Você está na página 1de 214

Ao nosso filho amado Mikhael, com saudades!

Nos veremos em breve.

Papa e Mama

2
Autores:

Mikhael Elias

Daniel Mastral

Isabela Mastral

Capista: Ariane Santos

Prefácio: Psicólogo Adauto Souza

Compilação de textos: Luciana Alves

Tradução do Diário: Simone Alves

Diagramação: Luciana Alves

Revisão: Alda Alves, Simone Alves e Luciana Alves

Lançamento do E-book: 15/02/2019

Distribuição Gratuita

Site: www.danielmastral.com.br

Contato com os autores:

danielmastral@hotmail.com

3
Prefácio

Essa é uma história de amor.

Também de dor, afinal, o amor é sofredor.

Essa é uma história de batalhas que produzem danos incuráveis, já que a


vida não pode ser substituída.

Essa é uma jornada de muito aprendizado, de ensinamentos, de lágrimas, de


aflições e de perda. Mas, acima de tudo, essa é uma história de amor.

É uma história de amor porque é o amor que nos faz lutar, que nos dá
esperança fazendo-nos continuar, que nos assiste na solidão. E quando a noite cai
e tudo que se tem é a saudade, só o amor pode servir de refrigério ao coração.

Essa é a história da dor que se multiplica, da dor que concebe outra dor e do
desejo de silenciá-la. Falar sobre ela não é uma tarefa fácil. Porque essa dor não
tem rosto, não possui forma, não se anuncia quando chega e não possui prazo para
ir embora. Muitas vezes, não permite saber de sua origem ou de seu destino ⎯ ela
apenas aparece. E sem oferecer convite, pode levar ao mais sombrio dos calvários.

Como se fosse um vírus que se espalha, e envolve todas as emoções, ofusca


os horizontes, destrói os sonhos e interrompe a vida. Mas, lembre-se que essa é
uma história de amor. Permita que o amor te alcance, te abrace, te transforme.

Essa é a história do amor de um pai, de uma mãe e de um filho, que apesar


da sua angústia, não deixou de os amar. Todavia, esse filho não suportou a dor, a
dor da depressão.

4
A depressão não escolhe idade, sexo, crença ou classe social. Não é
frescura, não é exagero. Mas, pode-se dizer que é o grande mal do século. Um mal
que vem ceifando vidas, arruinando lares, arrastando pessoas para o mais árduo
sofrimento e assolando os que estão ao redor. Essa é a dor que produz outra dor, a
dor que se multiplica. Mas, apesar de tudo, essa é uma história de amor.

Essa história não foi escrita para acentuar angústias. Mesmo que haja
tristeza em seu conteúdo, ela não é feita apenas disso. Ao contrário, ela é aqui
relatada para orientar, para sinalizar que além da escuridão existe luz, e que,
sobretudo, é possível concluir a jornada de dor sem precisar deixar a vida.

Muitos trilharam o caminho dessa dor e conseguiram vencer. Outros


sucumbiram, mas não deixaram de amar, e talvez tenham amado tanto que não
suportaram ver os seus amados sofrendo com seu sofrimento. Preferiram partir,
mas partindo geraram mais dor. Lembre-se, essa é a dor que produz outra dor.
Mas, acima de tudo, essa é uma história de amor.

A história do amor de um pai e do amor de uma mãe que juntos lutaram


contra a depressão do filho. É a história do amor do filho que muito amou os pais,
a vida, as pessoas e os animais, mas que adoeceu acometido de profunda
depressão.

A depressão faz o coração sangrar, transforma a existência em martírio,


levando para longe o sentido da vida. A depressão engana, ilude e distorce a
visão. Faz com que se acredite, erroneamente, que a morte possibilitará paz aos
que ficarem.

A depressão levanta muros ao redor, revestidos de espelhos que impedem


que se contemple além deles, limitando a visão à própria imagem, à imagem da
dor. Porque olhos em abundante depressão são incapazes de se enxergarem no

5
espelho. Tudo que podem ver é um reflexo de dor em um espelho que não reflete
vida.

Olhos depressivos não conseguem perceber a devastação que o suicídio


causa, não percebem o sofrimento que será deixado aos que ficarem quando se
atravessa a linha que divide a vida da morte. Mas, apesar de toda essa angústia, o
amor está lá, latente. Porque essa também é uma história de esperança, visto que
enquanto houver vida a esperança florescerá nos campos.

Essa é uma história de amor, porque somente o amor leva um pai a ter fé,
somente o amor faz uma mãe ter esperança para lutar contra algo tão hediondo,
tão terrível e devastador. Somente o amor encoraja pais a se colocarem de lado
para viver única e exclusivamente para o filho que sofre de depressão. E somente
o amor é capaz de sustentar a vida quando se perde essa batalha e o filho amado
parte para a eternidade.

A depressão pode levar à morte, mas o amor permanece aqui, ele nunca
falha, não adoece e não morre.

A saudade machuca, o amor conforta. A dor traz culpa, o amor o bálsamo.


A tristeza pune, o amor absolve.

Essa é uma história de amor, porque por amor se lutou e por amor se
chorou. E aqueles que sucumbem à depressão, por não suportarem a dor, levam
consigo o amor dos que ficam e deixam com eles a dor que portavam em
proporções ainda maiores, porque a saudade açoita e queima como brasa.

Contudo, essa é uma história de amor.

Antes de ler, deixe de lado seus conceitos e julgamentos, pois cada um é


solitário em seu próprio sofrimento e não cabe a alguém julgar.

6
Após ler, absorva o que de bom você encontrar para a sua vida, e não
presuma ou suponha algo, porque somente os que sofreram com os aguilhões da
depressão sabem o que é estar isolado nas águas frias da dor.

Se você é alguém que está imerso nessas águas, saiba que o amor poderá te
conduzir até que você possa atracar em um porto seguro.

Meu respeito e solidariedade aos meus amados amigos Daniel Mastral e


Isabela Mastral, pais do jovem Mikhael Elias, por quem nutro profundo pesar pela
terrível dor que dentro de si se formou e levou-o embora, mas que agora,
encontra-se nos braços do Pai.

O amor é a força que encoraja na luta e que sustenta na perda. Porque essa é
uma história de amor.

Adauto Souza, psicólogo, pai, amigo e cristão.

IG: @adautosouza_psicologo

“Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior
destes é o amor” I Coríntios 13:13

*****

7
DIÁRIO DO MIKHAEL

- DOS PORÕES DA ALMA AOS JARDINS DO PARAÍSO –

“Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não


morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto.” João 12:24

“Entre a eternidade e o último suspiro, paira um abismo de misericórdia”.

*****

8
9
Isabela Conta

Fiquei parada, olhando para meu marido.

"Cadê o Mikhael?"

"Aconteceu... o que a gente já esperava... ele...", sua voz embargou um


pouco. "Ele se matou".

*****

Não lembro de perguntar nada na hora. Fiquei olhando para ele. A gente
sabia que era uma doença muito grave; mas na véspera... na véspera houvera um
fio a mais de esperança: ele ia ter acesso à internação no Instituto de Psiquiatria
do Hospital das Clínicas. Não só nós estávamos contentes, mas até o Mikhael se
animou com a possibilidade, depois de muita conversa.

"Uma clínica não é o suficiente para você", havia dito a médica na véspera
de sua morte, na primeira consulta. "Você precisa do apoio de uma instituição, de
cuidado diário, de uma equipe grande".

Por que uma primeira consulta na véspera da morte? Haveriam de imaginar


que não demos atenção ao quadro e não cuidamos de nosso filho. Muito pelo
contrário.

Havíamos procurado ajuda mais de um ano e meio antes. Nessa época,


porém, depois de um afundamento depressivo importante aos 14 anos, Mikhael
melhorou. A nova médica, no dia 21 de dezembro, foi muito humana.

10
Mikhael já havia passado por outros quatro psiquiatras, contando com o da
Clínica e a última que o encaminhou para esta colega que conseguiria a internação
no Hospital das Clínicas.

Mikhael se sentiu acolhido de cara com esta


nova médica. Gostou dela porque ela fez empatia,
olhou nos olhos, escutou. Ela esclareceu todas as
dúvidas dele, incentivou. Não fez um alarido com
os cortes nos braços, a dificuldade de higienizar o
próprio corpo, ou a incapacidade de voltar a estudar, pelo menos, inglês.

"Nós vamos tratar da sua mente. Depois, você vai ver que o resto vem
naturalmente". – disse a médica.

O que deixou Mikhael triste naquele dia 21 foi saber que a internação
duraria por volta de seis meses. Mas, a médica disse que podia parecer demorado,
mas valeria a pena; o prepararia para a vida. Para viver!

"Já perdi um ano da escola. Vou perder outro? E passei o ano todo
sozinho... agora que meus amigos vão estar em férias, vou ser internado de novo?"
– ele falou.

"Nós vamos cuidar de você. Toda uma equipe! No momento, você precisa
de mais do que apenas uma internação em clínica, como foi em julho. Mais do
que os seus pais podem dar, os dois, sozinhos. Você precisa de mais, e é isso que
vamos conseguir. ", - continuou a médica.

Mikhael foi ficando animado e esperançoso. Era melhor do que ficar só,
trancado no quarto, chorando, jogando videogame e esperando por uma melhora
que não vinha. Pelo contrário: Só estava piorando.

11
"Vou dar prioridade máxima para o caso dele", ela explicou para meu
marido. Preocupado - porque Mikhael tinha se cortado na véspera -, Daniel indaga
quanto tempo levaria para surgir a vaga.

"Entre cinco, dez dias. Mas pode até ser antes", concluiu a médica.

"Se ele tiver qualquer intercorrência", falou a médica, para tranquilizar meu
marido. "Vocês podem ir para esse pronto-socorro". Fez a guia de
encaminhamento. Era um serviço no qual confiava e onde Mikhael poderia
permanecer numa espécie de enfermaria, enquanto esperava a vaga no HC.

"Mas, pai, fique tranquilo. Estou vendo que está tudo bem. Vai dar tudo
certo." e olhando para Mikhael perguntou: "Você não vai fazer nenhuma
bobagem, né?". "Não, não", respondeu Mikhael.

*****

Ah, nós lamentamos tanto que não tenhamos tido tempo de tentar um
tratamento com ela...! Que não tenhamos tido tempo de internar o Mikhael.

Mikhael tinha sofrido na clínica que tinha sido internado, porque


misturavam os pacientes psiquiátricos com os dependentes químicos.

Mesmo assim, ele fez amizade, ele fazia amizade fácil. A psicóloga-chefe
da clínica disse que uma das meninas era apaixonada pelo Mikhael, ela gostava de
ser chamada de L. Ele contou sobre a menina em uma de nossas visitas, e notei a
pulseira da amizade no pulso dele, a garota tinha feito na aula de artesanato, e ele
mesmo estava fazendo uma pequena caixinha para ela em retribuição. Mikhael fez
grande amizade com C., que até deixou um bilhete em seu diário. Após a alta os
dois conversaram pelo telefone uma vez.

12
*****

Mikhael era só um menino carregando uma dor tão terrível dentro de si, tão
grande, pesada e instransponível que corroeu sua alma, a ponto de não restar
nada, só uma casca.

Uma casca que ainda respirava. Que ainda lutava. Que ainda tomava a
medicação toda sem questionar. Que jamais disse que não ia mais à terapia. Que
tentou acatar as regras, até o ponto em que a doença expandiu tanto que ele já não
se importava com nada. Nem consigo mesmo, que dirá as regras.

Nós o perdemos.

Nós perdemos o Mikhael e vivemos o luto por


ele muito antes do dia da sua morte. Meses antes,
porque já não conseguíamos encontrar nosso filho ali.

Tinha desaparecido.

Mesmo fazendo tudo! Mesmo fazendo tudo que estava ao nosso alcance!

Essa é uma dor dilacerante. Esmagadora. Assistir ao sofrimento do


Mikhael, do nosso filhotinho, ver ele morrendo diante dos nossos olhos, aos
poucos. Perceber que todo o esforço que fazíamos, tudo em que nos
empenhávamos, todas as conversas, o amparo e incentivo, o amor... Não era
capaz de curá-lo, ou trazê-lo de volta.

Toda a terapia. Toda a medicação. As consultas. O apoio.

A dor de ver um ser tão amado morrer aos poucos, e com tanto sofrimento,
não deveria existir. Simplesmente, deveria ser possível trocar de lugar com ele,

13
viver a doença por ele! Como eu pedi a Deus, mais de uma vez - "Estou mais
acostumada...".

A verdade é que nós estávamos morrendo com ele, um pouco a cada dia.

*****

Dia 22 de dezembro. Fim da tarde. Eu já tinha ligado, para o Daniel


algumas vezes, porque os dois não estavam em casa, mas Daniel atendeu e disse
que ligava em seguida.

Fiquei cismada. Olhei o quarto do Mikhael, mas


não vi nada de errado. Então esperei.

Depois daquela notícia gélida, eu não sabia o que


sentir. Daniel entra em casa, vou atrás. Acho que ele começou a me contar o que
aconteceu. Não desmaio. Não vejo tudo rodando. Não grito. Só sinto as lágrimas.
Em silêncio.

Eu achei que os dois estavam juntos, meu marido e meu filho. Não imaginei
que tinha acontecido e que receberia a notícia naquela tarde de sábado, a notícia
que nenhuma mãe deveria receber.

*****

Eu me mantive bem por alguns meses, mas depois comecei a notar


sintomas, de novo em mim, da depressão, aparecendo devagar. Eu já os conhecia,
já tinha vivido e superado. Mas, a agressividade da dor constante, da preocupação
constante, da tristeza constante, da incerteza e do medo fizeram, os sintomas
voltarem.

14
Às vezes, eu só precisava ficar quieta um pouco, para me preservar, porque
aprendi a conhecer os meus limites emocionais, os sinais e os desencadeantes da
doença em mim. Isso não queria dizer omissão, de forma alguma. Às vezes, só
precisava de um pouco de afastamento emocional, tentar esconder do coração um
pouquinho daquele horror todo. Por isso, eu não fui na primeira consulta com a
médica nova, embora tenha estado em todas da médica anterior, e nas duas vezes
em que a terapeuta - a psicóloga - me convidou.

Eu tinha minhas limitações.

O mesmo se dava com o Daniel. Ele não conhecia os sinais da depressão


até que os sentiu em si mesmo. Isso se somou à ansiedade extrema. Tinha dias que
ele precisava ficar quieto, ou senão ia explodir. Todos os terapeutas que ele
buscou no período diziam a mesma coisa a ele: "Você não pode sucumbir, tem
que encontrar válvulas de escape.

Mas, não havia. Quando você ama muito alguém, nunca há; porque é
impossível descansar a mente mesmo que o corpo esteja em outro lugar. Nós dois
paramos a vida para ficar com o Mikhael.

Em seis meses, se saímos de casa umas sete ou oito vezes foi muito, e é
uma estimativa alta. Daniel deixou a academia, parou com a escrita dos livros e
com os seminários. A vigilância era constante sobre nosso pequeno, nosso amado,
nosso único filho. Daniel de manhã, eu à noite. Mikhael nunca ficava sozinho.

E como ele não tinha vontade de sair, a gente também não saía. Os dias
começaram a parecer todos iguais. Ninguém sabia direito o que tinha feito, o que
tinha comido, qual era o dia da semana.

15
Dormir era difícil, acordar ainda mais. Eu me confundia com os meus
próprios remédios, não me lembrava se tinha tomado ou não, mesmo com os
frascos à minha frente. "Será que já tomei... ou ainda não?", pensava. Esquecia
minha comida dentro do microondas e só ia lembrar horas depois. Estava
arrumando alguma coisa em casa, e misturava tarefas, ia me lembrar de terminar
algo já começado depois de um bom tempo.

*****

Depois que Mikhael morreu é impossível não se questionar: "E se eu


tivesse feito isso; se eu não tivesse feito aquilo; se eu tivesse um pouco mais de
força, de paciência, de amor, de qualquer coisa que ele precisasse... e se; e se".

E se...

Quando essa dor começar a diminuir, se é que isso é possível, se é que é


possível voltar a ter alguma paz e tranquilidade, alguma alegria, isso vai vir da
certeza de que fizemos o nosso melhor. Não negamos toda e qualquer ajuda, tudo.
Até o limite das nossas forças como pais.

*****

Daniel foi falando - quando acordou, Mikhael não estava. Isso jamais
acontecia. Não tinha um recado explicando se tinha saído. Mesmo assim meu
marido ainda imaginou que ele pudesse ter apenas ido dar uma volta, e ia retornar
dizendo que "Precisou, que tinha ido caminhar e que esqueceu de deixar um
bilhete".

Ele contou os detalhes da procura, que levou o dia todo. Só não levou mais
tempo, porque o irmão policial do Daniel agilizou as coisas. Eu não entendia

16
metade da burocracia, e nem mesmo como exatamente ele conseguiu encontrar
nosso filho, que saiu sem qualquer documento.

Não me lembro do resto do dia. Por que ele não me chamou para ir
também? Por que não me permitiu ajudá-lo? "Você não iria suportar a burocracia
e a espera. No começo, eu não achei que ele tinha feito isso".

Ele chorou, lembrando que precisou reconhecer o corpo. Esse foi um dos
motivos pelos quais também lamentei não ter ido. Daniel não pode ver uma
coisinha médica qualquer pela televisão. Eu poderia ter reconhecido o corpo.

Tenho um último vislumbre, dele indo para o quarto na sexta-feira à noite,


depois que ficou um pouco com as amigas no McDonald’s. Quando eu percebi, a
luz já estava apagada. Tinha sido um dia cansativo.

*****

Daniel tenta cochilar um pouco. No domingo, dia 23 de dezembro, ele tem


que enfrentar as burocracias do IML, delegacias e cemitério, para poder sepultar
nosso pequeno.

Eu passo a noite acordada, e sem condições emocionais de acompanhá-lo,


não conseguiria, queria manter a imagem dele preservada em minha mente.

Muita dor.

Falo. Falo. Falo com Deus. Choro. choro.

*****

17
Mikhael sempre foi dócil, obediente; adorava o conceito de "Família". Em
qualquer lugar, em casa, na rua, ele às vezes gritava: "Abraço de família", quando
estava feliz, ou quando alguma coisa boa tinha acontecido a um de nós. As
pessoas sorriam ao nosso redor com o jeitinho dele.

Se por acaso eu tinha alguma descompensação (por conta da depressão, e


também da síndrome de borderline), ele era afastado imediatamente. Mas, alguma
coisa ficou em sua memória. Outras ele aumentou. Outras viraram memórias-
fantasma que nunca ocorreram. Há crianças que realmente vêm de lares terríveis,
e passam por traumas violentos, não foi o caso do Mikhael.

A psicóloga olhou dezenas dos desenhos que ele fez ao alongo dos anos e
que eu guardei. Qualquer coisinha que ele fazia, ou me dava, eu guardava. Ela não
encontrou nenhuma característica de doença psiquiátrica.

A casa amarela, a família feliz de mãos dadas,


na proporção certa - ele no meio, eu de rabo-de-cavalo
vermelho, o pai do outro lado. Os bichos ao redor.
Céu. Sol amarelo. Todo mundo sorrindo. A terapeuta
falou: Não há nada de errado ali.

Mas, em algum momento, a doença girou uma


chave. Foi como colocar alguma coisa ruim em
ignição. Foi tão pavoroso e tão triste. De repente,
as memórias ruins dele estavam impregnadas. Na tentativa de diminuir os
"traumas", a parte ruim prevaleceu, e ele esqueceu todo o resto, 90% da vida dele,
até os 14 anos foi feliz, completa e cheia de significado.

*****

18
A primeira vez que Mikhael lidou com a morte foi aos três anos. Vovó
Nadya, minha mãe. Ele dizia, na hora do banho, que a gente tinha que convidá-la
para vir em casa, não me lembro o porquê. Estávamos na frente do espelho, eu
penteando seu cabelo, terminando de vestí-lo. Engoli seco. “A vovó Nadya não
vai poder visitar a gente por enquanto. Ela foi morar no céu”. E assim se saiu uma
conversa rápida sobre isso, e disse que futuramente estaríamos todos juntos de
novo.

Houveram outras mortes. Teve nossos gatinhos Mambo e Merengue, e o


nosso cãozinho o Mel. Ele entendeu que morreram porque ficaram muito velhos e
doentes. Mas, esses foram ainda na antiga casa que morávamos.

Na atual casa morreu a Julie, nossa cadela, a


veterinária disse que ela melhoraria. Mikhael com 12 anos
acreditou. Quando a Julie morreu de repente, foi um baque
muito forte para ele. O Tango, o coelho. Mikhael aguentou
ficar comigo a noite toda enquanto ele agonizava, e eu tentei
deixá-lo mais confortável possível, quando entrou em forte
insuficiência respiratória. Mikhael cavou o túmulo no jardim.
Nós o enterramos.

E morreu a Patinha.

A morte da Patinha foi o start da doença depressiva do Mikhael. Insidiosa,


sutil, sorrateira no começo. Um período de notas ruins por causa da perda da
amiguinha. Mas depois, vieram as férias e ele parecia ter superado.

*****

19
Mikhael contou que teve o mesmo sonho de forma recorrente: “Eu estava
sentado no banco de pedra em frente de casa. Quando me via, a Patinha, que
estava do outro lado da rua, vinha na minha direção. Ela era atropelada, só que
não morria. Então, estava transformada em um leopardo”. E o que mais me
chamou a atenção foi: “Ela estava forte. Ela estava Plena”. Plena. Estranha
escolha de palavra. Inspirada (em sua forma gloriosa, seu corpo imortal).

Se o Pai, que tudo conhece, deu a meu filho esses sonhos tantas vezes a
ponto de ele me contar mais de uma vez; é porque sabia da intensidade da perda.

*****

"Eu te amo" - ele me dizia isso todo dia; às vezes, mais de uma vez. E eu
respondia o mesmo. Sempre tinha abraço, beijo, história para dormir. Risadas.
Tantas e tantas coisinhas do dia a dia, do amor, da amizade, do companheirismo e
da alegria juntos. Não há como resumir, ele era meu amigo, desde pequenininho.
Ele sempre me fez sorrir, me fez querer ser uma mãe boa. A melhor mãe possível.

Depois de ter passado por alguns problemas


com minha própria doença, escrevi um cartão com
corações, dizendo estar melhor, e que tinha sentido
muita saudade dele. Que íamos passear com as
cachorras e ver muito desenho.

"Não sei viver sem você! Você é especial


demais, e eu te amo mais que tudo na vida. Comprei
esse presente para quando você dormir, lembrar
sempre de sua mamãe. O nome dele é Eli. Mil beijos,
meu amor"

20
A cartinha está datada de novembro de 2010. Ele tinha sete anos. Não
muito depois disso eu teria a consulta com o Dr. Alexandre, que fez o meu
tratamento e acertou nos meus medicamentos, e passaria a viver melhor.

Na verdade, eu não estava procurando um presente. Eu vi o ursinho numa


loja que não era nem de brinquedos, por acaso, e escolhi esse nome por ser um
diminutivo de Elias. Acho que ele nunca nem percebeu isso.

Mikhael dormiu com o Eli até o final da vida. E o sepultamos junto com
nosso filho.

O Eli esteve perto mesmo ali, quando só o corpinho


do nosso filho ainda restava. Meu eterno coração de mãe,
imperfeito, mas entregue; a afirmação de um amor que
transcende a morte; e um eterno pedido de perdão por toda
vez que, involuntariamente, fiz com que ele sofresse de
alguma forma, ou se assustasse.

O que ele viu do quadro clínico foi pouco, mas para


as crianças as coisas são grandes. Ele era sensível, e sempre viveu num ambiente
de muita paz, de harmonia, de resguardo, respeito, amor, compreensão. Não havia
choradeiras, pesadelos no meio da noite, castigos.

Acho outro bilhetinho meu: "Oi, meu amor, bom dia! Você é a criança mais
especial, mais obediente, mais bondosa, justa e sincera que conheço! Tenho super-
orgulho de ser sua mãe."

Dói muito no meu coração que os distúrbios da mente dele apagaram


muitas das nossas lembranças, e ele tinha que me perguntar se eu tinha orgulho
dele. Eu sempre tive! Ele cometeu erros na adolescência - como todo adolescente

21
- e não estou justificando. As típicas teimosias, desejo de liberdade, de se
identificar e pertencer a um grupo, a sensação de onipotência. A rebeldia.

Com 13 anos, ele começou a questionar algumas coisas, a rejeitar outras,


mas permanecemos companheiros. Sempre admirei o rapaz educado, cordial,
gentil, inteligente, comunicativo, bonito! Que não desprezava ninguém, não tinha
preconceitos e acreditava que o ser humano era bom, que todas as pessoas eram
dignas de atenção.

Mikhael era leal aos seus amigos e dava grande valor a eles. Era engraçado,
uma boa companhia. Quem conhecia o Mikhael, de verdade, sabia disso. Era
impossível não gostar dele.

Tanto é que, aos 14 anos, o celular dele não parava de tocar, ele sempre era
chamado pelos amigos para sair.

Infelizmente, a doença destruiu grande parte disso. Ele não conseguia mais
cultivar as amizades, mesmo assim, algumas permaneceram, mesmo quando ele já
estava bem doente...

*****

Ali, no quarto, eu me despedi do Mikhael. Apenas falei, falei... o que meu


coração sentia. Nós sempre conversamos muito. Apesar de que, no final, ele
estava mais ligado ao pai, disputava a atenção dele. Mas, naquela hora isso não
importava. Estava enterrando o corpo do nosso filho com a certeza de que ele já
estava no Céu.

Essa certeza nos sustenta, embora não aplaque a dor. Não é uma suposição,
ou um desejo da alma ferida, uma vontade desesperada, uma assustada esperança.
Não. É uma certeza plena. Ele era nosso Filho da Promessa.

22
Chorei e chorei, falei e falei, me despedindo do meu amorzinho. Pedi que
minhas palavras lhe fossem transmitidas ipsis litteris, porque ele já não estava
entre nós desde às 8h12 da manhã do dia anterior.

Não o culpei, de modo algum. Eu entendia sua dor profunda, seu cansaço
infinito, a ausência total de sonhos ou esperança. Nós, seus pais, não tínhamos o
poder de criar sonhos e parar a dor. Só podíamos estancar um pouco.

Agora, tudo tinha passado. Nós - eu e Daniel - sabíamos que ele estava
bem. Muito bem.

Meu marido saiu do cemitério, e quando chegou em casa eu ainda estava


naquele clima de despedida, falando e orando. Sem expectadores humanos, sem
palavras de consolo humanas. O consolo veio das palavras do Pai - Papai.

*****

O nosso filho da Promessa tinha uma missão no Mundo, mas ao final da


missão havia morte. Uma morte jovem.

Ele percorreu o caminho mais difícil. Suas escolhas erradas começaram


como mera curiosidade de adolescente; depois, com o início da doença, se
tornaram vícios desenfreados.

A morte da Patinha foi um dos gatilhos fortes. É


incrível pensar que aquela gata morreu pouco mais de um
ano e meio antes dele... Mas, era uma amiga importante do
Mikhael, sempre atrás dele, sempre junto, até mesmo no
banco de pedra de manhã, enquanto ele esperava o ônibus
escolar. Não importava o tempo, todo dia, a ligação entre

23
eles era forte. Muito forte! Ela foi adotada e foi o Mikhael que a viu primeiro, ela
o amou e vice-versa. Quem conhece de verdade os animais compreende sua
incrível capacidade de amar ...

Acordei com ele entrando no quarto, chorando. Tudo tinha sido tão rápido
que eles nem pensaram em me chamar. Voaram para a veterinária.

Mais tarde, o Mikhael disse, que o pai falava: “calma, calma, calma”, mas
estava em pânico.

A gatinha estava toda ensanguentada, quebrada. Ferida de morte.

“Mama!”- ele veio me chamar, em lágrimas.

Se aproximou da cama, eu acordei de imediato.

“A Patinha está morta!”.

Um misto de dor, e desespero.

“O que aconteceu, o que ...?”

“Ela foi atropelada”.

Senti um choque. Um baque no peito. Não era possível.

“Vem, desce ...”, ele me pediu.

Eu sai em seguida do quarto, expliquei para ele que a separação era apenas
temporária, ele tinha dificuldade em compreender isso.

24
“Mas como você pode ter certeza? Certeza de que ela foi para o Céu, e não
apenas vai desaparecer para sempre, como se não tivesse existido?”.

“Tudo que Deus criou era bom. Os animais são bons. Deus não permite que
eles deixem de existir. Ela vai estar lá, esperando por você”.

Como é difícil falar essas coisas.

Outro gatilho foi o distanciamento que houve de uma amiga que era mais
próxima que uma irmã, devido a problemas emocionais da mesma. Eu não sei o
que ele entendeu, ou o que foi alegado a ele. Mais tarde, quando eu vi o quanto ele
se culpava, e como se achava o responsável pela perda da amiga, eu contei que a
culpa não era dele.

A morte da Patinha foi no primeiro semestre do oitavo ano, e a perda da


amiga, no final desse mesmo ano, os dois fatos deram o start de vez na doença.
Mikhael estava com 13 anos.

A autoimagem ruim do Mikhael começou com essas perdas. Se algo não


dava certo, se alguém o abandonava... a culpa era dele.

A sensação de perda, de ficar só, de ser abandonado passou a dominar a


vida dele. Qualquer percalço e ele tomava a culpa para si. Disse que uma grande
amiga saiu do nosso bairro e se mudou por causa dele.

Mikhael se achava o culpado, único culpado.

Uma baixa autoestima arrasadora estava se formando na mente dele. Ele


teve um quadro depressivo nesse ano, que nos assustou de verdade. Pensamos que
teríamos que interná-lo.

25
Deus deu ao Mikhael uns anos a mais para mudar de rumo. Ele já estava
mentindo para nós, escapando de ônibus e indo ao centro da cidade, à rua 25 de
março, a Paulista, começou uma conversa esquisita de que "ele não era burguês",
“que onde moravam era chato”. “São Paulo é que era divertido”.

Esse discurso não combinava com ele, ou com qualquer uma das amigas e
amigos que ele tinha na escola.

No início do nono ano, quando completou 14 anos, uma de suas melhores


amigas organizou uma festa surpresa para o Mikhael, e foi surpresa mesmo! Na
filmagem dá pra ver a cara dele, enquanto um outro amigo jogava confete do
andar de cima. Essa amiga, D., combinou tudo com a gente, nós compramos a
comida, e um dos amigos cedeu a casa. Ela mesma fez o bolo, os outros levaram
salgadinhos, pirulitos, tiraram fotos.

Ele tinha mais uma chance, de entrar no plano perfeito de Deus para a vida
dele e cumprir sua missão na Terra.

Choro. Choro.

À noite é mais difícil. Ele tinha o mesmo ritmo biológico que o meu. Nas
férias, ficava acordado de madrugada, às vezes, até de manhã. Isso depois dos dez
anos. Ele estava sempre ali, fazendo suas coisas, eu fazendo as minhas. A gente
inventava um macarrão, conversava. Ele me contava alguma coisa. Tinha um
senso de humor ótimo e quando se tornou adolescente, uma visão de mundo com
uma pitada de "pimenta". Suas "tiradas" eram ótimas, engraçadas. Contava as
coisas de um jeito muito próprio porque tinha bom humor - e senso de humor!

E o humor dele era bom, porque não magoava ninguém.

26
A porta do quarto dele sempre aberta, eu ali pertinho, na sala. Quando
passava ali, sempre, sempre recebia um olhar, um sorriso, um beijinho. Nunca
mais essas noites tranquilas aconteceram depois que ele adoeceu.

Da mesma forma, as manhãs. Quando éramos só nós dois, nos finais de


semana, durante as viagens longas do Daniel, era no quarto dele que eu entrava
quando acordava. De pijama, zonza de sono, não precisava pedir licença. Ele
também parava o que estivesse fazendo para falar comigo. Ficávamos falando de
qualquer coisa.

Como ele tinha deitado tarde


como eu, acordava igualmente
tarde. A gente tomava café às duas
da tarde. Almoçava de noite.
Jantava de madrugada. Isso nunca
mais vai acontecer nessa vida ...

Se tinha que estudar, a gente estudava. Eu estudei com ele até o sexto ano,
todas as matérias, aí aos poucos fui soltando durante o fundamental dois. Dava
uma ajuda se ele estivesse muito perdido. Costumava ter sempre boas notas. Todo
mundo conhecia o Mikhael. Ele nasceu, cresceu e viveu sempre no mesmo bairro.
Desde pequenininho ele tinha brilho nos olhos e gostava de conversar com todas
as pessoas, sobre tudo. Sempre sorrindo e tecendo comentários, era o jeito dele.

Ele estava sempre rindo, com brilho em seus olhos, o sorriso franco e
aberto para todas as pessoas. Até os desconhecidos que passaram a conhecê-lo: no
mercado, na farmácia, na padaria, no restaurante, no cabelereiro. Aquela vizinha
que eu nunca nem vi, e sequer sabia o meu nome virou para mim na manicure:
“Você é a mãe do Mikhael, né? Meu Deus, olha, ele é uma pessoa muito educada,
a mais educada que eu já conheci na vida."

27
Já havia escutado isso de professores e de mães dos (as) amiguinhos (as).

Respeito pelo próximo e vontade de conversar com todos era nato, era dele,
nasceu assim; o fato é que todo mundo conhecia o Mikhael.

As pessoas raramente me chamam pelo meu nome, quando muito


“doutora”, mas com ele era diferente, onde a gente chegava era: “E aí Mikhael! O
que vai ser hoje?”. “Seu filho é uma graça” diz a cabeleireira para mim, depois
que Mikhael levanta e diz “adorei o corte” e dar um abraço caloroso na mulher
recatada coreana.

É.

Ele era um doce, amável, terno, inteligente e carismático. Leal aos amigos,
amava os animais. Extremamente amoroso conosco, seu pai e sua mãe.

Pai, mãe e filho sempre.

Era assim que era.

As pessoas reparavam.

*****

De repente, Daniel entra no quarto, nos abraçamos. Ele tinha um rosto


cansado e abatido.

“Eu pedia a Deus que me concedesse a força de Sansão…“.

Isso não era gracejo. A força me foi concedida e ele nem percebeu, mas foi
mais forte do que imaginava ser. Não sei se choramos juntos novamente, quando
um está abatido o outro precisava estar mais forte.

28
A vida nos ensinou que os dois não podem fraquejar ao mesmo tempo.
Nessa altura, eu estava acordada a mais de 24 horas. O dia mais horrível das
nossas vidas. Fomos sentar na sala e ele me contou umas coisas, ele tinha que
repetir, ficava difícil falar todos os detalhes, começo meio e fim e quanto seu
coração estava despedaçado.

Perguntamos várias coisas para Deus. Por causa do cansaço do Daniel, não
conseguimos ouvir todas as respostas naquele momento. Mas, ele não sentiu dor
alguma, no momento da morte.

Quando eu estava no quarto, durante o “meu sepultamento” particular e


concomitante, lembro que, dentre todas as palavras de amor, elogios e a gratidão e
a honra de ter sido mãe dele, disse que me orgulhei de sua força e coragem ...

*****

Por causa do trabalho que temos, Mikhael sempre foi preservado dos
holofotes. Pouco falamos dele nos livros ou de qualquer outra maneira. Não era
prudente expor nossa vida familiar.

E como foi bom ter o Mikhael como


filho. Ele só nos trouxe alegria e orgulho. Só
coisas boas e momentos bons, que
vivenciamos tanto em família, quanto durante
as viagens do Daniel, ou quando o Daniel saia
com ele.

Daniel sempre junto em tudo, pai coruja, um super pai. Praticamente, único
pai no meio das mães, nas aulas de natação de bebês, parquinho, cinema infantil,
volta nos shoppings. Fazíamos tudo sempre juntos, nós três. Essa será sempre uma

29
marca muito forte nas nossas vidas e na nossa família: união e amor
incondicional.

Nunca precisamos gritar com Mikhael, dar castigos, brigar. Ele era
obediente e sempre falava que não gostava de nos magoar. Com ele, tudo era
alegre, tranquilo, cheio de vida.

O Mikhael assistia a um desenho uma única vez, e decorava as frases


inteiras. Depois, repetia, era muito engraçado e nós acabamos decorando também,
a gente ria muito.

Foi muito bom ser mãe. É estranho pensar que eu não sou mais… Mamãe.
“Mama!” Como ele sempre me chamava. “Mama” e “Papa”, apelidos carinhosos
que ele escolheu naturalmente, substituindo o papai e mamãe. Mais tarde, às vezes
ele me chamava carinhosamente de “Muffin“, e o pai de “Panda“. Fomos pais
extremamente presentes.

Daniel se fez único na vida do filho, um amigo, um parceiro.

Tudo o que se pode fazer durante a infância, fizemos e aproveitamos. Era


difícil viajarmos em família. Primeiro, porque não tínhamos muito dinheiro para
férias. E depois não podíamos viajar e deixar nossos bichinhos: a Nina já velinha,
a Lira não desgruda de mim, a Aisha tinha uma ligação muito grande com
Mikhael, assim como a Patinha. Por isso, Daniel viajou por poucos dias com
Mikhael, algumas vezes, e eu fiquei com os bichos. Tudo bem! Era legal, eles
conviverem e os bichos não se ressentiam.

*****

Quando a terapeuta e a psiquiatra do Mikhael vieram vê-lo em casa,


estavam, de certa forma, à caça de um “culpado”.

30
E, claro, a culpada só podia ser a mãe, louca, borderline.

Não adiantava o que eu falasse, parecia que não estavam me ouvindo. Fui
ignorada várias vezes, embora num desses dias, eu tenha sido a única que dei o
“palpite” certo sobre a polêmica questão de pegar ônibus sozinho. Claro. Um
garoto de 15 anos, quase 16, pode até pegar ônibus, mas não na condição em que
ele estava, e nem para ir onde queria ir.

A psiquiatra estava liberando isso, bem como a terapeuta. Uma das


características do Mikhael, e que ele usou algumas vezes, era de ser extremamente
persuasivo e convincente (uma das características do borderline).

Eu alertei à terapeuta: “Ele está te enrolando”.

Mikhael começou a desenvolver um quadro de distúrbio de personalidade,


não sabendo mais quem era, e como era, e nem como queria ser, por isso, não
queria mais ver as fotos dele espalhadas pelas casa. Neste momento, a discussão
era a respeito de dois painéis familiares que estavam na cozinha, se deviam ou não
permanecer.

“Veja, fulana terapeuta”, eu tirei todas as fotos do Mikhael da casa toda.


Mas, o que estaremos ensinando ao meu filho se tirarmos os painéis? São
momentos de celebração, momentos de vida, fotos de natal, dos bichos. O direito
de um termina, quando começa o do outro. Mikhael pode passar pela cozinha e
dizer: “ah, esses painéis são coisas da minha mãe”, e deixar para lá.

A terapeuta foi até em casa para falar sobre isso. Por isso, eu disse: “Não
são fotos os problemas dele, o problema dele não é o externo e sim o interno e
profundo”.

31
Nessa fase da doença Mikhael tinha desenvolvido uma autoestima tão baixa
que não suportava nem o próprio rosto. Primeiro nas fotos, depois nos espelhos,
que ele cobria com a tolha de banho.

Eu não sei de onde saiu esse pensamento. Uma parte de sua pseudo
“feiura”, acredito, fosse culpa: por ter fugido de ônibus para o centro da cidade,
Paulista, 25 de Março e por começar a andar com pessoas tóxicas.

Nenhum dos amigos dele estavam autorizados a saírem de ônibus sozinhos.


Então, ele ia sozinho, escondido e sem nossa permissão. Ou ele ia com outros
jovens que trabalhavam na redondeza, mas não moravam no bairro.

*****

A inauguração dessa loja do McDonald’s perto de casa parecia ser legal, à


princípio, seria um bom local para os adolescentes se encontrarem. No começo foi
assim. Depois, começou a ficar um lugar duvidoso. E já com a doença instalada
em um jovem adolescente, louco para viajar “pela bola azul”, como ele dizia…
Bom… Uma coisa chamou outra.

Nós achávamos, sinceramente, que ele estava aqui por perto, no bairro, que
ele jamais seria capaz de mentir, de beber e de fumar. De se autodepreciar tanto, a
ponto de achar que não era bom e digno de ninguém, exceto de alguns que não
eram seus amigos, mas ele achava, no momento, que eram.

E eles sabiam o que tinha acontecido; que Mikhael tinha se cortado muito, e
que tomara também remédios, que ficou em coma por mais de 12 horas e passou
três dias na UTI. Quando ele teve alta para enfermaria, nos disseram que teriam
que remover direto para uma clínica psiquiátrica do convênio. Como nos haviam
sinalizado a possibilidade, optamos pela internação domiciliar.

32
Bem contente de estar em casa, grato por sua vida ter sido salva, querendo
prosseguir e querendo caminhar. Tinha perdido os últimos 45 dias de aula, em
licença médica, mas estava feliz em poder aproveitar as férias, ver os amigos e
retomar no outro semestre a escola.

Na quinta-feira, duas amigas vieram visitá-lo em casa, e os três foram andar


de bicicleta, ele estava bem, embora com pouca resistência física.

Na sexta-feira, toda a turma de adolescentes se reuniu no Fast Food. Era a


primeira vez que o Mikhael ia lá, após uma tentativa de suicídio mais séria, que o
deixou na UTI (era a segunda, a primeira foi mais branda, porque ele não soube
combinar os remédios para ter êxito).

Mikhael nunca mexia em remédios, eu controlava isso, se ele tinha uma dor
de cabeça, enjoo, sempre me falava. E eu sempre o medicava. Ele nunca nem
chegou perto dos remédios. Mas aconteceu… O que gerou a licença médica e o
início da escalada da doença a patamares tão altos, que parecia que jamais iria
atingir o platô.

Nesta sexta-feira, no Fast Food, alguma coisa aconteceu. Não com os


amigos dele, mas com alguém que não era amigo dele de verdade.

O que um adolescente espera?

Ser recebido com alegria, com calor humano, com ternura.

Mas alguém falou algo sobre as cicatrizes, debocharam daquela dor. Logo
ele veio pra casa, e não foi mais o mesmo. A pequena chama de querer viver se
apagou. Passou sábado e domingo, ele se cortou todo de novo. Como poderíamos
livrá-lo da internação assim?

33
*****

A noite foi puro terror, internar meu filho??

Sou médica, conheço os serviços psiquiátricos, já li muito sobre internações


em sanatórios, distúrbios da mente, suicídio, histórias reais.

Mikhael foi preservado o melhor possível dos sinais da minha própria


condição. Não foi isso que desencadeou a doença. Ele presenciou pouco, mas
criança vê tudo grande, e esse assunto foi muito tratado em terapia. Eu não era
uma mãe-vilã.

Até mães saudáveis erram, o foco devia ser: “OK, você me contou algo
ruim ... me fala algo bom da sua mãe ...”

E isso não existiu. A terapeuta chefe da clínica onde Mikhael ficou


internado veio me dar um abraço e falar para mim e
para o Daniel que nosso filho descrevia a própria mãe
como uma pessoa extremamente forte. Uma heroína,
porque agora ele entendia o que eu havia passado, e
sabia que meu quadro havia sido pior. E, se eu venci,
ele também podia vencer.

Queria ser forte e corajoso igual a sua mãe, mas isso mudou radicalmente
quando teve alta e tinha terapia. De repente, me hostilizava, e me provocava de
propósito, me humilhava. Depois se arrependia, vinha chorando, pedir desculpas,
acontecia várias vezes. Às vezes, era tão agressivo que me dava medo. Mesmo
com palavras, ele admitiu ao Daniel que seria capaz de me agredir fisicamente.
Por isso, vejo que a terapia não vinha surtindo efeito. Não trazia melhoras.

*****

34
De manhã, segunda feira, era 25 de junho de 2018 – meu aniversário.

Tinha pensado e orado muito, mais uma noite em claro. Para me distrair, fiz
um cordão de pescoço para ele. Mikhael sempre andou com um cordão com um
pingente de flor de lis de aço, delicadamente trabalhado, tinha sido um presente
meu para o Daniel. Mas, depois o nome Mikhael foi gravado no pingente e ele
passou a usar. Ele decidiu tirar este cordão, quando já não sabia quem ele era, E
que queria matar o Mikhael, então, tinha começado o transtorno dissociativo de
identidade. Passou a achar defeitos horríveis em si mesmo, e se tornou uma
pessoa oposta a ele.

Que tristeza ...

*****

Já faz parte do quadro de Borderline a manipulação das pessoas pelas


emoções. E Mikhael era muito inteligente, seu QI era acima do normal. Ele, às
vezes, ia mau em matemática ou física, porque estava começando o quadro
depressivo.

Ele tinha sono na aula. Dormia. Uma vez dormiu no pátio. Outra vez,
roubou uma faca, subiu ao andar mais alto do prédio da escola e ficou olhando
para baixo, procurando uma fenda na tela.

Mikhael cresceu nessa escola, começou ali


com três anos de idade. Todos conheciam ele
muito bem, inclusive as donas da escola.

Ligam para o Daniel: “Mikhael está


dormindo no pátio”; “Mikhael está estranho”;

35
“Mikhael está no topo da quadra de esportes”; “Mikhael se trancou no banheiro”...

Vontade de chamar a atenção? Rebeldia de adolescente? Ou sinais de algo


mais sério?

*****

Final do ano de 2017, 9.o. ano, um alívio, ele conseguiu passar de ano,
depois de todos os nossos esforços. Professora particular de física e matemática, e
eu e o Daniel dividimos as demais matérias e estudávamos com ele.

Tivemos a alegria de vê-lo se formar e vestir uma


beca.

Foi escolhido como um dos oradores da turma. A


formatura foi linda e sensível.

Ele estava feliz. O sorriso radiante.

Entendo agora, neste exato momento, que Deus nos concedeu mais um ano.

Mas, como mãe, e ouvindo certos comentários dele, eu sabia que ele se
envergonhava da própria imagem. Embora o sorriso irradiasse perto dos amigos,
nas fotos ficava contido, opaco.

Quando eu dizia: “Você tá tão alto. Tão gato. Tão bonito ...” A resposta era
sempre uma veemente negativa, e eu ficava imaginando de onde aquilo vinha.

Por que uma repulsa intensa? Por que? Quando ele começou o 1.o ano do
ensino médio, na mesma escola e na mesma turma, passou a não querer estudar
“demais”.

36
Se sentia cansado. Sem vontade. Sem foco. Foi mal em tudo no primeiro
bimestre. Daniel achou até que seria de propósito, pois ele queria estudar em uma
escola mais longe de casa, onde ele sabia que tinha duas amigas.

Sabemos que ele sofreu bullying ali; professores não souberam lidar com a
situação. Acabaram por expô-lo na sala, quando ele praticou o cutting; não foram
sábios e isso mexeu muito com ele.

A mudança de escola foi um fiasco total. Foi bem recebido, mas depois a
temida e repetida sensação de rejeição, de ser abandonado ... o perseguia.

O Mikhael acreditava na bondade inerente ao ser humano. Mas, estava


errado. Não é inerente. Não é frequente. Sei que ele sofreu com a falsidade de
pessoas, sei que ele sofreu com as perdas e com a rejeição.

O distúrbio de imagem corporal apareceu mais claro para o final. Ele via
defeitos absolutamente inexistentes. Se fechou. Se tornou tímido.

É triste para os pais ver isso. Fica a pergunta sempre: É uma coisa da fase?
Adolescentes geralmente são encanados com o corpo, com a voz, com
mudanças... Ou era mais que isso? Sabíamos que era mais que isso.

*****

Por que deixar de andar com os amigos de sempre, com quem cresceu, para
se associar com pessoas tóxicas?

“E aí, Mikhael, vai uma?” Bebidas.

37
Pouco antes de morrer ele já era considerado com dependente químico.
Tinha bebidas escondidas pela casa, que os amigos entregavam pela cerca, e só
achamos após a sua morte.

Dois dias antes de sua morte, uma pessoa trouxe uma bebida para ele dentro
de casa. Chegou com uma sacola e saiu sem ela. Sequer cumprimentou o Daniel,
que achou a bebida de imediato. Dias após sua morte, achei uma outra garrafa
pela metade.

Associado a isso, fumava cada vez mais. Quando saiu da clínica estava
sem fumar. Mas, após as sessões com a terapeuta, ela adotou a conduta do “dano
menor”.

“Melhor fumar, que se cortar”.

Mikhael dizia que o acalmava, foi uma verdadeira confusão! Sem consultar
os prontuários, profissionais, os pais, a nova psiquiatra, ele voltou a fazer uso de
algo que estava sanado na vida dele.

Se ele iria voltar a fumar, não sabemos. Mas o fumo conflitava com a
medicação (lítio) e podia deflagrar sintomas.

Todos fomos contra: a psiquiatra, o pessoal da clínica e nós. Mas, a


terapeuta disse que “sim.”

A agressividade dele querendo aqueles cigarros de volta era além do


suportável. Conseguimos segurar por uns dias, mas era preciso praticamente sedá-
lo com Rivotril e Prometazina, pois dizia que só o cigarro o acalmava.

Por fim, diante daquele inferno emocional terrível... Cedemos.

38
Tem gente que acha que os bordes são ótimos atores. Que fingem muito
bem e mudam da candura para o ódio em segundos.

Pode ser que uma parte fosse encenação, para conseguir o que queria.

Mas, uma coisa eu sei, e até me lembro de um dia na faculdade de


medicina, quando um dos professores-doutores começou uma aula teórica
dizendo: “A doença psiquiátrica é das que mais está imersa no sofrimento. Não
importa que o paciente é desagradável, que suas atitudes se tornam insuportáveis,
que as pessoas próximas, às vezes, perdem a paciência. “É frescura”. “É de
propósito”. Ou “é demônio”. Eu digo que o sofrimento é totalmente real, e é
muito profundo”.

Eu nunca me esqueci disso. “O sofrimento dos doentes psiquiátricos é real e


muito mais profundo”.

Uma parte, é a própria doença: angústia, pavor, apatia, ideias suicidas,


sono, falta de objetivos, incapacidade de fazer as mínimas coisas que fazia antes,
até mesmo tomar banho e cuidar da higiene, ou frequentar a escola, seguir
horários. Isso falando só da depressão.

Outra parte é o descaso das pessoas, o julgamento, as pechas e rótulos.

*****

Daniel levantou às 7h10. Naquele dia, o dia do meu aniversário.

Tínhamos que dar a sequência no processo de internação. Ele tinha se


cortado mais uma vez.

39
O Hospital já tinha optado por encaminhar direto da enfermaria para a
clínica. Nós é que quisemos tentar a internação domiciliar.

Mas diante disso... Novos cortes... Não dava para ficar sem orientação
profissional.

Como médica, eu sabia disso: era um caso clássico, não tinha o que pensar.
Ele podia se matar no dia seguinte.

Tinha acabado de sair da UTI. Estava bem até sair do Fast Food.

É por isso que eu sei que a imagem deturpada que ele começou a criar dele
mesmo era real.

Ele começou a se aliar a quem não prestava. Um dia ele me disse que não
queria ser “playboy”.

E eu disse: “Ah, playboy? Moramos de aluguel. Sabia que quem lhe disse
isso está te ofendendo? Onde e de quem ouviu isso? Não são de seus amigos que
conheço desde que nasceram. Você ouviu isso do pessoal que ronda esta
lanchonete? Eles não são seus amigos!”.

Mikha ficava furioso.

“Você não conhece meus amigos”.

“Mas, conheço a vida, meu filho. Quem te chama de playboy te dá bebidas


e cigarros cada vez que você sai na rua, não são seus amigos, ainda mais quando
sabem do que aconteceu”. Ele não ouvia, ele não concordava, não aceitava, não
entendia e não obedecia.

40
E ele quase não saia, não podia. Sua vidinha foi se espremendo dentro da
“caixinha do borderline”.

As medicações mudaram de dose. Depois mudaram de medicação. E dose.


A psiquiatria é assim, tentativa e erro.

Em todo o tempo, nas noites mais sinistras em que ele andava pela casa
inquieto, irritado, batendo as coisas, me desacatando, querendo remédios para
dormir ... outras ele tinha crises horrorosas de choro e desespero, e começava a
falar comigo em inglês.

O que ele detestava em matemática era bom em inglês.

Foi de zero a 100 em poucos meses. A dona da escola adorava o Mikhael e


falou para o Daniel que via o quanto ele era querido ali.

Ele era o segundo melhor aluno da escola, ao saber do problema do


Mikhael, a dona disse que ele não ia repetir o nível. Prometeu ajudá-lo com
algumas aulas particulares e disse que ele ia
tirar de letra. Continuaria indo para o próximo
nível e faria as provas depois.

Ao sair da clínica, no final de junho,


tinha perdido as férias com os amigos, afinal.

Ficou acertado que a volta às aulas da


escola era inviável. Ele não tinha concentração
nem estrutura emocional. Retomaria apenas
para as aulas de inglês.

41
Ele tinha se descoberto com a profissão. Queria ser professor, ter uma
escola de inglês. Se continuasse, poderia prestar o Cambridge no ano seguinte.

Queria fazer a faculdade de letras – em inglês – para ampliar seus


horizontes e possibilidades.

Era um lindo sonho, uma proposta de vida maravilhosa que permitiria


tantas coisas.

Ele queria fazer intercâmbio durante o segundo ano do ensino médio, com
16 anos. Mas esse dia nunca chegou.

Ver seu filho com a vida destroçada é a pior dor de uma mãe.

Ele vinha até mim chorando, balbuciando em inglês, e só Deus sabe como
conseguia me comunicar. Eu não sou fluente para falar. (A gente estava tentando
treinar juntos, também queria melhorar o meu inglês).

Mas, entendia o que ele falava. Estava acostumada ao sotaque e vocabulário


dele.

Em uma ocasião ele me disse, até rindo, que não entendia como eu
assimilava aquela bagunça verbal mergulhada em choro.

Disse que ao falar em inglês era como se ele estivesse falando de outra
pessoa.

Várias vezes, carinhoso e me agradeceu; disse que “minha paciência era


infinita”.

42
“Mal sabe você, meu filho. Eu tinha que me mostrar forte por você. Mas,
meu coração estava em frangalhos”.

Vê-lo sozinho, no quarto fechado, jogando videogame e vendo vídeos no


YouTube, cortava tanto meu coração, que eu queria sair correndo, eu não queria
ver aquilo…

Porque não fui eu que adoeci? Eu já era a borderline, a distêmica, a


depressiva. Tive sintomas por metade de minha vida, e outros por mais da metade
como, a fibromialgia e a insônia.

Isso tudo foi me incapacitando. Só consegui fazer o meu papel de escritora,


porque determinava meu tempo e o horário. Fui mãe em tempo integral e não
carrega qualquer culpa: eu fiz o melhor.

Eu me superei pelo meu filho e pelo meu marido até ficar estável.

Por isso, eu sofri tanto vendo Mikhael daquele jeito.

“Por que, meu Deus, essa doença? Por que a minha maldita genética de
novo? E o Daniel, de novo viver coisas assim? Ele não merece isso!“

*****

Um pesadelo. Uma desgraça.

Era inteligente, até demais. Esperto. Queria “ver a bola azul“; fazer planos
de viagens que não chegou a hora de acontecer.

A porta entreaberta!

Uma saída!

43
“Você não precisa ser playboy“.

“Mikhael é gente como a gente“.

De fato. Ele não desprezava ninguém. Ninguém era ínfimo demais para ser
visto.

“Aqui é chato. Um marasmo. Não tem nada para fazer“.

“Como você aguenta? Você vai obedecer seus pais?“

Ele se aproximou de umas meninas primeiro. Uma tinha os pais mais


permissivos do mundo; a outra era borderline e a mãe optava pelo “dado menor“.

Bebida? Em casa tudo bem.

Quem se importava que haviam menores de idade?

Pais viajando e companhias bebendo até cair.

Então, claro, atrás das garotas tem os rapazes. Às vezes, maiores de idade e
com carro.

Como o Mikhael estava nesses lugares? Mentindo. E nós acreditávamos


nele. Ensinamos a não mentir. Mas, ele não seguiu o que ensinamos.

“Vamos, Mikhael?” E ele foi.

A porta entreabrindo, a porta do Mundo!

“Bebe aí, cara!”

44
Nas primeiras vezes: “não, eu não bebo”.

“O cara não bebe!”

Então, um dia experimenta.

Certo dia, meio sem querer, ele me conta, do cara que perdeu a carta porque
entrou na contramão a toda. Verdade? Podia ser.

Na última viagem com o pai, nas férias, depois da formatura, tudo acabava
de vir à tona.

As saídas. As mentiras. Quando achávamos que ele estava na casa de


vizinhos próximos, protegido… Ele estava no carro de um maluco.

Na viagem mesmo com dinheiro no bolso, pegou um souvenir numa loja.


“Sou menor“. “Estou sem documento.” De onde vinha essa cultura de rua? Eu
estudei isso. Sabia disso. A importância do grupo para o adolescente.

Apesar de tudo, Mikhael aos 13 anos, 14 anos, quando tudo começou era
criança. Não conhecia a malícia e a maldade da vida. A terapeuta chefe da clínica
colocou de forma muito simples.

“Por que? Mas, por que ele se afastou de todos os valores que ensinamos?”

“Pelo grupo. Pela aceitação do grupo”.

O grupo que tinha libertado ele: para o centro de São Paulo, rua 25 de
março e locais longe de casa.

Quando começaram os sintomas da doença, veio a avalanche, tudo


desmoronou de uma vez; onde estavam os grandes amigos?

45
Saindo da pizzaria com o pai no sábado, Mikhael ia até ao McDonald’s
encontrar uma amiga. Estava cinco a dez minutos de distância.

Mikhael não chega. Ela liga para o Daniel, que ficou esperando na pizzaria.
Quando saiu para procurar, ao passar pelo “point” ele viu: alguém dando uma
garrafa na mão do meu filho e ele virando goela abaixo.

Ele não podia passar por ali. Estava tudo bem até então.

“Vai, aí?“

E a desgraça aconteceu. Uma vida interrompida. Aprendi livre-arbítrio.

Ele já não conseguia nem queria parar de fumar ou beber. “Não vou mais
mentir pra vocês”, era vontade de acertar. “Mas se eu sair, eu vou beber”.

Confesso que ficávamos indignados.

Tivemos uns dias bacanas durante uma das suas últimas semanas de vida.

Na sexta-feira, à noite, falei que até a Bíblia não era contra beber, porque
Jesus tinha transformado água em vinho. O problema era se embriagar.

Falei, ao nos despedirmos “Tenha juízo; não misture bebidas. Evite


destilados…”

Não adiantou. Talvez, ele até quisesse obedecer, mas não podia. Os vícios
eram uma tentativa de aplacar a dor da doença.

Quando eu e Daniel olhávamos para ele, não o víamos mais. Não era mais
ele. Seus olhos estavam diferentes. Até sua respiração.

46
“Quais são seus sonhos para o futuro?” - perguntou a última psiquiatra -
com 35 anos de experiência com adolescentes. Ficou com ele numa consulta de
quase duas horas.

Não havia sonhos. Não havia horizontes.

A vaga no IPQHC deu esperança a todos nós. Até


ele se animou; ajudou Daniel a fazer a mala. Na sexta-
feira ele se encontrou com as amigas, mas pediu pra ser
buscado muito mais cedo.

“Ah, Papa… Acho que perdi a capacidade de me


relacionar com as pessoas. Fiquei tanto tempo sozinho no
quarto. O contato social me cansa.”

Eu o vi pouco nesse dia. Deus tinha pedido que eu me afastasse um pouco


dele, e que eu poderia demonstrar que estava magoada. Ele vinha me agredindo
muito. Falando coisas horríveis. “Lembrava” de fatos ruins que jamais
aconteceram. E, afirmava não se lembrar das coisas boas. Na hora da fúria, gritava
que me odiava. Os olhos dele mostravam ódio.

Ele sabia que errava, mas quando vinham esses impulsos de agressividade,
eram incontroláveis. Ele passou a se punir. Passou a dormir no chão: “não mereço
dormir na cama”. Se cortava novamente. Mereço sentir dor. Uma fase terminal de
uma doença pavorosa. Depois vinha, chorava, pedia desculpa e dizia que amava.

*****

No dia da internação na clínica, engolir as lágrimas e fazer o que precisava.


Ambulância, triagem e internação.

47
Despedida.

Na volta para casa eu não conseguia respirar. Só abri o vidro do táxi, e olhei
para fora.

“Não prefere o ar?“

“Preciso de ar”

Dez dias de espera para primeira visita. Um tormento. Daniel chorava o


tempo todo. Entrei no modo frenesi “arrumar tudo” para a volta dele. E chorava
também. É lógico. Parecia que tudo ia ficar bem.

Quando ele voltou para casa, fazia tempo que não via meu marido tão feliz,
tão alegre!

Durante alguns dias, ele é o nosso Mikhael de novo. Entretanto, era


esperado que houvesse recaídas, para depois estabilizar.

E houve.

E ouvir choro, lágrimas no escuro e torrentes de frases em inglês, que eu


escutava.

Meu coração cortado e sangrando.

Porque o dele também estava partido, quebrado, sangrando e se tornando


oco. Tudo que ele foi até os 14 anos se diluiu como tinta posta na água. Cada vez
mais transparente, até não haver nada.

Então, começaram as alterações de medicação. Com elas, alterações de


apetite e de metabolismo. De humor. De agressividade. De sono.

48
Ele passou por uma compulsão alimentar severa. Só ingeria açúcar e
carboidratos em quantidades enormes.

Ganhou peso. Não chegou a faixa de sobrepeso, mas estava bem além do
que costumava ser.

Diante disso, a maldosa doença fez com que ele tivesse asco do próprio
corpo.

Chegou ao ponto dele não conseguir entrar no banho e ver o próprio corpo,
com isso não tomava banho. Não queria se ver “gordo“, embora seu IMC
estivesse dentro da normalidade.

Lavei seu cabelo duas vezes, porque era choro, desespero, insegurança.
“Oh, Deus, meu Deus…”.

Bulimia. Anorexia.

Dias sem comer nada, porque estava gordo, feio, horroroso.

Não adiantava falar, implorar, dar bronca, e explicar os efeitos daquilo


a longo prazo…

Não há palavras para descrever nosso desespero. O quadro dele cada vez
agregava mais alguns diagnósticos, dependência química do álcool, anorexia,
depressão e borderline. Sem falar no fumo desenfreado. Um quadro muito grave.

Naquela sexta-feira, 21 de dezembro de 2018, a esperança do Hospital das


Clínicas.

49
Eu conheço o serviço; a equipe é multidisciplinar, é um dos hospitais escola
da USP, um trânsito de residentes, professores e troca de alunos o tempo todo. As
pessoas são separadas por idade e por diagnóstico, não é uma miscelânea.

Certamente, ele será entrevistado por um grupo de alunos internos, o que


significa receber atenção exclusiva, de pelo menos três ou quatro alunos, além dos
médicos, equipe de enfermagem, equipe de psicologia.

É um lugar onde muita coisa acontece e há muito respeito pelos pacientes.

*****

No dia 22 ele se matou. No dia 23 de dezembro, no dia em que a médica


encerrava seus atividades do ano, a vaga no Instituto de Psiquiatria do Hospital
das Clínicas surgiu.

Ela ligou, toda contente, no fim da tarde: “tenho boas notícias!” - disse ao
Daniel.

“Naquele dia mesmo eu dei andamento no pedido da vaga, queria


encaminhar o Mikhael o quanto antes. Pedi urgência, mas nem acreditei que a
vaga surgiu hoje, no domingo?! Olha, vocês tem que ir pra lá e dar entrada
hoje…“

“Doutora… Não adianta mais”

“Como assim?“

“Acabei de sepultar meu filho. Ele se suicidou“.

50
Uma médica experiente. Que tinha dado guia de encaminhamento para o
serviço de enfermaria em que ela confiava, caso houvesse a mínima
intercorrência, antes de surgir a vaga. Ela disse que não viu sinais de que havia
perigo iminente. Nem o Daniel, nem eu, porque ele chegou contente do encontro
com as amigas.

Daniel foi deitar. Quando percebi, Mikhael tinha desligado a televisão e


também foi dormir. Fui me deitar às 6h30 da manhã.

Alguma coisa aconteceu à noite… Medo de ser internado de novo. Ele


havia dito que se mataria antes disso acontecer, mas foi um pânico não
premeditado.

Eu choro e me pergunto: “por que ele não veio até a sala como tantas vezes
fez, e quando não conseguia dormir?”.

Deitava no sofá, ficava mexendo no cabelo dele e aí, rapidamente ele


adormecia.

“Por que eu não fui lá antes dele dormir? Por que não fui falar melhor do
IPQ para ele?”.

É que ele já sabia tudo, inclusive que o horário das visitas era liderado. E,
todos os dias. O pai ou mãe podiam inclusive dormir com ele. Isso, na hora da
consulta, o deixou contente. Nós também.

Havia muita esperança no ar…

*****

51
Ele devia estar esperando eu subir para deitar. 6h30. Saiu pela janela. O
horário da morte foi 8h12 da manhã.

E ele se foi. Sem um bilhete. Sem um abraço de despedida. Sem pestanejar.

Um acesso de loucura. Foi uma doença terrível, que transformou sua


personalidade completamente.

O Mikhael que nós criamos, o Mikhael que todos conheciam, nunca agiria
assim. Mas a dor tinha que acabar.

*****

E a desgraça desse ano, pela Graça do Pai, com o tempo, com a cura das
feridas e dos espinhos, vai diminuir até um latejar surdo. Vão ficar as saudades,
que já são grandes, porque ele já não estava aqui, há muitos meses. Era uma casca
que respirava, uma pessoa desconhecida, imprevisível e sofrida.

Doía nele. Doía em nós. Eu queria poder não olhar, queria poder fugir… Eu
queria ficar no lugar dele.

Como pedi pra Deus mais uma vez, “deixa o Mikhael bem; eu vou aguentar
melhor; estou mais acostumada a esse tipo de dor”.

Eu experimentei todos os sintomas dele, até anorexia, compulsão… Meu


coquetel de remédios dava arrepios nos cabelos de qualquer um, até dos médicos.
Se alguém precisava morrer, podia ter sido eu.

Nem nos nossos piores pesadelos podíamos imaginar esse desfecho.


Compreendemos o propósito. Aceitamos o propósito. Mas a dor é grande demais.

52
Em breve, estaremos juntos. Pena que a máquina de tempo terrestre é tão
lenta.

Como Paulo, terminaremos com honra. Não falta muito…

“Combati o bom combate, terminei a carreira; guardei a fé”.

*****

53
54
Mikhael Conta

Página 1

Eu sei que não sou importante para você garota, mas você é muito
importante para mim.

Onde você está?

Fique tranquila, eu volto amanhã.

Meus amigos te xingam, porém eu entendo eles, falo com você uma vez por
semana.

Acordei em um dia muito estranho, não senti que estava acordado, era
como se ainda estivesse em um sonho.

Quando se tem insônia, você nunca sabe se está acordado ou não.

By C. (colega de clínica – escreveu no diário)

Página 2

Eu acho que cheguei num ponto que não há nada a fazer... então, eu vou
escrever algumas palavras aqui.

Eu vou começar contando a todos vocês sobre pessoas que conheci aqui.

C.: ele é bom, um dos poucos amigos aqui... Infelizmente, ele está saindo
em 5 dias! Quero dizer, eu estou feliz por ele, claro, mas vai ser esquisito sem ele
aqui...

55
A.: ele é o cara MAIS ESPERTO nesta merda de lugar! Ele é tipo tímido e
antissocial, mas ele é um cara bom, uma vez que você começa a conhecê-lo um
pouco mais. Ontem à noite, ele teve que ir para a Enfermaria Intensiva

H. (ou L. apelido): Ela é uma menina tão fofa quando está feliz!!! Quando
eu a vi pela primeira vez, ela estava no sofá chorando. Eu também estava
preocupado com ela, porque eu não a tinha visto o dia inteiro...

Página 3

Ch.: no começo eu gostava dele, mas então eu percebi como ele era infantil
(e ele é também muito violento).

An.: Ele também estava saindo em apenas alguns dias. Eu não estou tão
triste em relação a ele, porque eu falei com ele somente uma vez. Eu tenho que
dizer que ele é muito engraçado e tudo, mas para mim, ele não parece ser uma boa
pessoa.

*****

É a mesma hora desde que escrevi aqui, mas eu quero dizer algumas
coisas...

Eu ainda acho que An. é uma pessoa tóxica, mas eu quero conhecê-lo um
pouco melhor.

“Você sabia que ele é adotado?”.

Agora, eu acho que posso entender sua culpa um pouco melhor... Sua
família toda não gosta dele, porque ele é alcoólatra e tudo... Mas, ele quer ficar
melhor, eu posso sentir isto.

56
Página 4

Bom, deixando este episódio, podemos continuar?

Jo.: Ele é grosseiro, irritante, barulhento e violento. Basicamente, eu não


poderia odiá-lo mais.

Mw: Ele é super legal, gentil e fofo, mas algumas vezes ele fica tão triste...
Pobre Mw.

Fullulu: Este é um nome falso, claro... Mas, deixe-me contar sobre este
garoto... Ele é um idiota, e eu odeio sua personalidade.

*****

Eu, definitivamente, odeio depressão... Por que eu tenho que ser


depressivo? Por que alguém tem?

Depressão levou tudo de mim... Minha casa, minha família, meus


amigos, meu foco nos estudos, minha saúde mental e a coisa mais importante
de todas:

Página 5

MINHA FELICIDADE. Bem agora, eu estou triste, e queria saber,


porque?! Eu não estou arruinado, sabe!!! Este tipo de coisa acontece o tempo
TODO, e agora eu também estou irritado, porque eu não consigo ficar
melhor.

*****

Eu fumei novamente. Eu estava tentando parar, mas eu consegui somente


quatro dias... Eu vou tentar novamente algum dia... Eu espero.

57
Hoje, tivemos uma briga enorme no corredor. Ch. contra Harry Potter.
KKK! Ch. foi para a EI (Enfermaria Intensiva), e a enfermeira foi empurrada
pelas costas (arremessada).

*****

Eu não me sinto bem, estou preguiçoso e perturbado. Isto tem poucos


dias, mas eu estou pior hoje... Eu espero que eu fique melhor amanhã, mas eu
não tenho certeza de que isto acontecerá.

*****

Outro dia, começou no inferno e aqui eu estou. Eu me sinto um pouco


melhor (só um pouco). Eu acho que a febre está diminuindo, finalmente.

Sobre a briga de ontem, nós nos ferramos, porque agora TODOS os garotos
estão trancados na área dos quartos.

Página 6

MERDA, EU GOSTARIA DE ESTAR MORTO de novo.

Página 7

58
Eu ainda não estou bem quando se trata da minha doença, mas quem
se importa, certo?

Hoje, estou ficando realmente estressado com um garoto chamado Aracú


(nome falso novamente, garotos não se preocupam comigo). Este filho da mãe não
gosta de mim, por desconhecidas razões, e ele não para de roubar minhas coisas.
Ele é uma das poucas pessoas aqui que eu realmente não gosto, se não for o único.

Há muitos outros filhos da mãe aqui, mas Aracú é o único que eu não posso
lidar, e fazer coisas um pouco piores, como você já sabe, todos os garotos estão
trancados na área dos quartos masculinos!

Você pode entender o que eu estou dizendo?

*****

Poema

Tentar mudar sua mente

É como o tempo

E você não faz

Meu coração bater como você costumava fazer...

Eu tenho esperado por um sinal

Nós poderíamos salvar uns aos outros para o melhor

Página 8

Minha mente é uma pista

59
E está ficando difícil de respirar.

Você está lá?

Me conte

Você está lá?

Mude se você quer mudar

Você está lá?

Me conte

Você está lá?

Talvez, um dia nós voltaremos juntos.

*****

Todo o meu corpo dói, pessoas acham que eu estou depressivo


novamente, mas é só uma dor física que eu sinto.

O que mais me dá raiva é que basicamente tenho que implorar para a


enfermeira por uma simples medicação.

*****

Você sabe, eu sofri muito bullying quando eu era mais novo, e agora eu
sinto que irá começar tudo de novo.

Página 9

60
Aracú, simplesmente não me deixará sozinho. E já falei para todos vocês
que ele está sempre tentando roubar minhas coisas, mas agora ele não vai parar de
jogar coisas no meu cabelo e me incomodar. Eu sei que não é muito, mas eu já
passei por isto antes, sei que isto é só o começo.

*****

Eles roubaram minha caneta e está ficando difícil não chorar...

Se as coisas não melhorarem logo, eu vou me matar...

A coisa é: Como eu vou me matar num lugar especialmente feito para


tomar conta de suicidas?

*****

Por alguma razão, a clínica está quase vazia, mas Deus, como parece
enorme! Sem todas aquelas pessoas irritantes, este lugar pode ser realmente muito
relaxante... A enfermeira pensa que eu estou triste, mas não é agradável ter tempo
para você mesmo?

*****

Tem poucas horas desde que eu vi Aracú pela última vez.

Página 10

Eu não sei o que aconteceu com o garoto, mas eu não me importo, porque é
maravilhoso não tê-lo ao meu redor...

61
DESENHO
Cabeça do Menino: “minha
mente”
Balão: esta é a razão... para
chorar?!
Círculo: literalmente nada

*****

Eu realmente não sei o que está acontecendo comigo, mas por alguma razão
eu não aguento mais o Fullulu. Eu já disse que eu não gosto da personalidade
dele, e talvez seja isto! Ele é tão idiota!

*****

Página 11

Eu tenho uma coisa boa para contar agora: meu pai me disse que ele não me
deixará aqui por mais de um mês.

*****

Eu estou bem triste agora, tudo o que eu quero fazer é chorar...


Infelizmente, eu não posso, porque provavelmente eu teria que ir para a
Enfermaria intensiva...

62
Pelo menos, Aracú está lá agora, porque ele amaldiçoou um dos
professores. Kk.

*****

Hoje eu me sinto muito melhor em relação a tudo! Mas, as pessoas parecem


não acreditar muito nisto... Eu não vou mentir, eu estou com receio deste dia,
porque todas às vezes em que acordei me sentindo bem, as coisas acabam num dia
ruim...

*****

Nós fomos ao jardim por uma hora, e é muito relaxante porque quase todos
os meninos vão jogar futebol ou se jogar na piscina, e somente eu e a professora
(o nome dela é T., e ela é legal), e meus poucos amigos, é claro, ficamos
conversando.

Página 12

Mas, eu gostaria de dizer: EU TENHO QUE me livrar do Fullulu! Ele está


ficando SUPER irritante... Ele só fala sobre o quanto ele quer um cigarro, e o
quanto violento ele é... blá blá blá.

Eu acho que ele está se tornando tóxico como o inferno, para uma pessoa
como eu (um depressivo), porque ele só reclama sobre tudo, e eu tenho que me
manter positivo. Algumas vezes, ele vem bem na minha frente só para cortar seus
braços, QUE DROGA?! O que você está tentando fazer? Chamar minha atenção?
Me fazer ficar aqui um pouco mais? Não sei, mas está me estressando de verdade.

*****

63
Eu sempre quis falar (atualmente escrever, não me importa kk) sobre um jogo
aqui, mas eu nunca tive paciência. Apesar de que agora, eu não tenho nada para
fazer! Eu acho que este é o melhor momento para isto! O jogo sobre o qual eu vou
falar é: Persona 5.

Página 13

Persona 5 é um JRPG, liberado no início de 2018. O jogo conta a história


de um adolescente chamado Hitsu, que é injustamente processado por violência
contra um político. Ele é levado para Tokio, no Japão, e ele vai passar um ano sob
liberdade condicional, de outra maneira, ele vai ter um registro criminal para o
resto da sua vida.

Hitsu agora estuda na Academia Shujin, e lá, ele encontra um enorme


segredo, que mudará sua vida para sempre! (Você vai ter que jogar se você quiser
encontrar Niggy).

Quando se trata da jogabilidade, nós temos duas diferentes “partes”: no


mundo real, quando você vai viver a vida de um adolescente normal, significa que
você vai ter que estudar para as provas, sair com os amigos que você faz ao longo
da história, conseguir emprego, etc.

Atenção: Eu vou continuar falando sobre P5 quando eu estiver a fim, ok?

Página 14

Se há uma coisa que eu já aprendi sobre este lugar é que TODOS os


domingos são chatos como o inferno (eu poderia dizer que todos os dias aqui são
chatos, mas esta clínica realmente tem seu pontos altos).

*****

64
“Era uma vez, o dia em que todo dia era bom, delicioso gosto e o bom
gosto das nuvens serem feitas de algodão. Dava para ser herói no mesmo dia em
que escolhia ser vilão, acabava tudo em beijo, colo, um carinho e talvez um
arranhão. E tudo voltava a ser novo no outro dia sem muita preocupação. É que
a gente quer crescer, e quando cresce quer voltar ao início, porque um joelho
ralado dói bem menos que um coração partido”.

Página 15

Tradução da letra da música de inglês para o português.

*****

Página 16 e 17

Página 18

Às vezes, eu me pego pensando... Quando as coisas ficaram tão


erradas? Quando eu cheguei aqui?

65
Minha vida era feliz, algum dia... Quando eu era uma criança! Eu não
tinha amigos, de qualquer maneira, mas eu não me importava! Eu costumava
assistir desenhos como Pokémon e Scooby-Doo, jogar vídeo game, escalar
árvores e muitas coisas.

Mas, então eu cresci e, pouco a pouco, este Mikhael morreu e agora seu
corpo morto permanece perdido no meu passado.

Pirulitos tornaram-se cigarros. O delicioso suco de laranja feito pela


mamãe virou vodka pura. Ambos ilegais.

Eu fiquei triste com todos estes acontecimentos, então eu percebi pela


primeira vez que eu não temeria mais a morte.

Então, eu tentei, eu tentei acabar com esta vida, eu quase consegui, mas
eu tive sorte (sorte ou azar?).

Página 19

E depois disto tudo eu acordei em um hospital, tudo escuro, eu mal


conseguia ver nada, mas eu pude ouvir minha mãe chorar, então eu perguntei a
ela:

- Mãe, o que aconteceu?

- Você está em coma por quase um dia, filho.

- Você pensou que eu ia morrer, mãe?

- Sim, eu pensei.

E, então eu adormeci novamente.

66
E, finalmente, eu cheguei aqui, o pequeno pedaço do inferno que nós
chamamos de Clínica.

*****

Eu apenas explodi com Fullulu. Ele não parava de cortar seus braços na
minha frente!

Agora, eu estou estável, mas eu estou me esforçando para me manter assim


e tudo, e se eu tiver que excluí-lo da minha vida, então eu farei.

Página 20

C. está saindo amanhã... Eu não posso falar de verdade como eu estou me


sentindo... Porque eu não sei... Eu estou feliz por ele, triste porque eu não vou vê-
lo novamente (por enquanto), assustado porque eu estou perdendo um dos meus
dois amigos aqui (e não ter aliados aqui pode ser perigoso).

Basicamente, tudo está misturado na minha cabeça agora.

*****

Eu já te contei que aqui todas as noites nós temos uma questão? A questão
de hoje à noite é que os meninos quebraram uma cama! Foi um escândalo! A
coisa boa é que meu colega de quarto foi para a EI (Enfermaria Intensiva). Ele não
é um garoto ruim, mas agora eu tenho o quarto só para mim!

67
*****

Página 21

E, finalmente o dia chegou. C. está oficialmente terminando sua história


aqui na clínica em poucas horas. Isto é estranho como o inferno! As coisas,
definitivamente, estão ficando piores para mim aqui. Eu acho que a melhor coisa
para mim agora é: novos aliados! Quanto menos aliados você tem, mais
vulnerável você ficará.

*****

Sim, é isto... C. foi para a realidade agora. Eu dei a ele meu boné roxo, pelo
menos ele terá alguma coisa para se lembrar de mim. Kkk.

Eu não estou triste (só um pouco), eu só estou chocado... Quem vai


incomodar Aw. e nos fazer dar risada? Quem vai me acordar de manhã? Merda,
nós perdemos um amigo.

*****

68
Há um garoto chamado Di. aqui, e ele é definitivamente, muito estranho.

Página 22

Ele dorme o dia todo, mas hoje ele estava acordado, e enquanto ele tava
falando comigo, eu percebi algumas coisas, ele queria que eu escrevesse uma
carta para a L. (lembra dela?), então ele ficou bravo comigo porque ele não gostou
da carta que eu escrevi.

Ele também é um idiota! Ele pensa que homossexualismo é errado, porque


“a bíblia diz que é”, e ele é gay.

Mas, esqueça sobre todas estas loucuras!

Vamos falar sobre coisas boas! Hoje é meu 16º dia aqui, e eu estou indo
para o dia 20! Agora, pense comigo: se eu vou sair em 30 dias, então eu deveria
sair em 14 dias! Isto é realmente legal!

*****

Aracú está de volta, mas para minha surpresa, ele não está me incomodando
muito. Isto é muito bom, hehe.

Agora, todos os garotos estão jogando futebol americano, menos eu e A.,


kkkk...

Página 23

A. está lendo um livro sobre um serial killer, e eu estou escrevendo várias


coisas aqui.

69
É interessante assistir ao comportamento de todo mundo. Mw., por
exemplo, estava tentando ser legal com os mais novos, mas neste ponto do jogo,
ele está muito estressado, eu acho.

*****

Eu acabo de receber uma grande bomba! Fullulu GOSTA DE MIM!!!


Como, inferno?! Eu estava lendo o meu livro e ele entrou no meu quarto.

Ele me disse:

- Há alguém que eu gosto, mas esta pessoa não gosta de mim (não
retribui)...

Então, eu perguntei:

- Quem?

- VOCÊ

Página 24

QUE DROGA!

Eu fiquei em PÂNICO! Eu não quero que ele fique com o coração partido,
mas o que eu posso fazer? Namorar ele contra a minha vontade? DE JEITO
NENHUM! Eu até tentei conversar com ele, mas ele ficou bravo e saiu...

Eu até pedi conselho para o Aw.! Ele só podia rir, mas como eu posso
culpá-lo?! Até eu estava rindo muito, porque eu não estava esperando por isto, de
qualquer maneira!

70
*****

Página 25

Agora, eles roubaram minha caneta de verdade. Eu estou escrevendo com


um lápis que eu encontrei. Eu sabia que eles a roubariam de qualquer jeito, por
que eu estou surpreso?

*****

Fullulu até tentou se matar, isto é uma grande merda! Esta MERDA de
inferno não pode ficar pior agora.

Ele veio até mim e disse que foi bom ter me encontrado, e foi para o seu
quarto. “Que esquisito” eu pensei.

*****

A cena do M. (nome real do Fullulu) não sairia da minha cabeça. Todas as


vezes que eu fecho meus olhos, eu vejo os mesmos flashes. Era horrível. Eu tenho
certeza que eu não vou dormir esta noite. Eu, provavelmente, vou conversar com a
Y. (uma das médicas aqui), e buscar algum conselho.

*****

Página 26

M. ainda não está de volta, e eu meio que já sabia o que aconteceria, mas
agora está ficando real: eu nunca verei M. novamente. Eu gostei dele, como um
amigo, mas eu sabia: eu vou perdê-lo... Eu me pergunto se ele ainda está vivo.

71
Eu até tive um sonho sobre isto. Eu estava com ele, na clínica, e ele estava
conversando com outros garotos, mas seu pescoço estava cortado! Mas, ele ainda
falava normalmente.

Eu perguntei para a Y. sobre isto agora, e ela me disse umas coisas bem
interessantes, como bloquear este tipo de pensamento.

*****

Hoje, eu não fiz uma única coisa, além de ler, é claro. O Trono de Vidro é
um livro bom, talvez não o melhor que eu já tenha lido, mas um bom livro.

*****

A terapeuta veio e me disse que M. está oficialmente BEM! Agora eu posso


dizer com certeza que SALVEI a vida de alguém (que estranho dizer uma coisa
como esta).

*****

Página 27

Que merda é esta!? M. está de volta.

Eu pensei que ele não estava voltando, mas estava! Eu senti como num
sonho quando eu o vi vivo, andando, conversando etc.

Foi como no meu sonho, porque ele tem uma estrela grande no seu pescoço,
mas ele ainda parece normal, e até um pouco mais sorridente, em minha opinião.

*****

72
Meu pai me disse que eu vou sair deste lugar em 45 dias (máximo). Eu tive
dois sentimentos em relação a isto: eu me senti aliviado porque eu sei quando eu
vou sair daqui, e também um pouco triste, porque vai levar um longo tempo.

*****

Eu estou ficando tipo triste porque eu entendi que eu não estou nem na
metade do meu tratamento.

45-20=25 dias, este é o caminho que espera por mim, e o pior: Aw. está
saindo também...

Página 28

Eu sinto que eu vou acabar como o pequeno Vic.... Uma criança solitária,
perdida aqui, no meio de lugar nenhum.

*****

Aw. está fora durante o dia e eu tenho que admitir... Não é tão ruim! Eu
acho... É chato de fato, mas não é desesperador como eu pensei que seria.

*****

Meus pais vieram me visitar, mas honestamente, eles simplesmente estão


deixando as coisas piores... Eles não pararam de me contar quantas restrições eu
teria, ou quão fragilizadas as minhas emoções estão, e tudo mais.

Agora mesmo, eu não queria ficar aqui, mas ainda eu não quero ir para
casa, porque eu sei quão ruim as coisas vão ficar.

Página 29

73
Para ser MUITO honesto, tudo o que eu quero é paz, eu quero ser
deixado em paz, e isto é tudo... Mas, em casa, eu tenho certeza que eu não
terei paz... Eu terei que fazer alguma coisa todos os dias, eu não serei
autorizado a sair de casa sem meus pais, e tudo. Talvez este lugar fosse
melhor para mim.

*****

Esta clínica é estranha, muitas pessoas sumiram, eu não vi nenhuma


garota hoje... Tudo está ficando cinza novamente... Eu não tenho objetivos de
vida agora, você sabe? Minha principal razão para viver era ir para casa,
mas agora... Qual é meu objetivo agora? Sair daqui e viver para sempre
sozinho com meus pais me arrastando de um lado para o outro, tendo
NENHUMA liberdade?! Eu sinto muito, mas eu não posso ver como isto pode
ser bom...

PROIBIDO PROIBIDO PROIBIDO


FUMAR ÁREAS BEBER
EXTERNAS

Página 30

PROIBIDO PROIBIDO
VIDA SOCIAL LIBERDADE

Página 31

Quando eu era menor, meus pais me perguntavam o que eu queria


fazer quando eu ficasse mais velho, e você sabe o que eu respondia?

74
- Eu quero explorar a bola azul! (a bola azul significa o mundo, no caso
de você ser um idiota kkk).

Então eu fiquei mais velho, e eu poderia iniciar minha exploração em


uma escala menor, mas eu já estava feliz! Mas, então, eu fui proibido de
voltar para casa tarde, e agora eu não posso nem sair de casa sozinho...

O que aconteceu com o meu sonho?

*****

Quando nós vamos ao jardim, tipo me lembra às vezes que eu me reunia


com alguns amigos para beber e ter alguma diversão... Tudo que nunca mais será
repetido...

Eu quero chorar... Não por causa de todas as coisas que eu acabei de dizer.

Realmente, eu nem sei porque eu quero chorar... Eu gostaria de ter algo


para me sustentar agora mesmo. Isto é tudo o que eu preciso para continuar.

*****

Página 32

PARTE 1

Se eu te dissesse que ia somente machucar.

Se eu te avisasse que o fogo ia te queimar, você prosseguiria?

Você me deixaria fazer se nós

75
Fizéssemos tudo isto em nome do amor.

Você me deixaria conduzir mesmo quando estiver cego, no escuro, no meio


da noite

No silêncio, quando não há ninguém ao seu lado.

Você chamaria em nome do amor?

PARTE 2

Se eu dissesse a você, nós enlouqueceríamos com todas as mentiras.

Você subiria? Viria me encontrar no céu.

Página 33

Você confiaria em mim?

Quando você pula de trás!

Você cairia em nome do amor?

Quando esta loucura, quando este veneno na sua cabeça, quando a tristeza
deixar, você quebrado na sua cama, eu abraçarei você, nas profundidades do seu
desespero.

E tudo isto é em nome do amor!

PARTE 3

76
Eu queria testemunhar, gritando a mentira sagrada, você me trazendo de
volta para a vida.

E isto é tudo em nome do amor!

*****

Eu cheguei à conclusão que eu não odeio este lugar, eu odeio as pessoas


aqui... Há algumas realmente ruins e pessoas irritantes aqui, e por causa destas
pessoas, este lugar tornou-se um pedaço do inferno...

Página 34

Agora, tudo o que eu quero é meu pai e minha mãe aqui para me
abraçar... Eu estava bravo quando eles vieram pela última vez, e eu sou um
idiota por ter sido um idiota com eles...

Eu não quero morrer novamente...

*****

Aqui começa a grande merda, bomba! Estou fora. Estou fora da clínica.
Meu pai só veio, fez algumas perguntas, e então ele disse que me levaria para
casa! Eu tive um grande dia, mas então eu percebi como eu estou ferrado!

Se eu saísse da clínica, eu estaria ferrado. Agora, se eu sair da clínica, eu


vou ferrar com todos os outros, todos os outros, todos os outros!!!

Página 35

Eu só estou preocupado...

77
Eu mal posso resumir...

Desculpe, eu fiquei um pouco estressado (por


ter riscado e rasgado a folha).

*****

Página 36

Em Branco – Página rasgada

*****

Página 37

Página 38

78
*****

Página 39

23/07/18 – 12h43

Meu pai quer me levar ao shopping novamente! Ele acha que eu estou triste
de novo, porque ontem eu tive permissão para sair, mas eu não quis... Eu não
estou triste, tudo o que eu queria era jogar videogame e relaxar... Mas, meu pai
não queria me deixar sozinho em casa, e eu até o entendo... Ele tem suas razões
depois de tudo.

*****

23/07/18 – 15h41

Eu estou triste novamente, e eu sei que é normal que ele fique preocupado,
mas eu sou culpado, porque quando eu estou triste eu deixo meu pai triste... Ele
chora somente porque eu fico nervoso com ele... Eu não quero ser tóxico para
ninguém! A grande questão é que eu não posso controlar minha raiva. E para
tornar as coisas um pouco piores, minha mãe me deixa muito nervoso algumas

79
vezes, porque ela parece não entender que eu não estou 100% bem e ela fala sobre
coisas que não me fazem tão bem.

Eu não vou mentir, hoje eu pensei em cortar meus braços novamente, mas
eu não pensei em suicídio. (não ainda, pelo menos...)

Página 40

Toda hora eu sinto que eu estou incomodando alguém nesta casa, pelo
menos na clínica eu sei que se eu ficasse quieto, eu não incomodaria ninguém.
Agora, a questão é: Eu deveria ter vindo embora? Para mim, está tudo bem, mas
eu não sei se é o melhor para os meus pais, especialmente meu pai, porque ele é o
maior afetado por esta situação.

Agora mesmo, ele pediu para jogar vídeo game comigo, mas eu
simplesmente não tenho força para fazer isto neste momento... SOCORRO!

Se eu estou vivo, por que?

Deus, por favor, me diga: Qual é a lição? Qual é o ponto? Deus me dê um


sinal, ou eu terei que desistir? Estar vivo machuca demais.

Eles disseram: eu vou abraçar você, nas profundezas do meu desespero.

80
Mas, agora eu me encontro sozinho. Eu não aguento mais! Todo este
barulho, todas estas pessoas falando, está ficando cada vez mais difícil respirar,
mas ninguém parece perceber! Talvez eles não se preocupem tanto quanto
parecem fazer.

Página 41

Página 42

23/07/18 – Uma hora qualquer

Meus pais pegaram meus cigarros novamente, porque eu estou bravo! Mas,
o gatilho não é o hábito de fumar! Eu me odeio por deixá-los para baixo, a
verdadeira questão é que os cigarros NÃO são o gatilho.

81
Agora eu vou passar 3 dias sem fumar! MERDA! Agora eu estou realmente
ferrado.

Eles dizem que querem ajudar, mas isto obviamente não está ajudando!

Quando eu fico bravo, não é um grande negócio, mas eles fazem pequenas
coisas que fazem com que eu fique mesmo mais bravo!

Meu pai já disse que pode ser que eu vá para outra clínica... Sim, eu acho
que nasci para viver no inferno de qualquer maneira.

Página 43

Este garoto encontrou a paz.

82
Página 44

Esta garota encontrará muito em breve.

Página 45

Eles vão se encontrar no escuro.

Página 46

Ou talvez no céu.

83
Página 47

Talvez até no inferno.

Página 48

23/07/18 – 10h35

Agora eu vou voltar para a clínica com certeza! Quando eu estava tomando
banho, eu peguei alguma coisa afiada e cortei minhas pernas. Eu estou tentando
ficar calmo, então eles não me encontrariam, mas eu sei que vão e então, eu
voltarei para aquele lugar horrível, e desta vez, eles não me tirarão de lá. Meses,
meses e mais meses trancado no inferno.

Quando eu me refiro ao inferno neste caso, eu não quero dizer o verdadeiro


inferno.

Eu já quero fumar, mas eu não posso! Eu simplesmente não sei o que fazer!
Eu quero chorar, mas ao mesmo tempo, eu quero cortar meus braços (este é o
motivo de eu ter feito aquilo na minha perna), e eu também quero socar alguma
coisa até que ela esteja morta (eu não estou brincando e estou preocupado). Além
disso, eu quero beber gasolina. É desesperador porque, obviamente, eu não posso
fazer nada daquelas coisas, e aparentemente NADA pode me segurar. Eu já tomei
três comprimidos de rivotril e não sinto nenhuma mudança, pelo amor de Deus!!

Página 49

Eu também queria te contar sobre um sonho que eu tenho tido desde que eu
saí da clínica... Eu sempre sonho que as pessoas de lá estão sussurrando sobre
mim... Coisas como “ele era um idiota de qualquer maneira”, “Obrigado Deus por

84
ele ter saído”, “ Eu não poderia aguentá-lo mais”, “ Eu espero que ele morra lá
fora” e etc.

Neste sonho, os amigos que eu fiz lá estavam dizendo todas aquelas coisas
horríveis, então eu sei que é um sonho de mentira, mas ainda me incomoda
bastante...

Eu não sinto mais vontade de morrer, mas algumas vezes, só por um curto
momento, eu sinto que desapareço, só partindo para sempre e nunca mais
voltando. Claro que eu não faria! Eu não sou tão burro... Eu sou menor, então eu
não posso sair de SP por minha conta, eu não tenho dinheiro suficiente, e não
tenho um lugar para ficar. Mas, algum dia, em um futuro distante, eu deixarei
todas aquelas pessoas de plástico aqui.

Eu prometo.

Página 50

PROMETIDO

(socorro, eu preciso de um cigarro).

Página 51

Atualmente, eu acho que há um jeito para eu pegar meus cigarros de volta...


Deixe me explicar:

Meus pais acham que o maior problema é meu hábito de fumar, então eles
não vão me deixar fumar por alguns dias, mas se eu continuar agindo como um
maníaco total, e fizer coisas ainda piores, eles finalmente vão perceber que
cigarros não são uma questão! Então, finalmente eu voltarei a fumar.

85
Eu sei que eu estou ficando mais forte em relação aos medicamentos, mas
ainda tem bastante efeito sobre mim, então não me importo se escrever algo
errado, ok? Eu tomei três comprimidos de rivotril, depois de tudo...

Agora eu estou sozinho, minha mãe está no banheiro, e meu pai está
dormindo. Eu poderia facilmente me matar agora (neste exato momento), mas eu
não farei. Eu quero, mas por algum motivo eu não farei. Eu só me cortei e tudo
vai ficar bem. (Eu espero).

Eu me sinto culpado pelo meu pai...

Página 52

Quando eu voltei da clínica, e eu nunca vi meu pai tão feliz antes na minha
vida e agora ele está bravo e triste por MINHA causa! Porque eu fiquei pior... Eu
não cuido de mim, mas eu realmente me importo com ele, e com minha mãe
também, é logico. É minha culpa, eles estarem se sentindo deste jeito! Eu
tenho que ficar melhor o mais cedo possível.

Quando eu tentei me matar, tudo o que eu queria era paz, mas agora tudo o
que consegui é mais e mais problemas. Eu não posso sair do meu quarto hoje à
noite!

Pelo menos, há uma boa notícia! Eu vou ter uma casa na árvore no jardim!
Não vai ser enorme ou coisa assim, mas já é algo! Apesar de eu tratar meu pai
como merda, quando eu estou nervoso... Eu me sinto mal por isto.

*****

86
Página 53

Quem eu amo (de verdade)

Coração dividido em 3 partes:

v amo
v quase amor
v odeio

Confuso

Nota: eu farei a mesma coisa na próxima página.

Página 54

TERAPIA – PARTE 1

EU GOSTO E EU FAÇO EU GOSTO, MAS NÃO FAÇO

- jogar videogame - ficar feliz

- sair - criar novos projetos

- ouvir música - ser positivo

- ficar com meus pais - dormir sem rivotril

- fumar - beber

- eu estou tentando fazer as coisas - fumar


voltarem ao normal na minha vida
- usar drogas fortes

87
- me matar

NÃO GOSTO, MAS FAÇO NÃO GOSTO E NÃO FAÇO

- sorriso falso - não usar drogas

- me machucar - eu não tenho tentado me matar


desde a última vez
- pensar sobre morte
- eu não cortei meus braços (ou
- ficar quieto quando preciso de
pernas)
ajuda
- eu não matei ninguém
- brigar com meus pais

- beber quando eles não estão por


perto

- ficar triste do nada

Página 55

TERAPIA – PARTE 2

Tabela dividida em:

v Amo (Apreciar)
v Quase lá (Conversar)
v Odeio (Evitar)

*****

88
Página 56

Eu realmente não acho que estas coisas de terapia vão funcionar, MAS
vamos ver, certo?! Eu vou desenhar alguma coisa, QUALQUER COISA! Só
porque eu quero.

(caixa do border)

Eu estava errado, sinto muito... A coisa é que eu não sou bom em nada,
além do Inglês, e isto é completamente inútil se você pensar sobre isto...

Página 57

89
Página 58

Eu gostaria de poder ser bom em alguma coisa, pelo menos alguma coisa,
porque inglês não é o suficiente para me dar um bom futuro, entende? Eu me sinto
tipo inútil por isto... Meus pais não me falariam isto, mas eu sei que eles
esperavam mais de mim, e então eles descobriram que eu sou um fracasso em
absolutamente tudo! Eu deveria ser mais, eu deveria deixá-los orgulhosos! Mas,
eu simplesmente não posso...

Página 59

Página 60

Você sabe o que isto significa? Morte, e tudo o que eu queria agora era
morrer, mas então eu destruiria a vida dos meus pais. Eu sei, porque eu já
tentei antes, e agora as coisas estão piores para mim. Para eles, eu tenho
cinco anos de idade.

Agora imagine como a vida deles seria se eu tivesse tido sucesso na


minha tentativa (eu quase tive). Eles estariam destruídos. Mas, agora eu
penso: no estado em que estou, eu sou claramente tóxico para eles, se eu

90
talvez deixasse a vida deles, as coisas não seriam melhor? Não me entendam
mal, eu não vou me matar.

Página 61

Mas, se eu for para a minha futura casa da árvore?! Eu estou honestamente


pensando sobre realmente morar lá!, É claro, lá não tem cozinha, nem banheiro,
mas eu posso encontrar um jeito para tudo! Tão logo a casa esteja pronta, é claro,
KKK.

*****

26/07/18 – 1h26

Eu levantei triste e novamente meu pai estava tentando me acalmar, e então


eu fiquei bravo e tudo o que pude fazer, foi gritar com todo mundo e quebrar um
copo. Meu pai ficou tão nervoso que ele tomou três comprimidos de rivotril para
dormir! Tipo, como eu posso ser TÃO irritante quando eu nem quero ficar
nervoso.

Página 62

Mas, há boas notícias! Minha casa da árvore vai ser maior! Eu juro por
Deus que eu vou viver naquele lugar! Você pode imaginar? No lugar onde
somente você tem autorização para entrar! Eu não posso fazer nada lá dentro, mas
tudo bem! É o MEU lugar! MINHA casa.

Agora mesmo eu me sinto triste, só um pouco bravo e MUITO ansioso.


Não é por causa da casa da árvore, eu só sei que é realmente ruim! Porque agora
eu quero sentir dor, mas se eu me cortar eu voltarei para clínica, e isto é
desesperador!

91
Quando esse sentimento vem por alguma razão, fica difícil pra respirar, e
então eu acho que vou chorar e quebrar coisas.

Página 63

E agora eu simplesmente perdi 10 páginas.

(Páginas rasgadas)

Página 64

27/07/18 – 7h30

Foda-se! Foda-se tudo! Meus pais disseram ontem, DE VERDADE, que se


eu não me acalmar eu estou voltando para a clínica NOVAMENTE!

Então, foda-se o tratamento, foda-se o autocontrole, foda-se tudo!

Eu cortei meus braços, minhas pernas, e ainda quero cortar meu rosto,
talvez eu faça isso... Eu já estou no fundo do poço, certo? Qual é o problema?!

Eu não vou nem me incomodar em esconder minha faca.

92
*****

Página 65

27/07/18 – 9h55

Eu gostaria que meus pais vissem os meus cortes, e que eles ficassem
SUPER bravos comigo (quando tudo que eu queria era um abraço).

Eu estava ficando pior, e pior, e não pararia! Além disso, agora ele pensa
que eu não o amo, ou minha mãe. Ele simplesmente não entende que isso é
impulsivo.

Eu estou doente e não posso controlar! Minha mãe também tá no fundo do


poço, porque ela não estava lá, para me fazer parar.

Basicamente, eu sou o grande problema na casa, eu não deveria estar lá...E


eu não estarei, porque eu estou voltando para outra clínica.

Página 66

Honestamente, tudo o que eu quero agora é ir pra uma clínica imaginária,


onde todo mundo é gentil e fofo.

Eu também acho que o projeto da casa da árvore, acabou de verdade agora.

Pelo que eu entendo, ele acha que eu não o amo, ou algo que não é verdade!

*****

93
Página 67

27/07/18 – 10h53

Eu me sinto um pouquinho melhor agora, talvez até um pouco feliz...


Embora eu queira chorar. Que esquisito, né? Minha tia, a Ti, está aqui comigo, e
ela sempre me faz sentir melhor de alguma maneira.

*****

Página 68

94
Página 69

Agora é oficial, eu deveria ter morrido naquele dia, minha vida está
ruim e está ficando pior. Meus pais não vão parar de chorar, isso tudo é por
minha causa. Eu estou lutando e todo mundo ao meu redor também... Por
minha causa, porque não consigo ficar melhor, é TUDO minha culpa! Eu
gostaria que eu pudesse ser o melhor filho, melhor amigo, uma pessoa
melhor.

*****

27/07/18 – 13h15

Agora, nós estamos tendo o pior almoço de sempre, ou talvez eu estou


tendo o pior almoço de sempre. Eles estão agindo normal, como se nada tivesse
acontecido.

Página 70

Mas, eu não posso falar, nem uma simples palavra. Pelo menos, meu pai
está começando a relaxar. Ele disse que tão logo voltará a rotina dele.

Uma coisa a mais: o projeto da casa da árvore se foi.

*****

27/07/18 – 13h51

Meus pais estão, finalmente, deixando passar, mas eu ainda não posso fazer
o mesmo, porque há um pensamento na minha mente que não partirá sozinho:
“este estava suposto para ser um BOM dia e eu destruí tudo, simplesmente como

95
eu sempre faço”. Nós estávamos programados para ir ao shopping, comprar uma
vitrola, passear, e nos divertirmos, mas NÃO, o foda depressivo garotinho aqui,
TEM que ferrar as coisas com uma crise ferrada, que ele não poderia controlar!

*****

Hoje meu pai veio conversar comigo... Ele me disse que parou tudo para
ficar cuidando de mim.

*****

Página 71

28/07/18 – 16h33

Eu estou feliz agora, claro que eu ainda me sinto culpado por todo o
problema que eu causei, mas agora meu pai não parece mais bravo, e uma amiga
minha está vindo em casa, e eu acho que é muito gentil da parte dela fazer isto. De
TODOS os meus “amigos”, ela foi a única que não me deixou...

Meu projeto da casa na árvore está ativo de novo, aparentemente.

Talvez, eu esteja ficando melhor... Hoje eu me senti feliz, triste e bravo. Por
exemplo, quando eu comecei a escrever esta nota, eu estava feliz, e agora me sinto
triste. Mas, o ponto é, nada muito extremo.

Quando eu me senti bravo, eu não quis fazer ninguém sofrer até morrer,
quando eu me senti triste, eu não me senti como se estivesse me matando. Talvez
isto seja bom, certo?

96
Página 72

Mas, ainda há mais uma coisa me incomodando: eu me sinto sozinho, mas


quando eu estou com pessoas ao redor, eu perco a direção dos meus sentimentos
muito facilmente, e afasto as pessoas. Eu estou com medo de estar fazendo isto
com esta minha amiga! Eu não quero a perder. Eu não quero perder ninguém
mais, porque eu já perdi muitas pessoas! Meus amigos, as pessoas que eu confiei,
aquelas que eu me entreguei. Eu também perdi parte da minha família.

O nome dela é D., e ela é minha última bala no gatilho, então EU NÃO
POSSO perder o tiro.

Ela é pequena, engraçada, tipo tímida, elegante, bonita... Ela tem cabelo
preto curto, pele de pêssego e olhos castanhos.

*****

Página 73

29/07/18 – 13h52

É engraçado como eu venho perdendo mais e mais na vida...

Eu estou ficando pior a cada dia, agora eu não posso jogar vídeo game
sem ter uma crise... Eu cortei meus braços NOVAMENTE, mas meus pais
não podem saber, porque de outra forma eu voltarei para a clínica.

Pelo menos, agora eu conheço um pouco mais sobre meu diagnóstico... Eu


fui diagnosticado com depressão, bipolaridade e traços borderline. Uau, vida, não
satisfeita em me dar uma doença mental, me deu três. Droga!

97
Isto é exatamente como meu braço está agora.

Eu odeio minha vida.

Foda-se todo mundo!

Eu estou feliz! Vamos comprar tudo!

Página 74

Pelo menos, ontem foi divertido quando D. chegou. Nós tínhamos muitas
coisas para conversar, nós jogamos vídeo game (é bem engraçado quando nós não
estamos sozinhos). Nós também fizemos brigadeiro e pedimos pizza para entrega!
Mas, nós também tivemos conversas sérias sobre minha doença e principalmente
sobre meus pensamentos.

Falei para ela que eu não sabia se eu era mesmo o Mikhael, e que eu já não
sabia o que era! Será que não sou menino?

Página 75

Primeiro, se isso for uma verdade como meus pais iriam reagir.

98
Segundo, se a reação deles for ruim, eu não estou pronto para suportá-la,
não agora, não com tudo o que está acontecendo em minha vida bem agora.

E terceiro, eu ainda não estou certo sobre o que eu sinto sobre isto, mas eu
tenho pensado a respeito. Estou confuso.

Eu já tentei deixar este pensamento ir e esquecer sobre isto.

E se eu me arrepender da minha decisão?

Eu procurei muito na internet e todas as pessoas trans disseram que antes


da transição eles odiavam seus corpos!

Mas, eu não ODEIO meu corpo, eu também não vou dizer que eu gosto,
mas ok!

Conclusão: não há conclusão porque eu estou muito confuso agora...


Há muita coisa acontecendo ao mesmo tempo, e eu preciso de algum tempo
para relaxar. Kkk

Página 76

Obrigado diário, por me ajudar, por me ouvir sem nenhum julgamento no


rosto. Você e a D. são meus favoritos sempre.

Quando eu falei a ela sobre isto, ela não me julgou em nenhum momento,
ela até perguntou como eu queria ser chamado! Infelizmente, eu ainda não sei a
resposta, mas eu REALMENTE apreciei sua bondade comigo, nos bons e maus
momentos.

*****

99
Página 77

30/07/18 – 16h28

Eu acho que meu pai sabe que eu estou com dúvidas de quem eu sou. Ele
veio falar comigo e disse exatamente assim:

“Filho, eu te amo de qualquer jeito. Tanto bipolar ou borderline, não


importa. Também não importa se você é Mikhael, ou Mikhaela, ou Alexandra,
tanto faz. Eu te amo de qualquer maneira”.

Eu fiquei com a mente SUPER confusa quando ele disse isto, por que
COMO ele saberia?! Só a D. sabe sobre isto! Então eu perguntei a ele por que ele
estava sendo tão “afetivo” de repente, e então ele disse que ele percebeu, e tudo
mais...

Página 78

CLARO, que eu estou feliz que ele esteja concordando, mas eu também
estou ATERRORIZADO! Tipo, se eles perguntam, como eu faço para dizer
“sim”? Minha mãe disse que ela vai conversar com o meu pai e então ela quer
uma conversa comigo.

100
PELO AMOR DE DEUS!!!

Nem mesmo quando eu enfrentei a morte, eu senti tanto medo, como eu


estou sentindo agora mesmo! Eu quero dizer, eu quero considerar que eles já
“sabem”, mas são positivos a este respeito, ou pelo menos, não negativos...

Eles vão mesmo ajudar neste processo? Tudo parece tão fácil para mim, o
que vai dar errado?

Bem, de fato, se isto vai acontecer e eles realmente me ajudarem nisso eu


terei com certeza mais uma razão para dizer que meus pais são OS
MELHORES.

Página 79 e 80

Página 81

30/07/18 – 18h37

Como meu pai descobriu sobre isso?

Sabia? Meu pai tem uma amiga chamada Débora e ela é da polícia de elite.
Uma vez, ele disse que se eu tentasse trocar a minha senha de rede social, um

101
aplicativo especial no seu telefone iria notificá-lo sobre o que eu fiz. O que
significa é que ele tem mais controle sobre meu aparelho celular do que parece ...

Mudando de assunto um pouco, eu vou dizer o que eu fiz o dia todo: eu


gastei meu dia na minha cama ouvindo música. Teve uma parte ruim, pois eu
estava triste, mas também teve uma parte boa! Eu aprendi muito mais sobre os
Beatles, Rolling Stones, Amy Winehouse, Janes Joplin ...

*****

Página 82

30/07/18 – 20h10

Eu acabo de sair da terapia e, eu disse a ela tudo sobre a minha situação, e


ela disse que eu deveria me descrever, então vamos fazer isso.

Página 83

Não sou perfeito, tenho, tipo, algumas instabilidades. O que acontece é que
tenho uma doença ... sou um borderline, e isto faz com que minhas emoções
explodam em qualquer lugar. Posso começar a chorar ou ficar super bravo sem
nenhuma razão. Quero as pessoas ao meu lado, mas ainda expulso todo mundo.
Me sinto culpado por isso. MAS, estou ficando melhor, então tudo bem.

*****

31/07/18 – 12h14

Eu estou saindo com meu pai, mas eu sinto que eu não vou gostar, porque
eu estou confuso e falei isso para eles.

102
Página 84

31/07/18 – tarde

Eu tenho pensado em jeitos de falar com os meus pais sobre minhas


dúvidas sobre gênero, ou personalidade, e eu decidi que é a melhor maneira de
contar a eles, é não contar! Eu simplesmente deixarei as coisas acontecerem
naturalmente.

Eu só peguei os meus remédios e agora vou dormir para contar meus dias,
tchau!

*****

01/08/18 – 15h30

Está chovendo e eu estou tipo triste ... é quase como um relacionamento


tóxico, porque eu amo a chuva, mas não como ela me deixa triste ...

Eu, simplesmente, voltei para a escola de inglês, mas eu não sei se eu gosto.
A nova professora parece boa, mas é seu primeiro dia e ela está um pouco
perdida.

Página 85

Eu ainda não tive chance de contar.

Eu saí com meu pai e minha tia, e eu tive que ir ao banheiro, e então de
novo eu tive uma dúvida: banheiro feminino ou banheiro masculino? Minhas
mãos começaram a suar, saí do banheiro tremendo e tentando o meu melhor para
não chorar.

103
Página 86

Resultado disto: Segurei por 7 horas ou mais a vontade de ir ao banheiro.

*****

Página 87

01/08/18 – 18h05

Na sexta-feira eu poderei sair e meu pai vai me dar algum dinheiro. Eu acho
que eu vou comprar algo, uma peça de roupa nova, eu vou me sentir melhor com
o meu corpo.

*****

01/08/18 – 11h48

Eu, simplesmente, tive uma crise imensa poucas horas atrás. Tudo começou
quando eu estava contando para os meus pais quão chato foi rever coisas
saudáveis e não saudáveis, e minha mãe fez uma brincadeira, dizendo que fumar
era bastante insalubre. Eu sei que ela está certa, mas eu fiquei muito chateado,
então. Depois disto, nós tivemos uma curta, mas intensa discussão.

Depois de tudo isto, eu só me isolei para acalmar e relaxar, mas então de


repente, eu mudei de extrema raiva para extrema tristeza...

Página 88

Então, eu comecei a chorar MUITO, meus pais tentaram falar comigo,


mas eu não conseguia responder, meu corpo não estava se mexendo, eu só
conseguia chorar em voz alta e tentar me desculpar.

104
Após meia hora de choro, minha mãe me deu remédios para dormir...
Ajuda, mas agora está bem difícil para eu escrever aqui.

Eu pensei que ia ser meu primeiro dia oficial “normal e estável” na


minha vida, então estou um pouco desapontado comigo mesmo... Eu poderia
até dizer que estou com raiva de mim mesmo!

Eu fico bravo por muito pouco, então eu fico triste por causa de um
pouco de culpa que vem junto com a raiva.

Quando eu me acalmei (por causa dos remédios), eu ainda tive que


pedir a eles para que me deixassem sozinho um pouco, para que eu pudesse
limpar meu rosto destruído e cabelo, depois de tudo, eu não poderia estar
mais envergonhado...

*****

Página 89

02/08/18 – 16h19

Eu acabei de chegar da terapia, e eu pude falar muito com a terapeuta.

A verdade é que eu não tenho coragem ainda, pois não sei quem eu sou, ou
se sou.

Pelo menos, não com palavras...

Por alguma razão eu me sinto egoísta... Minha terapeuta disse que não
apenas minha tia, mas meu pai também foram até o consultório dela para

105
perguntar se o que eu faço está sendo para chamar a atenção, como se eu estivesse
os testando!

Eu me senti mal porque , eu estava de fato os testando!

Eu só queria saber como eles reagiriam, eu estava feliz, porque EU PENSEI


que eles estavam aceitando as coisas naturalmente, mas O QUE é que eles pensam
de mim?

Página 90

Um menino adolescente, que está desesperado por atenção? Isto é o


OPOSTO de mim! Tudo o que eu desejo é que eu tivesse nascido e sido tudo
normal, isto é tudo!

Ou talvez, só tivesse o poder de me tornar uma outra pessoa


instantaneamente!

Por que eles pensam isto de mim? Por que alguém faria todas estas coisas
por atenção? Isto é uma coisa arriscada no nosso mundo, há muitas pessoas ruins
do lado de fora, POR QUE alguém faria isto só para chamar atenção?

Não é legal quando alguém olha fixamente para você, num jeito esquisito?

Quando você está indo cumprimentar alguém, e a pessoa olha para você
com dúvida, ou com medo, ou tanto faz, e então nem olha no seu rosto, ISTO É
BOM? Droga!

Página 91

Pelo menos, minha terapeuta disse a eles que ela não acreditava nisto.

106
Aparentemente, uma pessoa que me conhece há dois ou três meses mais ou
menos, me conhece melhor que a minha família, ou não?

Apesar que eu muitas vezes extrapolo, e eles tem razão.

*****

02/08/18 - ?????

Eu conversei com o meu pai sobre aquela coisa, e ele me contou uma
história toda diferente (o que faz mais sentido). Basicamente, é só mais umas das
muitas histórias loucas que aquela psicóloga da Clínica disse.

Mas, não é sobre isto que quero falar a respeito...

A coisa é que EU, REALMENTE, acho que minha tia sabe sobre minha
dúvida de gênero e que eu penso em morte.

Eu sei que ela pode “raquear” meu telefone, de outra forma meu pai não
saberia, que eu estava procurando coisas, relacionadas à morte no meu telefone.

Eu acho que ela estava procurando meu histórico no google e encontrou


alguma coisa relacionada a isto...

Página 92

Ela me mandou uma mensagem falando sobre uma YouTuber que fala
bastante sobre o assunto, porque ele é uma mulher transexual e tudo.

Não satisfeita, ela vai me dar o livro dela! Eu espero que todos vocês já
saibam sobre o que ela fala, certo? Assim como outros livros.

107
Primeiro, o que meu pai disse em 30/07/18, então isto! Não pode ser uma
coincidência! Isto é tudo TÃO de repente para ser! Mas, eu acho que eles
pensam que estou confuso, e eu posso até estar, mas não muito!

Eu só estou com medo de falar para eles! Na verdade, eu estou


ATERRORIZADO!

Ela até me perguntou se eu vou ler, porque ela já o comprou outros livros,
de outros assuntos, até em inglês e eu não li. Eu não sei se eu posso lidar com
isso...

Como eu faço para voar?

*****

Página 93

03/08/18 – 12h17 – dias: 57

Lembram do C.? Da clínica? Nós estamos conversando novamente! Ok, eu


só queria que todos vocês soubessem.

108
Eu também quero contar que eu acordei REALMENTE triste... está
chovendo muito forte lá fora... De jeito nenhum eu vou sair! E mesmo se eu fosse,
quem mais iria?

NINGUÉM, é claro...

Eu estou me sentindo feio hoje, eu não sei porque, mas eu me sinto o


mais feio do mundo.

*****

03/08/18 – 13h53 – dias: 57

Eu acho que talvez eu consiga sair, porque a chuva está diminuindo um


pouco, mas ainda preferiria chamar alguém para vir aqui na minha casa... Na
realidade, eu já tentei chamar a M. (uma amiga minha), mas ela ainda não me
respondeu... Eu estou ficando meio sem esperança.

*****

109
Página 94

03/08/18 – 16h40

Toda esta restrição está começando a me irritar.

Eles dizem que minha vida só vai voltar ao normal quando eu ficar melhor,
mas eu não estou indo tão bem... Eu fiquei SUPER nervoso só porque eu tinha
perdido meu isqueiro! Então, significa que eu ficarei em casa, por ainda mais
tempo!

Tudo o que eu faço, o dia todo e todos os dias é NADA! Eu não posso sair,
ou ficar sozinho por um segundo!

Saco, eu deveria ter pego mais comprimidos no dia em que eu tentei me


matar.

Página 95

Quando eu fiz isto, tudo o que eu queria era paz, e agora tudo o que eu
tenho é problema.

Tudo é problema!

Eu luto para fazer minha mente pensar como uma pessoa normal, eu
luto para conter minhas crises, e quando eu não posso, eu sinto ainda mais
nervoso, porque mais uma vez FALHEI!

Eu luto para lidar com a solidão, eu digo para mim mesmo: “você tem
muitas pessoas que se preocupam com você”, mas alguma coisa dentro de

110
mim diz: “todos eles te deixaram para trás, você empurrou todos para longe,
você é um pedaço de merda”.

Todos os dias eu acordo e tento pensar que vai ser um “dia normal”,
mas em algum momento eu sempre luto com alguma coisa... Tudo o que eu
quero é minha vida de volta...

Há uma peça de teatro que eu realmente queria ir SOZINHO e POR MIM


MESMO. O nome da peça é: “A visita da velha senhora”. A sessão termina dia 30
de setembro, então para minha linha da morte ficar melhor é até 29 de setembro.
Eu tenho que, pela minha honra, fazer isto. Eu TENHO!

*****

Página 96

03/08/18 – 21h07 – dias: 57

Alguma coisa REALMENTE boa aconteceu! Meu pai vai para a Bienal do
Livro amanhã, e ele disse que me deixará no shopping SOZINHO, e esta ainda
não é a melhor parte: Ele também disse que eu posso voltar para casa por conta
própria também!

Eu estava conversando com ele sobre o que eu escrevi mais cedo e nós
fizemos este acordo: ele me dá mais liberdade, e eu provarei que eu valho esta
confiança, e você APOSTA que eu posso fazer isto!

*****

111
04/08/18 - 12h28 – dias: 56

Estou animado, mas também com medo...

*****

Página 97

Eu só espero que não entre em apuros ...

*****

04/08/18 – 13h34 – dias: 56

Comprei um panda para o meu pai, como um presente de obrigado!

E voltei sozinho para casa, peguei trem e ônibus, me senti livre e feliz. Fiz
uma cartinha para dar junto com o Panda, espero que ele goste!

112
Página 98

05/08/18 – 00h20 - dias: 55

Hoje (na verdade ontem, mas o que quer que seja, você entendeu) eu estava
autorizado para sair à noite, e a ÚNICA pessoa que poderia me encontrar era a D.

Estava realmente bom, é importante vê-la novamente! Nós tivemos uma


longa conversa sobre como nós éramos insensatos antes, e como nós estamos
agora. Isto me fez perceber que eu não era o único que tinha mudado nos últimos
meses.

Página 99

Ela me disse que no tempo que nós costumávamos nos encontrar, ela estava
lutando tanto quanto eu estava. Ela me disse que se sentia solitária em casa, como
se ela estivesse trancada em sua mente, ou como se ela estivesse perdendo alguma
coisa lá fora. Mas ao mesmo tempo, quando ela estava de fato com amigos, ela

113
ainda sentia solidão dentro dela (o que me deixa impressionado, porque eu
costumava me encaixar, na mesma linha de pensamento).

Ela também me disse que ela queria ficar mais magra (ela já é).

Mas, eu posso ver que está melhor. Ela está bem bonita de corpo, engordou
um pouquinho, e isto é SUPER positivo!

Página 100

Após esta conversa, nós falamos sobre muitas outras coisas e então nós
compramos cookies no supermercado e ela andou comigo até a minha casa! Ela é
super legal, fofa, feliz, estilosa, TUDO!

É como se dissessem: “nossos melhores amigos vão se destacar quando


você estiver passando por um momento ruim”.

Faz sentido porque eu tive muitos amigos quando eu estava “feliz”,


mas uma vez que eu fiquei para baixo, todos desapareceram...

Todos menos D. É fácil dizer “Sinto muito sua falta”, “vamos sair qualquer
hora”, “você está melhor?”, mas D. fez mais que simplesmente isto, ela se fez
presente na minha vida!

Eu acho que eu posso dizer que ela é de fato, minha melhor amiga neste
momento.

*****

06/08/18 – 22h35 - dias: 54

Eu estou meio que triste hoje, apesar de ter tido realmente um ótimo dia.

114
Página 101

Eu fui para a aula de inglês que é totalmente uma DROGA, mas tudo bem,
porque acabou agora! Eu encontrei L. (uma das minhas poucas ainda amadas
amigas) pela primeira vez desde que eu deixei a clínica (eu sei, é realmente muito
tempo), mas tudo bem, porque nós tivemos uma conversa boa, realmente...

Depois que ela saiu, EU TENTEI, ajudar outra amiga, porque ela transou
com um garoto sem preservativo, e então ela queria que eu comprasse a “pílula do
dia seguinte”, e lógico que não deu certo, porque eu não poderia comprar...

Página 102

Mas ainda assim, foi divertido para nós dois!

(Eu REALMENTE desejo que ela não esteja grávida)

ELA TEM 14 ANOS – Preocupante!

*****

07/08/18 – 21h13 - dias: 53

Eu ainda continuo me sentindo deprimido, e eu não sei o motivo... Eu


não quero viver este pesadelo novamente! Mas, eu também sei que eu cometi
um erro... Eu não contei para a terapeuta sobre isto! Ela acha que eu estou
me sentindo melhor, mas eu não sei se eu estou! Eu não sei se é normal ou
não, e eu estou com medo da resposta!

*****

115
Página 103

É normal se sentir triste algumas vezes, mas este já é o segundo dia, e


eu sei onde isto pode me levar... MORTE ou a CLÍNICA. Obviamente,
nenhum dos dois é bom.

Eu só fico pensando, que eu não posso passar por tudo aquilo


novamente, eu simplesmente não posso. Eu não tenho estrutura, nem
coragem para isto, eu sei que meus pais sentem o mesmo.

O mundo continua se movendo, mas eu não acho que eu possa me


manter, por este tempo existindo.

P.S.: Há muitas coisas na minha cabeça agora... Droga, eu não quero voltar
para a clínica, aquele lugar é sombrio, obscuro, bizarro e triste na maioria das
vezes.

Página 104

É triste porque você vê que TODO MUNDO está doente lá, e então
você percebe que você é tão doente e louco e problemático como eles são...

Só porque eu saí daquele pedaço de inferno, não significa que eu mudei


completamente...

v Eu fiz tudo certo.


v Por que tudo parece frio e cinza? Por que nada mudou? Por que?

*****

116
Página 105

*****

Página 106

08/08/18 15h18 – dias: 52

Eu deitei na minha cama, um cigarro na minha mão.

Eu vejo a fumaça no ar, como uma ladeira infinita, até que o vento a
derrube.

Eu olho para as cicatrizes no meu braço e percebo que está ficando difícil
permanecer acordado novamente.

Apesar de que eu não estou sonolento... Eu estou cansado de me sentir


triste.

Spanish Sahara (música), no último volume, é a principal razão para eu


ainda estar acordado.

117
Eu tenho que dormir novamente. O que eu faço?

O cigarro está quase no fim agora, e se eu não estou destinado a estar?

Eu realmente preciso de outro cigarro...

Página 107

Você sabe, ontem minha mãe fez a última jogada, veio me perguntar se eu
tinha dúvidas sobre a minha sexualidade.

Merda, eu não posso dizer que eu não estava nervoso, mas no final de tudo
eu poderia ser desmentido. Eu meio que queria dizer a ela, mas como se nem eu
sei?

Agora, eu REALMENTE, tenho dúvidas, muitas delas!

De novo, tudo o que eu posso dizer é DROGA.

Eu ainda estou me sentindo depressivo, mas isto está ficando maior, eu


posso sentir isto.

Hoje, eu simplesmente não poderia ir para a aula de inglês.... Coisas não


estão indo tão bem...

Página 108

Há um olhar em seus olhos.

Como dois buracos negros no Céu.

118
Pink Floyd (Shine on your crazy Diamond – Brilhe, diamante louco)

*****

Página 109

15/08/18 – 15h30 – dias: DANE-SE

Há muito na minha mente, eu estou ficando cada vez pior.

Ontem à noite, eu me cortei novamente, mas eu não poderia cortar


meus braços, então eu queimei minha perna com um cigarro. Realmente
machuca, mas ninguém pode descobrir.

Agora eu estou no inglês, e este é o ÚLTIMO lugar que eu queria estar!

A professora percebeu que eu estou triste, e eu não sei o que fazer.

*****

Página 110

20/08/18 – 20h45 – dias: quem se importa

Sabe? Eu não deveria me sentir culpado sobre querer me matar... Eu


sempre penso:

“Oh, e meus pais?! Ou meus amigos?”

Sabe? Eu nunca pedi para nascer! Eu nunca pedi para viver! Para
existir!

119
Então, POR QUE eu deveria me preocupar sobre o que as pessoas
querem de mim agora?!

Eu NÃO quero mais sofrer!

Eu não quero sentir nada, ao ponto que eu quero sentir qualquer coisa!
Eu não quero sentir lágrimas no meu rosto novamente!

Eu estou CANSADO de me sentir culpado!

E se eu sinto vontade de desistir, então eu vou. E desta vez, eu terei


certeza que eu morri de verdade.

A VIDA ME DEVASTOU.

Página 111

Amanhã, eu vou finalmente encontrar a psiquiatra novamente, e meu


último desejo é que ela me dê alguns novos remédios, e então eu nunca
chorarei novamente.

Honestamente, eu acho que eu simplesmente não quero que funcione...


Eu quero morrer.

*****

25/08/18 – 01h28

A vida me decepciona. Recentemente eu peguei um monte de remédios


para dormir, um após o outro. Mas, agora minha mãe, disse que eu não posso mais
pegá-los. Eu me sinto preso num pesadelo, o pesadelo da realidade.

120
Página 112

Para fazer as coisas ficarem um pouco pior, eu pensei que amanhã eu


poderia ir para a casa da minha tia e prima usando o transporte público, e eu sei
que não é o melhor, mas pelo menos eu faria isto sozinho, entende?

É claro que não aconteceu, eu recebi uma mensagem do meu pai dizendo
que um táxi me pegaria, o que significa que agora estou chateado e preso em uma
realidade de merda.

A pior parte é que eu tenho que ir, porque meu pai fez muitas mudanças no
seu cronograma, então eu poderia ir, mas eu só não quero ir! Droga gostaria que
meus pais nunca tivessem me encontrado em coma, no chão do banheiro naquele
dia.

Eu QUASE consegui, e agora minha vida só piorou.

Eles ficam suspeitando de mim o tempo todo (eles não me deixam nem
trancar a porta do banheiro), eles não me deixam sair, quando eles finalmente
deixam, eu tenho que voltar cedo, tudo o que eu faço é tentar encontrar alguma
coisa alegre, mas eu ainda não encontrei... Meu único desejo é ter câncer e morrer.
Falando nisto, eu vou fumar um cigarro.

*****

25/08/18 – 03h45

Eu tomei uma decisão, eu quero morrer, mas desta vez, será de


verdade.

Medicina não vai funcionar, eu preciso pensar num plano bom.

121
Por que? Porque eu odeio minha vida!

Racionalmente falando, eu sei que eu tenho uma boa vida: moro em


uma casa que não me falta nada, suporte da família, amor, etc.

Mas, eu não consigo me sentir feliz! E, como eu disse, eu nunca pedi


para nascer...

Então, eu vou parar com a medicina em segredo, e com tempo eu vou


me sentir pior e eu vou querer me matar, mas desta vez eu tenho um plano,
quero dizer, está quase pronto.

Página 113

Eu sei que vai ser chato sair com minha tia, mas eu pretendo ficar feliz, e
pedir para ir ao Edifício Itália, o prédio mais alto de São Paulo.

Uma vez que eu vá lá, eu analisarei se é possível pular de lá. Se for


possível, então eu fugirei de casa algum outro dia e vou pular, e se não funcionar,
eu posso sempre pular em frente de uma linha de metrô.

Eu não me sinto mais culpado, esta é a minha vida, e eu não pedi por nada
disto.

Nós nascemos como um robô, e todo seu destino já está determinado!

EU NÃO aceito isto, meus pais ficarão abalados, eu sei, mas pelo
menos, eles sentirão o que eu senti: tristeza PROFUNDA, desespero, raiva,
até nada.

122
Página 114

Eu estou cansado de “mantenha sua cabeça erguida”, “é só um momento”,


“passará”, “menos drama, Mikhael”, “saia da cama”, “só tome os seus remédios”,
“só seja paciente”, etc.

Eu quero dormir ou morrer, e pessoalmente eu prefiro morrer.

Eles não me deixam fazer nada nem mesmo dar uma CAMINHADA!

Eu fui para uma caminhada, falei para eles que eu estava fazendo isto, então
eles disseram “ok”, e dez minutos depois eu tive que voltar, só porque eu não
estava exatamente onde minha mãe pensou que eu estaria.

Mas, eu não estava fazendo nada errado, e eu acreditei que eu poderia fazer.
Foi estressante e humilhante.

*****

25/08/18 – 7h25

Minha memória está uma droga, então eu acho que vou escrever a mesma
coisa novamente, mas tanto faz.

Página 115

Hoje, eu terei que passar o dia com a minha tia, e é uma merda, mas desde
que eu estou planejando me matar em poucos dias, quem se importa!

Eu estou assustado como o inferno, mas é hoje, e eu espero que eu não


morra.

123
27/08/2018

Então, muito mudou desde a última vez...

Eu finalmente disse aos meus pais que eu acho que sou outro gênero, sou
uma menina, Chloe.

Mas eu ainda me sinto triste... Eu nem sei quem sou.

*****

Página 116

04/09/2018 – 14h28

Eu tive um sonho ontem... Eu estava em um quarto (não o meu) e alguma


coisa estava fora em relação aquele lugar. Eu fui ao banheiro e encontrei um
recipiente com drogas e quatro pílulas. Eu peguei e usei tudo de uma vez só, e
olhei no espelho, enquanto minhas mãos estavam sobre a pia, e vi meu rosto como
um estranho, que tem graves problemas com drogas.

Desde então quero matar alguém e me matar logo depois! Eu sei que tudo
isso não tem conexão, mas de alguma maneira este sonho me mudou. Na última
noite eu estava procurando por corpos mortos na internet. EU NÃO POSSO parar
de pensar sobre o sonho, e sim, eu sei que eu deveria contar isso para alguém, mas
eu não quero.

Agora que eu penso sobre isso, poderia ser simples ...

*****

124
Página 121

24/09/2018 – 16h30

Eu talvez esteja errado, mas eu acho que estas são minhas últimas páginas
nesse diário.

Eu planejo me matar amanhã, eu não posso mais suportar!

Mas, eu não vou me matar agora ...é muito tarde, e meu plano é pular em
uma linha de metro.

Espero que tudo dê certo.

DESCULPA MAMA E PAPA.

*****

24/09/2018 – 18h08

Eu me pergunto se alguém vai chorar pela minha morte amanhã, quero


dizer, meus pais vão, mas e sobre meus amigos? Eu acho que a D. e a L. vão,
talvez a B. também, mas quem mais. Agora que eu estou próximo da morte, eu só
posso pensar o quão insignificante eu sou para as pessoas ...

125
Página 122

Em pouco tempo, as pessoas nem lembrarão meu nome.

Se as pessoas não se preocupam comigo, eu não tenho planos para o


futuro... Qual é o ponto?!

Estar vivo machuca muito, se Deus existe, por favor me dê um sinal ou


eu terei que partir!

Eu não posso nem ser honesto com a terapeuta, ou então eu serei


mandado para a clínica, esta vida é um INFERNO, e eu tenho que fugir dela
de uma vez.

Se eu não for para uma clínica, minha vida não será muito melhor. Vai se
resumir no vídeo game, e se você acha que é o paraíso, bem, não é, porque você
ficará aborrecido em pouco tempo e sua vida será resumida em mentira.

Página 123

14/09/2018 – 14h27

Minha vida tem sido miserável ... eu não faço nada o dia todo ... eu somente
“assisto o dia passar” como a terapeuta disse.

Minha amiga D. disse algo para mim hoje, e isto não sairá da minha cabeça.

“Você está somente se desenhando fazendo isso”.

Ela esta absolutamente certa ...

126
Eu não estudo/ não trabalho / não ajudo a sociedade ... e eu não quero ... eu
quero me esconder de fato, mas eu sei que não deveria.

*****

16/09/2018 – 00h24

Eu estou bêbado e triste, eu cheguei em casa muito tarde e meus pais estão
chateados ... eu só queria fazer alguma coisa divertida com a minha vida uma
vez...

Página 124

Minha vida é basicamente entediante, pois eu só jogo vídeo game o dia


inteiro, mas é de propósito. Eu só desejo que eu estivesse morto, não porque eu só
jogo vídeo game o dia inteiro, por causa de tudo.

Página 125

Você sabe, eu acordei bem cedo, e desde que eu abri meus olhos eu já
queria ir dormir, e eu não poderia fazer.

POR FAVOR FAÇA PARAR

LÁGRIMAS ...

127
Página 126

EU NÃO AGUENTO MAIS

Socorro!

Página 127

25/09/2018 – 00h00

Agora que eu estou próximo da morte, eu espero que se o céu ou o inferno


realmente existem, eu seriamente desejo ir para o céu.

*****

25/09/2018 - ??:??

Eu estou fraco, o plano falhou TOTALMENTE. Ninguém saiu, mas ainda


eu deveria ter feito isto.

Eu conversei novamente com os meus pais sobre a Chloe.

Recentemente eu fiz uma lista de “por que eu quero morrer”

128
Página 128

POR QUE EU QUERO MORRER

v Odeio meu cabelo.


v Odeio minha voz.
v Odeio meu corpo.
v Odeio Transtorno de Personalidade Borderline.
v Odeio minha vida social.
v Odeio não ter coragem para mudar alguma coisa ou pelo menos me matar.
v Odeio ter sentimentos instáveis o tempo todo.
v Odeio ser capaz de me abrir para um diário (sempre).
v Odeio desapontar minha família e amigos.
v Odeio querer matar alguém e sentir o seu sangue morto.
v Odeio quando as pessoas me ferram.
v Odeio minha vida inteira.
v Odeio não ir para a escola.
v Odeio ser julgado.
v Odeio “me manter” ou “pensar em coisas boas”.
v Odeio aqueles que não cuidam, e odeio aqueles que cuidam demais.

Página 129

EU ODEIO TODOS VOCÊS

*****

129
Página 130

26/09/18 – 10h37

Hoje meus pais saíram, então vai ser difícil sair de casa, minha tia esta
comigo.

Eu estava desesperado tentando encontrar o momento certo para o suicídio,


mas agora eu finalmente encontrei.

Aos finais de semana, meus amigos geralmente saem, incluindo eu. Então
na sexta-feira, se eu pedir para sair, eles não iriam nem se incomodar, e me dariam
até um pouco de dinheiro, o mesmo será útil para eu comprar um passe de
transporte e ir à linha azul do metrô, porque não há barreiras para as pessoas
pularem.

Esta linha de metrô é bastante distante da minha casa e o jeito mais fácil
seria pular de uma estação de trem, mas eles são muito lentos e eu provavelmente
só ficaria realmente machucado e não morreria.

Página 131

Só mais poucos dias...

*****

130
Página 132

Eu não sei que dia é, nem o horário.

Tudo morre, mas nunca termina... Eu morri. Muito tempo atrás eu


morri, mas ainda não há fim para mim.

Minha felicidade e satisfação com a vida morreu, mas eu continuo


sorrindo e andando e correndo e falando e comendo! Assim como todo
mundo, assim como um zumbi verdadeiro.

Onde está meu final? Eu PRECISO encontrar meu fim, então eu


poderei ter paz.

*****

131
132
Daniel Conta

Decidimos publicar os relatos de nosso filho, registrado em seu diário, sob


o ponto de vista dele mesmo, imerso em uma dor tão profunda; conhecida como
depressão.

Perder um filho, nosso único


filho, está sendo muito doloroso.
Parece um pesadelo sem fim...

Seria como se uma estaca


atravessasse seu peito, rasgando sua
carne e músculos.

Deus, em Sua sabedoria, retira


esta estaca aos poucos. Com o tempo,
pois, se fosse retirada de uma só vez,
jorraria sangue e nos levaria a morte.

Assim, aos poucos os tecidos


vão se aproximando, se juntando, até
serem suturados. A cicatriz ficará para sempre. Mas, a dor será gradualmente
substituída por saudades e esta por boas lembranças. Além da certeza de um
reencontro na Eternidade.

Quando o amigo que Jesus muito amava, Lázaro ficou doente ele foi
informado. mas não saiu de imediato. Jesus chega no quarto dia. Lázaro já tinha
sido sepultado e seu corpo já estava em decomposição e cheirava mal.

Reparem na fala das irmãs de Lázaro, Marta e Maria. Ambas apresentam


um lamento; “Se o Senhor estivesse aqui...”

133
Mas, não havia nelas rancor, ira. Não brigaram com Jesus, não
questionaram Seu Amor. Elas tinham aceitado a situação...

Neste caso, havia um propósito. E para tudo há um!

Às vezes, não entendemos com nossa razão limitada.

“Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os


vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor.

Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os
meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos
mais altos do que os vossos pensamentos.”

Isaías 55:8,9

“As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as


reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos...”

Deuteronômio 29:29

“O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo


línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá;

Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier


o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado.

Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria
como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de
menino. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a

134
face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou
conhecido.”

1 Coríntios 13:8-12

Confesso que não está fácil viver este luto...

Porém, aprendi a aceitar os desígnios de Deus, sem questioná-los, sem


murmuração. Sei que as respostas virão aos poucos, na medida que esta estaca é
removida de nossos corações.

Mas, entendo que em tudo há


propósito. Não faltaram orações. Não
faltaram abraços. Não faltou
acolhimento. Não faltou amor...

Rimos muitas vezes juntos.


Porém, depois que a doença se instalou ele não sorria mais. E eu chorava com ele,
enxugava suas lágrimas e sempre dizia: “você sozinho não consegue, mas juntos
em família e com Deus nós venceremos.”

A depressão piorou e evoluiu.

Afinal ele já tentara se matar antes. Por intoxicação exógena. Por Deus,
minha esposa o encontrou a tempo de mantê-lo vivo através de manobras médicas
até que eu chegasse com a ambulância. Foram quatro dias de UTI, 12 horas em
coma profundo e a incerteza se ele voltaria bem ou com alguma sequela.

Teve outra recaída e se cortou fundo, buscou as artérias. Mais uma vez a
rapidez de ter uma médica em casa acaba por salvá-lo. Mas, desta vez tivemos que
interná-lo. Foram 22 dias em uma clínica psiquiátrica.

135
Retiramos nosso filho da clínica e mantivemos um tratamento intensivo
com ele.

Ao sair da clínica verificamos que ele estava com Guna (Gengivite


ulcerativa necrosante aguda), conhecida também por boca de trincheira, era
comum em soldados de guerra por este motivo levou este nome. Tratamos.

Mikhael tinha terapia duas à três vezes na semana, a psiquiatra vinha em


casa a cada 15 dias. Já que haviam dias que ele não conseguia sair da cama.

Medicamentos foram sendo ajustados. E ele apresentava pequenos


momentos de melhora.

No entanto, não contemplava o futuro, não tinha planos... O que o


classificava ainda como paciente de risco.

Vigiávamos ele dia e noite, em revezamento com a Isabela. Parei com os


seminários, não tive mais inspiração para escrever. Apenas conseguia, a muito
custo, e na força de Deus, gravar os vídeos semanais para abençoar as vidas.

Para quem não me conhece; os vídeos são gratuitos.

Passamos a viver de ofertas voluntárias de amor, vinda do remanescente


fiel. Até que no dia 21 de dezembro de 2018, fomos juntos a outra médica,
especialista em transtornos de adolescentes, indicada pela que já o acompanhava.

Ele havia se cortado novamente na véspera. A médica viu os cortes; mas,


considerou como uma recaída.

136
Na longa entrevista ela notou que ele estava bem e disposto a se engajar no
tratamento. Ela solicitou uma vaga no Hospital das Clínicas em São Paulo, que
possui um prédio somente para psiquiatria.

Ela explicou detalhadamente o funcionamento da instituição. Eu e minha


esposa poderíamos visitá-lo todos os dias, e até ficar internado junto com ele!
Mikhael ficou radiante em saber que não ficaria sozinho. Voltou para casa muito
feliz e animado, todo falante.

Mas, sábado dia 22 de dezembro de 2018 quando acordei não o vi em


casa... Eram por volta das 8h30 da manhã. Ele saiu sem celular e sem
documentos... Inicialmente, pensei que ele tinha decidido dar uma volta pelo
bairro para espairecer.

Rodei o bairro todo, perguntei por ele em todo lugar. Todos o conheciam.
As amigas mais próximas começaram uma campanha nas redes sociais para tentar
achá-lo.

Não quis acordar Isabela que teve péssima noite e estava sob efeitos de
calmantes.

Fui até a delegacia mais próxima registrar queixa de desaparecimento,


minha prima me acompanhou. Mas, já havia pedido ao meu irmão policial e sua
noiva a virem conosco. A ajuda deles foi fundamental.

Na delegacia me perguntaram qual a queixa. Eu respondi;


“Desaparecimento de um menor com problemas psiquiátricos”.

A resposta foi dura para um pai desesperado; “não podemos registrar


queixa, só depois de 24 horas, mas se você ainda quiser fazer, em quatro horas
podemos te atender.” Era 12h30...Meu irmão chegou, mostrou seu distintivo e o

137
B.O. foi feito em 15 minutos. Não havia ocorrência de alguém sem identificação
naquela região. Partimos ao hospital mais próximo.

Pesquisam e não encontraram entrada de nenhum desconhecido.

Estávamos já saindo, quando Deus nos envia um anjo, uma senhora que
pergunta gentilmente: “precisam de ajuda em algo?”

Relatamos o fato, ate onde conhecíamos. Ela nos levou à assistente social.

E, mais uma vez, vi a intervenção de Deus. Ela se lembrou que uma mulher
deu entrada no hospital pela manhã em choque, por ter testemunhado um suicídio
na plataforma de trem. Relatou que a pessoa estava com os braços cortados e
deitou sobre os trilhos, repousando o pescoço em um deles.

Depois, só ouviu o impacto, pessoas gritando, ambulância chegando... e ela


por ter ficado em choque, foi levada ao hospital.

Aquilo me gelou o coração...

Meu irmão encontrou dois policiais que estavam escoltando um preso, e


perguntou se eles podiam mandar um rádio para a delegacia onde o suicídio
ocorreu. Já que a perícia teria que ser feita por eles.

A delegacia confirmou... Mas pediu para identificarmos as fotos antes de


nos enviar ao IML.

Chegamos e a delegacia estava fechada para almoço. Novamente, o


coleguismo entre policiais nos ajudou. Foram muito solícitos e sensíveis.
Escolheram a foto “menos pior” e me mostraram. Eu o reconheci... Era meu filho!
Meu amigo, meu parceiro...

138
Mesmo assim tinha que ir ao IML para reconhecimento. Foi a pior cena que
vi em minha vida. Ele ainda carregava no pulso esquerdo uma pulseira que
mandamos fazer para ele, anos antes disso. Ela era de prata e tinha apenas uma
frase: Força.

Infelizmente ele não teve...

Queria poder cremá-lo para ser menos doloroso e poder jogar as cinzas em
lugares que ele gostava.

Mas, me disseram que em casos de suicídio não pode.

Nem jazigo eu tinha...

Então, minha tia em imensa generosidade, me cedeu


uma vaga no jazigo dela. Um local que mais parece um
jardim.

Mas, só poderia retirar o corpo no dia seguinte após a


necropsia.

Cheguei em casa e tive que dar a notícia a Isabela... Mais uma cena muito
triste e profundamente dolorosa...

Isabela ficou em choque, e disse que não tinha forças para ir ao


sepultamento.

Queria a imagem dele vivo, preservada em sua memória. Chorou muito,


tomou mais calmantes...e ficou em casa.

139
Pediu que eu tirasse uma foto dele já arrumado para o sepultamento,
coberto com flores brancas. Escolheu as flores que iriam no jazigo também.

Minhas primas se mobilizaram rápido para comprar as flores que Isabela


havia solicitado. Não sabíamos a hora do sepultamento, pois dependia ainda de
uma grande burocracia.

Acabou sendo as 16h30 do dia 23 de dezembro de 2018. Chegamos no IML


às 7h.

A pergunta que nos assombrava: por quê?

Conversando com alguns terapeutas soube que o suicida, normalmente, tira


sua vida por amor àqueles que ele ama, e que sabe que também o amam.

Você já viu um mendigo tentando suicídio?

Pessoas mal amadas, abandonadas, acabam se prostituindo, se drogando,


mas não buscam a morte.

Ou encontram forças para superação, e tornam-se grandes artistas,


escritores, cantores, etc.

Alguns dias antes desta tragédia Mikhael falou


para mim: “Papa, estou sendo um estorvo a você e a
mamãe. Só estou te dando gastos, com médicos,
terapia, remédios. Até você está tomando
medicamento e fazendo terapia. Mamãe voltou a
tomar antidepressivos. Você, papa, parou de fazer
academia. Já faz um ano que parou sua vida para

140
cuidar de mim. Não faz mais seminários, não consegue escrever seus livros e mal
consegue gravar os vídeos dominicais. Vejo tristeza em seu olhar, papa. Vejo
você chorando no escuro. Vejo a mamãe abatida, tendo que tomar remédios para
dormir, e você também. Não estou melhorando. Mas, estou piorando a vida de
vocês que tanto amo. Você é o melhor pai do mundo, é a força que me protege.
Me apoia, incentiva, me dá colo, enxuga minhas lágrimas... Mas, ver vocês assim
não quero mais. Prefiro a morte. Vocês sentirão minha falta, eu sei. Mas, o tempo
passará e serei somente uma boa lembrança. E não mais um peso!”.

Ouvi aquelas palavras atônito, perplexo. Abracei com força, não muita, pois
ele já estava fraco e mal comia.

Não contive as lágrimas e disse a ele:” Papa vai estar com você sempre!
Você é lindo, inteligente, capaz, amoroso, nunca fez mal a ninguém, tornou-se até
vegetariano para não colaborar com o que fazem nos matadouros (ele tinha visto
um documentário). Você, meu filho, é muito amado, não só pelos seus pais, mas
por todos que tem o privilégio de te conhecer. Você é puro, às vezes ingênuo. Não
tem preconceito em seu coração, não discrimina ninguém. Não julga ninguém.
Abraça a todos. Sente a dor de alguém que está em alguma dificuldade. Você não
é digno de estar neste mundo. Mas o mundo precisa de pessoas como você para
iluminar o caminho daqueles que estão perdidos. Não pense bobagem. Papa está
aqui! Vamos cuidar de você!”

Aparentemente aquilo trouxe a ele consolo e forças.

Quando lembrei desta conversa entendi que a morte dele foi por amor a
nós. Além de tirar a dor imensa que só ele saberia descrever. Cujo relato está
registrado no diário dele, acima.

*****

141
Mikhael não nasceu assim, isso foi um progresso rápido e dolorido.

Ele sempre foi um menino alegre, feliz, espontâneo, falante, inteligente,


educado. E sempre demos atenção a ele, e sempre fizemos de tudo para que ele
pudesse ter acesso a tudo que ele tivesse interesse, nos dobramos e redobramos
para darmos a ele várias oportunidades.

Fez natação enquanto bebê, e aprendeu rápido, foi muito desenvolto. E a


medida que crescia foi mudando de estágios, até completar e aprender os quatro
estilos muito bem.

Mikhael entrou na escola com três anos de idade. Optamos por colocar ele
na escola mais cedo, para ele ter amiguinhos e socializar melhor.

E assim foi, ele fez amigos durante todo o período que


ele esteve nesta escola, se interessou desde pequeno
pelo inglês. Sempre oferecíamos esportes para ele
praticar, ele fez por um tempo judô, patinação no gelo,
hip hop e teatro. E em muitos lugares ele ganhava bolsa
ou meia bolsa, pois ele era muito desinibido e cativante.

Chegou a fazer um book fotográfico e fez vários testes para propagandas,


mas priorizamos os estudos e ele não pode dar continuidade.

Na patinação no gelo, ele fez uma apresentação, assim como no hip hop e
depois no teatro com duas peças. Em uma peça ele foi o Romeu e na outra o
Capitão Gancho.

142
Ao se formar no nono ano da escola, ele foi um
dos oradores da turma.

No começo do ano de 2018, no primeiro ano do


ensino médio, Mikhael pediu para mudar de escola, ele
queria estar com outras colegas que haviam mudado
também.

Ele já começava a não acreditar em si mesmo. Queria ir para uma escola


mais fraca, de acordo com os conceitos dele, pois ele achava que não teria
condições de passar nesta escola, por achar mais forte.

No final de 2017, ele


havia ficado de recuperação,
e o ajudamos de todas as
formas para que ele
conseguisse passar de ano, e
conseguiu. O ano havia sido
difícil para ele, foi uma
sequência de perdas, ele já
havia perdido a nossa
cadelinha que estava
velhinha, ele teve que lidar com a morte, ele desmaiou ao saber que ela havia
partido.

Ele havia adotado uma gatinha, e deu o nome de Patinha, esta gata era
muito grudada nele, eles dormiam juntos, e onde ele ia ela ia atrás. Em 2017 ela
foi atropelada perto de casa, e chegou agonizando como se pedisse ajuda,
corremos com ela para o veterinário, mas infelizmente não havia nada que

143
pudéssemos fazer. Mikhael ficou desconsolado, e foi muito difícil, esta perda
mexeu muito com ele, ele mudou!

Depois ele perdeu o Sansão, o coelho. Os coelhos são bichinhos muito


frágeis, e do dia para noite ele acordou ruim, Mikhael e Isabela ficaram do lado
dele, juntos na partida. Temos um pequeno jardim na frente de casa, e ele mesmo
fez um buraco para enterrá-lo.

Uma amiga dele tentou o suicídio, e ele se sentiu impotente, ela havia feito
o cutting, ele fez também.

No DNA do Mikhael havia uma predisposição para a Síndrome de


Borderline, assim como a depressão, pois a Isabela havia tido. Quando menor, ele
havia visto algumas crises da mãe, mesmo tentando tirá-lo de perto. Isabela
conseguiu sair do quadro, e o Mikhael tinha muito orgulho disso. Mais tarde, ele
veio a relatar isso para a Psicóloga da clínica que ficou internado.

Sobre a mudança da escola, acatamos o pleito dele, pois o que mais


queríamos era ver nosso filho feliz e bem.

Após sair da escola anterior, ele relatou que um professor zombou dos
cortes em seu braço, ele já havia começado com o cutting – “bonita a tatuagem no
seu braço “- o expôs a sala.

As aulas começaram na escola nova, e o comportamento dele mudou


drasticamente, foi como se tivesse girado uma chave nele. Mikhael sempre foi
dócil, amigo, companheiro, sempre nos contou tudo. Nunca ficou de castigo,
nunca levantamos o tom da voz com ele e nunca demos sequer uma palmada.

Ele começou a mentir.

144
Havíamos combinado uma regra, ele tinha horários para estar em casa, e
locais que poderia e não poderia ir. Dávamos um dinheiro contado a ele, e ele
sempre prestava contas. Um dia, ele disse que
iria encontrar os colegas no fast food, mas
tínhamos acesso de onde ele estava pelo
aplicativo do SnapChat, e ele sem querer
mandou um vídeo para mim, só que era para
uma amiga da onde ele estava, num centro de
comércios longe de casa. Quando ele percebeu o erro, em meia hora estava em
casa.

Ficamos decepcionados, nunca pensamos que nosso filho pudesse mentir


para nós. Sempre fomos parceiros, amigos, mais do que pai e filho! Ele nos disse
que nunca mais mentiria, e acreditamos! Ensinamos o nosso filho sempre a dizer a
verdade, sempre falar o que pensa. Nunca o reprimimos, pelo contrário.

Ele quis mudar o corte de cabelo, pintar o cabelo de diversas cores, fazer
piercing, ser vegetariano..., o apoiávamos, pois o amor faz isso, apoia.

Mas ele continuou mentindo!

E aqui fica o alerta aos jovens: “Não mintam e nem omitam nada aos seus
pais! Somente eles te amam verdadeiramente, e sabem o que se passa com
você.”

Mikhael nesta altura, já tinha passado com um psiquiatra e um


neuropsicólogo. O psiquiatra o diagnosticou com uma crise de ansiedade, e o
neuropsicólogo nos testes aplicados, verificou que ele não tinha déficit de atenção
(que era uma queixa dele), e que ele tinha um QI acima da média.

145
Amava Inglês, e nos testes propostos chegou a pular um estágio, faltava um
ano para conclusão de seu curso, e ele queria ser professor de inglês, e ter um
método próprio e quem sabe uma escola de inglês.

A escola me ligou à tarde, e disse que ele havia dormido em cima da mesa.
Fui correndo até a escola, e verifiquei que ele tinha tomado remédios. Fomos para
casa, Isabela ficou monitorando ele.

Aqui começava a nossa trágica história.

Mikhael não estava bem, ele não conseguia nos falar o que não estava bem
nele. Ele começou as terapias com a psicóloga, e fomos a um outro psiquiatra e
iniciou o tratamento medicamentoso.

Um alerta: procure vários especialistas, busque várias opiniões. Mikhael foi há


cinco psiquiatras diferentes, e todos chegaram ao mesmo diagnóstico:
Borderline e depressão.

Ele começou a ter medo de situações e, de ficar sozinho, e com isso


começamos a nos desdobrar para que ele estivesse sempre junto conosco. Mas
manteve sua rotina de escola, e sair com amigos. Só que não tinha mais coragem
de voltar ao inglês, se dizia com vergonha. Acatamos.

E na nova escola ele sofreu mais uma exposição vinda de um professor, que
ao ver as marcas em seus braços disse alto: “Você esta se cortando, isso é
problema psiquiátrico”. Ele ainda tentou desconversar, mas o professor continuou.

146
Como ele estava quase entrando nas férias, a psiquiatra achou melhor dar
um atestado de 30 dias, falamos com a coordenação e direção, e encaminhamos
toda a documentação da médica.

Alerta aos Professores: tratem este tema com o amor que ele merece, a
história de nosso filho poderia ter sido outra, se ele encontrasse a empatia
dentro do ambiente escolar. Às vezes, uma única palavra, ou um único gesto,
levará a destruição.

A escola se comprometeu a resolver a questão com os professores e alunos,


e passou tarefas para que ele fizesse em casa, mas ele começou a não conseguir
mais se concentrar.

Um dia em casa, ele estava bem, falante, jogando um jogo no vídeo game,
eu precisava ir a um almoço. O convidei para ir, mas ele não quis, e disse que
gostaria de ficar em casa.

Duas horas depois, recebo um telefonema da Isabela, e vou voando para


casa, já com uma ambulância, ela não me disse o que estava acontecendo, só me
disse que ele não estava bem. Quando cheguei, ela estava o mantendo vivo, com
respiração boca a boca e massagem cardíaca.

Mikhael começou a ter amizades tóxicas, que ofereceram bebida a ele,


mesmo sabendo que ele era um paciente de risco, e que não podia beber, pois
alterava os medicamentos que ele tomava.

147
Mais um alerta aos amigos: Se você sabe que seu colega está em tratamento,
não ofereça bebidas e nem drogas a ele, ele está doente mentalmente, e isso
poderá trazer muitos riscos a ele.

E ele mentia até para os amigos, dizendo que os pais haviam liberado
bebida, e que até compravam para ele. O que seria um absurdo.

Mikhael começou a ter outras doenças associativas, além da depressão


(Distúrbio mental caracterizado por depressão persistente ou perda de interesse
em atividades, prejudicando significativamente o dia a dia), e Borderline (as
características principais incluem o medo do abandono, relacionamentos intensos
e instáveis, explosões emocionais extremas, comportamento autodestrutivo e
sentimento crônico de vazio), tais como:

Bulimia (não se alimentava). Anorexia (vomitava o que comia). Alcoolismo


(bebia escondido). Fumante (fumava mais de 10 cigarros ao dia – terapia do dano
menor). Síndrome de Electra (queria a minha atenção de forma exclusiva,
chegando a agredir verbalmente a Isabela, caso ela se aproximasse). Distúrbios de
personalidade / transtorno dissociativo de identidade (não sabia mais se ele era
menino ou menina, e nem quem ele era). Falava sozinho (por muitas vezes). Tinha
muitos surtos (onde chorava e falava somente em inglês). Automutilação
(cutting).

Se tornou agressivo por algumas vezes, ao ponto da Isabela ter ficado com
medo de ficar sozinha com ele. Estava em internação doméstica saia com o aval
da psicóloga, que achava que ele tinha que ter uma vida social controlada.
Algumas vezes a psicóloga fez o papel de acompanhante terapêutica.

148
Vocês podem se perguntar, e por que não o internaram novamente?

A internação vem de pedido médico, e não dos pais. A ordem médica é: ele
só pode ser internado se tentar contra a vida dele ou de outra pessoa. Por isso, foi
internado quando tentou o suicídio e se cortou.

Como no dia 20 de dezembro ele havia se cortado (tentado contra a vida),


ele mesmo já estava ciente que seria internado, e ele mesmo fez a mala, para caso
realmente fosse.

*****

Mikhael sempre foi de escrever, ele sempre teve diários. O diário que
apresentamos a vocês foi o que ele produziu na clínica até os últimos dias. E
todas às vezes que ele produzia textos no diário, informávamos a terapeuta sobre o
conteúdo.

Este trecho abaixo, foi retirado do diário anterior à clínica. Fomos ao


shopping, vimos um filme, e foi um dia muito bom. Ele estava reclamando da sua
aparência, estava com muitas espinhas, devido à adolescência. Incentivei-o a
entrar na loja de cosméticos e escolher algo que pudesse acalmar a pele, tratar e
cobrir um pouco, para ele se sentir melhor. E ele se sentiu confiante, orgulhoso de
si mesmo, pois pode escolher sozinho sem a minha presença.

Como era bom ver ele animado! Sempre fazíamos estes passeios só nós
dois. Meu melhor amigo.

28/03/2018 – 17h31

149
Eu não poderia estar mais feliz agora, o filme foi impressionante, “A vida é
uma festa”, e depois que terminou nós fomos na Sephora comprar alguma coisa
para cobrir a minha pele com acne. Quando eu terminei de escolher percebi que
não tinha dinheiro para comprar o que eu queria, então meu PAI simplesmente
pagou tudo para mim.

Eu não estou emotivo porque ele comprou estas coisas para mim, eu estou
emotivo, pois ele está sendo o melhor pai de todos. Vendo ele aparecer na loja e
comprando as coisas para MIM, me emocionou.

Também o filme foi muito legal, não foi o melhor filme de todos, mas eu já
estava esperando por isso. No final a experiência valeu a pena!

*****

“O meu mandamento é este: amem-se uns aos outros como eu os amei.


Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos”.
João 15:12,13

Jesus não tinha túmulo, mas foi cedido a Ele. Assim como Deus, em Sua
Graça, nos permitiu ter um local para enterrá-lo com dignidade.

150
Depressão é uma doença grave. A doença do século. O número de suicidas
é alarmante, a cada 40 segundos alguém tira sua própria vida em algum lugar do
mundo.

Não se fala muito disso, pois acham que isso pode influenciar mais pessoas
a fazerem o mesmo.

E este silêncio só tem piorado as coisas...

Depressão, borderline, bipolaridade, esquizofrenia, transtorno de personalidade,


etc. São doenças conhecidas, estudadas e catalogadas. Têm CID (Classificação
Internacional de Doenças).

Queremos romper este silêncio.

Há tratamento e controle.

Em alguns casos, até há cura.

Mas, depressão não é “frescura”.

Depressão não é “demônio”

Depressão não é “preguiça”.

É uma enorme dor na alma.

Dor que muitos, por ignorância, não entendem e, pior, depreciam quem já
está deprimido.

151
Só quem perdeu um filho ou filha sabe o
que digo.

Não existem próteses para amputação da


alma.

Mas, Deus nos reconforta, através das


orações dos justos. Existe um propósito para tudo;
encontre-o.

Encontramos um dos propósitos, um ato imensurável de amor a nós e o


desejo desesperado de se livrar da dor dele.

O legado que ele deixou, expresso nas linhas de seu diário farão muitos
entenderem a dimensão desta doença.

Pais e mães, se notarem algum destes sinais em seus filhos, procure ajuda
médica:

v Conflitos com sua sexualidade (pode ser natural e normal, mas se vier agregado
a outros sintomas, pode haver algo por trás);
v Rendimento escolar cai;
v Deixar de cuidar de sua higiene pessoal;
v Passar muito tempo no quarto;
v Crises de choro;
v Fazer planos para o dia seguinte, mas na hora, não consegue sair da cama;
v Passam a comer mal – ou nem comer;
v Não conseguem terminar algo que iniciaram;
v Mudança abrupta de humor;
v Medo de ser abandonado(a);

152
v Auto mutilação;
v Entre outras.

Não é demônio – é um desbalanço neuroquímico...

Pode ser por herança genética ou um trauma na primeira infância.

Não há ainda nenhum dado conclusivo a respeito – mas, sabemos que o


apoio medicamentoso estabiliza os sintomas. Além de terapia – onde pode drenar
o abcesso em sua alma.

Costuma-se manifestar na primeira infância, início da adolescência ou


início da fase adulta – 21 à 30 anos.

Só quem vive pode ter uma centelha do que é


esta dor...

Não há parâmetros para comparação.

Cada dor é sentida e vivida de forma


diferente.

Dor tal que ele não suportou...

153
E acabou com sua vida no dia 22 dezembro de 2018.

Anelamos poder contribuir com milhares de jovens que passam por este vale.

Trazendo a eles, esperança e dizer que conhecemos em parte sua dor.

E também para dizer que há uma saída.

Lute pela vida, não desista!

Existe tratamento que o trará a uma vida normal novamente.

Peça ajuda!!!!

A alma grita, mas o corpo fica paralisado!

Queremos pode contribuir um pouco com pais que perderam seus filhos e
filhas, quer seja por suicídio, quer por acidente.

Como consolar?

Como responder as inúmeras questões que nos passam pela mente?

Os relatos que tenho recebido me emocionam... pois conhecemos parte


desta dor...

Muitas pessoas compartilharam suas experiências. Já que, falar disso em


alguns sistemas religiosos é um verdadeiro tabu.

O que, infelizmente, tem corroborado inclusive para tantos suicídios de


Pastores e Pastoras.

Não foi falta de fé deles, mas falta de amor nosso, muitas vezes.

154
Relatos de perdas

Caso 1:

“Sou grata a Deus pela sua vida, os seus vídeos e suas palavras têm me
ajudado muito. Perdi meu filho também por suicídio, ele foi diagnosticado com
transtorno bipolar, durante muito tempo lutei com ele, medicamentos e terapia,
mas sempre ele largava o tratamento.

Sempre foi um filho amoroso, trabalhador, honesto, fazia faculdade de


direito, passou em um concurso público aos dezoito anos .

Mas, dia 25 de setembro de 2017, aos 22 anos ele preferiu ir embora,


cometeu suicídio com tiro na cabeça.

E assistindo seu vídeo pude compreender o quanto meu filho me amava, e


queria me poupar por me amar tanto, e queria se livrar da dor tamanha que ele
sentia, cometendo esse ato.

A dor é grande demais, a saudade a cada dia é maior. Mas Deus nós ampara
e guia, nos mostrando pessoas como vocês que passaram pela mesma dor. E
vivemos com pessoas que ainda apontam o dedo e dizem: "você sabe que seu
filho foi pro inferno né?".

Quem somos nós pra julgar, sei que um dia ainda vou rever meu filho,
como vocês vão rever o seu. Graça e paz , e que Deus abençoe sua vida e da sua
família”. M.P

*****

155
Caso 2:

“Meus sinceros sentimentos ao senhor e sua esposa. É uma dor


insuportável, pois posso muito bem entender.

Meu amado e único filho também se suicidou, no fim de setembro de 2018,


com 16 anos. Não há palavras que confortem neste momento. Eu como mãe não
aguento a dor e está muito difícil pra aceitar tudo isso, pois perder um filho é
muito triste.

Obrigado Pastor Daniel, mesmo nesta situação dolorosa, por fazer este
vídeo tão emocional. Desejo ao senhor e toda sua família muita força de Deus e
Jesus. Sem Eles eu também já não estaria mais neste mundo, pois a dor que sinto
pela perda do meu filho é insuportável. Que Deus nos fortaleça e todas as pessoas
que também já tiveram que passar por isso ou estão passando”. A.A

*****

Caso 3:

“Sou também uma mãe enlutada pelo suicídio da minha única filha M.
Recebam o meu abraço, o nosso luto é o mais dolorido, por mais que tenhamos
lutado, perdermos essa guerra pela depressão, essa dor da alma. Sei que no fundo
eles queriam estar aqui com a gente , mas o sofrimento deles os venceu. Deus no
controle sempre”. C.M

*****

156
Relatos de Recuperação

Caso 1:

“Não sei exatamente quando aquelas trevas começaram, mas foi devagar...
até que um dia me dei conta que estava acorrentada, no meio do inferno.

É uma tarefa hercúlea explicar em palavras o que você sente, e o que você
vê quando tem depressão. Eu me sentia um cadáver ambulante, algo dentro de
mim corroía e queimava como fogo, e eu a chamava de a Dor. Não sei de onde
veio. Quando saía da escola atravessava a rua devagar, porque torcia ser
atropelada por um ônibus. De carro, não usava cinto, porque queria morrer em um
acidente. Comecei assim, mas depois de um tempo ficou pior.

Gostava de brincar com facas e fogo na esperança de me machucar.

Comecei a cortar os pulsos e no banho dava tapas no meu próprio rosto e


em todo o corpo. A dor interna me fazia criar dor física, no intuito de a fazer
acabar. Nunca funcionou. Ao longo do tempo acentuou-se meu transtorno de
ansiedade e desenvolvi transtorno do pânico e fobia social.

Tive episódios de despersonalização e quase pulei do último andar do


prédio da faculdade... e várias vezes precisei ser levada para o hospital. Mas sabe,
comecei um tratamento psiquiátrico.

Fiz terapia. Comecei exercício físico. Mas todas as mudanças que


ocorreram foram mínimas comparadas com a minha própria decisão de me
permitir, de dar uma chance a mim mesma.

157
Como diz o ditado, “se você estiver atravessando um inferno, não pare de
andar” e é isso que eu diria para as pessoas.

É difícil, mas você aprende a parar de ser um carrasco consigo mesmo,


você aprende a valorizar cada passo seu, você aprende a se apaixonar pela
existência e você aprende a treinar sua mente para ser sua aliada, e não sua
inimiga. Nunca deixei de ser humana, alguns dias são mais difíceis que outros, a
gente cai, chora... mas hoje, apesar de tudo, tenho paz. Hoje sou feliz.” A.S

*****

Caso 2:

“Prezada Eu Recuperada,

Se você está lendo isto é porque nós fizemos essa recuperação acontecer.
Eu quis que fosse você escrevendo esta carta para mim para me dar a certeza de
que farei isso - e alguns conselhos, se você puder. Eu acho que eu não tenho que
lhe dizer como é difícil, mas vou recuperá-la de qualquer maneira.

Tenho dias em que é muito difícil manter minha mente longe da dor. Eu
penso em voltar para os velhos hábitos, que nos ferem tanto. Eu tento me projetar
em você, mas você recuperada parece ainda algo muito obscuro e quase
inacessível. Eu imagino que você está lendo esta carta agora e pensa quão tola eu
sou (não ria, lembre-se que eu sou você); e isso é bom, porque você vai dizer que
eu estava errada e não havia necessidade de me torturar todas as noites com os
meus pensamentos.

Estou tentando imaginar como você (eu) estará no futuro.... Você ainda tem
as cicatrizes? Será que elas fazem você triste ou te tornaram mais forte? Você está
finalmente feliz ou você desistiu da vida? Eu tenho um monte de perguntas.

158
De verdade, eu penso em você, no futuro, como uma pessoa forte, agora que você
está recuperada e atravessou esse inferno de emoções e pensamentos negativos, de
medos e dores. Realmente, não importa se você tem as cicatrizes; elas vão ser
como medalhas no peito de um soldado. Eu quero e preciso acreditar que você
conquistou a batalha que você foi e é capaz de fazer coisas incríveis em sua vida;
porque não há nenhuma batalha mais difícil que eu tenha conhecido do que esta
de lutar contra uma doença invisível que mata lentamente. Eu só quero pedir-lhe
mais uma coisa. Nunca esqueça a dor que eu estou sentindo agora. Não se debruce
mais nela, mas mantenha o seu coração sensível à dor dos outros. Eu quero que
você deixe vestígios de esperança por onde você for – esperança de que podemos
iluminar essa escuridão que estamos a atravessar. Quero olhar para você e
conhecê-la um dia, não tão longe no futuro, e ter orgulho de você, não só porque
você fez isso, mas porque você ajudou outros também. E o mais importante, eu
quero que sejamos a mesma pessoa: recuperada, compreensiva e mais forte do que
nunca”. Obrigada” A. F

*****

Caso 3:

“E muito triste isso... Faz 4 anos quando tentei o suicídio... porém sou
julgada até hoje por muitos "cristãos", sei que todos os nossos atos tens suas
consequências...

Tenho total consciência disso e não me vitimizo por isso...porém vejo que a
"igreja" não sabe o que é perdão e o amor, está sempre pronta a julgar e a
condenar. Enrustida de preconceitos e ódio... triste isso.

Mas é o que estamos vivendo nestes últimos dias...” M.M

159
Palavras de quem conheceu o Mikhael

“Meu amado neto dizer-lhe adeus foi o


momento mais terrível da minha vida, jamais
esquecerei suas palavras – “Vovó eu amo você”.

Sua memória viverá sempre através do meu


amor e das minhas eternas saudades ...

De sua avó que continuará te amando para sempre ...”

Regina (avó)

*****

“Meu querido sobrinho

Quero deixar registrado o quanto foi importante na minha vida, sempre


sendo uma pessoa do bem e muito carinhoso com todos, não tinha interesse nas
suas amizades, era uma pessoa autêntica, verdadeira, dizia o que pensava e não
ligava para o que os outros iriam dizer a seu respeito, inclusive, tinha se tornado
vegano, por causa do amor que tinha pelos animais, preferia adoção à compra, sua
personalidade era ímpar.

Saiba que seu nascimento foi a melhor coisa que aconteceu em nossa
família, desde pequeno já demonstrava sua imensa felicidade em nos ver, vinha
correndo quando nos via chegando e dava aquele abraço tão gostoso, pura
demonstração de um amor sem falsidades. Queria ter proporcionado a você
muitos outros momentos felizes, como aqueles em que fomos juntos ao Ibirapuera

160
andar de skate, nossa caminhada na feira de artes, de Embu das Artes, como era
bom estar ao seu lado...

Meu sobrinho se foi, e a dor que sinto é muito grande, não consigo acreditar
que isso é real, sei que agora está lá em cima ao lado de Deus, olhando por nós.
Dói muito saber que nunca mais poderei ver seu sorriso ou sentir seu abraço. Que
a força e a fé estejam ao meu lado para superar este momento de tristeza.
Descanse em paz, meu sobrinho, e saiba que você jamais será esquecido, será
eternamente recordado como um ser bom e maravilhoso. Tínhamos combinado de
fazer uma viagem assim que estivesse melhor, mas por infelicidade do destino não
foi possível. Sei que estava passando por momentos difíceis na sua vida, mas
acreditava que iria suportar e sair, voltando a viver uma vida normal, com
liberdade e sem preconceitos. Fique em paz. “

Laercio (tio)

*****

“A vida é mesmo tão frágil...

No último encontro que tivemos, demos risadas, falamos sobre seus planos
para 2019, senti uma esperança de que você estava se recuperando, na despedida
me falou: “precisamos nos ver mais”, e me deu aquele abraço apertado, tão sua
marca, sempre foi assim; desde pequeninho.

Infelizmente, não vamos nos ver mais para fazermos aquela viagem de
aventuras, trilhas e cachoeiras, que combinamos tanto.

Como adoraria poder voltar o relógio e ter mais um encontro, teria tanta
coisa pra lhe falar!

161
Você era tão gentil, amoroso, inteligente e muito corajoso! Infelizmente, foi
essa coragem que levou você a interromper sua vida de forma trágica e cedo
demais...

Se a vida é mesmo tão frágil, você nos seus quinze anos, nos ensinou que o
amor verdadeiro está nos gestos simples, nunca pedia nada, mas sempre oferecia
um sorriso e um abraço tão verdadeiro.

Mikhael, a saudade é imensa, do tamanho do amor que sempre terei por


você...

Que os anjos estejam ao seu lado, te oferecendo a paz, que você tanto
buscou nesta vida ...”

Adriana (tia)

*****

"Uma luz se apaga para iluminar o caminho de muitos que aqui ficam.

Agora, nas mãos de Deus, fico muito tranquilo em saber que sua jornada
será de muita paz.

Te amarei eternamente..."

Maurício (tio)

*****

162
“Querido Mikhael

Quando me casei com o seu tio, automaticamente me tornei sua tia e, com
essa pequena palavra, o ônus do amor incondicional.

Quando te conheci, ah... como foi fácil te amar! Foi amor à primeira vista!!
Você tinha um jeito tão cativante, inteligente, bondoso e irônico, que a sua
companhia era um deleite para o coração e a alma.

Lembro de você com carinho todos os dias e agradeço pelos momentos tão
maravilhosos e únicos que tive o prazer de vivenciar ao seu lado. O céu ganhou
um anjo.

Te amo meu primeiro sobrinho, Mikha! Sentirei muito a sua falta! Você era
único!”

Nani (tia)

*****

“Mikhael, menino lindo, que foi ao encontro de Deus cedo demais.

Desde esse triste dia, eu rezo a Deus, para que você esteja em um lugar de
paz.

Sua memória jamais será esquecida”.

Alda (tia)

*****

163
Mikhael, o sorriso dos seus olhos está gravado no meu coração para
sempre.”

Simone (prima)

*****

“Inicialmente, era um aluno que precisava saber um pouco mais de


matemática, mas como as relações da vida não têm a mesma exatidão dos
números, ao longo do tempo, somamos e multiplicamos respeito, admiração com
muitas trocas... enquanto eu ensinava matemática ele dividia comigo seu
conhecimento em inglês, numa expressão de pura solidariedade com a professora
que tinha o que aprender. Esse curto convívio me permitiu conhecer um jovem
alegre, educado, sensível e com muito interesse, subtraindo da minha vida
momentos de dor e tristeza e espero que eu tenha contribuído com ele nisso
também.

Essa partida deixou um profundo ensinamento sobre Mikhael, um jovem


que amava e respeitava seus pais, que lutava com muita coragem e sensibilidade
para sobreviver diante das controvérsias da vida e que primava pela felicidade de
todos.

Em nós fica a saudade, a doce lembrança de um convívio alegre e, ao


mesmo tempo, imprime uma marca, com a mesma clareza e lógica matemática,
quanto à necessidade de, em conjunto, reconhecermos o protagonismo dos jovens
na complexa construção de um mundo melhor.

Muitas saudades”

Angela (Professora de Matemática)

164
*****

“Mikhael, chegou de uma forma inesperada, carinhoso e de uma


sensibilidade linda, tive a honra de conhecê-lo quando ainda criança, muito
atencioso comigo, brincamos muito, um dia fui até sua casa e fez questão de
mostrar seus brinquedos preferidos, como imaginar que um dia isso tudo
acabaria?

Uma vez olhou para mim e me apelidou de Pokémon, não conheço os


personagens, mas ele disse que eu era o bichinho do desenho, o que era mais
carente rsrsrs ... rimos muito, pois sou mesmo rsrsrs, e desde então ficou esse
apelido pessoal!

Mikhael, sei que nos encontraremos em breve, não imagino o que você
tenha sentido, mas a sua luta tem sido a minha diariamente, obrigada por ter me
permitido fazer parte de um pedacinho da sua história, e olha só, seu pai e sua tia
estão sempre suprindo minha carência rsrsrs. Sem palavras, você é e foi especial.”

Débora (amiga)

*****

"Eu conheço o Mikhael há mais ou menos oito anos, o conheci na escola, e


no começo não éramos tão próximos, mas cada vez fomos nos aproximando mais.
Ele era daquele tipo de amigo que te ajudava sempre, quando eu estava triste ou
nervosa ele me abraçava e tentava me animar, era muito bom saber que ele estava
lá para mim, ele se importava comigo.

A gente sempre saia para conversar, ou só tentar se distrair desse peso que a
vida é, e ajudava muito, ficávamos conversando sobre tudo, nossos problemas,

165
ouvindo música e rindo de qualquer coisa, mesmo se não tivesse nada para fazer a
gente estava lá, só aproveitando a companhia um do outro.

Não tem como explicar, ele me ensinou coisas que eu nunca vou esquecer,
nós éramos melhores amigos, afinal. Ele conseguia fazer qualquer um ter um dia
melhor, e está sendo muito difícil acordar sabendo que eu nunca mais vou poder
ver o sorriso dele ou sentir seu abraço, a saudade dói muito, mas eu só espero que
ele esteja num lugar melhor e não sinta mais dor."

D. (amiga)

*****

“Começo dizendo que a morte dele foi a perda de uma pessoa engraçada,
meiga, forte e que fazia meus dias melhores, meu melhor amigo. Nós viramos
amigos no sexto ano, éramos grudados, como carne e unha.

Quase todas as sextas saíamos e íamos andar de bicicleta, jogar vídeo game,
comer pizza e eram os melhores momentos da minha vida, ele era um pontinho de
luz, energia e alegria, uma pessoa que sabia ouvir, sabia falar, sabia cuidar, amar,
sonhar e tudo o que você possa imaginar.

Passamos momentos inesquecíveis juntos.

A adolescência chegou e com isso seus problemas se manifestaram mais


intensamente, mas no fundo eu sabia que ele ainda estava lá, como um pontinho
de luz na escuridão.

Eu o conhecia, eu o amava e entendia que apesar de todos os problemas


graves que enfrentava, era cheio de amor, esperançoso, tinha os olhos agitados, o
toque leve e o abraço apertado.

166
Ele tinha planos para o futuro, ele era como qualquer um de nós, lutava
pelo que queria. Eu me lembro dele falando o quanto estava animado pra voltar
pra escola, pra fazer cursos, sempre esperançoso, ansioso, muito forte.

Fizemos tudo o que podíamos, tudo mesmo, mas infelizmente, o outro lado
venceu.

Nunca vou esquecer dele e dos nossos momentos em seu pequeno tempo de
vida. Ele era luz, carinho, felicidade, esperança.

Eu desejo força a todos os seus amigos e familiares, obrigada por me


deixarem experimentar essa mistura tão louca e doce que era o Mikhael, meu
melhor amigo.”

L. (amiga)

*****

“Me lembro bem quando soube que chegaria um novo aluno na sala, e
minha mãe me falou para te receber, para que não se sentisse sozinho...

De repente, viramos melhores amigos, ganhei um amigo bondoso,


generoso, engraçado, carinhoso e cada minuto com esse amigo era especial e
cheio de coisas boas, e foi assim durante esse tempo todo.

Todos os momentos que passamos juntos foram especiais, e sou muito grata
a Deus por isso, porque sempre terei lindas histórias pra contar, que tive com meu
verdadeiro melhor amigo...

Os desenhos do Scooby Doo, nunca mais serão os mesmo sem você!!!

167
Sentirei muita saudade... Te amo pra sempre... “

R. (amiga)

*****

“Eu não falei nada porque eu não sabia o que falar, o que fazer, o que
sentir.

Não dá pra voltar no tempo, não dá pra apoiar mais, conversar mais, mas dá
pra rezar, dá pra desejar o melhor agora pra você, dá para lembrar das melhores
partes, das risadas, das conversas, do quanto você foi e é importante.

Mikha, eu te amo tanto, e eu sei que poucas pessoas tiveram o privilégio de


conhecer essa pessoa LINDA que você é por dentro, obrigada por ser UM
AMIGO INCRÍVEL!

Nossas brincadeiras são as melhores, e sempre deixou as pessoas que ama


em primeiro lugar.

Espalhem amor, luz !!!! Isso muda as pessoas.”

T. (amiga)

*****

“O Mikhael sempre foi um grande amigo meu, ter a amizade dele, era um
privilégio.

Era um menino expansivo, extrovertido, sua alegria, sua risada era


contagiante.

168
Era um menino super inteligente, se expressava de uma maneira
impressionante.

Passamos por momentos inesquecíveis, muito felizes, e são apenas essas


memórias que levo pra sempre no meu coração.”

M. (amiga)

*****

“Conheci a pessoa alegre e sensível, conheci uma pessoa incrível que


animava todo mundo e sempre aparecia com um sorriso no rosto.

A primeira vez que encontrei com ele, foi a melhor. Eu não estava muito
bem no dia, e ele viu, só ele viu. Quando nós estávamos sozinhos ele olhou no
meu olho e me disse que estava tudo bem, que tudo passa, mesmo não sabendo o
que tinha acontecido.

Eu queria ter dito isso a ele.

Ele foi meu alerta, agora eu senti na pele a realidade, pessoas tem
problemas e mesmo assim alegram os outros, mesmo assim mostram felicidade,
sorriem, conversam e dançam.

Eu não aceitei ainda que ele se foi, ele estava em tudo, presente sempre e
era tão amado. Eu senti muito, mesmo não sendo próxima, eu nem sei se ele
lembrava de mim, mas eu sempre lembrei. Queria ter convivido um pouco mais,
conversado um pouco mais, queria ter ajudado e ter dado um abraço pra ele
lembrar que nunca esteve sozinho. Mas tudo acaba, e acabou, acabou e ele
continua aqui. Eu não entendo a dor dele, mas espero que tenha passado e que
tudo esteja bem.”

169
M.F (colega)

*****

“O Mikhael era uma pessoa que sempre transmitia alegria e felicidade para
mim e acredito que para todos os amigos com quem ele convivia.

Eu sempre que estava mal ou mais ou menos, ele me animava, me fazia


sorrir, rir, e me divertir.

Ele não era de se abrir muito conosco, raramente falava de seus problemas
comigo, ou com os outros, mas mesmo triste, ele aparecia para a gente com um
sorriso no rosto, tentando fazer a gente se divertir.

Para mim, o que deixou mais marcado em minhas memorias, é que o Mikha
foi meu amigo durante nove anos, e ele sempre me considerou como uma amiga,
com quem ele podia contar. Mesmo brigando várias e várias vezes, por razoes
bobas ate, a gente sempre acabava voltando, e se falando, e saindo juntos.

Eu, particularmente, não tenho um número relativo de amigos com quem


posso/podia contar para chamar para sair e me divertir. O Mikha era um amigo...
não, ele era um melhor amigo, que eu sabia que se eu quisesse sair, eu poderia
contar com ele.

Não tem como resumir tudo o que o Mikhael foi, mas posso-lhes dizer que
ele era um menino de ouro, e o céu ganhou uma estrela muito brilhante e linda,
para nos iluminar nos dias ruins.”

B. (amiga)

*****

170
“Que lindo sorriso. Ainda me lembro da primeira vez que conheci o
Mikhael. Ele veio fazer um teste de nível na escola e sentou na minha frente,
super confiante. Fiquei surpresa ao ver que ele falava e conversava em Inglês,
com tanta tranquilidade. Ele estava confortável. Me contava o seu passado, o seu
futuro. Ele tinha sonhos e desejos, como qualquer menino da sua idade. Mas,
naquele momento, o que me chamava a atenção, era a facilidade com o Inglês. Era
um talento que havia nascido com ele.

Se encantou com a sua própria habilidade. Queria aprender, queria ensinar.

Passava pelas salas de aulas, e conseguia apenas ver as conversas com


risadas e sorrisos. Um menino charmoso, muito inteligente. Sempre sentia algo
diferente nele.

Ficam as boas lembranças, um doce sorriso.

Tocou no coração de muitas pessoas, e deixa esperança e força para aqueles


que sentem a mesma dor, o mesmo sofrimento.

You will be dearly missed.”

NK (escola de inglês)

*****

“Mikha foi de cara a pessoinha que mais me chamou atenção quando


cheguei para trabalhar na escola, tão doce, leve, de uma educação ímpar! Sempre
carinhoso, amável e companheiro. No último ano dele na escola (nono ano),
lembro-me de um dia o ver super agitado, no intervalo me procurou para pedir
ajuda de qual flor comprar, para presentear seu Papa, porque era aniversário
dele... e como o amava! Eternas saudades do meu arco-íris!”

171
Maria (escola)

*****

“Mikhael era um anjo, Deus nos presenteou com sua vida em nossas vidas.

Sempre meigo, desde bebê, fascinado pelo filme Carros e Scooby-Doo.


Logo que começou a falar, quando via um carro, ele já dizia qual era o modelo e
marca, era um talento dele, memorização.

Sempre feliz, alegre e cativante. Esbanjando alegria aonde fosse. E uma


educação fora do comum: “Prazer em te conhecer”, era o que ele sempre dizia e
em pouco tempo ele já vinha com algum elogio: “Seu cabelo é lindo” ou “Você é
muito legal”. Tinha dentro dele uma vivacidade enorme.

Suas falas sempre com uma pitada de humor, que nos faziam rir, pois como
podia uma criança fazer isso de forma tão fofa e natural?

Quando era surpreendido, arregalava bem seus olhos, aí podíamos ver que
eram castanhos esverdeados, mas quando nasceu era um azul lindo, que mais
parecia o mar.

Quando ele entrou na escola, pensávamos que ia chorar, mas não, acenou e
entrou feliz da vida. Já começou a se interessar pela língua inglesa, voltava feliz
cantando uma nova música que aprendera.

Mikhael era das artes, gostava de dançar e de atuar. Fez aulas de dança,
patinação artística, circo, e teatro, e em uma apresentação de uma peça se
destacou, com seu jeito engraçado. Foi protagonista e nós babamos.

172
Gostava de nadar e sabia os quatro estilos. Fez algumas
aulas de judô, mas era da paz, pediu para sair, pois não queria
machucar ninguém.

Ele me chamava de Ti, e eu muitas vezes fui sua


confidente e muitas vezes ele foi meu confidente. Meu
parceiro. Ríamos muito, não permitia que ele no tempo que
estivesse ao meu lado, ficasse triste por algum motivo, fazia cócegas nele para
sempre ver o seu sorriso lindo.

Meu bebê, meu menino!

Em tão pouco tempo de vida, eu traria inúmeras histórias dele, pois ele foi e
é especial, tão especial que o Pai o recolheu.

Apaixonado por animais, e principalmente pelos seus, se tornou


vegetariano, não se permitia comer bichinhos.

Eu me lembro dele com seus cinco anos, me explicando que a água do


mundo iria acabar se não tomássemos cuidado. Ele com seu jeito sério de falar,
quando acreditava em alguma causa. Era a coisa mais linda!

Um dia, ele me trouxe um anel azul de plástico, e me pediu em namoro, e


prontamente aceitei, não podia desperdiçar um bom partido..., e guardo até hoje
este anel, pois sei que foi um ato de amor, assim como todas as cartinhas e
desenhos.

Tinha inúmeros amigos, muitos, muitos ....

173
Falava com todos, e amava a todos. Não via maldade nas pessoas, e por
isso, às vezes sofria quando alguém fazia ou falava algo que não ia de encontro a
sua índole.

Achava que o mundo era bom, que todos eram bons, e sempre tinha uma
explicação para o que acontecia... era um defensor.

Na escola tinha pavor das aulas de matemática e geometria, me falava:


“Não vou precisar disso Ti, vou ser fotógrafo”, aí enquanto ele crescia, ele
mudava as profissões: “vou viajar pela bola azul” (ser mochileiro), “vou ser
professor de inglês”, “quero ter uma escola de inglês”.

Tudo o que o Mikhael quis, ou pensava, apoiávamos, não tínhamos


barreiras, só queríamos ele feliz, independente de qualquer coisa. Sempre
dizíamos: “você pode ser quem quiser”.

O brilho dele foi se apagando com a doença, como uma estrela, mas no meu
coração ele brilhará para sempre.

E todos os dias em que ele me perguntava, “quanto você me ama Ti?”, eu


sempre respondia “meu amor é infinito, te amarei eternamente, meu lindo”.

E honrarei minha palavra: “Te amarei para sempre, minha vida”.

Saudades eternas, está doendo muito, mas com a certeza de que você está
bem e feliz ao lado do Pai.”

Sua Ti /Luciana (prima/tia/mãe)

*****

174
Para você que passa por isso saiba: você não está sozinho nesta luta!

É necessário viver o luto... Alguns preferem o isolamento, como nosso


caso. Outros preferem estar cercados de amigos ou familiares... Há que opte por
fazer uma viagem.

Queremos dar um panorama clínico desta doença do século.

O que é depressão?

“A depressão é um transtorno mental caracterizado por tristeza persistente e


pela perda de interesse em atividades que, normalmente, são prazerosas,
acompanhadas da incapacidade de realizar atividades diárias, durante pelo menos
duas semanas.

Além disso, pessoas com depressão, normalmente, apresentam vários dos


seguintes sintomas: perda de energia, mudanças no apetite, aumento ou redução
do sono, ansiedade, perda de concentração, indecisão, inquietude, sensação de que
não valem nada, culpa ou desesperança e pensamentos de suicídio ou de causar
danos a si mesmas.

A depressão pode afetar qualquer pessoa.

Não é um sinal de fraqueza.

É um transtorno tratável por meio de psicoterapia, medicamentos


antidepressivos ou uma combinação de ambos.1”


1https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5372:depr

essao-o-que-voce-precisa-saber&Itemid=822

175
2

Padre Fábio de Melo sempre foi muito claro sobre a sua luta contra a
depressão e síndrome do pânico.

“Há um ano eu enfrentei crise de pânico e quadro depressivo. Foi o pior


momento da minha vida. Aprendi muito com tudo o que vivi. Tristeza não é
doença, mas, quando se estende no tempo, pode ser. É preciso estar atento à
duração dela em nós. Há muita ignorância no trato com pessoas depressivas. É
comum escutar que é frescura, exagero, falta do que fazer, quando de fato se trata
de um quadro depressivo. Só quem sofre sabe!”, disse Fábio de Melo. “Achei
importante compartilhar”, finalizou no Instagram3.

“O jornalista Ricardo Boechat revelou em 2015, que sofreu com a


depressão. Ele foi diagnosticado com a doença após sofrer um colapso minutos
antes de entrar no ar. O médico revelou ao apresentador que ele apresentava
sintomas do surto depressivo. "Quem cai em um quadro desses perde qualquer


2 https://www.minhavida.com.br/saude/temas/depressao
3 https://vejasp.abril.com.br/blog/pop/padre-fabio-de-melo-depressao/

176
condição de ficar ativo, de pensar as coisas mais simples. É como se a pessoa
morresse ficando viva", desabafou por meio de relato na BandNews Fm”.4

Filmes que tratam do tema ou que mostram personagens com


características depressivas:

v As horas (2001)
v The Babadook (2014)
v Melancolia (2011)
v As virgens suicidas (1999)
v As horas (2002)
v As Faces de Helen (2009)
v Ela (2013)
v As vantagens de ser invisível (2012)
v A felicidade não se compra (1946)
v Beleza Americana (1999)
v A liberdade é azul (1993)

*****

O que é síndrome de borderline?

Borderline é uma perturbação da personalidade, na qual predominam


comportamentos impulsivos, autodestrutivos, sentimentos de vazio interno e
mecanismo de defesa do ego muito primitivos.

Consiste em um transtorno fronteiriço (borderline = fronteira, em inglês)


com descargas afetivas impulsivas, na irregularidade e contradição nas relações


4 https://www.minhavida.com.br/bem-estar/materias/33686-6-famosos-que-ja-tiveram-

depressao-e-contaram-como-e

177
afetivas, na insegurança a respeito da própria identidade, nas disforias e,
ocasionalmente, nas ideações delirantes, apesar de faltar a confusão
esquizofrênica.

Avassaladores sentimentos imaginários de abandono e terrível


desmoronamento do ego, desintegração da identidade e da autoimagem. São
impulsivos, mantêm suas relações interpessoais como um elástico que se tensiona
ao máximo, as suas emoções e humor são fios desencapados em curto-circuito.
Sentem-se esburacados e autolesionam a pele para aplacar a dor da alma, sempre
encharcados pela sensação, quase nunca real, de perda de pessoas que lhes são
queridas. Assim, viveu o inferno psíquico, de Amy Winehouse e muitos outros no
mundo.

They tried to make me go to rehab/ But I said no, no, no (Eles tentaram me
fazer ir para a reabilitação/Mas eu disse não, não, não), a inglesa Amy
Winehouse, cantora de Soul que teve o auge de sua carreira com o lançamento do
álbum Back to Black em 2006, com a música Rehab, resume com precisão a
autodestruição que Amy procurou através do não tratamento, bebidas e drogas. Os
transtornos mentais e comportamentais devidos ao uso de substância psicoativa,
foi algo visível, concreto e palpável na vida de Amy, e de seu Transtorno de
Personalidade Borderline, o que tornou uma de suas marcantes características.

Esse transtorno de personalidade pode ser causado por:

Predisposição genética, ou seja, se uma pessoa da família tem esse


transtorno, existe a probabilidade de um parente próximo desenvolver esse
distúrbio.

178
Experiências traumáticas na infância ou em outra fase da existência, podem
desencadear essa síndrome, dependendo da sensibilidade e predisposição mental e
emocional da pessoa.

Separações bruscas de entes queridos, seja por rompimento afetivo ou


morte, que causaram muita dor e sofrimento para a pessoa.

Bullying ou abuso psicológico ou sexual, em algum momento da existência


do indivíduo.

Vivência de situações de terror e pânico, que deixaram marcas emocionais


muito fortes e profundas.

Problemas neurológicos como uma disfunção cerebral em partes do cérebro


que estão relacionadas com as emoções, podem causar o surgimento desse
transtorno.

Algumas características de pessoas com a Síndrome de borderline


(lembrando que essas características por muitas vezes estão associadas, não se
apresentam de maneira solitária):

v Hiperatividade emocional;
v Emoções dúbias e conflitantes;
v Instabilidade afetiva;
v Humor e equilíbrio emocional em constante oscilação;
v Ira intensa e inapropriada;
v Agitação física;
v Sentimento de vazio ou tédio;
v Sentimento de ódio, ira e vergonha em relação a si mesmo;
v Incapacidade de manter os pensamentos estáveis;

179
v Dificuldade de aprender com as experiências passadas;
v Autoimagem instável e com características extremas;
v Sentimentos crônicos de vazio;
v Pensamentos antecipados de abandono;
v Temor excessivo de sofrer rejeição;
v Seus objetivos e valores acompanham suas instabilidades emocionais e
afetivas;
v Não suportam ficar sozinhos;
v Dificuldade de concentração;
v Seus pensamentos tendem a seguir um padrão rígido, inflexível e
impulsivo;
v Pensamentos envoltos em auto reprovações e autocríticas;
v Baixa tolerância a frustração;
v Ideias paranoides transitórias; despersonalização, perda de senso de
realidade ou sintomas dissociativos;
v Aborrecimentos frequentes;
v Necessidade de controle externo;
v Padrões de aparência oscilante;
v Nível de energia física incomuns, que se manifestam em explosões
inesperadas de impulsividade;
v Brigas e conflitos frequentes;
v Comportamento recorrente de automutilação ou tentativa de suicídio;
v Relações interpessoais intensas e caóticas;
v Dependência excessiva dos outros;
v Boa adaptação social superficial;
v Tendência a fazer passeios solitários para tentar refletir sem influência ao
redor;
v Comportamentos frequentes para proteger-se de possíveis separações
afetivas;

180
v Chantagens emocionais constantes e atos de irresponsabilidade;
v Comportamento paradoxal em suas relações interpessoais;
v Frequente comparação a outros, com uma visão autodepreciativa;
v Dificuldade em expressar suas necessidades e sentimentos;
v Distúrbios alimentares (anorexia e/ou bulimia);
v Distúrbios sexuais e dificuldade de enquadramento com o seu gênero
devido ao distúrbios de personalidade;
v Facilidade em serem influenciados e manipulados, assim como tendência a
manipular as pessoas ao seu redor para ter controle externo das situações;
v Estilo de se vestir variável e instável.

Tratamento:

O tratamento é feito majoritariamente através de psicoterapia, podendo ser


associada a medicamentos estabilizadores de humor, antidepressivos e
antipsicóticos. Outro método para tratar é o internamento em clínica psiquiátrica
quando o paciente está passando por muito estresse e seus impulsos
autodestrutivos e suicidas estão mais acentuados.

Devido aos problemas com autoimagem e impulsividade, diversas áreas da


vida de um borderline podem ser afetadas. As complicações podem aparecer na
carreira, relacionamentos, educação, entre outros.

Algumas das possíveis complicações são:

v Mudanças de emprego ou demissões frequentes;


v Largar a faculdade, nunca se graduar;
v Problemas com a lei, incluindo possibilidade de prisão;
v Relacionamentos conflituosos, divórcio;
v Automutilação e internações frequentes;

181
v Envolvimento em relacionamentos abusivos;
v Gravidez não planejada;
v Infecções e doenças sexualmente transmissíveis;
v Acidentes automobilísticos;
v Lutas físicas;
v Overdose de medicamentos;
v Tentativas de suicídio.;
v Dependência química e/ou alcoólica.

Automutilação:

As mutilações não ficam aparentes, geralmente a pessoa esconde estes


ferimentos usando roupas de manga comprida e calças mesmo no calor. Evitam
usar roupa de banho, mesmo que em clubes, praias ou piscina.

Cortes, queimaduras, furos são indícios de dor emocional intensa.

Verificamos uma série de comunidades virtuais que incentivam este


autoextermínio, e orientam como esconder dos pais e amigos.

"Comecei com 11 anos. Era uma forma de expressar a vergonha que


tinha de mim mesma em meu corpo. Era como colocar para fora o jeito com que
me sentia. Eram tantos sentimentos conflitantes. A única maneira de
conseguir aliviar minhas dores na hora era de machucar a mim mesma", disse a
cantora e atriz Demi Lovato.

Depois deste relato, muitos jovens conseguiram falar com seus pais sobre o
assunto, pois tiveram na cantora uma espécie de espelho, Demi Lovato foi
internada algumas vezes, para tratar os distúrbios alimentares, as automutilações,
e os pensamentos suicidas.

182
Shirley Manson, vocalista do Garbage, falou sobre a época em que teve
depressão, no início da vida adulta, por meio de um artigo publicado no New York
Times.

“Eu tive um inimigo. Eu tinha uma faca. E o futuro era nosso. O problema,
é claro, de qualquer prática de autoflagelação é que, uma vez que você escolha se
entregar a ela, fica melhor, mais eficiente. Eu comecei a me machucar mais
regularmente. Os cortes foram mais profundos. Eu escondi as cicatrizes sob
minhas meias e nunca dei uma palavra sobre isso para ninguém. Eu comecei a
namorar uma pessoa amorosa e respeitosa que também passou a ser um incrível
comunicador. O corte parou abruptamente. Eu estava sofrendo de extrema
“síndrome do impostor”, constantemente me medindo contra os meus colegas,
sinceramente acreditando que eles tinham feito tudo certo e eu tinha conseguido
tudo muito errado. A angústia mental que eu estava infligindo a mim mesmo era
extrema e me tirou da cabeça. Em momentos histéricos e extremos, achei que, se
conseguisse colocar minhas mãos em uma pequena faca, isso traria algum alívio e
eu seria capaz de lidar com o estresse. Hoje tento permanecer vigilante contra
esses velhos padrões de pensamento”.

Pais e responsáveis: converse com o seu filho (a), tente entender o que ele está
pensando, o que está sentindo, o que está angustiando. Muitos relatam alívio ao
fazer isso com o seu próprio corpo, mas isso é um sinal de ALERTA. Procure
ajuda psiquiátrica. E guarde objetos pontiagudos.

Genética:

183
A Síndrome de Borderline é cerca de cinco vezes mais provável de ocorrer
se uma pessoa tiver um familiar próximo (parentes biológicos de primeiro grau)
com o transtorno.

Famosos diagnosticados com Síndrome de Borderline:

Entre os casos mais conhecidos está Amy Winehouse, Lady Di, Britney
Spears, Angelina Jolie, Hugh Laurie (o famoso Dr. House), Jim Carrey
(diagnosticado Bipolar com Transtorno Borderline), Woody Allen, Brandon
Marshall, Kurt Cobain, Winona Rider e Christina Ricci (a garotinha da família
Adams).

Filmes que tratam do tema ou que mostram personagens com


características borderline:

v Allure (2017)
v Borderline (2008)
v Geração Prozac (Prozac Nation, 2001)
v Sete dias com Marilyn (My Week with Marilyn, 2011)
v Garota Interrompida (Girl, Interrupted, 1999)
v Gia – Fama e Destruição (Gia, 1998)
v Atração Fatal (Fatal Atraction, 1987)
v Mulher Solteira Procura (Single White Female, 1992)
v Monster – Desejo Assassino (Monster, 2003)
v Margot e o Casamento (Margot at the Wedding, 2007)
v Bem-vindos ao meu mundo (Welcome to Me, 2014)
v Betty Blue (37°2 le matin, 1986)
v Jovens Adultos (Young Adult, 2011)
v Sybil (2007)

184
*****

Suicídio:

“A cada 40 segundos, alguém no mundo interrompe a própria vida.


Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS – março de 2018), o número de
óbitos autoprovocados é significativamente maior que aqueles causados por
homicídio: 800 mil por ano, contra 470 mil. Na faixa etária entre 15 e 29 anos, o
suicídio já é a segunda causa morte por atos violentos no mundo. Só não mata
mais que o acidentes de trânsito.

Uma revisão de casos conduzida pela OMS com dados de 15.629 suicídios
ilustra bem essa situação: 35,8% das vítimas tinham transtorno de humor; 22,4%
eram dependentes químicas; 10,6% tinham esquizofrenia; 11,6%, transtorno de
personalidade; 6,1%, transtorno de ansiedade; 1%, transtorno mental orgânico
(disfunção cerebral permanente ou temporária que tem múltiplas causas não
psiquiátricas, incluindo concussões, coágulos e lesões); 3,6%, transtorno de
ajustamento (depressão/ansiedade deflagradas por mudanças ou traumas); 0,3%,
outros distúrbios psicóticos, e 5,1%, outros diagnósticos psiquiátricos. Os 3,1%
restantes não significam ausência de doença mental, mas a falta de um diagnóstico
adequado.

O Brasil não tem um plano nacional de prevenção de suicídio, documento


previsto apenas para 2020, quando o país deverá comprovar redução de 10% na
taxa de suicídio, conforme compromisso firmado com a OMS. O primeiro boletim
epidemiológico sobre o tema, porém, mostra que a realidade brasileira caminha na
direção contrária. Lançado no ano passado, durante a apresentação da Agenda

185
Estratégica de Prevenção do Suicídio, o levantamento mostra que a taxa em 100
mil aumentou de 5,3, em 2011, para 5,7, em 2015.”5

Um levantamento mostra que muitos atos foram cometidos por jogos ou


desafios na internet, o que mostra que nem sempre o suicídio está associado a uma
doença mental.

Pais e responsáveis, acompanhem de perto o que seus filhos assistem na


internet, não é uma invasão de privacidade e nem desrespeito, é um cuidado
para eliminar um risco.

“As ligações de prevenção de


suicídio feitas para o Centro de Valorização da
Vida (CVV), por meio do número 188, passaram
a ser gratuitas para todo o Brasil desde 1º de
julho de 2018, após assinatura de um convênio
com o Ministério da Saúde.

O CVV é uma associação civil sem fins


lucrativos que trabalha com prevenção ao suicídio, por meio de voluntários que
dão apoio emocional à todas as pessoas que querem e precisam conversar. Eles
recebem treinamento adequado e não precisam ter formação em psicologia. Todas
as ligações são sigilosas.”6 e 7


5 https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/ciencia-e-

saude/2018/06/24/interna_ciencia_saude,690529/suicidio-e-responsavel-por-800-mil-
mortes-anuais-e-avanca-pelos-paises.shtml
6 https://g1.globo.com/bemestar/noticia/2018/09/20/suicidios-aumentam-23-em-1-

ano-e-brasil-tem-1-caso-a-cada-46-minutos.ghtml
7 https://www.cvv.org.br/

186
As pessoas não querem acabar com a sua vida, elas querem acabar com
suas dores, aplacar a angústia e com o seu vazio.

A maioria das pessoas ainda alimenta a ideia de que alguém que recorre ao
suicídio é sempre uma pessoa adulta, que sofre por ter que lidar com graves
problemas. Esse tipo de pensamento somente serve para aumentar a displicência e
dificultar a prevenção do suicídio na infância e adolescência.

De acordo com a psicóloga Maitê Hammoud: “As estatísticas indicam que o


suicídio é mais frequente entre adolescentes e idosos. Os principais aspectos que
estão atrelados a este fato são: 8

v Por serem imediatistas, os adolescentes têm dificuldade de pensar a longo


prazo, o que serve para intensificar o sofrimento diante de traumas ou conflitos.
Rapidamente, a intensidade destas emoções pode evoluir para a sensação de
sentir-se sem opções para lidar com a dor;

v Por estarem em desenvolvimento, é característico da idade se identificar e


se vincular a subgrupos que esboçam suas futuras características de adulto
envolvendo afinidades e valores em comum. Por este comportamento, todo e
qualquer grupo fica vulnerável à exclusão e reprovação de outros grupos de sua
convivência, favorecendo o sentimento de inadequação e exclusão;

v Outra característica chave do desenvolvimento nesta idade é o repertório


para identificar e verbalizar suas emoções, algo que ainda está em construção. As
crianças e adolescentes dificilmente terão repertório e segurança para falar sobre
seus sentimentos e dificuldades com seus pais ou professores;


8 https://br.mundopsicologos.com/artigos/suicidio-entre-criancas-e-adolescentes-um-

drama-constante

187
v A violência e opressão característica do bullying também tende a despertar
a projeção de tais sentimentos e ideias de fracasso em sua família, ou seja,
mesmo que não existam cobranças e reprovações em seu núcleo
familiar, crianças e adolescentes tendem a fantasiar que em sua família
exista um sentimento velado de desgosto”.

*****

Fique atento ao que é dito nas entrelinhas, sejam verbal ou não verbal, escute o
que a pessoa tem a dizer, não menospreze o sentimento do outro, exercite a
empatia, respeite o tempo do outro ao falar – não interrompa – mostre que tem
interesse e preste atenção, busque apoio profissional, acolha e se faça presente
sem julgamentos. Nenhuma dor é comparada a outra, portanto, você não sabe
quanto o outro esta sofrendo.

*****

Não posso deixar de citar os mecanismos de auxílio e dar bases bíblicas


para que possam entender a extensão e profundidade do amor de Deus.

O famoso ator, vencedor de diversos prêmios em sua brilhante carreira –


Robin Williams tinha tudo que muitos procuram nas igrejas:

v Fama
v Reconhecimento
v Dinheiro
v Poder

Mesmo assim... ele se enforca em sua mansão...

188
Portanto, não está ligado a ser rico ou pobre. Esta doença no cérebro, assim
como temos no coração, no estômago, nos rins. Afeta muita gente!

Cérebro é um órgão como todos os outros e está sujeito a adoecer.

(Explicamos isso em mais detalhes em nosso livro – Alerta Geral –


Cura e Restauração do Corpo”)

O mesmo se repete em milhares de casos... Desde pessoas conhecidas até os


anônimos.

Queremos dar voz a estes que sofrem calados...

Alguns poderiam dizer: mas Daniel como você quer nos ajudar se não
conseguiu se ajudar?

Trazer esperança... e conforto.

Queremos te ajudar...

Jesus ouviu o mesmo:

“Os que passavam lançavam lhe insultos, balançando a cabeça e dizendo:


"Você que destrói o templo e o reedifica em três dias, salve-se! Desça da cruz, se
é Filho de Deus!" Da mesma forma, os chefes dos sacerdotes, os mestres da lei e
os líderes religiosos zombavam dele, dizendo: "Salvou os outros, mas não é capaz
de salvar a si mesmo! E é o rei de Israel! Desça agora da cruz, e creremos nele.”

Mateus 27:39-42

189
Paulo passou por muitas aflições:

v Naufrágios
v Apedrejamento
v Açoites
v Prisão
v Fome
v Frio
v Solidão

Na vida teremos aflições...

Por alguma razão, Deus não permitiu que Paulo curasse aquele que
considerava como um filho; Timóteo...

Em contraste a isso, um lenço de Paulo curava enfermos a distância.

São mistérios de Deus... Assim como Elizeu morreu da doença que tinha. O
grande Elizeu, porção dobrada de Elias!

Claro; não faremos apologia a suicídio. Só queremos que compreendam


esta dor...

Não sabemos tudo e nem entenderemos tudo.

"Não julguem, para que vocês não sejam julgados. Pois da mesma forma
que julgarem, vocês serão julgados; e a medida que usarem, também será usada
para medir vocês. "Por que você repara no cisco que está no olho do seu irmão, e
não se dá conta da viga que está em seu próprio olho? Como você pode dizer ao
seu irmão: ‘Deixe-me tirar o cisco do seu olho’, quando há uma viga no seu?

190
Hipócrita, tire primeiro a viga do seu olho, e então você verá claramente para
tirar o cisco do olho do seu irmão”. Mateus 7:1-5

"Nem todo aquele que me diz: “Senhor, Senhor”, entrará no Reino dos
céus, mas apenas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos
me dirão naquele dia: “Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? Em
teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?” Então eu
lhes direi claramente: “Nunca os conheci. Afastem-se de mim vocês, que
praticam o mal!” Mateus 7:21-23

Muitos religiosos irão ouvir esta terrível frase...

Sabe para quem Jesus disse isso? Para aqueles que se dizem cristãos.

Mas, não manifestam amor...

Só vaidade.

Julgamentos.

“Senhor, tu me sondas e me conheces. Sabes quando me sento e quando me


levanto; de longe percebes os meus pensamentos. Sabes muito bem quando
trabalho e quando descanso; todos os meus caminhos te são bem conhecidos.
Antes mesmo que a palavra me chegue à língua, tu já a conheces inteiramente,
Senhor. Tu me cercas, por trás e pela frente, e pões a tua mão sobre mim. Tal
conhecimento é maravilhoso demais e está além do meu alcance, é tão elevado
que não o posso atingir. Para onde poderia eu escapar do teu Espírito? Para
onde poderia fugir da tua presença?” Salmos 139:1-7

Só Deus pode julgar... E o Amor Dele nos persegue. Não há lugar para se
esconder, Ele te encontra. Mas, Ele é amor!!!!

191
O que nos separa deste Amor?

“E aquele que sonda os corações conhece a intenção do Espírito, porque o


Espírito intercede pelos santos de acordo com a vontade de Deus. Sabemos que
Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram
chamados de acordo com o seu propósito. Pois aqueles que de antemão
conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho,
a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou,
também chamou; aos que chamou, também justificou; ao que justificou, também
glorificou. Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será
contra nós? Aquele que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por
todos nós, como não nos dará juntamente com ele, e de graça, todas as coisas?
Quem fará alguma acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os
justifica. Quem os condenará? Foi Cristo Jesus que morreu; e mais, que
ressuscitou e está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos
separará do amor de Cristo? Será tribulação, ou angústia, ou perseguição, ou
fome, ou nudez, ou perigo, ou espada? Como está escrito: "Por amor de ti
enfrentamos a morte todos os dias; somos considerados como ovelhas destinadas
ao matadouro".

“Mas, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele
que nos amou. Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem
demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem
profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do
amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.”

Romanos 8:27-39

Nada pode nos separar deste amor. Nem mesmo a morte... Aqui não há
qualquer divisão do tipo de morte.

192
É uma esfera de amor que nossa religiosidade e esfriamento do amor não
nos permite alcançar...

Ah, Daniel, mas na bíblia está escrito “não matarás”.

Davi, homem segundo o coração de Deus, matou milhares... Foi adúltero e


homicida.

Porém, a Graça de Deus o alcançou, mediante seu arrependimento.

Está entre os heróis da fé!

Salomão seu filho, construiu o templo, mas acabou se inclinando a deuses


pagãos.

Porém, ao final de sua vida, quando escreve Eclesiastes, mostra um homem


cansado e arrependido... O Amor o alcançou.

Sansão idem. Fez muitas bobagens ao longo de sua vida. Foi enganado,
capturado, tiraram sua visão e passou a ser torturado. Mesmo assim, quando teve
uma oportunidade pediu a Deus força, mais uma vez! Ele sabia que iria morrer.
Ele se suicidou. Nossa religiosidade não permitiria que estivesse entre os heróis
da fé. (Juízes 16:28-30)

193
Não existe auto homicídio e sim suicídio. O termo suicídio tem origem
no latim, na junção das palavras sui (si mesmo) e caederes (ação de matar), ou
seja, é um ato que consiste em por fim, intencionalmente, à própria vida. Num
aspecto geral, define-se suicídio como um ato voluntário em que um indivíduo
possui a intenção e provoca a própria morte.

Já o homicídio é um termo que deriva do latim homicidĭum e que se


refere à morte de um ser humano causada por outra pessoa. O termo, por
conseguinte, pode ser usado como sinônimo de assassinato ou crime. Ou seja,
neste caso se faz necessário a presença de um agente.

Nossa religiosidade não permitiria que Raabe, a prostituta, estivesse entre


as heroínas da fé.

Nossa religiosidade condenaria aquela mulher adúltera que Jesus defendeu.


Os que tinham pedras nas mãos se sentiam legitimados pelas leis mosaicas. Jesus,
mais uma vez, rompe os tabus.

Ao fim ele se ergue, olha nos olhos dela e pergunta; onde estão teus
acusadores? Eu também não te condeno. Vá e não peques mais.

Certamente muitos religiosos de nosso século estariam ali, com pedras nas
mãos...

Não entendemos o amor de Deus, pois nosso amor é imperito e tem se


esfriado a cada dia mais.

194
Um policial não pode reagir quando um bandido lhe ameaça sua vida? Ele
tem o dever e direito de matar em sua defesa. E isso o levaria ao inferno.

Moisés pediu a morte.

Jó pediu a morte...E tudo foi tirado dele...

Elias teve profunda depressão...

Hoje entendo melhor isso...

Acho que já passamos por todas as provações desta terra. Não consigo
imaginar algo pior do que ter sepultado meu filho...

Quando Paulo diz que seu viver é Cristo e a morte; lucro....

Ele não temia a morte.

Queria apenas combater o bom combate, terminar a carreira e guardar e fé.

Pedro nega Jesus por três vezes...

Pouco depois de dizer que daria a sua vida pela Dele.

Naquele tempo existia o pecado de blasfêmia. Que é imperdoável...

Veja vídeo no YouTube : “Possessão demoníaca e Blasfêmia”

195
"Aquele que não está comigo, está contra mim; e aquele que comigo não
ajunta, espalha. Por esse motivo eu lhes digo: todo pecado e blasfêmia serão
perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada”.

Mateus 12:30,31

Quem cometeu este pecado?

Fariseus?

Doutores da Lei?

Povo que pediu sua crucificação?

E até Pedro.... Quando seus olhos se cruzam... Pedro chora... Se arrepende...


Olhar de Jesus não trazia acusação. Apenas amor...

Depois de ressurreto aparece a Pedro e dá uma missão a ele: Apascente meu


rebanho.

Jesus conhece a Lei do Pai, por isso diz: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem
o que fazem...”

Que amor é esse? Que dá sua vida por nós?

Meu filho deu sua vida por amor a nós, seus pais...

Não queria ser peso. Não queria nos desapontar...

Teve também seu túmulo cedido... Pela minha tia... E pela Graça, o
achamos no mesmo dia. Eu não suportaria o hiato da espera.

196
Obrigado a todos que nos ajudaram e nos ajudam a passar este vale.

*****

Mais casos de suicídio na Bíblia.

“O combate foi se tornando cada vez mais violento em torno de Saul, até
que os flecheiros o alcançaram e o feriram gravemente. Então, Saul ordenou ao
seu escudeiro: "Tire sua espada e mate-me com ela, senão sofrerei a vergonha de
cair nas mãos desses incircuncisos".

Mas, seu escudeiro estava apavorado e não quis fazê-lo. Saul, então,
pegou a própria espada e jogou-se sobre ela. Quando o escudeiro viu que Saul
estava morto, jogou-se também sobre sua espada e morreu com ele”.

1 Samuel 31:3-5

Onde está escrito que Saul está no inferno?

“Quando Zinri viu que a cidade tinha sido tomada, entrou na cidadela do
palácio real e incendiou o palácio em torno de si, e morreu.”

1 Reis 16:18

“Vendo Aitofel que o seu conselho não havia sido aceito, selou seu jumento
e foi para casa, para a sua cidade natal; pôs seus negócios em ordem, e depois
se enforcou. Ele foi sepultado no túmulo de seu pai”.

2 Samuel 17:23

Planejou seu suicídio...

197
Mais famoso de todos – Judas.

“De manhã cedo, todos os chefes dos sacerdotes e líderes religiosos do


povo tomaram a decisão de condenar Jesus à morte. E, amarrando-o, levaram-no
e o entregaram a Pilatos, o governador. Quando Judas, que o havia traído, viu
que Jesus fora condenado, foi tomado de remorso e devolveu aos chefes dos
sacerdotes e aos líderes religiosos as trinta moedas de prata. E disse: "Pequei,
pois traí sangue inocente". Eles retrucaram: "Que nos importa? A
responsabilidade é sua". Então Judas jogou o dinheiro dentro do templo, saindo,
foi e enforcou-se.”

Mateus 27:1-5

Onde está escrito que Judas está no inferno?

Ele mostrou arrependimento, devolveu as moedas, e reconheceu que


entregou sangue inocente. Não suportando está dor, se enforca. Jesus é amor...

Rompeu os dogmas.

“Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo
o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de
boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nessas coisas”.

Filipenses 4:8

“Não se vendem cinco pardais por duas moedinhas? Contudo, nenhum


deles é esquecido por Deus. Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos
contados. Não tenham medo; vocês valem mais do que muitos pardais!”.

Lucas 12:6,7

198
“Pois, da mesma forma que o Pai ressuscita os mortos e lhes dá vida, o
Filho também dá vida a quem ele quer dá-la. Além disso, o Pai a ninguém julga,
mas confiou todo julgamento ao Filho”

João 5:21,22

Não confiou este julgamento a nós.

Como julgar com amor se não amamos? Como julgar com justiça se não
somos justos?

“Dia após dia, todo sacerdote apresenta-se e exerce os seus deveres


religiosos; repetidamente oferece os mesmos sacrifícios, que nunca podem
remover os pecados.

Mas, quando este sacerdote acabou de oferecer, para sempre, um único


sacrifício pelos pecados, assentou-se à direita de Deus.

Daí em diante, ele está esperando até que os seus inimigos sejam colocados
como estrado dos seus pés; porque, por meio de um único sacrifício, ele
aperfeiçoou para sempre os que estão sendo santificados.

O Espírito Santo também nos testifica a este respeito. Primeiro ele diz:

"Esta é a aliança que farei com eles, depois daqueles dias, diz o Senhor.
Porei as minhas leis em seus corações e as escreverei em suas mentes";
e acrescenta: "Dos seus pecados e iniquidades não me lembrarei mais".

Onde essas coisas foram perdoadas, não há mais necessidade de sacrifício


pelo pecado”.

199
Hebreus 10:11-18

“Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês,
é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie.”

Efésios 2:8,9

Você viu alguma menção bíblica que os suicidas foram para o inferno?

Deus conhece sua dor... Ele te acolhe sem julgar. Sendo Amor, jamais traria
mais dor e sofrimento a quem já sofre tanto...

Papais e mamães – Seus filhos estão na Jerusalém Celestial.

“Mas, meu pastor disse que não!” - É ele quem julga?

Este conceito de suicida ir para inferno ou purgatório, terço bizantino,


mártires, indulgências, veio com a Igreja Católica. Não há esteio bíblico para
fundamentar esta afirmação...

Sempre teremos cristãos sem Cristo e religiosos para apontar os dedos,


dizendo que foi falta de fé, falta de Deus, falta de libertação. O que podemos dizer
é que nas palavras destes que acusam, falta amor, e Jesus é expressão majoritária
do amor!

Em tão pouco tempo do nosso luto, não faltaram pessoas sem amor que
vieram nos trazer palavras de maldição, mas Graças a Deus, estamos cercados de
uma maioria que estão ao nosso lado, e que também quer lutar pela saúde mental

200
de muitos que ainda padecem. Que amam a Deus acima de todas as coisas, que
são empáticos, que praticam o amor.

Quem ama não aponta os dedos, mas sim estende as mãos, ampara, acolhe,
abençoa. Faça você a diferença. No momento de dor e perda, fique ao lado de
pessoas que verdadeiramente lhe amam. Deus nos deu pessoas amorosas e
verdadeiros parceiros nesta travessia. Se afaste de pessoas que em vez de somar
forças, subtrai as suas forças.

Papais e Mamães que perderam seus pequenos,


saibam que a dor de seus filhos (as) cessou...

E um dia vocês os verão novamente.

A quem vive esta dor... Lute pela vida.

Aceite o tratamento.

Aceite ajuda.

Aceite os medicamentos.

Aceite terapia.

Há centenas de casos narrados que mostram que muitos atravessaram este


vale... E hoje estão bem...

Alguns até tem canal no YouTube destinado a ajudar.

Pois, passaram por tratamentos, clínicas, internações.

201
E hoje estão compensados e felizes... E estão ajudando tantos.... Que Deus
possa trazer sorriso de volta aos seus lábios! Não desista! Lute!

Aos pais que não notaram os sinais... Ou que, assim como eu fizeram de
tudo e perderam esta batalha. Não se culpem... Só Deus conhece nossos limites.

Que este relato e o diário, possa ajudar a muitos. Para a honra de Deus.
Trazendo mais esperança. Força. Acolhimento...

Jovens, lutem pela vida! A vida é bela, se você desistir, deixará na terra um
rastro de dor. Mas, se persistir, vencerá. E ajudará a muitos que estão passando
este vale sombrio. Não se entregue, muitos estarão ao seu lado. Fale com seus
pais, seus parentes próximos, professores, amigos, vizinhos. Peça ajuda!

Pais, não negligenciem a dor de seus filhos(as), ajude-os. Abrace, conforte,


acolha, vivam mais tempo juntos.

Eu me diverti muito com Mikhael. Era mais que um filho; era uma amigo,
companheiro e confidente.

Sempre, todos os dias, nos abraçávamos, e repetíamos palavras de amor.

Jamais esquecerei estes momentos.

Não levo culpa na bagagem. Pois, sei que fiz de tudo. Ofereci os melhores
profissionais, os melhores medicamentos, muito amor, muito acolhimento,
amparo emocional e espiritual. Parei minha vida para cuidar dele por um ano. E
faria tudo de novo.

Infelizmente, a dor dele precisaria de mais tempo para ser tratada. E ele não
suportou esperar. A vaga no centro de Psiquiatria do Hospital das Clínicas em São

202
Paulo, me informou que a vaga dele estava garantida. Já era tarde. Tinha acabado
de sepultá-lo.

Em memória de um coração puro e bom; Mikhael.

*****

203
204
205
206
207

208
209

210
“A morte não é nada.
Eu somente passei
para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.


O que eu era para vocês,
eu continuarei sendo.

Me dêem o nome
que vocês sempre me deram,
falem comigo
como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo


no mundo das criaturas,
eu estou vivendo
no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene


ou triste, continuem a rir
daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim.


Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciado


como sempre foi,
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.

211
A vida significa tudo
o que ela sempre significou,
o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora
de seus pensamentos,
agora que estou apenas fora
de suas vistas?

Eu não estou longe,


apenas estou
do outro lado do Caminho…

Você que aí ficou, siga em frente,


a vida continua, linda e bela
como sempre foi.”

Santo Agostinho

212
Que Deus dê forças aos que estão fracos, ilumine o caminho dos perdidos,
console os que choram e liberte os que estão vivendo este cativeiro na mente.

Força na jornada

Honra, ao Cordeiro.

“Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios,
nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem
profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do
amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Romanos 8:38-39.

*****

213
“Não tirei minha vida. Apenas já havia morrido,
eu era uma casca. Um corpo que não era meu...

Pais maravilhosos me ensinaram que nada me


separaria do amor do Pai... Jesus!!!

Como é difícil entender o porquê. Não desisti da


vida, passei a viver.

E como é bom viver na minha essência real, no meu mundo natural, alguns
o chamam de céu, eu chamo de lar! Aqui estamos juntos ligados com lembranças
vividas, as más lembranças não me machucam mais... Estou para receber minha
coroa e minha certidão de vida eterna... Paguei minha sentença, cumpri minha
missão, se assim não fosse não conseguiria partir.

Estou feliz!”

Mikha

214