Você está na página 1de 1

 CAUSAS DOS MOVIMENTOS EM MASSA:

 Fatores condicionantes:
Situações mais ou menos permanentes que podem influenciar os movimentos de terrenos, retardando ou acelerando a sua ocorrência.
Relacionam-se com o contexto geológico e com as características geomorfológicas do local.
 Contexto geológico
Ø Tipo e características das rochas (Ex: a existência de um substrato rochoso impermeável funciona como superfície de deslizamento
dos materiais);
Ø Disposição das rochas no terreno (orientação e inclinação das camadas);
Ø Grau de alteração e de fraturação das camadas rochosas.
 Contexto geomorfológico
Ø Declive dos terrenos (quanto maior for a inclinação maior o valor da componente tangencial da força da gravidade);
Ø Força da gravidade;
Ø Força de atrito.

 Fatores desencadeantes
Resultam de alterações que foram introduzidas numa vertente e que podem despoletar um movimento em massa. De salientar os seguintes:
Ø Precipitação (Quando aumenta o teor em água do solo, o seu volume aumenta e aumenta a distância entre as partículas, diminuindo o
atrito entre elas e o grau de coesão, o que facilita o seu desprendimento);
Ø Ocorrência de sismos (os sismos poderão fazer com que formações rochosas que se encontram em posições instáveis venham a sofrer uma
derrocada);
Ø Ocorrência de tempestades nas zonas costeiras (as tempestades marítimas aumentam a erosão nas zonas costeiras mais escarpadas, uma
vez que o continuado movimento das ondas vai desgastando as paredes rochosas das escarpas podendo provocar queda de blocos, quase
sempre, de grandes dimensões);
Ø Variações da temperatura (contrações e dilatações dos materiais geológicos);
Ø A ação do Homem
 Destruição do coberto vegetal (as plantas constituem um elemento de fixação do solo e aumentam a força de atrito que contaria o
deslizamento pela gravidade), tornando a erosão mais rápida e com efeitos mais devastadores;
 Remoção de terrenos para construção ou aberturas de estradas, agricultura (expõem os terrenos aos fatores ambientais ou
interrompem as linhas de água, aumentando o risco de movimentos);
 Saturação de água dos solos devido à rega excessiva na agricultura (a água afasta as partículas do solo, o que diminui o atrito
interno entre elas, facilitando o seu deslizamento).

Movimentos em massa – Medidas de prevenção


 Estudo das características geológicas de um local, para avaliação do seu potencial para ocorrência de um movimento em massa;
 Elaboração de cartas de ordenamento do território, com definição das áreas onde possam ser exercidas as diferentes atividades
humanas (habitações, vias de comunicação, zonas agrícolas, interesse ecológico, exploração de recursos...);
 Elaboração de cartas de risco geológico, onde se evidenciem as áreas com diferentes graus de probabilidade de ocorrência de
movimentos em massa, podendo desta forma assegurar uma correta distribuição da população:
 Risco elevado – sem autorização para construir;
 Risco menor – o projeto deve contemplar a redução da probabilidade de ocorrência deste fenómeno.
 Monitorização de situações de pequenos deslizamentos e atividade sísmica ou vulcânica que potenciam o deslizamento;
 Remoção/contenção dos materiais geológicos que possam constituir perigo:
 Remoção: das camadas instáveis de terrenos, diminuindo a inclinação do terreno e o risco de deslizamento.
 Contenção: pregagens (visam a estabilização dos terrenos), utilização de redes metálicas, muros de suporte com ou sem sistemas de
drenagem das águas e de linhas de água através de tubos coletores de água e tubos de drenagem, evitando a saturação dos solos
resultante da impermeabilização pelas obras de engenharia, plantação de vegetação de crescimento rápido que agregue o solo.