Você está na página 1de 3

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO PARANÁ

COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE MARINGÁ - FORO CENTRAL DE MARINGÁ


CEJUSC MARINGÁ - PRE - PROJUDI
Av. Tiradentes, 380 - Térreo (atrás do Cartório Distribuidor) - Maringá/PR - CEP: 87.013-260 - Fone:
(44) 3472 2469 - E-mail: maringacentrosolucaoconflitos@tjpr.jus.br

Autos nº. 0011097-92.2018.8.16.0018

Trata-se de Pedido de Homologação de Acordo, formulado por MARCIA SOARES VIEIRA e


AIRTON APARECIDO DE OLIVEIRA, em relação aos Alimentos de filha menor.

O Ministério Público manifestou-se pela homologação do acordo.

I - Considerando o contido na Resolução nº 125/2010-CNJ e Portaria nº 4093/2012-D.M-TJPR,


HOMOLOGO, por sentença, o acordo entabulado entre as partes na sessão de conciliação, para que surta
seus jurídicos e legais efeitos e, de consequência, julgo EXTINTA a Reclamação, nos termos do art. 487,
III, “b” do CPC;

II - Destaco que o acordo firmado no CEJUSC possui valor de título executivo judicial (art. 57 da Lei n.
9.099/1995 c/c Art. 515, II, do CPC). No caso de descumprimento do acordado em audiência
pré-processual, a parte interessada deverá promover a execução do título judicial com nova distribuição
pelo PROJUDI, mediante pagamento de custas processuais e demais emolumentos, dispostas na
legislação processual, bem como a competência.

III – Sentença assinada, registrada e publicada eletronicamente. Intimem-se.

IV - Não sendo recorrível a sentença meramente homologatória, transita em julgado no momento em que
é publicada e, contra esta, não é admissível qualquer recurso (art. 966, §4º do CPC) [1]. Assim deve a
secretaria, desde já certificar o trânsito em julgado desta sentença.

V – Distribua-se a uma das varas de família da comarca para posterior arquivamento.

CARMEN LUCIA RODRIGUES RAMAJO

Magistrada

[1] Neste sentido: TJRJ – Ap. Civ. 0007777-90.2009.8.19.0042 – APELACAO - DES. ROBERTO GUIMARAES -
Julgamento: 24/10/2011 - DECIMA PRIMEIRA CÂMARA CIVEL APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO INDENIZATÓRIA.
ACORDO REALIZADO ENTRE AS PARTES EM SEDE DE AUDIÊNCIA. HOMOLOGAÇÃO COM EXTINÇÃO DO
PROCESSO, NA FORMA DO ART. 269, III, DO CPC, COM TRÂNSITO EM JULGADO NA PRÓPRIA AUDIÊNCIA.
1-RECURSO DO ESPÓLIO APELANTE PRETENDENDO A DECRETAÇÃO DA NULIDADE DA DECISÃO
HOMOLOGATÓRIA DO ACORDO, A FIM DE QUE SEJA PROFERIDA NOVA DECISÃO, DE FORMA A ADEQUAR
O DISPOSITIVO LEGAL QUE FUNDAMENTA O DECISUM. 2-AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR. VIA ELEITA
INADEQUADA. INADMISSIBILIDADE DO RECURSO.3-O ACORDO HOMOLOGADO POR SENTENÇA
INVIABILIZA A PRETENSÃO RECURSAL POR NÃO SER A VIA ELEITA ADEQUADA PARA DESCONSTITUIÇÃO
DO DECISUM DE PRIMEIRO GRAU, NOS TERMOS DO ARTIGO 486, DO CPC.4RECURSO A QUE SE NEGA
SEGUIMENTO, NOS TERMOS DO ARTIGO 557, CAPUT, DO CPC.
[1]“seja qual for a modalidade do divórcio judicial, os alimentos devidos aos filhos é cláusula fundamental, de natureza
cogente e matiz de ordem pública”.(GAGLIANO, Pablo Stolze. O novo divórcio/Pablo Stolze Gagliano, Rodolfo Pamplona
Filho. – São Paulo: Saraiva, 2010. p. 114)

[2]Neste sentido: TJRJ – Ap. Civ. 0007777-90.2009.8.19.0042 – APELACAO - DES. ROBERTO GUIMARAES -
Julgamento: 24/10/2011 - DECIMA PRIMEIRA CÂMARA CIVEL APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO INDENIZATÓRIA.
ACORDO REALIZADO ENTRE AS PARTES EM SEDE DE AUDIÊNCIA. HOMOLOGAÇÃO COM EXTINÇÃO DO
PROCESSO, NA FORMA DO ART. 269, III, DO CPC, COM TRÂNSITO EM JULGADO NA PRÓPRIA AUDIÊNCIA.
1-RECURSO DO ESPÓLIO APELANTE PRETENDENDO A DECRETAÇÃO DA NULIDADE DA DECISÃO
HOMOLOGATÓRIA DO ACORDO, A FIM DE QUE SEJA PROFERIDA NOVA DECISÃO, DE FORMA A ADEQUAR O
DISPOSITIVO LEGAL QUE FUNDAMENTA O DECISUM. 2-AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR. VIA ELEITA
INADEQUADA. INADMISSIBILIDADE DO RECURSO.3-O ACORDO HOMOLOGADO POR SENTENÇA
INVIABILIZA A PRETENSÃO RECURSAL POR NÃO SER A VIA ELEITA ADEQUADA PARA DESCONSTITUIÇÃO
DO DECISUM DE PRIMEIRO GRAU, NOS TERMOS DO ARTIGO 486, DO CPC.4RECURSO A QUE SE NEGA
SEGUIMENTO, NOS TERMOS DO ARTIGO 557, CAPUT, DO CPC.

[3] Art. 98 CPC. §1º - A gratuidade da justiça compreende: ... IX - os emolumentos devidos a notários ou
egistradores em decorrência da prática de registro, averbação ou qualquer outro ato notarial necessário à
efetivação de decisão judicial ou à continuidade de processo judicial no qual o benefício tenha sido
concedido.

I - Considerando o contido na Resolução nº 125/2010-CNJ e Portaria nº 4093/2012-D.M-TJPR,


HOMOLOGO, por sentença, o acordo entabulado entre as partes na sessão de conciliação, para que surta
seus jurídicos e legais efeitos e, de consequência, julgo EXTINTA a Reclamação, nos termos do art. 487,
III, “b” do CPC;

II - Destaco que o acordo firmado no CEJUSC possui valor de título executivo judicial (art. 57 da Lei n.
9.099/1995 c/c Art. 515, II, do CPC). No caso de descumprimento do acordado em audiência
pré-processual, a parte interessada deverá promover a execução do título judicial com nova distribuição
pelo PROJUDI, mediante pagamento de custas processuais e demais emolumentos, dispostas na
legislação processual, bem como a competência.

III – Sentença assinada, registrada e publicada eletronicamente. Intimem-se.

IV - Não sendo recorrível a sentença meramente homologatória, transita em julgado no momento em que
é publicada e, contra esta, não é admissível qualquer recurso (art. 966, §4º do CPC) [1]. Assim deve a
secretaria, desde já certificar o trânsito em julgado desta sentença.

V – Distribua-se a uma das varas de família da comarca para posterior arquivamento.

CARMEN LUCIA RODRIGUES RAMAJO

Magistrada

[1] Neste sentido: TJRJ – Ap. Civ. 0007777-90.2009.8.19.0042 – APELACAO - DES. ROBERTO GUIMARAES -
Julgamento: 24/10/2011 - DECIMA PRIMEIRA CÂMARA CIVEL APELAÇÃO CÍVEL. AÇÃO INDENIZATÓRIA.
ACORDO REALIZADO ENTRE AS PARTES EM SEDE DE AUDIÊNCIA. HOMOLOGAÇÃO COM EXTINÇÃO DO
PROCESSO, NA FORMA DO ART. 269, III, DO CPC, COM TRÂNSITO EM JULGADO NA PRÓPRIA AUDIÊNCIA.
1-RECURSO DO ESPÓLIO APELANTE PRETENDENDO A DECRETAÇÃO DA NULIDADE DA DECISÃO
HOMOLOGATÓRIA DO ACORDO, A FIM DE QUE SEJA PROFERIDA NOVA DECISÃO, DE FORMA A ADEQUAR
O DISPOSITIVO LEGAL QUE FUNDAMENTA O DECISUM. 2-AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR. VIA ELEITA
INADEQUADA. INADMISSIBILIDADE DO RECURSO.3-O ACORDO HOMOLOGADO POR SENTENÇA
INVIABILIZA A PRETENSÃO RECURSAL POR NÃO SER A VIA ELEITA ADEQUADA PARA DESCONSTITUIÇÃO
DO DECISUM DE PRIMEIRO GRAU, NOS TERMOS DO ARTIGO 486, DO CPC.4RECURSO A QUE SE NEGA
SEGUIMENTO, NOS TERMOS DO ARTIGO 557, CAPUT, DO CPC.

Maringá, 23 de janeiro de 2019.

Ana Katma Cremonesi


Analista Judiciária