Você está na página 1de 34

FACULDADE DE CIÊNCIAS DO DESPORTO E EDUCAÇÃO FÍSICA DA

UNIVERSIDADE DE COIMBRA

EFICIÊNCIA E EFICÁCIA NO BASQUETEBOL

UNIDADE CURRICULAR DE METROLOGIA DO RENDIMENTO DESPORTIVO

V MESTRADO EM TREINO DESPORTIVO PARA CRIANÇAS E JOVENS

DANIEL BRANQUINHO

MARÇO 2010
Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Índice

INTRODUÇÃO ................................................................................................................ 3
ENQUADRAMENTO TEÓRICO ................................................................................... 4
METODOLOGIA............................................................................................................. 5
Amostra e Procedimentos ............................................................................................. 5
Categorias de Observação ............................................................................................ 6
Variáveis e Indicadores ................................................................................................ 7
APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS ............................................ 8
Eficácia e Eficiência ..................................................................................................... 8
Zonas de Lançamento ................................................................................................. 10
CONCLUSÕES .............................................................................................................. 13
BIBLIOGRAFIA ............................................................................................................ 15
ANEXOS ........................................................................................................................ 16

1
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Índice de Ilustrações

ILUSTRAÇÃO 1 .................................................................................................................................................. 5

TABELA 1 ......................................................................................................................................................... 8
TABELA 2 ......................................................................................................................................................... 8
TABELA 3 ......................................................................................................................................................... 9
TABELA 4 ......................................................................................................................................................... 9
TABELA 5 ......................................................................................................................................................... 9
TABELA 6 ....................................................................................................................................................... 10
TABELA 7 ....................................................................................................................................................... 14

GRÁFICO 1 ..................................................................................................................................................... 10
GRÁFICO 2 ..................................................................................................................................................... 11
GRÁFICO 3 ..................................................................................................................................................... 11
GRÁFICO 4 ..................................................................................................................................................... 11
GRÁFICO 5 ..................................................................................................................................................... 12

2
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

INTRODUÇÃO

O presente trabalho insere-se no âmbito da “IV Edição do Mestrado em Treino


Desportivo para Crianças e Jovens” da Faculdade de Ciências do Desporto e Educação
Física da Universidade de Coimbra, com vista à aprovação na unidade curricular de
“Metrologia do Rendimento Desportivo”. Para tal foi pedida a realização de uma análise
de um jogo da modalidade desportiva em que estamos inserido. Assim foi realizada uma
observação de um jogo de basquetebol.

Para esta observação foi elaborada um sistema de observação que permita analisar o
rendimento desportivo das equipas intervenientes no jogo. Este sistema analisa o
lançamento, as respectivas zonas de realização e taxas de sucesso.

Após a elaboração do sistema de observação, com a definição de variáveis de análise


procedeu-se à interpretação dos dados que permitiram recolher indicadores
fundamentais de padrão de jogo das equipas intervenientes. Os indicadores foram
definidos com o objectivo de conseguir aferir quais as zonas do campo em que as
equipas se mostram mais eficientes e eficazes e aferir quais destas componentes
determinam o vencedor do jogo analisado.

Assim este trabalho pretende de um modo objectivo implementar um sistema de


observação que através das variáveis recolhidas possa tornar-se útil e indicar o sentido
da evolução na análise do jogo de basquetebol.

3
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

ENQUADRAMENTO TEÓRICO
O basquetebol é um Jogo Desportivo Colectivo em que duas equipas se confrontam
executando acções individuais e colectivas específicas denominadas de acções de jogo
(Teodurescu, 1983) que se desenvolvem com vista ao alcance do objectivo do jogo, o
cesto. Para alcançar este objectivo os atletas mantêm relações constantes de oposição e
de cooperação de forma a terem a posse de bola, o que permitirá, a partir de acções
colectivas e individuais, a concretização e finalização do ataque.

No basquetebol existe a ideia clara que “a performance se expressa ao nível do jogo o


que tem feito emergir a necessidade de analisar as competições e de associar este
conhecimento ao sucesso desportivo” (Sampaio, 2002). Portanto torna-se de extrema
importância analisar o jogo de forma correcta para poder assim retirar o maior número
de indicadores e informação possíveis que irão possibilitar uma melhor organização do
processo de treino e potenciação desportiva.

Buzek (1986) citado por Sampaio (2002) refere que “a informação recolhida a partir
destes sistemas de análise pretende fundamentalmente, orientar os treinadores para as
acções mais críticas, através da identificação dos padrões que caracterizam as melhores
performances no jogo”, no entanto os seus objectivos não estão direccionados para a
predição dos comportamentos individuais ou colectivos (Sampaio, 2002) estando
orientados para meros valores quantitativos e estatísticos, que simplesmente
quantificam as acções de forma isolada.

Nestes valores incluem-se as percentagens de eficácia dos lançamentos, o número de


ressaltos, de assistências, perdas de bola, roubos de bola, desarmes de lançamento e
faltas cometidas.

Este tipo de análise quantitativa tem sido amplamente utilizada pelos treinadores de
forma a realizarem uma análise dos jogos em dados mais consistentes e fidedignos
(Sampaio et al. 2006), no entanto e apesar da sua utilização generalizada no estudo e
compreensão do jogo por investigadores, treinadores e gabinetes de scouting, existem
questões metodológicas destas estatísticas têm sido sistematicamente descuradas
(Sampaio, 2002).
4
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Isto acontece porque “a performance das equipas vencedoras está baseada na qualidade
de tomada de decisão dos jogadores, na eficácia e eficiência dos lançamentos, bem
como uma bem definida estratégia e táctica de equipa” (Ibáñez et al. 2008).

Assim neste trabalho será apresentada uma proposta metodológica que terá como
principal objectivo dar o inicio à criação de um sistema de observação que permita
analisar os comportamentos individuais e colectivos das equipas analisadas. Neste
pressuposto e, como ponto de partida, serão analisados os momentos de
perda/recuperação da posse de bola, nomeadamente no que se refere ao lançamento.

METODOLOGIA
Amostra e Procedimentos
Para análise foi observado um jogo de basquetebol referente à 19ª Jornada do
Campeonato Nacional de Basquetebol da 1ª Divisão Zona Sul entre o S.L.Benfica “B” e
o A.C.Moscavide. O jogo realizou-se no Pavilhão Império Bonança no dia 12 de Março
de 2010 pelas 21h30 e foi registado através da gravação da transmissão televisiva.

O jogo foi analisado de forma indirecta na televisão. Para tal foi utilizado um
campograma criado para o efeito, apresentado na seguinte figura. Foi utilizado um
sistema de notação manual em simultâneo com a visualização do vídeo.

Ilustração 1

5
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Categorias de Observação
a) POSSE DE BOLA: Momento durante o qual uma equipa tem o controlo da bola.
- Quando uma equipa conquista um ressalto ofensivo e dá continuidade ao
ataque considera-se a mesma posse de bola, dado que a equipa atacante manteve
o controlo da mesma.

b) ZONA DE LANÇAMENTO: é registado o número correspondente à zona do


campograma em que se registou o lançamento. Caso existam duvidas entre duas
zonas regista-se sempre a zona que esteja mais próxima do cesto.

c) TIPO DE OPOSIÇÃO: nível de resistência oferecida à concretização do lançamento.


- Sem Lançamento (SL): Quando a perda de posse de bola ocorre sem estar
associada ao lançamento.
- Falta Colectiva (FC): Quando são registadas faltas defensivas à equipa que
cometeu mais que 4 faltas num período, dando origem a 2 lances livres.
- Sem Oposição (X): Quando não existe nenhum adversário entre o lançador e o
cesto (a uma distância passível de intervenção).
- Oposição Passiva (P): Quando existe um adversário entre o lançador e o cesto
e este não realiza nenhuma acção com os membros superiores para se opor ao
lançamento.
- Oposição Activa (A): Quando existe um adversário entre o lançador e o cesto
e este desenvolve alguma acção com os membros superiores com intenção de
interferir no lançamento.
- Desarme de Lançamento (DL): Quando o defesa consegue evitar o sucesso
do lançamento através da intercepção da trajectória da bola para o cesto
- Falta (F): Quando o jogador sofre falta no acto do lançamento.

d) NÍVEL DE SUCESSO: grau de sucesso do lançamento.


- Sim (S): quando o lançamento é concretizado, colocando-se de seguida o
número de pontos conquistados com o lançamento:
- 2 (Lançamento de Campo);
- 3 (Lançamento para lá da linha de 6,25m);
6
Página

- 1+1 (Quando se tratem de lances livres).


- Não (N): quando o lançamento não é concretizado.
V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens
Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Variáveis e Indicadores
A partir dos dados recolhidos seria possível retirar um elevado número de variáveis e
indicadores, dos quais foram seleccionados os seguintes:

a) EFICÁCIA OFENSIVA: Quantidade de posses de bola que se concluem com


lançamento concretizado.

Eficácia Ofensiva (%) = ((Posses de bola com lançamento concretizado)/(Total de Posses de bola))*100

b) EFICIÊNCIA OFENSIVA: Quantidade de posses de bola que resultam na criação de


situações de lançamento, concretizados ou não.

Eficiência Ofensiva (%) = ((Posses de bola com lançamento realizado)/(Total de Posses de bola))*100

c) EFICÁCIA DEFENSIVA: Quantidades de posse de bola em que não existe


lançamento da equipa adversária (Turn Overs).

Eficácia Defensiva (%) = ((Turn Overs)/(Total de Posses de bola))*100

d) EFICIÊNCIA DEFENSIVA: Quantidade de posses de bola em que não existe


lançamento da equipa adversária e que, devido a acções defensivas (Oposição
activa ou desarme de lançamento), o lançamento não é concretizado.

Eficiência Defensiva (%) = ((Turn Overs + Posses de bola sem lançamento concretizado associado a
acção defensiva)/(Total de Posses de bola))*100

e) RITMO DE JOGO: Duração média das posses de bola.

Ritmo de Jogo (Seg./P.B.) = (Tempo Total)/(Posses de bola)

f) ZONAS DE LANÇAMENTO DE MAIOR EFICÁCIA: zonas em que existe uma maior


taxa de sucesso de lançamento.
7
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

g) ZONAS DE LANÇAMENTO DE MAIOR EFICIÊNCIA: zonas onde se regista uma


maior conclusão das acções ofensivas com lançamento.

Para a análise destes dados foi utilizada a estatística descritiva.

APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

No presente capítulo serão apresentados e analisados os resultados obtidos a partir dos


dados recolhidos. Para uma melhor análise são apresentados os parciais de pontuação do
jogo para assim ser possível estabelecer alguma relação entre as variáveis e o resultado.

Tabela 1

Parciais de Jogo
Total 1º Periodo 2º Periodo 3º Periodo 4º Periodo
BENFICA 94 22 18 27 27
MOSCAVIDE 77 21 18 17 21

Eficácia e Eficiência
No que se refere à Eficácia Ofensiva (E.O.) verifica-se que a equipa vencedora
demonstrou ter uma maior E.O. ao longo de todo o jogo e nos períodos que lhe foram
favoráveis, períodos nos quais a equipa vencedora alcançou a vitória de forma
expressiva. Só demonstrando uma E.O. menor no período em que empatou. O que
significa que do ponto de vista atacante a equipa do Benfica apresentou um nível, de
concretização das acções ofensivas, superior às do adversário.

Tabela 2

Eficácia Ofensiva (%)


Total 1º Periodo 2º Periodo 3º Periodo 4º Periodo
BENFICA 53,7 50,0 42,1 60,0 60,9
MOSCAVIDE 46,8 45,0 55,6 40,0 47,6

Relativamente à Eficiência Ofensiva (Ef. O.) verificou-se que a equipa de Moscavide


8
Página

registou um maior nível de Ef.O. em todos os períodos do jogo. No entanto este não foi
um factor determinante de definição do vencedor do encontro nem dos parciais.

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Podendo assim afirmar-se que neste jogo em particular o factor mais importante foi a
concretização das acções ofensivas e não a criação destas mesmas acções.

Tabela 3

Eficiência Ofensiva (%)


Total 1º Periodo 2º Periodo 3º Periodo 4º Periodo
BENFICA 75,6 80,0 68,4 80,0 73,9
MOSCAVIDE 86,1 90,0 94,4 85,0 76,2

Relativamente à Eficácia Defensiva (E.D.) verificou-se que a equipa do Moscavide foi a


equipa que se apresentou com mais eficácia a evitar as tentativas de lançamento da
equipa adversária, originando mais posses de bola sem lançamento (Turn Overs) para a
equipa adversária.

Tabela 4

Eficácia Defensiva (%)


Total 1º Periodo 2º Periodo 3º Periodo 4º Periodo
BENFICA 13,9 10,0 5,6 15,0 23,8
MOSCAVIDE 24,4 20,0 31,6 20,0 26,1

No que se refere à Eficiência Defensiva (Ef. D.) registou-se algum equilíbrio entre as
duas equipas tendo a equipa do Benfica apresentado valores superiores ao Moscavide
nos períodos em que o desequilíbrio lhe pontual foi mais favorável. Estes dados
demonstram que a equipa do Benfica apesar de não ter provocado mais Turn Overs à
equipa adversária foi mais eficiente do ponto de vista defensivo, dado que perturbou
mais as acções de finalização da equipa do Moscavide.

Tabela 5

Eficiencia Defensiva (%)


Total 1º Periodo 2º Periodo 3º Periodo 4º Periodo
BENFICA 58,2 55,0 44,4 60,0 71,4
MOSCAVIDE 62,2 60,0 73,7 55,0 60,9
9
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Relativamente ao Ritmo de Jogo verifica-se que o período em que o ritmo foi maior foi
o 4º e o mais lento o 2º. Não se considerando existir nenhuma relação directa que
permita afirmar que o ritmo de jogo mais elevado ou mais reduzido é mais favorável a
uma ou outra equipa.
Tabela 6

RITMO DE JOGO
TOTAL 1º PERIODO 2º PERIODO 3º PERIODO 4º PERIODO
POSSES DE BOLA 161 40 37 40 44
RITMO DE JOGO 14,9 15,0 16,2 15,0 13,6

Zonas de Lançamento
No que diz respeito às zonas de lançamento verifica-se que ambas as equipas
apresentam uma maior eficiência nas zonas próximas do cesto (1 e 2), tal como se pode
verificar no gráfico, este facto advém da intenção de ambas as equipas procurarem
espaços mais próximos do cesto, nos quais normalmente se obtém uma maior eficácia.
No entanto, e em comparação, verifica-se que a equipa de Moscavide apresenta um
número mais elevado de lançamentos em zonas mais próximas do cesto (1-4) e a equipa
do Benfica apresenta um número mais elevado em zonas mais distantes do cesto (11-
16).

Gráfico 1

Eficiência Ofensiva Jogo


20

15

10

0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Nº Lançamentos (Benfica) Nº Lançamentos (Moscavide)

Analisando a eficácia das zonas analisadas verifica-se que o Benfica, a equipa


10

vencedora, apresenta uma eficácia superior em praticamente todas as zonas de


Página

lançamento, à excepção da zona 1 e 16, indo de encontro aos dados obtidos na análise
ofensiva.
V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens
Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Gráfico 2

Eficácia Ofensiva Jogo


100,00

80,00

60,00

40,00

20,00

0,00
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Eficácia % (Benfica) Eficácia % (Moscavide)

Analisando o período de jogo em que houve mais desequilíbrio (3º, com diferença
pontual de 10), verificou-se que a equipa do Benfica apresentou uma eficácia de 100%
em praticamente todas as zonas. Apesar de ambas as equipas apresentarem registos de
zonas de absoluta ineficácia (0%) a equipa do Moscavide é aquela que apresenta
maiores registos desta ineficácia, sendo registada em 7 zonas. Pode-se considerar que
este foi o período fundamental na definição do vencedor do jogo.

Gráfico 4 Gráfico 3

Eficiência Ofensiva 3º Período Eficácia Ofensiva 3º Período


5 100,00

4 80,00

3 60,00

2 40,00

1 20,00

0 0,00
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Nº Lançamentos (Benfica) Nº Lançamentos (Moscavide) Eficácia % (Benfica) Eficácia % (Moscavide)

Analisando um dos períodos mais equilibrados do jogo verificou-se que a equipa do


Moscavide foi mais eficiente em zonas mais próximas do cesto e que a equipa do
Benfica foi mais eficiente nas zonas de lançamento de longa distâncias. No que diz
respeito às eficácias verifica-se um equilíbrio relativo distribuído pelas zonas de maior
eficiência de cada uma das equipas.
11
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Gráfico 5 Gráfico 6

Eficiência Ofensiva 2º Período Eficácia Ofensiva 2º Período


5 100,00

4 80,00

3 60,00

2 40,00

1 20,00

0 0,00
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Nº Lançamentos (Benfica) Nº Lançamentos (Moscavide) Eficácia % (Benfica) Eficácia % (Moscavide)

Após a análise dos dados é possivel verificar que a equipa vencedora deste jogo foi a
equipa mais eficaz do ponto de vista ofensivo, sobrepondo-se esta variável (eficácia
ofensiva) à eficiencia ofensiva, eficiência defensiva e eficácia defensiva, variàveis nas
quais a equipa derrotada foi superior.

No que diz respeito ao lançamento verifica-se que a maioria dos lançamentos se


realizaram em zonas próximas do cesto, principalmente no que diz respeito à equipa do
Moscavide. A equipa do Benfica foi mais eficaz em praticamente todas as zonas do
campo.

A equipa vencedora destacou-se em termos pontuais no 3º periodo, devido a uma maior


eficácia de lançamento em zonas de lançamento exterior, indo de encontro ao que
afirma Sampaio (1998) que afirma que “as percentagens de lançamentos de 3 pontos
foram identificadas como um dos indicadores que mais contribuiu para separar as
equipas, exclusivamente, nos jogos desequilibrados”, tendo considerados como jogos
desequilibrados aqueles que terminam com uma diferença pontual superior a 10 pontos.

.
12
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

CONCLUSÕES
A criação e implementação de um sistema de observação constitui-se como uma mais-
valia para o desenvolvimento de uma modalidade e de forma mais específica do
basquetebol. Este permite uma análise técnico-táctica dos comportamentos da própria
equipa e dos adversários, que permitirão uma maior adaptação e preparação a cada jogo.

Este sistema de observação pode constituir-se como ponto de partida para a evolução e
diferenciação da observação do basquetebol que fuja aos dados meramente estatísticos,
que permitiram optimizar a performance de atletas e equipas, auxiliar os treinadores nos
seus planeamentos, monitorizar a evolução dos programas de treino implementados,
adequando a preparação das equipas à realidade existente.

A observação aqui realizada não se esgota nos aspectos aqui analisados. No futuro
pode-se analisar a relação entre o tipo de oposição ao lançamento e o nível de sucesso
do mesmo. Pode-se individualizar a análise por atleta, identificar as acções que
antecedem os lançamentos, e assim se poder retirar o máximo de indicadores que
identifiquem os comportamentos padrão das equipas adversárias e definir estratégias e
missões individuais, mas também identificar principais dificuldades e erros da própria
equipa.

Este tipo de análise, e no que às dimensões e indicadores insere-se numa análise da


actividade competitiva da equipa, analisando as dimensões de efectividade operativa,
nomeadamente os indicadores comportamentais.

Análise dos Jogos Desportivos Colectivos


Níveis

Análise da Actividade
Análise da Actividade Competitiva do Jogador
Competitiva da Equipa
Dimensões

Padrões Efectividade Actividade Fisico-


Actividade Técnico-Táctica
de Jogo Operativa Motora
13
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Indicadores

Procedi Comportam
Internos Externos Quantitativos Qualitativos
mentais entais

Tabela 7

Com este trabalho foi então possível conhecer algumas das linhas de análise nos jogos
desportivos colectivos, perceber qual a estrutura da modalidade e lidar com um
instrumento de análise de jogo. Este tornou-se um processo moroso mas que, e através
de uma correcta análise oferece indicadores que se poderão tornar bastante úteis,
destacando assim o processo de avaliação do rendimento desportivo.

14
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

BIBLIOGRAFIA

Ibáñez, S., Sampaio, J., Feu, S., Lorenzo, A., Gómez, A. and Ortega, E.(2008)
Basketball game-related statistics that discriminate between teams' season-long
success',European Journal of Sport
Science,8:6,369 — 372

Sampaio, A.J. (1998) Los indicadores estadisticos mas determinantes en el resultado


final en los partidos de basquetbol. Lecturas: Educacion Física y Deportes, Revista
Digital, nº11. (http://www.efdeportes.com/efd11/sampe.htm)

Sampaio, A.J. (2002) Análise do jogo em Basquetebol. Contributos para a intervenção


do treinador. Novos Horizontes para o Treino doBasquetebol (189-205). Cruz
Quebrada, Lisboa. Serviço de Edições da Daculdade de Motricidade Humana

Sampaio, J., Janeira, M., Ibáñez, S. and Lorenzo, A.(2006) Discriminant analysis of
game-related statistics between basketball guards, forwards and centres in three
professional leagues',European Journal of Sport Science,6:3,173 — 178

15
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

ANEXOS

16
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Folha de Registo SL Benfica

Zona de Tipo de Nível de


Posse de Bola PONTOS PERIODO
Lançamento Oposição Sucesso

1 3 A N 0

1 A N 0
2 2 F S (0+1) 1

3 2 X S2 3

4 7 A S2 5

5 5 A N 0

6 16 X N 0

7 1 A S2 7

8 2 X S2 9

9 2 A S2 11

1º PERIODO
10 SL (FALTA ATACANTE) 0

12 P N 0
11 13 A S3 14

12 14 A S3 17

13 SL (PASSE FALHADO) 17

14 2 DL 17

15 SL (ROUBO DE BOLA) 17

4 X N 17
16 2 F S (2+1) 20

17 16 P N 20

18 2 P S2 22

19 SL (INTERCEPÇÃO DE PASSE) 22

20 MD A N 22
17
ODO
PERI

21

15 X S3 25
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

22 15 X N 25

14 A N 25
23 1 F S (0+1) 26

24 SL (PASSOS) 26

25 SL (PASSOS) 26

16 A N 26
26 13 A N 26
16 X S3 29

27 SL (INTERCEPÇÃO DE PASSE) 29

28 12 A N 29

29 4 P S2 31

6 A N 31
30 1 DL 31
16 A S3 34

31 1 F S (0+1) 35

32 7 P S2 37

33 FC S (1+0) 38

34 SL (ROUBO DE BOLA) 38

35 FC S (1+1) 40

36 SL (FALTA ATACANTE) 40

15 X N 40
37 1 P N 40

38 SL (ROUBO DE BOLA) 40

39 12 A N 40

40 13 A S3 43
3º PERIODO

1 A N 43
41 SL (24'') 43
18

42 4 P N 43
Página

43 8 A N 43

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

44 2 A S2 45

45 2 X S2 47

46 1 X S2 49

47 2 F S (1+1) 51

48 2 F S (1+1) 53

49 SL (INTERCEPÇÃO DE PASSE) 53

50 15 X S3 56

51 6 P S2 58

52 1 F S (1+0) 59

53 15 X S3 62

54 SL (PASSE FALHADO) 62

55 16 A S3 65

56 SL (PASSE FALHADO) 65

57 2 F (A.D.) S (1+1) 67

58 SL (ROUBO DE BOLA) 67

59 12 A N 67

60 4 F S (2+1) 70

61 2 F S (1+1) 72

62 SL (FALTA ATACANTE) 72

63 2 A S2 74
4º PERIODO

64 2 A S2 76

65 14 A N 76

66 6 F (A.D.) S (1+1) 78

67 SL (PASSOS) 78
19

68
Página

7 F S (1+1) 80

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

69 SL (FALTA ATACANTE) 80

5 A N 80
70 2 F S (1+1) 82

71 SL (FALTA ATACANTE) 82

72 FC S (0+1) 83

73 2 A S2 85

74 11 X N 85

75 2 F N 85

76 2 F S (1+0) 86

77 4 F S (1+0) 87

78 SL (PASSE INTERCEPTADO) 87

79 SL (ROUBO DE BOLA) 87

80 13 A S3 90

81 7 X S2 92

82 9 A S2 94

20
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Folha de Registo AC Moscavide


Zona de Tipo de Nível de
Posse de Bola PONTOS PERIODO
Lançamento Oposição Sucesso

1 SL (PASSE FALHADO) 0

2 1 X S2 2

3 2 A N 2

4 15 A S3 5

5 14 A N 5

6 7 A S2 7

9 A N 7
7 1 A N 7
7 A N 7
8 2 A N 7

9 2 F S (1+1) 9

1º PERIODO
10 16 A S3 12

11 2 A N 12

12 1 F S2+1 15

13 4 X N 15

14 11 X N 15

15 1 A N 15

16 SL (ROUBO DE BOLA) 15

17 2 A S2 17

18 2 DL 17

19 1 F S1+1 19

20 1 X S2 21
PERIODO

21 1 A N 21
21

22 4 A N 21
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

23 6 P S2 23

24 2 X S2 25

25 7 P S2 27

26 5 A N 27

27 2 X S2 29

28 5 X N 29

2 A N 29
29 2 A S2 31

30 13 A N 31

31 SL (PASSE FALHADO) 31

32 1 X S2 33

33 1 A N 33

6 A N 33
34 1 A S2 35
6 F N (0+0) 35
35 11 X N 35
3 F S (1+0) 36

36 2 A N 36

37 1 F S (0+1) 37

38 1 X S2 39

39 2 P N 39

40 1 F S (1+1) 41

41 SL (FALTA ATACANTE) 41
3º PERIODO

42 12 A N 41

43 SL (ROUBO DE BOLA) 41

44 1 F S (1+0) 42
22

45 9 A S2 44
Página

46 13 A S3 47

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

47 3 P N 47

48 8 A N 47

49 SL (BOLA FORA) 47

50 15 X N 47

51 13 A S3 50

52 2 A N 50

53 4 A N 50

54 11 A N 50

55 2 A S2 52

56 2 X S2 54

57 2 X S2 56

58 15 A N 56

59 SL (FALTA ATACANTE) 56

60 14 A S3 59

61 SL (ROUBO DE BOLA) 59

62 16 X N 59

63 16 A S3 62

64 1 A S2 64
4º PERIODO

14 P N 64
65 5 A N 64

66 2 F S (0+1) 65

67 16 A S3 68

FC S (1+0) 69
68 13 A N 69

69 2 DL 69
23

70 1 P N 69
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

71 SL (BOLA FORA) 69

72 1 X S2 71

2 DL 71
73 14 A N 71

74 2 X S2 73

75 SL (PASSOS) 73

76 2 X S2 75

77 2 A N 75

78 SL (PASSOS) 75

79 2 F S (1+1) 77

24
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Folha de Apoio aos Registos

Posse de Bola

Quando uma equipa se encontra no controlo da bola. No caso de a posse de bola não seja
alterada, continua a considerar-se a mesma posse de bola

Zonas de Lançamento

MD - Quando a perda de Posse de bola ocorre no meio campo defensivo.

Tipo de Oposição

Quando a perda de posse de bola ocorre sem estar associada ao


Sem Lançamento (SL) lançamento, sendo indicada a acção que levou à perda de posse de
bola por não lançamento

Quando são registadas faltas defensivas à equipa que cometeu mais


Falta Colectiva (FC)
que 4 faltas num período, dando origem a 2 lances livres

Quando não existe nenhum adversário directo(distância


Sem oposição (X)
aproximada de um braço) entre o lançador e o cesto

Quando existe um adversário directo e que não realiza nenhuma


Oposição Passiva (P)
acção com os membros superiores para se opor ao lançamento

Quando existe um adversário directo e que desenvolve alguma


Oposição Activa (A)
acção com os membros superiores para se opor ao lançamento

Desarme de Quando o defesa consegue evitar o sucesso do lançamento através


Lançamento (DL) da intercepção da trajéctoria da bola para o cesto

Falta (F) Quando o lançador sofre falta no acto de lançamento

Nível de Sucesso (Colocando-se o nº de pontos após o S)


Sim (S) Quando é contabilizado cesto

Não (N) Quando não é contabilizado cesto


25
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

BENFICA
1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
Eficácia Ofensiva 53,7 50,0 42,1 60,0 60,9
Eficiência Ofensiva 75,6 80,0 68,4 80,0 73,9
Eficácia Defensiva 13,9 10,0 5,6 15,0 23,8
Eficiência Defensiva 58,2 55,0 44,4 60,0 71,4

MOSCAVIDE
1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
Eficácia Ofensiva 46,8 45,0 55,6 40,0 47,6
Eficiência Ofensiva 86,1 90,0 94,4 85,0 76,2
Eficácia Defensiva 24,4 20,0 31,6 20,0 26,1
Eficiência Defensiva 62,2 60,0 73,7 55,0 60,9

POSSES DE BOLA
1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 82 20 19 20 23
MOSCAVIDE 79 20 18 20 21

TURN OVERS
1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 20 4 6 4 6
MOSCAVIDE 11 2 1 3 5

Nº DE POSSES DE BOLA SEM CONCRETIZAÇÃO E LANÇAMENTO POR ACÇÃO DEFENSIVA


26

1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
Página

MOSCAVIDE 31 8 8 7 8

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

BENFICA 35 9 7 9 10

POSSES DE BOLA COM LANÇAMENTOS CONCRETIZADOS


1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 44 10 8 12 14
MOSCAVIDE 37 9 10 8 10

POSSES DE BOLA COM LANÇAMENTOS REALIZADOS


1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 62 16 13 16 17
MOSCAVIDE 68 18 17 17 16

Eficácia Ofensiva (%)


1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 53,7 50,0 42,1 60,0 60,9
MOSCAVIDE 46,8 45,0 55,6 40,0 47,6

Eficiência Ofensiva (%)


1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 75,6 80,0 68,4 80,0 73,9
MOSCAVIDE 86,1 90,0 94,4 85,0 76,2
27
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Eficácia Defensiva (%)


1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 13,9 10,0 5,6 15,0 23,8
MOSCAVIDE 24,4 20,0 31,6 20,0 26,1

Eficiência Defensiva (%)


1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 58,2 55,0 44,4 60,0 71,4
MOSCAVIDE 62,2 60,0 73,7 55,0 60,9

Parciais de Jogo
1º 2º 3º 4º
Total
Período Período Período Período
BENFICA 94 22 18 27 27
MOSCAVIDE 77 21 18 17 21

RITMO DE JOGO
TOTAL 1º PERIODO 2º PERIODO 3º PERIODO 4º PERIODO
POSSES DE BOLA 161 40 37 40 44
RITMO DE JOGO 14,9 15,0 16,2 15,0 13,6

Total Posses de Bola P.B. 1º Período P.B. 2º Período P.B. 3º Período P.B. 4º Período
Benfica 82 20 19 20 23
Moscavide 79 20 18 20 21
28
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

ANÁLISE POR ZONAS A.C. MOSCAVIDE


1º Periodo 2º Periodo
Lançamentos Tipo de oposição Lançamentos Tipo de oposição
Zonas Nº Lançamentos Eficácia % Zonas Nº Lançamentos Eficácia %
Concretizados X A P F DL Concretizados X A P F DL
1 5 3 60,0 2 2 0 2 0 1 5 3 60,0 2 3 0 1 0
2 5 1 20,0 0 4 0 1 1 2 5 3 60,0 2 3 0 0 0
3 - - - - - - - - 3 - - - 0 0 0 1 0
4 1 0 0,0 1 0 0 0 0 4 1 0 0,0 0 1 0 0 0
5 - - - - - - - - 5 2 0 0,0 1 1 0 0 0
6 - - - - - - - - 6 2 1 50,0 0 1 1 1
7 2 1 50,0 0 2 0 0 0 7 1 1 100,0 0 0 1 0 0
8 - - - - - - - - 8 - - - - - - - -
9 1 0 0,0 0 1 0 0 0 9 - - - - - - - -
10 - - - - - - - - 10 - - - - - - - -
11 1 0 0,0 1 0 0 0 0 11 1 0 0,0 1 0 0 0 0
12 - - - - - - - - 12 - - - - - - - -
13 - - - - - - - - 13 1 0 0,0 0 1 0 0 0
14 1 0 0,0 0 1 0 0 0 14 - - - - - - - -
15 1 1 100,0 0 1 0 0 0 15 - - - - - - - -
16 1 1 100,0 0 1 0 0 0 16 - - - - - - - -
L2 14 5 35,7 3 9 0 3 1 L2 16 8 50,0 5 9 2 3 0
L3 4 2 50,0 1 3 0 0 0 L3 2 0 0,0 1 1 0 0 0
LL 5 5 100,0 - - - - - LL 6 2 33,3 - - - - -

3º Periodo 4º Periodo
Lançamentos Tipo de oposição Lançamentos Tipo de oposição
Zonas Nº Lançamentos Eficácia % Zonas Nº Lançamentos Eficácia %
Concretizados X A P F DL Concretizados X A P F DL
1 - - - 0 0 0 2 0 1 3 2 66,7 1 1 1 0 0
2 5 3 60,0 2 2 1 0 0 2 5 2 40,0 2 1 0 2 1
3 1 0 0,0 0 0 1 0 0 3 - - - - - - - -
4 1 0 0,0 0 1 0 0 0 4 - - - - - - - -
5 - - - - - - - - 5 1 0 0,0 0 1 0 0 0
6 - - - - - - - - 6 - - - - - - - -
7 - - - - - - - - 7 - - - - - - - -
8 1 0 0,0 0 1 0 0 0 8 - - - - - - - -
9 1 1 100,0 0 1 0 0 0 9 - - - - - - - -
10 - - - - - - - - 10 - - - - - - - -
11 1 0 0,0 0 1 0 0 0 11 - - - - - - - -
12 1 0 0,0 0 1 0 0 0 12 - - - - - - - -
13 2 2 100,0 0 2 0 0 0 13 1 0 0,0 0 1 0 0 0
14 - - - - - - - - 14 3 1 33,3 0 2 1 0 0
15 2 0 0,0 1 1 0 0 0 15 - - - - - - - -
16 - - - - - - - - 16 3 2 66,7 1 2 0 0 0
L2 9 4 44,4 2 5 2 2 0 L2 9 4 44,4 3 3 1 2 1
L3 6 2 33,3 1 5 0 0 0 L3 7 3 42,9 1 5 1 0 0
LL 4 3 75,0 - - - - - LL 6 4 66,7 - - - - -
-

Jogo
Lançamentos Tipo de oposição
Zonas Nº Lançamentos Eficácia %
Concretizados X A P F DL
1 13 8 61,5 5 6 1 5 0
2 20 9 45,0 6 10 1 3 2
3 1 0 0,0 0 0 1 1 0
4 3 0 0,0 1 2 0 0 0
5 3 0 0,0 1 2 0 0 0
6 2 1 50,0 0 1 1 1 0
7 3 2 66,7 0 2 1 0 0
8 1 0 0,0 0 1 0 0 0
9 2 1 50,0 0 2 0 0 0
10 - - - - - - - -
11 3 0 0,0 2 1 0 0 0
12 1 0 0,0 0 1 0 0 0
13 4 2 50,0 0 4 0 0 0
14 4 1 25,0 0 3 1 0 0
15 3 1 33,3 1 2 0 0 0
16 4 3 75,0 1 3 0 0 0
L2 48 21 43,8 13 26 5 10 2
L3 19 7 36,8 4 14 1 0 0
LL 21 14 66,7 - - - - -
29
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

ANÁLISE POR ZONAS S.L.BENFICA

1º Periodo 2º Periodo
Lançamentos Tipo de oposição Lançamentos Tipo de oposição
Zonas Nº Lançamentos Eficácia % Zonas Nº Lançamentos Eficácia %
Concretizados X A P F DL Concretizados X A P F DL
1 2 1 50,0 0 1 0 0 0 1 2 0 0,0 0 0 1 2 1
2 6 5 83,3 2 1 1 2 1 2 - - - - - - - -
3 1 0 0,0 0 1 0 0 0 3 - - - - - - - -
4 1 0 0,0 1 0 0 0 0 4 1 1 100,0 0 0 1 0 0
5 1 0 0,0 0 1 0 0 0 5 - - - - - - - -
6 - - - - - - - - 6 1 0 0,0 0 1 0 0 0
7 1 1 100,0 0 1 0 0 0 7 1 1 100,0 0 0 1 0 0
8 - - - - - - - - 8 - - - - - - - -
9 - - - - - - - - 9 - - - - - - - -
10 - - - - - - - - 10 - - - - - - - -
11 - - - - - - - - 11 - - - - - - - -
12 1 0 0,0 0 0 1 0 0 12 2 0 0,0 0 1 0 0 0
13 1 1 100,0 0 1 0 0 0 13 1 0 0,0 0 1 0 0 0
14 1 1 100,0 0 1 0 0 0 14 1 0 0,0 0 1 0 0 0
15 - - - - - - - - 15 3 1 33,3 3 0 0 0 0
16 2 0 0,0 1 0 1 0 0 16 3 2 66,7 1 2 0 0 0
L2 12 7 58,3 3 5 1 2 1 L2 5 2 40,0 0 1 3 2 1
L3 5 2 40,0 1 2 2 0 0 L3 10 3 30,0 4 5 0 0 0
LL 3 2 66,7 - - - - - LL 8 5 62,5 - - - - -

3º Periodo 4º Periodo
Lançamentos Tipo de oposição Lançamentos Tipo de oposição
Zonas Nº Lançamentos Eficácia % Zonas Nº Lançamentos Eficácia %
Concretizados X A P F DL Concretizados X A P F DL
1 2 1 50,0 1 1 0 1 0 1 - - - - - - - -
2 2 2 100,0 1 1 0 3 0 2 3 3 100,0 0 3 0 4 0
3 - - - - - - - - 3 - - - - - - - -
4 1 0 0,0 0 0 1 0 0 4 - - - 0 0 0 2 0
5 - - - - - - - - 5 1 0 0,0 0 1 0 0 0
6 1 1 100,0 0 0 1 0 0 6 - - - 0 0 0 1 0
7 - - - - - - - - 7 1 1 100,0 1 0 0 1 0
8 1 0 0,0 0 1 0 0 0 8 - - - - - - - -
9 - - - - - - - - 9 1 1 100,0 0 1 0 0 0
10 - - - - - - - - 10 - - - - - - - -
11 - - - - - - - - 11 1 0 0,0 1 0 0 0 0
12 1 0 0,0 0 1 0 0 0 12 - - - - - - - -
13 1 1 100,0 0 1 0 0 0 13 1 1 100,0 0 1 0 0 0
14 - - - - - - - - 14 1 0 0,0 0 1 0 0 0
15 2 2 100,0 0 2 0 0 0 15 - - - - - - - -
16 1 1 100,0 0 1 0 0 0 16 - - - - - - - -
L2 7 4 57,1 2 3 2 4 0 L2 7 5 71,4 1 5 0 8 0
L3 5 4 80,0 0 5 0 0 0 L3 3 1 33,3 1 2 0 0 0
LL 8 7 87,5 - - - - - LL 17 12 70,6 - - - - -
-

Jogo
Lançamentos Tipo de oposição
Zonas Nº Lançamentos Eficácia %
Concretizados X A P F DL
1 6 2 33,3 1 2 1 3 1
2 11 10 90,9 3 5 1 9 1
3 1 0 0,0 0 1 0 0 0
4 3 1 33,3 1 0 2 2 0
5 2 0 0,0 0 2 0 0 0
6 2 1 50,0 0 1 1 1 0
7 3 3 100,0 1 1 1 1 0
8 1 0 0,0 0 1 0 0 0
9 1 1 100,0 0 1 0 0 0
10 - - - - - - - -
11 1 0 0,0 1 0 0 0 0
12 4 0 0,0 0 2 1 0 0
13 4 3 75,0 0 4 0 0 0
14 3 1 33,3 0 3 0 0 0
15 5 3 60,0 3 2 0 0 0
16 6 3 50,0 2 3 1 0 0
L2 31 18 58,1 6 14 6 16 2
L3 23 10 43,5 6 14 2 0 0
LL 36 26 72,2 - - - - -
30
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

ANÁLISE POR ZONAS GERAL

1º Periodo 2º Periodo
Nº Lançamentos Nº Lançamentos Eficácia % Eficácia % Nº Lançamentos Nº Lançamentos Eficácia % Eficácia %
Zonas Zonas
(Benfica) (Moscavide) (Benfica) (Moscavide) (Benfica) (Moscavide) (Benfica) (Moscavide)
1 2 5 50,0 60,0 1 2 5 0,00 60,00
2 6 5 83,3 20,0 2 - 5 - 60,00
3 1 - 0,0 - 3 - - - -
4 1 1 0,0 0,0 4 1 1 100,00 0,00
5 1 - 0,0 - 5 - 2 - 0,00
6 - - - - 6 1 2 0,00 50,00
7 1 2 100,0 50,0 7 1 1 100,00 100,00
8 - - - - 8 - - - -
9 - 1 - 0,0 9 - - - -
10 - - - - 10 - - - -
11 - 1 - 0,0 11 - 1 - 0,00
12 1 - 0,0 - 12 2 - 0,00 -
13 1 - 100,0 - 13 1 1 0,00 0,00
14 1 1 100,0 0,0 14 1 - 0,00 -
15 - 1 - 100,0 15 3 - 33,33 -
16 2 1 0,0 100,0 16 3 - 66,67 -
L2 12 14 58,3 35,7 L2 5 16 40,00 50,00
L3 5 4 40,0 50,0 L3 10 2 30,00 0,00
LL 3 5 66,7 100,0 LL 8 6 62,50 33,33

Eficiência Ofensiva 1º Período Eficiência Ofensiva 2º Período


6 5

5 4
4
3
3
2
2

1 1

0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Nº Lançamentos (Benfica) Nº Lançamentos (Moscavide) Nº Lançamentos (Benfica) Nº Lançamentos (Moscavide)

Eficácia Ofensiva 1º Período Eficácia Ofensiva 2º Período


100,00
100
80,00
80
60,00
60
40,00
40
20,00
20
0,00
0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17
Eficácia % (Benfica) Eficácia % (Moscavide)
Eficácia % (Benfica) Eficácia % (Moscavide)
31
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

3º Periodo
4º Periodo
Nº Lançamentos Nº Lançamentos Eficácia % Eficácia %
Zonas Nº Lançamentos Nº Lançamentos Eficácia % Eficácia %
(Benfica) (Moscavide) (Benfica) (Moscavide) Zonas
(Benfica) (Moscavide) (Benfica) (Moscavide)
1 2 - 50,00 -
1 - 3 - 66,67
2 2 5 100,00 60,00
2 3 5 100,00 40,00
3 - 1 - 0,00
3 - - - -
4 1 1 0,00 0,00
4 - - - -
5 - - - -
5 1 1 0,00 0,00
6 1 - 100,00 -
6 - - - -
7 - - - -
7 1 - 100,00 -
8 1 1 0,00 0,00
8 - - - -
9 - 1 - 100,00
9 1 - 100,00 -
10 - - - -
10 - - - -
11 - 1 - 0,00
11 1 - 0,00 -
12 1 1 0,00 0,00
12 - - - -
13 1 2 100,00 100,00
13 1 1 100,00 0,00
14 - - - -
14 1 3 0,00 33,33
15 2 2 100,00 0,00
15 - - - -
16 1 - 100,00 -
16 - 3 - 66,67
L2 7 9 57,14 44,44
L2 7 9 71,43 44,44
L3 5 6 80,00 33,33
L3 3 7 33,33 42,86
LL 8 4 87,50 75,00
- LL 17 6 70,59 66,67

Eficiência Ofensiva 3º Período Eficiência Ofensiva 4º Período


5 5

4 4

3 3

2 2

1 1

0 0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Nº Lançamentos (Benfica) Nº Lançamentos (Moscavide) Nº Lançamentos (Benfica) Nº Lançamentos (Moscavide)

Eficácia Ofensiva 3º Período Eficácia Ofensiva 4º Período


100,00 100,00

80,00 80,00

60,00 60,00

40,00 40,00

20,00 20,00

0,00 0,00
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Eficácia % (Benfica) Eficácia % (Moscavide) Eficácia % (Benfica) Eficácia % (Moscavide)


32
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens


Unidade Curricular de Metrologia do Rendimento Desportivo

Jogo
Nº Lançamentos Nº Lançamentos Eficácia % Eficácia %
Zonas
(Benfica) (Moscavide) (Benfica) (Moscavide)
1 6 13 33,33 61,54
2 11 20 90,91 45,00
3 1 1 0,00 0,00
4 3 3 33,33 0,00
5 2 3 0,00 0,00
6 2 2 50,00 50,00
7 3 3 100,00 66,67
8 1 1 0,00 0,00
9 1 2 100,00 50,00
10 - - - -
11 1 3 0,00 0,00
12 4 1 0,00 0,00
13 4 4 75,00 50,00
14 3 4 33,33 25,00
15 5 3 60,00 33,33
16 6 4 50,00 75,00
L2 31 48 58,06 43,75
L3 23 19 43,48 36,84
LL 36 21 72,22 66,67

Eficiência Ofensiva Jogo


20

15

10

0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Nº Lançamentos (Benfica) Nº Lançamentos (Moscavide)

Eficácia Ofensiva Jogo


100,00

80,00

60,00

40,00

20,00

0,00
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Eficácia % (Benfica) Eficácia % (Moscavide)


33
Página

V Mestrado em Treino Desportivo para Crianças e Jovens