Você está na página 1de 3

Sebenta Português 12 ano

Poetas do século XX

Ruy Belo

Tudo Era Possível

Na minha juventude antes de ter saído


da casa de meus pais disposto a viajar
eu conhecia já o rebentar do mar
das páginas dos livros que já tinha lido

Chegava o mês de maio era tudo florido


o rolo das manhãs punha-se a circular
e era só ouvir o sonhador falar
da vida como se ela houvesse acontecido

E tudo se passava numa outra vida


e havia para as coisas sempre uma saída
Quando foi isso? Eu próprio não o sei dizer

Só sei que tinha o poder duma criança


entre as coisas e mim havia vizinhança
e tudo era possível era só querer

1. Indica o assunto do poema.


2. Faz um levantamento dos recursos expressivos e indica a sua função
expressiva.
3. Faz um levantamento dos tempos verbais dominantes do poema e explica a sua
função expressiva.
4. Divide o poemas em partes lógicas, justificando a tua escolha.
Sebenta Português 12 ano

Nuno Júdice

ASTRONOMIA

Vou buscar uma das estrelas que caiu


do céu, esta noite. Ficou presa a um
ramo de árvore, mas só ela brilha,
único fruto luminoso do verão passado.

Ponho-a num frasco, para não se


oxidar; e vejo-a apagar-se, contra
o vidro, à medida que o dia se
aproxima, e o mundo desperta da noite.

Não se pode guardar uma estrela. O


seu lugar é no meio de constelações
e nuvens, onde o sonho a protege.

Por isso, tirei a estrela do frasco e


meti-a no poema, onde voltou a brilhar,
no meio de palavras, de versos, de imagens.

1. Explica de que forma a evasão para a infância é permitida.


2. O que fez o sujeito lírico com a estrela que apanhou?
3. Segundo o sujeito poético, como se produz um poema?
4. Como está desenvolvido o título ao longo do poema?
Sebenta Português 12 ano

António Ramos Rosa

Não posso adiar o amor

Não posso adiar o amor para outro século


não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sol montanhas cinzentas

Não, não posso adiar este abraço


que é uma arma de dois gumes
amor e ódio

Não posso adiar


ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore
não posso adiar para outro século minha vida
nem meu amor
nem o meu grito de libertação

Não posso adiar o coração

1. Identifique o motivo que leva o poeta a dizer «não posso adiar o amor".
2. Faça a divisão em partes e explicite o conteúdo de cada uma.
3. Mostre os sentimentos dominantes que surgem ao longo do poema.
4. Procure explicar a ausência da pontuação.
5. Identifique a figura de estilo em «este abraço / que é uma arma de dois gumes»,
documentando o seu valor expressivo.

Interesses relacionados