Você está na página 1de 248
Gilles Deleuze DIFERENGA E REPETICAO Tradugao Luiz Orlandi Roberto Machado E CCoppigh by Presses Univers de France, 1968 ‘Traduside do origina em francis Diterence et Repettion capa Fernanda Gomes Revisto Aamaldo Atruds ‘bara Eleodora Beevides ‘how Maria Barbosa Marna Trones ago ce culate {Py turacona ame Steet repel / Giles Dueus + Run do Teun, 127 Santa gia, Sao Peuto, SP ep: 0112, ‘els (01 2256522 Sewimestee de 1988 Impresto no Beal Printed in Brasil, SUMARIO GLOSSARIO DA TRADUCAO PROLOGO INTRODUCAO — Repetigdo e diferenca Repetigdo ¢ generalidede: primeira distingdo, do ponto de vista das condutas . ‘As duas ordens da generalidade: semethanca ¢ igualdade .. Segunda distingéo, do ponto de vista da ii Repetigdo, lei da natureza e lei moral Prana 3: una sofa do rept, senda Kictkegaard, Nietzsche, Péguy © verdadeiro movimento, o teatro ¢ a representa: to. fees 7 Repetigio © generalidade: tereeira. distingao, do Ponto de vista do concsito ......... i ‘A compreensio do conceito e 0 fendmeno do ‘blogueio" str casos de “blogueio natural” » repetigao conccitos nominal, conceitos da natureza, conceites da liberdade ‘A repetigio nfo se explica pela identidade do ‘conceito; nem mesmo por uma condigdo apenas nega- [As fangBes do “instinto de morte a repetigéo em sua relayéo com a diferenga e como sendo aquilo que exige um principio positive. (Exemplo dos conceitos da liberdade) ‘As duas repetigées: por identidade do conceit © condigio negative; nga e excesso na Idéia. (Exemplos dos conceitos naturais e nominais) . © nu e 0 travestide na repetiséo Diferenga conceitual diferenga sem conceito Mas o conceito da diferenca (Idéia) nfo se reduz uma diferenga concetual, assim como a esséncia positiva da repetigdo néo se reduz a uma diferenga sem ‘conecito CAPITULO I — A diferenga em si mesma A diferenga e 0 fundo obscuro preciso representar a diferenga? Os quatro as pectos da representagio (quédrupla raiz) ‘© momento feliz, a diferenga, 0 grande © 0 pe queno Diferenga concitual: a maior © a melhor . AA logica da diferenga segundo Arissteles © @ confusio do conceito da diferense com a diferensa conceitual aie Diferensa especifica e diferenga genética Os quatro aspectos ou a subordinagio da diferen- «2: identidade do conceito, analogia do juizo, opos dos predicados, semelhanga do percebido A ilrega «a representa orate « Univosidade e diferenca i 0s dois tipos de distribuigio .... Impossibilidade de reconcliar @ univocidade © @ analogia =... ‘Os momenios do univoco: Duns Seot, Espinosa, Nietzsche 6 ry 35 39 ae 65 66 or [A repetisfo no eterna retorno define & univoci- dade do ser .. 8 A dlifeenga ¢ a representagao orgaca (0 tnfinita- mente grande © o infinitamente pequeno) a5 © fundamento como razéo 86 Légica ¢ ontologia da diferensa segundo Hep! contradigdo 88 Logica e ontologie de diferenga segundo Leibniz: '8 vicedicgdo (continuidade e indiscerniveis) 9 De como a representacio orgiaca ou infinite da diferensa nfo escapa aos quatro aspectos prevedentes 95 A diferensa, « afirmagdo e @ negagdo 7 A ilusao do negativo 2 Ot A climinago do negativo e 0 eterno retorne ... 105 Logica e ontologia da diferenga segundo Platio . 110 As figuras do método da divisio: ot pretendentes, « provscundamento, as questdes problemas, 0 (nio)-ser 0 estatuto do. negat © que & devisivo no problema da diferensa: 0 a simulacro, a resisténcia do simulacro 119 CAPITULO II — A repetigdo para si mesma 127 ‘A repeticfo: alguma coisa mudou 127 Primeira sintese do tempo: o presente vivo ..... 128 Habitus, sintese passive, contragio, contemplagao 131 (© problema do habito ..... 7 132 Segunda sintese do tempo: 0 passado puro... 141 ‘A Meméria,o passado puro © a representaglo dos presentes 143 (Os quatro paradoxos do passado . 144 [A tepetigao no hibito e na meméria 146 Repeticao materiale espirtual eer Cogito cartesiano e cogito kantiano 150 © indeterminado, a determinacéo, o determinével 151 © Eu rachado, 0 eu passivo ¢ a forma vazia do tempo 7 cee 152 Insuficiéncia da meméria: a terceira sintese do tempo = 155