Você está na página 1de 38

Centro Estadual de Educação Supletiva de Votorantim

APRESENTAÇÃO
Nesta apostila, elaborada pelos orientadores de Matemática, você encontrará o
conteúdo da programação da 2ª série do Ensino Médio (2º Grau).
Não se aprende Matemática lendo, é preciso usar lápis e papel para resolver os
exercícios.
As dúvidas que surgirem, deverão ser esclarecidas com o Orientador de
Aprendizagem na Sala de Matemática.
Os exercícios que farão parte desta Apostila são de sua responsabilidade. Se
necessário, tire suas dúvidas com o Professor.
Com certeza, as dificuldades surgirão e para tentar resolvê-las procuramos
elaborar esta apostila de maneira mais simples e objetiva com uma metodologia auto-
instrucional, atendendo as necessidades de que o aluno é levado a construir seu
conhecimento gradativamente.
No final do curso você verá que adquiriu uma série de conhecimentos que lhe
serão ferramentas para compreender melhor o mundo que o cerca, tornando-o um
cidadão mais seguro e respeitado.

Não escreva na apostila, use seu caderno


META DOS ORIENTADORES DE APRENDIZAGEM
“Formar indivíduos competitivos, com responsabilidade social, adequando seus
valores e conhecimentos, a fim de se tornarem agentes transformadores dentro de
uma visão de mundo, acreditando no valor daquilo que vêem e pensam”

OBJETIVOS ( Módulos 6 e 7 )
Nesta U.E. você será capaz de:
- Construir um gráfico no plano cartesiano, analisar e interpretar as coordenadas
e sua divisões;
- Localizar os pontos ( pares ordenados ) no plano cartesiano;
- Fazer análise de gráficos e tabelas;
- Transpor o conceito de função na resolução de situações-problemas do
cotidiano;
- Fazer uso do plano cartesiano, localizar dois ou mais pontos e traçar a reta que
representa a função do 1º grau e da parábola na função do 2º grau;
- Determinar o ponto de máximo ou de mínimo de uma parábola e suas
aplicações em problemas;

2
MÓDULO 6
COORDENADAS CARTESIANAS NO PLANO

Você percebeu que cada vez mais os gráficos e tabelas são usadas nos meios de
comunicação (jornais, revistas, etc.) e ocupam lugar de destaque nas ciências exatas.
Além disso tem aplicações importantes na medicina, engenharia, economia, etc. O
gráfico mais usado no estudo das ciências é o gráfico cartesiano formada por duas
retas numeradas ( ou eixos ), que se cruzam num ponto zero ( a origem ) .
Considerando:

1º Os eixos perpendiculares entre si ( formando ângulos de 90º )


2º A mesma unidade de medida nos eixos

eixo Y X Y
4 Observe que
3
2
1
. P ( 3 , 2) os dois eixos
estão
divididos em
partes iguais
-6 -5 -4 -3 – 2 -1 1 2 3 4 5 6
-1 eixo X
-2
-3
-4

O eixo horizontal é chamado eixo X (abscissas)


O eixo vertical é chamado eixo Y (ordenadas)
Para localizar um ponto P (na figura), traçam-se por esse ponto paralelas aos
eixos x e y, respectivamente.
Portanto, ao ponto P da figura corresponde um par ordenado de números reais
(3,2), sendo 3 no eixo x e 2 no eixo y. Dessa maneira fica determinado o ponto P,
como intersecção das retas paralelas aos eixos x e y.
Veja mais alguns exemplos:

Localize os pontos no plano cartesiano lembrando que o 1º número é a abscissa


(X) e o 2º é a coordenada (Y)

A (-1,3) C (-2,-2)
B (2,-1) D (1, 4)

3
eixo Y
5

4 D
A
3

2
1
eixo X
1
-6 –5 –4 –3 –2 -1 0 1 2 3 4 5 6
-1
B
C -2

-3

-4

-5

O 1º nº do par ordenado é chamado abscissa (eixo x) e o 2º nº é ordenada (eixo


y). Ambos são denominados coordenadas cartesianas.

Os eixos cartesianos dividem o plano em 4 regiões chamadas quadrantes, que


são numeradas no sentido anti-horário.

II I

III IV

EXERCÍCIO:

1) Faça em seu caderno o plano cartesiano e localize os seguintes pontos:

P (3,4) Q (-1,-3) R (-2,5)

4
COMO CONSTRUIR O GRÁFICO DE UMA FUNÇÃO DO 1º
GRAU.

A função do 1º grau é toda função escrita na forma y = ax + b.

Exemplo 1
Vamos construir o gráfico para a seguinte função do 1º grau: y = x + 1, seguindo
os passos abaixo:

1º passo: Você vai escolher, no mínimo, dois números quaisquer para colocar
no lugar da letra x, e construir uma tabela igual a esta:

X X+1 Y
1 1+1 2 ( 1, 2 )
Nºs
escolhidos 2 2+1 3 ( 2, 3 )
para X

Observe que no lugar da letra X coloca-se o número que foi escolhido.

2º passo: Agora você vai construir o plano cartesiano traçando uma reta vertical
( eixo Y) e outra horizontal ( eixo X) que se interceptam (cruzam) no ponto zero
(origem).

3º passo: A partir do “zero” dividir as retas em partes iguais correspondendo os


pontos com os números.

4º passo: Localizar os pares ordenados (x,y) obtidos no plano cartesiano.

5º passo: Traçar uma reta unindo os pontos obtidos.

Agora, construa o gráfico, localize os pontos e trace a reta que passa por esses
pontos.

5
Exemplo 2:
Como será o gráfico dos pontos (x,y), tais que y seja o nº que mede a área de um
terreno quadrado de lado x, ou seja, y = x²?
X X² y
-2 (-2) ² 4
Você sabe que deve
-1 (-1) ² 1 substituir os valores
0 0² 0 atribuídos para X na
1 1² 1 função Y = X²
2 2² 4

O gráfico da relação y = x² é uma curva chamada parábola e é importante na


geometria e na física.
Você já deve ter ouvido falar em antena parabólica: sua forma arredondada é
derivada da parábola.
Agora é com você:

EXERCÍCIOS:

2) Faça a tabela, marque os pontos e trace a reta no plano cartesiano

a) y = x – 2
b) y = 3 . x

6
SISTEMAS DE EQUAÇÕES DO 1º GRAU COM DUAS VARIÁVEIS

Você viu que atribuindo (dando) valores para uma variável (X) na equação
você pode representá-la através de uma reta no plano cartesiano. O mesmo acontece
quando você tem um sistema de equações (duas equações e duas variáveis).
Esse sistema pode ser resolvido calculando o valor das duas variáveis usando o
método algébrico (ver exemplo abaixo), como também através do gráfico no plano
cartesiano.

Observe atentamente o exemplo:

Exemplo 1:
A soma de dois números é 15 e a diferença entre eles é 3. Quais são esse
números?
X = um número
Y = outro número
Traduzindo para a linguagem matemática você tem:

X + Y = 15 (a soma de dois números)


X – Y = 3 (a diferença de dois números)

1º Passo: “Juntando” os termos semelhantes:

X + Y = 15 (1ª equação)
X – Y = 3 (2ª equação) Adicionam-se as duas equações

2X = 18 Da equação resultante, você determina o valor


de uma incógnita (no nosso caso é X ).

2X = 18
X = 18 X =9
2

2º Passo: substituir o valor da letra encontrado na 1ª ou 2ª equação.

X + Y = 15 (1ª equação)
9 + Y = 15 Logo, os números procurados
Y = 15 – 9 são 9 e 6 e o
conjunto verdade é
Y=6
representado por :
V = {(9 , 6)}
X, Y

7
A INTERSECÇÃO DE RETAS E A SOLUÇÃO DE SISTEMAS
Você acha possível que um mesmo problema possa ser resolvido tanto
algebricamente como geometricamente?
Você aprendeu a solução algébrica do sistema de equações do 1º grau fazendo
os cálculos com números e variáveis. Como será a solução geométrica do mesmo
sistema? Usando o plano cartesiano, ou seja, o gráfico.

X + Y = 15 1ª equação
X–Y= 3 2ª equação

Para encontrar a solução geométrica você deve escolher dois números


quaisquer para x, substituir na 1ª equação e descobrir que número deve ser a letra y
para que a operação fique correta.
Por exemplo, se escolher os números 6 e 7 para x na primeira equação:

X + Y = 15
6 + Y = 15, se x vale 6 então y deve ser 9, pois 6 + 9 = 15
7 + y = 15, se x vale 7 então y deve ser 8 , pois 7 + 8 = 15

Então para a primeira equação você tem os pontos ( 6 , 9) e ( 7 , 8).

Agora escolha mais dois números quaisquer para x na segunda equação.


Por exemplo os números 3 e 4, veja:

X–Y=3
3 - y = 3 Se x vale 3 então y vale 0, pois 3 – 0 = 3
4 – y = 3 Se x vale 4 então y vale 1, pois 4 – 1 = 3

Então, você tem os pontos ( 3 , 0) e ( 4 , 1) para a segunda equação.

Marque os pontos encontrados da 1ª equação no plano cartesiano e trace a


respectiva reta. Em seguida marque, no mesmo plano cartesiano, os pontos
encontrados da 2ª equação. As duas retas vão se cruzar num ponto que é o resultado
do sistema.
Os valores X = 9 e Y = 6 são os únicos números que tornam as duas equações
verdadeiras. Vejam::

X + Y = 15 X–Y=3
9 + 6 = 15 9–6=3

8
Y

9
8 . (X, Y)

7
6 P (9 , 6 )
5
4
3
2
1 ..
-6 -5 -4 -3 -2 -1 -1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 X
-2
-3
-4

ate aqui

EXERCÍCIOS:

3) Resolva geometricamente o sistema abaixo:

X -y=3
X+y=7

A utilização do método cartesiano muito contribuiu para o progresso das


ciências. As representações cartesianas de fenômenos como a variação da
temperatura de um doente, a oscilação dos valores das ações na Bolsa, nos permite
avaliar, por uma análise simples de eixos coordenados, trajetória de uma
transformação e prever seu desenvolvimento com certa precisão. Mostram, entre
outros exemplos a importância do método de Descartes (matemático) para o
desenvolvimento dos conhecimentos humanos.

ANÁLISE DE GRÁFICOS
Para você interpretar um gráfico é necessário observar alguns elementos que
fazem parte dele tais como:

9
Título: identifica o assunto que está sendo apresentado.
Legenda: identifica quais os elementos que foram pesquisados.
Títulos dos eixos: vertical e horizontal e suas divisões.
Observe o gráfico abaixo e responda em seu
caderno:

EXERCÍCIO:

4) Responda as perguntas abaixo em seu caderno:


Altu ra d e Alu n o s d a 5 ª S é rie

14
12
Nº de Alunos

10
8
6
4
2
0
A) 1 3 5 à B) 1 4 1 à C) 146 D) 151 E) 1 5 6 à F ) 1 6 1 à G ) 1 6 6
140 145 à 150 à 155 160 165 à 170
In te r v a lo s d e Alu n o s

a) Qual é o assunto tratado no gráfico?

b) Quais os elementos que foram pesquisados?

c) Qual é o título do eixo vertical?

d) E o eixo horizontal?

e) Como está sendo graduado (dividido) o eixo vertical?

f) Quantos alunos têm de 156 à 160cm de altura?

10
TIPOS DE GRÁFICOS MAIS UTILIZADOS
1 – BARRAS

MORTES POR DOENÇAS PULMONARES

100 Milhões de Pessoas


120
100
80
60
40
20
Os valores de X são
sugestões do0professor
não fumantes 5 cigarros/dia 15 cigarros/dia 25 cigarros/dia
Cigarros por dia

EXERCÍCIO:
5º) Observando o gráfico, responda:
a) Quantas pessoas que fumam 15 cigarros/dia morrem por doenças pulmonares?
b) Qual a diferença aproximada entre a quantidade de mortes dos não fumantes e a
quantidade de mortes das pessoas que fumam 25 cigarros/dia?
c) Você percebeu a influência do cigarro na quantidade de pessoas que morrem por
doenças pulmonares?

2 - LINHA
PADRÕES DO CRESCIMENTO DO SER HUMANO

h (altura/cm)
180

60
100
80

40

t (anos)
1 5 10 12 15 16 20

EXERCÍCIO:
6º) Responda:
a) Quanto essa pessoa cresceu de 1 a 5 anos?
b) Qual a altura em cm do ser humano aos 20 anos?

11
GRÁFICO DE SETORES CIRCULARES – a unidade de medida mais usada é a
porcentagem

PREFERÊNCIAS MUSICAIS

MPB
28% 30%
ROCK
INTERNACIONAL
SERTANEJA

25% 17% ROCK NACIONAL

Como você calcula a quantidade de pessoas que preferem MPB sabendo que
foram entrevistadas um total de 240 pessoas?

Fácil!

Você sabe que o círculo inteiro mede 360º e que esse valor corresponde ao total
de pessoas entrevistadas ( 240 ). O setor que corresponde a preferência à MPB é de
30º , então: usando a regra de três, você tem:

100% = 240
30% = X ( multiplicando e dividindo)

X = 30 . 240 = 7200 = 72 pessoas


100 100

EXERCÍCIO:

7) De acordo com o exemplo acima, calcule a quantidade de pessoas que preferem


a música sertaneja.

12
GABARITO - MÓDULO 6

1)

2) a ) y = x - 2

X Y
Os valores de X são
2 0
sugestões do professor
1 -1
0 -2

b) y= 3X

X Y
0 0
1 3
2 6

3) x - y = 3

13
x+ y=7

4) a ) altura dos alunos da 5ª série


b ) alunos, alturas
c ) nº de alunos
d ) intervalo de alturas
e ) de 2 em 2
f) 12 alunos

5 ) a) 60 milhões de pessoas pois o eixo vertical é “milhões de pessoas”

b) morrem aproximadamente 105 milhões de pessoas a mais do que as não


fumantes.
c) pessoal

6 ) a) 20 cm b) 180cm

7 ) x = 60

14
MÓDULO 7
NOÇÃO DE FUNÇÃO:

Você já aprendeu que uma equação do 1º grau ( y = ax + b ) pode ser


representada no plano cartesiano através de uma reta e, que a equação do 2º
grau ( y = ax² + bx + c ) representa uma parábola. Essas equações são
exemplos de funções.
Para você entender o conceito (idéia) de função é só pensar em duas
grandezas cujos valores variam, sendo que a variação de uma depende da variação
da outra.
Coloque-se no lugar de um fornecedor que pretende estudar a variação de
preço de acordo com a quantidade de açúcar vendido. Ele deseja saber quanto
deverá receber pela quantidade de açúcar vendido.

Exemplo - 1
Considere a tabela abaixo:

N.º de quilos de açúcar Preço a receber


1 R$ 0,80
2 R$ 1,60
3 R$ 2,40
4 R$ 3,20
5 R$ 4,00
... ...

Esta tabela também pode ser representada através de um diagrama onde a


flexa representa a correspondência entre os valores

Diagrama ou esquema

1 0,80
2 1,60
4 3,20
3 2,40
5 4,00
A B

Observe que há uma correspondência entre o n.º de quilos de açúcar e o valor


a receber. O valor a receber é função (depende) do n.º de quilos vendidos. Isto
significa que uma função tem duas grandezas onde uma depende da outra.

15
Definição de função:

No exemplo acima observe que há uma relação ou correspondência entre 2


conjuntos os quais foram chamados de A e B. A representou a quantidade de quilos e
B o valor a receber:
Portanto: uma função de A em B é toda relação entre A e B, onde a cada
elemento de A corresponde um único elemento de B.
Matematicamente é representada assim:

F: A B ( lê-se: f de A em B )

No exemplo dado um quilo de açúcar custa R$ 0,80. Chamando a quantidade


de açúcar de X e o valor a receber de Y, você tem a função que representa o valor a
receber. Para calcular basta substituir os valores de X na equação dada e resolver as
operações indicadas.

Y = 0,80 . X

X - Quantidade de quilo Y - Valor a pagar


1 0,80 . 1 = 0,80
2 0,80 . 2 = 1,60
3 0,80 . 3 = 2,40
4 0,80 . 4 = 3,20
5 0,80 . 5 = 4,00
... ...

Domínio e Imagem
No exemplo anterior o conjunto A (quantidade de quilos) é chamado Domínio
da função.
O conjunto B ( valor a pagar ) é chamado Imagem da função e é obtido
substituindo os valores de X na equação.

Exemplo 2

Um vendedor recebe uma comissão de 5 reais a cada tênis vendido.


Pergunta-se:
a) Qual a função que representa seu lucro?
b) Construa uma tabela que representa a função
c) Construa um diagrama que representa essa situação
d) Determine o conjunto domínio e o conjunto imagem

16
Resolvendo:

a) Y = 5 . X onde 5 é o valor a receber de cada tênis e X a quantidade de tênis


vendido.
Observe que Y é o resultado da quantidade vendida ( X ) multiplicado por 5
reais, que é a comissão. Portanto Y “depende” de X

b) Tabela Y=5.X

Substituindo os valores de X na função dada e efetuando as operações (contas),


você vai achar os valores de Y. Dessa forma você obtém os pares ordenados (X , Y).
Domínio Função Imagem pares ordenados
X Y=5 . X Y (X , Y )
1 Y=5 . (1) = 5 5 (1 , 5 )
2 Y=5 . (2) = 10 10 (2 . 10 )
3 Y=5 . (3) = 15 15 (3 . 15 )
....

ATENÇÃO! neste exemplo não foi usado nº negativo no domínio porque não
existe venda negativa com comissão.

C) Diagrama Tênis lucro

1 5
2 10
. .
4 20
. .
10 50

D) Domínio (D) = 1, 2 . . 4, . . . 10...

Imagem (I) = 5, 10 . . . 20 . . . 50...

Exemplo - 3

Dada a função Y = 2X - 1 determine:


1-) O domínio e a imagem observando a tabela abaixo.
2-) Os pares ordenados ( X , Y ) obtidos

17
Domínio Função Imagem Pares ordenados
X Y = 2x - 1 Y (X,Y)
1 Y = 2.(1) - 1 = 1 1 (1,1)
-1 Y = 2. (-1) - 1 = -3 -3 (-1 , -3 )
2 Y = 2.(2) -1 = 3 3 (2 , 3 )
-2 Y = 2.(-2) - 1 = -5 -5 ( -2 , -5 )

EXERCÍCIOS :

1 ) Um vendedor tem um salário fixo de R$ 200,00 acrescido de uma comissão


de R$ 5,00 em cada peça por ele vendida.
A função que representa seu salário total é Y = 5X + 200 onde X representa a
quantidade de peças vendidas.

a) Complete a tabela abaixo,


X 5 . X + 200 Y
0
10
50

b) Determine o conjunto domínio e o conjunto imagem da função,


c) Faça a representação do conjunto domínio e do conjunto imagem no diagrama.

INTERVALO
Quando se fala em intervalo a primeira coisa que você lembra é aquele
momento livre que há entre as aulas, numa escola regular, "o recreio".
Saiba que o conceito de intervalo caminha por aí.
Veja bem, o recreio ou melhor o intervalo fica entre as aulas de um período.
Em matemática o intervalo numérico é usado quando você quer dar como
resposta a uma questão, um conjunto de números que ficam entre 2 números
dados.
Usa-se os sinais > ( maior) e < (menor) para limitar o intervalo.
Exemplo 1

Se Paulo tem no bolso mais que 10 reais e menos de 50 reais como você
escreveria a resposta se eu perguntasse – Quantos reais ele pode ter no bolso?

Supondo que Paulo tenha X reais, você pode escrever isso na forma de
intervalo matemático.

18
Fica assim: 10 < X < 50 leitura X é maior do que 10
X é menor do que 50

O valor X está no intervalo 10 a 50

Exemplo 2

No deserto a temperatura varia muito. Durante o dia chega até a 40º C e a


noite ela cai para 3º C. Matematicamente você escreve isto em forma de intervalo 3º
C < X < 40º C . Perceba que a notação de intervalo simplifica a escrita e é bastante
usada na Física, Economia, Biologia, Química etc.. Agora que você sabe o que
significa intervalo, pode defini-lo assim:

“ Dados 2 números reais a e b, sendo a < b, chamamos de intervalo todos os


números reais maiores que a e menores que b.
{ X E R / a < X < b}

Lê-se X pertence ao conjunto dos n.ºs reais, tal que X é maior que a e menor
que b. O intervalo é o espaço entre a e b

REPRESENTAÇÃO DO INTERVALO NO GRÁFICO

Exemplo 1

Veja a variação de certo artigo produzido no Brasil, representada no gráfico


abaixo:
Y

50000

40000

30000

20000

10000

1960 1970 1980 1990 2000 ano


19
Analisando o gráfico: sendo X os anos de produção você percebe que:
1-) A produção cresceu em 30000 no intervalo:

1960 < X < 1970

2-) A produção decresceu de 1970 a 1980. A produção voltou a crescer em


1980.
3-) A produção ficou constante (estacionou) entre 1990 e 2000.(segmento de
reta horizontal)

EXERCÍCIOS:

2 ) O gráfico abaixo mostra o espaço (S) percorrido por um automóvel numa


viagem em função do tempo(t):
a) Entre quais instantes o carro esteve parado?
b) Qual o espaço percorrido entre 60 e 120 minutos?
c) Sabendo que velocidade média é a variação do espaço percorrido dividido pela
variação do tempo veja como calcular a velocidade do gráfico abaixo.

Km V = 80 – 0 = 80 40Km/h
2–0 2
80

60 Lembre-se 120 minutos é igual a 2 horas

40

20

30 60 120 t ( min )

FUNÇÃO DO 1º GRAU
Quando a função é dada através de uma equação do 1º grau é denominada
função linear e é representada no gráfico através de uma reta.
Voltando na tabela do exemplo da página 3 da função Y = 5 . X onde X é a
quantidade de tênis vendido vezes comissão, você obteve na tabela os pares
ordenados (1 , 5) ; ( 2 ,10) ; (3 , 15) que podem ser colocados no plano cartesiano e
assim construir a reta que representa a função.

Y
Veja:
(3,15)

20
Todo gráfico que resulta em uma reta é uma função do 1º grau representada
pela equação escrita na forma:

Y = ax + b onde: Y é a imagem
X é o domínio
a é o coeficiente de X
b é a constante (número)

Analisando a função do 1º grau ou função linear você pode observar que:

1- Se a = 0 então Y = b pois a.x = 0. É uma função constante.

Veja como fica o gráfico:

Função Constante

Em Y = ax + b fazendo a = 0

Obtemos Y = 0 . X + b ou

Y=0+b ou Y=b

Note que Y = b não é uma função do 1º grau, pois a expressão 0 . x + b não é


uma expressão do 1º grau.
O gráfico da função constante é uma reta paralela ao eixo X.

Y
b Y=b

Função crescente e decrescente

Quando a 0 a função Y = ax + b pode ser crescente ou decrescente

21
Crescente: se a > 0 ( nº positivo) os valores de Y vão aumentando

a>0

Decrescente se a < 0 ( nº negativo)

a< 0
X

Você já aprendeu a construir o gráfico da função do 1º grau (equação da reta)


no módulo 3. Agora vai aprofundar seus conhecimentos.
Você viu que para construir uma reta bastam dois pontos ( X , Y ) ou dois
pares ordenados que você obtém a partir da equação.

Exemplo: y = 2X - 3

Atribuindo (dando) dois ou mais valores quaisquer a X você constrói a tabela,


substitui o valor de X na equação e determina os valores correspondentes de Y.
Assim você obtém os dois pontos ( X,Y) necessários para traçar a reta.
Y
X 2.X–3 Y ( 2,1)
-1 2 . (-1) - 3 -5 ponto ( -1 , - 5 )
2 2. 2–3 1 ponto ( 2 , 1 ) X

(-1, -5 )
22
COEFICIENTE ANGULAR E LINEAR

Na função y = aX + b, a é o coeficiente angular e b é o coeficiente linear.


- Coeficiente angular é o valor que a função aumenta ou diminui quando se
aumenta ou diminui a variável X em uma unidade.
- Coeficiente linear é o lugar em que uma reta corta o eixo do Y (ordenada).

Veja um exemplo prático do significado do coeficiente linear e do coeficiente


angular.

Na conta telefônica de uma residência , o valor total a ser pago é calculado da


seguinte maneira:
- assinatura mensal, dá direito a um certo nº de ligações e custa
R$ 23,00. Passando desse número, o valor das ligações (pulsos) excedentes é
calculado multiplicando-se o nº de pulsos extras pelo valor de cada pulso que é de R$
0,10.
- em seguida, esse valor é acrescentado ao valor da assinatura mensal.

Chamando de X o nº de de pulsos excedentes e de Y o valor da conta telefônica


você tem a função:
Y = 23,00 + 0,10 . X

0,10
Valor
da conta
23,00

X
Nº de pulsos excedentes

Na função Y = 0,10 X + 23,00, observe que 23,00 é o coeficiente linear e que


0,10 é o coeficiente angular. Veja no gráfico que este último ( o coeficiente angular )
é o valor que a função aumenta quando x cresce uma unidade. Ele é a altura do
degrau da escada que o gráfico mostra.

23
RAIZ DA FUNÇÃO

A raiz da função Y = aX + b é o valor de X que torna Y igual a zero. Por


isso, esse valor de X também é chamado de zero da função .
Para você calcular a raiz da função basta igualar a equação a zero .
Veja o exemplo:
Y

Y = 2X – 3
2X – 3 = 0 X
2X = 3 3
2 raiz
X=3
2
O valor 3 é a raiz da função.( ponto
-3
2 onde a reta corta o eixo do X)

EXERCÍCIOS:

3 ) Considere a função y = 3X – 6
a) Qual é o coeficiente angular?
b) Qual é o coeficiente linear ?
c) Qual é a raiz da função?
d) o ponto (2 , 0) pertence a essa função?

Um ponto pertence a função se,


Você sabe substituindo o valor de X e Y na
equação, a igualdade torna-se
quando um verdadeira
ponto pertence
a função?

EXEMPLO:
No ponto (12 , 30 ), X = 12 e Y = 30 então substituindo esses valores na
função
Y = 3.X – 6
30 = 3 . 12 - 6
30 = 36 – 6
30 = 30 (verdadeira )

Agora você vai aprender a função do 2º grau ( quadrática)

24
FUNÇÃO DO 2º GRAU OU FUNÇÃO QUADRÁTICA

A função do 2º grau é representada pela fórmula y = ax² + bx + c, onde a,b,c,


são os coeficientes numéricos , com a diferente de zero.
São exemplos de função do 2º grau:

Y = 2x² -3x +4 ( equação do 2º grau completa) com a= 2, b=-3, c= 4


Y = 8x² + 9 ( equação do 2º grau incompleta ) com a= 8, b =0, c= 9
Y = 6x² - 2x ( equação do 2º grau incompleta) com a =6, b= -2, c= 0

A função do 2º grau ou função quadrática é representada no plano cartesiano


através de uma parábola.

A parábola é construída determinando valores para X (domínio)e calculando os


respectivos valores de Y (imagem).São necessários de 4 a 5 pontos portanto você
atribui 4 ou 5 valores para X

1º EXEMPLO:
Y = X² - 2
substituindo X pelo seu respectivo valor

X X² - 2 Y
0 0² - 2 -2 (0 , -2)
1 1² - 2 -1 (1 , -1)
2 2² - 2 2 ( 2 , 2)
-1 (-1)²- 2 -1 (-1 ,-1)
-2 (-2)² - 2 2 ( -2 , 2)

A união dos pontos encontrados determina


uma linha curva chamada parábola.

25
2º EXEMPLO

y = -2x² + 6

X -2X² + 6 Y
0 (-2) . 0² + 6 6
1 (-2) . 1² + 6 4
2 (-2) . 2² + 6 -2
-1 (-2). (-1)² +6 4
-2 (-2). (-2)² +6 -2

3º EXEMPLO

Y = X² - 6X + 5

X X² - 6X + 5 Y

0 0² - 6. 0 +5 5
1 1² - 6. 1 +5 0
2 2² - 6. 2 +5 -3
3 3² - 6. 3 +5 -4

Observe os gráficos dos


exs 1, 2 e 3 e analise
as conclusões

26
1-Se o coeficiente a é um nº positivo ( a > 0 ) a parábola tem a concavidade
voltada para cima.

Y = X² - 2
a>0

2- Se o coeficiente a é um nº negativo (a< 0 ) a parábola tem a concavidade


voltada para baixo

Y = -2X² + 6
a<0

Exercícios:
4 ) Faça a tabela e construa a parábola das funções:

a) Y = x² -4x + 3 b) Y = – x² + 1
X X² - 4X + 3 Y
X - X² + 1 Y
2
0 0 – 4. 0 +3 -2 - (-2)² + 1
1 -1
2 0
3 1
4 2

27
RAÍZES DA EQUAÇÃO DO 2º GRAU

As raízes de uma função são os pontos onde a parábola corta o eixo do X.


Para determinar as raízes de uma equação do 2º grau aplicamos a fórmula de
BÁSKARA e assim determinamos os pontos de X..
BÁSKARA - foi um importante matemático hindu do séc. XII que se dedicou ao
estudo das equações matemáticas. Por isso a fórmula que usaremos é conhecida como
fórmula de Báskara aplicada nas equações do 2º grau (ax2 + bx + c = 0) sendo a 0 e
a, b e c números reais.
Eis a fórmula:

b a é o coeficiente de X²
X=
2.a b é o coeficiente de X
onde c é um nº constante ( não tem X)
= b2 - 4.a.c

O símbolo é chamado Delta (uma letra grega)

A equação do 2º grau pode ter


>0 =0 <0
A equação tem duas A equação tem uma A equação não tem raiz
raízes reais diferentes única raiz real real

Veja alguns exemplos e resolução com a aplicação da fórmula:

Exemplo 1:

Y = X2 - 6X + 5 = 0

a = 1 coeficiente de x² (nº que “ acompanha “o x²)

b = - 6 coeficiente de x (nº que “acompanha” o x

c = 5 coeficiente numérico (não vem “acompanhado” do x)

28
Você pode calcular substituindo as letras pelos seus valores:
Todo nº negativo elevado ao
2
= b - 4.a . c expoente 2 resulta sinal + pois
–6 . –6 = +36
= (-6)2 - 4.1.5
= 36 – 20
= 16
Substituindo o valor de na formula de Báskara você tem:

b 6 4 10
x= x’ = = = 5
2.a 2 2
( 6) 16 6 4 6 4 2
x= x= x’’ = = =1
2.1 2 2 2
S= 1,5

Substituindo os valores de X na equação, você observa que a sentença é


verdadeira tornando assim o Y = 0

X2 - 6 X + 5 = 0 X2 - 6X + 5 = 0
52 - 6 . 5 + 5 = 0 12 - 6 . 1 + 5 = 0
25 - 30 + 5 = 0 1-6+5 =0
0=0 0=0

Exemplo 2:
Y = 2X2 - 8

O primeiro passo para resolver uma equação do 2º grau é igualar a zero.

2X2 - 8 = 0 = b² – 4 .a . c X= - b ±
a=2 = 02 - 4. 2 .(-8) 2.a
b=0 = 0 + 64 X= 0 ± 64
c= -8 = 64 2 .2

0 8 8
X’ = = = 2
4 4
S = {2, -2}
0 8
X’’ = = 8=-2
4 4

29
Exemplo 3:
X2 - 3X = 0
a= 1 = b2 – 4.a.c
b= -3 = (-3)2 - 4.1.0
c= 0 =9-0
=9

b ( 3) 9
x= x=
2.a 2.1

3 3 3 3 6
x= x‘= = =3
2 2 2

3 3 0
x’’ = = =0
2 2

S= 0,3

Exemplo 4
2X2 + 4X + 6 = 0
a= 2 = b2 - 4ac
b= 4 = 42 - 4.2.6
c= 6 = 16 - 48
= - 32
Como < 0 (número negativo) a equação não tem solução pois não existe raiz
quadrada de um número negativo, logo, a solução é o conjunto vazio S=Ø
Observe que em todos os exemplos acima resolvidos, os valores encontrados
para X (raízes) fazem com que Y = 0, portanto são os pontos onde uma parábola
intercepta (corta) o eixo do X.

1º CASO: > 0 (tem duas raízes)

a>0 a<o

30
2º CASO: = 0(tem uma raiz)

a<0 a>0

3º CASO: < 0(não possui raiz)

a >0 a<0

Exercícios:

5 ) Determine as raízes das equações aplicando a fórmula de Báskara:

a) X² - 5X + 6 = 0

b) 4X² - 64 = 0

31
MÁXIMOS E MÍNIMOS:

Veja a parábola abaixo com a < 0.


Se você “caminhar” no gráfico da esquerda para a direita, os valores de Y vão
aumentando até chegar no vértice. Esse ponto é chamado de ponto de máximo.

Se a < 0 então o vértice


é o ponto de máximo

Com a > 0 você encontra no vértice um ponto de mínimo, pois partindo da


esquerda para a direita, os valores de Y vão diminuindo.
a > 0 então o
vértice é ponto de
mínimo.Neste
gráfico < 0
portanto a
equação não tem
raízes, isto mostra
que a parábola
não tntercepta
(corta) o eixo do X

VÉRTICE DA PARÁBOLA
Vértice é o ponto mais baixo(ponto de mínimo) ou o ponto mais alto (ponto
de máximo) da parábola
Para encontrar o vértice da parábola não é necessário construir o gráfico ,
basta encontrar o ponto (XV , YV).
Para isso você tem duas maneiras:

32
1 ) Usar as fórmulas:

XV = - b YV = -
2.a 4.a
Lembre-se: = b² - 4 . a . c
ou
2 ) Substituir na equação dada o valor encontrado de X V para encontrar o
valor de Y
Exemplo 1: determine o vértice da parábola que representa a função:

Y = X² - 4X + 3 onde a=1 b=-4 c=3

XV = - b = -(-4) = 4= XV = 2
2.a 2.1 2

YV = - = - [b² - 4 . a . c] = - [(-4)² - 4 . 1 . 3]= -[16 – 12 ]= - 4 = -1


4.a 4.a 4.1 4 4

YV = - 1 o vértice é o ponto ( 2 , -1 )
O ponto YV é o que determina o ponto máximo ou o ponto mínimo da
função dependendo da concavidade voltada para cima ou para baixo.

Exemplo 2 : Determine o ponto de mínimo da função: Y = 3X² - 12X


Como a > 0 então a concavidade da parábola está voltada para cima e a função
tem um ponto de mínimo YV

(b ² 4.a.c) [(12)² 4.3.0)]


Yv = = =
4.a 4.a 4.3
(144 0) 144
= = = -12
12 12

Ponto de mínimo

Exemplo prático
Queremos construir uma represa retangular para criação de carpas. Para cercá-
la serão necessários 12 m de tela sendo aproveitado o muro existente para cercar um
dos lados. Quais são as dimensões para obter a represa de maior área possível?

Se X + X + C = 12 muro

2X + C= 12
C = - 2X + 12

33
X

Você sabe que para calcular a área deve multiplicar as duas


medidas: comprimento e largura, o que resulta numa
equação do 2º grau.

Então:
substituindo
Área = X . C A = X . ( – 2X + 12 )

A = -2X² +12X (equação do 2º grau, cujo gráfico é uma parábola)

Usando a fórmula para calcular o YV você determina o valor do ponto


máximo da área pois a < 0 .

YV = - YV = - ( 12² - 4 . (-2) . 0 ) YV = - 144 = 18


4.a 4 . ( -2) -8

Se YV = 18 então a área máxima será 18m².

EXERCÍCIOS :

6 ) Dada a função y = X² - 4X + 5, determine o vértice da parábola e


identifique se é ponto de máximo ou de mínimo.

7) Determine o ponto de mínimo da função Y = x² - 6x + 13

ANÁLISE E CONSTRUÇÃO DO GRÁFICO DE UMA


FUNÇÃO DO 2º GRAU
Você vai resolver, construir e analisar a parábola que representa a função
Y = x² - 6X + 8

34
Resolvendo:
a = 1 b= - 6 c=8
Raízes:
X = -b Substituindo na fórmula:
2.a X = - ( -6 ) 4
2.1
= b² - 4 . a . c X’ = 6+2 = 8 = 4
X = +6 2 2 2
= (-6)² - 4 . 1 . 8 2
X’’ = 6 –2 = 4 = 2
= 36 – 32 Raízes = 4 e 2 2 2
=4

Vértice:

XV = - b = -(-6) = 6 = 3
2.a 2.1 2
ponto do vértice ( 3 , -1 )

YV = - = -4 = -1
4.a 4.1

CONCLUSÃO:

1- a concavidade da parábola está voltada para cima pois a > 0


2- a função possui ponto de mínimo y = -1
3- a parábola corta o eixo do X em
dois pontos X= 4 e X = 2 (
raízes)
4- o ponto mais baixo (vértice) é (3
, -1)

Veja o esboço da parábola:

35
GABARITO:
1) a-) X Y
c)
0 200 0 200
10 250 10 250
50 450 50 450

b-) D = 0, 10, 50 …
I = 200, 250, 450...

2) a) entre 30 e 60 min 3) a-) 3


b) 40 Km b-) - 6
c-) X = 2
d-) sim pois 0 = 3 . 2 – 6
0 = 0 verdadeira

4) a-) X Y
0 3
1 0
2 –1
3 0
4 3

b-) X Y
-2 -3
-1 0
0 1
1 0
2 -3

5) a-) X2 – 5X + 6 b-) 4X2 – 64 = 0


=1 = 1024
X’ = 3 X’ = 4
X” = 2 S= 3,2 X” = -4 S= 4 , -4

36
6) a-) XV = 2
a>0 = ponto de mínimo
YV = 1

7) YV = 4

37
This document was created with Win2PDF available at http://www.win2pdf.com.
The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.
This page will not be added after purchasing Win2PDF.

Você também pode gostar