Você está na página 1de 154

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA “JÚLIO DE MESQUISTA FILHO”

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

DANIELE GALVANI DO NASCIMENTO

A LEI 10.639/03 ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA ESCOLAR: História e


cultura afro-brasileira e africana em uma escola no município de Franca/SP

FRANCA – SP
2018
DANIELE GALVANI DO NASCIMENTO

A LEI 10.639/03 ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA ESCOLAR: História e


cultura afro-brasileira e africana em uma escola no município de Franca/SP

Dissertação apresentada à Faculdade de Ciências Humanas e


Sociais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita
Filho”, como pré-requisito para obtenção do Título de Mestre em
Planejamento e Análise de Políticas Públicas, na linha de
pesquisa Política e Gestão Educacional.
Orientador: Prof. Dr. Jonas Rafael dos Santos

FRANCA – SP
2018
Nascimento, Daniele Galvani do.
A Lei 10.639/03 entre a teoria e a prática escolar : história e
cultura afro-brasileira e africana em uma escola no município de
Franca/SP / Daniele Galvani do Nascimento. –Franca : [s.n.],
2018.
152 f.

Dissertação (Mestrado Profissional – Políticas Públicas).


Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Humanas
e Sociais
Orientador: Jonas Rafael dos Santos

1. Políticas públicas. 2. Multiculturalismo. 3. Educação.


I. Título.
CDD – 370
DANIELE GALVANI DO NASCIMENTO

A LEI 10.639/03 ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA ESCOLAR: História e


cultura afro-brasileira e africana em uma escola no município de Franca/SP

Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de


Políticas Públicas, da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais – Universidade Estadual
Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – Campus de Franca, como pré-requisito para obtenção do
Título de Mestre em Planejamento e Análise de Políticas Públicas. Área de Concentração:
Política e Gestão Educacional.

BANCA EXAMINADORA

Presidente: _________________________________________________________________
Prof. Dr. Jonas Rafael dos Santos – Universidade Estadual Paulista “Júlio de
Mesquita Filho” (UNESP Campus Franca/SP)

1º Examinador: _____________________________________________________________
Prof. Dr. Alexandre Marques Mendes – Universidade Estadual Paulista “Júlio de
Mesquita Filho” (UNESP Campus Franca/SP)

2º Examinador: _____________________________________________________________
Prof. Dr. Dario Horácio Gutierrez Gallardo – Universidade de São Paulo (USP)

Franca, 23 de março de 2018.


Dedico este trabalho à minha família: meus
pais, Luiz e Benedita, e meu irmão, Carlos
Eduardo, pelo apoio incansável e incentivo
constante.
AGRADECIMENTOS

À minha família, pelo suporte nos momentos mais difíceis. Agradeço imensamente por
tudo!
Ao professor e orientador Dr. Jonas Rafael dos Santos, por compartilhar seu
conhecimento e pela confiança no trabalho.
À todos os professores do Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise de
Políticas Públicas, em especial ao Prof. Dr. Agnaldo de Sousa Barbosa, por todo o apoio
oferecido frente às adversidades, pela gentileza e disposição.
À equipe de apoio da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UNESP, em especial
ao Erick, pelo suporte ao longo de todas as etapas do curso.
À todos os participantes da pesquisa, à equipe da escola pesquisada e aos funcionários
da Secretaria da Educação, sem os quais esta pesquisa não seria possível.
Aos membros da banca de qualificação, Dra. Ivani de Lourdes Marchesi de Oliveira e
Dr. Alexandre Marques Mendes, pela leitura crítica e sugestões dadas.
À Francine Rodrigues Ishida, pelos conselhos e ajuda durante todo o processo, e até
mesmo antes dele.
Ao poeta e amigo Carlos de Assumpção, por toda a sabedoria compartilhada.
À Elaine Mani e Marley Morais, pelas trocas, desabafos e carinho. Obrigada por me
presentearem com a presença e amizade durante este percurso!
Aos amigos, pela força e pelos momentos de descontração, que possibilitaram leveza e
acolhimento em meio ao turbilhão desta caminhada.
Ao COMDECON, em especial ao Carlos Eduardo, Tuanny e Mariana, por compartilhar
ideais e pelo aprendizado ao longo dos últimos anos.
Aos Orixás e aos meus ancestrais, que guiam meus passos e me permitem descobrir e
vivenciar essa travessia da vida.
"Eu não estou mais aceitando as coisas que eu não
posso mudar. Eu estou mudando as coisas que não
posso aceitar."
Angela Davis

“Há de existir alguém que lendo o que eu escrevo


dirá... isto é mentira! Mas, as misérias são reais.”
Carolina Maria de Jesus
NASCIMENTO, Daniele Galvani do. A LEI 10.639/03 ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA
ESCOLAR: História e cultura afro-brasileira e africana em uma escola no município de
Franca/SP. 2018. 152f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Planejamento e Análise
de Políticas Públicas) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual
Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca, 2018.

RESUMO

O presente trabalho tem como objetivo realizar uma análise avaliativa de políticas públicas
educacionais, tendo como foco a implementação da Lei Federal nº 10.639/03, que institui a
obrigatoriedade do ensino de história e cultura africana e afro-brasileira nas escolas de ensino
básico, em uma escola da rede municipal de Franca/SP. Utilizando a abordagem qualitativa da
pesquisa em educação e referenciais teóricos dos Estudos Culturais e do Multiculturalismo,
busca, a partir da referida lei, de documentos como as Diretrizes Curriculares Nacionais para a
Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e
Africana, e de levantamento bibliográfico a respeito do tema, averiguar e analisar como a
temática da educação das relações étnico-raciais vem sendo desenvolvida em uma instituição
escolar, no segmento dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, além de verificar o grau de
enraizamento da referida lei nesta escola. Utilizamos para isso, como referenciais, indicadores
propostos por Gomes (2012), no intuito de verificar em que medida a lei é colocada em prática,
fornecendo subsídios para a avaliação da sua implementação na rede municipal de ensino da
cidade, e observando a promoção de um projeto democrático e cidadão na escola, de forma a
possibilitar uma educação multicultural que efetivamente respeite a diversidade racial e busque
despertar nos alunos negros referências positivas para a formação e fortalecimento de sua
autoimagem. Ao final, apresenta um projeto de intervenção que pretende auxiliar professores/as
da rede municipal no desenvolvimento da educação das relações étnico-raciais, colaborando
para a implementação da lei nº 10.639/03.

Palavras-chave: políticas públicas educacionais; lei nº 10.639/03; relações étnico-raciais;


multiculturalismo; Franca/SP.
NASCIMENTO, Daniele Galvani do. THE LAW 10.639/03 BETWEEN THEORY AND
SCHOOL PRACTICE: Afro-Brazilian and African history and culture in a school in the city
of Franca/SP. 2018. 152f. Dissertation (Post-Graduate Program in Planning and Analysis of
Public Policies) – Faculty of Human and Social Sciences, Paulista State University "Júlio de
Mesquita Filho", Franca, 2018.

ABSTRACT

This paper aims to conduct an evaluation analysis of public educational policies, focusing on
the implementation of Federal Law 10.639/03, that establishes the compulsory teaching of the
history of African and Afro-Brazilian culture in elementary schools, in a school in the municipal
education system of Franca/SP. Using the qualitative approach of research in education and
theoretical references of Cultural Studies and Multiculturalism, it seeks, from that law, from
documents such as the National Curricular Guidelines for the Education of Ethnic and Racial
Relations and for the Teaching of the History of African and Afro-Brazilian Culture, and from
a bibliographical survey on the subject, to investigate and analyze how the theme of the
education of ethnic and racial relations has been developed in a school institution, in the
segment of the Initial Years of Elementary Education, as well as verifying the degree of rooting
of the law in this school. In order to do this, we used the indicators proposed by Gomes (2012),
with the purpose of verifying to what extent the law is put into practice, providing subsidies for
the evaluation of its implementation in the municipal education system, observing the
promotion of a democratic and citizen project in school, in order to enable a multicultural
education that effectively respects racial diversity and seeks to awaken in black students
positive references to form and reinforce their self-image. At the end, it presents an intervention
project that intends to support teachers of the municipal system of education in the development
of education of ethnic and racial relations, contributing to the implementation of law nº
10.639/03.

Keywords: public educational policies; Law 10.639/03; ethnic and racial relations;
multiculturalismo; Franca/SP.
LISTA DE FIGURAS

FIGURA 01 Mapa da localização da cidade de Franca ......................................................... 85


FIGURA 02 Região administrativa de Franca ...................................................................... 86
FIGURA 03 Carlos de Assumpção e convidados em roda de conversa com os alunos ....... 101
FIGURA 04 Presença da comunidade: Sarau Primavera .................................................... 101
FIGURA 05 Apresentação artística no Sarau Primavera ..................................................... 101
FIGURA 06 Apresentação artística no Sarau Primavera ..................................................... 102
LISTA DE QUADROS

QUADRO 01 Dimensões e categorias avaliadas ..................................................................... 17


QUADRO 02 Fluxograma explicativo de problema: Desvalorização da história e cultura
africana e afro-brasileira na escola .................................................................... 47
QUADRO 03 Competências do REC (2008) .......................................................................... 78
QUADRO 04 Porcentagem dos habitantes de Franca/SP por cor/raça .................................... 86
QUADRO 05 Quantidade de instituições educacionais em Franca/SP ................................... 90
QUADRO 06 Perfil dos profissionais entrevistados ............................................................... 91
QUADRO 07 Horário de funcionamento da escola ................................................................. 92
QUADRO 08 Porcentagem de alunos de acordo com critério cor/raça (2017) ....................... 92
QUADRO 09 Resultados do Ideb 2015: proporção de alunos no nível adequado / 5º ano ..... 93
QUADRO 10 Metas, ações e estratégias PME (2015-2025): Leis 10.639/03 e 11.645/08 ..... 98
QUADRO 11 Formação inicial e continuada de professores de Educação Básica para o
cumprimento da Lei 10.639/03 ....................................................................... 106
QUADRO 12 Cursos oferecidos em Franca – Parceria UAB/MEC ...................................... 107
QUADRO 13 Quadro-síntese: avaliação do enraizamento da Lei 10.639/03 na escola ......... 116
LISTA DE SIGLAS

AEE Atendimento Educacional Especializado


CADARA Comissão Técnica Nacional de Diversidade para Assuntos Relacionados
à Educação dos Afro-brasileiros
COMDECON Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade
Negra de Franca
EMEB Escola Municipal de Educação Básica
FCP Fundação Cultural Palmares
FNB Frente Negra Brasileira
IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
IDEB Índice de Desenvolvimento da Educação Básica
IGC Instituto Geográfico e Cartográfico
INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira
IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
LDB Lei de Diretrizes e Bases
MEC Ministério da Educação
MinC Ministério da Cultura
MNU Movimento Negro Unificado
MONUF Movimento Negro Francano
ONU Organização das Nações Unidas
PAR Plano de Ações Articuladas
PCN Parâmetros Curriculares Nacionais
PEB Professor de Educação Básica
PME Plano Municipal de Educação
PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios
PNDH Programa Nacional de Direitos Humanos
PPP Projeto Político-Pedagógico
REC Referencial Curricular da Educação Básica das Escolas Públicas
Municipais de Franca
SECADI Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e
Inclusão
SEPPIR Secretaria Especial de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial
TEN Teatro Experimental do Negro
UAB Universidade Aberta do Brasil
UNESCO Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO ................................................................................................................................... 13

CAPÍTULO 1 POLÍTICAS PÚBLICAS, POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE


RACIAL E A LEI 10.639/03: DA AGENDA À IMPLEMENTAÇÃO........................................... 24
1.1 Avaliação de Políticas Públicas e a Lei 10.639/03 .......................................................................... 24
1. 2 Ações Afirmativas e Políticas de Promoção da Igualdade Racial .................................................. 30
1.2.1 O Movimento Negro e a Conquista de Direitos ................................................................... 34
1. 3 A Lei Nº 10.639/03 como política educacional: Regulamentação e Indicadores de Implementação
............................................................................................................................................................... 40

CAPÍTULO 2 ENTRE A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O


MULTICULTURALISMO: FATORES ESSENCIAIS PARA A IMPLEMENTAÇÃO E
ENRAIZAMENTO DA LEI Nº 10.639/03 ........................................................................................ 50
2.1 O Multiculturalismo e as Políticas Públicas Educacionais ............................................................. 51
2. 2 LDBEN/1996 e Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais 55
2. 3 Currículo Multiculturalista e Projeto Político-Pedagógico ............................................................ 61
2. 4 Formação de Professores e Práticas Pedagógicas .......................................................................... 68
2.5 Relações Étnico-Raciais na Escola: Análise do Referencial Curricular da Educação Básica das
Escolas Públicas Municipais de Franca................................................................................................. 75

CAPÍTULO 3 A AVALIAÇÃO DE UMA POLÍTICA PÚBLICA EDUCACIONAL: A LEI


10.639/03 NO MUNICÍPIO DE FRANCA/SP .................................................................................. 85
3.1 Delineamento de Franca/SP: Uma Breve Contextualização do Município e do Movimento Negro
Local...................................................................................................................................................... 85
3.2 Análise da Implementação da Lei 10.639/03 no Contexto Escolar Pesquisado .............................. 90
3.3 Proposta de intervenção ................................................................................................................ 117

CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................................................... 127


REFERÊNCIAS ................................................................................................................................ 130
ANEXOS ...........................................................................................................................................1436
APÊNDICES ...................................................................................................................................13847
13

INTRODUÇÃO

O racismo não é apenas um preconceito. Racismo é a história que desvenda e explicita


as vantagens e privilégios da população branca em detrimento de séculos de exploração e
marginalização de populações não brancas, sobretudo a população negra, que ainda hoje sofre
com a desigualdade nas relações de poder instituídas em nossa sociedade. Apesar de vivermos
em um país plural e que tem suas bases na diversidade cultural, observamos que a desigualdade
ainda é uma marca da nossa sociedade. Diariamente, somos bombardeados com notícias a
respeito de atitudes e violência de cunho racista, e convivemos com uma realidade brutal e
perversa que perpassa não só pela constatação das diferenças, mas culmina em desqualificação
e inferiorização do negro.
A situação social, econômica e política da população negra em nosso país possui raízes
históricas oriundas do período colonial e que se tem caracterizado desde então por princípios
de negação, inferiorização e discriminação, fatores esses que contribuíram e contribuem para o
processo de marginalização da população afrodescendente. Passados mais de dois séculos da
Abolição da Escravatura, o Brasil continua sendo um país de tradição escravocrata e
colonialista, onde o racismo estrutural persiste nas relações sociais e de poder. Vivemos em um
país onde o direito de igualdade e equidade não é assegurado entre brancos e não brancos e
enfrentamos no cotidiano condições desiguais em diversos âmbitos. O racismo estrutural e
velado, enraizado em nosso cotidiano, é produto e resultado da ilusão de igualdade apregoada
por muitos: a crença de que no Brasil não existem distinções de cor ou raça, que “todos somos
iguais” e de que estas questões não são relevantes para definir o papel social e as possibilidades
de cada um. O chamado mito da democracia racial favorece privilégios sociais, políticos e
econômicos, produzindo e reproduzindo processos de exclusão:

No fundo, o referido mito criou uma situação no mínimo paradoxal. Por exemplo, ao
mesmo tempo em que o orgulho nacional não abre mão dessa pluralidade racial tão
decantada, a produção cultural e intelectual brasileira orientava-se integralmente por
valores euro-ocidentais. Ao mesmo tempo em que nossa miscigenação e pluralidade
étnica se transformam em magníficas metáforas e alegorias literárias, negros, índios e
mestiços vivem a mais brutal discriminação em todos os lugares em que vivem, seja
no campo ou nos centros urbanos. Estranho jogo esse em que os diferentes são, a um
só tempo, objeto de exaltação e de exclusão. (GONÇALVES; SILVA, 2000, p. 74)

Entendo, enquanto militante da questão racial, que o combate ao racismo, às opressões


e à negligência sofrida pelo negro em diversos aspectos, torna-se crucial para um projeto de
sociedade mais igualitária. Diante desta questão, acredito que a educação tenha um papel
14

fundamental na desconstrução de preconceitos e estereótipos, ao mesmo tempo em que tem a


força de empoderar aqueles que sofrem com a discriminação: a população afrodescendente. Por
meio dela, é possível valorizar a história e cultura africana e afro-brasileira, visando o debate
sobre questões raciais e a reflexão acerca da diversidade étnico-racial do nosso país,
transformando a sala de aula em um espaço essencial de enfrentamento desta problemática. É
urgente e imprescindível que essa questão seja trabalhada desde a infância, possibilitando assim
a conscientização e a formação de cidadãos que valorizem a diversidade.
A partir de minha experiência como professora no ensino fundamental e ensino médio,
observo em meu cotidiano a reprodução de práticas discriminatórias e a dificuldade de
descontruir preconceitos e concepções arraigadas de intolerância nos alunos. Se não há um
trabalho desde cedo nesse sentido, mais difícil torna-se o rompimento de padrões
preconceituosos já aprendidos. Diante desta constatação, práticas significativas voltadas à
diversidade, desde os primeiros anos da escolaridade, certamente podem contribuir para o
desenvolvimento da criança, mostrando a importância de se respeitar as diferenças e combater
a discriminação. Ao mesmo tempo, para a criança negra, criam-se oportunidades para trabalhar
questões como reconhecimento, identidade, pertencimento e autoestima por meio de referências
positivas.
Isso porque a fase de escolarização é uma etapa fundamental para o desenvolvimento
da criança e terá grande influência na sua vida, construindo conceitos, valores e padrões de
comportamento, em grande parte estimulados pelos/as professores/as. Assim, torna-se evidente
a importância da escola e das concepções e visão dos profissionais envolvidos com essas
crianças para o reforço ou combate aos estigmas e estereótipos negativos atribuídos aos negros.
Logo, uma educação voltada para as diversidades é de extrema necessidade, e deve fazer parte
da reflexão do cotidiano escolar desde o início da escolarização da criança.
Diante de todas essas questões, a Lei 10.639 – publicada há quinze anos – apresenta-se
como um recurso indispensável para a mudança de paradigmas na educação e na sociedade,
uma vez que, por meio dela, busca-se inserir a história e cultura afro-brasileira e africana na
educação básica e, consequentemente, na formação de nível superior, reconhecendo a
importância da herança negra em nossa cultura e valorizando a diversidade de culturas e etnias
que construíram e constroem nosso país. Embora a promulgação da lei tenha acontecido há
mais de uma década, ainda podemos identificar diversos impasses em sua implementação,
dificultando assim uma educação que compreenda e incorpore as diferenças no seu cotidiano,
implicando na manutenção de uma sociedade que tem em sua base relações de poder pautadas
na discriminação e no racismo.
15

Apesar de avançarmos e percebermos a crescente consciência acerca da importância da


reparação e do reconhecimento da população negra, advinda de medidas afirmativas criadas
nos últimos anos, em contrapartida, infelizmente, também vivenciamos um momento de
grandes retrocessos destas conquistas em nosso país, sobretudo no campo educacional. Se
mesmo com a obrigatoriedade do ensino da temática das questões étnico-raciais na escola, esta
ainda está distante de se tornar uma realidade, qual nosso papel frente a esse desafio? Como
fortalecer a luta antirracista e resistir diante de tantas dúvidas e obstáculos, sem esmorecer
perante o que parece, em muitos momentos, intransponível?
Este trabalho é produto destes questionamentos, e busca responder a um anseio tanto
profissional, quanto pessoal: o que cada um de nós podemos fazer para alcançarmos uma
sociedade mais democrática e justa? Como podemos construir uma escola que realmente
respeite e valorize a todos, e que proporcione, de fato, uma educação inclusiva? Esta dissertação
é uma das possibilidades que tive de me debruçar sobre esta problemática e procurar caminhos,
tanto no sentido de percurso e direção, quanto de um processo de evolução e desenvolvimento.
Assim, propomos aqui uma avaliação da implementação da Lei 10.639/03 nos anos
iniciais do Ensino Fundamental de uma escola da rede municipal da cidade de Franca, interior
do estado de São Paulo. Esta investigação tem como objetivo, além de identificar questões
importantes para a efetivação da lei, revelar as maiores dificuldades encontradas no
desenvolvimento do trabalho com a temática da cultura negra e da educação das relações étnico-
raciais, e a partir das constatações levantadas, propor ações de intervenção de forma a auxiliar
professores da rede municipal na inserção das africanidades no contexto da sala de aula.
Trata-se, portanto, da análise de uma política pública educacional, inserida nas políticas
de ação afirmativa, que visam a reparação e a redução das desigualdades, e situa-se como uma
investigação de natureza qualitativa em educação. De acordo com Bogdan e Biklen (1982), a
pesquisa qualitativa tem ambiente natural como fonte direta de dados e o pesquisador como seu
principal instrumento; os dados gerados são predominantemente descritivos; a preocupação
com o processo do estudo é muito maior do que com o produto; é considerado o significado
que as pessoas dão às coisas e à sua vida.
A presente pesquisa realiza uma avaliação do processo de implementação, investigando
as estratégias que a orientam e verificando em que medida os objetivos estão sendo atendidos,
levando assim a um panorama em que seja possível reconhecer não apenas os avanços
conquistados, mas também os impasses colocados. Portanto, trata-se de uma avaliação de
processo, e de acordo com Draibe,
16

as avaliações de processo, de natureza qualitativa, buscam identificar os fatores


facilitadores e os obstáculos que operam ao longo da implementação e que
condicionam, positiva ou negativamente, o cumprimento das metas e objetivos. Tais
fatores podem ser entendidos como condições institucionais e sociais dos resultados.
(2001, p. 30)

Como fundamento teórico, utilizamos uma abordagem que parte da perspectiva dos
Estudos Culturais e do Multiculturalismo, que “insiste que todas as relações sociais são
influenciadas por relações de poder que devem ser entendidas mediante a análise das
interpretações que os sujeitos fazem das suas próprias situações” (BOGDAN; BIKLEN, 1982,
p. 61).
Além disso, temos como referência para o desenvolvimento da pesquisa a metodologia
utilizada por Gomes (2012) para avaliar a implementação e institucionalização da Lei 10.639/03
em diversas escolas do Brasil, tendo criado para tal objetivo alguns indicadores que guiam o
processo de avaliação proposto nesta pesquisa. Sua busca foi por analisar o grau de
enraizamento e sustentabilidade das experiências e das práticas pedagógicas observadas. Para
esse fim, alguns indicativos propostos são aqui também utilizados e embasam a coleta de dados
da pesquisa de campo. Gomes (2012) realizou a pesquisa de forma que ela pudesse responder
às seguintes indagações:

Quais são as práticas pedagógicas na perspectiva da Lei n.º 10.639/03 realizadas pelas
escolas indicadas pelos atores-chave?
Quem as desenvolve? Elas têm continuidade?
Há participação da gestão do sistema e da gestão da escola no desenvolvimento de
tais práticas? Como fica a participação da comunidade nesse processo? Há diálogo
com os movimentos sociais e, principalmente, com o Movimento Negro?
Essas experiências se enraízam nas escolas passando a fazer parte do Projeto Político-
Pedagógico a ponto de alcançar um grau de sustentabilidade? Ou elas oscilam de
acordo com a presença ou não dos sujeitos que as desenvolvem?
Quais são os avanços e os limites da Lei n.º 10.639/03 no interior das escolas públicas?
(GOMES, 2012, p. 11)

Levando em conta as particularidades de cada escola, a avaliação permitiu


compreender o grau de sustentabilidade da Lei 10.639/03, reunindo as informações em quadro-
síntese estruturado em 10 (dez) categorias que foram divididas em 4 (quatro) dimensões. Essas
dimensões também são avaliadas na escola objeto da pesquisa, permitindo verificar o grau de
enraizamento do trabalho com história e cultura africana e afro-brasileira e a produção de um
quadro-síntese como os realizados no relatório publicado por Gomes (2012).
17

Cada dimensão de enraizamento é classificada numa escala de três pontos (intensa,


mediana e fraca) e representada por variações cromáticas, em que, quanto mais forte a cor,
maior é o grau de enraizamento, sendo interpretado de forma positiva. A única exceção
encontra-se nas “principais dificuldades”, em que, quanto mais forte a cor, maior a dificuldade
encontrada. Podemos verificar as escalas de cores e o modelo do quadro-síntese abaixo:

Quadro 1 – Dimensões e categorias avaliadas


18

Fonte: GOMES; JESUS; ALVES, 2012, p. 76-77.

Assim como na metodologia desenvolvida no relatório de Gomes (2012), não se busca


aqui atribuir juízo de valor às práticas identificadas no lócus da pesquisa como boas ou ruins,
por ser considerado perigoso e um risco ao resultado este tipo de classificação. Isso porque

mesmo quando “bem intencionada”, tal classificação não consegue abarcar a


complexidade de fatores presentes na educação brasileira. Trata-se de fatores que
envolvem questões de diversas ordens: contexto histórico, social e político,
diversidade regional, desigualdade socioeconômica, desigualdade racial, de gênero e
geracional, lutas sociais, respostas do Estado, organização dos sistemas de ensino,
questões de ordem curricular, lutas e disputas em torno do campo do currículo, entre
outros. (GOMES; JESUS; ALVES, 2012, p. 73).

Para alcançar os resultados, foi realizada a análise dos documentos Plano Municipal de
Educação (2015-2025), Referencial Curricular da rede municipal de Franca (2008) e Projeto
Político Pedagógico da escola. Além disso, entre os procedimentos da coleta de dados durante
o trabalho de campo, foram feitas entrevistas semiestruturadas com professores, análise dos
diários de classe dos professores, levantamento dos livros paradidáticos disponíveis na
biblioteca e uma roda de conversa com estudantes da escola.
De acordo com Bogdan e Biklen, “alguns estudos qualitativos baseiam-se
exclusivamente num tipo de dados, transcrições de entrevistas, por exemplo, mas a maior parte
usa uma variedade de fontes de dados. [...] é importante salientar que eles raramente se
encontram isolados na pesquisa” (1982, p. 149). Após a coleta de dados, estes devem ser
19

organizados e sistematizados, como a transcrição das entrevistas e de outros materiais colhidos,


de forma a aumentar a compreensão destes materiais.
A partir do levantamento e análise destes dados, buscamos avaliar o grau de
implementação do ensino de história e cultura africana e afro-brasileira e como está o processo
de enraizamento das práticas nesta escola, levando em conta suas particularidades. Segundo
Arretche,

Em princípio, as vontades, os interesses, as lealdades e as concepções ideológicas dos


diversos agentes envolvidos em um programa público dificilmente serão inteiramente
coincidentes. Portanto, quanto mais complexo for um programa, maior será a
variedade de interesses e concepções envolvidos em sua execução e, por
consequência, mais fortes serão as tendências à não-convergência (ARRETCHE,
2001, p. 48).

Dessa forma, a avaliação desta escola específica deve apresentar dados únicos que não
representam a realidade global a nível nacional ou estadual, mas apontam uma determinada
realidade que apresenta particularidades próprias. Logo, as variantes analisadas e as conclusões
apresentadas serão reflexo desta realidade avaliada.
A escolha da escola para a realização da pesquisa é justificada após o percurso realizado
pela pesquisadora ao buscar identificar no município de Franca escolas que realizassem um
trabalho voltado à diversidade étnico-racial e que houvesse abertura, por parte da gestão e dos
professores, para a realização desta. A princípio, a escola em que seria realizada a pesquisa, e
que contava com um projeto em seu Projeto Político-Pedagógico que pretendia desenvolver
ações acerca da diversidade, observou-se que infelizmente elas não eram realizadas de acordo
com o previsto no projeto. Em busca de informações, em conversas com professores e
profissionais da cidade, ficou claro que poucas escolas desenvolvem e dão continuidade nesse
tipo de trabalho, havendo apenas ações pontuais, o que causou grande dificuldade em encontrar
um lócus que se adequasse aos objetivos da pesquisa.
Finalmente, por meio de indicações de alguns professores e do próprio poeta que teve
seu trabalho homenageado em um projeto, chegamos a esta escola, que desenvolve um projeto
intitulado “Primavera, Poemas e Poesias”, que faz parte do Projeto Político-Pedagógico da
escola e já vem sendo realizado há três anos na instituição. A cada ano, é escolhido um(a) poeta
para ser homenageado no Sarau Primavera, realizado no final do ano letivo e que fecha o
trabalho realizado ao longo do ano. Para a realização do projeto no ano de 2016, o poeta
20

escolhido foi Carlos de Assumpção1, reconhecido poeta negro, que trata das questões raciais e
de preconceito em sua obra.
Além deste, também é desenvolvido na escola um outro projeto, chamado Ação Cidadã,
iniciado no ano de 2016 e que teve continuidade no ano de 2017, com tópicos sobre preconceito,
racismo, diversidade cultural e patrimônio cultural. Dentro destes tópicos, são trabalhados
questões de pluralidade cultural e tolerância.
A opção por não especificar e identificar o nome da escola vem de conversas com a
gestão e os professores da referida instituição, em que ficou combinado o anonimato dos
participantes, garantindo o sigilo de suas identidades e, consequentemente, eventuais
contratempos que poderiam surgir a partir da divulgação dos resultados.
Em um primeiro momento, buscamos uma autorização oficial para a realização desta
pesquisa na Secretaria Municipal de Educação, de forma a conseguirmos um documento
assinado pela secretária, no qual está expresso que a pesquisadora possui autorização para a
pesquisa em todos os setores da Secretaria e em todas as Escolas Municipais de Educação
Básica.
O primeiro contato com a escola ocorreu por telefone, em conversa com a pedagoga que
acompanhou a realização do projeto em 2016, uma vez que a escola encontrava-se no momento
sem professor coordenador pedagógico. Em visita a escola, que ocorreu após o contato
telefônico, e em posse do documento de autorização da Secretaria Municipal de Educação, a
diretora, após compreender os objetivos da pesquisa, concordou e permitiu que a investigação
fosse realizada. Em seguida, houve uma reunião com os professores da unidade escolar para
explicar como se daria a pesquisa, momento no qual eles aceitaram participar e colaborar.
Assim, para a investigação da formação dos educadores e a visão e concepção dos/as
professores/as da escola a respeito da lei e das práticas pedagógicas realizadas por eles, a coleta
de dados se deu por meio de entrevista semiestruturada. As entrevistas foram realizadas na
própria escola, de acordo com a disponibilidade de cada participante, durante o mês de fevereiro
de 2017. No total, foram realizadas 8 (oito) entrevistas, sendo 1 (um) professor de cada ano do
Ensino Fundamental I (totalizando 5 professores); 1 (um) professor de educação física; 1 (um)
professor de música e 1 (uma) pedagoga. A amostragem de professores entrevistados foi

1
Carlos de Assumpção nasceu em 23 de maio de 1927, na cidade de Tietê/SP e mudou-se para Franca/SP no ano
de 1969, onde reside atualmente. Faz parte das primeiras gerações de brasileiros afrodescendentes a ter acesso ao
ensino ao superior, sendo formado em Letras e Direito. Membro da Academia Francana de Letras, dirige o Coral
Afro-Francano. É considerado referência na literatura negra do Brasil, conhecido por seu poema Protesto, lido
pela primeira vez na Convenção Paulista do Negro, no de 1956, poema pelo qual recebeu o prêmio do primeiro
lugar no Concurso de Poesia Falada, em Araraquara-SP. Este poema está incluído em diversas antologias
publicadas em inglês, francês e alemão.
21

realizada a partir da disponibilidade dos participantes. Todos os profissionais assinaram o


Termo de Consentimento Livre Esclarecido (TCLE)2, para que a pesquisa fosse submetida ao
parecer do Conselho de Ética da Universidade, pela Plataforma Brasil.
A roda de conversa contou um grupo heterogêneo de 6 alunos, buscando levantar o
conhecimento das crianças acerca da história e cultura africana e afro-brasileira, a partir do
projeto desenvolvido na escola durante o ano de 2016 envolvendo a temática, e o que eles
gostariam de aprender sobre a temática que ainda desconhecem, totalizando 1 (uma) roda de
conversa com 6 (seis) alunos. Os alunos têm entre 10 e 11 anos, todos frequentaram o 5º ano
do Ensino Fundamental na escola no ano de 2016. Foram colhidas as assinaturas do pais e
responsáveis no TCLE e também a assinatura das crianças no Termo de Assentimento do
Menor3. O grupo foi composto por 5 (cinco) meninas e 1 (um) menino, e a roda de conversa
ocorreu na própria escola.
Alguns dados acerca do desenvolvimento do trabalho com a Lei 10.639/03 também
foram coletados por meio de pedido de informação ao Portal da Transparência do município -
Serviço de Informação ao Cidadão (SIC)4. Através deste serviço, estabeleceu-se contato com a
Secretaria da Educação para esclarecer dúvidas que surgiram ao longo da realização da
pesquisa.
Para compreendermos os resultados alcançados, em um primeiro momento, há a
necessidade de entender o que são as políticas públicas em nosso país e em qual contexto elas
estão inseridas. Assim, no primeiro capítulo, buscamos apresentar o modelo do ciclo de
políticas públicas, abordando os estágios do processo de elaboração e implementação de uma
política pública, o embate de ideias e interesses inseridos neste ciclo e os atores envolvidos.
Nesse contexto, traçamos, a partir de uma linha histórica, a implementação de políticas públicas
afirmativas para a igualdade racial, passando pelo processo de implantação da Lei 10.639/03,
sua regulamentação e indicadores de implementação até o presente momento.
Ao longo do capítulo, discutimos questões importantes que perpassam a formulação
destas políticas, como o mito da democracia racial e a teoria do branqueamento. Também são
apontadas a importância do Movimento Negro e a influência de organismos internacionais na
conquista destas ações afirmativas.

2
Documento disponível no anexo I.
3
Documento disponível no anexo II.
4
Este serviço encontra-se disponível no portal da Prefeitura de Franca, no endereço:
http://www.franca.sp.gov.br/portal-transparencia/paginas/publica/pedido_informacao.xhtml.
22

Adentrando nas implicações da implantação da Lei 10.639/03 e dos dispositivos legais


que a regulamentam para o campo educacional, no segundo capítulo procuramos elencar e
articular os fatores imprescindíveis para o sucesso na implementação do ensino de história e
cultura africana e afro-brasileira e para a educação das relações étnico-raciais. Tendo como base
o relatório organizado por Gomes (2012), apresentamos, entre esses fatores, a inserção da
temática nos currículos oficiais e no projeto político-pedagógico das escolas, a formação, tanto
inicial quanto continuada dos professores acerca do tema, e as práticas pedagógicas executadas
em uma perspectiva interdisciplinar. Todos esses fatores encontram-se inseridos e preconizados
nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o
Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (2004). Segundo a autora,

Uma análise da Lei 10.639/03 e seus desdobramentos legais terá que avaliar em que
medida ela contribui para a compreensão da diversidade étnico-racial não só no
âmbito educacional, mas também como uma questão política que se ramifica no
conjunto de padrões de poder, de trabalho, de conhecimento, de classificação e
hierarquização social e racial em nossa sociedade. Em outros termos, uma das
questões a ser analisada é a articulação da Lei 10.639/03 com o conjunto de políticas
de Estado voltadas para a diversidade étnico-racial. (GOMES, 2001, p. 9)

Dessa forma, percorremos conceitos indispensáveis para a investigação aqui realizada,


como raça, etnia, pluralidade cultural, identidade cultural e diferença. Este estudo encontra
fundamento teórico nos Estudos Culturais e em uma perspectiva multiculturalista, uma vez que
“[...] é preciso reconhecer que o multiculturalismo, antes de mais nada, tem contribuído para
produzir novas subjetividades. Ele representa o trabalho dos atores na construção dos
indivíduos e de suas imagens no mundo” (GONÇALVES; SILVA, 2000, p. 28). Esta
perspectiva contribui para a reflexão e aponta caminhos para se pensar em uma educação
verdadeiramente democrática e inclusiva.
A partir deste referencial teórico, apresentamos também uma análise do currículo oficial
utilizado nas escolas públicas da rede municipal de Franca/SP. Esta análise nos permite
compreender e situar melhor nosso lócus de pesquisa, auxiliando na investigação do processo
de implementação da Lei 10.639/03 nesta rede educacional.
No terceiro e último capítulo deste trabalho, apresentamos finalmente a análise dos
dados coletados para a realização da pesquisa. Para isso, realizamos uma contextualização do
município de Franca e suas características, além do papel do movimento negro da cidade na
formulação de políticas locais. Os resultados da pesquisa levam em conta as especificidades da
escola pesquisada, tendo como base a análise de documentos da unidade escolar, as entrevistas
realizadas com professores e com a pedagoga, além da roda de conversa feita com alunos.
23

Conjuntamente, neste capítulo é apresentado um projeto de intervenção como produto


final da dissertação, proposto a partir do levantamento e da análise dos dados coletados na
escola. Este projeto tem como objetivo principal auxiliar os professores da rede municipal na
implementação de ações na perspectiva da Lei 10.639/03.
24

CAPÍTULO 1 POLÍTICAS PÚBLICAS, POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA


IGUALDADE RACIAL E A LEI 10.639/03: DA AGENDA À IMPLEMENTAÇÃO

Para avaliarmos uma política pública educacional é necessário, primeiramente,


compreendermos o que são as políticas públicas e os fatores envolvidos desde sua formulação
até sua implementação. Neste capítulo, serão abordados os diferentes conceitos de políticas
públicas, seu ciclo de implementação e os atores envolvidos neste processo, em um primeiro
momento de forma mais ampla, até chegarmos à Lei 10.639/03, uma política educacional que
faz parte das políticas de promoção da igualdade racial e que tem como objetivo a valorização
da história e cultura africana e afro-brasileira na educação básica. O objetivo é compreender as
demandas da população negra e sua participação na construção de agendas e formulação de
políticas públicas afirmativas, abordando aspectos políticos e socioculturais da questão negra
na sociedade brasileira, tão desigual e pouco democrática no que concerne aos direitos das
chamadas minorias.
A princípio, temos a exposição de conceitos e do modelo do ciclo de políticas públicas,
levando em conta o processo de planejamento, implementação e avaliação, a partir de leituras
de autores como Draibe (2001), Souza (2006, 2007), Frey (2000) e Howlett, Ramesh e Perl
(2013). Logo após, encontra-se uma discussão a respeito das ações afirmativas e das políticas
de promoção da igualdade racial no Brasil, direitos esses conquistados após muita luta e
resistência, tanto de negros ainda escravizados quanto após a organização do movimento negro
no Brasil. O objetivo principal é realizar uma análise do panorama histórico nacional, com
influências de organismos internacionais, para a criação e promulgação destas políticas
afirmativas para a população afrodescendente. Para este fim, utilizaremos obras de Bernardino
(2002; 2004), Jaccoud (2008) e Silva Júnior (2010), que tratam a respeito destas questões. Ao
final do capítulo, está posta a questão da implantação da Lei 10.639/03, os dispositivos legais
para sua regulamentação e o processo de implementação ao longo desses 15 anos desde sua
promulgação, a partir da análise de indicadores existentes, principalmente apoiados em Gomes
(2012).

1.1 Avaliação de Políticas Públicas e a Lei 10.639/03

As políticas públicas podem ser definidas, a grosso modo, como um conjunto de


programas, ações, metas e planos do poder público com o objetivo de promover o bem-estar da
sociedade. Frey (2000) pontua que a área de estudo das políticas públicas surge no mundo
25

acadêmico nos Estados Unidos, na década de 1950, sob o nome de policy science, passando a
dar maior importância para a análise sobre as ações dos governos, e não mais exclusivamente
ao papel desempenhado pelo Estado. Enquanto na Europa esta visão ganha força no início dos
anos 1970, esta ainda é uma área com estudos recentes no Brasil. Conforme Celina Souza
(2007), a constituição e consolidação destes estudos partem do pressuposto analítico de que
“[...] em democracias estáveis, aquilo que o governo faz ou deixa de fazer é passível de ser (a)
formulado cientificamente e (b) analisado por pesquisadores independentes” (p. 66).
Não há uma única definição acerca do que sejam as políticas públicas, uma vez que
diferentes autores possuem concepções que se diferem e se complementam. Souza (2006)
apresenta algumas das concepções mais importantes e clássicas, como a de Lawrence Mead,
que afirma ser um campo de estudo da política, analisado na perspectiva de questões públicas;
Guy Peters define como a soma de ações, diretas ou indiretas, dos governos, influenciando a
vida dos cidadãos; ou Thomas Dye, que compreende essas políticas como o que os governos
escolhem fazer ou não. Contudo, segundo Souza, a definição mais conhecida é a de Harold
Lasswel, cuja análise e decisões são baseadas nas perguntas: quem ganha o quê, por quê e que
diferença faz. Para Lasswell, três características seriam indispensáveis para esta análise:

ela seria multidisciplinar, voltada para a solução de problemas e explicitamente


normativa. Por ”multidisciplinar”, Lasswell queria dizer que a policy science deveria
libertar-se do estudo estreito das instituições e das estruturas políticas e compreender
o trabalho e as conclusões de campos como a Sociologia e a Economia, o Direito e a
Política. Por ”solução de problemas”, ele entendia que a policy science aderiria
estritamente ao princípio da relevância, que se orientava para a resolução de
problemas do mundo real e não se engajava em debates puramente acadêmicos que,
por exemplo, caracterizavam a interpretação de textos políticos clássicos e obscuros.
”Explicitamente normativo” significava para Lasswell que a policy science não
deveria estar disfarçada sob a aparência de ”objetividade científica”, mas deveria
reconhecer a impossibilidade de separar objetivos e meios, ou valores e técnicas, no
estudo das ações governamentais. (HOWLETT; RAMESH, PERL, 2013, p. 22)

Muitos críticos dessas definições, aponta Souza (2007), colocam que elas deixam de
lado a essência das políticas públicas, que é o embate de ideias e interesses, os conflitos
envolvidos, uma vez que elas são formuladas por sujeitos com questões objetivas e subjetivas,
tanto do governo como da influência de outros grupos. Para compreender as políticas públicas,
devemos entende-las como uma disputa de relações de poder entre diferentes grupos,
diferenciando as políticas de Estado das políticas de Governo. Elas devem ser contextualizadas
de acordo com seu momento histórico, pela conjuntura econômica e pelas características da
sociedade.
26

No Brasil, o planejamento de políticas públicas ainda é algo recente. De acordo com


Cardoso Jr. (2011, p. 7), o planejamento governamental e a gestão pública – duas dimensões
fundamentais da atuação dos Estados contemporâneos – desenvolveram-se entre meados do
século XX e início do século XXI: a partir da década de 1930, em um contexto de
desenvolvimento tardio e sob a urgência na transformação das estruturas econômicas e sociais
do país.
Ao longo deste percurso, houve alternância na prioridade: em alguns períodos ocorre a
primazia do planejamento em detrimento da gestão pública, enquanto em outros houve o
inverso. Ainda segundo Cardoso Jr. (2011, p. 12), é necessário que os dois sejam inseparáveis
e caminhem juntos, uma vez que planejamento sem gestão adequada leva ao fracasso e
descontinuidade das ações, e gestão pública sem planejamento envolvido dificilmente
conseguirá efetividade das políticas públicas.
Na perspectiva de Oliveira (2006), ainda hoje o planejamento é visto de uma forma
tecnicista, dominado somente por burocratas e economistas, tendo como foco apenas o plano,
sem levar em consideração o processo de implementação, como se esta ocorresse de forma
automática. Dessa forma, o que observamos na prática é exatamente o inverso do esperado: as
ações e programas têm impactos negativos inesperados ou simplesmente fracassam em sua
implementação, pois ainda persiste a dissociação entre elaboração e implementação de políticas
públicas no processo de planejamento.
Nesse contexto, a análise e avaliação da implementação de políticas públicas torna-se
essencial. Aqui, buscamos realizar uma avaliação em relação à implementação da Lei
10.639/035 até o presente momento, afim de diagnosticar as ações já implantadas, buscando
observar o desenvolvimento e os avanços alcançados, mas também identificar os possíveis
problemas que impedem que ela seja efetivamente concretizada, objetivando uma mudança de
percurso para que a implementação ocorra de forma plena.
Esse processo é chamado por Draibe (2001) de pesquisa de avaliação, que busca
produzir um novo conhecimento por meio da investigação, verificando a eficácia e a eficiência 6
das ações. Ainda de acordo com a autora, as avaliações dividem-se quanto a seu tipo e natureza.
Enquanto as avaliações ex ante são feitas antes do início das ações e programas, geralmente no
processo de preparação e formulação, e procuram orientar em relação a parâmetros e

5
Lei 10.639/03 na íntegra disponível no anexo III.
6
Draibe (2001) define eficácia como a relação entre as características e “qualidades” dos processos e sistemas de
sua implementação, e os resultados a que chega (p. 35); e eficiência como as qualidades de um programa,
examinadas sob os parâmetros técnicos, de tempo e de custos (p. 36).
27

indicadores, as avaliações ex post são realizadas durante o processo de implementação ou após


a realização do programa. Situamos então esta pesquisa como ex post, na medida em que
consiste na avaliação do processo de implementação da Lei 10.639/03 no segmento do ensino
fundamental I, em uma escola municipal situada na cidade de Franca/SP. Assim, por ser uma
avaliação de processo, buscamos acompanhar o desenvolvimento das ações, verificando se os
objetivos da política estão sendo alcançados e em que medida, cumpridos com qualidade.
Seguindo o pensamento de Draibe, este tipo de pesquisa pode ser levantada por diversos
interesses, que vão desde “reduzir custos, usar mais adequadamente os recursos ou, enfim,
prestar contas à sociedade do uso dos recursos” (2001, p. 18), até mesmo objetivos mais
imediatos, como “[...] detectar dificuldades e obstáculos e produzir recomendações, as quais
possibilitem, por exemplo, corrigir os rumos do programa ou disseminar lições e aprendizados”
(2001, p. 18). Portanto, com a presente avaliação, pretendemos identificar os percalços na
implementação do ensino de história e cultura africana e afro-brasileira, tendo como lócus de
pesquisa uma escola municipal, e propor, ao final, correções e sugestões que possam auxiliar o
processo de implementação. Assim, a avaliação tem como objetivo principal conquistar uma
melhoria na qualidade e na efetividade desta política pública.
Uma das abordagens mais importantes da análise de políticas públicas, que nos auxilia
a compreender o processo de elaboração e implementação, é o modelo do ciclo de políticas
públicas. De acordo com Frey,

Ao subdividir o agir público em fases parciais do processo político-administrativo de


resolução de problemas, o ‘policy cycle’ acaba se revelando um modelo heurístico
bastante interessante para a análise da vida de uma política pública. As várias fases
correspondem a uma seqüência de elementos do processo político-administrativo e
podem ser investigadas no que diz respeito às constelações de poder, às redes políticas
e sociais e às práticas político-administrativas que se encontram tipicamente em cada
fase. (FREY, 2000, p. 226)

Este ciclo consiste em um processo formado por estágios, iniciando-se com a definição
da agenda, ou seja, a identificação do problema/demanda colocado em questão, e que chega à
atenção dos governos, seguido pelo desenvolvimento e formulação da política e ações que
deverão ser aplicadas, passando pela tomada de decisões, avaliando as possibilidades e questões
operacionais em busca de uma solução. Após estes estágios, temos então a implementação da
ação/programa, quando ocorre sua aplicação e execução, e a avaliação, por meio de
instrumentos criados para verificar se os objetivos previstos foram alcançados. Este modelo,
além de deixar explícitas as diferentes fases do processo de formulação das políticas, também
deixa claro os papéis desempenhados pelos diferentes atores envolvidos neste processo:
28

[...] a montagem da agenda é um estágio em que virtualmente quaisquer (e todos)


atores políticos poderiam estar envolvidos na deploração de um problema e na
demanda de ação governamental. Esses atores políticos, quer sejam todos eles, a
maioria ou poucos deles, podem ser considerados o universo da política pública. No
estágio seguinte, na formulação, apenas um subconjunto deste universo da política
pública, o subsistema da política, está envolvido na discussão das opções destinadas
a lidar com os problemas reconhecidos como alvos que necessitam da ação
governamental. [...] Quando se toma uma decisão sobre uma ou mais, ou nenhuma,
das opções existentes a serem implementadas, o número de atores é reduzido ainda
mais; ele se restringe a apenas o subconjunto do subsistema político-administrativo
composto pelos tomadores de decisão governamentais oficiais, isto é, os funcionários
eleitos, juízes ou “burocratas’. Tão logo se dê início à implementação, porém, o
número dos atores aumenta de novo a um nível relevante ao subsistema e, em seguida,
finalmente, com a avaliação dos resultados da implementação, ele se expande mais
uma vez, até abarcar todo o universo da política pública. (HOWLETT; RAMESH;
PERL, 2013, p. 15) [grifos dos autores]

Neste trabalho, o modelo do ciclo das políticas públicas será utilizado neste primeiro
capítulo para a análise da formulação e implementação da Lei 10.639/03, abordando a
identificação do problema, sua inserção na agenda e a elaboração da política, embora o foco
principal seja a avaliação de sua implementação, análise que será apresentada nos próximos
capítulos e que faz parte de nosso objetivo central.
No ciclo de formulação e implementação das políticas públicas, para que uma questão
de correção de desigualdades históricas faça parte da agenda, relações de poder entre diferentes
grupos estão em jogo, levando a um embate de ideias e interesses que podem causar conflitos,
uma vez que as políticas públicas são formuladas por sujeitos com questões objetivas e
subjetivas, tanto do governo como da influência de outros grupos.
Diversos atores estão envolvidos na formulação e implementação das políticas públicas,
entre eles grupos de interesse e os movimentos sociais - cada um deles com maior ou menor
influência no processo de formulação destas políticas -, embora os gestores públicos sejam os
principais. O papel dos governos e o espaço destinado a estes estão no centro do debate, uma
vez que existe uma autonomia relativa do Estado que “gera determinadas capacidades, as quais,
por sua vez, criam as condições para a implementação de objetivos de políticas públicas. A
margem dessa autonomia e o desenvolvimento dessas capacidades dependem, obviamente, de
muitos fatores e dos diferentes momentos históricos de cada país” (SOUZA, 2007, p. 71-2). Os
governos têm o poder de tomar decisões oficiais, sancionadas em nome da população e por isso,
sua participação e função são tidas como essenciais. Dessa forma, Howlett, Ramesh e Perl
(2013) definem que as políticas públicas são

um fenômeno complexo que consiste em inúmeras decisões tomadas por muitos


indivíduos e organizações no interior do próprio governo e que essas decisões são
influenciadas por outros atores que operam interna e externamente no Estado.
29

Observa-se que os efeitos das políticas públicas são moldados no cerne das estruturas
nas quais esses atores operam e de acordo com as ideias que eles sustentam; essas
forças também afetaram as políticas e as decisões relacionadas nas interações
anteriores dos processos de policy-making. (HOWLETT; RAMESH; PERL, 2013, p.
12)

No caso da Lei 10.639/03, uma lei federal que necessita da cooperação dos três níveis
(federal, estadual e municipal) para a sua implementação, em um país como o Brasil, com
diversas ideologias, posicionamentos e partidos políticos, cada um com suas convicções, em
que prefeitos e governadores têm autonomia política garantida para a realização de suas ações,
temos um quadro complexo, com diversos atores sociais que influenciam nas particularidades
que podemos encontrar em relação à uma plena efetivação e implementação da lei nos moldes
do desenho original.
Arretche (2001) argumenta que para a realização da avaliação de políticas públicas, de
sua eficácia e eficiência ou ainda a efetividade de programas, devemos “[...] sistematicamente
levar em consideração os objetivos e a estratégia de implementação definidas por seus próprios
formuladores, pois seria inteiramente fora de propósito que o avaliador tomasse em
consideração objetivos e/ou metodologias externos àqueles estabelecidos pelos próprios
programas” (p. 45). Entretanto, afirma ela, é ingenuidade supor que a implementação ocorrerá
exatamente de acordo com o que está previsto no papel, uma vez que há uma distância entre os
objetivos e desenho originais das ações e a forma como ela efetivamente atinge à população
alvo.
Essa distância ocorre porque, após a formulação e implantação de uma ação ou
programa público, o processo de implementação, quase sempre, é realizado por atores
diferentes daqueles que formularam esta determinada ação ou programa. Logo, a
implementação

corresponde a uma outra fase da “vida” de um programa, na qual são desenvolvidas


as atividades pelas quais se pretende que os objetivos, tidos como desejáveis, sejam
alcançados. Embora possa ocorrer coincidência entre a figura dos formuladores e a
figura dos implementadores, é muito raro que isto ocorra. Na prática, qualquer política
pública é de fato feita pelos agentes encarregados da implementação. (ARRETCHE,
2001, p. 47).

Devemos ter em mente, portanto, que o resultado de qualquer programa pressupõe o


envolvimento e a tomada de decisão de diversos agentes, inseridos dentro de estruturas com
prioridades e recursos disponíveis distintos. Logo, a presente avaliação analisará o processo de
implementação, buscando avanços e desafios, a partir de dois tipos de agentes: os encarregados
da formulação da lei (nível federal), e os encarregados da implementação no âmbito municipal,
30

considerando também a influência do movimento negro e de organismos internacionais para a


inserção das demandas da população negra na construção da agenda de políticas públicas
afirmativas.

1. 2 Ações Afirmativas e Políticas de Promoção da Igualdade Racial

A Lei 10.639/03, que torna obrigatório o ensino de história e cultura africana e afro-
brasileira nas salas de aula da educação básica, pretende ser um instrumento de conscientização
e de combate à discriminação e ao racismo, tendo como prioridade valorizar a presença e
ressaltar a importância e contribuição africana na construção de nossa sociedade. Por estar
situada entre ações que visam a superação de desigualdades históricas que atingem a
determinados grupos sociais, trata-se de uma medida afirmativa que faz parte da Política
Nacional de Promoção da Igualdade Racial7, instituída pela SEPPIR8 no ano de 2003, a qual
possui como objetivos reconhecer e afirmar o caráter pluriétnico da sociedade brasileira.
As ações afirmativas, de acordo com Bernardino (2002), podem ser compreendidas
como “[...] políticas públicas que pretendem corrigir desigualdades socioeconômicas
procedentes de discriminação, atual ou histórica, sofrida por algum grupo de pessoas” (p. 257).
Segundo o autor, ações que se enquadram dentro desta classificação têm como objetivo
principal a promoção da equidade de oportunidades para grupos que se encontram em situação
de inferioridade e seu caráter é provisório, ou seja, elas são propostas que se realizam até que a
situação seja revertida.
No Brasil, estas políticas têm se mostrado eficientes, principalmente em relação a
políticas públicas focadas em contribuir para minimização dos efeitos da pobreza, contribuindo
positivamente no combate às desigualdades raciais e na melhoria das condições de vida
população negra. Silva Júnior (2010, p. 16) argumenta que essas medidas que visam à correção
de desigualdades não podem deixar de reconhecer a existência das desigualdades estruturais
entre negros e brancos. O autor também afirma que estas ações devem ser trabalhadas em pelo
menos duas frentes: “[...] medidas endereçadas às condições materiais de vida da população
negra e de valorização da diversidade etnicorracial, a exemplo da inserção positiva de figuras

7
A Política Nacional de Promoção da Igualdade racial tem como principal objetivo a redução das desigualdades
raciais no Brasil, com ênfase na população negra. O documento pode ser conferido na íntegra no endereço
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_igualdade_racial.pdf. Acesso em 04 mai
2017.
8
Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial
31

negras na publicidade, nos veículos de comunicação, no livro didático etc” (SILVA JÚNIOR,
2010, p. 16).
As políticas de promoção da igualdade racial são também conhecidas como medidas
especiais, expressão que designa a equiparação dos direitos e liberdades fundamentais por meio
de leis diferentes para grupos sociais distintos, sempre levando em conta seu caráter temporário.
Esta expressão começou a ser utilizada a partir da redação dos princípios estabelecidos pela
Convenção Internacional sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial9,
adotada pela ONU no ano de 1966, e seus termos tratam do comprometimento da adoção de
políticas de eliminação da discriminação racial. Na visão de Silva Júnior (2010),

Medidas especiais serão todas e quaisquer medidas necessárias para a igualação de


direitos. Já no seu preâmbulo, a referida Convenção prescreve a adoção de medidas
práticas – como políticas de eliminação da discriminação – especiais, concretas,
positivas, imediatas, eficazes e administrativas, além daquelas de natureza legislativa
e judicial; devendo ser sublinhado que o vocábulo medida designa uma providência,
disposição, ação, enfim, indica o ato de fazer alguma coisa. (SILVA JÚNIOR, 2010,
p. 17).

Dessa forma, essas ações não devem se limitar ao sistema de cotas, por exemplo, ao
qual é muitas vezes, erroneamente, reduzido. O conceito de políticas públicas de promoção da
igualdade racial deve ser visto de forma muito mais ampla, englobando medidas que buscam
combater a discriminação de todas as formas. Para Bernardino (2004), o campo de debate da
implementação de medidas afirmativas não se aplica apenas à universidade, pois não leva em
consideração a abrangência destas políticas, que têm por objetivo a “desnaturalização das
desigualdades raciais” (BERNARDINO, 2004, p. 84).
O autor defende que as medidas especiais abarcam diversas políticas, e que as ações
afirmativas e as políticas de combate à pobreza não são incompatíveis, mas que se
complementam e devem ser trabalhadas de forma combinada. De acordo com diversos
indicadores sociais apresentados em seu trabalho, os dados referentes ao acesso ao bem-estar
demonstram que existe uma grande distância entre os grupos raciais no Brasil (BERNARDINO,
2004, p. 87).
Essa estrutura de desigualdades raciais enraizada no Brasil remonta a um processo
histórico que produz e reproduz a diferenciação entre o branco e o não branco, numa relação de
hierarquização em que o branco é tido como superior e, consequentemente, o negro como
inferior. Esse sistema de supremacia racial branca inicia-se no período da escravidão e perdura

9
Anexo IV. Convenção da ONU sobre a Eliminação de todas as Formas de Discriminação Racial (1966).
32

ainda hoje, mesmo que atualmente aconteça muitas vezes de forma velada. Esta organização da
sociedade brasileira é pautada pelo chamado mito da democracia racial10. Este mito apoia-se na
ideia de que as questões raciais não são causas de conflitos e discriminação, e que elas não
influenciam o papel social e as oportunidades de cada cidadão de nosso país.
De acordo com Bernardino (2002, p. 251), o mito da democracia racial é resultado
principalmente de dois acontecimentos: o processo de Abolição, ocorrido em 1888, e a
Proclamação da República, no ano de 1889, que estabeleceram uma ordem minimamente
igualitária, possibilitando assim um discurso de igualdade entre brancos e negros no Brasil.
Também influenciou esta ideia o paralelo estabelecido entre abolicionistas brasileiros e norte-
americanos, que conferiam ao Brasil o status de paraíso da convivência racial por conta do
processo de miscigenação ocorrido e das relações mais humanas e tolerantes, quando
comparado aos Estados Unidos.

O mito da democracia racial apoiava-se, e ainda se apoia, na generalização de casos


de ascensão social do mulato; este, nas palavras de Carl Degler, encontrara uma “saída
de emergência”, o que significa dizer que se desenvolveu um reconhecimento social
do mestiço no Brasil. Todavia, a assimilação e reconhecimento social do mestiço
ocorria à custa da depreciação dos negros. O que está por trás deste mecanismo
brasileiro de ascensão social é a concordância da pessoa negra em negar sua
ancestralidade africana, posto que está socialmente carregada de significado negativo.
Ironicamente, dentro deste contexto da “saída de emergência”, os casos de ascensão
social de pessoas de cor não enriqueciam o grupo social dos negros, uma vez que as
pessoas de cor que ascendiam eram encaradas como “negros de alma branca”
(Fernandes, 1965). (BERNARDINO, 2002, p. 252)

A teoria do branqueamento, aceita por grande parte da população brasileira, também


colaborou para a cristalização deste mito, institucionalizada por uma política nacional que
incentivava a imigração europeia como forma de compensar a “escassez” de mão-de-obra após
a Abolição da Escravatura. A tese do branqueamento ganhou força com a vinda destes
imigrantes e os relacionamentos inter-raciais que começaram a ser bem vistos, propiciando
dessa forma, um processo de miscigenação e o consequente “clareamento” da população. Para
Bernardino (2002, p. 253), o branqueamento era reforçado pela elite brasileira pela ideia de
uma evidente diminuição da população negra, produzindo gradualmente uma população mais
branca.
Esses elementos passaram então a fazer parte da identidade do povo brasileiro. Para
compreendermos a identidade de um país e de seu povo, é necessário entender o que são as

10
Bernardino (2002) afirma que o mito da democracia racial não nasce em 1933 com a publicação de Gilberto
Freyre, a obra Casa Grande & Senzala, mas é através dela que ganha status científico e elaboração acadêmica, ao
abordar de forma otimista o ambiente social da fase colonial brasileira como propício à ascensão social do mulato.
33

identidades culturais. Elas têm como uma das fontes mais importantes as culturas nacionais.
Essas identidades, de acordo com Hall (2015, p. 30), “[...] não são coisas com as quais nós
nascemos, mas são formadas e transformadas no interior da representação. [...] nação não é
apenas uma entidade política, mas algo que produz sentido – um sistema de representação
cultural” [grifo do autor]. Essas culturas nacionais constroem a identidade a partir da produção
de sentidos com os quais o povo se identifica, como histórias contadas, memórias e mitos,
construindo assim uma imagem que conecta seu passado ao presente, chamada por Hall de
“comunidade imaginada”.
Ao pensarmos no Brasil, temos uma imagem criada do que sejam os brasileiros, a partir
de uma narrativa contada e recontada ao longo da história do país. Essa imagem apresenta a
identidade do brasileiro como um povo amistoso, um lugar em que as diferenças sociais e raciais
convivem de forma pacífica, onde não existe racismo nem preconceitos. Essa narrativa do mito
da democracia racial, entretanto, não representa a identidade brasileira em sua totalidade. De
acordo com Hall (2015), “as nações modernas são, todas, híbridos culturais” (p. 36) [grifo do
autor], uma vez que as culturas nacionais não são unificadas, mas enquanto discurso,
apresentam a diferença como identidade de um povo, uma vez que a maioria dos países são
formados por culturas diferentes em que algumas foram silenciadas em detrimento de outras,
de modo a apagar essa diferença cultural, revelando uma estrutura de poder cultural.
Assim, além de manifestações discriminatórias e racistas diretas, por meio de violência
e injúrias, podemos verificar que também ocorrem de forma indireta, o também chamado
racismo institucional. Segundo Jaccoud,

À diferença dos atos de racismo ou de discriminação realizados por indivíduos e


orientados de forma pessoal, o racismo institucional atua no nível das instituições
sociais, dissimulado por meio de procedimentos corriqueiros, e “aparentemente
protegidos pelo Direito” (GOMES, 2000). Dizendo respeito às formas como as
instituições funcionam, seguindo os procedimentos burocráticos e apoiados em
valores sociais legitimados pela sociedade, o racismo institucional contribui para a
naturalização e reprodução da hierarquia racial (GUIMARÃES, 2005), influenciando
o cotidiano das instituições e organizações e promovendo a operação diferenciada de
serviços, benefícios e oportunidades aos distintos grupos raciais. (JACCOUD, 2008,
p. 135-136).

O Estado tem a incumbência de assegurar, então, por meio de políticas públicas, as ações
afirmativas, de modo a promover a igualdade de oportunidades e igualdade de tratamento entre
todos, sem distinção de raça, cor, gênero ou classe social.
34

1.2.1 O Movimento Negro e a Conquista de Direitos

Historicamente, desde a primeira Constituição Brasileira, a Constituição Política do


Império do Brazil11, outorgada em 25 de março de 1824, após a Independência do Brasil, todas
as constituições tiveram entre seus princípios a ideia de isonomia e não diferenciação. Nesta
Constituição de 1824, em seu Título 8º: Das Disposições Geraes, e Garantia dos Direitos Civis,
e Políticos dos Cidadãos Brazileiros, podemos observar este princípio de igualdade:

Art. 179. A inviolabilidade dos Direitos Civis, e Politicos dos Cidadãos Brazileiros,
que tem por base a liberdade, a segurança individual, e a propriedade, é garantida pela
Constituição do Imperio, pela maneira seguinte.

XIII. A Lei será igual para todos, quer proteja, quer castigue, o recompensará em
proporção dos merecimentos de cada um.

XIV. Todo o cidadão pode ser admittido aos Cargos Publicos Civis, Politicos, ou
Militares, sem outra differença, que não seja dos seus talentos, e virtudes.

Mesmo após a Abolição da Escravatura, no ano de 1888, e a Proclamação da República,


em 1889, esses direitos não foram assegurados à população negra em nosso país. Ao invés
disso, ela foi marginalizada em decorrência de todo o processo histórico pelo qual haviam
passado, desde a negação de sua humanidade a partir do racismo de teorias científicas criadas
no século XVIII, até a teoria do branqueamento, favorecendo imigrantes europeus em relação
ao mercado de trabalho. Diante desta situação, segundo Domingues12 (2007), a partir deste
momento, começaram a surgir movimentos de mobilização racial negra, em forma de grêmios,
clubes ou associações, buscando reverter a exclusão e lutar contra o preconceito e as
discriminações raciais. Ainda de acordo com o autor, simultaneamente, surgiu o que se
denomina como imprensa negra, jornais que circulavam no período e eram elaborados e
publicados por negros, e tratavam das condições a quais os negros eram submetidos em diversas
áreas, como saúde, moradia, trabalho e educação.

11
O texto da Constituição Política do Império do Brazil (1824), na íntegra, pode ser acessado no endereço
eletrônico: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao24.htm. Acesso em 28 abr 2017.
12
Neste artigo, Petrônio Domingues (2007) busca realizar uma trajetória do Movimento Negro durante a República
(1889-2000), mostrando as etapas, os atores e as propostas realizadas pelo movimento, em busca de empreender
estratégias de luta a favor da população negra. Para isso, ele divide o movimento negro em três fases. A primeira
se inicia com a Primeira República até a instauração da ditadura do Estado Novo, no ano de 1937, momento em
que ocorre a criação da Frente Negra Brasileira, no ano de 1931. A segunda fase se estende da década de 1940 até
o Golpe Militar de 1964, com a UHC (União dos Homem de Cor) e o TEN (Teatro Experimental do Negro), grupos
que alcançaram maior visibilidade neste período. E a última fase, que começa no início do processo de
redemocratização do país, no final da década de 1970, com a fundação do MNU (Movimento Negro Unificado).
35

A criação da Frente Negra Brasileira (FNB), no ano de 1931, consegue transformar o


Movimento Negro Brasileiro em um movimento de massas, e pelas estimativas de seus
dirigentes, apontado por Domingues (2007), superou o número de 20 mil associados em
diversos estados brasileiros. Considerada a mais importante entidade negra da primeira metade
do século XX, a FNB contava com escola, grupo musical e teatral, time de futebol,
departamento jurídico, serviço médico e odontológico, cursos de formação política, de artes e
ofícios, e também publicava o jornal A Voz da Raça (DOMINGUES, 2007, p. 106).
Outra importante entidade do movimento negro foi o Teatro Experimental do Negro
(TEN), fundado no ano de 1944 no Rio de Janeiro, e que contava com Abdias do Nascimento13
como principal liderança. O objetivo central do Teatro Experimental do Negro era a luta pela
valorização da herança cultural e identidade afro-brasileira, por meio da cultura, arte e
educação. O grupo organizou o Primeiro Congresso do Negro Brasileiro (1950) e a Convenção
Nacional do Negro (1945-46), que propôs o desenvolvimento de políticas públicas afirmativas
em favor da população negra e que considerasse como crime a discriminação racial.
Apesar disso, é apenas a partir da década de 1980 que um conjunto de ações no campo
das políticas públicas, referentes ao combate da desigualdade racial, são de fato implementadas.
Até este momento, esforços da população e de movimentos sociais foram destinados na luta
pelo tratamento igualitário nas relações raciais e por uma verdadeira democracia racial. Durante
o período de redemocratização do Brasil,

O combate à discriminação racial e a denúncia do mito da democracia racial, ao


mesmo tempo em que se busca a afirmação de uma identidade racial negra positivada
[...] são características fundamentais do movimento negro contemporâneo que se
constitui no Brasil na década de 1970. Naquele momento, a opção pela utilização da
ideia de raça como um instrumento para construção de uma identidade negra positiva,
e com o objetivo de combater as desigualdades estruturais que atingiam a população
negra no Brasil, foi uma saída encontrada pelo movimento social negro que se
constituía em meio às propagandas oficiais da “democracia racial” brasileira, levadas
a cabo pelos sucessivos governos durante o regime militar instaurado em 1964.
(PEREIRA, 2010, p. 61)

A noção de identidade na modernidade tardia sofreu mudanças a partir de diversas


rupturas ao longo da história que deslocaram e descentraram a concepção do sujeito iluminista,
centrado e com uma essencialidade fixa. Segundo Hall (2015, p. 11), o sujeito, antes visto como
tendo uma identidade estável, torna-se um sujeito fragmentado. A identidade torna-se “[...]

13
Abdias do Nascimento, considerado um dos maiores ativistas pelos direitos humanos no Brasil, foi também
escritor, artista plástico, teatrólogo, poeta e político. Recebeu prêmios nacionais e internacionais e foi indicado
oficialmente, em 2010, ao Prêmio Nobel da Paz.
36

formada e transformada continuamente em relação às formas pelas quais somos representados


ou interpelados nos sistemas culturais que nos rodeiam” (HALL, 2015, p. 12). Outro fator que
influenciou esta mudança é o processo de “globalização”, que impacta sobre a noção de
identidade cultural.
Uma das rupturas essenciais para a compreensão dessa identidade fragmentada foi o
impacto do feminismo e dos movimentos sociais durante a década de 1960. Cada movimento
passou a recorrer a uma identidade social própria:

[...] o feminismo apelava às mulheres, a política sexual aos gays e lésbicas, as lutas
raciais aos negros, o movimento antibelicista aos pacifistas, e assim por diante. Isto
constitui o nascimento histórico do que veio a ser conhecido como a política de
identidade – uma identidade para cada movimento. (HALL, 2015, p. 27).

Fica evidente, a partir da argumentação de Hall, como esses processos impulsionoaram


o surgimento de movimentos sociais como o movimento negro. Influenciado pelas lutas por
direitos civis nos Estados Unidos, surge na década de 1970 o Movimento Negro Unificado
(MNU), que além de ter como reivindicação o combate contra as formas de racismo, também
propunha a valorização da história e cultura africana e negra, como podemos observar nas
pautas colocadas na Carta de Princípios do movimento:

Nós, membros da população negra brasileira – entendendo como negro todo aquele
que possui na cor da pele, no rosto ou nos cabelos, sinais característicos dessa raça –,
reunidos em Assembléia Nacional, convencidos da existência de discriminação racial,
marginalização racial, [...] mito da democracia racial, resolvemos juntar nossas forças
e lutar pela defesa do povo negro em todos os aspectos [...]; por maiores oportunidades
de emprego; melhor assistência à saúde, à educação, à habitação; pela reavaliação do
papel do negro na história do Brasil; valorização da cultura negra [...]; extinção de
todas as formas de perseguição [...], e considerando enfim que nossa luta de libertação
deve ser somente dirigida por nós, queremos uma nova sociedade onde todos
realmente participem, [...] nos solidarizamos com toda e qualquer luta reivindicativa
dos setores populares da sociedade brasileira [...] e com a luta internacional contra o
racismo. Por uma autêntica democracia racial! Pela libertação do povo negro!
(Movimento Negro Unificado, 1988, p. 19).

No ano de 1987 é criado o Programa Nacional do Centenário da Abolição da


Escravatura, por meio do Decreto Nº 94.326, de 13 de maio, promulgado pelo então presidente
da república, José Sarney, a ser implementado no mesmo ano em que foi outorgada a
Constituição Federal de 1988, conhecida também como “Constituição Cidadã”. Esta
Constituição assegura os direitos individuais e sociais, e garante, no art. 242, §1, que o ensino
de História do Brasil também deve levar em consideração as diversas contribuições das
diferentes etnias e culturas que formaram o povo brasileiro.
37

A Constituição de 1988 ampliou os direitos de todos os brasileiros e incluiu leis anti-


racistas, fortalecendo os direitos humanos e refletindo as reivindicações de diversos grupos
sociais, incluindo do Movimento Negro brasileiro:

A Constituição de 1988 representa um marco para a construção de uma sociedade


inclusiva. As mudanças na Constituição política são reflexos da correlação de forças
entre grupos que disputam o poder, neste, os movimentos sociais - negros e indígenas
em especial- ganham relevância por assumirem a luta contra a opressão recebida em
virtude de suas diferenças étnico-raciais e culturais. (SILVÉRIO, 2005, p. 88).

Neste mesmo ano, no dia 22 de agosto, também foi criada a Fundação Cultural Palmares
(FCP)14, vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), primeira instituição pública que visava a
divulgação e preservação da arte e cultura afro-brasileira.
No dia 20 de novembro de 1995 ocorre a “Marcha Zumbi dos Palmares contra o racismo,
pela cidadania e a vida”, marco importante para a reivindicação do movimento negro. Nesta
ocasião, os organizadores do evento encontraram-se com o então presidente da República,
Fernando Henrique Cardoso, e entregaram-lhe um documento que exigia medidas eficazes de
promoção da igualdade racial: “Fato é que a “Marcha” representou não apenas um momento
promissor de ação unificada do conjunto da militância, como também marcou a eleição da
proposta de políticas de promoção da igualdade como um tema de consenso no discurso da
liderança negra” (SILVA JÚNIOR, 2010 p. 19).
O ano de 1996, no Brasil, foi de grande importância para trazer à tona a visibilidade e o
aprofundamento das questões relativas às ações afirmativas destinadas à população negra, de
acordo com Bernardino (2002). Neste ano, aconteceu o seminário Multiculturalismo e Racismo,
na cidade de Brasília. O discurso de abertura, proferido por Fernando Henrique Cardoso,
afirmou que vivemos em uma país racista. Neste mesmo ano, foi criado o PNDH (Programa
Nacional de Direitos Humanos)15 por meio do decreto n. 1.094, de 13 de maio, que incluía
propostas direcionadas à valorização da população negra, como o combate à discriminação; o
estímulo à presença do negro nas diversas áreas da sociedade: em órgãos públicos, no acesso à
cursos profissionalizantes e à universidade; a presença da história e lutas do povo negro na
construção do nosso país em livros didáticos e a criação de políticas compensatórias que
pudessem promover social e economicamente a população negra, entre outras ações.

14
Informações disponíveis no site http://www.palmares.gov.br/. Acesso em 19 abr 2017.
15
O Programa Nacional de Direitos Humanos (1996), na íntegra, pode ser acessado pelo site:
http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Direitos-Humanos-no-Brasil/i-programa-nacional-de-direitos-
humanos-pndh-1996.html. Acesso em 28 abr 2017.
38

Junto a estas ações do Legislativo, o Executivo também tomou a frente na discussão


política: a senadora Benedita da Silva, em 1995, com o Projeto de Lei nº 14, instituiu a cota
mínima de 10% de negros em instituições de ensino superior, públicas e particulares, federal,
estadual e municipal, como forma de minimizar a injustiça e a exclusão social. O senador
Abdias do Nascimento, ao criar o Projeto de Lei nº 75, de 1997, estabelece medidas de ação
compensatória para a implementação do princípio de isonomia social do negro, por meio da
reserva de 20% das vagas em órgãos da administração pública e em empresas privadas,
destinadas a homens e mulheres negras (BERNARDINO, 2002, p. 258-9).
As demandas específicas da população negra se aprofundaram e continuaram a fazer
parte das reivindicações do Movimento Negro na III Conferência Mundial de Combate ao
Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata, promovida pela ONU e
realizada em Durban, na África do Sul, no período de 31 de agosto a 7 de setembro de 2001.
Neste momento, foram firmados compromissos de combate ao racismo e a discriminação racial,
por meio de um programa de ação que deveria ser cumprido pelas nações unidas juntamente a
outras organizações internacionais. Após a realização desta conferência, a UNESCO cria e
estabelece a Estratégia Integrada de Combate ao Racismo, para os anos de 2002 a 2007, e que
tinha como principais metas16:
• revitalizar os esforços da UNESCO no combate ao racismo, discriminação racial,
xenofobia e intolerância nas áreas de sua competência;
• contribuir para a formulação e implementação de políticas nacionais e planos de ação
de combate ao racismo e discriminação;
• aprofundar o conhecimento sobre o desenvolvimento de formas de discriminação
herdadas do passado, notadamente aquelas ligadas ao período da escravidão e colonização e as
que afetam os povos indígenas e as minorias culturais e religiosas;
• reforçar as atividades de conscientização e fortalecer as redes de solidariedade pela
formação de novas parcerias e remobilização de antigos parceiros, incluindo organizações da
sociedade civil, universidades, centros de pesquisa, estabelecimentos de ensino e capacitação e
organizações da sociedade civil;
• reforçar as capacidades institucionais dos diferentes atores envolvidos para promover
a pesquisa, educação e comunicação no combate ao racismo e outras formas de discriminação;
• ampliar a reflexão sobre o fenômeno da xenofobia; e

16
Estas metas foram retiradas do documento A UNESCO no Brasil: consolidando compromissos (2004),
disponível no endereço: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001374/137491POR.pdf. Acesso em 20 abr 2017.
39

• coletar, comparar e disseminar boas práticas no combate ao racismo, e à discriminação,


incluindo a discriminação contra portadores de HIV/Aids, xenofobia e intolerância.
No Brasil, no ano 2003, em seu discurso de posse, o presidente Luís Inácio Lula da Silva
anuncia a criação da SEPPIR – Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade
Racial –, demonstrando compromisso com a valorização da diversidade étnica e racial e o
fortalecimento de um projeto de ações afirmativas, sendo instituída oficialmente no dia 23 de
maio. Neste mesmo ano é promulgada a Lei 10.639, no dia 09 de janeiro, alterando a LDB –
Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional –, e que tem como principal objetivo introduzir
a temática da história e cultura afro-brasileira nas escolas públicas e privadas. Para a articulação
desta ação, entre outras, foi criada a SECAD (Secretaria de Educação Continuada,
Alfabetização e Diversidade), vinculada ao MEC – Ministério da Educação. Sua função era a
de contribuir para uma educação que levasse em conta as diversidades de grupos específicos
que são alvo de discriminação, por meio de ações afirmativas na área da educação.
Por meio da SEPPIR, diversas ações foram propostas e desenvolvidas ao longo dos anos,
buscando atender às demandas da população negra e também quilombola. Entre suas principais
ações, podemos destacar a criação do Estatuto da Igualdade Racial, sancionada no ano de 2010,
com vistas a garantir os direitos de igualdade de oportunidades e o combate às diversas formas
de discriminação e racismo. Este estatuto é um importante dispositivo que garante o
cumprimento e continuidade das políticas afirmativas de promoção da igualdade racial.
Neste momento, estamos na Década Internacional do Afrodescendente17, declarada pela
Assembleia Geral da ONU, que vai do ano 2015 até 2024. Com o tema “Povos
Afrodescendentes: reconhecimento, justiça e desenvolvimento”, os principais objetivos são a
promoção do respeito, proteção e cumprimento do que está assegurado na Declaração
Universal dos Direitos Humanos, a valorização e reconhecimento do patrimônio, cultura e
contribuição dos afrodescendentes, e o reforço e implementação dos compromissos realizados
na Declaração e Programa de Ação de Durban (2001) e da Convenção Internacional sobre a
Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial (1966).
Apesar dos avanços, mesmo que limitados, das políticas de promoção da igualdade
racial nas últimas décadas, o Brasil vem sofrendo um retrocesso nesta área. Com a reeleição da
presidente da República Dilma Rousseff, no ano de 2015, a SEPPIR foi incorporada ao
Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos, deixando assim de lado
seu caráter exclusivo no desenvolvimento do trabalho direcionado à população negra e suas

17
As informações foram retiradas do site www.decada-afro-onu.org. Acesso em 19 abr 2017.
40

demandas, mas ainda voltado para a promoção de ações afirmativas. Com a saída de Dilma
Rousseff do poder, seu vice, Michel Temer, assume a presidência no ano de 2016 e, por meio
de uma medida provisória, extingue este ministério. A SEPPIR é então absorvida por um novo
ministério criado durante o governo Temer, o Ministério da Justiça e da Cidadania, que
contempla, além das atribuições do extinto Ministério da Justiça, as secretarias que
estruturavam o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos,
demonstrando mais um retrocesso em relação às políticas públicas afirmativas.

1. 3 A Lei Nº 10.639/03 como política educacional: Regulamentação e Indicadores


de Implementação

No ano de 2003, o então Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva sancionou a
Lei Federal nº 10.639/03, que altera os dispositivos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional (Lei nº 9.394/96), que passa a contar com os seguintes artigos:

Art. 26-A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e


particulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira.

§ 1o O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo


da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra
brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do
povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil.

§ 2o Os conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira serão ministrados no


âmbito de todo o currículo escolar, em especial nas áreas de Educação Artística e de
Literatura e História Brasileiras.

Art. 79-B. O calendário escolar incluirá o dia 20 de novembro como ‘Dia Nacional da
Consciência Negra’.

A lei, um dos primeiros atos oficiais do governo Lula, era um projeto de autoria da
deputada Esther Grossi e do deputado Ben-Hur Ferreira, pertencentes ao Partido dos
Trabalhadores, apresentado na Câmara dos Deputados no ano de 1999. Aprovado apenas em
2002, foram necessários quatro anos até a sua implantação. A rápida ação de Lula deve-se à
dois acontecimentos, de acordo com Dias (2004):

o primeiro é que então candidato havia assumido compromissos públicos de apoio à


luta da população negra; e o segundo é que, anunciadas as pastas, não havia
inicialmente nenhuma que tratasse especificamente desta população – uma Secretaria
sobre o assunto foi criada apenas meses mais tarde. (DIAS, 2004, p. 59)
41

A promulgação desta lei mostra então o resultado da luta e dos esforços dos atores do
movimento negro, em resposta às reivindicações deste movimento. É um marco legal das
políticas antirracistas e importante instrumento para tornar a escola um lugar que possibilite um
amplo trabalho de conscientização e construção de novos sentidos.
O processo de normatização decorrente da aprovação da lei tem continuidade no ano
seguinte, com as Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-
Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (BRASIL, 2004),
aprovada por meio do Parecer do CNE/CP 03/200418, e da Resolução CNE/CP 01/200419, que
regulamenta os direitos e obrigações dos entes federados, frente aos dispositivos legais que
garantem uma educação que promova a diversidade cultural, de modo a efetivar a educação das
relações étnico-raciais.
No ano seguinte, em dezembro de 2005, é instituído por meio da Portaria nº 4.54220 a
Comissão Técnica Nacional de Diversidade para Assuntos Relacionados à Educação dos Afro-
brasileiros – CADARA – voltada para o acompanhamento da efetivação da Lei 10.639/03.
Entre seus principais objetivos estão a elaboração, acompanhamento, análise e avaliação de
políticas educacionais, visando a valorização e o respeito à diversidade étnico-racial, bem como
a promoção de igualdade étnico-racial no âmbito do Ministério da Educação - MEC.
Quando refletimos acerca do combate às desigualdades na sociedade brasileira, a
educação sempre teve seu lugar garantido como um dos pilares mais importantes. Dessa forma,
constituiu-se como grande avanço rumo às mudanças almejadas pelo Movimento Negro no
Brasil, movimentos sociais e população comprometida com a luta antirracista, em busca de uma
educação livre de preconceitos e discriminação racial, e que democratize o ensino ao considerar
a diversidade étnico-racial na construção da cultura e história de nosso país. Por meio destes
dispositivos, é possível valorizar a história e cultura africana e afro-brasileira, visando a
reflexão acerca da pluralidade étnico-racial do nosso país, transformando a sala de aula em um
espaço essencial de enfrentamento e esclarecimento da problemática da questão racial.
Uma das formas mais atuais e relevantes nas discussões para se realizar a avaliação de
uma política pública e verificar em que medida ocorre a sua implementação, os avanços ou
retrocessos, é por meio de indicadores sociais. A utilização deste recurso e seu desenvolvimento
é recente, e adquire caráter científico na metade da década de 1960, conforme afirma Januzzi

18
O Parecer CNE/CP 03/2004 encontra-se disponível para consulta no Portal do MEC, no endereço
http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/003.pdf. Acesso em 04 mai 2017.
19
Resolução disponível no anexo V.
20
Portaria de instituição da CADARA disponível no anexo VI.
42

(2009, p. 13), tendo como objetivo acompanhar as transformações sociais e mesurar os impactos
das políticas públicas na sociedade. Segundo o autor, o indicador social pode ser definido como

[...] uma medida em geral quantitativa dotada de significado social substantivo, usado
para substituir, quantificar ou operacionalizar um conceito social abstrato, de interesse
teórico (para a pesquisa acadêmica) ou programático (para a formulação de políticas).
É um recurso metodológico, empiricamente referido, que informa algo sobre um
aspecto da realidade social ou sobre mudanças que estão se processando na mesma
(JANNUZZI, 2009, p. 15).

O indicador é um instrumento que auxilia tanto na formulação de políticas,


possibilitando uma análise da realidade social, quanto na avaliação, subsidiando possíveis
reformulações necessárias no processo de implementação. Para Januzzi (2009, p. 16), os
indicadores permitem mapear tanto a totalidade da população quanto realidades de grupos
específicos, e são expressos por meio de taxas, proporções, médias, índices, distribuição por
classes e também por cifras absolutas.
Entre as diversas classificações dos indicadores sociais, uma é de especial interesse para
este estudo e que estará presente na análise e na avaliação realizada aqui: a divisão entre
indicadores quantitativos e indicadores qualitativos. Januzzi (2009, p. 20) afirma que, enquanto
os quantitativos, conhecidos também por objetivos, apontam ocorrências concretas verificadas
na realidade social, os qualitativos, ou subjetivos, são medidos de acordo com a avaliação de
especialistas, observando diferentes aspectos da realidade, a partir de pesquisas de opinião
pública ou grupos de discussão. Dessa forma, “[...] indicadores objetivos e indicadores
subjetivos referidos a uma mesma dimensão social podem não apontar as mesmas tendências”
(JANUZZI, 2009, p. 21).
Segundo dados do IBGE (2014), no Brasil, mais da metade da população se
autodeclarou como preta ou parda (53,6% das pessoas). Embora o país seja então considerado
de maioria da raça negra (pretos e pardos), o preconceito e racismo em relação à cor e à cultura
negra ainda são visíveis no cotidiano em todas as áreas.
Indicadores educacionais apontam a desigualdade de raça e gênero na educação
brasileira e como elas ainda persistem, apesar de alguns avanços. De acordo com a análise feita
e divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA, 2015), sobre o resultado do
PNAD – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - 2014, embora os dados apontem
avanços no processo de mudança social e redução da desigualdade de renda no Brasil nos anos
entre 2004-2014 e que as desigualdades regionais, sociais e raciais tenham diminuído, a
disparidade persiste. Especificamente em relação à população negra, no campo da educação,
mesmo que as diferenças nas taxas de analfabetismo tenham sido reduzidas entre brancos e
43

negros, ainda há desequilíbrio: enquanto a média nacional é de 10 anos de estudo para a


população entre 18 e 29 anos, a média dos homens negros é de 9 anos.
O acesso à educação de qualidade ainda é desigual, não proporcionando condições de
igualdade e equidade no acesso e permanência, quando comparados negros e brancos. Dessa
forma, a valorização da cultura e história africana e afro-brasileira por meio da Lei nº 10.639/03
é uma das formas de reparar o retrocesso histórico, buscando o respeito e a tolerância à
diversidade racial e cultural de nosso país, e o enfrentamento de práticas racistas que ainda estão
enraizadas em nossa sociedade, causando tanta desigualdade.
Em 2009, em busca de concretizar os dispositivos legais dessa política educacional
inserida na luta pela superação do racismo na sociedade brasileira, foi aprovado o Plano
Nacional das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais
e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (BRASIL, 2009). Com o
objetivo de fortalecer e institucionalizar as orientações legais já promulgadas, este plano tem o
intuito de orientar e balizar os sistemas de ensino e as instituições correlatas, não só da Lei
10.639/03, mas também de sua posterior alteração para a Lei 11.645/08, que trata das mesmas
orientações, mas acrescenta também a temática indígena.
Embora a Lei 10.639/03 tenha sido implantada há 15 anos, ainda estamos distantes de
conferir sua efetiva implementação e efeitos positivos nas relações sociais, uma vez que a
sociedade continua reproduzindo um discurso racista e preconceituoso. Podemos verificar
muitos avanços ocorridos, como maior número de materiais didáticos que trabalham essa
questão, mais livros e mais professores engajados no trabalho com a educação das relações
étnico-raciais, mas também coexistem diversos entraves e percalços que impedem a
concretização desta política educacional.
Em 2012, foi publicado um relatório após uma extensa pesquisa ao longo do ano de
2009, realizada pela UFMG e apoiada e financiada pelo Ministério da Educação/Secretaria de
Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI) e pela representação
da UNESCO no Brasil. Os resultados, organizados em livro por Gomes (2012), buscaram
identificar, mapear e analisar práticas pedagógicas em 36 escolas de todas as regiões do Brasil,
na perspectiva da Lei 10.639/03. Este relatório busca indicar níveis de compreensão e graus de
enraizamento da temática africana e afro-brasileira nas instituições escolares e os resultados
mostram um panorama da implementação da Lei em âmbito nacional, através de indicadores.
O indicador utilizado foi construído a partir de quatro variáveis, inspiradas no texto das
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o
44

Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira (BRASIL, 2004). Enquanto a primeira variável


era considerada eliminatória, as outras três eram hierarquizantes:

Variável 1: Iniciativa e continuidade: tempo de trabalho na escola com a Lei n.º


10639/03 e com as Diretrizes.
Variável 2: Trabalho solitário ou coletivizado? (número de professores(as)
envolvidos(as)).
Variável 3: Para além das etapas da educação básica: envolvimento das modalidades
oferecidas pela escola.
Variável 4: Sustentabilidade das práticas: incorporação das Diretrizes no PPP da
escola. (GOMES, 2012, p. 41)

Entre avanços, desafios e limites, os indicadores apontam, de uma maneira geral, para a
seguinte avaliação da implementação da Lei:

• Quanto maior é o envolvimento dos profissionais da escola, juntamente com o apoio e


suporte da gestão e/ou coordenação, maior e mais intenso é o grau de enraizamento das
práticas pedagógicas.
• Escolas em que a direção/gestão e coordenação apresentam uma visão mais
conservadora e autoritária enfrentam maior dificuldade e comprometem o
desenvolvimento de ações e práticas democráticas. Resistência verificada em alguns
educadores.
• As práticas inovadoras são em sua maioria realizadas por meio de ações conjuntas e
projetos interdisciplinares. As práticas individualizadas, muitas vezes não são
sustentáveis pois restringem-se apenas aos diretamente envolvidos, impossibilitando a
disseminação e continuidade.
• A obrigatoriedade da lei nº 10.639/03 conduz os professores a buscar e aprofundar seus
conhecimentos a respeito da temática da história e cultura africana e afro-brasileira, e
mobilizando a busca por novas formas e ações para desenvolver o trabalho em sala de
aula, provocando mudanças positivas nas práticas.
• A importância da construção de currículos que contemplem a diversidade das formas
multiculturais e da presença da temática e de projetos pedagógicos inclusos no Projeto
Político-Pedagógico das escolas.

Os resultados permitem verificar sucessos, fracassos e entraves na implementação e


enraizamento da lei nas escolas. No que se refere ao desenvolvimento das práticas pedagógicas
e ao grau de conhecimento da lei por parte dos educadores, é mostrado que o “grau de
45

ignorância em relação à temática racial está relacionado não apenas às lacunas da formação
inicial e continuada dos docentes – embora este fator pese consideravelmente – mas,
principalmente, à postura pessoal e à política dos profissionais das escolas” (GOMES, 2012, p.
344). A autora ainda constata que quanto maior é o envolvimento dos profissionais da escola,
juntamente com o apoio e suporte da gestão e/ou coordenação, maior e mais intenso é o grau
de enraizamento das práticas pedagógicas. Escolas em que a direção/gestão e coordenação
apresentam uma visão mais conservadora e autoritária enfrentam maior dificuldade e
comprometem o desenvolvimento de ações e práticas democráticas, logo, um dos entraves
encontra-se na resistência verificada em alguns educadores. Dessa forma, o trabalho de
sensibilização do profissional da educação quanto aos valores da cultura africana e afro-
brasileira é fundamental para o sucesso da implementação da lei:

Como educadores, devemos saber que apesar da lógica da razão ser importante nos
processos formativos e informativos, ela não modifica por si o imaginário e as
representações coletivas negativas que se tem do negro e do índio na nossa sociedade.
Considerando que esse imaginário e essas representações, em parte situados no
inconsciente coletivo, possuem uma dimensão afetiva e emocional, dimensão onde
brotam e são cultivadas as crenças, os estereótipos e os valores que codificam as
atitudes, é preciso descobrir e inventar técnicas e linguagens capazes de superar os
limites da pura razão e de tocar no imaginário e nas representações. Enfim, capazes
de deixar aflorar os preconceitos escondidos na estrutura profunda do nosso psiquismo
(MUNANGA, 2005, p. 19).

Outro ponto elencado na pesquisa refere-se ao trabalho do professor. As práticas


inovadoras são em sua maioria realizadas por meio de ações conjuntas e projetos
interdisciplinares, indicando uma convergência para a superação de práticas individualizadas,
muitas vezes não sustentáveis pois restringem-se apenas aos diretamente envolvidos,
impossibilitando a disseminação e continuidade. Além disso, a obrigatoriedade da Lei
10.639/03 conduz os professores a buscar e aprofundar seus conhecimentos a respeito da
temática da história e cultura africana e afro-brasileira, e mobilizando a busca por novas formas
e ações para desenvolver o trabalho em sala de aula, provocando mudanças positivas nas
práticas por meio de “[...] trabalhos coletivos e interdisciplinares, ao estudo e à busca de
bibliografia, ao reconhecimento da sua própria ignorância sobre a temática africana e afro-
brasileira e às lacunas sobre essa temática no seu processo de formação inicial nas mais diversas
áreas (GOMES, 2012, p. 345).
Quanto ao enraizamento das práticas, os dados indicam que, além da importância da
construção de currículos que contemplem a diversidade das formas multiculturais, a presença
da temática e de projetos pedagógicos inclusos no PPP (Projeto Político-Pedagógico) das
46

escolas possibilitam o prosseguimento e a sustentabilidade das práticas. Isso ocorre pois,


mesmo que um professor que realiza o trabalho com a temática étnico-racial não esteja mais na
escola, seja dado continuidade no trabalho uma vez que a temática está institucionalizada na
escola.
Em relação à formação de professores/as, a ausência ou a superficialidade dos conteúdos
na formação inicial e falta de tempo e condições para buscar formação continuada que trate da
temática prejudicam tanto o desenvolvimento e inovação de práticas pedagógicas quanto o
enraizamento da lei no chão da escola. De acordo com Gomes (2012, p. 357), embora apenas a
participação dos educadores em cursos de formação não seja capaz de acabar automaticamente
com posturas preconceituosas e racistas, “[...] constata-se a demanda de formação inicial e
continuada de professores(as) na perspectiva da diversidade étnico-racial, entendida como o
principal elemento para uma mudança de práticas e posturas racistas”.
Para melhor compreender os entraves que levam ao descumprimento da lei, o
fluxograma explicativo de problema21 abaixo busca apontar as causas e consequências da
desvalorização do ensino de história e cultura africana e afro-brasileira na educação básica, que,
consequentemente, provocam a falta de implementação da Lei 10.639/03, e que causam
consequências como a manutenção do racismo e da intolerância em relação à cultura negra:

21
O fluxograma explicativo de problema é uma das etapas da metodologia de diagnóstico de problema, utilizada
por Renato Dagnino, e que tem como objetivo identificar e organizar as causas de um determinado problema,
criando um mapa cognitivo de explicações e diagnóstico.
47

Quadro 2 - Fluxograma Explicativo de Problema: Desvalorização da história e cultura


africana e afro-brasileira na escola

Fonte: fluxograma feito por Ana Paula Noemy Dantas Saito Borges, Clarissa de Andrade Fernandes
Martins, Daniele Galvani do Nascimento e Elaine Aparecida Mani, a partir dos dados levantados no
relatório (GOMES, 2012).
48

A partir do problema, a desvalorização da história e cultura africana e afro-brasileira na


escola, em decorrência do descumprimento da Lei 10.639/03, podemos identificar as causas e
as consequências. Entre as causas, podemos dividi-las em três esferas: baixa governabilidade,
média governabilidade e alta governabilidade. Governabilidade, para Dagnino, Cavalcante e
Costa (2016), possibilitada pelas condições do contexto político e socioeconômico, é a
capacidade que um governo possui de articular de forma adequada três variáveis, chamadas de
“Triângulo de Governo”: o projeto de governo; força e apoio político, compreendido como o
conjunto dos objetivos do governo em sincronia com os desejos de uma parcela da população;
e a capacidade do governo (ou governança), relacionada à capacidade de análise do que é
essencial e viável de ser realizado, a partir da experiência da gestão, conhecimento, métodos,
técnicas, habilidades, meios e recursos disponíveis.
Desta forma, entre as causas de baixa governabilidade estão políticas e questões
históricas e sociais, cujos efeitos estão enraizados na sociedade brasileira, e que não permitem
a um governo a criação de medidas a curto prazo que possam erradicá-las. O racismo e suas
causas encontram-se assim na faixa de baixa governabilidade.
Entre as causas de média governabilidade, encontramos questões relativas à visão e
conhecimento de professores a respeito da lei e da história e cultura africana e afro-brasileira,
tanto na formação inicial quanto na continuada, e pela não inserção da temática nos currículos
oficiais, além da inexistência de fiscalização do cumprimento da lei em estabelecimentos de
ensino.
Já questões que envolvem o apoio e supervisão dos sistemas de ensino, como o
desenvolvimento de práticas pedagógicas dentro de um Projeto Político-Pedagógico que
contemplem a lei, são causas de alta governabilidade, ou seja, as ações para que elas se realizem
são de uma complexidade menor.
Como nós estratégicos, devemos levar em consideração três fatores: “(1) se resolvido
ou “desatado”, terá alto impacto no equacionamento do problema; (2) o ator que declara o
problema deve poder atuar sobre ele (possuir governabilidade); (3) seu equacionamento não
deve implicar um desgaste político excessivo para o ator” (DAGNINO, CAVALCANTI,
COSTA, 2016, p. 153). Assim, no fluxograma acima, as causas do problema identificadas como
nós estratégicos são a inexistência ou ineficiência da formação continuada para professores, a
ausência da temática negra nos currículos oficiais e a inexistência de apoio e supervisão dos
sistemas de ensino. Ações que “desatem” esses nós sem dúvida já trariam diversos benefícios
e ajudariam na implementação da lei.
49

Entre as principais causas que dificultam a implementação e o enraizamento da Lei


10.639/03 no chão da escola, temos então fatores como a inserção da história e cultura africana
e afro-brasileira nos currículos oficias, em conformidade com a LDB e as Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais; a falta da temática nos
cursos de formação inicial e continuada dos professores; as práticas pedagógicas apoiadas por
um Projeto Político-Pedagógico que contemplem a lei; e a falta de fiscalização para verificar o
cumprimento dos dispositivos legais. No próximo capítulo, esses fatores serão apresentados e
discutidos, buscando uma reflexão para o desenvolvimento na escola de projetos sobre
diversidade e educação das relações étnico-raciais.
50

CAPÍTULO 2 ENTRE A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O


MULTICULTURALISMO: FATORES ESSENCIAIS PARA A IMPLEMENTAÇÃO E
ENRAIZAMENTO DA LEI Nº 10.639/03

Neste segundo capítulo são apresentados, a partir dos indicadores verificados por
Gomes (2012), os fatores mais importantes que contribuem para a implementação e
enraizamento da Lei 10.639/03 nas escolas. Entre esses fatores, temos o apoio e supervisão dos
sistemas de ensino, a inserção da história e cultura afro-brasileira e africana nos currículos, a
presença da referida lei e da temática nos projetos políticos pedagógicos das escolas, a formação
dos docentes e suas práticas pedagógicas. Para a compreensão da importância destes itens e sua
articulação, para além dos dispositivos legais que embasam o trabalho da educação das relações
étnico-raciais, utilizaremos como aporte teórico autores que tratam da relação entre currículo,
diversidade e práticas pedagógicas, como Mattos (2003), Moreira e Candau (2007), Munanga
(2005), Silva (2011) e Gomes (2001; 2003; 2005; 2012).
Não menos importante é também compreendermos questões de raça, etnia,
diversidade, pluralidade cultural, multiculturalismo e identidade cultural. Para debater acerca
destas temáticas, a discussão realizada por autores como Hall (2003, 2014, 2015), Munanga
(2003, 2004) e Silva (2014), norteiam a pesquisa na reflexão das questões raciais e do racismo.
O combate ao racismo, às opressões e à negligência sofrida pelo negro em diversos
aspectos, torna-se crucial para um projeto de sociedade mais igualitária. Diante desta questão,
a educação tem um papel fundamental na desconstrução de preconceitos e estereótipos, ao
mesmo tempo em que tem a força de empoderar aqueles que sofrem com a discriminação: a
população afrodescendente. Em contrapartida, é também no cotidiano da escola que
verificamos a reprodução de práticas discriminatórias e a dificuldade de descontruir
preconceitos e concepções arraigadas de intolerância nos alunos. Se não há um trabalho desde
cedo nesse sentido, mais difícil torna-se o rompimento de padrões preconceituosos já
aprendidos:

[...] trata-se de construir e divulgar concepções e pressupostos capazes de reorientar a


nossa compreensão do nosso próprio passado – e, se preciso, mudá-lo na forma como
ele se nos mostra -, à luz consciente de um projeto político e civilizacional
contemporâneo, ao mesmo tempo emancipador e anti-racista. (MATTOS, 2003, p.
231).

É possível afirmar que, apesar do engajamento de muitas escolas, educadores e gestores


no trabalho das questões de história e cultura africana e afro-brasileira, o processo de
implementação da Lei 10.639/03 ainda é frágil. Podemos verificar que entre avanços e desafios,
51

faz-se necessário o desenvolvimento de ações que saiam da implantação para a implementação


plena da lei.

2.1 O Multiculturalismo e as Políticas Públicas Educacionais

Para que ocorram mudanças positivas no enfrentamento ao racismo e na efetivação


integral da Lei 10.639/03 e suas Diretrizes (BRASIL, 2004), como já abordado no capítulo
anterior, elas devem ser pensadas como políticas públicas de diversidade, que envolvem
diversos fatores e atores para sua implementação. Importante também é pensar na
sustentabilidade desta política ao longo dos anos, assim, elas devem ser

entendidas como política de diversidade e não simplesmente como medida


educacional restrita à inserção de disciplinas no currículo, exige uma combinação de
dispositivos políticos e ações intersetoriais que ultrapassem as tendências observadas
no campo das políticas educacionais. O próprio tema da Lei n.º 10.639/03 demanda
ações articuladas entre os diversos setores, uma vez que mobiliza aspectos históricos,
políticos, culturais, pedagógicos, de gênero e raça, de desenvolvimento social e
regional, e geracionais e financeiros. É certo que o setor educacional sozinho não dará
conta da complexidade dessa demanda. (GOMES, 2012, p. 340).

Vista ainda enquanto uma política afirmativa para a diversidade, com muitas reservas
por parte da população brasileira que defende políticas universalistas, essas ações inserem-se
num campo de conflitos, e dessa forma

precisam ser compreendidas dentro do complexo campo das relações raciais


brasileiras sobre o qual incidem. Isso significa ir além da adoção de programas e
projetos específicos voltados para a diversidade étnico racial realizados de forma
aleatória e descontínua. Implica a inserção da questão racial nas metas educacionais
do país, no Plano Nacional da Educação, nos planos estaduais e municipais, na gestão
da escola e nas práticas pedagógicas e curriculares de forma mais contundente
(GOMES, 2011, p. 9).

Para se pensar nestas políticas que abarcam a diversidade e a pluralidade cultural


brasileira, o multiculturalismo foi inserido nestas discussões, buscando suscitar reflexões sobre
justiça social, a discriminação e o preconceito tão presentes em nossa sociedade e também na
formulação de políticas públicas. O multiculturalismo, compreendido ora como estratégia
política, ora como campo teórico, tem como objetivo fundamental partir “de uma visão crítica
do próprio conhecimento transmitido pelas instituições organizadoras da cultura”, afirmam
52

Gonçalves e Silva (2000, p. 15), incluindo diversos setores como a escola, as universidades,
museus, entre outros espaços.
O movimento multicultural não tem sua origem no campo educacional, apesar dos
multiculturalistas terem feito da escola e das práticas educativas um lócus privilegiado para sua
atuação, “[...] pois o multiculturalismo tem propiciado encontros fecundos entre as teorias
sociológicas e as pesquisas em educação. Estas aprendem com aquelas como a diversidade
cultural foi se constituindo em problema central das sociedades contemporâneas”
(GONÇALVES; SILVA, 2000, p. 17)
O multiculturalismo traz consigo o caráter ambíguo dos processos culturais pós-
modernos: a “diversidade” cultural fabricada por instrumentos de homogeneização, mas mesmo
assim, trata-se de “movimento legítimo de reivindicações dos grupos culturais dominados no
interior daqueles países para terem suas formas culturais reconhecidas e representadas na
cultura nacional” (SILVA, 2011, p. 85). Entretanto, continua afirmando que, por outro lado,
pode ser visto, para a cultura nacional dominante, como uma solução para os “problemas” que
a presença de grupos étnicos e raciais coloca no interior daqueles países.
Esta corrente teórica não pode ser separada das relações de poder que obrigaram essas
culturas raciais, étnicas e nacionais a viverem no mesmo espaço. Na perspectiva de Gonçalves
e Silva, “o multiculturalismo desde sua origem aparece como princípio ético que tem orientado
a ação de grupos culturalmente dominados, aos quais foi negado o direito de preservarem suas
características culturais” (2000, p. 20). Esta visão corrobora com a ideia de Silva (2011),
colocando o multiculturalismo como um importante instrumento de luta, apesar ou por conta
da ambiguidade, transferindo para o terreno político uma compreensão da diversidade cultural,
antes restrita à Antropologia.
O multiculturalismo divide-se em duas perspectivas: o multiculturalismo liberal ou
humanista, e o multiculturalismo crítico. Na primeira vertente, temos uma perspectiva
antropológica da cultura, que não estabelece hierarquias entre as culturas humanas, onde “[...]
as diversas culturas seriam o resultado das diferentes formas pelas quais os variados grupos
humanos, submetidos a diferentes condições ambientais e históricas, realizam o potencial
criativo que seria uma característica comum de todo ser humano” (SILVA, 2011, p. 86). Assim,
os diferentes grupos culturais tornam-se igualados pela sua humanidade, sendo as diferenças
apenas uma manifestação superficial. Perspectivas mais políticas e críticas questionam essa
visão, uma vez que rejeitam a ideia de humanidade comum como uma característica
transcendental, alheia a sociedade e a história. As diferenças e a própria definição de “humano”
são resultados de relações de poder.
53

Na segunda perspectiva, crítica, temos uma subdivisão entre pós-estruturalista e


materialista. No multiculturalismo pós-estruturalista, a diferença é essencialmente um processo
linguístico e discursivo, não pode ser concebida fora dos processos linguísticos de significação.
Não é natural, é discursivamente produzida. Segundo Silva, a diferença não pode existir de
forma absoluta, o “diferente” é apenas relativamente a alguma outra coisa, considerada como
“não diferente”. Essa outra coisa também não é um referente absoluto, só faz sentido na “relação
da diferença”. Essa visão é criticada pelo excessivo textualismo e ênfase em processos
discursivos de produção da diferença.
Já o multiculturalismo de perspectiva materialista, inspirado no marxismo, “enfatiza os
processos institucionais, econômicos, estruturais que estariam na base da produção dos
processos de discriminação e desigualdade baseados na diferença cultural” (SILVA, 2011, p.
87), como por exemplo, verificar que o racismo não se limita exclusivamente a processo
discursivos, mas também às estruturas institucionais e econômicas em sua base. Assim, apenas
o combate às expressões linguísticas racistas não acabará com o racismo, deve incluir o combate
à discriminação racial no emprego, na educação e na saúde.
Para Candau (2008), o multiculturalismo divide-se em duas abordagens: a descritiva e
a propositiva. Enquanto a primeira concepção busca compreender e descrever o caráter
multicultural das sociedades a partir de contextos históricos, políticos e socioculturais
específicos, a segunda abordagem, propositiva, tem seu enfoque na ação e na atuação dentro da
dinâmica social: “trata-se de um projeto político-cultural, de um modo de se trabalhar as
relações culturais numa determinada sociedade, de conceber políticas públicas na perspectiva
da radicalização da democracia, assim como de construir estratégias pedagógicas nesta
perspectiva” (CANDAU, 2008, p. 20).
Ainda dentro da concepção propositiva do multiculturalismo, a autora o subdivide em
três abordagens. A primeira, o multiculturalismo assimilacionista, assume-se que vivemos em
uma sociedade multicultural e que não há as mesmas oportunidades para todos. Entretanto, o
objetivo é integrar, assimilar os grupos marginalizados e excluídos à cultura hegemônica. A
segunda abordagem, conhecida por multiculturalismo diferencialista ou monoculturalismo
plural, tem sua ênfase no reconhecimento das diferenças e que é necessário garantir espaços
próprios para que possam se expressar.
O multiculturalismo intercultural, ou interativo, é a terceira abordagem, e segundo
Candau (2008), a “mais adequada para a construção de sociedades democráticas, pluralistas e
inclusivas, que articulem políticas de igualdade com políticas de identidade” (2008, p. 22).
Entre suas características, temos a promoção da inter-relação entre grupos culturais diferentes,
54

a concepção de que as culturas estão em processo contínuo de elaboração, construção e


reconstrução, compreende que as culturas não são “puras”, mas híbridas, é consciente dos
mecanismos de poder que perpassam as relações culturais, e não desvincula as questões da
diferença e da desigualdade, compreendendo como uma relação complexa de acordo com cada
contexto (CANDAU, 2008, p. 22-23). Essa perspectiva intercultural proporciona uma educação
que reconheça o “outro”, possibilitando diálogos entre diferentes grupos e culturas:

Uma educação para a negociação cultural, que enfrenta os conflitos provocados pela
assimetria de poder entre os diferentes grupos socioculturais nas nossas sociedades, e
é capaz de favorecer a construção de um projeto comum, pelo qual as diferenças sejam
dialeticamente incluídas (CANDAU, 2008, p. 23)

Para Gonçalves e Silva (2000), o papel das políticas públicas de reverter desigualdades,
principalmente na área da educação, torna-se complexo quando falamos de diversidade e
pluralidade cultural. Isso porque essas políticas são vistas a partir da equidade, e as diferenças,
sejam elas de raça, gênero ou sexualidade, representam um problema em sociedades que se
caracterizam como monoculturais, partindo de uma referência etnocêntrica. O Brasil é um
exemplo disso, uma vez que as políticas públicas antes não faziam essas distinções, utilizando
termos que consideram apenas a questão social, como camadas populares ou classe
trabalhadora.
Dentro desse contexto, seria possível pensar nas políticas públicas levando em conta
questões étnicas da sociedade e exercer a justiça social, a partir das desigualdades que cada
grupo possui? A importância do multiculturalismo estabelece-se aqui, no mesmo ponto em que
encontramos as dificuldades de se levar um projeto destes adiante, pois ele “[...] não interessa
à sociedade como um todo, e sim a certos grupos sociais que, de uma forma ou de outra, são
excluídos dos centros de decisão por questões econômicas e, sobretudo, por questões culturais”
(GONÇALVES; SILVA, 2000, p. 33).
Inserido neste debate, o multiculturalismo no Brasil e na América Latina ganha
contornos específicos diante da nossa realidade histórica e social. As relações interétnicas
construídas com base na escravização do outro guardam ainda hoje a dor e a crueldade com que
sofreram os grupos indígenas e os afrodescendentes. Candau alega que “o debate multicultural
na América Latina nos coloca diante da nossa própria formação histórica, da pergunta sobre
como nos construímos socioculturalmente, o que negamos e silenciamos, o que afirmamos,
valorizamos e integramos na cultura hegemônica” (2008, p. 17).
55

Diante desta realidade, verificamos que a educação no contexto brasileiro necessita ser
analisada de maneira mais profunda, através de diversos fatores que passam, segundo Gomes
(2012), pela articulação entre as difíceis condições materiais dos sujeitos envolvidos e as
dinâmicas presentes na sociedade, sejam culturais, identitárias ou políticas:

É nesse contexto que se encontra a demanda curricular de introdução obrigatória do


ensino de História da África e das culturas afro-brasileiras nas escolas da educação
básica. Ela exige mudança de práticas e descolonização dos currículos da educação
básica e superior em relação à África e aos afro-brasileiros. Mudanças de
representação e de práticas. Exige questionamento dos lugares de poder. Indaga a
relação entre direitos e privilégios arraigada em nossa cultura política e educacional,
em nossas escolas e na própria universidade (GOMES, 2012, p. 99-100).

É nesta perspectiva que a Lei 10.639/03 e suas diretrizes são criadas, no sentido de rever
os privilégios de alguns sujeitos históricos em detrimentos de outros, como forma de afirmar as
identidades dos grupos que foram esquecidos. Dessa forma, busca a equidade de direitos na
educação, mas que se amplia para todos os setores da sociedade, afim de lutar contra as
desigualdades nas relações raciais que são refletidas nas relações de poder estabelecidas.
Diante desta condição complexa, para que a Lei 10.639/03 saia do papel e seja transposta
para a realidade educacional, ações a partir da visão multiculturalista devem ser realizadas.
Além da regulamentação e de mudanças na formação do professor, tanto inicial como
continuada, é necessário um esforço conjunto da sociedade na cobrança de que estas ações
sejam efetivadas, assim como organização dos sistemas de ensino e disposição do educador e
gestores educacionais para a construção de práticas educativas que possibilitem sua efetivação.
Torna-se assim imprescindível a articulação entre a teoria e a prática educacional, relação nada
fácil de ser realizada.

2. 2 LDBEN/1996 e Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das


Relações Étnico-Raciais

A criação da Lei 10.639/2003 reafirma a urgência de ações educativas e altera os


dispositivos da LDBEN - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9.394/96,
determinando o direcionamento dos conteúdos referentes à História e Cultura Afro-Brasileira a
ser ministrado e incorporado às disciplinas já existentes, em especial nas áreas de literatura, arte
e história. Assim, esta lei coloca-se como política educacional de Estado, pautada na equidade
de direitos.
56

Para a sua efetivação, e a partir da necessidade da criação de diretrizes para a orientação


de projetos que valorizem a cultura africana e afro-brasileira, foram criadas as Diretrizes
Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de
História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (BRASIL, 2004). Instituída por meio do Parecer
CNP/CP 3/2004, que teve como relatora a conselheira Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva,
regulamenta a alteração à LDBEN e busca cumprir o que já fora estabelecido pela Constituição
Federal de 1988: os direitos à igualdade tanto das condições vida e de cidadania, quanto das
histórias e culturas que constroem e fazem parte do país.
Este parecer foi construído a partir da consulta a diversos setores da sociedade, entre
grupos do Movimento Negro, militantes, Conselhos Estaduais e Municipais de Educação,
docentes que já trabalhavam com essa questão e pais de alunos. Segundo consta na redação do
próprio parecer, foram enviados em torno de mil questionários, dos quais 250 foram
respondidos. O objetivo central é oferecer respostas para as demandas da população
afrodescendente, no âmbito educacional, e trata “[...] de política curricular, fundada em
dimensões históricas, sociais, antropológicas oriundas da realidade brasileira, e busca combater
o racismo e as discriminações que atingem particularmente os negros” (BRASIL, 2004, p. 10).
Para isso, constitui-se de, como explicitado em seu art. 2,

orientações, princípios e fundamentos para o planejamento, execução e avaliação da


Educação, e têm por meta, promover a educação de cidadãos atuantes e conscientes
no seio da sociedade multicultural e pluriétnica do Brasil, buscando relações étnico-
sociais positivas, rumo à construção de nação democrática. (BRASIL, 2003, p.31)

As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e


para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (2004), de dimensão normativa
e de regulamentação, norteiam a implementação desta ação afirmativa, colocando como
necessária a articulação da administração pública federal junto aos estados, municípios, ONG’s
e iniciativa privada para a sua realização. Endossa a importância do ensino de história e cultura
africana, com o objetivo de oferecer referências e critérios para a construção de ações e projetos
que contemplem a Lei 10.639/03, fornecendo subsídios para sua implementação. E além disso,
estabelece orientações sobre conteúdos a serem trabalhados e de modificações necessárias nos
currículos escolares em todos os níveis de ensino.
O documento das diretrizes a coloca com uma política de reparação, reconhecimento e
valorização de ações afirmativas, enfatizando o dever do Estado de garantir direitos iguais, por
meio da educação, para que haja o pleno desenvolvimento de todos. Procura, dessa forma,
reparar a oferta de educação para negros, garantindo o acesso, a permanência e o sucesso na
57

educação escolar, além do reconhecimento do negro na cultura nacional, por meio de políticas
públicas, mudança de discursos e posturas, e da valorização da população e cultura negra, uma
vez que:

O sucesso das políticas públicas de Estado, institucionais e pedagógicas, visando a


reparações, reconhecimento e valorização da identidade, da cultura e da história dos
negros brasileiros depende necessariamente de condições físicas, materiais,
intelectuais e afetivas favoráveis para o ensino e para aprendizagens; em outras
palavras, todos os alunos negros e não negros, bem como seus professores, precisam
sentir-se valorizados e apoiados. Depende também, de maneira decisiva, da
reeducação das relações entre negros e brancos, o que aqui estamos designando como
relações étnico-raciais. Depende, ainda, de trabalho conjunto, de articulação entre
processos educativos escolares, políticas públicas, movimentos sociais, visto que as
mudanças éticas, culturais, pedagógicas e políticas nas relações étnico-raciais não se
limitam à escola (BRASIL, 2004, p. 13)

Nesse sentido, a educação das relações étnico-raciais compõem um amplo papel de


reeducação das relações entre negros e brancos no processo de democratização da educação e,
consequentemente, da sociedade. É importante destacar que o termo raça22 foi ressignificado
pelo Movimento Negro e é utilizado por vários estudiosos como uma construção social e
histórica, deixando de lado sua conotação biológica cunhada por teorias racistas do século
XIX23. Tem também uma conotação política e de valorização da herança africana.
Já o conceito étnico mostra como as diferenças de cor e traços físicos também ocorrem
por diferenças de visão de mundo e de valores entre a origem africana, indígena, europeia ou
asiática, marcando assim relações desiguais e de tensão, em que raízes europeias são
privilegiadas em detrimento das outras. Na perspectiva de Silva (2011), “em geral, reserva-se
o termo “raça” para identificações baseadas em caracteres físicos como a cor da pele, por
exemplo, e o termo “etnia” para identificações baseadas em características supostamente mais
culturais, tais como religião, modos de vida, língua etc. (2011, p. 100).
As classificações da diversidade humana serviram para, segundo Munanga (2004, p.
18), operacionalizar o pensamento, mas que, infelizmente, acabaram por percorrer o caminho
da hierarquização e do racialismo. No século XVIII, ao ser estabelecidos critérios que tinham

22
O conceito raça, de acordo com Munanga (2004), etimologicamente vem do italiano razza, que veio do latim
ratio, significando sorte, categoria, espécie. Inicialmente usado na zoologia e na botânica, o sueco Carl Von Linné
(1707-1778) o utilizou para classificar espécies animais e vegetais. No latim medieval, este conceito foi utilizado
para designar descendência e linhagem, pessoas com ancestral e características físicas em comum. Em 1684, o
francês François Bernier passou a empregá-lo no sentido moderno, de forma a classificar a diversidade humana
em grupos ou raças.
23
Surgidas na Europa, estas teorias que classificavam e hierarquizavam a espécie humana em raças foram
amplamente aceitas e assimiladas aqui no Brasil, o que ainda hoje reflete nas desigualdades entre negros e brancos.
Posteriormente, surgiram estudos que questionaram a validade científica destas teorias, considerada como uma
“pseudociência”.
58

como base as semelhanças e diferenças, a cor de pele era um critério essencial para distinguir
as raças, no qual a concentração de melanina definia cor de pele, dos olhos e dos cabelos. A
partir deste critério, a humanidade dividiu-se em três raças: branca, negra e amarela.
No século XIX, além do critério de cor, outros critérios como forma do nariz, dos lábios,
do queixo, do crânio, o ângulo facial etc, começaram a ser acrescentados. Já no século XX, com
os avanços científicos e dos estudos da genética, pesquisas concluíram que os marcadores
genéticos de indivíduos pertencentes à mesma raça podem ser mais distantes que os de raças
consideradas diferentes (MUNANGA, 2004, p. 21). Destarte, raça passa a ser vista então como
um conceito que não possui caráter biológico, mas que apenas explica a diversidade humana.
Os indivíduos são diferentes e possuem patrimônios genéticos diferentes, mesmo sendo
semelhantes. O grande problema que surgiu com essa discussão da divisão de raças entre os
seres humanos, na verdade, foi que esta classificação também carregou consigo a
hierarquização destas raças, justificando a inferiorização e subjugação de uma raça diante à
outras:

Infelizmente, desde o início, eles se deram o direito de hierarquizar, isto é, de


estabelecer uma escola de valores entre as chamadas raças. E o fizeram erigindo uma
relação intrínseca entre o biológico (cor da pele, traços morfológicos) e as qualidades
psicológicas, morais, intelectuais e culturais. Assim, os indivíduos da raça “branca”
foram decretados coletivamente superiores aos da raça “negra” e amarela”, em função
de suas características físicas hereditárias, [...] que, segundo pensavam, os tornavam
mais bonitos, mais inteligentes, mais honestos, mais inventivos etc. e,
consequentemente, mais aptos para dirigir e dominar as outras raças, principalmente
a negra, a mais escura de todas, considerada, por isso, como a mais estúpida, mais
emocional, menos honesta, menos inteligente e, portanto, a mais sujeita à escravidão
e a todas as formas de dominação” (MUNANGA, 2004, p. 21-22).

Podemos constatar que esse imaginário das diferenças e hierarquização das raças ainda
persiste no imaginário popular, apesar de hoje ser considerada apenas como uma categoria
social e política, que explicita as relações de poder e de exclusão em nossa sociedade. Também
elucidam um importante componente que está na raiz das desigualdades e discriminação
pautadas nas diferenças entre as raças: o racismo.
Esta concepção carrega elementos das teorias racialistas, que ainda persistem no
imaginário coletivo, baseado na relação entre características físicas, psicológicas e culturais.
Para Munanga (2004), o racismo hoje baseia-se na crença da hierarquização natural das raças,
por meio da

[...] relação intrínseca entre o físico e o moral, o físico e o intelecto, o físico e o


cultural. O racista cria a raça no sentido sociológico, [...] não é exclusivamente um
grupo definido pelos traços físicos. A raça, em sua concepção, é um grupo social com
59

traços culturais, linguísticos, religiosos etc., que ele considera naturalmente inferiores
aos do grupo ao qual ele pertence (MUNANGA, 2004, p. 24).

Todas estas questões e tensões presentes na nossa formação enquanto nação fazem com
que as propostas para uma educação das relações étnico-raciais caminhe a passos lentos, e que
as políticas de ação afirmativa sejam ainda vistas como privilégios, corroborando com a ideia
de que

No Brasil, o mito da democracia racial bloqueou durante muitos anos o debate


nacional sobre as políticas de “ação afirmativa” e, paralelamente, o mito do
sincretismo cultural ou da cultura mestiça (nacional) atrasou também o debate
nacional sobre a implantação do multiculturalismo no sistema educacional brasileiro
(MUNANGA, 2004, p. 28).

Partindo destas premissas, compreendemos a importância das Diretrizes Curriculares


Nacionais para Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura
Afro-brasileira e Africana (2004), ao estabelecer orientações de conteúdo que devem ser
incluídos e as modificações necessárias nos currículos escolares, em todos os níveis e
modalidades de ensino.
Com o intuito de fortalecer e institucionalizar as orientações tanto da Lei 10.639/03
quanto das Diretrizes (2004), foi instituído no ano de 2010 o Plano Nacional de Implementação
das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-raciais e para o
Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana.
Ao trazer uma reflexão acerca dos avanços da educação brasileira, coloca o acesso como
a maior das conquistas das últimas décadas, embora ainda haja muitos desafios relacionados à
qualidade e equidade. A desigualdade ainda persiste na educação básica, principalmente entre
a população afrodescendente, penalizando crianças, adolescentes, jovens e adultos negros em
relação à evasão e ao fracasso escolar, refletindo assim no baixo número de negros que chegam
às universidades:

Uma das mais importantes marcas dessa desigualdade está expressa no aspecto racial.
Estudos realizados no campo das relações raciais e educação explicitam em suas séries
históricas que a população afrodescendente está entre aquelas que mais enfrentam
cotidianamente as diferentes facetas do preconceito, do racismo e da discriminação
que marcam, nem sempre silenciosamente, a sociedade brasileira. O acesso às séries
iniciais do Ensino Fundamental, praticamente universalizado no país, não se
concretiza, para negros e negras, nas séries finais da educação básica (BRASIL, 2010,
p. 13)
60

Este Plano Nacional é validado pelo documento Contribuições para a Implementação


da Lei 10639/2003: Proposta de Plano Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares
Nacionais da Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura
Afro-Brasileira e Africana – Lei 10639/2003, que se originou a partir de seis encontros –
Diálogos Regionais sobre a Implementação da Lei 10.639/03 – promovidos pelo MEC e pela
SECAD. Construído como um documento pedagógico, ele se estrutura a partir de seis Eixos
Estratégicos presentes no documento no qual ele é consubstanciado, sendo eles: 1)
Fortalecimento do marco legal; 2) Política de formação para gestores e profissionais de
educação; 3) Política de material didático e paradidático; 4) Gestão democrática e mecanismos
de participação social; 5) Avaliação e Monitoramento e 6) Condições institucionais.
Neste documento, a partir da avaliação das ações já realizadas e em andamento naquele
momento, explicita-se as concepções de diversidade para o desenvolvimento das políticas
educacionais do MEC, sendo uma delas o binômio inclusão/exclusão, que busca incluir os
excluídos na perspectiva socioeconômica, mas que acaba desconsiderando suas identidades.
Outra abordagem situa-se na ação afirmativa, e a terceira concepção é tratada nas “políticas de
diferença”, que diferente das outras concepções, tem seu foco no reconhecimento dos direitos
iguais que as diversas culturas têm para se expressar, mas que infelizmente, até então, não
tinham recebida a atenção necessária nas ações do MEC (BRASIL, 2008, p. 23).
O documento também afirma que o pertencimento étnico-racial e o sucesso escolar
estão diretamente relacionados, colocando então a importância da diversidade cultural como
parte da educação, contribuindo com valores, posturas e práticas para uma maior valorização e
acolhimento dessa diversidade. Ademais, busca organizar e sistematizar as orientações dos
instrumentos legais, destacando competências e responsabilidades dos sistemas de ensino,
instituições educacionais, níveis e modalidades no cumprimento e na implementação da
educação das relações étnico-raciais.
Aos Sistemas de Ensino Municipais, principal foco da análise neste trabalho, as
principais ações que devem ser desenvolvidas e que serão avaliadas de acordo com a realidade
do município de Franca/SP no próximo capítulo, segundo o plano são:

a) apoio as escolas para a implementação das Leis 10639/2003 e 11645/2008;


b) orientação às equipes gestoras e técnicas das Secretarias de Educação para a implementação
das referidas leis;
c) formação dos quadros funcionais do sistema educação, de forma sistêmica e regular;
61

d) produção e distribuição de materiais didáticos e paradidáticos, atendendo e valorizando as


especificidades regionais/locais e a aprendizagem das relações étnico-raciais;
e) construção participativa de planos municipais de educação que contemplem as diretrizes da
lei nº 10.639/03 e lei nº 11645/08;
f) realização de relatórios anuais sobre as ações de implementação, após consultas junto às
escolas;
g) autoavaliação das escolas e da gestão dos sistemas de ensino com base em indicadores
produzidos pelo INEP;
h) participação nos Fóruns de Educação e Diversidade Étnico-racial.

Apesar dos esforços realizados a nível nacional até então para que de fato sua
implementação aconteça, ainda temos um longo caminho a ser percorrido para o seu pleno
enraizamento nas práticas escolares, tanto na educação básica, quanto na educação superior e
na formação de professores. Isso porque, de acordo com Gomes (2011, p. 116), tanto a Lei
quanto suas diretrizes confrontam-se com a estrutura e o funcionamento da educação brasileira,
em que ainda está arraigado o imaginário racial, como o mito da democracia racial e a
naturalização das desigualdades raciais.

2. 3 Currículo Multiculturalista e Projeto Político-Pedagógico

A incorporação da diversidade étnico-racial nos currículos e nas práticas educativas


permite o desenvolvimento e a construção do sentimento de pertencimento da criança negra e
suscita reflexões e comportamentos positivos e de respeito e tolerância em crianças não-negras.
A escola possui espaço para a conscientização e a valorização da diversidade pela qual nosso
país é formado, evidenciando que a formação da sociedade brasileira é composta por diferentes
etnias e que todas têm uma contribuição importante para a nossa cultura e identidade. Munanga
afirma que

O resgate da memória coletiva e da história da comunidade negra não interessa apenas


aos alunos de ascendência negra. Interessa também aos alunos de outras ascendências
étnicas, principalmente branca, pois ao receber uma educação envenenada pelos
preconceitos, eles também tiveram suas estruturas psíquicas afetadas. Além disso,
essa memória não pertence somente aos negros. Ela pertence a todos, tendo em vista
que a cultura da qual nos alimentamos quotidianamente é fruto de todos os segmentos
étnicos que, apesar das condições desiguais nas quais se desenvolvem, contribuíram
cada um de seu modo na formação da riqueza econômica e social e da identidade
nacional (MUNANGA, 2005, p.16)
62

Mattos (2003) afirma que deve haver um esforço ao pensar nos valores civilizatórios
afro-brasileiros, principalmente para a construção de uma memória social própria ao mesmo
tempo em que avalia de forma crítica a memória social herdada pela supremacia branca,
reproduzida e reiterada nas relações sociais, baseada na inferioridade. Por meio dessa
reconstrução, rever nosso passado a partir de um “[...] projeto político e civilizacional
contemporâneo, ao mesmo tempo emancipador e antirracista” (MATTOS, 2003, p. 231).
Assim, o autor alega a:

importância e necessidade de se considerar, na elaboração dos projetos pedagógicos


e currículos escolares, um conjunto de concepções, orientadoras de práticas sociais
comum ás populações negras brasileiras que, por suas notórias vinculadas a um
passado africano reconstituído no Brasil, convencionou-se nomear valores
civilizatórios afro-brasileiros. Procura-se chamar atenção para a historicidade dessas
concepções, bem como das práticas nelas fundamentais, como forma deliberada de
fazê-las figurarem na esfera das políticas educacionais com efetivas possibilidades de
colaboração com formação escolar, não só respeitadora das diferenças, mas,
verdadeiramente, pluricultural. (MATTOS, 2003, p. 229.)

No ano de 1997 são publicados os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), que


incorporam a pluralidade cultural em seus temas transversais. Eles explicitam a importância da
discussão acerca de cidadania, participação social e política e a valorização do patrimônio
sociocultural brasileiro, a partir da temática Pluralidade Cultural. Entretanto, por tratar-se de
um parâmetro e não de uma lei, não constituiu força necessária para ser implementado como
política educacional.
Sob o mesmo ponto de vista, tanto a Lei 10.639/03 quanto suas diretrizes trazem como
obrigatoriedade a inclusão desta temática nos currículos, que deve ser estabelecida como uma
decisão política, implicando não somente nas práticas da educação básica, como também na
formação de professores.
Na perspectiva de Moreira e Candau (2007, p. 29), o trabalho com a diversidade cultural
é um desafio para a escola, e deve-se questionar de que forma essa pluralidade é apresentada e
articulada nos currículos, se os projetos político-pedagógicos incorporam essa questão das
diferenças e em que medida o que é determinado pela Lei 10.639/03 tem sido atendido. Esses
questionamentos são fundamentais para sensibilizar tanto os docentes quanto os gestores

para a pluralidade de valores e universos culturais, para a necessidade de um maior


intercâmbio cultural no interior de cada sociedade e entre diferentes sociedades, para
a conveniência de resgatar manifestações culturais de determinados grupos cujas
identidades se encontram ameaçadas, para a importância da participação de todos no
esforço por tornar o mundo menos opressivo e injusto, para a urgência de se reduzirem
discriminações e preconceitos (MOREIRA; CANDAU, 2007, p. 30).
63

O currículo escolar, a princípio, pode ser visto com um conjunto de orientações para o
professor, mas sem dúvidas sua importância está para além desta simples função.
Primeiramente, para melhor compreendermos esta questão, torna-se necessário entendermos o
que é o currículo e o que ele pode representar. Dessa forma, Silva (2011) afirma que

Se quisermos recorrer à etimologia da palavra “currículo”, que vem do latim


curriculum, “pista de corrida”, podemos dizer que no curso dessa “corrida” que é o
currículo acabamos por nos tornar o que somos. Nas discussões cotidianas, quando
pensamos em currículo pensamos apenas em conhecimento, esquecendo-nos de que
o conhecimento que constitui o currículo está inextricavelmente, centralmente,
vitalmente, envolvido naquilo que somos, naquilo que nos tornamos: na nossa
identidade, na nossa subjetividade”. (SILVA, 2011. p. 15).

As diversas concepções que o currículo possui variam historicamente e de acordo com


ideologias e visões acerca da educação e do mundo. Elas são resultados de conflitos e embates
que norteiam a história da educação e das políticas públicas educacionais e seu estudo recebe o
nome de teorias do currículo.
As teorias do currículo, afirma Silva, são vistas a partir da noção de discurso, uma vez
que “[...] aquilo que o currículo é depende precisamente da forma como ele é definido pelos
diferentes autores e teorias. Uma definição não nos revela o que é, essencialmente, o currículo:
uma definição nos revela o que uma determinada teoria pensa o que o currículo é” (SILVA, p.
14). Assim, as teorias do currículo não se limitam a descobrir, descrever e explicar o currículo,
nem se restringem a apenas representá-lo, mas a partir de um discurso, produzir uma noção
particular de currículo, criando assim um produto a partir desta suposta descrição.
A questão central para a compreensão de uma teoria do currículo deve buscar responder
e justificar quais conhecimentos devem ser ensinados, ou seja, quais são essenciais para fazer
parte do currículo. As diversas teorias vão se diferenciar a partir da seleção e da importância
dada a estes elementos, afinal, as respostas a estas questões vão implicar no modelo de pessoa
ideal que este currículo pretende formar, já que o currículo tem por objetivo modificar e
transformar as pessoas que o seguem, influenciando na formação e construção da identidade e
subjetividade de cada ser.
A partir destes questionamentos, Silva (2011) divide as teorias do currículo em três
categorias: as teorias tradicionais, as teorias críticas e as pós-críticas, sendo que é nesta última
que se insere a educação das relações étnico-raciais. O estudo do currículo como objeto de
pesquisa se inicia nos Estados Unidos, durante a década de 1920, com a publicação da obra The
Curriculum (1918), escrita por Bobbitt. Neste livro, o currículo é apresentado como um
64

“processo de racionalização de resultados educacionais, cuidadosa e rigorosamente


especificados e medidos” (SILVA, 2011 p. 12).
A teoria curricular tradicional nasce com a publicação de Franklin John Bobbitt, e tem
entre seus principais representantes Ralph Tyler, Robert Mager e John Dewey. Nesta
concepção, o currículo é apresentado a partir de uma questão técnica, e estes escritores atacam
o currículo clássico, do modelo humanista.
Silva (2011, p. 30) aponta que, enquanto as teorias tradicionais focavam na organização
e elaboração do currículo, na questão técnica de como fazer o currículo, as teorias críticas
desconfiavam do status quo, responsável pelas desigualdades e injustiças, questionando não
mais o como fazer o currículo, mas buscando compreender o que o currículo faz, almejando
uma transformação radical da sociedade, não mais a aceitação e adaptação proposta pelas
teorias tradicionais. Assim, a pergunta central passa de “o que deve fazer parte do currículo”
para “por que determinado conhecimento é mais importante em detrimento de outro”.
Dentre as teorias curriculares críticas, o mesmo autor apresenta uma distinção entre
teorias mais gerais e teorias centradas de forma mais localizada em questões curriculares. Entre
as mais gerais, encontramos a de Althusser e sua filosofia marxista, que serviu de base para a
crítica marxista da educação. Este autor afirma que, para garantir o status quo, há mecanismos
repressivos (polícia, judiciário) e aparelhos ideológicos de Estado (religião, mídia, escola,
família). Também temos como exemplo a crítica sociológica da educação de Pierre Bourdieu e
Jean-Claude Passeron, afastada da análise marxista e centrada na crítica da reprodução da
cultura dominante, por meio de valores, gostos, costumes, hábitos, modos de se comportar e
agir.
Entre as teorias mais específicas, o autor coloca como exemplos a Nova Sociologia da
Educação, que via o currículo como uma construção cultural e analisava as conexões entre
currículo e poder e entre a organização do conhecimento e a distribuição do poder. Igualmente
pertence à esse grupo o movimento de Reconceptualização, que aconteceu no final dos anos 60
nos EUA e Canadá e tinha como características a rejeição dos pressupostos da concepção
técnica do currículo, insatisfação crescente de pessoas do campo do currículo com parâmetros
tecnocráticos estabelecidos pelos modelos de Bobbitt e Tyler.
O currículo multiculturalista insere-se nas teorias pós-críticas e tem sua origem nos
países dominantes do Norte. Com o intuito de destacar a diversidade cultural do mundo
contemporâneo, paradoxalmente, argumenta Silva (2011, p. 85), essa suposta diversidade
convive com fenômenos igualmente surpreendentes de homogeneização cultural. As
manifestações e expressões culturais de grupos dominados tornam-se visíveis ao mesmo tempo
65

em que se observa o predomínio de formas culturais produzidas e veiculadas pelos meios de


comunicação de massa (produções estadunidenses em destaque).
Esta característica homogeneizadora e monocultural na educação tem sido questionada
nos últimos anos, uma vez que, de acordo com Candau (2008), existe uma relação intrínseca
entre educação e cultura e não há forma de analisar este campo sem que esta articulação seja
realizada. Consequentemente, observamos que “[...] a consciência da necessidade romper com
esta [caráter homogeneizador] e construir práticas educativas em que a questão da diferença e
do multiculturalismo se façam mais presentes” (CANDAU, 2008, p. 15).
De qualquer forma, independente das concepções e abordagens propostas tanto por
Silva (2011) quanto por Candau (2008), a perspectiva multiculturalista mostra evidente
continuidade da tradição crítica do currículo, mas amplia e radicaliza a pergunta fundamental:
“o que conta como conhecimento?”, aumentando a compreensão sobre as bases sociais da
epistemologias. Antes, a crítica pautava-se nas determinações de classe do currículo, e com o
multiculturalismo, a desigualdade é vista a partir também de outras dinâmicas: gênero, raça e
sexualidade, não reduzidas apenas à classe social.
O desenvolvimento das ideias multiculturalistas tem encontrado um campo fértil no
Brasil a partir dos questionamentos acerca da democracia racial e do fortalecimento do
movimento negro na década de 1950. Apesar das dificuldades que se impõe, o interesse pelo
multiculturalismo vem crescendo e ampliando essa discussão, principalmente em relação à
concepção de um currículo escolar que considere essas diversidades e o caráter pluriétnico e
pluricultural do nosso país. Para o multiculturalismo, a igualdade não será alcançada
simplesmente através da igualdade de acesso ao currículo hegemônico existente, mas também
pela modificação substancial do currículo existente.
Um outro ponto de extrema importância a ser levado em consideração nessa perspectiva
é a questão da identidade cultural. Como afirma Hall (2015), o processo de globalização e os
sistemas culturais dos quais os sujeitos fazem parte influenciam em sua identidade, antes vista
como estável, mas hoje como fragmentada. A partir dessa concepção,

[...] as identidades não são nunca unificadas; que elas são, na modernidade tardia, cada
vez mais fragmentadas e fraturadas; que elas não são, nunca, singulares, mas
multiplamente construídas ao longo de discursos, práticas e posições que podem se
cruzar ou ser antagônicos. As identidades estão sujeitas a uma historicização radical,
estando constantemente em processo de mudança e transformação (HALL, 2014, p.
108).
66

A concepção de modernidade tardia, utilizada aqui por Hall, embora possa ser analisada
a partir de um viés ideológico eurocêntrico, compreende que a partir deste marco, há uma
impossibilidade de representar as identidades de forma unificada. Logo, entendemos a
identidade como um conceito dinâmico e não fixo.
Essa identidade, na perspectiva dos Estudos Culturais, é construída cotidianamente em
nossas relações, tanto reais quanto imaginárias, nas quais nos aproximamos e nos identificamos
em maior ou menor grau, nos distinguindo a partir das diferenças. Como produtos sociais e
culturais, tanto a identidade como a diferença são produzidas a partir de relações sociais, ou
relações de poder, sendo assim, impostas por meio de disputas de grupos sociais, afirma Silva:

A afirmação da identidade e a enunciação da diferença traduzem o desejo dos


diferentes grupos sociais, assimetricamente situados, de garantir o acesso privilegiado
aos bens sociais. A identidade e a diferença estão, pois, em estreita conexão com
relações de poder. O poder de definir a identidade e de marcar a diferença não pode
ser separado das relações mais amplas de poder. A identidade e a diferença não são,
nunca, inocentes (SILVA, 2014, p. 81).

Dessa maneira, identidade e diferença indicam quem pertence ou não pertence, quem
está incluído ou excluído, demarcando nitidamente e classificando quem somos “nós” e quem
são os “outros”. Para Silva (2014), esse processo de classificação também traz consigo uma
hierarquização, atribuindo valores diversos aos diferentes grupos, sendo a classificação em
oposições binárias ou polarizadas a mais importante. Isso porque dentro destas oposições,
identificamos sempre um como norma, como forma privilegiada, recebendo as atribuições de
características positivas, enquanto a outra recebe as negativas.
Dentro desta teorização, a representação ocupa um lugar central, uma vez que a
identidade e a diferença constroem-se dentro de sistemas de representação, pois “é também por
meio da representação que a identidade e a diferença se ligam a sistemas de poder. Quem tem
o poder de representar tem o poder de definir e determinar a identidade” (SILVA, 2014, p. 91).
Assim, como afirma o mesmo autor, essas concepções trazem consequências diretas para as
práticas pedagógicas e para o currículo escolar, pois a escola deveria oportunizar que seus
alunos questionassem criticamente esses sistemas de representação da identidade e da
diferença. Essas devem ser preocupações tanto pedagógicas quanto curriculares pois crianças e
adolescentes convivem com as diferenças na escola, e

Mesmo quando explicitamente ignorado e reprimido, a volta do outro, do diferente, é


inevitável, explodindo em conflitos, confrontos, hostilidades e até mesmo violência.
O reprimido tende a voltar – reforçado e multiplicado. E o problema é que esse
“outro”, numa sociedade em que a identidade torna-se, cada vez mais, difusa e
67

descentrada, expressa-se por meio de muitas dimensões. O outro é o outro gênero, o


outro é a outra raça, o outro é a outra nacionalidade, o outro é o corpo diferente
(SILVA, 2014, p. 97).

Trata-se, portanto, de um tema relevante para uma compreensão tanto política quanto
dos estudos contemporâneos na área da educação. Segundo Moreira (2008), certos grupos,
como negros, mulheres e homossexuais, sofrem discriminações há muito tempo, e a ênfase na
identidade tem colaborado para a conquista de direitos e espaço antes negados, e

tem contribuído para que se compreenda que as diferenças que os apartam dos
“superiores”, “normais”, “inteligentes”, “capazes”, “fortes” ou “poderosos” são, na
verdade, construções sociais e culturais que buscam legitimar e preservar privilégios.
Além da afirmação de suas identidades, tais grupos sociais têm procurado desafiar a
posição privilegiada das identidades hegemônicas (MOREIRA, 2008, p. 39)

Para mudanças positivas no ambiente escolar, essas questões de identidade e diferença


junto a uma perspectiva multiculturalista devem permear não só os currículos escolares, mas
também devem perpassar a construção dos projetos político-pedagógicos das escolas. O projeto
político-pedagógico (PPP) é essencial para o trabalho escolar, e deve ser construído a partir da
reflexão de todos os atores envolvidos na comunidade escolar, sendo professores, gestores, pais,
alunos e representantes da comunidade, uma vez que “aglutinará crenças, convicções,
conhecimentos da comunidade escolar, do contexto social e científico, constituindo-se em
compromisso político e pedagógico coletivo” (VEIGA, 1998, p. 9).
Não se trata apenas de um documento de dimensão pedagógica. Para a mesma autora,
ele deve refletir a realidade da escola e direcionar as ações educativas da escola de forma ampla,
criando espaços e situações para pensar e repensar as práticas pedagógicas de forma coerente:
“a discussão do projeto político-pedagógico exige uma reflexão acerca da concepção da
educação e sua relação com a sociedade e a escola, o que não dispensa uma reflexão sobre o
homem a ser formado, a cidadania e a consciência crítica” (VEIGA, 1998, p. 13).
Por se tratar de um processo democrático, o PPP, mesmo que suas orientações sejam
originadas de instâncias superiores, como as secretarias municipais ou estaduais de educação,
deve ser pensado a partir da realidade da unidade escolar e sua comunidade, refletindo a
identidade da escola, articulando a realidade escolar de diferenças que convivem em sala de
aula. Esse é um grande desafio na proposição de um projeto em que estejam inseridas as
questões do multiculturalismo/interculturalismo. As representações da diversidade e as relações
de poder não podem ser esquecidas quando falamos em espaços educacionais democráticos.
Acerca disso, Resende argumenta que
68

A possibilidade concreta da construção coletiva do projeto político-pedagógico da


escola nos aparece não como fórmula milagrosa, mas como proposta desencadeadora
para uma real superação de um projeto hegemônico, que pressupõe uma concepção
de mundo e relações sociais reducionistas e empobrecidas. Em outras palavras, a
concepção do projeto político-pedagógico e o multiculturalismo estão mais próximos
do que muitos possam imaginar, por serem princípios interdependentes e que se
complementam (RESENDE, 1998, p. 44).

No que concerne ao enraizamento das práticas na perspectiva da Lei 10.639/03, os dados


avaliados por Gomes (2012) indicam que, além da importância da construção de currículos que
contemplem a diversidade das formas multiculturais, a presença da temática e de projetos
pedagógicos inclusos no PPP (Projeto Político-Pedagógico) das escolas possibilitam o
prosseguimento e a sustentabilidade das práticas. Isso ocorre pois, mesmo que um professor
que realiza o trabalho com a temática étnico-racial não esteja mais na escola, seja dado
continuidade no trabalho uma vez que a temática está institucionalizada na escola.
Logo, as práticas educativas realizadas na escola devem ter sua base nestes documentos
supracitados, para que as ações da escola desenvolvam-se de forma articulada à reflexão sobre
sua própria realidade e possam ter continuidade, indicando assim a efetivação destas práticas.
Dessa forma, o trabalho do professor deve ser avaliado também a partir destes pontos,
articulados à sua formação e concepção de educação na perspectiva multiculturalista.

2. 4 Formação de Professores e Práticas Pedagógicas

O aprofundamento das discussões e a reflexão a respeito da cultura negra deve fazer


parte da realidade de todos os atores envolvidos na educação, com o objetivo de construir novos
sentidos em rompimento aos padrões preconceituosos enraizados na nossa sociedade,
combatendo o racismo e as desigualdades decorrentes dele:

Para que as instituições de ensino desempenhem a contento o papel de educar, é


necessário que se constituam em espaço democrático de produção e divulgação de
conhecimentos e de posturas que visam a uma sociedade justa. A escola tem papel
preponderante para eliminação das discriminações e para emancipação dos grupos
discriminados, ao proporcionar acesso aos conhecimentos científicos, a registros
culturais diferenciados, à conquista de racionalidade que rege as relações sociais e
raciais, a conhecimentos avançados, indispensáveis para consolidação e concerto das
nações como espaços democráticos e igualitários (BRASIL, 2006, p. 236).

A regulamentação da Lei 10.639/03 e as diretrizes para a sua implementação deveriam


ser de conhecimento dos profissionais e professores que atuam na educação básica, subsidiando
as práticas pedagógicas para uma educação que assegure o direito à diversidade também.
69

Infelizmente, podemos observar que a realidade ainda se encontra aquém do esperado. Para que
a educação das relações étnico-raciais se concretize, a formação do professor e suas práticas
são imprescindíveis para um trabalho de sucesso.
Muitos professores não possuem ao longo de sua formação a temática da questão
racial. Acerca da importância do preparo do professor para lidar com a questão racial, Munanga
(2005, p. 15) afirma que

Alguns dentre nós não receberam na sua educação e formação de cidadãos, de


professores e educadores o necessário preparo para lidar com o desafio que a
problemática da convivência com a diversidade e as manifestações de discriminação
dela resultadas colocam quotidianamente na nossa vida profissional. Essa falta de
preparo, que devemos considerar como reflexo do nosso mito de democracia racial,
compromete, sem dúvida, o objetivo fundamental da nossa missão no processo de
formação dos futuros cidadãos responsáveis de amanhã. Com efeito, sem assumir
nenhum complexo de culpa, não podemos esquecer que somos produtos de uma
educação eurocêntrica e que podemos, em função desta, reproduzir consciente ou
inconscientemente os preconceitos que permeiam nossa sociedade. (MUNANGA,
2005, p. 15)

Infelizmente, essa falta de preparo do educador frente a compreensão das diferenças e


da produção de desigualdades e discriminações faz com que este profissional, grande parte das
vezes, não perceba que as relações entre raça/etnia e desempenho escolar implicam, diante de
vários dados que comprovam, as desigualdades no acesso e no sucesso escolar do aluno.
Consequentemente, torna sua prática propulsora de mais desigualdades, perpetuando o racismo
e práticas discriminatórias na educação brasileira.
É evidente a importância da escola e das concepções e visão dos profissionais
envolvidos com essas crianças e jovens para o reforço ou combate aos estigmas e estereótipos
negativos atribuídos aos negros. Essa visão pode influenciar diretamente na autoimagem da
criança ou jovem negro, que acaba incorporando em sua subjetividade e vendo a si mesma como
ruim, feia, entre outras características negativas. A socialização na escola, dessa forma, deixa
de ser positiva para o desenvolvimento da criança, afetando a construção de sua autoimagem e
identidade.
Para a promoção da autoestima da criança negra, segundo Romão (2001), é necessário
que o educador compreenda os alunos como indivíduos que pertencem a culturas coletivas, mas
sem deixar de observar que cada aluno possui sua individualidade dentro desta coletividade,
atentando para aspectos emocionais, cognitivos, físicos e culturais.

Uma prática pedagógica que promova a autoestima necessariamente necessita estar


comprometida com a promoção e com o respeito do indivíduo e suas relações
70

coletivas. O educador que não foi preparado para lidar com a diversidade tende a
padronizar o comportamento dos seus alunos (ROMÃO, 2001, p. 163).

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (1997), a escola tem papel


fundamental neste processo, pois além de ser um espaço em que convivem alunos de diferentes
origens, com costumes e religiosidades diferentes, é onde aprendemos as regras do convívio
democrático com as diferenças e são apresentados conhecimentos sistematizados sobre o Brasil
e o mundo, fornecendo assim subsídios para o debate de questões sociais. Nesse contexto, é
imprescindível o papel desempenhado pelo professor, de despertar o senso crítico em relação a
questões como o preconceito, a desigualdade e a discriminação racial, e a consciência e
valorização da pluralidade cultural.
A escola e os professores, ao desconsiderar essa diversidade em seus currículos e
práticas pedagógicas, deixam de cumprir seu papel social. Segundo Romão (2001), uma criança
negra que na escola não é compreendida em sua identidade cultural e social, muitas vezes

[...] é embranquecida pela escola, seu corpo torna-se o corpo dissidente de sua
negritude. E, quando resiste, seu corpo expressa uma relação contra a opressão à sua
liberdade de ser; não podendo ser negro, se rebela e explode. Muitas vezes por não
saber ou poder expressar verbalmente a opressão por que passa – o que é comum entre
as crianças – manifesta suas revoltas e seus desgostos por meio de atitudes agressivas
contra si e os outros. Na grande maioria das vezes é analisado e avaliado o
comportamento de resposta às violências por que passa e não a causa destes
comportamentos; assim sendo, a escola e sua prática não são questionadas, mas sim
os comportamentos dos/as alunos/as (ROMÃO, 2001, p. 167-8).

A formação do educador, tanto inicial quanto continuada, é um fator importante e que


certamente influencia nas concepções acerca da diversidade e da pluralidade cultural, e sobre
as questões raciais e o racismo.

Construir uma identidade negra positiva em uma sociedade que, historicamente,


ensina ao negro, desde muito cedo, que para ser aceito é preciso negar-se a si mesmo,
é um desafio enfrentado pelos negros brasileiros. Será que, na escola, estamos atentos
a essa questão? Será que incorporamos essa realidade de maneira séria e responsável
quando discutimos, nos processos de formação de professores, sobre a importância da
diversidade cultural? (GOMES, 2003, p. 171)

Essas questões devem ser abordadas e discutidas de forma articulada, contextualizada e


aprofundada, para que venham impactar de maneira favorável as relações entre professor e
aluno e não reproduzir e legitimar valores discriminatórios da sociedade vigente. Há a
necessidade de repensar e buscar mudanças na escola e nas práticas educativas em relação as
questões étnico-raciais, para que a criança negra não incorpore o discurso de desvalorização do
negro, descontruindo a desvalorização do negro e de sua cultura. Dessa forma, o trabalho na
71

perspectiva multicultural, considerando as relações de poder estabelecidas nas relações de


identidade e diferença são imprescindíveis, e “(n)o momento atual, as questões culturais não
podem ser ignoradas pelos educadores e educadoras, sob o risco de que a escola cada vez se
distancie mais dos universos simbólicos, das mentalidades e das inquietudes das crianças e dos
jovens de hoje” (CANDAU, 2008, p. 16).
Por ser uma vertente do conhecimento que não nasce na área acadêmica, mas que tem
sua origem nas discussões de movimentos sociais, especialmente os de natureza étnicas, sua
entrada na universidade não se deu forma fácil. E mesmo hoje, após amplas discussões, sua
presença no âmbito acadêmico acontece de forma fragilizada, o que aconteceria, segundo nos
coloca Candau, por seu viés da militância. Essa inerente relação com os movimentos sociais
justifica o fato de que

“[...] as questões relativas ao multiculturalismo só recentemente tem sido incluídas


nos cursos de formação inicial de educadores/as e, assim mesmo, de modo esporádico
e pouco sistemático, ao sabor de iniciativas pessoais de alguns professores/as. Quanto
à formação continuada, por iniciativas oficiais e de várias organizações não
governamentais, algumas vezes em parceria entre organismos públicos e ONGs,
várias experiências têm sido promovidas no sentido de favorecer a incorporação da
perspectiva multicultural na educação básica. (CANDAU, 2008, p. 19)

Na perspectiva ainda de Candau (2008), para que as práticas pedagógicas possam ser
construídas a partir da interculturalidade, elas necessitam ser pensadas a partir da cultura
escolar, que vê os alunos de forma homogênea, numa perspectiva monocultural. A ação
educativa deve repensar essa perspectiva enraizada no chão da escola, de modo a não apagar as
diferenças, uma vez que os alunos não são todos iguais. Para identificar e valorizar essas
diferenças, a autora propõe quatros elementos indispensáveis para a construção de práticas que
assumam a perspectiva multicultural.
O primeiro, e com maior destaque, é construir e possibilitar espaços para que as
identidades culturais sejam reconhecidas, de forma dinâmica, contextualizada e plural. Candau
chama esse processo de não reconhecimento das diversas identidades culturais de daltonismo
cultural, que não distingue as mais variadas

diferenças étnicas, de gênero, de diversas origens regionais e comunitárias ou a não


coloca-las em evidência na sala por diferentes razões: a dificuldade e a falta de preparo
para lidar com estas questões, o considerar que a maneira mais adequada de agir é
centrar-se no grupo ‘padrão’, ou, em outros casos, por, convivendo com a
multiculturalidade quotidianamente em diversos âmbitos, tender a naturalizá-la, o que
leva a silenciá-la e não considerá-la como um desafio para a prática educativa
(CANDAU, 2008, p. 28).
72

A desconstrução deste olhar deve acontecer no reconhecimento das identidades e


diferenças dos “outros” juntamente com o reconhecimento de nossa própria identidade e de
como enxergamos esse “outro”. Repensar estas questões pressupõe o desafio do rompimento
com padrões e estereótipos criados e arraigados nas relações sociais. Esses estereótipos, na
educação, ocorrem de formas tanto sutis quanto declaradas, como a atribuição do fracasso
escolar ou do déficit de aprendizagem intimamente ligado à questões da identidade da criança
ou do jovem, resultando em situações de discriminação ou racismo.
Em contrapartida, o professor tem a função de desconstruir essa relações negativas, que
muitas vezes vêm carregadas de conflitos, tendo como desafio o exercício da empatia, de se
colocar no lugar desse “outro”, e proporcionar o convívio e a interação de forma positiva. Essas
situações de conflito e de discriminação são muitas vezes vistas apenas como brincadeiras,
sendo “importante não negá-las, e sim reconhecê-las e trabalhá-las, tanto no diálogo
interpessoal como em momentos de reflexão coletiva, a partir das situações concretas que se
manifestam no cotidiano escolar” (CANDAU, 2008, p. 32).
Por fim, um outro elemento essencial que a autora nos coloca para refletir sobre as
práticas pedagógicas é compreendê-la como um processo de negociação cultural. A escola e
os educadores precisam questionar o considerado conhecimento universal instituído, baseado
no conhecimento eurocêntrico. Essa reflexão proporciona a capacidade de incorporar nos
currículos e nas práticas, conhecimentos de diferentes culturas, numa perspectiva intercultural,
pois, segundo Candau (2008, p. 34), “trabalhar o cruzamento de culturas presentes na escola
constitui também uma exigência que lhe está intimamente associada”. Esse tipo de trabalho
amplia o horizonte dos alunos, proporcionando uma maior interação de diferentes
conhecimentos e universos culturais, e a construção de uma educação e escola mais justa e
democrática.
Outro fator importante para o enraizamento do trabalho com a educação das relações
étnico-raciais na escola é o desenvolvimento de projetos e práticas pedagógicas
interdisciplinares. A lei prevê, tendo também como parâmetro as Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura
Afro-Brasileira e Africana (BRASIL, 2004), que o conteúdo da temática negra esteja presente
em todo o currículo, em especial nas disciplinas de Língua Portuguesa, Arte e História, exigindo
assim, tanto um currículo quanto práticas que dialogam entre as diversas áreas do
conhecimento, possibilitando a construção e o enriquecimento de saberes acerca da história e
da cultura africana e afro-brasileira. Diante disso, a interdisciplinaridade, ao articular os
conteúdos, é um fator essencial para um trabalho efetivo de educação das relações étnico-
73

raciais.
Para compreensão do conceito de interdisciplinaridade, Fazenda (2008) afirma que este
não pode ser visto apenas como uma junção de disciplinas, mas sim, a partir dos currículos e
da formação de professores. Para a autora, a interdisciplinaridade escolar não deve ser
confundida com interdisciplinaridade científica, pois a primeira é vista a partir de uma
perspectiva educativa, na qual “as noções, finalidades, habilidades e técnicas visam favorecer
sobretudo o processo de aprendizagem, respeitando os saberes dos alunos e sua integração”
(2008, p. 21).
Em torno de um projeto de interdisciplinaridade, é necessário o desenvolvimento de
competências e a interação de diferentes saberes disciplinares, entre eles, saberes da
experiência, saberes técnicos e saberes teóricos. A prática interdisciplinar necessita, para ser
efetiva, de uma revisão das características do trabalho do professor, para que o processo de
transformação de uma didática tradicional torne-se uma didática transformadora (FAZENDA,
2016). Ademais,

A construção de uma didática interdisciplinar baseia-se na possibilidade da efetivação


de trocas intersubjetivas. Nesse sentido, o papel e a postura do profissional de ensino
que procure promover qualquer tipo de intervenção junto aos professores, tendo em
vista a construção de uma didática transformadora ou interdisciplinar, deverão
promover essa possibilidade de trocas, estimular o autoconhecimento sobre a prática
de cada um e contribuir para a ampliação da leitura de aspectos não desvendados das
práticas cotidianas. (FAZENDA, 2016, p. 79, grifo da autora)

Diante desta perspectiva, um trabalho realizado de forma interdisciplinar exige


compromisso e dedicação por parte dos educadores, e para isso, é indispensável oportunidades
que proporcionem momentos no cotidiano escolar para a reflexão e o planejamento destas
ações. Infelizmente, diante da realidade e das limitações impostas, nem sempre é possível
inserir tais discussões devido à falta de tempo disponível.

A troca de experiências, fundamental à proposta interdisciplinar esbarra-se nesta visão


ocidental do tempo. Este elemento disciplinador, mecanizado e construído
socialmente que dificulta nossas ações, que, em geral, sempre falta na hora de
sistematizarmos nossos sonhos e projetos, deve ser levado em conta ao construirmos
alternativas. (ROCHA; TRINDADE, p. 59, 2006)

Embora o desenvolvimento de ações interdisciplinares seja muitas vezes dificultado, ele


é fundamental. De acordo com Gomes (2012), o trabalho coletivo e interdisciplinar é de extrema
importância, evidenciando que a tendência é que ele tenha continuidade na escola. Práticas
individualizadas, uma vez que estas são restritas apenas aos envolvidos, acabam por não serem
74

sustentáveis e se dissipar. Assim, os projetos e ações conjuntas tem maiores chances de se


enraizarem na escola, contribuindo para a implementação da lei.
Os projetos interdisciplinares possibilitam diálogos e trocas de experiências entre os
professores, criando estratégias e práticas inovadoras, estabelecendo assim relações de
complementaridade e convergência entre as disciplinas. Além disso, favorecem a busca de
novos conhecimentos sobre a temática da história e da cultura africana e afro-brasileira e de
novas formas e ações para desenvolver o trabalho em sala de aula, provocando mudanças
positivas nas práticas por meio de “[...] trabalhos coletivos e interdisciplinares, ao estudo e à
busca de bibliografia, ao reconhecimento da sua própria ignorância sobre a temática africana e
afro-brasileira e às lacunas sobre essa temática no seu processo de formação inicial nas mais
diversas áreas (GOMES, 2012, p. 345).
Todos esses fatores – currículo, projeto político-pedagógico, formação de professores e
práticas educativas – na perspectiva da Lei 10.639/03 e de suas diretrizes, só são possíveis de
serem realizados de forma efetiva com o apoio e supervisão dos sistemas de ensino.
Preconizado na própria legislação para o ensino de história e cultura africana e afro-brasileira,
é de responsabilidade dos sistemas de ensino articular as ações para a implementação. A
parceria dos gestores dos sistemas de ensino é fundamental para que as ações sejam propostas,
realizadas e possam efetivar-se ao longo do tempo, proporcionando assim um real enraizamento
do trabalho multiculturalista com a educação das relações étnico-raciais no chão da escola:

[...] os sistemas de ensino e estabelecimentos de diferentes níveis converterão as


demandas dos afro-brasileiros em políticas públicas de Estado ou institucionais ao
tomarem decisões e iniciativas com vistas a reparações, reconhecimento e valorização
da história e cultura dos afro-brasileiros, à constituição de programas de ações
afirmativas, medidas estas coerentes com um projeto de escola, de educação e de
formação de cidadãos que explicitamente se esbocem nas relações pedagógicas
cotidianas. Medidas que, convém, sejam compartilhadas pelos sistemas de ensino,
estabelecimentos, processos de formação de professores, comunidade, professores,
alunos e pais. (BRASIL, 2004, p. 13).

No próximo capítulo, esses fatores para a implementação e o enraizamento da Lei


10.639/03 serão discutidos e avaliados a partir do estudo de caso realizado em uma escola no
município de Franca - SP. Mas antes, uma análise mais detalhada, a partir de uma perspectiva
multiculturalista e intercultural, da proposta curricular implantada na rede municipal da cidade,
torna-se imprescindível para uma melhor compreensão dos aspectos a serem avaliados.
75

2.5 Relações Étnico-Raciais na Escola: Análise do Referencial Curricular da


Educação Básica das Escolas Públicas Municipais de Franca

Para uma educação das relações étnico-raciais na escola, a partir de uma perspectiva
multiculturalista/interculturalista, é essencial compreender que o currículo está na base de todos
os outros fatores que se articulam para sua efetivação. Consequentemente, a análise da proposta
curricular utilizada no município de Franca torna-se primordial para avaliarmos o grau de
enraizamento da Lei 10.639/03, uma vez que o currículo tem implicações e efeitos diretos na
escola e nas práticas pedagógicas.
O Referencial Curricular da Educação Básica das Escolas Públicas Municipais de
Franca (REC), utilizado atualmente para guiar as ações e procedimentos pedagógicos da
Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, foi revisado no ano de 2008,
durante o governo do prefeito Sidnei Franco da Rocha, tendo como secretária municipal da
Educação, Leila Haddad Caleiro. Os estudos e reflexões que basearam a reformulação do
documento buscaram uma reforma curricular na orientação de políticas para a melhoria da
qualidade da educação no município.
Tendo como referência os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), a concepção de
educação presente neste documento propõe uma proposta curricular construtivista e
psicopedagógica, definida assim em sua introdução:

Construtivista porque enfatiza, como finalidade última da educação, a promoção do


crescimento dos seres humanos, porque valoriza uma aprendizagem significativa e
uma memorização compreensiva. Psicopedagógica no sentido de que, para promover
o crescimento, há de se conhecer e respeitar os processos de desenvolvimento e de
aprendizagem da criança, há de se interagir com ela de forma interdependente
(FRANCA, 2008, p. 5).

Procura compreender a escola como espaço privilegiado de função social em que


cidadãos são formados, levando em conta as desigualdades sociais, econômicas e culturais. A
realidade do mundo atual deve estar inserida na escola, e para isso, é necessário:

• Compreender e assumir o tempo presente, com seus problemas e necessidades. É


uma forma de gerar alternativas humanizadoras para o mundo.
• Considerar as práticas da sociedade, sejam elas de natureza econômica, política,
social, cultural, ética ou moral, e as relações diretas ou indiretas dessas práticas com
os problemas específicos da comunidade local a que presta serviços.
• Conhecer as expectativas dessa comunidade, suas necessidades, formas de
sobrevivência, valores, costumes e manifestações culturais e artísticas. É através desse
conhecimento que a escola pode atender a comunidade e auxiliá-la a ampliar seu
instrumental de compreensão e transformação do mundo.
76

• Ser concebida como polo cultural, onde o conhecimento já sistematizado pela


humanidade é socializado e trabalhado de forma não fragmentada, proporcionando a
ampliação das possibilidades culturais dos alunos e da comunidade, através do debate
das principais questões locais e nacionais.
• Promover a identidade cultural do aluno, inserindo-o no mundo em que vive.
(FRANCA, 2008, p. 17)

Também deixa claro que entende que o processo de selecionar conteúdos para um
currículo é um processo político, uma vez que “ao propor uma determinada organização
curricular, a sociedade realiza uma seleção histórica que reflete uma compreensão política do
mundo, estando inserido num processo social amplo e multifacetado, onde se conclui que não
é algo sempre igual, homogêneo e de significado óbvio” (FRANCA, 2008, p. 15).
Outro ponto que merece destaque neste currículo é a preocupação com uma educação
que seja, de fato, inclusiva. A educação inclusiva é vista aqui de forma ampla, abrangendo o
acesso e a permanência dos alunos, independente de raça, etnia, gênero, classe social ou
deficiência. Esclarece o equívoco de se acreditar que a educação inclusiva trata apenas da
inclusão das deficiências, e afirma que

A proposta da educação inclusiva deve remeter ao conceito de Escola Inclusiva, que


‘pressupõe uma nova maneira de entendermos as respostas educativas que se
oferecem, com vistas à efetivação do trabalho na diversidade. Está baseado na defesa
dos direitos humanos de acesso, ingresso e permanência com sucesso em escolas de
boa qualidade (onde se aprende a aprender, a fazer, a ser e a conviver) no direito de
integração com os colegas e educadores, de apropriação e construção do
conhecimento, o que implica, necessariamente, em previsão e provisão de recursos de
toda a ordem’ (CARVALHO apud FRANCA, 2008, p. 57)

Todas essas preocupações em relação à diversidade e pluralidade cultural e à formação


da identidade cultural do aluno mostram que o Referencial Curricular (2008) está inserido na
discussão de uma educação multiculturalista. Logo, o currículo deve ser pensado de forma
crítica, como uma política educacional que questiona o projeto de cultura hegemônica
construído até então, em busca de promover a interculturalidade nas relações entre os diferentes
grupos culturais na escola. Além disso, compreender que estas culturas estão num contínuo
processo de construção e reconstrução, e que nesse hibridismo devemos reconhecer e valorizar
o “outro” e suas diferenças (CANDAU, 2008).
Apesar desta proposta curricular basear-se nos PCNs e colocar a questão do trabalho
com as diferenças em pauta, mesmo sendo produzida cinco anos após a promulgação da Lei
10.639/03, não há nenhuma menção direta à lei e suas Diretrizes (2004). Assim, a não inserção
da temática preconizada na legislação mostra-se como uma grave omissão à um currículo que
se pretende inclusivo. Além disso, não se pode desconsiderar as relações de poder estabelecidas
77

nas diversas estruturas da sociedade, e a escola e o currículo têm o papel de combater essa
mentalidade enraizada, que faz com que a discriminação e o racismo ainda ocorram nas
estruturas tanto institucionais quanto econômicas do nosso país (SILVA, 2011).
Quanto à estrutura de organização, o REC (2008) está construído de forma a ultrapassar
a fragmentação dos conteúdos, apoiados nos conceitos da interdisciplinaridade e da
transversalidade. Dessa forma, fundamentado na

concepção construtivista do ensino e da aprendizagem, entendida não como


metodologia didática, mas como instrumento de conceitualização, planejamento,
indagação e análise da prática educacional, tendo como pedra angular a valorização
da diversidade cultural e de capacidades – cognitivas, motoras, afetivas, de relação,
de atuação e de inserção social – interesses e motivação dos alunos que compõem uma
sociedade em vertiginosa transformação e com múltiplas exigências (FRANCA, 2008,
p. 15).

Partindo desses pressupostos, a proposta curricular da Educação Básica do município


de Franca é norteada pelo domínio de competências e habilidades24, além de procedimentos
sugeridos para o professor. Não há a divisão por componentes curriculares, uma vez que busca
promover o princípio da interdisciplinaridade. Dentro destas competências e habilidades,
passam os temas transversais: Ética, Pluralidade Cultural, Meio Ambiente e Temas Locais.
O eixo Pluralidade Cultural contempla as mais variadas diferenças produzidas em nossa
sociedade, colocando o Brasil como um país diverso e plural, abarcando a diversidade regional,
da formação do povo brasileiro, das características culturais, do pertencimento étnico-racial, de
crença religiosa, de gênero, entre outros, e também aborda a questão das deficiências e da
educação especial. Enfatiza que muitas vezes a convivência é marcada pelo preconceito e pela
discriminação e conclui que

o grande desafio da escola, então, é investir na superação da discriminação e dar a


conhecer a riqueza representada pela diversidade etno-cultural que compõe o
patrimônio sócio-cultural brasileiro, valorizando a trajetória particular dos grupos que
formam a sociedade. Deve constituir-se em local de diálogo, do aprender a conviver,
vivenciando própria cultura e respeitando as diferentes formas de expressão cultural
(FRANCA, 2008, p. 50).

24
Os conceitos de competências e habilidades estão presentes nos Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL,
1997) e em diversas avaliações educacionais em larga escala, como Prova Brasil e ENEM – Exame Nacional do
Ensino Médio. Perrenoud, autor de grande referência no campo da educação, define o conceito de competência
como “a faculdade de mobilizar um conjunto de recursos cognitivos (saberes, capacidades, informações, etc) para
solucionar com pertinência e eficácia uma série de situações” (1999, p. 19). Relacionado à capacidade de realizar
tarefas e resolver situações-problema, o conceito de competência pressupõe que, para que ocorra a construção do
conhecimento, o sujeito deve mobilizar diversos recursos, articulando-os de forma a solucionar uma situação
complexa. Segundo este autor, um currículo que tenha como premissa a construção de competências. Já as
habilidades são procedimentos mentais, modos operatórios, induções e deduções, menos amplos que as
competências, mas que são elementos pelos quais atingimos as competências.
78

Este trecho deixa claro que a diversidade deve ser respeitada a partir dos conceitos de
identidade e diferença, e da importância da representação, apontados por Silva (2014). As
competências que constituem este Referencial Curricular (2008) perpassam por essas questões,
tanto da identidade quando da diversidade, e a partir de algumas delas, é possível realizar um
trabalho em consonância com a Lei 10.639/03 e com os princípios e conteúdos propostos nas
Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o
Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (2004). Abaixo podemos verificar as
11 (onze) competências, correspondentes aos cinco anos dos Anos Iniciais do Ensino
Fundamental, presentes no currículo do município de Franca:

Quadro 3 – Competências do REC (2008)


COMPETÊNCIAS
1. Ler, escrever e produzir, em diferentes linguagens – verbal, matemática, gráfica, artística,
corporal, – para interagir com o outro, expressando-se, interpretando, considerando a
intencionalidade e usufruindo de diversas situações de comunicação.
2. Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de
diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações problema articulando com as
várias áreas do conhecimento.
3. Expressar-se com autonomia, em diferentes linguagens – gráfica, artística, corporal – para
interagir com o outro, interpretando, considerando a intencionalidade e usufruindo de
diversas situações de comunicação
4. Compreender a cidadania, observando as transformações sociais que visam o bem estar
comum, participando de questões da vida coletiva, preservando o meio ambiente, respeitando
e compreendendo os outros e desenvolvendo uma imagem positiva de si mesmo.
5. Conhecer e valorizar a diversidade natural e sociocultural brasileira, posicionando-se a
respeito, diante de seus diferentes aspectos, como meio para construir, progressivamente, a
noção de identidade nacional.
6. Perceber-se parte integrante, dependente e transformadora de um todo maior e dinâmico,
buscando sua compreensão e interagindo com as outras partes.
7. Aplicar conhecimentos referentes à saúde, à ética, ao meio ambiente, à educação sexual e
à pluralidade cultural, em diferentes situações cotidianas, para a melhoria da qualidade de
sua própria vida e da vida dos outros.
8. Compreender as relações de convivência para interagir, positivamente, em diferentes
grupos, valendo-se do respeito, da cooperação e da solidariedade, repudiando a discriminação
e a injustiça, elegendo o diálogo como meio de resolver conflitos.
9. Perceber-se como pessoa humana com dignidade, fruto do amor incondicional de Deus,
capaz de amar e de sentir-se amada.
10. Adotar postura coerente e flexível diante das diferentes situações da realidade,
questionando-a e buscando soluções, respaldando-se progressivamente numa consciência
crítica e bem formada.
11. Interpretar e analisar diferentes fontes de informação, questionando e fazendo
articulações com várias do conhecimento, sendo capaz de resolver problemas do cotidiano.
Fonte: Referencial Curricular da Educação Básica das Escolas Públicas Municipais de Franca (2008).
79

Nesse rol, podemos pontuar temas como cidadania, diversidade sociocultural,


pluralidade cultural, identidade e diferenças, discriminação e injustiça, respeito e tolerância,
que estão inseridos nas competências do currículo. Temas esses que contribuem para o trabalho
com a diversidade em sala de aula, e permitem o desenvolvimento de práticas pedagógicas em
uma perspectiva multiculturalista.
Entretanto, uma proposta curricular nesses moldes, tendo a interdisciplinaridade e a
transversalidade como norte das ações pedagógicas, sem a tradicional divisão em eixos
curriculares e conteúdos, tende a dificultar o trabalho do professor que está habituado a
trabalhar de acordo com o viés tradicional. Dessa forma, junto a publicação do REC (2008), o
setor de Formação Continuada da Secretaria Municipal de Educação reelaborou e adequou os
conteúdos de acordo com o novo currículo, em forma de anexo, contendo os conteúdos
sugeridos para cada ano, divididos por disciplinas e bimestres.
Portanto, a presente análise tem como base a busca por relacionar as habilidades
presentes no currículo e os conteúdos propostos pelo anexo, articulando-os de modo a
identificar as possibilidades de trabalho com as relações étnicas e raciais na escola. Limitamos
esta análise à avaliação dos eixos curriculares pertencentes às áreas do conhecimento de
Ciências Humanas e Linguagens, sendo compostas pelas disciplinas de História, Geografia,
Língua Portuguesa, Artes e Educação Musical25. Esta seleção justifica-se por ser nestes
componentes que encontramos as maiores possibilidades do desenvolvimento com o trabalho a
partir da educação das relações étnico-raciais e da Lei 10.639/03. No entanto, essa seleção não
pretende excluir a importância dos outros componentes curriculares, uma vez que a própria
legislação estabelece o trabalho em todas as disciplinas.
Dessa forma, analisamos os conteúdos propostos para cada um destes eixos curriculares
que permitem o desenvolvimento do trabalho com a cultura e história negra, seja africana ou
afro-brasileira, assim como as respectivas habilidades e procedimentos indicados no
Referencial Curricular (2008) e seu anexo.

25
A disciplina de Educação Musical foi implantada na grade curricular da rede municipal de educação de Franca-
SP no ano de 1996, sendo a primeira cidade do Estado de São Paulo a efetivar professores especialistas em Música.
Esse fato foi possível devido ao desenvolvimento de um projeto a partir de um convênio entre a Secretaria
Municipal de Educação e o Conservatório Musical Pestalozzi, realizado no ano de 1971. Este projeto teve grande
sucesso e o aumento da demanda impulsionou a institucionalização da Música como disciplina escolar. Ainda
hoje, Franca é uma das poucas cidades no estado que possuem aulas de Educação Musical, tanto na Educação
Infantil, quanto nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Estas informações podem ser verificadas no artigo
Educação musical no ambiente escolar da rede municipal de Franca-SP (REMONTI; LIMA; ARRAIS, 2014),
disponível no endereço: https://revistas.unasp.edu.br/acch/article/view/825/749. Acesso em 08 jan. 2018.
80

Entre os componentes curriculares que estão inseridos área de Linguagens, temos as


disciplinas de Língua Portuguesa, Artes e Educação Musical, e está previsto o trabalho com
habilidades como:

• Produzir e reproduzir textos orais e/ou escritos;


• Escutar ativamente a leitura de diversos textos;
• Expressar oralmente a compreensão da mensagem da qual é destinatário;
• Ler para usufruir momentos de lazer e estabelecer relação entre realidade e fantasia;
• Acolher a diversidade do repertório cultural, reconhecendo semelhanças e contrastes,
qualidades e especificidades na arte dos diferentes povos ou comunidades.
• Assimilar formas artísticas por pessoas ou por grupos sociais, sem perder seu modo
de articular tais informações ou sua originalidade;

Em Língua Portuguesa, o trabalho com os diferentes gêneros textuais, presente em todos


os anos, permite ao professor selecionar livros e textos que abarcam a temática da história e
cultura africana e afro-brasileira. Em especial, o trabalho com textos narrativos como lendas,
mitos e contos devem ser trabalhados no 1º ano (3º bimestre), 2º ano (1º e 3º bimestres), 3º ano
(3º bimestre) e 5º ano (1º bimestre). Podem ser trabalhados tanto na oralidade, quanto na leitura
e interpretação e também na produção textual, a partir de reescritas e produções próprias, como
determina o currículo.
Também são recomendados entre os procedimentos o uso de textos variados que
expressam diferentes formas de viver, ver e pensar o mundo, o que colabora para suscitar e
inserir uma perspectiva multiculturalista nas ações desenvolvidas em sala de aula.
Na disciplina de Artes, ao longo do 3º ano, em todos os bimestres, é proposto tanto nas
artes visuais, quanto na dança e no teatro, o trabalho com produtos culturais e históricos
(concepções estéticas nas diferentes culturas: regional, nacional e internacional). Este conteúdo
proporciona a inserção das manifestações tradicionais e populares afro-brasileiras como fonte
de trabalho. No 4º ano, 2º e 3º bimestres, também é proposto a continuação e aprofundamento
das danças folclóricas regionais, enquanto no 5º ano, este trabalho tem sequência no 3º bimestre,
com danças circulares, cirandas e danças regionais. Ademais, também é recomendado para o 5º
ano, no 1º bimestre, o trabalho com o pintor Candido Portinari, podendo ser selecionadas obras
que dialogam com a temática racial.
81

No componente Educação Musical, a proposta curricular destaca que a inserção da


linguagem musical promove a pluralidade cultural, além do gosto pela música, proporcionando
o desenvolvimento pleno do aluno e o aprofundamento do conhecimento de si mesmo em
relação com o outro e o mundo. Os conteúdos para esta disciplina são definidos entre o grupo
de professores especialistas e seus superiores no planejamento escolar, considerando este
aspecto da diversidade cultural.
Assim, no 1º ano, músicas infantis, cantigas e brincadeiras cantadas são propostas para
os 4 bimestres. O trabalho com gêneros e estilos musicais percorrem todos os anos, tendo
destaque no 2º ano para a Ciranda e o Cacuriá, e no 3º ano, para o Samba e o Baião, sendo todos
estas expressões da cultura popular afro-brasileira26.
Além do uso de textos orais e escritos, também são sugeridos como procedimentos o
uso de filmes, fotos e imagens, dramatização de textos teatrais, programas de rádio e TV, entre
outros, que podem enriquecer ainda mais e propiciar um trabalho interdisciplinar, relacionando
estas competências e conteúdos com os de outros componentes curriculares. As habilidades
aqui apresentadas na área de Linguagens não são exclusivas desta área, podendo ser trabalhadas
também em outras disciplinas, em conjunto com outras habilidades de outras áreas do
conhecimento. Essa possibilidade de um currículo com base na interdisciplinaridade favorece
essa interação, e dessa forma verificamos que os conteúdos propostos na área de Linguagens
podem ser trabalhados também, de forma, interdisciplinar, com a área de Humanidades.
As disciplinas de Ciências Humanas aqui analisadas são História e Geografia. Entre as
habilidades deste campo que permitem o trabalho na perspectiva da Lei 10.639/03,
encontramos:

• Perceber e respeitar semelhanças e diferenças culturais, hábitos, costumes, etnias;


• Respeitar a pluralidade religiosa;
• Reconhecer-se semelhante e diferente dos outros, identificando-se como parte
formadora de um grupo;

26
As manifestações culturais afro-brasileiras são aquelas manifestações brasileiras que receberam influência da
cultura africana, desde os tempos do Brasil Colônia até os dias de hoje. A Ciranda, tradição típica de regiões
litorâneas nordestinas, ocorre principalmente no estado de Pernambuco e tem como característica principal a dança
em círculo, de mãos dadas, enquanto o mestre canta cantigas ao som de instrumentos de percussão. O Cacuriá é a
dança que marca o fim da Festa do Divino, no estado do Maranhão. Une as Caixeiras do Divino e os festeiros, que
dançam, enquanto o arranjo musical é formado por caixas, flautas, violões, clarinetes e banjos. O Samba, uma das
maiores manifestações culturais de nosso país, acontece em todo o território brasileiro. Já o Baião, ritmo
predominantemente nordestino, utiliza instrumentos como sanfona, triângulo e zabumba. Informações retiradas do
site da Fundação Cultural Palmares, no endereço: http://www.palmares.gov.br/manifestacoes-culturais-negras.
Acesso em 12 jan. 2018.
82

• Identificar transformações que ocorrem no corpo e no comportamento dos seres


humanos quanto ao sexo, à idade e à etnia;
• Adotar posturas não discriminatórias e não preconceituosas diante da pluralidade de
manifestações corporais das diversas culturas;
• Reconhecer a importância dos índios, negros e europeus na formação cultural e étnica
brasileira;
• Levantar diferenças e semelhanças entre grupos étnicos e sociais, que lutaram no
Brasil por causas políticas, sociais, culturais, étnicas ou econômicas;
• Promover, descobrir e realizar as aspirações de paz e justiça, na família e na
sociedade;
• Perceber a diversidade cultural da nossa cidade sob a influência de culturas de outras
regiões brasileiras, devido às migrações no passado e no presente.

Nos conteúdos de História encontramos o maior número de temas que envolvem a


diversidade e a história e cultura afro-brasileira. Tanto o 1º quanto o 2º bimestre do 1º ano têm
como conteúdo o trabalho com identidade e identidade social, sendo um dos aspectos abordados
as origens étnico-culturais dos alunos. No 3º e 4º bimestres, o foco recai sobre o estudo da
cultura indígena. Para o 2º ano, no 3º bimestre encontramos a indicação para o trabalho acerca
das transformações e permanências na vivências culturais da coletividade, e no 4º bimestre, é
proposto o conhecimento de algum grupo étnico da localidade região. Essas recomendações
abrem um amplo leque para o trabalho com as relações étnico-raciais.
Já para o 3º ano, no 1º bimestre temos a temática da identidade e diferenças, sendo
proposta a comparação entre “eu e os outros”, no intuito de compreender a construção da
identidade do aluno. Neste mesmo ano, no 3º bimestre, a formação do povo brasileiro é
colocada em pauta, abordando as culturas indígenas e afro-brasileira, conteúdo que continua
sendo aprofundado no 1º bimestre do 4º ano. Nesta série, no 2º, 3º e 4º bimestres são estudadas
a história do estado de São Paulo e da cidade de Franca, abordando a formação e a cultura,
permitindo destacar as raízes negras nesses contextos.
No 2º bimestre do 5º ano, no estudo do Brasil Império, aparece destacada a abordagem
sobre a cultura afrodescendente, o tráfico de escravos africanos, os quilombos e o movimento
abolicionista. Ainda nessa série, a contribuição dos indígenas também é apresentada.
Já no eixo curricular de Geografia, nos 1º e 2º anos não são propostas abordagens para
o trabalho com Lei 10.639/03, mas a temática da cultura negra aparece nos anos seguintes. No
83

3º ano, o trabalho com mapas e com o globo terrestre durante o 2º bimestre possibilita conhecer
o continente africano e também a diáspora e no 4º e 5º anos, pode ser aprofundado no estudo
dos continentes. Ainda no 5º ano, as diferenças regionais, a diversidade cultural de cada região
e o estudo da formação da população brasileira a partir das migrações tanto interna quanto
externas são apresentados como conteúdos a serem desenvolvidos no 3º e 4º bimestre.
As diversas ações propostas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das
Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana
(BRASIL, 2004) devem ser norteadas pelos seguintes princípios: consciência política e
histórica da diversidade; fortalecimento de identidades e de diretos; e ações educativas de
combate ao racismo e a discriminações. Por meio das competências e habilidades previstas para
as escolas da rede municipal de Franca, observamos que o currículo permite inserir e abordar
estes elementos, possibilitando uma educação que amplie os conhecimentos em relação à
diversidade étnico-racial de nosso país, promovendo uma reeducação das relações raciais.
Em relação aos conteúdos dispostos no anexo, podemos destacar, inseridos dentro da
história e cultura afro-brasileira, o reconhecimento e valorização das contribuições dos
africanos, indígenas e europeus na construção de nossa nação, a história dos quilombos e as
manifestações culturais afro-brasileiras. Quanto a educação das relações étnico-raciais, também
são incluídos conteúdos acerca do reconhecimento das identidades culturais e tópicos sobre
discriminação e preconceito, destacando o respeito e a tolerância, inclusive religiosa,
valorizando as vivências dos alunos e o trabalho com a oralidade.
Entretanto, no tocante às determinações acerca da História da África, percebe-se que
este tópico possui omissões importantes, como o estudo das civilizações que contribuíram para
o desenvolvimento da humanidade, as lutas de independência dos países africanos, a
diversidade da diáspora hoje, e o conhecimento político, econômico, cultural e artístico acerca
da África na atualidade, em uma perspectiva positiva, para além da miséria e estigmas e
estereótipos negativos. Estas observações apontam para a necessidade de uma revisão dos
conteúdos, de modo a aprofundar e ampliar alguns temas presentes neste currículo.
Uma das formas propostas pelas Diretrizes (BRASIL, 2004) para o ensino de História
e Cultura Africana e Afro-Brasileira é por meio da realização de projetos de diferentes
naturezas, proposta que pode ser utilizada como um facilitador, de forma de adequar o currículo
ao que prevê a legislação. A partir do REC (2008) é perfeitamente possível trabalhar nesta
perspectiva, uma vez que sua abordagem a partir da interdisciplinaridade e da transversalidade
também insere a pedagogia por projetos em sua proposta, afirmando que
84

o trabalho com projetos é amplo e norteia todo o âmbito educacional. Por meio dele o
aluno aprende de forma significativa e contextualizada. O conhecimento é visto sob
uma perspectiva construtivista, onde procura-se estudar e pesquisar, de forma lúdica
e prazerosa, respeitando as características internas das áreas de conhecimento
envolvidas no trabalho (FRANCA, 2008, p. 39)

Assim, de acordo com o currículo analisado, o trabalho com projetos tem como
finalidade repensar o papel da escola e contribuir para a construção do conhecimento de forma
democratizada, levando em conta as vivências do aluno e vinculando a aprendizagem dos
conhecimentos escolares à vida desses alunos. Essa visão contribui para a inserção de temas
que vão de acordo com o prescrito pela Lei 10.639/03 e suas determinações.
Todavia, apenas o acréscimo de conteúdos relativos à temática racial, de forma
superficial, não torna o currículo multicultural. Sobre isso, Silva afirma que “uma perspectiva
crítica de currículo buscaria lidar com a questão da diferença como uma questão histórica e
política. Não se trata simplesmente de celebrar a diferença e a diversidade, mas de questioná-
las” (2011, p. 102). Logo, para o desenvolvimento de práticas pedagógicas que valorizem o
caráter pluricultural e da diversidade, apenas uma política curricular que atenda aos princípios
da multiculturalidade não é suficiente para que aconteça de forma efetiva.
Partindo deste princípio, o trabalho com o currículo em uma perspectiva multicultural e
para a educação das relações étnico-raciais necessita de outros fatores para sua efetivação, uma
vez que a alteração da LDBEN/1996 realizada pela lei “provoca bem mais do que inclusão de
novos conteúdos, exige que se repensem relações étnico-raciais, sociais, pedagógicas,
procedimentos de ensino, condições oferecidas para aprendizagem” (BRASIL, 2004).
Dessa forma, levando em conta as particularidades que podem ser observadas em cada
realidade escolar, o próximo capítulo, a partir da realidade da escola pesquisada, apresentará os
demais fatores e as dificuldades para a implementação da Lei 10.639/03.
85

CAPÍTULO 3 A AVALIAÇÃO DE UMA POLÍTICA PÚBLICA EDUCACIONAL: A


LEI 10.639/03 NO MUNICÍPIO DE FRANCA/SP

Este capítulo tem como objeto apresentar os resultados da pesquisa, analisando os dados
coletados, afim de avaliar em que medida a Lei 10.639/03 e suas diretrizes são efetivadas no
município de Franca/SP e o grau de seu enraizamento na escola selecionada para este trabalho.
Para isso, serão levadas em conta as particularidades da escola e do município, suas
características próprias e a influência do movimento negro local nas políticas públicas da esfera
municipal.

3.1 Delineamento de Franca/SP: Uma Breve Contextualização do Município e do


Movimento Negro Local

Antes da análise propriamente dita da implementação da Lei 10.639/03 no município de


Franca/SP, mostra-se imperativo que compreendamos previamente em que contexto está
inserido o desenvolvimento das ações avaliadas. Dessa forma, neste primeiro momento,
buscamos apontar características do município e um breve histórico da movimento negro na
cidade. Franca é um município do interior do estado de São Paulo que possui uma população
estimada em 347.237 habitantes (IBGE, 2017). A cidade, situada na região nordeste do estado,
está localizada a 400km da capital paulista, e é sede da 14ª região administrativa do estado.

Figura 1 – Mapa da Localização da Cidade de Franca

Fonte: Unifacef27

27
Disponível no endereço: https://www.unifacef.com.br/institucional/como-chegar/. Acesso em 06 jan. 2018.
86

Figura 2 – Região Administrativa de Franca

Fonte: IGC – Instituto Geográfico e Cartográfico28

No censo realizado no ano de 2010, a cidade possuía 318.640 habitantes, destes, 163.176
mulheres e 155.464 homens. Desta população total, podemos observar no quadro abaixo a
porcentagem de habitantes por cor/raça, e verificar que, do total da população francana, 30,14%
se autodeclaram como pretos ou pardos, dado importante a ser considerado por tratar-se de uma
pesquisa acerca da temática das relações étnico-raciais no município.

Quadro 4 – Porcentagem dos habitantes de Franca/SP por cor/raça


Cor/Raça Brancos Pretos Pardos Amarelos Indígenas
Porcentagem 69,15% 6,30% 23,84% 0,58% 0,12%
Fonte: IBGE, 2010

De acordo com dados do Censo (2010)29, as disparidades por cor e raça também estão
presentes no município. Em relação às taxas da área da educação, a pesquisa indica que a
população negra ainda está em desvantagem: entre pessoas com 15 anos ou mais de idade que
não sabem ler e escrever, encontramos apenas 2% da população branca (4.579 pessoas),

28
Disponível em http://www.igc.sp.gov.br/produtos/mapas_ra.aspx? . Acesso em 06 jan. 2018.
29
As informações tratadas neste tópico acerca do Censo 2010 estão disponíveis no endereço:
https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/franca/pesquisa/23/25124?detalhes=true&tipo=cartograma&indicador=2945
5. Acesso em 04 jan. 2018.
87

enquanto somando-se pardos e pretos, temos aproximadamente 9% desta população dentro


deste critério (3.898 pessoas).
No campo trabalho e rendimento, também encontramos uma grande diferença: enquanto
as pessoas ocupadas da população branca com 10 anos ou mais de idade recebem em média
R$1.411,97, a população parda e preta recebe respectivamente R$972,48 e R$867,56, em
média.
Essas desigualdades, já discutidas anteriormente no primeiro capítulo, são históricas e
ainda persistem, também no município de Franca. As demandas da população negra do
município começaram a tomar forma organizada a partir da década de 1980, com o surgimento
de um movimento negro na cidade, o MONUF (Movimento Negro Francano).
A necessidade de organização da população em torno de reivindicações iniciou-se em
uma conversa informal entre amigos, afirmam Néspoli (2006) e Souza (1991), que foi sucedida
por várias reuniões que foram, aos poucos, estruturando o movimento que surge. Entre seus
membros fundadores, temos a presença do professor e poeta Carlos de Assumpção. O grupo,
fundado em 1982, realizou diversos encontros que tinham como proposta a integração e a
valorização do negro e de sua cultura, com discussões sobre o tema e apresentações artísticas e
culturais da cultura afro-brasileira.
Segundo Néspoli (2006), no início, a preocupação girava em torno da violência policial,
uma vez que estávamos no período Ditadura Militar, e das situações discriminatórias que os
negros francanos vivenciavam nos espaços públicos da cidade e até mesmo nas indústrias
calçadistas, que já predominavam na economia da cidade.
O primeiro encontro público, aponta Souza (1991), aconteceu dia 15 de maio de 1983,
evento ocorrido no Teatro Municipal e que contou com cerca de 300 pessoas, entre as quais
encontravam-se também estudantes e intelectuais. O objetivo do encontro foi divulgar os ideais
de luta afim de fortalecer o movimento negro que estava surgindo. Além do caráter festivo, este
evento também tinha como foco uma

estratégia política, pois seus membros tiveram o cuidado de optarem por um espaço
público onde a comunidade negra nunca tinha frequentado com tamanha proporção,
que naquela data estavam ali, em grande número presente, concretizando a primeira
conquista do movimento (NÉSPOLI, 2006, p. 59-60).

A partir deste marco os objetivos do movimento começaram a tornar-se mais claros,


com foco na conscientização dos direitos dessa população e na valorização da comunidade
negra, além da erradicação do racismo. O movimento ganhou novos militantes, e em um ano,
88

já havia conseguido chamar a atenção da população e da imprensa local. Vanderlei Tristão,


outro membro fundador do MONUF, afirma que

O movimento avançava, e este avanço provocou reações contrárias de alguns setores


da sociedade, que seriam calados diante do apoio da imprensa local, principalmente
do jornal “Diário da Franca”, que reconhecia a sua importância para os negros, já nesta
oportunidade era considerado como “O Movimento de Massa” mais bem organizado
da cidade e também o mais simpático para a opinião pública (TRISTÃO apud
NÉSPOLI, 2006, p. 60).

O desenvolvimento do grupo avançava e começou a alcançar mais participantes,


expandindo o movimento com a criação de Núcleos de Bairros. Os primeiros núcleos
encontravam-se no Jardim Brasilândia, Vila Santa Cruz e Vila Formosa, bairros periféricos da
cidade.
Um maior foco na questão cultural passou a ser a estratégia utilizada, culminando na
criação do projeto cultural “Projeto Zumbi”, apoiado também por Abdias do Nascimento 30 e
influenciado pelo trabalho de conscientização do Teatro Experimental do Negro. Além disso,
diversos grupos culturais passaram a articular-se com o MONUF, entre grupos de poesia,
musicais e de estudos da cultura afro-brasileira.
Políticos e intelectuais passaram a aproximar-se, fortalecendo assim o grupo e
contribuindo para as ações desenvolvidas. Néspoli (2006) aponta que alguns membros
passaram a participar dos processos eleitorais na cidade, fato esse que acabou dividindo as
opiniões dos militantes, fazendo com que ocorresse uma fragmentação do MONUF, uma vez
que muitos entendiam que essa participação política pela via institucional poderia afetar o
movimento, deixando de ter seu caráter de luta popular. Essas divergências passaram a afetar a
organização do grupo, apresentando dificuldades que acabaram por enfraquecê-lo.
Nas eleições municipais de 1988, um dos líderes do grupo, Vanderlei Martins Tristão,
elegeu-se vereador pelo PDT, tendo duas conquistas importantes em seu primeiro mandato:
“conseguiu criar o Conselho Municipal da Comunidade Negra [...] e fazer aprovar uma lei de
sua autoria para que conste no currículo das Escolas Municipais o ensino da História do Negro”
(SOUZA, 1991, p. 116-117). Essa lei, nº 3.74531, promulgada no ano de 1990, abarcava no
projeto o ensino dos seguintes temas:

30
Abdias do Nascimento nasceu em Franca, em 14 de março de 1914. Ainda jovem, deixa a cidade rumo à capital,
onde atuou como militante, mas manteve contato com membros do MONUF, incentivando as ações e a
organização do movimento negro em Franca. Hoje, a Casa da Cultura da cidade, inaugurada em 2014 (ano em que
o ativista completaria 100 anos), recebe seu nome, homenagem realizada após intensa luta do movimento negro.
O espaço possui um acervo permanente com obras do artista e ex-senador.
31
Verificar a lei na íntegra no anexo VII.
89

I – A resistência do negro à escravidão e suas formas de luta;


II – A vida do negro na África antes do contato com os europeus;
III – O negro escravo como mercadoria;
IV – O Quilombo dos Palmares como modelo da resistência coletiva à escravidão;
V – A imprensa negra;
VI – O objetivo do movimento negro na atualidade.

Infelizmente, esse projeto nunca saiu do papel e não se concretizou como política
educacional no município. Mas é um marco importante nas políticas afirmativas da cidade,
demonstrando o alinhamento dos ideais do Movimento Negro nacional também na cidade de
Franca, que considerava a educação como essencial para uma mudança de postura em relação
à discriminação e ao racismo.
Em seu segundo mandato, Tristão teve aprovada outra lei importante para o município:
a Lei 6.287/200432, que criou o sistema de cotas para as faculdades autárquicas municipais
(UNI-Facef e FDF – Faculdade de Direito de Franca), em consonância com a lei federal nº 10.
558/02, que estabeleceu o Programa Diversidade na Universidade. Esta lei municipal, cumprida
nas duas instituições, estabelece reserva vagas para todos os cursos de graduação e pós-
graduação, na seguinte proporção: 20% para negros (pretos e pardos), 5% para egressos de
escolas públicas e 5% para pessoas deficientes.
Néspoli (2006, p. 70) também constata o importante papel realizado pelo MONUF, que
entre suas principais conquistas, verificam-se o maior acesso e a inserção da população negra
em espaços antes negados a estes, e o aumento de negros no mercado de trabalho da cidade.
Na década de 1990, o movimento negro na cidade de Franca enfraquece, constituindo-
se por apenas poucas ações isoladas, até que no ano de 2003, por meio do empenho de ativistas
locais, o COMDECON (Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da
Comunidade Negra) é reativado por meio da Lei nº 5.978, no governo de Gilmar Dominici.
Desde então, buscou reestruturar-se e desenvolver ações em prol da comunidade negra
do município. O conselho, ativo atualmente, reúne-se toda segunda quarta-feira do mês, e busca
somar esforços na realização de ações de fortalecimento da história e a cultura afro-brasileira e
de combate à discriminação racial. Promove, durante todo o ano, palestras, cursos de formação
e ações de conscientização, além de realizar anualmente, no mês de novembro, o Mês da
Consciência Negra, com uma programação que envolve diversas áreas, no intuito de resgatar e
valorizar a identidade negra, sendo realizada em diversos bairros da cidade e em escolas.

32
Esta lei pode ser acessada na íntegra no site da Câmara Municipal de Franca, no endereço:
http://site.camarafranca.sp.gov.br/legislacao/lei-no-6287-de-10-de-novembro-de-2004. Acesso em 15 jan. 2018.
90

3.2 Análise da Implementação da Lei 10.639/03 no Contexto Escolar Pesquisado

A escola envolvida na pesquisa é uma E.M.E.B. (Escola Municipal de Educação Básica)


da cidade de Franca, São Paulo, e está vinculada à Secretaria Municipal de Educação. A rede
municipal de ensino possui um total de 141 instituições escolares (da rede pública e conveniadas
particulares), 1501 funcionários entre professores e especialistas nas escolas, e 28.770 alunos
matriculados, no ano de 2017. Destes alunos, 12.277 estão matriculados nos Anos Iniciais do
Ensino Fundamental.33

Quadro 5 – Quantidade de Instituições Educacionais em Franca/SP


INSTITUIÇÕES QTDE.
EMEI (Escola Municipal de Educação Infantil) 23
EMEB (Escola Municipal de Educação Básica) 37
Creches Conveniadas 59
AJA (Núcleo de Alfabetização de Adultos) 17
EJA (Educação de Jovens e Adultos) 3
CESUM (Ensino à Distância) 1
EMIM (Escola de Iniciação Musical) 1
Fonte: Portal Prefeitura de Franca34

A instituição escolar foco da pesquisa foi criada pelo Decreto Municipal nº 4.606/82 –
Portaria D.O.E. 525/2011, e inaugurada no dia 16 de março de 2011, na gestão do prefeito
Sidnei Franco da Rocha. Localizada no bairro Parque Vicente Leporace I, faz parte do
complexo Parque Vicente Leporace, Zona Norte de Franca/SP. O bairro, distante 6 km do
centro da cidade, foi inaugurado por casas populares do programa CDHU35 no ano de 1982, e
hoje conta com infraestrutura básica (luz elétrica, água encanada, esgoto, coleta seletiva,
transporte urbano), possui escolas, creches, UBS (Unidade Básica de Saúde), praças, conjunto
esportivo e um conjunto de comércios diversificado, abrangendo supermercados, farmácias,
lojas, papelarias, lanchonetes, entre outros estabelecimentos.
Em relação ao espaço físico, a escola é organizada, limpa e está em bom estado de
conservação. O pátio está sempre decorado com motivos infantis, constituindo-se num lugar
bem agradável para o convívio das crianças. Possui 8 salas de aula, 1 sala de recuperação
paralela, 1 sala de leitura, 1 sala de informática, 1 sala de AEE (Atendimento Educacional

33
Estas informações estão disponíveis no site da Prefeitura de Franca, e podem ser acessados no endereço:
http://www.franca.sp.gov.br/administracao-municipal/administracao-direta/educacao/apresentacao-educacao.
34
Disponível em http://www.franca.sp.gov.br/educacao-em-numeros/administracao-municipal/administracao-
direta/educacao/institucional/educacao-em-numeros. Acesso em 05 jan. 2018.
35
Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo, empresa vinculada à Secretaria
de Habitação do Governo Estadual, executa programas habitacionais de moradias populares em todo o estado,
voltados para a população de baixa renda.
91

Especializado), sala da direção, sala da coordenação pedagógica, sala da pedagoga, sala da


orientadora educacional, almoxarifado e secretaria. Além das salas, há um pátio coberto, uma
quadra coberta, cozinha e 4 banheiros, sendo 2 para uso dos alunos (1 deles possui
acessibilidade) e 2 para professores, funcionários e gestão escolar.
A gestão é composta por 1 diretora, 1 professora coordenadora, 1 pedagoga, 1
orientadora educacional e o corpo docente, por 24 professores, sendo 23 PEB I36, 03 de Apoio37,
2 de Educação Física, 2 de Música e 1 professora readaptada na Sala de Leitura. Apesar de
haver sala de AEE, em 2017 não funcionou pois não havia profissional especialista na escola.
No quadro de funcionários, são 3 na secretaria, sendo 1 menor aprendiz, 3 inspetores, sendo 2
estagiários, e 6 cuidadores estagiários, que acompanham os alunos com alguma deficiência. O
serviço de limpeza é realizado por empresa terceirizada e possui 2 funcionárias nesta instituição.
Entre os profissionais da escola que se propuseram a participar da pesquisa e responder
às entrevistas semiestruturadas, temos 05 (cinco) professores PEBI, 02 (dois) professores
especialistas (Educação Musical e Educação Física) e 01 (uma) pedagoga.

Quadro 6 – Perfil dos profissionais entrevistados


Profissional Formação Acadêmica Idade Auto Tempo de Tempo nesta
Declaração Magistério Escola
Professora 1 Pedagogia 50 anos Branca 23 anos 04 anos
Professora 2 Pedagogia; Artes 54 anos Parda 20 anos 07 anos
Professora 3 Magistério; Pedagogia; 34 anos Branca 15 anos 05 anos
Especialização em Deficiência
Auditiva, Educação
Empreendedora e Práticas de
Letramento e Alfabetização.
Atualmente cursa Filosofia
Professor 4 Pedagogia; História 30 anos Pardo 10 anos 05 anos
Professora 5 Pedagogia; Letras; 41 anos Parda 12 anos 04 anos
Especialização em Literatura e
Linguística
Professor de Conservatório (Violão Popular 68 anos Preta 39 anos 07 anos
Música e Erudito); Educação
Artística; Pedagogia
Professora Educação Física; Pedagogia; 37 anos Branca 11 anos 01 ano
de Educação Especialização em Educação
Física Física Escolar e em Personal
Training
Pedagoga Pedagogia; Especialização em 34 anos Parda 15 anos 06 anos
Psicopedagogia
Fonte: Dados coletados por meio das entrevistas realizadas.

36
Professor de Educação Básica I, que atua nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental.
37
Professor de Apoio. Na Prefeitura de Franca, todas as escolas possuem este professor, que fica disponível e
assume a sala de aula no caso de eventualidades de professores titulares de sala, como faltas e licenças.
92

No ano de 2017, possuía um total de 348 alunos matriculados, distribuídos em 16 turmas


de 1º, 2º, 3º 4º e 5º anos dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, nos períodos da manhã e da
tarde, funcionando no seguinte horário:

Quadro 7 – Horário de funcionamento da escola


PERÍODO MANHÃ TARDE
SERVIÇO Início Término Início Término
Aulas 07h00 11h45 12h45 17h00
Secretaria 07h00 às 17h30
Atendimento ao Público 07h00 às 17h30

Por meio do Censo Escolar da Educação Básica de 2017, realizado pelo INEP 38, foi
possível identificar e traçar o perfil dos alunos quanto ao critério cor/raça, o qual podemos
verificar no quadro abaixo:

Quadro 8 – Porcentagem de alunos de acordo com critério cor/raça (2017)


Cor/Raça Brancos Pretos Pardos Amarelos Indígenas Não Declarados
Porcentagem 56% 6,3% 24,4% 0,3% 0% 13%
Fonte: Censo Escolar da Educação Básica INEP

Os dados apontam que há na escola um total de 30,7% de alunos que se autodeclaram


como negros, ou seja, pretos (6,3%) e pardos (24,4%). Esse número reflete, mais uma vez, a
importância de se trabalhar a temática das relações raciais em sala de aula.
Quanto ao perfil dos pais dos alunos39 em relação à escolaridade, possuem Ensino
Fundamental incompleto – 16%, Ensino Fundamental completo – 18%, Ensino Médio
incompleto – 7%, Ensino Médio completo – 38%, Superior incompleto – 1% e Superior
completo – 1%. Quanto à profissão, a maioria é composta por trabalhadores da indústria
calçadista – 25%, seguido pela função do lar – 20%, prestadores de serviço – 19%, comércio –
11% e desempregados – 6%.

38
INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira é uma autarquia vinculada ao
MEC – Ministério da Educação.
39
Dados retirados do Plano de Gestão (2015-2018).
93

Em relação ao aprendizado dos alunos, dados do INEP de 201540 apontam que a escola
atingiu o valor de 7,6 no IDEB41, em uma escala que varia de 0 à 10, no qual quanto mais alta
a nota, maior é o índice de aprendizagem. Nas avaliações anteriores, o índice da escola foi 5,8
(2011) e 5,3 (2013). Essa evolução demonstra que, além de ter aumentado o seu índice, atingiu
a meta de 2015, que era 6,3. Os dados, verificados a partir da Prova Brasil 2015, demonstram
que 87% dos alunos do 5º ano aprenderam o adequado na competência de leitura e interpretação
de textos, e 85% aprenderam o adequado na competência de resolução de problemas.

Quadro 9 – Resultados do IDEB 2015: proporção de alunos no nível adequado / 5º ano E.F.
PORTUGUÊS MATEMÁTICA
Escola 87% 85%
Franca 75% 75%
São Paulo 64% 54%
Brasil 51% 39%
Fonte: Ideb 2015

Esses valores mostram-se superiores às médias municipal, estadual e federal, tanto em


Língua Portuguesa quanto em Matemática, disciplinas avaliadas na Prova Brasil. Apesar de o
índice Ideb ter diminuído no ano de 2013 em relação à 2001, a escola conseguiu superar sua
própria meta e manter-se bem acima do valor de referência 6,0 do Ideb, sendo este valor a meta
definida para 2021, fixada no Termo de Adesão ao Compromisso Todos pela Educação42. Esta
meta nacional foi definida a partir da comparação com a média de proficiência de países
desenvolvidos, observadas no PISA43.
A análise do Projeto Político-Pedagógico (2016-2019) da escola nos permite
compreender esse resultado, uma vez que nele consta um diagnóstico da realidade da instituição
a partir da visão da equipe escolar, da comunidade e dos alunos. Sendo a visão da escola
“oferecer um ensino acadêmico que garanta aos educandos uma formação para a cidadania e

40
Dados disponíveis no endereço: www.qedu.org.br.
41
O IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – foi criado no de 2007 pelo INEP, como forma de
monitorar a qualidade da educação. É calculado a partir da taxa de rendimento escolar (aprovação) e as médias de
desempenho na Prova Brasil, exame aplicado pelo INEP, a cada dois anos, para o 5º e 9º ano do Ensino
Fundamental e 3ª série do Ensino Médio.
42
Estas informações estão disponíveis no documento Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb):
Metas Intermediárias para a sua Trajetória no Brasil, Estados, Municípios e Escolas, disponível no endereço:
http://download.inep.gov.br/educacao_basica/portal_ideb/o_que_sao_as_metas/Artigo_projecoes.pdf. Acesso em
08 jan. 2018.
43
Programme for International Student Assessment (PISA) – Programa Internacional de Avaliação de Estudantes.
94

desenvolvimento social dos alunos” (p. 3), este princípio mostra-se fundamentado na premissa
da construção de um projeto de educação promovido pelo trabalho coletivo, por meio de valores
como parceria, comprometimento, envolvimento e competência de toda a equipe escolar e dos
alunos, destacando a importância da participação da comunidade.
Estes princípios indicam a intenção de um trabalho desenvolvido a partir da gestão
democrática, que deve ser construído pela participação de todos os envolvidos no processo
educativo. Essa construção coletiva foi confirmada por todos os professores da escola durante
as entrevistas, e também pela pedagoga:

A construção dele foi coletiva, nós partimos de uma análise da realidade do que que
os pais achavam que a escola tinha de pontos positivos, negativos, o que que tinha que
ser construído, e depois, em reunião de pais, foram levantadas ações que poderiam
melhorar aquela realidade. A partir daí, a gente, junto com os professores, construiu
um plano de ação para quatro anos. (Pedagoga)

De acordo com o PPP da escola, essa participação democrática contribui positivamente


para os processos de ensino e de aprendizagem, desde a organização do currículo escolar, à
participação efetiva nas reuniões e para a reflexão e avaliação do trabalho realizado:

compete à escola assumir o papel de refletir e apontar os caminhos para a sua prática
pedagógica e inserção social. Isso se dará através da construção coletiva, ou seja, a
participação ativa de todos os atores envolvidos na gestão escolar (professores,
funcionários, representantes da comunidade, pais e alunos). (PPP 2016-2019, p. 4)

Em pesquisa realizada com a equipe escolar, pais e alunos, os resultados apresentados


no PPP (2016-2019) apontam algumas considerações em relação ao trabalho que vem sendo
desenvolvido na escola: 94% da equipe escolar e dos pais dizem se sentir acolhidos e gostarem
da escola, enquanto 86% dos alunos afirmam o mesmo, indicando uma boa convivência no
espaço escolar.
Entretanto, em relação ao questionamento se há diálogo frequente entre todos –
professores, alunos, funcionários pais e equipe gestora, enquanto apenas 58% da equipe escolar
concorda com a afirmação, entre pais e alunos a aprovação é maior (82% dos pais e 79% dos
alunos), demonstrando que a escola acredita que esse diálogo e a participação de toda a
comunidade ainda pode ser maior e mais amplo, comprometendo-se com ações para concretizar
essa aspiração, de forma a aumentar e intensificar essa participação.
Sobre as práticas pedagógicas, enquanto apenas 64% da equipe escolar afirma que as
aulas são interessantes, 89% dos pais e 83% dos alunos concordam com a afirmação. A pergunta
em relação se as aulas são bem pensadas e planejadas, concordam 76% da equipe escolar, 91%
95

dos alunos e 91% dos pais. Esses dados apontam para uma exigência da própria escola e
funcionários em relação ao compromisso de buscar superar os desafios, proporcionando uma
educação de qualidade à seus alunos, o que contribui para os bons resultados alcançados nas
avaliações externas:

Uma escola de qualidade pressupõe profissionais atualizados, bem preparados,


dispostos e que gostam do que fazem, para trabalhar com educação é preciso
dedicação, constante aperfeiçoamento, formação contínua, construindo uma escola
que pense no coletivo e trabalhe em equipe (PPP 2016-2019, p. 37)

A preocupação com a qualidade da formação do aluno e de uma educação plena voltada


para a cidadania, objetivando alcançar uma sociedade mais justa, solidária e democrática é
reiterada em vários pontos do PPP. Para isso, destaca-se a necessidade de

formar indivíduos críticos, autônomos e capazes de modificar o meio social no qual


estão inseridos, respeitosos da diversidade cultural (local, afro-brasileira e
indígena) e individuais, convivendo em harmonia com as diferenças, conforme
dispõe resolução CNE/CP nº 01/201244 e a resolução CNE/CEB nº 4/201245, na
perspectiva da educação inclusiva (PPP 2016-2019, p. 33, grifo nosso)

Embora a questão da diversidade afro-brasileira e indígena esteja presente, o trabalho a


partir da Lei 10.639/03 numa perspectiva de se desenvolver uma educação das relações étnico-
raciais não está explícita em nenhum ponto deste documento. Vale reiterar aqui a importância
de identificar de que forma acontece a incorporação das diferenças e a presença da pluralidade
de valores e universos culturais, articulada entre o currículo e o PPP (MOREIRA; CANDAU,
2007); (GOMES, 2012). Assim, a inserção pouco sólida da temática no PPP, na perspectiva do
que é determinado pela lei, é um indicativo de pouca sustentabilidade das práticas, uma vez que

Entende-se por sustentabilidade das práticas pedagógicas na perspectiva da Lei n.º


10.639/03 e das suas Diretrizes Curriculares a possibilidade de o trabalho com a
educação das relações étnico-raciais desenvolvido na instituição escolar se tornar
parte do cotidiano, do currículo e do PPP, independentemente da ação de um(a)
professor(a) ou de uma gestão específica (GOMES, 2012, p. 74).

Somente é reiterado o disposto no Referencial Curricular da Educação Básica das


Escolas Públicas Municipais de Franca (2008), acerca do “acesso e permanência a todas as

44
Essa resolução estabelece as Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Disponível em
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10889-rcp001-
12&Itemid=30192. Acesso em 18 jan. 2018.
45
O ano desta resolução aparece incorreto no PPP, sendo o correto CNE/CEB nº 4/2009, que institui as Diretrizes
Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação
Especial. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em 18 jan. 2018.
96

crianças, jovens e adultos em todas as etapas e modalidades do sistema educacional,


independente de suas condições pessoais, de raça, gênero, etnia, classe social ou deficiência”
(PPP 2016-2019, p. 35-36). De acordo com a pedagoga da escola, o PPP

Fala o trabalho da diversidade, da questão da igualdade dos direitos. Isso sim, isso
fala. Mas não de uma forma, assim, étnico-racial [...]. É bem amplo. É... porque
quando a gente coloca a missão da Secretaria, que fala “educação para todos”... já
comtempla, a gente subentende que contempla o que seria esse “todos”, né. E a
dificuldade que é contemplar o todo. (Pedagoga)

Mesmo que o Referencial Curricular (2008), como já abordado no capítulo anterior,


coloque a necessidade de uma educação que valorize as diferenças culturais, aqui no PPP a
visão apresentada não ultrapassa a questão do respeito às diferenças, enquanto o trabalho de
valorização das identidades culturais e da pluralidade cultural, na perspectiva da Lei 10.639/03,
não aparece como quesito a ser inserido nas práticas pedagógicas. Compreendemos pela fala
dos professores que muitos acreditam não ser importante especificar, uma vez que a questão do
respeito já estaria implícito a questão racial:

No projeto político-pedagógico, o que vigora bastante? É essa questão do aluno


enquanto cidadão. [...] outra coisa que é muito bacana, a questão da aceitação do
próximo. Que, na verdade, mesmo não estando explícito, está implícito, né, essa
questão racial aí, né... étnico-racial. (Professora 5)

O respeito às diferenças está entre os objetivos do Plano de Ação inserido no PPP da


escola, aparecendo de forma superficial e sendo tratado simplesmente como bullying, no item
“Inibir o comportamento agressivo dos alunos, manifestados em ações como: humilhações,
isolamentos, discriminações, entre outros, mostrando-lhes os danos causados pelo bullying”.
Este objetivo apresenta-se como de responsabilidade da orientadora educacional, cuja ação se
restringe a “realizar um trabalho reflexivo a partir de vídeos educativos sobre assunto”, sem
indicações de quais materiais devem ser utilizados e como deve ser desenvolvido, deixando a
avaliação do desempenho desta ação a cargo do professor.
Embora o próprio currículo do município de Franca já esclareça o equívoco de se
restringir a compreensão de educação inclusiva ao trabalho exclusivamente com educação
especial, o PPP resvala nessa questão, tendo seu maior foco na inclusão de crianças com
deficiências: “Para que a escola exercite o ensino democrático, faz-se necessário que o Projeto
Político-Pedagógico garanta o acesso e a permanência dos alunos da Educação Especial,
reconhecendo e valorizando as diferenças sem discriminar e segregar” (p. 34). Em seguida,
enfatiza que esse trabalho deve ser desenvolvido na perspectiva da Educação Inclusiva,
97

fundamentando por meio de legislações, que em sua grande maioria, tratam apenas da questão
do deficiente na educação, como a Declaração de Salamanca (1994) e a Política Nacional de
Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (2008).
Além disso, em alguns trechos das entrevistas, percebemos que o mito da democracia
racial faz-se presente na concepção de alguns professores, que afirmam não haver situações de
preconceito e racismo na escola, e que todos se respeitam, independente das diferenças. Essa
crença no mito da democracia racial é um reflexo da educação eurocêntrica recebida por estes
professores, e também dos conhecimentos adquiridos durante a formação profissional, que
reflete também na vida profissional, e pode comprometer a formação do aluno enquanto futuro
cidadão (MUNANGA, 2005). Também fica claro que entendem como racismo e discriminação
apenas as ações explícitas, ignorando o racismo velado que muitas vezes permeia as relações:

Eles (alunos) não têm mais aquele negócio “ah, não vou sentar com ele por causa
disso”, não. Os alunos estão vindo bem preparados a essa aceitação das diferenças,
você entendeu? (Professora 1)

Não tem mais aquela coisa de ficar chamando o outro, sabe? Desfazendo do outro que
é negro, é... eles... vejo naturalmente entre eles. Eu não vejo discriminação, não, aqui
na escola... Não vejo maiores problemas... (Professora 2)

Você vê uma união, até mesmo com quem é branco, querendo gostar da cor, aceitando
a cor. É muito bacana de ver. Não tem esse preconceito... (Professora 5)

Ao citar também como referência o Plano Municipal De Educação - PME (2015-2025),


a única meta deste documento tratada no PPP é em relação à universalização do acesso à
Educação Básica e ao atendimento educacional especializado, para a população de 4 (quatro) à
17 (dezessete) anos, com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas
habilidades ou superdotação. Entretanto, o PME (2015-2025) traz conteúdos no que concerne
à implementação das Leis 10.639/03 e 11.645/08, e das Diretrizes (2004) no município de
Franca. Ações e estratégias na perspectiva do trabalho com a educação das relações étnico-
raciais apresentam-se ao longo do documento, como podemos observar no quadro abaixo:
98

Quadro 10 – Metas, Ações e Estratégias no PME (2015-2015): Leis 10.639/03 e 11.645/08


META AÇÕES ESTRATÉGIAS
7. Fomentar a qualidade da 7.22 Garantir nos currículos 7.22.1 Promoção de ações
Educação Básica em todas as escolares conteúdos sobre a colaborativas por meio de Fóruns
etapas e modalidades, com história e as culturas afro- de Educação para a diversidade
melhoria do fluxo escolar e da brasileira e indígena eétnicorracial com a participação
aprendizagem, de modo a atingir implementar ações educacionais, de conselhos escolares, equipes
as seguintes metas projetadas para nos termos das Leis nos 10.639, pedagógicas e a sociedade civil,
o Ideb: de 9 de janeiro de 2003, e 11.645,a fim de efetivar e garantir que os
de 10 de março de 2008. conteúdos do ensino da História
IDEB 2015 2017 2019 2021 e Cultura Afro-Brasileira,
Anos Iniciais 6,2 6,4 6,7 6,9
do Ensino Africana e Indígena sejam
Fundamental trabalhados em sala de aula,
Anos Finais 5,9 6,1 6,3 6,5
do Ensino principalmente nas disciplinas de
Funndamental História e Arte.
Ensino Médio 6,0 6,6 6,5 6,7
7.23 Promover um levantamento 7.23.1 Levantamento da
quantitativo das comunidades existência dessas comunidades
quilombolas e indígenas para no município
promover o diálogo com tais
comunidades e propor estratégias
que contemplem a Educação no
campo destas populações.
8. Elevar a escolaridade média da 8.5 Constituir, em parceria com 8.5.1 Ações de pesquisa,
população a partir de 18 anos de os sistemas de ensino, para todos desenvolvimento e aquisição de
idade, de modo a alcançar, no os níveis e modalidades da materiais didáticos que
mínimo 12 anos de estudo até o Educação, uma Educação para as respeitem, valorizem e
último ano de vigência deste relações Etnicorraciais. promovam a diversidade e
Plano, para todos os segmentos subsidiem práticas pedagógicas
populacionais do município. adequadas à Educação das
relações Etnicorraciais.
8.5.2 Execução de ações
pedagógicas de fortalecimento e
institucionalização das
orientações legais advindas da
Lei nº 10.639.
8.5.3 Divulgação, fortalecimento
e institucionalização das
orientações advindas da lei:
10.639, que versa acerca do
ensino da história e cultura afro-
brasileira e africana, lei 11.645,
parecer do CNE 03/2004 e
resolução 01/2004.
8.6 Fortalecer a função social da 8.6.1 Oferecimento, em regime
escola como indutora de práticas de colaboração entre as redes de
de respeito ao outro e como ensino, de formação continuada
propulsora de ações solidárias, aos docentes em temas
auxiliando a comunidade escolar contemporâneos, como direitos
no enfrentamento dos humanos, os contextos sociais,
preconceitos, visando à redução culturais e ambientais.
da evasão escolar.
FONTE: Plano Municipal de Educação – Franca (2015-2025).
99

A inserção destas ações no PME (2015-2025) mostra um evidente avanço na discussão


da temática das relações raciais no município. A meta 7 tem como objetivo garantir o direito a
uma educação básica de qualidade para todos, proporcionando acesso, permanência,
universalização da alfabetização e ampliação da escolaridade, enquanto a meta 8 trata de
políticas que visam a redução das desigualdades e a valorização da diversidade, em busca de
fortalecer sistemas educacionais inclusivos. Tais metas encontram-se tanto no Plano Nacional
de Educação (2014-2024), quanto no Plano Estadual de Educação (2016-2026), demonstrando
que as políticas educacionais do município estão em consonância com outros sistemas de
ensino, no que concerne ao envolvimento e comprometimento de gestores e professores na
efetivação das leis, enfrentando o racismo e o preconceito no âmbito educacional.
Além disso, estas ações também estão em conformidade com o disposto no Plano
Nacional de Implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das
Relações Étnicorraciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana
(2010), que compartilha e atribui responsabilidades por meio de atribuições para cada sistema
de ensino. Assim, cabe aos governos municipais o apoio às escolas para a implementação das
Leis 10.639 e 11.645, tanto em relação à formação e orientação dos professores, gestores e
equipe técnica, passando pela distribuição de material pedagógico, participação em Fóruns de
Educação e Diversidade Étnico-Racial e a produção de relatórios a respeito das ações de
implementação.
O projeto Primavera, Poemas e Poesias46, realizado no ano de 2016 na escola objeto da
pesquisa, situa-se como uma das ações propostas pelo Plano Municipal de Educação (2015-
2025). Inserido no PPP e no Plano de Ações da escola, tem como principal objetivo desenvolver
um trabalho com as competências de leitura e escrita dos alunos, explorando o gênero poesia
em todas as séries. Além disso, incentivar a participação dos pais nas atividades desenvolvidas
na escola, por meio de apresentações artísticas.
Realizado na escola há quatro anos, o projeto teve, no ano de 2016, escolhido como
homenageado o poeta Carlos de Assumpção, o que proporcionou, por meio do trabalho com
suas poesias e de visitas e rodas de conversa com a participação do poeta, professores e alunos,
abrir a discussão acerca da temática da história e da cultura africana e afro-brasileira. Também
contribuiu para ampliar o trabalho sobre questões e relações raciais na escola. Entretanto, o
trabalho com essa temática não foi intencional, surgiu a partir do trabalho com os poemas e das
conversas com o poeta:

46
Projeto disponível no anexo VIII.
100

Então a gente nem imaginava que fosse tomar uma... a dimensão que foi tomada.
Então a gente tinha uma estrutura que era básica e conforme foi... ele (Carlos de
Assumpção) foi vindo, foi surgindo outras necessidades que ele foi contemplando.
Então o primeiro encontro foi para que as professoras o conhecessem, que nem todas
o conheciam, e, depois ele voltou em um segundo momento, e aí, né, não foi
explicitado que iria trabalhar essas questões étnicas, raciais, mas conforme ele foi
declamando as poesias, né, na própria fala dele, isso foi se tornando... foi se
ramificando. [...] O nosso objetivo era homenageá-lo, né, e trazê-lo como tema
principal para o quinto ano, que tem uma percepção crítica maior [...]. Então quando
ele veio foram surgindo, né, várias temáticas, porque envolve muito a questão
emocional das crianças, né. (Pedagoga)

Desenvolvido entre os meses de abril e setembro, o projeto constou, conforme descrito


no Plano de Ações (2016) da escola, e verificado também na análise dos diários de classe dos
professores, com sequências didáticas sobre o gênero poesia, leituras semanais de poemas em
sala de aula e em casa com os pais, como lição de casa, interpretação oral e escrita, declamação
coletiva e individual, análise da função social dos textos poéticos, produção de poemas para os
3º, 4º e 5º anos, tanto individuais quanto coletivas, e produção de desenhos a partir de poemas
para os 1º e 2º anos. Os poemas trabalhados foram de diversos escritores, mas o foco maior do
trabalho com a obra do poeta escolhido para a homenagem aconteceu nas salas de 5º anos, uma
vez que os temas presentes nestes textos, como a escravidão e a cultura afro-brasileira
relacionavam-se diretamente com os conteúdos trabalhados nesta série, de acordo com o
currículo utilizado pelo município de Franca. Nas aulas, a leitura e interpretação dos poemas
permitiu um trabalho interdisciplinar nas disciplinas de Língua Portuguesa, História, Geografia
e Artes.
Ao longo da realização do projeto, o poeta Carlos de Assumpção fez algumas visitas à
escola, momentos estes em que teve a oportunidade de participar de rodas de conversa com os
alunos de todas as séries, recitando seus poemas e conversando sobre o contexto delas, tornando
assim a discussão da temática da cultura negra presente em todas as salas da escola. Segundo a
pedagoga da escola, grande parte dos professores envolveram-se no projeto:

A gente tem um grupo bem diversificado, mas eles (os professores) se envolveram
sim. Até porque as crianças cobram, né. As crianças começam a cobrar porque veem
o que o outro professor da outra sala está fazendo, o movimento que a outra sala está
fazendo. E quando você traz essa temática, você está criando um aluno crítico, né.
Então eles cobram. Então, assim, eles se envolveram. É lógico que tem professor que
abraça muito mais que outros, mas, de forma geral, eles se envolveram sim.
(Pedagoga)

O fechamento do projeto aconteceu no final do mês de setembro, com a realização do


Sarau Primavera, que contou com a participação de toda a equipe escolar, alunos, pais,
convidados e do poeta homenageado, Carlos de Assumpção. Neste evento, ocorreram
101

apresentações artísticas diversas envolvendo música, dança, teatro, declamação, jogral, e uma
apresentação de homenagem ao poeta, feita por alunos do 5º ano, com o poema Protesto.

Figura 3 – Carlos de Assumpção e convidados em roda de conversa com os alunos

Figura 4 – Presença da comunidade: Sarau Primavera

Figura 5 – Apresentação artística no Sarau Primavera


102

Figura 6 – Apresentação artística no Sarau Primavera

FONTE: Página de rede social da escola.

Também houve um concurso de poemas, em que concorreram produções tanto de


alunos, de todas as séries, quanto de pais de alunos, tendo a premiação ocorrido no dia do
encerramento do projeto, junto ao Sarau. Entre as produções textuais realizadas pelos alunos ao
longo do ano, temáticas variadas foram abordadas, e entre essas produções, podemos destacar
alguns poemas que tratavam de temas como escravidão, discriminação e injustiças:

Eram escravos aprisionados


Sendo todos maltratados
Como se fossem animais
Arrancados de seus pais.
[...]
Muitas vezes passando fome e frio
Suas cantorias davam arrepios
Cantavam com a alma e a esperança
Suas vidas cheias de mudanças.
Faziam rebeliões
E lutavam contra leões
Lutavam pela sua liberdade
Mas eram mortos sem dó nem piedade.
Por isso vou lutar
Pelas honras desses negros
Escravos que no nosso país
Foram duramente maltratados
Tudo por causa de sua cor
Nesse Brasil de terror.
(Poema de uma aluna do 5º ano).

Eram negros
Não eram brancos
Eram escravos
Eles eram massacrados.
[...]
Mas isso foi acabando
Eles viram que
Somos todos iguais.
Brancos ou negros
Que diferença faz?
103

Somos todos iguais!


(Poema de uma aluna do 3º ano)

Nestes poemas, podemos observar o trabalho com a questão da escravização dos


africanos e de todo o sofrimento ao qual foram acometidos. Embora esse trabalho seja
importante no sentido de os alunos sentirem empatia e compreenderem as atrocidades ocorridas
aos negros no Brasil, o foco apenas nesta questão costuma ser criticado por muitos estudiosos
da temática, uma vez que restringe a história da África a um passado de servidão e passividade.
Entretanto, ao verificar os poemas trabalhados durante o projeto de autoria de Carlos de
Assumpção, observamos que as injustiças decorrentes do processo de escravização são
temáticas recorrentes em sua poesia, o que pode ter contribuído para a convergência deste
assunto nas produções dos alunos.
Em relação ao apoio e participação da Secretaria Municipal de Educação na realização
e desenvolvimento destas ações, fator importante apontado por Gomes (2012) para o sucesso
de projetos na perspectiva da lei 10.639/03, não houve envolvimento direto, apenas a
movimentação da própria escola, como afirma a pedagoga:

A prefeitura tem os projetos-leis, que são projetos que todas as escolas fazem, os
projetos da própria Secretaria que todas as escolas fazem. Como esse era um projeto
nosso, assim, nosso daqui da escola, é... fica muito da nossa governabilidade mesmo,
tanto financeira como para executar... (Pedagoga)

O que facilitou o desenvolvimento do trabalho foi o apoio da gestão da escola, que


buscou auxiliar os professores em todos os momentos, confirmando uma das conclusões a que
chegou Gomes (2012), de que o apoio e suporte da direção/gestão são facilitadores para o
desenvolvimento do trabalho:

Todo trabalho que a gente faz em sala de aula, a gente tem um apoio muito grande. O
pessoal (gestão), eles estão sempre apoiando a gente, incentivando as iniciativas que
a gente tem, né... (Professora 3)

A equipe gestora sempre disponibilizou material, o tempo para nos ouvir, é... a
separação de material... sempre auxiliou da melhor forma possível para que fosse um
sucesso. (Professora 5)

Embora as ações do projeto estejam em consonância com as competências, habilidades


e conteúdos sugeridos pelo REC (2008), os professores afirmam que o currículo abarca de
forma superficial a questão racial e da educação das relações étnico-raciais, justificando esse
fato pela composição do currículo em competências e habilidades. Essa constatação demonstra
104

a dificuldade observada nos professores de identificar as possibilidades dentro do currículo e


inserir no cotidiano da sala de aula práticas pedagógicas na perspectiva da Lei 10.639/03:

Em relação ao tema, não tem muita coisa, entendeu? Você pode até dar uma olhada...
tradições, costumes e valores, transformações, da vivência cultural, entendeu? Tem o
quarto bimestre que a gente trabalha o grupo étnico, localidade, religião... (Professora
1)

Tem, mas de uma forma bem geral. Não é específico, não. Assim, a gente tem que...
quando a gente pega o material, quando a gente vai pesquisar para trazer para a sala
de aula, a gente acha várias vertentes, né? Mas a gente acaba abrangendo de uma
forma bem geral. (Professora 3)

Tem a parte de conhecimento da sua... como que fala? Da sua comunidade. Com os
conhecimentos e culturas da sua comunidade, que dá para encaixar sim a questão da
cultura negra. (Professor 4)

O REC, ele aborda o que nós temos que trabalhar. Então em Língua Portuguesa não
se fala. E Matemática também não. Por quê? É questão das habilidades. [...] Então,
em História, o que se vê é a questão mesmo das etnias que formaram o Brasil, né.
Então fora isso, não. (Professora 5)

Eu acho que daria (para trabalhar na perspectiva da lei) na criatividade corporal,


porque dá para falar de muitas manifestações rítmicas, muita parte da luta, né [...].
Tem um projeto que fala... que é recente sobre lutas, mas não... um professor só que
falou da capoeira, mas até ele não está mais na rede, ele era substituto... (Professora
de Educação Física)

O professor de educação musical foi a única exceção entre todos os professores da


escola, mostrando que o trabalho com a música sempre perpassa pela questão da história e
cultura negra:

Geralmente essa cultura musical nossa envolve o Brasil de canto a canto, de todo lado.
Então você estuda... o que que você estuda? O samba... você estuda outros ritmos.
Porque foi tudo assim, se você for analisar, é... a maior parte dos ritmos, é... no
Nordeste, no Norte, são... todos eles já vinham do negro. Quase todos vêm... tem uma
linhagem ali. (Professor de Educação Musical)

Os professores que lecionam no ciclo de alfabetização (1º, 2º e 3º ano) também apontam


que nestas séries o foco maior está na alfabetização, e que isso dificulta trabalhar outros pontos,
e que muitas vezes, inclusive, impede de se realizar muito do que está determinado no
Referencial Curricular (2008) :

... o meu é segundo ano, é alfabetização, então você fica mais focada na alfabetização.
Ás vezes você nem dá História, Ciências e Geografia porque você está preocupada
em alfabetizar a criança, entendeu? Então a gente foca mais é no Português.
(Professora 1)
105

O foco mesmo fica no Português, né, e na Matemática. Aí a História, Geografia, essas


coisas, a gente acaba deixando para o segundo plano. O que é errado porque se a gente
interligar as coisas, fazer um trabalho interdisciplinar, a gente acaba conseguindo
atingir outros objetivos que não é só a alfabetização em si, né? (Professora 3)

Essa dificuldade em identificar as possibilidades do trabalho étnico-racial dentro do


currículo acontece pela própria falta de conhecimento acerca do está prescrito na lei, além do
pouco conhecimento da história e da cultura afro-brasileira e africana, visto que a grade
curricular da formação tanto inicial quanto continuada destes professores não contemplou a
temática. De acordo com as Diretrizes (2004), para uma prática competente, os professores
precisam de uma formação que possa forjar novas relações étnico-raciais, então temos a

necessidade de se insistir e investir para que os professores, além da sólida formação


na área específica de atuação, recebam formação que os capacite não só a
compreender a importância das questões relacionadas à diversidade étnico-raciais,
mas a lidar positivamente com elas e, sobretudo criar estratégias pedagógicas que
possam auxiliar a reeducá-las (BRASIL, 2004, p. 17)

Apenas dois dos professores entrevistados afirmaram ter estudado, durante a formação
inicial, História e Cultura da África e Afro-Brasileira, quando cursaram a graduação em História
e em Artes. Entretanto, concluem que não houve aprofundamento suficiente em relação à
temática preconizada pela Lei 10.639/03 e suas diretrizes:

... eu sei, né, que a existe a lei até... 10.639? É isso? E que obriga, né, nas escolas
municipais e estaduais, de falar sobre a cultura afro-brasileira, mas na prática, assim,
eu acho que fica muito distante, né? [...] Mas assim, igual, Pedagogia é uma coisa que
deveria falar mais, mas o meu também faz bastante tempo, né. (Professora de
Educação Física)

... na verdade, eu sei que a lei existe, mas assim, é poucas informações sobre ela na
minha realidade. [...] em Arte a gente trabalha muito essa parte, né, todas as linguagens
da Arte, a gente verifica um pouco dessa área, mas, assim, na verdade, a fundo, não
tem maiores informações. (Professora 2)

O único problema que eu acho que foi a defasagem do meu... da minha formação
inicial na História da África, que ela ficou muito permeada com a questão política.
Questão política e das civilizações. Talvez a cultura africana foi deixada um pouco de
lado. (Professor 4)
106

No município de Franca/SP, um indicador referente à formação de professores está


presente nos relatórios municipais do PAR47, no item Formação Continuada de Professores
para cumprimento da Lei 10.639 da dimensão 2 do PAR, referente à Formação de Professores
e Profissionais de Serviço e Apoio Escolar. Este indicador, uma vez que é auto atribuído pela
própria gestão do município, pode ser considerado problemático. Entretanto, pode fornecer uma
visão acerca do esforço dos sistemas de ensino em fornecerem formação continuada aos
professores para o trabalho com a Lei. Através deste diagnóstico do PAR, o MEC começou a
oferecer assistência técnica para a formação e qualificação de professores e gestores da
Educação Básica, como ferramenta para auxiliar o cumprimento das Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura
Afro-Brasileira e Africana (BRASIL, 2004). Este indicador segue o seguinte critério:

Quadro 11 – Formação inicial e continuada de professores de Educação Básica para


cumprimento da Lei 10.639/2003

Fonte: Guia de preenchimento do PAR

No PAR realizado no ano de 2008 no município de Franca, o relatório indica a


Pontuação 1, quando não existem políticas voltadas para a formação inicial e continuada dos
professores visando ao cumprimento da Lei 10.639/03. Verificamos, então, que desde o
momento da implantação da lei até aquele momento, nenhuma ação do poder público municipal

47
O Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, um programa estratégico do PDE, instituído pelo Decreto
nº 6.094, de 24 de abril de 2007, elaborou 28 diretrizes visando a melhoria da qualidade da educação. A partir da
adesão ao Plano de Metas, estados e municípios realizam um diagnóstico da realidade educacional local e elaboram
o Plano de Ações Articuladas – PAR. O instrumento para o diagnóstico da situação educacional local está
estruturado em quatro grandes dimensões: 1. Gestão Educacional; 2. Formação de Professores e dos Profissionais
de Serviço e Apoio Escolar; 3. Práticas Pedagógicas e Avaliação; 4. Infraestrutura Física e Recursos Pedagógicos.
Para mais informações: http://portal.mec.gov.br/par. Acesso em 25/10/2016.
107

ocorreu no sentido de se trabalhar a formação dos professores na perspectiva do ensino de


história e cultura africana e afro-brasileira.
De acordo com o relatório público do município de Franca/SP48, o Termo de
Cooperação Técnica entre a esfera federal e a municipal previa a disponibilização de kits de
material didático para a implantação da Lei 10.639/03, além da capacitação de professores, por
meio de formação continuada, de cursos sobre História e Cultura Africana e Afro-Brasileira e
temas da diversidade.
Esses cursos de formação continuada aconteceram por meio de um programa de
educação a distância, Universidade Aberta do Brasil (UAB), parceria entre o Ministério da
Educação e Universidades Públicas. Em Franca, foram oferecidos quatro cursos que atendiam
a essa demanda:

Quadro 12 – Cursos oferecidos em Franca – Parceria UAB/MEC


Curso Universidade Modalidade Carga Ano de Vagas
Horária oferta
Relações Étnicas e UFSJ/MG Aperfeiçoamento 200 2009 60
Raciais horas vagas
Educação para a UNESP/Bauru Aperfeiçoamento 180 2009 60
Diversidade e Cidadania horas vagas
Gênero e Diversidade na UFSCar Aperfeiçoamento 200 2013 50
Escola horas vagas
Produção de Material UNESP/Bauru Aperfeiçoamento 180 2014 60
Didático para a horas vagas
Diversidade
Fonte: Resposta do pedido de informação pelo Portal da Transparência de Franca

Mesmo com essa oferta, poucos professores da rede municipal tiveram acesso e
participaram, uma vez que as vagas são abertas para todos os professores do município e região
do polo Franca, inclusive da rede estadual e da rede particular. Como a oferta destes cursos
acontecia por meio da SECADI, assim que foi a secretaria foi extinta, os cursos deixaram de
ser oferecidos.
Além da disponibilização destes cursos em parceria com o Governo Federal, as ações
da Secretaria da Educação no sentido de incentivar, orientar e apoiar a implementação da Lei
10.639/03 são, até o momento, ainda escassas ou pouco significativas, não havendo de fato
ações que possibilitam um trabalho amplo em toda a rede municipal de educação. Outro ponto

48
O relatório público do PAR referente ao município de Franca, contendo as informações citadas, e também de
diversas outras cidades do Brasil, pode ser encontrado para consulta no endereço
http://simec.mec.gov.br/cte/relatoriopublico/principal.php?system=apresentacao&ordem=7&inuid=1367&itrid=
2&est=SP&mun=Franca&municod=3516200&estuf=SP&muncod=3516200. Acesso em 06 mai 2017.
108

a ser destacado que contribui para esse resultado é a falta de cobrança da Secretaria Municipal
de Educação em relação à lei:

Muito pouco. Não foi alvo de estudo (a lei 10.639/03), a gente não teve nada, nem por
conta própria e nem da Secretaria, que nos orientasse. Chegou uma vez no ano passado
(2015), mas é... muito superficial. [...] Apesar de que, realmente, o projeto veio para
a coordenação, né. Lá tinha sugestões de... de literatura, e que poderiam ser usadas
com as crianças, mas não foi algo que foi expandido. Então foi bem superficial
mesmo. (Pedagoga)

Assim, a partir do momento que está na lei, a gente teria que trabalhar, se... eu acho
até que se fosse cobrado da gente esse trabalho, com certeza a gente já teria estudado,
mesmo que fosse por conta própria. (Professora 3)

Outra dificuldade encontrada para o desenvolvimento das ações foi em relação ao


assunto religião. Como alguns poemas de Assumpção tratam de símbolos e questões das
religiões de matriz africana, esse ponto causou certo incômodo, principalmente em relação ao
não aceitamento dos pais.

Surgiram, quando as crianças do quinto ano foram declamar do... esqueci o nome da
poesia... eu lembro que falava do... que “meu pai é meu guia”, né. Então, assim, a
gente teve uma... alguns problemas em relação à religião. [...] Porque a gente teve que
parar e discutir com os alunos, né, por que “meu pai é meu guia”? E aí... e aí os pais
ouviam as crianças falando e aí... “Não, meu filho não vai apresentar porque está
envolvendo religião”. (Pedagoga)

Eu acho que a maior dificuldade é quando a gente trata da religião africana, que eles
têm muito preconceito e é muito difícil de tentar desvencilhar, por exemplo a umbanda
e o candomblé é tipo como coisas do demônio para a maioria. (Professor 4)

Mesmo assim, foi importante porque esse fato contribuiu para o avanço da discussão
dessa questão, abrir o diálogo com os alunos e a comunidade, e mostrar a importância de
conhecer e respeitar outras religiões.

Conforme o trabalho da professora foi desenvolvendo, se tinham cinco crianças que


não iam apresentar, ficaram duas. [...] Elas conseguiram compreender o que que a
poesia estava falando, porque aí a professora teve que trabalhar oração por oração da
poesia... explicando, né... a influência da religião afro que a gente ainda traz conosco.
E aí foi... foi todo um trabalho. Foi uma coisa que não foi fácil. Não é uma coisa
simplesinha de se abordar. Mas foi rico, foi importante esse momento também. [...]
Não era uma coisa que estava no planejamento. E elas (as crianças) escolheram
justamente a poesia... (risos) a poesia que é citada a questão religiosa. Mas foi, de
certa forma... os pais, mesmo os que se opuseram, durante a apresentação, ficaram a
apresentação inteira, né, tiveram respeito por ouvi-lo. Então essa questão, para mim,
é um aumento cultural para a comunidade, né. (Pedagoga)

Porque a gente falou, assim, que era... se era macumba, entendeu? Que a gente falou
que era macumba, e ela (colega de sala) falou assim, que não, que macumba era uma
ar... era um negócio lá da árvore. Que também macumba não era uma religião. Que
109

religião é Umbanda. Que a religião, algumas pessoas, é... julgam isso como, é...
religião que é ruim, entendeu? (Aluna)

No que tange a um trabalho amplo com essa temática na escola, a pedagoga deixa claro
que o trabalho coletivo é positivo e foi fundamental, pois assim alcançou-se um número maior
de alunos, embora nem sempre isso garanta um resultado de sucesso:

Algo que aborda a escola inteira, a gente garante que todo mundo veja. Mesmo que
às vezes o professor não queira, mas a gente garante que todo mundo veja. Por outro
lado, às vezes o professor que quer trabalhar aquela temática consegue mais resultados
com a turma dele. Então são duas vertentes, né. Mas que a escola tem que abordar, a
escola em si num todo tem que abordar, tem. (Pedagoga)

A prática de trabalho interdisciplinar também apareceu na fala de alguns professores,


mostrando como é um facilitador este tipo de trabalho, e colabora para um aprendizado mais
significativo para os alunos:

(No) livro didático... engraçado que o ano passado (2016), em Matemática, se falou
da arte africana na questão das roupas. Aí fez uma ligação de Matemática, História,
é... e Arte. Arte, História e Matemática, para eles produzirem... [...] os adereços... só
que aí era para fazer no cartaz as partes imitando, lembrando. Aí nós pegamos papel
de presente e recortamos na forma quadrada para lembrar essas túnicas, roupas feitas
pelos africanos. (Professor 4)

Eu englobava nas aulas, igual, como é poesia, entrava na Língua Portuguesa. [...] Aí,
vamos supor, na aula de Artes, “ah, então vamos agora confeccionar...”, porque tinha
toda uma vestimenta, né, que eles usavam. [...] Do Carlos Assumpção, o ano passado
(2016), a poesia que trabalhamos foi a do Zumbi, né, é... tinha bem essa característica
mesmo do tambor, né, do negro mesmo. Aquela coisa bem forte da cultura. [...] eles
desenhavam o Zumbi, desenhavam como eram as colônias que os negros ficavam. Aí
eu contei a história do navio negreiro [...]. Então em História eu já falava “ó, os negros
vinham em navios negreiros, né, acorrentados”, contei toda aquela história. Aí em
Geografia eu pegava o mapa, “olha da onde os negros saíam”. Então usei em
Ciências... em Ciências nós fomos ver o que? No caso, né, a importância da cultura
negra no alimento. A feijoada, da onde veio. Então tudo isso os meninos tiveram,
assim, bastante acesso. (Professora 5)

A professora do 5º ano, aqui identificada como professora 5, foi quem liderou o projeto
e trabalhou com mais afinco as questões que permeiam a poesia de Carlos de Assumpção. Para
ela, o trabalho de forma interdisciplinar é extremamente positivo, e fez com que os alunos
pudessem se aprofundar mais na temática da questão racial e da escravidão. Embora a
professora demonstre dedicação e empenho e compreenda a importância do trabalho com a
cultura negra em sala de aula, percebemos alguns equívocos em sua fala, por exemplo, em
relação à feijoada, prato comprovadamente com pouca influência africana, mas que ainda
continua sendo repetidamente afirmado como de origem negra, apontando para a folclorização
110

do alimento. Esse tipo de fala demonstra a necessidade de uma formação de professores que
aprofunde os conhecimentos acerca da história e cultura afro-brasileira.
Ela também afirma, comparando sua prática didática no Ensino Médio, que a
interdisciplinaridade é mais fácil de ser trabalhada nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental,
por ser o mesmo professor que trabalha com todas as disciplinas:

E agora, na educação infantil (sic), melhor ainda porque eu fico com todas as
disciplinas, então eu sei o momento, né... [...] Se era do negro, eu conseguia encaixar
em todas as disciplinas. E ficou uma aula rica. Por quê? Não saía fora do tema, do
foco. (Professora 5)

Também encontramos na fala de alguns professores a necessidade de não só abordar a


questão da discriminação e do racismo, mas da importância de também trabalhar a valorização
do negro, de sua história e cultura, de forma a construir uma identidade negra positiva (GOMES,
2003), sempre apagada no nosso país. Além disso, a importância da representatividade também
foi colocada em pauta no desenvolvimento do projeto. As falas de alguns alunos e professores
demonstram a compreensão das relações assimétricas de poder, que se estabelecem na nossa
sociedade por meio da identidade e diferenças, causando exclusão e hierarquização dos grupos
sociais (SILVA, 2014); (HALL, 2014), visão importante para práticas em uma perspectiva
multiculturalista.

Porque é difícil você ver nessas faculdades uma pessoa negra. Tipo, nessas faculdades
pagas. (Aluna)

Talvez a valorização do negro seja uma questão de um trabalho mais focado na


questão de mostrar onde os... que os negros também são inteligentes, onde eles estão,
porque a gente não tem noção. [...] Eu acho que falta, assim, na escola, trabalhar essa
importância para a autoestima. Eu percebo que as crianças negras, elas têm um, é...
certo acanhamento, acham que não vão conseguir nada... elas são mais, é... vítimas de
uma baixa autoestima do que os outros alunos. (Professor 4)

[...] o negro, ele é visto só como sofredor, o oprimido, e na verdade não é. [...] ele é
parte da herança do Brasil, porque se a cultura hoje é rica do jeito que é, ele contribuiu.
[...] Vocês não podem se sentir culpados de nada e nem inferiorizados em nada, porque
o negro, ele contribuiu, né. Aí eles “ah, professora, tem poucos deputados,
presidentes”... Aí eu olhei e falei assim “então vamos ver se realmente tem”. Aí eu
pedi até uma pesquisa em casa. [...] eles trouxeram “ah, professora, o presidente dos
Estados Unidos, né, o Barack Obama”, aí teve os jogadores de futebol e basquete.
Então foi aparecendo tanta... aí eu “pessoal, então são poucos?”, “não”, eu “é que não
é divulgado”. (Professora 5)

Esse olhar para o aluno negro, reconhecendo sua identidade cultural e social, e a
compreensão de que seu comportamento muitas vezes está associado às relações desiguais na
sociedade são importantes na prática pedagógica. O profissional deve ser preparado para lidar
111

com a diversidade e não padronizar o comportamento dos alunos, realizando uma prática que
promova a autoestima desses alunos (ROMÃO, 2001).
Para os professores da escola, o trabalho também foi positivo porque atravessou os
muros da escola e alcançou também a comunidade, os pais dos alunos, outros amigos. E isso
retornava para a sala de aula de alguma forma, mesmo nas séries em que o projeto sobre o poeta
Carlos de Assumpção não era foco:

Eu acho que trouxe para os meninos um enriquecimento muito grande, cultural


mesmo. Porque ele (Carlos de Assumpção) explorou bastante essa questão, né. [...]
Explicou bastante para os meninos, conversou... e os meninos, eles tomaram, assim,
a gente percebeu que no decorrer do ano teve uma conscientização muito boa, foi
muito positivo. Surgiram questões no decorrer, assim, logo após algumas
apresentações dele que os meninos trouxeram para a sala de aula em relação, assim,
“nossa, como que vieram para o Brasil?”, “todo mundo então tem uma raiz
afrodescendente?”, né. (Professora 3)

Se eles vissem, na rua, alguém cometendo, igual essa questão “ô, negão”, tal, falando
alguma coisa pejorativa, eles vinham e falavam “professora, a senhora acredita que eu
ouvi fulano falando isso e isso? [...] “professora, o meu amigo chamou a prima dele
de ‘negrinha’”, e eu “ah, e o que você fez?”, “eu fui lá e falei para ele que não, que
não pode fazer isso, porque isso está ofendendo ela. E danei com ele e falei que não
pode, que ela é afrodescendente e que ela merece respeito. E ele pediu desculpa”.
Transcendeu, né, a sala de aula e foi... e é para a família. E os pais gostaram muito
também. Foi muito prestigiado. Eles se emocionaram. (Professora 5)

Para os alunos, esse trabalho de conscientização e das relações étnico-raciais também


trouxe ganhos no relacionamento entre os alunos. Entretanto, casos que eles identificaram como
preconceito ainda acontecem:

Que a maioria das vezes os meninos da nossa sala ficavam zoando, e agora eles
pararam com isso. (Aluno)

O (colega de sala) chegou e falou assim na mesa dela “esse cabelo não é seu” (em
referência ao aplique utilizado pela colega), aí ela foi lá contar para a professora. Aí a
professora explicou, tipo assim, que tem vários artistas que usa aplique. [...] Daí como
ele não gosta de levar a culpa, né, ele falou que era brincadeira. (Aluna)

Fica claro nas falas dos entrevistados que a figura do poeta Carlos de Assumpção
presente na escola, sem dúvida, enriqueceu o desenvolvimento do projeto. A participação de
alguém que é um militante, que vivenciou e vivencia essas questões, e que possui uma visão
crítica acerca da temática contribuiu de forma positiva para as ações realizadas nesta
perspectiva. Essa ação, que contou com apoio e diálogo, mesmo que indireto, do Movimento
Negro e de um intelectual e estudioso da temática, também é apontado como fator importante
nas Diretrizes (2014).
112

...ele trouxe muita coisa boa, né. Ele explicou muitas coisas para os meninos que às
vezes nós, como professores, no dia a dia da sala de aula, não teríamos nos atentado a
algumas questões. (Professora 3)

Durante a roda de conversa com os alunos, eles apontaram também que gostaram muito
da realização do projeto, dos poemas e de ter a oportunidade de conhecer pessoalmente o poeta.
Moreira afirma que “os significados, construídos na interação com o outro, pelo discurso,
interferem no modo como um age, pensa e é. Aquilo que os sujeitos dizem aos outros e aquilo
que lhes dizem têm papel central em sua formação” (2008, p. 57). Percebemos, nas falas dos
alunos, como o discurso de Assumpção afetou suas vidas em relação à valorização da identidade
negra:

O poema também, é... assim, marcou comigo porque o poema está falando que, tipo,
ele é orgulhoso, sabe, de ser da cor dele... (Aluna)

É, primeiro (poema a ser trabalhado) foi o “Linhagem”... que era uma coisa que a
professora já tinha explicado, sobre os afrodescendentes, sobre o Zumbi dos Palmares.
E tudo isso estava na poesia (Aluna)

E também foi legal que ele não tem vergonha da cor dele, ele fala nas poesias dele e
fala para todo mundo, assim, ouvir. (Aluno)

Segundo as Diretrizes (2004), o trabalho na perspectiva de combater o racismo e


discriminações deve ter repercussões no fortalecimento do negro, enquanto desperta no branco
uma consciência negra:

Entre os negros, poderão oferecer conhecimentos e segurança para orgulharem-se da


sua origem africana; para os brancos, poderão permitir que identifiquem as
influências, a contribuição, a participação e a importância da história e da cultura dos
negros no seu jeito de ser, de viver, de se relacionar com as outras pessoas,
notadamente as negras. (BRASIL, 2004, p. 16)

Enquanto na questão ética observou-se resultados positivos nos alunos, destacamos que
a formação conceitual ainda deixa a desejar. A confusão no uso de alguns conceitos por parte
dos alunos, e a falta de conhecimentos acerca da África foram identificados, inclusive alguns
estereótipos a respeito do continente africano:

É uma luta (a capoeira), só que veio da África essa luta, então é mais comum na África,
não é mais comum no Brasil. (Aluna)

É porque a gente trabalhou pouco sobre isso (África), a gente trabalhou mais sobre os
escravos mesmo. (Aluna)

Porque lá eles caçam, aí eles vivem do próprio ambiente. Aqui não... (Aluno)
113

Ah, eu achava que, tipo assim, eles eram bem... eu nem sabia que tinha cidade, prédio,
entendeu? (Aluna)

Essa visão a respeito da África advém de uma má formação dos professores acerca do
continente e das contribuições da cultura africana, que reflete na prática pedagógica. De acordo
com Gomes,

No Brasil, a educação, de modo geral, e a formação de professores, em específico –


salvo honrosas exceções -, são permeadas por uma grande desinformação sobre a
nossa herança africana e sobre as realizações do negro brasileiro na atualidade. Ainda
quando se fala em África na escola e até mesmo no campo da pesquisa acadêmica,
reporta-se mais ao escravagismo e ao processo de escravidão. (GOMES, 2008, p. 74-
75)

Mesmo assim, os alunos demonstraram também muita curiosidade e vontade de


conhecer a cultura dos países do continente africano:

(Gostaria de saber) sobre o que eles fazem, sobre as músicas, brincadeira, essas coisas.
Sobre do que que eles vivem lá. (Aluno)

Quando eu crescer, eu vou ser, como que chama? Exploradora. [...] Eu quero ir pra
África. (Aluna)

Em levantamento realizado na Sala de Leitura, buscou-se verificar a quantidade de obras


de literatura infanto-juvenil que possibilitam o trabalho com a educação das relações étnico-
raciais, na perspectiva da Lei 10.639/03, estão disponíveis no acervo da escola. A sala de leitura
conta um acervo de cerca de 2.500 livros, e destes, foram encontrados 68 (sessenta e oito)
títulos que abarcam a temática da lei e das diretrizes. Alguns destes livros, inclusive, possuem
mais de um exemplar. Entre estes livros encontrados, dividimos em três categorias: livros que
tratam a respeito de história e cultura africana (16 títulos), livros acerca da história e cultura
afro-brasileira (16 títulos) e livros com representatividade de personagens negros (36 títulos)49.
Também foram encontrados na Sala de Leitura dois livros entre os materiais destinados
aos professores, sobre História e Cultura Afro-Brasileira, sobre o trabalho com esta temática
nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. Além disso, também foram identificados 9 (nove)
títulos sobre história e culturas indígenas.
A quantidade de livros encontrados não se pode dizer que é suficiente, mas existe em
um número expressivo. Esse fato causou-nos certa estranheza, uma vez que os profissionais da
escola desconheciam que havia este número de títulos, afirmando conhecer poucos deles. Esse

49
A lista de livros com os títulos identificados e dividimos em categorias pode ser consultado no apêndice D.
114

desconhecimento também explica o escasso uso destes livros em sala de aula, inclusive como
forma de apoiar os conteúdos previstos no currículo:

Existem livros paradidáticos que foram até os que foram oferecidos quando veio a lei
para a escola, mas nada muito, é... explorado pelos professores não. Alguns
professores têm os seus coringas de trabalhar, então pega a Menina Bonita, pega... tal,
tal livro, O Menino Marrom50, e aí vai por ali, de se trabalhar. Mas eu não vejo como
algo curricular... (Pedagoga)

Ah, tem material, mas eu acho que deixa a desejar um pouco, poderia ter um pouco
mais, né? (Professora 2)

Assim, se a gente for lá na biblioteca e procurar, eu acredito que a gente vai achar, vai
encontrar algumas coisas, mas como não é um conteúdo que a gente especifica muito
em sala de aula, a gente acaba nem procurando, né? (Professora 3)

Existe material (na escola), mas eu acredito que a produção brasileira já é muito pouca,
né, com conteúdos negros. É, tem... o mais conhecido é o Menina Bonita do Laço de
Fita. Eu peguei em PDF e li para os alunos sobre uma princesa negra, que tem na
internet, eu baixei e li para eles. (Professor 4)

... existem livros, né, existem livros que podem retratar tudo especificamente.
Determinadas danças, determinados ritmos... [...] Assim, na biblioteca não cheguei a
ver, não, mas eu creio que tenha livros. (Professor de Educação Musical)

Apesar das dificuldades, os profissionais da escola compreendem e tem dimensão da


importância do desenvolvimento deste tipo de projeto e trabalho na escola, do ponto de vista da
formação plena do aluno, enquanto cidadão. E que o trabalho com esta temática deveria ter
continuidade, para a conscientização e compreensão dos estereótipos e preconceitos existentes
ainda hoje:

Como trabalha a evolução dela (da criança), depois ela consegue enxergar, é... aquilo
que é a questão da sociedade, depois ela vê o quanto o preconceito é prejudicial, que
aí coloca outras questões, porque a gente traz fatos que acontecem fora, né, da escola.
Então isso vai ampliando de uma forma que quando a criança chega no quinto ano,
talvez ela não tenha mais preconceito da palavra lá, do... do Zumbi, do “meu guia”...
(Pedagoga)

Uma outra ação realizada na escola que complementa e dá continuidade ao trabalho com
a temática da história e cultura africana e afro-brasileira e com a educação das relações étnico-
raciais é o projeto chamado Ação Cidadã. Desenvolvido nos anos de 2016 e 2017 pelo professor
4, ele funciona no contraturno do horário escolar duas vezes por semana (segundas e quartas-
feiras), portanto, é focalizado em apenas um grupo de alunos do 4º e 5º ano, não se estendendo

50
Os livros a que a pedagoga se refere são: Menina Bonita do Laço de Fita, de Ana Maria Machado, e O Menino
Marrom, de Ziraldo. Ambos fazem parte do acervo da escola.
115

para toda a escola, indicando uma frágil sustentabilidade das práticas, uma vez que é um
trabalho solitário.

Aí tem vários temas, são seis cursos que os alunos fazem no período contrário. Tem
o tema racismo [...] mas da cultura negra vai ser trabalhado, porque nós vamos
trabalhar patrimônio histórico e cultural... (Professor 4)

Mesmo que não seja um projeto abrangente para toda a escola, professores da escola
reconhecem a importância desta ação e de sua continuidade, embora não atinja a grande maioria
dos estudantes:

O (professor 4) também fez um trabalho extraordinário o ano passado (2016) nessas


questões. [...] não abordou de uma forma tão profunda o racismo, que ele deixou para
esse ano (2017) e já está na grade dele [...]. e além dessa valorização, o que mais? O
ser humano se aceitar e aprender a aceitar o outro, é o aprender a aprender. (Professora
5)

O professor que liderava este projeto, a partir deste ano, não estará mais trabalhando
nesta escola, mas a gestão pretende dar continuidade com outro professor da unidade,
aguardando apenas aprovação da Secretaria da Educação para a ampliação da carga horária
deste professor para trabalhar no período contrário.
No quadro abaixo, apresentamos uma síntese das dimensões avaliadas neste capítulo,
classificadas de acordo com a intensidade de seu enraizamento, a partir dos critérios
especificados por Gomes (2012) e já apresentados no início da análise:
116

Quadro 13 - Quadro-Síntese: Avaliação do enraizamento da Lei 10.639/03 na escola


1ª Dimensão: Estrutura física e aparência da escola
Aparência da escola Estrutura da escola
Limpa, organizada, bem conservada, sempre Boa infraestrutura, salas amplas, laboratório
decorada, sendo um ambiente agradável para o de informática
acolhimento das crianças.
2ª Dimensão: Envolvimento da gestão e do coletivo
Características da gestão Nome do trabalho e Motivações para a realização
responsável/propositor do trabalho
A gestão da escola aparece Projeto Primavera, Poesias e A princípio, não foi
como grande incentivadora de Poemas, desenvolvido por intencional o
projetos em geral, bastante alguns professores; e Projeto desenvolvimento da temática
aberta ao trabalho com a Ação Cidadã, desenvolvido da cultura negra, mas a sua
temática, embora haja pouco por um único professor, para continuidade em outro projeto
conhecimento a respeito da um grupo restrito de alunos. aconteceu por motivação
lei. pessoal de um professor.
Ampliar participação da
comunidade.

3ª Dimensão: Formação continuada e material de apoio


Biblioteca e acervo étnico-racial Formação continuada da equipe
Embora pequena, a Sala de Leitura da escola Apenas dois professores tiveram a temática na
possui 68 títulos voltados ao público infanto- formação inicial. Nenhum deles teve contanto
juvenil sobre a temática étnico-racial com esse tema na formação continuada.
4ª Dimensão: Avanços e limites do trabalho
Formação ética dos estudantes Formação conceitual dos Principais dificuldades do
estudantes trabalho
Melhora nas relações entre os Embora tenham aprofundado Intolerância religiosa;
alunos em sala de aula, e questões da cultura afro- desconhecimento do acervo
reforço de referenciais brasileira e das relações de livros da escola;
positivos étnico-raciais, os dificuldade em trabalhar com
conhecimento a respeito da o Referencial Curricular;
história e cultura da África pouco conhecimento acerca
são superficiais. da lei 10.639/03; falta de
orientação da Secretaria
Municipal de Educação.

Verificamos então, a partir dos dados coletados, que a implementação da Lei 10.639/03
ainda não acontece de forma plena, apesar dos esforços de alguns atores envolvidos na escola.
Identificamos alguns avanços, mas ainda há muitos desafios a serem enfrentados para um real
enraizamento da lei. Como enfatiza Moreira, é “importante ressaltar que lidar com as
identidades não se revela tarefa simples nas escolas. Pouco discutida nos cursos de formação
de professores, a temática implica, nas práticas que a focalizam, obstáculos nem sempre
vencidos com sucesso” (MOREIRA, 2008, p. 63).
117

3.3 Proposta de intervenção

A proposta de intervenção aqui apresentada surgiu a partir da identificação das


dificuldades enfrentadas pelos professores da rede municipal de Franca/SP em trabalhar o que
está preconizado na Lei 10.639/03 e nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação
das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana
(2004) e inserir a temática no cotidiano da sala de aula.
Entre os impasses encontrados para a implementação da referida lei, podemos destacar
a dificuldade em trabalhar a alfabetização e letramento dos alunos relacionado à temática da
cultura negra, e a questão de adequar as competências, habilidades e conteúdos do currículo ao
estabelecido pela legislação. A partir dessas constatações, propomos um Guia de Sugestões de
Livros para se trabalhar em sala de aula, tendo como objetivo auxiliar os profissionais da escola
no trabalho interdisciplinar com a educação das relações étnico-raciais e com a história e cultura
africana e afro-brasileira, apresentando 10 (dez) títulos de livros infanto-juvenis e formas de
adequá-los dentro das disciplinas e conteúdos expressos no Referencial Curricular da
Educação Básica das Escolas Públicas Municipais de Franca (2008).
Este guia busca apoiar o trabalho com alfabetização e letramento dentro das
competências, tanto as diretamente envolvidas dentro da educação das relações étnico-raciais
quando da competência de ler, escrever e produzir em diferentes linguagens. Além disso,
também possibilita a inclusão de temas da história e cultura africana, que não estão previstas
no currículo.
A literatura, assim como a arte em geral, possibilita o conhecimento e a vivência de
dramas pelos quais a humanidade já passou e/ou continua passando. Ela proporciona a
experimentação dos conflitos vividos pela humanidade, levando-nos a refletir e elevar nossa
subjetividade, de modo a ampliar nossa concepção de mundo. Segundo Antonio Candido

Por isso é que nas nossas sociedades a literatura tem sido um instrumento poderoso
de instrução e educação, entrando nos currículos, sendo proposta a cada um como
equipamento intelectual e afetivo. Os valores que a sociedade preconiza, ou os que
considera prejudiciais, estão presentes nas diversas manifestações da ficção, da poesia
e da ação dramática. A literatura confirma e nega, propõe e denuncia, apoia e combate,
fornecendo a possibilidade de vivermos dialeticamente os problemas. (CANDIDO,
1995, p. 177)

As temáticas da história e cultura africana e afro-brasileira e das relações raciais


presentes em livros literários direcionados ao público infanto-juvenil podem contribuir para a
reflexão de problemas como a desigualdade, o preconceito e a discriminação racial, desde que
118

a representação seja feita de forma positiva. A produção literária infantil contemporânea tem
como tendência a representação não estereotipada do negro e da cultura negra, de forma a
contribuir para o empoderamento das crianças negras, ao desenvolver temas e valores que
fortaleçam a construção identitária positiva e autoestima destas. Além disso, criam
oportunidades para a sensibilização de crianças não-negras, desenvolvendo a consciência da
diversidade étnico-racial de nosso país de forma respeitosa, justa e democrática, como está
disposto nas Diretrizes (2004).
Dessa forma, a literatura infantil é objeto importante para a discussão acerca da
valorização da cultura e história africana e afro-brasileira e para o empoderamento e construção
identitária positiva da criança negra, além de fornecer subsídios para a conscientização dos
alunos quanto ao respeito e a tolerância com a diversidade da qual nosso país é composta.
Entretanto, sem a participação e a mediação do professor ao trabalhar com as obras, ela por si
só pode não cumprir seu papel.
Ao todo, são aqui propostos 10 (dez) livros, todos disponíveis na Sala de Leitura da
escola, que podem ser trabalhados em forma de um projeto interdisciplinar, uma vez que o
currículo tem a pedagogia de projetos e a interdisciplinaridade e transversalidade como base
pedagógica. Os livros estão divididos da seguinte forma:
• História e Cultura Africana – 3 livros
• História e Cultura Afro-Brasileira – 3 livros
• Representatividade de Personagens Negros – 4 livros

LITERATURA INFANTO-JUVENIL NA PERSPECTIVA DA LEI 10.639/03:


Guia de Sugestões de Livros para o Trabalho Interdisciplinar com História e Cultura Afro-Brasileira
e Africana e Educação das Relações Étnico-Raciais
Título / Informações Indicações / Currículo Sinopse
HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA
1. Bia na África Séries: 3º ano / 4º ano / 5º Neste livro, Bia nos convida a acompanhá-la
Autoria: Ricardo ano em uma viagem pela África. Sua mãe Márcia,
Dreguer Disciplinas/Conteúdos: que trabalha como diplomata, é convidada para
Ilustrações: Avelino Língua Portuguesa – trabalhar na Embaixada Brasileira em Angola.
Guedes Práticas de Leitura e Durante sua viagem, ela passa por três países
Editora: Moderna Interpretação de Textos do continente africano: Egito, Quênia e
Temas: África, Narrativos, Elementos da Angola, onde mora por um ano. Por cada país
Viagem, Influências que passa, ela nos apresenta suas
119

Culturais Africanas no Narrativa, Oralidade, particularidades: alimentação, arquitetura,


Brasil, Família Variantes Linguísticas música e dança, religião.
História – Eu e os Outros Leitura simples e fluente, tem ilustrações e
(Escola e Família), fotos que nos ajudam a visualizar e
Construindo a acompanhar os passeios de Bia e o que tem
Identidade, Formação do aprendido sobre a África. A história nos ajuda
Povo Brasileiro, Cultura a desmistificar o estereótipo da África reduzido
Afrodescendente à selva, tribos e pobreza, contribuindo para
Geografia – Linguagem aprofundar o conhecimento acerca do
Cartográfica: Mapas e continente africano. Também traz um
Globo Terrestre, interessante paralelo entre as culturas dos
Oceanos e Continentes, países visitados, principalmente Angola, e o
Estudo dos Continentes, Brasil, mostrando as influências africanas em
Estudo da Formação nosso cotidiano, língua, comida, música, dança
Brasileira: migrações e religião. Além de apresentar as raízes da
externas história do Brasil, também contempla a
Artes – Dança, Produtos discussão sobre estrutura familiar
Culturais e Históricos: contemporânea, uma vez que os pais de Bia são
(concepções estéticas nas separados e ela fala sobre como é seu
diferentes culturas: relacionamento e convivência com os pais.
regional, nacional,
internacional)
Estratégia de trabalho: Produção de cartazes com informações sobre países africanos e sua relação
com o Brasil, que podem ser expostos pela escola.
2. Omo, o Rio da Séries: 3º ano / 4º ano / 5º O livro, que pertence à coleção Nossa Terra,
Liberdade ano apresenta-nos a grupos tribais, através de
Autoria e Ilustrações: Disciplinas/Conteúdos: Sadiki e Ayana, dois amigos que vivem às
Vanessa Alexandre Língua Portuguesa – margens do Rio Omo, sul da Etiópia. A história
Editora: Bolsa Práticas de Leitura e nos conta sobre o modo de vida dos habitantes
Nacional do Livro Interpretação de Textos da região e uma de suas manifestações
Temas: África, Tribos Narrativos, Oralidade, culturais: a Pintura Corporal, feita com
Africanas, Elementos da Narrativa pigmentos retirados da terra. Também retrata
Manifestações Artes – Produto Cultural as similaridades e a influência desta
Artísticas (Pintura e Histórico (concepções manifestação com formas artísticas utilizadas
Corporal) estéticas nas diferentes por artistas contemporâneos.
120

culturas: regional, A narrativa trata de questões importantes como


nacional, internacional) a tradição oral e o respeito aos mais velhos e a
Geografia – Meio preservação do Rio Omo e sua cultura, que
Ambiente: Preservação, correm o risco de destruição por razões
Paisagem Natural econômicas. O contato com uma cultura
(relevo, hidrografia, diferente também estimula o respeito à
clima e vegetação) diversidade cultural. Também contém
Ciências – Tipos de explicações, fotos e obras dos pintores Picasso,
Solo, Preservação do Miró e Paul Klee, comparando as semelhanças
Ecossistema entre elas e a pintura corporal. Ao final, o livro
(Sustentabilidade) traz sugestões de atividades para serem
realizadas com as crianças, como a produção
de máscaras africanas e colares e pulseiras
africanas, explicando o passo a passo, e uma
tarde de contação de histórias.
Estratégia de trabalho: Recriação da história por meio da oralidade (dramatização ou filmagem).
3. Um Safári na Séries: 1º ano O livro conta, em forma de poesia, o percurso
Tanzânia Disciplinas/Conteúdos: realizado por uma mulher e crianças do povo
Autoria: Laurie Krebs Língua Portuguesa – Massai, por paisagens da Tanzânia. Toda a
Ilustrações: Julia Práticas de Leitura e história se passa ao longo de um dia, desde o
Cairns Interpretação de Textos - nascer do sol até o entardecer, e durante a
Tradução: Cláudia Poema, Oralidade caminhada, encontram diversos animais típicos
Ribeiro Mesquita e Matemática – Numerais da região, como leopardos, avestruzes e
Heitor Ferraz Mello de 0 a 30, Resolução de girafas. A estrutura do poema possui rimas no
Editora: Edições SM Situações-Problema padrão ABCD, sendo a primeira estrofe sempre
Temas: África, envolvendo as Quatro repetida: “Fomos fazer um safári”:
Viagem, Fauna e Flora, Operações, Cálculo
Fomos fazer um safári (A)
Contagem de Números Mental
De manhã, em jejum. (B)
História – Identidade Vimos o solitário leopardo (C)
Arusha contou um. (D)
Ciências – Seres Vivos
(Animais Silvestres) A cada nova estrofe, nos é apresentado uma
criança, um animal e a quantidade. Os números
aparecem numa sequência de 1 à 10,
destacados ao lado direito da página, e com a
identificação no idioma swahili, língua falado
pelo povo Massai. Essa estrutura de rimas e as
121

repetições favorecem a melodia na leitura,


ajudando na memorização dos números. Além
disso, podem ser exploradas as quatro
operações, utilizando as quantidades e animais
do livro. Também contribui para o
conhecimento de uma cultura diferente,
incentivando o respeito às diferenças.
Ao final do livro, há várias informações sobre
os animais da Tanzânia que aparecem no livro,
sobre o povo Massai, sobre os nomes das
crianças e seus significados, sobre o país, além
de um mapa com sua localização e países que
fazem limite. A editora Edições SM também
disponibiliza em seu site uma Guia de Leitura
para o Professor51, que aprofunda questões
sobre o povo Massai, além de sugerir algumas
atividades.
Estratégia de trabalho: Recriação da história por meio de desenhos e pinturas; confecção de
bichinhos e bonecos utilizando massa de biscuit, feltro ou outros materiais.
HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA
1. Atualidades em Séries: 3º ano / 4º ano / 5º O livro propõe apresentar conquistas,
Africanidades ano características, estilo e vida diária dos negros
Autoria: Antonio Disciplinas/Conteúdos: no Brasil. Utiliza dados estatísticos, fala sobre
Jonas Dias Filho e Língua Portuguesa – as desigualdades existentes em diversas áreas e
Márcia Honora Práticas de Leitura e os diversos avanços e conquistas, além de
Ilustrações: Lie A. Interpretação de Textos aspectos da cultura negra atual. Mostra
Kobayashi Informativos, Oralidade, representantes negros na política e em outras
Editora: Ciranda Cartazes Informativos, profissões. Por meio do conhecimento e da
Cultural Argumentação, Debates representatividade positiva, busca trabalhar a
Temas: Identidade Geografia – Divisões autoestima da criança negra com a contribuição
Negra, Regionais do Brasil da população negra ao país.
Representatividade, História – Eu e os Outros Ao final, propõe a produção de um cartaz em
Respeito às Diferenças (construindo a grupos, com colagens de jornais e revistas
identidade), Formação do sobre o tema Africanidades, e o

51
O Guia de Leitura para o Professor do livro Um Safári na Tanzânia pode ser acessado no endereço:
http://www.edicoessm.com.br/download/?p=/sm_resources_center/guiasleitura/296_Guia_de_leitura_Um_safari
_na_Tanzania.pdf.
122

Povo Brasileiro, Cultura compartilhamento da pesquisa entre todos os


Afrodescendente, colegas. Além disso, o livro vem acompanhado
Sociedade Democrática de um CD-ROM que contém vídeo com
interpretação em Libras da história toda,
atividades para impressão, jogos e cantigas.
Estratégia de trabalho: Debate Regrado Argumentativo sobre o tema do Racismo e Discriminação
no Brasil.
2. Lembranças do Séries: 3º ano / 4º ano / 5º Outro livro da Coleção Nossa Terra,
Baobá ano Lembranças do Baobá narra a história de Mosi,
Autoria e Ilustrações: Disciplinas/Conteúdos: uma criança que vive com seus pais no Quênia.
Vanessa Alexandre Língua Portuguesa – Um dia, a aldeia em que vive é invadida e Mosi
Editora: Bolsa Práticas de Leitura e é levado como escravo. A partir disso, o
Nacional do Livro Interpretação de Textos narrador nos conta como foi a vinda do menino
Temas: Escravidão, Narrativos, Oralidade, para o Brasil, sem sua família e como era o
Quilombo, Família Biografia, Cartazes cotidiano do trabalho na lavoura. Ao se tornar
Informativos, Elementos adolescente, Mosi descobre sobre os
da Narrativa quilombos e decidi fugir junto com outros
História – Formação do escravizados. Lá, ele cresce, torna-se adulto e
Povo Brasileiro, Cultura se casa com Tangela, com quem constrói uma
Afrodescendente, família.
Quilombos Ao final do livro, há informações sobre Zumbi
Geografia – Formação dos Palmares e Chico Rei, importantes
da População (Migração personalidades negras, e também sobre os
Externa), Linguagem quilombos. Apresenta o jogo Mancala, um jogo
Cartográfica: Mapas e de tabuleiro de estratégia e ensina como jogar.
Globo Terrestre, Estudo Por fim, sugere a criação de um mosaico
dos Continentes cultural, o qual deverá ser montado com
Matemática – Formas recortes, mostrando a herança africana e sua
Geométricas (confecção influência no nosso dia a dia.
do jogo), Cálculos e
Operações (Adição e
Subtração)
Estratégia de trabalho: Releitura da história a partir de um roteiro teatral; Produção de bonecas
abayomi.
123

3. O Herói de Damião Séries: 3º ano / 4º ano / 5º Escrito em forma de poema, o livro nos conta a
em A Descoberta da ano história de Damião, um garoto sapeca de 7
Capoeira Disciplinas/Conteúdos: anos, que um dia resolve brincar de ser herói e
Autoria: Iza Lotito Língua Portuguesa – fica chateado, pois não conseguia se identificar
Ilustrações: Paulo Ito Práticas de Leitura e com nenhum herói. Todos eram brancos e ele
Editora: Girafinha Interpretação de Textos não: “Não tem herói da minha cor?”, questiona.
Temas: Capoeira, (Poema), Oralidade Resolve então dar a volta ao mundo para
Identidade História – Eu e os Outros encontrar algum parecido com ele, quando, no
(construindo a caminho, encontra uma roda de capoeira.
identidade), Formação do Mestre Brasília o convida a entrar na roda,
Povo Brasileiro, Cultura conta-lhe sobre a história da capoeira e ensina
Afrodescendente movimentos da luta: ginga, aú, benção, entre
Educação Física – Lutas outros. No desenrolar da história, Damião
percebe que todos podemos ser heróis,
independente da nossa cor.
A cada novo movimento apresentado no livro,
temos uma explicação de como é, e um passo a
passo ensinando como realizar o movimento.
Ao final do livro, encontra-se um texto
contando a origem da capoeira e seu
desenvolvimento até os dias de hoje. Também
há um glossário com os significados de
palavras usadas na roda de capoeira.
Estratégia de trabalho: Reprodução de uma roda de capoeira, com música, dança e movimentos.
REPRESENTATIVIDADE DE PERSONAGENS NEGRAS
1. As Tranças de Séries: 1º ano / 2º ano Bintou, a protagonista do livro, é uma menina
Bintou Disciplinas/Conteúdos: que vive em uma aldeia africana e sonha em ter
Autor: Sylviane A. Língua Portuguesa – tranças nos cabelos, grandes, enfeitadas e
Diouf Práticas de Leitura e coloridas no lugar de seus birotes, assim como
Ilustrações: Shane W. Interpretação de Textos todas as mulheres adultas possuem. Sua avó lhe
Evans Narrativos, Oralidade explica que crianças não podem ter tranças para
Temas: Família, História – Identidade, não se tornarem vaidosas e terem mais tempo
Cultura e Tradição, Identidade Social: para brincar. Um dia, ela estava na praia e
Representatividade, Família (membros avista dois meninos se afogando. Corajosa,
Respeito às Diferenças, familiares e origens resolve pegar o caminho mais curto, mas
Auto Aceitação perigoso, para encontrar ajuda. Ela consegue
124

étnico-culturais dos ajudar a salvar os meninos e como recompensa,


alunos) prometem que ela ganhará tranças. Mas sua
avó, como surpresa, ao invés das tranças, faz
várias birotes enfeitados com flores e pássaros
amarelos e azuis e Bintou fica feliz.
O livro mostra de uma maneira leve e divertida
a diversidade cultural existente no mundo,
retratando os costumes de uma aldeia africana,
embora Bintou seja uma criança que mantém
similaridades com meninas de qualquer parte
do mundo: querem ser bonitas. Mas ao final, a
mensagem é de que devemos nos aceitar como
somos e que tudo tem seu momento certo para
acontecer. Trabalha questões como a
importância da família e das tradições, o
respeito às diferenças, a aceitação de suas
próprias características, reafirmando a
autoestima da criança negra.
Estratégia de trabalho: Produção de bonecos com materiais diversos; Releituras e criação de
histórias na oralidade; Atividades de autorreconhecimento dos alunos, como eles se veem, como é a
família deles, seus ascendentes. Podem ser utilizadas imagens da família, fotos, recortes, desenhos,
entre outros materiais. Fazer com que eles descubram de onde vieram os pais, os avós, e que eles
apresentem os resultados para a sala, relacionando com o sentido que a família tem para eles, suas
tradições, valorizando esses valores.
2. Irmã-Estrela Séries: 3º ano / 4º ano / 5º O protagonista da história é um menino de 10
Autoria: Alain ano anos, que vive na República do Congo e vive
Mabanckou Disciplinas/Conteúdos: uma vida de muitas dificuldades com sua
Ilustrações: Judith Língua Portuguesa – família. Não chegou a conhecer sua irmã mais
Gueyfier Leitura de Textos velha, pois morreu dois anos antes de ele
Tradução: Ligia Narrativos, Oralidade, nascer. Como a mãe havia lhe dito que ele tinha
Cademartori Elementos da Narrativa, uma irmão que foi morar no céu junto aos
Editora: Champagnat Biografias anjos, para lidar com a perda, ele a reconhece
– PUC-PR História – Eu e os Outros como uma estrela brilhante, e a chama de Irmã-
Temas: Família, (Escola e Família), estrela. Essa estrela passa então a ser sua amiga
Morte, Aceitação, Construindo a e confidente, ajudando-o a superar momentos
Religiosidade difíceis.
125

Identidade, Identidade De forma sensível e delicada, o livro, ao nos


Social: Família apresentar elementos da cultura congolesa,
retrata como uma criança aprende a lidar com
a morte e aceitar a perda, além de consolar um
amigo que também passou pela mesma
situação que ele, mostrando a beleza e a força
da amizade. Ao final do livro, são apresentadas
as biografias do autor, da ilustradora e da
tradutora, de forma a conhecermos melhor
quem são e contextualizarmos com a leitura do
livro.
Estratégia de trabalho: Produção de resenhas, convidando outros alunos a realizarem a leitura do
livro.
3. O Menino Nito Séries: 1º ano / 2º ano / 3º O livro conta a história de Nito, um menino que
Autoria: Sonia Rosa ano desde pequeno chorava por tudo, e que quanto
Ilustrações: Victor Disciplinas/Conteúdos: mais crescia, mais chorava. Um dia, como todo
Tavares Língua Portuguesa – mundo já estava ficando preocupado com ele,
Editora: Pallas Práticas de Leitura e seu pai conversou com ele, e disse que, como
Temas: Família, Interpretação de Textos ele já era rapazinho, que não devia mais chorar,
Identidade, Valores Narrativos, Oralidade, porque homem não chora. A partir desse dia,
Culturais Elementos da Narrativa Nito começou a engolir todos os choros que
História – Identidade, tinha vontade, até que, passado um mês, ele
Identidade Social: fica doente. Seus pais chamam um médico, que
Família (membros rapidamente descobre o motivo: estava doente
familiares e origens por causa de todos os choros engolidos, e que
étnico-culturais dos o único remédio é “desachorar”. Toda a família
alunos), Transformações se emociona, e o pai, ao ver como o filho se
e Permanências nas recupera, muda de ideia e compreende que
Vivências Culturais da todos podem chorar, homens, mulheres,
Coletividade crianças, e que não há problema nenhum em ser
homem e chorar.
A história aborda um tema importante que é a
quebra dos estereótipos do padrão de
masculinidade, demonstrando que todos nós
temos sentimentos e formas diversas de lidar
com eles. Questiona valores culturais
126

aparentemente naturais transmitidos em nossa


sociedade, mas que vem se transformando ao
longo do tempo. Além disso, Nito e sua família
são negros, e a representação de uma família
negra que vive situações comuns possibilita a
identificação universal de todas as crianças
com as situações vivenciadas, e também
contribui para a representação positiva do
negro na sociedade.
Estratégia de trabalho: Roda de conversa sobre estereótipos acerca de características e
brinquedos/brincadeiras masculinas e femininas; Produção de cartazes; Dramatização de situações
vivenciadas pelas crianças.
4. Tanto, Tanto! Séries: 1º ano / 2º ano A narrativa acompanha uma família divertida
Autoria: Trish Cooke Disciplinas/Conteúdos: que se reúne em uma tarde. Os personagens vão
Ilustrações: Helen Língua Portuguesa – surgindo aos poucos, criando uma expectativa
Oxenbury Práticas de Leitura e e causando surpresa ao leitor, que não sabe o
Tradução: Ruth Salles Interpretação de Textos motivo da reunião da família. O que todos têm
Editora: Ática Narrativos, Oralidade em comum? A vontade de apertar e abraçar o
Temas: Família, História – Identidade bebê que mora na casa. Quando todos chegam,
Aniversário Social: Família descobrimos que trata-se de uma festa de
(membros familiares e aniversário surpresa para o pai.
origens étnico-culturais É uma história cumulativa, e a linguagem é
dos alunos) simples e melodiosa, trazendo musicalidade na
leitura. Chama a atenção das crianças
principalmente pela brincadeira da repetição e
da retomada de elementos, despertando a
curiosidade no enredo. Um ponto importante
também é a proposta da autora de apresentar
uma família de negros, vivenciando uma
situação comum na vida de todos, o que
também contribui para a representação
positiva.
Estratégia de trabalho: Recriação da história por meio de desenhos e pinturas; Criação de novas
histórias inseridas no ambiente familiar.
127

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Completamos 15 anos da promulgação da Lei 10.639/03, e embora possamos


acompanhar os diversos esforços e avanços na sua implementação, também observamos que os
desafios colocados ainda são consideráveis. O reconhecimento da importância da herança
africana e de seus descendentes como sujeitos ativos na construção de nosso país tornou-se
obrigatório no cotidiano da escola, como forma de educar e reeducar as relações raciais
estabelecidas em nossa sociedade. A palavra obrigatoriedade aqui, tristemente, não é
compreendida nem aplicada a contento.
Ainda hoje acompanhamos um projeto eurocêntrico e hegemônico de educação, salvo
iniciativas isoladas que buscam repensar o campo educacional como um lugar de embates em
que convivem as diferenças, mas que muitas vezes, por conta da reprodução das relações de
poder estabelecidas, hierarquizam e marginalizam aqueles considerados diferentes. A
discriminação e o racismo estrutural também atingem a instituição escolar, produzindo a
manutenção das desigualdades, da opressão e de valores racistas, que impactam o cotidiano de
nossa sociedade.
A análise dos dados coletados nesta pesquisa, em uma escola situada no interior do
estado de São Paulo, permitem guiar-nos à algumas considerações. Considerando o objetivo
principal da pesquisa, verificamos que o grau de implementação e enraizamento da Lei
10.639/03 na escola pesquisada ainda é fraco. Esses resultados apontam que, apesar da realidade
da cidade de Franca e da escola pesquisada apresentarem suas especificidades, os indicadores
apontados por Gomes (2012) mostram-se também aplicáveis neste caso.
Apesar do Referencial Curricular (2008) do município partir de uma perspectiva de
respeito à diversidade, buscando contemplar as diferenças nas práticas pedagógicas, e das
competências e habilidades prescritas neste documento possibilitarem o trabalho com a
pluralidade cultural e com as relações raciais, os conteúdos sugeridos para o trabalho do
professor não contemplam plenamente o que está preconizado na lei e em suas diretrizes.
Apresentados de forma superficial, sem um direcionamento ao professor de como deve ser
trabalhado, a mera presença de alguns conteúdos não garantem um trabalho efetivo com as
relações étnico-raciais no cotidiano da escola.
A análise do Projeto Político-Pedagógico também permite constatar o fraco
enraizamento da lei, uma vez que não há citação da referida legislação no documento, e o
trabalho com as identidades culturais e as diferenças são apresentados de forma superficial.
Além disso, como afirmado por Gomes (2012), a não inserção da temática no PPP das escolas
128

indica baixa sustentabilidade das práticas, uma vez que elas correm o risco de ter um fim a
partir da mudança de qualquer ator que desenvolva práticas pedagógicas na perspectiva da lei.
As práticas pedagógicas realizadas a partir do projeto Primavera, Poemas e Poesias
permitem compreender que o trabalho desenvolvido na escola, apesar de conter alguns
equívocos acerca da temática e de pouco abordar a história e cultura africana, contemplou
diversos pontos contidos nas Diretrizes (2004), e por meio das falas dos professores, levantadas
nas entrevistas, práticas interdisciplinares são efetivadas na escola, sobretudo por tratar-se do
ciclo dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, em que um único professor atua em diversos
componentes curriculares, o que sem dúvida foi apontado como um facilitador. O apoio e
auxílio da gestão da escola mostraram-se fundamentais para o sucesso do projeto, que articulou
a participação de toda a escola e da comunidade.
Em relação à formação dos professores para o cumprimento da Lei 10.639/03, também
constatamos que a insuficiência e, na maioria das vezes, a omissão da temática da história e
cultura afro-brasileira e africana na grade, tanto da formação inicial quanto da formação
continuada dos professores da escola, é um elemento que traz grande dificuldade para o
desenvolvimento do trabalho com a temática. Mesmo que este elemento, sozinho, não seja o
fator definitivo para a implementação da lei, ele é imprescindível para a mudança de postura e
para a desconstrução do racismo em sala de aula.
Enfrentando muitos desafios, a partir da análise dos dados coletados, podemos traçar
um panorama de fraco enraizamento da Lei 10.639/03 na escola pesquisada. Entre os pontos
facilitadores, observamos um considerável acervo literário na perspectiva da lei, o apoio e
incentivo da gestão da escola para a realização de projetos, a disponibilidade e abertura dos
professores para o trabalho com a temática e a facilidade no desenvolvimento de práticas
pedagógicas interdisciplinares, outro fator que possibilita o desenvolvimento de projetos
temáticos. Já entre os pontos de entrave, identificamos a questão da intolerância religiosa por
parte de alguns membros da comunidade escolar, o desconhecimento acerca do acervo literário
da escola, a falta de apoio e orientação da Secretaria da Educação, direcionando um trabalho
para a educação das relações étnico-raciais, além da dificuldade dos professores em
compreender como aliar as competências, habilidades e conteúdos prescritos no currículo ao
que está preconizado na lei.
Constatamos que o campo da educação e os atores envolvidos muitas vezes ainda não
compreendem seus papeis na reprodução de um projeto hegemônico desenvolvido na escola, e
a importância de questionar e refletir sobre este papel desempenhado. Essa dificuldade
encontrada faz com que “o trabalho com identidade, nas escolas, talvez ainda não se faça
129

presente, como seria de desejar, em todas as salas de aula. Sua importância talvez não tenha
sido de todo reconhecida pelos profissionais da educação, bem como pelas comunidades
escolares” (MOREIRA, 2008, p. 62).
O multiculturalismo na escola traz a possibilidade da construção de uma instituição
verdadeiramente democrática, que possa abarcar e incluir as diferenças, contemplando e
reconhecendo a diversidade das identidades culturais que fazem parte dela. A partir desta
perspectiva, podemos identificar possibilidades de abordagens que permitem repensar os
princípios de cada ator envolvido nesta problemática, e questionar qual projeto de sociedade
está sendo construído.
130

REFERÊNCIAS

ABRAMOWICZ, Anete; SILVÉRIO, Valter Roberto; OLIVEIRA, Fabiana; TEBET, Gabriela


Guarnieri de Campos. Trabalhando a diferença na educação infantil. São Paulo: Moderna,
2006.

ARRETCHE, Maria Tereza da Silva. Uma contribuição para fazermos avaliações menos
ingênuas. In: In: BARREIRA, M. C. R. N.; CARVALHO, M. C. B. (Orgs). Tendências e
perspectivas na avaliação de políticas e programas sociais. São Paulo: IEE/PUC-SP, 2001.

AZEVEDO, Celia Maria Marinho. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das
elites – século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BERNARDINO, Joaze. Ação afirmativa e a rediscussão do mito da democracia racial no Brasil.


In: Revista Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, v. 2, n.2, p. 247-273, 2002. Disponível
em: http://www.scielo.br/pdf/eaa/v24n2/a02v24n2.pdf. Acesso em: 29 dez. 2015.

______. Ações afirmativas: respostas às questões mais frequentes. In: Revista O público e o
privado. Fortaleza, n. 3, p. 83-98, 2004. Disponível em:
http://www.seer.uece.br/?journal=opublicoeoprivado&page=article&op=view&path%5B%5D
=270&path%5B%5D=393.

BENTO, Maria Aparecida Silva. A identidade racial em crianças pequenas. In: BENTO, Maria
Aparecida Silva (Org.). Educação infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos,
jurídicos, conceituais. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades
- CEERT, 2012.

BOGDAN, R. C., BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à


teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Especial de Políticas da promoção da Igualdade


Social. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para
o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília: Ministério da Educação,
2004.

______. Lei nº 10.639, 09 de janeiro de 2003. Inclui a obrigatoriedade da temática “História


e Cultura Afro-Brasileira” no currículo oficial da rede de ensino. Diário Oficial da União.
Brasília-DF, 10 jan. 2003, seção 1, p. 1.

______. Lei nº 9.394 de 20 de novembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação


Nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/19394.htm. Acesso em
16 jul 2016.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e


Diversidade. Orientações e ações para a educação das relações étnico-raciais. Brasília:
SECAD, 2006.

______. Ministério da Educação. Contribuições para implementação da lei 10.639/2003:


Proposta de plano nacional de implementação das Diretrizes Curriculares Nacionais da
131

Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e


Africana – Lei 10.639/2003. Brasília: MEC/UNESCO, 2008.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade Cultural/Orientação Sexual.


Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em:
http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro101.pdf . Acesso em 05 out. 2016.

______. Plano Nacional das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das
Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana.
Brasília: SECAD; SEPPIR, 2009.

CANDAU, Vera Maria. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In:
MOREIRA, Antonio Flávio; CANDAU; Vera Maria (Orgs.). Multiculturalismo: diferenças
culturais e práticas pedagógicas. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários Escritos. 3 ed. São Paulo: Duas Cidades,
1995.

CARDOSO JR., José Celso. Planejamento governamental e gestão pública no Brasil:


elementos para ressignificar o debate e capacitar o Estado. Brasília: IPEA, 2011.

CAVALLEIRO, E. dos S. Do silencio do lar ao silencio escolar: racismo preconceito e


discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2000.

______. Educação anti-racista: compromisso indispensável para um mundo melhor. In:


CAVALLEIRO, Eliane (org). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola.
5 ed. São Paulo: Selo Negro, 2001.

DAGNINO, Renato; CAVALCANTI, Paulo Arcoverde; COSTA, Greiner (Orgs). Gestão


estratégica pública. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2016.

DIAS, Lucimar Rosa. Quantos passos já foram dados? A questão de raça nas leis educacionais.
In: Revista Espaço Acadêmico. Maringá, n.38, julho de 2004. Disponível em:
https://www.espacoacademico.com.br/038/38cdias.htm. Acesso em 21 abr 2017.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. In:


Revista Tempo. Niterói, v. 12, n. 23, 2007. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/tem/v12n23/v12n23a07. Acesso em 07 mai 2017.

DRAIBE, Sônia Miriam. Avaliação de implementação: esboço de uma metodologia de trabalho


em políticas públicas. In: BARREIRA, M. C. R. N.; CARVALHO, M. C. B. (Orgs).
Tendências e perspectivas na avaliação de políticas e programas sociais. São Paulo:
IEE/PUC-SP, 2001.

FAZENDA, Ivani. Interdisciplinaridade-transdiciplinaridade: visões culturais e


epistemológicas. In: ______. (Org.). O que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

______. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 2016.

FERNANDES, F. O significado do protesto negro. São Paulo: Editora Cortez, 1989


132

FRANCA. Secretaria Municipal de Educação. Referencial curricular da educação básica das


escolas públicas municipais de Franca. Coordenação geral: Margareth Rodrigues. Franca,
SP: SME, 2008.

______. Secretaria Municipal de Educação. Plano municipal de educação – Franca (2015-


2025). Franca, SP: SME, 2015.

FREY, Klaus. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da


análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas. Brasília, n. 21, p.
211-259, jun. 2000.

GILROY, Paul. O Atlântico Negro: Modernidade e dupla consciência. Tradução de Cid Knipel
Moreira. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de
estudos Afroasiáticos, 2012.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. O jogo das
diferenças: o multiculturalismo e seus contextos. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

GOMES, Nilma Lino; JESUS, Rodrigo Ednilson de; ALVES, Aline Neves Rodrigues. As
escolas e suas práticas. In: GOMES, Nilma Lino (org). Práticas pedagógicas de trabalho com
relações étnico-raciais na escola na perspectiva da Lei nº 10.639/03. Brasília: MEC/Unesco,
2012.

GOMES, Nilma Lino (org). Práticas pedagógicas de trabalho com relações étnico-raciais
na escola na perspectiva da Lei nº 10.639/03. Brasília: MEC/Unesco, 2012.

______. A questão racial na escola: desafios colocados pela implementação da lei 10.639/03.
In: MOREIRA, Antonio Flávio; CANDAU, Vera Maria (Orgs.). Multiculturalismo:
diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

______. Diversidade étnico-racial, inclusão e equidade na educação brasileira: desafios,


políticas e práticas. In: Revista Brasileira de Política e Administração da Educação. v. 27,
n.1, p. 109-121, jan/abr, 2011.

______. Educação e Diversidade Étnico-cultural. In: Brasil. Diversidade na Educação:


reflexões e experiências. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2003.

______. Educação, identidade negra e formação de professores/as: Um olhar sobre o corpo


negro e o cabelo crespo. In: Revista educação e pesquisa. v.29, n. l. p. 167- 182, jan/jun, 2003.

______. Educação cidadã, etnia e raça: o trato pedagógico da diversidade. In: CAVALLEIRO,
Eliane (Org.). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. 5 ed. São
Paulo: Selo Negro, 2001.

______. Educação e relações raciais: refletindo sobre algumas estratégias de atuação. In:
MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o Racismo na Escola. Brasília: Ministério da
Educação /Secretaria de Educação Fundamental, 2005.

HALL, Stuart. Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução de ADELAINE La


Guardia Rezende et al. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.
133

______. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. & Guacira
Lopes Louro. 12. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

______. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (org.). Identidade e
diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

HOWLETT, Michael; RAMESH, M.; PERL, Anthony. Política Pública: seus ciclos e
subsistemas – uma abordagem integral. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Síntese de


indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro:
IBGE, 2014. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv95011.pdf.
Acesso em 26 out 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Nota Técnica: PNAD 2014


– breves análises. Brasília: Ipea, 2015. Disponível em:
http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/151230_nota_tecnica_pnad2
014.pdf. Acesso em 25 out 2016.

JACCOUD, Luciana. O combate ao racismo e à desigualdade: o desafio das políticas públicas


de promoção da igualdade racial. In: THEODOR, Mário (Org.). As políticas públicas e a
desigualdade racial no Brasil: 120 anos após a abolição. Brasília: Ipea, 2008.

JANNUZZI, Paulo de Martino. Indicadores Sociais no Brasil. Campinas: Editora Alínea,


2009.

MATTOS, Wilson Roberto de. Valores civilizatórios afro-brasileiros, políticas educacionais e


currículos escolares. In: Educação contemporaneidade. v.12, n.19, jan/jun 2003.

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa. CANDAU, Vera Maria. Currículo, conhecimento e


cultura. In: BEAUCHAMP, Janete. PAGEL, Sandra Denise. NASCIMENTO, Aricélia Ribeiro
(Orgs.). Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério
da Educação. Secretaria de Educação Básica, 2007.

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa. Reflexões sobre currículo e identidade: implicações para
a prática pedagógica. In: MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa; CANDAU, Vera Maria (Orgs.).
Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes,
2008.

MOURA, Clóvis. Os quilombos e a rebelião negra. Brasiliense: São Paulo, 1986.

MOVIMENTO NEGRO UNIFICADO. 1978-1988: 10 anos de luta contra o racismo. São


Paulo: Confraria do Livro, 1988.

MUNANGA, Kabengele. (Org.). Superando o Racismo na Escola. Brasília: MEC- SECAD,


2005.

______. O anti-racismo no Brasil. In:______. Estratégias e políticas de combate racial. São


Paulo: Edusp, 1996.
134

______. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In:
BRANDÃO, André Augusto P. (Org.). Programa de educação sobre o negro na sociedade
brasileira. Niterói, RJ, EdUFF: 2004.

NÉSPOLI, Daniella de Souza Santos. Movimento negro unificado: uma história de luta e
resistência. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social). Faculdade de
Ciências Humanas e Sociais - Universidade Estadual Paulista, 2006.

OLIVEIRA, José Antônio Puppim de. Desafios do planejamento em políticas públicas:


diferentes visões e práticas. In: RAP – Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro,
mar/abr 2006.

PEREIRA, Amilcar Araújo. O mundo negro: a constituição do movimento negro


contemporâneo no Brasil (1970-1995). Tese (Doutorado) – Universidade Federal Fluminense,
Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, 2010.

PERRENOUD, Philippe. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed,


1999.

REMONTI, Guilherme Ernesto; LIMA, Ailen Rose Balog de; ARRAIS, Gerson. Educação
musical no ambiente escolar da rede municipal de Franca-SP. In: Revista Acta científica:
ciências humanas. v. 23, n. 2, set/dez 2014. Disponível em:
https://revistas.unasp.edu.br/acch/article/view/825/749. Acesso em 10 jan. 2018.

RESENDE, Lúcia Maria Gonçalves de. A perspectiva multicultural no projeto político-


pedagógico. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro; _____(Org.). Escola: espaço do projeto
político-pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 1998.

ROCHA, Rosa Margarida de Carvalho; TRINDADE, Azoilda Loretto. Ensino Fundamental.


In: Brasil. Orientações e Ações para Educação das Relações Étnico-Raciais. Brasília:
SECAD, 2006.

ROMÃO, Jeruse. O educador, a educação e a construção de uma auto-estima positiva no


educando negro. In: CAVALLEIRO, Eliane (Org.). Racismo e anti-racismo na educação:
repensando nossa escola. 5 ed. São Paulo: Selo Negro, 2001.

SILVA JÚNIOR, Hédio. Conceito e demarcação histórica. In: JÚNIOR, Hédio Silva; BENTO,
Maria Aparecida da Silva; SILVA, Mário Rogério. (Orgs). Políticas Públicas de Promoção
da Igualdade Racial. São Paulo: CEERT, 2010.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: Uma introdução às teorias do currículo.
São Paulo: Ed. Autêntica, 2011.

______. A produção social da identidade e da diferença. In: ________ (org). Identidade e


diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 15 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SILVÉRIO, Valter Roberto. A (re)configuração do nacional e a questão da diversidade. In:


ABRAMOWICZ, A.; SILVÉRIO, V. R. SILVÉRIO, V. (Org.). Afirmando diferenças:
montando o quebra-cabeça da diversidade na escola. Campinas, SP: Papirus, 2005.
135

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. In: Sociologias. Porto Alegre,
2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/soc/n16/a03n16. Acesso em 26 out 2016.

______. Estado da Arte da Pesquisa em Políticas Públicas. In: HOCHMAN, Gilberto;


ARRETCHE, Marta; MARQUES, Eduardo. (Orgs). Políticas Públicas no Brasil. Rio de
Janeiro: Editora Fiocruz, 2007.

SOUZA, Irene Sales de Souza. O resgate da identidade na travessia do movimento negro:


arte, cultura e política. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade de São Paulo, 1991.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Perspectivas para reflexão em torno do projeto político-
pedagógico. In: ______; RESENDE, Lúcia Maria Gonçalves de (Org.). Escola: espaço do
projeto político-pedagógico. Campinas, SP: Papirus, 1998.
ANEXOS
137

ANEXO I – Termo de Consentimento Livre Esclarecido (TCLE)


138

ANEXO II - Termo de Assentimento do Menor


139

ANEXO III – Lei Federal Nº 10.639/03


140

ANEXO IV – Convenção Internacional da ONU sobre a Eliminação de todas as Formas


de Discriminação Racial (1966)

Os Estados Partes condenam a discriminação racial e comprometem-se a adotar uma política


de eliminação da discriminação racial em todas as suas formas e de promoção de entendimento
entre todas as raças. Para esse fim, cada Estado Parte compromete-se a não efetuar ato ou prática
de discriminação racial praticada por uma pessoa ou organização qualquer, a tomar as medidas
eficazes, a fim de rever as políticas governamentais nacionais e locais e para modificar, ab-
rogar ou anular qualquer disposição regulamentar que tenha como objetivo criar a
discriminação ou perpetrá-la onde já existir; a adotar as medidas legislativas, proibir e pôr fim
à discriminação racial praticada por pessoas, por grupos ou organizações; favorecer, quando for
o caso, as organizações e movimentos multirraciais e outros meios próprios e eliminar as
barreiras entre as raças e desencorajar o que tende a fortalecer a divisão racial. Os Estados Parte
comprometem-se a proibir e a eliminar a discriminação racial em todas suas formas e a garantir
o direito de cada um à igualdade perante a lei sem distinção de raça, de cor ou de origem
nacional ou étnica, principalmente no gozo dos seguintes direitos:

Direito de um tratamento igual perante os tribunais ou qualquer outro órgão que administre
justiça;
Direito à segurança da pessoa ou à proteção do Estado contra violência ou lesão corporal
cometida, quer por funcionários de Governo, quer por qualquer indivíduo, grupo ou instituição;
Direitos políticos principalmente direito de participar das eleições - de votar e ser votado -
conforme o sistema de sufrágio universal e igual direito de tomar parte no Governo, assim como
na direção dois assuntos públicos, em qualquer grau e o direito e o direito de acesso, em
igualdade de condições, às funções públicas;

Outros direitos civis, principalmente:


I direito de circular livremente e de escolher residência dentro das fronteiras do Estado;
II direito de deixar qualquer país, inclusive o seu, e de voltar a seu país;
III direito a uma nacionalidade
IV direito de casar-se e escolher o cônjuge;
V direito de qualquer pessoa, tanto individualmente como coletivamente, à propriedade;
VI direito de herdar;
VII direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião;
141

VIII direito à liberdade de opinião e expressão;


IX direito à liberdade de reunião e de associação pacífica;

Direitos econômicos, sociais e culturais, principalmente:


I direito ao trabalho, a livre escolha de seu trabalho, a condições equivalentes e satisfatórias de
trabalho, à proteção contra o desemprego, a um salário igual para um trabalho igual, e uma
remuneração eqüitativa e satisfatória;
II direito de fundar sindicatos e a eles se filiar;
III direito à habitação;
IV direito à saúde pública, a tratamento médico, à previdência social e aos serviços sociais;
V direito à educação e à formação profissional;
VI direito a igual participação das atividades culturais;
VII direitos de acesso a todos os lugares e serviços destinados ao uso do público, tais como,
meios de transportes, hotéis, restaurantes, cafés, espetáculos e parque.
142

ANEXO V – Resolução CNE/CP 01/2004


143
144

ANEXO VI – Portaria nº 4.542


145

ANEXO VII – Lei Municipal nº 3.745/1990


146

ANEXO VIII – Projeto Primavera, Poemas e Poesias

III PRIMAVERA, POEMAS E POESIAS 2016

Objetivos:
✓ Explorar o gênero poesia com os alunos de todos os anos;
✓ Trabalhar a leitura fluente;
✓ Incentivar apresentações artísticas dos alunos para a comunidade;
✓ Aumentar o vocabulário e repertório dos alunos
✓ Apresentar um sarau dos alunos para a comunidade.

Desenvolvimento das ações:


• Apresentação do projeto – Planejamento
• Escolhas das poesias pelas professoras – Rotina diária, a partir de abril
• Trabalho com sequencias didáticas a partir das poesias escolhidas – Rotina diária a partir
de abril
• Leitura semanal de poesias – Rotina diária, a partir de abril
• Leitura semanal no sistema de som da escola toda sexta-feira antes do recreio – uma
sala por vez seguindo a ordem: 5º A, 5º B, 4º A, 4º B, 2º A, 2º B, 1º A e 1º B; 5º C, 4º
C, 3º A, 3º B, 2º B, 2º C, 1º B e 1º C
• Elaboração do sarau por cada sala – Rotina diária (ensaios), a partir de agosto
• Enfatizar poetas de Franca e região
• Concurso da melhor ilustração para 1º ano e 2º ano – 01 de setembro
• Concurso de poesias para 3º anos, 4º anos e 5º anos – 02 de setembro
• Os desenhos serão feitos em uma folha de sulfite, contendo atrás dos desenhos o título
da poesia ilustrada e as poesias serão feitas em folhas pautadas
• Entrega das poesias e desenhos – 08 de setembro em REP
• O julgamento será realizado pela equipe gestora da escola – 10 de setembro

➢ Apresentação do Sarau para a comunidade – 23 de setembro às 8h00 e 15h30. Com as


premiações.
APÊNDICES
148

Apêndice A - Roteiro de Entrevista Semiestruturada com Professores

1. Dados pessoais do entrevistado: nome, idade, formação profissional.


2. Como você se autodeclara? Branco, negro, pardo ou indígena?
3. Há quanto tempo fez a graduação? Atua em sala de aula há quanto tempo? E nesta escola?
4. Você conhece a lei federal nº 10.639/03 e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a
Educação das Relações Étnico-Raciais?
5. Você tem conhecimento a respeito de história e cultura africana e afro-brasileira? Teve esse
conteúdo por meio da formação inicial ou continuada?
6. Você conhece o Projeto Político-Pedagógico da escola? Participou da sua elaboração? Ele
contempla a lei e suas diretrizes?
7. Você encontra no Referencial Curricular do município conteúdos e temas que vão de
encontro ao cumprimento da lei?
8. Quais as facilidades e dificuldades para a realização de atividades voltadas à valorização da
cultura negra? (Materiais didáticos, tempo, apoio da gestão, dos colegas...)
9. Você acredita que o trabalho desenvolvido modificou ou vem modificando, no cotidiano
escolar, questões de racismo, práticas preconceituosas e valorização do negro?
149

Apêndice B - Roteiro de Entrevista Semiestruturada com a Pedagoga

1. Dados pessoais: nome, idade, formação profissional.


2. Como você se autodeclara? Branco, pardo, negro ou indígena?
3. Há quanto tempo atua no magistério? E na coordenação desta escola?
4. Você conhece a lei federal nº 10.639/03 e as Diretrizes Curriculares Nacionais para a
Educação das Relações Étnico-Raciais?
5. Você tem conhecimento a respeito de história e cultura africana e afro-brasileira? Teve esse
conteúdo por meio da formação inicial ou continuada?
6. Como ocorreu a elaboração do Projeto-Político da escola? Ele contempla a lei e suas
diretrizes? De que forma?
7. Como é o envolvimento dos/as professores/as, funcionários/as, alunos/as e comunidade com
o projeto ou outras ações voltadas à educação das relações étnico-raciais?
8. Quais as facilidades e dificuldades para a realização de atividades voltadas à valorização da
cultura negra? (Materiais de apoio, interesse dos professores, tempo, apoio da gestão...)
9. A Secretaria de Educação apoia e supervisiona estas atividades – formação de professores,
apoio financeiro, projetos, palestras etc?
10. Você acredita que o trabalho desenvolvido modificou ou vem modificando, no cotidiano
escolar, questões de racismo, práticas preconceituosas e valorização do negro?
150

Apêndice C - Roteiro para a Realização da Roda de Conversa com Alunos

1. Como foi o processo de realização da atividade/projeto?


2. O que mais chamou a sua atenção?
3. Você gostou? O que aprendeu?
4. O que mais você gostaria de aprender a respeito da cultura e da história africana e afro-
brasileira?
151

Apêndice D - Levantamento de livros, na perspectiva da Lei 10.639/03, disponíveis na Sala


de Leitura

TÍTULO AUTORIA QTDE.


HISTÓRIA E CULTURA AFRICANA
1. ABC do continente africano Rogério Andrade Barbosa 4
2. Aída (HQ) Giuseppe Verdi e Antonio 2
Ghislanzoni
3. A lenda de Pemba Marcia Regina da Silva 2
4. A mbira da beira do rio Zambeze Décio Giodelli; Heloísa P. Lima 4
(acompanha CD) (org.)
5. A origem dos números Majungmul Ji Won Lee 1
6. Bia na África Ricardo Dreguer 2
7. Bruna e a Galinha d’Angola Gercilda de Almeida 2
8. Crianças: olhar a África e ver o Brasil Pierre Verger 2
(fotografia)
9. Histórias Encantadas Africanas Ingrid Bresemeyer Bellinghausen 1
10. O baú das histórias Gail E. Haley 2
11. O chamado de Sosu Meshack Asare 3
12. O livro dos pássaros mágicos Heloísa Pietro 1
13. Outros contos africanos para Rogério Andrade Barbosa 4
crianças brasileiras
14. Omo: o rio da liberdade Vanessa Alexandre 1
15. Pigmeus: os defensores da floresta Rogério Andrade Barbosa 1
16. Um safári na Tanzânia Laurie Krebs 3
HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA
1. A escola do cachorro sambista Felipe Ferreira; Mariana Massarani 3
2. Atualidades em africanidades Antonio J. D. Filho; Márcia 1
(acompanha CD) Honora
3. Dicionário afro-indígena Vanessa Alexandre 1
4. Histórias da nossa gente Sandra Lane 1
5. Ilê Aiê: um diário imaginário Francisco Marques 1
6. Lembranças do Baobá Vanessa Alexandre 1
7. Luana: as sementes de Zumbi Aroldo Macedo; Oswaldo Faustino 4
8. Luana: a menina que viu o Brasil Aroldo Macedo; Oswaldo Faustino 3
neném
9. Luana: capoeira e liberdade Aroldo Macedo; Oswaldo Faustino 3
10. Maracatu Sonia Rosa 1
11. Mestre Gato e Comadre Onça Carolina Cunha 1
(acompanha CD)
12. O rei preto de Ouro Preto Sylvia Orthof 3
13. O amigo do rei Ruth Rocha 1
14. O herói de Damião em A descoberta Iza Lolito 1
da capoeira
15. O tabuleiro da baiana Sonia Rosa 1
16. Pedro Noite Caio Ritter 1
152

REPRESENTATIVIDADE DE PERSONAGENS NEGROS


1. A casa das dez furunfunfelhas Lenice Gomes 2
2. A contadora de histórias Pedro Bandeira 1
3. Almanaque Maluquinho (HQ) Ziraldo 3
4. A orquestra tintim por tintim Liane Hentschke 1
5. As crianças vão ficar doidas Tino Freitas 1
6. As tranças de Bintou Sylviane A. Diouf 3
7. Autorretrato Renata Bueno 1
8. Bagunça no mar Hetzel & Massarani 1
9. Bia na Ásia Ricardo Dreguer 4
10. Bia na Europa Ricardo Dreguer 2
11. Cadê? Graça Lima 1
12. Crianças do Mundo Adèle Ciboul 2
13. Eu me alimento Mandy Suhr; Mike Gordon 3
14. Esperando a chuva Véronique Vernette 1
15. Garoto Ciro Fernandes 3
16. Irmã-Estrela Alain Mabanckou 1
17. Joãozinho e Maria Cristina Agostinho; Ronaldo S. 1
Coelho
18. Menina bonita do laço de fita Ana Maria Machado 1
19. Minha primeira consulta no dentista Eve Marleau; Michael Garton 1
20. Não é brincadeira Shirley Souza 1
21. O cabelo de Lelê Valéria Belém 3
22. O coelho que fugiu da história Rogério Manjate 1
23. O passarinho Stevan Richter 1
24. O pequeno rei e o parque real José Roberto Torero 1
25. O menino marrom Ziraldo 2
26. O menino Nito Sonia Rosa 1
27. O mundo através dos meus olhos Vanessa Alexandre 1
28. Os feitiços do vizinho (ilustrações) Sônia Junqueira 1
29. Piquenique na fazenda Stevan Richter 3
30. “Por favor...”: aprendendo sobre Beatriz Meirelles 1
boas maneiras
31. Sorrisinho, o melhor amigo dos Heloísa Betani; Roberto Belli 2
dentinhos
32. Só um minutinho Yuyi Morales (trad. Ana Maria 1
Machado)
33. Salão Jaqueline Mariana Massarani 1
34. Tanto, tanto! Trish Cooke 4
35. Uma, duas, três princesas Ana Maria Machado 1
36. Um dia na fazenda Stevan Richter 2
MATERIAL DE APOIO PARA O PROFESSOR
1. Interações: raízes históricas Ana Maria Bergamin Neves 1
brasileiras
2. Nas trilhas do ensino de história: Marco Silva; Amélia Porto 1
Teoria e prática