Você está na página 1de 6

10

Teste de avaliação
Português, 10.º ano

Unidade 4 Gil Vicente, Farsa de Inês Pereira


Utiliza apenas caneta ou esferográfica de tinta azul ou preta.
Não é permitida a consulta de dicionário.
Não é permitido o uso de corretor. Deves riscar aquilo que pretendes que não seja classificado.
Para cada resposta, identifica o grupo e o item.
Apresenta as tuas respostas de forma legível.
Ao responderes, diferencia corretamente as maiúsculas das minúsculas.
Apresenta apenas uma resposta para cada item.
As cotações dos itens encontram-se no final dos mesmos.

Critérios gerais de classificação

• As respostas ilegíveis são classificadas com zero pontos.


• Em caso de omissão ou de engano na identificação de uma resposta, esta pode ser classificada
se for possível identificar inequivocamente o item a que diz respeito.
• Se for apresentada mais do que uma resposta ao mesmo item, só é classificada a resposta que
surgir em primeiro lugar.
• A classificação das provas nas quais se apresente, pelo menos, uma resposta escrita
integralmente em maiúsculas é sujeita a uma desvalorização de cinco pontos.

Fatores de desvalorização − correção linguística

Fatores de desvalorização Desvalorização (pontos)


• Erro inequívoco de pontuação
• Erro de ortografia
(incluindo erro de acentuação, uso indevido de letra
minúscula ou de letra maiúscula e erro de translineação) 1
• Erro de morfologia
• Incumprimento das regras de citação de texto
ou de referência a título de uma obra
• Erro de sintaxe
2
• Impropriedade lexical

ENC10 © Porto Editora


GRUPO I (100 PONTOS)

Lê o texto a seguir transcrito. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário apresentado.

Finge-se, na introdução, que Inês Pereira,


filha de uma mulher de baixa sorte, muito fantesiosa,
está lavrando1 em casa, e sua mãe é a ouvir missa. E ela diz:

Inês Renego deste lavrar


e do primeiro que o usou;
ao diabo que o eu dou,
que tão mau é d’aturar.
5 Oh, Jesu! Que enfadamento,
e que raiva e que tormento,
que cegueira, e que canseira!
Eu hei de buscar maneira
d’algum outro aviamento2.
10 Coitada, assi hei de estar
encerrada nesta casa
como panela sem asa,
que sempre está num lugar?
E assi hão de ser logrados3
15 dous dias amargurados,
que eu possa durar viva?
E assim hei de estar cativa
em poder de desfiados?4
[…]

Vem a Mãe e diz:


Mãe Logo eu adivinhei
20 lá na missa onde eu estava,
como a minha Inês lavrava
a tarefa que lhe eu dei…
Acaba esse travesseiro!
E nasceu-te algum unheiro5
25 ou cuidas que é dia santo?
Inês Praza a Deus que algum quebranto6
me tire do cativeiro.
Mãe Toda tu estás aquela!7
Choram-te os filhos por pão?
30 Inês Prouvesse a Deus! Que já é razão
de eu não estar tão singela8.

ENC10 © Porto Editora


Mãe Olhade ali o mau pesar!
Como queres tu casar
com fama de preguiçosa?
35 Inês Mas eu, mãe, sam aguçosa9
e vós dais-vos devagar.10
Mãe Ora espera assi, vejamos.
Inês Quem já visse esse prazer!
Mãe Cal’-te, que poderá ser,
40
que ante a Páscoa vêm os ramos.
Não te apresses tu, Inês,
maior é o ano qu’o mês.
Quando te não precatares,11
virão maridos a pares,
45
e filhos de três em três.

Gil Vicente, Farsa de Inês Pereira, Porto,


Porto Editora, 2014 [pp. 7-10, com supressões]

1. lavrando: bordando.
2. aviamento: ocupação; solução.
3. logrados: aproveitados.
4. v. 18: a fazer travesseiros de franjas.
5. unheiro: furúnculo por baixo da unha.
6. quebranto: feitiço.
7. v. 28: Não digas disparates!
8. singela: solteira.
9. aguçosa: dedicada.
10. v. 36: vós sois preguiçosa (quanto à vontade de casar a filha).
11. v. 43: Quando deres por isso.

Apresenta, de forma bem estruturada, as tuas respostas aos itens que se seguem.

1. Localiza o excerto na estrutura interna da obra em que se insere. (20 PONTOS)

2. Com base no monólogo inicial, identifica dois traços do perfil psicológico de Inês, (20 PONTOS)
fundamentando a tua resposta.

3. Caracteriza a relação existente entre mãe e filha. (20 PONTOS)

4. Comenta o valor expressivo da ironia presente no diálogo entre mãe e filha. (20 PONTOS)

5. Justifica a inclusão da obra Farsa de Inês Pereira no género farsa, tendo em conta
critérios temáticos. (20 PONTOS)

ENC10 © Porto Editora


GRUPO II (50 PONTOS)

Lê o texto seguinte.

TEATRO

Uma volta ao país no Dia Mundial do Teatro


Por Mariana Mata

Todos os anos, a 27 de março, há


uma mensagem mundial que ho-
menageia as artes do espetáculo. E
os seus intervenientes. A primeira
5foi proferida por Jean Cocteau, há

52 anos, na inauguração das cele-


brações do primeiro Dia Mundial
do Teatro, criado pelo Instituto In-
ternacional de Teatro da UNESCO. Sala Principal do Teatro Nacional de São João, no Porto Por ©TNSJ
10 Este ano, as poderosas palavras
pertencem ao multifacetado artista sul-africano Brett Bailey, que nos relembra que, apesar
de todos os perigos da atualidade, “desde que existe sociedade humana, existe o irreprimí-
vel espírito da representação”, refletindo sobre o poder do Teatro e o papel imprescindível
das artes e dos artistas. Portugal não é exceção. E hoje é possível comprová-lo gratuita-
15mente, um pouco por todo o país. A festa faz-se nos palcos, também junto do seu objeto: o

público.
Em Lisboa, o Teatro Nacional D. Maria II mostra-se com uma programação própria,
mais dedicada ao público infantil. A Porta abre excecionalmente neste dia (em dois horá-
rios). Mais tarde contam-se histórias musicais No Tempo em que os Instrumentos Falavam
20(13:00 e 17:30, no Átrio) e à noite, 20 Dizer, a homenagem do Trigo Limpo – Teatro ACERT,

é uma viagem poético-musical. No Teatro Maria Matos, desenha-se o Atlas de Ana Borra-
lho e João Galante. Noutro registo e noutra zona da cidade está A Cantora Careca, um clás-
sico do teatro do absurdo.
Na margem sul do Tejo, a celebração começa cedo com O Que Fica do Que Passa, com
25Teresa Silva num desafio de “apenas sentir”, no Barreiro. À noite, chega a vez da comédia

romântica e musical de Fernando Gomes Viva o Casamento, inspirada no romance Alves &
Cia., de Eça de Queirós. Em Almada, é possível comprovar a intemporalidade da mais es-
candalosa obra de Molière, Tartufo, com encenação de Rogério de Carvalho. Prometeu re-
vela-se também neste dia em sombras japonesas, no Pinhal Novo.
30 Na Invicta, a festa é em grande. O Teatro Nacional São João (TNSJ) oferece entradas
para os quatro espetáculos que tem em cena (dois por pessoa) para assinalar o Dia Mun-
dial do Teatro no Porto. No próprio TNSJ, está em cena o último espetáculo de Ricardo Pais,
Al Mada Nada, que se estreou ontem. O Teatro Bruto regressa a Valter Hugo Mãe com O
Filho de Mil Homens, no Teatro Carlos Alberto. A Circolando regressou em força e come-
35mora também o dia com a nova criação, Paus e Pétalas, no Mosteiro de São Bento da

ENC10 © Porto Editora


Vitória. Este ano, o palco estende-se até a sítios inéditos, com estreias como a do Teatro do
Vestido, que ocupa as divisões do Palacete Pinto Leite com Até Comprava o Teu Amor (mas
não sei em que moeda se faz esta transação).
Em Bragança, o absurdo de Beckett volta a palco com a Ensemble – Sociedade de Ato-
40 res, que continua À Espera de Godot. Esta peça integra o Vinte e Sete – Festival Internacio-
nal de Teatro, que decorre também em Vila Real e, como já é hábito, escolhe este dia para a
abertura.
Descendo um pouco em direção ao centro do país, Tondela assinala a ocasião com Sia-
meses, enquanto Fausta se apresenta em Coimbra, saída de um desafio proposto à escri-
45 tora Patrícia Portela pelos atores Pedro Gil e Tonan Quito. Mais perto de Lisboa estão Defi-
nitivamente as Bahamas, do Teatro da Rainha, que comemora em casa, nas Caldas da
Rainha. Em Oliveira do Bairro, em menor escala, mas sem perder a importância, está O
Teatro Mais Pequeno do Mundo.
Também há teatro gratuito mais a sul, na costa alentejana, com Sines a mostrar o seu
50 Âmbulo.
http://lazer.publico.pt/noticias/332382_uma-volta-ao-pais-no-dia-mundial-do-teatro
[Consult. 26-01-2015]

1. Para responderes a cada um dos itens de 1.1. a 1.7., seleciona a opção correta.
Escreve, na folha de respostas, o número de cada item e a letra que identifica a opção escolhida.
1.1. Em termos de estrutura interna, este artigo jornalístico pode ser dividido em (5 PONTOS)
a. três momentos: apresentação do tema (par. 1 e 2); enumeração de locais e peças dramáticas
representadas no Dia Mundial do Teatro (par. 3 a 6); conclusão do tema, sintetizando
as ideias apresentadas (par. 7 e 8).
b. três momentos: apresentação do tema (par. 1); enumeração de locais e peças dramáticas
representadas no Dia Mundial do Teatro (par. 2 a 7); conclusão do tema, sintetizando as
ideias apresentadas (par. 8).
c. dois momentos: apresentação do tema (par. 1 e 2); enumeração de locais e peças dramáticas
representadas no Dia Mundial do Teatro (par. 3 a 8).
d. dois momentos: apresentação do tema (par. 1); enumeração de locais e peças dramáticas
representadas no Dia Mundial do Teatro (par. 2 a 8).
1.2. Neste artigo jornalístico cita-se Brett Bailey porque (5 PONTOS)
a. foi este o autor da mensagem mundial em homenagem ao Teatro proferida no primeiro
Dia Mundial do Teatro.
b. este autor se tem dedicado exclusivamente ao estudo das artes teatrais.
c. a 52.ª mensagem do Dia Mundial do Teatro é da sua responsabilidade.
d. se trata de um artista multifacetado que valoriza o teatro infantil.
1.3. De acordo com Brett Bailey, (5 PONTOS)
a. o Teatro é uma arte recente.
b. a arte dramática é uma característica da vida em sociedade.
c. os espetáculos teatrais tiveram origem na Antiguidade Clássica.
d. os atores têm um papel imprescindível na arte teatral.

ENC10 © Porto Editora


1.4. Com a expressão “apesar de todos os perigos da atualidade” (ll. 11-12) estabelece-se
um nexo de (5 PONTOS)
a. condição.
b. concessão.
c. comparação.
d. consequência.
1.5. A oração “desde que existe sociedade humana” (l. 12) classifica-se como (5 PONTOS)
a. subordinante.
b. subordinada adverbial condicional.
c. subordinada adverbial temporal.
d. subordinada substantiva completiva.
1.6. A única palavra que tem o mesmo étimo de “estreias” (l. 36) é (5 PONTOS)
a. estrela.
b. estreante.
c. estrábico.
d. estria.
1.7. Tendo em conta o processo de formação que lhe deu origem, a palavra
“TNSJ” (l. 30) classifica-se como (5 PONTOS)
a. acrónimo.
b. truncação.
c. amálgama.
d. sigla.
2. Responde ao item apresentado.
2.1. Identifica a função sintática desempenhada pelos constituintes frásicos sublinhados nas
expressões abaixo.
a. “Este ano, as poderosas palavras pertencem ao multifacetado artista sul-africano
Brett Bailey” (ll. 10-11) (5 PONTOS)
b. “A primeira foi proferida por Jean Cocteau” (ll. 4-5) (5 PONTOS)
c. “E hoje é possível comprová-lo gratuitamente, um pouco por todo o país.” (ll. 14-15) (5 PONTOS)

GRUPO III (50 PONTOS)

A representação do quotidiano é um tópico central na Farsa de Inês Pereira.


Redige uma exposição sobre este tópico, utilizando entre duzentas e trezentas palavras. Ilustra a
tua exposição com exemplos da obra.

ENC10 © Porto Editora