Você está na página 1de 8

243

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva


ISSN 1981-9927 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

COMPARAÇÃO DA FORÇA DE PREENSÃO PALMAR EM ADOLESCENTES COM BAÍXO


PESO E PESO NORMAL VERSUS SOBREPESO E OBESIDADE EM ESCOLA NO
MUNICÍPÍO DE SÃO PAULO
1 1,2
Wagner santos Rosa , Carlos Bueno Junior

RESUMO ABSTRACT

O método para avaliar a força de preensão Comparasion of palmar in adolescents with low
palmar é muito utilizado, principalmente no birth weight and wigt versus normal overweight
âmbito esportivo e em clínicas de fisioterapia, and obesity in school in the municipality of São
para quantificar a força exercida pela mão ao Paulo
apertar um objeto cilíndrico. Em busca de
valores concisos, vários estudos são feitos The method assessing the strength of grip is
com o intuito de se reproduzir um tipo de often used, especialy in sports end physical
protocolo que padronize os resultados. Porém therapy clinics to measure the force exerted by
alguns fatores devem ser considerados como, the hand by pressing a cylindrical object. In
por exemplo: sexo, idade, mão de domínio, search of values concise, several studies are
horário da avaliação, empunhadura, ajuste da carried out in order to reproduce a type of
mão no medidor de força, veracidade na protocol to standardize the results. However,
aplicabilidade da força e as características some factors should be considered such as
antropométricas, pois podem ou não gender, age, hand domain, time of evaluation,
influenciar na força de preensão palmar. O grip, adjust the power meter in hand accuracy
teste foi feito com uso do dinamômetro digital, in the applicability of the anthropometric
na posição anatômica, com a mão de domínio characteristics, they may is not influence or
da aluna, com flexão de cotovelo a 45º e force palm grip. The test was done with use of
ajuste da empunhadura. Outros dados digital dynamometer, standing in the
antropométricos foram coletados como: soma anatomical position, with the field of student
de quatro dobras cutâneas, circunferência de hand with elbow flexion at 45º degrees and
cintura e quadril, peso e estatura. O objetivo adjusts the grip. Orther anthropometric data
desse estudo foi comparar as forças were collected: the sun of four skinfolds, waits
musculares em 32 alunas com idade entre 11 and hip circumference, weight and weight. The
e 15 anos, diferentes composições corporais: aim of this study was to compare muscle
baixo peso e peso normal versus sobrepeso e forces in 32 students aged between 11 and 15
obesidade. Não houve diferença years of different body composition:
estatisticamente significante nos resultados underweight end normal weight versus
entre os grupos. Os resultados permitem overweight and obesity. There was no
concluir que a composição corporal não é um statistically significant difference in outcomes
fator determinante da força muscular na between the groups. The results suggest that
adolescência e sugerem que mais estudos body composition is not a determinant of
possam ser feitos com essa população. muscle strength in adolescence and suggest
that further studies can be done with this
Palavras-chave: Força de preensão palmar; population.
Níveis maturacional; Adolescentes;
Composição corporal. Key words: Grip strength; Maturational levels;
Adolescents; Body composition.

1 - Programa de Pós Graduação Lato-Sensu E-mail:


da UGF especialização em Bases Nutricionais wagnerr33@hotmail.com.br
da Atividade Física: Nutrição Esportiva carmao11@yahoo.com.br
2 - Graduado e Mestre em Educação Física Endereço para correspondência:
pela Escola de Educação Física e Esporte da Avenida Erico Veríssimo, 292 - casa
Universidade de São Paulo Jardim Recanto das Rosas - Osasco - São
Paulo
Cep: 061249-249

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 5. n. 27. p. 243-250. Maio/Junho. 2011. ISSN 1981-9927.
244

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva


ISSN 1981-9927 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

INTRODUÇÃO Um estudo de revisão realizado por


Godoy e colaboradores (2004), afirmam que a
A força de preensão palmar não é força encontrada na mão direita é
simplesmente uma medida de força de mão, expressamente em média, 10% maior que a
mas também um método de avaliação do mesma analisada na mão esquerda, em
corpo como um todo. pessoas que possuem como mão de domínio
O uso do dinamômetro vem sendo a mão direita.
utilizado com grande freqüência, para medir a Os autores ressaltam que essa
força de preensão manual tanto na área clínica diferença se dá pela influência da sociedade
quanto na desportiva. que privilegia as pessoas que utilizam mais a
É um equipamento de baixo custo, de mão direita como lado de dominância, e que
fácil manuseio e vêm ganhando adeptos que o quando a dominância se faz pela mão
utilizam na área desportiva para melhora no esquerda, não há diferença significativa nos
desempenho como na clínica, para avaliações resultados.
no quadro clinico de um paciente que Dentre as fases da vida, a fase adulta
necessita melhorar sua força plantar (Haidar e é a fase onde a força apresenta seu maior
colaboradores, 2004; Hillman e colaboradores, pico, ocorrendo entre 25 e 35 anos. Após esse
2005; Ruiz-Ruiz e colaboradores, 2002). período de vida, a força começa a ter uma
É constante a presença do uso do perda gradativa (Esteves e colaboradores,
dinamômetro na literatura principalmente a 2005).
internacional, para diversos fins tais como: Assim o uso de meios para mensurar
análises clínicas, estudos epidemiológicos e ou predizer a força no meio esportivo, ganha
avaliação de desempenho. Atualmente é destaque, pois os resultados obtidos através
considerado o método mais eficiente para de testes motores ajudam na melhoria da
mensurar a força de preensão manual. performace de um atleta sendo um tópico de
O dinamômetro manual é um extrema importância para técnicos e
equipamento que oferece praticidade em seu preparadores físicos entre as várias
manuseio, por permitir uma leitura de fácil modalidades esportivas.
entendimento quanto aos resultados, de forma Desse modo, selecionar testes que
rápida e direta. sejam válidos e fidedignos que possam avaliar
É também aceito no meio científico as capacidades motoras alvo, específicas a
pela sua comodidade em ser utilizado e cada modalidade, é uma tarefa árdua
transportado para qualquer local, tanto em (Ugrinowitsch e colaboradores, 2002).
ambiente interno ou externo, possibilitando A adolescência é uma fase na qual
assim que seu uso não se limite apenas em existe uma expressiva variação corporal, que
laboratórios (Schussel, 2006; Bohannon e ocorre entre 10 e 19 anos (World Health
colaboradores, 2006; Godoy e colaboradores, Organization, 1998).
2004; Desrosiers, Bravo, Hérbert, 1997; Haidar O crescimento é um processo
e colaboradores, 2004). dinâmico e complexo, podendo sofrer
Um estudo feito por Godoy e influência de vários fatores tais como: idade,
colaboradores (2004) verificou que a força sexo, hereditariedade, ingestão alimentar,
preensão manual entre homens e mulheres, atividade física, os quais poderão causar
foi maior nos homens em todas as faixas alterações tanto no tamanho quanto no
etárias, em ambas as mãos, esquerda ou formato em relação à composição corporal do
direita, se comparado com as mulheres. individuo ao longo de sua vida.
Os Resultados deste estudo parecem A Organização Mundial da Saúde
ter consenso entre outros autores que também (OMS) definiu o índice de massa corpórea
estudaram a força de preensão manual. (IMC) como uma medida padrão para avaliar o
Quando comparam indivíduos pela mão de estado nutricional de um indivíduo através da
dominância tanto esquerda quanto direita, equação que consiste em: massa corporal X
Massy-Wetropp e colaboradores (2004) altura².
constataram que a força de preensão manual Quando o resultado apresentar valores
avaliada na mão de dominância, teve um pico entre: 18,5 e 24,9 Km/m² significam que o
maior de força e resistência. peso está ideal. Valores de IMC entre 25 e
29,9 Kg/m², são considerados sobrepeso; IMC

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 5. n. 27. p. 243-250. Maio/Junho. 2011. ISSN 1981-9927.
245

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva


ISSN 1981-9927 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

maior que 30 Kg/m², são classificados como de engordar, através da preocupação


obesidade (Wolrd Health Organization, 2000). obsessiva com os alimentos, pelo desejo
Os fatores genéticos são responsáveis persistente em emagrecer e pela distorção da
por 24% a 40% da variação do índice de imagem corporal, que trazem como resultado
massa corpórea (IMC), por determinarem, por prejuízos biológicos, psicológicos e aumento
exemplo, diferenças na taxa do metabolismo de morbimortalidade (Slade e colaboradores
basal e na resposta à superalimentação 1988).
(Bouchard, 1994; Prince, 2002). As estimativas da prevalência de
Entretanto, quando se busca uma distúrbios alimentares variam de acordo com a
explicação para a epidemia global de metodologia e a amostra utilizada. De modo
obesidade infantil, os esforços devem se geral, a prevalência de anorexia varia entre 0,5
concentrar na identificação dos fatores e 3,7%, onde na maioria dos casos pacientes
ambientais e principalmente nos hábitos de que apresentam esse perfil, são adolescentes
vida dessas crianças (Gortmaker e do sexo feminino, de raça branca e auto-nível
colaboradores, 1993; Hill e Peters, 1998; socioeconômico, porém se tem observado que
Epstein e colaboradores, 2000). esse grupo é cada vez mais heterogêneo, com
De acordo com o IBGE (2002/2003), diagnósticos em pré-adolescentes e em níveis
cerca de 10% das crianças e adolescentes econômico mais baixo (Nunes, 2001).
brasileiros estão acima do peso, 7% destes Para avaliar essas variáveis se faz
sofrem de obesidade. Pesquisa feita no necessária a utilização de um questionário de
Estado de São Paulo detectou a prevalência qualidade de vida SF-36(Ciconelli, 1999) e um
de 2,5% de crianças menores de 10 anos com questionário recorda tório alimentar sugerido
obesidade entre as classes econômicas pela CGAN (Coordenação Geral Alimentação
menos favorecidas e 10,6% nos grupos mais e Nutrição).
favorecido (Monteiro e Conde, 2000). Neste contexto, há uma crescente
Em outro estudo em uma escola de preocupação entre os profissionais da área da
classe média alta no nordeste do Brasil, educação física e educadores, que lidam
detectou a prevalência de sobrepeso entre diariamente com crianças em idade escolar,
26,2% e 8,5% de obesidade (Leao e tanto em relação aos hábitos alimentares,
colaboradores, 2003). quanto ao alto índice de sobrepeso e a falta da
As mudanças no comportamento prática da atividade física.
alimentar, sedentarismo e fatores genéticos, Estas contribuem para um aumento
formam um conjunto com as principais no gasto energético e por conseqüência na
determinantes da obesidade em crianças de redução do sobrepeso e obesidade nessa fase
todo o mundo (Prince, 2002; Cole, 2000). inicial da vida (Guimaraes e Barros, 2001).
Além dos fatores mencionados, O presente estudo tem por finalidade
ansiedade e alterações do estado psicológico comparar a influência da força de preensão
podem influenciar seriamente na ingestão manual pelo uso do dinamômetro digital na
calórica (Battistone, 1996). composição corporal em adolescentes do sexo
Esse fato também contribui para um feminino com baixo peso e peso normal versus
grande círculo vicioso, onde o ganho de peso sobrepeso e obesidade no âmbito escolar.
pode alterar o estado emocional negativo e a
baixa auto estima sendo causadas pela MATERIAIS E METODOS
rejeição social e ou isolamento, induzindo,
desta forma, ao consumo excessivo de A amostra desse estudo foi composta
alimentos que por conseqüência aumentam a por adolescentes do sexo feminino, de uma
taxa de gordura corporal (Monteiro e escola da rede municipal, localizada na região
colaboradores, 1995). do Butantã, zona oeste de São Paulo
Por outro lado várias evidências têm denominada Prof.Gen. Gonçalves Alcides
demonstrado um aumento na insatisfação dos Etchegoyen.
adolescentes em ralação a sua imagem Essa amostra foi extraída de um total
corporal. de 187 alunas que compreendem o período
Da mesma forma houve aumento no vespertino do ensino fundamental de 5ª a 8ª
número de casos de anorexia. Esse distúrbio série. 54 alunas foram convidadas a participar
alimentar é caracterizado pelo medo mórbido

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 5. n. 27. p. 243-250. Maio/Junho. 2011. ISSN 1981-9927.
246

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva


ISSN 1981-9927 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

deste estudo, porém apenas 32 cinqüenta quilos, do fabricante Techline,


permaneceram até o final. modelo BAL-150PA. A fita métrica utilizada
O local escolhido para a coleta dos para medir: estatura, circunferências de cintura
dados foi o próprio ambiente escolar, durante e quadril, foi a da marca FIT.
o horário de aula (das 13:00hs as 18:20hs), O protocolo utilizado para fazer a
com autorização do coordenador pedagógico e avaliação antropométrica, foi extraído do
do diretor. SOFTWERE PHISICAL TEST 6.0, fabricante
Através de uma prévia explicação Terra Azul.
sobre a finalidade do estudo, métodos de Além desses dados, foram utilizados
avaliação e o preenchimento do Termo de mais dois questionários, um para analisar a
Consentimento, assinado pelos responsáveis qualidade de vida (SF-36) e um para verificar a
legais. qualidade e quantidade dos alimentos,
As 32 voluntárias deste estudo sugerido pela OMS.
compreendem as seguintes séries: 6ª, 7ª e 8ª O questionário SF-36 foi utilizado para
do ensino fundamental, com idade entre 11 e verificar o nível de qualidade de vida das
15 anos, no período. participantes explorando os seguintes
A faixa etária das alunas se domínios: capacidade funcional, vitalidade,
divide em: 04 com 11 anos, 11 com 12 anos, aspectos sociais, aspectos emocionais, estado
02 com 13 anos, 11 com 14 anos e 03 com 15 geral de saúde, saúde mental, aspectos
anos. fisiológicos e dor, totalizando 11 questões
Todas foram submetidas à coleta dos abordando assuntos relacionados a esses
seguintes dados: sexo, idade, estatura, peso, domínios. Cada domínio possui uma escala de
IMC, circunferência do quadril, circunferência pontuação que varia entre zero e cem, sendo
da cintura, adipometria de quatro dobras das a pontuação de número 100, o melhor índice
seguintes regiões do corpo: bíceps, tríceps, de qualidade de vida e zero o pior índice.
subescapular, supra-ilíaca e teste de força de O questionário recorda tório alimentar
preensão palmar. O adipômetro utilizado foi da utilizado foi o questionário elaborado pelo
marca NEO PRIME. CGAN, com preenchimento online. Esse
O aparelho para avaliar a força foi o questionário foi reproduzido, e preenchido
Dinamômetro Digital da marca DAY HOME. As pelas participantes, podendo ter auxílio dos
medidas foram feitas em dias diferentes, no pais para responder cada questão. Seus
mesmo período, sempre ajustando a resultados foram obtidos no próprio site da
empunhadura para um melhor resultado. OMS.
A tabela contida no manual do
fabricante foi utilizada para comparar os RESULTADOS
resultados do teste de força de preensão
palmar. A tabela 1 abaixo comparou os
O protocolo utilizado para fazer os seguintes dados antropométricos: idade,
cálculos antropométricos foi o do autor estatura, massa corpórea atual, IMC e massa
Deurenberg, para crianças de 7 a 17 anos. corpórea máxima de todos os grupos, ambos
A balança utilizada para pesagem foi apresentaram diferença estatística significante.
a do tipo digital com capacidade até cento e p<0,05.

Tabela 1 - Idade (anos), estatura (m), massa corpórea atual (Kg), índice de massa corpórea (IMC -
2
Kg/m ) e massa corpórea máxima (Kg). EPM: erro padrão da média. p: nível de significância.
Dados antropométricos I
Idade Estatura Massa corpórea atual IMC Massa corpórea máxima
Baixo peso e peso normal (n = 19)
Média 12,5 1,50 42,8 18,8 45,4
EPM 0,3 0,01 1,7 0,6 1,6

Sobrepeso e obesidade (n = 13)


Média 13,5 1,57 66,8 27,1 61,9
EPM 0,4 0,02 3,5 1,2 2,6
p 0,04 0,00651 0,00000016 0,000000081 0,00000311

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 5. n. 27. p. 243-250. Maio/Junho. 2011. ISSN 1981-9927.
247

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva


ISSN 1981-9927 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

A tabela 2 abaixo demonstrou pontuação muito abaixo do considerado ideal


diferença estatística significante entre todos os para uma boa alimentação.
dados antropométricos (circunferência da A tabela 4 diz respeito ao teste de
cintura, circunferência do quadril, soma das força de preensão manual - não houve
dobras cutâneas e % de gordura corpórea) diferença estatística significante entre os
entre os grupos. grupos, porém os resultados demonstraram
A tabela 3 abaixo diz respeito à que todos ficaram acima da média de força
pontuação alimentar, não houve diferença para a faixa etária segundo manual do
estatística significante entre os grupos, porém fabricante (Day Home).
segundo a OMS, todos tiveram uma

Tabela 2 - Circunferência da cintura (cm), circunferência do quadril (cm), soma das dobras cutâneas
(mm) e porcentagem (%) de gordura corpórea. EPM: erro padrão da média. p: nível de significância.
Dados antropométricos II
Cincunferência da cintura Circunferência do quadril Soma das dobras cutâneas % de gordura corpórea
Baixo peso e peso normal (n = 19)
Média 63,6 79,1 38,9 19,0
EPM 1,3 2,2 3,2 0,9

Sobrepeso e obesidade (n = 13)


Média 78,0 99,2 89,7 29,3
EPM 2,9 2,4 6,1 1,2
p 0,000024 0,000000974 0,0000000057 0,0000000803

Tabela 3 - Pontuação alimentar. EPM: erro padrão da média. p: nível de significância.


Pontuação alimentar (OMS)
Baixo peso e peso normal (n = 19)
Média 31,9
EPM 1,2

Sobrepeso e obesidade (n = 13)


Média 31,8
EPM 2,3
p 0,96

Tabela 4 - Força de preensão manual. EPM: erro padrão da média. p: nível de significância.
Força de preensão manual
Baixo peso e peso normal (n = 19)
Média 24,5
EPM 1,2

Sobrepeso e obesidade (n = 13)


Média 26,0
EPM 1,1
p 0,38

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 5. n. 27. p. 243-250. Maio/Junho. 2011. ISSN 1981-9927.
248

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva


ISSN 1981-9927 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

DISCUSSÃO e na preensão manual em 69 crianças de três


a seis anos de idade e 17 adultos. Um dos
Alguns autores dizem que a massa resultados dos encontrados afirma que a
corporal exercer um papel influente na diferença entre os gêneros é secundaria a
interpretação das medidas de FPM (Força base neurológica.
Preensão Palmar), em relação à utilização da Já o estudo de Muaset e
normalização ou correlação da FPM. colaboradores (1996) investigou a força de
Conforme observou se no contexto deste preensão em 30 pré-escolares de cinco e seis
estudo, acredita-se que a composição corporal anos de idade, onde não encontraram
não apresentou influência sobre o nível de diferenças significativas de força de preensão
força de preensão palmar em adolescentes entre os gêneros.
escolares do sexo feminino. E também não é a Dunn e colaboradores (1993)
melhor maneira para ser utilizada como verificaram a força de preensão em dois
método de avaliação nessa população. grupos de crianças com idade entre três e sete
Diferentemente do que se tem relatado anos, sendo um grupo saudável e outro com
na literatura, o presente estudo verificou que patologia reumática - utilizando um
os resultados da força avaliada em todos os esfigmomanômetro modificado.
grupos, estão acima da média para o gênero e Os resultados demonstraram que a
faixa etária. força aumenta com a idade, que não há
Recentemente, Watabane e diferença entre os sexos e crianças que
colaboradores (data) Investigando o efeito da apresentavam patologia reumática tinham
postura sobre a FPM (Força Preensão perda significativa da força de preensão. Entre
Palmar), não encontraram diferença de força os sexos também não apresentaram
máxima em relação à posição sentada ou em significância nos resultados, provavelmente
pé. Porém a posição deitada apresentou o por se encontrarem em fase de
menor resultado. desenvolvimento onde ainda não houve
Otanez, (1983) comparou a força de influência hormonal.
resistência entre 50 universitárias argentinas, Newman e colaboradores (1984)
com idade entre 18 e 22 anos, contra 50 apresentaram as normas para a força de
adolescentes escolares com idade entre 12 e preensão manual em crianças saudáveis com
13 anos. Observou que a diferença entre os idade entre 5 a 18 anos, utilizando um
dois grupos ficou em média 1,58 repetições dinamômetro portátil construído com strain
foram pouca significativa. gouges. A força de preensão comparada entre
Trivers e colaboradores (1999) meninas e meninos, foi maior nos meninos e a
realizaram um estudo com 285 crianças, entre correlação entre tamanho da mão e a força foi
cinco e 11 anos de idade, em comunidades notada em crianças com idade a partir dos 10
rurais da Jamaica para verificar a simetria anos.
entre os grupos e segmentos corporais. Os Por outro lado o presente estudo
dados referentes às medidas das mãos, não constata-se com os resultados já
apresentaram assimetria flutuante. Em relação demonstrados na literatura que o baixo peso,
às medidas quanto ao tamanho da mão não sobrepeso e obesidade se manifestam cada
houve diferenças estatisticamente vez mais cedo, e que agora tem como alvo a
significativas. população mais jovem.
“De acordo com os dados de Trivers, Sugere-se então que mais estudos
Link e colaboradores (1995) realizaram um sejam feitos para predizer se a força de
estudo com 225 alunos da pré-escola, para preensão palmar pode ou não servir como
determinar a força de preensão esférica parâmetro em relação à composição corporal,
utilizando o ‘Martin Vigorimeter”. Os resultados e que o melhor método para combater a
não apresentaram diferenças significativas obesidade infantil, é a prevenção.
entre mão esquerda ou direita em meninos e Para isso se faz necessário
meninas, havendo apenas correlação entre a primeiramente, a conscientização dos pais
largura da mão e a força de preensão. como responsáveis legais e professores como
Blank e colaboradores(1995) educadores, utilizando tanto o ambiente
estudaram o controle do feedback visual nos familiar como escolar, alertando as crianças
níveis da força de preensão estática na pinça sobre os fatores de riscos que o sobrepeso, a

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 5. n. 27. p. 243-250. Maio/Junho. 2011. ISSN 1981-9927.
249

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva


ISSN 1981-9927 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

obesidade e o baixo peso podem trazer para a measured with a Jamar dynamometer: a
saúde desses indivíduos. descriptive meta-analysis. Physiotherapy. Vol.
O processo de conscientização é 92. p.11-15. 2006.
importante uma vez que leva a reflexão sobre
a necessidade de uma mudança em seu estilo 2- Blank, R.; Heizer, W.; Von, Vo-H. Externally
de vida. guided control of static grip forces by visual
Hábitos alimentares saudáveis e a feedback-age and task effects in 3-6 years old
prática da atividade física regular servirão de children and in adults. Neurosci Lett. p.271.
pilares sólidos no combate a obesidade infantil p.41-44. 1999.
e na prevenção de distúrbios metabólicos,
combatendo principalmente o surgimento da 3- Campagna, V.N.; Souza, A.S. Corpo e
comorbidade na vida adulta. imagem corporal no início da adolescência-
Esse estudo destaca a importância do feminina. Bol psicol. Vol.56 Núm.124. p.9-35.
ambiente escolar, considerando as escolas, 2006
locais estratégicos na implantação de
programas de combate anorexia e obesidade 4- Ciconelli, R.M.; Ferraz, M.B.; Santos, W.;
para uma vida mais saudável. Meinão, I.; Quaresma, M.R. Tradução para a
Trazendo como sugestão a união língua portuguesa e validação do questionário
entre as diversas disciplinas com atividades genérico de avaliação de qualidade de vida
que possam promover não só o exercício no SF-36 (Brasil SF-36). Rev Bras Reumatol. Vol.
aspecto cognitivo, mas um aumento do gasto 39. p.143-150. 1999.
energético dos alunos, com atividades que
envolvam a educação física juntamente com 5- Desrosiers, J.; Bravo, G.; Hérbert, R.
outras disciplinas como meio para esse fim. Isometric grip endurance of healthy elderly
men and women. Archives of Gerontology and
CONCLUSÃO Geriatrics. Vol. 24. p.75-85. 1997.

Utilizar o dinamômetro como método 6- Desrosiers, J.; Hérbert, R.; Bravo, G.;
para avaliar a força de preensão palmar e uma Rochette, A. Agerelated changes in upper
ferramenta muito importante, pois é de fácil extremity performance of elderly people: A
manuseio, acessível a qualquer público, pode longitudinal study. Experimental Gerontology.
ser utilizado em qualquer local de pesquisa e Vol. 34. p. 393-405. 1999.
apresenta resultados fidedignos.
Porém não da para dizer que a força 7- D Oliveira, G.D.F. Avaliação funcional da
de preensão manual é fator determinante em força de preensão palmar com dinamômetro
populações distintas como as apresentadas JAMAR®: estudo transversal de base
neste estudo. Pois como visto tanto na populacional. Dissertação de mestrado.
população com baixo peso e peso normal Universidade Católica de Brasília. 2005.
como a população com sobrepeso e
obesidade, ambas apresentaram resultados 8- Dunn, W. Grip strength of children aged 3 to
satisfatórios se comparados com a média. 7 years using a modifield sphygnomanometer:
Talvez o número de participantes comparison of typical children and children
deste estudo não seja o suficiente, com isto with rheumatic disorden. Am J Occup Ther.
sugere-se que mais estudos sejam feitos com Vol.47. Núm.5. p.421-428. 1993.
essa população (adolescentes, sexo feminino,
com baixo peso, sobrepeso e obesidade), para 9- Esteves, A.C.; Reis, D.C.; Caldeiras, R.M.;
que os resultados obtidos sejam mais Leite, R.M.; Moro, A.R.P.; Borges Junior, N.G.
fidedignos para um a melhor compreensão dos Força de preensão, lateralidade, sexo e
resultados dessa capacidade física. características antropométricas da mão de
crianças em idade escolar. Rev Bras.
REFERÊNCIAS Cineantropom Desempenho Humano. Vol. 7.
Núm.2. p.69-75. 2005.
1- Bohannon, R.W.; Peolsson, A.; Massy-
Westropp, N.; Desrosiers, J.; Bear-Lehman, J. 10- Farinatti, P.T.V. Criança e atividade física.
Reference values for adult grip strength Rio de Janeiro. Sprint. 1995.

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 5. n. 27. p. 243-250. Maio/Junho. 2011. ISSN 1981-9927.
250

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva


ISSN 1981-9927 versão eletrônica
P e r i ó d i c o do I n s t i t u t o B r a s i l e i r o d e P e sq u i s a e E n si n o e m F i s i o l o gi a do E x e r c í c i o
w w w . i b p e f e x . c o m . b r / w w w . r b n e . c o m . b r

11- Gallahue D. L.; Ozmun J. C. 21- Newman, D.G.; Pearn, J.; Barnes, A.;
Compreendendo o desenvolvimento motor: Young, C.M.; Kehoe, M.; Newman, J. Norms
bebês, crianças, adolescentes e adultos. São for hand grip strength. Arch Dis Child. Vol. 59.
Paulo: Phorte Editora. 2005. Núm.5. p.453-459. 1984.

12- Glaner, M. F. A importância da aptidão 22- Nunes, M.A.; Olinto, M.T.; Barros, F.C.;
física relacionada à saúde. Rev Bras Camey, S. Influência da percepção do peso e
Cineantropom Desempenho Humano. Vol. 2. do índice de massa corporal nos
Núm.5. p.75-85. 2003. comportamentos alimentares anormais. Rev
Bras Psiquiatr. Vol. 23. Núm. 1. p.21-7. 2001.
13- Godoy, J.R.P.; Barros, J.F.; Moreira, D.;
Silva Júnior, W. Força de aperto da preensão 23- Ruiz-Ruiz, J.; Mesa, J.L.M.; Gutiérrez, A.;
palmar com o uso do dinamômetro Jamar: Castilho, M.J. Hand Size Influences Optimal
revisão de literatura. Rev. Dig. efdeportes.com. Grip Span in Women but not in Men. The
Ano. 10 Núm. 79. 2004. Journal of Hand Surgery. Vol.27. p.897-901.
2002.
14- Haidar, S. G.; Kumar, D.; Bassi, R. S.;
Deshmukh, S. C. Average versus maximum 24- Silva, R.J.S. Capacidades físicas e os
grip strength: which is more consistent? testes motores voltados à promoção da saúde
Journal of Hand Surgery (British and European em crianças e adolescentes. Rev bras.
Volume). Vol. 29. Núm.1. p.82-84. 2004. Cineantropom Desempenho Humano. Vol.1.
Núm. 5. p.75-84. 2003.
15- Hall, S. J. Biomecânica Básica. 3ª edição
Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan. 25- Slade, P.D. Body Image in anorexia
2000. nervosa. Br J Psychiatry Suppl. 988;(2):20-2.

16- Hillman, T.E.; Nunes, Q.M.; Hornby, S.T.; 26- Schlussel, M.M. Dinamometria manual de
Stanga, Z.; Neal, K.R.; Rowlands, B.J.; Allison, adultos residentes em Niterói, Rio de Janeiro:
S.P.; Lobo, D.N. A practical posture for hand estudo de base populacional. Dissertação de
gripdynamometry in the clinical setting. Clinical mestrado. Universidade federal do Rio de
Nutrition. Vol.24. p.224-228. 2005. Janeiro. 2006.

17- Innes, E.; Handgrip strength testing: A 27- Sandoval, A. E. P. Medicina del deporte y
review of literature. Australian Occupational ciências aplicadas al alto rendimiento y la
Therapy Journal. Vol. 46. Núm. 3. p.120-140. salud. Caxias do Sul. EDUCS. 2002.
1999.
28- Trivers, R.L.; Manning, J.T.; Thornhill, R.;
18- Link, L.; Lukens, S.; Bush, M.A. Spherical Singh, D.; McGuirre, M. Jamaican symmetry
grip streng in children 3 to 6 years of age. Am project: longterm study of fluctuating
J Occup Ther. Vol. 49. Núm.4. p.318-326. asymmetry in rural Jamaica Children. Hum
1995. Biol. Vol. 71. Núm.3. p.417-430. 1999.

19- Massy-Westropp, N.; Rankin, W.; Ahen, 29- Ugrinowitsch, C.; Barbanti, V.J.;
M.; Krisnhan, J.; Hearn, T. Measuring Grip Gonçalves, A.; Peres, B.A. Capacidade nos
Strength in Normal Adults: Reference Ranges testes isocinéticos em predizer a
and a Comparison of Electronic and Hydraulic “performance” no salto vertical em jogadores
Instruments. The Journal of Hand Surgery. Vol. de voleibol. Rev Paul de Educação Física. Vol.
29. Núm.3. 2004. 14. Núm.2. 2002.

20- Muaset, T.; Kinoshita, H.; Ikuta, K.; Kawai, 30- World Health Organization. Obesity:
S.; Asami, T. Discrimination of grip force for preventing and managing the global epidemic.
preschool children aged 5 to 6 years. Percep Tecnical Report Series. Núm.894. 2000.
Motor Skills. Vol. 82. Núm.1. p.255-263. 1996.
Recebido para publicação em 03/08/2011
Aceito em 20/09/2011

Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, São Paulo. v. 5. n. 27. p. 243-250. Maio/Junho. 2011. ISSN 1981-9927.