Você está na página 1de 14

Escudo de Oraçao

COMO O PODER DE DEUS É LIBERADO


Uma história fascinante nos é contada em Êxodo 17. Muitos se
lembrarão da batalha de Refidim na qual Josué derrotou Amaleque.
O nome de Josué entrou permanentemente para a história militar
como o general que venceu a batalha de Refidim.
Mas a Bíblia nos conta o resto da história.
Uma conferência estratégica antes da batalha determinou que
enquanto Josué lideraria as tropas no campo de batalha, Moisés
subiria a um monte próximo e intercederia por Josué. Sobre aquele
monte, observando a batalha, Moisés logo notou que, enquanto suas
mãos estavam para cima, Josué vencia, mas, enquanto suas mãos
estavam abaixadas, Josué perdia. Moisés captou isso muito rápido e
decidiu que a melhor posição para as suas mãos era estarem para
cima. Então Arão e Hur foram ajudá-lo. Sentaram Moisés sobre uma
pedra e fizeram tudo o que estava ao seu alcance para manter as
mãos dele no ar. Como resultado disso, Josué venceu a batalha (veja
Êx 17.8-13).
Esta é uma história simples que contém um grande princípio
para nós aprendermos: Josué está lutando enquanto Moisês está
orando. Josué ganha o crédito por ter vencido a batalha, mas nós
sabemos quem realmente a venceu. Finalmente, é claro, foi o poder
de Deus que venceu a batalha, mas o agente humano mais
diretamente usado como canal do poder divino foi o intercessor,
Moisés, e não o general, Josué.
Como meu amigo Walter Wink diria, “a História pertencia aos
intercessores”.
A maneira que eu aplico isso à vida real é a seguinte: eu vejo
Josué cumprindo o “ministério”. E isto era tão verdade que a tarefa
que Deus lhe havia dado naquele momento era guerrear naquela
batalha. Eu fico a imaginar o quanto que Josué permaneceu em oração
através de todo aquele dia no vale de Refidim. Provavelmente, não
muito. Enfim, a batalha foi ganha através da oração, as orações do
intercessor, e não a oração do ministério. Não que Josué não fosse
importante. A batalha não teria sido ganha sem ele também.
Muitos líderes cristãos de hoje são como Josué. Eles são
ativistas no seu ministério, eles são vencedores. As pessoas os vêem
O Poder de Parceiros Pessoais de Oração 23
como servos de Deus bem-sucedidos. Dia após dia elas vêem o poder
de Deus operando através deles para abençoar a outros. E de onde
vem esse poder? Ele é liberado através da intercessão.

REAVIVAMENTO EM HEREFORD, TEXAS


Uma das primeiras experiências do poder da intercessão pessoal
na vida real que eu ouvi veio do meu amigo Larry Lea. Ele tinha
concluído o seminário fazia pouco tempo e estava servindo como
jovem ministro na Igreja Batista Beverly Hill em Dallas. A igreja
estava crescendo bem, assim como o grupo de mocidade de Larry. Ele
tinha 1000 adolescentes em seu grupo, e ele era um dos maiores
daquela região. Foi aí, então, que ele recebeu seu primeiro convite
para fazer uma cruzada evangelística por toda uma cidade. A cidade
era Hereford, no Texas, cuja população era de 15.853 habitantes. Lea
sentia que um dos seus mais fortes dons era o de evangelista, e ele
tinha uma fé muito grande de que Deus lhe daria uma colheita
significante de almas em Hereford.
Aquela cruzada era uma daquelas típicas cruzadas através de
toda cidade na qual o evangelista prega cada noite em cada uma das
diferentes igrejas que cooperam juntas. Na primeira noite em que ele
pregou, seu coração estava ardendo, mas ninguém respondeu ao
apelo. Quando a mesma coisa aconteceu na noite seguinte, Larry Lea
começou a se preocupar. “O que está acontecendo? Eu sei que meus
sermões são bons. Eles são teologicamente corretos. O evangelho é
claro. O que eu vou dizer quando eu voltar a Dallas e der o relatório à
minha mocidade?”
Na terceira noite, a reunião aconteceria na Igreja Metodista.
Larry tinha chegado um pouco mais cedo, quando duas mulheres se
aproximaram dele. Elas viram que ele estava nervoso e, então, lhe
disseram: “Não se preocupe, Irmão Lea. Nós oramos por você hoje
durante oito horas.” Então elas perguntaram se poderiam impor as
mãos e orar por ele ali. Quando elas terminaram, uma delas disse a
ele: “Por acaso a frase ‘Está consumado’ significa algo para você?”
Este era o texto de Larry para aquela noite! Ele pregou e cem pessoas
responderam ao apelo!
Escudo de Oração
30
Ao longo deste livro descreverei muitas situações reais de
intercessores contemporâneos. Eles têm uma surpreendente
semelhança com Ester. Çster^efa humilde, não arrogante. Ela era
submissa 0 autorglgde. Ela estava sintonizada com a voz de Deus,
desejosa de ohcdeçej^aç^ju£ouYj^.^ com o risco de sua própria
vida. Ela era depeudentg^daquilo a que hoje nós nos referiríamos
como Corpo 4tc£ÔSii-SQlÍCÍtando aos seus companheiros judeus a
ajudá-Ja_em oração e jejurm Ela própria também jejuou por três
dias. Quando ela se^entiu siiitQnizjd3 espiritualmente, estava
prontaa dizer: “[Eu] irei ter com o rei, ainda que isto não é segundo a
lei; e se eu perecer, pereci!” (Et 4.16, V. R.).
Quando Ester se aproximou do trono do rei, ela foi bem-vinda
por a de uma prévia relação de amor. Uma^intimidade especig] com
ú algo muito importante no perfil de um intercessor. Como resul- >,
o rei usou o seu poder para salvar o povo de Deus. Como os
intercessores de hoje testificam, ajnaisalta recompensj.do ministério
de intercessão é ser recebido em amor pelo Pai e ver seu poder ser
liberado para o bem através de sua intervenção.

QUÃO PODEROSAS SÃO ESSAS PETIÇÕES?


Alguém poderia perguntar: Você está querendo realmente dizer
que a petição de um mero ser humano pode determinar as ações de
um Deus Todo-Poderoso?
A resposta é sim. Esta é a maneira que o Deus Todo-Poderoso
escolheu para projetar o mundo e para estruturar nosso
relacionamento com ele. A conclusão correta é que, se Ester não
tivesse intercedido, os judeus teriam sido destruídos. Até o dia de
hoje os judeus reconhecem e celebram isto em sua festa anual do
Purim. Os intercessores de hoje estão absolutamente convencidos de
que, em muitos casos, sem o seu fiel ministério de intercessão Deus
não teria feito o que fez.
John Wesley é frequentemente citado como tendo dito o
seguinte: “Deus não fará nada na terra exceto em resposta à oração
de fé.” João Calvino em suas Instituías afirma: “As palavras falham
em explicar quão necessária é a oração.” Ele diz que a providência
de Deus
30 O Poder de Parceiros Pessoais de Oração 27

não exclui o exercício da fé humana. Conquanto o Guardador de


Israel não dormita nem dorme, Calvino diz, “não obstante ele está
inativo, como se esquecesse de nós, quando ele nos vê mudos e
parados.”4 Líderes de hoje, desde Jack Hayford a Walter Wink, estão
dizendo a mesma coisa. Hayford diz: “Você e eu podemos ajudar a
decidir quais dessas duas coisas — bênção ou maldição — acontece
na terra. Nós determinaremos se a bondade de Deus será liberada a
respeito de situações específicas ou se o poder do pecado e de
Satanás poderá prevalecer, oração é o fator determinante.”5
Walter Wink também rejeita a idéia de que Deus é a causa de
tudo o que acontece aqui na terra. Ele é onipotente, mas ele também
limitou suas ações na terra, em parte, por respeito à liberdade de suas
criaturas. Enquanto afirma que adoração nos muda, Wink diz: “Ela
também muda o que é possível para Deus.”6

O MELHOR DE DEUS: MOISÉS E SAMUEL


Se eu não estou enganado, o^dois maiores intercessores no
Antigo Testapignto eram Moisés e Samuel. Eu faço esta conjectura a
partir de Jexejpias 15.1 quando Deus diz: “Ainda que Moisés e
Samuel se pusessem diante de mim, não seria a minha alma com este
povo.” O ponto principal aqui é que os intercessores não são
mgnipuiadojres de Deus, e algumas coisas Deus já estabeleceu
concretamente. Mas, para reforçar o ponto, Deus menciona seus dois
melhores: Moisés e Samuel.
Eu já mencionei a intercessão de Moisés por Josué na batalha
de Refidim (Êx 17). Outro exemplo ainda mais dramático nos é dado
quando Moisés sobe ao monte Sinai para receber as tábuas da lei e o
povo de Israel se volta contra Deus e toma ao paganismo. Deus
estava tão furioso que disse: “Agora, pois, deixa-me, que o meu
furor se acenda contra eles, e os consuma” (Êx 32.10). Moisés,
então, faz uma de suas mais tocantes orações de intercessão
relatadas nas Escrituras. Como resultado, “Então o Senhor
arrependeu-se do mal que dissera que havia de fazer ao seu povo”
(Êx 32.14).
O coração de Moisés era o típico coração de muitos intercessores
que eu conheço. Por um lado, ele se fere tanto por aqueles por quem
*Vl
30 I acudo de Oração

< orando que diz a Deus: “Agora, pois, perdoa o seu pecado, se nao,
risca-me, peço-te, do teu livro, que tens escrito” (Êx 32.32). Não é
de se maravilhar que Deus o considere como um dos melhores!
Um notável exemplo da intercessão de Samuel nos é dado
quando os filisteus estavam descendo a Israel e Israel estava
amedrontado. Eles disseram a Samuel: “Não cesses de clamar ao
Senhor nosso Qeusjxy gós, para que nos livre da mão dosjjjisteus” (1
Sm 7.8). “Clamou Samuel ao Senhor por Israel, e o Senhor lhe deu
ouvidos” (1 Sm 7.9). O Senhor enviou trovões sobre os filisteus, eles
se confundiram, e Israel os venceu.
Como fez Moisés, Samuel mostrou seu coração de intercessor
quando mais tarde ele disse: “Longe de mim que eu peque contra o
Sçnhor, deixando de qjcar por vós” (1 Sm 12.13). Nós podemos ser
agradecidos que isto não é apenas parte da história antiga, mas hoje
Deus tem nos dado muitos, muitos de seus filhos com corações
como o de Moisés e o de Samuel. Eles são preciosos dons dados ao
Corpo de Cristo.
■HWC
INTERCESSÃO NO NOVO TESTAMENTO
No Novo Testamento, Jesus é o intercessor por excelência. Sua
oração por seu povo em João 17 revela o amoroso coração que Jesus
tinha pelo povo e seu desejo de permanecer na brecha entre eles e o
Pai. Até o dia de hoje ele continua a interceder por nós. “Vivendo
sempre para interceder [por seu povo]” (Hb 7.25).
O tema desse livro não é intercessão em geral, embora ela seja
muito importante. Tiago diz: “Confessai, portanto, os vossos
pecados uns aos outros, e orai uns pelos outros, para serdes curados”
(Tg 5.16, V. R.). Um excelente livro sobre esse assunto é o livro de
Dick Eastman, Love on Its Knees (Chosen Books), e há muitos
outros. Aqui, entretanto, estamos focalizando um aspecto muito
específico da intercessão, chamada intercessão em favor de pastores
e outros líderes cristãos.
João Calvino não estava exagerando quando disse que era quase
impossível explicar quão necessária realmente é a oração. A oração
intercessória pode ser tão importante que ela pode salvar vidas.
30 O Poder de Parceiros Pessoais de Oraçao 29

Em Atos 12, Herodes decidiu aplacar os judeus em Jerusalém


liquidando alguns líderes cristãos.
Ele especificamente colocou Tiago e Pedro na sua lista.
Ele matou Tiago, mas não matou Pedro.
Não nos é dito nenhum outro detalhe sobre o caso de Tiago.
Mas nos é especificamente relatado que, enquanto Pedro estava
na prisão, esperando por sua execução, “a igreja fazia contínua
oração por ele a Deus” (At 12.5).
Como resultado, a vida de Pedro foi poupada, e Herodes acabou
sendo comido por vermes (veja At 12.23). Nós podemos
seguramente afirmar que Pedro orou por si mesmo, mas, tanto
quanto nós somos informados, o poder divino para libertar Pedro foi
liberado através dos intercessores, assim como o poder para Josué
ganhar a batalha foi liberado através de Moisés.
O DESEJO DE PAULO POR PARCEIROS DE ORAÇÃO
Aparentemente o apóstolo Paulo conhecia tudo sobre o valor da
intercessão pessoal por líderes desde que pediu por isso cinco vezes
em suas epístolas.7 Vamos dar uma olhada nesses cinco textos.

Irmãos, orai por nós.


1 Tessalonicenses 5.25
Embora “nós” seja plural, é como se fosse um plural editorial, e
Paulo está realmente pedindo oração por si mesmo. Na seção de
abertura de sua carta aos tessalonicenses, Paulo assegura-lhes de que
ele está orando por eles (veja 1 Ts 1.2) e reafirma seus dons de fé,
esperança e amor (veja 1 Ts 1.3). No final da epístola, ele pede
reciprocidade, indubitavelmente esperando que eles, do mesmo
modo, supliquem a Deus para que ele aumente a fé, a esperança e o
amor nele e no seu ministério.

E rogo-vos, pois, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo


e pelo amor do Espírito, que combatais comigo
nas vossas orações por mim a Deus.
30 Romanos 15.30
Este é um pedido muito mais específico por intercessão pessoal,
desde que Paulo pede a eles que orem para que em sua próxima
viagem para Jerusalém ele seja bem-sucedido e que ele seja
protegido contra os inimigos que o esperam ali. Ele, então, pede que
eles orem para que ele possa ser capaz de visitá-los em Roma. Ele
considera a intercessão como sendo uma sociedade (lutando junto)
no ministério.

Ajudando-nos também vós com orações por nós, para que,


pela mercê que por muitas pessoas nos foi feita,
por muitas também sejam dadas graças a nosso respeito.
2 Coríntios 1.11

Como Paulo pede aos crentes coríntios intercessão, ele toca no


que Pedro também tinha descoberto — intercessão pode ser uma
questão de vida ou morte. Nos versículos precedentes, Paulo fala da
“sentença de morte” e sendo “libertado de tão grande morte”. Não
nos é dito precisamente a que estava se referindo, mas uma
possibilidade seria seu apedrejamento em Listra quando ele foi tido
como morto. Alguns acham que ele realmente morreu, e que Deus o
levantou de volta à vida (veja At 14.19, 20).

Porque sei que isto me resultará em salvação, pela vossa


suplica e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo.
Filipenses 1.19, V. R.

Paulo escreve este pedido da prisão. A palavra “salvação” no


texto significa “libertação”, e aqui Paulo está dependendo da oração
de outros para que justiça seja feita e para que ele seja liberto.

Espero que pelas vossas orações vos hei de ser concedido.


Filemom 1.22b

Esta breve referência poderia ser facilmente omitida, mas


novamente Paulo escreve da prisão e deseja visitar seu amigo
Filemom. Ele tem tanta fé de que Deus responderá à oração de
Filemom, que lhe pede que prepare o seu quarto de hóspedes!
O Poder de Parceiros Pessoais de Oraçao 31

INTERCESSÃO É UM CONCEITO BÍBLICO


Eu transcrevi esses cinco textos porque sinto que são importantes
para nós entendermos que intercessão por líderes, embora possa ser
pouco utilizada hoje, é um conceito bíblico. Através da intercessão,
crentes comuns podem tomar-se em uma parte do ministério de líderes
cristãos, os apóstolos Paulos de hoje.
Enquanto estava escrevendo este capítulo, recebi uma chamada
telefónica de um dos meus intercessores, Jack Mc Alister. Quando lhe
perguntei o que ele estivera fazendo, ele disse que aquele havia sido um
dia rotineiro. Ele começara orando por líderes às cinco horas da manhã
e não havia acabado até quase às oito horas. Ele disse que havia orado
por Billy Graham, Bill Bright, por mim e por muitos outros. Então
acrescentou: “Isto é tão excitante para mim! Quando oro por esses
líderes, participo com eles e, junto com eles, recebo a bênção dos frutos
de seus ministérios.”
Isso é exatamente o que os intercessores do apóstolo Paulo
estavam experimentando junto com ele. Ele escreve aos filipenses
dizendo que estava orando por eles e “pela vossa cooperação no
evangelho desde o primeiro dia até agora” (Fp 1.5). Por “cooperação no
evangelho” Paulo refere-se à sociedade com ele no seu ministério. Esta
é a principal característica e recompensa dos intercessores.

INTERCESSÃO É BATALHA ESPIRITUAL


Jane Anne Pratt é uma das minhas parceiras pessoais de oração e
também de Doris. Ela faz parte do corpo docente da organização
missionária Seminário Europeu Oriental de Dallas, Texas. Mas, mesmo
antes disso, ela havia sido chamada para ser uma intercessora pessoal
por John Maisel, o presidente da missão. Jane, eu devo mencionar, é
uma intercessora madura, temperada e experimentada.
Nos dias logo após a queda da Cortina de Ferro, John Maisel havia
feito outra de suas frequentes viagens ao bloco oriental. Dessa vez ele
fez preleções sobre “Jesus é Deus?” na Universidade Estadual de
Moscou, e a seguir para uma multidão de 20.000 a 30.000 em
Bucareste, e, então, retomou à sua base em Viena. Jane, em Dallas,
Por Que os Pastores Precisam de Intercessão 69

é um importante ingrediente para liberar o plano de Deus para a


completa implementação da igreja.

5. Os Pastores São Mais Visíveis


Porque os pastores estão na frente, eles estão constantemente
sujeitos à fofoca e à crítica. Quando os membros da igreja jantam no
domingo à noite, o pastor e o sermão da manhã são frequentes
tópicos da conversa. As pessoas falam sobre o bom e também sobre
o mau. O pastor é estreitamente observado, e isto não é segredo.
Apenas sabemos que isto coloca um difícil peso sobre os pastores e
que eles precisam de jyuda sobrenatural para manejar bem esta
situação. A intercessão abre o caminho para que eles recebam essa
ajuda.

A INTERCESSÃO FAZ O MINISTÉRIO PROGREDIR


Não é simplesmente a maneira de conduzir um tipo de pesquisa
que comprova ou não o poder da oração. Entretanto, Nancy Pfaff,
uma intercessora, consultor sobre crescimento da igreja e fundadora
da Organização de Crescimento de Igreja Nevada experimentou
fazê-lo. Ela projetou uma pesquisa como projeto de graduação e
escolheu 130 pastores, evangelistas e missionários. Intercessores
treinados através do Ministério Iverna Tompkins de Scottsdale,
Arizona, concordaram em orar 15 minutos por dia por um dos 130
líderes durante todo um ano.
Cerca de 89% dos escolhidos indicaram que a oração provocou
uma mudança positiva na eficácia de seus ministérios, Eles
relataram mais eficácia no uso de seus dons espirituais, um nível
mais alto de respostas ao ministério, mais discernimento e sabedoria
de Deus, maior santidade e maior perfeição em Cristo, melhores
atitudes, mais evidência do fruto do Espírito, uma melhor vida
pessoal de oração e maiores habilidades de liderança.
A pesquisa de Pfaff também descobriu algumas outras variáveis
importantes. Ela descobriu que a oração diária por líderes é mais
eficaz do que a oração semanal ou mensal. Também descobriu que
as orações persistentes são muito importantes. Ela diz: “Quando os
intercessores param de orar por aquele líder que lhes foi designado
poucas semanas depois de terem iniciado, o líder não acusa
mudanças positivas significantes durante aquele ano.”2
A intercessão também parece ajudar o crescimento da igreja.
Nancy Pfaff verificou que dos 109 pastores cobertos por oração
intercessória, 60% tiveram concomitantemente o crescimento de
suas igrejas. Um pastor da Pennsylvania testifica, por exemplo, que
no período de 12 meses da pesquisa a sua igreja cresceu de 15 para
mais de 600. Não é de se admirar, então, que Pfaff diga: “Há uma
tremenda reserva de poder de oração ainda não usada em toda a
igreja a qual pode ser firmada, treinada e desenvolvida para ver o
perdido ganho, o apático reanimado, o desviado restaurado e o
comprometido tornado mais efetivo.”3
Quando o muito bem conhecido programa Explosão
Evangelística estava saindo dos limites da Igreja Presbiteriana Coral
Ridge em For Lauderdale, Flórida, e se espalhando por todo o país,
Archie Parrish, que na época estava servindo ali como diretor, fez
uma importante descoberta. Apesar de que o programa estava se
desenvolvendo bem, ele introduziu uma inovação. Ele fez com que
toda igreja participante do programa indicasse dois membros que
não estivessem no programa Explosão Evangelística para que
orassem por cada um dos obreiros do programa, especialmente na
terça-feira à noite quando o programa estava em operação. O
evangelista era responsável por dar um relatório aos seus dois
intercessores a cada semana. Quando os intercessores oravam, o
número de profissões de fé das igrejas associadas dobrou!
Os pastores e outros líderes são pessoas necessitadas. Mas eles
são os escolhidos de Deus para levar o seu Reino à frente.
Intercessão fiel e inteligente pode liberá-los para serem tudo o que
Deus quer que eles sejam.
/4
Escudo de Oração

viila de oração que os pastores sabem que devem ter e desejam ter e
que não conseguem desempenhar na vida real.
Um pastor diz: “Como a maioria das pessoas ocupadas, eu me
atrapalho com as pressões, urgências, chamadas telefónicas,
‘emergências’, e assim por diante. As vezes eu penso que o diabo faz
serão trabalhando só para me manter afastado da oração.” Sabendo o
que eu sei a respeito do diabo, eu penso que a última afirmação pode
ser uma verdade muito grave.

QUANTO OS PASTORES REALMENTE ORAM?


Várias pesquisas têm sido feitas sobre a vida de oração dos
pastores. Antes de reportá-las, entretanto, quero estar certo de que
você entenda que eu possa não estar falando a respeito do seu pastor
quando cito as médias. O seu pastor pode ser um daqueles acima da
média, e até mesmo muito acima dela. As chances são de que você
realmente não saiba onde seu pastor está porque muito poucos dos
membros da igreja o sabem. Não que seu pastor pretenda que sua
vida de oração seja mantida em segredo, mas na maioria dos casos
ela o é.
Quando o periódico Leadership fez uma pesquisa sobre a vida
de oração de 125 pastores, a maioria deles sentia que virtualmente
não tinham suporte humano em sua vida devocional. Com a
concordância de alguns, isto parece ser um tópico de conversação
impróprio na igreja.
Um dos pastores entrevistados diz: “Eu tenho o sentimento de
que outros não pensam que a minha vida de oração é importante.”
Através dos anos que ele estivera na equipe de sua igreja em
particular, ele diz: “Nenhuma pessoa (incluindo o pastor sénior)
perguntou-me a respeito da saúde de minha fé pessoal Eu me sinto
totalmente desprotegido neste aspecto de minha vida.”2 A maioria
dos 125 pastores entrevistados nutrem sentimentos semelhantes.
Eu pessoalmente dirigi uma pesquisa com 572 pastores através
das linhas regionais, etárias e denominacionais. Eu queria descobrir
quanto tempo realmente os pastores gastam em verdadeira oração
diariamente. Nesta pesquisa eu não contei estudo bíblico, leitura de
Segredos da Vida de Oraçao dos Pastores 75

livros devocionais, audição de fitas de adoração ou outros


componentes de uma vida devocional bem completa. Eu estava
tratando apenas com a oração.
Então eu encontrei:

•57% oram menos de 20 minutos por dia.


• 34% oram entre 20 minutos e 1 hora por dia.
• 9% oram 1 hora ou mais por dia.
• A média era 22 minutos por dia.

Eu não encontrei nenhuma variação significante por causa da


idade, ainda que os pastores acima de 60 anos parecem orar menos
do que os outros. Também não encontrei nenhuma variação regional.
Na verdade, notei algo que pode ser uma significante variação
teológica nos relatórios de oração dos pastores que se designam
como pentecostais, os quais afirmam orar por períodos mais longos
de tempo do que aqueles que se vêem como evangélicos ou liberais.
Voltarei a isso mais tarde quando discutir a respeito de oração e
crescimento da igreja.
A pesquisa do Leadership, à qual me referi, também constatou
que os pastores oram 22 minutos por dia, de maneira que isso parece
ser consistente. Mas a minha pesquisa também mostrou que 28% —
mais de 1 entre 4 — oram menos de 10 minutos por dia!
A que nós podemos comparar isto? O Gallup Poll constatou que
88% dos americanos oram a Deus. Destes que oram, 51% o fazem
todos os dias. Mas não diz quanto tempo.

ORAÇÃO DOS CLÉRICOS EM OUTRAS NAÇÕES


Eu pessoalmente dirigi pesquisas semelhantes em outras quatro
nações. Eu descobri que:

• Os pastores australianos oram em média 23 minutos por dia


• Os pastores neo-zelandeses oram em média 30 minutos por
dia.
• Os pastores japoneses oram em média 44 minutos por dia.
• Os pastores coreanos oram em média 90 minutos por dia.
/fl Escudo de Oração

Na Coréia, outra pesquisa mostrou que 83% dos pastores


através das linhas denominacionais oram uma hora ou mais por dia.
Um entre cada três pastores oram duas horas ou mais. Um dos meus
amigos íntimos, pastor Sundo Kim, cuja Igreja Metodista Kwang
Lim é tida como a maior igreja metodista do mundo (mais de 50.000
membros em 1990), tem um quarto de oração construído junto com o
seu escritório. Este quarto de oração contém uma almofada no chão
para ajoelhar, uma Bíblia, uma cruz e um quadro ou dois na parede, e
nada mais. Ele me disse que gasta pelo menos uma hora e meia por
dia neste cômodo.
Esta hora e meia é além e acima da hora ou mais que ele passa a
cada dia dirigindo a reunião de oração de antes do alvorecer e o
tempo que ele gasta em grupos de oração ou com cada pessoa
individualmente. Assim como muitos outros pastores coreanos, Kim
também tem um dormitório com banheiro ligado ao seu escritório,
porque ele, normalmente, passa todas as noites de sábado ali, orando
e jejuando pela ministração do domingo. Seus hábitos de oração
estão na média coreana. 1

1 PASTORES ORAM O SUFICIENTE?


Nos anos recentes, tenho despendido um bom tempo ensinando
pastores a respeito de oração. À medida que levanto o assunto, eles
honestamente admitem a mim e entre si que eles sabem que sua vida
de oração não é o que deve ser. Embora alguns tenham hábitos de
oração de primeira classe, e outros estejam satisfeitos com seus 22
minutos diários, a grande maioria não está.
O pastor Mark Littletop observa que ele faz o máximo para
manter uma vida de oração consistente, “na doença e no pecado”.
Sua exasperação é notada quando ele diz: “Você tenta isto com a
televisão ligada. Com a televisão desligada. Em casa. No seu
escritório. Debaixo das árvores no parque. Na cama. Fora da cama.
Você consegue permanecer firme durante toda a semana todos os
dias. Na semana seguinte você não consegue dia nenhum.”3
Os livros e os sermões sobre oração retratam uma lista padrão
de heróis da fé que tiveram extraordinárias vidas de oração. John
Wesley
Segredos da Vida de Oração dos Pastores 77

levantava às quatro horas de cada manhã e gastava duas horas em


oração por dia. Martinho Lutero disse: “Eu tenho tanto para fazer
hoje, que terei de gastar as primeiras três horas em oração, ou o
diabo terá a vitória.” Adoniran Judson disciplinou-se a si mesmo a
recolher se a sós e orar sete vezes por dia. John Welch da Escócia, o
companheiro de John Knox, entregava-se de oito a dez horas por dia
à oração. John Hyde da índia orava tanto que ganhou o apelido de
“Hyde Orador.” Henry Martin, David Brainerd, George Muller,
Robert Murray McCheyne, Hudson Taylor, George Fox e uns
poucos outros compõem esta lista de estrelas.

A oração é a principal maneira pela qual expressamos


o nosso amor a Deus e a principal maneira pela qual
recebemos o amor de Deus por nós.

Todos esses gigantes espirituais realizaram coisas para Deus,


coisas estas que a maioria dos pastores de hoje desejariam fazer
também. Mas se o seu desempenho no ministério depende de manter
aquele tipo de vida de oração, a maioria dos pastores que conheço
simplesmente desistem.
Ninguém diz isto melhor do que Mark Littleton. Lendo sobre
estes superoradorés, ele diz que “eles quase te liquidam”. “Tão santo
quanto David Brainerd era”, Littleton diz: “você fica um pouco
cansado de vê-lo deitado sobre a neve, orando por seis horas, se
levantando molhado. Não por causa da neve, mas por causa do
suor”.
Richard Foster fala por mim assim como por muitos outros
quando ele diz: “Muitos de nós somos desencorajados em vez de
desafiados por tais exemplos.”5 Eu ainda posso me lembrar da leitura
da biografia de Hyde quando eu era um jovem cristão. Fiquei tão
desencorajado quando terminei que pensei ser aquela a última
biografia que leria.
São lamentações suficientes acerca do estado atual das coisas.
Poucos irão negar que os pastores e outros líderes cristãos em geral
precisam de uma vida de oração melhor. A questão agora é o que
fazer acerca disto. Penso que a resposta é dupla: