Você está na página 1de 2

O que você ainda está esperando?

14 de Janeiro de 2015 by Pr. Hernandes in Pastorais1 1061 0


A proclamação do evangelho é uma missão imperativa, intransferível e impostergável. É
sobre esses três aspectos da missão que escreverei.

Em primeiro lugar, a proclamação do evangelho é uma missão imperativa. O próprio


Jesus ordenou: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura”
(Mc 16.15). A igreja de Deus não precisa esperar nenhum fato novo para proclamar o
evangelho de Cristo em todo mundo e a toda criatura. Uma ordem já foi dada e deve ser
obedecida. Quem deu a ordem foi o próprio Jesus, que morreu pela igreja e ressuscitou
para sua justificação. Quem deu a ordem foi o próprio dono da igreja. O universo inteiro
ouve a sua voz e obedece: o sol, as estrelas, o mar, o vento, os demônios e os anjos. Será
que nós, povo remido pelo sangue de Cristo, seríamos os únicos a questionar sua voz, a
adiar sua ordem e e desobedecer o seu mandato? Nosso papel não é discutir a ordem, mas
obedecê-la. Nossa missão não é discutir a obra, mas fazer a obra. A salvação é obra de
Deus. Tudo já foi feito. O banquete da graça já está pronto. Cabe a nós ir ao mundo,
anunciar essa boa-nova e contar aos pecadores que Deus os amou e enviou seu Filho para
salvá-los do pecado, da morte e do inferno. Você está pronto a obedecer?

Em segundo lugar, a proclamação do evangelho é uma missão intransferível. O


propósito de Deus é o evangelho todo, por toda a igreja, em todo o mundo. Nenhuma
outra instituição está credenciada a pregar o evangelho. Os anjos anelam esse sublime
privilégio, mas Jesus comissionou apenas a igreja para cumprir essa missão. A igreja é o
método de Deus para alcançar o mundo. Conta-se que, quando Jesus terminou sua obra
salvadora na terra, morrendo pelos nossos pecados e ressuscitando para a nossa
justificação, ao voltar ao céu para assentar-se no seu trono de glória, um anjo perguntou-
lhe: “Senhor, tu concluíste tua obra na terra. Quem, porém, vai contar essa boa-nova para
o mundo inteiro?”. Jesus respondeu-lhe: “Eu deixei doze homens preparados para cumprir
essa missão”. O anjo, então, redarguiu: “Mas, Senhor e, se eles falharem?”. Jesus
respondeu: “Se eles falharem, eu não tenho outro método”. Nós somos o método de Deus.
Nós somos os atalaias de Deus a avisar ao mundo acerca de sua necessidade de se preparar
para encontrar com Deus. Se o ímpio não for avisado e morrer na sua impiedade, Deus
cobrará de nós o seu sangue. Não podemos calar a nossa voz. Deus nos constituiu
ministros da reconciliação. Somos embaixadores em nome de Cristo, rogando aos homens
que se reconciliem com Deus.

Em terceiro lugar, a proclamação do evangelho é uma missão impostergável. A


proclamação do evangelho é uma missão urgente. Não pode esperar. Quando John
Kennedy foi assassinado em Dallas, no Texas, em 22 de novembro de 1963, em apenas
doze horas, a metade do mundo, ficou sabendo. Jesus Cristo, o Filho de Deus, morreu na
cruz pelos nossos pecados há dois mil anos e quase a metade do mundo, ainda não ouviu
essa boa-nova do evangelho. Não podemos calar a nossa voz. Precisamos ganhar esta
geração em nossa geração. Um jovem índio preparava-se para ser o líder de sua tribo,
quando caiu gravemente enfermo. O jovem índio já desfalecido no colo de sua mãe,
perguntou-lhe: “Mamãe, eu estou morrendo e estou com muito medo. Para onde irá a
minha alma?”. A mãe, aflita, respondeu-lhe: “Meu filho, eu não sei”. Aquele jovem
desesperado, partiu para a eternidade sem saber para onde ia. Meses depois, chegou
àquela aldeia um missionário pregando o evangelho e falando das boas-novas da salvação.
De uma cabana da aldeia, saiu uma anciã com os olhos vermelhos de tanto chorar, correu
em direção ao missionário. Agarrou-o pelos braços e disse-lhe aos prantos: “Por que você
não veio antes? Por que você não veio antes?” Era a mãe daquele que jovem que morreu
sem saber para onde estava indo. O que você ainda está esperando? É tempo de proclamar
o evangelho!