Você está na página 1de 84

- - - - --..

_J

CURSO DE ELETRICIDADE

_.. BÁSICA - PRÁTICA

..••
••

9

e
f)

••
•e
•e
~
fJ
f)
tJ
e,
f)
f.;
f) ..
fJ
.
f.)
fJ
••
' - ______________________ ,_ .., , .
.:\
;

"'
"'
1..1
~

..,
~
CURSO DE ELETRICIDADE
~
BÁSICA - PRÁTICA
~
~
...,
1.1
1.1

.,,
1.1

"'
._,,

·-
~

"._
~
..
e.
•..

•·
•·

9

e•
••

e
e
e
e
•e
..
e
--,,----------......
11~,.~tt-ft~:O--
·----------~~ -
= ~--------------------------
---------=---
DATAPOOL
ELETRÔNICA

,
INDICE

Pag.

EXPERJÊNCIA1- CURTO-CIRCUITO
E CIRÇcpTOABERTO
INTRODUÇÃO................................................. ....................... ................... .......................... 01

OBJETIVO................................. ................................... ............................... ........................ 01

MATERIALNECESSÁRIO ....... ......................... .................................................................. 01

PROCEDIMENTO.................... ............................................................................................ 01

DISCUSSÃO........ ........................... .......... .................................... ................................... .... 04

•• EXPERIÊNCTA2 - RESISTÊNCIA
INTRODUÇÃO.................................................................... ............... ................................ .. 05

• OBJETIVO................................................ ............... ................ .............. .............................. 05


9 MATERIALNECESSÁRIO.................................... ............................................... ............... 05

• PROCEDIMENTO............. ..................................... .................... ................................... ....... 06

DISCUSSÃO .................................. ....................................... ............................................... 11

EXPERJÊNCIA3 - TENSÃOE CORRENTE


INTRODUÇÃO........................................................ ..................... ............. ............. .............. 12

OBJETIVO............ .................................................. .......... ...................... ......... .............. ...... 12

MATERIALNECESSÁRIO...................... .............. ........... ....................................... ............ 12

PROCEDIMENTO........ ................... ............................................... .................... .................. 12

DISCUSSÃO....................................................... ............................................ ..................... 17


1',----~--------.......................
.....,
.._........
________________________
..,.. b.' , t. t

DATAPOOL
ELETRÔNICA

Pag.

EXPERftrxa41 POTÊNCIA
INTRODUÇÃO......... .................................... ...................... ..................... ............................. 18

OBJETIVO ..................... ..................... ..................... .............. ................................ .............. 18

MATERIAL NECESSÁRIO ......................... ............ ..................... .................................. ...... 18

PROCEDIMENTO ............... ......................... .......... ................................................ .............. 18

DISCUSSÃO .... ............ .................. .....~··············· ···················· ···················· ························ · 20

EXPERIÊNCIA 5 - MÁX[MA TRANSFERÊNCIADE PQTÊNÇIA


INTRODUÇÃO............ .................................... ........ ............. ............... ......... ........................ 22

OBJETIVO ............. ......... ............ .................. ............................ ........ .................. ........ ......... 22

MATERIAL NECESSÁRIO ......................... .............. .................................... ....................... 23

PROCEDIMENTO.... ............ ..................... ....................... ............. ............................ ........... 23

DISCUSSÃO ................................................. ......................... ........................ ............. ......... 26

EXPER{ÊNÇIA 6 - CIRCUITOPONTE
INTRODUÇÃO............. ............... ............... ......... ................................ .......................... ....... 27

OBJETIVO................................................. ................................ ....................... ................... 27

MATERIALNECESSÁRIO ....... .............. ...... ...... .............. ................... ........... .................... . 27

PROCEDIMENTO................................. .... .................................................... ................... .... 27

DISCUSSÃO ............................................................ .......... ....................... ............. ........ ...... 30


.. 1J -- --------------- - -- - -- - - .
"'
~
~
. OATAPOOL

.,,
@.
ELETRÔNICA

~
4
~
~
~ Pag.
~
1 .. .

~
~ EXPER@ÇIA Z- PONTEDEWHEATSTONE
~ INTRODUÇÃO........ ............... ......... ........... ................ ............ .................................. ............ 32
~
OBJETIVO...... .......... .... ........... ............ ........ ...... ..... ........... ......... ................ .......... .......... ..... 32
~
~ MATERIAL NECESSÁRIO ......... ... ...... ................... .............. ....... .......... ..... ......................... 32
J ~ PROCEDIMENTO.. ...... .... ............................. ........... ........... ....... ........ ......... ......... .............. .. 32
~
DISCUSSÃO... ....... ....... ........... ....... ...... ...... ........ ....... ......................... .......... ........ ...... ......... 34
~
9
~ EXPERftNCJA 8 - TEOREMADA SUPERPQSLÇA-Q
INTRODUÇÃO.. ................. ....... ...... ......... ..... ...... ........ .......... ..... ........... ............................... 36

OBJETIVO. ..... ............ ........ .............. ................................................................................... 36

MATERIAL NECESSÁRIO.... ........................ .......... ............... ... ......... ...................... ........... 36

PROCEDIMENTO .......... ......... ............ .... ......................... ... ..................... ...... ....... ............... 36

DISCUSSÃO ...... .. ....... ...... ..... ................... .............................. ......... ............... ...... ........ ....... 39

EXPERJÊNCIA
9 - TEOREMADE THEVENJN
INTRODUÇÃO ........ ......... ... ..... .... .... ...... ...... ...... ........ .................. ..... .......... ......................... 41

OBJETIVO .......... .... ....... .............. ......... .......... ......................... ......... ....................... ........... . 41

MATERIAL NECESSÁRIO.. ... ...... .................................. ................... ... ......... ........... ........... 41

PROCEDIMENTO ..... ........... ....... .......... ....... ....... ..... ...................................... ...... ..... ...... ..... 41

DISCUSSÃO ................... ....... ............... ....... ...... ....... ........ ............. .... ..... ............. .... ............ 44
...

•·
• OATAPOOL
ELETRÔNICA

••


• Pag.
••
• EXPERftNCJALO-TEOREMADENQRTQN
••
••- INTRODUÇÃO.......... ................. ............. .......................... ................ ........... .................... .... 47

OBJETIVO. ............ .......... ........... ............ .................. ............... .......................................... .. 47

MATERIALNECESSÁRIO.. ................... ............ ................... ..................... .................... ..... 47

••-
• PROCEDIMENTO ................ .......... ................. .................. ........................... ........................ 47

DISCUSSÃO. ......... ............. ...................... ................ ................ ...................... ................. .... 50

•• EXPERIÊNCIA11- CONSTANTESDE TEMPORC

•• INTRODUÇÃO............ ......... ....................... .......... ........................................................ ....... 51

OBJETIVO............ ...... ........... ........................ ....................... ......... ................. ............. ........ 51


••
MATERIALNECESSÁRIO ............ .................. .......................................................... ..........

PROCEDIMENTO................................................ .......... ...... ............... .............................. ... 51


51


-•
.,,
DISCUSSÃO ............................... ................... ....................... ...............................................

EXPERJÊNCIA12- CAPACTTORES
EM SÉRIE E EM PARALELO
56


--• INTRODUÇÃO.................................................................... ................................................. 60

OBJETIVO..................................... ................ ...................... ................... ............................. 60

-
MATERIALNECESSÁRIO .......................................... ................. .................. ............. ........ 60

PROCEDIMENTO......... ............................ ..... ...................................................................... 60

•• DISCUSSÃO..................... ............. ......... .............. .................. ............................................. 62

•,.•
-•
8

8
~
-~--~----------------
i
------------------------------------.
......
~
DATAPOOL
~ ELETRÔNlCA

"
~
~
~
~
Pag.

EXPe,utNÇIA1$- USANDO
ÇAPACTTQRES
INTRODUÇÃO......................................... ........................... ............ ............ ......................... 67

OBJETIVO................ ............... ...... ......................................................... ........... ............. ..... 67

PARTE1.............
..............................................
............................................
........................... 67
MATERIALNECESSÁRIO ........... ............................. ........................................... 67

PROCEDIMENTO.......... ......... ............... ................ .............................................. 67

DISCUSSÃO ................................. ........................................................................ 69


PARTE II...................................................................
.........................................................................
69

MATERIAL NECESSÁRIO ......... ................... .................. ................... .................. 69

PROCEDIMENTO ......................... .................. ............ ......................................... 69

DISCUSSÃO ......... ........................ ................... .............. .................................. ..... 71


PARTE III....................
......................................................................
............................
................
.... 71
MATERIAL NECESSÁRIO ................................................................................... 71
PROCEDIMENTO..................................... .................. ........................ ................. 71

DISCUSSÃO ................................. .............. ....................... ............. ...................... 73


PARTE IV ...................................................... .................... ........................... ................................... .. 74

MATERIAL NECESSÁRIO ................................................... ......................... ....... 74

PROCEDIMENTO...................... ............................................... ........................... 74

DISCUSSÃO........................................... ...................... ........... ............................. 75


"...
...
DATAPOOL
ELETRÔNICA
f'
...
...
...
...
Experiência 1 - Curto-circuito e Circuito Aberto j

...
.., EXPERIÊNCIA 1

..- CURTO-CIRCUITO E CIRCUITO ABERTO

"
..
f'
INTRODUÇÃO
..-
...
...
Em eletricidade , um curto-circuito é um percurso de uma ponta a outra que oferece baixa
resistência (idealmente zero) à passagem da corrente elétrica. Um pedaço de fio condutor pode
ser considerado um curto-circuito, do mesmo modo que os contactos de uma chave fechada . Um
curto-circuito é caracterizado por uma queda de tensão muito pequena e por uma corrente muito
I' elevada, determinada pelos outros componentes do circuito. Idealmente. o curto não oferece

"
oposição alguma à passagem da corrente elétrica, portanto, não produz queda de tensão.
f" Uma abertura (ou circuito aberto) tem as características exatamente opostas às do curto-
t' circuito, ou seja, apresenta uma resistência muito elevada (idealmente infinita) à passagem da
....... corrente elétrica. Consequentemente , neílhuma corrente pode passar através dela. A tensão
medida sobre uma abertura é igual à tensão aplicada ao circuito.
t"

...-
t'

..
OBJETIVO

•..
• Determinar as características de um curto-circuito e de uma abertura .

..... MATERIAL NECESSÁRIO

ff • 1 Módulo Universal 2000

.-
.-
• 1 Cartão de experiências EB-01

....
• 1 Multímetro Digital

..
.-
PROCEDIMENTO

.... 1. Antes de ligar o módulo. colocar a chave Liga/Desliga da fonte variável na posição
desligada e os potenciômetros de ajuste de tensão no mínimo. Instalar o cartão
EB-01 em um dos conectores de sua seção Eletrônica Básica.

.- 2. É utilizado o bloco "A" do cartão cujo circuito está mostrado na Fig. 1.1. Selecionar a
posição das chaves S1 e S2 do DIP Switch "A" do seguinte modo: $ 1 = 1 e S2 = o

••
•••
Datapool Eletrónica

tJ

••
•• OATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 1 - Curto-circuito e Circuito Aberto 2

••
••
• •• s, R1 = 1 K

·r
PT2 PT3 "-------0 PT4

••
•• +VAR

••
•• L-------------------------....JJPTS

•• Figura 1. 1 - Circuito Utilizado

•• 3. Selecionar o multímetro para medir tensão DC na faixa de 20 V e conectar na saída


da fonte+ VAR (o positivo em +VAR e o negativo em AGND) .

•• 4 . Ligar o módulo e ajustar a fonte +VAR de modo que a tensão lida no voltímetro seja
de +10 V. Mudar os tenninais do multímetro entre os pontos PT1A (ponta positiva) e
PTSA (ponta negativa). Ligar a fonte variável do módulo para alimentar o circuito . No

•• 5.
voltímetro , deve aparecer a tensão aplicada .

Mudar o terminal negativo do voltímetro para PT2A. A leitura do mult ímetro

•• corresponde a queda de tensão nos terminais da chave S1 e é de V.

6 . Efetuar a medida de tensão entre os pontos indicados na tabela a seguir :

•• PONTOS OE MEDIÇAO VALOR LIDO M


•• PT2A-PT3A VR1 =

•• PT3A-PT4A

PT4A-PT5A
VR2=
VR3=

•• Tabela 1. 1 - Valores medidos de tensão .

•• 7 . Transferir os valores lidos de tensão no item anterior para a figura 1.2 .

••
••
Datapool Eletrónica

••

••
•• DATAPOOL
ELETRÔN ICA

•• Experiência 1 - Curto-c ircuito e Circuito Aberto 1 3

••
•• S2 =0

•• R, = 1 K
PT3
R2 = 2 K
''-----<> PT4

•• +
VR1 =.............
.... VR2= .................

•• +VAR 10V
li
(")
~

••
:>

••
~· Figura 1.2 - Circuito equivalente com a chave S1 fechada

7. Desligar a chave Liga/Desliga da fonte variável e alterar a chave S2 para a posição

1:
l:
-1
8.
fechada (ON) .

Ligar a fonte variável e efetuar as medidas de tensão entre os pontos indicados na


tabela a seguir :

•• PONTOS DE MEDIÇAO

PT2A-PT3A
VALOR LIDO

VR1:::
[VJ

•• PT3A-PT4A

PT4A-PTSA
VR2=

VR3=

•• Tabela 1.2 - Valores medidos de tensão .

•• Neste caso, com a chave S2 ligada, a tensão VR1 medida entre os pontos PT2A e PT3A

•• foi de V. Na verdade, foi medida a queda de tensão entre os terminais


fechados da chave S2 que é um curto-circuito .

•• 9. Transferir as tensões lidas neste item para a figura 1.3 a seguir :

••
••
•• Datapool Eletrô nica

••
••

•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência1 - Curto-circuito e Circuito Aberto j 4

••
•• S, =1
PT1 c;>--------~P~T~2ô--~
R,"' 1 K
PT3
t'------a PT4

•• :;)I

VR1 " .................


1
k
VR2= .................

•• +VAR
+
10V
: '

••
•• '--~------------------------------------------------ó
PTS

•• Figura 1.3 - Circuito equivalente com as chaves 5 1 e S 2 fechadas

•• 10. Abrir a chave S1 (S 1 = O) e efetuar a medida de tensão entre os pontos PT1A e


PT2A, esta tensão é de V.

•• 11. Desligar o módulo, retirar o voltímetro e o cartão de experiências .

•• DISCUSSÃO
••
•• Esta experiência demonstra algumas das características do curto-circuito e da abertura . No
passo 8 , foi medida a tensão entre os terminais da chaves, fechada. Desde que seus contatos
apresentam idealmente resistência zero à passagem da corrente, a chave fechada é

•• basicamente um curto-circuito . Assim , não pode existir nenhuma queda de tensão em cima dela .
Consequentemente, a indicação do voltímetro foi tensão nula, o que prova que a queda de

•• tensão em um curto-circuito é efetivamente zero .

Também foi demonstrado o que acontece em um circuito série, quando uma resistência sofre

•• curto-circuito. Primeiramente, no item 6, foi medida a tensão sobre R1, que está em torno de 2,5
V . Em seguida, no item 8, R1 sofreu curto com o fechamento da chave S1, a queda de tensão
medida foi de O V. Neste caso , a tensão aplicada no circuito (+10 V), distribui-se em quedas de

•• tensões sobre R2 e R3 . A tensão VR2 elevou-se para aproximadamente 6,7 V, enquanto que a
tensão VR3 aumentou para 3.3 V. O incremento de 1,7 V sobre R2 e 0,6 V sobre R 3 •
correspondem ao decréscimo da queda de tensão sobre R, , que passou de 2,5 V para zero .

•• No passo 10, abriu-se a chave S1, isto impede a passagem da corrente através dela . Sem
corrente no circuito, a tensão medida em cima da chave é igual a tensão aplicada pela fonte .

•• neste caso, próximo de 1O V .

•• oatapool Eletrônica

••
••
...
...
---- - . .......
_.,.__.. ,...-...- ... - .... _ ......-...-- . . .. ..... ..___..
- •• ........ _. 1... ....-.~
,.., .._~ ·- -•.-• c• ...,..____ ...,..... -- x-..--..:,i-t~-- --- - - -

... DATAPOOL
ELETRÔNICA
~
...
...
..
Experiênc ia 2 - Resistência 15
~

..
"' EXPERIÊNCIA 2

..
~ RESISTÊNCIA

..
~


INTRODUÇÃO

•• Muitas vezes , nos circuitos elétricos, tem-se a combinação de várias resistências e deseja-se
saber o valor da resistência equivalente daquela combinação , isto ocorre em várias associações .
Também, é muito comum precisarmos de um certo valor de resistência e não dispormos , no

•• ~r.~oque, do valor requerido, recorre-se então a associação de resistências para conseguir o


valor equivalente desejado .

•• É muito útil conhecer o código de cores e saber realizar a leitura dos valores de resistências
através deste método. Para isto, deve-se examinar a parte teólica referente a Resistências .

•• OBJETIVO

•• • Calcular e verificar. através do ohmímetro. os valores de resistências individuais e


resistênc ias equivalentes em diversas associações: série , paralelo e série-paralelo (ou

•• misto).

•• MATERIAL NECESSÁRIO
• 1 Módulo Universal 2000

•• •

1 Cartão de experiências EB-01
1 Multímetro Digital

•• Fórmulas Utilizadas:

•• N Resistências em série:

••
•• N Resistências em paralelo:

•• =-
1
+-
1
+-
1
+· ··+ -
1

•• Reo R1 R2 R3 RN

••
Oatapool Eletróni ca

••

~
~
~ DATAPOOL
ELETRÔNICA
~
~
~ Experiência 2 - Resistência j 6
t:'
~ 2 Resistências em paralelo:
€:
t' R EQ -- R, x R:!
R, + R2
~
~
N Resistências iguais em paralelo:
~
(i
~
~
~

I

~
PROCEDIMENTO

(J Esta experiência é realizada com o cartão EB-01 fora do Módulo Universal (não conectar ao
módulo). O circuito utilizado corresponde ao bloco "B" do cartão e é identificado como EB01-B. A
~

••
figura 2.1 mostra este circuito .

1~
r Ci
•• PT1 PT2

s,
PT3 PT8 PT4 PT11

•• 1
•• +VAR-==....
PT10

••
••
PT6 PT 12

s,
Figura 2. 1 - Circuito Utilizado
ij
,.. 1. Colocar todas as chaves do DIP Switch (chave B) na posição aberta. adotando a
seguinte configuração :
~

,.
~

li,
Onde:

o =chave
,.
ti,

1,
1
aberta OFF
=chave fechada (ON)

Oatapool Eletrónica
i ~

1,
lfí
ti,
1 ,.
'
"r.... DATAPOOL
ELETRÔNICA

"r.... j
...
...
Experiência2 - Resistência 7

...
...
2. Selecionar o multímetro na escala para medir resistência, próxima a 1 k.O. Conectar
as pontas de provas nos tenninais de testes PT1 B e PT2B (tenninais do resisto, R1)-
Ligar o ohmímetro e efetuar a leitura .

.... 3. A leitura efetuada foi de O, (caso seu multímetro disponha de uma


escala mais próxima, porém superior ao valor lido, selecionar esta escala para
9' melhorar a leitura). Neste caso, a medida efetuada corresponde ao valor individual

•• da resistência R, . Anotar o valor na figura 2.2 do item 21 .

.... 4. Alterar a chave Si para a posição fechada (S2


permanecer abertas) .
= 1; as demais chaves devem

5. Conectar o ohmímetro entre os pontos PT3B e PT4B e. após a 1ª leitura . selecionar

•• a escala mais próxima superior ao valor lido, afim de obter melhor precisão . O valor

..... lido corresponde ao valor individual da resistência R2 e é de


este valor para a figura 2.2 do item 21 .
n . Transferir

..... 6. Alterar as chaves do DIP Switch (chave B) como é indicado a seguir :

(S3 =fechada, S 2 e as demais abertas)

•..
7. Efetuar a leitura do ohmímetro de modo semelhante ao que foi feito no item 5. Agora.
o valor lido corresponde ao valor individual da resistência R3 e é de Q.
Transferir o valor para a figura do item 21 .

•.. 8. Alterar as chaves de modo que só $4 fique fechada , conforme indicado :

(S4 =fechada, S3 e todas as outras abertas)

••
• 9. Efetuar a leitura do ohmímetro selecionando sempre a escala mais apropriada para
a resistência lida . Neste caso, o valor lido corresponde a resistência individual de Ri
e é de n. Transferir este valor para a figura 2.2 .

•• 10. Os valores lidos de R 3 e Ri foram, respectivamente:

•• R4= ___ _

• 11. Alterar a posição das chaves como indicado a seguir :

•• (S3 e $4 = fechadas, todas as outras abertas)

•• A seguir , efetuar a leitura do ohmímetro. O valor lido corresponde ao valor


equivalente da associação de R3 e R4 em (série I paralelo) . como

•• pode concluir-se analisando o circuito da figura 2.2 do item 21. O valor lido é de
---- O.

•• Calculando-se o valor equivalente, através da fórmula , e usando os valores lidos de


R3 e R4. o valor da resistência equivalente é REO =
------ (está I não está) de acordo com a leitura do ohmímetro.
n o que


•• Datapool Eletrônica

••
••

,.
,.• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 2 - ResistAnciaj 8

••
1•
12. Alterar a posição das chaves como indicado a seguir:

1•
•• O valor lido é de ---- n . Este valor é o valor equivalente (Reo,) dos três

•• resistores R2, RJ e Ri em (série I paralelo) .

13. Utilizando a mesma sistemática, efetuar em seqüência as operações do quadro

••
abaixo e transferir os valores lidos para a figura do item 21 .

•• Item Posição das chaves


Pontos de
conexão do Resistência Valor lido

•• 14 Ss= 1
ohmímetro

PT4-PT5 R5
-
(O]

-'

1•
!,C
)15

16
S1St;= 01 PT1 - PT4

PT5-PT6
R6
( /
1 / -

_.,
'
SsS1= 01 R7 ,
J

•• 17 S1S2S3$4Ss=11110 PT1 -PT4 REQ2

r
....,
r
-

•• 18 ~= 1 PT1 -PT4 ReaJ ,

1
19 S5 = 1 PT1 -PT5 Re04 , .

•• 20 $ 7 ::: 1 PT1 -PT6 Rear -

•• Tabela 2. 1 - Valores medidos de resistências .

•• A esta altura , todos os valores lidos das resistências já deveriam estar transferidos
na figura 2.2 do item 21. Utilízando-se as fórmulas apresentadas no início e os

•• valores individuais medidos, podem ser efetuados os cálculos correspondentes


das resistências equivalentes e comparar estes resultados com os valores obtidos
anteriormente através do aparelho .

••
•• CÁLCULOS DAS RESISTÊNCIAS EQUIVALENTES:
21 . Para poder obter . por cálculo, os valores das resistências equivalentes do circuito,

•• deve-se traçar os possíveis caminhos da corrente elétrica :

••
•• Datapool Eletrônica

••
••
:1 •
ll
~ •• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência2 - Resistência !9

1.•• PT3

e
•• A B

i
•• PT1
REO

n• PT6
o

1•

·l
~
••

Figura 2.2 - Circuito utilizado para o cálculo .

i-. ~
Observar que a última vez que a corrente se bifurca (divide) é no ponto B . Então, uma
boa prática é iniciar o cálculo da resistência equivalente dos três resistores R2 , R 3 , e R4
em paralelo. Esta resistência equivalente pode ser denominada REo1 e pode ser

1•
• calculada pela seguinte fónnula :

1 1 1 1

•• Reo,
- -- + -
R2 R3
+-
R4

l•• Efetuando -se o cálculo , obtém-se :

REa1= _____ .O

1•
• Comparar este valor com o que foi lido no item 12. Os dois valores devem estar
próximos . O circuito pode ser simplificado, ficando da seguinte maneira :

1• • PT3

B
PT4

e
1•
2
i
•• PT1

•• '\o
PT6
o

•• ft, =

•• Figura 2.3 - Circuito simplificado para cálculo

••
••
Datapool Eletrónica

••

••
•• DATAPOOL
ELETRÔNlCA

•• Experiência 2 - Resistência ! 10
•• Em seguida , efetua-se o cálculo do ramo série fonnado por R1 e Reo1 (a resistência

•• obtida no cálculo anterior) :

Re02 =R1 + Rea1 =_____ n


•• Este valor deve estar próximo do valor medido no item 17. Simplificando novamente o
circuito, fica:

•• A e
••
•• PT1

•• PT6

••
~
r
f
•• Figura 2.4- Circuito simplificado

1
L

•• O próximo passo é achar a resistência equivalente do ramo paralelo tonnado por Re02 e
R6 , denominada Rea3.

•• R eo3= R E02X Ra
REaz+ Ra
= - ---
0

•• Este valor deve estar próximo do valor medido no item 18. O circuito fica simplificado
como segue:

•• e
R5 =

•• A

• PT1

••
"e o
PT6

1 •

•• L--- --------,
R, = ! 7= I s

•• Figura 2. 5 - Circuito simplificado final

•• Oatapaol Eletrónica

••
••
!
l
1
••
1
i
1
•• OATAPOOL
ELETRÔNICA
1
'
f
1
•• Experiência 2 - Resistência j 11
1
f1 ••
1
1
•• Finalmente, pode-se calcular o valor da resistência equivalente aos três resistores REoo,
Rs e R1 em série . Esta resistência é denominada Resistência Equivalente Total, Rear :

••
•• Este valor deve ser próximo ao valor medido no item 20 .

•• DISCUSSÃO

••
Nesta experiência, foi realizada a medição de uma malha série-paralelo. Através da seleção
adequada dos resistores. foram efetuadas medições seqüênciais em trechos estratégicos da

•• malha, de modo coincidente com a seqüência de cálculos das resistências equivalentes de tal
malha .

••
••
••
••
••
••
••
••
••
••
••
•• Datapool Eletrónica


••

,..
•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 3 - Tensão e corrente 1 12

•• EXPERl~NCIA 3
•• TENSÃO E CORRENTE
••
•• INTRODUÇÃO

•• Na análise de circuitos elétricos é muito importante a observação de duas principais grandezas:


tensão e corrente . Esta experiência peffllite observar e analisar algumas das características
destas grandezas, ajudando a fixar e fortalecer os conceitos sobre estes dois parâmetros

•• fundamentais da eletricidade . Recomenda-se a leitura, na parte teórica , do capítulo referente à


Lei de OHM .

•• OBJETIVO

•• • Efetuar medições de tensões e correntes em uma malha resistiva série-paralelo e vertficar

•• algumas relações fundamentais .

•• MATERIAL NECESSÁRIO

•• 1 Módulo Universal 2000


1 Cartão de experiências EB-01

•• 1 Multímetro Digital
1 Calculadora eletrônica

•• Fórmulas Utilizadas:

•• IV=RI!
••
•• PROCEDIMENTO

••
com o Módulo Universal desligado e , em um dos conectores da seção Eletrônica . conectar
Básica o cartão EB-01 e efetuar o seguinte procedimento :

1. Colocar todas as chaves do DIP Switch B na posição fechada (S8S7St;s5s 4 s3 s2S 1 =


•• 11111111).

•• Datapool Eletrónica

••

••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 3 - Tensão e Corrente 1 13

••
•• PT1 PT2 PT3 PTS PT11

•• s, s,

••
••
1
+VAA-=-.
PT10

•• PT6 PT12

••
•• Figura 3. 1 - Circuito utilizado

2 . Ajustar os potenciômetros da fonte variável no mínimo (girar totalmente no sentido

,,
•• anti-horário). Conectar o voltímetro na saída + VAR da fonte variável , ajustado numa
escala para medir na faixa dos 20 V OC. Colocar a chave Liga/Desliga da seção
Fontes Variáveis na posição desligada e ligar o módulo .
1
1,

•• 3. Ajustar o potenciómetro da fonte +VAR até que o voltímetro indique +15 V . Em


seguida, retirar o multímetro e selecionar uma escala para medir corrente contínua

1•
na faixa de 15 mA .

• ••
4. Conectar o miliamperímetro entre os pontos PT2B (positivo) e PT3B (negativo) . ligar
a fonte variável e abrir a chave S1 . Desta fonna , as chaves do DIP Switch B ficam
com a seguinte configuração :

•• O valor da corrente é de mA. Esta corrente é denominada 11 . Registrar

•• 5.
o valor de 11 na figura 3.2 do item 13.

Desligar a fonte variável do módulo . Conectar o miliamperirnetro entre os pontos

•• PT3B (positivo) e PT7B (negativo) .

6. Alterar a posição das chaves , fechando S 1 e abrindo somente a chave S2 (Si S 1 =


•• 01) , as demais chaves são mantidas como no item anterior.

7. Ligar a fonte variável do módulo . O valor lido no miliamperímetro corresponde à

•• corrente denominada 12 e é de
do item 13 .
mA . Registrar esta corrente na figura 3.2

•• 8. Desligar a fonte variável do módulo .

•• Oatapool Eletrônica

••
••
-
DATAPOOL
ELETRÔNICA

• Experiência 3 - Tensão e Corrente 1 14

9. Repetír os procedimentos adotados nos itens 6, 7 e 8, para efetuar a seqüência de


medições das correntes que aparecem na tabela a seguir . Não esquecer de registrar
cada valor de corrente na figura 3.2.

Pontos de conexão do Posições das Correntes medidas

•• miliamoerímetro chaves DIP's

=
[mA]

•• PT3-PT8 S3S2 01 13 =

PT3-PT9 S.aS3= 01 14 =

•• PT4- PT11

PT1 - PT10
SsS4 = 01

~Ss = 01
15=

16 =

•• PT6- PT12 S1Ss = 01 17 =

Tabela 3. 1 - Valores das correntes medidas

•• 10. Analisando a figura 3.2 (nem 13) e através dos valores medidos de corrente, pode-se

•• concluir que:

(verificar os valores medidos)

•• Isto é uma conciusão óbvia, já que "a corrente 11 que entra no nó B é igual a
soma das correntes que saem deste nó, b + h + li' (ver figura 3.1). Esta

•• conclusão é uma das leis fundamentais da eletricidade denominada LEI DE


KIRCHOFF DAS CORRENTES ou LEI DOS NÓS DE KJRCHOFF.

•• 11. Verificar a lei das correntes para os nós A e C .

No nó A. tem-se:

••
•• No nó C, tem-se :

•• 12. Na tabela 3 .2, registrar os valores já medidos nesta experiência bem como os
valores medidos na experiência anterior (exp . 2) . Utilizar as unidades indicadas, isto

•• é, as resistências devem estar em kQ e as correntes em mA .

••
••

••
Datapool Eletrônica

••

DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 3 - Tensão e Corrente j 15

•• Resistências
[ka]
correntes
(mA]
Tensões
M

•• R,= 11=
=
VR,=

•• R, =

R3=
I,

h=
VR2=
VR3 =
Ri= 14= ~=

•• Rs= }5= VR5=

•• R6=
R1 =
16 =

=
VR6=
VR1=

••
)7

Tabela 3.2 - Valores medidos no cartão EB--01

•• OBS.: As medidas correspondentes à coluna de tensão serão feitas mais adiante .

•• 13. O circuito utilizado corresponde ao bloco B do Cartão EB-01 e é mostrado na figura


3.2 a seguir: 1• R =
,

~

•• PT1 1=
...!_._.
R"'
1 PT3 I"
2-
R=
3
PT4

e

....L__. •=
R

•• ,I,=I 7
A B
I~
= R. =

•• +15V-=-. -
:r.,= R6 •

••
•• 1,= I,=

••
PT&
Figura 3.2 - Circuito utilizado

•• Valores encontrados das resistências na Experiência 2 .

R,=___ _ R4= ___ _ R7= ___ _

•• R2= ___ _ Rs= ___ _

•• Rs= __ _

•• Datapool Eletrônica

••

...
DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência3 - Tenaao e Corrente I 16

14. Desligar a fonte variável e desconectar o multlmetro do cartão EB-01 .

15. A seguir , selecionar o muttlmetro para medir tensão contínua na faixa de 20 V.

•• 16. Com todas as chaves fechadas, S8S 7SeS6S4~S;i5


da placa (fonte variável do môdulo) .
1 = 11111111, ligar a alimentação

•• 17. Conectar
___
o voltlmetro entre os pontos PT18 e PT68 . A tensão lida no aparelho é de
v, que corresponde à tensão aplicada pela fonte+ VAR para alimentar o

••
circuito .

18. Mudar o voltímetro para os pontos indicados na tabela 3.3 e registrar a tensão lida

••
em cada ponto :

Pontos de conexão do Tensão lida


voltimetro M

..•
PT1 -PT6 +VAR=

PT1 - PT2 VR1=

PT3-PT4 VR2=

•• PT3-PT4

PT3-PT4
VR3 =

VR 4 =

• PT4-PT5

PT4-PT10
VR,;=

VRs=

PT5-PT12 VR1=

•• Tabela 3.3-Valores das tensões medidas .

19. Transferir os valores das tensões da tabela 3.3 para a tabela 3.2 (item 12) .

20 . Na tabela 3.3, observar que o valor lido da tensao da fonte (+VAR) é distribufdo em

• quedas de tensões por todo o circuito , isto é uma lei conhecida como LEI DE
KIRCHOFF DAS TENSÕES ou LEI DAS MALHAS . Em outras palavras. a soma das
= =
quedas de tensões (VR1) + (VR2 VR3 VR.) + (VR 5 ) + (VR 7 ) é igual a tensão

•• aplicada desde a fonte + VAR.

21 . Observar , também , que a queda de tensão entre os pontos A e B (circuito da figura

•• 3.1) somado a queda entre os pontos B e C é igual a queda de tensão entre A e


isto é:
e.

••
•• Datapool Eletrônica

••
••


OATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 3 - Tensão e Corrente j 17

•• (VAB= VR1): V

•• (Vac =VR2 =VR3 = V~) = V

•• (VAc = VRci) = V

•• 22. Com auxílio dos valores registrados na tabela 3.3, pode-se comprovar a lei de OHM .
O valor registrado na 3ª coluna é aproximadamente igual ao produto dos valores

•• das 2 primeiras colunas. Por exemplo:

(VR1 = ___ M) = (R1 = ___ [kQ)) X (11= --- [mA}).

•• 23. Desligar a fonte variável e o Módulo Universal. Desconectar o voltímetro e retirar o


cartão de experiências .

••
•• DISCUSSÃO

•• Nesta experiência foram abordadas as relações fundamentais que existem entre a corrente, a
tensão e a resistência em um circuito elétrico, relações conhecidas como a Lei de OHM .
Também foram verificados fundamentos das leis de Kirchoff, das correntes e das tensões . Nesta

••
1
última, a tensão aplicada (elevação de tensão) é igual ao somatório das quedas de tensões no
circuito. Em experiências posteriores serão abordadas com mais profundidade as leis de
Kirchoff .

••
••
••

••
••
••
••
••
••
Datapool Eletrônica

•• •
•• OATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência4 - Potência j 18

••
•• EXPERIÊNCIA 4

•• POTÊNCIA

•• INTRODUÇÃO

•• Existem três equações que são utilizadas para determinar a potência consumida num circuito
elétrico :

••
••
•• Estas equações pennitem calcular a potência, q!.lando são conhecidos dois dos três parâmetros
do circuito : tensão, corrente e resistência. A menos que se disponha de um instrumento especial
denominado wattímetro , não é possível medir diretamente a potência . Contudo , podem ser

•• medidas duas das grandezas elétricas do circuito e, com elas, calcular a potência usando uma
das equações anteriores .

•• OBJETIVOS
••
•• •


Verificar as três equações da potência .
Demonstrar que a potência é dissipada nos resistores na fonna de calor .
Demonstrar a importância da especificação de potência dos resistores.

•• MATERIAL NECESSÁRIO

•• • 1 Módulo Universal 2000

•• •

1 Cartão de experiências EB-02
1 Multímetro Digital

•• PROCEDIMENTO

••• 1. Antes de instalar o cartão de experiências no módulo, colocar todas as chaves do


OI~ ~wit~h na po~ição aberta (OFF) . e, com ~ ~ultímetro selecionado para medir

•• , detemunar os valores reais das res1stencias R1 e R2 • Efetuar a medição


res1stenc1a

•• Datapool Eletrónica

••

•• OATAPOOL
ELETRÔNICA

•• 8cperiência 4 - Potência j 19

•• de R, de 1OOn/2 W, entre os pontos PT3 e PT5, e de R2 de 100 nJ ~ W, entre os

•• pontos PT4 e PT5. Os valores lidos no multímetro são :

•• 2.
R1= ____ n R2= _____

Com o módulo desligado, instalar o cartão EB-02 em um dos conectores da seção


n

•• Eletrônica Básica. Nesta experiência será utilizada só uma parte do circuito como
está esquematizado na figura 4 .1. Para isto , as chaves Ss e Sa devem pe,manecer
abertas .

•• R2

••
PT4
SJ 100 Q 1 112W
PT1 PTS

•• PT3 R,

•• l
S2 100Q / 2W
$4

•• +VAA-=-

•• PT2

•• Figura 4. 1 - Parte do Circuito Utilizado do cartão EB-02

3. Selecionar a posição das chaves com a seguinte configuração:

••
•• 4. Ajustar os potenciômetros da fonte variável no mínimo (girar totalmente no sentido
anli-horario) . COiocar a chave Liga/Desliga da seção Fontes Variáveis na posição
desligada e, em seguida, ligar o módulo .

•• 5. Selecionar o multímetro na escala de tensão DC, próxima de 20 V. e conectá-lo na


saída + VAR da fonte variável. Ajustar o controle da tensão +VAR até que a leitura

•• no voltímetro seja de +10 V (este valor deve ser mantido até o final da experiência,
tomar cuidado para não variar acidentalmente) .

•• 6 . Retirar o multímetro e selecionar uma escala para medir corrente DC, na faixa de
200 mA.

•• 7. Conectar
cartão .
a ponta positiva do miliamperímetro em PT5 e o negativo em PT2 do

•• 8. Ligar a fonte variável do módulo para alimentar o circuito e abrir a chave S 4 do DIP
Switch (S4 = O). Efetuar a leitura do rniliamperímetro .
A corrente lida é de mA.


•• DatapoorEletrónica

••

• OATAPOOL
ELETRÔNICA

• Experiência 4 - Potência 1 20

•• 9. Usando o valor desta corrente e da tensão estabelecida no passo 5, calcular a


potência dissipada no circuito . A potência é de

••
W.

10. Utilizando o valor de resistência R 1, medida no primeiro passo, e o valor da corrente


medida no passo 8, calcular a potência dissipada no circuito . O valor da potência é

•• de W.

11. Utilizando o valor da tensão estabelecido no passo 5 e o valor da resistência R1

•• medida anterionnente, calcular a potência dissipada no circuito . O valor da potência


éde W.

•• 12. Os valores calculados da potência, nos passos 9, 10, e 11 coincidem?-----


(sim/não) . A potência especificada para o resistor R1 é excedida? -----

••
(sim/não) .

13. Uns 20 segundos após alimentar o circuito , tocar com cuidado o resistor R1 de
1ooru2wcom
••
o dedo. É óbvio que a potência está sendo dissipada na forma de

14. Desligar a fonte variável do módulo. Retirar o multímetro e alterar a posição das

•• chaves para a seguinte configuração:

•• 15. Conectar o multímetro . selecionado na escala para medir corrente próxima de


200 mA OC, entre os pontos PTS e PT2. Conectar o positivo do multímetro em PT5 e

•• o negativo em PT2 .

•,,..
16. Ligar a fonte variável do módulo para alimentar o circuito e, em seguida, abrir a
chave S4 (S 4 = O). O miliamperímetro indica uma corrente de mA.

17. Após 20 segundos . colocar com cuidado o dedo no resistor R2 . Este resistor está
mais quente ou mais frio que o resistor R1 tocado no item 13 ? Mais ------

•• (quente/frio) .

18. Desligar a fonte variável e o módulo universal. Desconectar o multímetro e retirar o

•• cartão de experiências .

19. De posse do valor de R2 lido no começo e da corrente lida no item 16, calcular a

•• potência dissipada no resistor R2. A potência de Yz W do resistor foi excedida?


------ (sim/não) .

••
•• DISCUSSÃO

•• No primeiro passo foi medido o valor da resistência R1de 2 W . O valor deve ser 100!2 ± 5% . No
passo 5 foi estabelecida a tensão de alimentação em 1O V. Posteriormente , foi medida a corrente
através de R 1 • Esta corrente deveria estar próxima de 100 mA, pois:

• • Datapool Eletrónica


•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 4 - Potência 1 21

••
•• V
1= -=--~
10V
R 1oon 100mA

•• Continuando o procedimento, a potência dissipada no resistor foi calculada usando as equações:

P=VI ;

•• P= Rf 2;

•• P=R
v2

•• Em cada caso, a potência deve estar próxima de 1 W. Isto não excede a especificação de
potência de 2 W para a resistência R, .

•• No passo 13, comprovou-se que a potência em uma resistência é dissipada na forma de calor . A
resistência de 2 W fica bastante aquecida. Contudo. este resistor está dimensionado
suficientemente para dissipar toda essa quantidade de calor .

•• Quando a resistência R1 (100 n. 2 W) foi substituída pela outra resistência R2 (1000 , ~ W) e


como as duas resistências têm aproximadamente os mesmos valores, teoricamente devem

•• dissipar a mesma potência (aproximadamente 1 W) . Porém, o aquecimento do componente pode


alterar o valor da resistência, fazendo com que a potência dissipada seja menor do que o valor
esperado. Isto acontece freqüentemente nos resistores que operam em altas temperaturas, por

•• exemplo, o filamento uma lâmpada incandescente pode aumentar sua resistência de 5 a 8 vezes

•,.
mais quando está acesa do que quando está flia (apagada).

O resistor de Y2W tem dimensões menores que o de 2 W . portanto. o calor é concentrado numa
área menor e, consequentemente, estará muito mais aquecido como foi comprovado pelo toque
efetuado na item 17.

••
,.•
Forçando o resistor de % W a dissipar uma potência maior do seu valor nominal, a sua

..
capacidade está sendo excedida e isto faz com que o resistor se sobreaqueça . Se for posto para
operar nestas condições por um período longo, o valor da sua resistência pode ser alterado e,
em caso pior. o resistor pode queimar. Por isso é importante fazer uma especificação correta da
potência nominal do resistor, ou de outros componentes, para qualquer tipo de projeto elétrico .
,


,

••
••
••

••• Oatapool Eletrônica

..
••

•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 5 - Máxima Transferênciade Potência 1 22

•• EXPERIÊNCIA 5

•• MÁXIMA TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA

•• INTRODUÇÃO

•• O teorema da máxima transferência de potência estabelece que: a máxima potência obtida de


uma fonte é quando a resistência da carga é igual a resistência interna daquela fonte de

•• potência, em outras palavras, a máxima potência que uma fonte é capaz de fornecer para a
carga é liberada somente quando a resistência da carga se iguala a resistência interna da fonte .
Por exemplo, suponhamos que uma fonte de potência tem sua resistência interna (Rint) igual a

•• 1oon. esta fonte liberará sua máxima potência quando a resistência da carga (R1) for
exatamente de 1oon .

•• Se for traçado um gráfico em que o valor da potência dissipada esteja em função de R,, a curva
será parecida com a da figura abaixo:

•• POTÊNCIA
DISSIPADA

••
••
•• RL < Rint RL = Rint RESISTÊNCIA
DE CARGA

• Figura 5. 1 - Gráfico Potência Dissipada x Resistência da Carga

••• Na figura 5.1, quando o valor de R1 se aproxima de Rint, a potência dissipada aumenta .
Exatamente no ponto R 1 = Rint a potência dissipada alcança o mãximo valor. Quando o valor de
R 1 diminui abaixo de Rint, a potência dissipada começa a cair. Este princípio pode ser

••
demonstrado usando-se uma fonte de potência ou uma bateria . Contudo, na maioria das fontes e
das baterias, a resistência interna é tão pequena que a corrente Que seria liberada no caso de
R1 = Rint é muito grande. Ainda, no caso de uma bateria, esta se descarregaria rapidamente (a

•• resistência interna de baterias ácidas estão na ordem de 0,01 Q) . Entretanto. em eletrônica


existem fontes de sinais com resistências internas relativamente altas. Nestes casos, pode-se
igualar a resistência externa à da fonte, de modo a se obter a máxima transferência de potência

• para a carga .

•• OBJETIVO

•• • Demonstrar o teorema da máxima transferência de potência: "a máxima potência de


uma fonte é obtida quando a resistência da carga é igual a sua resistência interna" .

•• Datapool Eletrônica


••

DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 5 - Máxima Transferência de Potência 1 23

•• MATERIAL NECESSÁRIO

•• •

1 Módulo Universal 2000
1 Cartão de experiências EB-02

•• •

2 Multímetros Digitais
1 Calculadora eletrônica

•• PROCEDIMENTO

•• 1. Com o módulo desligado , instalar o cartão EB-02 em um dos conectores da seção


Eletrônica Básica .

•• 2. O circuito utilizado nesta experiência é mostrado na figura 5.2 a seguir :


330 n

••
••
•• +VAR-=-

•• __ ~ t]
[._____
•• PT2

Figura 5.2- Circuito utilizado do canão EB-02

•• 3. Ajustar os potenciômetros da fonte variável no mínimo (girar totalmente no sentido


anti-horário) . Colocar a chave Liga/Desliga da seção Fontes Variáveis na posição

•• desligada e, em seguida , ligar o módulo .

4 . Selecionar um dos multímetros para medir tensão DC, na faixa dos 20 V e conectá-lo

•• 5.
na saída da fonte variável positiva . Ajustar a tensão +VAR em tomo de 10 V .

Selecionar a posição das chaves DIP Switch na seguinte configuração :

••
•• 6. O potenciômetro de 1 k.n localizado no módulo universal será utilizado como
resistência de carga variável. Colocar o potenciõmetro na posição de máxima
resistência (girar tudo para a direita) .

•• OBS.: Um potenciômetro de 1 kn e outro de 100 kn estão disponíveis no painel do módulo

•• universal 2000 e podem ser ajustados girando os Knob's .


•• Datapool Eletrônica



•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

Experiência5 - Máxima Transferênciade Potência 1 24

•• 7. Colocar o voltímetro entre os pontos PT6 (positivo) e PT2 (negativo) . Ligar a chave

•• Liga/Desliga da fonte variável e. novamente. ajustar a tensão da fonte variável


{+VAR) até que a leitura no voltlmetro seja de exatamente +10 V (manter este ajuste
até o final da experiência). Lembrar que o potenciOmetro de 1 kíl deve estar na

•• posição de máxima resistência durante o ajuste .

8. Girar o potenciOmetro de 1 kn desde a posição de máxima resistência (totalmente no

•• sentido horário) até a posição de mínima resistência (girar totalmente no sentido anti-
horário). Observar, no voltímetro, a mudança da tensão em cima da carga variável,
enquanto ocorre a variação do potencíOmetro.

•• 9. Selecionar o outro multlmetro numa escala para medir corrente DC na faixa dos 30
mA. Inserir este multímetro entre os pontos PT7 (positivo) e PT2 (negativo). Alterar a
=
•• posiçao da chave Sa para que fique na posição aberta (Ss O).

10. Colocar o potenciõmetro de 1 kn (carga variável) na posição de mínima resistência

•• (totalmente horário), a corrente através do circuito deve estar entre 20 mA a 30 mA.


Efetuar a leitura da corrente .

•• 11. A corrente real medida no miliamperlmetro é de mA. Anotar esta leitura


como primeiro valor de corrente na coluna "Corrente Medida" da tabela abaixo .

•• CORRENTE
MEDIDA
TENSAO
MEDIDA
RESfSTENCIA
MEDIDA
RESISTENCIA
CALCULADA
POTENCIA
CALCULADA

•• (mA)

lunu. RI =
(V) (Q) (Q) (mW)

•• 17

•• 15

13

•• 11

•• lrmlm
. RI:
9

•• Tabela 5. 1 - Valores medidos e calculados

•• 12. Mantendo-se inalteradas as condições do circuito , fazer a leitura do voltímetro


conectado entre os pontos PT6 e PT2, para medir a tensão em cima da carg~


••
variável. Registrar este valor como o primeiro valor na coluna "Tensão Medida" áa
tabela 5.1.

•• Oatapool Eletrônica







DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 5 - Máxima Transferência de Potência J 25

13. Desligar a alimentaçao do circuito (fonte variável do módulo) e abrir a chave S.s
=
(Ss O). Nesta situação, todas as chaves devem estar na posição aberta.

•• 14. Sem desfazer a conexao, modificar a escala do multímetro de tensão, selecionando


uma escala para medir resistência na faixa 2 kn . Mantendo-se a mesma disposição
anterior (sem retirar o miliamperlmetro) e com o ohmlmetro ligado entre os pontos

•• PT6 e PT2, medir a resistência da carga (potenciómetro+ miliamperlmetro). Registrar


este valor na tabela 5.1 como o respectivo valor na coluna .,Resistência Medida" .
Obs: Para ajustar os valores de correnta deve-se ligar a chave S5, e em seguida

•• desliga-la para medir a resistência •

•• 15. Mudar o ohmlmetro para a escala de tensão de O a 20 Vdc e alterar novamente a


chave $5 para a posiçêo fechada (Ss = 1).

•• 16. Repetindo o mesmo procedimento, preencher as demais células de "valores medidos"


da tabela 5.1. Para isto, ligar a alimentação e. através do potenciómetro de 1 kn ,
ajustar a corrente no valor indicado na respectiva coluna da tabela 5.1. Medir e

•• registrar a tensão em cima da carga . Em seguida, desligar a alimentação do circuito


(fonte variável do módulo) e repetir os itens 17 a 20 .

•• 17. Desligar a fonte variável e o módulo. Retirar os multlmetros e o cartão de


ex.periências .

• 18. Usando os valores medidos de corrente, tensao e resistência, aplicar as fórmulas


abaixo para calcular a resistência e a dissipaçao de potência da carga . Registrar os
resultados nas colunas correspondentes da tabela 5.1.

••
OBS.: Os valores calculados de RL (resistência calculada) devem ser próximos aos

•• valores medidos. Pequenas diferenças de valores são esperados e podem ser atribuídos
a erros de medição, tolerância dos componentes, etc. Os valores da potência devem
variar desde um valor mínimo (RL máximo) até seu máximo valor quando RL = R,111

•• ("' 340 O). Para valores de RL inferiores a 340 O.. o valor da potência decresce .

•• RL=
V
PL= Rl 2 =
y2
= VI
•• 1 R

•• 19. Usando os valores de ºResistência Calculada" e "Potência Calculada", marcar os


pontos no gráfico da Figura 5.3 .

••
••
•• Datapool Eletrônica
.. 1

OATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 5 - Máxima Transferência de Potência j 26

75

• 70

85

••
• 55

• 50

45

•• 200 800 800 1000 1200 1.Ql 1600 1600 2000 Z20D R~
CI ICUlada
(O)

• Figura 5. 3 - Gráfico

20. Traçar a curva de transferência de máxima potência no gráfico .

• DISCUSSÃO

•• em aplicações práticas , geralmente nos deparamos com a máxima potência disponível numa
fonte, que tem alguma resistência interna, quando uma carga específica é conectada na sua

••
saída .

Nesta experiência, foi verificado o teorema da máxima transferência de potência , simulando uma
resistência interna da fonte de 340 n e. então, medindo as características de transferência de

•• potência da fonte +VAR do módulo, com relação a uma de carga variável.

Após medir a corrente e a queda CJetensão sobre a resistência de carga variável (RJ, é possível
calcular a dissipação de potência da carga. Desta maneira, verifica-se que a máxima potência
dissipada pela carga ocorre quando RL = R,111 (ou aproximadamente, dependendo de ligeiras
imprecisões). Na curva traçada , o pico de maior potência deve estar em tomo de RL = 340 Q,

• que iguala a resistência interna simulada nesta experiência para a fonte +VAR do módulo .

Datapool Eletrónica
•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiênc ia 6 - Circuito Ponte j 27

•• EXPERIÊNCIA 6
•• CIRCUITO PONTE
••
•• INTRODUÇÃO

•• Em análises de circuitos elétricos, existem algumas configurações e/ou topologias que, por sua
popularidade e uso freqüente, adquirem denominações específicas sob a qual são conhecidas . É
o caso do "Circuito Ponte", uma configuração típica muito usual e muito importante . Nesta

•• experiência será examinado a construção e as características mais importantes deste circuito .

•• OBJETIVOS

•• •

Demonstrar as características de um circuito ponte .
Verificar que uma ponte balanceada satisfaz a relação entre seus 4 resistores :

••
••
••
•• MATERrAL NECESSÁRIO

·•• • 1 Módulo Universal 2000

•• •

1 Cartão de experiências EB-03
1 Multímetro Digital

•• PROCEDIMENTO


•• 1. Com o módulo desligado , instalar o cartão EB-03 em um dos conectores da seção
Eletrônica Básica . O Circuito utilizado está mostrado na figura 6 .1, e , no cartão , está

•• identificado como bloco "A• .

••
•• Datapool Eletrónica

••

-
~
DATAPOOL
ELETRÔNICA

• Experiência 6 - Circuito Ponte j 28

••
• _t·
+VAR--==- PT5 -
,--...._
V .- PT4
'-..../



• 2.
Figura 6. 1 - Circuito Ponte bloco A do cartão EB-03

Fechar todas as chaves do DIP Switch do bloco "A":

• 3.
s3As2As,A= 1 1 1 (fechados - ON) .

Colocar a chave Liga/Desliga, da seção Fontes Variáveis do módulo , na posição

•• desligada . Ajustar os potenciômetros +VAR e -VAR no mínimo (girar totalmente no


sentido anti-horário) e, em seguida , ligar o módulo .

••
4 . Selecionar o multímetro para medir tensão DC na faixa dos 20 V e conectá-lo entre a
saída positiva da fonte variável e AGnd . Ajustar a tensão +VAR em tomo de 10 V .

••
5. Mudar o voltímetro para entre os pontos PT1 (positivo) e PT2 (negativo) e ligar a
chave Liga/Desliga da fonte variável. O voltímetro deve indicar a tensão de
alimentação de +10 V.

•• 6. Mudar a ponta positiva do voltímetro para PT5, desta forma é medida a tensão sobre o
potenciômetro de 1 kQ (entre os pontos PT5 e PT2) .

•• 7. Ajustar R2 , variando o Knob do potenciómetro de 1 k.Q localizado no módulo, até que a


leitura do voltímetro seja exatamente 4 V .

•• 8. Mudar novamente a ponta positiva, agora para o ponto PT4, de modo que o voltímetro
indique a tensão sobre o potenciômetro de 100 kn, entre os pontos PT4 e PT2 .

•• 9. Ajustar R4. variando o Knob do potenciómetro de 100 kn localizado no módulo, até


que a leitura do voltímetro seja exatamente 4 V.

•• Nota: Nestas condições . a tensão entre os pontos PT 4 e PT5 do circuito ponte deve ser
aproximadamente zero .

•• 1O. Mudar a ponta negativa do multímetro para PTS. Nesta situação, o voltímetro indica a
diferença de potencial (d.d.p.) entre os pontos PT4 e PTS .

•• Datapool Eletrônica

••


• OATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 6 - Circuito Ponte 1 29

11. Ajustar. cuidadosamente, o potenciómetro de 1 k.O e diminuir a escala do voltímetro


(sucessivamente até a menor faixa de tensão DC do aparelho) até que a leitura no
voltímetro seja exatamente zero. Neste ponto, a ponte está balanceada.

Nota: Às vezes é difícil atingir o zero perfeito no ajuste do ponto balanceado. Assim,
aproXtmar o melhor possível de zero a tensão entre os pontos PT4 e PT5•

•• 12. Variar levemente R2 , para que a leitura do voltímetro seja ligeiramente positiva
(aumentar a escala de tensão se o instrumento estiver muito sensível). Para conseguir
isto, o potenciômetro de 1 kn teve que ser girado no sentido --------

••
(horário/anti-horário) .

13. Deixar o potenciõmetro de 1 kn nesta pos,çao. A condição antefior

•.. -------- (aumenta/diminui) a resistência de R2 .

14. Variar lentamente ~ , para conseguir novamente leitura zero no voltímetro. Para isto,

•• o potenciômetro de 100 kn teve que ser girado no sentido --------


(horário/anti-horário) .

•• 15 . Considerando a situação anterior, a resis1ência Ri (potenciômetro de 100 k.O)


-------- (aumenta/diminui) de valor .

••
16. Lentamente, variar R2 para que a leitura do aparelho seja ligeiramente negativa. Para
isto, o potenciõmetro de 1 kn teve que ser girado no sentido --------
(horário/anti-horário) .

•• 17. Deixar o potenciômetro de 1 kn nesta posição. Esta condição--------


(aumenta/diminui) a resistência de R2.

•• 18. Lentamente, reajustar Ri até que o voltímetro novamente indique zero. Para isto, o
potenciômetro de 100 kn teve que ser girado no sentido

•• (horário/anti-horário) .

19. Deixar o potenciômetro nesta posição. Isto -------- (aumenta/diminui) a

•• resistência de Ri.

20. Certifique-se de que a ponte esteja balanceada. Se for preciso, diminuir a escala de

•• tensão e ajustar R2 ou ~ . de modo que a leitura do voltímetro seja "exatamente" zero .


Uma vez balanceada , não mexer mais com os potenciômetros.

•••
21. Desligar a alimentação do circuito e o módulo e remover o voltímetro .

22 . Abrir todas as chaves do DIP Switchs (S 3 S 2 S1 =O O O) .

23. Selecionar , no multímetro, a escala para medir resistência de 100 kn . Conectar o

•• ohmímetro entre os pontos PT4 e PT2 e medir o valor da resistência ajustada no


potenciômetro de 100 k.Q.
Ri= ____ k.O


••
•• Datapool Eletrónica

••
..
DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 6 - Circuito Ponte j 30

24. Medir a resistência ajustada no potenciômetro de 1 kn, conectando o ohmímetro entre


os pontos PT5 e PT2. Mudar a escala para melhorar a leitura.
R2= O

25. Colocar o ohmímetro entre os pontos PT1 e PT3 e medir a resistência do resistor R,
(470 O).
R1= ____ n
26 . Mudar o ohmímetro entre os pontos PT1 e PT6 para medir o valor da resistência de R3
(68Kn) .


ti
27. Substituir os valores medidos na equação abaixo :

R, R3
R2 R.
-A relação R 1/R 2 coincide com a relação R3'Ri? ______ (sim/não) .


-
••
DISCUSSÃO

Em um circuito ponte balanceado, a d .d.p. entre os pontos intermediários dos dois ramos é zero .
Isto foi comprovado com o voltímetro conectado entre PT4 e PT5. que deu uma indicação de O

•• V. Com qualquer desbalanceamento da ponte, aparece d.d .p. entre esses dois pontos. isto foi
verificado elevando-se a resistência de R2 , o que causou uma leitura positiva no voltímetro . Da
mesma forma, quando o valor de R2 foi diminuído , o desbalanceamento da ponte causou uma

•• leitura negativa no voltímetro .

O equilíbrio ou balanço da ponte é possível, elevando-se ou reduzindo-se valor de R4 na mesma

•• proporção que R2 , como foi verificado .

Finalmente, com os valores medidos dos 4 resistores, pode-se provar que, em uma ponte

• balanceada , a relação entre os valores das resistências de um ramo é igual a relação do outro
ramo, por exemplo, adotando alguns valores típicos que podem ser obtidos nesta experiência :

•• Neste caso, as relações seriam :

•• R,
R2
=1 17
'
e R3 =1 13
R4 '
•• 111 113
• - · X 100= 3 53%

•• 113
'
'

•• Datapool Eletrónica

••
••
-- ---- - -- --- - - ~-
DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 6 - Circuito Ponte 1 31

A diferença entre as relações é inferior a 4 pontos percentuais. Esta faixa de diferença é o


melhor que se pode esperar para o grau de precisão do instrumento e a tolerância dos
elementos envolvidos .

••

••
••
••
••
.•

,
Datapool Eletrónica

••

OATAPOOL
ELETRÔNICA

• Experiência 7 - Ponte de Wheatstone1 32



• EXPERU:NCIA
7

•• PONTEDE WHEATSTONE

• INTRODUÇÃO

•• Uma das aplicações do circuito ponte é a Ponte de Wheatstone. Ela utiliza a relação existente
entre os valores das resistências que compõem o circuito ponte, visto na experiência 6, com o

•• objetivo de detenninar o valor de uma resistência desconhecida, a partir de três resistências


perfeitamente conhecidas .

•• Em uma Ponte de Wheatstone construída para funcionar como aparelho de medição, as três
resistências conhecidas são de alta precisão e pelo menos uma é do tipo variável, munido de
uma escala para fazer a leitura da resistência que está sendo medida. Este tipo de aparelho

•• destina-se à medições de precisão, especialmente para valores pequenos de resistências


(menores que 1 n). porém. é aplicável em qualquer faixa de valores. Um galvanômetro forma
parte do aparelho para monitorar o balanceamento da ponte.

••
•• OBJETIVOS

•• •

Demonstrar a operação de uma ponte de Wheatstone.
Demonstrar a aplicação típica de um circuito ponte.

••
•• • MATERIAL NECESSÁRIO

• 1 Módulo Universal MU-2000


• 1 Cartão de experiências EB-03.

•• • 1 Multímetro Digital

•• PROCEOIM ENTO

•• 1. Com o módulo desligado, instalar o cartão EB-03. na seção Eletrônica Básica. o


circuito utilizado está esquematizado na figura 7.1 e fonna parte do bloco "B" do

•• cartão EB-03 .

•• Datapool Eletrônica

••
••
••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 7 - Ponte de Wheatstone j 33

••
••
••
••
••
••
•• Figura 7. 1 - Cartão EB-03, circuito "B"

•• 2. Girar o potenciômetro de 1 kn, localizado no módulo, totalmente no sentido horálio .

3. Colocar todas as chaves do OIP Switch, do bloco B do cartão, na posição fechada

•• (ON):

•• 4. Colocar a chave Liga/Desliga da seção Fontes Variáveis do módulo na posição


desligada . Ajustar os potenciômetros +VAR e -VAR no mínimo (girar totalmente no

•• sentido anti-horário) e, em seguida , ligar o módulo .

•• 5. Selecionar o multímetro para medir tensão DC na faixa dos 10 V e conectá-lo entre a


saída positiva da fonte variável e AGND . Ajustar a tensão +VAR em tomo de 5 V .

•• 6 . Mudar o voltímetro para PTI (positivo) e PT10 (negativo) .Ligar a chave Liga/Desliga
da fonte valiável e ajustar a fonte +VAR até que o voltímetro indique exatamente +5 V .

•• 7.

8.
Mudar o terminal positivo do voltímetro em PT8 e o tenninal negativo em PT9 .

Monitorando a leitura do voltímetro , balancear a ponte variando o potenciômetro de 1

•• kn, localizado no painel do módulo, procurando obter O V na saída (diminuir a escala


de tensão) .

•• 9 . Desligar a alimentação do circuito, desligando a chave Liga/Desliga da fonte variável


do módulo e retirar o multímetro .

1 o. Abrir todas as chaves do DIP Switch "B" (S30S20 S10 = O O O). Selecionar o multímetro
•• numa escala para medir resistência, na faixa de 1 kn , e medir a resistência do
termistor Ri. entre PT9 e PT10 .

•• R4 = O.
11. Medir a resistência R2 (potenciômetro de 1 kn.) entre os pontos PT8 e PT1 o.
•• Datapool Eletrônica

••
••
••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência7 - Ponte de Wheatstone j 34

••• R2= ____ n.

•• 12. Medir as resistências R 1 e R3 entre PT7 e PT12 e entre PT7 e PT11, respectivamente .

R1= ____ n R3= ____ .n.


•• 13. Depois do balanceamento, as quedas de tensões no ponto intermediáno de ambos os

•• ramos são iguais . Portanto, a tensão de saída da ponte é zero. Matematicamente :

•• •
•• Portanto:

••
••
•• Conhecendo-se os valores de R1, R2 e R3, a resistência R4 pode ser calculada
usando-se a fórmula:

••
••
••
1. •
••
R4= _____ n
- Comparar este valor com o valor medido no passo 10.

•• DISCUSSÃO

•• No passo 8 foi feito o balanceamento da ponte . Nos passos seguintes , foram medidos os valores
das resistência do circuito ponte de Wheatstone . Depois . calculou-se o valor da resistência R4 .

•• com isto . o desempenho da ponte como medidor de resistência é checado , comparando o valor
real medido com o multímetro e o valor calculado para R4 .

•• Oatapool Eletrónica


••

-
DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 7 - Ponte de Wheatstone j 35

• A ponte de Wheatstone tem muitas aplicações. A simples mudança no valor da resistência de


um resistor pode determinar não somente qual a tensão envolvida na saída da ponte, mas
também, a polaridade daquela tensão. Esta característica da ponte de Wheatstone é utilizada em
um grande número de instrumentos eletrônicos e em aplicações de sensores e controladores.

No lugar do resistor R4 poderíamos também utilizar um termístor 1 . Deste modo balancearíamos

• a ponte como no passo 8 e, então, seguindo os passos anterionnente descritos encontraríamos


o valor da resistência do tennistor . Ao alterannos a temperatura do termístor teríamos um
conseqüente desbalanceamento da ponte, o qual seria facilmente velificado pela medição da

•• tensão entre os pontos PT8 e PT9 do circuito utilizado, a qual deixaria de ser OV.

Obs.:

••
1
Um termistor é um componente resistivo que tem sua resistência variável de acordo com a
temperatura do mesmo. Um simples toque com algum objeto em um termístor que esteja à
temperatura ambiente pode causar uma mudança resistência do mesmo. isto ocorre devido a

•• diferença de temperatura entre o tennistor e o objeto utilizado, o que causaria uma conseqüente
mudança na resistência do tennistor .

••
•••
••
••

••
••
••
••
••
••
•• Datapool Eletrônica

••
••
-
DATAPOOL

••
ELETRÔNICA

•• Experiência 8 - Teorema da Superposição J 36

•• EXPERl~NCIA 8
•• TEOREMA DA SUPERPOSIÇÃO

••
•• INTRODUÇÃO

•• Em análise de circuitos elétricos . existem três teo remas muito utilizados para simplificar e facilitar
a resolução de circuitos compOcados. Os teoremas de Norton. Thevenin e da Superposição
oferecem uma maneira de resolver circuitos que. muitas vezes, pelos métodos tradicionais fica

•• difícil de resolver. Nesta experiência , será verificado um dos três teoremas fundamentais de
rede, o Teorema da Superposição .

•• OBJETIVO

•• • Realizar a comprovação prática do Teorema da Superposição .

••
• ••
MATERIAL NECESSÁRIO

• 1 Módulo Universal 2000

•••
• 1 Cartão de experiências EB-04
• 1 Multímetro Digital
• 1 Calculadora eletrônica

•• PROCEDIMENTO

•• 1. Antes de instalar o cartão EB--04 - B. colocar todas as chaves do DIP Switch na

•• posição aberta (OFF) .

•• PRECAUÇÃO IMPORTANTE JI!

• •• Durante toda a experiência, t<?ma.resp~c ial c~idado para ~ão fechar ao mesmo tempo s1 com
S5 , e S2 com S4 , quando o circuito estiver alimentado , pois estas condições colocam as fontes
/ variáveis em curto circuito ! 1

•• Oatapoo/ Eletrônica

••


••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência8 - Teorema da Superposiçao j 37

•• 2. Com o módulo desligado e todas as chaves do cartão abertas, instalar a placa EB-04

•• em um dos conectores da seção Eletrônica Básica. o circuito utilizado é mostrado na


figura 8.1 seguinte:

••
•• 1 kQ 1 kO

•• •,.' Se
PT4
R,
11c0

•• .r ··-·- PT3

•• , mA

t. ..~ .
s,

•• PT2

•• Figura 8. 1 - Cartão EB-04

•• 3. Colocar a chave Liga/Desliga da seção Fontes Variáveis do módulo na posição


desligada . Ajustar os potenciômetros +VAR e -VAR no mínimo (girar totalmente ,
sentido anti-horário) e, em seguida, ligar o módulo .

•• 4. Selecionar o multímetro para medir tensão DC em uma faixa que possibilite a leitura
de 10 V e conectá-lo na saída positiva da fonte variável. Ajustar a tensão +VAR até

•• que o voltímetro indique 10 V.

5. Mudar o multímetro para a saída negativa da fonte variável e ajustar a tensão -VAR

•• até que o voltímetro indique -5 V .

6. Instalar o voltímetro entre os pontos PT1 (positivo) e PT2 (negativo). Ligar a chave

•• Liga/Desliga da fonte variável. O voltímetro deve indicar a tensão da fonte positiva .

7. Mudar a ponta positiva do voltímetro no ponto PT5 , de modo que o aparelho fique


•• 8.
entre os pontos PTS e PT2. O voltímetro deve indicar a tensão cta fonte negativa .

Desligar a fonte variável do módulo . Fechar as chaves S1 e S2 , adotando


condição :
a seguinte

1 •

•• 9. Retirar o multímetro e selecionar uma escala para medir corrente DC, da ordem de 20
mA, e conectá-lo entre os pontos PT2 (negativo) e PT3 (positivo) .

•• 10. Ligar a fonte variável para alimentar o circuito e medir a corrente através de R3 .

•• Datapoo/ Eletrônica

••


•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 8 - Teorema da Superposição I 38

••
•• 11. Observar que a fonte de + 1OV empurra corrente de cima para baixo em R3.
enquanto que a fonte de -5V tende a empurrar a corrente de baixo para cima
através de R3 • Então, estas correntes se (subtraem/somam) .

•• 12. Desligar e fonte variável do módulo .

•• 13. Abrir a chave S 2 e fechar S4 . Deste modo, a fonte de -5 V foi removida do circuito e
R2 foi conectada ao polo negativo da fonte de +10 V (observar a figura 8.1} .

••
14 . Ligar a fonte variável do módulo . O valor lido da corrente '3 é mA .
Observar o sentido de circulação desta corrente . Na ausência da fonte de -5 V, a
corrente '3 aumenta ou diminui de valor?---------------

•• 15. Desligar a fonte variável e atuar nas chaves $4 S 2 "' O 1. Isto retoma o circuito à
situação original, isto é, a fonte de -5 V volta a fazer parte do circuito .

•• 16. Ligar a fonte variável. A corrente 13 retoma para ______ mA .

17 . Novamente desligar a fonte e , em seguida, abrir S1 e fechar S 5 . Deste modo, retira-

•• se a fonte de +1 O V e o resistor R1 é conectado ao polo positivo da fonte de -5 V .

18. Ligar a fonte variável e medir novamente a corrente 13 . O sentido da corrente

•• indicado pelo aparelho, comparado com o que foi observado no item 13 , tem
------
lido de b é:
-------- (o mesmo sentido I sentido invertido) . O valor

•• 13 = ------ mA .

•• 19. Desligar a fonte variável e o módulo . Retirar o multímetro e o cartão de experiências .

20 . A experiência mostrou que a fonte positiva atuando sozinha tende a forçar uma

•• corrente de +
tende a forçar uma corrente de -
Então, a corrente resultante é :
mA através de R 3 . Também, a fonte negativa sozinha
rnA através de R3 (sentido oposto) .

•• [Corrente resultante] = (13(+VAR)] + ['3 (-VAR)]

•• ---- [mA) = ---- [mAJ - ---- [mA]

•• 21. Esta corrente calculada é aproximadamente o valor da corrente medida nos passos

•• 10 e 16?
Teorema da Superposição?
(sim/não) . Então . foi verificado com esta experiência o
(sim/não) .

••
••
•• Datapool Eletrônica

•••
••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 8 -Teorema da Superposiçao 1 39

•• DISCUSSÃO

•• Estes procedimentos demostram, experimentalmente , a validade do Teorema da Superposição.

•• A corrente resultante através de R3 que foi medida nos passos 10 e 16 deve estar em tomo de
1 ,67 mA. Este valor pode ser obtido fazendo-se a superposição dos efeitos de cada fonte

••
atuando individualmente no circuito . Cada fonte produz uma corrente independente através de
R3; a soma algébrica destas correntes dá como resultado a corrente b. resultante do efeito da
superposição .

•• Removendo a fonte negativa e curto-circuitando R2 para o pólo negativo da fonte de +10 V, corn
o fechamento da chave S 4 , obtém-se uma corrente aproximada de +3,34 mA através de R3. Esta
corrente é provocada pela fonte de +10 V que atua sozinha no circuito .

•• Quando a fonte positiva é removida e R 1 é curto-circuitado para o polo positivo da fonte de -5V,
esta força uma corrente de -1,67 mA através de R3 (sentido oposto). Então, a corrente resultante

•• calculada no item 20 deveria ser aproximadamente:

+3,34 [mAJ - 1,67 [mAJ =+1,67 [mA).


•• Os valores da corrente '3 medida nos itens 1 O e 16 devem estar próximas do valor calculado no
item 20. Se a corrente 13 for calculada usando o Teorema da Superposição, deve-se obter os

•• seguintes resultados:

•• a) Fonte Negativa em curto:


h
..
•• 1 kQ 1 kQ

•• +
-=- + 10V
hl
R3
1 kQ

••

1.
Figura 8.2- Fonte negativa em curto

• R 2 está em paralelo com RJ, cuja Req 500

= 1,5 kQ
= n e está em série com R 1.

• Rr

•••
Ir== 10 V/ 1,5 kn =+ 6,67 mA .
Esta corrente deve dividir-se igualmente entre R2 e R3 , pois as duas resistências têm o

•• mesmo valor .

•• b =h = 3,34 mA .

•• Datapool Eletrônica

••

ta
••
•• DATAPOOL
ELETRÔN ICA

•• Experiência 8 - Teorema da Superposição 1 40

••
•• b) Fonte Positi\,a em curto:
R2

•• 1 kQ 1 kQ

••
R3
11c0
j· -5V--==-
+

•• ... h 4
h

•• Figura B.3- Fonte Positiva em curto

R, está em paralelo com R3 , cuja Req= 500 n, e está em série com R2 • obtendo-se :

•• Rr =1,5 kQ

•• Então, a corrente total é:

Ir =5 V I 1,5 kQ =3,34 mA.


•• Esta corrente se divide igualmente entre R 1 e R3 , logo:

•• h =13 =1 ,67mA .

•• e) Corrente resultante através de R3:

R,

•• 1 kO

l 1 kn

•• +VAA~
+
3,34

1,67
1
••
•• Figura 8.4 - Corrente resultante em R3

•• Finalmente, é calculada a corrente resultante :

l3 e + 3,34 mA -1,67 mA = +1,67 mA .


•• os valores calculados devem ser aproximadamente iguais aos valores encontrados nas
medições experimentais .

••
••• Oatapool Eletrôn ica

••

••·
•• DATAF'OOL
ELETRÔNICA

•• Experência 9 - Teorema de Thevenin 1 41

••
•• EXPERIÊNCIA 9

•• TEOREMA DE THEVENIN

•• INTRODUÇÃO

•• Nesta experiência, será verificado outro teorema fundamental de rede, que é o Teorema de
Thevenin .

•• OBJETIVO

•• • Verificar experimentalmente o Teorema de Thevenin entre dois pontos A e B, com


auxilio do cartão de experiências EB-04 .

•• MATERIAL NECESSÁRIO

•• •

1 Módulo Universal 2000
1 Cartão de experiências EB-04

•• •

1 Multímetro Digital
1 Calculadora eletrônica

•• ••
PROCEDIMENTO
1. Antes de instalar o cartão EB-04, colocar todas as chaves do DIP Switch na posição
aberta (OFF) .

••
•• PRECAUÇÃO IMPORTANTE JI!

•• Durante toda a experiência, tomar especial cuidado para não fechar ao mesmo tempo s1 com
SS, e S2 com S4, Quando o circuito estiver alimentado, pois estas condições colocam as fontes
variáveis em curto circuito !

•• 2. Com o módulo desligado e todas as chaves do cartão abertas, instalar a placa EB-04

•••
em um dos conectores da seção Eletrônica Básica. O circuito utilizado é o mostrado
na figura 9.1 .

••
•• Datapool Eletrônica

••
-•
••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experência 9 -Teorema de Thevenin 1 42

•• R, PT4

•• 11c0 A

R3
1 kO

••
Se
1 kO
&
"4 PT3

•• +VAA-==-
5000
S3

•• PT2

•• Figura 9. 1 - cartão EB-04

•• 3. Colocar a chave Liga/Desliga da fonte variável do módulo na posição desligada .


Ajustar os potenciômetros +VAR e -VAR no mínimo (girar totalmente no sentido anti-
horário) e, em seguida, ligar o módulo .

•• 4. Selecionar o multímetro para medir tensão DC na faixa dos 20 V e instalar entre os


pontos PT1 (positivo) e PT2 (negativo) .

•• • 5. Ligar a chave Liga/Desliga da fonte variável . O voltímetro deve indicar a tensão da


fonte positiva. Ajustar a tensão +VAR , até que o voltímetro indique 1OV.

6. Mudar a ponta positiva do voltímetro para PTS, de modo que ele fique entre os pontos

•• PTS e PT2. O voltímetro deve indicar a tensão da fonte negativa. Ajustar a tensão
-VAR , até obter uma leitura de -5 V.

•• 7 . Desligar a fonte variável do módulo .

8. Considerando as chaves $ 3, S2 e S1 na posição fechada (S 3S2S 1 = 111) e usando o

•• Teorema de Thevenin, calcular os valores de ErH, RTHentre os pontos "A" (PT4) e


"B" (PT2). Calcular também a corrente l3 e registrar os resultados analíticos a seguir:

•• ErH==___ v RrH = ____

Agora , ser!o verificados experimentalmente os valores de


n
Rm e /3.

••
ETH,

9. Alterar a posição das chaves na seguinte configuração :

•• 10. Conectar o voltímetro entre os pontos PT4 (A) e PT2 (B), numa escala para medir 10

•• voe .
11. Ligar a fonte variável do módulo para alimentar o circuito e efetuar a leitura do

•• voltímetro. Esta leitura corresponde a tensão de Thevenin :

ErH= ____ V.

••
•• Oatapool Eletrônica

•••
...
••
• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experência 9 -Teorema de Thevenln j 43

•• Nota: Embora, a aplicação teórica do Teorema de Thevenin requeira que as fontes de tensões
sejam curto-circuitadas para se calcular RTH, quando se trabalha com circuitos reais, não é
aconselhável curto-circuitar a saída de uma fonte de potência . Felizmente, neste circuito

•• experimental, há um modo simples de se obter o mesmo efeito, atravésdas chaves Ss e 54 ,


lembrando sempre que não se deve fechar estas chaves com o circuito alimentado .

•• 12. Desligar a fonte variável do módulo e mudar a posição das chaves, de modo que S1

•• e S2 fiquem abertas e $4 e S5 fiquem fechadas :

••
••
13. Selecionar o multímetro numa escala para medir resistência na faixa de 2 k.Q e
conectá-lo entre os pontos PT2 e PT4 .

• 14. O valor lido no ohmímetro corresponde a resistência de Thevenin .

•• RTH= _____ n

•• 15. Com os valores medidos de


o mostrado na figura 9.2:
ETH e RTH, pode montar-se um circuito equivalente como

•• Rn,

500 0
A

•• +
Vih-==-
"3
-1
1 kO

••
h
~

•• O· ---
B

•• Figura 9.2- Circuito equivalente de Thevenin

• ••
Nos próximos passos, será feita a verificaçao deste circuito :

16. Colocar as chaves DIP Switch na posição indicada a seguir :

•• 17. Conectar o multímetro entre os pontos PT1 e PT2, numa escala de +10 v.

•• 18. Ligar a alimentação do circuito (fonte variável do módulo) e ajustar a fonte positiva
(+VAR) para o valor de ETHlido no item 11 (em tomo de 2,5 V) .

•• Oatapool Eletrónica

••
••
-
-
••
• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experência 9 -Teorema de Thevenin j 44

•• 19. Desligar a fonte variável do módulo. Abrir a Chave S3 , de modo que a posição das
=
chaves sejam: SaSs S4 SJ ~ 5 1 1 o O O O O.

•• 20. Selecionar o multímetro para medir corrente oc. na faixa


entre os pontos PT3 (positivo) e PT2 (negativo) .
de 20 mA. e conectá-lo

•• 21. Ligar a fonte variável do módulo e medir a co1Tenteatravés do circuito . Esta corrente
é a que circula através de R3 , ou seja, a corrente 13 .

••
•• 22. Desligar a fonte valiável e o módulo. Retirar o multímetro .

• Nota: Observar que o circuito que está sendo usado não é mais o circuito usado no início , mas
sim um modelo equivalente àquele. Este circuito equivalente é denominado Equivalente de

• Thevenin cujo esquema foi mostrado na figura 9.2.

23 . valor medido de '3. no circuito equivalente de Thevenin (item 21 ), está coerente com

•••
o valor calculado (rtem 8) e o valor medido na experiência 8 para as mesmas
condições do circuito? _____________________ _

•• DISCUSSÃO

•• Nesta experiência, foi utilizado o mesmo circuito da experiência 8 para verificar o Teorema de

•• Thevenin através de medições .

Se as indicações de tensões forem precisas e os componentes estiverem dentro da faixa de

•• tolerância, a tensão de Thevenin (ETH) encontrada no item 11 deve estar em tomo de 2,5 V.

No item 14, a medida de resistência de Thevenin RrH deverá ser o valor do resistor equivalente

•• da combinação paralela de R1 e R 2 , ou seja, em tomo de 500 n .

A partir do passo 15, é usado na experiência o circuito equivalente de Thevenin e trabalha-se

•• com este modelo . Portanto, a correrrte 13 medida deve estar em tomo de 1,67 mA. Os três
=
parâmetros medidos devem ser aproximadamente : ETH$:; 2,5 V ; RTH 500 n e 13 ::.:: 1,67 mA, e
estes valores devem estar próximos dos valores calculados no item 7 .

•• o equivalente de Thevenin é usado para simplificar circuitos complexos, com várias impedâncias
e várias fontes de tensões, em um circuito equivalente simples. com só uma impedância e uma

•• fonte de tensão . Isto possibilita detenninar facilmente os parâmetros do circuito (tensão, corrente
e impedância) .

••
•• Oatapool Eletrônica

••

DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experância 9 - Teorema de Thevenin j 45

Os cálculos do item 8 podem ser feitos confonne a seqüência de figuras a seguir:

A
1 kO 1 kO

•• +
1ov-=:....
R:,
1 kO +
sv

••
•••
Figura 9.3 - Circuito Original

•• a) Cálculo da resistência de Thevenin (RrH ) entre os pontos A e B, com as fontes de potência


em curto-circuito .

•• R,
A R2

•• 1 kO 1 ld:l R1


1 k!.l

,.
Rn,
A o---A../V\/L-o B
A R2 B 5001.,

•• B
1 kO

•• Figura 9.4 - Cálculo de RrH

•• b) Cálculo da tensão de Thevenin (ErH), tensão de circuito aberto entre os pontos A e 8 .

•• R,
A
R,

r
1 k:Q 1 kO

•• + ~-sv

•• -1
+10V-=:_

•• Ji,m•O •
B
T
•• Figura 9.5- Cálculo de ETH

•• • Oatapool Eletrônica

••

DATAPOOL
ELETRÔNICA

• Por Kirchoff. tem-se:


Experência 9 - Teorema de Thevenin j 46

• -1 O + (R1 X 1)+ (R2 X 1)- 5 = 0


-10+1+1-5=0
21=15
1= 7,5 mA

•• = =
VR1 R1 X 1 1 X 7,5 =7,5 V

•• Tensão em A:

10-7,5=2 ,5V

•• = =
ErH VAB 2,5 V

•• e) Circuito Equivalente de Thevenin:

•• Rn,

5000
A

••
•• oB
•• Figura 9. 6 - Circuito equivalente de Thevenin

•• d) Cálculo da corrente na carga: 13

•• • Ih

soo(l
A

•• +
Vn,~2,5V

•• 8
•• Figura 9. 7 - Cálculo da Corrente

•• -2,5 + 0,5 X 13 + 1 X l3 =0
•• l3 =2,5 / 1,5 = 1,67 mA

•• Oatapool Eletrónica

••
• •
---~~-------- ----------~~~~
.................... ~-
• DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência10-Teorema de Norton ! 47
••
•• EXPERIÊNCIA 10

•• TEOREMA DE NORTON

•• INTRODUÇÃO

•• Nesta experiência, será verificado outro teorema fundamental de rede, que é o Teorema de
Norton .

••
•• OBJETIVO

•• • Comprovar experimentalmente o Teorema de Norton entre dois pontos A e B. utilizando o


cartão EB-04 .

•• MATERIAL NECESSÁRIO
••
••
1 Módulo Universal 2000
1 Cartão EB-04
1 Multímetro Digital

••
1 Calculadora eletrônica

•• PROCEDIMENTO

..
••
• 1. Antes de instalar o cartão EB-04, colocar todas as chaves do DIP Switch na posição
aberta (OFF) .

..
•• PRECAUÇÃO
IMPORTANTE
Ili
ourante toda a experiência , tomar especial cuidado para não fechar ao mesmo tempo S1 com

•• S5 , e S2 com S4, quando o circuito estiver alimentado. pois estas condições colocam as fontes
variáveis em curto circuito !

••
••
Datapool Eletrônica

••

DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 1O- Teorema de Norton j 48

2. Com o módulo desligado e todas as chaves do cartão na posição aberta, instalar a


placa EB-04 em um dos conectores da seção Eletrônica Básica. O circuito utilizado
nesta experiência é mostrado na figura 10.1:

R, PT4

1 kO A 1 lc!l


•• PT1
s,
D----'1'---....1\.
s~
R4
s~ ( s2

1PTS
•• +
+VAA-=-
5000

..• PT2

Figura 10.1 - Circuito do Cartão EB-04

•,.
• 3. Colocar a chave Liga/Desliga da fonte variável do módulo na posição desligada .
Ajustar os potenciômetros +VAR e -VAR no mínimo (girar totalmente no sentido anti-
horário) e, em seguida, ligar o módu lo.

•• 4. Selecionar o multímetro para medir tensão DC na faixa dos 20 V e instalá-lo entre os


pontos PT1 (positivo) e PT2 (negativo) .

•• 5. Ligar a chave Liga/Desliga da fonte variável e ajustar a tensão variável positiva


(+VAR), até que o voltímetro indique 10 V .

•• 6. Conectar o voltímetro entre os pontos PT2 e PT5 e ajustar, no painel do módulo, a


tensão variável negativa (-VAR) até que o voltímetro indique 5 V.


,.. 7. Desligar a fonte variável do módulo.

Na contínuaçao, será obtido o equivalente de Norton. entre os pontos A e B do circuito,

•..
1t seguindo um procedimento similar ao das experiências anteriores .
R,
A
1 kO


,. + -=:--sv

••
+10V-==....
+

•• B
Figura 10.2- Circuito Original

••
••
Datapool Etetrôn ica

••

DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 10 - Teorema de Norton j 49

7. Como a corrente de Norton IN é a corrente entre A e B. estando A e B em curto-


circuito, tem-se:

A
-.h 1 kO

+
+1ov-==- il•-h -=--SV
+

Figura 10.3- Correntes no Circuito

Por cálculo:

lOV
11 =-= IOmA
lk!l

/ 2 =-5V- = 5mA
lkn
1,...= / 1 - / 2 = 10 - 5 =SmA
Esta corrente pode ser medida , com boa aproximação, procedendo-se da seguinte
maneira :

8. Fechar as chaves S1 e S 2 • A posição das chaves fica :

9 . Conectar o milíamperímetro entre os pontos PT4 e PT2, selecionado numa escala


para medir 1O mA DC .

•• 10. Ligar a fonte variável para alimentar o circuito .

11. Exceto pela pequena resistência do miliamperímetro, a corrente lida é a corrente de


Norton. Este valor é:
~
IN= ____ mA .
~

•• 12. Anotar o valor da corrente de Norton na figura 10.4. Desligar a fonte variável e o
módulo e retirar o multímetro .


••
13. A Resistência de Norton (RN) é a mesma que a Resistência de Thevenin (RTH) , que
já foi medida na experiência anterior. Registrar este valor na figura 10.4 .

•• Oatapool Eletrônica
RrH = RN=----- n


••
••
DATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 1O- Teorema de Norton l 50

14. A figura seguinte mostra o circuito equivalente de Norton.

------...-----oA

1• • t ........
~ .mA

'-----------uB
Figura 10.4- Circuito Equivalente de Norton

15. Se R3 for conectado entre A e B, a corrente 13 deve valer:

lz..
1.
SITIA
t R,
5000
R,
1 kQ

B
Figura 10.5- Circuito para achar a corrente através de R3

Então, o valor calculado de h é----- mA.

Esta aproximação coincide com os valores de b já encontrados nas experiências


anteriores?_____ (sim/não)

DISCUSSÃO

No item 7, foi detenninado que IN está em tomo de 5 mA. Sabe-se que RN tem o mesmo valor
que RTH.que você já encontrou na experiência anterior, sendo de 500 n .

No passo 15, pode notar-se que a corrente de 5 mA se divide, de modo que 1/3 passa através
de R3 (1kn). enquanto que 2/3 passam através de RN (0,5 kn). Desta maneira, mais uma vez foi
encontrado que b está em tomo de 1,67 mA. Este valor foi encontrado usando o Teorema de
Norton e, assim. verifica-se experimentalmente a validade deste teorema .

Datapool Eletrônica


••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 11 - Constantes de Tempo RC j 51

••
•• EXPERIÊNCIA 11

•• CONSTANTES DE TEMPO RC

•• INTRODUÇÃO

•• Os capacitares são elementos passivos que têm capacidade de annazenar energia em forma de
cargas eletrostáticas entre duas placas. Esta capacidade de armazenamento é denominada

•• capacitãncia (C) e depende das características construtivas do elemento .

Um capacitor fica carregado (armazena energia), toda vez que um fluxo de cargas elétricas

••
(corrente elétrica) circula entre seus terminais. O tempo de carga do capacitor depende do
valor dessa corrente, que por sua vez depende do valor da resistência que está em série com o
componente .

•• Define-se como constante de tempo RC . simbolizado por ('t'), o tempo que leva um capacitar,
em série com uma resistência, para armazenar uma quantidade de carga capaz de produzir uma

•• d .d .p. de 63 ,3 % do valor do degrau da tensão aplicada. Nesta experiência será verificado,


experimentalmente, as características de carga e descarga dos capacitores .

••• OBJETIVOS

•• •

Verificar experimentalmente as características de carga e descarga dos capacitares .
Medir a constante de tempo RC no processo de carga e de descarga de um capacitor .

•• MATERIAL NECESSÁRIO
•• 1 Módulo Universal 2000
1 Cartão de experiências EB-05

•• 1 Multímetro Digital
1 Calculadora eletrônica
1 Relógio ou 1 Cronômetro para medir segundos

••
• PROCEDIMENTO

•• a) Análise das Características de Carga do Capacitor:


••
.
1. Com o módulo desligado , instalar o cartão EB-05 na seção Eletrônica Básica. o
circuito a ser utilizado é mostrado na figura 11.1.

, • Oatapool Eletrón ica


••

rJ

••

••
DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 11 - Constantes de Tempo RC 1 52

••
•• PT1

••
••
r··
s1 +
+VAR.

••
~

A, Rs Re V
.....___,,,
1000 49.9 kO 24.9kD

•• s3

•• PT2

•• Figura 11. 1- Circuito EB-05

•• • 2. Inicialmente, selecionar as chaves do DIP Switch na seguinte configuração:

•• 3. Conectar o voltímetro entre os pontos PT1 e PT2, selecionando uma escala para
medir na faixa de 20 V OC.

•• 4. Ligar o módulo e a chave Liga/Desliga da fonte variável. Ajustar a tensão +VAR até
que o voltímetro indique 10 V .

•• 5. Desligar a fonte variável do módulo .

6. Alterar a posição das chaves para: 54 S3 S2 s, = 1 1 1 O. Esta operação possibilita a

•• descarga completa de e, através de Ri. O voltímetro deve indicar zero .

7. Usando os valores: R1 =49,9 kn e e,= 470 µF, calcular a constante de tempo RC .

••
•• RC = 't =------------- =--- s

•• 8. Baseado no texto teórico, completar a tabela 11.1 com os valores esperados da


tensão, correspondente à carga em intervalos de O, 1, 2, 3, 4 e 5 constantes de
tempo . Marcar no gráfico da figura 11.2 os pontos da tensão sobre de e, esperados

•• nos intervalos múltiplos da constante de tempo. ·

•• Datapool Eletrónica


••


~

••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 11- constantes de Tempo RC j 53


•• Múltiplos da Constante

•• de Tempo
Tensão sobre C1
M 0,0
o 1 2 3 4 5

•• Tabela 11. 1- Valores esperados da tensão .

••
•• o
...
is 10
~
--

•• o
'Ili

~
~ 8

•• 6

•• 4

•• • o 2 3 s
~

Constantes de Tempo

•• Figura 11.2- Tensão sobre C 1 , durante o processo de carga

•• 9. Usando uma caneta colorida , apenas para distinguir esta cu,va de outra que será
traçada mais tarde no mesmo quadriculado , unir os pontos para formar a curva de
carga do capacito r. Comparar a curva traçada com a curva existente no texto teórico .

•• 10. A seguir , será efetuada a medição da constante de tempo RC do circuito , com os


valores reais dos componentes usados nesta experiência. O circuito de carga do
• ••
capac itor está mostrado na figura 11.3 .

•• OBSERVAÇÕES:

1.•
••
1) Para se obter um resultado preciso , deve-se repetir o procedimento pelo menos
três vezes e tirar a média das medições .

2) Será necessário um cronômetro, ou um relógio , para medir a constante de tempo


RC (T) em segundos .

••

• Datapool Eletrônica





••
•• OATAPOOL
ELETRÔNICA

••• Experiência11 Constantesde Tempo RC j 54

••
••
•• -=-
s,

+VAA
+

•• ;ov

•• s3

•• PT2

•• Figura 11.3- Circuito equivalente de carga do capacitor

•• 11 . Para o processo de carga , colocar as chaves $4, S 3 , S 2 e S1. na seguinte posição :

•• 11. Inicializar o cronômetro . Ligar a fonte variável, simultaneamente com o disparo do


•• cronômetro , procurando medir o tempo requerido para que a tensão sobre C1
alcance 6 ,32 V .

•• 12. Depois de descarregar o capacitor . repetir o passo anterior pelo menos três vezes .

•• Importante: Em cada repetição , C 1 deve ser completamente descarregado, através da


resistência ~ - Para isto, deve-se desligar a fonte variável do módulo e manobrar a chave S 2,
fechando-a durante alguns segundos e abrindo, novamente , antes de um novo processo de

•• carregamento .

•• 14. A média obtida das feituras da constante de tempo RC é segundos .


Comparar este valor como calculado no item 7. eles devem ser aproximados .

•• 15. Calcular os múltiplos desta constante de tempo e entrar com os valores no gráfico da
figura 11 .2 (no mesmo gráfico traçado anteriormente) .

•• 16. Desligar a fonte de alimentação do circuito e descarregar C1 através de R4 ,


manobrando a chave S 2. Esperar alguns segundos para que o capacitor descarregue
e , em seguida, abrir novamente a chave S2.

•• 17 . Nesta situação, as posições das chaves devem continuar sendo: S 4S 3 S 2S 1


Verificar este fato e ligar a fonte variável simultaneamente com o disparo do
=1 1 o 1.
• cronômetro .

•• Datapool Eletrônica


••

••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 11- Constantes de Tempo RC j 55

•• 18. Efetuar as medidas da tensão sobre de C1 em intervalos de 2, 3, 4 e 5 constantes

•• de tempo. Por exemplo, se o tempo encontrado no passo 14 for de 24 segundos ,


deve.se tomar a leitura da tensão sobre de C1 nos instantes :

•• 2 x24
3 x24
4x24=
=48 s,
=72 s,
96 s,

•• 5 x24 =120 s
19. Registrar estes valores na tabela 11.2 mostrada a seguir .

•• Múltiplos de t o 1 2 3 4 5

•• Tempo [s)

e, M
o
o
••
Tensão sobre

•• Tabela 11.2 - Valores medidos para múltiplos de 't

•• OBSERVAÇÃO: Para se ter maior precisão na obtenção destes valores, deve-se repetir
várias vezes o procedimento de medição e tirar a média das leituras .

•• 20 . Transferir para o gráfico da figura 11.2 (item 8) todos os valores obtidos . Unir os
pontos (com uma caneta de cor diferente), para formar a curva real do processo de

•• carga do capacitar .

21 . Comparar a curva traçada no passo anterior com a outra traçada no item 9. O que se

•• pode conclu ir a respeito das duas curvas?

••
••• 22 . Substituir o resistor R1 de 49,9 Kn pelo resistor R2 = 24,9 Kn . Para isto , basta abrir
s~e fechar Ss (Ss $ 4 = 1 O).
23. Calcular o novo valor da constante de tempo RC do circuito

•• 't 2 =_____ s.

•• 24 . Usando a mesma técnica utilizada antelionnente (passos 10 a 14). e após


descarregar o capacitor , medir a nova constante de tempo . Agora , o valor medido é
de segundos .

• Este valor está coerente com o valor calculado para a nova combinação RC?

•• ----- (sim/não) .

•• Datapool Eletrônica





~

•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 11- Constantes de Tempo RC j 56

•• O que ocorre com o valor da constante de tempo, quando o valor da resistência


diminui?

••
•• 25. Desligar a fonte variável do módulo.

••
•• DISCUSSÃO 1

•• A constante de tempo calculada no item 7 deve estar próxima de 24 segundos (RC


3
10 x 470 x 10-6= 23453 x 10-3 = 23,45 s) .
= = 49,9 x
't

•• A curva traçada no passo 9 deve coincidir exatamente com a curva mostrada no texto teórico . O

•• formato desta curva é universal e deve ser verdadeiro para qualquer combinação de valores de
resistência e capacitância.
A curva real traçada no passo 20, deve ser igual a curva teórica traçada no passo 9. Contudo,

•• devido ao método de temporização não ser exato, à tolerância dos componentes e à carga
adicional do medidor, podem existir alguns erros que são inevitáveis. No entanto, a curva real
traçada a partir dos valores medidos deve ter o mesmo formato que a curva teórica_

•••
No passo 23, quando o valor da resistência foi diminuído, provocou a diminuição da constante de
tempo RC. Com um resistor de 24,9 Kn. a constante de tempo deve ser aproximadamente 11,7
segundos. Devido a erros inevitáveis. o valor medido pode ser um pouco diferente_

•• Para a descarga do capacitor conecta-se o tenninal positivo de C1 para terra (após remover a
fonte de potência), através do resistor de 1000 e a manobra da chave S;i. Este resistor limita a
corrente de descarga, protegendo o capacitor contra eventuais danos .

• ••
• b) Análise das Características de Descarga do Capacitor:
•• A seguir, será examinado o processo de descarga do capacitar .
•• 26. Nesta fase da experiência, as chaves devem estar com a seguinte configuração:
=
Sa S7 S6 S5 $4 S3 S2 S1 O 1 1 O O 1 O 1. Deste modo, é disponibilizado o circuito
•• mostrado na figura 11.4.

••

• Datapool Eletrônica

••
••
.a ~~~----------------------~~~~~~~~~
~------------------------------------------------
••
~-

•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 11 - Constantes de Tempo RC j 57

••• PT1

•• s,
1000

•• -=-
+VAA
,ov
+ e,
.oC70!lf'
~
!
!
V:
•• y

••
•• Figura 11.4- Circuito equivalente disponível .
PT2

•• • 27. Ligar a fonte variável do módulo e C, carregará rapidamente através de R3. A


tensão da fonte deve permanecer ajustada, de maneira que o voltímetro indique

•• exatamente 1O V (procedimento do passo 4) .

28. Usando os valores dados de R5 e e,. calcular a constante de tempo do circuito da

•• figura 11.4.- A constante de tempo do circuito RC é de segundos .

29 . Na quadrícula da figura 11 .5, marcar os valores esperados da tensão sobre C1.

•• durante o processo de descarga, nos instantes: O, 1, 2, 3, 4 e 5 constantes de


tempo .

•• ....
o
...
J:i 10

•• !
5:
o
':)l
8 -


•• 6
--

•• 4 - ·

•• 2 =


-
-
•• o 2 3 s Constantes de Tempo

e, durante a descarga
•• Figura 11.5 - Tensãosobre

•• Oatapool Eletrônica

••
••
~

•• DATAPOOL

•• ELETRÔNlCA

•• Experiência11 - Constantesde Tempo RC j 58

•• 30. Com a caneta colorida, unir os pontos para formar a curva de descarga do
capacitar . Comparar esta curva com a curva do texto teórico .

•• 31. De modo semelhante ao que já foi feito anteriormente, medir a constante de tempo
RC para componentes reais, Rs e e,. O circuito para análise de descarga do
capacitar está mostrado na figura 11.6 .

•• l"T1

•• 1000

•• • lv~
-=- ,ov
+ e,
<470Ili' ,.,---...__
·v
-........./

•• s1

••

PT2

Figura 11. 6 - Circuito para descarga do capacitor

•• Nota: Obse,var que a única diferença entre este circuito e o circuito anterior é que a chave S1

•• está aberta (S, = O), o que desliga a alimentação +VAR. O mesmo efeito se consegue
deixando S 1 ligada e abrindo a chave Liga/Desliga da fonte variável. Para facilitar a
experiência, adota-se esta chave em lugar de S1 (circuito da figura 11.6) .

•• 32. Resetar o cronômetro . Desligar a chave Liga/Desliga da fonte variável e,

•• simultaneamente , disparar o cronômetro . A tensão lida no multímetro deve cair


exponencialmente , acompanhando a descarga do capacitor. Medir o tempo
requerido para a tensão sobre C1 cair até 3,68 V.

•• 33. Ligar novamente a fonte variável do módulo para recarregar o capacitor C 1 até 10 V.

•• 34. Repetir a operação de descarga uma ou mais vezes e tirar a média das medições
obtidas .

• - A constante de tempo RC de descarga é de segundos .

•• - Este valor é coerente com o valor calculado no item 28?

•• 35. Calcular os primeiros 4 múltiplos da constante de tempo de descarga e entrar com

•• estes valores na tabela do item 36 .

•• Datapool Eletrônica

••


•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 11 - Constantes de Tempo RC 1 59

•• 36. Medir a tensão através de C1. após a descarga, para os intervalos de 2, 3, 4 e 5


constantes de temPo, e registrar estes valores na tabela a seguir:

•• Múltiplos de t o 1 2 3 4 5

•• Tempo [s)

Tensão sobre C1 M
o
10 3,68

•• Tabela 11.3 - Valores medidos para múltiplos de 't'

•• 37 . Transfelir estes valores para o gráfico da figura 11.5 (item 29) .

•• 38 . Usando uma caneta colorida, conectar os pontos para fonnar a curva real de
descarga do capacitor .

•• 39 . Comparar a curva real traçada no passo anterior com a curva traçada no passo 30 .
O que se pode concluir? _____________________ _

••
•• =
40. Alterar as chaves S 8 S 7 1 O. Isto diminui o valor do resistor de descarga de Rs =
49,9 k.Q para Rs= 24 ,9 kn para verificar que a constante de tempo é diretamente
proporcional ao valor do resistor de descarga .

•• 41. Como foi feito nos passos 32 a 34, medir a constante de tempo de descarga .
Foi observado que a constante de tempo é proporcional ao resistor de descarga?

•• ----- (sim/não) .

42 . Desligar a fonte variável e o módulo .

•• •
•• DISCUSSÃ02
As duas curvas de descarga devem corresponder , aproximadamente, à curva de descarga ideal

•• mostrada no texto teórico . A constante de tempo de descarga calculada é a mesma que a


constante de temí!o de carga , desde que os valores do resistor e do capacitor são os mesmos (T
= =
RC 49,9 x 10 x 470 x 10-6 = 23456 x 10" =
,,,
3 3
23.45 segundos) , e o valor medido deve estar
próximo deste valor . Como Ra limita a corrente de descarga do capacitar (na primeira parte desta
,.
,.
experiência), da mesma forma R3 limita a corrente de carga de c ,. (nesta segunda parte) . Isto
evita possíveis danos devido a surtos de corrente excessiva entre os teITTlinaisdo capacitor.

~
,.
- Oatapool Eletrónica
C)

•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência12 - Capacitaresem série e em paralelo j 60

•• EXPERIÊNCIA 12
•• CAPACITORES EM SÉRIE E EM PARALELO
••
•• INTRODUÇÃO

•• Da mesma fonna como foi visto anterionnente a necessidade de se associar resistências,


também existe a necessidade de se estudar associações de capacitores . É comum
encontranTios em circuitos práticos , associações de capacitares em série ou em paralelo . Nesta

•• experiência, serão observados três conceitos importantes sobre associações de capacitores em


série e em paralelo .

•• OBJETIVOS

•• • Observar como acontece a distribuição da tensão entre dois capacitores conectados

•• •
em série .
Verificar de que fonna a capacitância total é afetada pela conexão de capacitores em
série e em paralelo .

••
•• • MATERIAL NECESSÁRIO

• 1 Módulo Universal 2000

•• •


1 Cartão EB-06
1 Multímetro Digital
1 Cronômetro ou Relógio para medir segundos

••
,•.
•• PROCEDIMENTO

1. Antes de instalar o cartão EB-06, colocar todas as chaves dos DIP Switch's "Chave 1"
e "Chave 2" na posição aberta .

• PRECAUÇÃO IMPORTANTE Ili

• Ourante toda a experiência , tomar cuidado para não fechar ao mesmo tempos,. s 2 e s 3 do DIP
• Switch 1 e S, , S 2, $ 3, $ 4 e Ss do DIP Switch 2 quando o circuito estiver alimentado , pois estas

• cond ições podem colocar a fonte variável em curto circuito I

• Datapool Eletrônica





o
•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência12- Capacitores em série e em paralelo ! 61

•• 2. Instalar o cartão EB-06 na seção Eletrônica Básica. o circuito utilizado nesta parte da
experiência corresponde ao bloco identificado como "Circuito I" e está ilustrado na

••
figura 12.1 .

PT1

•• + e,

•• l
-=-
VAA
,ov
R,
10 lcO
470µF

R2

•• + c2
6 ,80

•• PT2
220v.f

•• Figura 12. 1 - Cartão EB-06 - Circuito I

•• 3. Colocar a chave Liga/Desliga da fonte variável na posição desligada e levar os


potenciômetros de ajuste na posição de mínima tensão (girar totalmente no sentido
anti-horário), em seguida ligar o módulo .

•• 4 . Colocar a chave S1 do DIP Switch1 na posição fechada (S3 S2S, = 001) .

•• 5. Conectar o multímetro , selecionado numa escala para leitura de 20 V DC, entre os


pontos PT1 e PT2 .

•• 6. Ligar a fonte variável do módulo e ajustar a tensão +VAR até que o voltímetro indique
10 V .

• 7. Desligar a fonte variável do módulo .

•••
8 . Depois de desligar a fonte variável, fechar as chaves S 2 e S 3, afim de descarregar os
capacitores .

IMPORTANTE: Não se deve fechar as chaves sem antes desligar a alimentação do circuito,

•• caso contrário, a fonte entrará em curto circuito .

o O.
••
9. Esperar alguns segundos e abrir novamente as duas chaves ; S3 S 2 =

10.Conectar o voltímetro entre os pontos PT3 e PT4. A leitura do voltímetro deve ser de
o V para o capacitor e, descarregado .
•• 11. Certificar-se de que S2 e S3 estejam na posição aberta e ligar a fonte variável do

••
módulo .

12. Após alguns segundos. o voltímetro indica a tensão sobre o capacitar C 1 . A queda de
tensão sobre C1 é de V.
••
•• Datapool Eletrônica

••

-
Q

•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 12 - Capacitares em série e em paralelo j 62

•• 13. Mudar o voltímetro entre PT4


de tensão sobre C 2 é de
e PTS e medir
V.
a tensão sobre o capacitor C2 • A queda

•• 14. Desligar a alimentação do circuito (fonte variável do módulo) .

•• 15. Baseado no que foi observado na experiência, responder:


Quando dois capacitares de valores diferentes são conectados em série , qual
deles se carrega com uma tensão maior? ______________ _

••
•• A soma das quedas de tensões dos capacitares em série é aproximadamente
igual à tensão aplicada? (sim/não) .

•• DISCUSSÃO 1

•• Esta expenência mostra como a tensão aplicada é distlibuída entre capacitores conectados em
série . Verificou-se que o capacitar de menor valor é carregado com uma tensão maior do que
aquele de maior capacitância . A tensão sobre o capacitar de 470 µF deve ser aproximadamente

•• 3,7 V, enquanto que a tensão sobre o capacitor de 220 µF deve ser aproximadamente 6,3 V .

A tolerância dos componentes e a carga do voltímetro introduzem alguns erros mas, idealmente .

•• a soma das quedas de tensões em cima de capacitares conectados em série é igual a tensão
aplicada (1 OV) .

•• A seguir será analisado de que forma a capacitancia total é afetada, quando capacitores sao
conectados em série:

•• 16. O circuito utilizado nesta parte da experiência corresponde ao bloco identificado como
"Circuito li" do cartão EB-06 e é mostrado na figura 12.2 .

••• 47 l<!l
l'--....-----.r-------OFT6

c3

_J= ~
+

•• _t ... s3

-=-
J
R,

• ,ov 10 k0
5

•• + e.
s
s•

••
220µF

....__- ~ ~--..---------- ........-------()FT7



Figura 12.2- Cartão EB-06 - Circuito li


•• Datapool Eletrônica




Q
•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 12- Capacitares em série e em paralelo 1 63

•• 17. Atuar no DIP SWitch 2 do cartão EB-06, circuito li , fechando a chave S1 (as chaves
ficam na seguinte posição: ~ S4 S3 S2 S 1 =o O o o 1).
•• 18. Selecionar o multímetro para leitura OC, na escala de 20 V, e conectar entre os
pontos PT6 e PT7. Ligar a fonte variável , o voltímetro deve indicar 10 V. Se for

•• necessário, ajustar a tensão +VAR no painel do módulo.

19. Uma vez ajustada a tensão de alimentação , desligar a fonte variável do módulo.

•• 20. Neste caso, o circuito equivalente utilizado é o da figura 12.3 .

•• '47 kO
t'-----o

PTS

•• _tVAA
•• -==- 10V

•• .______ _. __ ~--~~---õ·FT7

•• Figura 12.3 - Circuito equivalente utilizado .

21 . Conectar o capacitar C3 no circuito, fechando a chave $4 .

•• 22. Com a fonte variável desligada, fechar a chave S2 afim de descarregar o capacitor
C 3. Esperar alguns instantes, até que o voltímetro indique O V, e logo fechar

•• momentaneamente S3 e S5 , para garantir a descarga total do capacitor e, então, abrir


novamente as chaves 5 2 , S3 e S5, de modo que somente S1 e $4 fiquem fechadas .

•• 23. Agora, o circuito equivalente é o apresentado na figura 12.4. A função da chave S1


está sendo substituída pela chave Liga/Desliga da fonte variável (S1 no cartão de
experiências pennanece fechada) .

•• 1'--..----....------oPTe

•• 4 7 k0

••• _tVM
-=- 10 V
+
V

•• L-----_....---------~-+--~------o•PT7


••
•• Oatapool Eletrônica

••

,..
...
,
,,..
DATAPOOL
ELETRÔNICA

164
,..
,..
Experiência 12 - capacitores em série e em paralelo

,.
,..
24 . Preparar um cronômetro ou um relógio para medir o tempo de carga . Inicializá-lo,
ligar a fonte variável e ao mesmo tempo, disparar o cronômetro . Medir o tempo para
C3 carregar até +6,32 V.

,..
,. 25. Desligar a fonte variável do módulo e efetuar a descarga de C3 , atuando nas chaves
S2 , $3 e S5 , como foi feito no passo 22 , e depois, retomar para a condição normal.
para medir novamente o tempo de carga de C3.

•• 26. Repetir o procedimento pelo menos mais duas vezes, para obter maior precisão na

,.. medição, calculando a média do tempo de carga .

A tensão em C3 alcança 6,32 V após segundos. Esta é a constante de

•• tempo correspondente ao capacitor C3 individualmente no circuito .

27. Abrir a chave Liga/Desliga da fonte variável, para deixar sem alimentação o circuito e

•• descarregar os dois capacitores , C3 e C4. Para isto, proceder da seguinte maneira :


fechar primeiramente as chaves S2 , S3 , e 5 4 até que o voltímetro indique O V e, em
seguida, fechar S5 para garantir a descarga total dos capacitares .

•• 28. Após a descarga, abrir novamente as chaves S 2 , 53, e $4 • deixando somente S1 e S5

..•
na posição fechada, ficando com a condição: S5 $ 4 5J S2 S 1 = 1 O O O 1. Agora . o

• capacitor C4 está em série com C3 e, como os dois estão descarregados, o voltímetro


deve indicar zero .

29. Zerar o cronômetro e ligar a fonte variável do módulo simultaneamente com o disparo

• do cronômetro. Medir o tempo para que a associação em série de C3 e C4 se


carregue até 6,32 V .

•• 30. Repetir os passos 27, 28 e 29 pelo menos mais duas vezes. afim de obter maior
precisão da medida calculando a média. O tempo em segundos é-------

•• 31. Com base na experiência anterior , responder :

O que ocorreu com a constante de tempo? _____________ _

••
• Qual seria a explicação disto?-------------------






-- Que conclusão pode ser tirada da experiência referente a capacitores em série?

,.

-,.

,,. Datapool Eletrónica
Q
•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 12 - Capacitores em série e em paralelo 1 65

•• DISCUSSÃ02

•• Inicialmente, o capacitar C 3 de 220 µF foi carregado através de um resistor de 47 kn. Então, a


constante de tempo deve ser aproximadamente 10,3 segundos. Posterionnente, quando o outro
capacitor de 220 µF (C,i) foi conectado em série com C3 , verificou-se que isto resultou em uma

•• constante de tempo menor. Desde que o valor de R 1 pennaneceu constante em 47 kn, o valor
da capacitância total deve ter diminuído para que aquilo aconteça. Com isto, fica comprovado
que: "a capacitância total diminui quando capacitores sao conectados em série". A

•• capacitância resultante de uma associação série de capacitores é dada pela seguinte equação:

-Cr1 = -C,1 + -
1
+ -
1
+ ... + -
1

•• C2 C3 CN

•• A capacitância total dos dois capacitores em série é:

•• CT= 220 x 220 = 11O F


220+220 µ

•• Este valor é a metade da capacitância anterior e a constante de tempo, com esta combinação,
deve ser de aproximadamente 5,2 segundos .

•• A seguir , analisa-se a associação em paralelo de capacitores:

•• 32. Conectar o capacitar C 4 de 220 µF em paralelo com C 3 • Para isto, basta fechar as
chaves S,, S 3 e $4 , adotando a seguinte configuração: S 5 $4 S3 S 2 S, = O 1 1 O 1.

•• Assegurar-se de que ambos os capacitares estejam descarregados , fechàndo a


chave S 2 (com a alimentação do circuito desligada) até que o voltímetro marque O V,
e logo fechando momentaneamente a chave S 5 • Após descarregados os

•• 33.
capacitares, deixar aberto essas chaves (Ss = S2.= O).

Para medir a constante de tempo com os dois capacitores em paralelo, o

•• •• procedimento é análogo aos executados anterionnente. Isto é, zerar o cronômetro e


dispará-lo no mesmo instante em que se liga a fonte de alimentação do circuito
(fonte variável do módulo). Medir o tempo necessário para que C3 e C4, em
paralelo, se carreguem até 6,32 V. Desligar a fonte variável do módulo e
descarregar os capacítores fechando, momentaneamente , S 2 e S 5 • Repetir o

•• procedimento duas ou mais vezes e calcular a média . Neste caso, o tempo de


carga é de segundos .

•• 34. Baseando-se na experiência anterior. responder :

•• - O que aconteceu com a constante de tempo?-------------


••
•• Datapool Eletrônica

••
••
~--- - ,--.,,._ -
o
•• OATAPOOL
ELETRÔNICA
1 •

•• Experiência12 - Capacitares em série e em paralelo 1 66

•• - Qual a explicação deste fenômeno?----------------

••
•• - Que conclusão pode ser tirada a respeito de capacitores conectados em paralelo?

••
•• 35 . Desligar a fonte variável e o módulo . Desconectar o voltímetro e retirar o cartão .

•• DISCUSSÃ03

•• Quando foi acrescentado outro capacitar de 220 µF em paralelo com C 3 , a nova medida da
constante de tempo deve ter aumentado em cerca de 20,7 segundos . Esta constante pode
variar , dependendo da precisão dos componentes utilizados . Contudo , se for repetida várias

•• vezes a medição, toda vez deve dar aproximadamente o mesmo valor .

Como R, não mudou, a capacitância total deve ter dobrado, ou seja, a capacitância total deve

•• estar em tomo de 440 µF. Observar que é a soma dos valores de C3 e C4 , o que demonstra que
"quando capacitores são conectados em paralelo, a capacitãncia total (CT) é a soma dos
valores dos capacitores individuais" . Isto é :

•• •
Nesta experiência:

•• Cr =220 µF + 220 µF =440 µF

••
••
••
.•
,

••
••
•• Datapool Eletrônica


••
•·
-
~

•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 13 - Usando Capacitores ! 67

•• EXPERl~NCIA 13
•• USANDO CAPACITORES
••
•• INTRODUÇÃO

•• O capacitor é um dispositivo muito utilizado nos circuitos elétricos e eletrônicos . Embora o uso
dos capacitores envolva corrente alternada na maioria das aplicações, existem diversas
aplicações em que o capacitor trabalha com corrente contínua . Nesta experiência , serão

•• mostradas algumas aplicações básicas dos capacitores em corrente continua .

•• OBJETIVO

•• • Demonstrar algumas aplicações de capacitores em corrente contínua .

••
•• PARTE I

•• MATERIAL NECESSÁRIO

•• •

1 Módulo Universal 2000
1 Cartão de experiências EB-07 - Bloco A

•• • 1 Multímetro Digital

•• PROCEDIMENTO

•• • 1. Com o módulo desligado, instalar o cartão EB-07 na seção Eletrônica Básica . Nesta
parte será usado o Bloco A do cartão. O circuito está mostrado na figura 13.1

••

••
•• Datapool Eletrônica

•••
.. - -------- - - ------ - -- ----- -·-
o-
•• DATAPOOL

,.• ELETRÔNICA

·• Experiência 13 - Usando C&pacitores j 68


••
•• R1A

•• 2100
R2A
2700

•• Sll'.

••
••
•• Figura 13. 1 - Cartão EB-07 - Circuito Bloco A

•• 2. Colocar a chave Liga/Desliga da fonte variável na posição desligada . Conectar o


voltímetro na saída positiva da fonte (+VAR e AGND}, selecionado numa escala para
medir na faixa dos 20 V OC .

•• • 3. Ligar o módulo e ajustar no painel a tensão +VAR . até que o voltímetro indique 8 V.

4 . Fechar a chave s,Ae S2A de modo que as chaves fiquem na configuração seguinte :
=
o1 1
••
$38281

5 . Prestar atenção no que acontece com os LED's do cartão, no momento de alimentar


o circuito. ligar a chave Liga/Desliga da fonte variável.

•• A lâmpada acende?------ (sim/não) .

••• 6.
Ela permanece acesa?------

=
(sim/não) .

=
Abrir a chave S2A (S2A O) e fechar s 3A (S3A 1) . Em seguida , fazer de novo 8JA= O
e S 2A = 1. Repetir sucessivamente esta operação e observar o que ocorre com os

•••
LED's .

- Qual seria a explicação do que aconteceu? Explicar .

••
•• 7. Desligar a fonte variável do módulo e abrir todas as chaves do DIP Switch 1.

• •
••
•• Oatapool Eletrônica

,
••
.

-
••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiêncja 13 - Usando Capacitores j 69

••• DISCUSSÃO 1:

•• ~o passo 5, um dos LED's deve acender momentaneamente, quando a fonte de alimentação é


hgada. No passo 6, o outro LED deve acender momentaneamente , quando~ é fechada após
~2A ser aberta . Toda vez que se repete o procedimento. ou seja, quando ~ for ligada , L 1 deve

•• piscar e quando~ for ligada , L2 deve piscar. Isto ocorre porque no momento em que a chave
S2Aé fechada, C1 é carregado até o valor da tensão aplicada pela fonte (8 V). O surto inicial de
corrente de carga do capacitar, através da chave S2Ae o LED. faz com que L 1 acenda durante

•• esse período . Depois que e,


é completamente carregado , a corrente no circuito cessa. Como C1
se carrega rapidamente, L 1 brilha por pouco tempo .

•• Exceto pela corrente inicial de carga, o capacitar bloqueia o caminho da corrente DC. ou seja , C,
impede a passagem da corrente contínua através do circuito . o bloqueio da corrente DC é uma
das mais importantes aplicações do capacitor .

•• Quando se abre S2A, a alimentação do circuito é retirada, mas o capacitar fica


energia armazenada. No momento em que S3A é fechada , essa energia
com uma certa
annazenada é

•• descarregada por meio da chave S3A e o LED L2 (ver figura 13.1). causando um
descarga também ocorre rapidamente , pois o LEO diretamente polarizado
resistência para a circulação da corrente .
piscar de L2 . A
oferece baixa

•• O piscar de L2 é mais brilhante do que quando o processo de carga através de L 1, devido à


fonte ser limitada a um menor valor de corrente de pico . A corrente de descarga, sendo maior,

•• causa um brilho maior do LED L2 .

••
•• PARTED

•• MATERIAL NECESSÁRIO

•• •

1 Módulo Universal 2000
1 Multímetro Digital

•• • 1 Cartão EB-07 - Bloco B

••• PROCEDIMENTO

•• 8. O circuito utilizado nesta parte da experiência é identificado como Bloco B no cartão


EB-07 e é mostrado na figura 13.2 .

••
• • Datapool Eletrônica

••
••
-- - - -- - -- -
.--
• ·
•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 13 - Usando Capacitores j 70

•• 1 I
~ PT3

•• r·
'
Sza

•• +Var -=-10V
+ C1b
100uF
R1B
..7MO
r V .
...__,,.

••
••
••
Figura 13.2- Cartão EB-07 - Circuito Bloco B

9. Conectar o voltímetro entre os pontos PT3 e PT4 do cartão EB-07, ajustado numa

•• escala para medir tensão DC na faixa dos 1O V .

1 O. Fechar a chave S,s (S 28 S10 =O 1) .


•• 11 . Ligara fonte variável do módulo e ajustar a tensão +VAR . até que o voltímetro
indique 1O V.

•• 12. Desligar a fonte variável do módulo .

13. Na freqüência de mais ou menos urna vez por segundo, ligar e desligar a chave

• ••
Liga/Desliga da fonte variável, e observar a leitura do voltímetro . O tipo de tensão
que agora está sendo aplicada ao circuito é chamada tensão pulsante DC , pulsos de
corrente contínua, e que está sendo gerada pelo processo liga e desliga da fonte
DC. Observar que o voltímetro acusa rapidamente e em forma alternada O e 1O V .

•• 14. Estando a fonte variável desligada, fechar a chave S28 (agora a posição das chaves
é : S 28 S, 8 = 1 1). Com isto, tem-se o capacitor e, em paralelo com o voltímetro,

•• como mostra a figura 13.3 .

••
••
••

+Var -=-10V
+ C1b
100uF
R18
4.7 MO
V..
..._

••
1.
••
Figura 13.3- Capacitar em paralelo com o medidor

•• Datapool Eletrônica

••
••
•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência13 - UsandoCapacitores 1 71

•• 15. Ligar e desligar a fonte variável do módulo, numa freqüência de uma vez por
segundo, e observar a leitura do aparelho. Existe alguma diferença de
comportamento do medidor em comparação com o que foi visto no passo 13?

•• ----- (sim/não)
16. Abrir todas as chaves, desligar a fonte variável do módulo e retirar o voltímetro .

••
•• • DISCUSSÃO 2:
A experiência precedente demonstra outra forma de uso do capacitar. O capacitar pode ser
usado para converter uma tensão oc pulsante em uma tensão "quase contínua pura" (esta

•• função denomina-se filtragem capacitiva). Como foi observado no passo 13, a leitura do
voltímetro oscilou entre o e 1O V. Contudo, uma vez instalado o capacitor {passo 15), a tensão
pennaneceu aproximadamente constante em 1O V.

•• Quando a fonte é ligada, o capacitor carrega-se com a tensão da fonte. Quando a chave é
aberta, o capacitor se descarrega lentamente através da alta impedância de carga (R1 em

•• paralelo com a resistência de entrada do voltímetro), consequentemente, mantendo uma saída


quase constante .

•• As fontes de alimentações de corrente contínua usam esta técnica para converter tensão DC
pulsante, proveniente de um retificador, em tensão de nível constante (contínua pura). Para
estas finalidades, são usados valores elevados de capacitância (1000 µF ou mais). Estes tipos

•• • de capacitares são referidos como capacitores eletrolíticas ou capacitores de filtro, pois filtram
(aplanam. alisam) os pulsos.

•• A seguir será vista uma outra ap/icaçao de capacitores :

•• PARTEm

••
•• MATERIAL NECESSÁRIO
• 1 Módulo Universal 2000

•• •

1 Multímetro Digital
1 Cartão de experiências EB-07 - Bloco e

•• PROCEDIMENTO
•• 17. ~esta parte da experiência será utilizado o Bloco C do cartão EB-07, cujo esquema

•• e mostrado na figura 13.4 a seguir.

• Datapool Eletrônica

••
••
--
••
•• DATAPOOL
ELETRÔNICA

•• Experiência 13 - Usando Cspacitores J 72


••
•• Pf8

•• c e~,

I
1
1
PT + C2c

••
R1c
..ruF
R2c !~
1MO -4,TMO '-..J
+ C1c
220uF
+Var --=-sv , salda

•• • ent.

•• Figura 13. 4 - Cartão EB-07 - Circuito Bloco C

• ••
18. Conectar o voltímetro na saída positiva da fonte (+VAR e AGND}, selecionado numa
escala para leitura de 1O V DC e ajustar a fonte +VAR, até que a leitura no voltímetro
seja 5 V .

•• 19. Conectar o voltímetro entre os pontos PT6 e PT7 .

20. Colocar a chave DIP S,c na posição fechada (S,c =1) e a chave CH1 na posição

•• entrada (lado esquerdo do cartão, marcado com R182) .

21 . Ligar a fonte variável do módulo. Observar que a tensão da fonte de +5 V é aplicada

•• somente sobre e, (figura 13.4). Nestas condições, o voltímetro deve indicar O V.

22. Mudar a posição da chave CH1 para a posição saída (lado direito do cartão) .

•• Observar que agora e, é colocado em série com a fonte. como um meio para
carregar C 2 (ver figura 13.4). O voltímetro indlca a tensão sobre C2 que é
aproximadamente V.

•• 23. Retomar a chave CH1 para sua posição normal entrada. C2 fica carregado com a
tensão indicada no voltímetro, passando a ser lentamente descarregado através de

•• R2c .

24. Mudar novamente a posição de CH1. repetindo o procedimento pelo menos três

•• vezes. Deixar a chave na posição normal entrada e observar o voltímetro .

25. A tensão sobre o capacitor C2 é de----- V.

•• 26. Abrir todas as chaves, desligar a fonte variável e o módulo. Retirar o voltímetro e o
cartão de experiências .

•• 27. Como pode explicar-se o fato da tensão sobre C2 ser maior que a tensão de

•• alimentação do circuito?----------------------

••
•• Datapool Eletrônica




•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência13 - UsandoCapacitores j 73

•• De onde vem a tensão extra?--------------------

••
•• Nota: A chave Ch1 na posição saída coloca C1 em série com a fonte de alimentação,

, .
••
••
somando a tensão armazenada entre seus terminais com a tensão da fonte . Na saída a
tensão da fonte aparece dobrada, como mostra a figura 13.5:

5V
c, c
220uF

• •• +
+ C2c
47uF
R2c
4,7MO

sv~

•• L- __ .._ ___ ...,.. ____ ._ __ --oPT7

•• Figura 13.5- Capacitor dobrando a tensão da fonte .

••
•• DISCUSSÃO 3:

•• Esta parte da experiência demonstra a operação de um circuito chamado Dobrador de Tens~o.


Quando a chave Ch1 está na posição entrada , C1 está conectado diretamente a fonte, portanto ,
e, se carrega com +5 V . Quando Ch1 é comutada para a posição saída , a tensão de +5 V
•• armazenada no capacitor C1 é colocada em série com a fonte de alimentação de +5 V . Assim, a
tensão total entre o pólo positivo de e, e o pólo negativo da bateria é de +1 O V, esta tensão
carrega C2 e aparece na saída do circuito como mostra a figura 13.5. C2 é colocado em paralelo

•• com a combinação série de C1 e a fonte. consequentemente , o capacitor C2 carrega-se com a


tensão da fonte mais a tensão de C1.

..

• Desde que C1 descarrega um pouco para carregar C 2, são necessárias várias operações de
comutação da chave Ch1 para ~bombear" C2 até alcançar o dobro da tensão de alimentação
(10 V). O resultado do processo é que a tensão aplicada pela fonte +VAR foi aproximadamente
dobrada .

•• um circuito que opera de modo semelhante é nonnalmente usado em fontes de corrente


contínua. A chave mecânica Ch 1 é substituída por uma chave eletrôn ica, fonnada por dois ou

• mais diodos .

•• Para finalizar, será analisada uma outra aplicação do capacitor:

• Oatapool Eletrônica



••
•• DATAPOOL

•• ELETRÔNICA

•• Experiência 13- Usando Capacitares j 74

•• PARTEIV

•• MATERIAL NECESSÃRIO

•• •

1 Módulo Universal 2000
1 Multímetro Digital

•• • 1 Cartão de experiências EB-08

•• PROCEDIMENTO

•• 28 . Com o módulo desligado, instalar o cartão EB-08 na seção Eletrônica Básica . Nesta
experiência será utilizado o circuito mostrado na figura 13.6 .

•• • Com
Relé
NF RL

sl
NA

•• 10 0

••
••
PT1

+
+Var-=-
r
+
2 r3C1 + C2c
'X L1

-470uF - 100 uF

•• PT2

•• Figura 13. 6 - Circuito do Cartão EB-08

•• 29. Colocar a chave Liga/Desliga da fonte variável na posição desligada . Conectar o


voltímetro na saída da fonte (entre +VAR e AGND) , selecionando uma escala para
medir 20 V oc .

•• 30. Colocar o potenciômetro de controle da tensão +VAR na posição de mínima tensão e


ligar o módulo. A tensão da fonte deve estar próximo de zero .

•• 31 . Fechar as chaves s , e S 2 do DIP Switch (S 3 S2 s, = O 1 1). Conectar o voltímetro


entre os pontos PT1 e PT2 do cartão .

•• 32. Ligar a fonte variável do módulo e eleva r o controle da tensão +VAR até 12 V. Nest e
ponto , o relé deverá estar sendo chaveado com uma freqüência quase constante .

•• Isto poderá ser notado através do ruído feito pelo relé ao ser chaveado e também
através do "piscar da lâmpada que passará a ocorre r com a mesma freqüên cia de
cnaveamento do relé .

•• Datapool Eletrónica

••
••
-
OATAPOOL
ELETRÔNICA

Experiência 13 - Usando Capacitores / 75


...
•• 33. Desligar a alimentação do circuito (chave Liga/Desliga da fonte variável do módulo) .

34. Para demonstrar a contribuição do capacitor no circuito, abrir a chave S2. Isto

•• desconecta C1 e o deixa fora do circuito.

35. Ligar momentaneamente a alimentação do circuito e observar o que acontece.

•• Depois disto, deixar a chave da fonte na posição desligada .

- O que aconteceu com o relé?------------------

••
•• A lâmpada continuou brilhando?------

37. Retomar a chave S2 do cartão para a pos1çao fechada (S 2


(sim/não).

= 1) , conectando

•• novamente o capacitor e, e ligar a fonte para alimentar o circuito .

38. Desligar a alimentação do circuito e abrir S2 . Conectar o outro capacitor C2, fechando

•• =
a chave S3 (as chaves ficam na configuração: S3 S 2 s, 1 O 1) .

39. Ligar novamente a fonte de alimentação do circuito e observar.

•• - O que acontece com a freqüência na qual L1 pisca?-----------

•• 40. Analisar o diagrama esquemático da figura 13.6 e tentar descrever como o circuito

•• opera:

••
•• 41. Desligar a fonte variável e o módulo. Abrir todas as chaves e retirar o cartão de

•• experiências.

•• DISCUSSÃO 4:

•• Esta experiência demonstra como um capacitor pode ser usado para finalidade de temporização
(circuito do cartão EB-08).

•• Quando a tensão da fonte foi elevada lentamente no passo 32 , a corrente começou a circular
através da bobina do relé e, ao mesmo tempo, C1 começa a carregar-se com a tensão aplicada .
Como não existe resistência no percurso de carga, C, se carrega rapidamente acompanhando a

•• subida da tensão .

•• Datapool Eletrónica

••
••
- .
.... . - _.......
..,... - - ------- ____... -- ...._,..--~=- -----

.-
DATAPOOL
ELETRÔNICA

.-
.."'.. Experiência 13 - Usando Capacitores

Em algum ponto, a tensão aplicada força bastante corrente através da bobina, para causar a
energização do relé. Quando isto ocorre, o contato do relé se desloca , abrindo o contato NF e
j 76

"""
~
fechando o contato NA, assim , desconecta a bobina do relé e coneda o circuito da lâmpada à
fonte, como conseqüência, L1 acende.

Quando a bobina do relé é desconectada da fonte, a imediata desenergização do relé é

"'
fl"
fii'
esperada. Contudo , isto não ocorre devido à ação de C 1. Logo que a fonte de potência é
removida, a energia annazenada em C 1 começa a descarregar através da bobina do relé,
fornecendo uma corrente de atracamento, a qual mantém o relé energizado por alguns instantes.

Após um curto período de tempo , C 1 descarrega ao ponto de não ter energia suficiente para
ft" fornecer corrente de atracamento e o relé desenergiza . Então, o contato do relé retoma à

""'
,,..
posição NF e a fonte de alimentação está novamente conectada à bobina, isto faz com que o
relé energize novamente e o cicio se repete.

O intervalo de tempo requerido para C1 descarregar através da bobina do relé é detenninado


pelo valor de e, e pela resistência da bobina do relé. Se o valor do capacitar é diminuído , então
,,.
"'
,,,_
a freqüência se eleva.

No passo 37, o capacitar foi retirado e assim foi demonstrado que, sem nenhuma capacitância
,,. no circuito , o relé oscila tão rapidamente que L1 nem acende.

No passo 41 , o capacitar C2 foi colocado no circuito em substituição de e,. Como C 2 tem


~
,,.. capacitância em torno de 80% menor do que C1, foi observado que a freqüência de oscilação se
toma muitas vezes maior que a anterior.
,,,.
,,.
,,,,.
Obs.: No caso da freqüência na qual a lâmpada pisca, pode ocorrer de tal freqüênc ia não ser
constante , devido às características dos componentes que na prática podem diferir um pouco
dos valores nominais dos mesmos.
,,.,.
,..
,..
~
fA
~
~
~
,,..
r
ri
,,...
,,...
,,,..
r,
r. Datapool Eletrônica
~
r"
n
n
n
••
•w

••
••
••
••
••
••
••
••
••

••
••
••
••
••
••
••
••
••
••
••
DATAPOOL
•• •
R. oa. Maria Carneiro
DATAPOOL ELETRÔNICA LTDA.
, 83 - Fones(O**35) 3623-5272
e 3623-4322- FAX
: (O.. 35) 3623-5
160 - CEP37505
-008- ltajubá- MG ••

E-mail: comercial@datapool.com
.br - Home-page
:http://www.datapool.com
.br

L..,

Você também pode gostar