Você está na página 1de 10

PORTAL ESCOLA DOMINICAL

PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2019


Jovens: RUMO À TERRA PROMETIDA: a peregrinação do povo de Deus no
deserto no livro de Números
COMENTARISTA: REYNALDO ODILO
COMENTÁRIO: PROF. FRANCISCO DE ASSIS BARBOSA
ASSEMBLEIA DE DEUS – CAMPINA GRANDE~PB
REVISTA JOVENS 1° TRIMESTRE 2019

TEMA: Rumo à Terra Prometida — A peregrinação do povo de Deus no deserto no livro de Números

COMENTARISTA: Reynaldo Odilo Martins Soares

-LIÇÃO 3-
20 de Janeiro de 2019

SANTIDADE - REQUISITO PARA A CONQUISTA

TEXTO DO DIA

“E não profanareis o meu santo nome, para que eu seja santificado no meio dos filhos de
Israel. Eu sou o SENHOR que vos santifico.” (Lv 22.32)

SÍNTESE

A busca pela santidade é o requisito primordial para a preservação da salvação.

TEXTO BÍBLICO

Números 7.1-7

1 E esta é a lei da expiação da culpa; coisa santíssima é.

2 No lugar onde degolam o holocausto, degolarão a oferta pela expiação da culpa, e o seu
sangue se espargirá sobre o altar em redor.

3 E dela se oferecerá toda a sua gordura, a cauda e a gordura que cobre a fressura;

4 também ambos os rins e a gordura que neles há, que está sobre as tripas; e o redenho
sobre o fígado, com os rins, se tirará.

5 E o sacerdote o queimará sobre o altar em oferta queimada ao SENHOR; expiação da culpa


é.

6 Todo varão entre os sacerdotes a comerá; no lugar santo se comerá; coisa santíssima é.
7 Como a oferta pela expiação do pecado, assim será a oferta pela expiação da culpa; uma
mesma lei haverá para elas: será do sacerdote que houver feito propiciação com ela.

COMENTÁRIO DA LIÇÃO

INTRODUÇÃO

“Paulo disse que não se aborrecia em fazer as mesmas advertências, porque era
segurança para os crentes (Fp 3.1). O Senhor, igualmente, no deserto do Sinai, depois de
algumas providências administrativas, também repetiu várias leis (Nm 1 e 2). Deus
estava advertindo os filhos de Israel que, para chegarem à Canaã, era preciso
obedecerem à sua Palavra, o que propiciaria àquele povo o padrão de plenitude moral
exigido pelo Senhor, conduzindo-os a um estado doutrinário e cultural marcado pela
pureza — viveriam em santidade. Deus, naquele momento, estava apontando fortemente
para a santidade dos hebreus, virtude sobre a qual não havia nenhum referencial no
Egito; porém, agora, o Senhor expedira muitas determinações comportamentais. Os
filhos de Israel, assim, tinham um grande desafio pela frente — o maior — serem santos.
Se eles vencessem esta guerra interior contra o pecado, a Terra Prometida seria
conquistada gloriosamente.” [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan,
2019]

- O livro de Números certamente não goza de popularidade; esse fato óbvio não
diminui sua importância. A maioria das pessoas não está interessada em coisas porque
elas são importantes, mas porque as agradam. Embora Números nos dê um relato do
povo escolhido que deixa claro que não havia neles nada de bom, a ênfase não é sobre o
pecado e a tolice de Israel, mas sobre a santidade de Deus. Esse livro continua a ênfase
de Levítico, de que Deus é santo, e, portanto, seu povo deve ser santo. Números descreve
com clareza aguda a estupidez e malignidade da obstinação do homem, e a paciência e
santidade de Deus. Desde a criação, Deus quis um povo santo. Ele desejou uma
comunhão especial com os homens que fossem capazes de andar com ele e falar com ele
numa união especial. Mas a própria natureza de Deus estabelece limites para tal
associação. Seu caráter santo não pode permitir ser contaminado pelo pecado e pela
corrupção. Os homens só podem estar na sua presença se forem puros. – That said, let's
think maturely the Christian faith!

I - A REPETIÇÃO DE ADVERTÊNCIAS

“1. Pureza social. O processo, ou caminho, para se chegar à santidade chama-se


santificação. É uma estrada interminável. Somente quando se chegar ao Céu é que se
alcançará a estatura de varão perfeito. Nesse sentido, os descendentes de Abraão
tinham muito o que aprender. Em Número 5.1-10 o Senhor tratou a respeito da pureza
social. Deus, portanto, para proteger o seu povo, determinou que os contaminados pela
lepra, ou por fluxo corporal ou por terem tocado num morto, fossem lançados fora do
arraial; bem como tratou acerca da restituição de quem causasse prejuízo a outrem. O
povo de Deus tinha de ter pureza em todos os aspectos. Assim, os hebreus deveriam se
livrar de “toda a aparência do mal”, de tudo o que fosse prejudicial ao espírito, à alma
ou ao corpo. O cuidado de Deus era para que houvesse uma normatização justa das
relações sociais. Dessa forma, os que aparentavam algum tipo de “contaminação”
biológica deveriam ser apartados do povo até que ficassem purificados; e os que
tivessem comportamento inadequado, restituíssem devidamente aos prejudicados. Não é
demais lembrar de que, como diz 1 Coríntios 10.6: “E essas coisas foram-nos feitas em
figura [...]”.”[Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- O tema do capítulo 5 de Números é a necessidade da pureza, da santidade no


arraial israelita. Matthew Henry em seu Comentário do Pentateuco, escreve: ―Em Números
5, temos uma ordem, de acordo com as leis já dadas por Deus, para a remoção dos
imundos para fora do arraial, v.v. 1-4. Uma repetição das leis a respeito da restituição, em
caso de algum mal feito a um irmão (v.v. 5-8), e a respeito da apropriação das coisas
santificadas aos sacerdotes, v.v.9,10. Uma nova lei a respeito do julgamento de uma
esposa suspeita de adultério, nas águas dos ciúmes, v. 11ss‖. (Henry, Matthew, Comentário do Pentateuco). No
início deste capítulo vemos a ordem de Deus para que os imundos sejam removidos. Entre
os impuros que deveriam ser retirados do meio do povo estavam os leprosos, os que
sofriam de secreções, os que tivessem se contaminado por terem tocado em algum morto.
A razão clara para esse procedimento era a presença de Deus no meio do arraial, junto ao
povo.

“2. Pureza nos relacionamentos. Em Números 5.11-31 o Espírito do Senhor tratou a


respeito da pureza no casamento. Essa lei era muito valiosa para as famílias, pois
evitava que as esposas sofressem injúrias ou difamações levianas. Na família de uma
nação santa, os cônjuges precisavam viver em paz, sem acusações infundadas. Ainda que
o procedimento prescrito por Deus pareça rudimentar, era o único compatível em face
da dureza de coração dos hebreus, conforme Jesus mencionou (Mt 19.8).”. [Lições Bíblicas
CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- A partir do versículo 11 até o 15, observamos a ordem relativa a suspeita de


infidelidade conjugal. Esta lei possuía uma conotação tanto física quanto espiritual. Ela é
uma séria advertência para uma mulher propensa a cometer adultério como servia de
proteção para uma mulher inocente cujo marido era ciumento e desconfiado. “É difícil
vermos nas Escrituras as descrições dos rituais religiosos tão claramente detalhados como
esse que vamos estudar. Nessa narrativa até as palavras que deveriam ser pronunciadas
foram registradas. Esse era um ritual para determinar a culpa ou a inocência de uma
mulher suspeita de adultério. Tanto para punir a sua culpa pelo pecado cometido, como,
ao mesmo tempo inocentar, deixando-a livre de qualquer suspeita não tendo cometido
pecado esse ritual, mesmo que para nós pareça estranho, para os israelitas, naqueles
dias, no deserto, à caminho da Palestina, era de fundamental importância, pois para o
Senhor, a santidade do seu povo era algo inegociável. Façamos então, algumas
observações: 1)Quando houvesse qualquer suspeita de infidelidade conjugal o marido
juntamente com sua esposa deveria procurar o sacerdote para oferecer uma oferta que
indicaria o que de fatos estava acontecendo. 2) Mas, diante desse procedimento surge
uma pergunta importante: por que a mulher inocente tinha que se submeter e enfrentar
todo esse processo por causa do marido desconfiado? A resposta que tem sido dada para
essa questão, como já sinalizamos é que todo esse processo servia como proteção para
esta mulher que era alvo de uma suspeita. Esse teste protegia a mulher, pois, se a
suspeita continuasse o marido, cheio de ciúmes, poderia até ferir sua esposa. Assim esse
procedimento evitava um mal maior. 3)A oferta entregue ao sacerdote era de um décimo
de um efa de farinha de cevada, sem azeite e sem incenso, como um oferta de manjares
de ciúmes, oferta memorativa, isto é, revelatória da verdade sobre a suspeita do pecado.
4)Mas, surge uma outra questão interessante: Por que aqui não fala do homem, do marido
ser suspeito desse pecado? Será que a Bíblia faz vista grossas para o pecado do homem?
Será que Deus trata o homem de modo diferente? O que é pecado para a mulher não o é
para o homem? 5)Certamente que o é. Aqui não fala do pecado de adultério da parte do
homem, nem do castigo do homem porque já tínhamos abordado este assunto quando
estudamos Êx 20.14 e Lv 20.10 e iremos estudar novamente quando chegarmos em Dt
5.18 e 22.22-24. De forma que nos 4 livros da lei encontramos a Palavra de Deus
condenando o pecado de adultério, tanto praticado pela mulher, como pelo homem. 6)E o
castigo determinado para tal pecado era o mesmo, tanto para a mulher como para o
homem: era o castigo da morte por apedrejamento. A Bíblia não tem dois pesos e duas
medidas, para tratar de modo diferente as pessoas diante de uma mesma transgressão.
7)Mas, porque não aparece uma advertência para o homem neste texto que estamos
estudando? Alguns estudiosos respondem essa pergunta dizendo que aqui temos um
simbolismo da igreja. Então, alguém poderia perguntar: a igreja pode cometer adultério?
Sim, infelizmente, sim! Figuradamente, a igreja pode cometer adultério todas as vezes que
ela se associa com os pecados do mundo, com o mundanismo. Quando a igreja está
sendo infiel a Cristo, quando está pecando por comissão ou por omissão, quando não
expõe a sã doutrina, ela esta adulterando. Querido amigo, a sua igreja tem sido fiel ao
Senhor Jesus? Você que é parte da igreja tem sido fiel ao evangelho de Cristo? Ou você
tem flertado com o mundo? Obediência, amor e fidelidade são nossas responsabilidades
para com o nosso Senhor!” (Extraído de:http://ccrcbdmpn.blogspot.com/2014/08/atraves-da-biblia-numeros-5.html. Acesso em: 15 Jan, 2019)

“3. Pureza espiritual. Em Números 6.1-21, Deus estabeleceu o padrão da pureza


espiritual, para quem quisesse consagrar-se a Ele — o nazireado. Impressiona como, nos
dias atuais, as pessoas querem servir a Deus de qualquer maneira. A mulher, de acordo
com o texto sagrado, também podia fazer voto de nazireado (Nm 6.1,2).” [Lições Bíblicas
CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- ―Não confundir nazareno (aquele que nasceu em Nazaré; Mt 2.23) com nazireu (o
indivíduo que fazia um voto especial a Deus por um período de devoção extraordinária a
Ele). Comumente, este voto público dava-se por um determinado tempo (v. 13). Havia três
restrições: (1) abstinência total a tudo relacionado com o vinho e as uvas; (2) a proibição
de cortar seu cabelo; e (3) a vedação à aproximação de um cadáver. Ao fazer tudo isso, o
nazireu separava-se e consagrava-se ao Senhor. Depois do voto cumprido, o nazireu
poderia voltar a viver sua vida normal (v. 20). Um voto tão sério quanto o voto de
nazireado exigia que se fizesse não só um processo por sua iniciação, mas também um
ritual solene para seu término. O foco era no cabelo, o símbolo visível do voto temporário.
Assim, além da apresentação do sacrifício exigido (v. 14-17), o homem ou a mulher que
completavam o voto deveríam rapar a cabeça e queimar o cabelo junto com a oferta de
paz (v. 18)‖. (Extraído de:https://bibliotecabiblica.blogspot.com/2016/10/significado-de-numeros-6.html. Acesso em: 15 Jan, 2019)

II – O CAMINHO DA CONSAGRAÇÃO

“1. A bênção de Deus. O acampamento estava em ordem e os israelitas encontravam-se


preparados para marchar. Nesse cenário, Deus relembrou algumas leis que versavam
sobre a santidade do seu povo no aspecto social, relacional e espiritual (havia inúmeras
outras leis, mas o Espírito Santo fez questão de repetir essas). Deus mostrara o caminho
da consagração. Num primeiro instante, “o SENHOR, que ama a prosperidade do seu
servo” (Sl 35.27), ensinou que os sacerdotes deveriam abençoar os filhos de Israel da
maneira mais ampla possível, de modo que o seu nome trouxesse proteção, presença e
paz através das palavras proferidas pelos sacerdotes (Nm 6.24-26). Observa-se que, com
a bênção sacerdotal, o Senhor vinculava seu nome, ou seja, seu caráter, ao povo de
Israel. Na oração do “Pai Nosso”, Jesus fez o mesmo quando ensinou seus discípulos a
orarem dizendo: “[...] santificado seja o teu nome” (Mt 6.9). Quando, tempos depois,
Balaão, o falso profeta, tentou amaldiçoar o povo de Israel, teve de pronunciar as
seguintes palavras: “Não viu iniquidade em Israel, nem contemplou maldade em Jacó; o
SENHOR, seu Deus, é com ele e nele, e entre eles se ouve o alarido de um rei. Deus os
tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio. Pois contra Jacó não vale
encantamento, nem adivinhação contra Israel; neste tempo se dirá de Jacó e de Israel:
Que coisas Deus tem feito!” (Nm 23.21-23). Somente uma coisa poderia trazer desgraça
ao povo: o pecado. Enquanto o Senhor não contemplasse iniquidade em Israel, o seu meu
nome estaria sobre os filhos de Israel, e Ele os abençoaria (Nm 6.27).”. [Lições Bíblicas CPAD,
Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- Foi no deserto, que o povo de Deus viu a maioria dos sinais realizados pelo
Senhor. Foi também ali, que a glória de Deus era manifesta a eles. É em meio as lutas e
dificuldades que veremos o sobrenatural de Deus agindo em nossas vidas. Davi não olhou
para o tamanho o gigante, mas ele olhou para o Deus que ele servia, o ―Senhor dos
Exércitos‖, e ali ele viu Deus operar os seus sinais, concedendo-lhe a vitória. Nas
dificuldades, nas lutas, nas provações e desertos, saiba que é ali que Deus opera os seus
sinais e manifesta a sua glória ao seu povo. No deserto, Deus quer manifestar a sua glória
e os seus sinais, concedendo graça, pois a maravilhosa graça de Deus é constante ao seu
povo. Sobre Números 6.24-26, o teólogo metodista e erudito bíblico britânico Adam Clarke
(1760-1832), comenta: ―O Senhor te abençoe - Existem três formas de bênção aqui,
qualquer um ou todos os quais os sacerdotes podem usar em qualquer ocasião. A
seguinte é uma tradução verbal:

● Que Jeová te abençoe e te preserve!

● Que Jeová faça com que os seus rostos brilhem sobre ti e tenha misericórdia de ti!
Que Jeová levante os seus rostos sobre ti, e possa ser posto prosperidade para ti! Esta é
uma oração muito abrangente e excelente, e pode ser parafraseada assim:

● Deus fala bem a ti, dando-te suas excelentes promessas!

● Que ele te preserve na posse de todo o bem que tens e de todo o mal com o qual
tu estás ameaçado!

● Que a Santíssima Trindade ilumine o teu coração, te dando o verdadeiro


conhecimento de ti mesmo e do teu Criador; e mostre-lhe a sua benevolência em perdoar
os teus pecados e sustentar a tua alma!

● Que Deus te dê a comunhão com o Pai, o Filho e o Espírito, com um constante


sentido da sua aprovação; e te conceda prosperidade em tua alma e em todos os teus
assuntos seculares! Suponho que este seja o espírito e o propósito desta forma de
bênção. Outros, sem dúvida, interpretarão isso da maneira deles. Vários sábios e eruditos
acreditam que o mistério da Santíssima Trindade não é obscuramente sugerido nela. Deus
Pai abençoa e mantém seus seguidores. Deus, o Filho, é misericordioso para com os
pecadores ao remeter suas ofensas, que ele morreu para apagar. Deus, o Espírito Santo,
toma das coisas que são de Cristo, e as mostra aos cristãos genuínos, e difunde a paz de
Deus em seus corações. Em uma palavra, Cristo, o dom do Pai pela energia do Espírito
Santo, veio para abençoar cada um de nós, desviando-nos de nossas iniqüidades. Todo
cristão genuíno é um verdadeiro nazireu. Ele está separado do mundo e dedicado
exclusivamente ao serviço de Deus.

● Sua vida é uma vida de abnegação; ele mortifica e mantém a carne em obediência
ao Espírito.

● Tudo isso entra no espírito de seu voto batismal; porque promete renunciar ao
diabo e a todas as suas obras, às covinhas e vaidades deste mundo iníquo e a todas as
concupiscências da carne - guardar as palavras e mandamentos santos de Deus e andar
no mesmo todos os dias de sua vida.

● A pessoa que é fiel tem a bênção de Deus envolvida sobre ele. Assim abençoareis
os filhos de Israel, etc., etc. Veja as notas em Números 6: 5-7‖.

Já o teólogo cristão britânico e Pastor Metodista John Wesley (1703-1791), diz:


―Bendiga-te - concede-te toda a espécie de bênçãos, temporais e espirituais. Mantenha-te
- isto é, continue com suas bênçãos para ti e te preserve em seu uso; te proteja do pecado
e de seus efeitos amargos‖.

Conforme Números 5.3, Deus habita no meio do seu povo – e essa presença do
SENHOR exige que Israel seja um povo santo assim como Deus é santo. Para tanto, o
próprio SENHOR dá as diretrizes para a organização no acampamento e sobre o serviço
sagrado dos sacerdotes. É neste contexto da presença santa de Deus no meio do seu
povo que lemos sobre um importante serviço sagrado dos sacerdotes: abençoar o povo de
Deus no acampamento e durante a marcha para a Terra Prometida. É perfeitamente
compreensível que aqui no final do capítulo 6 está a benção sacerdotal: Antes de o povo
marchar, o SENHOR deixa bem claro que Ele quer abençoar os israelitas, porque esta é a
consequência mais bela da sua presença no meio do seu povo. Sua presença é na
verdade a grande benção!

“2. A bem-aventurança do doar. Os 88 primeiros versículos de Números 7 informam


uma longa lista de ofertas trazidas em doze cultos, mencionando o dia em que cada um
dos príncipes das tribos as deveria apresentar. Elas eram iguais, mas Deus — que não
esquece do trabalho das mãos dos seus servos — fez questão de especificar as
contribuições individualmente. O Senhor estava satisfeito com a voluntariedade do povo
e, por isso, registrou tudo. Em consequência, no versículo seguinte está escrito a
respeito da aprovação de Deus, ao se mencionar que “quando Moisés entrava na tenda da
congregação para falar com o SENHOR, então, ouvia a voz que lhe falava de cima do
propiciatório, que está sobre a arca do Testemunho entre os dois querubins; assim com
ele falava” (Nm 7.89). Ele é galardoador dos que o buscam (Hb 11.6). A questão
relevante a respeito das ofertas dos israelitas não era a quantidade somente, mas
também a voluntariedade e alegria com que eram trazidas.”. [Lições Bíblicas CPAD, Revista
Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- Cada príncipe em Israel ofereceu ao Senhor a dádiva de cada um, que é relatada
separadamente, numa demonstração de que cada um deve prestar culto individualmente,
e não depender só de adoração coletiva de Deus. Observa-se também a ordem e o
cuidado em cumprir os mandamentos do Senhor, neste capítulo que é um dos mais longos
da Bíblia. O sétimo capítulo nos ensina:

● Deus ama a quem dá com alegria (2 Co 9.7; 2);

● Deus reconhece cada dádiva, mesmo que sejam idênticas (Veja Mc 12.41-44);

● Os pormenores exatos nos ensinam que Deus não despreza sacrifício algum, se
vem do coração (SI 51.17; 3). Deus tem prazer em cada dádiva útil para o progresso da
Sua Igreja; estas eram mormente para facilitar o transporte do Tabernáculo;

● Deus coroa nossa vida com a comunhão com a Sua própria pessoa, feita através
da Sua revelação e da nossa oração, v. 89.

“3. Obediência no chamado. Em Números 8 o Altíssimo demonstra que o caminho da


consagração do povo passa pela obediência ao chamado e, consequentemente, a
purificação dos levitas. Interessante que, em primeiro lugar, o Senhor determina que
Arão acenda as lâmpadas; uma vez o santuário iluminado, o ritual de purificação dos
levitas, por Moisés, começaria. Tudo no santuário deveria ser feito às claras, sob a
orientação de Deus. Concluída a ordem divina, “[...] vieram os levitas, para exercerem o
seu ministério na tenda da congregação, perante Arão e perante os seus filhos; como o
SENHOR ordenara a Moisés acerca dos levitas, assim lhes fizeram” (Nm 8.22). Os levitas
não podiam estar diante do povo pelas suas próprias justiças, mas somente após terem
os pecados “cobertos” pelo sangue da expiação de um animal, que apontava para o
sacrifício perfeito de Cristo. Com isso, eles foram aceitos diante de Deus, e o povo foi
abençoado..”. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- A consagração e o ofício dos levitas no santuário, depois de serem escolhidos a


preencher o lugar dos primogênitos de Israel. Diz-se que os levitas fizeram o seu serviço
antes de Arão, porque se submeteram humildemente ao jugo e se permitiram ser
controlados pela vontade do sacerdote, visto que Deus o havia ordenado. Mas o progresso
da história mostrará quão propensa a natureza do homem é a rebelião. Daí surge que o
fim nem sempre corresponde ao começo, mas que conclusões tristes e infelizes, por
vezes, seguem um começo bem-sucedido. O oitavo capítulo nos ensina:

● Ser o encarregado da luz é uma forma de serviço muito especial (vv. 1-4; Mt 5.14-
16.2);

● O serviço exige a consagração;

● O serviço se baseia em sacrifícios;

● O serviço exige a purificação;

● Aqueles que apenas ficam em disponibilidade também estão servindo.

Os levitas não tinham autorização para oferecer sacrifícios, este trabalho era
exclusivo dos sacerdotes.
III – COMUNHÃO NO DESERTO

“1. Tempo de comunhão. Os filhos de Israel estavam no deserto do Sinai; o censo já


havia sido feito, e o lugar de cada tribo no acampamento já havia sido determinado.
Então eles foram lembrados a respeito de algumas leis e Arão e os levitas foram
consagrados. Agora, o Todo-Poderoso deseja abençoá-los e cultivar a comunhão com
eles. O capítulo 9 do livro de Números mostra uma nova etapa do relacionamento do
povo com Deus. Para marcar esse tempo, Deus ordena: “No dia catorze deste mês, pela
tarde, a seu tempo determinado a celebrareis; segundo todos os seus estatutos e
segundo todos os seus ritos, a celebrareis” (Nm 9.3). Serão momentos de festa e alegria,
mas as regras, os estatutos, também não poderiam ser esquecidos. Por que, então, há
pessoas que querem servir a Deus sem se submeterem à normas ou regras?.” [Lições Bíblicas
CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- O capítulo 9 é o suplemento da lei concernente à Páscoa. Todo judeu deveria


observá-la, sob pena de ser excluído da comunidade israelita. Elementos da Páscoa:
deveriam constar pão asmo, isto é, sem fermento; ervas amargas, como almeirão; e um
cordeiro ou cabrito, cujos ossos não deveriam ser quebrados. O cordeiro pascal era a
figura do Cordeiro de Deus, nosso Senhor Jesus Cristo, cujos ossos não foram quebrados,
e cujo sangue foi vertido na Cruz do Calvário para a nossa redenção (Veja Jo 19.36). O
nono capítulo nos ensina:

● A Páscoa era uma lembrança do passado uma realização do presente e uma


antecipação do futuro. Assim também é a Ceia do Senhor, que contém o evangelho inteiro;

● Os problemas e as dificuldades devem ser levados a Deus em oração. (v. 8;3);

● A orientação de Deus deve ser seguida a cada passo, seja no viajar, seja no
esperar. O grande principio é: ―Segundo o mandado do Senhor‖ (vv. 18, 19, 20, 23; cf. Jo
2.5; 4);

● A vontade divina para nós inclui o ―onde‖ e o ―quando‖, duas coisas que se
revelam claramente aos fiéis que obedecem a Deus.

“2. Exigência divina. Em Números 9.6-13, vemos que Deus ordenou a celebração da
Páscoa, porém alguns homens reconheceram que não estavam preparados para tal
celebração. O que fazer? Deus respondeu que não dispensaria a adoração deles,
providenciando, por isso, um dia alternativo para a comunhão, pois todos são
importantes diante do Pai. Impressionante como, por vezes, alguns cristãos deixam de
participar da Ceia do Senhor por qualquer outro compromisso. Deus levava a festa da
Páscoa (que Jesus celebrou como a ordenança da Ceia) tão a sério que, caso alguém
faltasse sem justificativa plausível, deveria ser eliminado do povo..”. [Lições Bíblicas CPAD,
Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- Este trecho revela a presença de Deus, e Sua preocupação para com o Seu povo a
quem deseja guiar em segurança pelo deserto. Este trecho nos dá os seguintes
ensinamentos sobre nosso Deus:

● É um Deus que acampa conosco, seja na forma de uma nuvem, no passado, ou


seja pela presença do Santo Espírito, que é o caso nestes séculos depois do dia de
Pentecostes;
● É um Deus que exige fidelidade e obediência à Sua vontade;

● É um Deus que deseja salvar: a nuvem e a coluna se comparam bem à Salvação


e à Segurança que Cristo nos concede. Neste mesmo trecho, a Nuvem nos revela:

- A amorável onipresença de Deus;

- A grandiosidade da Providência divina;

- Revela que precisamos da atitude de obediência para recebermos as bênçãos de


Deus.

“3. Igualdade dos adoradores. Quando os hebreus saíram do Egito veio também uma
multidão de pessoas gentias com eles. Deus, nesse momento de comunhão no deserto,
lembrou-se delas: “E, quando um estrangeiro peregrinar entre vós e também celebrar a
Páscoa ao Senhor, segundo o estatuto da Páscoa e segundo o seu rito, assim a celebrará;
um mesmo estatuto haverá para vós, para o estrangeiro como para o natural da terra”
(Nm 9.14). Há igualdade entre os adoradores, pois Deus não têm filhos prediletos.
Aqueles que se achegam a Ele, independente de suas etnias, são recebidos alegremente
pelo Pai amoroso.”. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- Devemos ter cuidado ao explicar o que o comentarista afirma aqui, pois, não era
todo estrangeiro que poderia participar da festa, assim como em nosso culto de Ceia, não
são todos que participam, mas apenas os membros. Como um rito da aliança com Deus, a
Páscoa devia ser celebrada somente pelos membros da comunidade da aliança; os
estrangeiros, e somente os do sexo masculino, que desejassem participar, deveriam
aceitar os termos da aliança, deixando-se circuncidar (Êx 12.48).

CONCLUSÃO

“Deus criou mecanismos para que os hebreus entrassem pelo caminho da perfeição moral
e da pureza, mas eles, ao contrário, amaram os deleites do Egito. Se a busca pela
santidade tivesse se tornado a coisa mais importante para eles, o fim da história dos que
atravessaram o mar Vermelho seria diferente. Com isso, é pertinente inquirir: “O que é
mais vantajoso: viver em santidade ou em constante anelo pelos desejos carnais?”” [Lições
Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019]

- Perceba que, mesmo tendo o privilégio de gozar da presença do SENHOR no meio


deles, o arraial quase sempre se virava contra Deus e seus propósitos. Em Nm 16 e 17
temos os filhos de Israel Coré, Datã, Abirão e seus 250 apoiadores em rebelião e
desobediência à autoridade do SENHOR quando se mostraram hostis contra Moisés e
Arão. Este gesto de rebeldia afastaria o povo de Israel de adorar o verdadeiro Deus e
rejeitavam Sua autoridade. O fato narrado no livro dos números quer nos ensinar que a
Adoração a Deus e o respeito a Ele andam juntos. São gestos que devem ser cultivados
para sermos amados por Deus.
―Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e
alegria do meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó Senhor Deus dos
Exércitos‖. (Jeremias 15.16),

Francisco Barbosa

Campina Grande-PB

Janeiro de 2019

HORA DA REVISÃO

1. Segundo a lição, qual era o maior desafio dos hebreus?

O maior desafio dos hebreus era ser um povo santo.

2. Segundo a lição, quais os três tipos de pureza que Deus exigia com urgência do povo?

Pureza social, relacional e espiritual.

3. Onde está escrito que “contra Jacó não vale encantamento”?

Números 23.23.

4. Qual foi a primeira festa celebrada no deserto do Sinai?

A Páscoa.

5. Qual o castigo para quem faltasse à celebração da Páscoa sem existir uma justa causa?

Seria eliminado do povo. [Lições Bíblicas CPAD, Revista Jovens, 1º Trimestre 2019. Lição 3, 20 Jan, 2019].

Fonte: http://auxilioebd.blogspot.com/2019/01/jovens-licao-3-santidade-requisito-
para.html Acesso em 18 jan. 2019