Você está na página 1de 3

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

INSTITUTO DE LETRAS – ILUFBA


DISCIPLINA: Literatura Portuguesa e o Imaginário Brasileiro – LET A22
DOCENTE: Profa Dra Maria de Fátima Ribeiro
DISCENTE: Jeferson Romão Oliveira

FICHAMENTO

SANTIAGO, Silviano. O entre-lugar do discurso latino-americano. In: Uma literatura nos


trópicos: ensaios sobre dependência cultural. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p.9-26.

“No momento exato em que se abandona o domínio restrito do colonialismo econômico,


compreendemos que muitas vezes é necessário inverter os valores que definem os grupos em
oposição, e talvez, questionar o próprio conceito de superioridade.” (p.10)

“[...] os etnólogos [...] concordam em assinalar que a vitória do branco no Novo Mundo se
deve menos a razões de caráter cultural do que ao uso arbitrário da violência e à imposição
brutal de uma ideologia, como atestaria a recorrência das palavras "escravo" e "animal" nos
escritos dos portugueses e espanhóis. Essas expressões, aplicadas aos não-ocidentais, que
configuram muito mais um ponto de vista dominador do que propriamente uma tradução do
desejo de conhecer.” (p11)

“Os índios só queriam aceitar como moeda de comunicação a representação dos


acontecimentos narrados oralmente, enquanto os conquistadores e missionários insistiam nos
benefícios de uma conversão milagrosa, feita pela assimilação passiva da doutrina transmitida
oralmente. Instituir o nome de Deus equivale a impor o código lingüístico no qual seu nome
circula em evidente transparência.” (p.13)

“Evitar o bilingüismo, significa evitar o pluralismo religioso e significa também impor o


poder colonialista. Na álgebra do conquistador, a unidade é a única medida que conta” (p.14)
“A América transforma-se em cópia, simulacro que se quer mais e mais semelhante ao
original, quando sua originalidade não se encontraria na cópia do modelo original, mas em
sua origem, apagada completamente pelos conquistadores. Pelo extermínio constante dos
traços originais, pelo esquecimento da origem, o fenômeno de duplicação se estabelece como
a única regra válida de civilização.” (p.14)

“O neocolonialismo[...] é o estabelecimento gradual num outro país de valores rejeitados pela


metrópole, é a exportação de objetos fora de moda na sociedade neocolonialista, transformada
hoje no centro da sociedade de consumo.” (p.15)

“O renascimento colonialista engendra por sua vez uma nova sociedade, a dos mestiços, cuja
principal característica é o fato de que a noção de unidade sofre reviravolta, é contaminada em
favor de uma mistura sutil e complexa entre o elemento europeu e o elemento autóctone –
uma espécie de infiltração progressiva efetuada pelo pensamento selvagem, ou seja, abertura
do único caminho possível que poderia levar à descolonização.” (p.15)

No novo e infatigável movimento de oposição [...] uma transformação maior se opera na


superfície, mas que afeta definitivamente a correção dos dois sistemas principais que
contribuíram para a propagação da cultura ocidental entre nós: o código lingüístico e o código
religioso. Esses códigos perdem seu estatuto de pureza e pouco a pouco se deixam enriquecer
por novas aquisições, por miúdas metamorfoses, por estranhas corrupções, que transformam a
integridade do Livro Santo e do Dicionário e da Gramática europeus.” (p.15,16)

“A maior contribuição da América Latina para a cultura ocidental vem da destruição


sistemática dos conceitos de unidade e pureza [...]” (p.16)

“O discurso crítico que fala das influências estabelece a estrela como único valor que conta.
Encontrar a escada e contrair a dívida que pode minimizar a distância insuportável entre ele,
mortal, e a imortal estrela: tal seria o papel do artista latino- americano, sua função na
sociedade ocidental.” (p.18)

“O escritor trabalha sobre outro texto e quase nunca exagera o papel que a realidade que o
cerca pode representar em sua obra. [...] Se só se fala de sua própria experiência de vida, seu
texto passa despercebido entre seus contemporâneos. É preciso que aprenda primeiro a falar a
língua da metrópole para melhor combate-la em seguida.” (p.20)

“[...] o trabalho do escritor em lugar de ser comparado ao de uma tradução literal, propõe-se
antes como uma espécie de tradução global, de pastiche, de paródia, de digressão.” (p.21)

Você também pode gostar