Você está na página 1de 180

3.

º trimestre de 2017

ͤFKDW«FQLFD
diretor
&XVWµGLR3DLV'LDV
custodias@net.sapo.pt
TE1000

diretor técnico
-RVX«0RUDLV
josuemorais2007@gmail.com

conselho editorial
$QWµQLR*RPHV3DXOR0RQWHLURH0DQXHO%RORWLQKD

direção executiva
ͶͻϜͷϬ΂Ϝ͵΂ͿͷϜ͵ͻͱ;-¼OLR$OPHLGD
T. 225 899 626
j.almeida@oelectricista.pt luzes
͵ͺͷ͸ͷͶͷϜͷͶͱϐϔ΂ +HOHQD3DXOLQR o novo regime das instalações elétricas 2
T. 220 933 964
h.paulino@oelectricista.pt
particulares case-study
70 nova iluminação do Museu da Real
editor espaço voltimum $FDGHPLDGDV%HODV$UWHVGH6)HUQDQGR
&,(&RPXQLFD©¥RH,PSUHQVD(VSHFLDOL]DGD/GD® a casa inteligente 4 Madrid
design
/XFLDQR&DUYDOKR espaço KNX informação técnico-comercial
l.carvalho@publindustria.pt AVAC com a tecnologia KNX 6 72 Casa das Lâmpadas: painel LED da Sibilla
$QD3HUHLUD “KNX iantegra e gere todas as valências de um 7 73 HellermannTyton: base flexível para
a.pereira@cie-comunicacao.pt
edifício moderno” abraçadeiras – FlexTack – apta para
webdesign qualquer superfície
$QD3HUHLUD espaço CPI 74 Megacontrol: MARCO – membro do grupo
a.pereira@cie-comunicacao.pt brincando com a Luz 10 ATKORE INTERNATIONAL
assinaturas 76 um novo nome para a alta performance:
T. 220 104 872 vozes do mercado Osram lança família de produtos Osconiq
assinaturas@engebook.com como um serviço de monitorização de UPS pode 12 SDUDDSOLFD©·HVSURͤVVLRQDLV
www.engebook.com evitar tempo de inatividade dispendioso 78 Palissy Galvani: armaduras LED – a visão
colaboração redatorial W«FQLFDGD6FKXFK
&XVWµGLR3DLV'LDV$QD9DUJDV5XL&DUQHLUR alta tensão 80 3KRHQL[&RQWDFWIRQWHVGHDOLPHQWD©¥R
9¯WRU9DM¥R*DEULHO/RQJR(XULFR=LFD&RUUHLD equipamentos de proteção elétrica 14 SRWHQWHVHFRQͤJXU£YHLV
0DQXHO%RORWLQKD+«OGHU0DUWLQV$OIUHGR&RVWD3HUHLUD sistema de detecção de intrusão 18 82 3URQRGLV=XEOLQHDVXDJDPDGHGHWHWRUHV
0DQXHO7HL[HLUD0DULD-XGLWH)HUUHLUD
$OEHUWR9DQ=HOOHU3HGUR7HOKDGR$QWµQLR&RVWD%U£V de presença
-DYL2UWHJR6WHIDQ*ULPP&DUORV&RXWLQKR telecomunicações 84 5REODQG£FRQVHOKRVVREUHERDVSU£WLFDV
3DXOD'RPLQJXHV3DXOR3HL[RWR-RVX«0RUDLV redes de cabos em ITUR privadas 22 para reduzir a poluição luminosa através
$QWµQLR5DIDHO%HVVD-RV«(GXDUGR1HYHVGRV6DQWRV
do LED
5XL4XHLURJD5HLQKDUG.XQWQHU+LO£ULR'LDV1RJXHLUD
3DXOR0RQWHLUR&DUORV$OEHUWR&RVWD6XVDQD9DOHQWH
climatização 88 56&RPSRQHQWVDLOXPLQD©¥R/('HVW£
0DUWD&DHLURH$QGU«0HQGHV os isolamentos térmicos resistivos (1.ª Parte) 26 num ponto de viragem
88 6FKQHLGHU(OHFWULFSULPHLUDVVROX©·HV
redação, edição e administração notícias 32 GRPHUFDGRTXHPHGHPͤDELOLGDGHH
&,(&RPXQLFD©¥RH,PSUHQVD(VSHFLDOL]DGD/GD®
*UXSR3XEOLQG¼VWULD rentabilidade dos ativos e operações
3UD©DGD&RUXMHLUD.$SDUWDGR artigo técnico 90 TEV 2: caixa de derivação ENYCASE:
3RUWR.3RUWXJDO qualidade de energia e perturbações da rede 47 YHUV£WLOUREXVWDHFRPEDVWDQWHHVSD©R
T. 225 899 626/8 .) elétrica (3.ª Parte) para cabos
geral@cie-comunicacao.pt
ZZZFLHFRPXQLFDFDRSW 92 o Conversor de Frequência WEG fornece
formação uma solução completa para aplicações de
propriedade casos de aplicação: Ventilação de vapores de 50 Média Tensão
3XEOLQG¼VWULD̰3URGX©¥RGH&RPXQLFD©¥R/GD nitroglicerina
(PSUHVD-RUQDO¯VWLFD5HJLVWRQ|
1,3&
ͤFKDSU£WLFDQ| 52 94 mercado técnico
3UD©DGD&RUXMHLUD.$SDUWDGR
3RUWR.3RUWXJDO bibliografia 54
T. 225 899 620 .)
geral@SXEOLQGXVWULD.pt
ZZZSXEOLQGXVWULDSW
dossier sobre iluminação e light design 56
“o curso de LEE-SEE é reconhecido a nível 58
impressão e acabamento nacional e internacional, devido à acreditação do artigo técnico
*U£ͤFD9LODUGH3LQKHLUR
5XDGR&DVWDQKDO
selo europeu EUR-ACE” 117 Regulador de tensão
9LODUGR3LQKHLUR
“continuaremos a lutar para que haja ensino de 62 120 )LFKD7«FQLFD6HPLFRQGXWRUHVHG¯RGRV
iluminação em Portugal” de junção (Parte 2)
publicação periódica to be or not to be… um Lighting Designer 64
5HJLVWRQ|
artigo prático
'HSµVLWR/HJDO
,661
entrevista 124 Faça você mesmo
7LUDJHPH[HPSODUHV $QWµQLR&RVWD%U£V=XPWREHO̸soluções 68
VXVWHQW£YHLVHHͤFLHQWHVFRQWULEXHPSDUDXPDPDLRU 126 bibliografia
INPI rentabilidade das empresas e das instituições”
5HJLVWRQ|

periocidade

VXP£ULR
7ULPHVWUDO

Os artigos assinados são da


exclusiva responsabilidade dos seus autores. www.oelectricista.pt

Aceda ao link através


protocolos institucionais deste QR code.
$*()(9ROWLPXP$&,67$(7&3,.1;6,7(1257(
/revistaoelectricista
(VWDWXWRHGLWRULDOGLVSRQ¯YHOHPZZZRHOHFWULFLVWDSW

www.oelectricista.pt o electricista 61
2 luzes

o novo regime das


instalações elétricas
particulares &XVWµGLR3DLV'LDV'LUHWRU

)UHTXHQWHPHQWH D OHJLVOD©¥R « SXEOLFDGD H SRVWHULRUPHQWH YDL VHQGR DOWHUDGD DR ORQJR GR
WHPSRSRURXWUDOHJLVOD©¥RDFDEDQGRSRUVHUGLI¯FLOSHUFHEHURTXH«TXHGHODDLQGDVHPDQW«P
HPYLJRU(VWH«WDPE«PRFDVRGRYHOKLQKR'HFUHWR/HLQ|bGHGHMXOKRGH
GHQRPLQDGR5HJXODPHQWRGH/LFHQ©DVGDV,QVWDOD©·HV(O«WULFDV 5/,( TXHSRUIRU©DGDHYR
OX©¥RGDDWLYLGDGHQRVHWRUIRLDOWHUDGRVHWHYH]HVHQWUHH'HYLGRDHVWDVDOWHUD©·HV
RVHX¤PELWRGHDSOLFD©¥RIRLVHQGRUHGX]LGRUHVWDQGRQHOHDVLQVWDOD©·HVHO«WULFDVGHVHUYL©R
SDUWLFXODU FRQFUHWDPHQWH DV TXH V¥R DOLPHQWDGDV SHOD UHGH HO«WULFD GH VHUYL©R S¼EOLFR HP
0«GLD$OWDH0XLWR$OWD7HQV¥RHWDPE«PHP%DL[D7HQV¥RRXGHXWLOL]D©¥REHPFRPRDV
LQVWDOD©·HVFRPSURGX©¥RSUµSULDGHHQHUJLDGHVGHTXHVHMDWHPSRU£ULDRXLWLQHUDQWHRXDLQ
GDTXDQGRQ¥RID©DPSDUWHGHFHQWURVHOHWURSURGXWRUHVFRPUHJLPHSUµSULRHͤQDOPHQWHDV
instalações de produção para socorro ou segurança.
7DPE«PSDUDRFRQMXQWRGDVLQVWDOD©·HVHO«WULFDVTXHDLQGDV¥RUHJXODGDVSHOR'HFUHWR
/HLUHIHULGRDQWHULRUPHQWHVHLPS·HXPDUHJXOD©¥RPDLVPRGHUQDEDVHDGDHPSULQF¯SLRVGH
UHJXOD©¥RPDLVDWXDLVPDLVVLPSOHVTXHDVVHQWHPQRSULQF¯SLRGDFRQͤDQ©DQDFRPSHW¬QFLD
GRVSURͤVVLRQDLVHPERUDSDUDDVLQVWDOD©·HVPDLVH[LJHQWHVVHPSUHFRPUHFXUVR¢YHULͤ
FD©¥RHVHQHFHVV£ULR¢SHQDOL]D©¥R‹FRPHVWHREMHWLYRTXHIRLUHFHQWHPHQWHSXEOLFDGRR
'HFUHWR/HLQ|GHGHDJRVWRGH
2GRFXPHQWRHVWHQGHVHDRORQJRGHRLWRFDS¯WXORVHQJOREDQGRDVGLVSRVL©·HVJHUDLVR
DUWLFXODGR UHODWLYR DR SURMHWR H[HFX©¥R H LQVSH©¥R GH LQVWDOD©·HV HO«WULFDV RV UHTXLVLWRV GR
FHUWLͤFDGRGHH[SORUD©¥RDVTXHVW·HVUHODWLYDV¢H[SORUD©¥RHFRQVHUYD©¥RGDVLQVWDOD©·HV
DRFRQWURORHDFRPSDQKDPHQWRGDVGLYHUVDVDWLYLGDGHVLQHUHQWHV¢LQVWDOD©¥R¢VXSHUYLV¥R
GHPHUFDGRHUHJXOD©¥RGRPHVPR¢VWD[DVͤVFDOL]D©¥RHFRQWUDRUGHQD©·HVHͤQDOPHQWH¢V
GLVSRVL©·HVWUDQVLWµULDVHͤQDLV
$EDVHGRQRYR'HFUHWR/HL«DGLYLV¥RGDVLQVWDOD©·HVHO«WULFDVGHVHUYL©RSDUWLFXODUQ¥R
VXMHLWDV D UHJLPH OHJDO SUµSULR HP WU¬V WLSRV 2 WLSR $ RQGHVH LQFOXHP DV LQVWDOD©·HV FRP “Frequentemente,
SURGX©¥RSUµSULDGHFDU£WHUWHPSRU£ULRRXLWLQHUDQWHGHVHJXUDQ©DRXVRFRUURTXDQGRQ¥R a legislação é publicada
integrem centros eletroprodutores sujeitos a controlo prévio ao abrigo de regimes jurídicos pró e, posteriormente,
SULRV2WLSR%GRTXDOID]HPSDUWHDVLQVWDOD©·HVTXHVHMDPDOLPHQWDGDVSHOD5HGH(O«WULFD vai sendo alterada
GH6HUYL©R3¼EOLFRHP0«GLD$OWDRX0XLWR$OWD7HQV¥R)LQDOPHQWHRWLSR&TXHVHGHVWLQD ao longo do tempo
¢VLQVWDOD©·HVTXHVHMDPDOLPHQWDGDVSHOD5HGH(O«WULFDGH6HUYL©R3¼EOLFRHP%DL[D7HQV¥R por outra legislação,
&RP EDVH QHVWD GLVWLQ©¥R WLSROµJLFD R GRFXPHQWR GHͤQH GLIHUHQWHV UHJUDV SDUD TXH DV acabando por ser difícil
LQVWDOD©·HVSRVVDPVHUOLJDGDV¢UHGHS¼EOLFDRXLQLFLDUH[SORUD©¥R(VWHVDWRVHVW¥RGHSHQ perceber o que é que
GHQWHVGDREWHQ©¥RGHGHFODUD©·HVRXFHUWLͤFDGRVTXHVHUHYHVWHPGHFDU£WHUGLIHUHQFLDGRGH dela ainda se mantém
acordo com o tipo da instalação em causa. em vigor. Este é também
7DPE«PRSURMHWRH[HFX©¥RHH[SORUD©¥RGDVLQVWDOD©·HVW¬PUHJUDVGLIHUHQWHVSDUDRV o caso do velhinho
diferentes tipos. O mesmo acontece com os tipos de inspeção a realizar e respetivos proce Decreto-Lei n.º 26 852,
GLPHQWRV$VLQVSH©·HVHVW¥RSUHYLVWDVSDUDLQ¯FLRGHH[SORUD©¥RHSRVWHULRUPHQWHGHIRUPD de 30 de julho de 1936,
SHULµGLFDSDUDFRQWURORHDFRPSDQKDPHQWRGDDWLYLGDGHGDLQVWDOD©¥R denominado Regulamento
'DGRTXHDͤORVRͤDDWXDOQRSURMHWRH[HFX©¥RHH[SORUD©¥RGHLQVWDOD©·HVHO«WULFDV«GH de Licenças
WRWDODEHUWXUDDHQWLGDGHVSULYDGDVFRQVWLWXLQGRVHXPPHUFDGRGHVHUYL©RVQHVWD£UHDRGR das Instalações Elétricas
FXPHQWRHVWDEHOHFHWDPE«PDVUHJUDVGHVXSHUYLV¥RHGHUHJXOD©¥RGHVWHPHUFDGRDOHYDUD (RLIE), que, por força
cabo pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. da evolução da atividade
&RPHVWH'HFUHWR/HLDOHJLVOD©¥RUHODWLYD¢VLQVWDOD©·HVHO«WULFDVͤFDFRPSOHWDPHQWHDWXD no setor, foi alterado
OL]DGDHGHPDLVI£FLOFRPSUHHQV¥R&RPSHWHDJRUDDRVDJHQWHVTXHLQWHUY¬PQHVWD£UHDDG sete vezes entre 1976
TXLULUHPGHOHXPERPFRQKHFLPHQWRDW«SRUTXHRGHVFRQKHFLPHQWRGDOHJLVOD©¥RQ¥RVHUYHGH e 2007.”
desculpa para incumprimentos.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
4 espaço voltimum

a maior comunidade de profissionais do sector eléctrico

a casa inteligente
Em entrevista à Voltimum, &RPR WDO VHU¥R SHGLGDV JDUDQWLDV GH TXH limitações. Quais são as capacidades que re
Karl Rawlins, Engenheiro atualizações simples de softwareVHU¥RVXͤ FRPHQGDULD SDUD TXH XP SURͤVVLRQDO SRVVD
de Apoio Técnico do Grupo cientes para manter uma instalação durante ID]HUDLQVWDOD©¥RGHXPVLVWHPD"
Scolmore, responde a XPSHU¯RGRGHWHPSRDFHLW£YHO KR: Além de capacidades de cablagem é ne
questões-chave sobre a casa O facto de os componentes serem dispo FHVV£ULR VDEHU FRPR LQVWDODU R VLVWHPD H RV
inteligente e a automação de VLWLYRVHOHWUµQLFRVVLJQLͤFDU£TXHRVPHVPRV dados a serem acedidos. Para sistemas com
edifícios. precisarão ser substituídos em algum mo FDEODJHPDVFDSDFLGDGHVQHFHVV£ULDVSRGH
PHQWR QR IXWXUR 1D PDLRU SDUWH GRV FDVRV U¥RUHVXPLUVH¢LQVWDOD©¥RGRVFDERVSRGHQ
as atualizações assumirão a forma de sim GRGHSRLVDODUJDUVH¢SURJUDPD©¥RHFRPLV
Revista o eletricista (oe): Qual a escala da ples atualizações de software. sionamento dos terminais. Para sistemas sem
DXWRPD©¥RGHHGLI¯FLRV̰«QHFHVV£ULRTXHRV 3DUD RV LQVWDODGRUHV SRGH VHU DGTXLULGD ͤRVRUHWURͤW de pequenas instalações (recetor
consumidores alterem totalmente a sua ins informação vital durante o processo de for ¼QLFRFRPWUDQVPLVVRU SRGHVHUIHLWRVHPQH
talação ou existem alterações menores que mação para que estes possam estar cons QKXPDFDSDFLGDGHVXSOHPHQWDUDO«PGDOHLWX
SRGHP VLJQLͤFDU XPD HQRUPH GLIHUHQ©D QR cientes dos procedimentos de atualização de ra do manual do fabricante. Para instalações
FRQIRUWRHTXDOLGDGHGHXPKDELW£FXOR" produtos que devem ser passados para os GHPDLRUHVGLPHQV·HVUHFRPHQGDULDVHPSUH
Karl Rawlins (KR): A automação de edifícios FOLHQWHVFRQVXPLGRUHVͤQDLV formação adicional para ajudar na compreen
HVW£GLVSRQ¯YHOHPGLYHUVDVHVFDODVVLVWHPDV V¥RGRVFRPSRQHQWHVSURJUDPD©¥RDOFDQFH
“BUS” que usam cabos de dados com con oe: +£DOJXPVHJPHQWRHVSHF¯ͤFRTXHHVW£D do sinal e também na sua transmissão entre
WURORSURJUDP£YHODWUDY«VGHXPFRPSXWDGRU liderar as tendências na automação residen os diversos materiais construtivos.
FDEODJHPHO«WULFDM£GLPHQVLRQDGDFRP̸rádio FLDO̰SRUH[HPSORRVQRYRVHGLI¯FLRV"
frequência̹ 5) H WHFQRORJLD VHP ͤRV 3DUD KR: O maior segmento para a automação re oe: Qual foi o projeto de automação residen
PRGLͤFD©·HVLQWHJUDLVHQRYRVHGLI¯FLRVFRQ VLGHQFLDO«QHVWHPRPHQWRRUHWURͤWQRTXDO FLDOTXHPDLVRVDWLVIH]DW«KRMH"
VLGHUDPVHHPJHUDOVLVWHPDVGHDXWRPD©¥R RVSURSULHW£ULRVHVW¥RDDGLFLRQDUPµGXORVGH KR:-£WLYHXQVTXDQWRVHPTXHDPDLRULDIR
VHPͤRVGHLQVWDOD©·HVHVROX©·HVVLPSOHV VHJXUDQ©DHGHSRXSDQ©DHQHUJ«WLFDVHPͤRV UDPVROX©·HVGHSHTXHQDDP«GLDGLPHQV¥R
$WXDOPHQWHSRUFDXVDGDWHFQRORJLDGLJL sem terem de alterar ou comprometer a deco XVDQGRFRQWURORVHPͤRV(OLPLQDUREORTXHLR
WDOVHPͤRVHGRVFXVWRVUHGX]LGRVRFRQWUR ração existente. O mercado dos novos edifí TXH SRGH YLU GH SDUHGHV MDUGLQV H JDUDJHQV
ORVHPͤRVHVW£DVHUVROLFLWDGRQDPDLRUSDU FLRVHGDDXWRPD©¥RUHVLGHQFLDOHVW£HPDOWD DROLJDURVFLUFXLWRVQHFHVV£ULRVYLDU£GLRIUH
WHGDVVLWXD©·HVVHMDPHODVQRYRVHGLI¯FLRV FRPRFRQWURORVHPͤRVDVHUFDGDYH]PDLV TX¬QFLDG£PHXPDHQRUPHVDWLVID©¥R1XP
UHQRYD©¥RRXUHWURͤW VROLFLWDGRGHYLGRVDRVVHXVEDL[RVFXVWRVH¢ GRVSURMHWRVSRXS£PRVFHQWHQDVGHHXURVD
flexibilidade dos sistemas agora disponíveis. XPDHVFRODSULP£ULDTXDQGRHOHVVHDSHUFH
oe: 7UDWDVH GH DOWHUD©·HVH[LJ¬QFLDV IHLWDV EHUDP TXH Q¥R WLQKDP IRUQHFLGR HQHUJLD GR
pelos consumidores ou existem mudanças/ oe: Como é que me posso tornar um especia edifício principal aos portões de segurança –
EDUUHLUDV ¢ DXWRPD©¥R UHVLGHQFLDO TXH SUH lista em automação residencial ou ter a pos fomos capazes de eliminar o problema usan
FLVDPVHUGLVFXWLGDVFRPRVFRQVXPLGRUHV" VLELOLGDGHGHWUDEDOKDUQHVWD£UHD"+£DOJXPD GRFRQWURORVVHPͤRV
3RUH[HPSORH[LVWHPSUHRFXSD©·HVUHODWLYDV IRUPD©¥RHVSHF¯ͤFDGLVSRQ¯YHO"
a mudanças nas tecnologias que possam fa KR: Certamente que os eventos sobre esta ma oe: 1D VXD RSLQL¥R FRPR VHU£ D DXWRPD©¥R
]HUFRPTXHDVLQVWDOD©·HVGHKRMHVHWRUQHP W«ULDLU¥RFUHVFHUHHVWHVV¥RDPHOKRUIRUPD UHVLGHQFLDOQRVSUµ[LPRVDQRV"
UHGXQGDQWHVFHGRGHPDLV"+£SUHRFXSD©·HV GH RV LQVWDODGRUHV H RXWURV SURͤVVLRQDLV GR KR: 3DUD D PDLRULD GRV SURSULHW£ULRV XPD
FRPRVFXVWRV" setor verem como funcionam estes sistemas e LQVWDOD©¥R W¯SLFD DEUDQJHU£ R FRQWUROR DX
KR: Os consumidores estão a tentar perceber colocarem as suas questões. A maior parte dos WRP£WLFR H D PRQLWRUL]D©¥R GRV FRQVXPRV
como podem adicionar segurança e poupança IDEULFDQWHVWDPE«PWHPM£XPH[WHQVRSRUWH energéticos e dos elementos de segurança a
GHFXVWRVHQHUJ«WLFRV¢VVXDVSURSULHGDGHVH IµOLRGHIRUPD©¥RHDSRLRW«FQLFRQD£UHDRTXH SDUWLU GRV PRYLPHQWRV GL£ULRV 2V VLVWHPDV
DRPHVPRWHPSRDGLFLRQDQGRXPSRXFRGH «VHPSUHUHFRPHQGDGRXPDYH]TXHVHDSUHQ poderão ser controlados e operacionalizados
luxo com o controlo da automação. O bónus GHVREUHRVLVWHPDRTXHHVWHSRGHID]HUHR manualmente através de smartphonesUHOµ
GD DGL©¥R GH YDORU ¢V SURSULHGDGHV « XPD TXHRIHUHFHPDVWDPE«PVHͤFDPDFRQKHFHU gios de pulso inteligentes e tablets.
HQRUPHYDQWDJHP‹DTXLTXHRIDWRU̸custo” DVVXDVOLPLWD©·HVVHMDPGRSRQWRGHYLVWDGH $PDLRUSDUWHGHVWDVFDUDWHU¯VWLFDVM£HV
YDLGHVHPSHQKDUXPHQRUPHSDSHOGRSRQWR cablagem/ausência dela ou de alcance do sinal tão disponíveis atualmente a um determinado
GH YLVWD GD PDUFD DSOLFDGD GDV WHFQRORJLDV QRFDVRGHVLVWHPDVVHPͤRV SUH©RPDVDRPHVPRWHPSRTXHDVHPSUH
disponíveis e da antiguidade do produto. sas de energia e os Governos nos incentivam
O produto e a duração dos componentes oe: A maior parte dos fabricantes também a reduzir a nossa pegada de carbono e os
V¥R FKDYH SDUD RV FRQVXPLGRUHV $ VXEVWL WHP M£ XP H[WHQVR SRUWHIµOLR GH IRUPD©¥R H requisitos dos consumidores se tornam cada
tuição de produtos obsoletos pode ser dis DSRLR W«FQLFR QD £UHD R TXH « VHPSUH UHFR YH] PDLV VRͤVWLFDGRV PDLV SURSULHW£ULRV
SHQGLRVDQ¥RVµGRSRQWRGHYLVWDͤQDQFHLUR PHQGDGR XPD YH] TXH VH DSUHQGH VREUH R quererão instalar dispositivos de automação
PDVWDPE«PGHWHPSRSRGHQGRHVWDUDO«P VLVWHPDRTXHHVWHSRGHID]HUHRTXHRIHUH UHVLGHQFLDO H LVVR WRUQDUVH£ QXP UHTXLVLWR
GDVSRVVLELOLGDGHVGRVSUµSULRVSURSULHW£ULRV FHPDVWDPE«PVHͤFDPDFRQKHFHUDVVXDV standardQDLQG¼VWULDGDFRQVWUX©¥R

7H[WRHVFULWRGHDFRUGRFRPDDQWLJDRUWRJUDͤD

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
6 espaço KNX

AVAC com a tecnologia KNX


REDE DE FUNÇÕES DE AUTOMAÇÃO DE SALA
Rui Carneiro
6HFUHW£ULR([HFXWLYRGD$VVRFLD©¥R.1;3RUWXJDO

Além do controlo clássico


de iluminação e proteção
solar, as aplicações para
aquecimento, ventilação
e ar condicionado (AVAC),
em particular, constituem
uma parte essencial da
modernização e automação
de edifícios. Como padrão
mundial para tecnologia de
sistemas domésticos e de
construção, a tecnologia
KNX também integra
todas as aplicações que se
podem associar e integrar
nos edifícios residenciais,
comerciais e mesmo
industriais.

Considerando que a automação de edifícios HQHUJ«WLFDGH$D'(PERUDDFODVVHGHHͤ $ WHFQRORJLD .1; RIHUHFH DV PHOKRUHV
UHSUHVHQWD FHUFD GH  GR FRQVXPR WRWDO ciência C apenas exija o padrão legal mínimo FRQGL©·HV SDUD PHOKRUDU D HͤFL¬QFLD HQHU
GHHQHUJLDDHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFD«XPHOH VHP DXWRPD©¥R GH SRXSDQ©D GH HQHUJLD D J«WLFD GRV HGLI¯FLRV (P SDUWLFXODU D UHGH
mento primordial na decisão de uma gestão rede de funções de automação de ambientes integral de funções de automação e controlo
LQWHOLJHQWH GR HGLI¯FLR SDUD DO«P GR DXPHQ HͤFLHQWHVHPHQHUJLD«QHFHVV£ULDSDUDWRGDV GHFOLPDWL]D©¥RHYHQWLOD©¥RGHHVSD©RVHP
WR GH FRQIRUWR TXH SURSRUFLRQD $ HͤFL¬QFLD as aplicações quando se pretende alcançar a WRGRV RV WLSRV GH HGLI¯FLRV FRQWULEXL VLJQLͤ
HQHUJ«WLFDGRVHGLI¯FLRVEHPFRPRDLQIOX¬Q classe A. cativamente para expressivas economias de
FLDGDDXWRPD©¥RGHHGLI¯FLRVV¥RGHVFULWDV O KNX oferece não só o requisito técnico energia.
QD QRUPD HXURSHLD (1  2V P«WRGRV para a integração e comunicação das dife
aqui descritos avaliam a influência da auto UHQWHVDSOLFD©·HVHSURGXWRVPDVM£PRVWURX
mação do prédio e a gestão técnica do edi numa variedade de estudos e projetos que “O KNX oferece não só
fício no consumo de energia. O padrão clas HFRQRPLDVGHDSRGHPVHUDOFDQ o requisito técnico para
VLͤFD RV VLVWHPDV GH DXWRPD©¥R H FRQWUROH çadas através do controlo individual de clima a integração e comunicação
GH HGLI¯FLRV HP TXDWUR FODVVHV GH HͤFL¬QFLD WL]D©¥RHYHQWLOD©¥RGRHVSD©RGDVDODRXGR das diferentes aplicações
quarto. e produtos, mas já mostrou
1R TXH GL] UHVSHLWR DRV SURGXWRV RV numa variedade de estudos
projetistas e os instaladores podem esco e projetos que economias
up to OKHUHQWUHPDLVGHSURGXWRV.1;FHUWL de 40% a 60% podem ser
40% ͤFDGRV TXH FREUHP WRGDV DV DSOLFD©·HV GH alcançadas através
ZLWK.1;VKXWWHUFRQWURO DTXHFLPHQWR YHQWLOD©¥R H DU FRQGLFLRQDGR do controlo individual de
Produtos e soluções das mais prestigiadas climatização e ventilação do
up to marcas e fabricantes mundiais. espaço, da sala ou do quarto.”
50%
ZLWK.1;VLQJOHURRPFRQWURO

up to
60%
ZLWK.1;OLJKWLQJFRQWURO

up to
60%
ZLWK.1;YHQWLODWLRQFRQWURO

www.oelectricista.pt o electricista 61
espaço KNX 7

“KNX integra e gere todas


as valências de um edifício
moderno”
ENTREVISTA COM FERNANDO FERREIRA (SCHNEIDER ELECTRIC),
DIREÇÃO KNX
por Marta Caeiro

Revista “o electricista” (oe): Que signi- formadores em nome coletivo ou individual internacionais e parcerias a que a Associação
ficado tem para si esta representação da TXHQRGLDDGLDXWLOL]DPDWHFQRORJLD.1;‹ KNX pertence permitem o nosso contributo
Direção da Associação KNX durante o fundamental que sempre que se fale em Do QRGHVHQYROYLPHQWRGDWHFQRORJLDHͤFL¬QFLD
mandato 2017-2019, substituindo no car- PµWLFDHP(GLI¯FLRV,QWHOLJHQWHVHHPSmart HERDVSU£WLFDVTXHQRUPDOPHQWHVHY¥RWUD
go António Ribeiro da Costa? CitiesDWHFQRORJLD.1;YHQKDLPHGLDWDPHQ duzir em normas.
Fernando Ferreira (FF):‹XPDKRQUDGDU te ao espírito de todos os players. Do arquiteto
o meu contributo para o desenvolvimento da DRLQVWDODGRUGRXWLOL]DGRUͤQDODRSURPRWRU oe: Quais as principais mais-valias para os
$VVRFLD©¥R .1; 3RUWXJDO QD GLQDPL]D©¥R LPRELOL£ULRRXKRWHOHLUR utilizadores de edifícios com a tecnologia
da tecnologia de Soluções Integradas para e soluções KNX? E para os designers e ar-
edifícios que representa e de todos os que a oe: Além dos seus membros, a Associação quitetos?
XWLOL]DP VHMDP SURͤVVLRQDLV RX XWLOL]DGRUHV KNX assinou acordos de parceria com FF: Estamos numa era da conectividade do
ͤQDLV$'LUH©¥RDQWHULRUIH]XPWUDEDOKRH[ mais de 44 000 parceiros, em mais de 125 GLJLWDO 0DV TXDQGR ROKDPRV SDUD DV LQV
WUDRUGLQ£ULR QD FRQVROLGD©¥R GD $VVRFLD©¥R países em todo o mundo. Qual a impor- WDOD©·HV HO«WULFDV GH XP PRGR JHUDO HODV
QHVWHPRPHQWRRSUµ[LPRSDVVR«RGRFUHV tância destas parcerias e os respetivos
FLPHQWRQRQ¼PHURGH$VVRFLDGRVGHPRGR grupos-alvo a que pertencem?
a ser uma voz ativa junto de outras Asso FF: A Associação KNX Portugal é um mem
ciações e Autoridades do setor elétrico e da EURGD$VVRFLD©¥R.1;LQWHUQDFLRQDOVRPRV “A principal missão
construção. a voz dos nossos associados a nível interna da Associação é a
FLRQDO H SRU RXWUR ODGR SDUWLOKDPRV D Q¯YHO dinamização da tecnologia
oe: Qual é a principal missão e objetivos ORFDO DV ERDV SU£WLFDV FDVRV GH VXFHVVR H KNX pelo setor da
da Associação KNX? RV ¼OWLPRV GHVHQYROYLPHQWRV GD WHFQRORJLD construção, abrangendo o
FF: A principal missão da Associação é a di .1; 'HVWH PRGR RV QRVVRV $VVRFLDGRV ensino técnico, arquitetura,
namização da tecnologia KNX pelo setor da estão sempre informados com a mais re projeto, instalação,
FRQVWUX©¥R DEUDQJHQGR R HQVLQR W«FQLFR cente informação sobre o KNX. Os grupos integração.”
DUTXLWHWXUD SURMHWR LQVWDOD©¥R LQWHJUD©¥R
'H LJXDO PRGR SUHWHQGHPRV WDPE«P GDU D
FRQKHFHUDVYDQWDJHQVGDWHFQRORJLD.1;DR
VHWRU LPRELOL£ULR H DR VHWRU KRWHOHLUR GDQGR
D FRQKHFHU WRGDV DV VXDV FDSDFLGDGHV DRV
LQYHVWLGRUHV H DRV FOLHQWHV ͤQDLV 2 FRQWUROR
e gestão integrada de todos os componentes
ͤ[RVHPµYHLVGHXPHGLI¯FLRSURSRUFLRQDGRV
SHODV VROX©·HV .1; JHUDQGR FRQIRUWR VLP
SOLFLGDGH H HͤFL¬QFLD HQHUJ«WLFD W¬P GH VHU
EHPFRQKHFLGRVGHWRGRVRVDWRUHVGRVHWRU
da construção.

oe: Que projetos foram já delineados para


a Associação? Quais as necessidades mais
emergentes neste momento?
FF:3DUDDO«PGDGLQDPL]D©¥RGR.1;FRPR
UHIHULGR DQWHULRUPHQWH HVWH SUHVHQWH PDQ
GDWR WHP R GHVDͤR GR FUHVFLPHQWR GR Q¼
PHUR GH $VVRFLDGRV 3RLV SUHWHQGHPRV VHU
DYR]GHWRGRVRVSURͤVVLRQDLVVHMDPIDEUL
FDQWHV LQWHJUDGRUHV SURMHWLVWDV DUTXLWHWRV

www.oelectricista.pt o electricista 61
8 espaço KNX

continuam numa era “clássica”. Mas cada vez podem encontrar-se não só em toda a Eu- “No mercado nacional,
PDLVRVFOLHQWHVͤQDLVTXHUHPVROX©·HVTXH ropa, mas também no Extremo Oriente, temos a ideia, muitas vezes,
OKHVSHUPLWDPWHUDLQIRUPD©¥RHFRQWURODURV na América do Norte e do Sul. Como é que de que o KNX é somente
seus equipamentos remotamente e em qual se atinge este sucesso e que significado um sistema de domótica,
TXHU SDUWH $ LVWR FKDPR WHU D VXD FDVD QDV tem esta abrangência para a Associação? portanto destinado ao
SDOPDVGDVP¥RV4XDQGRIRLFULDGRR.1; FF: &UHLRTXHDFLPDGHWXGRDͤDELOLGDGHGR setor residencial. Esta
K£PXLWRDQRVDWU£VM£VHSUHYLDTXHHVVDHUD .1;HRSURͤVVLRQDOLVPRGDVVROX©·HVTXH ideia nasceu porque no
uma evolução natural das instalações elétri LPSOHPHQWD1RPHUFDGRQDFLRQDOWHPRVD início, a adoção do KNX foi,
FDV3RLVEHPQ¥RHVWDYDPHUUDGRV2.1; LGHLDPXLWDVYH]HVGHTXHR.1;«VRPHQ precisamente, no segmento
« D WHFQRORJLD TXH PDLV IDEULFDQWHV UH¼QH WH XP VLVWHPD GH GRPµWLFD SRUWDQWR GHV residencial de luxo.“
VHMDP HOHV GH FRPSRQHQWHV .1; VHMDP GH tinado ao setor residencial. Esta ideia nas
HTXLSDPHQWRV FRQHFW£YHLV YLD .1; 3RU RX FHX SRUTXH QR LQ¯FLR D DGR©¥R GR .1; IRL
WURODGRRQ¯YHOGHIRUPD©¥RH[LJLGRDRVSUR SUHFLVDPHQWH QR VHJPHQWR UHVLGHQFLDO GH oe: Que resultados tem obtido, neste ano
ͤVVLRQDLV TXH LQVWDODP H SURJUDPDP .1; « OX[R+£PXLWRTXHM£Q¥RR«SRLVHGLI¯FLRV de 2017, o setor das Smart Home/Light
uma garantia de qualidade. Ao nível de design LQGXVWULDLVHGLI¯FLRVGHVHUYL©RVVHMDPHOHV Commercial?
H DUTXLWHWXUD R .1; SHUPLWH ID]HU XPD LQV +RVSLWDLV(VFRODV+RW«LV(VFULWµULRVW¬PR FF: 1HVWH PRPHQWR DLQGD Q¥R WHPRV DSX
talação adaptativa e um grau de flexibilidade KNX como sistema de monitorização e con UDGD D HYROX©¥R GD DWLYLGDGH GRV SURͤVVLR
¯PSDUHV VH FRPSDUDGR FRP DV LQVWDOD©·HV WUROR 3RU RXWUR ODGR R .1; Q¥R « VRPHQWH QDLV GR .1; DOJR TXH LUHPRV ID]HU EUHYH
HO«WULFDVFO£VVLFDVRXFRPRXWUDVWHFQRORJLDV para controlar a Iluminação e o Sombrea PHQWH0DVHVWRXFRQͤDQWHTXHWLYHPRVXP
do sector. mento. Também é utilizado em controlo de crescimento da adoção das soluções KNX
&OLPDWL]D©¥R 6HJXUDQ©D QD *HVW¥R GD (ͤ QR PHUFDGR GD FRQVWUX©¥R HP OLQKD FRP R
oe: O mundo do controlo de edifícios re- FL¬QFLD(QHUJ«WLFDGR(GLI¯FLRQD6HJXUDQ©D FUHVFLPHQWRGR.1;QD(XURSDQRV(8$HQD
sidenciais e não-residenciais (domótica) nos Elevadores O KNX é uma tecnologia que ƒVLDVREUHWXGRQRVSD¯VHV£UDEHVHQD&KLQD
“fala” a linguagem KNX. São já milhões integra e gere todas as valências de um edi FRPR GHPRQVWURX UHFHQWHPHQWH R HVWXGR
de instalações KNX bem-sucedidas, que fício moderno. publicado pela BSRIA.

FERNANDO FERREIRA, DA SCHNEIDER ELECTRIC,


ASSUMIU DIREÇÃO DA ASSOCIAÇÃO KNX PORTUGAL

Associação junto dos agentes do setor da


construção, manutenção e reabilitação
de edifícios, no sentido de sensibilizá-los
para as vantagens de um edifício amigo
do ambiente e mais seguro na vertente
elétrica”.

ACERCA DA ASSOCIAÇÃO
KNX
A Associação KNX é uma organização
VHP ͤQV OXFUDWLYRV IXQGDGD K£ TXDVH
 DQRV H TXH SURPRYH D WHFQRORJLD
.1; XPD QRUPD W«FQLFD DEHUWD TXH
permite a gestão integrada de todos os
edifícios. Os Associados são fabrican
tes que desenvolvem dispositivos para
Y£ULDV DSOLFD©·HV GHVWLQDGDV D FDVDV H
HGLI¯FLRV FRP EDVH QD QRUPD .1; WDLV
FRPR R FRQWUROR GD LOXPLQD©¥R R FRQ
WUROR GH HVWRUHV DTXHFLPHQWR YHQWLOD
)HUQDQGR )HUUHLUDb EcoBuildings Ma- Assembleia Geral é presidida por Carlos Filipe ©¥RDUFRQGLFLRQDGRJHVW¥RGHHQHUJLD
nagerb GD 6FKQHLGHU (OHFWULF DVVXPLX D 0RUJDGR 0RUJDGR &LD HR&RQVHOKR)LVFDO PHGL©¥R PRQLWRUL]D©¥R VLVWHPDV GH
Presidência da Associação KNX Portu é presidido por Miguel Soares (BEG). DODUPHLQWUXV¥R HOHWURGRP«VWLFRV £X
JDO $ QRYD 'LUH©¥R « DLQGD FRPSRVWD Fernando Ferreira assume que o grande dio/vídeo e muito mais. Além dos fabri
SHOR YLFHSUHVLGHQWH &DUORV /LPD $%%  REMHWLYRGDQRYDHTXLSD«b“criar dimensão na FDQWHV WDPE«P RV SURMHWLVWDV LQWHJUD
SHOR VHFUHW£ULR $QWµQLR $QGUDGH -XQJ  Associação e, dessa forma, ganhar massa GRUHV LQVWDODGRUHV H IRUQHFHGRUHV GH
e pelos vogais Pedro Abreu (Hager) e crítica”(OHPEUDDLQGDb“a necessidade de de- VHUYL©RV SRGHP WRUQDUVH PHPEURV GD
André Miguel Cabral (Sisint). A Mesa da senvolver uma estratégia que dê visibilidade à Associação KNX.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
10 espaço CPI

brincando com a Luz


Vítor Vajão
Presidente da Direcção do CPI (Centro Português de Iluminação)

A evolução da tecnologia (8$R)RRG&RUH 6HFWLRQ GL]H[ WDQWRVPLOK·HVGHDQRVDQRVVDYLVWDRQRVVR


luminotécnica tem plicitamente “DOX]DUWLͤFLDOQ¥RSRGHVHUXVD- F«UHEURHRQRVVREHPHVWDU̿
proporcionado múltiplas da para desvirtuar a verdadeira aparência, cor
e inovadoras abordagens e qualidade dos bens alimentares” (pelos vis
no desenho de sistemas WRVQ¥R«VµF£TXHDVUHJXODPHQWD©·HVQ¥R 2. HUMAN CENTRIC LIGHTING
de iluminação. Hoje, muito VHFXPSUHP̿ 7RGDYLD«M£SHUPLWLGRUHFRU $V ERDV H V¥V DPEL¬QFLDV FULDPVH FRP D
mais do que simplesmente UHU ¢ OX] QDWXUDO SDUD PHOKRUDU D DSDU¬QFLD TXDOLGDGH GR GHVHQKR GH OX] H Q¥R FRP OX
implementar as quantidades GRVREMHFWRVHQFRUDMDQGRVHRVHXXVRQRV PLQ£ULDV 2 Q¥R HQWHQGHU HVWD QR©¥R E£VLFD
de luz indicadas pela espaços interiores. HVW£ QD RULJHP GD FRQIXV¥R PXLWDV YH]HV
regulamentação para 1¥R«GLDRXQRLWHTXDQGRRKRPHPTXHU H[LVWHQWHHQWUHOX]HOXPLQ£ULDV2WHUPRHu-
os planos das tarefas 2V VHUHV KXPDQRV V¥R VHUHV GLXUQRV (P man Centric Lighting é a moda actual. Foi
visuais, o conceito é criar FDGD SHU¯RGR GH  K DOWHUQDWLYDPHQWH HP uma designação estrategicamente introdu
ambiências adaptadas DPELHQWH GLXUQR H QRFWXUQR V¥R DFWLYDGRV zida para diferenciar os fornecedores euro
às necessidades do ser sensores de retina complementares aos foto SHXVGRVDVL£WLFRV2REMHFWLYRHUDXVDUHVWH
humano em todo o campo UHFHSWRUHV FRQHV H EDVWRQHWHV  TXH UHJX “conceito̹ SDUD UHGHͤQLU TXDOLWDWLYDPHQWH R
visual, tendo particular lam os ciclos de adormecimento e de acorda designGHLOXPLQD©¥R0DVPXLWRVIDEULFDQ
cuidado na distribuição GRVLQFURQL]DGRVFRPRGLDHDQRLWH WHVDVL£WLFRVDJDUUDUDPHVWHFRPSOH[RWµSLFR
de luminâncias nos $ FRPXQLGDGH FLHQW¯ͤFD OXPLQRW«FQLFD HVLPSOLͤFDGDPHQWHXVDUDPQRFRPRDUJX
planos verticais, impondo HVW£ D LQYHVWLJDU R XVR GH P«WULFD TXH FD mento para promover a venda de determina
contrastes controlados, UDFWHUL]HDOX]FLUFDGLDQDSDUDGHͤQLUUHJUDV GDVOXPLQ£ULDVHVLVWHPDVGHFRQWURORDTXH
criando nuances de luz de design (para um dado momento do dia) atribuem virtudes irreais.
e sombra, no fundo, e o consequente estudo sobre a suspensão Este procedimento inicialmente assumi
indo ao encontro do que GD PHODWRQLQD D KRUPRQD TXH FRQGX] DR do como defesa perante a concorrência do
a natureza nos apresenta adormecimento). PHUFDGRDVL£WLFRUHVYDORXGHVVHVREMHFWLYRV
no dia-a-dia. Luz e escuridão conduzem o relógio do e vem sendo adoptado por alguns fabricantes
WHPSR GR QRVVR F«UHEUR QR Q¼FOHR VXSUD europeus.
FLDVP£WLFR VHQGR FHUWR TXH D GLVUXS©¥R 4XDQGRVHU£TXHRVIDEULFDQWHVHFOLHQWHV
&RQVHJXLUVH£ DVVLP SRWHQFLDU D DWUDFWLYL deste relógio conduz a efeitos negativos em ͤQDOPHQWH FRQVHJXLU¥R DVVLPLODU TXH R de-
dade espacial e proporcionar descanso visual WHUPRV GH VD¼GH FRP LPSOLFD©·HV DR Q¯YHO sign de iluminação não advém do design das
e adaptações a diferentes luminâncias em li GRFDQFURPDP£ULRHGDGLDEHWHV OXPLQ£ULDVPDVVLPGRFRQFHLWRFLHQW¯ͤFRGH
QKDFRPDVH[LJ¬QFLDVRFXODUHV 2XWURVLQYHVWLJDGRUHVDQDOLVDQGRRHIHLWR FULD©¥RGHDPEL¬QFLDVHTXHPHVPRDSDUH
Todo o ambiente para ser são deve conter QRVWUDEDOKDGRUHVHPWXUQRVQRFWXUQRVGHV OKRV EHP FRQFHELGRV Q¥R ID]HP VHQWLGR VH
OX]GLIXVDHOX]GLULJLGDWDOFRPRRGLVSRQLEL cobriram que a disrupção do ritmo circadia Q¥RIRUHPFRUUHFWDPHQWHDSOLFDGRV"
lizado por um lindo dia de céu limpo. Na natu no aumenta o risco de infecções e diminui a Agarrar no termo Human Centric Lighting
UH]D HQFRQWUDPRV UHVSRVWD SDUD DTXLOR TXH DXWRLPXQLGDGH¢VGRHQ©DV para referenciar qualitativamente os produ
GHYHPVHUDVUHOD©·HVHQWUHDOX]DVVRPEUDV -RKQ 5REHUWV GD )RUGKDP 8QLYHUVLW\ WRVHOKHVDWULEXLUFHUWDVSURSULHGDGHV«SXUR
HRVVHUHVKXPDQRV%DVWDVDEHUROKDUSDUD DͤUPD TXH ̸D ͤVLRORJLD KXPDQD « SURIXQ- PHUFDQWLOLVPR1HQKXPDOXPLQ£ULDSRGHSUR
poder ver. damente afectada por alterações diárias porcionar a complexidade ambiental que a
Os meios tecnológicos lançados pelos e sazonais nas trocas de espectros de luz 1DWXUH]DYHPGHͤQLQGRDRORQJRGHPLOK·HV
IDEULFDQWHV VHPSUH HP HYROX©¥R FRQW¯QXD visível”. de anos. Como se pode acreditar que um pro
nomeadamente com o aparecimento dos (VW£ WDPE«P HYLGHQFLDGR TXH GRHQWHV GXWRSRUVLVµSRVVDFRUUHVSRQGHU¢VQHFHV
/('VHVHXVHTXLSDPHQWRVSHUPLWHPSURGX KRVSLWDOL]DGRVUHFXSHUDPPDLVUDSLGDPHQWH VLGDGHV GH EHPHVWDU KXPDQR" &RQFHEHU H
]LUDPELHQWHVGHOX]¢PHGLGDGREHPHVWDU TXDQGR W¬P DFHVVR ¢ OX] QDWXUDO QRV VHXV UHDOL]DUOX]ELRGLQ¤PLFDQ¥R«WDUHIDVLPSOHV
KXPDQRPDVDGHͤQL©¥RGHVWHOLPLWHVHQ¥R TXDUWRV (VWD TXDQGR SUHVHQWH HP HVSD©RV QHPQHQKXPVLVWHPDGHFRQWURORWHPDLQWH
IRUEHPDIHULGRSRGHGHVYLUWXDUDTXDOLGDGH GHWUDEDOKRJUD©DVDRVHXHVSHFWURFRQW¯QXR OLJ¬QFLDTXHRVHUKXPDQRSRVVXLSDUDGHVH
da ambiência e até ter efeito adverso. leva a que os corpos readaptem o seu ritmo QKDUDPELHQWHVGHOX]
9HMDPRV GRLV FDVRV W¯SLFRV DFWXDOPHQ FLUFDGLDQRVHPTXDOTXHUGRVLQFRQYHQLHQWHV Por tudo isto esqueçam o Human Centric
te muito presentes (baseados em artigos de que podem ser causados pela luz eléctrica Lighting$ERDDPEL¬QFLDFULDVHFRPRVD
:LOODUG / :DUUHQ H -RDFKLP 5LWWHU UHFHQWH mal aplicada. EHU H HPSHQKR GXP TXDOLͤFDGR SURMHFWLVWD
mente apresentados nas revistas LD+A e &RQWXGRK£WHUDSLDVTXHUHFRUUHPDDͤ OXPLQRW«FQLFR FRP FDSDFLGDGH SDUD DSUR
PLD). nações de tonalidades de luz para tratar di veitar as potencialidades que a tecnologia
YHUVDV GRHQ©DV PDV LVVR V¥R DSOLFD©·HV GLVSRQLELOL]D SRQGRDV DR VHUYL©R GR EHP
muito particulares. HVWDU KXPDQR 1¥R « VLPSOHV GH H[HFXWDU
1. MANIPULAR A MÃE NATUREZA &RPRUHJUDJHUDOQ¥R«JUDQGHLGHLDHQ Não é sistema “plug and play̹FRPRDOJXQV
Numa época em que frequentemente se usa WUDU HP FRQIOLWR FRP D 0¥H 1DWXUH]D D Q¥R querem impingir.
a luz para tornar mais apetecíveis bens ali VHU TXH HVWHMD SURYDGR VHU FOLQLFDPHQWH Hͤ
PHQWDUHV Q¥R GHL[D GH VHU FXULRVR TXH QRV FD] H VHJXUR &RLVDV GH TXHP FRPDQGD K£ 7H[WRHVFULWRGHDFRUGRFRPDDQWLJDRUWRJUDͤD

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
12 vozes do mercado

como um serviço
de monitorização de UPS
pode evitar tempo
de inatividade dispendioso
Gabriel Longo
Field Services Sales Manager
Schneider Electric Portugal

Durante anos, empresas UHODWLYDPHQWHSHTXHQDGHGLQKHLURSDUDUHSD


de investigação rar um sistema de TI defeituoso. Como diz o
e fornecedores de TI GLWDGR̸É melhor prevenir do que remediar”.
têm tentado calcular Certamente que é esse o caso quando
o custo do tempo VHWUDWDGHSURWHJHUXPUHFXUVRTXHHVW£QD
de inatividade RULJHPGHPXLWDVIDOKDVGH7,XPIOX[RFRQV
do negócio devido WDQWH GH HQHUJLD HO«WULFD OLPSD 1¥R KDYHU£
a falhas de TI, DPHD©DVDHVVHIOX[RGHHQHUJLDGHVGHWUR
com diversos resultados. YRDGDV D IXUDF·HV D UHGHV GD utility sobre
No entanto, a principal FDUUHJDGDVHIDOKDVGRVHTXLSDPHQWRV
conclusão é que Empresas de todas dimensões insta
o tempo de inatividade lam frequentemente sistemas de fonte de
é dispendioso. DOLPHQWD©¥R LQLQWHUUXSWD 836  H JHUDGRUHV
SDUDVXSRUWDUDFDUJDGH7,QRFDVRGHIDOKD
de energia da utility. As UPS são uma peça
$ &$ 7HFKQRORJLHV DQDOLVRX  HPSUHVDV FUXFLDOGHVVHTXHEUDFDEH©DVSRUTXHIRUQH
da América do Norte e Europa e descobriu cem energia aos sistemas de TI durante os
que as pequenas empresas perderam mais SRXFRV VHJXQGRV RX PLQXWRV TXH RV JHUD
GH   GµODUHV SRU DQR GHYLGR D IDOKDV dores levam a entrar em funcionamento. Em &RPR PXLWRV RXWURV VLVWHPDV GH 7,
GH7,HQTXDQWRHPSUHVDVGHP«GLDGLPHQ FRQͤJXUD©·HV GH 7, PDLV SHTXHQDV SRGHP atualmente as UPSs podem gerar uma rique
V¥RSHUGHUDPPDLVGHGµODUHVHDV IRUQHFHUD¼QLFDIRQWHGHHQHUJLDGHbackup za de informações de diagnóstico. Os forne
grandes empresas perderam acima de 1 SHOR PHQRV GXUDQWH WHPSR VXͤFLHQWH SDUD cedores (MSP) usam ferramentas que reco
PLOK¥R GH GµODUHV SRU DQR 1R SDQRUDPD possibilitarem a transição para um centro de OKHPHDQDOLVDPHVVHVGDGRV$RID]¬ORHOHV
JHUDO D &$ GHVFREULX TXH R WHPSR GH LQD dados backup, ou o encerramento do sistema conseguem detetar quando uma UPS apre
WLYLGDGHGH7,FXVWRX¢VHPSUHVDVPDLVGH sem sobressaltos. senta um comportamento fora do normal e
ELOL·HVGHGµODUHVSRUDQRHPUHFHLWDV O problema é que os sistemas UPS são HP ULVFR GH IDOKD 2 IRUQHFHGRU 063  SRGH
perdidas. como automóveis; necessitam de uma ma HQW¥RDGRWDUPHGLGDVSDUDUHWLͤFDURSUREOH
O estudo realizado pela empresa de pes QXWHQ©¥R SHULµGLFD GH URWLQD D ͤP GH IXQ PD̰DQWHVGDIDOKDHIHWLYDGD836
TXLVD ,+& ,QF SXEOLFDGR QR LQ¯FLR GH  FLRQDUHPFRPͤDELOLGDGH3RUH[HPSORFDGD Para os clientes este é um método mais
demonstra que o tempo de inatividade se tor UPS tem uma bateria e as baterias não duram estratégico de realizar a manutenção da UPS
nou mais caro. Nesse estudo é indicado que para sempre. Também têm partes móveis do que simplesmente seguir uma manuten
o custo do tempo de inatividade da tecnologia FRPRDVYHQWRLQKDVTXHSUHFLVDPGHVHUYH ©¥R FDOHQGDUL]DGD SRLV HVW£ D FRUULJLU XP
da informação e comunicação (ICT) é subs ULͤFDGDVSHULRGLFDPHQWHHͤOWURVTXHSRGHP SUREOHPD UHDO H FRQKHFLGR H Q¥R DSHQDV D
WDQFLDO GHVGH  PLOK¥R GH GµODUHV SRU DQR ͤFDUHQWXSLGRV substituir um componente porque a calenda
SDUDXPDW¯SLFDHPSUHVDGHP«GLDGLPHQV¥R +DELWXDOPHQWH D HTXLSD GH 7, Q¥R HVW£ rização assim o diz.
D PDLV GH  PLOK·HV GH GµODUHV SDUD XPD FRQͤJXUDGD SDUD UHDOL]DU D PDQXWHQ©¥R GDV Qualquer bom grupo de TI monitoriza e
grande empresa. 836HVW¥RRFXSDGRVDGHVHPSHQKDURXWUDV gere os seus sistemas de TI para detetar si
O estudo da IHS revela também que a funções essenciais para atingir os objetivos QDLV GH IDOKDV QD HVSHUDQ©D GH DV UHSDUDU
SHUGDGHSURGXWLYLGDGHUHSUHVHQWDGHV GRQHJµFLRFRPR«VXSRVWR antes que causem inatividade ou interferên
VHVFXVWRVHQTXDQWR«UHIHUHQWHDUHFHL Como fazem com tantas funções de TI FLD QD RSHUD©¥R 0XLWRV M£ XWLOL]DP RV IRU
tas perdidas. O custo para corrigir a origem KRMHHPGLDDVHPSUHVDVSRGHPVXEFRQWUD necedores (MPS) para executar a função por
do problema de todas as perdas foi relativa tar a monitorização e manutenção dos seus HOHV $ DGL©¥R GRV VLVWHPDV 836 ¢ OLVWD GH
PHQWHSHTXHQRDSHQDV VLVWHPDV836DXPIRUQHFHGRUGHJHVW¥RGH gestão e manutenção pode ser o passo que
(VVH YDORU GH  LQGLFD TXH PXLWDV ID serviços (MSP – managed servise provider). impede o tempo de inatividade dispendioso
OKDV GH 7, SRGHULDP WHU VLGR HYLWDGDV VH DV 2IRUQHFHGRULU£IRUQHFHUXPDPRQLWRUL]D©¥R na próxima vez que precisar de depender
empresas tivessem investido uma quantia GRVVLVWHPDV das UPS.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
14 alta tensão

equipamentos de proteção elétrica


Eurico Zica Correia
(QJHQKHLUR(OHWURW«FQLFR

• subida a postes;
• montagem de ferragens;
• DSOLFD©¥RGHPDWHULDLVWHUPRUHWU£WHLV
• PDQREUDVHWUDEDOKRVHPLQVWDOD©·HVPHF¤QLFDVHW«UPLFDV

Estas luvas não devem ser utilizadas para a execução de manobras ou


7UDEDOKRVHP7HQV¥RDRFRQWDFWR

Luvas isolantes
$VOXYDVLVRODQWHVGHYHPVHUDGDSWDGDV¢WHQV¥RGDVLQVWDOD©·HVRQGH
VHY¥RUHDOL]DUDVLQWHUYHQ©·HV4XDQGRQDVRSHUD©·HVDHIHWXDUKDMD
R ULVFR GH VHUHP UDVJDGDV RX SHUIXUDGDV DV OXYDV LVRODQWHV GHYHP
VHU XVDGDV VRE OXYDV GH SURWH©¥R PHF¤QLFD QR FDVR GRV WUDEDOKRV
UTILIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DO EQUIPAMENTO em tensão devem ser utilizadas luvas de proteção mecânica siliconi
DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVO ]DGDV $VOXYDVLVRODQWHVGHYHPVHUYHULͤFDGDVLPHGLDWDPHQWHDQWHV
O equipamento de proteção é utilizado para proteger individual ou co GHXVDUDSOLFDQGRXPYHULͤFDGRUSQHXP£WLFRGHOXYDVRXHQFKHQGRD
OHWLYDPHQWHRSHVVRDOHGHYHUHVSHLWDUDVFDUDWHU¯VWLFDVLQGLFDGDVQD OXYDGHDUHHQURODQGRRFDQK¥RY£ULDVYH]HVVREUHVLPHVPR6HKRXYHU
UHVSHWLYD)LFKD7«FQLFD SHUIXUD©¥R IXJDGHDU RXDSUHVHQWDUHPTXDOTXHUWLSRGHYLQFRVDUUD
Deve ser mantido de acordo com instruções precisas e as suas QK·HVRXͤVVXUDVQ¥RGHYHPVHUXWLOL]DGDVHRSDUGHYHVHUGHVWUX¯GR
caraterísticas iniciais não devem ser alteradas. 'HSRLV GH XWLOL]DGDV DV OXYDV LVRODQWHV GHYHP VHU OLPSDV SROYL
,QGHSHQGHQWHPHQWHGDYHULͤFD©¥RIHLWDSHORWUDEDOKDGRUDQWHVGD OKDGDVFRPSµGHWDOFRHJXDUGDGDVQDUHVSHWLYDHPEDODJHPVHPDV
XWLOL]D©¥R « QHFHVV£ULR TXH R HTXLSDPHQWR VHMD REMHWR GH FRQWUROR GREUDU QHP YLQFDU $V OXYDV LVRODQWHV SDUD WUDEDOKRV HP WHQV¥R GH
SHULµGLFR IHLWR SRU SHVVRDO TXDOLͤFDGR 2V FRQWURORV SHULµGLFRV GRV YHPVHUREMHWRGHHQVDLRVGHLVRODPHQWRSHULµGLFRVGHDFRUGRFRPDV
equipamentos de proteção da Categoria 3° (que se destinam a impedir &RQGL©·HVGH([HFX©¥RGRV7UDEDOKRVH)LFKDV7«FQLFDVUHVSHWLYDV
uma ocorrência com consequências previsivelmente muito graves ou
PRUWDLV GHYHPͤFDUUHJLVWDGRV Óculos e viseiras
$V)LFKDV7«FQLFDVGR&DW£ORJRGH(TXLSDPHQWRVGH3URWH©¥RLQ $XWLOL]D©¥RGHµFXORVRXGHYLVHLUD«REULJDWµULDSDUDWRGRVRVWUDEDOKRV
dicam as caraterísticas técnicas dos equipamentos de proteçãoEHP TXH HQYROYDP ULVFR SDUD RV ROKRV WDLV FRPR DV UDGLD©·HV OXPLQRVDV
FRPR DV UHJUDV SDUD D VXD FRUUHWD XWLOL]D©¥R YHULͤFD©¥R H FRQWUROR e a projeção de vapor ou de partículas de matérias sólidas ou líquidas.
manutenção e transporte. Os óculos de proteção contra radiações luminosas não consti
WXHPSURWH©¥RFRQWUDRVHIHLWRVGRDUFRHO«WULFRVHQGRQHVWHVFDVRV
QHFHVV£ULRXWLOL]DUXPDYLVHLUDSDUDSURWH©¥RLQWHJUDOGRVROKRVHGD
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EPI) face contra a projeção de partículas e possíveis queimaduras.

Capacete de proteção Calçado de proteção


A utilização de capacete de proteção é obrigatória para todas as pes 2FDO©DGRGHSURWH©¥RGHVWLQDVHDXWLOL]DUQRVORFDLVGHWUDEDOKRRQGH
VRDVTXHVHHQFRQWUHPQXPD]RQDHPTXHKDMDRULVFRGHTXHGDRX H[LVWDRULVFRGHIHULPHQWRVQRVS«VQRPHDGDPHQWHFKRTXHRXTXH
SURMH©¥RGHREMHWRVFKRTXHFRPREMHWRVRXULVFRVGHTXHGDGHXP GDGHREMHWRVRXSHUIXUD©¥R(PIXQ©¥RGRULVFRDTXHRWUDEDOKDGRU
Q¯YHOGLIHUHQWH SRUH[HPSORWUDEDOKRVHPLQVWDOD©·HVHO«WULFDVD«UHDV SRVVDHVWDUH[SRVWRDVVLPRFDO©DGRGHYHU£DSUHVHQWDUFDUDWHU¯VWLFDV
HPWHUUD©RVRXORFDLVH[¯JXRVWUDEDOKRVHPHVWDOHLURVGHFRQVWUX©¥R diferentes e marcados com o símbolo respetivo:
civil ou mecânica). • ULVFRGHSHUIXUD©¥RV¯PEROR3 FRPSDOPLOKDGHD©R 
Existem diferentes tipos de capacetes de proteção para responder • ULVFRHO«FWULFRV¯PEROR$ VRODDQWLHVW£WLFD 
DGLIHUHQWHVQHFHVVLGDGHVSRUH[HPSOR • atmosferas explosivas: símbolo C (sola eletricamente condutora).
• capacetes para eletricista que não devem possuir abas nem peças
PHW£OLFDV 3DUDRVWUDEDOKRVHPWHQV¥RHP$7RFDO©DGRGHVHJXUDQ©DWHPH[L
• FDSDFHWHVSDUDSHUPLWLUDFRORFD©¥RGHDFHVVµULRVSDUDXWLOL]D©·HV J¬QFLDVHVSHF¯ͤFDVDRQ¯YHOGRLVRODPHQWRHVSHFLͤFDGDVQDUHVSHWLYD
HVSHF¯ͤFDV SRUH[HPSORSDUDXWLOL]DUFRPSURWHWRUHVDXULFXODUHV  )LFKD 7«FQLFD 6HPSUH TXH RV WUDEDOKRV VH GHVHQYROYDP HP ORFDLV
FRPVRORVK¼PLGRVWHUUHQRVORGRVRVRXSDQWDQRVRVHPHVWDOHLURVH
O dispositivo de suspensão do casco (arnês) é de grande importância REUDVKLGU£XOLFDVRXQDPDQLSXOD©¥RGHO¯TXLGRVFRUURVLYRVGHYHVHU
SDUDDDEVRU©¥RGHLPSDFWRVHGHYHVHUDMXVWDGRGHIRUPDDPDQW¬OR XWLOL]DGRFDO©DGRGHSURWH©¥RLPSHUPH£YHO
afastado cerca de 4 cm da cabeça do utilizador.
1RVWUDEDOKRVHPDOWXUD«REULJDWµULRRXVRGRIUDQFDOHWHVHQGR Arnês e acessórios para proteção contra quedas
contudo sempre recomendada a sua utilização. em altura
2DUQ¬V«XWLOL]DGRVHPSUHTXHH[LVWDULVFRGHTXHGDHPDOWXUDQRPHDGD
Luvas de proteção mecânica PHQWHQRVWUDEDOKRVHPSRVWHVWRUUHVPHW£OLFDVIDFKDGDVGHVUDPHGH
'HYHPVHUXWLOL]DGDVSDUDSURWH©¥RGDVP¥RVHPWUDEDOKRVWDLVFRPR £UYRUHVWRPDGDVGH£JXDDFHVVRDVLORVHQWUHRXWURV3DUDWUDEDOKRVHP
• movimentação manual de materiais e equipamentos que possam DSRLRVGHYHVHUXWLOL]DGRXPDUQ¬VFRPFLQWRGHWUDEDOKRLQFRUSRUDGR2
IHULUDVP¥RV FDUJDVIHUUDJHQVPDGHLUDVHVFDGDVDSDUHOKRV  DUQ¬VVLPSOHV«XWLOL]DGRH[FOXVLYDPHQWHHPLQWHUYHQ©·HVHPHOHYD©¥R

www.oelectricista.pt o electricista 61
alta tensão 15

TXDQGRRXWLOL]DGRUQ¥RQHFHVVLWDGHVHDSRLDUSDUDH[HFXWDURWUDEDOKR PHQWHQRLQWHULRUGHSRVWRVGHWUDQVIRUPD©¥RSDUTXHVH[WHULRUHVGH
Este equipamento é utilizado em conjunto com um dispositivo de inter VXEHVWD©·HVHWFVµ«SHUPLWLGDDXWLOL]D©¥RGHHVFDGDVHDQGDLPHV
UXS©¥RGDTXHGDTXHSRGHU£VHUXPTXDOTXHUGRVVLVWHPDVS£UDTXHGDV isolantes ou plataformas com braços isolantes.
• 3£UDTXHGDVGHVOL]DQWH SDUDVXSRUWHGHDQFRUDJHPIOH[¯YHORXU¯JLGD  1RVWUDEDOKRVUHDOL]DGRVHPDSRLRVRXHPIDFKDGDV«SHUPLWLGDD
• Amortecedor de quedas; XWLOL]D©¥RGHHVFDGDVSRUW£WHLVH[WHQV¯YHLVPLVWDVFRPRWUR©RVXSH
• 3£UDTXHGDVUHWU£WLO ULRUHPPDWHULDOLVRODQWHGHVGHTXHR¼OWLPRWUR©RHPDOXP¯QLRͤTXHD
SHORPHQRVPGDSH©DQXDHPWHQV¥RPDLVSUµ[LPD
2FLQWRGHWUDEDOKRSRUVLVµQ¥RFRQVWLWXLSURWHção contra quedas em 6HPSUHTXHRXWLOL]DGRUWHQKDTXHGHVHQYROYHUWUDEDOKRVDSRLDGR
altura. QXPDHVFDGDGHYHHVWDUHTXLSDGRFRPDUQ¬VGHSURWH©¥RFRQWUDTXH
GDVHͤ[RDXPSRQWRGHDQFRUDJHPTXHQ¥RDSUµSULDHVFDGD
Antes de cada utilização o estado de conservação da escada deve
EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO COLETIVA (EPC) VHUYHULͤFDGRSHORXWLOL]DGRUQRPHDGDPHQWH
• DERDͤ[D©¥RGRVPRQWDQWHVHGRVGHJUDXV
Estribos para subida de apoios • RERPHVWDGRGRVDSRLRVDQWLGHUUDSDQWHVGDHVFDGD
3DUDFDGDWLSRGHDSRLRWDLVFRPRSRVWHVPHW£OLFRVEHW¥RRXGHPDGHL • que estão isentas de sujidade e de gordura.
UDGHYHPVHUXWLOL]DGRVHVWULERVDGDSWDGRVDFDGDXPDGDVVLWXD©·HV
‹LQWHUGLWDDXWLOL]D©¥RGRVHVWULERVSDUDRXWURHIHLWRGLIHUHQWHGR A colocação da escada deve ser feita de tal forma que a distância dos
HVFDODPHQWRGHWLSRGHDSRLRSDUDTXHHVW£GHVHQKDGR pés da escada ao plano vertical de apoio do topo da escada e altura da
7RGRV RV GHIHLWRV QDV SDUWHV PHW£OLFDV ͤYHODV LQFOX¯GDV GHYHP escada corresponda a uma proporção de 1:4 a 1:3.
VHUUHSDUDGRVSHORFRQVWUXWRU2VRXWURVHOHPHQWRVWDLVFRPRDVSDU ‹ LQWHUGLWD D VXELGD VLPXOW¤QHD GH PDLV do que um utilizador na
WHVHPW¬[WLORXHPFRXURGHYHPVHUPDQWLGRVHPERPHVWDGRHQ¥R mesma escada.
GHYHPDSUHVHQWDUJROSHVQHPͤVVXUDV
Linha de vida
Escadas portáteis e andaimes isolantes $VOLQKDVGHYLGDV¥RXWLOL]DGDVFRPRVXSRUWHGHDQFRUDJHPGHS£UD
$VHVFDGDVSRUW£WHLVV¥RXWLOL]DGDVSDUD TXHGDVGHVOL]DQWHVHPSUHTXHKDMDRULVFRGHTXHGDHPDOWXUD
• SDVVDUGHXPSODQRGHWUDEDOKRSDUDRXWUR 3RGHP VHU UHDOL]DGDV HP FRUGD HP FDER PHW£OLFR RX HP EDUUD
• HIHWXDUWUDEDOKRVHPDOWXUDGHFXUWDGXUD©¥RSDUDWUDEDOKRVPDLV PHW£OLFD H GHYHP VHU HVSHFLͤFDGDV SDUD XWLOL]DU FRP R GLVSRVLWLYR
prolongados devem ser utilizados andaimes ou plataformas. S£UDTXHGDV1DVXELGDDDSRLRVPHW£OLFRVSDUDDUHDOL]D©¥RGHWUD
EDOKRVGHYHVHUXWLOL]DGDXPDFRUGDOLQKDGHYLGDYHUWLFDO
Em locais de acesso reservado a eletricistas onde existam peças nuas 1D GHVORFD©¥R QRV EUD©RV GH XPD WRUUH RX HVWUXWXUD PHW£OLFD
HPWHQV¥RDFHVV¯YHLV WUDEDOKRVQDYL]LQKDQ©DGHWHQV¥R QRPHDGD GHYHVHUXWLOL]DGDXPDOLQKDGHYLGDKRUL]RQWDO

PUB
16 alta tensão

Tapetes e estrados isolantes 6HDYDUDLVRODQWHGLVS·HGHVDLDVLVRODQWHVRXWLOL]DGRUGHYHYHULͤ


Os tapetes e estrados isolantes permitem isolar o operador do solo FDURVHXHVWDGRDSDUHQWHTXHQ¥RGHYHDSUHVHQWDUVLQDLVGHͤVVXUDV
H GHYHP VHU DGDSWDGRV ¢ WHQV¥R QRPLQDO GDV LQVWDOD©·HV RQGH Y¥R QHPIDOKDVHTXHDVXDͤ[D©¥R«VµOLGD
VHUXWLOL]DGRV$QWHVGDXWLOL]D©¥RGHXPHVWUDGRLVRODQWH«QHFHVV£ULR
DVVHJXUDU TXH RV VHXV S«V HVW¥R DSRLDGRV QXPD VXSHUI¯FLH UHJXODU Equipamentos móveis de ligação à terra
que os isoladores são adequados e em bom estado e que a platafor e em curto-circuito
PD GR HVWUDGR HVW£ VXͤFLHQWHPHQWH DIDVWDGD GH TXDOTXHU HVWUXWXUD $OLJD©¥R¢WHUUDHHPFXUWRFLUFXLWRRXDOLJD©¥RHPFXUWRFLUFXLWRGH
FRQGXWRUDOLJDGD¢WHUUD2RSHUDGRUGHYHSRVLFLRQDUVHQRFHQWURGR WRGRV RV FRQGXWRUHV RX DSDUHOKRV RQGH VH YDL HIHWXDU R WUDEDOKR Vµ
estrado ou do tapete e deve evitar qualquer contacto com as massas pode ser feita com um equipamento especial que permita ao operador
PHW£OLFDV&RQWXGRHPDOJXQVSRVWRVGHWUDQVIRUPD©¥RHPTXHH[LV PDQWHUVHLVRODGRGDVSDUWHVDWLYDV
WHXPDOLJD©¥RHTXLSRWHQFLDO¢WHUUDHQWUHDVPDVVDVDXWLOL]D©¥RGR 2UHIHULGRGLVSRVLWLYRGHYHVHUDGDSWDGR¢WHQV¥RQRPLQDOGDLQVWD
WDSHWHHGRHVWUDGRLVRODQWHQ¥R«QHFHVV£ULDVHRRSHUDGRUVHFRORFDU OD©¥RH¢VFRUUHQWHVGHFXUWRFLUFXLWRHVSHUDGDVQRSRQWRGHFRORFD©¥R
QXPD VXSHUI¯FLH HTXLSRWHQFLDO UHODWLYDPHQWH ¢V PDVVDV PHW£OLFDV H As operações devem ser realizadas de acordo com as prescrições
ao órgão de comando manual dos seccionadores. UHIHUHQFLDGDVQR(VWDEHOHFLPHQWRGDVOLJD©·HV¢WHUUDHHPFXUWRFLU
FXLWRFRPDVHJXLQWHRUGHP
Verificador de ausência de tensão  $VVHJXUDUVHTXHWRGDVDVSH©DVGHFRQWDFWREHPFRPRRVFRQ
2YHULͤFDGRUGHDXV¬QFLDGHWHQV¥RQ¥RGHYHVHUXWLOL]DGRFRPRDSD GXWRUHVGRHTXLSDPHQWRHVW¥RHPERPHVWDGR
UHOKRGHPHGL©¥RDPHQRVTXHRDSDUHOKRVHMDSUHYLVWRWDPE«PSDUD 2. Ligar o cabo de terra do equipamento:
HVWDͤQDOLGDGH • GH SUHIHU¬QFLD ¢ WHUUD GDV PDVVDV H[LVWHQWHV QRV SRVWRV GH
2VYHULͤFDGRUHVGHDXV¬QFLDGHWHQV¥RV¥RXWLOL]DGRVQRPHDGD WUDQVIRUPD©¥RRXVREUHRVDSRLRVSµUWLFRV
PHQWHQRGHFXUVRGDVRSHUD©·HVGHFRQVLJQD©¥RSUHYLDPHQWH¢OLJD • RX D XP HO«WURGR PHW£OLFR FRQYHQLHQWHPHQWH HQWHUUDGR QR
©¥R¢WHUUDHHPFXUWRFLUFXLWRSDUDFRQͤUPDUDDXV¬QFLDGHWHQV¥R VRORVXͤFLHQWHPHQWHDIDVWDGRGRVWUDEDOKDGRUHV
(VWHVDSDUHOKRVSRGHPVHUGRWLSRVRQRURHRXGRWLSROXPLQRVR  'HVHQURODUFRPSOHWDPHQWHRFRQGXWRUGRHTXLSDPHQWRVHHVWLYHU
e sempre adaptados ao nível de tensão das instalações onde vão ser PRQWDGR QXP HQURODGRU SDUD HYLWDU RV HIHLWRV HOHWURPDJQ«WLFRV
utilizados. Imediatamente antes de qualquer operação efetuada com QRFDVRGHXPHYHQWXDOFXUWRFLUFXLWR
HVWHHTXLSDPHQWRHLPHGLDWDPHQWHDSµVHVWD«LQGLVSHQV£YHOYHULͤFDU  )L[DUDVSLQ©DVVREUHFDGDXPGRVFRQGXWRUHVFRPH©DQGRSHOR
RERPIXQFLRQDPHQWRGRDSDUHOKRFRPRUHFXUVRDSDUWHVDWLYDVHP PDLVSUµ[LPRHXWLOL]DQGRIHUUDPHQWDVLVRODQWHVDGDSWDGDV¢WHQ
WHQV¥RQDSUR[LPLGDGHRXFRPDDMXGDGHXPGLVSRVLWLYRFRPIRQWHGH V¥RQRPLQDOGDLQVWDOD©¥RQRUPDOPHQWHYDUDVLVRODQWHV
alimentação autónoma prevista pelo fabricante. 1DVLQVWDOD©·HVGH%7DVSLQ©DVSRGHPVHUFRORFDGDV¢P¥RGHV
Durante a utilização do equipamento: GHTXHVHMDPXWLOL]DGDVOXYDVLVRODQWHV'XUDQWHHVWDRSHUD©¥RRRSH
• HP%7«REULJDWµULDDXWLOL]D©¥RGHOXYDVLVRODQWHVVHPSUHTXHQDSUR UDGRUGHYHPDQWHUVHDIDVWDGRGRVFRQGXWRUHVDWLYRV
ximidade existam peças nuas em tensão que representem um risco 3DUDUHWLUDURVHTXLSDPHQWRVGHOLJD©¥R¢WHUUDHHPFXUWRFLUFXLWR
importante de contacto direto devido a um movimento inesperado; executar as operações pela ordem inversa.
• HP$7«REULJDWµULDDXWLOL]D©¥RGHOXYDVLVRODQWHV
Anteparos
‹SURLELGDDXWLOL]D©¥RGHXPDO¤PSDGDQXPVXSRUWHFRPGXDVmpon- 'LVSRVLWLYRV FRQVLGHUDGRV FRPR XP REVW£FXOR GHVWLQDGR D HYLWDU D
tas de prova̹EHPFRPRDXWLOL]D©¥RGHEXVFDSµORVGHFRQWDFWR aproximação ou o contacto com peças nuas em tensão.
3RGHPLJXDOPHQWHGHOLPLWDUXPD]RQDGHWUDEDOKRV
Espingarda lança-cabos O anteparo pode ser realizado em:
$HVSLQJDUGDODQ©DFDERV«XWLOL]DGDHPDOWHUQDWLYDDRYHULͤFDGRUGH • PDWHULDOFRQGXWRUOLJDGR¢WHUUD
DXV¬QFLDGHWHQV¥RSDUDDYHULͤFD©¥RGDDXV¬QFLDGHWHQV¥RHPOL • material não condutor sem garantir um nível de isolamento determinado;
QKDVD«UHDVQXDV07DQWHVGDOLJD©¥R¢WHUUDHPFXUWRFLUFXLWR • material isolante ou isolado.
$ XWLOL]D©¥R GD HVSLQJDUGD ODQ©DFDERV Q¥R GLVSHQVD HP FDVR DO
JXPDOLJD©¥R¢WHUUDHHPFXUWRFLUFXLWRFRPRHTXLSDPHQWRDSURSULDGR $QWHVGDXWLOL]D©¥RGHVWHVDQWHSDURVGHYHU¥RVHUHVWDEHOHFLGDVDVUH
‹SURLELGRXWLOL]DUDHVSLQJDUGDODQ©DFDERVHPVLWXD©·HV gras de utilização em função das caraterísticas mecânicas e dielétri
• HP TXH Q¥R ͤTXHP DEUD©DGRV RV WU¬V FRQGXWRUHV SRU H[HPSOR cas dos materiais utilizados e das tensões em presença.
com os condutores dispostos em esteira); (VWDV UHJUDV GHͤQLU¥R DV GLVW¤QFLDV P¯QLPDV D UHVSHLWDU WHQGR HP
• HPTXHKDMDRULVFRGHDYDUHWDDRVHUSURMHWDGDHQWUDUHPFRQWDF FRQWDDVSH©DVQXDVHPWHQV¥RHDVFRQGL©·HVDPELHQWDLV KXPLGDGH 
to com outras instalações com ou sem tensão.
Anteparos para TET - AT
Dispositivo Pica-cabos 2V DQWHSDURV SDUD 7(7$7 HP PDWHULDO LVRODQWH V¥R XVDGRV SDUD
2GLVSRVLWLYRSLFDFDERV«XWLOL]DGRSDUDYHULͤFDUDDXV¬QFLDGHWHQV¥R FRORFDU IRUD GR DOFDQFH DV SH©DV QXDV $7 HP WHQV¥R PDV Q¥R V¥R
HPFDERVVXEWHUU¤QHRVHP07H%7SRUSLFDJHPGRFDER QHPREVW£FXORVLQWUDQVSRQ¯YHLVQHPSURWH©·HVLVRODQWHVQHPVXSHU
$QWHVGHVHUFRUWDGRXPFDERGHYHU£VHUREULJDWRULDPHQWHSLFDGR fície sobre a qual o operador se possa apoiar.
FRPRSLFDFDERVDLQGDTXHWHQKDVLGRSUHYLDPHQWHLGHQWLͤFDGRSRU 6¥R FRORFDGRV H SRVLFLRQDGRV SRU SHVVRDO KDELOLWDGR VREUH XP
meios não destrutivos. DSRLRXPDHVWUXWXUDRXXPFKDVVLVGHXPDSDUHOKRSHUPLWLQGRWUD
EDOKDUQDSUR[LPLGDGHGHXPDLQVWDOD©¥RGH$OWD7HQV¥RUHVSHLWDQGR
Varas Isolantes DVGLVW¤QFLDV¢VSH©DVQXDVHPWHQV¥RGHDFRUGRFRPDV&(7HDV)7
$VYDUDVLVRODQWHVGHVWLQDPVHDSHUPLWLUH[HFXWDU¢GLVW¤QFLDGHWHUPL
QDGDVPDQREUDVPHGL©·HVRXLQWHUYHQ©·HVVREUHXPHOHPHQWRGDUHGH Protetores
'HYHWHUXPLVRODPHQWRHXPFRPSULPHQWRDGHTXDGR¢WHQV¥RGH Dispositivos constituídos por invólucro isolante com determinadas ca
serviço da instalação onde vai ser utilizada. UDWHU¯VWLFDVGLHO«WULFDV6¥Rͤ[DGRVVREUHDVSH©DVQXDVHPWHQV¥R
$QWHVGDXWLOL]D©¥RGHXPDYDUDLVRODQWHGHYHVHUYHULͤFDGDDH[LV $VSUHFDX©·HVGHXWLOL]D©¥R KXPLGDGH HDVFDUDWHU¯VWLFDV PHF¤QL
W¬QFLDGHTXDOTXHUGHIHLWRSHORVHXDVSHWRH[WHULRUGHYHVHUOLPSDH FDVHGLHO«WULFDV GHYHPVHUHVSHFLͤFDGDVSDUDGHͤQLUDVFRQGL©·HVGH
HVWDULVHQWDGHKXPLGDGHRXGHSµVLWRVGHVDO utilização (ver CET e FT respetivas).

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
18 alta tensão

sistema de detecção
de intrusão
Manuel Bolotinha
(QJHQKHLUR(OHWURW«FQLFR̰(QHUJLDH6LVWHPDVGH3RW¬QFLD ,67̰
0HPEUR6«QLRUGD2UGHPGRV(QJHQKHLURV
&RQVXOWRUHP6XEHVWD©·HVH)RUPDGRU3URͤVVLRQDO

1. FUNÇÕES E CONSTITUIÇÃO DO SISTEMA


O sistema automático de detecção de intrusãoGHVWLQDVHDSURWHJHU
WRGDVDVHQWUDGDVSRVV¯YHLVGRVHVSD©RVHRVHXLQWHULRUHJHUDUXP
DODUPHQRHYHQWXDOSRVWRFHQWUDOGHVHJXUDQ©DGRHGLI¯FLRLQVWDOD©¥R
RXQRFDVRGHLQVWDOD©·HVVHPVHJXUDQ©DSHUPDQHQWHWUDQVPLWLUXP
alarme de intrusão a uma empresa privada de segurança devidamen
WHFHUWLͤFDGDSDUDRHIHLWRHRXDR V UHVSRQV£YHO HLV SHODVHJXUDQ©D
GDLQVWDOD©¥RYLDFRPXQLFD©¥RSRUOLQKDWHOHIµQLFDGHGLFDGDHRXSRU
FRPXQLFD©¥RVHPͤRV
'HQRWDUTXHHP3RUWXJDOQRFDVRGHLQVWLWXL©·HVGHGLUHLWRSULYD
GRQ¥R«JHUDOPHQWHDXWRUL]DGDDWUDQVPLVV¥RGRDODUPHGHLQWUXV¥R
¢VHQWLGDGHVSROLFLDLVHTXHDXWLOL]D©¥RGHDODUPHVVRQRURVH[WHULRUHV
HVW£FRQGLFLRQDGD¢DXWRUL]D©¥RGDVHQWLGDGHVFRPSHWHQWHV
Este sistema deve ser interligado com os sistemas de controlo de
acessosHCCTVFDVRH[LVWDPFRPRREMHFWLYRGHJHUDUXPDODUPH
quando existam tentativas de aceder a locais por pessoas não autori
zadas e credenciadas para tal ou tentativa de sabotagem das respec
tivas fontes de alimentação e de orientação do sistema para vigilância
GD£UHDHPFDXVD
2VLVWHPDGHGHWHF©¥RGHLQWUXV¥RFXMDDUTXLWHFWXUDWLSRVHDSUH
VHQWDQD)LJXUD«FRQVWLWX¯GRIXQGDPHQWDOPHQWHSRU
• Central de detecção de intrusão (CI);
• Painéis repetidores (eventualmente) – PR;
• Módulos de zona (MZ);
• Teclado para operação do sistema (TO);
• Detectores de dupla tecnologia;
• 'HWHFWRUHVGHLQIUDYHUPHOKRVSDVVLYRVPIR;
• Contactos magnéticos;
• Detectores de quebra de vidros. Figura 1.$UTXLWHFWXUDWLSRGRVLVWHPDGHGHWHF©¥RGHLQWUXV¥R

(PVLWXD©·HVSDUWLFXODUHVGHVLJQDGDPHQWHQRFDVRGHDJ¬QFLDVEDQ
F£ULDVRVLVWHPDSRGHDLQGDLQFOXLU 2. CARACTERÍSTICAS DOS EQUIPAMENTOS
• Detectores sísmicos;
• Botões de alarme manual e/ou de pânico; 2.1 Centrais de detecção
• Pedais de alarme. Tal como no sistema de detecção de incêndios o sistema de detecção
de intrusão pode ser implementado com duas tecnologias – sistema
Os equipamentos devem obedecer ao indicado nas Normas IEC/EN endereçável; sistema convencional.
HH(1H As centrais de detecção (ver Figura 2) são do tipo microprocessa-
do, programáveisFRPregime de funcionamento dia/noiteSDUDXPD
GXDVTXDWURRXPDLVzonas ou loops (ligação em anel) de detecção
“De notar que em Portugal, no caso de permitindo a ligação de equipamentos de detecção e operação ana-
instituições de direito privado, não é lógicos e digitais KDELWXDOPHQWH ͞  HOHPHQWRV HQGHUH©£YHLV SRU
geralmente autorizada a transmissão loop HGLVSRQGRGHYLVRUGHFULVWDLVO¯TXLGRVWHFODGRGHFRPDQGRH
do alarme de intrusão às entidades SURJUDPD©¥R ERW·HV GH FRPDQGR VLQDOL]DGRUHV GR WLSR OHG DODUPH
policiais e que a utilização de alarmes sonoro (besouro) e fonte de alimentação constituída por baterias es
sonoros exteriores está condicionada WDQTXHVVHPPDQXWHQ©¥RHUHVSHFWLYRVLVWHPDGHFDUJDFRPDXWRQR
à autorização das entidades PLDSDUDKDELWXDOPHQWHKRUDVHPIXQFLRQDPHQWRQRUPDO
competentes.” 'HYHU£GLVSRUGHVD¯GDVSURJUDP£YHLVVHPWHQV¥RHFRPWHQV¥R
HQWUDGDVSURJUDP£YHLVVHPWHQV¥RHVD¯GDVSUHIHUHQFLDOPHQWHGRtipo
RS232HSHUPLWLUDOLJD©¥RGHXPHTXLSDPHQWRGHWHOHDODUPHGHSDL
7H[WRHVFULWRGHDFRUGRFRPDDQWLJDRUWRJUDͤD Q«LVUHSHWLGRUHVGHWHFODGRVHGHXPDLPSUHVVRUDRXXP3&

www.oelectricista.pt o electricista 61
alta tensão 19

Os detectores de quebra de vidros detectam as frequências geradas


pela quebra de vidros e infra-sons causados pelo impactoDQDOLVDQGR
a totalidade do espectro de frequênciasreconhecendo a característi-
ca sonora de uma quebra de vidro.

Figura 2.&HQWUDOGHGHWHF©¥RGHLQWUXV¥R

$FHQWUDOIDU£DPRQLWRUL]D©¥RFRQW¯QXDGRloop (cablagem e equipa


PHQWR PHPRUL]DQGRDVVLWXD©·HVGHDYDULDHDODUPHHDJHQHUDOLGDGH
GRVDFRQWHFLPHQWRVFXMDFDSDFLGDGHQ¥RGHYHVHULQIHULRUDSDUD
DFRQWHFLPHQWRVTXHSRGHU¥RVHUYLVLRQDGRVQRVYLVRUHVGRVWHFODGRV
RXQXP3&RXLPSUHVVRUDTXHHYHQWXDOPHQWHVHMDPOLJDGRV¢FHQWUDO Figura 4.'HWHFWRUGHTXHEUDGHYLGUR
$ FDGD VLWXD©¥R DVVLQDODGD FRUUHVSRQGHU£ XPD PHQVDJHP QD
O¯QJXDRͤFLDOGRSD¯VRQGHHVW£LQVWDODGDHRXLQJO¬VLGHQWLͤFDQGRVH Os detectores sísmicos são utilizados na protecção de locais de
IRURFDVRRHTXLSDPHQWRGHGHWHF©¥RDVXDORFDOL]D©¥RHDVPHGLGDV depósito de objetos de valor (caixas fortes, salas de cofres, caixas
D WRPDU $V PHQVDJHQV VHU¥R JXDUGDGDV UHJLVWR KLVWµULFR SDUD TXH ATM, entre outros  8WLOL]DP XP FRQYHUVRU SLH]RHO«FWULFR TXH UHD
SRVVDPVHUFKDPDGDVDRYLVRURXHQYLDGDVSDUDXPDLPSUHVVRUD JH¢VPDLVSHTXHQDVRVFLOD©·HVGHSHUͤVFU¯WLFRVGHondas sonoras
2DFHVVR¢SURJUDPD©¥RH¢VPHQVDJHQV«KDELWXDOPHQWHFRQGL de impacto IXUD©¥RRQGDVVRQRUDVGHODQ©DGHR[LJ¬QLRH[SORV·HV
FLRQDGRSRUFµGLJRVGHDFHVVRKLHUDUTXL]DGRVFRPRP¯QLPRGHWU¬V HQWUHRXWURV TXHHPLWHXPVLQDOHO«FWULFRHTXLYDOHQWHDRWLSRGHUX¯GR
níveis: programador; utilizador principal; utilizador auxiliar. detectado.
Os sinalizadores deverão assinalar as seguintes situações: alimen
WD©¥RDYDULDSU«DODUPHDODUPHVLWXD©¥RGLDVLWXD©¥RQRLWHVLUHQHV
silenciadas.

2.2 Equipamento de detecção


Os diversos equipamentos de detecção deverão estar dotados de con
WDFWRVDQWLVDERWDJHPprotegidos contra interferências electromag-
néticas e radioeléctricas. No caso dos detectores passivos de infra
YHUPHOKRVHGHGXSODWHFQRORJLDHVWHVGHYHPWDPE«PVHUSURWHJLGRV
contra falsos alarmes provocados por insectos ou por agitação do ar.
Os detectores passivos de infravermelhos usam o princípio de de
WHF©¥RSDVVLYDGDTXDQWLGDGHGHLQIUDYHUPHOKRVHPLWLGRVSRUXPFRUSR
DSHQDVGHWHFW£YHOTXDQGRHVVHFRUSRVHHQFRQWUDHPPRYLPHQWR
-£ RV detectores de dupla tecnologia usam a combinação de Figura 5.'HWHFWRUV¯VPLFR
GXDVWHFQRORJLDVQRUPDOPHQWHDVGHLQIUDYHUPHOKRVHGHPLFURRQGDV
VHQGRWDPE«PVHQV¯YHLVDRFDORUHPLWLGRSHORFRUSRFRQVWLWXLQGRSRU Os botões de alarme/pânico são utilizados em locais onde existe uma
HVWHPRWLYRXPSURFHVVRPDLVHͤFD]QDGHWHF©¥RGHLQWUXV¥R4XDQ concentração de valores monetáriosFRPRDVFDL[DVGRVEDQFRVRX
GRRVHQVRUSDVVLYRGHLQIUDYHUPHOKRVDFWXDprovoca a activação do GDVORMDV¤QFRUDGDVVXSHUI¯FLHVFRPHUFLDLVSDUDsolicitar ajudaRX
VHQVRUGHPLFURRQGDVVHHVWH¼OWLPRWDPE«PHIHFWXDUXPDGHWHF©¥R dar início a um alarme de assalto. Os pedais de alarme desempe
o alarme é activado. O facto de o alarme só acontecer quando ambos QKDP D PHVPD IXQ©¥R WHQGR D YDQWDJHP GH VHUHP DFWXDGRV VHP
os sensores são activados reduz a taxa de falsos alarmes. que tal seja perceptível pelos assaltantes.
$V £UHDV W¯SLFDV GH FREHUWXUD GRV GHWHFWRUHV SDVVLYRV V¥R GH
16x21 m e 7,5x10 mGH90º a 110ºHQTXDQWRSDUDRVGHWHFWRUHVGH
dupla tecnologia os valores equivalentes são 16x15 mGH65º a 110º.
Os contactos magnéticos são utilizados para detectar a abertura de
SRUWDVHMDQHODVIXQFLRQDQGRSRULQIOX¬QFLDGHXPFDPSRPDJQ«WLFRD
sua constituição de base é: um contacto eléctrico e um íman permanente.

Figura 6. Botão de pânico (esquerda) e pedal de alarme (direita).

Os módulos de zona GHVWLQDPVH ¢ OLJD©¥R DR loop dos detectores


DQDOµJLFRVFRQWDFWRVPDJQ«WLFRVERW·HVGHS¤QLFRHSHGDLVGHDODU
PH+DELWXDOPHQWHHVWHVPµGXORVDGPLWHPDOLJD©¥RP£[LPDGHRLWR
Figura 3.7LSRVGHFRQWDFWRVPDJQ«WLFRV equipamentos não digitais.

www.oelectricista.pt o electricista 61
20 alta tensão

“O sistema automático de detecção de edifícios; edifícios históricos; condomínios fechados; entre outros)
de intrusão destina-se a proteger os métodos mais utilizados são:
todas as entradas possíveis • %DUUHLUDVGHLQIUDYHUPHOKRVGHIHL[HDFWLYR̰)LJXUD
dos espaços e o seu interior, e gerar • &HUFDGHWHFWRUD SRUPHLRGHFDERVHQVRUGHͤEUDµSWLFD ̰)LJXUD
um alarme no eventual posto central • &DERGHWHFWRUHQWHUUDGR̰)LJXUD
de segurança do edifício/instalação,
ou no caso de instalações sem
segurança permanente, transmitir
um alarme de intrusão a uma empresa
privada de segurança devidamente
certificada para o efeito e/ou ao(s)
responsável(eis) pela segurança
da instalação, via comunicação
por linha telefónica dedicada e/ou
por comunicação sem fios.”

2.3 Equipamento de operação


Os teclados de operaçãoSHUPLWHPOLJDUHGHVOLJDU]RQDVGHGHWHF©¥R
através de introdução de um código pré-estabelecido HIHFWXDUVH
algumas operações relacionadas com a programação e a parametri
zação da central e interagir com o sistema. Figura 8.%DUUHLUDVGHLQIUDYHUPHOKRVGHIHL[HDWLYR
3RGHPGLVSRUGHYLVRUDOIDQXP«ULFRGH/&'QRTXDOSRGHU¥RVHU
vistas mensagens de alarme e de avaria e informações sobre o estado
GRV GHWHFWRUHV VLQDOL]DGRUHV /(' IXQFLRQDPHQWR DODUPH H DYDULD 
EHVRXURHFRQWDFWRDQWLVDERWDJHP

Figura 9.&HUFDGHWHFWRUD

Cabo detector

Figura 7.7HFODGRGHRSHUD©¥R

2.4 Cablagem do sistema


Tipicamente o loop é ligado em BUSFRPFDERGRWLSRUTP 4x2x0,5,
Cat. 6a1 e os equipamentos não digitais são ligados aos módulos de
zona com cabo do tipo LiYCY2 .
2VFDERVSRGHPVHULQVWDODGRVHPHVWHLUDPHW£OLFDRXHQͤDGRV
em tubo VD ou de ferro galvanizado.

3. DETECÇÃO DE INTRUSÃO DE PERÍMETROS


EXTERIORES
Para protecção contra intrusão de perímetros exteriores (parques de
armazenagem; parques de estacionamento não cobertos; logradouros

1 UTP: Unshielded Twisted Pair/ Par Trançado sem Blindagem; o cabo deve
REHGHFHU¢VQRUPDVGDEIA/TIA-568 – conjunto de padrões de telecomunicações
estabelecido pela Telecommunications Industries Association/Associação das
Indústrias de Telecomunicações.
2 LiYCY FDER GH WUDQVPLVV¥R GH GDGRV FRP EOLQGDJHP HP PDOKD GH FREUH
HVWDQKDGR H FRQGXWRUHV GH FREUH LVRODGRV D 39& DJUXSDGRV HP SDUHV GH
acordo com a Norma DIN( Figura 10.&DERGHWHFWRUHQWHUUDGR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
22 telecomunicações

redes de cabos em ITUR


privadas
Hélder Martins
7HOHY«V(OHFWUµQLFD3RUWXJXHVD/GD

É frequente existirem dúvidas sobre $LQVWDOD©¥RQD&DEH©DGH5HGHGHWUDQVPRGXODGRUHV'9%66


a escolha da melhor solução a adoptar &2)'0 SHUPLWH GLVSRQLELOL]DU FRQWH¼GRV JUDWXLWRV YLD VDW«OLWH PDV
na instalação de uma infraestrutura como se de canais TDT se tratassem. Alguns destes equipamentos
de telecomunicações numa urbanização disponibilizam entrada C.I. (Common Interface  TXH SHUPLWHP DR
privada, quanto à distribuição do sinal transmodulador disponibilizar na saída programas de subscrição do
de televisão. RSHUDGRUHPIRUPDWROLYUHPHGLDQWHIRUQHFLPHQWRGHUHVSHFWLYD&$0
HFDUW¥RSRUHVWDHQWLGDGH(PIXQ©¥RGRWUDQVPRGXODGRUHVFROKLGR
H GRV SURJUDPDV SUHWHQGLGRV XP ¼QLFR PµGXOR 7;   SRU
$VVROX©·HVGLVSRQ¯YHLVV¥RLPHQVDVHRSURMHWLVWDWHU£GHVHUFRQV H[HPSORSRGHGLVSRQLELOL]DUDW«SURJUDPDVGLJLWDLVQDUHGHFRD[LDO
FLHQWH DTXDQGR GD WRPDGD GH GHFLV¥R H WHU HP FRQVLGHUD©¥R Y£ULRV
IDWRUHVFRPRVHQGRRVVHUYL©RVTXHRGRQRGHREUDSUHWHQGHTXHRV
IXWXURVXWLOL]DGRUHVGDLQIUDHVWUXWXUDXVXIUXDPVHPQRHQWDQWRGHV
curar os custos de implementação e operação.
O maior fator de sucesso para garantir a decisão mais acertada
« VHP G¼YLGD WHU FRQKHFLPHQWR GDV Y£ULDV VROX©·HV TXH R PHUFDGR
RIHUHFH &RP HVWH SURSµVLWR DSUHVHQWDPVH Y£ULDV VROX©·HV SDUD R
PHOKRUGLPHQVLRQDPHQWRGDVFDEH©DVGHUHGHHUHGHVGHFDERVQXPD
infraestrutura ITUR privada.

1. CABEÇA DE REDE

1.1. Televisão Digital Terrestre e FM


A solução mais simplista para disponibilizar TDT e FM numa ITUR • 7;7UDQVPRGXODGRU'9%66&2)'0UHI
SDVVD SHOD LQVWDOD©¥R GH XPD FDEH©D GH UHGH SRU SURFHVVDPHQWR • 7;7UDQVPRGXODGRU'9%66&2)'0&,UHI
sendo este requisito obrigatório. O processador permite não só elimi • 7;7UDQVPRGXODGRU'9%66&2)'0&,UHI
nar todo o ruído existente nas bandas adjacentes mas também reposi • Multiplexor 3 Tp (1 ou 2 Sat) :1C
FLRQDURFDQDO7'7QXPDRXWUDTXDOTXHUIUHTX¬QFLDRTXHSRGHU£VHU • 7;7UDQVPRGXODGRU'9%66&2)'07:,1&,UHI
de extrema utilidade quando em presença de possíveis interferências • Multiplexor 3 Tp (1 ou 2 Sat) :2C
com o sinal original.
1.3. Transcodificação
$DGL©¥RGHFRQWH¼GRVSUµSULRVGRHPSUHHQGLPHQWRGHVGHXPDTXDO
TXHUIRQWHGH£XGLRY¯GHR+'0,RX,3DJLOL]DHFRPSOHPHQWDDRIHUWD
GHFDQDLV'HVGHDPRGXOD©¥RGHXPFDQDOGDSRUWDULDY¯GHRSURPR
FLRQDORXRXWURTXDOTXHUFRQWH¼GR«SRVV¯YHOFRPELQDUHVWHVFRPRV
UHVWDQWHVFRQWH¼GRVSUHYLVWRV

• 7;3URFHVVDGRU&2)'0&2)'0$'7:,1UHI
• 7$PSOLͤFDGRU0RQRFDQDO)00+]UHI

1.2. Transmodulação
$RIHUWDGHFRQWH¼GRVQD7'7QRQRVVRSD¯V«HVFDVVDH«LPSHUDWLYR
TXHHVWDRIHUWDVHMDFRPSOHPHQWDGDFRPPDLVSURJUDPDV7UDWDVH
GHXPDSU£WLFDIUHTXHQWHQ¥RVµDRQ¯YHOGDVXUEDQL]D©·HVSULYDGDV • 7;(QFRGHU48$'$9&9%603(*UHI
PDV WDPE«P GH LQIUDHVWUXWXUDV KRWHOHLUDV RX RXWUDV FRP UHTXLVLWRV • 7;(QFRGHU7:,1+'0,<3E3U&9%603(*UHI
equivalentes. • 7;(QFRGHU7:,1,3+'0,<3E3U&9%603(*UHI

www.oelectricista.pt o electricista 61
telecomunicações 23

2. REDE DE DISTRIBUIÇÃO S/MATV E CATV 2.2.1. MATV


‹FRQYHQLHQWHXWLOL]DURVQPFRPRFRPSULPHQWRGHRQGDGHIRU
2.1. Rede coaxial PDDSHUPLWLUDSDUWLOKDGDUHGHGHͤEUDµWLFDSDUD0$79QRLPHGLDWR
4XDQGRQDSUHVHQ©DGHUHGHVGHSHTXHQDGLPHQV¥RRFDERFRD[LDO RXQRIXWXURSRUXPDUHGHGHGDGRV'HVWDIRUPDH[LVWHPGLVSRQ¯YHLV
pode ser a solução mais vantajosa na distribuição dos sinais MATV Y£ULRVWUDQVPLVVRUHVµWLFRVFRPSRW¬QFLDVGHHPLVV¥RGLIHUHQWHVGH
e CATV. forma a satisfazer níveis de repartição diferentes.
1DXWLOL]D©¥RGHHWDSDVGHUHDPSOLͤFD©¥RWHUVH£TXHFRQVLGH • 7;7UDQVPLVVRU•WLFRQP̸6&$3&̹G%PUHI
UDUDPSOLͤFDGRUHVWHOHDOLPHQWDGRVGDV«ULHLQWHPS«ULH$IRQWHGHDOL • 7;7UDQVPLVVRU•WLFRQP̸6&$3&̹G%PUHI
PHQWD©¥RͤFDLQVWDODGDQR$78GHIRUPDDLQMHFWDUDFRUUHQWHYLDFDER
FRD[LDODRVDPSOLͤFDGRUHV Os repartidores óticos podem ser instalados no ATU e/ou ao longo da
rede de distribuição:
• 7;5HSDUWLGRU•WLFRQP̸6&$3&̹'G%UHI
• 7;5HSDUWLGRU•WLFRQP̸6&$3&̹'G%UHI
• 7; 5HSDUWLGRU •WLFR  QP ̸6&$3&̹ '  G%
UHI
• 7; 5HSDUWLGRU •WLFR  QP ̸6&$3&̹ '  G%
UHI
• 7; 5HSDUWLGRU •WLFR  QP ̸6&$3&̹ '  G%
UHI

2VUHFHWRUHVµWLFRVV¥RLQVWDODGRVQRV$7(RX$7,GRV,7('GHIRU
• $PSOLͤFDGRU ,QWHPS«ULH 6&$79 +¯EULGD FUHWRUQR SDVVLYR ma a converterem o sinal ótico novamente em RF. Dependendo da
UHI ORFDOL]D©¥R H GLPHQV¥R GD LQVWDOD©¥R SRGHUVH£ RSWDU SRU Y£ULDV
• )RQWHGH$OLPHQWD©¥R,QWHPS«ULH9DF$UHI soluções:

O manual ITUR prevê que a rede coaxial projectada para CATV possa
incluir a distribuição de sinais provenientes de sistemas de recepção
MATV ou SMATV. Nesses casos é importante que as etapas de re
DPSOLͤFD©¥RSHUPLWDPQ¥RVµRIXQFLRQDPHQWRGDYLDGLUHFWD 
0+]  PDV WDPE«P D YLD GH UHWRUQR 0+]  1HVVH FDVR «
LPSRUWDQWHUHGHͤQLURDPSOLͤFDGRUGHIRUPDDVHUFRPSDW¯YHOFRPDV
redes de CATV.

• 7;5HFHWRU•WLFRQP̸6&$3&̹UHI
• 5HFHWRU •WLFR ,QWHPS«ULH  QP ̸6&$3&̹ UHI
FRP $PSOLͤFDGRU V  0+] 7HFQRORJLD 2/& $OLPHQWD
©¥RORFDO 0LQLQµ•WLFR
• 0LQLQµ)LEHU.RPQP̸6&$3&̹UHIFRP$PSOLͤFD
GRU0+]7HFQRORJLD2/& $OLPHQWD©¥RUHPRWD
• 5HFHWRU•WLFRGRP«VWLFRQP̸6&$3&̹UHI7HFQROR
JLD2/& &RQWURORSRU1¯YHO•WLFR
• $PSOLͤFDGRU,QWHPS«ULH6&$79+¯EULGDFUHWRUQRUHI
• )RQWHGH$OLPHQWD©¥R,QWHPS«ULH9DF$UHI 2.2.2. CATV
(P&$79GHYHVHJDUDQWLURIXQFLRQDPHQWRGRFDQDOGHUHWRUQRGRV
DRV0+](VWDSDUWLFXODULGDGHSRGHU£REULJDUFRPRQHVWHH[HPSOR
2.2. Rede Híbrida ¢SDVVDJHPGHͤEUDVµSWLFDVSRUSRQWR
$PHOKRUVROX©¥RSDUDGLVWULEXL©¥RGRVVLQDLV&$790$79H60$79 • 7;7UDQVPLVVRU•WLFRQP̸6&$3&̹G%PUHI
QXPD,785GHP«GLDHJUDQGHGLPHQV¥R«DWUDY«VGHUHGHVKLEULGDV • 7;7UDQVPLVVRU•WLFRQP̸6&$3&̹G%PUHI
O custo de implementação é na grande maioria das vezes mais vanta • 7;5HFHWRU•WLFRGH&5HWRUQR 0+] QP̸6&
MRVRHGRSRQWRGHYLVWDRSHUDFLRQDORVHQFDUJRVFRPDPDQXWHQ©¥R $3&̹UHI
V¥RLQIHULRUHVIDFH¢UHGX©¥RGHHTXLSDPHQWRVDWLYRVQHFHVV£ULRVH
XPDFRQVHTXHQWHPHOKRULDTXDQWR¢HͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFD 1DUHFH©¥RXP¼QLFRHTXLSDPHQWR«FDSD]GHUHFHEHUHFRQYHUWHURV
$H[HFX©¥RGRSURMHWRWRUQDVHPDLVU£SLGDXPDYH]TXHRVF£OFX VLQDLVGRV0+]DRV0+]HVLPXOWDQHDPHQWHHPLWLURFDQDOGH
los de dimensionamento são mais simplistas. UHWRUQRGRV0+]QXPFRPSULPHQWRGHRQGDGLVWLQWR

www.oelectricista.pt o electricista 61
24 telecomunicações

2.3. Redes GPON


A necessidade de complementar os sinais de dados com a televisão é
XPDUHDOLGDGHFDGDYH]PDLRUHPLQIUDHVWUXWXUDVSDUWLFXODUHVFRPR
DV UHGHV ,785 2V VHUYL©RV GH UHGHV (WKHUQHW &&79 ,QWHUQHW 92,3
9¯GHR3RUWDULD6HJXUDQ©DRXRXWURTXDOTXHUVHUYL©R SRGHPVHUGLV
WULEX¯GRQDPHVPDͤEUDµSWLFDTXHGLVWULEXLRVVLQDLV5)
Esta tecnologia é aplicada em instalações ITED de média ou gran
GHGLPHQV¥RHFRPQHFHVVLGDGHVGHGLVWULEXL©¥RGHTXDQWLGDGHVVLJ
QLͤFDWLYDVGHVHUYL©RVGLVWLQWRVFRPRSRUH[HPSORXP+RWHO7UDWDVH
GHXPDWHFQRORJLDFRPHOHYDGRVG«ELWRVGHODUJXUDGHEDQGDH«XPD
VROX©¥RHFRQRPLFDPHQWHPDLVYDQWDMRVDXPDYH]TXHQ¥RH[LVWHD
duplicação de redes de telecomunicações nas infraestruturas.
8PFRQFHLWRE£VLFRRQGHWRGDVDVWHFQRORJLDV,3V¥RSDUWLOKDGDV
• 0LQLQµ)LEHU.RPQP̸6&$3&̹FRP&5HWRUQR7HF desde um OLT (Optical Line Terminal) e combinadas com os sinais
QRORJLD2/&UHI RF Overlay em comprimentos de onda distintos através de um WDM
(Wavelength Division Multiplexer).
2.2.3. SMATV • 0µGXOR 2/7 [ 321  [ *E (WKHUQHW  [  *E (WKHUQHW UHI
A distribuição de sinais satélite numa rede ITUR carece de alguns 
cuidados adicionais. Para além da rede de distribuição ter de ser di • $PSOLͤFDGRU0XOWLSOH[RU•WLFR̸6&$3&̹G%P̹UHI
PHQVLRQDGD DW« DRV  0+] GHYHVH WHU R FXLGDGR QD XWLOL]D©¥R
de equipamentos que cumpram o funcionamento nestas faixas de Em cada fração o conversor ONT converte os sinais ópticos em elé
frequência. No entanto facilmente são atingidos valores de atenuação WULFRV FRD[LDO 5- H 5-  SRVVLELOLWDQGR DLQGDD GLIXV¥R wireless
HOHYDGRVLQHUHQWHV¢VFDUDWHU¯VWLFDVGRFDERFRD[LDOH¢VGLVW¤QFLDV dependendo do modelo.
VLJQLͤFDWLYDPHQWHPDLRUHVGHXPDUHGH,785IDFHDXPD,7(' • 0µGXOR217[*%(WKHUQHW[);6[86%:/$15)2YHUOD\
A solução não é abandonar simplesmente a distribuição de sinais UHI
60$79QDV,785PDVVLPDGRSWDUDPHOKRUVROX©¥RW«FQLFDSDUDSHU
mitir a viabilidade técnica e orçamental.
Convém não esquecer que uma grande parte do território por
WXJX¬V Q¥R WHP FREHUWXUD 7'7 YLD WHUUHVWUH H D DOWHUQDWLYD « D 7'7
FRPSOHPHQWDU YLDVDW«OLWH FXMDLQVWDOD©¥R«REULJDWµULDHPHGLI¯FLRV
FROHFWLYRVHLPSUHVFLQG¯YHOQRVODUHVSRUWXJXHVHV
A distribuição pode ser realizada por um sistema que distribui
VLPXOWDQHDPHQWHRVLQDO7'7HRVDW«OLWHQXPD¼QLFDͤEUDµSWLFD2
conversor possui duas saídas e permite uma repartição ótica até 32
SRQWRVSRUVD¯GDH[LVWLQGRRXWUDVVROX©·HVFRPSOHPHQWDUHVQDQH
cessidade de mais saídas.
• .LW&RQYHUV¥R&&)2̸)&3&̹'$%7'76$7UHI
• 5HSDUWLGRU•WLFRQP̸)&3&̹'UHI
• 5HSDUWLGRU•WLFRQP̸)&3&̹'UHI
• 5HSDUWLGRU•WLFRQP̸)&3&̹'UHI
• 5HSDUWLGRU•WLFRQP̸)&3&̹'UHI

(PFDGD,7('WHUVH£TXHLQVWDODUXPFRQYHUVRUµSWLFRSDUDVLQDLV
5)TXHGLVSRQLELOL]DVD¯GDVGHVDW«OLWHLQGHSHQGHQWHVHRVLQDO7'7
se combinado a montante no Kit de conversão.

“As soluções disponíveis são imensas


e o projetista terá de ser consciente
aquando da tomada de decisão
e ter em consideração vários fatores,
como sendo os serviços que o dono
de obra pretende que os futuros
utilizadores da infraestrutura usufruam,
sem no entanto descurar os custos
de implementação e operação.
O maior fator de sucesso para garantir
a decisão mais acertada é sem dúvida
ter conhecimento das várias soluções
• &RQYHUVRU•WLFR5)4XDG)0'$%8+)),UHI que o mercado oferece.”
www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
26 climatização

os isolamentos térmicos
resistivos
MELHORAMENTOS DEVIDOS AO ISOLAMENTO TÉRMICO

1.ª PARTE
Alfredo Costa Pereira
0HPEURV«QLRUGD2UGHPGRV(QJHQKHLURV̰(VSHFLDOLVWDHP(QJHQKDULDGH&OLPDWL]D©¥R

O QUE É O ISOLAMENTO TÉRMICO ? GDGHDU‹HVWDFDPDGDGHDUTXHFRQVWLWXLHIHWLYDPHQWHRLVRODPHQWR


2FDORUWUDQVIHUHVHHVSRQWDQHDPHQWHGRVORFDLV REMHWRVRXFRUSRV  térmico.
PDLVTXHQWHVSDUDRVPDLVIULRV‹LPSRVV¯YHO̸guardar” o calor no in (VWDFDPDGDGHDULPRELOL]DGDPHOKRUDRFRQIRUWRW«UPLFRWDQWR
WHULRUGHXPUHFLSLHQWHSRUPDLVHVWDQTXHTXHHOHVHMD&RPXPERP GXUDQWHRSHU¯RGRGH,QYHUQRFRPRGXUDQWHR9HU¥RDWHQGHQGRDTXH
isolamento térmico do recipiente apenas podemos “retardar” a sua R FOLPD LQWHULRU SDVVD D GHSHQGHU PHQRV GDV FRQGL©·HV H[WHULRUHV
“fuga̹ PDV Q¥R LPSHGLOD FRPR « XP H[HPSOR D ̸garrafa termos”. permitindo que as temperaturas das superfícies envolventes interiores
1XP HGLI¯FLR DV SDUHGHV GR UHFLSLHQWH V¥R R SDYLPHQWR DV SDUHGHV se aproximem da temperatura do ar interior. Normalmente esta cama
com os seus vãos envidraçados e a cobertura. Todos estes elementos GDGHDULPRELOL]DGDWDPE«PPHOKRUDRFRPSRUWDPHQWRDF¼VWLFRGR
GHYHPVHUWHUPLFDPHQWHLVRODGRVGDPHOKRUPDQHLUDLVWR«FRPXPD edifício.
HVSHVVXUDDGHTXDGDHGHXPPRGRFRQW¯QXRGHPRGRDHOLPLQDURV 2FRHͤFLHQWHJOREDOGHWUDQVIHU¬QFLDGHFDORUGDVSDUHGHVDQWLJDV
IXURVHDVFKDPDGDV̸pontes térmicas”. As perdas de calor através de IHLWDV HP DOYHQDULD GH SHGUD XQLGDV FRP DUJDPDVVD GH FLPHQWR ¢
XPHOHPHQWRGDVXDHQYROYHQWHV¥RSURSRUFLRQDLV¢£UHDGDVXDVX SULPHLUD YLVWD Q¥R SDUHFH VHU PXLWR IDYRU£YHO SULQFLSDOPHQWH VH IRU
SHUI¯FLHH¢GLIHUHQ©DGHWHPSHUDWXUDHQWUHRLQWHULRUHRH[WHULRU2FRH calculado como se a parede fosse de pedra maciça.
ͤFLHQWHGHSURSRUFLRQDOLGDGH«XPDFDUDWHU¯VWLFDGRWLSRGHFRQVWUX &RQWXGR « QHFHVV£ULR Q¥R HVTXHFHU TXH HVWDV SDUHGHV FRQW¬P
©¥RHGRVPDWHULDLVXWLOL]DGRVQDPHVPDHGHVLJQDVHSRUFRHͤFLHQWH LQ¼PHUDVFDYLGDGHVSULQFLSDOPHQWHGHYLGR¢SRURVLGDGHGDDUJDPDV
JOREDOGHWUDQVIHU¬QFLDGHFDORUU, (3) desse elemento da envolvente. VDGHFLPHQWRVHQGRSRUHVWDUD]¥RPDLVLVRODQWHVGRTXHSRGHU¯D
([SULPHVHHP:P2. :DWWSRUPHWURTXDGUDGRHSRUJUDX  mos pensar.
1RWD  2 V¯PEROR . VLJQLͤFD DTXL .HOYLQ PDV Q¥R VH PHQFLRQD 3RURXWURODGRHVWDVSDUHGHVV¥RPXLWRPDVVLYDVSHUPLWLQGRXPD
SRUTXHRLQWHUYDORGHJUDX«RPHVPRTXHUVHMDQDHVFDOD.HOYLQRX H[FHOHQWHXWLOL]D©¥RGRVJDQKRVLQWHUQRVHGDUDGLD©¥RVRODUTXHSHQH
Celsius. tra pelos vãos envidraçados.
1RWD$QWLJDPHQWHQD(XURSDRV¯PERORXWLOL]DGRSDUDGHVLJQDU 1RVFDVRVGHREUDVGHUHVWDXURQ¥R«DFRQVHOK£YHOFRORFDURLVR
R FRHͤFLHQWH JOREDO GH WUDQVIHU¬QFLD GH FDORU HUD R . Q¥R FRQIXQGLU ODPHQWRSHORLQWHULRU  PHVPRQRFDVRGHVHULPSRVV¯YHOFRORF£OR
com o símbolo K da escala de temperaturas Kelvin). A partir do ano SHORH[WHULRU GHYLGRDUD]·HVGHRUGHPHVW«WLFDRXRXWUDV 
SDUDGHVLJQDURFRHͤFLHQWHJOREDOGHWUDQVIHU¬QFLDGHFDORUSDV
VRXDXWLOL]DUVHRV¯PEROR8
$VVLPXPPDWHULDOFRPDVXSHUI¯FLHGHbP2TXHWHQKDXPFRHͤ EFEITOS SOBRE O CONFORTO:
ciente U b:P2K perde 1 Watt por cada grau de diferença de tempe -£YLPRVTXHDVHQVD©¥RGHFRQIRUWRW«UPLFRHVW£UHODFLRQDGDVLPXO
ratura entre as suas faces. Durante uma estação de aquecimento com taneamente com a temperatura do ar dos locais de permanência e
DGXUD©¥RGHGLDVHFRPXPDGLIHUHQ©DGHWHPSHUDWXUDP«GLDGH FRP D WHPSHUDWXUD VXSHUͤFLDO GD IDFH LQWHULRU GD HQYROYHQWH GHVVHV
bJUDXVDVXDSHUGDGHHQHUJLDVHU£ [[  bN:KRXVHMD espaços.
RHTXLYDOHQWHDbOLWURVGH̸mazout”. A Tabela seguinte fornece valores 'XUDQWHR,QYHUQRDWHPSHUDWXUDGDIDFHLQWHULRUGHXPDSDUHGH
FRUUHQWHVSDUDRFRHͤFLHQWH8 H[WHULRUVHU£WDQWRPDLVHOHYDGDTXDQWRPHOKRULVRODGDHVWLYHUDSDUHGH
7RGRV FRQKHFHPRV D VHQVD©¥R GHVDJUDG£YHO GH IULR TXH VHQWL
7DEHODb&RHͤFLHQWHVJOREDLVGHWUDQVIHU¬QFLDGHFDORUKDELWXDLVHPHGLI¯FLRV PRVTXDQGRQRVFRORFDPRVQDYL]LQKDQ©DGHXPDSDUHGHRXGHXP
vão envidraçado termicamente mal isolados. A espessura mínima que
Elemento de construção U [W/m2K] GHYHWHURLVRODPHQWRW«UPLFRGHXPDSDUHGHRSDFDSDUDID]HUGHVD
3DUHGHDQWLJD SRUH[HPSORSDUHGHHP̸tijolos isolantes”) D SDUHFHUHVWHHIHLWR«GHDbFP
Os vãos envidraçados atuais não são tão bem isolados como as
Parede ou cobertura isolados segundo as normas modernas $
SDUHGHVRSDFDVHPERUDVHHQFRQWUHPQRPHUFDGRYLGURVTXHV¥R
/LPLWHP£[LPRSDUDDVSDUHGHVFRQIRUPH6,$ 
a 4 vezes mais isolantes do que o vidro duplo vulgar. O conforto tér
Nível aproximado de rentabilidade énergétique ótimo 
PLFRVHQWLGRQDYL]LQKDQ©DGHY¥RVHQYLGUD©DGRVIHLWRVFRPHVWHWLSR
Nível aproximado de rentabilidade económica ótimo 
GH YLGURV « EDVWDQWH VXSHULRU DR VHQWLGR QD YL]LQKDQ©D GH XP YLGUR
Bons vãos envidraçados modernos (tipo “conforto”) $ RUGLQ£ULR
Vidros duplos isolantes normalizados 3
Vidros simples 6
EFEITO SOBRE O CONSUMO ENERGÉTICO:
2LVRODPHQWRW«UPLFRREW«PVHJHUDOPHQWHLQWHUFDODQGRXPDFDPDGD 2LVRODPHQWRW«UPLFRGRVHGLI¯FLRVWHPVLGREDVWDQWHPHOKRUDGRGHV
GHPDWHULDOͤEURVRRXHVSXPRVRFXMDIXQ©¥R«LPRELOL]DUXPDFDPD GHGHYLGRQDWXUDOPHQWH¢SXEOLFD©¥RGHGLYHUVDVQRUPDV$7D

www.oelectricista.pt o electricista 61
climatização 27

EHODLOXVWUDDVSHUGDVW«UPLFDVHRVJDQKRVVRODUHVGHXPDSDUHGH ‹QHFHVV£ULRUHFRQKHFHUTXHRVK£ELWRVDWXDLVHPPDW«ULDGHLVR
GHP2PXQLGDGHXPY¥RHQYLGUD©DGRGHP2 orientado a sul na ODPHQWR W«UPLFR HVW¥R DLQGD PXLWR ORQJH GR µWLPR PHVPR DSµV RV
6X¯©DGXUDQWHDHVWD©¥RGHDTXHFLPHQWR PHOKRUDPHQWRVTXHW¬PVLGRUHDOL]DGRVGHVGH
Esta Tabela mostra em cada coluna: Os isolamentos térmicos mais correntemente utilizados em cons
1) O tipo de norma aplicado; WUX©¥RUHSDUWHPVHHPTXDWURJUDQGHVIDP¯OLDV
2) 2FRHͤFLHQWHU da parede e do vão envidraçado; a) 0DWHULDLVSO£VWLFRVDOYHRODUHV
3) 2FRHͤFLHQWHJGHWUDQVPLVV¥RHQHUJ«WLFDWRWDOGRYLGURDVDEHUD b) Produtos minerais
razão entre a energia que atravessa o vidro sob a forma e calor e c) Produtos naturais
de radiação e a energia da radiação solar incidente; d) Materiais de alvenaria
4) As perdas térmicas líquidas durante a estação de aquecimento;
  2VJDQKRVVRODUHVDWUDY«VGRY¥RHQYLGUD©DGR a) Materiais plásticos alveolares
6) 2IDWRUGHHFRQRPLDHPUHOD©¥R¢VQRUPDVDQWLJDV
– Poliestireno expandido
2HIHLWRGHYLGRDSHQDVDRLVRODPHQWRW«UPLFRLOXVWUDVHQDFROXQD ‹ XP SURGXWR UHVXOWDQWH GD H[SDQV¥R H DJORPHUD©¥R GH JUDQXODGRV
que fornece o valor das perdas térmicas “líquidas” durante a estação provenientes da carbo e petroquímica. A sua condutibilidade térmica
GHDTXHFLPHQWR$VSHUGDVVµEDL[DPGHXPIDWRUGHHQWUHRVHGLI¯ YDULDHQWUHH:PN
FLRVDQWLJRVHDVH[LJ¬QFLDVGD1RUPD6,$DTXDOWHPDSH ‹XPPDWHULDOIDFLOPHQWHLQIODP£YHOVHQGRFRQVLGHUDGRGDFDWH
nas em vista evitar os desperdícios e conseguir um nível de conforto goria M4VRERSRQWRGHYLVWDGHUHD©¥RDRIRJRHVWDQGRDVXDUHVLV
W«UPLFRDFHLW£YHO W¬QFLDDRFDORUOLPLWDGDD|&‹PDXLVRODQWHDF¼VWLFR
$VH[LJ¬QFLDVGD1RUPD6,$ID]HPGLPLQXLUDVSHU ‹ FRQWXGR XP PDWHULDO LQRGRUR LPSXWUHVF¯YHO HVW£YHO ¢ D©¥R GD
GDVGHXPIDWRULJXDODHFRPXPLVRODPHQWRW«UPLFRHFRQRPL £JXD PHVPR¢£JXDGRPDU 1¥RUHVLVWHFRQWXGR¢D©¥RGDDFHWRQD
FDPHQWHRWLPL]DGRSHUPLWHGLPLQXLUHVWDVSHUGDVGHXPIDWRUGH GR£FLGRQ¯WULFRJDVROLQDEHQ]LQD«WHUHµOHRVPLQHUDLV
no mínimo!
– Poliestireno extrudido
‹IDEULFDGRDSDUWLUGDVPHVPDVPDW«ULDVSULPDVGRDQWHULRUVHQGRD
QUAL É A ESPESSURA ÓPTIMA QUE TEM DE TER UM aglomeração dos granulados realizada por um processo de extrusão.
ISOLAMENTO TÉRMICO? 2EW«PVH XP LVRODQWH GH PHOKRU TXDOLGDGH TXH R DQWHULRU FRP
A questão da espessura óptima do isolamento térmico é frequente JUDQGHLPSHUPHDELOLGDGHDRYDSRUGH£JXDERDUHVLVW¬QFLDPHF¤QLFD
PHQWHFRORFDGD$W«TXHHVSHVVXUDVHGHYHLVRODUb"1¥RFRUUHUHPRVR e menor condutividade térmica. As restantes caraterísticas são idên
ULVFRGHHVWDUDDSOLFDUXPDHVSHVVXUDGHPDVLDGDPHQWHJUDQGHHP ticas ao anterior.
que a energia consumida para fabricar esse material isolante seja su
SHULRU¢HFRQRPLDTXHVHREW«PQRDTXHFLPHQWR" – Espuma rígida de poliuretano
2*U£ͤFRPRVWUDRFXVWRGHXPLVRODPHQWRW«UPLFRHRFXVWRGR As espumas de poliuretano são obtidas por reação química de iso
DTXHFLPHQWRHPIXQ©¥RGDHVSHVVXUDGRLVRODPHQWR2FXVWRDQXDO cianatos sobre um constituinte de poliol e de outros ativantes e in
MXURV H DPRUWL]D©¥R GR LQYHVWLPHQWR  GR LVRODPHQWR DXPHQWD FRP suflantes. O ar aprovisionado nas células é por vezes substituído por
DVXDHVSHVVXUDHQTXDQWRRFXVWRDQXDOGRDTXHFLPHQWRGLPLQXLQD DQLGULGR FDUEµQLFR RX KLGURFDUERQDWRV KDORJHQDGRV TXH PHOKRUDP
SURSRU©¥RLQYHUVD2FRQVXPRGHHQHUJLDWRWDOTXH«DVRPDGRVGRLV FRQVLGHUDYHOPHQWH D FRQGXWLYLGDGH W«UPLFD GR PDWHULDO D TXDO YDULD
DSUHVHQWDXPYDORURWLPL]DGRTXHGHSHQGHGRWLSRGHPDWHULDOGRVHX HQWUHD:P|&
FXVWRHGRFOLPD2*U£ͤFR«Y£OLGRSDUDXPLVRODPHQWRGRWLSRͤEUR $SUHVHQWDPXLWDERDLPSHUPHDELOLGDGHDRYDSRUGH£JXD
VRFRPPDVVDYRO¼PLFDP«GLDQXPFOLPDVHPHOKDQWHDRGD6X¯©D2 'RSRQWRGHYLVWDGHVHJXUDQ©DFRQWUDLQF¬QGLR«FODVVLͤFDGRQD
custo da energia foi considerado o do “mazout̹QRDQRGH categoria MLVWR«XPDVXEVW¤QFLDPXLWRIDFLOPHQWHLQIODP£YHO'H
YHU£SRUWDQWRUHFHEHUXPWUDWDPHQWRHVSHFLDOSDUDUHVLVWLUDRIRJR(P
FDVRGHLQF¬QGLRDHVSXPDGHSROLXUHWDQROLEHUWDJDVHVWµ[LFRVHP
HVSHFLDOR£FLGRFORU¯GULFRRTXDOSRGHS¶UHPULVFRDSUµSULDYLGDGRV
SURͤVVLRQDLVTXHOXWDPFRQWUDRVLQF¬QGLRV
$VXDUHVLVW¬QFLDDRFDORU«FHUFDGH|&H«FRQVLGHUDGRXP
PDXLVRODPHQWRDF¼VWLFR
(VWDVHVSXPDVSRGHPVHUIDEULFDGDVQRORFDORTXHSHUPLWHXPD
DSOLFD©¥RU£SLGDSRULQMH©¥RRXSRUSURMH©¥R

– Espuma rígida à base de PVC (Policloreto de vinil)


$SUHVHQWDEDL[DFRQGXWLYLGDGHW«UPLFDERDLPSHUPHDELOLGDGHDRYD
*U£ͤFR&XVWRWRWDOGXUDQWHDQRVSDUDXPLVRODPHQWRHPO¥PLQHUDOHPIXQ©¥RGDVXD SRUGH£JXDHERDUHVLVW¬QFLDPHF¤QLFD
espessura. 2VHXFXVWR«PXLWRHOHYDGRSHORTXHVµ«DSOLFDGRHPFDVRVPXL
to particulares.
‹FRQVLGHUDGRVRERSRQWRGHYLVWDGHUHD©¥RDRIRJRQDFODVVH01
Nota importante6RERSRQWRGHYLVWDHFRQµPLFRDVHVSHVVXUDVRWL LVWR«Q¥RLQIODP£YHO
mizadas dos isolamentos térmicos devem estar compreendidas entre $ VXD FRQGXWLELOLGDGH W«UPLFD HVW£ FRPSUHHQGLGD HQWUH  H
 H b FP FRQIRUPH R WLSR GH PDWHULDO XWLOL]DGR H R ULJRU GR FOLPD :P|&
RQGHRHGLI¯FLRHVW£FRQVWUX¯GR (VWHPDWHULDOQ¥R«DWDFDGRSRUURHGRUHVRXLQVHWRVHDSUHVHQWD
(VWDVHVSHVVXUDVSDVVDPDVHUYH]HVVXSHULRUHVVHUDFLRFLQDU SRXFDVSRVVLELOLGDGHVGHXWLOL]D©¥RHPDF¼VWLFD
mos apenas sob o ponto de vista energético!
3RUH[HPSOR«QHFHVV£ULRXOWUDSDVVDUPHWURGHHVSHVVXUDGHO¥ – Espuma Fenólica
de vidro para que a energia consumida no fabrico deste material ultra São espumas rígidas obtidas por expansão de uma resina formofenó
passe as economias de energia promovidas pelo isolamento. lica misturada com um agente de expansão e aditivos.

www.oelectricista.pt o electricista 61
28 climatização

$SUHVHQWDXPDFRQGXWLYLGDGHW«UPLFDGH:P|& EUHLUR PR¯GD HP JUDQXODGR H H[SDQGLGD HP YDSRU VREUHDTXHFLGR


‹FRQVLGHUDGRXPPDWHULDOGDFODVVH01LVWR«Q¥RLQIODP£YHO Apresenta as seguintes caraterísticas:
$SUHVHQWDERDUHVLVW¬QFLDPHF¤QLFDHPERUDRVHXDVSHWRVXSHU • &RQGXWLYLGDGHW«UPLFD̰:P|&
ͤFLDOVHMDSRHLUHQWRHIUL£YHO • 0DVVDYRO¼PLFD̰YDUL£YHOHQWUHD.JPu
‹XPPDWHULDOLQVHQV¯YHODRVPLFURRUJDQLVPRVHQ¥RDWDFDGRSRU • 5HVLVW¬QFLD¢KXPLGDGH̰3HUPH£YHOHUHWHQWRUDGHKXPLGDGH
roedores. • 5HVLVW¬QFLDDRVDJHQWHVELROµJLFRV̰‹DWDFDGDSHORVURHGRUHV
$SUHVHQWDSRXFDVSURSULHGDGHVDF¼VWLFDV • 5HVLVW¬QFLDDRIRJR̰&RPEXVW¯YHOPDVFRPERDUHVLVW¬QFLDDR
calor;
b) Produtos Minerais • ,VRODPHQWR DF¼VWLFR ̰ %RDV FDUDWHU¯VWLFDV SDUD DEVRUYHU VRQV
agudos.
– Fibras Minerais
– Fibras ou lãs de vidro ou de rocha – Fibras de madeira
6¥RͤEUDVREWLGDVSRUH[WUXV¥RGHPLQHUDLVIXQGLGRVHPGL¤PHWURV – Fibrocimento
muito pequenos. ‹XPPDWHULDOREWLGRSHODFRPSUHVV¥RGHͤEUDVGHPDGHLUDVGHUHVLQD
2V ͤODPHQWRV REWLGRV V¥R DJORPHUDGRV SRU PHLR GH UHVLQDV VHOHFFLRQDGDHQYROYLGDVSRUFLPHQWR$FRQGXWLYLGDGHW«UPLFDGHSHQ
sintéticas. Apresentam uma condutibilidade térmica de cerca de GHGDPDVVDYRO¼PLFD
:P|&FRPXPDPDVVDYRO¼PLFDGHD.JPu • 3DUDD.JPu:P|&
$SUHVHQWDPXPDJUDQGHSHUPHDELOLGDGHDRYDSRUGH£JXDVHQGR • 3DUDD.JPu:P|&
DVXDXWLOL]D©¥RDSHQDVSRVV¯YHOFRPRLVRODPHQWRSULP£ULRHPFRQ • 3DUDD.JPu:P|&
MXQWRFRPXPDEDUUHLUDDQWLYDSRU
$VXDUHVLVW¬QFLDDRIRJRHVW£FODVVLͤFDGDQDVFODVVHV0LVWR« › 5HVLVW¬QFLD¢KXPLGDGH̰0HGLDQDPHQWHLPSHUPH£YHO
LQFRPEXVW¯YHOH01Q¥RLQIODP£YHO6¥RTXLPLFDPHQWHLQHUWHVLPSX › 5HVLVW¬QFLDDRIRJR̰&ODVVLͤFDGDFRPR01 Q¥RLQIODP£YHO 
WUHVF¯YHLVQ¥RSURYRFDPFRUURV¥RHQ¥RIDYRUHFHPRGHVHQYROYLPHQ Boa resistência ao calor
to de bactérias ou fungos. Apresentam boa estabilidade dimensional › Resistência mecânica – Grande rigidez;
HW¬PSURSULHGDGHVDF¼VWLFDVPXLWRLQWHUHVVDQWHVVREUHWXGRQDVIUH › Resistência aos agentes biológicos – Imputrescíveis e não são
quências agudas e médias. Sob a forma de manta absorvem os ruídos atacadas por roedores ou insetos;
de impacto. › ,VRODPHQWR DF¼VWLFR ̰ %RDV SURSULHGDGHV DEVRUYHGRUDV QDV
frequências agudas e médias.
– Vermiculite
A vermiculite expandida é um produto mineral obtido por expoliação – Pasta de madeira
GHSDOKHWDVGHPLFD‹FRPHUFLDOL]DGDDJUDQHORXHPSDLQ«LVDJORPH $ PDGHLUD TXH FRQVWLWXL HVWHV SDLQ«LV « FRUWDGD H GHSRLV GHVͤDGD
UDGRVSRUFLPHQWR VLOLFDWRV EHWXPHRXJHVVR $GLFLRQDQGR £JXD REW«PVH XPD SDVWD TXH SRGH VHU VLPSOHVPHQWH
&RQGXWLYLGDGHW«UPLFDDJUDQHO̰:PtSDUDXPDPDVVDYR VHFDRXFRPSULPLGDDTXHQWH1RSULPHLURFDVRREW¬PVHRVSDLQHLV
O¼PLFDFRPSUHHQGLGDHQWUHD.JPu3DUDDVSODFDVDJORPHUD do “tipo isolante” e por compressão os painéis do “tipo duro”.
GDVDFRQGXWLYLGDGHW«UPLFDGHSHQGHGDPDVVDYRO¼PLFDGDVXEVW¤Q Condutividade térmica:
FLDDJORPHUDGRUD3RUH[HPSORSDUDSODFDVDJORPHUDGDVFRPVLOLFDWRV • :P|&SDUDR̸tipo duro”
• 3DUDD.JPu:P|& • :P|&SDUDR̸tipo isolante”
• 3DUDD.JPu:P|&
• 3DUDD.JPu:P|& 5HVLVW¬QFLD¢KXPLGDGH̰4XDQGRWUDWDGRVFRQWUDIXQJRVDSUHVHQ
‹XPPDWHULDOLQFRPEXVW¯YHO WDPXPDUHVLVW¬QFLDP«GLD¢KXPLGDGH
5HVLVW¬QFLDDRIRJR̰&ODVVLͤFDGDQDFDWHJRULD03LVWR«PHGLD
– Perlite QDPHQWHLQIODP£YHO
‹ XP SURGXWR PLQHUDO SURYHQLHQWH GH XPD URFKD YXOF¤QLFD WHUPLFD $SUHVHQWDERDUHVLVW¬QFLDDRVVROYHQWHV EDVHH£FLGRVIUDFRV 
PHQWH WUDWDGD $SUHVHQWDVH VRE D IRUPD GH SHTXHQDV S«URODV TXH
contêm ar no seu interior. Nos edifícios a perlite é principalmente utili d) Materiais de alvenaria
]DGDQRVEHW·HVHVREDIRUPDGHSDLQ«LVDJORPHUDGRV 7UDWDVHHVVHQFLDOPHQWHGHEHW¥RFHOXODUEHW¥RGHDUJLODRXGH[LVWRV
Condutividade térmica das placas aglomeradas com resina H[SDQGLGRVHGHWLMRORVSHUIXUDGRV$VSURSULHGDGHVLVRODQWHVV¥RLQ
:P|&SDUDXPDPDVVDYRO¼PLFDD.JPu feriores a qualquer dos materiais referidos anteriormente.
Comparações:
– Espuma de Vidro Consideremos uma manta de lã de vidro que tem uma resistência
As espumas de vidro são obtidas por expansão a quente do vidro W«UPLFD5 Pt|&:FRPXPDHVSHVVXUDGHPP
DSUR[LPDGDPHQWHYH]HVRVHXYROXPH FRPRDX[¯OLRGHXPFRUSR &RPSDUDWLYDPHQWHSDUDDPHVPDUHVLVW¬QFLDW«UPLFD5 Pt|&:
JDVRVR$SUHVHQWDPVHJHUDOPHQWHVREDIRUPDGHSDLQ«LV DV HVSHVVXUDV QHFHVV£ULDV SDUD RXWURV WLSRV GH LVRODPHQWR V¥R DV
$FRQGXWLYLGDGHW«UPLFDGHSHQGHGDPDVVDYRO¼PLFD seguintes:
• 3DUDD.JPu:P|& PPGHO¥GHYLGURHTXLYDOHPD
• 3DUDD.JPu:P|& • PPGHHVSXPDGHSROLXUHWDQR
• 3DUDD.JPu:P|& • PPGH39& 3ROLFORUHWRGHYLQLO
• PPGHSROLHVWLUHQRH[WUXGLGR
c) Produtos Naturais • PPGHSROLHVWLUHQRH[SDQGLGR
Os materiais que iremos indicar seguidamente são utilizados em me • PPGHO¥GHURFKD
QRUHVFDODTXHRVSUHFHGHQWHVSRUDSUHVHQWDUHPFDUDWHU¯VWLFDVW«UPL • PPGHFRUWL©D
cas de menor valor. • PPGHYHUPLFXOLWHRXSHUOLWH
• PPGHͤEUDVGHPDGHLUDRXPDGHLUD
– Cortiças – “Corticite” • PPGHEHW¥R
‹SRXFRXWLOL]DGDQRLVRODPHQWRW«UPLFRGHHGLI¯FLRV‹FDVFDGHVR • PPGHJUDQLWR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
e) Exemplos de aplicação

1. Isolamento térmico de terraços

Figura 1.

As coberturas de edifícios em terraço devem ser isoladas


WHUPLFDPHQWH SRU VHUHP D SDUWH GD HQYROYHQWH H[WHULRU GR
HGLI¯FLRUHVSRQV£YHOSHODVPDLRUHVSHUGDVGHHQHUJLDW«UPLFD
O isolamento de uma cobertura/terraço é uma operação
GHOLFDGD GDGR TXH HVW£ VXMHLWD D GLODWD©·HV H FRQWUD©·HV
SURYRFDGDVSHODLQVROD©¥RIULRFKXYDJHORHQWUHRXWURV$
TXDOLGDGHGDLPSHUPHDELOL]D©¥RGHYHͤFDUSUHVHUYDGDSHOR
isolamento térmico.
Uma cobertura/terraço nunca deve ser isolada pelo in
WHULRUGDGRTXHDRLPSHGLUDGLIXV¥RGRFDORUVRODUUHFHELGR
SHORH[WHULRUVXEPHWHDODJHGRWHUUD©RDFKRTXHVW«UPLFRV
TXHSRGHPRULJLQDUURWXUDVQDLPSHUPHDELOL]D©¥RHͤVVXUDV
na própria lage.
O isolamento de uma cobertura/terraço deve portanto
VHUVHPSUHUHDOL]DGRSHORH[WHULRUDPHQRVTXHVHLQVWDOH
um teto suspenso isolado e separado da lage da cobertura
SRUXPDFDL[DGHDUEHPYHQWLODGDFRPSHORPHQRVFP
de espessura.
$HVSHVVXUDGRLVRODPHQWRQXQFDGHYHVHULQIHULRUDFP
sob pena de não permitir uma redução sensível no consumo
de energia térmica.
1R FDVR GDV FREHUWXUDVWHUUD©RV VHUHP DFHVV¯YHLV R
LVRODPHQWRW«UPLFRGHYHVHUSURWHJLGRSDUDUHVLVWLU¢FRP
SUHVV¥RGHYLGD¢FLUFXOD©¥RGHSHVVRDV

Colocação do isolamento
O isolamento térmico pode ser colocado diretamente sobre
DLPSHUPHDELOL]D©¥RH[LVWHQWHFDVRHVWHMDHPERDVFRQGL
©·HV1RFDVRFRQWU£ULRRLVRODPHQWRGHYHU£VHUSURWHJLGR
por uma nova impermeabilização.

Isolamento colocado sobre a impermeabilização


(Figura 2)
Este processo é designado como cobertura invertida e é
utilizado mais frequentemente em edifícios novos. Consiste
em aplicar o isolamento (2) sobre a impermeabilização (3).

Figura 2.

8WLOL]DPVH IUHTXHQWHPHQWH SODFDV GH SROLHVWLUHQR H[WUXGLGR


FRPMXQWDVGHOLJD©¥RPDWHULDOTXHRIHUHFHXPDERDUHVLVW¬Q
FLD¢£JXDH¢FRPSUHVV¥R)LQDOPHQWHRLVRODPHQWR«FREHUWR
SRUXPDFDPDGDGHJRGRGHVWLQDGRDSURWHJ¬ORGRYHQWR
30 climatização

Isolamento colocado por baixo da impermeabilização 1RFDVRGHUHDOL]DURLVRODPHQWRW«UPLFRGRSDYLPHQWRGHXP£WL


(Figura 3) FRFRPͤEUDVPLQHUDLV«LQGLVSHQV£YHOFRORFDUXPDEDUUHLUDGHYDSRU
Nos casos em que o estado do terraço não oferece garantia de im GRODGRTXHQWHLVWR«YLUDGRSDUDRLQWHULRUGDKDELWD©¥R
SHUPHDELOL]D©¥RDFRORFD©¥RGRLVRODPHQWR«FRPELQDGRFRPXPD $VͤEUDVPLQHUDLVV¥RYXOQHU£YHLV¢KXPLGDGHGHPRGRTXH«QH
renovação da impermeabilização. FHVV£ULRLPSHGLUTXHRYDSRUGH£JXDFRQWLGRQRDUGDKDELWD©¥RVH
As placas de isolamento são colocadas sobre uma barreira de va FRQGHQVHQRLQWHULRUGRLVRODPHQWRHD¯ͤTXHHVWDJQDGR
por (4) H GHSRLV UHFREHUWDV SRU XPD RX Y£ULDV FDPDGDV GH PDWHULDO 6HIRUHPXWLOL]DGRVLVRODPHQWRVDJUDQHOFRPRSRUH[HPSORYHU
impermeabilizante (2) e (3)HͤQDOPHQWHGHXPDSURWHF©¥RSHVDGD(1) PLFXOLWHFRQY«PID]HUXPDFHUWDDJUHJD©¥RGRPDWHULDOUHFREULQGRR
GHJRGRSDUDWHUUD©RVQ¥RDFHVV¯YHLVRXHPODJHDPHQWRQRVFDVRV por exemplo com uma camada de gesso.
em que é prevista circulação de pessoas. 1XQFDVHGHYHSURWHJHURLVRODPHQWRGHXP£WLFRFRQWUDHYHQWXDLV
1DPHGLGDHPTXHRLVRODPHQWRͤFDQHVWHFDVRSURWHJLGRSRUXPD LQͤOWUD©·HV GH DU RX DW« GH SHTXHQDV SDUW¯FXODV GH £JXD GD FKXYD
QRYD FDPDGD GH LPSHUPHDELOL]D©¥R Q¥R « QHFHVV£ULR XWLOL]DU LVROD A colocação de uma impermeabilização sobre o isolamento provoca
PHQWRV KLGURIXJRV 3RGHP QHVWH FDVR XWLOL]DUVH ͤEUDV PLQHUDLV RX QHVWHXPDKXPLGDGHUHVLGXDOGLPLQXLQGRDVVXDVSURSULHGDGHV
SROLXUHWDQR HPERUD D DSOLFD©¥R GH SROLHVWLUHQR H[WUXGLGR WDPE«P 'HYHSRUWDQWRGHL[DUVHOLYUHDVXSHUI¯FLHVXSHULRUGRLVRODPHQWR
possa ser utilizado. GHPRGRDTXHHYHQWXDLVSHTXHQDVLQͤOWUD©·HVGH£JXDGDFKXYDSRV
VDPVHUSHUPDQHQWHPHQWHHYDFXDGDVSHODYHQWLOD©¥RQDWXUDOGR£WLFR
$HVSHVVXUDGRLVRODPHQWRQ¥RGHYHVHULQIHULRUDFP

A colocação do isolamento
O isolamento deve ser colocado sobre o pavimento em uma ou duas
camadas. Podem ser utilizados quatro tipos de isolamento:
a) )LEUDVPLQHUDLVHPURORHTXLSDGDVFRPEDUUHLUDGHYDSRUͤFDQGR
DEDUUHLUDGHYDSRUYLUDGDSDUDEDL[RLVWR«FRODGDDRSDYLPHQWR
Figura 3. GR£WLFR

2. ISOLAMENTO TÉRMICO DE VÃOS DE TELHADO


(ÁTICOS) NÃO HABITADOS

Figura 5.

6H IRU QHFHVV£ULD XPD l FDPDGD GH LVRODPHQWR HVWD Q¥R GHYH WHU
EDUUHLUDGHYDSRUHGHYHVHUFRORFDGDSHUSHQGLFXODUPHQWH¢SULPHLUD
Se utilizarmos para esta 2.ª camada o mesmo material da primeira
GHYHPRVUHWLUDUOKHDEDUUHLUDGHYDSRU
b) Isolamentos a granel (vermiculite...).
Figura 4.

'HVLJQDPRVSRU£WLFRVQ¥RKDELWDGRVRVORFDLVVLWXDGRVVREUHFREHU
WXUDVLQFOLQDGDVTXHVHSDUDPRVORFDLVKDELWDGRVGDFREHUWXUD
Estes locais não necessitam de qualquer aquecimento ou arrefe
FLPHQWRHGHYHPVHUVHSDUDGRVGRYROXPHDTXHFLGRGDKDELWD©¥RSRU
XPDEDUUHLUDLVRODQWHDWHQGHQGRDTXHDVPDLRUHVSHUGDVGHHQHUJLD
W«UPLFDVHSURFHVVDPDWUDY«VGDVSDUWHVPDLVDOWDVGDKDELWD©¥R
2LVRODPHQWRW«UPLFRGHYHVHUFRORFDGRVREUHRSDYLPHQWRGR£WL
FRRTXHSHUPLWH
1. 8WLOL]DU XPD HVSHVVXUD PHQRU GH LVRODPHQWR FRPSDUDGD FRP D
TXHVHULDQHFHVV£ULDSDUDRLVRODPHQWRGRWHOKDGR
2. (YLWDURWUDWDPHQWRGDVLQͤOWUD©·HVGHDUDWUDY«VGDVWHOKDVRXRX
WUDVDEHUWXUDVDVTXDLVSHUPLWHP
3. 9HQWLODUR£WLFRGXUDQWHR9HU¥R

3DUD VHU HͤFD] R LVRODPHQWR GHYH FREULU WRWDOPHQWH D VXSHUI¯FLH GR Figura 6.
SDYLPHQWR DQXODQGR DVVLP WRGDV DV SRQWHV W«UPLFDV ‹ QHFHVV£ULR
WHUHPPHQWHTXHRHIHLWRSHUQLFLRVRGDVSRQWHVW«UPLFDVID]VHVHQWLU c) /¥ GH YLGUR D JUDQHO LQVXIODGD SRU PHLR GH DSDUHOKDJHP SUµSULD
GHXPPRGRPDLVGU£VWLFRQXP£WLFRPDOLVRODGRGRTXHQXP£WLFR para o efeito.
Q¥RLVRODGR2DUTXHQWHYLQGRGRLQWHULRUGDKDELWD©¥RYDLDUUHIHFHUH d) ,VRODPHQWRHPPDQWD SROLHVWLUHQRSROLXUHWDQR 1HVWHFDVR«QH
condensar através de uma ponte térmica com um movimento de con FHVV£ULRWHUDWHQ©¥RDRVHXPDXFRPSRUWDPHQWRDRIRJRGHYHQ
vexão tanto maior quanto mais o isolamento térmico restante impede do ser feita uma separação em alvenaria ou qualquer outro mate
esse fenómeno. ULDOFRUWDIRJRHQWUHR£WLFRHDKDELWD©¥R

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
32 notícias

CENERTEC estabelece parceria • 3µV*UDGXD©¥RHP0DQXWHQ©¥R,QGXVWULDO WEG anuncia aquisição


com a CIE TXHSURFXUDGDUUHVSRVWD¢QHFHVVLGDGHGD da empresa CG Power USA Inc.,
&,(̰&RPXQLFD©¥RH,PSUHQVD(VSHFLDOL]DGD/GD TXDOLͤFD©¥R GR SHVVRDO GD 0DQXWHQ©¥R nos EUA
7HOy)D[ PLQLVWUDQGRFRQWH¼GRVFDSD]HVGHFRQIHULU :(*HXUR̰,QG¼VWULD(O«FWULFD6$
JHUDO#FLHFRPXQLFDFDRSWyZZZFLHFRPXQLFDFDRSW VXSRUWHWHµULFRHSU£WLFR¢DWLYLGDGHGD0D 7HOy)D[
nutenção. Os formadores são oriundos do LQIRSW#ZHJQHWyZZZZHJQHWSW
&(1(57(&̰&HQWURGH(QHUJLDH7HFQRORJLD PHLRSURͤVVLRQDOWUD]HQGR¢SµVJUDGXD
7HOy)D[ ©¥R R VHX VDEHU SU£WLFR HQVLQDQGR R TXH
FHQHUWHF#FHQHUWHFSWyZZZFHQHUWHFSW praticam e praticando o que ensinam. São
formadores que são confrontados todos os
O CENERTEC – Centro de Energia e Tecno GLDV FRP RV GHVDͤRV TXH D 0DQXWHQ©¥R
logia estabeleceu uma parceria com a CIE – DFDUUHWD H TXH WUD]HP HVVD H[SHUL¬QFLD
&RPXQLFD©¥RH,PSUHQVD(VSHFLDOL]DGD/GD para os formandos;
'HVGH  TXH R &(1(57(& VH GHGLFD • 3µVJUDGXD©¥RHP*HVW¥RGH2SHUD©·HVH
¢ IRUPD©¥R DYDQ©DGD QRPHDGDPHQWH ¢ RU 6HUYL©RV ,QGXVWULDLV TXH SURFXUD WUDQVPL
JDQL]D©¥R GH FXUVRV LQWHQVLYRV HQFRQWURV WLU DRV VHXV SDUWLFLSDQWHV FRQKHFLPHQWRV A WEG S.A. anunciou a aquisição da empresa
QDFLRQDLVHFRQJUHVVRVHXURSHXVHPGRP¯ HERDVSU£WLFDVGHJHVW¥RHPSUHVDULDOHP CG Power USA Inc. (“CG̹ ORFDOL]DGDHP:D
QLRVGD(QHUJLDGR$PELHQWHGD(QJHQKDULD domínios tão actuais como lean manage VKLQJWRQQRHVWDGRGH0LVVRXULQRV(8$$
Industrial e da Gestão. PHQW JHVW¥R GH RSHUD©·HV ORJ¯VWLFD LQ WUDQVD©¥RHVW£DGVWULWDDRQHJµFLRGHWUDQV
2&HQWURH[LVWHSDUDFRODERUDUQDPHOKRULD GXVWULDO JHVW¥R GH HQHUJLD FXVWHLR LQGXV formadores da empresa e a sua conclusão
GDFRPSHWLWLYLGDGHGRVVHXVFOLHQWHVSHORGH trial e gestão de projetos; HVW£FRQGLFLRQDGDDRFXPSULPHQWRGHGHWHU
senvolvimento e oferta de Ações de Formação • $LQVFUL©¥RQHVWDVIRUPD©·HVTXDQGRUHD PLQDGDV FRQGL©·HV SUHFHGHQWHV XVXDLV HP
TXHFRQWULEXDPSDUDDPHOKRULDGDVFRPSHW¬Q OL]DGDDWUDY«VGD&,(EHQHͤFLDGHXPGHV transações desta natureza.
FLDVHGDTXDOLGDGHGRWUDEDOKRGRVFRODERUD FRQWRGHVRERYDORUGHLQVFUL©¥R $HPSUHVDDW«DJRUDFRQWURODGDSHORJUX
dores das empresas e de outras organizações. po indiano Crompton Greaves é especializada
A CIE – Comunicação e Imprensa Especia QR IDEULFR VHUYL©RV GH PRQWDJHP VXSHUYL
OL]DGD/GD«XPDHPSUHVDGR*UXSR3XEOLQ Novo website com design moderno são e comissionamento de transformadores
G¼VWULD TXH VH LQWHJUD QXPD SODWDIRUPD HP e intuitivo da Bresimar Automação GHDW«09$̰N93RVVXLWU¬VXQLGDGHV
SUHVDULDOFRPFHUFDGHDQRVGHH[SHUL¬QFLD %UHVLPDU$XWRPD©¥R6$ TXHRFXSDPD£UHDGHPHWURVTXDGUD
QDHGL©¥RGHUHYLVWDVHVSHFLDOL]DGDVGLUHFLR 7HOy)D[ GRVHFRQWDFRPFRODERUDGRUHV1RDQR
nadas para mercados tecnológicos – enge 7OP ͤVFDODUHFHLWDO¯TXLGDGDPHVPDIRL
QKHLURV JHVWRUHV H W«FQLFRV TXH H[HUFHP D EUHVLPDU#EUHVLPDUSWyZZZEUHVLPDUFRP GH86PLOK·HV
VXDDWLYLGDGHQR¤PELWRGDLQG¼VWULDWUDQVIRU De acordo com o Diretor Superintenden
PDGRUD$HPSUHVD«UHVSRQV£YHOSHODHGL©¥R WH GD :(* &DUORV 'LHWKHU 3ULQ] D DTXLVL©¥R
GDVUHYLVWDV̸RHOHFWULFLVWD̸̹UREµWLFD̸̹0DQX DO«PGHFRPSOHPHQWDUDOLQKDGHSURGXWRVGD
WHQ©¥R̸̹UHQRY£YHLVPDJD]LQH̹H̸HOHYDUH̹ :(* YDL DPSOLDU D SDUWLFLSD©¥R GD HPSUHVD
A Formação que o CENERTEC ministra no mercado americano: “A CG possui uma re-
« GH DWXDOL]D©¥R HRX DSHUIHL©RDPHQWR QD levante quota de mercado em transformado-
PHGLGD HP TXH RV IRUPDQGRV V¥R QD VXD res para parques eólicos e solares nos EUA.
PDLRULDTXDGURVP«GLRVHVXSHULRUHVFRPR Esta aquisição, em conjunto com as nossas
LQWXLWRGHFRPSOHWDUHDWXDOL]DUFRQKHFLPHQ plataformas produtivas no Brasil, Colômbia,
WRV WHQGR HP YLVWD D VXD DSOLFD©¥R QD VXD México e África do Sul, permitir-nos-á avançar
DWLYLGDGHSURͤVVLRQDO2&HQWURFRQWDFRPD rapidamente no projeto de internacionalização
colaboração de formadores com grande ex do negócio de transmissão e distribuição”.
SHUL¬QFLD SURͤVVLRQDO ̸ensinam o que prati-
cam e praticam o que ensinam!”. $ %UHVLPDU $XWRPD©¥R 6$ HPSUHVD HV
O CENERTEC tem neste momento três pecializada no comércio de equipamentos e ABB atualiza rede HVDC
formações em destaque: VROX©·HV SDUD DXWRPD©¥R LQGXVWULDO FRP  do sistema nórdico em projeto
• Pós Graduação em Manutenção de Insta DQRVGHH[SHUL¬QFLDQRPHUFDGRDSUHVHQWDR de 30 milhões
OD©·HV (O«WULFDV l (GL©¥R  TXH SUHWHQ seu novo website DJRUD PDLV PRGHUQR IXQ $%%6$
GH TXDOLͤFDU SURͤVVLRQDLV TXH HPERUD M£ cional e compatível com as diversas platafor 7HOy)D[
H[HUFHQGR HVWD DWLYLGDGH QHFHVVLWDP GH PDVGHYLVXDOL]D©¥R 3&tablet e smartphone). PDUNHWLQJDEE#SWDEEFRPyZZZDEESW
GHVHQYROYHU FRQKHFLPHQWRV QR ¤PELWR GD O novo website da Bresimar pretende ser
DSOLFD©¥R GD OHJLVOD©¥R DSRQWDQGR SDUD XPSDVVRFRQVWDQWHQDPHOKRULDGDFRPXQL A ABB recebeu uma encomenda no valor
SU£WLFDV VHJXUDV H XP DSHUIHL©RDPHQWR FD©¥RFRPRVFOLHQWHVSDUFHLURVHYLVLWDQWHV GHFHUFDGHPLOK·HVGHGµODUHV FHUFDGH
SURͤVVLRQDO QR ¤PELWR GDV ERDV SU£WLFDV Com esta nova ferramenta o objetivo passa  PLOK·HV GH HXURV  GD 6YHQVND .UDIWQ¦W
H FHUWLͤFD©¥R GH FRPSHW¬QFLDV &RP D SRUGDUDFRQKHFHURVHXSRUWHIµOLRGHPDUFDV QD6X«FLDHGD(QHUJLQHWQD'LQDPDUFDSDUD
coordenação pedagógica de Raquel Reis produtos comercializados e serviços presta atualizar o sistema de controlo e proteção da
HDFRRUGHQD©¥RW«FQLFDGH)HUQDQGR3LWD GRVDVVLPFRPRDSUHVHQWDUGHIRUPDUHJXODU UHGH GH WUDQVSRUWH .RQWL6NDQ GH &RUUHQWH
esta formação consiste num conjunto de todas as novidades. Com um design moderno &RQW¯QXDGH$OWD7HQV¥R +9'& FRPD¼OWL
PµGXORV FULWHULRVDPHQWH VHOHFLRQDGRV H LQWXLWLYR PDLV QRW¯FLDV H QRYLGDGHV GH SUR ma tecnologia ABB Ability MACH. O pedido foi
para dar resposta a necessidades gerais GXWRVHFRPPDLVIRUPDVGHFRQWDFWRRQRYR UHJLVWDGRQRVHJXQGRWULPHVWUHGH
GH HͤFL¬QFLD GH LQVWDOD©·HV H GLVSRVLWLYRV ZHEVLWHGDHPSUHVDDGDSWDVH¢VQHFHVVLGD $ UHGH .RQWL6NDQ IRL FRQVWUX¯GD K£
acionados pela ação da corrente elétrica; des da empresa e dos seus clientes.  DQRV FRPR D SULPHLUD LQWHUFRQH[¥R HQWUH

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
D6X«FLDHD'LQDPDUFDSHUPLWLQGRDWURFDGHHQHUJLD,VVR
SURSRUFLRQRX EHQHI¯FLRV GH XPD UHGH FRPSDUWLOKDGD FRP
UHFXUVRV DGLFLRQDLV GR VLVWHPD +9'& TXH SHUPLWLX D WURFD
GHHQHUJLDUHQRY£YHOKLGURHO«WULFDHGHHQHUJLDHµOLFDGXUDQ
WHG«FDGDV$LQVWDOD©¥RGRPDLVUHFHQWHVLVWHPDGD$%%GH
FRQWURORHSURWH©¥R0$&+DPSOLDU£DYLGD¼WLOGDUHGH+9'&
HPHOKRUDU£DGLVSRQLELOLGDGHGHHQHUJLDEHPFRPRDͤDELOL
GDGH H HͤFL¬QFLD GD UHGH DWUDY«V GD GLJLWDOL]D©¥R DYDQ©DGD
O avançado sistema ABB Ability MACH atua como o cérebro
GD UHGH +9'& PRQLWRUL]DQGR FRQWURODQGR H SURWHJHQGR D
VRͤVWLFDGD WHFQRORJLD GDV HVWD©·HV SDUD JDUDQWLU ͤDELOLGDGH
H HͤFL¬QFLD (OH LQFRUSRUD IXQ©·HV DYDQ©DGDV GH UHJLVWR GH
IDOKDVHFRQWURORUHPRWR̸Estamos muito satisfeitos por im-
plementar a nossa mais recente tecnologia de controlo ABB
Ability MACH para atualizar esta rede histórica de transporte
HVDC, facilitando a troca de energia e o intercâmbio de fontes
UHQRY£YHLVOHYDQGRDRVFRQVXPLGRUHVHQHUJLDOLPSDHͤ£YHO̹
UHIHUH&ODXGLR)DFFKLQ3UHVLGHQWHGDGLYLV¥R3RZHU*ULGVGD
ABB. “Este projeto reitera o nosso foco estratégico em serviços
e tecnologias digitais e reforça a nossa posição de liderança
no mercado e tecnologia HVDC, como um parceiro de escolha
SDUDSHUPLWLUXPDUHGHPDLVIRUWHͤ£YHOHPDLVYHUGH”.
$ .RQWL6NDQ IRL FRQVWUX¯GD HP GXDV IDVHV FRPH©DQGR
HPFRPD.RQWL6NDQVHJXLGDSHOD.RQWL6NDQHP
$WHFQRORJLDGD$%%SHUPLWLU£TXHDVGXDVWUDEDOKHP
MXQWDV FRPR XP ¼QLFR VLVWHPD $ DWXDOL]D©¥R FRPSOHWD HQ
volve a substituição do sistema de controlo. A ABB é uma
UHIHU¬QFLDGDLQG¼VWULDQDVSULQFLSDLVDWXDOL]D©·HVGH+9'&
WHQGRH[HFXWDGRSURMHWRVHPWRGRRPXQGRFRPLQWHUUXS©¥R
de energia minimizada.

Schneider Electric lidera direção


da Associação KNX
6FKQHLGHU(OHFWULF3RUWXJDO
7HOy)D[
SWDWHQGLPHQWRFOLHQWH#VFKQHLGHUHOHFWULFFRP
ZZZVFKQHLGHUHOHFWULFSW

$ 6FKQHLGHU (OHFWULF YDL SUHVLGLU QRV SUµ[LPRV GRLV DQRV ¢


$VVRFLD©¥R.1;VHQGRUHSUHVHQWDGDQRFDUJRSRU)HUQDQGR
)HUUHLUD(FR%XLOGLQJV0DQDJHUGDHPSUHVD
$ QRYD GLUH©¥R « DLQGD FRPSRVWD SHOR YLFHSUHVLGHQWH
&DUORV/LPD $%% SHORVHFUHW£ULR$QWµQLR$QGUDGH -XQJ H
pelos vogais Pedro Abreu (Hager) e André Miguel Cabral (Si
VLQW $0HVDGD$VVHPEOHLD*HUDOVHU£SUHVLGLGDSRU&DUORV
)LOLSH0RUJDGRGD0RUJDGRHR&RQVHOKR)LVFDOSRU0LJXHO
6RDUHVGD%(*
$SµVDJUDGHFHURWUDEDOKRGDDQWHULRUGLUH©¥ROLGHUDGDSRU
$QWµQLR5LEHLURGD&RVWD)HUQDQGR)HUUHLUDDVVXPHTXHRJUDQ
de objetivo da nova equipa é “criar dimensão na associação e,
dessa forma, ganhar massa crítica”. O EcoBuildings Manager da
6FKQHLGHU (OHFWULF OHPEUD DLQGD ̸a necessidade de desenvol-
ver uma estratégia que dê visibilidade à Associação junto dos
agentes do setor da construção, manutenção e reabilitação de
edifícios, no sentido de sensibilizá-los para as vantagens de um
HGLͤFDGRDPLJRGRDPELHQWHHPDLVVHJXURQDYHUWHQWHHO«WULFD”.
$ 6FKQHLGHU (OHFWULF « PHPEUR GD $VVRFLD©¥R .1;
juntamente com outras empresas que seguem a Norma
,QWHUQDFLRQDO SDUD R &RQWUROR GH &DVDV H (GLI¯FLRV .1; D
TXDO « SURSULHGDGH GD $VVRFLD©¥R 2 VHX REMHWLYR HVW£ RUL
entado para o desenvolvimento e promoção de uma norma
internacional de comunicação para sistemas eletrónicos em
residências e edifícios.
34 notícias

Os membros da Associação KNX reco A Rittal facilita pedidos com o seu QHFHVV£ULR PXGDU SDUD SURJUDPDV &$' DR
QKHFHP ¢ WHFQRORJLD GH VLVWHPDV LQWHOLJHQ sistema de configuração ID]HURSODQHDPHQWRGRDUP£ULR
tes para residência e edifícios (domótica) um 5LWWDO3RUWXJDO $SµV D VHOH©¥R SRVLFLRQDPHQWR H SUR
FRQMXQWR GH TXDOLGDGHV FRPR D WHFQRORJLD 7HOy)D[ FHVVDPHQWR R FOLHQWH IDFLOPHQWH VROLFLWD
GHSRQWDPDLRUIOH[LELOLGDGHHLQWHJUD©¥RGH LQIR#ULWWDOSWyZZZULWWDOSW XPD FRWD©¥R SDUD R DUP£ULR DWUDY«V GH XP
GLIHUHQWHV DSOLFD©·HV H FRPSRQHQWHV SDUD IRUPXO£ULR online. A Rittal posteriormente
DO«PGHPHQRUULVFRGHLQF¬QGLRHVVHQFLDLV IRUQHFH RV VHXV FOLHQWHV FRP XP DUP£ULR
para satisfação dos objetivos de segurança SURQWR RX RV FRPSRQHQWHV QHFHVV£ULRV 6H
P£[LPDTXHVHH[LJHPDHVWHQ¯YHO VRPHQWHRVFRPSRQHQWHVIRUHPHQWUHJXHVR
FRQͤJXUDGRUWDPE«PIRUQHFHRVGDGRV&$'
informação NC e instruções de montagem.
Câmara da Covilhã e Siemens $O«PGLVVRRVFOLHQWHVSRGHU¥RLQLFLDURRittal
analisam projeto inovador 6\VWHP&RQͤJXUDWLRQ diretamente do EPLAN
na área da energia 3UR 3DQHO $TXL IRUPDP D EDVH GR GHVHQKR
6LHPHQV6$ HOHWURPHF¤QLFR GR DUP£ULR HP ' H IRUQH
7HOy)D[ cem a documentação de produção neces
ZZZVLHPHQVSW V£ULDSDUDDLQVWDOD©¥R,VWRDMXGDRVFOLHQWHV
Fazer a encomenda de itens com apenas a instalar os itens individuais e evitar erros
DOJXQV FOLTXHV « DOJR TXH H[LVWH K£ DOJXP GHVQHFHVV£ULRV
tempo em compras online pessoais – mas
Q¥R TXDQGR VH WUDWD GH HQFRPHQGDU DUP£
rios. “Em vez da procura extensiva em catá- F.Fonseca promove em outubro
logos ou aguardar por propostas, os próprios formação sobre pneumática
clientes podem agora usar o novo sistema ))RQVHFD6$
GH FRQͤJXUD©¥R GD 5LWWDO >5LWWDO &RQͤJXUD- 7HOy)D[
A Siemens Portugal celebrou uma parceria tion System-Rics] no website da Rittal para IIRQVHFD#IIRQVHFDFRPyZZZIIRQVHFDFRP
estratégica com a Câmara Municipal da Covi construir de forma independente armários ))RQVHFD6$6ROXFRHVGH9DQJXDUGD
OK¥SDUDHVWXGDUDYLDELOLGDGHW«FQLFDGHXP compactos e envolventes, com o equipamen-
SURMHWRLQRYDGRUQD£UHDGDHQHUJLD20XQLF¯ to apropriado. Além disso, pode selecionar as
SLRHVW£DDQDOLVDUDSRVVLELOLGDGHGHXWLOL]DUR combinações correspondentes de um stock
sistema de armazenamento e distribuição de GH PDLV GH  DFHVVµULRV̹ GL] %HUQG /HK
£JXDSDUDDSURGX©¥RGHHQHUJLDUHQRY£YHO QHUW 9LFH3UHVLGHQWH GR 'HVHQYROYLPHQWR H
$ &¤PDUD GD &RYLOK¥ WHP GHVHQYROYLGR Investigação para Eletrónica e Software da
LQ¼PHUDV D©·HV QR VHQWLGR GD LPSOHPHQWD Rittal. “Os clientes ganham tempo precioso
©¥RGHVROX©·HVLQRYDGRUDVQD£UHDGDJHUD através deste processo e recebem os dados
©¥R GH HQHUJLD D SDUWLU GH IRQWHV UHQRY£YHLV GDVXDFRQͤJXUD©¥RGLUHWDPHQWHFRPRVHX
H HͤFL¬QFLD HQHUJ«WLFD ( QR ¤PELWR GHVVD pedido de cotação”.
HVWUDW«JLDDHGLOLGDGHHVW£DDYDOLDUDSRVVL $RVHOHFLRQDUDFHVVµULRVRVLVWHPDH[LEH Depois de realizar com bastante sucesso a
bilidade de instalar soluções de microgeração apenas os componentes que são compatí D©¥R LQLFLDO HP IHYHUHLUR D ))RQVHFD RUJD
K¯GULFDQDVFRQGXWDVGHDGX©¥RGHGLVWULEXL YHLVFRPRSURGXWRTXHM£IRLVHOHFLRQDGR2V QL]DU£IRUPD©¥RPDLVDYDQ©DGDGH3QHXP£
©¥R GH £JXD SRW£YHO DR FRQFHOKR 'DGR TXH clientes não têm que se preocupar em ter que WLFD QRV GLDV    H  GH RXWXEUR HP
estas condutas se iniciam no alto da Serra da lidar com acessórios inadequados. Aveiro.
(VWUHOD H GLVWULEXHP £JXD DW« ¢V FRWDV PDLV A ferramenta de planeamento não torna 7DO FRPR QD 3QHXP£WLFD ,, este curso
EDL[DVHQWHQGHXD&¤PDUDH[LVWLUXPSRWHQ somente mais simples a seleção de produ UHDOL]DUVH£QDVHGHGD))RQVHFDHQR&HQ
cial elevado de geração de energia. WRV 5LWWDO FRP D DMXGD GH XP PRGHOR ' tro de Formação Técnica da Renault Cacia
3DUD DQDOLVDU D YLDELOLGDGH GR SURMHWR R o utilizador pode colocar o acessório sele onde os formandos terão a oportunidade de
Município celebrou uma parceria estratégica cionado no seu lugar especialmente desig GHVHQYROYHUHDSOLFDURVVHXVFRQKHFLPHQWRV
FRPD6LHPHQVQRVHQWLGRGDUHDOL]D©¥RGH QDGR (VWD SRVL©¥R « HQW¥R UHVHUYDGD Q¥R HPEDQFDGDVSQHXP£WLFDVFRQVWUX¯GDVSDUD
um estudo prévio de viabilidade técnica. podendo ser entretanto usada de forma er este efeito.
“Acreditamos que a experiência da Sie- rada por outros itens. Com a ferramenta de 'HSRLV GH IUHTXHQWDUHP HVWD IRUPD©¥R
mens nesta área das renováveis em projetos SHUIXUD©¥R RV FOLHQWHV SRGHP LPHGLDWD H os participantes saberão montar circuitos
um pouco por todo o mundo pode adicionar corretamente atribuir acessórios opcionais HOHFWURSQHXP£WLFRV D SDUWLU GRV UHVSHWLYRV
valor a esta iniciativa da Câmara Municipal̹ WDLVFRPRXQLGDGHVGHYHQWLOD©¥RHͤOWURVRX HVTXHPDV UHJXODU HVWHV FLUFXLWRV SDUD DV
GLVVH -R¥R 6LOYD 0DUTXHV UHVSRQV£YHO SHOD FRQH[·HVHPTXDOTXHUSDUWHGRDUP£ULRTXH condições pretendidas e detetar e reparar
£UHD GH SURGX©¥R GH HQHUJLD QD 6LHPHQV DLQGD HVW£ SRU SUHHQFKHU ,VWR VLPSOLͤFD D DYDULDVQXPFLUFXLWRHOHWURSQHXP£WLFR7XGR
3RUWXJDO9LWRU3HUHLUDSUHVLGHQWHGD&¤PDUD procura demorada de lacunas e economiza isto respeitando as normas de segurança
0XQLFLSDOGD&RYLOK¥H[SOLFDTXHXPGRVRE WHPSRHGLQKHLUR recomendadas.
jetivos “é que a Covilhã passe a ter mais uma 2V UHFRUWHV H IXURV QHFHVV£ULRV SDUD RV (VWD IRUPD©¥R WHP D GXUD©¥R GH  KR
fonte de energia alternativa” DFUHVFHQWDQGR acessórios são também levados em conta UDV H GHVWLQDVH D W«FQLFRV H UHVSRQV£YHLV
que “este poderá ser um projeto inovador não GXUDQWHDFRQͤJXUD©¥R,VWRRFRUUHSRUTXHR GH PDQXWHQ©¥R RSHUDGRUHV GH SURGX©¥R
só em Portugal, como na Europa”. Mediante 5LWWDO&RQͤJXUDWLRQ6\VWHP (www.rittal.com/ projetistas e a todos os interessados em
RVUHVXOWDGRVGHVWHHVWXGRTXHHVW£HPIDVH FRQͤJXUDWLRQV\VWHP  WDPE«P LQFOXL R SUR SQHXP£WLFD
GH FRQFOXV¥R R 0XQLF¯SLR DEULU£ FRQFXUVR FHVVDPHQWRPHF¤QLFRTXHSRGHVHUH[LELGR Para mais informações pode aceder ao pla
S¼EOLFRSDUDHVWDFRQFHVV¥R HPPRGHOR',VWRVLJQLͤFDTXHQ¥R«PDLV no de formação da F.Fonseca em www.ffonseca.

www.oelectricista.pt o electricista 61
notícias 35

FRPSWSODQRIRUPDFDR RX GLUHWDPHQWH DWUD novas tecnologias de acionamentos indus TEV.ITED / TEV.QUADROS / TEV. CAIXAS /
vés do email formacao@ffonseca.com. triais mecânicos e eletrónicos devidamente TEV.EXTERIOR / TEV.CONNECT.
articuladas ao nível da comunicação (softwa- $VVLP R FOLHQWH SRGHU£ HQFRQWUDU LQIRU
re e hardware). PD©¥R VREUH $7, $7( H ,7(' HP JHUDO QR
Ordem dos Engenheiros visita $YLVLWDW«FQLFD¢VLQVWDOD©·HVGDXQLGDGH 7(9,7('TXDGURVGHHPEXWLUHVDOLHQWHVHP
a SEW-EURODRIVE Portugal PHFDWUµQLFD GXUDQWH D PDQK¥ GR GLD  GH SO£VWLFR RX PHWDO HP 7(948$'526 FDL[DV
6(:(852'5,9(3RUWXJDO MXQKRFRQWRXFRPDSUHVHQ©DGHXPDGH]HQD GHGHULYD©¥RHDSDUHOKDJHPHP7(9&$,;$6
7HO de participantes. FDL[DV GH FRQWDGRU HP ͤEUD HP 7(9(;7(
LQIRVHZ#VHZHXURGULYHSWyZZZVHZHXURGULYHSW RIOR e barramentos/réguas e ligadores em
TEV.CONNECT.
E-catalogue da TEV disponível
no website da empresa
7(9̰'LVWULEXL©¥RGH0DWHULDO(O«FWULFR/GD Grupel fornece energia
7HOy)D[ sobre rodas
LQIR#WHYSWyZZZWHYSW *UXSHO6$
7HObb
ZZZJUXSHOHX

2&RQVHOKR5HJLRQDOGR&RO«JLRGH(QJHQKD
ULD0HF¤QLFDGD2UGHPGRV(QJHQKHLURVUHD
OL]RX XPD YLVLWD W«FQLFD ¢ XQLGDGH LQGXVWULDO
GD 6(:(852'5,9( VLWXDGD QD 0HDOKDGD
$6(:(852'5,9(3RUWXJDOSURGX] PRQWD
gem) e garante assistência técnica completa
a toda a gama de produtos e soluções SEW.
Para além da produção desenvolve uma
LQWHQVDDWLYLGDGHQDHQJHQKDULDPHFDWUµQLFD 'H PRGR D DFHGHU ¢ LQIRUPD©¥R GH SURGXWR
H VLVWHPDV GH DXWRPD©¥R H[SORUDQGR FRQ FRP PDLRU FHOHULGDGH D 7(9 FULRX QR VHX )D]HQGR MXV ¢ YHUVDWLOLGDGH H ¢ GLQ¤PLFD GD
juntamente com os projetistas e construtores websiteHPZZZWHYSWRDFHVVRDRe-cata- *UXSHO 6$ H QR ¤PELWR GD SDUFHULD UHF«P
de bens de equipamento a combinação das logue TEV com cinco categorias de produto: ͤUPDGD D HPSUHVD FRPXQLFD D LQVWDOD©¥R

PUB
36 notícias

GHXPJHUDGRUDGLHVHOGHDSRLR¢HTXLSDGH TXHLUD HVWH TXH R DSDUHOKR SURGX]D IULR RX H[WUHPDPHQWH UHVLVWHQWH ¢ FRUURV¥R H HP
ciclismo do Sporting CP/Tavira que compe calor. Esta tecnologia inovadora permite uma WHUPRV YLVXDLV LQWHJUDVH QD SHUIHL©¥R QR
WLXQv$9ROWDD3RUWXJDO$*UXSHOUHDOL]D HͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDHOHYDGDHXPDPD[LPL design GDV P£TXLQDV PDLV PRGHUQDV $ HV
SURMHWRV H VROX©·HV ¢ PHGLGD H RIHUHFH XP ]D©¥RFRQVLGHU£YHOGDSRXSDQ©DGHHQHUJLD trutura da superguia em alumínio é composta
VHUYL©RJOREDOGHVGHRSURMHWRLQLFLDOIDEULFR O seu novo design WRWDOPHQWH DGHTXDGR D SRUGXDVSDUWHVODWHUDLVFDGDXPDHTXLSDGD
LQVWDOD©¥RFKDYHQDP¥RHSRUͤPFRPLVVLR DPELHQWHV PRGHUQRV H H[FOXVLYRV « RXWUR FRPXPSHUͤOVLOHQFLDGRUHXPDEDUUDGHVOL
QDPHQWR H DFRPSDQKDPHQWR WUDEDOKDQGR GRV SRQWRV IRUWHV GHVWHV DSDUHOKRV 3DUD ]DQWH$VVLP«JDUDQWLGRXPPRYLPHQWRGDV
com softwares dedicados para projetos de DO«P GLVVR D 9XOFDQR WUDEDOKRX QR VHQWLGR FDOKDV DUWLFXODGDV H[WUHPDPHQWH VLOHQFLRVR
PRQWDJHP LQFOXLQGR FRQVWUX©¥R FLYLO EHP de oferecer ao mercado equipamentos de e com reduzido desgaste. Estas podem ser
como projetos elétricos a todos os níveis. IXQFLRQDPHQWR VLOHQFLRVR R TXH WUD] PDLRU U£SLGD H IDFLOPHQWH ͤ[DV ¢ JXLD GH DOXP¯QLR
O gerador desenvolvido para a equipa FRQIRUWR 6¥R GH GHVWDFDU WDPE«P RV FLQ DWUDY«V GH PµGXORV HP SO£VWLFR SDUD R WHU
do Sporting CP/Tavira forneceu energia aos co modos de funcionamento das soluções PLQDOͤ[RFRPJUDPSRVHVHPQHFHVVLGDGH
equipamentos de suporte aos atletas durante GH DU FRQGLFLRQDGR GD PDUFD DXWRP£WLFR de furar. Na versão standardDVSDUWHVODWH
toda a exigente e icónica prova de ciclismo. IULR FDORU YHQWLOD©¥R H GHVXPLGLͤFD©¥R V¥R UDLV PHGHP GRLV PHWURV GH FRPSULPHQWR
&RP SRW¬QFLD GH  .YD R JHUDGRU PRQR DVRS©·HVGHTXHRFOLHQWHXVXIUXLHTXHOKH com uma distância entre apoios de 1 metro.
I£VLFR FRQVWUX¯GR HP FDQµSLD LQVRQRUL]DGD permitirão uma qualidade de vida superior. A *UD©DV DR SULQF¯SLR GH FRQVWUX©¥R DEHUWD
IRL HTXLSDGR FRP 0RWRU 0LWVXELVKL PRGHOR JDPDPRQRVSOLW3ULPH,QYHUWHU(DSUHVHQWD HYLWDVH TXH HYHQWXDLV FRUSRV HVWUDQKRV VH
6/6'13 DOWHUQDGRU 6WDPIRUG PR ainda dimensões compactas. acumulem e possam perturbar o funciona
GHOR 3,* FRQWURODGRU '6(  NLW GH Nunca esquecendo a sua posição eco PHQWR 1R HQWDQWR RSFLRQDOPHQWH WDPE«P
ͤFKDV$GHVWDFDURIDFWRGHDFDQµSLDGHVWH OµJLFD D 9XOFDQR DSUHVHQWD HTXLSDPHQWRV pode ser integrado um fundo. O sistema pode
gerador ter sido desenvolvida exclusivamente GH FODVVLͤFD©¥R HQHUJ«WLFD GH &ODVVH $ DW« VHUIDFLOPHQWHDGDSWDGR¢UHVSHWLYDFDOKDDU
SDUD HVWH SURMHWR 3DUD DO«P GLVVR IRL DSOL $RTXHWRUQDRVDSDUHOKRVEDVWDQWHHͤ WLFXODGD JUD©DV ¢ VXD FRQVWUX©¥R GH SULQF¯
cado em ambos os lados do gerador um su FLHQWHVDRPHVPRWHPSRTXHFRQWULEXLSDUD SLRPRGXODU&RPDSHQDVDOJXQVSDVVRVDV
porte deslizante especial para adaptação ao a redução do consumo de energia e do im larguras podem ser ajustadas ao conjunto de
autocarro que permite a utilização externa do pacto ambiental. JUDPSRVDWUDY«VGRFRQMXQWRGHPRQWDJHP
JUXSRHOHWURJ«QHRJDUDQWLQGRDVXDVHJXUDQ IRUQHFLGR FRP SHUͤV & $VVLP TXDVH WRGRV
ça e usabilidade. RVWDPDQKRVstandardsGHFDOKDVDUWLFXODGDV
A Grupel S.A. é um dos patrocinadores Forte e leve: a superguia em igus podem ser utilizados com a guia em alu
RͤFLDLV GD HTXLSD GH FLFOLVPR 6SRUWLQJ &3 alumínio para calhas articuladas mínio. A igus também fornece a superguia em
7DYLUD XPD VLQHUJLD HQWUH XP GRV PDLRUHV LJXV®/GD DOXP¯QLRMXQWDPHQWHFRPDFDOKDDUWLFXODGDH
clubes de Portugal e a equipa de ciclismo pro 7HOy)D[ os cabos (confecionados) como um sistema
ͤVVLRQDOPDLVDQWLJDGRPXQGRHPDWLYLGDGH LQIR#LJXVSWyZZZLJXVSW FRPSOHWR HQYLDQGRR SDUD WRGR R PXQGR ̰
ininterrupta – Clube de Ciclismo de Tavira. ,JXV3RUWXJDO pronto a instalar e a utilizar.

Nova gama de ar condicionado Eleri9: A energia que precisa!


da Vulcano com tecnologia $(OHFWULͤFDGRUD
Inverter DC 7HOy)D[
9XOFDQR JHUDO#DHOHFWULͤFDGRUDSW
7HOy)D[ ZZZDHOHFWULͤFDGRUDSWLQGH[KWPO
LQIRYXOFDQR#SWERVFKFRPyZZZYXOFDQRSW
9XOFDQR3RUWXJDO
A igus amplia a sua oferta de guias de apoio
para funcionamento seguro e isento de ma
QXWHQ©¥R HP DSOLFD©·HV GH FDOKDV DUWLFXOD
GDVVHPVXSRUWH(PVXSHUI¯FLHVLUUHJXODUHV
cargas dinâmicas elevadas ou ambientes $(OHUL«XPDPDUFDSRUWXJXHVDODQ©DGDHP
$9XOFDQRWHPYLQGRDWUDEDOKDUQRV¼OWLPRV VHQV¯YHLVDRUX¯GRDVJXLDVDMXGDPDPDQWHU RXWXEURGH
DQRVSDUDWUD]HURP£[LPRGHTXDOLGDGH DVFDOKDVDUWLFXODGDVFRPPRYLPHQWRVXDYH Na sua criação esteve sempre presente o
GH YLGD ¢V IDP¯OLDV SRUWXJXHVDV &RP D VXD HGHIRUPDHVW£YHO1DYHUV¥RPDLVUHFHQWHD princípio de dotar o mercado elétrico de uma
RIHUWDGHVROX©·HVGHDUFRQGLFLRQDGRD9XO especialista em motion plastics igus disponi PDUFD JHQHUDOLVWD TXH DSRVWD QD 4XDOLGDGH
cano dispõe de produtos bastante comple biliza agora uma solução leve e duradoura em Segurança e Economia primando também
tos que garantem o conforto a quem deles DOXP¯QLRUHVLVWHQWH¢FRUURV¥RTXHSRGHVHU SHOD GLIHUHQFLD©¥R SDWHQWHV WDQWR QD GLVWLQ
XVXIUXLU 2V VHXV DSDUHOKRV GH DU FRQGLFLR WRWDOHIDFLOPHQWHDGDSWDGDDTXDOTXHUFDOKD ção do design como na introdução contínua
QDGR DSUHVHQWDP LQ¼PHUDV HVSHFLͤFLGDGHV DUWLFXODGDLJXVJUD©DVDXPDUHJXOD©¥RIOH[¯ de novos produtos.
que os tornam numa opção ideal para quem vel da largura. 3DVVDGRVVHLVDQRVD(OHULRIHUHFHXPD
quer despender o seu tempo em ambientes (P SDUWLFXODU QR FDVR GH FDOKDV DUWL JDPD JHQHUDOLVWD GH SURGXWRV SDVVDQGR
DJUDG£YHLV FXODGDV KRUL]RQWDLV VHP VXSRUWH DV JXLDV SHOD LOXPLQD©¥R /(' O¤PSDGDV H OXPLQ£
Uma das caraterísticas inovadoras da permitem um assentamento mais suave e ULDV  HͤFL¬QFLD HQHUJ«WLFD H FRPSRQHQWHV
nova gama de ar condicionado é a tecnologia VHJXUR GD SDUWH LQIHULRU GD FDOKD $ SDU GDV elétricos. Esta forma de atuar no mercado
Inverter DC que consiste num inversor eletró YHUV·HVM£GLVSRQ¯YHLVHPFKDSDJDOYDQL]DGD SHUPLWLX ¢ PDUFD WHU M£ DOFDQ©DGR D FRQ
nico da velocidade dos compressores e ven H D©R LQR[LG£YHO D LJXV GLVSRQLELOL]D DJRUD ͤDQ©D WDQWR GH FOLHQWHV SURͤVVLRQDLV FRPR
WLODGRUHV R TXH SHUPLWH XPD DGDSWD©¥R GR uma versão mais leve em alumínio anodiza ͤQDLV VHMDP HOHV SDUWLFXODUHV RX LQVWLWX
HTXLSDPHQWR ¢V QHFHVVLGDGHV GR XWLOL]DGRU GR$WUDY«VGDDQRGL]D©¥RRPHWDOWRUQDVH FLRQDLV 3URYD GHVWD FRQͤDQ©D « D SDUFHULD

www.oelectricista.pt o electricista 61
notícias 37

HVWDEHOHFLGDFRPD('3DRORQJRGRV¼OWLPRV JDPDGH)RUPD©¥R7«FQLFD6(:FHUWLͤFDGD 029,3/& FRP P£[LPR GH RLWR SDUWLFLSDQ


WU¬V DQRV TXH GLVWULEXL SURGXWRV (OHUL SDUD e as respetivas datas. Estas sessões com tes). Outras sessões de formação serão reali
SURPRYHU D XWLOL]D©¥R HͤFLHQWH GD HQHUJLD preendem formação em: Conversores de zadas a pedido.
elétrica. Frequência MOVITRAC®%029,75$&® LT;
‹ HVWD FRQͤDQ©D H HQHUJLD FRQVWUX¯GD Sistemas Descentralizados MOVIMOT® ; MO
com os seus parceiros e clientes que permi VIFIT®; Controladores Vetoriais MOVIDRIVE® TEV2 disponibiliza apoio técnico
WH¢(OHFWULͤFDGRUDFRQWLQXDUDGHVHQYROYHUD %0RWLRQ&RQWUROOHU029,3/&3URJUDPD©¥R sobre ITED
PDUFD(OHULHDDSRVWDUHPVROX©·HVLQWHOL em IPOS; e Acionamentos Eletromecânicos. 7(9̰'LVWULEXL©¥RGH0DWHULDO(O«FWULFR/GD
JHQWHVTXHSULPHPSHODTXDOLGDGHVXVWHQWD 2V )RUPDGRUHV GD 6(:(852'5,9( 7HOy)D[
bilidade e boa relação qualidade/preço. 32578*$/ /GD HVW¥R WRGRV KDELOLWDGRV LQIR#WHYSWyZZZWHYSW
FRP &$3 &HUWLͤFDGR GH $SWLG¥R 3URͤVVLR
QDO &RPRHQWLGDGHFHUWLͤFDGDSHOD'LUH©¥R
SEW-EURODRIVE Portugal: *HUDOGR(PSUHJRHGDV5HOD©·HVGH7UDEDOKR
Formação certificada '*(57 DIRUPD©¥RW«FQLFDPLQLVWUDGDSHOD
– 2.º semestre 6(:(852'5,9( 3RUWXJDO SRVVLELOLWD DRV
6(:(852'5,9(3RUWXJDO &OLHQWHV R DFHVVR DRV DSRLRV S¼EOLFRV SDUD
7HO desenvolver as competências dos seus cola
LQIRVHZ#VHZHXURGULYHSWyZZZVHZHXURGULYHSW ERUDGRUHVQRPHDGDPHQWHQR¤PELWRGDPH
GLGD&KHTXH)RUPD©¥R(VWDPHGLGDFRQVWL
TIPO DE SESSÃO DATA LOCAL WXL XPD PRGDOLGDGH GH ͤQDQFLDPHQWR GLUHWR A TEV2 tem vindo a disponibilizar apoio téc
ACIONAMENTOS
ELECTROMECÂNICOS
 6(:0HDOKDGD GDIRUPD©¥RDDWULEXLU¢VHQWLGDGHVHPSUHJD nico sobre ITED a projetistas e instaladores.
SISTEMAS doras ou aos ativos empregados (para mais Consciente das restritas regulamentações
 6(:0HDOKDGD
'(6&(175$/,=$'26 LQIRUPD©·HV 3RUWDULD Q|  GH  GH no mercado das telecomunicações e de
MOVIDRIVE B  6(:/LVERD
MOVITRAC B  6(:0HDOKDGD
agosto). modo a apoiar os diversos interlocutores
MOVITRAC LT  6(:/LVERD $ SU«LQVFUL©¥R GH SDUWLFLSDQWHV GHYHU£ SUHVHQWHV QXPD LQVWDOD©¥R ,7(' D 7(9
VHUHQYLDGDDW«GLDVDQWHVGDGDWDGDIRU através da marca própria TEV “made in Por-
$ 6(:(852'5,9( 32578*$/ /GD HP PD©¥R FDUHFHQGR D PHVPD GH DSURYD©¥R tugal̹ FRQFHGH DSRLR QD RU©DPHQWD©¥R H
presa formadora acreditada pela DGERT (Di D TXDO RFRUUHU£ QR OLPLWH DW« FLQFR GLDV DQ instalação garantindo deste modo uma maior
reção Geral de Empresas e das Relações de WHVGDGDWDGDVHVV¥R2Q¼PHURGHSDUWLFL aproximação. A equipa de apoio técnico
7UDEDOKR G£DFRQKHFHUDRVVHXVFOLHQWHVD SDQWHVSRUVHVV¥RHVW£OLPLWDGRD H[FHWR com elevado sentido de responsabilidade e

PUB
38 notícias

SURͤVVLRQDOLVPRGHVHQYROYHVROX©·HV¢PH Schneider Electric reforça referência no mercado multifuncional que


GLGDGHIRUPDDDFRPSDQKDUVHPSUHDHYR certificação CISCO do APC IRUQHFH XP DPELHQWH ͤ£YHO GH PRQWDJHP
lução tecnológica e a exigência do mercado NetShelter SX em bastidores para equipamentos críticos. O
GHWUDEDOKR1RVHQWLGRGHLQIRUPDURVLQWHU 6FKQHLGHU(OHFWULF3RUWXJDO 1HW6KHOWHU6;6KRFN3DFNDJLQJHVW£GLVSRQ¯
locutores presentes numa instalação ITED 7HOy)D[ vel globalmente como uma solução autóno
acerca dos novos produtos a equipa de apoio SWDWHQGLPHQWRFOLHQWH#VFKQHLGHUHOHFWULFFRP ma através de distribuidores de TI e parceiros
organiza ações de formação de índole técni ZZZVFKQHLGHUHOHFWULFSW GHFDQDO(VW£WDPE«PGLVSRQ¯YHODWUDY«VGH
FDVHPSUHTXHQHFHVV£ULRSDUDDSUHVHQWD©¥R integradores de sistema como parte de um
GDVERDVSU£WLFDVGHVWDFDQGRRULJRUTXDOL $ 6FKQHLGHU (OHFWULF HVSHFLDOLVWD JOREDO HP sistema convergente da Cisco. Para mais in
GDGH VHJXUDQ©D FRQͤDQ©D H HͤFL¬QFLD GRV JHVW¥R GH HQHUJLD H DXWRPD©¥R DQXQFLRX formação acerca da gama de produtos APC
produtos da marca TEV. TXH R EDVWLGRU $3& 1HW6KHOWHU 6; ,7 FRP 1HW6KHOWHUYLVLWHZZZDSFFRPSW
Shock PackagingHVW£DJRUDFHUWLͤFDGRSDUD
VHU HQYLDGR FRPR XP SDFRWH SU«LQWHJUDGR
WEG anuncia entrada no nos servidores CISCO UCS. Através desta va Calculadora ROI para máquina
mercado eólico indiano OLGD©¥RD$3&IRUQHFHDRVVHXVSDUFHLURVGH Perforex da Rittal
:(*HXUR̰,QG¼VWULD(O«FWULFD6$ canal e clientes a garantia de compatibilidade 5LWWDO3RUWXJDO
7HOy)D[ de sistemas convergentes comprovada e tes 7HOy)D[
LQIRSW#ZHJQHWyZZZZHJQHWSW WDGDSHUPLWLQGRTXHRVPHVPRVLPSOHPHQ LQIR#ULWWDOSWyZZZULWWDOSW
tem tecnologias de informação mais rapida
mente do que nunca.
+RMHHPGLDDVHPSUHVDVHQIUHQWDPXPD
SUHVV¥R FUHVFHQWH SDUD DFRPSDQKDU R U£SL
do crescimento do Big Data e da Internet das
Coisas (IoT). Para apoiar as novas exigências
GHVVDVWHQG¬QFLDVRVDPELHQWHVGH7,HVW¥R
D WRUQDUVH DOWDPHQWH GLVWULEX¯GRV H FRQ
YHUJHQWHV GHYHQGR VHU IOH[¯YHLV IDFLOPHQWH
UHSOLF£YHLV H GH U£SLGD LPSOHPHQWD©¥R 1R
A WEG S.A. anunciou os seus planos de fabri HQWDQWR SDUD RUJDQL]D©·HV TXH XWLOL]DP RV Os centros de maquinação Perforex da gama
FDUDHURJHUDGRUHVQDXQLGDGHIDEULOGH+RVXU VHUYLGRUHV&LVFR8&6DHVFROKDGDVVROX©·HV Rittal Automation Systems estão adaptados
QDQGLDEHPFRPRDHQWUDGDGDHPSUHVDQR de suporte a infraestrutura física tem sido para as necessidades dos fabricantes de so
mercado eólico indiano. EDVWDQWH OLPLWDGD DW« DJRUD RV VHUYLGRUHV luções de automação. Eles são ideais para a
$HPSUHVDSUHWHQGHDGHTXDUVXDI£EULFD &LVFR 8&6 SU«LQVWDODGRV HUDP DXWRUL]DGRV SURGX©¥RDXWRP£WLFDGHIXURVFRUWHVHURV
GH PRWRUHV H JHUDGRUHV QR HVWDGR GH 7DPLO para distribuição apenas com os bastidores FDVHPSODFDVGHPRQWDJHPDUP£ULRVHSDL
1DGX SUµ[LPR GH %DQJDORUH SDUD WDPE«P da série CISCO R. Isso reduziu a capacidade néis laterais. Os sistemas Perforex são ade
IDEULFDUDHURJHUDGRUHVGH0: das organizações de otimizarem a infraestru quados para todos os materiais tipicamente
$:(*QGLDWHPPLOPHWURVTXDGUDGRV tura física através de um sistema convergen HQFRQWUDGRV HP DXWRPD©¥R LQFOXLQGR D©R
GH £UHD FRQVWUX¯GD H DSUR[LPDGDPHQWH  WH&LVFR8&6DXPHQWDQGRDFRPSOH[LGDGHH DOXP¯QLRFREUHHSO£VWLFRV$O«PGLVVRXPD
colaboradores. “A concepção modular do nos- o time to market. Esse facto também limitou IHUUDPHQWDDXWRP£WLFDGHDOWHUD©·HVSHUPLWH
so parque fabril permite atender à necessidade o negócio para parceiros. P¼OWLSODVWDUHIDVQXPD¼QLFDRSHUD©¥RVHP
de expansão da Empresa com investimentos &RPR SDUFHLURV D $3& H D &LVFR HVW¥R DQHFHVVLGDGHGHLQWHUYHQ©¥RKXPDQD$LP
razoavelmente baixos, limitados apenas a al- a atender as necessidades dos parceiros de portação do layout do projeto elétrico e dos
JXQV GLVSRVLWLYRV XWLOL]DGRV HVSHFLͤFDPHQ- canal e dos clientes com vista a uma solu GDGRVGHHQJHQKDULDHO«WULFDDWUDY«VGRsoft-
te na fabricação dos aerogeradores̹ H[SOLFD ©¥RFRPSOHWDͤ£YHOUHSOLF£YHOHUDSLGDPHQWH ware(3/$13UR3DQHOPHOKRUDDLQGDPDLVD
6ZDSQLO.DXVKLN'LUHWRUGD:(*QGLD LPSOHPHQW£YHO DVVHJXUDQGR 3UHYLVLELOLGD produtividade.
Com capacidade de absorver a produção GH QXP 0XQGR &RQHWDGR $R WUDEDOKDUHP $ )LOO XPD P«GLD HPSUHVD GH HQJHQKD
GHDW«0:SRUDQREHPFRPRSURGX]LUDV em conjunto num sistema comprovado e no ULDDXVWU¯DFDDGTXLULXRVLVWHPD3HUIRUH[HP
QDFHOHVJHUDGRUHVHhubsDXQLGDGHLQGLDQD design GH UHIHU¬QFLD R µQXV GD UHVSRQVDEL ,VWRSHUPLWLXXPDUHGX©¥RGHGRLVWHU
HVWDU£DSWDSDUDIRUQHFHURVSULPHLURVHTXL lidade para com parceiros de canal e clientes ©RVQRWHPSRQHFHVV£ULRSDUDDPDTXLQD©¥R
SDPHQWRVDSDUWLUGH(QTXDQWRLVVRD para garantir a compatibilidade do sistema é GHSH©DVSODQDVSDUDRVDUP£ULRV$LQWHJUD
HPSUHVDLQLFLDU£DVDWLYLGDGHVFRPHUFLDLVGH UHPRYLGRUHGX]LQGRRVFXVWRVHRWHPSRGH ção perfeita de dados tem um papel funda
captação de contratos de fornecimento e de LPSOHPHQWD©¥R $O«P GLVVR D FHUWLͤFD©¥R PHQWDO D HQJHQKDULD HO«WULFD H DV LQIRUPD
desenvolvimento dos fornecedores locais. GR1HW6KHOWHU6;FDSDFLWDDLQGDXPDDPSOD ções de layoutGRSURMHWRHO«WULFRJHUDGDVQR
6HJXQGR -R¥R 3DXOR *XDOEHUWR GD 6LOYD gama de infraestruturas físicas de TI da APC software EPLAN Pro Panel são transferidas
'LUHFWRU GH (µOLFD GD :(* D QGLD DSUHVHQWD SHOD 6FKQHLGHU (OHFWULF LQFOXLQGR LQWHJUD©¥R para o sistema Perforex para uso imediato na
condições bastante atraentes para a Empresa. contínua de energia e o respetivo arrefeci produção. A Fill produz anualmente cerca de
“Além de ser o 4.º maior mercado do mundo PHQWR FRP D DUTXLWHWXUD PRGXODU HVFDO£YHO HQYROYHQWHVHDUP£ULRV
em geração de energia eólica, o país oferece InfraStruxureTM para Centros de Dados e $O«PGLVVRD5LWWDOFULRXXPDFDOFXODGR
uma excelente cadeia de fornecedores para Micro Data Center Xpress para ambientes de ra online que demonstra como um sistema
aerogeradores e custos de produção muito Edge Computing, atualmente disponíveis na Perforex pode fornecer um retorno de inves
competitivos”. A entrada da WEG no mercado $P«ULFDGR1RUWH5HLQR8QLGR)UDQ©DHHP WLPHQWRU£SLGRHWDQJ¯YHOPHVPRSDUDEDL[RV
HµOLFRLQGLDQRIRLDQXQFLDGDQRGLDGHDEULO WRGDD(XURSDHP volumes de produção (www.rittal.com/roi
QDQGLDGXUDQWHD:LQGHUJ\IHLUDQDFLRQDOGH &RP PDLV GH XP PLOK¥R GH XQLGDGHV FDOFXODWRU  2V FOLHQWHV VLPSOHVPHQWH LQVH
HQHUJLDHµOLFDUHDOL]DGDHP1RYD'«OL YHQGLGDV R 1HW6KHOWHU 6; « XP EDVWLGRU GH UHPDTXDQWLGDGHW¯SLFDGHIDEULFD©¥RRFLFOR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
40 notícias

GHWHPSRGHIDEULFD©¥RDWXDOHFXVWRGRWUD intenso no campo da distribuição de tensão W¬P FODVVLͤFD©¥R ,3 2V GLVSRVLWLYRV V¥R
EDOKRSRUKRUDHDIHUUDPHQWDweb calcula o GHFRQWURORFRPRdesign de soluções que se LGHDLV SDUD VLWXD©·HV HP TXH « QHFHVV£ULR
período de recuperação correspondente para afastam da fabricação individual complexa um designUREXVWRHFRPSDFWRSRGHQGRVHU
uma variedade de modelos Perforex. dentro do quadro e se aproximam do fabrico XVDGRV HP GLYHUVDV DSOLFD©·HV LQFOXLQGR
$O«P GD 3HUIRUH[ H FDOFXODGRUD 52, D de interfaces padrões. As soluções efetivas WUDQVSRUWDGRUHV $9$& H ERPEDV $V XQLGD
JDPD5LWWDO$XWRPDWLRQ6\VWHPVDSUHVHQWRX TXHIRUDPGHVHQYROYLGDVQHVWD£UHDLQFOXHP des estão disponíveis em caixas de alumínio
QD IHLUD +DQQRYHU  QRYDV IHUUDPHQWDV sistemas de conetores plug-in PRGHUQRV injetado com pintura epóxi em duas cores e
para processamento de cobre. Um produto FRPR FRGLͤFD©¥R 6 FRGLͤFD©¥R 7 RX FRGL V¥RI£FHLVGHRSHUDUUHTXHUHQGRDSHQDVXPD
para dobragem e perfuração em barramentos ͤFD©¥R/ SURJUDPD©¥R VLPSOHV RX PHVPR QHQKXPD
de cobre é a adição mais recente a uma am $V Y£ULDV HWDSDV GH SHUVRQDOL]D©¥R UH 2VFRQYHUVRUHVGHDOWDTXDOLGDGHHͤDELOLGDGH
pla gama de ferramentas elétricas e manuais presentam uma vantagem importante no GD V«ULH 56'$ SRU H[HPSOR SURSRUFLRQDP
para produção de soluções de automação. planeamento e instalação de soluções plug- SRW¬QFLDV GH  D  N: H DSUHVHQWDP
-and-play. Dependendo das necessidades programação de senso comum (CSP) para
HVSHF¯ͤFDV DV FRPELQD©·HV SDGU¥R GH FD organizar parâmetros em grupos intuitivos e
Tecnologia plug-and-play em vez bos e conetores podem ser encomendadas I£FHLV GH FRPSUHHQGHU $OJXQV GLVSRVLWLYRV
de ligação por fios complexa GLUHWDPHQWHRXFRPELQD©·HVSHUVRQDOL]DGDV da gama incluem também funcionalidades
:HLGP¾OOHṴ6LVWHPDVGH,QWHUIDFH6$ podem ser planeadas e produzidas com o como compatibilidade com o protocolo de
7HOy)D[ FRQVHOKRGHHVSHFLDOLVWDVGD:HLGP¾OOHU'H FRPXQLFD©·HV 0RGEXV PRQLWRUHV GH TXD
ZHLGPXOOHU#ZHLGPXOOHUSWyZZZZHLGPXOOHUSW XP¼QLFRDUWLJRRFRQͤJXUDGRUon-line pode WUR G¯JLWRV SURJUDP£YHLV /(' LQGLFDGRUHV
ser usado para planear e solicitar variantes de estado e teclados multifuncionais. Além
personalizadas com diferentes comprimen GLVVRRVSUH©RVV¥RDOWDPHQWHFRPSHWLWLYRV
WRVGHFDERFRQHWRUHVFRUHVHPDUFDGRUHV comparando com unidades digitais com mui
&RPELQD©·HVH[FOXVLYDVGHVHQYROYHPVHGH WDVIXQFLRQDOLGDGHVPDVTXHUHTXHUHPSUR
forma conjunta e os conetores são adapta gramação complexa e/ou são fornecidas em
GRV¢VQHFHVVLGDGHVGRFOLHQWHGHVHJXLGDD FDL[DVGHSO£VWLFRPHQRVUREXVWDV
Weidmüller inicia a produção. (VW£WDPE«PGLVSRQ¯YHOXPDV«ULHGHLQ
WHUUXSWRUHVDOWDPHQWHͤ£YHLVSDUDDXWLOL]D©¥R
com uma seleção de conversores RS Pro.
RS Components amplia 3RU H[HPSOR R LQWHUUXSWRU GH DOLPHQWD©¥R
Como especialistas no campo da conetividade o portefólio RS Pro RSACDC foi concebido para a utilização com
elétrica e fornecedores de uma ampla gama 56&RPSRQHQWV R FRQYHUVRU 56$&' R kit de interruptor
GHFRQHWRUHVHVROX©·HVGHOLJD©¥RSRUͤRVD 7HOy)D[ pode ser instalado na tampa dianteira de uma
Weidmüller fornece ferramentas perfeitas para PDUNHWLQJVSDLQ#UVFRPSRQHQWVFRP XQLGDGHSDUDSHUPLWLUDGHVFRQH[¥RGDOLQKD
a instalação de futuros sistemas industriais. SWUVRQOLQHFRP CA positiva.
Qualquer pessoa que pretenda instalar um
atuador ou sensor no campo deve usar algum
WLSR GH FRQHWLYLGDGH HO«WULFD JHUDOPHQWH QD Pronodis lança iMSENS®
IRUPDGHXPDVROX©¥RGHͤRVTXHLQFOXLFRQH 3URQRGLV̰6ROX©·HV7HFQROµJLFDV/GD
tores plug-in. Uma maior modularização sig 7HOy)D[
QLͤFDTXHDVDSOLFD©·HVHVW¥RFDGDYH]PDLV SURQRGLV#SURQRGLVSWyZZZSURQRGLVSW
pequenas e requerem um sistema de rede SURQRGLVVROXFRHVWHFQRORJLFDVSURQRGLV
cada vez mais complexo. Com a sua ampla
JDPDGHFDERVGHFRQH[¥RSU«IDEULFDGRVD
Weidmüller oferece um sistema modular que
cumpre todos os requisitos possíveis. As solu $56&RPSRQHQWV 56 PDUFDFRPHUFLDOGD
ções plug-and-playWRWDOPHQWHSU«IDEULFDGDV (OHFWURFRPSRQHQWV SOF /6((&0  XP GRV
HFRQRPL]DPWHPSRHGLQKHLUR maiores distribuidores de produtos e serviços
$V £UHDV GH DSOLFD©¥R LQGLYLGXDLV SRU GH HOHWUµQLFD H PDQXWHQ©¥R D Q¯YHO PXQGLDO $3URQRGLVODQ©DU£HVWH2XWRQRQRPHUFDGR
H[HPSORQRFDPSRGDWHFQRORJLDGHFRQH[¥R HVW£DDPSOLDUDVXDV«ULHGHSURGXWRV563UR a sua marca própria iMSENS®. Esta é uma
UREµWLFDV¥RDPSODV,QGHSHQGHQWHPHQWHGR com uma vasta gama de conversores CA de marca registada no Instituto Nacional da
TXH « QHFHVV£ULR VHMD XPD VROX©¥R SHUIHL I£FLO LQVWDOD©¥R H XWLOL]D©¥R &RPR FRPSOH Propriedade Industrial que inclui detetores de
WD SDUD FDERV DWXDLV GH FRQWUROR OLJD©¥R GH PHQWR¢YDVWDJDPDGHFRQYHUVRUHV&$FR PRYLPHQWRHSUHVHQ©DFRPPROGHVSUµSULRV
sinais de sensores ou ligação digital de uma PHUFLDOL]DGRV SHOD 56 DV V«ULHV GH GLVSRVL registados no mesmo Instituto.
UHGH(WKHUQHWFRPGLYHUVRVWLSRVGHFRQHWR WLYRV56$&560.560$H56'$V¥RLGHDLV A gama de artigos inclui detetores de mo
UHVD:HLGP¾OOHUSRGHFREULUWRGDDJDPDGH para aplicações de controlo de motores CA YLPHQWR H SUHVHQ©D GH DSOLFD©¥R VDOLHQWH H
SURGXWRV QHFHVV£ULRV H RIHUHFHU D SURGX©¥R requeridas por técnicos de manutenção e fa GHHPEXWLUSRULQIUDYHUPHOKRVHDOWDIUHTX¬Q
doméstica correspondente. EULFDQWHVGHP£TXLQDVQDVLQG¼VWULDVGHSUR cia e fotocélula crepuscular. E também uma
$ SDUWLU GH XP ¼QLFR DUWLJR SRGHP VHU cessamento e infraestruturas. gama de iluminação com inovadores projec
solicitados os produtos standard GHͤQLGRVRX Concebida para utilização com moto tores LED com Bluetooth e apliques com cas
FRQͤJXUDGRV DWUDY«V GR VLVWHPD on-line. A UHV GH LQGX©¥R &$ PRQRI£VLFRV H WULI£VLFRV TXLOKR(H/('V
SHGLGRGRFOLHQWHDSURGX©¥R«SHUVRQDOL]DGD QXPD YDVWD JDPD GH SRW¬QFLDV D V«ULH 56 &RP HVWD YDULDGD JDPD WHPVH DVVLP
e os novos desenvolvimentos são realizados. 3URLQFOXLFRQYHUVRUHV&$DPDLRULDFRP XPD VROX©¥R SDUD FDGD UHTXLVLWR D XP SUH
1HVWH VHQWLGR QRV ¼OWLPRV DQRV H[SHULPHQ FODVVLͤFD©¥R ,3 ¢ SURYD GH LQWHPS«ULHV  ©RFRPSHWLWLYRHVHPSUHDOLDGR¢TXDOLGDGHD
tamos um desenvolvimento particularmente sendo que os dois modelos da série RSMK TXHD3URQRGLVM£KDELWXRXRPHUFDGR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
42 notícias

Novos cabos de servomotor com DPHOKRUHVFROKDHLQGLFDDGXUD©¥RGHYLGD UHIHU¬QFLDGHPHUFDGRHP3RUWXJDOUHJLVWRX


o raio de curvatura mais pequeno HVWLPDGDGHFDGDFDERHPQ¼PHURGHFLFORV QRSULPHLURVHPHVWUHGHYHQGDVQRYD
do mundo ao introduzir os respetivos parâmetros da ORUGHPLOK·HVGHHXURVRTXHHTXLYDOHD
LJXV®/GD DSOLFD©¥R2VFOLHQWHVSRGHPHVFROKHURFDER XPFUHVFLPHQWRGHSRUFHQWRUHODWLYDPHQ
7HOy)D[ LGHDOHPDLVHFRQµPLFRTXHIXQFLRQHGHIRU WHDRPHVPRSHU¯RGRGH
LQIR#LJXVSWyZZZLJXVSW PDͤ£YHOQDVVXDVDSOLFD©·HV $V H[SRUWD©·HV TXH UHSUHVHQWDP PDLV
,JXV3RUWXJDO GH  GD IDWXUD©¥R GD HPSUHVD FUHVFH
UDP  OLJHLUDPHQWH DFLPD GD WD[D JOREDO
Phoenix Contact reforça posição 2 PHUFDGR HXURSHX IRL R UHVSRQV£YHO SHOD
em sistemas de marcação PDLRUIDWLDGDVYHQGDVSDUDRH[WHULRU$PH
e de instalação OKRULDGDLPDJHPGDPDUFDHRDXPHQWRGR
3KRHQL[&RQWDFW6$ mercado são as principais razões apontadas
7HOy)D[ SHOD ()$3(/ SDUD R FUHVFLPHQWR YHULͤFD
ZZZSKRHQL[FRQWDFWSW GR 6HJXQGR $P«ULFR 'XDUWH SUHVLGHQWH GD
HPSUHVD R VXFHVVR ̸MXVWLͤFDVH SRU FRQVH
guirmos que o consumidor percepcione que
a EFAPEL tem a melhor relação qualidade/
1DSDVVDGD636,3&'ULYHVDLJXVDSUHVHQ 2JUXSR3KRHQL[&RQWDFWDGTXLULXDHPSUHVD preço e serviço do mercado”. No mercado
WRX D VXD QRYD V«ULH GH FDERV GH VHUYRPR (SVLORQ (*HVHOOVFKDIW I¾U WHFKQLVFKH ,QIRU LQWHUQR HP HVSHF¯ͤFR « GH VDOLHQWDU ̸a no-
WRU &) XPD GDV QRYDV IDP¯OLDV GH FDERV PDWLNPE+DGHDJRVWRGH(VWDHP toriedade conseguida pela EFAPEL ao longo
de elevada performance para movimentos SUHVD ORFDOL]DGD HP 9LOOLQJHQ6FKZHQQLQ dos últimos anos como importante fator de
FRQW¯QXRV HP FDOKDV DUWLFXODGDV FRP XP JHQ $OHPDQKD « HVSHFLDOLVWD HP VLVWHPDV crescimento̹UHIHUHDLQGD
UHYHVWLPHQWR H[WHULRU HP 73( LVHQWR GH KD incorporados e tecnologias de impressão. O grande aumento da procura obrigou a
ORJ«QHRV(VWDH[WHQV¥RGDJDPDGHSURGX 'HVGH D VXD IXQGD©¥R HP  D HPSUHVD HPSUHVDGH6HUSLQVDXPDMXVWHQDVXDFDSD
WRV RIHUHFH QRYDV SRVVLELOLGDGHV QR IRUQHFL evoluiu de um prestador de serviços para um FLGDGHGHSURGX©¥RLQVWDODGDRTXHLPSOLFRX
PHQWRGHHQHUJLDDVLVWHPDVLQGXVWULDLVSDUD IRUQHFHGRU GH VLVWHPDV $ QRYD VXEVLGL£ULD XPUHIRU©RQD£UHDGRVUHFXUVRVKXPDQRV$
DSOLFD©·HVFRPFRQGL©·HVPXLWRH[LJHQWHVD que começou a operar sob o nome comercial ()$3(/ FRQWDYD QR ͤQDO GH  FRP 
nível de temperatura ambiente ou de reduzido 3KRHQL[ &RQWDFW ,GHQWLͤFDWLRQ *PE+ D SDU colaboradores e durante o semestre passou a
espaço de instalação. WLUGHGHDJRVWRGHDFUHVFHQWDU£RV contar com um quadro de 362 colaboradores.
A nova série de cabos de servomotor VHXV SURGXWRV ¢ JDPD DWXDO GH VLVWHPDV GH 2 QRYR PµGXOR HP SOHQD IDVH GH FRQV
chainflex &) DSUHVHQWD XPD FRQͤJXUD©¥R PDUFD©·HVHGHLQVWDOD©¥RGD3KRHQL[&RQ WUX©¥RWHPFRQFOXV¥RSUHYLVWDSDUDQRYHP
GRVFRQGXWRUHVRWLPL]DGDSDUDRPRYLPHQWR WDFW 8PD DERUGDJHP VLVWHP£WLFD WHP VLGR EUR GH  H HQWUDGD HP IXQFLRQDPHQWR
combinada com um revestimento interior em VHJXLGD SHOD 3KRHQL[ &RQWDFW SDUD RIHUHFHU SDUDDEULOGH(VWHVHU£RTXDUWRPµGXOR
73( H[WUXGLGR ¢ SUHVV¥R TXH JDUDQWH DLQGD software, hardware e serviços como solução GDI£EULFDGH6HUSLQVDTXHDFUHVFHXPRX
mais estabilidade e um revestimento exterior JOREDO SDUD SURͤVVLRQDLV (P SDUWLFXODU D WURQD/RXV¥'HVDOLHQWDUDLQGDRIDFWRGHD
HP73(DOWDPHQWHIOH[¯YHO(VWDV«ULHGHHOH RIHUWDGHVROX©·HVGR3KRHQL[&RQWDFWIRLH[ ()$3(/WHUUHQRYDGRUHFHQWHPHQWHRFRQWUD
vada performance oferece os mais pequenos SDQGLGDSDUDLQFOXLUDH[SHUL¬QFLDUHF«PDG to de patrocínio com a equipa de futebol da
UDLRVGHFXUYDWXUDHPFDERVGHVHUYRPRWRU quirida na tecnologia de impressão LED UV. Académica de Coimbra e de ter a sua equipa
DW«VHQGRSRULVVR¼QLFDQRPHUFDGR “Nós vemos esta empresa como nosso think GH FLFOLVPR D FRPSHWLU QD l 9ROWD D 3RU
$QRYDV«ULHRIHUHFHXPDVROX©¥RFRPJDUDQ tank para novos desenvolvimentos e estraté- WXJDODO«PGDSDUWLFLSD©¥RHPRXWUDVSURYDV
WLD QXPD JDPD GH WHPSHUDWXUDV DW« r& gias voltadas para o futuro na área de tecno- velocipédicas nacionais.
podendo até ser utilizada nas aplicações com logia e ferramentas de impressão̹GL]6DQGUD
PRYLPHQWR HP DUPD]«QV IULJRU¯ͤFRV ,VVR « .ORFNH9LFH3UHVLGHQWHGD8QLGDGHGH1HJµ
SRVV¯YHO JUD©DV DR PDWHULDO GR UHYHVWLPHQ cios de Marcação e Instalação. “A nova sub- PLC 2017: 12.ª edição realiza-se
WRH[WHULRUHP73(LVHQWRGHKDORJ«QHRVGD sidiária continuará a oferecer ao mercado os na Figueira da Foz
LJXV TXH WDPE«P RIHUHFH XPD UHVLVW¬QFLD seus produtos e serviços nos canais de distri- 3/&̰1RYDV7HFQRORJLDV
TXDVHLOLPLWDGDDµOHRV(VWHPDWHULDOM£«XWLOL buição habituais̹UHIHUHDLQGD ZZZSOFSRUWXJDOHX
zado noutras séries de cabos chainflex desde
K£PXLWRVDQRV3DUDRIHUHFHUDRVVHXVFOLHQ
WHVXPDVROX©¥RDLQGDPHOKRUDLJXVH[SDQ EFAPEL cresce 20% no 1.º semestre
diu a sua gama de cabos de elevada perfor- ()$3(/̰(PSUHVD)DEULOGH3URGXWRV(O«FWULFRV6$
mance com este novo cabo de servomotor e 7HOy)D[
uma série adicional de cabos de dados e bus. HIDSHO#HIDSHOSWyZZZHIDSHOSW
7RGRVRVFDERVIRUDPWHVWDGRVFRPVX
FHVVR QXPD F¤PDUD FOLP£WLFD FRP FDUJDV
PHF¤QLFDV H WHPSHUDWXUDV UHDLV QR ODER
UDWµULR GH WHVWHV GD LJXV FRP RV VHXV 
m2 $VVLP D LJXV SRGH JDUDQWLU QRV FDERV
TXHSURGX]XPDGXUD©¥RGHYLGDGHPH ‚VHPHOKDQ©DGDVHGL©·HVDQWHULRUHVDVHP
VHVSDUDWRGRVHOHV(LVWRDSOLFDVHPHVPR SUHVDV 5,77$/ 3+2(1,; &217$&7 H 0 0
QRV FDERV FRP HOHYDGD GLQ¤PLFD H PRYL (QJHQKDULD UHSUHVHQWDQWH (3/$1 HP 3RU
mentos muito complexos. A ferramenta de WXJDO YROWDP D MXQWDUVH QD RUJDQL]D©¥R GR
F£OFXOR GH GXUD©¥R GH YLGD FKDLQIOH[ ZZZ $ ()$3(/ PDLRU IDEULFDQWH QDFLRQDO GH HYHQWRDQXDO3/&̰3URGXWLYLGDGH/LGHUDQ©D
LJXVSWZSFN&)BOLIHWLPH DMXGDDID]HU DSDUHOKDJHP HO«WULFD GH %DL[D 7HQV¥R H H&RPSHWLWLYLGDGHHOHJHQGRDLQG¼VWULDFRPR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
44 notícias

denominador comum e a qualidade de servi EDVHHPWHFQRORJLDSURWRFRORVHsoftware es FRP D QRYD VROX©¥R GH FRQH[¥R 5- GD
©RFRPRIDWRULQGLVSHQV£YHO peciais. O portefólio de comunicação da KEY (6&+$ FRP VD¯GD GH FDER D | 2 FRUSR
1R GLD  GH RXWXEUR GHFRUUHU£ D l 0,/(HVW£RULHQWDGRSDUDUHVSRQGHU¢SURFXUD GH DSHUWR YXOFDQL]DGR JDUDQWH VHJXUDQ©D
HGL©¥RGR3/&QR+RWHO(XURVWDUV2£VLV3OD GRVRSHUDGRUHVGHUHGHTXDQWR¢ͤDELOLGDGH estabilidade e também maior segurança na
]DQD)LJXHLUDGD)R] GLVSRQLELOLGDGH H VHJXUDQ©D FLEHUQ«WLFD WRU transmissão de dados. A ESCHA disponibili
(VWHDQRR3/&FRQWDU£FRPSDOHVWUDVH nando a empresa numa referência no campo za ainda o “multiclip̹HPFRUHVSDUDXPD
exposição de produtos e aplicações relacio das soluções críticas de comunicações. FRUUHWD LGHQWLͤFD©¥R GDV OLJD©·HV (WKHUQHW
nadas com o tema “Automação Industrial – “A ABB é referência global em redes de podendo este ser acoplado diretamente no
Soluções do Futuro”. Os participantes terão a comunicação para clientes de serviços pú- corpo do conetor (compatível nos modelos a
RSRUWXQLGDGHGHFRQKHFHUDVHYROX©·HVTXH blicos. A aquisição do negócio de comuni- GLUHLWRHD| 
RFRUUHPQDLQG¼VWULDHQDVWHFQRORJLDVEHP cações críticas da KEYMILE fortalecerá esta
FRPR FRQKHFHU DV VROX©·HV TXH SRGHU¥R posição e ampliará o alcance do mercado nos
DMXGDUDVHPSUHVDVDVXSHUDURVGHVDͤRVQD setores industrial, de transporte e de infraes- O borne do futuro
LPSOHPHQWD©¥RGD,QG¼VWULD trutura̹GLVVH&ODXGLR)DFFKLQ3UHVLGHQWHGD :HLGP¾OOHṴ6LVWHPDVGH,QWHUIDFH6$
Divisão Power Grids da ABB. “Esta operação 7HOy)D[
suporta os planos de crescimento e de digi- ZHLGPXOOHU#ZHLGPXOOHUSWyZZZZHLGPXOOHUSW
ABB adquire redes de talização como parte da oferta ABB Ability,
comunicação da KEYMILE para pois reforçamos a nossa posição de parceiro
fortalecer o portefólio digital de escolha, permitindo uma rede mais forte,
$%%6$ mais inteligente e mais ecológica”. A base de
7HOy)D[ negócios da KEYMILE inclui operadores de
PDUNHWLQJDEE#SWDEEFRPyZZZDEESW UHGHVGHHQHUJLDIHUURYLDVROHRGXWRVHJDVR
GXWRVEHPFRPRHQWLGDGHVS¼EOLFDV2V
colaboradores do negócio adquirido irão jun
WDUVH¢XQLGDGHGHQHJµFLRV*ULG$XWRPDWLRQ
da Divisão Power Grids da ABB.
2VERUQHVHVSHF¯ͤFRVGDDSOLFD©¥R.OLSSRQp
Connect permitem que a Weidmüller ofereça
ESCHA lança novos cabos RJ45 soluções muito atrativas para o fabricante de
%UHVLPDU$XWRPD©¥R6$ quadros Controller e para o fabricante das
7HOy)D[ P£TXLQDV:HPK¸QHU
7OPb As grandes prensas de ciclo curto da
EUHVLPDU#EUHVLPDUSWyZZZEUHVLPDUFRP :HPK¸QHU 6XUIDFH 7HFKQRORJLHV SHVDP DW«
$ $%% DQXQFLRX TXH FKHJRX D DFRUGR SDUD Y£ULDV FHQWHQDV GH WRQHODGDV 7UDEDOKDQGR
adquirir o negócio de aplicações críticas de FRP SUHVV·HV DW«  1FPt HVWDV SUHQ
comunicações do grupo KEYMILE para for VDVSURFHVVDPPDWHULDLV¢EDVHGHPDGHLUD
talecer o seu portefólio de redes de comuni como piso laminado e móveis dianteiros com
FD©¥R $ DTXLVL©¥R WUDU£ FRQVLJR SURGXWRV revestimento direto de melamina em ciclos
FKDYHVROX©·HVGHsoftwareHVHUYL©RVEHP GHDSHQDVXPVHJXQGR$:HPK¸QHU«XPD
FRPR FRQKHFLPHQWRV GH SHVTXLVD H GHVHQ UHIHU¬QFLD QR VHX VHWRU H DV VXDV P£TXLQDV
YROYLPHQWRHQULTXHFHQGRDLQGDPDLVDRIHUWD estão presentes em todo o mundo.
GLJLWDO GH UHIHU¬QFLD GD $%% $%% $ELOLW\ DR 3DUD JDUDQWLU R GHVHPSHQKR ͤ£YHO GH
adicionar tecnologias de comunicação extre SUHQVDVGHFLFORFXUWR«QHFHVV£ULRDOFDQ©DU
PDPHQWH ͤ£YHLV HVVHQFLDLV SDUD PDQWHU DV $ (VFKD PDUFD UHSUHVHQWDGD SHOD %UHVLPDU XPGHVHPSHQKRPXLWRDOWRWDPE«PQDIDEUL
dinâmicas e complexas redes de energia de $XWRPD©¥R6$ODQ©RXUHFHQWHPHQWHQRYRV cação de quadros. Para a operação desses
KRMH$WUDQVD©¥RGHYHU£VHUIHFKDGDGXUDQWH FRQHWRUHV 5- FRP FRUSR DGHUHQWH YXOFD VLVWHPDV«QHFHVV£ULRSODQHDUHLQVWDODUFRQ
R WHUFHLUR WULPHVWUH GH  $PEDV DV SDU QL]DGRHVD¯GDGHFDERD|(VWDVVROX©·HV juntos de quadros de grande duração. Para
tes concordaram em não divulgar o valor do são ideais para as aplicações em condições de LVVR D :HPK¸QHU EDVHLDVH QD H[SHUL¬QFLD
negócio. HVSD©RPXLWROLPLWDGDVSHUPLWLQGRDVVHJXUDU dos seus dois parceiros neste campo. A im
$ .(<0,/( FRP VHGH HP +DQ¶YHU QD D FRUUHWD WUDQVPLVV¥R GH GDGRV VHP IDOKDV plementação das soluções complexas de
$OHPDQKDFRQWDFRPFRODERUDGRUHVHP e sem cabos partidos. Estes novos modelos atuação das prensas foi realizada pelo fabri
WRGRRPXQGRHIRLIXQGDGDHPDWUDY«V 5-D|DWHQGHPDRVUHTXLVLWRVGHFODVVH FDQWHGHTXDGURV&RQWUROOHU6WHXHUXQJVWHFK
da fusão de três empresas de tecnologia na GH SURWH©¥R ,3 H V¥R HVSHFLDOPHQWH DGDS QLNHSHOD:HLGP¾OOHU(VWHIDEULFDQWHSODQLͤ
ƒXVWULD $OHPDQKD H 6X¯©D ‹ XP IDEULFDQWH tados para soluções de automação dentro de ca e instala sistemas de controlo complexos
de referência de soluções críticas e de tele TXDGURVHO«WULFRVRXHVSD©RVFRQͤQDGRV SDUDDVSUHQVDVGHFLFORFXUWR:HPK¸QHU
FRPXQLFD©·HV GH EDQGD ODUJD FRP LQVWDOD Com a descentralização avançada dos Especialmente desenvolvidos para espa
©·HV HP  SD¯VHV $V LQIRUPD©·HV ͤ£YHLV VLVWHPDVRVTXDGURVHO«WULFRVW¬PVLGRUHGX ©RV SHTXHQRV RV ERUQHV GH GLVWULEXL©¥R GH
V¥R IXQGDPHQWDLV SDUD D WRPDGD U£SLGD GH ]LGRVJUDGXDOPHQWHOHYDQGR¢LQVWDOD©¥RGH potencial Klippon® Connect permitem uma
GHFLV·HVHV¥RFDGDYH]PDLVQHFHVV£ULDVQR cabos e conetores em locais cada vez mais FRQͤJXUD©¥RFODUDHFRPSDFWDGHWRGDDGLV
PXQGRDXWRPDWL]DGRGHKRMHSDUWLFXODUPHQ reduzidos. Tal situação pode causar cabos tribuição de tensão de controlo. Estes bornes
WHQDVY£ULDVUHGHVFRQHWDGDV$RSHUD©¥RGH GHVOLJDGRVRXPHVPRSDUWLGRVOHYDQGRFRQ inovadores superaram com êxito os testes
VLVWHPDVGHDSOLFD©·HVFU¯WLFDVFRPRUHGHV VHTXHQWHPHQWH D XPD PHQRU WUDQVPLVV¥R LQLFLDLVHFRPRUHVXOWDGRGHVWHSULPHLURSUR
HO«WULFDVUHTXHUFRPXQLFD©·HVFRPXPGH perda de dados ou paralisação dos sistemas. MHWRD:HPK¸QHUHD&RQWUROOHUSURYDUDPTXH
VHPSHQKRHUREXVWH]VHPSUHFHGHQWHVFRP Esta situação pode ser facilmente resolvida podem continuar a ser utilizados.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
46 notícias

JUNG equipa o Grande Hotel (VWH HYHQWR DSUHVHQWDU£ VROX©·HV LQ implementar ações em Portugal e na Turquia.
Monte Estoril com sistema KNX WHJUDGDV QD ,QG¼VWULD  FRP R REMHWLYR A grande novidade é o facto de as mudanças
-81*3RUWXJDO/GD de comprovar a enorme potencialidade da de comportamentos para atingir uma maior
7HO PDUFDUHIHU¬QFLDPXQGLDOHPGLIHUHQWHVVHJ HͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDVHUHPSURPRYLGDVDWUD
LQIR#MXQJSRUWXJDOSWyZZZMXQJGHSW mentos. Serão demonstradas diversas apli vés de uma plataforma de jogo que analisa
FD©·HVGDVPDLVVLPSOHV¢VPDLVFRPSOH[DV comportamentos e prevê os consumos de
e acima de tudo explicando como rentabilizar HQHUJLD2*5H6%$6TXHWHYHLQ¯FLRHPDEULO
os processos e otimizar os recursos para GH  H YDL FRQFOXLU HP PDU©R GH  «
XPDSURGXWLYLGDGHP£[LPDQDLQG¼VWULD ͤQDQFLDGRSHOD78%,7$.HSHOD)&7QR¤PEL
$ ))RQVHFD FRQWDU£ FRP D SUHVHQ©D WRGRSURJUDPDTXDGUR(5$1HW6PDUW*ULGV
HVSHFLDO GH - 1RUEHUWR 3LUHV 'LUHWRU GR GH Plus Initiative.
SDUWDPHQWR GH (QJHQKDULD GH 0HF¤QLFD GD
Universidade Coimbra e da revista técnico
FLHQW¯ͤFD5REµWLFD̰TXHIDU£DDEHUWXUDGR Vulcano vence Prémios
HYHQWRDVVLPFRPRXPDSDQµSOLDGHRUDGR Inovação na Construção
3URPRYLGRSHOD6WRQH&DSLWDOHVWHHPSUHHQ res que incluem especialistas da F. Fonseca e com o Sensor Connect
dimento surgiu como forma de renovar o GD0LWVXELVKL(OHFWULF 9XOFDQR
HPEOHP£WLFR *UDQGH +RWHO GR 0RQWH (VWR 2 GLD VHU£ FRPSRVWR SRU WHP£WLFDV WHF 7HOy)D[
ULO VHQGR R SURMHWR GH DUTXLWHWXUD GD DXWRULD QROµJLFDV VHJXLGDV GH XPb business lun- LQIRYXOFDQR#SWERVFKFRPyZZZYXOFDQRSW
do atelier ARX Arquitectos. Localizado no chb H SRVWHULRU DFHVVR DRb VKRZURRPb RQGH 9XOFDQR3RUWXJDO
FHQWUR GH 0RQWH (VWRULO R HGLI¯FLR SRVVXL  WHU£ D SRVVLELOLGDGH GH HQWUDU HP FRQWDFWR
apartamentos “premium̹ FLQFR GRV TXDLV com as diferentes tecnologias e novidades
FRPMDUGLPSULYDWLYRWLSRORJLDV7H7FXMDV DSUHVHQWDGDVGXUDQWHDPDQK¥
£UHDVYDULDPHQWUHRVP2HP2. Estes
apartamentos dispõem de grandes terraços
FRP YLVWD SDQRU¤PLFD VREUH R PDU SLVFLQD Portugal e Turquia querem
JLQ£VLR VDXQD VHJXUDQ©D  KRUDV SRU GLD ensinar a população a poupar
dois a três lugares de estacionamento e de ,1(6&7(&
armazenamento. 7HOy)D[
Foi implementado um sistema de domó LQIR#LQHVFWHFSWyZZZLQHVFWHFSW
WLFD.1;GD-81*FRPDOLQKD)GD/6
que contempla o controlo de iluminação, bla- $ 9XOFDQR PDUFD SRUWXJXHVD GH UHIHU¬QFLD
ck out’sFOLPDWL]D©¥RHXPVHUYLGRUConfor- em Soluções de Água Quente e Solar Tér
tclick para gestão dentro ou fora de casa de PLFR TXH FHOHEUD  DQRV HVWH DQR YHQFHX
toda a instalação via smartphone ou tablet. RV 3U«PLRV ,QRYD©¥R QD &RQVWUX©¥R 
Foi ainda instalado um sistema de videopor na categoria “Material elétrico, eletrónico e
WHLURGD6,('/(FRPFHQWUDOGHSRUWDULDSHU domótica” com o Sensor Connect R SULPHL
mitindo um contacto direto entre a segurança UR HVTXHQWDGRU WHUPRVW£WLFR FRPSDFWR FRP
HRXWHQWHGXUDQWHKRUDVHHOHYDQGRRVQ¯ tecnologia de conetividade do mercado.
veis de conforto e segurança do edifício. 3URGX]LGRHP3RUWXJDORSensor Connect
2 ,1(6& 7(& HP 3RUWXJDO R ,78 ,VWDQEXO alia um design exclusivo e inovador com uma
7HFKQLFDO 8QLYHUVLW\  H R 0$.(/ QD 7XU tecnologia de conetividade que permite ao
Mitsubishi Solutions TXLD V¥R DV WU¬V HQWLGDGHV TXH ID]HP SDUWH utilizador controlar o equipamento remota
na Indústria 4.0 do projeto europeu GReSBAS que tem como mente a partir de um smartphone ou de um
))RQVHFD6$ REMHWLYRDXPHQWDUDHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDGRV tablet.
7HOy)D[ HGLI¯FLRVHQYROYHQGRRVFRQVXPLGRUHVHSUR “+£  DQRV QR PHUFDGR D 9XOFDQR
IIRQVHFD#IIRQVHFDFRPyZZZIIRQVHFDFRP movendo a sua participação ativa através de acredita que é importante fazer com que a
))RQVHFD6$6ROXFRHVGH9DQJXDUGD uma plataforma que utiliza técnicas de ludi tecnologia e a conetividade tenham aplica-
ͤFD©¥R XVR GH HOHPHQWRV H W«FQLFDV FDUD bilidade e efeito direto na vida das pessoas,
WHU¯VWLFDV GH MRJRV HP VLWXD©·HV GR PXQGR tendo em vista um futuro sustentável. E, neste
UHDO  SDUD JHULU D HQHUJLD GH IRUPD PDLV Hͤ âmbito, temos procurado ir ao encontro das
ciente. Desligar os equipamentos eletrónicos tendências do mercado estando sempre na
TXDQGR M£ Q¥R RV YDPRV XVDU PDLV HP YH] vanguarda em termos de competência, de-
de os deixar em standby LU GH HVFDGDV HP VHQYROYLPHQWR WHFQROµJLFR H HͤFL¬QFLD HQHU-
YH] GH HOHYDGRU HP GLVW¤QFLDV FXUWDV DEULU gética. Estas são caraterísticas que fazem
DVMDQHODVHPYH]GHOLJDURDUFRQGLFLRQDGR da Vulcano uma marca vencedora̹VXEOLQKD
Q¥RGHL[DUDVOX]HVDFHVDVTXDQGRVH«D¼OWL 1DGL%DWDOKD&RRUGHQDGRUDGHMarketing da
PDSHVVRDDDEDQGRQDUXPORFDOV¥RDOJXQV marca.
exemplos de comportamentos que ajudam 2V3U«PLRV,QRYD©¥RQD&RQVWUX©¥R
$ ))RQVHFD HP SDUFHULD FRP D 0LWVXELVKL D SURPRYHU XP FRQVXPR VXVWHQW£YHO H SRU são uma iniciativa da Área Associativa (Jornal
(OHFWULF WHP R SUD]HU GH R FRQYLGDU D SDUWL LVVRHQHUJHWLFDPHQWHPDLVHͤFLHQWH &RQVWUXLU5HYLVWD$QWHSURMHWRVH3URMHFWLVWD
FLSDU QR HYHQWR 0LWVXELVKL 6ROXWLRQV QD ,Q O projeto europeu GReSBAS vai instalar SW HSUHPHLDPDQXDOPHQWHDVERDVSU£WLFDV
G¼VWULDTXHWHU£OXJDUDGHRXWXEURHP demonstradores equipados com sistemas no desenvolvimento de materiais e equipa
$YHLURQDVLQVWDOD©·HVGD))RQVHFD de automação para monitorizar o consumo e mentos inovadores no setor da construção.

www.oelectricista.pt o electricista 61
artigo técnico 47

qualidade de energia
e perturbações da rede elétrica
3.ª PARTE
Legrand Eléctrica, S.A. – Portugal
www.legrand.pt

3. SOBRETENSÕES EM CONDENSADORES Legrand pode fornecer uma solução que é uma inclusão aos descar
$OLJD©¥RGHFRQGHQVDGRUHVFRORFDGRVQDUHGHGH$OWD7HQV¥RSRGH UHJDGRUHV GH VREUHWHQV¥R ͤOWURV SDVVLYRV XVDGRV FRP RV UDFNV GH
FDXVDU VREUHWHQV·HV WUDQVLWµULDV Y£ULDV YH]HV R YDORU GH 8Q  FRP condensadores.
HQHUJLD VXͤFLHQWH SDUD GHVWUXLU RV GHVFDUUHJDGRUHV GH VREUHWHQV¥R A sua frequência de sintonia é calculada para eliminar a frequência
na extremidade da instalação de Baixa Tensão ou até mesmo os com GHUHVVRQ¤QFLDSRVV¯YHOOLPLWDQGRDVVLPRVVHXVHIHLWRV
SRQHQWHVGRVFRQYHUVRUHVHVW£WLFRVRXFRQGHQVDGRUHVDSOLFDGRVQD 2ͤOWURGHYHVHUFDOFXODGRHGHͤQLGRDSµVGLDJQµVWLFRHPHGL©¥R
compensação de energia reativa. no local usando um analisador de rede.
(VWHIHQµPHQRSRGHVHUSDUWLFXODUPHQWHSHULJRVRVHTXDQGRRV O facto de a Legrand ser capaz de fornecer baterias de conden
FRQGHQVDGRUHVQD$OWD7HQV¥RV¥ROLJDGRVDIUHTX¬QFLDGHUHVVRQ¤Q VDGRUHVWDQWRSDUDLQVWDOD©·HVGH$OWDRX%DL[D7HQV¥RWRUQDDVXD
FLDGRFLUFXLWRDPRQWDQWHFRUUHVSRQGHU¢IUHTX¬QFLDGHUHVVRQ¤QFLD DGDSWD©¥R P¼WXD PXLWR PDLV I£FLO DFUHVFLGR GH WHU XP IDEULFDQ
do circuito de Baixa Tensão. te a lidar com ambos os níveis de compensação é uma garantia de
$VFDUDWHU¯VWLFDVGHVWHIHQµPHQRHVW¥RHVVHQFLDOPHQWHOLJDGDV¢ segurança.
LQGXW¤QFLD/GRWUDQVIRUPDGRU07%7¢FDSDFLW¤QFLD&GRVFRQGHQ Os dispositivos de corte que utilizam tecnologias adequadas para
VDGRUHVH¢UHVLVW¬QFLD5GDUHGHGHEDL[DWHQV¥R6HDUHVLVW¬QFLDIRU FRUUHQWHVFDSDFLWLYDV Y£FXRRX6) WDPE«PSRGHPVHUIRUQHFLGRV
EDL[D SRXFDVFDUJDVUHVLVWLYDV RDPRUWHFLPHQWRGDVVREUHWHQV·HV com as baterias de condensadores.
WUDQVLWµULDVVHU£UHGX]LGRDXPHQWDQGRRULVFRGHUHVVRQ¤QFLDQRVFLU
FXLWRV$7H%7QDPHVPDIUHTX¬QFLD I$ I% 
$DPSOLͤFD©¥RGDSHUWXUED©¥RDVVRFLDGD¢FRPXWD©¥RGRFDSDFL
tância em AT é particularmente sensível se a potência reativa utilizada
em AT for muito mais elevada do que a utilizada em BT. Este risco pode
ser limitado pelo uso de baterias de condensadores que são ligados
gradualmente ou por ligação a tensão nula.
Escalões descarregadores de sobretensão de alta capacidade
(pelo menos 1 kilojoule) podem ser usados para limitar as sobreten
V·HV WUDQVLWµULDV GR VLVWHPD $OWD H %DL[D 7HQV¥R GD PHVPD IRUPD
TXHRVͤOWURVVLQWRQL]DGRVFRPEDWHULDVGHFRQGHQVDGRUHVGH%DL[D
Tensão podem mudar a frequência de ressonância da instalação.
$VVREUHWHQV·HVGRVLVWHPDHP$OWD7HQV¥RQ¥RVHU¥RHOLPLQDGDV
PDVSHORPHQRVQ¥RVHU¥RWDPE«PDPSOLͤFDGDV

Frequência ressonância dos circuitos:


1
AT: f+ = * ƚ * LH * CH
2

1
BT: f% = * ƚ * LH * CH
2

4. COMPONENTES DC
$DOLPHQWD©¥RHOHWUµQLFDGHLQ¼PHUDVP£TXLQDVHDSDUHOKRVHOHWURGR
P«VWLFRVGHHOHYDGRFRQVXPR P£TXLQDVGHODYDUURXSDIRJ·HVHQWUH
RXWURV WHPXPGLVSRVLWLYRGHUHWLͤFD©¥R
6HKRXYHUXPGHIHLWRGHLVRODPHQWRDMXVDQWHGHVWHGLVSRVLWLYRD
FRUUHQWHGHIXJD¢WHUUDSRGHFRQWHUXPDFRPSRQHQWHGHFRUUHQWHFRQ
W¯QXDTXHPRGLͤFDDIRUPDGHRQGDGDFRUUHQWHDOWHUQDGDFRQVXPLGD

www.oelectricista.pt o electricista 61
48 artigo técnico

(VWDIRUPD«DVVLPDVVLP«WULFDRTXHSRGHID]HUFRPTXHRVGLV HDRQ¼PHURGHFDUJDV1¥RK£UHJUDVH[DWDVSDUDFDOFXODUHVWDV
positivos de corrente residual diferencial (RCD) não funcionem devido FRUUHQWHVH[FHWRRIDFWRGHSRGHUHPID]HUGLVSDUDUXPGLVSRVLWLYR
¢PRGLͤFD©¥RGRIOX[RPDJQ«WLFRQRWRUR$VGXDVFRPSRQHQWHVGH GHFRUUHQWHUHVLGXDOGHP$TXDQGRDLQVWDOD©¥RFKHJDDY£ULDV
RQGDQ¥RV¥RLG¬QWLFDVSRLVRFDPSRRSRVWRQ¥RFDQFHODRIOX[RDQWH centenas de metros de comprimento. De salientar ainda que es
ULRUFRPRVLQDORSRVWRDFDGDPHLRFLFOR2Q¼FOHRWRURLGDOSRGHHQW¥R WDV FRUUHQWHV SRGHP DXPHQWDU DR ORQJR GR WHPSR GHSHQGHQGR
SHUPDQHFHUPDJQHWL]DGR IHQµPHQRGHKLVWHUHVH HRGLVSRVLWLYRGH GRHQYHOKHFLPHQWRGRLVRODPHQWR$PRQLWRUL]D©¥RGRLVRODPHQWR
FRUUHQWHUHVLGXDOͤFDULQRSHUDQWH2VGLIHUHQFLDLVGRWLSR$&XWLOL]DGRV da instalação por meio de medição contínua ou medição regular
SDUDDPDLRULDGRVFLUFXLWRVQ¥RFRQVHJXHPGHWHWDUHVWHWLSRGHIDOKD permite que qualquer alteração seja antecipada;
Só devem ser utilizados para aquecimento ou circuitos de iluminação
que não têm alimentação eletrónica. • Correntes de fuga que se desenvolvem frequentemente em certos
WLSRV GH LQVWDOD©·HV GHYLGR ¢ VXD QDWXUH]D VHP DWLQJLU XP Q¯YHO
SHULJRVR FRPSDUDWLYDPHQWH D XPD FRUUHQWH GH IXJD FRQVLGHU£YHO
IRUQRV GH UHVLVW¬QFLD LQVWDOD©·HV GH FR]HGXUD RX GH YDSRU HTXL
pamentos com numerosos auxiliares ou sensores). A utilização do
UHJLPH GH OLJD©¥R ¢ WHUUD 716 OLPLWD D WHQV¥R GH FRQWDFWR D XP
YDORUTXHQ¥R«SHULJRVRSHUPLWLQGRTXHH[LVWDPFRUUHQWHVGHIXJD
VLJQLͤFDWLYDV1RHQWDQWRGHYHQRWDUVHTXHHPERUDHVWDVLWXD©¥R
SURSRUFLRQHXPDPHOKRUFRQWLQXLGDGHGHVHUYL©RGHYHOLPLWDUVHDR
WHPSRQDGHWH©¥RHWUDWDPHQWRGDIXJDDͤPGHHYLWDURVULVFRVGH
incêndio e evitar o aumento da perturbação eletromagnética pela
circulação de correntes permanentes nos circuitos de proteção.

A conceção de uma instalação elétrica deve prever a instalação de


dispositivos de proteção para a segurança de pessoas e bens que te
QKDPHPFRQWDHVWDVFRUUHQWHVGHIXJD4XDQGRHVWDVFRUUHQWHVQD
WXUDOPHQWHV¥RDGLFLRQDGDVDRVFLUFXLWRVGHSURWH©¥RSRGHPDWLQJLU
Outros dispositivos de corrente diferencial residual foram desenvol o valor limite de disparo da proteção de corrente residual na alimen
vidos para operar com cargas controladas eletronicamente. Os dife WD©¥RGRJUXSRGHFLUFXLWRVHPTXHVW¥ROHPEUDQGRTXHHVWHYDORU«
renciais do tipo A protegem contra correntes de fuga de componente JHUDOPHQWHPXLWRPDLVEDL[RGRTXHROLPLDUWHµULFRSRUH[HPSORD
alternada sinusoidal e componentes de fuga com uma componente P$UHDLVSDUDP$QRPLQDLV
continua pulsada. Os diferenciais do tipo B também oferecem prote
ção contra correntes de fuga continua suaves. Estes são utilizados
SULQFLSDOPHQWHQDLQG¼VWULDHPLQVWDOD©·HVWULI£VLFDVTXHFRQW¬PSRU LEGRAND DIFERENCIAL DO TIPO HPI OU F
H[HPSOR XQLGDGHV GH YHORFLGDGH YDUL£YHO RX IRQWHV GH DOLPHQWD©¥R &RQVLGHUDVHTXHXPGLIHUHQFLDOGRWLSR$&«FDSD]GHSURWHJHUD
ininterrupta (UPS).  FRPSXWDGRUHV H TXDQGR PDLV GR TXH LVVR SRGH FDXVDU GLVSDURV
inesperados.
A utilização de um diferencial tipo HPI permite absorver os transi
5. CORRENTES DE FUGA PERMANENTES WµULRVGHFRUUHQWHGHULYDGRVGHHIHLWRVFDSDFLWLYRVGDVFDUJDVOLPLWDQ
$RFRQWU£ULRGDVFRUUHQWHVGHGHIHLWRTXHIOXHPDFLGHQWDOPHQWHHQWUH do muito o risco de disparo e permitindo o fornecimento de um maior
RVSRORVDFWLYRVHRFLUFXLWRGHSURWH©¥RRXWHUUDH[LVWHPFRUUHQWHVGH Q¼PHURGHP£TXLQDV(1).
IXJDHQTXDQWRDLQVWDOD©¥RHVW£DRSHUDUQRUPDOPHQWH([LVWHPWU¬V $O«PGDVXDLPXQLGDGHDRVWUDQVLWµULRVGHFRUUHQWHQDOLJD©¥RRV
tipos de corrente de fuga: diferenciais tipo HPI também têm imunidade elevada a perturbações
GHHOHYDGDIUHTX¬QFLD FDUJDVGHLOXPLQD©¥RVREUHWHQV·HVSHUWXUED
• &RUUHQWHV FDXVDGDV SRU FDUJDV FXMD DOLPHQWD©¥R HVW£ OLJDGD ¢ ©·HVHPDOLPHQWD©·HVHOHWUµQLFDV (VWDFDUDWHU¯VWLFDHVW£DVVRFLDGD
terra (através de ligações equipotenciais e circuitos de proteção) ¢ WHFQRORJLD GR SUµSULR GLVSRVLWLYR H ¢ XWLOL]D©¥R GH XPD ERELQD GH
DWUDY«V GH FRPSRQHQWHV HOHWUµQLFRV FDSDFLWLYRV FRPSXWDGRUHV deteção para a qual os limites de saturação do material são elevados.
YDULDGRUHV GH YHORFLGDGH HQWUH RXWURV  4XDQGR DV FDUJDV UHFH
EHPHQHUJLDHVWDVFRUUHQWHVV¥RDXPHQWDGDVSRUXPIHQµPHQR (1)
Não é possível fornecer dados
GH FRUUHQWH GH OLJD©¥R DVVRFLDGR ¢ FDUJD GR WLSR FDSDFLWLYD $O SUHFLVRVVREUHRQ¼PHURH[DWR
guns valores típicos de corrente de fuga são indicados na tabela GHGLVSRVLWLYRVXPDYH]TXH
as correntes consumidas
abaixo. dependem de muitos fatores (tipo 'LIHUHQFLDOWLSR$
GHGLVSRVLWLYRFRPSULPHQWRV
/HJUDQG!
HVHF©·HVGRVFLUFXLWRV
HQWUHRXWURV ‹DFRQVHOK£YHO
Valores típicos de corrente de fuga YHULͤFDUVHRGLIHUHQFLDOQ¥R
dispara quando a instalação é
Equipamento elétrico Corrente típica de fuga
energizada.
Estação de trabalho 1 a 3 mA

Aquecimento radiante 1 mA / kW
TRANSFORMADORES DE SEPARAÇÃO DE CIRCUITOS
Fax / impressora < 1 mA
Quando a soma das correntes de fuga dos dispositivos fornecidos
Aparelhos de cozinha P$N: DWUDY«VGHSDUWHGHXPDLQVWDOD©¥RSURWHJLGDSRUXPGLIHUHQFLDOWLYHU
WHQG¬QFLDDVHUVXSHULRUDPHWDGHGDFRUUHQWHUHVLGXDOQRPLQDO ,ůQ 
SDUDHVWHGLIHUHQFLDOH[LVWHXPULVFRHOHYDGRGHGLVSDUR(VWHSUREOH
• Correntes que estão associadas a efeitos capacitivos dos condu ma pode ser evitado usando um transformador de separação de cir
WRUHVGDLQVWDOD©¥RTXHV¥RSURSRUFLRQDLV¢HVFDODGDLQVWDOD©¥R FXLWRVVREDVFRQGL©·HVGRHVTXHPDGHOLJD©¥R¢WHUUD716

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
6. INVERSÃO DE CORRENTE
4XDOTXHULQVWDOD©¥ROLJDGDGLUHWDPHQWHDXPVLVWHPDS¼EOL
co de distribuição de energia e que possa também ser for
QHFLGDDWUDY«VGHRXWUDIRQWHGHYHQRUPDOPHQWHLQFRUSRUDU
um dispositivo para impedir a “retroalimentação” do sistema
de distribuição.
8PQ¼PHURFDGDYH]PDLRUGHLQVWDOD©·HVHVW£DUHDOL]DU
DDXWRJHUD©¥RFRP EDVHHP HQHUJLDV UHQRY£YHLV VRODU RX
HµOLFD SHTXHQDV FHQWUDLV HO«WULFDV RX RXWUDV IRQWHV  H HV
W¥R OLJDGDV ¢ UHGH GH DOLPHQWD©¥R SDUD ID]HU SURGX©¥R GH
HQHUJLD(VWDVLWXD©¥RGHYHQDWXUDOPHQWHVHUREMHWRGHXP
DFRUGREHPFRPRGHXPDV«ULHGHSUHFDX©·HV

Rede
elétrica
distribuição
Contadores
de energia

Painel solar Ondulador Equipamentos

A proteção deve desligar as diversas formas de produção se


ocorrer o seguinte:
• )DOKDQDSURGX©¥R
• )DOKDGDDOLPHQWD©¥RDWUDY«VGDUHGHGHDOLPHQWD©¥R
• 9DULD©·HVGHWHQV¥RRXIUHTX¬QFLDVXSHULRUHV¢VHVSHFL
ͤFDGDVSHODHPSUHVDGHGLVWULEXL©¥R

A protecção deve actuar e ser incorporada num dispositivo


GH FRUWH DXWRP£WLFR TXH FXPSUD QRUPDV HXURSHLDV UHFR
QKHFLGDV
50 formação

casos de aplicação
VENTILAÇÃO DE VAPORES DE NITROGLICERINA
7H[WRFHGLGRSRU6ROHU 3DODX3RUWXJDO8QLSHVVRDO/GD

O PROBLEMA IMPULSÃO
Introduziremos ar limpo do exterior através de uma conduta de
8PDLQG¼VWULDTX¯PLFDWLQKDSUREOHPDVGHFRQWDPLQD©¥RLQWHU PPGHGL¤PHWURQDTXDOFRORFDUHPRVFLQFRJUHOKDVGHLPSXOV¥R
na provocada por vapores de nitroglicerina numa zona de trata UHJXO£YHLVSDUDXPFDXGDOXQLW£ULRGHPKFRQIRUPHVHPRVWUD
PHQWRHDUPD]HQDJHPGHELG·HVTXHFRQWLQKDPHVWHSURGXWR na Figura 1.
O objetivo era ventilar esta zona contaminada e evitar que os (VWDLQVWDOD©¥RWHU£XPDSHUGDGHFDUJDGHFHUFDGHPPFD
YDSRUHVHFKHLURVVHSURSDJDVVHPSHORUHVWDQWHHVSD©R 3DUDLPSXOVLRQDUHVWHDUGRH[WHULRURYHQWLODGRUUHFRPHQGDGR«RTXH
se indica na secção “Referências dos equipamentos escolhidos”.

DADOS A TER EM CONSIDERAÇÃO EXTRAÇÃO


7UDWDVHGHXPDVDODHPIRUPDGH̸L̹FRPXPDVXSHUI¯FLHGHP2 3DUDH[WUDLURDUGDVDODFRQIRUPHVHLQGLFDQD)LJXUDLQVWDODUVH¥R
FRPPGHDOWXUDHTXH«SDUWHLQWHJUDQWHGHXPDQDYHPDLRUVLWXD GXDV FRQGXWDV OLJDGDV D XP YHQWLODGRU QDV TXDLV VH FRORFDU¥R VHWH
da num polígono industrial. JUHOKDVGHDVSLUD©¥RUHJXO£YHLVSDUDXPFDXGDOGHP3KHPFDGD
uma.
$SHUGDGHFDUJDWRWDOGHVWDLQVWDOD©¥RVHU£GHFHUFDGHPP
DETERMINAÇÃO DAS NECESSIDADES FD$SHVDUGHRVJDVHVH[SHOLGRVVHUHPM£PXLWRGLOX¯GRVFRPRPH
Dado que a zona onde se gera a contaminação pode ter dimensões dida de precaução instalaremos no ventilador de extração um motor
YDUL£YHLVQ¥R«SRVV¯YHOLPSOHPHQWDUXPDVROX©¥RORFDOL]DGDGRWLSR antideflagrante do tipo EExdIIBT4. As caraterísticas do ventilador são
FKDPLQ«3RULVVRFDOFXO£PRVDQHFHVVLGDGHGHFDXGDODSDUWLUGHXP LG¬QWLFDV¢VGRLQVWDODGRQDLPSXOV¥R
SRQWR GH YLVWD GH YHQWLOD©¥R DPELHQWDO DLQGD TXH FRP XP FRQVLGH
U£YHOQ¼PHURGHUHQRYD©·HVKRUD&RQFUHWDPHQWHFRQVLGHU£PRVVH
UHPQHFHVV£ULDVUHQRYD©·HVGHPRGRDTXHVHWHQKDXPDPDUJHP
IROJDGDHSDUDTXHDFRQWDPLQD©¥RH[SHOLGDVHMDM£PXLWRGLOX¯GD

4 ™™ PK VISTA DA SALA

A SOLUÇÃO
&RP R REMHWLYR GH FRQWURODU R PHOKRU SRVV¯YHO R PRYLPHQWR GR DU
SURSRPRV XP VLVWHPD GXSOR GH YHQWLOD©¥R LPSXOV¥RH[WUD©¥R SDUD
VHFRQVHJXLUXPYDUULPHQWRORQJLWXGLQDOGDVDODHYLWDQGRVHDVVLPD
GLVSHUV¥RGHJDVHV(PFDGDXPGRVFDVRVRDUVHU£FRQGX]LGRDWUD
Y«VGHFRQGXWDVFRORFDGDVIUHQWHDIUHQWHQDVTXDLVDVH[WUD©·HVH
FDSWD©·HVVHID]HPDWUDY«VGHJUHOKDV

REFERÊNCIAS DOS EQUIPAMENTOS ESCOLHIDOS

Sistema de extração

• FDL[DGHYHQWLOD©¥R&977DUSPH.Z(([G,,%7
• JUHOKDGHDVSLUD©¥R&9'
• WDPSDHVWDQTXH&7,

Sistema de impulsão

• FDL[DGHYHQWLOD©¥R&977DUSPH.Z
• JUHOKDGHDVSLUD©¥R&9$
• WDPSDHVWDQTXH&7, )LJXUD

www.oelectricista.pt o electricista 61
FDVRVSU£WLFRVGHYHQWLOD©¥R 51

CVTT CVA CTI

Medidas (mm)

www.oelectricista.pt o electricista 61
52 formação

ficha prática n.º 51


práticas de eletricidade
INTRODUÇÃO À ELETRÓNICA
Manuel Teixeira
ATEC – Academia de Formação

Os transístores de GHVGDUHWDGHFDUJDXPGRVSLFRVGRVLQDO«FRUWDGRSHORTXHVµSDUWHGDUHWDGHFDUJD«
junção bipolar são um aproveitada.
dos componentes mais (PVHJXLGDPRVWUDPVHDOJXPDVH[SUHVV·HVTXHMXVWLͤFDPDGHVFUL©¥RIHLWDDVVLPFRPR
importantes da eletrónica DVOLPLWD©·HVHFXLGDGRVDWHUQRGLPHQVLRQDPHQWRGHVWHWLSRGHDPSOLͤFDGRUHV&RPRYLPRV
analógica. Poderemos DQWHULRUPHQWHDWHQV¥R$&GHFRUWH«GDGDSRU
encontrá-los em várias
aplicações como os
amplificadores de sinais, UCECORTE = UCEQ + rClCQ
amplificadores diferenciais
ou drives de potência.
Nesta edição vamos $QDOLVDQGRD)LJXUDYHULͤFDVHTXHRYDORUGRVHPLFLFORSRVLWLYRP£[LPR«GDGRSRU
continuar a analisar
amplificadores de potência
com este componente. UCEQ + rClCQ – UCEQ

Ficando: rc.IcQ
22.2.1. Corrente total de coletor
A extremidade superior da reta de carga 3RGHPRVHQW¥RUHVXPLUDVDPSOLWXGHVP£[LPDVGDVHJXLQWHIRUPD
$& GD )LJXUD  FDOFXODVH FRQVLGHUDQGR
8FH REWHQGRVHDVHJXLQWHH[SUHVV¥RM£
dada anteriormente: SEMICICLO POSITIVO MÁXIMO – rc.IcQ

UCEQ – uce SEMICICLO NEGATIVO MÁXIMO – UCEQ


ic = lCQ +
rC
$DPSOLWXGHSLFRDSLFRP£[LPDGRVLQDOTXHSRGHVHUDPSOLͤFDGR YDORUHVDSUR[LPDGRV VHU£

(VWDVHU£DFRUUHQWHGHVDWXUD©¥RVHGHVSUH
zarmos a pequena diferença de potencial Uce Upp = 2rClCQ ou Upp = 2UCEQ
quando o transístor se encontra na satura
ção. A extremidade inferior da mesma reta de
carga é dada por: 'HYHPRVHVFROKHURPHQRUGRVYDORUHVSDUDTXHQ¥RKDMDFRUWHGHXPGRVSLFRVRTXHDFRQWH
ce quando a variação da tensão Uce ultrapassa UceFRUWHRXDWLQJHDVDWXUD©¥R

ucecorte = UCEQ + rClCQ


22.2.3. Potência na carga
$SRW¬QFLD$&TXHVHREW«PQDFDUJD«SRUGHͤQL©¥R

22.2.2. Amplitude do sinal U2 L


na saída PL =
RL
$DPSOLWXGHP£[LPDGHXPVLQDOSLFRDSLFR
TXHVHSRGHDSOLFDUDHVWHDPSOLͤFDGRUVHP em que:
GLVWRU©¥R HVW£ UHSUHVHQWDGR QD )LJXUD  PL – Potência AC na carga.
&RPRVHYHULͤFDRVHPLFLFORSRVLWLYRGHYHU£ UL̰7HQV¥RHͤFD]QDFDUJD
WHU XP YDORU P£[LPR TXH YDL GHVGH R SRQWR RL – Resistência de carga.
4DW«¢WHQV¥RGHFRUWH2VHPLFLFORQHJDWL
YR GHYHU£ WHU XP YDORU P£[LPR GHVGH ]HUR 5HOHPEUHVHDVVHJXLQWHVH[SUHVV·HV
considerando que a tensão de saturação é
LGHDOPHQWH ]HUR DW« DR SRQWR 4 9HULͤFDVH upp
também na mesma Figura que se o ponto Q Umáx =
2
estiver deslocado para uma das extremida

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
onde:

UppGHͤQHDWHQV¥RSLFRDSLFR

umáx
uef =
2

)D]HQGRDVY£ULDVVXEVWLWXL©·HVREWHPRV

2
u2 L (uLmáx / 2 ) u2Lmáx /2 u2Lmáx
pL = pL = pL = pL =
RL RL RL 2RL

2
(upp /2) u2pp /4 u2pp
pL = pL = pL =
2RL 2RL RL

(VWD«DH[SUHVV¥RTXHQRVG£DSRW¬QFLDQDFDUJDVHQGR
PXLWR¼WLOSHORIDFWRGHDWUDY«VGDUHWDGHFDUJDREWHUPRVR
valor de pico a pico do sinal e pela expressão dada obtemos
a potência do sinal de saída.
A maior parte da potência dissipada pelo transístor é
em funcionamento DC. A tensão e Corrente Contínua de um
DPSOLͤFDGRUIRUDPGHͤQLGDVUHVSHWLYDPHQWHSRUUCEQ e ICQ .
(QW¥RDSRW¬QFLDGLVVLSDGDSHORWUDQV¯VWRUVHU£GDGDSRU

PD = PDQ = UCEQlCQ

Esta potência nunca deve exceder os valores indicados pelo


IDEULFDQWHWDOFRPRWHPRVUHIHULGR

Teste de conhecimentos n.º 28

1. Quais as regiões que não podem ser atingidas pelo sinal


DPSOLͤFDGR"

2. Em que funcionamento se dissipa a maior parte da po


W¬QFLD"

Solução do teste de conhecimentos


da revista n.º 60

1. A forma do sinal de saída deve ser uma cópia exata do


sinal de entrada.

 &RUUHWR$UHSUHVHQWD©¥RGRJDQKRGHFRUUHQWHƌ em pa


râmetros h é referenciado como hfe.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
0DOYLQR   3ULQF¯SLRV GH (OHFWUµQLFD 9RO  H  
0F*UDZ+LOO 6H[WDHGL©¥R 
54 ELEOLRJUDͤD

Máquinas elétricas e alguns engenhos (2.ª edição)

$WXDOPHQWH DV P£TXLQDV HO«WULFDV GHVHPSHQKDP XP SDSHO PXLWR LPSRUWDQWH Q¥R Vµ QD LQG¼V
WULDFRPRQRGLDDGLDGDJHQHUDOLGDGHGDSRSXOD©¥R6¥RPXLWRXWLOL]DGDVFRPRJHUDGRUHVSDUD
SURGX]LUHQHUJLDHO«WULFDFRQYHUWHQGRHQHUJLDPHF¤QLFDHPHQHUJLDHO«WULFDHSDUDSURGX]LUHQHU
JLDPHF¤QLFDFRPRPRWRUHVFRQYHUWHQGRDHQHUJLDHO«WULFDHPHQHUJLDPHF¤QLFDHDLQGDFRPR
WUDQVIRUPDGRUHVWUDQVIRUPDQGRRQ¯YHOGHWHQV¥RLPSRUWDQWHQ¥RVµQDXWLOL]D©¥RGHHQHUJLDHO«
WULFDFRPRQDVXDGLVWULEXL©¥RHWUDQVSRUWH3UDWLFDPHQWHHPWRGRRPXQGRDVP£TXLQDVHO«WULFDV
V¥RHQVLQDGDVHPXLWRMXVWLͤFDGDPHQWHHPPXLWDVHVFRODVHXQLYHUVLGDGHVSHORPHQRVXPVH
Autor:$QGU«6£$QWµQLR%DUERVD PHVWUHHHPPXLWRVFDVRVPDLVGRTXHXPVHPHVWUH(VWHOLYURGHVWLQDVHDSHUPLWLUVHUXWLOL]DGR
,6%1b no apoio destes cursos estando previsto que possa ser utilizado parcialmente ou na sua totalidade.
Editora:b3XEOLQG¼VWULD 2OLYURUHDOL]DXPDDERUGDJHPWHµULFDHSU£WLFDQXPDSHUVSHWLYDPXOWLGLVFLSOLQDUFRPRͤPGH
1¼PHURGH3£JLQDVb IDFLOLWDUDFRPSUHHQV¥RGDVP£TXLQDVHO«WULFDVGLVFLSOLQDDOLFLDQWH
Edição:b Índice: Conceitos básicos de circuitos elétricos de potência. Alguns conceitos fundamentais de mecânica.
,GLRPDbPortuguês Conceitos fundamentais da conversão de energia em eletrotecnia. Máquinas de corrente contínua. Transformador
Venda online em www.engebook.pt monofásico. Transformador trifásico. Transformadores especiais. Máquinas de indução. Máquinas síncronas.
Preço:͍

Iluminação elétrica

'RLVDVSHWRVFKDPDPDDWHQ©¥RQHVWDREUDQRSULPHLURYHPRVXPDXWRUTXHHVFUHYHVREUHXP
DVVXQWRFRPXPDVHJXUDQ©DHGRP¯QLRGLI¯FHLVGHVHUHPHQFRQWUDGRVHPOLYURVHVFULWRVSRUSURIHV
VRUHVRXPHVPRSURͤVVLRQDLVGHLOXPLQD©¥RRXHPFRQWH[WRPDLVJHUDOGHLQVWDOD©·HVHO«WULFDV
1¥RWHPDYLY¬QFLDHDEDJDJHPSU£WLFDVTXHWUDQVSDUHFHPHPFDGDOLQKDGHVWHWH[WR$H[SHUL¬QFLD
GRDXWRUFRPRSURIHVVRUDGMXQWRQD8QLYHUVLGDGH)HGHUDOGH0LQDV*HUDLVHFRPRGLUHWRUGHLQG¼VWULD
GRUDPRFRQWULEXLGHFLVLYDPHQWHSDUDTXHDH[SRVL©¥RGRVDVVXQWRVVHMDFODUDREWHQGRVHXPWH[WR
VHPFRORFD©·HVH[DJHUDGDPHQWHDFDG«PLFDVSU£WLFRPDVTXHQXQFDVHDIDVWDGRULJRUFLHQW¯ͤFR
2VHJXQGRDVSHWRDVHUGHVWDFDGR«RGDPRGHUQLGDGH23URIHVVRU$UD¼MR0RUHLUDFKDPDDDWHQ©¥R Autor: Vinicius de Araujo Moreira
GROHLWRUSDUDQRYRVP«WRGRVHTXLSDPHQWRVHWHFQRORJLDVTXHHVW¥RDDSDUHFHUUHFKHDQGRDVVXDV ,6%1b
FRORFD©·HVFRPFRPHQW£ULRVGHSUHVHQ©DUDUDHPOLYURVHVWULWDRXGHPDVLDGDPHQWHDFDG«PLFRV Editora:b%OXFKHU
Índice: Luz, princípios gerais. Grandezas e unidades utilizadas em iluminação. Noções de fotometria. Lâmpadas 1¼PHURGH3£JLQDVb
elétricas incandescentes. Lâmpadas de descarga elétrica. Aparelhos de iluminação. Iluminação de interiores. (GL©¥Rb
Iluminação por projetores. Iluminação pública. Conservação de energia na iluminação. ,GLRPDbPortuguês (do Brasil)
Venda online em www.engebook.pt
Preço: ͍

Aplicaciones del LED en diseño de iluminacion

(VWHOLYURIRLSHQVDGRSDUDTXDOTXHUSHVVRDLQWHUHVVDGDHPLOXPLQD©¥RGHVGHDDUTXLWHWXUDXUED
QLVPRHQJHQKDULDFRQVWUX©¥RHGLVWULEXL©¥RHDW«PHVPRRVPDLVFXULRVRV‹WDPE«PGLULJLGRD
HVWXGDQWHVTXHSURFXUDPLQJUHVVDUFXUVRVW«FQLFRVQD£UHDGDLOXPLQD©¥R(VWDREUDFRQWDFRP
Autor: Alfred Sa DFRODERUD©¥RGHPDLVGHGHVLJQHUVGHLOXPLQD©¥RHHVSHFLDOLVWDVHPWHFQRORJLD/('DVVLP
ISBN:  FRPRRXWURVSURͤVVLRQDLVGRVHWRU
Editora: MARCOMBO Índice: Origen y evolución de la tecnología LED para iluminación. Aplicaciones de los LED en diseño de iluminación.
1¼PHURGH3£JLQDV 432 Fabricantes tecnologia LED, seleccionados como patrocinadores.
Edição:
Idioma:(VSDQKRO
Venda online em www.engebook.pt
Preço: ͍

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
56 dossier sobre iluminação e light design

“o curso de LEE-SEE é reconhecido a nível


nacional e internacional, devido à acreditação
do selo europeu EUR-ACE”
Maria Judite Ferreira
Instituto Superior de Engenharia do Porto – ISEP

“continuaremos a lutar para que haja ensino


de iluminação em Portugal”
Alberto Van Zeller
Centro Português de Iluminação (CPI)
3527$*21,67$6

to be or not to be…
um Lighting Designer
Pedro Telhado
Astratec

GRVVLHU
iluminação
e light design

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
58 dossier sobre iluminação e light design

“o curso de LEE-SEE
é reconhecido a nível
nacional e internacional,
devido à acreditação
do selo europeu EUR-ACE”
O Instituto Superior de Engenharia
do Porto – ISEP – é uma das referências
do ensino de engenharia em Portugal.
Maria Judite Ferreira, Diretora do curso
de Licenciatura em Engenharia Eletrotécnica
– Sistemas Elétricos de Energia (LEE-SEE)
do ISEP, contou à revista “o electricista”
a evolução histórica do curso, a importância
da luminotecnia no plano de estudos,
os projetos e soluções luminotécnicas
desenvolvidos e aplicadas no ISEP,
entre outras curiosidades.

Revista “o electricista” (oe): Que balanço faz da evolução do LQWURGX]LGDV ¢ /HL GH %DVHV GR 6LVWHPD (GXFDWLYR V¥R H[WLQWRV RV
curso de Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Ener- CESE como via de acesso indireto ao grau de licenciado e o Ensino
gia do ISEP, nos últimos anos? 3ROLW«FQLFRSDVVDDFRQIHULURVJUDXVGHEDFKDUHOHOLFHQFLDGRDWUDY«V
Maria Judite Ferreira (MJF): 2 DWXDO FXUVR GH (QJHQKDULD GH OLFHQFLDWXUDV ELHW£SLFDV HVWUXWXUDGDV HP GRLV FLFORV 2 SULPHLUR
Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia tem a sua origem mais FRP GXUD©¥R GH WU¬V DQRV FRQFHGLD R JUDX GH EDFKDUHO H R VHJXQ
remota no Ensino Médio Industrial que se processou ao longo de mui GRFRPGXUD©¥RGHGRLVDQRVFRQFHGLDRJUDXGHOLFHQFLDGR$SDU
WRVDQRVQR,QVWLWXWR,QGXVWULDOGR3RUWR DVXDFULD©¥RRFRUUHHP  WLU GR DQR OHWLYR GH  R FXUVR GHVLJQDVH SRU /LFHQFLDWXUD
FXMDYRFD©¥RHIXQ©·HVV¥RFODULͤFDGDVHPQR¤PELWRGHXPDUH HP(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFD̰6LVWHPDV(O«WULFRVGH(QHUJLDFRQVWL
IRUPXOD©¥RGRHQVLQRLQGXVWULDOTXHFRORFDRV,QVWLWXWRV,QGXVWULDLVQR WXLQGRXPDOLFHQFLDWXUDELHW£SLFD$SULPHLUDHWDSDFRUUHVSRQGHXDR
FXPHGDHVWUXWXUDGRHQVLQRLQGXVWULDOHOKHVDWULEXLDPLVV¥RGHIRU | FLFOR GH VHLV VHPHVWUHV GLSORPDQGR EDFKDU«LV D VHJXQGD HWDSD
PDUDJHQWHVW«FQLFRVGHHQJHQKDULD$TXDQGRGDFULD©¥RGRV,QVWLWXWRV FRUUHVSRQGH DR | FLFOR GH TXDWUR VHPHVWUHV GLSORPDQGR OLFHQFLD
6XSHULRUHVGH(QJHQKDULDHPR,QVWLWXWR,QGXVWULDOGR3RUWRFRQ GRVRXVHMDQRͤQDOGHXPDIRUPD©¥RFXMDGXUD©¥RQRUPDOHUDGH
YHUWHVHHP,QVWLWXWR6XSHULRUGH(QJHQKDULDGR3RUWR ,6(3 KDELOLWD VHPHVWUHVOHWLYRV(VWHPRGHORELHW£SLFRIRLRDQWHFHVVRUGDVHSDUD
GR¢FRQFHVV¥RGRVJUDXVGHEDFKDUHO TXDWURDQRV HPDLVWDUGHD ©¥RHFULD©¥RGRVFXUVRVGH/LFHQFLDWXUDH0HVWUDGRHP(QJHQKDULD
GHOLFHQFLDGR FLQFRDQRV (PR,6(3LQVHUHVHQRVXEVLVWHPD Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia. Aproveitando a ex
GR(QVLQR6XSHULRU3ROLW«FQLFRFXMRPRGHORGHHQVLQRSDVVRXDFRP SHUL¬QFLD GH IRUPD©¥R H LQWHUYHQ©¥R D GLYHUVRV Q¯YHLV QD £UHD GRV
SUHHQGHUGRLVWLSRVGLVWLQWRVGHFXUVRV%DFKDUHODWRVFRPGXUD©¥RGH Sistemas Elétricos de Energia e a reestruturação dos cursos para ade
WU¬VDQRV&XUVRVGH(VWXGRV6XSHULRUHV(VSHFLDOL]DGRV &(6( FRP TXD©¥RDRPRGHORGH(QVLQR6XSHULRU(XURSHXIRUDPFULDGRVRVFXU
duração de dois anos que conferiam Diploma de Estudos Superiores VRVGH/((6((H0HVWUDGRHP(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFD̰6LVWHPDV
(VSHFLDOL]DGRVHTXHQRVFDVRVHPTXHFRQVWLWX¯DPXPFRQMXQWRFRH (O«WULFRVGH(QHUJLD 0((6(( UHVSHWLYDPHQWH|H|FLFORGHVHLVH
UHQWHFRPREDFKDUHODWRGHDFHVVRFRQIHULDPRJUDXGH/LFHQFLDWXUD TXDWURVHPHVWUHVJDUDQWLQGRDRVGLSORPDGRVUHVSHWLYDPHQWHRJUDX
&RPDUHGX©¥RGREDFKDUHODWRSDUDWU¬VDQRVGHHVFRODULGDGHWRUQRX GHOLFHQFLDGRHPHVWUH2IXQFLRQDPHQWRGRFXUVRGH/((6((LQLFLRX
VHQHFHVV£ULRSURFHGHU¢VXDUHHVWUXWXUD©¥R̰'HFUHWR/HLQ| VHQRDQROHWLYRHR0((6((HP
̰ TXH YHLR D LPSULPLU XPD WµQLFD PDLV SU£WLFD ¢ HVWUXWXUD GR FXUVR 1RSULPHLURFLFORGHIRUPD©¥RRUJDQL]DGRHPVHLVVHPHVWUHVRV
(QWUHWDQWRIDFH¢SHUFH©¥RGDVQHFHVVLGDGHVGRPHUFDGRIRUDPFULD alunos adquirem bases profundas e conceitos fundamentais bem sedi
GRV QRV SULPHLURV DQRV GH YLJ¬QFLD GHVWH PRGHOR RV VHJXLQWHV QR PHQWDGRVQRPHDGDPHQWHQDV£UHDVGHPDWHP£WLFDI¯VLFDLQIRUP£WL
YRV FXUVRV %DFKDUHODWR HP (QJHQKDULD (OHWURW«FQLFD ̰ 6LVWHPDV GH FDFL¬QFLDVE£VLFDVGHHQJHQKDULDHGDJHVW¥R2FXUVRGH/((6((YLVD
(QHUJLDH&(6(HP(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFD̰&RPDQGRVH3URWH©·HV GRWDURVUHVSHWLYRVGLSORPDGRVFRPWRGRVRVFRQKHFLPHQWRVHFRP
$PERV RV FXUVRV WLQKDP XPD YRFD©¥R HVSHF¯ͤFD SDUD FRQVROL SHW¬QFLDV JHUDLV SUHYLVWRV QD OHJLVOD©¥R SRUWXJXHVD QRPHDGDPHQWH
GD©¥R GH FRPSHW¬QFLDV QD £UHD GD HOHWURWHFQLD FRQIHULQGR FDSDFL sobre “Graus académicos e diplomas do ensino superior” para a atri
dades imediatas para o “saber fazer̹ WDQWR PDLV TXH RV HVWXGDQWHV EXL©¥RGRJUDXGHOLFHQFLDGRIRUPDQGRGLSORPDGRVFRPVµOLGDIRUPD
HUDP HP JUDQGH Q¼PHUR HVWXGDQWHV WUDEDOKDGRUHV H[HUFHQGR SUR ©¥RQDV£UHDVSURSHG¬XWLFDVGD(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFDFRPHVSHFLDO
ͤVV¥RQD£UHDGDHOHWURWHFQLD(PFRQVHTX¬QFLDGDVDOWHUD©·HV UHOHY¤QFLDSDUDWRGRVRVDVVXQWRVUHODFLRQDGRVFRPRVHWRUHQHUJ«WLFR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
RVVLVWHPDVHO«WULFRVGHHQHUJLDHDVP£TXLQDVHLQVWDOD©·HV
HO«WULFDV 2 FXUVR GH 0((6(( FRPSOHWD H FRPSOHPHQWD D
IRUPD©¥RGD/((6((SURSRUFLRQDQGRXPDVµOLGDIRUPD©¥R
QD£UHDGD(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFDFRPHVSHFLDOL]D©¥RHP
VLVWHPDVHO«WULFRVGHHQHUJLDQRVSURMHWRVGHLQVWDOD©·HVHO«
WULFDVQDVHQHUJLDVVXVWHQW£YHLVHQDJHVW¥RHPSUHVDULDO

oe: Quais os principais objetivos e princípios orientado-


res da Licenciatura em Engenharia Eletrotécnica – Sis-
temas Elétricos de Energia?
MJF: O atual modo de vida e o desenvolvimento social e
HFRQµPLFRHVW£FDGDYH]PDLVGHSHQGHQWHGRXVRGDHQHU
JLDHPJHUDOHGDHQHUJLDHO«WULFDHPSDUWLFXODU6HPHQHU
JLD HO«WULFD QDGD IXQFLRQD $ LQG¼VWULD GHL[D GH WHU FDSDFL
GDGHGHSURGX]LURVVHUYL©RVHFRP«UFLRGHL[DPGHSRGHU
IXQFLRQDUDVKDELWD©·HVGHL[DPGHWHUFRQGL©·HVGHKDEL
WDELOLGDGHRVWUDQVSRUWHVSDUDP$VVLPWRUQDVHFDGDYH]
PDLVLPSRUWDQWHJDUDQWLUDSURGX©¥RGHHQHUJLDHO«WULFDGH
IRUPDVXVWHQW£YHOGLYHUVLͤFDGDHFRQµPLFDHDPLJDGRDP
ELHQWHEDVHDGDHPIRQWHVHQGµJHQDVHHQHUJLDVUHQRY£YHLV
([LJHVHDRWUDQVSRUWHH¢GLVWULEXL©¥RGHHQHUJLDHO«WUL
FDXPDͤDELOLGDGHVHJXUDQ©DHFDSDFLGDGHFDGDYH]PDLR
res. A conceção dos edifícios e instalações com critérios de
IXQFLRQDOLGDGHHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDFRQIRUWRHVHJXUDQ©D
FDGD YH] PDLV H[LJHQWHV $ XWLOL]D©¥R GD HQHUJLD HO«WULFD
FRPFULW«ULRVGHJHVW¥RHHͤFL¬QFLDHVXVWHQWDELOLGDGHPDLV
HOHYDGRV(VWH«RPXQGRHPTXHYLYHPRVHVWH«RPXQGR
GR(QJHQKHLUR(OHWURW«FQLFR̰6LVWHPDV(O«WULFRVGH(QHUJLD
$b/LFHQFLDWXUDHP(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFD̰6LVWHPDV
(O«WULFRVGH(QHUJLDb /((6(( «XPDRIHUWDIRUPDWLYDFRP
TXDOLGDGH UHFRQKHFLGD D Q¯YHO QDFLRQDO H LQWHUQDFLRQDO GH
YLGR¢DFUHGLWD©¥RGRVHORHXURSHX(85$&($PLVV¥RGR
FXUVRFRQVLVWHQDIRUPD©¥RGHOLFHQFLDGRVHP(QJHQKDULD
Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia com distinta
competência no domínio do “saber fazer̹ TXH UHVSRQGD ¢
H[SHFWDWLYDFRQVWUX¯GDHPUHOD©¥RDRPHUFDGRGHWUDEDOKR
Para além de centrar o esforço de formação para a ver
WHQWHGDFRQFH©¥RDSRVWDGHVREUHPDQHLUDQDVYHUWHQWHVGD
RSHUD©¥RGRGHVHQYROYLPHQWRGDVFDSDFLGDGHVGHDQ£OLVH
estruturação e organização dos processos e do controlo de
H[HFX©¥R'HDFRUGRFRPRVSUHVVXSRVWRVVXSUDFLWDGRVRV
REMHWLYRVJHUDLVGRFXUVRYLVDUDPSUHHQFKHUIXQGDPHQWDO
PHQWH XPD EDVH SURSHG¬XWLFD FDSD] GH VXSRUWDU D FRP
preensão correta das tecnologias eletrotécnicas e sua evo
OX©¥REHPFRPRDFRPSUHHQV¥RGDVEDVHVHPHWRGRORJLDV
HVVHQFLDLVGDFRQFH©¥RHPHQJHQKDULDHOHWURW«FQLFD
São objetivos genéricos do Curso de Licenciatura em
(QJHQKDULD (OHWURW«FQLFD ̰ 6LVWHPDV (O«WULFRV GH (QHUJLD
dotar os seus diplomados com competências para:
• $QDOLVDUH[SHULPHQWDUHFULWLFDUVROX©·HV
• 3HVTXLVDU LQYHVWLJDU H GHVHQYROYHU PHWRGRORJLDV SUR
cessos e novas soluções;
• ,GHQWLͤFDUHUHVROYHUSUREOHPDVDXWRQRPDPHQWH
• ,QRYDUWHQGRHPFRQWDXPGHVHQYROYLPHQWRVXVWHQW£YHO
• Utilizar com segurança os recursos disponíveis (orça
PHQWRWHPSRPDWHULDLVHVIRU©RKXPDQRHQWUHRXWURV 
• &RPSUHHQGHUHSURGX]LULQIRUPD©¥RW«FQLFDHFLHQW¯ͤFD
QD VXD £UHD GH IRUPD©¥R H[SUHVVD HP O¯QJXD LQJOHVD
sob a forma oral e escrita;
• ,QWHJUDUPRWLYDUHOLGHUDUHTXLSDVGHWUDEDOKR
• &RRSHUDUHWUDEDOKDUHPHTXLSD
• 7UDEDOKDUDXWRQRPDPHQWHFRPUHVSRQVDELOLGDGH
• Integrar rapidamente novas equipas e participar em no
vas atividades;
• Ter espírito ambicioso e empreendedor.
60 dossier sobre iluminação e light design

2 &XUVR GH /LFHQFLDWXUD HP (QJHQKDULD (OHWURW«FQLFD ̰ 6LVWHPDV MJF: 2 FXUVR WHP XPD IRUWH HPSUHJDELOLGDGH QDV VHJXLQWHV £UHDV
Elétricos de Energia visa formar diplomados com sólida formação nas produção de energia elétrica; transporte e distribuição de energia elé
£UHDVSURSHG¬XWLFDVGD(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFDFRPHVSHFLDOUHOH WULFDFRPHUFLDOL]D©¥RGHHQHUJLDHO«WULFDHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDHJHV
Y¤QFLDSDUDWRGRVRVDVVXQWRVUHODFLRQDGRVFRPR6HWRU(QHUJ«WLFR W¥RGHHQHUJLDFHUWLͤFD©¥RHQHUJ«WLFDGHHGLI¯FLRVSURMHWRH[HFX©¥R
RV6LVWHPDV(O«WULFRVGH(QHUJLDHDV0£TXLQDVH,QVWDOD©·HV(O«WULFDV H H[SORUD©¥R GH LQVWDOD©·HV HO«WULFDV WHOHFRPXQLFD©·HV H VLVWHPDV
WHQGRDLQGDFRPRREMHWLYRVHVSHF¯ͤFRVIRUPDUGLSORPDGRVFRPFRP GH VHJXUDQ©D DXWRPD©¥R GRPµWLFD H JHVW¥R W«FQLFD FHQWUDOL]DGD
petências para: HOHWURPHF¤QLFD PDQXWHQ©¥R GH LQVWDOD©·HV LQGXVWULDLV FRPHUFLDLV
• ,QWHUYLUQDRSHUD©¥RFRPHUFLDOL]D©¥RXWLOL]D©¥RDQ£OLVHHVSHFLͤ KRVSLWDODUHV IXQ©·HV W«FQLFRFRPHUFLDLV FRPR IDEULFDQWHV H GLVWUL
cação e projeto de todos os produtos e serviços que se inserem na buidores; no ensino e formação; entre outras.
£UHDGD(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFD $ WD[D GH HPSUHJDELOLGDGH GR FXUR GH /((6(( « PXLWR HOHYDGD
• $WXDUQDRSHUD©¥RFRQWURORHJHVW¥RGRV6LVWHPDV(O«WULFRVGH(QHUJLD VLWXDQGRVHDFLPDGRV
• 5HDOL]DUSURMHWRVGH,QVWDOD©·HV(O«WULFDVDFRPSDQKDUDVXDH[H
cução e assegurar a sua manutenção; oe: Que importância e que objetivos primordiais apresenta a ca-
• $QDOLVDU DYDOLDU H SURSRU VROX©·HV SDUD WRGDV DV TXHVW·HV UHOD deira de Luminotecnia no plano de estudos da Licenciatura em
FLRQDGDV FRP D XWLOL]D©¥R GH HQHUJLD GDQGR SULQFLSDO UHOHY¤QFLD Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia?
¢VTXHVW·HVUHODFLRQDGDVFRPDHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDHXWLOL]D©¥R MJF: A formação em luminotecnia é uma aposta do curso de
racional de energia elétrica; /LFHQFLDWXUD HP (QJHQKDULD (OHWURWHFQLD ̰ 6LVWHPDV (O«WULFRV GH
• Intervir na manutenção de unidades industriais no geral e na ma Energia. O curso tem no seu programa curricular uma unidade de
QXWHQ©¥RGHHTXLSDPHQWRVHO«WULFRVHPSDUWLFXODUSURMHWDULQVWD /XPLQRWHFQLDQDTXDOVHSUHWHQGHIRUQHFHUDRVDOXQRVFRQKHFLPHQ
ODUHPDQWHUVLVWHPDVHOHWURPHF¤QLFRVSQHXP£WLFRVHKLGU£XOLFRV WRV VREUH RV SURFHVVRV WHFQRORJLDV H HTXLSDPHQWRV GH SURGX©¥R
• *HULUUHFXUVRVKXPDQRVHPDWHULDLVHPDWLYLGDGHVQR¤PELWRGD FRPDQGRFRQWURORHPHGLGDGDOX]DQ£OLVHHGHVHQYROYLPHQWRGHSUR
(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFD MHWRVOXPLQRW«FQLFRVHVWXGRVW«FQLFRVHHFRQµPLFRVGHVROX©·HVGH
LOXPLQD©¥R3UHWHQGHVHDLQGDGRWDURVDOXQRVGHFRPSHW¬QFLDVVREUH
3DUDFXPSULUWRGRVRVREMHWLYRVHQXQFLDGRVDH[HFX©¥RGRSODQRGH DWHRULDHSU£WLFDGRSURMHWRH[HFX©¥RHH[SORUD©¥RGHLQVWDOD©·HVGH
HVWXGRVGRFXUVRWHPHPDWHQ©¥RTXHQDIRUPD©¥RGRVDOXQRVVHMDP LOXPLQD©¥R3UHWHQGHVHDLQGDGHVHQYROYHUQRVDOXQRVFRPSHW¬QFLDV
contemplados os seguintes aspetos: de Lightdesign.
• %DVHV SURIXQGDV H FRQFHLWRV IXQGDPHQWDLV EHP VHGLPHQWDGRV
QRPHDGDPHQWHQDV£UHDVSURSHG¬XWLFDV 0DWHP£WLFD)¯VLFD,Q oe: Em termos de projetos ou soluções luminotécnicas, imple-
IRUP£WLFD GDV&L¬QFLDV%£VLFDVGH(QJHQKDULDHGD*HVW¥R mentados no âmbito do curso, algum que queira destacar? Que
• Motivação e criação de condições para adquirir conceitos funda vantagens trouxe, económica ou ecologicamente?
mentais e competências adequadas no âmbito das Ciências Em MJF: (PR,6(3UHFHEHXRSU«PLR*UHHQ/LJKWDWULEX¯GRQR¤PEL
presariais e outras Ciências Sociais e Humanas; to da remodelação do seu edifício I e na integração de soluções ener
• &RQKHFLPHQWRVQDV£UHDVGDHVSHFLDOLGDGHGRFXUVR J«WLFDVPDLVHͤFLHQWHVQRPHDGDPHQWHQRTXHVHUHIHUH¢LOXPLQD©¥R
• &RQKHFLPHQWRVWHFQROµJLFRVDWXDOL]DGRV GRPHVPR3RVWHULRUPHQWHHFRPEDVHHPHVWXGRVW«FQLFRVHFRQµ
• &DSDFLGDGHVGHDQ£OLVHV¯QWHVHHLQWHUSUHWD©¥R PLFRVUHDOL]DGRVSRUDOXQRVQR¤PELWRGRVVHXVWUDEDOKRVGHͤPGH
• Capacidade crítica; FXUVRQDXQLGDGHFXUULFXODUGHHVW£JLRSURMHWRGRFXUVRGH/((6((
• &DSDFLGDGH GH LGHQWLͤFDU DV PHOKRUHV WHFQRORJLDV SDUD UHVROYHU que demostraram o interesse técnico e económico da alteração das
um dado problema; VROX©·HVGHLOXPLQD©¥RGHDOJXPDVLQVWDOD©·HVR,6(3SURPRYHXD
• &DSDFLGDGHGHVDEHUSURFXUDUSHVTXLVDUHLQYHVWLJDU substituição da iluminação exterior do seu campusDVVLPFRPRDLOX
• Capacidade de aprender ao longo da sua vida; PLQD©¥RGHHVSD©RVFRPXQVHVDODVGHDXODSRULOXPLQD©¥RSRUWHF
• 3UµDWLYLGDGH VHUHPLQWHUYHQLHQWHV  QRORJLDV/('1HVWHPRPHQWRH[LVWHPHPFXUVRRXWURVSURMHWRVGH
• &RQKHFLPHQWRGRPHLRHQYROYHQWH PHOKRULDGDHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDGR,6(3QRPHDGDPHQWHQRTXHVH
• )DFLOLGDGHGH FRPXQLFD©¥RYHUEDO H HVFULWDHP 3RUWXJX¬V H DG UHIHUH¢VXEVWLWXL©¥RGDWHFQRORJLDHFRQWURORGDLOXPLQD©¥RGHHVSD
PLVVLYHOPHQWHFRPPHQRUTXDOLGDGHHP,QJO¬V ©RVDGPLQLVWUDWLYRVHGHDSRLRDRHVWXGRHPSDUWLFXODUGDELEOLRWHFD
• &DSDFLGDGHGHWUDEDOKRHPJUXSRHGHSDUWLOKDGHFRQKHFLPHQWRV
• Capacidade de construção da sua própria carreira; oe: O Departamento de Engenharia Eletrotécnica e o curso de
• Cultura geral adequada que permita compreender o impacto das Licenciatura em Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos
VROX©·HVGH(QJHQKDULDQRFRQWH[WRVRFLDO de Energia (LEE-SEE) organiza e acolhe, regularmente, jornadas
• &DSDFLGDGHSDUDJDUDQWLUQDVXDSURͤVV¥RDVD¼GHHDVHJXUDQ©D e eventos, no âmbito dos cursos que ministra ou das temáticas
S¼EOLFD neles abordadas. O que há preparado, dentro da temática da Lu-
• 1R©·HVGH«WLFDHUHVSHLWRSHORVRXWURVFRPSUHHQV¥RGDQHFHVVL minotecnia, para o ano letivo de 2017/2018?
GDGHGRFUHVFLPHQWRVXVWHQW£YHOHQWUHRXWURV MJF: 2FXUVRGH/LFHQFLDWXUDHP(QJHQKDULD(OHWURW«FQLFD̰6LVWHPDV
• Consciência ambiental. (O«WULFRV GH (QHUJLD /((6((  H R 'HSDUWDPHQWR GH (QJHQKDULD
(OHWURW«FQLFDGR,6(3 RUJDQL]DP GLYHUVDVDWLYLGDGHV TXHSUHWHQGHP
$GLVWLQ©¥RHPDLRUYDOLDGRFXUVRGHVWDFDVHSHODVFDUDWHU¯VWLFDVGR SURPRYHUDLQWHUD©¥RHQWUHRPHLRDFDG«PLFRHRPHLRHPSUHVDULDO
VHX FRUSR GRFHQWH FRPSHW¬QFLD GHGLFD©¥R GLVSRQLELOLGDGH H ULJRU assim como complementar a formação académica que os alunos ob
¢SHUPDQHQWHDWXDOL]D©¥RGRVFRQWH¼GRVFXUULFXODUHV¢UHDOLGDGHGR têm nas atividades regulares do seu curso.
PHLRLQGXVWULDOW«FQLFRHFLHQW¯ͤFRHQYROYHQWHDVVLPFRPR¢OLJD©¥R 6¥RGLYHUVDVDVDWLYLGDGHVGHVHQYROYLGDVTXHSDVVDPSRUFRQIH
FRPXPYDVWRFRQMXQWRGHHPSUHVDVSRUH[HPSORD('35(1(IDFHF U¬QFLDVMRUQDGDVHVHVV·HVW«FQLFDVSDOHVWUDV1RVHYHQWRVUHDOL]D
entre outras. GRVQR,6(3QRDQROHWLYRGHGHVWDFDVHRDFROKLPHQWRH
FRODERUD©¥RQDRUJDQL]D©¥RGDV;;,9-RUQDGDVGHOXPLQRWHFQLD
oe: Em termos de saídas profissionais, nomeadamente no âmbito DQRVGHOX]GR&OXEHGRV1RDQROHWLYRGHSUHWHQGHVH
da Engenharia Eletrotécnica – Sistemas Elétricos de Energia, que GDUFRQWLQXLGDGHDHVWDDSRVWDQDRUJDQL]D©¥RGHHYHQWRVQD£UHDGD
expetativas podem ter os estudantes? Qual a taxa de empregabi- HQJHQKDULDHOHWURW«FQLFDHPJHUDOHHPSDUWLFXODUQRTXHVHUHIHUH¢
lidade atualmente? WHP£WLFDGDOXPLQRWHFQLD

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
62 dossier sobre iluminação e light design

“continuaremos a lutar
para que haja ensino
de iluminação em Portugal”
O Centro Português de Iluminação R0DQXDOGD3ROXL©¥R/XPLQRVDRUJDQL]£PRVWU¬V&RQJUHVVRVRQGH
(CPI) é uma associação constituída foram oradores diversos especialistas estrangeiros e tudo isto supor
em 2006 para a promoção WDGRSHORQRVVRVLWHUHQRYDGRZZZFSLOX]FRP
e desenvolvimento da luminotécnia 2TXHVHQWLPRVGDSDUWHGRVSURͤVVLRQDLVGHVGHSURMHWLVWDVLQV
e do design da iluminação, WDODGRUHVIDEULFDQWHVHQWUHRXWURV«XPDJUDQGHDGHV¥R¢VDWLYLGD
bem como da divulgação GHVGR&3,HXPJUDXGHH[LJ¬QFLDTXHHPPXLWRVFDVRVXOWUDSDVVD
de boas práticas do uso da luz. DFDSDFLGDGHGDQRVVDDVVRFLD©¥RSRLVQ¥RK£PXLWRVHVSHFLDOLVWDV
Alberto Van Zeller, membro e os que existem nem sempre estão disponíveis para acudir a tan
da Direção do CPI, contou tos pedidos de participação ou de presença em conferências como
à revista “o electricista” oradores.
os últimos avanços da associação
e da luminotecnia em Portugal. oe: A formação é um dos principais vetores de atuação do CPI.
Que tipo de ações têm sido planeadas, neste âmbito, e como tem
sido o relacionamento com as Instituições de ensino?
AVZ:(VVH«RQRVVRPDLRUGHVDͤRHRQGHGHGLFDPRVPDLRUHVIRU©R
3DUDRHIHLWRGHVGREUDPRQRVHPGLYHUVRVYHWRUHV
• -XQWRGD6HFUHWDULDGH(VWDGRTXHWXWHODR(QVLQR6XSHULRUDOHU
tando para a necessidade de promover o ensino da iluminação nos
nossos estabelecimentos de ensino. Ainda este ano voltamos a
reunir com esta entidade e paralelamente estamos em contacto
com alguns estabelecimentos de Ensino Superior para a criação
GHSµVJUDGXD©·HV1XPFDVRFRQFUHWRHVWDPRVDHVWXGDUXPD
parceria com um estabelecimento de ensino para o lançamento de
um master em iluminação;
• O próprio CPI lança um a dois cursos de luminotecnia por ano. Pro
FXUDPRV TXH DV QRVVDV DWLYLGDGHV FRPR R ODQ©DPHQWR GH PD
QXDLVRX&$2VVHMDPVHPSUHTXHSRVV¯YHOHPHVWDEHOHFLPHQWRV
de Ensino Superior.

oe: O CPI tem colaborado ativamente com a Ordem dos


Engenheiros em várias iniciativas. Isso reflete a conscienciali-
zação dos engenheiros quanto à importância da luminotecnia
e da iluminação pública nos projetos e quanto à necessidade de
responsabilizar os autores destes projetos?
AVZ: Desde sempre estivemos muito próximos da Ordem dos
(QJHQKHLURVHQR¼OWLPRDQRͤ]HPRVWDPE«PXPDDSUR[LPD©¥R¢2(7
5HVXPLGDPHQWHSURFXUDPRVVHQVLELOL]DUDV2UGHQVGH(QJHQKDULD¢
Revista “o eletricista” (oe): O CPI foi constituído com o “objeti- FULD©¥R GD (VSHFLDOLGDGH GH /XPLQRWHFQLD H SDUD QRVVD VDWLVID©¥R
vo de promover e desenvolver o ensino e a boa arte em ilumi- DPEDVM£DFULDUDP*RVWDU¯DPRVTXHD2UGHPGRV$UTXLWHWRVOKHVVH
nação”. De que forma esse papel tem sido cumprido e entendi- guisse o exemplo.
do pelos profissionais da área e pelas entidades competentes? 3RURXWURODGRFRPRRUJDQL]DPRVPHVDVUHGRQGDVworkshops e
Alberto Van Zeller (AVZ):'HVGHDVXDFRQVWLWXL©¥RR&3,WHPYLQ D©·HVGHIRUPD©¥RDSURYHLWDPRVDVXDJUDQGHFDSDFLGDGHGHFRQ
GRDGHVHQYROYHUXPDV«ULHGHD©·HVQRVHQWLGRGHVHQVLELOL]DUIRUPDU vocação e informação para divulgar temas importantes e atuais da
HLQIRUPDUVREUHDVERDVSU£WLFDVGHLOXPLQD©¥RHRVQRYRVGHVHQYRO iluminação junto dos seus associados.
YLPHQWRVQHVWD£UHD5HVXPLGDPHQWHR&3,GHVGHVHPSUHFRODERUD
FRP DV 2UGHQV SURͤVVLRQDLV SURPRYH UHXQL·HV MXQWR GDV GLYHUVDV oe: Como vê o estado da arte da luminotecnia em Portugal?
LQVWLWXL©·HVFRPLQIOX¬QFLDGLUHWDRXLQGLUHWDPHQWHQDLOXPLQD©¥RRU AVZ: &DµWLFRFRPRXPSRXFRSRUWRGRRPXQGRPDVHP3RUWXJDO
JDQL]DPHVDVUHGRQGDVworkshopsGHEDWHVTXHLQWLWXODPRVGH&$2V DFUHVFHP PDLV DOJXQV IDWRUHV TXH DPSOLͤFDP D VLWXD©¥R GH FDRV
RUJDQL]D FXUVRV FRODERUD FRP DV UHYLVWDV GD HVSHFLDOLGDGH DWUDY«V vejamos:
GD UHGD©¥R GH DUWLJRV IRPRV RV SURPRWRUHV FRQMXQWDPHQWH FRP D • 1¥RK£HQVLQRGHLOXPLQD©¥RHP3RUWXJDOHTXDQGRRK£«PXLWR
6HFUHWDULDGH(VWDGRGH(QHUJLD('35$1$(H$'(1(QDFULD©¥RGR GHͤFLHQWHHXPSRXFRSHODUDPD
'5((,3 FULDPRV PDQXDLV TXH UHVXOWDUDP HP Y£ULDV DSUHVHQWD©·HV • Vivemos uma revolução a diversos níveis com o aparecimento da
S¼EOLFDV SRU WRGR R SD¯V FRPR IRL R FDVR GD 0DQXDO GR &DGDVWUR H tecnologia LED;

www.oelectricista.pt o electricista 61
dossier sobre iluminação e light design 63

• (VVDWHFQRORJLDLQWURGX]FRPSOH[LGDGHGHFRPSRQHQWHVPDLVHͤ de massa crítica e recur


FL¬QFLDPDLVRS©·HVHOHWUµQLFDFRQWURORGRHVSHWURGHOX]UDSL VRV VXͤFLHQWHV SDUD XPD
GH]HFRQWURORGHOX]FRUFRPJUDQGHIDFLOLGDGHQRYDVP«WULFDV HͤFLHQWH H[SORUD©¥R GR
REULJDDQRYDVQRUPDVHQWUHRXWUDV conceito de “cidades inteli-
• $WHFQRORJLDHVW£ORQJHGDVXDPDWXULGDGHGHGHVHQYROYLPHQWRD gentes”. No caso concreto
VXDHYROX©¥R«H[SRQHQFLDOHDLVWRVRPDVHQDWXUDOPHQWHDIDOWD GD LOXPLQD©¥RFRQWUROR ¢
GHFRQKHFLPHQWRDSURIXQGDGRVREUHDPHVPDDOLDGD¢DXV¬QFLD GLVW¤QFLDWHOHJHVW¥R Y¥RVH
de ensino; tomando medidas avulso e
• $LOXPLQD©¥RHRVVHXVREMHWLYRVSDVVDUDPSDUDVHJXQGRSODQRR TXHIDFHDRDWXDOHVW£JLRGD
TXHHVW£QDPRGD«R/('HDVXDXWLOL]D©¥R«JDUDQWLDGHTXDOLGD WHFQRORJLD FRUUHP R ULVFR
GHHHͤFL¬QFLD de obsoletismo em pouco
• $FUHVFH TXH DV DOWHUD©·HV FOLP£WLFDV D QHFHVVLGDGH GH UHGX©¥R WHPSR M£ SDUD Q¥R IDODU GD
dos consumos de energia e o facto de que a iluminação é a forma capacidade do município
PDLV YLV¯YHO GH GLVS¬QGLR GH HQHUJLD ID]HP FRP TXH SUROLIHUHP poder explorar e gerir o sis
projetos de “HͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFD̹HPPXLWRVFDVRVGHVXVWHQWD tema instalado. Acresce que
ELOLGDGHGXYLGRVDHTXHDV¼QLFDVP«WULFDVY£OLGDVV¥RDSRXSDQ©D DUHGHGHLOXPLQD©¥RS¼EOLFD
de energia e o payback; «FRQFHVVLRQDGDDWHUFHLURV
• Finalmente a tecnologia LED trouxe para o mercado novos players QHVWH FDVR ¢ GLVWULEXLGRUD
HQRYRVGHFLVRUHVRTXHDW«VHU£SRVLWLYRPDVDW«TXHRPHUFDGR 3RUWDULDGHPDLR 
se ajuste... e duvidamos da sustentabi
OLGDGH GD LPSOHPHQWD©¥R GH XP VLVWHPD GH WHOHJHVW¥R SDWURFLQDGR
oe: O CPI constituiu um Grupo de Trabalho para atualizar o SHOR PXQLF¯SLR QXPD UHGH JHULGD SRU WHUFHLURV H VHP TXH R PHVPR
DREEIP (Documento de Referência de Eficiência Energética WHQKDXPDSODWDIRUPDKRUL]RQWDOLQVWDODGD
para a Iluminação Pública), criado em 2011 e desatualizado face 3RU RXWUR ODGR HQIUHQWDPRV DLQGD PXLWRV SUREOHPDV HVSHWUR GH
à EN13201. Em que ponto se encontra esse processo? 5) VDWXUDGR GLYHUVRV H LQFRPSDW¯YHLV SURWRFRORV GH FRPXQLFD©¥R
AVZ: $TXDQGR GD FULD©¥R GR DQWLJR '5((,3 HP  D LGHLD HUD VHJXUDQ©DGHGDGRVHDSHUJXQWDGHXPPLOK¥RGHHXURVDTXHPSHU
DWXDOL]£ORQRͤQDOGHFDGDDQRWHQGRHPFRQWDDHYROX©¥RWHFQR WHQFHPHVWHVGDGRV"(VWDPRVDIDODUGRFRQFHLWRGH̸cidades inteli-
OµJLFD DV LPSOLFD©·HV QR SURMHWR OXPLQRW«FQLFR H D H[SHUL¬QFLD GD gentes̹Q¥RGHXPVLVWHPDGHWHOHJHVW¥RLQWHOLJHQWH
DSOLFD©¥RGRPHVPRSRUSDUWHGRVSURͤVVLRQDLV,VVRQXQFDIRLIHLWR )LQDOPHQWHFRPR«TXHVHSRGHIDODUQXPFRQFHLWRGH̸cidades in-
H QHVWH PRPHQWR WHPRV XPD QRYD YHUV¥R GD (1'H]  teligentes” quando a ANMP e a distribuidora assinam um novo Anexo 1
que em muitos aspetos introduz importantes alterações no proje FRQWUDWR GH FRQFHVV¥R  VHP XPD ¼QLFD SDODYUD VREUH VLVWHPDV GH
WRGHLOXPLQD©¥RS¼EOLFDHSRURXWURODGRDWHFQRORJLD/('HYROXLX JHVW¥RGHLOXPLQD©¥R"$LOXPLQD©¥RS¼EOLFDRXLQWHULRUSHODVXDXEL
exponencialmente. TXLGDGH«LQFRQWRUQ£YHOQXPVLVWHPDsmart city, building, home, car,
3RUHVVDUD]¥RR&3,VXJHULX¢6HFUHWDULDGH(VWDGRGH(QHUJLDD entre outros.
FULD©¥RGHXPJUXSRGHWUDEDOKRSDUDUHYHUHDWXDOL]DUR'5((,3HTXH 6REUH HVWH DVSHWR « TXH RV PXQLF¯SLRV GHYHP HVWDU DWHQWRV H
PHUHFHXDVXDDSURYD©¥R2JUXSRHVW£FULDGRHQHOHHVW¥RUHSUHVHQ TXDOTXHULQYHVWLPHQWRQDLOXPLQD©¥RS¼EOLFDGHYLDVHUREMHWRGHXP
WDGRVDOJXQVVµFLRVFRPPDLRUFRQKHFLPHQWRQD£UHDHTXHVHGLVSR FXLGDGR SODQHDPHQWR H Q¥R FRPR ¼QLFR REMHWLYR D SRXSDQ©D GH
QLELOL]DUDP̰D2(2(7D$103HD'*(*2JUXSRM£UHXQLXDQWHVGR energia/payback.
SHU¯RGRGHI«ULDVHDUHYLV¥RGRGRFXPHQWRHVW£DDQGDUDERPULWPR
3HQVDPRVTXHHPͤQDLVGHRXWXEURRQRYR'5((,3HVWDU£GLVSRQ¯YHO oe: A tecnologia LED está muito em voga, mas certos parâme-
e com importantes alterações. tros de iluminação não são tidos em conta nos projetos de ilu-
minação. O CPI também tem estado atento a este problema, no-
oe: Uma delegação do CPI foi recebida na Assembleia da meadamente à importância de criar uma Norma de referência
República, a 4 de abril de 2017, no âmbito desta atualização do para aplicação do chamado Fator de Manutenção da Tecnologia
DREEIP. O poder político está recetivo para esta problemática LED. Em que ponto está este processo?
e para a importância da luminotecnia, nomeadamente em ter- AVZ:'HIDFWRFRPGXUDELOLGDGHVSUHYLVWDVSDUDOXPLQ£ULDV/('W¥R
mos de obras públicas? DODUJDGDV DOJXQV IDEULFDQWHV DSRQWDP SDUD PDLV  PLO KRUDV 2
AVZ: 6LP PXLWR UHFHWLYR H SUHRFXSDGR $ QRVVD LGHLD IRL UHIRU©DU D F£OFXORGRIDWRUGHPDQXWHQ©¥RGDLQVWDOD©¥RWDOFRPRDJRUD«FDO
QHFHVVLGDGHGHHQVLQRQD£UHDGHLOXPLQD©¥RDOHUWDUSDUDRVGHVDͤRV FXODGR « H[WUHPDPHQWH SHQDOL]DGRU SDUD D HͤFL¬QFLD HQHUJ«WLFD GD
que a meteórica evolução da tecnologia LED representa para investi PHVPD1HVWHVHQWLGRR&3,LU£LQFOXLUM£QDUHYLV¥RGR'5((,3XPD
PHQWRVPDFL©RVQDLOXPLQD©¥RS¼EOLFDHDXUJ¬QFLDSDUDDDWXDOL]D©¥R RXWUDDSUR[LPD©¥RDRF£OFXORGRIDWRUGHPDQXWHQ©¥RGDLQVWDOD©¥R
GR'5((,3)RUDPGHEDWLGRVPXLWRVPDLVSRQWRVHVXUSUHHQGHXQRVR H LQFOXLU XPD PDLVYDOLD GD WHFQRORJLD /(' TXH « R &/2 Constant
JUDXGHFRQKHFLPHQWRHHQYROYLPHQWRGRVGHSXWDGRVSUHVHQWHVQHVWD Lumen Output).
reunião.
oe: E em termos futuros, quais serão os “cavalos de batalha”
oe: A otimização dos gastos energéticos é um dos grandes de- do CPI, quanto à melhoria da regulamentação e das práticas de
safios das cidades atuais. O conceito de “cidades inteligentes” luminotecnia em Portugal?
está muito em voga. Os municípios portugueses estão atentos a AVZ: &RPROLQKDVPHVWUDVFRQWLQXDUHPRVDOXWDUSDUDTXHKDMDHQ
esta realidade e a preparar ativamente medidas para uma me- VLQRGHLOXPLQD©¥RHP3RUWXJDOHDIRUPD©¥RGRVGLYHUVRVSURͤVVLR
lhor utilização dos recursos de iluminação? QDLVOLJDGRVDRVHWRUHQYROYHQGRRVIDEULFDQWHVLPSRUWDGRUHVGLV
AVZ: Na nossa opinião existe uma forte vontade política de abraçar o WULEXLGRUHV2UGHQVHRPDLRUQ¼PHURGHXQLYHUVLGDGHV0DQWHUHPRV
conceito de “cidades inteligentes̹QRHQWDQWRVHQWLPRVTXHK£PXLWR RFLFORGHGHEDWHVHPHVDVUHGRQGDV3DUDRVSUµ[LPRVPHVHVR&3,
UX¯GRHSRXFRHVFODUHFLPHQWR¢YROWDGHVWHPHVPRFRQFHLWR HVW£DDWXDOL]DUR'5((,3HLU£ID]HUXPPDQXDOGHPDQXWHQ©¥RSDUD
9HMDPRVGRFRQKHFLPHQWRTXHWHPRVQHQKXPDFLGDGHWHPXPD DLOXPLQD©¥RS¼EOLFDHXPPDQXDOVREUHLOXPLQD©¥RSDUDDWHUFHLUD
SODWDIRUPD KRUL]RQWDO LQVWDODGD SRXFRV PXQLF¯SLRV HVWDU¥R GRWDGRV idade.

www.oelectricista.pt o electricista 61
64 dossier sobre iluminação e light design

to be or not to be…
um Lighting Designer
Pedro Telhado
Astratec

Londres, 27 de outubro de 2007, mais 2XVRGDOX]DUWLͤFLDOWHPPLOKDUHVGHDQRVPDVVµFRPDLQYHQ©¥RH


de 1000 profissionais, no que viria a ser advento da luz elétrica é que se começou a delinear a necessidade de
considerado o primeiro congresso mundial SURMHWDU$HYROX©¥RWHPVLGRJDORSDQWHPDVWDPE«PVµQRV¼OWLPRV
de Lighting Designers, elaboram e aprovam,  DQRV FRP R DFHQWXDU GD JOREDOL]D©¥R GD VRFLHGDGH H HVWD D
por unanimidade, uma declaração que YLYHUKRUDVSRUGLD«TXHRSDSHOGDOX]DUWLͤFLDODVVXPHRSDSHO
enquadrava e definia a profissão de Lighting fundamental nas nossas vidas.
Designer (LD).

$SHVDU GH KDYHU PXQGLDOPHQWH HVVD GDWD PLOKDUHV GH ̸Lighting


Designers̹ H GH]HQDV GH HVFRODV D OHFLRQDU OLFHQFLDWXUDV PHVWUD
GRVHSµVJUDGXD©·HVQDGDKDYLDTXHRVXQLVVHHGHIHQGHVVHFRPR ‹FRPOX]TXHYHPRV«FRPOX]TXHUHJXODPRVRQRVVRPHWDEROLVPR
SURͤVVLRQDLV «FRPOX]TXHUHDJLPRV«FRPOX]TXHWUDEDOKDPRVHYLYHPRV

'H WRGDV DV W«FQLFDV R SURMHWDU GD OX] DUWLͤFLDO « D PDLV UHFHQWH RV
SULPµUGLRVGDDUTXLWHWXUDHGDHQJHQKDULDW¬PPLOKDUHVGHDQRVDGR
/' WHP GH]HQDV PDV Q¥R GHL[D GH WHU XPD LPSRUW¤QFLD IXQGDPHQ
WDO QD DUWH GH EHP SURMHWDU H XWLOL]DU DV QRVVDV FLGDGHV RV QRVVRV
edifícios.
O bom uso da luz implica mais do que reduzir as potências no con
VXPR HVW£ UHODFLRQDGR FRP D FULD©¥R GH DPELHQWHV GH OX] DGHTXD
GRVDFDGDXWLOL]DGRUHDFDGDHVSD©RFRPDVHJXUDQ©DFRPDQRVVD
VD¼GHPDVWDPE«PFRPEHOH]DDUWHHHPR©¥R

www.oelectricista.pt o electricista 61
dossier sobre iluminação e light design 65

2ERPXVRGDOX]VLJQLͤFDHQWHQGHUTXDQGRDVRPEUDRXDHVFX uso da luz natural. Os aspetos normativos e regulamentares são cada


ULG¥RGHYHDFRQWHFHU1DQDWXUH]DDIDXQDHDIORUDQHFHVVLWDPGDOX] YH]PDLVULJRURVRVUHVWULWLYRVHW«FQLFRV
GRGLDPDVWDPE«PGDHVFXULG¥RGDQRLWH$W«RVHUKXPDQRSUHFLVD O aspeto económico é transversal a todos estes temas e não menos
GHHVFXULG¥R1µVYHPRVSRUFRQWUDVWHGHOXPLQ¤QFLDHGHFRU2QRV UHOHYDQWH2ERPXVRGDOX]WHPGHVHUDFXVWRVDFHLW£YHLVHDGHTXDGRV
VRROKRKXPDQRLQWHUSUHWDVHPSUHRFDPSRYLVXDOREMHWRSULQFLSDOH 'HXPDIRUPDUHVXPLGDDHVSHFLDOLGDGHGHSURMHWLVWDGDOX] /' «
FRQWRUQRVLPHGLDWRVHH[WHULRUHV GHLPSRUW¤QFLDIXQGDPHQWDOGHHQRUPHUHVSRQVDELOLGDGHHGHHVSH
FLͤFLGDGHW«FQLFDPXLWRHOHYDGD
8PDGDVTXHVW·HVPXLWRGLVFXWLGDVHP3RUWXJDOHQ¥RVµ«TXHP
GHYHRXSRGHSURMHWDUXPVLVWHPDGHLOXPLQD©¥R(QJHQKHLURVRXDU
quitetos ou designers6HU£RXRXVHU£H"4XHPHVW£KDELOLWDGR"(P
TXDVHQHQKXPDHVFRODGRQRVVRSD¯VVHHQVLQDLOXPLQD©¥RFRPRWUD
WDUDOX]RXTXDOTXHUWHPDUHODFLRQDGRFRPDOX]TXDQWRPDLVSURMHWDU
'R GLFLRQ£ULR D WUDGX©¥R GH Lighting « LOXPLQD©¥R GH Design é
GHVHQKR SURMHWDU GHVHQKDU Lighting Design « GHVHQKDU H SURMHWDU
LOXPLQD©¥R(PWHUPRVLQWHUQDFLRQDLVXPLighting Designer é quem
ID]SURMHWRVGHLOXPLQD©¥R«TXHPWHPDFRPSHW¬QFLDDH[SHUL¬QFLD
HRFRQKHFLPHQWRSDUDRID]HU'L]HUTXHVH«Lighting Designer não
VLJQLͤFDV¬OR3HODMXYHQWXGHGDSURͤVV¥RVHU£O¯FLWRGL]HUTXHVµRV
JUDGXDGRV DFDGHPLFDPHQWH R V¥R" (P 3RUWXJDO Q¥R K£ OLFHQFLDWX
UDK£RXKRXYHDOJXPDVSµVJUDGXD©·HV+£RUJDQL]D©·HVLQWHUQD
cionais de Lighting Designers em que o processo de admissão para
PHPEURHUHFRQKHFLPHQWRFRPRSURͤVVLRQDOSDVVDSRUXPSURFHVVR
ULJRURVRWUDQVSDUHQWHHGLI¯FLO
1XPDVSHWRRPHUFDGRDXWRUUHJXODVH6HU£RPHUFDGRDGDUSUH
IHU¬QFLD H VHOH©¥R D TXHP HQWHQGHU TXH GHYH SURMHWDU D LOXPLQD©¥R
GHSHQGHQGRWDPE«PGRWLSRGHSURMHWRHDTXHPVHGHVWLQDSRLVGHQ
2VGRLVTXDGUDGRVFHQWUDLVV¥RLJXDLVPDVRQRVVRF«UHEURGL]QRV tro do Lighting DesignKDYHU£HVSHFLDOLVWDV
RFRQWU£ULR &DGDSURMHWLVWDWHU£RVHXSRUWHIµOLRGHWUDEDOKRVUHDOL]DGRVWHU£R
$VWHFQRORJLDVGHFRQVWUX©¥RHYROX¯UDPPXLWRQRV¼OWLPRVDQRV seu curriculum3RURXWURODGRFRPRTXDOTXHUHVSHFLDOLGDGHHOHGHYH
RQGHVHLQFOXHPDLOXPLQD©¥RTXHUDUWLͤFLDOTXHUQDWXUDOFRPRDGR U£HVWDUHQTXDGUDGROHJDOPHQWH

PUB
66 dossier sobre iluminação e light design

(VWDPRV PDO HP 3RUWXJDO &RPH©DQGR SHOD SDUWH OHJDO RV SUL “O bom uso da luz significa entender
PHLURV SDVVRV Q¥R V¥R RV PHOKRUHV V¥R FRUUHWRV SRU GHͤQLUHP QR quando a sombra ou a escuridão
¤PELWRGDHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDTXHPSRGHU£SURMHWDUPDVQRP¯QLPR deve acontecer. Na natureza,
considero restritivo. a fauna e a flora necessitam da luz
+£PXLWRVHQJHQKHLURVTXHV¥RSURIXQGRVFRQKHFHGRUHVGDDUWH do dia, mas também da escuridão
HW«FQLFDGHLOXPLQDUPDVK£DTXHOHVTXHQDGDSHUFHEHPSRLVQLQ da noite. Até o ser humano precisa
JX«P RV HQVLQRX 3URMHWDU OX] Q¥R « GLVWULEXLU OXPLQ£ULDV SHOR WHWR de escuridão. Nós vemos por contraste,
&RPRDWU£VGLVVHVREUHRV/'VRQGHDTXLLQFOXRWRGRVRVFDQGLGDWRV de luminância e de cor. O nosso olho
D SURMHWLVWD GH LOXPLQD©¥R Q¥R EDVWD GL]HU TXH VRX WHQKR GH SURYDU humano interpreta sempre o campo
com o meu CV e obra feita. visual, objeto principal e contornos,
3HORPHUFDGRVHRVDJHQWHVHFRQµPLFRVSRXFRRXQDGDVDEHP imediatos e exteriores.“
(ou pelo menos numa grande maioria) do papel e da importância da
OX] D VXD VHOH©¥R WHQGH PDLRULWDULDPHQWH QD YHUWHQWH SUH©RFXVWR
investimento.
4XDORFDPLQKR"1DWHRULD«PXLWRI£FLOFRORFDUHPSU£WLFD«PXL
WRFRPSOH[R7HRULFDPHQWH«I£FLOWHU£GHKDYHUXPDHQWLGDGH¼QLFD
OLJDGDDWRGRVRVWHPDVGDOX]GLULJLGDSRUTXHPHQWHQGDGHOX]GRV
DVSHWRVW«FQLFRVDFDG«PLFRVFULDWLYRVOHJDLVHTXHFHUWLͤTXHHQR
PHLHDWUDY«VGHXPSURFHVVRVHOHWLYRFODURREMHWLYRHFULWHULRVRTXHP
pode projetar.
1DSU£WLFD«PXLWRFRPSOLFDGRK£LQWHUHVVHVLQVWDODGRVK£DJHQ
GDV SHVVRDLV K£ SUHVV·HV H lobbies que toldam o discernimento
coletivo.

3URMHWDUXPDQDYHLQGXVWULDOQ¥R«RPHVPRTXHSURMHWDUXPDIDFKDGD
de um monumento; projetar um centro comercial não é o mesmo que
XPHGLI¯FLRGHHVFULWµULRV+DYHU£W«FQLFRVFRPIRUPD©¥RHH[SHUL¬Q
FLDHPFDGDFDVRRXDOJXQVKDYHU£HTXLSDVTXHDEUDQMDPWRGRVRX
quase todos os campos de aplicação.
2VSULQF¯SLRVE£VLFRVHWHµULFRVV¥RFRPXQVDWRGRVRVSURMHWRV
2VSULQF¯SLRVGDYLV¥RHGDLQWHUD©¥RGRKRPHPFRPRPHLRYLVXDOTXH
RURGHLDRFRQKHFLPHQWRSURIXQGRGDVIRQWHVGHOX]HHTXLSDPHQWRV
RFRPSRUWDPHQWRGRVREMHWRVDLOXPLQDUHPRVDVSHWRVQRUPDWLYRV
UHJXODPHQWDUHVHOHJDLVHRVHXFXPSULPHQWR7XGRLVWRHFRPRV¥R
XWOL]DGRV ID] SDUWH GDV FRPSHW¬QFLDV H REULJD©·HV GR W«FQLFR TXH
+LVWRULFDPHQWHTXHPSURMHWDDLOXPLQD©¥RV¥RRVHQJHQKHLURVHOHWUR projeta.
W«FQLFRV SRUTXH KLVWRULFDPHQWH SURMHWDU HUD XP SURFHVVR TXDVH Vµ $H[SHUL¬QFLDHPREUD«IXQGDPHQWDORGHWDOKHGRSURMHWRGHH[H
TXDQWLWDWLYRluxes, lumens, wattsPHWURVHQWUHRXWURV̿KRMHSURMHWDU FX©¥R«LPSRUWDQWHPDVQ¥RVXEVWLWXLRDSRLRGXUDQWHDPHVPDH[H
DOX] QDWXUDOHDUWLͤFLDO «XPSURFHVVRWUDQVYHUVDOHFRPSOH[R‹XP FX©¥R0XLWDVYH]HVDDͤQD©¥RͤQDOGRVVLVWHPDVGHLOXPLQD©¥RGHYH
SURFHVVRGHHQJHQKDULDGHDUTXLWHWXUDHGHDUWH VHUDFRPSDQKDGDRXPHVPRUHDOL]DGDSHORSURMHWLVWD
2FRQKHFLPHQWRFLHQW¯ͤFRHPS¯ULFRHW«FQLFRDOLDGR¢VQRYDVWHF 8PDUTXLWHWRRXXPHQJHQKHLURGHVGHTXHOLFHQFLDGR UHͤURPH
QRORJLDVHOHYDDIDVTXLDHPPXLWR6DEHPRVKRMHGHXPDIRUPDPXLWR DSU«%RORQKD RXPHVWUHLQVFULWRQDUHVSHWLYDRUGHPHVW£KDELOLWD
FODUDFRPRQµVDJLPRVUHDJLPRVHLQWHUDJLPRVFRPDOX]2QRVVR do a fazer todo o tipo de projeto dentro da sua especialidade (sal
ROKR«XPµUJ¥RIDEXORVRUHFHEHLQIRUPD©¥RSURFHVVDHWUDQVPLWHD YDJXDUGDQGR DOJXPD UHVWUL©¥R TXH GHVFRQKH©R  1XP IXWXUR Q¥R
DRQRVVRF«UHEUR(VWHSURFHVVR«GLQ¤PLFR«PXOWLGLVFLSOLQDU muito longínquo espero que o mesmo se passe com “formados em
Iluminação”.
3HORTXHM£GLVVHDWU£VWHU£GHKDYHUXPSDVVRLQWHUP«GLRTXHYD
ORUL]HHGLJQLͤTXHDSURͤVV¥RGHSURMHWLVWDGHLOXPLQD©¥R
As nossas escolas têm de começar a falar da importância da luz
QRDPELHQWHHQRVVHUHVKXPDQRVPXLWRFHGRWHPGHKDYHUFXUVRV
VXSHULRUHVSDUDHVWHVHWRU7HPGHKDYHUFXUVRVW«FQLFRVHVXSHULRUHV
sobre este tema.
O poder político tem de considerar um assunto importante o
WHPD GD LOXPLQD©¥R SRLV D RSLQL¥R S¼EOLFD HP JHUDO H RV DJHQWHV
económicos que decidem direta ou indiretamente sobre sistemas de
LOXPLQD©¥RW¬PGHHVWDUPDLVLQIRUPDGRVHPRWLYDGRVSDUDDVERDV
SU£WLFDV
7HQKRXPFRPSURPLVVRFRPLJRSUµSULRGHGHIHQGHUHVWDVERDV
SU£WLFDV GR ERP XVR GD OX] KDYHU£ PXLWD JHQWH TXH Q¥R FRQFRU
GD FRPLJR PDV IHOL]PHQWH PXLWD JHQWH TXH VH UHY¬ QHVWD PLQKD
missão.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
68 entrevista

“soluções sustentáveis
e eficientes contribuem para
uma maior rentabilidade das
empresas e das instituições”
por Marta Caeiro

Fornecedor internacional sos países e regiões e em Portugal queremos


de soluções de iluminação, HVWDU QR ̸7RS ̹ GDV HVFROKDV GRV QRVVRV
a marca Zumtobel FOLHQWHV SDUD DSOLFD©·HV FRP PHOKRU VHUYL
é sinónimo de inovação, ço e valor acrescentado. Existem parceiros
qualidade de produtos, locais que têm desenvolvido um excelente
de serviços e de design. Com WUDEDOKRQRQRVVRPHUFDGRGHVLJQDGDPHQWH
o intuito de criar a melhor luz D 6RW«FQLFD SUHVHQWH HP Y£ULRV VHJPHQWRV
para as pessoas e para o meio GRPHUFDGRHTXH«XPSDUFHLURKLVWµULFRGR
ambiente, a Zumtobel oferece JUXSR7HQGRHPFRQWDDVPLQKDVDWXDLVIXQ
soluções personalizadas ©·HVDLQG¼VWULD«XPGRVVHJPHQWRVDTXH
com valor acrescentado, dedicaremos muita atenção mas a estratégia
conforme contou à Revista PXOWLPDUFD TXH D =XPWREHO DSUHVHQWD QR
“o electricista” António PHUFDGR JDUDQWH XPD RIHUWD FRPSOHWD HP
Costa Brás, Regional todos os segmentos e aplicações de merca
Sales Manager Portugal GRHLVVRVHU£XPDPDLRUYDOLDSDUDRVQRV
& Business Development sos clientes de Portugal que passam a ter
Industry Southern Europe um contacto mais próximo com as marcas
do Grupo. mentariedade permite uma oferta global para =XPWREHO7KRUQ$&'&H5HLVVDGLFLRQDQGR
todos os segmentos e aplicações de merca ao seu leque de fornecedores e competidores
GR GHVGH D PDLV VLPSOHV VDOD GH WUDEDOKR ¢ estas quatro marcas de elevado prestígio in
Revista “o electricista” (oe): Como mais complexa instalação com integração de ternacional.
apresentaria a marca Zumtobel àqueles sistemas de controlo de iluminação e restan
que ainda não a conhecem? tes sistemas contemplados nos edifícios e oe: De que forma se diferenciam estes
António Costa Brás (ACB): $ =XPWREHO instalações. projetos e soluções da Zumtobel, da res-
é um grupo e uma marca líder em diversos tante oferta do mercado?
VHJPHQWRV GD LQG¼VWULD GD ,OXPLQD©¥R 3UR oe: “Um foco consistente na inovação e ACB: $ =XPWREHO « O¯GHU HXURSHX GH SUR[L
ͤVVLRQDOTXHFRQTXLVWRXRUHFRQKHFLPHQWRH novas tecnologias e na eficiência ener- midade com os seus parceiros e a procura
muito elevado prestígio a nível internacional gética e sustentabilidade”. De que forma FRQVWDQWH GDV PHOKRUHV VROX©·HV RV Q¯YHLV
com um volume de negócios global de su é que a Zumtobel segue esta visão, que é GHVHUYL©RV W«FQLFRVFRPHUFLDLVHGHdesign)
SHULRUDPLOK·HVGHHXURVHTXHGHGLFD também partilhada por todas as marcas e a oferta multi-brandGHXPDVµFRPSDQKLD
WRGRVRVVHXVUHFXUVRVWHFQROµJLFRVHKXPD que representa? fazem realmente a diferença e proporcionam
nos a servir e satisfazer os seus clientes. ACB: Desenvolvimento e inovação são parte aos nossos clientes um valor acrescentado
LQWHJUDQWHGRSXOVDUGDYLGDGR*UXSR=XPWR para os seus negócios.
oe: Que marcas representa atualmente o EHOTXHLQYHVWHFHUFDGHGRVHXTurnover
Grupo e o que distingue cada uma delas? em projetos de investigação na procura de oe: Que perspetivas estiveram na base da
ACB $ HVWUDW«JLD GR *UXSR =XPWREHO « ED WHFQRORJLDVHVROX©·HVPDLVHͤFLHQWHVHTXH Zumtobel, em 1950, aquando da sua fun-
VHDGDQRFRQFHLWRGHPXOWLPDUFDHFRQJUH façam sentido no desenvolvimento do negó dação?
JD DV PDUFDV =8072%(/ 7+251 $&'& FLR GRV QRVVRV FOLHQWHV 1HVWD SHUVSHWLYD ACB: A produção de balastros para a inova
REISS e TRIDONIC (componentes). À parte da DV VROX©·HV VXVWHQW£YHLV H HͤFLHQWHV FRQ GRUDWHFQRORJLDGDVO¤PSDGDVIOXRUHVFHQWHV
presença mais ou menos acentuada e a sua WULEXHP GH VREUHPDQHLUD SDUD XPD PDLRU HPHVWHYHQDEDVHGDIXQGD©¥RGD=X
TXRWDGHPHUFDGRHPFDGDSD¯VRXUHJL¥RWR rentabilidade das empresas e das instituições mtobel. A visão e o empreendedorismo do
das as marcas se complementam e têm o seu FRPXWLOL]D©¥RFDGDYH]PDLVVXVWHQW£YHOGH 'U:DOWHU=XPWREHOHGHSRLVGRVVHXVͤOKRV
IRFRHPGLIHUHQWHVVHJPHQWRVGHVGHORJRD recursos naturais e ambientais. -XUJ H )ULW] =XPWREHO IRUDP GHWHUPLQDQWHV
=8072%(/ FRP PDLRU ¬QIDVH QDV DSOLFD para o sucesso atual do Grupo com presença
ções de IndoorD7+251FRPPDLRUWUDGL©¥R oe: Quais os objetivos mais iminentes da HPPDLVGHSD¯VHVSRUWRGRRPXQGR+RMH
em aplicações de OutdoorD$&'&PDLVGH Zumtobel para o mercado português? HP GLD D =XPWREHO DVVXPHVH FRPR XPD
dicada a soluções decorativas e dinâmicas ACB: (P WRGRV RV PHUFDGRV D =XPWREHO empresa líder no mercado de Iluminação Pro
e a REISS dedicada a ambientes extremos e procura servir e satisfazer os seus clientes ͤVVLRQDO WHQGR REWLGR HVVH UHFRQKHFLPHQWR
£UHDV̸perigosas̹QD,QG¼VWULD(VWDFRPSOH HDVVLPVROLGLͤFDUDVXDSUHVHQ©DQRVGLYHU por parte dos seus clientes.

www.oelectricista.pt o electricista 60
PUB
70 case-study

nova iluminação do Museu da


Real Academia das Belas Artes
de S. Fernando, Madrid Javi Ortego
Marcomms
Feilo Sylvania

Foi inaugurado em 2016 a primeira fase da 1RTXHGL]UHVSHLWR¢VXEVWLWXL©¥RGDIOXRUHVF¬QFLDH[LVWHQWHIR


nova iluminação do Museu da Real Academia UDPVXEVWLWX¯GRVSRUWXERV/('7R/('RGD6\OYDQLDTXHJUD©DVDRV
das Belas Artes de S. Fernando (Madrid). VHXV|GHDEHUWXUDSHUPLWHPXPDHOHYDGDKRPRJHQHLGDGHHGLV
tribuição da luz pelos espaços.
4XDQWR DRV SURMHWRUHV IRUDP XWLOL]DGRV RV %($&21 0XVH /('
SHUPLWLQGRUHDOFHVHIRFRQDTXLORTXHPDLV«UHOHYDQWHHLPSRUWDQWH
que é a peça de arte exposta.
(VWD LQWHUYHQ©¥R D SULPHLUD GDV WU¬V IDVHV SUHYLVWDV VHUYLX GH
EDVHSDUDDLPSOHPHQWD©¥RGDVVROX©·HVTXHVHU¥RDSOLFDGDV¢VUHV
WDQWHVVDODVVHQGRTXHRPXVHXSRVVXLXPWRWDOGH
$GLYLV¥RGRVWUDEDOKRVVHU£IHLWDGDVHJXLQWHIRUPD
• Fase I6DOD6DOD6DOD6DOD
• Fase II6DOD6DOD̰
• Fase III6DOD6DOD6DOD\6DOD

Os critérios da solução preconizada tiveram as seguintes bases:


• Otimização das soluções técnicas de iluminação a aplicar nas salas
GRPXVHXTXHSHUPLWDPRUHDOFHHHPEHOH]DPHQWRGDVREUDVH[SRV
WDV XWLOL]DQGR HTXLSDPHQWRV TXH SHUPLWDP GLIHUHQWHV IRWRPHWULDV
(VWH SURMHWR IRL HVWXGDGR H GHVHQYROYLGR SHOD 6\OYDQLD SDWURFLQDGR SDUDDGDSWD©¥RGRQ¯YHOGHH[SRVL©¥ROXP¯QLFD¢VSH©DVHREUDVGH
pela Ibredrola através da sua Fundação e teve a colaboração do pres arte expostas.
WLJLDGRJDELQHWHGHDUTXLWHWXUDHVSDQKRO',5'$0 • Equipamentos com regulação de fluxo para facilmente adaptar o
A remodelação da iluminação do museu constituiu um marco im Q¯YHOOXPLQRVRFRPTXHDVSH©DVVHU¥RLOXPLQDGDVHPIXQ©¥RGRV
portante na adaptação das novas tecnologias de iluminação LED ao diferentes materiais e reflexões das mesmas.
VHUYL©RGDFXOWXUDHGDVDUWHVDOLDQGRRVDVSHWRVW«FQLFRVOXPLQRW«F • (TXLSDPHQWRV LQVWDODGRV HP FDOKDV W«FQLFDV SDUD SHUPLWLU XPD
nicos e funcionais das soluções de iluminação implementadas. elevada mobilidade dos mesmos em função dos objetivos de ilu
Houve o especial cuidado também naquilo que respeita o balanço minação pretendidos.
energético associado ao consumo de energia e sustentabilidade ambiental.

ÂMBITO TÉCNICO DO PROJETO


2SURMHWRFRQVLWLXQDVXEVWLWXL©¥RSRQWRSRUSRQWRGHSDUWHGDLOXPL
nação existente e pela utilização de novos projetores LED.

CONCLUSÃO
1HVWHSURMHWRIRUDPSRVWRVDRVHUYL©RGDFXOWXUDRV¼OWLPRVDYDQ©RV
na tecnologia LED para a iluminação técnica e funcional dos espaços.
&RPRXVRGDVVROX©·HVPDLVDYDQ©DGDVGD)HLOR6\OYDQLDGHPRQV
WUDVHTXH«SRVV¯YHOFRQMXJDUDVY£ULDVQHFHVVLGDGHVGHLOXPLQD©¥R
GRVHVSD©RVQXPFRQWH[WRLQFOXVLY«GHDPELHQWHDUW¯VWLFRQXPDQRYD
UHDOLGDGHWHFQROµJLFDKDUPRQL]DQGRDVFRPDQHFHVVLGDGHSDOS£YHO
de responsabilidade e sustentabilidade do meio ambiente.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
72 informação técnico-comercial

painel LED da Sibilla


O Led Panel é a nova
família de painéis LED de
última geração da Sibilla,
projetada para a iluminação
de ambientes profissionais,
hospitalar e de retalho. Com
uma garantia de cinco anos,
esta gama é constituída
por uma elevada panóplia
de produtos que oferecem
soluções de iluminação para
todos os tipos de aplicação,
sempre com elevado
desempenho e eficiência
energética. Disponível em
várias versões, potências e
temperaturas de cor, o Led Da ampla gama do Led Panel diferen permitindo atingir um nível de encadeamento
Panel é uma solução fiável FLDPVHDVVHJXLQWHVYHUV·HV GLUHWRVXUSUHHQGHQWHPHQWHEDL[R 8*5 
que proporciona um conforto &RPHVWHSDU¤PHWURGHHOHYDGDTXDOLGDGHR
visual superior, livre de efeito Led Panel é a solução de iluminação ideal
estroboscópico. TUNABLE LIGHT para os locais mais exigentes.
A luz natural estimula os nossos sentidos
GHYLGR¢VYDULD©·HVGDLQWHQVLGDGHOXPLQRVD
e temperatura de cor durante o dia. A natu PLUS
reza dinâmica da luz natural atua no ritmo O Led Panel Plus de 26 W da Sibilla possui
FLUFDGLDQRRTXHSRGHDIHWDURGHVHPSHQKR XPD HOHYDGD HͤFL¬QFLD HQHUJ«WLFD M£ TXH
IXQFLRQDOHFRJQLWLYRGDV SHVVRDV*UD©DV ¢ DWLQJH R PHVPR GHVHPSHQKR OXPLQRVR GRV
WHFQRORJLD7XQDEOH/LJKWGDIDP¯OLD/HG3DQHO SDLQ«LVWUDGLFLRQDLVGH:REWHQGRXPDHͤ
da Sibilla é possível ajustar e recriar a nature FL¬QFLDGHOP:
]DF¯FOLFDGDOX]QDWXUDOM£TXHDLQWHQVLGDGH
e temperatura de cor da iluminação são ajus
WDGDV DR ORQJR GR GLD SHOR TXH VH REW«P R SMART
P£[LPRFRQIRUWRYLVXDOHͤVLROµJLFR $OLQKD6PDUWRIHUHFHXPDYDULDGDJDPDGH
Desenvolvido com uma grande diversidade YHUV·HV HP WHUPRV GH GLPHQV·HV ¯QGLFHV
GHGLPHQV·HVR/HG3DQHOSRGHVHULQVWDOD GHSURWH©¥RWHPSHUDWXUDVGHFRUHFRQWUROR
do no teto ou na parede usando os respetivos MICROPRISMÁTICO &RP  FµGLJRV « SRVV¯YHO GHVHQYROYHU XP
VXSRUWHV GH ͤ[D©¥R VHP SDUDIXVRV GH ͤ[D $ YHUV¥R PLFURSULVP£WLFD GR /HG 3DQHO GD SURMHWR ¢ PHGLGD Q¥R FRPSURPHWHQGR D DU
ção visíveis. Também estão disponíveis aces Sibilla foi concebido com a tecnologia “Gla- quitetura e performance. Nesta série desta
VµULRVSDUDTXHVHMDDSOLFDGRHPVXVSHQV¥R reless̹RXVHMDXPDWHODSULVP£WLFDFRPWU¬V FDVHXPSDLQHOFRP,3WRWDOSHUPLWLQGRD
SHORTXHR/HG3DQHOHVW£DSWRSDUDVROXFLR FDPDGDVHVSHFLDLVTXHUHFXSHUDGRIOX[R sua utilização em ambientes com alta neces
nar qualquer necessidade de iluminação. HPLWLGRHUHGX]REULOKRGHIRUPDVXEVWDQFLDO sidade de impermeabilidade.

SISTEMA MODULAR
Com o Sistema Modular do Led Panel é pos
sível desenvolver sistemas de iluminação
DUWLFXODGRV'HVWDIRUPDSRGHPVHUFULDGDV
GLYHUVDV FRPELQD©·HV GH Y£ULDV GLPHQV·HV
solucionando qualquer requisito de ilumina
ção interior.
A Sibilla é uma marca de iluminação téc
QLFDTXHSHUWHQFHDR*UXSR3DQ,QWHUQDWLRQDO
sendo representada em Portugal pela Casa
das Lâmpadas.

Casa das Lâmpadas, S.A.


7HOy)D[
FDODPS#FDVDGDVODPSDGDVFRP
ZZZFDVDGDVODPSDGDVFRP

www.oelectricista.pt o electricista 61
informação técnico-comercial 73

HellermannTyton: base flexível


para abraçadeiras – FlexTack –
apta para qualquer superfície

Figura 3. ([HPSORGHDSOLFD©¥RGDVEDVHVSDUDDEUD©DGHLUDV
)OH[7DFN

previamente limpa e pressionar durante uns


segundos de modo a conseguir uma excelen
te adesão. Depois apenas tem que colocar a
abraçadeira e atar os cabos.
A principal vantagem desta solução –
Figura 1.%DVHIOH[¯YHOSDUDDEUD©DGHLUDV)OH[7DFN̰LGHDOSDUDVXSHUI¯FLHVFXUYDVRXHVTXLQDGDV base Flextack – é a simplicidade e variedade
GHDSOLFD©·HVHPTXHSRGHVHU¼WLOHYLWDQGRR
recurso a outros sistemas mais caros e com
A HellermannTyton 2VHXGHVHQKRLQRYDGRUSHUPLWHTXHDEDVH plexos.
apresenta mais uma se possa adaptar perfeitamente a superfí As bases estão disponíveis em cor pre
novidade ao mercado: cies concavas ou convexas. Para além dis ta e em cor branca e têm a dimensão de
A base de fixação VRRVHXDGHVLYRSHUPLWHXPDDSOLFD©¥RHP ™PP(VWDVEDVHVV¥RDGHTXDGDVSDUD
para abraçadeiras FlexTack. VXSHUI¯FLHV W¥R GLYHUVDV FRPR YLGUR PHWDO aplicações no interior ou exterior como em
SO£VWLFR VXSHUI¯FLHV SLQWDGDV RX HQYHUQL]D LQVWDOD©·HV LQGXVWULDLV TXDGURV HO«WULFRV
GDVHQWUHRXWUDV P£TXLQDV H HTXLSDPHQWRV RX YH¯FXORV $V
(VWDEDVHFRQVWLWXLDDOWHUQDWLYDLGHDO¢VWUD $ LQVWDOD©¥R GHVWH SURGXWR « PXLWR I£FLO bases são fabricadas em Poliamida 6.6 HS
GLFLRQDLVͤ[D©·HVDSDUDIXV£YHLVHPVXSHUI¯ VLPSOHVPHQWH UHWLUDU R SO£VWLFR SURWHWRU GR que as torna adequadas para temperaturas
cies curvas ou esquinadas. DGHVLYR FRORFDU D EDVH VREUH D VXSHUI¯FLH GHWUDEDOKRGH|&D|&

Figura 4. )L[D©¥RGHͤRVRXFDERVLQWURGX]LQGRXPD
DEUD©DGHLUDQDUDQKXUDVXSHULRUGDEDVH

HellermannTyton
7HO
KHOOHUPDQQW\WRQ#KHOOHUPDQQW\WRQHV
Figura 2.$VEDVHV)OH[7DFNHVW¥RGLVSRQ¯YHLVHPFRUSUHWDHHPFRUEUDQFD ZZZKHOOHUPDQQW\WRQFRP

www.oelectricista.pt o electricista 61
74 LQIRUPD©¥RW«FQLFRFRPHUFLDO

MARCO – membro do grupo


ATKORE INTERNATIONAL
Fundada em 2003, a MARCO
é referência no setor
dos caminhos de cabos,
afirmando-se como sendo
o maior fabricante no Reino
Unido de calha em PVC-u, e
de uma completa gama de
calha aramada, respetivos
suportes e acessórios de
ligação em aço.

6HGHDGDQDLOKDGH$QJOHVH\ 3D¯VGH*DOHV 
D UHSXWD©¥R GD 0$5&2 FRPR PDUFD LQRYD
GRUD IRUQHFHGRUD GH SURGXWRV GH TXDOLGDGH
detentora de um bom serviço de apoio ao
FOLHQWHHLQLJXDO£YHOQRVHXUDPRGHDWLYLGDGH
$RWUDEDOKDUGHSHUWRFRPHPSUHLWHLURVLQV
WDODGRUHVHDVXDUHGHGHGLVWULEXLGRUHVDQ¯
YHOPXQGLDOD0$5&2FRQVHJXHRIHUHFHUDRV
seus clientes uma vasta gama de soluções de
FDPLQKRGHFDERV
QDV XPD OLJHLUD WRU©¥R « SRVV¯YHO SURPRYHU GRVWLSRVGHDFDEDPHQWRVRQGHVHLQFOXHPD
XPDXQL¥RVHJXUDUHVLVWHQWHVHPUHFXUVRD galvanização a quente. Para aplicações mais
QUIK-CLIK® IHUUDPHQWDVHFRPUHFXUVRDXPD¼QLFDSH©D H[LJHQWHV HVW£ GLVSRQ¯YHO SDUD DOJXQV WLSRV
8PGRVH[HPSORVGDVXDFDSDFLGDGHGHLQR GHXQL¥RD0&)-&®IRUQHFLGDLQGLYLGXDOPHQ de produtos a solução de construção em aço
YDUHGHVXUSUHHQGHURVVHXVFOLHQWHVDFUHV WH RX SU« LQVWDODGD H FRPXP D WRGDV DV GL inox.
centando valor da execução das suas obras PHQV·HVGHFDOKDUHGX]LQGRDVVLPRQ¼PHUR Detentora também de uma vasta gama
HVW£QRQRYR6,67(0$48,.&/,.®. GHSH©DVDWHUHPREUDHUURVGHPRQWDJHPH VH VROX©·HV SDUD D HGLͤFD©¥R GH HVWUXWXUDV
2 VLVWHPD 48,.&/,.® é a forma mais consequentemente os tempos de instalação. PHW£OLFDV SU«IDEULFDGDV Q¥R VROGDGDV D
U£SLGD H HͤFD] GR PHUFDGR SDUD XQLU GRLV $ FDOKD DUDPDGD 0$5&2 HP FRQMXQWR UNISTRUT oferece uma completa gama de
WUR©RVGHFDOKDDUDPDGD&RPRVLVWHPDGH FRPRVLVWHPDGHXQL¥R48,.&/,.®SRGHVX SHUͤV GH YDULDGDV GLPHQV·HV FRP RX VHP
XQL¥R48,.&/,.®HPVHJXQGRVHFRPDSH portar cargas até 163 kg por metro. SHUIXUD©¥R SRUFDV GH ͤ[D©¥R FRP H VHP
PRODDMXVW£YHLVDRSHUͤOFKDSDVGHXQL¥RHP
OLQKD FRP PXGDQ©D GH SODQR RX GH ¤QJXOR
A MARCO CABLE MANAGEMENT FKDSDV EDVH DFHVVµULRV GH GHVOL]DPHQWR
E O GRUPO ATKORE DEUD©DGHLUDV H XQL·HV GH WXER HQWUH RXWURV
A MARCO cable Management é neste agora TXHSHUPLWHPXPDFRQVWUX©¥RU£SLGDUREXV
SDUWHLQWHJUDQWHGRJUXSR$7.25(,QWHUQDWLR WDHSURͤVVLRQDOVHPSUHVHPQHFHVVLGDGHGH
nal Group inc. soldadura.
$7.25(,QWHUQDWLRQDO*URXS,QF«GHWHQ 81,67587GHVHQYROYLGRSRUQµVLQVWDOD
WRUDGHXPDYDVWDJDPDGHPDWHULDLVXWLOL]D GR H UHFRQKHFLGR SHORV QRVVRV FOLHQWHV « D
GRV QD FRQVWUX©¥R GH FDPLQKRV GH FDERV solução ideal e sem substituto para os seus
SURSRUFLRQDQGR DVVLP XPD FRUUHWD ͤ[D©¥R projetos!
e protecção das instalações elétricas em que $FDOKDDUDPDGD0$5&2HWRGDDJDPD
RV VHXV SURGXWRV V¥R D HVFROKD GH GLYHUVRV GHSURGXWRV81,67587«GLVWULEX¯GDHP3RU
gabinetes de projeto e instaladores. tugal pela MegaControl.
&RP PDLV GH  FRODERUDGRUHV GLV 9LVLWHQRV HP ZZZDWNRUHFRP RX FRQ
WULEX¯GRV SHODV  XQLGDGHV GH SURGX©¥R H WDFWHQRV DWUDY«V GR email megacontrol@
GLVWULEXL©¥R SUHVHQWHV SRU WRGR R PXQGR PHJDFRQWUROSW RX DWUDY«V GR WHOHIRQH
D $7.25( « R JUXSR SRU GHWU£V GH GLYHUVDV 
marcas incluindo a UNISTRUT.
$ 81,67587 SURGX] H FRPHUFLDOL]D FD MegaControl
PLQKR GH FDERV GH FKDSD SHUIXUDGD H WLSR 7HOy)D[b
̴HVFDGD̵EHPFRPRWRGRRFRQMXQWRGHDFHV PHJDFRQWURO#PHJDFRQWUROSW
VµULRVGHͤ[D©¥RXQL·HVHFXUYDVFRPYDULD ZZZPHJDFRQWUROSW

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
76 informação técnico-comercial

um novo nome para a alta


performance: Osram lança
família de produtos Osconiq
para aplicações profissionais
O LED de média potência
Osconiq P 2226 para
iluminação hortícola
e arquitetónica marca
o início da nova família
de produtos.

$QRYDOLQKDGHSURGXWRV2VFRQLTGD2VUDP
2SWR 6HPLFRQGXFWRUV DEUDQJHU£ DSOLFD©·HV
SURͤVVLRQDLVLQFOXLQGRLOXPLQD©¥ROLQHDUHGH
£UHDLOXPLQD©¥RGHED¯DDOWDHEDL[DHLOXPL
QD©¥RS¼EOLFD2VSURGXWRVIDPLOLDUHV'XULV3
que atualmente estão a ser usados para es
WDVDSOLFD©·HVVHU¥RWUDQVIHULGRVSDUDDQRYD
OLQKD 2VFRQLT 2 SULPHLUR PHPEUR GD QRYD
IDP¯OLD«R2VFRQLT3TXHJUD©DV¢VXD
UREXVWH]H[FHFLRQDOH[WHQVRSRUWIµOLRGHFR Figura 2. 22VFRQLT3«DGHTXDGRSDUDXPDDPSODJDPDGHDSOLFD©·HVLQFOXLQGRLOXPLQD©¥RKRUWLFXOWXUDOYHUWLFDO
UHVHFRUUHQWHHVFDO£YHORIHUHFHXPDYHUVDWL
lidade impressionante.
Com o seu corpo de epoxy de alta qua Estas caraterísticas tornam os LEDs ideais H  OP: SDUD ̸verde puro”. Os LEDs são
OLGDGH chip GH HPLVV¥R VXSHUͤFLDO H VL SDUD DSOLFD©·HV H[WHULRUHV WDLV FRPR LOXPL projetados para serem usados em aplicações
OLFRQH UREXVWR DV GLIHUHQWHV YHUV·HV GR QD©¥R KRUW¯FROD H DUTXLWHWµQLFD H WDPE«P SURͤVVLRQDLV LQWHUQDV H H[WHUQDV RQGH V¥R
Osconiq P 2226 são particularmente du SDUD VLVWHPDV GH LOXPLQD©¥R LQWHULRU FRPR QHFHVV£ULDV FRUHV PRQRFURP£WLFDV 2 /('
UDGRXUDV H UHVLVWHQWHV ¢ FRUURV¥R (V RVLQVWDODGRVHPUHVWDXUDQWHVHKRW«LV tem uma faixa alargada de operação. Se ne
tas versões têm as mesmas caraterísti 2 2VFRQLT 3  HVW£ GLVSRQ¯YHO QDV FHVV£ULR SRGH VHU RSHUDGR FRP XPD JDPD
FDV TXH D DQWHULRU V«ULH 'XULV 3  RX VHMD seguintes versões de cores: “azul escu- flexível de correntes. Enquanto a corrente
PP[PP[PPRTXHVLJQLͤFD ro̹  QP  ̸azul̹  QP  ̸verde puro” binningGHP$SURSRUFLRQDXPIOX[ROX
TXH V¥R LQWHUFDPEL£YHLV H SRGHP VHU LQWH  QP  ̸amarelo̹  QP  ̸vermelho” PLQRVR FRPSHWLWLYR FRP H[FHOHQWH HͤF£FLD
gradas em sistemas existentes. As pequenas QP ̸vermelhão̹ QP H̸ultra bran- o Osconiq P 2226 pode ser conduzido até
dimensões do Osconiq P 2226 permitem que co” com um índice de renderização de cor de P$TXDQGRRVFOLHQWHVSUHFLVDPGHOX]
mais LEDs com as mesmas cores ou com SHORPHQRV(VWH/('GHSRW¬QFLDP«GLD especialmente forte.
cores diferentes sejam integrados nas apli oferece a excelente performanceKDELWXDO3RU “Estamos muito orgulhosos de podermos
FD©·HV GR FOLHQWH SDUD DOFDQ©DU RV UHVXOWD H[HPSORDHͤF£FLDOXPLQRVD«GHOP: oferecer aos nossos clientes uma seleção
GRVPDLVKRPRJ«QHRVGDPLVWXUDGHFRUHV para a versão “vermelho̹OP:SDUD̸azul” de componentes ainda melhor e maior com
a nova família Osconiq e atender aos seus
requisitos LED individuais. Nós consegui-
mos desenvolver um produto inicial extre-
PDPHQWHUREXVWRHHͤFLHQWHFRPR2VFRQLT
P 2226. Continuaremos a expandir a família
Osconiq para cobrir aplicações industriais
como highbay, mas também aplicações
exteriores como iluminação pública, de tú-
nel ou de área̹ GLVVH 'DQLHO 'R[VHH &KHIH
de Marketing Global de iluminação geral da
Osram Opto Semiconductors.

OSRAM
7HOy)D[
Figura 1.22VFRQLT3«RSULPHLURQDQRYDV«ULH2VUDP2SWR6HPLFRQGXFWRUVSDUDDSOLFD©·HVSURͤVVLRQDLV RVUDP#RVUDPSWyZZZRVUDPSW

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
78 informação técnico-comercial

armaduras LED – a visão


técnica da Schuch
“As armaduras LED têm
um tempo de vida estimado
de 100 000 horas”; “Os
LED vieram substituir
com poupança as outras
lâmpadas em todas as
aplicações”; “As armaduras
com LED acendem
instantaneamente”; “Nas
armaduras ATEX podemos
substituir as lâmpadas
fluorescentes por tubos
LED, para consumir muito
menos” DSDUHFHDJRUDQRVIROKHWRVW«FQLFRVV¥RYD Utilização de armaduras LED em am-
lores bem claros e que podem ser compara bientes corrosivos. Gases corrosivos e ou
GRVSHUPLWLQGRXPDHVFROKDUDFLRQDO tras substâncias corrosivas (ex. compostos
Estes são alguns dos mitos que ouvimos (e 2VIROKHWRVDSUHVHQWDPRYDORU/[RWHP GH DPµQLD VXOI¼ULFRV RX FORUDGRV  SRGHP
OHPRV  FRQWLQXDPHQWH FRP FRQVHTX¬QFLDV SR D SDUWLU GR TXDO HP P«GLD R IOX[R EDL[D GDQLͤFDU DV DUPDGXUDV /(' 'HSHQGHQGR
GLUHWDVQDTXDOLGDGHGHDOJXPDVHVFROKDVIHL GH [ IDFH DR IOX[R LQLFLDO 2X GLWR GH RXWUD GD VXEVWDQFLD FRQFHQWUD©¥R WHPSHUDWXUD H
WDV HP FRQFXUVRV QD DQ£OLVH GH FRQFRUU¬Q IRUPDQRWHPSR/[RIOX[ROXPLQRVRVHU£[ WHPSRGHH[SRVL©¥RRVHVWUDJRVSRGHPOHYDU
FLDQDIXQFLRQDOLGDGHHQRVFXVWRVGHRSHUD PHQRV GR TXH R IOX[R HVSHFLͤFDGR 9DORUHV ¢IDOKDWRWDOGDOXPLQ£ULD
ção e de manutenção de muitas instalações. W¯SLFRVSDUD̸[̹V¥R / RX / (HV Mesmo armaduras com um elevado ín
$SUHVHQWDPVH VHJXLGDPHQWH DOJXPDV WHVV¥RYDORUHVHVSHFW£YHLV3DUDPHOKRUDUD GLFHGHSURWH©¥R ,3 SRGHPVHUDIHWDGDVM£
GHͤQL©·HV UHFRPHQGD©·HV VXJHVW·HV H DQ£OLVH«LQGLFDGRRYDORUFRPSRVWRSRUH[ que os gases de atmosferas corrosivas po
DOHUWDVTXHDSDUHFHPQRVXSOHPHQWRW«FQLFR /%KTXHLQGLFDTXHHVWDWLVWLFD dem penetrar em qualquer armadura. A ade
GRFDW£ORJRGD6&+8&+HTXHSUHWHQGHPVHU PHQWH  GDVOXPLQ£ULDVPDQW¬P quabilidade de uma armadura para um certo
XPDX[LOLDUSDUDWRGRVDTXHOHVTXHWHQKDPGH SHORPHQRVGRVHXIOX[ROXPLQRVRDSµV tipo de aplicação pode ser aferida por testes
DYDOLDUHVFROKHURXVXJHULUDUPDGXUDV/(' K 1¥R VH LQFOXHP QHVWH F£OFXOR DV de campo.
Comecemos pelos valores nominais indi avarias do controlador ou a degradação (opa Instalação de armaduras de LED classe
FDGRVQRVIROKHWRVW«FQLFRVSDUDDDUPDGXUD cidade) dos difusores com o tempo. ,, QR H[WHULRU ͤ[RV D HOHPHQWRV HOHFWULFD-
WDLV FRPR SRW¬QFLD FRQVXPLGD IOX[R OXPL Ciclos de ligar/desligar 2 Q¼PHUR GH mente isolados da terra 4XDQGR VH ͤ[DP
QRVR H HͤFL¬QFLD 7RGRV GHYHU¥R HVWDU HP YH]HV TXH XPD OXPLQ£ULD « OLJDGDGHVOLJDGD DUPDGXUDV/('QRH[WHULRUDSRVWHVGHPD
FRQIRUPLGDGH FRP R ,(&  VHQGR SRGH LQIOXHQFLDU PXLWR QHJDWLYDPHQWH R U£ GHLUDFRPSµVLWRRXFLPHQWRRXVHSUHQGHP
TXHRIOX[RQ¥RSRGHVHULQIHULRUHPDR cio de avarias do módulo de LED. De acordo QD SDUHGH RX VXVSHQGHP SRU FDER HP VLV
nominal e a potência não pode ser superior com as normas CEI as armaduras de exterior WHPDV LVRODGRV GD WHUUD « SRVV¯YHO TXH SRU
HPDRQRPLQDO são projetadas para um ciclo por dia. Quanto UD]·HV FOLPDW«ULFDV SRU H[HPSOR VH FULHP
Tempo de vida estimado +£ XQV DQRV ¢VDUPDGXUDVGHLQWHULRURQ¼PHURGHFLFORV FDUJDVHVW£WLFDVTXHY¥RHVWUDJDURVPµGX
DWU£V PLVWXUDYDVH R WHPSR GH YLGD HVWLPD FRQWHPSODGR SDUD HIHLWRV GH HVWXGR « GH  los de LED.
GRGR/('FRPRGRVLVWHPDRXOXPLQ£ULDHP Caso se anteveja a necessidade de um maior Nestas circunstâncias é recomendado
que estava montado. O valor teórico com o Q¼PHUR GH FLFORV « UHFRPHQGDGR D XWLOL]D que se instalem armaduras de classe I. Estas
YDORU UHDO HP RSHUD©¥R *UD©DV DR WUDEDOKR ©¥R GR PRGR ',0&  PRGR FRUUHGRU 1HVWH permitem que as cargas se descarreguem
GH QRUPDOL]D©¥R GDV FRPLVV·HV W«FQLFDV H PRGRRQ¼PHURGHLQWHUUXS©·HVSHUPLWLGR« através do condutor de proteção de terra.
DVVRFLD©·HV GH IDEULFDQWHV LGµQHRV R TXH ilimitado. &DVR VH SUHWHQGD PHVPR DVVLP LQVWD
ODUDUPDGXUDVGHFODVVH,,HVWDVGHYHU¥RVHU
equipadas com compensação equipotencial.
Luminárias de exterior LED para uso em
serviços de segurança, instituições penais e
outros $ LOXPLQD©¥R HP LQVWLWXL©·HV SHQDLV
]RQDVPLOLWDUHVRX£UHDVGHVHJXUDQ©DQHFHV
sita de luz instantânea quando a luz é ligada.
2 PHVPR VH DSOLFD TXDQGR SRU TXHVW·HV GH
HPHUJ¬QFLD VH SDVVD GH LOXPLQD©¥R HP SR
W¬QFLDUHGX]LGDSDUDRP£[LPRGHSRW¬QFLD
À primeira vista pareceria que a ilumina
©¥R /(' UHVROYHULD HVWD VLWXD©¥R PDV SRU
questões de conforto a luz em armaduras

www.oelectricista.pt o electricista 61
informação técnico-comercial 79

/('«DXPHQWDGDGHIRUPDVXDYHUDPSHDGD
3DUD DSOLFD©·HV GH P£[LPD VHJXUDQ©D HVWD
IXQ©¥RWHU£GHVHUGHVDFWLYDGD
Segurança fotobiológica. Este assunto é
WUDWDGR QD 1RUPD ,(&  (VWD 1RU
ma trata de informações relativas aos limites
GHVHJXUDQ©DHJUXSRVGHULVFRSRULUUDGLD©¥R
assim como métodos de teste para medição
GHJDPDVHVSHFWUDLVGHOX]89YLV¯YHOH,9
2 REMHWLYR « HYLWDU TXH R ROKR KXPDQR H
a pele sejam afetados por danos térmicos e
fotoquímicos.
Quase todas as armaduras da SCHUCH W«UPLFR H GH VHQVLELOLGDGH D YLEUD©·HV DR SURGX©¥R GH DUPDGXUDV $7(; HVWDQTXHV H
V¥R JUXSR  RX JUXSR  6¥R VHJXUDV H LQR WLSR GH DPELHQWH H DR Q¼PHUR GH PDQREUDV LQGXVWULDLVWHQGRDSRVWDGRQRV¼OWLPRVDQRV
IHQVLYDVSDUDRVROKRVRXSHOH$VDUPDGXUDV GH OLJDUGHVOLJDU FRPSDUDWLYDPHQWH FRP DV na reconversão da sua gama para a tecnolo
do grupo 2 devem ter marcado um pictogra lâmpadas fluorescentes. JLD /(' TXH VHU£ DOWHUQDWLYD VHPSUH TXH DV
PDTXHDYLVDSDUDRVULVFRVGHVHROKDUGLUH 1DV DUPDGXUDV IOXRUHVFHQWHV WRGR R condições ambientais e de projeto o permi
tamente para a luz que emanam. Instalações HTXLSDPHQWR « GHVHQKDGR WHQGR HP YLVWD R tirem. Para ser usado “quando e como” for
FRPHVWDVOXPLQ£ULDVW¬PGHFXPSULUGLVW¤Q Q¯YHOGHULVFRGD]RQDHPTXHLU£IXQFLRQDU$ PDLV DGHTXDGR SDUD D DSOLFD©¥R RWLPL]DQ
cias mínimas e posicionamentos adequados etiqueta com que vem marcada é muito explí GRFRQVXPRVFLFORVGHYLGDGHSURGXWRHGH
SDUDHYLWDUTXHͤTXHPHPOLQKDGHYLV¥RFRP cita em todos os pormenores de perigosida manutenção.
pessoas que utilizem esse espaço. GHWHPSHUDWXUDVP£[LPDVDPELHQWHHPTXH 3DUD LQIRUPD©·HV PDLV GHWDOKDGDV VR
3RU¼OWLPRDTXHVW¥RGDutilização de tu- pode ser usado EUHHVWHDVVXQWRSRGHFRQVXOWDUDS£JLQDGD
bos LED em luminárias fluorescentes com Ao substituir as lâmpadas por tubos de 6&+8&+HPZZZVFKXFKGHRXIDODUGLUHWD
marcação ATEX – a substituição de com /(' LQFRUUHVH QXPD JUDYH LQIUD©¥R TXH PHQWH FRP D 3DOLVV\ *DOYDQL 
ponentes numa armadura ATEX anula a sua SRGH S¶U HP ULVFR SHVVRDV H EHQV H TXH info@palissygalvani.pt .
FHUWLͤFD©¥R TXH « DWHVWDGD SDUD D FRQVWUX cancela a veracidade da marcação e da
ção com que foi submetida. FHUWLͤFD©¥R Palissy Galvani, Electricidade, S.A.
Os tubos de LED têm um comportamen A SCHUCH é um fabricante alemão com 7HOy)D[
WR WRWDOPHQWH GLIHUHQWH GR SRQWR GH YLVWD uma experiência muito longa e séria na LQIR#SDOLVV\JDOYDQLSWyZZZSDOLVV\JDOYDQLSW

PUB
80 informação técnico-comercial

fontes de alimentação potentes


e configuráveis
Stefan Grimm, Marketing Communications3KRHQL[&RQWDFWPower Supplies GmbH3DGHUERUQ*HUPDQ\
Carlos Coutinho, Marketing and Product Manager3KRHQL[&RQWDFW6$

Mais de 40 parâmetros A Tecnologia SFB (Selective Fuse Breaking) fonte tem capacidade para fornecer corrente
das novas fontes SRGHVHUDWLYDGDVHQHFHVV£ULR&RPFDSDFL DW«GDFRUUHQWHQRPLQDOGXUDQWHORQJRV
de alimentação dade de fornecer 6x a corrente nominal duran períodos de tempo. Um sinal é gerado (sinali
QUINT POWER da Phoenix WHPVDWHFQRORJLD6)%GLVSDUDGLVMXQWRUHV zação local e saída a contacto seco ou a tran
Contact podem ser ajustados termomagnéticos convencionais em caso de V¯VWRU HDUHVHUYDGHSRW¬QFLDHVW£WLFDHVWD
individualmente! A interface GHIHLWR GH FXUWRFLUFXLWR (VWD IXQFLRQDOLGDGH U£ D VHU XWLOL]DGD $R VLQDOL]DU D VREUHFDUJD
de comunicação NFC é relevante para construir uma solução técni KDYHU£WHPSRVXͤFLHQWHSDUDUHSRURVLVWHPD
(Near Field Communication) ca económica de proteção de circuitos de 24 (fonte mais equipamentos consumidores) em
permite a configuração 9'& 2 FLUFXLWR HP GHIHLWR GH FXUWRFLUFXLWR condições de segurança.
de setpoint de sinalização « DXWRPDWLFDPHQWH GHVOLJDGR PDQWHQGR RV O propósito da reserva de potência dinâ
e alterar a curva restantes circuitos em funcionamento. mica é diferente. Equipamentos consumido
caraterística tensão/corrente ‹ SRVV¯YHO DJRUD HQFRPHQGDU D IRQWH res que representam cargas fortemente ca
convenientemente. GH DOLPHQWD©¥R M£ FRQͤJXUDGD FRQIRUPH RV SDFLWLYDVRXLQGXWLYDV SRUH[HPSORPRWRUHV
requisitos estabelecidos de uma aplicação '&RXY£OYXODV'& H[LEHPSLFRVGHFRUUHQWH
HVSHF¯ͤFD 7DO FRQͤJXUD©¥R « WUDQVPLWLGD aquando da sua entrada em funcionamento.
por uma interfaceGHFRPXQLFD©¥RVHPͤRV 2 PHVPR DFRQWHFH TXDQGR Y£ULRV HTXLSD
1)&HPI£EULFDͤFDQGRJUDYDGDQRchip NFC mentos consumidores entram em funciona
H LQVFULWD QXPD HWLTXHWD TXH DFRPSDQKD D PHQWR QR PHVPR LQVWDQWH 1HVWHV FDVRV «
IRQWH $VVLP « SRVV¯YHO YROWDU D HQFRPHQGD ¼WLODUHVHUYDGHSRW¬QFLDGLQ¤PLFDGHD
RXWUDIRQWHFRPDPHVPDFRQͤJXUD©¥R FRUUHQWHQRPLQDODW«VHJXQGRV3RUH[HP
SOR VH R SLFR GH FRUUHQWH IRU DSUR[LPDGD
PHQWH$XPDIRQWH48,1732:(5GH$
«VXͤFLHQWHSDUDIRUQHFHUDFRUUHQWHGHSLFR
sem queda de tensão.
As novas fontes de alimentação QUINT
32:(5 GD 3KRHQL[ &RQWDFW SRGHP VHU GH
VHPSDFRWDGDV LQVWDODGDV FRQHWRUL]DGDV H DETEÇÃO PRECOCE DE ESTADOS
colocadas em serviço para funcionar durante CRÍTICOS
PXLWRV DQRV $GLFLRQDOPHQWH HVW£ HTXLSDGD A monitorização preventiva do funcionamen
com uma interface NFC (Near Field Commu- WRGDIRQWHGHDOLPHQWD©¥RSDUDGLDJQµVWLFR¢
nication SDUDSHUPLWLUDFRQͤJXUD©¥RGDIRQ GLVW¤QFLD«¼WLOSDUDDWLQJLUP£[LPDGLVSRQLELOL
te através de um smartphone e de uma app. GDGH*UD©DV¢SHUPDQHQWHPRQLWRUL]D©¥RGD
1R WRWDO K£  SDU¤PHWURV TXH SRGHP VHU Figura 2.3URFHVVRGHHQFRPHQGDVLPSOHVSDUDIRQWHVGH WHQV¥RHGDFRUUHQWHGHVD¯GDVLWXD©·HVFU¯WL
OLYUHPHQWH DMXVWDGRV SDUD DGDSWDU D IRQWH R DOLPHQWD©¥RFRQͤJXU£YHLVDWUDY«VGRFRQͤJXUDGRU online cas são visualizadas através da barra de LEDs
PDLVSRVV¯YHO¢VXDXWLOL]D©¥RHVSHF¯ͤFD2V integrada na face frontal da fonte e transmiti
botões existentes na face frontal da fonte ser das a um sistema de controlo superior através
vem para ajustar a tensão de saída. Todos os RESERVA DE POTÊNCIA PARA de um contacto seco e/ou saída a transístor.
SDU¤PHWURV GD FRQͤJXUD©¥R GDV IRQWHV SR DISPONIBILIDADE ADICIONAL Se a fonte fornecer mais corrente para além
GHPHVWDUSURWHJLGRVSRUSDODYUDSDVV As novas fontes de alimentação QUINT
POWER estão protegidas contras influências
mecânicas ou elétricas e são também ca
pazes de fornecer corrente a 24 VDC a uma
enorme variedade de equipamentos consu
PLGRUHV&RQW«PGXDVUHVHUYDVGHSRW¬QFLD
HVW£WLFDHGLQ¤PLFD
$R ORQJR GR WHPSR « H[SHFW£YHO TXH
novos equipamentos consumidores sejam
adicionados ao(s) circuito(s) de 24 VDC da
IRQWH5DUDPHQWHDFRUUHQWHWRWDOGDIRQWH«
WLGD HP FRQVLGHUD©¥R 4XDQGR WDO DFRQWHFH
a fonte entra em sobrecarga e a tensão de
Figura 1. $IRQWHGHDOLPHQWD©¥RSRGHVHUDGDSWDGD 9'&FDL&RPDQRYD48,1732:(5R V 
LQGLYLGXDOPHQWHDXPDDSOLFD©¥RHVSHF¯ͤFDDWUDY«VGHXPD circuito(s) de 24 VDC continuam operacio Figura 3.$EDUUDGH/('VPRVWUDRHVWDGRDWXDOGDSRW¬QFLD
appRXDWUDY«VGHsoftware. QDLVHPVLWXD©¥RGHVREUHFDUJDYLVWRTXHD GHVD¯GD

www.oelectricista.pt o electricista 61
informação técnico-comercial 81

GDQRPLQDOHQW¥RHQWUDHPVREUHFDUJD&DVR
as reservas de potência sejam plenamente uti DEFINIR PARÂMETROS ATRÁS DA INTERFACE DE COMUNICAÇÃO
OL]DGDV D IRQWH « LQFDSD] GH IRUQHFHU WRGD D SEM FIOS NFC (NEAR FIELD COMMUNICATION)
FRUUHQWHH[LJLGDHDFDEDSRUEDL[DUDWHQV¥R 1)&«XPDWHFQRORJLDGHWUDQVPLVV¥RGHGDGRVVHPFRQWDFWRM£GLVSRQ¯YHODWUDY«VGHsmart-
desligando os equipamentos associados a si. phonesGHDOJXQVIDEULFDQWHV$GLVW¤QFLDP£[LPDHQWUHHPLVVRUHUHFHWRU«GHDSHQDVDO
A monitorização preventiva sinaliza o estado JXQV FHQW¯PHWURV H D YHORFLGDGH GH FRPXQLFD©¥R « YDUL£YHO DW«  NESV &RP DV QRYDV
GH VREUHFDUJD VXJHULQGR TXH DOJR GHYH VHU IRQWHV48,1732:(5GD3KRHQL[&RQWDFWSDU¤PHWURVWDLVFRPRRVYDORUHVGDFXUYDFDUD
feito para evitar a queda da tensão devido ao WHU¯VWLFD WHQV¥RFRUUHQWH H SDWDPDUHV GH VLQDOL]D©¥R V¥R WUDQVPLWLGRV DWUDY«V GH 1)& 2V
excesso do consumo de corrente. botões na face frontal da fonte também podem ser desativados desta interface. No caso
dos smartphonesDXWLOL]D©¥RGDinterface NFC é feita através de uma app disponível para
download no Google Play.
ROBUSTA A INTERFERÊNCIAS
MECÂNICAS E ELÉTRICAS
Mesmo a mais pequena flutuação da potência As fontes QUINT POWER foram dese EFICIENTE EM RECURSOS
SRGH UHSUHVHQWDU XPD IDOKD GD DOLPHQWD©¥R QKDGDVHVSHFLͤFDPHQWHSDUDGLVSRQLELOLGDGH Elevados valores MTBF (Mean Time Between
As novas fontes QUINT POWER protegem superior de sistemas alimentados a 24 VDC e Failure VXSHULRUHVDPLOK¥RGHKRUDVHPR
contra flutuações de potência. Caso uma onda VXSRUWDWHPSHUDWXUDVDPELHQWHVHQWUH|& nitorização do funcionamento ativo através
VLQXVRLGHFRPSOHWDGHPVIDOKHRIRUQHFL H|&6XSRUWDWDPE«PFKRTXHVPHF¤QL do LED DC OK e contacto seco permitem o
mento de potência permanece intacto. FRVHYLEUD©·HVH[WUHPDVVLWXD©·HVIUHTXHQ fornecimento de corrente seguro aos equi
Proteção contra sobretensões transitó WHV HP DSOLFD©·HV PDU¯WLPDV SRU H[HPSOR pamentos consumidores. As fontes têm alta
rias é também proporcionada pela integração DW«JGHFKRTXHHJGHYLEUD©·HV  HͤFL¬QFLD DW«  )LQDOPHQWH SRGHP GHV
GHXPGHVFDUUHJDGRUGHJ£VTXHVXSRUWDY£ (P WHUPRV GH ULJLGH] (0& DV IRQWHV OLJDURIRUQHFLPHQWRGHSRW¬QFLD¢GLVW¤QFLD
ULRVNLORDPSHUHV3RUH[HPSORDSDUDJHPGH 48,17 32:(5 SUHHQFKHP UHTXLVLWRV PDLV DWUDY«V GH XPD HQWUDGD GLJLWDO SDUD HFRQR
emergência de robots pode originar regimes exigentes que os normalizados. Mesmo com PL]DUHQHUJLDHPSHU¯RGRVGHQ¥RDWLYLGDGH
WUDQVLWµULRVHO«WULFRVGHY£ULRVN9DSRQWRGH EDL[DTXDOLGDGHGDUHGHGH%DL[D7HQV¥RDV como por exemplo em turnos sem produção
WHUSRW¬QFLDVXͤFLHQWHSDUDGDQLͤFDUDVIRQ fontes funcionam com elevada imunidade industrial.
WHVGHDOLPHQWD©¥R2GHVFDUUHJDGRUGHJ£V a interferências eletromagnéticas (elevada
protege a fonte QUINT POWER ao entrar em (0& 6XSRUWDQGRRQGDVGHFKRTXHGHN9 Phoenix Contact, S.A.
modo de condução e anular imediatamente as fontes QUINT POWER suportam 3x mais 7HOy)D[
RVUHJLPHVGHY£ULRVN9 o que é exigido pelas normas internacionais. ZZZSKRHQL[FRQWDFWSW

PUB
82 informação técnico-comercial

Zublin e a sua gama


de detetores de presença
DO MAIS COMPLEXO AO MAIS SIMPLES

Em termos de detetores Funcionamento de duplo sensor


de presença, os requisitos
são elevados. Os detetores PIR + AF (relação de ambos)
da Zublin combinam tudo Ambos os sensores em atividade. Para que o
desde uma sensibilidade UHO«GLVSDUHDPERVRVVHQVRUHVGHYHPGHWH
máxima, uma opção de tar movimentos ao mesmo tempo.
modo automático ou 9DQWDJHQV0£[LPDVHJXUDQ©DFRQWUDID Swiss Garde 360 Presence Master DUO
semiautomático ou mesmo OKDV TXDOTXHU PRYLPHQWR VHU£ GHWHWDGR SRU 'HWHWRUGHSUHVHQ©DLQIUDYHUPHOKRVGH|
combinando tecnologias ambos os tipos de sensores independente com dois canais independentes para aplica
de alta frequência e mente da temperatura ou do espaço obstruído. ©¥R HPEXWLGD HP WHWR ̰ P GLVSRQ¯YHO QD
infravermelhos. Os relés versão Slave. Com uma potência de comuta
permitem elevadas cargas PIR / AF (OU relação) ©¥R:
de comutação de LEDs. A Ambos os sensores em atividade. O relé dis Ideal para aplicações com duas zonas de
versão de parede do detetor para assim que um dos dois sensores detetar LOXPLQD©¥R HP HVFULWµULRV HVFRODV VDODV GH
de presença oferece uma movimentos. reunião e outras. Permite o funcionamento
vantagem especial graças 9DQWDJHQV $OFDQFH P£[LPR GH GHWH©¥R 0DVWHU6ODYH DW«GLVSRVLWLYRV6ODYH &RP
ao seu botão de pressão tanto os movimentos tangenciais como radiais controlo manual para ambos os canais atra
integrado, que reduz o tempo são detetados o mais rapidamente possível. vés do terminal do botão pressão. Funciona
de espera para zero no modo PHQWR DXWRP£WLFR RX VHPLDXWRP£WLFR 'RLV
semiautomático. PIR ON: PIR / AF OFF relés de alta potência livres de potência para
Ambos os sensores em atividade. O relé FRQͤJXUD©¥RGDOX]RX$9$&&RQVXPRP¯QLPR
dispara assim que o sensor PIR detetar mo GH:'LVSRQ¯YHOQDYHUV¥RHPEXWLURXVD
TECNOLOGIA PIR / AF E DUPLA vimentos. O tempo de atraso é expandido OLHQWHFRP,3̰SURWH©¥RFRQWUDMDWRVGH£JXD
TECNOLOGIA: enquanto os sensores PIR ou AF detetam o
Detetores de presença de dupla tecnologia movimento.
permitem ótimas adaptações a quaisquer 9DQWDJHQV $OWD VHJXUDQ©D QD IDOKD DO
condições do local. Ambas as tecnologias FDQFH P£[LPR GH GHWH©¥R DSµV D GHWH©¥R
3,5H$)W¬PDVVXDVSUµSULDVHVSHFLͤFD©·HV LQLFLDO EHPVXFHGLGD 1RUPDOPHQWH XVDGR
de deteção e fontes de alteração. em WC.

Swiss Garde 360 Presence 2 canais


AS CARATERÍSTICAS VASTA GAMA DE DETETORES 'HWHWRUGHSUHVHQ©DLQIUDYHUPHOKRVGH|
DE CADA TECNOLOGIA DE PRESENÇA DA ZUBLIN: com dois canais para instalação saliente
E COMO INTERAGEM ENTRE SI HP WHWR FRP XPD SRW¬QFLD GH FRPXWD©¥R
GH:UHO«SRW¬QFLDOLYUHHDOFDQFHGH
Funcionamento de um único sensor 22 m. Disponível na versão quadrada ou re
GRQGD&RP,3
Sensor PIR – infravermelhos ,GHDOSDUDHVFULWµULRVHVFRODVVDODVFRQ
6RPHQWHRVHQVRU3,5HVW£DWLYR2UHO«GLVSDUD IHU¬QFLDV HWF FRP  FDQDLV LQGHSHQGHQWHV
assim que o sensor PIR detetar movimentos. Swiss Garde 360 Presence Dualtec XP SDUD LOXPLQD©¥R RXWUR SDUD $9$& )XQ
9DQWDJHQVƒUHDFRPOLQKDGLUHWDGHYLV¥R Detetor de presença dupla tecnologia PIR/AF FLRQDPHQWR DXWRP£WLFR RX VHPLDXWRP£WLFR
para o detector. Deteção protegida contra fa |SDUDDSOLFD©¥RVDOLHQWHHPWHWRDW«XP Canal AVAC livre potência.
OKDV GH PRYLPHQWRV GH REMHWRV PµYHLV IRUD UDLRGHšPGHGHWH©¥RFRPXPDSRW¬QFLD
GDOLQKDGHYLV¥RGRGHWHFWRU GHFRPXWD©¥RP£[LPDGH:
Ideal para aplicações que requerem um
Sensor AF – alta frequência DOWRQ¯YHOGHTXDOLGDGHGHGHWH©¥RWDLVFRPR
6RPHQWHRVHQVRU$)HVW£DWLYR2UHO«GLVSD VDODV REVWUX¯GDV FRUUHGRUHV JDUDJHQV RX
ra assim que o sensor AF deteta movimentos. RXWURVFRPWHFQRORJLD'XDO+)H3,5SDUDDO
Vantagens: Os espaços obstruídos (por FDQFHP£[LPRGHGHWH©¥RHSUHFLV¥R&LQFR
H[HPSOR SDUHGHV GLYLVµULDV  GHL[DP GH VHU diferentes combinações de lógica de tecno Swiss Garde 360 Presence Master 30 m
XPSUREOHPD‚SURYDGHIDOKDVFRQWUDIOX[RV ORJLDV $) H 3,5 2SHUD©¥R DXWRP£WLFD H VH 'HWHWRUGHSUHVHQ©DLQIUDYHUPHOKRVGH|
de ar frio ou quente e variações de tempera PLDXWRP£WLFD3URWH©¥RFRQWUDDVSURMH©·HV SDUDDSOLFD©¥RHPEXWLGDHPWHWRRXVDOLHQWH
tura ambiente. GH£JXD,3 UHGRQGDRXTXDGUDGDFRPXPDSRW¬QFLDGH

www.oelectricista.pt o electricista 61
informação técnico-comercial 83

FRPXWD©¥RGH:HXPDOFDQFHGHP Detetor de presença com o mínimo consu PHQWHDVVLPTXHDOX]GRGLDVHMDVXͤFLHQWH


'LVSRQ¯YHOQDYHUV¥R,3RX,3 PRGHHQHUJLD:͠3HUPLWHRIXQFLRQD ,GHDOSDUDVDODVGHHVWDUFDVDVGHEDQKR:&
Ideal para grandes espaços abertos como PHQWR0DVWHU6ODYH DW«GLVSRVLWLYRV6ODYH  e caves; detetor compatível com as caixas de
escritórios e salas de produção; Potência con HPPRGRDXWRP£WLFRHVHPLDXWRP£WLFR&RP DSDUHOKDJHP
VXPRP¯QLPRGH:3HUPLWHRIXQFLRQD controlo manual através de botão de pressão.
PHQWR0DVWHU6ODYH DW«GLVSRVLWLYRV6ODYH 
H PRGR DXWRP£WLFR H VHPLDXWRP£WLFR &RP
controlo manual através de botão de pressão.

Swiss Garde 300 Presence UP Max


Swiss Garde 360 Presence EB 'HWHWRU GH SUHVHQ©D LQIUDYHUPHOKRV GH |
'HWHWRUGHSUHVHQ©DLQIUDYHUPHOKRVGH| para aplicação embutida na parede com bo
SDUD DSOLFD©¥R HPEXWLGD FRP FOLSV HP WHWR tão de pressão para comutação manual.
Swiss Garde 360 Presence Master 16M FRPXP¤QJXOR|HDOFDQFHGHPXPD 'HWHWRUFRPWU¬VSLURVHQVRUHVSDUD£UHD
'HWHWRUGHSUHVHQ©DLQIUDYHUPHOKRVGH| SRW¬QFLDGHFRPXWD©¥RPD[: GHGHWH©¥RKRUL]RQWDOHYHUWLFDOHPDOWXUDVGH
SDUDDSOLFD©¥RHPEXWLGDHPWHWRRXVDOLHQWH ,GHDOSDUDHVFDGDVFRUUHGRUHVVDODVFR PRQWDJHP GH D P FRP XPDSRW¬QFLD
UHGRQGRRXTXDGUDGRFRPXPDSRW¬QFLDGH PXQV HVFULWµULRV HQWUH RXWURV FRP XP de- GH  : H XP DOFDQFH GH  P SUHVHQ©D H
FRPXWD©¥RGH:HXPDOFDQFHGHP sign plano e moderno para embutir em teto  P PRYLPHQWR LGHDO SDUD FRUUHGRUHV HV
'LVSRQ¯YHOQDYHUV¥R,3RX,3 ̰,3FRPXPDPRQWDJHPI£FLOGHYLGRDRV FULWµULRV H £UHDV GH SDVVDJHP SHUPLWH XP
Ideal para aplicações normais em es DGDSWDGRUHV GH JUDPSR SHUPLWH D FRPXWD controlo manual com o botão de pressão;
FULWµULRV VDODV UHXQL·HV VDODV FRPXQV HWF ção manual via botão de pressão. permite ligar ou desligar manualmente a ilu
3RW¬QFLD P¯QLPD GH FRQVXPR GH  : PLQD©¥RGXUDQWHPLQXWRVRXKRUDV
Permite o funcionamento Master/Slave (até
GLVSRVLWLYRV6ODYH HPPRGRDXWRP£WLFRH
VHPLDXWRP£WLFR&RPFRQWURORPDQXDODWUD
vés botão pressão externo.

NOVIDADE – Swiss Garde 180 Presence


Master UP Swiss Garde 300 Presence UP
'HWHWRU GH SUHVHQ©D LQIUDYHUPHOKRV GH | 'HWHWRU GH SUHVHQ©D LQIUDYHUPHOKRV GH |
para aplicação embutida em parede com para aplicação embutida ou saliente na parede.
botão de pressão integrado para comutação 'HWHWRUFRPSRW¬QFLDGH:FRPDO
Swiss Garde 360 Presence Master 16 m PF manual. FDQFHGHPGHSUHVHQ©DHGHPGHPRYL
Detetor de presença com sensor infraver 'HWHWRU FRP XPD SRW¬QFLD GH  : H mento. Ideal para salas comuns e escritórios;
PHOKRGH|OLYUHSRW¬QFLDSDUDDSOLFD©¥R XPDOFDQFHGHPGHSUHVHQ©DUDGLDOHP LGHDO SDUD DOWXUDV GH  D  P SRU FLPD GH
HPEXWLGD HP WHWR RX VDOLHQWH UHGRQGD RX movimento radial; Permite a ligação a outros portas e zonas de passagem. Permite a ins
TXDGUDGD FRP XPD SRW¬QFLD  9$ H XP GHWHWRUHV0DVWHU6ODYHGD=XEOLQDXPHQWDQ WDOD©¥RFRPSURWH©¥R,3RX,3
DOFDQFH GH  P 'LVSRQ¯YHO QD YHUV¥R ,3 GRDVVLPDVXD£UHDGHGHWH©¥RGHWHWRUFRP
RX,3 SDW¯YHOFRPDVFDL[DVGHDSDUHOKDJHP,GHDO
Ideal para aplicações standard em escri SDUD FRUUHGRUHV HVFULWµULRV H ORFDLV GH SDV
WµULRVVDODVGHUHXQL·HVVDODVFRPXQVHQWUH VDJHPDGHTXDGRSDUD£UHDVS¼EOLFDVGHYLGR
RXWURV /LYUH SRW¬QFLD UHO« DGHTXDGR SDUD aos seus parafusos ocultos.
conetividade BMS; Permite o funcionamen
WR 0DVWHU6ODYH DW«  GLVSRVLWLYRV 6ODYH  H
PRGR DXWRP£WLFR H VHPLDXWRP£WLFR &RP
controlo manual através de botão de pressão. Swiss Garde Hokuspokus Presence
'HWHWRUGHSUHVHQ©DLQIUDYHUPHOKRVXOWUDͤQR
GH|SDUDDSOLFD©¥RHPEXWLGDQRWHWRFRP
DOFDQFHGHGHWH©¥RYDUL£YHO
NOVIDADE – Swiss Garde 180 Zero 'HWHWRU FRP SRW¬QFLD GH  : FRP
Standby Switch alcance de 4 m de presença e 16 m de mo
'HWHWRU GH SUHVHQ©D LQIUDYHUPHOKR GH | vimento. Ideal para aplicação standard com
para aplicação embutida em parede – elevadas exigências de designI£FLOH[SDQV¥R
NOVIDADE – Swiss Garde 360 Presence 6WDQGE\: GDIDL[DGHGHWH©¥RGHDPFRPXWDGRU
Master AP 16 m IP44 'HWHWRU FRP XPD SRW¬QFLD GH  : manual através de um botão; relé de potência
Detetor de presença com sensor infraverme H XP DOFDQFH GH  P GH SUHVHQ©D UDGLDO H integrado de 16 A com alta resistência.
OKRVGH|SDUDDSOLFD©¥RVDOLHQWHHPWHWR PPRYLPHQWRUDGLDOHVWHGHWHWRUFRQVRPH
&RP XPD SRW¬QFLD GH  : H XP DOFDQ PHQRV  GH HQHUJLD HP PRGR HVSHUD GR
ce de 16 m. Disponível na versão Slave. Ideal que os detetores convencionais; permite a Pronodis – Soluções Tecnológicas, Lda.
SDUD WRGDV DV DSOLFD©·HV SDGU¥R £UHDV GH aplicação lateral uma vez que a sua gama de 7HOy)D[
DWHQGLPHQWR  HP HVFULWµULRV VDODV GH UHX GHWH©¥R « GH | FRP VHQVRU FUHSXVFXODU SURQRGLV#SURQRGLVSWyZZZSURQRGLVSW
QL·HVVDO·HVSRU·HV integrado permite desligar a luz automatica SURQRGLVVROXFRHVWHFQRORJLFDVSURQRGLV

www.oelectricista.pt o electricista 61
84 informação técnico-comercial

Roblan dá conselhos
sobre boas práticas para
reduzir a poluição
luminosa através do LED
Roblan, a empresa espanhola
especializada em iluminação
LED e equipamentos
elétricos, oferece conselhos
de boas práticas que
ajudam a reduzir a poluição
luminosa, através do LED.

3DUDDHPSUHVDRVFLQFRFULW«ULRVIXQGDPHQ
WDLV QHFHVV£ULRV SDUD FRQWURODU D SROXL©¥R
OXPLQRVD H DOFDQ©DU LOXPLQD©¥R HͤFLHQWH
HͤFD]HGHTXDOLGDGHGHYHPUHVSRQGHUFODUD
mente aos seguintes princípios:
1) O que iluminar? – Controlo do fluxo lu-
minoso direto. 8VDU DSHQDV OXPLQ£ULDV
VHP HPLVV¥R SDUD R KHPLVI«ULR VXSHULRU
QD SRVL©¥R GH LQVWDOD©¥R RX VHMD Q¥R
GHL[DU HVFDSDU QHQKXPD OX] SDUD R F«X
$LOXPLQD©¥RGHIDFKDGDVRXSODFDVVLQD
leiras só deve ser feita de cima para baixo.
,OXPLQDUDSHQDVDV£UHDVTXHQHFHVVLWDP
e sem deixar a luz escapar para fora des
VDV£UHDV3URLELUFDQK·HVGHOX]RX laser
e qualquer projetor que envie luz para o FDPHQWH D HQHUJLD GD OXPLQ£ULD H DVVLP não tem perdas e pode ser direcionado para
F«X H[FHWR HP FLUFXQVW¤QFLDV H[FHFLR proporcionar uma economia de energia D£UHDTXHTXHUHPRVLOXPLQDUFRPXPDHͤ-
nais. VLJQLͤFDWLYD FL¬QFLDVXSHULRUDUHVXOWDQGRQXPPH-
2) Quanto iluminar? – Controlo do fluxo 4) Como iluminar? – Otimização do pro- nor desperdício de luz emitida para cima”.
luminoso indireto. Considerar os níveis jeto luminotécnico. No mesmo nível de
de iluminação de segurança recomen LOXPLQD©¥RXWLOL]DUDLQVWDOD©¥RGHPHQRU
dados pelos organismos internacionais FRQVXPRPHOKRUUHOD©¥RGLVW¤QFLDDOWXUD OUTROS FATORES
GH LOXPLQD©¥R FRPR P£[LPR &RPLVV¥R e menor custo de manutenção. Reduzir a poluição luminosa não só requer
Internacional de Iluminação (CIE)) e com 5) Quando iluminar? – Gestão inteligente PXGDQ©DVQDLOXPLQD©¥RS¼EOLFDPDVUHTXHU
a maior uniformidade possível. Os fatores da iluminação. Instalar centros de tele WDPE«P ERDV SU£WLFDV HP UHOD©¥R ¢ IRUPD
GHPDQXWHQ©¥RHGHXWLOL]D©¥RGDOXPLQ£ controlo de iluminação com dispositivos como se ilumina a publicidade exibida na ci
ria devem ser o mais alto possível. GH HVWDELOL]D©¥R GH FRUUHQWH GH OLJDGR H GDGHXPDYH]TXHJUDQGHSDUWHGDSROXL©¥R
3) Com que iluminar? – Escolha das lâm- GHVOLJDGRDVVLPFRPRGHUHGX©¥RGRIOX OXPLQRVD YHP GRV DQ¼QFLRV OXPLQRVRV GDV
padas adequadas. Usar as lâmpadas de [R OXPLQRVR GXUDQWH DV KRUDV GH PHQRU estradas e cidades.
PDLRU HͤFL¬QFLD OXPLQRVD GR PHUFDGR WU£IHJR5HGX]LURFRQVXPRHPKRUDVGH (PVXPDRH[FHVVRGHLOXPLQD©¥R«XP
de menor impacto ambiental pela faixa PHQRUDWLYLGDGHPHGLDQWHRXVRGHUHGX problema que esteve minimizado durante
espectral e com uma potência adaptada WRUHVGHIOX[RQDUHGHS¼EOLFDHRXRGHV PXLWR WHPSR PDV TXH FRQVWLWXL XPD IRUPD
ao uso. Um exemplo é o LED COMET da OLJDPHQWRVHOHWLYRGHOXPLQ£ULDV'HVOLJDU GH FRQWDPLQD©¥R TXH « QHFHVV£ULR FRPED
5REODQ TXH DO«P GH HYLWDU D GLVSHUV¥R completamente todas as luzes não utili ter. A solução passa pela consciência social
GDOX]HGDSROXL©¥ROXPLQRVDLQWHJUDXP zadas e restringir o tempo de iluminação e por uma intervenção das autoridades para
dispositivo de controlo autónomo para PRQXPHQWDORUQDPHQWDOHSXEOLFLW£ULD DGDSWDUHRWLPL]DUDLOXPLQD©¥RSURWHJHQGRR
JHULUDHQHUJLDGDOX]GXUDQWHDVKRUDVGH nosso meio ambiente.
XVR2VLVWHPDFDOFXOD SRUXPF£OFXORDO Para Arturo Pereira, Diretor Geral da Ro-
JRU¯WPLFR GXUDQWHDVKRUDVGHLJQL©¥RR blan̸estes cinco conselhos podem impedir Roblan
momento em que o nível da luz pode ser a emissão de luz direta para a atmosfera, uma 7HOy)D[
UHGX]LGRDW«SDUDUHGX]LUDXWRPDWL vez que o uso de LEDs com luz unidirecional UREODQ#UREODQFRPyZZZUREODQFRP

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
86 informação técnico-comercial

a iluminação LED
está num ponto de viragem
A iluminação de díodos
emissores de luz (LED)
melhorou bastante
nos últimos anos.
A qualidade da luz produzida
por lâmpadas LED evoluiu
a partir daquilo que
se considerava ser muito
rigoroso ou pouco claro,
para uma gama completa
de brilho com matriz
cruzada, com uma gama
completa de temperaturas
de cor que variam de quente
e suave a frio e brilhante.  %ULOKR$WHFQRORJLD/('SHUPLWHXPDDPSODJDPDGHEULOKRFRUHWHPSHUDWXUDGDOX]2V
Os estilos, a performance dimmersSRGHPVHUXVDGRVSDUDSHUPLWLUDRVXWLOL]DGRUHVFRQWURODUREULOKR1RHQWDQWR
e os tamanhos do pack UHFRPHQGDPRVTXHVHYHULͤTXHDFRPSDWLELOLGDGHSULPHLUR
juntam agora as lâmpadas  )DWRUGHIRUPD2V/('VHVW¥RGLVSRQ¯YHLVHPWLUDVIOH[¯YHLVSHUPLWLQGRVROX©·HVPDLVVL
convencionais de halogéneo lenciosas para iluminação de coveHRXWURVWLSRVGHLOXPLQD©¥RSRLVSRGHPVHUGREUDGDV
e a tecnologia fluorescente. HPWRUQRGHFDQWRV̰DRFRQWU£ULRGRVWXERVIOXRUHVFHQWHV
 2V/('VV¥RPDLVDGHTXDGRV¢VSDUFHULDVGHFRQWURORGHLOXPLQD©¥R̰HPFRPSDUD©¥R
FRPDVVROX©·HV&)/H+,'̰GHYLGR¢VVXDVKDELOLGDGHVGHHVFXUHFLPHQWRLQ¯FLRLQVWDQ
tâneo e por aí em diante. Eles também permitem que o sistema de controlo escureça ou
GHVOLJXHDVOX]HVHP£UHDVTXHQ¥RHVW¥RDVHUXVDGDV
 2V/('VSRGHPDJRUDIXQFLRQDUFRPRO¤PSDGDVWUDGLFLRQDLV‚PHGLGDTXHVHEDL[DPDV
OX]HVDWHPSHUDWXUDGDFRUDTXHFHSHUPLWLQGRDRXWLOL]DGRUHFRQRPL]DUHQHUJLDHDLQGD
reter a atração estética das tecnologias tradicionais.
 2V/('VHVW¥RWDPE«PGLVSRQ¯YHLVFRPDOWRVYDORUHVGH&5, Colour Rendering Index) de
UHVXOWDQGRQXPDERDUHSURGX©¥RGHFRU,VWR«VHPHOKDQWHDRKDORJ«QLRTXHIRLYLVWR
como uma fraqueza nos LEDs de primeira geração.

Os fabricantes de lâmpadas LED podem usufruir de economias de escala para componentes


HSDUDPDW«ULDVSULPDV$FRQFRUU¬QFLDYDLDXPHQWDQGR¢PHGLGDTXHDH[LJ¬QFLDDXPHQWDH
WU¬VRXTXDWURJHUD©·HVGHGHVHQYROYLPHQWRͤ]HUDPJUDQGHVDYDQ©RVQDTXDOLGDGHHQDSUR
Os avanços na iluminação LED dão a estas dutividade. Os argumentos para trocar a sua iluminação atual pela tecnologia LED são mais
luzes vantagens sólidas em relação ao legado fortes do que nunca.
em tecnologias de lâmpadas: 3RGHDFRQWHFHUTXHRSRQWRGHYLUDJHPSDUDDDGDSWD©¥RDR/('WHQKDVLGRUHDOPHQWH
 2V /('V V¥R PXLWR PDLV HͤFLHQWHV H DWLQJLGR&RPSDUDQGRXP/('GHZDWWVHXPKDORJ«QLRGHZDWWV DPERVV¥RFRQVLGH
usam muito menos energia do que as UDGRVHTXLYDOHQWHV¢VO¤PSDGDVLQFDQGHVFHQWHVGHZDWWVDJRUDSURLELGDV XWLOL]DGRVWU¬V
tecnologias concorrentes de iluminação KRUDVSRUGLDHFRPXPFXVWRGHHOHWULFLGDGHGHHXURVSRUTXLORZDWWKRUDSURGX]HPR
IOXRUHVFHQWHHKDOµJHQD seguinte:
2. Embora as Lâmpadas Fluorescentes
&RPSDFWDV &)/V  WHQKDP WRPDGR SR
VL©¥R QR WHUUHQR GD LOXPLQD©¥R HͤFLHQWH
Halogénio de 43 watts LED de 9 watts
QRV ¼OWLPRV DQRV RV /('V W¬P DV YDQ (equivalente a 60 watts) (equivalente a 60 watts)
tagens da luz instantânea sem tempo de
“aquecimento̹ XP WDPDQKR PDLV FRP Custo inicial ͍ ͍
pacto e uma vida mais longa.
Custo elétrico (por ano) ͍ ͍
 2V/('VW¬PXPDYLGD¼WLOPDLVORQJDGR
que a das tecnologias concorrentes. 9LGD¼WLO KRUDV  
4. Segurança. Sabia que nas lâmpadas tra
GLFLRQDLV  GD HQHUJLD « R FDORU PDV Substituições por ano  WRGRVRVRXWURVDQRV 1/23 (uma vez a cada 23 anos)
HP /('V « VLJQLͤFDWLYDPHQWH PHQRU"
$O«P GLVVR DR FRQWU£ULR GDV O¤PSD Custo anual (eletricidade + lâmpadas) ͍ ͍

GDV IOXRUHVFHQWHV RV /('V Q¥R FRQW¬P


Custo da vida da lâmpada LED (23 anos) ͍ ͍
PHUF¼ULR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
&RPHVWHVFXVWRVDSRXSDQ©DWRWDODRORQJRGDYLGDGDO¤P
SDGD/('«GHFHUFDGH͍$PDLRUHYLG¬QFLDGHXPSRQ
WRGHYLUDJHPSDUDDPXGDQ©DGHO¤PSDGDVGHKDORJ«QHR
para LEDs é que o período de retorno (ou ponto de equilíbrio)
para economias realizadas para igual custo inicial é inferior
a quatro meses.
O exemplo acima é para uma lâmpada comum de
 ZDWWV ( PDV RXWUDV O¤PSDGDV SRSXODUHV XVDGDV FR
mercialmente e no mercado consumidor têm economias
similares. As substituições de LEDs estão normalmente dis
SRQ¯YHLV QXP FRQHWRU 7 FRP VROX©·HV GH    H  S«V
6XUSUHHQGHQWHPHQWH D HOHWUµQLFD QHFHVV£ULD SDUD ID]HU
IXQFLRQDU D O¤PSDGD /(' HVW£ FRQWLGD GHQWUR GRV OLPLWHV
WUDGLFLRQDLV GR WXER WRUQDQGR HVSHFLDOPHQWH I£FLO WURFDU
XPD O¤PSDGD IOXRUHVFHQWH SRU XP QRYR /(' &RQWXGR «
SUXGHQWHYHULͤFDUDDGHTXD©¥RQRVEDODVWURVPDJQ«WLFRVH
eletrónicos).

Além dos incentivos energéticos e económicos da ilumina


©¥R/('RXWURDVSHWRLPSRUWDQWHGHVWDWHFQRORJLD«TXHDV
O¤PSDGDV /(' SRGHP SURGX]LU LOXPLQD©¥R GH WUDEDOKR GH
IRUPD EULOKDQWH FRP XP YROXPH H XPD SHJDGD PXLWR PH
QRUHV$LOXPLQD©¥RGHWUDEDOKRHPP£TXLQDVHHTXLSDPHQ
WRV Q¥R VHU£ W¥R FU¯WLFD TXDQGR SRGH LPSOHPHQWDUVH XPD
XQLGDGHGHLOXPLQD©¥RPHQRUTXHXVDPHQRVHQHUJLDSDUD
LOXPLQDUXPDSH©DRXXPHVSD©RGHWUDEDOKR9HULͤTXHDYD
ULHGDGHGHO¤PSDGDV563UR/('HOXPLQ£ULDVQD56&RPSR
nents para uma ampla gama de ideias e opções disponíveis.
A RS Components oferece um excelente guia de ilumi
nação que fornece ajuda com perguntas sobre a forma da
O¤PSDGDWLSRGHEDVHHVWLORGHFRUDWLYRUHWURͤWWLQJHFRQR
PLDHDSOLFD©·HV3DUDH[SDQGLUDVXDOLQKDGHSURGXWRVD
PDUFD56&RPSRQHQWV563URODQ©RXUHFHQWHPHQWHQRYDV
lâmpadas LED disponíveis na RS Online.
3RGHVHDUJXPHQWDUDSDUWLUGDHYLG¬QFLDDTXLDSUHVHQ
WDGDTXHRSRQWRGHYLUDJHPSDUDDDGDSWD©¥RGDVDQWLJDV
unidades de iluminação aos LEDs foi efetivamente alcança
GR$HFRQRPLDGRVFXVWRVGHHQHUJLDGRVFXVWRVGHUHSR
sição e da mão de obra para a manutenção são muito fa
YRU£YHLV SDUD SURSRUFLRQDU UHWRUQRV GH LQYHVWLPHQWR PXLWR
U£SLGRV $V DXWRULGDGHV JRYHUQDPHQWDLV WDO FRPR DV HP
SUHVDVGHHQHUJLDHVW¥RDRIHUHFHULQFHQWLYRVSDUDPRGHU
QL]DU O¤PSDGDV GH WHFQRORJLD DQWLJD FRP /('V HͤFLHQWHV
As empresas e os utilizadores em geral devem aproveitar o
tempo para avaliar os efeitos de uma adaptação ao site; a
HFRQRPLDDVHJXUDQ©DHRVLPSDFWRVsoftGHWDOHPSUHVD
SURYDYHOPHQWHVHU¥REHQ«ͤFRVSDUDWRGRVRVstakeholders.
$ JDPD LQFRPSDU£YHO GH FRPSRQHQWHV HOHWUµQLFRV GD
56&RPSRQHQWVSRVVXLPLOKDUHVGHSURGXWRVGHLOXPLQD©¥R
incluindo iluminação de emergência e iluminação de segu
UDQ©D O¤PSDGDV H WXERV IOXRUHVFHQWHV H FRPSRQHQWHV GD
O¤PSDGD*/6/('$56&RPSRQHQWVRIHUHFHRVPHOKRUHV
produtos da lâmpada LED GLS e disponibilidade de stock
QRQHJµFLRHRIHUHFHPLOKDUHVGHRXWUDVSH©DVGHO¤PSDGDV
/('DSURYDGDVSHODLQG¼VWULDSDUDHPSUHVDVHHQJHQKHLURV
em todo o mundo.

RS Components
7HOy)D[
PDUNHWLQJVSDLQ#UVFRPSRQHQWVFRPySWUVRQOLQHFRP
88 informação técnico-comercial

primeiras soluções
do mercado que medem
fiabilidade e rentabilidade
dos ativos e operações
A Schneider Electric, variadores e outros ativos abrangentes de produção. O Maintenance Advisor, o Condition
especialista global em gestão automação. Ao fornecer dados antecipados e Advisor, e outras ofertas da Schneider Electric
de energia e automação, DFLRQ£YHLVHLQIRUPD©·HVVREUHFRQGL©·HVLQ representam a próxima geração em tecnolo-
apresentou as suas novas YXOJDUHVGHRSHUD©¥RHDWLYRVDVVROX©·HVFD gia. Permitem que os trabalhadores contro-
soluções de software SDFLWDPDIRU©DGHWUDEDOKRDWRPDUGHFLV·HV lem e otimizem o desempenho operacional
EcoStruxure, trazendo pela operacionais e de manutenção mais inteligen FRP EDVH HP UHVWUL©·HV ͤQDQFHLUDV UHDLV
primeira vez para o mercado WHV PDLV GLUHFLRQDGDV H PDLV SURDWLYDV TXH proporcionando maior rentabilidade de forma
industrial uma rentabilidade PHOKRUHPDͤDELOLGDGHRSHUDFLRQDOHUHQWDEL segura, mesmo que a base de ativos esteja a
mensurável de ativos lidade. Com dispositivos de capacidade móvel HQYHOKHFHUHDWRUQDUVHPHQRVͤ£YHO”.
e fiabilidade operacional. H RS©·HV GH IOX[R GH WUDEDOKR LQFRUSRUDGR
SHUPLWH TXH RV WUDEDOKDGRUHV GD I£EULFD UHV
pondam rapidamente a situações emergentes MONITORIZAÇÃO DO ESTADO
2V WUDEDOKDGRUHV GDV I£EULFDV WUDGLFLRQDO DSDUWLUGHTXDOTXHUOXJDUQDI£EULFD DE ATIVOS MELHORADA
PHQWH FRQFHQWUDUDPVH HP PHOKRUDU D Hͤ “O ritmo crescente dos negócios e os PARA UM ROI MENSURÁVEL
ciência das operações industriais que contro desenvolvimentos acelerados da tecnologia E COMPLETO
ODPRTXHOHYRXRVDWLYRVGDVI£EULFDVDRVHX convergiram, aumentando a pressão sobre (QWUHJXH QXP ¼QLFR SDLQHO GH FRQWUROR XQL
OLPLWHGHͤDELOLGDGHDXPHQWDQGRRWHPSRGH os fabricantes para obterem mais valor – ͤFDGR R (FR6WUX[XUH 0DLQWHQDQFH $GYLVRU
inatividade e os riscos de segurança ao longo ou seja, lucro – das operações̹ GLVVH 0DWW PRQLWRUL]DDVD¼GHHPWHPSRUHDOGRVDWLYRV
GRFDPLQKR1RHQWDQWRFRPWHFQRORJLD,,R7 /LWWOHͤHOG 3UHVLGHQWH H $QDOLVWD 3ULQFLSDO GD GDI£EULFDSDUDGHWHWDUFRQGL©·HVLQYXOJDUHV
(Industrial Internet of Things) mais robusta e /16 5HVHDUFK ̸A transformação digital está de operação. Fornece automaticamente aler
GLVSRQ¯YHOLQFOXLQGRDDUTXLWHWXUDHSODWDIRU a varrer toda a indústria, com a LNS Resear- WDVDFLRQ£YHLVHGHI£FLOFRPSUHHQV¥RMXQWD
PD(FR6WUX[XUHGD6FKQHLGHU(OHFWULFDIRU©D FKDHVWLPDUTXHGDVHPSUHVDVWHQKDP mente com possíveis razões para a situação
GHWUDEDOKRLQGXVWULDOHVW£PDLVHTXLSDGDGR XPD LQLFLDWLYD ,,R7 DW« DR ͤQDO GH  ,VWR LQYXOJDUHSRVV¯YHLVD©·HVSDUDFRUULJLOR
TXHQXQFDSDUDFRQWURODUHPHOKRUDUDͤDELOL VLJQLͤFD TXH RV H[HFXWLYRV HVW¥R ¢ SURFXUD O novo EcoStruxure Condition Advisor
dade e rentabilidade dos seus ativos e opera e precisam de ferramentas mais inteligentes, para OPC DA permite a monitorização auto
ções em tempo real. analytics mais avançadas e melhor tomada matizada em tempo real do estado de qual
A EcoStruxure é a arquitetura e plata de decisões para fornecer um ROI mensurá- TXHU DWLYR FRPSDW¯YHO FRP R 23& '$ FRPR
IRUPD GH VLVWHPDV DEHUWD LQWHURSHU£YHO H vel, com segurança”. GLVSRVLWLYRVHOHWUµQLFRVLQWHOLJHQWHVPRWRUHV
KDELOLWDGD SDUD D ,R7 GD 6FKQHLGHU (OHFWULF “As plataformas emergentes de tecno- de arranque e variadores. Esta nova capaci
Fornece inovação a todos os níveis através logia IIoT, como a plataforma e ferramentas dade complementa os Condition Advisors
de: produtos conetados; controlo de ponta; e EcoStruxure da Schneider Electric, permi- H[LVWHQWHV TXH PRQLWRUL]DP R HVWDGR GRV
DSOLFD©·HVanalytics e serviços. A arquitetura WHP TXH RV XWLOL]DGRUHV ͤQDLV SURFXUHP H instrumentos de processo de fundação
EcoStruxure permite o desenvolvimento es encontrem valor ao longo dos processos de )LHOGEXV+$57H3URͤEXV
FDO£YHOHRSHUDFLRQDOGHVLVWHPDVFRQHWDGRV
com segurança cibernética integrada em to
das as camadas.

FORTALECIMENTO DA FORÇA
DE TRABALHO PARA
IMPULSIONAR A FIABILIDADE
RENTÁVEL, COM SEGURANÇA
O novo software EcoStruxure Maintenance
$GYLVRUGDHPSUHVDFRPR(FR6WUX[XUH&RQ
GLWLRQ $GYLVRU HPEXWLGR SUHHQFKH D ODFXQD
HQWUH RSHUD©·HV H PDQXWHQ©¥R IRUQHFHQGR
manutenção preditiva e apoio na tomada de
GHFLV¥RSDUDDWLYRVGHWRGDDI£EULFDLQFOXLQGR
(FR6WUX[XUH)R[ERUR'&6(FR6WUX[XUH+\EULG
'&6 GLVSRVLWLYRV GH FDPSR LQWHOLJHQWHV

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
“A capacidade que a nossa solução tem para detetar com pre-
cisão e relatar potenciais problemas, e recomendar ações cor-
retivas antes que as falhas ocorram, melhora a segurança da
I£EULFDDͤDELOLGDGHGRVDWLYRVHDHͤFL¬QFLDGRVSURFHVVRV
ao mesmo tempo que os executivos melhoram o controlo dos
seus P&L̹GLVVH-RVH%RQRPR9LFH3UHVLGHQWHGHJHVW¥RGH
RIHUWDV GH $XWRPD©¥R GH 3URFHVVRV GD 6FKQHLGHU (OHFWULF
“Ao trazer esses recursos para o mercado pela primeira vez
numa única solução, podemos ajudar os nossos clientes a
PHOKRUDUDVXDHͤF£FLDRUJDQL]DFLRQDOHDXPHQWDUDWD[DGH
UHQGLPHQWR R VXͤFLHQWH SDUD IRUQHFHU XP 52, FRPSOHWR H
mensurável em apenas três meses de implementação”.

FIABILIDADE RENTÁVEL:
AS CHAVES PARA OS MOTORES DE LUCRO
$FRPELQD©¥RGDVRIHUWDVSDUDWUDEDOKDUFRPD6FKQHLGHU
Electric e sistemas de controlo de terceiros permite aos
clientes monitorizar e diagnosticar o estado de uma ampla
JDPDGHDWLYRVGHDXWRPD©¥RGHI£EULFDVHPWHPSRUHDOR
que pode ajudar a maximizar o tempo de atividade opera
FLRQDOPLQLPL]DURVFXVWRVRSHUDFLRQDLVHGHPDQXWHQ©¥RH
DXPHQWDUDVHJXUDQ©DGDIRU©DGHWUDEDOKR$OHUWDVFODURVH
concisos oferecem recomendações e contexto referente ao
statusGHWRGRVRVDWLYRVHDFULWLFLGDGHGDFRQGL©¥RRTXH
PHOKRUDRWHPSRGHUHVSRVWD
“Alinhámos estrategicamente as nossas ofertas para ga-
rantir a máxima complementaridade e valor para os nossos
clientes, independentemente do tipo de sistema de contro-
lo que eles utilizam̹ GLVVH -RVH %RQRPR ̸O EcoStruxure
Maintenance Advisor e o EcoStruxure Condition Monitor po-
dem minimizar ou até mesmo eliminar o tempo de inativi-
dade não planeado e os incidentes ao nível da fábrica, não
só para melhorar o ROI no CapEx e rentabilidade dos ativos,
PDV WDPE«P SDUD JHUDU PHOKRULDV PHQVXU£YHLV QD ͤDELOL-
dade e rentabilidade das operações dos nossos clientes, de
forma segura. Quando aplicadas corretamente, estas solu-
ções irão ajudar a converter o processo de automação nos
motores de lucro dos negócios”.
EcoStruxure Maintenance Advisor e EcoStruxure Control
$GYLVRU HVW¥R DJRUD GLVSRQ¯YHLV SDUD FOLHQWHV K¯EULGRV H
GH SURFHVVRV LQGXVWULDLV 3DUD REWHU PDLV GHWDOKHV H LQIRU
mações sobre os sistemas e soluções de automação de
SURFHVVRV(FR6WUX[XUHYLVLWHDS£JLQD(FR6WUX[XUH3ODQWGD
6FKQHLGHU(OHFWULF

Schneider Electric Portugal


7HOy)D[
SWDWHQGLPHQWRFOLHQWH#VFKQHLGHUHOHFWULFFRP
ZZZVFKQHLGHUHOHFWULFSW
90 informação técnico-comercial

caixa de derivação ENYCASE:


versátil, robusta e com
bastante espaço para cabos
É bom saber que se As caixas de derivação ENYCASE têm as
pode confiar na Hensel, VHJXLQWHV HVSHFLͤFLGDGHV 7RGRV RV ERUQHV
especialmente em meios com dois pontos de ligação por polo; dife
ambientes exigentes, UHQWHV SRVL©·HV GH OLJDGRUHV SRVVLELOLGDGH
rigorosos e difíceis. GH FRORFD©¥R GH GRLV OLJDGRUHV OLJDGRUHV
A marca estabeleceu compatíveis com diferentes tipos de secções
um compromisso H FRQGXWRUHV DFHVVµULR GH ͤ[D©¥R FRQWUD D
com a perfeição, o que TXHGD H SHUGD GD WDPSD H DEDV GH ͤ[D©¥R
os levou a melhorar laterais fornecidas em todas as referências.
a caixa de derivação
ENYCASE, aprimorando
as caraterísticas de CAIXAS DE DERIVAÇÃO
isolamento à humidade, KF – RESISTENTE
sujidade e poeiras. Em A INTEMPÉRIES, PARA
ambientes exteriores, com INSTALAÇÃO NO EXTERIOR
exposição prolongada aos • 7HVWDGDV GH DFRUGR FRP D 9'( Q| GH
agentes atmosféricos, é FHUWLͤFDGR '19 */ 7$((( Rus-
imprescindível ter caixas sian Maritime Register of ShippingQ|GR
de ótima qualidade. Com GRFXPHQWR$
experiência de 80 anos como • QGLFH GH SURWH©¥R ,3   ,3   ,3 
um dos principais fabricantes com bucinsIRUQHFLGRVFRPRDFHVVµULRV • Comportamento ao fogo:WHVWHGHͤRLQ
de sistemas de instalação VXEPHUV¥RWHPSRU£ULDDW«XPPHWURSRU FDQGHVFHQWH GH DFRUGR FRP ,(& 
elétrica e de distribuição, a XPSHU¯RGRP£[LPRGHPLQXWRV |&UHWDUGDGRUGHFKDPDHDXWR
Hensel conseguiu otimizar a • Livres de halogéneo: baixa toxicidade e extinguível;
caixa de derivação ENYCASE baixa emissão de fumo; • Cor:FLQ]HQWR5$/RXSUHWR
para que esta ofereça uma • Resistentes a intempéries: resistentes a
proteção ainda melhor UDLRV89SURWHJLGDVFRQWUDFKXYDHUHVLV
contra a humidade, a tente a temperaturas elevadas; CAIXAS DE DERIVAÇÃO TIPO
sujidade e o pó. • Material: policarbonato com GFS; FK – COM INTEGRIDADE
• Comportamento ao fogo:WHVWHGHͤRLQ DE ISOLAMENTO PH120 E
FDQGHVFHQWH,(&|&UHVLV INTEGRIDADE FUNCIONAL EM
Com um grau de proteção muito elevado para WHQWH¢FKDPDHDXWRH[WLQJX¯YHO CASO DE INCÊNDIO E30-E90
DLQVWDOD©¥RH[WHULRUGHVSURWHJLGDGHDFRUGR • Cor: FLQ]HQWR 5$/  RX SUHWR 5$/ • Integridade funcional de acordo com a
FRP D 1RUPD ',1 9'(  SDUWH  DV  1RUPD',1SDUWHHPFRPELQD
caixas de derivação ENYCASE contam com ção com os cabos com retenção funcio
XP IHFKR U£SLGR FRP XP TXDUWR GH YROWD nal;
SRVL©¥R GH IHFKR YLV¯YHO  HQWUDGD GH FDERV CAIXAS DE DERIVAÇÃO • ,QWHJULGDGHGHLVRODPHQWR3+GHDFRU
YHUV£WLO OLJDGRUHV FRPSDW¯YHLV FRP GLIHUHQ TIPO WP – À PROVA DE ÁGUA, do com a Norma BS EN em combinação
WHV WLSRV GH VHF©·HV H FRQGXWRUHV HQWUDGD PARA ENCHIMENTO com cabos isolados com retenção;
de cabos pela base da caixa e um compor • QGLFHGHSURWH©¥RQ¥RDSOLF£YHO3DUDFDL • 3DUDIXVRV GH ͤ[D©¥R OLJDGRU HP FHU¤
WDPHQWRDRIRJRFRPSURYDGRHPWHVWHGHͤR xas de derivação completamente veda mica resistente a temperaturas elevadas
LQFDQGHVFHQWH D |& FRP HOHYDGD UHVLV GDVR¯QGLFHGHSURWH©¥R,3Q¥R«DSOLF£YHO (H(Hbucins incluídos em todas as
W¬QFLDDRLPSDFWR,. MRXOH  GHDFRUGRFRPD1RUPD',1(1 referências da gama;
3DUDPHOKRUDUDLQGDPDLVD(1<&$6(D • Gel de vedação para enchimento ade- • (QWUDGDV P«WULFDV SU«PDUFDGDV GLVSR
marca decidiu questionar e testar todos os quado ao produto: a quantidade de gel Q¯YHLV SDUD GLIHUHQWHV WDPDQKRV GH bu-
GHWDOKHVSRUIRUPDDDVVHJXUDURIDEULFRGH GHYHGD©¥RQHFHVV£ULRHVW£VHPSUHDMXV cins;
um produto que esteja sempre atualizado tada ao produto – não deve ser colocado • Material: policarbonato com GFS;
e que entusiasme os seus utilizadores com em falta ou em excesso; • Cor:FRUGHODUDQMD5$/
constantes novidades. Os clientes podem • Medições e reajustes: A tampa pode ser
contar sempre com soluções de produto tes retirada para efetuar medições. O gel de
WDGDVSURGXWRVVHJXURVHGXUDGRXURVHDSOL vedação pode ser retirado facilmente para TEV2 – Distribuição de Material Eléctrico, Lda.
FD©·HVLQRYDGRUDVFRPY£ULDVYDQWDJHQVGH reparações ou inspeções subsequentes; 7HOy)D[
montagem. • Material: policarbonato com GFS; LQIR#WHYSWyZZZWHYSW

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
92 informação técnico-comercial

o Conversor de Frequência WEG


fornece uma solução completa
para aplicações de Média Tensão
O Conversor de Frequência 7HQV¥RGD:(*209:«XPDVROX©¥R
MVW3000 de Média WRWDOGHDOWRGHVHPSHQKRTXHHOLPLQDDQHFHV
Tensão, que apresenta sidade de adicionar outros equipamentos de
ótima performance ao nível média tensão. Este Conversor de Frequência
do rendimento, gama de GHVWDFDVH SHORV H[FHOHQWHV SDU¤PHWURV GH
potências e fiabilidade, é HQWUDGD H VD¯GD HͤFL¬QFLD HQHUJ«WLFD H DO«P
vendido como um sistema GD I£FLO PDQXWHQ©¥R PRGXODULGDGH SHUPLWH
completo integrado num um funcionamento suave do motor. Tudo isto
armário de distribuição. torna este inversor de frequência uma boa op
ção disponível no mercado para motores de
0«GLD 7HQV¥R DVVLP FRPR D PHOKRU RS©¥R
$:(*DSUHVHQWDDQRYDOLQKDGHFRQYHUVRUHV para projetos de UHWURͤW JUD©DV ¢ WHQV¥R GH GRPRWRUDVVLPFRPRDUHGX©¥RGDWHQV¥RGH
GHIUHTX¬QFLD09:SDUDWHQV·HVHQWUH saída virtualmente sinusoidal. modo comum nas bobines do motor. Também
RV9HRVN9HSDUDQ¯YHLVGHSRW¬QFLDV 2 LQYHUVRU GH IUHTX¬QFLD 09: RIH reduz as correntes que circulam através dos
HQWUH RV  N: H RV  N: (VWD IDP¯OLD UHFHXPHOHYDGRGHVHPSHQKRRIDWRUGHSR rolamentos do motor para maximizar a sua
de equipamentos é construída com tecnolo W¬QFLD « VXSHULRU D  HP WRGD D JDPD GH YLGD¼WLO$Vinterfaces entre a CPU do inversor
gia multinível e pontes H em cascata (CHB). A YHORFLGDGHGRPRWRUVHPQHQKXPͤOWURKDU GH IUHTX¬QFLD H R HVW£JLR GH SRW¬QFLD SDUD R
tipologia multinível é baseada na conexão em mónico adicional ou reatâncias. A arquitetura FRQWUROR GRV ,*%7V D PRQLWRUL]D©¥R GD WHP
V«ULHGHWU¬VDPµGXORVGHSRW¬QFLDGH%DL integrada do dispositivo oferece excelentes SHUDWXUD WHQV·HV H FRUUHQWHV V¥R LPSOHPHQ
[D7HQV¥R 9 FRP,*%7VGHVD¯GDFRQ YDORUHVGHGLVWRU©¥RKDUPµQLFDGDUHGHSDUD WDGDVXVDQGRͤEUDµWLFDSDUDDXPHQWDUDLPX
ͤJXUDGRVHPSRQWH+GHSHQGHQGRGDSRW¬Q corrente e tensão (THD I/V e TDD) de acor nidade ao ruído e fornecer isolamento efetivo
FLDGHVD¯GD'HVWDIRUPD«SRVV¯YHODOFDQ©DU GR FRP DV QRUPDV ,(((  ,(&  H entre as etapas de controlo e potência.
níveis de potência em média tensão usando *2HTXLSDPHQWRFXPSUHRVOLPLWHVHV 2VHVW£JLRVGHSRW¬QFLDV¥RFRQVWUX¯GRV
componentes standard de Baixa Tensão. WDEHOHFLGRV QHVWHV SDGU·HV PHVPR WHVWDGR FRPFRQGHQVDGRUHVVHFRVGHͤOPHSO£VWLFR
&RPRFDUDWHU¯VWLFDHVSHFLDOR09: QDFRQͤJXUD©¥RE£VLFD fusíveis para semicondutores e uma função
é fornecido como um sistema completo inte 2 UHQGLPHQWR GR FRQYHUVRU LQFOXLQGR de bypassDXWRP£WLFDGRLQYHUVRUSDUDSUR
JUDGR GHQWUR GH XP DUP£ULR GH GLVWULEXL©¥R R WUDQVIRUPDGRU H[FHGH RV  HP WRGD D porcionar uma maior disponibilidade do sis
LQFOXLQGR LVRODGRUHV GH P«GLD WHQV¥R IXV¯ JDPD GH YHORFLGDGH H PDLV GH  HP Q¯ WHPDHPFDVRGHIDOKD$WHQV¥RHDFRUUHQWH
YHLVWUDQVIRUPDGRUGHDOLPHQWD©¥RPXOWLQ¯YHO YHLVGHFDUJDVXSHULRUHVD2FLUFXLWRGH de saída virtualmente sinusoidais reduzem a
e um inversor de frequência. carga para o transformador de potência mul GLVVLSD©¥RGHHQHUJLDDVYLEUD©·HVHDVYD
“As potências e tensões disponíveis atual- WLQ¯YHO DVVHJXUD D PDJQHWL]D©¥R GR Q¼FOHR ULD©·HVEUXVFDVGHELQ£ULRGRPRWRU
mente constituem o primeiro estágio na evo- do transformador sem picos de corrente e o 3DUD XPD PDLRU ͤDELOLGDGH H GLVSRQLELOL
lução do produto. Tensões e potências mais carregamento suave dos condensadores do GDGHGRVLVWHPDR09:HVW£HTXLSDGR
elevadas já estão disponíveis mediante solici- EDUUDPHQWR'&SDUDRHVW£JLRLQYHUVRU com dispositivos de proteção do motor contra
tação̸GL]-RKDQQHV6FKZHQJHU&KHIHGH6LV O transformador de potência permite a VREUHFDUJDV VREUHDTXHFLPHQWR H HYHQWXDO
temas de Drivers de baixa voltagem e de Média DGDSWD©¥RGDWHQV¥RGHUHGH¢WHQV¥RGHVD¯GD rotor do motor bloqueado. As temperaturas
GRVHVW£JLRVGHSRW¬QFLDHGRWUDQVIRUPDGRU
também são constantemente monitorizadas.
&RPR VLVWHPD LQWHJUDGR R 09:
VLPSOLͤFDDLQVWDOD©¥RHRFRPLVVLRQDPHQWR
Módulos de potência extraíveis facilitam a ma
QXWHQ©¥R H U£SLGD VXEVWLWXL©¥R &RP GLPHQ
V·HV GH [[ PP : [ + [ '  R
sistema completo do conversor de velocidade
também possui uma reduzida pegada ecoló
JLFD$O«PGLVVRHVWHSRGHVHURSFLRQDOPHQWH
equipado com todos os protocolos de comu
QLFD©¥R LQGXVWULDO GH XVR FRPXP LQFOXLQGR
0RGEXV3URͤEXV'HYLFHQHWH(WKHUQHW

WEGeuro – Indústria Eléctrica, S.A.


7HOy)D[
LQIRSW#ZHJQHWyZZZZHJQHWSW

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
94 mercado técnico

Sistema mecatrónico MOVIGEAR® SHO¯FXOD$O«PGLVVRRVURODPHQWRVGHHVIHUDV[LURVGHIXQFLRQD


6(:(852'5,9(3RUWXJDO mento a seco têm um menor nível de fricção do que os rolamen
7HO WRV GH HVIHUDV PHW£OLFRV FRP OXEULͤFD©¥R YLVWR TXH DV HVIHUDV
LQIRVHZ#VHZHXURGULYHSWyZZZVHZHXURGULYHSW Q¥RSUHFLVDPGHVXSHUDUDUHVLVW¬QFLDGROXEULͤFDQWH$TXLSRV
suem a vantagem de rolarem muito mais facilmente do que os
O sistema de acionamento me URODPHQWRVGHHVIHUDVPHW£OLFRV
catrónico MOVIGEAR® pode ser 'HVGHDLJXVGHVHQYROYHXXPDYDVWDJDPDGHURODPHQ
utilizado flexivelmente para dife WRVGHHVIHUDVGHSRO¯PHURVHPOXEULͤFD©¥RSURQWRVDXVDUQXPD
rentes estruturas de comunica DPSODYDULHGDGHGHDSOLFD©·HV$YLGD¼WLOGRVURODPHQWRVGHHVIH
©¥R $GHTXDVH QD SHUIHL©¥R D ras xiros pode ser calculada numa ferramenta onlineLQWURGX]LQGR
WRGDV DVDSOLFD©·HV GHVFHQWUDOL]DGDV QRFDPSR'HYLGR¢FRQV os parâmetros da respetiva aplicação. Os designs mais usados
WUX©¥RFRPSDFWDH¢P£[LPDLQWHJUD©¥RGRVFRPSRQHQWHVFRPR V¥R RV URODPHQWRV GH HVIHUDV GH DFRUGR FRP QRUPD ',1  ¢
PRWRUV¯QFURQRGH¯PDQHVSHUPDQHQWHVRUHGXWRUHDHOHWUµQLFD VHPHOKDQ©DGRVURODPHQWRVGHHVIHUDVPHW£OLFRVGLVSRQ¯YHLVQR
LQWHJUDGD«DGHTXDGRSDUDDDSOLFD©¥RHͤFLHQWHQDWHFQRORJLDGH PHUFDGR 2XWURV WLSRV V¥R SRU H[HPSOR URODPHQWRV GH HVIHUDV
WUDQVSRUWHHPJHUDO(VW£GLVSRQ¯YHOHPGRLVWDPDQKRVHWU¬VFODV D[LDLVURODPHQWRVPXOWLD[LDLVDQ«LVURWDWLYRVFRPHVIHUDVRXHV
VHVGHSRW¬QFLDHO«WULFDSDUDXPWRWDOGHTXDWURYHUV·HVGHFRPX feras de transferência em polímero.
nicação. O sistema MOVIGEAR® permite alcançar uma economia
GHHQHUJLDGHDW«JUD©DV¢LQWHUD©¥RSHUIHLWDHQWUHRPRWRUGD
FODVVHGHHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFD,(RUHGXWRUHͤFLHQWHHDHOHWUµQL Sinalizadores sonoros da série FB da marca
ca integrada. Os componentes perfeitamente combinados e uma EATON ELECTRIC
otimização energética de todo o sistema possibilitam um alto ren 70(̰7UDQVIHU0XOWLVRUW(OHNWURQLN6S]RR
GLPHQWRPHVPRTXDQGRDSULRULGDGHP£[LPD«DͤDELOLGDGHXPD 7HOy)D[
ORQJDYLGD¼WLOHXPDHOHYDGDGLVSRQLELOLGDGHGRVLVWHPD2VDFLR SRUWXJDO#WPHHXyZZZWPHHX
namentos MOVIGEAR® são em simultâneo um elemento impor
WDQWH GH XP JUDQGH Q¼PHUR GH VROX©·HV GH VLVWHPDV 0$;2/8 Na oferta da TME apareceram os sinalizadores
TION®HV¥RDPSODPHQWHXWLOL]DGRVHPDSOLFD©·HVHVWDFLRQ£ULDV sonoros da série FB da marca EATON ELECTRIC.
no âmbito da tecnologia de transporte. Estes sinalizadores de alarme estão patenteados
HGHVWLQDPVHDXWLOL]D©·HVHPLQVWDOD©·HVDQWL
LQF¬QGLRVHJXUDQ©DHRXWURVVLVWHPDVGHVLQDOL
Novos rolos da igus: leves, duráveis ]D©¥R$VXDVLQJXODULGDGHGHYHVH¢FRPELQD
e com conformidade alimentar ção de um eletroíman em miniatura com um sistema de controlo
LJXV®/GD LQWHJUDGRSHORTXHSURSRUFLRQDPH[FHOHQWHVRPHDOFDQFHFRQVX
7HOy)D[ PRP¯QLPRGHHQHUJLDHPDLRUͤDELOLGDGH8PDHVW«WLFDPHOKRUDGD
LQIR#LJXVSWyZZZLJXVSW faz com que os sinalizadores sejam adequados para todas as apli
,JXV3RUWXJDO FD©·HV LQFOXLQGR DV ]RQDV PDLV VHOHFLRQDGDV 2V VLQDOL]DGRUHV
VRQRURVDSUHVHQWDPFRUYHUPHOKDRPDWHULDOGDFDL[D«SROLFDUER
Para transportadores de rolos ou QDWRD©RRQ¯YHOGHVRP«GHG%DPRQWDJHP«IHLWDHPSDUHGH
URORV GH GHVYLR D LJXV GHVHQYRO HDVGLPHQV·HVH[WHULRUHVV¥Rš[PP
veu uma solução composta por
rolamentos de esferas em polí
PHURHXPWXERQXPdesign leve Schneider Electric apresenta ferramenta Smart
e em conformidade com a FDA. Connector para plataforma EcoStruxureTM
2VURORVSDUDXWLOL]D©¥RQDLQG¼V 6FKQHLGHU(OHFWULF3RUWXJDO
WULDGHURWXODJHPHPEDODJHPRXQDLQG¼VWULDDOLPHQWDUV¥RFRP 7HOy)D[
postos por um tubo em PVC com dois rolamentos de esferas de SWDWHQGLPHQWRFOLHQWH#VFKQHLGHUHOHFWULFFRPyZZZVFKQHLGHUHOHFWULFSW
IODQJH QDV H[WUHPLGDGHV IDEULFDGRV HP [LURGXU % UHVLVWHQWH
DRGHVJDVWHHFRPHVIHUDVHPD©RLQR[LG£YHO6REDPDUFD[LURVR $ 6FKQHLGHU (OHFWULF HVSHFLDOLVWD JOREDO HP JHVW¥R GH HQHUJLD H
especialista em motion plastics igus desenvolveu rolamentos de DXWRPD©¥R DSUHVHQWD D IHUUDPHQWD Smart Connector XPD HV
HVIHUDVHPSRO¯PHURLVHQWRVGHPDQXWHQ©¥RHVREUHWXGRLVHQWRV WUXWXUDDEHUWDGHDSOLFD©¥RFRQͤJXU£YHOHH[WHQV¯YHOTXHSHUPLWH
GH OXEULͤFD©¥R (VWD « XPD YDQWDJHP GHFLVLYD HP SDUWLFXODU QD DRVSURJUDPDGRUHVDFULD©¥RGHQRYDVFDSDFLGDGHVDSOLFD©·HVH
LQG¼VWULDDOLPHQWDUHGHHPEDODJHQVYLVWRQ¥RH[LVWLUULVFRGHFRQ VROX©·HVLQRYDGRUDVTXHDPSOLDPHPHOKRUDPRVLVWHPDGHJHV
WDPLQD©¥R 8PD QRYLGDGH QD JDPD GH SURGXWRV V¥R RV URORV tão de edifícios EcoStruxureTM Building DQWHULRUPHQWH FRQKHFLGR
compostos por um tubo azul em PVC e dois rolamentos de esferas como solução SmartStruxureTM).
GHIODQJHHP[LURGXU%FRPHVIHUDVGHD©RLQR[LG£YHO̸Todos A solução EcoStruxure Building possibilita uma plataforma es
os componentes utilizados nestes novos rolos estão em conformi- FDO£YHOHVHJXUDSDUDD,R7FRPXPDDPSODJDPDGHSRWHQFLDOGH
dade com a FDA̹H[SOLFD0DUFXV6HPVURWKGLUHWRUGRVURODPHQ LQWHJUD©¥RDRDSURYHLWDURVP¼OWLSORVSURWRFRORVHSDGU·HVDEHUWRV
tos de esferas em polímero xiros na igus. “A partir de agora dispo- TXHSRVVXL1RHQWDQWRFRPDIHUUDPHQWDSmart Connector o poten
nibilizamos esta solução de rolos em dois tamanhos de instalação, cial para as integrações de outros sistemas e aplicações através do
FRPGL¤PHWURVH[WHULRUHVGHHPLO¯PHWURVUHVSHWLYDPHQWH”. software StruxureWareTM Building Operation FRQMXJDGR FRP RXWURV
Estes rolos leves estão disponíveis na igus com comprimentos de VLVWHPDVLQWHUQRVHH[WHUQRVWRUQDVHSUDWLFDPHQWHLOLPLWDGR
DPLO¯PHWURV A ferramenta Smart Connector é um quadro de desenvolvi
(PFRPSDUD©¥RFRPRVURORVHPD©RLQR[LG£YHORVURORVHP PHQWR TXH VLPSOLͤFD H DFHOHUD DV LQWHJUD©·HV FRP VLVWHPDV GH
SO£VWLFRGHTXDOLGDGHDOLPHQWDUSHVDPDSHQDVXPWHU©RGRSHVR terceiros ou outras fontes de dados na plataforma EcoStruxure
R TXH SRU VXD YH] UHGX] D HQHUJLD GH DFLRQDPHQWR QHFHVV£ULD Building. Fornece aos programadores toda a infraestrutura e bi
SDUD D URWD©¥R GRV URORV FRPR SRU H[HPSOR QR JXLDPHQWR GH bliotecas de software QHFHVV£ULDV SDUD R GHVHQYROYLPHQWR WHVWH

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
HLPSOHPHQWD©¥RHͤFLHQWHVGHDSOLFD©·HVGHmiddleware
que impulsionam o software StruxureWare Building Opera-
tionFDSDFLWDQGRRVDFULDUIXQFLRQDOLGDGHVQRYDVHGLIH
renciadoras para os seus clientes. Estas soluções podem
VHUXWLOL]DGDVXPDYH]SDUDDSOLFD©·HVHVSHFLͤFDVRXUHX
WLOL]DGDVY£ULDVYH]HVSDUDDSOLFD©·HVPDLVFRPXQV3DUD
DO«PGRVSURJUDPDGRUHVDQRYDHVWUXWXUDDEHUWDGHDSOL
cações Smart Connector EHQHͤFLDWDPE«P: os consumido
UHVͤQDLVDWUDY«VGDVDWLVID©¥RGHQHFHVVLGDGHVGHPDLRU
FRQKHFLPHQWR H FRQWUROR GDV VXDV HPSUHVDV DR PHVPR
WHPSRTXHDXPHQWDDRSHUDFLRQDOLGDGHHDHͤFL¬QFLDHQHU
gética através da integração a outros sistemas dentro ou
IRUDGRHGLI¯FLRDSOLFD©·HVSHUVRQDOL]DGDVHVLVWHPDVDEHU
WRVRVLQWHJUDGRUHVGHVLVWHPDVREW¬PXPPHLRHͤFLHQWH
GHLQWHJUD©¥RFRPRXWURVVLVWHPDVGHIRUPDDH[SDQGLUDV
capacidades do sistema de gestão de edifícios dos consu
midores; e expande o potencial para aumentar as soluções
GR FOLHQWH DMXGDQGRR D FRQVHJXLU PDLV SURMHWRV SURJUD
madores de Smart Connector,VLPSOLͤFDPHDFHOHUDPRGH
senvolvimento das tecnologias de integração (middleware);
SDUWLOKDHFRQYHUWHDVVROX©·HVFRPDFHVVRDXPDDPSOD
comunidade de outros programadores. A ferramenta Smart
Connector atribui um novo nível de flexibilidade e abertura
DRSHUPLWLUXPDLQWHJUD©¥RU£SLGDUHSURGX]¯YHOHDGDSW£YHO
com outros sistemas ou aplicações.

RS Components: quarta geração de fontes


de alimentação LOGO!Power
56&RPSRQHQWV
7HOy)D[
PDUNHWLQJVSDLQ#UVFRPSRQHQWVFRPySWUVRQOLQHFRP

$56&RPSRQHQWV 56 PDUFDFRPHUFLDO
GD(OHFWURFRPSRQHQWVSOF /6((&0 XP
dos maiores distribuidores de produtos e
serviços de eletrónica e manutenção a
Q¯YHOPXQGLDODQXQFLRXDGLVSRQLELOLGDGH
da quarta geração de fontes de alimenta
ção LOGO!Power da Siemens. Estas no
vas unidades de alimentação ultra com
pactas apresentam o mesmo design que os controladores
OµJLFRV/2*2GD6LHPHQVHIRUQHFHPDW«:DTXD
GURVGHGLVWULEXL©¥RVHQGRWDPE«PWRWDOPHQWHFRPSDW¯
veis com a gama de dispositivos de terceira geração.
2 SRUWHIµOLR LQFOXL DJRUD PDLV GRLV GLVSRVLWLYRV EHP
como utilizações e funcionalidades adicionais para uma
JDPD GH DSOLFD©·HV LQFOXLQGR DXWRPDWL]D©¥R LQGXVWULDO
FRPRP£TXLQDVGHHPEDODJHPVLPSOHVSUHQVDVGHUHV¯
GXRV FRUUHLDV WUDQVSRUWDGRUDV H VLVWHPDV GH WULDJHP H
DXWRPDWL]D©¥R GH HGLI¯FLRV FRPR FRQWURORV GH LOXPLQD
©¥R H[WHQV·HV GH VLVWHPDV GH FRQWUROR GH DTXHFLPHQWR
ou controlos de portas e portões. A série oferece ainda
XPPDLRULQWHUYDORGHWHPSHUDWXUDGHRSHUD©¥RGHD
r&RTXHSHUPLWHDVXDXWLOL]D©¥RHPDPELHQWHVIULRV
A série complementa o portefólio LOGO!Power com duas
QRYDVYDULDQWHVGHSRW¬QFLD9$H9$&RP
HVWDVGXDVXQLGDGHVDV«ULHSRVVXLXPWRWDOGHGLVSR
VLWLYRVFRPWHQV·HVGHVD¯GDFRQWURODGDVHDMXVW£YHLVGH
   H  9 IRUQHFHQGR XPD SRW¬QFLD GH DW«  :
A sua ampla gama de entrada permite que estes dispo
sitivos de alimentação sejam usados com todas as redes
GHDOLPHQWD©¥RPRQRI£VLFDVFRPWHQV¥RQRPLQDOGH
D  9 &$ H DW« PHVPR FRP UHGHV GH WHQV¥R FRQW¯QXD
GHD9&&VHPQHFHVVLGDGHGHFRPXWD©¥R$56
96 mercado técnico

HD6LHPHQVHVW¥RDWUDEDOKDUHPHVWUHLWDFRODERUD©¥RSDUDXPD GDLQG¼VWULDDOLPHQWDUGXDVYDULDQWHVGH+\JLHQLF'HVLJQ2VSHU
transição suave para esta gama mais recente. Isto inclui a manu PXWDGRUHVGHFDORUGHDU£JXDSDUDPRQWDJHPGHSDUHGHSRGHP
tenção de stockGDJDPDH[LVWHQWHSHORP£[LPRGHWHPSRSRVV¯ IRUQHFHUVD¯GDVGHUHIULJHUD©¥RGHN:RXN:2+\JLHQLF
YHOHQTXDQWRIRUQHFHPWDPE«PDQRYDJHUD©¥RGHSURGXWRVDRV 'HVLJQUHGX]RULVFRGHFRQWDPLQD©¥RQDLQG¼VWULDDOLPHQWDUFRQ
FOLHQWHVTXHHVWHMDPDWUDEDOKDUHPQRYRVdesigns e queiram tirar tribuindo assim para garantir a segurança do produto.
proveito das mais recentes funcionalidades e tecnologias. 3DUDR+\JLHQLF'HVLJQD5LWWDOPRGLͤFRXRGHVHQKRHPY£
ULRVDVSHWRV3RUH[HPSORDͤ[D©¥RGRDUP£ULRQDSDUHGHDRXVDU
SDUDIXVRVURVFDGRVHSRUFDVIRLSURMHWDGRSDUDTXHDͤ[D©¥RGR
F.Fonseca apresenta analisador de energia SDUDIXVRQ¥RVHMDYLV¯YHOGDSDUWHGHIRUD2DUP£ULR«GHD©RLQR
MI 2883 Energy Master da Metrel [LG£YHOFRPJU¥RHVFRYDGRGHWDPDQKRTXHSURGX]XPDVX
))RQVHFD6$ SHUI¯FLHUXJRVD5DLQIHULRUDƖP2DFDEDPHQWRͤQDOOLVRHXQL
7HOy)D[ IRUPH«I£FLOGHOLPSDUHGHVLQIHWDUQ¥RKDYHQGRSRVVLELOLGDGHGH
IIRQVHFD#IIRQVHFDFRPyZZZIIRQVHFDFRP VHUFRQWDPLQDGD$YHGD©¥RGHVLOLFRQHHQWUHRDUP£ULRHDFDL[D
))RQVHFD6$6ROXFRHVGH9DQJXDUGD SUHYLQHDWUDQVIHU¬QFLDGHFRUDQWHVDURPDVHRGRUHVLQGHVHMDGRV
HHOLPLQDTXDOTXHUIHQGDHQWUHRSHUPXWDGRUGHFDORUGHDU£JXD
Existem alguns motivos para medir e analisar a HRDUP£ULRRTXHLULDGLͤFXOWDUDOLPSH]D(VWDVYHGD©·HVHVW¥R
TXDOLGDGH GH HQHUJLD KRMH HP GLD $V LQWHUD©·HV disponíveis como peças suplentes e são facilmente substituídas
SRWHQFLDLV HQWUH HTXLSDPHQWRV GH XVR ͤQDO H R em caso de danos mecânicos. São tingidas a azul de acordo com a
VLVWHPD GH GLVWULEXL©¥R HO«WULFD LQWHUIHU¬QFLDV GLUHWUL]GD)'$&)5WRUQDQGRRVDUP£ULRVFODUDPHQWH
HOHWURPDJQ«WLFDV H[WHUQDV HVWDGRV UHVVRQDQWHV distintos de contaminantes tal como resíduos alimentares. As ve
entre circuitos elétricos e alguns outros fatores GD©·HVSODQDVSDUDFRQH[·HVGH£JXDV¥RLJXDOPHQWHWLQJLGDVD
H[LJHP D QHFHVVLGDGH GH DQ£OLVH SDUD TXH VH azul e projetadas geometricamente para estarem niveladas contra
possam evitar ou prevenir consequências prejudi D IRUPD GR DFHVVµULR 2 DFDEDPHQWR FRP XP EDWHQWH PHW£OLFR
ciais. 20,(QHUJ\0DVWHU«XPDQDOLVDGRUGHTXDOLGDGHGH SUHYLQHDFRPSUHVV¥RGDYHGD©¥RSDUDTXHDVH[WUHPLGDGHVQ¥R
HQHUJLDWULI£VLFRSRUW£WLOHVSHFLDOPHQWHGHVHQYROYLGRSDUDRUHJLV ͤTXHPVDOLHQWHVHSHUPLWDPDDFXPXOD©¥RGHFRQWDPLQDQWHVRX
WRGHHQHUJLDHVXEVHTXHQWHF£OFXORGHHͤFL¬QFLD5HGX]LURFRQVX PLFURRUJDQLVPRV2WRSRGRDUP£ULRLQFOLQDVHSDUDDIUHQWHHP
mo de energia reduz os custos de energia e pode resultar em eco JUDXV2W¯SLFRGHVHQKRGH+\JLHQLF'HVLJQHYLWDTXHVHMDPFR
QRPLD ͤQDQFHLUD 2 (QHUJ\ 0DVWHU VHUYH FRPR XPD IHUUDPHQWD ORFDGRVREMHWRVQRWRSRGRDUP£ULRJDUDQWLQGRDRPHVPRWHPSR
SHUIHLWDSDUDRUHJLVWRGHORQJRSUD]RHSµVSURFHVVDPHQWRSRV TXHO¯TXLGRVWDLVFRPRGHWHUJHQWHVHGHVLQIHWDQWHVHVFRUUDPUD
terior dos dados gravados. O grande displayJU£ͤFRDFRUHVSHUPL SLGDPHQWH&RPSURWH©¥RGHFDWHJRULD,3RVSHUPXWDGRUHV
WHDRXWLOL]DGRUDDQ£OLVHHYHULͤFD©¥RGRVGDGRVQRORFDO2SDFRWH GHFDORUGHDU£JXDDWHQGHPDRVUHTXLVLWRVH[LJHQWHVGHODYDJHP
de software avançado 3RZHU9LHZSHUPLWHXPDDQ£OLVHGHWDOKDGD ¢SUHVV¥RHOLPSH]DDYDSRU
GRVGDGRVJUDYDGRVOHLWXUDGLUHWDGRFDUW¥RGHPHPµULDPLFUR6' 2VSHUPXWDGRUHVGHFDORUGHDU£JXDW¬PDSURYD©¥R&85H
DQ£OLVHGHUHJLVWRVGHORQJRSUD]RHFULD©¥RDXWRP£WLFDGHUHODWµ &6$WRUQDQGRRVDVVLPDGHTXDGRVSDUDXVRLQWHUQDFLRQDO2+\
ULRVSURͤVVLRQDLV(VWHDQDOLVDGRU«LQGLFDGRSDUDTXDOTXHULQG¼V gienic Design foi testado pelo departamento alimentar da agência
WULDSURFHVVRIDEULORXLQVWDOD©¥RHO«WULFDTXHQHFHVVLWHGHYHULͤFD GHWHVWHHFHUWLͤFD©¥R'*89GHDFRUGRFRPD*619 SULQF¯SLRV
©¥R GR GHVHPSHQKR GH HTXLSDPHQWR GH FRUUH©¥R GR IDWRU GH GHWHVWHSDUDKLJLHQH 2VGLVSRVLWLYRVHVW¥RGHDFRUGRFRPD1RU
SRW¬QFLDDQ£OLVHGHORQJRSUD]RPDQXWHQ©¥RSUHGLWLYDHYHULͤFD PD ',1 (1 ,62  H V¥R DGHTXDGRV SDUD XVR QR VHWRU
ção da capacidade do sistema elétrico antes de adicionar cargas. DOLPHQWDUHPFRQIRUPLGDGHFRP',1(1

Controlo de climatização na indústria alimentar Construção ideal, firmemente unida


5LWWDO3RUWXJDO 2%2%(77(50$11̰0DWHULDOSDUD,QVWDOD©·HV(O«FWULFDV/GD
7HOy)D[ 7HOy)D[
LQIR#ULWWDOSWyZZZULWWDOSW LQIR#RERSWyZZZRERSW

$KLJLHQH«XPDQHFHVVLGDGHDEVROXWDQD 'XUDQWHG«FDGDVRVFDPLQKRVGHFD
LQG¼VWULD DOLPHQWDU P£TXLQDV LQVWDOD ERVWLSRHVFDGDGD2%2V¥RFRQKHFL
ções e componentes devem resistir facil GRV SRU VHUHP UREXVWRV H I£FHLV GH
PHQWHDODYDJHQVGL£ULDVFRPP£TXLQDV LQVWDODU LQGHSHQGHQWHPHQWH GH VHU D
de limpeza de pressão ou a jato. As su versão rebitada ou soldada. Os cami
SHUI¯FLHV GHYHP WDPE«P VHU I£FHLV GH QKRVGHFDERVWLSRHVFDGDVROGDGRVH
limpar e/ou projetadas para prevenir que testados têm disponibilizado uma
RVFRQWDPLQDQWHVDGLUDP¢VPHVPDV RIHUWD FRPSOHWD H RWLPL]DGD SDUD XVR QD LQG¼VWULD 'HYLGR ¢ VXD
$ UHIULJHUD©¥R GRV DUP£ULRV RIHUH FRQVWUX©¥R HVSHFLDO H DRV VHXV LQRYDGRUHV GHJUDXV RIHUHFHP
FH XPD V«ULH GH EHQHI¯FLRV SRUTXH D £JXD WHP XPD FDSDFLGDGH agora ainda mais espaço de instalação e opções de montagem
W«UPLFDPDLRUGRTXHRDURO¯TXLGRGHUHIULJHUD©¥RSRGHGLVVLSDU IOH[¯YHLVWDQWRTXDQGRLQVWDODGRVYHUWLFDOPHQWHFRPRKRUL]RQWDO
PDLRUHVTXDQWLGDGHVGHFDORU3DUDDO«PGLVVRRVDPELHQWHVLQ mente. Não é só na inovadora e patenteada soldadura dos novos
GXVWULDLV SRVVXHP JHUDOPHQWH XP IRUQHFLPHQWR FHQWUDO GH £JXD GHJUDXVPDVWDPE«PRFRQFHLWXDGRSDGU¥RGHSHUIXUD©¥RTXH
GHUHIULJHUD©¥RTXHSRGHVHUXVDGRSDUDUHIULJHUD©¥RGRVDUP£ IRLDGDSWDGR¢VH[LJ¬QFLDVGRVGLIHUHQWHVWLSRVGHLQVWDOD©·HVQD
rios. O que resta fazer é a montagem de permutadores de calor LQG¼VWULD2TXHWRUQDW¥RHVSHFLDO«TXHFRPDVDEUD©DGHLUDV%%6
GHDU£JXDDGHTXDGRVQRDUP£ULR&RPR+\JLHQLF'HVLJQ«SDU SRGHP VHU XWLOL]DGDV HP DPERV RV ODGRV SHUPLWLQGR RWLPL]DU R
WLFXODUPHQWH LPSRUWDQWH TXH Q¥R KDMD TXDOTXHU WURFD GH DU HQWUH espaço utilizado e muitas vezes reduzir efetivamente os custos.
RVDUP£ULRVHRDPELHQWH$5LWWDOUHQRYRXRVVHXVSHUPXWDGRUHV (VWHVQRYRVFDPLQKRVGHFDERVWLSRHVFDGDHVW¥RGLVSRQ¯YHLVHP
GHFDORUGHDU£JXDHSRGHDJRUDGLVSRQLELOL]DUDRVVHXVFOLHQWHV aço galvanizado pelo método de Sendzimir (FS) e por imersão a

www.oelectricista.pt o electricista 61
mercado técnico 97

TXHQWHDSµVPDTXLQD©¥R )7 RXHPD©RLQR[LG£YHO$,6,H$,6, garantir uma maior performance em condições especiais. Os


 2V DFHVVµULRV GRV FDPLQKRV GH FDERV WLSR HVFDGD IRUDP disjuntores de caixa DWB são criados com voltagens nominais de
WDPE«PFRPSOHWDPHQWHUHIRUPXODGRV7DOFRPRRVFDPLQKRVGH IXQFLRQDPHQWR9$&RX9'&HHVW¥RGLVSRQ¯YHLVWDQWRFRP
FDERVHVWHVV¥RIDEULFDGRVFRPGHJUDXVVROGDGRVHGLVSRQ¯YHLV WU¬V H TXDWUR SRORV FRPR HP VHLV WDPDQKRV GH FDL[D FRUUHQWHV
nos mesmos materiais e acabamentos. GHVGH  $ DW«  $ 2V GLVMXQWRUHV H R UHVWDQWH HTXLSDPHQWR
2 UDLR GH FXUYDWXUD IRL UHGX]LGR GH  SDUD  PP (VWD SRGHPVHUOLJDGRVHGHVOLJDGRVUHPRWDPHQWHDWUDY«VGRVY£ULRV
FRQVWUX©¥R VXEVWDQFLDOPHQWH PDLV FRPSDFWD VLJQLͤFD TXH RV DFHVVµULRVFRUUHVSRQGHQWHVTXHLQFOXHPEORFRVGHLQWHUUXSWRUHV
acessórios podem ser instalados muito mais facilmente. Mais DX[LOLDUHV UHO«V GH DEHUWXUD GH WHQV¥R P¯QLPD H VHSDUDGRUHV GH
XPDYH]GHYLGRDRVVHXVLQRYDGRUHVGHJUDXVRVDFHVVµULRVSR IDVHRTXHSHUPLWHUHGX]LUDGLYHUVLGDGHQHFHVV£ULDGHSH©DVHP
GHPVHUXWLOL]DGRVHPDPERVRVODGRV1HVWHVQRYRVFDPLQKRVGH stockHSURSRUFLRQDUXPDPHOKRUJHVW¥R
FDERVWLSRHVFDGDRVFRPSRQHQWHVLQWHUOLJDPVHHQWUHVLVHPSUH $RPHVPRWHPSRRGHVHQKRPRGXODUGDV«ULH':%SHUPLWH
FRPDͤQDOLGDGHGHRWLPL]DUDLQGDPDLVDLQVWDOD©¥R adaptar a complexidade dos disjuntores com os requisitos especí
ͤFRVSDUDFDGDDSOLFD©¥R'HVWDIRUPDDQHFHVVLGDGHGHDSOLFD
ções simples e de baixo custo podem ser satisfeitas mediante me
Nova série de disjuntores WEG protege as equipas FDQLVPRVGHGLVSDURHPFDVRGHVREUHFDUJDHGHFXUWRFLUFXLWR
e evita tempos de interrupção com base no princípio da operação termomagnética.
:(*HXUR̰,QG¼VWULD(O«FWULFD6$ Os disjuntores equipados com mecanismos de disparo de so
7HOy)D[ EUHFDUJDHFXUWRFLUFXLWRSRGHPVHUXWLOL]DGRVSDUDVROX©·HVPDLV
LQIRSW#ZHJQHWyZZZZHJQHWSW VRͤVWLFDGDV XPD YH] TXH HVW¥R HTXLSDGRV FRP PHFDQLVPRV
DMXVW£YHLVHPIXQ©¥RGDFRUUHQWHRXFRPHIHLWRGHDWUDVR(VWDV
$ :(* IDEULFDQWH GH UHIHU¬QFLD versões são adequadas para a construção de redes de proteção
mundial de tecnologia de moto VHOHWLYD GH IRUPD D JDUDQWLU TXH DSHQDV R GLVMXQWRU « LPHGLDWD
res e automação lançou a série PHQWHDWLYDGRDSDUWLUGDIDOKDORFDOL]DGDHTXHWRGDVDVRXWUDV
DWB de disjuntores modulares SDUWHV GD UHGH FRQWLQXHP D VHU DOLPHQWDGDV GH IRUPD ͤ£YHO 2V
capazes de interromper de forma disjuntores de 4 pólos estão disponíveis com ou sem protecção
VHJXUDDVFRUUHQWHVGHFXUWRFLUFXLWRGH.DD9RTXHVH do condutor neutro. As versões sem disparo de sobrecarga podem
WUDGX] QXP DXPHQWR GD SURWH©¥R GDV HTXLSDV DVVLP FRPR QD ser utilizadas para proteger cargas não indutivas.
SURWH©¥RGRVPRWRUHVJHUDGRUHVFDERVHOLJD©·HVGDVLQVWDOD©·HV Também podem ser utilizadas em combinações de arranca
existentes. Os disjuntores são ideais para uma ampla gama de GRUHVHPTXHRGLVMXQWRUHXPUHO«DGLFLRQDOSURWHJHPUHVSHWLYD
aplicações industriais e são caraterizados pelo seu design com PHQWHFRQWUDRVFXUWRFLUFXLWRVHDVVREUHFDUJDV3DUDOHODPHQWH
SDFWRUREXVWH]HͤDELOLGDGHRTXHSHUPLWHPD[LPL]DURHVSD©RH os relés de sobrecarga eletrónicos que estão disponíveis numa

PUB
98 mercado técnico

grande variedade de efeitos de proteção também são frequente DWXDOL]DGDDW«N9RXRSDUTXHHµOLFRDWXDOL]DGRSDUD0:


PHQWHXWLOL]DGRVQHVWHFRQWH[WR3DUDDO«PGLVVRV¥RIRUQHFLGRV 2QRYR1DUHYDHVW£HQYROYLGRHPY£ULRVGHVHQYROYLPHQWRVGHSDU
seccionadores de potência para a interrupção efetiva dos circuitos ques eólicos em todo o país. A empresa procurava um potencial
de alimentação elétrica. Os disjuntores de tecnología de ponta da fornecedor com um forte apoio ao cliente. As equipas da ABB de
V«ULH':%FXPSUHPRVUHTXLVLWRV,(&(1 ',19'(  (VSDQKD0DUURFRV,W£OLD7XUTXLD6X¯©DH6X«FLDWUDEDOKDUDPHP
FRQMXQWR SDUD SURSRUFLRQDU VHPLQ£ULRV W«FQLFRV H GLYHUVDV DQ£
OLVHV GH FXVWRV GR FLFOR GH YLGD $ VXEHVWD©¥R K¯EULGD LQFOXLU£ D
Nova Calha Mini-canal JSL 20x12,5 PDLVUHFHQWHWHFQRORJLD$%%3$66FRPDFHVVµULRVGHFDEODJHP
-6/̰0DWHULDO(O«FWULFR6$ =609WUDQVIRUPDGRUHVGHSRW¬QFLDGH0:WUDQVIRUPDGR
7HOy)D[ UHVGHPHGLGDGHVFDUUHJDGRUHVGHVREUHWHQV¥RVLVWHPDGHSUR
7OPy WH©¥RFRPDQGRHFRQWURORGHVXEHVWD©·HV
LQIR#MVORQOLQHQHWyZZZMVORQOLQHQHW A nova subestação aumenta a presença da ABB em África e o
REMHWLYRGDVXDGLYLV¥R3RZHU*ULGVGHIRUPDUXPDUHGHPDLVIRUWH
$ -6/ ̰ 0DWHULDO (O«FWULFR 6$ WHP mais inteligente e mais ecológica para os seus clientes.
XP QRYD HGRGD GH PLQLFDQDO 5HI 
[ &RP PHGLGDV ¼WHLV LQWHULR
UHVGH[PPHVWDQRYDPHGLGD HF Sensor EB – Detetor de movimento com sensor
GH PLQLFDQDO DSUHVHQWD XP QRYR de alta frequência
WLSRGHIHFKRHQWUHDEDVHHDWDPSDSDUDIDFLOLWDUDLQVWDOD©¥RFRP 3URQRGLV̰6ROX©·HV7HFQROµJLFDV/GD
XP IHFKR UHIRU©DGR IRL GHVHQKDGR SDUD XPD PDLRU ͤDELOLGDGH H 7HOy)D[
resistência e sobretudo tem uma aparência e estética muito ele SURQRGLV#SURQRGLVSWyZZZSURQRGLVSW
gante para a renovação de interiores. SURQRGLVVROXFRHVWHFQRORJLFDVSURQRGLV
$ VXD FDSDFLGDGH H[SDQGLGD SDUD FRQWHU RV ͤRV « DGHTXDGD
para instalações de cabos de pares de cobre e coaxiais em insta Detetor de movimento com sensor de
OD©·HV,7('VXSRUWDQGRDVVLPXPDFDSDFLGDGHSDUDFDERVLVROD alta frequência para deteção sensível
GRVFRPDVVHJXLQWHVGLPHQV·HVFDERVGHPP2FDERV em espaços obstruídos com ângulo de
GHPP2FDERVGHPP2 e 6 cabos de 6 mm2. |̰QDLQVWDOD©¥RHPSDUHGHRXWHWR
Conta com todos os acessórios para a sua instalação: deri | 6HQVRU LGHDO SDUD DSOLFD©¥R FR
YD©¥RHP7¤QJXORLQWHULRU¤QJXORH[WHULRU¤QJXORSODQRXQL¥RH PXP RX DSOLFD©¥R DWU£V RX GHQWUR GH
WDPSDͤQDO7DPE«PGLVSRQ¯YHOQDYHUV¥RDGHVLYD OXPLQ£ULDVFRPXPDH[FHOHQWHGHWH©¥RPHVPRHPIUHQWHRXDWU£V
de divisórias.
'HWHWRUFRPDOFDQFHGHPHWURVLQVWDODGRQRWHWRRXPHWURV
ABB vai construir a primeira subestação híbrida LQVWDODGRQDSDUHGHFRPXPDSRW¬QFLDGH:SDUDO¤PSDGDV
em Marrocos HFRQRPL]DGRUDVH:SDUDO¤PSDGDV/('DOWXUDGHLQVWDOD©¥R
$%%6$ GHPHWURVFRPXPDUHJXOD©¥RFUHSXVFXODUGHDOX[
7HOy)D[ DMXVWHGHWHPSRGHVHJXQGRV̰PLQXWRV,3LQFOXLSDODVPH
PDUNHWLQJDEE#SWDEEFRPyZZZDEESW W£OLFDVSDUDVHSRGHUUHGX]LUDIDL[DGHGHWH©¥R

A ABB vai fornecer uma subes


WD©¥RK¯EULGDGHPLOK·HVGH Uma parceria ideal para a segurança
GµODUHV PDLV GH  PLOK·HV de máquinas
de euros) para um parque eóli $/3+$(1*(1+$5,$̰(TXLSDPHQWRVH6ROX©·HV,QGXVWULDLV
FR HP 0DUURFRV DMXGDQGR R 7HOy7OP
país a reduzir a sua pegada de LQIR#DOSKDHQJHQKDULDSWyZZZDOSKDHQJHQKDULDSW
carbono. As previsões para
0DUURFRV LQGLFDP TXH D SURFXUD GH HQHUJLD GR SD¯V DXPHQWDU£ 2VLVWHPDGHVHJXUDQ©D5HG%HDPFRPR
FRQWLQXDPHQWHQRVSUµ[LPRVDQRV2SD¯VWHPDEXQGDQWHVUHFXU VHXFDPSRELGLPHQVLRQDOLQIUDYHUPHOKRGH
VRVHQHUJ«WLFRVUHQRY£YHLVLQFOXLQGRHQHUJLDVRODUHµOLFDHHQHU SURWH©¥R«EDVWDQWHHͤFD]HP£UHDVFU¯WL
JLDKLGURHO«WULFDHHVWDEHOHFHXXPDPHWDSDUDDVHQHUJLDVUHQR FDV GR SURFHVVR GH SURGX©¥R LQGXVWULDO
Y£YHLV GH  HP  UHGX]LQGR D VXD GHSHQG¬QFLD DWXDO GH nomeadamente onde as pessoas traba
FRPEXVW¯YHLV IµVVHLV LPSRUWDGRV 2 JRYHUQR HVW£ IRFDGR QR GH OKDPHP]RQDVSHULJRVDVHFRPP£TXLQDV
senvolvimento da sua infraestrutura elétrica para integrar as ener EDVWDQWHV U£SLGDV FRPR SUHQVDV robots
JLDV UHQRY£YHLV FRP PHWDV SDUD JHUDU PDLV HQHUJLD D SDUWLU GR GHVROGDJHPHQWUHRXWUDV‹WDPE«PDGH
YHQWRHGHRXWUDVIRQWHVUHQRY£YHLVGHHQHUJLD quado na proteção do operador que tem de
$$%%HVW£DWUDEDOKDUFRPD(QHUJLH(ROLHQQHGX0DURFXPD HQWUDUHP£UHDVGHWUDEDOKRSHULJRVDVGHYLGR¢SUHVHQ©DGHP£
UHIHU¬QFLD QR VHWRU GD HQHUJLD GH 0DUURFRV SDUD FRQVWUXLU XPD quinas com partes móveis. Pode ainda ser utilizado em ambientes
QRYDVXEHVWD©¥RK¯EULGDQRVXOGRSD¯VTXHLU£OLJDU¢UHGHQDFLR GHWUDEDOKRSDUDFRQWURORGHSURFHVVRV SLQWXUD RXDSHQDVSDUD
QDOPDUURTXLQD6HU£DSULPHLUDVXEHVWD©¥RK¯EULGDHP0DUURFRV contagem de etapas (armazenamento).
HHVW£DVHUSURMHWDGDSDUDVXSRUWDUDVFRQGL©·HVPHWHRUROµJLFDV $LQVHU©¥RGHXPFRUSRQRFDPSRGHWUDEDOKRGDEDUUHLUDGH
GHVDͤDQWHV GR GHVHUWR H DV FRQGL©·HV GD DWPRVIHUD PDU¯WLPD VHJXUDQ©DRULJLQDDLQWHUUXS©¥RGRGL£ORJRHQWUHHPLVVRUHUHFHWRU
Durante a 22.ª Convenção das Nações Unidas sobre Alterações com a ativação imediata dos relés de segurança que interrompem
&OLP£WLFDV RUJDQL]DGD HP 0DUUDTXH[H QR ͤQDO GH  R QRYR DP£TXLQDHSURYRFDPXPDODUPHVRQRURHRXOXPLQRVRDW«TXHD
SDUTXH HµOLFR GD 1DUHYD UHFHEHX R UHFRQKHFLPHQWR &23 $ situação perigosa seja removida. O sistema de proteção Red Beam
VXEHVWD©¥R K¯EULGD YDL WHU XPD FDSDFLGDGH GH  TXLORYROWV utiliza a tecnologia de microprocessador que permite uma gama
N9  H GHYHU£ VHU IOH[¯YHO H H[SDQV¯YHO FRP D FDSDFLGDGH GH VHU DPSOD GH FDSDFLGDGHV QD DQ£OLVH GH VLWXD©·HV H DYDULDV SHULJR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
100 mercado técnico

VDV*UD©DVDHVVDIOH[LELOLGDGHSRVLFLRQDVHHQWUHDVXQLGDGHVGH HP VLVWHPDV H[LVWHQWHV JDUDQWLQGR D IDFLOLGDGH QD LQVWDOD©¥R H


controlo mais avançadas do mercado atual. IOH[LELOLGDGH DTXDQGR XPD UHSRVL©¥R $ HͤFL¬QFLD HQHUJ«WLFD IRL
$MXQWDU¢DPSODRIHUWDGHVROX©·HVGRIDEULFDQWH+(6,6$)(< igualmente priorizada estando o motor elétrico disponível com
a ALPHA ENGENHARIA disponibiliza serviços de "Consultoria de nível de rendimento IE3.O designDYDQ©DGRGRSLQK¥RGLUHWDPHQ
Segurança de Máquinas" que visam esclarecer os clientes relativa te acoplado no veio do motor permite uma otimização de recur
mente a questões como a implementação das diretivas e normas VRVEDVHDQGRVHQXPDUHOD©¥RGHWUDQVPLVV¥RGHGXSORHVW£JLR
DSOLFDGDVQDFRQVWUX©¥RGHXPDP£TXLQD $GLFLRQDOPHQWHRdesignRWLPL]DGRGDVHQJUHQDJHQVEHPFRPR
D XWLOL]D©¥R GH FRPSRQHQWHV GH DOWD TXDOLGDGH DVVHJXUDP XPD
EDL[DSHUGDGHHQHUJLDHEDL[RVQ¯YHLVGHUX¯GRDOLDGRVDXPDSHU
Weidmüller Configurator – Configuração IRUPDQFH ͤ£YHO H GXUDGRXUD 2 design compacto dos redutores
mais fácil WDPE«P WHP XP LPSDFWR SRVLWLYR QD TXDQWLGDGH GH OXEULͤFDQWH
:HLGP¾OOHṴ6LVWHPDVGH,QWHUIDFH6$ QHFHVV£ULRSHUPLWLQGRRSHUDUFRPUHGX]LGRVQ¯YHLVGHµOHR
7HOy)D[ $ JDPD :* LQFOXL UHGXWRUHV GH HQJUHQDJHQV KHOLFRLGDLV
ZHLGPXOOHU#ZHLGPXOOHUSWyZZZZHLGPXOOHUSW veios paralelos e engrenagens cónicas utilizando uma carcaça em
DOXP¯QLRGHHOHYDGDUREXVWH]HͤDELOLGDGHVHQGRDGDSW£YHO¢PDLR
2QRYRFRQFHLWR:HLGP¾OOHU&RQͤJX ULDGDVDSOLFD©·HVLQGXVWULDLVTXHUHTXHUHPELQ£ULRVQRPLQDLVGH
rator G£ VXSRUWH ¢ SODQLͤFD©¥R GRV  D  1P $V FHUWLͤFD©·HV LQWHUQDFLRQDLV FRQWULEX¯UDP DLQGD
SURGXWRV DWUDY«V GDV HVSHFLͤFD©·HV PDLVSDUDPHOKRUDUDYHUVDWLOLGDGHGDVXQLGDGHVGRVPRWRUUHGXWR
GRVFDW£ORJRVGHHOHWUµQLFDGD:HLG UHVSRVVLELOLWDQGRDRVXWLOL]DGRUHVRSHUDUDRX+]DWUDY«V
müller. Esta potente ferramenta guia de utilização de variadores de velocidade.
RHDMXGDRQRSURFHVVRGHVHOH©¥R
de produto.Durante o processo de
FRQͤJXUD©¥RWRGRVRVDUWLJRVV¥RDXWRPDWLFDPHQWHLQFOX¯GRVQD Monitorização visual da proteção contra
GRFXPHQWD©¥R GR SURMHWR LQFRUSRUDQGR WRGDV DV LQIRUPD©·HV sobretensões
técnicas relevantes. O resultado: a rastreabilidade garante grande 3KRHQL[&RQWDFW6$
SRWHQFLDOGHSRXSDQ©DDWUDY«VGHSURFHVVRVPDLVU£SLGRV 7HOy)D[
:HLGP¾OOHU&RQͤJXUDWRU«XPupgrade do software5DLO'HVLJ ZZZSKRHQL[FRQWDFWSW
QHUHHVW£SURQWRSDUDDQRYDJHUD©¥RGHshapers orientada para
UHVXOWDGRVLQWLPDPHQWHUHODFLRQDGRFRPVLVWHPDV&$(FRPRR Como expansão dos descarregadores de
(3/$1b =XNHQ RX ( VHULHV $ PLQLPL]D©¥R GH IDOKDV « XPD GDV sobretensão estreitos da gama TERMI
SULQFLSDLVYDQWDJHQVGRSURGXWRM£TXHHVWHFRPSURYDDLQWHJUL TRAB complete GD 3KRHQL[ &RQWDFW D
GDGH H YLDELOLGDGH GR VLVWHPD SRVVLELOLWD D WUDQVIHU¬QFLD GLUHWD SDUWLU GD ODUJXUD GH  PP YDULDQWHV
GDVHVSHFLͤFD©·HVGRDUWLJRQR software&$(HYLWDQGRDHQWUD com largura de 6 mm com sinalização
GDPDQXDOGRVPHVPRVHWHPXPDGHͤQL©¥RFODUDGDVOLJD©·HV mecânica estão agora disponíveis. Um
WUDQVYHUVDLVSDUDIDFLOLWDUDSURGX©¥RHPDQXWHQ©¥R'HVWDFDVH FRQMXQWR GH VLQDOL]D©¥R UHPRWD GLVSRQ¯
LJXDOPHQWHDIDFLOLGDGHGHXVR2:HLGP¾OOHU&RQͤJXUDWRUSHUPLWH YHOFRPRRS©¥RWHPDFDSDFLGDGHGHPRQLWRUL]DURHVWDGRGHRSH
DDPSOLD©¥RGDbEDVHGHGDGRVGDVSU£WLFDVDGHTXDGDVSDUDSUR UD©¥RGRP£[LPRGHGHVFDUUHJDGRUHV7(50,75$%8PDEDU
jetos standard; utiliza a plataforma GUI e o “drag and drop” para a reira fotoelétrica é utilizada para monitorização. Se um
FRQͤJXUD©¥RHPRQWDJHPYLUWXDO$VLQVWUX©·HVV¥RI£FHLVGLVS·H GHVFDUUHJDGRU7(50,75$%ͤFDULQRSHUDFLRQDOFRPRUHVXOWDGRGH
GH XPD OLVWD GH SURGXWRV FRP WRGDV DV HVSHFLͤFD©·HV W«FQLFDV XPD VREUHFDUJD XP GLVSRVLWLYR PHF¤QLFR LQWHJUDGR QHVVH GHV
GRVDUWLJRVSHUPLWHDRWLPL]D©¥RGDHQFRPHQGDSDUDRGHSDUWD FDUUHJDGRULPSHGHDSDVVDJHPGHOX]DWUDYHVVDQGRHLQWHUURP
PHQWRGHFRPSUDVJUD©DVDXPDOLVWDJHPͤQDOHSURMHWRVGHVLV SHQGRDEDUUHLUDIRWRHO«WULFD2HVWDGRGHIDOKD«VLQDOL]DGRSHOR
WHPDV GH PDUFD©·HV FRPSOHWRV JUD©DV ¢ OLJD©¥Rb  GLUHWD FRP D PµGXORUHFHWRUGDOX]DWUDY«VGDPXGDQ©DGRHVWDGRGHXPFRQ
impressora através do software03ULQW352 tacto livre de potencial.

A WEG apresenta novos motorredutores flexíveis Software BIM para análise luminotécnica
e eficientes 7RS,QIRUP£WLFD
:(*HXUR̰,QG¼VWULD(O«FWULFD6$ 7HO
7HOy)D[ JHUDO#WRSLQIRUPDWLFDSWyZZZWRSLQIRUPDWLFDSW
LQIRSW#ZHJQHWyZZZZHJQHWSW
$7RS,QIRUP£WLFDODQ©RXUH
$ :(* HPSUHVD GH UHIHU¬QFLD QD FHQWHPHQWH HP 3RUWXJDO R
produção de motores e sistemas de software CYPELUX. O CYPE
DFLRQDPHQWRODQ©RXDJDPD:* LUX é uma aplicação para o
nova gama de motorredutores mo projeto de instalações de ilu
GXODUHV H YHUV£WHLV RV TXDLV RIHUH minação interior que aplica
FHP XPD I£FLO LQWHUPXWDELOLGDGH tecnologia Open BIM. A apli
FRPVROX©·HVH[LVWHQWHVHFHUFDGHGHHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFD FD©¥R XWLOL]D R PRWRU GH F£OFXOR 5DGLDQFH GHVHQYROYLGR SHOR
para além da sua aplicabilidade em diversas aplicações industriais /DZUHQFH%HUNHOH\1DWLRQDO/DERUDWRU\ HFRQVLGHUDSDUDDO«PGD
TXHUHTXHUHPXPDWUDQVPLVV¥RSUHFLVDHͤ£YHOGHHQHUJLD LOXPLQD©¥R QRUPDO D LOXPLQD©¥R QDWXUDO 5HDOL]D D GLVFUHWL]D©¥R
'HVHQYROYLGRVHPFRRSHUD©¥RFRPD:DWW'ULYH *UXSR:(*  GDVIRQWHVGHOX]SHUPLWLQGRREWHUDUHQGHUL]D©¥RGRVHVSD©RV
HPSUHVDHVSHFLDOLVWDHPWHFQRORJLDGHPRWRUHVGHHQJUHQDJHQV 2 &<3(/8; YHULͤFD R FXPSULPHQWR GRV UHTXLVLWRV GLVSRVWRV
RV PRWRUUHGXWRUHV :* DO«P GH VHUHP DGHTXDGRV SDUD D XWL QD QRUPD (1  H QR 5HJXODPHQWR GH 'HVHPSHQKR (QHU
OL]D©¥R HP QRYDV DSOLFD©·HV SRGHP IDFLOPHQWH VHU LQWHJUDGRV J«WLFRGRV(GLI¯FLRVGH&RP«UFLRH6HUYL©RV 5(&6 (QFRQWUDVH

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
102 mercado técnico

LQWHJUDGR QD VX¯WH GH SURJUDPDV &<3(2SHQ %,0 SHUPLWLQGR D SDUDLQVWDOD©¥RQRTXDGURHO«WULFRTXHUQDYDULDQWH,3SDUDLQV


importação de modelos BIM (IFC) concebidos pelo arquiteto. Caso talação no campo.
Q¥RVHGLVSRQKDGRPRGHOR%,0GRHGLI¯FLRHVWHSRGHVHUFULDGR
GLUHWDPHQWH QR ,)& %XLOGHU SHOR HQJHQKHLUR HOHWURW«FQLFR 2 ,)&
Builder é uma aplicação gratuita da suíte de programas CYPE Novo catálogo da Hensel em português para 2017
2SHQ%,02PRGHORGRHGLI¯FLR«ͤQDOL]DGRQR&<3(/8;DWUDY«V 7(9̰'LVWULEXL©¥RGH0DWHULDO(O«FWULFR/GD
GDLQWURGX©¥RGDVOXPLQ£ULDVHGDGRVGDLOXPLQD©¥RQDWXUDO2XWL 7HOy)D[
OL]DGRUSRGHU£LPSRUWDUͤFKHLURVGHOXPLQ£ULDV̸ldt” e “ies”. A partir LQIR#WHYSWyZZZWHYSW
GRPRGHOR%,0GR&<3(/8;REW¬PVHGLDJUDPDVGHLVRYDORUHVH
ͤFKDVFRUUHVSRQGHQWHV¢VYHULͤFD©·HVQRUPDWLYDV2PRGHOR%,0 &KHJRXRQRYRFDW£ORJRGD+HQVHOGLVSR
GR&<3(/8;ͤFDDVVLPGLVSRQ¯YHOSDUDFRQVWLWXLURPRGHORIHGH nível em língua portuguesa. Com cerca de
rado do edifício. S£JLQDVHIRUPDWR$SRGHU£HQFRQ
trar informação técnica sobre caixas e
quadros estanques de alta qualidade.
Conetores de alimentação AC da marca Schurter 6HPSUHTXHDVFDUDWHU¯VWLFDVDPELHQWDLV
70(̰7UDQVIHU0XOWLVRUW(OHNWURQLN6S]RR SµHKXPLGDGHH[LMDPWHFQRORJLDVRͤVWL
7HOy)D[ FDGD GH LQVWDOD©¥R D +HQVHO DSUHVHQWD
SRUWXJDO#WPHHXyZZZWPHHX soluções inovadoras que garantem uma
GLVWULEXL©¥RGHHQHUJLDVHJXUDHͤ£YHO
Na oferta da TME apareceram os co $VFDL[DVGHGHULYD©¥R'.FRP,3GHDW«PPt
netores de alimentação AC com clas HVW¥RHPFRQIRUPLGDGHFRPDQRUPDLQWHUQDFLRQDO,(&
VH GH HVWDQTXLGDGH ,3 H ,3. GD 2VTXDGURVGHGLVWULEXL©¥R.9DW«$HFRP,3FODVVH,,
PDUFD 6FKXUWHU HP IRUPD GH ͤFKDV GH LVRODPHQWR LQFOXHP RS©¥R GH WU¬V D  PµGXORV H HVW¥R HP
PDFKR HP SDLQHO H FRQWDFWRV I¬PHD FRQIRUPLGDGHFRPDQRUPD,(&',1
em cabo. Os elementos disponíveis
SRGHPVH DGTXLULU WDQWR VHSDUDGD
PHQWHFRPRHPFRQMXQWRVSUHSDUDGRVͤFKDWRPDGD(VW¥RGLVSR RS Components: lançamento de ponto de acesso
níveis em duas cores diferentes: branco e preto. via Ethernet industrial da Phoenix Contact
$ 70( FRQYLGD D FRQKHFHU RV FRQHWRUHV UHVLVWHQWHV ¢ £JXD 56&RPSRQHQWV
,3.GDPDUFD6FKXUWHUQDRIHUWDGD70( 7HOy)D[
PDUNHWLQJVSDLQ#UVFRPSRQHQWVFRPySWUVRQOLQHFRP

MOVITRAC® LTE-B+ com índice de proteção $ 56 &RPSRQHQWV 56  PDUFD


IP20 e IP66 comercial da Electrocomponents
6(:(852'5,9(3RUWXJDO SOF /6((&0  XP GRV PDLRUHV
7HO distribuidores de produtos e ser
LQIRVHZ#VHZHXURGULYHSWyZZZVHZHXURGULYHSW viços de eletrónica e manutenção
D Q¯YHO PXQGLDO DQXQFLRX TXH LU£
Os Conversores de Frequência da sé disponibilizar um inovador ponto
ULH029,75$&/7(%V¥RLGHDOPHQWH GH DFHVVR YLD (WKHUQHW LQGXVWULDO
adaptados para aplicações simples. GD3KRHQL[&RQWDFW&RPXPDLQVWDOD©¥RU£SLGDHI£FLORQRYRPµ
)RUDP GHVHQKDGRV H GHVHQYROYLGRV GXOR /$1 VHP ͤRV :/$1 « XP GLVSRVLWLYR ͤ£YHO UREXVWR H
para o controlo de velocidade em seguro que combina as tecnologias de ponto de acesso e antena
motores síncronos e assíncronos e num só equipamento.
são usados para levar a cabo tarefas ,GHDOSDUDXWLOL]DUFRPPDTXLQDULDYH¯FXORVPµYHLVHTXDGURV
em aplicações de transporte como GH FRPDQGR R PµGXOR SHUPLWH LQWHJUDU IDFLOPHQWH D WHFQRORJLD
SHTXHQRVHPRGXODUHVWUDQVSRUWDGRUHVGHFRUUHLDYHQWLODGRUHVH (WKHUQHWLQGXVWULDOHPDSOLFD©·HVQRYDVHH[LVWHQWHVDMXGDQGRD
ERPEDVGHXPDIRUPDPXLWRHFRQµPLFD OLJDUGLVSRVLWLYRVLQWHOLJHQWHVDP£TXLQDVQXPJUDQGHQ¼PHURGH
Caraterísticas do MOVITRAC ®/7(%+¯QGLFHGHSURWH©¥R,3 VHWRUHV H DSOLFD©·HV LQGXVWULDLV FRPR QD FRQVWUX©¥R GH P£TXL
Nema 1 (quadro elétrico e IP66/NEMA 4x (instalação no campo)); QDV QD DXWRPDWL]D©¥R LQGXVWULDO QD HQJHQKDULD GH PDQXWHQ©¥R
SRW¬QFLD QRPLQDO GH  D  N: HP  WDPDQKRV PRQRI£VL HHPFRQFHLWRVGHI£EULFDVLQWHOLJHQWHVFRPRR,R7LQGXVWULDOHD
FRVGH9H9WULI£VLFRVGH9H9SU«FRQͤJXUDGRV LQG¼VWULD
para motores assíncronos SEW tipo DRN.. (IE3); controlo de moto &RQFHELGRSDUDDPELHQWHVLQGXVWULDLVGLI¯FHLVRPµGXORSRV
res síncronos tipo DR..J (IE4) (Tecnologia LSPM); controlo vetorial VXLSURWH©¥RFRQWUDLPSDFWRV,.HSHUPLWHDLQWHJUD©¥RVLPSOHV
simples para motores assíncronos; consola de operação integrada e económica de dispositivos de automatização e PLC através de
de simples utilização; controlo PI integrado; função de poupança XPDOLJD©¥RYLD(WKHUQHWDXPD/$1VHPͤRVFRPSDUDWLYDPHQWH
de energia integrada; ruído extra baixo até 32 kHz (p. ex. para lo ao modo tradicional de implementação de comunicações em apli
FDLVGHRSHUD©¥RPDQXDO OLJD©¥RLQWHJUDGDSDUD6%XV&$1RSHQ cações industriais via antenas e routers.
e Modbus; ligação a bus de campo via gateways (DFx); ligação a *UD©DV ¢ FRPELQD©¥R QXP ¼QLFR GLVSRVLWLYR GH WUDQVFHWR
software para backup de dados; aprovado de acordo com os stan- res e de um ponto de acesso WLAN via duas antenas com tec
dards&7LFNF8/8/&Q| QRORJLD0,02HVSHFLDOPHQWHFRQFHELGDVSDUDRHIHLWRRPµGXOR
2 FRQYHUVRU GH IUHTX¬QFLD 029,75$& /7(% FRQYHQFH SHOD :/$1WHPXPdesignIDFLOPHQWHDGDSW£YHOHSRXSDHVSD©RH
sua gama de funções bem adaptada para aplicações simples. O WHPSRQDLQVWDOD©¥RJUD©DV¢PRQWDJHPDWUDY«VGHXPVµRULI¯FLR
GHVHQKRFRPSDFWRHDXWLOL]D©¥RLQWXLWLYDWRUQDPDVXDLQWHJUD©¥R H¢XWLOL]D©¥RGHXPFRQHWRU&20%,&21GD3KRHQL[&RQWDFWFRP
U£SLGDHVLPSOHVHPQXPHURVDVDSOLFD©·HVTXHUQDYDULDQWH,3 tecnologia push-inHGHXPFRQHWRU5-

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
104 mercado técnico

O dispositivo também inclui níveis elevados de proteção de da VHOLJRXRDODUPHDRVDLUGHFDVDWLUDUIRWRJUDͤDVHPWHPSRUHDO


dos uma vez que respeita as mais elevadas normas para os pon HQWUHRXWURV6HWLYHUDOJXPDGLͤFXOGDGHQDLQVWDOD©¥RSRGHDLQGD
WRVGHDFHVVR,(((LFRPFRGLͤFD©¥R$(6(QWUHDVRXWUDV FRQWDUFRPXPDOLQKDWHOHIµQLFDGHDSRLRTXHRDMXGDU£HPWRGRR
IXQFLRQDOLGDGHVGRPµGXORGHVWDFDPVHDWUDQVPLVV¥RGHGDGRV SURFHVVRGHLQVWDOD©¥RFRQͤJXUD©¥R
FRPSDW¯YHOFRPY£ULRVSURWRFRORVDEDL[DODW¬QFLDRFRQWURORVR 9LVLWHDS£JLQDJHWFRQQHFWHGKRQH\ZHOOFRP para mais infor
EUHDVFRQͤJXUD©·HVRVGLDJQµVWLFRVHDVOLJD©·HVYLDFRPDQGRV PD©·HVHPSRUWXJX¬VVREUHHVWHHRXWURVkits da Honeywell. Ou
6103H$7RVPRGRVGHRSHUD©¥RHPVHUYLGRUHFOLHQWH'+&3H peça mais informações através do email info@palissygalvani.pt ou
as aprovações da Europa e a América do Norte para funcionamen nos Grossistas de Material Eléctrico Distribuidores da Friedland/
WRVHPͤRV Honeywell.

Banner Engineering: nova luminária LED WLS15, Rutronik apresenta XP TM – series da Nesscap
design discreto e robusto 587521,.(OHNWURQLVFKH%DXHOHPHQWH*PE+
%UHVLPDU$XWRPD©¥R6$ 7HOy)D[
7HOy)D[ UXWURQLNBSW#UXWURQLNFRPyZZZUXWURQLNFRP
7OP
EUHVLPDU#EUHVLPDUSWyZZZEUHVLPDUFRP Resistente e de alto desem
SHQKR PHVPR HP FRQGL
$:/6«RQRYRPRGHORGHOXPLQ£ ções adversas: o novo
rias LED industriais lançada pela Ban Nesscap XP™ – series foi
QHU (QJLQHHULQJ PDUFD UHSUHVHQWDGD especialmente projetado para aplicações que operam durante lon
SHOD %UHVLPDU $XWRPD©¥R 6$ GH JRVWHPSRVHPDPELHQWHVFRPKXPLGDGHHDOWDVWHPSHUDWXUDV
IRUPDWR XOWUDFRPSDFWR SDUD XWLOL]D Sob as condições do “Teste de humidade polarizada̹  9
©¥RHPWRGRVRVHVSD©RVLQGXVWULDLV GHKXPLGDGHUHODWLYDr& DVQRYDVV«ULHV;3͑GD1HVVFDS
DW«PHVPRRVPDLVFRQͤQDGRV GHVWDFDPVH FRP XPD YLGD GH VHUYL©R VLJQLͤFDWLYDPHQWH PDLV
(VWDVROX©¥RWHPFRPRREMHWLYRPHOKRUDUDHͤFL¬QFLDSURGX ORQJDHPFRQGL©·HVGH&RUUHQWH&RQW¯QXDHPFRPSDUD©¥RFRPR
WLYLGDGH H VHJXUDQ©D GRV HVSD©RV GH WUDEDOKR PHVPR RV PDLV padrão de células. Os produtos XP™ são oferecidos em capacitân
FRQͤQDGRV 'HYLGR DR VHX design GLVFUHWR FRPSDFWR UREXVWR H FLDYDULDQGRGH)D)FRPGLPHQV·HVHHVSHFLͤFD©·HVHO«WULFDV
GHI£FLOLQVWDOD©¥RSRGHU£LQFOXLUHVWDOXPLQ£ULDVHPFULDUREVWUX LG¬QWLFDV¢VGDVF«OXODVstandard da Nesscap correspondentes. O
©·HV QR ORFDO GH WUDEDOKR RX HP OLQKDV GH YLV¥R GRV SURFHVVRV XP™ – series SRVVXL IHFKR SDWHQWHDGR H WHFQRORJLD GH FRQWDFWR
LQGXVWULDLV 2 :/6 YHP HTXLSDGR FRP XP LQYµOXFUR UHVLVWHQWH Todos os produtos foram amplamente testados para garantir a
DRLPSDFWRYLEUD©·HVSRGHQGRVHUXVDGRWDPE«PHPDPELHQWHV DGHV¥RDSDGU·HVGHGHVHPSHQKRU¯JLGRVHV¥RFRPSDW¯YHLVFRP
K¼PLGRVHRXHPSRHLUDGRV 5R+68/H5($&+2;3̰͑series é avaliado para temperaturas
Caraterísticas a destacar: designGLVFUHWRHGHI£FLODSOLFD©¥R HQWUHr&Hr&HSURSRUFLRQDXPDORQJDHVWDELOLGDGHGRFLFOR
HPHVSD©RVPDLVFRQͤQDGRVIXQFLRQDPHQWRDRX9GFLQ SDUDSHORPHQRVFLFORVGHFDUJDGHVFDUJD
YµOXFURVHODGRFRPPDWHULDOGHFODVVLͤFD©¥R,3H,3SDUDXVR 3RGH HQFRQWUDU PDLV LQIRUPD©·HV VREUH R 1HVVFDS ;3͑
HPDPELHQWHVK¼PLGRVHRXHPSRHLUDGRVdesign robusto e invó series na plataforma de e-commerce Rutronik24.com (onde
OXFURHPSROLFDUERQDWRUHVLVWHQWHDRFKRTXHHDYLEUD©·HVWHFQR também pode fazer pedidos diretamente): www.rutronik24.com/
ORJLD GH LOXPLQD©¥R /(' HFRQµPLFD H HQHUJHWLFDPHQWH HͤFLHQWH VHDUFKUHVXOWTVHVKVUUHVHW
GLVSRQLELOLGDGHGHY£ULDVVROX©·HVSDUDͤ[D©¥RHFRQHWRUHVSDUD
XPD VLPSOHV H U£SLGD LQVWDOD©¥R GLVSRVLWLYR GH EDL[D SRW¬QFLD H
GHFXVWRHQHUJ«WLFRUHGX]LGRGLVSRVLWLYRHVW£YHO QDSUHVHQ©DGH Mini LED para dispositivos móveis: Osram lança
flutuações na tensão de alimentação. geração compacta Ceramos
265$0
7HOy)D[
Alarme sem fios controlável por smartphone, RVUDP#RVUDPSWyZZZRVUDPSW
sem mensalidades
3DOLVV\*DOYDQL(OHFWULFLGDGH6$ A Osram Opto Semiconductors
7HOy)D[ HVW£ D H[SDQGLU R VHX SRUWHIµOLR
LQIR#SDOLVV\JDOYDQLSWyZZZSDOLVV\JDOYDQLSW atual para aplicações flash, com
um produto especialmente de
$SµVRODQ©DPHQWRQRLQ¯FLRGHGD senvolvido cujo corpo é do tama
JDPDGHDODUPHV+RQH\ZHOODJDPDIRL QKRGHXP chip (CSP). Com o Ce
agora aumentada com mais um kit UDPRV & D 2VUDP VHJXH D
FRPSOHWR ̰ +6*356 ̰ TXH LQFOXL WHQG¬QFLD GD PLQLDWXUL]D©¥R M£
SDUDDO«PGDFRQVRODFHQWUDOXPOHLWRU TXHRQRYR/('«RPDLVSHTXHQRGDVXDIDP¯OLDGHSURGXWRV‹
de tagsVLUHQH LQWHULRU XP GHWHWRU FRP ideal para aplicações flash em smartphonesHQWUHRXWURVSURGX
FDP¤UDXPGHWHWRU3,5GRLVFRQWDFWRVGHSRUWDMDQHODXPDVLUH zindo uma iluminação perfeita para cada snapshot.
ne exterior. $QRYDJHUD©¥R&HUDPRVM£Q¥RSRVVXLRFRUSRFHU¤PLFRFRQ
Este kitSRGHVHULQVWDODGRHPTXDOTXHUVLWXD©¥RXPDYH]TXH YHQFLRQDOHDOLJD©¥RGRVVHXVDQWHFHVVRUHV(PYH]GLVVRXWLOL]D
GLVS·HGHOLJD©¥Rͤ[D FDER(WKHUQHWIRUQHFLGR RXDWUDY«VGRFDU uma plataforma CSP (chip sized package HVSHFLDOPHQWHGHVHQ
W¥R *356 IRUQHFLGR TXH SRGH IXQFLRQDU WDPE«P FRPR backup volvida pela Osram Opto Semiconductors. Isto garante que toda
ou como forma principal de comunicação (dependendo da liga a superfície do chip esteja uniformemente iluminada e que pra
©¥RHVFROKLGD (VWH kit permite controlar com o smartphone tudo WLFDPHQWH Q¥R KDMD SHUGD GH OX] 2 &HUDPRV & WHP WDPE«P XP
RTXHVHSDVVDHPFDVDYHUDVKRUDVGHHQWUDGDVD¯GDFRQͤUPDU footprintPHQRU0HGLQGRDSHQDVPP[PP[PP«

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
106 mercado técnico

WU¬VYH]HVPHQRUGRTXHRDQWHFHVVRUPDVSURGX]RPHVPREUL dos em toda a infraestrutura e locais de atividade de clientes da


OKRDSHVDUGHRWDPDQKRGRFRUSRVHUPHQRUSURSRUFLRQDQGRDRV 6FKQHLGHU(OHFWULFSDUDDFHOHUDURGHVHQYROYLPHQWRGHQRYRVVHU
designers uma maior liberdade. O Ceramos C é adequado para uso YL©RVGHVGHDLGHDOL]D©¥RDW«¢LQGXVWULDOL]D©¥RHUHVSHWLYRODQ©D
em smartphones ou tablets que precisam de um LED compacto mento no mercado.
SDUWLFXODUPHQWHSDUDDF¤PDUDIURQWDOPDVWDPE«PSDUDR flash A colaboração faz parte de um contrato de cinco anos que a
principal e para a função de lanterna. Com um índice de renderi 6FKQHLGHU(OHFWULFFRQFHGHX¢$FFHQWXUHHPMDQHLURGHSDUD
]D©¥RGHFRUHVW¯SLFRVXSHULRUDR/('RIHUHFHFRUHVQDWXUDLV apoiar a implementação contínua das soluções e serviços digitais
independentemente do sítio onde é usado. O Ceramos C tem um KDELOLWDGRVSDUDD,QWHUQHW,QGXVWULDOGDV&RLVDV ,,R7 
IOX[ROXPLQRVRGHOPHXPDWHPSHUDWXUDGHFRUGH. $ )£EULFD 'LJLWDO IRUQHFH XPD JDPD GH VHUYL©RV LQFOXLQGR D
“Com o nosso novo Ceramos C, será ainda mais fácil tirar ex- SURGX©¥RHLQFXED©¥RGHQRYDVLGHLDVDSURMH©¥RHWHVWHGHSR
FHOHQWHVIRWRVHVHOͤHV$H[FHOHQWHLOXPLQD©¥RSHUPLWHTXHDW«RV WHQFLDLVRIHUWDVHRGHVHQYROYLPHQWRHHVFDODELOLGDGHGHVROX©·HV
principiantes obtenham resultados fabulosos̹ GLVVH )LRQD 0DN bem como o fornecimento de analytics e IoT para acelerar o de
Gerente de Marketing da Osram Opto Semiconductors. “Apesar do senvolvimento dos novos serviços.
seu tamanho pequeno, o Ceramos C é extremamente poderoso $RDMXGDURGHVHQYROYLPHQWRGD)£EULFD'LJLWDODWUDY«VGHFRQ
HXPYHUGDGHLUREµQXVSDUDRVFOLHQWHVͤQDLV(QFDL[DVHSHUIHL- VXOWRULDHVWUDW«JLFDHW«FQLFDHVHUYL©RVGHJHVW¥RGHPXGDQ©DV
WDPHQWHFRPDWHQG¬QFLDGDPLQLDWXUL]D©¥RSRUTXH«VXͤFLHQWH- D$FFHQWXUHHVW£DIRUQHFHUXPDJDPDGHVHUYL©RVHPWRUQRGR
mente pequeno para ser facilmente instalado nos smartphones e GHVHQYROYLPHQWR GH VROX©·HV FHQWUDGDV QR FOLHQWH GHVHQYROYL
tablets mais inteligentes̹UHIHULX PHQWRHDQ£OLVHGHPRGHORVGHQHJµFLRVHRNew Digital Service
Lifecycle̹TXHFRPELQD analytics de cliente com um serviço de de
VHQYROYLPHQWRHHQWUHJD£JLOHLQWHUDWLYR
Novo Drive PB4D $ )£EULFD GH 6HUYL©RV 'LJLWDLV GD 6FKQHLGHU (OHFWULF ID] SDU
3526,67$9̰3URMHFWRVH6LVWHPDVGH$XWRPD©¥R/GD WHGRVSURJUDPDVGD6FKQHLGHU(OHFWULFHPWRUQRGDDUTXLWHWXUDH
7HOy)D[ SODWDIRUPD GH VLVWHPD DEHUWD H LQWHURSHU£YHO UHFHQWHPHQWH ODQ
SURVLVWDY#SURVLVWDYSWyZZZSURVLVWDYSW ©DGDKDELOLWDGDSDUDD,R7FKDPDGDEcoStruxure̹TXHSRWHQFLD
WHFQRORJLDVLQFOXLQGRD,R7cloud, analyticsFLEHUVHJXUDQ©DPµYHO
$ 3526,67$9 DSUHVHQWD R QRYR 'ULYH 3%' SDUD VLVWHPDV GH RXGH¼OWLPDJHUD©¥RSDUDSURSRUFLRQDUXPYDORUDFUHVFHQWDGRHP
SDVVR HP PDOKD IHFKDGD GH TXDWUR HL[RV FRP interface (WKHU WRUQRGDVHJXUDQ©DͤDELOLGDGHHͤFL¬QFLDVXVWHQWDELOLGDGHHFR
&$7LQWHJUDGDGDUHSUHVHQWDGD6$1<2'(1.,(VWH'ULYH«LGHDO QHWLYLGDGHDRVFOLHQWHVGD6FKQHLGHU(OHFWULF
SDUD XPD JUDQGH YDULHGDGH GH DSOLFD©·HV LQGXVWULDLV WDLV FRPR
P£TXLQDV GH FRUWH D laser UREµWLFD P£TXLQDV LQGXVWULDLV JHUDLV
HTXLSDPHQWRV GH IDEULFD©¥R GH VHPLFRQGXWRUHV HQWUH RXWURV 2 Ajudante versátil para montagem em caminhos
'ULYH3%'HVW£HTXLSDGRFRPLQWHUIDFHͤHOGEXV de alta velocida de cabos tipo escada
GH(WKHU&$7TXHSHUPLWHXPDYHORFLGDGHGH0ESVHFRPX 2%2%(77(50$11̰0DWHULDOSDUD,QVWDOD©·HV(O«FWULFDV/GD
QLFD©·HVGHTXDOLGDGHHOHYDGDUHGX]LQGRDVVLPRWHPSRGHFLFOR 7HOy)D[
GHFRPXQLFD©¥RHPTXDWURRXPDLVYH]HVHPFRPSDUD©¥RFRP LQIR#RERSWyZZZRERSW
RPRGHORDWXDOSHUPLWLQGRXPPRYLPHQWRPDLVVXDYHGRGLVSR
sitivo incorporado. A nova união multiusos da OBO
Para além de um encoderLQFUHPHQWDOWDPE«PHVW£GLVSRQ¯ %(77(50$11WRUQDPDLVI£FLOGR
vel um encoder absoluto sem bateria. Este encoder não necessita que nunca a instalação de cami
GHWURFDGHEDWHULDDVVLPVHQGRDPDQXWHQ©¥RGRVGLVSRVLWLYRV QKRV GH FDERV WLSR HVFDGD 2
SRGHVHUVLPSOLͤFDGD'LIHUHQWHVWLSRVGH encoder podem ser equi novo acessório lida com mudan
SDGRVFRPFDGDHL[RGRPRWRUSHUPLWLQGRDFRQͤJXUD©¥RGHVLV ©DVGHIRUPDHGHGLUH©¥RIOH[¯YHO
temas compatíveis com a estrutura do equipamento. O drive pode sem necessidade de quaisquer
LGHQWLͤFDU DXWRPDWLFDPHQWH RV WLSRV GH encoder HFRQRPL]DQGR RXWUDVSH©DVRXRSHUD©·HVGHPRQWDJHPFRPSOH[DV'HYLGR¢V
WHPSRQDFRQͤJXUD©¥R SDWHQWHSHQGHQWH  VXDV FKDSDV ODWHUDLV IOH[¯YHLV D XQL¥R PXOWLIXQFLRQDO SRGH VLP
Este drive reduz ainda o tempo de conclusão do movimento SOHVPHQWHVHUGREUDGDQDIRUPDQHFHVV£ULD
GRVGLVSRVLWLYRV4XDOTXHUPRYLPHQWRFRPDQGDGRFRPSRVLFLR $XQL¥RPXOWLIXQFLRQDOSHUPLWHUHGX]LUDODUJXUDGRVFDPLQKRV
QDPHQWRHURWD©¥RFRQW¯QXDSRGHVHUFRQWURODGRVHPDWUDVRVQRV de cabos tipo escada assimetricamente e simetricamente. Redu
comandos de posição. ©¥R DVVLP«WULFD SRU H[HPSOR TXDQGR WHUPLQD GH HQFDL[DU XPD
HVFDGDSHUWRGHXPDSDUHGH«I£FLOXVDQGRDXQL¥RPXOWLXVRVLP
SOHVPHQWHGREUDXPDDEDQXPDH[WUHPLGDGHGRFDPLQKRGHFD
Schneider Electric e Accenture constroem ERV3DUDUHGX]LURFDPLQKRGHFDERVWLSRHVFDGDVLPHWULFDPHQWH
fábrica de serviços digitais DSHQDVGREUDDVDEDVHPSDUDOHORGHDPERVRVODGRVGRFDPLQKR
6FKQHLGHU(OHFWULF3RUWXJDO GHFDERV(PDPERVRVFDVRVVµ«QHFHVV£ULDXPDXQL¥RPXOWL
7HOy)D[ IXQFLRQDO FRQVLGHUDQGR TXH DW« DJRUD HUD SUHFLVR Y£ULDV XQL·HV
SWDWHQGLPHQWRFOLHQWH#VFKQHLGHUHOHFWULFFRPyZZZVFKQHLGHUHOHFWULFSW FXUYDV$FXUYD¼WLOQDXQL¥RPXOWLIXQFLRQDOWRUQDPDLVI£FLODPRQ
WDJHPGHW¬VHFUX]DPHQWRV$W«DJRUDHUDQHFHVV£ULRXPW¬RX
$6FKQHLGHU(OHFWULFHD$FFHQWXUHDFDEDPGHFRQFOXLURGHVHQYRO FUX]HWDPDVDXQL¥RPXOWLXVRSRGHID]HUDPEDVDVFRLVDVVR]L
YLPHQWRGD6FKQHLGHU(OHFWULF'LJLWDO6HUYLFHV)DFWRU\XPDI£EULFD QKD 2 W¬ SRGH VHU IHLWR GH GXDV PDQHLUDV RX GREUDQGR D FXUYD
"virtual TXH SHUPLWH ¢ 6FKQHLGHU (OHFWULF HVSHFLDOLVWD JOREDO HP LQWHUQDHPJUDXVSDUDSHUPLWLUTXHDXQL¥RPXOWLIXQFLRQDOSRV
JHVW¥R GH HQHUJLD H DXWRPD©¥R UDSLGDPHQWH FRQVWUXLU H GLPHQ VDVHUOLJDGDHPOLQKDUHWDQRFDPLQKRGHFDERVWLSRHVFDGD(P
VLRQDUQRYDVRIHUWDVHP£UHDVFRPRDPDQXWHQ©¥RSUHGLWLYDPR DOWHUQDWLYDSRGHVHGREUDUDVGXDVJXLDVHPJUDXVSDUDFULDU
nitorização de ativos e otimização de energia. um raio de transição. Como as abas laterais da união multifun
&RPSRVWDSRUSURͤVVLRQDLVGD6FKQHLGHU(OHFWULFHGD$FFHQ FLRQDOSRGHPVHUHVWUHLWDGDVHPTXDOTXHU¤QJXOR«I£FLODFHQWXDU
WXUHD)£EULFD'LJLWDOUH¼QHGDGRVGHPLOK·HVGHDWLYRVFRQHFWD OLJHLUDPHQWHY£ULDVDEDVSDUDFULDUXPDFRQH[¥RORQJLWXGLQDOFRP

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
108 mercado técnico

um ligeiro deslocamento. Também é possível criar curvas usan QRDUP£ULR762XVRGHXPVXSRUWHXQLYHUVDODX[LOLDDPRQWD


GRDXQL¥RPXOWLIXQFLRQDODVVLPH[LVWHDSRVVLELOLGDGHGHUHDOL]DU JHPU£SLGDHPDUP£ULRVFRPSDFWRV$($5LWWDOWDPE«PRIHUHFH
TXDOTXHUFXUYDHQWUHHJUDXVVHQGRFRQVWUX¯GDHPREUD DFHVVµULRVDGHTXDGRVWDLVFRPRLQWHUUXSWRUHVGHSRUWDHFDERV
A união polivalente pode também ser usada em vez de um ele de ligação.
PHQWRUHJXO£YHOSDUDOLJDUDXPDXQL¥RDUWLFXODGDSRXSDQGRDV
sim um acessório. A união multiuso é um verdadeiro ajudante para
WRGDVDVVLWXD©·HVTXHDWRUQDPXLWRPDLVI£FLOSDUDLQVWDODUHP Configurador de fichas Combicon 3D – A forma
FDPLQKRVGHFDERVWLSRHVFDGDQRVORFDLVGHREUDHHFRQRPL]D de encontrar uma solução personalizada
muito tempo. 3KRHQL[&RQWDFW6$
7HOy)D[
ZZZSKRHQL[FRQWDFWSW
Novo website dos dispositivos 3D Connexion
distribuídos pela M&M Engenharia $JRUD FRQͤJXUDU WRUQRXVH PDLV
0 0(QJHQKDULD,QGXVWULDO/GD I£FLOHU£SLGR(VW£GLVSRQ¯YHOGHV
7HOy)D[ GH MXOKR QR website GD 3KRHQL[
LQIR#PPHQJHQKDULDSWyLQIR#HSODQSW &RQWDFW R QRYR FRQͤJXUDGRU GH
ZZZPPHQJHQKDULDSWyZZZHSODQSW bornes e conetores para placas
de circuito impresso com visuali
O website GD 0 0 (QJHQKDULD zação em 3D.
para os dispositivos 3D Conne- A navegação é intuitiva e em
xion, ZZZVKRSHSODQSW M£ VH poucos passos consegue criar a
encontra online e apresenta uma sua solução para bornes e cone
interface moderna e intuitiva que WRUHV1RFRQͤJXUDGRUHVW¥RDWXDOPHQWHGLVSRQ¯YHLVPDLVGH
facilita a navegação e a conse FRPELQD©·HVGHJDPDVGHSURGXWRV3RGHFULDUGLUHWDPHQWH
quente pesquisa dos produtos. QRFRQͤJXUDGRUXPDVROX©¥RSHUVRQDOL]DGDFRPEDVHQDFRUFR
As encomendas podem ser realizadas online e o cliente deve GLͤFD©¥R H PDUFD©·HV H YLVXDOL]DU R UHVXOWDGR ͤQDO HP | RX
SUHHQFKHUXPSHTXHQRIRUPXO£ULRFRPRVGDGRVSDUDHQYLRGRV simplesmente fazer o downloadGDFRQͤJXUD©¥RHP'
SURGXWRVHWDPE«PDVVLPSRGHUUHFHEHULQIRUPD©¥RSUHFLVDVR Quer seja uma ligação de parafuso ou por mola push-inFRPR
bre o estado das suas compras. ERUQHGHSODFDGHFLUFXLWRVLPSUHVVRVRXFRQHWRUGHI£FLOPDQX
Com o novo website D 0 0 (QJHQKDULD SUHWHQGH DOFDQ©DU WHQ©¥RSDUDDSµORVDYDVWDJDPDGHSURGXWRV&20%,&21
uma maior aproximação com os atuais e potenciais clientes dando RIHUHFH SDUD TXDVH WRGDV DV DSOLFD©·HV D WHFQRORJLD GH OLJD©¥R
DFRQKHFHUGHXPDIRUPDPDLVDEUDQJHQWHDO«PGDVDSOLFD©·HV FHUWDSDUDDWUDQVPLVV¥RGHVLQDLVGDGRVRXSRW¬QFLD
(3/$1RVGLVSRVLWLYRV' Connexion que comercializa.

JUNG: Controlo confortável de persianas e toldos


Luminárias de sistema LED Rittal – A série -81*3RUWXJDO/GD
de luminárias Rittal está agora completa 7HO
5LWWDO3RUWXJDO LQIR#MXQJSRUWXJDOSWyZZZMXQJGHSW
7HOy)D[
LQIR#ULWWDOSWyZZZULWWDOSW A Jung apresenta o novo controlo
/%RGHVHQYROYLPHQWRFRQVLVWHQ
$V QRYDV OXPLQ£ULDV GH VLVWHPD WH GR FRQKHFLGR FRQWUROR GH SHU
LED da Rittal foram especialmente sianas. Com dois mecanismos e
FRQFHELGDV SDUD XVR HP DUP£ULRV WU¬V SODFDV SRVV¯YHLV R VLVWHPD
LQGXVWULDLV H GH FRPXQLFD©·HV VDWLVID] DV P£[LPDV H[LJ¬QFLDV
onde asseguram a iluminação de um controlo de sombreamento
ideal. Com uma intensidade lumi moderno.
QRVDGHDOXPHQV«DVR O comando do temporizador
OX©¥R LGHDO TXHU SDUD RV DUP£ULRV GH JUDQGHV GLPHQV·HV  standard FRP D IUHQWH HP YLGUR
PPGHODUJXUDHGHDOWXUD TXHUSDUDDUP£ULRVGRWLSRPXUDO SUHWRRXEUDQFR«UHDOL]DGRFRPDVVHLVWHFODVVHQVRUHV1Rdis-
(caixas AE ou CM). play com indicação clara são mostradas as funções. Após dois
8PD FREHUWXUD µWLFD IHLWD GH SO£VWLFR WUDQVSDUHQWH QD TXDO minutos é automaticamente desligado o displaySRGHQGRHPDO
HVW£LQWHJUDGDXPDHVWUXWXUDGH)UHVQHOVHUYHSDUDLOXPLQDURDU WHUQDWLYDVHUPRVWUDGDDLQGLFD©¥RSHUPDQHQWHGDVKRUDV$WUDY«V
P£ULRGHIRUPDµWLPD(OHIRFDOL]DDOX]GHPRGRTXHWRGRRDUP£ GH XPD SURJUDPD©¥R U£SLGD D KRUD DWXDO SRGH VHU PHPRUL]DGD
ULRPHVPRQDSDUWHLQIHULRUVHMDLOXPLQDGRGHIRUPDGLUHFLRQDGD FRPR KRUD GH DWLYD©¥R $ SUµ[LPD KRUD WDPE«P « PRVWUDGD QR
,VWRVLJQLͤFDTXHDOX]DWLQJHH[DWDPHQWHDTXHOHVOXJDUHVRQGH« display6HDIXQ©¥RGHEORTXHLRWLYHUVLGRDWLYDGDHVWDLQIRUPD©¥R
QHFHVV£ULR ̰ VHP VHU HVSDOKDGR SDUD R H[WHULRU $O«P GLVVR WR WDPE«PͤFDYLV¯YHOQRdisplay.
GDVDVOXPLQ£ULDVIRUDPSURMHWDGDVSDUDVXSRUWDUHPPXOWLWHQV¥R A tecla sensor universal com iluminação regula a sombra por
̰9 HSRGHPSRUWDQWRVHUXVDGDVHPWRGRRPXQGR controlo de tempo ou manualmente. Podem ser memorizados
$VVLP D 5LWWDO GLVSRQLELOL]D XPD IDP¯OLD FRPSOHWD GH OXPLQ£ULDV GRLVWHPSRVGHDWLYD©¥RDVVLPFRPRDSRVL©¥RGHLQFOLQD©¥RGD
DGHTXDGDVDFDGDPHUFDGRSRVVLELOLWDQGRXPDUHGX©¥RQRVFXV SHUVLDQD 7DPE«P LQWHJUDGD HVW£ XPD IXQ©¥R GH EORTXHLR &RP
tos de armazenamento e na complexidade ao selecionar produtos. RVV¯PERORVQDVWHFODVRXVR«DXWRH[SOLFDWLYR&RPDWHFODVHQVRU
$VOXPLQ£ULDVSRGHPVHUDGDSWDGDVDTXDOTXHUWLSRGHLQVWD standard pode ser regulada manualmente a sua posição. A inclina
OD©¥RLVWR«SRGHPVHUPRQWDGDVYHUWLFDORXKRUL]RQWDOPHQWHQR ção desejada é memorizada ao pressionar. Criadas com um ver
DUP£ULR VHQGR PRQWDGDV DSHQDV SRU HQFDL[H RX DSDUDIXVDGDV V£WLOdesignGD-XQJRVDSDUHOKRVLQWHJUDPVHKDUPRQLRVDPHQ

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
110 mercado técnico

te na restante instalação elétrica. Particularmente ideal para os 0DU¥R GDQGR VHTX¬QFLD ¢ DXWRHVWUDGDb $b HQWUHb 3RUWRb Hb $PD
SURͤVVLRQDLVGHVWD£UHD«DSURIXQGLGDGHGHPRQWDJHPUHGX]LGD UDQWH )RL LQDXJXUDGR Db  GH PDLRb GHb  ‹ R PDLV ORQJR W¼
com apenas 24 mm. Isso proporciona mais espaço para os cabos. QHO URGRYL£ULR GDb 3HQ¯QVXOD ,E«ULFD FRP b PHWURVb )RL FRQV
8PDSODFDGHDSRLRHVW£YHOHPD©RHPDLRUHVIRU©DVGHH[WUD©¥R WUX¯GR SDUD VXEVWLWXLU R WUR©R RULJLQDO GRb ,3 R TXDO DWUDYHVVDYD
GHJDUUDSURSRUFLRQDPXPDͤ[D©¥RUHVLVWHQWHHXPDRULHQWD©¥R DV HQFRVWDV GD 6HUUD GR 0DU¥R HP SHUͤO GH YLD U£SLGD  YLDV
ideal na caixa de encastrar. Além disso pode ser ligada a uma uni 2 W¼QHO « SRUWDMDGR SHOR TXH R WUD©DGR RULJLQDO GR ,3 HP VHU
GDGHVHFXQG£ULD YL©R GHVGHb   VHUYH GH DOWHUQDWLYD ¢ XWLOL]D©¥R GR W¼QHO
1HVWDREUDIRUDPLQVWDODGDVDSUR[LPDGDPHQWHXPPLOKDUGHFDL
[DV GD -6/ ̰ 0DWHULDO (O«FWULFR 6$ (QWUH DV UHIHU¬QFLDV -
Detetor de movimento para corredores – Swiss %)GD-6/IRUQHFLGDVFRPWU¬VSODFDVGHHVWHDWLWHbGHGXDVYLDV
Garde 360 Corridor da Zublin cada e capacidade nominal de 16 mm2HTXLSDGDVFRPSRQWHLUDV
3URQRGLV̰6ROX©·HV7HFQROµJLFDV/GD GH DGDSWD©¥R GRV FRQGXWRUHV GH  PP2 H  PP2   PP2
7HOy)D[ LQVWDODUDPVH DLQGD PDV HP PHQRU Q¼PHUR DV FDL[DV -%)
SURQRGLV#SURQRGLVSWyZZZSURQRGLVSW GD-6/FRPbGXDVSODFDVGHHVWHDWLWHbGHGXDVYLDVFDGDFRPFD
SURQRGLVVROXFRHVWHFQRORJLFDVSURQRGLV pacidade nominal de 16 mm2UHFHEHQGRFRQGXWRUHVbDW«PP2
HIRUQHFLGDVDLQGDbFRPSRQWHLUDVSDUDDGDSWD©¥RGRVFRQGXWRUHV
$ =XEOLQ SRVVXL QD VXD YDVWD de 16 mm2+16 mm2DRVbERUQHVGDVSODFDVGHFHU¤PLFD
gama de deteção um detetor es
SHF¯ͤFRSDUDFRUUHGRUHV6*
Corridor é um detetor de movi Ligações de alta qualidade: garantia de 36 meses
PHQWRGH|FRPVHQVRULQIUD em cabos igus com conetores Harting
YHUPHOKRSDUDDSOLFD©¥RVDOLHQWH LJXV®/GD
ou embutida em teto – ideal para 7HOy)D[
corredores com padrões tangen LQIR#LJXVSWyZZZLJXVSW
FLDLVGHPRYLPHQWR&RPXPDOFDQFHGHPXPDDOWXUDGHLQVWD ,JXV3RUWXJDO
OD©¥R GH  D  PHWURV XPD SRW¬QFLD GH : SDUD O¤PSDGDV
HFRQRPL]DGRUDVH:SDUD/('XPDUHJXOD©¥RFUHSXVFXODUGH $LJXVHPSUHVDHVSHFLDOL]DGDHP
DOX[XPDMXVWHGHWHPSRGHVHJDPLQFRPSRVVLEL motion plastics, oferece agora os
OLGDGH GH XWLOL]DU XP ERW¥R SUHVV¥R H[WHUQR ,3 IXQFLRQD FRP cabos chainflex, especialmente
FRPDQGR=XEOLQ desenvolvidos para aplicações
FRPPRYLPHQWRWRWDOPHQWHFRQ
fecionados com conetores Har
Ligadores para caixas E90 de elevada capacidade ting originais. Estão disponíveis
de conexão QXP WRWDO GH  FDERV GH FRPDQGR GLIHUHQWHV TXH SRGHP VHU
-6/̰0DWHULDO(O«FWULFR6$ adquiridos como “readycables̹M£SURQWRVDSDUWLUGHXPDXQLGDGH
7HOy)D[ HQRFRPSULPHQWRGHVHMDGR$SHGLGRDLJXVWDPE«PRIHUHFHSD
7OPy FRWHV GH ͤFKDV LQGLYLGXDLV FRQVWLWX¯GRV SHODV ͤFKDV H RV VHXV
LQIR#MVORQOLQHQHWyZZZMVORQOLQHQHW acessórios.
+RMHHPGLDDPRQWDJHPU£SLGDDVVXPHXPSDSHOFDGDYH]
$-6/̰0DWHULDO(O«FWULFR6$DSUH PDLV LPSRUWDQWH QD SURGX©¥R SRLV SRGH HFRQRPL]DU FXVWRV GH
sentou na L+B em Frankfurt uma SURFHVVR PXLWR HOHYDGRV 1R HQWDQWR FRPSRQHQWHV ͤ£YHLV V¥R
JDPDDXPHQWDGDGH&DL[DV( VH LJXDOPHQWHLPSRUWDQWHVSDUDHYLWDUIDOKDVLQHVSHUDGDVQDVP£TXL
JXQGR',13DUWH FRPDOJX QDVGRFOLHQWHͤQDO$HPSUHVDHVSHFLDOL]DGDHPmotion plastics
PDV QRYLGDGHV UHODWLYDPHQWH ¢ FD LJXVSU«FRQIHFLRQDRVFDERVchainflexFRORFDQGRDGHVLJQD©¥R
pacidade dos conetores para a “readycable̹FDERVHVSHFLDOPHQWHGHVHQYROYLGRVSDUDDSOLFD©·HV
junção de condutores de elevada FRPPRYLPHQWRGHPRGRDSRXSDUDRVFOLHQWHVDPRQWDJHPGH
secção. As duas novas placas dispo ͤFKDVRXFRQHWRUHVSRUYH]HVPXLWRGHPRUDGDJDUDQWLQGRDVH
Q¯YHLVW¬PUHVSHWLYDPHQWHPP2 e gurança dos componentes. A igus oferece aos seus clientes cabos
 PP  GH FDSDFLGDGH GH OLJD©¥R SRGHQGR DFHLWDU FRQGXWRUHV
2
FRPFRQHWRUHV+DUWLQJRULJLQDLVHUREXVWRVSDUDSRGHUPRQWDUGH
FRPHVWD£UHDRXSHUPLWLUDMXQ©¥RGHULYD©¥RGHSRW¬QFLDGHFRQ LPHGLDWRQDVXDP£TXLQD‹SRVV¯YHOSURGX]LUFRPSRQHQWHVFRP
dutores de secção média tais como: dois condutores de 16 mm2 FµGLJRVHVSHF¯ͤFRVGHFOLHQWHVSHUPLWLQGRTXHRVFOLHQWHVHFRQR
FRQGXWRUHVGHPP2 com condutores de 4 ou 6 mm2 e/ou a jun mizem ainda mais em custos de processo. A partir de uma peça
©¥RGHFRQGXWRUHVPXOWLͤODUHVFRPSRQWDVSUHSDUDGDV DW«¢SURGX©¥RGHJUDQGHVV«ULHVWRGRVRVFDERVV¥RHQWUHJXHV
Os elementos condutores destas novas placas são fabricados com precisão ao centímetro e depois de terem sido sujeitos a uma
HP OLJD HVSHFLDO GH EURQ]H GH PRGR D UHVLVWLU D |& GXUDQWH inspeção integral. Relativamente a todos os cabos chainflex, sejam
PLQXWRVHV¥RHVSHFLDOPHQWHDGHTXDGRVHPVLWXD©·HVGHDOL HOHVFRQIHFLRQDGRVRXQ¥RDLJXVWDPE«PRIHUHFHXPDJDUDQWLD
mentação de equipamento de "sobrevivência" nas instalações de GHPHVHVUHODWLYD¢GXUDELOLGDGHGRVFDERV
VRFRUUR WDLV FRPR 8QLGDGHV PRGXODUHV GH ERPEDJHP GH £JXD 'HYLGR DR YROXPH GH FRPSUDV GD LJXV RV FOLHQWHV WDPE«P
para combate a incêndios dotadas de bombas acionadas com SRGHPHQFRPHQGDURVSDFRWHVGHFRQHWRUHVLQGLYLGXDLVSU«VH
PRWRU HO«WULFR DUPDGXUDV GH LOXPLQD©¥R HP W¼QHLV VLVWHPDV GH lecionados a partir de stock. “Os clientes podem escolher entre a
H[DXVW¥R GH JDVHV HP UHFLQWRV LQGXVWULDLV JHUDGRUHV GH HQHUJLD versão standard, composta por um conetor ou um acoplamento, e
GHUHVHUYDHOLQKDVGHSRW¬QFLDFU¯WLFDV HPKRVSLWDLVHOHYDGRUHV a versão premium, composta pelo conetor e o acoplamento cor-
Centros de processamento de Dados). respondente̹ HVFODUHFH &KULVWLDQ 6WUHPODX GD LJXV 2V SDFRWHV
2b W¼QHO GR 0DU¥Rb « XPb W¼QHOb URGRYL£ULR LQVHULGR QD DX V¥RHQWUHJXHVDRFOLHQWHHPEDODGRVHSURQWRVSDUDLQVWDODUFRP
WRHVWUDGD HQWUHb $PDUDQWHb Hb 9LOD 5HDO DWUDYHVVDQGR Db 6HUUD GR DSHQDVXPQ¼PHURGHDUWLJRSRUFRQMXQWR

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
112 mercado técnico

Manómetro digital com borracha teado e segue o princípio "o mais tarde possível, tão cedo quanto
de proteção CL 0,5 necessário”.
$/3+$(1*(1+$5,$̰(TXLSDPHQWRVH6ROX©·HV,QGXVWULDLV O Mico Pro®WHPDLQGDDFDSDFLGDGHGHLGHQWLͤFDUHUURV̸vo-
7HOy7OP láteis̹FRPRFDERVTXHEUDGRVHPFDOKDVDUWLFXODGDVTXHDSHQDV
LQIR#DOSKDHQJHQKDULDSWyZZZDOSKDHQJHQKDULDSW RFRUUHP HP PRYLPHQWRV HVSHF¯ͤFRV 2 0LFR 3UR® tem ainda a
SRVVLELOLGDGHGHLGHQWLͤFDUFDUJDVFDSDFLWLYDVHJDUDQWLUTXHRDU
2VQRYRVPDQµPHWURVGLJLWDLV0(,̰PDQRPH ranque é feito de forma controlada.
WULD H LQVWUXPHQWD©¥R D SUH©RV FRPSHWLWLYRV O Mico Pro®«LQGLFDGRSDUDVHUDSOLFDGRHPTXDOTXHULQG¼V
permitem a sua utilização na maioria dos merca WULDLQGHSHQGHQWHPHQWHGRVHWRUGHDWLYLGDGH
dos e aplicações. Sendo as peças em contacto
FRPRIOXLGRGHD©RLQR[LG£YHO$,6,V¥RUH
FRPHQGDGRVSDUDDLQG¼VWULDTX¯PLFDIDUPDF¬X Lançamento da nova UPS SENTINEL DUAL SDU
WLFDKLGU£XOLFDSQHXP£WLFDHHVSHFLDOPHQWHSDUD da Riello
ODERUDWµULRVGHHPSUHVDVTXHW¬PGHYHULͤFDURXWURVPDQµPHWURV (8520$7(/̰0DWHULDO(O«FWULFR/GD
com precisões inferiores. O modelo mais económico de diâmetro 7HOy)D[
PPHSUHFLV¥RGHSHUPLWHYHULͤFDUDPDLRULDGRVPDQµ HXURPDWHO#HXURPDWHOFRPyZZZHXURPDWHOFRP
PHWURVGRSURFHVVRFXMDVPHOKRUHVSUHFLV·HVV¥RGH4XDQWR
DRLQYµOXFURGRPDQµPHWUR«FRQVWLWX¯GRSRUXPDERUUDFKDSURWH A Riello SENTINEL DUAL SDU é a mais
tora que reforça a sua resistência a pequenas colisões ou quedas. UHFHQWH836SDUDDVSRW¬QFLDVGH
Através do set-point, a alteração das quatro unidades de medida N9$N:SDUDDOLPHQWDUDVFDUJDVPDLV
GLVSRQ¯YHLV«H[WUHPDPHQWHVLPSOHVEDUSVLN3D03D FU¯WLFDVFRPHOHYDGDͤDELOLGDGH
2YLVRU«GHTXDWURG¯JLWRVHRVHXWDPDQKRSHUPLWHDOHLWXUDD Flexibilidade de instalação e utili
GLVW¤QFLDVFRQVLGHU£YHLV$EDWHULDWHPXPDYLGD¼WLOGHPDLVGH zação (display GLJLWDO VXEVWLWXL©¥R GDV
KRUDVRTXHHTXLYDOHDTXDVHXPDQRHPHLR$VXDVXEVWLWXL EDWHULDV SHOR XWLOL]DGRU  DVVLP FRPR DV
©¥R«PXLWRVLPSOHVUHPRYHQGRRVSDUDIXVRVGDSODFDWUDVHLUD muitas opções de comunicação dispo
O sensor capacitivo utilizado e a compensação de temperatu Q¯YHLV ID] FRP TXH D 6HQWLQHO 'XDO VHMD
UDSHUPLWHPXPDOHLWXUDDOWDPHQWHFRQͤ£YHO3DUDDSOLFD©·HVGH LQGLFDGDSDUDLQ¼PHUDVDSOLFD©·HVGHVWH
SUHFLV·HVPDLVH[LJHQWHVRPRGHORGHGL¤PHWURPPHFRP IT a segurança. Até três unidades Senti
XPD SUHFLV¥R GH  SHUPLWH D YHULͤFD©¥R GH TXDOTXHU RXWUR QHO'XDOSRGHPVHUOLJDGDVHPSDUDOHORTXHUHPSRW¬QFLDTXHUHP
PDQµPHWURGHSUHFLV¥RDW« FRQͤJXUD©¥RGHUHGXQG¤QFLD1RIHUHFHQGRDXPHQWRGDͤDELOL
dade para os sistemas críticos. A Sentinel Dual pode ser instalada
como Torre ou Rack, ideal para redes e aplicações de servidores
F.Fonseca apresenta distribuidor de corrente em rack. Modelos com topologia “On Line Double Conversion
inteligente Mico Pro® (VFI)DFDUJD«DOLPHQWDGDFRQWLQXDPHQWHSHORLQYHUVRUTXHIRU
))RQVHFD6$ QHFHXPDWHQV¥RVLQXVRLGDOͤOWUDGDHHVWDELOL]DGDHPWHUPRVGH
7HOy)D[ WHQV¥RHIUHTX¬QFLD$GLFLRQDOPHQWHRVͤOWURVGHHQWUDGDHVD¯GD
IIRQVHFD#IIRQVHFDFRPyZZZIIRQVHFDFRP DXPHQWDPVLJQLͤFDWLYDPHQWHDLPXQLGDGHGDFDUJDDRVGLVW¼UELRV
))RQVHFD6$6ROXFRHVGH9DQJXDUGD da rede e das descargas atmosféricas.
3RVVXHPPRGRGHIXQFLRQDPHQWRVHOHFLRQ£YHOEconómico̹
O Mico Pro® é o mais recente “Smart Active̹ ̸Off-Line” e “On-Line”. Equipadas com interfaces
e inovador sistema de moni de comunicação RS232 e USB com VRIWZDUH 3RZHU6KLHOG dis
torização de corrente da pondo de Slot para conetividade dos acessórios que disponibili
Murrelektronik. O novo siste zam outras opções de comunicação.
PD PRGXODU DGDSWDVH GH
IRUPD SUHFLVD ¢ VXD DSOLFD
©¥R FRP XPD VROX©¥R PDLV Verificadores elétricos Fluke T6 com tecnologia
económica e que reduz o es FieldSense
SD©R RFXSDGR QR TXDGUR HO«WULFR DR HVWULWDPHQWH QHFHVV£ULR 2 $UHV$JDQWH/GD
processo patenteado de corrente de disparo assegura a otimiza 7HOy)D[
ção dos tempos de paragem. Outra novidade é a distribuição de JHUDO#DUHVDJDQWHSWyZZZDUHVDJDQWHSW
SRWHQFLDO LQWHJUDGD TXH UHGX] VLJQLͤFDWLYDPHQWH D FDEODJHP
QHFHVV£ULD A resolução de problemas em sistemas
2V VLVWHPDV GH DOLPHQWD©¥R V¥R R FRUD©¥R GH P£TXLQDV H elétricos pode ser demorada e poten
sistemas industriais. Paragens por sobrecargas e curtos circuitos FLDOPHQWHSHULJRVDXPDYH]TXHUHTXHU
UHSUHVHQWDPSHUGDVGHSURGX©¥RFRPFXVWRVHOHYDG¯VVLPRV‹SRU RDFHVVRDSRQWRVGHFRQWDFWRPHW£OL
LVVRHVVHQFLDOJDUDQWLUDP£[LPDͤDELOLGDGHQRVLVWHPDTXHIRUQH FR 2V QRYRV YHULͤFDGRUHV HO«WULFRV
FHDHQHUJLDQHFHVV£ULDDRIXQFLRQDPHQWRGDP£TXLQDRXVLVWHPD Fluke® T6 com tecnologia FieldSense
O distribuidor de corrente inteligente Mico Pro® da Murrelektro tornam a resolução de problemas mais
QLNJDUDQWHVLVWHPDVGHDOLPHQWD©¥Rͤ£YHLV2FRQFHLWRLQWHOLJHQWH VHJXUD H HͤFD] SHUPLWLQGR DRV HOHWUL
de monitorização de corrente controla todas as cargas de forma cistas efetuar medições simultâneas
FRQVLVWHQWH H LGHQWLͤFD RV PRPHQWRV FU¯WLFRV TXDQGR UHDOPHQWH da tensão e da corrente – e não apenas
acontecem. O Mico Pro® sinaliza cargas limite e desliga canais deteções – sem cabos de teste. Os ve
FRPSUREOHPDVGHIRUPDLQGLYLGXDOSDUDSUHYHQLUTXHWRGRRVLV ULͤFDGRUHV7SRVVLELOLWDPDJRUDHIHWXDUPHGL©·HV7UXH506ͤ£
WHPDHQWUHHPFRODSVRJDUDQWLQGRRP£[LPRGHIXQFLRQDOLGDGHGD YHLVHPFDL[DVGHMXQ©·HVFKHLDVRXDRORQJRGHFRQGXWRUHVFRP
P£TXLQDRXVLVWHPD2SURFHVVRGHFRUUHQWHGHGLVSDUR«SDWHQ WHUPLQDLVLQDFHVV¯YHLVRTXHSHUPLWHSRXSDUWHPSRPLQLPL]DURV

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
114 mercado técnico

possíveis erros e reduzir consideravelmente a possibilidade de tamos interessados em fazer parte da solução para tornar o sis-
ocorrer um arco elétrico. tema de energia mais inteligente e ajudar a National Grid a gerir a
&RPRVYHULͤFDGRUHV)OXNH7H7RVHOHWULFLVWDV estabilidade da rede. Esta solução inovadora que desenvolvemos
SRGHPHVWDUPDLVVHJXURV̰PHGLUWHQV·HVDW«b9DWUDY«VGR em conjunto com a ABB é um bom exemplo da implementação
garfo aberto sem cabos de teste nem condutores expostos; ser da nossa visão”.
PDLVU£SLGRV̰XPDYH]TXHQ¥R«QHFHVV£ULRDEULUSDLQ«LVQHP
UHWLUDUDVSRUFDVGRVFDERVRVHOHWULFLVWDVSRGHPDFHOHUDUDUHVR
OX©¥RGHSUREOHPDVVHUPDLVHͤFLHQWHV̰R7SHUPLWHHIH Klippon® Protect provém soluções para todas
tuar medições e apresentar a tensão e a corrente em simultâneo. aplicações e indústrias
27WDPE«PPHGHUHVLVW¬QFLDVDW«bNƃHVWDUHPWRGR :HLGP¾OOHṴ6LVWHPDVGH,QWHUIDFH6$
RODGR̰FRPRJDUIRPDLVDEHUWRGDLQG¼VWULDRVYHULͤFDGRUHV7 7HOy)D[
HIHWXDPPHGL©·HVHPFDERVFRPFRUUHQWHVGHDW«b$ ZHLGPXOOHU#ZHLGPXOOHUSWyZZZZHLGPXOOHUSW
$EDVHGRVYHULͤFDGRUHV7HVW£QDQRYDWHFQRORJLD FieldSen-
seGD)OXNHTXHSHUPLWHIRUQHFHUOHLWXUDVVLPXOW¤QHDVHͤ£YHLVGD $OLQKDGHSURGXWRVSDUDDSOLFD©¥R
WHQV¥RHGDFRUUHQWHHQ¥RDSHQDVXPDVLPSOHVGHWH©¥RGDSUH Klippon® Protect da Weidmüller é
sença/ausência de tensão. designada para proteções especí
2VUREXVWRVYHULͤFDGRUHVW¬PXPDFODVVLͤFD©¥RGHVHJXUDQ©D ͤFDVH[LJLGDVHPFDPSR,VVRLQ
9&$7,,,9&$7,9 9&$7,,,SDUDRPRGHOR7 H clui soluções em aplicações de
LQFOXHPXPYLVRUGHOHLWXUDI£FLOFRPUHWURLOXPLQD©¥R PRQLWRUL]D©¥R H VHJXUDQ©D WHF
Para obter mais informações sobre os equipamentos de teste nologia de instrumentação e con
GHWHQV¥RVHPFRQWDFWR)OXNH7YLVLWHZZZIOXNHSWW trolo e distribuição de energia. O
ideal dessas soluções é formado
a partir da alta qualidade e aprovações para zonas com risco de
ABB fornece solução de armazenamento H[SORV¥R 3RGHU£ REWHU VROX©·HV GH HQFODXVXUDPHQWR FRPR DV
de energia para parque eólico offshore FDL[DVGHGLVWULEXL©¥RFDL[DVWHUPLQDLVHTXDGURVGHFRPDQGRH
$%%6$ comunicação com um designFRQVLVWHQWH̰SDUDDP£[LPDVHJX
7HOy)D[ UDQ©D IXQFLRQDOLGDGH FRQͤ£YHO H EDL[RV FXVWRV GH PDQXWHQ©¥R
PDUNHWLQJDEE#SWDEEFRPyZZZDEESW reposição e armazenamento. As caixas terminais para potência e
GLVWULEXL©¥RV¥RDSURYDGDVGHDFRUGRFRPD¼OWLPDQRUPDOL]D©¥R
A ABB recebeu uma enco ([HFHUWLͤFDGDVFRPRHTXLSDPHQWRSDUDXVRHP£UHDVFODVVLͤFD
PHQGD GD '21* (QHUJ\ GDVHP=RQDVH(ODVV¥RDSURYDGDVHFHUWLͤFDGDV
grupo dinamarquês especia GHDFRUGRFRPDV1RUPDVLQWHUQDFLRQDLVWLSRGHSURWH©¥RFRQWUD
OL]DGR HP HQHUJLD VXVWHQW£ H[SORV¥RLQFOXLQGR([H([LDH([WE
YHOSDUDIRUQHFHUGRLVVLVWH $GDSWDGD DRV UHVSHWLYRV UHTXLVLWRV D OLQKD &RQWURO 6WDWLRQ
mas de armazenamento de combina variados dispositivos de controlo e display de status com
energia em bateria (BESS) de dois megawatts para reforçar a inte FRPSRQHQWVHOHFWUµQLFRVDVVLPFRPRWUDQVPLVVRUHVGLVWULEXLGR
gração e o transporte da energia gerada no parque eólico offshore res ͤHOGEXVQDFDL[DLQFOXLQGRDOLJD©¥RDWHUPLQDLVGHFRQH[¥R
GH%XUER%DQNSHUWRGH/LYHUSRROQR5HLQR8QLGR2SDUTXHHµOLFR 2EW«PVH XPD VROX©¥R plug-and-play XWLOL]£YHO FRP WRGDV DV
GH0:%XUER%DQNHVW£HPIXQFLRQDPHQWRGHVGHHWHPD DSURYD©·HVQHFHVV£ULDV$YHUV¥RSDGU¥RGD(OHFWURQLF%R[«HQ
FDSDFLGDGHGHJHUDUHOHWULFLGDGHSDUDFHUFDGHPLOIDP¯OLDVQR WUHJXHFRPDSURYD©¥R$7(;HDLGHQWLͤFD©¥RFRUUHVSRQGHQWH$V
Reino Unido. Esta é a primeira vez que um parque eólico offshore caixas completamente montadas também estão disponíveis com
incorpora um sistema de armazenamento desse tipo para estabili DSURYD©·HVLQWHUQDFLRQDLVEHPFRPRLGHQWLͤFD©¥RGHWLSR,(&([
zar a frequência da rede britânica. ($&([H1(36,HQWUHRXWURVTXHDTXLV¥RDSOLF£YHLV&O'LY
$UHGHQDFLRQDOGR5HLQR8QLGRRSHUDDXPDIUHTX¬QFLDGH ,GHQWLͤFD©¥RGLVSRQ¯YHOFRQIRUPHQHFHVV£ULRSDUDLPSODQWD©¥RQD
+HUW] +] TXHGHYHVHUPDQWLGDHVW£YHOSDUDJDUDQWLUDTXDOLGDGH América do Norte.
da energia fornecida. A frequência da rede depende do equilíbrio
entre a procura e a oferta. A integração de grandes quantidades de
HQHUJLDHµOLFDYDUL£YHODXPHQWDDFRPSOH[LGDGHGRIRUQHFLPHQWR Beckhoff disponibiliza novo PC industrial
HSRGHOHYDUDYDULD©·HVGHIUHTX¬QFLDRTXHSRUVXDYH]DIHWDD ultracompacto IPC C6015
UHGHHRVFRQVXPLGRUHV$VROX©¥R%(66GD$%%DMXGDU£DHVWD %UHVLPDU$XWRPD©¥R6$
ELOL]DUDIUHTX¬QFLDGDUHGHRTXHLU£SHUPLWLUTXHRSDUTXHHµOLFR 7HOy)D[
IRUQH©DHQHUJLDGHIRUPDPDLVͤ£YHO 7OP
*LDQGRPHQLFR5LYHWWLManaging Director da unidade de negó EUHVLPDU#EUHVLPDUSWyZZZEUHVLPDUFRP
cio da ABB High Voltage Products parte da divisão Power Grids
disse: “Estamos muito satisfeitos em implementar esta solução Com o novo Ultra Compact
inovadora que permitirá a integração de energia eólica limpa, sem ,3& & D %HFNKRII PDUFD
comprometer a estabilidade da rede e a qualidade da energia para representada pela Bresimar
os consumidores. O armazenamento de energia está a desempe- $XWRPD©¥RHP3RUWXJDODFD
nhar um papel fundamental na evolução da rede e é uma área de EDGHDODUJDUDJDPDGH,3&̵V
foco estratégico para reforçar a nossa posição como um parceiro sendo este o PC industrial
de escolha para uma rede mais forte, inteligente e mais verde”. mais compacto do mercado.
2OH .MHPV 6ºUHQVHQ Senior Vice President Partnerships $O«PGHXPDµWLPDUHOD©¥RSUH©RTXDOLGDGHHVWH3&RIHUHFHWRGDV
M&A e Asset Management QD '21* (QHUJ\ DͤUPRX ̸A neces- DVFDUDWHU¯VWLFDVGHXP3&LQGXVWULDOWDLVFRPRJDPDGHWHPSH
sidade de flexibilidade da rede continua a crescer. Como líderes UDWXUDDODUJDGDFRPXQLFD©¥R(WKHU&$7HDOWDUHVLVW¬QFLD¢YLEUD
no fornecimento de energia com baixa emissão de carbono, es- ção e impactos. Equipado com um processador Intel®$WRP͑GH

www.oelectricista.pt o electricista 61
mercado técnico 115

XPD DW« TXDWUR FRUHV GLVSRQLELOL]D XPD ERD UHVHUYD GH perfor- UHFH©¥RHUHJLVWRGHDODUPHVVXSHUYLV¥RHPWHPSRUHDOKLVWµUL
mance e é assegurada uma maior disponibilidade a longo prazo FRVGDGRVdataloggerHQWUHRXWURV 
GHYLGR¢LQVWDOD©¥RGHSURFHVVDGRUHVGDOLQKDembedded. As aplicações são totalmente gratuitas e estão disponíveis
)UXWRGHWHFQRORJLDDOHP¥HTXLSDGRFRPXPDmotherboard e SDUD L2V $QGURLG H :LQGRZV 2 +HUPHV 7&5 HVW£ HTXLSDGR
FDL[DUREXVWDFRQVWUX¯GDHPDOXP¯QLRH]LQFRIXQGLGRWRWDOPHQ FRP RLWR HQWUDGDV GLJLWDLV H TXDWUR HQWUDGDV DQDOµJLFDV TXDWUR
WHGHVHQYROYLGDVSHOD%HFNKRIIPDQW«PDTXDOLGDGHHͤDELOLGDGH saídas a relé e ainda interface560RGEXV578TXHSHUPLWH
D TXH D PDUFD QRV KDELWXRX ,GHDO SDUD VROX©·HV GH DXWRPD©¥R DDPSOLD©¥RGRQ¼PHURGHHQWUDGDVHVD¯GDVDVVLPFRPRDI£FLO
de elevada performance, YLVXDOL]D©¥R H GH FRPXQLFD©¥R SHUPL integração a sistemas de automação que utilizem esse protoco
WHXPDLQVWDOD©¥RIOH[¯YHOHRULHQW£YHOPHVPRQRVHVSD©RVPDLV OR GH FRPXQLFD©¥R 'DV VXDV LQ¼PHUDV FDUDWHU¯VWLFDV W«FQLFDV
FRQͤQDGRVGDGRTXHRFXSDDSHQDVXPHVSD©RGH[[PP para além do interface560RGEXV578GHVWDFDPVHDVVXDV
$SHVDUGHFRPSDFWRHGDUHIULJHUD©¥RSDVVLYDRQRYR&HVW£ funcionalidades PLC permitindo a elaboração de programas mais
SUHSDUDGRSDUDWUDEDOKDUHPDPELHQWHVLQGXVWULDLVFRPWHPSHUD FRPSOH[RVRVHXdataloggerLQWHUQRFRPFDSDFLGDGHSDUD
WXUDVDW«|& UHJLVWRVRUHOµJLRHPWHPSRUHDOGHDOWDSUHFLV¥RHDIXQ©¥RVLQ
FURQL]D©¥RDXWRP£WLFDFRPDKRUDGDUHGH*607RGDVHVWDVIXQ
FLRQDOLGDGHVSHUPLWHPSRWHQFLDUDVVXDVDSOLFD©·HVVHMDPHODVD
Indústria 4.0 – Autómato/controlador DXWRPD©¥RORFDOHRXUHPRWDGHP£TXLQDVUHJLVWRGHGDGRVHQYLR
e datalogger com apps gratuitas GHDODUPHVFRQWURORKLVWµULFRHHVWDW¯VWLFRHQWUHPXLWRVRXWURV2
=HEHQ6LVWHPDV(OHFWUµQLFRV/GD +HUPHV7&5YHPHTXLSDGRFRPXPsoftwareGHFRQͤJXUD©¥R
7HOy)D[ user-friendlyTXHSHUPLWHDSURJUDPD©¥RGHY£ULRVXWLOL]DGRUHV Q¯
LQIR#]HEHQSWyZZZ]HEHQSW YHLVGHSULRULGDGHHWLSRVGHSULYLO«JLRV Y£ULRVQ¯YHLVGHDODUPHV
KRU£ULRV GH DWLYD©¥RVXSHUYLV¥R D©·HV HP IXQ©¥R GH LQ¼PHURV
2 +HUPHV 7&5 « XP FRPSOHWR HVWDGRV H WLSRV GH YDUL£YHLV HQWUDGDV VD¯GDV WHPSRUL]DGRUHV
equipamento de telemetria/IoT GSM/ IODJV F£OFXORV PDWHP£WLFRV HTXD©·HV OµJLFDV  HQWUH RXWURV 2
GPRS pensado para ambientes in +HUPHV 7&5 SHUPLWH XPD I£FLO H HFRQµPLFD JHVW¥R UHPRWD
GXVWULDLV FXMD DSOLFD©¥R SHUPLWH D PRQLWRUL]D©¥R H FRQWUROR  GH UHGHV GH DEDVWHFLPHQWR GH £JXD
automação e monitorização remota UHGHV GH GLVWULEXL©¥R H IRUQHFLPHQWR GH HQHUJLD DSOLFD©·HV GH
GH P£TXLQDV H LQVWDOD©·HV $ DXWR HQHUJLDVRODUHVWD©·HVGHERPEDJHPLQVWDOD©·HVGHIULRLQGXV
PD©¥RHVXSHUYLV¥RUHPRWD«GHI£FLO WULDOVLVWHPDV$9$&GHSµVLWRVGHUHFROKDGHUHV¯GXRVHQWUHPXLWDV
FRQͤJXUD©¥RHXWLOL]D©¥RHSRGHVHU RXWUDVDSOLFD©·HVHPGLIHUHQWHVLQG¼VWULDV2+HUPHV7&5«
HIHWXDGDDSDUWLUGHWHOHPµYHLVsmartphones, tabletsRX3&VPH um equipamento da marca Microcom que é exclusivamente repre
diante aplicações que permitem total supervisão e gestão VHQWDGDHP3RUWXJDOSHOD=HEHQ

PUB
116 mercado técnico

VCLEAN: A iluminação LED perfeita para 2 (YL\RV WHP D VXD EDVH QR SURMHWR GH LQYHVWLJD©¥R Ɩ$)6
a indústria alimentar TXH IRL FRQFOX¯GR QR RXWRQR GH  2 SURMHWR HQYROYHX Y£ULRV
$(OHFWULͤFDGRUD parceiros do setor industrial e foi coordenado pela Osram Opto
7HOy)D[ Semiconductors. O protótipo combina duas tecnologias num só
JHUDO#DHOHFWULͤFDGRUDSWyZZZDHOHFWULͤFDGRUDSW componente: um chip emissor de luz e controlo eletrónico indivi
GXDOGRVSL[HLV(VWDFRPELQD©¥RVLJQLͤFDTXHRVpixels do
Limpezas com jatos de alta pres Eviyos mais o driver estão todos acomodados numa pegada de
são. Gordura. Baixas temperatu aproximadamente 4x4 mm. A fonte de luz tem um fluxo luminoso
ras. Produtos de limpeza corrosi mínimo por pixelGHOPDP$2VSURWµWLSRVLQLFLDLVM£H[LELUDP
vos. Gordura e óleo. Vapor. Estes PDLVGHOSRUpixel2VFOLHQWHVSRGHPYDULDURQ¼PHURGH/('V
V¥R RV SULQFLSDLV REVW£FXORV SDUD K¯EULGRVQDVVXDVDSOLFD©·HVHFRPSOHPHQW£ORVFRP/('VFRQ
uma iluminação perfeita. O siste YHQFLRQDLVGHSHQGHQGRGRVUHTXLVLWRVSDUWLFXODUHVTXHSUHFLVDP
ma de iluminação deste tipo de in de ser respeitados.
G¼VWULD GHYH VHU UHVLVWHQWH D WRGDV HVWDV FRQGL©·HV DGYHUVDV H “O LED híbrido é outro exemplo de como os nossos produtos
JDUDQWLUXPORFDOGHWUDEDOKRVHJXUROLPSRHIXQFLRQDO3DUDDO«P contribuem de forma importante para melhorar a qualidade de vida
GHXPDLOXPLQD©¥RHIHWLYDWDPE«P«QHFHVV£ULRSHQVDUHPHFR em diversas áreas. Com a Eviyos estamos a ajudar a tornar as es-
nomizar em manutenção e energia elétrica. Tendo em conta estas tradas mais seguras e a melhorar o conforto e a conveniência dos
QHFHVVLGDGHV HVSHF¯ͤFDV $ (OHFWULͤFDGRUD SURS·H XPD VROX©¥R condutores. Estamos orgulhosos de poder apresentar o primeiro
SDUD D LQG¼VWULD DOLPHQWDU D FDPS¤QXOD GD Venture Lighting protótipo tão logo depois de concluir o projeto de investigação. Esta-
VCLEAN.$9&OHDQIRLGHVHQYROYLGDSDUDDSOLFD©¥RQDLQG¼VWULDDOL mos agora mais um passo à frente na produção em série̹GLVVH7KR
PHQWDUHGLVWLQJXHVHSHORVHX design convexo que previne a acu PDV&KULVWO*HVWRUGHMarketing da Osram Opto Semiconductors.
mulação de pó e líquidos. A forma convexa também facilita a sua 2(YL\RVQ¥R«DSHQDVFRPSDFWRHSRGHURVRPDVWDPE«PHͤ
OLPSH]DHDFDPS¤QXODUHVLVWHSHUIHLWDPHQWHDRMDWRVGH£JXDFRP FLHQWHHPWHUPRVGHHQHUJLDJUD©DVDRFRQWURORSUHFLVRGRVpixels
HOHYDGD SUHVV¥R 3DUD DO«P GHVWHV IDWRUHV R design é atrativo e LQGLYLGXDLV2V¼QLFRVpixels que estão em curso são os que real
LQWHJUDVHSHUIHLWDPHQWHHPTXDOTXHULQG¼VWULDRXDW«PHVPRHP PHQWHV¥RQHFHVV£ULRVQRPRPHQWR
FR]LQKDVRXSDYLOK·HVGHVSRUWLYRV 1RVHXODQ©DPHQWRSODQHDGRQRLQ¯FLRGHR(YL\RVIRU
&RPXPDYLGD¼WLOGHKRUDVHFLQFRDQRVGHJDUDQWLD PDU£XPDIDP¯OLDGHSURGXWRVVHSDUDGDRIHUHFHQGRXPDDPSOD
podemos acrescentar o facto de esta campânula LED ter um IP66 gama de aplicações possíveis. Os faróis inteligentes são apenas
TXHJDUDQWHSURWH©¥RFRQWUDDSRHLUDHMDWRVGH£JXDSRWHQWHV2 XPD GDV £UHDV SRWHQFLDLV QDV TXDLV R FRQWUROR GH pixel seletivo
VHX,.DVVHJXUDDUHVLVW¬QFLDDIRUWHVLPSDFWRV)XQFLRQDOLGDGH inteligente pode ser aplicado.
GXUDELOLGDGHHUHVLVW¬QFLDV¥RDVPHOKRUHVSDODYUDVTXHGHͤQHP
a VCLEAN$(OHFWULͤFDGRUDUHSUHVHQWDHPH[FOXVLYRDVenture Li-
ghtingHP3RUWXJDO(VWHIDEULFDQWHWHPXPDIRUWHHUHFRQKHFLGD Electro Siluz cria Departamento de Estudos
SUHVHQ©DLQWHUQDFLRQDOHGHGLFDVH¢LOXPLQD©¥R/('RQGHGHVHQ e Projetos de Iluminação
volve produtos de elevada qualidade que marcam a diferença. (OHFWUR6LOX]
5HFHQWHPHQWH D 9HQWXUH IRL XP IRUQHFHGRU DFUHGLWDGR SHOD 7HObbby)D[bb
&DUERQ 7UXVW R TXH VLJQLͤFD TXH RV VHXV SURGXWRV IRUDP UHFR FRPHUFLDO#HOHFWURVLOX]SWyZZZHOHFWURVLOX]SW
QKHFLGRVSHODVXDGXUDELOLGDGHHHͤFL¬QFLDHPWHUPRVHQHUJ«WLFRV
HUHQRY£YHLV A Electro Siluz sentiu que era neces
(VWH UHFRQKHFLPHQWR G£ DR PHUFDGR D JDUDQWLD H D FRQͤDQ V£ULR GDU XP DSRLR DGLFLRQDO DRV
©DGHXPIDEULFDQWHFHUWLͤFDGR$(OHFWULͤFDGRUDFRPDQRVGH VHXV FOLHQWHV SULQFLSDOPHQWH QR
H[LVW¬QFLDQRPHUFDGRSRUWXJX¬VHDSRVWDVHPSUHQDVPHOKRUHV PHUFDGR GH LOXPLQD©¥R H FULRX UH
marcas e em produtos inovadores e diferenciados. centemente um Departamento de
(VWXGRV H 3URMHWRV TXH LU£ SHUPLWLU
XP DFRPSDQKDPHQWR DRV SURMHWRV
O protótipo do Eviyos LED revoluciona faróis GRV FOLHQWHV SURPRYHQGR DVVLP DV
inteligentes PHOKRUHV VROX©·HV SDUD FDGD FDVR
265$0 Atualmente são diversas as possibilidades de controlo da ilumina
7HOy)D[ ©¥R$WHFQRORJLD/('FRQWLQXDHPFRQVWDQWHLQRYD©¥RSHUPLWLQGR
RVUDP#RVUDPSWyZZZRVUDPSW DRXWLOL]DGRURFRQWURORWRWDOGDLQVWDOD©¥RPDQWHQGRQ¯YHLVDOWRV
GHHͤFL¬QFLDb(PWHRULDFRPR/('VHU£SRVV¯YHOQ¯YHLVGHHͤFL¬Q
2/('K¯EULGRSURSRUFLRQDIDUµLVLQWHOL FLD GH FHUFD GH OP: 'H PRPHQWR XPD HͤFL¬QFLD GH
JHQWHV FRP PDLV GH  SL[HOV FRQ OP:SRGHVHUFRQVLGHUDGDXPDERDHͤFL¬QFLD$WUDY«V
WURO£YHLVLQGLYLGXDOPHQWH GDSRVVLELOLGDGHGHUHJXOD©¥RGHIOX[R  HYDULD©¥RGDWHP
2 SURWµWLSR (YL\RV GHVHQYROYLGR SHUDWXUDGHFRU ̰|N SRGHPRVFRPRVPHVPRVHTXL
SHOD 2VUDP 2SWR 6HPLFRQGXFWRUV « R SDPHQWRVFULDUGLYHUVRVFHQ£ULRVGHOX]DGDSWDGRVDRTXRWLGLDQR
SULPHLUR /(' K¯EULGR GR PXQGR H UH Para o controlo da iluminação poderão ser utilizados equipamen
presenta o maior avanço em direção ao WRVFRPFRQWUROR'$/,RXRXWURV
SULPHLUR/('LQWHOLJHQWHGHDOWDUHVROX©¥RFRQWURO£YHOGRPHUFDGR Para se conseguir uma boa iluminação é importante a sua si
$VVLPTXHRWU£IHJRQDVSUR[LPLGDGHVIRUGHWHWDGRRVpixels apro mulação através de softwareFRPRSRUH[HPSORR'LDOX[TXHLU£
SULDGRVV¥RDXWRPDWLFDPHQWHGHVOLJDGRVHYLWDQGRTXHRVFRQGX SHUPLWLUYHULͤFDUDIRQWHGHOX]DGHTXDGDGHIRUPDDWHUPRVXPD
tores dos veículos que se aproximam sejam encadeados. O pro ERDHͤFL¬QFLDXPDFRUUHWDLOXPLQD©¥RHDXV¬QFLDGHPDQXWHQ©¥R
WµWLSRLQWHJUDGRQXPGHPRQVWUDGRUGD2VUDPSpecialty Lighting prolongada dos equipamentos. Mais informações por favor contac
VHU£H[LELGRSHODSULPHLUDYH]QD,6$/GHDGHVHWHPEURGH te o departamento da Electro Siluz: ricardo.araujo@electrosiluz.pt |
HP'DUPVWDGW FRPHUFLDO#HOHFWURVLOX]SW_

www.oelectricista.pt o electricista 61
artigo técnico

Regulador de tensão
Inúmeras são as situações em que se torna necessário obter uma tensão regulada. Isso é
possível através da aplicação de diversos componentes, entre eles, o regulador de tensão.
Atualmente existe uma enorme variedade de reguladores de tensão em circuitos in-
tegrados. Alguns destes reguladores integrados são específicos para aplicações especiais.

 yY$zy>|´‚~‰+ž
Formadora nas áreas de Eletrónica,
pauladomingues47@gmail.com
Figura 2. Identificação dos terminais do regulador de
tensão.

Paula Domingues
Os reguladores de tensão mais utilizados têm, geralmente, três terminais: um terminal, ao
qual é aplicada a tensão de entrada não regulada, outro terminal que irá apresentar a tensão Ao terminal de entrada deve ser aplicada
de saída, já regulada, e um terceiro terminal, para ligação à terra. a tensão que pretendemos ver regulada e
Por terem um custo reduzido e serem de aplicação fácil, este tipo de reguladores é dos estabilizada. Para que o regulador de ten-
mais utilizados. Este tipo de integrados oferece uma boa proteção contra curtos-circuitos são possa regular corretamente a tensão de

210
117
e contra o aquecimento excessivo e são por isso bastante utilizados no fabrico de fontes saída, deve aplicar na entrada uma tensão
de alimentação. superior, no mínimo, a 3 V da tensão pre-

3.º Trimestre de 2017


electrónica 07
Os reguladores de tensão em circuito integrado poderão apresentar à saída: tendida á saída do regulador de tensão. Por
– Uma tensão positiva fixa; exemplo, se o objetivo é obter à saída do
– Uma tensão negativa fixa; regulador, uma tensão regulada de 9 V, sig-
– Uma tensão ajustável. nifica que a tensão mínima que devo apli-
car na entrada do regulador são 12 V.
Os reguladores de tensão, com saída fixa, positiva ou negativa, são fabricados de forma Embora exista uma tensão máxima que
a apresentarem à saída uma tensão fixa com valores entre 5 V e 24 V. Os reguladores de pode ser aplicada à entrada do regulador
tensão, com uma tensão de saída ajustável, apresentam na sua saída, uma tensão que de tensão, é muito importante ter a noção
pode variar entre 2 V e 40 V. de que, quanto maior for a tensão aplicada,
maior será a quantidade de energia que o
componente terá que dissipar. Esta energia
Regulador de tensão fixo será dissipada sob a forma de calor e por
Entre os reguladores de tensão fixos, os mais comuns correspondem às séries 78XX e isso, sempre que se considere necessário,
79XX. A série 78XX corresponde a reguladores de tensão positiva e a série 79XX corres- deve acoplar-se um dissipador de calor ao
ponde a reguladores de tensão negativa. circuito integrado.
No terminal de saída deve surgir a ten-
são já regulada, que corresponderá aos
dois últimos dígitos do código inscrito no
corpo do componente. Por exemplo, um
regulador de tensão 7805 apresenta na sua
saída uma tensão de 5 V, quando for apli-
cada no terminal de entrada uma tensão
mínima de 8 V. Por sua vez, um regulador
de tensão 7905 apresenta na sua saída uma
tensão de -5 V.
A Tabela seguinte fornece-nos as carate-
rísticas principais de funcionamento destes
Figura 1. Regulador de tensão. reguladores:
artigo técnico

Tabela 1. Caraterísticas dos reguladores de tensão.

REGULADOR DE TENSÃO DE CIRCUITO


INTEGRADO LINEAR

Série Tensão
Tensão
de Corrente
de saída
entrada máxima
78XX 79XX regulada
máxima de saída
(S)
(E)

7805 7905 35 V 5V 1A

7806 7906 35 V 6V 1A

7810 7910 35 V 10 V 1A

7812 7912 35 V 12 V 1A

7815 7915 35 V 15 V 1A

7818 7918 35 V 18 V 1A

7824 7924 40 V 24 V 1A

Exercício:

Considere o regulador representado na


Tabela e tente responder às seguintes Figura 3. Desenho esquemático do circuito equivalente ao interior de um regulador de tensão.

questões:
210
118

i. Qual a tensão de entrada mínima a


aplicar ao regulador?
electrónica 07
3.º Trimestre de 2017

ii. Qual a tensão de entrada máxima?


iii. Qual a tensão de saída regulada, sob
a corrente máxima de 1 A?
iv. Este é um regulador de tensão positi-
vo ou negativo?

Confirme as suas respostas:


i. 21 V Figura 4. Regulador de saída fixa.

ii. 35 V
iii. 18 V
iv. Positivo

Figura 5. Regulador positivo em configuração negativa.


© Paige Foster

Figura 6. Regulador de corrente.


artigo técnico

Regulador de tensão
ajustável
Existem no mercado diversos regulado-
res de tensão integrados, ajustáveis. São
eles: LM317; LM337; LM338; LM350, entre
outros. Este tipo de reguladores tem uma
corrente de carga máxima, que pode va-
riar entre 1,5 A e 5 A.

© ahitevalasubsonica
Figura 7. Fonte dupla regulada ou fonte simétrica.

O regulador de tensão LM317, por exemplo,


é um regulador de tensão positiva, capaz
de fornecer uma corrente de carga de 1,5
A, capaz de apresentar uma tensão de saída
Figura 8. Regulador LM 317. variável entre 1,25 V e 37 V.
artigo técnico

Ficha Técnica 6
Semicondutores e díodos de junção
p‰/q

Após a introdução aos semicondutores e ao estudo das caraterísticas fundamentais dos dío- Iremos analisar as caraterísticas mais im-
dos de junção, será iniciada a análise, na presente ficha técnica, dos circuitos caraterísticos de portantes na seleção deste tipo de compo-
utilização deste componente eletrónico. nente eletrónico, nomeadamente: a tensão
inversa, a corrente direta máxima, a queda
de tensão direta e a corrente direta máxima.
10. Análise das caraterísticas técnicas de um díodo
Para a correta utilização de qualquer componente eletrónico será fundamental analisar as suas Tensão inversa de disrupção
caraterísticas técnicas e os seus limites de funcionamento como por exemplo, a Corrente Con- A folha de dados refere-se um díodo reti-
z~|+z y>

tínua direta máxima ou a potência de dissipação. Para esta análise os fabricantes fornecem a ficador usado nas fontes de alimentação
folha de dados do componente, em inglês por Data Sheet, onde se especificam determinadas (circuitos que convertem tensão alternada
paulo.peixoto@atec.pt

propriedades, comportamentos, gráficos e todas as informações relevantes ao funcionamento em tensão contínua e que serão analisadas
do componente electrónico. em futuras fichas técnicas). Tomemos como
Paulo Peixoto

Será analisado de seguida o díodo retificador da série 1N4000 (1N4001 a 1N4007). Existem exemplo o díodo 1N4001:
diversos fabricantes deste componente, utilizaremos a folha de dados do fabricante WTE (Won-
-Top Electronics) disponível em: www.wontop.com/uploadfiles/56/sort_excel/pdf/1n4001.pdf Tabela 13. Tensão inversa de disrupção num díodo
1N4001 (Fonte da figura: www.wontop.com).
120
210

DÍODO
CARATERÍSTICA SÍMBOLO
1N4001
electrónica 07
3.º Trimestre de 2017

Tensão inversa
de pico repetitivo
VRRM 50 V
Peak Repetitive Reverse
Voltage
Tensão inversa
de pico operativo
VRWN 50 V
Working Peak Reverse
Voltage

Tensão de bloqueio
em corrente
Figura 88. Folha de dados do díodo retificador 1N4001-1N4007 (Fonte da figura: www.wontop.com). VR 50 V
contínua
DC Blocking Voltage
A Figura 89 representa as estipulações máximas e caraterísticas elétricas do díodo retificador
considerando uma temperatura ambiente de 25°C.
As caraterísticas de tensão apresentadas es-
pecificam a destruição do díodo sob determi-
nadas condições de operação. A caraterística
mais relevante é a tensão de disrupção do
díodo que é de 50 V, independentemente de
como se utiliza. Esta disrupção ocorre porque
no díodo surge uma avalanche quando subi-
tamente aparece uma grande quantidade de
portadores na camada de depleção.
No 1N4001 a tensão inversa de 50 V re-
presenta um nível destruidor para as carate-
rísticas do díodo, que os projetistas evitam
Figura 89. Estipulações máximas e caraterísticas elétricas do díodo retificador 1N4001-1N4007 (Fonte da figura: atingir em todas as condições de opera-
www.wontop.com). ção, por isso considera um certo fator de
artigo técnico

segurança. Não existe, contudo, uma regra condições de operação. Estudos das falhas de dispositivos mostram que a duração de vida
absoluta para se definir este índice de se- de um dispositivo diminui à medida que se aproxima do valor máximo estipulado. Devido
gurança uma vez que, o seu valor depende a este facto, alguns projetistas usam um fator de segurança de 10:1, garantindo a corrente
de muitos fatores do projeto. Num projeto direta máxima dos díodos apresentados em 0,1 A ou menos.
conservador, onde se impõe o lado segu-
rança, usa-se um fator de nível 2, ou seja, Queda de tensão direta
nunca se permite atingir mais de 25 V na Esta caraterística representa a queda de tensão aos terminais do díodo quando a corrente
tensão inversa de um 1N4001. Num projeto direta é de 1 A. A temperatura ambiente considerada é de 25°C.
menos conservador pode-se chegar a 40 V
nos terminais do díodo. Tabela 15. Corrente Direta Máxima na série 1N4000 (Fonte da figura: www.wontop.com).

Corrente direta máxima CARATERÍSTICA SÍMBOLO VALOR

A folha de dados indica o mesmo valor para Tensão direta


VFM 1V
Forward Voltage
a Corrente Direta Máxima da série 1N4000.
Este valor indica que os díodos podem su-
portar até 1 A no sentido direto quando Corrente inversa máxima
usado como retificador. O valor apresenta- Outra característica importante que merece destaque é a corrente inversa máxima, que se
do corresponde a uma carga monofásica define como a corrente inversa, considerando a máxima tensão inversa estipulada em Cor-
resistiva ou indutiva com a frequência de rente Contínua (50 V no caso do díodo 1N4001).
60 Hz. A temperatura ambiente considerada
é de 75°C. Na Figura 90 podemos observar o Tabela 16. Corrente Direta Máxima na série 1N4000 (Fonte da figura: www.wontop.com).
efeito da temperatura ambiente na corrente
direta do díodo. CARATERÍSTICA SÍMBOLO TEMP. AMBIENTE VALOR

Corrente inversa 25°C 100°C


Tabela 14. Corrente Direta Máxima na série 1N4000
máxima IRM
(Fonte da figura: www.wontop.com).
100°C 50 μA

210
Peak Reverse Current

121
CARATERÍSTICA SÍMBOLO VALOR

3.º Trimestre de 2017


electrónica 07
Corrente direta
Da análise dos valores anteriores verifica-se como a temperatura é importante nos semicon-
dutores. Um projeto que exija uma tensão inversa inferior a 5 μA trabalhará corretamente
retificada média
ID 1A com um díodo 1N4001 à temperatura de 25°C, no entanto não cumprirá os requisitos se a
Average Rectified Outup
Current temperatura atingir os 100°C.

11. Linearização da caraterística direta do díodo


Iremos introduzir a análise do circuito com díodo com a apresentação das aproximações ao
modelo deste semicondutor. Em determinadas situações a análise do circuito poderá assu-
mir algumas simplificações que aceleram a sua análise crítica.

11.1. Primeira aproximação do díodo (díodo ideal)


A utilização da 1.ª aproximação do díodo considera que este componente é ideal, ou
seja funciona como um interruptor: Quando polarizado diretamente a tensão de arran-
que será igual a 0 V sendo a sua resistência direta nula e quando polarizado inversamen-
te a corrente inversa igual a 0 A e a sua resistência infinita. A Figura 91 representa esta
aproximação.

Figura 90. Variação da corrente direta com a temperatu-


ra ambiente (Fonte da figura: www.wontop.com).

Um projetista considera 1 A como o valor


estipulado máximo absoluto do díodo, um
nível de corrente direta não pode sequer
ser aproximado. Possivelmente, o projetista
atende a um fator de segurança de nível 2,
ou seja um projeto fiável garantirá que a cor-
rente direta seja inferior a 0,5 A em todas as Figura 91. 1.ª aproximação do díodo (díodo ideal).
artigo técnico

No circuito apresentado na Figura 92 iremos calcular a corrente que o percorre e a tensão Consideremos o circuito representado na Fi-
aos terminais da resistência de carga (URL) considerando o díodo ideal. gura 92 para fazer a sua análise consideran-
do a segunda aproximação. Como a tensão
da fonte é superior à tensão de arranque do
díodo este estará diretamente polarizado.
– A tensão na carga será a tensão da fonte
subtraída da tensão do díodo:

URL = UF − Uγ = 10 − 0,7 = 9,3 V

Figura 92. Circuito com um díodo de junção ideal. – A corrente que circula no circuito é dada
por:
Considerando o díodo diretamente polarizado (ânodo com potencial positivo) a sua tensão
UF - Uγ 10 - 0,7
de arranque é nula. I= = = 0,93 mA
RL 10
– A tensão nos terminais da resistência de carga será a tensão da fonte:

URL = UF = 10V 11.3. Terceira aproximação


do díodo
– A corrente que percorre o circuito será dada pela equação: A terceira aproximação do díodo integra,
URL 10 além das variáveis analisadas anteriormen-
I= = = 1mA te, a resistência do díodo, designada de
RL 10
resistência de volume (RV). A resistência
de volume depende das dimensões das
11.2. Segunda aproximação do díodo regiões P e N, e da respetiva dopagem ser
A 1.ª aproximação é aplicável na maioria das reparações de avarias nos circuitos eletrónicos, maior ou menor.
contudo, por vezes, exige-se maior exatidão dos valores da corrente de carga e tensão de Após alcançar a tensão de arranque a
210
122

carga. Nestas situações utiliza-se a segunda aproximação. corrente do díodo aumenta rapidamente.
O equivalente de um díodo, pela segunda aproximação, será um interruptor em série Isto significa que pequenos aumentos de
electrónica 07
3.º Trimestre de 2017

com uma fonte de tensão de valor igual à tensão de arranque do díodo. Quando a tensão for tensão causam grandes subidas na corrente
superior à tensão de arranque do díodo o comutador encontra-se fechado, caso contrário, do díodo. A resistência óhmica das regiões P
se a tensão aplicada for inferior à tensão de arranque, o interruptor está aberto. e N são a única oposição à normal circulação
A Figura 93 representa a caraterística corrente - tensão quando se aplica a segunda apro- da corrente elétrica após o início da condu-
ximação. A caraterística mostra que não existe corrente abaixo da tensão de arranque, ou ção efetiva.
seja, no caso do silício Uγ = 0,7 V. O díodo começa a conduzir a partir desta tensão, manten- A resistência do díodo não é mais que a
do-a nos seus terminais qualquer que seja a corrente. soma das resistências óhmica do semicon-
dutor tipo P e tipo N e o seu valor varia de 5
a 50 Ω para os díodos de silício. A Figura 94
mostra o efeito desta resistência de volume
na caraterística do díodo. Depois do dío-
do de silício entrar em condução, a tensão
cresce proporcionalmente ao aumento da
corrente. Quanto maior for a corrente mais
elevada será a tensão do díodo, devido à
queda de tensão na resistência do díodo. O
Figura 93. 2.ª aproximação do díodo. esquema equivalente da terceira aproxima-
ção será um interruptor em série com uma
fonte de tensão de valor igual á tensão de
arranque do díodo e uma resistência RV. Se a
tensão do díodo for maior que 0,7 V o díodo
conduz.
Faremos, novamente, a análise do circui-
to da Figura 92 considerando a resistência
do díodo com o valor de 30 Ω. Pela análise
do circuito teremos o potencial do ânodo
superior ao potencial do cátodo, logo o
Figura 94. 3.ª aproximação do díodo. díodo estará polarizado diretamente. A Fi-
artigo técnico

gura 95 representa o esquema equivalente pela 3.ª aproximação (linearização da caraterís- Utilizaremos ainda a Lei das malhas para
tica direta do díodo). obter uma equação que relaciona a tensão
no díodo com a sua corrente. Esta equa-
ção corresponde à equação de uma reta e
denomina-se de reta de carga do circuito. O
ponto de interseção desta reta com a curva
caraterística do díodo origina o chamado
ponto de funcionamento estático (PFE) ou
ponto quiescente (Q).
A equação das malhas aplicada ao circui-
to resulta em:
Figura 95. Circuito equivalente utilizando a linearização pela 3.ª aproximação.
UF - UD.
- U F + R . ID + U D = 0 ļ I D = ļ
R
Para o cálculo da corrente no circuito aplicaremos a Lei de Kirchhoff (Lei das malhas). Con- 1 UF
ļ ID = . UD -
siderando o sentido dos ponteiros do relógio teremos: R R

UF - Uγ 10 - 0,7
- UF + Uγ + RV . I + RL . I = 0 ļ I = = = 0,927 mA Para a obtenção da reta de carga serão ne-
RV + RL 0,03 + 10
cessários 2 pontos, um no eixo das abcissas
e outro no eixo das ordenadas. Faremos ID =
A tensão aos terminais da resistência de carga será dada por: 0 e obtemos o resultado para UD e, posterior-
mente faremos UD = 0 e determinamos ID.
URL= UF - Uγ - RV · I = 10 – 0,7 – 0,03·0,927 = = 9,27 V Para ID = 0 obtemos que UD = UF :

1 UF
ID = . UD - ļ
12. Ponto de funcionamento estático – Reta de carga R R
A análise de um circuito eletrónico que integre um díodo de junção torna-se facilitada se UF
0= 1 . UD - ļ UD= UF

210
123
utilizarmos a análise da reta de carga. Iremos utilizar o circuito da Figura 96 para fazer esta R R
análise.

3.º Trimestre de 2017


electrónica 07
Para UD = 0 obtemos que ID = - UF /R (o sinal
negativa indica que a reta terá declive ne-
gativo):

1 UF
ID = . UD - ļ
R R
1 . 0 - UF U
ID = ļ ID = F
Figura 96. Determinação da reta de carga do circuito. R R R

A Figura 97 representa a reta de carga do cir-


cuito e a identificação da tensão aos termi-
nais do díodo UD0 (o índice “0” corresponde
ao ponto de funcionamento) e a corrente
elétrica que o percorre ID0.

Referências bibliográficas
– A. Silva Pereira, Mário Águas, Rogério Baldaia, “Eletró-
nica - 2.º volume”, Porto Editora, ISBN 972-0-33052-5
– C.R. Paul, S.A. Nasar, L.E. Unnewehr, “Introduction to
Electrical Engineering - Second edition”, McGraw-Hill
International Editions, ISBN 0-07-011322-X, 1992
– Albert Paul Malvino, “Princípios de Eletrónica - 6.ª edi-

Figura 97. Reta de carga do circuito. ção”, McGraw-Hill.

A caraterística real do díodo, que relaciona a tensão nos seus terminais (UD) e a corrente Pode encontrar a 1.ª parte deste artigo na revista
ID que o percorre, não é linear e é de expressão matemática difícil de trabalhar, pelo que "o electricista" n.º 60 / "electrónica" n.º 6.
teremos de recorrer à sua representação gráfica.
artigo prático

Faça você mesmo


Regulação de tensão
Quando queremos realizar a regulação de
tensão, podemos utilizar reguladores de
tensão integrados, fixos ou ajustáveis.
 yY$zy>|´‚~‰+ž
Formadora nas áreas de Eletrónica,

Figura 2. Protoboard e alicates.


pauladomingues47@gmail.com

Procedimento:
1. Monte em protoboard o seguinte circuito:
Paula Domingues

Figura 1. Fonte de alimentação com regulador de tensão.

Para a realização dos trabalhos práticos que


210
124

se seguem, é necessário a utilização do mul-


tímetro. Na impossibilidade de utilização do
electrónica 07
3.º Trimestre de 2017

mesmo, opte por realizar os trabalhos práti-


cos em software de simulação.
Figura 3. Regulador de tensão positivo.

Trabalho Prático n.º 9: 2. Ajuste a fonte de alimentação para cada um dos valores indicados na tabela, meça com
Circuito regulador de tensão um multímetro a tensão de saída e registe cada um dos valores medidos.
positivo
VIN (AJUSTADO) 8V 12 V 16 V 20 V 24 V 28 V 32 V
Objetivo: VOUT (MEDIDO)
– compreender o funcionamento do re-
gulador de tensão fixo, positivo. 3. Retire conclusões do trabalho realizado.

Lista de materiais e ferramentas


Trabalho Prático n.º 10: Circuito regulador de tensão negativo
Tabela 1. Lista de materiais e ferramentas.
Objetivo:
LISTA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS – compreender o funcionamento do regulador de tensão fixo, negativo.
1 Fonte de alimentação DC
1 Regulador de tensão 7805
Lista de materiais e ferramentas
1 condensador de 0,33uF LISTA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS LISTA DE FERRAMENTAS
1 condensador de 0,1 uF 1 Fonte de alimentação DC Alicate de corte pequeno
1 Protoboard 1 Regulador de tensão 7905 Alicate de pontas chatas
Fios condutores 1 condensador de 0,33uF
LISTA DE FERRAMENTAS 1 condensador de 0,1 uF
Alicate de corte pequeno 1 Protoboard
Alicate de pontas chatas Fios condutores
artigo prático

Procedimento:
1. Monte em protoboard o seguinte circuito:

Figura 4. Regulador de tensão negativo.

2. Ajuste a fonte de alimentação para cada


um dos valores indicados na tabela,
meça a tensão de saída e registe cada
um dos valores medidos.

VIN (AJUSTADO) VOUT (MEDIDO)

8V
©imageproxy
12 V
16 V
Procedimento:
20 V
1. Monte em protoboard o seguinte circuito:
24 V
28 V

210
125
32 V

3.º Trimestre de 2017


electrónica 07
3. Retire conclusões do trabalho realizado.

Trabalho Prático n.º 11:


Circuito regulador de tensão
simétrica

Objetivo:
– compreender o funcionamento do regu-
lador de tensão fixo, positivo e negativo.

Lista de materiais e ferramentas Figura 5. Regulador de tensão simétrico.

LISTA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS 2. Ajuste a fonte de alimentação para cada um dos valores indicados na tabela, meça a
1 Fonte de alimentação DC tensão de saída e registe cada um dos valores medidos.
1 Regulador de tensão 7915
1 Regulador de tensão 7815 VIN (AJUSTADO) VOUT (MEDIDO)

1 condensador de 0,33uF
8V
1 condensador de 1 uF
12 V
1 condensador de 2 uF
16 V
1 Protoboard
20 V
Fios condutores
24 V
4 Díodos 1N4001
28 V
LISTA DE FERRAMENTAS
32 V
Alicate de corte pequeno
Alicate de pontas chatas
3. Retire conclusões do trabalho realizado.
   v

ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Conteúdo: Este livro desenvolve os conteúdos curriculares do módulo Elementos de Má-


quinas, correspondentes ao Ciclo Formativo de Mecatrónica Industrial. Descreve sistemas
de transmissão de energia, fixação, rolamento e guia e elementos de vedação, tratando
também de aspetos relacionados ao projeto, fabricação e montagem de elementos da
máquina. Posteriormente, concentra-se nos materiais utilizados nos elementos da máqui-
31,75 € na, na determinação das suas propriedades, bem como na sua modificação através de
processos (por exemplo, tratamentos térmicos de aço).
Autor: Javier Domínguez Equiza Índice: Sistemas de transmisión. Sistemas de transformación del movimento. Sistemas de
&EJUPSB.BSDPNCPt&EJÎÍP
apoyo y guiado. Sistemas y elementos de unión. Lubricantes, lubricación y elementos de es-
*4#/t/¡EF1ÈHJOBT
-ÓOHVB&TQBOIPMt7FOEBonline em tanqueidade. Tolerancias dimensionales y ajustes. Tolerancias geométricas. Calidad superfi-
www.engebook.com
cial. Soluciones constructivas. Propiedades de los materiales. Materiales para elementos de
máquinas. Tratamientos térmicos y superficiales del acero. Resistencia de materiales. Par y
potencia. Selección de motores.

CIRCUITOS LÓGICOS DIGITALES

Conteúdo: Este livro contém uma série de casos de estudo sobre desenho lógico digital,
apresentados passo a passo em capítulos desenvolvidos como sessões práticas. Recorre
210
126

ao software PSpice como ferramenta para analisar e testar os diferentes circuitos lógicos
em ambiente de simulação. Todos os capítulos são acompanhados por uma secção final,
destinada à verificação no laboratório de ensino da operação correta dos projetos propos-
electrónica 07
3.º Trimestre de 2017

23,21€ tos por meio de montagens experimentais feitas em placas de protótipo.


Índice: Primeira parte - Caraterísticas más relevantes de las familias lógicas TTL y CMOS;
Autor: Javier Vázquez Del Real
Contacto con dispositivos digitales integrados através de montajes experimentales. Se-
&EJUPSB.BSDPNCPt&EJÎÍP gunda parte - Cuestiones de diseño digital; Lógica combinacional; Diferentes tipos de
*4#/t/¡EF1ÈHJOBT
-ÓOHVB&TQBOIPMt7FOEBonline em
puertas lógicas; Lógica combinacional modular. Tercera parte - Dispositivos bajo estúdio;
www.engebook.com Circuitos y sistemas digitales propios de la lógica secuencial; Peculiaridades de los circuitos
secuenciales asíncronos.

MF0221_2 - INSTALACIÓN Y CONFIGURACIÓN DE APLICACIONES


INFORMÁTICAS

Conteúdo: Através deste livro, será possível aprender a interpretar a informação relativa à
configuração dos equipamentos informáticos para determinar a adequada instalação de
aplicações, e a instalar, configurar e atualizar as aplicações informáticas e corporativas, fa-
cilitando também o seu uso face à assistência técnica. O livro também é complementado
19,08 € com atividades práticas e de autoavaliação.
Índice: Recursos y componentes de un sistema informático. Requisitos del sistema exigi-
Autor: José Venancio Talledo San Miguel dos por las aplicaciones informáticas. Tipos de licencia de software. Instalación de aplica-
&EJUPSB1"3"/*/'0t&EJÎÍP
ciones informáticas. Diagnóstico y resolución de averías software. Instalación y configura-
*4#/t/¡EF1ÈHJOBT
-ÓOHVB&TQBOIPMt7FOEBonline em ción del software antivírus.
www.engebook.com
nota técnica 128

fim de um ciclo:
termina
Josué Morais, Diretor Técnico
a ANIIE/Certiel
Foi publicado o Decreto-Lei n.º 96/2017 de 10 de agosto, que entra em vigor a 1 de janeiro
de 2018.
Este diploma é subsequente à Lei n.º 14/2015 de 16 de fevereiro que veio regular os re-
TXLVLWRVGHDFHVVRHH[HUF¯FLRGDDWLYLGDGHHPWHUULWµULRQDFLRQDOGDVHQWLGDGHVSURͤVVLRQDLV
nota técnica ligadas ao setor.
128 ͤPGHXPFLFORWHUPLQDD$1,,(&HUWLHO No objeto e âmbito de aplicação deste novo Decreto-Lei n.º 96/2017 pode ler-se que
“estabelece a disciplina das instalações elétricas de serviço particular alimentadas pela rede
case-study elétrica de serviço público (RESP) em Média, Alta, ou em Baixa Tensão, e das instalações com
129 redução da potência contratada de uma SURGX©¥RSUµSULDGHFDU£WHUWHPSRU£ULRRXLWLQHUDQWHGHVHJXUDQ©DRXGHVRFRUURHGHͤQHR
LQVWDOD©¥RIDEULODOLPHQWDGDHP07 sistema de controlo, supervisão e regulação das atividades a elas associadas”.
caso de estudo real Entre outras disposições, a Certiel, enquanto Associação Inspetora de Instalações Elé-
133 armaduras ATEX da TECHNED Benelux tricas (ANIIE) deixa de existir aquando da entrada em vigor deste novo Decreto Lei a 1 de
135 solução integrada de software Janeiro de 2018, e ainda um facto há muito reclamado pelas ordens dos engenheiros é que
GLVSRQLELOL]DPDLRUHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFD agora se “elimina a formalidade da aprovação do projeto e das taxas administrativas associa-
na Docapesca das a esta formalidade”. Ou seja, os projetistas assumem a responsabilidade pelos projetos
executados sem ter de os submeter a qualquer tipo de análise técnica ou outra.
informação técnico-comercial Relativamente à exigência de projeto, este será obrigatório para todos os tipos de insta-
137 a ABB leva a experiência smart home lações, exceto para instalações do Tipo A (se de Socorro ou de Segurança ou que alimentem
para novas alturas com soluções Amazon Estaleiros de Obras) e ainda do Tipo C, em ambos os casos até de 41,4 kVA. De referir que a
e Sonos potência de 41,4 kVA que isenta da apresentação de projeto será calculada, apenas para este
139 0 0(QJHQKDULDSODWDIRUPD(3/$1 efeito, sem recurso aos fatores de simultaneidade apresentados nas RTIEBT para edifícios
já disponível de habitação.
141 2PLFURQSRGHURVRSHVDGRHYROXPRVR" A partir da entada em vigor deste novo diploma, aligeiram-se os procedimentos para en-
145 70$FRPDQGRVU£GLR$%,7521 trada em exploração das instalações elétricas do tipo A até 100 kVA, e do tipo C temporárias
149 70(5LYHUGLIDP¯OLDGHFRQWURODGRUHV ou em locais residenciais até 10,35 kVA.
de ecrãs FT8xx Para outras instalações elétricas do tipo C (acima dos 10,35 kVA), a entrada em explora-
ção carece de Declaração de Inspeção emitida por uma Entidade Inspetora de Instalações
formação (O«WULFDV (,,(/ VHQGRD'*(*DDWULEXLUR&HUWLͤFDGRGH([SORUD©¥RGDLQVWDOD©¥RHO«WULFD
151 entrada estabelecida a partir de uma No que diz respeito à necessidade de Técnico Responsável pela Exploração de insta-
instalação coletiva (2.ª Parte) OD©·HV HO«WULFDV WDPE«P H[LVWHP DOWHUD©·HV VLJQLͤFDWLYDV VHQGR DJRUD PDLRU R Q¼PHUR H
tipologia de instalações que carecem de Técnico Responsável para a exploração. De referir
ITED que nos casos em que a existência de Técnico Responsável pela Exploração seja obrigatória,
157 importância do sistema de terra nas ITED aquele terá de comparecer também no ato de inspeção quando esta for exigível e realizada.
As competências que a Certiel possuía bem como toda a informação acumulada relativa
159 consultório técnico às instalações elétricas do Tipo C passam para a DGEG.
Durante quase duas décadas a Certiel exerceu um papel fundamental e relevante para a
regulação do setor e para segurança das instalações elétricas em Portugal. Na sua vigên-
FLDIRLLPSOHPHQWDGDWRGDXPDHVWUXWXUDTXHDO«PGHJHULUD&HUWLͤFD©¥RGDV,QVWDOD©·HV
elétricas com a segurança e a qualidade que lhes é exigida, promoveu evolução no setor
com a promoção de formação aos técnicos responsáveis através de seminários e com a
divulgação de informação técnica relevante. Há claramente um antes e um depois da Certiel
em Portugal, sem o que a evolução legislativa mais responsabilizante que agora se promove
GLͤFLOPHQWHVHULDSRVV¯YHOLPSOHPHQWDU2VHWRUGDVLQVWDOD©·HVHO«WULFDVPRGHUQL]RXVHHR
papel que a Certiel teve foi fundamental.
Espera-se agora a criação e implementação da plataforma do Serviço de Registo das
Instalações Elétricas de Serviço Particular, SRIESP, por parte da DGEG, para que os procedi-
mentos administrativos e burocráticos desta nova legislação possam ser levados a efeito.

www.oelectricista.pt o electricista 61
129 case-study

redução da potência
contratada de uma instalação
fabril alimentada em MT:
caso de estudo real
António Rafael Bessa1, José Eduardo Neves dos Santos2
1
Engenheiro Eletrotécnico, recém-formado na FEUP, ee12164@fe.up.pt
2
Professor auxiliar, DEEC, FEUP, jns@fe.up.pt

1. INTRODUÇÃO Ou seja, a potência instalada é superior à realmente necessária, o


A realidade mostra que, não raras vezes, a potência instalada em ins- que se traduz num encargo desnecessário com o termo da potência
talações alimentadas em Média Tensão (MT) é superior à realmente contratada, na fatura de eletricidade.
necessária. Isto traduz-se num encargo desnecessário, relativo ao ter-
mo da potência contratada da fatura de eletricidade. Tabela 1. Potência tomada versus potência contratada da instalação fabril.
$TXHODUHDOLGDGHSRGHWHURULJHPQRVVHJXLQWHVIDWRUHVVREUHGL-
mensionamento da instalação em fase de projeto; substituição dos Mês
Potência tomada Potência contratada
(kW) (kW)
HTXLSDPHQWRVHO«WULFRVSRURXWURVPDLVHͤFLHQWHVLPSOHPHQWD©¥RGH
Janeiro 621 815
PHGLGDVGHHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDUHGX©¥RGDDWLYLGDGHLQGXVWULDO
Fevereiro 652 815
Recorde-se que, segundo o Artigo 247º – ponto 4, do RRC
Março 624 815
(Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico) [1], nas
Abril 595 815
instalações alimentadas em BTE (Baixa Tensão Especial) ou tensão
Maio 571 815
superior, a potência contratada é atualizada para o máximo valor da
Junho 567 815
SRW¬QFLD WRPDGD RFRUULGD QRV ¼OWLPRV  PHVHV LQFOXLQGR R P¬V D Julho 518 815
que a fatura respeita), sendo que a potência tomada é o maior valor da Agosto 521 815
potência ativa média, registado em qualquer período ininterrupto de 15 Setembro 647 815
minutos, durante todo o período de faturação. Por outro lado, no pon- Outubro 641 815
to 3 do mesmo artigo, é dito que, no caso particular das instalações Novembro 619 815
abastecidas em MT ou tensão superior, a potência contratada, em kW, Dezembro 577 815
não pode ser inferior a metade (50%) da potência instalada, em kVA.
No presente artigo é apresentado um estudo, desenvolvido em
ambiente real (instalação industrial), visando adequar a potência con- Com base nos valores apresentados na Tabela 1, seria possível reduzir
tratada aos consumos atuais da instalação fabril em análise. O estudo a potência contratada em cerca de 160 kW (a diferença mínima entre a
consiste, essencialmente, numa avaliação sobre o custo-benefício do potência tomada e contratada foi cerca de 163 kW, em fevereiro). Esta
investimento na construção de uma nova ligação em Baixa Tensão redução na potência contratada, a ser feita, implicaria uma poupança
(BT) versus a poupança na redução do encargo relativo à potência anual de, aproximadamente, 2852 € (Expressão (1)).
contratada.
A instalação fabril em causa é alimentada em MT, tendo três Postos Poupança anual = 365 dias × 0,048831 €/kW × 160 kW 2852€ [1]
de Transformação (PTs) privativos (PT1- 630 kVA; PT2- 500 kVA; PT3-
500 kVA) – dois integrados no edifício fabril, em área apropriada, e Na expressão considerou-se o valor da tarifa da potência contratada
um outro localizado na área exterior do edifício fabril. Portanto, esta igual a 0,048831 €/kW [2].
instalação tem uma potência instalada de 1630 kVA, e um contrato Infelizmente, a potência contratada só poderá ser reduzida, caso se
de fornecimento de energia elétrica com uma potência contratada de proceda à redução da potência instalada na instalação fabril (medida
815 kW. pela soma das potências nominais dos transformadores instalados).
$VVLP MXVWLͤFDVH SDUD HVWH FDVR D UHDOL]D©¥R GH XPD DQ£OLVH
sobre a eventual desativação de um dos PTs da instalação. Isso per-
2. CARATERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO ATUAL mitiria reduzir a potência instalada, com a consequente redução da
EM TERMOS DA POTÊNCIA CONTRATADA potência contratada.
Na Tabela 1 estão registados os valores da potência tomada e da po- No caso em apreço foi selecionado o PT3, como candidato à desa-
tência contratada, relativos ao ano 2016, para a instalação em causa. tivação, tendo em conta a sua localização favorável e a sua potência.
Da análise da tabela, constata-se que, ao longo de todo o ano de
referência (2016), o valor da potência contratada foi bastante superior
ao da potência tomada (nalguns casos com diferenças superiores a 3. DESATIVAÇÃO DE POSTO DE TRANSFORMAÇÃO:
200 kW). A razão para esta diferença de valores reside no facto da ESTUDO TÉCNICO-ECONÓMICO
potência contratada não poder ser inferior a 815 kW (50% da potência Na Figura 1 apresenta-se o esquema elétrico (primeiro nível) da insta-
instalada). lação elétrica em causa.

www.oelectricista.pt o electricista 61
case-study 130

Figura 1. Esquema da instalação elétrica.


Figura 4.3HUͤOGDSRW¬QFLDDSDUHQWHFRQVXPLGDQR4*%7
3.1. Viabilidade técnica de desativação do PT3
Para implementar a desativação do PT3, será necessário transferir Quanto ao transformador 2, naturalmente que não é candidato a “ab-
as cargas alimentadas por este, para um dos outros PTs. Isto só será sorver̹DFDUJDGRWUDQVIRUPDGRUWHQGRHPFRQWDDTXHOHVQ¼PHURV
possível se o PT1 e/ou o PT2 tiverem capacidade (potência disponível) Note-se que, caso se proceda à transferência de carga referida,
para tal. Para essa avaliação, foi necessário caracterizar os diagramas KDYHU£ XPD YDQWDJHP VXSOHPHQWDU R WUDQVIRUPDGRU UHFHWRU 37 
de carga desagregados (por PT). Para o efeito, foram medidos os con- funcionará mais próximo da zona de rendimento máximo.
sumos reais de cada PT (em Baixa Tensão). Como resultado desse Entretanto, para ser possível realizar a transferência de carga em
H[HUF¯FLRIRLSRVV¯YHOFKHJDUDRVSHUͤVGHSRW¬QFLDDSDUHQWHFRQVXPL- causa, será necessário efetuar uma nova ligação em baixa tensão, li-
da mostrados nas Figuras 2, 3 e 4. gando o PT1 (QGBT1) ao PT3 (QGBT3) – Figura 5.

Figura 2.3HUͤOGDSRW¬QFLDDSDUHQWHFRQVXPLGDQR4*%7
Figura 5.(VTXHPDGDLQVWDOD©¥RHO«WULFDDSµVGHVDWLYD©¥RGRWUDQVIRUPDGRU Q¯YHO 

3.2. Dimensionamento da nova canalização elétrica


Para o dimensionamento da canalização elétrica a instalar (ligação a
YHUGHQD)LJXUD DGPLWLXVHRVHJXLQWHFHQ£ULR
• Cabo LSVV;
• 0RGRGHLQVWDOD©¥RFDPLQKRGHFDERVSHUIXUDGRVHQGRTXHXPDSDU-
te (relativamente pequena) do cabo terá que ser enterrado e entubado;
• Comprimento de, aproximadamente, 120 m;
• Temperatura ambiente de 30ºC;
• Potência aparente máxima de 120 kVA, o que corresponderá a uma
corrente de serviço, IB , de 173,2 A.

Como resultado do dimensionamento que foi efetuado (cumprindo


Figura 3. 3HUͤOGDSRW¬QFLDDSDUHQWHFRQVXPLGDQR4*%7 WRGDV DV FRQGL©·HV UHJXODPHQWDUHV DTXHFLPHQWR SURWH©¥R FRQWUD
sobrecargas, queda de tensão e proteção contra curto-circuitos), che-
2SHUͤOGDSRW¬QFLDDSDUHQWHGR37 )LJXUD DSUHVHQWDXPSLFRGH JRXVH¢VHJXLQWHVROX©¥R
consumo de, cerca de, 174 kVA (27% da potência nominal do transfor- • Cabo LSVV 4x185 mm2;
mador 1). Quanto ao PT2 (Figura 3), este apresenta um pico de con- • Protegido por fusíveis, In =250A (calibre).
sumo de 345 kVA (69% da potência nominal do transformador 2). No
caso do PT3 (Figura 4), este apresenta um pico de consumo de, apro- 6HULDLQWHUHVVDQWHLQFOXLUDTXLDMXVWLͤFD©¥RGRGLPHQVLRQDPHQWRGD
ximadamente, 104 kVA (21% da potência nominal do transformador 3). QRYDFDQDOL]D©¥RFRQWXGRWDOQ¥RVHDͤJXUDSRVV¯YHOWHQGRHPFRQWD
(VWHVQ¼PHURVSHUPLWHPFRQFOXLUTXHDWXDOPHQWHRWUDQVIRUPD- a limitação de espaço de um artigo desta natureza…
dor 1 e o transformador 3, se encontram a funcionar com regimes de
carga bastante baixos, pelo que, à partida, será possível transferir as 3.3. Análise económica
cargas alimentadas pelo PT3, para o PT1, sem risco de colocar este Estando garantida a viabilidade técnica da alteração da instala-
¼OWLPRHPVREUHFDUJD ção elétrica (ligação a verde na Figura 5) em análise, o interesse em

www.oelectricista.pt o electricista 61
131 case-study

implementar, ou não, a mesma, será ditado (exclusivamente) por cri- 1HVWD H[SUHVV¥R R YDORU GH  ƃ FRUUHVSRQGH ¢ UHVLVW¬QFLD GR
W«ULRVHFRQµPLFRVGHXPODGRV¥RFRQWDELOL]DGRVRVHQFDUJRVDVVR- cabo (a instalar), à temperatura de funcionamento.
ciados à nova ligação em BT (aquisição do cabo elétrico, das prote- Os encargos anuais, associados a esta potência de perdas, podem
ções e de outros materiais, e montagem do conjunto); do outro lado, VHUFDOFXODGRVSHOD([SUHVV¥R  
contabiliza-se a poupança anual associada à redução da potência
0,123€ 709 W
contratada (valor de, aproximadamente, 2852€ - expressão (1)). Como Custoperdas = × 6048 h × 527€ [3]
kWh 1000
se pretende uma análise credível, são também incluídos, do lado dos
encargos anuais, a energia de perdas na nova ligação BT, as quais não 1HVWDH[SUHVV¥RIRUDPWLGRVHPFRQWDRVVHJXLQWHVDVSHWRV
existem na solução atual. • Custo da energia ativa = 0,123€/kWh;
• Período de funcionamento
3.3.1. Investimento inicial (estimativa)  Q¼PHURGHKRUDVGHFDUJDGRFDER  K
Na Tabela 2, apresenta-se uma estimativa dos encargos associados à
construção da nova ligação entre o QGBT1 e o QGBT3 (encargos com Entrando, então, em conta com o custo das perdas, teremos uma pou-
a aquisição de equipamentos/materiais). SDQ©DDQXDOHIHWLYDGH͍̰([SUHVV¥R  

Tabela 2. Estimativa do investimento inicial: encargos associados à construção da nova Poupança anual = 2852€ – 527€ = 2325€ [4]
OLJD©¥RHP%7
3.3.3. Análise económica
Equipamento/Material Quantidade Preço Unitário Custo Total A análise económica foi feita para um horizonte temporal de 10 anos,
Cabo LSVV 4x185 mm2 120 m 17189,50€/km 2537,17€ considerando uma taxa de atualização de 1%. Na Tabela 3, estão re-
Fusível NH1 gG 3x250 A 3 un 6,20€/un 22,89€ gistados os valores dos indicadores económicos habituais – Valor
Seccionador Porta Fusíveis
1 un 237,34€/un 291,81€ Atual Líquido (VAL), Taxa Interna de Rentabilidade (TIR), Período de
3x250 A
Caminho de cabos
Recuperação do Investimento (PRI) – para aquele cenário.
90 m 4,28€/m 385,58€
perfurados 75x50 mm
Tubo corrugado PEAD 100 mm 25 m 2,10€/m 64,50€ Tabela 3. Resultados da análise económica.
Investimento Inicial 3302€
Investimento Poupança (€/ PRI
VAL TIR
6¥RGHYLGDVDVVHJXLQWHVFRQVLGHUD©·HV Inicial ano) (anos)
• Não foi considerado, no investimento inicial, o custo com a mão- 3302€ 2325€ 16719€ 70,09% 1,5
de-obra necessária à realização da alteração, pois o mesmo é de
difícil avaliação; 3HUDQWHRVQ¼PHURVLQVFULWRVQD7DEHODFRQFOXLVHTXHDGHVDWLYD-
• A razão foi que, esse valor poderá ser muito mitigado pelo facto de ção do PT3 é economicamente viável. De facto, com um investimento
a alteração poder ser realizada, a baixo custo (residual), ocupando estimado de 3302€, na construção da nova ligação BT, é possível ter
o próprio pessoal especializado da empresa; uma poupança anual de 2325€, ocorrendo o retorno do investimento
• Todavia, aquela omissão não retira credibilidade ao estudo, tendo em apenas um ano e meio.
em conta que, em jeito de compensação, o estudo se baseia nos
pressupostos referidos de seguida;
• Os preços de material considerados na Tabela 2, são preços de 4. CONCLUSÕES
catálogo, ou seja, seguramente, inflacionados face ao que seria O estudo apresentado revelou que a desativação do PT3 permitiria
possível de negociar em situação concreta; adequar a potência contratada, aos consumos reais atuais, da insta-
• Não foi considerado o (eventual) benefício resultante da venda do lação fabril em análise. Esta medida, a ser implementada, teria como
transformador desativado (transformador 3). consequência, uma redução de 2325€/ano na fatura de eletricidade,
com um investimento inicial recuperado em pouco tempo. Note-se
Assim, considera-se que a estimativa do investimento Inicial é justa, que, aquela medida, para além da poupança gerada, permitiria, em
como convém para a credibilidade de um estudo deste tipo. acréscimo, evitar encargos futuros com a manutenção do transfor-
mador a desativar.
3.3.2. Poupança anual Com este artigo pretendeu-se – com recurso a um caso real –
Como já foi referido, a poupança decorrente da desativação do ilustrar o benefício económico da redução da potência instalada, de
transformador 3, será devida à redução dos encargos com o termo uma instalação que se apresente, notoriamente, sobredimensionada.
da potência contratada da fatura de eletricidade – 2852€, conforme A realidade aqui retratada não constituirá, certamente, um caso
Expressão (1). isolado, no panorama industrial do país. Estudos como o apresentado
Contudo, a construção da nova ligação em BT provocará um en- no presente artigo, poderiam, e deveriam, ser incluídos, de forma mais
cargo anual adicional, proveniente da energia de perdas, que antes não sistemática, nas tradicionais auditorias energéticas, pois conduziriam
existia. Assim, em rigor, será necessário deduzir este custo à poupan- FRPJUDQGHSUREDELOLGDGH HPDOJXPDV PXLWDV" VLWXD©·HVDLQWH-
ça calculada pela Expressão (1). ressantes ganhos económicos.
Para o efeito, foi necessário calcular – para o diagrama de carga da
Figura 4 – o valor da corrente média quadrática, IMQ , na nova canalização
(a construir), tendo sido obtido o valor de 100,46 A. Recorde-se que a 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
corrente média quadrática, corresponde ao valor da corrente, suposta • RRC – Regulamento de Relações Comerciais do Setor Elétrico,
contante ao longo do período em análise, que provocaria a mesma ener- ERSE, Dezembro 2014;
gia de perdas, que uma corrente de valor variável ao longo do tempo [3]. • ERSE, Tarifas de Acesso à Redes 2017, http://www.erse.pt/pt/elec-
Deste modo, a potência de perdas na nova canalização pode ser tricidade/tarifaseprecos/2017/Documents/TAcesso/PrecosAces-
FDOFXODGDSHOD([SUHVV¥R   so_2017.pdf¼OWLPRDFHVVRHPGHMXOKRGH
• SARAIVA, João Paulo Tomé, “Dimensionamento e Proteção de Ca-
Potência de perdas ™ƃ™ $ 2 709 W [2] nalizações Elétricas em Baixa Tensão”, FEUP – DEEC, Porto, 2000.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
133 case-study

armaduras ATEX
da TECHNED Benelux Palissy Galvani

Armaduras ATEX e industriais com 10 anos


de garantia, sem manutenção, sem troca de
lâmpadas, da TECHNED Benelux.

O que leva os responsáveis técnicos de grandes unidades industriais


na área química, petrolífera (in e offshore), de tratamento de águas, de
produção de rações e outras, a dar o seu contacto e disponibilizar-se a
responder pessoalmente a colegas de qualquer parte do mundo, como
UHIHU¬QFLDGHXPDLQVWDOD©¥RGHLOXPLQD©¥R"
A grande satisfação com a solução encontrada e a constatação de
TXHFRQVHJXLUDPUHVROYHUHͤFD]PHQWHXPSUREOHPDWUD]HQGRJUDQ-
des benefícios à empresa e à produtividade.
6µQD6KHOO1HGHUODQG5HͤQHU\HP5RWWHUGDPK£DUPDGXUDV
TNAML instaladas e mais cerca de 500 unidades na Shell Nederland
Chemicals, em Moerdijk. Isto desde há oito anos.
Na Wintershall Noordzee BV, em plataformas offshore, as ar-
maduras estão há sete anos a funcionar e não mostram sinais de
degradação.
Então o que torna estas armaduras fluorescentes ATEX tão mais É claro que para isso é necessário ter pensado na gestão térmica, no
resistentes e mais adequadas a ambientes agressivos que as normais LQWHULRUGDDUPDGXUD0DVDV71$0/W¬PXPVLVWHPDVRͤVWLFDGRGH
GHSROLFDUERQDWR" arrefecimento para o balastro, que lhe permite, mesmo a temperaturas
$ HͤFL¬QFLD SRU H[HPSOR $V DUPDGXUDV GD V«ULH 71$0/ W¬P ambientes de 50ºC, ter um tempo de vida estimado de 100 000 horas.
XP IOX[R OXPLQRVR PXLWR HOHYDGR TXH SHUPLWH UHGX]LU R Q¼PHUR GH Em armaduras fluorescentes “normais”, nestas mesmas condições,
armaduras numa instalação – esta redução, dependendo da aplica- este tempo pode ser encurtado para 25 000 horas.
ção, pode atingir os 25% ou 30%, correspondentes a luminárias, mas (TXDQWRDFXVWRV"
também a tempo de instalação, cablagem, caixas de junção, entre Feito por engenheiros para engenheiros, foram pensados porme-
outros. QRUHV TXH QRUPDOPHQWH V¥R HVTXHFLGRV 2 VLVWHPD GH ͤ[D©¥R TXH
(VWD HͤFL¬QFLD « FRQVLVWHQWH QR WHPSR M£ TXH R GLIXVRU GDV pode ser ajustado numa barra incorporada na estrutura, permite redu-
TNAML é de vidro de alto impacto. Nas armaduras com difusores zir o tempo de instalação em três ou quatro vezes.
de policarbonato a intensidade de luz vai reduzindo rapidamente (até O facto de não haver troca de lâmpadas, um custo escondido que,
50% em cinco anos), devido à acumulação de sujidade, à descolora- conforme o tipo de instalação e se a troca for feita em manutenção
ção pelos UV ou pela captura de humidade com poeiras na própria planeada ou não, pode ter um impacto muito importante nos custos
estrutura molecular. de operacionalidade.
Poeiras e humidade, sobretudo quando é salina e poluída, têm efei- Resumindo, as vantagens de se ter uma garantia operacional de 10
tos devastadores nos componentes das luminárias. Mas as TNAML anos, sabendo que a qualidade de luz não se vai degradar – a TNAML
são seladas “para a vida”. Não há redução no tempo de vida pelo efeito garante que mesmo após 90% do seu tempo estimado de vida ainda
de “respiração”. fornece 90% do valor de fluxo luminoso inicial.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
Poderá ver no site da Techned Benelux, ou no site da
3DOLVV\*DOYDQLDVFDUWDVGHUHIHU¬QFLDGRVFOLHQWHV71$0/
VDWLVIHLWRVZZZWHFKQHGEHQHOX[QORXZZZSDOLVV\JDOYDQLSW
Reproduzimos abaixo uma dessas cartas, datada de ja-
QHLURGH

ILUMINAÇÃO DA TECHNOR BENELUX


“A fábrica de peróxido da Kemira em Europoort (Roterdão,
Holanda) foi construída em 1990. Durante a construção,
foi decidido utilizar os tradicionais aparelhos de ilumina-
ção à prova de explosão com os bem conhecidos difuso-
res de policarbonato.
As lâmpadas fluorescentes defeituosas eram subs-
tituídas pelos operadores de produção até há alguns
anos atrás, sempre que havia algum tempo livre. Devido
à multiplicação de tarefas, o tempo disponível começou
a ser menos e foi decidido subcontratar essa função.
2WHPSRGHYLGDW«FQLFDGDVOXPLQ£ULDVHVWDYDQRͤP
e o fluxo luminoso era muito baixo como resultado da
descoloração dos difusores de policarbonato. Os obje-
tivos da Kemira eram substituir as armaduras de ilumi-
nação por outras de fácil manutenção e com cone de luz
VXͤFLHQWH
Por coincidência entrei em contato com a Technor
Benelux. Esta empresa fabrica um aparelho de ilumi-
nação sem necessidade de manutenção com um fluxo
luminoso quase constante durante o tempo de vida útil.
Charles Boekhout, gerente de conta da Technor
Benelux, demonstrou esta luminária e ofereceu
20 TNAML® 2x36W.
Durante o outono de 2012 instalamos estas lumi-
nárias num dos pisos. As luminárias são muito rapida-
mente instaladas em caso de substituição ou durante o
desenvolvimento/expansão em novos edifícios. Usando
a caixa de ligação em ambos os lados da luminária pode
fazer-se uma instalação de arraial em série, sem mais
cablagens, pois isso já vem previsto na armadura. Os
suportes de montagem ajustáveis encaixam sempre,
tornando obsoletos os adaptadores difíceis e/ou os su-
portes adicionais.
A Technor Benelux oferece uma garantia de 10 anos
nestas luminárias sem manutenção (as lâmpadas fluo-
rescentes não precisam de ser substituídas), o que se
transforma numa enorme economia para a Kemira em
custos de manutenção.
Reação do instalador: ‘Nunca substituí uma armadu-
ra de iluminação tão rápido e tão facilmente!’.
Reação de um operador de produção: ‘alguém adi-
cionou luminárias aqui? Há imensa luz!’
Em 2013, a Kemira continuará a instalar estas lumi-
Q£ULDVQRXWURDQGDUGDI£EULFDTXH«WDPE«PFODVVLͤFD-
do como área de risco. Depois disso, a Kemira pretende
adotar as luminárias Technor Benelux para as áreas não
perigosas também.
Como responsável pela manutenção, projetos e
instalações de E&I, tenho o prazer de dizer que as lu-
minárias da Technor Benelux respondem aos objetivos
estabelecidos pela Kemira”.

Palissy Galvani, Electricidade, S.A.


7HOy)D[
LQIR#SDOLVV\JDOYDQLSWyZZZSDOLVV\JDOYDQLSW
135 case-study

solução integrada de software


disponibiliza maior eficiência
energética na Docapesca
Rui Queiroga
Buildings VP
Schneider Electric

A Docapesca - Portos e parceria com a Schneider Electric, um projeto “O novo sistema de medição
Lotas, S.A. é uma sociedade GHVDͤDQWHSHODLQFRUSRUD©¥RGHXPFRQMXQWR automática e contínua
anónima, de capitais de equipamentos descentralizados, em loca- utiliza painéis de energia
exclusivamente públicos, que lizações distintas – onde a convergência da dinâmica para exibir
integra o setor empresarial visão da Schneider Electric e da Docapesca informações operacionais
do Estado. A sua missão na prestação de um serviço de excelência e de consumo de energia.
é prestar, no continente (com uma forte componente de inovação, ri- Através de gráficos, tabelas
português, o serviço público gor e atenção para a preservação do ambien- e widgets, os sistemas
da primeira venda de te e responsabilidade social) foi o mote para o de automação e controlo
pescado em lota e atividades seu desenvolvimento. oferecem uma contribuição
conexas, bem como mais eficaz para a
administrar os portos de eficiência energética global
pesca e marinas de recreio. PRIMEIRAS NECESSIDADES dos edifícios a longo prazo.”
A seu cargo tem, ainda, IDENTIFICADAS
as funções de autoridade Primeiramente, efetuou-se a devida moni-
portuária, nas áreas sob sua torização energética, bem como a monito-
jurisdição. rização de alarmística de UPS (Unidades de Foi ainda, instalado um sistema modu-
$OLPHQWD©¥R ,QLQWHUUXSWD  3RU ͤP LGHQWLͤ- lar, com potencial para crescer de acordo
cou-se a tarefa obrigatória de desenvolver com a necessidade de novos equipamentos
Um dos objetivos estratégicos da empresa é um controlo local e remoto de iluminação. a serem instalados para um maior detalhe
a promoção da sustentabilidade ambiental, O objetivo principal destas ações con- H GHVDJUHJD©¥R GH FRQVXPRV 3RU ͤP IR-
através da implementação de boas práticas e sistiu nos acessos remotos aos consu- ram integrados outros vetores energéticos,
da introdução de novas tecnologias que per- mos de energia nas diversas instalações da ou com implicações ao nível dos consumos
mitam a redução dos consumos de energia. Docapesca, através da recolha e tratamen- energéticos (água, temperatura, humidade, ar
$VVLP FRP R LQWXLWR GH SURPRYHU D Hͤ- to de dados de consumo dos analisadores comprimido).
ciência energética nas suas principais in- de energia elétrica instalados nos referidos A solução implementada permite traçar
fraestruturas, a Docapesca desenvolveu uma locais. RVSHUͤVGHFDUJDFRQVXPRVDRORQJRGH
horas, sete dias por semana, e deste modo
sensibilizar os utilizadores sobre os consu-
mos em cada local de utilização de energia.
Ao mesmo tempo, aloca os custos energéti-
cos a cada setor, extrai relatórios que permi-
tam tomar ações corretivas com vista a uma
melhor exploração e manutenção dos equi-
pamentos e instalações, e efetiva e segue a
HYROX©¥RGHHYHQWXDLVPHGLGDVGH(ͤFL¬QFLD
Energética implementadas, de modo a otimi-
zar os consumos, de acordo com os diversos
regimes de utilização.
No futuro, prevê-se ainda a monitoriza-
ção de alarmes das UPS e do controlo de ilu-
minação em algumas lotas.

GESTÃO DE ENERGIA COM


RESULTADOS POSITIVOS
Através de uma investigação profunda, a
Schneider Electric conseguiu compreender
o contexto organizacional da Docapesca e

www.oelectricista.pt o electricista 61
case-study 136

• Controlo remoto de iluminação através da


SmartStruXure AS;
• Monitorização remota de energia com
PME 8;
• Solução Smart Panel com - Smartlink
(para uma transmissão de dados entre a
rede e os aparelhos e uma ligação adap-
tada e otimizada), EGX300, servidor de
automação, Medidores IEM;
• Monitorização remota da alarmística das
UPS através do StruxureWare Datacenter
Expert Basic.

Este conjunto de soluções permitiu uma me-


OKRULD H LQFUHPHQWR GD HͤFL¬QFLD HQHUJ«WLFD
dos edifícios da Docapesca.
O novo sistema de medição automática
e contínua utiliza painéis de energia dinâmi-
ca para exibir informações operacionais e de
FRQVXPRGHHQHUJLD$WUDY«VGHJU£ͤFRVWD-
belas e widgets, os sistemas de automação
e controlo oferecem uma contribuição mais
apresentar um leque de soluções que bene- promove uma redução de custos e o aumento HͤFD]SDUDDHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDJOREDOGRV
ͤFLDVVHPHDWHQGHVVHP¢VQHFHVVLGDGHVGD GDHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDHPWRGRRSURFHVVR edifícios a longo prazo.
organização. Desta forma, iniciou-se o pro- Esta solução Schneider Electric, em con-
cesso de instalação de um conjunto de ferra- junto com a Docapesca, possibilitou a obser-
mentas de software, que permitiram otimizar YD©¥RGHUHVXOWDGRVHPDLVYDOLDVWDLVFRPR Schneider Electric Portugal
todo o sistema de gestão de energia. • Controlo local de iluminação com con- 7HOy)D[
A Schneider Electric conseguiu imple- sola de diálogo local Magelis com HMI SWDWHQGLPHQWRFOLHQWH#VFKQHLGHUHOHFWULFFRP y
mentar uma solução ampla e segura, que personalizada; ZZZVFKQHLGHUHOHFWULFSW

PUB
137 informação técnico-comercial

a ABB leva a experiência


smart home para novas alturas
com soluções Amazon e Sonos
As principais funções dos sensores ABB-free@home e dos pai-
de automação doméstica néis táteis ABB-free@home. Os utilizadores
do Amazon Alexa poderão ver e criar grupos de altifalantes,
e do sistema de som LQLFLDU LQWHUURPSHU VLOHQFLDU H VDOWDU P¼VL-
wireless da Sonos cas e ajustar o volume, permitindo que eles
melhoram ainda mais LQWHJUHP D VXD P¼VLFD IDYRULWD HP IXQ©·HV
a oferta de smart homes pré-selecionadas.
da ABB AbilityTM Tarak Mehta, Presidente da divisão de
– a ABB-free@home. 3URGXWRV GH (OHWULͤFD©¥R GD $%% DͤUPRX
“Com o ABB-free@home, somos verdadeiros
pioneiros no espaço da smart home, onde a
A ABB, referência no mercado alemão de au- ABB Capability pode trazer os benefícios da
tomação residencial, anunciou colaborações digitalização para os consumidores em todos
com a Amazon e a Sonos, no principal evento os lugares. Abrimos a oportunidade de solu-
de eletrónica de consumo da Europa, o IFA, ções de automação residencial mais aces-
em Berlim. Os consumidores podem con- síveis e mais fáceis. Continuaremos a cola-
trolar até 65 funções, incluindo iluminação, borar com outros líderes para desenvolver a
persianas, segurança e aquecimento com experiência dos nossos clientes numa única
o ABB-free@home num painel de controlo, ¼OWLPDV WHFQRORJLDV SDUD PDLRU FRPRGLGDGH plataforma. Mais de um milhão de unidades
através do tablet ou do smartphone, mesmo – comando de voz via Alexa para ligar as lu- da ABB-free@home foram vendidas desde
remotamente, e as soluções Amazon Alexa zes; atmosfera – controlo do sistema de som 2014. A inovação e a integração são fatores
e Sonos estão agora integradas na mesma HPY£ULDVVDODVHHͤFL¬QFLDHQHUJ«WLFDFRP chave do sucesso para garantir uma interface
plataforma de automação residencial “open LOXPLQD©¥R DTXHFLPHQWR FRQͤJXUD©·HV GH do utilizador com a evolução da funcionalida-
home”. controlo cego. de desenvolvida por várias marcas”.
A ABB está na vanguarda da condução de A integração com o Alexa da Amazon per- Espera-se que o mercado de automação
PHUFDGR FRP R VHX SRUWHIµOLR $%% $ELOLW\͑ mite o controlo de voz até 65 funções dentro residencial cresça para mais de 100 mil mi-
de soluções conetadas e habilitadas para da ABB-free@home, bem como através da lhões de dólares em 2022, de acordo com
software, desenvolvidas para automação de aplicação ou da plataforma online do myABB DQDOLVWDVGDLQG¼VWULD$VVROX©·HVPDLVLQWH-
casas e edifícios numa ampla gama de apli- Living Space. A ABB oferece o seu próprio re- ligentes e de construção da ABB estão numa
cações. A ABB estabeleceu uma parceria curso de ativação de voz para consumidores variedade de aplicações, incluindo casas indi-
com outros líderes de mercado para ofere- que não optam por investir no Alexa. viduais, blocos de apartamentos, hotéis, edi-
cer uma experiência integrada para que os Os altifalantes Sonos podem ser contro- fícios comerciais e locais de entretenimento.
consumidores possam controlar todas as lados a partir da aplicação ABB-free@home, Na Alemanha, nos Países Baixos e na Áustria,
estas ofertas estão disponíveis sob a marca
Busch-Jaeger.
0HKWDFRQFOXL̸Os consumidores querem
funções de smart homes que tornem as suas
vidas mais confortáveis e ajudem a contribuir
para um planeta mais verde. Continuamos a
H[SORUDU RV OLPLWHV H D ,QWHOLJ¬QFLD $UWLͤFLDO
neste espaço, que irá ajudar-nos a dar um
salto quântico, com soluções que antecipam
o funcionamento da casa – desligando as
coisas quando os sensores detetam que o
prédio está vazio; colocando o aquecimento
automaticamente quando o GPS deteta que o
morador está a 15 minutos de casa; e apren-
dendo as nossas preferências relativamente à
iluminação e controlo de som̹b

ABB, S.A.
7HOy)D[
PDUNHWLQJDEE#SWDEEFRPyZZZDEESW

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
139 informação técnico-comercial

plataforma EPLAN 2.7


já disponível
A Indústria 4.0 e a IoT função e os dados do artigo selecionado são
(Internet of Things) oferecem detetadas durante uma seleção de peças, foi
possibilidades fascinantes revisto por completo para esta versão. Com a
na construção de máquinas ajuda da conceção clara do diálogo de confli-
e instalações. No entanto, to, pode agora detetar imediatamente as dife-
o requisito principal é a renças que existem entre os dados na função
digitalização consistente de e na peça, e que resultado deve ser esperado.
todos os processos e dados É eliminada a morosa navegação entre as di-
de engenharia, desde o ferentes placas de registo.
fabrico até ao funcionamento Além das placas de registo Árvore, Lista e
e manutenção. Só assim Combinação, tem agora à disposição a nova
é que as palavras-chave placa de registo Informação no diálogo da
Smart Engineering, Smart gestão de peças, no navegador dos dados
Production e Smart Data PHVWUHVb GDV SH©DV H QD VHOH©¥R GH SH©DV
ganham vida. Nesta placa de registo, são mostradas in- armazenamento local, mas sim disponibiliza-
formações como nome e versão da base de do num servidor EPLAN da web e pode ser
dados das peças atualmente em utilização, sempre aberto online através de uma ligação
É precisamente esta abordagem de digitaliza- R Q¼PHUR GDV SH©DV LQFOX¯GDV R Q¼PHUR GH à Internet. Assim, é possível manter o siste-
ção consistente que a EPLAN procura há mui- fabricantes/fornecedores, modelos de fura- PDGHDMXGDVHPSUHDWXDO$WUDY«VGHͤOWURV
to tempo e, em particular a versão 2.7, com ção, listas de acessórios, entre outras infor- GH SURFXUD H GH VXJHVW·HVb DXWRP£WLFDV GH
as suas inovações. A plataforma EPLAN 2.7 mações. termos de pesquisa, poderá restringir ainda
consegue oferecer recursos inovadores para As páginas e áreas de colocação sem no- mais os resultados da pesquisa e encontrar
todas as áreas funcionais e etapas do pro- mes de macros podem agora ser facilmente precisamente a informação que pretende.
cesso. encontradas por estarem incluídas na exibi- A seleção da língua permite mudar de cada
Não menos importante é a ergonomia, ©¥R HPb £UYRUH PHVPR VHP WHUHP QRPH ‹ página da ajuda, para o equivalente em todas
que facilita o trabalho diário com o EPLAN. também agora possível desenhar caixas de as línguas disponíveis. Com a nova barra de
$JRUDSRGHU£FRQͤJXUDUSRUH[HPSORDVYLV- macro como polígonos. Isso permite que as navegação, poderá saber rapidamente em
tas nos navegadores com propriedades indi- £UHDV HVTXHP£WLFDV VHMDP GHͤQLGDV FRPR que ponto do sistema de ajuda se encontra
viduais, de forma ainda mais nítida e, assim, macros mais rapidamente e dimensionadas no momento.
orientar-se mais fácil e rapidamente, mesmo de forma mais correta. Isto elimina a necessi- A troca de dados interdisciplinar é o foco
em projetos grandes. dade posterior de atribuição de objetos. da nova interface entre a plataforma EPLAN e o
O diálogo Conflito, que é apresentado por A partir desta versão, o sistema de ajuda 3RUWDO7,$GD6LHPHQVFRQFHELGRGHIRUPDVH-
defeito, quando diferenças entre os dados da do EPLAN já não é instalado num meio de gura para o futuro, no formato AutomationML,
FDGDYH]PDLVSURFXUDGRQD,QG¼VWULD
É possível entrar mais rapidamente na
padronização e reutilização na construção
elétrica e de fluidos, assinalando nos proje-
tos existentes as áreas do esquema por linha
P¼OWLSOD H WUDQVIHULQGRDV SDUD D ELEOLRWHFD
de modelos central. Esta biblioteca também
pode servir de modelo para entrar no EPLAN
Cogineer, a nova solução de engenharia para
a criação automática de esquemas.
O EPLAN Preplanning com as novas pos-
sibilidades de criação de diagramas P&I, no-
vas possibilidades de projeção e interfaces
de produção no EPLAN Pro Panel e, “last but
not least”, uma nova versão do EPLAN Smart
Wiring com a nova tecnologia Client Server
são o expoente máximo da inovação da nova
Plataforma EPLAN.

M&M Engenharia Industrial, Lda.


7HOy)D[
LQIR#PPHQJHQKDULDSWyLQIR#HSODQSW
ZZZPPHQJHQKDULDSWyZZZHSODQSW

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
141 informação técnico-comercial

poderoso, pesado e volumoso?


O CMC 430 É A ALTERNATIVA MAIS CONVINCENTE EM MUITOS CASOS
Reinhard Kuntner

Quando os relés de proteção binária foram in- outras interfaces como padrão há muito tem-
troduzidos na década de 1980, o equipamento po. Vários dispositivos, como o CMC 256-6,
de teste baseado em variac usado até então podem ser facilmente adaptados a estes,
era muito pouco preciso e, muitas vezes, não uma vez que a capacidade de ferramentas de
era multi-fase. O equipamento teve então que teste e de análise para serem adaptadas a no-
ser substituído. Os primeiros conjuntos de vos requisitos é essencial para salvaguardar
teste controlados por microprocessador por- o valor de um investimento. As atualizações
tátil e multi-fase para equipamentos secun- Figura 2.2&0&IRLRSULPHLURFRQMXQWRGHWHVWH de hardware e VRIWZDUHͤUPZDUH durante
dários em sistemas de energia elétrica apa- PXOWLIDVHGD20,&521HIRLODQ©DGRHP esse período de desenvolvimento tecnológi-
receram há cerca de 30 anos. Mais tarde, no FR GLQ¤PLFR SHUPLWLUDP TXH D YLGD ¼WLO GRV
início da década de 1990, os primeiros com- conjuntos de teste fosse estendida para 10 a
putadores notebook apareceram, executando 15 anos.
na época o MS-DOS. Estes eram o pré-requi-
sito essencial tanto para comunicação com
sistemas de proteção binária como para con- PEQUENO E LEVE
trolo de equipamentos de teste para calcular Foram feitos esforços deliberados para redu-
as variáveis de teste necessárias, controlar zir sensivelmente o peso, para menos do que
sequências de teste complicadas e resumir o modelo CMC 156 (9.8 kg). O resultado é um
os resultados sob a forma de um relatório de Figura 3.$YHUV¥RFRPSDFWDR&0&FULRXDVXDPDUFD conjunto de teste secundário multi-fase pe-
teste frequentemente muito extenso. HPFRPFHUFDGHNJGHSHVR sando apenas 8.7 kg - atualmente o mais leve
Os transformadores de entrada de cor- do mundo. É de fácil transporte, fácil de usar
rente e de tensão dos relés de proteção bi- e é aceite como bagagem de cabine pelas
nária, geralmente alimentados por bateria, software operado pelo utilizador num PC sem companhias aéreas. Alguns esforços foram
precisariam de muito menos energia do que a exigir nenhum conhecimento de programa- necessários para conseguir isto, por exem-
proteção eletromecânica. Consequentemen- ção. Outra caraterística é a alta precisão da plo, a limitação das saídas atuais para três,
te, estes foram equipados com um grande amplitude, fase, frequência e energia, que R Q¼PHUR GH HQWUDGDV ELQ£ULDVDQDOµJLFDV
Q¼PHURGHGLVSDUDGRUHVELQ£ULRVHFRQWDFWRV permitia que o dispositivo fosse usado para para seis e o foco em aplicações na área de
de alarme, bem como saídas binárias para ͤQVGHFDOLEUD©¥RHVSHFLDOPHQWHSDUDPHGLU Inom = 1A (corrente de teste = 3 x 12.5 A).
funções lógicas. transdutores e medidores. O CMC 56 foi o pri-
O primeiro equipamento de teste multi- meiro conjunto de teste do seu tipo a fornecer
-fase da OMICRON apareceu exatamente ao entradas precisas de medição de pulso e CC PRECISÃO EXTREMA
mesmo tempo que essa mudança tecnoló- com a mesma precisão. Cinco anos depois, A alta precisão é também importante ao tes-
gica, na forma do CMC 56, e refletiu esses a OMICRON apresentou a versão compacta, tar certas funções de proteção, como detetar
desenvolvimentos. Este dispositivo era signi- o CMC 156, que até então pesava menos de falhas à terra ou a direção das falhas perto do
ͤFDWLYDPHQWHPDLVOHYHGRTXHRVFRQMXQWRV 10 kg. O dispositivo estava disponível até 2012 local de instalação. A precisão em relação à
de teste convencionais da altura, por causa HFRQWLQXDDVHUXVDGRSDUDͤQVJHQHUDOLVWDV amplitude, fase, frequência e potência das va-
das entradas e saídas binárias necessárias No entanto, os desenvolvimentos tecnoló- riáveis derivadas (P, Q, S) e energia (Wh, varh)
e, acima de tudo, poderia ser controlado com gicos têm acelerado muito desde o início dos é essencial para a calibração de medidores,
anos 2000. Os desenvolvimentos da comu- transdutores de medição e outros instrumen-
nicação baseada na rede, na proteção e tec- tos de medição. Todos os testes até agora
nologia de controlo de processo (IEC 61850), mostraram que o CMC 430 é mais preciso
em particular, ultrapassaram esses conjun-
tos de teste binários precoces e exigiram a
sua substituição por modelos mais recentes
com interfaces de rede apropriadas, incluin-
do suporte para protocolos e ferramentas
de software especiais para protocolo e aná-
lises de tempo de execução. Os conjuntos de
teste de proteção modernos também devem
suportar acessórios capazes de rede, como
conversores GOOSE ou relógios mestres ba-
seados em PTP.
Figura 1. Como os conjuntos de testes baseados em variacs Os mais recentes conjuntos de teste e Figura 4. A nova classe de conjuntos de teste de proteção
HUDPHPPHDGRVGDG«FDGDGH proteção foram equipados com o Ethernet e «UHSUHVHQWDGDSHOR&0&LQWURGX]LGRHP

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
Figura 5. O design ideal da habitação oferece três possibilidades diferentes
SDUDFRPELQDUTXDOTXHUHVSD©RGLVSRQ¯YHOQRFDPSR

do que todos os modelos CMC anteriores, pelo menos com


XPDIDL[DGHFDUJDGHͤQLGD2VQ¼PHURVͤQDLVVHU¥RSXEOL-
cados no manual, que estará disponível ao mesmo tempo
que as primeiras entregas (agosto de 2017). O tempo interno
do sistema é fornecido por um relógio de quartzo com uma
deriva máxima de apenas 4.6 ppm (0.00046%) em 20 anos.
A frequência e as fases das saídas das variáveis analógicas
e o carimbo de hora para a gravação de sinais binários e
analógicos, por outras palavras, praticamente todos os si-
nais de saída e entrada, usam essa referência. Isso aplica-se
também a qualquer base de tempo externa possível. Isso é
necessário para testes sincronizados ou calibração de ins-
trumentos de medição com uma referência de tempo, como
um PMU (unidade de medição fasorial).

MAIOR ROBUSTEZ E MANIPULAÇÃO


O novo design de habitação interna, com proteção de canto e
borda reforçada e todas as conexões e elementos de contro-
lo montados na frente, coloca em prática o desejo expresso
por muitos clientes. A unidade pode ser usada verticalmente,
lateralmente ou na posição horizontal clássica. Os elemen-
tos de borracha no canto protegem os aparelhos eletrónicos
mais sensíveis contra influências mecânicas, enquanto a
alça integrada substitui a alça giratória típica do passado.
Estamos sempre a receber fotos de conjuntos a serem
usados no campo em condições muito apertadas, às vezes
com a falta de uma mesa de trabalho. As empresas de ser-
viços, em particular, nunca sabem o que as espera no local.

Figura 6. O estojo de transporte inovador não só transporta o dispositivo


e acessórios de forma segura, mas também pode ser usado como uma mesa
de trabalho.
143 informação técnico-comercial

usando o software (QHU/\]HU /LYH $V SRGH- YHULͤFDPRVFDERV‹QHFHVV£ULDXPDFRQH-


rosas funções de medição híbrida (analógico, xão direta para uma ligação Wi-FiFRQͤ£YHOGH
binário, GOOSE e SV) tornam desnecessário longa distância.
outro instrumento, o que também reduz os
custos.
Para aplicações que requerem mais de MEDIÇÕES COM O INSTRUMENTO
seis entradas analógicas/binárias, o ISIO 200 O CMC 430 é compatível com os pacotes de
(módulo de entrada/saída binária com inter- software conhecidos e legados da OMICRON.
face IEC 61850) pode ser conetado ao dis- O software Test Universe 3.20 é usado para
positivo através de uma conexão Ethernet testes e calibração baseados em parâmetros.
FRQͤJXUD©¥R DXWRP£WLFD FRP D IHUUDPHQWD Tarefas mais complexas, como testar siste-
TU ISIO Connect). mas de proteção distribuídos, são facilitadas
Os shunts de medição C-shunt 1 ou consideravelmente por testes baseados em
C-shunt 10 ou uma sonda de corrente (por VLPXOD©¥R FRP 5HOD\6LP7HVW $ DSOLFD©¥R
exemplo, CP 30) são necessários para regis- CMControl P permanece disponível para testes
trar correntes. simples e semi-automáticos, executados num
notebook Windows ou num tablet Android.
Figura 7. O trolley é o meio de transporte ideal para
viagens rápidas; tem a função de mochila, tornando TENSÃO AUXILIAR DE CC
mais fácil o transporte. COM ALTA POTÊNCIA DE SAÍDA OPÇÃO DE MEDIÇÃO
DE CURTO PRAZO ENERLYZER LIVE
Para objetos de teste com altas correntes de $ IHUUDPHQWD GH PHGL©¥R (QHU/\]HU /LYH
SINALIZAÇÃO DE STATUS DE SAÍDA emergência de curto prazo na fonte de CC, a melhora o CMC 430 adicionando poderosas
Os LEDs mostram o status das saídas de vol- saída de tensão auxiliar fornece uma potência funções híbridas de medição, avaliação e gra-
tagem e tensão de atuação e a saída de ten- de aproximadamente 120 W por um período vação. O software integra os dados de medi-
são auxiliar AUX DC. Além disso, o utilizador GHFHUFDGHGRLVVHJXQGRV DͤJXUDGLVSRQ¯- ção das entradas analógicas e binárias e as
SRGH DWLYDU XP VLQDO DF¼VWLFR SDUD LQGLFDU vel permanentemente é de 50 W). Isso é su- entradas virtuais (GOOSEs) e até dois fluxos
os status “Saídas ativas” e “sobrecarga” de ͤFLHQWHSDUDIRUQHFHUTXDOTXHUGLVSRVLWLYRGH de dados (valores de amostra de acordo com
forma audível e visual. O utilizador é avisado proteção se o fornecimento da estação não IEC 61850-9-2). Os valores de dados são gra-
com antecedência da saída iminente de uma estiver disponível. vados continuamente num buffer circular, o
WHQV¥R DX[LOLDU GH && SUHGHͤQLGD SRU  VH- que permite gravações de até cinco minutos
gundos de forma visual e audível. Estes indi- de duração. Os sinais podem ser analisados
cadores oferecem uma melhor visão geral do LIVRE ESCOLHA DE CONEXÃO mesmo quando a gravação está em anda-
progresso do teste. O controlador CMC 430 pode ser conec- mento e peças interessantes podem ser sal-
WDGR SRU ͤR XVDQGR XP FDER (WKHUQHW RX vas como arquivos transitórios (COMTRADE
através de Wi-Fi, embora uma conexão sem IEEE C 37.111-1999).
SEIS TENSÕES ͤRV UHTXHLUD XP DGDSWDGRU Wi-Fi especial
O CMC 430 é o primeiro conjunto de teste de Mini-USB. Este método de controlo oferece OMICRON Technologies España, S.L.
proteção da OMICRON com duas tensões tri- muitas vantagens quando o conjunto de tes- 7HOy)D[
plas completas (6 x 150 V), com todas as saídas te está numa posição exposta ou quando se ZZZRPLFURQDW
com o mesmo “N”. Isto não só permite que a
sobretensão neutra da conexão delta aberta
seja simulada como uma 4.ª voltagem, mas
também os dois sistemas de voltagem comple-
WRV2VGLVSRVLWLYRV6\QFKUR&KHFNRVVLQFUR-
nizadores e os sistemas integrados de proteção
e controlo (por exemplo, SEL 421) com seis en-
tradas de voltagem podem então ser testados
VHPDPSOLͤFDGRUHVGHWHQV¥RDGLFLRQDLV

SEIS ENTRADAS ADICIONAIS


ANALÓGICAS/BINÁRIAS
DESENVOLVIDAS
Seis entradas de medição isoladas entre si
(CAT II-600 V) com uma faixa de medida adi-
cional de 10 mV, uma precisão de medição
aprimorada e maiores taxas de amostra-
gem (10 e 40 kHz) são outras caraterísticas
do CMC 430. Os valores de amostragem dos
canais analógicos estão ligados aos dados
dos canais binários (elétricos ou GOOSE) e
até dois fluxos SV, e continuamente enviados
para o computador de controlo. Os cálcu- Figura 8. A opção de software(QHU/\]HU/LYHDSULPRUDR&0&DGLFLRQDQGRSRGHURVDVIXQ©·HVK¯EULGDVGHPHGL©¥R
los e a visualização do sinal são executados avaliação e gravação.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
145 informação técnico-comercial

comandos rádio ABITRON


A ABITRON é uma empresa, com mais $V«ULHGHWUDQVPLVVRUHV129$IRLGHVHQYROYLGDHVSHFLͤFDPHQWHSDUD
de 30 anos de experiência, especializada controlo remoto via rádio para aplicações digitais e proporcionais. Esta
na fabricação de Comandos Rádio para a família dispõe de três caixas transmissoras de diferentes tamanhos
Indústria, Construção, Hidráulica e Veículos (M, L e XL) e possuem a mesma forma ergonómica.
Especiais. Podem ser utilizados interruptores, comutadores, botões rotativos,
interruptores rotativos, potenciómetros rotativos e joysticks digitais/
SURSRUFLRQDLVQDFRQͤJXUD©¥RGRVFRPDQGRV2129$/H129$;/
TRANSMISSOR TGA/TGB permitem uma variedade de tipos de feedback através de LEDs ou
display LCD. Existem vários transmissores NOVA standard, bem como
modelos customizados compatíveis com todos os seus requisitos.
&HUWLͤFD©·HV'19*/$7(;,(&([1(&

TRANSMISSOR GL

O TGA/TGB é um equipamento móvel muito versátil para aplicações


GLJLWDLV QD LQG¼VWULD EHP FRPR SDUD DSOLFD©·HV SHUVRQDOL]DGDV 2
design ergonómico do transmissor fornece um fácil manuseamento
e orientação para o utilizador pelas 12 teclas de função/interruptores 1DFRQͤJXUD©¥RFRQVWUX©¥RGRPRGHORGHWUDQVPLVVRU*/SRGHPVHU
URWDWLYRVTXHSRGHPVHUFRQͤJXUDGRVGHIRUPDIOH[¯YHO utilizados diversos tipos de interruptores, comutadores, botões rotati-
Este dispositivo fornece adicionalmente uma proteção contra uso vos, interruptores rotativos, potenciómetros rotativos e joysticks digi-
Q¥RDXWRUL]DGRSRUXPFµGLJRGHVHJXUDQ©DGHͤQLGRSHORXWLOL]DGRU tais/proporcionais, para as aplicações de comando digital ou propor-
2SFLRQDOPHQWH XPD LGHQWLͤFD©¥R WDPE«P SRGH VHU UHDOL]DGD SRU cional. O design ergonómico e acessível do controlo remoto de rádio
XPD5),'&KLS27*$7*%«FHUWLͤFDGRSHOD7ž9GHDFRUGRFRPR com uma superfície de transmissão voltada para o operador permite
ISO 13849-1. otimizar o acesso a todos os elementos de operação.

TRANSMISSOR NOVA TRANSMISSOR GR

www.oelectricista.pt o electricista 61
informação técnico-comercial 146

O transmissor GR destaca-se como um modelo extremamente robus- importantes sobre o estado operacional da sua máquina. Uma alça de
to e estável. A borracha total entre a parte superior e inferior da cai- ombro ou arnês de peito para o controlo remoto por rádio garante o
xa do transmissor oferece proteção adicional para o controlo remoto conforto otimizado do utilizador e um canto de proteção circundante
de rádio. O designSU£WLFRGR*5RIHUHFHHVSD©RVXͤFLHQWHSDUDXPD evita a ativação acidental em caso de impacto no chão.
multiplicidade de funções, por exemplo, joysticks de escavadeira, po- O transmissor EURO está disponível apenas como um sistema
tenciómetros rotativos e muito mais. O feedback para LEDs ou LCD personalizado e podem ser inseridos símbolos/texto por meio de de-
fornece dados importantes sobre o estado operacional da sua máqui- calques de plástico, fornecidos como padrão, ou placas de rotulagem
na. Este modelo pode ser personalizado com símbolos ou texto, opcio- em aço inoxidável particularmente robusto.
nalmente com placas de rotulagem em aço inoxidável. O transmissor
GR está disponível apenas como um sistema personalizado.
TRANSMISSORES EX/ATEX

TRANSMISSOR EURO

A proteção contra explosões é uma questão cada vez mais importante


em todas as áreas de aplicação ABITRON. Estes incluem não apenas
DVDSOLFD©·HV(;WUDGLFLRQDLVFRPRDPLQHUD©¥RRXDLQG¼VWULDTX¯PL-
No transmissor EURO a interface do utilizador foi projetada por forma ca, mas também muitas aplicações no setor de produção.
DWHUHVSD©RVXͤFLHQWHSDUDRUJDQL]DUWRGDVDVIXQ©·HVGDP£TXLQD A ABITRON oferece um portefólio abrangente de controlos re-
necessárias lado a lado no transmissor. Até mesmo os joysticks da es- motos de rádio de segurança à prova de explosão para uma ampla
cavadeira podem ser implementados opcionalmente neste transmis- YDULHGDGHGHDSOLFD©·HVHFHUWLͤFD©·HVJOREDLVSDUDDWHQGHU¢VVXDV
sor. O feedback através de LED ou display LCD mostra os dados mais necessidades.

PUB
147 informação técnico-comercial

RECETORES RÁDIO RX BMS 1/BMS 2

RX CP

Estes dois modelos de recetores são ideais para o controlo de válvu-


las hidráulicas. São utilizados principalmente nas áreas de aplicação
automóvel.
O recetor RX CP é o mais pequeno e compacto recetor de comando 2YLVRUQDFDL[DGRUHFHWRUSHUPLWHYHULͤFDURVWDWXVDWXDOGRFRQ-
rádio e vem equipado com cinco relés de saída, três com contacto NA trolo remoto de rádio.
e 2 com contacto inversor. A caixa de 11 pinos, com encaixe em base
de relé, garante uma instalação rápida.
RX MODULAR (MOD)

RX 14+/26+

25;02'«XPUHFHWRUPRGXODUHH[SDQV¯YHOTXHHQFRQWURXLQ¼PH-
ras aplicações por muitos anos. Este recetor está disponível em vários
O RX 14+/26+ é um recetor padrão com 14 ou 26 relés. Opcionalmente WDPDQKRVGHFDUFD©DHSRGHVHUHTXLSDGRFRPTXDOTXHUQ¼PHURGH
pode ser equipado com seis relés adicionais ou um módulo para con- módulos de saída proporcionais e digitais num sistema de kit modular,
trolo proporcional. tornando-o no recetor ideal para controlo remoto de rádio personali-
Devido ao seu design PRGXODU SRGH VHU FRQͤJXUDGR IDFLOPHQWH zado.
HUDSLGDPHQWHSDUDPXLWRVUHTXLVLWRVGHDSOLFD©·HVQDLQG¼VWULDHQD
construção.
Este modelo de recetor ABITRON vem alojado numa carcaça com- RX TGA/TGB-22
pacta, robusta e resistente a choques.

RX ES BUS

O RX TGA/TGB-22 é um recetor robusto, que é usado principalmente


QDLQG¼VWULD'HYLGRDRVVHXVFRQWDFWRVGHSDUDJHPGHHPHUJ¬QFLD
GHWULSODDXWRPRQLWRUL]D©¥RHOH«FHUWLͤFDGRGHDFRUGRFRPD1RUPD
ISO 13849-1 e fornece o máximo de segurança. A TM2A é o represen-
O RX-ES-BUS é um recetor pequeno, compacto e robusto. A interface WDQWHRͤFLDO$%,7521HP3RUWXJDO
GHVD¯GDVXSRUWDRVPDLVFRPXQVVLVWHPDVGHEXV3URͤEXV&DQEXV
563URͤ1(7
As pequenas dimensões oferecem soluções para aplicações com TM2A – SOLUÇÕES E COMPONENTES INDUSTRIAIS, LDA
SRXFRHVSD©R3RGHVHURSHUDGRFRPXPDLQͤQLGDGHGHWUDQVPLVVR- 7HO)D[
res e está disponível com feedback. LQIR#WPDSWyZZZWPDSW

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
149 informação técnico-comercial

Riverdi: família
de controladores de ecrãs
FT8xx
O desenvolvimento • Ampla gama de capacidades de proces- que os módulos acabaram por se revelar tão
da tecnologia de exibição samento, não só da imagem, mas tam- interessantes e com tão grande potencial que
de imagem trouxe bém do sinal de áudio e das informações a FTDI decidiu criar uma empresa subsidiária
uma grande variedade sobre o toque (principalmente, devido ao chamada Bridgetek, que se vai focar no de-
de ecrãs, com diferentes uso de sistemas modernos com controla- senvolvimento de tais soluções.
parâmetros e capacidades. dores de série FT8xx); As principais diferenças entre os con-
Um dos fabricantes • Capacidade de individualização de ec- troladores da presente série são, antes de
dignos de nota é a Riverdi, U¥V SDUD QHFHVVLGDGHV HVSHF¯ͤFDV GRV tudo, o tipo de serviço de ecrã touchscreen,
empresa especializada clientes. o tipo de interface de comunicação, a re-
no fornecimento solução máxima em ecrã e a profundidade
de ecrãs feitos com de cores. Os módulos FT801 e FT802 su-
tecnologia de LCD TFT ECRÃS COM CONTROLADORES portam uma profundidade de cor de 18 Bits
(Transístor de Película DA SÉRIE FT8XX (até 256 mil cores) e estão equipados com
Fina). Os ecrãs equipados com controladores da interfaces SPI e I2C, enquanto no caso dos
série FT8xx apresentam-se como uma es- modelos FT812 e FT813 (sendo a próxima
colha interessante da Riverdi. Estes contro- geração de módulos FT8xx), são 24 Bits de
A Riverdi é uma empresa polaca fundada em ladores foram desenvolvidos pela FTDI, uma profundidade de cor (16,7 milhões de cores)
$VXDVHGHHVW£ORFDOL]DGDHP*GDĆVN empresa reconhecida pelos produtos que e SPI e QSPI.
Desde a sua criação, a Riverdi já vendeu mais utilizam interface USB, tal como os conver- Os módulos FT812 e FT813 também
de 300 000 peças de exibição para clientes sores USB-RS232. Os FT8xx são uma série suportam ecrãs com resolução mais alta
em todo o mundo. Vale a pena lembrar que de módulos modernos que facilitam muito (de 512x512 a 800x600 pixels). Os módulos
os produtos vendidos por esta empresa são o trabalho com um ecrã. Estão a tornar-se FT801 e FT812 foram projetados para serem
montados em território polaco. cada vez mais populares entre os fabrican- usados com painéis resistivos; e os FT802
tes e os construtores. Eles disponibilizam a e FT813 permitem o controlo de painéis de
capacidade de usar ecrãs touchscreen, tanto toque capacitivos. Outra vantagem destes
AMPLA ESCOLHA DE ECRÃS capacitivos quanto resistivos. Apresentam controladores é a conformidade total do soft-
A Riverdi vende diferentes tamanhos de ec- uma interface avançada chamada EVE (Me- ware, em termos de suporte, com diferentes
rãs de 2,8 a 7 polegadas, com resolução de canismo de Vídeo Incorporado), criada pela tipos de touchscreen – deste modo, não é
240x320/320x240 para 840x480 pixels. Os FTDI, que combina os recursos nas áreas de preciso implementar mudanças no software
modelos individuais também diferem noutros processamento de imagens, som e informa- depois de substituir um módulo usado num
SDU¤PHWURV EULOKR FRQWUDVWH RX SURIXQGLGD- ções do painel touchscreen. Vale a pena notar dado projeto.
de de cor.
Entre os diversos produtos oferecidos,
podem ser encontrados ecrãs Riverdi equipa-
dos com painel touchscreen – ambos resisti-
vos e capacitivos. Diferentes tipos de opções
de caixas e de cores tornam mais fácil ajus-
tar o produto às necessidades do projeto. Os
sistemas estão disponíveis numa versão com
estrutura de montagem ou mascaramento de
quadro externo. As famílias de produtos indi-
viduais também diferem no tipo de controla-
dor de visualização integrado. Os controlado-
res da Riverdi usam o SSD1963 e uma série
FT8xx, incluindo sistemas de FT800, FT801,
FT812 e FT813.

PRINCIPAIS VANTAGENS
DOS ECRÃS RIVERDI
• Uma ampla faixa de temperatura (entre
-20°C a 70°C);
• Facilidade de uso;

www.oelectricista.pt o electricista 61
informação técnico-comercial 150

SÉRIE UXTOUCH
Os módulos equipados com controladores da
família FT8xx podem ser encontrados, entre
outros, na série uxTouch que é uma das pro-
postas mais relevantes da Riverdi. Esta série
é caraterizada, principalmente, por um eleva-
do potencial em termos de customização do
produto. Podem personalizar-se várias pro-
priedades para se adaptarem às necessida-
des do cliente, tais como a cor do quadro de
display, o tipo de vidro de segurança, a forma
e o tamanho do painel de toque.
Existem dezenas de modelos de ecrã da
série uxTouch disponibilizados pela Riverdi,
com a diagonal de 2.8 a 7 polegadas. Os ec-
rãs de 4.3 polegadas (resolução de 480x272)
são controlados por FT801 ou FT802, e os
ecrãs maiores (de 5 a 7 polegadas, com re- projetos, o que permite que o designer redu- vidro de proteção. O vidro Dragontrail, com
solução até 840x480) pelos módulos FT812 za o tempo necessário para executar a apli- estabilidade melhorada, está disponível, bem
ou FT813, dependendo do tipo de painel de cação. No site do fabricante, há ferramentas, como o vidro com um aumento do ângulo de
toque. Painéis tácteis capacitivos permitem o JU£ͤFRVSURQWRVHH[HPSORVGHsoftware para visão.
suporte multitoque que deteta cinco pontos usar monitores, incluindo biblioteca para Ar- Uma ampla seleção de ecrãs Riverdi pode
diferentes de toque ao mesmo tempo, bem duíno. ser encontrada na empresa Transfer Multi-
como o reconhecimento de gestos. Os ecrãs Riverdi podem ser usados em VRUW(OHNWURQLNTXH«DGLVWULEXLGRUDRͤFLDOGD
muitas aplicações diferentes, tanto indus- empresa, e no seu site em www.tme.eu.
triais (devido à ampla gama de temperaturas
RESUMO de funcionamento), como para consumidores TME – Transfer Multisort Elektronik Sp. z o.o.
As soluções oferecidas pela empresa Riverdi individuais. Pode-se escolher não só a cor 7HOy)D[bbb
dão especial foco à fácil implementação de do ecrã, mas também, por exemplo, o tipo de SRUWXJDO#WPHHXyZZZWPHHX

PUB
151 formação

entrada estabelecida a partir


de uma instalação coletiva
2.a PARTE
Hilário Dias Nogueira (Eng.º)

IDENTIFICAÇÃO DE ALGUMAS INSTALAÇÕES Soluções de remedeio são vistas por muitas zonas de grandes cida-
ANTIGAS COM APRESENTAÇÃO DE SOLUÇÕES des, em edifícios cujo aspeto arquitetónico negligenciou quase todas
VIÁVEIS: INSTALAÇÃO EM TUBO BERGMAN as outras necessárias infraestruturas que são indispensáveis à vida
atual. Urge agora adaptá-los urgentemente com a devida responsabi-
lidade e de acordo com as necessidades atuais.

TRABALHOS DE REMODELAÇÃO QUE PODERÃO


SER IMPLEMENTADOS E SÃO UMA SOLUÇÃO
PERFEITAMENTE REGULAMENTAR

Tubos constituídos com várias capas de papel recobertas por chapa


ͤQD+£DSRVVLELOLGDGHGHHQFRQWUDUQRPHUFDGRVROX©·HVFRPHTXL-
pamento moderno que se adapta às normas regulamentares de segu-
rança, hoje muito pertinente e que evitam as graves consequências de
um proeminente incêndio.

Uma das soluções escolhidas na remodelação deste edifício foi a que


VHDSUHVHQWDQHVWDVIRWRV

Tipo de instalação usado nos anos 30, ainda existente em edifícios


das nossas cidades com consequências gravosas de segurança de
pessoas e bens. Parte destas instalações não tem condutor de terra
e, consequentemente, sem proteção de contactos indiretos e diretos,
estando a maioria em sobrecarga com perigo eminente de provocar
um incêndio.

SITUAÇÕES EXISTENTES COM ALGUMA


FREQUÊNCIA
1HVWDV GXDV LQVWDOD©·HV FROHWLYDV HVWHV HUDP RV ¼QLFRV FRUWHV
gerais.

www.oelectricista.pt o electricista 61
formação 152

QUADRO DE UMA INSTALAÇÃO DE UTILIZAÇÃO

Caixa com terminal amovível deve ser colocada


fora da caixa de corte geral. Nesta situação, a substituição deve ser feita de imediato por quadro
homologado e com proteções adequadas.

EXEMPLO DE INSTALAÇÕES EM SITUAÇÕES


DEGRADADAS QUADRO DE ALIMENTAÇÃO DE UMA INSTALAÇÃO
DE EDIFÍCIO COLETIVO

Melhoria preconizada

Sugestão de melhoria

1¥RK£TXDOTXHULGHQWLͤFD©¥RGRVFLUFXLWRVHRFRQWDGRUIRLFRORFDGR
recentemente.

Analisar, verificar e prever, com um gasto o mais moderado pos-


sível, a realização dos trabalhos numa instalação, é antever a
melhoria regulamentar qualitativa e quantitativa na segurança de
pessoas e bens como princípio básico na tarefa de remodelação
ou reabilitação.
Este tipo de remodelação necessita de análise, levantamento, es-
tudo, preparação, coordenação, combinação, cooperação e progra-
mação de trabalhos tendo em vista a segurança dos trabalhadores e
pessoas comuns (utilizadores).

www.oelectricista.pt o electricista 61
153 formação

COLUNAS ANTIGAS QUE PODEM SER MELHORADAS CAIXA DE COLUNA ANTIGA QUE PODE SER
ECONOMICAMENTE FICANDO NUMA MEDIANA ALTERADA PARA A REGULAMENTAÇÃO EM VIGOR
SITUAÇÃO REGULAMENTAR

Sugestão de melhoria

EQUIPAMENTO DA CLASSE II – EDIFÍCIOS


Proteção com vidro acrílico e acesso apenas com utilização de ferra-
menta confere a classe II de isolamento. Caixa de coluna tipo

QUADRO DE COLUNAS
Dentro, analisar a possibilidade de evitar contactos diretos.

INSTALAÇÕES COLETIVAS COM CONTAGEM


CENTRALIZADA
Contemplada na regulamentação aplicável às instalações coletivas de
edifícios nestas instalações foi estabelecido um conjunto de regras
gerais e de princípios orientadores, assegurando uma uniformização
HVSHF¯ͤFDGHVWHVVLVWHPDVFRPRREMHWLYRGHXWLOL]DURVHTXLSDPHQ-
tos modulares e homologados.
• Todas as entradas no percurso entre a caixa de barramento e os
contadores devem ser dotadas de circuitos de telecomando com
passagem em barramentos de derivação, que terão origem nas
caixas de barramento.
• As canalizações (entradas) a partir do painel de contagem devem
ser sempre previstas para entradas trifásicas.
• Quando há centralização de contagem pode esta previsão ser feita
para, pelo menos, 1/3 de entradas.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
As condições de estabelecimento das canalizações em ins-
WDOD©·HV FROHWLYDV HVW¥R GHͤQLGDV QD VHF©¥R  WDO
como para os casos de habitação unifamiliar.
As quedas de tensão para cada canalização, nas situa-
ções especiais, como a de contagem centralizada, não de-
vem ultrapassar 1,5% por cada entrada.
$ ͤP GH SHUPLWLU UHVROYHU RV SUREOHPDV GHULYDGRV GH
aumentos de potência nas instalações elétricas (de utiliza-
ção), recomenda-se que, no estabelecimento das colunas,
seja previsto um diâmetro acima do necessário, tendo em
atenção futuros aumentos de potência.
Nestas instalações a queda de tensão deve ser calcula-
da a partir da impedância dos condutores, sem ter em conta
a existência de equipamentos no seu percurso, com base
QRVFULW«ULRVVHJXLQWHV
• As cargas trifásicas são supostamente equilibradas;
• As cargas monofásicas são uniformemente repartidas
pelas diferentes fases;
• As correntes da canalização são as que resultam da apli-
cação das potências totais, tendo em conta os fatores de
simultaneidade indicados na secção 803.2.4.3.2.

SITUAÇÕES A TER EM CONTA NUMA


COLUNA MONTANTE
• A secção nominal das colunas deve ser, pelo menos,
igual à das entradas que delas derivam;
• As colunas devem ser trifásicas, dotadas de condutor de
proteção e não devem ter secção nominal inferior a 10
mm2 (cobre).

Continuidades das colunas


Os condutores de igual secção não devem ser cortados ao
ORQJRGRVHXSHUFXUVRQRHQWDQWRRVHXFRUWH
• Para efeito de se efetuar derivações nas reabilitações e
remodelações pode ser uma alternativa, se devidamente
MXVWLͤFDGD

Nota as canalizações pré-fabricadas, podem ter junções,


desde que estas garantam a perfeita continuidade da cana-
lização e evitem a sua interrupção acidental (RTIEBT-521.4).

$ͤPGHSHUPLWLUUHVROYHURVSUREOHPDVGHULYDGRVGRVDX-
mentos de potência recomenda-se que, se for possível,
sejam montadas condutas de reserva e precaver espaços
junto das caixas de coluna.

INSTALAÇÕES COLETIVAS COM CONTAGEM


CENTRALIZADA
Entradas – Contagem centralizada – 1,5 %
Método B; B2 Ref. 3, 3 A, 4, 4 A e 5, 5ª

Tabela 1. Circuitos monofásicos.

CIRCUITOS MONOFÁSICOS – condutores de cobre – Q.d.t 1,5%


Secção em mm²
Potência
Corrente Prot.
a alimentar 6 10 16 25 35 50 70 95 120 150
serviço (A)
kVA
Comprimento em metros
3,45 15 32 30 51 82 128 179 256 358 468 613 767
6,9 30 32 15 26 41 64 89 128 179 243 307 383
10,35 45 63 27 42 60 85 119 162 204 256
13,8 60 63 20 32 44 64 89 121 154 192
155 formação

Tabela 2. Circuitos trifásicos. Tabela 4.

CIRCUITOS TRIFÁSICOS – condutores de cobre – Q.d.t 1,5% Colunas em Condutores isolados H07 ou cabos VV/0,6/1 kV em condutas não
Secção em mm² circulares montadas à vista Métº B2 – Refª 4 e 4 A tabelas (Q52-C13 a Q52-C14)
Potência
Corrente Protecção L Tubos ø (mm) Tubos ø (mm)
nominal de 6 10 16 25 35 50 70 95 120 150 Potência Secção Corrente Proteção A
serviço (A) max (803 C) – (803 D) –
cálculo kVA Comprimento em metros em kVA mm 2
lz (A) Fusíveis gG
m (Opção) (Remodelação)
6,9 10 3x32 45 76 122 191 267 382 536 727 919 1149 Até 20,7 10 46 3x32 34 40 32
10,35 15 3x32 30 50 81 127 178 255 357 485 612 766 > 20,7 a 34,6 25 80 3x63 50 63 40
13,8 20 3x32 22 38 60 95 133 191 267 363 459 574 > 34,6 a 55,4 50 118 3x100 62 75 50
17,25 25 3x32 18 30 48 76 107 152 214 290 367 459 > 55,4 a 69,2 70 149 3x125 68 90 63
20,7 30 3x32 15 25 40 63 89 127 178 242 306 382 > 69,2 a 90 120 206 3x160 94 110 75
27,6 40 3x40 15 30 47 67 95 133 181 229 287
34,5 50 3x63 24 37 53 76 106 145 183 229 As secções dos condutores usados nos diferentes troços das instala-
41,4 60 3x63 19 32 44 64 88 120 152 191
ções coletivas e entradas devem ser tais que não sejam excedidos os
YDORUHVGHTXHGDGHWHQV¥RVHJXLQWHV
O estabelecimento das instalações coletivas com recurso ao ducto, a) 1 %, para o troço correspondente à coluna, no caso das instalações
conforme previsto regulamentarmente, é dispensável se a execução não individuais.
do mesmo se tornar técnica e economicamente inviável. b) 0,5 %, para o troço correspondente à entrada ligada a uma coluna
O indicado anteriormente estará de acordo para instalações co- (principal ou derivada) a partir de uma caixa de coluna, no caso das
letivas destinadas a alimentar, no máximo, nove instalações elétricas instalações não individuais.
GHXWLOL]D©¥R EHPFRPRQRVFDVRVGHYLGDPHQWHMXVWLͤFDGRVHPTXH
GLͤFXOGDGHVGHH[HFX©¥RVHWRUQHPWHFQLFDPHQWHLQYL£YHLV Entradas de instalações coletivas
Nas travessias de paredes, tetos, pavimentos e outros elemen- • As entradas apenas devem atravessar as zonas comuns do edifí-
tos da construção, as canalizações estabelecidas à vista deverão ser cio e as dependências que pertençam à entidade que servem;
protegidas por tubos ou condutas com uma resistência adequada às • As entradas devem ser monofásicas para potências até 10,35
ações mecânicas. Kva (45 A), exceto se houver equipamentos trifásicos inseridos na
instalação;
• Com acordo prévio do operador de rede de distribuição (ORD) e em
INSTALAÇÕES COLETIVAS SEM CONTAGEM casos especiais, poderão ser usadas entradas monofásicas com
CENTRALIZADA potências até 13,8 Kva (60 A).
As secções mínimas das entradas são 6 mm², monofásicas ou trifá-
sicas com existência de condutor de proteção; As entradas derivadas Quedas de tensão – Entradas de caixa de coluna
de colunas devem ser ligadas à caixa de coluna instalada no mesmo Entradas – Q.d.t. de 0,5% – Caixas de coluna
andar em que se situa a origem da instalação elétrica (de utilização) a
alimentar; Se a proteção contra sobreintensidades situada no início da Tabela 5.
coluna garantir também a proteção contra curto-circuitos das entra-
das, podem dispensar-se, nas caixas de coluna, as proteções contra Entradas Monofásicas com cabo VV/0,6/1 kV Métodos de Ref.ª C Tabela
sobreintensidades. Os equipamentos de contagem de energia devem Q52-C9 – Sobre braçadeiras afastado dos elementos de construção
ser instalados próximo da origem da instalação elétrica (de utilização) L Tubos ø (mm)
Potência Secção Proteção A
max (803 C) –
ou na origem da entrada e em local adequado. em kVA mm2 Fusíveis gG
m (Opção)
Nota1DVUHPRGHOD©·HVVHU£GHVHM£YHOID]HUVHDPRQWDJHPGR 3,45 6 32 10 40
contador no exterior da instalação. 6,9 6 32 5 40
10,35 16 63 5,5 40
Tabelas – Cálculo para Queda de tensão de 1% – colunas trifásicas 13,8 16 63 6,8 63

Tabela 3. Tabela 6.

Colunas em Condutores isolados H07 ou cabos VV/0,6/1 kV em Entradas Monofásicas com condutores H07V – (R)
condutas circulares (tubos) montadas à vista sobre braçadeiras Método B – Ref.ª 3;3 A e 5; 5A – Tabela Q52-C1
Métº B– Refª 3 e 3 A tabelas (Q52-C3 a Q52-C4) L Tubos ø (mm) Tubos ø (mm)
Potência Secção Proteção A
L Tubos ø (mm) Tubos ø (mm) max (803 C) – (803 D) –
Potência Secção Corrente Proteção A em kVA mm2 Fusíveis gG
max (803 C) – (803 D) – m 1º Estab.to Remodelação
em kVA mm2 lz (A) Fusíveis gG
m (Opção) (Remodelação) 3,45 6 32 10 40 32
Até 20,7 10 50 3x32 34 40 32 6,9 6 32 5 40 32
> 20,7 a 34,6 25 89 3x63 50 63 40 10,35 16 63 9 40 32
> 34,6 a 55,4 50 134 3x100 62 75 50 13,8 16 63 6,8 63 32
> 55,4 a 69,2 70 171 3x125 68 90 63 13,8 35 63 14,5 63 50
> 69,2 a 90 120 239 3x160 94 110 75
Serviços comuns
Tubos Os serviços comuns são instalações de utilização estabelecidas nos
No caso de remodelação, a % de ocupação pode ir até 40% da secção edifícios coletivos e alimentados a partir do Quadro colunas.
da reta interior do tubo ou conduta (tabela 803 D). 1RFDVRGHVHWUDWDUGHXPDLQVWDOD©¥RVLPSOLͤFDGDVHPHOHYDGRU
RXVHPDSDUHOKRVGHSRW¬QFLDVLJQLͤFDWLYD FRPRSRUH[HPSORERP-
Cabos bas de esgoto, bombas hidropressoras, equipamentos de ventilação/
)µUPXODSDUDF£OFXORGHFDQDOL]D©·HVGRWXER SDUDFDERV ͡[º desenfumagem), o QSC – Quadro dos Serviços comuns, pode ser ali-
do cabo. mentado a partir da caixa de coluna do piso onde este se localizar.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
157 ITED

importância do sistema
de terra nas ITED
Paulo Monteiro

Conforme mencionado no manual de ITED 3.ª edição, o sistema de ser baseadas numa análise de risco minuciosa, que entra em con-
WHUUDGHYHWHUSRUREMHWLYRDVVHJXLQWHVIXQ©·HV ta com a estrutura onde o equipamento está instalado, o próprio
• 6HJXUDQ©D GH SHVVRDV HYLWDQGR SRWHQFLDLV GH WRTXH SHULJRVRV equipamento e os cabos de rede.
através de uma terra de baixa impedância e ligação à terra de equi-
pamentos que permitam contactos diretos que possam resultar No sentido de minimizar os efeitos das fontes de perturbação eletro-
em tensões perigosas, originadas por defeitos elétricos ou even- magnética, o sistema de terra deve ter em consideração os seguintes
tuais descargas atmosféricas; DVSHWRV
• 3URWH©¥RGRHTXLSDPHQWRHGRHGLI¯FLRSRUOLJD©¥RGLUHWD¢WHUUDGH • Ajudar à dissipação da energia proveniente das descargas atmos-
baixa impedância, dos dispositivos de proteção contra sobreten- féricas;
sões, de modo a permitir que as correntes originadas por defeitos • Proporcionar a segurança de pessoas e bens, no caso de surgirem
ou descargas atmosféricas sejam rapidamente dissipadas e não tensões perigosas nas massas dos equipamentos;
resultem em tensões perigosas; • Proporcionar uma referência estável para os equipamentos de te-
• 5HGX©¥RGRUX¯GRHO«WULFRXPERPVLVWHPDGHWHUUDVDMXGDDUHGX- lecomunicações de modo a evitar as perturbações do bom funcio-
zir o ruído elétrico. namento dos serviços;
• Estar devidamente ligado de modo a permitir um ponto de equipo-
No caso particular dos sistemas de telecomunicações, há que ter uma tencialidade.
atenção especial às fontes de perturbação eletromagnética. De modo
a atenuar este tipo de problemas, o sistema de terras deve ser proje-
tado tendo em consideração esses efeitos. Pelo menos cinco aspetos LIGAÇÃO À TERRA DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS
E£VLFRVGHYHPVHUFRQVLGHUDGRV COM INSTALAÇÕES ITED
• Ruído - A eliminação dos problemas da interferência eletromag- Estas regras aplicam-se às instalações situadas a jusante do ponto
Q«WLFD HQYROYH D LGHQWLͤFD©¥R GD IRQWH GH UX¯GR VHMD LQWHUQD RX de ligação do equipamento, podendo também aplicar-se a instalações
externa), o meio de transmissão e o circuito que é afetado. Tendo que não sejam de tratamento da informação desde que tenham cor-
LGHQWLͤFDGRDRULJHPGRSUREOHPDDLQWHUIHU¬QFLDSRGHVHUUHGX]L- rentes de fuga de valor elevado (estas, ao circularem nos condutores
da, alterando um ou mais componentes; de proteção e nos elétrodos de terra, podem ocasionar aquecimen-
• Potencial da terra 3DUDFDGDFLUFXLWRGHYHH[LVWLUXP¼QLFRUHIH- tos excessivos, degradações locais ou perturbações) em consequên-
rencial. A existência de duas referências pode dar origem a diferen- cia do cumprimento das regras de anti parasitagem (por exemplo, os
ças de potencial que, por sua vez, podem originar o ruído; equipamentos de telecomunicações).
• Campos eletromagnéticos - Para uma análise em baixa frequên- Considera-se que uma terra sem ruído é uma ligação à terra na
cia, um circuito pode ser descrito, em termos de uma rede elétrica, qual o nível das interferências transmitidas a partir de fontes externas
como sendo constituído por resistências, condensadores e bobi- não causa defeitos de funcionamento inaceitáveis no equipamento de
nas. No entanto, no domínio da alta-frequência, as propriedades tratamento da informação ou em equipamento análogo.
de radiação do circuito não podem ser desprezadas. Uma corrente Os equipamentos para o tratamento da informação devem ser li-
é sempre acompanhada por um campo magnético, enquanto que gados ao terminal principal de terra. Na Figura seguinte (extraída da
uma tensão é sempre acompanhada por um campo elétrico. Deste Figura 707A das RTIEBT) apresenta-se o exemplo referido nas regras
modo, podem ocorrer problemas de interferências, se estes sim- técnicas sobre este assunto.
ples aspetos não foram tidos em consideração;
• Correntes de modo comum - Quando num circuito se conside-
ram dois condutores (condutor da fonte para a carga e retorno),
SRGHP GLIHUHQFLDUVH GRLV WLSRV GH IOX[R GH FRUUHQWH R PRGR Condutores
de proteção Blindagem
diferencial e o modo comum. O modo diferencial é o desejado,
das outras
ou seja, a corrente circula da fonte para carga através de um Aos equipamentos informáticos
instalações
condutor e retorna através do outro condutor. No modo comum
Barra de terra
está-se perante um sinal indesejado, em que o fluxo da corrente Quadro de
circula no mesmo sentido em ambos os condutores e retorna alimentação
através de um terceiro condutor (normalmente um condutor de
terra). Estas correntes de modo comum causam normalmente Terminal
principal
numerosos problemas de interferência, envolvendo o sistema
de terra
de terra; Condutor de proteção isolado
• Proteção contra descargas atmosféricas - Uma das fontes de Barra de terra (isolada) do equipamento informático
perturbação eletromagnética mais importante, que pode afetar
os sistemas de telecomunicações, é originada pelas descargas de Elétrodo de terra
origem atmosférica. Este fenómeno não só pode causar interfe-
rências como, inclusivamente, causar danos nos equipamentos de
telecomunicações. Deste modo, as medidas de proteção devem Figura 1. Ligações à terra nas instalações de equipamentos de tratamento de informação.

www.oelectricista.pt o electricista 61
formação 158

De acordo com o indicado na secção 413.1, das RTIEBT, não é per- “Esta proteção será efetuada através de
mitida a ligação a elétrodos de terra diferentes de massas simulta- sistema de para-raios do edifício, caso exista,
neamente acessíveis. Esta condição implica que, num determinado não sendo da responsabilidade do instalador
edifício, todas as instalações devem estar ligadas ao mesmo sistema ITED a sua montagem. No caso de tal não
de terra e equipotencializadas. existir, os sistemas de antenas devem ser
ligados diretamente ao anel de terra. Neste
ponto de ligação pode ser colocado um
LIGAÇÃO À TERRA DOS DESCARREGADORES elétrodo de terra do tipo vareta, ligado por
DE SOBRETENSÃO soldadura aluminotérmica.”
Nas RTIEBT - Anexo V, apresentam-se os critérios para a ligação entre
os descarregadores de sobretensão das instalações de telecomunica-
©·HVHDVLQVWDOD©·HVͤ[DVGRVHGLI¯FLRV'HVVHDQH[RWUDQVFUHYHPVH • Condutores de terra, com origem no elétrodo, que ligarão ao ter-
DOJXQVWUHFKRVPDLVVLJQLͤFDWLYRV minal principal de terra do edifício, através de um ligador amoví-
• “Os descarregadores de sobretensão das instalações telefónicas vel, e deste aos barramentos de terra dos armários de telecomu-
podem ser ligados aos elétrodos de terra das massas das instala- nicações. As secções mínimas serão de 25 mm2. Na ligação das
ções elétricas desde que sejam respeitadas simultaneamente as prumadas ao anel pode ser colocado um elétrodo de terra do tipo
seguintes condições: vareta, ligado por soldadura aluminotérmica;
a) A resistência do elétrodo seja compatível com as condições • Condutores de proteção e de equipotencialidade, a sua secção não
exigidas para a ligação à terra dos descarregadores de sobre- será inferior a 6 mm2, se de cobre, ou de secção equivalente, se de
tensão das instalações telefónicas. outro material. Destinam-se a efetuar a ligação dos condutores de
b) O condutor de ligação à terra dos descarregadores de sobre- terra à estrutura do edifício. Esta ligação pode existir em cada piso
tensão das instalações telefónicas seja ligado diretamente ao do edifício. Efetuam também a ligação entre a rede de terra das
terminal principal de terra do edifício por meio de um condutor telecomunicações com a rede geral de terra do edifício.
TXHQ¥RVHMDLGHQWLͤFDGRSHODFRUYHUGHDPDUHOD̹
c) “Se as caraterísticas e as disposições do elétrodo de terra das
massas da instalação elétrica não forem adequadas às cor- PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS ATMOSFÉRICAS
rentes resultantes de uma descarga atmosférica, deve ser uti- Esta proteção será efetuada através de sistema de para-raios do edi-
lizado um elétrodo de terra especial para os descarregadores fício, caso exista, não sendo da responsabilidade do instalador ITED
de sobretensão das instalações telefónicas, como pode ser a sua montagem. No caso de tal não existir, os sistemas de antenas
o caso dos elétrodos que não sejam anéis de fundação dos devem ser ligados diretamente ao anel de terra. Neste ponto de liga-
edifícios. Os dois elétrodos de terra devem, neste caso, ser in- ção pode ser colocado um elétrodo de terra do tipo vareta, ligado por
terligados por um condutor de equipotencialidade de secção soldadura aluminotérmica.
não inferior a 6 mm2, se de cobre, ou de secção equivalente, se Na Figura seguinte é apresentado um esquema geral do sistema
GHRXWURPDWHULDOLGHQWLͤFDGRFRPRFRQGXWRUGHSURWH©¥RSHOD elétrico e de terra para um edifício.
cor verde - amarela”.

SISTEMA DE TERRA RECOMENDADO


De acordo com os pressupostos anteriormente referidos recomenda-
-se, para a rede de terra das telecomunicações, associada à rede de
WHUUDGDLQVWDOD©¥RHO«WULFDGRHGLI¯FLRDVHJXLQWHHVWUXWXUD
• Anel de terra,FRQVWLWX¯GRSRUFDERFREUHQX VHF©¥R͡PP2) ou
ͤWDGHD©RJDOYDQL]DGR VHF©¥R͡PP2), enterrado ao nível das
fundações do edifício, e que será ligado a intervalos regulares à
estrutura metálica das sapatas de modo a obter um anel com uma
impedância de terra o mais baixa possível.
• Vareta, tubo ou chapa, para interligação com o anel de terra atra-
vés de soldadura aluminotérmica.

As dimensões mínimas (diâmetro x comprimento) destes elétrodos


GHYHPVHU
• Varetas em cobre ou aço, Ø15 mm x 2 m.
• Tubos em cobre Ø20 mm x 2 m.
• Tubos em aço Ø55 mm x 2 m.

As chapas em aço devem ter dimensões mínimas de espessura de


2 mm e superfície de contacto com a terra de 1 m2. Figura 2.
É aconselhável que em cada um dos vértices das fundações do
edifício seja colocado um elétrodo deste tipo.
Para além do pressuposto anterior, em edifícios ocupando áreas REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
do solo relativamente elevadas (superiores a 1000 m2), devem ser co- • 0DQXDO,7(' 3UHVFUL©·HVH(VSHFLͤFD©·HV7«FQLFDVGDVLQIUDHV-
locados elétrodos ligados nos pontos correspondentes às ligações à truturas de telecomunicações em edifícios) - 3.º edição, setembro
estrutura metálica das sapatas das fundações. de 2014 pela ICP-ANACOM.

www.oelectricista.pt o electricista 61
159 consultório técnico

consultório técnico
O Consultório Técnico visa esclarecer questões sobre Regras Técnicas,
ITED e Energias Renováveis que nos são colocadas via email.
O email consultoriotecnico@ixus.pt está também disponível no website,
www.ixus.pt, onde aguardamos pelas vossas questões. Nesta edição
publicamos as questões que nos colocaram entre julho e agosto de 2017.
com o patrocínio de IXUS, Formação e Consultadoria, Lda.

P1: Se por alguma razão uma conduta for taleiro de obra. Necessito de saber qual é P3: Estamos a construir um shopping,
furada por um parafuso auto roscante, o processo de licenciamento necessário a onde a instalação de Iluminação Pública
este é motivo suficientemente forte para fazer em Portugal (presumo que em Ango- passa por baixo de uma linha de Média
obrigar a retirada desse tramo? la seja igual), para poder remeter a docu- Tensão, na zona onde a flecha está à cota
A colocação de fita de alumínio não é mentação às entidades competentes. mínima.
por si só uma solução mais que suficiente R2: Em Portugal o processo desenrola-se em A dúvida que temos é a seguinte: que
para resolver o assunto? GXDVHWDSDV distância/raio deverá estar a instalação
Agradeço qualquer opinião vossa so- 1. Licenciamento do PT que constitui uma de I.P. de uma linha de Média Tensão?
bre o assunto. instalação do tipo B (ex.º 2.ª categoria). R3: A distância determina-se recorrendo ao
R1: Na verdade, uma conduta de AVAC com Para este caso é necessário entregar na Decreto Regulamentar n.º1/2001, que publi-
um pequeno furo que possa ser reparado DGEG o projeto do PT e eventualmente da cou o Regulamento de Linhas Elétricas de AT.
sem deixar elementos ou saliências no in- Linha de MT (Ramal MT) associada. Assim, segundo o artigo 109º, no cruza-
terior não parece motivo para preocupação 2. Pedido de Fornecimento de Energia de mento entre linhas de AT e linhas de BT, deve
pois não terá influência no funcionamento. Obras (PFE de Obras). XVDUVHDIµUPXOD'  8 /
Ainda assim “existe uma lei”, a do “bom sen- em que U é o valor da linha de tensão mais
so”, que costuma ser boa conselheira nestes Entretanto convém colocar um quadro de alta em kV, e L é distância entre o ponto de
casos, porém o cliente/dono da obra pode e Obras, que deverá contemplar proteção dife- cruzamento e o ponto mais próximo da linha
GHYHWHUXPDSDODYUDGHͤQLWLYD rencial de 30 mA para os usos de estaleiro. superior. O valor de D, em qualquer caso, não
Normalmente para as tomadas deve-se ana- deve ser inferior a dois metros.
lisar bem os usos a dar às tomadas com In
P2: Estamos a iniciar a construção de uma superior a 16 A, e no limite usar um diferen-
fábrica de vidro, em Luanda. Para o perío- cial por tomada. Nos escritórios a proteção P4: Estamos a iniciar a instalação de um
do de obra, pretendemos instalar um Posto diferencial decorre de cálculo com o valor da shopping e o projetista decidiu retirar da
de Transformador Aéreo, tipo AI. Vamos resistência de terra para uma tensão limite de instalação de Média Tensão, o transfor-
alimentar, pelo menos, três gruas e um es- contacto de 50 V. mador Homopolar.
Quais são os riscos desta exclusão? A
obra encontra-se num local onde a Resis-
tência de Terra tem valores elevados.
R4: A proteção Homopolar, de tensão ou cor-
rente, usa-se essencialmente em linhas MT
e AT, detetando desequilíbrios nas polarida-
des das tensões. Para a sua deteção usa-se
um relé de Proteção Homopolar, associado
a TT’s (proteção homopolar de tensão) ou a
TI’s (proteção homopolar de corrente).
1¥RH[LVWLQGRXPDIRQWHGHHQHUJLDbDOWHU-
nativa ligada em paralelo com a rede, a pro-
teção homopolar será assegurada pela rede
de energia e não fará sentido existir outra. Em
Portugal, se existir por exemplo um sistema
fotovoltaico de auto-consumo com potência
superior a 100 kW a injetar na instalação com
paralelo à rede, essa proteção é obrigatória
para evitar introdução de desequilíbrios na
rede.
No seu caso concreto, o projetista terá as
suas razões para a ter retirado, podendo não
fazer sentido a sua existência pelos factos
descritos atrás.

www.oelectricista.pt o electricista 61
PUB
Multímetro digital
Fluke 115 True-RMS
AGORA com 1 ACII
Specials
Outono - Inverno 2017
VoltAlert GRATUITO!
Promoção

Poupe tempo
e aumente a
precisão

Níveis de laser Fluke Mais promoções no interior!


Qual o multímetro digital mais adequado para si?
Multímetros digitais da Fluke: Trabalhe com maior segurança e de forma mais inteligente.

A Fluke tem uma longa história na produção das


melhores ferramentas de teste e medida disponíveis
no mercado e os multímetros digitais da Fluke
estão presentes em mais cintos de ferramentas
do que qualquer outro produto semelhante. Cada
multímetro digital é concebido para funcionar sem
problemas até nas circunstâncias mais extremas:
quedas, choques, humidade, qualquer coisa. Mas
como selecionar o mais adequado para cada tarefa?

A Fluke desenvolveu uma nova ferramenta seletora


que oferece:
• Aconselhamento em menos de quatro passos
simples
• Melhores produtos relacionados
• Destaque de características principais
• Vídeos

Aceda a www.fluke.pt/multímetro e receba já aconselhamento gratuito!


Com um funciona- Graças à sua pre-
Melhor escolha Melhor escolha
mento simples, um cisão, fiabilidade e
design compacto e facilidade de utiliza-
facilidade de utili- ção, o Fluke 175 é