Você está na página 1de 30

Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

www.elsevier.com/locate/j fi

a disciplina de mercado, divulgação e risco moral em


bancário ✩

Erlend Nier * , Ursel Baumann

Banco da Inglaterra, Threadneedle Street, Londres EC2R 8AH, UK

Recebeu 11 de agosto de 2005

Disponível on-line 18 abril de 2006

Abstrato

Este artigo examina empiricamente a hipótese de que o mercado disciplina é eficaz no fornecimento de incentivos aos bancos para limitar o risco de default, segurando

amortecedores de capital contra os resultados adversos em risco da carteira. Construímos um grande conjunto de dados do painel de cross-country consistindo de observações

sobre 729 bancos individuais from32 diferentes países ao longo dos anos de 1993 a 2000. teoria implica que a força da disciplina do mercado deve estar relacionada com a

extensão da rede de segurança do governo, o observability de escolhas de risco bancárias e à proporção de passivos não segurados no balanço do banco. Usando técnicas de

dados em painel, testamos se estes fatores fornecer incentivos para que os bancos mantenham reservas de capital maiores contra os resultados adversos em risco da carteira.

Nossos resultados sugerem que as redes de segurança do governo resultar em amortecedores de capital mais baixos e que uma maior disciplina de mercado resultante de

passivos não segurados e resultados de divulgação em amortecedores de capital maiores, tudo igual. Enquanto nossos resultados apontam para a eficácia dos mecanismos de

disciplina de mercado em geral, portanto, nós também achar que o efeito da divulgação e financiamento sem seguro é reduzido quando os bancos desfrutar de um alto grau de

apoio do governo. Nossos resultados finalmente sugerem que enquanto a concorrência leva a maiores incentivos tomada de risco, a disciplina do mercado é mais eficaz na

redução desses incentivos em países onde a concorrência entre os bancos é forte. Enquanto nossos resultados apontam para a eficácia dos mecanismos de disciplina de mercado

em geral, portanto, nós também achar que o efeito da divulgação e financiamento sem seguro é reduzido quando os bancos desfrutar de um alto grau de apoio do governo. Nossos

resultados finalmente sugerem que enquanto a concorrência leva a maiores incentivos tomada de risco, a disciplina do mercado é mais eficaz na redução desses incentivos em

países onde a concorrência entre os bancos é forte. Enquanto nossos resultados apontam para a eficácia dos mecanismos de disciplina de mercado em geral, portanto, nós

também achar que o efeito da divulgação e financiamento sem seguro é reduzido quando os bancos desfrutar de um alto grau de apoio do governo. Nossos resultados finalmente sugerem que enquanto

© 2006 Elsevier Inc. Todos os direitos reservados.

JEL classi fi cação: G21; G28; G32; D82

Palavras-chave: Divulgação; disciplina de mercado; Perigo moral; Concorrência; Instituições financeiras

✩ Este artigo reflete os pontos de vista dos autores somente e não necessariamente as do Banco da Inglaterra ou outros membros do seu pessoal.

*
Autor correspondente.
Endereço de e-mail: erlend.nier@bankofengland.co.uk (E. Nier).

1042-9573 / $ - ver a matéria frente © 2006 Elsevier Inc. Todos os direitos reservados.

doi: 10.1016 / J.J fi.2006.03.001


E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 333

1. Introdução

Nos últimos anos considerável atenção tem sido dada ao tema da disciplina de mercado no setor bancário. disciplina
de mercado refere-se a um esquema de incentivo de mercado em que os investidores em passivos bancários, tais como
dívida subordinada ou depósitos não segurados, “punir” os bancos para uma maior tomada de risco, exigindo rendimentos
mais elevados sobre os passivos. A disciplina de mercado razão é necessário é que os bancos estão propensos a se
envolver em comportamentos de risco moral. Bancos recolher depósitos e investir esses fundos em ativos de risco
(empréstimos). Para salvaguardar contra a insolvência, os bancos detêm os amortecedores de capital contra os resultados
adversos em seus investimentos em ativos de risco (inadimplência). Mas alvo solvência privado do banco pode não ter em
conta os interesses dos depositantes, nem da sociedade como um todo.

Uma série de iniciativas políticas recentes reconhecem a importância da disciplina de mercado na salvaguarda da estabilidade
financeira. Estes incluem iniciativas para a criação de normas internacionais de contabilidade (IAS) e propostas para torná-lo obrigatório
para os bancos a emissão de dívida subordinada, consulte
Evanoff e Wall (2000a) . Além disso, o Comité de Basileia de Supervisão Bancária 1 ( BCBS) tem vindo a defender que o reforço
da disciplina do mercado é cada vez mais importante em um mundo onde as atividades bancárias estão se tornando mais e
mais complexa. Esta visão é refletida no Pilar 3 do quadro de capital revisto proposto (Basileia 2), que incentiva uma maior
divulgação banco para reforçar a disciplina do mercado. Em particular, a esperança é que uma maior divulgação de risco de um
banco pro fi le irá fornecer aos bancos incentivos para manter o capital compatível com os riscos que assumem.

Tendo em conta estas iniciativas políticas, é importante verificar se a disciplina de mercado podem ser eficazes, mas também
para avaliar em que condições ele pode não ser. No entanto, como tem sido enfatizada por Berger (1991) , Bliss e Flannery (2002) e Hamalainen
et al (2001) , A “literatura anterior tem-se concentrado principalmente sobre se os preços de mercado [de passivos bancários] reagir
negativamente a informação sobre o risco” ( Berger, 1991 ). 2 Mas isso não revela o grau em que o mercado disciplina é eficaz como
um regime de incentivos, ou seja, até que ponto é que a existência de disciplina de mercado, na verdade, no comportamento dos
bancos influência? Este artigo procura abordar esta questão e examina empiricamente a hipótese de que a disciplina de mercado é
eficaz no fornecimento de incentivos aos bancos para limitar o risco de default, segurando amortecedores de capital contra os
resultados adversos em risco da carteira.

Para a disciplina de mercado para ser eficaz três condições precisam ser satisfeitas. Primeiro, os investidores passivos bancários
precisam considerar-se em risco de perda se os padrões bancários. Em segundo lugar, respostas do mercado às mudanças no risco do
banco pro fi le precisa ter implicações de custos para o banco e seus gestores. Em terceiro lugar, o mercado deve ter informação
adequada para avaliar o grau de risco do

1 Ver Comité de Basileia de Supervisão Bancária (2003) . 2 Flannery (1998) e Hamalainen et al. (2001) fornecer extensas pesquisas sobre essa literatura. Além disso,

uma pequena literatura examina a medida em que os bancos respondem às mudanças no rendimento de sua dívida subordinada. Bliss e Flannery (2002) deixar de achar

qualquer evidência de que a sequência de uma alteração de rendimento se espalha gerentes respondem com mudanças na alocação de balanço. Como apontado por Evanoff

e Wall (2000b) , Este “estudo está tentando capturar um aspecto da disciplina imposta pela dívida ex-mercado pós disciplina. [Isto é,] os gerentes mudar seu

comportamento após uma alteração dos spreads de rendimento? Outra forma de disciplina, e que mais tipicamente associadas a propostas sub dívida, [refere-se à forma

como os bancos podem mudar seu comportamento] em uma tentativa de evitar tendo o mercado impor custos através do aumento de spreads. este ex ante disciplina

encoraja firmas para administrar prudentemente risco”(grifo nosso). Além disso, Covitz et al. (2004) fornecem evidências de que a decisão dos bancos para emitir dívida

sub adicional é influenciada por diferenciais de rendimento. Eles mostram que os aumentos no rendimento estão associados com uma redução de novas emissões de

dívida. Em contraste com estes dois estudos, o nosso estudo é uma tentativa de examinar a eficácia da disciplina ex ante.
334 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

banco. Especificamente, Rochet (1992) , Blum (2002) e Cordella e Yeyati (1998) mostram que, na ausência de problemas de
governança corporativa entre os accionistas do banco e gerente, se os depósitos bancários não têm seguro e escolha de risco do
banco é observável pelos depositantes, a escolha de risco do banco serão eficientes. 3 A razão é que os bancos internalizar o impacto
da sua escolha de risco sobre os depositantes uma vez que estes por sua vez, exigem maior compensação se o banco incorre em
maior risco. Em tal mundo existe a disciplina de mercado perfeito e nenhum perigo moral. Por outro lado, se os depósitos são
segurados ou a escolha de risco do banco não é observável pelos depositantes, em seguida, o banco vai escolher um maior do que a e
fi ciente do risco pro fi le à custa dos depositantes. A razão é que os depositantes não vão exigir um maior retorno em resposta às
escolhas de maior risco pelo banco. Em tal mundo não há disciplina de mercado ea escolha do banco do seu risco de inadimplência
está sujeita a risco moral. 4

Estes estudos sugerem que as condições necessárias para a disciplina de mercado para ser eficaz envolver os
seguintes três factores principais. Em primeiro lugar, a eficácia da disciplina de mercado vai depender da extensão da
rede de segurança do governo (apoio). garantias explícitas ou implícitas do governo pode limitar a capacidade de
resposta do rendimento dos passivos bancários a mudanças no risco do banco de inadimplência e, portanto, limitar os
efeitos de incentivo de disciplina de mercado. Em segundo lugar, a eficácia vai depender do grau em que o banco é
financiado pelo passivo não segurados (de financiamento). Uma proporção maior de passivos sem seguro irá torná-lo
mais caro para o banco a aumentar seu risco de inadimplência. E em terceiro lugar, vai depender da extensão da
observability de escolhas de risco do banco (divulgação).

A hipótese básica que gostaríamos de testar é se estes três conjuntos de fatores que aumentam a força da disciplina de
mercado estão associados com incentivos aos bancos para limitar o risco de inadimplência.

modelos simples de padrão do banco (por exemplo, Merton de 1977 ) Sugerem que o risco de um banco de de- padrão

pende de dois fatores principais: o risco activo subjacente e alavancagem. Alavancagem, por sua vez, é determinada pelo
tamanho do buffer de capital de um banco mantém como um seguro contra choques adversos. De fato, na prática, após a
introdução do Acordo de Basileia 1988 e 1996 Risco de Mercado Emenda, a gestão do capital tem se tornado a principal
forma em que os bancos tentam gerir o seu risco de insolvência. 5

A estratégia seguida neste trabalho é, portanto, para testar se fatores associados com a força da disciplina de mercado levar os bancos
a escolher amortecedores de capital mais elevados para determinado risco de ativos, controle de outros fatores que afetam a quantidade de
capital do banco. 6 Se isso pode ser mostrado, então, por implicação, fatores disciplina de mercado são mostrados para levar os bancos a
tentar escolher um pro- menor

3 Os estudos mencionados analisar um único banco e, assim, abstrair externalidades sistêmicas que possam surgir dos efeitos knock-on em outros bancos
quando um defaults bancários. Em vista de tais externalidades, os bancos podem escolher um nível de risco muito alto do ponto de vista social, mesmo quando o
nível de risco é o ideal em particular do ponto de vista do banco e seus acionistas. Por outro lado, se os gestores estão mais cautelosos do que os accionistas e os
accionistas achar isso difícil de alinhar os incentivos gerenciais com a sua própria, amortecedores de capital dos bancos pode ser INEF fi cientemente alta. 4 No
modelo Cordella e Yeyati, revelação permite que os bancos de se comprometer com baixo risco. Há dois casos: (1) De acordo com a divulgação completa escolha
de risco do banco é observável. Depositantes exigem uma alta taxa de juros que o banco escolhe alto risco. Em equilíbrio do banco escolhe baixo risco e a taxa de
interesse é baixo. (2) Em nenhuma divulgação, os depositantes não observar escolha de risco do banco. menor risco não é recompensado com uma menor taxa de
juros. Em equilíbrio o banco escolhe risco e depositantes máxima, antecipando esta escolha, escolha uma taxa de juros compatível com essa antecipação. 5 See Gordy
(2003) para uma descrição da abordagem subjacente ao novo Quadro Basel proposto. probabilidade de 6 Um banco de padrão pode, alternativamente, ser medida
directamente. No entanto, a interpretação de tais medidas não é simples para os bancos. Por exemplo, medidas derivadas de preços de mercado, tais como
'modelo Merton' PDs e

z- pontuações são sujeitas a dif questões de interpretação fi cult. Isso é porque eles apenas parcialmente relacionar a arriscar ações de gestão por parte do banco e,
além disso re antecipação refletir de como o setor cial a de fi pode se comportar em caso de falha.
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 335

capacidade de inadimplência, tudo o mais igual, e que a disciplina de mercado de fato tem implicações comportamentais ou é 'eficaz'. 7

A nossa abordagem complementa a literatura existente sobre os determinantes de amortecedores de capital, ver, por exemplo Alfon
et al. (2004) , Flannery e Rangan (2004) , Ayuso et al. (2004) e Lindquist (2003) . Esta literatura analisou a relação entre a
amortecedores de capital, risco e do ciclo de negócios para países individuais, mas não fornece uma análise abrangente dos fatores
de disciplina de mercado como um factor determinante da capital. Por outro lado, a nossa abordagem é analisar o efeito da
disciplina de mercado sobre o capital bancário, controle de risco e condições econômicas gerais, usando um painel de dados
crosscountry set-up.

O nosso conjunto de dados abrange 729 bancos individuais listados de 32 países diferentes ao longo dos anos de 1993 a 2000.

Utilizando este conjunto de dados, a nossa estratégia tem sido a de identificar a força da disciplina de mercado no nível de banco medida pelo

ed fi três fatores identificados acima (apoio, financiamento e divulgação). Note-se que esta abordagem leva a um aumento dramático no poder

estatístico quando comparado com estudos cross-country existentes sobre a estabilidade do banco que dependem de diferenças entre países

sozinho,

por exemplo Barth et ai. (2004) , Demirgüç-Kunt e Detragiache (2002) . Por outro lado, a vantagem de reunir dados de
cross-country para os nossos propósitos é que a força ea eficácia da disciplina de mercado é susceptível de variar entre os
países. Usando nossos dados definir essas diferenças podem ser analisadas, levando a um rico conjunto de conclusões sobre
a eficácia relativa da disciplina de mercado entre países e tempo.

Os principais resultados sugerem que as redes de segurança do governo implícita reduzir os amortecedores de
capital detidos pelos bancos, enquanto a disciplina resultante de passivos não segurados e divulgação cria incentivos
para os bancos para limitar o risco de insolvência, pela escolha de um amortecedor de capital maior para determinado
risco. Enquanto nossos resultados apontam para a eficácia dos mecanismos de disciplina de mercado em geral,
portanto, nós também achar que o efeito da divulgação e financiamento sem seguro é reduzido quando os bancos
desfrutar de um alto grau de apoio do governo, apontando para limites para a eficácia da disciplina de mercado para
rms bancário fi . Além disso os nossos resultados sugerem que a concorrência leva a um maior risco, levando os
incentivos, mas que, por sua vez, a disciplina do mercado é mais eficaz para limitar a tomada de riscos em países onde
a concorrência entre os bancos é forte. Finalmente,

O restante deste artigo está organizado da seguinte forma. Seção 2 descreve as principais variáveis ​disciplina de mercado utilizadas neste

estudo. Seção 3 detalha a abordagem econométrica que tomamos para testar as nossas hipóteses. Ele também descreve a nossa estratégia

de amostragem e fornece estatísticas descritivas para as principais variáveis ​de interesse. Seção 4 apresenta nível de análise banco de dados

em painel da relação entre os fatores associados à disciplina do mercado e do tamanho de amortecedores de capital dos bancos. Seção 5

oferece uma série de extensões, para analisar quais os fatores que podem aumentar ou reduzir a eficácia da disciplina de
mercado. Seção 6 apresenta testes de robustez. Seção 7 resume nossas descobertas e conclui.

Além disso, medidas diretas de risco de um banco de padrão pode muitas vezes ser conduzido por eventos fora do controle do gestor, como choques
macroeconômicos, o que torna difícil isolar o efeito da disciplina de mercado.
7 Não podemos necessariamente afirmar que a disciplina de mercado leva os bancos a apresentar uma menor probabilidade de inadimplência, uma vez que não sabemos

ao certo se os esforços de gestão de risco dos bancos vai pagar. A última questão é analisada em um companheiro papel, consulte Nier (2005) .
336 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

2. A força da disciplina de mercado

Nossos dados contêm informações de nível de banco em todos os três fatores que são susceptíveis de afectar a força da disciplina
do mercado força da rede de segurança (suporte), estrutura de captação (funding) e a transparência dos bancos os bancos escolhas de
risco (divulgação ). Estas medidas foram construídos com base em informação obtida a partir da base de dados Bankscope.

2.1. Apoio, suporte

Uma vez que o custo social de falência do banco pode ser grande, os governos podem decidir resgatar, ao invés de
perto, um banco falido. Mas os governos se preocupar com o risco moral este tipo de seguro implícito cria. Eles irão,
portanto, tipicamente limitar qualquer de fi ação cial para sistemicamente situações importantes e, como sugerido por Freixas
(1999) através da manutenção de uma medida de 'ambiguidade construtiva' com relação à sua política de resgate. Do
ponto de vista do mercado, portanto, uma ajuda do governo em caso de fracasso é incerto e sua probabilidade pode
depender tanto do banco em causa e do governo em causa. A agência de rating Fitch atribui um rating de suporte que
reflita a sua avaliação da probabilidade de suporte do governo. As faixas de Rating de Suporte de 1 (perto certa bail-out) a
5 (bail-out muito improvável). Gropp et al. (2002)

mostram que os rendimentos de dívida subordinada refletir risco bancário para os bancos com uma classificação apoio público de 3 e mais
alto, mas não refletem o risco bancário para os bancos cujo público apoio avaliação é 1 ou 2. Seu estudo sugere que a disciplina de mercado
é praticamente inexistente se os mercados acreditam que um resgate é muito provável. Nós seguimos Gropp et al. (2002) e construir uma
variável indicadora 8 ( Apoio), que assume o valor 1 se a classificação apoio público indica que um bail-out é muito provável (classificação
suporte igual a 1 ou 2) e 0 se a classificação apoio público indica uma baixa probabilidade de um bail-out (avaliação é 3 ,

4, ou 5). disciplina de mercado é esperado para ser mais fraco se Suporte = 1.

2.2. Financiamento

A teoria sugere que o efeito da disciplina de mercado deve ser mais forte quanto maior a quantidade de financiamento sem seguro. Em
particular, para um dado aumento no risco do banco, a disciplina de mercado resultante é susceptível de ter um impacto de custo mais forte
quanto maior é a quantidade de financiamento sem seguro.
Gropp e Vesala (2004) mostrar formalmente que, como resultado, os bancos com uma parcela maior de financiamento não segurados têm
incentivos para levar menos riscos. Consideramos duas medidas de passivos não segurados. A primeira é a proporção de depósitos recebidos
a partir de outros bancos (Bankdeposits). Normalmente, os depósitos interbancários não estão cobertas pelos regimes de seguro de depósito
explícitos. Além disso, os bancos são susceptíveis de ser informado investidores no mercado interbancário. Um banco de empréstimos podem
estar sujeitos aos mesmos tipos de choques ao risco e rentabilidade como o banco empréstimos. Como resultado, os depósitos interbancários
são susceptíveis de ser sensíveis ao risco do banco empréstimos está tomando. Consistente com esta conjectura, Ellis e Flannery (1992) que as
taxas interbancárias pagos por grandes bancos centrais dinheiro dos EUA fi nd incluem fi cativos os prémios de risco padrão signi. Uma
segunda medida inclui, além da quantidade de dívida subordinada emitida pelo banco. Uma série de estudos têm mostrado que os spreads de
dívida subordinada refletir o risco pro fi le do banco, veja Flannery (1998) para um levantamento dessa literatura e Sironi (2003)

e Gropp et al. (2002) para a evidência mais recente Europeia. Para capturar na disciplina de mercado além decorrentes do
mercado de dívida subordinada construímos a parcela dos depósitos bancários

8 Enquanto o estudo pela Gropp et al. (2002) sugere o uso de uma variável indicadora, uma alternativa é usar a classificação apoio que lhe forem atribuídas na

escala de 1 a 5. Os resultados não são materialmente afetadas por se usamos um ou o outro.


E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 337

e dívida subordinada no total do passivo (sem seguro). Note que nós não consideramos a quantidade de dívida subordinada
separadamente, principalmente porque um grande número de bancos em nossa amostra não emitem dívida subordinada ou não
divulgar o montante em causa nas suas contas anuais.

2.3. Divulgação

Cordella e Yeyati (1998) assim como Boot and Schmeits (2000) apontam para o efeito o compromisso de divulgação banco. Os
bancos que divulgam mais informações escolher menor risco de inadimplência em equilíbrio. A idéia é que um banco que divulga
seu risco pro fi le expõe-se à disciplina do mercado e, portanto, ser penalizado pelos investidores para a escolha de maior risco.
Este efeito está ausente se os investidores não sabem o risco pro fi le do banco e mais fraco se a quantidade de informação
disponível para os investidores é limitado.

Medir a quantidade de informação disponível para os investidores é difícil. 9 Construímos três diferentes medidas de
divulgação, dois dos quais são medidas binárias simples eo terceiro é um índice de divulgação, que nós construímos
através da medição da quantidade de informação disponível em contas publicadas do banco como representado na base
de dados Fitch IBCA Bankscope .

Tanto a qualidade e a quantidade de revelação fornece um banco pode depender de onde ela está listada. Nossa medida de
primeira (Listing) é, portanto, com base em se o banco tinha uma lista em uma bolsa de US primário. 10 Empresas registradas fora
os EUA e listadas em bolsa de US primário pode fornecer aos seus acionistas norte-americanos com as demonstrações financeiras
preparadas de acordo com a sua doméstica (não-US) princípios contábeis geralmente aceitos (GAAP). Mas a Securities and
Exchange Commission (SEC) exige que tais firmas conciliar seus ganhos reportados e patrimônio líquido de US GAAP como parte
de um formulário 20 fi ling. Além disso, o Formulário 20 fi ling exige a divulgação de informações que não podem ser sujeitos aos
regulamentos nacionais de contabilidade do banco. Uma listagem dos EUA pode, portanto, aumentar a quantidade de informação
disponível para os investidores. Além disso, um número de estudos empíricos sugerem que a qualidade de declarações
preparadas de acordo com o US GAAP pode ser superior a, pelo menos, alguns regimes alternativos de divulgação. 11 Amir et al.
(1993) fi nd que a reconciliação de lucros e patrimônio líquido no Formulário 20 fi lings aumenta a associação entre o lucro contábil
e retornos de segurança. Leutz e Verrecchia (2000) mostram que firmas alemãs que adoptaram voluntariamente US GAAP por
suas reportagens mostram medidas inferiores da assimetria de informação e maior liquidez das ações em comparação com um
grupo de firmas que empregam o regime de relatórios alemã controle.

Em segundo lugar, os investidores devem ter mais informações sobre um banco se ele é avaliado por uma agência de rating major. As agências

de classificação agem como intermediários no processo de divulgação. Eles ganham acesso a informação que não está disponível publicamente aos

investidores e alimentar esta informação para a classificação.

9 Em particular, é difícil de medir todas as dimensões (isto é, qualidade, quantidade e pontualidade) de revelação. O uso de índices quantitativos

divulgação foi popularizado recentemente pela La Porta et al. (1998) . Marston e Shrives (1991)
fornecer uma pesquisa cuidadosa de literatura mais antiga. Bushman e Smith (2003) levantamento pesquisas mais recentes. 10 Esta variável leva a um valor se o banco está listada na NYSE,

NASDAQ ou o American Express e zero nos outros casos. Ele também foi designado para os bancos norte-americanos, com o fundamento de que os bancos norte-americanas listadas em

uma bolsa de US principal seria sujeitos ao mesmo regime de divulgação do que os bancos estrangeiras listadas em bolsa de valores dos Estados Unidos. Nossos resultados de regressão

não são sensíveis a esta escolha.

11 Uma série de escândalos contábeis recentes (por exemplo Enron) pode lançar dúvidas sobre esta conjectura. Por outro lado, normalmente, nestes casos, as contas publicadas não

atender às normas contábeis norte-americanas. Estes casos podem, portanto, não necessariamente mudar a crença de que as contas que não estejam em conformidade com o US GAAP

pode ser mais informativa do que as contas que estejam em conformidade com os padrões alternativos.
338 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

De fato, Kliger e Sarig (2000) sugerem que esta é a razão pela qual as firmas costumam pagar para a classificação. Ele permite que
firmas de incorporar informações privilegiadas para os ratings atribuídos sem revelar detalhes específicos para o público em geral. Um
número de estudos fornecem evidências de que as classificações de facto conter informações sobre e acima de outras informações
conhecidas publicamente, por exemplo, Kliger e Sarig (2000) . Nós, portanto, construir uma variável que captura se um banco é avaliado
ou não (Rating). 12

Uma terceira medida da divulgação foi construída a partir de informação sobre o balanço. Este índice de revelação (Divulgação)
grava se ou não o banco fornece informações sobre 18 categorias de núcleo divulgações nas suas contas publicadas como
representado no banco de dados Bankscope. Todas as categorias estão relacionadas com um ou mais dimensões do banco
risco-pro fi le (risco de taxa de juro, risco de crédito, risco de liquidez e risco de mercado) ou os capitais / reservas que detém para
trás o risco. A variável foi normalizada a tomar valores entre zero e 1 e está disponível para cada banco em cada ano de nossa
amostra. Apêndice A descreve o índice de divulgação mais detalhadamente.

Tanto a lista EU e as variáveis ​de classificação são medidas indiretas da quantidade de informação disponível para os investidores.
Quando um banco obtiver um US listando isso pode ter implicações para além melhorar a quantidade de divulgação fornecido ao
mercado. Um semelhante dificuldade pode aplicar-se a variável de classificação. A vantagem do índice divulgação é que é uma medida
directa da quantidade de divulgação fornecida ao mercado. Mas, em comparação com a listagem dos EUA e da medida de classificação,
que também sofre de algumas desvantagens importantes. Em particular, enquanto que a quantidade e a qualidade da divulgação são
susceptíveis de ser positivamente correlacionados, o índice pode ser um proxy imperfeita de qualidade divulgação. 13

3. abordagem econométrica

Nossa abordagem para testar a nossa hipótese básica é estimar um modelo estrutural do capital bancário. Neste modelo, testamos se os
fatores associados à disciplina de mercado ( MKD) afetam o tamanho dos amortecedores de capital dos bancos individuais ( BONÉ) quando
controlamos para um número de condutores de nível de banco de capitais ( B), incluindo o risco de ativos. 14

Nossos controles modelo, além de uma série de diferenças a nível do país ( C) que pode ter um efeito sobre o montante de capital os
bancos mantêm como um amortecedor contra riscos. Neste modelo, os vários fatores disciplina de mercado discutidos acima entram como
variáveis ​de deslocamento, o que afetará amortecedor de capital desejado do banco para determinado risco de ativos e segurando um
número constante de outros banklevel e nível de país condutores de opções de estrutura de capital dos bancos. 15

12 Esta variável indicadora ( Avaliação) assume o valor 1 se o banco é avaliado por qualquer um dos principais agências de rating (Standard and Poors, Moodys ou Fitch),

e zero caso contrário.


13 Por exemplo, não pode medir até que ponto as demonstrações contábeis verdadeiramente refletir a realidade econômica. Apesar disso, a investigação relacionada

sugere que mais divulgação, medida pelo índice, reduz a incerteza dos investidores sobre um banco' desempenho e é, portanto, 'valor relevante', ver Baumann e Nier

(2004) . 14 Nossa básica especi fi cação é semelhante ao estimado pela Flannery e Rangan (2004) e Ayuso et al. (2004) . A principal diferença reside na utilização de

variáveis ​de país, bem como no uso das variáveis ​disciplina de mercado aqui analisados. 15 Perante a persistência provável em nossas variáveis ​dependentes ao longo

do tempo uma alternativa a um modelo estático teria sido uma dinâmica especi fi cação. Para a variável de capital, persistência poderia surgir desde o aumento de capital

é caro. Um termo de capital ficado poderia ser responsável por custos de ajustamento para alcançar o nível desejado de capital. Por duas razões, no entanto, nós não

seguir esta rota. Primeiro, o período de tempo da nossa amostra é relativamente curto ( = T 6 para a maioria das estimativas, pois para muitos bancos / variáveis ​o ano

inicial está faltando e uma vez que temos uma estrutura de defasagem em nossa equação de regressão), limitando a eficácia dos procedimentos de estimação dinâmicas.

Em segundo lugar, uma grande desvantagem de procedimentos de estimação dinâmicas é que, a fim de alcançar estimativas consistentes, é preciso eliminar os efeitos fi

c bancários de especi invariantes no tempo. uma vez que alguns


E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 339

BONÉ it = f (B isto , C jt, MKD isto ) + υ isto ,


(1)
(+)

Onde Eu denota banco eu j denota país j e t denota o período de tempo.


O amortecedor de capital ( BONÉ) é definida como capital próprio do banco como uma parte dos seus outros passivos, ou seja, é o
inverso de alavancagem em termos de valor livro. 16 Note-se que para os nossos propósitos uma medida com base no valor contábil do
patrimônio líquido é preferível a uma medida com base na capitalização do banco mercado. O valor contábil do patrimônio líquido está sob
o controle direto da administração do banco, uma vez que pode ser afetada por ações como pagar um dividendo, a emissão de capital
novo ou recompra de ações. Por outro lado, uma relação com base no valor do patrimônio líquido do banco mercado não é tão claramente
uma variável escolha para a administração do banco. Para além das decisões de estrutura de capital feitas pela administração do banco, a
capitalização de mercado reflete o ambiente de negócios atual e futura de um banco opera em (ou seja, valor de franquia do banco), bem
como as expectativas do mercado em relação ao apoio potencial pelo governo deve o banco falhar. 17

Note que quando a disciplina do mercado é perfeito, a escolha do banco de amortecedor de capital para uma determinada exposição ao risco

subjacente é susceptível de ser eficientes. No entanto, quando a disciplina do mercado é fraco, amortecedores de capital dos bancos são susceptíveis de

ser INEF fi cientemente baixo, tudo o resto igual. Isto leva a uma série de hipóteses testáveis. Primeiro, os bancos que gozam de garantias

governamentais implícitas tendem a ter reservas de capital mais baixos, tudo igual. Em segundo lugar, um banco para o qual respostas do mercado a

redução do capital são menos onerosos porque o banco é financiado em grande parte por depósitos segurados, é provável que tenha amortecedores de

capital mais baixos, ceteris paribus. E em terceiro lugar, os bancos para que a disciplina de mercado é fraco, como resultado da baixa divulgação são

susceptíveis de ter um alto risco de inadimplência e amortecedores de capital baixos, tudo igual. 18

3.1. controles de nível de banco

Para isolar o efeito da disciplina de mercado sobre o capital que empregam um número de variáveis ​de controle de nível de banco que em

pesquisas anteriores foram mostrados para afetar amortecedores de capital dos bancos. Em primeiro lugar, o risco de ativos de um banco pode ser

esperado para ter um efeito positivo sobre o capital (desejado). Um banco prudente, que tem como alvo um determinado nível de risco de

incumprimento, pode querer realizar um amortecedor de capital maior se fosse a assumir mais risco da carteira. Consistente com esta hipótese, Shrieves

e Dahl (1992) , Calomiris e Wilson (2004) e Flannery e Rangan (2004) fornecem evidências de que mudanças no risco do banco estão associados

positivamente com as mudanças no capital do banco para os bancos norte-americanos. No entanto, há uma distinção importante entre as medidas

ex ante de risco e medidas a posteriori de risco percebido, como o rácio de crédito em incumprimento ou a relação de provisões para perdas com

empréstimos. As últimas medidas são normalmente encontrados para reduzir em vez de aumentar as medidas de capital de livro, ver Ayuso et al.

(2004) . Nosso

da nossa variável disciplina de mercado variam pouco ou nada ao longo do tempo, não seria capaz de avaliar o efeito dessas variáveis ​em um quadro dinâmico. Assim,
usamos em grande parte a dimensão de tempo dos nossos criados para impor alguma estrutura em relacionamentos esperados e para eliminar endogeneidade durante a
captura de correlação potencial através do tempo e bancos na estrutura de erro de dados.

16 Patrimônio inclui ações ordinárias, ações preferenciais, excesso de capital, lucros acumulados, bem como reservas de capital. 17 Ambos os aspectos estão

ilustrados em um modelo por Cordella e Yeyati (2003) .


18 Todos os bancos divulgar a quantia de seu capital social. Mas a probabilidade de default implícita pela quantidade de capital pode ser difícil de julgar pelos

investidores se esta informação não é colocar em contexto de informações adicionais sobre o risco assumido pelo banco. Essa informação adicional pode

comprometer o banco de escolher um buffer de capital compatível com o seu risco.


340 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

abordagem é a conta para ambos os efeitos. 19 Medimos ex risco de ativos ante pelo desvio padrão dos activos de um banco, aproximada
pela volatilidade dos retornos das ações semanais do banco. Além disso, medir ex post risco percebido pela razão de fl do banco ow de
provisões para perdas com empréstimos sobre empréstimos totais. Para lidar com a endogeneidade potencial dessas duas variáveis ​nas
regressões que usam a sua defasagem de um ano.

literatura precedente encontrou que os bancos maiores tendem a ter níveis mais baixos de capital, ex Ayuso et al. (2004) , Alfon et al.
(2004) , Flannery e Rangan (2004) . Uma razão é que os bancos maiores desfrutar de melhores oportunidades para diversificar seus
empréstimos em todas as linhas de negócios e regiões, levando à menor exposição a choques idiossincráticos e uma menor necessidade
de capital para cobrir tais riscos. Outra razão é que os bancos maiores tendem a achar mais fácil levantar capital novo no mercado, eles
devem precisar dele. Myers e Majluf (1984) mostram que na presença de informação assimétrica, levantando novos resultados de capital em
custos de diluição para o emissor. Para grandes bancos, que são normalmente monitorados por um número maior de analistas de
segurança, informação assimétrica deve ser menos de um impedimento para levantar capital novo. Por ambas as razões, os bancos
maiores podem dar ao luxo de manter relativamente menos capital.

Ao levantar capital novo é caro, a acumulação de capital pode contar com recursos gerados internamente, em linha com a 'teoria da
ordem Pecking de finanças'. Mais bancos lucrativo vai achar mais fácil para acumular patrimônio através de lucros retidos. Em contraste,
menos pro bancos de mesa fi, de frente para os custos de capital próprio de emissão, pode decidir não aumentar o capital tanto quanto seus
mais pro pares tabela fi. Consistente com este raciocínio, Berger (1995) documenta uma relação positiva entre o retorno sobre os rácios de
capital e de capital para uma amostra de bancos norte-americanos na década de 1980 meio-de-final. Evidência semelhante é encontrada em Flannery
e Rangan (2004) para a década de 1990. 20 Nós, portanto, incluir o retorno do banco sobre o capital próprio e esperar que esta variável a ser
associada positivamente com o índice de capital. 21

3.2. controles em nível de país

Vários fatores que operam no nível do país pode afetar o nível de capital detido pelos bancos em nossa amostra e nosso
modelo tenta controlar estes efeitos. Em primeiro lugar, uma série de estudos teóricos sugerem que o banco de risco está
relacionado com o grau de concorrência entre os bancos. O principal argumento é devido a Keeley (1990) : Restrições
anticompetitivas dotar os bancos com poder de mercado e aumentar o valor da carta do banco. Este, por sua vez reduz os
incentivos dos bancos a assumir riscos. Restrições que levam a uma menor concorrência são, portanto, associado com rácios de
capital maiores. 22 Para explicar isso, usamos uma medida de restrições legais e administrativas à entrada banco que obtemos a
partir de um banco de dados fornecido pelo Barth et ai. (2001) . 23

19 Note-se que para um determinado banco e em um determinado ano medidas de risco ex ante e medidas de ex post risco realizadas são susceptíveis de ser diferente, uma

vez que as perdas de crédito estão associados a fatores macroeconômicos que variam ao longo do tempo. 20 Por outro lado, tanto Ayuso et al. (2004) e Alfon et al. (2004) encontrar

uma relação negativa entre o capital eo (valores passados) O retorno sobre o patrimônio líquido. Nestes estudos o retorno sobre o capital próprio é pensado para proxy para o

custo do banco de levantar capital.

21 Sob a hipótese de que todos os bancos estão com o objetivo de maximizar a pro fi ts o retorno sobre o capital próprio é determinado pelas restrições sobre este

problema de otimização de condições, por exemplo de demanda e o grau de concorrência e podem, assim, ser pensado como exógena. Por isso, decidiu não ficar para

esta variável. 22 Conclusões semelhantes são atingidos por Suarez (1994) e Matutes e Vives (2000) , entre outros. 23 Temos verificado se uma medida de concentração

fornecido pela Barth et ai. (2001) , Teve um efeito em nossas regressões de capital, mas não encontraram esta variável a ser signi fi cativa. Como argumentado por Beck et

al. (2005) rácios de concentração não são necessariamente estreitamente relacionados com o grau de concorrência entre os bancos. Uma fi culdade dif é que a

concorrência é local, em vez de nacional em muitos países, de modo que as comparações entre países de concentração pode ser enganosa.
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 341

O risco de tomar incentivos dos gerentes de banco pode ainda depender do grau em que suas preferências são vinculados
aos dos acionistas de maximização de valor. Os gerentes que não estão intimamente controladas por seus acionistas pode
escolher um menor grau de risco e uma maior quantidade de capital que os gerentes cujas preferências são mais alinhados
com os acionistas, ver Saunders et al. (1990) . Além disso, os gestores que atuam no interesse dos acionistas existentes podem
ter incentivos para abster-se de levantar capital novo desde sob informação assimétrica sobre o valor do banco isso vai levar a
uma diluição da participação dos acionistas existentes, Myers e Majluf (1984) . Em países onde os accionistas têm mais controle
sobre os gestores que se poderia esperar, portanto, que os bancos tenham reservas de capital mais baixos. Para explicar isso,
usamos uma medida resumo da extensão dos direitos de acionistas que foi obtida de La Porta et al. (1998) .

Uma extensa literatura analisou a forma como a existência ea extensão do seguro de depósito pode afetar o risco do banco
tomar incentivos. Embora tais sistemas são introduzidos para proteger os bancos de execuções depositantes, a literatura sugere
que esquemas de proteção generosa depositantes podem aumentar os incentivos do banco para assumir riscos, por exemplo, Hovakimian
et al. (2003) , Demirgüç-Kunt e Detragiache (2002) . Por outro lado, Gropp e Vesala (2004) fornecem evidências de que a existência
de um esquema de seguro de depósito explícito per se pode reduzir os incentivos à assunção de riscos, uma vez que um esquema
explícito pode fornecer um compromisso de limitar a rede de segurança para os depositantes segurados. Nós controlar o efeito da
existência de um esquema de seguro de depósito explícito (explícito), bem como o efeito de proteção generosa resultante da
cobertura ilimitada (ilimitado). Estas variáveis ​foram obtidos a partir de Demirgüç-Kunt e Sobaci (2000) e foram usados ​na pesquisa
anterior

Demirgüç-Kunt e Detragiache (2002) .


incentivos a assunção de riscos de gerentes de banco pode ainda depender da qualidade da aplicação da lei. La Porta et al.
(1998) fornecer uma medida de lei e da ordem em diferentes países compilados por agências de risco de crédito privadas (Estado de
direito). Em países com fortes tradições de Estado de direito, os gestores podem ter reduzido os incentivos para se envolver em
fraude e padrão estratégico à custa dos depositantes. A pesquisa empírica tem demonstrado posteriormente que um forte Estado de
Direito tende a mitigar incentivos risco moral decorrentes de proteção de seguro de depósito, consulte Demirgüç-Kunt e Detragiache
(2002) . 24

Um outro aspecto que precisamos para controlar é o requisito mínimo regulamentar sobre o capital. De acordo com Barth et ai.
(2001) , Todos os países da nossa amostra estipular requisitos de capital baseados no risco mínimos em linha com o Acordo de
Basileia de 1988. No entanto, enquanto a maioria dos países da nossa amostra exigem capital mínimo de pelo menos 8% dos
ativos ponderados pelo risco, um número de países exigem um múltiplo maior, que varia entre 8,5 e 12%. 25 Por conseguinte,
incluem o requisito mínimo (capreq), o qual foi obtido a partir de Barth et ai. (2001) .

A facilidade com que os bancos podem emitir nova capital e, portanto, o nível médio de capital do banco pode ainda ser
afetada pelo grau de desenvolvimento financeiro e, em particular, o desenvolvimento de mercado de ações do país. A falta de
profundidade pode aumentar os custos de emissão de novas ações e reduzir o nível médio de capital do banco. Como um
indicador do tamanho e profundidade do mercado de ações usamos a capitalização bolsista em relação ao PIB (MCAP) para.
Esta medida é igual ao valor das acções cotadas dividido pelo PIB e foi obtido a partir de Beck et al. (1999) .

24 Barth et ai. (2001) fornecer um número de variáveis ​que são projetados para capturar a qualidade da supervisão entre os países. No entanto, pesquisas

anteriores não foi capaz de mostrar que essas variáveis ​têm um efeito mensurável sobre o desempenho do banco e estabilidade, por exemplo, Barth et ai. (2004) e

Beck et al. (2005) . Em nossas regressões, da mesma forma, estas variáveis ​não foram encontrados para ter signi fi cativas efeitos e, portanto, foram descartados

da análise. 25 Estes são Argentina (11,5), Brasil (11), Israel (9), Cingapura (12) e Tailândia (8,5).
342 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

Finalmente, o nível dos bancos de capital holdmay dependem condições onmacroeconomic no país do banco de origem, como
medido pelo crescimento (anual) do PIB. No entanto, uma vez que as condições econômicas podem afetar tanto o numerador (equity)
e, pelo crescimento do ativo denominador (ativos - equidade) do rácio de capital, a direção deste efeito não está claro a priori. 26 Controlando
para crédito vencido e outros determinantes cíclico do capital, Ayuso et al. (2004) que os amortecedores de capital fi nd foram
contra-cíclica na Espanha durante o período 1986-2000. 27 Lindquist (2003) e Alfon et al. (2004) provas semelhantes encontrados para
bancos noruegueses e Reino Unido, respectivamente. Como em nosso estudo, da mesma forma, de liquidação duvidosa e outros
determinantes cíclicas do numerador são incluídas separadamente, seria de esperar que o crescimento do PIB a ser associado
negativamente com rácios de capital.

3.3. estatísticas de amostragem e descritivos

A nossa regra de amostragem era coletar informações sobre todos os bancos que o banco de dados Bankscope identifica como
bancos listados e que, ainda de acordo com a informação disponível sobre Bankscope, são incorporados em um dos 32 países foram
selecionados para a nossa análise. Os países escolhidos são os países do G10, além de uma série de economias relativamente bem
desenvolvidos em mercados emergentes. 28 O banco de dados Bankscope fornecido informações para os anos de 1993-2000. dados de
contabilidade foram recolhidas a partir da base de dados Bankscope para cada banco para que algumas observações estavam
disponíveis. Este procedimento deu origem a uma amostra inicial de 729 bancos. Como resultado da manutenção de bancos para os quais
a série de tempo é menor do que oito anos a amostra inicial é desequilibrado.

Nós identi série semanal fi cado dos preços das acções para cada banco quando disponíveis na Bloomberg e calculado o desvio
padrão dos retornos para cada ano e cada Banco. série de preço de ações estavam disponíveis para a maioria dos bancos que
remontam ao início de 1993. Os bancos cujo preço série foi menor foram mantidos na amostra.

Outliers para o rácio de capital foram de fi nidos como todas as observações, onde o patrimônio líquido foi mais de três vezes outros
passivos. Embora o limite escolhido é um tanto arbitrária, o objetivo era excluir bancos para os quais a relação estrutural diferente pode
segurar entre o capital do banco e nossa disciplina de mercado e variáveis ​de controle do que para bancos de varejo. Por exemplo, o nosso
objectivo de excluir os bancos que tiveram uma participação muito baixa das responsabilidades por depósitos e que, por essa razão tinha
rácios de capital muito elevados. 33 observações por um total de 9 bancos foram excluídos desta forma. 29

26 Esta é uma questão importante à luz do debate sobre os efeitos pró-cíclicos prováveis ​de requisitos de capital, ver Ayuso et al. (2004) . Por um lado, os bancos
podem usar períodos de expansão para acumular capital através de lucros retidos. Além disso, as recessões são associados a padrões de empréstimo, que através
de maiores provisões pode comer em lucros dos bancos e de capital (possivelmente). Pode-se esperar, portanto, os rácios de capital a ser pró-cíclico. Por outro
lado, os bancos podem enfrentar maior procura de empréstimos durante os períodos de expansão econômica. Além disso, os bancos podem ser overcon fi dente
em tempos de boom e aumentar seus empréstimos, mas reduzir a oferta quando eles são apanhados pelas perdas que realizam em recessões, consulte Berger e
Udell (2004) . balanços dos bancos pode, portanto, expandir-se em tempos de boom e contrato em recessões, de modo que os rácios de capital pode ser esperado
para ser anticíclica. 27 Borio et al. (2001) denunciar correlações simples entre os rácios de capital e crescimento do PIB para um número de países. Eles descobrir
que os rácios de capital medidos são pró-cíclica em alguns países e contra-cíclica nos outros. 28 Os países da amostra são a Áustria, Austrália, Argentina, Bélgica,
Brasil, Canadá, Chile, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hong Kong, Indonésia, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Coréia, Malásia, Países Baixos, Noruega , Polônia,
Portugal, Cingapura, Espanha, Suécia, Suíça, Taiwan, Tailândia, Turquia, Reino Unido e os EUA. 29 No que respeita às variáveis ​independentes um procedimento
com base na distância Welsch foi usado na orde r para eliminar em pontos de dados influentes. Observações para os quais a distância Welsch foi maior do que um
valor de corte de três √ k ( Onde k representa o número de variáveis ​independentes do modelo, incluindo o constante) foram, assim, eliminado, conduzindo a uma
exclusão de, em média, cerca de 50 observações, mas melhorar substancialmente a precisão das nossas estimativas pontuais.
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 343

tabela 1
estatísticas de resumo para as variáveis ​fi c bancários de especi

Significar Desvio padrão coeficiente 5 min 95 Median Número máximo de

geral de percentil percentil obs.


global entre uma Dentro b
variação
variáveis ​de risco e de capital
rácio de capital 0,10 0,19 0,22 0,08 1,84 - 0,56 0,03 0,08 0.20 2,95 5027
Logsize 15,59 1,78 1,80 0,35 0,11 9.14 12.67 15,53 18,72 20.97 5043
ova 0,09 0,38 0.20 0,33 4,22 - 8,72 - 0,07 0,12 0,27 3.28 4880
provisões 0,01 0,11 0,05 0,10 8,51 - 3,97 0,00 0.00 0,04 5.01 4509
Stdev 0,05 0,23 0,10 0,21 4,66 0,00 0,01 0,04 0,11 14.94 4267

variáveis ​disciplina de mercado


Apoio, suporte 0,38 0,49 0,49 0 1,28 0 0 0 1 1 1981
Bankdeposits 0,20 0,23 0,23 0,07 1,19 0 0.00 0,11 0,76 1 3335
Uninsured 0,14 0,14 0,14 0,05 1,00 0 0,01 0,10 0,41 0,91 2476
listagem 0,31 0,46 0,45 0 1,50 0 0 0 1 1 5027
Avaliação 0,54 0,50 0,50 0 0,92 0 0 1 1 1 5027
Divulgação 0,65 0,22 0,18 0,13 0,35 0 0,05 0,75 0,85 0.95 4916

Todas as variáveis ​estão descritas na Tabela B.1 dentro Apêndice B .


um O desvio padrão entre é o desvio padrão entre os bancos da média ao longo do tempo para cada banco. É, portanto, ignora qualquer variação ao

longo do tempo.
b A dentro desvio padrão é a média entre os bancos do desvio padrão ao longo do tempo para cada banco. É, por conseguinte, ignora qualquer

variação transversal.

Tabela B.1 (dentro Apêndice B ) Resume a fonte de dados e variável de definição para todas as variáveis
usava. tabela 1 apresenta algumas estatísticas sumárias agregadas sobre as principais variáveis ​de interesse. Ele mostra que algumas
variáveis ​variam pouco ou nada ao longo do tempo. Por exemplo, a variação dentro é consideravelmente menor do que a variação entre
para o rácio de capital e a relação de depósito banco. O dentro da variação da classificação apoio, a listagem dos Estados Unidos e as
variáveis ​de classificação é zero, indicando a importância da dimensão transversal.

Note também que o número de observações disponíveis para as mudanças de análise de regressão, segundo a qual as variáveis ​são
incluídas nas regressões. As variáveis ​mais restritivas em termos de tamanho da amostra das variáveis ​são a classificação apoio, a
relação de depósito bancário ea proporção de passivos não segurados. A classificação de suporte está disponível apenas para cerca de
290 bancos e não existem dados para os bancos austríacos e belgas. Incluindo a taxa de depósito bancário reduz a amostra a cerca de
530 bancos. Esta variável não foi obtida para os bancos norte-americanos (os EUA é de outra maneira o país mais fortemente
representadas na nossa amostra). O mesmo se aplica à razão de passivos não segurados, para os quais os depósitos bancários são o
componente principal. Novas estatísticas sobre as principais variáveis ​por país são fornecidos em B.2 Tabela (dentro Apêndice B ).

3.4. procedimento de estimação

Um grande difi di fi para a nossa análise é que algumas das variáveis ​disciplina de mercado são susceptíveis de ser endógeno, ou
seja, eles próprios dependentes do capital do banco. Enquanto a variável rede de segurança (Suporte) é claramente estritamente
exógenos do ponto de vista do banco, endogeneidade é provável que seja um problema tanto para as variáveis ​de financiamento e de
divulgação. Em particular, os bancos que possuem pouco capital pode ter que confiar em atrair depósitos bancários ou outros
financiamentos sem seguro, a fim de financiar seus ativos. Isso resultaria em uma relação negativa entre o capital eo rácio de depósito
bancário e entre o capital eo rácio dos passivos não segurados. Por outro lado, os bancos que
344 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

segure pouco capital social poderia ser percebida como arriscada pelos investidores. Isto poderia aumentar o seu custo de financiamento
sem seguro e reduzir sua dependência de tais fundos, resultando em uma relação positiva entre depósitos de capitais e bancários e entre
capital e passivos não segurados, consulte Covitz et al. (2004) . 30

Da mesma forma, a divulgação banco pode ser determinada em conjunto com a quantidade de capital de um banco
escolhe para segurar. Novamente, isso pode afetar os resultados, de duas maneiras. Primeiro, um banco que pretende
levantar mais capital no mercado de capitais pode precisar de aumentar a sua divulgação, a fim de reduzir seus custos
de capital próprio. O efeito desta causalidade reversa resultaria em uma relação positiva entre a divulgação e de capital.
A relação negativa pode surgir quando o capital e divulgação são mecanismos alternativos para atrair depósitos.
Dependendo do custo marginal de detenção de capital em relação ao custo de divulgação de informação, alguns
bancos podem divulgar mais informações, enquanto outros decidem manter mais capital. Entre os bancos, isso
resultaria em uma relação negativa entre a divulgação e do capital, 31

problemas de endogeneidade eram susceptíveis de afectar o efeito medido das variáveis ​disciplina de mercado, tais como
divulgação, depósitos bancários e financiamento sem seguro na capital do banco. viés de endogeneidade potencial, portanto,
precisava ser tratada por uma escolha adequada do método de estimação. Em particular, um variáveis ​instrumentais duas fases
Mínimos Quadrados foi empregue procedimento (TSLS). 32 A regressão primeira fase-fi foi usada para gerar os valores preditos que
levam em conta apenas as informações exógeno. O valor predito da regressão primeira fase-Fi, em vez do valor real foi em seguida
utilizada no segundo estágio de regressão. A abordagem adoptada foi TSLS para três variáveis ​endógenas: a proporção de
depósitos interbancários, a proporção de passivos não segurados e o índice de divulgação. As outras duas variáveis-US divulgação
Listing e Avaliação de-são propensos a sofrer de um viés de endogeneidade em menor medida, uma vez que estes são fixos em
todos os anos. Além disso, mais uma vez, porque essas variáveis ​são fi xado ao longo do tempo, é muito mais difícil de prever
satisfatoriamente seus valores de variáveis ​exógenas disponíveis.

Temos usado o mesmo conjunto de instrumentos para as variáveis ​de financiamento e para o índice de divulgação. O conjunto de
instrumentos inclui um número de variáveis ​de nível de banco (taxa de empréstimo, retorno sobre o patrimônio, tamanho, participação de
mercado e a relação custo-renda). Apesar de todas estas variáveis ​são endógenas em horizontes mais longos, eles não são susceptíveis
de ser controlado pelo banco ao longo de um período de um ano. Além dessas variáveis ​no nível de banco, nós exploramos a dimensão
cross-country de nosso conjunto de dados e incluem variáveis ​dummy país, que refletem o nível médio da variável instrumentado em cada
país. Uma vez que sabemos que todas as três variáveis ​variam ao longo do tempo, nós também incluem uma tendência temporal linear
como variável explicativa. Finalmente, para se certificar de que, como resultado de incluindo o ano nós não criar variáveis ​que têm uma
tendência temporal simples, interagimos ano com o conjunto de variáveis ​dummy país. Como resultado, a variação prevista na variável
instrumentado através

30 No entanto, em suas regressões, Covitz et al. (2004) Não fi rácios de capital nd ter um efeito significativo sobre a decisão de emissão de dívida subordinada.

31 Mesmo que a divulgação era exógena e não escolhido pela firma, pode haver razão para acreditar que os bancos com baixo divulgação têm um incentivo para
apontar para o capital social superior, a fim de reduzir o custo da dívida finanças. No entanto, o capital próprio não é barato. Para uma relação negativa entre a
divulgação e capital próprio para segurar com a divulgação exógeno seria exigir que o custo relativo de capital e dívida dependia da quantidade de divulgação. Em
particular, ela teria de ser verdade que para os bancos baixos de divulgação capital próprio é barato em relação ao custo da dívida. Há evidências de que o custo
de capital de terceiros é maior para baixos divulgação firmas, Sengupta (1998) . Mas, igualmente, há evidências de que o custo do capital próprio é maior se a
divulgação é baixa, Botosan (1997) . Não parece haver nenhuma evidência existente sobre como os custos relativos de capital e dívida pode depender de
divulgação. 32 Este método é padrão, ver Wooldridge (2002) .
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 345

tempo será especi fi c para cada país e, portanto, imitar a mudança real nessa variável em nível de país. Mais uma vez,
esta abordagem é motivada pela nossa encontrando que a variação média nas variáveis ​é diferente entre os países.

Testes de diagnóstico nos resíduos desta regressão (não mostrado aqui) sugerem resíduos não-normal, o que implica que GLS
procedimentos podem ser preferidos para OLS desde o ex dar menos peso para residuais grandes quando minimizando a soma
(ponderado) de resíduos quadrados para derivar estimativas dos parâmetros. Outros testes indicam que a presença de ambos
heteroskedasticity e autocorrelação nos resíduos. Como um resultado, que empregam os efeitos aleatórios estimador viável mínimos
quadrados generalizados (FGLS), que calcula a matriz de variância-covariância de erro assumindo que o erro segue um processo de
auto-regressivo fi c painel-especi. 33 Além disso, a variância do erro é permitido ser diferente entre as unidades (heterocedásticos). 34

4. resultados

mesa 2 apresenta os principais resultados. Coluna (1) mostra um modelo básico com o banco-especí variáveis ​de controle
fi cos país-especi fi c e. Nós adicionamos uma das variáveis ​disciplina de mercado de cada vez para este modelo básico nas
colunas (2) a (7). A expectativa de apoio do governo, medida usando a Fitch Ratings de apoio, é encontrado para ter um
efeito negativo sobre as reservas de capital dos bancos, coluna (2), refletindo os incentivos de risco moral decorrentes de
seguro implícito do governo. Quanto às variáveis ​de financiamento, encontramos que uma maior proporção de depósitos
interfinanceiros está associada com maiores rácios de capital, de acordo com um papel disciplinador do mercado
interbancário. Além disso, a proporção de sem financiamento, composta de fundos interbancárias e subordinado dívida da
mesma forma, está associado a um rácio de capital maior, tudo o resto igual. Finalmente, 35 Em particular, todos a variável
lista EUA, as classificações de variáveis ​e o índice de transparência mostram uma diferença estatisticamente significante
positiva coeficiente, sugerindo que mais divulgação leva os bancos a manter reservas de capital maiores, tudo igual.

Além de julgar a estatística significância dos coeficientes nas variáveis ​disciplina de mercado é útil para verificar a relevância
econômica do tamanho desses coeficientes. Todas as variáveis ​disciplina de mercado em nível de banco variam entre zero e unidade. O
ciente coe fi em cada uma dessas variáveis ​pode, portanto, ser interpretada como a mudança absoluta no rácio de capital resultante de um
aumento de uma unidade na variável disciplina de mercado. Para colocar isso em nota perspectiva de que o rácio de capital média é de
cerca de 10%. Primeiro, os bancos que poderiam vir a receber apoio do governo têm rácios de capital de cerca de meio ponto percentual
menor do que aqueles que não esperava receber apoio do governo. Segundo, o cient coe fi no financiamento segurados sugere que um
banco que é financiado totalmente por fundos não segurados teria um rácio de capital cerca de 5 pontos percentuais a mais do que um
banco que não tinha passivos não segurados. Em terceiro lugar, no que respeita às variáveis ​de divulgação, bancos classificados têm
rácios de capital, em média, 0,6 pontos percentuais a mais do que os bancos não tenham uma classificação, enquanto os coeficientes

33 Mais formalmente, presume-se que o erro segue um processo de forma εit = ρi εit - 1 + υit. Testes probabilidade-rácio para modelos com o painel-especí fi cos
autocorrelação coe fi coeficientes versus modelos com um AR comum (1) coeficiente entre os painéis apoiar o ex especi fi cação. Formalmente 34, isto significa
que E (ε 2

-lo) = σ 2 Eu . Nosso procedimento de estimação também assume que os erros não são contemporaneamente
correlacionados entre os bancos, ou seja, E (εit εj t) = 0. Os modelos que assumem erros contemporaneamente correlacionados só pode ser aplicado a amostras equilibradas. Mas, como

resultado da disponibilidade de dados limitada para alguns dos nossos principais variáveis ​todas as nossas regressões são estimadas em amostras desequilibradas.

35 É importante ressaltar que o efeito da variável listando US acaba por ser robusto quando a regressão é executado em uma amostra de sub excluindo todos os bancos norte-americanos.
346 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

mesa 2
O efeito da disciplina de mercado nos rácios de capital

(1) (2) (3) (4) (5) do (6) (7) do

tampão tampão Tampão Tampão tampão Tampão tampão

Logsize - 0,0098 *** - 0,0049 *** - 0,0147 *** - 0,0137 *** - 0,0100 *** - 0,0117 *** - 0,0116 ***
(50.01) (15.44) (47,40) (41.17) (67,74) (48.47) (66,34)
ova 0,0585 *** 0,0284 *** 0,0401 *** 0,0409 *** 0,0621 *** 0,0618 *** 0,0581 ***
(49.19) (10.70) (29.61) (23,55) (71,43) (60,94) (52.57)
Desvpad (lag 1) 0,0074 *** - 0,0107 *** 0,0190 *** 0.0254 *** 0,0050 ** 0,0035 0,0122 ***
(3,04) (3,86) (7,17) (3,68) (2.16) (1,50) (8,10)
Disposições (lag 1) - 0,0394 *** - 0,0565 *** - 0,0432 *** - 0,0287 *** - 0,0530 *** - 0,0533 *** - 0,0488 ***
(4,42) (3.01) (7,75) (3.11) (8,36) (5,91) (15.91)
Ano 0,0016 *** 0,0012 *** 0,0011 *** 0,0008 *** 0,0017 *** 0,0014 *** 0.0000 ***
(21.51) (6,37) (12.17) (6,49) (25.77) (20,12) (9,65)
GDP_g - 0,0213 *** 0,0735 *** - 0,0507 *** - 0,0362 *** - 0,0366 *** - 0,0335 *** 0,0116 **
(5,75) (9,87) (8,74) (5,30) (10.33) (7,92) (2,47)
Capreq 0,0151 *** 0,0172 *** 0,0150 *** 0,0179 *** 0,0165 *** 0,0149 *** 0,0145 ***
(20.47) (32.96) (16.62) (19.49) (20.42) (20.41) (21.42)
Rlaw 0,0006 0,0022 *** 0,0023 *** 0,0027 *** 0,0003 0,0008 * - 0,0002
(1,32) (5,61) (4,79) (7,29) (1,00) (1,88) (0,55)
MCAP 0,0002 - 0,0031 ** 0,0027 *** 0,0010 0,0002 0,0038 *** 0,0049 ***
(0,32) (2,37) (2,86) (1,02) (0,29) (6,27) (6,67)
Srights - 0,0005 0,0037 *** 0,0007 ** - 0,0003 - 0,0037 *** - 0,0013 *** - 0,0036 ***
(1,50) (9,57) (2,00) (0,77) (8,07) (4,89) (12,63)
Entrada 0,0046 *** 0,0043 *** 0,0056 *** 0,0056 *** 0,0041 *** 0,0045 *** 0,0019 ***
(16.06) (11.36) (13,70) (13,60) (11.41) (29.33) (4,67)
Explícito 0,0093 *** 0,0028 - 0,0055 ** - 0,0030 0,0067 *** 0,0088 *** 0,0111 ***
(4,41) (1,31) (2,04) (1,29) (2,74) (4,75) (5,73)
Ilimitado - 0,0188 *** - 0,0097 *** - 0,0059 *** - 0,0077 *** - 0,0111 *** - 0,0163 *** - 0,0214 ***
(25,40) (7,08) (5,48) (5,60) (9,58) (25.44) (24.83)
Apoio, suporte - 0,0055 ***
(3,93)
Depósitos bancários 0,0573 ***
(24,65)
Uninsured 0,0489 ***
(7,17)
listagem 0,0130 ***
(9,08)
Avaliação 0,0060 ***
(10.52)
Divulgação 0,0648 ***
(18,25)
Constante - 3,2082 *** - 2,3842 *** - 1,9777 *** - 1,5466 *** - 3,2919 *** - 2,7918 *** 0,0000 (20,91)
(6,49) (11.30) (6,10) (24.94) (19.31) (.)
observações 2591 989 1441 1133 2590 2593 2570
Número de id 454 180 269 225 454 454 451
Bondade de fi t 0,41 0,46 0,47 0,51 0,41 0,39 0,42
Log probabilidade 8873 3368 5147 4006 8882 8864 8694

Resultados de regressões do painel de nível de banco de rácios de capital sobre as variáveis ​disciplina do mercado e controlo, com base em uma amostra através dos campos de

bancos observado ao longo do período 1993-2000,. valor absoluto z estatísticas entre parênteses. Todas as variáveis ​estão descritas na Tabela B.1 dentro Apêndice B .

*
Significante ao nível de 10%.
**
Idem, 5%.
***
Idem, 1%.
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 347

na Listagem dos EUA e o índice Divulgação são mais considerável, o que implica um aumento do rácio de capital de cerca de 1,3 e 6,5
pontos percentuais, respectivamente, como um resultado de um aumento na divulgação de zero à unidade.

mesa 2 produz uma série de resultados adicionais que valem a pena desenho fora. Em primeiro lugar, no que respeita às
especificações controles fi cos país, nós achar estatisticamente fortes evidências de que as restrições à entrada estão associados com
amortecedores de capital maiores e, assim, reduzido a tomada de riscos. Esta evidência é consistente com a teoria delineado por Keeley
(1990) , Segundo a qual as restrições à entrada reduzir a concorrência, aumentar os valores de franquia e, assim, reduzir o incentivo para
assumir riscos. Além disso, nós achar que os bancos em países com uma forte tradição da lei ea ordem parecem manter reservas de
capital maiores, onde a evidência é consistente com a evidência anterior apresentado pela Demirgüç-Kunt e Detragiache (2002) . Além disso,
de acordo com Saunders et al. (1990) , Há alguns, se mais fraco, a evidência de que os bancos em países onde os direitos dos acionistas
são fortes parecem manter amortecedores de capital menores. Há evidências claras de que os requisitos de capital aumento de capital,
enquanto há provas apenas relativamente fraco para apoiar a hipótese de que o nível de desenvolvimento financeiro, como refletido no
tamanho do mercado de ações, tem um efeito sobre participações de capital dos bancos. Nossos resultados sobre seguro de depósito são
consistentes com as noções que o seguro explícita per se pode reduzir os incentivos de risco moral, resultando em reservas de capital
maiores, enquanto a proteção generosa agrava incentivos à assunção de risco, consulte Gropp e Vesala (2004) e Demirgüç-Kunt e
Detragiache (2002) , Respectivamente. Finalmente, no equilíbrio e novamente em linha com a pesquisa anterior, nós descobrir que o
crescimento do PIB afeta negativamente os rácios de capital.

No que respeita os controlos fi c bancárias-determinada, uma medida do risco ex ante (STDEV) tende a estar associada com buffers
maiores, enquanto uma medida do ex posto realizado de risco (disposições) é mostrada para diminuir de capital, em linha com Flannery e
Rangan (2004) e Ayuso et al. (2004) respectivamente. Como esperado, nós também fi nd bancos maiores para manter reservas de capital
menor e mais bancos lucrativo para manter buffers maiores.

Em suma, os resultados da regressão produzir resultados plausíveis que respeita a uma série de de nível de banco e de cada país
condutores de amortecedores de capital. Além disso, eles são consistentes com a noção de que um aumento na disciplina de mercado pode
aumentar os incentivos para os bancos para limitar o risco de insolvência. Os resultados mostram que um net-medida generosa de
segurança com o apoio público rating de resultados Fitch em amortecedores de capital mais baixos, tudo o resto é igual. Além disso, há
evidências de que os depósitos interbancários e financiamento sem seguro mais geralmente têm um efeito disciplinador. Finalmente, os
bancos que divulgam mais-informação medida por se um banco tem uma lista dos Estados Unidos, se é avaliado ou pela divulgação índice
de tendem a escolher um buffer de capital mais elevado e, portanto, mais proteção contra perdas inesperadas do que os bancos que
divulgam menos.

5. Extensões

Nossos principais resultados apontam para a eficácia geral da disciplina de mercado. Mas questões importantes
permanecem: em que condições é a disciplina do mercado tendem a ser menos eficaz? E em que condições pode a sua
eficácia ser melhorada?

5.1. Elevada versus baixa de suporte-interações

Uma hipótese que pode testar é que o efeito disciplinador da divulgação, bem como a de passivos sem seguro pode ser mais
fraca para os bancos que gozam de um alto grau de garantias governamentais implícitas. Em particular, a hipótese de que para os
bancos para que os rendimentos não respondem às variações de risco, como resultado de uma alta probabilidade de um bail-out, a
presença de sem (interbancário)
348 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

passivos não irá resultar em um forte incentivo para manter buffers altos de capital. Da mesma forma, para os bancos que gozam de uma
alta probabilidade de bail-out, a divulgação pode funcionar tão bem como um mecanismo de incentivo que induz os bancos a manter buffers
altos de capital.
Nós testar essas hipóteses, concentrando-se no subconjunto de bancos da nossa amostra que são classificados pela Fitch IBCA e,
consequentemente, têm um rating de apoio público. Para esta amostra, a variável interagem apoio com o índice de transparência, bem como
com a variável de depósito de banco. 36 Dois resultados destacam-se, veja Tabela 3 . Em primeiro lugar, enquanto o efeito de referência de
divulgação é positiva na coluna (1), o apoio do governo parece reduzir este efeito, sugerindo que a eficácia da divulgação no fornecimento de
incentivos para manter os amortecedores de capital mais elevadas é menos pronunciada se o mercado espera que o banco a ser socorrida em
caso de falha. Em segundo lugar, enquanto o efeito de referência de depósitos interfinanceiros continua a ser positivo, uma vez mais do
governo expectativas de apoio parecem reduzir o efeito disciplinador dos depósitos interfinanceiros de amortecedores de capital. 37

Em suma, estes resultados apontam para algumas limitações importantes para a eficácia dos mecanismos de disciplina de mercado. Para
os bancos para os quais o apoio do governo é forte, nem fontes de financiamento sem seguro nem transparência das escolhas de risco pode
ser invocado para disciplinar os bancos.

5.2. País características de interações

Nós explorar ainda mais como disciplina de mercado pode ser afetada por uma série de countrycharacteristics. Primeiro,
conjecturar que a concorrência deve afetar o efeito marginal da disciplina de mercado na margem de risco. Para ver esta nota que
quando a concorrência é feroz, os valores de franquia será baixa e os bancos têm fortes incentivos para tomar uma aposta. Neste
caso, se a disciplina do mercado é forte, isso iria impedir os bancos de tomada de risco excessivo. Quando a concorrência não é tão
forte, no entanto, valores de franquia será alto e há pouco incentivo para os gestores a tomar riscos excessivos. Neste caso, se deve
ou não a disciplina do mercado é forte não deve levar a uma acentuada diferença na tomada de riscos. Em suma, se a concorrência é
relativamente feroz, isso deve aumentar o efeito marginal da disciplina de mercado sobre a propensão dos bancos de correr riscos.

Examinamos esta hipótese, interagindo nossa medida de restrições de entrada com as variáveis ​disciplina de mercado. Desde
restrições à entrada deve ser associado a um reduzido grau de concorrência entre os bancos, devemos esperar o efeito da disciplina de
mercado a ser menos pronunciada se restrições à entrada são elevados. Consistente com esta hipótese, encontramos que a interação
com a entrada produz um efeito negativo para a maioria (5 de 6) de nossas variáveis ​de disciplina de mercado (ver tabela 4 ). O efeito de
todos lista dos Estados Unidos, variável classificação, divulgação, depósitos bancários e fundos segurados em amortecedores de capital é
reduzida quando as restrições à entrada são elevados ea concorrência é folga. 38

36 Também têm interagido apoio com o nível global de financiamento sem seguro. No entanto, o número de observações disponíveis para este exercício é de

menor devido a um número de bancos não relatar seus níveis de dívida subordinada. Como resultado, uma série de variáveis, incluindo 'sem seguro' e o termo de

interação acabou insignificantes, apontando para um problema de multicolinearidade relativamente grave. Os resultados, por conseguinte, não são mostrados.

37 Em alguns dos exercícios apresentados nesta secção do efeito de suporte é medido como positivo, em alguns outros apoiar mantém o efeito negativo mostrado na mesa

2 . Um papel por Cordella e Yeyati (2003) argumenta que o apoio tem dois efeitos concorrentes sobre incentivos à assunção de risco. Em primeiro lugar, o apoio aumenta

o incentivo para jogar. Mas em segundo lugar, o apoio aumenta valor de franquia e este por sua vez, pode reduzir o risco moral. No geral, o saldo da evidência neste

trabalho é a favor do efeito primeiro.

38 Em princípio, um coeficiente positivo na divulgação é consistente com dois canais alternativos de disciplina mercado. Em primeiro lugar, mais divulgação pode resultar em

um incentivo para reduzir a tomada de risco através do aumento de capital. Em segundo lugar, mais divulgação pode resultar em um menor custo de capital. Note que a

'diferença na diferença' resultados aqui apresentados fortalecer o caso de uma interpretação dos efeitos disciplina de mercado como trabalhar através de incentivos. Isto é

porque a concorrência deve afetar o efeito marginal de divulgação sobre a tomada de riscos, em vez de sobre o custo de capital.
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 349

Tabela 3

interações de suporte

(1) (2)

tampão tampão

Logsize - 0,0072 *** - 0,0099 ***


(19.08) (15.56)
ova 0,0324 *** 0,0295 ***
(13.92) (20.79)
Desvpad (lag 1) 0,0116 ** 0,0167 ***
(2,53) (4,38)
Disposições (lag 1) - 0,0888 *** - 0,1211 ***
(5,16) (19.24)
Ano 0,0004 *** 0,0005 ***
(3,49) (2,87)
GDP_g 0,0651 *** - 0,0150 **
(7,40) (2.11)
Capreq 0,0190 *** 0,0168 ***
(36.23) (21.02)
Rlaw 0,0020 *** - 0,0003
(5,82) (0,46)
MCAP - 0,0003 - 0,0050 ***
(0,32) (3,58)
Srights - 0,0002 - 0.0000
(0,51) (0,02)
Entrada 0,0027 *** 0,0046 ***
(6,25) (11.11)
Explícito 0,0095 *** - 0,0021
(4,28) (0,98)
Ilimitado - 0,0097 *** 0,0006
(6,32) (0,35)
Apoio, suporte 0,0132 * 0,0099 ***
(1,89) (3,45)
Divulgação 0,0933 ***
(11,73)
Apoio, suporte * Divulgação - 0,0256 **
(2,56)
Depósitos bancários 0,0181 ***
(2,60)
Apoio, suporte * Depósitos bancários - 0.0238 ***
(2,86)
Constante - 0,8492 *** - 0,8921 ***
(3,83) (2,65)
observações 983 651
Número de id 179 128
Bondade de fi t 0,51 0,46
Log probabilidade 3352 2310

Banco de nível resultados da regressão painel sobre o efeito diferencial da disciplina de mercado nos rácios de capital

para os bancos com alta e com as expectativas de apoio baixos. valor absoluto z estatísticas entre parênteses. Todas as

variáveis ​estão descritas na Tabela B.1 dentro

Apêndice B .
*
Significante ao nível de 10%.
**
Idem, 5%.
***
Idem, 1%.
350 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

tabela 4
Interação com o país-especí fi cos variáveis uma

manequim interação: Entry

crise bancária

Apoio, suporte 0,0078 ** - 0,0136 ***


(2,52) (9,37)
Apoio, suporte * Manequim - 0,0019 *** 0,0148 ***
(3,54) (5,14)
Depósitos bancários 0,2038 *** 0,0312 ***
(8,53) (6,90)
Depósitos bancários * Manequim - 0,0234 *** 0,0620 ***
(6,59) (6.11)
Uninsured 0,2528 *** 0,0365 ***
(5,87) (6,09)
Uninsured * Manequim - 0,0275 *** 0,2119 ***
(4,32) (8,69)
listagem 0,0426 *** 0,0120 ***
(4,08) (7,72)
listagem * Manequim - 0,0041 *** - 0,0237 ***
(2,82) (5,38)
Avaliação 0,0652 *** 0,0001
(14,36) (0,13)
Avaliação * Manequim - 0,0088 *** 0,0165 ***
(12.48) (15.64)
Divulgação 0,1467 *** - 0,0034
(6,42) (0,54)
Divulgação * Manequim - 0,0200 *** 0,0948 ***
(5,69) (12.10)

resultados da regressão painel de nível de banco sobre o efeito diferencial da disciplina de mercado nos rácios de capital para os

países com elevada relação com restrições baixa de entrada e para os países que sofreram uma crise bancária durante o

período de 1993-2000, respectivamente. valor absoluto z

estatísticas entre parênteses. Todas as variáveis ​estão descritas na Tabela B.1 dentro Apêndice B . um regressões são
baseados no modelo básico como no mesa 2 incluindo a dummy relevante e os termos de interacção acima.

**
Significante ao nível de 5%.
***
Idem, 1%.

Em segundo lugar, uma série de países experimentaram uma crise bancária durante o nosso período de amostra
(1993-2000). De acordo com Caprio e Klingebiel (2003) estes são Argentina (1995), Brasil (1994-1999), Indonésia (1994 e
1997-), Japão (1991-), Coreia (1997-), Malásia (1997-), Tailândia (1997), Polônia (1990), Turquia (1994). Nós, portanto,
investigar se o efeito da disciplina de mercado pode ser diferente para países em crise e para os países que não
experimentaram uma crise durante o nosso período de amostra. Nós conjecturar que o efeito da disciplina de mercado
sobre o capital deve ser mais pronunciada nos países que experimentaram uma crise bancária. A razão é que, em
países em crise, os valores de franquia são susceptíveis de ser baixa. Isto agravaria risco, levando incentivos e aumentar
a diferença de riscos assumidos entre os bancos para que a disciplina de mercado é fraco e os bancos para que
comercializam disciplina é forte.

Consistente com esta conjectura, encontramos que o efeito da disciplina de mercado em amortecedores de capital dos bancos é mais

pronunciada para países em crise para a maioria (4 de 6) variáveis ​disciplina de mercado.


E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 351

Todos avaliação, divulgação, depósitos bancários e fundos segurados têm efeitos mais fortes sobre o capital dos bancos em países que
passaram por uma crise bancária.

6. Robustez

Nesta seção nós relatamos uma série de outros exercícios que foram realizadas para investigar a robustez geral dos nossos
resultados. Em particular, introduzir uma série de alterações ao índice de referência fi cação especí mostrado na mesa 2 , Acima, e
verificar se os resultados alterar materialmente. Primeiro, a nossa regressão de referência podem não conta exaustivamente por todos
os aspectos do ambiente do banco que podem diferir de país para país e que poderia concebivelmente ter um efeito independente
sobre o tamanho dos amortecedores de capital detidas pela bancário firmas. Uma maneira de certificar-se que são responsáveis ​por
todas as diferenças (invariantes no tempo) entre os países é substituir o conjunto de controles país por um conjunto de variáveis
​dummy país. Note-se que este é um teste forte no que diz respeito a robustez dos efeitos sobre as variáveis ​disciplina de mercado,
uma vez que parte de seu poder explicativo pode derivar de diferenças entre países no seu valor médio. tabela 5 mostra os resultados
deste exercício. No geral, nós achar nossos resultados para ser robusto para a inclusão de efeitos fixo país fi para a maioria (5 de 6)
das variáveis ​disciplina de mercado.

Em segundo lugar, em nossos bancos de amostras provenientes de países com um alto nível de desenvolvimento econômico são
agrupados com os bancos de economias menos desenvolvidos (como a Malásia, Turquia e Chile). Enquanto país- fi efeitos fixa cuidar
das diferenças inexplicáveis ​entre esses dois grupos na quantidade de bancos de capital realizar, em média, a inclusão de economias
menos bem desenvolvidas na regressão poderia concebivelmente ainda tem um efeito sobre a inclinação COEF fi coeficientes medidos
nas variáveis ​disciplina de mercado . Para verificar se este for o caso nós deixamos cair todos os países da amostra que mostram um de
nível médio mais baixo de desenvolvimento econômico, medido pelo PIB per capita em

2000. 39 A Tabela 6 mostra os resultados. Nós achar que a exclusão das economias menos desenvolvidos não tem um efeito
significativo sobre a inclinação COEF fi coeficientes medidos e que o sinal e tamanho de todas as variáveis ​disciplina de
mercado são como nas regressões de referência mostrados na mesa 2 . Uma razão para isso é que a amostra de bancos de
economias menos desenvolvidas é muito pequena e que a exclusão destes países leva à exclusão de no máximo 65 bancos
nas regressões. 40 Outra é que nossas regressões de referência já incorporam um controle outlier eficaz que cuida de fortes
influências na encosta medida de observações particulares.

Em terceiro lugar, embora tenhamos rotineiramente incluiu uma tendência temporal para explicar o fato de que os rácios de capital estão
tendendo-se, em média, durante o período de amostragem, um controlo mais apertado é a introdução de efeitos fixo tempo fi. Estes são
responsáveis ​por qualquer ano médio mudança no ano em buffers médios de capital sem impor essas mudanças a ser o mesmo. Observe
novamente que isso um teste razoavelmente difícil para nossas variáveis ​disciplina de mercado desde algumas das mudanças no capital que
são comuns entre os países pode na verdade ser conduzido por mudanças na disciplina de mercado que são comuns entre os países. tabela 7
mostra os resultados. Nós descobrir que nossos resultados são robustos à inclusão de tempo

39 Os países que estão acima da média sobre esta medida são Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Finlândia, França, Alemanha, Itália, Hong Kong,

Irlanda, Japão, Países Baixos, Noruega, Singapura, Espanha, Suécia, Suíça, Taiwan, Reino Unido , EUA.

40 Pela mesma razão, é difícil tirar conclusões firma no sinal e tamanho dos coeficientes para a subamostra de economias menos desenvolvidas. Enquanto em regressões

que utilizam esta subamostra alguns dos coeficientes nas variáveis ​disciplina de mercado e de controlo são encontrados não signi fi cativo (índice de transparência, sem

seguro) ou sinal de mudança (apoio, depósitos bancários), isso é verdade também de uma série de variáveis ​de controle. Isto sugere que a amostra de bancos de economias

menos desenvolvidas é provável demasiado pequena para permitir inferências separados para este grupo de países. Os resultados, por conseguinte, não são mostrados.
352 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

tabela 5
simulações de países uma

(1) (2) (3) (4) (5) do (6)

tampão tampão Tampão Tampão tampão Tampão

Logsize - 0,0039 *** - 0,0094 *** - 0,0102 *** - 0,0109 *** - 0,0097 *** - 0,0083 ***
(9,99) (31.38) (35.16) (44.23) (42.34) (37.67)
ova 0,0219 *** 0,0439 *** 0,0458 *** 0,0581 *** 0,0603 *** 0,0540 ***
(31,90) (34,85) (25.51) (61,52) (93,96) (52.70)
Desvpad (lag 1) - 0,0057 *** 0,0020 0,0166 *** - 0,0020 - 0,0082 *** - 0,0081 ***
(3,98) (0,54) (2,59) (0,59) (3,81) (3,22)
Disposições (lag 1) 0,1368 *** - 0,0244 *** - 0,0195 ** - 0,0198 *** - 0,0814 *** - 0,0412 ***
(7,05) (3,94) (2,03) (2,70) (16.26) (5,07)
Ano 0,0008 *** 0,0011 *** 0,0010 *** 0,0013 *** 0,0001 *** 0,0013 ***
(6,97) (15.97) (9,87) (17.89) (68.93) (14.46)
Apoio, suporte - 0,0024 **
(2,17)
Depósitos bancários - 0,0301 ***
(3,81)
Uninsured 0,0516 ***
(4,52)
listagem 0,0105 ***
(7,94)
Avaliação 0,0074 ***
(17.37)
Divulgação 0,0404 ***
(7,12)
Constante - 1,5020 *** - 1,9856 *** 0.0000 - 2,4589 *** 0.0000 - 2,3142 ***
(6,35) (14.12) (.) (16.34) (.) (13.51)
observações 1170 1699 1255 1707 2864 2841
Número de id 219 322 252 324 507 503
Bondade de fi t 0,64 0,48 0,06 0,47 0,43 0,44
Log probabilidade 4045 6068 4543 5981 9494 9791

De nível de banco resultados da regressão painel sobre o efeito da disciplina de mercado nos rácios de capital, quando um conjunto de variáveis ​simuladas de países está incluído em

vez de variáveis ​fi cos país-específica. valor absoluto z estatísticas entre parênteses. Todas as variáveis ​estão descritas na Tabela B.1 dentro Apêndice B .

um simulações de países estão incluídos nessa regressão, mas coeficientes não mostrado.

**
Significante ao nível de 5%.
***
Idem, 1%.

fi xado efeitos, com todas as variáveis ​disciplina de mercado mantendo o sinal e significância mostrado no benchmark.

Finalmente, estávamos preocupados que algumas das variáveis ​de controle de nível de banco usadas em nosso modelo de capital do banco, como
DESVPAD disposições e retorno sobre o patrimônio pode introduzir viés de endogeneidade. Como um controlo sobre os nossos resultados nos deixa
cair todos ovas, stdev e provisões. Quadro 8 mostra os resultados. Acontece que o sinal e significância de todas as variáveis ​disciplina de mercado é
robusta para a exclusão de variáveis ​potencialmente endógenas fi c bancários de especificidade. 41

41 Note-se que a omissão dessas variáveis ​não resulta necessariamente em um fi speci superiores cação, uma vez que tal omissão, por sua vez pode criar omitido preconceitos

variáveis. Curiosamente, omitindo (cíclicas) c variáveis ​fi bancários de especificidade, resulta em uma mudança no sinal do coeficiente no crescimento do PIB. Isto poderia sugerir que

os rácios de capital são ricos em períodos de recuperação e pobre em recessões, em contraste com os resultados de benchmark e em contraste com Ayuso et al. (2004) .
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 353

tabela 6
As economias desenvolvidas

(1) (2) (3) (4) (5) do (6) (7) do

tampão tampão Tampão Tampão tampão Tampão tampão

Logsize - 0,0078 *** - 0,0034 *** - 0,0116 *** - 0,0102 *** - 0,0083 *** - 0,0092 *** - 0,0091 ***
(44.62) (9,62) (34,10) (25,25) (50.84) (35.14) (40.96)
ova 0,0277 *** 0,0114 *** 0,0340 *** 0,0460 *** 0,0286 *** 0,0235 *** 0,0263 ***
(17.72) (6,83) (21.72) (19.13) (18,25) (14.99) (17,25)
Desvpad (lag 1) - 0,0092 *** - 0,0027 0,0101 *** 0,0069 - 0,0063 *** - 0,0095 *** - 0,0081 ***
(4,36) (0,35) (2,65) (1,17) (3,00) (4,60) (3,96)
Disposições (lag 1) 0,0254 - 0,0343 * 0,0602 ** 0,0093 0,0255 0,0780 *** 0,0163
(1,39) (1,71) (2,50) (0,38) (1,41) (4,85) (1,40)
Ano 0,0018 *** 0,0012 *** 0,0012 *** 0,0008 *** 0,0017 *** 0.0000 ** 0,0012 ***
(16.58) (6,08) (10,49) (5,15) (15,40) (2,37) (8,64)
GDP_g - 0,0191 *** 0,0464 *** - 0,0485 *** -0,0514 *** - 0.0254 *** - 0,0246 *** - 0,0187 ***
(3,20) (3,92) (8,09) (6,30) (4,64) (4,22) (3.13)
Capreq 0,0206 *** 0,0176 *** 0,0168 *** 0,0157 *** 0,0222 *** 0,0153 *** 0,0218 ***
(10.99) (17.77) (7,78) (7,48) (12.51) (8,34) (13.58)
Rlaw 0,0043 *** 0,0031 *** - 0,0019 * - 0,0026 ** - 0,0017 0,0016 0,0062 ***
(4,28) (2,72) (1,69) (2,08) (1,24) (1,58) (5,93)
MCAP - 0,0030 *** - 0,0051 *** 0,0001 - 0,0005 - 0,0012 0,0086 *** 0,0014
(2,92) (3,14) (0,08) (0,41) (1,20) (10,86) (1,31)
Srights 0,0001 0,0039 *** - 0,0016 *** - 0,0026 *** - 0,0029 *** - 0,0016 *** - 0,0035 ***
(0,23) (8,78) (3,18) (5,21) (5,78) (3,93) (7,76)
Entrada 0,0044 *** 0,0029 *** 0,0040 *** 0,0047 *** 0,0029 *** 0,0046 *** 0,0047 ***
(7,28) (4,37) (7,33) (9,10) (4,90) (8,76) (8,34)
Explícito 0,0088 ** - 0,0029 - 0,0145 ** - 0,0166 *** 0,0091 *** 0,0026 0,0143 ***
(2,38) (0,80) (2,57) (2,96) (3,10) (0,69) (3,70)
Ilimitado - 0,0260 *** - 0,0092 *** - 0,0142 *** - 0,0050 ** - 0,0188 *** - 0,0231 *** - 0,0263 ***
(22.97) (6,19) (6,77) (1,98) (12,65) (21.04) (23.66)
Apoio, suporte - 0,0171 ***
(9,09)
Depósitos bancários 0,0166 **
(2,02)
Uninsured 0,0294 *
(1,74)
listagem 0,0176 ***
(7,10)
Avaliação 0,0058 ***
(8,31)
Divulgação 0,0529 ***
(11.03)
Constante - 3,6070 *** - 2.5000 *** - 2,3193 *** - 1,3897 *** - 3,3024 *** 0.0000 - 2,4315 ***
(16.47) (6.11) (9,74) (4,65) (14,95) (.) (8,73)
observações 2297 795 1190 922 2297 2297 2287
Número de id 390 139 212 175 390 390 388
Bondade de fi t 0,34 0,52 0,49 0,47 0,36 0,33 0,36
Log probabilidade 8104 2851 4332 3336 8114 7987 8060

De nível de banco resultados da regressão painel sobre o efeito da disciplina de mercado nos rácios de capital quando a amostra é restrita às economias desenvolvidas. valor

absoluto z estatísticas entre parênteses. Todas as variáveis ​estão descritas na Tabela B.1 dentro Apêndice B .
*
Significante ao nível de 10%.
**
Idem, 5%.
***
Idem, 1%.
354 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

tabela 7
dummies de tempo uma

(1) (2) (3) (4) (5) do (6)

tampão tampão Tampão Tampão tampão Tampão

Logsize - 0,0046 *** - 0,0131 *** - 0,0122 *** - 0,0096 *** - 0,0103 *** - 0,0093 ***
(16.78) (35.55) (38.68) (50.83) (34.93) (39.62)
ova 0,0295 *** 0,0352 *** 0,0400 *** 0,0581 *** 0,0573 *** 0,0535 ***
(11,90) (28,40) (24.22) (50.53) (49.15) (39.68)
Desvpad (lag 1) - 0,0141 *** 0,0133 *** 0,0076 0,0068 ** 0,0122 *** 0,0147 ***
(6,93) (3,14) (1,04) (2,39) (5,27) (5,07)
Disposições (lag 1) - 0,0462 ** - 0,0337 *** - 0,0370 *** - 0,0591 *** - 0,0539 *** - 0,0641 ***
(2,00) (8,23) (3,68) (11.54) (5.83) (13,65)
GDP_g 0,0519 *** - 0,0145 ** - 0,0207 *** - 0,0375 *** - 0,0156 *** - 0,0007
(4,88) (2,34) (2,73) (6,24) (2,77) (0,12)
Capreq 0,0169 *** 0,0156 *** 0,0184 *** 0,0160 *** 0,0155 *** 0,0150 ***
(23.61) (14.33) (17.99) (20,20) (23.13) (21.81)
Rlaw 0,0018 *** 0,0014 ** 0,0021 *** - 0,0004 0,0008 ** 0,0001
(4,33) (2,34) (5,12) (1,28) (1,97) (0,23)
MCAP - 0,0010 - 0,0035 *** - 0,0020 ** 0,0018 ** 0,0015 * 0,0022 **
(0,68) (3,45) (2,44) (2,18) (1,78) (2,18)
Srights 0,0035 *** 0,0002 - 0,0003 - 0,0032 *** - 0,0007 ** - 0,0018 ***
(8,13) (0,51) (1,06) (7,12) (2,01) (5,20)
Entrada 0,0042 *** 0,0058 *** 0,0052 *** 0,0040 *** 0,0049 *** 0,0046 ***
(10,86) (18,65) (13.33) (9,40) (13.19) (12.00)
Explícito 0,0034 - 0,0042 - 0,0053 ** 0,0090 *** 0,0123 *** 0,0135 ***
(1,45) (1,58) (2.12) (3,60) (5,85) (6,60)
Ilimitado - 0,0101 *** - 0,0068 *** - 0,0076 *** - 0,0126 *** - 0,0166 *** - 0,0207 ***
(6,59) (5.83) (4,64) (11,75) (22,65) (28.38)
Apoio, suporte - 0,0050 ***
(3,59)
Depósitos bancários 0,0449 ***
(8,42)
Uninsured 0,0465 ***
(4,93)
listagem 0,0110 ***
(8,11)
Avaliação 0,0057 ***
(7,53)
Divulgação 0,0258 ***
(4,34)
Constante - 0,0476 *** 0,1109 *** 0,0726 *** 0,0802 *** 0,0677 *** 0,0515 ***
(4,79) (8,16) (5,62) (8,97) (8,16) (6,30)
observações 988 1440 1129 2589 2589 2568
Número de id 180 269 224 454 454 451
Bondade de fi t 0,46 0,46 0,45 0,42 0,43 0,44
Log probabilidade 3354 5169 4038 8846 8830 8805

De nível de banco resultados da regressão painel sobre o efeito da disciplina de mercado nos rácios de capital quando tempo-fixas efeitos estão incluídos em vez de uma tendência

temporal. valor absoluto z estatísticas entre parênteses. Todas as variáveis ​estão descritas na Tabela B.1 dentro

Apêndice B .
um dummies de tempo são incluídos nessa regressão, mas coeficientes não mostrado.
*
Significante ao nível de 10%.
**
Idem, 5%.
***
Idem, 1%.
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 355

Quadro 8

Forma reduzida

(1) (2) (3) (4) (5) do (6)

tampão tampão Tampão Tampão tampão Tampão

Logsize - 0,0053 *** - 0,0149 *** - 0,0136 *** - 0,0131 *** - 0,0156 *** - 0,0124 ***
(18.06) (41.44) (72,02) (64,43) (63,36) (99,74)
Ano 0,0018 *** 0,0013 *** 0,0010 *** 0,0011 *** 0,0010 *** 0,0014 ***
(10.02) (12.23) (10,32) (10.13) (8,26) (14.94)
GDP_g 0,2639 *** 0,2005 *** 0,2929 *** 0,1170 *** 0,1114 *** 0,1501 ***
(18,55) (67.80) (49.31) (17.31) (15,25) (18.42)
Capreq 0,0202 *** 0,0165 *** 0,0141 *** 0,0164 *** 0,0129 *** 0,0171 ***
(35.38) (19.84) (18.71) (22.71) (16.29) (31.31)
Rlaw 0,0069 *** 0,0007 0,0017 *** 0,0004 0,0024 *** 0,0009 **
(14.49) (1,55) (4,08) (1,28) (5,67) (2,26)
MCAP - 0,0114 *** 0,0010 0,0063 *** 0,0072 *** 0,0095 *** - 0,0009 *
(9,51) (1,17) (9,42) (7,73) (9,73) (1,87)
Srights 0,0037 *** 0,0042 *** 0,0028 *** 0,0004 0,0003 0,0012 ***
(9,35) (10,58) (10,58) (1,49) (1,00) (7,06)
Entrada 0,0038 *** 0,0083 *** 0,0077 *** 0,0077 *** 0,0078 *** 0,0065 ***
(12.41) (27.93) (24,50) (29.42) (30.38) (31.49)
Explícito 0,0115 *** 0,0066 *** 0,0083 *** 0,0180 *** 0,0139 *** 0,0192 ***
(9,11) (3,44) (5,66) (13,55) (6,54) (9,53)
Ilimitado - 0,0072 *** - 0,0034 *** - 0,0038 *** - 0,0067 *** - 0,0079 *** - 0,0180 ***
(4,10) (3,09) (3,42) (7,09) (9,24) (20,15)
Apoio, suporte - 0,0052 ***
(4,72)
Depósitos bancários 0,0448 ***
(11.46)
Uninsured 0,0472 ***
(9,43)
listagem 0,0043 ***
(4,24)
Avaliação 0,0157 ***
(19.93)
Divulgação 0,0469 ***
(16.93)
Constante - 3,7242 *** - 2,5489 *** - 1,8980 *** - 2,2092 *** - 1,8661 *** - 2,7990 ***
(10,34) (11.91) (9,95) (9,77) (7,80) (14,70)
observações 1469 2367 1843 3998 3999 3795
Número de id 239 401 335 650 650 618
Bondade de fi t 0,29 0,23 0,31 0,25 0,25 0,28
Log probabilidade 4586 7814 5934 12851 12775 12281

De nível de banco resultados da regressão painel sobre o efeito da disciplina de mercado nos rácios de capital, quando potencialmente endógena bankspeci fi ca controles são

excluídos da equação. valor absoluto z estatísticas entre parênteses. Todas as variáveis ​estão descritas na Tabela B.1 dentro Apêndice B .

*
Significante ao nível de 10%.
**
Idem, 5%.
***
Idem, 1%.

7. Conclusões e ressalvas

Este artigo examina empiricamente a hipótese de que a disciplina de mercado é eficaz no fornecimento de incentivos aos bancos
para limitar o risco de default, segurando amortecedores de capital contra adverso
356 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

resulta em risco da carteira. Analisamos o efeito de três conjuntos de factores relacionados com a força da disciplina de mercado. Esses
são

(I) o grau de garantias implícitas de resgate (suporte),


(Ii) a quantidade de passivos não segurados no balanço do banco (financiamento), e (iii) o grau de
observabilidade de escolhas de risco do banco (divulgação).

Na análise destes três conjuntos de fatores em uma estrutura unificada, este trabalho contribui para a literatura existente em um
número de maneiras. Primeiro, nós avaliar se o apoio implícito do governo, medida pela Fitch classificação apoio público, agrava incentivos
à assunção de risco. Além disso, analisamos se não segurados (interbancário) financiamento reduz os incentivos à assunção de riscos.
Finalmente, para o nosso conhecimento, este trabalho é a primeira a estudar empiricamente se a divulgação banco tem qualquer impacto
sobre incentivos à assunção de risco.

regressões de capital testar se esses fatores disciplina de mercado afetam o tamanho do capital buffers bancos detêm, controlando para o

risco de ativos e outros fatores que afetam o capital dos bancos. Nossos regressões produzir resultados que são consistentes com a noção de

que a disciplina de mercado afeta os incentivos dos bancos para limitar o risco de insolvência. Nós descobrir que garantias governamentais

implícitas levar os bancos a escolher amortecedores de capital mais baixos, ceteris paribus. Também descobrirá que uma parcela maior de

recursos sem seguro tem um efeito disciplinador, levando os bancos a escolher amortecedores de capital maiores, todo o resto igual. E nós fi

evidências nd a favor da ideia de que os bancos que divulgar mais informações sobre o risco pro fi le e, portanto, estão sujeitos a disciplina de

mercado mais forte limitar a sua probabilidade de inadimplência, escolhendo um amortecedor de capital superior.

Os nossos resultados são, portanto, amplamente favorável das recentes iniciativas políticas que visam fortalecer a fi estabilidade financeira,

melhorando a disciplina do mercado. Eles emprestam apoio em particular para o terceiro pilar de Basileia 2, que encoraja a divulgação reforçada

como forma de melhorar a disciplina dos bancos mercado. Mas nossos resultados também indicam que o efeito cial bene fi de mecanismos de

disciplina de mercado é provável que seja mais fraco para os bancos que beneficiam de garantias governamentais implícitas.

Finalmente, este artigo analisa as diferenças na intensidade de incentivos à assunção de riscos e a eficácia relativa da disciplina de
mercado entre os países. Um resultado chave aqui é que a concorrência aumenta incentivos à assunção de risco, mas que, ao mesmo
tempo, na disciplina de mercado ambientes mais competitivos pode desempenhar um papel reforçado na contenção desses incentivos. Isto
sugere que a liberalização financeira fi e aumenta na competição mais geral pode abrigar perigos para a estabilidade do sistema bancário,
em particular, se a disciplina de mercado sobre os bancos é fraca. Finalmente, e de acordo com o resultado anterior, nós descobrir que
incentivos à assunção de risco parecem mais forte quando os países passam por uma crise bancária, mas que a disciplina de mercado
novamente pode desempenhar um papel importante na contenção desses incentivos.

Agradecimentos

Somos gratos a Charles Goodhart, Glenn Hoggarth, Patricia Jackson, Darren Pain, JeanCharles Rochet, Hyun Shin e
Geoffrey Madeira para estimular discussões sobre versões anteriores deste artigo e a dois pareceristas anônimos para suas
sugestões pensativo. Agradecemos também participantes do seminário na BCBS, o BCE, a Conferência de 2003 sobre
Estrutura e concorrência bancária, o EFA 2003 e da London School of Economics. A fi papel bene ted de excelente
assistência de pesquisa de Max Moser e Colin Warschau em unir o conjunto de dados. Todos os restantes erros ou
omissões são de responsabilidade dos autores.
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 357

Apêndice A. Um índice de transparência com base em informações Fitch Bankscope

Como um dos nossos variáveis ​disciplina de mercado, nós construímos um índice de transparência usando o banco de dados
Bankscope como nossa fonte de informação. O objectivo deste exercício é chegar a informações bancárias de nível de divulgação.
A idéia básica do índice é medir o nível de detalhe que os bancos oferecem em suas contas publicadas. Para chegar ao índice de
transparência que de fi ne uma série de dimensões de informações contábeis que achamos que pode ser mapeada em indicadores
de risco do banco. Um total de 18 sub-índices são criadas que refletem se as contas do banco (tal como apresentado em
Bankscope) fornecer qualquer detalhe em cada dimensão. Os sub-índices são então agregadas para formar um índice de
divulgação compósito.

O índice compósito é definida como

Σ18
DISC = 1 s Eu
20
i=1

em que cada sub-índice, s Eu , pode estar relacionada a um ou mais fontes de risco (risco de taxa de juro, risco de crédito, risco
de liquidez, risco de mercado). Temos definido um total de 18 subíndices. Em vez de encomendar os subíndices em relação à
fonte de risco em que informar, a de fi nição e ordenação dos subíndices segue a apresentação no banco de dados Bankscope.

Tabela A.1 lista os sub-índices utilizados para construir o marcador a divulgação compósito. Para todos os subíndices, vamos
atribuir um 0 se não houver nenhuma entrada em qualquer uma das categorias correspondentes e 1 outra forma, exceto para o
subíndice capital. Para este último, vamos atribuir um 0 se não houver nenhuma entrada em qualquer uma destas categorias, a 1 se
houver apenas uma entrada, a 2 se há duas entradas e um 3 se houver três ou quatro entradas. Note-se que, sempre que um banco
fornece informações sobre três destes itens, pode-se inferir o quarto. Fornecer três itens é, portanto, vista como informacionalmente
equivalente ao fornecimento de quatro itens. A pontuação máxima possível sobre a soma dos subíndices é 20.

Tabela A.1
Sub-índices utilizados para construir o índice divulgação compósito

subíndice categorias

Ativos
empréstimos S1: Empréstimos por vencimento Sub 3 meses, 3-6 meses, 6 meses a 1 ano, 1-5 anos, 5 anos +

S2: Empréstimos por tipo uma Empréstimos aos municípios / Governo, hipotecas, HP / arrendamento, Outros empréstimos

S3: Empréstimos por contraparte Os empréstimos a empresas do grupo, empréstimos a outros Corporativa, empréstimos a bancos

S4: Empréstimos problemáticos Total de empréstimos problemáticos

S5: Problema empréstimos por tipo Atrasada / Restruturado / Outros não desempenho
Outros ativos S6: Securities por tipo (discriminação detalhada) Bilhetes do Tesouro, outras contas, títulos, CDs, investimentos de capital,
remunerados outros Investimentos
S7: Títulos por tipo (decomposição grosseira) Governo Securities, Outros títulos cotados, títulos não cotados

S8: Securities por segurando propósito Investment Securities, Negociação de Valores Mobiliários

( Continua na próxima página)


358 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

Tabela A.1 ( contínuo )

subíndice categorias

passivo
depósitos S9: Depósitos por Vencimento Demand, Poupança, Sub 3 meses, 3-6 meses, 6 meses-1 ano, 1-5 anos, 5
anos +
S10: Depósito por tipo de cliente Bancos Depósitos, Municipal / Governo
outros S11: captações no mercado aberto Total de Captações no Mercado Aberto

financiamentos S12: financiamento a longo prazo Obrigações convertíveis, obrigações hipotecárias, Outros Bonds, Dívida Subordinada,

Híbridos de Capital

linhas memorando

S13: Reservas Provisões para perdas (Memo)


S14: Capital Rácio de capital total, Rácio Tier 1, Capital Total, Capital Tier 1
S15: Passivos Contingentes Total de Passivos Contingentes
S16: Desintermediação Balance Itens extrapatrimoniais
Declaração de renda
S17: receita não financeira Comissões líquidas, Net Taxa de renda, resultados em operações financeiras

S18: As provisões para perdas com empréstimos As provisões para perdas com empréstimos

uma das categorias escolhidas refletir a apresentação no banco de dados Bankscope.

Apêndice B. Dados

Tabela B.1
Variável definições de fi e fontes de dados da fonte de

dados data variável Descrição detalhes

Bankscope 2001 Disposições Rácio de provisões para perdas Rácio de provisões para perdas com empréstimos para o total de empréstimos

com empréstimos

Apoio, suporte Rating de Suporte Suporte = 1 se FITCH IBCA classificação apoio é igual a 1 ou 2, 0 caso

contrário

depósito Bankdeposits Banco Rácio proporção de depósitos devido aos bancos para o total de Divulgação depósitos

índice divulgação índice de transparência, conforme descrito no texto principal

listagem segunda lista Listagem = Uma se o banco está listada na NYSE, NASDAQ ou American Express,

caso contrário, 0

Avaliação Avaliação Avaliação = 1 se classificado pela Moody, Standard & Poor ou FITCH

IBCA, caso contrário 0

ROE Retorno sobre o patrimônio O lucro líquido dividido pelo valor contábil do patrimônio líquido do
período anterior
Boné rácio de capital Rácio de capital próprio para a dívida e depósitos

Logsize Log dos ativos totais Logaritmo do total de ativos


Bloomberg 2001 Stdev desvio padrão de ativos desvio padrão de retornos das ações semanais

Estatísticas Financeiras 2002 GDP_g Crescimento real do PIB

Internacionais (IFS)
Demirgüç-Kunt e Sobaci 2000 explícita índice de seguro de = explícitas 1 se o país tem um esquema de seguro de depósito
(2000) depósito explícito
Ilimitado índice de seguro de = ilimitadas 1 se existe um esquema explícito que fornece
depósito cobertura ilimitada
Barth et ai. (2001) 2001 Capreq exigência de capital Capreq é igual ao valor do capital expresso em percentagem dos activos

mínimo ponderados pelo risco todos os bancos de um país são obrigados a manter

( Continua na próxima página)


E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 359

Tabela B.1 ( contínuo )

Fonte de dados Encontro variável Descrição detalhes

Entrada Entrada em requisitos A soma de 8 sub-índices relacionados com os requisitos de entrada

bancários administrativas impostas pelos supervisores, conforme a seguir descrito em

Barth et ai. (2001)

Beck et al. (1999) 1999 MCAP Capitalização bolsista Proporção de capitalização bolsista em relação ao PIB

La Porta et al. (1998) Srights direitos dos acionistas A soma de 5 sub-índices relacionados com os direitos dos accionistas, tal

como descrito mais em La Porta et al. (1998)

Rlaw Estado de Direito Avaliação da lei e da ordem tradição no país produzida pela
agência de classificação de risco país International Country Risk
(ICR), em uma escala de 1 a 10, como descrito mais em La
Porta et al. (1998)

B.2 Tabela
As estatísticas descritivas sobre as variáveis ​de capital e disciplina de mercado por país

Boné Apoio, suporte Depósito bancário s Uninsured listagem Avaliação Divulgação

Obs. Significa Obs. Significa Obs. Significa Obs. Significa Obs. Significa Obs. Significa Obs. Significar

Argentina 40 0,17 24 0 40 0.12 21 0,11 40 0,28 40 0.60 40 0,60


Austrália 86 0.07 70 0.69 84 0,06 71 0,05 86 0,28 87 0,91 86 0,74
Áustria 45 0,05 0 n/D 45 0.39 39 0,28 45 0 45 0.36 45 0,34
Bélgica 12 0,05 0 n/D 8 0.42 8 0,23 12 0 12 0.67 12 0,61
Brasil 132 0,14 67 0,48 130 0,09 107 0,05 132 0 132 0,51 112 0,64
Canadá 63 0,11 42 1 48 0,14 6 0.17 63 0.44 63 0.84 63 0,56
Chile 55 0,08 32 0.84 55 0,16 54 0,14 55 0.45 55 0,93 55 0,62
Finlândia 19 0,06 8 1 19 0,32 19 0,18 19 0 19 0,42 19 0,68
França 156 0.20 40 0,60 152 0,63 110 0,44 156 0 156 0,49 156 0,55
Alemanha 321 0,07 51 318 252 0,32 0,51 0,18 321 0,02 321 0,34 295 0,41
Grécia 46 0,10 31 1 45 0,10 40 0,09 46 0,15 46 0,72 46 0,50
Hong Kong 108 0.20 64 0 65 0,04 47 0,39 108 0 108 0,59 108 0,71
Indonésia 98 0,06 69 0 73 0,12 64 0,10 98 0 98 0,70 93 0,60
Irlanda 31 0,06 20 0.80 31 0,18 30 0,15 31 0 31 0,74 23 0,84
Israel 97 0,22 24 0,67 97 0,16 82 0,10 97 0 97 0,41 97 0,71
Itália 0,10 151 0,25 282 282 0,32 260 0,19 282 0 282 0,63 282 0,64
Japão 0,05 112 0,86 698 661 0,02 406 0,03 698 0 698 0,49 698 0,74
Rep. Coreia 98 0,05 73 0.67 54 0,43 21 0,23 98 0,06 98 0,75 98 0,62
Malásia 65 0.21 29 0,55 62 0.20 45 0,18 65 0 65 0,45 65 0,64
Países Baixos 38 0,30 21 0.62 31 0,22 30 0,16 38 0.34 38 0.63 38 0,57
Noruega 98 0.07 40 1 98 0,14 98 0,11 98 0 98 0,41 98 0,77
Polônia 79 0,17 50 0,14 78 0,22 64 0,18 79 0 79 0,63 79 0,55
Portugal 54 0,09 32 0,50 54 0.34 49 0,26 54 0,15 54 0.59 54 0,70
Cingapura 47 0,17 32 1 44 0,19 32 0,18 47 0 47 0.85 47 0,65
Espanha 0,12 100 0,32 146 146 0,19 146 0,17 146 0,11 146 0,74 146 0,71
Suécia 41 0,05 24 1 41 0,52 41 0,28 41 0 41 0.59 34 0.80
Suíça 101 0,19 4 1 85 0,19 74 0,11 101 0,09 101 0,09 93 0,55
Taiwan 186 0,17 139 0,40 185 0,10 0 n/D 186 0 186 0,78 186 0,66
Tailândia 66 0.07 62 0.35 66 0,10 54 0,11 66 0 66 0.94 51 0,63
Peru 62 0.17 29 0 57 0,43 33 0.29 62 0 62 0.84 62 0,44
Reino Unido 0,09 117 0,33 184 183 0,20 173 0,11 184 0,17 184 0,79 184 0,69
EUA 1.489 0.10 432 0 3 1 0 n/D 1,489 0,91 1,489 0,44 1,473 0,68
360 E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361

Referências

Alfon, I., Argimon, I., Bascuñana-Ambros, P., 2004. O que determina howmuch capital é detido por bancos e de construção do Reino Unido

sociedades? Occasional Paper Não 22. UK Financial Services Authority.


Amir, E., Harris, TS, Venuti, EK, 1993. A comparação entre o valor-relevância de US contra GAAP contabilidade dos EUA não-
medidas usando reconciliações Formulário 20-F. J. Prec. Res. 31 (Suplemento), 230-264.
Ayuso, J., Perez, D., Saurina, J., 2004. São amortecedores de capital pró-cíclico? Evidências de dados em painel espanhóis. J. Finan.
Intermediação 13, 249-264.
Barth, JR, Caprio, G., Levine, R., 2001. A regulação e supervisão dos bancos ao redor do mundo: Um novo banco de dados.
O Banco Mundial.
regulação e supervisão Barth, JR, Caprio, G., Levine, R., 2004. Banco: O que funciona melhor? J. Finan. intermediação 13
(2), 205-248.
Comité de Basileia de Supervisão Bancária de 2003. O Novo Acordo de Capital. documento de consulta. Banco para
Compensações Internacionais.

Baumann, U., Nier, EW, 2004. Divulgação, volatilidade e transparência: Uma investigação empírica sobre o valor de
divulgação banco. Fed. Econ Reserve Bank de Nova York. Pol. Rev. 10 (2), 31-46.
Beck, T., Demirgüç-Kunt, A., Levine, R., 1999. Um novo banco de dados sobre Desenvolvimento Financeiro e Estrutura. O mundo
Banco.

Beck, T., Demirgüç-Kunt, A., Levine, R., 2005. Banco Concentração e Fragilidade: Impacto andMechanics. Documento de trabalho
11500. NBER.
Berger, AN, 1991. A disciplina de mercado no setor bancário. Proceedings de uma conferência sobre Estrutura e concorrência bancária.
Federal Reserve Bank of Chicago, pp. 419-437.
Berger, AN, 1995. A relação entre capital e rentabilidade no setor bancário. J. Dinheiro, Crédito, Banking 27 (2), 432-
456.
Berger, AN, Udell, GF, 2004. A hipótese de memória institucional e a pró-ciclicidade do comportamento do crédito bancário.
J. Finan. Intermediação 13 (4), 458-495.
Bliss, RR, Flannery, MJ, a disciplina de 2002. Mercado na governança da holding bancárias empresas norte-americanas: Monitoramento contra

in fl uência. Europ. Finanças Rev. 6, 419-437.


Blum, J., 2002. dívida subordinada, a disciplina do mercado e tomada de risco dos bancos. J. Banking Finance 26 (7), 1427-1441. Bota, AW, Schmeits, A.,
2000. Marcados problemas de disciplina e de incentivo em firmas conglomerado com aplicações
bancário. J. Finan. Intermediação 9, 240-273.
Borio, C., Fur fi ne, C., Lowe, P., 2001. efeitos pró-cíclicos do sistema financeiro e estabilidade financeira: Problemas e política
opções. BIS Pap. 1.
Botosan, CA, nível de 1997. Divulgação e o custo de capital próprio. Acc. Rev. 72 (3), 323-349. Bushman, RM, Smith, AJ, 2003. Transparência, fi nanceira
informações contábeis e de governança corporativa. Fed. Ré-
servir Banco New York Econ. Pol. Rev. 9 (1), 65-87.
Calomiris, CW, Wilson, B., 2004. capital e de portfólio de gerenciamento de Banco: 1930' 'Crunch Capital' e luta para
derramado risco. J. autocarro. 77 (3), 421-455.

Caprio, G., Klingebiel, D., 2003. Episódios de crises financeiras sistêmicas e borderline. O Banco Mundial. Cordella, T., Yeyati, SR, 1998. A divulgação
pública e bancários falhas. Discussão Paper No. 1886. CEPR. salvamentos Cordella, T., Yeyati, EL, 2003. Bank: Risco moral contra o efeito valor. J.
Finan. Intermediação 12, 300-330. Covitz, DM, Hancock, D., Myron, KW, 2004. A reconsideração da sensibilidade ao risco de US bancário organização

dívida subordinada se espalha: Uma abordagem de seleção da amostra. Fed. Reserve Bank NewYork Econ. Pol. Rev. 10 (2), 73-95. Demirgüç-Kunt, A.,
Detragiache, E., 2002. Será que a estabilidade aumento seguro de depósito sistema bancário? um empírica
investigação. J. Monet. Econ. 49 (7), 1373-1406.
Demirgüç-Kunt, A., Sobaci, T., 2000. Deposit Insurance Around the World: uma base de dados. O Banco Mundial. Ellis, DM, Flannery, MJ, 1992. Será que o
mercado de dívida avaliar o risco de grandes Banks? evidências série temporal do dinheiro
centro de CDs. J. Monet. Econ. 30 (3), 481-502.
Evanoff, DD, Parede, LD, 2000a. A dívida subordinada como capital do banco: Uma proposta de reforma regulatória. Fed. reserva
Banco Chicago Econ. Perspect 24 (2), 40-53.
Evanoff, DD, Parede, LD, 2000b. O papel de dívida subordinada em segurança bancária e regulação solidez. Em: Proceedings
a Conferência Anual 36th Estrutura e concorrência bancária. Federal Reserve Bank of Chicago. Flannery, MJ, 1998. Usando informações de mercado
na supervisão bancária prudencial: Uma revisão da evidência empírica dos EUA.
J. Dinheiro, Crédito, Banking 30 (3), 273-305.
Flannery, M., Rangan, K., 2004. O que causou o capital bancário build-up dos anos 1990? Working Paper No. 2004-03-03.
Centro FDIC de Pesquisa Financeira.
E. Nier, U. Baumann / Jornal de Intermediação Financeira 15 (2006) 332-361 361

Freixas, X., 1999. Optimal socorrer política, condicionalidade e ambiguidade criativa, fi grupo mercados financeiros. Discussão
Paper No. 327. London School of Economics.
Gordy, MB, 2003. Um modelo de fundação do fator de risco para as regras de classificação baseada no capital do banco. J. Finan. Intermediação 12,

199-232.
Gropp, R., Vesala, J., 2004. O seguro de depósito, o risco moral e de monitorização do mercado. J. Finanças 8 (4), 571-602. Gropp, R., Vesala, J., Vulpes, G., 2002. Equidade

e sinais do mercado de títulos como principais indicadores de fragilidade bancária. Trabalhando

papel Nr. 150. Banco Central Europeu.


Hamalainen, P., Hall, JBM, Howcroft, B., 2001. A estrutura para a implementação da disciplina de mercado no fi nanceira regula-
projeto tory. papel pesquisa nº 147/01. Loughborough University Banking Center.
Hovakimian, A., Kane, EJ, Laeven, L., 2003. Como características do país e rede de segurança afetam banco risco-shifting.
J. Finan. Serviços Res. 23 (3), 177-204.
Keeley, MC, 1990. O seguro de depósito, o risco eo poder de mercado no setor bancário. Amer. Econ. Rev. 80, 1183-2000. Kliger, D., Sarig, O., 2000. O
valor da informação das avaliações das obrigações. J. Finanças 55 (6), 2879-2902. La Porta, R., Lopez-de-Silanes, F., Shleifer, A., Vishny, R., 1998. Lei e
finanças. J. Econ Pública. 106, 1113-1155. Leutz, C., Verrecchia, RE, 2000. As consequências económicas do aumento da divulgação. J. Prec. Res. 38,
92-124. Lindquist, KG, 2003. Os bancos de capital buffer: Quão importante é o risco? Norges Bank. Mimeo.

Marston, CL, Shrives, PJ, 1991. O uso de índices de divulgação na pesquisa contábil: Um artigo de revisão. Acc britânico.
Rev. 23, 195-210.
Matutes, C., Vives, X., 2000. Imperfect concorrência, tomada de riscos e regulação no setor bancário. Europ. Econ. Rev. 44, 1-34. Merton, RC, 1977. Uma derivação
analítica do custo de garantias de empréstimos de seguro de depósito. J. Banking Finance 1, 3-11. Myers, S., Majluf, NS, 1984. Corporativo financiamento e as decisões
de investimento quando firmas têm investidores de informação fazer
não tem. J. Finan. Econ. 13, 187-221.
Nier, EW, a estabilidade 2005. Banco e transparência. J. Finan. Estabilidade 1, 342-354.
Rochet, JC, 1992. Necessidades de capital e o comportamento dos bancos comerciais. Europ. Econ. Rev. 36, 1137-1178. Saunders, A., Strock, E., Travlos, NG,
1990. Estrutura de propriedade, desregulação, e a assunção de riscos banco. J. Finanças 45 (2),
643-654.
Sengupta, P., 1998. Corporativo qualidade divulgação e o custo da dívida. Acc. Rev. 73 (4), 459-474. Shrieves, RE, Dahl, D., 1992. A relação entre risco e
de capital em bancos comerciais. J. Banking Finance 16,
439-457.
Suarez, J., 1994. regras de encerramento, poder de mercado e de risco, tendo em um modelo dinâmico de comportamento dos bancos. DP No. 196. LSE

Markets Financial Group.


Sironi, A., 2003. O teste para a disciplina de mercado no sector bancário europeu: Evidências de emissões de dívida subordinada.
J. Dinheiro, Crédito, Banking 35 (3), 443-472.
Wooldridge, JM, 2002. Econométrica Análise de Corte Transversal e dados em painel. MIT Press.