Você está na página 1de 3

REGISTO DE PREOCUPAÇÕES

Oposição
Pensamentos Probabilidade Probabilidade Ansiedade
Situação Ansiedade (0-8) (alternativas,
Automáticos (0-100%) realista (0-100%) (0-8)
provas)
RESPIRAÇÃO DIAFRAGMÁTICA

O diafragma é um músculo largo, em forma de leque, que separa a cavidade torácica (acima do diafragma) da
cavidade abdominal (abaixo do diafragma). A maior parte das pessoas não respira de forma suficientemente
profunda porque utiliza na respiração apenas a cavidade torácica. Uma forma de respirar utilizando toda a
capacidade dos pulmões e permitindo receber cerca de 7 vezes mais oxigénio é a respiração diafragmática, também
conhecida por respiração abdominal, que se caracteriza por fazer uma maior utilização do diafragma e da cavidade
abdominal.

Na respiração diafragmática, quando a pessoa inspira, o diafragma desloca-se para baixo, ficando quase plano
(diminuindo a pressão do ar nos pulmões e puxando o ar para dentro) e o abdómen desloca-se para fora (figura da
esquerda). Quando a pessoa expira, o diafragma desloca-se para cima, ficando semelhante a um cone (aumentando
a pressão do ar nos pulmões e empurrando o ar para fora), e o abdómen desloca-se para dentro (figura da direita).

Ao aumentar a recepção de oxigénio, a respiração diafragmática pode apresentar variados benefícios ao nível físico e
psíquico; nomeadamente, estimula a resposta de relaxamento, permitindo descer o nível de ansiedade. Este treino
deve ser feito pelo menos 2 vezes por dia, 5 ou 6 minutos de cada vez, em alturas em que se encontre livre de
distracções e interrupções. A prática vai acabar por lhe permitir incorporar a respiração diafragmática na sua vida
quotidiana e, eventualmente, nos momentos em que se sente mais ansioso.
 Terapia Cognitiva
 Revisão da natureza das cognições ansiogénicas
 Situação versus interpretação da situação
 Identificação de pensamentos automáticos (questionamento, imaginação, role-playing)
 Automonitorização com o Formulário de Automonitorização cognitiva
 Trabalham-se, sobretudo, dois tipos de erros cognitivos:
 Sobrestimação da probabilidade de acontecimentos negativos
 Pensamento catastrófico (tendência para definir acontecimentos como intoleráveis ou como tendo
consequências exageradamente negativas relativamente ao seu impacto real)
 Ensinar a distinguir os dois erros e a forma como se ligam
 Necessidade de debate repetido e sistemático
 Evitar procura de “substituição” por pensamentos positivos
 Procurar o debate da validade do pensamento:
 Pensamentos como hipóteses
 Procurar as provas e examinar a validade da crença
 Explorar todas as alternativas possíveis
 Debate da sobrestimação: avaliar a probabilidade realista da ocorrência do acontecimento negativo
 Debate da catastrofização: imaginar piores resultados possíveis e avaliar criticamente a gravidade do
impacto do acontecimento + gerar resultados alternativos possíveis