Você está na página 1de 36

Administração Pública

Prof. Cristiano de Souza


Administração Pública

Professor: Cristiano de Souza

www.acasadoconcurseiro.com.br
SUMÁRIO

1.Conceito de Administração Pública. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7


2.Princípios da Administração Pública. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
Questões sobre Princípios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
3.Formação e Organização da Administração Pública Brasileira. Concentração. Desconcentração
e Descentralização. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
Organização Administrativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .10
Administração direta e indireta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Agências reguladoras e executivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Questões sobre Administração Direta e Indireta. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
4.Processo Administrativo em Âmbito Federal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Questões sobre o Processo Administrativo Federal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

www.acasadoconcurseiro.com.br
1.
Administração Pública

1. Conceito de Administração Pública.

“Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União,
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade,
impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (…)”
A administração pública é conceituada com base em dois aspectos: objetivo (também chamado
material ou funcional) e subjetivo (também chamado formal ou orgânico). Segundo ensina
Maria Sylvia Zanella Di Pietro o conceito de administração pública divide-se em dois sentidos:
Objetivo (material/funcional): “Em sentido objetivo, material ou funcional, a administração
pública pode ser definida como a atividade concreta e imediata que o Estado desenvolve, sob
regime jurídico de direito público, para a consecução dos interesses coletivos”.
É a atividade administrativa executada pelo Estado, por seus órgãos e agente, com base em sua
função administrativa. É a gestão dos interesses públicos, por meio de prestação de serviços
públicos. É a administração da coisa pública (res publica).
Subjetivo (Formal/Orgânico): “Em sentido subjetivo, formal ou orgânico, pode-se definir
Administração Pública, como sendo o conjunto de órgãos e de pessoas jurídicas aos quais a lei
atribui o exercício da função administrativa do Estado”.
É o conjunto de agentes, órgãos e entidades designados para executar atividades administrativas.
Assim, administração pública em: sentido material é administrar os interesses da coletividade
e em sentido formal é o conjunto de entidades, órgãos e agentes que executam a função
administrativa do Estado.
As atividades estritamente administrativas devem ser exercidas pelo próprio Estado ou por
seus agentes.

www.acasadoconcurseiro.com.br 7
2. Princípios da Administração Pública.

Princípios Gerais Características


Na atividade particular tudo o que não está proibido é permitido; na
Administração Pública tudo o que não está permitido é proibido. O
Legalidade
administrador está rigidamente preso à lei e sua atuação deve ser confrontada
com a lei.
O administrador deve orientar-se por critérios objetivos, não fazer distinções
Impessoalidade com base em critérios pessoais. Toda atividade da Adm. Pública deve ser
praticada tendo em vista a finalidade pública.
O dever do administrador não é apenas cumprir a lei formalmente, mas
Moralidade cumprir substancialmente, procurando sempre o melhor resultado para a
administração.
Requisito da eficácia e moralidade, pois é através da divulgação oficial dos
Publicidade atos da Administração Pública que ficam assegurados o seu cumprimento,
observância e controle.
É a obtenção do melhor resultado com o uso racional dos meios. Atualmente,
Eficiência na Adm. Pública, a tendência é prevalência do controle de resultados sobre o
controle de meios.
O interesse público tem SUPREMACIA sobre o interesse individual; Mas
Supremacia do
essa supremacia só é legítima na medida em que os interesses públicos são
Interesse Público
atendidos.
Os atos da Administração presumem-se legítimos, até prova em contrário
Presunção de
(presunção relativa ou juris tantum – ou seja, pode ser destruída por prova
Legitimidade
contrária.)
Toda atuação do administrador se destina a atender o interesse público e
Finalidade garantir a observância das finalidades institucionais por parte das entidades
da Administração Indireta.
A autotutela se justifica para garantir à Administração: a defesa da legalidade e
Auto Tutela
eficiência dos seus atos; nada mais é que um autocontrole SOBRE SEUS ATOS.
O serviço público destina-se a atender necessidades sociais. É com fundamento
Continuidade do nesse princípio que nos contratos administrativos não se permite que seja
Serviço Público invocada, pelo particular, a exceção do contrato não cumprido. Os serviços
não podem parar!
Os poderes concedidos à Administração devem ser exercidos na medida
Razoabilidade
necessária ao atendimento do interesse coletivo, SEM EXAGEROS.

8 www.acasadoconcurseiro.com.br
Questões

1. Em relação aos princípios constitucionais 3. Os princípios constitucionais da legalidade e


da administração pública, é correto afirmar da moralidade vinculam-se, originalmente,
que: à noção de administração
I – o princípio da publicidade visa a dar a) patrimonialista.
transparência aos atos da administração b) descentralizada.
pública e contribuir para a concretização do c) gerencial.
princípio da moralidade administrativa; d) centralizada.
II – a exigência de concurso público para e) burocrática.
ingresso nos cargos públicos reflete uma
aplicação constitucional do princípio da 4. A Constituição Federal, no seu art. 37,
impessoalidade; impõe à Administração Pública, direta e
indireta, a obrigatoriedade de obediência a
III – o princípio da impessoalidade é violado vários princípios básicos, mas entre os quais
quando se utiliza na publicidade oficial não se inclui a observância da
de obras e de serviços públicos o nome
ou a imagem do governante, de modo a a) eficiência.
caracterizar promoção pessoal do mesmo; b) imprescritibilidade.
c) impessoalidade.
IV – o princípio da moralidade d) legalidade.
administrativa não comporta juízos de valor e) moralidade.
elásticos, porque o conceito de “moral
administrativa” está de? nido de forma 5. Entre os princípios básicos da Administração
rígida na Constituição Federal; Pública, conquanto todos devam ser
V – o nepotismo é uma das formas de observados em conjunto, o que se aplica,
ofensa ao princípio da impessoalidade. particular e apropriadamente, à exigência
Estão corretas: de o administrador, ao realizar uma obra
pública, autorizada por lei, mediante
a) apenas as afirmativas I, II, III e V. procedimento licitatório, na modalidade
b) apenas as afirmativas I, III, IV e V. de menor preço global, no exercício do
c) as afirmativas I, II, III, IV e V. seu poder discricionário, ao escolher
d) apenas as afirmativas I, III e V. determinados fatores, dever orientar-se
e) apenas as afirmativas I e III. para o de melhor atendimento do interesse
público, seria o da
2. O vício do desvio do poder ocorre quando
há afronta direta ao seguinte princípio: a) eficiência
b) impessoalidade
a) supremacia do Interesse Público. c) legalidade
b) legalidade. d) moralidade
c) motivação. e) publicidade
d) eficiência.
e) autotutela.

Gabarito: 1. A 2. A 3. E 4. B 5. B

www.acasadoconcurseiro.com.br 9
3. Formação e Organização da Administração Pública Brasileira.
Concentração. Desconcentração e Descentralização.

Organização Administrativa
ÓRGÃOS – São centros de competência instituídos para o desempenho de funções estatais
através de seus agentes, cuja atuação é imputada à pessoa jurídica a que pertencem. Importante
não confundir alguns conceitos, senão vejamos:

Função É o encargo atribuído ao órgão. É a atividade exercida pelo órgão.


Agentes São as pessoas que exercem as funções, e os quais estão vinculados a um órgão;
Cargos São os lugares criados por lei. São reservados aos agentes.

Características dos Órgãos

1. não tem personalidade jurídica;

2. expressa a vontade da entidade a que pertence (União, Estado, Município);

3. é meio instrumento de ação destas pessoas jurídicas;

4. é dotado de competência, que é distribuída por seus cargos;

Classificação dos Órgãos:

1. QUANTO À POSIÇÃO ESTATAL

Se originam da previsão constitucional. São os representativos dos


3 Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário).  Não tem qualquer
Órgãos Independentes: subordinação hierárquica;  Suas funções são políticas, judiciais e
legislativas;  Seus agentes são denominados Agentes Políticos; Ex:
Congresso Nacional, Câmara de Deputados, Senado.
São os localizados na cúpula da Administração, imediatamente abaixo
dos órgãos independentes e diretamente subordinados a seus chefes;
Tem ampla autonomia administrativa, financeira e técnica; São órgãos
Órgãos Autônomos:
diretivos, de planejamento, coordenação e controle; Seus agentes
são denominados Agentes Políticos nomeados em comissão; Não são
funcionários públicos; Ex: Ministérios, Secretaria de Planejamento, etc.

10 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

São os que detêm poder de direção, controle, decisão e comando,


subordinando-se a um órgão mais alto.  Não gozam de autonomia
administrativa nem financeira; Liberdade restringida ao planejamento e
Órgãos Superiores:
soluções técnicas, dentro de sua esfera de competência; Responsabilidade
pela execução e não pela decisão política; Ex: Gabinetes, Coordenadorias,
Secretarias Gerais, etc.
São os órgãos subordinados hierarquicamente a outro órgão superior;
Realizam tarefas de rotina administrativa; Reduzido poder de decisão;
Órgãos Subalternos:
É predominantemente órgão de execução; Ex: Repartições, Portarias,
Seções de Expediente.

2. QUANTO À ESTRUTURA

Órgãos Simples: UM SÓ centro de competência. Ex: Portaria, Posto Fiscal, Agência da SRF.
VÁRIOS centros de competência (outros órgãos menores na estrutura).
Órgãos Compostos: A atividade é desconcentrada, do órgão central para os demais órgãos
subalternos. Ex: Delegacia da Receita Federal, Inspetoria Fiscal.

3. QUANTO À ATUAÇÃO FUNCIONAL

São os que decidem através de um único agente. Ex: os Ministérios, as


Singular:
Coordenadorias, as Seccionais.
Decidem por manifestação conjunta da maioria de seus membros. Ex:
Colegiado:
Tribunais, Legislativo, Conselho de Contribuintes.

Administração direta e indireta


Administração direta é aquela composta por órgãos públicos ligados diretamente ao poder
central, federal, estadual ou municipal. São os próprios organismos dirigentes, seus ministérios,
secretarias, além dos órgãos subordinados. Não possuem personalidade jurídica própria,
patrimônio e autonomia administrativa e cujas despesas são realizadas diretamente através
do orçamento da referida esfera. Caracterizam-se pela desconcentração administrativa, que é
uma distribuição interna de competências, sem a delegação a uma pessoa jurídica diversa.
Administração indireta é aquela composta por entidades com personalidade jurídica própria,
patrimônio e autonomia administrativa e cujas despesas são realizadas através de orçamento
próprio. São exemplos as autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia
mista. A administração indireta caracteriza-se pela descentralização administrativa, ou seja, a
competência é distribuída de uma pessoa jurídica para outra.

www.acasadoconcurseiro.com.br 11
São essas as características das entidades pertencentes à administração indireta:

Serviço autônomo, criado por lei, com personalidade jurídica de direito


público, patrimônio e receita próprios, para executar atividades típicas da
Autarquias:
Administração Pública, que requeiram, para seu melhor funcionamento,
gestão administrativa e financeira descentralizada;
a entidade dotada de personalidade jurídica de direito publico, sem
fins lucrativos, criada em virtude de autorização legislativa, para o
Fundação desenvolvimento de atividades que não exijam execução por órgãos ou
pública: entidades de direito público, com autonomia administrativa, patrimônio
próprio gerido pelos respectivos órgãos de direção, e funcionamento
custeado por recursos da União e de outras fontes;
A entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado, com
patrimônio próprio e capital exclusivo da União, com criação autorizada por
lei específica para a exploração de atividade econômica que o Governo seja
levado a exercer por força de contingência ou de conveniência administrativa
Empresa podendo revestir-se de qualquer das formas admitidas em direito;
pública: Conforme dispõe o art. 5º do Decreto-Lei nº 900, de 1969: Desde que a maioria
do capital votante permaneça de propriedade da União, será admitida, no
capital da Empresa Pública, a participação de outras pessoas jurídicas de
direito público interno, bem como de entidades da Administração Indireta
da União, dos Estados, Distrito Federal e Municípios.
A entidade dotada de personalidade jurídica de direito privado, com criação
autorizada por lei para a exploração de atividade econômica, sob a forma de
sociedade anônima, cujas ações com direito a voto pertençam em sua maioria
à União ou a entidade da Administração Indireta. Empresas controladas pelo
Poder Público podem ou não compor a Administração Indireta, dependendo
de sua criação ter sido ou não autorizada por lei. Existem subsidiárias que
Sociedades são controladas pelo Estado, de forma indireta, e não são sociedades de
de economia economia mista, pois não decorreram de autorização legislativa. No caso
mista: das que não foram criadas após autorização legislativa, elas só se submetem
às derrogações do direito privado quando seja expressamente previsto por
lei ou pela Constituição Federal de 1988, como neste exemplo: “Art. 37. XII,
CF – a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange
autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista,
suas subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo
poder público”.

12 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

As agências executivas e reguladoras fazem parte da administração pública


indireta, são pessoas jurídicas de direito público interno e consideradas como
autarquias especiais. Sua principal função é o controle de pessoas privadas
incumbidas da prestação de serviços públicos, sob o regime de concessão
ou permissão.
Agências reguladoras: As agências reguladoras são autarquias de regime
especial, que regulam as atividades econômicas desenvolvidas pelo setor
privado. Tais agências têm poder de polícia, podendo aplicar sanções.
Possuem certa independência em relação ao Poder Executivo, motivo
pelo são chamadas de "autarquias de regime especial". Nota-se que a
Constituição Federal faz referência a "órgão regulador", não utilizando o
termo "agência reguladora". Sendo "autarquias de regime especial", tais
agências detêm prerrogativas especiais relacionadas à ampliação de sua
autonomia gerencial, administrativa e financeira. Embora tenham função
normativa, não podem editar atos normativas primários (leis e similares),
mas tão somente atos secundários (instruções normativas).
Sua função é regular a prestação de serviços públicos, organizar e fiscalizar
esses serviços a serem prestados por concessionárias ou permissionárias,
com o objetivo garantir o direito do usuário ao serviço público de qualidade.
Não há muitas diferenças em relação à tradicional autarquia, a não ser uma
maior autonomia financeira e administrativa, além de seus diretores serem
eleitos para mandato por tempo determinado.
Essas entidades podem ter as seguintes finalidades básicas:
1. fiscalizar serviços públicos (ANEEL, ANTT, ANAC, ANTAQ);
2. fomentar e fiscalizar determinadas atividades privadas (ANCINE);
Agências
3. regulamentar, controlar e fiscalizar atividades econômicas (ANP);
reguladoras e
4. exercer atividades típicas de estado (ANVS, ANVISA e ANS)
executivas
Agências executivas: São pessoas jurídicas de direito público ou privado, ou
até mesmo órgãos públicos, integrantes da Administração Pública Direta ou
Indireta, que podem celebrar contrato de gestão com objetivo de reduzir
custos, otimizar e aperfeiçoar a prestação de serviços públicos.
O poder público poderá qualificar como agências executivas as autarquias e
fundações públicas que com ele entabulem um contrato de gestão (CF, art.
37, § 8º) e atendam a outros requisitos previstos na Lei 9.649/1998 (art. 51).
O contrato de gestão celebrado com o Poder Público possibilita a ampliação
da autonomia gerencial, orçamentária e financeira das entidades da
Administração Indireta. Tem por objeto a fixação de metas de desempenho
para a entidade administrativa, a qual se compromete a cumpri-las, nos prazos
acordados. Celebrado o precitado contrato, o reconhecimento à respectiva
autarquia ou fundação pública como agência executiva é concretizado por
decreto. Se a entidade autárquica ou fundacional descumprir as exigências
previstas na lei e no contrato de gestão, poderá ocorrer sua desqualificação,
também por meio de decreto.
Seu objetivo principal é a execução de atividades administrativas. Nelas há
uma autonomia financeira e administrativa ainda maior. São requisitos para
transformar uma autarquia ou fundação em uma agência executiva:
1. tenham planos estratégicos de reestruturação e de desenvolvimento
institucional em andamento;
2. tenham celebrado contrato de gestão com o ministério supervisor.
Podemos citar como exemplos como agências executivas o INMETRO (uma
autarquia) e a ABIN (apesar de ter o termo "agência" em seu nome, não é
uma autarquia, mas um órgão público).

www.acasadoconcurseiro.com.br 13
Questões

1. A respeito das agências reguladoras e das 1.2. Extinção de unidades de atendimento


agências executivas, analise as assertivas descentralizadas de determinado órgão
abaixo, classificando-as como Verdadeiras público federal para que o atendimento
(V) ou Falsas (F). passe a ser feito exclusivamente na unidade
central. ( )
Ao final, assinale a opção que contenha a
sequência correta. 1.3. Serviços oficiais de estatística,
( ) A agência executiva é uma nova espécie geografia, geologia e cartografia, prestados
de entidade integrante da Administração em âmbito nacional pelo Instituto Brasileiro
Pública Indireta. de Geografia e Estatística – IBGE.( )

( ) O grau de autonomia da agência a) D / C / DCON


reguladora depende dos instrumentos b) C / DCON / D
específicos que a respectiva lei instituidora c) DCON / D / C
estabeleça. d) D / DCON / C
e) DCON / C / D
( ) Ao contrário das agências reguladoras, as
agências executivas não têm área específica 3. Quanto às autarquias no modelo da
de atuação. organização administrativa brasileira, é
( ) As agências executivas podem ser incorreto afirmar que
autarquias ou fundações públicas.
a) possuem personalidade jurídica.
a) V, F, V, V b) são subordinadas hierarquicamente ao
b) F, V, V, V seu órgão supervisor.
c) F, F, V, V c) são criadas por lei.
d) V, V, V, F d) compõem a administração pública
e) F, F, F, V indireta.
e) podem ser federais, estaduais, distritais
2. Analise os casos concretos narrados a seguir e municipais.
e classifique- os como sendo resultado de
um dos fenômenos listados de acordo com 4. Nos termos de nossa Constituição Federal e
o seguinte código: de acordo com a jurisprudência do Supremo
C = centralização Tribunal Federal, depende de autorização
em lei específica:
D = descentralização
a) a instituição das empresas públicas,
DCON = desconcentração. das sociedades de economia mista e de
fundações, apenas.
Após a análise, assinale a opção que b) a instituição das empresas públicas e
contenha a sequência correta. das sociedades de economia mista,
1.1. Serviço de verificação da regularidade apenas.
fiscal perante o fisco federal e fornecimento c) a instituição das autarquias, das
da respectiva certidão negativa de débitos, empresas públicas, das sociedades
prestado pela Receita Federal do Brasil.( )

www.acasadoconcurseiro.com.br 15
de economia mista e de fundações, 7. Pode-se considerar que o déficit de
apenas. entidades de previdência complementar
d) a participação de entidades da ligadas a sociedades de economia mista
Administração indireta em empresa resulta de:
privada, bem assim a instituição
das autarquias, empresas públicas, a) aumento da idade média da população.
sociedades de economia mista, b) não ajustamento das contribuições da
fundações e subsidiárias das estatais. pessoa jurídica.
e) a participação de entidades da c) desbalanceamento entre contribuições
Administração indireta em empresa e obrigações.
privada, bem assim a instituição d) aplicação de recursos em ativos que
das empresas públicas, sociedades produziram menos renda do que o
de economia mista, fundações e desejável.
subsidiárias das estatais. e) reservas técnicas insuficientes.

5. Não é considerada entidade da 8. Seguradoras são sociedades empresárias


Administração Pública Indireta: autorizadas a operar pela SUSEP com
função socialmente relevante, razão pela
a) a autarquia. qual no seu funcionamento ficam sujeitas a:
b) a sociedade de economia mista.
c) o órgão público. a) normas de direito público.
d) a fundação pública. b) normas de direito privado,
e) a empresa pública. notadamente a Lei nº 6.404/1976 com
as alterações posteriores.
6. Tendo por base a organização c) combinação de normas de direito
administrativa brasileira, classifi que as público e privado.
descrições abaixo como sendo fenômenos: d) procedimentos cautelares
(1) de descentralização; ou (2) de determinados pelas autoridades
desconcentração. Após, assinale a opção competentes.
correta. e) legislação falencial.
( ) Criação da Fundação Instituto 9. A competência do Conselho Nacional de
Brasileiro de Geografi a e Estatística (IBGE), Seguros Privados (CNSP) em confronto com
para prestar serviços ofi ciais de estatística, a da Superintendência de Seguros Privados
geologia e cartografi a de âmbito nacional; (SUSEP) evidencia:
( ) Criação de delegacia regional do
trabalho a ser instalada em municipalidade a) tratar-se de autarquias federal e
recém emancipada e em franco estadual, respectivamente.
desenvolvimento industrial e no setor de b) operarem no mesmo plano hierárquico.
serviços; c) caber ao CNSP estabelecer as diretrizes
( ) Concessão de serviço público para a aplicáveis aos seguros privados sendo a
exploração do serviço de manutenção e SUSEP órgão executivo.
conservação de estradas; d) pouca coordenação entre as duas
entidades no delineamento da política
( ) Criação de novo território federal. de seguros privados.
a) 2 / 1 / 2 / 1 e) haver conflitos regulatórios dada a sofi
b) 1/ 2 / 2 / 1 sticação do sistema securitário.
c) 2/ 2 / 1 / 1
d) 1/ 2 / 1 / 1
e) 1/ 2 / 1 / 2

16 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

10. A SUSEP é uma autarquia, atua na regulação personalidade jurídica de direito público
da atividade de seguros (entre outras), são criadas por lei específica.
e está sob supervisão do Ministério da III – Em regra, a execução judicial contra o
Fazenda. Logo, é incorreto dizer que ela: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e
a) é integrante da chamada Administração dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA
Indireta. enquanto autarquia federal está sujeita ao
b) tem personalidade jurídica própria, de regime de precatórios previsto no art. 100
direito público. da Constituição Federal, respeitadas as
c) está hierarquicamente subordinada a exceções.
tal Ministério. IV – A Caixa Econômica Federal enquanto
d) executa atividade típica da empresa pública é exemplo do que se
Administração Pública. passou a chamar, pela doutrina do direito
e) tem patrimônio próprio. administrativo, de desconcentração da
atividade estatal.
11. Para que uma autarquia tenha existência
regular, há a necessidade de observância V – O Instituto Nacional do Seguro Social
dos seguintes procedimentos: – INSS enquanto autarquia vinculada
ao Ministério da Previdência Social está
a) criação diretamente por lei, com subordinada à sua hierarquia e à sua
inscrição de seu ato constitutivo na supervisão.
serventia registral pertinente. a) Apenas os itens I e II estão corretos.
b) criação diretamente por lei, sem b) Apenas os itens II e III estão corretos.
necessidade de qualquer inscrição em c) Apenas os itens III e IV estão corretos.
serventias registrais. d) Apenas os itens IV e V estão corretos.
c) criação autorizada em lei, com inscrição e) Apenas os itens II e V estão corretos.
de seu ato constitutivo na serventia
registral pertinente. 13. Marque a opção incorreta.
d) criação autorizada em lei, sem
necessidade de qualquer inscrição em a) O contrato de gestão, quando celebrado
serventias registrais. com organizações sociais, restringe a
e) criação diretamente por lei, ou sua autonomia.
respectiva autorização legal para sua b) Quanto à estrutura das autarquias, estas
criação, sendo necessária a inscrição podem ser fundacionais e corporativas.
de seu ato constitutivo em serventias c) Os serviços sociais autônomos são
registrais, apenas nesta última hipótese. entes paraestatais que não integram a
Administração direta nem a indireta.
12. Quanto à organização administrativa d) Organização social é a qualificação
brasileira, analise as assertivas abaixo e jurídica dada a pessoa jurídica de direito
assinale a opção correta. privado ou público, sem fins lucrativos,
e que recebe delegação do Poder
I – A administração pública federal brasileira Público, mediante contrato de gestão,
indireta é composta por autarquias, para desempenhar serviço público de
fundações, sociedades de economia mista, natureza social.
empresas públicas e entidades paraestatais. e) A Administração Pública, ao criar
II – Diferentemente das pessoas jurídicas fundação de direito privado, submete-a
de direito privado, as entidades da ao direito comum em tudo aquilo que
administração pública indireta de não for expressamente derrogado por
normas de direito público.

www.acasadoconcurseiro.com.br 17
14. A entidade dotada de personalidade 16. Acerca da organização administrativa do
jurídica de direito privado, instituída Estado de São Paulo, assinale a opção
mediante autorização por lei específica, correta.
com patrimônio próprio e capital exclusivo
da União, para desempenhar atividades a) A criação de uma empresa pública é
de natureza empresarial e que pode se feita diretamente por autorização do
revestir de qualquer das formas em direito Secretário de Estado da respectiva
admitidas, denomina-se: pasta à qual está vinculada, seguida da
aprovação, pelo Governador do Estado.
a) Consórcio Público. b) As sociedades de economia mista,
b) Empresa Pública. por se tratarem de pessoas jurídicas
c) Fundação Privada. com personalidade jurídica de direito
d) Fundação Pública. privado, quando publicarem programas,
e) Sociedade de Economia Mista. obras ou serviços de suas atividades,
não estão vinculadas à vedação de não
15. Quanto às características da administração inserirem nomes, símbolos e imagens
pública federal brasileira e sua forma de que caracterizem promoção pessoal de
organização, analise os itens a seguir e autoridades.
marque com V se a assertiva for verdadeira c) As empresas públicas e sociedades
e com F se for falsa. Ao final, assinale a de economia mista não estão
opção correspondente. vinculadas aos princípios da legalidade,
impessoalidade, moralidade,
( ) Os órgãos são compartimentos publicidade, razoabilidade, fi nalidade,
internos da pessoa pública que compõem motivação, interesse público e efi
sua criação bem como sua extinção são ciência.
disciplinas reservadas à lei. d) A empresa pública pode criar
( ) A realização das atividades subsidiária diretamente por ordem de
administrativas do Estado, de forma seu Presidente, com a subsequente
desconcentrada, caracteriza a criação de aquiescência do Governador do Estado.
pessoas jurídicas distintas, componentes da e) É obrigatória a eleição pelos servidores
administração pública indireta. e empregados públicos de um Diretor-
Representante e de um Conselho de
( ) As entidades da administração pública
Representantes nas autarquias, assim
indireta do Poder Executivo, apesar de não
como nas sociedades de economia
submetidas hierarquicamente ao Ministério
mista e fundações instituídas ou
a que se vinculam, sujeitam-se à sua
mantidas pelo Poder Público.
supervisão ministerial.
( ) O Poder Judiciário e o Poder Legislativo
constituem pessoas jurídicas distintas do
Poder Executivo e, por isso, integram a
administração pública indireta.
a) V, F, F, V
b) V, F, V, F
c) F, V, V, F
d) F, V, F, V
e) V, V, F, V

18 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

17. A Agência executiva é a qualificação dada à 20. O serviço público personificado, com
autarquia ou fundação que celebre contrato personalidade jurídica de direito público, e
de gestão com o órgão da Administração capacidade exclusivamente administrativa,
Direta a que se acha vinculada, introduzida é conceituado como sendo um(a)
no direito brasileiro em decorrência do a) empresa pública.
movimento da globalização. Destarte, b) órgão autônomo.
assinale qual princípio da administração c) entidade autárquica.
pública, especificamente, que as autarquias d) fundação pública.
ou fundações governamentais qualificadas e) sociedade de economia mista.
como agências executivas visam observar
nos termos do Decreto nº 2.487/1998: 21. Conceitualmente, o que assemelha
autarquia de fundação pública é a
a) eficiência circunstância jurídica de ambas
b) moralidade a) serem órgãos da estrutura do Estado.
c) legalidade b) serem um patrimônio personificado.
d) razoabilidade c) serem um serviço público personificado.
e) publicidade d) serem entidades da Administração
Indireta.
18. O Banco Central do Brasil é e) terem personalidade de direito privado.
a) um órgão autônomo da Administração 22. O que distingue entre si, no seu essencial,
Direta Federal. a autarquia da empresa pública, com
b) um órgão do Ministério da Fazenda. conseqüências jurídicas relevantes, é a
c) um órgão subordinado à Presidência da
República. a) característica da sua participação na
d) uma entidade da Administração Administração Pública.
Indireta Federal. b) exigência de licitação, para suas
e) uma instituição financeira, sem contratações.
personalidade jurídica própria, c) natureza da sua personalidade.
integrante do Conselho Monetário d) forma de desconcentração na estrutura
Nacional. estatal.
e) exigência de concurso público, para
19. O patrimônio personificado, destinado admissão de pessoal.
a um fim específico, que constitui uma 23. No contexto da Administração Pública
entidade da Administração Pública, com Federal, o que distingue e/ou assemelha os
personalidade jurídica de direito público, órgãos da Administração Direta em relação às
cuja criação depende de prévia autorização entidades da Administração Indireta, é que
expressa por lei, se conceitua como sendo a) os primeiros integram a estrutura
a) um órgão autônomo. orgânica da União e as outras não.
b) um serviço social autônomo. b) os primeiros são dotados de
c) uma autarquia. personalidade jurídica de direito
d) uma empresa pública. público, as outras são de direito
e) uma fundação pública. privado.
c) são todos dotados de personalidade
jurídica de direito público.
d) são todos dotados de personalidade
jurídica de direito privado.
e) todos integram a estrutura orgânica da
União.

www.acasadoconcurseiro.com.br 19
24. Tratando-se de Administração Pública 26. A empresa pública, como entidade da
Descentralizada ou Indireta, assinale a Administração Pública Federal Indireta, é
afirmativa falsa. uma entidade dotada de personalidade
jurídica de direito privado, mas está sujeita
a) A qualificação como agência executiva ao controle jurisdicional perante a justiça
pode recair tanto sobre entidade federal.
autárquica quanto fundacional,
integrante da Administração Pública. a) Correta a assertiva.
b) Conforme a norma constitucional, b) Incorreta a assertiva, porque ela é de
a empresa pública exploradora direito público.
de atividade econômica terá um c) Incorreta a assertiva, porque ela está
tratamento diferenciado quanto às jurisdicionada à justiça comum.
regras de licitação. d) Incorreta a assertiva, porque ela não é
c) Admite-se, na esfera federal, uma da Administração Indireta.
empresa pública, sob a forma de e) Incorreta a assertiva, porque ela é de
sociedade anônima, com um único direito público e jurisdicionada à justiça
sócio. comum.
d) Pode se instituir uma agência
reguladora cujo objeto de fiscalização
ou regulação não seja uma atividade
considerada como de serviço público.
e) As entidades qualificadas como
Organizações Sociais, pela União
Federal, passam a integrar, para efeitos
de supervisão, a Administração Pública
Descentralizada.

25. A pessoa jurídica de direito público, de


capacidade exclusivamente administrativa,
caracterizada como sendo um serviço
público personalizado, é o que na
organização administrativa brasileira
chama-se de
a) órgão autônomo.
b) empresa pública.
c) sociedade de economia mista.
d) serviço social autônomo.
e) autarquia.

Gabarito: 1. B 2. E 3. B 4. A 5. C 6. D 7. C 8. D 9. C 10. C 11. B 12. B 13. D 14. B 15. B 16. E 17. A
18. D 19. E 20. C 21. D 22. C 23. A 24. E 25. E 26. A

20 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

4. Processo Administrativo em Âmbito Federal.

LEI Nº 9.784 , DE 29 DE JANEIRO DE Parágrafo único. Nos processos


1999. administrativos serão observados, entre
outros, os critérios de:
Regula o processo administrativo no âmbito
da Administração Pública Federal. I – atuação conforme a lei e o Direito;

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber II – atendimento a fins de interesse geral,


que o Congresso Nacional decreta e eu vedada a renúncia total ou parcial de
sanciono a seguinte Lei: poderes ou competências, salvo autorização
em lei;
III – objetividade no atendimento do
interesse público, vedada a promoção
CAPÍTULO I pessoal de agentes ou autoridades;
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
IV – atuação segundo padrões éticos de
Art. 1º Esta Lei estabelece normas básicas probidade, decoro e boa-fé;
sobre o processo administrativo no âmbito
da Administração Federal direta e indireta, V – divulgação oficial dos atos
visando, em especial, à proteção dos direitos administrativos, ressalvadas as hipóteses de
dos administrados e ao melhor cumprimento sigilo previstas na Constituição;
dos fins da Administração. VI – adequação entre meios e fins, vedada
§ 1º Os preceitos desta Lei também se a imposição de obrigações, restrições
aplicam aos órgãos dos Poderes Legislativo e sanções em medida superior àquelas
e Judiciário da União, quando no estritamente necessárias ao atendimento
desempenho de função administrativa. do interesse público;
o
§ 2 Para os fins desta Lei, consideram-se: VII – indicação dos pressupostos de fato e
de direito que determinarem a decisão;
I – órgão – a unidade de atuação integrante
da estrutura da Administração direta e da VIII – observância das formalidades
estrutura da Administração indireta; essenciais à garantia dos direitos dos
administrados;
II – entidade – a unidade de atuação dotada
de personalidade jurídica; IX – adoção de formas simples, suficientes
para propiciar adequado grau de certeza,
III – autoridade – o servidor ou agente segurança e respeito aos direitos dos
público dotado de poder de decisão. administrados;
Art. 2º A Administração Pública obedecerá, X – garantia dos direitos à comunicação,
dentre outros, aos princípios da legalidade, à apresentação de alegações finais, à
finalidade, motivação, razoabilidade, produção de provas e à interposição de
proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, recursos, nos processos de que possam
contraditório, segurança jurídica, interesse resultar sanções e nas situações de litígio;
público e eficiência.
XI – proibição de cobrança de despesas
processuais, ressalvadas as previstas em lei;

www.acasadoconcurseiro.com.br 21
XII – impulsão, de ofício, do processo III – não agir de modo temerário;
administrativo, sem prejuízo da atuação dos
interessados; IV – prestar as informações que lhe
forem solicitadas e colaborar para o
XIII – interpretação da norma administrativa esclarecimento dos fatos.
da forma que melhor garanta o atendimento
do fim público a que se dirige, vedada
aplicação retroativa de nova interpretação.
CAPÍTULO IV
DO INÍCIO DO PROCESSO
CAPÍTULO II Art. 5º O processo administrativo pode iniciar-
DOS DIREITOS DOS ADMINISTRADOS se de ofício ou a pedido de interessado.

Art. 3º O administrado tem os seguintes direitos Art. 6º O requerimento inicial do interessado,


perante a Administração, sem prejuízo de outros salvo casos em que for admitida solicitação
que lhe sejam assegurados: oral, deve ser formulado por escrito e conter os
seguintes dados:
I – ser tratado com respeito pelas
autoridades e servidores, que deverão I – órgão ou autoridade administrativa a
facilitar o exercício de seus direitos e o que se dirige;
cumprimento de suas obrigações; II – identificação do interessado ou de quem
II – ter ciência da tramitação dos processos o represente;
administrativos em que tenha a condição III – domicílio do requerente ou local para
de interessado, ter vista dos autos, obter recebimento de comunicações;
cópias de documentos neles contidos e
conhecer as decisões proferidas; IV – formulação do pedido, com exposição
dos fatos e de seus fundamentos;
III – formular alegações e apresentar
documentos antes da decisão, os quais V – data e assinatura do requerente ou de
serão objeto de consideração pelo órgão seu representante.
competente;
Parágrafo único. É vedada à Administração
IV – fazer-se assistir, facultativamente, a recusa imotivada de recebimento de
por advogado, salvo quando obrigatória a documentos, devendo o servidor orientar
representação, por força de lei. o interessado quanto ao suprimento de
eventuais falhas.
Art. 7º Os órgãos e entidades administrativas
CAPÍTULO III deverão elaborar modelos ou formulários
padronizados para assuntos que importem
DOS DEVERES DO ADMINISTRADO pretensões equivalentes.
Art. 4º São deveres do administrado perante a Art. 8º Quando os pedidos de uma pluralidade
Administração, sem prejuízo de outros previstos de interessados tiverem conteúdo e
em ato normativo: fundamentos idênticos, poderão ser formulados
em um único requerimento, salvo preceito legal
I – expor os fatos conforme a verdade;
em contrário.
II – proceder com lealdade, urbanidade e
boa-fé;

22 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

CAPÍTULO V dos órgãos colegiados aos respectivos


DOS INTERESSADOS presidentes.
Art. 13. Não podem ser objeto de delegação:
Art. 9º São legitimados como interessados no
processo administrativo: I – a edição de atos de caráter normativo;
I – pessoas físicas ou jurídicas que o iniciem II – a decisão de recursos administrativos;
como titulares de direitos ou interesses
individuais ou no exercício do direito de III – as matérias de competência exclusiva
representação; do órgão ou autoridade.

II – aqueles que, sem terem iniciado o Art. 14. O ato de delegação e sua revogação
processo, têm direitos ou interesses que deverão ser publicados no meio oficial.
possam ser afetados pela decisão a ser § 1º O ato de delegação especificará as
adotada; matérias e poderes transferidos, os limites
III – as organizações e associações da atuação do delegado, a duração e os
representativas, no tocante a direitos e objetivos da delegação e o recurso cabível,
interesses coletivos; podendo conter ressalva de exercício da
atribuição delegada.
IV – as pessoas ou as associações legalmente
constituídas quanto a direitos ou interesses § 2º O ato de delegação é revogável a
difusos. qualquer tempo pela autoridade delegante.

Art. 10. São capazes, para fins de processo § 3º As decisões adotadas por delegação
administrativo, os maiores de dezoito anos, devem mencionar explicitamente esta
ressalvada previsão especial em ato normativo qualidade e considerar-se-ão editadas pelo
próprio. delegado.
Art. 15. Será permitida, em caráter
excepcional e por motivos relevantes
devidamente justificados, a avocação
CAPÍTULO VI temporária de competência atribuída a órgão
DA COMPETÊNCIA hierarquicamente inferior.
Art. 11. A competência é irrenunciável e se Art. 16. Os órgãos e entidades administrativas
exerce pelos órgãos administrativos a que divulgarão publicamente os locais das
foi atribuída como própria, salvo os casos de respectivas sedes e, quando conveniente, a
delegação e avocação legalmente admitidos. unidade fundacional competente em matéria
de interesse especial.
Art. 12. Um órgão administrativo e seu titular
poderão, se não houver impedimento legal, Art. 17. Inexistindo competência legal
delegar parte da sua competência a outros específica, o processo administrativo deverá ser
órgãos ou titulares, ainda que estes não lhe iniciado perante a autoridade de menor grau
sejam hierarquicamente subordinados, quando hierárquico para decidir.
for conveniente, em razão de circunstâncias de
índole técnica, social, econômica, jurídica ou
territorial.
Parágrafo único. O disposto no caput deste
artigo aplica-se à delegação de competência

www.acasadoconcurseiro.com.br 23
CAPÍTULO VII com a data e o local de sua realização e a
DOS IMPEDIMENTOS E DA assinatura da autoridade responsável.
SUSPEIÇÃO § 2º Salvo imposição legal, o reconhecimento
de firma somente será exigido quando
Art. 18. É impedido de atuar em processo houver dúvida de autenticidade.
administrativo o servidor ou autoridade que:
§ 3º A autenticação de documentos exigidos
I – tenha interesse direto ou indireto na em cópia poderá ser feita pelo órgão
matéria; administrativo.
II – tenha participado ou venha a participar § 4º O processo deverá ter suas páginas
como perito, testemunha ou representante, numeradas seqüencialmente e rubricadas.
ou se tais situações ocorrem quanto ao
cônjuge, companheiro ou parente e afins Art. 23. Os atos do processo devem realizar-
até o terceiro grau; se em dias úteis, no horário normal de
funcionamento da repartição na qual tramitar o
III – esteja litigando judicial ou processo.
administrativamente com o interessado ou
respectivo cônjuge ou companheiro. Parágrafo único. Serão concluídos depois
do horário normal os atos já iniciados, cujo
Art. 19. A autoridade ou servidor que incorrer adiamento prejudique o curso regular do
em impedimento deve comunicar o fato à procedimento ou cause dano ao interessado
autoridade competente, abstendo-se de atuar. ou à Administração.
Parágrafo único. A omissão do dever de Art. 24. Inexistindo disposição específica,
comunicar o impedimento constitui falta os atos do órgão ou autoridade responsável
grave, para efeitos disciplinares. pelo processo e dos administrados que dele
Art. 20. Pode ser arguida a suspeição de participem devem ser praticados no prazo de
autoridade ou servidor que tenha amizade cinco dias, salvo motivo de força maior.
íntima ou inimizade notória com algum dos Parágrafo único. O prazo previsto neste
interessados ou com os respectivos cônjuges, artigo pode ser dilatado até o dobro,
companheiros, parentes e afins até o terceiro mediante comprovada justificação.
grau.
Art. 25. Os atos do processo devem realizar-
Art. 21. O indeferimento de alegação de se preferencialmente na sede do órgão,
suspeição poderá ser objeto de recurso, sem cientificando-se o interessado se outro for o
efeito suspensivo. local de realização.

CAPÍTULO VIII CAPÍTULO IX


DA FORMA, TEMPO E LUGAR DOS DA COMUNICAÇÃO DOS ATOS
ATOS DO PROCESSO
Art. 26. O órgão competente perante o qual
Art. 22. Os atos do processo administrativo tramita o processo administrativo determinará
não dependem de forma determinada senão a intimação do interessado para ciência de
quando a lei expressamente a exigir. decisão ou a efetivação de diligências.
§ 1º Os atos do processo devem ser § 1º A intimação deverá conter:
produzidos por escrito, em vernáculo,

24 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

I – identificação do intimado e nome do CAPÍTULO X


órgão ou entidade administrativa; DA INSTRUÇÃO
II – finalidade da intimação;
Art. 29. As atividades de instrução destinadas
III – data, hora e local em que deve a averiguar e comprovar os dados necessários
comparecer; à tomada de decisão realizam-se de ofício
ou mediante impulsão do órgão responsável
IV – se o intimado deve comparecer pelo processo, sem prejuízo do direito dos
pessoalmente, ou fazer-se representar; interessados de propor atuações probatórias.
V – informação da continuidade do § 1º O órgão competente para a instrução
processo independentemente do seu fará constar dos autos os dados necessários
comparecimento; à decisão do processo.
VI – indicação dos fatos e fundamentos § 2º Os atos de instrução que exijam a
legais pertinentes. atuação dos interessados devem realizar-se
§ 2º A intimação observará a antecedência do modo menos oneroso para estes.
mínima de três dias úteis quanto à data de Art. 30. São inadmissíveis no processo
comparecimento. administrativo as provas obtidas por meios
§ 3º A intimação pode ser efetuada por ilícitos.
ciência no processo, por via postal com Art. 31. Quando a matéria do processo envolver
aviso de recebimento, por telegrama ou assunto de interesse geral, o órgão competente
outro meio que assegure a certeza da poderá, mediante despacho motivado, abrir
ciência do interessado. período de consulta pública para manifestação
§ 4º No caso de interessados de terceiros, antes da decisão do pedido, se não
indeterminados, desconhecidos ou com houver prejuízo para a parte interessada.
domicílio indefinido, a intimação deve ser § 1o A abertura da consulta pública será
efetuada por meio de publicação oficial. objeto de divulgação pelos meios oficiais,
§ 5º As intimações serão nulas quando feitas a fim de que pessoas físicas ou jurídicas
sem observância das prescrições legais, mas possam examinar os autos, fixando-se prazo
o comparecimento do administrado supre para oferecimento de alegações escritas.
sua falta ou irregularidade. § 2o O comparecimento à consulta
Art. 27. O desatendimento da intimação não pública não confere, por si, a condição de
importa o reconhecimento da verdade dos fatos, interessado do processo, mas confere o
nem a renúncia a direito pelo administrado. direito de obter da Administração resposta
fundamentada, que poderá ser comum a
Parágrafo único. No prosseguimento do todas as alegações substancialmente iguais.
processo, será garantido direito de ampla
defesa ao interessado. Art. 32. Antes da tomada de decisão, a juízo da
autoridade, diante da relevância da questão,
Art. 28. Devem ser objeto de intimação os atos poderá ser realizada audiência pública para
do processo que resultem para o interessado debates sobre a matéria do processo.
em imposição de deveres, ônus, sanções ou
restrição ao exercício de direitos e atividades e Art. 33. Os órgãos e entidades administrativas,
os atos de outra natureza, de seu interesse. em matéria relevante, poderão estabelecer
outros meios de participação de administrados,

www.acasadoconcurseiro.com.br 25
diretamente ou por meio de organizações e Parágrafo único. Não sendo atendida a
associações legalmente reconhecidas. intimação, poderá o órgão competente,
se entender relevante a matéria, suprir
Art. 34. Os resultados da consulta e audiência de ofício a omissão, não se eximindo de
pública e de outros meios de participação de proferir a decisão.
administrados deverão ser apresentados com a
indicação do procedimento adotado. Art. 40. Quando dados, atuações ou
documentos solicitados ao interessado forem
Art. 35. Quando necessária à instrução do necessários à apreciação de pedido formulado,
processo, a audiência de outros órgãos ou o não atendimento no prazo fixado pela
entidades administrativas poderá ser realizada Administração para a respectiva apresentação
em reunião conjunta, com a participação implicará arquivamento do processo.
de titulares ou representantes dos órgãos
competentes, lavrando-se a respectiva ata, a ser Art. 41. Os interessados serão intimados de
juntada aos autos. prova ou diligência ordenada, com antecedência
mínima de três dias úteis, mencionando-se
Art. 36. Cabe ao interessado a prova dos fatos data, hora e local de realização.
que tenha alegado, sem prejuízo do dever
atribuído ao órgão competente para a instrução Art. 42. Quando deva ser obrigatoriamente
e do disposto no art. 37 desta Lei. ouvido um órgão consultivo, o parecer deverá
ser emitido no prazo máximo de quinze
Art. 37. Quando o interessado declarar que dias, salvo norma especial ou comprovada
fatos e dados estão registrados em documentos necessidade de maior prazo.
existentes na própria Administração responsável
pelo processo ou em outro órgão administrativo, § 1º Se um parecer obrigatório e vinculante
o órgão competente para a instrução proverá, deixar de ser emitido no prazo fixado,
de ofício, à obtenção dos documentos ou das o processo não terá seguimento até a
respectivas cópias. respectiva apresentação, responsabilizando-
se quem der causa ao atraso.
Art. 38. O interessado poderá, na fase
instrutória e antes da tomada da decisão, juntar § 2º Se um parecer obrigatório e não
documentos e pareceres, requerer diligências e vinculante deixar de ser emitido no
perícias, bem como aduzir alegações referentes prazo fixado, o processo poderá ter
à matéria objeto do processo. prosseguimento e ser decidido com sua
dispensa, sem prejuízo da responsabilidade
§ 1º Os elementos probatórios deverão ser de quem se omitiu no atendimento.
considerados na motivação do relatório e
da decisão. Art. 43. Quando por disposição de ato
normativo devam ser previamente obtidos
§ 2º Somente poderão ser recusadas, laudos técnicos de órgãos administrativos
mediante decisão fundamentada, as provas e estes não cumprirem o encargo no prazo
propostas pelos interessados quando sejam assinalado, o órgão responsável pela instrução
ilícitas, impertinentes, desnecessárias ou deverá solicitar laudo técnico de outro órgão
protelatórias. dotado de qualificação e capacidade técnica
Art. 39. Quando for necessária a prestação de equivalentes.
informações ou a apresentação de provas pelos Art. 44. Encerrada a instrução, o interessado
interessados ou terceiros, serão expedidas terá o direito de manifestar-se no prazo máximo
intimações para esse fim, mencionando-se data, de dez dias, salvo se outro prazo for legalmente
prazo, forma e condições de atendimento. fixado.

26 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

Art. 45. Em caso de risco iminente, a III – decidam processos administrativos de


Administração Pública poderá motivadamente concurso ou seleção pública;
adotar providências acauteladoras sem a prévia
manifestação do interessado. IV – dispensem ou declarem a inexigibilidade
de processo licitatório;
Art. 46. Os interessados têm direito à vista
do processo e a obter certidões ou cópias V – decidam recursos administrativos;
reprográficas dos dados e documentos que o VI – decorram de reexame de ofício;
integram, ressalvados os dados e documentos
de terceiros protegidos por sigilo ou pelo direito VII – deixem de aplicar jurisprudência
à privacidade, à honra e à imagem. firmada sobre a questão ou discrepem de
pareceres, laudos, propostas e relatórios
Art. 47. O órgão de instrução que não for oficiais;
competente para emitir a decisão final elaborará
relatório indicando o pedido inicial, o conteúdo VIII – importem anulação, revogação,
das fases do procedimento e formulará suspensão ou convalidação de ato
proposta de decisão, objetivamente justificada, administrativo.
encaminhando o processo à autoridade
§ 1º A motivação deve ser explícita,
competente.
clara e congruente, podendo consistir
em declaração de concordância com
fundamentos de anteriores pareceres,
CAPÍTULO XI informações, decisões ou propostas, que,
neste caso, serão parte integrante do ato.
DO DEVER DE DECIDIR
§ 2º Na solução de vários assuntos da
Art. 48. A Administração tem o dever de mesma natureza, pode ser utilizado meio
explicitamente emitir decisão nos processos mecânico que reproduza os fundamentos
administrativos e sobre solicitações ou das decisões, desde que não prejudique
reclamações, em matéria de sua competência. direito ou garantia dos interessados.
Art. 49. Concluída a instrução de processo § 3º A motivação das decisões de órgãos
administrativo, a Administração tem o prazo de colegiados e comissões ou de decisões orais
até trinta dias para decidir, salvo prorrogação constará da respectiva ata ou de termo
por igual período expressamente motivada. escrito.

CAPÍTULO XII CAPÍTULO XIII


DA MOTIVAÇÃO DA DESISTÊNCIA E OUTROS CASOS
Art. 50. Os atos administrativos deverão ser
DE EXTINÇÃO DO PROCESSO
motivados, com indicação dos fatos e dos Art. 51. O interessado poderá, mediante
fundamentos jurídicos, quando: manifestação escrita, desistir total ou
I – neguem, limitem ou afetem direitos ou parcialmente do pedido formulado ou, ainda,
interesses; renunciar a direitos disponíveis.

II – imponham ou agravem deveres, § 1º Havendo vários interessados, a


encargos ou sanções; desistência ou renúncia atinge somente
quem a tenha formulado.

www.acasadoconcurseiro.com.br 27
§ 2º A desistência ou renúncia do CAPÍTULO XV
interessado, conforme o caso, não prejudica DO RECURSO ADMINISTRATIVO E DA
o prosseguimento do processo, se a
Administração considerar que o interesse REVISÃO
público assim o exige. Art. 56. Das decisões administrativas cabe
Art. 52. O órgão competente poderá declarar recurso, em face de razões de legalidade e de
extinto o processo quando exaurida sua mérito.
finalidade ou o objeto da decisão se tornar § 1º O recurso será dirigido à autoridade
impossível, inútil ou prejudicado por fato que proferiu a decisão, a qual, se não a
superveniente. reconsiderar no prazo de cinco dias, o
encaminhará à autoridade superior.
§ 2º Salvo exigência legal, a interposição
CAPÍTULO XIV de recurso administrativo independe de
DA ANULAÇÃO, REVOGAÇÃO E caução.
CONVALIDAÇÃO § 3º Se o recorrente alegar que a decisão
administrativa contraria enunciado da
Art. 53. A Administração deve anular seus
súmula vinculante, caberá à autoridade
próprios atos, quando eivados de vício de
prolatora da decisão impugnada, se não a
legalidade, e pode revogá-los por motivo de
reconsiderar, explicitar, antes de encaminhar
conveniência ou oportunidade, respeitados os
o recurso à autoridade superior, as razões
direitos adquiridos.
da aplicabilidade ou inaplicabilidade da
Art. 54. O direito da Administração de anular súmula, conforme o caso.
os atos administrativos de que decorram
Art. 57. O recurso administrativo tramitará no
efeitos favoráveis para os destinatários decai
máximo por três instâncias administrativas,
em cinco anos, contados da data em que foram
salvo disposição legal diversa.
praticados, salvo comprovada má-fé.
Art. 58. Têm legitimidade para interpor recurso
§ 1o No caso de efeitos patrimoniais
administrativo:
contínuos, o prazo de decadência contar-
se-á da percepção do primeiro pagamento. I – os titulares de direitos e interesses que
o forem parte no processo;
§ 2 Considera-se exercício do direito de
anular qualquer medida de autoridade II – aqueles cujos direitos ou interesses
administrativa que importe impugnação à     forem indiretamente afetados pela decisão
validade do ato. recorrida;
Art. 55. Em decisão na qual se evidencie não III – as organizações e associações
acarretarem lesão ao interesse público nem representativas, no tocante a direitos e
prejuízo a terceiros, os atos que apresentarem interesses coletivos;
defeitos sanáveis poderão ser convalidados pela
própria Administração. IV – os cidadãos ou associações, quanto a
direitos ou interesses difusos.
Art. 59. Salvo disposição legal específica, é de
dez dias o prazo para interposição de recurso
administrativo, contado a partir da ciência ou
divulgação oficial da decisão recorrida.

28 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

§ 1º Quando a lei não fixar prazo diferente, ou revogar, total ou parcialmente, a decisão
o recurso administrativo deverá ser recorrida, se a matéria for de sua competência.
decidido no prazo máximo de trinta dias, a
partir do recebimento dos autos pelo órgão Parágrafo único. Se da aplicação do
competente. disposto neste artigo puder decorrer
gravame à situação do recorrente, este
§ 2º O prazo mencionado no parágrafo deverá ser cientificado para que formule
anterior poderá ser prorrogado por igual suas alegações antes da decisão.
período, ante justificativa explícita.
Art. 64-A. Se o recorrente alegar violação
Art. 60. O recurso interpõe-se por meio de de enunciado da súmula vinculante, o órgão
requerimento no qual o recorrente deverá competente para decidir o recurso explicitará as
expor os fundamentos do pedido de reexame, razões da aplicabilidade ou inaplicabilidade da
podendo juntar os documentos que julgar súmula, conforme o caso.
convenientes.
Art. 64-B. Acolhida pelo Supremo Tribunal
Art. 61. Salvo disposição legal em contrário, o Federal a reclamação fundada em violação
recurso não tem efeito suspensivo. de enunciado da súmula vinculante, dar-se-á
ciência à autoridade prolatora e ao órgão
Parágrafo único. Havendo justo receio competente para o julgamento do recurso,
de prejuízo de difícil ou incerta reparação que deverão adequar as futuras decisões
decorrente da execução, a autoridade administrativas em casos semelhantes, sob
recorrida ou a imediatamente superior pena de responsabilização pessoal nas esferas
poderá, de ofício ou a pedido, dar efeito cível, administrativa e penal.
suspensivo ao recurso.
Art. 65. Os processos administrativos de
Art. 62. Interposto o recurso, o órgão que resultem sanções poderão ser revistos,
competente para dele conhecer deverá intimar a qualquer tempo, a pedido ou de ofício,
os demais interessados para que, no prazo de quando surgirem fatos novos ou circunstâncias
cinco dias úteis, apresentem alegações. relevantes suscetíveis de justificar a
Art. 63. O recurso não será conhecido quando inadequação da sanção aplicada.
interposto: Parágrafo único. Da revisão do processo não
I – fora do prazo; poderá resultar agravamento da sanção.

II – perante órgão incompetente;


III – por quem não seja legitimado; CAPÍTULO XVI
IV – após exaurida a esfera administrativa. DOS PRAZOS
§ 1º Na hipótese do inciso II, será indicada Art. 66. Os prazos começam a correr a partir
ao recorrente a autoridade competente, da data da cientificação oficial, excluindo-se da
sendo-lhe devolvido o prazo para recurso. contagem o dia do começo e incluindo-se o do
§ 2º O não conhecimento do recurso não vencimento.
impede a Administração de rever de ofício o § 1º Considera-se prorrogado o prazo até o
ato ilegal, desde que não ocorrida preclusão primeiro dia útil seguinte se o vencimento
administrativa. cair em dia em que não houver expediente
Art. 64. O órgão competente para decidir o ou este for encerrado antes da hora normal.
recurso poderá confirmar, modificar, anular

www.acasadoconcurseiro.com.br 29
§ 2º Os prazos expressos em dias contam-se I – pessoa com idade igual ou superior a 60
de modo contínuo. (sessenta) anos;
§ 3º Os prazos fixados em meses ou anos II – pessoa portadora de deficiência, física
contam-se de data a data. Se no mês do ou mental;
vencimento não houver o dia equivalente
àquele do início do prazo, tem-se como III – (VETADO)
termo o último dia do mês. IV – pessoa portadora de tuberculose
Art. 67. Salvo motivo de força maior ativa, esclerose múltipla, neoplasia
devidamente comprovado, os prazos maligna, hanseníase, paralisia irreversível e
processuais não se suspendem. incapacitante, cardiopatia grave, doença de
Parkinson, espondiloartrose anquilosante,
nefropatia grave, hepatopatia grave,
estados avançados da doença de Paget
CAPÍTULO XVII (osteíte deformante), contaminação por
radiação, síndrome de imunodeficiência
DAS SANÇÕES
adquirida, ou outra doença grave, com base
Art. 68. As sanções, a serem aplicadas por em conclusão da medicina especializada,
autoridade competente, terão natureza mesmo que a doença tenha sido contraída
pecuniária ou consistirão em obrigação de fazer após o início do processo.
ou de não fazer, assegurado sempre o direito de § 1º A pessoa interessada na obtenção
defesa. do benefício, juntando prova de sua
condição, deverá requerê-lo à autoridade
administrativa competente, que
determinará as providências a serem
CAPÍTULO XVIII cumpridas.
DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
§ 2º Deferida a prioridade, os autos
Art. 69. Os processos administrativos específicos receberão identificação própria que
continuarão a reger-se por lei própria, evidencie o regime de tramitação prioritária.
aplicando-se-lhes apenas subsidiariamente os
preceitos desta Lei. Art. 70. Esta Lei entra em vigor na data de sua
publicação.
Art. 69-A. Terão prioridade na tramitação, em
qualquer órgão ou instância, os procedimentos Brasília 29 de janeiro de 1999; 178o da
administrativos em que figure como parte ou Independência e 111º da República.
interessado: FERNANDO HENRIQUE CARDOSO
Renan Calheiros
Paulo Paiva

30 www.acasadoconcurseiro.com.br
Questões

1. Determinado servidor do Ministério da 2. Quanto ao recurso administrativo previsto


Fazenda recorre da decisão do Chefe da na Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de 1999,
Divisão de Recursos Humanos – DRH do que regula o processo administrativo no
órgão em que está lotado, que lhe negou o âmbito da Administração Pública Federal, é
pedido de gozo de sua licença capacitação. incorreto afirmar que:
O único fundamento utilizado pelo a) salvo disposição legal em contrário, o
recorrente centrou- se na ausência de recurso não tem efeito suspensivo.
competência do chefe da DRH para decidir b) em regra, a interposição de recurso
a respeito de seu pleito. administrativo depende de caução
O recorrente sustenta que, ante a ausência prestada pelo requerente.
de previsão específica da competência c) o recurso administrativo tramitará,
decisória no regimento interno do órgão no máximo, por três instâncias
para a referida DRH, somente o dirigente administrativas, salvo disposição legal
máximo poderia decidir o pleito. diversa.
d) entre outros, têm legitimidade para
Tendo em mente o caso concreto acima interpor recurso administrativo
narrado e os termos da Lei nº 9.784/99, que as organizações e associações
regula o processo administrativo em âmbito representativas, no tocante a direitos e
federal, assinale a opção que contenha a interesses coletivos.
resposta correta. e) quando interposto fora do prazo, o
a) Assiste razão ao recorrente. A ausência recurso não será conhecido.
de previsão legal específica desloca
a competência decisória para a 3. O desatendimento, pelo particular, de
autoridade de maior grau. intimação realizada pela Administração
b) A autoridade competente para julgar o Pública Federal em processo administrativo
recurso do servidor poderá delegar esta a) não importa o reconhecimento da
competência desde que para agente verdade dos fatos, nem a renúncia a
de grau hierárquico superior ao da direito pelo administrado.
primeira instância decisória. b) não importa o reconhecimento da
c) A delegação da competência para verdade dos fatos, mas constitui
julgamento do recurso deve ter sido renúncia a direito pelo administrado, se
prévia a sua interposição e divulgada na se tratar de direito disponível.
internet do órgão. c) importa o reconhecimento da verdade
d) A competência para decidir acerca dos fatos, mas não constitui renúncia
da licença capacitação era da DRH, automática a direito pelo administrado,
unidade organizacional de menor nível tratando-se de direito indisponível.
na hierarquia, não sendo admissível em d) importa o reconhecimento da verdade
nenhuma hipótese, a avocatória. dos fatos, e a renúncia a direito pelo
e) Inexistindo competência legal administrado.
específica, o processo administrativo e) opera extinção do direito de defesa, por
deverá ser iniciado perante a autoridade opção do próprio particular.
de menor grau hierárquico para decidir.

www.acasadoconcurseiro.com.br 31
4. Acerca do processo administrativo, no a) Tratando-se de uma situação urgente,
âmbito da administração pública federal, é João protocolou seu requerimento
correto afirmar que: num domingo, pela manhã, junto ao
segurança do prédio em que funciona
a) são inadmissíveis as provas obtidas por a Receita Federal do Brasil em sua
meios ilícitos, exceto quando houver cidade, conforme a exceção legal para
autorização judicial. as hipóteses de emergência.
b) da revisão de processo administrativo, b) O servidor da Receita Federal do Brasil
não pode resultar agravamento da negou-se a receber o requerimento
sanção. de João alegando a ausência de
c) a desistência ou renúncia do único reconhecimento de sua firma pelo
interessado implica no arquivamento cartório competente.
do processo. c) Tendo em mãos os documentos
d) salvo exigência legal, a interposição originais, João solicitou ao servidor
de recurso administrativo depende de da Receita Federal do Brasil que
caução. autenticasse as cópias que apresentava,
e) o recurso deve ser dirigido à autoridade tendo sido seu pedido deferido.
superior daquela que tenha proferido a d) Após o transcurso de 15 (quinze) dias
decisão. do protocolo de seu pedido, João
5. A esposa de um servidor público é recebeu a intimação para o seu próprio
advogada e fez a defesa administrativa de comparecimento à sede do órgão
uma empresa autuada pela fiscalização naquele mesmo dia, com um prazo de 3
do Ministério do Trabalho e Emprego. (três) horas para a apresentação.
Os honorários que ela pactuou com essa e) Tendo comparecido na data, hora e
empresa, para a realização da defesa, foi local marcados, João alegou a nulidade
com base no resultado (contrato de êxito). absoluta da intimação. A autoridade
Esse servidor é a autoridade competente competente, assim, declarou nulo o
para apreciar a defesa e julgar a autuação. ato e determinou que a intimação fosse
Neste caso esse servidor: realizada novamente.
a) pode dar-se por suspeito se alguém 7. Considerando o disposto na Lei nº
arguir sua suspeição. 9.784/1999, a qual regula o processo
b) não está impedido, mas pode dar-se administrativo, no âmbito da Administração
por suspeito, por razões de foro íntimo. Pública Federal, marque a opção incorreta.
c) deve, necessariamente, dar-se por a) as decisões administrativas cabe
suspeito. recurso, em face de razões de
d) está impedido de atuar no feito. legalidade, legitimidade, mérito e
e) não está impedido de atuar no feito nem discricionariedade.
obrigado a dar-se por suspeito, ainda b) permitida a avocação temporária
que alguém argua a sua suspeição. de competência atribuída a órgão
hierarquicamente inferior.
6. João pretende fazer um requerimento, de c) Em hipótese alguma os prazos
seu interesse, junto à unidade da Secretaria processuais serão suspensos, salvo,
da Receita Federal do Brasil em sua cidade. unicamente, motivo de força maior.
Conforme o que determina a Lei n. 9.784, d) Não pode ser objeto de delegação a
de 29 de janeiro de 1999, assinale a opção decisão de recursos administrativos.
que relata a correta conduta. e) O recurso administrativo tramitará
no máximo por três instâncias
administrativas, nos termos da lei.

32 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

8. De acordo com o disposto na Lei nº b) os atos praticados no processo


9.784/1999, que regula o processo administrativo são, em regra, sigilosos,
administrativo, no âmbito da Admistração ressalvadas as hipóteses de divulgação
Pública Federal, a Administração deve oficial previstas na Constituição.
anular seus próprios atos e pode revogá-los, c) a impulsão do processo administrativo
sendo que compete, primeiramente, aos
interessados.
a) a revogação, por motivo de d) nova interpretação dada à norma
conveniência ou oportunidade, deve administrativa deve ser aplicada
respeitar os direitos adquiridos. a todos os casos sujeitos àquela
b) a revogação prescinde de motivação. regulamentação, inclusive
c) anulação, quando o ato estiver eivado retroativamente.
de vício de legalidade, pode ocorrer a e) garantem-se aos administrados, nos
qualquer tempo. processos de que possam resultar
d) a anulação prescinde de motivação. sanções e nas situações de litígio, os
e) tanto a anulação como a revogação direitos à comunicação, à apresentação
estão sujeitas à prescrição decenal, não de alegações finais, à produção de
havendo o que cogitar, de eventuais provas e à interposição de recursos.
direitos adquiridos.
11. Em relação aos atos praticados no âmbito
9. Quanto ao Processo Administrativo, nos dos procedi- mentos administrativos que
termos da Lei nº 9.784/1999, marque a se sujeitam à Lei n. 9.784, de 29 de janeiro
opção incorreta. de 1999, analise os itens a seguir e marque
a) A Administração Pública obedecerá ao com V se a assertiva for verdadeira e com
princípio da segurança jurídica. F se for falsa. Ao final, assinale a opção
b) É vedada à Administração a recusa correspondente.
imotivada de recebimento de ( ) Os atos do processo administrativo não
documento. dependem de forma determinada senão
c) O administrado tem direito perante quando a lei expressamente a exigir.
a Administração de fazer-se assistir,
obrigatoriamente, por advogado. ( ) A autenticação de documentos exigidos
d) O interessado poderá desistir em cópia poderá ser feita pelo órgão
totalmente do pedido formulado. administrativo.
e) O órgão competente para decidir o ( ) Os atos do processo podem realizar-
recurso poderá modificar a decisão se em quaisquer dias da semana, sem
recorrida. restrições de horário.

10. Quanto aos critérios a serem observados ( ) A intimação para ciência de


no trâmite do processo administrativo da decisão ou a efetivação de diligências
administração pública federal, conforme quanto a interessados indeterminados,
disposto na Lei nº 9.784, de 29 de janeiro de desconhecidos ou com domicílio indefinido,
1999, pode-se afirmar corretamente: deve ser efetuada por meio de publicação
oficial.
a) em regra, cabe aos administrados o a) V, V, V, V
pagamento das despesas processuais, b) F, V, F, V
independente de previsão expressa na c) F, F, V, F
lei. d) V, V, F, V
e) F, F, F, F

www.acasadoconcurseiro.com.br 33
12. Quanto aos critérios a serem observados quanto a interessados indeterminados,
no trâmite do processo administrativo da desconhecidos ou com domicílio indefinido,
administração pública federal, conforme deve ser efetuada por meio de publicação
disposto na Lei n. 9.784, de 29 de janeiro de oficial.
1999, pode-se afirmar corretamente: a) V, V, V, V
a) em regra, cabe aos administrados o b) F, V, F, V
pagamento das despesas processuais, c) F, F, V, F
independente de previsão expressa na d) V, V, F, V
lei. e) F, F, F, F
b) os atos praticados no processo
administrativo são, em regra, sigilosos, 14. Segundo a Lei nº 9.784/1999, o
ressalvadas as hipóteses de divulgação administrado tem os seguintes direitos
oficial previstas na Constituição. perante a Administração, sem prejuízo de
c) a impulsão do processo administrativo outros que lhe sejam assegurados, exceto:
compete, primeiramente, aos a) fazer-se assistir, facultativamente, por
interessados. advogado, salvo quando obrigatória a
d) nova interpretação dada à norma representação, por força de lei.
administrativa deve ser aplicada b) formular alegações e apresentar
a todos os casos sujeitos àquela documentos antes da decisão, os quais
regulamentação, inclusive serão objeto de consideração pelo
retroativamente. órgão competente.
e) garantem-se aos administrados, nos c) ser tratado com respeito pelas
processos de que possam resultar autoridades e servidores, que deverão
sanções e nas situações de litígio, os facilitar o exercício de seus direitos e o
direitos à comunicação, à apresentação cumprimento de suas obrigações.
de alegações finais, à produção de d) ter ciência da tramitação dos processos
provas e à interposição de recursos. administrativos em que tenha a
condição de interessado, ter vista dos
13. Em relação aos atos praticados no âmbito autos, obter cópias de documentos
dos procedimentos administrativos que se neles contidos e conhecer as decisões
sujeitam à Lei nº 9.784, de 29 de janeiro proferidas.
de 1999, analise os itens a seguir e marque e) ver proferida a decisão em processo
com V se a assertiva for verdadeira e com administrativo de seu interesse em um
F se for falsa. Ao final, assinale a opção prazo improrrogável de trinta dias.
correspondente.
( ) Os atos do processo administrativo não 15. Sobre a competência, no âmbito do
dependem de forma determinada senão processo administrativo na Administração
quando a lei expressamente a exigir. Pública Federal, é correto afirmar:
( ) A autenticação de documentos exigidos a) a edição de atos de caráter normativo
em cópia poderá ser feita pelo órgão pode ser objeto de delegação.
administrativo. b) o ato de delegação é irrevogável.
( ) Os atos do processo podem realizar- c) em qualquer caso, a avocação é
se em quaisquer dias da semana, sem proibida.
restrições de horário. d) a decisão de recursos administrativos
não pode ser objeto de delegação.
( ) A intimação para ciência de e) com a delegação, renuncia-se à
decisão ou a efetivação de diligências competência.

34 www.acasadoconcurseiro.com.br
ATA – Administração Pública – Prof. Cristiano de Souza

16. Sobre o processo administrativo regulado 17. Conforme a legislação federal sobre o
pela Lei n. 9.784, de 29.1.1999, é correto processo administrativo (Lei n.º 9.784/99),
afirmar que: as sanções a serem aplicadas pela
autoridade competente:
I – a Administração não pode recusar o
recebimento de documento apresentado a) terão sempre natureza pecuniária.
pelo interessado, salvo se motivar a recusa. b) podem consistir em obrigação de fazer
II – a Administração deve dar regular ou de não fazer.
andamento ao processo, sem prejuízo da c) serão precedidas, se for o caso, pelo
atuação do interessado. direito de defesa.
d) serão, sempre, obrigações de fazer.
III – o prazo para que a Administração profira e) podem ter, excepcionalmente, natureza
a decisão é de trinta dias, prorrogável, de privação de liberdade.
motivadamente, por igual período,
contados da data do ingresso do pedido, na 18. Com relação ao processo administrativo
repartição competente. disciplinar, pode-se afirmar que
IV – o fato de a autoridade ter interesse I. ao servidor indiciado em sindicância deve
direto ou indireto na matéria a torna ser assegurado o direito de oferecer defesa
suspeita, mas não impedida, para atuar no escrita;
processo respectivo.
II. não pode participar da comissão de
V – é vedada a imposição de obrigações inquérito o servidor que for subordinado
ou restrições em medida superior hierarquicamente ao investigado;
ao estritamente necessário para
atendimento do interesse público. III. o relatório da comissão de sindicância
Estão corretas: que concluir que a infração está
capitulada como ilícito penal não pode ser
a) as afirmativas I, II, III, IV e V. encaminhado ao Ministério Público;
b) apenas as afirmativas I, III, IV e V.
c) apenas as afirmativas III, IV e V. IV. a ampla defesa que deve ser assegurada
d) apenas as afirmativas I, II e V. no curso do inquérito administrativo inclui a
e) apenas as afirmativas II, III e IV. produção de prova pericial;
V. o servidor investigado pode ser afastado
preventivamente do exercício do cargo,
pelo período que durar o processo
administrativo disciplinar.
Estão corretas as afirmativas
a) I, II e IV.
b) II, IV e V.
c) I, II, III e V.
d) I, IV e V.
e) III, IV e V.

www.acasadoconcurseiro.com.br 35
Gabarito: 1. E 2. B 3. A 4. B 5. D 6. C 7. A 8. A 9. C 10. E 11. D 12. E 13. D 14. E 15. D 16. D 17. B
18. A

36 www.acasadoconcurseiro.com.br