Você está na página 1de 23

Paulo Silva

Mariae, Mater Ecclesiae


"Então o outro estendeu a mão adiante como para mostrar algo que de improviso havia
aparecido. Gregório voltou a vista na direção indicada, viu uma figura, que era uma mulher
muito mais linda que qualquer pessoa humana. Novamente perturbado desviou o olhar e se
sentiu cheio de perplexidade; não sabia o que pensar acerca daquela visão em que não
conseguia olhar. O mais extraordinário era que, apesar de ser noite escura, brilhava diante dele
uma luz ao lado da figura aparecida, como se tivesse sido acendida uma luz muito brilhante...
Diz-se que Gregório escutou a mulher que enxortava ao evangelista João para explicar ao
jovem (Gregório) o mistério da verdadeira Fé. São João, por sua parte, se declarou totalmente
disposto a obedecer a Mãe do Senhor e disse o que desejava de todo o coração." (Vida de
São Gregório Taumaturgo, p. 46, 912).
Dando continuidade à nossa série de ebooks – a coleção Os padres falam – agora estamos
trazendo a você, caro leitor, uma série de citações patrísticas a respeito
da grande Mãe de Deus, Maria Santíssima, a qual recebeu
do anjo a grande salvação kaire, keraritomene, gratia plena ou
Maria, a plenitude da graça divina. Espero com estas poucas
páginas ajudar você a amar cada vez mais a nossa mãe.
Salve Maria Imaculada!
João Paulo Jacinto da Silva, mais conhecido como Paulo Silva, nasceu em
Cajazeiras/PB, mas foi criado em Fortaleza/CE, casado, pai de uma filha. Nasceu
em um lar católico, porém, em um determinado momento após a morte de sua
mãe, se converteu ao protestantismo sob a denominação batista. Apesar de ainda
frequentar a Igreja Católica, todas as suas ideias eram protestantes, de modo que
pensava, falava e agia como um típico protestante recém convertido.

Homem de natureza questionadora, nunca se sentiu satisfeito com a doutrina que


era ensinada, de modo que não parava a busca por suprir os anseios de sua alma
cheia de perguntas até o momento sem respostas até que com auxílio de alguns
apostolados retornou a única e verdadeira Igreja de Cristo.

Em 15 de agosto de 2000 sua mãe, Maria das Neves J. da Silva, falece de câncer
situado entre o fígado e o baço. Foi um impacto forte demais para ele. Ela era a
sua base, seu porto seguro.

No ano de 2011 fundou o Grupo de Oração São José, grupo que vem se firmando
a cada dia como defensor da Igreja Católica e tendo como missão principal a de
arder em amor e zelo pela cabeça – o Cristo – e seu corpo místico – a Igreja
Católica.

Dá palestras, formações e cursos sobre vários assuntos a respeito de assuntos


ligados à Igreja como Liturgia, vida dos santos, história da Igreja (principalmente a
Igreja Antiga), espiritualidade católica, etc.

Facebook: fb.com/pauloweb
Twitter: @pauloweb
Instagram: @mercynet
Email: paulosilva@mercynet.com.br
Ter mãe é tão bom que até Deus quis ter uma. Isso mesmo, Deus quis ter uma
mãe, já que enviou seu único filho – Deus – para a terra através de uma
mulher, ou melhor, não uma mas a mulher. Maria então tem um papel de
corredentora. Este livro não se destina a provar dogmas ou algo parecido com
argumentação, retórica ou oratória. Queremos demonstrar a fé da Igreja em
Nossa Senhora e que ela existe desde sempre.

Me responda uma coisa: Jesus poderia vir ao mundo como Melquisedec?


Pensemos um pouco. O Senhor que é o nosso sumo sacerdote segundo a
ordem de Melquisedec (Hb 7, 17) poderia ter vindo como Melquisedec, ou seja,
ninguém sabe de onde veio e nem pra onde foi. Mas não, ele quis vir de
mulher.

Vir através de mulher foi vontade de Deus, mas não poderia parar por aí. Ele
veio por uma virgem. Então vemos como Deus eleva Seus eleitos. O anjo que
anunciou à Maria, São Gabriel Arcanjo, utilizou uma expressão utilizada para a
realeza Ave, seguida de uma característica importante: gratia plena (kaire
kekaritomene), ou seja, a plena da graça divina. Ora, se Maria é plena da graça
divina, como pode ser uma mulher comum? Aí já rebatemos quase 500 anos
de ataques à nossa queria mãe. Porém tem muitas outras coisas que não
teremos como nos ater neste pequeno opúsculo. O fato do anjo ter se
prostrado diante da Virgem Santa é outro ponto crucial para entender sua
eleição divina. Em lugar algum da bíblia um anjo se prostrou diante de uma
pessoa, mas o contrário sempre aconteceu. Já com Nossa Senhora foi o
contrário, São Gabriel Arcanjo reconhecia já ali a majestade de sua rainha.

Nas próximas páginas veremos os padres da Igreja falando sobre Nossa


Senhora. Veja que não sou eu ou algum líder católico falando, mas padres que
estiveram no início da Igreja e contribuíram no desenvolvimento da sã doutrina.
“Convinha que aquela que no parto manteve ilibada virgindade conservasse o corpo
incorrupto mesmo depois da morte. Convinha que aquela que trouxe no seio o
Criador encarnado, habitasse entre os divinos tabernáculos. Convinha que morasse
no tálamo celestial aquela que o Eterno Pai desposara. Convinha que aquela que
viu o seu Filho na cruz, com o coração traspassado por uma espada de dor de que
tinha sido imune no parto, contemplasse assentada à direita do Pai. Convinha que a
Mãe de Deus possuísse o que era do Filho, e que fosse venerada por todas as
criaturas como Mãe e Serva do mesmo Deus”. (Sermão sobre a Assunção de
Maria)

“São Juvenal, bispo de Jerusalém, no Concílio de Calcedônia (451), levou ao


conhecimento do Imperador Marciano e Pulquéria, que desejavam possuir o corpo
da Mãe de Deus, que Maria morreu na presença de todos os Apóstolos, mas que o
seu túmulo, quando aberto a pedido de São Tomé, foi encontrado vazio; portanto os
Apóstolos concluiram que o corpo foi levado ao céu.” (PG (96:1))

“Como, então, foi que ela assumiu às cortes celestiais? Deste modo. Quais foram
as honras então conferidas a ela por Deus, que nos ordena a honrar nossos pais?”
(Sermão II sobre a Assunção de Maria)

“Vamos então também guardar a festa solene de hoje para homenagear a partida
alegre da Mãe de Deus” (Sermão II sobre a Assunção de Maria)
"Mas, seguindo a tradição que está registrado no Evangelho
segundo São Pedro ou no livro de Tiago, eles dizem que há
alguns irmãos de Jesus, os filhos de José por uma ex-mulher,
que vivia com ele antes de Maria. Agora aqueles que dizem
por assim desejarem preservar a honra de Maria na
virgindade até o fim, de modo que o organismo dela, que foi
designada para ministrar a Palavra que diz: "O Espírito Santo
descerá sobre ti, e o poder do altíssimo deve ofuscar a ti ",
pode não ter tido relação sexual com um homem depois que
o Espírito Santo veio ela e o poder do alto a tivesse ofuscado.
E eu acho que em harmonia com a razão que Jesus era o
fruto primeiro entre os homens da pureza, que consiste na
castidade, e Maria entre as mulheres, pois não foram
piedosos atribuir a qualquer outro do que o seu fruto primeiro
da virgindade." (Comentário ao Evangelho de Mateus x. 17)
"Pois, se Maria, como aqueles que declaram, com exaltar
sua mente sã, não tinha outro filho, mas Jesus, e ainda
Jesus diz para sua mãe, 'Mulher, eis aí teu filho', e não
'Eis que você tem esse filho também'" (Comentário ao
Evangelho de João, Livro 1, 6)

"Sobre este assunto, eu encontrei uma observação muito


bem em uma carta do mártir Inácio, segundo bispo de
Antioquia depois de Pedro, que lutou com as feras,
durante a perseguição em Roma. A virgindade de Maria
estava escondida do príncipe deste mundo, graças a
José e escondido seu casamento com ele. Sua
virgindade foi mantida escondida porque ela foi pensada
para ser casada." (Homilias sobre Lucas, 6, 3-4.)
Santo Irineu de Lião, bispo, escritor e teólogo, padre
apologeta, nascido no ano 130 da era cristã afirma:
"Como por uma virgem desobediente foi o homem ferido,
caiu e morreu, assim também por meio de uma virgem
obediente à palavra de Deus, o homem recobrou a vida.
Era justo e necessário que Adão fosse restaurado em
Cristo, e que Eva fosse restaurada em Maria, a fim de que
uma virgem feita advogada de uma virgem, apagasse e
abolisse por sua obediência virginal a desobediência de
uma virgem." (Contra Heresias L. 5, 19.1)
“Salve, bem-aventurado João, apóstolo e evangelista, glória da virgindade, mestre
da honestidade. Salve, vaso puríssimo da temperança, a ti virgem, confiou, na
cruz, nosso Senhor Jesus Cristo a Mãe de Deus, sempre virgem!

Salve, ó Maria, Mãe de Deus, virgem e mãe, estrela e vaso de eleição! Salve,
Maria, virgem, mãe e serva: virgem, na verdade, por virtude daquele que nasceu
de ti; mãe por virtude daquele que cobriste com panos e nutriste em teu seio;
serva, por aquele que amou de servo a forma! Como Rei, quis entrar em tua
cidade, em teu seio, e saiu quando lhe aprouve, cerrando para sempre sua porta,
porque concebeste sem concurso de varão, e foi divino teu parto. Salve, Maria,
templo onde mora Deus, templo santo, como o chama o profeta Davi, quando diz:
"O teu templo é santo e admirável em sua justiça" (Sl 64). Salve, Maria, criatura
mais preciosa da criação; salve, Maria, puríssima pomba; salve, Maria, lâmpada
inextinguível; salve, porque de ti nasceu o sol da Justiça! Salve, Maria, morada da
infinitude, que encerraste em teu seio o Deus infinito, o Verbo unigênito,
produzindo sem arado e sem semente a espiga incorruptível! Salve, Maria, mãe de
Deus, aclamada pelos profetas, bendita pelos pastores, quando com os anjos
cantaram o sublime hino de Belém: "Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos
homens de boa vontade" (Lc 2,14).
Salve, Maria, Mãe de Deus, alegria dos anjos, júbilo dos arcanjos que te
glorificam no céu! Salve, Maria, Mãe de Deus: por ti adoraram a Cristo os
Magos guiados pela estrela do Oriente; salve, Maria, Mãe de Deus, honra
dos apóstolos! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem João Batista, ainda no
seio de sua mãe exultou de alegria, adorando como luzeiro a perene luz!
Salve, Maria, Mãe de Deus, que trouxeste ao mundo graça inefável, da qual
diz são Paulo: "apareceu a todos os homens a graça de Deus salvador" (Tt
2,1). Salve, Maria, Mãe de Deus, que fizeste brilhar no mundo aquele que é
luz verdadeira, a nosso Senhor Jesus Cristo, que diz em seu Evangelho: "eu
sou a luz do mundo!" (Jo 8,12). Deus te salve, Mãe de Deus, que iluminaste
aos que estavam em trevas e sombras de morte; porque o povo que jazia
nas trevas viu uma grande luz (Is 9, 2), uma luz não outra senão Jesus
Cristo nosso Senhor, luz verdadeira que ilumina todo homem que vem a este
mundo (Jo 1,9). Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem se apregoa nos
Evangelhos: "bendito o que vem em nome do Senhor!" (Mt 21,9), por quem
se encheram de igrejas nossas cidades, campos e vilas ortodoxas! Salve,
Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o vencedor da morte e o
destruidor do inferno! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem veio ao mundo o
autor da criação e o restaurador das criaturas, o Rei dos céus!
Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem floresceu e refulgiu o brilho da ressurreição! Salve,
Maria, Mãe de Deus, por quem luziu o sublime batismo de santidade no Jordão! Salve,
Maria, Mãe de Deus, por quem o Jordão e o Batista foram santificados e o demônio foi
destronado! Salve, Maria, Mãe de Deus, por quem é salvo todo espírito fiel! Salve, Maria,
Mãe de Deus, - pois acalmaste e serenaste os mares para que pudessem nossos irmãos
cooperadores e pais e defensores da fé, serem conduzidos, com alegria e júbilo
espiritual, a esta assembléia de entusiásticos defensores de tua honra!

Também aquele que, levando cartas de perseguição, sendo derrubado pela luz do céu no
caminho de Damasco, falou sobre ti e confirmou para o mundo a fé na Trindade
consubstancial, de um só Senhor, de um só batismo; de um só Pai, um só Filho, um só
Espírito Santo; da substância inseparável e simplicíssima; da divindade incompreensível
do Senhor Deus de Deus, Luz de Luz, Esplendor da Glória, que nasceu de Maria Virgem,
conforme o anúncio do Arcanjo: "Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo, o Espírito
Santo descerá sobre ti, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com sua sombra, e por isso o
santo que de ti nascer será chamado Filho de Deus vivo" (Lc 1,35). Não somente o
sabemos pelo arcanjo Gabriel; também Davi, no vaticínio que canta diariamente a Igreja,
nos diz: "O Senhor me disse: és meu filho; no dia de hoje te gerei" ( Sl 2,7). Já o sábio
Isaías, filho do profeta Amós, profeta nascido de profeta, o predissera: "Eis que a virgem
conceberá, e dará à luz um filho e seu nome será Emanuel, que significa Deus conosco"
(Mt 1,23).
Por isso todos os que formos fieis às Escrituras, seguindo
os caminhos de Paulo, ouvindo as vozes dos profetas
clamar-te-ão Bem aventurada.. Todos os que formos
seguidores dos Evangelhos permaneceremos como disse
o profeta: seremos como “oliveira fértil na casa de Deus”
(Sl 51), glorificando a Deus Pai Todo Poderoso, a seu
Filho UNIGÊNITO que nasceu de Maria e ao vivificante
Espírito Santo, que se comunica a todos na vida;
submissos aos fidelíssimos imperadores, honrando as
rainhas, discretas e santas virgens, no seu amor à fé
ortodoxa de Cristo de Jesus, nosso Senhor a quem se
deve a glória pelos séculos dos séculos. Amém (Fonte:
GOMES, Folch F. Antologia dos Santos Padres. Ed
Paulinas . SP 1979)
"Em sua virgindade Eva colocou as folhas de vergonha:
Sua mãe colocou na sua virgindade a roupa da Glória que
é suficiente para todos." (Hino da Natividade, hino 12)

"O que teria sido possível que aquela que foi a residência
do Espírito, que foi ofuscada pelo poder de Deus,
tornou-se uma mulher mortal, e ela suportou a dor, de
acordo com a maldição em primeiro lugar? [...] A mulher
que dá à luz na dor não poderia ser chamado abençoado.
O Senhor, que veio com as portas fechadas, e fora do
seio virginal, porque isso realmente virgem deu à luz sem
sentir dor " (Efren, Diatessaron, 2,6: SC 121,69-70, cf. .
ID, Hímni de Nativitate, 19,6-9: CSCO 187,59)
Santo Agostinho de Hipona, nascido em 364 da era cristã, foi
um grande bispo e um grande mestre e escritor, além de ser
doutor da Igreja fala: "Maria é Mãe de Deus, feita pela mão
de Deus". (S. Agost. in orat. ad heres.).

“Isso significa: Minha mãe, ela mesma, a quem chamais de


feliz (bem-aventurado), é feliz porque guarda a palavra de
Deus. Não é feliz somente porque nela a Palavra “se fez
carne e habitou entre nós” (Jo 1,14). É feliz porque guardou
essa mesma palavra de Deus, por quem foi feita e que nela
se fez carne. Logo, que as pessoas não se alegrem por sua
posteridade temporal, mas sim, exultem pelo espírito com
que estão unidas a Deus.” (Comentário do Evangelho de
João X, 3., in Agostinho, Santo, A Virgem Maria - Cem textos
Marianos com comentários, Paulus, 3a. ed.)
"O Senhor indica assim, o parentesco espiritual que o liga ao
povo por ele redimido. Conta como irmão e irmã a todos os
homens e a todas as mulheres que se tornam santos, por
serem seus co-herdeiros na herança celestial. Sua mãe é a
Igreja inteira, pois, pela graça de Deus, ela dá à luz os seus
membros que são os fiéis. Além do mais, sua mãe é ainda
toda alma piedosa que cumpre a vontade de seu Pai e cuja
fecundíssima caridade manifesta-se naqueles que ela gera
para ele, até que o próprio Cristo seja neles formado. (Gl
4,19). Portanto, Maria ao fazer a vontade de Deus é,
corporalmente, só a mãe de Cristo; mas, espiritualmente, é
também a sua mãe e irmã." e ainda: “Logo, isso acontece
com Maria, visto que ela sempre está a fazer a vontade do
Pai.(...)” (Agostinho, Santo, A Virgem Maria - Cem textos
Marianos com comentários, Paulus, 3a. ed., Pág. 54).
“Maria foi Virgem ao conceber o seu Filho, Virgem
durante o parto,(...) Virgem depois do parto,
sempre Virgem” (Sermão 186)

“Maria é virgem porque a sua virgindade é o sinal


da sua Fé não adulterada por dúvida alguma e da
Sua entrega total à vontade de Deus. A sua fé que
a faz chegar a ser a mãe do Salvador: ‘Mais
bem-aventurada é Maria ao receber a Cristo pela fé
do que ao conceber no seu seio a carne de Cristo’
(Santo Agostinho,De sancta virginitate 3,3)”
“Confessamos, então, nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho unigênito de
Deus, perfeito Deus e perfeito homem, de uma alma racional e de um
corpo, gerado antes de todas as eras do Pai em sua divindade, o
mesmo nos últimos dias, por nós e para nossa salvação, nascido da
Virgem Maria, de acordo com a sua humanidade, um e o mesmo
consubstancial com o Pai em divindade e consubstancial a nós na
humanidade, pois a união de duas naturezas ocorreu. Portanto, nós
confessamos um só Cristo, um filho, um Senhor. De acordo com esse
entendimento da união inconfudível, nós confessamos a Virgem santa
como sendo a Mãe de Deus, porque Deus, o Verbo se fez carne e se
fez homem e de sua própria concepção unido a si mesmo o templo ele
tomou dela” (Formula da União [AD 431 ]).

“Se alguém não confessar que o Emanuel é verdadeiro Deus, e que,


portanto, a Santíssima Virgem é a Mãe de Deus (Θεοτόκος), na medida
em que na carne, ela deu à luz o Verbo de Deus feito carne [como está
escrito: "O Verbo era que se fez carne "] seja anátema.” (1º Anátema de
São Cirílo a Nestório).
"De onde vem esta perversidade? De onde é
que irrompeu tamanha audácia? Porventura o
próprio nome não é suficiente atestado?
Quem jamais houve, em tempo algum, que
ousasse proferir o nome de Maria e
espontaneamente não lhe acrescentasse a
palavra virgem? O nome de Virgem foi dado a
Santa Maria, nem se mudará nunca, ela
sempre permaneceu ilibada" (Panarion,
Contra os hereges).
"Pois se José a tomou como sua esposa com o proposito
de ter filhos, por que ela ficou pensando sobre o anuncio
de sua maternidade, se ela mesma aceitou o fato de se
tornar mãe de acordo com a lei da natureza? Mas assim
como era necessário Guardar o corpo da consagrada a
Deus como oferenda intocada e Espírito Santo, por esta
mesma razão, ela afirma, mesmo se você é um anjo que
desceu do céu e mesmo que este fenômeno está além da
capacidade dos homens, no entanto, impossível para mim
conhecer homem. Como devo tornar-me mãe sem
conhecer homem? Pois, embora considere um José para
ser meu marido, ainda assim não conhecerei homem"
(Sobre a Geração de Santo Cristo, 5)