo, melodia, harmonia • Criação, expressão musical e
na interpretação de obras musicais.
• Selecionar intencionalmente os experiência estética
• O silêncio na construção dos ritmos
• Analisar os elementos constitutivos elementos constitutivos da música
de gêneros/estilos musicais • Som e silêncio como estruturantes
da música referentes ao ritmo, em criações musicais com o
diferentes rítmicos
intensidade e altura, identificando-os propósito de evocar determinada
no repertório individual e coletivo da • Execução musical utilizando emoção (medo, raiva, tensão, calma, • Duração do som (sons curtos,
sala de aula. instrumentos da bandinha dentre outras). médios e longos)
• Explorar, por meio da escuta atenta • Gêneros/estilos musicais diversos • Executar livremente cantigas e • Execução musical, utilizando
de obras musicais, a importância e a canções do repertório próprio e instrumentos da bandinha e canto
função do silêncio como parte da coletivo do contexto escolar,
103
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
104

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: MÚSICA
2º CICLO - 2º BLOCO

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


estrutura musical em diferentes • Participação com execução musical observando as pequenas quebras • Execução musical ao vivo em saraus,
gêneros/estilos musicais. em espetáculos na escola sonoras que constituem o ritmo, peças teatrais, eventos culturais,
pulsação e duração do som. festividades
• Tocar instrumentos da bandinha, de • Código musical sistematizado não
maneira organizada e intencional em convencional (partitura criativa, • Participar de apresentações musicais • Escrita e interpretação de códigos
projetos temáticos, relacionando registros alternativos, notação tocando instrumentos da bandinha e musicais não convencionais (partitura
gêneros/estilos musicais diversos. musical espontânea) cantando, em projetos temáticos do criativa, registros alternativos,

ARTE – MÚSICA
LINGUAGENS
contexto escolar. notação musical espontânea)
• Executar músicas com instrumentos • Uso de multimídia para apreciação
da bandinha como fundo na crítica e compartilhamento de • Reconhecer e decodificar registros • Produção de material audiovisual a
montagem de espetáculos. produção musical estabelecidos para cada instrumento partir de atividades artístico-musicais
da bandinha, em execução musical. do contexto escolar para participação
• Codificar sistematicamente as • Locais de atividades
em festivais de vídeos
músicas tocadas com os musicais/culturais: • Registar e organizar material
instrumentos da bandinha, audiovisual de produções artístico-
o Clube do Choro
simbolizando cada instrumento musicais no contexto da comunidade
utilizado com registro próprio. o Casa do Cantador escolar.
o Teatro Nacional
• Registrar, em multimídia, produções • Participar de festivais de curtas e
musicais criadas pelos pares e coletivo o Centro de Dança do DF
vídeos.
da comunidade escolar utilizando os
conteúdos musicais desenvolvidos
para apreciação crítica.

• Visitar e conhecer espaços


musicais/culturais do Distrito Federal
e entorno para apreciação e
ampliação de repertório cultural.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: MÚSICA
3º CICLO – 1º BLOCO

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Experienciar fontes e materiais • Fontes sonoras: • Identificar e analisar diferentes estilos • Estilos musicais diversos (MPB,
sonoros em práticas de o cotidianas
musicais, contextualizando-os no Samba, Bossa Nova, Baião, Forró,
composição/criação, execução e o instrumentos musicais convencionais tempo e no espaço, de modo a Rock, Sertanejo - raiz e
apreciação musical, reconhecendo (aerofones, cordofones, aprimorar a capacidade de contemporâneo-, Música eletrônica)
timbres e características de membranofones, idiofones e apreciação da estética musical.
• Linhas rítmicas com som e silêncio:

ARTE – MÚSICA
eletrônicos)

LINGUAGENS
instrumentos musicais diversos, o instrumentos da bandinha rítmica • Reconhecer e executar músicas (no baião, coco, xote, samba, choro, boi,
acústicos ou eletrônicos, (chocalhos, pandorins, reco-reco,
triângulo, pandeiro, caxixi, guizo, agogô,
corpo ou em instrumentos) com maracatu, forró, dentre outros.
convencionais ou não convencionais.
afoxé, clavas, tambores, bumbo, células rítmicas características da
• Características da música:
• Desenvolver a expressividade e xilofone, pratos, dentre outros) música popular brasileira.
possibilidade de criação musical por o materiais reutilizáveis (cones de o arranjos
plástico, copos, garrafas, madeira, • Reconhecer algumas características
meio do canto e sons corporais. metais, latas, vidros, entre outros) o improvisações
das diferentes funções sociais da
• Reconhecer e diferenciar os música por meio da escuta atenta em o jingles
• Canto, vocalizações; ajuste da
elementos sonoros a fim de diversos contextos musicais. o trilhas sonoras
tonalidade vocal; percussão corporal
compreender a estrutura musical. o dentre outras
• Criar improvisações, arranjos, jingles,
• Altura, intensidade, timbre, melodia e
• Utilizar recursos tecnológicos para o trilhas sonoras, entre outros, • Voz, percussão corporal,
ritmo
desenvolvimento de atividades utilizando diversos materiais sonoro instrumentos musicais
musicais de apreciação, reprodução • Recursos tecnológicos sonoro musicais de maneira individual, (convencionais e alternativos) e
e criação. musicais (plataformas digitais, coletiva e colaborativa. objetos sonoros
games, aplicativos, softwares,
• Identificar e explorar diferentes • Explorar os elementos constitutivos • Jogos sonoro-musicais
karaokê e playback, entre outras
formas, procedimentos e técnicas de da música por meio de recursos
Tecnologias da Informação e • Aplicativos musicais (Garage Band,
registro musical. tecnológicos, seja para criação,
Comunicação - TIC) Piano Tiles, entre outros)
composição ou apreciação musicais.
105
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
106

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Explorar e analisar criticamente • Notação musical não convencional • Identificar e explorar diferentes • Aplicativos de streaming de música
diferentes meios e equipamentos (partitura criativa, registros formas, procedimentos e técnicas de
• Aplicativos e websites de vídeos e
culturais de circulação da música e alternativos, notação musical registro musical individuais e
músicas
do conhecimento musical. espontânea) coletivos, estabelecendo códigos
para sonoridades. • Notação musical não convencional
• Pesquisar e conhecer o papel de • Notação musical tradicional (partitura
(partitura criativa, registros alternativos,
músicos e grupos de música e cifras) • Analisar criticamente, por meio da notação musical espontânea)
brasileiros que contribuíram para o apreciação musical, usos e funções
• Procedimentos e técnicas de registro • Notação musical tradicional (partitura
desenvolvimento de formas e da música em seus contextos de
em audiovisual e cifras)
gêneros musicais na construção do produção e circulação.
patrimônio cultural do Distrito Federal • A música nas mídias (TV, rádio, • Procedimentos e técnicas de registro
• Apreciar o papel da música
e entorno. Internet, aplicativos, shows, eventos, em audiovisual
estrangeira europeia e asiática,
entre outros)

ARTE – MÚSICA
• Apreciar a música africana com o reconhecendo suas contribuições na

LINGUAGENS
• Contextos de composição, produção
propósito de reconhecer suas • Grupos etno-musicais regionais e construção do Patrimônio Cultural da e circulação da música (CD, DVD,
influências na música brasileira. nacionais Música Brasileira. shows, eventos culturais, estúdios,
• Música Popular Brasileira (MPB) e • Apreciar a música Indígena com o festivais)
seus diversos períodos propósito de reconhecer suas • Música europeia (fado, flamenco,
influências na música brasileira. óperas, música oriental, escala
• Músicos e artistas regionais e locais;
Repentes; DJ; Rappers pentatônica, dentre outros)

• Folia de Reis, Folia do Divino, Música • Similaridades entre artistas


Sacra, Música Gospel, Música estrangeiros e brasileiros
Sertaneja, Funk, Rap entre outras • Marcação do pulso pelo passo nos
• Instrumentos musicais de origem festejos, atividades/jogos, das
africana aldeias, ritos de passagem (períodos
de desenvolvimentos), caças,
• Células rítmicas colheitas, nascimentos
• Instrumentos musicais

• Células rítmicas
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – ARTE: MÚSICA
3º CICLO – 2º BLOCO

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Explorar elementos constitutivos da • Objetos sonoros cotidianos • Perceber e reconhecer fontes e • Arranjos musicais
música, fontes e materiais sonoros materiais sonoros em práticas de
• Instrumentos musicais • Improvisação
para práticas diversas de composição/criação, execução e
(convencionais ou alternativos)
composição/ criação, execução e apreciação musical, bem como os • Instrumentação
apreciação. • Melodia, harmonia, ritmo, altura e elementos constitutivos da música.
• Vocalização
intensidade

ARTE – MÚSICA
• Expressar- se musicalmente por • Expressar- se musicalmente por

LINGUAGENS
• Ritmizações
meio vocal ou instrumental • Composição, improvisação, arranjo, meio vocal ou instrumental
participando de festivais, executando experimentação sonora participando de festivais (Curtas e • Instrumentos musicais convencionais
obra musical existente ou autoral. filmes) executando obra musical e alternativos, entre outros objetos
• Orquestração, banda, coral,
existente ou autoral. sonoros
• Identificar e explorar diferentes conjuntos e grupos musicais.
formas de registro musical, bem • Identificar e explorar diferentes • Melodia, harmonia, ritmo, altura,
• Interpretação e expressividade
como procedimentos e técnicas de formas, procedimentos e técnicas de intensidade
musical
registro em áudio e audiovisual. registro musical e produção
• Composição, improvisação, arranjo,
• Partitura alternativa audiovisual.
• Explorar diferentes formas de experimentação sonora.
composição com o intuito de • Notação musical tradicional (partitura • Criar jogos de composição musical
• Orquestração, banda, coral,
vivenciar e experenciar o fazer e cifras) envolvendo letras, sons e silêncios
conjuntos e grupos musicais.
musical individual e coletivamente. (como pausas musicais).
• Gravadores
• Interpretação e expressividade
• Analisar criticamente, por meio da • Analisar criticamente, por meio da
• Aplicativos musicais (Garage Band, musical
apreciação musical, usos e funções apreciação musical, usos e funções
Piano Tiles, entre outros, gravador
da música nas diferentes dimensões da música em seus contextos de • Registros com notação tradicional e
digital de voz)
da vida artística. produção e circulação, relacionando- alternativa.
os às práticas musicais e às
• Construir objetos sonoros • Gravadores
diferentes dimensões da vida social,
alternativos para a descoberta de
107
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
108

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


novas possibilidades do fazer • Jogos de composição (mudar o estilo cultural, política, histórica,
musical. musical, ritmos, letras, entre outros econômica, estética e ética.
• Aplicativos musicais (Garage Band,
elementos)
• Apreciar e reconhecer o papel de • Criar instrumentos musicais Piano Tiles, entre outros, gravador
músicos e grupos de música • Aspectos da indústria musical em convencionais de forma alternativa digital de voz)
brasileiros e estrangeiros que relação ao mercado fonográfico (CD, utilizando materiais diversos para a
• Organização de sons
contribuíram para o desenvolvimento DVD, shows, eventos culturais, descoberta de novas possibilidades
de gêneros/estilos musicais. estúdios, festivais) do fazer musical. • Contextos de composição, produção
e circulação da música (Cd, DVD,
• Análise do contexto social da música: • Apreciar e reconhecer o papel de
shows, eventos culturais, estúdios,
músicos e grupos norte-americanos
o influências da composição /compositor. festivais)
de música que contribuíram para o
o recepção dos músicos pelo mercado de desenvolvimento de gêneros/estilos • Análise do contexto social da música:
trabalho.

ARTE – MÚSICA
musicais brasileiros.

LINGUAGENS
o a música como profissão em diferentes o estilo/gênero
contextos históricos. o letra
• Investigação, experenciação, o melodia
manipulação e combinação de o células rítmicas
materiais variados (vidro, papel,
• Instrumentos musicais não
plástico, metal, borracha, entre
convencionais (monocórdio, xilofone,
outros)
garrafone, flautas com canos de
• Períodos da Música Popular PVC, entre outros)
Brasileira (MPB)
• Músicas da atualidade
• Tendências estéticas de movimentos
• Músicas midiáticas (trilhas de séries,
de manifestos artísticos brasileiros
filmes)
(Bossa Nova, tropicalismo, canção
de protesto, jovem guarda, • Pop music, Pop rock, Country, Folk,
Manguebeat, entre outros) entre outros
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EDUCAÇÃO FÍSICA

A Educação Física é uma área do conhecimento que trata pedagogicamente


de práticas e saberes relativos às manifestações corporais produzidas em diversos
contextos sociais e históricos, constituindo, assim, a cultura corporal. As práticas que
constituem a cultura corporal podem ser compreendidas como o conjunto de
brincadeiras, danças, esportes, ginásticas, jogos, lutas e outras atividades
relacionadas a práticas sociais que privilegiam o uso do corpo e do movimento
humano, construídas e reconstruídas na dinâmica cultural humana.
As concepções pedagógicas da Educação Física guardam estreita relação com
o desenvolvimento histórico desse componente curricular na Educação Básica. Na
perspectiva tradicional, destacam-se as influências da área médica, que produziu
discursos pautados na higiene, na saúde individual e na eugenia e, a partir da década
de 1960, da área militar, reforçando o ensino instrumental das técnicas esportivas,
que passam a vigorar na formação inicial do professor de Educação Física e, por
consequência, em sua prática pedagógica. Tais entendimentos associaram a
Educação Física à educação meramente do físico, à instrução do corpo para o
desenvolvimento da aptidão física e das técnicas esportivas que hegemonizaram as
aulas de Educação Física (SOARES, 1994).
A partir da década de 1980, a Educação Física passa a ser influenciada pelas
mudanças no cenário político, com a abertura gradual do regime de ditadura militar e
a elaboração de alternativas pedagógicas, das quais se destacam as que se
orientaram por teorias críticas, buscando aproximar as relações da Educação Física
com a realidade social e a função social da escola. O componente curricular ultrapassa
o ensino exclusivo do gesto motor correto ou voltado unicamente para a aptidão física,
abarcando a compreensão dos sentidos e significados da cultura corporal e os modos
como esta contribui para o desenvolvimento integral dos estudantes nas diversas
dimensões humanas.
Importa destacar que não se trata do abandono do ensino da técnica, do
esporte ou da promoção do desenvolvimento motor dos estudantes, tarefa que é
intrínseca ao ensino da cultura corporal. Entende-se, contudo, que compete ao ensino
da Educação Física no Ensino Fundamental a democratização desse acervo,
garantindo uma progressão curricular que amplie sua diversidade e a complexidade
no contato desses estudantes com as práticas corporais, agregando os aspectos
sócio-históricos e os conhecimentos conceituais e atitudinais que permitam ao
estudante reproduzir, transformar, analisar e criar os elementos envolvidos na
apropriação crítica, na fruição e na reflexão sobre a prática das diferentes
manifestações da cultura corporal.
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9.394/96, no artigo
26, §3º, estabelece a Educação Física como componente curricular obrigatório em

109
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

toda a Educação Básica, devendo esta ser integrada à Proposta Pedagógica - PP 1 da


escola (BRASIL, 1996). Como campo de conhecimento pedagógico ligado à cultura
corporal, a Educação Física pode contribuir de maneira privilegiada para a formação
integral dos estudantes integrando as dimensões afetiva, cognitiva, social e motora no
trabalho com o corpo e com o movimento, corroborando para a articulação com os
demais componentes curriculares e áreas do conhecimento.
Desse modo, o ensino da Educação Física acaba por modificar, formar e
possibilitar o autoconhecimento e o uso autônomo da cultura corporal para
participação ativa do estudante na vida social, superando a dicotomia corpo e mente,
sem abandonar sua especificidade de ampliar a formação corporal e motora dos
estudantes.
A unicidade teoria e prática no processo de ensino-aprendizagem permite
correlacionar dimensões humanas a conhecimentos sobre o ser humano, sobre a
natureza e sobre a sociedade, trazendo uma abordagem articulada aos Eixos
Transversais: Educação para a Diversidade; Cidadania e Educação em e para os
Direitos Humanos e Educação para a Sustentabilidade, que evocam a definição de
objetivos e conteúdos dedicados às demandas sociais que se mostram significativas
no contexto da escola.
Desta forma, propõe-se uma organização curricular progressiva, valorizando a
autonomia do professor e da escola para o planejamento do trabalho pedagógico, de
acordo os princípios epistemológicos de um Currículo Integrado que preconiza a
definição de objetivos e conteúdos contextuais, flexíveis, interdisciplinares e que
evidenciam a indissociabilidade entre teoria e prática.
A forma de disposição dos objetivos de aprendizagem e conteúdos
apresentados na matriz de Educação Física do Ensino Fundamental preza pela
progressão curricular em relação à etapa anterior, Educação Infantil. Os conteúdos da
Educação Física estão organizados em Blocos com o intuito de apontar, para o
professor, linhas de abordagem pedagógicas que considerem a progressão curricular
e a riqueza dos conteúdos inerentes à cultura corporal para as fases e etapas da
Educação Básica. Destaca-se que a opção de organizar o Currículo de Educação
Física em Blocos e seus respectivos objetivos de aprendizagem na proposição dos
conteúdos visa agregar nesses os conhecimentos e saberes acumulados sobre o
corpo e o movimento.

Blocos de conteúdos do Ensino Fundamental


2º Ciclo (Anos Iniciais)
• Brincadeiras e jogos
• Esporte, ginásticas e lutas
• Danças e atividades rítmico- expressivas
• Conhecimentos sobre o corpo

1
De acordo com as DCN e a BNCC, o Projeto Político-Pedagógico – PPP, atualmente, denomina-se Proposta
Pedagógica - PP.
110
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

3º Ciclo (Anos Finais)


• Jogos
• Esportes
• Ginásticas
• Danças e atividades rítmico-expressivas
• Lutas
• Práticas Corporais de Aventura
• Conhecimento sobre o corpo

Para o 2º Ciclo (Anos Iniciais) do Ensino Fundamental foram indicados objetivos


e conteúdos com predominância para o Bloco de Jogos e Brincadeiras, devido às
características do desenvolvimento e aprendizagem dos estudantes dessa faixa
etária, contudo, também foram propostos Blocos de Conteúdo que se relacionam com
as outras manifestações da cultura corporal. Importante ressaltar que, nessa fase, o
jogo e a brincadeira se constituem não só como importante conteúdo a ser ensinado
nas aulas de Educação Física, mas também como instrumento de intervenção
pedagógica para o ensino de conteúdos dos outros blocos.
O 3º Ciclo (Anos Finais) tem como referência diferentes categorias de práticas
corporais que devem ser tematizadas nas aulas de Educação Física com maior
adensamento, respeitando a progressão curricular. Isso se deve pela própria
característica de construção permanente dessas práticas, tendo em vista o vasto rol
de movimentos, que muitas vezes vão se modificando, procurando se ajustar à
realidade de cada unidade escolar, o que possibilita ao professor não se restringir a
conteúdos relacionados no Currículo, como se este fosse um receituário fechado para
o desenvolvimento de seu trabalho no cotidiano escolar, mas sim com autonomia e
originalidade buscar o avanço de todas as aprendizagens dos estudantes.
O planejamento do professor de Educação Física, organizado em objetivos e
conteúdos, deve sistematizar o conjunto de práticas pedagógicas imbricadas, que, ao
comporem uma trama entrelaçada e complexa, exigem mais que o desempenho
técnico, mas explicitam o desenvolvimento do estudante, dentro de determinadas
condições e com base em critérios objetivos e concretos de ensino.
Quanto às práticas corporais a serem abordadas, considerando a quantidade
de brincadeiras, jogos, esportes, lutas, ginásticas, danças e outras atividades rítmicas
e expressivas sistematizadas e acumuladas ao longo da história da humanidade, têm-
se um número ilimitado para sua escolha. Com isso, algumas práticas corporais
podem ser utilizadas de forma a propiciar que o estudante se aprofunde nos seus
múltiplos aspectos, promovendo o desenvolvimento técnico, tático, histórico, filosófico
e social em relação a elas (saber praticar), enquanto outras podem ser adotadas
visando apenas à experimentação (praticar para conhecer) ou como recurso didático
para o ensino e aprendizagem de outros conteúdos e objetivos interdisciplinares.
É importante salientar que as lutas, danças, jogos, ginásticas e esportes fazem
parte do imaginário e cotidiano de nossos estudantes desde antes de entrarem para
a escola. Dessa forma, a definição dos conteúdos a serem trabalhados deve
considerar as informações e as características de desenvolvimento dos estudantes
em um processo de identificação da prática social inicial, conforme preconizado pela
didática para a pedagogia histórico-crítica (GASPARIN, 2012).

111
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

O fundamental é permitir que a criança e o adolescente conheçam e vivenciem


as práticas corporais, colaborando para que cada um construa seu estilo pessoal de
participação e possa, a partir dessas práticas, ter consciência de seu corpo e de sua
inserção social e ao mesmo tempo ampliar o próprio repertório motor. Na perspectiva
da formação integral, a organização do trabalho pedagógico de Educação Física deve
ainda buscar o equilíbrio entre objetivos e conteúdos conceituais, procedimentais e
atitudinais, visando atender o desejado desenvolvimento integral do estudante.
Diante dessa condição multifacetada, a Educação Física, no 2º Ciclo (Anos
Iniciais) e no 3º Ciclo (Anos Finais) do Ensino Fundamental, deve construir, com os
seus educadores, uma prática pedagógica criativa, atraente e contextualizada, que
provoque nos estudantes a reflexão acerca das práticas corporais vivenciadas em
suas aulas.

Referências
BRASIL. Lei Nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da
Educação Nacional. Brasília, DF: 20 de dezembro de 1996.
GASPARIN, J. L. Uma Didática para a Pedagogia Histórico–Crítica. 5º ed. Rev.
Campinas, SP: Autores Associados, 2012.
SOARES, C. L. Educação Física: raízes europeias e Brasil. Campinas: Editora Autores
Associados, 1994.

112
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – EDUCAÇÃO FÍSICA
2º CICLO – 1º BLOCO

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS

Brincadeiras e Jogos Brincadeiras e Jogos Brincadeiras e Jogos Brincadeiras e Jogos Brincadeiras e Jogos Brincadeiras e Jogos
• Experimentar jogos e • Brincadeiras e jogos • Desenvolver • Brincadeiras e jogos • Ampliar o repertório • Brincadeiras e jogos
brincadeiras que exijam que possibilitem a habilidades motoras que possibilitem a motor vivenciando que possibilitem a
a utilização e combinação de fundamentais e suas combinação de diversas combinações combinação de

EDUCAÇÃO FÍSICA
combinação de habilidades combinações em habilidades de habilidades motoras habilidades

LINGUAGENS
habilidades motoras estabilizadoras (rotar, contexto de jogos e estabilizadoras (rotar, fundamentais no estabilizadoras (rotar,
fundamentais. desviar, equilibrar e brincadeiras. desviar, equilibrar e contexto de jogos e desviar, equilibrar e
apoiar), locomotoras apoiar), locomotoras brincadeiras. apoiar), locomotoras
• Vivenciar movimentos • Desenvolver as
(correr, saltar, saltitar, (correr, saltar, saltitar, (correr, saltar, saltitar,
utilizando diferentes habilidades perceptivo- • Aprimorar as
galopar e pular), galopar e pular), galopar e pular),
habilidades perceptivo- motoras por meio de habilidades perceptivo-
manipulativas (chutar, manipulativas (chutar, manipulativas (chutar,
motoras no contexto de jogos e brincadeiras. motoras por meio de
arremessar, apanhar, arremessar, apanhar, arremessar, apanhar,
brincadeiras e jogos. jogos e brincadeiras.
interceptar e driblar) • Vivenciar diferentes interceptar e driblar) interceptar e driblar)
• Conhecer, por meio de brincadeiras e jogos da • Ampliar o conhecimento
• Movimentos que • Movimentos que • Movimentos que
múltiplas linguagens cultura popular que acerca de brincadeiras e
exigem diferentes exigem diferentes exigem diferentes
(corporal, visual, oral e propiciem a convivência jogos da cultura popular
habilidades perceptivo- habilidades perceptivo- habilidades perceptivo-
escrita), as brincadeiras coletiva com outras que propiciem a
motoras (coordenação, motoras (coordenação, motoras (coordenação,
e os jogos populares do crianças e o uso de convivência coletiva com
lateralidade, equilíbrio lateralidade, equilíbrio lateralidade, equilíbrio
contexto do estudante. diversas linguagens de outras crianças e o uso
e organização espaço e organização espaço- e organização espaço-
modo a valorizar a de diversas linguagens
• Participar de situações temporal) temporal) temporal)
diversidade cultural do de modo a valorizar a
problemas de ordem
• Brincadeiras e jogos contexto comunitário e • Brincadeiras e jogos diversidade cultural do • Brincadeiras e jogos
corporal em diferentes
populares (amarelinha, regional. populares (amarelinha, nosso país. populares (Exemplo:
contextos com o uso de
elástico, pula-corda, elástico, pula-corda, amarelinha, elástico,
113
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
114

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


regras simples, brincadeiras de pique • Vivenciar situações- brincadeiras de pique • Compreender pula-corda,
compartilhando etc.) problema de ordem etc.) situações-problema de brincadeiras de pique
momentos e sensações corporal em diferentes ordem corporal em etc.)
• Circuitos psicomotores; • Circuitos psicomotores;
que promovam o contextos com o uso de diferentes contextos
jogos simbólicos; jogos jogos simbólicos; jogos • Circuitos psicomotores;
desenvolvimento de regras simples, com o uso e criação de
com regras simples com regras simples; jogos com regras;
vínculos afetivos, o compartilhando regras, compartilhando
jogos e brincadeiras jogos e brincadeiras
respeito mútuo, a • Brinquedos e jogos momentos e sensações momentos e sensações
trazidas e criadas trazidas e criadas
solidariedade e a com materiais que promovam o que promovam o
pelos estudantes pelos estudantes
autoconfiança. alternativos (sucatas, desenvolvimento de desenvolvimento de
reutilizados e vínculos afetivos, o • Brinquedos e jogos vínculos afetivos, o • Brinquedos e jogos
• Conhecer e manusear
recicláveis) respeito mútuo, a com materiais respeito mútuo, a com materiais
brinquedos por meio de
solidariedade e a alternativos (sucatas, solidariedade e a alternativos (sucatas,

EDUCAÇÃO FÍSICA
materiais alternativos e • Jogos de tabuleiro
autoconfiança. reutilizados e autoconfiança. reutilizados e

LINGUAGENS
recicláveis. (dominó, damas,
recicláveis) recicláveis)
xadrez etc.) • Criar, com o auxílio do • Construir e criar
• Experimentar jogos de
professor, brinquedos • Jogos de tabuleiro brinquedos e jogos • Jogos de tabuleiro
tabuleiro tradicionais.
feitos de sucatas e (dominó, damas, feitos com sucata e (dominó, damas,
material reciclável. xadrez etc.) material reciclável xadrez etc.)
desenvolvendo a
• Conhecer jogos de
criatividade.
tabuleiro tradicionais.
• Compreender regras
dos jogos de tabuleiro
tradicionais.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

1º ANO 2º ANO 3º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Danças e atividades Danças e atividades Danças e atividades Danças e atividades Danças e atividades Danças e atividades
rítmicas e expressivas rítmicas e expressivas rítmicas e expressivas rítmicas e expressivas rítmicas e expressivas rítmicas e expressivas
• Experimentar e fruir • Danças populares • Participar de danças e • Danças populares • Aprimorar ritmo, • Danças populares do
diferentes atividades regionais; brincadeiras atividades rítmicas regionais; brincadeiras equilíbrio e Brasil; brincadeiras
rítmicas ampliando as cantadas; jogos de expressivas que cantadas; jogos de expressividade através cantadas; jogos de
possibilidades de expressão corporal possibilitem ampliação expressão corporal da vivência de expressão corporal
expressão corporal de do equilíbrio, ritmo e brincadeiras, jogos e
forma lúdica e expressividade. danças.
prazerosa.
Conhecimento sobre o Conhecimento sobre o Conhecimento sobre o Conhecimento sobre o Conhecimento sobre o Conhecimento sobre o
corpo corpo corpo corpo corpo corpo

EDUCAÇÃO FÍSICA
• Conhecer algumas • O conhecimento sobre • Compreender e • O conhecimento sobre • Vivenciar atividades • O conhecimento sobre

LINGUAGENS
características gerais o corpo por meio de reconhecer as o corpo por meio de corporais adotando o corpo por meio de
do corpo humano atividades lúdicas, diferenças individuais atividades lúdicas, uma postura de atividades lúdicas,
percebendo e desenhos, pinturas, relacionadas ao corpo e desenhos, pinturas, respeito às desenhos, pinturas,
reconhecendo as espelho, argila e o movimento espelho, argila e características de espelho, argila e
diferenças individuais. desenho animado respeitando nossa desenho animado gênero, biótipos e desenho animado
diversidade cultural e habilidades.
social.
115
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
116

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTOS/LUDICIDADE


LINGUAGENS – EDUCAÇÃO FÍSICA
2º CICLO – 2º BLOCO

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Brincadeiras e Jogos Brincadeiras e Jogos Brincadeiras e Jogos Brincadeiras e Jogos
• Conhecer, por meio de múltiplas • Brincadeiras e jogos de matriz • Vivenciar, por meio de múltiplas • Brincadeiras e jogos de matriz
linguagens (corporal, oral, escrita e indígena (Exemplo: peteca, jogo da linguagens (corporal, oral, escrita e indígena (peteca, jogo da onça,
audiovisual), as brincadeiras e os onça, corrida de tora etc.) audiovisual), as brincadeiras e os corrida de tora etc.)
jogos populares do Distrito Federal e jogos populares do Brasil e de matriz

EDUCAÇÃO FÍSICA
• Brincadeiras e jogos de matriz • Brincadeiras e jogos de matriz
de matriz indígena e africana, indígena e africana, explicando suas

LINGUAGENS
africana (Escravos de Jó, terra-mar, africana (Escravos de Jó, terra-mar,
explicando suas características e a características e a importância desse
mamba etc.) mamba, mancala etc.)
importância desse patrimônio patrimônio histórico cultural na
histórico cultural na preservação das • Regras de convívio social e escolar; preservação das diferentes culturas. • Regras de convívio social e escolar;
diferentes culturas. respeito à diversidade; cooperação e respeito à diversidade; cooperação e
• Praticar a resolução de conflitos
solidariedade solidariedade
• Identificar situações de injustiça e através do respeito à opinião do
preconceito geradas e/ou presentes • Brincadeiras e jogos populares outro e à troca de experiências, • Brincadeiras e jogos populares
no contexto dos jogos e demais (piques, pula-corda, elástico, bola de visando a compreensão da disputa (piques, pula-corda, elástico, bola de
práticas corporais e discutir gude etc.) como um elemento intrínseco da gude etc.)
alternativas para superá-las. competição e não como uma atitude
• Oficinas de criação de brinquedos • Oficinas de criação de brinquedos
de rivalidade frente aos demais.
• Experimentar movimentos com materiais recicláveis (garrafa com materiais recicláveis (garrafa
psicomotores ligados à força, à PET, barbante, papelão, papel de • Desenvolver movimentos PET, barbante, papelão, papel de
resistência, ao equilíbrio e à diversas cores, caixas de papelão psicomotores ligados à força, à diversas cores, caixas de papelão
coordenação motora fina e grossa. etc.) resistência, ao equilíbrio e à etc.)
coordenação motora fina e grossa.
• Vivenciar momentos de autonomia e
criação lúdica. • Pesquisar para a criação autônoma
de jogos, brinquedos e brincadeiras
do universo infantil.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Esportes, Lutas e Ginásticas Esportes, Lutas e Ginásticas Esportes, Lutas e Ginásticas Esportes, Lutas e Ginásticas
• Experimentar e fruir, de forma • Jogos pré-desportivos; atividades • Ampliar o repertório motor • Jogos pré-desportivos; atividades
individual e coletiva, diferentes adaptadas de modalidades desenvolvendo habilidade motoras adaptadas de modalidades
atividade adaptadas relacionadas esportivas; jogos de combate; específicas relacionadas aos esportivas; jogos de combate;
aos esportes, lutas e ginástica. atividades adaptadas de lutas; esportes, lutas e ginásticas. atividades adaptadas de lutas;
ginástica geral (passos, corridas, ginástica geral (passos, corridas,
• Participar de atividades adaptadas de • Compreender os principais
saltos, giros, equilíbrios, ondas, saltos, giros, equilíbrios, ondas,
esportes, lutas e ginásticas criando elementos dos jogos, esportes, lutas
poses, marcações e poses, marcações e
estratégias individuais e coletivas, e ginástica, identificando as
balanceamentos) balanceamentos)
prezando pelo protagonismo e características que os constituem na
trabalho coletivo. • Jogos pré-desportivos; atividades contemporaneidade. • Jogos pré-desportivos; esportes
adaptadas de modalidades (marca, precisão, campo e taco,

EDUCAÇÃO FÍSICA
esportivas; jogos de combate; rede/parede e invasão); modalidades

LINGUAGENS
atividades adaptadas de lutas; de luta; tipos de ginástica
ginástica geral (equilíbrios, saltos,
giros, rotações e acrobacias com e
sem materiais)

Danças e atividades rítmicas e Danças e atividades rítmicas e Danças e atividades rítmicas e Danças e atividades rítmicas e
expressivas expressivas expressivas expressivas
• Experimentar e fruir diferentes ritmos • Danças de matriz indígena (Toré, • Identificar os elementos constitutivos • Danças de matriz indígena (Toré,
a partir das danças e manifestações Cateretê, Acyigua etc.) (ritmo, espaço, gestos) das danças do Cateretê, Acyigua etc.)
populares regionais de matrizes contexto comunitário e regional,
• Danças de matriz africana (Maracatu, • Danças de matriz africana (Maracatu,
africanas e indígenas. valorizando e respeitando os diferentes
Jongo, Samba, Frevo etc.) Jongo, Samba, Frevo etc.)
significados dessas manifestações em
suas culturas de origem.
117
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
118

4º ANO 5º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo

• Identificar e perceber as relações da • O corpo e seu desenvolvimento • Pesquisar e estudar os benefícios • Conhecimentos sobre o corpo e seu
atividade física com o corpo, como forma de linguagem e que a atividade física regular exerce desenvolvimento (aspectos culturais,
respeitando as características de comunicação social, afetiva e sobre o corpo humano, tendo em históricos, políticos, religiosos e
gênero e biótipos. biológica vista a promoção da saúde. sociais)

EDUCAÇÃO FÍSICA
LINGUAGENS
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LUDICIDADE E LETRAMENTOS


LINGUAGENS – EDUCAÇÃO FÍSICA
3º CICLO – 1º BLOCO

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Jogos Jogos Jogos Jogos
• Experimentar a criação e adaptação • Criação e adaptação de regras; • Refletir sobre as transformações • Jogos de tabuleiro e jogos
de regras que possibilitem a inclusão regras de inclusão e participação; histórico-sociais dos jogos e eletrônicos
de todos nas atividades propostas cooperação X competição brincadeiras a partir do surgimento
• Mundo digital e os riscos do
de novas tecnologias.
sedentarismo

EDUCAÇÃO FÍSICA
LINGUAGENS
Esportes Esportes Esportes Esportes
• Conhecer e praticar diferentes • Esportes de marca (atletismo, natação, • Vivenciar diferentes modalidades • Esportes de marca (atletismo,
modalidades esportivas, ciclismo etc.), esportes de precisão esportivas procurando ampliar a natação, ciclismo etc.), esportes de
compreendendo aspectos históricos (bocha, arco e flecha, boliche etc.), compreensão de sua historicidade, precisão (bocha, arco e flecha,
e culturais, regras básicas e esportes de invasão (basquete, futsal, aspectos sociais, políticos e culturais, boliche etc.), esportes de invasão
fundamentos técnicos e táticos das handebol etc.) e esportes técnico- suas regras e fundamentos técnicos (basquete, futsal, handebol etc.) e
modalidades praticadas. combinatórios (ginástica artística, e táticos das modalidades praticadas. esportes técnico-combinatórios
ginástica rítmica etc.) (ginástica artística e ginástica rítmica
etc.)
• Diversidade e características gerais
das modalidades esportivas • Regras básicas e suas possibilidades
de adaptação na escola;
• Origem e desenvolvimento dos
esportes no Brasil • Fundamentos técnicos e táticos das
modalidades praticadas
• Regras básicas e suas possibilidades
de adaptação na escola
• Fundamentos técnicos e táticos das
modalidades praticadas
119
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
120

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Ginásticas Ginásticas Ginásticas Ginásticas
• Conhecer movimentos característicos • Origem, desenvolvimento e • Participar de atividades de ginástica, • Atividades com característica de
da arte circense, compreendendo características gerais das artes percebendo suas relações com o ginástica de condicionamento físico
sua história e principais circenses corpo e as capacidades físicas
• Capacidades físicas: força,
características e manifestações. envolvidas.
• Atividades circenses (malabares, velocidade, agilidade, resistência,
acrobacias e pirâmides) equilíbrio e flexibilidade
Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo
• Experimentar atividades com • Grupos Musculares (dorsais, • Perceber a importância de uma boa • Autocorreção postural
alongamento e exercícios físicos lombares, abdominais, membros postura no dia a dia e na prática de
• Desvios de coluna (lordose,
percebendo a relação com o próprio superiores e inferiores) atividades físicas.
escoliose e cifose)

EDUCAÇÃO FÍSICA
corpo.

LINGUAGENS
Danças e Atividades Danças e Atividades Danças e Atividades Danças e Atividades
• Conhecer manifestações de danças • Origem e desenvolvimento das • Vivenciar manifestações de danças • Origem e desenvolvimento das
urbanas emergentes, danças urbanas (break, funk, street urbanas emergentes, danças urbanas (break ,funk, street
compreendendo suas principais dance etc.) compreendendo suas principais dance)
características e contexto cultural. características e contexto cultural.
• Expressão corporal, espaços, gestos • Expressão corporal, espaços, gestos
e ritmos relacionados às danças e ritmos relacionados às danças
urbanas urbanas
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Lutas Lutas Lutas Lutas
• Conhecer as características e • Origem e desenvolvimento da • Compreender as características e • Estilos de capoeira (angola e
fundamentos básicos da capoeira capoeira no Brasil fundamentos da capoeira regional); movimentos básicos
como cultura corporal afro-brasileira. relacionando com a história e cultura (ginga, golpe e esquivas)
• Características gerais da capoeira
do Brasil.
(códigos, rituais, elementos técnico • Musicalidade (instrumentos musicais
táticos, musicalidade e indumentária) e ritmos)
• Capoeira e manifestações
relacionadas (maculelê, samba de
roda etc.)

EDUCAÇÃO FÍSICA
Práticas corporais de aventura Práticas corporais de aventura Práticas corporais de aventura Práticas corporais de aventura

LINGUAGENS
• Conhecer e vivenciar práticas • Características gerais das práticas • Ampliar os conhecimentos sobre • Práticas corporais de aventura
corporais de aventura urbanas, corporais de aventura urbanas práticas corporais de aventura urbana (skate, parkour, patins, BMX
adaptando-as aos materiais e urbanas, participando de atividades etc.)
• Adaptação de práticas corporais de
espaços disponíveis na escola. adotando condutas de segurança e
aventura urbanas no contexto da • Respeito ao patrimônio e condutas
respeito ao patrimônio público.
escola de segurança
121
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
122

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA A DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – EDUCAÇÃO FÍSICA
3º CICLO – 2º BLOCO

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Esportes Esportes Esportes Esportes
• Compreender criticamente as • Esportes de rede/parede (tênis de • Participar da organização de • Esportes de rede/parede (tênis de
transformações sociais relacionadas mesa, voleibol etc.), esportes de campeonatos, festivais e outros mesa, voleibol etc.), esportes de
ao esporte, participando de forma campo e taco (beisebol, críquete eventos no âmbito escolar, campo e taco (beisebol, críquete
consciente das modalidades etc.), esportes de invasão (futsal, ampliando seus conhecimentos etc.), esportes de invasão (futsal,

EDUCAÇÃO FÍSICA
propostas. futebol, handebol, basquete etc.) e acerca das diferentes dimensões do futebol, handebol, basquete etc.) e

LINGUAGENS
esportes de combate (judô, luta fenômeno esportivo. esportes de combate (judô, luta
olímpica, boxe, karatê, jiu-jitsu etc.) olímpica, boxe, karatê, jiu-jitsu etc.)

• Regras básicas e suas possibilidades • Organização de competições


de adaptação na escola (sistema de disputa, formação de
equipes e regulamentos)
• Fundamentos técnicos e táticos das
modalidades praticadas
• Transformações históricas e sociais
no fenômeno esportivo
• Problemas relacionados ao esporte:
doping, corrupção e violência
Ginásticas Ginásticas Ginásticas Ginásticas
• Vivenciar atividades que • Ginástica de conscientização • Ampliar a consciência corporal, • Ginástica de conscientização
desenvolvam a consciência corporal corporal (alongamento, relaxamento, promovendo um estilo de vida corporal (Yoga, Tai Chi, Pilates etc.)
e favoreçam o autoconhecimento. exercícios de respiração e saudável, por meio de práticas
meditação) corporais sistematizadas.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo Conhecimentos sobre o corpo
• Pesquisar e estudar os benefícios • Conhecimentos sobre o corpo e seu • Compreender a diversidade de • Diversidade de biótipos, padrões de
que a atividade física regular exerce desenvolvimento (aspectos físicos, padrões de saúde, beleza e estética estética impostos socialmente,
sobre o corpo humano, tendo em biológicos, culturais, históricos, corporal, analisando criticamente os marketing e consumo
vista a promoção da saúde. políticos, religiosos e sociais) padrões divulgados pela mídia.
• Disfunções relacionadas à
• Noções de nutrição e alimentação alimentação e/ou prática excessiva
saudável de atividade física (anorexia, bulimia
e vigorexia)

Danças Danças Danças Danças


• Conhecer as características básicas • Características gerais das danças de • Ampliar os conhecimentos • Diversidade e tradição cultural das

EDUCAÇÃO FÍSICA
e os elementos que constituem a salão experimentadas (ritmos, relacionados às danças de salão danças de salão (forró, samba, zouk

LINGUAGENS
tradição das danças de salão. gestos, coreografias e músicas) refletindo sobre estereótipos e e salsa)
preconceitos relacionados à prática
• Estereótipo e preconceito
da dança.
relacionado à dança

Lutas Lutas Lutas Lutas


• Identificar a diversidade das lutas • Aspectos históricos e diversidade • Compreender os principais aspectos • Características gerais das artes
espalhadas pelo mundo e vivenciar cultural das lutas no mundo que caracterizam as artes marciais marciais orientais (códigos, rituais,
algumas manifestações orientais, relacionando – as com as elementos técnico-táticos,
• Características gerais das lutas
reconhecendo suas principais transformações histórico-sociais indumentária, materiais e
ocidentais (códigos, rituais,
características. relacionados às lutas. instalações)
elementos técnico-táticos,
indumentária, materiais e • Aspectos históricos, esportivização e
instalações) midiatização das lutas
123
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
124

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


Práticas corporais de aventura Práticas corporais de aventura Práticas corporais de aventura Práticas corporais de aventura
• Conhecer e vivenciar algumas • Características gerais das práticas • Participar de práticas corporais de • Práticas corporais de aventura na
práticas corporais de aventura na corporais de aventura na natureza aventura na natureza, natureza (escalada, moutain bike,
natureza adaptando tais práticas ao compreendendo a importância de trilhas, corrida de aventura, slackline
contexto da escola. adotar procedimentos de segurança etc.)
e preservação do meio ambiente.
• Procedimentos de segurança e
preservação do meio ambiente

EDUCAÇÃO FÍSICA
LINGUAGENS
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

LÍNGUA ESTRANGEIRA

A Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal optou por assumir a


perspectiva de Língua Estrangeira – LE neste Currículo para que esta matriz
possibilite o ensino de qualquer idioma, destacando, porém, a obrigatoriedade do
ensino da Língua Inglesa conforme estabelecido na Lei 13.415/2017. Ressalta-se que
todos os objetos de conhecimento e habilidades referentes a esse componente
curricular na BNCC estão devidamente contemplados e ampliados como objetivos de
aprendizagem e conteúdos, de forma a nortear o processo de ensino-aprendizagem
da Língua Inglesa e de qualquer outra língua estrangeira. Essa opção do Distrito
Federal por um referencial amplo se baseia em sua vocação ao plurilinguismo no que
diz respeito às políticas públicas voltadas ao ensino de línguas, especialmente no que
se refere à oferta de variados idiomas nos Centros Interescolares de Línguas – CIL e
aos projetos que visam possibilitar as aprendizagens de línguas em escolas regulares
das redes de ensino.
Esse caráter plurilíngue encontra raízes profundas no processo histórico do
ensino de línguas no país, que teve início com a chegada dos Jesuítas, em 1500. Eles
ensinavam a língua portuguesa, ainda como estrangeira, a povos que aqui se
encontravam. Uma vez oficializada a língua portuguesa como língua nacional (1759),
outras línguas começaram a ser introduzidas no sistema de ensino e a ampliar os
currículos de língua estrangeira. Nesse sentido, com a chegada da família real (1808),
as línguas francesa e inglesa foram introduzidas no currículo escolar, e, alguns anos
mais tarde, após a proclamação da República (1889), a língua inglesa e a alemã se
tornaram opcionais no currículo.
No século XX, sucessivas reformas alternaram o ensino da língua estrangeira
entre caráter obrigatório e optativo. A Reforma Capanema (1942) fez do latim, do
francês e do inglês componentes curriculares obrigatórios do então Colegial, hoje
Ensino Médio, enquanto no Ginasial, atual Ensino Fundamental – Anos Finais, o latim
foi substituído pelo espanhol (cf. REVISTA HELB, s.d., seção Linha do Tempo). Anos
depois, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº. 4.024 de 1961,
retirou o caráter obrigatório do ensino de línguas (BRASIL, 1961). Em 1976, o
Ministério da Educação – MEC resgatou parcialmente o ensino de línguas, tendo
decretado a obrigatoriedade da Língua Estrangeira Moderna – LEM no então 2º grau
(Ensino Médio). Finalmente, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB,
Lei nº. 9.394 de 1996 (BRASIL, 1996), tornou o ensino de LEM obrigatório desde os
Anos Finais do Ensino Fundamental até o término da Educação Básica.
Entretanto, apesar de a mencionada Lei referir-se ao componente como Língua
Estrangeira Moderna, o foco de sua oferta sempre tendeu a se restringir ao ensino da
língua inglesa, com exceção de localidades brasileiras próximas de fronteiras ou
marcadas por forte influência cultural estrangeira, fruto de processos migratórios. Isso
possibilitou a oferta de outras línguas de maior interesse dessas comunidades. Além
disso, políticas públicas de ensino de Língua Estrangeira – LE, como os CIL,
inaugurados ainda na década de 1970 em Brasília, assim como experiências similares
desenvolvidas em outras unidades da Federação com o fim de garantir acesso a
12
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

cursos de línguas em instituições educacionais públicas, propiciaram o ensino


especializado de outras línguas de forma gratuita.
Com o advento do Mercado Comum do Sul – Mercosul, organização
intergovernamental fundada em 1991, o interesse pelo ensino do Espanhol cresceu e
resultou na promulgação da Lei nº 11.161 de 2005, a qual tornou obrigatória a oferta
da língua espanhola no Ensino Médio e facultativa nos currículos de Anos Finais
(BRASIL, 2005). Na referida lei, determinou-se que, até 2010, todas as escolas de
Ensino Médio brasileiras, públicas e privadas, deveriam ofertar o Espanhol, com
acesso de caráter facultativo para os estudantes. No entanto, a oferta dessa língua
enfrentou uma série de desafios, como o fato da carga horária oferecida para o
espanhol ser inferior à de língua inglesa e a existência de falhas no processo de
formação inicial de professores.
De acordo com a LDB, em seu art. 26, os currículos do Ensino Fundamental e
Médio deveriam contar com uma base nacional comum e uma parte diversificada.
Entretanto, a LDB sofreu mudanças estruturais com a publicação da Lei nº 13.415 de
16 de fevereiro de 2017, que estabeleceu o Inglês como oferta obrigatória, revogou a
Lei nº 11.161/2005 e deixou a língua espanhola como opcional nos currículos do
Ensino Médio. Essas mudanças foram refletidas fortemente na BNCC, promulgada no
final de 2017.
Assim, um dos primeiros objetivos deste referencial curricular está relacionado
com a sensibilização para a linguagem, de modo a preparar o estudante para se
posicionar positivamente em relação à diversidade que o estudo de LE apresenta, em
um processo que empreende também compreender outras formas de estar e ser no
mundo (HEIDEGGER, 2005; KOTHE, 2013). Tal sensibilização diz respeito à
construção de atitudes valorativas frente a outras culturas, pontos de vista, maneiras
de expressão e seres humanos.
Nesse contexto, a sensibilização para a linguagem requer, portanto, aprender
com e sobre os indivíduos de uma sociedade e, nesse processo, aprender sobre si
mesmo e a sociedade em que vivemos. A linguagem e o modo como ela é usada
marcam lugares sociais das pessoas, sejam elas jovens, idosas, mulheres ou homens
(cisgênero ou transgênero), Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais,
Transgênero e Intersexuais – LGBTI, negros, brancos, indígenas, das periferias, do
campo ou dos centros urbanos, entre outros.
É a abertura para aceitação de diferentes línguas e maneiras de estar e ser no
mundo, em seu diálogo com os eixos transversais do currículo – Educação para a
Diversidade; Cidadania e Educação em e para os Direitos Humanos e Educação para
a Sustentabilidade – que possibilita uma educação capaz de promover e fortalecer a
formação de indivíduos autônomos, críticos, conscientes de si e acolhedores das
diferenças e das dimensões humana e social de outras culturas e da sua própria.
Para isso, a organização da matriz de LE em objetivos e conteúdos se apoia
em quatro eixos desenvolvimentais nos Anos Finais: Oralidade (interação discursiva,
compreensão oral, produção oral); Compreensão e Produção Escrita (estratégia de
leitura, leitura e fruição, avaliação dos textos lidos, estratégias de escrita: escrita e
pós-escrita, compreensão e produção escrita - prática de escritas); Interculturalidade
(manifestação e evolução linguístico-culturais, comunicação intercultural) e Práticas
Mediadas pelas Tecnologias Digitais (práticas investigativas, produção autoral e

126
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

partilha de informações). Cada eixo está dividido em dimensões que ajudam a


organizar o desenvolvimento do estudante e oferecem parâmetros para que
professores possam acompanhar o processo de aprendizagem e/ou aquisição da
língua por parte dos estudantes (cf. KRASHEN, 1982).

A oralidade, ainda um desafio em cursos de LE na Educação Básica (FARIA,


2009), é marcada como um eixo orientador. Esse eixo apresenta uma habilidade que
tem sido deixada em segundo plano, quando não abandonada completamente, em
relação à escrita. Por esse eixo, espera-se que estudantes, com apoio de professores,
possam sustentar interação verbal. Para isso, é necessário que se desenvolvam as
outras dimensões da oralidade: a compreensão e a produção orais.
O eixo Compreensão e Produção Escrita também apresenta uma via de mão
dupla. Ela diz respeito à capacidade de compreensão e interpretação de textos
escritos e da expressão do pensamento por esse meio. Por se tratar da modalidade
escrita, é importante não se perder de vista que “a aula de LE deve criar condições
para que o educando possa engajar-se em atividades que demandam o uso da língua
a partir de temáticas relevantes” (SCHLATER, 2009, s.p.) para o estudante.
A inclusão do eixo Interculturalidade aponta para uma abordagem
contemporânea que não condiz com métodos “centrados nos aspectos formais da
língua e nas amostras de linguagem descontextualizadas” (SANTOS, 2004, p. 94).
Para Santos (2004), essa é uma possibilidade de desenvolvimento temático no ensino
de línguas, de modo a torná-lo mais significativo, desafiador e prazeroso para os
agentes envolvidos no processo.
O eixo Práticas Mediadas Pelas Tecnologias Digitais diz respeito a um suporte
poderoso de acesso e contato com a língua estudada. As tecnologias digitais podem
oferecer espaço para comunicação nas modalidades escrita e oral. Elas são capazes
de propiciar condições adequadas de produção e de recepção tanto na dimensão oral
quanto na escrita da língua. Outro fator relevante que as tecnologias permitem trazer
como prática na sala de aula de língua estrangeira é a possibilidade de criação em
diversos aspectos: produção de material audiovisual por parte dos estudantes,
expressão escrita, acessos a materiais diversos (cf. SANTOS; BEATO; ARAGÃO,
s.d.). Trata-se, enfim, de um aliado com potencial para apoiar uma transformação nas
práticas de ensino e aprendizagem na escola pública.

127
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

A consideração desses eixos em conjunto e em constante movimento, sem


atitudes e procedimentos estanques e sem fragmentações de práticas de linguagem,
possibilita a construção de um ensino flexível, pois aponta para um tipo modelar
(paradigmático) de ensino, favorecendo a construção de propostas específicas em
cada escola. Nessa perspectiva, não é necessário foco especial em quaisquer dos
elementos nos processos que levarão à aquisição de uma nova língua, pois quando o
ensino e a aprendizagem de uma língua estrangeira são vistos como um processo
complexo (MORIN, 2003) e ecológico (CAPRA, 1996), mais chances têm de
cumprirem seu importante papel na educação para a cidadania e para os direitos
humanos, para a sustentabilidade e para a diversidade, de modo a contemplar a
natureza das diferenças de gênero, de intelectualidade, de raça/etnia, de orientação
sexual, de pertencimento, de personalidade, de cultura, de patrimônio, de classe
social, de diferenças motoras, sensoriais, enfim, a diversidade vista como
possibilidade de adaptação e de sobrevivência como espécie na sociedade
(DISTRITO FEDERAL, 2014).
Da mesma forma, o ensino-aprendizagem de uma nova língua também pode
contribuir para uma progressiva autonomia do educando que lhe propicie ampliação
de sua perspectiva de mundo. Isso é possível porque o principal eixo filosófico da
matriz não se orienta por uma perspectiva estrutural/gramatical, o que permite a
adoção de conteúdos relacionados a interesses e/ou necessidades de cada
comunidade escolar.
Para circular na língua estudada (MOURA, 2015), temáticas relativas à
educação ambiental, consciência familiar, respeito ao próximo e valorização da
própria identidade, assim como a apreciação de costumes e valores de outros povos,
poderão contribuir para o desenvolvimento comunicacional do aprendiz. Nessa
perspectiva, é necessário cuidar para que não se valorizem apenas países ou culturas
dominantes, de modo a desmitificar o ensino da língua, tornando-o mais crítico no que diz
respeito a relações estabelecidas entre os povos ao longo de séculos.
A orientação crítica apontada acima e adotada neste Currículo se expressa,
sobretudo, pela função social requerida do componente curricular no contexto em que
se insere. Nesse sentido, a ideia consiste em que o ensino da língua possa ser
articulado com elementos da cultura, da história, da sociedade e das relações que se
estabelecem no contexto do qual faz parte. Na condução do trabalho pedagógico, o
trajeto da língua deve ser considerado atentando-se para a influência da colonização
e do patriarcado e das lutas descolonizadoras de resistência nas matrizes culturais
que originam determinadas línguas. Assim, cabe refletir sobre o lastro deixado pelo
movimento de aculturação e apagamento a partir do domínio e extermínio de
determinados povos (como as populações negras e indígenas nos diversos
continentes, entre outras) ao se abordar a importância das línguas e culturas em
contato/conflito. Trazer tal debate à tona faz com que o ensino da língua não seja uma
mera repetição de normas gramaticais; ao contrário, transforma esse processo em
aprendizagens críticas e reflexivas, que estão para além da reprodução mecânica de
palavras ou termos. Assim, atividades diversas e uso de recursos variados, tais como
projetos, tarefas, conteúdos interdisciplinares, temas transversais, jogos, leitura,
teatro, tecnologias, música, entre outros, em perspectiva comunicativa, servirão para
propiciar ambiente temático adequado para o desenvolvimento das aprendizagens e

128
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

fomentar a construção da autonomia dos estudantes no processo (ALMEIDA FILHO,


1987).
Abordagens contemporâneas de ensino de línguas apontam para a inclusão de
dimensões historicamente relegadas à marginalidade dos processos de ensino
centrados no caráter metalinguístico. Essas dimensões incluem a centralidade no
sentido, o desenvolvimento temático, o protagonismo estudantil e o desenvolvimento
da pessoa. Elas não implicam, entretanto, a exclusão de outras dimensões
privilegiadas em abordagens que mantêm a língua como centro. O
redimensionamento dos elementos implícitos em propostas contemporâneas busca
ajustes mais equilibrados tradicionalmente negados na abordagem majoritariamente
instalada nos sistemas de ensino, a gramatical. Assim, pode-se indicar uma
abordagem de caráter comunicacional como parte do enfrentamento das dificuldades
a caminho da superação dos resultados indesejados ainda registrados no ensino de
LE no Brasil.
A matriz curricular de LE propõe uma alternativa aberta e plural na oferta
linguística. Esta proposta pressupõe o compromisso de diversos atores da educação
para sua implementação: aponta para a necessidade de formação continuada
institucionalmente estabelecida; indica a necessidade de investimento nos diferentes
níveis formais de apoio à implementação do currículo; solicita reestruturação de
elementos condicionantes da oferta de LE e conta com o compromisso profissional de
professores na experimentação de novas abordagens.
Em relação ao papel do professor nesse processo, várias são as estratégias
que poderão ser utilizadas por ele com fins de materialização de uma abordagem
centrada no sentido. Pode-se, por exemplo, instalar uma estratégia temática pela qual
o planejamento de cursos e de aulas se dê a partir de itens temáticos, reservando a
itens linguísticos o papel de apoio no programa. Nessa direção, os eixos transversais
podem desencadear o protagonismo estudantil, pois guardam potencial de promover
reflexão crítica sobre processos de dominação entre povos, culturas ou classes
sociais.
Outra possibilidade de trazer à cena abordagens focadas no sentido é o
tratamento intercultural que se pode dar ao ensino de línguas, centrando-se ações e
práticas na sensibilização cultural, no ensino de aspectos específicos e de tratamento
de diferenças ou semelhanças culturais. O potencial do uso de novas tecnologias
nesse aspecto é enorme, já que pode estimular o espírito da pesquisa e propiciar o
desenvolvimento da autonomia do estudante em seu processo de aprendizagem.
Outros esforços podem ser envidados no sentido de modificar o tradicional
ensino centrado na estrutura da língua. O Currículo ora apresentado disponibiliza
oportunidade de reflexão sobre o ensino contemporâneo de LE e convida a
experimentações de novas possibilidades, quiçá novos rumos e resultados nesse
campo da educação. A abertura do educador a essas possibilidades, apoiada por
ações formativas que lhe propiciem o aprofundamento de conhecimentos, ampliação
de suas concepções e explicitação e formalização da própria abordagem (SANT’ANA,
2017), pode configurar-se como elemento-chave que permitirá a materialização dos
objetivos de aprendizagem deste marco referencial.

129
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

Referências
ALMEIDA FILHO, J. C. P. O que quer dizer comunicativo na sala de aula de língua estrangeira.
Florianópolis: Perspectiva, v. 4, nº. 8 (1987)
BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Brasília, DF: 20 de dezembro de 1996.
______. Lei 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação
Nacional. Brasília: DF. 1961. Disponível em:
<http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=75529.htm>. Acesso em:
03/10/2018.
______. Lei nº. 11.161, de 05 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da língua espanhola.
Diário Oficial da União, Brasília, DF: 05 de agosto de 2005.
CAPRA, F. A Teia da Vida. São Paulo: Editora Cultrix, 1996.
DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado de Educação. Currículo em Movimento da
Educação Básica: Pressupostos Teóricos. Brasília, 2014.
FARIA, V. M. S. Oralidade na Aula de Línguas: Desenho de Materiais. Dissertação de
Mestrado, Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2009. Disponível em:
<https://repositorio-
aberto.up.pt/bitstream/10216/20132/2/mestvaniafariaoralidade000084361.pdf>. Acesso em:
10/10/2018.
HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Rio de Janeiro: Ed. vozes, 2005.
KOTHE, F. R. Nietzsche X Heidegger: SIF, 2013. In: Revista de Estética e Semiótica, Brasília,
v. 3, n. 2, p. 39-77, jul. – dez., 2013.
KRASHEN, S. Principles and Practice in Second Language Acquisition. California:
Pergamon Press Inc., 1982.
MORIN, E. A Cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro:
Bertrand Brasil, 2003.
MOURA, G. A. Competência Comunicacional: tecendo diálogos para a construção de ambientes
de comunicação humanizados. In: ORTIZ ALVAREZ, M. L. (org.). Ecos do Profissional de
Línguas: Competências e teorias. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015.
REVISTA HELB. Linha do Tempo: Reforma Capanema: Pico na Oferta de Línguas. s.d.
Disponível em: <http://www.helb.org.br/index.php/linha-do-tempo/1016-1942/63-reforma-
capanema-pico-na-oferta-de-linguas>. Acesso em: 12/10/2018.
SANTOS, E. M. O. Abordagem Comunicativa Intercultural (ACIN): uma proposta para
ensinar e aprender língua no diálogo de culturas. Tese de Doutorado, Campinas, SP:
UNICAMP, 2004.
SANT’ANA, J. S. Por uma Porta Entreaberta: o desenvolvimento da competência aplicada de
profissionais do ensino de línguas. Tese de Doutoramento no Programa de Pós-Graduação em
Linguística, São Carlos, SP, Universidade Federal de São Carlos, 2017.
SANTOS, T. F.; BEATO, Z.; ARAGÃO, R. AS TICS e o Ensino de Línguas. s.d. Disponível em:
<http://www.uesc.br/eventos/sepexle/anais/10.pdf>. Acesso em: 13/10/2018.
SCHLATER, M. O ensino de Leitura em Língua Estrangeira na Escola: uma proposta de
letramento. Calidoscópio, Vol. 7, nº. 1, p. 11-23, jan/abr 2009.

130
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – LÍNGUA ESTRANGEIRA 2
3º CICLO – 1º BLOCO

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE
Interação Discursiva Interação Discursiva Interação Discursiva Interação Discursiva
• Construir laços afetivos e convívio • Informações pessoais • Comunicar-se, respondendo e
social demonstrando respeito e fazendo perguntas com expressões • Histórias de vida
• Relação de parentesco e laços

LÍNGUA ESTRANGEIRA
empatia na língua estudada. usuais e familiares para apresentar-
familiares • Gostos e preferências a respeito de
• Compreender funções e usos sociais se e apresentar alguém.
aspectos diversos (comida, roupas,

LINGUAGENS
da língua estudada. • Expressões usadas para o convívio
• Apresentar e compreender pontos de lugares etc.) próprios e de colegas
social e o uso da língua estudada
• Usar a língua de forma colaborativa. vista sobre assuntos familiares em
• Jogos colaborativos, com
• Compreensão (reconhecimento de situação de interação com pessoas
• Iniciar processo de sensibilização em participação respeitosa no uso da
palavras cognatas, pistas do contexto ou grupos de pessoas.
relação ao estudo de uma nova língua estrangeira
discursivo, mobilização de
língua com ênfase no caráter lúdico. • Entrevistar colegas para conhecer
conhecimentos prévios) em situações
suas histórias de vida e compartilhar
• Relacionar aspectos da língua de interação
informações pessoais.
estrangeira com a língua materna.
• Informações sobre si e sobre outros
• Respeitar e valorizar diversas e troca de informações pessoais no
composições familiares e a vida processo
comunitária em distintas culturas.
• Gostos e preferências a respeito de
• Interagir para responder dúvidas. aspectos diversos (comida, roupas,
• Solicitar esclarecimentos em lugares etc.) próprios e de colegas
situações formais e informais.

2
Esta matriz apresenta objetivos de aprendizagem e conteúdos que poderão ser utilizados como referenciais para o processo de ensino-aprendizagem de qualquer
língua estrangeira, mas tendo em vista a garantia do ensino obrigatório da Língua Inglesa, conforme estabelece a Lei 13.415/2017.
131
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
132

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE
Compreensão Oral Compreensão Oral Compreensão Oral Compreensão Oral

• Compreender, de forma estratégica, • Uso de palavras cognatas • Compreender vocabulário e • Peças audiovisuais (vídeos, áudios
textos orais: palavras cognatas e expressões frequentes em interações etc.) que se referem a pessoas e
• Comandos do dia a dia e construção
pistas do contexto discursivo. orais e do dia a dia. lugares, condições de vida, formação
de diálogos
e atividade profissional
• Sensibilizar-se para o estudo dos • Acessar conhecimentos prévios para
• Sons específicos da língua estudada
sons da língua. compreensão de ideias em • Audição de apresentações orais,
em contraste com os da língua
interações orais. peças teatrais e outras atividades
materna
apresentadas pelos colegas,
• Compreender peças audiovisuais
• Relato de peças/produções interagindo de forma respeitosa e

LÍNGUA ESTRANGEIRA
como propagandas e vídeos de curta
audiovisuais colaborativa na língua estudada
duração.

LINGUAGENS
• Argumentos, conteúdos, pontos de
• Debater ideias e pontos de vista na
vista em uma apresentação ou
defesa ou reflexão sobre temas
debate
específicos ou previamente
preparados.
ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE
Produção Oral Produção Oral Produção Oral Produção Oral

• Produzir textos orais com a mediação • Fatos ou sequência de fatos • Produzir textos orais diversos. • Peças de caráter artístico produzidas
do professor, de modo a constantes de recursos visuais coletivamente em sala de aula
• Saber compor narrativas sobre
desenvolver, progressivamente, a
• Informações pessoais de terceiros acontecimentos ou situações de • Peças audiovisuais produzidas por
capacidade de sustentar
adquiridas em interações ordem pessoal. meio do uso de ferramentas
apresentações orais sobre assuntos
(entrevistas, diálogos simples etc.) tecnológicas (celular, aplicativos de
de domínio pessoal ou de interesse • Apresentar informações adquiridas
edição de vídeo e som etc.)
da comunidade em que vive. • Recortes temáticos de produções em interações (entrevistas, diálogos
escritas autorais individuais e simples etc.). • Apresentações individuais ou em
coletivas grupo de relato de conteúdo ou
• Relatar conteúdo de produções
resultados de trabalhos
autorais.
desenvolvidos em exercícios de
escrita ou leitura
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO
ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Estratégias de Leitura Estratégias de Leitura Estratégias de Leitura Estratégias de Leitura

• Levantar hipóteses sobre a finalidade • Elementos extratextuais (ilustrações, • Fazer associações entre título e • Pequenos textos literários como
de um texto. manchetes, títulos), levantamento de texto, ilustrações e outros elementos contos e poesia na língua estudada
hipóteses sobre um texto escrito textuais para ampliar a compreensão
• Desenvolver a capacidade de fazer • Títulos, ilustrações e chamadas do
global de um texto.
leituras rápidas para compreensão • Identificação e classificação do texto para predição de conteúdos e
geral e específica do texto. gênero do texto por meio dos traços • Produzir pequenos textos literários ideias
distintivos como contos e poesia.
• Compreender diferentes gêneros • Identificação de ideias principais de

LÍNGUA ESTRANGEIRA
textuais. • Uso de dicionários e outros recursos • Compreender sentidos gerais e parágrafos em textos diversos para
de pesquisa para compreensão de específicos em textos de variados relacioná-las a ideias de outros de

LINGUAGENS
• Saber utilizar adequadamente
vocabulário específico na leitura de gêneros na língua estudada. mesma temática
recursos que auxiliem no processo
texto escrito
de compreensão textual. • Ler e analisar textos de gêneros • Textos de gêneros diversos, tais
• Textos instrucionais de gêneros instrucionais e/ou de caráter sinótico como rótulos, instruções em
instrucionais como receita, rótulos, (rótulos, instruções em embalagens, embalagens, receitas, anúncios,
bulas e placas receitas, anúncios, cartazes). cartazes, quadrinhos, entre outros
COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO
ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Leitura e Fruição Leitura e Fruição Leitura e Fruição Leitura e Fruição

• Compreender itens lexicais • Textos em ambientes eletrônicos • Reconhecer ideias principais e de • Textos narrativos
observando referentes contextuais. suporte na estrutura e organização
• Tiras, quadrinhos, memes e legendas • Textos curtos (gêneros, tais como
de parágrafos, assim como
• Desenvolver a compreensão de em meio eletrônico regras de jogos, manchetes,
estratégias de caráter imagético
textos verbais e não verbais. anúncios, memes, pequenos textos
utilizadas na comunicação.
informativos etc.)
• Acessar e ler textos na língua
• Ler textos narrativos e analisar
estudada, com mediação do
possíveis estratégias usadas em sua
professor(a), de modo a ampliar
elaboração para estímulo da
conhecimentos lexicais em situações
curiosidade do leitor.
e contextos significativos.
133
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
134

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Ler e atribuir significados a tiras, • Analisar e interpretar diversos
quadrinhos, memes e legendas gêneros textuais, como regras de
acessados em sítios eletrônicos. jogos, manchetes, anúncios,
pequenos textos informativos,
biografias, história em quadrinhos,
tiras de jornais, poemas, canções,
textos não verbais e textos mistos.

COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO


ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA

LÍNGUA ESTRANGEIRA
Avaliação dos Textos Lidos Avaliação dos Textos Lidos Avaliação dos Textos Lidos Avaliação dos Textos Lidos

LINGUAGENS
• Colaborar na construção de leituras e • Textos autorais diversos • Desenvolver reflexão acerca de • Manchetes de jornais, cartazes e
compreensões de textos escritos e pequenos textos de variados gêneros pequenos textos
• Textos de diferentes naturezas e
cooperar na releitura e reconstrução por meio de sua leitura e sua análise
origem em suportes diversos • Trabalho em textos autorais
de textos lidos. sistematizadas.
(eletrônico, jornais, mídias etc.)
• Posicionar-se frente ao texto lido de • Ler e emitir opiniões sobre pequenos
forma crítica e reflexiva com textos, tais como manchetes de
desenvolvimento de capacidades de jornais, cartazes e legendas de
expressão de perspectivas e de imagens, e compartilhar percepções
escuta ativa. acerca de seus conteúdos e
mensagens.
• Construir coletivamente sentidos e
significados de textos diversos, de
forma a desenvolver o espírito
colaborativo no processo de
aprendizagem de um novo idioma e
de percepção de diferentes visões de
mundo.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO
ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Estratégias de Escrita: escrita e Estratégias de Escrita: escrita e Estratégias de Escrita: escrita e Estratégias de Escrita: escrita e
pós-escrita pós-escrita pós-escrita pós-escrita

• Produzir pequenos textos, parágrafos • Organização de ideias e seleção em • Desenvolver, de forma progressiva, a • Textos literários na língua estudada,
em função do gênero textual e função do gênero e do objetivo do capacidade de escrever textos com roteiros teatrais ou para vídeos
objetivo do texto, com destaque para texto características de diferentes gêneros,
• Cartões postais
produção de legendas de imagens e tais como cartão postal, mensagem
• Produção de parágrafos na língua
memes. de e-mail e de redes sociais, • Parágrafos e textos curtos
estudada de forma organizada e
pequenos poemas (e.g., haikai).
coerente

LÍNGUA ESTRANGEIRA
• Produzir textos a partir de releitura de
• Produção escrita de histórias a partir

LINGUAGENS
produções literárias na língua
de recursos audiovisuais (quadrinho,
estudada, roteiros e interpretações
ilustrações etc.), entre outros
artísticas desses textos em forma de
peças teatrais ou vídeos de curta
duração.
• Produzir cartões postais com uso de
ferramentas digitais, descrição de
lugares e atrações turísticas,
utilizando diferentes recursos.

• Identificar ideias secundárias de


parágrafos para relacioná-las com a
ideia principal do texto com fins de
apreensão de sentidos e
desenvolvimento da coerência
textual.
135
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
136

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO
ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Práticas de Escrita Práticas de Escrita Práticas de Escrita Práticas de Escrita

• Saber escrever pequenos textos na • Textos escritos na língua estrangeira • Produzir cartazes sobre assuntos • Cartazes apropriados a um contexto
língua estudada de forma (histórias em quadrinhos, haikai, previamente discutidos / desenvolvidos específico pré-determinado
colaborativa. cartazes, mensagens de chats, em aula.
• Narrativas literárias
postagens em blogs, legendas para
• Entender processos de composição e • Relatar fatos, acontecimentos e
imagens, e-mails etc.) • Relato de histórias fictícias ou reais
usar palavras e sintagmas na língua histórias de forma clara e coerente
estudada. • Formulários com informações na língua estudada. • Bilhetes, cartões e mensagens de
pessoais (nome, idade, profissão felicitações

LÍNGUA ESTRANGEIRA
• Produzir textos diversos (histórias em • Produzir narrativas literárias de forma
etc.)
quadrinhos, haikai, cartazes, clara, expressando sequência

LINGUAGENS
mensagens de chats, legendas) • Peças audiovisuais curtas com uso temporal adequadamente,
sobre si mesmo, sua família, seus de ferramentas digitais (celular, envolvendo personagens e ações
amigos, expressando gostos, aplicativos diversos etc.) desenvolvidas na trama, de forma a
preferências e rotinas, assim como valorizar o potencial criativo, o
acerca de sua comunidade e de seu protagonismo estudantil e o
contexto escolar. pensamento crítico.
• Envolver-se em troca de opiniões e • Escrever textos curtos para expressar
informações sobre textos lidos na desejos, pedidos e recomendações.
sala de aula ou em outros ambientes.
• Relatar histórias fictícias ou reais,
• Compor pequenas peças descrevendo o cenário, personagens
audiovisuais com uso de ferramentas e ações de forma coerente e clara,
digitais (celular, aplicativos diversos obedecendo a uma sequência
etc.). temporal, de forma a valorizar o
potencial criativo, o protagonismo
• Preencher formulários com
estudantil e o pensamento crítico.
informações pessoais.
• Escrever pequenos parágrafos,
bilhetes, cartões e mensagens de
felicitações.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE
Manifestações e Evolução Manifestações e Evolução Manifestações e Evolução Manifestações e Evolução
Linguístico-culturais Linguístico-culturais Linguístico-culturais Linguístico-culturais

• Compreender de forma histórica e • Manifestações culturais e costumes • Identificar e conhecer aspectos da • Culturas relacionadas à língua
crítica diferenças culturais e políticas referentes a lugares onde a língua cultura de povos em que a língua estudada
étnico-raciais, sociais e econômicas estudada é falada e de outros povos estudada é falada.
entre países onde a língua estudada
• Compreensão e respeito no convívio • Analisar a importância de elementos
é falada.
social e em relação ao meio nas sociedades envolvidas com a
• Ampliar conhecimentos sobre ambiente língua estudada e como se
diferentes formas de manifestações manifestam nas esferas da música,

LÍNGUA ESTRANGEIRA
culturais e de interesse ambiental do teatro, da literatura e do cinema,

LINGUAGENS
relacionados à língua estudada. seja em cenários nacionais ou
mundiais.
• Compreender diferentes formas de
manifestações culturais, apropriando-
se de recursos linguístico-discursivos
e culturais para se relacionar com o
outro de forma respeitosa e
acolhedora.
• Levantar dados e informações sobre
aspectos relacionados à política e ao
cuidado com o meio-ambiente nos
países onde a língua estudada é
falada, em contraste com o contexto
brasileiro.
137
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
138

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE
Comunicação Intercultural Comunicação Intercultural Comunicação Intercultural Comunicação Intercultural

• Perceber que há diferenças culturais • Recursos literários • Perceber algumas diferenças • Expressões linguísticas
na comunicação entre pessoas de culturais relacionadas à língua
• Culturas de países da língua • Diferenças culturais
lugares e/ou culturas diferentes. estudada em contraste com a
estudada
brasileira.
• Interagir, em língua estrangeira,
utilizando recursos estéticos, • Refletir sobre uso de expressões
literários e audiovisuais linguísticas de forma e/ou sentido
intermediados por ferramentas diferentes entre a língua materna e a
tecnológicas (computadores, língua estudada.

LÍNGUA ESTRANGEIRA
celulares, Internet etc.) que permitam

LINGUAGENS
o acesso a diferentes manifestações
linguístico-culturais e o contato com
pessoas de outros países.

• Responder a interlocutores de forma


apropriada ao contexto de interação.
• Debater opiniões sobre texto lido em
classe.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

6º ANO 7º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


PRÁTICAS MEDIADAS PELAS PRÁTICAS MEDIADAS PELAS PRÁTICAS MEDIADAS PELAS PRÁTICAS MEDIADAS PELAS
TECNOLOGIAS DIGITAIS TECNOLOGIAS DIGITAIS TECNOLOGIAS DIGITAIS TECNOLOGIAS DIGITAIS
Práticas Investigativas Práticas Investigativas Práticas Investigativas Práticas Investigativas

• Usar de forma adequada • Textos, imagens, recursos • Explorar ambientes virtuais de • Conhecimento de sítios eletrônicos
equipamentos e aplicativos em meios produzidos ou disponíveis em comunicação para levantamento de de pesquisa para busca de
virtuais utilizando a língua ferramentas tecnológicas informação específica. informações na língua estudada
estrangeira.
• Conhecimento de recursos digitais • Explorar ambientes virtuais para
para interagir na língua estudada desenvolvimento de tarefas na língua
estudada para subsidiar atividades
desenvolvidas em aula e suas

LÍNGUA ESTRANGEIRA
extensões, exploração de

LINGUAGENS
vocabulários e outros recursos
linguísticos para desenvolver tarefas.
• Levantar informações por meio de
motores de busca virtuais para
acesso a materiais didáticos, textos
e imagens que auxiliem na ampliação
de conhecimentos lexicais.
• Usar recursos digitais para interagir
na língua estudada, utilizando-se de
recursos linguístico-discursivos e
culturais para estabelecer contato
com pessoas de lugares próximos ou
distantes.
139
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
140

EIXOS TRANSVERSAIS: EDUCAÇÃO PARA DIVERSIDADE/CIDADANIA E EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS/EDUCAÇÃO PARA A
SUSTENTABILIDADE

EIXOS INTEGRADORES – LETRAMENTOS E LUDICIDADE


LINGUAGENS – LÍNGUA ESTRANGEIRA
3º CICLO - 2º BLOCO

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE
Interação Discursiva Interação Discursiva Interação Discursiva Interação Discursiva

• Comunicar-se de forma clara e • Opiniões e informações sobre • Comunicar-se de forma clara, • Argumentos e contra-argumentos,
coerente, em diferentes ambientes assuntos como família, trabalho, coerente e persuasiva na língua debate

LÍNGUA ESTRANGEIRA
de interação, acerca de assuntos escola, lazer, entre outros estudada, partindo de uma escuta

LINGUAGENS
corriqueiros, fazendo uso de ativa e acolhedora no que concerne a
• Estratégias de negociação de
estratégias para descrever objetos, diferentes percepções de mundo.
sentidos na língua estudada
situações e pessoas e para negociar
• Expor pontos de vista, argumentos e
sentidos na expressão de opiniões e
contra-argumentos, levando-se em
perspectivas.
conta o contexto do outro e do grupo.
• Saber utilizar estratégias verbais e
não verbais no intercâmbio de
informações e opiniões.
• Fazer uso da gradação de
qualidades e circunstâncias, assim
como vocábulos e sintagmas que
expressem quantificações, de modo
a criar imagens mentais claras sobre
o que se quer descrever.
• Desenvolver a capacidade de
expressão de respeito ao diferente e
de valorização de percepções
influenciadas por outras visões de
mundo.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Fazer uso de estratégias
comunicativas para evitar mal-
entendidos, esclarecer possíveis
conflitos de percepções e explorar
recursos linguísticos (frases
incompletas, hesitações, entre
outros) e corporal-cinestésicos
(gestos, expressões faciais, entre
outros) em situações de interação
oral.
ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE

LÍNGUA ESTRANGEIRA
Compreensão Oral Compreensão Oral Compreensão Oral Compreensão Oral

LINGUAGENS
• Desenvolver a compreensão de • Textos orais multimodais • Desenvolver a compreensão de • Ideias-chave de textos orais de
textos orais, multimodais, de cunho textos orais e multimodais de cunho caráter argumentativo
• Textos jornalísticos
informativo/jornalístico e artístico na argumentativo.
• Textos orais diversos, tais como
língua estudada para sua utilização • Textos literários
• Reconhecer contextos de expressão anedota, conversa, exposição
como instrumento de acesso a
de recomendações, necessidades, (palestra) e instruções
informações e ampliação de
obrigações e possibilidades.
conhecimentos e percepções de
mundo. • Analisar e refletir sobre
posicionamentos defendidos e
• Construir sentido global de textos
refutados em textos orais que tratem
orais por meio da relação de suas
de temas de interesse social e
partes com o assunto principal e
coletivo, objetivando o
informações mais relevantes, de
desenvolvimento do pensamento
modo a desenvolver
crítico e o respeito à diversidade.
progressivamente a capacidade de
ouvir e compreender diferentes níveis • Exercitar a capacidade de
de fala e ampliar a possibilidade de compreensão de textos orais e
acesso a informações e a diferentes multimodais como discursos,
visões de mundo. entrevistas, conferências e diálogos
extraídos de sites, noticiários,
141
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
142

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Exercitar a percepção de sons na programas televisivos, seriados,
língua estudada e a compreensão de vídeos e filmes originais, seguindo
vocábulos e frases por meio de uma argumentação complexa de
canções, vídeos e áudios diversos. assuntos do cotidiano.

ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE ORALIDADE


Produção Oral Produção Oral Produção Oral Produção Oral

• Produzir textos orais em diálogos ou • Recursos linguístico-discursivos • Produzir textos orais para fins de • Notas, gráficos, tabelas de pesquisa
monólogos, com progressiva apropriados para falar de planos exposição de informações, de modo • Informações e opiniões
autonomia, para desenvolvimento da futuros, previsões, possibilidades e a desenvolver a competência
habilidade de fala na língua probabilidades comunicacional e capacidade

LÍNGUA ESTRANGEIRA
estudada, assim como a estratégica.
• Diálogos e monólogos

LINGUAGENS
competência estratégica em
• Ampliar, de forma progressiva, o
diferentes contextos de • Conhecimentos lexicais, relações
campo de conhecimento lexical de
comunicação. semânticas relacionadas a
forma a ampliar a capacidade de
perspectivas futuras, planos,
• Falar, de forma lógica e coerente, expressão de ideias e pontos de
projetos, previsões, possibilidades e
sobre perspectivas futuras. vista.
expectativas
• Ampliar, de forma progressiva, o • Acessar e usar, de forma
campo de conhecimento lexical na contextualizada e significativa, os
língua estudada. conhecimentos lexicais
desenvolvidos em sala.
• Debater e discutir ideias, opiniões e
pontos de vista com base em notas,
gráficos, tabelas de pesquisa ou
outros dados formais.
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO
ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Estratégias de Leitura Estratégias de Leitura Estratégias de Leitura Estratégias de Leitura

• Realizar inferências para analisar e • Informações e relações implícitas • Identificar recursos de persuasão e • Recursos de persuasão (escolha e
interpretar textos de variados argumentação em textos escritos na jogo de palavras, uso de cores e
• Inferência textual e apropriação de
gêneros, tais como postagens em língua estudada. imagens, tamanho de letras)
conceitos e significados de vocábulos
blogs e redes sociais, mensagens de
• Perceber a importância e estabelecer • Textos publicitários e de propaganda
e-mail, textos literários (contos e • Temas de textos de variados
relações semânticas entre itens como elementos de convencimento
poesia), jornalísticos e acadêmicos, gêneros, tais como postagens em
lexicais na língua estudada em
com a mediação do professor. blogs e redes sociais, mensagens de • Distinção de fatos e de opiniões em
processos de compreensão e

LÍNGUA ESTRANGEIRA
e-mail, textos literários (contos e textos argumentativos da esfera
• Perceber a importância da relação interpretação textual.
poesia), jornalísticos e acadêmicos, jornalística

LINGUAGENS
semântica entre itens lexicais na
relacionados a conhecimentos • Identificar argumentos principais e
língua estudada em processos de
prévios evidências/exemplos que os
compreensão e interpretação textual.
sustentam.
• Efeitos de sentido produzidos no
• Relacionar conteúdos linguísticos da
texto pelo uso intencional de
língua estudada com aqueles
palavras, expressões, recursos
relacionados à língua materna,
gráfico-visuais e pontuação
identificando diferentes contextos de
uso.

COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO


ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Leitura e Fruição Leitura e Fruição Leitura e Fruição Leitura e Fruição

• Desenvolver a estesia literária por • Contos, romances, poemas e outros • Ampliação do conhecimento acerca • Gêneros textuais
meio da leitura de textos narrativos e textos de cunho artístico-literário de diferentes gêneros textuais, tais
• Relações étnico-raciais, de gênero,
poéticos na língua estudada. como postagens em blogs e redes
de orientação sexual, de idade e de
sociais, mensagens de e-mail, textos
• Ler e interpretar contos, romances, cultura em países da língua estudada
literários (contos e poesia),
poemas e outros textos de cunho e no Brasil
jornalísticos e acadêmicos, na língua
143
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
144

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


artístico-literário, em versão original estudada, reconhecendo-a como
ou adaptada, como forma de instrumento de acesso à informação
desenvolvimento do conhecimento e e de expansão de visões de mundo.
do apreço pela literatura nacional e
• Analisar e interpretar diversos
estrangeira.
gêneros textuais, como regras de
jogos, manchetes, anúncios,
reportagens, artigos, verbetes de
dicionário e enciclopédia, textos
informativos, biografias, legendas de
filmes, história em quadrinhos,
contos, poemas, canções, textos não

LÍNGUA ESTRANGEIRA
verbais e textos mistos, não-

LINGUAGENS
estereotipados, representativos das
culturas estudadas e que respeitem
as diversidades coletivas, individuais,
intelectuais, físicas e
socioeconômicas.

COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO


ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Avaliação dos textos lidos Avaliação dos textos lidos Avaliação dos textos lidos Avaliação dos textos lidos

• Desenvolver a reflexão crítica acerca • Análise e interpretação crítica e • Desenvolver a reflexão crítica acerca • Análise e interpretação crítica e
de variados gêneros textuais por reflexiva do teor e do conteúdo de de variados gêneros textuais por reflexiva com foco na ética e respeito
meio de leitura e análise textos de variados gêneros por meio meio de leitura e análise em relação à perspectiva do outro,
sistematizadas de textos. do estudo comparativo de diferentes sistematizadas, estimulando a do teor e do conteúdo de textos de
perspectivas acerca de um mesmo produção autoral a partir dessas variados gêneros, sejam eles obras
tema reflexões. de escritores ou resultados de
produções autorais, individuais ou
coletivas, realizadas em sala
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO
ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Estratégias de Escrita: escrita e Estratégias de Escrita: escrita e Estratégias de Escrita: escrita e Estratégias de Escrita: escrita e
pós-escrita pós-escrita pós-escrita pós-escrita

• Analisar e revisar textos autorais, • Texto de variados gêneros, tais como • Analisar e reformular processos de • Argumentação e persuasão
assim como trabalhar em sua postagens em blogs e redes sociais, construção da argumentação e da
persuasão em textos autorais. • Verbos que indicam recomendação,
refacção. mensagens de e-mail, textos
necessidade, obrigação e
literários (contos e poesia), • Compreender e utilizar verbos e
• Desenvolver a compreensão do possibilidade
jornalísticos e acadêmicos expressões que indiquem
papel dos pronomes relativos na
coesão textual. • Recursos dêiticos recomendação, necessidade,

LÍNGUA ESTRANGEIRA
obrigação e possibilidade.
• Analisar e avaliar a produção escrita

LINGUAGENS
• Analisar e propor potenciais
autoral, individual e coletiva, com
argumentos para expor pontos de
base no contexto de comunicação
vista em textos escritos, com reflexão
(finalidade e adequação ao público,
crítica a respeito do tema proposto e
conteúdo a ser comunicado,
pesquisa de dados, evidências e
organização textual, legibilidade e exemplos para sustentar a
estrutura de frases). argumentação de forma lógica e
• Exercitar uso de pronomes relativos coerente.
com vistas à construção de períodos • Reconhecer e utilizar contextualizada
compostos de forma coesa e e significativamente verbos e
significativa em relação a diferentes expressões que indicam
contextos de comunicação. recomendação, necessidade,
obrigação e possibilidade na
construção e refacção de textos
autorais individuais ou coletivos.
• Utilizar recursos verbais e não verbais
para construção da persuasão em
textos da esfera publicitária, de forma
adequada ao contexto de circulação
(produção e compreensão).
145
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
146

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO COMPREENSÃO E PRODUÇÃO
ESCRITA ESCRITA ESCRITA ESCRITA
Práticas de Escrita Práticas de Escrita Práticas de Escrita Práticas de Escrita

• Desenvolver a habilidade de escrita • Observação, compreensão e • Desenvolver a habilidade de escrita • Expressão de condições no presente
na língua estudada, de forma reprodução de processos de na língua estudada, de forma e no futuro
colaborativa. composição de palavras e sintagmas colaborativa, baseando-se em leitura
• Elementos discursivos para
em contextos significativos de e conhecimento prévios, levando-se
• Entender e reproduzir processos de expressar adição, condição,
interação, de modo a desenvolver em consideração o objetivo do texto
composição de palavras e sintagmas oposição, contraste, conclusão e
uma aprendizagem colaborativa e a ser escrito, o público-alvo e o tema
na língua estudada. síntese
progressivamente consciente da abordado.

LÍNGUA ESTRANGEIRA
• Produzir textos de variados gêneros língua estudada
• Expressar ideias condicionais no
por meio do uso de estratégias de

LINGUAGENS
• Textos de variados gêneros, tais presente e no futuro em textos
escrita (planejamento, produção de
como postagens em blogs e redes escritos.
rascunho, revisão e edição final),
sociais, mensagens de e-mail, textos
com temáticas relacionadas a sonhos • Apropriar-se de conhecimentos
literários (poesia e narrativas em
e projetos futuros (pessoais, lexicais e semânticos relacionados
contos e romances), jornalísticos e
familiares, comunitários ou ao uso de conectores (palavras e
acadêmicos
planetários). expressões de transição) na língua
• Estratégias de escrita estudada.
(planejamento, produção de
rascunho, revisão e edição final)

INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE


Manifestações e evolução Manifestações e evolução Manifestações e evolução Manifestações e evolução
linguístico-culturais linguístico-culturais linguístico-culturais linguístico-culturais

• Ampliar conhecimentos sobre • Manifestações artístico-culturais • Compreender a importância da • Contexto histórico de povos em que
diferentes contextos artísticos, culturais diversas relacionadas à língua-alvo expansão da língua estudada e de a língua estudada é falada
e de interesse ambiental relacionados (artes plásticas e visuais, literatura, suas culturas no mundo: contexto
à língua estudada que tenham se música, cinema, dança, festividades, histórico.
tornado referências mundiais. turismo, gastronomia e lazer)
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Compreender diferenças ideológicas • Mudança climática em países • Reconhecer o papel da língua • Papel da língua estudada em
e políticas entre países onde a língua relacionados à língua estudada estudada no processo de diferentes contextos (histórico, social,
estudada é falada. • Diferenças ideológicas e políticas comunicação entre diferentes povos econômico)
• Reconhecer, com uso da língua entre os países onde a língua-alvo é e de difusão de culturas.
• Processo de evolução da linguagem
estudada, o impacto humano no falada
• Valorizar e respeitar diversas
processo de mudanças climáticas, de
composições familiares e a vida
modo a desenvolver o pensamento
comunitária em distintas culturas.
crítico-reflexivo no que diz respeito
ao cuidado com o meio-ambiente • Investigar e refletir coletivamente
local e planetário, expressando com sobre o processo de evolução e
clareza seus posicionamentos. expansão da língua estudada e das

LÍNGUA ESTRANGEIRA
culturas a ela relacionadas, seja em
função de processos de colonização,

LINGUAGENS
de descolonização ou por influências
causadas por mudanças geopolíticas
e culturais no mundo.
• Analisar e refletir sobre questões de
racismo e xenofobia relacionadas às
culturas estudadas, de modo a
desenvolver o pensamento crítico
acerca das implicações histórico-
sociais nos processos de
colonização, migratórios e de
disseminação de pensamentos
hegemônicos.
• Analisar a importância da língua
estudada para o desenvolvimento
das ciências (produção e divulgação
de novos conhecimentos), da
economia, da política ou das artes no
cenário mundial.
147
Currículo em Movimento do Distrito Federal – Ensino Fundamental
Anos Iniciais – Anos Finais
148

8º ANO 9º ANO

OBJETIVOS CONTEÚDOS OBJETIVOS CONTEÚDOS


• Conhecer e analisar, de forma crítica,
reflexiva e acolhedora, diferentes
composições familiares e a vida
comunitária de outros países que
possam implicar identificações ou
choques culturais quando
comparados com o contexto
brasileiro, de modo a desenvolver o
respeito às diversidades
socioculturais na
contemporaneidade.

LÍNGUA ESTRANGEIRA
LINGUAGENS
INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE INTERCULTURALIDADE
Comunicação Intercultural Comunicação Intercultural Comunicação Intercultural