Você está na página 1de 11

SOCIOEMOCIONAL

educação para a vida


Índice
1. Introdução
2. Como surgiu a Educação Socioemocional?
3. As competências da BNCC
4. Habilidades desenvolvidas pela Educação Socioemocional
5. Como trabalhar na prática?
6. Como formar o professor?
7. Por que isso é tão importante?
8. Encerramento

Clique nas setas acima para ir direto para as páginas e em


para retornar ao índice.
1. Introdução
Os países do mundo desenvolvido já entenderam há Confira o trecho extraído da página 17 do documento:
algum tempo: uma educação só pode ser considerada
de qualidade quando forma cidadãos de forma inte- A BNCC afirma, de maneira explícita, o seu com-
gral. E isso, hoje, só é possível quando a escola desen- promisso com a educação integral, reconhecendo que
volve habilidades socioemocionais. a educação básica deve visar à formação e ao desen-
volvolvimento humano global, o que implica romper
No Brasil, o Ministério da Educação está dando um com visões reducionistas que privilegiam a dimensão
passo definitivo nessa direção. A Base Nacional intelectual (cognitiva).
Comum Curricular, a BNCC, está quase pronta. Ao
mesmo tempo em que estabelece parâmetros nacio- Além disso, das 10 competências gerais que nor-
nais para o que se espera que os alunos aprendam ao teiam os fundamentos pedagógicos da BNCC, 4 são
final de cada ciclo da escolarização, a BNCC traz o mais focadas nas habilidades socioemocionais.
foco de escolas e professores para uma necessidade
urgente no sistema educacional brasileiro: desenvolver Neste Ebook, você vai conhecer o funcionamento de
habilidades e competências socioemocionais nas um currículo estruturado para desenvolver competên-
escolas. cias socioemocionais, vai descobrir como é possível
preparar professores para que eles trabalhem o con-
De que forma a BNCC faz isso? Em primeiro lugar, ela teúdo de forma a promover esse desenvolvimento, e
estabelece como meta central da educação brasileira a vai aprender a transformar a sua escola numa institui-
Educação Integral do aluno. ção que realmente educa para a vida.
2. Como surgiu a Educação Socioemocinal?
Há sempre quem desconfie de tudo o que parece novo Educação, Ciência e Cultura (Unesco) incluiu numa
no mundo da Educação. Para esses, é bom lembrar de suas declarações a necessidade de garantir o “de-
que aspectos sociais e emocionais são estudados por senvolvimento das habilidades sociais e emocionais”
grandes teóricos da educação e da psicologia desde o das crianças. Mesmo ano em que, na Universidade de
início do século 20. Yale, nos Estados Unidos, foi cunhado o termo Social
and Emocional Learning.
Essas questões estiveram, por exemplo, nas reflexões
de pensadores clássicos – e incontestáveis – da Edu- A partir daí, centenas de estudos nos campos da Edu-
cação, como Lev Vygotsky (1896-1934), Jean Piaget cação, Psicologia e Neurociência provaram a ligação
(1896-1980) e David Ausubel (1918-2008). Ao elabo- entre habilidades cognitivas e o bem-estar socioemo-
rarem seus conceitos, esses autores defenderam, por cional, o que deu impulso à Educação Socioemocio-
exemplo, que a interação, a curiosidade, a relação do nal.
eu com o mundo e com o outro e a disposição para
alcançar objetivos são instâncias fundamentais na
aprendizagem.

A Educação Socioemocional na forma como conhe-


cemos hoje começou a se estruturar a partir dos anos
1990, com a formulação de conceitos que classifica-
vam como inteligência a habilidade de reconhecer,
entender, utilizar e regular emoções em situações
cotidianas na vida.

Em 1994, a Organização das Nações Unidas para a


Finalmente em 2000, o Fórum Mundial sobre Educação da Unesco criou, em Dakar, os quatro pilares da edu-
cação para o Século 2, focando a questão do “ser” e do “conviver“ como objetivos importantes na Educação.

Aprender Aprender Aprender Aprender


a aprender a fazer a conviver a ser

Entre os teóricos, pensadores e formuladores de políticas educacionais não podem restar mais dúvidas: educar
crianças e jovens de forma integral, incluindo suas habilidades sociais e emocionais, é fundamental para aten-
der às necessidades do novo cenário social e profissional que se desenhava para o mundo.
3. As competências da BNCC
O namoro entre as políticas educacionais brasileiras e ca e emocional, reconhecendo suas emoções e as dos
a Educação Socioemocional é antigo. Ele iniciou tími- outros, com autocrítica e capacidade para lidar com
do, em 1996, quando entrou em vigor a Lei de Diretri- elas e com a pressão do grupo.
zes e Bases da Educação. Em seu texto, a LDB já pre-
conizava a necessidade de “fortalecimento dos laços 9. Exercitar a empatia, o diálogo, a resolução de
de solidariedade humana e de tolerância recíproca.” conflitos e a cooperação, fazendo-se respeitar e pro-
movendo o respeito ao outro, com acolhimento e
Parecia até um eufemismo, como se os formuladores valorização da diversidade de indivíduos e de grupos
da LDB tivessem medo de assustar com a ideia da sociais, seus saberes, identidades, culturas e potencia-
Educação Socioemocional. Com a BNCC, porém, a lidades, sem preconceitos de origem, etnia, gênero,
timidez acabou. Das 10 competências gerais que nor- idade, habilidade/necessidade, convicção religiosa ou
teiam os fundamentos pedagógicos da nova base, 4 de qualquer outra natureza, reconhecendo-se como
tratam mais especificamente do desenvolvimento de parte de uma coletividade com a qual deve se com-
competências socioemocionais.Em outras palavras, prometer.
o namoro que começou com a LDB em 1996, agora
virou casamento. 10. Agir pessoal e coletivamente com autonomia,
responsabilidade, exibilidade, resiliência e determina-
Confira essas 4 competências: ção, tomando decisões, com base nos conhecimentos
construídos na escola, segundo princípios éticos de-
6. Compreensão das relações do mundo do tra- mocráticos, inclusivos, sustentáveis e solidários.
balho e fazer escolhas alinhadas ao projeto de vida
pessoal, profissional e social.

8. Conhecer-se, apreciar-se e cuidar de sua saúde físi-


4. Habilidades desenvolvidas pela Educação
Socioemocional
Um programa bem estruturado de Educação Socioemocional desenvolve habilidades em quatro frentes: cogni-
tiva, emocional, social e ética. Confira a seguir uma breve relação das principais habilidades desenvolvidas em
cada uma dessas áreas:

SOCIAIS
Cooperar e colaborar, lidar
com regras, trabalhar em
equipe, comunicar-se com
clareza e coerência, resolver
conflitos, atuar em um
ambiente de competição
saudável...
COGNITIVAS
Resolver problemas, planejar,
tomar decisões, estabelecer
conclusões lógicas, investigar
e compreender problemas,
pensar de forma criativa,
fortalecer a memória, ÉTICAS
classificar e seriar...
Respeitar, tolerar e viver
a diferença, agir positi-
vamente para o bem
comum...

EMOCIONAIS
Lidar com emoções, com o
ganhar e o perder, aprender
com o erro, desenvolver
autoconfiança, autoavalia-
ção, responsabilidade...
5. Como trabalhar na prática?
Com o mundo em constante transformação, e em dade de compreender o problema, e a de se fazer
velocidade cada vez maior, é praticamente impossível compreender ao expor a solução – duas habilidades
saber, hoje, como será o mercado de trabalho daqui que são importantes para a vida.
a 20 anos. Por isso, mais do que transmitir conteúdos,
ensinar os alunos a aprender é fundamental. Não por Ao trabalhar o desenvolvimento de habilidades so-
outra razão esse é um dos pilares da Unesco para a cioemocionais, o professor transforma a sala de aula
Educação do Século 21, e também um dos principais num imenso laboratório da vida, onde simula situações
objetivos da Educação Socioemocional. reais do cotidiano para usá-las como ferramentas de
aprendizagem. Após a vivência dessas situações – por
Mas como fazer isso na prática? meio de jogos de raciocínio, por exemplo, ou outro
recurso que o professor queira usar –, o professor deve
O professor tem um papel fundamental nesse proces- propor situações de reflexão que levem os alunos a
so. Ele precisa mudar a sua forma de atuar. Não basta organizar os pensamentos, sentimentos, atitudes e
mais colocar conteúdo no quadro, explicar oralmente ações. É um passo importante para que as crianças
aos alunos aquilo que está escrito e depois cobrar re- possam pensar sobre como reagiram, por que razão e
sultados em exames. É necessário provocar a reflexão, como poderiam ter adotado uma estratégia diferente,
fazer com que os alunos pensem, identifiquem a situa- por exemplo.
ção, trabalhem em conjunto.
Em todo esse percurso, o professor tem o papel de
Numa aula de matemática para o Ensino Médio, por mediar o processo. É a condução dele, com perguntas
exemplo: ao trabalhar com resolução de problemas, o bem planejadas e intervenções previamente formata-
professor pode incentivar que, em grupos, os alunos, das que vai facilitar a transposição do conhecimento.
quanto a forma como a estratégia foi comunicada ao Formar o professor, portanto, é fundamental para o
restante da classe. Dessa forma, ela os ensina a habili- sucesso dessa empreitada.
No próximo capítulo, você vai descobrir como o professor pode ser formado para atuar dessa maneira.

6. Como formar o professor?


O professor tem papel fundamental na aplicação da Por isso, é importante observar algumas características
Educação Socioemocional na escola. Um profissional que apenas os bons programas oferecem:
que não tenha desenvolvido as suas próprias habilida-
des sociemocionais dificilmente será capaz de fazê-lo
Estímulo ao professor para que faça uma
em seus alunos. O mestre é sempre um exemplo. A
reflexão sobre si e sobre sua prática pedagógica;
maneira como ele reage a situações molda o compor-
tamento de seus discípulos.
Preparação inicial com encontros presenciais
e material didático que dê embasamento teórico
Para que possa desempenhar bem a sua função em
ao professor;
sala de aula, o professor precisa ser submetido a situ-
ações em que possa mobilizar os seus próprios valores,
Troca de experiências de prática pedagógica
habilidades e competências socioemocionais, e possa
com professores que já atuam na Educação
também refletir sobre elas.
Socioemocional;
Atualmente, existem muitos programas de formação
Formação continuada por meio de encontros
no mercado. E nem todos, infelizmente, podem ser
pedagógicos e presenciais ou virtuais.
considerados de ponta.
7. Por que isso é tão importante?
Com o crescimento da influência da Educação Socioe- Para ajudar indivíduos a responder aos desafios do
mocional, vários estudos começaram a investigar a sua mundo moderno, formuladores de políticas educacio-
importância para a vida dos alunos. Um grande passo, nais devem ampliar o pensamento e considerar um
nesse sentido, foi dado pela Organização para a Co- conjunto mais vasto de capacidades, nas quais as ha-
operação e o Desenvolvimento Econômico, a OCDE, bilidades socioemocionais são tão importantes quanto
que a partir de 2005 passou a investigar os efeitos da as cognitivas.
Educação Socioemocionalem todo o mundo.
Formuladores de políticas públicas, pesquisadores,
Em estudo divulgado em 2015 e intitulado Habilidades diretores de escola, professores e pais precisam tra-
para o Progresso Social –- O Poder das Habilidades balhar em conjunto e compartilhar suas experiências
Socioemocionais, a OCDE foi taxativa ao afirmar a sobre o que funciona para melhorar as habilidades
importância da Educação Socioemocional: socioemocionais, num esforço para atingir o melhor
desenvolvimento dessas habilidades nas crianças e,
Crianças e adolescentes precisam de um conjunto dessa forma, ajudá-las a alcançar uma vida mais
balanceado de habilidades cognitivas e socioemocio- próspera, mais saudável e mais satisfatória.
nais para terem sucesso na vida moderna.

Habilidades cognitivas e socioemocionais intera-


gem entre si, melhorando a capacidade das crianças
de obter sucesso dentro e fora das escolas.
8. Encerramento
Como você acaba de ver neste ebook, trabalhar o desenvolvimento das habilidades socioemocionais dos alunos
não é uma questão de escolha. A Unesco, a BNCC, a OCDE, o mercado de trabalho, o mundo em transforma-
ção pedem que a escola abrace essa causa. Em busca de um futuro melhor, no qual adultos emocionalmente
mais preparados saberão lidar com incertezas e com a volatilidade das relações sociais e de trabalho. Educar
para a vida, portanto, é educar de forma integral, desenvolvendo habilidades e competências socioemocionais.

Se interessou pelo tema e deseja saber como um programa de desenvolvimento


das habilidades socioemocionais pode aumentar o rendimento da sua escola,
reter e conquistar novos alunos, entre outros benefícios?

Descubra acessando o blog do Educador360!

www.educador360.com.br