Você está na página 1de 43

Introdução à patologia no idoso

UFCD_8907

762335 - Técnico/a de
Geriatria
Índice
Objetivos e conteúú dos................................................................................................................................................................. 4

Saúú de.................................................................................................................................................................................................. 6

Definiçaã o de saúú de segúndo a OMS........................................................................................................................................ 6

Perspetiva triangúlar (social, mental e fíúsica)................................................................................................................... 6

Fatores qúe inflúenciam a saúú de da pessoa idosa............................................................................................................ 7

Doença e as súas fases.............................................................................................................................................................. 10

O conceito de doença................................................................................................................................................................ 10

Sintoma, sinal e síúndrome....................................................................................................................................................... 10

Agúda – Caracteríústicas e formas de intervençaã o.......................................................................................................... 11

Convalescença – Caracteríústicas e formas de intervençaã o......................................................................................... 11

Restaúraçaã o – Caracteríústicas e formas de intervençaã o.............................................................................................. 12

Qúalidade de vida....................................................................................................................................................................... 13

Definiçaã o de qúalidade de vida segúndo a OMS............................................................................................................. 13

Os aspetos relacionados com a qúalidade de vida........................................................................................................ 15

As dúas esferas da qúalidade de vida: objetiva e súbjetiva........................................................................................22

Escala de avaliaçaã o da qúalidade de vida.......................................................................................................................... 24

Promoçaã o da saúú de e prevençaã o da doença.................................................................................................................... 26

Responsabilidade pessoal....................................................................................................................................................... 26

Atividade fíúsica............................................................................................................................................................................ 27

Nútriçaã o adeqúada..................................................................................................................................................................... 29

Adaptaçaã o ao stress e organizaçaã o do ambiente........................................................................................................... 30

Vacinaçaã o....................................................................................................................................................................................... 31

Higiene corporal......................................................................................................................................................................... 32

Prevençaã o de acidentes............................................................................................................................................................ 33

O processo de administraçaã o de medicamentos / vacinas........................................................................................ 36

Os principais grúpos de faú rmacos útilizados na popúlaçaã o idosa..........................................................................36

A aútomedicaçaã o nos idosos.................................................................................................................................................. 38

A avaliaçaã o morfoloú gica do idoso......................................................................................................................................... 40

Estatúra/Massa e ÍÍndice de Massa Corporal (ÍMC)....................................................................................................... 40

Bibliografia e netgrafia ............................................................................................................................................................ 43

Página 2 de 43
Objetivos:

 Definir e caracterizar os conceitos de saúú de e doença.

 Analisar os aspetos relacionados com a qúalidade de vida e respetiva avaliaçaã o.

 Ídentificar os aspetos determinantes para a promoçaã o da saúú de e prevençaã o de


doenças nos idosos.

 Reconhecer a importaâ ncia da farmacologia, vacinaçaã o e avaliaçaã o morfoloú gica na


prevençaã o e cúra de algúmas doenças.

Conteúdos:

 Saúú de

 Definiçaã o de saúú de segúndo a OMS

 Perspetiva triangúlar (social, mental e fíúsica)

 Fatores qúe inflúenciam a saúú de da pessoa idosa

 Doença e as súas fases

 O conceito de doença

 Sintoma, sinal e síúndrome

 Agúda – Caracteríústicas e formas de intervençaã o

 Convalescença – Caracteríústicas e formas de intervençaã o

 Restaúraçaã o – Caracteríústicas e formas de intervençaã o

Página 3 de 43
 Qúalidade de vida

 Definiçaã o de qúalidade de vida segúndo a OMS

 Os aspetos relacionados com a qúalidade de vida

 Bioloú gicos

 Sociais

 Meú dicos

 Econoú micos

 Políúticos

 As dúas esferas da qúalidade de vida

 Esfera objetiva

 Esfera súbjetiva

 Escala de avaliaçaã o da qúalidade de vida – World Health Organization Qúality of Life


Assesment (WHOQOL-100) OMS

 Promoçaã o da saúú de e prevençaã o da doença

 Responsabilidade pessoal

 Atividade fíúsica

 Nútriçaã o adeqúada

 Adaptaçaã o ao stress

 Organizaçaã o do ambiente

 Vacinaçaã o

 Higiene corporal

 Prevençaã o de acidentes

 O processo de administraçaã o de medicamentos / vacinas

 Os principais grúpos de faú rmacos útilizados na popúlaçaã o idosa

Página 4 de 43
 A aútomedicaçaã o nos idosos

 Avaliaçaã o morfoloú gica do idoso

 Estatúra e Massa e ÍÍndice de Massa Corporal (ÍMC)

Página 5 de 43
Saúde

Definição de saúde segundo a OMS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a saúú de como sendo o estado de completo
bem-estar fíúsico, mental e social. Oú seja, o conceito de saúú de transcende aà aúseâ ncia de
doenças e afecçoã es. Por oútras palavras, a saúú de pode ser definida como o níúvel de eficaú cia
fúncional e metaboú lica de úm organismo a níúvel micro (celúlar) e macro (social).

O estilo de vida, isto eú , o conjúnto de comportamentos adoptados por úma pessoa, pode ser
beneú fico oú prejúdicial aà saúú de. Por exemplo, úm indivíúdúo qúe mantem úma alimentaçaã o
eqúilibrada e qúe realiza actividades fíúsicas diariamente tem maiores hipoú teses de desfrútar
de úma boa saúú de. Pelo contraú rio, e bebem as pessoas qúe comem em excesso, qúe naã o
descansam o súficiente e qúe fúmam correm seú rios riscos de sofrer doenças qúe poderiam ser
evitadas.

Perspetiva triangular (social, mental e física)

Em linhas gerais, a saúú de pode dividir-se em saúde física e saúde mental embora, na
realidade, sejam dois aspectos interrelacionados. Para o cuidado da saúde física, eú
recomendada a realizaçaã o freqúente e regúlar de exercíúcios, e úma dieta eqúilibrada e
saúdaú vel, com variedade de nútrientes e proteíúnas.

A saúde mental, por oútro lado, faz refereâ ncia ao bem-estar emocional e psicoloú gico no qúal
úm ser húmano pode útilizar as súas capacidades cognitivas e emocionais, desenvolver-se
socialmente e resolver as qúestoã es qúotidianas da vida diaú ria.

Conveú m destacar qúe as cieâ ncias da saúú de saã o aqúelas qúe proporcionam os conhecimentos
adeqúados para a prevençaã o das doenças e a promoçaã o da saúú de e do bem-estar qúer do
individúo qúer da comúnidade. A bioqúíúmica, a bromatologia, a medicina e a psicologia, entre
oútras, saã o cieâ ncias da saúú de.

Página 6 de 43
Fatores que influenciam a saúde da pessoa idosa

A cada dia qúe passa todos envelhecemos. O envelhecimento é transversal a todos os seres
vivos. Enqúanto somos jovens poúco pensamos neste processo, mesmo sendo ele úma
constante.

A matúridade qúe adveú m com ele eú algo qúe nos atrai e, talvez por isso, lidemos com ele de
úma forma taã o súbtil.

Contúdo, no decorrer do ciclo biológico ocorre úm declíúnio previsíúvel das fúnçoã es do


organismo. O processo de envelhecimento nota-se especialmente no sistema nervoso,
acabando assim por atingir todos os outros sistemas.

A nível físico, vamos aqúi referir apenas os principais sinais neurológicos de


envelhecimento:

Problemas visúais

Reflexos lentos

Aúmento da tendeâ ncia aà vertigem

Redúçaã o do olfacto

Diminúiçaã o da agilidade de movimentos e de eqúilíúbrio

Redúçaã o da força múscúlar

Alteraçoã es de postúra e marcha

Página 7 de 43
A nível psicológico existem algúns aspectos mais comúns, qúe passamos a indicar:

Tendeâ ncia a ser aúto-centrado, ríúgido, conservador e excessivamente críútico, oú o


oposto – múito flexíúvel, vacilante e sem opiniaã o.

Acentúaçaã o do esqúecimento de nomes, factos e eventos

Redúçaã o da facilidade de úsar as palavras para exprimir sentimentos e/oú emoçoã es

Ficar preso a momentos do passado

Medo da morte

Aúmento da sensaçaã o de solidaã o e abandono

Íntegraçaã o das aprendizagem qúe se adqúiriram ao longo da vida – este aspecto pode
nem sempre ser de faú cil resolúçaã o dependendo da experieâ ncia de vida do individúo

Gestaã o de perdas (amigos, companheiros, familiares)

Dificúldade em lidar com as qúestoã es de perda de fúncionalidade e saúú de

Página 8 de 43
Doença e as suas fases
O conceito de doença

Chama-se doença ao processo e ao estado caúsado por úma infeçaã o núm ser vivo, qúe altera
o seú estado ontoloú gico de saúú de. Este estado pode ser provocado por diversos fatores,
podendo ser intrínsecos ou extrínsecos ao organismo enfermo. Estes fatores denominam-
se noxas (do grego noú sos).

Na lingúagem corrente, a doença é considerada como sendo o oposto aà saúú de: eú aqúilo qúe
caúsa úma alteraçaã o oú úma desarmonizaçaã o no sújeito, seja a níúvel molecúlar, corporal,
mental, emocional oú espiritúal.

Existem distintas cieâ ncias qúe tratam do estúdo das doenças. A fitopatologia, por exemplo,
dedica-se a analisar as doenças qúe afetam as plantas e os restantes geú neros botaâ nicos. As
patologias qúe afetam os animais, por oútro lado, saã o estúdadas pela veterinaú ria. A cieâ ncia
meú dica, por súa vez, encarrega-se das doenças dos húmanos.

Desta forma, os diversos ramos da medicina investigam as caracteríústicas proú prias de cada
entidade, os seús componentes e os processos qúe desenvolvem em relaçaã o aà evideâ ncia
morfofisioloú gica qúe caúsa na biologia do organismo doente.

Perante a dificuldade em definir em concreto o qúe eú úma doença (dado qúe cada
individúo o faz de acordo com as súas proú prias viveâ ncias), existem vaú rios conceitos qúe
podem ser útilizados, de acordo com o contexto, como sinoú nimos: patologia, indisposiçaã o,
padecimento, anormalidade, pertúrbaçaã o, desordem, deseqúilíúbrio e alteraçaã o, entre oútros.

Página 9 de 43
Sintoma, sinal e síndrome

Sintoma:

É uma queixa subjetiva. É o que o paciente sente e conta durante uma consulta. Não há
uma tradução no exame físico. Exemplos: dor torácica (dor no peito), tontura, etc.

Sinal:

EÍ úm tipo de exame fíúsico, oú seja, úm dado objetivo qúe pode oú naã o ser relatado pelo
paciente. Logo, úm sinal pode tambeú m ser úm sintoma. Exemplo: inchaço nas pernas (edema),
ascite (acúú múlo de líúqúido no abdoâ men), etc. Essa qúeixa eú relatada pelo paciente dúrante
úma consúlta (sintoma) e comprovada atraveú s do exame fíúsico (sinal).

Síndrome:

EÍ úm conjúnto de sinais e sintomas tíúpicos de úma determinada doença. Exemplo: fadiga, falta
de ar (dispneia) e edema nos membros inferiores saã o tíúpicos da síúndrome da insúficieâ ncia
cardíúaca congestiva.

Página 10 de 43
Aguda – Características e formas de intervenção

As doenças agudas saã o aqúelas qúe teâ m úm cúrso acelerado, terminando com convalescença
oú morte em menos de três meses.

A maioria das doenças agudas caracteriza-se em vaú rias fases. O inicio dos sintomas pode ser
abrúpto oú insidioso, segúindo-se úma fase de deterioraçaã o ateú úm maú ximo de sintomas e
danos, fase de plateaú, com manútençaã o dos sintomas e possivelmente novos picos, úma longa
recúperaçaã o com desaparecimento gradúal dos sintomas, e a convalesceâ ncia, em qúe jaú naã o haú
sintomas especíúficos da doença mas o indivíúdúo ainda naã o recúperoú totalmente as súas
forças. Na fase de recuperação podem ocorrer as recrúdesceâ ncias, qúe saã o exacerbamentos
dos sintomas de volta a úm maú ximo oú plateaú, e na fase de convalesceâ ncia as recaíúdas, devido
aà presença continúada do factor desencadeante e do estado debilitado do indivíúdúo, aleú m de
(novas) infecçoã es.

As doenças agudas distingúem-se dos episódios agudos das doenças crónicas, qúe saã o
exacerbaçaã o de sintomas normalmente menos intensos nessas condiçoã es.

Convalescença – Características e formas de intervenção

Embora cada doença infecciosa especíúfica tenha úma evolúçaã o particúlar, todas as patologias
desta natúreza apresentam diferentes períodos de evolução comuns.

A destruição ou neutralização dos microorganismos caúsadores da doença infecciosa pelo


sistema de defesa, permite o desaparecimento dos sinais e sintomas provocados por esta
doença, embora possa passar algúm tempo, designado períúodo de convalescença, ateú qúe o
organismo debilitado recúpere totalmente das alteraçoã es e lesoã es sofridas. O período de
convalescença corresponde a úma fase intermeú dia entre o padecimento da doença e úm
estado de perfeita saúde, sem se ter em conta as eventúais seqúelas permanentes qúe a
patologia possa ter caúsado. Qúando a doença termina de forma brúsca, a convalescença
tambeú m começa súbitamente, enqúanto qúe o limite eú mais impreciso qúando a patologia
desaparece lentamente.

Cada doença infecciosa provoca úma convalescença de maior oú menor dúraçaã o, múito
variaú vel dependendo do caso, em algúns casos com a persisteâ ncia de alteraçoã es apenas
perceptíúveis, mas noútras com sinais e sintomas mais evidentes: naú úseas, falta de apetite,
sensaçaã o de debilidade, flacidez dos membros. Ao longo deste períúodo o meú dico pode, de

Página 11 de 43
acordo com a doença, prescrever úma dieta nútritiva ligeira e recomendar repoúso, para
depois passar progressivamente para úma dieta mais rica e úma atividade fíúsica normal e,
eventúalmente, prescrever algum medicamento.

Embora muitas pessoas pensem que a convalescença de uma doença infecciosa possa ser
acelerada atraveú s da administraçaã o de toú nicos reconstitúintes oú vitaminas, estes prodútos
naã o costúmam ser eficazes, podendo ateú ser perigosos. Por exemplo, ocasionalmente, recorre-
se aà administraçaã o de algúns prodútos, sem se ter cm conta qúe saã o constitúíúdos por aú lcool e
qúe podem, por isso, ser prejúdiciais, sobretúdo para as crianças. Em relaçaã o aú s vitaminas, o
organismo de um convalescente, de facto, necessita delas, mas normalmente podem ser
perfeitamente obtidas em qúantidades súficientes com úma alimentaçaã o adeqúada, sem
necessidade de se recorrer aos taã o popúlares complexos vitamíúnicos. O melhor eú segúir os
conselhos do ineú dito, qúe devera prescrever os medicamentos necessaú rios ao longo do
períúodo de convalescença.

Restauração – Características e formas de intervenção

As doenças associadas à reconstituição da imunidade, tambeú m denominadas síúndrome


inflamatoú ria de reconstitúiçaã o imúne ), doença de restauração imúne (DRÍ) oú síúndromes de
reconstitúiçaã o imúne (SRÍ), constitúem importante capíútúlo da aú rea meú dica, particúlarmente
em doentes com SIDA, dúrante os primeiros meses de tratamento antirretroviral (TARV).

Página 12 de 43
Qualidade de vida
Definição de qualidade de vida segundo a OMS

Múito se fala em Qualidade de Vida nos dias de hoje. Essa expressaã o tornoú-se a procúra
incansaú vel de pessoas qúe vivenciam a correria do dia-a-dia, o stress, a falta de tempo para o
lazer e para a famíúlia, os problemas de saúú de e todas as oútras sitúaçoã es qúe caúsam
desconforto e insatisfaçaã o. Aproveitando-se dessa sitúaçaã o, o termo “Qualidade de Vida” tem
sido úsado e explorado por diversos setores com diversos interesses. Com isso, vemos a
expressaã o “Qualidade de Vida” estampada em todos os lúgares, como úm “gúarda-chúva” qúe
túdo pode significar e em qúe túdo pode se pendúrar. Entretanto, grandes centros de pesqúisa,
úniversidades e as mais importantes organizaçoã es internacionais empenham-se para mostrar
o qúe “Qualidade de Vida” realmente significa e qúais os principais passos para qúe
possamos alcançaú -la.

Segundo a OMS, Qualidade de Vida é "a perceçaã o do indivíúdúo da súa posiçaã o na vida no
contexto da cúltúra e sistema de valores nos qúais ele vive e em relaçaã o aos seús objetivos,
expectativas, padroã es e preocúpaçoã es". A Qúalidade de Vida pode variar de acordo com a
cúltúra da pessoa, e qúe iraú variar para cada úm, dependendo dos seús objetivos e as súas
expectativas. Observaram, tambeú m, qúe algúns aspetos saã o comúns e úniversais, como o bem-
estar físico, psicológico, relações sociais, o ambiente, o nível de independência e as
crenças pessoais ou religiosidade. A estes seis itens deram o nome de “domíúnios”, oú seja,
saã o os principais aspetos qúe determinam a Qualidade de Vida de úma pessoa.

Cada úm destes domíúnios possúi súas caracteríústicas. No caso do domíúnio Fíúsico, o qúe
determina nossa Qualidade de Vida seria a existeâ ncia oú naã o de dor e desconforto, a

Página 13 de 43
energia e a fadiga, e a qúalidade de nosso sono e repoúso. Jaú no domíúnio Psicoloú gico, os itens
importantes seriam os sentimentos positivos e negativos, a auto-estima, a imagem corporal
e apareâ ncia, e os aspetos cognitivos, como pensar, aprender, memoú ria e concentraçaã o. A esses
súbitens oú súbdomíúnios, damos o nome de “facetas”.

No domínio Nível de Independência, ressalta-se a importaâ ncia da capacidade de trabalho,


da mobilidade, de manter-se apto para as atividades da vida qúotidiana, o dos prejúíúzos da
dependeâ ncia de medicamentos. As relações pessoais, o suporte ou apoio social e a vida
sexual saã o itens importantes para a Qualidade de Vida e qúe estaã o inseridos no domíúnio das
Relaçoã es Sociais. O domíúnio do Ambiente inclúi a segurança física e proteção, o ambiente no
lar, os recúrsos financeiros, a disponibilidade e qualidade dos serviços de saúde, o
transporte, a oportúnidade de lazer e aspetos do ambiente fíúsico, como rúíúdo, polúiçaã o,
traâ nsito e clima. Por úú ltimo, temos o domíúnio dos aspetos espiritúais, religiaã o e crenças
pessoais, qúe inflúenciam as perspetivas e objetivos de úma pessoa, trabalhando, assim, com a
súa Qualidade de Vida.

Página 14 de 43
Os aspetos relacionados com a qualidade de vida

Qualidade de vida e saúde

Qualidade de vida e saúde são termos indissociáveis. A Qúalidade de vida súrge, de tal
forma, associada aà saúú de qúe múitos aútores naã o as distingúem úma da oútra. Para eles
saúde e qualidade de vida são a mesma coisa. De facto, a saúú de naã o eú o úú nico fator qúe
inflúencia a nossa qúalidade de vida, contúdo ela tem úma importaâ ncia fúlcral.

Geralmente, saúde e qualidade de vida saã o dois temas múito relacionados, úma vez qúe a
saúú de contribúi para melhorar a qúalidade de vida dos indivíúdúos e esta eú fúndamental para
qúe úm indivíúdúo oú comúnidade tenha saúú de. Mas naã o significa apenas saúú de fíúsica e mental,
mas sim qúe essas pessoas estejam de bem naã o soú com elas proú prias, mas tambeú m com a vida,
com as pessoas qúe as cercam, enfim, ter qúalidade de vida eú estar em harmonia com vaú rios
fatores.

No que diz respeito à saúde, a qualidade de vida eú , múitas vezes, considerada em termos de
como ela pode ser afetada de forma negativa, oú seja, a ocorreâ ncia de úma doença debilitante
qúe naã o constitúi risco de vida, úma doença qúe constitúi risco de vida, o declíúnio natúral da
saúú de de úma pessoa idosa, o declíúnio mental, processos de doenças croú nicas, etc. Todas estas
sitúaçoã es saã o castradoras da nossa qúalidade de vida.

Neste sentido, úma vida saúdaú vel tem úm profúndo impacto na qúalidade de vida das pessoas.

Qualidade de vida e saúde física

A saúde física afeta, obviamente, a nossa qúalidade de vida. Por exemplo, existe úma relaçaã o
entre atividade fíúsica, a melhoria da condiçaã o de saúú de e a qúalidade de vida. Da mesma
forma, existe úma relaçaã o ente úma correta alimentaçaã o e a qúalidade de vida. A qúalidade de
vida e alimentação saudável saã o conceitos qúe estaã o estritamente relacionados. Ter úma
alimentaçaã o saúdaú vel e eqúilibrada eú fúndamental para o bem-estar do indivíúdúo. Qúando o
organismo recebe as qúantidades ideais de nútrientes e vitaminas de qúe precisa, a súa saúú de
fíúsica melhora e conseqúentemente aúmenta a qúalidade de vida.

Página 15 de 43
Em resúmo, se conseguirmos melhorar a nossa condição de saúde física rúmo a úma vida
mais saúdaú vel, atraveú s de úma correta promoçaã o da saúú de, entaã o consegúiremos melhorar a
nossa qúalidade de vida.

Qualidade de vida e saúde mental

O conceito de qualidade de vida tem vindo a ganhar, cada vez mais, úma importaâ ncia
crescente no domíúnio da saúú de mental e dos cúidados de saúú de, aúmentando a súa
importaâ ncia no discúrso e praú tica meú dica.

Naã o eú por acaso qúe a definição dada pela OMS para saúde é ampla. Ela define-a como “o
estado de completo bem-estar fíúsico e mental”. Múitas vezes, algúmas pessoas ao pensar em
saúú de e qúalidade de vida deixam de lado a saúú de mental.

Contúdo, a saúde mental possúi, hoje, úma enorme importaâ ncia. Assistimos ao aúmento dos
casos de stress croú nico e búrnoút, ansiedade e depressaã o para aleú m de tantos oútros
problemas psicoloú gicos e emocionais.

Uma pessoa com a saúde mental debilitada, deprimida, por exemplo, tem grande
dificúldade em manter relacionamentos amorosos, desempenhar as fúnçoã es no trabalho e ateú
mesmo edúcar os filhos. Uma pessoa com problemas emocionais pode inflúenciar todos os
membros da famíúlia. Uma pessoa com a saúú de mental afetada estaú mais propensa aà
dependeâ ncia de drogas e de aú lcool, a contrair doenças infeciosas, desenvolver alergias,
doenças aúto-imúnes, etc. Existem, no entanto, múitas oútras conseqúeâ ncias nefastas qúando
descúramos a saúú de e o bem-estar mental e emocional.

Cuidar da saúde mental é muito mais simples do que parece, basta manter boas relaçoã es
com as pessoas qúe nos rodeiam, ter úma vida amorosa satisfatoú ria, naã o remoer problemas
passados, naã o ser demasiado exigente consigo mesmo, perdoar-se e perdoar o proú ximo, rir
sempre qúe púder, chorar qúando precisar e amar. Se sentir dificúldades em fazer isto, eú
melhor procúrar ajúda de úm profissional.

Estar com boa saúde mental eú estar em eqúilíúbrio com o seú múndo interior e com o múndo
qúe o rodeia, eú estar em paz consigo mesmo e com os oútros.

Página 16 de 43
Stress e qualidade de vida

O stress é na atualidade um grave problema com inqúestionaú veis implicaçoã es na qúalidade


de vida. Os problemas seraã o mais intensos dependendo do níúvel de stress a qúe o individúo
estaú sújeito, das caúsas qúe lhe deram origem e dos sintomas percecionados.

Meio ambiente e qualidade de vida

O meio ambiente traz vários benefícios ao homem, sendo qúe úm deles eú , sem dúú vida,
melhorar a súa qúalidade de vida. A qúalidade de vida e meio ambiente saã o, por isso tambeú m,
dois termos indissociaú veis.

O meio ambiente diz respeito a tudo o que nos rodeia, logo a nossa qúalidade de vida estaú
diretamente associada aà qúalidade do meio ambiente envolvente. Deste modo, a preservaçaã o
do meio ambiente saã o úm importante fator para aúmentar a qúalidade de vida das pessoas.

A tíútúlo de exemplo, imagine úma cidade com múito lixo, múita polúiçaã o e sem espaços verdes.
Certamente que serão fatores, por úm lado, súscetíúveis de caúsar doenças e por oútro, naã o
prodúzem sentimentos de bem-estar nas pessoas. Um praticante de atividade fíúsica, por
exemplo, qúando opta por fazeâ -lo núm espaço verde, úne os benefíúcios do exercíúcio fíúsico a úm
local de ar púro, tornando a súa atividade múito mais agradaú vel e saúdaú vel. Uma pessoa
qúando realiza úma massagem e pode úsúfrúir simúltaneamente dos sons da natúreza,
consegúe tirar ainda mais proveito do seú momento de relaxamento.

Qualidade de vida e respeito ao meio ambiente

Hoje mais do qúe núnca, notamos qúe há uma preocupação crescente com o homem para
qúe este tenha úma vida com qúalidade.

Entre vaú rios oútros fatores eú preciso preservar e respeitar o meio ambiente para garantirmos
a nossa qúalidade de vida, para isso, devemos ter atitúdes mais assertivas e protetoras, no
sentido de tornarmos o nosso habitat melhor tanto para noú s como para as geraçoã es vindoúras.

EÍ , sobretúdo, quando falamos sobre o meio ambiente qúe vamos tomar conscieâ ncia de qúe
somos organismos vivos qúe se encontram em harmonia com a natúreza. A nossa qúalidade
de vida depende do estado em qúe o meio ambiente se encontra, oú seja, precisamos de ar,
aú gúa, alimentos, elementos essenciais para a sobreviveâ ncia, daíú ser fúndamental úm meio
ambiente ecologicamente eqúilibrado e qúe garantamos a súa sústentabilidade.

Página 17 de 43
Desta forma, a qualidade de vida depende da qualidade do ambiente, aleú m disso, ela naã o
qúer dizer qúantidade de vida, devendo, pois, haver úm destaqúe para a valorizaçaã o e sentido
da existeâ ncia, qúe deve ter em conta as necessidades de qúe todos os seres húmanos sentem
para viver condignamente.

Tambeú m naã o se pode falar de saúú de desvincúlada do meio ambiente, pois sempre qúe se
melhorar o ambiente estar-se-aú a proteger a saúú de fíúsica e mental do homem.

Qualidade de vida no trabalho

Naã o eú por acaso qúe muitas empresas e organizações revelam preocupação, hoje em dia,
com a qúalidade de vida no trabalho. Como sabemos eú no trabalho qúe passamos múito do
nosso tempo. Múitas vezes, estamos mais tempo em contacto com os colegas de trabalho do
qúe ateú com a nossa proú pria famíúlia. Por estes motivos, a qúalidade de vida no trabalho,
passoú a ser vista como fúndamental nos tempos modernos. Qúando nos referimos a trabalho,
referimo-nos aà s atividades desenvolvidas nas empresas, organizaçoã es, na escola, etc.

A qualidade de vida do trabalhador, geralmente, eú observada tendo em conta a qúalidade


de vida nas empresas e a súa prodútividade, mas tambeú m em aspetos da vida do trabalhador
naã o diretamente ligados ao seú trabalho. Naã o obstante, algúmas poleú micas recentes úsam a
terminologia “qúalidade de vida do trabalhador” deixando claro qúe a qúalidade de vida naã o
se limita somente ao local e ao momento do trabalho, mas tambeú m aà relaçaã o com vaú rios
oútros aspectos, designadamente, a satisfaçaã o pessoal, o relacionamento familiar, as
oportúnidades de lazer, etc.

O que é qualidade de vida no trabalho?

Quando falamos em qualidade de vida no trabalho qúeremos com isso referirmo-nos aos
benefíúcios e malefíúcios do ambiente de trabalho para o indivíúdúo. O objetivo eú desenvolver
ambientes de trabalho qúe sejam taã o favoraú veis tanto para o indivíúdúo como para a saúú de
econoú mica da organizaçaã o.

Conceito de qualidade de vida no trabalho

Como vimos, qúalidade de vida eú úma expressaã o qúe se refere aà s condiçoã es de vida do homem,
em vaú rios aâ mbitos, nomeadamente, o bem-estar fíúsico, mental, psicoloú gico e emocional,
relacionamentos sociais, como famíúlia e amigos e tambeú m saúú de, edúcaçaã o e oútros aspetos
qúe inflúenciam a vida húmana. O conceito de qúalidade de vida no trabalho refere-se a estas

Página 18 de 43
condiçoã es no local do trabalho, múitas vezes, tambeú m referida como qúalidade de vida nas
empresas.

Importância da qualidade de vida no trabalho

A importância da qualidade de vida no trabalho é crescente no atúal contexto econoú mico


e social, tendo em conta a relevaâ ncia qúe o emprego representa na vida das pessoas e o qúanto
úm bom ambiente organizacional pode ser úú til na gestaã o das pessoas e na melhoria da
prodútividade das empresas e organizaçoã es.

Torna-se claro, que não se pode dissociar o lado humano do lado profissional, úma vez
qúe o homem eú provido de competeâ ncias e capacidades individúais qúe podem ser alteradas
em virtúde das condiçoã es do meio em qúe estaú inserido.

Neste sentido, com o passar dos tempos, as empresas começaram a refletir sobre o bem-estar
dos seús colaboradores e a prodútividade individúal de cada úm.

Perante esta nova realidade, o termo qúalidade de vida no trabalho começoú a ser debatido e
implementado nas organizaçoã es. Estas medidas tinham como objetivo melhorar a qúalidade
de vida no trabalho, fúndamentalmente, da saúú de fíúsica e mental dos seús colaboradores.

O termo qualidade de vida nas empresas começoú a ser visto como úm agente de melhoria
na gestaã o de pessoas, pois colaboradores motivados e saúdaú veis estaã o estritamente
relacionados com a melhoria no ambiente de trabalho e conseqúentemente com a
prodútividade.

Atualmente, os profissionais que se encontram no mercado de trabalho, procúram mais


do qúe úm bom salaú rio e benefíúcios, procúram tambeú m úm ambiente de trabalho húmanizado
e adeqúado. Se o trabalhador sentir conforto e bem- estar no local de trabalho, sentir-se-aú
motivado, melhorando a súa prodútividade.

Trabalho - saúde física e mental

A alteração dos estilos de vida, alteraçoã es no mercado de trabalho e dos tempos livres saã o
fatores qúe teâ m úm forte impacto na saúú de das pessoas. O trabalho e os tempos livres
deveriam ser úma fonte de saúú de para as popúlaçoã es. A maneira como a sociedade organiza
o trabalho deveria ajúdar a criar úma sociedade saúdaú vel. A promoçaã o da saúú de gera
condiçoã es de vida e de trabalho segúras, estimúlantes, satisfatoú rias e agradaú veis, melhorando
a qúalidade de vida no trabalho e nas empresas.

Página 19 de 43
A saúde mental conduz a vários tipos de alterações, nomeadamente, do fúncionamento da
rotina diaú ria, capacidade para trabalhar, qúalidade de vida no trabalho, desempenho de papeú is
familiares e sociais e com o envolvimento em atividades de lazer. Em virtúde do seú
diagnoú stico, dos seús tratamentos prolongados e da incerteza do prognoú stico, a doença mental
constitúi-se como úm risco para a qúalidade de vida do trabalhador e de qúem o rodeia.

O trabalho é uma das principais causas de stress na atualidade. O stress, por súa vez,
exerce úma inflúeâ ncia direta no desempenho profissional e na prodútividade.

O stress crónico tende a desencadear problemas psicossociais intensos. Por estes


motivos eú qúe o stress e qúalidade de vida no trabalho saã o conceitos taã o presentes no
qúotidiano dos trabalhadores.

Programas de qualidade de vida no trabalho

Pelos motivos apresentados, as empresas apercebem-se, cada vez mais, da importaâ ncia da
qúalidade de vida no trabalho e da súa relaçaã o com a prodútividade. Por isto, tendem a
implementar programas de qúalidade de vida no trabalho, qúe visam melhorar as condiçoã es
dos trabalhadores.

Estes programas consistem em ações levadas a cabo pela empresa, qúe passam pela
implantaçaã o de melhorias e inovaçoã es tanto ao níúvel da gestaã o, como alteraçoã es de íúndole
tecnoloú gica oú oútras no ambiente de trabalho. Por exemplo, melhorando a ergonomia,
melhorando as condiçoã es climaú ticas, estimúlando úm melhor relacionamento interpessoal,
facúltando condiçoã es relacionadas com a assisteâ ncia aà saúú de e aos filhos, etc. A qúalidade de
vida nas organizaçoã es pode ser francamente melhorada se estas medidas forem bem
desenhadas e implementadas.

Tal como no aspeto pessoal, a qúalidade de vida no trabalho eú essencial para o


desenvolvimento dos colaboradores, tanto dentro como fora do ambiente da empresa. Neste
sentido, eú importante salientar o papel social das organizaçoã es tambeú m na formaçaã o de
cidadaã os mais conscientes de seú papel na sociedade.

A qualidade de vida não se esgota no tempo. Múitas pessoas estaã o preocúpadas e


qúestionam-se sobre a melhor forma de ter úma boa qúalidade de vida, no presente. Contúdo,
a qúalidade de vida deve tambeú m ser encarada como úm objetivo fútúro e dúradoúro. A

Página 20 de 43
longevidade eú cada vez maior, poreú m por vezes com úma qúalidade de vida redúzida. Múitos
tratamentos meú dicos permitem-nos melhorar a nossa condiçaã o de saúú de, contúdo múitas
vezes aà cústa de terapeâ úticas qúe nos debilitam e redúzem a qúalidade de vida.

Devemos, pois, procurar uma boa qualidade de vida em todas as fases da nossa vida,
cientes de qúe eú no idoso qúe, múitas vezes, observamos os maiores problemas.

As opções que fazemos ao longo da vida, como o tipo de alimentaçaã o, o exercíúcio fíúsico, as
condiçoã es de trabalho, o meio ambiente em qúe vivemos, etc saã o túdo fatores qúe iraã o
inflúenciar naã o soú a nossa longevidade e saúú de, como tambeú m a nossa qúalidade de vida atúal
e fútúra.

Perante as alterações demográficas que se começaram a verificar, no úú ltimo seú cúlo, e qúe
nos mostram úma popúlaçaã o cada vez mais envelhecida, torna-se imperioso proporcionar aos
idosos naã o soú úma sobrevida maior, mas tambeú m úma boa qúalidade de vida.

Mediante a subjetividade que o conceito de qualidade de vida do idoso acarreta, torna-se


necessaú rio orientar as políúticas para úm envelhecimento bem súcedido, o qúe para a maioria
dos idosos, estaú relacionado ao bem-estar, aà felicidade, aà realizaçaã o pessoal, enfim, aà qúalidade
de vida nessa faixa etaú ria (terceira idade).

Como melhorar a qualidade de vida

Para qúe possamos garantir úma boa qúalidade de vida no fútúro, devemos começar jaú a
preocúparmo-nos com a manútençaã o de haú bitos saúdaú veis, a saber: cúidar do corpo, úma
alimentaçaã o eqúilibrada, exercíúcio fíúsico, relaçoã es saúdaú veis, ter tempo para realizar
atividades de lazer e vaú rios oútros haú bitos qúe propiciem aà pessoa bem-estar e qúalidade de
vida.

A promoção da saúde é o processo que visa aúmentar a capacidade dos indivíúdúos para
controlarem a súa saúú de, no sentido de a melhorar. Para atingir úm estado de completo bem-
estar fíúsico, mental e social, o indivíúdúo deve ser capaz de identificar e realizar os seús desejos,
satisfazer as súas necessidades e modificar oú adaptar-se ao meio.

As duas esferas da qualidade de vida: objetiva e subjetiva

Página 21 de 43
Hoje em dia todos costúmam prezar especialmente por dúas coisas na vida: boa condição
financeira e qualidade de vida. Aparentemente essas saã o dúas caracteríústicas da vida qúe
caminham em direções opostas, úm a vez qúe úma boa condiçaã o financeira costúma-se
vincúlar a úma grande dedicaçaã o ao trabalho e qúalidade de vida a tempo livre para lazer.
Contúdo haú formas de fazer com qúe essas dúas esferas caminhem júntas, aqúi daremos dicas
de como isso eú possíúvel.

A primeira dica que temos é qúanto a interpretaçaã o qúe se tem de qúalidade de vida.
Qualidade de vida, múitas vezes, eú erroneamente vincúlada a tempo livre e vivido fora do
ambiente do trabalho, no entanto esse eú úm grande eqúíúvoco. Possuir uma boa qualidade de
vida deve iniciar-se exatamente no ambiente de trabalho. Naã o haú dúú vidas qúe grande parte
do nosso tempo nas nossas vidas eú gasto com o trabalho, desse modo, nada mais oú bvio qúe a
procúra por qúalidade de vida se inicia ali.

Refletindo sobre isso eú importante em primeiro lúgar manter uma boa relação dentro do
ambiente de trabalho, procúrando trabalhos na aú rea qúe lhe de agrado e em locais em qúe a
convivência seja saudável.

Desse modo, a súa qúalidade de vida jaú começaraú ao segúir as súas obrigaçoã es e rotina, mas
isso naã o pode ser túdo, eú necessaú rio sim, estar atento aà s oútras esferas da vida na procúra da
qúalidade de vida.

Tendo consegúido melhorar as relações no trabalho eú necessaú rio preocúpar-se com as


oútras esferas da vida. Não faz sentido trabalhar exaustivamente na procura de dinheiro
se naã o haveraú tempo e prazer para aproveitaú -lo, por isso é saudável que se saiba dividir o
tempo e pesar sempre se vale a pena ter úm poúco mais de dinheiro oú ter úm poúco mais de

Página 22 de 43
diversaã o e lazer. Na verdade essas duas esferas devem caminhar em cooperação e naã o em
competiçaã o, úma vez qúe uma depende da outra.

Ter tempo mas naã o ter o dinheiro necessaú rio para aproveitaú -lo como gostaria naã o gera
qúalidade de vida, por isso eú necessaú rio saber trabalhar com dosagem de modo qúe úma
verdadeira qúalidade de vida seja alcançada. Outro ponto importante eú naã o envolver-se com
o trabalho mais do qúe o necessaú rio e mais do qúe o qúe eú saúdaú vel. EÍ necessaú rio estar atento
para fúgir de problemas como o stress, e compulsões do tipo workaholic.

Escala de avaliação da qualidade de vida

Neste contéudo é necessário a utilização da internet para análise e discussão do link a


seguir:

Página 23 de 43
https://www.repository.utl.pt/bitstream/10400.5/2940/4/escala%20de
%20qualidade%20de%20vida%20WHOQOL-100%20PORTUGAL.pdf

Embora não haja um consenso a respeito do conceito de qúalidade de vida, treâ s aspectos
fúndamentais referentes ao constrúto qúalidade de vida foram obtidos atraveú s de úm grúpo
de experts de diferentes cúltúras: (1) súbjetividade; (2) múltidimensionalidade (3) presença
de dimensoã es positivas (p.ex. mobilidade) e negativas (p.ex. dor).

O desenvolvimento destes elementos conduziu a definiçaã o de qúalidade de vida como "a


percepçaã o do indivíúdúo de súa posiçaã o na vida no contexto da cúltúra e sistema de valores nos
qúais ele vive e em relaçaã o aos seús objetivos, expectativas, padroã es e preocúpaçoã es"
(WHOQOL GROUP, 1994). O reconhecimento da múltidimensionalidade do constrúto refletiú-
se na estrútúra do instrúmento baseada em 6 domíúnios: domíúnio fíúsico, domíúnio psicoloú gico,
níúvel de independeâ ncia, relaçoã es sociais, meio-ambiente e espiritúalidade / religiaã o / crenças
pessoais.

DOMÍNIOS E FACETAS DO WHOQOL

Domínio I - Domínio físico

 Dor e desconforto

 Energia e fadiga

 Sono e repoúso

Domínio II - Domínio psicológico

 Sentimentos positivos

 Pensar, aprender, memoú ria e concentraçaã o

 Aúto-estima

 Ímagem corporal e apareâ ncia

 Sentimentos negativos

Domínio III - Nível de Independência

Mobilidade

Atividades da vida cotidiana

Página 24 de 43
Dependeâ ncia de medicaçaã o oú de tratamentos

Capacacidade de trabalho

Domínio IV - Relações sociais

 Relaçoã es pessoais

 Súporte (Apoio) social

 Atividade sexúal

Domínio V- Ambiente

 Segúrança fíúsica e proteçaã o

 Ambiente no lar

 Recúrsos financeiros

 Cúidados de saúú de e sociais: disponibilidade e qúalidade

 Oportúnidades de adqúirir novas informaçoã es e habilidades

 Participaçaã o em, e oportúnidades de recreaçaã o/lazer

 Ambiente fíúsico: (polúiçaã o/rúíúdo/traâ nsito/clima)

 Transporte

Domínio VI- Aspectos espirituais/Religião/Crenças pessoais

 Espiritúalidade/religiaã o/crenças pessoais

Promoção da saúde e prevenção da doença


Responsabilidade pessoal:

A Promoção da Saúde é o processo que visa aúmentar a capacidade dos indivíúdúos e das
comúnidades para controlarem a súa saúú de, no sentido de a melhorar. Para atingir úm estado

Página 25 de 43
de completo bem-estar fisico, mental e social, o indivíúdúo oú o grúpo devem estar aptos a
identificar e realizar as súas aspiraçoã es, a satisfazer as súas necessidades e a modificar oú
adaptar-se ao meio. Assim, a saúde é entendida como um recurso para a vida e naã o como
úma finalidade de vida;

A saúde é um conceito positivo, qúe acentúa os recúrsos sociais e pessoais, bem como as
capacidades fíúsicas. Em conseqúeâ ncia, a Promoção da Saúde naã o eú úma responsabilidade
exclúsiva do sector da saúú de, pois exige estilos de vida saúdaú veis para atingir o bem-estar

A promoçaã o da saúú de pressúpoã e o desenvolvimento pessoal e social, atraveú s da melhoria da


informaçaã o, edúcaçaã o para a saúú de e reforço das competeâ ncias qúe habilitem para úma vida
saúdaú vel. Deste modo, as popúlaçoã es ficam mais habilitadas para controlar a súa saúú de e o
ambiente e fazer opçoã es condúcentes aà saúú de.

EÍ fúndamental capacitar as pessoas para aprenderem durante toda a vida, preparando-as


para as súas diferentes etapas e para enfrentarem as doenças croú nicas e as incapacidades.
Estas intervençoã es devem ter lúgar na escola, em casa, no trabalho e nas organizaçoã es
comúnitaú rias e ser realizadas por organismos edúcacionais, empresariais e de volúntariado, e
dentro das proú prias institúiçoã es

Atividade física:

O grande desenvolvimento tecnológico e da informática ocorrido, principalmente nas


úú ltimas deú cadas do seú cúlo XX, proporcionoú melhoras significativas na vida das pessoas,
atraveú s da evolúçaã o das cieâ ncias da saúú de, edúcaçaã o, estrútúra das cidades, transporte,
saneamento baú sico, eletrodomeú sticos, maú qúinas, compútadores, internet e oútros. Entretanto,
a modernizaçaã o contribúiú tambeú m para qúe o homem se habituasse a desenvolver cada
vez menos atividades físicas, seja no trabalho, em casa, na escola oú em momentos de lazer.

Esta redúçaã o do gasto caloú rico com a diminúiçaã o da demanda energeú tica no cotidiano do
homem estaú ligada à falta de movimento e deterioração da saúde, bem-estar e qualidade
de vida (NACÍONAL CENTER FOR CHRONÍC DÍSEASE PREVENTÍON AND HEALTH
PROMOTÍON - CDC, 2002). Como exemplo, pode-se citar o sedentarismo como úm dos

Página 26 de 43
responsáveis pelo sobrepeso, o qúal eú fator de risco independente para a morbimortalidade
popúlacional por doenças croú nicas naã o transmissíúveis (DCNT), principalmente qúanto aà súa
relaçaã o com o aúmento da prevaleâ ncia de hipertensaã o arterial (HA) e diabete mellitús (DM).

A prática regular de exercício pode produzir importantes benefícios a curto, médio e


longo prazo. Esses benefíúcios saã o listados a segúir:

Aúmenta o consúmo da glicose.

 Diminúi a necessidade de insúlina exoú gena.

 Diminúi a concentraçaã o basal e poú s-prandial da insúlina.

 Aúmenta a resposta dos tecidos aà insúlina.

 Melhora os níúveis da hemoglobina glicolisada.

 Melhora o perfil lipíúdico:

 diminúi os trigliceríúdeos.

 aúmenta a concentraçaã o de HDL-colesterol.

 diminúi levemente a concentraçaã o de LDL-colesterol.

 Contribúi para diminúir a pressaã o arterial.

 Aúmenta o gasto energeú tico:

 favorece a redúçaã o do peso corporal.

 diminúi a massa total de gordúra.

 preserva e aúmenta a massa múscúlar.

 Melhora o fúncionamento do sistema cardiovascúlar.

 Aúmenta a força e flexibilidade múscúlar.

Página 27 de 43
Nutrição adequada:

Uma nutrição adequada eú a ingestaã o de úma dieta eqúilibrada para qúe o seú corpo possa
assimilar os nútrientes necessaú rios para úma boa saúú de. A cada dia, o corpo húmano renova-
se, isto eú , renova os múú scúlos, a mateú ria oú ssea, a pele e o sangúe. As súbstaâ ncias qúe ingerimos
saã o a base para a formaçaã o destes novos tecidos. Se a dieta contiver poúcos nútrientes
essenciais ao corpo, a boca estaraú mais vulnerável a infecções.

Página 28 de 43
Quais são os diferentes tipos de nutrientes?

Uma boa alimentação deve conter os segúintes nútrientes:

 Carboidratos;

 AÍ cidos graxos essenciais (contidos em prodútos gordúrosos);

 Aminoaú cidos (encontrados nas proteíúnas);

 Qúinze vitaminas;

 Cerca de vinte e cinco minerais;

 AÍ gúa.

Como o nosso corpo não pode fabricar todos nutrientes de qúe precisamos, principalmente
certas vitaminas, precisamos obteâ -los dos alimentos e súplementos alimentares qúe
ingerimos.

Adaptação ao stress e organização do ambiente:

O stress é uma resposta fisiológica e comportamental normal a algo qúe aconteceú oú estaú
para acontecer qúe nos faz sentir ameaçados oú qúe, de algúma forma, pertúrba o nosso
eqúilíúbrio. Qúando nos sentimos em perigo real oú imaginado, as defesas do organismo

Página 29 de 43
reagem rapidamente, núm processo aútomaú tico conhecido como reaçaã o de "lúta oú fúga” oú
de “congelamento", eú a resposta ao stress.

Ínicialmente, o stress pode ser positivo, contúdo para aleú m de úm certo níúvel, este deixa de
ser proveitoso e começa a prejúdicar gravemente a saúú de, a alterar o húmor, a prodútividade,
os relacionamentos e a qúalidade de vida, em geral. Saã o as diferentes fases do stress (v.
adiante eústress e distress).

Devemos saber reconhecer os seús sinais e sintomas e, conseqúentemente, tomar medidas


para minimizar os efeitos do stress.

Os sintomas de stress saã o a forma qúe o nosso organismo encontra para nos informar das
alteraçoã es a qúe estaú a ser sújeito. Certamente qúe jaú sentiú as maã os transpiradas oú o seú
coraçaã o a bater mais depressa, antes de efetúar úma apresentaçaã o oú participar núma reúniaã o
importante oú ateú enqúanto visúaliza úm filme de terror. Estes saã o algúns dos sintomas de
stress na pele e no coraçaã o, mas muitos outros afetam o nosso corpo (sintomas fíúsicos) e
mente (sintomas psicoloú gicos).

Desde o stress positivo até pressentirmos muito stress, passando por úm stress excessivo
oú stress agúdo, túdo saã o fases em qúe os sintomas de stress e ansiedade vaã o-se agravando
com o decorrer do tempo. Saber reconhecer quais os sintomas em cada úma das fases eú de
primordial importaâ ncia, úma vez qúe, a tendeâ ncia eú qúe se nada for feito em contraú rio, o stress
iraú agravar-se com o decorrer do tempo, podendo desencadear graves conseqúeâ ncias para a
nossa saúú de. Ínicialmente os sintomas podem ser teú núes, mas qúando o stress caúsa diarreia,
dor no peito, qúeda de cabelo, manchas na pele, dor de barriga, dor nas costas, tontúras, entre

Página 30 de 43
oútros sintomas exúberantes, entaã o estamos segúramente perante úma severa ameaça à sua
saúde e degradação da qualidade de vida.

Se os seús meú todos de lidar com o stress naã o estaã o a contribúir para melhorar a súa saúú de
fíúsica e emocional, eú altúra de encontrar formas mais saúdaú veis. Haú múitas maneiras
saudáveis de gerir, prevenir e lidar com o stress, mas todas elas reqúerem múdança. Pode-
se múdar a sitúaçaã o oú múdar a súa reacçaã o. Ao decidir qúal a opçaã o a escolher, eú úú til pensar
nos 4 aspecos segúintes:

evitar, alterar, adaptar e aceitar.

Dado qúe cada úm de noú s tem úma resposta úú nica para o stress, naã o existe apenas úm meú todo
qúe sirva a todos oú para qúalqúer sitúaçaã o, por isso voceâ deveraú experimentar diferentes
teú cnicas e estrateú gias para perceber a qúe melhor se ajústa a si. Foque-se naquilo que o faz
sentir calmo e em controlo.

Tente ganhar controlo sobre o seú ambiente – Se as noticias dos jornais e TV o fazem ansioso,
desligúe a TV oú feche o jornal. O traú fico deixa-o tenso, tente ir por úm caminho com menos
traú fego. Se ir aà s compras sozinho o stressa, arranje companhia. Tente sempre qúe possíúvel
descortinar úma alternativa qúe esteja sobre o seú controlo, qúe possa decidir por si e
execútar na hora.

Vacinação:

As vacinas permitem salvar mais vidas e prevenir mais casos de doença do qúe qúalqúer
tratamento meú dico.A introdúçaã o de campanhas das vacinaçaã o contribúiú, em todo o múndo,
para a diminúiçaã o da incideâ ncia das doenças evitaú veis pela vacinaçaã o.Como conseqúeâ ncia
directa da vacinaçaã o a varíúola foi erradicada em 1980, a poliomielite estaú em vias de ser
erradicada e o sarampo pode tambeú m vir a ser extinto. Assim, existe úm elevado núú mero de
indivíúdúos imúnes na popúlaçaã o, úm menor núú mero de súsceptíúveis e úma probabilidade
menor de vir a contr air determinadas infecçoã es na infaâ ncia.

Página 31 de 43
O Programa Nacional de Vacinação (PNV) eú úm programa úniversal, gratúito e acessíúvel a
todas as pessoas presentes em Portúgal. Apresenta úm esqúema de vacinaçaã o recomendado
qúe constitúi úma “receita úniversal”. A intervenção ao nível de certas comunidades locais
reveste-se de especial importaâ ncia, nomeadamente, como forma de prevenir a disseminaçaã o, a
partir de casos importados, de doenças infecciosas qúe se encontram eliminadas do nosso
paíús (ex: poliomielite) oú em fase de eliminaçaã o (ex: sarampo).Somente taxas de cobertúra
vacinal múito elevadas, de cerca de 95%, permitem obter imúnidade de grúpo. No caso do
teú tano, em qúe a protecçaã o eú individúal, apenas úma cobertúra vacinal de 100% evitaria o
aparecimento de casos.

Higiene corporal:

A higiene corporal é úm conjúnto de cúidados qúe as pessoas devem ter com o seú corpo
para ter melhores condiçoã es de vida, bem-estar e saúú de mental. Consiste em medidas qúe
garantem a limpeza do corpo, da mente e do ambiente, a fim de garantir úma vida saúdaú vel
para as pessoas.

A palavra higiene eú de origem grega qúe significa 'hygeinos' qúe qúer dizer o qúe eú saúdaú vel.
Aleú m de proteger contra possíúveis doenças, tambeú m ajúda na aútoestima das pessoas, pois
com a higiene elas sentem-se mais confortaú veis e confiantes. A lavagem diaú ria tem como

Página 32 de 43
prerrogativas tambeú m, a manútençaã o da saúú de individúal e a proteçaã o contra os mais diversos
agentes externos.

As mãos devem estar sempre limpas e os alimentos e a comida naã o devem ser
manipúlados antes da lavagem das mesmas. Devem ser lavadas, principalmente, antes e
depois das refeiçoã es e apoú s o úso do banheiro. EÍ recomendaú vel qúe sejam higienizadas com
aú gúa e sabonete oú com aú lcool. Uma oútra dica eú a útilizaçaã o de sabonete líúqúido qúe, ao
contraú rio do sabonete em barra, naã o tem contato com oútras pessoas.

Os riscos, para quem não lava as mãos, podem ser a contaminaçaã o com bacteú rias e germes,
qúe saã o transmitidos qúando haú úm contacto com úm objeto contaminado. As únhas devem
ser mantidas sempre limpas e cortadas regularmente. O lixo armazenado por baixo das
únhas pode caúsar doenças (intestinais e verminoses) qúando a pessoa leva a únha aà boca.

O cabelo também é um item essencial para úma boa higiene corporal. Nele, ocorre o
acúú múlar da poeira e gordúra e por isso eú importante qúe a lavagem ocorra,
preferencialmente, dúas vezes por semana. Além da lavagem, devem ser cortados
regúlarmente, pois a falta de corte deixa os fios mais qúebradiços e danificados.

Prevenção de acidentes:

Os Idosos são muitas vezes alvo fácil de atropelamentos enqúanto peoã es e de acidentes
como condútores, devido aú s súas dificúldades de locomoçaã o, aúdiçaã o e visaã o entre oútras, e
ainda por falta de sensibilizaçaã o para os meú todos mais modernos de circúlaçaã o e de gestaã o de
traú fego.

Página 33 de 43
Os Profissionais de Saúde podem ser intervenientes activos neste aâ mbito promovendo
acçoã es na Comúnidade ( Lares, Centros de Dia, etc), onde se discúta e chame a atençaã o para
esta problemaú tica.

Apesar do risco de cair em casa ser grande, múitos acidentes devido a qúeda podem ser
prevenidos. Boas praú ticas baseadas na evideâ ncia mostram qúe eú possíúvel redúzir as lesoã es nos
idosos em 38 % atraveú s de meú todos com cústos eficazes. A redúçaã o de lesoã es pode melhorar a
qúalidade de vida e redúzir os gastos dos serviços de saúú de devido a lesoã es nesta faixa etaú ria.

O primeiro passo é compreender as suas causas. Nas pessoas idosas a diminúiçaã o da


massa múscúlar, a osteoporose, a diminúiçaã o da visaã o e da aúdiçaã o, assim como a falta de
condiçoã es de segúrança da casa e do jardim aúmentam a probabilidade de cair.

As quedas podem ser prevenidas fazendo peqúenos ajústamentos na casa e no estilo de


vida, mas, promover a segúrança, eú tambeú m, garantir qúe as pessoas idosas se alimentam
convenientemente e se manteâ m fisicamente activas.

Quando falamos de segurança, eú importante conhecer e útilizar os dispositivos de segúrança


qúe facilitem a vida diaú ria qúando a aútonomia e o bem-estar estaã o em caúsa.

Manter a segurança é uma questão de tomar medidas de protecção, de algúm bom senso,
de múita prúdeâ ncia e precaúçaã o qúe, com convicçaã o se vaã o fazer sentir na redúçaã o dos
acidentes domeú sticos e de lazer com pessoas idosas.

Alguns fatores de risco de quedas:

 Viver sozinho.

 Tomar medicamentos, em especial medicamentos psicotroú picos.

 Doenças croú nicas tais como artroses, depressaã o, doença púlmonar croú nica.

 Mobilidade redúzida e balanço.

 Dificúldades cognitivas e demeâ ncia.

 Redúçaã o da acúidade visúal.

 Calçado e vestúaú rio inadeqúado.

 Uso de bengalas oú andarilhos

Página 34 de 43
 Súbir para escadotes, cadeiras, bancos, aú rvores, aútocarros.

 Pisos escorregadios oú irregúlares, pavimentos degradados.

Prevenir as quedas em TODA A CASA é uma questão de bom senso:

 Mantenha úma boa ilúminaçaã o em toda a casa e úma lúz acesa na entrada principal.

 As laâ mpadas devem ser de faú cil manútençaã o e súbstitúiçaã o.

 Núnca deixe fios eleú tricos e de telefone desprotegidos. Prenda-os aà parede.

 Evite tapetes soltos no chaã o, principalmente nas escadas. Se úsar, fixe-os ao chaã o.

 Pinte de cores diferentes oú faça marcas visíúveis no primeiro e no úú ltimo degraú das
escadas. Devem ter degraús com piso antiderrapante. Converse com o seú meú dico sobre a
necessidade de colocar barras de apoio (corrimaã o).

 Use sapatos com saltos largos e calcanhares reforçados, para evitar qúe o peú se
movimente. Naã o úse chinelos. Prefira os sapatos fechados.

 Cúidado para naã o errar a dosagem dos remeú dios.

 Naã o úse camisolas e roúpoã es compridos, para evitar tropeçar, principalmente se tiver
qúe se levantar no meio da noite.

 Ao dormir, deixe a lúz do corredor acesa para aúxiliar a visaã o, caso acorde no meio da
noite.

 Se cair e tiver dores, procúre assisteâ ncia meú dica. Deixe o telefone núm local de faú cil
acesso, se necessitar de pedir ajúda.

 No qúintal, evite a acúmúlaçaã o de folhas e flores húú midas no chaã o.

O processo de administração de medicamentos /


vacinas

Os principais grupos de fármacos utilizados na população idosa

Página 35 de 43
Os medicamentos são uma parte integrante da vida dos idosos, permitindo manter sob
controle as doenças de qúe padecem, ajúdando-lhes a viver melhor, sem dores oú desconforto.
No entanto, por vezes a qúantidade de medicamentos qúe úm idoso toma eú taã o elevada qúe
reqúer úma organizaçaã o e administraçaã o com cúidados redobrados.

No médico. O acompanhamento da toma dos medicamentos por parte de úm idoso


começa nas consúltas – se possíúvel, deve acompanhar o idoso, para assim saber qúal o seú
estado de saúú de, qúe medicamentos vai tomar, para qúeâ , qúal a dose, dúrante qúanto tempo,
se existem efeitos secúndaú rios, interaçoã es com oútros medicamentos, se os comprimidos
podem ser esmagados oú teâ m de ser tomados inteiros, oú qúalqúer oútra qúestaã o pertinente.
Naã o tenha receio de esclarecer todas as súas dúú vidas com o meú dico.

Na farmácia. Sempre qúe for aà farmaú cia aviar úma receita, certifiqúe-se qúe o
farmaceâ útico escreva na caixa do medicamento correspondente as indicaçoã es do meú dico no
qúe toca aà dose e aà hora da toma. Quer leve duas caixas de medicamentos ou dez, confira
sempre toda a informaçaã o para evitar confúsoã es com a toma. Se possíúvel, vaú sempre aà mesma
farmaú cia – seraú úma excelente forma de criar úma relaçaã o com o farmaceâ útico qúe, para aleú m
de passar a conhecer o estado de saúú de do idoso, pode ajúdaú -lo sempre qúe tiver algúma
dúú vida.

DOENÇAS CARDIOVASCULARES

Doenças que afetam o sistema circulatório.

As mais comúns saã o:

 ÍAM;

 Angina;

 Aterosclerose;

 AVC.

MEDICAMENTOS:

Específicos para cada caso e paciente:

 Anti – hipertensivos, previnem o ÍAM e AVC;

 AAS, aspirina – “afinam o sangúe”;

 Drogas para diminúir o colesterol (previnem Aterosclerose). Ex: Sinvastatina;

Página 36 de 43
 Verapamil.

DEPRESSÃO

 Saã o transtornos do húmor, dos qúais fazem parte todas as formas de depressaã o e o
transtorno bipolar.

 Em algúm momento da vida 15% a 20% da popúlaçaã o apresentaraú depressaã o.

 Nos idosos principalmente, essa condiçaã o eú poúco diagnosticada em serviços de


atendimento primaú rio e oútros serviços meú dicos gerais.

MEDICAMENTOS:

 Antidepressivos: Nortriptilina (Pamelor), Ímipramina e Desipramina.

A automedicação nos idosos

A automedicação acontece pelo uso de medicamentos sem orientação de um profissional


de saúú de oú sem prescriçaã o meú dica. É responsável por danos à saúde qúe geram
hospitalizaçaã o e, em casos mais graves, ateú intoxicaçoã es. Esses riscos ocorrem por diversos
motivos, desde a falta de orientaçaã o sobre como tomar o medicamento, como a dose e
posologia, e ateú mesmo a súperdosagem, qúe pode ocasionar efeitos toú xicos no organismo
piorando o estado de saúú de do paciente e trazendo efeitos indesejados.

Página 37 de 43
Qúando se tem algúm sintoma desagradaú vel, qúal eú o primeiro pensamento para solúcionar o
este problema? A maioria pensa logo em ir à farmácia, e laú encontra úma diversidade de
medicamentos de venda livre, oú seja, qúe podem ser vendidos sem a existeâ ncia de úma
prescriçaã o meú dica. EÍ aíú onde mora o perigo. O uso indiscriminado e incorreto desses
medicamentos pode ser prejúdicial aà saúú de.

Conheça alguns prejuízos que essa atitude pode lhe oferecer:

O diagnoú stico errado do problema gera a escolha de úm tratamento ineficaz para o


caso;

A interaçaã o com oútros medicamentos jaú útilizados pode potencializar oú anúlar os


seús efeitos terapeúticos;

Súrgimento de reaçoã es adversas, oú seja, reaçoã es indesejadas e inesperadas com o úso


de medicamento, qúe saã o danosas aà saúú de e dificilmente identificadas, aleú m das reaçoã es
aleú rgicas (resposta imúnoloú gica exacerbada contra o medicamento exposto);

Mascarar o diagnoú stico de oútras doenças na fase inicial pela semelhança de sintomas
manifestados por úma virose, como exemplo: dor de cabeça, dor no corpo, febre, cansaço;

Algúns medicamentos saã o contra-indicados para pacientes qúe jaú possúem algúma
doença diagnosticada, sendo de conhecimento apenas de profissionais da saúú de;

Página 38 de 43
Em casos mais graves, podem ocorrer intoxicaçoã es por medicamentos, qúando se
útiliza em doses e intervalos maiores qúe indicados pela posologia, aleú m de resúltar em
hospitalizaçaã o.

Quando se trata da saúde a medida mais simples e eficaz eú a informaçaã o, preferencialmente


fornecida por úm profissional da saúú de, qúe permite a identificaçaã o dos sintomas e a
orientaçaã o sobre a forma correta de realizar o tratamento, bem como acompanhar o paciente
ateú a súa recúperaçaã o.

Observa-se também um comportamento na terceira idade bem evidente em relaçaã o a


aútomedicaçaã o, o qúe gera efeitos graves a saúú de. Por múitas vezes, eles naã o comentam com o
meú dico sobre se aútomedicar, aà s vezes esqúecem, oú ficam receosos em levar peqúenos
“púxoã es de orelha” em fazer o errado. Com isso, aúmentam as hipoteses do aparecimento de
tremores parecidos com os da doença de Parkinson, decorrentes do úso errado de
medicamentos para labirintite oú ateú o aparecimento de úlceras no estoâ mago, decorrente do
úso de anti- inflamatoú rios.

Principais cuidados que devem ser tomados ao útilizar medicamento na terceira idade:

Nenhúm medicamento deve ser tomado “para o resto da vida”;

Evite o úso prolongado de medicamentos sintomaú ticos, como tranqúilizantes,


soníúferos;

O tempo de tratamento deve ser definido júnto ao meú dico;

Ínformar ao meú dico todos os medicamentos qúe jaú estaã o sendo útilizados para qúe naã o
haja reaçoã es entre os qúe seraã o prescritos;

Atentar para os horaú rios do medicamento, para qúe naã o haja esqúecimento, pois
qúebra o tratamento.

Página 39 de 43
Página 40 de 43
A avaliação morfológica do idoso
Estatura - Estatura/Massa e Índice de Massa Corporal (IMC)

O envelhecimento, antes considerado úm fenoú meno, hoje faz parte da realidade da maioria
das sociedades. De acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde, trata-se de “úm
processo seqúencial, individúal, acúmúlativo, irreversíúvel, úniversal, naã o patoloú gico, de
deterioraçaã o de úm organismo madúro, proú prio a todos os membros de úma espeú cie, de
maneira qúe o tempo o torne menos capaz de fazer frente ao stresse do meio ambiente e,
portanto, aúmente a súa possibilidade de morte.

O processo de envelhecimento traz diversas múdanças anatoú micas e fisioloú gicas qúe podem
afetar a fúncionalidade e aúmentar o risco de doenças. O envelhecimento pode tradúzir-se,
parcialmente, pela diminuição da estatura e do peso, perda de tecido ósseo e muscular,
aumento da gordura corporal e diminuição da quantidade de água corporal total.

Página 41 de 43
Com o avançar da idade, a estatura corporal tende a diminúir devido aà compressaã o das
veú rtebras, múdanças na largúra e forma dos discos vertebrais e perda de toâ nús múscúlar. O
peso tambeú m diminúi com a idade e varia segúndo o sexo. As múdanças qúe acompanham a
perda de peso no idoso inclúem diminúiçaã o da massa múscúlar e da massa celúlar em geral. A
densidade especíúfica da massa livre de gordúra (MLG) em adúltos diminúi consideravelmente
com o avanço da idade.

Em geral, a massa corporal tende a aumentar até aproximadamente 70 anos de idade,


qúando inicia úm decreú scimo em torno de 0,4 kg por ano]. Após essa idade, a altura, o peso
e o IMC tendem a reduzir. A combinaçaã o do aúmento da massa gorda e redúçaã o da massa
magra em idosos eú chamada de “obesidade sarcopeâ nica” e estaú associada com diminúiçaã o da
força múscúlar e fragilidade, resúltando em redúçaã o da qúalidade de vida.

Outra mudança relacionada com a idade eú a distribúiçaã o de gordúra corporal. O


envelhecimento estaú associado com úma maior proporçaã o de gordúra visceral (intra-
abdominal), qúe se associa com aúmento no risco de doenças cardiovasculares na
população em geral.

Compreender as mudanças na composição corporal qúe acompanham o processo de


envelhecimento e as súas implicaçoã es na saúú de eú de súma importaâ ncia, tanto para o
conhecimento gerontoloú gico como para o súporte nútricional do idoso. Estas múdanças estaã o
diretamente implicadas com o estado fúncional e de sobrevivência da população idosa.

Página 42 de 43
Bibliografia e netgrafia
FALCAÃ O, Ana Mraia de Aragaã o e AZZÍ, Roberta Gúrgúel, Psicologia e formaçaã o docente:
desafios e conversas, Editora Casa do Psicoú logo, (2002)
 KEROUAC, Súzanne [et al.] – El pensamento enfermeiro. Barcelona: Masson, 1996. ÍSBN
84-4580365-4.
 LOFF, Ana Margarida – Relaçoã es Ínterpessoais. Enfermagem em Foco. Lisboa: SEP. N.º
13, Ano ÍV (Nov./Jan. 1994), p. 56-63.
 Http://www.portaldasaúde.pt/portal/conteúdos/a+saúde+em+portúgal/ministerio/le
i+organica/arqúivo+organica/leiorganica.htm
http://www.sobresites.com/psicologia/
http://www.psicologia.pt/

Página 43 de 43