Você está na página 1de 20

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA


INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA
TÉCNICO EM MECATRÔNICA
DISCIPLINA: ELETRÔNICA INDUSTRIAL

TEORIA DE CIRCUITOS CHAVEADOS


(Unidade 2)

Prof. Jeferson Fraytag

Prof. Jeferson Fraytag


1
FATORES DE DESEMPENHO

Prof. Jeferson Fraytag


2
Fatores de Desempenho
O que são??

 Índices numéricos capazes de indicar o comportamento de um circuito;


 Podem variar de acordo com o tipo de circuito, além da aplicação adotada;
 Importantes na consolidação de um circuito comercialmente.

Rendimento é um dos principais fatores


de desempenho!!
Prof. Jeferson Fraytag
3
Fatores de Desempenho
Rendimento (η)

 Relação entre a potência de saída e a potência de entrada;


 Demonstra quão bem a energia drenada da rede esta sendo utilizada;
 Idealmente, os circuitos elétricos deveriam apresentar um rendimento de 100%.

P Po = Potência de saída útil.


%  O .100
Pi Pi = Potência de entrada.

Na prática, um circuito com rendimento de 100% não


existe, visto que sempre há perdas de energia envolvida!

Prof. Jeferson Fraytag


4
CIRCUITOS CHAVEADOS

Prof. Jeferson Fraytag


5
Introdução
Qual a forma mais simples de reduzir um tensão elétrica CC?

 Divisor resistivo (divisor de tensão):

Cálculo da tensão de saída do divisor resistivo

𝑅𝑜
𝑉𝑜 = 𝑉𝑖𝑛
𝑅1 + 𝑅𝑜

Mas e qual o problema??

𝑃𝑜 𝑉𝑜 . 𝐼 𝑉𝑜
η= η= η=
𝑃𝑖𝑛 𝑉𝑖𝑛 . 𝐼 𝑉𝑖𝑛

Prof. Jeferson Fraytag


Baixo Rendimento!!
6
Introdução
Fundamentos Iniciais
 Circuitos chaveados são aqueles que utilizam chaves (interruptores);
 Foram desenvolvidos a partir da necessidade de processar a energia de
forma eficiente (alto rendimento).

Transformador somente funciona Para tensões contínuas, pode-se


com tensões alternadas utilizar conversor estáticos

Mas o que é um conversor estático??


Prof. Jeferson Fraytag
7
Introdução
Conversores Estáticos
 Circuito eletrônico formado por elementos passivos e ativos;
Passivos → Capacitores, indutores, resistores
Ativos → Semicondutores controlados (MOSFET, IGBT...)
 Elevado rendimento;
 Controle do fluxo de energia entre entrada e saída.

Prof. Jeferson Fraytag


8
Introdução
Conversores Estáticos - Aplicações

 Fontes de computadores;

 Equipamentos de telecomunicações;

 Carregadores de bateria;

 No-Breaks;

 Estabilizadores;

 Etc...

Prof. Jeferson Fraytag


9
Conversores Estáticos
Princípio Básico de Operação

 Princípio da comutação (interruptores).

Ton → Representa o tempo em que o interruptor fica fechado


T → Corresponde ao período de comutação do interruptor

A relação entre o tempo Ton e 𝑇𝑜𝑛


o período T é chamado de 𝐷=
𝑇
Razão-Cíclica (D)!!
Prof. Jeferson Fraytag
10
Conversores Estáticos
Princípio Básico de Operação

 A transferência de potência é controlada pelo próprio interruptor.

Análise baseada em valores médios!!!

𝑉𝑜 = 𝑉𝑖 . 𝑇𝑜𝑛 𝑉𝑜 = 𝑉𝑖 . 𝐷. 𝑇

A tensão de saída Vo depende da Razão-


Cíclica e da frequência!!!
Prof. Jeferson Fraytag
11
Conversores Estáticos
Princípio Básico de Operação

 A forma de onda disponível na carga deve ser contínua e constante.

Necessidade de inserir Filtros Passa-Baixas no circuito!!!

Prof. Jeferson Fraytag


12
FILTRO PASSA-BAIXAS

Prof. Jeferson Fraytag


13
Conversores Estáticos
Filtro Passa-Baixa

 Circuito formado por elementos passivos (indutores e capacitores);

Mas o que faz um Filtro??

 Responsável por suprimir determinadas frequências;


 Faz um tipo de “limpeza” em uma forma de onda.

Entrada Saída

Prof. Jeferson Fraytag


14
Conversores Estáticos
Filtro Passa-Baixa

 Qualquer forma de onda periódica pode ser reproduzida por um somatório


infinito de senos e cossenos em diferentes frequências:

Teorema de Fourier!!!

Formas de onda senoidais em diferentes


frequências e amplitudes!!

Prof. Jeferson Fraytag


15
Conversores Estáticos
Filtro Passa-Baixa

 Qualquer forma de onda periódica pode ser reproduzida por um somatório


infinito de senos e cossenos em diferentes frequências:

Somatório infinito de senóides, em


diferentes frequências, gera um
forma de onda quadrada!

Prof. Jeferson Fraytag


16
Conversores Estáticos
Filtro Passa-Baixa

 Um exemplo típico – Sinal de Áudio:

Sinal de áudio

Filtro
Passa-Baixas

Agudos: 4 kHz até 18 kHz


Médios: 200 Hz até 3 kHz Graves: 32 Hz até 200 Hz
Graves: 32 Hz até 200 Hz

Após passar pelo filtro, o alto-falante só


reproduzirá os Graves do sinal de áudio!
Prof. Jeferson Fraytag
17
Conversores Estáticos
Mas Como o Filtro Atua no Conversor Estático???

 Situação sem filtro:

 Situação com filtro:

Filtro
Passa-Baixas

Prof. Jeferson Fraytag


18
Conversores Estáticos
Principais Tipos

Conversor Buck (abaixador) Conversor Boost (elevador)

Conversor Buck-Boost (abaixador-elevador) Conversor Flyback (abaixador-elevador)

Prof. Jeferson Fraytag


19
Até a Próxima Aula!!

Prof. Jeferson Fraytag


20