Você está na página 1de 15

A BÍBLIA INTERPRETA A PRÓPRIA BÍBLIA

Regra: “A Bíblia é seu interprete. A escritura explica melhor a escritura”

1. DEFINIÇÕES BÁSICAS:

Quando você estudar ou ler a Bíblia, deixa-a falar pôr si mesma. Não lhe acrescente
nem lhe subtraia nada. Deixe que a Bíblia seja o seu próprio comentário. Trabalhe sempre
partindo do pressuposto, de que a Bíblia tem autoridade..

OBS: Sempre compare a escritura com escritura.

A BÍBLIA É SEMPRE ATUAL

A Fé Salvadora e o Espírito Santo são indispensáveis para interpretação, ao estudar


um capítulo ou um parágrafo, o contexto não deve ser esquecido, ele é o primeiro lugar em
que você procurará a interpretação. As referências são úteis, mas você deve tentar
estabelecer a referência do pensamento no capítulo e nos versículos, e não de uma palavra
ou de uma frase apenas.
Ex.: estudando a crucificação de Cristo em Mat. 27.27 – 50, tomaremos como ponto de
referência o versículo 35. Se quisermos usar outras referências Bíblicas do V.T ou N.T.
Teremos: Sl. 22.18; Mc. 15.24, Lc. 23.34; e Jo. 19.23 – 24.
 Neste exemplo todo o princípio permanece o mesmo: “Deixe a escritura explicar a
escritura”.
 Não esquecer: Texto sem contexto vira pretexto.
 O contexto deve ser conhecido antes de ser formado um pretexto.

A BÍBLIA INTERPRETA A SÍ MESMA

2. POR QUE A BASE DA INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA É A PRÓPRIA BÍBLIA?

a. Pelo seu conteúdo e ensino geral;


b. Pelo ensino geral do escritor de cada livro;
c. Pôr seus textos e contextos, paralelos, precedentes ou que se seguem;
d. Pelo conhecimento e leitura contínua do livro de Deus, sempre na dependência
e inspiração do seu autor (Espírito Santo), que é seu melhor intérprete. Jo. 14.26;
16.13; II Tm. 3.14 – 17.

“CONCEITOS MODERNOS NÃO ALTERAM A BÍBLIA” Pr. Pedro Lima Santos

“Quanto mais palavra tiver em meu coração, mais santo eu fico” Pr. Adhemar de Campos.

3. NA INTERPRETAÇÃO DO LIVRO DE DEUS TORNA-SE NECESSÁRIO:

a. Comparar as coisas espirituais com espirituais. Cl. 1.9; I Co. 2.15.


b. Procurar conhecer a realidade e a verdade do texto. II Tm. 3.7; I Tm. 2.4;
Cl. 1.5; Ef. 4.15; 3.1.
c. Ser sensato e saber raciocinar. Pv. 2.3 – 5;11.2 – 21; Rm. 12.16.
d. Ser simples, modesto sem altivez. Pv. 11.2; Sl. 119.130; 138.6.

4. INTERPRETAÇÃO LITERAL, FIGURATIVA E SIMBÓLICA:

Discipulado II-MEPB Página 1


A Bíblia nos traz três tipos de linguagem de devemos discerni-las para melhor entende-
la.

a. LITERAL: No principio criou Deus os céus e a terra. Gn. 1.1.


b. FIGURATIVA: Arrependeu-se o Senhor. Gn. 6.6.
c. SIMBÓLICA:
SIMBÓLICA: Viu-se grande sinal no céu, a saber, uma mulher vestida de sol
com a lua, debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça. Ap. 12.1.

OBS:

Não temos certeza válida de que a nossa interpretação é o significado real do que
Deus tencionava comunicar e não temos base para dizer que nossa interpretação da
escritura é a mais válida. Por isso não fuja da regra: Texto sem contexto vira pretexto.
Sempre fique com o que Deus, pensa e quer dizer a cerca de qualquer assunto. Então:

“Leia para conhecer e evangelizar, e nunca para condenar”.

“A Bíblia não é para ser entendida intelectualmente. E sim vivida espiritualmente por fé”.

Conheça o Seu Temperamento e Vença os Seus Limites

Temperamento é: A qualidade essencial e exclusiva da personalidade de uma pessoa


que possibilita a distinção entre os seres humanos.

“O Temperamento é a nossa Identidade Psicológica.”

Uma pessoa temperamental geralmente deixa os sentimentos conduzirem as suas


atitudes. Tornando-a assim uma pessoa instável, permitindo que impulsos do seu
temperamento vez por outra se manifestem nas horas mais indesejáveis. A pessoa
temperamental agindo assim fará com que as pessoas lhe evitem, pois sempre esperaram
dela as piores reações possíveis, ocasionadas pela convivência no dia a dia entre elas. E
mesmo quando errar se escondera atrás do seu “Temperamento”, e dirá: É assim mesmo
esse é o meu jeito de ser, se quiser conviver comigo vai ter que me aturar.
Os primeiros estudos científicos sobre temperamentos foram feitos pelo médico
Hipócrates, sendo o maior nome na antiguidade dentro deste assunto (60-370 a.C.). Sua
classificação e nomenclatura foram tão bem estabelecidas que pouca alteração sofreu até
hoje.
A vantagem em conhecer um pouco sobre esse assunto será a de vigiar a nós mesmo
para reagirmos convenientemente e há tempo nas situações do dia-a-dia. Entendendo quem
somos e que somos seres únicos, por isso não podemos esperar dos outros as mesmas
reações que as nossas.
Apesar de tantas complicações o Senhor assim mesmo decidiu investir em nós para O
ajudarmos na expansão de Seu reino na terra.
São quatro os tipos de temperamento: Introvertido, extrovertido, Superintrovertido e
Superextrovertido.

Introvertido (Melancólico)

 Introvertido (Melancólico): Ele é calado, muito sensível, perfeccionista, tendente ao o


pessimismo e a depressão. Por ser mais voltado para si mesmo ou ser fechado em
expor seus sentimentos, sofre de melancolia, tornando-se uma pessoa tímida e vez por
outra tristonha.

Discipulado II-MEPB Página 2


Tendências Gerais:

a. Perfeccionista, isto pode levá-lo a viver procurando defeitos nos outros e


transformá-lo em um acusador em vez de Ajudador. Pois ele tem o senso critico
muito aguçado;
b. Tendencioso ao exagero inclusive ao auto-sacrifício e as penitencias;
c. Vive em constante conflito por não conseguir ser perfeito em tudo;
d. Detalhista com todas as coisas;
e. Tem tendências à timidez e à hesitação;
f. È pacífico, quase não reage a um conflito externo, mas quando reage “sai de perto.”.
g. È muito metódico e organizado;
h. È calado, fala pouco mais observa muito;
i. Suscetível ao pessimismo, à crítica no sentido de censurar, reprovar e condenar;
j. Muito sensível, ressente-se facilmente, cultiva sentimentos negativos por não
conseguir esquecer-se dos acontecimentos com facilidade;
k. Propenso à depressão, ao mau humor, a ficar mudado, ao mau gênio, a
rabugice, a má digestão e diz que está assim por que a comida lhe fez mal;
l. Propenso a insônia, pois tem dificuldade em dormir tranqüilo;
m. Costuma julgar-se melhor do que todos. Só ele(a) sabe fazer as coisas
direito, e que sem ele(a), as coisas vão parar;
n. Tem dificuldades nos relacionamentos, por gostar de esta mais só do que
acompanhado;
o. Quer ver e ouvir tudo o que se passa a sua volta e dar palpites sem ser
convidado, e por isso, às vezes, torna-se antipático e sua presença não é muito
querida.

Quadro de Qualidade e Defeitos:

Habilidoso Egoísta
Minucioso Zangado
Sensível Pessimista
Perfeccionista Teórico
Esteta Confuso
Idealista Anti-social
Leal/Fiel Crítico
Dedicado Vingativo
Generoso Inflexível

O introvertido, se não praticar a autocrítica, estará sempre carrancudo, tanto no


aspecto facial como na voz e na conversa, mas geralmente tem um bom coração, apesar de
causar má impressão. Nem todas as qualidades e defeitos se aplicam de uma só vez em
uma pessoa. Pode ser que uns apareçam outros não. Porém algumas ou todas essas
características farão parte do temperamento do Introvertido (Melancólico).
Na Bíblia Sagrada vamos encontra varias pessoas com esse tipo de temperamento.
Dentre elas podemos destacar: Jacó, Salomão, Elias, Eliseu, Jeremias, Isaias, Daniel,
Ezequiel, Obadias, Jonas, João Batista, os Apóstolos João esses são apenas alguns
exemplos de como Deus pode usar o Introvertido (Melancólico).

Extrovertido (Colérico)

Discipulado II-MEPB Página 3


 Extrovertido (Colérico): Ele é voltado mais para si mesmo, mais preocupado em ser do
que ter, por isso vai direto ao ponto, partindo sempre para prática, tentando resolver os
seus problemas e dos outros, cometendo muitas vezes atropelos desnecessários com
seu temperamento explosivo.

Tendências Gerais:

a) É ativo, decidido, prático, vivo, disposto, definido e destemido;


b) Tem espírito de liderança e quando o extrovertido ignora isso, torna-se um
insuportável em casa, na escola, nos brinquedos (quando criança), no lazer, em
viagens, porque onde quer que esteja esse espírito vai aparecer não dá para
esconder;
c) Está sempre com pressa e por isso às vezes se da mal;
d) Tendencioso à desatenção com as pessoas e com tudo ao seu redor;
e) Gosta muito de música que têm batidas fortes e dançantes;
f) Explosivo, brigão, comprador de brigas alheias, para poder afirmar-se como leal;
g) Propenso ao orgulho, à presunção, à sabedoria, aprender as coisas com muita
facilidade, está sempre ligado pega as coisas no ar;
h) Conversador, fala o tempo todo, um bom contador de histórias, pode falar até
dormindo;
i) Gosta de movimentação, vivacidade, gesticulação e de tocar as pessoas, para
demonstrar afeto por elas;
j) È tendente a tornar-se cínico;
k) Tem dificuldade com o autocontrole.

Quadro de Qualidades e Defeitos:

Enérgico Iracundo
Resoluto Sarcástico
Independente Impaciente
Prático Agressivo
Eficiente Vaidoso
Decidido Auto-suficiente
Líder Insensível
Corajoso Cruel

Nem todas as qualidades e defeitos se aplicam de uma só vez em uma pessoa. Pode
ser que uns apareçam outros não. Porem algumas ou todas essas características farão parte
do temperamento do Extrovertido (Colérico). Este temperamento dominante pode ser
transformado como foi um dos maiores personagens da história do cristianismo, Paulo o
colérico.

Superintrovertido (Fleumático)

 Superintrovertido (Fleumático): È Parado, calmo, submisso, gosta de arte e da


natureza, é organizado, ditador, cobra muito e faz pouco, sempre está perdendo
alguma coisa e culpa os outros, é muito tendente à brutalidade. O temperamento do
Super Introvertido é um misto do 1º e do 2º, na maioria das vezes prevalecendo o 1º
temperamento que é o Introvertido (Melancólico).

Tendências Gerais:

Discipulado II-MEPB Página 4


a. Submisso, frio, calmo, lento, parado;
b. Exageradamente organizado no trabalho e na vida social e familiar. Até ele arrumar
tudo para iniciar seu trabalho, o expediente já acabou;
c. Aprecia muito a natureza e muito preocupado com a estética;
d. Tendente a gostar de música dolente;
e. Tendência de ser bruto, mau, ditador, insensível, preguiçoso quando está com os
outros.
f.Muito desatento, perde as coisas e culpa os outros.

Quadro de Qualidades e Defeitos:

Calmo Calculista
Tranqüilo Temeroso
Comprometido Indeciso
Eficiente Desconfiado
Conservador Fechado
Prático Pretensioso
Diplomata Desmotivado
Bem-humorado Transfere responsabilidades

A pessoa com estes traços não deve lançar tudo o que sente em cima do que foi dito
na conta do temperamento, negando sua responsabilidade sobre tudo o que diz ou faz. O
caso do fleumático mais ilustre da Bíblia e o de Abraão, que por duas vezes se valeu de seu
temperamento para se livrar de um problema.

Superextrovertido (Sanguíneo)

 Superextrovertido (Sanguíneo): O indivíduo superextroverso é um misto do 1º


temperamento com o 2º, prevalecendo o 2º, isto é, o temperamento extrovertido. O
senhor Extrovertido é caloroso, amável e simpático na maioria das vezes. Atrai as
pessoas como se fosse um imã. É generoso, compassivo, adapta-se ao meio ambiente
com facilidade e ajusta-se aos sentimentos alheios e consegue conviver pacificamente
com todos os outros temperamentos.

Tendências Gerais:

a. Emotivo, chora com facilidade, afetuoso, brincalhão, humorista, alegre,


animado. O superextroverso pode viver 100 anos tranqüilamente;
b. Conversa quase sempre tocando as coisas e as pessoas;
c. Tem vocação inata para ser: Orador, humorista, vendedor, ator e líder em
alguma área;
d. É gregário, explosivo, dá curto circuito num instante, e por isso perde fácil o
credito e a confiança entre seus familiares e seus amigos mais próximos;
e. Tem pouca reflexão, é precipitado, não mede as conseqüências de suas
palavras e seus atos, enfim é imprudente em muitas coisas;
f. Sua vida pode ser regalada e sem esquentar com as coisas que mais incomodam os
outros ao seu redor;
g. Horários? Nem pensar não se prende a isto;
h. Tendente ao relaxamento com seus pertences, seu trabalho, consigo mesmo,
nas finanças, nos negócios, nos compromissos. Quando se arrepende é tarde;

Discipulado II-MEPB Página 5


i. Devida a muita perda de energia e ao desgaste físico e emocional e mais
propenso a tensão;
j. Por ser impaciente é muito sujeito a cacoetes exógenos.
Quadro de Qualidades e Defeitos:

Comunicativo Pusilânime
Destacado Indisciplinado
Entusiasta Impulsivo
Afável Inseguro
Simpático Egocêntrico
Bom companheiro Barulhento
Compreensivo Exagerado
Crédulo Medroso

O Superextrovertido (Sanguíneo) pode se tornar uma pessoa difícil, enigmática,


mística, desconfiada, complexada à medida que a idade for avançando. Mais com Deus,
muitas coisas podem ser mudadas. Você também não pode confundir má educação, má
formação social e de caráter com temperamento. Tudo isso não é desculpa para
comportamentos distorcidos.

Conclusão

A ignorância sobre o nosso tipo de temperamento é uma das causas geradoras de


conflitos da personalidade. Daí vem o mau relacionamento social com quer que seja. Pois, a
pessoa não conhece ainda toda sua maneira de ser em sua totalidade e às vezes, se
comportam de maneiras indesejadas, por isso, conheça mais a si mesmo e busque o
amadurecimento espiritual para não viver cometendo erros, que talvez sejam irreparáveis.
Ninguém deve viver sofrendo por isso, pois Deus está pronto para ajudar seja quem for.

“Sempre que os meus frutos não convencerem, haverá necessidade de convencer


com as minhas palavras”. Pr. Adhemar de Campos.

Cuidado com:

1. Incompatibilidade de Visão; Disse Jesus: Como andarão dois se não estiverem de


acordo?
2. Roubo de Autoridade; No tempo certo Deus te levantará não se precipite;
3. Falsa Aparência; Não seja um hipócrita, viva o que você pregar;
4. Falta de Sinceridade; Exija de quem está a sua volta toda à verdade;
5. Convivência sim, Intimidade não; Expor a sua aos outros pode ser prejudicial ao seu
ministério;
6. Falta de Confronto; O confronto é o elo que fortalece os relacionamentos;
7. Não Reparta a Unção; Quem quiser que pague o preço e espere a sua vez;
8. Não permita que ninguém Doutrine o Povo que Deus lhe confiou, a não ser VOCÊ
e o seu EDIFICADOR; Deus colocou um cajado na sua mão e não uma banana;
9. Perder o autocontrole é um risco; Ninguém seguirá um descontrolado;
10. A Quebra de Autoridade é uma Plantação Maldita; Lembre-se, vivemos debaixo de
várias leis e uma delas é a da semeadura. Por isso muito cuidado com o que você vai
plantar.

Discipulado II-MEPB Página 6


CARACTERÍSTICAS DE UM (A) LÍDER

1. DEFINIÇÕES DE UM (A) LÍDER:


a. “Quando a autoridade é delegada, o poder é constituído”. O mundo espiritual é regido
por princípios e aqueles que se aventuram viver nesta dimensão sem cumpri-los,
são loucos e inconsequentes e quem segue pessoas com esse perfil são segas
espirituais, fadadas ao fracasso em todas as áreas de suas vidas.
b. “E ninguém toma para si honra, senão o que é chamado por Deus, como Arão”. Hb. 5.4.
 Líder: Aquele que guia, direciona; cabeça, condutor, dirigente.
 Ser líder cristão é uma honra que Deus dá a um ser humano e requer, da parte do
candidato, Vocação e Chamado, ambos dependentes do Espírito Santo. Por
que quando Deus chama, Ele capacita e quando capacita, Ele supre.
 É necessário ao vocacionado que tenha a disposição de servi ao reino de Deus
diante dos homens. Caso contrário lhe sobrevirá um sentimento de recalque
oposto a sua própria ocupação e no momento em que julgar oportuno, levantar-
se-á contra seu pastor, lançado de si o julgo de servo, querendo ser senhor,
deixando de cumprir com seus deveres e ser útil a causa do Mestre. Toda
liderança tem o seu preço, pois quanto maior for à conquista, maior será o
preço a se pagar. Por que: “Aquilo Que Nada Custa Nada Vale”. Pr. Borges

2. CARACTERÍSTICAS DE UM (A) LÍDER:

Ser tolerante Ser sincero e bondoso


Ser intrépido e ter disciplina Ser otimista
Ter uma conduta ilibada Gostar de orar
Ser humilde e pontual Gostar de ler a Bíblia
Ter boa apresentação Ter autodomínio
Ser agradável Saber perdoar
Ser estudioso Ter fé
Ter comunhão diária com Deus Ser obediente
Ser um fiel dizimista Ser fiel em tudo

“O verdadeiro avivamento é promover Jesus ao mundo, anunciando a Salvação”.

O BOM LÍDER SABE:

O bom líder tem capacidade para dirigir sabiamente qualquer reunião na igreja ou em
um lar, com equilíbrio, graça e sabedoria, assim desenvolvendo o dom recebido de Deus.
Rm. 12.6 – 8.

a. Amar. II Co. 11.11;


b. Trabalhar com prazer e Criar estratégias. I Co. 9.16 – 17; II Tm. 4.2 – 5;
c. Da sua vida pela obra. II Tm. 4.68;
d. Ser cheio do Espírito Santo. At. 4.31;
e. Falar do que convém a sã doutrina. Tt. 2.1;
f. Amar a evangelização. Rm. 1.16 – 17; 10.13 – 15;
g. Ter paciência no sofrimento. Sl. 40.1 – 4; II Tm. 2.3;
h. Que tem que visitar o rebanho;
i. Ganhar almas.

“PARA SER UM BOM LÍDER NECESSÁRIO É NASCER DE NOVO”

Discipulado II-MEPB Página 7


3. PRINCÍPIOS BÁSICOS:

A) O líder deve estar consciente que seu ministério é uma vocação Divina, e
que o alcançou não por seus próprios méritos, mas através da convicção de
sua chamada por Deus. I Tm.1:12; Ef.3:7; Hb.5:4.
B) O líder, apesar da posição elevada que exerce, Deve sempre lembrar-se que
está na condição de servo do Senhor Jesus Cristo e sobre a autoridade de
seu pastor. At.9:15-19; Tt.1:1-4; Fp.1:1-12; I Pe.2:11-19; Hb.13:7.
C) Você é o único(a) que pode manchar o seu caráter, então zele por sua
conduta e reputação. Jo.1:47; II Pe.3:14; I TM.3:7;Cl.1:10-11; IICo.3:2.

“Quando a autoridade é delegada, o poder é constituído”. Pr. Gildazio Junior.

GRUPOS FAMILIARES A NOSSA SEARA, ALMAS A NOSSA COLHEITA.

1 – DEFINIÇÃO DE GRUPO FAMILIAR

Reunião de pessoas com o mesmo objetivo: conhecer mais sobre Jesus Cristo Filho
de Deus.

2 – ALVO DOS GRUPOS:


O alvo é quádruplo
1 - Salvar os perdidos;
2 - Restaurar os desviados;
3 - Voltar a congregar os dispersos;
4 – Edificar os crentes.
Isso porque todos os homens têm uma necessidade espiritual de se encontrar
com o seu criador.

3 - MÉTODOS DE ALCANCE:

1°) Convencer o pecador, de que ele é pecador. Ninguém procuraria o


remédio sem descobrir antes que estar doente. Rm. 3:13; 5:12; I Jo.1:8-10;
2°) Convencer o pecador, de que estar condenado;
a) Ele estar condenado à morte. Ez 18:20; Rm 6:23;
b) Ele estar condenado à perdição e sofrimento eterno. Mt 25:41-46; Ap 20:15-
15.
3°) Devemos mostrar a providência de Deus.
a) Deus enviou Jesus por seu amor. Jo 3:16; Rm 3:23.b;
b) A missão de Jesus. Lc 19:10; Jo 10:10; I Jo. 3:8; I Tm 1:15;
c) A obra de Jesus para salvar os pecadores. I Co 15:3-4; Hb 9:12.
4°) O que o pecador precisa fazer para ser salvo:
a) Arrepender-se. Ez. 18:31; Is. 55:7; Lc. 24:47; At. 5:31; 11:18;
b) Crer em Jesus como Senhor e Salvador Dt .16:3; Jo. 5:24;
c) Confessar os seus pecados ao Senhor. Rm. 10:13;
d) Invocar o nome do Senhor. Rm. 10;13;
e) Entregar a vida a Jesus e recebê-lo no coração. Jo. 1:12; Ap. 3:20; Sl 37:5.

Discipulado II-MEPB Página 8


5°) O que Deus faz quando o pecador se arrepende:

a) Deus perdoa . I Jo. 1:9; Is. 1:18; Mc. 2:5;


b) Deus vem habitar no coração do convertido. AP. 3:20; Ez. 3:26-27;
C) Deus da nova vida. IICo. 5:17;
d) Deus esquece o seu passado de pecado Jr. 31:34.

4 - PASSOS PARA ABRIR UM GRUPO FAMILIAR:

1°) Buscar a direção de Deus em oração;


2°) Ter um local certo para as reuniões;
3°) Ser um dizimista fiel;
4°) Freqüentar regularmente os cultos no templo:
5°) Participar ativamente das programações da Igreja;
6°) Convidar as pessoas para assistir as reuniões do seu G.F.

5 - COMO CUIDAR E DIRIGIR AS REUNIÕES DOS GRUPOS FAMILIARES:

COMO CUIDAR DOS GRUPOS:

A) Ter uma lista para controle das pessoas que freqüentam;


B) Demonstrar cuidado e interesse por todos: crianças, jovens, adultos e
idosos;
C) Sempre visitar os freqüentadores em suas casas;
D) Sempre chegar uma ou meia hora antes do início das reuniões.

COMO DIRIGIR AS REUNIÕES:

A) Uma breve saudação;


B) Uma oração;
C) Cantar louvores ou dar oportunidades em torno de 10min. + ou -;
D) Pregar a palavra 20 min. + ou -;
E) Dar oportunidades para alguém contar um testemunho;
F) Oração final ou Orações específicas;
G) Está sempre atento para o apelo;
H) Cada reunião deve durar em torno de 45 a 60 minutos.

COMO PREPARAR SERMÕES

1 – PRINCÍPIOS BÁSICOS:
São três os princípios básicos que regem a pregação e o pregador.
1°) OBJETIVIDADE: qualidade necessária do pregador para que a mensagem
alcance resultados positivos. Esta envolve três pontos: alvo, sucesso e
resultado.
A - O Alvo: salvar os perdidos, restaurar os desviados, voltar à congregar os
dispersos, edificar os crentes.
B - O Sucesso: é alcançado quando desperta nos ouvintes o desejo de
glorificar a Deus e não o pregador.
C - O Resultado: quando é notada a transformação na vida diária dos ouvintes.
2°) TRANSMISSÃO: o pregador não pode ocultar a mensagem de Deus, ele tem
de transmiti-la ao povo. Seu alvo é o povo, sua mensagem é para o povo.

Discipulado II-MEPB Página 9


3°) EXPERIÊNCIA: a mensagem pregada, antes de tudo, deve ser sentida e
experimentada na vida do pregador, ele não convencerá as pessoas sem que,
ele próprio tenha experimentado a eficácia de sua pregação.
Atenção:
O sermão sempre deve estar embasado nos quatros pilares da aprovação divina:
1º) O seu sermão deve ser Histórico: Se o seu sermão somente conter a historia da criação
e não forem citados os versículos e referências em relação ao conteúdo temático este
sermão será apenas histórico;
2º) O seu sermão deve ser Bíblico: Para um sermão ser bíblico basta apenas que ele tenha
versículos e referencias bíblicas. Ex.: Deus amou o mundo.Jo.3:16.;
3º) O seu sermão deve ser Evangelístico que é o mesmo que Salvívico e Cristocêntrico:
Se o seu sermão não falar de Jesus ele não terá poder salvivico. Está escrito: Eis o cordeiro
que tira o pecado do mundo. Só Jesus pode tirar o pesado fardo do pecado das costas do
ser humano. Por que o nome de Jesus tem poder.
4º) O seu sermão deve ser Profético: Todo o conteúdo do seu sermão deverá girar em torno
das promessas de Deus, dando esperanças ao ouvinte. Ex. Deus perdoará o seu pecado;
Deus vai restaurar a sua vida; Deus libertará a sua família... .
Todo sermão deve ser Histórico, Bíblico, Evangelístico, Profético, Salvívico e Cristocêntrico.
É necessário que a mensagem contenha estes elementos para uma maior abrangência na
hora da aplicação espiritual da mensagem, pois o resultado não dependera somente do
intelecto do mensageiro mais sim do poder de Deus. Isso trará um efeito permanente nos
ouvintes e uma maior liberdade para o Espírito Santo agir.

2 – A ESCOLHA DO TEXTO:

É fundamental o trabalho de escolha de textos para uma pregação. A escolha deve


ser feita com sabedoria e espírito de oração. Os textos para as mensagens podem ser
trechos bíblicos, versículos, frases ou mesmo palavras que sirvam de base. E que te
dêem total segurança sobre o que você esta pregando.

NORMAS PARA A ESCOLHA DO TEXTO

1) Evitar textos obscuros de difícil compreensão;


2) Evitar textos que fujam do assunto;
3) Procurar textos claros;
4) Escolha textos que despertem o interesse dos ouvintes.

3 – O TEMA PARA O SERMÃO:


O tema é o assunto do sermão. É a verdade central da mensagem. O tema é o
sermão resumido, a essência daquilo que você vai falar.

1 - FORMAS DE TEMAS:

A FORMA LÓGICA – Que apresenta um pensamento de modo resumido;


Ex.: Jo. 3:5. Um novo nascimento é essencial a entrada no reino de Deus.
Ex.: I Jo.. 2:1. Jesus Cristo é o advogado dos pecadores.

A FORMA RETÓRICA – Essa forma traz o pensamento mais objetivo;


1) Jo 3:5. O novo nascimento;
2) I Jo. 2:1. O advogado dos pecadores.

2 - QUALIDADE DE UM TEMA:

Discipulado II-MEPB Página 10


a) O tema deve ser objetivo;
b) O tema deve chamar a atenção;
c) O tema deve ser pertinente, para que o assunto seja mantido. Não se pode mudar;
d) O tema necessita de ter uma legitima rela

3 - DIVISÃO DO SERMÃO:

Toda história tem começo, meio e fim, e nos sermões não é diferente, a ordem lógica
também é tríplice: Explicação, Prova e Aplicação ou Introdução, Desenvolvimento e
Conclusão.
Cada ponto do sermão deve corresponder ao outro, isto é ter uma estreita relação com o
tema escolhido mesmo que, sejam distintos os pontos devem relacionar-se entre si.
1° Exemplo:
Tema – O poder do evangelho. Tx. Rm 1:16.
1° ponto – O evangelho liberta;
2° ponto – A cura do cego Bar -Timeu;
3° ponto – O batismo no Espírito Santo.

Que relação podemos encontrar neste exemplo?


Não há correspondência entre um ponto e o outro, nem com o tema proposto.

2° Exemplo:
Tema – O poder do evangelho Tx. Rm. 1:16.
1° Ponto - O evangelho liberta;
2° Ponto – O evangelho transforma;
3° Ponto – O evangelho cura.

Neste exemplo, podemos ver o relacionamento entre os pontos e o tema


proposto, todos os pontos devem ter igual importância.

4 – ESTRUTURA DO SERMÃO:

Tema: O poder do evangelho {sugestão ou informação}; Tx. Rm 1:16.

INTRODUÇÃO

COMEÇO:
Deve ser breve;
Deve ser clara;
Deve ser simples;
Deve ser amigável;
Deve criar interesse;
Deve ser variada. Não usar o mesmo método em todos os sermões;
Podem ser usadas ilustrações.
MEIO:
1°) O EVANGELHO LIBERTA (Explica ou Desenvolvimento)
a)
b) Prova
c)
2°) O EVANGELHO TRANSFORMA (Explicação ou Desenvolvimento)
a)
b) Prova

Discipulado II-MEPB Página 11


c)
3°) O EVANGELHO CURA (Explicação)
a)
b) Prova
C)

FIM:

CONCLUSÃO – APLICAÇÃO OU ÁPISE

1°) Terminar o sermão de maneira adequada e eficaz;


2°) Aplicar a verdade a vida dos ouvintes;
3°) Persuadi-los à ação.

5 – CLASSIFICAÇÃO DO SERMÃO:

Cada sermão tem o seu próprio caráter e as suas particularidades

A) EVANGELÍSTICO – Seu propósito principal é o de persuadir os perdidos a receberem


Jesus Cristo como seu único e suficiente salvador, esse tipo de sermão trabalha mais o
coração, do que a mente.
B) DOUTRINÁRIO – Sua característica principal é ensinar, de uma forma didática e
sistemática, para o raciocínio do ouvinte.
C) EXPOSITIVO – Tem como meio, extrair verdades práticas de um versículo ou capítulo
da palavra de Deus.
D) EXORTATIVO – Tem o propósito de chamar a atenção para verdades colocadas na
vida espirituais. Assim trazendo o mover dos corações duros, com ilustrações reais e
com verdades bíblicas.
E) OCASIONAL – Todo pregador deve ter um bom arquivo de mensagens para datas
especiais como: casamentos, aniversários, datas cívicas, e outras solenidades.

COISAS A SERÊM EVITADAS

Não apresentar desculpas;


Evitar dramatizações demasiadas;
Evitar contar piadas, só para o povo rir.

Não se esqueça, a mensagem pode criar um momento especial na vida do ouvinte,


quando ele sentir a necessidade de tomar uma decisão de mudar de vida e aceitar a
Cristo como salvador. ENTÃO FAÇA O APELO!

ROTEIRO PARA A REUNIÃO DO GRUPO FAMILIAR

1. Palavras de boas-vindas – saudação;


2. Um ou dois cânticos (opcional - dependendo do local e/ou do horário dispensar o
cântico );
3. Aplicação da Lição do dia pelo Edificador, ou por um Evangelista (Aux. do Líder),
quando por ele escalado;
4. Oração por todos os participantes e pelos pedidos;
5. Motivação e convite para a próxima reunião e cultos no templo;
6. Apelo e agradecimentos;
7. Lanche (se for oferecido pelo anfitrião).

Discipulado II-MEPB Página 12


Cada reunião deve durar em torno de 45 a 60 minutos.
Atenção: Siga rigorosamente este roteiro - não insira novidades ou modificações. Não estique a
reunião e nem insira louvor após a mensagem para que todos saiam impactados pela Palavra e
pelas orações.

Escala de hierarquia dos Grupos Familiares

Pastor:
Coordenação Geral e Presidir Reuniões com os Edificadores, Evangelistas e
Edificador:
Intercessores
Ministrar a palavra nos Grupos Familiares.
Evangelista:
Semeia a Palavra em visitas, Evangelismo e Fono-Visitas.

Intercessor:
Orar para Deus quebrar as cadeias; E libertar vidas.

BIBLIOGRAFIA

ESTUDO PANORÂMICO DA BÍBLIA – AUTOR:HENRIETTA C. MF.ARS – EDITORA VIDA


BÍBLIA DE ESTUDO THOMPSON – EDITORA VIDA
BÍBLIA DO MINISTRO – EDITORA VIDA
PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA – AUTOR: WALTER HENRICHSEN –
MUNDO CRISTÃO
VÁRIAS CITAÇÕES DE OUTROS AUTORES

PESQUISAS FEITAS NAS APOSTILAS

APOSTILA DE HOMILÉTICA – Pr. TERTULIANO AUGUSTO – MEPB – ITABUNA-BA

APOSTILA DE MISSÕES: SEMADIF – GAMA – EVANGELISMO A GRANDE TAREFA DA


IGREJA EV. ALDIVON FERREIRA NOVO GAMA-GO
VISÃO TRIDIMENSIONAL DO REINO DE DEUS. Pr. ANTÔNIO SILVA – SÃO PAULO-SP

LEITURA RECOMENDADA

ESTUDO PANORÂMICO DA BÍBLIA – HENRIETTA C. MF.ARS – EDITORA VIDA;


PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO DA BÍBLIA – WALTER A HENRICHSEN – M.C.;
MÉTODOS DE ESTUDO BÍBLICOS – WALTER ª HENRICHSEN – M.C.;
O FATOR MELQUISEDEQUE DON RICHARDSON – EDIÇÕES VIDA NOVA

Discipulado II-MEPB Página 13


TERMO DE COMPROMISSO

“Os relacionamentos existem na base de alianças”.

O Compromisso da Oração

“Pelo que também rogamos sempre por vós, para que o nosso Deus vos faça dignos
da sua vocação, e cumpra com poder todo desejo de bondade e toda obra de fé. Para
que o nome de nosso Senhor Jesus seja glorificado em vós, e vós nele, segundo a graça
de nosso Deus e do Senhor Jesus Cristo.” - II Ts. 1.11-12.
Eu assumo um compromisso com Deus, com a liderança da minha Igreja, e com os
meus irmãos do meu Grupo Familiar, de orar regularmente por cada um de vocês, e
também por cada uma das pessoas indicadas pelos membros do Grupo. Para serem
alcançadas para Cristo, crendo que nosso amado Pai deseja que oremos uns pelos
outros, e que também façamos intercessão fervorosa pelas almas perdidas. Não serei
um ouvinte passivo da oração dos meus irmãos; escolho ser um intercessor ativo, com o
desejo ardente de ajudar a levar os fardos dos meus irmãos em oração, e libertar muitas
vidas do cativeiro de satanás através da oração.

O Compromisso do Jejum

“Mas esta casta de demônios não se expulsa senão à força de oração e de jejum.”
Mat.17:21.
Eu me comprometo a orar pedindo ao Senhor que me conceda capacitação física e
espiritual para a prática do jejum em prol da libertação e salvação de almas perdidas.
Assim, me comprometo, na medida do que Deus me permitir, a jejuar em prol da
libertação e salvação das pessoas da lista de oração, indicadas pelos irmãos do Grupo.

O Compromisso da Responsabilidade

“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis


testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da
terra.” At. 1:8.
“Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não te atemorizes, nem te
espantes; porque o Senhor teu Deus está contigo, por onde quer que andares.” Js. 1:9.
“Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças;” Ec.9:10.
Reconheço e assumo a minha responsabilidade no Corpo de Cristo, como
testemunha do Senhor junto aos meus familiares, amigos, vizinhos e todas as pessoas
que Deus colocar ao meu redor. Reconheço que é meu dever falar de Jesus a estas
pessoas; assim sendo, me comprometo a participar do meu Grupo Familiar com
responsabilidade, sendo assíduo e pontual, e me empenhando de todas as formas para
trazer pessoas a Cristo, e ajudando a consolidar estas vidas, a treinar e formar novos
líderes.

O Compromisso da Submissão

“Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos falaram a palavra de Deus, e, atentando
para o êxito da sua carreira, imitai-lhes a fé.” Hb.13:7.
“Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas
como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo,
porque isso não vos seria útil.” Hb. 13:17.

Discipulado II-MEPB Página 14


Comprometo-me a submeter-me espiritualmente em Cristo, à supervisão e direção dos
meus Pastores, Líderes, e Discipuladores que estiverem me pastoreando, liderando, e
discipulando na obra do Senhor, e seguir todas as instruções que me forem passadas,
relacionadas ao meu serviço para Deus; comprometo-me, inclusive, a imitar-lhes a fé,
para que haja bom êxito e progresso em todo o ministério.

O Compromisso da Prestação de Contas

“Voltaram depois os setenta com alegria, dizendo: Senhor, em teu nome, até os
demônios se nos submetem.
Respondeu-lhes ele: Eu via Satanás, como raio, cair do céu. Eis que vos dei autoridade
para pisar serpentes e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo; e nada vos fará dano
algum. “Contudo, não vos alegreis porque se vos submetem os espíritos; alegrai-vos
antes por estarem os vossos nomes escritos nos céus.” – Lc.10:17-20.

Assumo o compromisso de estudar todos os materiais de evangelismo e de


treinamento dos quais o Grupo Familiar irá se utilizar, e a prestar contas semanalmente
ao Edificador do meu Grupo, ou ao meu Discipulador quando eu for o próprio Edificador
do Grupo. Concedo aos meus líderes em Cristo o direito de me questionar e confrontar,
em amor, se eu eventualmente estiver falhando como discípulo em algum aspecto na
minha vida com Deus, ou na realização da obra a mim confiada. Bem como concedo o
direito de me “desafiar” quanto a alvos e metas a serem atingidas no meu Grupo Familiar,
através do meu serviço. Reconheço que necessito de orientação e de correção para o
meu crescimento espiritual, e para o aperfeiçoamento do meu ministério e funções no
Corpo de Cristo.

Discipulado II-MEPB Página 15