Você está na página 1de 51

O Project Gutenberg EBook de uma história da Inquisição da Espanha; vol.

1, por Henry Charles Lea

Este eBook é para o uso de qualquer um em qualquer lugar, sem custo e com
quase sem restrições. Você pode copiá-lo, entregá-lo ou
reutilizá-lo sob os termos da Licença do Project Gutenberg incluída
com este eBook ou on-line em www.gutenberg.org/license

Título: Uma História da Inquisição da Espanha; vol. 1

Autor: Henry Charles Lea

Data de lançamento: 24 de julho de 2013 [EBook # 43296]

Língua inglesa

Codificação do conjunto de caracteres: UTF-8

*** INÍCIO DESTE PROJETO GUTENBERG EBOOK A HISTÓRIA DA INQUISIÇÃO VOL. 1 ***

Produzido por Chuck Greif, Broward County Library e pelo


Equipa de Revisão Distribuída Online em http://www.pgdp.net
A INQUISIÇÃO DA ESPANHA

OBRAS DO MESMO AUTOR

UMA HISTÓRIA DA INQUISIÇÃO DA IDADE MÉDIA. Em três volumes,


octavo.
UMA HISTÓRIA DE CONFISSÃO E INDULGÊNCIAS AURICULARES
NA IGREJA LATINA. Em três volumes, octavo.
UM ESBOÇO HISTÓRICO DO CELIBATO SACERDOTAL NA IGREJA
CRISTÃ. Terceira edição. ( Em preparação. )
UM FORMULÁRIO DO PENITENCIÁRIO DO PAPAL NO DÉCIMO
TERCEIRO SÉCULO. Um volume, octavo. ( Fora de impressão )
SUPERSTIÇÃO E FORÇA. Ensaios sobre a aposta da lei, a aposta da
batalha, a calvário, a tortura. Quarta edição, revisada. Em um volume,
12mo.
ESTUDOS NA HISTÓRIA DA IGREJA. A Ascensão do Poder Temporal,
Benefício do Clero, Excomunhão, Igreja Primitiva e Escravidão.
Segunda edição. Em um volume, 12mo.
CAPÍTULOS DA RELIGIOSA HISTÓRIA DA ESPANHA, CONECTADOS
À INQUISIÇÃO. Censura da Imprensa, Místicos e Illuminati,
Endemoniadas, O Santo Niño da Guarda, Brianda de Bardaxí.
OS MORISCOS DE ESPANHA. SUA CONVERSÃO E EXPULSÃO. Em
um volume, 12mo.
UMA HISTÓRIA
DA
INQUISIÇÃO DE ESPANHA
POR
HENRY CHARLES LEA. LL.D.

---
em quatro volumes
---

VOLUME I.

---

New York
MacMillan COMPANY
LONDRES:. MACMILLAN & CO, L . 1922
Todos os direitos reservados

Impresso nos ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

C de 1906,
Macmillan EMPRESA.
——
Configurar e eletrotipado. Publicado em janeiro de 1906.

PREFÁCIO.
I N nas páginas seguintes, tenho procurado traçar, a partir das fontes originais, tanto quanto possível, o
caráter ea carreira de uma instituição que não exerceu nenhuma influência pequena sobre o destino da
Espanha e até mesmo, pode-se dizer, indiretamente no mundo civilizado. O material para isso é preservado
de modo superabundante nos imensos arquivos espanhóis que nenhum escritor pode fingir esgotar o
assunto. Não pode haver finalidade em uma história que repouse sobre uma massa tão vasta de documentos
inéditos e não me lisonjeio por ter conseguido tal resultado, mas não tenho a menor esperança de que
aquilo que tirei deles e dos trabalhos anteriores Os estudiosos me permitiram apresentar um levantamento
bastante preciso de uma das mais notáveis organizações registradas em anais humanos.
Nisto, uma análise um tanto minuciosa parece ser indispensável de sua estrutura e métodos de
procedimento, de suas relações com os outros órgãos do Estado e de suas relações com as várias classes
sujeitas à sua extensa jurisdição. Isso envolveu o acúmulo de muitos detalhes para apresentar o
funcionamento diário de um tribunal, cuja importância real deve ser buscada, não tanto nas terríveis
solenidades do auto de fé, ou nos casos de algumas poucas vítimas célebres. ,
As relações íntimas entre Espanha e Portugal, especialmente durante a união dos reinos de 1580 a
1640, tornaram necessária a inclusão, no capítulo dedicado aos judeus, de um breve esboço da Inquisição
portuguesa, que ganhou uma reputação ainda mais sinistra. do que o seu protótipo espanhol.
Não posso concluir sem expressar meus agradecimentos aos senhores cuja ajuda me permitiu coletar
os documentos nos quais o trabalho se baseia em grande parte - Don Claudio Pérez Gredilla dos Arquivos
de Simancas, Don Ramon Santa María dos de Alcalá de Henares antes de seus trabalhos. Remoção para
Madri, Dom Francisco de Bofarull e Sans dos da Coroa de Aragão, Don J. Figueroa Hernández, ex-vice-
cônsul americano em Madri, e para muitos outros a quem sou devedor em menor grau. Eu também tenho
que oferecer meus agradecimentos às autoridades da Biblioteca Bodleiana e das Bibliotecas Reais de
Copenhague, Munique, Berlim e da Universidade de Halle, por favores calorosamente apreciados.
H C L .
F , 1905.

CONTEÚDO DE VOL. EU.

LIVRO I - ORIGEM E ESTABELECIMENTO.

C I-AM C .
PÁGINA
Transtorno na Adesão de Ferdinand e Isabella 1
Condição da Igreja 8
Limitação do privilégio clerical e reivindicações papais 11
Sucessão disputada 18
Caráter de Ferdinand e Isabella 20
Aplicação da Jurisdição Real 24
O Santa Hermandad 28
Absorção das Ordens Militares 34
C II - O J M .

Opressão dos judeus ensinados como dever 35


Crescimento do Espírito de Perseguição 37
Perseguição sob os Wisigoths católicos espanhóis 40
Tolerância sob a conquista sarracena - os moçárabes 44
Os Muladícs 49
Os judeus sob os sarracenos 50
Ausência de raça ou ódio religioso 52
Os mudéjares - mouros sob domínio cristão 57
A Igreja estimula a intolerância 68
Influência do Conselho de Vienne em 1312 71
Início da Legislação repressiva 77
C III - O J C .

Perseguição Medieval dos Judeus 81


Sua riqueza e influência na Espanha 84
Hostilidade clerical despertada 90
Antagonismo Popular animado 95
Causas de antipatia - usura, funções oficiais, ostentação 96
Massacres em Navarra 100
Influência do acesso de Henrique de Trastamara 101
Os massacres de 1391 - Ferran Martínez 103
Criação da Classe de Conversos ou Novos Cristãos 111
Condição Deplorável dos Judeus 115
O Ordenamento de Doña Catalina 116
Pronunciamentos dos Papas e do Concílio de Basileia 118
Sucesso dos conversos - os judeus se reabilitam 120
Repressão renovada sob Ferdinand e Isabella 123
Os Conversos se tornam objeto de ódio popular 125
Expulsão dos judeus considerados 131
Expulsão resolvida em 1492 - suas Condições 135
Sofrimentos dos Exilados 139
Número de exilados 142
Opinião Contemporânea 143
C IV - E I .

Cristianismo duvidoso dos Conversos 145


Inquisição tentou em 1451 147
Alonso de Espina e seu Fortalicium Fidei 148
Inquisição Episcopal tentou em 1465 153
Sexto IV concede poderes inquisitoriais ao seu legado 154
Tente converter e instruir 155
Ferdinand e Isabella aplicam a Sixtus IV para a Inquisição em 1478 157
Eles exigem o poder de nomeação e os confiscos 158
Os primeiros inquisidores nomeados, 17 de setembro de 1480 160
Tribunal abriu em Sevilha - primeiro Auto de Fe, 6 de fevereiro de 1481 161
Lote para resistir traído 162
Édito da Graça 165
Outros tribunais estabelecidos 166
Falha do enredo em Toledo - número de penitentes 168
Tribunal em Guadalupe 171
Necessidade da Organização - O Conselho Supremo - O Inquisidor Geral 172
Caráter de Torquemada - Suas brigas com os inquisidores 174
Quatro inquisidores-assistentes gerais 178
Separação de Aragão de Castela 180
Autonomia da Inquisição - enquadra suas próprias regras 181
Comanda as Forças do Estado. - Vôo de Suspeitos 182
Emigração de novos cristãos proibidos 184
Ausência de resistência à inquisição 185
Ferdinand procura impedir abusos 187
A carreira de Lucero em Córdova 189
Cumplicidade de Juan Roiz de Calcena 193
Perseguição do Arcebispo Hernando de Talavera 197
Córdova apela a Felipe e Juana 201
Revolta em Córdova 202
Inquisidor-geral Deza forçado a renunciar 205
Lucero colocado em julgamento 206
Abusos inquisitoriais em Jaen, Arjona e Llerena 211
Ximenes tenta Reforma 215
Apelos a Charles V - seu fútil projeto de reforma 216
Conquista de Navarra - Introdução da Inquisição 223
C V-O A .

Instituições Independentes de Aragão 229


Ferdinand procura remodelar a velha inquisição 230
Sixtus IV interfere 233
A autoridade de Torquemada é estendida sobre Aragão 236
Assentado pelos Córtes de Tarazona em 1484 238
V
Resistência Popular 239
Resistência superada 242
A
Tribunal organizado em Saragoça 244
Oposição 245
Resistência em Teruel 247
Assassinato do Inquisidor Arbués 249
Sumo Papal comandando Extradição 253
Punição dos Assassinos 256
Devastações da Inquisição 259
C
Sua inveja de suas liberdades 260
Resistência prolongada até 1487 261
Resultados escassos 263
Opressão e Reclamações 264
A I B
Inércia da velha inquisição 266
Introdução do novo em 1488 - sua atividade 267
Tumulto em 1518 268
Reclamações de Córtes de Monzon, em 1510 269
Concórdia de 1512 270
Leão X libera Ferdinand de seu juramento 272
Inquisidor-Geral Mercader Instruções 273
Leo X confirma a Concórdia de 1512 274
Charles V jura observar o Concordia 275
Disputa sobre novas demandas de Aragão 276
Decidiu a favor de Aragão 282
Catalunha assegura concessões 283
Futilidade de todos os acordos - queixas infrutíferas de queixas 284
LIVRO II - RELAÇÕES COM O ESTADO.

C I-R C .

Combinação de Jurisdição Espiritual e Temporal 289


Controle de Ferdinand da Inquisição 289
Exceto em Assuntos Espirituais 294
Desenvolvimento gradual da independência 298
Philip IV reafirma controle sobre compromissos 300
Volta ao inquisidor-geral sob Carlos II 301
A Coroa mantém o poder de nomear o inquisidor-geral 302
Não pode dispensá-lo, mas pode impor sua renúncia - Casos 304
Luta de Filipe V com Giudice - caso de Melchor de Macanaz 314
Casos sob Carlos III e Carlos IV 320
Relações da Coroa com o Suprema 322
O Suprema interpõe-se entre a Coroa e os Tribunais 325
Adquire o controle sobre as finanças 328
Sua Política de Ocultação 331
Felipe IV pede ajuda 333
Philip V reafirma o controle 336
Penitenciárias Pecuniárias 337
Afirmação da Independência 340
Jurisdição Temporal sobre Funcionários 343
O crescimento da burocracia limita a autocracia real 346
Reassertion do poder real sob a casa de Bourbon 348
C II S .

Subordinação Universal à Inquisição 351


Suas armas de excomunhão e inibição 355
Poder de Prisão e Prisão 357
Assunção de Superioridade 357
Luta dos Bispos 358
Questões de Precedência 362
Superioridade à lei local 365
Tirania Caprichosa 366
Inviolabilidade dos funcionários e funcionários 367
Aplicação de Respeito 371
C III - P I .

Isenção de tributação 375


Isenção de taxas de alfândega 384
Tentativas do Tribunal de Valência para importar trigo de Aragão 385
Privilégio do Tribunal Valenciano no celeiro público 388
Exploração especulativa de privilégios pelo Tribunal de Saragoça 389
Métodos coercivos de obtenção de suprimentos 392
Valência afirma privilégio de obter sal 394
Isenção de tarugos de tropas 395
O direito de portar armas 401
Isenção do serviço militar 412
O direito de realizar um serviço secular 415
O direito de recusar o Office 420
O direito de asilo 421
C IV - J .

Benefício do Clero 427


Ferdinand concede à jurisdição exclusiva da Inquisição sobre seus funcionários 429
Ele o limita aos Funcionários Assalariados em Ações Criminosas e como
Réus em Ações Civis 430
Extensão Abusiva da Jurisdição pelos Inquisidores 431
Limitações na Concordia de 1512 432
Servos dos funcionários incluídos no fuero 432
Luta em Castela sobre a questão dos familiares 434
Estabelecido pela Concórdia de 1553 436
A Concordia estendeu a Navarra 438
Luta em Valência - Concórdia de 1554 439
Concórdia desconsiderada - Córtes de 1564 441
Valencia Concordia de 1568 442
Desrespeito das suas disposições 445
Reclamações de familiares criminosos impunes 446
Aragão - o seu tribunal da Justicia 450
Queixas decorrentes da Jurisdição Temporal 452
A Concórdia de 1568 454
Reclamações de sua infração - Córtes de 1626 454
Caso da cidade de Huesca 456
Córtes de 1646 - Aragão assimilado a Castela 458
Poder diminuído da Inquisição em Aragão 461
Catalunha - Não observância das Concórdias de 1512 e 1520 465
Distúrbios do Tribunal de Barcelona - Reclamações infrutíferas 467
Catalunha - Ódio do Tribunal - Catalunha rejeita a Concórdia de 1568 469
Córtes de 1599 - Duplicidade de Filipe III 471
Aumento da discórdia - esforços infrutíferos de Córte de 1626 e 1632 - Concórdia de Zapata472
Rebelião de 1640 - Expulsão dos Inquisidores - Uma
Inquisição Nacional estabelecida 476
Inquisição restaurada em 1652 - Renovação da discórdia 479
Guerra de Sucessão - liberdades catalãs abolidas 483
Maiorca - Conflitos com as autoridades civis 484
Concursos em Castela - Subserviência do Poder Real 485
Isenção de familiares de convocação como testemunhas 491
Conflitos com os Tribunais Espirituais 493
Casos em Maiorca - Intervenção da Santa Sé 498
Conflitos com os Tribunais Militares 504
Conflitos com as Ordens Militares - Projeto da Ordem de Santa María de la Espada Blanca 505
Lucros da Jurisdição Temporal da Inquisição 508
Abusos e males do sistema 509
Esforços infrutíferos para reformá-lo em 1677 e 1696 511
Repressão sob a Casa de Bourbon 514
Competências para Solução de Controvérsias 517
A Jurisdição Temporal sob a Restauração 520
Recusa de Competencias pela Inquisição 521
Projetos de Socorro 524
C V-H P .

Causas do Ódio Popular 527


Visitas do Tribunal de Barcelona 528
Problemas em Logroño 530
Preferências reivindicadas em Mercados 533
Negociação por funcionários 534
Caráter dos funcionários 536
Queixas de nobres feudais 537
Detestação Geral um Fato Reconhecido 538
A . Lista de tribunais 541
Lista de Inquisidores Gerais 556
Cunhagem Espanhola 560
Documentos 567

A INQUISIÇÃO DE ESPANHA.
LIVRO I.

ORIGEM E ESTABELECIMENTO.

CAPÍTULO I.

A MONARQUIA CASTILIANA.
Eu Teram difíceis de exagerar a desordem que permeia os reinos castelhanos, quando a monarquia
espanhola encontrou sua origem na união de Isabel de Castela e Fernando de Aragão. Muitas causas
contribuíram para prolongar e intensificar os males do sistema feudal e neutralizar as vantagens que
possuía. As lutas da reconquista do sarraceno, continuadas em intervalos de setecentos anos e variadas por
constantes gritos civis, criaram uma raça de nobres ferozes e turbulentos, ávidos por atacar um vizinho ou
seu soberano como o mouro. A maneira desdenhosa na qual o Cid é representado, nas primeiras baladas,
como tratando seu rei, mostra o que foi, no século XII, o sentimento do cavalheirismo de Castela para com
[1]
seu soberano, Tão frágil era o vínculo feudal que um rico ou nobre podia, a qualquer momento,
[2]
renunciar à fidelidade por uma simples mensagem enviada ao rei através de um hidalgo. A necessidade
de atrair a população e a organização das fronteiras conquistadas, que posteriormente se tornaram para o
interior, levaram a concessão de franquias improvidamente liberais aos colonos, o que enfraqueceu os
[3]
poderes da coroa, sem construir, como na França, um poderoso Terceiro Estado para servir como um
contrapeso para os nobres e, eventualmente, para minar o feudalismo. Na Espanha, o negócio do
castelhano era guerra. As artes da paz foram deixadas com desdém aos judeus e aos muçulmanos
conquistados, conhecidos como Mudéjares, que foram autorizados a permanecer em solo cristão e a formar
um elemento distinto na população. Não surgiram centros florescentes de burgueses industriosos e
independentes, dos quais os reis poderiam moldar um corpo que lhes proporcionasse apoio eficiente em
suas lutas com seus poderosos vassalos. A tentativa, de fato, foi feita; o Córtes, cuja cooperação era
[4]
necessária na promulgação de leis, consistia de representantes de dezessete cidades, que enquanto
serviam gozavam de inviolabilidade pessoal, mas tão pouco as cidades valorizavam este privilégio que, sob
Henrique IV, eles se queixaram da despesa de enviar deputados. A coroa, ansiosa por encontrar novas
fontes de influência, concordou em pagá-los e assim obteve uma desculpa para controlar sua eleição, e
embora isso tenha chegado tarde demais para que Henrique se beneficiasse, abriu caminho para a
suposição de domínio absoluto por parte de Henrique. Fernando e Isabel, após o que a revolta das
comunidades se mostrou infrutífera. Enquanto isso, sua influência diminuiu, suas reuniões foram
escassamente atendidas e se tornaram pouco mais do que um instrumento que, na interminável disputa que
[5]
amaldiçoou a terra, foi usado alternadamente por qualquer facção como oportunidade oferecida.
A própria coroa contribuiu grandemente para sua própria humilhação. Quando,
no século XIII, um governante como San Fernando III. fez as leis respeitadas e ABASAMENTO DA
vigorosamente estendeu os limitesdo cristianismo, Castela deu a promessa de COROA
desenvolvimento no poder e cultura que miseravelmente falhou no desempenho. Em
1282, a rebelião de Sancho el Bravo contra seu pai Alfonso foi o começo da decadência. Para comprar a
lealdade dos nobres, ele lhes concedeu tudo o que eles pediram, e para evitar o descontentamento
[6]
conseqüente na tributação, ele forneceu seu tesouro alienando as terras da coroa. Apesar das habilidades
do regente, María de Molina, as sucessivas minorias de seu filho e neto, Fernando IV e Afonso XI,
estimularam o progresso para baixo, embora o vigor deste último em sua maturidade tenha restaurado em
algum grau o brilho de a coroa e sua severa justiça restabeleceram a ordem, de modo que, como nos dizem,
[7]
a propriedade podia ser deixada desprotegida nas ruas à noite. Seu filho, Dom Pedro, ganhou o epíteto
do Cruel por seu esforço implacável para reduzir a obediência a seus nobres turbulentos, cuja desafeição
convidou a usurpação de seu irmão bastardo, Henrique de Trastamara. O trono que este último ganhou por
fratricídio e a ajuda do estrangeiro, ele só poderia segurar por novas concessões para seus magnatas que
[8]
reduziu fatalmente o poder real. Esta herança que ele deixou para seu filho, Juan I, que descreveu à
força, nos Córtes de Valladolid em 1385, como ele usava luto em seu coração por causa de sua impotência
para administrar a justiça e governar como deveria, em conseqüência de os maus costumes que ele era
[9]
incapaz de corrigir. Isso retrata a condição da monarquia durante o século que passou entre o assassinato
de Pedro e a ascensão de Isabella - um período sombrio de revolta sem fim e conflitos civis, durante os
quais a autoridade central estava cada vez menos capaz de conter os elementos sem lei. tendendo a
eventual anarquia. O rei era pouco mais do que um fantoche do qual facções rivais procuravam obter posse
para cobrir suas ambições com um manto de legalidade, e aqueles que não conseguiam proteger sua pessoa
tratavam sua autoridade com desprezo, ou montavam algum rival em um filho. ou irmão como desculpa
para rebelião. O trabalho da Reconquista que, por seiscentos anos, foi o principal objeto O orgulho
nacional foi praticamente abandonado, salvo em alguns empreendimentos espasmódicos, como a captura
de Antequera, e o pequeno reino de Granada, aparentemente em extinção sob Afonso XI, parecia destinado
a perpetuar para sempre em solo espanhol a presença odiosa de o crescente.
O longo reinado do débil Juan II, de 1406 a 1454, foi seguido pelo do mais tenebroso Henrique IV,
popularmente conhecido como El Impotente. No Seguro de Tordesilhas, em 1439, os nobres descontentes
[10]
virtualmente ditaram termos a Juan II. No Depoimento de Ávila, em 1465, eles trataram Henrique IV
com o mais amargo desprezo. Sua efígie, vestida de luto e adornada com a insígnia real, foi colocada em
um trono e quatro artigos de acusação foram lidos. Para o primeiro foi declarado indigno da estação real,
quando Alonso Carrillo, arcebispo de Toledo, removeu a coroa; pelo segundo, foi privado da administração
da justiça, quando Álvaro de Zuñiga, conde de Plasencia, tomou a espada; para o terceiro ele foi privado do
governo, quando Rodrigo Pimentel, conde de Benavente, atingiu o cetro; para o quarto ele foi condenado a
perder o trono, quando Diego López de Zuñiga derrubou a imagem de seu assento com uma brincadeira
indecente. Foi escassa mais que uma continuação do escárnio quando elegeram como seu sucessor seu
[11]
irmão Alfonso,
A independência ilegal dos nobres e o apagamento da autoridade real podem ser
estimados a partir de um único exemplo. Em Plasencia, dois poderosos senhores, VIOLÊNCIA E
Garcí Alvárez de Toledo, senhor de Oropesa, e Hernan Rodríguez de Monroy, TREINAMENTO
mantiveram o país em tumulto com a sua dissensão armada. Juan II enviou Ayala,
Señor de Cebolla, com uma comissão real para suprimir a desordem. Monroy, em lugar de se submeter,
insultou Ayala, que como um “buen caballero” desdenhou para reclamar com o rei e preferiu se vingar.
Juan ao ouvir isso convocou a sua presença Monroy, que reuniu todos os seus amigos e retentores e partiu
com um exército formidável. Ayala fez uma contribuição semelhante e atacou-o ao passar perto de
Cebolla. Houve uma batalha desesperada na qual Ayala foi derrotado e forçado a se refugiar em Cebolla,
enquanto Monroy passava para Toledo. e, quando ele beijou as mãos do rei, Juan disse a ele que ele tinha
mandado cortar a cabeça dele, mas como Ayala preferiu se endireitar, ele deu a Monroy uma velocidade de
[12]
Deus em sua jornada para casa e lavou as mãos de todo o corpo. caso.
Os ricosomes que assim foram libertados de toda a restrição da lei tinham tão pouco respeito pelos de
honra e moralidade. As virtudes que estamos acostumados a atribuir ao cavalheirismo foram representadas
por loucuras como o célebre Passo Honroso de Suero de Quiñones, quando aquele cavaleiro e seus nove
camaradas, em 1434, mantiveram, em honra de suas damas, trinta dias contra todos os cantos. , a passagem
da Ponte de Orbigo, na época da festa de Santiago e sessenta e nove desafiadores se apresentaram nas
[13]
listas. Com exceções como esta, e uma manifestação rara de magnanimidade, como quando o duque de
Medina Sidonia levantou um exército e se apressou para o alívio de seu inimigo, Rodrigo Ponce de Leon
[14]
cercou em Alhama, o registro da época é uma das mais puras traições, da qual a verdade e a honra estão
ausentes e a natureza humana se mostra em seu aspecto mais básico. Segundo a crença contemporânea,
Fernando estava em dívida pela coroa de Aragão ao envenenamento de seu irmão, o profundamente
lamentado Carlos, Príncipe de Viana, enquanto a coroa de Castela caía a Isabella através da similar retirada
[15]
de seu irmão Afonso.
Um incidente característico é um envolvendo Doña Maria de Monroy, que se casou na grande casa de
Henríquez de Sevilha, e ficou viúva com dois meninos. Quando os jovens tinham, respectivamente, dezoito
e dezenove anos, eram amigos íntimos de dois senhores de Sevilha chamados Mançano. O irmão mais
novo, cortando com eles em sua casa, estava envolvido em uma briga com eles, quando eles o atacaram
com seus servos e o mataram. Então, temendo a vingança do irmão mais velho, enviaram-lhe uma
mensagem amigável para vir brincar com eles; quando ele chegou, levaram-no por um corredor escuro em
que de repente o atacaram e o esfaquearam até a morte. Quandoos cadáveres desfigurados de seus meninos
foram levados para Dona Maria, ela não derramou lágrimas, mas a ferocidade de seus olhos amedrontou
todos que a olhavam. Os Mançanos prontamente levaram a cavalo e fugiram para Portugal, onde Dona
María os seguiu em trajes masculinos com um bando de vinte cavalheiros. Seus espiões estavam
rapidamente no caminho dos fugitivos; dentro de um mês dos assassinatos ela veio à noite para a casa onde
eles estavam escondidos; as portas foram arrombadas e ela entrou com dez dos seus homens enquanto o
resto ficava de guarda do lado de fora. Os manzanos se puseram em defesa e gritaram por ajuda, mas antes
que os vizinhos pudessem se reunir, ela tinha ambas as cabeças na mão esquerda e galopava com sua tropa,
nunca parando até chegar a Salamanca, onde foi à igreja e colocou a Cabeças sangrentas no túmulo de seus
[16]
meninos.
Doña María era apenas um tipo das mulheres não- sexadas , mugeres varoniles, comum na época, que
entraria em campo ou manteria seu lugar em intriga facciosa com tanta ferocidade e pertinácia quanto os
homens. Fernando podia ver sem surpresa a atividade na corte e no campo de sua rainha Isabella, quando
se lembrou da coragem de sua mãe, Juana Henríquez, que lhe assegurara a coroa de Aragão. Dona Leonora
Pimentel, duquesa de Arévalo, foi uma dessas; da condessa de Medellín foi dito que nenhum capitão
romano poderia obter o melhor dela em façanhas de armas, e a condessa de Haro era igualmente notada. A
Condessa de Medellín, na verdade, manteve seu próprio filho na prisão por anos enquanto ela desfrutava
das receitas de sua cidade de Medellín e, quando a rainha Isabella se recusou a confirmar sua posse do
lugar, transferiu sua fidelidade ao rei de Portugal a quem ela entregou o castelo de Mérida. Ao mesmo
tempo, a influência mourisca, que era tão forte em Castela, ocasionalmente levava ao extremo oposto. O
duque de Najera manteve suas filhas em tal reclusão absoluta que nenhum homem, nem mesmo seus
filhos, foram autorizados a entrar nos apartamentos reservados para as mulheres, e a razão pela qual ele
[17]
alegou - que o coração não cobiça o que os olhos não vêem - foi pouco lisonjeiro para qualquer sexo.
A condição das pessoas comuns pode ser prontamente imaginada neste conflito
perpétuo entre nobres bélicos, ambiciosos e sem princípios, agora unidos em facções ANQUISA VIRTUAL
que envolvem todo o reino da guerra, e agora se contentando com assaltos contra
seus vizinhos. A terra estava desolada; o lavrador mal podia tomar coragem para plantar sua semente, pois
a colheita estava apta a ser arrematada com a espada e lançada em castelos para protegê-los contra o cerco.
[18]
Como nos diz um escritor do período, não havia nem lei nem justiça exceto a das armas. Em uma carta
descrevendo a anarquia universal, escrita por Hernando del Pulgar de Madri, em 1473, ele diz que por mais
de cinco anos não houve comunicação de Múrcia, onde a família de Fajardo reinou suprema - é, ele diz,
[19]
como uma terra estrangeira como Navarra. Que as estradas eram inseguras para o comércio ou a viagem
era uma coisa óbvia; cada pequeno fidalgo converteu sua fortaleza em um covil de ladrões, e o que restou
[20]
foi varrido por bandas de Companheiros Livres. Transtorno reinou supremo e todo-penetrante. A coroa
era impotente e o tesouro real exaurido. Concessões de terras, receitas e jurisdições improvisadas, para
subornar a traiçoeira fidelidade de nobres infiéis, ou para satisfazer favoritos inúteis, foram feitas, até que
não restou nada para dar, e então Henrique IV concedeu licenças para balas particulares, até que houvesse
cem. e cinquenta deles no trabalho, inundando a terra com dinheiro base, para a inexprimível confusão da
[21]
cunhagem e do empobrecimento do povo. Os Córtes de Madri, em 1467, e de Ocaña, em 1469,
conclamaram Henrique a retomar suas bolsas improvisadas, e os de Madrigal, em 1476, repetiram a
urgência a Fernando e Isabel, que tinham sido forçados a seguir seu exemplo. . A isso os soberanos
responderam agradecendo aos Córtes e adiando o assunto. Eles não se sentiam fortes o suficiente até 1480,
quando no Córtes de Toledo, eles retomaram trinta milhões de maraved de receita que haviam sido
alienados durante os problemas, e isto depois de uma investigação que deixou intocados os presentes aos
[22] O
súditos leais e só retirou os que haviam sido extorquidos. respeito pela coroa caiu tanto quanto suas
receitas. Uma história contada do Conde de Benavente mostra como foi difícil, mesmo após a ascensão de
Isabella, que os nobres reconhecessem que deviam qualquer obediência ao soberano. Ele estava andando
com a rainha quando uma mulher veio chorando e implorando justiça, dizendo que ele havia matado seu
marido apesar de um salvo-conduto real. Ela mostrou a carta que seu marido carregara no peito, perfurada
pelo golpe que encerrara sua vida, quando o conde comentou, zombeteiro: “A couraça teria sido mais útil”.
Temerada por isso, Isabella disse: Gostaria que não houvesse rei em Castela? - Em vez disso - disse ele -,
[23]
gostaria que houvesse muitos. - E por quê? - Porque então eu deveria ser um deles.
Em tal caos de paixão sem lei não se deve supor que a Igreja era melhor que os
nobres que ocupavam seus altos escalões com desprezíveis descendentes de seus CARACTERE DOS
rebanhos, ou que as classes mais baixas dos leigos que procuravam nela provisão PRELATOS
para uma vida de ociosidade e licença. O primata de Castela era o arcebispo de
Toledo, que também era ex officio chanceler do reino e cujas receitas foram estimadas variadamente de
[24]
oitenta a cem mil ducados, com patronato à sua disposição no valor de cem mil mais. O ocupante desta
posição exaltada, na ascensão de Isabella, foi Alonso Carrillo, um prelado turbulento,deliciando-se na
guerra, sobretudo em todos os gritos civis do período, que, não contentes com a imensa renda de sua sé,
gastavam somas extravagantes em alquimia. Hernando del Pulgar, em uma carta de contestação, disse-lhe:
“As pessoas olham para você como seu bispo e encontram em você seu inimigo; gemem e reclamam que
você usa sua autoridade não para seu benefício e reforma, mas para sua destruição; não como um exemplo
de bondade e paz, mas por corrupção, escândalo e perturbação. ”Quando, em 1495, o puritano Ximenes foi
nomeado para o arcebispado, um de seus primeiros atos teria sido a remoção, perto do altar de a igreja
franciscana de Toledo, de uma magnífica tumba que Carrillo tinha erigido a seu bastardo, Troilo Carrillo.
[25]

Seu sucessor na sede de Toledo tem um interesse especial por nós em vista de seus esforços para
purificar a fé que culminou no estabelecimento da Inquisição. Pero González de Mendoza foi um dos
homens notáveis do dia, cuja influência com Ferdinand e Isabella ganhou para ele o nome de "o terceiro
rei". Quando ainda criança, ele realizou o curador de Hita; aos doze anos, ele tinha o arcebispado de
Guadalajara, um dos mais ricos benefícios da Espanha, que ele manteve durante os sucessivos bispados de
Calahorra e Sigüenza e o arcebispado de Sevilha; a sé de Sigüenza ele manteve durante todo o mandato
sucessivamente dos arquiepiscopados de Sevilha e Toledo, além do qual ele era um cardeal e titular
Patriarca de Alexandria. Com sua parentela da poderosa casa de Mendoza, ele aderiu a Henrique IV, até
que efetuaram a venda do infeliz Beltraneja, que estava em suas mãos, para o pai dela, Henrique, para
certas propriedades e o título de Duque do Infantado para Diego Hurtado, o chefe da família, depois do
qual Pero González e seus parentes prontamente transferiu sua lealdade para Isabella. Seu admirador
biógrafo nos garante que ele estava mais preparado com as mãos do que com a língua, que ele era um
cavaleiro valente e que nunca houve uma guerra na Espanha durante o tempo em que ele não participou
pessoalmente ou pelo menos teve suas tropas. acionado. Embora ele não tivesse lazer Seu admirador
biógrafo nos garante que ele estava mais preparado com as mãos do que com a língua, que ele era um
cavaleiro valente e que nunca houve uma guerra na Espanha durante o tempo em que ele não participou
pessoalmente ou pelo menos teve suas tropas. acionado. Embora ele não tivesse lazer Seu admirador
biógrafo nos garante que ele estava mais preparado com as mãos do que com a língua, que ele era um
cavaleiro valente e que nunca houve uma guerra na Espanha durante o tempo em que ele não participou
pessoalmente ou pelo menos teve suas tropas. acionado. Embora ele não tivesse lazerpara cuidar de seus
deveres espirituais, ele encontrou tempo para ceder às tentações da carne. Quando, em 1484, liderou o
exército de invasão a Granada, levou consigo seu bastardo, Rodrigo de Mendoza, um jovem de vinte anos,
que já era o senhor del Castillo del Cid e que, em 1492, foi criado Marquês de Cenete a ocasião de seu
casamento, em meio a grandes alegrias, na presença de Fernando e Isabel, a Leonor de la Cerda, filha e
herdeira do duque de Medina Celi e sobrinha do próprio Fernando. Esta não era a única evidência de sua
fragilidade, da qual ele não se envergonhava, pois tinha outro filho chamado Juan, por uma dama de
[26]
Valladolid, que era casada com Doña Ana de Aragon, outra sobrinha de Ferdinand.
Com tais homens à frente da Igreja, não é de se esperar que as ordens inferiores
do clero sejam modelos de decência e moralidade, tornando o cristianismo atraente CONDIÇÃO DA
para judeus e muçulmanos. Alonso Carrillo, o arcebispo de Toledo, dificilmente IGREJA
pode ser considerado um estrito disciplinador, mas mesmo ele se sentiu obrigado, ao
realizar o conselho de Aranda em 1473, a tentar reprimir os escândalos mais flagrantes do clero. Como um
corretivo de sua ignorância prevalecente, foi ordenado que no futuro ninguém fosse ordenado que não
falasse latim - a linguagem do ritual e a fundação de toda instrução, teológica ou não. Eles foram proibidos
de usar roupas de seda ou alegremente coloridas. Como sua licenciosidade os tornava desprezíveis para o
povo, eles foram ordenados a separar-se de suas concubinas dentro de dois meses. Como seu gosto por
cortar levava a perjúrias, escândalos e homicídios, eles foram obrigados a se abster disso, tanto em público
quanto em público. Como muitos padres desdenhavam para celebrar a missa, recebiam ordens para fazê-lo
pelo menos quatro vezes por ano; Além disso, os bispos eram exortados a celebrar pelo menos três vezes
por ano, sob pena de severas penalidades a serem determinadas no próximo conselho. Os absurdos eram
transmitidos em seus sermões por padres errantes e os frades eram reprimidos, exigindo exames antes da
emissão de licenças para pregar, e os escândalos dos vendedores de perdões seriam reduzidos, submetendo-
os aos bispos. Os bispos também foram instados a dar severos exemplos de ofensores nas ordens inferiores
do clero, quando entregues a eles pelo eles foram obrigados a se abster disso, tanto em particular quanto
publicamente. Como muitos padres desdenhavam para celebrar a missa, recebiam ordens para fazê-lo pelo
menos quatro vezes por ano; Além disso, os bispos eram exortados a celebrar pelo menos três vezes por
ano, sob pena de severas penalidades a serem determinadas no próximo conselho. Os absurdos eram
transmitidos em seus sermões por padres errantes e os frades eram reprimidos, exigindo exames antes da
emissão de licenças para pregar, e os escândalos dos vendedores de perdões seriam reduzidos, submetendo-
os aos bispos. Os bispos também foram instados a dar severos exemplos de ofensores nas ordens inferiores
do clero, quando entregues a eles pelo eles foram obrigados a se abster disso, tanto em particular quanto
publicamente. Como muitos padres desdenhavam para celebrar a missa, recebiam ordens para fazê-lo pelo
menos quatro vezes por ano; Além disso, os bispos eram exortados a celebrar pelo menos três vezes por
ano, sob pena de severas penalidades a serem determinadas no próximo conselho. Os absurdos eram
transmitidos em seus sermões por padres errantes e os frades eram reprimidos, exigindo exames antes da
emissão de licenças para pregar, e os escândalos dos vendedores de perdões seriam reduzidos, submetendo-
os aos bispos. Os bispos também foram instados a dar severos exemplos de ofensores nas ordens inferiores
do clero, quando entregues a eles pelo além disso, foram exortados a celebrar pelo menos três vezes por
ano, sob pena de severas penalidades a serem determinadas no próximo conselho. Os absurdos eram
transmitidos em seus sermões por padres errantes e os frades eram reprimidos, exigindo exames antes da
emissão de licenças para pregar, e os escândalos dos vendedores de perdões seriam reduzidos, submetendo-
os aos bispos. Os bispos também foram instados a dar severos exemplos de ofensores nas ordens inferiores
do clero, quando entregues a eles pelo além disso, foram exortados a celebrar pelo menos três vezes por
ano, sob pena de severas penalidades a serem determinadas no próximo conselho. Os absurdos eram
transmitidos em seus sermões por padres errantes e os frades eram reprimidos, exigindo exames antes da
emissão de licenças para pregar, e os escândalos dos vendedores de perdões seriam reduzidos, submetendo-
os aos bispos. Os bispos também foram instados a dar severos exemplos de ofensores nas ordens inferiores
do clero, quando entregues a eles pelo e os escândalos dos vendedores de perdões deviam ser reduzidos
submetendo-os aos bispos. Os bispos também foram instados a dar severos exemplos de ofensores nas
ordens inferiores do clero, quando entregues a eles pelo e os escândalos dos vendedores de perdões deviam
ser reduzidos submetendo-os aos bispos. Os bispos também foram instados a dar severos exemplos de
ofensores nas ordens inferiores do clero, quando entregues a eles pelotribunais seculares, e não permitir
que suas enormidades gozem de imunidade contínua. Além disso, os bispos foram ordenados a não cobrar
nenhuma taxa pela atribuição de ordenações; eles foram exortados, e todos os outros clérigos foram
solicitados a não levar uma vida militar dissoluta ou a entrar no serviço dos senhores seculares, exceto o rei
e os príncipes do sangue. Como os duelos eram proibidos, tanto leigos quanto clérigos foram advertidos de
[27]
que, se fossem mortos em tais encontros, seriam recusados ao enterro cristão. Que este esforço de
reforma foi, como seria de esperar, totalmente abortivo é evidenciado a partir da descrição dos vícios do
corpo eclesiástico, quando Fernando e Isabella se empenharam posteriormente em corrigir seus escândalos
[28]
mais flagrantes. Era totalmente secularizado e só para ser distinguido dos leigos pelas funções sagradas
que tornavam seus vícios mais abomináveis, pelas imunidades que fomentavam e estimulavam esses vícios
e pela intolerância que, cega a todas as aberrações da moral, proclamava estaca para ser a única punição
apropriada para a aberração na fé. Embora impotente para se reformar, ainda teve influência suficiente para
educar o povo até seu padrão de ortodoxia na implacável perseguição de todos os que desejava designar
como inimigos de Cristo.
No entanto, na Espanha, as imunidades e privilégios da Igreja eram menores do que em outras partes
da cristandade. A independência que o poder secular em Castela sempre manifestou em relação à Santa Sé
e sua desconsideração da lei canônica são pontos que ocasionalmente se manifestarão no futuro e são
dignos de um momento de consideração aqui. Mostrei em outro lugar que, sozinha entre as nações latinas,
Castela recusou-se a admitir a Inquisição medieval e desconsiderou completamente as prescrições da Igreja
[29]
sobre a heresia. No século XII, o sentimento popular em relação ao papado é expresso nas baladas do
Cid. Quando se diz que uma exigência de tributo ao Imperador Henrique IV é feita através do papa, Ruy
Diaz aconselha o rei Fernando a enviar um desafio de ambos ao papa e a todo o seu partido, o que o
monarca faz em conformidade. Então, quando o Cid acompanha seu mestre para um grande em Roma e
chuta a cadeira preparada para o rei da França, o papa o excomunga, ao que ele se ajoelha diante do santo
pai e pede a absolvição, dizendo-lhe que será pior para ele se ele não o conceder, o que papa prontamente
[30]
faz com a condição de ser mais auto-contido durante o resto da sua estadia. Não há vestígios da
veneração do vice-gerente de Deus, que em outros lugares foi inculcado como um dever religioso
indispensável.
Quando tal era o temperamento popular, é fácil entender que a proibição de
[31] DISFRIGA DO
levar dinheiro do reino para o papa era ainda mais enfática do que na Inglaterra. PAPACY
A reivindicação de controlar o patrocínio da Igreja, que era uma fonte tão proveitosa
de receita para a cúria, encontrou em toda a Espanha uma resistência tão forte quanto na Inglaterra, embora
a condição conturbada da terra interferisse em seu sucesso. Na Catalunha, os Córtes, em 1419, adotaram
uma lei em que, depois de aludir aos escândalos e ferimentos irreparáveis decorrentes da intrusão de
estranhos, foi declarado que nenhum nativo deveria ter preferência de nenhum tipo e que todas as cartas e
[32]
touros papais contrariando isso deve ser resistido de qualquer maneira que fosse necessário. Em
Castela, os Córtes de 1390 representavam à força a Juan I os males resultantes dessa imersão de estranhos
na Igreja espanhola, mas sua morte rápida impedia a ação. Os protestos foram renovados aos tutores do
jovem Henrique III, que prontamente colocou um embargo às receitas dos estrangeiros beneficiários e
proibiu a admissão de nomeados subseqüentes. Isso levou a um compromisso, em 1393, pelo qual a Cúria
Avignonense garantiu o reconhecimento dos atuais ocupantes, prometendo que nenhuma outra nomeação
[33]
deveria ser feita. A promessa feita pelo antipapa Avignonese não era vinculativa para a cúria romana e a
discussão continuou. Mesmo que o destinatário fosse nativo, houve pouca cerimônia para lidar com as
doações papais de benefícios quando a ocasião o motivou, como foi mostrado no caso.que primeiro revelou
o caráter inflexível do futuro Cardeal Ximenes. Durante sua estada juvenil em Roma, Ximenes obteve
cartas papais esperadas, concedendo-lhe o primeiro favor que deveria ficar vago na diocese de Toledo. Em
seu retorno ele fez uso dessas cartas para tomar posse do arciprestazgode Uceda, mas aconteceu que o
arcebispo Carrillo simultaneamente deu a uma de suas criaturas e, como Ximenes se recusou a entregar
seus direitos, ele foi jogado em uma torre em Uceda - uma torre que ele posteriormente, quando ele mesmo
Arcebispo de Toledo, usou como um tesouraria. Como ele continuou obstinado, Carrillo transferiu-o para o
Pozo de Santorcas, uma masmorra dura usada para malfeitores clericais, onde permaneceu por seis anos,
recusando-se resolutamente a abandonar sua reivindicação, até ser libertado por intercessão da esposa de
[34]
um sobrinho de Carrillo. Evidentemente, os prelados castelhanos tinham um esbelto respeito pelos
diplomas papais. Na mesma época, durante a guerra civil entre Henrique IV e seu irmão Alfonso, quando
Hernando de Luxan, bispo de Sigüenza, morreu, o reitor Diego López obteve posse dos castelos e do
tesouro da Sé, juntou-se ao partido de Alfonso e, com a ajuda do arcebispo Carrillo, fez-se eleito bispo.
Enquanto isso, Paulo II deu a sé a Juan de Maella, cardeal-bispo de Zamora, mas Diego López recusou-se a
obedecer aos touros e apelou para o futuro conselho contra o papa e todas as suas censuras. Ele
desconsiderou um interdito lançado contra ele e foi apoiado por todo o seu clero. Maella morreu e Paulo II
deu o bispado ao bispo de Calahorra, pedindo a Henrique IV para colocá-lo na posse. Tão seguro Diego
López sentiu que rejeitou um compromisso oferecendo-lhe a sé de Zamora em troca, mas a posse de
Sigüenza era importante na guerra; por suborno, uma tropa de soldados monarquistas foi admitida no
[35]
castelo e levou López como prisioneiro.
Era o mesmo, mesmo com um monarca tão piedoso quanto Ferdinand, o católico. Quando, em 1476, a
sede arquiepiscopal de Zaragoza tornou-se vaga pela morte de Juan de Aragão, Fernando, com seu pai,
Juan II, pediu a Sisto IV para nomear seu filho natural, Alfonso, uma criança de seis anos de idade. A
reivindicação do papado às nomeações arquiepiscopais, baseada na necessidade dopálio, era de data antiga
e tornara-se incontestável. No século XIII, Alfonso X havia admitido isso no caso dos arcebispos, mas
quando Isabella nomeou Ximenes para a sé de Toledo em 1495, o procedimento mostrou que o cargo era
[36]
considerado como presente da coroa e como confirmação papal. uma questão de curso. Assim, no
presente caso, o pedido foi uma mera forma, como foi visto quando Sixtus recusou. O defeito de
nascimento poderia ser dispensado, mas a juventude de Alfonso era uma objeção insuperável, e Sixto
nomeou Ansias Dezpuch, então Arcebispo de Monreal, pensando que os serviços prestados por ele e por
seu tio, o Mestre da Ordem de Montesa, induziria o rei a concordar. Dezpuch aceitou, mas Fernando
imediatamente sequestrou todas as receitas de Monreal e do convento de Santa Cristina e ordenou que ele
renunciasse. Em sua hesitação, Ferdinand ameaçou aproveitar todos os castelos e receitas da maestria de
Montesa, que foi eficaz, e Sixtus comprometeu-se a tornar o menino administrador perpétuo de Zaragoza.
[37]
Isabella, apesar de sua piedade, era tão firme quanto seu marido ao defender a
reivindicação da coroa nesses assuntos contra o papado. Quando, em 1482, a Sé de JURISDIÇÃO
Cuenca ficou vazia e Sisto IV nomeou um primo genovês para a posição, Fernando ECLESIÁSTICA
e sua rainha representaram energicamente que somente os espanhóis deveriam ter LIMITADA
bispados espanhóis e que a seleção deveria ser feita por eles. Sixtus respondeu que
todos os benefícios estavam no dom do papa e que seu poder, derivado de Deus, era ilimitado, ao que eles
ordenaram que todos os súditos residissem na corte papal e ameaçavam tomar medidas para a convocação
de um conselho geral. Estes procedimentos energéticos trouxeram Sixtus a termos e enviou a Espanha um
núncio especial, mas Ferdinand e Isabella permaneceram em sua dignidade e recusaram até recebê-lo.
[38]
Então o cardeal da Espanha, Eles alegaram que Podem ser os direitos papais em outros países, na
Espanha o patrocínio de todos os benefícios pertencia à coroa porque eles e seus antecessores tinham
[39]
arrancado a terra do infiel. Tão invejosos, de fato, eram as invasões papais que entre os temas que eles
submeteram ao sínodo nacional montado por eles em Sevilha, junho de 1478, foi como impedir a
residência de legados e núncios papais, que não apenas tirou muito dinheiro do reino, mas ameaçou a
preeminência real, à qual o sínodo respondeu que isto dependia com os soberanos para fazer como seus
[40]
antecessores tinham feito. Assim, é fácil entender por que, na organização da Inquisição, eles insistiram
que todas as nomeações deveriam ser feitas pelo trono.
De outras maneiras, a superioridade muito apreciada do cânon sobre a lei secular foi desconsiderada na
Espanha. Os Córtes e o monarca nunca hesitaram em legislar sobre assuntos eclesiásticos, e a jurisdição
dos tribunais eclesiásticos foi limitada por um ciúme que não respeitava o cânon e o decretal. Nada, por
exemplo, foi mais bem resolvido do que o conhecimento espiritual de todos os assuntos relativos a
testamentos, mas quando, em 1270, as autoridades de Badajoz se queixaram da interferência do tribunal do
bispo com juízes seculares em tais assuntos, procedendo à excomunhão daqueles que exercido jurisdição
sobre eles, Alfonso X expressou surpresa e deu ordens explícitas que tais casos devem ser decididos
[41]
exclusivamente pelos tribunais leigos. Tão pouco respeito foi sentido pela imunidade dos eclesiásticos
do direito secular, em defesa do qual Tomás Becket deu sua vida, que, por volta de 1351, um ordenamento
de Pedro, o Cruel, concede a eles que eles não devem ser citado perante juízes seculares exceto em
[42]
conformidade com a lei. Por outro lado, os leigos foram zelosamente protegidos dos tribunais
eclesiásticos. A coroa foi declarada como o único juiz de sua própria jurisdição, e nenhuma apelação foi
permitida. No exercício desse poder supremo, as leis foram repetidamente promulgadas, desde que um
leigo, que deveria citar outro leigo perante um juiz espiritual, não apenas perdesse sua causa, mas também
sofresse uma pesada multa e incapacidade para um cargo público. O juiz espiritualnão podia prender um
leigo ou impor a execução de sua propriedade, e aquele que a tentou ou qualquer outra invasão da
jurisdição real perdeu seus benefícios e tornou-se um estranho no reino, tornando-o incapaz de preferência.
O eclesiástico que citou um leigo perante um juiz espiritual perdeu quaisquer privilégios ou graças que ele
pudesse ter da coroa. O leigo que tentou remover uma causa de um tribunal leigo para um espiritual foi
punido com o confisco de todas as suas propriedades, enquanto qualquer vassalo que reivindicasse o
benefício do clero e declinou a jurisdição de um tribunal real, confiscou seu feudo. Ao promulgar essas leis
nos Córtes de Toledo, em 1480, Fernando e Isabel se queixaram de sua inobservância e ordenaram sua
[43]
estrita aplicação. Nenhuma outra nação na cristandade se atreveu a infringir os limites sagrados da
jurisdição espiritual.
Mesmo assim, isso não era tudo, pois o poder secular afirmava seu direito de
intervir em assuntos dentro da própria Igreja. Em outros lugares, o vício IMUNIDADE
inerradicável da concubinato sacerdotal foi deixado para ser tratado pelos bispos e ECLESIÁSTICA
arquidiáconos. Os próprios padres culpados, mesmo em Castela, estavam isentos de
autoridade civil, mas Fernando e Isabel não hesitaram em invadir seus domicílios e, por repetidos decretos
em 1480, 1491, 1502 e 1503, se esforçaram para curar o mal por meio de multas e flagelações. e banindo
[44]
seus parceiros no pecado. É verdade, como vimos acima, que essas leis foram iludidas, mas houve pelo
menos uma vigorosa tentativa de reforçá-las porque, em 1490, o clero de Guipúzcoa reclamou que os
oficiais da justiça visitaram suas casas para ver se eles mantinham concubinas (o que, é claro, negavam) e
levavam suas mulheres para a prisão, onde eram forçadas a se confessar concubinas, para a grande desonra
da Igreja, quando os soberanos reprimiam o zelo excessivo de seus oficiais e ordenavam-lhes futuro
[45]
interferir apenas quando a concubinato era notória. Uma extensão ainda mais significativa da
autoridade real foi exercida quando, em 1490, o povo de Lequeitio (Biscaia) se queixou de que, embora
houvesse doze sacerdotes em massa na igreja paroquial, todos celebraram juntos e em tempos incertos, que
os piedosos não puderam estar presentes. Esta era uma questão pertencente exclusivamente à autoridade
diocesana, mas o apelo foi feito à Coroa, e o Conselho Real não teve nenhum escrúpulo em ordenar aos
sacerdotes que celebram sucessivamente e em horários razoáveis, sob pena de banimento e confisco de
[46]
temporalidades, desconsiderando até mesmo as imunidades imprescritíveis do sacerdócio. Tão delgado,
de fato, foi o respeito pago a essas imunidades que o Conselho de Aranda, em 1473, reclamou que os
magistrados das cidades e outros senhores temporais presumiram banir os eclesiásticos que mantinham
benefícios nas igrejas catedral, e pode-se duvidar se o interdito com o qual o município ameaçou punir essa
[47]
infração dos cânones foi eficaz em sua supressão.
Um dos abusos mais deploráveis com os quais a Igreja afligiu a sociedade foi a admissão nas ordens
menores de leigos que, sem abandonar as atividades mundanas, adotaram a tonsura para desfrutar da
irresponsabilidade proporcionada pela reivindicação adquirida à jurisdição espiritual, seja como criminosos
ou como comerciantes. Os Córtes de Tordesilhas, em 1401, declararam que a maior parte das rufinase os
malfeitores do reino usavam a tonsura; quando presos pelos oficiais seculares, os tribunais espirituais
exigiram-lhes e aplicaram suas reivindicações com excomunhão, após o que eles dispensaram livremente
os malfeitores. Esta queixa foi repetida por quase todos os Córtes subseqüentes, com uma alusão ocasional
ao estímulo assim proporcionado às más propensões daqueles que eram realmente clérigos. Os reis em
responder a essas representações só poderiam dizer que se aplicariam ao Santo Padre para alívio, mas o
[48]
alívio nunca veio. O espírito em que estas reivindicações de imunidade clerical foram avançadas como
um escudo para criminosos e a firmeza resoluta com que foram encontradas por Fernando e Isabel são
ilustradas por uma ocorrência em 1486, em Truxillo, onde um homem cometeu um crime e foi preso pelo
corregedor. Ele alegou usar a tonsura e, quando os oficiais demoraram a entregá-lo à corte eclesiástica,
alguns clérigos que eram seus parentes desfilaram pelas ruas com uma cruz e proclamaram que a religião
estava sendo destruída. Eles conseguiram assim despertar um tumulto no qual o culpado foi libertado. Os
soberanos estavam na Galícia, mas eles imediatamente enviaramtropas para o local da perturbação;
punição severa foi infligida aos participantes do motim, e os clérigos que a provocaram foram privados de
[49]
cidadania e banidos da Espanha. Menos graves, mas ainda abundantemente desagradáveis, eram as
vantagens que esses leigos tonsurados possuíam em ações civis, reivindicando o privilégio da jurisdição
eclesiástica. Conhecer isso era em grande parte o objeto das leis nas Ordenanzas Reales descritas acima, e
estas foram suplementadas, em 1519, por um decreto de Carlos V proibindo oficiais episcopais de
conhecerem casos em que os chamados clérigos empenhados no comércio buscavam o espiritualismo.
tribunais como defesa contra ações civis. Um abuso similar, por meio do qual tais clérigos em cargos
públicos evitavam a responsabilidade pelo erro ao suplicar seu clero, ele remediava revivendo uma antiga
[50]
lei de Juan declarando-os inelegíveis para o cargo. Assim, o poder real na Espanha afirmou sua
autoridade sobre a Igreja de uma forma desconhecida em outros lugares. Veremos que, enquanto se
recusasse a perseguir mouros e judeus, Roma não poderia obrigá-lo a fazê-lo. Quando sua política mudou
sob Isabella, era inevitável que o maquinário da perseguição estivesse sob o controle, não da Igreja, mas do
soberano. Veremos também que, quando a Inquisição infligiu erros semelhantes pelas imunidades
reivindicadas por seus próprios funcionários e familiares, os soberanos costumavam fazer ouvidos surdos
às queixas do povo.

Tal era a condição de Castela quando a morte do miserável Henrique IV, em 12


de dezembro de 1474, atribuiu a responsabilidade da realeza à sua irmã Isabella e SUCESSÃO
seu marido, Fernando de Aragão. O poder da coroa foi eclipsado; a terra foi DISPUTA
devastada pela guerra interminável entre nobres que eram praticamente
independentes; o sentimento de lealdade e patriotismo parecia extinto: engano e traição, falsos juramentos -
o que quer que servisse à cupidez e à ambição - eram universais; justiça foi comprada e vendida; vingança
privada foi exercida sem restrição; não havia segurança para a vida e a propriedade. O tecido da sociedade
[51]
parecia prestes a cair em ruínas. Para evoluir a ordemEsse caos de paixão e anarquia era uma tarefa para
testar ao máximo o nervo e a capacidade do mais resoluto e sagaz. Para aumentar a confusão, houve uma
sucessão disputada, embora, em 1468, o juramento de fidelidade tivesse sido levado a Isabella, com o
consentimento de Henrique IV, no Contrato de Perales, pelo qual ele, pela segunda vez, reconheceu sua
filha de renome Juana não ser dele. Acreditava-se popular que ele fosse impotente, e quando sua esposa
Juana, irmã de Affonso V de Portugal, lhe deu uma filha, a quem ele reconheceu e declarou ser seu
herdeiro, sua paternidade foi maliciosamente atribuída a Beltran de la Cueva, e ela conhecido pelo partido
oposto como La Beltraneja. Embora Henrique tenha sido forçado por seus nobres a deixar de lado suas
reivindicações em favor de seu irmão Alfonso na Declaração de Cabezon, em 1464, e, depois da morte de
Alfonso, em favor de Isabella, em 1468, o casamento deste último, em 1469, com Fernando de Aragão o
enfureceu tanto que ele prometeu a Joana Duque de Guienne, irmão de Luís XI da França, e fez os nobres
de sua facção Juro reconhecê-la. Na sua morte, ele testemunhou novamente a sua legitimidade e declarou
que ela era sua sucessora em um testamento que por muito tempo permaneceu oculto e finalmente em 1504
[52]
caiu sob o controle de Ferdinand, que ordenou que ela fosse queimada. Havia um partido poderoso
empenhado em apoiar seus direitos, e eles foram auxiliados, por um lado, por Affonso de Portugal e, por
outro lado, por Louis da França, cada um ansioso para lucrar desmembrando a terra infeliz. Alguns anos de
guerra, mais cruéis e sangrentos do que a disputa sem objetivo precedente, foram requeridos para se
desfazer dessa formidável oposição - anos que tentaram ao máximo a habilidade dos jovens soberanos e
provaram a seus súditos que finalmente tinham governantes dotados de qualidades reais. A vitória decisiva
de Toro, vencida por Ferdinand sobre os portugueses, em 1º de março de 1476, praticamente estabeleceu o
resultado, embora o tratado final não tenha sido assinado até 1479. Beltraneja recebeu a alternativa de se
casar em seis meses. e Isabella, então com apenas dois anos de idade, ou de entrar na Ordem de Santa
Clara em uma casa portuguesa. Ela escolheu o último, mas ela nunca deixou de assinarYo la Reina e suas
pretensões eram uma fonte frequente de ansiedade. Ela levou uma vida variada, às vezes tratada como
rainha, com um tribunal à sua volta, e às vezes como freira em seu convento, morrendo finalmente em
[53]
1531, aos setenta anos de idade.
Isabella era rainha de fato, assim como no nome. Sob o sistema feudal, o marido de uma herdeira era
tão completamente senhor do feudo que, nas Capitulações de Cervera, em 7 de janeiro de 1469, que
precedeu o casamento, os castelhanos guardavam cuidadosamente a autonomia de seu reino e Ferdinando
[54]
jurou observar a condições. No entanto, com a morte de Henrique IV, ele imaginou que poderia
desconsiderar o pacto, alegando que a coroa de Castela passou para o descendente masculino mais
próximo, e que através de seu avô, Fernando de Antequera, irmão de Henrique III, ele era o legítimo
herdeiro. A posição, no entanto, era muito duvidosa e complicada para ele insistir nisso; uma luta curta
convenceu sua consumada prudência de que era prudente ceder, e o tato da esposa facilitou a submissão.
Concordou-se que os seus dois nomes deveriam aparecer em todos os jornais, tanto na cabeça quanto em
todas as moedas, e que deveria haver um único selo com as armas de Castela e Aragão. Depois disso, eles
agiram em concerto que raramente era perturbado. A forte individualidade que caracterizava ambos
[55]
conduzia à harmonia, pois nenhum deles permitia aos cortesãos obter influência indevida.
Fernando, sem ser um homem verdadeiramente grande, foi inquestionavelmente
o maior monarca de uma época não prolífica em grandeza, o único contemporâneo O CARÁTER DE
que ele não eclipsou totalmente sendo Henrique VII da Inglaterra. Constante na FERDINAND
adversidade, não indevidamente exultante em prosperidade, havia um equilibrio
firme em seu caráter que mais do que compensava qualquer falta de brilho. Preservando e cauteloso, ele
não deu nenhum passo decisivo que não estivesse bem preparado com antecedência, mas, quando chegasse
a hora, ele poderia atacar, pronta e duramente. Não naturalmente cruel, ele não teve prazerno sofrimento
humano, mas ele era impiedoso quando sua política exigia. A dissimulação e o engano são um ingrediente
da política muito invariável para censurá-lo severamente pela astúcia em que ele superou seus rivais ou
pela falsidade em que ele era um adepto. Frio e reservado, ele preferia inspirar medo em vez de provocar
afeição, mas estava bem servido e sua percepção do caráter deu-lhe a faculdade mais útil de um
governante, a capacidade de escolher seus instrumentos e obter deles o melhor trabalho que eles eram
capazes de se apresentar, enquanto gratidão por serviços passados nunca lhe impunham quaisquer
obrigações inconvenientes. Ele foi popularmente acusado de avareza, mas o tesouro vazio deixado em sua
[56]
morte mostrou que a ganância com ele tinha sido apenas um meio para um fim. Suas convicções
religiosas eram sinceras e, além disso, ele reconheceu sabiamente a inestimável ajuda que a religião
poderia emprestar à diplomacia numa época em que o cristianismo latino era dominante sem um rival. Esse
foi especialmente o caso da guerra de dez anos com Granada, cuja conduta o selaria como líder de homens.
O insensível desafio de Abu-l-Hacan quando, em 1478, ele se recusou a retomar o pagamento da
homenagem que durante séculos havia sido imposta a Granada, e quando, em 1481, quebrou a trégua
existente ao surpreender Zahara, uma feliz ocorrência que Ferdinand melhorou ao máximo. Os nobres
castelhanos tinham sido reduzidos à ordem, mas se irritavam sob a restrição inusitada. Ao dar a seus
instintos belicosos empregos legítimos em uma causa sagrada, ele estava assegurando a paz interna;
liderando seus exércitos pessoalmente, estava ganhando o respeito de seus súditos castelhanos que o
odiavam como aragonês, e os treinava para hábitos de obediência. Ao conquistar a coroa de Castela,
tornou-se naturalizado e deixou de ser estrangeiro. Já se passaram mais de cem anos desde que um rei de
Castela conduziu seu cavalheirismo à vitória sobre os infiéis, e o orgulho nacional e o entusiasmo religioso
foram recrutados para conquistar para ele a autoridade pessoal necessária para um soberano que havia sido
confiscado desde o assassinato de Pedro, o Cruel, havia estabelecido a linha bastarda no trono. Foi por
meios como este, e não pela Inquisição que Ao conquistar a coroa de Castela, tornou-se naturalizado e
deixou de ser estrangeiro. Já se passaram mais de cem anos desde que um rei de Castela conduziu seu
cavalheirismo à vitória sobre os infiéis, e o orgulho nacional e o entusiasmo religioso foram recrutados
para conquistar para ele a autoridade pessoal necessária para um soberano que havia sido confiscado desde
o assassinato de Pedro, o Cruel, havia estabelecido a linha bastarda no trono. Foi por meios como este, e
não pela Inquisição que Ao conquistar a coroa de Castela, tornou-se naturalizado e deixou de ser
estrangeiro. Já se passaram mais de cem anos desde que um rei de Castela conduziu seu cavalheirismo à
vitória sobre os infiéis, e o orgulho nacional e o entusiasmo religioso foram recrutados para conquistar para
ele a autoridade pessoal necessária para um soberano que havia sido confiscado desde o assassinato de
Pedro, o Cruel, havia estabelecido a linha bastarda no trono. Foi por meios como este, e não pela
Inquisição que que tinha sido perdida desde o assassinato de Pedro, o Cruel, tinha estabelecido a linha
bastarda sobre o trono. Foi por meios como este, e não pela Inquisição que que tinha sido perdida desde o
assassinato de Pedro, o Cruel, tinha estabelecido a linha bastarda sobre o trono. Foi por meios como este, e
não pela Inquisição queele começou o movimento que converteu a Espanha feudal em uma monarquia
absoluta. O trabalho de sua vida foi visto no sucesso com o qual, contra grandes dificuldades, ele levantou
a Espanha de sua obscuridade na Europa para o posto mais importante de poderes cristãos.
No entanto, em meio aos numerosos atos de crueldade e duplicidade que mancham a memória de
Ferdinand como estadista, o exame de sua correspondência com seus oficiais da Inquisição, especialmente
com aqueles empregados no odioso trabalho de confiscar a propriedade das vítimas infelizes, revelou me
um aspecto inesperadamente favorável de seu personagem. Enquanto os incita a diligência e
meticulosidade, suas instruções são invariavelmente decidir todos os casos com retidão e justiça e não dar
nenhuma causa de reclamação. Ao insistir na subordinação do povo e dos funcionários seculares ao Santo
Ofício, mais de uma vez o encontramos intervindo para verificar ações arbitrárias e corrigir abusos e,
quando casos de dificuldades peculiares decorrentes de confiscos são levados ao seu conhecimento, ele
freqüentemente concede a viúvas e órfãos uma parte da propriedade perdida. Tudo isso virá antes de nós
mais completamente a seguir e uma única instância será suficiente aqui para ilustrar sua gentil disposição
para seus súditos. Em uma carta de 20 de outubro de 1502, ele recita que Domingo Muñoz, de Calatayna,
apelou a ele por ajuda, representando que sua pequena propriedade estava sobrecarregada comcensal ou
renda fundiária de dois sóis oito dineros-parte de um maior confiscados na propriedade de Juan de
Buendia, condenado por heresia e ele ordena Juan Royz, seu receptor de confiscos em Saragoça, para
liberar o rés-do-aluguel e arrendamento Muñoz tem sua propriedade sem pagar, alegando que esta é velha e
[57]
pobre. Isso mostra a reputação de Ferdinand entre seus súditos que tal apelo deveria ser aventurado, e a
trivialidade do assunto torna mais impressionante que um monarca, cuja incessante atividade pessoal era
dedicada aos maiores assuntos daquele tumultuado mundo, vire-se da complicada traição da política
européia para considerar e conceder uma oração tão humilde.
Em sua carreira de sucesso como monarca, ele foi bem apoiado por sua rainha.
Sem merecer os elogios exagerados que a idealizaram, Isabella era uma mulher ISABELLA
exatamente adaptada ao seu ambiente. Como vimos, o varonil muger foi um
desenvolvimento não incomum do período na Espanha, e IsabellaA juventude, passada no meio de gralhas
civis, com seu destino mais de uma vez suspenso na balança, fortaleceu e endureceu o elemento masculino
de seu caráter. Auto-confiante e possuidora de coragem moral e física, ela foi pronta e decidida, suportando
com facilidade responsabilidades que esmagariam uma natureza mais fraca e admiravelmente ajustadas
para lidar com os nobres ferozes e turbulentos, que não respeitavam nem sua posição nem seu sexo e
poderia ser reduzido à obediência apenas por uma vontade superior à sua. Ela tinha os defeitos de suas
qualidades. Ela não poderia ter sido a rainha que ela era sem sacrifício de suavidade feminina, e ela ganhou
[58]
a reputação de ser dura e implacável. Ela não podia ser misericordiosa quando sua tarefa era reduzir a
ordem da turbulência selvagem e ilegalidade que reinou por tanto tempo sem controle em Castela, mas
nisto ela não derramou sangue e ela soube como perdoar quando a política ditava misericórdia. Como ela
ganhou o carinho daqueles em quem ela confiou pode ser facilmente entendida a partir da graça feminina
[59]
de suas cartas para seu confessor, Hernando de Talavera. Um atributo menos louvável de seu sexo era
seu gosto por adornos pessoais, nos quais ela se entregava apesar de um tesouro cronicamente vazio e de
um povo sobrecarregado de impostos. Ouvimos falar dela ampliando sua auto-abnegação ao receber o
embaixador francês duas vezes no mesmo vestido, enquanto um adido do enviado inglês diz que ele nunca
a viu duas vezes no mesmo traje, e que um único banheiro, com suas jóias e apêndices deve ter custado
[60]
pelo menos 200.000 coroas. Ela também era rigidamente tenaz da dignidade real. Uma vez, quando
Ferdinand estava jogando cartas com alguns grandes, o almirante de Castela, cuja irmã era a mãe de
Ferdinand, dirigiu-se a ele repetidamente como "sobrinho"; Isabella estava despida em uma sala interna e
ouviu; ela rapidamente juntou uma roupa em volta dela, enfiou a cabeça pela porta e o repreendeu -
[61]
“Espera! meu senhor o o rei não tem parentesco ou amigos, ele tem servos e vassalos. Ela era
profundamente e sinceramente religiosa, colocando confiança quase ilimitada em seus diretores espirituais,
a quem ela selecionou, não entre os casuistas da corte para acalmar sua consciência, mas entre os mais
rígidos e inflexíveis clérigos ao seu alcance, e para isso pode em parte pode ser atribuída ao fanatismo que
a levou a causar tamanha destruição entre seu povo. Ela era escrupulosamente regular em todas as
observâncias da igreja; além das frequentes orações, ela diariamente recitava as horas como um padre, e
seu biógrafo nos conta que, apesar dos cuidados prementes do Estado, ela parecia levar uma vida
[62]
contemplativa, em vez de ativa. Ela era naturalmente justa e correta, porém, na tortuosa política da
época, não hesitou em tornar-se cúmplice da frequente duplicidade e traição de Ferdinand. Com toda a
atividade lotada de sua vida agitada, ela encontrou tempo para estimular a cultura desprezada pelo
cavalheirismo guerreiro em torno dela, e ela teve um profundo interesse em uma academia que, em sua
[63]
instância, foi aberta para os jovens nobres de sua corte por o erudito italiano, Peter Martyr de Anghiera.
Isabella reconheceu que a maneira mais certa de refrear os distúrbios que
permeiam seu reino era a aplicação vigorosa da lei e, assim que o aspecto favorável JURISDIÇÃO REAL
da guerra da sucessão dava tempo a assuntos menos urgentes, ela se empenhou
diligentemente em trabalhar para realizá-la. . A vitória de Toro foi seguida imediatamente pelos Córtes de
Madrigal, em 27 de abril de 1476, onde reformas profundas foram promulgadas, entre as quais a
[64]
administração da justiça e a reivindicação das prerrogativas reais ocupavam um lugar de destaque. Não
demorou muito para que ela desse ao seu povo uma ilustração prática de sua determinação inflexível para
impor essas reformas. Em 1477, visitou Sevilha com o seu tribunal e presidiu em público o julgamento de
malfeitores. Reclamações vieram em grosso e rápido de assassinatos e roubos cometidos nos maus velhos
tempos; os criminosos foram sumariamente despachados, e um grande medo recaiu sobre toda a
população, pois havia uma família escassa ou mesmo um indivíduo que não estava comprometido.
Multidões fugiram e Sevilha desejava ser despovoada quando, na súplica de uma grande multidão,
encabeçada por Enrique de Guzmán, duque de Medina Sidonia, proclamou uma anistia condicionada à
[65]
restituição da propriedade, fazendo, no entanto, a significativa exceção da heresia.
De Sevilha, ela foi acompanhada por Fernando, para Córdova. Lá eles
executaram malfeitores, obrigaram a restituição da propriedade, tomaram posse dos ADMINISTRAÇÃO
castelos de ladrões e deixaram a terra pacificada. Como a oportunidade permitiu, DA JUSTIÇA
nos anos ocupados que se seguiram, Isabella visitou outras porções de seus
domínios, de Valência a Biscaia e Galícia, na mesma missão e, quando ela não pôde comparecer
pessoalmente, enviou juízes ao redor com plenos poderes para representar o povo. coroa, cuja influência
foi ampliada quando, em 1480, os oficiais reais conhecidos como corregidores foram nomeados em todas
[66]
as vilas e cidades. Um caso notável é registrado que impressionou toda a nobreza com terror salutar. Em
1480, a viúva de um escrivão apelou para ela contra Alvar Yáñez, um rico caballero de Lugo na Galícia,
que, para obter a posse de uma propriedade cobiçada, fez com que o escrivão falsificasse uma ação e
depois o assassinatasse para garantir o sigilo. Foi provavelmente isso que levou Fernando e Isabel a enviar
à Galícia Fernando de Acuña como governador com uma força armada, e Garcí López de Chinchilla como
corregedor. Yáñez foi preso e finalmente confessou e se ofereceu para comprar perdão com 40.000
ducados para serem aplicados nas guerras mouras. Os conselheiros de Isabella aconselharam a aceitação da
soma tentadora para uma causa tão sagrada, mas seu senso inflexível de justiça a rejeitou; ela mandou
matar o criminoso, mas para provar seu desinteresse, ela renunciou à reivindicação das propriedades
perdidas e as entregou aos filhos. Alvar Yáñez era apenas um tipo dos nobres sem lei da Galícia que,
durante um século, estavam acostumados a matar e estragar sem prestar contas a ninguém. Tão
desesperada apareceu a condição da terra que quando, em 1480, os deputados das cidades se reuniram para
receber Acuña e Chinchilla, disseram-lhes que teriam que ter poderes do Rei do Céu, bem como do rei
[67]
terreno para punir o rei. malfeitores da terra. O exemplo de Yáñez trouxe encorajamento, mas o
trabalho de restaurar a ordem foi lento. Mesmo em 1482, os representantes das cidades da Galícia apelaram
aos soberanos, afirmando que não havia nem lei nem justiça ali e implorando que um prefeito justiziaser
nomeado, armado com plenos poderes para reduzir a terra à ordem. Eles pediam especialmente a
destruição dos numerosos castelos daqueles que, tendo pouca terra e poucos vassalos para apoiá-los,
viviam de roubos e saques, e com eles classificavam as igrejas fortificadas mantidas pelos prelados. Ao
mesmo tempo, eles representavam que o homicídio tinha sido tão universal que, se todos os assassinos
fossem punidos, a maior parte da terra seria arruinada, e sugeriam que os culpados fossem feitos apenas
[68]
para servir às suas próprias custas na guerra com Granada. Com o apoio do bem disposto, no entanto, o
poder real gradualmente se fez sentir; eles emprestaram apoio eficiente aos representantes reais; Quarenta e
seis castelos de ladrões foram arrasados e mil e quinhentos ladrões e assassinos fugiram da província, que
se tornou comparativamente pacífica e ordeira - uma mudança confirmada quando, em 1486, Ferdinand e
Isabella foram para lá pessoalmente para concluir o trabalho. No entanto, não foi simplesmente por esforço
espasmódico que a proteção das leis foi assegurada para a população. Vigilância constante foi exercida
para ver que os juízes eram rígidos e imparciais. Em 1485, 1488 e 1490 ouvimos falar de investigações
investigativas feitas na ação de todos os corregedores do reino para ver que eles administravam a justiça
sem medo ou favor. Juezes de Residenciacomo eram chamados, armados com autoridade real quase total,
foram despachados para todas as partes do reino, como um sistema regular, para investigar e relatar sobre a
conduta de todos os oficiais reais, dos governadores para baixo, com poder de punir por injustiça, a
opressão, ou corrupção, sujeita sempre a apelar em casos maiores ao conselho real, e as instruções
detalhadas dadas a eles mostram o minucioso cuidado exercido sobre todos os detalhes da administração.
O suborno, também, que era quase universal nos tribunais, foi sumariamente reprimido e todos os juízes
[69]
foram proibidos de receber presentes de pretendentes. Para manter vigilância constante sobre eles um
serviço secreto foi organizado de inspetores confiáveis que circulavam por toda a terra em relatórios
[70]
disfarçados e fornecidos quanto aos seus procedimentos e reputação. Atenção, além disso, foi pago à
jurisprudência confusa do período. Desde a confirmação das Siete Partidas de Afonso X, em 1348, e a
questão, ao mesmo tempo, do Ordenamento de Alcalá , havia inúmeras leis e decretos publicados, alguns
deles conflitantes e muitos que haviam se tornado obsoletos, embora ainda de forma legal. força. O maior
jurista do dia, Alfonso Diaz de Montalvo, foi contratado para reunir deles em um código tudo o que era
aplicável às condições existentes e suplementar suas deficiências, e este código, conhecido como
[71]
Ordenanzas Reales , foi aceito e confirmado por os Córtes de Toledo em 1480. Esta reconstrução da
jurisprudência castelhana foi concluída para o tempo em que, em 1491, Montalvo trouxe uma edição do
Siete Partidas , observando que as disposições se tornaram obsoletas e adicionando o que era necessário
das leis mais modernas. O resultado de todos esses esforços extenuantes é visto na admiradora exclamação
de Pedro Mártir, em 1492: “Assim temos paz e concórdia, até então desconhecidos na Espanha. A justiça,
[72]
que parece ter abandonado outras terras, permeia esses reinos ”. Os benefícios inestimáveis resultantes
disto são provavelmente devidos mais especialmente a Isabella.
No entanto, fui levado à convicção de que sua participação na administração de seu reino foi
exagerada. Os cronistas do período eram na maior parte castelhanos que naturalmente procurariam
subordinar a ação do intruso aragonês, e escritores subseqüentes, em sua ânsia de magnificar a reputação
de Isabella, seguiram o exemplo. Na copiosa correspondência real com os oficiais da Inquisição, o nome de
Isabella raramente aparece. Para aqueles em Castela como em Aragão, Ferdinand escreve principalmente
na primeira pessoa do singular, sem sequer usar a pluralis majestatis ; o receptor de confiscos é meu
receptor , o tesouro real é mi camera e fisco ;o Conselho da Inquisição é mi consejo . Apesar do acordo de
1474, a assinatura Yo la Reina raramente aparece ao lado de Yo el Rey , e ainda mais raras são as alusões de
Ferdinand à Sereníssima Reina , enquanto nas cartas ocasionais emitidas por Isabella durante seu a
[73]
ausência do marido, ela é cuidadosa para adicionar sua autoridade como a de el Rey mi señor . É pouco
provável que esta preponderância de Ferdinand se limitasse a dirigir os assuntos do Santo Ofício.
Ultimamente, tem havido uma tendência a considerar a Inquisição como um motor político para a
conversão da Espanha de uma monarquia feudal medieval para uma do tipo absoluto moderno, mas isso é
um erro. A mudança efetuada por Fernando e Isabel e confirmada por seu neto Carlos V foi quase
inteiramente realizada, como havia sido dois séculos antes, na França, pela extensão e aplicação da
[74]
jurisdição real, substituindo a dos feudatórios. Em Castela, este último praticamente deixou de ser um
instrumento de boa qualidade durante o longo período de turbulência que precedeu a ascensão de Isabella;
alguma coisa evidentemente era necessária para preencher a lacuna; a administração zelosa e eficiente da
justiça, que descrevi, não apenas restaurou a ordem à comunidade, mas foi longe para exaltar o poder real
e, ao mesmo tempo que humilhou os nobres, reconciliou o povo com possíveis usurpações tão benéficas.
Na consolidação e manutenção desta agência nenhuma foi tão eficaz quanto a instituição conhecida como
Santa Hermandad .
Hermandades - irmandades ou associações para a manutenção da paz pública e
dos direitos privados - não eram algo novo. Nos problemas de 1282, causados pela LA SANTA
rebelião de Sancho IV contra seu pai, a primeira ideia de seus partidários parece ter HERMANDAD
[75]
sido a formação de tais organizações. Nessas associações, no entanto, as funções
policiais estavam subordinadas ao objeto político de apoiar as pretensões de Sancho IV e, reconhecendo
seu perigo, ele as dissolveu assim que sentiu o trono assegurado a ele. Após sua morte, sua viúva, a regente
Dona María de Molina, organizou-os novamente para a proteção de seu filho, Fernando IV, e novamente
[76]
em 1315, quando ela era segunda vez regente na minoria de seu neto, Alfonso XI.
A idéia foi frutífera e rapidamente passou a ser reconhecida como um instrumento poderoso na luta
contra a desordem e a violência locais. Talvez o primeiro Hermandad de caráter puramente policial, similar
aos posteriores, tenha sido o que entrou em 1302 entre Toledo, Talavera e Villareal para reprimir os roubos
e assassinatos cometidos pelos golfistas no distrito de Xara. Fernando IV não apenas confirmou a
associação, mas ordenou que os habitantes prestassem a devida assistência, e subseqüentes cartas reais do
[77]
mesmo significado foram emitidas em 1303, 1309, 1312 e 1315. Em 1386 Juan I emoldurou uma lei
geral que prevê a organização e funções de Hermandades, mas se algum foram formados sob ele no
momento em que não deixaram vestígios de sua atividade. Em 1418 esta lei foi adotada como a
constituição de uma que se organizou em Santiago, mas esta realizou pouco e, em 1421, as guildas e
[78]
confrarias da cidade uniram-se em outra para apoio mútuo e socorro. Havia, na verdade, neste
momento, pelo menos nominalmente, um general Hermandad, provavelmente organizado sob o estatuto de
Juan I e possuindo cartas e privilégios e costumes e rendimentos escritos, com jurisdição plena para julgar
e condenar os infratores. No entanto, ele recebeu pouco respeito, pois reclamou, em 1418, a Juan II de
interferência em suas receitas e trabalho, emresposta a que Juan vigorosamente proibiu todos os juízes e
funcionários reais e locais de impedir os Hermandades de qualquer maneira. A continuidade, pelo menos
nominal, deste com organizações subseqüentes é mostrada pela confirmação deste enunciado por Juan II
em 1423, por Ferdinand e Isabella em 1485, por Juana la Loca em 1512 e 1518, por Philip II em 1561, por
[79]
Philip III em 1601 e por Philip IV em 1621. Na crescente desordem dos tempos, no entanto, era
impossível, naquele período, manter a eficiência do corpo. Em 1443 foi feita uma tentativa de reconstruí-
lo, mas assim que se esforçou para reprimir os nobres sem lei e sitiar Pedro López de Ayala em Salvatierra,
[80]
suas forças foram cortadas em pedaços e dispersas por Pedro Fernández de Velasco. Cerca de vinte anos
depois, em 1465, quando os distúrbios de Henrique IV estavam culminando, outro esforço foi feito. O
povo sofredor organizou-se e taxou-se para levantar uma força de 1.800 cavaleiros para tornar as estradas
seguras, e eles tentaram elevar o número para 3.000. Foi um movimento popular contra os nobres e o rei
saudou-o como a obra de Deus que levantava os humildes contra os grandes. Ele autorizou-os a administrar
a justiça sem apelar, exceto para si mesmo, ele disse-lhes que eles tinham bem ganhou o nome de Santa
Hermandad e ele pediu-lhes sinceramente para avançar no bom trabalho. A tentativa teve um sucesso
considerável por um tempo, mas logo definhava e foi dissolvida por falta dos meios necessários para
[81]
carregá-la. Novamente, em 1473, houve outro esforço para formar um Hermandad, mas as forças
[82]
anárquicas eram dominantes demais para sua organização bem-sucedida.
Assim que a vitória de Toro, em março de 1476, deu a promessa de um governo
estabelecido, a idéia de reviver as Hermandades ocorreu a Alfonso de Quintanilla, LA SANTA
Contador Mayor, ou Auditor Chefe, de Ferdinand e Isabella. Com a aprovação HERMANDAD
deles, ele abordou o assunto para os principais cidadãos das principais cidades de
Leão e da Velha Castela; deputados foram enviados para se reunir em Dueñas e o projeto foi debatido.
Tantos obstáculos apresentadoseles mesmos que teriam sido abandonados, mas por um argumento
eloquente de Quintanilla. Seu plano foi adotado, mas os deputados temiam tanto que os impostos
necessários para sua manutenção pudessem se tornar permanentes, limitando sua duração a três anos. Sob o
impulso dos soberanos, rapidamente tomou forma e foi organizado com o duque de Villahermosa, irmão
[83]
natural de Ferdinando, à frente. Não se perdeu tempo em estendê-lo ao longo dos reinos, apesar da
resistência por parte daqueles que consideravam com bem fundamentada apreensão não apenas sua
eficiência como meio de coagir os malfeitores, mas também um perigoso desenvolvimento do poder real.
Sevilha, por exemplo, recalcitrada e somente cedeu a um comando peremptório de Isabella em junho de
[84]
1477. Uma das razões atribuídas, em 1507, por Fernando, por concordar com o arranjo desmoralizante
sob o qual o arcebispo de Compostela renunciou ao seu favor em favor de seu filho natural, foi que ele
havia recebido os juízes reais e o Hermandad em toda a província. , em oposição à vontade dos nobres e
[85]
gentry. Quando, em 1479, Alonso Carrillo e o Marquês de Villena fizeram uma tentativa final de incitar
o Rei de Portugal a outra invasão de Castela, um dos argumentos avançados foi o ódio que Ferdinand e
[86]
Isabella tinham por causa dos impostos cobrados. para apoiar os três mil cavaleiros do Hermandad. Em
algumas províncias a resistência foi obstinada. Em 1479, encontramos Isabella escrevendo para as
autoridades de Biscaia, expressando surpresa com a negligência das ordens reais e ameaçando punição
condigna por mais atrasos, apesar de que ordens repetidas eram necessárias, e não foi até 1488 que os
obstinados Biscayans se apresentaram, enquanto em breve depois vieram reclamações de Guipuzcoa que
[87]
os tribunais locais neutralizaram isto admitindo apelações de suas sentenças. Foi no mesmo ano que
Ferdinand obteve dos Córtes de Saragoça assentimento para a introdução do Hermandad em seu reino de
Aragão, mas o aragonês, sempre com ciúmes do poder real,por isso, em dezembro de 1493, Isabella,
escrevendo de Zaragoza, teme que os Córtes possam suprimi-lo, embora seja o único meio de fazer justiça
ali, e nos Córtes de Monçon, em 1510, Fernando foi obrigado a fazê-lo. aprovar um fuero abolindo-o e
[88]
proibindo para o futuro qualquer coisa do tipo a ser estabelecida. Em 1490, o reino independente de
Navarra adotou o sistema e cooperou com seus vizinhos permitindo que malfeitores fossem seguidos pela
fronteira e extraditando-os quando capturados - até mesmo os devedores fugitivos sendo assim rastreados e
[89]
entregues. A instituição assim fundada foi vigiada com os cuidados habituais de Isabella. Em 1483,
surgiram denúncias de suborno e extorsão, quando ela convocou uma convenção em Pinto de
[90]
representantes de todas as províncias, onde os culpados eram punidos e os abusos foram reformados.
Os Santa Hermandad formaram assim uma polícia militar montada que cobria todo o reino, sob o
comando do duque de Villahermosa, que nomeou os capitães e convocou a força para qualquer ponto onde
houvesse problemas. Cada centro da população elegia dois alcaldes, um deles um cavalheiro e o outro um
pagador de impostos ou plebeu e cobrava um imposto para custear as despesas da organização. Os alcaldes
selecionaram os quadrilleros, ou privates, e realizou tribunais que dispensaram justiça sumária aos
delinqüentes, obrigados por nenhuma formalidade e obrigados a ouvir nenhuma alegação legal. Sua
decisão foi final, exceto um apelo ao trono; sua jurisdição se estendia sobre todos os crimes de violência e
roubo e eles podiam infligir listras, mutilação ou morte atirando com flechas. O quadrilátero em
perseguição de um infrator era obrigado a segui-lo por cinco léguas, aumentando o tom e o choro enquanto
ele ia, e juntando-se aos do país por onde passava, que continuava a caçada até que o fugitivo fosse
[91]
apanhado ou dirigido. além da fronteira.
Grande como eram os serviços do Hermandad em reprimir a turbulência dos
nobres e tornar as estradas seguras, seu custo era uma fonte de reclamação para as LA SANTA
comunidades que o custavam. Isso não era de forma alguma pequeno; em 1485 foi HERMANDAD
calculadoa 32.000.000 de maravilhado e subseqüentemente aumentou muito; foi
recebido por um imposto de 18.000 maravilhados em cada cem lares e o dinheiro não foi tratado pelas
[92]
comunidades, mas foi pago à coroa. Nominalmente, a organização estava em suas mãos, mas
virtualmente era controlada pelos soberanos, e quando, em 1498, Ferdinand e Isabella, com uma aparência
de generosidade, aliviou os contribuintes e assumiu para satisfazer as despesas das receitas reais, apesar de
terem deixado a eleição dos alcaldes e quadrilleros nas mãos das populações locais, ainda assim o resultado
[93]
era inevitável em sujeitá-lo ainda mais à coroa. A instituição tornou-se permanente, e seu
desenvolvimento moderno é visto na guarda civil.. Nenhuma das reformas de Ferdinand e Isabella foi tão
eficiente em restaurar a ordem e nenhuma fez mais para centralizar o poder. Não era apenas um exército
permanente e rudimentar que podia ser rapidamente concentrado para suprimir a desordem, mas levava a
jurisdição real a todos os cantos da terra e tornava a autoridade real suprema em todos os lugares. Era
praticamente uma aliança entre a coroa e o povo contra as forças centrífugas do feudalismo, sem as quais
nem a política de Ferdinand e a firmeza de ferro de Ximenes poderiam ter fracassado na luta final. Quando
a independência municipal também pereceu na derrota das comunidades, o único poder que restou na
Espanha era o do trono, que se tornou absoluto e permeia tudo. O novo absolutismo foi incorporado na
[94]
declaração discreta dos Córtes de Valladolid, Quão imensa foi a revolução e quão rapidamente realizada
é vista no contraste entre o tempo em que o conde de Benavente zombou de um salvo-conduto real e o
povo da Galícia quase não ousou receber um comissário real, e uns sessenta anos depois quando, nas
províncias indecentes do País Basco, o povo de San Sebastian, em 1536, apelou ao imperador Carlos V
para que os libertasse incômodos locais e cartas reais foram gravemente emitidas proibindo os açougueiros
daquela cidade de erigir novas tendas ou esfolá-lo nas ruas e restringir a última operação a lugares
[95]
devidamente designados para esse fim. Assim, a coroa tornou-se absoluta e sua interposição poderia ser
invocada para os mínimos detalhes do governo local. Ele lê a história com pouco propósito e imagina que
esse foi o trabalho da Inquisição.
Outra medida de pouca importância no estabelecimento da supremacia real foi a incorporação virtual
na coroa dos mestres das três grandes Ordens militares de Santiago, de Calatrava e de Alcántara. Sob
Henrique IV, um mestre de Santiago fora capaz de manter todo o reino em confusão, e a riqueza e o poder
dos outros, embora não tão grandes, eram suficientes para tornar seus chefes os iguais dos mais nobres. De
Inocêncio VIII, em 1489, Ferdinand solicitou uma breve concessão para a vida da administração dos três; e
[96]
em sua vontade Isabella lhe legou uma renda anual de dez milhões de maraved de suas rendas. Quando
a morte de Fernando se aproximava, as Ordens tentaram ser libertadas da submissão, alegando que elas
podiam ser governadas apenas por seus próprios membros, mas cuidados prudentes asseguraram no tempo
de Leão X a sucessão nos capitães de Carlos V que, depois da morte de Leão, apressou-se em obter de
[97]
Adriano VI uma bula que os anexou perpetuamente à coroa.

Era impossível que um rei tão previdente e político como Fernando e uma rainha tão piedosos quanto
Isabella, ao reduzir a ordem do caos que encontraram em Castela, negligenciasse o interesse da fé sobre o
qual, segundo a crença medieval, todos ordem social foi baseada. Havia, de fato, queimando questões
religiosas que, para uma piedade sensível, poderiam parecer ainda mais urgentes do que proteção à vida e à
propriedade. Compreender a complexidade da situação exigirá uma retrospectiva um tanto extensa das
relações entre as várias raças que ocupam a Península.

CAPÍTULO II.

OS JUDEUS E OS MOUROS.
T HE influências sob as quais o caráter humano podem ser modificados, para o bem ou para o mal, são
abundantemente ilustrada na conversão dos espanhóis do mais tolerante à nação mais intolerante na
Europa. Os apologistas podem procurar atribuir o ódio sentido aos judeus e aos mouros e hereges, na
Espanha dos séculos XV e seguintes, a uma peculiaridade inata da raça - uma cosa de España que deve ser
[98]
aceita como fato e não requer explicação, mas tais fatos têm sua explicação, e é o negócio do expositor
da história traçá-los às suas causas.

As vicissitudes sofridas pela raça judia, desde o período em que o cristianismo se tornou dominante,
podem muito bem ser motivo de orgulho para o hebreu e de vergonha para o cristão. Os anais da
humanidade não oferecem exemplos mais brilhantes de firmeza sob adversidade, de força invencível
através de séculos de opressão sem esperança, de elasticidade inesgotável na recuperação da aparente
destruição e de adesão consciente a uma fé cuja única parte nessa vida era desprezo e sofrimento. Nem o
longo registro da perversidade humana apresenta uma ilustração mais contundente da facilidade com a qual
as más paixões do homem podem justificar-se com o pretexto do dever, do que a maneira pela qual a
Igreja, assumindo representar Aquele que morreu para redimir a humanidade, deliberadamente plantou as
sementes da intolerância e perseguição e cultivou assiduamente a colheita por quase mil e quinhentos anos.
Foi em vão que Jesus na cruz disse “Pai, perdoa-lhes porque elesnão sabem o que fazem ”; Foi em vão que
São Pedro foi registrado como instigador, em desculpa para a crucificação: “E agora, irmãos, sei que por
ignorância fizeste como também vossos chefes”; a Igreja ensinou que, sem assassinato, sem castigo, sem
sofrimento, sem obcecado, era severo demais para os descendentes daqueles que haviam se recusado a
reconhecer o Messias, e o haviam tratado como um rebelde contra a autoridade humana e divina. Sob a lei
canônica, o judeu era um ser que tinha escasso o direito à existência e só podia desfrutá-lo sob condições
de escravidão virtual. Recentemente, em 1581, Gregório XIII declarou que a culpa da raça em rejeitar e
crucificar Cristo só cresce mais profundamente com sucessivas gerações, acarretando em seus membros a
[99]
servidão perpétua, e essa afirmação autoritária foi incorporada em um apêndice do Corpus Juris.
Quando Paramo, aproximadamente no mesmo período, procurou justificar a expulsão dos judeus da
Espanha em 1492, ele não teve dificuldade em citar cânones para provar que Fernando e Isabel puderam
[100]
justamente apreender todas as suas propriedades e venderam seus corpos para escravidão. O homem
está pronto o suficiente para oprimir e despojar seus companheiros e, quando ensinado por seus guias
religiosos de que a justiça e a humanidade são um pecado contra Deus, a espoliação e a opressão se tornam
o mais fácil dos deveres. Não é demais dizer que, pelas injustiças infinitas cometidas contra os judeus
durante a Idade Média, e pelos preconceitos ainda predominantes em muitos setores, a Igreja é
principalmente, se não totalmente, responsável. É verdade que ocasionalmente ela erguia a voz em ligeira
reclamação quando algum massacre ocorria de forma mais atroz do que o habitual, mas esses massacres
eram o resultado direto do ódio e do desprezo que ela tão zelosamente inculcava, e nunca dava passos pela
[101]
punição para impedir sua repetição. .
Em vista da aversão espanhola aos judeus e sarracenos durante oNos últimos
cinco ou seis séculos é um fato digno de nota que as nações espanholas do período DESENVOLVIMENTO
medieval foram as últimas a ceder a este impulso da Igreja. A explicação disso DA INTOLERÂNCIA
reside, em parte, nas relações entre as várias raças na Península e, em parte, na
atitude independente que a Espanha manteve em relação à Santa Sé e sua indisposição para se submeter ao
ditado da Igreja. Apreciar plenamente a transformação que culminou no estabelecimento da Inquisição, e
compreender as causas que a conduzem, exigirá uma breve revisão da posição ocupada pelo judeu e pelo
sarraceno em relação à Igreja e ao Estado.

Na Igreja primitiva parece haver um sentimento de igualdade, se não de


cordialidade, entre cristão e judeu. Quando foi considerado necessário, nos cânones INTOLERÂNCIA
Apostólicos, proibir bispos e sacerdotes e diáconos, bem como leigos, de jejuar ou PROGRESSIVA
celebrar festas com judeus, ou participar de seus pães sem fermento, ou dar óleo
para suas sinagogas, ou acender suas lâmpadas. , isso argumenta que o bom relacionamento entre eles só
[102]
deveria ser restringido na medida em que pudesse levar à comunhão religiosa. Esta relação amorosa
continuou, mas, como a Igreja tornou-se principalmente Gentile em seus membros, os preconceitos
existentes contra os judeus no mundo gentio reuniram forças até que se manifesta uma tendência a tratá-lo
como um pária. No início do século IV, o conselho de Elvira, realizado sob a liderança do inflexível Hosius
de Córdova, proibia o casamento entre cristãos e judeus, porque não poderia haver sociedade comum entre
os fiéis e os infiéis; nenhum fazendeiro deveria ter sua colheita abençoada por um judeu, nem qualquer um
[103]
sequer comia com ele. Santo Agostinho não era tão rígido, pois enquanto ele considerava legal
[104][105]
dissolver o casamento entre o cristão e o infiel, ele argumentou que era inadequado. Santo
Ambrósio foi um dos primeiros a ensinar a proscrição quando reprovou Teodósio, o Grande, pelo favor
demonstrado por ele aos judeus, que mataram a Cristo e que negaram a Deus negar seu Filho, e São João
Crisóstomo melhorou isso ao pregando publicamente que os cristãos não devem manter relações com os
[106]
judeus, cujos almas eram as habitações de demônios e cujas sinagogas eram seus playgrounds. O
antagonismo assim estimulado encontrou sua expressão natural, em 415, na turbulenta cidade de
Alexandria, onde brigas surgiram resultando no derramamento de sangue cristão, quando São Cirilo se
aproveitou da excitação levando uma multidão às sinagogas, de que ele tomou posse, e depois abandonou a
propriedade dos judeus para saquear e expulsá-los da cidade, que eles tinham habitado desde a sua
[107]
fundação por Alexandre. Que sob tal impulso esses excessos eram comuns é mostrado pela repetição
freqüente de éditos imperiais que proíbem os maus tratos dos judeus e a destruição e queima de suas
sinagogas; eles não foram autorizados a erguer novos, mas deveriam ser mantidos em posse dos existentes.
Ao mesmo tempo, o início das deficiências legais se manifesta nas reiteradas proibições da posse de
escravos cristãos pelos judeus, enquanto o confisco, o perpétuo exílio ou a morte eram ameaçados contra
[108]
os judeus que deveriam converter ou circuncidar cristãos ou casar com esposas cristãs. A Igreja
considerou que era uma desgraça ardente que um judeu ocupasse uma posição de autoridade sobre os
cristãos; em 438 obteve de Teodósio II a promulgação deste como um princípio fixo, e veremos quão
[109]
fervorosamente trabalhou para torná-lo parte da lei pública da cristandade. Este espírito recebeu um
cheque do arianismo dos conquistadores góticos do Império Ocidental. Teodorico ordenou que os
privilégios dos judeus fossem estritamente preservados, entre os quais o importante era que todas as brigas
entre eles fossem resolvidas por seus próprios juízes, e ele severamente reprimia toda a perseguição.
Quando uma turba em Roma queimou uma sinagoga, ele ordenou a punição dos perpetradores em termos
de grave desagrado; quando tentativas foram feitas para invadir o direito dos judeus de Gênova, ele
interveio efetivamente, e quando em Milão o clero se esforçou para obter a posse da sinagoga ele
[110]
peremptoriamente proibiu isso. Enquanto os Wisigoths permanecessem arianos, este espírito
prevaleceu através de seus extensos domínios, embora os ortodoxos pudessem satisfazer sua crescente falta
de caridade. Quando o concílio de Agde, em 506, proibiu os fiéis de banquetes ou mesmo de comer com
judeus, mostra que ainda existiam relações sociais, mas que eram condenadas por aqueles que governavam
[111]
a Igreja. No Oriente a mesma tendência teve mais livre oportunidade de se expressar em legislação,
como quando, em 706, o conselho de Constantinopla proibiu os cristãos de viver com judeus ou banhar-se
[112]
com eles, comer seus pães ázimos, consultá-los como médicos ou tomar seus remédios.
Gregório, o Grande, era muito perspicaz para aprovar esse crescente espírito de intolerância e, quando
alguns fanáticos de Nápoles tentaram impedir os judeus de celebrar suas festas, ele interveio com uma
proibição peremptória de tal interferência, argumentando que isso não conduziria a sua conversão e que
eles deveriam ser guiados pela bondade e não pela força a abraçar a fé, tudo o que foi incorporado na lei
[113]
canônica para se tornar visível através de sua não-observância. De fato, sua enunciação repetida do
[114]
preceito mostra quão pouco era considerado até em seu próprio tempo. Quando, além disso, um grande
número de judeus foram obrigados a se submeter ao batismo no sul da Gália, ele escreveu de forma
reprovadora aos bispos Virgílio de Arles e Teodoro de Marselha, mas isso não impediu St. Avitus de
Clermont, na mesma época, de batizar cerca de quinhentos, que assim salvaram suas vidas da fúria fanática
[115]
da população.
Essas conversões forçadas em Gothia foram os primeiros frutos da mudança de religião dos Wisigoths
do arianismo para o catolicismo. Os ostrogodos, Theodoric e Theodatus, expressamente declararam que
[116]
não podiam interferir na religião de seus súditos, pois ninguém pode ser obrigado a acreditar. Os
Wisigoths, que dominaram o sul da Gália e Espanha, ao adaptar a lei romana para atender suas
necessidades, se contentaram em punir com o confisco o cristão que se tornou judeu, com escravos cristãos
libertadores, e com a pena de morte sobre os mestres judeus que deveriam forçar os escravos cristãos à
conversão, além de preservar a lei de Teodósio II proibindo os judeus de ocupar cargos públicos ou
[117]
construir novas sinagogas. Esta não foi de forma alguma tolerância total, mas foi misericordiosa em
comparação com o que se seguiu à conversão dos godos ao catolicismo. A mudança começou prontamente,
embora não atingisse imediatamente sua gravidade total. O terceiro concílio de Toledo, realizado em maio
de 589, para condenar a heresia ariana e estabelecer os detalhes da conversão, adotou cânones que mostram
como o livre até então fora o intercurso entre as raças. Os judeus eram proibidos de ter esposas cristãs ou
concubinas ou servos, e todas as crianças que surgissem dessas uniões deveriam ser batizadas; qualquer
escravo cristão circuncidado ou poluído com ritos judaicos deveria ser libertado; nenhum judeu deveria
ocupar um cargo no qual pudesse infligir punição a um cristão, e essa ação foi seguida por algumas
[118]
deficiências adicionais decretadas pelo conselho de Narbonne em dezembro do mesmo ano. Essa
liberdade de discussão continuou por algum tempo é manifestada pela audácia de um judeu chamado
Froganis, não muito tempo depois, que, como nos dizem, na presença de todos os nobres da corte, exaltou
a sinagoga e depreciou a Igreja; talvez fosse mais fácil fechar a boca do que refutá-lo, pois Aurasius, bispo
de Toledo, excomungou-o e declarou-o anatematizado pelo Pai, Filho e Espírito Santo e por toda a
[119]
hierarquia e coortes celestes.
O maior clérigo da época, São Isidor de Sevilha, cuja carreira de quarenta anos
começou com a revolução católica, fez o que havia para estimular e justificar a OS JUDEUS SOB A
perseguição. Dele O tratado contra os judeus não é injurioso, assim como muitos WISIGOTHS
escritos controversos posteriores, mas ele prova que eles são condenados pelos
pecados de seus pais à dispersão e opressão até que, no fim do mundo, seus olhos devem ser abertos e eles
[120]
são acreditar. Que ele deveria ter se sentido chamado para compor tal trabalho era um sinal maligno, e
ainda mais maligno eram as conclusões que ele ensinava. Eles não poderiam falhar de resultados
deploráveis, como foi visto quando Sisebut subiu ao trono em 612 e sinalizou o início de seu reinado por
uma conversão forçada de todos os judeus do reino. O que significa que ele adotou não nos é dito, mas é
claro que eles foram violentos, o que St. Isidor moderadamente reprova, visto que a conversão deve ser
[121]
sincera, mas que ele ainda considera estritamente dentro da competência da Igreja. A Igreja, na
verdade, ficou assim cara a cara com a questão de saber se a propagação forçada da fé é lícita. Isto é tão
repugnante aos ensinamentos de Cristo que dificilmente poderia ser aceito, mas, por outro lado, o
sacramento do batismo é indelével, então a doutrina conveniente foi adotada e tornou-se a política
estabelecida que, enquanto o Cristianismo não se espalharia pela força, os conversos involuntários eram,
no entanto, cristãos; eles não deveriam ser autorizados a apostatar e estavam sujeitos a todas as dores e
[122]
penalidades da heresia por qualquer inclinação secreta à sua própria religião. Este Uma concepção
frutífera levou à miséria infinita, como veremos a seguir, e foi o motivo impulsionador que criou a
Inquisição Espanhola.
Qualquer que tenha sido a extensão e o sucesso das medidas de Sisebut, os judeus logo depois
reaparecerão, e eles e os conversostornou-se o tema de uma série ininterrupta de legislação eclesiástica e
secular que mostra que a política tão infelizmente adotada só poderia ter atingido seu fim com o virtual
extermínio. A bigorna parecia certa para desgastar o martelo - a constância dos perseguidos exauriu a
engenhosidade do perseguidor. Com a conversão ao catolicismo, os eclesiásticos tornaram-se dominantes
nos territórios de Wisigto e à sua influência é atribuída a variada série de medidas que ocuparam a atenção
dos sucessivos concílios de Toledo desde 633 até a invasão sarracena em 711. Todo expediente foi julgado
- a tomada de todas as crianças judias, para serem caladas em mosteiros ou para serem dadas a cristãos
tementes a Deus; a alternativa de expulsão ou conversão, a execução da qual todos os reis em sua ascensão
deveriam fazer um juramento solene; os persuasivos gentis de barbear, flagelar, confisco e exílio. Que o
povo em geral não compartilhava a intolerância de seus governantes é visto nas proibições de relações
sociais, casamentos mistos e a posse do cargo. O espectro do proselitismo foi evocado na justificativa
dessas medidas, como se o judeu perseguido tentasse incorrer em seus perigos, mesmo se o Talmud
declarasse que “um prosélito é tão prejudicial para Israel quanto uma úlcera para um corpo saudável”. Os
resultados obtidos foram considerados naturalmente com suspeita e os conversos foram os temas da
perversão da animação. Que o povo em geral não compartilhava a intolerância de seus governantes é visto
nas proibições de relações sociais, casamentos mistos e a posse do cargo. O espectro do proselitismo foi
evocado na justificativa dessas medidas, como se o judeu perseguido tentasse incorrer em seus perigos,
mesmo se o Talmud declarasse que “um prosélito é tão prejudicial para Israel quanto uma úlcera para um
corpo saudável”. Os resultados obtidos foram considerados naturalmente com suspeita e os conversos
foram os temas da perversão da animação. Que o povo em geral não compartilhava a intolerância de seus
governantes é visto nas proibições de relações sociais, casamentos mistos e a posse do cargo. O espectro do
proselitismo foi evocado na justificativa dessas medidas, como se o judeu perseguido tentasse incorrer em
seus perigos, mesmo se o Talmud declarasse que “um prosélito é tão prejudicial para Israel quanto uma
úlcera para um corpo saudável”. Os resultados obtidos foram considerados naturalmente com suspeita e os
[123]
conversos foram os temas da perversão da animação.
Assim, a Igreja havia triunfado e a tolerância dos godos arianos havia se
convertido em ortodoxia perseguidora. A história se repete e, oitocentos anos OS JUDEUS SOB A
depois, veremos o mesmo processo com os mesmos resultados. A tolerância foi WISIGOTHS
transformada em perseguição; conversões obtidas pela força, ou por sua pressão
irresistível equivalente, eram reconhecidas como fictícias, e os desafortunados convertidos eram culpados
do crime imperdoável de apostasia. Embora os godos não tenham inventado a Inquisição, chegaram tão
perto dela quanto a grosseria da época e a frouxidão de sua organização política vacilante permitiriam, ao
tentar criar através do sacerdócio uma rede de supervisão que deveria alcançar os mesmos resultados. A
Inquisição foi prefigurada e antecipada.
Como aparentemente os judeus não podiam ser exterminados ou os Conversos serem treinados para
cristãos dispostos, as duas classes naturalmente adicionaram um elemento de descontentamento à
população já inquieta e heterogênea que consiste em camadas sobrepostas de godos, romanos e celtiberos.
Os judeus sem dúvida ajudaram a rebelião galo-romana de Flavius Paulus por volta de 675, pois São
Juliano de Toledo, ao descrever sua repressão pelo rei Wamba, denuncia a Gália nos termos mais amargos,
terminando com a reprimenda coroada de que é um refúgio para a blasfêmia dos judeus, a quem Wamba
[124]
baniu após seu triunfo. Apesar dos esforços incansáveis para sua destruição, ainda permaneciam uma
fonte de perigo para o Estado. No conselho de Toledo em 694, o rei Egiza apelou a seus prelados para que
inventassem alguns meios pelos quais o judaísmo fosse eliminado, ou que todos os judeus fossem
submetidos à espada da justiça e suas propriedades fossem apropriadas, pois todos os esforços para
convertê-los provaram fútil e havia o perigo de que, em conjunto com seus irmãos em outras terras,
derrubassem o cristianismo. Em sua resposta, o conselho faz alusão a uma conspiração pela qual os judeus
haviam se esforçado para ocupar o trono e causar a ruína da terra, e decreta que todos os judeus, com suas
esposas, filhos e posteridade, serão reduzidos a perpétua servidão, enquanto sua propriedade é declarada
confiscada ao rei.atingir a idade de sete anos e casar com eles apenas para os cristãos. Tais escravos
cristãos, como o rei pode escolher, receberão uma parte da propriedade confiscada e continuarão a pagar os
[125]
impostos até então cobrados dos judeus.
Sem dúvida, essa medida desumana levou a pilhagem indiscriminada e miséria infinita, mas seu
objetivo não foi alcançado. Os judeus permaneceram, e quando veio a catástrofe da conquista sarracena
eles estavam prontos o suficiente para receber os invasores berberes. Que eles ainda estavam na Espanha é
atribuído a Witiza, que reinou de 700 a 710 e que se diz que os recordou e os favoreceu com privilégios
maiores que os da Igreja, mas Witiza, embora seja um alvo favorito para o abuso de analistas posteriores. ,
[126]
foi um excelente príncipe e a melhor autoridade contemporânea nada diz sobre ele favorecer os judeus.
Se os judeus ajudaram os muçulmanos, como podemos acreditar, tanto das
probabilidades do caso quanto do testemunho de escritores espanhóis e árabes, OS MOZÁRABES
[127]
eles não fizeram mais do que uma grande parte dos cristãos. Para a massa da
população, os godos eram apenas mestres bárbaros, cujo jugo estavam dispostos a trocar pelo dos mouros,
e os próprios godos não estavam unidos. Na batalha decisiva de Xeres de la Frontera, as asas direita e
esquerda de Dom Roderic foram comandadas por Sisebert e Oppas, os filhos destronados de Witiza, que
fugiram sem golpear, com o propósito de causar sua derrota. A terra foi ocupada pelos mouros com pouca
resistência e em condições fáceis para os conquistados. É verdade que, onde a resistência foi feita, as
classes mais altas foram reduzidas à escravidão, as terras foram divididas entre as tropas e um quinto foi
reservado ao Estado, sobre o qual os camponeses foram assentados sujeitos a um imposto de um terço do
total. produtos, mas a submissão era geral sob capitulações que asseguravam aos habitantes a posse de seus
bens, sujeitos ao imposto de um terceiro, e permitiam-lhes o gozo de suas leis e religião sob o domínio de
tribos e bispos nativos. Apesar dessa liberalidade, grandes números abraçou o maometismo, em parte para
evitar a taxação e em parte por meio da convicção de que o maravilhoso sucesso da causa muçulmana era
[128]
uma prova de sua retidão.
A dura resolução dos poucos que preferiram o exílio e a independência, e que encontraram refúgio nas
montanhas da Galícia e Astúrias, preservou a península da total sujeição ao Islã. Durante a longa luta da
Reconquista, a condição social e religiosa da Espanha era estranhamente anômala, apresentando uma
mistura de raças e credos cujas relações, por mais antagônicas que pudessem ser em princípio, eram, na
maioria das vezes, dominadas exclusivamente por interesses temporais. O desgaste mútuo, longe de
inflamar os preconceitos, levou à tolerância mútua, de modo que o fanatismo reduziu-se a um mínimo
precisamente naquele canto da cristandade onde os raciocinadores a priori foram tentados a considerá-lo
especialmente violento.
Os sarracenos mantiveram por muito tempo a política adotada na conquista e não tentaram converter
seus súditos cristãos, assim como nas províncias do Levante os cristãos, embora oprimidos, foram
autorizados a manter sua religião, e na Pérsia, após a queda dos sassânidas, O parsismo continuou a existir
[129]
por séculos e só desapareceu gradualmente. De fato, a condição dos moçárabes, ou sujeitos cristãos,
sob os califas de Córdova era, na maior parte, preferível ao que tinha sido sob os reis góticos. Os
moçárabes estavam frequentemente no comando dos exércitos muçulmanos; eles formaram a guarda real e
foram empregados como secretários nos mais altos cargos do estado. Com o tempo eles perderam
[130]
completamente a língua latina que se tornou necessário traduzir a escritura e os cânones para o árabe.
A organização da Igreja foi mantida, com sua hierarquia de prelados, que às vezes se reunia em conselhos;
havia suficiente atividade intelectual para que heresias ocasionais surgissem e fossem condenadas, como as
da Hostegesis e Migetio no século IX, enquanto, meio século antes, a bula de Adrian I, dirigida aos bispos
ortodoxos da Espanha e denunciando o Adoptianismo de Felix de Urgel, que foi confirmado por Elipandus,
arcebispo de Toledo, mostra a liberdade de intercurso existente entre os moçárabes e o resto da cristandade.
[131]
Ouvimos falar de S. Eulogio de Córdova, cujos dois irmãos, Alvar e Isidor, deixaram a Espanha e
tomaram parte no serviço do imperador Louis le Germanique; Ele partiu em 850 para se juntar a eles, mas
foi parado em Pampeluna pela guerra e retornou por meio de Saragoça, trazendo com ele uma série de
livros, incluindo Virgílio, Horácio, Juvenal, Porfírio, os epigramas de Aldhelm e as fábulas de Avienus.
[132]
Os casamentos mistos não parecem ter sido incomum e houve casos frequentes de conversão a partir
de qualquer fé, mas fanáticos moçárabe abusado da tolerância muçulmana por condenando publicamente
Islam e fazer prosélitos, que foi proibido, e uma perseguição afiada surgiu sob Abderrhaman II e Maomé I,
[133]
em que houve um número de vítimas, incluindo San Eulogio, que foi martirizado em 859.
Essa perseguição deu origem a um incidente que ilustra o intercâmbio amigável
entre cristãos e sarracenos. Em 858, Hilduin, Abade de S. Germain-des-Prés, sob os OS MOZÁRABES
auspíciosde Charles le Chauve, enviou dois monges para a Espanha para obter as
relíquias de São Vicente. Ao chegarem a Languedoc, souberam que seu corpo havia sido carregado para
Benevento, mas também ouviram falar da perseguição em Córdova e ficaram encantados, sabendo que
devia haver muitas relíquias a serem obtidas. Eles, portanto, continuaram em Barcelona, onde Sunifred, o
próximo no comando do conde, recomendou-os a Abdulivar, príncipe de Zaragoza, com quem mantinha
relações íntimas. De Zaragoza eles chegaram a Córdova, onde o bispo moçárabe Saul os recebeu
gentilmente e os ajudou a obter os corpos de São Jorge e São Aurélio, exceto que, como a cabeça do último
estava faltando, a de São Natália foi substituída. Com estes preciosos espólios, voltaram em segurança para
[134]
Paris, passando por Toledo, Alcalá, Zaragoza e Barcelona. A perseguição foi temporária e, um século
depois, em 956, ouvimos falar de Abderrhaman III enviando Recemund, bispo de Elvira (Granada), como
seu embaixador em Otho, o Grande em Frankfort, onde ele persuadiu Liutprand de Cremona a escrever
[135]
uma de suas obras históricas. Quando o Cid conquistou Valência, em 1096, uma das condições da
rendição era que a guarnição fosse composta por Mozá e a capitulação fosse assinada pelos principais
[136]
cristãos e também pelos cidadãos muçulmanos.
O número dos moçárabes decaiu rapidamente no progresso da reconquista, à medida que os territórios
cristãos se expandiam da Galiza para Leão e Castela. No início do século XII, Alfonso VI, ao reduzir as
encomendas de suas extensas aquisições, passou por muitas dificuldades; eles são descritos como piores
que os mouros, e ele resolveu a questão pelo expediente decisivo de deportar multidões deles para a África.
[137]
O rápido progresso de seus braços, no entanto, tinha tão alarmado os pequenos reis entre os quais
Andaluzia foi dividido que eles tinham, cerca de 1090, convidado para a sua assistência a berberes
conhecido como Almoravides, que dirigiu de volta Alfonso no campo sangrenta de Zalaca . Seu líder,
Jusuf ibn Techufin, não se contentou em lutar pelo benefício de seus aliados; ele rapidamente derrubou
suadinastias frágeis e estabeleceu-se como supremo na Espanha muçulmana. Os Almoravides eram
selvagens e fanáticos; eles não podiam suportar a visão de cristãos desfrutando da liberdade de culto, e
uma amarga perseguição se seguiu rapidamente, até que, em 1125, os moçárabes convidaram a ajuda de
Alfonso el Batallador. Eles enviaram um rolo de seus melhores guerreiros, compreendendo doze mil
nomes, e prometeram que esses e muitos mais se juntariam a ele. Ele veio e passou quinze meses em
território mouro, mas não fez conquistas permanentes, e em sua partida os cristãos miseráveis pediram-lhe
para deixá-los acompanhá-lo para escapar da ira dos Almoravides. Dez mil deles o fizeram, enquanto que
aqueles que permaneceram em grande número foram deportados para a África, onde a maioria deles
[138]
pereceu. O miserável remanescente tinha um feitiço de respiração, pois a atmosfera da Espanha
parecia pouco propícia ao fanatismo e a ferocidade dos berberes se abrandou rapidamente. Logo os
encontramos confraternizando com os cristãos. Rei Ali de Córdova tratou bem este último e até mesmo
confiou a um nobre cativo de Barcelona chamado Reverter o comando de seus exércitos. Seu filho
Techufin seguiu seu exemplo e foi considerado o amigo especial dos cristãos, que o ajudaram em suas
[139]
guerras africanas. No entanto, este intervalo de descanso foi curto. Em 1146, outra horda berbere,
conhecida como Almohades, derrubou os Almoravides e trouxe um novo acesso de ferocidade aos desertos
africanos. Seu califa, Abd-al-mumin, proclamou que ele não sofreria senão verdadeiros crentes em seus
domínios; as alternativas oferecidas foram morte, conversão ou expatriação. Muitos passaram por uma
pretensa conversão, outros foram para o exílio voluntário e outros foram deportados para a África, após o
[140]
que os Mozárabes desaparecem de vista.
No entanto, era tão impossível para os Almohades manter seu fanatismo como
havia provado por seus predecessores. Quando, em 1228, no depoimento do OS MULADÍES
almmohad Miramamolin Al-Abdel, seu sobrinho Yahia foi elevado ao trono, seu
irmão Al-Memon-Abo-l-Ola, que estava na Espanha, reivindicou a sucessão. Para obter a assistência de
San Fernando III, que lhe emprestou Com doze mil soldados cristãos, ele concordou em entregar dez
fortalezas fronteiriças para permitir a construção de uma igreja cristã no Marrocos, onde os cristãos
deveriam celebrar publicamente com o toque de sinos e permitir a liberdade de conversão do islamismo ao
cristianismo, com a proibição do conversar. Isso levou à fundação de um episcopado de Marrocos, do qual
[141]
o primeiro bispo foi Fray Aguelo, sucedido por Fray Lope, ambos franciscanos. Cooperação deste tipo
com os cristãos nos encontra a cada passo nos anais dos sarracenos espanhóis. Aben-al-Ahmar, que fundou
a última dinastia de Granada, concordou em se tornar um vassalo de San Fernando III, para pagar-lhe um
tributo de 150.000 doblas por ano, para fornecer um certo número de tropas sempre que convocado, e para
aparecer em os Córtes quando convocados, como qualquer outro ricohome. Ajudou Fernando grandemente
na captura de Sevilha e, nas solenidades que se seguiram à entrada na cidade, Fernando concedeu
cavalheirismo a ele e concedeu-lhe o porte do guidon castelhano - gules, uma banda ou, com duas
[142]
serpentes, e dois coroavam leões como apoiadores - um conhecimento ainda a ser visto no Alhambra.

Os Muladíes, ou cristãos convertidos ao islamismo, formaram outra parte importante da comunidade


mourisca. Na conquista, como vimos, um grande número de cristãos apostatou, escravos para obter
liberdade e liberdade para escapar da tributação. Eles foram olhados, no entanto, com suspeita por árabes e
berberes e foram submetidos a deficiências que levaram a frequentes rebeliões e represálias assassinas.
Sobre a supressão de uma elevação em Córdova, em 814, quinze mil deles emigraram para o Egito, onde
capturaram Alexandria e a mantiveram até 826, quando foram forçados a capitular e transferiram suas
armas para Candia, fundando uma dinastia que durou por um século e meio. Oito mil deles se
estabeleceram em Fez, onde se mantiveram e mesmo no século XIV foram distinguíveis dos outros
muçulmanos. Em Toledo, depois de várias rebeliões malsucedidas, os Muladíes se tornaram dominantes
em 853 e permaneceram independentes por oitenta anos. Juntamente com os moçárabeseles quase
conseguiram fundar um reino próprio nas montanhas de Ronda, sob Omar ben Hafsun, que abraçou o
cristianismo. De fato, a facilidade de conversão de uma fé a outra foi uma característica marcante do
período e mostra quão pouca firmeza de convicção religiosa existia. O renegado Ibn Meruan, que fundou
um estado independente em Mérida, ensinou uma fé mista composta de ambas as grandes religiões. Em
toda parte os Muladíes estavam lutando pela liberdade e estabelecendo principados mesquinhos - no
Algarbe, em Priego, em Múrcia, e especialmente em Aragão, onde a família gótica do Beni-Cassi se tornou
suprema. Após a redução de Toledo pela fome, em 930, eles se tornam menos proeminentes e
[143]
gradualmente se fundem na população muçulmana. Isto foi ajudado pelo fato de que eles fizeram
causa comum com seus conquistadores contra os fanáticos Almoravides e Almóades. O líder dos andaluzes
contra este último era um homem de ascendência cristã, Ibn-Mardanich, rei de Valência e Múrcia. Ele
usava trajes e armas cristãs, sua língua era castelhana e suas tropas eram em sua maioria castelhanos,
navarra e catalães. Para os cristãos, ele era comumente conhecido como o rei Don Lope. As diferenças
religiosas, de fato, eram de muito menor importância do que os objetivos políticos, e em toda parte, como
veremos, cristãos e muçulmanos se misturavam nos intermináveis gritos civis daquele período tumultuado.
Em uma tentativa em Granada, em 1162, os principais capitães de Ibn-Mardanich eram dois filhos do
[144]
conde de Urgel e um neto de Alvar Fañez, o tenente favorito do Cid.

Nessas alternâncias de indiferença religiosa e fanatismo, a posição dos judeus sob a dominação
muçulmana estava necessariamente exposta a severas vicissitudes. Sua habilidade como médicos e seu
talento inigualável na administração os tornava uma necessidade para os
conquistadores, cujo favor eles tinham ganho com a assistência prestada na invasão, OS JUDEUS SOB O
mas sempre e ali surgia uma onda de intolerância que os levava à obscuridade, se SARACENS
não em massacre. Quando Maomé subi ao trono de Córdova, cerca de 850, nos é
dito que um de seus primeiros atos foi a demissão de todos os oficiais judeus, inclusive presumivelmente
[145]
R. Hasdai ben Ishak, que havia sido médico e vizir de seu pai, Abderrhaman II. Um século depois, sua
riqueza foi tão grande que quando o judeu Peliag foi ao palácio rural de Alhakem, o Califa de Córdova,
conta-se que ele foi acompanhado por um séquito de setecentos servidores de sua raça, todos ricamente
[146]
vestidos e andar em carruagens. Quão insegura era sua prosperidade, em 1066, quando Samuel ha Levi
e seu filho José foram vizires e governantes virtuais de Granada por cinquenta anos. O último por acaso
exilou Abu Ishac de Elvira, um famoso teólogo e poeta, que se vingou em uma sátira amarga que teve
imenso sucesso popular. “Os judeus reinam em Granada; dividiram entre eles a cidade e as províncias, e
em toda parte uma dessas malditas raças está em supremo poder. Eles colecionam os impostos, eles se
vestem magnificamente e se encantam, enquanto os verdadeiros crentes estão em farrapos e miséria. O
chefe desses jumentos é um carneiro cevado. Mate-o e seus parentes e aliados e aproveite seus imensos
tesouros. Eles quebraram o pacto entre nós e estão sujeitos a punição como perjuros. Veremos daqui em
diante como estava pronta a multidão cristã para responder a tais apelos; o muçulmano não era melhor;
ocorreu um levante no qual José foi assassinado no palácio real, enquanto quatro mil judeus foram
[147]
massacrados e suas propriedades saqueadas. Mais uma vez eles se recuperaram, mas eles sofreram
com os cristãos sob o feroz fanatismo dos Almohades. Na verdade, eles foram expostos a uma explosão de
ira, pois o roubo das joias da Kaaba, que ocorreu por volta de 1160, foi atribuído aos judeus espanhóis, e
Abd-el-mumin não poupou suas ordens de conversão. Números foram mortos e quarenta e oito sinagogas
foram queimadas. Os sefarditas, ou judeus espanhóis, perderam seu médico mais conspícuo quando, nessa
[148]
perseguição, Maimônides fugiu para o Egito. Ainda assim, eles continuaram a existir e a prosperar,
embora expostos à destruição a qualquer momento por meio dos caprichos do monarca ou das paixões do
povo. Assim, em 1375, em Granada, dois homens obstruíram uma rua em uma briga violenta e foram em
vão convencidos a cessar em nome deMaomé, quando Isaac Amoni, o médico real, que por acaso passou
em sua carruagem, repetiu a ordem e foi obedecido. Que um judeu deveria possuir mais influência do que
[149]
o nome do Profeta era insuportável; as pessoas se levantaram e um massacre se seguiu.

Enquanto a Espanha sarracena era, portanto, uma mistura confusa de raças e


crenças, sujeita a nenhum princípio orientador e influenciado pela política ou pelos SPANIARDS E
preconceitos do momento, os reinos cristãos eram praticamente os mesmos, exceto MOORS
que, durante o início da Idade Média, explosões de fanatismo estavam faltando. Os
bravos guerreiros aprenderam a respeitar-se e, como de costume, foram os não-combatentes, os sacerdotes
cristãos e os faquirs muçulmanos, que mantiveram sua virulência. Nas lutas ferozes da Reconquista há
pouco traço de raça ou ódio religioso. As primeiras baladas mostram os mouros considerados antagonistas
galantes, contra os quais não havia animosidade maior do que a provocada pela disputa civil que preenchia
[150]
os intervalos da guerra mourisca. Quando, em 1149, Ramon Berenger IV de Barcelona, após um cerco
laborioso, capturou a cidade cobiçado de Lérida, os termos de rendição assumiram a forma de um acordo
pacífico pelo qual o Alcaide Avifelet mourisco se tornou o vassalo de Ramon Berenger e eles se
comprometeram mutuamente fidelidade. Avifelet desistiu de todos os seus castelos, reteve certos direitos
[151]
no território e Ramón Berenger prometeu-lhe feudos em Barcelona e Gerona. Mais do que isso, as
incessantes guerras civis em ambos os lados da fronteira fizeram com que cada um tivesse um recurso
constante àqueles de fé hostil por ajuda ou abrigo, e as relações que cresceram, embora transitórias e
mutáveis, tornou-se tão intricada que pouca diferença entre Christian e Moor poderia ser reconhecida pelos
estadistas. Assim, a tolerância mútua não poderia deixar de se estabelecer, ao escândalo dos cruzados, que
vinham ajudar o único lado e as hordas de novos fanáticos que se lançavam da África para ajudar o outro.
Esta constante mistura de espanhol e mouro nos encontra a cada passo da história espanhola. Talvez
seja demais dizer, com Dozy, que “um cavaleiro espanhol da Idade Média não lutou nem por seu país nem
por sua religião; ele lutou, como o Cid, para comer alguma coisa, seja sob um cristão ou um príncipe
[152]
muçulmano ”e“ o próprio Cid era mais um muçulmano do que um católico ” embora Filipe II tenha
tentado fazê-lo canonizar - mas não pode haver dúvida de que o zelo religioso teve pouco a ver com a
Reconquista. Na carreira aventureira do Cid, cristãos e muçulmanos são vistos misturados em ambos os
[153]
exércitos, e é impossível detectar na luta qualquer interesse de raça ou religião. Isso foi há muito
tempo costumeiro. No final do século IX, Bermudo, irmão de Afonso III, durante sete anos deteve Astorga
com a ajuda dos mouros, a quem fugiu para refúgio quando finalmente desalojado. Aproximadamente 940
encontramos um rei Aboiahia, um vassalo de Abderrhaman de Córdova, transferindo fidelidade a Ramiro
II e depois retornando a seu antigo senhor, e uns quinze anos depois, quando Sancho I foi expulso por uma
conspiração, ele se refugiou com Abderrhaman, cuja ajuda ele recuperou seu reino, o usurpador Ordoño,
[154]
por sua vez voando para Córdova, onde foi hospitalizado. Cerca de 990 Bermudo II deu sua irmã para
esposa ao rei mouro de Toledo, resultando em um milagre inesperado. Na terrível invasão de Almanzor, em
997, que ameaçou a destruição dos cristãos, somos informados de que ele estava acompanhado por
numerosos nobres cristãos exilados. Afonso VI de Castela, quando superado por seu irmão, Sancho II,
buscou asilo, até a morte deste último, em Toledo - uma hospitalidade que ele subseqüentemente pagou
[155]
conquistando a cidade e o reino. Sua corte era semi-oriental; durante o seu exílio, ele havia se
familiarizado comÁrabe; em sua prosperidade reuniu em torno de si sátiros e sábios sarracenos, e entre
suas numerosas esposas sucessivas estava Zaida, filha de Al-Mutamid, rei de Sevilha. Seu contemporâneo,
Sancho I de Aragão, foi igualmente dado à cultura muçulmana e habitualmente assinava seu nome com
[156]
caracteres árabes.
A cooperação de Christian e Moor continuou até o fim. Em 1270, quando
Afonso X se tornara impopular ao libertar Portugal da vassalagem para Leão, seu ALIANÇAS COM
irmão, o infante Felipe e alguns rátanomas mais poderosos conspiraram contra ele. MOORS
Seu primeiro pensamento foi obter uma aliança com Abu Jusuf, rei de Marrocos,
que de bom grado prometeu-lhes assistência. Os prelados de Castela abanaram a chama, esperando na
confusão obter privilégios ampliados. Felipe e seus confederados renunciaram a lealdade a Alfonso, de
acordo com o fuero, e se dirigiram a Granada, cometendo terríveis devastações pelo caminho. Tudo
prometia uma guerra desastrosa com os mouros de ambos os lados do estreito, quando, através da
[157]
intervenção da Rainha Violante, concessões foram feitas aos nobres rebeldes e a paz foi restaurada.
Assim, quando, em 1282, Sancho IV se revoltou contra seu pai e foi apoiado por todas as cidades, exceto
Sevilha e por todos os rinsomes salvo o Mestre de Calatrava, e foi reconhecido pelos reis de Granada,
Portugal, Aragão e Navarra, Alfonso X, em sua indigência, enviou sua coroa a Abu Jusuf e pediu um
empréstimo como garantia. O muçulmano cavalheiresco imediatamente enviou-lhe 60.000 doblas e seguiu
isto vindo com uma grande força de cavalo e pé, ao que Sancho fez aliança com Granada e seguiu-se uma
guerra com cristãos e mouros de ambos os lados, até que a morte de Alfonso resolveu a questão. da
[158]
sucessão. Em 1324, Dom Juan Manuel foi Adelantado de la Frontera; Concebendo alguma causa de
briga com seu primo, Alfonso XI, ele imediatamente entrou em uma aliança com Granada, em seguida, em
guerra com Castela, e em 1333 sua turbulência tornou Alfonso incapaz de impedir a captura de Gibraltar
[159]
ou recuperá-lo quando ele fez o tentativa. Pedro, o Cruel, em 1366 e novamente em 1368, tinha tropas
mouras para ajudá-lo em suas lutas com Henrique de Trastamara. No último ano o rei de Granada veio em
sua ajuda com uma força de 87.000 homens e, na batalha final de Montiel, Pedro tinha 1.500 cavaleiros
[160]
mouros em seu exército. Uma das queixas formuladas contra Henrique IV, em 1464, foi que ele foi
[161]
acompanhado por uma força de mouros que cometeram ultrajes aos cristãos.
Foi o mesmo em Aragão. Nenhum cavaleiro da cruz ganhou uma reputação mais brilhante de façanhas
contra o infiel do que Jaime I, que adquiriu por eles seu título de el Conquistador , ainda quando, em 1260,
ele deu permissão a seus nobres para servir em uma cruzada sob Alfonso X, ele Excetuando o rei de Túnis,
e sobre o argumento de Afonso, ele explicou que isso se devia ao amor que o rei de Túnis lhe dera e à
trégua existente entre eles e ao número de seus súditos que estavam em Túnis com muita propriedade.
[162]
todos os que estavam em perigo. Na ascensão de Jaime II, em 1291, enviaram-lhe enviados dos reis de
Granada e Tremecen para renovar os tratados com Afonso III. A este último Jaime respondeu, prometendo
a liberdade de comércio, exigindo a homenagem anual de 2000 doblas que havia sido habitual e pedindo
para o próximo verão uma centena de cavalos leves pagos por três meses, para ajudá-lo contra seus
[163]
inimigos cristãos. Até 1405, o tratado entre Martín de Aragón e seu filho Martín de Sicília, de um lado,
e Maomé, rei de Granada, de outro, não somente garantem o livre intercâmbio e a segurança aos súbditos
de cada um e ao comércio aberto. em todos os portos e cidades de seus respectivos domínios, mas cada
partido concorda, quando convocado, em ajudar o outro, exceto contra aliados - Aragão e Sicília com
[164]
quatro ou cinco galés bem armadas e tripuladas e Granada com quatrocentos ou quinhentos cavaleiros.
Todas essas alianças e tratados pela liberdade de comércio e relações sexuais estavam em antagonismo
direto com os decretos da Igreja, que em seus conselhos ordenavam que os sacerdotes denunciassem todos
os domingos como excomungados, ou até mesmo sujeitos à escravidão, todos os que vendessem a mouros.
ferro, armas, madeira, acessórios para navios, pão, vinho, animais para comer, andar ou até o chão, ou
[165]
quem deve servir em seus navios como pilotos ou em seus exércitos em guerra contra Cristãos Foi em
vão que Gregório XI, em 1372, ordenou que todos os fautores e receptores de sarracenos fossem
processados como hereges pela Inquisição, e igualmente foi a dedução tirada por Eymerich a partir disso,
que qualquer um que emprestasse ajuda ou conselho ou favor aos mouros era um fautor da heresia, para ser
[166]
punido como tal pelo Santo Ofício. Apesar dos trovões da Igreja, os comerciantes continuaram
negociando e os príncipes fizeram alianças ofensivas e defensivas com os infiéis.
Nem, com o ilustre exemplo do Cid antes deles, os nobres cristãos tinham a
menor hesitação em ajudar os mouros a prestar serviço com eles. Quando, em 1279, OS MUDÉJARES
Alonso Pérez de Guzmán, o fundador da grande casa de Medina Sidonia, foi
insultado na corte de Afonso, ele prontamente renunciou à sua fidelidade, converteu todos os seus bens em
dinheiro e levantou uma tropa com a qual ele entrou na cidade. serviço de Abu Jusuf de Marrocos. Lá
permaneceu por onze anos, exceto uma visita a Sevilha para se casar com Dona María Coronel, a quem ele
levou de volta ao Marrocos. Ele foi feito capitão de todas as tropas cristãs no emprego de Abu Jusuf e
auxiliado em grande parte na guerra que transferiu a soberania da parte da África dos Almohades para o
Beni Marin. Ele acumulou imensa riqueza, que por um estratagema ele transferiu para a Espanha, onde
comprou as propriedades em que a grandeza da casa foi baseada. O historiógrafo da família, escrevendo
em 1541, sente-se obrigado a explicar Prontidão para servir ao infiel, tão abominável às convicções do
século XVI. Ele nos conta que, naquele período, os mouros, tanto de Granada como da África, não eram
guerreiros e estavam acostumados a confiar nas tropas cristãs, e que príncipes, nobres e cavaleiros estavam
constantemente a serviço deles. Henrique, irmão de Alfonso X, serviu ao rei de Túnis por quatro anos e
acumulou grande riqueza; Garcí Martínez de Gallegos já estava a serviço de Abu Jusuf quando Guzman foi
para lá; Gonzalo de Aguilar se tornou um vassalo do rei de Granada e lutou por ele. Em 1352, quando
Pedro, o Cruel, começou a reduzir seus turbulentos nobres à ordem, Don Juan de la Cerda, um príncipe do
sangue, foi ao Marrocos em busca de assistência e, não conseguindo, permaneceu lá e ganhou grande
renome por seus feitos cavalheirescos. até que ele foi reconciliado com Pedro e voltou para Castela.
Exemplos podem ser multiplicados, mas serão suficientes para indicar quão poucos escrúpulos de religião
existiram entre os espanhóis da Idade Média. Como diz Barrantes, os espíritos aventureiros naqueles dias
[167]
prestavam serviço aos mouros, à medida que, em seu tempo, buscavam suas fortunas nas Índias.

Assim, é fácil entender como, no progresso da Reconquista, os mouros do território adquirido foram
tratados com tolerância ainda maior do que os cristãos tinham sido quando a Espanha foi invadida pela
primeira vez. Quando ataques foram feitos ou cidades foram capturadas à força, não houve hesitação em
[168]
colocar os habitantes à espada ou em levá-los para a escravidão, mas quando as capitulações eram
feitas ou as províncias submetidas, as pessoas eram autorizadas a permanecer, retendo sua religião e
propriedade, e tornando-se conhecidas sob o nome de Mudéjares .
O mouro escravizado era propriedade de seu mestre, como seu gado, mas tinha direito a algumas
salvaguardas da vida e dos membros. Mesmo o batismo não o manumitava a menos que o dono fosse um
[169]
mouro ou um judeu. Isso Freqüentemente ele era um homem de habilidade e educação treinadas, visto
que, se seu mestre lhe confidenciou uma loja ou um navio, o primeiro estava obrigado a cumprir todos os
[170]
contratos firmados por seu escravo. Assim, o livre castelhano, cujo negócio era a guerra, teve o seu
comércio e comércio, em grande medida, bem como a sua agricultura, realizada por escravos, e o resto
estava principalmente nas mãos dos judeus e dos mouros livres ou Mudéjares. O trabalho tornou-se assim o
distintivo das raças consideradas inferiores; estava abaixo da dignidade do homem livre, e quando, como
veremos a seguir, a população trabalhadora foi expulsa pelo fanatismo, a prosperidade da Espanha entrou
em colapso.
Quanto aos Mudéjares, a prática de permitir que permanecessem nos territórios
reconquistados começou cedo. Até mesmo na Galícia eles foram encontrados, e em OS MUDÉJARES
Leão os documentos do século X contêm muitos nomes mouros entre aqueles que os
[171]
confirmam ou testemunham. O Fuero de Leão, concedido por Alfonso V em 1020, alude aos mouros
que detêm escravos, e a população berbere ainda é representada pelos Maragatos, a sudoeste de Astorga -
uma raça perfeitamente distinta dos espanhóis, mantendo muito do traje africano deles / delas e falando
[172]
castelhano imperfeitamente, embora seja a única língua deles / delas. Fernando I (1033-65), que
prestou o afluxo aos reis de Toledo e Sevilha, e que estava cercando Valência quando ele morreu, alternou
em sua política para com os habitantes de suas extensas conquistas. Na parte inicial de seu reinado, ele
permitiu que permanecessem; então ele adotou o despovoamento e finalmente retornou aos seus métodos
[173]
anteriores. Alfonso VI seguiu o sistema mais liberal; quando ele ocupou Toledo, em 1085, ele
concedeu uma capitulação aos habitantes que lhes asseguraram sua propriedade e religião, com
[174]
autogoverno e posse de sua grande mesquita. Quando, durante a sua ausência, o francês Bernard Abbot
de Sahagun, recém eleito para o arcebispado, em concerto com sua rainha, Constance de Borgonha,De
repente, entrou na mesquita, consagrou-a e colocou um sino em seu mais alto minarete, Afonso ficou muito
irritado. Apressou-se para Toledo, ameaçando queimar tanto a rainha quanto o arcebispo, e apenas os
perdoou na intercessão dos mouros, que temiam possíveis represálias após sua morte. Sua política, na
verdade, era tornar seu governo mais atraente para a população muçulmana do que a de seus afluentes, os
pequenos reyes de taifas , que eram obrigados a oprimir seus súditos a fim de satisfazer suas exigências.
Ele até mesmo se intitulou Emperador de los dos cultos. Sua sabedoria tolerante se justificava, pois, após a
chegada dos Almorávides, apesar das derrotas desastrosas de Zalaca e Uclés, ele conseguiu se manter e até
mesmo estender seus limites, pois os mouros nativos preferiam sua dominação à de os berberes selvagens.
[175]

Seus sucessores seguiram seu exemplo, mas não foram considerados com favor pela Igreja. Durante os
séculos de torpor mental que precederam o surgimento da civilização moderna, houve pouco fanatismo.
Com a abertura do século XII, várias causas despertaram o espírito adormecido. O entusiasmo das cruzadas
aumentou o ardor religioso e os trabalhos dos escolásticos iniciaram a reconstrução da teologia que deveria
tornar a Igreja dominante sobre os dois mundos. O movimento intelectual e espiritual gerou heresias que,
no começo do século XIII, despertaram a Igreja para a necessidade de convocar todos os recursos para
preservar sua supremacia. Tudo isso se fez sentir não apenas nas cruzadas albigenses e no estabelecimento
da Inquisição, mas também em uma crescente intolerância aos judeus e sarracenos. em um antagonismo
mais ardente a todos os que não foram incluídos na clareza do cristianismo. Como isso funcionou foi visto
em 1212, quando, após a brilhante vitória de Las Navas de Tolosa, Afonso IX avançou para Ubeda, onde
70.000 homens haviam se reunido, e se ofereceram para se tornar mudéjares e pagar-lhe um milhão de
doblas. Os termos eram aceitáveis e ele concordou com eles, mas os chefes clericais da cruzada, os dois
arcebispos, Rodrigo de Toledo e Arnaud de Narbonne, objetaram e forçaram-no a retirar seu
consentimento. Ele ofereceu o sitiado para deixá-los partir com o pagamento da soma, mas eles foram
incapazes de coletar uma quantia tão grande no local, e eles foram colocados no Mil homens haviam se
reunido, e se ofereceram para se tornar mudéjares e pagar-lhe um milhão de doblas. Os termos eram
aceitáveis e ele concordou com eles, mas os chefes clericais da cruzada, os dois arcebispos, Rodrigo de
Toledo e Arnaud de Narbonne, objetaram e forçaram-no a retirar seu consentimento. Ele ofereceu o sitiado
para deixá-los partir com o pagamento da soma, mas eles foram incapazes de coletar uma quantia tão
grande no local, e eles foram colocados no Mil homens haviam se reunido, e se ofereceram para se tornar
mudéjares e pagar-lhe um milhão de doblas. Os termos eram aceitáveis e ele concordou com eles, mas os
chefes clericais da cruzada, os dois arcebispos, Rodrigo de Toledo e Arnaud de Narbonne, objetaram e
forçaram-no a retirar seu consentimento. Ele ofereceu o sitiado para deixá-los partir com o pagamento da
soma, mas eles foram incapazes de coletar uma quantia tão grande no local, e eles foram colocados no
[176]
espada, exceto aqueles reservados como escravos. No mesmo espírito, Inocêncio IV, em 1248, ordenou
Jaime I de Aragão para permitir que nenhum sarraceno residir em suas Ilhas Baleares recentemente
[177]
conquistadas, exceto como escravos.
Apesar da oposição da Igreja, a política do mudéjalato foi continuada até que o
trabalho da Reconquista parecesse prestes a ser finalizado sob San Fernando III. O OS MUDÉJARES
rei de Granada era seu vassalo, como qualquer outro nobre castelhano. Ele subjugou
o resto da terra, dando aos chefes locais condições vantajosas e permitindo-lhes assumir o título de reis. Os
mouros espanhóis foram então reduzidos à submissão e ele estava se preparando para levar suas armas para
[178]
a África no momento de sua morte, em 1252. Que o domínio mouro, mais ou menos independente,
continuou na península por ainda dois séculos e meio, é atribuível unicamente à turbulência inveterada dos
magnatas castelhanos ajudada pela ambição desordenada dos membros da família real. Durante este
intervalo, fragmentos sucessivos foram adicionados ao território cristão, quando as convulsões internas
permitiram oportunidades de conquista, e nestes o sistema que se mostrou tão vantajoso foi seguido.
Mouros e judeus eram cidadãos do reino, considerados como uma classe desejável da população, e tinham
[179]
direito à paz pública e à segurança de sua propriedade sob as mesmas sanções que os católicos. Eles
são enumerados com os cristãos em cartas que concedem isenções e privilégios especiais às cidades,
[180]
salvaguardas para feiras e comércio geral. Numerosos Fueros que chegaram até nós colocam todas as
raças no mesmo nível, e uma carta de Alfonso X, em 1272, para a cidade de Múrcia, em seus regulamentos
sobre a limpeza dos canais de irrigação mostra que, mesmo em detalhes mesquinhos como esses, não havia
[181]
distinção reconhecida entre Christian e Moor. As salvaguardas jogadas ao redor deles são vistas na
carta de 1101, concedida aos Mozárabes de Toledo por Alfonso VI, permitindo-lhes o uso de seu ancestral
Fuero Juzgo, mas as penalidades sob ele são apenas um quinto, como em o Fuero de Castela "exceto em
casos de roubo e de assassinato de judeus e mouros", e no Fuero de Calatayud, concedido por Alfonso el
Batallador, em 1131, a infância por um judeu ou um mouro é de 300 sueldos, o mesmo como para um
[182]
cristão. No entanto, a prática quanto a isso não era estritamente uniforme, e a raça conquistadora
procurava naturalmente estabelecer distinções que deveriam reconhecer sua superioridade. O Fuero de
[183]
Madri, em 1202, impõe várias deficiências aos mouros. Uma lei de Alfonso X, que durante todo o seu
reinado mostrou-se favorável às raças de assunto, enfaticamente diz que, se um judeu atinge um cristão, ele
não deve ser punido de acordo com os privilégios dos judeus, mas muito mais severamente como um
cristão é melhor que um judeu; então, se um cristão mata um judeu ou um mouro, ele deve ser punido de
acordo com o Fuero do lugar, e se não houver provisão para o caso, ele sofrerá a morte ou o banimento ou
outra penalidade, como o rei julgar conveniente. , mas o mouro que mata um cristão é sofrer mais
[184]
severamente do que um cristão que mata um mouro ou um judeu.
Em uma era de distinções de classe, essa era uma tendência inevitável e é digno de crédito à tolerância
e humanidade espanhola que seu progresso foi tão lento. Na violência da época havia sem dúvida muita
opressão arbitrária, mas os mudéjares conheciam seus direitos e não hesitavam em afirmá-los, nem parece
haver disposição para negá-los. Assim, em 1387, os de Bustiella queixaram-se a Juan I de que os
cobradores de impostos reais se esforçavam por cobrar deles a taxa de capitação mourisca, à qual não
estavam sujeitos, tendo em seu lugar desde os tempos antigos, pago aos Senhores de Biscaia, mil e
duzentos maravedos por ano e tendo o direito de desfrutar de todas as franquias e liberdades de Biscaia,
após o que o rei emitiu uma ordem aos assessores para exigir deles apenas a soma acordada e nenhum
outro imposto; garantir-lhes todas as franquias e liberdades, usos e costumes do senhorio de Biscaia.
[185]
Ainda mais sugestivo é um caso célebre ocorrendo tão tarde quanto o reinado de Henrique IV. Em
1455, os capelães da Capela da Cruz de Toledo queixaram-se ao rei de que o imposto sobre toda a carne
abatida na cidade havia sido destinado à capela para sua manutenção, mas que os mouros tinham
estabelecido seu próprio matadouro e se recusaram a fazê-lo. pagar o imposto. Em outros lugares do que na
Espanha o assunto teria sido encaminhado a um tribunal eclesiástico com uma consequente decisão em
favor da fé, mas aqui foi para a corte civil com o resultado que, depois de elaborada discussão de ambos os
lados, em 1462 o grande jurista Alfonso Díaz de Montalvan tomou uma decisão reconhecendo que os
mouros não podiam comer carne abatida à moda cristã, que eles tinham direito a um matadouro próprio,
[186]
livre de impostos, Trivial como é este caso, nos dá uma visão clara sobre a independência e auto-
afirmação das comunidades mouras e a disponibilidade dos tribunais para protegê-los em seus direitos.
Os mudéjares tinham garantido o gozo de sua própria religião e leis. Eles
tinham suas mesquitas e escolas e, nos primeiros tempos, magistrados de sua própria ESFORÇOS NA
raça que decidiam todas as questões entre si de acordo com sua própria zunna ou lei, CONVERSÃO
mas os fatos entre Christian e Moor eram às vezes ouvidos por um juiz cristão e às
[187]
vezes por um misto banco de ambas as fés. Nas capitulações era geralmente previsto que eles deveriam
estar sujeitos apenas aos impostos exigidos por seus soberanos anteriores, embora com o tempo isso
[188]
pudesse ser desconsiderado. Um privilégio concedido, em 1254, por Alfonso X aos habitantes de
Sevilha,autorizando-os a comprar terras de mouros em todo o distrito, mostra que os bens paternos dos
últimos não foram perturbados; eles eram livres para comprar e vender imóveis, e embora, quando o
período reacionário começou, perto do final do século XIII, Sancho IV concedeu a petição dos Córtes de
Valladolid em 1293, proibindo judeus e mouros de comprar terra de cristãos, a restrição logo se tornou
[189]
obsoleta. Não só não havia proibição de seus braços portadores, mas eles estavam sujeitos ao serviço
militar. A isenção disso foi um privilégio especial concedido, em 1115, à capitulação de Tudela; em 1263
Jaime I de Aragão libertou aos mouros de Masones de tributo e serviço militar em consideração a um
pagamento anual de 1.500 sueldos jaquenses ; em 1283 seu filho Pedro III, quando se preparava para
resistir à invasão de Philippe le Hardi, convocou seus fiéis mouros de Valência para se juntarem a seus
exércitos e, nas arrecadações feitas em Múrcia em 1385 para a guerra com Portugal, cada aljama tinha sua
[190]
quota atribuída. .
Uma política sábia ditaria a mistura das raças tanto quanto possível, de modo a
encorajar a unificação e facilitar os esforços de conversão que nunca foram perdidos DENACIONALIZAÇÃO
de vista. O converso ou baptizado mouro ou judeu era o favorito especial do DOS MUDÉJARES
legislador. A lei mourisca, que deserdou um apóstata, foi deixada de lado e ele teve
a garantia de sua parte na herança paterna; a tendência popular de estigmatizá-lo como um tornadizo ou
renegatfoi severamente reprimido. A Igreja insistiu que um cativo mouro que sinceramente buscasse o
batismo deveria ser libertado. Os dominicanos e franciscanos tiveram o poder de entrar em todos os lugares
onde os judeus e mouros habitavam, para reuni-los para ouvir os sermões, enquanto os oficiais reais eram
[191]
orientados a obrigar a assistência daqueles que não vinham voluntariamente. É fácil agora ver que esta
política, que resultou em ganhar multidões para a fé, teria sido muito mais proveitosa se as raças tivessem
sido compelidas a se associarem e infinitas misérias subseqüentes einfortúnio teria sido evitado, mas esse
era um trecho de humanidade tolerante virtualmente impossível na época. A Igreja, como se verá, exerceu
todos os esforços para mantê-las separadas, sob o pretexto humilhante de perder mais almas do que
ganharia, e havia, além disso, suficiente desconfiança mútua para tornar a separação desejada de ambos os
lados. Em um período muito inicial da Reconquista, adotou-se a política de designar um bairro especial de
uma cidade capturada aos mouros, e assim estabeleceu-se o hábito de fornecer uma Morería nas cidades
maiores, às quais os mudéjares estavam confinados. O processo é bem ilustrado pelo que ocorreu em
Múrcia, quando, em 1266, foi definitivamente reconquistada por Alfonso X por Jaime I de Aragão. Deu
metade das casas a aragoneses e catalães e restringiu os mouros ao bairro do Arrijaca. Alfonso confirmou o
arranjo, desalojando os cristãos do meio dos mouros e construindo um muro entre eles. Seu decreto sobre o
assunto recita que isto foi feito na oração dos mouros, que foram despojados e maltratados pelos cristãos, e
que desejavam a proteção de um muro, para a construção da qual dedicava metade das receitas. cobrado
para a reparação das muralhas da cidade. Era o mesmo com os judeus, que não deveriam morar entre os
cristãos, mas ter sua Judería separada para eles perto do portão de Orihuela. para a construção de que ele
dedicou metade das receitas cobradas para a reparação das muralhas da cidade. Era o mesmo com os
judeus, que não deveriam morar entre os cristãos, mas ter sua Judería separada para eles perto do portão de
Orihuela. para a construção de que ele dedicou metade das receitas cobradas para a reparação das muralhas
da cidade. Era o mesmo com os judeus, que não deveriam morar entre os cristãos, mas ter sua Judería
[192]
separada para eles perto do portão de Orihuela. Além desta segregação dos cristãos nas cidades havia
cidades menores em que a população era puramente moura, onde os cristãos não foram autorizados a
morar. Que isto foi considerado como um privilégio que podemos prontamente imaginar, e é mostrado pela
confirmação, em 1255, por Alfonso X de um acordo com os Mudéjares de Moron sob o qual eles devem
vender suas propriedades aos cristãos e removê-los para Silebar, onde eles devem construir um castelo e
casas, ficar livres de impostos por três anos, a lei deles deve ser administrada por seus próprios alcadi e
[193]
nenhum cristão deve residir lá, exceto o almojarife , ou coletor de impostos, e seus homens. Tudo isso
tendia a perpetuar a separação entre o cristão e o mouro, e uma causa ainda mais poderosa pode ser
encontrada no horror com o qual a miscigenação era considerada - pelo menos quando o agressor do sexo
masculino era um mouro. Casamento, de Claro, era impossível entre aqueles de diferentes religiões e
[194]
conexões ilícitas eram punidos da maneira mais selvagem.
Apesar dessa segregação natural, mas impolítica, os mudéjares gradualmente se desnacionalizaram e
se assimilaram de muitas maneiras à população que os rodeava. Com o tempo eles esqueceram sua língua
nativa e tornou-se necessário que seus homens instruídos compilassem livros de leis em castelhano para a
orientação de seus aliados. Uma literatura deste tipo surgiu e, mesmo após a expulsão final, em meados do
século XVII, entre os refugiados em Túnis, um manual de observâncias religiosas foi composto em
espanhol, cujo autor lamentou que até mesmo o sagrado personagens em que o Alcorão foi escrito eram
quase desconhecidos e que os ritos de culto eram esquecidos ou misturados com usos e costumes
[195]
emprestados dos cristãos. Os mudéjares até simpatizavam com as aspirações patrióticas de seus
vizinhos castelhanos, contra seus irmãos independentes. Quando, em 1340, Alfonso XI retornou em triunfo
a Sevilha, após a esmagadora vitória do Rio Salado, nos é contado como os mouros e suas mulheres se
[196]
uniram aos judeus nas alegrias que saudaram o conquistador. Ainda mais prática foi a resposta ao
apelo do Infante Fernando, em 1410, quando ele estava sitiando Antequera, um dos baluartes de Granada, e
estava em grande apuro para dinheiro. Escreveu “muy afectuosamente” a Sevilha e a Córdova, não só aos
cristãos senão aos almasmas mouros e judeus e, como era popular com eles, avançaram-lhe as somas que
[197]
podiam. O processo de desnacionalização e fusão com a comunidade cristã foi necessariamente lento,
mas o seu progresso deu uma promessa gratificante de um resultado, exigindo apenas sábia paciência e
simpatia, o que teria evitado infortúnios incalculáveis.
Em um ponto de vista financeiro e industrial, os Mudéjares formaram uma parte
muito valiosa da população. As receitas deles derivadas estavam entre os recursos OS MUDÉJARES
mais confiáveis do Estado; as atribuições eram freqüentemente usadas como a forma
mais segura e conveniente de obter appanages e dotes e rendas para prelados e estabelecimentos religiosos.
[198]
Para os nobres em cujas terras foram assentados eram quase indispensáveis, pois eram agricultores
habilidosos e os resultados de seus incansáveis trabalhos trouxeram retornos que não poderiam ser
realizados de nenhum outro modo. Que eles deveriam ser implacavelmente explorados era uma coisa
óbvia. Um fuero concedido, em 1371, pelo almirante Ambrosio de Bocanegra a seus mudéjares de Palma
del Rio, não apenas especifica suas taxas e impostos, mas prescreve que eles assarem no forno senhorial e
[199]
se banharem no banho senhorial e comprarem suas necessidades em as lojas senhoriais. Eles não eram
apenas admiráveis lavradores e artífices, mas se distinguiam nas regiões superiores da ciência e da arte.
Como médicos, eles classificaram com os judeus, e quando, em 1345, Ferrant Rodríguez, Prior da Ordem
de Santiago, construiu a Igreja de Nossa Senhora de Uclés, ele reuniu "mouros mouros" e bons pedreiros
[200]
cristãos, que o construíram de pedra e argamassa. A indústria da Espanha estava em grande parte em
suas mãos. Para eles a terra devia a introdução da cana-de-açúcar, algodão, seda, o figo, a laranja e a
amêndoa. Seu sistema de irrigação, ainda mantido até os dias atuais, era elaboradamente perfeito, e eles
construíram rodovias e canais para facilitar o intercurso e o transporte. Valência, que era densamente
povoada por Mudéjares, era considerada uma das províncias mais ricas da Europa, produzindo em grande
parte de açúcar, óleo e vinho. Na habilidade de fabricação elesnão foram menos distintos. Seus tecidos de
seda e algodão e linho e lã eram requintados; suas olarias e porcelanas eram modelos para os operários do
resto da Europa; sua obra de couro era insuperável; suas manufaturas de metais eram procuradas
avidamente em terras distantes, enquanto sua arquitetura manifesta sua delicada habilidade e gosto
artístico. Casamentos foram organizados para meninas aos 11 anos e meninos aos 12 anos; os dotes eram
de pouca importância, pois uma cama e algumas moedas eram consideradas suficientes, onde todas eram
trabalhadoras e autónomas, e seu rápido crescimento, como ervas daninhas, era motivo de queixa para seus
detratores castelhanos. Engenhosa e laboriosa, sóbria e parcimoniosa, uma população densa encontrou
meios de subsistência em inúmeros ofícios, nos quais homens, mulheres e crianças trabalhavam,
produzindo riqueza para si mesmos e prosperidade para a terra. No comércio eles foram igualmente bem
sucedidos; eles eram escravos de sua palavra, sua reputação de probidade e honra era universal, e sua
posição como comerciantes era proverbial. Não havia mendicância entre eles e as brigas eram raras, sendo
[201]
as diferenças resolvidas amigavelmente sem recorrer a seus juízes.
Não é fácil estabelecer limites à prosperidade alcançável pela Península com seus recursos naturais
desenvolvidos por uma população que combina o vigor do castelhano com a capacidade industrial do
mouro. Tudo o que era necessário era paciência cristã e boa vontade para acender e encorajar o sentimento
de bondade entre a conquista e a raça do sujeito; o tempo teria feito o resto. Os infiéis, conquistados pelo
cristianismo, teriam se fundido aos fiéis, e um povo unido, abençoado com as características de ambas as
raças, estaria pronto para ocupar o primeiro lugar na maravilhosa era da civilização industrial, que
eraprestes a abrir. Infelizmente para a Espanha isso não aconteceu. Para o eclesiástico consciencioso da
Idade Média, qualquer pacto com o infiel era uma liga com Satanás; ele não poderia ser forçado a entrar no
rebanho, mas era o mais simples dos deveres deixar sua posição fora tão insuportável que ele se refugiaria
na conversão.
A Igreja, portanto, via com repugnância a política de conciliação e tolerância
que havia facilitado enormemente o trabalho da Reconquista, e não perdeu Distintivos
oportunidade de empolgante desconfiança popular e desprezo pelos Mudéjares. Distintivos
Veremos quão grande foi o seu sucesso em relação aos judeus, cuja posição ofereceu
melhor oportunidade de ataque, mas não foi sem resultados no que diz respeito aos mouros. Desencorajou
todo o intercurso entre as raças e esforçou-se para mantê-los separados. Até mesmo a indispensável
liberdade das transações comerciais comuns, que era fornecida pelos governantes seculares, era
desaprovada, e em 1250 a Ordem de Santiago foi obrigada a representar para Inocêncio IV que tinha
vassalos mouros, e para suplicá-lo por licença para comprar e vender com eles, o que ele gentilmente
[202]
permitiu. Os meios mais eficazes, no entanto, de estabelecer e perpetuar a distinção entre as raças foi
que os judeus e mouros devem usar alguma peça de roupa peculiar ou um emblema pelo qual eles devem
ser reconhecidos à vista. Isso não era apenas uma marca de inferioridade e estigma, mas expunha o usuário
a insultos e ultrajes, tornando-o humilhante e perigoso, especialmente para aqueles, como mercenários ou
mercadores, cujas atribuições tornavam as viagens nas rodovias inseguras indispensáveis. Quando a Igreja
foi despertada de seu torpor para combater a infidelidade em todas as suas formas, esta foi uma das
medidas adotadas pelo grande concílio de Latrão em 1216, em um regulamento levado para a lei canônica,
[203]
a razão alegada sendo que era necessário evitar a miscigenação. Em 1217, Honório III
peremptoriamente ordenou a execução deste decreto em Castela, mas, dois anos depois, consentiu em
suspendê-lo, sobre a manifestação de San Fernando III, apoiado por Rodrigo, Arcebispo de Toledo. O rei
representava que muitos judeus abandonariam seu reino em vez de usar distintivos, enquanto o restante
seria levado a planos e conspirações, e, como a maior parte de suas receitas era derivada deles, ele seria
[204]
incapaz de realizar suas atividades contra eles. os sarracenos. Era difícil despertar a intolerância e o
ódio racial na Espanha e, quando Gregório IX, por volta de 1233, e Inocêncio IV, em 1250, ordenaram aos
[205]
prelados castelhanos que impusessem os cânones de Latrão, San Fernando desconsiderou a liminar.
Seu filho, Afonso X, até agora rendeu obediência que, nas Partidas, ele ordenou, sob pena de dez ouro
maravilhado ou dez chicotes, todos os judeus, homens e mulheres, usarem um distintivo na tampa,
alegando o mesma razão que o concílio de Latrão, mas ele não estendeu isso aos mouros e, como seu
código não foi confirmado pelos Córtes por quase um século, o regulamento pode ser considerado
[206]
inoperante. O conselho de Zamora, que tanto fez para estimular a intolerância, em janeiro de 1313,
ordenou que o distintivo fosse usado, como foi em outras terras, e mais tarde no ano os Córtes de Plasencia
propuseram obedecer, mas foram Contada pelo Infante Juan, que presidiu como guardião de Afonso XI, ele
[207]
iria, após consulta, fazer o que era para a vantagem da terra. Em Aragão, os conselhos de Tarragona,
em 1238 e 1282, em vão ordenaram que o cânon fosse obedecido, e não foi até 1300 que a tentativa foi
feita com uma portaria exigindo que os Mudéjares usassem o cabelo cortado de maneira peculiar. isso deve
[208]
ser distintivo. Em Castela, finalmente, Henrique II, em cumprimento do pedido dos Córtes de Toro em
1371, ordenou que todos os judeus e mouros usassem o distintivo (um círculo vermelho no ombro
esquerdo), masa injunção teve de ser repetida com frequência e foi obedecida de maneira esbelta. Mesmo
assim, podem ser atribuídos os freqüentes assassinatos que se seguiram dos judeus nas estradas, cujos
[209]
autores raramente foram identificados.
Qual foi o espírito que a Igreja, assim, persistentemente tentou despertar na Espanha pode ser
recolhida a partir de um breve de Clemente IV, em 1266, para Jaime I de Aragão, exortando-o a expulsar
todos os Mudéjares de seus domínios. Ele assegura ao rei que sua reputação sofrerá muito se, por uma
vantagem temporal, ele permitir mais que tal opróbrio de Deus, tal infecção da cristandade, proceda
indubitavelmente da horrível coabitação dos mouros, com seus detestáveis horrores e horrível repugnância.
Ao expulsá-los, ele cumprirá seu voto a Deus, parará as bocas de seus detratores e se mostrará zeloso pela
[210]
fé. O mesmo temperamento foi mostrado, em 1278, por Nicolau III, quando ele repreendeu Alfonso X
por entrar em tréguas com os mouros, e, ameaçando privá-lo da parte que lhe fora dada pelas receitas da
igreja, incitou-o a o cerco desastroso de Algeciras, cujo fracasso o levou a formar uma aliança com o rei de
[211]
Marrocos. Felizmente, este zelo papal pela fé não encontrou Ximenes na Espanha para difundi-lo entre
o povo e acender o fogo da intolerância. A Igreja espanhola do período parece ter sido totalmente inativa.
A única ação registrada é a trivial de Arnaldo de Peralta, bispo de Valencia, de 1261 a 1273, que proibiu,
sob pena de excomunhão, o clero de beber vinho na casa de um judeu, contanto que eles tivessem ouvido
falar ou deve lembrar a proibição; e ele vagamente ameaçou com seu descontentamento qualquer clérigo
[212]
que conscientemente comprasse o vinho de um judeu, exceto em caso de necessidade.
Que, na Confusão que se seguiu à rebelião de Sancho IV contra seu pai, pode
ter surgido um desejo de limitar um pouco os privilégios de judeu e mouro é tornado INFLUÊNCIA DA
provável pela legislação dos Córtes de Valladolid, em 1293, a qual alusão Já foi IGREJA
feito (p. 63), mas o impulso decisivo que despertou a Igreja espanhola de sua
indiferença indolente e colocou-a seriamente para trabalhar em ódio popular popular e intolerância, parece
rastreável para o conselho de Vienne em 1311-12. Entre os cânones publicados do concílio, o único
relativo aos mouros é uma queixa que aqueles que moram em terras cristãs têm seus sacerdotes, chamados
Zabazala, que, a partir dos minaretes de suas mesquitas, em certas horas invocam Maomé e fazem seus
elogios em um voz alta, e também que eles estão acostumados a se reunir ao redor do túmulo de alguém a
quem eles adoram como santo. Estas práticas são denunciadas como insuportáveis, e os príncipes são
ordenados a suprimi-las, com a alternativa de ganhar a salvação ou de punição duradoura, que as fará servir
[213]
como um exemplo aterrador. Essa ameaça caiu em ouvidos surdos. Em 1329 o conselho de Tarragona
se queixa de sua inobservância e ordena a todos os senhores temporais que a executem dentro de dois
[214]
meses, sob pena de interdito e excomunhão, e cem anos depois o concílio de Tortosa, em 1429,
suplicou ao rei de Aragão e a todos os prelados e nobres, às entranhas da divina misericórdia, que
reforçassem o cânon e todos os outros decretos conciliares para a exaltação da fé e a humilhação de judeus
e mouros, e causar a observância deles por seus súditos, se eles desejam escapar da vingança de Deus e da
Santa Sé. Isso foi igualmente ineficaz, e foi reservado para Fernando e Isabel, por volta de 1482, reforçar o
[215]
cânone de Viena com um vigor que trouxe um protesto do Grande Turco.
Mais sério foi o efeito sobre os judeus do espírito despertado em Vienne.
Aquele conselho, além de decretar leis muito severas contra a usura, denunciou o INFLUÊNCIA DA
privilégio concedido na Espanha aos judeus, segundo o qual as testemunhas judias IGREJA
eram necessárias para a condenação de réus judeus. Não pretendeu anular este
[216]
privilégio, mas proibiu todo o intercurso entre as raças onde quer que estivesse em vigor. Os prelados
espanhóis, ao retornarem do concílio em 1312, trouxeram com eles esses cânones e o espírito de
intolerância que os ditavam e se apressaram em dar expressão a ele no conselho de Zamora, em janeiro de
1313, em vários cânones, o temperamento disso é tão diferente das declarações prévias da Igreja espanhola
que mostra a revolução operada em seu modo de pensar pelo intercurso com seus irmãos de outras terras.
A partir de então, a Igreja espanhola emerge do seu isolamento e distingue-se por uma ferocidade ainda
maior do que a que desgraçou o resto da cristandade. Os pais de Zamora invocaram a maldição de Deus e
de São Pedro sobre todos os que deveriam se esforçar para fazer cumprir as leis existentes que exigem a
[217]
evidência de que os judeus condenem os judeus. Eles denunciaram os judeus como serpentes, A
mistura amistosa das raças, que mostra quão pouco os preconceitos dos clérigos foram compartilhados pelo
povo nesse período, tornou-se um assunto favorito de objugação e exigiu uma longa série de esforços para
erradicar, mas a Igreja triunfou enfim. e as sementes da inveja, do ódio e de toda a falta de caridade, que
tão assiduamente plantou e cultivou, produziram no final uma colheita abundante do mal. Que
prepossessões de bondade cristã os prelados de Zamora sentiram que tiveram que superar são indicados no
comando final que estas constituições deve ser lido publicamente em todas as igrejas anualmente, e que os
[218]
bispos devem obrigar, por excomunhão, todos os magistrados seculares a aplicá-los.
A Igreja espanhola, assim, começou justamente nessa direção deplorável, seguiu seu curso com
energia característica. Em 1322, as declarações do concílio de Valladolid revelam quão íntimas eram as
relações costumeiras entre cristãos e infiéis, e como a Igreja, em lugar de aproveitar-se disso, trabalhava
para manter as raças separadas. O conselho recita que os escândalos surgem e as igrejas são profanadas
pelo costume predominante dos mouros e judeus que freqüentam o serviço divino, portanto eles devem ser
expulsos antes do início das cerimônias da missa, e todos os que se esforçam para evitá-lo devem ser
excomungados. O hábito de vigílias devocionais noturnas nas igrejas também é dito, provavelmente com
verdade, como fonte de muito mal, e todos os que trazem mouros e judeus para tomar parte com suas vozes
e instrumentos devem ser expulsos. Para preservar os fiéis da poluição pelas superstições mouras e
judaicas, eles não são mais ordenados a freqüentar os casamentos e funerais dos infiéis. O abuso absurdo e
irracional pelo qual judeus e mouros são colocados no cargo sobre os cristãos deve ser extirpado, e todos
os prelados devem puni-lo com a excomunhão. Como a malícia de Mouros e Judeus os leva astutamente a
matar Cristãos, sob o pretexto de curá-los por medicina e cirurgia e, como os cânones proíbem os cristãos
de empregá-los como médicos, e como estes cânones não são observados em conseqüência da negligência
dos prelados, estes são ordenados a aplicá-los estritamente com o livre uso da excomunhão. O abuso
absurdo e irracional pelo qual judeus e mouros são colocados no cargo sobre os cristãos deve ser extirpado,
e todos os prelados devem puni-lo com a excomunhão. Como a malícia de Mouros e Judeus os leva
astutamente a matar Cristãos, sob o pretexto de curá-los por medicina e cirurgia e, como os cânones
proíbem os cristãos de empregá-los como médicos, e como estes cânones não são observados em
conseqüência da negligência dos prelados, estes são ordenados a aplicá-los estritamente com o livre uso da
excomunhão. O abuso absurdo e irracional pelo qual judeus e mouros são colocados no cargo sobre os
cristãos deve ser extirpado, e todos os prelados devem puni-lo com a excomunhão. Como a malícia de
Mouros e Judeus os leva astutamente a matar Cristãos, sob o pretexto de curá-los por medicina e cirurgia e,
como os cânones proíbem os cristãos de empregá-los como médicos, e como estes cânones não são
observados em conseqüência da negligência dos prelados, estes são ordenados a aplicá-los estritamente
[219]
com o livre uso da excomunhão.
Essas duas últimas cláusulas apontam para questões que há muito eram queixas
especiais dos fiéis e que exigem atenção de um momento. As habilidades INFLUÊNCIA DA
administrativas superiores dos judeus fizeram com que fossem constantemente IGREJA
procurados para posições executivas, para o escândalo de todos os bons cristãos.
Vimos que, sob os godos, era um abuso que pedia constante difusão da animação. Foi uma das principais
queixas de Inocêncio III contra Raymond VI de Toulouse, que ele expiou tão cruelmente nas cruzadas
[220]
albigenses, e um dos decretos do Concílio de Latrão foi dirigido contra sua continuação. Em Espanha
os soberanos podiamnão o façamos sem eles, e teremos a ocasião de ver que se tornou uma das principais
causas de desagrado popular da raça infeliz, pois o cristão achou difícil suportar com equanimidade a
dominação do judeu, especialmente em seu caráter ordinário de almojarife , ou cobrador de impostos. Já
em 1118, Alfonso VIII, no fuero concedido a Toledo, prometeu que nenhum judeu ou recém-converso
deveria ser colocado sobre os cristãos; Alfonso X fez a mesma concessão no fuero de Alicante, em 1252,
exceto que ele reservou o escritório de almojarife, e no Partidas ele se esforçou para fazer a regra geral.
[221]
A mesma necessidade se fez sentir em relação à função do médico, para a qual, durante a idade das
trevas, o conhecimento de judeus e sarracenos os tornava quase que exclusivamente ajustados. Zedechias,
o médico judeu do imperador Carlos, o Calvo, era renomado e a tradição transmitia seu nome como sendo
[222]
de um mágico hábil. Príncipe e prelado procuraram igualmente conforto em suas ministrações
curativas, e, como a Igreja olhou desconfiado sobre a prática da medicina e cirurgia pelos eclesiásticos, a
menos que fosse através de oração e exorcismo, eles tinham o campo quase para si mesmos. Isso sempre
foi considerado desfavorável pela Igreja. Já no ano 706, o concílio de Constantinopla havia ordenado aos
[223]
fiéis que não tomassem remédios de um judeu, e essa ordem fora incorporada à lei canônica. Outra
regra, adotada do Concílio de Latrão de 1216, era que o primeiro dever de um médico era cuidar da alma
do paciente e não de seu corpo, e ver que ele recebia um confessor - um dever. que o infiel dificilmente
[224]
poderia reconhecer. É, portanto, fácil entender por que a repugnância geral da Igreja por mouros e
judeus deve ser aguçada com acerbidade peculiar em relação às suas funções como médicos; por que o
conselho de Valladolid deveria se esforçar para alarmar as pessoas com a afirmação de que eles utilizaram
a posição para matar os fiéis, e o conselho de Salamanca, em 1335, deveria renovar a sentença de
[225]
excomunhão em todos que deveriam empregá-los na doença. Nominalmente a Igreja levava a questão
e nas leis prescritivas de 1412 foi incorporada uma provisão impondo uma multa de trezentos maravedís
[226]
em qualquer mouro ou judeu que devesse visitar um cristão doente ou administrar remédio a ele, mas a
proibição era impossível de fazer cumprir. Por volta de 1462, o franciscano Alonso de Espina reclama
amargamente que não existe um nobre ou um prelado, mas mantém um demônio judeu como médico,
embora o zelo dos judeus em estudar medicina seja simplesmente obter uma oportunidade de exercer sua
malignidade Cristãos; Para quem eles curam, matam cinquenta e, quando estão reunidos, eles se
[227]
vangloriam sobre o que causou mais mortes, pois a lei lhes ordena que estraguem e matem os fiéis.
Poucos anos depois disso, Abiatar Aben Crescas, médico-chefe de Juan II de Aragão, pai de Ferdinand,
reivindicou a ciência judaica ao aliviar com sucesso seu paciente real de uma catarata dupla e restaurar sua
visão. Em 11 de setembro de 1469, pronunciando o aspecto das estrelas como favorável, ele operou o olho
direito; o rei, encantado com sua visão recuperada, ordenou que ele continuasse com a esquerda, mas
Abiatar recusou, alegando que as estrelas haviam se tornado desfavoráveis, e não foi até 12 de outubro que
[228]
ele consentiu em completar a cura. Os próprios frades acreditavam tão pouco quanto a realeza nas
histórias que inventaram para assustar o povo e criar aversão aos médicos judeus. Apesar do fato de que
Fernando e Isabel, nas Ordenanças de 1480, repetiram a proibição de seus cristãos assistentes, os
dominicanos, em 1489, obtiveram de Inocêncio IV permissão para empregá-los, apesar de todas as
[229]
censuras eclesiásticas, a razão alegada sendo que em Espanha havia poucos outros.
O espírito prescritivo que dominava os conselhos de Zamora e Valladolid não
foi autorizado a desaparecer. A de Tarragona, em 1329, expressou seu horror pela LEGISLAÇÃO
companhia amigável com a qual os cristãos tinham o hábito de assistir aos REPRESSIVA
casamentos, funerais e circuncisões de judeus e mouros e até mesmo de entrar nos
laços de compatibilidade com os pais no segundo. cerimônia, todos os quais proíbem estritamente para o
[230]
futuro. Alguns anos depois, em 1337, Arnaldo, Arcebispo de Tarragona, dirigiu a Bento XII uma carta
que é uma expressão significativa dos objetos e métodos da Igreja. Apesar disso, diz ele, do voto tomado
por Jaime I quando estava prestes a conquistar Valência, que ele não permitiria que qualquer mouro
permanecesse lá, os cristãos, liderados por cega cobiça, permitiram que eles ocupassem a terra, acreditando
que assim eles derivavam. maiores receitas - o que é um erro, como o abade de Poblet demonstrou
recentemente ao expulsar os mudéjares das posses da abadia. Diz-se que há quarenta ou cinquenta mil
combatentes mouros em Valência, o que é uma fonte do maior perigo, especialmente agora, quando o
imperador do Marrocos se prepara para ajudar o rei de Granada. Além disso, muitos crimes enormes são
cometidos por cristãos, em conseqüência de sua maldita familiaridade e intercurso com os mouros, que
blasfemam do nome de Cristo e exaltam o de Maomé. “Eu ouvi”, ele prossegue, “o falecido Bispo de
Valência declarar, em um sermão público, que naquela província as mesquitas são mais numerosas do que
as igrejas e que metade, ou mais da metade, o povo é ignorante do Senhor. orar e falar apenas mourisca.
Por isso, peço a sua clemência que providencie um remédio apropriado, que parece impossível, a menos
que os mouros sejam totalmente expulsos e a menos que o rei de Aragão dê sua ajuda e favor. Os nobres
seriam mais prontamente levados a concordar com isso se lhes fosse permitido confiscar e vender as
pessoas e propriedades dos Mudéjares como inimigos públicos e infiéis, e o dinheiro assim obtido não
serviria de nada para defender o reino ”. Prelado cristão, não contente em pedir directamente ao papa que
adoptasse esta proposta desumana, enviou uma cópia da sua carta a Jean de Comminges, cardeal do Porto,
e implorou-lhe que insistisse no assunto com Bento XVI, e numa segunda carta ao cardeal explicou que
Seria necessário que o papa ordenasse ao rei que expulsasse os mouros; que obedeceria voluntariamente às
terras da coroa, mas que um mandamento papal era indispensável quanto às terras dos outros. Foi apenas,
acrescentou ele, a avareza dos cristãos que mantinham os mouros lá. que obedeceria voluntariamente às
terras da coroa, mas que um mandamento papal era indispensável quanto às terras dos outros. Foi apenas,
acrescentou ele, a avareza dos cristãos que mantinham os mouros lá. que obedeceria voluntariamente às
terras da coroa, mas que um mandamento papal era indispensável quanto às terras dos outros. Foi apenas,
[231]
acrescentou ele, a avareza dos cristãos que mantinham os mouros lá. Veremos como, duzentos e
setenta anos depois, um arcebispo de Valência ajudou a causar a catástrofe final, por um ainda maior
demonstração de zelo sagrado, apoiado precisamente pelos mesmos argumentos.
Essa pressão constante por parte de seus guias espirituais começou a impressionar as classes
dominantes, e a legislação repressiva se torna frequente nos Córtes. Naqueles de Sória, em 1380, a oração
desagradável contra os cristãos foi ordenada a ser removida dos livros de orações judaicos e sua recitação
foi proibida sob pesadas penalidades, enquanto os rabinos foram privados de jurisdição em casos criminais
entre seu povo. Naqueles de Valladolid, em 1385, os cristãos foram proibidos de viver entre os judeus, os
judeus foram proibidos de servir como cobradores de impostos, seus juízes foram impedidos de atuar em
casos civis entre eles e cristãos e numerosos regulamentos foram adotados para restringir a opressão dos
[232]
devedores. . Em 1387, no Córtes de Briviesca, Juan I decretou que nenhum cristão deveria manter em
sua casa um judeu ou mouro, exceto como escravo, nem conversar com alguém além do que a lei permitia,
sob a pesada penalidade de 6000 maravilhas. e nenhum judeu ou mouro deveria manter cristãos em sua
[233]
casa sob pena de confisco de toda propriedade e castigo corporal a prazer do rei. Parecia impossível
impor essas leis, e a Igreja interveio assumindo jurisdição sobre o assunto. Em 1388, o concílio de Valência
exigia a suspensão do trabalho aos domingos e aos dias de festa, e deplorava o dano aos corpos e almas dos
fiéis e os escândalos decorrentes do intercurso habitual entre eles e os infiéis. As habitações deste último
foram ordenadas a serem estritamente separadas das do primeiro; onde alojamentos especiais não lhes
foram designados, foi ordenado que fosse feito imediatamente e, dentro de dois meses, nenhum cristão
deveria ser encontrado morando com eles nem com cristãos. Se eles tivessem negócios para trabalhar ou
mercadorias para vender, poderiam sair durante o dia, ou ocupar barracas ou lojas nas ruas, mas à noite
[234]
eles deveriam retornar ao lugar onde mantinham suas esposas e filhos.
Esta segregação dos judeus e mouros e seu estreito confinamento às Morerías e Juderías eram um
método prático de separar as raças que eram difíceis de fazer cumprir. Os massacres de 1391 mostraram
que em geral havia tais bairros nas cidades maiores, mas a residência parece não ter sidoobrigatória, e os
judeus e mouros que a desejavam viviam entre os cristãos. Nas leis restritivas de 1412, o primeiro lugar é
dado a esse assunto. Morerías e Juderías são ordenados a se estabelecer em todo lugar, rodeados de um
muro que tem apenas um portão. Qualquer um que não tenha, em oito dias após a notificação, se
estabelecido ali perde toda a sua propriedade e está sujeito a punição a prazer do rei, e severas penalidades
[235]
são providas para as mulheres cristãs que entrarem nelas. Foi feito um esforço para impor estes
regulamentos, mas parecia impossível manter as corridas separadas. Em 1480, Fernando e Isabel declaram
que a lei não havia sido observada e ordenaram sua aplicação, permitindo dois anos para o estabelecimento
dos guetos, após o que nenhum judeu ou mouro morará fora deles, sob as penas estabelecidas, e nenhuma
[236]
mulher cristã será encontrado dentro deles. O tempo passou para as leis serem desconsideradas e isto
foi levado a cabo com o vigor habitual dos soberanos. Em Segovia, por exemplo, em 29 de outubro de
1481, Rodrigo Alvárez Maldonado, comissário para o efeito, convocou os representantes do aljama judeu,
leu para eles a Ordenanza, e designou-lhes os limites de sua Juderia. Todos os cristãos residentes foram
avisados para desocupar dentro do período designado pela lei; todos os judeus do distrito eram obrigados a
fazer sua residência lá dentro do mesmo tempo, e todas as portas e janelas de casas contíguas aos limites,
de ambos os lados, seja de judeus ou cristãos, foram ordenadas a serem emparedadas ou tornadas
[237]
intransitáveis. A segregação dos judeus deveria ser absoluta.

Veremos no próximo capítulo quão bem sucedidos foram os esforços da Igreja


em despertar a ganância e o fanatismo do povo e em reprimir a amável comunhão LEGISLAÇÃO
que havia tanto tempo existia. A partir disso, os judeus foram os primeiros e maiores REPRESSIVA
sofredores, e é necessário dizer aqui apenas que, nas leis cruéis que marcaram o
começo do século XV, tanto os mouros como os judeus foram incluídos nas restrições destinadas a
humilhá-los ao máximo; tornar suas vidas um fardo, privá-los domeios de subsistência e diminuir sua
utilidade para o Estado. Essas leis eram severas demais para uma aplicação rigorosa e contínua, mas
respondiam ao propósito de infligir um estigma inefável às vítimas e manter um sentimento saudável de
antagonismo por parte da população em geral. Isso foi dirigido principalmente contra os judeus, que eram
os principais objetos de malignidade clerical, e será nosso trabalho examinar como isso foi habilmente
desenvolvido, até que se tornou a causa imediata da introdução da Inquisição e criada para ela, durante sua
anos mais antigos e mais ocupados, quase o único campo de sua atividade. Enquanto isso, pode ser
[238]
observado que, no triunfo final sobre Granada,

CAPÍTULO III

OS JUDEUS E OS CONVERSOS.
T O apreciar devidamente a posição dos judeus na Espanha, é necessário primeiro compreender a luz
em que foram consideradas em outros lugares por toda a cristandade durante o período medieval. Já foi
visto que a Igreja considerava o judeu como sendo um ser privado, pela culpa de seus antepassados, de
todos os direitos naturais, exceto o da existência. Os privilégios concedidos aos judeus e a igualdade social
[239]
a que foram admitidos sob os carlovíngios provocaram as mais severas versões da vida dos clérigos.
Por
volta de 890, Estevão VI escreve ao arcebispo de Narbonne que ele ouviu com ansiedade mortal que
esses inimigos de Deus têm permissão para manter terras e que os cristãos lidavam com esses cães e até
[240]
prestavam serviço a eles. É verdade que Alexandre III manteve a antiga regra de que eles poderiam
reparar suas sinagogas existentes, mas não construir novas, e Clemente III se honrou com uma das raras
declarações humanas a seu favor, proibindo sua conversão forçada, seu assassinato ou ferir ou espoliação,
privar-se de observâncias religiosas, exigir o serviço forçado, a menos que fosse costumeiro, ou a violação
de seus cemitérios em busca de tesouros, e, além disso, ambos os decretos foram incorporados por
[241]
Gregório IX na lei canônica. No entanto, essas proibições apenas apontam para nós a maneira pela
qual o zelo popular aplicou os princípios enunciados pela Igreja e, quando o concílio de Paris, em 1212,
proibiu, sob pena de excomunhão, parteiras cristãs de assistirem uma judia em trabalho de parto. , mostra
que eles foram considerados com autoridade como menos habilidosos que os animais para a simpatia
[242]
humana.
Como a hostilidade popular foi despertada e fortalecida é ilustrada em uma carta endereçada, em 1208,
por Inocêncio III ao condede Nevers. Embora, diz ele, os judeus, contra os quais o sangue de Jesus Cristo
clama em voz alta, não sejam mortos, para que os cristãos não esqueçam a lei divina, todavia devem ser
espalhados como errantes pela terra, para que seus rostos possam ser preenchidos. com a ignomínia e eles
podem buscar o nome de Jesus Cristo. Os blasfemos do nome cristão não devem ser estimados pelos
príncipes, na opressão dos servos do Senhor, mas devem ser reprimidos com a servidão, da qual se
tornaram dignos quando lançaram mãos sacrílegas sobre Ele, que veio para dar eles a verdadeira liberdade,
e eles clamavam que Seu sangue deveria estar sobre eles e seus filhos. No entanto, quando prelados e
padres intervêm para esmagar sua malícia, eles riem da excomunhão e são encontrados nobres que os
[243]
protegem. O conde de Nevers é dito ser um defensor dos judeus; O Céssio Cisterciense de
Heisterbach, em seus diálogos para a instrução moral de seus companheiros monges, conta várias histórias
que ilustram o desprezo absoluto sentido pelos sentimentos e direitos dos judeus, e em um deles há uma
alusão ao curioso A crença popular de que os judeus tinham um odor vil, que eles perderam no batismo -
[244]
uma crença prolongada, pelo menos na Espanha, até o século XVII estava bem avançada. Mesmo
assim, um prelado esclarecido como o cardeal Pierre d'Ailly, em 1416, reprova os soberanos da cristandade
por sua liberalidade em relação aos judeus, que ele só pode atribuir ao vil amor pelo lucro; se os judeus são
[245]
autorizados a permanecer, deve ser apenas como servos dos cristãos. As proibições gerais de maus-
tratos pouco aproveitaram quando o prelado e o sacerdote estavam ocupados em inflamar a aversão
popular, e descobriu-se que os papas ameaçavam qualquer príncipe suficientemente forte para interpor e
proteger a raça infeliz.
É claro que sob tal impulso houve escassa cerimônia ao lidar com esses párias
de qualquer maneira que o ardor religioso pudesse sugerir. Quando, em 1009, os PERSEGUIÇÃO
sarracenos capturaram Jerusalém e destruiu a igreja do Santo Sepulcro, a ira e a MEDIEVAL
indignação da Europa assumiram uma forma tão ameaçadora que multidões de
[246]
judeus se refugiaram no batismo. Quando a exaltação religiosa culminou nas Cruzadas, pareceu
àqueles que assumiram a cruz uma loucura redimir a Palestina, deixando para trás a raça ímpia que havia
crucificado o Senhor, e em todo lugar, em 1096, a reunião dos cruzados era o sinal do massacre judeu.
Seria supérfluo relatar em detalhe o triste catálogo de massacres por atacado que por séculos desgraçaram a
Europa, sempre que o fanatismo ou o desaparecimento de uma criança deu origem a histórias do rito de
assassinato, ou uma hóstia manchada de sangue sugeriu um sacrilégio cometido sobre o sacramento, ou
algum mal passageiro, como uma epidemia, despertou a população para derramamento de sangue e rapina.
As crônicas medievais estão repletas de cenas tão terríveis, nas quais a crueldade e a ganância assumiram o
manto de zelo para vingar a Deus; e quando, em casos raros, as autoridades protegiam os indefesos, foi
atribuída a motivos indignos, como no caso de Johann von Kraichbau, bispo de Speyer, que, em 1096, não
apenas salvou alguns judeus, mas decapitou seus agressores e foi acusado de ser subornado; nem Frederic
[247]
Barbarossa e Ludwig da Baviera escaparam de imputações semelhantes. Era mais seguro e mais
proveitoso combinar piedade e saque como quando, em abril de 1182, Filipe Augusto ordenou a todos os
judeus que deixassem a França no dia de São João, confiscando suas terras e permitindo que tomassem
seus pertences pessoais. Seu neto, o santo Luís, recorreu sem escrúpulos para reabastecer seu tesouro ao
resgatar os judeus e o neto deste último, Philippe le Bel, ainda era mais inescrupuloso em 1306, quando,
por um movimento combinado, ele tomou todos os judeus em seus domínios, despojou-os da propriedade e
baniu-os sob pena de morte. Na Inglaterra, o rei João, em 1210, lançou judeus na prisão e torturou-os em
troca de resgate, e seu neto, Eduardo I, seguiu o exemplo de Filipe Augusto de modo que os judeus não
[248]
puderam retornar até a época de Cromwell.
A Espanha permaneceu por tanto tempo isolada dos movimentos que agitavam o resto da cristandade
que o repúdio ao judeu, ensinado pela Igreja e reduzido a praticar de muitas maneiras pelo povo, estava
atrasado no desenvolvimento. No dilúvio da conquista sarracena e nas ferozes lutas do início da
Reconquista, a antipatia tão selvagemente expressa na legislação gótica parecia ter desaparecido,
possivelmente porque não havia poucos judeus entre os montanheses rudes da Galícia e das Astúrias. É
verdade que as leis Wisigóticas, na versão românica conhecida como Fuero Juzgo, permaneceram
nominalmente em vigor; Também é verdade que uma lei foi interpolada no Fuero, o que parece indicar um
súbito recrudescimento do fanatismo após um longo intervalo de tolerância comparativa. Ele prevê que se
um judeu lealmente abraça a fé de Cristo, ele terá licença para negociar todas as coisas com os cristãos,
mas se ele subsequentemente recair no judaísmo, sua pessoa e suas propriedades serão confiscadas para o
rei; Os judeus que persistem em sua fé não devem se relacionar com os cristãos, mas podem negociar entre
si e pagar impostos ao rei. Suas casas e escravos e terras e pomares e vinhedos, que podem ter comprado
dos cristãos, mesmo que a compra seja antiga, são declarados confiscados ao rei, que pode concedê-los a
quem bem entender. Se algum judeu negociar, violando esta lei, ele se tornará escravo do rei, com todas as
suas propriedades. Os cristãos não devem negociar com os judeus; se um nobre fizer isso, ele perderá três
libras de ouro para o rei; em transações de mais de dois quilos, o excesso é entregue ao rei, juntamente com
[249]
três doblas; se o agressor é um plebeu,
A data desta lei é incerta, mas pressupõe um considerável período anterior de
tolerância, durante o qual os judeus se multiplicaram e se tornaram possuidores de CONDIÇÃO DE
riqueza fundiária. Até que ponto ela pode ter sido aplicada, não temos meios de JUDEUS
saber, mas sua observância deve ter sido apenas temporária, pois vislumbres da ESPANHOL
condição dos judeus até o século XIV são totalmente incompatíveis com a feroz
proscrição da lei. Leis góticas. Como os reinos espanhóis se organizaram, o Fuero Juzgo na maior parte foi
substituído por uma multidão de fueros locais, cartas-pueblas e costumes que definem as franquias de cada
comunidade, e vimos no capítulo anterior como nestes mouros e judeusforam reconhecidos como
compartilhando os direitos comuns de cidadania e como a liberdade de comércio entre todas as classes era
permitida. Em 1251, o Fuero Juzgo foi formalmente revogado em Aragão por Jaime I, que o proibiu de ser
[250]
citado nos tribunais - uma medida que infere que praticamente se tornou obsoleto. Em Castela,
demorou um pouco mais e traços de sua existência são encontrados em alguns lugares até o final do século
[251]
XIII. Estes, no entanto, não devem ser interpretados como se referindo às disposições que respeitam os
judeus, que há muito foram substituídos.
De fato, os judeus formaram uma parcela muito grande e importante da população para serem tratados
sem consideração. Os soberanos, envolvidos permanentemente em lutas com os sarracenos e com nobres
rebeldes, acharam necessário utilizar todos os recursos sob seu comando, seja em dinheiro, inteligência ou
serviço militar. Nos dois primeiros destes, os judeus eram preeminentes, nem eram negligenciados no
último. No campo desastroso de Zalaca, em 1086, diz-se que quarenta mil judeus seguiram a bandeira de
Afonso VI, e o massacre que enfrentaram provou sua devoção, enquanto, na derrota de Ucles em 1108,
[252]
eles compuseram quase toda a ala esquerda. do hospedeiro castelhano. Em 1285, ouvimos judeus e
[253]
mouros ajudando os aragoneses em seus ataques às forças em retirada de Philippe le Hardi. No que diz
respeito ao dinheiro, o tráfego e as finanças da Espanha estavam em grande parte em suas mãos, e eles
forneceram, com os mouros, a fonte mais aferida para obter receita. Todos os homens que se casaram, ou
que atingiram a idade de 20 anos, pagaram uma taxa de pesquisa anual de três gold maravedis; havia
também uma série de impostos peculiares a eles e, além disso, compartilhavam com o resto da população o
complicado e ruinoso sistema de tributação - os servicios ordinários e extraordinários , os pedidas e ayudas
, os sacos e pastos e os alcavalas. Além disso, eles ajudaram a apoiar os municípios ou os senhores e
prelados sob os quais eles viviam, com os tallas , os pastos , os nonos ou décimos primeiros de
mercadorias e os peajes e barcajes , os pontazgos e portazgos , ou pedágios de vários tipos. que eram mais
pesadas sobre eles do que sobre os cristãos e, além disso, a Igreja recebia deles os dízimos, oblações e
[254]
primícias habituais. As receitas dos aljamas judeus, ou comunidades, sempre foram consideradas entre
os recursos mais seguros da coroa.
A sagaz inteligência e a capacidade prática dos judeus, além disso, tornavam seus serviços nos
assuntos públicos quase indispensáveis. Foi em vão que o Concílio de Roma, em 1078, renovou as antigas
proibições de confiar-lhes funções que as colocariam no comando sobre os cristãos e igualmente em vão
que, em 1081, Gregório VII dirigiu a Afonso VI um protesto veemente sobre o Sujeito, assegurando-lhe
que fazê-lo era oprimir a Igreja de Deus e exaltar a sinagoga de Satanás, e que, ao procurar agradar os
[255]
inimigos de Cristo, ele estava desprezando o próprio Cristo. De fato, os séculos mais gloriosos da
Reconquista foram aqueles em que os judeus desfrutaram do maior poder nas cortes de reis, prelados e
nobres, em Castela e Aragão. Os tesouros dos reinos estavam praticamente em suas mãos, e era sua
habilidade em organizar os suprimentos que tornavam praticáveis os empreendimentos de tais monarcas
[256]
como Afonso VI e VII, Fernando III e Jaime I. Para tratá-los como os godos fizeram, ou como a Igreja
prescreveu, tornou-se uma impossibilidade manifesta.
Sob tais circunstâncias, era natural que seus números aumentassem até
formarem uma parte notável da população. Disto pode-se fazer uma estimativa de CONDIÇÃO DE
um repartimiento , ou avaliação de impostos, em 1284, o que mostra que em JUDEUS
Castilla pagaram um poll tax de 2.561.855 gold maravedis, que aos três maravedos ESPANHOL
[257]
per capita perfaz um total de 853.951 homens casados ou adultos. Esse grande
agregado foi completamente organizado. Cada aljama ou comunidade teve seus rabinos com um prefeito
Rabb na suacabeça. Então, cada distrito, compreendendo um ou mais bispados cristãos, era presidido por
um prefeito do Rabb e, acima de tudo, era o Gaon ou Nassi , o príncipe, cujo dever era ver que as leis da
[258]
raça, tanto civis quanto religiosas. , foram observados em sua pureza. Como já vimos, todas as
questões entre eles foram resolvidas perante os seus próprios juízes sob o seu próprio código, e mesmo
quando um judeu foi processado criminalmente pelo rei, ele foi punido de acordo com a sua própria lei.
[259]
Tão completo foi o respeito pago a isto que os seus sábados e outras festas foram mantidos inviolados;
nesses dias, eles não poderiam ser convocados a tribunal ou ser interferidos, exceto por prisão por crime.
[260]
Até mesmo a poligamia era permitida a eles.
Embora sua religião e leis fossem assim respeitadas, eles eram obrigados a respeitar o cristianismo.
Eles não tinham permissão para ler ou manter livros contrários à sua própria lei ou à lei cristã. O
proselitismo do cristianismo era punido com a morte e o confisco, e quaisquer insultos oferecidos a Deus, à
[261]
Virgem ou aos santos eram visitados com uma multa de dez maravilhas ou cem chicotadas. No
entanto, se quisermos acreditar no indignado Lucas de Tuy, escrevendo por volta de 1230, essas simples
restrições foram escassas. O herege cátaro de Leão, conta-nos ele, costumava circuncidar-se a fim de, sob o
disfarce dos judeus, propor dogmas heréticos e disputar com os cristãos; o que eles não ousavam dizer
como hereges, eles poderiam disseminar livremente como judeus. Os governadores e juízes das cidades
ouviam com aprovação as heresias apresentadas pelos judeus, que eram seus amigos e familiares, e se
qualquer um, inflamado pelo zelo piedoso, enfurecia esses judeus, ele era tratado como se tivesse tocado a
menina dos olhos. do governante; eles também ensinaram outros judeus a blasfemarem a Cristo e, assim, a
[262]
fé católica foi pervertida.
Isso representa uma frouxidão de tolerância impossível em qualquer outra terra no período, mas os
judeus espanhóis não estavam totalmente protegidos das incursões do fanatismo estrangeiro. Antes do
espírito de cruzada ter sido organizado para a conquista da Terra Santa, cavaleiros ardentes às vezes
vinham travar uma guerra com os sarracenos espanhóis,e seu fervor religioso foi prejudicado pela
liberdade desfrutada pelos judeus. Por volta de 1068, bandos desses estranhos os tratavam como
costumavam fazer em casa, matando-os e roubando-os sem piedade. A Igreja da Espanha ainda não havia
sido contaminada pelo ódio racial e os bispos se interpuseram para salvar as vítimas. Por isso, foram
calorosamente elogiados por Alexandre II, que denunciou os cruzados como agindo de ignorância tola ou
de cupidez cega. Aqueles a quem eles matariam, disse ele, talvez fossem predestinados por Deus à
salvação; ele citou Gregory I com o mesmo efeito e apontou a diferença entre judeus e sarracenos, os
[263]
últimos dos quais fazem guerra aos cristãos e poderiam ser atacados com justiça. Se a cadeira de São
Pedro tivesse sido tão dignamente preenchida, a infelicidade infinita poderia ter sido evitada e a história da
cristandade foi poupada de algumas de suas páginas mais repulsivas.
Quando o espírito da cruzada se estendia à Espanha, às vezes despertava tendências semelhantes. Em
1108, o arcebispo Bernardo de Toledo tomou a cruz e a exaltação religiosa foi ardente. A derrota desastrosa
de Ucles veio e foi popularmente atribuída aos judeus no exército castelhano, despertando a indignação
que se manifestou em um massacre em Toledo e na queima de sinagogas. Alfonso VI esforçou-se em vão
para detectar e punir os responsáveis e sua morte, em 1109, foi seguida por ultrajes semelhantes que
[264]
permaneceram sem vingança. Esta foi uma explosão esporádica que logo se esgotou. Um julgamento
mais severo veio do exterior, quando, em 1210, o Legado Arnaud de Narbonne levou seus exércitos
cruzados para a ajuda de Afonso IX. Embora seu zelo pela fé tenha sido exaurido pela captura de Calatrava
e poucos deles permanecessem para compartilhar as coroantes glórias de Las Navas de Tolosa, seu ardor
foi suficiente para provocar um ataque aos judeus infrutíferos. Os nobres nativos procuraram em vão
proteger as vítimas, que foram massacradas sem misericórdia, de modo que Abravanel declara que esta foi
uma das mais sangrentas perseguições que eles sofreram e que mais judeus fugiram da Espanha do que
[265]
Moisés saiu do Egito.
Isso não teve influência permanente sobre a condição dos hebreus espanhóis.
Durante os longos reinos de San Fernando IIIe Afonso X de Castela e de Jaime I de CONDIÇÃO DE
Aragão, cobrindo a maior parte do século XIII, os serviços prestados aos monarcas JUDEUS
foram retribuídos com crescente favor e proteção. Depois de Jaime ter conquistado ESPANHOL
Minorca, ele assumiu, em 1247, todos os judeus assentados sob a salvaguarda real e
ameaçou com uma multa de mil peças de ouro por mal infligido a qualquer um deles e, em 1250, exigiu
que o testemunho judaico e cristão ser fornecido em todas as ações, civis ou criminais, trazidas pelos
cristãos contra os judeus. Assim, quando em 1306 Philippe le Bel expulsou os judeus da França e os de
Maiorca temeram o mesmo destino, Jaime II assegurou-lhes, prometendo a fé real que eles deveriam
permanecer para sempre na terra, com total segurança para pessoas e bens, uma promessa. confirmado, em
[266]
1311, por seu filho e sucessor Sancho. Em Castela, quando San Fernando conquistou Sevilha, em
1244, ele deu aos judeus um grande espaço na cidade e, desafiando os cânones, atribuiu-lhes quatro
mesquitas mouriscas para serem convertidas em sinagogas, fundando assim o aljama de Sevilha, destinado
a uma história tão deplorável. Alfonso X, durante todo o seu reinado, patrocinou homens judeus de
erudição, a quem ele empregou na tradução de obras de valor do árabe e do hebraico; ele construiu para
eles um observatório em Sevilha, onde foram feitos os registros incorporados nas Tabelas de Alfonsine; ele
permitiu que os de Toledo construíssem a magnífica sinagoga agora conhecida como Santa María la
Blanca, e os judeus relatam afetuosamente que a escola hebraica, que ele transferiu de Córdova para
[267]
Toledo, era de doze mil estudantes. Ele foi pronto a manter seus privilégios e, quando os judeus de
Burgos reclamaram que em ações misturadas os alcaldes concederiam apelos a ele quando o pretendente
cristão fosse derrotado, ao recusá-los aos judeus derrotados, ele imediatamente colocaria um fim. à
discriminação, um decreto que Sancho IV aplicava com uma penalidade de cem maravilhas quando, em
[268]
1295, a queixa foi repetida. No entanto, Alfonso, em seu código sistemático conhecido como Partidas,
que não foi confirmado pelos Córtes até 1348, deixou-se influenciar pelos ensinamentos da Igreja e pelas
máximas da jurisprudência imperial. Ele aceitou a doutrina dos cânones que o judeufoi meramente sofrido
para viver em cativeiro entre os cristãos; ele foi proibido de falar mal da fé cristã, e qualquer tentativa de
proselitismo foi punida com a morte e o confisco. O rito de homicídio era aludido como um rumor, mas no
caso de ser praticado era uma ofensa capital e os culpados deveriam ser julgados perante o próprio rei. Os
judeus eram inelegíveis para qualquer ofício em que pudessem oprimir os cristãos; eram proibidos de ter
servos cristãos e a compra de um escravo cristão envolvia a punição da morte. Não deviam associar-se aos
cristãos para comer, beber e tomar banho, e o amor de um judeu com uma mulher cristã provocava a morte.
Enquanto médicos judeus podem prescrever para pacientes cristãos, o remédio deve ser composto por um
cristão, e o uso do distintivo distintivo odioso foi ordenado sob pena de dez ouro maraveados ou de dez
chicotadas. Ao mesmo tempo, os cristãos eram estritamente proibidos de cometer qualquer erro sobre a
pessoa ou propriedade dos judeus ou de interferir de alguma forma com suas observâncias religiosas, e
nenhuma coerção seria usada para induzi-los ao batismo, pois Cristo deseja apenas o serviço voluntário.
[269]

Isto foi profético dos dias maus no futuro e o reinado de Alfonso provou ser o ponto culminante da
prosperidade judaica. A capital e o comércio da terra estavam em grande parte em suas mãos; eles
administravam suas finanças e arrecadavam suas receitas. Rei, nobre e prelado
confiaram seus assuntos aos judeus, cuja influência foi conseqüentemente sentida TENTATIVAS EM
em todos os lugares. Para precipitá-los desta posição para a servidão prescrita pelos CONVERSÃO
cânones exigiu uma luta prolongada e pode-se dizer que tomou sua origem remota
em uma tentativa de sua conversão. Em 1263, o dominicano Fray Pablo Christiá, um judeu convertido,
desafiou o maior rabino da época, Moseh aben Najman, para uma disputa que foi presidida por Jaime I em
[270]
seu palácio em Barcelona. Cada campeão, claro, se gabava da vitória; Ele ainda emitiu um decreto
ordenando que todos os seus fiéis judeus se reunissem e ouvissem reverentemente a Frei Pablo sempre que
desejasse disputar com eles, fornecer-lhe os livros que desejasse e custear suas despesas, que poderiam
[271]
deduzir de seu tributo. Dois anos mais tarde, Fray Pablo desafiou outro proeminente hebreu, o rabino
Ben-Astruch, chefe da sinagoga de Gerona, que recusou até ter o penhor do rei Jaime e do grande
dominicano São Ramón de Peñafort, que ele não deveria ser responsabilizado pelo que poderia proferir em
debate, mas quando, a pedido do Bispo de Gerona, Ben-Astruch escreveu seu argumento, os frágeis Pablo
e Ramon acusaram-no de blasfêmia, pois era manifestamente impossível que um judeu pudesse defender
seu estrito monoteísmo e crença messiânica sem um curso de raciocínio que pareceria blasfêmia para os
teólogos suscetíveis. O rabino alegou a promessa real; Jaime propôs que ele fosse banido por dois anos e
que seu livro fosse queimado, mas isso não satisfez os frágeis dominicanos e ele rejeitou a questão,
proibindo a acusação do rabino, exceto antes de si mesmo. Parece ter sido feito um apelo a Clemente IV,
que se dirigiu ao rei Jaime de maneira irada, culpando-o pelo favor demonstrado aos judeus e ordenando-
lhe que os privasse do cargo e os deprimisse e pisoteasse; Ben-Astruch, especialmente, disse ele, deveria
[272]
ser feito um exemplo sem, no entanto, mutilá-lo ou matá-lo. Esta explosão de indignação papal caiu
inofensiva, mas o zelo dos dominicanos tinha sido inflamado e em trabalho para a conversão dos judeus
que não anormalmente despertou antagonismo em relação àqueles que se recusaram a abandonar sua fé.
Muito antes, em 1242, Jaime havia emitido um decreto, confirmado por Inocêncio IV em 1245,
autorizando os frades mendicantes a terem livre acesso a Juderías e Morerías, para reunir os habitantes e
[273]
obrigá-los a ouvir os sermões destinados à sua conversão. Os dominicanos agora beneficiaram deste
com tal vigor e animado tamanha hostilidade aos judeus que Jaime foi obrigado a avançar para a sua
proteção. Ele assegurou aos aljamas que eles não eram responsáveis pelo que estava contido em seus
livros,a menos que seja para a desonra de Cristo, a Virgem e os santos, e todas as acusações devem ser
submetidas a ele em pessoa; sua liberdade de comércio não deveria ser reduzida; a carne abatida por eles
poderia ser livremente exposta para venda nas Juderías, mas não em outro lugar; lidar com peles não
deveria ser interferido; suas sinagogas e cemitérios deveriam estar sujeitos ao seu controle exclusivo; seu
direito de receber juros sobre empréstimos não era prejudicado nem seu poder de cobrar dívidas; não
deviam ser obrigados a ouvir os frades fora de suas juderías, porque, de outro modo, eles eram passíveis de
insultar e desonrar, nem os frágeis quando pregavam nas sinagogas eram acompanhados por multidões
[274]
desordenadas, mas no máximo dez cristãos discretos; finalmente,
Essas provisões indicam a direção na qual o zelo dominicano estava se esforçando para reduzir os
privilégios tão desfrutados pelos judeus e a intenção real de protegê-los contra a legislação local, que sem
dúvida fora tentada sob esse impulso. Eles não eram negligentes em gratidão, pois quando, em 1274, Jaime
compareceu ao conselho de Lyon, eles contribuíram com setenta e um mil sueldos para que ele aparecesse
[275]
com grande magnificência. A proteção real era rapidamente necessária, pois a onda de zelo
perseguidor aumentava entre o clero e, logo após seu retorno de Lyon, numa sexta-feira santa, os
eclesiásticos de Gerona tocaram os sinos, convocaram a população e atacaram a Judería. , que foi um dos
maiores e mais florescentes da Catalunha. Eles teriam conseguido destruí-lo, mas pela interposição de
[276]
Jaime, que por acaso estava na cidade e defendeu os judeus com força de armas.
Após a morte de Jaime, em 1276, os eclesiásticos parecem ter pensado que
poderiam obedecer com segurança aos comandos de Clemente IV, especialmente CONVERSÃO E
quando Nicolau IV, em 1278, instruiu o general dominicano a delegar irmãos PERSEGUIÇÃO
piedosos em todo lugar para convocar os judeus e trabalhar para sua conversão, com
o acréscimo significativo de que as listas daqueles que recusavam o batismo deviam ser feitas e submetidas
[277]
a ele, quando ele determinava o que deveria ser feito com elas. Como os frailes interpretaram
opronunciamentos papais é indicado em uma carta de Pedro III a Pedro Bispo de Gerona, em abril do
mesmo ano, em 1278, recitando que ele já havia recorrido repetidamente a ele para pôr fim aos assaltos do
clero contra os judeus, e agora ele descobre que eles atacaram novamente a Judería, apedrejando-a da torre
da catedral e de suas próprias casas e depois atacando-a, devastando os jardins e vinhedos dos judeus e até
mesmo destruindo seus túmulos e, quando o arauto real se levantou proibir o trabalho, afogando sua voz
com gritos e escárnios. Pedro acusa o bispo de estimular o clero a esses ultrajes e ordena que ele acabe com
[278]
ele e castigue os infratores. Ele ainda estava mais enérgico quando a cruzada francesa sob Philippe le
Hardi estava avançando para o cerco de Gerona, em 1285, e seus soldados mouros na guarnição se
comprometeram a demitir o chamado Juhich , ou Judería, quando ele se jogou entre eles. , maça na mão,
[279]
derrubou um número e terminou pendurando vários deles. Ele não ofereceu impedimento, contudo, à
conversão dos judeus, pois, em 1279, ordenou a seus funcionários que os obrigassem a ouvir os
franciscanos, que, em obediência aos mandamentos do papa, talvez desejassem pregar para eles em suas
[280]
sinagogas. Essas intrusões de frailes nas Juderías inevitavelmente levaram a problemas, pois há um
significado em uma carta de Jaime II, 4 de abril de 1305, ao seu representante em Palma, aludindo a
escândalos recentes, para a futura prevenção da qual ele ordena. que nenhum sacerdote entrará na Judería
para administrar os sacramentos sem estar acompanhado por um oficial secular. Esta precaução foi inútil,
pois, sem dúvida, foi uma continuação de tal provocação que levou a uma perturbação, por volta de 1315,
dando ao rei Jaime uma desculpa para confiscar toda a propriedade do aljama de Palma e, em seguida,
comutar a multa para uma multa de 95.000 libras.. A fonte desses problemas é sugerida por uma ordem
real de 1327 para o governador de Maiorca, proibindo o batismo de crianças judias com menos de sete
[281]
anos de idade ou o batismo forçado de judeus de qualquer idade.
Durante todo esse período houve uma Inquisição em Aragão que, é claro, não poderia interferir com os
judeus como tais, pois eles estavam além de sua jurisdição, mas que estavam prontos para punir esforços
mais ou menos verídicos de propagandismo ou ofensas.de fautorização. A coroa não tinha objeções em
usá-la como meio de extorsão, ao mesmo tempo em que a impedia de exterminar ou incapacitar assuntos
tão úteis. Um diploma de Jaime II, 14 de outubro de 1311, relata que o inquisidor Fray Juan Llotger soube
que os aljamas de Barcelona, Tarragona, Monblanch e Vilafranca tinham abrigado e alimentado certos
judeus convertidos, que haviam recaído ao judaísmo, bem como outros que vieram de partes estrangeiras.
Ele dera a Fray Juan o apoio necessário, permitindo-lhe verificar as acusações no local e recebera seu
relatório para esse efeito. Agora, portanto, ele emite um perdão total e gratuito aos almanamas ofensivos,
com a garantia de que eles não serão processados civil ou criminalmente, pelo que a graça, em 10 de
outubro, eles lhe pagaram dez mil sueldos. Neste caso, parece não ter havido julgamento regular pela
Inquisição, o rei tendo substituído por sua ação. Em outro caso mais sério, ele interveio após julgamento e
sentença para comutar a punição. Em 1326, o aljama de Calatayud sujeitou-se à Inquisição não apenas
recebendo de volta uma mulher que fora batizada, mas circuncidando dois cristãos. Julgado pelo inquisidor
e pelo bispo de Tarazona foi considerado culpado e condenado a uma multa de vinte mil sueldos e seus
membros ao confisco, mas o rei Jaime, por uma cédula de 6 de fevereiro de 1326, libertou-os do confisco e
todas as outras penalidades no pagamento da multa. Em 1326, o aljama de Calatayud sujeitou-se à
Inquisição não apenas recebendo de volta uma mulher que fora batizada, mas circuncidando dois cristãos.
Julgado pelo inquisidor e pelo bispo de Tarazona foi considerado culpado e condenado a uma multa de
vinte mil sueldos e seus membros ao confisco, mas o rei Jaime, por uma cédula de 6 de fevereiro de 1326,
libertou-os do confisco e todas as outras penalidades no pagamento da multa. Em 1326, o aljama de
Calatayud sujeitou-se à Inquisição não apenas recebendo de volta uma mulher que fora batizada, mas
circuncidando dois cristãos. Julgado pelo inquisidor e pelo bispo de Tarazona foi considerado culpado e
condenado a uma multa de vinte mil sueldos e seus membros ao confisco, mas o rei Jaime, por uma cédula
de 6 de fevereiro de 1326, libertou-os do confisco e todas as outras penalidades no pagamento da multa.
[282]

Embora Castela fosse mais lenta que Aragão para receber impulsos do exterior,
no início do século XIV começamos a encontrar vestígios de um movimento similar CORTALIDADE DE
da Igreja contra os judeus. Em 1307, o aljama de Toledo queixou-se a Fernando IV PRIVILÉGIOS
que o decano e o capítulo tinham obtido de touros Clemente V conferindo-lhes
jurisdição sobre os judeus, em virtude do qual eles estavam aplicando os cânones contra usura e
despojando a comunidade judaica de sua propriedade. Naquela época, não havia dúvida na Espanha, como
veremos a seguir, sobre a prerrogativa real de controlar cartas papais desagradáveis, e Fernando
imediatamente ordenou ao capitão que entregasse os touros; todas as ações sob eles foram declaradas nulas
e a restituição em dobro foi ameaçada por todos os danos infligidos. Os judeus, eledisseram, eram seus
judeus; eles não deveriam ficar incapacitados de pagar seus impostos e o papa não tinha poder para
infringir os direitos da coroa. Ele instruiu Ferran Nuñez de Pantoja a obrigar a obediência e, depois que
alguns criminosos foram presos, os canhões assustados entregaram os touros e abandonaram suas
especulações promissoras, mas o caso deixou para trás inimizades que se mostraram deploravelmente
[283]
posteriores.
Apesar do favor e proteção reais, a legislação do período começa a manifestar uma tendência a limitar
os privilégios dos judeus, mostrando que o sentimento popular estava gradualmente se voltando contra
eles. Já em 1286, Sancho IV concordou em privá-los de seus juízes especiais e, embora a lei geralmente
não fosse aplicada, indica o espírito que a solicitou e conseguiu sua repetição nos Córtes de Valladolid em
[284] As
1307. queixas eram altas e numerosas dos cobradores de impostos judeus, e o jovem Fernando IV
foi obrigado a prometer repetidamente que as receitas não deveriam ser arrecadadas nem que sua
arrecadação fosse confiada a caballeros, eclesiásticos ou judeus. A turbulência que assistiu a sua minoria e
curto reinado e a minoria de seu filho, Alfonso XI, proporcionou uma oportunidade favorável para a
manifestação de hostilidade e o poder real era fraco demais para impedir a restrição em várias direções dos
[285]
privilégios judaicos. Vimos, no capítulo precedente, o temperamento em que os prelados espanhóis
voltaram do Concílio de Viena em 1312 e a legislação proscritiva promulgada por eles no Concílio de
Zamora em 1313 e seus sucessores. Tudo favoreceu o desenvolvimento deste espírito de intolerância, e nos
Córtes de Burgos, em 1315, os regentes do jovem Alfonso XI admitiram que o cânone Clementino,
revogando todas as leis que permitiam a usura, deveria ser aplicado, que todas as ações mistas, civis e
criminoso, deveria ser julgado pelos juízes reais, que a evidência de um judeu não deveria ser recebida
contra um cristão enquanto a de um cristão era boa contra um judeu, que os judeus não deveriam assumir
nomes cristãos, enfermeiras cristãs não deveriam ser amamentadas Os judeus e as leis suntuárias eram
[286]
dirigidos contra o luxo das vestes judaicas.
Pode-se dizer que isso marca o início da longa luta que, apesar de seus maravilhosos poderes de
resistência, terminaria na destruição dos judeus espanhóis. Ao longo das várias fases do conflito, a Igreja,
em seus esforços para despertar o ódio popular, foi poderosamente auxiliada pelo ódio que os próprios
judeus animavam com sua ostentação, sua usura e suas funções como funcionários públicos.
Uma raça forte não é capaz de ser amável. Os judeus estavam orgulhosos de sua antiga linhagem e da
pureza de sua descendência dos reis e heróis do Antigo Testamento. Um homem que pudesse traçar sua
ascendência com David olharia com infinito desprezo os fidalgos que se vangloriavam do sangue de Lain
Calvo e, se o favor do monarca tornava segura a expressão de seus sentimentos, sua altivez não estava apta
a ganhar amigos entre eles. aqueles que pagaram seu desprezo com interesse. O carinho oriental pela
exibição era uma ofensa grave entre o povo. A riqueza do reino estava, em grande medida, nas mãos dos
judeus, proporcionando ampla oportunidade de contraste entre sua magnificência e a pobreza da multidão
[287]
cristã, e a extravagância luxuosa com que se enfeitavam, suas mulheres e seus servidores, Pouco antes
da catástrofe, no final do século XV, Affonso V de Portugal, que foi bem afetado em relação a eles,
perguntou ao rabino-chefe, Joseph-Ibn-Jachia, por que ele não impediu seu povo de uma exibição.
provocativo da afirmação de que sua riqueza foi derivada do roubo dos cristãos, acrescentando que ele não
[288]
precisava de resposta, pois nada, salvo a espoliação e o massacre, os curaria.
Uma causa mais prática e abrangente de inimizade foi a usura, através da qual
uma grande parte de sua riqueza foi adquirida. O emprestador de dinheiro em todos CAUSAS DA
os lugares tem sido um personagem impopular e, na Idade Média, ele era ENMISSÃO
especialmente assim. Quando a Igreja declarou qualquer interesse ou qualquer
vantagem, direta ou indireta, derivada de empréstimos para ser um pecado pelo qual o pecador não poderia
ser admitido à penitência sem fazer restituição; quando a justificativa de se interessar era considerada uma
heresia a ser punida como tal pela Inquisição, um estigma era imposto ao credor, seus ganhos tornavam-se
[289] A
perigosos e seu chamado tornou-se um que um cristão honrado não pôde seguir. Itália Mercantil
superou esses dogmas que retardaram muito o desenvolvimento material e conseguiu conciliar, por fas et
nefas , os cânones com as necessidades práticas dos negócios, mas em toda a Europa, onde quer que os
judeus pudessem existir, os empréstimos de dinheiro ou bens a juros inevitavelmente caíram, em sua maior
parte, em suas mãos, pois eram governados por seu próprio código moral e não estavam sujeitos à Igreja.
Esgotou todos os recursos para coagi-los através de seus governantes, mas o objetivo visado era muito
incompatível com as necessidades do avanço da civilização para ter qualquer influência, exceto o
[290]
adiamento indefinido de alívio para o mutuário.
A insatisfação do chamado, seus riscos e a escassez de moedas durante a Idade Média, conspiraram
para tornar as atuais taxas de juros exorbitantemente opressivas. Em Aragão, os judeus foram autorizados a
[291]
cobrar 20 por cento. por ano, em Castela 33⅓, e a constante repetição dessas limitações e as provisões
contra todos os tipos de dispositivos engenhosos, por vendas fictícias e outras fraudes, para obter um
aumento ilegal, mostram quão pouco as leis eram respeitadas na cobiça avassaladora com a qual os judeus
[292]
especularam sobre as necessidades de seus clientes. Em 1326, o aljama de Cuenca, considerando a
taxa legal de 33⅓ por cento. muito baixo, recusou-se absolutamente a emprestar dinheiro ou trigo para a
semeadura. Isso causou grande aflição e o conselho da cidade entrou em negociações, resultando em um
[293]
acordo pelo qual os judeus foram autorizados a cobrar 40%. Em 1385 os Córtes de Valladolid
descrevem uma causa da necessidade de se submeter a quaisquer exações que os judeus considerassem por
bem impor, quando diz que os novos senhores, a quem Henrique de Trastamara haviam concedido cidades
e aldeias, estavam acostumados a aprisionar seus vassalos e a passar fome e torturá-los para forçar o
pagamento do que não recebiam, obrigando-os a obter dinheiro dos judeus a quem eles davam quaisquer
[294]
obrigações exigidas. Tanto os monarcas como os camponeses estavam sujeitos a essas imposições. Em
Navarra, uma lei de Felipe III, em 1330, limitou a taxa de juros a 20%. e nós achamos isso pago pelo seu
neto, Carlos III, em 1399, por um empréstimo de 1000 florins mas, em 1401, ele pagou a uma taxa de 35%.
para um empréstimo de 2000 florins, e em 1402 sua rainha, Dona Leonor, emprestou 70 florins de seu
médico judeu Abraão a quatro florins por mês, dando-lhe a placa de prata como garantia; Ao encontrar no
final de vinte e um meses que o interesse chegava a 84 florins, ela pediu uma redução e ele se contentou
[295]
com 30 florins.
Quando o dinheiro não podia ser obtido de nenhuma outra maneira, quando o burguês tinha que
levantá-lo para pagar seus impostos ou as extorsões de seu senhor e o lavrador precisava obter sementes de
milho ou morrer de fome, é fácil ver como todos tinham que se submeter as exações do emprestador de
dinheiro; como, apesar do ocasional saque e despojamento de dívidas, os judeus absorveram a capital
flutuante da comunidade e como imprudentemente ajudaram os frágeis a concentrar-se em detestar o povo.
Foi em vão que o Ordenamento de Alcalá, em 1348, proibiu a usura aos mouros e judeus, bem como aos
[296]
cristãos; era uma necessidade inevitável e continuou a florescer.
Igualmente eficazes em suscitar antipatia eram as funções dos judeus como
detentores de cargos e especialmente como almojarifes e recabdores - agricultores CAUSAS DA
dos rendimentos e cobradores de impostos, que os levavam às relações mais ENMISSÃO
próximas e mais exasperantes com o povo. Naquela época de tesourarias
empobrecidas e expedientes financeiros rudes, o modo costumeiro de angariar fundos era cultivar as
receitas ao maior lance de somas específicas; como o lucro da especulação dependia da quantia a ser
arrancada do povo, os colecionadores subordinados seriam implacáveis na demanda e incansáveis em
traçar delinqüentes, o excitante ódio que se estendia a todos osa corrida. Foi em vão que a Igreja
repetidamente proibiu o emprego de judeus em cargos públicos. Sua capacidade e habilidade os tornavam
indispensáveis para os monarcas, nobres e prelados, e as queixas que surgiam contra eles de todos os lados
eram inúteis. Assim, na discussão entre o capítulo de Toledo e o grande arcebispo Rodrigo, em que o
primeiro apelou a Gregório IX, em 1236, uma das queixas alegadas é que ele nomeou judeus como reitores
da mesa comum do capítulo, permitindo assim eles para defraudar os cânones; eles até mesmo passaram
pela igreja e frequentemente entravam na casa do capítulo para o grande escândalo de todos os cristãos;
eles recolheram os dízimos e terços e governaram os vassalos e posses da Igreja, enriquecendo-se
[297]
grandemente, saqueando o patrimônio do Crucificado,
Quando prelados, como o arcebispo Rodrigo, prestaram pouca atenção aos mandamentos da Igreja,
não se deve supor que os monarcas fossem mais obedientes ou estivessem dispostos a renunciar às
vantagens derivadas dos serviços desses financistas realizados. Como estes homens ajudaram seus mestres
ao enriquecerem-se é exemplificado por Dom Çag de la Maleha, almojarife prefeito de Afonso X. Quando
o rei, em 1257, estava levantando um exército para subjugar Aben-Nothfot, rei de Niebla, Don Çag
comprometeu-se a custear todas as despesas da campanha em consideração da atribuição a ele de certos
[298]
impostos, alguns dos quais ele ainda estava desfrutando em 1272. Era inútil para as pessoas que
gemiam sob as exações desses funcionários eficientes para protestar contra o seu emprego e para extorquir
dos monarcas repetidas promessas não mais para empregá-los. As promessas nunca foram cumpridas e, até
o reinado de Ferdinand e Isabella, essa fonte de irritação continuou. Houve, é verdade, uma exceção, cujo
resultado não foi propício para a continuação do experimento. Em 1385, os Córtes de Valladolid obtiveram
de Juan I um decreto proibindo o emprego de judeus como coletores de impostos, não apenas pelo rei mas
também por prelados e nobres, em conseqüência dos quais os eclesiásticos obtinham a arrecadação das
rendas reais, mas quando foram chamados para resolver eles excomungaram os alcaldes que procuravam
[299]
obrigar o pagamento, levando a uma grande confusão e reclamações mais amargas do que nunca.
Quando os judeus assim deram motivos tão amplos para o desagrado popular, diz muito pelo
sentimento amável entre as raças de que os esforços da Igreja para excitar o espírito de intolerância
tornaram o progresso tão lento. Estes tomaram forma, como um movimento abrangente e sistemático no
Conselho de Zamora, em 1313, e seus sucessores, descritos no capítulo anterior, mas apesar deles Alfonso
XI continuou a proteger seus súditos judeus e os trabalhos dos bons pais despertaram sem resposta popular.
Em Aragão, um cânone do Concílio de Lérida, em 1325, proibindo os cristãos de estarem presentes em
casamentos e circuncisões judaicos, mostra quão infrutífero ainda fora o esforço para produzir uma
[300]
alienação mútua.
Navarre teve o primeiro antegozo da ira vindoura. Foi então sob seus príncipes
franceses e, quando Charles le Bel morreu, em 1º de fevereiro de 1328, um zeloso A MORTE NEGRA
franciscano, Fray Pedro Olligoyen, aparentemente aproveitando o interregno,
estimulou, com sua pregação eloqüente, o povo a se levantar contra os judeus, e os levou a saquear e
abater. A tempestade explodiu no aljama de Estella, em 1º de março, e se espalhou rapidamente por todo o
reino. Nem a idade nem o sexo foram poupados e o número de vítimas é estimado de seis a dez mil. A
rainha Jeanne e seu marido Philippe d'Evreux, que sucederam ao trono, fizeram Olligoyen ser processado,
mas o resultado não é conhecido. Eles ainda especularam sobre o terrível massacre ao impor pesadas
multas a Estella e Viana e ao confiscar as propriedades dos judeus mortos e fugitivos, e também cobraram
dos arruinados aljamas a soma de quinze mil livres para custear suas despesas de coroação. Assim
enfraquecidos, os judeus de Navarra foram incapazes de suportar os infortúnios do longo e desastroso
reinado de Charles le Mauvais (1350-1387). Emigração geral resultou, para prender que Charles proibiu a
compra de propriedade de terra de judeus sem licença real especial. Uma lista de tributáveis, em 1366,
mostra apenas 453 famílias judias e 150 mouriscos, não incluindo Pampeluna, onde ambas as raças eram
tributáveis pelo bispo. Embora Charles e seu filho Charles le Noble (1387-1425) tivessem judeus para
almojarifes, foi em vão que eles tentaram seduzir o os judeus de Navarra foram incapazes de suportar os
infortúnios do longo e desastroso reinado de Charles le Mauvais (1350-1387). Emigração geral resultou,
para prender que Charles proibiu a compra de propriedade de terra de judeus sem licença real especial.
Uma lista de tributáveis, em 1366, mostra apenas 453 famílias judias e 150 mouriscos, não incluindo
Pampeluna, onde ambas as raças eram tributáveis pelo bispo. Embora Charles e seu filho Charles le Noble
(1387-1425) tivessem judeus para almojarifes, foi em vão que eles tentaram seduzir o os judeus de Navarra
foram incapazes de suportar os infortúnios do longo e desastroso reinado de Charles le Mauvais (1350-
1387). Emigração geral resultou, para prender que Charles proibiu a compra de propriedade de terra de
judeus sem licença real especial. Uma lista de tributáveis, em 1366, mostra apenas 453 famílias judias e
150 mouriscos, não incluindo Pampeluna, onde ambas as raças eram tributáveis pelo bispo. Embora
Charles e seu filho Charles le Noble (1387-1425) tivessem judeus para almojarifes, foi em vão que eles
tentaram seduzir o não incluindo Pampeluna, onde ambas as raças eram tributáveis pelo bispo. Embora
Charles e seu filho Charles le Noble (1387-1425) tivessem judeus para almojarifes, foi em vão que eles
tentaram seduzir o não incluindo Pampeluna, onde ambas as raças eram tributáveis pelo bispo. Embora
Charles e seu filho Charles le Noble (1387-1425) tivessem judeus para almojarifes, foi em vão que eles
tentaram seduzir ofugitivos de volta por privilégios e isenções. Os aljamas continuaram a diminuir até que
[301]
a receita deles fosse insignificante.
Em Castela e Aragão, a peste negra causou massacres de judeus, como em toda a Europa, embora não
tão difundidos e terríveis. Na Catalunha, os problemas começaram em Barcelona e se espalharam para
outros lugares, apesar dos esforços de Pedro IV, tanto na prevenção como na punição. Eles tinham pouco
significado religioso especial, mas eram antes o resultado do relaxamento da ordem social na terrível
desorganização que acompanhava a pestilência e, depois que ela passou, os sobreviventes, cristãos, judeus
[302]
e mudéjares se uniram por um momento mais juntos. laços de uma humanidade comum. É a crédito de
Clemente VI que ele fez o que pôde para deter o fanatismo que, especialmente na Alemanha, ofereceu aos
judeus a alternativa da morte ou do batismo. Seguindo, como ele disse, os passos de Calisto II, Eugênio III,
Alexandre III, Clemente III, Celestino III, Inocêncio III, Gregório IX, Nicolau III, Honório IV e Nicolau
IV, ele apontou o absurdo de atribuir a praga a os judeus. Eles se ofereceram para submeter-se a exame
judicial e sentença, além do qual a peste grassava em terras onde não havia judeus. Por isso, ordenou a
todos os prelados que proclamassem ao povo reunido em adoração que os judeus não deviam ser
espancados, feridos ou mortos e que aqueles que os tratavam estavam sujeitos ao anátema da Santa Sé. Foi
[303]
um aviso oportuno e digno de alguém que falou em nome de Cristo,
Quando Pedro, o Cruel subiu ao trono de Castela, em 1350, os judeus podiam
razoavelmente esperar um futuro próspero, mas seu reinado, na realidade, provou AUMENTANDO A
ser o ponto de virada em suas fortunas. Cercou-se de judeus e confiou-lhes a HOSTILIDADE
proteção de sua pessoa, enquanto a facção rebelde, liderada por Henrique de
Trastamara, seu irmão ilegítimo, declarou-se inimigo da raça e usou o favor de Pedro como arma política.
Ele foi declarado judeu, substituídopara uma menina nascida da rainha Maria, cujo marido, Afonso XI,
teria jurado que a mataria se ela não lhe desse um menino. Também foi relatado que ele não era cristão,
mas aderente à Lei de Moisés e que o governo de Castela estava totalmente nas mãos dos judeus. Não foi
difícil, portanto, despertar a hostilidade clerical, como manifestou Urbano V, que o denunciou como um
rebelde à Igreja, um fautor de judeus e mouros, um propagador da infidelidade e um matador de cristãos.
[304]
Destes, os insurgentes aproveitaram ao máximo e demonstraram sua piedade da maneira mais
enérgica. Quando, em 1355, Henrique de Trastamara e seu irmão, o Mestre de Santiago, entraram em
Toledo para libertar a Rainha Blanche, que estava confinada no alcázar, saquearam a Judería menor e
mataram seus mil e duzentos presos sem poupar sexo ou idade. Eles também sitiaram a principal judiaria,
que era cercada e defendida pelos seguidores de Pedro até que sua chegada com reforços expulsou os
[305]
atacantes. Cinco anos mais tarde, quando, em 1360, Henrique de Trastamara invadiu Castela com a
ajuda de Pedro IV de Aragão, ao chegar a Najara ordenou um massacre de judeus e, como Ayala afirma
que isso foi feito para ganhar popularidade, pode Assume-se que a licença livre para saque foi concedida.
Aparentemente estimulado por este exemplo, o povo de Miranda del Ebro, liderado por Pero Martínez,
filho do precentor e por Pero Sánchez de Bañuelas, caiu sobre os judeus de sua cidade, mas o rei Pedro
[306]
apressou-se para lá e, como um exemplo dissuasivo, ferveu um líder e assou o outro. Quando
finalmente, em 1366, Henrique conduziu à Espanha Bertrand de Guesclin e suas hordas de Companheiros
Livres, o massacre dos judeus foi terrível. Multidões fugiram e o cronista francês deplora o número que
buscava refúgio em Paris e atacava o povo com seus usurios. O aljama de Toledo comprou isenção com um
milhão de maravedis, arrecadados em dez dias, para pagar os mercenários, mas, como a terra inteira
permaneceu por algum tempo à mercê dos bandos imprudentes, o massacre e a pilhagem foram
generalizados. Finalmente, o fratricídio de Montiel, em 1369, privou os judeus de seu protetor e deixou a
[307]
Henrique, mestre indiscutível de Castela. O que eles tinham que esperar dele era indicado pelo seu 6
de junho de 1369, no prazo de três meses do assassinato de seu irmão, vinte mil doblas na Juderia de
Toledo e autorizando a venda em leilão, não só da propriedade dos presos, mas de suas pessoas em
escravidão, ou sua prisão em cadeias com fome ou tortura, até que a quantia seja aumentada. Sem dúvida,
foi ganhando popularidade que, ao mesmo tempo, libertou todos os cristãos e mouros da obrigação de
pagar dívidas devidas a judeus, embora posteriormente tenha sido persuadido a rescindir esse decreto, o
[308]
que teria destruído a capacidade dos judeus de pagar seus impostos.
No entanto, os judeus eram indispensáveis na condução dos negócios e Henrique foi obrigado a
empregá-los, como seus predecessores. Seu contadorfoi Yuçaf Pichon, um judeu da mais alta consideração,
que incorreu na inimizade de alguns dos líderes de seu povo. Eles o acusaram ao rei, que lhe exigiu
quarenta mil doblas, soma que ele pagou dentro de vinte dias. Com rancor insatisfeito, quando Henrique
morreu, em 1379, e seu filho Juan I vieram a Burgos para ser coroado, obtiveram dele uma ordem ao seu
alguazil para pôr à morte um judeu confuso que designariam. Armado com isto levaram o alguazil à casa
de Pichon no início da manhã, chamaram-no em algum pretexto de sua cama e indicaram-no como a
pessoa designada ao alguazil, que o matou no ato. Juan ficou muito irritado; o alguazil foi punido com a
[309]
perda de uma mão,