Você está na página 1de 176

Domínio Doutrinário de

Doutrina e Convênios e História da Igreja — Material do


Professor

Publicado por
A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias
Salt Lake City, Utah
Agradecemos os comentários e as correções. Favor enviá-los para:
Seminaries and Institutes of Religion Curriculum Services
50 E North Temple Street
Salt Lake City, UT 84150-0008
EUA
E-mail: ces-manuals@LDSchurch.org
Inclua seu nome completo, endereço, sua ala e estaca.
Certifique-se de fornecer o título do manual ao nos enviar seus comentários.
Este material pode ser impresso para uso pessoal sem fins comerciais (desde que relacionado ao chamado ou à
designação em A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias). Favor pedir permissão para qualquer outro
uso no e-mail permissions.LDS.org
© 2018 Intellectual Reserve, Inc.
Todos os direitos reservados.
Impresso no Brasil
Versão 2, 9/18
Aprovação do inglês: 1/16
Aprovação da tradução: 1/16
Tradução de Doctrinal Mastery Doctrine and Covenants and Church History Teacher Material
Portuguese
13233 059
Sumário
Instruções para os professores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . v
Adquirir conhecimento espiritual, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
Adquirir conhecimento espiritual, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Adquirir conhecimento espiritual, parte 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
Adquirir conhecimento espiritual, parte 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
A Trindade, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
A Trindade, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
O plano de salvação, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
O plano de salvação, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
O plano de salvação, parte 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
A Expiação de Jesus Cristo, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
A Expiação de Jesus Cristo, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
A Expiação de Jesus Cristo, parte 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
A Restauração, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
A Restauração, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
A Restauração, parte 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Profetas e revelação, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
Profetas e revelação, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82
Profetas e revelação, parte 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Ordenanças e convênios, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
Ordenanças e convênios, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
Casamento e família, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Casamento e família, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
Casamento e família, parte 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Mandamentos, parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
Mandamentos, parte 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Mandamentos, parte 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
Revisão cumulativa de domínio doutrinário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
Apêndice: Guia de andamento sugerido do domínio doutrinário de Doutrina e
Convênios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
Instruções para os
professores
O objetivo dos Seminários e Institutos de Religião declara: “Ensinamos aos alunos
as doutrinas e os princípios do evangelho de acordo com as escrituras e as palavras
dos profetas” (Ensinar e Aprender o Evangelho: Manual para Professores e Líderes dos
Seminários e Institutos de Religião, 2012, p. x). No seminário, isso é basicamente
realizado por meio de um estudo sequencial das escrituras, seguindo o fluxo natural
dos livros e versículos de um volume de escrituras do início ao fim. O élder
David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, ensinou: “Essa é a primeira e a
mais fundamental maneira de se obter água viva” (“Um reservatório de água viva”,
serão do Sistema Educacional da Igreja para jovens adultos, 4 de fevereiro de 2007,
p. 3, LDS.org/media-library).
Outra maneira de ajudarmos os alunos a entender e viver a doutrina de Jesus Cristo
e acreditar nela é por meio do domínio doutrinário. O domínio doutrinário
complementa o estudo sequencial das escrituras, oferecendo oportunidades para os
alunos estudarem a doutrina do evangelho de Jesus Cristo por tópicos.
O estudo sequencial das escrituras e o domínio doutrinário são atividades
separadas e distintas, mas complementares. Ambos são elementos importantes
para a experiência do aluno no seminário. Por meio do estudo sequencial das
escrituras, os alunos e os professores estudam a doutrina e os princípios do
evangelho à medida que eles emergem no texto das escrituras e estes são
demonstrados. Por meio do domínio doutrinário, os professores e os alunos
examinam a doutrina do evangelho por tópico, usando diversas passagens de
escrituras para ajudar a ensinar essas verdades.
O presidente Boyd K. Packer (1924–2015), do Quórum dos Doze Apóstolos,
ensinou por que esse método doutrinário de estudo também é benéfico: “As
doutrinas individuais do evangelho não estão plenamente explicadas em um único
lugar das escrituras, tampouco estão apresentadas em ordem ou sequência.
Precisam ser reunidas, uma parte aqui, outra ali. Às vezes são encontradas em
grandes segmentos, mas na maioria das vezes são pequenos trechos espalhados ao
longo dos capítulos e versículos” (“O grande plano de felicidade”, Ensino no
Seminário: Textos Preparatórios, manual do Sistema Educacional da Igreja, 2004,
p. 73).
O domínio doutrinário faz melhorias e substitui programas anteriores dos
Seminários e Institutos de Religião, tais como o domínio de estudo das escrituras e
o estudo de doutrinas básicas. O domínio doutrinário tem a intenção de ajudar os
alunos a atingir os seguintes resultados:
1. Aprender e aplicar os princípios divinos para adquirir conhecimento espiritual.
2. Dominar a doutrina do evangelho de Jesus Cristo e as passagens das escrituras
em que essa doutrina é ensinada. Esse resultado do domínio doutrinário é
alcançado quando os alunos fazem o seguinte:

v
I N S T RUÇ Õ ES PA R A OS P R OF E SSOR E S

a. Desenvolvem um entendimento mais profundo de cada um destes nove


tópicos doutrinários:
• A Trindade
• O plano de salvação
• A Expiação de Jesus Cristo
• A Restauração
• Profetas e revelação
• O sacerdócio e as chaves do sacerdócio
• Ordenanças e convênios
• Casamento e família
• Mandamentos
b. Entendem as declarações-chave de doutrina identificadas na seção “Adquirir
conhecimento espiritual” do Documento Principal de Domínio Doutrinário e
em cada um dos nove tópicos doutrinários.
c. Sabem como as declarações-chave de doutrina são ensinadas nas passagens
de escrituras de domínio doutrinário e são capazes de lembrar dessas
passagens e localizá-las.
d. Explicam cada declaração-chave de doutrina com clareza, usando as
passagens de domínio doutrinário a elas associadas.
e. Aplicam a doutrina do evangelho de Jesus Cristo em suas decisões
cotidianas e em suas respostas a perguntas e problemas doutrinários, sociais
e históricos.
Os Seminários e Institutos de Religião produziram materiais de instrução para
ajudar professores e alunos a atingir esses resultados. Esses materiais incluem o
Documento Principal de Domínio Doutrinário e o material de Domínio Doutrinário do
professor. (Observação: O material de Domínio Doutrinário do professor estará
disponível para todos os quatro cursos do seminário.)

Documento Principal de Domínio Doutrinário


O Documento Principal de Domínio Doutrinário é direcionado aos alunos. Ele consiste
de (1) uma introdução que explica o que é o Domínio Doutrinário e como será útil
para eles, (2) instruções que ensinam princípios sobre como adquirir conhecimento
espiritual e (3) uma seção sobre os nove tópicos doutrinários relacionados
anteriormente. Cada tópico doutrinário inclui declarações de doutrina relevantes
para a vida dos alunos e que serão importantes que eles entendam, acreditem e
apliquem.
Algumas das doutrinas e alguns dos princípios nas seções “Adquirir conhecimento
espiritual” e “Tópicos doutrinários” do Documento Principal de Domínio Doutrinário
são chamadas de declaração-chave de doutrina. Essas declarações-chave de
doutrina têm passagens de escritura de domínio doutrinário associadas a elas que
ajudam a ensinar certos aspectos da declaração. Há 25 passagens de domínio

vi
IN S T R U ÇÕ E S PAR A O S PR O FESSORES

doutrinário para cada curso de estudo (Velho Testamento, Novo Testamento, Livro
de Mórmon e Doutrina e Convênios e História da Igreja), com um total de cem
passagens de escrituras. Uma lista dessas passagens se encontra no final do
Documento Principal de Domínio Doutrinário. Ajudar os alunos a lembrarem e
localizarem essas passagens e a entenderem como as passagens ensinam a
doutrina do Salvador é parte importante de seu trabalho como professor.
Cada uma das cem passagens de domínio doutrinário é usada para ajudar a ensinar
apenas uma declaração de doutrina no Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Por exemplo, Joseph Smith—História 1:15–20 é citada no tópico doutrinário 4, “A
Restauração”, para ajudar a ensinar a doutrina de que Deus, o Pai, e Seu Filho,
Jesus Cristo, apareceram a Joseph Smith em resposta à oração de Joseph, e
que Eles o chamaram para ser o profeta da Restauração. Entretanto, essa
passagem de domínio doutrinário também pode ser usada para ajudar a ensinar a
doutrina no tópico 1, “A Trindade”, de que há três personagens distintos na
Trindade: Deus, o Pai Eterno; Seu Filho, Jesus Cristo; e o Espírito Santo.
Portanto, essa passagem de domínio doutrinário está listada como uma referência
relacionada a esse tópico.
Observar onde cada passagem de domínio doutrinário é citada permite saber em
qual experiência de aprendizado essa passagem específica será tratada no material
de Domínio Doutrinário do professor para o curso de estudo do ano. No exemplo
anterior, Joseph Smith—História 1:15–20 será tratada na experiência de
aprendizado de “A Restauração” no Domínio Doutrinário de Doutrina e Convênios e
História da Igreja — Material do Professor.
Embora uma experiência de aprendizado seja ensinada para adquirir conhecimento
espiritual e para cada tópico doutrinário durante todos os cursos de estudo,
somente as declarações-chave de doutrina que estão associadas às passagens de
escritura do domínio doutrinário para este curso de estudo são enfatizadas nas
experiências de aprendizado do Domínio Doutrinário para este ano letivo. As
declarações-chave de doutrina estão em negrito e incluídas no texto da lição.

Domínio doutrinário — Material do professor


O currículo de domínio doutrinário consiste de dez experiências de aprendizado
que deverão ser apresentadas durante o curso de estudo daquele ano. (As
experiências de aprendizado são o material de ensino para “Adquirir conhecimento
espiritual” e cada um dos nove tópicos de doutrina.) Em muitos casos, o material
de instruções de cada experiência de aprendizado precisará ser ensinado em mais
de uma aula.
A primeira experiência de aprendizado se concentra em ajudar os alunos a
aprender e a aplicar os princípios relacionados à aquisição de conhecimento
espiritual. Isso deve ser ensinado nas primeiras duas semanas do ano letivo. Essa
experiência vai ajudar os alunos a captar a visão do domínio doutrinário. Além
disso, os princípios ensinados nessa experiência de aprendizado fornecem uma
base que vai ajudar no estudo das experiências de aprendizado subsequentes, que
serão ensinadas durante o restante do ano.
Cada uma das experiências de aprendizado subsequentes se baseia em um dos
nove tópicos doutrinários listados previamente. Elas foram desenvolvidas para

vii
I N S T RUÇ Õ ES PA R A OS P R OF E SSOR E S

ajudar os alunos a entender a doutrina do Salvador de maneira mais profunda e


aplicá-la prontamente em sua vida. Cada uma dessas experiências de aprendizado
consiste de três partes: “Entender a doutrina”, “Exercícios práticos” e “Revisão de
domínio doutrinário”.

Entender a doutrina
A parte “Entender a doutrina” de cada experiência de aprendizado inclui uma série
de atividades de aprendizado ou segmentos que podem ser ensinados durante uma
ou mais aulas. Essas atividades ajudarão os alunos a entender mais profundamente
cada tópico doutrinário e declarações-chave específicas de doutrina associadas a
cada tópico.
Os segmentos “Entender a doutrina” começam com um estudo do tópico
doutrinário no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Além disso, os
segmentos se concentram em declarações-chave específicas da doutrina associadas
às passagens de domínio doutrinário específicas do volume de escrituras do curso
de estudo daquele ano. Por exemplo, na experiência de aprendizado “A Trindade”
no Domínio Doutrinário de Doutrina e Convênios e História da Igreja — Material do
Professor, os professores são instruídos a ajudar os alunos a dominar Doutrina e
Convênios 29:10–11 e 130:22–23. À medida que os alunos estudarem o Novo
Testamento e o Livro de Mórmon durante os outros anos do seminário, eles vão se
concentrar em outras passagens de domínio doutrinário que ajudam a ensinar as
declarações da doutrina relativas ao tópico “A Trindade” no Documento Principal de
Domínio Doutrinário.
Nos segmentos “Entender a doutrina”, os alunos são incentivados a localizar,
marcar e estudar as passagens de domínio doutrinário para que possam usá-las
para ensinar e explicar as declarações da doutrina que a passagem ajuda a ensinar.
Se desejar, acrescente outras atividades conforme necessário para ajudar os alunos
a dominar as declarações-chave de doutrina e as passagens de domínio doutrinário
que ajudam a ensiná-las.

Exercícios práticos
A maioria das experiências de aprendizado fornece pelo menos um exercício
prático para os alunos. Esses exercícios consistem tipicamente de estudos de caso,
dramatizações, situações ou perguntas dos quais os alunos podem participar, e nos
quais podem debater em grupos pequenos ou discutir em classe. Esses exercícios
são vitais para ajudar os alunos a entender como as declarações doutrinárias que
estão aprendendo são relevantes para as situações da vida moderna. Você pode
adaptar os exercícios práticos de acordo com as necessidades e os interesses de seus
alunos. Os exercícios também salientam como a doutrina que os alunos
aprenderam pode abençoá-los e ajudá-los a viver o evangelho, bem como a
explicar suas crenças de uma maneira não ameaçadora e inofensiva.
Antes dos exercícios práticos, é importante que você examine os princípios de
adquirir conhecimento espiritual com os alunos. Como os exercícios práticos são
vitais para ajudar os alunos a lembrar e depois aplicar o que aprenderam às
circunstâncias diárias, certifique-se de reservar tempo de aula suficiente para a
conclusão dos exercícios.

viii
IN S T R U ÇÕ E S PAR A O S PR O FESSORES

Revisão de domínio doutrinário


O propósito das atividades de “Revisão de domínio doutrinário” é ajudar os alunos
a atingir os seguintes resultados para o domínio doutrinário: Saber como as
declarações de doutrina são ensinadas nas passagens de domínio doutrinário e ser
capazes de se lembrar dessas passagens e localizá-las; explicar cada declaração de
doutrina com clareza, utilizando as passagens de domínio doutrinário associadas; e
aplicar o que aprenderam em suas escolhas diárias e em suas respostas a questões
doutrinárias, sociais, históricas e em suas dúvidas (ver “Introdução ao domínio
doutrinário” no Documento Principal de Domínio Doutrinário).
Examinar com frequência as declarações-chave de doutrina e as passagens de
domínio doutrinário usadas para ensiná-las ajudará os alunos em seu empenho de
dominá-las. No entanto, tenha cuidado para não permitir que as atividades de
revisão de domínio doutrinário superem o ensino sequencial das escrituras ou os
resultados planejados para o domínio doutrinário. Dois tipos de atividades de
revisão estão incluídos em cada experiência de aprendizado de domínio
doutrinário: atividades de revisão curtas e atividades cumulativas.
As atividades de revisão de domínio doutrinário curtas estão incluídas para ajudar
os alunos a localizar, lembrar e dominar as passagens de domínio doutrinário e as
declarações-chave de doutrina que essas passagens ajudam a ensinar. Essas
revisões curtas devem ser ensinadas depois que os alunos participarem nos
seguimentos “Entender a doutrina” de diversas experiências de aprendizado. Elas
não devem durar mais de cinco minutos e devem ser usadas no início ou no fim de
uma aula em que uma sequência regular de escrituras de Doutrina e Convênios é
ensinada.
As revisões de domínio doutrinário cumulativas estão localizadas no final de cada
experiência de aprendizado. Seu propósito é ajudar os alunos a revisar todas as
passagens de domínio doutrinário que eles estudaram até aquele ponto do ano
letivo. Essas revisões longas devem ser ensinadas nos dias designados para o
domínio doutrinário, mas podem ser ensinadas em outros dias se os professores
escolherem encurtar as aulas de sequências de escrituras.

Implementar o domínio doutrinário


O domínio doutrinário é implementado de maneira diferente, com base no tipo de
programa do seminário no qual os alunos estão matriculados: seminário diário
(programa matutino e em horário escolar), seminário online ou seminário de
estudo no lar.

Domínio doutrinário no seminário diário


O domínio doutrinário não substitui o ensino sequencial das escrituras no
seminário. É previsto que você gaste aproximadamente 40 minutos da aula por
semana durante o ano letivo com o domínio doutrinário. Implementar o domínio
doutrinário enquanto ensina Doutrina e Convênios sequencialmente vai exigir que
você comece a aula no horário e use seu tempo em sala de aula com eficiência.
Observe que a revisão curta de domínio doutrinário deve ser distribuída ao longo
da semana e o tempo para essas atividades não está incluído nesses 40 minutos.

ix
I N S T RUÇ Õ ES PA R A OS P R OF E SSOR E S

A quantidade de semanas usadas em cada uma das dez experiências de


aprendizado do domínio doutrinário vai variar dependendo da quantidade de
declarações doutrinárias e das passagens de domínio doutrinário a serem
enfatizadas e estudadas naquele tópico da doutrina. Alguns tópicos serão
concluídos adequadamente em uma semana, enquanto outros precisarão de mais
semanas para isso (ver “Guia de Andamento do Domínio Doutrinário de Doutrina
e Convênio e História da Igreja” no final desta seção).
O domínio doutrinário foi desenvolvido para ser usado no tempo de classe com
uma abordagem flexível. Cada experiência de aprendizado de domínio doutrinário
está dividida em várias partes que podem ser ensinadas em uma única aula, com
duração de 40 minutos, ou dividindo-se os segmentos do domínio doutrinário e
ensinando-os ao longo da semana. Cada experiência de aprendizado está dividida
em segmentos que, em geral, podem ser concluídos dentro de 5 a 20 minutos cada.
Idealmente, cada experiência de aprendizado de 40 minutos seria coberta dentro de
uma semana, além de ensinar as revisões curtas durante as aulas de escrituras
sequenciais durante a semana.
Se você escolher ensinar o domínio doutrinário no mesmo dia em que também vai
ensinar uma lição sequencial em um bloco de escrituras, tenha cuidado para não
permitir que a quantidade de tempo gasto ensinando o domínio doutrinário infrinja
o tempo necessário para ensinar as escrituras sequencialmente. (Por exemplo, os
segmentos “Entender a doutrina” de 5 minutos não devem durar regularmente 20
minutos, deixando pouco tempo para ensinar Doutrina e Convênios
sequencialmente.) Além disso, pode ser útil explicar aos alunos que eles vão
trabalhar no domínio doutrinário por certo período de tempo (5 ou 10 minutos no
início da aula) e depois vão estudar um determinado bloco de escrituras (como
Doutrina e Convênios 9) pelo restante da aula.
Embora possa haver ocasiões em que você ou seus alunos reconheçam conexões
entre o material de domínio doutrinário que você estuda e um determinado bloco
de escrituras, evite impor indevidamente princípios e declarações-chave de
doutrina do Documento Principal de Domínio Doutrinário em um bloco de escrituras.
Fazer isso pode impedir que os alunos entendam a intenção do autor inspirado do
bloco de escrituras.
Além de utilizar as passagens de escrituras do domínio doutrinário por tópico como
parte do domínio doutrinário, você deve enfatizar essas mesmas passagens ao
encontrá-las em seu estudo sequencial das escrituras com os alunos. Fazer isso vai
ajudar os alunos a obter mais entendimento do contexto e do conteúdo de cada
passagem, assim como ressaltar a importância das doutrinas que cada
passagem ensina.
No seminário diário, o domínio doutrinário faz melhorias e substitui o programa de
domínio das escrituras. Para essas passagens de domínio doutrinário identificadas
anteriormente como passagens de domínio das escrituras, Doutrina e Convênios e
História da Igreja — Manual do Professor do Seminário contém sugestões e atividades
de aprendizado que o ajudarão a dar a devida ênfase à passagem em seu estudo
sequencial das escrituras com os alunos. Onde as passagens de domínio
doutrinário forem novas, o manual do professor não vai identificar as passagens

x
IN S T R U ÇÕ E S PAR A O S PR O FESSORES

como tais; será importante que você enfatize as passagens de maneira adequada
como parte do estudo sequencial das escrituras.
Algumas passagens de escrituras estão identificadas em Doutrina e Convênios e
História da Igreja — Manual do Professor do Seminário como passagens de domínio
das escrituras, mas não são passagens de domínio doutrinário. Essas passagens não
devem mais ser enfatizadas de acordo com as instruções de domínio das escrituras
do manual, mas devem ser estudadas no curso normal do estudo sequencial das
escrituras.
Como você vai precisar do tempo de aula limitado atribuído para o domínio
doutrinário para se concentrar em um estudo de doutrina, para as passagens de
domínio doutrinário e para preencher os exercícios práticos e as atividades de
revisão, provavelmente não terá tempo para ajudar os alunos a memorizar
passagens de domínio doutrinário em classe. Contudo, como a memorização de
passagens de escritura pode abençoar os alunos, você pode pedir aos alunos que
memorizem as passagens de domínio doutrinário fora da classe.

Guia de Andamento do Domínio Doutrinário de Doutrina e Convênios e


História da Igreja
A quantidade de semanas usadas em cada uma das dez experiências de
aprendizado no Domínio Doutrinário de Doutrina e Convênios e História da Igreja —
Material do Professor vai variar dependendo da quantidade de declarações-chave de
doutrina e das passagens de escrituras a serem estudadas naquele tópico da
doutrina. Aproximadamente 40 minutos por semana devem ser usados no domínio
doutrinário usando as seguintes atividades de aprendizado:
• Entender os segmentos de doutrina
• Exercícios práticos
• Atividades de revisão cumulativas de domínio doutrinário
Por exemplo, no guia de andamento anexo, duas semanas são usadas para as
atividades de domínio doutrinário relacionadas à Trindade. Na primeira semana,
você pode cobrir a parte 1 (segmentos 1–5), com as duas revisões curtas que devem
ser feitas durante outras aulas. Na segunda semana, você pode cobrir a parte 2
(Praticar exercícios e atividades de revisão).
Examinar o currículo em Doutrina e Convênios e História da Igreja — Manual do
Professor do Seminário da semana seguinte com as atividades de aprendizado do
domínio doutrinário contidas neste Domínio Doutrinário de Doutrina e Convênios e
História da Igreja — Manual do Professor vai ajudá-lo a planejar e separar um tempo
da aula para o domínio doutrinário. É importante que você identifique partes das
aulas de escrituras sequenciais regulares que podem ser resumidas para reservar
tempo para as atividades de aprendizado de domínio doutrinário, inclusive os
exercícios práticos e as revisões.
Segue-se um guia de andamento sugerido para as experiências de aprendizado de
domínio doutrinário ensinadas durante o ano letivo de Doutrina e Convênios e
História da Igreja:

xi
I N S T RUÇ Õ ES PA R A OS P R OF E SSOR E S

Semana Domínio doutrinário — Material a ser ensinado

1 Domínio doutrinário não designado

2 Adquirir conhecimento espiritual, partes 1 e 2

3 Domínio doutrinário não designado

4 Adquirir conhecimento espiritual, parte 3

5 A Trindade, parte 1

6 A Trindade, parte 2

7 O plano de salvação, parte 1

8 O plano de salvação, parte 2

9 O plano de salvação, parte 3

10 A Expiação de Jesus Cristo, parte 1

11 A Expiação de Jesus Cristo, parte 2

12 A Expiação de Jesus Cristo, parte 3

13 A Restauração, parte 1

14 A Restauração, parte 2

15 A Restauração, parte 3

16 Profetas e a revelação, parte 1

17 Profetas e a revelação, parte 2

18 Profetas e a revelação, parte 3

19 Domínio doutrinário não designado

20 Adquirir conhecimento espiritual, parte 4

21 O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 1

22 O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 2

23 O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 3

24 O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 4

25 Ordenanças e convênios, parte 1

26 Ordenanças e convênios, parte 2

27 Domínio doutrinário não designado

28 Casamento e família, parte 1

29 Casamento e família, parte 2

30 Casamento e família, parte 3

31 Mandamentos, parte 1

xii
IN S T R U ÇÕ E S PAR A O S PR O FESSORES

Semana Domínio doutrinário — Material a ser ensinado

32 Mandamentos, parte 2

33 Mandamentos, parte 3

34 Revisão cumulativa de domínio doutrinário

35 Domínio doutrinário não designado

36 Domínio doutrinário não designado

Domínio doutrinário no seminário online


As atividades de aprendizado de domínio doutrinário serão incorporadas nas aulas
do seminário online. Se você ensinar a uma classe do seminário online, será útil
revisar a seção anterior sobre “Domínio doutrinário no seminário diário” para
ajudá-lo a entender princípios e práticas importantes que podem ser adaptados e
aplicados em um ambiente de seminário online.

Domínio doutrinário no seminário de estudo no lar


Até o momento, os materiais dos professores e alunos do seminário de estudo no
lar não foram atualizados para incluir o conteúdo do domínio doutrinário. Portanto,
os professores e alunos devem continuar a usar os materiais de estudo no lar e as
atividades de domínio das escrituras. Até que os materiais de estudo no lar sejam
atualizados, recomenda-se que os professores deem aos alunos cópias do
Documento Principal de Domínio Doutrinário e incentivem-nos a estudar esse
documento e as passagens de domínio doutrinário sozinhos.

xiii
Adquirir conhecimento
espiritual, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “Adquirir conhecimento
espiritual” está dividido em quatro partes. Na parte 1, os alunos estudarão os
parágrafos 1 e 2 desta seção no Documento Principal de Domínio Doutrinário; eles
estudarão Doutrina e Convênios 88:118 e sobre como aprender pelo estudo e pela
fé, e estudarão Doutrina e Convênios 8:2–3 e aprenderão sobre receber revelação
por intermédio do Espírito Santo.
Observação: As partes 1 e 2 desta experiência de aprendizado podem ser ensinadas
durante o curso em duas aulas de 40 minutos ou podem ser combinadas e
ensinadas em uma aula de 80 minutos. A parte 3 contém uma atividade de revisão
cumulativa de domínio doutrinário que pode ser ensinada em aproximadamente 15
minutos. A parte 4 é uma revisão dos princípios de adquirir conhecimento
espiritual. Você pode escolher ensinar a revisão uma ou mais vezes, conforme
necessário durante o ano letivo, assim como no início da segunda metade deste
curso do seminário.

Sugestões didáticas
Aprender pelo estudo e pela fé
Escreva a seguinte pergunta no quadro: Você já teve uma experiência em que
reconheceu que precisava buscar conhecimento do Pai Celestial?
Peça aos alunos que reflitam sobre a resposta a essa pergunta. Para ajudá-los a
pensar em algumas experiências, você pode pedir a eles que pensem em uma
ocasião em que buscaram um testemunho da veracidade do Livro de Mórmon, do
chamado de Joseph Smith como profeta de Deus ou de A Igreja de Jesus Cristo dos
Santos dos Últimos Dias.
Explique aos alunos que, durante sua experiência no seminário, eles terão muitas
oportunidades de aumentar seu entendimento de como obter conhecimento
espiritual do Pai Celestial. O domínio doutrinário é uma dessas oportunidades e
fornece maneiras de aplicar princípios para adquirir conhecimento espiritual e
desenvolver um entendimento mais profundo dos pontos-chave da doutrina do
evangelho de Jesus Cristo.
Forneça cópias aos alunos do Documento Principal de Domínio Doutrinário e lhes
peça que abram na seção “Adquirir conhecimento espiritual”. Peça a um aluno que
leia em voz alta o parágrafo 1. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o
que esse parágrafo ensina a respeito da fonte de toda a verdade.
• Quem é a fonte de toda a verdade?
• Que doutrina esse parágrafo ensina sobre o que o Pai Celestial quer para cada
um de nós? (Depois que os alunos responderem, peça-lhes que marquem a
seguinte declaração-chave de doutrina: Como nosso Pai Celestial nos ama e
quer que continuemos a progredir para nos tornar semelhantes a Ele,

1
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 1

fomos incentivados a “procura[r] conhecimento, sim, pelo estudo e


também pela fé”.)
• Qual passagem de escritura ajuda a ensinar essa declaração-chave de doutrina?
(Depois que os alunos localizarem D&C 88:118 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário, enfatize que as escrituras em parênteses são passagens de
domínio doutrinário que ajudam a ensinar as declarações-chave de doutrina.
Você pode pedir aos alunos que marquem D&C 88:118 de modo diferente em
suas escrituras para que consigam localizá-la facilmente.)
Para ajudar os alunos a entenderem o contexto de Doutrina e Convênios 88:118,
explique que o Senhor revelou as instruções de aprendizado registradas nesse
versículo quando ordenou que os primeiros membros da Igreja organizassem uma
escola para ensino religioso.
Peça a um aluno que leia em voz alta Doutrina e Convênios 88:118. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique o que o Senhor nos ensinou sobre como
devemos buscar conhecimento. Peça aos alunos que relatem o que encontraram.
• Por que você acha que é importante que “[procuremos] conhecimento (…) pelo
estudo”?
• Quais são alguns dos “melhores livros” que podemos estudar para encontrar
“palavras de sabedoria” e obter conhecimento espiritual? [Esses livros incluem
as escrituras (você pode mostrar um exemplar das escrituras), os ensinamentos
dos profetas (você pode mostrar um exemplar da edição de conferência da
revista Liahona e o livreto Para o Vigor da Juventude) e outros recursos
produzidos pela Igreja para ajudá-los a entender e aplicar os ensinamentos do
Senhor (você pode mostrar um exemplar do livreto Sempre Fiéis: Tópicos do
Evangelho).]
• Em sua experiência, por que esses são alguns dos melhores livros que podemos
escolher estudar?
Enfatize que devemos procurar conhecimento não só pelo estudo, mas “também
pela fé”.
• O que acha que significa procurar conhecimento pela fé?
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do élder David A.
Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos. Peça à classe que preste atenção no que o
élder Bednar ensinou sobre o que significa aprender pela fé.

“Um aprendiz que exerce seu arbítrio agindo de acordo com princípios corretos
abre seu coração ao Espírito Santo e convida-O a ensinar, a testificar com poder e
a confirmar o testemunho. O aprendizado pela fé exige esforço físico, mental e
espiritual e não apenas uma receptividade passiva.
(…) O aprendizado pela fé não pode ser transferido do instrutor para o aluno por
meio de uma palestra, uma demonstração ou um exercício experimental; em vez
disso, o aluno precisa exercer fé e agir para obter tal conhecimento por si mesmo” (David A.
Bednar, “Aprender pela fé”, A Liahona, setembro de 2007, p. 20).

2
ADQ U IR IR CO N HE CIME N TO E S PIR IT UAL, PARTE 1

• O que chama sua atenção na descrição que o élder Bednar faz sobre aprender
pela fé?
• Quais são algumas coisas que você pode fazer para procurar aprender pela fé?

Receber revelação por intermédio do Espírito Santo


Peça a um aluno que leia em voz alta a última frase do parágrafo 1 da seção
“Adquirir conhecimento espiritual”, do Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Peça à classe que acompanhe e identifique o que o Pai Celestial prometeu fazer ao
nos empenharmos para aprender pela fé e buscá-Lo diligentemente.
• O que o Pai Celestial prometeu fazer se nós O buscarmos diligentemente? (Peça
aos alunos que marquem a seguinte declaração-chave de doutrina: Ele
prometeu revelar a verdade à nossa mente e ao nosso coração por meio do
Espírito Santo se O buscarmos diligentemente.)
• Qual passagem de domínio doutrinário nos ajuda a ensinar essa declaração de
doutrina? (Você pode pedir aos alunos que marquem Doutrina e Convênios
8:2–3 de modo diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la
facilmente.)
Para ajudar os alunos a entender o contexto de Doutrina e Convênios 8:2–3,
explique que nessa passagem o Senhor estava se dirigindo a Oliver Cowdery.
Quando Oliver estava ajudando o profeta Joseph Smith durante o processo de
tradução do Livro de Mórmon, ele desejou ter o dom da tradução. Em resposta, o
Senhor revelou como receber e reconhecer a revelação de Deus.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 8:2–3 em voz alta. Peça à classe que
acompanhe a leitura e procure palavras ou frases que ajudem a ensinar a declaração
de doutrina que eles acabaram de identificar.
• De que maneiras Deus fala à nossa mente e ao nosso coração por intermédio do
Espírito Santo? (Podemos receber comunicação espiritual à nossa mente e ao
coração por meio de pensamentos, sentimentos e impressões.)
Enfatize que, às vezes, podemos nos perguntar se um determinado pensamento,
sentimento ou impressão vem do Espírito Santo ou de nós mesmos. Peça aos
alunos que levantem a mão caso já tenham se perguntado isso. Explique que, em
vez de dar aos alunos uma resposta para essa pergunta, você dará a eles a
oportunidade de “[procurar] conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé”
(D&C 88:118) para que eles mesmos encontrem respostas para essa pergunta.
Dê a cada grupo uma cópia do material que acompanha a lição. Dê alguns
minutos aos alunos para que eles trabalhem em duplas para completar as
instruções em “Debate em dupla 1”, na folha de atividades. Depois peça aos alunos
que trabalhem com outro colega de dupla para completar as instruções em “Debate
em dupla 2”, na folha de atividades. (Observação: Se você tiver um número ímpar
de alunos em sua classe, você pode pedir a alguns alunos que trabalhem em grupos
de três ou pode completar uma dupla você mesmo.)

3
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 1

Como posso saber se um pensamento, um


sentimento ou uma impressão vem do
Espírito Santo?
Debate em dupla 1
Leia Morôni 7:12–13 e a seguinte declaração do presidente Gordon B. Hinckley (1910–2008) e
identifique o conselho que pode ajudá-lo a saber se um pensamento, um sentimento ou uma
impressão vem do Espírito Santo. Marque as palavras ou declarações que se destacam para você:
“Como podemos reconhecer as coisas do Espírito? Como saber se algo veio realmente de Deus? Por
seus frutos. Tudo o que leva ao crescimento e ao desenvolvimento, à fé e ao testemunho e a uma
maneira melhor de fazer as coisas com santidade, isso é de Deus. Aquilo que nos abate, nos leva às
trevas, nos confunde e preocupa, e faz com que percamos a fé, isso é do diabo” (Ensinamentos dos
Presidentes da Igreja: Gordon B. Hinckley, 2016, p. 124).
Debata sobre suas respostas para as perguntas a seguir:
• O que aprendemos em Morôni 7:12–13 e na declaração do presidente Hinckley que pode nos
ajudar a saber se um pensamento, um sentimento ou uma impressão vem do Espírito Santo?

Debate em dupla 2
Leia Doutrina e Convênios 11:12–14 e a seguinte declaração do élder Ronald A. Rasband, do
Quórum dos Doze Apóstolos, e identifique o conselho que pode ajudá-lo a saber se um pensamento,
um sentimento ou uma impressão vem do Espírito Santo. Marque as palavras ou frases que se
destacam para você.
“Sei por experiência que, na maioria das vezes, o Espírito Se comunica sob forma de sentimentos. Nós
O sentimos em palavras que soam familiares, que fazem sentido para nós, que nos impelem a
fazer algo.
(…) Devemos confiar na primeira impressão que recebermos. Às vezes racionalizamos, questionamos
se é uma impressão espiritual ou se são apenas nossos pensamentos. Quando começamos a
questionar o que sentimos — coisa que todos já fizemos —, rejeitamos o Espírito, pois questionamos
o conselho divino. (…)
A primeira inspiração vem diretamente do céu. Quando confirma ou testifica algo para nós,
precisamos reconhecer sua natureza e não deixar que ela passe em branco” (Ronald A. Rasband,
“Santo Espírito de Deus”, A Liahona, maio de 2017, pp. 94–96)
Debata suas respostas para as perguntas a seguir:
• O que aprendemos em Doutrina e Convênios 11:12–14 e na declaração do élder Rasband que
pode nos ajudar a saber se um pensamento, um sentimento ou uma impressão vem do
Espírito Santo?

Peça a vários alunos que resumam para a classe o que eles aprenderam sobre
reconhecer pensamentos, sentimentos e impressões que vêm do Espírito Santo.
Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 2 da seção “Adquirir
conhecimento espiritual” do Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à
classe que acompanhem a leitura e identifique o que podemos fazer para convidar
o Espírito Santo para revelar a verdade a nós. Peça aos alunos que marquem as
palavras ou frases que se destacam para eles.

4
ADQ U IR IR CO N HE CIME N TO E S PIR IT UAL, PARTE 1

• De acordo com esse parágrafo, o que podemos fazer para convidar o Espírito
Santo para revelar a verdade a nós?
Cite a pergunta no quadro que você pediu que os alunos refletissem no início da
aula: “Você já teve uma experiência em que reconheceu que precisava buscar
conhecimento do Pai Celestial?” Peça aos alunos que compartilhem experiências
nas quais buscaram e receberam conhecimento do Pai Celestial ao aplicarem os
princípios debatidos na lição. Você pode também contar uma experiência pessoal.
Testifique que podemos progredir e nos tornar como o Pai Celestial ao procurarmos
conhecimento pelo estudo e pela fé, e que Ele revelará a verdade à nossa mente e
ao nosso coração por intermédio do Espírito Santo à medida que O buscarmos
diligentemente. Incentive os alunos a aplicar continuamente esses princípios à sua
própria vida.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


As atividades de revisão a seguir não devem ser utilizadas durante a mesma aula
que esta lição — “Adquirir conhecimento espiritual, parte 1”. Elas devem ser
usadas durante as aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta
lição, mas antes de ensinar “Adquirir conhecimento espiritual, parte 2”. Essa
revisão curta pode ser ensinada no início ou no final das aulas em que você ensina
uma lição com uma sequência comum de escrituras de Doutrina e Convênios.
Certifique-se de que essas revisões não durem mais de cinco minutos para que não
substituam o bloco de escrituras que os alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 88:118 (5 minutos)


Escreva as seguintes declarações de escrituras no quadro:

• “Pois a inteligência apega-se à inteligência”.


• “Procurai conhecimento, sim pelo estudo e também pela fé.”
• “Aquilo que é de Deus é luz.”

Peça aos alunos que leiam em silêncio Doutrina e Convênios 88:118 e identifiquem
que declaração no quadro vem desse versículo. Peça-lhes que localizem a
declaração-chave de doutrina no primeiro parágrafo do Documento Principal de
Domínio Doutrinário que está associada a essa passagem de domínio doutrinário.
(Como nosso Pai Celestial nos ama e quer que continuemos a progredir para
nos tornar semelhantes a Ele, fomos incentivados a “procura[r]
conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé”.) Peça aos alunos que
repitam essa declaração-chave de doutrina em voz alta várias vezes.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 8:2–3 (5 minutos)


Desenhe no quadro ou mostre gravuras de um cérebro e um coração.

5
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 1

Peça aos alunos que identifiquem o parágrafo 1 da seção “Adquirir conhecimento


espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário e encontrem a
declaração-chave de doutrina e a passagem de domínio doutrinário que melhor
ilustram as figuras. [Os alunos devem identificar a seguinte declaração-chave de
doutrina e a passagem de domínio doutrinário: Deus prometeu revelar a verdade
à nossa mente e ao nosso coração por meio do Espírito Santo se O buscarmos
diligentemente (D&C 8:2–3).]
Peça aos alunos que leiam Doutrina e Convênios 8:2–3 em voz alta juntos enquanto
colocam quatro dedos de uma mão na testa e quatro dedos da outra mão no
coração. Explique que, juntos, os quatro dedos de cada mão totalizam oito, o que
corresponde à seção 8 de Doutrina e Convênios.

Sugestões didáticas complementares


Aprender “pelo estudo e pela fé”
Você pode mostrar o vídeo “Pergunte a Deus (Tema da Mutual de
2017)” (3:21), disponível em LDS.org. Esse vídeo mostra exemplos de
perguntas que os jovens fizeram ao Pai Celestial e as respostas que receberam.

Como posso saber se um pensamento, um sentimento ou uma impressão


vem do Espírito Santo?
Para ajudar os alunos a entenderem como determinar se um pensamento ou
sentimento em particular vem do Espírito Santo ou de si mesmos, você
pode mostrar o vídeo “Padrões de Luz: Discernir a Luz” (2:12), disponível em
LDS.org. Nesse vídeo, o élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos,
explica como podemos reconhecer a luz divina e discerni-la de nossos próprios
pensamentos.
Depois do vídeo, considere debater o que os alunos aprenderam ao ouvirem o
élder Bednar.

6
Adquirir conhecimento
espiritual, parte 2
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “Adquirir conhecimento
espiritual” está dividido em quatro partes. A parte 2 ajuda os alunos a entender,
sentir a veracidade e a importância, e aplicar os princípios de adquirir
conhecimento espiritual:
• Agir com fé.
• Examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna.
• Buscar mais entendimento por meio de fontes divinamente atribuídas.
Durante esta parte da experiência de aprendizado, os alunos estudarão os
parágrafos 3 ao 12 desta seção no Documento Principal de Domínio Doutrinário, assim
como a passagem de domínio doutrinário de Doutrina e Convênios 6:36. Pode ser
necessário mais de uma aula de 40 minutos para ajudar os alunos a entenderem e
sentirem a veracidade e a importância desses princípios. Além disso, é importante
que você revise esses princípios com os alunos durante este curso do seminário
para que eles possam relembrá-los e aplicá-los enquanto respondem a perguntas,
dúvidas e preocupações durante os exercícios práticos de domínio doutrinário e
fora da sala de aula.

Sugestões didáticas
Princípios que podem nos ajudar ao buscarmos responder perguntas
Peça aos alunos que pensem se já tiveram alguma preocupação ou dúvida sobre a
Igreja, seus ensinamentos e sua história que eles não sabiam como responder ou se
alguém já lhes fez uma pergunta desse tipo.
Como um exemplo, mostre ou escreva o seguinte no quadro: Por que Joseph Smith e
outros pioneiros da Igreja praticaram o casamento plural se casando com várias esposas?
• Por que seria difícil saber como abordar essa pergunta?
Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 3 da seção “Adquirir
conhecimento espiritual” do Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à
classe que acompanhe a leitura e identifique o que pode nos ajudar quando temos
preocupações ou dúvidas que podem ser difíceis de entender ou responder.
• Que conselho nesse parágrafo pode nos ajudar quando temos preocupações ou
dúvidas que podem ser difíceis de entender ou responder?
Explique que essa parte da experiência de aprendizado os ajudará a aprender três
princípios de Adquirir conhecimento espiritual: agir com fé, examinar conceitos e
perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por meio de
fontes divinamente atribuídas. Esses princípios podem orientá-los quando eles
tiverem dúvidas ou forem questionados por outros.

8
ADQ U IR IR CO N HE CIME N TO E S PIR IT UAL, PARTE 2

Agir com fé
Peça a três alunos que se revezem lendo em voz alta os parágrafos 5–7 da seção
“Adquirir conhecimento espiritual” do Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique as declarações que explicam o
que podemos fazer para agir com fé quando temos dúvidas ou preocupações. Peça
aos alunos que marquem as declarações que têm significado especial para eles.
• De acordo com esses parágrafos, o que podemos fazer para agir com fé quando
temos dúvidas ou preocupações? (À medida que os alunos responderem, você
pode lhes pedir que expliquem como o fato de seguirem os conselhos que
identificaram pode ser útil quando eles têm dúvidas ou preocupações.)
Enfatize a seguinte declaração-chave de doutrina: O próprio Senhor nos
convidou a “[buscá-[Lo] em cada pensamento; não [duvidar], não [temer]”.
• Qual passagem de domínio doutrinário nos ajuda a ensinar essa
declaração-chave de doutrina? (Você pode pedir aos alunos que marquem D&C
6:36 de modo diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la
facilmente.)
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, explique que o
Senhor deu a revelação registrada em Doutrina e Convênios 6 ao profeta Joseph
Smith e a Oliver Cowdery enquanto trabalhavam na tradução do Livro de Mórmon.
Na época, Oliver Cowdery ainda não tinha visto as placas de ouro das quais o Livro
de Mórmon era traduzido. Ele desejou “mais um testemunho” (D&C 6:22) de que a
obra que Joseph Smith estava realizando era verdadeiramente de Deus.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 6:36 em voz alta. Peça à classe que
acompanhe a leitura e identifique o que o Senhor aconselhou Oliver a fazer.
• Como o conselho do Senhor nesse versículo nos ajuda quando temos dúvidas
ou incertezas?
• Como buscar ao Senhor em cada pensamento nos ajuda a vencer a dúvida e
o medo?
Cite a pergunta no quadro que você pediu que os alunos refletissem no início da
lição “Adquirir conhecimento espiritual, parte 1”: “Você já teve uma experiência em
que reconheceu que precisava buscar conhecimento do Pai Celestial?”
• Com base no que debatemos, como você escolheria agir com fé se tivesse
essa dúvida?
• O que você já sabe sobre o Pai Celestial, Jesus Cristo e o profeta Joseph Smith
que pode ajudá-lo quando tiver dúvidas sobre a história ou os ensinamentos
da Igreja?

Examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna


Peça a três alunos que leiam em voz alta os parágrafos 8–10 da seção “Adquirir
conhecimento espiritual” do Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à
classe que acompanhe a leitura e identifique como podemos examinar conceitos e
perguntas com uma perspectiva eterna.

9
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 2

• De acordo com esses parágrafos, como podemos examinar conceitos e questões


com uma perspectiva eterna?
Peça aos alunos que marquem a seguinte verdade: Para examinar conceitos
doutrinários, perguntas e problemas sociais com uma perspectiva eterna,
devemos considerá-los no contexto do plano de salvação e dos ensinamentos
do Salvador. Devemos buscar a ajuda do Espírito Santo a fim de ver as coisas
como o Senhor as vê.
Saliente que, devido ao nosso conhecimento do Pai Celestial e de Seu plano de
salvação, podemos ter uma visão, de certos conceitos ou questões, diferente das
pessoas que não compartilham nossas crenças.
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do presidente Dallin H.
Oaks, da Primeira Presidência, para os professores dos Seminários e Institutos de
Religião. Peça à classe que preste atenção sobre o que ele disse que os alunos
devem fazer quando forem confrontados com uma pergunta ou um conceito difícil,
ou ponto de vista diferente do nosso.

“Sugiro que seja preferível que nossos jovens evitem discutir com os colegas.
(…) Geralmente, será melhor para eles identificar as ideias ou concepções
mundanas nos tópicos que surgirem e então identificar as ideias e premissas
diferentes que orientam o pensamento de um santo dos últimos dias” (Dallin H.
Oaks, “Como imaginou em seu coração”, Uma autoridade geral fala a nós, 8 de
fevereiro de 2013, broadcasts.LDS.org).

• Com base no que o presidente Oaks sugeriu, o que podemos fazer quando
formos confrontados com uma pergunta ou um conceito difícil, ou ponto de
vista diferente do nosso? (Talvez você precise ajudar os alunos a entender que
uma premissa é uma ideia que é usada para apoiar uma conclusão e que uma
afirmação é uma declaração da posição da pessoa, do ponto de vista ou da
opinião.)
Saliente que, ao pensarmos nas crenças ou suposições de uma pessoa, devemos
fazê-lo com bondade e respeito, e devemos ser sensíveis aos sentimentos da pessoa
e à orientação do Espírito Santo.
Para demonstrar como a crença, as suposições ou o testemunho de uma pessoa
podem influenciar suas conclusões, faça o seguinte diagrama no quadro:

Cite a pergunta no quadro sobre a qual você pediu que os alunos refletissem no
início da lição “Adquirir conhecimento espiritual, parte 1: “Você já teve uma
experiência em que reconheceu que precisava buscar conhecimento do Pai
Celestial?” Saliente algumas crenças ou suposições que uma pessoa pode ter com
relação a essa preocupação, como a seguinte: Deus chamou profetas ao longo da

10
ADQ U IR IR CO N HE CIME N TO E S PIR IT UAL, PARTE 2

história. Era ordenado aos profetas antigos que casassem com mais de uma esposa (por
exemplo, Abraão e Jacó). Escreva essas declarações no quadro, abaixo da frase
“Crenças, suposições, testemunho”. Enfatize também que podemos saber por meio
do poder do Espírito Santo que Deus chamou Joseph Smith para ser um profeta
(ver Morôni 10:5). Escreva a seguinte declaração no quadro, abaixo da frase
“Crenças, suposições, testemunho”: Deus chamou Joseph Smith para ser um profeta.
• Com essas crenças e suposições, e com o testemunho de que Deus chamou
Joseph Smith para ser um profeta, o que podemos concluir sobre Joseph Smith
e outros pioneiros terem praticado o casamento plural? [Após os alunos
responderem, escreva a seguinte declaração no quadro, abaixo de “Conclusão”:
Deus ordenou ao profeta Joseph Smith e a outros membros no início da Igreja que
praticassem o casamento plural. (Ver D&C 132:34–35.)]
Observação: Neste momento você pode se certificar de que os alunos entendem que
a lei permanente do casamento é a monogamia — um homem casado com
uma mulher.
Leia em voz alta a seguinte informação para ajudar os alunos a verem a prática do
casamento plural entre os primeiros santos com uma perspectiva eterna:
O Senhor ordenou que um homem tenha apenas uma esposa a menos que Ele
ordene o contrário por revelação por intermédio do presidente da Igreja (ver Jacó
2:27–30). “Por revelação, o casamento plural foi praticado na época do Velho
Testamento e no período inicial da Igreja restaurada, sob a direção do profeta que
detinha as chaves do sacerdócio (D&C 132:34–40, 45). Não é mais praticado na
Igreja (DO 1); atualmente, ter mais de uma esposa é incompatível com a condição
de membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias” (Guia para
Estudo das Escrituras, “Casamento, Casar”, scriptures.LDS.org).
Embora não entendamos todos os propósitos de Deus para instituir o casamento
plural, isso fazia parte da “restauração de todas as coisas” (Atos 3:21). Outras
razões dadas pelo Senhor para a prática foram ajudar os santos a cumprir o
mandamento dado a Adão e Eva de “multiplicar e encher a Terra” (D&C 132:63;
ver também Gênesis 1:28) e “suscitar posteridade para [o Senhor]” (Jacó 2:30).
Além do propósito dado pelo Senhor nas escrituras, a prática do casamento plural
afetou os primeiros santos de outras maneiras. O casamento se tornou uma
realidade para algumas mulheres que talvez não tivessem a oportunidade e
aumentou a estabilidade financeira das mulheres. Além disso, obedecer ao
mandamento relacionado ao casamento plural, apesar da oposição, aumentou a
compreensão dos primeiros membros da Igreja de que eles eram “o povo
adquirido” (1 Pedro 2:9). (Ver também “O casamento plural em A Igreja de Jesus
Cristo dos Santos dos Últimos Dias”, Tópicos do evangelho, topics.LDS.org.)
• Quais conceitos dessa declaração podem nos ajudar a ver a prática do
casamento plural entre os primeiros santos com uma perspectiva eterna?
Explique que algumas pessoas podem escolher pesquisar as questões sobre a
prática do casamento plural pelos primeiros santos com a crença de que Joseph
Smith não era um profeta de Deus.
• A que conclusão você acha que uma pessoa pode chegar se iniciar com essa
suposição?

11
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 2

Buscar mais entendimento por meio de fontes divinamente atribuídas


Cite a pergunta no quadro sobre a qual você pediu que os alunos refletissem no
início da lição “Adquirir conhecimento espiritual, parte 1”: “Você já teve uma
experiência em que reconheceu que precisava buscar conhecimento do Pai
Celestial?”
• Com base nos princípios que debatemos, por que é importante ter um
testemunho de que Joseph Smith foi um profeta de Deus quando examinarmos
essa e outras questões sobre a história e os ensinamentos da Igreja?
Explique que, quando o anjo Morôni apareceu pela primeira vez a Joseph Smith
para ensiná-lo sobre a Restauração do evangelho de Jesus Cristo e o Livro de
Mórmon, ele disse que o nome de Joseph “seria considerado bom e mau entre
todas as nações” (Joseph Smith—História 1:33) Peça a um aluno que leia a seguinte
declaração do élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos.

“Os comentários negativos sobre o profeta Joseph Smith aumentarão à medida


que se aproxima a Segunda Vinda do Salvador. As meias-verdades e os enganos
sutis não diminuirão. Haverá familiares e amigos que precisarão da sua ajuda”
(Neil L. Andersen, “Joseph Smith”, A Liahona, novembro de 2014, p. 30).

Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 11 da seção “Adquirir


conhecimento espiritual” do Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à
classe que acompanhe a leitura e identifique o que o Senhor nos deu para nos
ajudar a descobrir e entender a verdade.
• O que o Senhor nos deu para nos ajudar a descobrir e entender a verdade?
(Peça aos alunos que marquem a seguinte declaração: Como parte do
processo atribuído pelo Senhor para obter conhecimento espiritual, Ele
estabeleceu fontes por meio das quais Ele revela a verdade e orienta Seus
filhos.)
• Que bênçãos podemos receber ao nos voltarmos para as fontes da verdade
divinamente atribuídas pelo Senhor?
Mostre um exemplar do Livro de Mórmon.
• Por que o Livro de Mórmon é uma fonte especialmente importante para aqueles
que desejam saber que Joseph Smith foi um profeta de Deus?
Peça a um aluno que leia em voz alta esta declaração do presidente Thomas S.
Monson (1927–2018):

12
ADQ U IR IR CO N HE CIME N TO E S PIR IT UAL, PARTE 2

“Se o lerem em espírito de oração e com o sincero desejo de saber a verdade, o


Espírito Santo vai lhes manifestar a veracidade do Livro de Mórmon. Se ele é
verdadeiro — como testifico solenemente que é —, então Joseph Smith foi um
profeta que viu Deus, o Pai, e Seu Filho, Jesus Cristo.
E sendo o Livro de Mórmon verdadeiro, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos
Últimos Dias é a Igreja do Senhor na Terra, e o santo sacerdócio de Deus foi
restaurado para benefício e bênção de Seus filhos.
Se vocês ainda não possuem um firme testemunho dessas coisas, façam o que for necessário
para obtê-lo. É essencial que vocês tenham seu próprio testemunho durante esses tempos
difíceis, porque o testemunho das outras pessoas não vai levá-los muito longe” (Thomas S.
Monson, “O poder do Livro de Mórmon”, A Liahona, maio de 2017, pp. 86–87).

Cite a pergunta no quadro sobre a qual você pediu que os alunos refletissem no
início da lição “Adquirir conhecimento espiritual, parte 1”: “Você já teve uma
experiência em que reconheceu que precisava buscar conhecimento do Pai
Celestial?”
• Quais são algumas fontes divinamente atribuídas a que você poderia recorrer se
tivesse essa preocupação? (Saliente que eles aprenderão mais sobre o
mandamento do Senhor para os primeiros santos de praticarem o casamento
plural ainda neste curso do seminário, quando estudarem Doutrina e
Convênios 132. Eles aprenderão sobre o mandamento do Senhor de encerrar a
prática do casamento plural quando estudarem a Declaração Oficial 1.)
Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 11 da seção “Adquirir
conhecimento espiritual” do Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à
classe que acompanhe a leitura e identifique o que esse parágrafo ensina sobre as
fontes de informações que não são produzidas pela Igreja.
• Por que é importante tomar cuidado com fontes de informação não confiáveis?
• Como podemos reconhecer a verdade em fontes de informações que não são
produzidas pela Igreja? [Ajude os alunos a entender que o Espírito Santo pode
nos ajudar a reconhecer a verdade ou o erro em qualquer fonte que os encontrar
(ver Morôni 10:5).]
Para ajudar os alunos a entenderem melhor como eles podem aplicar os
princípios de adquirir conhecimento espiritual para encontrar respostas para
suas perguntas e para ajudar outros, mostre o vídeo “Adquirir Conhecimento
Espiritual: A História de Madison (8:36), disponível em LDS.org. Peça aos alunos
que identifiquem como uma jovem chamada Madison agiu com fé, analisou sua
dúvida sobre Joseph Smith e o casamento plural (ou poligamia) com uma
perspectiva eterna e buscou mais entendimento por meio de fontes divinamente
atribuídas.
• De que maneiras Madison agiu com fé?
• Como Madison analisou essa dúvida com uma perspectiva eterna?
• Quais são algumas maneiras que Madison usou para buscar mais entendimento
por meio de fontes divinamente atribuídas?

13
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 2

• Como Madison foi abençoada por aplicar os princípios de adquirir


conhecimento espiritual?
• Como a experiência de Madison em aplicar os princípios de adquirir
conhecimento espiritual a preparou para ajudar outros?
Peça aos alunos que falem das bênçãos que receberam por aplicar os princípios de
adquirir conhecimento espiritual.
Explique-lhes que, durante o ano letivo, além de estudar Joseph Smith—História e
Doutrina e Convênios em sequência, os alunos também vão estudar os nove
tópicos doutrinários do Documento Principal de Domínio Doutrinário. Eles também
estudarão as 25 passagens de domínio doutrinário de Joseph Smith—História e
Doutrina e Convênios que estão associadas a esses tópicos doutrinários. À medida
que os alunos estudarem cada tópico, eles terão oportunidades de praticar
aplicando os princípios de adquirir conhecimento espiritual e a doutrina do
evangelho de Jesus Cristo.
Compartilhe seu testemunho da importância de aplicar os princípios de adquirir
conhecimento espiritual. Incentive os alunos a obterem conhecimento do Pai
Celestial agindo com fé, examinando conceitos e perguntas com uma perspectiva
eterna e buscando mais entendimento por meio de fontes divinamente atribuídas.

Atividade de revisão de domínio doutrinário


A atividade de revisão a seguir não deve ser utilizada durante a mesma aula que
esta lição — “Adquirir conhecimento espiritual, parte 2”. Ela deve ser usada
durante as aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição,
mas antes de você ensinar “Adquirir conhecimento espiritual, parte 3”. Essa revisão
curta pode ser ensinada no início ou no final das aulas em que você ensina uma
lição com uma sequência comum de escrituras de Doutrina e Convênios.
Certifique-se de que essa revisão não dure mais de 5 minutos para que não
substitua o bloco de escrituras que os alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 6:36 (5 minutos)


Peça aos alunos que abram as escrituras em Doutrina e Convênios 6:36. Escreva a
primeira letra de cada palavra desse versículo no quadro: B E C P N D N T.
Peça aos alunos que trabalhem em dupla ou individualmente para memorizar o
versículo, usando as letras no quadro como uma ferramenta de memorização. Após
alguns minutos, peça à classe que repita o versículo em voz alta enquanto você
aponta as letras no quadro. Depois, apague ou esconda as letras no quadro e peça à
classe que repita o versículo novamente.

Sugestões didáticas complementares


Doutrina e Convênios 6:36. “Não duvideis”
Ao debater Doutrina e Convênios 6:36, você pode salientar que o Senhor não
ordenou que evitássemos fazer perguntas. Em vez disso, Ele ordenou “não
duvideis” (D&C 6:36).
• Qual você acha que é a diferença entre fazer perguntas e duvidar?

14
ADQ U IR IR CO N HE CIME N TO E S PIR IT UAL, PARTE 2

Peça a um aluno que leia a seguinte declaração do élder Dieter F. Uchtdorf, então
membro da Primeira Presidência. Peça à classe que identifique o que o élder
Uchtdorf ensinou sobre fazer perguntas e sobre duvidar.

“Meus queridos jovens amigos, somos um povo questionador. Sempre fomos,


porque sabemos que as dúvidas nos conduzem à verdade.
(…) O questionamento é o berço do testemunho. Alguns podem se sentir
envergonhados ou indignos por terem dúvidas a respeito do evangelho.
Mas não precisam se sentir assim. Fazer perguntas não é um sinal de fraqueza. É
algo que precede o crescimento. Deus ordena que procuremos resposta para
nossas dúvidas (ver Tiago 1:5–6) e pede apenas que busquemos ‘com um coração sincero e com
real intenção, tendo fé em Cristo’ (Morôni 10:4). Se fizermos isso, a verdade de todas as coisas
pode ser manifestada a nós ‘pelo poder do Espírito Santo’ (Morôni 10:5). Não temam. Façam
perguntas. Sejam curiosos, mas não duvidem. Não duvideis. Apeguem-se sempre à fé e à luz que
já receberam” (“O reflexo na água”, Devocional do Sistema Educacional da Igreja, 1º de
novembro de 2009, LDS.org).
“Jamais podemos permitir que a dúvida nos aprisione e nos impeça de receber o divino amor, a
paz e as dádivas que vêm por meio da fé no Senhor Jesus Cristo” (Dieter F. Uchtdorf, “Venham,
juntem-se a nós”, A Liahona, novembro de 2013, p. 23).

• O que se destaca para você nessas declarações do élder Uchtdorf?

Localizar fontes divinamente atribuídas


Para ajudar os alunos a localizar fontes divinamente atribuídas, você pode lhes
contar sobre o site oficial da Igreja e, se possível, mostrar-lhes ou lhes pedir que
encontrem em seus dispositivos eletrônicos mormonnewsroom.org. Explique-lhes
que, nesse site, a Igreja esclarece informações sobre vários assuntos de interesse
público relacionados à Igreja e corrige informações incorretas ou parciais que são
relatadas nos meios de comunicação. Mostre também a página Tópicos do
evangelho no site da Igreja topics.LDS.org. Os textos de Tópicos do evangelho
contêm informações valiosas e objetivas sobre muitas questões históricas e
doutrinárias difíceis.

15
Adquirir conhecimento
espiritual, parte 3
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “Adquirir conhecimento
espiritual” está dividido em quatro partes. A parte 3 contém uma atividade de
revisão de domínio doutrinário cumulativa. Essa atividade deve durar cerca de
15 minutos. Caso não tenha tempo de cobrir todo o material das partes 1 e 2 da
experiência de aprendizado “Adquirir conhecimento espiritual”, você pode ensinar
esse material nesta aula. Se conseguir terminar os materiais das partes 1 e 2, você
pode usar o tempo restante nesta aula para revisar o material das aulas de
escrituras sequenciais de Doutrina e Convênios.

Sugestões didáticas
Revisão cumulativa de domínio doutrinário (15 minutos)
Divida a classe em três grupos. Designe a cada grupo uma das seguintes
declarações-chave de doutrina, com sua passagem de domínio doutrinário:
1. Como nosso Pai Celestial nos ama e quer que continuemos a progredir
para nos tornar semelhantes a Ele, fomos incentivados a “procura[r]
conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé” (D&C 88:118).
2. [Deus] prometeu revelar a verdade a nossa mente e nosso coração por
meio do Espírito Santo se O buscarmos diligentemente (ver D&C 8:2–3).
3. O próprio Senhor nos convidou a “[buscá-Lo] em cada pensamento; não
[duvidar], não [temer]” (D&C 6:36).
Peça aos alunos que trabalhem em grupos e façam um desenho em seu diário das
escrituras, ou em uma folha de papel, que os ajude a lembrar de sua
declaração-chave de doutrina e referência de escritura de domínio doutrinário
designados. Diga-lhes que incluam a declaração de doutrina e a referência de
domínio doutrinário em seu desenho. Depois que terminarem, peça a alguns
alunos de cada grupo que expliquem seus desenhos para a classe. Você pode
escolher um desenho de cada passagem de domínio doutrinário para expor na
classe como um lembrete para os alunos.

16
Adquirir conhecimento
espiritual, parte 4
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “Adquirir conhecimento
espiritual” está dividido em quatro partes. A parte 4 deve ser ensinada no meio do
ano letivo como uma revisão para os alunos. Nesta parte da experiência de
aprendizado, os alunos revisarão a seção “Adquirir conhecimento espiritual” no
Documento Principal de Domínio Doutrinário. Eles também praticarão reformular
perguntas e preocupações para examiná-las com uma perspectiva eterna.

Sugestões didáticas
Segmento 1 (20 minutos)
Mostre a gravura Cristo andando sobre
as águas (Livro de Gravuras do
Evangelho, 2009, nº 43) ou Cristo Anda
sobre as Águas (Biblioteca de Mídia,
LDS.org). Peça a um aluno que resuma
o que ele sabe sobre esse relato no
Novo Testamento. Depois da resposta,
pergunte:
• Quando Pedro começou a afundar?
(Se os alunos precisarem de ajuda
para responder essa pergunta,
peça-lhes que leiam Mateus 14:29–30 em silêncio e busquem respostas.)
Saliente que, quando Pedro desviou sua atenção do Salvador para o vento e as
ondas, ele começou a temer e depois a afundar nas águas. Peça aos alunos que
pensem nas influências da vida que desviam sua atenção de Jesus Cristo.
Explique que, ao buscarmos obter conhecimento espiritual durante a vida, haverá
influências que tentarão desviar nossa atenção de Jesus Cristo.
• Como nossa habilidade de adquirir conhecimento espiritual pode ser diminuída
se desviarmos nossa atenção do Salvador?
Peça aos alunos que identifiquem a última frase no parágrafo 6, no princípio 1,
“Agir com fé”, na seção “Adquirir conhecimento espiritual”, no Documento Principal
de Domínio Doutrinário, que contém a seguinte declaração-chave de doutrina: O
próprio Senhor nos convidou a “[buscá-Lo] em cada pensamento; não
[duvidar], não [temer]”. Se os alunos ainda não tiverem feito isto, peça-lhes que
marquem essa declaração no exemplar deles do Documento Principal de Domínio
Doutrinário.
• Como essa declaração nos incentiva a buscar conhecimento espiritual de Deus?
• Como podemos buscar ao Senhor quando temos dúvidas ou preocupações?

17
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 4

• De que maneiras buscar ao Senhor e não duvidar aumenta nossa capacidade de


adquirir conhecimento espiritual?
Escreva a seguinte pergunta no quadro: O que me ajudará ao buscar adquirir
conhecimento espiritual?
Divida a turma em duplas. Peça a um aluno que leia os parágrafos 3 e 6 da seção
“Adquirir conhecimento espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Peça ao outro aluno que leia os parágrafos 8 e 11 da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça às duplas que leiam
seus parágrafos em voz alta uma para o outra, buscando respostas para as
perguntas no quadro. Peça aos alunos que marquem as verdades que eles acham
que respondem às perguntas. Dê-lhes tempo suficiente para terminar e, depois,
peça a alguns alunos que contem à turma o que aprenderam. Você pode listar as
respostas dos alunos no quadro.
Depois, faça algumas das seguintes perguntas ou todas elas:
• Como sua atitude e sua intenção afetam sua habilidade de aprender pelo
Espírito?
• De que maneiras confiar no que você já sabe aumenta sua capacidade de
receber mais entendimento espiritual?
• Como examinar as perguntas e preocupações que você tem sobre o plano de
salvação o ajuda a adquirir conhecimento espiritual?
• Por que é importante saber que Deus revela a verdade por meio de fontes
seguras e confiáveis?
• Como você aplicou as verdades encontradas na seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário e recebeu
conhecimento espiritual do Senhor?
Incentive os alunos a continuarem a buscar o Senhor e não duvidar (ver D&C 6:36)
à medida que praticam ativamente os princípios de adquirir conhecimento
espiritual.

Segmento 2 (20 minutos)


Peça aos alunos que abram na seção “Adquirir conhecimento espiritual” no
Documento Principal de Domínio Doutrinário e se concentrem nos três princípios
debatidos lá para guiá-los ao buscarmos aprender e entender verdades eternas: agir
com fé, examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais
entendimento por meio de fontes divinamente atribuídas. Explique que o exercício
a seguir se concentrará em examinar conceitos e perguntas com uma
perspectiva eterna.
Dê a cada aluno uma folha de papel que se encaixe dentro das duas
molduras da folha que acompanha a lição. Peça aos alunos que pensem
em perguntas relacionadas ao evangelho que eles já se fizeram ou para as quais
estão buscando respostas, ou perguntas que seus amigos ou familiares possam ter
feito. Essas perguntas podem incluir problemas sociais, perguntas sobre vencer
desafios ou outras preocupações.

18
ADQ U IR IR CO N HE CIME N TO E S PIR IT UAL, PARTE 4

Reformular perguntas

19
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 4

Depois de dar tempo para os alunos reformularem uma pergunta, peça-lhes que
escrevam essa pergunta em uma folha de papel. Lembre-os de que parte de
examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna inclui reformular a
pergunta ou ver a pergunta de um modo diferente.
Você pode mostrar o vídeo “Reformular uma Pergunta a Partir de uma
Perspectiva Eterna” (2:56), disponível em LDS.org. Se você mostrar o vídeo,
peça à classe que observe como uma jovem examinou a pergunta de sua amiga
sobre Deus a partir de uma perspectiva eterna. Caso escolha não reproduzir o
vídeo, pode ser útil dar um exemplo aos alunos de como reformular uma pergunta
antes de os alunos iniciarem a atividade.
Após o vídeo, dê a cada aluno uma cópia da folha “Reformular perguntas”. Peça
aos alunos que coloquem o pedaço de papel com a pergunta dentro da moldura
“Perspectiva limitada”, na parte inferior da folha.
Dê aos alunos alguns minutos para imaginar que alguém sem uma perspectiva
eterna está fazendo essa pergunta.
• Que crenças ou suposições você acha que uma pessoa com uma perspectiva
limitada poderia ter?

20
ADQ U IR IR CO N HE CIME N TO E S PIR IT UAL, PARTE 4

Incentive os alunos a escreverem suas crenças ou suposições em cima ou perto da


moldura “Perspectiva limitada”.
• Como as crenças ou suposições dessa pessoa influenciariam sua conclusão?
Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 8 da seção “Adquirir
conhecimento espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça aos
alunos que acompanhem e identifiquem perguntas que podemos fazer que podem
nos ajudar a reformular uma pergunta ou preocupação a partir de uma perspectiva
eterna. Peça aos alunos que marquem as duas perguntas no final do parágrafo: O
que já sei sobre o Pai Celestial, Seu plano e como Ele lida com Seus filhos? Quais
ensinamentos do evangelho se relacionam ou esclarecem esse conceito ou
problema?
Peça aos alunos que coloquem a folha de papel na moldura “Perspectiva eterna”,
na parte superior da folha.
Saliente que a pergunta não mudou, mas, à medida que a olharmos com uma
perspectiva eterna, nosso entendimento mudará. Peça aos alunos que pensem em
respostas para suas perguntas, examinando-as a partir das duas perguntas no
parágrafo 8. Incentive-os a escreverem suas respostas em cima ou perto da moldura
“Perspectiva eterna”.
• Como essas crenças ou suposições influenciariam nossa conclusão?
Enquanto observa os alunos trabalhando, você pode convidar um ou dois alunos
em particular para se prepararem para contar um pouco de sua experiência
enquanto examinavam suas perguntas a partir de uma perspectiva eterna. Dê-lhes
tempo suficiente para terminar e, depois, peça aos alunos que contem como foi sua
experiência. Você também pode perguntar à classe se há alguma pergunta ou
dificuldade que eles escolheram examinar, que eles gostariam de debater com
a classe.
Para concluir, convide os alunos a continuarem aplicando os princípios de adquirir
conhecimento espiritual ao buscarem respostas para as perguntas que possam
surgir. Testifique da promessa do Senhor de nos responder à medida que O
buscamos diligentemente para conhecer a verdade.

Sugestão didática complementar


Examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna
Observação: A atividade a seguir pode ser usada como parte do segmento 2.
Explique que, às vezes, conheceremos previamente as verdades que nos ajudarão a
reformular uma pergunta, mas, outras vezes, precisaremos buscar essas verdades.
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do élder L. Whitney
Clayton, da presidência dos setenta. Peça à classe que preste atenção ao que o élder
Clayton nos aconselhou a fazer ao buscarmos conhecimento espiritual.

21
A D Q UI RI R C O N H E C I ME NTO E SP I R I TUA L, PA RTE 4

“[Deus] não nos mostra o quadro completo logo de início. É aí que entram a fé, a
esperança e a confiança no Senhor.
Deus pede que tenhamos paciência, que confiemos Nele e que O sigamos. (…)
Ele nos admoesta a não esperar que as soluções e as respostas caiam do céu. As
coisas dão certo quando permanecemos firmes durante ‘a prova de [nossa] fé’,
por mais difícil que essa prova seja ou por mais que a resposta demore a chegar”
(L. Whitney Clayton, “Fazei tudo quanto Ele vos disser”, A Liahona, maio de 2017, p. 99).

• O que o élder Clayton nos aconselha a fazer ao buscarmos adquirir


conhecimento espiritual?

22
A Trindade, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “A Trindade” está dividido
em duas partes. Na parte 1, os alunos estudarão os parágrafos 1.1 a 1.7 deste tópico
doutrinário usando as informações no Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Eles aprenderão que o Pai, o Filho e o Espírito Santo são três seres distintos e que
Jesus Cristo voltará com poder e glória e reinará na Terra durante o Milênio. Os
alunos também estudarão Doutrina e Convênios 130:22–23 e 29:10–11.
Observação: Você pode ensinar os quatro segmentos desta lição em uma única aula
ou ao longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de
várias semanas, você pode precisar revisar brevemente com os alunos o que eles
aprenderam nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (10 minutos)
Separe a classe em grupos de três ou quatro. Providencie uma folha de papel para
cada grupo ou peça a eles que usem seus cadernos ou diários de estudo. Peça a
cada grupo que escreva o máximo de princípios sobre a Trindade que eles
conseguirem lembrar em 90 segundos.
Depois dessa atividade, peça aos alunos que consultem o tópico doutrinário 1, “A
Trindade”, no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça-lhes que se
revezem na leitura dos parágrafos 1.1–1.7 em voz alta em seus grupos e
identifiquem princípios sobre a Trindade.
Após lhes dar tempo suficiente, peça aos grupos que relatem o que encontraram.
• Algum dos princípios que vocês encontraram nesses parágrafos sobre a
Trindade dá suporte ou confirma algum dos princípios que escreveram em seu
papel? Se sim, quais?
• Que princípios adicionais, nesses parágrafos sobre a Trindade, se destacaram
para vocês?
• Que princípios sobre a Trindade você acha importante que as pessoas
compreendam?

Segmento 2 (5 minutos)
Peça a um aluno que leia em voz alta as duas primeiras frases do parágrafo 1.1 no
Documento Principal de Domínio Doutrinário. Enquanto isso os demais acompanham
a leitura.
Explique que essas duas frases contêm duas declarações-chave de doutrina: Há
três personagens distintos na Trindade: Deus, o Pai Eterno; Seu Filho, Jesus
Cristo; e o Espírito Santo. O Pai e o Filho possuem um corpo glorificado
tangível de carne e ossos, e o Espírito Santo é um ser espiritual. Peça aos
alunos que marquem essas declarações-chave no exemplar deles do Documento
Principal de Domínio Doutrinário.

24
A T R IN DADE , PARTE 1

• Por que é importante que as pessoas entendam essas declarações-chave de


doutrina?
Mostre algumas ou todas as figuras a seguir e peça aos alunos que expliquem
rapidamente o evento retratado em cada uma. (Essas gravuras estão disponíveis no
site LDS.org/media-library. As referências de escrituras e descrições da imagem
estão incluídas a seguir.)
João Batista batizando Jesus (Mateus
3:13–17). No batismo do Salvador, o
Espírito Santo desceu sobre o Salvador
como uma pomba e o Pai Celestial falou
do céu.
Jesus orando no Getsêmani (Mateus
26:39, 42). Jesus orou ao Pai Celestial
enquanto sofria no Getsêmani.

25
A T RI N DA D E , PA RTE 1

Jesus mostra Seus ferimentos (Lucas


24:36–40). Jesus apareceu aos apóstolos
com um corpo ressuscitado de carne
e ossos.
A Primeira Visão (Joseph
Smith—História 1:15–20). Deus, o Pai, e
Seu Filho, Jesus Cristo, apareceram a
Joseph Smith.
Jesus Cristo aparece aos nefitas (3 Néfi
11:3–11). O Pai Celestial testificou de
Seu Filho Amado quando Jesus Cristo
apareceu aos nefitas na terra de
Abundância.
• Como os relatos escriturísticos
representados nessas gravuras
ilustram as duas declarações-chave
de doutrina? (Os alunos devem
conseguir explicar o que esses
relatos ilustram sobre a natureza dos
membros da Trindade. Por exemplo,
no batismo de Jesus Cristo, o
Espírito Santo desceu sobre o
Salvador como uma pomba e o Pai
Celestial falou do céu — indicando
que o Pai, o Filho e o Espírito Santo
são três personagens distintos.)

Segmento 3 (10 minutos)


Peça aos alunos que examinem o
parágrafo 1.1 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça-lhes que
localizem a passagem de domínio
doutrinário que ajuda a ensinar as
declarações-chave de doutrina que eles
marcaram nesse parágrafo. Peça aos
alunos que abram as escrituras em
Doutrina e Convênios 130:22–23 e
marquem essa passagem de modo
diferente para que consigam localizá-la facilmente.
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, explique que o profeta
Joseph Smith participou de uma conferência de estaca onde o élder Orson Hyde,
do Quórum dos Doze Apóstolos, falou. Em seu discurso, o élder Hyde incluiu
algumas ideias sobre a Trindade muito difundidas na época, mas que eram falsas.
Após a reunião, Joseph Smith propôs corrigir o que o élder Hyde tinha ensinado. O
élder Hyde aceitou a correção do profeta de bom grado e essas correções agora
estão registradas em Doutrina e Convênios 130.

26
A T R IN DADE , PARTE 1

Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 130:22–23 em voz alta. Peça à
classe que acompanhe a leitura e identifique como essa passagem de domínio
doutrinário ajuda a ensinar as declarações-chave de doutrina. Peça aos alunos que
relatem o que encontraram.
Após os comentários dos alunos, peça a um aluno que leia a seguinte declaração do
presidente Dallin H. Oaks, da Primeira Presidência. Peça à classe que observe por
que é importante saber a verdade sobre a Trindade.

“Por termos a verdade sobre a Trindade e nosso relacionamento com Eles, o


propósito da vida e a natureza de nosso destino eterno, temos o mapa da estrada
principal e segurança em nossa jornada pela mortalidade. Sabemos a quem
adoramos e por que adoramos. Sabemos quem somos e o que podemos nos
tornar (ver D&C 93:19). Sabemos quem torna tudo possível e sabemos o que
precisamos fazer para desfrutar as principais bênçãos que recebemos por meio
do plano de salvação estabelecido por Deus.
(…) Sei que temos realmente um Pai Celestial que nos ama. Sei que temos realmente o Espírito
Santo que nos guia. Testifico que Jesus Cristo é nosso Salvador, que torna tudo possível”
(Dallin H. Oaks, “A Trindade e o plano de salvação”, A Liahona, maio de 2017, pp. 102–103).

• Como você acha que saber a verdade sobre a Trindade afeta nosso
relacionamento com o Pai, o Filho e o Espírito Santo?
• A que fontes podemos recorrer a fim de aprender a verdade sobre os membros
da Trindade?

Segmento 4 (15 minutos)


Mostre as gravuras O Nascimento de
Jesus e A Segunda Vinda. (Essas
gravuras estão disponíveis no site
LDS.org/media-library.)
• O que essas gravuras têm em
comum? (Eles retratam Jesus Cristo
vindo à Terra.)
Peça a um aluno que leia em voz alta o
parágrafo 1.4 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça à classe que
acompanhe a leitura e procure uma
declaração-chave de doutrina que se
relacione à segunda gravura “A
Segunda Vinda”. (Os alunos devem
identificar a seguinte declaração sobre
Jesus Cristo: Ele regressará em poder
e glória e reinará na Terra durante o
Milênio. Peça aos alunos que marquem
essa declaração-chave de doutrina no exemplar deles do Documento Principal de
Domínio Doutrinário.)

27
A T RI N DA D E , PA RTE 1

Peça a um aluno que leia a seguinte


declaração do élder Neil L. Andersen,
do Quórum dos Doze Apóstolos: Peça à
classe que preste atenção ao que ele
disse a respeito da Segunda Vinda do
Salvador.

“O pensamento de Sua vinda me aviva a alma. Será de tirar o fôlego! A


abrangência e a grandiosidade, a imensidão e a magnificência excederão tudo o
que os olhos mortais já viram ou vivenciaram.
Naquele dia Ele não virá ‘envolto em panos, e deitado numa manjedoura’ (Lucas
2:12), mas aparecerá ‘nas nuvens do céu, revestido de poder e grande glória,
com todos os santos anjos’ (D&C 45:44)” (Neil L. Andersen, “Venha o Teu reino”,
A Liahona, maio de 2015, p. 122).

Peça aos alunos que contem o que mais os impressionou sobre o contraste entre o
nascimento do Salvador e Sua Segunda Vinda. Você também pode pedir que os
alunos abram no hino “Tão humilde ao nascer” (Hinos, nº 115). Vocês podem
cantar esse hino juntos, ou você pode pedir a alguns alunos que se revezem na
leitura das estrofes em voz alta. Peça à classe que identifique como a vinda de Jesus
Cristo será igual e como ela será diferente de quando Ele veio como um bebê
nascido em Belém.
Peça aos alunos que leiam rapidamente o parágrafo 1.4 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário e identifiquem a passagem de domínio doutrinário que ajuda a
ensinar a declaração-chave de doutrina que eles marcaram nesse parágrafo. (Peça
aos alunos que marquem D&C 29:10–11 de modo diferente em suas escrituras para
que consigam localizá-la facilmente.)
Para ajudar os alunos a entenderem o contexto dessa passagem, explique que,
pouco antes de uma conferência em 1830, o profeta Joseph Smith recebeu essa
revelação na presença de seis élderes. A revelação ensinou ao grupo a respeito da
coligação dos eleitos do Salvador antes de Sua Segunda Vinda.
Peça a um aluno que leia em voz alta Doutrina e Convênios 29:10–11. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique como essa passagem ajuda a ensinar a

28
A T R IN DADE , PARTE 1

declaração-chave de doutrina marcada no parágrafo 1.4. Peça aos alunos que


relatem o que encontraram.
• O que o versículo 11 nos ensina sobre a bênção que os justos desfrutarão
durante o Milênio?
Testifique que Jesus Cristo retornará e viverá na Terra com os justos durante mil
anos de paz.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma
aula que esta lição — “A Trindade, parte 1”. Utilize estas atividades durante as
aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição, mas antes de
ensinar “A Trindade, parte 2”. Esta revisão curta pode ser ensinada no início ou no
final das aulas em que você ensina uma lição com uma sequência comum de
escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essas revisões não durem
mais de cinco minutos para que não substituam o bloco de escrituras que os alunos
estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 130:22–23


(5 minutos)
Separe a classe em grupos de três ou quatro. Dê a cada grupo uma cópia da
seguinte declaração de doutrina que foi escrita em uma folha de papel, cortada em
tiras e embaralhada: Há três / personagens distintos na / Trindade: Deus, / o Pai Eterno; /
Seu Filho, Jesus Cristo; / e o Espírito Santo. / O Pai e o Filho / têm um corpo tangível / de
carne e ossos, / mas o Espírito Santo / é um personagem de espírito. Peça a cada grupo
que coloque as tiras da declaração de doutrina na ordem correta.
Depois que todos os grupos tiverem colocado a declaração em ordem, peça aos
alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário em Doutrina e
Convênios que ensina essa doutrina. Quando os alunos localizarem Doutrina e
Convênios 130:22–23, peça à classe que leia essa passagem em voz alta juntos. Peça
aos alunos que expliquem por que é importante entender essa passagem e a
declaração de doutrina.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 29:10–11 (5 minutos)


Escreva a seguinte declaração incompleta sobre Jesus Cristo no quadro: Ele
regressará em ______ e ________ e reinará na _______ durante o __________.
Peça aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário em Doutrina e
Convênios que pode ajudá-los a completar essa declaração-chave de doutrina
sobre Jesus Cristo.
Depois que os alunos tiverem localizado Doutrina e Convênios 29:10–11, peça a
um deles que leia os versículos em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e
identifique palavras ou conceitos que podem completar corretamente a declaração
no quadro. Peça a um aluno que complete os espaços no quadro de modo que a
declaração de doutrina corresponda à seguinte: Ele regressará em poder e glória e
reinará na Terra durante o Milênio.

29
A T RI N DA D E , PA RTE 1

Revisão de domínio doutrinário. A Trindade (5 minutos)


Escreva as seguintes passagens de domínio doutrinário em duas tiras de papel e
coloque-as nos dois extremos da classe.

Doutrina e Convênios 29:10–11


Doutrina e Convênios 130:22–23

Peça aos alunos que abram as escrituras e leiam e examinem cada passagem em
silêncio. Dê-lhes tempo suficiente e depois peça aos alunos que fechem as
escrituras. Leia as seguintes verdades em voz alta e peça aos alunos que apontem
para a passagem de domínio doutrinário na parede que contém essa verdade.
• Jesus Cristo tem um corpo de carne e ossos.
• Jesus Cristo reinará na Terra durante o Milênio.
• O Pai e o Filho têm um corpo tangível, glorificado de carne e ossos.
• Há três pessoas distintas na Trindade.
• Jesus Cristo virá novamente com poder e glória.
• O Espírito Santo é um personagem de espírito.

30
A Trindade, parte 2
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “A Trindade” está dividido
em duas partes. A parte 2 contém um exercício prático que ajudará os alunos a
aplicarem a doutrina que aprenderam no Documento Principal de Domínio
Doutrinário e nas passagens de domínio doutrinário encontradas em Doutrina e
Convênios 130:22–23 e 29:10–11. Esta lição também inclui uma revisão cumulativa
de todas as passagens de domínio doutrinário que os alunos estudaram durante o
ano letivo.
Observação: O exercício prático e a revisão de domínio doutrinário nesta lição
podem ser ensinados em uma única aula ou em duas aulas separadas. Se forem
ensinados em duas aulas, dê aos alunos tempo suficiente para o estudo da lição
regular de escrituras sequenciais de Doutrina e Convênios.

Exercício prático (25 minutos)


Divida os alunos em duplas missionárias. Forneça a cada dupla o material
que acompanha a lição e dê aos alunos tempo suficiente para completar a
designação.

Ajudar outros a conhecerem a Deus


1. Leia a seguinte situação em voz alta com seu companheiro.
Você e seu companheiro são missionários. Vocês conhecem um homem idoso muito
simpático chamado Ben. Conversam com Ben e combinam de visitá-lo. Quando seu
companheiro pergunta a ele quais são suas crenças sobre Deus, Ben diz: “Sempre pensei em
Deus como uma essência que está em toda parte”. Você e seu companheiro sentem que é
importante que Ben entenda a verdadeira natureza da Trindade.
2. Prepare uma apresentação curta sobre a Trindade e inclua o seguinte:
• Uma correção sobre o equívoco de seu pesquisador com relação a Deus
• Escrituras que expliquem a doutrina correta da Trindade
• Uma explicação sobre como ter uma compreensão correta da Trindade ajudaria Ben
3. Prepare-se para ensinar sua lição para a classe.

Observação: Você pode adaptar a situação de acordo com as experiências e as


necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Peça às duplas que apresentem sua lição concluída à classe. (Em classes grandes,
você pode pedir que duas duplas trabalhem juntas, uma ensinando a outra, ou
pedir que apenas algumas duplas apresentem para a classe.)
Encerre prestando testemunho sobre os princípios debatidos em classe. Peça aos
alunos que identifiquem oportunidades de ajudar outros a ganharem um
entendimento correto da Trindade.

Revisão cumulativa de domínio doutrinário (15 minutos)


Anote as seguintes passagens de domínio doutrinário no quadro:

31
A T RI N DA D E , PA RTE 2

Doutrina e Convênios 88:118


Doutrina e Convênios 8:2–3
Doutrina e Convênios 6:36
Doutrina e Convênios 130:22–23
Doutrina e Convênios 29:10–11

Para ajudar os alunos a aprofundar seu entendimento dessas passagens de domínio


doutrinário, peça a cada um deles que escolha uma passagem para a atividade
a seguir.
Primeiro, peça aos alunos que escrevam uma declaração verdadeira e uma falsa
descrevendo a passagem de domínio doutrinário que eles escolheram. Depois,
recolha as declarações e as leia para a classe. A cada declaração, peça aos alunos
que acenem com a cabeça ou coloquem o polegar para cima se concordarem que a
declaração é verdadeira. (Você pode precisar ajustar o modo como os alunos
respondem de acordo com as normas culturais.) Se os alunos souberem que a
declaração é falsa, peça-lhes que levantem as mãos e digam: “Não é verdade!” Peça
aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário que pode corrigir a
declaração. Permita que os alunos expliquem o que está errado na declaração e o
que a tornaria verdadeira. (Um exemplo de uma declaração falsa seria: o Espírito
Santo tem um corpo de carne e ossos. A escritura que os alunos deveriam abrir é
Doutrina e Convênios 130:22–23. A declaração deve ser corrigida para dizer: o
Espírito Santo é um personagem de espírito.)

32
O plano de
salvação, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “O plano de salvação” está
dividido em três partes. Na parte 1, os alunos estudarão os parágrafos 2.1 a 2.19 do
tópico doutrinário usando as informações no Documento Principal de Domínio
Doutrinário. Eles aprenderão sobre o papel central do Salvador no plano de
salvação. Eles também estudarão a passagem do domínio doutrinário em Doutrina
e Convênios 76:22–24.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos “Entender a
doutrina” ao longo de várias semanas, você pode precisar revisar brevemente com
os alunos o que eles aprenderam nos segmentos anteriores antes de ensinar um
novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (5 minutos)
Desenhe no quadro a linha e o triângulo do diagrama do material que acompanha
a lição (sem as palavras). Explique que a linha reta representa uma base e o
triângulo representa o ponto de equilíbrio.

Desenhe várias formas em diferentes pontos da linha para representar os objetos


sendo colocados na base. Saliente que, independentemente do que está na base, a
ponta do triângulo precisa estar em um ponto que balanceie o peso da base, bem
como o peso dos objetos colocados na base para que a carga fique equilibrada.
Depois, apague as formas e escreva Plano de salvação na linha que representa
a base.
À medida que os alunos estudarem o tópico de domínio doutrinário “O plano de
salvação”, peça-lhes que identifiquem como esse diagrama está relacionado ao
plano de salvação.

34
O PLAN O DE S ALVAÇÃO, PARTE 1

Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta dos parágrafos 2.1 a 2.3
no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a
leitura e identifique a figura central no plano do Pai Celestial. Peça aos alunos que
relatem o que encontraram. Depois, escreva Jesus Cristo sobre ou embaixo do
triângulo no diagrama.
• O que você acha que significa que “Jesus é a figura central no plano do Pai
Celestial”? (Você pode sugerir aos alunos que marquem essa frase no exemplar
deles do Documento Principal de Domínio Doutrinário.)

Segmento 2 (15 minutos)


Peça aos alunos que localizem os cinco subtítulos no tópico doutrinário 2, “O plano
de salvação”, no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Explique que esses
subtítulos representam elementos-chave do plano de salvação. Escreva A vida
pré-mortal, a Criação, a Queda, vida mortal e vida após a morte acima da frase “Plano
de salvação” no diagrama no quadro.
Explique que, como o Salvador é a figura central no plano de salvação, devemos ser
capazes de identificá-Lo em cada um desses elementos do plano. Divida a turma
em duplas. Peça a um aluno de cada dupla que leia em silêncio os parágrafos sob o
título “A vida pré-mortal” e ao outro que leia em silêncio os parágrafos sob o título
“A Criação”. Peça-lhes que identifiquem o papel central de Jesus Cristo naquelas
partes do plano de salvação. Após eles concluírem a leitura, peça-lhes que debatam
o que descobriram.
Depois de lhes dar tempo suficiente para terminar a tarefa, peça aos alunos que
vejam a seção “A Criação”.
• Como Jesus Cristo representou um papel central na Criação? (Depois que os
alunos responderem, escreva a seguinte declaração-chave de doutrina no
quadro e peça aos alunos que a destaquem em seus exemplares do Documento
Principal de Domínio Doutrinário: Jesus Cristo criou os céus e a Terra sob a
direção do Pai.)
Peça a um aluno que leia em voz alta a declaração a seguir do élder Dallin H. Oaks,
do Quórum dos Doze Apóstolos. Peça à classe que ouça e identifique como essa
declaração apoia essa declaração doutrinária.

“O Filho, o maior de todos, foi escolhido pelo Pai para cumprir o plano do Pai —
para exercer o poder do Pai para criar mundos sem número (ver Moisés 1:33) e
para salvar os filhos de Deus da morte por meio de Sua Ressurreição e do pecado
por meio de Sua Expiação. Esse sacrifício divino é precisamente chamado de ‘o
ato central de toda a história humana’” (Dallin H. Oaks, “A Trindade e o plano de
salvação”, A Liahona, maio de 2017, p. 102).

• Como essa declaração apoia a declaração doutrinária no quadro?


• O que mais a declaração do presidente Oaks esclarece quanto ao papel do
Salvador no plano de salvação?

35
O P L A N O D E S ALVAÇ Ã O, PA RTE 1

Segmento 3 (5 minutos)
Você pode mostrar uma gravura da
Terra (ver a gravura A Terra, disponível
em LDS.org/media-library).
Peça aos alunos que consultem o
parágrafo 2.6 do Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Pergunte-lhes qual
passagem de domínio doutrinário está
associada à declaração-chave de
doutrina no quadro: Jesus Cristo criou
os céus e a Terra sob a direção do Pai.
(Você pode pedir aos alunos que
marquem D&C 76:22–24 de modo
diferente em suas escrituras para que
consigam localizá-la facilmente.)
Para ajudar os alunos a entender o
contexto dessa passagem, explique que
Doutrina e Convênios 76 é o registro de
uma visão que foi dada ao profeta Joseph Smith e a Sidney Rigdon em Hiram,
Ohio, em 16 de fevereiro de 1832. Essa visão revelou muitas verdades gloriosas
sobre o plano de salvação do Pai Celestial que não eram conhecidas no mundo
naquela época. Doutrina e Convênios 76:22–24 contém o testemunho do profeta
Joseph Smith e de Sidney Rigdon de Jesus Cristo.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 76:22–24 em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e procure identificar o que Joseph Smith e Sidney Rigdon
especificamente testificaram sobre Jesus Cristo. Peça aos alunos que relatem o que
encontraram.
• Como essa passagem ajuda a ensinar a declaração-chave de doutrina
no quadro?

Segmento 4 (10 minutos)


Você pode mostrar o vídeo “Vivíamos com Deus” (4:00) (disponível em
LDS.org) para ajudar os alunos a sentirem a veracidade e a importância da
declaração-chave de doutrina no quadro: Jesus Cristo criou os céus e a Terra sob a
direção do Pai.
Depois do vídeo, pergunte:
• Como as criações de Deus o ajudaram a sentir o amor Dele por você?
• Como você acha que entender a declaração-chave de doutrina no quadro deve
afetar nossos pensamentos e nosso comportamento diário?
Peça aos alunos que ponderem sobre o que podem fazer para lembrar do papel que
Jesus Cristo teve na criação dos céus e da Terra. Se houver tempo suficiente, você
pode pedir aos alunos que registrem seus pensamentos no diário das escrituras.

36
O PLAN O DE S ALVAÇÃO, PARTE 1

Segmento 5 (5 minutos)
Chame a atenção dos alunos para o diagrama que foi desenhado no quadro no
início da aula e para o fato de que “Jesus Cristo é a figura central no plano do Pai
Celestial” (Documento Principal de Domínio Doutrinário, 2018, 2.3). Peça aos alunos
que leiam em silêncio os parágrafos 2.8 a 2.18 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário e identifiquem palavras ou frases que descrevem como o Salvador é
essencial para a Queda, a vida mortal e a vida após a morte. Dê-lhes tempo
suficiente para terminar e depois peça a diversos alunos que relatem o que
descobriram.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: A atividade de revisão a seguir não deve ser utilizada na mesma aula
que a lição — “O plano de salvação, parte 1”. Utilize esta atividade durante uma
aula do seminário que ocorra depois que você ensinar esta lição, mas antes de
ensinar “O plano de salvação, parte 2”. Essa revisão curta pode ser ensinada no
início ou no final da aula em que você ensina uma lição sequencial de escrituras de
Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essa revisão não dure mais de cinco
minutos para que não substitua o bloco de escrituras que os alunos estudarão
em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 76:22–24 (5 minutos)


Escreva a seguinte declaração de doutrina no quadro: Jesus Cristo criou os céus e a
Terra sob a direção do Pai.
Peça aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário em Doutrina e
Convênios que ensina essa doutrina. Se os alunos precisarem de ajuda, peça-lhes
que leiam rapidamente o tópico doutrinário 2, “O plano de salvação”, no
Documento Principal de Domínio Doutrinário para encontrarem a referência de
escritura. Quando todos os alunos tiverem localizado Doutrina e Convênios
76:22–24, divida-os em duplas ou grupos pequenos. Peça-lhes que leiam essa
passagem juntos e debatam como ela ajuda a ensinar a declaração de doutrina no
quadro. Dê-lhes tempo suficiente e depois peça a alguns alunos que compartilhem
maneiras de nos lembrarmos dessa referência.

37
O plano de
salvação, parte 2
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “O plano de salvação” está
dividido em três partes. Na parte 2, os alunos farão uma revisão dos princípios de
adquirir conhecimento espiritual. Eles também participarão de um exercício prático
que os ajudará a aplicar a doutrina que aprenderam no Documento Principal de
Domínio Doutrinário e em Doutrina e Convênios 76:22–24.

Entender a doutrina
Adquirir conhecimento espiritual — Revisão (15 minutos)
Peça aos alunos que levantem a mão se já tiverem pesquisado a resposta a uma
pergunta usando um mecanismo de busca na internet.
• Em média, quanto tempo leva para a busca mostrar os resultados? (Geralmente
leva menos de um segundo para fornecer milhares de sites na internet com a
informação.)
• Como buscar uma resposta na internet é diferente de aprender a
verdade eterna?
• Como você se sente quando precisa esperar por respostas a perguntas
importantes?
Explique que, enquanto auxiliava na tradução do Livro de Mórmon, Oliver
Cowdery teve um forte desejo de traduzir. Após receber permissão do Senhor,
Oliver tentou traduzir, mas não obteve sucesso. Ele ficou frustrado.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 9:7–8 em voz alta. Peça à classe que
acompanhe a leitura e identifique o que o Senhor disse a Oliver Cowdery sobre o
motivo de ele não ser capaz de traduzir.
• Qual foi o motivo de Oliver não conseguir traduzir? (Ele esperava conseguir
traduzir simplesmente porque havia pedido. Entretanto, ele não fez o esforço
necessário para estudar as coisas em sua mente e depois perguntar se estava
correto.)
• Por que é importante saber que o Senhor espera que estudemos e nos
empenhemos para aprender por nós mesmos?
Divida a classe em grupos de três ou quatro alunos. Designe a cada grupo um dos
três princípios de adquirir conhecimento espiritual debatidos na seção “Adquirir
conhecimento espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com
fé, examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais
entendimento por meio de fontes divinamente atribuídas. Peça a cada grupo que
leia em voz alta os parágrafos relacionados aos princípios a eles designados e
procure identificar palavras e frases que ensinam como podemos encontrar
respostas para perguntas importantes e resolver nossos problemas. Depois de um
tempo suficiente, peça a cada grupo que relate à classe o que encontrou.

38
O PLAN O DE S ALVAÇÃO, PARTE 2

Para ajudar os alunos a entender como examinar dúvidas e preocupações


com uma perspectiva eterna, você pode mostrar o vídeo “Reformular uma
Pergunta a Partir de uma Perspectiva Eterna” (2:56), disponível em LDS.org. Peça à
classe que preste atenção a como uma jovem chamada Lauren reservou um tempo
para refletir sobre as crenças ou suposições que podem ter influenciado a pergunta
de sua amiga sobre Deus.
• Como Lauren examinou a pergunta de sua amiga com uma perspectiva eterna?

Exercício prático (25 minutos)


Reveja com os alunos os seguintes princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
as necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Leia em voz alta a seguinte situação e peça aos alunos que pensem em si mesmos
tendo esta experiência:
Você está participando de uma aula de ciências em que o professor e os alunos
estão debatendo teorias sobre o que deu origem à nossa galáxia e ao sistema solar.
O professor aproveita várias oportunidades para tentar desacreditar a ideia de que
um Criador divino poderia ter tido participação na criação do mundo. O professor
apresenta diversos fatos que parecem dar suporte a essa conclusão e vários alunos
expressam seu apoio à opinião do professor. No final da aula, você está um pouco
confuso ao tentar conciliar o que aprendeu em casa e na Igreja com o que está
aprendendo nessa aula. Quando chega em casa, as seguintes perguntas vêm a sua
mente: Nossa galáxia realmente foi criada apenas por eventos aleatórios? Só
estamos aqui por acaso?
Peça aos alunos que registrem em seu caderno ou diário das escrituras o que eles
fariam nessa situação para mostrar ao Pai Celestial que desejam agir com fé. Depois
de lhes dar tempo suficiente, divida os alunos em duplas e lhes peça que relatem
para os colegas o que escreveram.
Enquanto os alunos estão compartilhando suas ideias, escreva as perguntas da
situação no quadro: Nossa galáxia realmente foi criada apenas por eventos aleatórios?
Só estamos aqui por acaso?
Peça aos alunos que pensem em como eles examinariam essas perguntas a partir de
uma perspectiva eterna. Se os alunos precisarem de ajuda, você pode fazer as
perguntas a seguir ou fornecer uma folha para cada aluno com essas ou outras
perguntas que eles podem debater em duplas:
• O que sei sobre Deus e como sei isso?
• O que as escrituras ou os profetas recentes dizem sobre a Criação?
• Quando ou como senti o Espírito testemunhar que há um Criador?

39
O P L A N O D E S ALVAÇ Ã O, PA RTE 2

• Alguma evidência científica refuta a possibilidade de que Deus exista e tenha


criado os céus e a Terra?
• Como as descobertas da ciência sobre nossa galáxia e a Terra testemunham que
há um Criador divino?
Depois que os alunos encerrarem o debate, pergunte-lhes como os princípios que
conhecem sobre Deus e Seu plano os ajudam a ver as perguntas no quadro de
modo diferente.
Após o debate, pergunte aos alunos em que fontes inspiradas eles poderiam
pesquisar a fim de obter mais ajuda com as perguntas no quadro. Se possível, você
pode pedir que eles usem os dispositivos móveis para acessar os artigos e outros
materiais em LDS.org que poderiam ajudá-los a examinar essas perguntas a partir
de uma perspectiva eterna. Um exemplo do que eles encontram pode incluir o
seguinte:
• Presidente Dieter F. Uchtdorf, “Você é importante para Deus”, A Liahona,
novembro de 2011, p. 19.
• Presidente Russell M. Nelson, “A Criação”, A Liahona, julho de 2000, p. 102.
• Whitney Wilcox, “He Knows Who I Am” [Ele sabe quem sou], LDS Youth
article, youth.LDS.org.

40
O plano de
salvação, parte 3
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “O plano de salvação” está
dividido em três partes. A parte 3 contém uma atividade de revisão cumulativa de
domínio doutrinário. Essa atividade de revisão não deve demorar mais que
20 minutos. Caso não tenha tempo de cobrir todo o material das partes 1 e 2 desta
experiência de aprendizado, você pode ensinar esse material nesta aula. Se
terminar o material das partes 1 e 2, você pode usar o tempo restante nesta aula
para revisar o material das aulas de escrituras sequenciais de Doutrina e Convênios.

Revisão cumulativa de domínio doutrinário (20 minutos)


Escreva no quadro todas as passagens de domínio doutrinário que os alunos
estudaram até o momento, com as frases-chave associadas. (Você também pode
mencionar aos alunos a seção “Passagens de domínio doutrinário e frases-chave”
no Documento Principal de Domínio Doutrinário.)
Reserve alguns minutos para revisar as passagens de domínio doutrinário
e suas frases-chave, depois forneça a cada aluno o material que
acompanha a lição. Leia as instruções em voz alta.

Revisão de domínio doutrinário


1. Na primeira coluna na tabela a seguir, escreva cada referência para as passagens de domínio
doutrinário. Na segunda coluna da tabela, escreva a frase-chave a que a passagem está
associada.
2. Analise cada uma dessas referências e frases-chave. Depois, cubra a primeira coluna de
referências com um pedaço de papel. Leia as frases-chave na segunda coluna. Na terceira
coluna, tente escrever de memória as referências relacionadas a essas frases-chave.
3. Cubra a segunda coluna com um pedaço de papel. Leia as referências que você escreveu na
terceira coluna. Na quarta coluna, tente escrever de memória as frases-chave relacionadas a
essas referências.
4. Continue esse processo até ter completado toda a tabela.

Referência Frase-chave Referência Frase-chave Referência Frase-chave

41
A Expiação de Jesus
Cristo, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “A Expiação de Jesus
Cristo” está dividido em três partes. Na parte 1, os alunos estudarão os parágrafos
3.1 a 3.5 do tópico doutrinário usando as informações no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Eles identificarão o princípio de que o sacrifício do Salvador
demonstra o valor de cada filho do Pai Celestial e aprenderão como Doutrina e
Convênios 18:10–11 ajuda a ensinar esse princípio. Eles também participarão de
um exercício prático que os ajudará a aplicar a doutrina que aprenderão no
Documento Principal de Domínio Doutrinário e em Doutrina e Convênios 18:10–11.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
semanas, você pode precisar revisar brevemente com os alunos o que eles
aprenderam nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (10 minutos)
Inicie perguntando aos alunos se alguém já lhes fez uma pergunta sobre a Expiação
de Jesus Cristo que eles não conseguiram responder. Você pode pedir aos alunos
que desejarem que contem sua experiência. (Seja sensível caso algum aluno se sinta
constrangido sobre sua experiência.)
Explique que entender a doutrina encontrada no Documento Principal de Domínio
Doutrinário e nas passagens de domínio doutrinário pode nos ajudar a estar melhor
preparados para responder as perguntas sobre o que acreditamos.
Peça aos alunos que consultem o tópico doutrinário 3, “A Expiação de Jesus Cristo”,
no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça aos alunos que leiam os
parágrafos 3.1 a 3.5 em dupla e identifiquem os princípios sobre a Expiação do
Salvador. Peça-lhes que pensem em uma pergunta que alguém poderia fazer sobre
a Expiação de Jesus Cristo que pode ser respondida a partir do que eles aprenderam
nesses parágrafos. Dê a cada dupla uma folha de papel para que eles escrevam sua
pergunta.
Depois de um tempo suficiente, recolha as perguntas e leia algumas delas para a
classe. Peça aos alunos que encontrem respostas para suas perguntas nesses
parágrafos no Documento Principal de Domínio Doutrinário.
• Por que você acha que é importante estudar e entender a Expiação de
Jesus Cristo?

Segmento 2 (5 minutos)
Peça aos alunos que estudem o parágrafo 3.1 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário e identifiquem o que o sacrifício de Jesus Cristo demonstra sobre o
valor de cada pessoa. Os alunos devem identificar a seguinte declaração-chave de

43
A E X P I AÇ Ã O D E J E SU S C R I STO, PA RTE 1

doutrina sobre o Salvador: Seu sacrifício beneficia cada um de nós e demonstra


o valor infinito de cada um dos filhos do Pai Celestial. Você pode sugerir aos
alunos que marquem essa declaração no exemplar deles do Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Escreva a declaração no quadro enquanto os alunos a marcam.
• Como o sacrifício do Salvador demonstra o valor de cada um dos filhos do Pai
Celestial?
Peça a um aluno que leia a seguinte declaração do élder M. Russell Ballard, do
Quórum dos Doze Apóstolos. Peça à classe que preste atenção à conexão que o
élder Ballard fez entre a Expiação de Jesus Cristo e o valor de cada alma.

“Apesar de Sua vida ser pura e sem pecados, [Jesus Cristo] pagou o mais alto
preço do pecado pelos pecados que vocês, eu e todos que já viveram cometeram.
Sua angústia mental, emocional e espiritual foi tanta que fez com que Ele
sangrasse por todos os poros (ver Lucas 22:44; D&C 19:18). Mas Jesus sofreu de
bom grado para que todos tivéssemos a oportunidade de ser purificados por
meio de nossa fé Nele, do arrependimento de nossos pecados, do batismo
realizado pela devida autoridade do sacerdócio, do recebimento do dom purificador do Espírito
Santo na confirmação e da aceitação de todas as outras ordenanças essenciais. Sem a Expiação
do Senhor, nenhuma dessas bênçãos estaria a nosso alcance, e não conseguiríamos nos preparar
nem nos tornar dignos de voltar a viver na presença de Deus.
(…) Acredito que, se conseguíssemos entender verdadeiramente a Expiação do Senhor Jesus
Cristo, perceberíamos quão precioso é um filho ou uma filha de Deus.
(…) A ironia é que a Expiação foi infinita e eterna, mas se aplica individualmente a uma pessoa
por vez.
(…) Nunca, nunca subestimem o valor de uma só pessoa” (M. Russell Ballard, “A Expiação e o
valor de uma alma”, A Liahona, maio de 2004, pp. 85–87).

Peça aos alunos que pensem em como ponderar sobre a Expiação de Jesus Cristo os
ajuda a entender melhor o valor de um precioso filho ou filha de Deus.

Segmento 3 (7 minutos)
Peça aos alunos que estudem o parágrafo 3.1 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário e identifiquem qual passagem de domínio doutrinário de Doutrina e
Convênios ajuda a ensinar a declaração-chave de doutrina no quadro: Seu sacrifício
beneficia cada um de nós e demonstra o valor infinito de cada um dos filhos do Pai
Celestial. Depois que os alunos responderem, peça-lhes que abram em Doutrina e
Convênios 18:10–11. Peça aos alunos que marquem essa passagem de modo
diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la facilmente.
Para ajudar os alunos a entenderem o contexto dessa passagem, explique que a
revelação registrada em Doutrina e Convênios 18 contém informações relacionadas
à organização da Igreja restaurada de Jesus Cristo, incluindo instruções para Oliver
Cowdery e David Whitmer sobre a pregação do evangelho e a busca pelos futuros
membros do Quórum dos Doze Apóstolos.

44
A E XPIAÇÃO DE J E S U S CR IS TO, PARTE 1

Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 18:10–11 em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique as palavras ou frases que ajudam a ensinar a
declaração-chave de doutrina escrita no quadro.
• Quais palavras ou frases que você encontrou em Doutrina e Convênios
18:10–11 ajudam a ensinar a declaração-chave de doutrina?
• De acordo com o versículo 11, por que o Salvador sofreu e morreu por toda a
humanidade?
• Como o fato de saber que Jesus Cristo sofreu e morreu por seus pecados o ajuda
a entender seu valor à vista de Deus? (Você também pode compartilhar seus
sentimentos sobre isso.)
Testifique que cada um de nós tem imenso valor à vista de Deus e que o sacrifício
do Salvador por nós demonstra essa verdade.

Exercício prático (18 minutos)


Reveja com os alunos os três princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos.
Organize a classe em grupos de três ou quatro. Dê a cada grupo uma
cópia do material que acompanha a lição. Peça a cada grupo que debata a
situação e as perguntas associadas.

Deus realmente me ama?


Leia a seguinte situação e depois debata as perguntas com seu grupo. Após debaterem as perguntas,
vocês poderão encenar a situação.
Você tem uma amiga que tem se sentido desanimada ultimamente. Quando você pergunta se há algo
errado, ela fica relutante, mas, por fim, admite que começou a duvidar do amor de Deus por ela.
1. De que maneira você incentivaria essa amiga a agir com fé para solucionar seu problema?
2. Como você poderia ajudar sua amiga a examinar a dúvida dela com uma perspectiva eterna?
3. Como você usaria Doutrina e Convênios 18:10–11 para ajudá-la?
4. Que outras escrituras ou declarações dos profetas e apóstolos você incentivaria sua amiga a
ler para ajudá-la a entender o valor dela à vista de Deus? (Agora, reserve alguns minutos
para encontrar algumas escrituras ou declarações que poderia usar.)

Depois de dar tempo para os alunos debaterem as perguntas na folha, peça a cada
grupo que encene a situação. Peça a cada grupo que escolha alguém para atuar
como a amiga que começou a duvidar do amor de Deus. Peça a um ou mais alunos
de cada grupo que usem o que debateram enquanto encenam o que poderiam
dizer à amiga. Incentive-os a usar Doutrina e Convênios 18:10–11 como parte da
atividade. Se o tempo permitir, incentive os alunos a trocarem de papel e

45
A E X P I AÇ Ã O D E J E SU S C R I STO, PA RTE 1

encenarem novamente. Dê tempo suficiente e lhes peça que falem sobre o que
sentiram ter ajudado ou algo que tornou a conversa difícil.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: A atividade de revisão a seguir não deve ser utilizada na mesma aula
que a lição — “A Expiação de Jesus Cristo, parte 1”. Utilize essa atividade em uma
aula do seminário que ocorra depois que você ensinar esta lição, mas antes de
ensinar “A Expiação de Jesus Cristo, parte 2”. Essa revisão curta pode ser ensinada
no início ou no final da aula em que você ensina uma lição sequencial de escrituras
de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essa revisão não dure mais de cinco
minutos para que não substitua o bloco de escrituras que os alunos estudarão
em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 18:10–11 (5 minutos)


Antes de a aula começar, escreva a seguinte declaração-chave de doutrina sobre a
Expiação de Jesus Cristo no quadro: Seu sacrifício beneficia cada um de nós e
demonstra o valor infinito de cada um dos filhos do Pai Celestial.
Peça aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário em Doutrina e
Convênios que ensina essa doutrina. Depois que os alunos localizarem Doutrina e
Convênios 18:10–11, peça à classe que leia essa passagem em voz alta juntos. Peça
aos alunos que expliquem como essa passagem ajuda a ensinar a declaração-chave
de doutrina no quadro.

46
A Expiação de Jesus
Cristo, parte 2
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “A Expiação de Jesus
Cristo” está dividido em três partes. Na parte 2, os alunos estudam esse tópico
doutrinário usando as informações no Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Eles identificarão a verdade sobre a Expiação de Jesus Cristo e aprenderão o que é
requerido de nós para nos arrependermos. Os alunos também estudarão as
passagens do domínio doutrinário encontradas em Doutrina e Convênios 19:16–19
e 58:42–43.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
semanas, você pode precisar revisar brevemente com os alunos o que eles
aprenderam nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (5 minutos)
Para dar início a este segmento, desenhe no quadro uma camiseta com uma
mancha; dentro da mancha escreva Mancha. Você também pode levar uma peça de
roupa que tenha uma mancha bem visível. Comece explicando o que manchou a
roupa, depois pergunte aos alunos o que eles poderiam fazer para remover
a mancha.
Depois que os alunos responderem, explique que hoje a classe vai aprender sobre a
única maneira de remover a mancha do pecado de nossa vida.
Peça aos alunos que estudem o parágrafo 3.3 no exemplar deles do Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Peça-lhes que identifiquem o que somente o
sacrifício expiatório de Jesus Cristo pode fazer por nós. (Os alunos devem
identificar a seguinte declaração-chave de doutrina: O sacrifício expiatório de
Jesus Cristo forneceu a única maneira pela qual podemos ser purificados e
perdoados de nossos pecados a fim de habitarmos eternamente na presença
de Deus. Você pode sugerir aos alunos que marquem essa declaração no exemplar
deles do Documento Principal de Domínio Doutrinário.)
Saliente que, embora haja vários métodos para remover uma mancha de uma peça
de roupa, somente o Salvador, em virtude de Seu sacrifício expiatório, pode
remover a mancha do pecado de nossa vida.
• O que devemos fazer para permitir que o Salvador nos purifique e nos perdoe?
Peça a um aluno que leia a seguinte declaração do élder D. Todd Christofferson, do
Quórum dos Doze Apóstolos.

48
A E XPIAÇÃO DE J E S U S CR IS TO, PARTE 2

“Somente pelo arrependimento é que temos acesso à graça expiatória de Jesus


Cristo e à salvação. O arrependimento é uma dádiva divina. (…)
Somente por causa da Expiação de Jesus Cristo existe a opção do
arrependimento” (D. Todd Christofferson, “A divina dádiva do arrependimento”,
A Liahona, novembro de 2011, p. 38).

• De que maneiras uma pessoa poderia tentar lidar com pecados passados em vez
do arrependimento?
• Por que é importante entender que o sacrifício expiatório de Jesus Cristo e
nosso arrependimento proporcionam a única maneira de sermos perdoados de
nossos pecados?

Segmento 2 (10 minutos)


• Que passagem de domínio doutrinário de Doutrina e Convênios está associada
à declaração-chave de doutrina que você marcou no parágrafo 3.3 no Documento
Principal de Domínio Doutrinário?
Peça aos alunos que abram em Doutrina e Convênios 19:16–19 e marquem essa
passagem de modo diferente para que consigam localizá-la facilmente no futuro.
Para ajudá-los a entender o contexto dessa passagem, explique que a revelação
registrada em Doutrina e Convênios 19 foi recebida pelo profeta Joseph Smith para
Martin Harris, que foi admoestado por sua relutância em ajudar financeiramente na
impressão do Livro de Mórmon. Como parte dessa revelação, o Salvador explicou
por que o arrependimento é essencial.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 19:16–19 em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique por que é tão importante que escolhamos
nos arrepender.
• De quais consequências do pecado podemos ser poupados por causa do
sofrimento do Salvador? (O tipo de sofrimento que o Salvador vivenciou
quando pagou o preço de nossos pecados.)
• De acordo com o versículo 16, o que devemos fazer a fim de sermos poupados
do tipo de sofrimento que o Salvador vivenciou?
Testifique que Jesus Cristo foi o único que poderia sofrer plenamente as
consequências de nossos pecados para que não precisemos sofrer se escolhermos
nos arrepender sinceramente.

Segmento 3 (15 minutos)


Lembre aos alunos que, a fim de aceitar o sacrifício do Salvador, precisamos exercer
fé Nele e nos arrepender (ver o parágrafo 3.5 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário).
Peça a um aluno que leia em voz alta os parágrafos 3.6 e 3.7 no Documento Principal
de Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique
princípios sobre ter fé em Jesus Cristo que eles acham importante entender.

49
A E X P I AÇ Ã O D E J E SU S C R I STO, PA RTE 2

• Que princípios sobre ter fé em Jesus Cristo você acha importante entender?
Por quê?
Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta dos parágrafos 3.8
a 3.10 no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe
a leitura e identifique o que precisamos fazer para nos arrependermos.
• O que precisamos fazer para nos arrependermos? (Os alunos devem identificar
a seguinte declaração-chave de doutrina: O arrependimento também inclui
reconhecer nossos pecados; sentir remorso ou tristeza pelos pecados
cometidos; confessar ao Pai Celestial e, se necessário, a outros; abandonar
o pecado; tentar reparar tanto quanto possível o mal praticado e levar uma
vida de obediência aos mandamentos de Deus. Você pode sugerir aos alunos
que marquem essa verdade no exemplar deles do Documento Principal de
Domínio Doutrinário).
Divida a classe em seis grupos e designe a cada grupo um dos requisitos do
arrependimento (reconhecer o pecado, sentir remorso, confessar, abandonar,
buscar reparar o mal praticado e viver uma vida de obediência). Em classes
pequenas, você pode designar vários requisitos para cada aluno ou grupo.
Escreva as seguintes palavras no quadro (você pode fazê-lo antes do início da aula):

• Como alguém pode cumprir o requisito do arrependimento que foi designado


para seu grupo?
• Por que você acha que esse elemento do arrependimento é importante?

Peça a cada grupo que debata suas respostas às perguntas no quadro e se prepare
para relatá-las à classe. Você pode providenciar um exemplar de Sempre Fiéis, pp.
21–22, para cada grupo e assim ajudá-los a aprender mais sobre seu tópico
designado.
Depois que os grupos tiverem tempo para debater suas respostas a essas perguntas,
peça a uma pessoa de cada grupo que relate suas respostas.

Segmento 4 (7 minutos)
Pergunte aos alunos que passagem de domínio doutrinário está associada à
declaração-chave de doutrina que eles marcaram no parágrafo 3.9 no Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Depois que os alunos responderem, peça-lhes que
abram em Doutrina e Convênios 58:42–43 e marquem essa passagem de modo
diferente para que consigam localizá-la facilmente no futuro.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 58:42–43 em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique quais elementos do arrependimento são
incentivados nessa passagem. Peça aos alunos que relatem o que encontraram.
Explique que, a fim de nos arrependermos, devemos confessar nossos pecados ao
Senhor. O Senhor requer que alguns pecados sejam confessados ao bispo ou

50
A E XPIAÇÃO DE J E S U S CR IS TO, PARTE 2

presidente de ramo. Esses homens representam o Senhor em conceder misericórdia


para a Igreja.
Observação: Se os alunos tiverem dúvidas sobre quais pecados devem ser
confessados ao bispo, você pode lhes pedir que falem com o bispo.
• Que promessa o Senhor faz em Doutrina e Convênios 58:42–43 para aqueles
que confessarão e abandonarão seus pecados?
Explique que algumas pessoas interpretam erroneamente esses versículos, dando a
entender que não nos lembraremos mais de nossos pecados quando nos
arrependermos. Peça a um aluno que leia a seguinte declaração do élder Neil L.
Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos. Peça à classe que preste atenção em
como a explicação dele se relaciona a Doutrina e Convênios 58:42.

“As escrituras não dizem que vamos esquecer os pecados que abandonamos na
mortalidade. Em vez disso, elas declaram que o Senhor vai esquecê-las (ver D&C
58:42– 43).
O abandono do pecado implica nunca voltar a cometê-lo. O abandono exige
tempo. Para ajudar-nos, o Senhor às vezes permite que resíduos de nossos erros
permaneçam em nossa lembrança. Isso é parte vital do nosso aprendizado na
mortalidade.
Se sinceramente confessarmos nossos pecados, repararmos como pudermos a nossa ofensa e
abandonarmos nossos pecados por meio da obediência aos mandamentos, estaremos no
processo de receber o perdão. Com o tempo, sentiremos a angústia de nosso sofrimento
amenizar, ‘[aliviando] o coração da culpa’ (Alma 24:10) e proporcionando ‘paz de consciência’
(Mosias 4:3)” (Neil L. Andersen, “Arrependendo-vos (…) para que Eu vos cure”, A Liahona,
novembro de 2009, p. 42).

• Por que você acha que é importante entender que não podemos esquecer
plenamente nossos pecados?
Peça aos alunos que pensem em como eles sentiram a angústia e a culpa pelo
pecado diminuir e desaparecer ao se arrependerem plenamente. (Peça que não
compartilhem).
Testifique que, ao nos arrependermos de nossos pecados, o Senhor não Se
lembrará mais deles. Testifique que, ao persistirmos em obedecer aos
mandamentos do Senhor e receber Seu perdão, a angústia que sentimos pelos
pecados que cometemos será substituída pela paz de consciência.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser utilizadas na mesma
aula que a lição — “A Expiação de Jesus Cristo, parte 2”. Utilize essas atividades
nas aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição, mas antes
de ensinar “A Expiação de Jesus Cristo, parte 3”. Essa revisão curta pode ser
ensinada no início ou no final das aulas em que você ensina uma lição com uma
sequência comum de escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que
essas revisões não durem mais de cinco minutos cada para que não substituam o
bloco de escrituras que os alunos estudarão em classe.

51
A E X P I AÇ Ã O D E J E SU S C R I STO, PA RTE 2

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 19:16–19 (5 minutos)


Peça ao primeiro aluno que chegar à classe que escreva a seguinte declaração de
doutrina no quadro antes de a aula começar: O sacrifício expiatório de Jesus Cristo
forneceu a única maneira pela qual podemos ser purificados e perdoados de nossos
pecados a fim de habitarmos eternamente na presença de Deus.
Peça aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário em Doutrina e
Convênios que ajuda a ensinar essa doutrina. Depois que os alunos localizarem
Doutrina e Convênios 19:16–19, peça-lhes que leiam os versículos em voz
alta juntos.
• Quais você acha que são os ensinamentos mais importantes nessa passagem?
• Quais são algumas ideias para nos ajudar a lembrar o que Doutrina e
Convênios 19:16–19 nos ensina sobre a Expiação de Jesus Cristo?

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 58:42–43 (5 minutos)


Escreva a seguinte declaração de doutrina no quadro antes da aula: O
arrependimento também inclui reconhecer nossos pecados; sentir remorso ou tristeza pelos
pecados cometidos; confessar ao Pai Celestial e, se necessário, a outros; abandonar o
pecado; tentar reparar tanto quanto possível o mal praticado e levar uma vida de
obediência aos mandamentos de Deus.
Peça aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário em Doutrina e
Convênios que ensina essa doutrina. Depois que os alunos localizarem Doutrina e
Convênios 58:42–43, peça-lhes que formem duplas e leiam os versículos em voz
alta. Pergunte-lhes quais partes da declaração-chave de doutrina são
especificamente ensinadas nessa passagem.
Peça aos alunos que sugiram maneiras de lembrar o conteúdo dessa passagem de
domínio doutrinário.

Revisão de domínio doutrinário. A Expiação de Jesus Cristo (5 minutos)


Escreva ou mostre as seguintes referências de escritura e frases-chave no quadro
(ou os alunos podem usar seus exemplares do Guia de Referência de Domínio
Doutrinário):

D&C 18:10–11. O valor das almas é grande.


D&C 19:16–19. O Salvador sofreu por nossos pecados para que pudéssemos nos
arrepender.
D&C 58:42–43. Para nos arrependermos, precisamos confessar e abandonar
nossos pecados.

Organize os alunos em duplas. Um aluno de cada dupla deve conseguir ver as


referências e as frases-chave no quadro (ou no guia de referência) e o outro aluno
não. Peça ao aluno que pode ver o quadro que leia cada uma das frases-chave
enquanto o outro aluno especifica a referência da passagem de domínio doutrinário
correspondente. Peça ao aluno que leia as frases-chave para dizer qual é a

52
A E XPIAÇÃO DE J E S U S CR IS TO, PARTE 2

referência se o colega não conseguir lembrar. Peça aos alunos que repitam as
frases-chave várias vezes, alternando a ordem em que são dadas. Dê tempo
suficiente, depois peça aos alunos que invertam os papéis e repitam a atividade.

Sugestões didáticas complementares


O sacrifício expiatório de Jesus Cristo torna a redenção possível
Para ajudar os alunos a entender como Doutrina e Convênios 19:16–19 ajuda a
ensinar a verdade de que “o sacrifício expiatório de Jesus Cristo forneceu a única
maneira pela qual podemos ser purificados e perdoados de nossos pecados”, peça a
um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração dada pelo élder D. Todd
Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos. Peça à classe que fique atenta ao
que ele disse sobre quando aqueles que não se arrependerem sofrerão por seus
pecados e quando seu sofrimento terá fim.

“É no tocante a nossos próprios pecados que as escrituras declaram que alguns


não receberão o benefício da redenção (…). Se um homem rejeitar a Expiação do
Salvador, ele próprio terá que redimir sua dívida para com a justiça. (…) O
sofrimento de uma pessoa não redimida por seus pecados é conhecido como
inferno. Significa estar sujeito ao diabo, sendo descrito nas escrituras por
metáforas, como a de estar acorrentado ou em um lago de fogo e enxofre. (…)
Mesmo assim, graças à Expiação de Jesus Cristo, o inferno tem fim, e aqueles que são obrigados
a passar por ele são ‘redimidos do diabo [na] última ressurreição’ (Doutrina e Convênios 76:85)”
(D. Todd Christofferson, “Redenção”, A Liahona, maio de 2013, p. 112, nota 4).

• Quando as pessoas que não se arrependerem sofrerão por seus pecados?


(Depois da vida mortal, na prisão espiritual.)
• Quando aqueles que estão sofrendo por seus próprios pecados serão
redimidos? (Durante a última ressurreição.)
Explique que aqueles que são redimidos na última ressurreição e que não
cometeram o pecado imperdoável habitarão na glória telestial (ver D&C 76:81–85).
Aqueles que exercem fé para o arrependimento, entretanto, serão “aperfeiçoados
por meio de Jesus [Cristo] (…) que efetuou esta expiação perfeita pelo
derramamento de seu próprio sangue” (D&C 76:69).
Relembre aos alunos a declaração-chave de doutrina: “O sacrifício expiatório de
Jesus Cristo forneceu a única maneira pela qual podemos ser purificados e
perdoados de nossos pecados a fim de habitarmos eternamente na presença
de Deus”.
• Como o que aprendemos em Doutrina e Convênios 19:16–19 nos ajuda a
entender essa verdade?

O arrependimento inclui esforço de nossa parte


Lembre os alunos da seguinte declaração-chave de doutrina: “O arrependimento
também inclui reconhecer nossos pecados; sentir remorso ou tristeza pelos pecados
cometidos; confessar ao Pai Celestial e, se necessário, a outros; abandonar o

53
A E X P I AÇ Ã O D E J E SU S C R I STO, PA RTE 2

pecado; tentar reparar tanto quanto possível o mal praticado e levar uma vida de
obediência aos mandamentos de Deus”.
Para ajudar os alunos a entender melhor o que significa confessar nossos pecados,
peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do élder D. Todd
Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos: Peça à classe que preste atenção
no que o élder Christofferson ensinou sobre confessar e abandonar os pecados.

“A confissão e o abandono são conceitos muito fortes. São bem mais do que um
simples ‘admito que errei, sinto muito’. A confissão trata-se de um profundo e
muitas vezes angustiado reconhecimento do erro e da ofensa a Deus e ao
homem. Geralmente a confissão é acompanhada de tristeza, remorso e lágrimas
de amargura, principalmente quando as ações causaram dor a alguém ou, pior,
quando levaram outra pessoa a cometer pecado. (…)
Com fé no misericordioso Redentor e em Seu poder, o desespero em potencial se transforma em
esperança. O próprio coração e os desejos da pessoa mudam, e o pecado que antes era tentador
torna-se cada vez mais abominável. Forma-se nesse coração renovado a determinação de
abandonar o pecado e de reparar o dano causado, tão plenamente quanto possível” (D. Todd
Christofferson, “A divina dádiva do arrependimento”, A Liahona, novembro de 2011, p. 40).

• O que você aprendeu com a declaração do élder Christofferson sobre confessar


e abandonar os pecados?
• Que promessa o Senhor faz em Doutrina e Convênios 58:42–43 para aqueles
que confessam e abandonam seus pecados?
• O que essa promessa significa para vocês?
Peça a todos os alunos que ponderem e vejam se há algum pecado que precisam
confessar ou abandonar. Incentive-os a fazer o que for necessário a fim de se
arrependerem completamente para que possam ser perdoados. Testifique que, ao
nos arrependermos de nossos pecados, o Senhor não Se lembrará mais deles.

54
A Expiação de Jesus
Cristo, parte 3
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “A Expiação de Jesus
Cristo” está dividido em três partes. A parte 3 contém um exercício prático que
ajudará os alunos a aplicarem a doutrina que aprenderam no Documento Principal de
Domínio Doutrinário e as passagens de domínio doutrinário relacionadas a seu
estudo da Expiação de Jesus Cristo. Esta lição também inclui uma revisão
cumulativa de todas as passagens de domínio doutrinário que os alunos estudaram
até agora.
Observação: Você pode ensinar o exercício prático e a revisão do domínio
doutrinário nesta lição em uma única aula ou em duas aulas separadas.
Certifique-se de dividir o tempo da aula com a lição sequencial de escrituras
regulares de Doutrina e Convênios.

Exercício prático (20 minutos)


Reveja com os alunos os três princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Leia a seguinte situação para a classe:
Sofia decidiu que gostaria de servir missão de tempo integral. Ela cometeu alguns
pecados graves e sabe que deve confessá-los ao bispo. Entretanto, ela decide não
confessar seus pecados porque tem medo do que o bispo possa pensar dela. Ela diz
a si mesma que, se sair em missão e trabalhar arduamente, o Senhor a perdoará
mesmo se ela não confessar seus pecados.
• Você acha que Sofia está agindo com fé? Por quê?
• Como ela teria se comportado diferente se agisse com fé?
• Como as escolhas dela e seu comportamento demonstram que ela não está
examinando a situação com uma perspectiva eterna?
• Como considerar as escolhas dela no contexto do plano de salvação ou dos
ensinamentos do Salvador a ajudaria a ver sua situação com uma
perspectiva eterna?
Peça aos alunos que abram em uma das passagens de domínio doutrinário em
Doutrina e Convênios sobre a Expiação de Jesus Cristo que poderiam ajudar Sofia a
entender por que ela deveria agir com fé ou examinar suas escolhas com uma
perspectiva eterna (Doutrina e Convênios 18:10–11; 19:16–19; 58:42–43). Dê tempo
aos alunos para revisar essas passagens.

55
A E X P I AÇ Ã O D E J E SU S C R I STO, PA RTE 3

• O que você descobriu na passagem de domínio doutrinário que escolheu que


poderia ajudar Sofia?
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração da irmã Linda S.
Reeves, que serviu como conselheira na presidência geral da Sociedade de Socorro:
Peça à classe que preste atenção à diferença entre os dois missionários que a irmã
Reeves descreveu.

“Quando servi com meu marido na época em que ele presidia uma missão, certa
manhã fomos ao aeroporto buscar um grande grupo de missionários. Um rapaz
em particular chamou minha atenção. Parecia triste, abatido, quase
desamparado. Nós o observamos cuidadosamente naquela tarde. À noite, aquele
rapaz fez uma confissão tardia, e seus líderes decidiram que ele precisava voltar
para casa. Embora tivéssemos ficado muito tristes por ele não ter sido sincero e
não ter se arrependido antes de sair em missão, a caminho do aeroporto nós o elogiamos com
sinceridade e amor pela coragem de abrir-se conosco e prometemos manter contato com ele.
Aquele rapaz fora abençoado com pais maravilhosos, ótimos líderes do sacerdócio e uma ala que
o apoiava e amava. Após um ano esforçando-se para se arrepender completamente e desfrutar
da Expiação do Salvador, ele pôde voltar para nossa missão. É difícil descrever os sentimentos de
alegria que sentimos ao buscá-lo no aeroporto. Ele estava cheio do Espírito, feliz, confiante no
Senhor e ansioso para servir uma missão fiel. Ele se tornou um missionário extraordinário. Mais
tarde, meu marido e eu tivemos o privilégio de estar presentes em seu selamento no templo.
Em contrapartida, conheço uma missionária que, sabendo que não ter confessado seu pecado
antes da missão certamente a faria voltar para casa mais cedo, fez seu próprio plano de trabalhar
arduamente durante a missão e confessar ao presidente apenas alguns dias antes de completar a
missão. Faltava-lhe o pesar segundo Deus, e ela tentou criar atalhos no plano que nosso amoroso
Salvador ofereceu a cada um de nós” (Linda S. Reeves, “O grande plano de redenção”, A
Liahona, novembro de 2016, p. 89).

• Que diferenças você vê entre esses dois missionários que precisavam se


arrepender?
• Como cada um deles estaria em uma situação melhor se tivesse confessado seus
pecados antes de ser chamado para servir como missionário?
• Por que você acha que é importante confessar nossos pecados e abandoná-los?
Pergunte a um aluno se ele se lembra de outras escrituras ou discursos da
conferência geral que poderiam ajudar Sofia.
Testifique que, ao vermos nossos pecados e erros com uma perspectiva eterna e nos
arrependermos deles da maneira que o Senhor nos ensinou, seremos perdoados e
sentiremos a paz e a alegria que advêm de saber que o Senhor está feliz conosco.
Incentive os alunos a refletirem sobre sua vida e, se eles cometeram pecados dos
quais ainda não se arrependeram, incentive-os a fazer o necessário para se
arrependerem plenamente.

Revisão de domínio doutrinário (20 minutos)


Dê a cada grupo uma cópia do material que acompanha a lição. Peça-lhes
que usem a folha de atividades para combinar as referências de escrituras
das passagens de domínio doutrinário a suas frases-chave correspondentes. Não

56
A E XPIAÇÃO DE J E S U S CR IS TO, PARTE 3

permita que os alunos usem as escrituras ou o Guia de Referência do Domínio


Doutrinário enquanto completam a folha.

Atividade de correspondência do domínio


doutrinário
1. ____ D&C 6:36 a. Buscar a Cristo em cada pensamento.
2. ____ D&C 8:2–3
b. O Pai e o Filho possuem corpo de carne e ossos.
3. ____ D&C
88:118 c. O Espírito Santo fala à nossa mente e ao nosso coração.
4. ____ D&C
29:10–11 d. O valor das almas é grande.
5. ____ D&C e. O Salvador sofreu por nossos pecados para que pudéssemos nos
130:22–23 arrepender.
6. ____ D&C
76:22–24 f. Cristo virá novamente com poder e glória.
7. ____ D&C g. Para nos arrependermos, precisamos confessar e abandonar os
18:10–11
pecados.
8. ____ D&C
19:16–19 h. Buscar aprender pelo estudo e pela fé.
9. ____ D&C
i. Jesus Cristo vive e é o Criador de mundos.
58:42–43

Depois de lhes dar tempo suficiente para completar a atividade, examine as


respostas em classe. Depois, dê tempo aos alunos para revisarem as passagens de
domínio doutrinário que eles deixaram de colocar na folha. Você pode pedir aos
alunos que trabalhem em duplas, um ajudando o outro a revisar as passagens que
precisam saber melhor. Se o tempo permitir, você pode dar aos alunos outra cópia
da folha e deixá-los completá-la de novo, ou repetir a atividade verbalmente com
a classe.
Respostas corretas:1. a; 2. c; 3. h; 4. f; 5. b; 6. i; 7. d; 8. e; 9. g

57
A Restauração, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “A Restauração” está
dividido em três partes. Na parte 1, os alunos estudarão os parágrafos 4.1 a 4.11
desse tópico doutrinário usando as informações do Documento Principal de Domínio
Doutrinário. Eles vão aprender sobre a Primeira Visão de Joseph Smith, seu
chamado como o profeta da Restauração e sua tradução do Livro de Mórmon pelo
dom e poder de Deus. Eles também vão estudar as passagens de domínio
doutrinário Joseph Smith—História 1:15–20 e Doutrina e Convênios 135:3.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
aulas, você pode precisar rever brevemente com os alunos o que eles aprenderam
nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (10 minutos)
Escreva as seguintes perguntas no quadro, antes do início da aula:

• O que foi restaurado?


• Como foi restaurado?
• Por que haveria a necessidade de uma Restauração?
• O que é uma dispensação e como ela se relaciona à Restauração?

Comece mostrando aos alunos algo que já foi novo e intocado, mas que foi
danificado e agora é inútil.

59
A RE S TAURAÇ ÃO, PA RTE 1

• O que precisaria ser feito para restaurar esse item para sua condição original?
Peça aos alunos que consultem o tópico doutrinário 4, “A Restauração”, no
Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça aos alunos que leiam os
parágrafos 4.1 a 4.4 com um colega e identifiquem quais perguntas no quadro
podem ser respondidas com as informações nesses parágrafos. Depois de lhes dar
tempo suficiente, peça a alguns alunos que falem quais perguntas podem ser
respondidas. Peça-lhes que respondam às perguntas usando suas próprias palavras.
Repita esse processo para os parágrafos 4.5 a 4.7 e depois para os parágrafos 4.8
a 4.11. Você pode pedir aos alunos que trabalhem com colegas diferentes cada vez
que lerem e procurarem respostas para as perguntas no quadro.

60
A R E S TAU R AÇÃO, PARTE 1

Segmento 2 (8 minutos)
Mostre a gravura A Primeira Visão
(Livro de Gravuras do Evangelho, 2009,
nº 90; disponível também no site
LDS.org/media-library). Peça aos
alunos que identifiquem no
parágrafo 4.2 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário a declaração-chave
de doutrina que descreve essa gravura.
(Ajude os alunos a encontrar a seguinte
declaração: Deus, o Pai, e Seu Filho,
Jesus Cristo, apareceram a Joseph
Smith em resposta à oração de
Joseph e Eles o chamaram para ser o
profeta da Restauração. Você pode
sugerir aos alunos que marquem essa
declaração no exemplar deles do
Documento Principal de Domínio
Doutrinário.)
• Qual passagem de domínio doutrinário nos ajuda a ensinar essa
declaração-chave de doutrina? (Você pode pedir aos alunos que marquem
Joseph Smith—História 1:15–20 de modo diferente em suas escrituras para que
consigam localizá-la facilmente.)
Explique-lhes que Joseph Smith—História é um trecho de uma história muito
maior escrita pelo profeta Joseph Smith em 1838. Joseph Smith—História aborda
alguns dos primeiros acontecimentos da vida de Joseph até maio de 1829.
Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta de Joseph
Smith—História 1:15–20. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique os
detalhes da experiência de Joseph Smith que levaram à Primeira Visão. Peça aos
alunos que marquem o que encontrarem e relatem à classe.

Segmento 3 (10 minutos)


Para ajudar os alunos a sentir a veracidade e importância da declaração-chave de
doutrina que marcaram no parágrafo 4.2 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário, peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do élder
Dieter F. Uchtdorf, do Quórum dos Doze Apóstolos. Explique-lhes que, quando era
menino, o élder Uchtdorf frequentou as reuniões da Igreja em Zwickau, Alemanha.
Às vezes, suas responsabilidades incluíam bombear ar através do fole do órgão para
permitir que o organista tocasse os hinos para a congregação. O élder Uchtdorf
explicou que o assento do operador de foles oferecia uma linda visão de um belo
vitral retratando a Primeira Visão. Peça aos alunos que ouçam com atenção como
essa experiência influenciou o testemunho do élder Uchtdorf sobre o profeta
Joseph Smith.

61
A RE S TAURAÇ ÃO, PA RTE 1

“Eu sentia um espírito especial ao olhar para a bela cena no vitral, que mostrava,
em um bosque sagrado, um menino de fé que tomou a corajosa decisão de orar
sinceramente a nosso Pai Celestial, que o ouviu e respondeu com amor.
Ali estava eu: um menino na Alemanha após a Segunda Guerra Mundial,
morando em uma cidade em ruínas, a milhares de quilômetros de Palmyra, na
América do Norte, e mais de cem anos depois do acontecido. Pelo poder
universal do Espírito Santo, senti no coração e na mente que era verdade: que Joseph Smith
havia visto Deus e Jesus Cristo e ouvido a voz Deles. O Espírito de Deus confortou minha alma
em minha juventude com a certeza da realidade daquele sagrado momento. (…) Acreditei no
testemunho de Joseph Smith dessa gloriosa experiência no Bosque Sagrado e sei disso ainda
hoje” (Dieter F. Uchtdorf, “Os frutos da Primeira Visão”, A Liahona, maio de 2005, p. 37).

• Como essa experiência influenciou o testemunho do élder Uchtdorf sobre


Joseph Smith?
• Além de meditar sobre os acontecimentos do início da Restauração, o que mais
podemos fazer para convidar o Espírito Santo a testificar da verdade de que
Joseph Smith foi um profeta?
Para ajudar a responder essas perguntas, peça a um aluno que leia a seguinte
declaração do élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos.

“O testemunho acerca do profeta Joseph Smith poderá vir de maneira diversa


para cada um. Poderá vir ao nos ajoelharmos em oração para pedir a Deus que
nos confirme se ele foi mesmo um profeta. Poderá vir ao lermos o relato do
profeta sobre a Primeira Visão. O testemunho poderá se destilar sobre nossa
alma ao lermos o Livro de Mórmon repetidamente. Poderá vir quando prestamos
testemunho do profeta ou quando estamos no templo e percebemos que, por
meio de Joseph Smith, o poder selador foi restaurado na Terra. Com fé e real intenção, nosso
testemunho do profeta Joseph Smith se fortalecerá” (Neil L. Andersen, “Joseph Smith”, A
Liahona, novembro de 2014, p. 30).

• Como vocês souberam que Joseph Smith foi chamado por Deus para ser o
profeta da Restauração?
• O que mudou em sua vida graças ao que aconteceu no Bosque Sagrado?

Segmento 4 (12 minutos)


Peça aos alunos que reflitam a respeito do que sabem sobre a vida do profeta
Joseph Smith.
• Em seus 38 anos na Terra, que coisas Joseph Smith conseguiu realizar como
profeta de Deus? (Anote as respostas dos alunos no quadro.)
Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 4.3 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique algo que
Joseph Smith conseguiu realizar como profeta da Restauração.
• O que Joseph Smith conseguiu fazer como profeta da Restauração? (Os alunos
devem identificar a seguinte declaração-chave de doutrina: Como profeta da

62
A R E S TAU R AÇÃO, PARTE 1

Restauração, Joseph Smith traduziu o Livro de Mórmon pelo dom e poder


de Deus. Peça aos alunos que marquem essa declaração no exemplar deles do
Documento Principal de Domínio Doutrinário.)
• Por que é importante saber que Joseph Smith conseguiu traduzir o Livro de
Mórmon pelo dom e poder de Deus? (Se os alunos quiserem saber mais sobre
como Joseph Smith traduziu o Livro de Mórmon, peça-lhes que leiam o texto
sobre os Tópicos do evangelho “A Tradução do Livro de Mórmon”, disponível
em LDS.org/topics.)
• Qual passagem de domínio doutrinário está associada a essa declaração-chave
de doutrina? (Você pode pedir aos alunos que marquem D&C 135:3 de modo
diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la facilmente.)
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, explique-lhes que
Doutrina e Convênios 135 é o anúncio do martírio de Joseph e Hyrum Smith. O
presidente John Taylor, que estava com Joseph e Hyrum na Cadeia de Carthage,
Illinois, quando eles foram mortos, expressou seu testemunho sobre o papel que
Joseph Smith desempenhou na Restauração como um servo escolhido do Senhor.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 135:3 em voz alta. Peça à classe que
acompanhe a leitura e identifique como essa passagem ajuda a ensinar a
declaração-chave de doutrina no parágrafo 4.3. Peça aos alunos que relatem o que
encontraram.
• Que outras realizações do profeta Joseph Smith esse versículo menciona?
(Acrescente as respostas dos alunos à lista no quadro.)
Peça aos alunos que ponderem seus sentimentos sobre Joseph Smith e o que ele
realizou como profeta de Deus durante seu curto tempo de vida. Convide alguns
alunos para compartilhar seus sentimentos com a classe. Se desejar, preste seu
testemunho do profeta Joseph Smith.

Sugestão didática complementar


Como profeta da Restauração, Joseph Smith traduziu o Livro de Mórmon
pelo dom e poder de Deus.
Para ajudar os alunos a entender como podem adquirir um testemunho pessoal do
profeta Joseph Smith, peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração
do élder Neil L. Andersen, do Quórum dos Doze Apóstolos.

“Aos jovens, (…) faço um desafio específico: Obtenham um testemunho pessoal


do profeta Joseph Smith. (…) Aqui estão duas ideias: Primeiro, localizem
escrituras no Livro de Mórmon que sentem e sabem serem absolutamente
verdadeiras. Depois, compartilhem-nas com familiares e amigos, em noites
familiares, no seminário e nas aulas dos Rapazes e das Moças, reconhecendo que
Joseph foi um instrumento nas mãos de Deus. Em seguida, leiam o testemunho
do profeta Joseph Smith contido na Pérola de Grande Valor. (…) Este é o testemunho do próprio
Joseph sobre o que de fato ocorreu. Leiam-no repetidamente. Também podem gravar esse
testemunho de Joseph Smith com sua própria voz, ouvi-lo regularmente e mostrá-lo aos amigos.

63
A RE S TAURAÇ ÃO, PA RTE 1

Ouvir o testemunho do profeta em sua própria voz vai ajudá-los a obter o testemunho que
procuram” (Neil L. Andersen, “Joseph Smith”, A Liahona, novembro de 2014, pp. 30–31).

Incentive os alunos a escolher uma das sugestões do élder Andersen ou pensar em


um próprio desafio semelhante.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma
aula que esta lição — “A Restauração, parte 1”. Utilize estas atividades durante as
aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição, mas antes de
ensinar “A Restauração, parte 2”. Essa revisão curta pode ser ensinada no início ou
no final das aulas em que você ensina uma lição com uma sequência comum de
escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essas revisões não durem
mais de cinco minutos cada para que não substituam o bloco de escrituras que os
alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Joseph Smith—Historia 1:15–20 (5 minutos)


Mostre uma gravura da Primeira Visão e escreva as seguintes perguntas no quadro:

• Quem apareceu?
• A quem eles apareceram?
• Por que eles apareceram?
• O que eles fizeram depois que apareceram?
• Onde esse relato se encontra nas escrituras?

Peça aos alunos que escrevam uma frase que responda a todas as cinco perguntas.
(Explique-lhes que podem escrever a frase com suas próprias palavras, mas devem
responder corretamente a todas as cinco perguntas.)
Peça a alguns alunos que leiam sua frase para a classe em voz alta. Em seguida,
peça aos alunos que consultem o parágrafo 4.2 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário e identifiquem a declaração-chave de doutrina relacionada a Joseph
Smith—História 1:15–20 (Deus, o Pai, e Seu Filho, Jesus Cristo, apareceram a
Joseph Smith em resposta à oração de Joseph e Eles o chamaram para ser o
profeta da Restauração).
Peça aos alunos que repitam essa declaração-chave de doutrina em sua mente
várias vezes até que possam repeti-la confortavelmente para outra pessoa.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 135:3 (5 minutos)


Divida a classe em duplas. Forneça a seguinte lista de palavras e frases para apenas
um dos alunos da dupla: Profeta, Restauração, Joseph Smith, Traduzido, Livro de
Mórmon, Dom, Poder de Deus

64
A R E S TAU R AÇÃO, PARTE 1

Peça ao aluno que está com a lista de palavras e frases que dê pistas para ajudar seu
colega a adivinhar cada uma das palavras e frases da lista. Quando os alunos
completarem a lista, peça-lhes que localizem a declaração-chave de doutrina no
parágrafo 4.3 no Documento Principal de Domínio Doutrinário, onde lemos o
seguinte: Como profeta da Restauração, Joseph Smith traduziu o Livro de
Mórmon pelo dom e poder de Deus. Quando todos os grupos encontrarem a
declaração, peça aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário em
Doutrina e Convênios que ajuda a ensinar essa doutrina. Depois que os alunos
tiverem localizado Doutrina e Convênios 135:3, peça a um aluno que leia o
versículo em voz alta para a classe. Peça à classe que acompanhe a leitura e
identifique as palavras e frases da lista que receberam (a palavra Restauração deve
ser a única que não se encontra em Doutrina e Convênios 135:3).

65
A Restauração, parte 2
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “A Restauração” está
dividido em três partes. Na parte 2, os alunos estudam o parágrafo 4.4 no
Documento Principal de Domínio Doutrinário. Eles também vão estudar Doutrina e
Convênios 1:30. Esta lição inclui um exercício prático que ajudará os alunos a
aplicar a doutrina que aprenderam.
Observação: Você pode ensinar o segmento “Entender a doutrina” e o exercício
prático desta lição em uma única aula ou em duas aulas diferentes. Se você
escolher ensinar os segmentos ao longo de duas aulas, você pode precisar rever
brevemente com os alunos o que eles aprenderam nos segmentos anteriores antes
de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (10 minutos)
Escreva as palavras Verdadeira e Viva no quadro.
Peça aos alunos que pensem em sinônimos para cada uma dessas palavras. Peça a
um aluno que seja o escrevente e anote as respostas dos alunos no quadro. Você
pode pedir aos alunos que criem uma frase que use essas duas palavras.
Explique-lhes que durante a aula eles estudarão como as palavras verdadeira e viva
descrevem A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Saliente que
algumas pessoas se ofendem quando declaramos que nossa Igreja é a única
verdadeira Igreja de Jesus Cristo. Ao aprenderem sobre a Restauração hoje, peça
aos alunos que identifiquem por que cremos que A Igreja de Jesus Cristo dos
Santos dos Últimos Dias é a única Igreja verdadeira e viva na Terra.
Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 4.4 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique a
declaração-chave de doutrina que explica por que acreditamos que nossa Igreja é a
Igreja verdadeira e viva de Jesus Cristo. Peça aos alunos que relatem o que
encontraram.
Os alunos devem identificar a seguinte declaração-chave: Como foi estabelecida
pelo próprio Deus, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é “a
única igreja verdadeira e viva na face de toda a Terra”. Você pode sugerir aos
alunos que marquem essa declaração no exemplar deles do Documento Principal de
Domínio Doutrinário.
• Qual passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar essa declaração-chave
de doutrina? (Você pode pedir aos alunos que marquem D&C 1:30 de modo
diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la facilmente.)
Explique-lhes que Doutrina e Convênios 1 é o prefácio do Senhor para Doutrina e
Convênios como foi revelado ao profeta Joseph Smith nesta dispensação. Nessa
revelação o Senhor Se dirigiu a todos os filhos do Pai Celestial em todo o mundo
como uma “voz de advertência” (ver D&C 1:4).

66
A R E S TAU R AÇÃO, PARTE 2

Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 1:30 em voz alta. Peça à classe que
acompanhe a leitura e identifique a parte da declaração-chave de doutrina no
parágrafo 4.4 que é ensinada por essa passagem de domínio doutrinário. Peça aos
alunos que compartilhem o que encontraram.
Para ajudar os alunos a entender como devemos pensar sobre a frase “igreja
verdadeira e viva”, peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do
presidente Dallin H. Oaks, da Primeira Presidência. Peça à classe que ouça o que o
presidente Oaks disse sobre o que significa a frase “igreja verdadeira e viva”.

“Devido a essa declaração do Senhor, referimo-nos a esta, a Igreja Dele — nossa


Igreja — como a ‘única Igreja verdadeira’. Às vezes dizemos isso de uma
maneira que ofende muito as pessoas que pertencem a outras igrejas ou
professam outras filosofias. Mas Deus não nos ensinou nada que deva nos levar a
sentir-nos superiores aos outros. Certamente todas as igrejas e filosofias contêm
elementos de verdade — algumas mais do que outras. Não restam dúvidas de
que Deus ama todos os Seus filhos. E certamente o plano do evangelho é para todos os Seus
filhos, segundo Seu próprio tempo.
Então o que significa dizer que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a única
Igreja verdadeira?
Três aspectos — (1) a plenitude da doutrina, (2) o poder do sacerdócio e (3) o testemunho de
Jesus Cristo — explicam por que Deus declarou e por que nós, como Seus servos, reiteramos que
esta é a única Igreja verdadeira e viva na face de toda a Terra. (…)
Esta igreja é ‘viva’ porque temos profetas que continuam a nos transmitir a palavra do Senhor
que é necessária para nossa época” (Dallin H. Oaks, “A única Igreja verdadeira e viva”, A
Liahona, agosto de 2011, pp. 49, 51).

• O que essa declaração-chave de doutrina no parágrafo 4.4 nos ensina sobre


como A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a única Igreja
verdadeira e viva sobre a Terra?
Dê alguns minutos para os alunos refletirem sobre como foram abençoados por ser
membros da “única igreja verdadeira e viva”. (Se o tempo permitir, você pode pedir
aos alunos que registrem seus pensamentos no caderno ou diário de estudo das
escrituras.) Você pode convidar alguns para compartilhar seus sentimentos com
a classe.

Exercício prático (25 minutos)


Reveja com os alunos os parágrafos 13 a 17, “Ajudar outras pessoas a adquirir
conhecimento espiritual” na seção “Adquirir conhecimento espiritual” no
Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Divida os alunos em duplas e dê a cada aluno uma cópia do material que
acompanha a lição. Peça aos alunos que trabalhem em duplas e sigam as
instruções do material.

67
A RE S TAURAÇ ÃO, PA RTE 2

A única Igreja verdadeira


1. Leia a situação a seguir:
Em uma manhã, Diana e Cláudio estão a caminho da escola, quando Cláudio se vira para
Diana e diz: “Somos bons amigos há muito tempo, então não me leve a mal, mas por que os
mórmons dizem que pertencem à Igreja verdadeira? Você não acha que é arrogância dizer
que sua religião é verdadeira e que a religião das outras pessoas é falsa?” Diana fica
surpresa com essa pergunta e não tinha pensado que dizer que a Igreja é verdadeira poderia
dar a entender que todas as outras igrejas são falsas.
2. Converse com seu colega sobre qual você acha que é a intenção do comentário de Cláudio
para Diana. Como você resumiria seus sentimentos e suas crenças?
3. Para preparar uma encenação de como você responderia a Cláudio, faça o seguinte:
a. Reveja os parágrafos 4.1 a 4.11 do Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Concentre-se na declaração-chave de doutrina e na passagem de domínio doutrinário no
parágrafo 4.4.
b. Leia as seguintes declarações dos profetas e apóstolos modernos:
“Acreditamos que os grandes líderes religiosos do mundo, como Maomé, Confúcio e os
Reformadores, bem como os filósofos, incluindo Sócrates, Platão e outros, receberam
uma porção da luz de Deus. Deus lhes concedeu verdades morais para que iluminassem
nações inteiras e proporcionassem um melhor entendimento às pessoas.
Os profetas hebreus prepararam o caminho para a vinda de Jesus Cristo, o Messias
prometido, que traria a salvação para toda a humanidade que acreditasse no evangelho.
De acordo com essas verdades, acreditamos que Deus deu e dará a todas as pessoas
conhecimento suficiente para ajudá-las no caminho para a salvação eterna, seja nesta
vida ou na vida futura.
Declaramos também que o evangelho de Jesus Cristo, restaurado em nossos dias nesta
Igreja, oferece a nós o único caminho para uma vida mortal de felicidade e plenitude de
alegria para sempre. Aqueles que não receberam este evangelho terão a oportunidade de
recebê-lo na vida após a morte caso não o recebam nesta vida.
Nossa mensagem, portanto, é de amor e atenção especiais pelo bem-estar eterno de
todos os homens e de todas as mulheres independentemente de sua crença religiosa,
raça ou nacionalidade, sabendo que somos verdadeiramente irmãos porque somos filhos
do mesmo Pai Eterno” (Declaração da Primeira Presidência, 15 de fevereiro de 1978,
citado em Robert L. Millet, “The Eternal Gospel” [O evangelho eterno], Ensign, julho de
1996, p. 56).
“Devemos ser um povo amigável. Devemos reconhecer o bem em todas as pessoas. Não
saímos por aí falando mal das outras igrejas. Pregamos e ensinamos de maneira positiva.
Dizemos àqueles de outras religiões: ‘tragam consigo todo o bem que possuem e
veremos se poderemos acrescentar algo a ele’ ” (“Messages of Inspiration from President
Hinckley” [Mensagens de inspiração do presidente Hinckley], Church News, 7 de
novembro de 1998, p. 2).
c. Se o tempo permitir, você pode usar outras fontes divinamente atribuídas que possam
ajudar com essa questão.
4. Reserve alguns minutos para encenar com seu colega como você responderia à preocupação
de Cláudio se você fosse Diana.

Depois de lhes dar tempo suficiente, peça a alguns alunos que contem o que deu
certo e o que foi difícil, se for o caso, para responder a essa questão. Conclua com
seu testemunho de que A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é a
Igreja verdadeira e viva de Deus na Terra hoje.

68
A R E S TAU R AÇÃO, PARTE 2

Atividades de revisão de domínio doutrinário


As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma aula que esta
lição — “A Restauração, parte 2”. Utilize estas atividades durante as aulas do
seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição, mas antes de ensinar
“A Restauração, parte 3”. Essa revisão curta pode ser ensinada no início ou no final
das aulas em que você ensina uma lição com uma sequência comum de escrituras
de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essas revisões não durem mais de
cinco minutos cada para que não substituam o bloco de escrituras que os alunos
estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 1:30 (5 minutos)


Escreva a seguinte declaração-chave de doutrina no quadro: Como foi estabelecida
pelo próprio Deus, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é “a única igreja
verdadeira e viva na face de toda a Terra”.
Peça a um aluno que leia a declaração-chave de doutrina em voz alta.
Peça aos alunos que encontrem em Doutrina e Convênios a passagem de domínio
doutrinário que ajuda a ensinar essa doutrina. Depois que todos os alunos
localizarem Doutrina e Convênios 1:30, peça aos alunos que leiam a passagem em
voz alta juntos e reflitam sobre como essa passagem ajuda a ensinar a
declaração-chave de doutrina que se encontra no quadro. Peça aos alunos que
relatem o que encontraram.

Revisão de domínio doutrinário. A Restauração (7 minutos)


Anote as seguintes passagens de domínio doutrinário no quadro:

1. Joseph Smith—História 1:15–20


2. Doutrina e Convênios 1:30
3. Doutrina e Convênios 135:3

Designe a cada aluno um número — 1, 2 ou 3. Dê dois minutos a cada aluno para


rever a passagem associada a seu número e estudar a declaração-chave de doutrina
associada do Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Leia cada uma das perguntas a seguir e peça aos alunos que se levantem se
sentirem que sua escritura designada ou declaração-chave de doutrina fornece uma
resposta. Para cada pergunta, escolha um aluno que explique como sua escritura ou
declaração-chave de doutrina fornece uma resposta. (Observação: Algumas
perguntas podem ter mais de uma resposta.)
• Por que Deus, o Pai, e Seu Filho, Jesus Cristo, apareceram a Joseph Smith?
• O que Joseph Smith traduziu?
• Que declaração-chave de doutrina nos ajuda a entender por que A Igreja de
Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é “a única igreja verdadeira e viva na
face de toda a Terra”?

69
A RE S TAURAÇ ÃO, PA RTE 2

• Como Joseph Smith traduziu o Livro de Mórmon?


• Que passagem descreve Joseph Smith como profeta?
• O que pode ser mostrado como evidência de que Joseph Smith foi um profeta
de Deus?
• Qual passagem fala sobre a tradução do Livro de Mórmon?
• Que passagem ensina sobre uma parte da Restauração?

70
A Restauração, parte 3
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “A Restauração” está
dividido em três partes. A parte 3 contém um exercício prático que ajudará os
alunos a aplicar a doutrina que aprenderam no Documento Principal de Domínio
Doutrinário com a passagem de domínio doutrinário encontrada em Doutrina e
Convênios 135:3. Esta lição também inclui uma revisão cumulativa de todas as
passagens de domínio doutrinário que os alunos estudaram até agora.
Observação: Você pode ensinar o exercício prático e a revisão cumulativa nesta lição
em uma única aula ou em duas aulas separadas. Se você escolher ensinar os
segmentos ao longo de várias aulas, você pode precisar rever brevemente com os
alunos o que eles aprenderam nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo
segmento.

Exercício prático (20 minutos)


Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos.
Imagine que um membro da família procura você e diz: “Ouvi dizer que Joseph
Smith usou uma pedra em um chapéu para traduzir o Livro de Mórmon. Isso me
parece estranho. O Livro de Mórmon é realmente a palavra de Deus, ou Joseph
Smith apenas o inventou?”
Separe os alunos em grupos de três e designe a cada aluno do grupo um dos três
princípios da seção “Adquirir conhecimento espiritual” no Documento Principal de
Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar conceitos e perguntas com uma
perspectiva eterna e buscar mais entendimento por meio de fontes divinamente
atribuídas. Peça aos alunos que leiam os parágrafos para seu princípio designado,
buscando informações ou conceitos que seriam úteis ao responder à pergunta desse
membro da família. Depois de lhes dar tempo suficiente, peça aos alunos que se
revezem para relatar o que encontraram.
Peça aos alunos que revejam Doutrina e Convênios 135:3 e a declaração-chave de
doutrina que ela ajuda a ensinar no parágrafo 4.3 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário.
Para ajudar os alunos a entender o contexto histórico que pode ser útil ao
responder a essa pergunta, peça a um aluno que leia a seguinte declaração em voz
alta dos textos sobre os Tópicos do evangelho, “A tradução do Livro de Mórmon”.

“Muitos relatos da Bíblia mostram que Deus transmitiu revelações a seus profetas de várias
maneiras. Elias aprendeu que Deus falou não a ele por meio de fogo ou do vento ou de um
terremoto, mas por meio de uma ‘voz mansa e delicada’ (ver 1 Reis 19:11–12). Paulo e outros
apóstolos antigos às vezes se comunicaram com anjos e, ocasionalmente, com o Senhor Jesus
Cristo (ver Atos 9:1–8; 12:7–9). Em outras ocasiões, a revelação veio na forma de sonhos ou
visões, tais como a revelação a Pedro para pregar o evangelho aos gentios, ou por meio de

72
A R E S TAU R AÇÃO, PARTE 3

objetos sagrados como o Urim e Tumim (ver Atos 4:11–17; 16:9–10; Êxodo 28:30; Levítico 8:8;
Números 21:9). (…)
Joseph Smith e seus escreventes escreveram a partir de dois instrumentos usados na tradução do
Livro de Mórmon. De acordo com as testemunhas da tradução, quando Joseph olhava para os
instrumentos, as palavras das escrituras apareciam em inglês. Um instrumento, chamado no Livro
de Mórmon de “intérpretes”, é mais conhecido dos santos dos últimos dias, hoje, como o “Urim
e Tumim”. Joseph encontrou os intérpretes enterrados no Monte Cumora junto às placas. (…)
O outro instrumento que Joseph Smith descobriu nos anos anteriores à retirada das placas de
ouro do solo era uma pequena pedra oval, ou ‘pedra de vidente’. Como um jovem da década de
1820, Joseph Smith, assim como outras pessoas em sua época, usou uma pedra de vidente para
procurar objetos perdidos e tesouros enterrados. Quanto mais Joseph compreendia seu chamado
profético, aprendeu que poderia usar essa pedra para o propósito maior da tradução das
escrituras.
Aparentemente, por conveniência, Joseph muitas vezes traduziu com uma única pedra de
vidente, em vez das duas pedras juntas formando os intérpretes. Esses dois instrumentos — os
intérpretes e a pedra de vidente — foram aparentemente intercambiáveis e funcionavam em
grande parte do mesmo modo, tal que, ao longo do tempo, Joseph Smith e seus companheiros
muitas vezes usaram o termo “Urim e Tumim” para se referir à pedra única, bem como aos
intérpretes” (“A tradução do Livro de Mórmon”, Textos sobre os Tópicos do evangelho,
topics.LDS.org).

Se os alunos tiverem outras dúvidas sobre uso do Urim e Tumim ou das pedras de
vidente pelo profeta Joseph Smith, você pode incentivá-los a ler todo o texto dos
Tópicos do evangelho.
• Como a doutrina e as informações ensinadas nessas fontes podem ser úteis nas
respostas à pergunta de seu familiar?
Para dar aos alunos um exemplo de como alguém poderia responder a
uma pergunta como essa do exemplo, dê a cada grupo de alunos o
material que acompanha a lição.

Pelo dom e poder de Deus


1. O texto a seguir foi tirado de uma publicação no Facebook feita pelo presidente Dieter F.
Uchtdorf, na época, da Primeira Presidência. As pessoas lhe perguntaram: “Você realmente
acredita que Joseph Smith traduziu com pedras de vidente? Como algo assim seria possível?”
2. Leia atentamente a resposta do presidente Uchtdorf.
“Respondo: ‘Sim! É exatamente o que acredito’. Foi feito como Joseph disse: pelo dom e
poder de Deus.
Na realidade, a maioria de nós usa uma espécie de ‘pedra de vidente’ todos os dias. Meu
celular é como uma ‘pedra de vidente’. Posso obter o conhecimento recolhido do mundo por
meio de alguns pequenos toques. Posso tirar uma foto ou fazer um vídeo com meu celular e
compartilhá-lo com a família do outro lado do planeta. Posso até traduzir qualquer coisa de
muitos idiomas ou para muitos idiomas diferentes!
Se posso fazer isso com meu celular, se os seres humanos podem fazer isso com seus
telefones ou outros aparelhos, quem somos nós para dizer que Deus não poderia ajudar
Joseph Smith, o profeta da Restauração, com seu trabalho de tradução? Se para mim é

73
A RE S TAURAÇ ÃO, PA RTE 3

possível acessar o conhecimento do mundo por meio do meu celular, quem pode questionar
que as pedras de vidente são impossíveis para Deus?
Muitas religiões têm objetos, lugares e eventos que são sagrados para elas. Respeitamos as
crenças sagradas de outras religiões e esperamos ser respeitados por nossas próprias crenças
e pelo que é sagrado para nós. Nunca devemos ser arrogantes, mas, sim, educados e
humildes. Ainda temos uma confiança natural, porque esta é a Igreja de Jesus Cristo”
(página do Facebook de Dieter F. Uchtdorf, publicação de 21 de junho de 2016,
facebook.com/LDS.dieter.f.uchtdorf).
3. Debata a seguinte pergunta em grupo: Quais princípios de aquisição de conhecimento
espiritual o presidente Uchtdorf demonstrou? Como ele demonstrou esses princípios?

Depois de lhes dar tempo suficiente, peça a alguns alunos que relatem o que
debateram em seu grupo.
Separe os alunos em duplas e dê a cada um deles a oportunidade de praticar a
resposta à pergunta do familiar do exemplo anterior.
Você pode encerrar testificando que Joseph Smith foi chamado para ser o profeta da
Restauração e que ele traduziu o Livro de Mórmon pelo dom e poder de Deus.
Incentive os alunos a usar os princípios de aquisição de conhecimento espiritual
quando interagem com as pessoas que têm dúvidas e também para fortalecer seu
próprio testemunho.

Revisão cumulativa de domínio doutrinário (20 minutos)


Antes do início da aula, escreva as seguintes referências de escritura de domínio
doutrinário no quadro ou prepare cópias para os alunos:

1. Doutrina e Convênios 6:36


2. Doutrina e Convênios 8:2–3
3. Doutrina e Convênios 88:118
4. Doutrina e Convênios 29:10–11
5. Doutrina e Convênios 130:22–23
6. Doutrina e Convênios 76:22–24
7. Doutrina e Convênios 18:10–11
8. Doutrina e Convênios 19:16–19
9. Doutrina e Convênios 58:42–43
10. Joseph Smith—História 1:15–20
11. Doutrina e Convênios 1:30
12. Doutrina e Convênios 135:3

Peça aos alunos que identifiquem a referência que corresponde ao número que
coincide com o mês em que nasceram. (Os alunos nascidos em janeiro procurariam

74
A R E S TAU R AÇÃO, PARTE 3

o número de referência das escrituras 1, os alunos nascidos em fevereiro


procurariam o número de referência das escrituras 2 e assim por diante. Você pode
optar por atribuir essas escrituras de outras formas que possam ser mais adequadas
para sua classe. Você também pode atribuir a cada aluno mais de uma escritura se
necessário.)
Peça aos alunos que leiam sua escritura e escolham duas palavras-chave que
possam ser usadas como pistas descritivas. Depois de lhes dar tempo suficiente,
peça aos alunos que se levantem e caminhem pela sala, perguntando aos outros
alunos suas palavras-chave. Usando o Guia de Referência de Domínio Doutrinário, os
alunos devem tentar identificar todas as 12 referências de escritura conversando
com diferentes alunos da classe. Você pode permitir que os alunos escrevam suas
iniciais ao lado de cada referência identificada corretamente até que tenham
encontrado todas as 12 referências.

75
Profetas e
revelação, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “Profetas e
revelação” está dividido em três partes. Na parte 1, os alunos estudarão os
parágrafos 5.1 a 5.2 desse tópico doutrinário usando as informações do Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Eles aprenderão sobre os profetas sendo
chamados por Deus para falar em nome Dele, e eles também vão estudar a
passagem de domínio doutrinário Doutrina e Convênios 1:37–38.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
aulas, você pode precisar rever brevemente com os alunos o que eles aprenderam
nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (15 minutos)
Comece a aula fazendo as seguintes perguntas:
• Quais são as pessoas ou os grupos no mundo inteiro que possuem um
porta-voz? (Os exemplos podem incluir líderes políticos, grandes corporações e
celebridades.)
• Por quais motivos vocês acham que essas pessoas ou grupos teriam um
porta-voz?
• Quais são os motivos pelos quais Deus pode ter um porta-voz?
• Como chamamos aqueles que falam em nome de Deus na Terra?
Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 5.1 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que os
profetas fazem.
Peça a outro aluno que venha para a frente da classe para atuar como escrevente.
Peça-lhe que escreva a palavra Profetas no quadro. Peça à classe que relate as coisas
diferentes que os profetas fazem listadas no parágrafo 5.1. Peça ao escrevente que
anote essas coisas no quadro abaixo da palavra Profetas.
• Qual das declarações no parágrafo 5.1 descreve a qualificação de um profeta
como porta-voz? (Os alunos devem identificar a seguinte declaração de
doutrina: Um profeta é uma pessoa chamada por Deus para falar em nome
Dele. Peça ao escrevente que anote essa verdade no quadro. Peça aos alunos
que marquem essa declaração-chave de doutrina no exemplar deles do
Documento Principal de Domínio Doutrinário.)

Segmento 2 (10 minutos)


Inicie fazendo a seguinte pergunta aos alunos:

77
P RO FETA S E RE V E LAÇ Ã O, PA RTE 1

• Qual passagem do domínio doutrinário de Doutrina e Convênios está associada


com a declaração-chave de doutrina de que “um profeta é uma pessoa que foi
chamada por Deus para falar em nome Dele”? (Você pode pedir aos alunos que
marquem D&C 1:37–38 de modo diferente em suas escrituras para que
consigam localizá-la facilmente.)
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa escritura, explique-lhes que a
revelação registrada em Doutrina e Convênios 1 foi dada ao profeta Joseph Smith
quando ele e outros líderes da Igreja estavam se preparando para publicar as
revelações que ele havia recebido em um livro de escrituras, que viria a ser Doutrina
e Convênios. O Senhor identificou Doutrina e Convênios 1 como um prefácio para
o livro de revelações que o profeta Joseph Smith havia recebido e Ele ensinou que
se tratava de uma “voz de advertência” para o mundo (D&C 1:4), chamando o
mundo ao arrependimento e estabelecendo a necessidade de profetas.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 1:37–38 em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique o que o Senhor disse sobre as palavras que
Ele profere por meio de Seus profetas. Peça aos alunos que relatem o que
encontraram.
• O que vocês acham que significa dizer que a palavra do Senhor “não passará,
mas será toda cumprida”?
• Por que vocês acham que é importante entender que, quando um profeta fala
em nome do Senhor, é o mesmo como se o Senhor estivesse falando?
• Que esforço vocês acham que é necessário para que um profeta obtenha a
palavra do Senhor para anunciá-la ao povo?
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do presidente
Russell M. Nelson. Peça à classe que observe os detalhes que descrevem como os
profetas buscam obter a palavra do Senhor. (Você pode colocar esta declaração em
uma folha de papel para entregar aos alunos.)

“Como membro do Quórum dos Doze Apóstolos, orei diariamente por revelação
e agradeci ao Senhor todas as vezes em que Ele falou ao meu coração e à minha
mente. (…)
Quando recentemente enfrentei a difícil tarefa de escolher dois conselheiros,
pensei em como seria possível escolher apenas dois de 12 homens que amo e
respeito.
Como sei que boa inspiração é baseada em boa informação, reuni-me em espírito de oração
individualmente com cada apóstolo. Então, retirei-me para uma sala particular no templo e
busquei saber a vontade do Senhor. Testifico que o Senhor me instruiu a escolher o presidente
Dallin H. Oaks e o presidente Henry B. Eyring para servir como meus conselheiros na Primeira
Presidência. (…)
Quando nos reunimos como conselho da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze, nossas
salas de reunião se tornam salas de revelação. O Espírito Se faz presente de modo palpável. Ao
nos debatermos com questões complexas, um processo emocionante se desenrola à medida que
cada apóstolo expressa livremente seus pensamentos e seu ponto de vista. Embora possamos
diferir em nossas perspectivas iniciais, o amor que sentimos um pelo outro é constante. Nossa
união nos ajuda a discernir a vontade do Senhor para Sua Igreja.

78
PR O FE TAS E R E VE LAÇÃO, PARTE 1

Em nossas reuniões, a maioria nunca governa! Ouvimos um ao outro em espírito de oração e


conversamos um com o outro até que estejamos unidos. Então, quando chegamos a um acordo
completo, a influência unificadora do Espírito Santo é emocionante! Experimentamos o que o
profeta Joseph Smith sabia quando ensinou: ‘Pela união de sentimentos obtemos poder com
Deus’. Nenhum membro da Primeira Presidência ou do Quórum dos Doze jamais tomaria
qualquer decisão para a Igreja do Senhor sem perguntar ao Senhor!” (Russell M. Nelson,
“Revelação para a Igreja, revelação para nossa vida”, Liahona, maio de 2018, pp. 94–95).

• O que o presidente Nelson ensinou sobre o processo que os profetas e


apóstolos passam para receber revelação e guiar a Igreja?
• Como esse conhecimento de que os profetas se preparam para receber
revelação nos ajuda quando temos dúvidas sobre os ensinamentos ou as
práticas da Igreja? (Podemos saber que os profetas buscam cuidadosamente e
recebem a vontade do Senhor e podemos seguir seu exemplo e nos preparar
para receber revelação pessoal.)
Peça aos alunos que reflitam sobre as experiências que os ajudaram a saber que os
profetas são chamados por Deus para falar Suas palavras e dirigir Sua Igreja. Peça a
alguns alunos que compartilhem suas experiências com a classe. Você também
pode compartilhar sua experiência além de prestar testemunho se desejar.

Segmento 3 (15 minutos)


Para ajudar os alunos a entender melhor a declaração-chave de doutrina de que
“um profeta é uma pessoa que foi chamada por Deus para falar em nome Dele”,
faça o seguinte diagrama no quadro:
• Como geralmente é chamada a
comunicação entre o Pai Celestial e
seus profetas? (Escreva a palavra
Revelação ao lado da seta no
diagrama.)
Peça a um aluno que leia em voz alta o
parágrafo 5.2 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça à classe que
acompanhe a leitura e identifique as
diferentes maneiras como o Pai
Celestial revela Sua vontade a Seus
profetas. Peça aos alunos que relatem o
que encontraram.
• Que coisas o Senhor revelou ou continua a revelar aos profetas hoje em dia?
Para ajudar os alunos a entender que o Senhor continua a revelar Sua vontade a
Seus profetas, peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração feita pelo
élder David A. Bednar, do Quórum dos Doze Apóstolos, sobre como os chamados
missionários são designados. Peça à classe que identifique uma maneira específica
pela qual o Senhor revela Sua vontade aos profetas hoje em dia.

79
P RO FETA S E RE V E LAÇ Ã O, PA RTE 1

“Todo chamado missionário e as designações desse serviço, bem como as


redesignações posteriores, chegam por revelação, por meio dos servos do Senhor.
O chamado ao trabalho vem de Deus, por meio do presidente da Igreja. A
designação para uma das mais de 400 missões atualmente operantes ao redor do
mundo vem de Deus, por meio de um membro do Quórum dos Doze Apóstolos,
que age com a autorização do profeta vivo do Senhor. Os dons espirituais da
revelação e da profecia estão presentes em todos os chamados missionários e designações desse
serviço. (…)
Para os Doze, não há nada que reafirme com mais força a realidade da revelação contínua
nestes últimos dias do que o ato de buscar discernir a vontade do Senhor ao cumprirmos nossa
responsabilidade de designar missionários para um determinado campo de trabalho. Testifico
que o Salvador conhece cada um de nós, um por um, e pelo nome. (…)
Prometo-lhes que o dom espiritual da revelação está presente em seu chamado ao trabalho de
proclamar o evangelho, assim como em sua designação para um ou mais campos específicos de
trabalho” (David A. Bednar, “Chamados ao trabalho”, A Liahona, maio de 2017, pp. 67–70).

• Além do chamado missionário, como os membros da Igreja hoje são


abençoados por meio de revelação que Deus concede a Seus profetas e
apóstolos? (Os presidentes de estaca e bispos também são chamados por
revelação por meio de alguém que possua autoridade.)
• Como vocês foram afetados pessoalmente por revelação profética?
Você pode compartilhar seu testemunho sobre como a revelação contínua aos
profetas abençoa não só a Igreja como um todo, mas também os membros
individualmente.

Atividade de revisão de domínio doutrinário


Observação: A atividade de revisão a seguir não deve ser ensinada na mesma aula
que esta lição — “Profetas e revelação, parte 1”. Utilize esta atividade durante uma
aula do seminário que ocorra depois que você ensinar esta lição, mas antes de
ensinar “Profetas e revelação, parte 2”. Essa revisão curta pode ser ensinada no
início ou no final da aula em que você ensina uma lição sequencial de escrituras de
Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essa revisão não dure mais de cinco
minutos para que não substitua o bloco de escrituras que os alunos estudarão
em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 1:37–38 (5 minutos)


Antes da aula, escreva a seguinte frase-chave em uma folha de papel: A voz do
Senhor e a de Seus servos é a mesma — Doutrina e Convênios 1:37–38. Corte a
declaração no papel em palavras separadas ou frases curtas e dê as tiras de papel
aos alunos. Explique-lhes que terão um minuto para juntar essas palavras na ordem
correta, quantas vezes puderem. Toda vez que os alunos colocarem as palavras na
ordem correta, peça-lhes que rapidamente misturem os pedaços e o façam
novamente. Para classes grandes, faça várias cópias da declaração e divida a turma
em grupos.
Depois que o minuto terminar, peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios
1:37–38 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique como essa

80
PR O FE TAS E R E VE LAÇÃO, PARTE 1

escritura ajuda a ensinar a verdade de que os profetas são chamados por Deus para
falar em nome Dele. Peça aos alunos que relatem o que encontraram.

81
Profetas e
revelação, parte 2
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “Profetas e
revelação” está dividido em três partes. Na parte 2, os alunos estudarão os
parágrafos 5.3 a 5.5 do tópico doutrinário usando as informações do Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Eles aprenderão sobre como somos abençoados
quando obedecemos aos profetas e também vão estudar a passagem de domínio
doutrinário que se encontra em Doutrina e Convênios 21:4–6. As sugestões
didáticas nesta lição estão programadas para durar apenas 20 minutos. Para o
restante do tempo, você pode ensinar o material da lição que sentiu que não
conseguiu cobrir suficientemente. Você também pode usar o tempo para revisar o
conteúdo das lições de domínio doutrinário ou seguir adiante em suas lições de
sequência comum de escrituras.

Entender a doutrina
Segmento 1 (20 minutos)
Mostre a fotografia Apoio na conferência, disponível no site LDS.org/media-library.
Peça a um aluno que explique o que está acontecendo na gravura.

• Em sua opinião, o que significa apoiar o profeta?


Peça a um aluno que leia a seguinte declaração do presidente Russell M. Nelson.
Peça à classe que preste atenção ao que o presidente Nelson ensinou a respeito do
apoio aos profetas.

82
PR O FE TAS E R E VE LAÇÃO, PARTE 2

“Nosso apoio aos profetas é um compromisso pessoal de que faremos o máximo


para defender suas prioridades proféticas. É a indicação com peso de juramento
de que reconhecemos que seu chamado de profeta é legítimo e de que nos
comprometemos a apoiá-lo” (Russell M. Nelson, “Apoiar os profetas”, A
Liahona, novembro de 2014, p. 75).

• O que o presidente Nelson ensinou sobre apoiar profetas?


Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 5.3 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que esse
parágrafo ensina a respeito do apoio ao profeta. Peça aos alunos que relatem o que
encontraram.
• Apoiamos o presidente da Igreja para ser o quê?
• Que frase nesse parágrafo explica as bênçãos que recebemos por apoiar o
profeta?
Peça aos alunos que marquem a seguinte declaração-chave de doutrina em suas
cópias do Documento Principal de Domínio Doutrinário: Se fielmente recebermos os
ensinamentos do presidente da Igreja e obedecermos a eles, Deus nos
abençoará para vencermos o erro e o mal.
• O que vocês acham que significa “receber os ensinamentos do presidente da
Igreja e obedecer a eles”?
• Qual passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar essa verdade? (Você
pode pedir aos alunos que marquem D&C 21:4–6 de modo diferente em suas
escrituras para que consigam localizá-la facilmente.)
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa escritura, explique-lhes que
Doutrina e Convênios 21 foi revelada ao profeta Joseph Smith em 6 de abril de
1830 — o dia em que a Igreja foi oficialmente organizada. Os que estavam
presentes na organização da Igreja votaram para aceitar ou apoiar Joseph Smith e
Oliver Cowdery como líderes presidentes da Igreja.
Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta de Doutrina e
Convênios 21:4–6. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique como essa
passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar a declaração-chave de doutrina
marcada no parágrafo 5.3. Peça aos alunos que relatem o que encontraram.
• Como devemos receber as palavras do profeta? (Como se fossem da própria
boca de Deus.)
• Como isso vai nos ajudar a vencer o erro e o mal?
• Por que vocês acham que é preciso paciência e fé para receber as bênçãos que o
Senhor promete àqueles que obedecem a um profeta?
• O que vocês acham que significa dizer que o Senhor “afastará de [nós] os
poderes das trevas” (D&C 21:6) se seguirmos Seu profeta?
Para ajudar os alunos a entender o que pode significar “afastará de [nós] os poderes
das trevas”, mostre-lhes uma pequena lanterna, ou desenhe uma no quadro.

83
P RO FETA S E RE V E LAÇ Ã O, PA RTE 2

• Se vocês estivessem em um lugar muito escuro, como dentro de uma caverna,


que diferença faria ter uma pequena lanterna?
• De que maneira seguir um profeta nos ajuda a remover as trevas espirituais de
nossa vida?
Você pode pedir aos alunos que escrevam no diário de estudo algumas bênçãos que
receberam por apoiar o profeta. Você também pode lhes pedir que registrem em
seu diário de estudo sobre o que eles estão fazendo atualmente para apoiar e seguir
o profeta e como eles podem fazer isso melhor. Peça a alguns alunos que
compartilhem com a classe o que escreveram caso se sintam à vontade para fazê-lo.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma
aula que esta lição — “Profetas e revelação, parte 2”. Utilize essas atividades
durante as aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição,
mas antes de ensinar “Profetas e revelação, parte 3”. Essas revisões curtas podem
ser ensinadas no início ou no final das aulas em que você ensina uma lição com
uma sequência comum de escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que
essas revisões não durem mais de cinco minutos cada para que não substituam o
bloco de escrituras que os alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 21:4–6 (5 minutos)


Escreva a seguinte declaração-chave no quadro: Se fielmente recebermos os
ensinamentos do presidente da Igreja e obedecermos a eles, Deus nos abençoará para
vencermos o erro e o mal.
• Que passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar essa verdade? (Depois
que os alunos localizarem D&C 21:4–6, escreva essa referência no quadro.)
Peça aos alunos que abram Doutrina e Convênios 21:4–6 e peça à classe que leia
esses versículos em voz alta. Peça aos alunos ideias sobre como eles podem se
lembrar do conteúdo e da referência dessa passagem de domínio doutrinário.
Peça à classe que leia a declaração-chave de doutrina e a referência de escritura que
você escreveu no quadro. Quando sentir que os alunos estão familiarizados com a
declaração-chave de doutrina e a referência de escritura, apague várias palavras e
lhes peça que leiam novamente. Continue a apagar as palavras e peça aos alunos
que leiam a declaração de doutrina e a referência de escritura até que a maioria das
palavras tenha sido apagada.

Revisão de domínio doutrinário. Profetas e revelação (5 minutos)


Escreva Doutrina e Convênios 1:37–38 e Doutrina e Convênios 21:4–6 no quadro.
Divida a classe em dois grupos e designe a cada grupo uma das passagens de
escritura. Peças aos dois grupos que identifiquem no tópico doutrinário 5, “Profetas
e revelação”, em seu Documento Principal de Domínio Doutrinário, a
declaração-chave de doutrina que sua passagem designada ajuda a ensinar.
Quando todos os membros do grupo encontrarem a declaração-chave de doutrina,
peça a um deles que a escreva no quadro abaixo da referência de escritura da
passagem de domínio doutrinário correta.

84
PR O FE TAS E R E VE LAÇÃO, PARTE 2

Peça aos alunos que abram Doutrina e Convênios 1:37–38 e identifiquem palavras
ou frases que possam ajudá-los a lembrar o que a escritura diz. Peça a um aluno
que vá à frente da classe e seja o escrevente, e peça aos alunos que compartilhem as
palavras ou frases que encontraram e que podem ajudá-los a se lembrar de
Doutrina e Convênios 1:37–38. Peça ao escrevente que escreva as respostas dos
alunos no quadro. Faça essa mesma atividade com Doutrina e Convênios 21:4–6.

85
Profetas e
revelação, parte 3
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “Profetas e
revelação” está dividido em três partes. A parte 3 contém um exercício prático que
ajudará os alunos a aplicar a doutrina que aprenderam no Documento Principal de
Domínio Doutrinário com as passagens de domínio doutrinário encontradas em
Doutrina e Convênios 1:37–38. Esta lição também inclui uma revisão cumulativa de
todas as passagens de domínio doutrinário que os alunos estudaram até agora.
Observação: Você pode ensinar o exercício prático e a revisão cumulativa de domínio
doutrinário nesta lição em uma única aula ou em duas aulas separadas.

Exercício prático (25 minutos)


Reveja com os alunos os três princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Leia a seguinte situação para a classe:
João está online procurando informações sobre a Igreja em preparação para uma
lição do quórum do Sacerdócio Aarônico. Ele encontra um site que contém um
comentário de um antigo líder da Igreja que parece contradizer o que os atuais
líderes da Igreja estão dizendo. Depois dessa experiência, João procura você e
pergunta: “Parece que algumas declarações de líderes da Igreja se contradizem. Se
os profetas falam em nome de Deus, por que eles não concordam sempre?”
Peça aos alunos que pratiquem os princípios de aquisição de conhecimento
espiritual, fazendo as seguintes perguntas:
Agir com fé
• Como vocês podem ajudar João a agir com fé ao buscar respostas para sua
pergunta?
• Como o testemunho que João tem dos profetas pode ajudá-lo a resolver esse
problema?
Examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna
• Como vocês acham que poderiam ajudar João a examinar sua pergunta com
uma perspectiva eterna?
Para ajudar os alunos a buscar mais entendimento por meio de fontes
divinamente atribuídas, dê a cada aluno uma cópia do material que
acompanha a lição.

86
PR O FE TAS E R E VE LAÇÃO, PARTE 3

Profetas e revelação
Élder D. Todd Christofferson
“Devemos lembrar que nem toda declaração feita por um líder da Igreja, no passado ou no presente,
é obrigatoriamente doutrina. É consenso na Igreja que uma declaração feita por um líder em uma
única ocasião representa geralmente uma opinião pessoal, embora bem ponderada, sem a intenção
de que se torne oficial ou válida para toda a Igreja. O profeta Joseph Smith ensinou que ‘um profeta
só [é] profeta quando [está] atuando como tal’ (History of the Church [História da Igreja], vol. 5, p.
265)” (“A Doutrina de Cristo”, A Liahona, maio de 2012, p. 152).

Élder Neil L. Andersen


“Alguns questionam sua fé quando encontram uma declaração feita por um líder da Igreja, há várias
décadas, que parece incongruente com nossa doutrina. Há um princípio importante que governa a
doutrina da Igreja. A doutrina é ensinada por todos os 15 membros da Primeira Presidência e do
Quórum dos Doze. Não está oculta num obscuro parágrafo de um discurso. Os princípios verdadeiros
são ensinados frequentemente por muitos. Nossa doutrina não é difícil achar” (“Prova de vossa fé”,
A Liahona, novembro de 2012, p. 41).

Divida a classe em pequenos grupos e lhes peça que leiam as declarações em voz
alta uns para os outros. Depois de lhes dar tempo suficiente, faça as seguintes
perguntas:
• Como essas declarações podem ajudar João com sua dúvida?
• Vocês conseguem pensar em outras fontes divinamente atribuídas que podem
ajudar João com sua questão? (Você pode dar aos alunos alguns minutos para
pesquisarem o LDS.org para recursos adicionais que possam ajudar com a
questão de João.)
Após completar esse exercício, ajude a solidificar o que os alunos aprenderam
convidando um rapaz para a frente da classe a fim de fazer de conta que é João.
Peça ao aluno que repita a pergunta de João, dizendo: “Parece que algumas
declarações de líderes da Igreja se contradizem. Se os profetas falam em nome de
Deus, por que eles não concordam sempre?” Peça aos alunos que respondam a
esse aluno (como se ele fosse João) com o que eles poderiam dizer para ajudar a
resolver sua dúvida.
Você pode convidar os alunos a prestar seu testemunho sobre as bênçãos de termos
profetas que recebem revelação moderna. Se desejar, preste seu
testemunho também.

Revisão cumulativa de domínio doutrinário (15 minutos)


Antes de apresentar esta atividade, escreva a referência de escritura para cada
passagem de domínio doutrinário que você estudou até agora neste ano letivo em
um pequeno cartão separado. Quando chegar o momento da atividade, distribua os
cartões para os alunos. (Nas classes menores, alguns alunos podem ter vários
cartões. Nas classes maiores, divida a turma em pequenos grupos ou faça várias
cópias dos cartões.)

87
P RO FETA S E RE V E LAÇ Ã O, PA RTE 3

Explique aos alunos que você vai dizer em voz alta a frase-chave ou a
declaração-chave de doutrina associada com essa escritura. O aluno que tem a
referência de escritura que combina com essa frase-chave ou declaração-chave da
verdade, então, tem cinco segundos para levantar a mão. Se o aluno estiver correto,
faça a mesma coisa com outra frase-chave ou declaração-chave da verdade. O
objetivo é ver quantas frases-chave e declarações-chave da verdade a classe
consegue acertar consecutivamente. Se ainda houver tempo após você conduzir os
alunos por todas as referências de escritura, peça-lhes que troquem cartões uns
com os outros para que tenham uma nova referência de escritura.

88
O sacerdócio e as chaves do
sacerdócio, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “O sacerdócio e as chaves
do sacerdócio” está dividido em quatro partes. Na parte 1, os alunos estudarão os
parágrafos 6.1 a 6.4 desse tópico doutrinário usando as informações do Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Eles vão aprender que todos os que servem na
Igreja são chamados sob a direção daqueles que possuem as chaves do sacerdócio e
vão estudar a passagem de domínio doutrinário Doutrina e Convênios 42:11.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
aulas, você pode precisar rever brevemente com os alunos o que eles aprenderam
nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (15 minutos)
Entregue a cada aluno uma cópia do teste que acompanha a lição ou o
escreva no quadro. Divida os alunos em duplas. Instrua-os a ler em voz
alta os parágrafos 6.1 a 6.3 no Documento Principal de Domínio Doutrinário e em
seguida fazer o teste. Peça-lhes que escrevam se acham que uma declaração é
verdadeira (V) ou falsa (F), ou que escrevam V ou F em seu diário se você tiver
escrito o teste no quadro.

O sacerdócio e as chaves do sacerdócio — Teste


____ 1. Deus criou e governa o céu e a Terra por meio do sacerdócio.
____ 2. As bênçãos do sacerdócio estão ao alcance de todos os filhos de Deus, homens e mulheres,
por meio das ordenanças e dos convênios do evangelho.
____ 3. As chaves do sacerdócio são os direitos de presidência ou o poder dado ao homem por Deus
para governar e dirigir o reino de Deus na Terra.
____ 4. Cada um dos apóstolos está autorizado a exercer todas as chaves pertencentes ao reino de
Deus na Terra.
____ 5. Todo portador do sacerdócio possui as chaves do sacerdócio para presidir e dirigir o trabalho
do Senhor.

Depois que os alunos tiveram tempo suficiente para estudar os parágrafos 6.1 a 6.3
e concluir o teste, reveja o teste com a classe (as declarações 1, 2 e 3 são
verdadeiras, as declarações 4 e 5 são falsas). Sobre a declaração 4, talvez você tenha
que explicar que, embora todas as chaves do sacerdócio que pertencem ao reino de
Deus na Terra tenham sido conferidas a cada um dos apóstolos, somente o
presidente da Igreja está autorizado a exercer essas chaves do sacerdócio (ver
parágrafo 6.3). Sobre a declaração 5, você pode ter que explicar que as chaves do

90
O S ACE R DÓ CIO E AS CHAVE S DO S ACE R DÓ CIO, PARTE 1

sacerdócio não são conferidas a todo homem que é ordenado a um ofício do


sacerdócio (ver parágrafo 6.3).
Para ajudar os alunos a entender a diferença entre a autoridade do sacerdócio e as
chaves do sacerdócio, peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração
do élder Gary E. Stevenson, do Quórum dos Doze Apóstolos:

“O sacerdócio, ou a autoridade do sacerdócio, foi definido como ‘o poder e a


autoridade de Deus’ e ‘o maior poder que existe nesta Terra’. Há também uma
definição para as chaves do sacerdócio: ‘As chaves do sacerdócio são a
autoridade que Deus concedeu aos líderes do sacerdócio para dirigir, controlar e
governar a utilização de Seu sacerdócio na Terra’ (Manual 2: Administração da
Igreja, 2010, 2.1.1). As chaves do sacerdócio controlam o exercício da autoridade
do sacerdócio. As ordenanças que criam um registro na Igreja exigem chaves e não podem ser
feitas sem autorização. O élder Dallin H. Oaks ensinou que, ‘no final, é o Senhor Jesus Cristo
quem possui todas as chaves do sacerdócio, porque Dele é o sacerdócio. Ele é quem determina
quais chaves são delegadas aos seres mortais e como essas chaves devem ser usadas’ [“As
chaves e a autoridade do sacerdócio”, A Liahona, maio de 2014, p. 50]” (Gary E. Stevenson,
“Onde estão as chaves e a autoridade do sacerdócio?”, A Liahona, maio de 2016, p. 30).

• Como vocês resumiriam em suas próprias palavras a diferença entre a


autoridade do sacerdócio e as chaves do sacerdócio? (Certifique-se de que os
alunos entendam que os irmãos que foram ordenados ao sacerdócio podem
exercer esse sacerdócio de certas maneiras em seu lar e em sua vida, como dar
bênçãos aos membros da família. No entanto, o direito de usar o sacerdócio
para dirigir o trabalho do Senhor em sua Igreja exige as chaves do sacerdócio.)
• De acordo com o parágrafo 6.3 no Documento Principal de Domínio Doutrinário,
quem possui as chaves do sacerdócio em uma ala? (Os bispos e os presidentes
de quórum: presidente do quórum de élderes, presidente do quórum de
diáconos, presidente do quórum de mestres e o bispo, que é também o
presidente do quórum de sacerdotes. Os presidentes de estaca também
possuem as chaves e são os presidentes de quórum de sumos sacerdotes em
suas estacas. Um presidente de ramo possui as chaves do sacerdócio para
o ramo.)

Segmento 2 (10 minutos)


Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 6.4 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique uma
declaração-chave de doutrina que explica como todos os que servem na Igreja são
chamados a fazê-lo. (Os alunos devem identificar que todos os que servem na
Igreja — homens e mulheres — são chamados sob a direção de alguém que
possua as chaves do sacerdócio. Peça aos alunos que marquem essa
declaração-chave de doutrina no exemplar deles do Documento Principal de Domínio
Doutrinário.)
Para ajudar os alunos a entender as implicações dessa importante declaração-chave
de doutrina, peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do
presidente Dallin H. Oaks, da Primeira Presidência. Peça à classe que identifique
como essa declaração esclarece nosso entendimento da autoridade do sacerdócio:

91
O S AC E RD Ó C I O E A S C H AV E S D O SAC E R D ÓC I O, PART E 1

“O trabalho da Igreja realizado por homens ou mulheres, seja no templo, nas


alas ou nos ramos, é feito sob a direção daqueles que possuem as chaves do
sacerdócio. (…)
Não estamos acostumados a dizer que as mulheres têm a autoridade do
sacerdócio em seu chamado na Igreja, mas que outra autoridade poderia ser?
Quando uma mulher — jovem ou idosa — é designada a pregar o evangelho
como missionária de tempo integral, ela recebe a autoridade do sacerdócio para realizar uma
função do sacerdócio. O mesmo se aplica quando uma mulher é designada para atuar como líder
ou professora em uma organização da Igreja, sob a direção de alguém que possui as chaves do
sacerdócio. Qualquer pessoa que atue em um ofício ou chamado recebido de alguém que possui
as chaves do sacerdócio exerce a autoridade do sacerdócio ao cumprir seus deveres designados”
(Dallin H. Oaks, “As chaves e a autoridade do sacerdócio”, A Liahona, maio de 2014, p. 51).

• O que o presidente Oaks esclarece sobre a autoridade do sacerdócio e servir na


Igreja? (“Qualquer pessoa que atue em um ofício ou chamado recebido de
alguém que possui as chaves do sacerdócio exerce a autoridade do sacerdócio
ao cumprir seus deveres designados.”)
Preste testemunho de que todos os que recebem um chamado para servir na Igreja
recebem a autoridade para cumprir suas designações por meio de alguém que
possui as chaves do sacerdócio.

Segmento 3 (15 minutos)


Pergunte aos alunos se eles têm um chamado em seu ramo, sua ala ou sua estaca.
Convide alguns alunos que tenham chamados para contar à classe o que eles foram
chamados a fazer. Faça a alguns deles as seguintes perguntas:
• Quem o chamou para esse cargo?
• De que modo você foi chamado sob a direção de alguém que possui as chaves
do sacerdócio? (Saliente que o bispo, o presidente do ramo e o presidente da
estaca possuem as chaves do sacerdócio. Se um de seus conselheiros fizer um
chamado para servir, ele o fará sob a direção do bispo, presidente do ramo ou
presidente da estaca, que possui as chaves e pode delegar essa autoridade.)
• De acordo com a declaração do presidente Dallin H. Oaks no parágrafo 6.4 no
Documento Principal de Domínio Doutrinário, que autoridade você exerce quando
desempenha as funções para as quais foi chamado? (Autoridade do sacerdócio.)
• Qual passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar a declaração-chave de
doutrina de que todos os que servem na Igreja — homens e mulheres —
são chamados sob a direção de alguém que possua as chaves do
sacerdócio?
Depois que os alunos responderem, peça-lhes que abram em Doutrina e
Convênios 42:11 e marquem essa passagem de modo diferente em suas escrituras
para que consigam localizá-la facilmente.
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, explique-lhes que
Doutrina e Convênios 42 inclui uma revelação mencionada como “a lei da Igreja”
(D&C 42, cabeçalho da seção). Essa lei deu instruções aos santos sobre como

92
O S ACE R DÓ CIO E AS CHAVE S DO S ACE R DÓ CIO, PARTE 1

organizar a Igreja e pregar o evangelho, bem como sobre as leis de ordenação,


conduta moral, consagração e disciplina. Peça a um aluno que leia Doutrina e
Convênios 42:11 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique
palavras e frases que ajudam a ensinar a declaração-chave de doutrina que eles
marcaram no parágrafo 6.4 no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça aos
alunos que relatem o que encontraram.
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do presidente James E.
Faust (1920–2007), da Primeira Presidência. Peça à classe que identifique o que o
presidente Faust ensinou sobre o sacerdócio e as chaves do sacerdócio.

“Ninguém pode declarar ter a autoridade do sacerdócio a menos que ela lhe
tenha sido conferida abertamente por aqueles que a possuem ‘e que a igreja
saiba que tem autoridade e foi apropriadamente ordenado pelos dirigentes da
igreja’ (D&C 42:11). O exercício da autoridade do sacerdócio é dirigido pelas
chaves do sacerdócio. Essas chaves estão nas mãos das autoridades locais e
gerais que presidem a Igreja” (James E. Faust, “Guardar convênios e honrar o
sacerdócio”, A Liahona, janeiro de 1994, p. 40).

• O que o presidente Faust ensinou sobre o sacerdócio e as chaves do sacerdócio?


• Por que vocês acham que é importante que as pessoas que são chamadas para
edificar a Igreja do Senhor sejam chamadas por aqueles que possuem as chaves
do sacerdócio?

Atividade de revisão de domínio doutrinário


Observação: A atividade de revisão a seguir não deve ser utilizada na mesma aula
que a lição — “O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 1”. Utilize esta
atividade durante uma aula do seminário que ocorra depois que você ensinar esta
lição, mas antes de ensinar “O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 2”. Essa
revisão curta pode ser ensinada no início ou no final da aula em que você ensina
uma lição sequencial de escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que
essa revisão não dure mais de cinco minutos para que não substitua o bloco de
escrituras que os alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 42:11 (5 minutos)


Antes do início da aula, peça a um aluno que escreva a seguinte declaração-chave
de doutrina no quadro: Todos os que servem na Igreja — homens e mulheres — são
chamados sob a direção de alguém que possui as chaves do sacerdócio.
Peça aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário em Doutrina e
Convênios que apoia essa declaração-chave de doutrina. Quando os alunos
localizarem Doutrina e convênios 42:11, peça-lhes que leiam essa passagem em voz
alta. Peça aos alunos que expliquem como essa passagem apoia a declaração de
doutrina escrita no quadro. Se o tempo permitir, peça aos alunos que mencionem
as pessoas em uma ala ou um ramo que possuem as chaves do sacerdócio (bispo ou
presidente do ramo, presidente do quórum de élderes, presidente do quórum de
mestres e presidente do quórum de diáconos).

93
O sacerdócio e as chaves do
sacerdócio, parte 2
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “O sacerdócio e as chaves
do sacerdócio” está dividido em quatro partes. Na parte 2, os alunos estudam esse
tópico doutrinário usando as informações do Documento Principal de Domínio
Doutrinário. Eles aprenderão sobre a relação entre a autoridade do sacerdócio e a
retidão pessoal e estudarão a passagem de domínio doutrinário Doutrina e
Convênios 121:36, 41–42. Esta lição também contém uma revisão cumulativa que
vai ajudar os alunos a rever todas as passagens de domínio doutrinário que
estudaram até agora neste ano.
Observação: Você pode ensinar o segmento “Entender a doutrina” e a atividade de
revisão cumulativa em uma única aula ou em duas aulas diferentes. Se você
escolher ensiná-los em duas aulas, compartilhe o tempo da aula entre o domínio
doutrinário e uma aula regular sequencial das escrituras.

Entender a doutrina
Segmento 1 (20 minutos)
Mostre um objeto ou uma gravura de um objeto que pode ser controlado com as
mãos (por exemplo, um controle remoto de televisão, um avião ou drone
controlado por rádio ou um dispositivo móvel).
• O que é necessário para uma pessoa poder controlar ou usar esse objeto de
forma correta e eficaz? (Mencione que não somos a fonte do poder, mas
podemos direcioná-lo ou controlá-lo.)
Depois que os alunos responderem, escreva Poder do sacerdócio no quadro.
• Em sua opinião, o que é necessário para uma pessoa poder controlar ou usar o
poder do sacerdócio de forma correta e eficaz?
Peça aos alunos que marquem a seguinte declaração-chave de doutrina no
parágrafo 6.4 em seu exemplar do Documento Principal de Domínio Doutrinário: A
autoridade do sacerdócio só pode ser exercida em retidão.
Pergunte aos alunos qual passagem de domínio doutrinário está associada a essa
declaração-chave de doutrina. Depois que os alunos responderem, peça-lhes que
abram Doutrina e Convênios 121:36, 41–42 e marquem essa passagem de modo
diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la facilmente.
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, explique-lhes que
Doutrina e Convênios 121 contém partes de cartas que o profeta Joseph Smith
escreveu aos membros da Igreja enquanto ele e outros líderes da Igreja estavam
presos na Cadeia de Liberty. Eles ficaram confinados lá por meses em condições
cruéis enquanto esperavam julgamento no tribunal e suas repetidas solicitações de
ajuda das autoridades legais ficaram sem resposta. Peça a alguns alunos que se
revezem na leitura em voz alta de Doutrina e Convênios 121:36, 41–42. Peça à

95
O S AC E RD Ó C I O E A S C H AV E S D O SAC E R D ÓC I O, PART E 2

classe que acompanhe a leitura e identifique frases que ajudem a ensinar a


declaração-chave de doutrina que eles marcaram no parágrafo 6.4 no Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Peça aos alunos que relatem o que encontraram.
• O que é necessário para controlar ou usar o poder associado ao sacerdócio?
(“Os princípios de retidão.”)
• Que princípios de retidão vocês conseguem relacionar em Doutrina e
Convênios 121:41–42? (Escreva as respostas dos alunos no quadro. A lista deve
incluir: persuasão, longanimidade, brandura, mansidão, amor não fingido, bondade,
conhecimento puro.)
Pergunte aos alunos sobre quais desses princípios eles gostariam de aprender mais.
Talvez você precise explicar que longanimidade é a perseverança paciente de um
julgamento, prejuízo ou provocação e lentidão em odiar, punir ou vingar. Mansidão
é a humildade e submissão à vontade de Deus. Amor não fingido se refere ao amor
sincero ou genuíno e não falso de qualquer forma.
• Como a admoestação do Senhor de que “nenhum poder ou influência pode ou
deve ser mantido em virtude do sacerdócio” (D&C 121:41) se aplica a todos os
que foram chamados para servir na Igreja? (Os que têm designações na Igreja
não podem e não devem tentar exercer poder ou influência sobre outras
pessoas por causa de sua posição de autoridade.)
• De que maneira demonstrar as qualidades relacionadas no quadro seria mais
eficaz em influenciar as pessoas do que tentar usar a posição de poder e
autoridade de alguém injustamente?
• Como os princípios de retidão podem ajudar aqueles que têm chamados na
Igreja a guiar e influenciar as pessoas pelas quais eles são responsáveis?
Peça aos alunos que pensem em um líder da Igreja que conhecem que seja um bom
exemplo de uma ou mais das características relacionadas no quadro. Peça a alguns
alunos que falem sobre essa pessoa e como ele ou ela demonstra essas qualidades.
Você pode fazer algumas das seguintes perguntas após as respostas dos alunos:
• De que maneira essa pessoa os influenciou?
• Por que vocês acham que as qualidades dessa pessoa os influenciaram
positivamente?
• Por que vocês acham que o Senhor nos incentivaria a influenciar as pessoas
dessa maneira?
Preste testemunho de que essas qualidades são a maneira pela qual o Pai Celestial
nos incentiva a viver em retidão e que elas são o modo pelo qual devemos
influenciar os outros a fazer o mesmo. Peça aos alunos que pensem nas pessoas
sobre as quais eles podem ter alguma influência. Peça-lhes que reflitam sobre quais
das qualidades escritas no quadro eles sentem que precisam melhorar. Peça-lhes
que escrevam uma meta em seu diário sobre como planejam melhorar em um
desses princípios de retidão.

96
O S ACE R DÓ CIO E AS CHAVE S DO S ACE R DÓ CIO, PARTE 2

Revisão cumulativa de domínio doutrinário (20 minutos)


Observação: Essa revisão de domínio doutrinário cumulativo é opcional e pode ser
adicionada a esta lição se houver tempo. Você pode escolher alternadamente passar
o tempo da aula para completar as lições de domínio doutrinário ou as lições de
sequência comum de escrituras que você anteriormente não teve tempo suficiente
para terminar.
Dê a cada aluno uma folha de papel. Peça-lhes que escolham uma passagem de
domínio doutrinário que aprenderam até agora este ano. Peça-lhes que escrevam
um pensamento, um sentimento ou uma pergunta que alguém possa ter e que
possa ser ajudada ou respondida por meio da passagem de domínio doutrinário
que eles escolheram. Por exemplo, se um aluno escolher Doutrina e Convênios
18:10–11, ele pode escrever algo semelhante ao seguinte: “Um amigo está se
sentindo inútil, como se não tivesse valor para ninguém. Doutrina e Convênios
18:10–11”. Os alunos podem precisar de vários minutos para fazer isso. Enquanto
os alunos pensam e escrevem, você pode andar pela sala e verificar as pessoas que
precisam de ajuda. Depois que os alunos tiverem tempo suficiente, recolha as
folhas de papel.
Leia os papéis em voz alta, um de cada vez, sem dizer aos alunos qual passagem de
domínio doutrinário eles podem usar para ajudar com o problema ou responder à
pergunta. Enquanto você lê, peça aos alunos que abram uma passagem de domínio
doutrinário que eles acham que pode ajudar. Peça a um aluno que diga qual
passagem ele selecionou e pergunte por que essa passagem seria útil nessa
situação. Os alunos podem pensar em outras passagens além daquelas escritas no
papel que também se aplicam. Continue a atividade enquanto o tempo permitir.

Atividade de revisão de domínio doutrinário


Observação: A atividade de revisão a seguir não deve ser utilizada na mesma aula
que a lição — “O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 2”. Utilize esta
atividade durante uma aula do seminário que ocorra depois que você ensinar esta
lição, mas antes de ensinar “O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 3”. Essa
revisão curta pode ser ensinada no início ou no final da aula em que você ensina
uma lição sequencial de escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que
essa revisão não dure mais de cinco minutos para que não substitua o bloco de
escrituras que os alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 121:36, 41–42


(5 minutos)
Peça aos alunos que leiam o parágrafo 6.4 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário para a declaração-chave de doutrina que tem como base Doutrina e
Convênios 121:36, 41–42. (Os alunos devem identificar o seguinte: A autoridade
do sacerdócio só pode ser exercida em retidão.)
Peça aos alunos que abram Doutrina e Convênios 121:36, 41–42 e leiam esses
versículos em voz alta.
• Como essa passagem ajuda a ensinar a declaração-chave de doutrina
identificada?

97
O S AC E RD Ó C I O E A S C H AV E S D O SAC E R D ÓC I O, PART E 2

Peça aos alunos que formem grupos pequenos e debatam suas ideias de como eles
podem se lembrar do que Doutrina e Convênios 121:36, 41–42 ensina. Depois de
lhes dar tempo suficiente, peça a alguns grupos que compartilhem suas ideias com
a classe.

98
O sacerdócio e as chaves do
sacerdócio, parte 3
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “O sacerdócio e as chaves
do sacerdócio” está dividido em quatro partes. Na parte 3, os alunos estudarão os
parágrafos 6.5 a 6.7 desse tópico doutrinário usando as informações do Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Eles aprenderão sobre as chaves e os poderes do
Sacerdócio Aarônico e de Melquisedeque, e eles vão estudar as passagens de
domínio doutrinário de Doutrina e Convênios 13:1 e Doutrina e Convênios 107:8.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
aulas, você pode precisar rever brevemente com os alunos o que eles aprenderam
nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (10 minutos)
Escreva Sacerdócio Aarônico e Sacerdócio de Melquisedeque no quadro. Dê tempo aos
alunos para que pensem em como eles explicariam a alguém as diferenças entre
esses dois sacerdócios. Depois de lhes dar tempo suficiente, peça a alguns alunos
que compartilhem com a classe suas explicações.
Peça a um aluno que leia em voz alta os parágrafos 6.5 a 6.7 no Documento Principal
de Domínio Doutrinário. Peça aos alunos que acompanhem a leitura e identifiquem
informações que possam ajudá-los a explicar melhor o Sacerdócio Aarônico e de
Melquisedeque e como eles são diferentes um do outro.
• Que declarações desses parágrafos podem ajudá-los a explicar as diferenças
entre o Sacerdócio Aarônico e de Melquisedeque?

Segmento 2 (15 minutos)


Peça aos alunos que marquem a seguinte declaração-chave de doutrina do
parágrafo 6.6 no Documento Principal de Domínio Doutrinário: O Sacerdócio
Aarônico “possui as chaves do ministério de anjos e do evangelho do
arrependimento e do batismo”. Explique-lhes que a declaração é de Doutrina e
Convênios 13. Peça aos alunos que abram Doutrina e Convênios 13:1 e marquem
essa passagem de modo diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la
facilmente.
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, explique-lhes que
Doutrina e Convênios 13 contém as palavras que João Batista falou a Joseph Smith
e Oliver Cowdery quando conferiu o Sacerdócio Aarônico a eles. Peça a um aluno
que leia Doutrina e Convênios 13:1 em voz alta.
Explique-lhes que as bênçãos que as chaves do Sacerdócio Aarônico abrem estão
disponíveis para todos os membros da Igreja por meio das ordenanças do

99
O S AC E RD Ó C I O E A S C H AV E S D O SAC E R D ÓC I O, PART E 3

Sacerdócio Aarônico. Essas ordenanças são autorizadas por aqueles que possuem
as chaves do Sacerdócio Aarônico.
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do presidente Dallin H.
Oaks, da Primeira Presidência. (Se possível, mostre ou dê uma cópia da citação a
cada aluno.) Peça à classe que identifique como as ordenanças do Sacerdócio
Aarônico ajudam os membros da Igreja a receber as bênçãos mencionadas em
Doutrina e Convênios 13:1.

“O que significa dizer que o Sacerdócio Aarônico tem ‘a chave do ministério de


anjos’ e do ‘evangelho do arrependimento e do batismo e da remissão de
pecados’ (D&C 84:26–27)? Descobrimos o significado na ordenança do batismo e
do sacramento. O batismo é para a remissão de pecados e o sacramento é a
renovação dos convênios e das bênçãos do batismo. Os dois devem ser
antecedidos pelo arrependimento. Se formos fiéis aos convênios feitos nessas
ordenanças, recebemos a promessa de ter sempre conosco o Seu Espírito. O ministério de anjos é
uma das manifestações do Espírito. (…)
Não é possível exagerarmos a importância que o Sacerdócio Aarônico tem nisso. Todas essas
etapas vitais relativas à remissão de pecados são realizadas por intermédio da ordenança
salvadora proporcionada pelo batismo e da ordenança renovadora do sacramento. As duas são
realizadas por portadores do Sacerdócio Aarônico dirigidos pelo bispado, que tem as chaves do
evangelho do arrependimento, batismo e remissão de pecados.
De uma forma muito próxima, essas ordenanças do Sacerdócio Aarônico são também vitais à
ministração de anjos. (…)
Conforme expliquei antes, por intermédio das ordenanças do batismo e do sacramento, que
pertencem ao Sacerdócio Aarônico, somos purificados de nossos pecados e recebemos a
promessa de termos conosco Seu Espírito se nos mantivermos fiéis aos nossos convênios. Creio
que essa promessa não se refere somente ao Espírito Santo, mas, também, ao ministério de
anjos, porque ‘os anjos falam pelo poder do Espírito Santo; falam, portanto, as palavras de
Cristo’ (2 Néfi 32:3). Sendo assim, os portadores do Sacerdócio Aarônico possibilitam a todos os
membros fiéis da Igreja, que tomam o sacramento dignamente, ter a companhia do Espírito do
Senhor e o ministério de anjos” (Dallin H. Oaks, “O Sacerdócio Aarônico e o sacramento”, A
Liahona, janeiro de 1999, pp. 43–45).

• O que vocês aprenderam com a declaração do presidente Oaks sobre as chaves


do Sacerdócio Aarônico?
• De que modo vocês têm sido abençoados por causa do Sacerdócio Aarônico?

Segmento 3 (15 minutos)


Peça aos alunos que marquem a primeira frase do parágrafo 6.7 em seu exemplar
do Documento Principal de Domínio Doutrinário: O Sacerdócio de Melquisedeque
é o sacerdócio maior e “tem o direito de presidir e tem poder e autoridade
sobre todos os ofícios da igreja em todas as épocas do mundo, para
administrar em assuntos espirituais”.
Peça aos alunos que abram Doutrina e Convênios 107:8 e marquem essa passagem
de modo diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la facilmente.

100
O S ACE R DÓ CIO E AS CHAVE S DO S ACE R DÓ CIO, PARTE 3

Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, peça-lhes que


revejam em silêncio o parágrafo 6.2 no Documento Principal de Domínio Doutrinário e
identifiquem uma definição da frase. (Eles devem descobrir que os direitos de
presidência são “o poder dado ao homem por Deus para governar e dirigir o reino
de Deus na Terra”.) Explique-lhes que em Doutrina e Convênios 107:8 o Senhor
está falando especificamente sobre os poderes dados ao Sacerdócio de
Melquisedeque para governar e dirigir o reino de Deus na Terra.
Peça aos alunos que revejam em silêncio o parágrafo 6.7 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário e identifiquem o que está escrito sobre o Sacerdócio de
Melquisedeque. Peça aos alunos que relatem o que encontraram.
• Quais são algumas das ordenanças ou bênçãos que são realizadas por meio da
autoridade do Sacerdócio de Melquisedeque? (Confirmação, as ordenanças do
templo, as bênçãos do sacerdócio.)
Para ajudar os alunos a sentir a importância do Sacerdócio Aarônico e de
Melquisedeque, peça a um aluno que leia a seguinte declaração do élder Robert D.
Hales (1932–2017), do Quórum dos Doze Apóstolos:

“Podem imaginar o quanto a mortalidade seria vazia e escura se não houvesse o


sacerdócio? Caso o poder do sacerdócio não existisse na Terra, o adversário teria
liberdade para perambular e reinar sem limites. Não haveria o dom do Espírito
Santo para nos dirigir e iluminar, nenhum profeta poderia falar em nome do
Senhor, nenhum templo onde pudéssemos fazer convênios sagrados e eternos,
nenhuma autoridade para abençoar ou batizar, para curar ou consolar. (…) Não
haveria luz nem esperança — somente trevas” (Robert D. Hales, “Bênçãos do sacerdócio”, A
Liahona, janeiro de 1996, p. 34).

• Quando vocês se sentiram particularmente gratos pelas bênçãos disponíveis por


meio do Sacerdócio de Melquisedeque?

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser utilizadas na mesma
aula que a lição — “O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 3”. Utilize estas
atividades durante uma aula do seminário que ocorra depois que você ensinar esta
lição, mas antes de ensinar “O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, parte 4”. Essas
revisões curtas podem ser ensinadas no início ou no final das aulas em que você
ensina uma lição com uma sequência comum de escrituras de Doutrina e
Convênios. Certifique-se de que essas revisões não durem mais de cinco minutos
cada para que não substituam o bloco de escrituras que os alunos estudarão
em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 13:1 (5 minutos)


Antes do início da aula, peça a um aluno que escreva a seguinte declaração de
doutrina no quadro: O Sacerdócio Aarônico “possui as chaves do ministério de anjos e
do evangelho do arrependimento e do batismo” (D&C 13:1).

101
O S AC E RD Ó C I O E A S C H AV E S D O SAC E R D ÓC I O, PART E 3

Lembre aos alunos que essas chaves do sacerdócio foram conferidas ao profeta
Joseph Smith e Oliver Cowdery por João Batista quando ele os ordenou ao
Sacerdócio Aarônico. Pergunte aos alunos de que maneira eles podem se lembrar
que esses acontecimentos estão registrados em Doutrina e Convênios 13. Peça a
alguns alunos que compartilhem suas ideias. Incentive os alunos a fazer uns aos
outros uma pergunta semelhante à seguinte conforme eles interagem agora e na
próxima aula do seminário:
• Em que seção de Doutrina e Convênios podemos ler sobre as chaves do
Sacerdócio Aarônico?
Incentive os alunos a lembrar os colegas (se eles se esqueceram) que as chaves do
Sacerdócio Aarônico estão listadas em Doutrina e Convênios 13. No final da aula,
você pode fazer a pergunta a alguns alunos enquanto eles saem da sala.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 107:8 (5 minutos)


Antes de começar a aula, escreva a seguinte declaração de doutrina fora de ordem
no quadro:

1. e “tem o direito de presidir


2. para administrar em assuntos espirituais” (D&C 107:8).
3. o sacerdócio maior
4. da igreja em todas as épocas do mundo,
5. O Sacerdócio de Melquisedeque é
6. e tem poder e autoridade sobre todos os ofícios

Peça aos alunos que reescrevam essas frases na ordem correta (como encontrado no
parágrafo 6.7 no Documento Principal de Domínio Doutrinário) em seu caderno ou
diário de estudo das escrituras. (A ordem correta é 5, 3, 1, 6, 4, 2.)
Depois que os alunos terminarem de escrever, peça a alguns alunos que deem
sugestões de maneiras pelas quais eles podem se lembrar que Doutrina e
Convênios 107:8 é sobre o Sacerdócio de Melquisedeque.

Revisão de domínio doutrinário. O sacerdócio e as chaves do sacerdócio


(5 minutos)
Em quatro pedaços diferentes de papel, escreva uma das seguintes referências de
passagem de domínio doutrinário de um lado e sua declaração-chave de doutrina
correspondente do outro lado:
Doutrina e Convênios 42:11
Todos os que servem na Igreja — homens e mulheres — são chamados sob a direção de
alguém que possua as chaves do sacerdócio.
Doutrina e Convênios 121:36, 41–42
A autoridade do sacerdócio só pode ser exercida em retidão.

102
O S ACE R DÓ CIO E AS CHAVE S DO S ACE R DÓ CIO, PARTE 3

Doutrina e Convênios 13:1


O Sacerdócio Aarônico “possui as chaves do ministério de anjos e do evangelho do
arrependimento e do batismo”.
Doutrina e Convênios 107:8
O Sacerdócio de Melquisedeque é o sacerdócio maior e “tem o direito de presidir e tem
poder e autoridade sobre todos os ofícios da igreja em todas as épocas do mundo, para
administrar em assuntos espirituais”.
Use esses “cartões” para rever as referências de escrituras de domínio doutrinário
com as declarações-chave de doutrina. Você pode optar por mostrar aos alunos um
lado de um cartão e lhes pedir que digam o que está do outro lado. (Se você
mostrar aos alunos uma referência de escritura de domínio doutrinário, não exija
que eles digam toda a declaração-chave de doutrina correspondente. Por exemplo,
se você mostrar aos alunos a referência de “Doutrina e Convênios 107:8”, talvez
seja suficiente que eles respondam “Sacerdócio de Melquisedeque”.) Você pode
repetir os cartões que os alunos tiverem dificuldade até que os conheçam melhor.
Então, se desejar, repita a atividade usando o outro lado dos cartões. Não demore
mais do que cinco minutos nessa atividade.

103
O sacerdócio e as chaves do
sacerdócio, parte 4
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado “O sacerdócio e as chaves
do sacerdócio” está dividido em quatro partes. A parte 4 contém um exercício
prático que ajudará os alunos a aplicar a doutrina que aprenderam no Documento
Principal de Domínio Doutrinário e na passagem de escritura de domínio doutrinário
em Doutrina e Convênios 42:11. Esta lição também contém uma revisão cumulativa
de todas as passagens de domínio doutrinário que os alunos estudaram até agora
neste ano letivo.
Observação: Você pode ensinar esta lição em uma única aula ou ao longo de várias
aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias aulas, você pode
precisar rever brevemente com os alunos o que eles aprenderam nos segmentos
anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Exercício prático (20 minutos)


Reveja com os alunos os três princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Separe os alunos em pequenos grupos. Dê a cada grupo uma cópia do
material que acompanha a lição e lhes peça que se revezem na leitura da
situação (adaptada de Chad H. Webb, “Domínio doutrinário”, Transmissão do
treinamento anual para os Seminários e Institutos de religião, 14 de junho de 2016,
broadcasts.LDS.org):

Pergunta da Mônica
Enquanto vocês leem a situação a seguir em grupo, façam uma pausa para debaterem as perguntas
que acompanham:
Uma moça chamada Mônica vem de uma família fiel e aprendeu o evangelho durante sua vida. Ela
adora frequentar as Moças e o seminário. Certo dia, uma menina da escola lhe diz que a Igreja não
valoriza as mulheres porque as mulheres não possuem o sacerdócio ou certas posições de liderança.
A menina argumenta que o mundo reconheceu a contribuição das mulheres e as trata como iguais e
então ela pergunta a Mônica: “Quando a Igreja vai acompanhar o restante do mundo nessa questão
social?”
Mônica nunca se sentiu rejeitada ou depreciada na Igreja. Foi-lhe ensinado que ela tem uma natureza
divina e valor individual. Ela tem observado valorosas líderes das Moças e uma mãe maravilhosa que
servem alegremente na Igreja e na comunidade. Mas Mônica não está muito segura sobre como
responder a essa pergunta. Na verdade, isso começa a incomodá-la e ela começa a se questionar por

104
O S ACE R DÓ CIO E AS CHAVE S DO S ACE R DÓ CIO, PARTE 4

que as mulheres não ocupam certos cargos na Igreja. O argumento que ela ouviu sobre igualdade e
justiça para homens e mulheres começa a parecer razoável para ela.
Certo dia no seminário, Mônica escreve um bilhete para a professora do seminário, a irmã Bell,
perguntando: “Quando a Igreja vai ser como todos os outros e começar a tratar os homens e as
mulheres igualmente?” No dia seguinte, a irmã Bell decide abordar essa pergunta em aula. Ela
pergunta como uma pessoa com esse tipo de dúvida pode agir com fé. Os alunos debatem coisas
como a importância de orar ao Pai Celestial pedindo ajuda e entendimento. Uma aluna expressa a
importância de se apegar ao que já entendem sobre seu relacionamento com o Pai Celestial e conta
um exemplo de quando ela tomou conhecimento de que o Pai Celestial a amava e a valorizava.
• Como os comentários dos colegas de classe de Mônica poderiam ajudá-la a agir com fé?
• Que outras sugestões vocês têm sobre como uma pessoa com essa pergunta pode agir com fé?
Para ajudar a classe a ponderar sobre como poderiam analisar a questão com uma perspectiva
eterna, a irmã Bell os incentiva a refletir sobre a premissa ou suposição do mundo na qual a questão
se baseia. Ela pergunta: “Como o mundo define igualdade e justiça?” Alguns alunos comentam
sobre como algumas pessoas pensam que igualdade e justiça significam que tudo deve ser igual entre
homens e mulheres. Um jovem explica que, de acordo com o mundo, a posição de uma pessoa
determina sua importância e isso pode levar à perspectiva de que alguns chamados na Igreja são
mais valorizados do que outros, fazendo com que pareça injusto se todos não puderem possuir esses
chamados.
• Vocês conseguem pensar em outras suposições ou premissas do mundo que possam influenciar
como algumas pessoas podem ver os chamados ou cargos na Igreja?
A irmã Bell então pergunta como a classe poderia reformular essa pergunta pela perspectiva do
Senhor. Como isso é algo difícil, a irmã Bell sugere que eles perguntem: “Como o Senhor define
igualdade e justiça?” Ou “Como o Senhor vê o papel de homens e mulheres no plano de salvação?”
Um aluno sugere que muitos profetas ensinaram que, para o Senhor, igualdade não significa que os
homens e as mulheres sejam exatamente iguais. Outro aluno menciona “A Família: Proclamação ao
Mundo” e diz que, no plano de salvação e na Igreja, homens e mulheres têm papéis diferentes, mas
igualmente importantes. Uma moça diz: “Eu estava pensando nisso de um modo um pouco diferente.
Será que devemos nos preocupar com o que queremos ou deveríamos nos preocupar mais com o que
o Senhor deseja?”
A irmã Bell agradece aos alunos por seus pontos de vista lembrando-lhes que o Salvador não vê os
chamados e a liderança como o mundo o faz. Ela salienta que as escrituras ensinam que “o olho não
pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti” (1 Coríntios 12:21), mas que todos os membros são
parte integrante do mesmo corpo e que todos são necessários e têm uma oportunidade de servir.
Depois a irmã Bell pergunta: “Durante Seu ministério mortal, como o Salvador mostrou que amava e
valorizava as mulheres?” Com a ajuda da professora, os alunos pensam em exemplos, tais como o
modo pelo qual Ele tratou Sua mãe, a mulher samaritana junto ao poço e Maria Madalena. Também
lembram os milagres que Ele realizou nos quais abençoou e curou mulheres.
Para ajudar seus alunos a buscar mais entendimento por meio de fontes divinamente atribuídas, a
irmã Bell incentiva seus alunos a tentar se lembrar de referências das escrituras e discursos de líderes
da Igreja que sejam úteis e que se relacionem com essa pergunta. Eles identificam recursos como “A
Família: Proclamação ao Mundo” e os textos sobre os Tópicos do evangelho. Um discurso sugerido
em especial chamou a atenção de Mônica. É um discurso da irmã Linda K. Burton chamado “Juntos
nos edificaremos” da Conferência Geral de Abril de 2015. A irmã Bell também sugere um discurso
proferido pelo presidente Russell M. Nelson chamado “Um apelo às minhas irmãs” da Conferência
Geral de Outubro de 2015. Mônica anota esses discursos em seu diário de estudo e decide estudá-los
mais tarde.

105
O S AC E RD Ó C I O E A S C H AV E S D O SAC E R D ÓC I O, PART E 4

• Vocês conseguem pensar em outras fontes divinamente atribuídas que podem ajudar alguém com
a mesma dúvida de Mônica?
O debate termina com a irmã Bell prestando seu testemunho de que todos os que servem na Igreja
— homens e mulheres — são chamados sob a direção de alguém que possui as chaves do
sacerdócio e ela os lembra de que essa verdade se encontra em Doutrina e Convênios 42:11. Ela
também lembra seus alunos de que “qualquer pessoa que atue em um ofício ou chamado recebido
de alguém que possui as chaves do sacerdócio exerce a autoridade do sacerdócio ao cumprir seus
deveres designados” (Dallin H. Oaks, “As chaves e a autoridade do sacerdócio”, A Liahona, maio de
2014, p. 51). Ela também lembra seus alunos da passagem de escritura de domínio doutrinário que
diz: “[O] Senhor (…) faz o que é bom para os filhos dos homens; (…) e convida todos a virem a ele e
a participarem de sua bondade; e não repudia quem quer que o procure, negro e branco, escravo e
livre, homem e mulher; (…) todos são iguais perante Deus” (2 Néfi 26:33; grifo do autor). A irmã Bell
incentiva os alunos a continuar a estudar fervorosamente essa questão e os convida a trazer para a
classe o que aprenderam.
• O que vocês aprenderam com essa situação sobre a pergunta de Mônica?

Depois que os alunos terminarem de ler o material de apoio e debater as perguntas


em seus grupos, peça-lhes que compartilhem quaisquer pensamentos, perguntas
ou sentimentos que tiveram como resultado do exercício prático — seja sobre a
pergunta de Mônica ou sobre a aquisição de conhecimento espiritual em geral.
Preste testemunho de que o Pai Celestial ama todos os Seus filhos e que todos que
servem na Igreja são “chamados sob a direção de alguém que possua as chaves do
sacerdócio”, que “exerce a autoridade do sacerdócio ao cumprir seus deveres
designados” e é uma parte importante do reino de Deus.

Revisão cumulativa de domínio doutrinário (20 minutos)


O teste que acompanha a lição pode ajudá-lo a avaliar o quanto os alunos
estão familiarizados com as declarações-chave de doutrina e as passagens
de escritura de domínio doutrinário apresentadas até agora neste ano letivo. Antes
de aplicar o teste, você pode dar tempo aos alunos para estudarem as passagens de
domínio doutrinário e as declarações de doutrina. Reduza o número de perguntas
se não houver tempo suficiente para aplicar todo o teste.

Revisão cumulativa de domínio doutrinário


Selecione a passagem de Doutrina e Convênios que ensina melhor cada declaração-chave de
doutrina.
1. Deus prometeu revelar a verdade à nossa mente e ao nosso coração por meio do Espírito
Santo se O buscarmos diligentemente.
a. D&C 8:2–3
b. Joseph Smith—História 1:15–20
c. D&C 135:3
2. O Pai e o Filho possuem um corpo glorificado tangível de carne e ossos, e o Espírito Santo é
um ser espiritual.
a. D&C 130:22–23
b. D&C 29:10–11
c. D&C 1:37–38

106
O S ACE R DÓ CIO E AS CHAVE S DO S ACE R DÓ CIO, PARTE 4

3. O sacrifício expiatório de Jesus Cristo nos concedeu a única maneira pela qual podemos ser
purificados e perdoados de nossos pecados a fim de habitarmos eternamente na presença
de Deus.
a. D&C 1:30
b. D&C 19:16–19
c. D&C 42:11
4. Todos os que servem na Igreja — homens e mulheres — são chamados sob a direção de
alguém que possua as chaves do sacerdócio.
a. D&C 21:4–6
b. D&C 19:16–19
c. D&C 42:11
5. Como foi estabelecida pelo próprio Deus, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos
Dias é “a única igreja verdadeira e viva na face de toda a Terra”.
a. D&C 19:16–19
b. D&C 8:2–3
c. D&C 1:30
6. Deus, o Pai, e Seu filho, Jesus Cristo, apareceram a Joseph Smith em resposta à oração de
Joseph, e Eles o chamaram para ser o profeta da Restauração.
a. Joseph Smith—História 1:15–20
b. D&C 6:36
c. D&C 58:42– 43
7. O próprio Senhor nos convidou a “[buscá-Lo] em cada pensamento; não [duvidar], não
[temer]”.
a. D&C 76:22–24
b. D&C 6:36
c. D&C 21:4–6
8. O Sacerdócio de Melquisedeque é o sacerdócio maior e “tem o direito de presidir e tem
poder e autoridade sobre todos os ofícios da igreja em todas as épocas do mundo, para
administrar em assuntos espirituais”.
a. D&C 107:8
b. D&C 88:118
c. D&C 1:30
9. Como profeta da Restauração, Joseph Smith traduziu o Livro de Mórmon pelo dom e poder
de Deus.
a. D&C 107:8
b. D&C 135:3
c. D&C 76:22–24
10. O arrependimento também inclui reconhecer nossos pecados; sentir remorso ou tristeza pelos
pecados cometidos; confessar ao Pai Celestial e, se necessário, a outros; abandonar o
pecado, tentar reparar tanto quanto possível o mal praticado e levar uma vida de obediência
aos mandamentos de Deus.
a. D&C 76:22–24
b. D&C 58:42– 43
c. D&C 130:22–23
11. Jesus Cristo criou os céus e a Terra sob a direção do Pai.
a. D&C 13:1
b. D&C 76:22–24
c. D&C 1:30
12. Profeta é uma pessoa chamada por Deus para falar em Seu nome.
a. D&C 18:10–11

107
O S AC E RD Ó C I O E A S C H AV E S D O SAC E R D ÓC I O, PART E 4

b. D&C 13:1
c. D&C 1:37–38
13. Como nosso Pai Celestial nos ama e quer que continuemos a progredir para nos tornar
semelhantes a Ele, fomos incentivados a “[procurar] conhecimento, sim, pelo estudo e
também pela fé”.
a. D&C 42:11
b. D&C 1:30
c. D&C 88:118
14. Se fielmente recebermos os ensinamentos do presidente da Igreja e obedecermos a eles,
Deus nos abençoará para vencermos o erro e o mal.
a. D&C 21:4–6
b. D&C 121:36, 41–42
c. D&C 130:22–23
15. O Sacerdócio Aarônico “possui as chaves do ministério de anjos e do evangelho do
arrependimento e do batismo”.
a. Joseph Smith—História 1:15–20
b. D&C 13:1
c. D&C 6:36
16. O sacrifício de Jesus Cristo beneficia cada um de nós e demonstra o valor infinito de cada um
dos filhos do Pai Celestial.
a. D&C 121:36, 41–42
b. D&C 88:118
c. D&C 18:10–11
17. Jesus Cristo virá novamente em poder e glória e reinará na Terra durante o Milênio.
a. D&C 58:42–43
b. D&C 13:1
c. D&C 29:10–11
18. A autoridade do sacerdócio só pode ser exercida em retidão.
a. D&C 135:3
b. D&C 121:36, 41–42
c. D&C 58:42–43

Respostas do teste: 1. a; 2. a; 3. b; 4. c; 5. c; 6. a; 7. b; 8. a; 9. b; 10. b; 11. b; 12. c; 13. c;


14. a; 15. b; 16. c; 17. c; 18. b.

108
Ordenanças e
convênios, parte 1
Introdução
O material de ensino para esta experiência de aprendizado sobre “Ordenanças e
convênios” está dividido em três partes. Na parte 1, os alunos estudarão os
parágrafos 7.1 a 7.9 desse tópico doutrinário usando as informações do Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Eles vão aprender sobre receber as ordenanças de
salvação e fazer convênios com Deus, e eles vão estudar as passagens de escritura
de domínio doutrinário em Doutrina e Convênios 84:20–22 e Doutrina e Convênios
82:10.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
aulas, você pode precisar rever brevemente com os alunos o que eles aprenderam
nos segmentos anteriores antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (8 minutos)
Escreva a seguinte pergunta no quadro e comece a aula convidando os alunos a
refletir sobre como a responderiam: O que o Pai Celestial nos deu para nos ajudar a ser
mais semelhantes a Ele e poder voltar a viver com Ele?
Depois de algum tempo, peça aos alunos que respondam à pergunta. Escreva as
respostas no quadro.
Peça aos alunos que consultem o tópico doutrinário 7, “Ordenanças e convênios”,
no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Explique-lhes que as ordenanças e
os convênios são partes fundamentais da resposta à pergunta do quadro. Peça a um
aluno que leia os parágrafos 7.1 e 7.2 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a
leitura e identifique a definição e os propósitos das ordenanças.
• O que é uma ordenança?
• Por que motivo Deus nos deu ordenanças?
Para ajudar os alunos a entender os propósitos das ordenanças, mostre-lhes a
gravura O Batismo de um Rapaz ou O Batismo de uma Menina (Livro de Gravuras
do Evangelho, 2009, nº 103 ou nº 104, também disponível no site LDS.org/
media-library). Peça aos alunos que pensem sobre o que o batismo representa.
• Que verdades espirituais a ordenança do batismo ensina simbolicamente? (Os
alunos podem incluir o simbolismo da morte e ressurreição, a morte da pessoa
em relação à sua vida pecaminosa e seu renascimento para uma vida espiritual,
ou que uma pessoa pode renascer espiritualmente. Ver “Batismo”, Tópicos do
evangelho, topics.LDS.org.)
• Por que algumas ordenanças são chamadas de “ordenanças de salvação”? (Ver
o parágrafo 7.2 do Documento Principal de Domínio Doutrinário.)

112
O R DE N AN ÇAS E CO N VÊ N IO S, PARTE 1

• Que declaração-chave de doutrina no parágrafo 7.2 ensina o que as ordenanças


de salvação fazem por nós? (Os alunos devem identificar a seguinte declaração:
Sem essas ordenanças de salvação, não podemos nos tornar semelhantes a
nosso Pai Celestial ou voltar a viver em Sua presença eternamente. Você
pode sugerir aos alunos que marquem essa declaração no exemplar deles do
Documento Principal de Domínio Doutrinário.)
Peça aos alunos que leiam os parágrafos 7.3 a 7.6 em voz alta com um colega e
identifiquem exemplos de ordenanças de salvação e outras ordenanças do
sacerdócio. Você pode pedir aos alunos que marquem cada ordenança de salvação
para que consigam localizá-la facilmente.

Segmento 2 (12 minutos)


Peça a um aluno que seja o escrevente. Peça aos alunos que citem as ordenanças de
salvação encontradas nos parágrafos 7.3 a 7.5 do Documento Principal de Domínio
Doutrinário e peça ao escrevente que anote as respostas no quadro. (A lista deve
incluir o batismo, o recebimento do dom do Espírito Santo, a ordenação ao
Sacerdócio de Melquisedeque (para os homens), a investidura do templo e o
selamento no templo.)
Peça à classe que leia em voz alta a declaração-chave de doutrina que eles
marcaram no parágrafo 7.2 do Documento Principal de Domínio Doutrinário: Sem
essas ordenanças de salvação, não podemos nos tornar semelhantes a nosso Pai
Celestial ou voltar a viver em Sua presença eternamente.
• Qual passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar essa verdade? (Você
pode pedir aos alunos que marquem Doutrina e Convênios 84:20–22 de modo
diferente em suas escrituras para que consigam localizá-la facilmente.)
Explique-lhes que a revelação registrada em Doutrina e Convênios 84 foi dada por
intermédio do profeta Joseph Smith em Kirtland, Ohio. Nessa revelação o Senhor
ensinou sobre as responsabilidades daqueles que possuem o sacerdócio e como o
poder do sacerdócio abençoa a vida de todos os filhos de Deus, principalmente por
meio das ordenanças do Sacerdócio de Melquisedeque que estão disponíveis
apenas no templo.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 84:20–22 em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique o que é manifestado ou mostrado por meio
das ordenanças do Sacerdócio de Melquisedeque.
• De acordo com esses versículos, o que é mostrado nas ordenanças do
Sacerdócio de Melquisedeque? (“O poder da divindade.”)
• Em sua opinião, o que significa o termo “poder da divindade”?
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do élder D. Todd
Christofferson, do Quórum dos Doze Apóstolos. Peça à classe que ouça o que é o
poder da divindade e como podemos recebê-lo.

113
O RD EN A N Ç A S E C ONV Ê NI OS, PA RTE 1

“Nosso compromisso para com o Pai Celestial de guardarmos nosso convênio


permite-Lhe deixar que Sua influência divina, o ‘poder da divindade’ (D&C
84:20), flua para nossa vida. Ele pode fazer isso porque, quando decidimos
participar das ordenanças do sacerdócio, exercemos o arbítrio e nos qualificamos
para recebê-lo. Nossa participação nessas ordenanças também demonstra que
estamos preparados para aceitar a responsabilidade adicional que acompanha a
maior luz e o poder espiritual.
Em todas as ordenanças, especialmente nas do templo, somos investidos de poder do alto. Esse
‘poder da divindade’ advém à pessoa pela influência do Espírito Santo. O dom do Espírito Santo
faz parte do novo e eterno convênio. É uma parte essencial do batismo, o batismo do Espírito. Ele
é o mensageiro da graça pela qual o sangue de Cristo é aplicado para nos livrar de nossos
pecados e nos santificar (ver 2 Néfi 31:17)” (D. Todd Christofferson, “O poder dos convênios”, A
Liahona, maio de 2009, pp. 21– 22).

• De acordo com o élder Christofferson, o que é o poder da divindade? (A


influência divina de Deus.)
• Nas palavras do élder Christofferson, o que pode nos ajudar a convidar a
influência divina de Deus para nossa vida? (Ao escolher participar das
ordenanças do sacerdócio, especialmente das ordenanças do templo.)
Testifique-lhes que, por causa das ordenanças salvadoras proporcionadas pelo
sacerdócio, temos o poder para nos tornar semelhantes ao Pai Celestial e voltar a
viver em Sua presença. Incentive os alunos a se prepararem cuidadosamente para
as ordenanças de salvação que ainda não receberam.

Segmento 3 (7 minutos)
Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta dos parágrafos 7.7 a 7.9
no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a
leitura e identifique como, quando e onde os convênios são feitos. Peça aos alunos
que relatem o que encontraram.
• Que declaração-chave de doutrina no parágrafo 7.7 descreve como os convênios
são feitos? (Conforme os alunos respondem, eles devem identificar a seguinte
declaração: Deus estipula as condições do convênio, e concordamos em
fazer o que Ele nos pede. Deus nos promete, então, certas bênçãos por
nossa obediência. Peça aos alunos que marquem essa declaração no exemplar
deles do Documento Principal de Domínio Doutrinário.)
• De acordo com o parágrafo 7.8, qual é a relação entre convênios e ordenanças
de salvação?
• O que prometemos fazer quando aceitamos a ordenança de batismo? (As
respostas podem incluir o seguinte: tomar sobre nós o nome de Jesus Cristo e
servir de testemunha Dele, guardar Seus mandamentos e servi-Lo. Ver
“Batismo”, Tópicos do evangelho, topics.LDS.org.)
• Que bênçãos Deus promete nos dar se guardarmos nosso convênio batismal?
(As respostas podem incluir a companhia constante do Espírito Santo, a
remissão de pecados, o privilégio de renascer espiritualmente e o dom da vida
eterna. Ver “Batismo”, Tópicos do evangelho, topics.LDS.org.)

114
O R DE N AN ÇAS E CO N VÊ N IO S, PARTE 1

• Como o conhecimento das bênçãos específicas que o Senhor nos prometeu


pode nos ajudar a querer guardar nossos convênios?

Segmento 4 (6 minutos)
Peça aos alunos que examinem o parágrafo 7.7 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário. Peça aos alunos que abram em Doutrina e Convênios 82:10. Você pode
pedir aos alunos que marquem essa passagem de modo diferente em suas
escrituras para que consigam localizá-la facilmente.
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, explique-lhes que a
revelação registrada em Doutrina e Convênios 82 foi dada ao profeta Joseph Smith
em Independence, Missouri, durante uma conferência para os portadores do
sacerdócio. Como esses primeiros membros da Igreja lutaram para estabelecer Sião,
o Senhor deu instruções a nove homens e os preparou para entender por que eles
deveriam viver em obediência ao convênio que fariam para serem unidos ao
administrar as necessidades físicas da Igreja. O senhor deu a esses irmãos uma
promessa reconfortante.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 82:10 em voz alta. Peça à classe que
acompanhe a leitura e identifique a promessa do Senhor.
• O que o Senhor promete nessa passagem de escritura?
• Como essa passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar a
declaração-chave de doutrina sobre os convênios no parágrafo 7.7?
• O que a frase “Eu, o Senhor, estou obrigado quando fazeis o que eu digo”
(D&C 82:10) os ensina sobre como Deus vê os convênios?
• De que maneira a quebra de nossos convênios afeta as promessas de Deus?
• Como o Senhor os abençoou por guardar seus convênios batismais?

Segmento 5 (7 minutos)
Mostre aos alunos que, como o Senhor quer nos abençoar, Ele quer que nos
lembremos e guardemos os convênios que fizemos com Ele. Peça aos alunos que
examinem o parágrafo 7.8 no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à
classe que leia em voz alta a última frase do parágrafo: Renovamos nossos
convênios ao partilhar do sacramento. Você pode sugerir aos alunos que
marquem essa declaração no exemplar deles do Documento Principal de Domínio
Doutrinário.
• Por que vocês acham que precisamos da oportunidade de renovar nossos
convênios?
Peça aos alunos que escrevam suas respostas a uma das perguntas a seguir no
caderno ou diário de estudo das escrituras: (Você pode escrever essas perguntas no
quadro ou entregar uma cópia para cada aluno.)

• O que farei para me lembrar de meus convênios durante o sacramento


esta semana?

115
O RD EN A N Ç A S E C ONV Ê NI OS, PA RTE 1

• O que posso fazer para manter sagrado o momento do sacramento?


• O que posso fazer esta semana para me lembrar dos meus convênios e
guardá-los?

Você pode compartilhar uma experiência pessoal ou, cuidadosamente, convidar um


ou dois alunos para compartilhar seus pensamentos. Preste testemunho do poder e
da força prometidos que você recebeu ao participar das ordenanças do sacerdócio e
cumprir fielmente os convênios associados. Incentive os alunos a colocarem em
prática a inspiração que receberam e registraram.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma
aula que esta lição — “Ordenanças e convênios, parte 1”. Utilize estas atividades
durante as aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição,
mas antes de ensinar “Ordenanças e convênios, parte 2”. Essas revisões curtas
podem ser ensinadas no início ou no final da aula em que você ensina uma lição
sequencial de escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essas
revisões não durem mais do que o tempo designado para que não substituam o
bloco de escrituras que os alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 84:20–22 (5 minutos)


Escreva a seguinte declaração-chave de doutrina no quadro: Sem essas ordenanças de
salvação, não podemos nos tornar semelhantes a nosso Pai Celestial ou voltar a viver em
Sua presença eternamente.
Peça aos alunos que encontrem a passagem de domínio doutrinário associada a
essa declaração em suas escrituras. Quando os alunos localizarem Doutrina e
Convênios 84:20–22, peça à classe que leia essa passagem de escritura em voz alta.
Peça aos alunos que expliquem como poderiam usar essa declaração-chave de
doutrina e essa passagem de escritura de domínio doutrinário para ensinar um
amigo sobre a importância das ordenanças do sacerdócio.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 82:10 (5 minutos)


Escreva a seguinte declaração-chave no quadro: Deus estipula as condições do
convênio, e concordamos em fazer o que Ele nos pede. Deus nos promete, então, certas
bênçãos por nossa obediência (D&C 82:10).
Peça à classe que abra em Doutrina e Convênios 82:10 e leia em voz alta.
Divida os alunos em duplas e lhes diga que terão dois desafios de 60 segundos.
Para o primeiro desafio, escreva a frase Se – Então no quadro. Dê 60 segundos às
duplas para que pensem em várias maneiras pelas quais a declaração-chave de
doutrina no quadro ou a verdade em Doutrina e Convênios 82:10 poderia ser
reafirmada como um princípio “Se – Então”. Quando o tempo acabar, peça a várias
duplas que se levantem e repitam suas declarações em voz alta.

116
O R DE N AN ÇAS E CO N VÊ N IO S, PARTE 1

Para o segundo desafio, peça às duplas que se revezem na leitura de Doutrina e


Convênios 82:10 em voz alta um ao outro quantas vezes puderem em 60 segundos.
Quando o tempo acabar, peça aos alunos que fechem as escrituras e repitam a
referência de domínio doutrinário e o versículo correspondente como classe.

Revisão de domínio doutrinário. Ordenanças e convênios (5 minutos)


Escreva as seguintes referências de escritura de domínio doutrinário no quadro:

Doutrina e Convênios 84:20–22


Doutrina e Convênios 82:10

Peça aos alunos que consultem essas passagens das escrituras e as leiam em
silêncio com cuidado para relembrar os ensinamentos que elas contêm.
Escreva ou exiba no quadro a seguinte declaração do élder Jeffrey R. Holland, do
Quórum dos Doze Apóstolos. (Você pode optar por fornecer essa declaração em
uma folha de papel aos alunos.) Peça a um aluno que leia a declaração em voz alta.
Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique frases específicas que possam
estar relacionadas às passagens de domínio doutrinário no quadro.

Quando fazemos um convênio com Deus, “prometemos fazer certas coisas,


dependendo da ordenança, e Ele promete dádivas especiais em troca: dádivas
maravilhosas, dons inexprimíveis, quase incompreensíveis. Por isso digo a vocês
como digo a mim mesmo: se quisermos realmente ter sucesso em nosso chamado, se
quisermos ter acesso a toda ajuda e toda vantagem e toda bênção provenientes do
Pai Celestial, se quisermos que as portas do céu se abram para que recebamos os
poderes da divindade, precisamos guardar nossos convênios!” (Jeffrey R. Holland,
“Guardar os convênios: Uma mensagem para os que vão servir missão”, A
Liahona, janeiro de 2012, p. 50).

Peça aos alunos que relatem as frases que encontraram na declaração do élder
Holland que estejam relacionadas às passagens de domínio doutrinário no quadro.
Conforme os alunos relatam, peça-lhes que expliquem como as passagens das
escrituras ajudam a ensinar as declarações que eles selecionaram.

117
Ordenanças e
convênios, parte 2
Introdução
O material de ensino para esta experiência de aprendizado sobre “Ordenanças e
convênios” está dividido em duas partes. A parte 2 contém um exercício prático que
ajudará os alunos a aplicar a doutrina que aprenderam no Documento Principal de
Domínio Doutrinário e nas passagens de domínio doutrinário encontradas em
Doutrina e Convênios 84:20–22. Esta lição também inclui uma revisão cumulativa
de todas as passagens de domínio doutrinário que os alunos estudaram até agora.
Observação: Você pode ensinar o exercício prático e a revisão de domínio
doutrinário desta lição em uma única aula ou em duas aulas separadas,
compartilhando o tempo de aula com sua sequência comum de escrituras de
Doutrina e Convênios.

Exercício prático (25 minutos)


Reveja com os alunos os três princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Leia a seguinte situação para a classe:
Você tem uma amiga chamada Laura que não vem à igreja há vários meses. Você e
alguns outros membros de sua classe da Escola Dominical decidem visitá-la em sua
casa para incentivá-la a ir à igreja no próximo domingo. Quando você diz a ela que
sentiu sua falta na igreja, ela responde: “Eu faço caminhadas aos domingos em vez
de ir à igreja. Sinto-me mais perto de Deus na natureza”. Quando você tenta lhe
dizer como pode abençoar a ela e a outras pessoas o fato de frequentar a igreja, ela
diz: “Não preciso da Igreja para ser uma boa pessoa. E não acho que Deus vai
impedir as pessoas de estar com Ele só porque não vão à igreja e não fazem todas
as coisas que a Igreja lhes diz para fazer”.
Separe a classe em pequenos grupos. Forneça a cada grupo o material que
acompanha a lição e dê a cada grupo tempo suficiente para trabalhar
nele juntos.

Ajudar as pessoas a adquirir conhecimento espiritual


Relembrem a declaração da Laura: “Não preciso da Igreja para ser uma boa pessoa. E não acho que
Deus vai impedir as pessoas de estar com Ele só porque não vão à igreja e não fazem todas as coisas
que a Igreja lhes diz para fazer”.

118
O R DE N AN ÇAS E CO N VÊ N IO S, PARTE 2

• Quais preocupações ou equívocos vocês acham que Laura pode ter sobre frequentar a igreja e
seguir os ensinamentos da Igreja?
• Que perguntas vocês poderiam fazer a Laura para entender melhor sua perspectiva?
• Como um entendimento correto das ordenanças e dos convênios pode ajudar Laura?
• Que bênçãos ela perderá se quebrar os convênios que fez e deixar de tomar o sacramento?
Leiam as seguintes declarações do élder D. Todd Christofferson e do élder David A. Bednar, do
Quórum dos Doze Apóstolos. Identifiquem qualquer coisa nessas declarações que possa fornecer mais
perspectiva para Laura ponderar sobre por que Deus pede a Seus filhos que façam
determinadas coisas.
“Se alguém crê que todos os caminhos levam ao céu ou que não existem exigências específicas para
a salvação, tal pessoa não verá nenhuma necessidade para se proclamar o evangelho ou para as
ordenanças e os convênios que redimem tantos os vivos quanto os mortos. Porém, não falamos
apenas sobre a imortalidade, mas também sobre a vida eterna; e para esta, o caminho e os convênios
do evangelho são essenciais. E o Salvador precisa de uma igreja para fazer com que esse caminho e
os convênios estejam disponíveis a todos os filhos de Deus; tanto os vivos quanto os mortos”
(D. Todd Christofferson, “Qual a razão da Igreja”, A Liahona, novembro de 2015, p. 110).
“As ordenanças de salvação e de exaltação administradas na Igreja restaurada do Senhor são muito
mais do que rituais ou representações simbólicas. Na verdade, são meios autorizados pelos quais as
bênçãos e os poderes do céu podem fluir para nossa vida pessoal. (…)
As ordenanças recebidas e honradas com integridade são essenciais para a obtenção do poder da
divindade e de todas as bênçãos proporcionadas por meio da Expiação do Salvador” (David A.
Bednar, “Conservar sempre a remissão de seus pecados”, A Liahona, maio de 2016, p. 60).
• Como os ensinamentos desses dois apóstolos podem ajudar Laura a entender a importância de
guardar seus convênios e ir à igreja?
• Como vocês podem usar as passagens de domínio doutrinário de Doutrina e Convênios
84:20–22 e Doutrina e Convênios 82:10 para ajudar Laura a entender por que ela deve continuar
a participar das ordenanças e guardar seus convênios?
• Que convite vocês podem fazer a Laura para incentivá-la a agir com fé?

Depois que os alunos tiverem tempo suficiente para debater as perguntas do


material, peça a cada grupo que compartilhe com a classe uma ideia que tiveram
para ajudar a Laura a adquirir conhecimento espiritual. Incentive os alunos a
registrar em seu caderno ou diário de estudo das escrituras seus pensamentos sobre
a experiência e as respostas que seu grupo encontrou.

Revisão cumulativa de domínio doutrinário (15 minutos)


Antes do início da aula, escreva a referência de escritura para cada uma das
passagens de domínio doutrinário que você estudou até agora neste ano letivo em
tiras de papel a fim de que cada papel tenha uma referência de escritura. (Se a
classe tiver mais de 20 alunos, você pode repetir algumas referências ou dividir os
alunos para trabalharem em duplas. Se a classe tiver menos de 20 alunos, você
pode selecionar passagens específicas para essa atividade e anotar as passagens não
utilizadas para que possam ser usadas em uma atividade futura.)

119
O RD EN A N Ç A S E C ONV Ê NI OS, PA RTE 2

Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração feita pelo presidente
Howard W. Hunter (1907–1995). Peça aos alunos que procurem ouvir as verdades
que sentiram em suas experiências pessoais com o domínio doutrinário.

“Queremos que os alunos tenham confiança na força e nas verdades das


escrituras, confiança em que seu Pai Celestial está realmente falando com eles
por meio das escrituras e confiança em que podem consultar as escrituras e
encontrar respostas para seus problemas e suas orações” (Howard W. Hunter,
Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Howard W. Hunter, 2015, p. 284).

• Como o domínio doutrinário os ajudou a sentir a verdade das palavras do


presidente Hunter?
• De que maneira sua confiança e seu entendimento dos tópicos doutrinários
aumentaram?
Explique-lhes que, pela prática e uso constante e diligente das declarações-chave
de doutrina e as passagens de escritura de domínio doutrinário, nosso
entendimento e nossa confiança nessas verdades continuarão a aumentar.
Instrua cada aluno a selecionar aleatoriamente uma tira de papel com uma
referência de escritura de domínio doutrinário escrita nela. Os alunos devem,
então, localizar a declaração-chave de doutrina em sua cópia do Documento
Principal de Domínio Doutrinário que está associada com a passagem de escritura de
domínio doutrinário na tira de papel.
Depois que os alunos encontrarem sua declaração-chave de doutrina, peça-lhes
que preparem um devocional de seminário de 2 a 3 minutos, ensinando as
verdades dessas doutrinas. Os alunos devem usar a passagem de domínio
doutrinário que escolheram e sua declaração-chave de doutrina que a acompanha
como suas principais fontes. (Se possível, você pode pedir aos alunos que usem seu
dispositivo móvel para pesquisar o site LDS.org ou o aplicativo Biblioteca do
Evangelho para acessar os artigos e outros materiais que podem ajudá-los a ensinar
essas declarações-chave de doutrina e passagens de escritura.) Incentive-os a
incluir um convite ou um desafio para seus colegas aplicarem na vida deles como
parte de cada devocional.
Dê aos alunos tempo para estudar e se preparar e os incentive a registrar seus
pensamentos no diário de estudo das escrituras ou no caderno. Se o tempo
permitir, você pode pedir a um aluno que apresente seu devocional como exemplo
para a classe. Você também pode passar um calendário pela classe para que os
alunos anotem uma data para apresentarem seu devocional durante uma aula.

120
Casamento e
família, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “Casamento e
família” está dividido em três partes. Na parte 1, os alunos estudarão os parágrafos
8.1 a 8.4 desse tópico doutrinário no Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Eles aprenderão sobre a importância do casamento e da família no plano de
salvação e vão estudar a passagem de escritura de domínio doutrinário que se
encontra em Doutrina e Convênios 49:15–17. A parte 1 também inclui um exercício
prático que ajudará os alunos a aplicar o que aprenderam.
Observação: Você pode ensinar os segmentos e o exercício prático desta lição em
uma única aula ou ao longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos
e o exercício prático ao longo de várias aulas, você pode precisar rever brevemente
com os alunos o que eles aprenderam nos segmentos anteriores antes de ensinar
um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (10 minutos)
Imaginem que vocês têm um amigo que não quer se casar porque ele acha que
poderia realizar mais na vida sem um cônjuge ou uma família. O que vocês diriam
a ele?
Mostre aos alunos a seguinte declaração do élder David A. Bednar, do Quórum dos
Doze Apóstolos, e peça a um aluno que a leia em voz alta.

“Uma das grandes tarefas de nosso tempo (…) é ajudar as pessoas a entender o
verdadeiro significado e propósito do casamento” (David A. Bednar, “The
Divinely Designed Pattern of Marriage” [O padrão divinamente concebido de
casamento], discurso proferido no Humanum Symposium, 9 de março de 2017,
mormonnewsroom.org).

• Por que vocês acham que ajudar as pessoas a entender o verdadeiro significado
e propósito do casamento é uma das grandes tarefas de nossa época?
Peça aos alunos que consultem o tópico doutrinário 8, “Casamento e família”, no
Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça a alguns alunos que se revezem na
leitura em voz alta dos parágrafos 8.1 a 8.4. Peça à classe que acompanhe a leitura e
identifique as declarações que descrevem o verdadeiro significado e propósito do
casamento.
• Quais são algumas declarações desses parágrafos que descrevem o verdadeiro
significado e propósito do casamento?
Peça aos alunos que leiam a primeira frase no parágrafo 8.1: O casamento entre
homem e mulher foi ordenado por Deus e a família é essencial ao Seu plano

122
CAS AME N TO E FAMÍLIA, PARTE 1

de salvação e felicidade. Peça a eles que marquem essa declaração-chave de


doutrina no exemplar deles do Documento Principal de Domínio Doutrinário.
• O que vocês acham que significa dizer que o casamento entre homem e mulher
foi ordenado por Deus? (O casamento é divinamente aprovado por Deus.)
• De que maneira a família é essencial para o plano de Deus e para nossa
felicidade?

Segmento 2 (10 minutos)


Peça aos alunos que abram em Doutrina e Convênios 49:15–17. Explique-lhes que
essa passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar a declaração-chave de
doutrina que eles marcaram no parágrafo 8.1 no Documento Principal de Domínio
Doutrinário. Você pode sugerir aos alunos que marquem essa passagem de escritura
de modo diferente para que consigam localizá-la facilmente.
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, explique-lhes que a
revelação registrada em Doutrina e Convênios 49 foi dada ao profeta Joseph Smith
para ajudar a esclarecer algumas crenças falsas de um membro da Igreja chamado
Leman Copley. Antes de se filiar à Igreja, Copley pertencera a um grupo religioso
chamado shakers, que rejeitava o casamento e acreditava em uma vida totalmente
celibatária (abstendo-se de casamento e relações sexuais).
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 49:15–17 em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique as verdades sobre o casamento.
• Quais são algumas verdades que podemos aprender sobre o casamento nesses
versículos?
• O que vocês acham que significa no versículo 16 que o casamento entre homem
e mulher ajuda a Terra a “[cumprir] o fim de sua criação”?
• Quais são alguns pontos de vista mundanos relacionados ao casamento e à
família que são diferentes dos padrões de Deus? (Algumas das respostas dos
alunos podem incluir o seguinte: o casamento não é necessário, ter filhos é um
fardo, o casamento não precisa ser entre homem e mulher, o casamento é para
satisfação pessoal ou conveniência e, se você se cansar de seu cônjuge, você
deve se divorciar.)
Depois que os alunos responderem, pergunte-lhes como esses pontos de vista
diferem das verdades de que o casamento entre homem e mulher é ordenado por
Deus e que a família é essencial para o plano de salvação estabelecido por Deus e
para nossa felicidade.
Mostre-lhes a declaração do élder David A. Bednar a seguir. Peça a um dos alunos
que leia a declaração em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e
identifique como o casamento e o relacionamento conjugal e familiar vão beneficiar
seu futuro.

123
C A S A M E N TO E FA MÍ LI A , PA RTE 1

“Todos, principalmente os da nova geração, precisam perceber como a vida em


família é rica e como tem o potencial de desenvolver o mais elevado e melhor em
cada um de nós. Em uma época de crescente egoísmo, devemos destacar a
capacidade do casamento de elevar homens e mulheres acima de seus próprios
interesses para a alegria que advém de dedicar a própria vida para se preparar
para um propósito maior e santo” (David A. Bednar, “The Divinely Designed
Pattern of Marriage”, discurso proferido no Humanum Symposium, 9 de março de 2017,
mormonnewsroom.org).

• De que maneira vocês acham que o relacionamento conjugal e familiar pode


desenvolver “o mais elevado e melhor em cada um de nós”?
• De que maneira vocês viram o relacionamento conjugal e familiar produzir
alegria ou autoaperfeiçoamento em sua própria vida ou na vida de alguém que
vocês conhecem?

Exercício prático (20 minutos)


Reveja com os alunos os três princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.
Divida os alunos em grupos pequenos. Dê a cada grupo uma cópia do
material que acompanha a lição. Dê tempo aos grupos para que debatam
as perguntas do material e lhes peça que se preparem para pedir a alguém do grupo
que compartilhe algumas de suas descobertas com a classe.

O casamento é realmente necessário?


Leia a seguinte situação com seu grupo:
Em sua classe de sociologia na escola, seu professor mostra um gráfico ilustrando as tendências
sociais no casamento. A partir do gráfico, você percebe um grande aumento nos últimos anos do
número de casais que decidem viver juntos sem estar casados.
Depois da aula, você conversa com seu amigo Lucas, que também estava na classe, sobre a
tendência. Lucas pergunta: “O casamento é realmente necessário? Por que duas pessoas que se
amam não podem expressar seu amor por meio da intimidade sexual sem ser casados?”
Debata as seguintes perguntas em grupo:

Agir com fé
• Como Lucas pode exercer fé enquanto busca respostas para suas dúvidas?

Examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna


• O que Lucas precisa para entender sobre o propósito do casamento no plano do Pai Celestial?
• Por que você acha que Deus ordena que os poderes sagrados da procriação devem ser usados
somente pelo marido e pela mulher? (Você pode consultar o quarto parágrafo de “A Família:
Proclamação ao Mundo”, que se encontra na última contracapa do seu diário de estudo.)

124
CAS AME N TO E FAMÍLIA, PARTE 1

• Como Doutrina e Convênios 49:15–17 pode ajudar Lucas a ver o conceito do casamento com
uma perspectiva eterna?

Buscar mais entendimento por meio de fontes divinamente atribuídas


• Quais são outras fontes que podem ser úteis para alguém que talvez esteja confuso sobre o
propósito do casamento? Reserve alguns minutos para pesquisar as escrituras, os discursos da
conferência geral ou o livreto Para o Vigor da Juventude a fim de encontrar declarações que
possam ajudar a responder à pergunta de Lucas.

Observação: Você pode adaptar a situação de acordo com as experiências e as


necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Depois que os alunos tiveram tempo suficiente para analisar e debater as perguntas
do material, peça a um voluntário de cada grupo que relate o que seu grupo
encontrou. Peça a um ou mais voluntários que relate o que seu grupo respondeu
para as perguntas de “Examinar conceitos e perguntas com uma perspectiva
eterna”.

Atividade de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma
aula que esta lição — “Casamento e família, parte 1”. Utilize esta atividade durante
uma aula do seminário que ocorra depois que você ensinar esta lição, mas antes de
ensinar “Casamento e família, parte 2”. Essa revisão curta pode ser ensinada no
início ou no final da aula em que você ensina uma lição sequencial de escrituras de
Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essa revisão não dure mais de cinco
minutos para que não substitua o bloco de escrituras que os alunos estudarão
em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 49:15–17 (5 minutos)


Antes do início da aula, peça a um aluno que estude Doutrina e Convênios
49:15–17. Peça ao aluno que identifique as cinco palavras mais importantes na
passagem. Peça ao aluno que vá para a frente da sala e escreva no quadro as cinco
palavras que ele escolheu.
Peça aos alunos que descubram de qual passagem de domínio doutrinário em
Doutrina e Convênios essas palavras vieram. Depois que a classe identificar a
passagem de escritura, peça ao aluno junto ao quadro que explique por que ele
pensou que essas cinco palavras foram algumas das mais importantes na passagem.
Peça aos alunos que encontrem outras palavras na passagem que eles acham que
são importantes e que expliquem por quê.

125
Casamento e
família, parte 2
Introdução
O material de ensino para esta experiência de aprendizado sobre “Casamento e
família” está dividido em três partes. Na parte 2, os alunos estudarão os parágrafos
8.1 a 8.4 desse tópico doutrinário no Documento Principal de Domínio Doutrinário.
Eles aprenderão sobre o convênio do casamento celestial e vão estudar a passagem
de escritura de domínio doutrinário que se encontra em Doutrina e Convênios
131:1–4. A parte 2 também inclui um exercício prático que ajudará os alunos a
aplicar o que aprenderam.
Observação: Você pode ensinar os segmentos e o exercício prático desta lição em
uma única aula ou ao longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos
e o exercício prático ao longo de várias aulas, você pode precisar rever brevemente
com os alunos o que eles aprenderam nos segmentos anteriores antes de ensinar
um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (10 minutos)
Observação: Este segmento fala sobre a importância do casamento eterno no plano
de Deus. Como alguns alunos vêm de famílias que ainda não passaram por essa
experiência, compartilhe com a classe a seguinte declaração do presidente
Howard W. Hunter (1907–1995) antes de ensinar este segmento: “Nenhuma
bênção, inclusive a do casamento eterno e da família eterna, será negada a uma
pessoa digna. Embora possa levar algum tempo para alguns conquistarem essa
bênção — talvez até seja após esta vida mortal —, ela não lhes será negada” (“A
Igreja é para todos”, A Liahona, agosto de 1990, p. 43).
Traga uma semente para a aula ou mostre uma gravura de uma semente para os
alunos. Diga aos alunos que tipo de semente ela é.

127
C A S A M E N TO E FA MÍ LI A , PA RTE 2

• O que essa semente tem o potencial para se tornar?


• O que precisa acontecer para que a semente atinja seu potencial? (Ela deve ser
plantada e cuidada com água e luz do sol.)
Peça aos alunos que consultem a segunda frase do parágrafo 8.1 do Documento
Principal de Domínio Doutrinário. Peça a um aluno que leia essa frase em voz alta.
Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que precisa ocorrer para que
possamos cumprir nosso potencial eterno.
• O que precisa ocorrer para que possamos cumprir nosso potencial eterno?
(Você pode sugerir aos alunos que marquem essa declaração-chave de doutrina
no exemplar deles do Documento Principal de Domínio Doutrinário: Um homem
e uma mulher somente podem alcançar seu potencial divino e eterno
fazendo e cumprindo fielmente o convênio do casamento celestial.)
• O que vocês acham que significa, para nós, fazer e cumprir fielmente o
convênio do casamento celestial? (Ser selado a seu cônjuge para a eternidade
no templo e guardar os convênios que foram feitos com seu cônjuge e o Pai
Celestial.)

Segmento 2 (10 minutos)


Peça aos alunos que abram em Doutrina e Convênios 131:1–4. Explique-lhes que
essa passagem de domínio doutrinário ajuda a ensinar a declaração-chave de
doutrina de que os homens e as mulheres devem fazer e guardar o convênio do
casamento celestial a fim de cumprir seu potencial divino e eterno. Você pode pedir
aos alunos que marquem essa passagem de modo diferente em suas escrituras para
que consigam localizá-la facilmente.
Para ajudar os alunos a entender o contexto dessa passagem, diga-lhes que
Doutrina e Convênios 131 contém os ensinamentos que o profeta Joseph Smith
deu em 16 de maio de 1843 a um marido e uma mulher que tinham sido selados

128
CAS AME N TO E FAMÍLIA, PARTE 2

para a eternidade. Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 131:1–4 em voz
alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique o que o profeta Joseph
Smith ensinou sobre o casamento eterno e o reino celestial.
Talvez você precise lhes explicar que a frase “o novo e eterno convênio do
casamento” (D&C 131:2) refere-se ao convênio do casamento eterno, que agora é
realizado somente nos templos. Esse convênio é descrito como “novo”, porque foi
revelado novamente por meio do profeta Joseph Smith na dispensação da
plenitude dos tempos. Chama-se “eterno” porque durará por toda a eternidade
para aqueles que o aceitam e são fiéis a seus termos e suas condições.
• O que vocês acham que significa obter o mais alto grau de glória celestial?
(Explique-lhes que isso se refere à exaltação, ou a se tornar semelhante ao Pai
Celestial.)
• Em sua opinião, o que significa a afirmação de que aqueles que não forem
exaltados não poderão ter descendência? (Explique-lhes que isso significa que
somente aqueles que herdarem o grau mais elevado de glória celestial poderão
ter uma posteridade eterna.)
• O que pode impedir as pessoas de tomarem a decisão de se casar no templo?
Peça a um aluno que leia em voz alta a seguinte declaração do presidente
Howard W. Hunter (1907–1995):

“No templo, recebemos a mais alta ordenança disponível para homens e


mulheres: o selamento entre marido e mulher para que vivam juntos
eternamente. Esperamos que nossos jovens não se contentem com menos que
um casamento no templo.
Assim como o batismo é um mandamento do Senhor, o casamento no templo
também o é. (…) Faz parte de nosso destino. Não podemos cumprir nossos
objetivos mais elevados sem ele. Não se contentem com nada menos do que isso”
(Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Howard W. Hunter, 2015, p. 210).

• Quais são algumas das razões mais importantes pelas quais não devemos nos
contentar com nada menos do que um casamento no templo?
• O que vocês podem fazer agora para garantir que não vão se contentar com
nada menos do que um casamento no templo no futuro?
Testifique a respeito da importância do casamento eterno. Incentive os alunos a se
comprometerem agora a ser dignamente selados a seu cônjuge no templo.

Exercício prático (20 minutos)


Reveja com os alunos os três princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.

129
C A S A M E N TO E FA MÍ LI A , PA RTE 2

Dê a cada aluno uma cópia do material que acompanha a lição. Peça a um aluno
que leia em voz alta a situação que se encontra nos dois primeiros parágrafos do
material.
Depois que um aluno ler a situação, divida a classe em três grupos. Peça a
cada grupo que leia a declaração do presidente Henry B. Eyring, da
Primeira Presidência, que acompanha a situação no material que acompanha a
lição. Peça aos grupos que identifiquem como a declaração do presidente Eyring
ilustra o princípio específico da aquisição de conhecimento espiritual que lhes é
atribuído a seguir:
Grupo 1: Identifique maneiras pelas quais o presidente Eyring nos convidou a agir
com fé.
Grupo 2: Identifique maneiras pelas quais o presidente Eyring examinou essa
questão tendo uma perspectiva eterna.
Grupo 3: Identifique as fontes divinamente indicadas que o presidente Eyring usou
em seu debate sobre esse conceito.
Peça aos alunos que se preparem para compartilhar o que encontraram e que
pensem em como o que encontraram pode ter ajudado a trazer paz para o rapaz
dessa situação.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.

A quem estarei selado na eternidade?


Roberto está passando por dificuldades. Seus pais se casaram no templo, mas agora decidiram se
divorciar. Roberto sempre teve um testemunho de uma família eterna, mas ele se pergunta: “A quem
estarei selado na eternidade?”
Enquanto procura respostas para sua pergunta, Roberto encontra uma declaração em um artigo
escrito pelo presidente Henry B. Eyring que ajuda a lhe trazer paz:
“O Salvador enviou o profeta Elias a Joseph Smith para restaurar as chaves do sacerdócio (ver
D&C 110). Com essas chaves, veio o poder de selamento, oferecendo a maior dádiva de Deus a Seus
filhos: a vida eterna, unidos em famílias para sempre. (…)
Para alguns, essa alegria eterna pode parecer uma esperança tênue ou até esvaecente. Pode ser que
haja pais, filhos, irmãos e irmãs que tenham feito escolhas que pareçam desqualificá-los para a vida
eterna. Talvez até você se questione se está ou não qualificado por meio da Expiação de Jesus Cristo.
Um profeta de Deus me deu certa vez um conselho que me fez sentir paz. Eu me preocupava que as
escolhas de outras pessoas viessem a impossibilitar que nossa família vivesse unida para sempre. Ele
disse: ‘Você está se preocupando com o problema errado. Simplesmente viva de modo a ser digno do
reino celestial, e sua situação familiar será mais maravilhosa do que pode imaginar’.
Para todos aqueles cujas experiências pessoais ou cujo casamento e filhos — ou a ausência deles —
lancem uma sombra sobre suas esperanças, ofereço meu testemunho de que o Pai Celestial conhece
e ama você como filho espiritual Dele. Enquanto você estava com Ele e Seu Filho Amado antes desta
vida, Eles colocaram em seu coração a esperança de que terá a vida eterna. Com o poder da Expiação
de Jesus Cristo em ação e com a orientação do Santo Espírito, você pode sentir agora e vai sentir no
mundo vindouro o amor em família que seu Pai e Seu Amado Filho tanto desejam que você receba.

130
CAS AME N TO E FAMÍLIA, PARTE 2

Testifico que, se viver de modo a ser digno do reino celestial, a promessa profética de que ‘sua
situação familiar será mais maravilhosa do que pode imaginar’ se cumprirá para você” (Henry B.
Eyring, “A esperança do eterno amor em família”, A Liahona, agosto de 2016, pp. 4–5).

Quando os alunos tiverem terminado de estudar, peça a voluntários de cada grupo


que relatem o que seu grupo debateu sobre o princípio designado para a aquisição
de conhecimento espiritual. Depois da atividade, você também pode convidar os
alunos a debater outras maneiras pelas quais podem convidar Roberto a usar
qualquer um dos três passos para a aquisição de conhecimento espiritual enquanto
ele tenta encontrar respostas para sua pergunta.

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma
aula que esta lição — “Casamento e família, parte 2”. Utilize estas atividades
durante as aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição,
mas antes de ensinar “Casamento e família, parte 3”. Essa revisão curta pode ser
ensinada no início ou no final das aulas em que você ensina uma lição com uma
sequência comum de escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que
essas revisões não durem mais de cinco minutos cada para que não substituam o
bloco de escrituras que os alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 131:1–4 (5 minutos)


Mostre uma gravura de um homem e
uma mulher na frente do templo e
pergunte:
• O que aprendemos no seminário
sobre o casamento?
Peça aos alunos que lembrem qual
passagem de escritura de domínio
doutrinário de Doutrina e Convênios
ajuda a ensinar a seguinte
declaração-chave de doutrina: Um
homem e uma mulher somente
podem alcançar seu potencial divino
e eterno fazendo e cumprindo
fielmente o convênio do casamento
celestial (D&C 131:1–4). Peça a um
aluno que leia essa passagem em voz
alta. Depois, peça aos alunos que
sugiram maneiras pelas quais eles
podem se lembrar dessa passagem e do
que ela ensina.

131
C A S A M E N TO E FA MÍ LI A , PA RTE 2

Revisão de domínio doutrinário. Casamento e família (5 minutos)


Escreva as seguintes declarações-chave de doutrina sobre o casamento e a família
no quadro:

O casamento entre homem e mulher foi ordenado por Deus e a família é essencial
ao Seu plano de salvação e felicidade.
Um homem e uma mulher somente podem alcançar seu potencial divino e eterno
fazendo e cumprindo fielmente o convênio do casamento celestial.

Peça aos alunos que leiam as declarações no quadro e encontrem a passagem de


domínio doutrinário em Doutrina e Convênios que corresponde a cada declaração
(D&C 49:15–17 e D&C 131:1–4).
Quando os alunos encontrarem as duas passagens de escritura, peça à classe que as
leia em voz alta. Em seguida, dê aos alunos o restante deste tempo de revisão para
as lerem em silêncio e se familiarizarem mais com essas passagens.

132
Casamento e
família, parte 3
Introdução
O material de ensino para esta experiência de aprendizado sobre “Casamento e
família” está dividido em três partes. Na parte 3, os alunos vão participar de uma
atividade de revisão cumulativa que vai ajudá-los a analisar todas as passagens de
escritura de domínio doutrinário que estudaram até agora neste ano. Essa atividade
de revisão deve durar 20 minutos. Caso não tenha tempo de ensinar todo o
material da parte 1 e parte 2 da experiência de aprendizado “Casamento e família”,
você pode ensinar esse material nesta aula. Se terminou esses materiais, você pode
usar o restante de seu tempo nesta aula para rever qualquer material das lições com
uma sequência comum de escrituras de Doutrina e Convênios que você não teve
tempo de ensinar adequadamente durante o tempo de aula.

Revisão cumulativa de domínio doutrinário (20 minutos)


Leia as seguintes situações em voz alta para a classe ou você pode dividir os alunos
em grupos para debater essas situações depois de lê-las. Cada situação está
relacionada a uma ou mais passagens de domínio doutrinário de Doutrina e
Convênios. Depois de ler cada situação, peça à classe que localize uma passagem
de domínio doutrinário relevante. (Eles podem usar seu exemplar do Guia de
Referência de Domínio Doutrinário se quiserem.) Peça a vários alunos que falem qual
foi a passagem do domínio doutrinário que encontraram e lhes peça que expliquem
como a passagem se relaciona com a situação.
As passagens de domínio doutrinário relacionadas após cada situação são possíveis
respostas, mas os alunos também podem pensar em mais passagens de domínio
doutrinário que se relacionam com as situações.
• João está recebendo as lições missionárias e pergunta: “Há alguma escritura que
ensina que o Pai Celestial e Jesus Cristo possuem um corpo físico?” (D&C
130:22–23)
• Márcia está sofrendo com sentimentos de baixa autoestima e fica se
perguntando como é possível Deus amá-la. (D&C 18:10–11)
• Rubens cometeu um pecado e deseja ser perdoado. Ele não sabe exatamente
como se arrepender verdadeiramente. (D&C 58:42–43)
• Enquanto Eugênio está ponderando sobre onde ele deve estudar, uma
universidade em particular está sempre em sua mente. Depois de pesquisar
mais, ele sente a confirmação em seu coração de que é para lá que deve ir.
(D&C 8:2–3)
• Pedro não tem certeza de que Deus vai cumprir Suas promessas e proporcionar
bênçãos quando ele (Pedro) cumprir seus convênios. (D&C 82:10)
• Clara é questionada se algum profeta dos últimos dias viu o Salvador
ressuscitado. (D&C 76:22–24)

134
CAS AME N TO E FAMÍLIA. PARTE 3

• Durante uma conferência geral recente, o presidente da Igreja convidou todos


os membros da Igreja a ler o Livro de Mórmon todos os dias. Alice disse que
somente faria algo assim se Deus lhe dissesse para fazê-lo. (D&C 1:37–38; D&C
21:4–6)
• Sérgio quer saber por que Deus diz que é importante que façamos certas coisas
como ser batizados, tomarmos o sacramento e nos casarmos no templo. (D&C
84:20–22; D&C 131:1–4; D&C 82:10)
• Ao refletir sobre a situação atual do mundo e o futuro, Paula muitas vezes sente
medo. Mas, quando se lembra de que o Salvador tem um plano e que está no
controle, ela sente paz e consolo. (D&C 6:36)
• Quando Daniel aprende sobre a magnitude do sofrimento de Jesus Cristo
quando expiou nossos pecados, ele se pergunta por que o Salvador fez um
sacrifício tão grande. (D&C 19:16–19; D&C 18:10–11)
• Carlos quer saber o que significa ser um digno portador do sacerdócio. (D&C
121:36, 41–42)

135
Mandamentos, parte 1
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “Mandamentos”
está dividido em três partes. Na parte 1, os alunos estudarão os parágrafos 9.1 a 9.5
desse tópico doutrinário usando as informações do Documento Principal de Domínio
Doutrinário. Eles aprenderão sobre o mandamento de perdoar aos outros e vão
estudar a passagem de domínio doutrinário que se encontra em Doutrina e
Convênios 64:9–11.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
aulas, você pode precisar rever brevemente com os alunos o que eles aprenderam
no segmento anterior antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (10 minutos)
Divida os alunos em grupos pequenos e forneça uma folha de papel e um lápis a
cada grupo. Peça a cada grupo que faça uma lista do maior número de
mandamentos possíveis em um minuto. Depois de um minuto, peça aos alunos
que citem alguns dos mandamentos que escreveram. Você pode lhes perguntar
qual de todos esses mandamentos eles acham que é o maior ou o mais importante.
Peça a um aluno que leia em voz alta o parágrafo 9.1 no Documento Principal de
Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a leitura e identifique por que o
Pai Celestial nos dá mandamentos.
• Por que o Pai Celestial nos dá mandamentos?
Peça a alguns alunos que se revezem na leitura em voz alta dos parágrafos 9.2 a 9.5
no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Peça à classe que acompanhe a
leitura e identifique os mandamentos que acrescentariam à sua lista do início
desta lição.
• Quais desses mandamentos trouxeram bênçãos à sua vida?

Segmento 2 (25 minutos)


Peça aos alunos que releiam individualmente o parágrafo 9.5 no Documento
Principal de Domínio Doutrinário e encontrem quais dos mandamentos do Pai
Celestial nesse parágrafo estão associados a passagens de domínio doutrinário em
Doutrina e Convênios. (Há três mandamentos nesse parágrafo que estão
associados a passagens de escritura de domínio doutrinário em Doutrina e
Convênios. Eles são dados na seguinte declaração-chave de doutrina: Os
mandamentos de Deus incluem (…) perdoar ao próximo, guardar a Palavra
de Sabedoria e ensinar o evangelho a outras pessoas. Você pode sugerir aos
alunos que marquem esses três mandamentos no exemplar deles do Documento
Principal de Domínio Doutrinário.)
Explique aos alunos que eles vão estudar esses três mandamentos à medida que
continuarem a aprender sobre esse tópico doutrinário.

136
MAN DAME N TO S, PARTE 1

• Por que vocês acham que Deus ordena que perdoemos ao próximo?
• De que maneira o mandamento de perdoar ao próximo demonstra o amor do
Pai Celestial por Seus filhos?
• Como vocês acham que perdoar ao próximo nos ajudará a nos tornar mais
semelhantes ao Pai Celestial?
Peça aos alunos que pensem numa ocasião em que eles ou alguém que eles
conhecem precisaram se esforçar para perdoar alguém.
Peça aos alunos que abram as escrituras em Doutrina e Convênios 64:9–11. Você
pode sugerir aos alunos que marquem essa passagem de modo diferente em suas
escrituras para conseguirem localizá-la facilmente.
Explique-lhes que a revelação registrada em Doutrina e Convênios 64 foi dada por
intermédio do profeta Joseph Smith depois que ele e alguns outros irmãos haviam
retornado para Ohio de uma viagem ao Missouri. Durante a viagem de ida e volta
ao Missouri, alguns irmãos se desentenderam e lutaram contra o sentimento de
discórdia.
Peça a um aluno que leia Doutrina e Convênios 64:9–11 em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique por que Deus nos ordena a perdoar
aos outros.
• Por que Deus ordena que perdoemos uns aos outros?
• Quais serão as consequências de não perdoarmos alguém que nos ofendeu?
• Por que vocês acham que seremos condenados, ou considerados culpados, se
não perdoarmos ao próximo?
Se possível mostre aos alunos a seguinte declaração do élder Dieter F. Uchtdorf, do
Quórum dos Doze Apóstolos. Peça a um aluno que a leia em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e identifique por que o perdão é essencial para nosso
crescimento espiritual.

“Perdoar os outros é um pré-requisito para receber o perdão.


Para nosso próprio bem, precisamos de coragem moral para perdoar e pedir
perdão. Nossa alma jamais alcançará mais nobreza e coragem do que quando
perdoarmos. Inclusive quando perdoarmos a nós mesmos.
Cada um de nós tem a obrigação, segundo a palavra de Deus, de exercer perdão
e misericórdia e perdoar uns aos outros. (…)
Receberemos a alegria do perdão em nossa vida quando estivermos dispostos a perdoar os
outros espontaneamente. Perdoar da boca para fora não basta. Precisamos expurgar do coração
e da mente os sentimentos e pensamentos amargos, e deixar que entrem a luz e o amor de
Cristo. Como resultado, o Espírito do Senhor encherá nossa alma da alegria que acompanha a
divina paz de consciência (ver Mosias 4:2–3)” (Dieter F. Uchtdorf, “O ponto de retorno seguro”,
A Liahona, maio de 2007, p. 101).

• Por que o perdão é essencial para nosso crescimento espiritual?

137
M A N DA M EN TO S, PA RTE 1

Você pode pedir aos alunos que escrevam Mateus 6:14–15 como referência cruzada
ao lado de Doutrina e Convênios 64:9–11 em suas escrituras. Peça a um aluno que
leia Mateus 6:14–15 em voz alta. Peça à classe que acompanhe a leitura e
identifique o que o Salvador disse em Seu Sermão da Montanha sobre por que
estamos condenados se não escolhermos perdoar ao próximo. Peça aos alunos que
relatem o que encontraram.
• Com o que aprendemos até agora, o que vocês diriam a um amigo que está
zangado e magoado por causa de algo que alguém fez a ele? (Dependendo do
tempo, essa situação pode ser encenada. Ajude os alunos a entender que
devemos perdoar a todos os que nos ofenderam, mas perdoar ao próximo não
significa que devamos permanecer em uma situação em que tenha ocorrido
maus-tratos de qualquer tipo. Aqueles que sentem que foram ou estão sendo
vítima de abuso ou intimidação devem buscar a ajuda de seu bispo ou
presidente de ramo ou um adulto de confiança imediatamente.)

Atividade de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma
aula que esta lição — “Mandamentos, parte 1”. Utilize esta atividade durante uma
aula do seminário que ocorra depois que você ensinar esta lição, mas antes de
ensinar “Mandamentos, parte 2”. Essa revisão breve pode ser ensinada no início ou
no final de uma aula em que você ensina uma lição com uma sequência comum de
escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essa revisão não dure
mais de cinco minutos para que não substitua o bloco de escrituras que os alunos
estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 64:9–11 (5 minutos)


Peça aos alunos que façam o teste de verdadeiro ou falso a seguir. Você pode
entregar uma folha de papel com essas perguntas, ou optar por ler as perguntas
para a classe. Peça-lhes que escrevam se acham que uma declaração é
verdadeira (V) ou falsa (F).
____ 1. Perdoar ao próximo é um mandamento mesmo quando ele não se
arrepende do que fez.
____ 2. Se nos recusarmos a perdoar ao próximo, então não poderemos ser
perdoados e permaneceremos condenados diante do Senhor.
____ 3. É aceitável se recusar a perdoar até que o ofensor tenha aprendido a mudar
seu comportamento.
____ 4. Doutrina e Convênios 64:9–11 ajuda a ensinar a seguinte declaração-chave
de doutrina: Os mandamentos de Deus incluem perdoar ao próximo.
____ 5. Com a ajuda do Senhor, podemos deixar a punição de alguém que nos
ofendeu nas mãos de Deus e podemos seguir nossa vida sem nos apegar a
pensamentos e sentimentos negativos.
Respostas do teste: 1. Verdadeiro; 2. Verdadeiro; 3. Falso; 4. Verdadeiro; 5. Verdadeiro.
Releia o teste com a classe e converse sobre qualquer uma das perguntas e
respostas conforme necessário.

138
MAN DAME N TO S, PARTE 1

Você pode pedir aos alunos que abram Doutrina e Convênios 64:9–11 e leiam em
voz alta. Incentive-os a memorizar essa passagem em casa.

139
Mandamentos, parte 2
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “Mandamentos”
está dividido em três partes. Na parte 2, os alunos estudam esse tópico doutrinário
usando as informações do Documento Principal de Domínio Doutrinário. Eles
aprenderão sobre a Palavra de Sabedoria e o mandamento do Senhor para ensinar
o evangelho a outras pessoas. Eles também vão estudar as passagens de domínio
doutrinário encontradas em Doutrina e Convênios 89:18–21 e Doutrina e
Convênios 18:15–16.
Observação: Você pode ensinar os segmentos desta lição em uma única aula ou ao
longo de várias aulas. Se você escolher ensinar os segmentos ao longo de várias
aulas, você pode precisar rever brevemente com os alunos o que eles aprenderam
no segmento anterior antes de ensinar um novo segmento.

Entender a doutrina
Segmento 1 (30 minutos)
Escreva a seguinte declaração-chave de doutrina no quadro: Os mandamentos de
Deus incluem guardar a Palavra de Sabedoria e ensinar o evangelho a outras
pessoas.
Divida os alunos em duplas. Dê cópias do material “A Palavra de
Sabedoria” para metade das duplas e cópias do material “Ensinar o
evangelho a outras pessoas” para a outra metade das duplas na classe. Peça aos
alunos que trabalhem com seus colegas para completar o material e se preparar
para ensinar sobre o mandamento que lhes foi designado. Explique-lhes que terão
de 10 a 15 minutos para se preparar.

A Palavra de Sabedoria
A revelação registrada em Doutrina e Convênios 89, conhecida como Palavra de Sabedoria, foi dada
ao profeta Joseph Smith depois que ele perguntou ao Senhor sobre o uso do tabaco pelos líderes em
algumas reuniões da Igreja. A Palavra de Sabedoria é um mandamento de Deus a Seus filhos para o
benefício deles. Esse mandamento relaciona determinadas substâncias que são prejudiciais ao nosso
corpo e certos alimentos que são bons para nosso corpo.
1. Com seu colega, leia Doutrina e Convênios 89:5–17 e responda às seguintes perguntas:
Que substâncias somos ordenados a não ingerir?

Que alimentos listados na Palavra de Sabedoria são bons para nosso corpo?

Lembre-se de que o Senhor não deu inicialmente a Palavra de Sabedoria como mandamento.
A maioria dos primeiros membros da Igreja se esforçou para parar de usar essas substâncias
que atualmente são proibidas. Deus revelou mais tarde a Seus profetas que a Palavra de

140
MAN DAME N TO S, PARTE 2

Sabedoria deveria ser um mandamento para todos os membros da Igreja e, mais tarde,
guardar a Palavra de Sabedoria se tornou um requisito para receber uma recomendação para
o templo.
2. Leiam Doutrina e Convênios 89:18–21 juntos em voz alta e identifiquem as bênçãos que o
Senhor promete àqueles que guardam a Palavra de Sabedoria. Vocês podem marcar a
passagem de domínio doutrinário de modo diferente para conseguir localizá-la facilmente.
3. Debatam juntos as seguintes perguntas:
• Que bênçãos o Senhor promete àqueles que cumprem a Palavra de Sabedoria?
• Quando foi que vocês viram essas promessas serem cumpridas na vida das pessoas?
4. Com o que aprenderam, preparem uma lição simples que vocês podem ensinar sobre guardar
a Palavra de Sabedoria. Enquanto se preparam, vocês podem usar algumas das atividades e
perguntas dessa folha. Certifiquem-se de pedir a quem vocês vão ensinar que leiam e
marquem Doutrina e Convênios 89:18–21. Estejam preparados para ensinar outras pessoas
em poucos minutos.

Ensinar o evangelho a outras pessoas


O Senhor declarou: “Dou-vos um mandamento de que vos ensineis a doutrina do reino uns aos
outros” (ver D&C 88:77).
1. Com seu colega, relacionem algumas situações em que já viram pessoas ensinarem o
evangelho a outras pessoas.

O mandamento do Senhor de ensinar o evangelho se aplica a todos nós, mesmo se


atualmente não tivermos um chamado formal como professor. Temos oportunidades de
ensinar em nossa família, com nossos amigos, nas aulas da Igreja e em nosso convívio com
os colegas de trabalho e vizinhos. Às vezes ensinamos com palavras e, às vezes, ensinamos
pelo exemplo.
2. Conte a seu colega sobre a última vez que você ensinou o evangelho a uma pessoa ou grupo
de pessoas.
Pouco depois que o profeta Joseph Smith e Oliver Cowdery receberam os Sacerdócios
Aarônico e de Melquisedeque, o profeta recebeu uma revelação sobre a responsabilidade
deles de compartilhar o evangelho e de pregar o arrependimento para o mundo.
3. Leiam Doutrina e Convênios 18:15–16 em voz alta juntos e identifiquem as bênçãos que
advêm de ajudar alguém a se arrepender e se achegar a Jesus Cristo. Essa escritura é uma
passagem de domínio doutrinário. Você pode marcar essa passagem de modo diferente para
conseguir localizá-la facilmente.
4. Debatam juntos as seguintes perguntas:
• Qual é a bênção de ensinar o evangelho que está descrito em Doutrina e Convênios
18:15–16?
• Vocês já sentiram a alegria de compartilhar os ensinamentos do evangelho com outra
pessoa? Por que vocês acham que se sentiram assim?
• Que oportunidades vocês acham que terão hoje ou amanhã de ensinar o evangelho a
outras pessoas?
5. Este é seu dia de sorte! Vocês terão uma oportunidade de ensinar o evangelho muito em
breve. Prepare uma lição simples com seu colega para ensinar o que aprenderam sobre o
mandamento de ensinar o evangelho a outras pessoas. Enquanto se preparam, vocês podem
usar algumas das atividades e perguntas desta folha. Certifiquem-se de pedir a quem vocês
vão ensinar que leiam e marquem Doutrina e Convênios 89:15–16.

141
M A N DA M EN TO S, PA RTE 2

Depois que os alunos tiverem tempo para aprender juntos e estiverem preparados
para ensinar, convide as duplas que estudaram o material “A Palavra de Sabedoria”
para ensinar as duplas que estudaram o material “Ensinar o evangelho a outras
pessoas”, e vice-versa. Se sua classe for pequena, você pode pedir às duplas que
ensinem a classe.
Compartilhe sua própria experiência e seu testemunho referente a esses dois
mandamentos.

Segmento 2 (10 minutos)


Para ajudar os alunos a entender melhor as promessas e bênçãos de
guardar a Palavra de Sabedoria, registrada em Doutrina e Convênios
89:18–21, dê aos alunos uma cópia do material que acompanha a lição com
declarações do presidente Boyd K. Packer (1924–2015), do Quórum dos Doze
Apóstolos. Peça a alguns alunos que leiam os parágrafos em voz alta. Peça à classe
que acompanhe a leitura e marque as promessas que o presidente Packer
mencionou.

Declarações do presidente Boyd K. Packer, do


Quórum dos Doze Apóstolos:
“Aprendi (…) que um propósito fundamental da Palavra de Sabedoria tem a ver com revelação. (…)
Se alguém ‘sob a influência’ [de substâncias prejudiciais] mal consegue ouvir ou falar com clareza,
como poderia receber os sussurros espirituais que se comunicam muito sutilmente com nossos
sentimentos?
Por mais preciosa que a Palavra de Sabedoria seja como lei de saúde, ela pode ser ainda mais
preciosa para nós espiritualmente do que o é fisicamente” (Boyd K. Packer, “Orações e respostas”, A
Liahona, março de 1980, p. 30).
“Há uma promessa final na revelação. Falando mais uma vez a respeito dos que obedecem, guardam
e cumprem esses mandamentos, o Senhor disse: ‘E eu, o Senhor, faço-lhes uma promessa de que o
anjo destruidor passará por eles, como os filhos de Israel, e não os matará’ (D&C 89:21). Essa é uma
promessa extraordinária.
Para entendê-la, devemos voltar para a época de Moisés. Os israelitas eram escravos havia 400 anos.
Moisés veio como seu libertador. Ele lançou pragas no Egito. O Faraó concordava todas as vezes em
libertar os israelitas, mas sempre voltava atrás em sua promessa. Finalmente, ‘o Senhor disse a
Moisés: Ainda uma praga trarei sobre Faraó, e sobre o Egito; depois vos deixará ir daqui. (…) Todo
primogênito na terra do Egito morrerá’ (Êxodo 11:1, 5).
Moisés disse aos israelitas que ‘[tomassem] (…) um cordeiro (…) sem mácula, um macho de um ano.
(…) Nem dela [daquela carne] quebrareis osso’ (Êxodo 12:3, 5, 46; ver também João 19:33).
Eles deveriam preparar o cordeiro como que para um banquete e ‘[tomar] do sangue, e [pô-lo] (…)
na verga da porta, nas casas. (…) E eu passarei pela terra do Egito esta noite, e ferirei todo o
primogênito na terra (…) e vendo eu o sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós
praga de mortandade. (…) E esse dia (…) celebrá-lo-eis (…) por estatuto perpétuo’ (Êxodo 12:7,
12–14). ‘Acontecerá que, quando vossos filhos vos disserem: Que rito é este vosso? Então direis: Este
é o sacrifício da páscoa ao Senhor’ (Êxodo 12:26–27).
Estou certo, meus jovens, de que conseguem perceber o simbolismo profético da Páscoa. Cristo foi ‘o
Cordeiro de Deus’ (João 1:29, 36), o primogênito, do sexo masculino, sem máculas. Ele foi morto sem
que lhe quebrassem os ossos, apesar de os soldados receberem ordem de fazê-lo.

142
MAN DAME N TO S, PARTE 2

Não é da morte física que seremos poupados nesta Páscoa se obedecermos a esses mandamentos,
pois todos morremos no devido tempo. É, porém, a morte espiritual que não precisaremos sofrer. Se
formos obedientes, não passaremos por esse tipo de morte espiritual. ‘Porque Cristo, nossa páscoa,
foi sacrificado por nós’ (1 Coríntios 5:7).
Apesar de a Palavra de Sabedoria exigir obediência absoluta, em troca, ela nos promete saúde,
grandes tesouros de conhecimento e a redenção obtida por nós pelo cordeiro de Deus, que foi morto
para que pudéssemos ser redimidos” (Boyd K. Packer, “A Palavra de Sabedoria: O princípio e as
promessas”, A Liahona, julho de 1996, p. 19).

• O que as declarações do presidente Packer nos ajudam a entender sobre as


bênçãos prometidas da Palavra de Sabedoria?
Você pode ressaltar aos alunos que, em geral, a obediência à Palavra de Sabedoria
nos ajuda a ter uma qualidade de vida melhor do que se escolhêssemos não
obedecer a ela. No entanto, a Palavra de Sabedoria não é uma garantia de proteção
contra as provações da mortalidade, incluindo doenças, invalidez e morte. As
promessas do Senhor são para a eternidade e aqueles que seguirem Seus
mandamentos, mas não receberem todas as bênçãos prometidas nesta vida, vão
recebê-las no futuro. (Ver Doutrina e Convênios e História da Igreja — Manual do
Professor de Doutrina do Evangelho, 1999, p. 125.)

Atividades de revisão de domínio doutrinário


Observação: As atividades de revisão a seguir não devem ser ensinadas na mesma
aula que esta lição — “Mandamentos, parte 2”. Utilize estas atividades durante as
aulas do seminário que ocorrerem depois que você ensinar esta lição, mas antes de
ensinar “Mandamentos, parte 3”. Essas revisões breves podem ser ensinadas no
início ou no final das aulas em que você ensina uma lição com uma sequência
comum de escrituras de Doutrina e Convênios. Certifique-se de que essas revisões
não durem mais do que o tempo designado para que não substituam o bloco de
escrituras que os alunos estudarão em classe.

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 89:18–21 (5 minutos)


Dê a cada aluno uma folha de papel. Peça-lhes que escrevam o número 89 no meio
da folha. Depois, peça-lhes que criem um desenho ou desenhos usando o
número 89 para ilustrar o significado de Doutrina e Convênios 89:18–21. Por
exemplo, os alunos podem fazer o 8 ou o 9 (ou ambos) em um desenho de alguém
correndo sem se cansar, ou alguém abrindo um baú de tesouro. Ou os alunos
podem fazer desenhos no papel ao redor do número 89. Esses desenhos podem
representar as promessas descritas na passagem de domínio doutrinário. (Você
pode lhes explicar que o propósito dessa atividade é encontrar maneiras
interessantes e criativas para lembrar dessa passagem de domínio doutrinário e não
medir suas habilidades de desenho.) Depois de cerca de cinco minutos de desenho,
peça aos alunos que se ofereçam para mostrar e explicar seus desenhos. Você pode
expor alguns ou todos os desenhos na sala de aula para que os alunos possam se
lembrar de onde encontrar as promessas ao obedecer à Palavra de Sabedoria.

143
M A N DA M EN TO S, PA RTE 2

Revisão de domínio doutrinário. Doutrina e Convênios 18:15–16 (5 minutos)


Escreva a seguinte declaração-chave de doutrina no quadro: Os mandamentos de
Deus incluem ensinar o evangelho a outras pessoas.
• Que escritura ou escrituras vocês conhecem que ajuda a ensinar essa doutrina?
(Se os alunos não conseguirem lembrar a referência, peça-lhes que identifiquem
no parágrafo 9.5 no Documento Principal de Domínio Doutrinário. Esse parágrafo
se refere à Doutrina e Convênios 18:15–16.)
Peça aos alunos que abram e leiam em silêncio Doutrina e Convênios 18:15–16.
Peça-lhes que expliquem o significado da passagem e como ela reforça a declaração
que está no quadro. Os alunos podem fazer isso com um colega ou com a classe
inteira.
Sugira aos alunos que se lembrem dessa referência ao associá-la com a idade em
que os rapazes se qualificam para servir missão de tempo integral (18).
Pergunte-lhes de que maneira eles podem se lembrar dos números dos versículos.
Você pode usar algumas das sugestões deles para rever as escrituras no futuro.

Revisão de domínio doutrinário. Mandamentos (7 minutos)


Mostre-lhes ou escreva no quadro as seguintes perguntas:

• De que maneira vocês podem se lembrar dessa referência de escritura?


• De que maneira vocês poderiam se lembrar sobre o que ela fala?
• O que ela explica sobre um dos mandamentos do Senhor?

Peça aos alunos que trabalhem em duplas e respondam a essas perguntas sobre
cada uma das seguintes passagens de escritura de domínio doutrinário. Forneça
essas passagens uma de cada vez para a classe, escrevendo-as no quadro.

Doutrina e Convênios 18:15–16


Doutrina e Convênios 64:9–11
Doutrina e Convênios 89:18–21

144
Mandamentos, parte 3
Introdução
O material de ensino para a experiência de aprendizado sobre “Mandamentos”
está dividido em três partes. A parte 3 contém um exercício prático que ajudará os
alunos a aplicar a doutrina que aprenderam no Documento Principal de Domínio
Doutrinário e nas passagens de domínio doutrinário encontradas em Doutrina e
Convênios 18:15–16. Também inclui uma atividade de revisão opcional.

Exercício prático (20 minutos)


Reveja com os alunos os três princípios da seção “Adquirir conhecimento
espiritual” no Documento Principal de Domínio Doutrinário: agir com fé, examinar
conceitos e perguntas com uma perspectiva eterna e buscar mais entendimento por
meio de fontes divinamente atribuídas.
Observação: Você pode adaptar a situação a seguir de acordo com as experiências e
necessidades de seus alunos. Você também pode substituir os nomes por outros
que sejam mais comuns onde você mora.
Peça aos alunos que imaginem que tenham uma amiga chamada Rita cuja mãe
faleceu recentemente de câncer. A mãe de Rita era membro fiel da Igreja e havia
guardado os mandamentos, inclusive a Palavra de Sabedoria por toda a sua vida.
Vocês são bons amigos e, quando conversou com ela, tentou consolá-la, mas
percebeu que ela está tendo dificuldade para entender por que isso aconteceu com
sua mãe. Na última vez em que você falou com ela, ela mencionou a Palavra de
Sabedoria e como ela promete saúde física para aqueles que a guardam. Ela
expressou frustração sobre por que Deus iria deixar isso acontecer com sua mãe
quando ela tinha sido fiel em guardar esse mandamento.
Debata as seguintes perguntas com a classe:
• O que vocês acham que Rita poderia fazer para agir com fé nessa situação?
• Que verdades aprendemos sobre o Pai Celestial e Seu plano de salvação que
podem se aplicar a essa situação?
• Como Doutrina e Convênios 89:18–21 pode nos ajudar a ver esse desafio com
uma perspectiva eterna?
• Quais fontes divinamente atribuídas poderíamos analisar para nos ajudar a
entender melhor essa questão? (Se necessário, relembre aos alunos as
declarações do presidente Boyd K. Packer que eles leram no segmento 2 da
parte 1 dessa experiência de aprendizado. Se o tempo permitir, você pode
deixar os alunos pesquisarem algumas fontes adicionais para os ensinamentos
que poderiam ajudar Rita.)
Preste testemunho dos princípios de se adquirir conhecimento espiritual e convide
os alunos a continuar a usar esses princípios quando tiverem dúvidas ou quando se
depararem com adversidades.

148
MAN DAME N TO S, PARTE 3

Revisão de domínio doutrinário (20 minutos)


Observação: Esta é uma atividade de revisão opcional que você pode apresentar na
mesma aula na qual você ensina o exercício prático se você tiver tempo sobrando e
não precisar recuperar o atraso em outro material.
Peça aos alunos que examinem o Documento Principal de Domínio Doutrinário e
escolham uma das declarações-chave de doutrina que eles marcaram que tem um
significado especial para eles. Peça-lhes também que abram na passagem de
domínio doutrinário de escritura associada com essa declaração-chave de doutrina.
Dê alguns minutos aos alunos para lerem e examinarem a declaração que
escolheram e a passagem de escritura.
Depois de algum tempo, mostre-lhes as seguintes perguntas ou entregue-as em
uma folha de papel. Dê tempo aos alunos para que escrevam suas respostas em seu
caderno ou diário de estudo das escrituras.
1. Por que essa declaração-chave de doutrina e a passagem de domínio
doutrinário são significativas para você?
2. Como você acha que entender essa declaração-chave de doutrina e sua
passagem de domínio doutrinário associado ajudou você?
3. Como o entendimento dessa doutrina influenciou seu comportamento?
4. Quem você conhece que poderia se beneficiar com o aprendizado dessa
doutrina? Como você pode ajudar essa pessoa a aprender sobre ela?
Divida a classe em duplas e peça aos alunos que compartilhem o que escreveram se
não for muito pessoal.
Depois que os alunos tiverem a oportunidade de ensinar em duplas, peça a alguns
alunos que contem para a classe o que aprenderam ou como se sentiram sobre essa
experiência e como eles podem usar o que aprenderam em situações futuras.

149
Revisão cumulativa de
domínio doutrinário
Nesta atividade de revisão, os alunos vão estudar todas as 25 passagens de escritura
de domínio doutrinário em Doutrina e Convênios e farão um teste final.

Segmento 1 (20 minutos)


Explique aos alunos que entender as referências de escritura das passagens de
domínio doutrinário pode ajudá-los quando forem ensinar o evangelho a outras
pessoas e a encontrar respostas às perguntas.
Prepare os alunos para o teste final sobre as 25 passagens de domínio doutrinário
que aprenderam durante o curso. Você pode fazer isso pedindo aos alunos que
trabalhem em duplas. Peça às duplas que utilizem seu exemplar do Guia de
Referência de Domínio Doutrinário para estudar e revisar as passagens de domínio
doutrinário que estudaram durante o ano letivo, com as frases-chave
correspondentes. Depois de algum tempo, os alunos podem perguntar um ao outro
apresentando as frases-chave para ver se seu colega consegue identificar a
referência correta de domínio doutrinário. Depois que os dois colegas tiverem sido
questionados sobre as referências de escrituras, peça-lhes que façam perguntas um
para o outro, pedindo a um aluno que apresente as referências de escrituras,
enquanto seu colega apresenta as frases-chave ou explica a escritura de cor.
Como alternativa para essa atividade, se os alunos tiverem dispositivos eletrônicos,
considere a possibilidade de lhes permitir um tempo para baixar o aplicativo
Domínio doutrinário SUD. O aplicativo de Domínio doutrinário SUD é gratuito e
está disponível para todos os dispositivos móveis Android e Apple pesquisando
“Domínio Doutrinário” na App Store (dispositivos da Apple) e no Google Play
(dispositivos Android). Depois que os alunos baixarem o aplicativo, você pode lhes
dar algum tempo para trabalharem com as atividades de cartões e teste no
aplicativo.

Segmento 2 (20 minutos)


Aplicar um teste sobre as 25 passagens de domínio doutrinário e suas frases-chave
correspondentes. Você pode aplicar o teste verbalmente, ou pode aplicá-lo na
forma escrita fazendo uma lista das frases-chave e permitindo que os alunos
escrevam as referências de escrituras correspondentes.
Você pode usar o material que acompanha a lição.

Teste de passagem de domínio doutrinário das


escrituras (todas as 25 passagens de D&C)
______________ 1. O Espírito Santo fala à nossa mente e ao nosso coração.

150
R E VIS ÃO CU MU LAT IVA DE DO MÍN IO DO U T RINÁRIO

______________ 2. A única Igreja verdadeira e viva.


______________ 3. A autoridade do Sacerdócio de Melquisedeque.
______________ 4. Buscar a Cristo em cada pensamento.
______________ 5. Jesus Cristo vive e é o Criador de mundos.
______________ 6. Cristo virá novamente com poder e glória.
______________ 7. O casamento entre homem e mulher foi ordenado por Deus.
______________ 8. O Pai e o Filho possuem corpo de carne e ossos.
______________ 9. O Salvador sofreu por nossos pecados para que pudéssemos nos arrepender.
______________ 10. Ao recebermos as palavras dos profetas com paciência e fé, Deus afastará de
nós os poderes das trevas.
______________ 11. O poder da divindade se manifesta nas ordenanças do sacerdócio.
______________ 12. A alegria de trazer almas a Jesus Cristo.
______________ 13. Na Primeira Visão, Deus chamou Joseph Smith como profeta.
______________ 14. Para nos arrependermos, precisamos confessar e abandonar os pecados.
______________ 15. As chaves do Sacerdócio Aarônico.
______________ 16. Os representantes do Senhor devem ser chamados por alguém que tenha
autoridade.
______________ 17. O Senhor está obrigado quando fazemos o que Ele diz.
______________ 18. O valor das almas é grande.
______________ 19. Joseph Smith trabalhou por nossa salvação.
______________ 20. As bênçãos da Palavra de Sabedoria.
______________ 21. A voz do Senhor e de Seus servos é a mesma.
______________ 22. O poder do sacerdócio depende da retidão da pessoa.
______________ 23. É-nos exigido que perdoemos a todas as pessoas.
______________ 24. O novo e eterno convênio do casamento.
______________ 25. Buscar aprender pelo estudo e pela fé.

Respostas do teste: 1. D&C 8:2–3; 2. D&C 1:30; 3. D&C 107:8; 4. D&C 6:36; 5. D&C
76:22–24; 6. D&C 29:10–11; 7. D&C 49:15–17; 8. D&C 130:22–23; 9. D&C 19:16–19;
10. D&C 21:4–6; 11. D&C 84:20–22; 12. D&C 18:15–16; 13. Joseph Smith—História
1:15–20; 14. D&C 58:42–43; 15. D&C 13:1; 16. D&C 42:11; 17. D&C 82:10;
18. D&C 18:10–11; 19. D&C 135:3; 20. D&C 89:18–21; 21. D&C 1:37–38; 22. D&C
121:36, 41–42; 23. D&C 64:9–11; 24. D&C 131:1–4; 25. D&C 88:118.
Confira o teste com a classe. Depois de rever o teste, você pode dar uma
oportunidade para que os alunos respondam o teste de novo se eles quiserem
melhorar sua pontuação.

151
Apêndice: Cronograma de
estudo sugerido para
domínio doutrinário de
Doutrina e Convênios
O cronograma de estudo apresentado na seção “Instruções para os professores”
deste manual é destinado aos professores que desejam ensinar o Domínio
Doutrinário em pequenos segmentos durante várias aulas a cada semana.
O cronograma de estudo a seguir é destinado aos professores que desejam usar
uma aula inteira para ensinar cada lição do domínio doutrinário. Para isso, o
cronograma de estudo sugere que, em determinados dias, duas lições sequenciais
de escrituras sejam combinadas em apenas uma aula. Isso permite aos professores
juntar as lições de domínio doutrinário enquanto mantêm os 160 dias letivos. Se
optar por essa abordagem, você precisará decidir quais partes das lições sequenciais
das escrituras devem ser ensinadas e quais devem ser resumidas.
Observação: Nos dias designados como “dias flexíveis” ou com horário flexível que
não tenham atividades sugeridas, ver “Sugestões para dias flexíveis” no apêndice
de Doutrina e Convênios e História da Igreja — Manual do Professor.

Semana Lições Bloco de escrituras

1 Dia 1: Lição 1 O plano de salvação Introdução de Doutrina e


Convênios; D&C 1
Dia 2: Lição 2 Introdução a Doutrina e Convênios
Dia 3: Lição 3 A Grande Apostasia
Dia 4: Lição 4 Doutrina e Convênios 1
Dia 5: Lição 5 Estudo das escrituras

2 Dia 1: Lição 6 Joseph Smith—História 1:1–20 Joseph Smith—História 1:1–26


Dia 2: Dia flexível
Dia 3: Adquirir conhecimento espiritual, parte 1
Dia 4: Adquirir conhecimento espiritual, parte 2
Dia 5: Lições 7–8 O papel do aluno; Joseph
Smith—História 1:21–26

3 Dia 1: Lição 9 Joseph Smith—História 1:27–54; D&C 2– 4; 10; Joseph


Doutrina e Convênios 2 Smith—História 1:27–65
Dia 2: Lição 10 Joseph Smith—História 1:55–65
Dia 3: Lição 11 Doutrina e Convênios 3
Dia 4: Lição 12 Doutrina e Convênios 10
Dia 5: Lição 13 Doutrina e Convênios 4

153
A P ÊN D I C E

Semana Lições Bloco de escrituras

4 Dia 1: Lição 14 Doutrina e Convênios 5 Joseph Smith—História


1:66–67; D&C 5–9; 11–12
Dia 2: Lição 15 Joseph Smith—História 1:66–67;
doutrina e Convênios 6–7
Dia 3: Lições 16–17 Doutrina e Convênios 8;
Doutrina e Convênios 9
Dia 4: Adquirir conhecimento espiritual, parte 3
(20 minutos de horário flexível)
Dia 5: Lição 18 Doutrina e Convênios 11–12

5 Dia 1: Lição 19 Joseph Smith—História 1:68–75; Joseph Smith—História


Doutrina e Convênios 13 1:68–75; D&C 13–17; 18:1–16
Dia 2: Dia flexível
Dia 3: A Trindade, parte 1
Dia 4: Lições 20–21 Doutrina e Convênios14 –16;
Doutrina e Convênios 17
Dia 5: Lição 22 Doutrina e Convênios 18:1–16

6 Dia 1: Lição 23 Doutrina e convênios 18:17– 47 D&C 18:17– 47; 19


Dia 2: A Trindade, parte 2
Dia 3: Dia flexível
Dia 4: Lição 24 Doutrina e Convênios 19:1–22
Dia 5: Lição 25 Doutrina e Convênios 19:23– 41

7 Dia 1: Lições 26–27 Doutrina e Convênios D&C 20–21


20:1–36; Doutrina e Convênios 20:38–67
Dia 2: O plano de salvação, parte 1
Dia 3: Dia flexível
Dia 4: Lição 28 Doutrina e Convênios 20:37,
68–84
Dia 5: Lição 29 Doutrina e Convênios 21

8 Dia 1: Lições 30–31 Doutrina e Convênios 22–23; D&C 22–28


Doutrina e Convênios 24 e 26
Dia 2: O plano de salvação, parte 2
Dia 3: Lição 32 Doutrina e Convênios 25
Dia 4: Lição 33 Doutrina e Convênios 27
Dia 5: Lição 34 Doutrina e Convênios 28

9 Dia 1: Lição 35 Doutrina e Convênios 29:1–29 D&C 29–32


Dia 2: O plano de salvação, parte 3
Dia 3: Lição 36 Doutrina e Convênios 29:30–50
Dia 4: Lições 37–38 Doutrina e Convênios 30;
Doutrina e Convênios 31–32
Dia 5: Dia flexível

154
AP ÊNDICE

Semana Lições Bloco de escrituras

10 Dia 1: Lição 39 Doutrina e Convênios 33–34 D&C 33–38


Dia 2: Lições 40– 41 Doutrina e Convênios 35;
Doutrina e Convênios 36–37
Dia 3: A Expiação de Jesus Cristo, parte 1
Dia 4: Lições 42– 43 Doutrina e Convênios
38:1–16; Doutrina e Convênios 38:17– 42
Dia 5: Dia flexível

11 Dia 1: Lição 44 Doutrina e Convênios 39– 40 D&C 39– 41; 42:1– 42


Dia 2: A Expiação de Jesus Cristo, parte 2
Dia 3: Lições 45– 46 Em Ohio; Doutrina e
Convênios 41
Dia 4: Lição 47 Doutrina e Convênios 42:1–29
Dia 5: Lição 48 Doutrina e Convênios 42:30– 42

12 Dia 1: Lições 49–50 Doutrina e Convênios D&C 42:43–93; 43– 46


42:43–93; Doutrina e Convênios 43– 44
Dia 2: A Expiação de Jesus Cristo, parte 3
Dia 3: Lições 51–52 Doutrina & Convênios
45:1–15; Doutrina e Convênios 45:16–59
Dia 4: Lição 53 Doutrina e Convênios 45:60–75
Dia 5: Lição 54 Doutrina e Convênios 46

13 Dia 1: Dia flexível D&C 47–52


Dia 2: A Restauração, parte 1
Dia 3: Lições 55–56 Doutrina e Convênios 47– 48;
Doutrina e Convênios 49
Dia 4: Lição 57 Doutrina e Convênios 50
Dia 5: Lição 58 Doutrina e Convênios 51–52

14 Dia 1: A Restauração, parte 2 D&C 53–58


Dia 2: Lições 59–60 Doutrina e Convênios 53–55;
Doutrina e Convênios 56
Dia 3: Lições 61–62 O lugar central de Sião;
Doutrina e Convênios 57
Dia 4: Lição 63 Doutrina e Convênios 58:1–33
Dia 5: Lição 64 Doutrina e Convênios 58:34 –65

15 Dia 1: A Restauração, parte 3 D&C 59–63


Dia 2: Lição 65 Doutrina e Convênios 59
Dia 3: Lição 66 Doutrina e Convênios 60–62
Dia 4: Lição 67 Doutrina e Convênios 63:1–21
Dia 5: Lição 68 Doutrina e Convênios 63:22–66

155
A P ÊN D I C E

Semana Lições Bloco de escrituras

16 Dia 1: Profetas e revelação, parte 1 D&C 64 –67


Dia 2: Lição 69 Doutrina e Convênios 64:1–19
Dia 3: Lição 70 Doutrina e Convênios 64:20– 43
Dia 4: Lições 71–72 Doutrina e Convênios 65;
Doutrina e Convênios 66
Dia 5: Lição 73 Doutrina e Convênios 67

17 Dia 1: Profetas e revelação, parte 2 D&C 68–75; 76:1– 49


Dia 2: Lição 74 Doutrina e Convênios 68
Dia 3: Lições 75–76 Doutrina e Convênios 69–71;
Doutrina e Convênios 72–74
Dia 4: Lição 77 Doutrina e Convênios 75
Dia 5: Lições 78–79 Doutrina e Convênios
76:1–19; Doutrina e Convênios 76:20– 49

18 Dia 1: Dia flexível (período de aula recomendado D&C 76:50–80


para aplicar a avaliação de aprendizado de Doutrina
e Convênios 1–75 e Joseph Smith—História)
Dia 2: Dia flexível (período de aula recomendado
para aplicar a avaliação de aprendizado de Doutrina
e Convênios 1–75 e Joseph Smith—História)
Dia 3: Profetas e revelação, parte 3
Dia 4: Lição 80 Doutrina e Convênios 76:50–80
Dia 5: Dia flexível

19 Dia 1: Lição 81 Doutrina e Convênios 76:81–119 D&C 76:81–119; 77–83;


84:1– 44
Dia 2: Lições 82–83 Doutrina e Convênios 77;
Doutrina e Convênios 78–80
Dia 3: Lição 84 Doutrina e Convênios 81
Dia 4: Lição 85 Doutrina e Convênios 82–83
Dia 5: Lição 86 Doutrina e Convênios 84:1– 44

20 Dia 1: Dia flexível D&C 84:43–120; 85–87


Dia 2: Adquirir conhecimento espiritual, parte 4
Dia 3: Lição 87 Doutrina e Convênios 84:43–61
Dia 4: Lição 88 Doutrina e Convênios 84:62–120
Dia 5: Lições 89–90 Doutrina e Convênios 85–86;
Doutrina e Convênios 87

21 Dia 1: O sacerdócio e as chaves do sacerdócio, D&C 88


parte 1
Dia 2: Lição 91 Doutrina e Convênios 88:1– 40
Dia 3: Lição 92 Doutrina e Convênios 88:41–69
Dia 4: Lição 93 Doutrina e Convênios 88:70–117
Dia 5: Lição 94 Doutrina e Convênios
88:118–141

156
AP ÊNDICE

Semana Lições Bloco de escrituras

22 Dia 1: Dia flexível D&C 89–92; 93:1–20


Dia 2: O sacerdócio e as chaves do sacerdócio,
parte 2
Dia 3: Lição 95 Doutrina e Convênios 89
Dia 4: Lição 96 Doutrina e Convênios 90–92
Dia 5: Lição 97 Doutrina e Convênios 93:1–20

23 Dia 1: Lição 98 Doutrina e Convênios 93:21–53 D&C 93:21–53; 94 –98


Dia 2: O sacerdócio e as chaves do sacerdócio,
parte 3
Dia 3: Lição 99 Doutrina e Convênios 94 –96
Dia 4: Lição 100 Doutrina e Convênios 97
Dia 5: Lições 101–102 Doutrina e Convênios
98:1–22; Doutrina e Convênios 98:23– 48

24 Dia 1: Dia flexível D&C 99–101


Dia 2: O sacerdócio e as chaves do sacerdócio,
parte 4
Dia 3: Lições 103–104 Doutrina e Convênios
99–100; Doutrina e Convênios 101:1–16
Dia 4: Lição 105 Doutrina e Convênios
101:17– 42
Dia 5: Lição 106 Doutrina e Convênios
101:43–101

25 Dia 1: Lições 107, 109 Doutrina e Convênios 102; D&C 102–106; 107:1–38
Doutrina e Convênios 104
Dia 2: Ordenanças e convênios, parte 1
Dia 3: Lição 108 Doutrina e Convênios 103
Dia 4: Lição 110 Doutrina e Convênios 105
Dia 5: Lições 111–112 Doutrina e Convênios
106:1–107:20; Doutrina e Convênios 107:21–38

26 Dia 1: Ordenanças e convênios, parte 2 D&C 107:39–100;


108–109; 137
Dia 2: Lição 113 Doutrina e Convênios
107:39–100
Dia 3: Lições 114 –115 Doutrina e Convênios 108;
Doutrina e Convênios 137
Dia 4: Lição 116 Doutrina e Convênios 109:1– 46
Dia 5: Lição 117 Doutrina e Convênios
109:47–80

157
A P ÊN D I C E

Semana Lições Bloco de escrituras

27 Dia 1: Lição 118 Doutrina e Convênios 110 D&C 110–116


Dia 2: Lições 119–120 Doutrina e Convênios 111;
Doutrina e Convênios 112
Dia 3: Lições 121–122 A Igreja é transferida para
o norte do Missouri; Doutrina e Convênios 113–114
Dia 4: Lição 123 Doutrina e Convênios 115–116
Dia 5: Dia flexível

28 Dia 1: Casamento e família, parte 1 D&C 117–122


Dia 2: Lições 124 –125 Doutrina e Convênios
117–118; Doutrina e Convênios 119–120
Dia 3: Lição 126 Doutrina e Convênios
121:1–10; 122
Dia 4: Lição 127 Doutrina e Convênios 121:11–33
Dia 5: Lição 128 Doutrina e Convênios
121:34 – 46

29 Dia 1: Casamento e família, parte 2 D&C 123; 124:1–83


Dia 2: Lição 129 Doutrina e Convênios 123
Dia 3: Dia flexível
Dia 4: Lição 130 O estabelecimento de Nauvoo
Dia 5: Lições 131–132 Doutrina e Convênios
124:1–21; Doutrina e Convênios 124:22–83

30 Dia 1: Casamento e família, parte 3 (20 minutos de D&C 124:84 –145; 125–130
horário flexível)
Dia 2: Lição 133 Doutrina e Convênios
124:84 –145;125–126
Dia 3: Lições 134 –135 Doutrina e Convênios 127;
128:1–11; Doutrina e Convênios 128:12–25
Dia 4: Lição 136 Doutrina e Convênios 129;
130:1–11, 22–23
Dia 5: Lição 137 Doutrina e Convênios
130:12–21

31 Dia 1: Dia flexível D&C 131–132


Dia 2: Mandamentos, parte 1
Dia 3: Lição 138 Doutrina e Convênios 131
Dia 4: Lição 139 Doutrina e Convênios 132:3–33
Dia 5: Lição 140 Doutrina e Convênios 132:1–2,
34 –66

158
AP ÊNDICE

Semana Lições Bloco de escrituras

32 Dia 1: Mandamentos, parte 2 D&C 133–134


Dia 2: Lição 141 Doutrina e Convênios 133:1–35
Dia 3: Lição 142 Doutrina e Convênios
133:36–74
Dia 4: Lição 143 Doutrina e Convênios 134
Dia 5: Dia flexível

33 Dia 1: Mandamentos, parte 3 D&C 135; 136:1–18


Dia 2: Lição 144 Doutrina e Convênios 135,
parte 1
Dia 3: Lição 145 Doutrina e Convênios 135,
parte 2
Dia 4: Lições 146–147 Sucessão na presidência;
saída de Nauvoo
Dia 5: Lição 148 A jornada através de Iowa;
Doutrina e Convênios 136:1–18

34 Dia 1: Revisão cumulativa de domínio doutrinário D&C 136:19– 42; Introdução à


Pérola de Grande Valor; Regras
Dia 2: Lições 149–150 Doutrina e Convênios
de Fé; Declaração Oficial 1
136:19– 42; Pioneiros de carrinhos de mão
1856–1860
Dia 3: Lição 151 A Guerra de Utah e o Massacre
de Mountain Meadows
Dia 4: Lição 152 O surgimento de A Pérola de
Grande Valor
Dia 5: Lição 153 Declaração Oficial 1 e o
desenvolvimento contínuo do trabalho do templo

35 Dia 1: Lição 154 Doutrina e Convênios 138:1–24, D&C 138; Declaração Oficial 2
38–50
Dia 2: Lição 155 Doutrina e Convênios 138:7–60
Dia 3: Lição 156 Organizações e programas da
Igreja
Dia 4: Lição 157 Declaração Oficial 2
Dia 5: Lição 158 Acelerar o trabalho de salvação

36 Dia 1: Lição 159 A Família: Proclamação ao “A Família: Proclamação ao


Mundo Mundo”
Dia 2: Dia flexível (período de aula recomendado
para aplicar a avaliação de aprendizado de Doutrina
e Convênios 76–Declaração Oficial 2)
Dia 3: Dia flexível (período de aula recomendado
para revisar a avaliação de aprendizado de Doutrina
e Convênios 76–Declaração Oficial 2)
Dia 4: Lição 160 O profeta vivo
Dia 5: Dia flexível

159