Você está na página 1de 184

Tradução Efetivada por The Rose Traduções

Disponibilizado: Stella Marques


Tradução: Niquevenen
Revisão Inicial: Tempestade, Stella Marques
Revisão Final e Formatação: Niquevenen
Uma semana.
Praia privada.
Menina invisível.
Valentão com cara de idiota.
O que pior poderia acontecer?
CAPÍTULO UM

QUIETO, SILENCIOSO, MUDO, abafado, parado, reticente...


Movi minha boca, soprei as palavras — silenciosamente — do meu
esconderijo.

Este jogo me confortou, me acalmou, resolveu meus nervos.


Sim, relembrar sinônimos no ataque de ansiedade era uma estratégia
de sobrevivência bizarra, mas funcionou. E funcionava bem pouco.

As vozes de fora do armário ficaram mais altas e foram


acompanhadas por um clique de saltos e o eco surdo de tênis. Prendi a
respiração e me esforcei para decifrar quando muitos conjuntos de pés
representados pelos sapatos que se aproximavam. Imaginei dois, porque
apenas duas vozes eram audíveis.

"... acha que ele vai querer transar com você? Depois do que
aconteceu na sexta-feira?" As palavras eram um silvo emanando de
uma voz masculina desconhecida; Eu fiquei tensa com o uso de
vulgaridade.

"Eu vou chegar tarde. Se você fizer o seu trabalho, então ele
não vai nem lembrar", veio uma resposta feminina. A mulher estava
mais próxima do meu esconderijo no armário de laboratório de química;
suas palavras eram, portanto, muito mais claras.

"Merda", disse ele. Tentei não bufar, aborrecida com sua


linguagem obscena, enquanto ele continuava. "Eu nem sei quanto usar.
Eu só usei em cadelas."
"Eu também não sei. Apenas... dobre. Martin tem o quê? Tipo,
o dobro do tamanho das garotas que você costuma dopar?"

Eu fiquei tensa, novamente, meus olhos se estreitando. O


nome Martin, em particular, fez meu coração bater mais rápido. Eu
conhecia apenas um Martin.

Martin Sandeke.

Martin Sandeke, o herdeiro de Sandeke Telecom Systems em


Palo Alto, Califórnia, e inteligente de um jeito próprio. Eu também vim
de uma família notável — minha mãe era senadora dos Estados Unidos,
o meu pai era o reitor da faculdade de medicina da UCLA, e meu avô
materno era um astronauta. No entanto, ao contrário da família de
Martin, não éramos bilionários. Éramos cientistas, políticos e
acadêmicos.

Martin Sandeke, com seus um e noventa de altura, físico


como o de Hércules e capitão da equipe de remo da nossa universidade.

Martin Sandeke, o mulherengo extraordinário e uma espécie


de idiota valentão.

Martin Sandeke, meu parceiro de anos de laboratório de


química e a pessoa mais inatingível no universo — com quem eu nunca
falei, exceto para pedir os béqueres, transmitir respostas, bem como
solicitar alterações ao nível de calor do meu bico de Bunsen1.

E por bico de Bunsen eu quis dizer, literalmente, meu bico de


Bunsen. Não o bico de Bunsen figurativo em minhas calças. Porque eu
esperava que Martin Sandeke não tivesse ideia de que ele afetava os
níveis de calor do meu bico de Bunsen figurativo.

1
NT: O bico de Bunsen é um dispositivo usado para efetuar aquecimento de soluções
em laboratório.
Ele afetava isso. Mas, obviamente, ele era cosmicamente
inalcançável e meio que um valentão — eu não quero que ele saiba
disso.

"Ele deve ter o dobro, então... sim. Eu acho", respondeu o


homem. Seus tênis arranharam sons no linóleo enquanto se
aproximava do meu esconderijo.

Revirei os lábios entre meus dentes e olhei para a fenda na


porta do armário. Eu não conseguia ver o rosto dele, mas podia
discernir agora que ele estava de pé em frente do armário, ao lado da
garota desconhecida. Talvez de frente para ela.

"Mas, o que há nisso para mim?" O monstro xingador


perguntou, sua voz mais baixa do que tinha sido, mais intimista.

Eu ouvi algo farfalhando, então sons de beijos.


Instintivamente, eu enfiei a língua para fora e engasguei de zombaria.
Ouvir demonstrações públicas de afeto era desagradável, especialmente
quando os estalos dos lábios e gemidos estavam envolvidos e mais
especialmente quando eu estava presa em um armário de laboratório de
química que cheirava fortemente a enxofre.

As próximas palavras ditas vieram e foram um pouco


chorosas. "Dinheiro, idiota. Martin é carregado disso — bem, sua
família é carregada — e eles vão me comprar. Tudo que você tem a fazer
é pôr o material esta noite na bebida dele. Vou levar ele para cima,
gravar a coisa toda. Bônus se eu ficar grávida."

Fiquei de boca aberta, meus olhos arregalados, incapaz de


acreditar no que acabara de ouvir. O horror, o farfalhar e estalar de
lábios continuou.

"Você dopa ele e eu vou dar cabo dele." Suspiros cheios de


prazer da menina eram audíveis e a sonoridade era bastante ridícula.
"Oh, sim baby — me toque aí." Estas palavras sussurradas
foram acompanhadas pelo som de um copo caindo no chão e um zíper
sendo desfeito.

Eu estremeci, fazendo uma careta. Realmente, as pessoas não


tinham boas maneiras ou senso de decência.

"Não, não, nós não podemos. Ele estará aqui a qualquer


minuto. Eu preciso ir embora", a menina pediu. Notei que isso soou
como uma mistura perfeita de arrependimento e pressa. "Você precisa
ter certeza de que ele fique em casa para a festa. Eu estarei lá as onze,
por isso dê a ele o material por volta das 22:30, ok?"

O zíper se fechou, o homem recuou para o armário. Eu


empurrei no estrondo resultante das portas. "Como você sabe onde ele
está o tempo todo?"

"Nós namoramos, lembra?"

"Não. Ele fodeu você. Você nunca o namorou. Martin Sandeke


não namora."

"Sim, bem, eu conheço a agenda dele. Ele vem aqui às sextas-


feiras e faz... o inferno se sei o que ele faz com a parceira feia de
laboratório dele."

Feia?

Eu torci meus lábios para o lado, meu coração apreendido no


meu peito.

Eu odiava a palavra feia. Era uma palavra feia.

Feio, nojento, bruto, disforme, rechaçado... Eu recitava


mentalmente. Por alguma razão, o jogo dos sinônimos não me ajudou
neste momento.

"Parceira de laboratório? Espere, eu ouvi sobre ela. O pai dela


não é um astronauta, ou algo assim?"
"Quem se importa? Ela não é ninguém. Kathy ou Kelly ou algo
assim. Seja como for," a menina bufou, os saltos de seus sapatos indo
para longe. "Esqueça ela, ela não é nada. O ponto é que você precisa
ficar aqui e ter certeza que ele vem hoje à noite, ok? Eu tenho que ir
antes que ele chegue aqui."

"Vadia, é melhor você não estar jogando comigo."

A menina respondeu, mas não entendi as palavras. Minhas


costas coçavam escondida no armário, eu não poderia chegar ao local.
Na verdade, seria um local de difícil acesso, mesmo se eu estivesse em
um campo aberto. Além disso, minha mente ainda estava recitando
sinônimos para feio.

Eu não achava que eu era feia.

Eu sabia que meu cabelo era normal. Era longo, ondulado, e


marrom escuro. Eu sempre o usava em um rabo de cavalo, um coque,
ou preso. Isso era porque o meu cabelo, exceto em aquecer a minha
cabeça, não servia para mais nada. Na maior parte das vezes, eu
ignorava isso.

Eu gostava dos meus olhos. Eles eram cinza. Era uma cor
incomum e tinha sido dito em mais de uma ocasião. Com certeza,
ninguém nunca disse que eles eram bonitos, mas ninguém nunca disse
que eles eram feios também. Isso tinha que contar para alguma coisa.

Eu não era uma supermodelo em altura ou tamanho. Mas não


era nenhum Jabbathe Hut2.

Meus dentes eram razoavelmente em linha reta, a não ser


uma lacuna visível entre os dois primeiros da frente.

Eu também era pálida — cor de papel, a minha melhor amiga,


Sam, disse uma vez. Minhas sobrancelhas eram muito grossas, eu

2
É um personagem fictício da saga Star Wars diretor norte-americano George Lucas.
É apresentado como um gângster alienígena corpulento e com formato de lesma.
sabia disso. Sam — abreviação de Samantha — muitas vezes
comentava que eu deveria arrumar elas, ou dizimar.

Ignorei esse conselho, já que eu não me importava com


sobrancelhas grossas, desde que elas nunca se tornem uma monocelha
como da minha tia Vicki.

Olhei para as minhas roupas confortáveis — minhas calças


com a boca larga e rasgada, um desgastado Converse e uma camiseta
enorme. Eu poderia ser simples, normal, ou até mesmo tímida. Mas não
é como se eu fosse um animal horrível que transformava as pessoas em
pedra, com um único olhar. Eu só estava... um pouco desarrumada.

Estava tudo bem para mim. Eu não precisava de atenção, não


queria isso. As pessoas, especialmente as pessoas da minha idade e,
especialmente, as outras meninas, faziam muito pouco sentido para
mim. Eu não via o valor em gastar horas na frente de um espelho,
quando poderia estar jogando videogame, ou tocando guitarra, ou lendo
um livro.

Mas às vezes, quando estou com Martin e estamos calculando


os níveis de partículas, eu quero ser bonita. Realmente, era a única vez
em que desejava parecer diferente. Então me lembrava de que ele era
um cara idiota e tudo voltava ao normal.

Eu me dei uma sacudida mental e cerrei os dentes.


Esforçando-me para ouvir, eu pressionei meu ouvido contra a porta do
armário e esperei que os sinais do homem desconhecido ainda
estivessem presentes. A coceira no centro das minhas costas estava se
espalhando e eu não sei quanto tempo mais poderia suportar. Na escala
da coceira, foi rapidamente se movendo de agravante a torturante.

Mas, em seguida, o som de passos arrastados se aproximou,


roubando a minha atenção.

Eles abrandaram, depois pararam.


"Ei cara. E aí?" Disse o misterioso demônio xingador.

"O que você está fazendo aqui?", perguntou Martin. Imaginei


que ele estava de pé na entrada para o laboratório porque sua voz era
um pouco abafada. Independentemente disso, ele fez o meu estômago
entrar em erupção em borboletas raivosas. Muitas vezes eu tinha uma
resposta física ao som da voz de Martin.

"Queria ter certeza de que você vai para a festa na minha casa
esta noite."

Ouvi mais passos. Eles eram de Martin. Eu reconheço a


marcha indiferente em qualquer lugar — porque eu era patética e talvez
um pouco obcecada com todas as coisas de Martin Sandeke. Mas a
diferença entre a minha obsessão com Martin e a obsessão das outras
meninas com Martin, era que eu não tinha absolutamente nenhum
problema em admirar seus traços mais sutis de longe.

Porque Martin realmente era uma espécie de idiota.

Ele nunca tinha sido um idiota comigo, provavelmente porque


eu era uma excelente parceira de laboratório. Falamos apenas sobre a
química — e ele gostava das tarefas — mas eu o tinha visto em ação.
Ele perdia a paciência e, em seguida, BOOM! Ele iria atirar pedra em
qualquer pobre alma que achasse responsável.

Se fosse uma menina, ela iria chorar depois de entrar em


contato com sua lâmina de barbear (e, por lâmina de barbear, eu quero
dizer o corte e ferida induzida). Ele nunca chamou elas pelos nomes, ele
não precisa. Ele acabava dizendo a elas a verdade.

Se fosse um cara, ele poderia utilizar apenas palavras. Mas às


vezes ele usava os punhos também. Eu tinha testemunhado isso uma
vez — Martin bateu em um namorado de um de seus muitos encontros
de uma noite. Pelo menos, esse foi o rumor que rolou depois que ambos
foram escoltados para fora do refeitório pela polícia do campus.
Martin era igualmente um idiota e, portanto, melhor evitá-lo
fora do laboratório de química.

Ninguém falou por um momento; então, endureci quando ouvi


Martin perguntar: "Onde está Parker?"

Essa era eu. Eu sou Parker.

Para ser mais precisa, eu sou Kaitlyn Parker, Katy para os


mais próximos; mas duvido que Martin saiba o meu primeiro nome.

“Parker? Quem é Parker?

"Minha parceira de laboratório."

"Eu pensei que a sua parceira de laboratório era uma garota."

"Ela é uma garota."

"O nome dela é Parker?"

Eu sabia que Martin estava perto agora, porque o ouvi


suspirar; suas próximas palavras foram pinçadas com impaciência. "O
que você quer mesmo?"

"A festa hoje à noite — você vai, certo?"

"Eu já te disse que estarei lá."

"Ótimo. Porque estou contando com você para ser meu braço
direito." A voz do homem misterioso começou a se desvanecer. Imaginei
que ele estava saindo, já que tinha assegurado que ele ia à festa.

"Sim, que seja", foi a resposta de Martin.

"Eu te vejo hoje à noite, mano. É melhor você vir, estou


falando sério."

Martin não respondeu. Imaginei que o homem desconhecido


finalmente saiu, porque, depois de uma pausa em silêncio, ouvi Martin
liberar um xingamento muito audível. Era pesado, exagerado, e
aromatizado com exasperação; eu o tinha ouvido empregar este suspiro
uma vez antes com uma garota que o seguiu para o nosso laboratório
de química. Eu nunca quis ver o fim da recepção desse suspiro — até aí
tudo bem.

Enquanto isso, eu ainda estava no armário de química e a


coceira do século havia se espalhado para os meus ombros e estômago.
Eu provavelmente ficaria louca se não saísse de lá dentro nos próximos
dez segundos. Parecia que eu estava sendo picada várias vezes por uma
legião de formigas de fogo.

Durante esses dez segundos eu debati minhas opções.

Eu poderia ficar no armário, esperar Martin sair, ficar


tranquilamente insana, em seguida, enviar a ele um bilhete anônimo
sobre a conversa que eu tinha ouvido.

Ou, eu poderia brotar do meu esconderijo, coçar a coceira,


parecendo com a idiota que eu era, então esperar que ele fosse esquecer
como eu me deliciei com os detalhes da conversa que tinha ouvido.

No final, não importava porque as portas do armário abriram-


se abruptamente. Uma lufada de ar fresco seguiu e eu encontrei-me
cara a cara com Martin Sandeke.

Seus olhos eram azuis e excepcionalmente lindos. Eles me


fizeram lembrar uma chama azul. Bem, geralmente, eles eram
adoráveis, no momento eles se estreitaram e aguçaram, e focaram
diretamente em mim. Começando com meus olhos, eles se mudaram
para baixo, em seguida, para cima, terminando onde começou.

Ele era realmente uma espécie magnífica. Todo ombros largos


e quadris estreitos, com as coxas grossas musculosas de um remador.
Seu cabelo castanho era manchado de loiro — provavelmente devido a
todo o seu tempo na água e no sol.
Eu não estava acostumada com isto — ele olhando para mim,
tão de perto assim, supostamente, combinado com minhas palpitações
femininas normais, eu não conseguia respirar por alguns segundos.

Finalmente, ele disse: "Parker".

"Sandeke."

"O que você está fazendo?"

"Uh..." Eu soltei a respiração que estava segurando e


impensadamente arqueei as costas, chegando atrás de mim para
arranhar minha coceira.

Talvez fosse o efeito de seus olhos e beleza inevitável, ou talvez


fosse porque eu o tinha visto rasgar as meninas em pedaços e era,
portanto, um pouco de medo de uma potencial conversa não
relacionada a química. Ou talvez fosse a coceira entre meus ombros,
porque sem pensar, soltei a verdade, "eu estava me escondendo no
armário."

Sua testa franziu, mas seu olhar relaxou um pouco, simples


confusão. "Por que você está se escondendo no armário?"

Estendi a mão no meu ombro, esticando meu braço e tentei


chegar a coceira com minha mão esquerda em vez de minha direita. Isto
não funcionou.

"Por que alguém se esconderia em um armário de química?"


Dei de ombros, principalmente porque esperava que o movimento fosse
me ajudar a chegar à coceira.

Ele levantou uma sobrancelha e me agarrou pelos meus


braços, puxando e levantando-me como se eu pesasse quase nada. Ele
me colocou no chão em segurança.

As mãos de Martin em meus braços enviaram um raio de


consciência feminina para a boca do meu estômago. Foi emparelhado
com uma vergonha tardia por ter sido encontrada enquanto uma
explosão de calor espalhou-se do meu peito para o meu pescoço.

Ele ainda agarrou meus braços quando perguntou: "Você se


esconde no armário frequentemente?"

"Às vezes", eu disse distraidamente, minha mandíbula


apertada, disposta a fazer o meu rubor recuar.

"Você faz isto todos os dias?"

"Não. Só em ocasiões especiais, como quando pessoas


estranhas chegam para planejar a sua morte." Eu torço para fora de seu
aperto, balanço e não consegui encontrar o ponto necessário para
garantir alívio.

"Planejando a minha morte?" Seus olhos corriam por cima de


mim novamente, eu poderia dizer que ele estava estudando meus
movimentos. "O que você está fazendo?"

"Tentando alcançar uma coceira entre as minhas omoplatas."


Meu cotovelo estava no ar agora, minha mão para baixo do pescoço da
minha camisa.

Os olhos de Martin ampliaram, então ele piscou. Sem dizer


uma palavra, ele deu um passo adiante em meu espaço pessoal. Antes
que eu pudesse compreender o que estava acontecendo, ele me apoiou
na mesa de laboratório e eu estava presa. Martin estava contra mim,
seus braços em volta do meu corpo, suas mãos escorregaram dentro da
minha camiseta para o centro das minhas costas, e então seus dedos
coçavam o espaço inacessível entre as minhas omoplatas.

No começo eu fiquei tensa porque... OS BRAÇOS DE MARTIN


SANDEKE ESTÃO AO MEU REDOR. SUAS MÃOS ESTÃO SOB MINHA
CAMISA. SEU CORPO ESTÁ PRESSIONADO CONTRA O MEU!

AI MEU DEUS.
QUE PORRA É ESSA?

MELHOR SER RÁPIDO!

Mas então, a reação de garota fã muito compreensivelmente


atrofiada do meu cérebro, teve seus movimentos rapidamente eclipsado
pelo alívio de êxtase de uma polegada arranhada.

Eu derreti em seus braços, minha testa descansando contra


seu peito, e eu gemi minha satisfação.

"Oh, sim, Deus. Esse é o ponto... Por favor, não pare", eu


murmurei, obviamente, fora da minha mente.

Mas me senti tão bem. Muito, muito bem. Como afundar-se


em um banho de espuma quente após uma caminhada de uma milha
através do noroeste.

Martin não parou.

Bem... Não exatamente.

Em vez disso, ao longo de um minuto, ele deixou de usar as


unhas, e em vez disso começou a acariciar e massagear minhas costas
com seus dedos e mãos. Eu percebi tarde demais que sua cabeça tinha
mergulhado até meu pescoço e seus lábios estavam contra a minha
orelha, sua respiração quente me fazia cócegas e provocava arrepios
deliciosamente perigosos na minha espinha, e para baixo nas costas,
das minhas pernas para meus dedos do pé.

"Você está se sentindo melhor?" Ele sussurrou, então mordeu


— sim, ele mordeu! — meu pescoço, como se ele estivesse me
degustando.

Então, ele me mordeu novamente.

Eu respirei fundo e meus olhos se abriram, mesmo quando


meu corpo instintivamente se arqueou para ele. A realidade surgiu no
meio do nevoeiro delicioso de seu ministério, como um daqueles
perturbadores e chocantes palhaços de corda da caixa de surpresas.

Depois de um ano e meio de praticamente nada, apenas


interações acadêmicas mundanas, eu estava no laboratório de química
com Martin Sandeke e suas mãos estavam vagando, liberal, e
gananciosas. Seu rosto estava escondido no meu pescoço. Eu estava
presa contra uma mesa de laboratório. Nossos corpos estavam
intimamente ligados.

E eu tinha acabado de gemer.

Será que foi um soluço?

Eu levantei as palmas das mãos contra o seu peito para


afastá-lo. Isso só fez suas mãos vagarem ainda mais, agora na curva da
minha cintura, e seus punhos me apertaram. Ele fez nossas frentes se
juntarem de forma mais completa.

"Um..." Limpei a garganta, encontrei a minha voz trêmula.


"Sim, sim, muito melhor", resmunguei.

Ele riu. Na verdade, foi mais como uma risada preguiçosa.

Uma das mãos de Martin caiu nas minhas costas e sob a alça
do meu sutiã, onde a coceira tinha sido, o seus dedos espalhados
amplos. A outra foi para o clipe na minha cabeça e soltou a mola.

Meu cabelo caiu como uma cortina e eu o senti envolver a


mão em torno do comprimento e espessura.

Eu o empurrei de novo, inclinando a minha cabeça para o


lado e para longe, sentindo-me sem fôlego. "Estou melhor agora.
Obrigada pela ajuda. Seus serviços não são mais necessários." Em
todos os lugares que ele tocou enviou ondas de consciência e de calor
para o meu núcleo.
Minha tentativa de fuga foi um fracasso, porque, assim que eu
pressionei contra ele a sério, Martin puxou meu cabelo, me incentivou a
inclinar o queixo para cima. Então ele me beijou.

E — droga, droga, droga, — ele era um bom beijador.

Mais precisamente, desde que eu tinha experiência


grosseiramente limitada no departamento de beijo, ele era o que eu
imaginava que um bom beijador seria. As meninas gentis fantasiavam
sobre isso. O cara que apenas leva o que quer, quando ele está com
fome e você está no menu, mas de alguma forma torna épica para
ambas as partes envolvidas.

No preâmbulo, prólogo, ou prefácio. Apenas urgente,


fervorosos, beijos de adoração, um após o outro. Eu não tinha escolha,
apenas envolver meus braços em volta do seu pescoço, ficar na ponta
dos pés, e tentar beijá-lo de volta. Porque, honestamente, a maneira
como ele me segurou, a maneira como ele rosnou quando nossas
línguas se encontraram, a forma como sua boca se moveu sobre a
minha, ele exigia.

Além disso, nos recessos da minha mente, eu percebi que toda


essa situação era completamente absurda. Provavelmente, ele estava
bêbado, ou tropeçou em ácido, ou estava jogando algum tipo de
brincadeira.

Um dia, eu seria capaz de persuadir os meus netos a reunir


em volta enquanto eu colocava minhas boas dentaduras — as sem
espaço entre os meus dois dentes da frente, e eu diria a eles pela
milionésima vez sobre como Hércules tinha uma vez acidentalmente me
beijado no laboratório de química na minha Faculdade Ivy League.

A necessidade de ar, eventualmente, exigiu que nossos lábios


se separassem, embora separados apenas por polegadas. Se eu
inclinasse a cabeça para frente nossos narizes tocariam.
Eu abri meus olhos tão largos quanto eles podiam e olhei para
os seus, onde encontrei seu olhar alternadamente movendo-se entre
meus lábios e os olhos. Constatei também que eu não era a única
respirando pesadamente.

Eu disse e pensei em uníssono, minha voz um pouco acima de


um sussurro: "O que foi isso?"

Seus olhos pararam de se mover sobre o meu rosto e, em vez


disso, se estabeleceu preso com os meus olhos. Eles foram aquecidos
e... quentes e... intensos. Eu estava começando a entender por que o
sangue de mil virgens tinha sido sacrificado no altar de sua potência
sexual.

Tentei engolir. Eu não pude.

"Isso foi necessário," ele finalmente disse. Na verdade, ele


rosnou.

"Necessário?"

"Sim. Precisava acontecer."

"Precisava?"

Ele acenou com a cabeça uma vez e se inclinou, como se


estivesse indo fazê-lo novamente. Eu endureci, minhas mãos se
mudaram instantaneamente para seu peito e frustrei seu avanço,
porque, se ele começasse a me beijar, era certamente um sinal de
Armagedom. Além disso, eu estava tão longe do meu nível de conforto,
estava em uma dimensão alternativa.

"Não, não, não, não." Eu torci a cabeça para o lado, apoiei as


mãos contra a parede imponente de seu peito. "Nós não vamos fazer
isso de novo. Eu não beijo meninos inatingíveis, é uma das minhas
regras de vida."
Ele puxou meu cabelo — eu esqueci que ele envolveu sua mão
em torno dele — e pressionou meu corpo contra a superfície preta da
mesa do laboratório. Seu outro braço, ainda sob minha camisa,
envolvido completamente em torno de mim.

"Sim. Vamos fazer isso novamente."

"Não. Não vamos. Nós não vamos fazer nada a menos que
envolva a medição da composição de traços de elementos, em águas
superficiais."

“Parker...” Sua mão esquerda deixou o meu cabelo e deslizou


sob minha camisa de novo, abrangendo meu lado e estômago.

"Porque nós somos parceiros de laboratório e parceiros de


laboratório não se beijam."

"Então nós não somos mais parceiros de laboratório."

"Não é possível alternar parceiros de laboratório no meio do


semestre."

"Eu posso."

Meus dedos mudaram para pegar seus pulsos, porque suas


mãos estavam em seu caminho para a segunda base; Eu interceptei
com sucesso seu progresso em direção ao norte. "Não. Eu não faço
isso."

"Fazer o quê?" Ele acariciou meu pescoço e sussurrou contra


a minha pele. Ele deve saber que focinhar ia fazer minhas entranhas
derreter. Eu imaginei que ele realizou experimentos metódicos para a
maneira mais rápida para auto-lubrificação feminina.

"Eu não sou uma de suas meninas fáceis, ou mesmo as


difíceis." Minha voz vacilou, então limpei minha garganta. "Eu nem sou
realmente uma menina. Eu sou mais parecida com um dos meninos.
Pense em mim como um garoto".
"Não é possível."

"É verdade. Você beija meninos? Porque, se não, então eu


acho que você deve ter me confundido com outra pessoa."

Seus movimentos se acalmaram e passou um longo momento.


Então suas mãos caíram, ele afastou-se, e eu caí ligeiramente para
frente — a mistura estranha de se sentir destituída e aliviada.

"Você é lésbica." Ele disse as palavras como se explicasse um


mistério que ele estava tentando resolver durante anos.

Tiro os meus olhos dele. Ele estava quatro pés de distância e


eu o encontrei me olhando com um amanhecer de algo. Se eu não
soubesse de nada, isso pareceria decepção e frustração.

Engoli em seco, com sucesso, lambi os lábios, depois balancei


a cabeça. A ironia de sua confusão não foi perdida para mim.

Meu primeiro e único namorado tinha sido gay. Eu só não


sabia disso enquanto estávamos namorando todo o ensino médio.

Eu ainda estava tentando recuperar o fôlego quando respondi:


"Não. Eu não sou gay. Eu sou apenas... não estou interessada em você
desse jeito."

Isto era verdade, porque testemunhei seu caminho de


devastação com meus próprios olhos.

Isto também era uma mentira, porque eu estava


definitivamente interessada nele dessa forma, não o depois, a parte em
que ele diria que era sexo sem sentido, me faria chorar, e me diria para
superar isso.

Suas sobrancelhas pularam uma fração de um centímetro na


minha declaração de calma.

"Não está interessada...", repetiu ele.


Eu dei um passo para o lado, escalando o comprimento da
mesa, e peguei minha bolsa. Eu a levantei ao meu ombro, escapar agora
era a única coisa em minha mente. Seus olhos ligeiramente apertados
seguiram os meus movimentos.

"Eu sei, certo?" Eu tentei soar auto-depreciativa, que não foi


difícil, porque eu realmente queria dizer minhas próximas palavras.
"Quem sou eu? Eu não sou ninguém."

"Você não é ninguém", ele respondeu. "Sua mãe é uma


senadora e seu avô era um astronauta."

Eu me encolhi. Eu odiava quando as pessoas subiam a minha


família. "Só porque minha família é famosa, não significa que sou
alguém."

Ele se moveu para frente e disse com uma quantidade


surpreendente de veemência. "Exatamente! Isto é exatamente certo."

"Eu sei, certo?" Eu prontamente concordei. "Veja, sou normal.


E você é você e eu tenho certeza que você está acostumado ao som
ensurdecedor de calcinha batendo no chão cada vez que você entra em
uma sala. Mas eu não faço esse tipo de coisa, até mesmo por Hércules.
Claro, eu vou pensar sobre a possibilidade mais tarde, quando estiver
com segurança sozinha na cama, mas eu nunca fantasio polinização
cruzada e realidade."

"Quando você está sozinha na cama?"

Eu não reconhecia suas palavras porque... mortificação.

Em vez disso, eu disse: "Eu não sou uma garota rápida e


solta. Eu sou uma menina lenta e constante. Quem sabe quando ou se
algum dia vou cruzar a linha de chegada?"

Ele piscou para mim, pelo meu dilúvio de palavras. Eu nem


sequer tentei ler sua expressão, porque estava tão concentrada em
andar para trás para fora da sala.
"Você está indo embora?" Perguntou.

"Sim." Eu joguei meu polegar sobre meu ombro. "Eu estou


indo agora. E não se preocupe com o experimento. Eu vou entrar nas
férias e terminá-lo. E quando eu ver você depois do intervalo, tudo
voltará ao normal. Nós podemos esquecer que isso aconteceu. Nós
nunca devemos falar sobre isso." Minha voz falhou na última palavra.

"Parker..."

"Tenha uma ótima férias de primavera."

"Kaitlyn..." Ele deu dois passos para frente como se estivesse


indo me parar, mas parou ao ouvir o som de trituração de vidro sob os
pés. Ele olhou para seus pés, notando pela primeira vez o copo
quebrado no chão. "Que diabos?"

Aproveitei a oportunidade oferecida pela sua atenção dividida


e sai correndo para fora da sala.

Na verdade, eu corri pelo corredor como uma pessoa insana e


entrei no elevador, mesmo antes de ser fechado. Eu ainda corri de volta
para o meu dormitório, não comecei a relaxar até que cruzei o limiar da
área de acesso do cartão-chave, subi os três lances para o meu quarto e
tranquei a porta atrás de mim.

Joguei minha bolsa para o canto do pequeno espaço, me


joguei para trás na minha cama, e esfreguei os olhos com a base de
minhas palmas. A cena no laboratório brincando uma e outra vez atrás
de minhas pálpebras fechadas — ele me tocando, me beijando, coçando
a coceira impossível.

Não foi até vários minutos depois que percebi que tinha me
esquecido de lhe dizer sobre o enredo covarde que eu tinha ouvido.
CAPÍTULO DOIS

"Eu não posso acreditar que você concordou com isso".

"Cala a boca, Sam."

Enfiei meu longo cabelo castanho atrás de meus ouvidos.


Conscientemente, eu alisei a saia do vestido preto que ela me
convenceu a usar, irritada — pela vigésima vez — que a bainha da saia
terminou no meio da coxa.

"Você está quente, puta. Apenas faça isso." Sam me cutucou


com o cotovelo e eu fiz uma careta.

Se alguém tivesse me perguntado há doze horas como eu iria


passar a noite de sexta-feira das férias de primavera, teria dito a eles
que estaria enrolada na minha cama contra travesseiros fofos, tomando
chá e comendo biscoitos durante uma leitura.

Eu não faria e não poderia ter sondado que estaria no meu


caminho para uma festa de fraternidade, vestida coberta de renda no
alto das coxas, um vestido preto, saltos agulha, com o meu cabelo para
baixo, e usando maquiagem.

Está certo. Maquiagem. No meu rosto. Com sombra de glitter


no olho.

Além disso, minhas sobrancelhas foram arrancadas.


Arrancadas! Gah!
Revirei os olhos e bufei como a reclusa descontente que eu
era. Eu preferiria comprar um sutiã a ir para uma festa da fraternidade,
o que queria dizer muito.

"Oh, vamos lá, Katy. Não havia nenhuma maneira que nós
poderíamos entrar na festa usando camisetas da banda e calças de
homens. Esta é uma festa só de saias."

Eu tinha sido instruída no início da noite que uma "festa só de


saias" é uma festa da fraternidade, onde todas as meninas são
obrigadas a usar saias curtas. Ao ouvir essa notícia, eu brevemente
considerei deixar Martin ao seu destino. No final, minha consciência
não me deixaria.

Consciência idiota. Sempre me obrigando a fazer coisas.

"Você age como se arrumar fosse uma tortura", ela continuou.


"Você está quente." Sam, que eu suspeitava estava esperando por uma
chance como essa, desde o nosso primeiro ano do ensino médio, não
parecia nada com pena de mim.

"Eu não pareço quente. Eu me sinto ridícula."

"Você é um bebê."

"Cala a boca."

"Um bebê quente. E os caras vão querer um pouco disso." Ela


apontou para mim com o pulso, indicando meu peito e traseiro.
"Especialmente a bunda".

Resmunguei, mas não fiz nenhuma outra resposta audível.


Interiormente, eu me amaldiçoei pela centésima vez que não alertei
Martin sobre o que eu tinha ouvido no laboratório de química
anteriormente. Se eu apenas mantivesse meu juízo sobre mim estaria
enrolada com um livro agora, em vez de caminhar em direção a um covil
de iniquidade vestida como uma menina.
Mesmo que ainda estivéssemos a dois quarteirões de
distância, eu podia ouvir os sons da festa. Meu pescoço se sentia duro e
minhas mãos estavam pegajosas.

O plano era bastante simples. Eu iria encontrar Martin,


explicar sobre o enredo que eu tinha ouvido, então poderíamos sair.
Sam não era o tipo de garota de festa de fraternidade. Sim, gostava de
se arrumar, mas ela chamava a irmandade de garotas de
"Irmanstitutas"3 e a fraternidade dos caras de "Fratergalinhas."4 Ela
rotulou-os "pensadores de grupo" e alegou que eles sofriam de uma
mentalidade de rebanho.

Ela era uma espécie de calculista dessa forma.

Eu não tinha dado a irmandades ou fraternidades muita


reflexão, por que... Não faz sentido.

"Eu ainda não entendo por que você não tem o seu número de
celular. Ele é o seu parceiro de laboratório, certo? E ele era seu parceiro
de laboratório no semestre passado também?" Sam jogou seus cachos
loiros por cima do ombro.

Sam era um pouco menor do que eu e estava frequentando a


universidade com uma bolsa de tênis.

Ela estava determinada a entrar em Direito em Harvard e,


portanto, como eu, ela estava concentrada, passando muito de seu
tempo procurando maneiras de se esforçar mais. Sua atitude toda
negócios lhe fez uma melhor amiga e companheira de quarto ideal.

"Eu simplesmente não faço. Eu não tenho o número dele."

"Por que não?" Ela pressionou. Ela me fez esta pergunta


várias vezes enquanto estávamos nos vestindo, ou melhor, enquanto ela
estava me vestindo.

3 Irmandade+prostitutas

4 Fraternidade+galinhas
"Porque", eu respondi novamente, enxugando as palmas das
mãos sobre o vestido.

"Porque, por quê? E se você precisasse entrar em contato com


ele sobre um projeto?"

"Eu iria deixar-lhe um bilhete."

"Uma nota? Onde? Quando? Como?"

"No laboratório de química, no armário."

"Você passa outros bilhetes?" Seu tom se tornou provocação.

"Não. Não é desse jeito. Vou deixar um bilhete se eu não puder


ir às sextas-feiras e ele faz o mesmo. Ou, se eu terminar algo sem
esperar por ele, esse tipo de coisa."

"Mas por que ele não quer que você tenha seu celular..."

Eu parei de andar e encarei-a. "Ele tentou dá-lo a mim, ok?


Ele tentou no último semestre trocar os números e eu não quis. Você
pode simplesmente largar isso?"

"Você não pegou o número de Martin Sandeke?" Ela


perguntou, como se as palavras que eu tinha acabado de falar não
fizessem sentido.

"Está certo."

"Mas... por que diabos não? Ele é... ele é... ele é Martin
Sandeke!"

"Porque ele é Martin Sandeke. É por isso que eu não peguei o


número." Eu comecei a andar novamente, meus dedos protestando
contra o movimento.

"Katy, você tem uma queda por Martin Sandeke desde a


primeira semana de aula, há dois anos, quando você o perseguiu fora
da física, antes mesmo de saber quem ele era".
"Isso é porque ele é fisicamente bonito e agradável aos olhos",
eu murmurei.

"Ele tenta dar-lhe seu número de telefone e você não o pega.


Porque você fez isso? Explique-me."

"Porque, você me conhece, quando fico bêbada, — mesmo que


isso só aconteceu duas vezes — eu ia discar para ele bêbada! Liguei
para Carter a última vez que isso aconteceu."

Carter era meu namorado do colegial que nunca pareceu


interessado na intimidade física a menos que tivéssemos uma
audiência. Desde que ele foi meu único namorado, eu achei que isso era
normal. Nós teríamos nos separado como amigos.

Mas no ano passado eu deixei-lhe uma mensagem bêbada


perguntando por que ele nunca tentou dormir comigo. Quando acordei
na manhã seguinte, e tudo veio como inundações de volta, isso me
levou três semanas para retornar suas chamadas.

Quando eu finalmente fiz, ele me informou que era, de fato,


gay. Além disso, ele tinha apreciado a minha vontade de ser seu desafio
no colégio. Ele também me assegurou que, se não fosse gay, teria
tentado entrar em minhas calças, rápido e muitas vezes.

Tudo parecia uma pena.

Foi a pior conversa que tivemos.

Sam me parou novamente com a mão no meu cotovelo. "Isso


foi no verão passado e Carter é história antiga."

"Podemos apenas acabar com isso?" Eu implorei, não


querendo falar sobre Carter ou sobre a minha história romântica
atrofiada.

Sam lançou uma respiração audível. "Katy, você é linda e


desejável..."
"Oh meu Deus, sem mais provocações. Eu estou usando um
vestido, não estou? Eu deixei até mesmo você colocar maquiagem em
mim."

"Eu não estou brincando com você. Estou tentando tirar você
desse medo perpétuo que você está. Você esconde-se atrás de roupas
largas e sobrancelhas tão espessas que poderiam ser bigodes. Carter é
uma pessoa adorável, mas ele não deveria ter usado você assim. Agora
você é toda distorcida na cabeça."

"Podemos não falar sobre isso?"

"Só se você prometer conseguir o número de Martin hoje à


noite."

Eu balancei a cabeça, mudei em meus pés. "Eu não vou. Eu


não quero ligar bêbada para Martin Sandeke alguns meses a partir de
agora. Ele não vai ter pena, ele é cruel. Ele vai rir na minha cara e me
fazer chorar."

Sam estalou a língua, revirou os olhos, e começou a andar


novamente. "Bem. Tanto Faz. Vá ao longo da vida reprimindo sua
sexualidade porque um menino — um menino estúpido que estava
confuso — e a usou para esconder sua própria agitação interior".

"Obrigada."

"Não me agradeça."

Eu deixei seu comentário sarcástico ir porque estávamos na


mesma quadra da casa da fraternidade.

Era o que se poderia esperar de uma casa de fraternidade em


uma escola da Ivy League. Grande, várias histórias, classicamente
pintada, gramado bem cuidado repleto de copos vermelho e foliões
bêbados.
A massa de corpos — de pé, sentados, inclinando-se —
derramado pela porta da frente, descendo a escadaria, e sobre a grama.

Na entrada da casa estavam dois homens muito grandes. Na


verdade, eu tenho a nítida impressão de que eles eram caras-leões de
chácara. Ambos estavam vestidos com camisas pólo da fraternidade e
seus pescoços eram tão grossos como minha cintura. Eles estavam
conversando com um grupo de cinco altas, meninas gostosas.

Seus olhos examinaram Sam e eu quando chegamos a


varanda envolvente enorme.

Diante de nós, duas meninas em jeans e um cara — também


em jeans — começaram a cruzar o limiar da casa.

"O que vocês acham que estão fazendo?" Um dos grandes


caras estendeu a mão e parou seu progresso.

A menor das duas meninas vestidas de jeans encolheu os


ombros e olhou para o cara grande. "Indo para a festa."

"Não, esta é uma festa de saias."

O segundo grande cara apontou o queixo em direção a Sam e


eu. "Vocês podem ir, meninas." Sam me empurrou gentilmente no
ombro e nos mudamos em torno do grupo parado na entrada. Uma vez
lá dentro, Sam e eu tecemos através dos corpos; Eu não tinha ideia de
onde estávamos indo ou como eu ia encontrar Martin.

Olhando em volta, comecei a me sentir um pouco melhor


sobre o meu vestido. Era preto de algodão, sem mangas, e mais curto
do que eu pensava ser apropriado, mas era modesto em comparação
com alguns dos vestidos e minissaias que vimos quando entramos na
porta de entrada gigantesca.

Eu não, no entanto, me sentia melhor sobre a multidão.


Pessoas em toda parte; dançando, beijando, discutindo, bebendo, rindo.
Mesmo tendo em conta o enorme tamanho da entrada, o esmagamento
parecia sufocante.

"Desculpe."

Eu dei um passo para o lado para permitir que três rapazes


altos e bonitos escovassem passando. Eles pareciam quase
intermináveis — cabelos castanhos intencionalmente longos, cortados
no estilo moderno, pele bronzeada; dois deles tinham olhos castanhos, o
outro era azul. Eles estavam vestindo camisas pólo da fraternidade e
todos os três desaceleraram, seus olhos se movendo sobre Sam e eu
com interesse comum.

O último dos rapazes parou; ele agarrou meus quadris, em


seguida, emitiu um sorriso muito bonito e glamoroso.

"Ei, quem é você?"

Eu abri minha boca para responder que não era ninguém e


que ele não deveria sair por aí tocando pessoas sem a sua permissão,
mas Sam puxou minha mão e se inseriu na conversa. Ela teve que
semi-gritar, a fim de ser ouvida sobre a música envolvente e as vozes.
"Nós estamos procurando por Martin Sandeke. Ele está aqui?"

O de olhos azul do trio bufou uma risada e sacudiu a cabeça.


"Entre na fila, querida."

Sam inclinou a cabeça para o lado, estreitou os olhos para ele.


"Ouça, nós não vamos ficar. Esta é a sua parceira de laboratório, ela
precisa falar com ele sobre uma aula. Você sabe onde ele está?"

Os três garotos trocaram olhares confusos; o que tinha as


mãos sobre meus quadris se inclinou para o meu ouvido. "Você é
parceira de laboratório de Sandeke?"

Eu balancei a cabeça, finalmente encontrando minha voz.


"Sim. Ambos os semestres. É realmente importante que eu fale com ele
sobre, hum... um projeto que é suposto ser feito durante as férias. Além
disso, eu realmente aprecio se você pudesse remover suas mãos de
cima de mim."

Ele piscou para mim, franziu a testa, em seguida, tirou as


mãos e deu um passo para trás ou deu um passo para trás o tanto que
conseguiu no esmagamento. "Você realmente é o seu parceiro de
laboratório?"

Seus olhos pareciam procurar o meu rosto com interesse. Na


verdade, todos os três pareciam estar olhando para mim um pouco
engraçado. Alisei minha mão para baixo da minha saia novamente e
estava agradecida pelas luzes ofuscantes. Sob seu triplo-bonito-olhar,
eu sabia que estava corando incontrolavelmente.

"Ela é, ela é a filha do astronauta", aquele com olhos azuis


finalmente disse, como se tivesse acabado de perceber e, portanto, me
reconheceu. Ele disse como se eu fosse uma celebridade.

Isto foi agravante.

Eu apertei os lábios antes de murmurar: "Ele é meu avô."

"Eu estou na classe do Professor Gentry também." Olhos azuis


estendeu a mão, capturado a minha; sua expressão estava sondando e
tingida com respeito enquanto se movia sobre o meu rosto. "Você parece
muito diferente fora da aula. Você fez algo diferente para... seu rosto?"

Eu pensei em responder que ficaria feliz em fazer algo


diferente para seu rosto, como dar um soco nele, mas Sam falou
primeiro.

"Então, vocês três amigos podem nos levar para Martin?" Sam
parecia não gostar desta última pergunta sobre o meu rosto, tanto como
eu, porque seu tom realizava raiva moderada. "Não temos muito tempo."

Esta foi uma afirmação verdadeira. Já era 22:10 e eu sabia


que, com base na minha espionagem, a "droga" iria ocorrer por volta de
22:30.
Olhos azul acenou com a cabeça, ainda segurando minha
mão. "Claro, claro. Siga-me." Ele me puxou para frente.

Olhos castanhos, aquele que se sentiu confortável colocando


as mãos sobre meu corpo, piscou para mim enquanto eu passava.
"Encontre-me mais tarde, vamos ter algum divertimento."

Seu companheiro bateu-lhe na parte de trás da cabeça e eu o


ouvi dizer quando saímos, "Não é provável, idiota."

"Eu sou Eric," Olhos azul jogou para nós por cima do ombro.
"O Ataque é desta forma."

"Ataque?"

"Martin é o Ataque." Eric virou brevemente para explicar.


Fizemos uma corrente, três de nós, que teceu através de corpos de
mulheres pouco vestidas e rapazes de fraternidade libidinosos. "Ele está
no assento oito no barco. Chama-se a sede do ataque, porque ele define
o ritmo do ataque para o resto do barco. Então, nós o chamamos de
Ataque."

Eu cerrei os dentes através dos empurrões, ignorei as partes


do corpo que pressionavam contra mim ou o título definitivo roubando
minha anatomia.

Martin era chamado de Ataque. De alguma forma, esse apelido


se ajusta.

Eric levou-nos a uma escada, onde ficava o outro cara de


porteiro. Ele acenou com a cabeça uma vez para Eric e sorriu para Sam
e eu. Eu deduzi que ele pensou que nós estávamos a caminho de nos
envolver em um menáge (um acoplamento a três). Isto, naturalmente,
fez o meu blush intensificar.

Consciência idiota.
Eu lutava para subir as escadas nos saltos, quase perguntei
para Eric se eu podia removê-los.

Eu estava tão ocupada a debater se devia ou não tirar os


sapatos que quase colidi com as costas de Eric quando ele parou na
frente de um par de excessivamente grandes portas duplas.

"Ele está aqui." Eric virou-se, inclinou a cabeça, em seguida,


soltou a minha mão para empurrar a porta aberta.

"Obrigada." Eu balancei a cabeça uma vez e agarrei a mão de


Sam mais apertado quando me mudei para entrar.

"Não. Não. Ela fica aqui fora." Eric balançou a cabeça e


apontou para Sam.

"O quê? Por quê?"

"Apenas uma menina de cada vez, a menos que ambas sejam


convidadas."

Olhei para Sam e imaginei que tinha uma expressão


semelhante atordoada.

"Desculpe-me?" Perguntou Sam. "O que ele é? Um sultão?


Será que ele tem um harém?"

Eric sorriu, seus olhos se moviam sobre Sam com fogo brando
de avaliação. "Eu vou te fazer companhia, cupcake".

"Não, obrigada, dildo5", ela respondeu.

Isso só fez o seu sorriso alargar, no entanto, ele disse, "Você


está segura comigo. Eu prometo que a única coisa que vou fazer para
você é te olhar".

Ela olhou com raiva. Ele estreitou os olhos ironicamente,


embora sua diversão e prazer na troca fosse óbvia.

5
Vibrador.
"Eu não estou preocupada comigo", explicou Sam. "Eu não
confio em seu menino ao redor da minha menina, não nesta casa."

O olhar de Eric moveu sobre meu vestido; seu sorriso


diminuiu, suavizado, como se soubesse um segredo sobre mim. "Kaitlyn
está segura. Mas se ela não estiver fora em 15 minutos vamos resgatá-
la juntos."

Eu não gostava do que suas palavras inferiam ou o que


implicava. Eu não era uma donzela. Eu não ia precisar de resgate. Se
alguém era uma donzela nesta situação era Martin Sandeke. Eu iria
resgatá-lo, ele simplesmente não sabia disso ainda...

Eu me dirigi para Sam, minha voz baixa. "Eu estarei bem.


Martin não vai fazer nada. Vou apenas dizer-lhe sobre a, hum, a
atribuição e, em seguida, vou embora."

Sam estava oscilando, ainda indecisa. Depois de um momento


prolongado ela deixou escapar: "Oh, tudo bem." Em seguida, ela desviou
o olhar para Eric. "Mas eu estou cronometrando isso. Eu tenho um
relógio." Ela levantou seu pulso para que ele pudesse ver a prova do seu
pedaço de tempo.

"Notável", disse ele com um grande sorriso, em seguida,


levantou as mãos como se ele se rendesse.

Antes que eu perdesse a cabeça, virei para a porta e abri — só


olhei para trás uma vez para Sam antes de entrar e fechar atrás de
mim.
CAPÍTULO TRÊS

Não sei o que eu esperava, mas não era uma mesa de


sinuca.

Eu pairava na entrada da sala, apenas dentro do pequeno


quarto, e vi como Martin e outros três caras bem-humorados bateram a
bola ao redor com seus tacos.

Ninguém reparou em mim em primeiro lugar e isso me deu


tempo para cantar meus sinônimos silenciosamente.

Instável, inseguro, nervoso, ansioso, preocupado, pânico...

Em seguida, o pensamento surgiu em minha mente, Mesmo


que você não se sinta calma não significa que você não pode ficar calma.
Isso era algo que minha mãe tinha dito muitas vezes, quando eu lutava
com angústia da infância, frustração e decepção. Estas palavras foram
um excelente mantra agora.

Eu não estava preocupada com a minha segurança, mas eu


estava preocupada. Eu tinha ido ao longo da vida, escondida em
armários, era perfeitamente feliz em continuar esta prática uma vez que
esta tarefa estivesse terminada. Eu só tinha que acabar com isso em
primeiro lugar.

Impulsionada por essa determinação para atravessar essa


tarefa, colocá-la fora da lista da minha consciência e achar um bom,
armário seguro para me esconder, dei um passo em frente e limpei
minha garganta.
Um dos caras estava rindo e eu me perguntava se eles tinham
me ouvido. Mas, eventualmente, quatro pares de olhos balançaram para
minha posição, embora tentasse me concentrar apenas em Martin.

"Uh, oi. Olá." Eu dei a eles um cumprimento.

Martin, como o resto, olhou para mim como se eu fosse uma


estranha. No entanto, senti todos os pares de olhos varrendo em cima e
para baixo de uma maneira que me fez sentir como se eu fosse um
carro, ou um cavalo e um deles estavam pensando sobre a equitação.

Ansiedade aquecida apertava em meu peito, propagação


apertando meu estômago. Cerrei os punhos e dei mais um passo para
dentro da sala, ainda mais para a luz.

"Eu estou procurando Martin." Eu mantive meus olhos sobre


ele; em seis pés de distância, ele era o mais próximo de minha posição.

Reconhecimento ainda não tinha registrado quando ele


respondeu soando tanto aborrecido como irritado, "O que você quer?"

"Sou eu. Hum, Parker. Kaitlyn Parker. Eu estava esperando


que pudesse falar com você por... um minuto... sobre a química?" Mordi
o lábio, esperando sua reação.

Martin visivelmente endureceu, piscou, e estremeceu quando


eu disse o meu nome. Seus olhos — agora focados e estreitados — se
moveram sobre mim mais uma vez, desta vez com evidente interesse
renovado.

"Parker?" Ele deu um passo para frente e colocou o taco sobre


a mesa; ele soava e parecia perplexo. Assentiu, arriscou um olhar para
os outros. Eles estavam me olhando alternadamente, em seguida,
viraram a cabeça para ver a reação de Martin.

"Sim. Eu prometo que vai ser apenas um minuto, não vai


demorar..."
"Todo mundo para fora," Martin interrompeu, sua voz um
pouco alta demais para o espaço. Era uma ordem.

Para minha surpresa, seus três companheiros deixaram seus


tacos de bilhar na mesa e saíram conforme as instruções, e sem
demora.

Um ou dois deles me chamou a atenção quando saíram, suas


expressões claramente curiosas, mas nenhum deles falou. O olhar de
Martin nunca deixando meu rosto; ele pareceu se recuperar
rapidamente da surpresa da minha chegada. A linha de sua mandíbula
se endureceu, e o músculo em sua têmpora assinalou.

Eu não sabia o que fazer com a tempestade em seus olhos,


então ignorei e tentei pensar em uma palavra para usar no meu jogo de
sinônimos. Eu também tentei não olhar para seus lábios.

Eu tentei e falhei.

Eu não consegui evitar; a memória de seu beijo — o nosso


beijo — chegou como um tsunami, fazendo meu corpo se aquecer e
apertar. Eu me sentia oprimida por ele, cercada por todos os lados. Eu
sabia qual o seu gosto, como ele soou quando rosnou, o que suas mãos
me faziam sentir sobre a minha pele nua.

Eu tentei não tremer e falhei nisso também.

A porta clicou atrás de mim, mas, para mim, soou como um


tiro — porque sinalizou que estávamos sozinhos. Juntei um fôlego e
coloquei meu cabelo atrás das orelhas. Eu precisava me concentrar em
recitar o discurso que tinha praticado na minha cabeça durante as
últimas cinco horas.

Então eu poderia sair, minha consciência poderia descansar, e


isso seria o fim.
Ignorando os arrepios que tinha inflamado com seu olhar
escaldante, eu fiz a minha melhor impressão de calma e disse: "Então, a
razão de eu estar aqui..."

"Deixe-me adivinhar." Ele cruzou os braços sobre seu amplo


peito largo, ombros largos duros e retos, e apoiou os quadris, que eram
estreitos e não amplo, contra a mesa de bilhar.

"Seu nível de interesse tem... mudado."

Eu olhava para ele. "O quê?"

"Você mudou de ideia sobre mim." A maneira como ele disse


as palavras, inexpressivo e cáustico, levaram-me à conclusão de que ele
pensou que eu estava lá para implorar por mais beijos, capturá-lo com
os meus artifícios femininos.

Mal sabia ele, que eu não possuía artifícios femininos. Apenas


arrepios e ansiedade.

Eu apertei meus olhos. Eu estava me sentindo frustrada. Ele


não deveria falar. Ele deveria ouvir.

"Não. Não é nada disso. É sobre o armário."

Ele zombou, como se ele não acreditasse em mim. "Bonito


vestido."

Olhei para mim mesma, minha mão automaticamente subiu


para meu abdômen. "Uh, obrigada. Ele é emprestado."

"Sério?" Ele disse: realmente como se não acreditasse em mim.

"Sim. É também muito curto, eu acho." Eu puxo a bainha,


desejando mais tempo. "Foi-me dito que não seria permitido entrar aqui
sem uma saia."

Sua atenção se mudou para onde minhas mãos estavam agora


descendo na borda do vestido, permaneceu lá. Martin endireitou na
mesa de bilhar e cruzou para onde eu estava — seus passos sem
pressa, com o olhar vagaroso, patinando até o meu corpo. Mais uma
vez, eu me senti como um cavalo que está sendo avaliado para um
passeio.

"Você sempre pode tirá-lo, o vestido, se isso faz você se sentir


desconfortável."

Um completo, alarme contra incêndio, rubor envergonhado


subiu para minhas bochechas. Ele parou bem na minha frente. Seus
olhos estavam descaradamente descansando na curva dos meus seios
com um olhar sugestivo que cruzou totalmente a linha de adequado.
Era tão, além disso...

Era...

Era inapropriado.

Juntei uma respiração lenta, esperando me equilibrar, e pisei


para baixo a crescente onda de sensações indescritíveis que assolam a
minha sensibilidade — algumas agradáveis, algumas não tão
agradáveis.

"Ouça", eu disse através da mandíbula cerrada. "Eu ouvi uma


coisa quando estava no armário, antes de você chegar, e pensei que
você deveria saber. Essa é a única razão pela qual estou aqui."

Os olhos dele encararam o meu, ainda duro, incrédulo. Ele


estava de pé apenas um pé ou um pouco mais longe e eu inclinei meu
queixo para cima, para olhá-lo.

Depois de uma pausa, durante a qual ele estudou o meu


rosto, Martin disse: "Vá em frente, linda. Esclareça-me."

"Eu ouvi duas pessoas entrarem na sala. Então, eu entrei em


pânico e, sim, me escondi no armário. Mas, em minha defesa, eu já
estava lá retirando o equipamento de reticulação. De qualquer forma,
duas vozes — uma feminina, uma masculina — e eles vieram para o
laboratório juntos. Quem quer que o cara fosse, quando você entrou no
laboratório, era o mesmo cara que eu ouvi. A menina queria que o cara
te desse drogas".

As sobrancelhas de Martin saltaram para cima, em seguida,


puxou baixo quando eu disse a palavra droga. Eu não queria que ele me
interrompesse novamente, por isso eu falei mais rápido.

"Ela disse que queria que ele drogasse você. Marcaram para
às 22:30 hoje à noite e a ele era suposto ter a certeza que você ficasse
por aqui na festa. Ela disse que iria chegar às onze, em seguida, levá-lo,
drogado, até seu quarto e gravar vocês dois juntos. Então, ela disse algo
realmente perturbador — não que o resto já não fosse preocupante —
mas o que ela disse em seguida, tipo me surpreendeu porque eu não
sabia que as pessoas pudessem ser tão frias e calculistas sem se
importar com decência".

"O que ela disse?" Ele perguntou, seu tom impaciente. Seus
olhos ainda estavam duros, com raiva, mas a gravidade não estava
focada em mim. Eu não parecia ser o alvo — graças ao Bunsen e seu
queimador!

"Ela disse que, se ela ficasse grávida, em seguida, isso seria


um bônus."

A boca de Martin abriu, então fechou e seu olhar mudou-se de


mim para o chão. Ele estava visivelmente atordoado. Eu vi seu rosto
bonito enquanto ele processou a informação, aproveitei a oportunidade
para examiná-lo de uma forma que nunca me permiti fazer antes.

Ele era dolorosamente bonito. Eu meio que sabia disso antes,


mas realmente vi isso agora.

Meu peito doeu um pouco enquanto eu estudava suas feições:


queixo quadrado, nariz forte, perfeita forma e tamanho para seu rosto,
maçãs do rosto salientes, como se ele tivesse ascendência Cherokee ou
Navaho. Emparelhado com seus olhos azuis, era impressionante. Eu
entendi a minha relutância anterior para olhá-lo diretamente. Era
chamado de auto-preservação.

Eu rasguei meus olhos dele e de sua forma excepcional. Eu


tentei não notar seu corpo decididamente sexy — a maneira que a calça
jeans pendurava na cintura, a forma como as coxas apertavam os jeans
— e olhei por cima do ombro.

"Bem. Isso era o que eu precisava te dizer, acho que vou..."

"Por que eu deveria confiar em você?"

Meus olhos se mudaram de volta para os seus e eu pisquei


para esta pergunta, pois a resposta era óbvia.

"Uh, o quê?"

"Como sei que você está me dizendo a verdade?"

"Por que eu iria mentir?"

"O que você espera em troca?"

"Troca do quê?"

Ele se mexeu em seus pés, apenas uma fração de uma


polegada mais perto. No entanto, essa fração trouxe consigo uma
nuvem ameaçadora de desconfiança e desagrado.

Para alguém tão bonito, sua expressão era


surpreendentemente feia.

"O que é que você quer? O que você está esperando ganhar? É
dinheiro?"

Minha boca se abriu e meu nariz franziu novamente, desta vez


em indignação. Eu olhei para ele, realmente olhei para ele — e desta vez
eu não estava vendo a fachada exterior de beleza. O que vi era um cara
amargo, cansado, e talvez um pouco desesperado — para quê, eu não
tinha ideia.
Finalmente, eu disse: "O que há de errado com você?"

Suas sobrancelhas se ergueram. "O que há de errado comigo?"

"Sim", eu reagi, minhas mãos vindo para os meus quadris. "O


que há de errado com você? Eu vim aqui para ajudar você, o mínimo
que poderia fazer é não agir como um cara idiota."

"Idiota?" Ele atirou de volta, os olhos crescentes, tanto


quentes e frios. "Você mostra-se aqui, desse jeito, e espera que eu
acredite que você não está atrás de algo?"

"Eu já disse, idiota, é uma festa de saia! Eu não teria entrado


por essa porta se eu não tivesse usando este vestido, idiota estúpido. Se
você não gosta de como pareço, idiota, então você pode ir gritar com
seus irmãos da sua Irmandade estúpida."

"Você quer dizer irmãos da fraternidade."

"Irmandade, Irmanstituta, fraternidade, Fratergalinhas — o


que quer que seja! É tudo o mesmo para mim."

"Então, eu tenho que acreditar que você não tem nenhum


motivo oculto? Se isso for verdade, então por que você não me contou
tudo isso no laboratório?" Ele deu outro passo a frente e, desde que eu
me recuso a voltar para trás, apenas uma polegada nos separou.

"Porque você arranhou minha coceira e então me beijou —


isso me assustou, porque nada disso está no programa do curso para
experiências de laboratório neste semestre. E, além disso..."

Eu não cheguei a terminar porque a porta se abriu atrás de


mim e uma voz que reconheci chamou na sala. "Hey Ataque — Cara,
por que você está aqui? Trouxe-lhe uma bebida. Uma das minhas
especiais."

Eu tinha voltado para o som da voz e tropecei um passo para


trás. O braço de Martin envolveu em torno de meus ombros, trouxe
meus ombros para o seu peito quando o dono da voz inclinou-se no
meio do caminho — dois copos vermelhos estendido.

O cara, cerca de duas polegadas mais alto do que Martin —


portanto, muito alto — entrou pela porta depois de uma breve pausa.
Atrás dele, eu podia ver Eric de pé com Sam. Ambos olharam para
dentro da sala e eu observei que o rosto de Eric estava apologético
quando olhou para Martin.

Eu tentei dar um passo adiante, mas o braço de Martin


apertou, me segurou mais ainda.

Os olhos azuis claros do estranho mudaram-se de mim para


Martin, em seguida, novamente. "Hey — Eric disse que você tinha
companhia então trouxe um para vocês dois."

Eu conhecia essa voz porque era dele. O monstro maldito do


laboratório.

Eu senti o peito de Martin expandir uma inspiração lenta,


seus dedos estavam cavando no meu braço; não era doloroso, mas era
apontado, firme, destinando-se a comunicar uma mensagem — não se
mova. "Obrigado, Ben", Martin falou lentamente, mas a borda em sua
voz era glacial e ele não fez nenhum movimento para aceitar os copos.

Ben me deu um sorriso duro, seus olhos indo onde o braço de


Martin estava enrolado em volta de mim, então, ele levantou os dois
copos. "Vocês dois devem ter um brinde. Desçam para a festa."

"Deixe as bebidas e vá", disse Martin.

Ben franziu a testa, olhou para os dois copos e limpou a


garganta. "Você deve vir para baixo, isto é épico..."

"Vá", Martin repetiu.

Desta vez, Ben assentiu uma vez e deixou os copos em uma


mesa ao lado da porta. "Claro, claro. Eu vou voltar um pouco mais
tarde para ver se você precisa de mais alguma coisa." Ele ergueu as
mãos e saiu da sala, com os olhos contemplando outra vez mais o meu
corpo antes que ele fechasse a porta.

Eu exalei uma respiração que estava segurando e, apenas por


um momento, permiti-me a inclinar-se contra Martin.

"Esse era ele. Esse era o cara — Eu reconheço sua voz".

Senti Martin acenar com a cabeça, o queixo e a bochecha


contra a lateral do meu cabelo. Ficamos parados — ainda, calmos —
por um longo momento, então ele me virou para encará-lo. Ambas as
mãos se mudaram para minha cintura e ele me apoiou contra a mesa
de bilhar.

Seus olhos, guardados, mas também temperado com


curiosidade, procuraram os meus. Eu ainda vi o desespero em suas
feições e ele ainda me olhava perplexo. Eu não o toquei. Em vez disso
coloquei minhas mãos em cada lado do meu quadril, onde meu corpo se
reunia na mesa de sinuca.

Finalmente, ele perguntou: "O que você quer?"

Engoli em seguida, respondi: "Eu gostaria de sair."

Ele balançou a cabeça lentamente. "Não foi isso o que eu quis


dizer. O que você quer de mim?"

Eu dei de ombros. "Seria ótimo se você pudesse tabular a


atribuição da semana passada, mas não vou segurar minha respiração."
Ele nunca fez tabulações e análises. Era irritante.

"Parker".

"O quê?"

Seus olhos mergulhados na minha boca e sua voz era mais


suave do que eu já ouvi antes, quase uma adulação.
"Kaitlyn..."

Eu fiquei rígida contra os sentimentos associados com o meu


nome saindo de seus lábios, pronunciados em tons suaves.

Desviei meus olhos e minha voz estava um pouco tensa


quando disse, "Martin, eu sinceramente não quero nada de você. Eu
gostaria de sair para que possa colocar minhas roupas normais, beber
chá, comer cookies, e ler um bom livro no meu quarto do dormitório."

"Kaitlyn, olhe para mim."

Mais uma vez, o meu pescoço corou e meus braços


irromperam em arrepios.

Tentei ignorar tanto o rubor como os arrepios. "Eu também


quero que você esqueça que tudo isso aconteceu para que possamos
voltar a sermos parceiros de laboratório."

Ele ficou em silêncio por um longo tempo, mas eu sabia —


embora me recusasse a encontrar o seu olhar — que ele estava me
estudando, examinando-me como se eu fosse algo novo.

Então ele disse: "Por que você se esconde?" As palavras me


assustaram tanto que meus olhos instintivamente procuraram os seus,
e isso foi um erro. Seu olhar — agora um lindo fogo azul — estava
tomando um levantamento do meu rosto, como se estivesse
memorizando cada detalhe. Foi alarmante e meu coração acelerou.

Eu tentei por um encolher de ombros, mas ele provavelmente


parecia mal executado, um arrepio convulsivo. "Por que você se
importa?"

Seu olhar encontrou o meu, então se viraram para os meus


lábios. "Você tem lábios fantásticos."

Eu meio que sufoquei, olhos arregalados. "Você se importa,


porque tenho lábios fantásticos?"
"E seus olhos. Eles são cinza. Notei desde a primeira vez que
te vi." Sua voz era apenas um sussurro; ele soava como se estivesse
falando para si mesmo.

Limpei a garganta, realmente não sei o que dizer. Mas acabou


que eu não precisava dizer nada, porque ele continuou.

"No início do último semestre você usava uma camiseta e seu


cabelo estava solto. Você continuou a puxar ele fora de seu pescoço."
Ele ergueu a mão e tocou as costas seus dedos contra minha clavícula,
contornando o decote do vestido, uma carícia suave. "Eu tentei obter o
seu número de telefone, mas você não me deu."

"Eu dou o meu número tão raramente quanto possível, é uma


das minhas regras de vida", eu disse estupidamente.

"As calças vermelhas, aquelas apertadas que mostram sua


bunda. Você me tortura, curvando-se para obter os suprimentos para
fora do armário. Isso não é muito legal da sua parte."

Minha voz estava inexplicavelmente sem fôlego. "A de veludo?


Eu só uso ela quando todas as outras estão sujas."

"Você é melhor em química do que eu, você faz todos os


testes."

"Eu gosto de química, e você não estuda como deveria."

"Você nunca se perguntou por que venho às sextas-feiras?"


Seus dedos se enroscaram em volta do meu pescoço e seu polegar
traçou círculos ao longo da linha da minha clavícula. Ele incentivou
minha cabeça apontar para trás.

"Para que possamos obter um salto na atribuição semanal?"

Ele balançou a cabeça. "Você."

Meus cílios tremularam. "Eu?"


Sua me segurou cativa com seu olhar fortemente cerrado e as
mãos acariciando. Martin se inclinou para frente, e ele roçou seus
lábios contra os meus. Não foi um beijo. Era mais como se ele estivesse
usando seus lábios para sentir os meus, para desfrutar a minha
suavidade.

"Você", ele sussurrou novamente.

Meus dedos agarraram a madeira de cada lado do meu quadril


e eu lutei com êxito contra um gemido.

O aperto no meu peito diminuiu e torceu, meu estômago


flutuava, minha respiração vindo superficial e rápida.

Meu cérebro não estava funcionando corretamente porque ele


estava atrapalhado — com suas palavras, mãos e lábios tentadores.
Portanto, em uma tentativa insignificante para me defender de seu
ataque de sedução, eu soltei um dos meus maiores medos onde ele
estava em causa.

"Você vai me fazer chorar."

Seus olhos se arregalaram um pouco, mudou-se entre os


meus. "Eu não."

"Você poderia. Eu já vi isso, vejo como você trata as meninas."

Sua mão na minha cintura apertou. "Eu não faria isso com
você. Você não é... Eu sei que você não é como elas. Não seria isso."

"Eu não confio em você."

Ele suspirou, mas não com impaciência. "Eu sei." Ele


balançou a cabeça. "Mas você vai."

Ele baixou a cabeça novamente, deu um beijo suave nos meus


lábios, apenas uma dica de sua língua. Não foi o suficiente. Minhas
mãos levantaram por conta própria e agarraram sua camisa, o
segurando de qualquer volta que ele poderia ter planejado. Eu não fiz
isso de propósito. Na verdade, não sei por que fiz isso.

"Martin, eu não posso..."

"Você pode."

"Eu não..."

"Você é."

"Você não..."

"Eu faço." Ele me beijou novamente e mudou seu peso de


forma mais completa contra mim. Martin tomou meu espaço para ele,
cada polegada dele. Quatro dos meus sentidos foram esmagados por ele
— o cheiro de seu perfume, seu corpo quente e duro contra o meu, o
gosto de sua boca, o rosnado baixo na parte de trás de sua garganta
quando nossas línguas se encontraram e conectaram.

Resumidamente ele arrancou a boca da minha, e exigiu: "Diga


que você vai passar a semana comigo."

Pisquei, começando a protestar. "Martin, isto não é..."

Ele me beijou de novo, colocou os braços em volta do meu


pescoço, em seguida, suas mãos se moviam para cima das minhas
costelas e sua mão me segurou através do material fino do meu vestido.
Seu polegar desenhou círculos apertados ao redor do centro do meu
peito.

Ele rosnou, "Diga. Passe a semana comigo."

Eu gemia, porque... excitada.

Ele mordeu meu lábio, sugado entre os seus. Eu gemia


novamente.

"Você é tão bonita, Kaitlyn." Ele soprou as palavras de


repente, como se ele não quisesse dizê-las em voz alta, mas elas
irromperam espontaneamente. "Eu quero que você passe a semana
comigo. Diga sim."

Ele me beijou de novo, rapidamente, em seguida, arrastou


molhados beijos quentes ao longo do meu queixo e atrás da minha
orelha para o meu ombro. Ele me mordeu — duro — e chupou meu
pescoço de uma maneira que me fez contorcer e a minha respiração
engatar; durante todo o tempo a sua grande mão massageava meu peito
e me torturou através do tecido. Sua outra mão se mudou para minha
bunda e apertou meu centro para ele.

"Martin..." foi tudo o que consegui dizer, por que... realmente


estava excitada. E, não que eu era uma especialista, mas a julgar pelo
comprimento duro contra o meu estômago, ele também estava
realmente excitado.

"Por favor, diga sim", ele respirou no meu ouvido.

Eu disse "Sim..."

"Prometa-me."

"Eu prometo."

Para ser honesta, eu disse isso, mas não quis dizer isso.
Naquele momento, disse que sim, porque ele me pediu — e ele tinha
usado a palavra Por favor, e eu não queria que todos os bons
sentimentos parassem — não porque eu tivesse qualquer intenção de
passar a semana com Martin Sandeke, Hercules, pegador de mulheres,
e, aparentemente, rei de seduzir virgens famintas e ingênuas.

Independentemente disso, as minhas palavras pareciam ser


suficientes para Martin porque ele sorriu contra a minha pele e parou
de falar. Ele também mudou ambas as mãos de suas ministrações
chocantemente eficazes e me envolveu em seus braços. Sua boca se
moveu de volta para a minha.
Desta vez, o beijo foi lento, menos urgente, gentil e doce. Eu
senti como um prelúdio, um começo.

Quando ele levantou a cabeça, abri minhas pálpebras para vê-


lo olhando para baixo para mim, os olhos brilhantes — chamas azuis.

"Eu vou buscá-la amanhã", disse ele. Sua voz era diferente,
mais suave... mais profunda.

"O quê?" Eu pisquei para ele.

"Esteja pronta às oito."

"Oito?"

"Você não precisa levar muito coisa." Ele beijou meu nariz, me
soltou de seus braços, enfiou os dedos nos meus, e me puxou em
direção à porta. "Eu espero que você goste de praias privadas."
CAPÍTULO QUATRO

"O que você vai fazer?"

"Nada."

Eu ouvi Sam mudar em sua cadeira fazendo com que o couro


rangesse. "O que você quer dizer com nada? Ele está esperando que
você vá com ele durante as férias de primavera."

Dei de ombros, olhando para fora da janela do carro com o


motorista de Martin. Está certo. Um carro com motorista, para um
estudante universitário de vinte anos de idade. Se eu não tivesse me
sentido tão pensativa eu poderia ter olhado para a Grey Poupon Dijon
mostarda.

Depois do meu lapso de julgamento contra a mesa de bilhar,


Martin tinha levado Sam e eu à parte de trás da casa da fraternidade e
chamou seu motorista pelo telefone. O homem estava na porta dos
fundos no momento em que chegamos.

Martin me puxou para um beijo rápido — que foi


completamente bizarro, provocador e fora de propósito — sem a menor
cerimônia, em seguida, nos fazendo entrar no carro, dizendo a seu
motorista para nos levar para o nosso dormitório.

Sam me bombeou por informações logo que a porta foi


fechada. Contei os fatos, o que me deu a oportunidade de recuperar
uma medida de sanidade. Em retrospectiva, percebi que eu estava
agindo como uma pessoa louca. A proximidade de Martin me fez perder
meu senso comum. Eu tinha estado sem sentido. Sem sentido. Sem
qualquer sentido. Nenhum sentido.

Absurdo.

Eu falei para a janela, em vez de ser confrontada com a


expressão ansiosa de Sam. "Quero dizer, não vou fazer nada. Eu não
posso ser responsável por minhas reações — o que eu digo ou o que
faço — quando confrontada com a vida real de Martin Sandeke. Ele é o
homem equivalente a uma arma na cabeça, só que sem o medo para o
meu aspecto de vida. Vou escrever-lhe um e-mail, e dizer-lhe que ele
afeta negativamente a minha capacidade de funcionar como um ser
racional. Como tal, a nossa discussão esta noite, e todos os acordos
resultantes são nulas e sem efeito. Tenho certeza que ele vai entender."

Eu senti como se tivesse tropeçado em uma realidade


alternativa e foi apenas agora que achei meu caminho para fora do
buraco do coelho.

Sam bufou. "Hum, não. Ele não vai entender. E, eu duvido


que ele vá aceitar um não como resposta. Ele é uma espécie de
intimidação do seu jeito, ou pelo menos tem essa reputação."

Esta declaração capturou minha curiosidade; Virei-me em


meu assento para enfrentar Sam. "Espere, o que você quer dizer? Será
que ele — ele obriga as..."

"Não! Deus, não. Eu nunca teria brincado com você sobre


pegar seu número, se ele forçasse as meninas para terem algo com ele.
Não foi isso que eu quis dizer. Ele não precisa fazer isso em qualquer
caso, não quando ele as tem alinhadas ao redor da sua fraternidade
com saias até os cotovelos, dispostas a dobrar em qualquer direção que
ele preferir. Aposto que é por isso que ele estava escondido no andar de
cima. Deve ser bom esgotar em algum momento..." Sam parou e eu
tinha a sensação de que ela estava falando mais para si mesma.
Olhei para Sam. "O estupro não é sobre a necessidade, é sobre
o poder."

"Exatamente. Desculpe se eu a deixei pensar o contrário.


Independentemente disso, Martin Sandeke tem uma reputação de ter
uma cornucópia de fêmeas dispostas."

"Então o que você está falando? Como ele é um valentão?


Além de fazer as fêmeas que ele dorme chorar e brigar." Eu escutei as
palavras enquanto elas saíram da minha boca, percebendo que esses
dois fatos era o suficiente para um valentão ser rotulado como tal.

"Eu só quero dizer que ele está habituado a fazer do seu jeito,
certo? Ele tem seu próprio iate. Seu. Próprio. Iate." Ela olhou para mim,
as sobrancelhas levantadas com significado. "Se ele quer algo, é seu.
Ele nem sequer pede, ele apenas menciona."

Eu torci meus lábios para o lado e considerei esta informação,


sem entender por que era pertinente à nossa discussão. "Então? O que
isso tem a ver comigo?"

As pálpebras de Sam pularam com descrença, mas as


sobrancelhas ficaram suspensas. "Você não estava prestando atenção?
Eu vi o jeito que ele olhou para você, o modo como ele segurou sua mão
todo o caminho até o carro, o jeito que ele te beijou antes de sairmos.
Ele quer você. Martin Sandeke quer você."

Eu a considerei, suas palavras, e suspirei. "Eu não sou um


iate."

"Não. Você é uma menina. Ele teve centenas de meninas. Mas


ele só tem um iate." Em seguida, sob sua respiração, ela acrescentou,
"Bem, ele tem apenas um iate que eu saiba."

"Sam, você não estava me empurrando para conseguir o seu


número?"
"Sim, mas isso foi antes de me ser dito para ficar de fora,
enquanto você entrou em seu covil. Isso foi antes de eu ver o olhar
confuso em seu rosto quando você saiu da toca acima mencionada. Isso
foi antes que descobri que ele quer que você vá com ele por uma
semana! Eu quero que você saia do seu normal, mas não quero que
você tenha o seu coração partido."

"Eu acho que você está exagerando. Você mesmo disse, ele
está rondando em torno do bloco. Eu educadamente vou declinar a sua
oferta, e ele vai passar para outra pessoa. Não há necessidade de se
tornar histérica."

"Eu não sou histérica e você está sendo propositadamente


obtusa".

"Bem. Eu vou dormir com ele. Vou ligar para ele amanhã e
dizer-lhe que quero acabar logo com isso. Então, pela sua lógica, ele vai
embora. Problema resolvido."

Sam rosnou. "Isso não é uma boa ideia."

"Bem, o que você quer que eu faça?"

"Você deve dizer-lhe cara a cara que você não quer ir. Você
deve explicar suas razões e estabelecer limites para interações futuras.
E você deve ter-me lá como sua representante para garantir que ele não
tente seduzi-la com seu raio sexy."

"Me seduzir com seu raio sexy?"

"Você sabe o que estou falando. Eu mal o vi e estou sentindo


os efeitos. Ele tem como... um pulso eletromagnético sexy ou algo
assim. O mesmo acontece com seu amigo, Eric. Eles são uma ameaça.
Eles não devem ser permitido em público".

"Isso não é como os eletroímãs trabalham."

"Tanto faz. Você entendeu o meu ponto."


"Nós chegamos." A voz do motorista sobre o alto-falante
interrompeu a nossa conversa e chamou a nossa atenção para a vista
do nosso dormitório fora da minha janela.

Eu ouvi o som dele saindo do carro, presumivelmente para


abrir a minha porta.

Sam cobriu minha mão com a dela trazendo minha atenção de


volta para ela. "Basta pensar sobre o que eu disse. Carter fez um
número em você, mas suas intenções não eram ofensivas. Esse cara",
ela fez uma pausa, seus olhos se deslocando aos meus, "se Carter era
uma banana de dinamite, esse cara é uma arma nuclear."

***

O diretório de e-mail do campus era de informação pública


com o sistema do quadro da escola. Eu poderia achar o endereço de e-
mail de qualquer pessoa através da realização de uma simples pesquisa
pelo primeiro nome, sobrenome, ano matriculado. No entanto, desde
que era tão fácil achar o endereço de e-mail de uma pessoa, poucas
pessoas realmente usavam sua conta de e-mail do campus, preferindo o
Gmail ou outra alternativa onde o spam não era uma questão como
essa.

Eu sabia disso. Eu sabia que as chances de Martin realmente


receber meu e-mail eram muito pequenas.

Independentemente disso, eu gostaria de ter fundamentado a


superioridade moral de quem lhe enviou um e-mail, assim que cheguei
em casa. Então, quando ele aparecer no dia seguinte e eu não for com
ele, poderia apontar depois — que na verdade — enviei um e-mail
informando da minha decisão.

Não era minha culpa se ele não verificava o seu e-mail.

Martin,
Espero que você esteja bem.

Eu aprecio sua oferta para acompanhá-lo em suas viagens


durante as férias de primavera, mas reconsiderei minha resposta. Após
ganhar distância da situação, eu vejo que cometi um erro quando
concordei em ir com você. Eu simplesmente tenho muito trabalho da
escola para fazer esta semana. Assim como, eu me voluntariei ao centro
de crise para mulheres como seu suporte residente. Eu não quero sair
sem dar-lhes a devida notificação à medida que contam comigo para
estar aqui quando surgirem problemas. Portanto, por favor, aceite minhas
desculpas. Tenho certeza que você não terá nenhum problema em
encontrar uma alternativa.

Assim como, eu agradeceria se os nossos futuros temas de


conversas forem limitados a química (e somente a química) a partir de
agora. O vejo no laboratório.

~ Parker

"O que você está fazendo?" Sam perguntou enquanto


caminhamos para o nosso quarto.

Quando chegamos de volta ao dormitório, eu tinha ido ao


banheiro para lavar o rosto e escovar os dentes, enquanto Sam se
trocou. Em seguida, ela foi ao banheiro enquanto eu me trocava. Mas
em vez de me trocar, eu retirei o meu laptop.

"Nada."

Ela estalou a língua, guardando os seus artigos de higiene.


"Você está enviando-lhe um e-mail. Isso é um erro."

"Não importa se ele vai recebê-lo. Eu enviei. É o que importa."

"Não foi isso o que eu quis dizer. Você está dando-lhe uma
dianteira. Agora ele vai ser capaz de planejar um contra-ataque."
Olhei para ela com o canto do meu olho. "Contra ataque? Isto
não é um exercício de Sun Tsu de A Arte da Guerra, isto sou eu
rejeitando sua oferta de férias. O que ele pode fazer?"

"Você vai ver." Ela disse isso em uma voz cantante, desligando
a luz em seu lado do quarto, e subindo na cama.

"Além disso. Enviei para a sua conta da escola. Ele


provavelmente não vai nem mesmo ler."

"Então ele vai aparecer amanhã e você vai ter que lidar com
ele em pessoa."

"Não. Eu vou embora. Ele disse que estaria aqui às oito. Vou
sair as sete e ficar na biblioteca durante todo o dia."

"Covarde".

"Um camaleão é covarde porque ele pode mudar a sua cor?


Não. Ele evoluiu e é incrível. Eu gosto de pensar em mim de uma forma
semelhante. Não há nada de errado em ter um forte senso de auto-
preservação."

"Tanto faz. Você quer que eu te acorde? Eu tenho prática de


tênis às seis."

"Nah, eu vou colocar meu alarme do telefone." Eu fechei meu


laptop e enfiei ao lado de nossa mesa de cabeceira compartilhada, em
seguida, levantei para me vestir para dormir.

Depois de me trocar, peguei meu telefone, coloquei meu


alarme para 6h30. Eu quero sair muito antes de Martin ou um de seus
contratados chegarem. Eu costumo acordar por volta das 7h30,
portanto, o alarme era necessário.

Após olhar para a tela do meu celular, percebi que tinha duas
chamadas perdidas de minha mãe, mais uma mensagem de texto. Lia-
se,
Acabei de chegar em casa. Ligue quando puder. Eu estarei
acordada até as 2.

Minha mãe: senadora, viciada em trabalho, conversadora


eficiente, super-herói.

Distraída pela mensagem, eu abandonei o meu alarme por um


momento e disquei o número de minha mãe. Não levaria muito tempo.
Nossas conversas raramente duravam mais de três minutos. Ela
respondeu depois de alguns toques.

"Kaitlyn. Você não comunicou os seus planos para as férias de


primavera. É sua intenção se juntar a nós em Monterey ou você vai
permanecer no campus?" A voz viva de minha mãe, metódica soou do
outro lado.

Ela tinha uma agenda e pontos de discussão para cada


conversa. Ao crescer, ela me entregou uma cópia em papel e me pediu
para seguir adiante. Quando eu era muito jovem, ela usou imagens no
lugar de palavras e tínhamos nossas conversas como: Revisão de três
meses: Pré-escolar. Programado: Corte de cabelo. Plano de ação
necessário: limpeza de seu quarto. Música: Interferir com playlist
agendada.

Antes de eu sair para a faculdade, se um ou ambos os meus


pais estavam viajando, a reunião de família seria realizada através de
teleconferência. Agora nós tipicamente realizamos a reunião via
teleconferência, devido à minha ausência física em casa. Tópicos para
discussão correu a gama de Pedido de Compra: Novas bicicletas, para
Notícias da Família: Sua avó tem câncer, para Ponto de preocupação:
Tempo gasto em música superando o tempo gasto em trabalhos de casa,
para Recreação Programada: férias anuais opções, para Notícias de
Kaitlyn: aceita em Harvard, Yale, Princeton, MIT, Caltech.

"Eu vou permanecer no campus."

"Será que Sam está presente?"


"Sim."

"Você necessita de dinheiro?"

"Não."

"Você está bem com uma visita do seu pai e eu no próximo


domingo? Café da manhã ou almoço, Deli de Kartwell."

"Sim. Domingo. Café da manhã".

Mesmo agora, as reuniões de família ocorriam aos domingos.


Meu pai e eu tínhamos de apresentar nossos itens da agenda ao
George, Assistente Pessoal da minha mãe até sexta-feira à noite. Um
projeto de agenda seria distribuído sábado à tarde para comentar o
assunto e aversão final distribuída.

Sábado à noite. Anexado à agenda seria uma cópia de nossos


calendários individuais para o próximo mês, atualizado semanalmente.

Eu tinha caído para fora do hábito de atualizar o meu


calendário desde que sai de casa. Agendas, calendários e listas
asseguravam fazer a maior parte eficiente do uso de nosso tempo. Eu
sabia disso. Mas a minha agenda só mudou uma vez por semestre.
Minha vida era previsível, portanto, não via necessidade de enviar
atualizações semanais.

"Como está a escola?"

"Muito bem. Como está o trabalho?"

Para minha surpresa, ela não forneceu sua ação rápida e


típica resposta de, "É o que é."

Em vez disso, ela fez uma pausa, em seguida, suspirou e


disse: "Terrível."

Minha boca abriu e fechou, eu podia sentir minhas


sobrancelhas saltarem na minha testa. "Uh... cuidado para elaborar?"
"Minha rede de Neutralidade não está progredindo a minha
satisfação em casa, os Lobistas de telecomunicações estão ficando
raivosos, e a FCC está sendo difícil. Estou frustrada."

Eu imediatamente respondi: "Rede de Neutralidade é uma


questão importante e vale a pena o esforço e frustração. Você está
fazendo a coisa certa." De vez em quando eu servia como líder de
torcida da minha mãe. De vez em quando ela atuava como a minha.
Essas ocasiões eram raras, como se ambas acreditassem na auto-
suficiência, a menos que as circunstâncias fossem terríveis.

No entanto, nós nos amávamos. Nenhuma de nós fomos tão


austeras como suspender o apoio, quando foi solicitado, mas eu
apreciava e subscrevia para ela um mantra não-drama. Energia deve
ser gasta em soluções para problemas reais — como o estado abismal
do sistema de assistência social dos Estados Unidos, ou a nossa política
externa tensa com o Paquistão, ou gigantes de telecomunicações
usando Rede de Neutralidade como uma arma contra o bem público —
por isso, quando ela disse que estava frustrada geralmente significava
que ela estava no final da sua sagacidade.

"Obrigada. Agradeço as suas palavras de encorajamento e eu


valorizo sua opinião." Seu tom era mais suave. Era a voz que ela tinha
usado quando eu era criança e ela lia para mim os três primeiros livros
de Harry Potter antes de deitar.

"A qualquer hora."

Ela então me surpreendeu ainda mais, dizendo: "Você sabe


que eu te amo, certo?"

Mais uma vez, minha boca fez a sua dança de abrir e fechar
antes que soltei, "Claro. Claro que sei que você me ama. Eu também te
amo."

"Bom… Bom."
Ela me dizia todos os domingos que ela me amava. Era a
última coisa que os meus pais e eu gostaríamos de trocar em nossa
teleconferências, mesmo que não fosse listada na agenda. No meio da
semana um „Eu amo você’ não ocorria desde que os meus pais me
largaram na Universidade no meu ano de calouro.

Eu estava prestes a empurrá-la para mais detalhes sobre a


fonte de seu estresse, porque ela estava, obviamente, fora das sortes e
tinha-me preocupada, mas antes que eu pudesse, seu tom eficiente
estava de volta.

"Por favor, envie a George seu calendário atualizado com uma


atualização semanal para o período de férias de primavera. Você não
tem aulas na próxima semana, como tal, o calendário está incorreto."

"Eu irei."

"Obrigada. Boa noite, Kaitlyn."

"Boa noite, mãe."

Ela desligou primeiro. Eu segurei o telefone no meu ouvido


por vários segundos antes de baixá-lo para a mesa de cabeceira, então
distraidamente me preparei para cama.

Minha mãe era filha de um físico (minha avó) e um astronauta


(meu avô). Meu avô também era um físico na Marinha. Ela tinha sido
excepcional toda a sua vida e acreditava na estrutura focada no
objetivo. Ela era um super-herói. Ela era o meu herói.

Portanto, momentos em que ela se permitiu mostrar


vulnerabilidade eram angustiantes. Era como assistir a luta do
Superman através de um ataque de exposição à kryptonita.

Voltei para o meu travesseiro e edredom, ambos os quais eu


amo; eles cheiravam a lavanda, e era acolhedor, poemas devem ser
escritos sobre a sua admiração aconchegante épica. Eu aconcheguei
contra sua suavidade e desejei longe o toque de ansiedade que eu sentia
sobre o comportamento estranho da minha mãe.

Eventualmente eu adormeci.
CAPÍTULO CINCO

"Parker".

Dedos estavam no meu cabelo, escovando-o para longe do


meu rosto. Então os dedos acariciaram um caminho por cima do meu
ombro, pelo meu braço, e ajustaram-se ao redor deles, apertando.

"Parker... Hora de levantar-se. Hora de ir." Uma voz masculina


misteriosa reverberou na minha cabeça. Era uma voz agradável. Ele fez
o meu interior se sentir como um marshmallow quente, doce e fofo e
derretido.

Eu levantei minhas sobrancelhas, mas não conseguia abrir os


olhos; Eu perguntei em um murmúrio de sono, "Onde estamos indo?"

"Nós estamos indo para a praia."

As palavras soaram distantes e meu cérebro sonolento me


disse para ignorá-las. Entrei a deriva.

"Você é bonita quando não quer acordar." A voz soou tanto


como um rosnado misterioso quanto divertido. Eu gostei da voz
misteriosa.

Eu também gostei da palavra bonita, mas não tanto quanto


seus sinônimos. "Adorável, cativante, charmoso, querido..."

"O quê?"

"Sinônimos".
"Ok. Vamos, gracinha. Acorde." A mão estava no meu rosto,
cobrindo meu rosto. Notei que ela era excepcionalmente calejada. Um
polegar penteava para trás e para frente, leves toques sussurrando
sobre meu lábio inferior, enviando pequenos arrepios abaixo do meu
pescoço para minha espinha.

Abri um olho, consegui um estrabismo na forma difusa, e


reconheci o dono da voz misteriosa. Era Martin Sandeke. E parecia que
ele estava sentado na minha cama. Eu não conseguia entender o
sentido disso.

"O que está acontecendo?" Eu esfreguei os olhos com a base


de minhas mãos, ainda em algum lugar entre os meus sonhos e a
realidade, mas mais perto de sonhos.

Este era um sonho. Eu estava certa. Era um sonho dentro de


um sonho ou um daqueles sonhos que pareciam estranhamente reais.
Talvez, se eu tivesse sorte, seria capaz de controlar a ação do sonho e
passar algum tempo com o nu superior de Martin Sandeke sem o perigo
de sua personalidade arruinar as coisas.

"Eu vim te pegar para a nossa viagem." Sua mão pousou na


minha coxa nua. O peso foi sentido muito real.

Eu parei de esfregar meus olhos, optando por contemplar


imóvel em vez de um grito ofegante.

"Martin?" Eu perguntei o que esperava que fosse um quarto


vazio.

"Sim?"

Eu pulei para a posição sentada, meus olhos voando aberto.


"Oh meu Deus, o que você está fazendo aqui?"

Martin estava sentado na beira da minha cama para o meio.


Eu olhei para ele; ele estava vestindo escura calça jeans, uma camiseta
branca e seu sorriso desapareceu. Ele era tão bonito que senti que
deveria registrar uma ação civil contra seus pais, alegando danos
punitivos, dor e sofrimento para minha psique.

"Eu vim te pegar."

Estendi a mão para o meu telefone para verificar a hora. Era


07:00. "O quê? O quê? Por quê? O que?" Foi tudo o que consegui,
porque o meu alarme não disparou.

Eu tinha caído no sono, mas esqueci de ligar meu alarme...


Gah!

Então, Martin chegou uma hora mais cedo e ele estava aqui.
No meu quarto. Sentado na minha cama. Olhando-me como se ele me
quisesse para... coisas.

Ele se inclinou para frente, seu olhar em minha boca de


alguma forma delicado e perverso. Horrorizada que ele poderia tentar
me beijar na primeira coisa da manhã, eu me levantei e corri para fora
da cama, pulando do colchão como se fosse um trampolim. Tenho
certeza de que acotovelei no meu caminho.

Peguei minha bolsa e tirei meus chicletes Wintermint,


desembrulhando três pedaços, e empurrando em minha boca.

"São sete", eu disse de forma descuidada em torno do maço


em minha boca.

"Sim. Eu vim mais cedo."

Olhei por cima do meu ombro e vi que Martin Sandeke tinha


se estendido na minha cama, tornozelos cruzados, encostado no meu
travesseiro, seus dedos atados juntos descansando atrás da cabeça.

Olhando totalmente ao redor, eu agressivamente mastiguei e


olhei para ele. Seus olhos estavam se movendo para cima e para baixo
do meu corpo com uma apreciação aquecida e lenta. Olhei para mim
mesma. Eu estava usando minha camiseta do Bob Esponja e um short
de dormir. Mas eu não estava usando sutiã e minha forma era
facilmente discernível através da camisa apertada.

Cruzei os braços sobre o peito e endureci minha espinha.


"Como você entrou?"

"Eu tenho os meus caminhos..." Ele estava avaliando com


cobiça. Ele lambeu os lábios. A ação parecia mal-intencionada. "Por que
você não vem até aqui?"

"Eu estou perfeitamente bem aqui", eu disse com exatidão,


mas o efeito foi arruinado pela goma de chiclete na boca que estava
rapidamente perdendo seu sabor. Peguei um guardanapo ao lado de
meus produtos alimentícios e delicadamente me livrei do chiclete,
jogando-o no lixo dois pés da minha posição. A coisa agradável sobre
dormitórios é que tudo está dentro do alcance.

No entanto, eu me posicionei no lado oposto da porta. Se eu


quisesse sair teria que passar por Martin no meu caminho.

Abruptamente, ele disse: "Traga as calças vermelhas."

"O quê?"

"Quando você fizer as malas, traga aquelas calças vermelhas.


Eu tenho pensado muito sobre elas."

Eu gaguejava, "Eu não vou levar as calças vermelhas."

Ele deu de ombros, com as mãos ainda dobradas atrás de sua


cabeça. "Bem. Não traga então as calças vermelhas. Não traga nada."

"Eu não estou levando nada, eu não estou levando nada!"

"Bom. Estamos de acordo."

"Não foi isso que eu quis dizer. Eu não vou levar nada, porque
não vou".

Ele olhou para mim. "Você prometeu."


"Sob coação."

"Eu não estava segurando uma arma na sua cabeça."

"Não, apenas segurando-se ao meu corpo. Isso é o bastante


para me colocar em um estado de coação."

"Meu corpo coloca-a no estado de coação?" Algo estranho


acendeu atrás de seus olhos.

"É claro. Claro que não. Que pergunta ridícula. Seu corpo
causa sofrimento, inquietação, desolação, e me coloca em um estado de
coação."

Ele sorriu, sentando-se na cama como se planejasse levantar-


se. "Talvez eu vá usá-lo agora."

"Por favor, não." Eu levantei minha mão como se pudesse


detê-lo. Isso não o impediu. Ele se levantou e fechou a porta, em
seguida, tirou a camisa fora. Minha boca ficou seca. Meu coração bateu
dolorosamente. Minha parte de garota se manifestou com força.

Eu quero Martin sabor de cookie! Eu quero cookie agora!

A visão era indecente porque a visão imediatamente me fez


querer fazer várias coisas indecentes com ele, em torno dele, perto dele,
em cima, embaixo, ao lado — se era uma preposição, eu queria fazê-lo
com Martin.

"Ack! Não!" Eu fechei os olhos e cobri o rosto com as mãos.


"Não o peito! Qualquer coisa, menos o peito!"

"Qualquer coisa?" Eu não perdi o tom ímpio, na sua


provocação, nem perdi o som distinto de um zíper se abrindo.

"Ok, eu menti. Tronco nu é bom, apenas, por favor, por favor,


por favor, não tire as calças." Eu virei para ele, ainda cobrindo o rosto
com uma das mãos, e cegamente estendi a mão para a porta do armário
com a outra. O armário corria o comprimento de uma parede e tinha
portas deslizantes. Eu sabia que seria capaz de caber dentro. Talvez eu
pudesse entrar até que ele saísse, ou lançar meus sapatos para ele
como mísseis.

Pela primeira vez na minha vida eu desejei que tivesse saltos


altos em vez de somente tênis. Eu tinha um par de botas Doc Martens,
no entanto...

Suas calças bateram no chão, a mudança em seu bolso


tilintando na descida, e eu imaginei que ele estava agora tirando seus
sapatos.

"Pelo amor de Bunsen, por favor, coloque as calças de volta."


Minha voz soava desesperada porque eu estava desesperada.

Eu deslizei a porta do armário aberta quando as mãos de


Martin reivindicaram meus quadris por trás. Eu endureci porque ele
pressionou seu peito nu nas minhas costas e virilha na minha bunda.
Ele era duro e eu era suave, e eu estava convencida de que estava
prestes a morrer... de algo relacionado ao desejo sexual abrupto. Eu
soltei um gemido torturado porque podia sentir a sua espessura dura
através de suas boxers ou cuecas, — ou cuecas boxer.

Sem pensar virei meu rosto, meus olhos ainda fechados, e


encontrei o algodão fino de sua cueca boxer assim que ele mordeu e
beijou meu pescoço. Eu puxei minha mão de volta. "Você está em sua
roupa de baixo."

"Para você."

"Oh meu Deus. Quem faz isso? Por que você está fazendo
isso?"

"Estou lançando um contra-ataque."

"Um contra-ataque? Eu não ataquei. Você não pode lançar um


contra-ataque até que a outra pessoa tenha atacado."
"Tudo bem." Beijo. Mordida. Língua. Lambida. "Então é um
ataque preventivo", disse ele, a mão debaixo da minha camisa, no meu
estômago. Outra mão sobre a minha camisa, amassando meu peito.

Por algum instinto eu tinha pressionado minha bunda para


trás e contra ele quando arqueei contra sua mão brincando com meu
peito.

"Você acha que só estou interessado em você para uma coisa.


Você está errada", ele sussurrou em meu ouvido, a respiração quente
derramando contra o meu pescoço me fazendo tremer, a mão no meu
estômago avançando mais para baixo.

"Isto é o que você está fazendo agora, como você está me


tocando, não dá credibilidade as suas palavras." Minha respiração
engatou, desestruturando meu cérebro.

"Você está errada. Eu vou provar isso para você."

"Eu estou bem. Eu estou bem. Estou tão, tão, tão bem." Eu
suspirei, minhas mãos abandonando a porta do armário e chegando
atrás de mim para tocar seu corpo. Meu centro doía. Meu estômago
flutuava. Minha pele estava em chamas. Luxúria e loucura tinham
descido.

"Você está vindo comigo. Não há nada temporário sobre como


quero você." Seu polegar estava traçando um círculo em volta do meu
mamilo. Ele beliscou-o bruscamente, fazendo-me chupar uma
assustada — e ainda encantada — respiração.

Ele era tão talentoso nisto. Muito, muito, muito hábil. Seus
movimentos eram peritos, praticados.

Enquanto isso, eu estava mexendo, uma criatura agindo por


instinto, reagindo a seu carinho proficiente.
"Você gosta disso?" Ele perguntou, sua voz soando escura e
bonita contra a parte de trás da minha orelha. "Você se sente bem com
isso?"

Eu balancei a cabeça.

"Você quer mais? Diga sim ou não."

"Sim", eu engasguei. "Muito sim."

Os dedos de sua outra mão mergulharam em minha calcinha,


seu longo dedo médio acariciando meu centro. Se eu não tivesse estado
perdida para luxúria e loucura, eu definitivamente estaria
envergonhada pelo estado da minha região inferior.

Eu tinha certeza que as garotas que ele tinha usado as


vaginas eram de estrela pornô — encerada, lisa, branqueada, reforçada
cirurgicamente para fazê-las parecer menos como um chão de floresta
— mas eu estava ao natural no piso térreo. Eu nunca tive uma razão
para fazer qualquer coisa além de aparar a cerca viva pelo amor de
higiene.

Mas eu não estava envergonhada. Eu estava um pouco


apavorada e muito confusa, mas principalmente eu estava presa em
uma neblina erótica de Martin. Eu estava resistindo contra ele, porque
seu dedo tinha apenas entrado em mim.

"Whoa!" Eu respirei.

"Foda-se", ele respirou contra a parte de trás do meu pescoço,


seus dentes afiados quando ele mordeu minha espinha. "Você é tão
apertada. Tão, porra de apertada."

"Isso é porque sou virgem e estou excitada," eu disse sem


pensar em uma expiração. "O canal vaginal faz ondas quando está
excitado."
Suas mãos se acalmaram — tanto no meu peito quanto na
minha calcinha — embora seu pênis parecesse empurrar mais
insistentemente contra a minha bunda, como se levantasse a cabeça e
dissesse: Diga-me mais sobre este canal vaginal inchado de que você
tanto fala.

"O quê?" Ele perguntou, seu tom afiado, exigente.

"É verdade, ele incha." Eu me mexi inquieta enquanto ele


permaneceu imóvel. "É também se alonga."

"Você é virgem?"

Foi a minha vez de segurar o fôlego, um pico de alguma


sensação desagradável espalhou através de meu corpo.

Eu não tinha a intenção de admitir isso. Eu nunca tive a


intenção de lhe dizer nada pessoal sobre mim mesma, nada que
pudesse ser afastada, e usado para me fazer chorar em algum momento
posterior.

"Hum...", eu disse, lutando para pensar em alguma maneira


de esconder esse fato sem parecer que estou mentindo.

Martin retirou suas mãos e eu senti a perda dele nas minhas


costas; alguns segundos depois, ouvi o barulho da mudança no bolso
da calça. Fechei os olhos novamente, minha testa batendo na porta do
armário.

"Ah, merda," eu sussurrei, meu corpo frio e quente. Eu estava


enrolada com tanta mortificação e energia sexual não gasta.

"Você é virgem", disse ele, desta vez não perguntando; soou


mais como uma acusação.

Eu balancei a cabeça, respirei fundo e olhei por cima do meu


ombro. Ele estava abotoando a calça jeans, sua expressão estrondosa.
Eu olhei para onde seus dedos agarraram a cintura de suas calças.
"E daí?" Eu disse. Se eu fingisse como se não fosse grande
coisa talvez ele acreditasse em mim. "Então o que, eu sou virgem."

Ele terminou com seu botão, puxou o zíper para cima com um
puxão áspero. "Então você é virgem e eu não vou..." Ele rosnou,
separando-se e pegou sua camisa de um jeito áspero. "Eu não sou um
bastardo total", disse ele, colocando sua camisa.

Eu olhei para ele, incrédula com o que ele tinha acabado de


dizer, que ele tinha acabado de deixar implícito. "O que o meu estado
virgem tem a ver com alguma coisa? Todas as meninas devem ser
tratadas com respeito, independentemente de serem ou não virgens. Ser
virgem não me faz mais ou menos vantajosa do que uma não-virgem.
Sua lógica de sedução é falha."

"Não é com as virgens que eu tenho um problema. Eu comi


muitas virgens."

Estremeci com isso e o assisti puxar sua camisa com


movimentos bruscos. Antes que eu pudesse recuperar-me de sua
admissão dura, ele continuou.

"Mas você ser virgem e você sendo Kaitlyn Parker me faz


querer garantir que a nossa primeira vez seja tocando um ao outro, não
uma sessão dura contra o armário de um quarto de dormitório."

"Então, se eu não fosse uma virgem, então nós... o quê?


Teríamos apenas, apenas..." Eu não podia dizer a palavra. Porra. Eu
simplesmente não conseguia. Em vez disso corri para o final. "Você teria
me empalado com o seu pênis enquanto eu estou plantada contra o
armário?"

"Deus, Kaitlyn. Não!" Seu protesto parecia ser igualmente


consternado e sério. "Eu queria provocá-la até que você concordasse em
vir comigo. Eu não ia deixar ir tão longe. Você nunca se deixou enganar
antes?"
Eu acho que ele sabia a resposta antes que ele terminasse de
fazer a pergunta, porque seus olhos se arregalaram com realização
quando as últimas palavras saíram de sua boca.

Não. Não, eu nunca fui enganando ao redor.

Eu não queria admitir nada. No entanto, eu não poderia


deixar de desviar o olhar, olhar sem ver ao pé da minha cama. Eu
percebi tardiamente que minha pequena ação evasiva disse-lhe tudo.
Com minhas mãos fechadas apertadas eu cruzei meus braços sobre o
peito. O peso e o calor de seu olhar, o que ele deve estar pensando de
mim fez minha pele se sentir três tamanhos muito pequenos.

"Droga, Kaitlyn! Eu fui seu primeiro beijo também?" Ele


parecia irritado e suas palavras me fez pular.

"Não. Claro que não." Minhas bochechas e o pescoço estavam


em chamas. Eu tentei levantar os olhos para os seus, mas não consegui
mais alto do que o queixo. "Eu já beijei alguém antes."

"Alguém? Como tipo, outra pessoa?" Por alguma razão


inexplicável, eu senti vontade de chorar. Lágrimas encheram por trás de
minhas pálpebras e senti minha garganta apertada.

Eu sabia.

EU SABIA.

Eu sabia que ele ia me fazer chorar. É o que ele faz. Portanto,


eu não lhe respondi. Eu só pisquei ao pé da minha cama e apertei os
lábios, focada na minha respiração.

Ele sentou-se pesadamente na beira da minha cama, os


cotovelos sobre os joelhos, passando as mãos pelos cabelos, e eu o ouvi
expirar estupefato, "Foda-se".

Eu murmurei, "Essa palavra é sem imaginação."


"Você é completamente inexperiente." Ele disse isso para o
quarto.

Ele provavelmente estava pensando, O que está errado com


você que só foi beijada por uma outra pessoa? Que você nunca conseguiu
passar da primeira base antes?

"Eu li livros," eu disse estupidamente, limpando a garganta,


com segurança após a ameaça de lágrimas. "E vi uma série de vídeos
pornográficos. Tomei notas extensas. Também li vários artigos de jornal
esclarecedores sobre a fisiologia do ato sexual. Eu provavelmente sei
mais sobre a logística de fazer isso, quanto você. Eu não sou uma
idiota."

"Não. Você não é uma idiota", disse ele. Mais uma vez, ele
parecia irritado. Ele se curvou para colocar seus sapatos e notei que
sua mandíbula flexionou, ele estava rangendo os dentes.

Eu me mexi desconfortavelmente no meu pé. O instinto de me


esconder era forte. Eu considerava pisar para trás no armário e deslizar
a porta fechada. Talvez ele não notasse. Ele tinha acabado de olhar para
cima e, eventualmente, ele ficaria como se eu tivesse simplesmente
desaparecido.

Eu estava prestes a colocar esse plano em ação quando ele se


levantou abruptamente. Ele me assustou, então dei um passo para
frente, em seguida, um estranho passo para trás, semelhante a um
quadrado jazz. Ele cruzou para mim, seus olhos alfinetando, seu olhar
intenso. Voltei até minhas costas baterem no armário, levantando meu
queixo para manter contato com os olhos.

"Isto é o que vai acontecer", disse ele, suas mãos se movendo


como se ele estivesse indo me tocar, mas depois ele as puxou de volta
no último minuto e as enfiou nos bolsos. "Arrume suas coisas, você vem
comigo."

Eu abri minha boca para protestar, mas ele me cortou.


"Você prometeu, Parker. Você disse que sim e você prometeu."

Não quebrar promessas era uma das minhas regras de vida.


Se eu fiz uma promessa, guardava. Portanto, fiz uma careta para ele e
admiti a derrota.

Ele me estudou por um momento, seu olhar crescente


pensativo, introspectivo. Suas palavras soaram sombreadas com
distração quando ele disse, "Nós vamos levar isso lento. Nós vamos
começar de novo e fazer isso direito."

Eu olhava para ele, minha boca fazendo sua dança de abrir e


fechar. "O quê? O que você está falando? Fazer o que lento?"

"Você gosta de mim." Ele disse isso com naturalidade, com


uma pitada de beligerância.

Esta declaração não respondeu minha pergunta.

"O quê?"

"Você gosta de mim. Você quer me conhecer melhor."

"Eu certamente não quero conhecê-lo melhor."

"Eu definitivamente quero conhecê-la melhor." Seu olhar


piscou para baixo, então significativamente.

Eu fiquei boquiaberta com ele, porque — gostosa quente do


Hotsvillie — a maneira rosnada e intensa que ele tinha dito, „Eu
definitivamente quero conhecê-la melhor’, fez meu interior ficar em
chamas, em um frenesi de querer ser desejada por ele para me
conhecer melhor.

Meu pensamento imediato foi, Ok, vamos fazer isso. Vamos


apenas fazer o que você quiser, basta dizer tudo usando sua voz, mmm-
okay?

Ele continuou: "Nós vamos ter encontros."


Porque minha mente estava distraída, eu não entendia seu
significado, portanto, eu disse: "Eu não gosto de encontros. Eles são
doces demais e preservo os meus dentes."

Sua fachada sombria e feroz, um pequeno sorriso puxou no


canto da boca. Ele se inclinou mais perto, descansando a mão no
armário atrás de mim, seu rosto apenas polegadas do meu.

Seus olhos estavam brilhantes, verdadeiramente magníficos


com diversão e algo mais quando eles digitalizaram meu rosto. Seus
verdadeiramente magníficos lábios formaram uma curva hipnotizante.
Seu verdadeiramente magnífico corpo estava a polegadas do meu, mas
não me tocou em nenhuma parte.

"Tudo bem." Sua voz era baixa e entrelaçou fortemente com


intimidade. "Nós não vamos ter encontros em nossos encontros. Nós
vamos ter tacos."

"Eu gosto de tacos." Eu disse isso porque gosto de tacos, mas


eu também estava hipnotizada pelo voodoo de sua proximidade.

"Bom. Tacos. Prometa-me." Ele estendeu a mão.

"Eu prometo." Peguei sua mão, apertei-a, e soltei, em seguida,


franzi a testa. "Espere, o que?"

Seus olhos corriam para os meus lábios e ele lambeu os seus


próprios, puxando o de cima em sua boca e mordendo. Acho que
desmaiei um pouco, eu sei que não é possível — não se desmaia um
pouco. Mas sua coisa sexy de lábio-lamber-sugar-morder pode ter
causado uma corrida na minha cabeça.

Eu pensei que ele ia me beijar, porque ele estava olhando para


a minha boca, de tal forma que me levava a crer que ele estava com
fome... dos meus lábios. Ele parecia estar lutando, combatendo com si
mesmo; Prendi a respiração.
Uns cinco segundos que ele hesitou provaram ser a ruína do
beijo em potencial, porque fomos, sem a menor cerimônia,
interrompidos por uma Sam gritando.

"O que diabos está acontecendo?"


CAPÍTULO SEIS

"Tolo, absurdo, sem cérebro, louco, irracional, ridículo, parvo,


estúpido...", eu murmurei.

"O que você está fazendo?"

Eu deslizei meus olhos a minha direita, onde uma carrancuda


Sam se sentou, sacudindo seu livro de ciência política fingindo estudar.

"Você sabe o que estou fazendo", eu sussurrei.

"É o jogo do sinônimo, não é?" Ela sussurrou de volta, virando-se


ligeiramente em seu assento e mergulhando a cabeça perto da minha.
"Qual é a palavra?"

"Tolo".

"Oh. Quantas você tem até agora?"

"Uh, eu acho que, talvez sete ou oito."

"Bem... você precisa mais do que isso." Sam virou-se e olhou por
cima do ombro.

Eu tinha o assento da janela. Ela tinha o assento do corredor.


Portanto, os meninos estavam atrás dela. Eu tinha conseguido com
máxima força de vontade e não tinha olhado para Martin nos últimos
quarenta e cinco minutos. Se este fosse um jogo de videogame, eu
estaria no nível mil, prestes a enfrentar o chefe final, e minhas palmas
das mãos estavam suando com a antecipação.

Minhas mãos estavam suando agora.


Não olhar para Martin a cada 13 segundo era uma tortura. Ele
era tão... „Olhavel’. E olhavel nem sequer era uma palavra. Deveria ser,
porque ele definitivamente era. Bom-para-os-olhos era a frase mais
próxima que eu poderia chegar a isso que seria o sinônimo da não-
palavra olhavel. Talvez hipnotizante?

Fascinação, hipnótico, irresistível, fascínio, sedutor... Hmm...

"Você sabia que dedutivo e sedutor6 tem apenas uma letra longe
de ser a mesma palavra?", perguntei.

Sam se virou para mim e me deu um leve olhar de espanto. "E


favorável e condutor7, mas sem o „t‟."

"Huh." Eu assenti. Isso foi interessante. Eu me perguntei quantas


palavras eu poderia identificar.

Sam continuou em um sussurro, "Você está pronta para falar


sobre isso?"

"Falar sobre o quê?" Tirei os olhos dela e olhei para o lugar vago
em frente ao meu. Desde que estávamos no avião particular do pai de
Martin, tinha toneladas de espaço. Dois assentos estavam em cada lado
do corredor, e o avião tinha seis linhas com uma área de estar aberta
na parte de trás que incluía um bar, sofás e uma televisão de tela
grande. Na cabine da frente, todas as outras linhas estavam para trás, o
que resultou em quatro lugares frente a frente.

Quando entramos no avião, Sam insistiu que ela e eu


precisávamos de todos os nossos quatro lugares e que nem Martin nem
seu menino-comitiva eram autorizados a sentar-se em frente a nós.
Desde que encontrou Martin pairando sobre mim anteriormente em
nosso dormitório, com uma postura clara de intenção de beijo, Sam
tinha vindo a fazer um monte de insistências.

6 Nt.: Deductive/Seductive, essas são as palavras, em português não faz sentido.

7Nt.: Conducive/Conductive, palavras que também em português não fazem sentido


no contexto da escritora.
Sam me nivelou com um olhar apertado. "Não se faça de idiota,
Kaitlyn Parker. Por que estamos neste avião?"

Eu cruzei os braços sobre os joelhos e enterrei minha cabeça em


meus braços.

Eu a senti puxando meu cabelo, não muito forte, apenas tentando


fazer-me sentar direita. Eu não queria. Um momento depois ela estava
debruçada sobre mim, sussurrando em meu ouvido: "Quando entrei no
quarto esta manhã você estava prestes a fazer algo imprudente. Isso
que está em sua lista de sinônimos para tola?"

"Não. Vou adicioná-lo à lista." Minha resposta foi abafada porque


eu estava me escondendo.

"Parker, por que estamos neste avião?"

Olhei para o tecido do jeans, cobrindo minhas pernas dentro da


caverna escura criada por minha cabeça, braços e cabelo. Estourando
uma respiração longa, medida, sentei-me lentamente, até que endireitei
minhas costas e estava descansando contra a almofada do assento de
novo e meus olhos estavam com o nível carrancudo de Sam.

Olhei para ela. Ela olhou para trás, expectante.

"Eu prometi a ele", eu disse.

As sobrancelhas dela saltaram para cima, em seguida, para baixo.


"Você prometeu a ele? É isso aí, é por isso que estamos aqui? Você
prometeu?"

Eu balancei a cabeça. "Sim. Prometi a ele. Prometi-lhe ontem à


noite e prometi a ele nesta manhã e então você entrou e me apavorei e,
em seguida, ele se apavorou e então pensei sobre me esconder no
armário, mas não possuo nenhum salto pontiagudo, então apenas
concordei. Ok? Eu só concordei com essa loucura, o nome que poderia
chamar é parar e desistir."
Os olhos de Sam estavam semicerrados e continuou com sua
expressão ranzinza, o que me disse que não estava impressionada com
a minha resposta.

Mas era a verdade... tipo assim.

Quando Sam entrou, ela tinha armado um ataque e começou a


gritar com Martin. Realmente, ela exagerou porque me ama. Ela foi
bastante desagradável com Martin, o chamou de alguns nomes
desagradáveis que não vou repetir, mas vou dizer que eles são
sinônimos de filho da puta.

Então Martin, que não tem nenhum problema com fêmeas


gritando com ele, ou machos, tartarugas, grama, e móveis, gritou de
volta. Realmente, ele estava se defendendo de sua super-proteção e das
coisas sujas que ela dizia. Para seu crédito, ele não a chamou de
quaisquer nomes sujos. Principalmente ele apenas disse a ela para
recuar e "Cuidar da própria maldita vida."

Eu entrei e tentei acalmá-los. Ao fazê-lo, eu tranquilizei Martin


que iria com ele — porque eu fiz a promessa a ele mais de uma vez —
mas só se Sam pudesse ir também.

Eventualmente, ele superou o choque do meu pedido e


concordou. Uma vez que ele confirmou que nosso destino teria um
campo de tênis, Sam concordou.

Então ele fez algo estranho.

Ele me recolheu em seus braços como se eu pertencesse ali, me


deu um rápido beijo com a boca fechada, e disse que iria esperar por
mim no corredor. Em seguida, saiu da sala e da área de banho privada
e prontamente esperou... no corredor... por mim... por uma hora.

Eu me senti como Scarlett O'Hara depois que foi beijada por Rhett
Butler, confusa e ansiosa e desejando que isso aconteça novamente.
Sam e eu tivemos uma breve discussão depois disso, e por algum
milagre ela concordou em vir comigo.

Honestamente, eu não acho que ela sentiu como se tivesse uma


escolha desde que eu teimosamente insisti para ela vir, e faltava-lhe o
tempo necessário para me defender dele.

No entanto, e colocando toda a discussão, promessas e


xingamentos de lado, uma grande parte de mim estava estranhamente
animada sobre a viagem. Eu tinha dezenove anos e a coisa mais
aventureira que eu já tinha feito foi beber schnapps de pêssego e ficar
bêbada, e ligar para o meu ex no verão passado. Eu nunca tinha jogado
o cuidado para o vento antes. Eu nunca tinha feito nada agradável e
espontâneo. Tão emocionante em partes iguais, aterrorizante e confuso.

Então... aqui estávamos. No avião, com Martin, seu amigo Eric


bonito da Fraternidade, e sete outros caras, a maioria dos quais parecia
que tinham saído de uma Abercrombie e uma sessão de fotos; só que
tinham roupas, infelizmente. Sam e eu éramos as únicas mulheres se
você não contar as duas comissárias de bordo.

Nós fomos brevemente apresentadas aos meninos quando


entramos no avião. Martin se referiu a alguns deles por um número e
em seguida pelo primeiro nome.

Curiosamente, eles não parecem surpresos com a nossa presença.


Eu também tinha certeza de que eles estavam verificando-me, mas não
no sentido de verificar quem sou. Mais como, „Você é uma Yoko Ono?’,
verificando-me.

Quando eu apertei a mão de todos, fiquei surpresa ao ver que um


dos sete rapazes era Ben, o maldito monstro do meu tempo gasto no
armário de ciência. Eu não conseguia entender por que Martin o faria
vir junto, especialmente dado o fato de que ele tinha tentado dar drogas
para Martin uma noite antes.

Talvez eles fizessem essas coisas de homens se apoiarem.


Os meninos eram estranhos.

Eu fiz uma nota mental para contar a Martin toda a conversa


entre Ben e a desconhecida do sexo feminino, porque Ben tinha
basicamente admitido que drogava meninas. E havia realmente apenas
uma razão pela qual ele poderia drogar meninas. Ele era um
estuprador, tanto quanto estava preocupada e eu não queria nada com
ele.

Sam e eu tomamos um assento na frente do avião após as


apresentações e deixamos os homens para a sua ligação.

Senti a pressão crescer com o olhar de Sam; ela apertou os lábios


na minha direção, parecendo descontente e com raiva.

"Eu não posso acreditar que fiz isso, não posso acreditar que
deixei você me convencer a isso. Como isso aconteceu? Como chegamos
aqui? E agora nós estamos indo para alguma praia privada no meio do
Caribe? Isso é loucura."

"É uma espécie de loucura." Eu dei de ombros, me sentindo um


pouco chocada com o fato de que eu estava neste plano e todas as
circunstâncias que conduziram a esse momento. Menos de 24 horas
atrás, eu tinha beijado Martin Sandeke, ou melhor, ele me beijou. E
depois aconteceu de novo... e de novo. Ele tinha colocado as mãos no
meu corpo como se tivesse o direito de fazê-lo, e eu deixei.

Minha pele ainda se lembrava de seu toque. Só de pensar em


suas mãos sobre mim fez meus seios sentir apertado e pesado, e meu
pescoço, costas, braços arrepiarem. Eu estava completamente quente e
senti um pouco embriagada com excitação e medo.

"Mas", eu comecei, parei, dei a minha cabeça uma sacudida


rápida, em seguida, comecei de novo, "mas... está tudo bem. Estamos
bem. Estamos juntas. Se chegarmos lá e nós não queremos ficar
podemos sair."
"E ir para onde? Fazer o que? Nadar para Jamaica?"

Eu balancei a cabeça, lutando contra a crescente onda de luxúria


que Martin inspirava.

"Não. Enviei a George, o assistente pessoal da minha mãe, uma


mensagem. George sabe das informações sobre o voo, onde estamos. Na
pior das hipóteses, eu posso chamá-lo e ele arranja para nós sairmos de
lá. Nós estamos bem."

Sam olhou para mim por alguns segundos sem som, em seguida,
deixou escapar, "Você contou a sua mãe?"

"É claro. Bem, tecnicamente eu disse ao seu assistente pessoal,


George. Como a filha de uma senadora, tenho que informá-la a
qualquer momento que eu sair do país."

"Você não acha que ela vai surtar?"

"Não. Por que ela iria? Eu estou usando o sistema de camarada.


Ela sabe onde estou, e com quem, e por quanto tempo, e por quê."

Embora, eu ainda estava um pouco incerta quanto ao porquê...

"Vocês senhoras precisam de algumas bebidas?"

Ambas, Sam e eu olhamos para cima para ver o considerável Eric


pairando no corredor, colocado um precipício à nossa ilha isolada de
quatro assentos. Sam olhou para ele, como se estivesse confusa com
sua presença.

"O quê?" Ela perguntou.

"Bebidas. Vocês querem alguma... bebida?"

"Não. Sem bebidas." Ela cruzou os braços e inclinou a cabeça


para o lado, os olhos estreitando como se estivesse inspecionando-o.
"Você é mais baixo do que eu me lembrava."
Ele voltou seu olhar de soslaio e levantou um sorriso. "Talvez você
esteja sofrendo da doença de altitude. Você provavelmente deve se
levantar e caminhar ao redor, esticar as pernas."

Mais estrabismo olhando seguiu e agora ambos estavam sorrindo.

Por fim, Sam balançou a cabeça e disse: "Eu poderia esticar


minhas pernas."

Eu a olhei enquanto ela rapidamente soltou o cinto de segurança


e ficou de pé, durante todo o tempo seu olhar fixo em Eric. Seu riso
tornou-se um sorriso quando ela entrou no corredor e seus olhos
visivelmente se iluminaram quando ela se mudou um pouco mais perto
dele.

"Deixe-me dar-lhe um passeio no avião", ele ofereceu


prestativamente como um escoteiro. "Você pode confiar em mim se
sentir qualquer turbulência."

"Claro que sim", ela falou lentamente, parecendo mal-humorada e


divertida ao mesmo tempo. "Lidere o caminho, baixinho."

Eric esfregou as costas de seu pescoço e soprou uma risada


enquanto os dois caminhavam juntos para frente do avião. Estiquei o
pescoço e os observei partir com extasiada limítrofe de fascínio.

Quando Sam riu de alguma coisa que Eric disse eu não podia
mais assistir sem rotular-me como intrometida. Então, relaxei — tanto
quanto eu podia relaxar — em minha cadeira e olhei para as minhas
mãos.

"Parker".

Eu pulei ao som de meu nome vindo dos lábios de Martin e virei


para encará-lo. Eu também, por razões conhecidas apenas para meu
subconsciente, fechei as mãos em punhos e levantei-a entre nós, como
se eu estivesse preparada para uma briga ou uma luta de boxe.
Ele estudou minha postura defensiva e sorriu, tomando o assento
que Sam tinha desocupado sem pedir permissão. Enquanto isso, eu
olhei para ele, minha parede mental levantada e preparada, embora as
minhas mãos caíssem de volta para o meu colo. Eu tive que fazer isso
porque... super-quente o nível de alerta de garoto dez mil.

"Sandeke", eu disse. Eu sabia que soava ridículo, como se


estivesse cumprimentando um inimigo jurado, mas eu tinha que estar
em guarda.

Seu olhar patinou sobre o meu rosto, em seguida, tremulou para


as minhas mãos, ainda em punhos no meu colo. Então ele deu as
minhas mãos um sorriso. Aparentemente, isso o divertia.

"Você vai me bater?"

"Eu não sei", respondi honestamente. "Depende se você tirar as


calças novamente."

"Você vai me bater se eu tirar minhas calças?"

"Sim... eu poderia dar-lhe um soco sujo".

Ele riu, muito alto e muito de repente, e com o completo


abandono que vem ao ser surpreendido. Mas sua risada era uma
sedução radioativa e tinha uma meia-vida de infinidade. Eu queria que
ele nunca mais parasse de rir. Isso fez seus olhos ondularem e sua boca
curvar sorrindo, era um pecado, mostrando seu excelente regime de
higiene dental.

Ele também parecia tão diferente. Ele geralmente usava uma


expressão de perpétuo tédio não impressionado. Perpétuo tédio não
impressionado era uma boa olhada para ele, um olhar muito bom.
Como foram todas as outras expressões que eu tinha visto, como
desconfiança, diversão travessa, raiva estrondosa,interesse revelado,
etc.
Mas o riso... ele quase parecia feliz. Felicidade em Martin foi uma
revelação de beleza e perfeição física casada com excelentes e
infecciosas vibrações de bom-humor. Eu deixei meus punhos caírem.

Menos de um minuto para a nossa primeira interação sobre esta


viagem e minhas cuidadosamente construídas defesas tinham sido
praticamente explodidas em pedaços.

Eu poderia muito bem fazer onda com a calcinha branca em


rendição.

"Oh bem. Cracas," eu disse a nada e ninguém.

Sua risada gradualmente recuou e seus olhos brilharam sobre


mim. "Sem mais punhos."

"Não. Não há nenhum uso." Tenho certeza de que soou


desanimado.

"Então você acha que eu poderia levá-la em uma briga?"

"Eu acho que você poderia me levar sempre que quiser." Eu dei de
ombros. "Se você quiser, e eu realmente só tenho eu mesma para
culpar."

Martin estreitou os olhos, e eles afiaram, me examinando. "Você


não parece feliz com isto".

"Eu não pareço."

"Por que não?"

Olhei para ele por um instante, em seguida, admiti livremente a


verdade. "Aqui está o problema, Martin. Eu sinto que eu gosto de você."

A nitidez em seu olhar suavizou e sua boca se curvou em um


preguiçoso, sorriso satisfeito. "Isso não soa como um problema para
mim."
"Mas é," eu pressionei. "Porque o sentimento origina inteiramente
em minhas calças."

Martin sufocou um riso chocado, e se afastou de mim.

Corri para continuar. "Daí o problema, você vê? Eu sei que você
como meu parceiro de laboratório não vai me ajudar a tabular a
pesquisa. E também sei que você como um — me perdoe à expressão —
como um mulherengo não é bom para as garotas que dorme, e que se
mete em brigas, e que é um pouco amargo e cansado, apesar de ter o
mundo na ponta dos dedos."

Martin apertou a mandíbula. Suas pálpebras caídas em fendas


infelizes e ele estremeceu apenas ligeiramente. Seus longos dedos
apertados.

Eu ignorei os sinais exteriores de irritação, querendo fazê-lo ver a


razão. "Não temos nada em comum. Você está em uma fraternidade, vai
a festas, possui um iate, e é o rei do Universo." Eu pressionei minhas
duas mãos no meu peito. "E eu sou uma lerda sem remorso, que pensa
que é divertido passar as noites de sábado tocando minha guitarra e
escrevendo música. Eu gosto de discutir sobre os episódios de Doctor
Who, e se Samwise Gamgee ou Frodo Bolseiro era, em última análise
responsáveis pela destruição do anel. Eu jogo videogames. Limito-me a
três cookies, mas, em seguida, sempre me engano e como sete.
Enquanto isso você parece como se nunca teve um cookie em sua vida.
Eu sou virgem e você é apenas o segundo menino eu beijei... Nós
simplesmente não nos encaixamos." Eu disse a última parte
silenciosamente, suavemente, esperando que ele visse a razão.

O rosto de Martin era desprovido de expressão, mas seu olhar


mudou-se da ponta do meu queixo para o topo da minha testa, em
seguida, de volta para os meus olhos.

Ele estava sorrindo... tipo assim. Mas se assemelhava a uma


careta mais do que um sorriso. Eu vi seu peito expandir-se com uma
respiração profunda antes de dizer: "Você não me conhece mesmo,
como você pode dizer que não nos encaixamos? Isso não está certo,
Kaitlyn."

"Eu..."

"O jeito que você me descreve, me faz soar como um idiota


intitulado".

Era a minha vez de vacilar, inclinar-se para longe. Minhas


bochechas aquecidas e picadas como se tivessem sido esbofeteadas. Eu
fiquei boquiaberta com ele e seus olhos azuis por um longo trecho.
Quando ele não disse mais nada, apenas olhou para mim, eu abaixei
minha cabeça e estudei o apoio de braço entre nós.

"Eu. Eu. Eu... você está certo", eu admiti com um suspiro. "Eu
não conheço você, não realmente. E você está certo que minha
conclusão de que não nos encaixamos é baseada em minhas
observações e suposições, que são claramente limitadas a fontes de
dados empíricos."

"Eu não estou sugerindo casamento, Parker. Eu só..." Ele fez uma
pausa, embora sentisse seu olhar em mim e parecia pesado. "Olhe para
mim."

Eu me preparei, em seguida, levantei meu queixo para encontrar


seus olhos. Eu esperava encontrar um olhar ameaçador ou uma
carranca.

Em vez disso, encontrei o seu olhar estranhamente sério e


profundo.

"Eu apenas gostaria de uma chance de conhecê-la."

"Mas por quê?" Eu soltei, sentindo-me ofendida em nome de tudo


o que era perfeito e talentoso e bonito sobre ele. "Porque eu?"

"Porque você não está intimidada por mim."


"Bem, isso é errado. Eu estou. Você me assusta."

"Não, eu não."

"Você meio que faz."

"Não, eu não. Esse sentimento de medo e excitação? Se origina


em suas calças. Não se trata de quem eu sou, isso é sobre como me
pareço. Eu sinto isso por você também."

Meu cérebro tropeçou para compreender seu significado. Eu


levantei uma sobrancelha, franzi os lábios, e considerei esta declaração.

Ele continuou, antes que eu tivesse terminado de considerar.


"Você não se importa com a minha família."

"Eu me preocupo com a sua família, como seres humanos, mas


eu não conheço a sua família," eu disse defensivamente. "Tenho certeza
que se eu os conhecesse, me preocuparia com eles."

"Exatamente. Isto é exatamente correto, exceto que você não faria.


Se você conhecesse a minha família não se importaria sobre eles,
porque você é inteligente." A frustração nebulosa em seus olhos
começou a se dissipar e parecia que a minha resposta lhe agradava.

"Isso é verdade. Eu sou inteligente. Mas você também é


inteligente, talvez mais inteligente."

"E você é engraçada."

"Você deve saber que a maior parte do tempo, o engraçado não é


de propósito."

"E honesta."

"Isso nem sempre é uma coisa boa."

"E porra, linda..."


Eu emparelhei com um bufo desdenhoso bufo-risada. Mas então
minha expressão ficou séria quando vi que Martin estava falando sério.

Eu engoli com dificuldade depois que limpei minha garganta. Eu


não conseguia suportar o peso e intensidade de seu olhar, então olhei
para baixo novamente no descanso de braço. Eu aprendi com a minha
mãe que quando alguém lhe dá um subjetivo elogio, significa que não
pode ser refutado e é baseado na opinião, mas que você pode pensar
que é completamente falso, em vez de argumentar, é muito melhor
apenas dizer obrigada, ou eu aprecio isso e nos esforçamos para ser um
elogio real.

Tolos soltam muitos elogios, ela disse, e, por vezes, outras


pessoas te vêem melhor do que você pode ver-se.

Então, eu disse calmamente: "Obrigada," para o apoio de braço.

"De nada."

Eu prendi meu cabelo atrás das orelhas e lutei para encontrar a


coragem de olhar para ele de novo. Eu fui tão longe quanto podia,
cheguei até seu pescoço.

"Você vai me dar uma chance? Sim ou não?" A maneira como ele
falou, com tão severo franqueza, foi deslocada e estranhamente
sedutora. Ele tinha o direito, ou, pelo menos, ele se deparou dessa
forma, porque todas as suas palavras eram demandas.

Isso também me fez querer recusar o que ele estava exigindo.

"Eu estou... aberta à possibilidade de dar-lhe uma chance."


Quando eu terminei, meus olhos tremulavam aos dele. Eu o vi me
olhando com um olhar estreito e um pequeno sorriso. Ele tinha
realmente muito boa aparência, isso era desleal e injusto.

"Isso é o melhor que você pode fazer?" Ele desafiou, inclinado


para frente.
"Não. Mas como você fala comigo, por vezes, me faz querer reter o
que você quer."

Seus olhos brilharam e ficaram mais penetrantes. "Como falo com


você?"

"Como se eu lhe devesse alguma coisa, como se você tivesse


direitos."

"Isso é apenas confiança. Eu não faço isso auto-consciente, mais


por qualquer razão, e eu não vou falsificá-lo para fazer você se sentir
melhor".

Sua resposta foi chocante, irritante, e estranhamente


emocionante, então eu remetei de volta, "Talvez, você deve ser. Talvez,
sua confiança não se baseia na realidade. Talvez, você não é infalível.
Talvez, você nem sempre vai conseguir o que você quer."

Ele me observou enquanto vários longos minutos passaram, seu


olhar cada vez mais indescritível, mas de alguma forma mais quente.
Eu segurei seus olhos, talvez procurando a coragem, porque minha pele
estava arrepiada.

"Ok", ele finalmente disse. "Eu vou tentar não exigir coisas de
você... com tanta frequência."

"Bom." Eu me senti estranhamente decepcionada com esta


notícia, que não fazia sentido. Eu gosto quando ele fala comigo como se
eu fosse um subordinado atribuído a obedecer a todos os seus
caprichos? Quando eu refleti sobre isso, percebi que talvez gostasse,
porque eu certamente me rebelaria, desafiando suas demandas...

Olhamos um para o outro. Eu tentei olhar para ele e seu belo


rosto com o máximo de objetividade possível. Quem era essa pessoa?
Quem era Martin Sandeke, realmente?

"Diga-me uma coisa, Martin."


"O que você quer saber, Parker?" Mais uma vez a minha pergunta
pareceu agradá-lo, suas feições amoleceram e fixaram-se em divertido
— ouso dizer entusiasmado? — curiosidade.

"O que você acha sobre Samwise Gamgee contra o debate de


Frodo Bolseiro?"

Seu sorriso achatou apenas um pouco e por um tempo ele se


ajeitou no banco, Martin desviou o olhar.

Ele limpou a garganta, pegou em um ponto em sua calça jeans,


em seguida, voltou seu olhar para o meu. "Eu não tenho ideia do que
você está falando".

Esta admissão me fez sorrir, depois ri tardiamente porque ele


parecia desconfortável.

Martin Sandeke parecia desconfortável, o que era porque ele


estava fora de sua profundidade, especialidade, ele estava fora de sua
profundidade nerd, e estar fora de sua profundidade parecia adorável
em Martin.

"Bem, deixe-me esclarecê-lo," eu disse com um pouco de show de


apresentadora, acenando com a mão pelo ar. Eu, então, virei em direção
a ele completamente. Eu não tentei escurecer meu sorriso brilhante.
"Há um livro, é chamado de O Senhor dos Anéis e foi escrito por um
linguista antes do século vinte."

"Eu ouvi sobre O Senhor dos Anéis." Seus lábios tremeram, mas
seu tom era inexpressivo. Eu tomei isto como um bom sinal.

"Ah bom. Você já viu os filmes?"

"Não."

"Mas você já ouviu falar do século XX? Ele veio logo após o século
XIX."
Ele não respondeu, mas seu sorriso de boca fechada cresceu.
Seus olhos azuis insondáveis estavam semi cerrados, água-marinha, e
brilhando como o mar ao pôr do sol.

"Vou levar isso como um sim. De qualquer forma, neste livro,


existem diferentes tipos de raças — elfos, orcs, seres humanos, blah,
blah, blah, anões, mas também, existe essa raça de seres chamados
hobbits. Eles são pequenos, de baixa estatura, e, geralmente,
considerados insignificantes. Eles têm pés peludos e gostam de fumar
cachimbo e viver tranquilamente. Na verdade, eles vivem muito
calmamente. Mas eles têm vários cafés da manhã diário, assim...
incrível. De qualquer forma..."

Martin inclinou a cabeça para o lado como se me estudando. Eu


não sabia se ele estava realmente me ouvindo ou não, mas seus olhos
tinham a intenção e foco, como se eu estivesse fornecendo-lhe um super
enigma importante que ele teria que resolver em algum ponto. Ele me
fez ficar com borboletas voando no meu estômago, por ter sua atenção
completa assim. Ele também me fez lembrar o quanto essa área em
minhas calças gostava dele.

"De qualquer forma," eu repeti, tentando me concentrar. "O


objetivo do livro é destruir este anel, porque o anel é muito, muito
ruim."

"Por que é ruim?"

"Você vai ter que ler o livro, e não me interrompa. Já é distração


suficiente ficar olhando para você. Você já descarrilou o trem do meu
cérebro com o rosto várias vezes."

A boca de Martin pressionou junta mais firme e eu tenho a


impressão de que ele estava tentando não rir.

"Voltando para a história, em última análise — alerta de spoiler —


o anel é destruído por dois destes hobbits".
Ambas as sobrancelhas saltaram de surpresa. "Como eles fizeram
isso? Você disse que eles eram insignificantes".

"Como eu disse, você tem que ler o livro para mais detalhes, mas
o cerne da minha pergunta é sobre os dois hobbits que destroem o anel,
Frodo e Samwise. Frodo carrega o anel. Ele o transporta. Mas," Eu
levantei um dedo no ar para dar ênfase, "é Samwise, seu servo de
confiança, e ele é muito confiável. Que ajuda Frodo, ele não deixa Frodo
desistir. Ele ainda carrega o anel por pouco tempo. Além disso, há este
ponto no final que... bem, você vai ter que ler o livro. Assim, a questão
é, quem merece o crédito para a destruição do anel? Quem foi mais
forte? Frodo ou Samwise? O comandante ou o servo?"

Martin franziu a testa para mim; Tomei isso como um bom sinal,
porque isso significava que ele estava realmente considerando a
questão. Mas, em seguida, seu cenho começou a me preocupar, porque
seus olhos eram cautelosos e guardados.

Depois de alguns minutos, ele perguntou, "Isto é um teste?"

Eu levantei uma sobrancelha para ele e seu tom de voz. Ele


parecia um pouco irritado.

"O que você quer dizer?"

"Exatamente o que disse, é um teste? Se eu responder


incorretamente você ainda vai nos dar uma chance?"

Sim. Definitivamente com raiva.

Era a minha vez de franzir a testa. "Martin, é uma conversa. Nós


apenas estamos tendo uma conversa. Isto não é um teste. Você disse, e
eu concordo, que não te conheço muito bem. Esta é a minha tentativa
de chegar a conhecê-lo melhor."

"Mas se eu responder de uma maneira que você não gosta, o que


acontece?"
Olhei para ele, minhas características provavelmente mostraram
a minha desorientação em sua pergunta estranha. "Hum," meus olhos
tremularam para o lado, porque eu estava tentando não olhar para ele
como se fosse uma viciada em crack, "Nada? Quero dizer, nós falamos
sobre isso, cada um revê as nossas próprias opiniões e fornece o
suporte para o que nós acreditamos. Mas, em seguida, podemos sempre
concordar ou discordar em algum momento."

"Então, depois disso?"

"Eu acho que nós poderíamos terminar com um high five para
mostrar que não há ressentimentos...?"

Seus olhos se estreitaram para mim, e ele estava olhando como se


eu fosse o quebra-cabeça; quando ele falou em seguida foi com um ar
de distração. "Isso parece bom."

Eu fiz uma careta, considerando-o, considerando sua reação a


uma pergunta simples. Isso me fez perguntar se Martin Sandeke já
tinha tido uma conversa assim antes, uma em que ele era permitido
discordar sem ser ridicularizado ou punido por seus pensamentos, em
uma que não fosse um teste.

Eu estava prestes a perguntar-lhe algo mais, quando a voz do


piloto veio pelo interfone. Ele anunciou que estavam se aproximando do
aeroporto, e pediu para colocar o cinto de segurança para o pouso.
Enquanto isso, pisquei para Martin e um amanhecer de realização
perturbador criou raízes.

Martin Sandeke não estava acostumado a expressar livremente


seus pensamentos e sentimentos... nem estava acostumado com
bondade.
CAPÍTULO SETE

Muito do humor grosseiro de Sam dissipou após seus 15


minutos de passeio no avião, cortesia do lindo Eric. Eu estava satisfeita
e angustiada com o rumo dos acontecimentos. Desde que a atenção de
Sam foi redirecionada, ou na melhor das hipóteses, ela foi dividida entre
eu e Eric — isso queria dizer que ela não estava tão focada em seu
papel como o meu cinto de castidade das férias de primavera.

Uma limusine muito luxuosa nos pegou. Dentro do carro, sentei-


me ao lado de um dos sete outros caras; seu nome era Ray, e seus pais
haviam imigrado de Mumbi, Índia, quando ele tinha dois anos. Ele era
um bioquímico, e ele era o assento cinco.

"Assento cinco?" Eu perguntei, minha cabeça virando para o lado.


"O que quer dizer assento cinco?" Mais dois dos rapazes entraram na
limusine, sentaram no banco em frente a Sam e Eric.

"Assento cinco no barco da equipe. Eu estou a estibordo",


explicou Ray, me dando um grande sorriso quando ele viu que eu não
entendia muito bem o que ele quis dizer. "Estamos todos na equipe de
remo, no mesmo barco. Eu sou o assento cinco, Martin é o assento oito.
Ele fica no ataque na popa, a parte de trás do barco."

Ray ergueu o queixo em direção a um dos outros caras. "Esse é o


nosso timoneiro8, Lee".

Eu dei a Lee um sorriso amigável. "O que é um galo duplo9?"

8 No inglês coxwain, timoneiros (português) são membros da guarnição.

9 Nt.: as palavras não fazem sentido quando traduzidas, mais em inglês são: coxwain=timoneiro
/ e ela entendeu: cocks-twin=galo duplo/gêmeo.
Lee riu e balançou a cabeça. "É pronunciado cox-wain, não cocks-
twin. Basicamente, eu guio o barco e me asseguro que esses caras não
sejam idiotas preguiçosos".

"Lee também gosta de olhar com sonhadores olhos azuis para o


capitão durante todo o dia," Ray acrescentou com um sorriso. "Você
provavelmente deve ficar com ciúmes."

Dei de ombros convulsivamente, me sentindo agudamente


estranha e auto-consciente. "O que eu... nós... é... quero dizer... o que
você está falando?", eu gaguejava enquanto minhas mãos faziam coisas
estranhas, movimentos tolos no ar na minha frente. "Eu não estou com
ciúmes. Por que eu estaria com ciúmes? Eu nem mesmo conheço o
cara."

Ray, Lee, Eric, e o outro cara cujo nome era Herc — que tinha
obscenamente grandes pernas musculosas — todos ergueram suas
sobrancelhas para mim em uníssono.

"Você é a garota dele, certo?" Lee olhou para seus companheiros


de equipe como que para confirmar esta afirmação.

"Isso mesmo," Herc confirmou, seu tom de voz era firme e seguro.
Senti Sam puxar em minha camisa, mas eu ignorei. Naquele momento,
três dos outros caras entraram no carro; Eu tinha reconhecido dois
deles como o par de garotos da fraternidade de olhos castanhos que
tinha estado com Eric na festa na noite anterior. O mais alto dos dois,
Griffin, tinha colocado as mãos em mim na casa da fraternidade. O
outro, Will, tinha batido em Griffin, na parte de trás da cabeça quando
eles se afastaram.

O nome do outro cara era Tambor. Ele tinha cabelos loiros, mais
escuros do que o do Ben, longos, com pálido destaques, provavelmente
causados pelo sol. Ele tinha olhos castanhos profundos e um rosto
muito estoico. Ele e Herc eram os mais pequenos e entroncados dos
meninos em aproximados alguns míseros centímetros.
"Então... onde é que todos se sentam? No barco, quero dizer," Eu
perguntei fracamente, querendo mudar de assunto.

"Como você sabe, Martin é ataque, que é o assento oito." Ray


então apontou para Eric. "Eric é um estibordo, assento sete. Ben", ele
fez uma pausa e olhou em torno do interior do veículo. Ben e Martin
eram os dois únicos que não entraram no carro ainda. "Bem, Ben que
não está aqui é o bombordo, assento seis. Já te disse que sou o assento
cinco estibordo. Griffin está atrás de mim, assento quatro bombordo.
Em seguida, Will, estibordo assento três. Tambor, assento dois
bombordo. Por último, mas não menos importante é Herc. Ele é o arco,
primeiro assento, na parte da frente do barco."

"Todos os lugares são bombordo e estibordo?"

Ray assentiu. "Está certo. Bombordo e estibordo tem a ver com os


lados do barco. Meu remo é fraudado no lado estibordo; Considerando
que Martin, Ben, Griffin e do Tambor que manipulam um lado do
bombordo."

Eu balancei a cabeça, imaginando um barco de remo que eu tinha


visto na TV durante os Jogos Olímpicos de Verão. Agora,
considerando como Martin tinha originalmente apresentado todos no
avião — referindo-se a cada um por número primeiro antes de seus
nomes — isso fez muito mais sentido agora. Seus apelidos eram suas
atribuições de assento, Martin era chamado de Ataque e Herc chamado
Arco.

Martin entrou na limusine, assim que Ray terminou de explicar


sobre bombordo e estibordo. Notei que um silêncio caiu sobre os
ocupantes; todos pareciam sentar-se um pouco mais retos, os caras
olhavam para ele como se chamando a atenção.

Ele fez uma varredura no interior quando Ben entrou pela outra
porta e a fechou. O olhar de Martin se deteve em mim, que enviou calor
para meu rosto e partiu um zumbido no meu estômago.
Eventualmente, ele olhou para Ray e seus olhos se estreitaram
por uma margem infinitesimal. Ray deu um sorriso que parecia
cauteloso. "Eu vou para outro lugar..." Ray tomou distância de mim,
deixando muito espaço para alguém preencher o vazio.

Martin seguiu os movimentos de Ray com os olhos, olhou para ele


por um instante, depois abaixou-se e cruzou para o assento agora vago,
ao meu lado. Martin então lançou um olhar escuro em torno da
limusine, quase como se estivesse avisando-os sobre as suas sobras de
comida chinesa.

Enquanto isso, eu pressionei meus lábios em uma linha infeliz.


Eu estava impressionada com a dinâmica silenciosa, mas claramente
entendida, a possessividade.

Mesmo se eu fosse a menina de Martin — o que não era — não


havia nada de errado comigo sentada ao lado do amigo de Martin.
Senti-me abruptamente como se tivessem acabado de fazer xixi sobre
mim, tipo marcando o território. Eu não queria ser mijada.

O resto da viagem foi eventualmente sem intercorrências. A


jornada de limusine para a marina levou uns 15 minutos. Na marina,
homens apareceram — como do nada — e colocaram nossos pertences
no barco. Em seguida, os homens desapareceram. O barco partiu e 45
minutos depois estávamos em outra marina, muito menor, situada em
uma ilha.

Pelo menos parecia uma ilha. Após uma inspeção mais próxima,
eu estimava que tinha cerca de quatro milhas de comprimento e pelo
menos uma milha de largura. As florestas tropicais eram pontilhadas
com obscenamente maciças casas luxuosas, algumas dando
diretamente na praia, algumas mais acima em penhascos íngremes.
Contei sete enquanto circulamos a marina.

Nós, entramos em um total de 5 carrinhos de golfe, duas pessoas


por veículo. Eu fui com Martin, Sam viajou com Eric. Atravessamos
uma estrada de terra bem mantida para onde eu supunha que íamos
ficar pela próxima semana.

Eu não comentei o comportamento inadequado de Martin; por


diversas razões. Primeiro, o drama me repelia. Eu não queria começar
uma conversa sobre o tema quando outros podiam ouvir. Portanto, eu
apenas aguentei o seu pairar e a maneira como ele olhava para baixo
dos outros caras quando eles entravam no meu raio de visão.

Em segundo lugar, não sei como começar esse diálogo. E se eu


estava imaginando coisas? E se estava sendo excessivamente sensível?
E se isso fosse como as relações normais eram? Se estivéssemos
realmente namorando, acho que poderia ter sido capaz de navegar
através dessa conversa, mas nós não estamos.

"Por que você está tão quieta?"

Eu tinha ficado embrulhada em meus pensamentos e começou


com uma pergunta sem rodeios.

"Uh." Eu olhei para ele. Ele estava dividindo sua atenção entre eu
e a estrada. "Porque estou pensando em uma coisa."

"O que você está pensando?" Ele perguntou. Como de costume,


soou como uma ordem.

Eu tentei não ler muito seu tom de voz; talvez Martin não
soubesse como pedir, outra coisa que eu não gosto muito sobre ele.

"Acho que é porque não tenho muita experiência com garotos,


então estou tentando compreender algo".
"O que é isso? Talvez eu possa ajudar." Ele me cutucou com o
cotovelo.

Eu balancei minha cabeça, não estava pronta para falar sobre


isso ainda. "Eu não estou pronta para discuti-lo. Preciso de algum
tempo com os meus pensamentos".

Seus olhos inteligentes voaram em cima de mim, sua expressão


crescente distante e impassível. No comprimento ele encolheu os
ombros, mal-encarado, e deu a sua atenção totalmente para a estrada.
Nós não falamos novamente até chegamos na casa.

E por casa, não quero dizer uma casa em tudo. Era monstruosa
de grande.

Uma vez dentro fiquei maravilhada com a opulência. As etapas da


entrada gigantes eram de mármore azul, assemelhando-se a turquesa,
com incrustações de bronze. Uma escadaria grandiosa e graciosamente
curva, dominou o lado esquerdo da entrada, enquanto uma janela
enorme fornecia luz natural e uma vista deslumbrante sobre o oceano.

No centro do espaço tinha uma grande fonte com uma escultura


surpreendentemente de bom gosto de uma sereia que fundia a água
com uma concha.

Tudo era excessivamente detalhado. As esculturas de madeira na


escadaria tinha esculturas. O embutimento de bronze dançava belos
padrões oceânicos sobre o chão. Mosaicos gloriosos de azul e cobre
decorando a fonte.

Tudo era muito. Não se parecia como uma casa, parecia como o
lobby de um enormee famoso hotel.

Quando percebi que estava escancarado, bati minha boca fechada


e olhei para Martin, para ver se ele tinha me visto toda excentrica, com
espanto horrorizado. Ele tinha. Ele estava olhando para mim. Mais uma
vez.
Eu estava começando a me perguntar se tinha imaginado seu riso
no avião e se ele seria capaz de outro, além de seus olhares severos
fortemente cobertos. Não me interprete mal, ele ainda parecia celestial,
mesmo quando ele estava administrando fortemente olhares graves,
mas isto era apenas se você não fosse o destinatário do referido olhar.

Eu estava no fim de recepção agora, seu foco em mim, e ele


parecia infeliz.

Por isso eu dei-lhe um olhar louco com o nariz franzido, seguido


por uma careta estranha — língua para fora, olhos vesgo, dentes
arreganhados como de um coelho — e, em seguida, recentrei em suas
feições para ver se isso teve qualquer efeito.

Ele tinha. Agora ele estava olhando para mim como se eu fosse
uma viciada em crack.

"Parker, o que você está fazendo?"

"Fazendo uma cara engraçada em um esforço para fazer você


parar de olhar para mim como se eu tivesse assassinado seu peixinho
amado. O que você está fazendo?"

Tive o prazer de ver seus olhos se iluminarem com algo como


maravilha confusão, mas antes que ele pudesse falar, o som de vozes
que entravam na casa puxou minha atenção para as enormes portas.
Eu abri minha boca para anunciar onde estávamos, mas as palavras
nunca vieram porque Martin colocou a mão sobre a minha boca —
abruptamente mas gentilmente — trazendo a minha atenção de volta
para ele.

Ele colocou um dedo seus lábios, como o símbolo universal para


ficar calado, então apertou sua mão na minha e me puxou ao redor da
fonte, por um corredor, além da enorme janela, com vista para o mar,
através de uma grande sala com um lareira — lareira gigante? Em um
ilha tropical? As pessoas ricas eram loucas e em uma suite enorme
faziam tudo em estéril branco e tons de azul e verde-mar.
Ele fechou a porta maciça de teca, em seguida, me apoiou contra
ela, olhando para mim, me segurando no lugar com os olhos e
promessas que realizou. Meu coração bateu dolorosamente no meu
peito e eu estava me afogando em seu foco intenso.

Eu abri minha boca para dizer algo de novo, nada realmente, mas
foi perdido porque ele estava me beijando. O gosto quente, urgente de
sua língua roubando a minha respiração, seu corpo sólido contra o meu
me aquecendo para além da rigidez úmida dos trópicos, permeando o
meu centro.

Nós nos beijamos e beijamos, então beijamos um pouco mais. Não


foi até que ele rasgou sua boca da minha, que percebi que eu estava
segurando punhados de seu cabelo e estava na ponta dos pés.

Sua testa encontrou com a minha e ele rosnou, um som baixo


atado com frustração, antes de dizer: "Você é muito fofa, porra."

"Você também."

Ele exalou um fôlego incrédulo, e engoliu. "Eu sou fofo?"

"Como um botão."

Ele riu, roubando outro beijo. "Eu gostaria que estivesse aqui
sozinho. Eu desejo... Deus, eu só quero você para mim."

Uma pontada de inquietação fez os cabelos curtos de meu


pescoço em posição de sentido. Por um lado, era um coisa adorável que
ele disse. Por outro lado, ele tinha acabado de figurativamente urinar
um círculo ao meu redor, em sua exibição flagrante de possessividade
do homem das cavernas. Talvez eu estivesse exagerando, mas não tinha
linha de base para comparação. Isso tudo era um território muito,
muito novo para mim.

Eu precisava de tempo para pensar, longe de seus lábios e


olhares fascinantes.
Felizmente, eu estava bastante certa de que este lugar tinha
alguns armários agradáveis.

"Ele é o macho alfa." Disse Sam de minha cama, onde ela estava
deitada com os braços e pernas espalhados. Eu estava ao lado dela,
meus braços e pernas também espalhados.

Nós não estávamos nos tocando. A cama devia ter seu próprio
código postal.

Depois de meus adoráveis beijos com Martin, ele me informou que


a suíte gigantesca e bela era minha. As vozes de nossos colegas
viajantes ficaram mais altas, mais perto, e então ele me disse para ficar
parada. Ele explicou que as pessoas estariam trazendo a bagagem, bem
como alimentos. Então ele saiu.

Pessoas trouxeram minhas malas. Novamente, pessoas aleatórias


que pareciam aparecer do ar, um homem mais velho em um terno
dirigia um homem mais jovem, instruindo onde colocar minhas coisas.

Em seguida, uma mulher tipo uns 10 anos mais velha do que eu,
apareceu com uma bandeja de comida, água mineral com gás, e
perguntou se ela poderia me preparar um banho ou organizar uma
massagem.

Eu educadamente recusei ambos, mas insisti em me apresentar


para essas aparições. Em última análise, tinha que pressioná-los pelos
seus nomes, porque no começo eles me ofereceram apenas títulos.

O homem mais velho era o diretor de equipe — Sr. Thompson.

O homem mais jovem era um dos jardineiros — Peter.

A mulher era a gerente da casa — Sra. Greenstone.


Eu tentei modular o meu tom de voz para indiferente, quando
perguntei quantos outros efetivos membros, estavam presentes na casa.
Após o Sr. Thompson listar o cozinheiro, ajudante de cozinheiro, três
outros jardineiros, e duas empregadas domésticas, eu parei de contar.
O pessoal da casa excedia em números com os convidados.

Sam me encontrou quando o Sr. Thompson estava se despedindo.

Isso mesmo, se despediu... como algum grande mordomo de


regência da Inglaterra. Eu entrei no bizarro mundo dos obscenamente
ricos, onde banheiras eram sorteadas e licença tomada.

Agora, Sam e eu estávamos comendo uma bandeja de comida e


olhando para o teto abobadado. Uma imensa e bela claraboia me
mostrava o céu do fim da tarde, era de um azul sem nuvens.

Sam continuou expressando sua teoria enquanto mastigava uvas.


"Você sabe, como um bando de lobos. Ele é o alfa."

Eu fiz uma careta e torci meus lábios para o lado para esconder a
minha expressão, não que ela estivesse olhando para mim.

"Isso é bobagem", eu disse.

"Não, isso não é totalmente. Todos eles... bem... todos eles


basicamente o adoram, eu acho. Eric disse que o assento oito, a posição
de Martin, é sem dúvida o lugar mais importante no barco. Ele define o
ritmo para o resto do barco, os empurra. Mesmo Lee, que dirige o
maldito barco, segue sua liderança. Eles fazem o que são chamados de
'dezenas' durante os treinos e corridas. É onde todos eles malham tão
duro quanto eles podem por dez sessões, Martin decide quando e
durante quanto tempo. Ele é apenas um estudante de segundo ano e ele
tem o local mais cobiçado na equipe, e ele é o capitão da equipe. O resto
dos caras são juniores e seniores."

"Talvez seja porque ele é de uma família tão extravagante," eu


disse levianamente, porque Sam estava começando a fazê-lo soar como
se essas coisas importassem. Tudo bem que ela era uma atleta de
competição, portanto, eu poderia perdoar um pouco de sua expressão
de olhos arregalados e emoção em sua voz.

Nunca, considerando que eu tinha entendido esportes e a


dinâmica da equipe. Eu tentei jogar futebol uma vez; todos foram muito
sérios sobre isso. Eu ficava pensando o quão tolo era correr em volta de
um campo gramado, chutar uma bola em uma rede, e pensar nisso
como uma realização.

Terminar Guerra e Paz, isso sim era uma realização.

"Não, eu perguntei ao Eric como Martin conseguiu o seu assento",


disse Sam, virando o rosto para mim, cotovelo e mão sustentando a
cabeça. "Ele disse que Martin fez o melhor tempo na máquina de remo
que eles usam, o ergômetro ou seja lá o que é chamado, e ele tem a
melhor forma de longe. Honestamente, é como Eric se tivesse uma
lavagem cerebral ou tem uma queda por ele ou algo assim. Eles falam
sobre ele, como se ele tivesse inventado o esporte."

Dei de ombros, mas minha mente estava presa na metáfora da


"matilha de lobos", Martin como um alfa para uma matilha de
remadores musculosos. Poderia explicar por que toda vez que ele fala
soa como uma ordem. Assim, isso explica a mentalidade na limusine e
no barco. Ele era mais jovem do que os outros. Gostaria de saber se
toda a sua riqueza deslumbrante tinha alguma coisa a ver com por que
ele foi capaz de comandar o seu respeito tão completamente. Eu podia
sentir os olhos de Sam em mim. Eu mantive minha atenção voltada
para o céu.

Depois de um tempo, ela disse, "Você está linda, sabe."

Meus olhos saltaram para o dela e eu fiz uma careta


automaticamente, suas palavras faladas sinceramente me pegaram
desprevenida.

"Do que você está falando, Willis?"


Ela me deu um pequeno sorriso em seguida, empurrou meu
ombro. "Você, sendo bonita. Você é bonita. Você não se concentra em
sua aparência ou até mesmo parece se preocupar com isso, mas você é
realmente, bastante espetacular para olhar."

Virei a cabeça completamente em direção a ela e cruzei as mãos


no meu estômago. "E você acha que é por isso que Martin subitamente
trouxe a mim e minha amiga desbocada para essa praia privada?
Porque ele acha que sou bonita?"

"É definitivamente parte disso. O menino tem olhos e impulsos".

"Ha. Sim ele tem... "

"Mas não é por isso, ou isso não é tudo."

"Então o que é? Por que estou aqui?"

Sam ficou em silêncio por um minuto, em seguida, perguntou:


"Por que você acha?"

Olhei por cima do ombro, meus olhos descansando na vista


magnifica atrás dela. A parede inteira de trás da suíte era de vidro e
com vista para a praia. A casa estava alguns pés acima do nível do mar.
Se eu estivesse de pé veria a praia de areia branca. Mas a partir deste
ponto de vista, tudo que euvi foi céu azul beijando o oceano azul no
horizonte.

"Eu acho," comecei, decidindo falar meus pensamentos em voz


alta enquanto isso me ocorreu. Eu precisava conversar sobre isso com
alguém e precisava sair da minha própria cabeça, porque não podia
chegar mais longe do que isso. Isso não faz sentido! "Eu acho que ele
quer alguém para ser gentil com ele," eu soltei.

Eu trouxe Sam de volta ao foco, vi sua expressão de surpresa,


mas então algo como contemplação agarrou suas características.
Eu continuei. "Acho que ele está cansado de pessoas o julgando
ou fazendo suposições sobre quem ele é com base em quem é sua
família. Acho que ele quer alguém para ser gentil com ele, com ele, e
mostrar interesse quem ele é, porque ele é o Martin, apenas Martin, e
não por causa de quem sua família seja, ou como quanto dinheiro eles
têm... ou o que ele se parece."

"Isso soa... bem, na verdade, isso soa plausível."

"Eu me pergunto," Apoiei-me no meu cotovelo, de frente para Sam


e espelhando a sua posição sobre a cama, "talvez, ele realmente só quer
um amigo. Eu acho que poderia fazer isso por ele."

Seus olhos se estreitaram em mim. "Eu não acho que ele quer que
você seja sua amiga."

"Mas isso é o que ele precisa", eu disse, franzindo o nariz. "Eu


acho que ele confia em mim porque não quero nada dele. Eu acho que
ele realmente precisa, desesperadamente de alguém para conversar,
alguém que está do seu lado, e ele está confundindo confiança com...
luxúria".

Sam sorriu seu divertimento, seus olhos dançando sobre o meu


rosto. "Ou ele está confundindo luxúria com confiança".

Revirei os olhos e cai de volta para a cama, novamente olhando


para fora através da claraboia.

"Mas, falando sério," ela começou, parou, então respirou fundo,


"ele é uma espécie de possessivo com você, certo? Como, quando ele
olhou para Ray na limusine. E eu pensei que ele ia morder Griffin no
braço quando ele tocou em você enquanto estávamos no barco. Parece
estranho, especialmente desde que vocês dois nem sequer realmente
estão juntos ainda."

Ainda... O.o
"É estranho. Estou feliz que você disse alguma coisa, porque eu
me perguntava se estava exagerando. E tudo aconteceu tão rápido."

"Não, não realmente. Vocês tem sido parceiros de laboratório por


quase dois semestres. Pelo que você me disse sobre sua conversa com
ele contra a mesa de bilhar na noite passada, para ele, acho que esse
relacionamento de alguma forma, já se arrasta há meses, não em horas.
Eu suspeito que ele tem pensado em você muito mais do que você
imagina."

Eu cobri meu rosto com as mãos. "Como posso sobreviver a isto?


Como é que vou passar por essa semana? Ele precisa de um amigo e
tudo o que posso pensar é fazer coisas muito ruins para o seu corpo."

"Você está faminta por intimidade física. Ele está faminto por
intimidade emocional. Talvez você possa ajudá-lo e ajudar a si mesma."

"Eu não quero usá-lo assim. Eu acho que toda a sua vida as
pessoas têm tentado usá-lo."

"Eu não estou falando de sexo, Katy. Eu ainda não acho que você
está pronta para isso. Você tem um coração grande e isso
definitivamente iria ficar no caminho de um acordo de não-laços. Só
estou dizendo, que não há nada de errado com brincar um pouco com
um cara que você está atraída. Talvez...", Sam pegou minhas mãos e
puxou-as para longe do meu rosto. Ela então levantou as sobrancelhas
e me deu um olhar aguçado. "Talvez vocês possam ajudar um ao outro."
CAPÍTULO OITO

Sam passou a noite comigo. Tê-la lá ajudou. Mas, apesar da


cama celestial e o som do oceano no fundo, eu não dormi muito bem.
Sam e eu não nos juntamos aos meninos para o jantar. Em vez disso,
optamos por sentar na varanda com vista para o mar e estudar. Esta foi
a minha ideia. Eu precisava de mais tempo para pensar, considerar,
planejar meu próximo passo com Martin. Eu estava certa de que ele
precisava muito de um amigo, muito mais do que ele precisava de uma
namorada, agora eu só precisava convencê-lo desse fato.

Sr. Thompson parou para checar e se certificar que tudo estava


do nosso agrado. Perguntei sobre ter jantar na suite e ele disse que iria
passar a mensagem. Uma das empregadas nos trouxe o jantar.

Seu nome era Rosa e ela me lembrou de minha avó paterna; seu
grande sorriso era doce e ela nos prometeu cookies, se nós comermos
todos os nossos legumes.

Ela também me trouxe uma nota de Martin. Em seu rabiscar,


masculino, caótico dizia:

Parker,

Vou descer na praia hoje à noite. Venha me encontrar.

Martin

Fiquei aliviadaque ele não veio pessoalmente ou pressionou sobre


a questão de ter o jantar no meu quarto. Eu precisava de espaço e
tempo e... basicamente todas as dimensões conhecidas disponíveis para
mim, talvez até mesmo a assistência de matéria escura invisível. Eu não
estava pronta para um passeio ao luar na praia com Martin ainda. O
céu tinha muitas estrelas para ser tudo, menos fatalista romântico.

Depois de comer, Sam e eu estudamos um pouco mais. Eu optei


pelo chuveiro gigante com sete cabeças — apesar do fato da banheira
ser do tamanho de uma pequena piscina — então, trabalhamos com as
tarefas até a meia-noite quando fomos para a cama.

Era cedo quando acordei, o sol apenas fazendo uma aparição e a


luz ainda suave e nebulosa.

Eu puxei meu roupão e fui até a janela, querendo pegar os roxos e


laranjas que pintam o céu antes dele se render ao azul.

Eu realizo o meu desejo e então até mais. A vista era epicamente


espetacular. A praia de areia branca e água calma chamavam por mim
de uma forma que nunca tinha experimentado. De repente, eu queria ir
nadar. Naquele minuto. Eu precisava deixar o luxo daquela casa
enorme. A genuína beleza da natureza me chamou.

Eu rapidamente me troquei no banheiro, tomando o cuidado de


passar um super alto protetor solar, e agarrei duas toalhas de praia de
grandes dimensões.

Eu também embalei um saco de lona com uma garrafa de água,


das sobras da noite anterior, meu atual livro, um grande chapéu, óculos
de sol, e outros itens essenciais de praia. Saí pela porta da varanda e
segui o meu caminho para a praia. O caminho consistia de dez degraus
de pedra e um cem pés da mais fina, areia macia que eu já tinha
tocado.

Uma vez lá deixei cair meus pertences, descartei minha camiseta,


shorts de algodão, e chinelos, e entrei na água salgada. A água era
cristalina, a temperatura fria e refrescante, e era quase tão calma como
um lago. Parecia o céu.
Durante pelo menos uma hora flutuei, nadei, procurei conchas, e
aproveitei o tempo sozinha com os meus pensamentos neste lindo lugar.
Quando meus dedos tornaram-se ameixas, eu relutantemente
abandonei a água e fui para a areia.

Eu arranjei uma das toalhas sob a sombra de uma palmeira


grande e rolei a outra toalha como um travesseiro. Então, li o meu livro,
secando ao ar do mar, e espreguiçando como uma pessoa preguiçosa.
Este era o tipo de coisa relaxante que eu tinha perdido desde o início da
faculdade.

Eu li talvez umas quatro páginas do meu romance quando ouvi


um barulho; era um canto-leve, em seguida, altas-vozes de barítono.
Levantando em meus cotovelos, eu coloquei o meu livro para um lado,
segurando a página com meu polegar, e olhei em volta para a origem da
voz.

Então eu os vi. Todos os nove rapazes, de aparência notavelmente


como estrangeiros de alguma distânciada costa; longe o suficiente. Eu
não conseguia distinguir rostos individuais, mas estavam perto o
suficiente para ver claramente que eles estavam todos sem camisa. E
devo dizer que eles deveriam estar sempre sem camisa. Na verdade, eles
deveria anular o fato de vestir camisas... sempre.

Eles estavam com remos, o barco deles flutuando sobre a água.


Eu estiquei meus ouvidos e percebi que estavam contando para trás a
partir de dez.

Eu segui o seu progresso, maravilhada com a forma como eles se


moviam tão rapidamente e com aparentemente tão pouco esforço em
uníssono perfeito. Eu me perguntava o que devia ser, fazer parte de algo
assim tão perfeito, tão harmonioso. Era... bem, era bonito.

O mais próximo que eu já tinha chegado a algo assim, foi tocando


minha música, me perdendo no piano, ou tocando com os meus
companheiros de banda no domingo à noite. Mas não eram perfeitos.
Estávamos longe de sermos harmonioso, no entanto, por vezes,
nós tínhamos uma boa noite onde tudo parecia certo e sem esforço,
como se estivéssemos voando sobre a música que criamos juntos.

Assim de repente, como os remadores aparecerem, eles tinham


ido embora. O barco foi em torno da borda da enseada e seu canto
cresceu mais fraco, mais longe. Eu olhei para o local onde eles
desapareceram por um minuto, em seguida, reclinei para trás na minha
toalha, olhando para o horizonte.

"Caramba. Isso foi algo."

Virei a cabeça um pouco e encontrei Sam em pé na praia, com as


mãos nos quadris, e a atenção centrou-se na curva da enseada. Ela
estava usando um biquíni Itsy Bitsy que mostrou o quanto ela
trabalhou em seu jogo de tênis.

"Ei você aí. Boa forma, menina," Eu disse para ela. "Por que você
está parada aí?"

"Porque comprei este biquíni maldito no ano passado e esta é a


minha primeira chance de usá-lo." Ela passeou por onde eu estava e
reclinou e espalhou sua toalha. Seu lugar era um pouco no sol, mas eu
duvidava que ela se importasse com a oportunidade de se bronzear. Eu
não queria ter a chance de cegar alguém, então gostei do meu lugar na
sombra.

Com a minha tez branca, o brilho das minhas coxas


provavelmente queimaria retinas. Ela se virou para me dizer alguma
coisa, mas, em seguida, o cântico tornou-se audível novamente. Certo
suficiente, o barco voltou à vista. Oito remadores musculosos varrendo
a água com seus remos, e Lee na popa voltado para Martin. Seus braços
e ombros flexionando, seus estômagos e apoio ondulando. O movimento
de seus corpos eram tão fascinante como excitante. Desta vez eles
estavam perto o suficiente que eu quase podia ver suas expressões
faciais, ver o suor rolando no seu pescoço e peito.
De onde eu estava, eles pareciam duros, focados, talvez com um
pouco de dor, mas ainda belos. Penosamente lindos. Minha boca ficou
completamente seca.

Sam e eu assistimos por quase um minuto inteiro antes que eles


passaram voando e ficaram mais uma vez fora de vista. Em seguida, ela
abanou-se. "Sim. Eu vou totalmente ter sexo com Eric. Isso foi quente."

Eu não disse nada, porque mais uma vez os meus pensamentos


sujos estavam em desacordo com o que eu sabia que era inteligente,
com o que eu sabia que estava certo.

Martin precisava de um amigo.

Eu seria esse amigo.

Eu gostaria.

E minhas calças me odiavam por isso.

Três dos empregados trouxeram a refeição matinal para a praia


sob a supervisão da Sra. Greenstone. E por café da manhã, quero dizer
que eles transportaram o que parecia ser o equivalente a um
restaurante fantasia ao ar livre na praia. Um grande buffet foi
espalhado em uma enorme mesa de madeira, e mesas de jantar
lindamente esculpidas e cadeiras com almofadas profundas foram
colocadas na borda da água. Um aparador com porcelana, cristal,
guardanapos de linho, toalhas, loção bronzeadora — e basicamente
tudo o mais que se pode querer na praia — foi estabelecido com prática
e eficiência esteticamente agradável.

Por cima de tudo isso, vários grandes arranjos de flores tropicais


foram colocados sobre as mesas juntamente com pequenos pacotes de
conjunto de aloe no gelo para relaxar.
Olhei de soslaio para a opulência, me sentindo fora do lugar, meu
biquíni preto de duas peças modesto, que tinha três anos de idade, meu
chinelo turquesa do Walmart, e meus óculos de sol de posto de
gasolina.

Para ser honesta, o excesso me repelia da mesma forma que o


tamanho e a riqueza da casa tinha me repelido quando cheguei. Eu não
era contra o povo ser rico. Nem era contra pessoas que possuem e se
beneficiam de coisas agradáveis.

Imaginei que o problema era que tudo era muito grande, muito,
muito brilhante, muito novo, muito estéril, muito impessoal. Eu senti
como se todos os detalhes reais que importavam — o cheiro do mar, a
sensação de areia debaixo dos pés, os sons suaves do mar, o farfalhar
do vento através das palmas — se perdessem na ostentação da casa em
sua alastrada esplendorosa sombra.

Onde Sam e eu deixamos as nossas toalhas era um bom 60


metros a partir do buffet de fantasia e sob a sombra de uma palmeira;
no entanto, o local era claramente visível a partir da trilha. Nós
estávamos deitadas com nossa leitura quando Herc, Ray, e Ben
apareceram a partir do caminho da casa.

Ray nos deu um pequeno aceno e um sorriso amável, Herc nos


deu um pequeno aceno que eu imaginava que era amigável para ele, e
Ben nos deu um olhar malicioso e nenhum outro reconhecimento. Eu
silenciosamente perguntei de novo por que Martin tinha convidado Ben,
quando todas as evidências apontam para o fato de que ele era um
tipo desagradável. Os caras cruzaram para a impressionante mesa do
café da manhã.

Assim que eles chegaram à mesa, Eric e Griffin passaram


correndo. Eric derrapou até parar quando nos viu e deu a Sam um
sorriso brilhante. Griffin ergueu o queixo e acenou educadamente, em
seguida, fez um caminho mais curto para a comida.
"Eu já volto." Eric estendeu um dedo para nós indicando o
símbolo universal para lhe dar um minuto. "Estou morrendo de fome."

"Leve o seu tempo." Sam deu de ombros, e eu vi que ela estava


fazendo seu melhor para aparecer inalterada. "E não é como se nós
estivéssemos indo a lugar algum."

"Sim. Bom." Os olhos de Eric moveram sobre seu corpo — não do


tipo de olhar malicioso, tipo eu-quero-tudo-isso, mas sim um tipo
maldição-você-malha-muito e eu-estou-impressionado — as sobrancelhas
fazendo um salto duplo adorável enquanto examinava ela. Em seguida,
ele balançou a cabeça como se limpando e lentamente se virou. Na
verdade, seus passos estavam quase parando enquanto caminhava para
o buffet, ele ainda se virou e olhou para Sam duas vezes.

Sam, no entanto, estava olhando para seu livro. Mas eu poderia


dizer que ela não estava lendo. Quando ele estava fora
do alcance da voz, ela perguntou em um sussurro, "Será que ele olhou
para trás?"

"Sim. Duas vezes."

"Excelente."

Eu sorri e olhei para os caras. Incapaz de ajudar a si mesma, Sam


ergueu os olhos também.

Eles ainda não tinham se incomodado com as camisas e ainda


estavam vestidos de shorts que terminavam acima do joelho.
Realmente, eles poderiam estar nus. Seus shorts não deixavam nada
para a imaginação.

Eu rapidamente reorientei minha atenção no meu livro, meu rosto


vermelho da exposição súbita de machos gostosos, mas Sam ficou
boquiaberta por alguns minutos mais.

"Obrigada, Katy. Obrigada por ser parceira de laboratório de


Martin Sandeke. Obrigada por não ter nenhuma ideia do quão incrível
você é. Obrigada por dirigir-lhe selvagem com sua indiferença. Apenas...
obrigada por este momento".

Revirei os olhos atrás dos meus óculos de sol e virei de costas.


"De nada. Nunca diga que eu não te dei qualquer coisa, especialmente
uma vez que existem mais quatro remadores sem camisa em seu
caminho."

"Eu vou morrer feliz aqui hoje, neste lugar", ela suspirou.

"Em sua poça de luxúria."

"Deixe minha poça de luxúria sozinha. Obtenha a sua própria


poça."

Alguns momentos passaram em silêncio relativo, relativo porque o


som dos meninos, conversando derivou para nós, embora nenhuma das
palavras eram decifráveis. Eu fui realmente capaz de me concentrar no
meu livro por cerca de dez minutos antes de sermos interrompidas.

"Ei, então o que você acha daqui?"

Virei a cabeça e encontrei Eric ajoelhado na areia ao lado da


toalha de Sam, dividindo sua atenção entre nós duas. Eu rolei para o
meu lado, em seguida, sentei, puxando os meus joelhos no meu peito.
Sam, no entanto, continuou deitada no chão.

"É muito bom", eu disse com sentimento, porque era bom e ele
estava sendo bom, e é bom ser agradável.

Então, porque eu queria dizer algo mais do que apenas agradável,


acrescentei: "A praia é requintada. Eu nunca vi esse tipo de areia."

Eric me deu um sorriso amigável. "Sim, este é o nosso segundo


ano. No ano passado, Martin trouxe-nos aqui para férias de primavera e
eu estive ansioso por isso desde que saímos. Eu amo esse lugar."

"Eu posso ver por que," Sam disse, "é lindo."


O olhar de Eric repousava sobre ela por uma batida antes dele
concordar: "Sim, é lindo..."

Meus olhos piscaram entre os dois, obviamente, a partilha de um


momento, e eu não tentei fazer nenhum movimento brusco. Eu virei
meu olhar para a capa do livro que tinha descartado e percebi que não
tinha nenhuma lembrança do que eu estava lendo.

Eric foi o primeiro a falar, e ele o fez com um sorriso encantador.


"Então, Sam. Você se importaria de me ajudar a colocar bronzeador nas
minhas costas? Eu gostaria de ir para um mergulho, mas tenho certeza
que o que coloquei antes já saiu".

"Claro", ela respondeu imediatamente, em seguida, pulou de


joelhos, agarrou a loção, circulou atrás dele, pois ambos se levantaram,
e ela aplicou uma quantidade generosa de protetor solar em seu tronco.

Ele estava de frente para mim, assim Sam estava atrás dele.
Portanto eu fui tratada com suas expressões faciais enquanto ela tocava
em seu corpo. Em um ponto ela fez com a boca as palavras „Oh meu
Deus‟, seus olhos se alargaram. Eu tive que rolar meus lábios entre
meus dentes para não rir.

Após o „passar protetor‟ mais longo da história, Sam mudou-se


para se afastar, mas ele pegou a mão dela.

"Quer ir nadar?"

Ela assentiu com a cabeça, um grande sorriso no rosto. Todas as


suas tentativas anteriores para mantê-lo fresco deve ter derretido
agora... por alguma razão inexplicável.

Sem olhar para trás ou um aceno, ou um te vejo mais tarde em


minha direção, os dois partiram para o oceano. Eu os assisti ir,
sentindo uma mistura de excitação em nome de Sam, e preocupação,
também em nome de Sam. Ela, obviamente, gostava muito dele. E eu
supunha que ele era simpático o suficiente. Mas nenhuma de nós o
conhecia muito bem.

"Hey. Kaitlyn, certo?" Disse alguém atrás de mim.

Eu me virei na direção da voz às minhas costas e encontrei Ben —


maldito monstro, deveria ser drogado, estuprador auto-admitido, e
flagrante aproveitador — pairando à beira de minha toalha. Meu
estômago apertou com trepidação.

"Sim. Está correto. Eu sou Kaitlyn", eu disse, sem querer soar


robótica como fiz, mas incapaz de ajudá-lo. Esse cara queria machucar
e extorquir Martin, e isso foi o suficiente para me fazer gostar dele com
o calor do magma.

"Ei, então," seus olhos se moviam sobre mim novamente, onde eu


estava enrolada em uma bola na minha toalha, "Eu preciso
de uma ajuda para passar protetor nas minhas costas." Ele ergueu a
garrafa de loção bronzeadora que Sam tinha acabado de descartar.

"Tudo bem ...?" Eu olhei para ele, sem entender por que ele estava
me dizendo isso.

Olhamos um para o outro por uma batida. Ele tinha muito boa
aparência, muito bem construído, muito alto, e ele me fez extremamente
desconfortável.

Finalmente, ele bufou. "Então, eu preciso que você passe a loção


nas minhas costas."

Minha carranca aprofundou e eu balancei minha cabeça. "Hum,


não, obrigada."

"Não, obrigado?"

"Está correto. Não, obrigada."

Seus olhos corriam entre os meus e ele parecia estar confuso.


"Você não vai fazer isso?"
"Correto. Eu não vou fazer isso."

A expressão confusa de Ben se transformou em um sorriso de


escárnio. "Qual é o problema?"

Eu apertei meus braços em torno de minhas pernas. "Não é


grande coisa. Eu não toco em pessoas que não conheço, é uma das
minhas regras de vida." A coisa agradável sobre ter regras de vida é que
você pode fazer novas em qualquer lugar quando for conveniente. Não
tocar as pessoas que não conheço não tinha sido uma regra de vida
antes desta hora, mas definitivamente estava na lista agora.

"Nós nos conhecemos."

"Sim, mas eu não conheço você e não quero tocar em você."

Ele olhou para mim por cinco segundos, que mas parecia uma
hora, seus olhos pálidos crescendo significativos e zangados.
Abrutamente, ele desabafou: "Por que você está sendo uma vadia sobre
isso? Eu só preciso de alguma porra de ajuda aqui e você está agindo
como uma puta de merda."

Eu estremeci para as palavras — desde que seus palavrões eram


redundantes e sem imaginação — em seguida, puxei meu olhar do dele,
optando por olhar para a praia e desejando que eu tivesse ido com Sam
e Eric. Eles estavam na água, flutuando, conversando, e provavelmente
não xingando um ao outro.

Mesmo que você não se sinta calma, não significa que você não
pode ficar calma. Palavras de minha mãe vieram de volta para mim.

"Vá embora", eu disse. Meu batimento cardíaco e o bombeamento


do meu sangue rugiram entre meus ouvidos. Meu corpo foi além de
tenso, como se estivesse se preparando para um golpe físico, e eu senti
abruptamente frio e removido do meu entorno, como se estivesse em
um túnel.
"Tudo bem, gorda. Eu não quero seus dedos gordinhos da porra
em mim de qualquer maneira."

Fechei os olhos, esperando o som de sua partida e tentando


acalmar meu coração. Mas ele não foi. Senti que ele pairava ali, apenas
para além da pequena ilha de segurança que era a minha toalha.

Eu estava prestes a lançar-me para cima e longe na água, quando


ele falou de novo.

"Sim, estou feliz que você está tendo um bom tempo. Este lugar é
muito grande."

Eu fiz uma careta com confusão, momentaneamente, mas


paralisada não abri meus olhos.

Mas, em seguida, Ben disse: "Oh, hey Ataque," assim eu discerni


um novo conjunto de passos se aproximando atrás de mim. Martin
estava andando de novo.

Eu exalei uma respiração lenta, minhas entranhas ainda se


sentindo como pingentes de gelo, e lentamente abri meus olhos. Eu
mantive minha atenção fixada à costa como se não quisesse olhar para
esse Ben novamente, provavelmente nunca.

"Hey," disse Martin de algum lugar nas proximidades e sobre o


meu ombro. "O que está acontecendo?"

"Ah, não muito. Apenas fazendo companhia a Kaitlyn." A voz de


Ben era notavelmente diferente, amigável, afável. "Mas uma vez que
você está aqui, vou apenas ir comer alguma coisa. Você quer alguma
coisa? Quer que eu traga alguma coisa?" Ben estava obviamente
dirigindo esta pergunta solícita para Martin.

Eu me perguntava se brevemente Martin deveria investir em um


testador de veneno de algum tipo. Eu não confiaria em Ben com uma
cobra que eu não gostava, e muito menos para me trazer comida que
não fosse contaminada com arsênico.
"Não", disse Martin.

Eu quase ri, apesar de meu estado frágil. O „Não‟ simples de


Martin parecia muito mais do que um não. Soou como um aviso e uma
ameaça, como uma despedida e um comando. Eu estava impressionada
como o quanto distante ele conseguia embalar em uma única palavra de
uma sílaba.

"Ok, bem..." Na última vez que ouvi pés de Ben movendo contra a
areia. "Estou morrendo de fome, então vou comer. Vejo vocês dois mais
tarde."

Eu ainda permaneci onde estava, mesmo quando tinha certeza


que Ben tinha ido embora. Eu não conseguia erguer meus dedos de
onde se apertavam em minhas pernas firmemente dobradas contra
mim.

Crescendo, eu tinha lutado um pouco com o meu tamanho, mas


não da maneira como a maioria das pessoas se aproximam das
frustrações com seu tamanho. Lutei e trabalhei para aceitá-lo. Eu
desejei que pudesse ser diferente, ainda, porque confiava na minha mãe
e suas garantias que não havia nada de errado comigo ou a maneira
que eu parecia, que um bebê gordinho era normal para mim e que meu
corpo iria lança-lo, eventualmente, eu nunca lutei contra isso.

Eu era uma garota gordinha e muito, muito baixa durante a


maior parte da minha infância; em seguida, durante o meu segundo
ano do ensino médio, eu estendi e cresci quatro polegadas,
basicamente, durante a noite. Eu cresci mais duas polegadas no meu
primeiro ano.

Mas eu nunca fui magra e firme; em vez disso, eu sempre fui


suave e curvilínea. Eu fiz um pouco como a linha da minha cintura, no
entanto, um pouco cônico dramaticamente sob minhas costelas, então
chamejou para fora outra vez ao meu quadril — uma ampulheta, a
minha mãe tinha dito com um sorriso — me definindo.
Ela me disse que eu deveria ficar orgulhosa de minha forma
saudável e corpo saudável, e amar e cuidar dele porque ele era meu.
Ninguém, disse ela, poderia me dizer o que pensar do meu corpo. Se eu
deixar que a opinião de outra pessoa me importe, parece que estou
dando-lhe o controle sobre mim, e eu tinha o controle completo
sobre a minha auto-imagem. Isso é o que ela disse.

Mas essa não era a verdade, não realmente. Porque mesmo


sabendo que Ben era um alimentador inferior da pior espécie e sua
opinião importava tanto quanto as cintilações no mar, palavras como
gorda me magoavam, não importa a fonte.

Eu senti os olhos de Martin em mim e eu gostaria de ter uma


camisa, ou um roupão de banho, ou um grande saco de lixo de plástico
para cobrir as imperfeições da minha forma. Além disso, gostaria de ter
perfurado o lixo do Ben quando eu tive a chance.

Martin mudou-se, andando na toalha de Sam e sentado ao meu


lado. Eu levantei meu queixo e mantive meus olhos no horizonte; Eu
ainda não estava pronta para olhar para ele. Eu ainda estava tentando
ganhar o controle dos meus sentimentos dispersos. Eu também estava
tentando suprimir a auto-consciência rastejando do meu peito para
minha garganta e me sufocando. Eu era estranha, rechonchuda inábil,
da cor de giz, sentada ao lado de um deus grego musculoso e
bronzeado.

Martin esticou suas longas pernas na frente dele; ele descansou


uma mão atrás de mim assim que seu braço e peito roçou a pele nua de
meu braço e nas costas. O contato foi uma faísca em meu túnel
de dormência frígida. Então ele se inclinou para a frente, aninhou meu
rosto suavemente com seu nariz, e colocou um beijo suave na minha
mandíbula. Inesperadamente, senti-me derreter.

"Ei, Parker," ele sussurrou, então beijou a minha bochecha. "O


que está errado?"
Eu balancei a cabeça mesmo enquanto meu corpo
instintivamente se inclinou para ele, meu ombro encostou em seu peito.
Sentia-se bem, sólido, quente.

"Por que esse cara está aqui?" Perguntei.

Martin olhou por cima do ombro para onde seus companheiros de


equipe estavam comendo, então me encarou novamente.

"Ele disse alguma coisa para você?"

Limpei a garganta, em seguida, respondi com outra pergunta:


"Por que você o convidou? Depois do que ele tentou fazer com você."

Ele exalou suavemente, em seguida, passou as costas de seus


dedos abaixo do comprimento do meu braço ao meu cotovelo; seus
olhos seguiram o caminho. Ele parecia estar estudando minha mão
onde agarrava minha perna.

"Porque ele é forte e nós, da equipe, precisamos dele para


ganhar." Sua voz tinha uma ponta de ira, mas eu sabia que não era
dirigida a mim.

Eu deslizei meus olhos para o lado, considerando esta notícia e a


expressão de Martin. Ele não parecia feliz em ter Ben lá. Na verdade, ele
parecia com raiva. Tenho a impressão de que ele não estava
acostumado a fazer concessões, e isto parecia errado e pesado.

"Ele tentou drogar você", eu disse com um fervor que me


surpreendeu, sentindo-se indignada por Martin.

"Eu não disse que confio nele. Eu disse que nós precisamos dele.
Confiar e precisar de alguém é geralmente mutuamente exclusivo."
Martin levantou os olhos do brilho do meu. Neste momento eu fui
surpreendida por ver que eles eram da cor exata do oceano. Manchas de
verde, prata e turquesa irradiava de sua pupila como uma estrela.
"Mas às vezes, raramente...", ele começou, parou, sua atenção à
deriva para os meus lábios brevemente, "você conhece alguém que
precisa, que você também pode confiar".

Ele olhou para mim e eu olhei para trás, sentindo-me confusa e


descrendo na implicação de suas palavras. Ele permitiu-me lutar por
um minuto, em seguida, pegou minha mão e soltou da minha perna,
segurando-a levemente, com reverência.

"Kaitlyn, Ben disse algo para você? Porque se ele fez vou me livrar
dele." Os olhos de Martin estreitaram por uma fração e seu olhar
penetrante cresceu, procurando.

Juntei um fôlego expansivo e virei do olhar de sondagem de


Martin. Sua preocupação óbvia estava fazendo coisas estranhas para
mim. Este protecionismo não se sente como possessividade, e eu
me perguntei quantas vezes eu lamentavelmente tinha confundido com
o outro.

Eu não queria mentir. Mas se Martin poderia viver com Ben


tentando droga-lo e extorquir-lhe por razões de coesão da equipe, então
acho que eu poderia viver com algumas palavras desagradáveis. Claro,
havia tudo aquilo de Ben drogar as meninas por razões indefinidas...

Eu olhei sobre a água enquanto falava. "Martin, eu não lhe disse


isso na sexta-feira, quando vi você na festa, mas você não é a primeira
pessoa que Ben tentou drogar. Quando ele estava falando com essa
menina, ele fez soar como... como se tivesse drogado outras meninas
por um tempo. Isso só pode realmente dizer uma coisa, certo?"

Eu espiei Martin e sua carranca era afiada. Ele disse entre


dentes, "Obrigado por deixar-me saber. Eu vou lidar com Ben. Ele não
pode..." ele parou, expirou lentamente, "ele não vai fazer isso de novo."

"Mas o que você vai fazer sobre o que ele fez até agora?"

"Eu vou cuidar disso também."


"Ele é tão horrível. Ele é... ele é como dicromato de amônio com
tiocianato de mercúrio. Ele é o universitário equivalente das entranhas
do inferno".

O sorriso de Martin foi súbito e sua imprevisibilidade parecia


levar-nos de surpresa; ele riu levemente em minha analogia, mas ele
também parecia preocupado. "Ei, ele disse algo a você? Antes de eu
chegar?"

"Eu não gosto dele", disse eu, enquanto temia que Martin veria
como eu estava sendo evasiva. "Ele é desagradável e assustador e eu
não quero falar mais sobre ele. Vamos falar sobre química."

Eu senti mais do que vi, um pequeno sorriso de Martin porque ele


se inclinou e beliscou meu ombro, seus lábios pairando sobre a minha
pele. "Sim, vamos falar sobre a química. Temos excelente química."

Inclinei-me um pouco para o lado e para longe, porque seus


lábios macios, dentes afiados, e boca quente eram esmagadores para o
meu peito, estômago e calças.

"Eu quis dizer a nossa atribuição. Eu trouxe todas as minhas


anotações, acho que nós deveríamos começar a procurar esta tarde."

"Na-ah." Martin levantou a cabeça, coloquei minha mão sobre sua


coxa, e depois reuniu vários fios de cabelo soltos do meu rosto. Ele
enfiou-os atrás da minha orelha. "Nós vamos sair. Você e eu, tenho
planos."

"Planos? Quais são os planos?"

"Eu conheço um lugar onde podemos ficar sozinhos."

"Além dos cinquenta quartos de sua casa?" Eu disse, então


imediatamente me senti queimar escarlate com a insinuação não
intencional. "Ah... eu quero dizer... é que... o que eu quero dizer é... oh
diga logo."
Ele me viu lutar sob as sobrancelhas em suspensão, um sussurro
de um sorriso no rosto, então cortou quando tentei esconder meu rosto
no meu braço. "Não, o lugar que tenho em mente é melhor. O almoço
está embalado. Vamos lá." Ele apertou meu braço, em seguida, puxou
minha mão enquanto se levantava, me puxando com ele. "Nós
precisamos ir."

Peguei minha mão para trás e rapidamente me cobri com uma


toalha.

Tentei não olhar para ele, principalmente porque ele era


magnífico. Diferente dos outros, ele estava vestido com uma bermuda,
que terminou em seu joelho. Seu torso estava sem camisa e
completamente perfeito e liso. Ele parecia uma estátua de ouro, lançado
em relevo pelo sol, mas quente ao toque.

E isso era apenas o tronco! Eu não confiava em meu olhar se


aventurar para baixo para avaliar a perfeição de suas pernas... ou em
outro lugar.

Meu coração e a área anteriormente definida como "minhas


calças", estavam torcidos e apertados na visão de seu corpo perfeito.
Senti alfinetadas e formigamentos em todo o corpo e um pouco tonta
quando me virei longe dele.

"Deixe-me trocar de roupa primeiro", eu murmurei sem pensar.


"Eu desejo que tivesse investido em uma burca ou um moomoo10... "

Martin agarrou a toalha enquanto eu tentava envolvê-la sob meus


braços, trazendo a minha atenção de volta para ele.

Sua expressão foi novamente afiada, as sobrancelhas reduzidas


em uma carranca. "O que você disse?"

"Nada."

10 Nt.: tipo uma bata longa e larga.


"O que você está fazendo?" Seu olhar piscou para a toalha depois
de volta para mim.

"Pegando as minhas coisas."

Ele puxou a toalha e eu segurei mais apertado. Sua carranca


intensificou. Enquanto ele examinou meu rosto, eu sentia muito como
se estivesse sendo examinada sob um microscópio.

Martin levou três completas respirações medidas, a mão agora


teimosamente apertada na toalha, antes dele perguntar de novo com os
dentes cerrados, "O que Ben lhe disse, Parker?"

"Nada de importante." Eu inclinei meu queixo para cima e dei de


ombros. Quando parecia que ele ia pressionar a questão ainda mais, eu
deixei de lado a toalha, deixando o peso cair em suas garras.

Martin parecia perturbado, mas sua atenção se desviou, como se


estivesse compelido, como se ele não tinha escolha a não ser olhar para
o meu corpo. Eu fiquei tensa, lutando contra a vontade de cruzar os
braços sobre o peito, e olhar para o céu, deixando-o olhar.

Isso realmente não importa. Estávamos na praia por causa de


Bunsen! Mais cedo ou mais tarde ele ia me ver em um maiô. Eu repeti o
sábio conselho de minha mãe, Se eu deixar a opinião de outra pessoa
importar então eu estava dando a ele o controle sobre mim; Eu tinha o
controle completo sobre minha auto-imagem. Eu ainda segurei por tanto
tempo quanto eu poderia.

Então eu ouvi-o suspirar. "Foda-me..."

Meus olhos dispararam de volta para Martin e o encontrei


olhando para o meu corpo com uma mistura de dor, fome e apreço. A
profanação tinha escorregado de sua língua como uma carícia estranha.

"Desculpe-me?" Eu questionei, embora quase perguntei: Isso foi


um pedido?
Seu olhar saltou para o meu rosto e ele deu um passo adiante,
jogando a toalha na areia. Ele não me tocou, exceto pelas pontas dos
dedos de minha mão esquerda na palma da mão direita. "É uma
expressão, Parker. Geralmente, quando a pessoa é surpreendida".

Eu olhava para ele. "O que é surpreendente? É a minha pele como


um fantasma? Isso assusta você?"

Eu vi sua boca puxar para o lado um pouco antes dele se virar de


mim e me puxar em direção ao caminho da casa. "Não. Sua pele
fantasma não me assusta."

"Isso..."

"Você é uma porra de malditamente linda, Parker," ele disse


aproximadamente com um meio grunhido, e sem olhar de volta para
mim.

Assustada, eu bati minha boca fechada, quando um calor


contente e agradável impregnou em minhas bochechas, no peito e
estômago. Pela primeira vez na minha vida, eu descobri que não me
importava com o uso de palavrões.
CAPÍTULO NOVE

Eu não troquei de roupa, assim como esqueci completamente


que queria trocar de roupa. Portanto, eu continuei a usar o meu
relativamente modesto biquíni de duas peças no passeio da casa a este
novo e melhor lugar onde Martin insistiu para irmos... estarmos
sozinhos...

Estar sozinha com Martin não me assusta a princípio. Isso é


sentido como um estado muito teórico de ser; como ser informado que
eu estava indo para tornar-me plasma de quarks-glúons (ou seja, uma
das fases teóricas da matéria) ou o concorrente vencedor do American
Idol. Assim, era mesma probabilidade.

A verdade era que minha mente estava lenta na absorção, porque


tudo estava acontecendo muito rápido. Na sexta-feira à tarde, eu estava
escondida em um armário de ciência no campus. Agora era domingo à
tarde e Martin estava praticamente me cortejando tanto quanto um
louco, bonito, multimilionário, gênio pode cortejar uma menina, em
uma pequena ilha no Caribe.

Eu não estava acostumada a mudar e eu não era boa com


surpresas. A totalidade do meu passado e todas alterações nele, foram
bem documentadas através das agendas preparadas por George.
Sempre tive tempo para me preparar.

Mas não desta vez.

Assim, eu esqueci de surtar até que ele estava me levando pela


mão por um caminho de areia e através de uma saudável quantidade de
vegetação rasteira tropical. Na outra mão ele segurava uma cesta de
piquenique. Eu olhei para cima e pisquei para os grandes músculos de
suas costas e de repente me bateu onde estava e quem eu era e com o
que tínhamos feito até agora.

O beijo, o toque, os sussurros, os momentos partilhados e os


olhares aquecidos. Eu tinha feito contato visual com ele mais nas
últimas 36 horas do que nos últimos seis meses como sua parceira de
laboratório. Um arrepio passou por mim. A vida estava acontecendo
muito rápido.

Eu murmurei, "Rápido, corrido, ligeiro, super-sónico,


apressado..."

Martin olhou por cima do ombro, os olhos oceânicos me varrendo


de cima e abaixo. "O que você disse?"

"Nada."

Seus olhos se estreitaram em mim. "Você está bem?"

Eu menti, "Sim. Bem." Em seguida, desvio," Onde estamos indo?"

Um brilho de alguma diabrura passou em seu olhar, curvando


sua boca para um lado, o olhar de diabrura era realmente bom em
Martin Sandeke e ele voltou sua atenção para o caminho. "Este lugar
que eu conheço tem uma cachoeira e caverna. Faz parte da
propriedade, por isso ninguém mais usa."

"Que bom", eu disse, inclinando-me enquanto ele segurava uma


folha fora do meu caminho, e acrescentei a conversa, "temos uma
garagem na minha casa. Ela contém um carro e algumas das
ferramentas do meu pai".

Martin olhou para mim, partes iguais de divertido e confuso.


"Oh?"

"Sim. E uma rede no quintal."


"É assim mesmo..."

"Sim."

"Então, não há cachoeiras?"

"Não. Mas uma vez, quando choveu muito, a calha quebrou. Que
foi semelhante a uma cachoeira".

Martin riu. Eu sabia que ele estava rindo porque, embora ele
estava quieto, eu vi seus ombros agitarem; e quando ele se virou para
olhar para mim, seus olhos brilhavam com humor e um sorriso
letalmente brilhante.

"Você é engraçada, Parker."

"Obrigada." Eu olhei para longe do farol de seu sorriso. Era


ofuscante. "Você também é... Bem humorado às vezes."

Nós andamos mais cem jardas ou assim em silêncio e eu me


forcei a estudar a paisagem envolvente. O chão era de areia e cinza
claro e branco, e fortemente desarrumada com conchas branqueadas.
Palmeiras muito altas. O caminho estava cheio com arbustos de palma
grossos e vegetação rasteira. A nossa volta insetos zumbiam e
cantarolavam uma constante sinfonia, e eu poderia ouvir os sons fracos
de água corrente. Ela ficou mais alta quanto mais longe
nós caminhamos, mas não excessivo. O tempo estava quente, e teria
estado mais quente, se nós estivéssemos no sol. Mas na sombra e tão
perto do oceano, uma brisa fresca sussurrava e arrefecia a minha pele
nua.

Martin virou um pouco, ainda segurando minha mão, embora sua


atenção estava em uma série de rochas na nossa frente, descermos um
tipo de escada.

"Tenha cuidado aqui, basta ver o seu passo. Poderia ser melhor se
você fizer isso com os pés descalços. Você não vai precisar de sapatos
de qualquer maneira."
Ele soltou minha mão, tirou os sapatos e me precedeu o caminho
feito pelas pedras arenosas.

Eu, do mesmo modo, tirei meu chinelo e o segui, mantendo a


minha atenção na trilha. O som da água correndo aumentou
exponencialmente à medida que descemos. Então parei porque Martin
parou, e eu olhei para cima e vi este lugar onde ele nos trouxe.

E o meu queixo caiu.

Ele trouxe-nos para uma pequena enseada, na maior parte


sombreada por palmeiras e com uma face para a rocha circundante.
Tinha cerca de 6 metros de diâmetro. A água cristalina e turquesa
estava principalmente, ondulava mais perto do fim agora. Após uma
inspeção mais próxima, a enseada parecia estar ao lado de uma
caverna.

A cachoeira era invisível, mas dava para ouvi-la; Eu acho que


deve estar por trás da face da rocha.

Era como uma pequena sala, privada, íntima, de tirar o fôlego.


Eu não sei exatamente quanto tempo fiquei ali de boca aberta para a
pequena beleza natural dos nossos arredores. Mas me tornei consciente
do olhar de Martin tudo de uma vez, me observando; Corri uma olhada
para ele, agarrando minha boca fechada.

"Você gosta disso?"

Eu balancei a cabeça. "É... é impressionante."

Ele sorriu, obviamente satisfeito. Ele deixou a cesta de piquenique


para baixo em algum ponto em uma prateleira criada pelas curvas das
rochas, deixando ambas as mãos livres. Martin com as duas mãos livres
parecia um pouco perigoso. Olhei para as mãos, meu coração pulou.

"Vamos lá", disse ele, segurando uma de suas mãos perigosas em


mim.
Eu aceito isso, e ele nos levou para dentro da água, seus olhos
segurando os meus. A água lambeu meu tornozelo, em seguida a
pantorrilha, então nós ficamos submersoos pela cintura apenas alguns
metros da borda.

"Quão profundo é isto?"

"Uh, essa é uma entrada para a caverna onde está a cachoeira."


Ele indicou com a cabeça para o outro lado. "É relativamente fundo ali,
talvez de 4 a 6 metros. Mas deste lado", ele apontou para a minha
direita, "é plana e tem cerca de pouco mais de 1 metro."

"Você já entrou na caverna?"

Ele balançou a cabeça, os olhos viajando em cima de mim. Foi


uma leitura lenta do meu corpo que fazia coisas inesperadas, me fazia
tremer, meu estômago pular, e meus mamilos endurecerem. Quanto
mais ele olhava, mais quente e mais intenso seu olhar ficava. Parecia
que ele estava à beira de dizer algo.

Eu não queria que ele pulasse por quaisquer falésias verbais,


então eu o interrompi, puxando minha mão da sua, antes que ele
pudesse falar. "Qual é o plano, Stan? Qual é o problema, Neil? Existe
um cronograma para o resto desta semana? Qualquer coisa que eu
deveria estar ciente? Gostaria de lembrar novamente e com toda a
seriedade que tenho ainda tarefas para escrever e um teste de cálculo
vetorial para estudar. Além disso, mais uma vez, você e eu temos essa
atribuição do laboratório que precisamos preparar. Eu tenho você preso
aqui, portanto espero que você ajude com a pesquisa bibliográfica. Além
disso, tenho dois livros que estive morrendo de vontade de ler."

Martin não estava sorrindo, mas seus olhos eram quentes e


interessados. "Você sempre fala assim?"

"Assim como? Impressionante?"

"Sim, incrível." Seu tom era quase sério, beirando a sério.


Senti-me satisfeita com o elogio apesar do fato de que eu tinha me
auto-depreciado e ele apenas concordou. Porque eu queria ser sua
amiga, por isso era importante ser honesta.

"Na verdade não. Na verdade, você me deixa nervosa, por isso


estou um pouco mais nervosa e vociferante de que o habitual."

"Vociferante. Você tem um excelente vocabulário." Ele empurrou-


se para trás alguns pés e começou pisando na água perto do centro da
enseada. Seus olhos pareciam brilhar, refletindo o verde-mar da água
salgada.

"Ah sim. Eu faço. Eu sou uma grande fã de sinônimos."

Ele soltou uma risada suave, olhando para mim como se eu fosse
estranha e maravilhosa. Ele fez o meu sorriso ampliar.

"Assim, qual o plano para esta semana? O que posso esperar?" Eu


peguei pequenos passos perto da borda, não querendo me aventurar
muito próxima de Martin e seus olhos brilhantes e mãos perigosas.

"Bem, a prática da equipe, como esta manhã. As ondas são


mínimas neste lado da ilha porque nós estamos basicamente situados
no meio de uma grande entrada. O Golfo é como um grande lago.
Vamos praticar e treinar de manhã, então você vai ter o seu tempo de
silêncio." Sua voz era uma conversação franca. Foi legal.

"Bom." Eu prendi meu cabelo atrás das orelhas, essa notícia


acalmou um pouco os meus nervos. Se ele estava treinando no período
da manhã, eu poderia usar o tempo para preparar os meus ataques de
amigo.

"Mas nas tardes e noites...", ele fez uma pausa, lambeu os lábios,
seus olhos oscilando sobre mim: "Quero que fiquemos juntos."

Esta notícia interrompeu o meu progresso em torno da borda da


enseada. Emparelhado com o brilho predatório em seus olhos e da
ligeira tendência de uma ordem em suas palavras, minhas entranhas
pareciam como um amontoado de nós... feitos de magma. É isso
mesmo, nós de magma. Talvez se eu não tivesse pulado o café da
manhã meu estômago não estaria tão tumultuado.

"Para ter tacos?" Apesar dos meus melhores esforços, esta


questão surgiu um pouco estridente e sem fôlego.

"Sim, tacos. E haverá festas e outras coisas."

Festas.

Festas?

Que festas?

Eu fiz uma careta. Eu tenho certeza que fiz uma carranca. Esta
reação foi instintiva. Eu odiava festas. Odiava.

"Festas?" Eu posso ter meu lábio enrolado em um sorriso de


escárnio em miniatura.

"Sim, na ilha, em algumas das outras casas, amigos meus. Você


sabe, o de sempre, essas coisas de faculdade."

Coisas de faculdade como de costume... apenas um bando de


garotos bilionários e seus amigos. Parecia delicioso.

"Sim, não, obrigada." Eu puxei meus olhos dos dele, inspecionei


as rochas. "Eu não vou a festas. É uma das minhas regras de vida."

"Regras de vida?"

"Sim. Boas ideias para viver."

"Você acabou de fazer isso. Não ir a festas não é uma de suas


regras de vida".

Ele estava certo, eu tinha acabado de fazer „não ir a festas‟ como


uma regra de vida, mas ele não precisa saber disso. Portanto eu ignorei
seu último comentário e tentei agir blasé. "Eu não quero ir, mas você
não deixe de ir."

"Parker".

Eu suspirei, em seguida, encontrei seu olhar.

"Eu quero que você venha."

"Não obrigada."

Ele apertou os dentes. "Kaitlyn, você prometeu que ia tentar nos


dar uma chance."

"Eu vou..."

Mais uma vez que ele estava me dando aquele olhar fixo grave,
provavelmente porque o meu eu fracamente se entrega, nem sequer
soou convincente para mim.

Gerenciando engolir em torno da espessura súbita na minha


garganta, eu arrumei meus ombros para ficar de frente para ele.

"Aqui está a coisa, Sandeke. Eu vou. Vou tentar dar uma chance.
Apesar das minhas preocupações..."

"O que te preocupa?" Ele parecia exasperado.

Eu ignorei a pergunta. "Apesar das minhas preocupações e


reservas, vou dar isso como uma boa estudante de faculdade. Mas eu
nem sei como dançar. Eu posso dançar tango como uma profissional,
mas não faço esse negócio de mexer o corpo de forma estranha. E não é
isso o que as crianças fazem estes dias em festas? Dançar?"

Ele levantou uma sobrancelha para a minha desculpa —


obviamente impressionado e com dois golpes fluidos mudou-se para se
juntar a mim.

Eu endureci, meus olhos arregalados, e recuei um passo em seu


avanço. "O que... o que você está fazendo?"
"Eu vou ensiná-la a dançar", ele disse simplesmente, já em mim,
estendendo a mão para o meu corpo.

Eu endureci ainda mais, sentindo-me inexplicavelmente sem


fôlego quando suas grandes mãos escorregaram em torno da minha
cintura e parou em meus quadris e região lombar.

"Mas não... mas nós... mas..."

"Shhh", ele disse, me puxando para mais perto. "Relaxe."

"Crie a fusão a frio", murmurei em resposta, incapaz de relaxar e


colocando minhas mãos em lugar nenhum, porque colocá-las em
qualquer lugar em Martin parecia perigoso para o meu bem-estar.

Ele olhou para mim, as sobrancelhas em um V perplexo "O que


criar a fusão a frio, tem a ver com alguma coisa?"

"Você me disse para relaxar, o que é impossível. Eu disse a você


para criar a fusão a frio, que é impossível".

Seu sorriso de resposta foi torto. "Você não pode relaxar?"

"Não."

"Por que não?"

"Você sabe por que não."

"Bem, pode ajudar se você me tocar."

"Isso não vai ajudar."

"É possível."

"Não vai."

"Me toque."

Fiz uma careta para seu peito, minhas mãos ainda no ar em meus
lados. Peito perfeito idiota.
"Parker, se nós vamos dançar você tem que me tocar." Ele soou
divertido e seus dedos flexionaram na minha pele nua. Senti os calos
rugosos de suas palmas antes dele soltar meu corpo para pegar minhas
mãos. Ele as trouxe para os seus ombros, apertou-as lá, em seguida,
retornou suas próprias mão para os meus quadris. Eu não perdi o fato
de que sua colocação de mão era agora um pouco mais ousada do que
tinha sido um momento atrás, mais abaixo, mais perto de minha parte
inferior.

Eu engoli em seco, olhando para os meus dedos onde tocavam


seu perfeitamente esculpido ombro.

"Você não quer me tocar?" Ele perguntou, sua inflexão ousada,


provocante, mas também algo como outra coisa. Algo hesitante e
incerto.

Ergui os olhos para ele; eles estavam guardados, seu sorriso


parecia estimulante, quase como uma careta, como se estivesse se
preparando para uma má notícia.

Eu suspirei. Eu sabia que parecia resignada e um pouco patética.


"Sim..."

Seu olhar descongelou uma vez que caiu para os meus lábios.
"Então você deve... porque eu quero que você o faça."

"Eu não sei como," eu soltei.

"Eu vou te ensinar." Sua voz era baixa, macia, e tinha uma
promessa.

"Eu não sou boa nisso."

"Nós ainda nem sequer começamos."

"Eu não quero dizer da dança, quero dizer do tocar. Eu tenho


certeza que vou ser boa na manobra dançando uma vez que eu me
aplicar, eu tenho um excelente ritmo." Calor estava começando a
construir no espaço entre nós, onde nós nos tocamos; meu estômago no
seu, o peito e o meu. Eu tinha a sensação repentina que estávamos
magnetizados, e eu tinha que fazer o meu corpo rígido para evitar
me colar contra ele.

"Por que você acha que vai ser boa em dançar? Você está muito
rígida, você precisa soltar-se." Ele balançava seus quadris e os meus
para a esquerda, depois a direita, depois para trás, seus movimentos
medidos e lentos. Mudei-me com ele, tentando soltar-me, sem sucumbir
ao magnetismo.

"Porque eu fiz dança de salão e toco três instrumentos. Você sabia


disso? E também os tambores... então acho que quatro instrumentos."

Seus olhos, que ainda estavam em meus lábios, mudaram para os


meus e as sobrancelhas marcaram para cima com surpresa. "Sério? O
que mais você toca?" Ele parecia interessado.

"Guitarra principalmente. Mas também piano e saxofone e os


tambores acima mencionados".

Ele sorriu. Eu juro que ele estava sorrindo tanto que parecia
antinatural. Antes de agora, pensei que o tinha visto sorrir três vezes
nos últimos seis meses e todos as três dessas vezes o sorriso tinha sido
dizer de difícil porque ele estava prestes a desencadear um mundo de
dor em alguém.

Estes eram sorrisos diferentes, descontraídos e sorrisos felizes.


Eles eram devastadores e não menos precários ao meu bem-estar de
sua média e sorrisos duros.

"Eu gostaria de ver isso", disse ele depois de uma batida. "Eu
gostaria de vê-la tocar."

"Podemos voltar agora e eu vou lhe mostrar. Eu acho que vi uma


guitarra em uma das salas do composto." Eu disse: „composto‟ com uma
voz profunda, estranha, esperando atravessar a fúria da construção de
tensão entre nós, o que torna difícil para eu respirar.

Eu fiz como se estivesse indo para me afastar. Seu domínio sobre


mim se tornou mais apertado, impedindo minha tentativa de recuar.

"Não." Ele balançou a cabeça, uma palavra forte, e seus olhos um


flash com um aviso. Então ele trouxe-me contra ele.

Esta não foi uma boa ideia. Ele levou todo o ar dos meus pulmões
e eu tremia, engasguei, picos de calor e frio correndo sob a superfície da
minha pele. Sentia-me sensível em todos os lugares.

Instintivamente, meus olhos fecharam, assustada com a


ferocidade da sensual roda, condenável, esmagadora de seu físico.

Ele meio que rosnou, metade gemeu então me pôs longe,


colocando distância essencial entre nós. Meus cílios flutuaram abertos e
eu o encontrei me olhando com sua mandíbula apertada e seus olhos
em chamas. Suas mãos estavam em seus quadris e eu vi o movimento
que seu pomo de Adão deu com um gole grosso.

Eu me mexi nos meus pés, não tinha certeza com o que fazer com
os meus braços. Eu decidi colocá-los na água em meus lados.
"Desculpe."

"Por que você está se desculpando?"

"Eu não sei. Eu acho que não sinto muito."

Ele rosnou, seus olhos pela metade fechados, e ele passou a mão
pelo cabelo. Ele parecia... frustrado.

Sua frustração fez-me frustrada porque não sabia por que ele
estava frustrado. Presumi com base em sua expressão que eu tinha
feito algo errado, dei um passo em falso, mas eu não tinha nenhuma
ideia do que.
Eu odiava que fosse tão ignorante sobre os meninos. Eu não sabia
nada sobre eles, além do que pude absorver a partir de pornografia e
artigos da PubMed. Caso contrário, eles eram uma cornucópia de
enigmas.

"O que está acontecendo?" Eu soltei, sentindo-me perdida e


confusa com os últimos 60 segundos, para não mencionar os últimos
dois dias. Minhas mãos convulsivamente agarraram minhas coxas na
água. "O que você está pensando?"

Seus olhos se levantaram para os meus e ele olhou para mim,


sem dizer nada, mas sua frustração era palpável.

Eu podia ouvi-lo respirar, podia ver seu peito subir e descer


quando exalava uma profunda respiração. Quanto mais tempo ele
olhava para mim sem dizer nada, o meu coração batia mais rápido; Eu
sentia como se ele estivesse a ponto de se lançar fora da minha caixa
torácica.

Então ele disse: "Venha aqui", fazendo-me saltar um pouco,


embora sua voz fosse calma, quase perdida no meio dos sons
combinados da cachoeira e da sinfonia de insetos. Mesmo que eu não
tivesse ouvido suas palavras, teria lido o que ele queria nos olhos. Ele
parecia um pouco selvagem de desejo.

Eu tentei tomar uma respiração profunda, mas consegui apenas


uma inspiração superficial. Silenciosamente obedeci, vadeando
para ele até que um pé nos separava. Eu estava feliz por minhas mãos
estarem na água, porque assim ele não podia ver os tremores, porque
ela estavam tremendo.

Quando parei, seu olhar caiu para o meu corpo, no meu peito,
costelas e estômago. Meu baixo ventre parecia apertado e os meus seios
pesados. Cheios. A força de seu olhar era físico-corporal, e eu
desloquei meio passo para trás sob sua intensidade.
Talvez ele pensou que eu iria virar e voar, ou talvez ele tivesse
atingido o limite de sua paciência. Seja qual for o motivo, Martin fechou
a distância restante entre nós. Agarrou minha cintura novamente.
Desta vez, o choque de sensação dos calos ásperos de Martin contra
meu umbigo nu enviou uma sacudida para o meu centro e até meu
coração.

Ele me segurou com firmeza, como se não confiasse em mim para


ficar.

"Eu preciso te tocar."

"Você está me tocando", eu sussurrei sem fôlego, incapaz


dedesviar o olhar do dele.

Martin balançou a cabeça lentamente, levantou uma mão para o


laço no meu pescoço que estava segurando a parte de cima do meu
biquíni. Sem quebrar o contato visual, ele puxou o laço, soltando, em
seguida, liberando as alças. Com um toque de penas de luz ele trouxe
as tiras para a frente, as pontas de seus dedos no meu pescoço e ombro
enviando um arrepio que percorreu minha espinha. Seus movimentos
eram lentos e propositais, e ele não parou de puxar, e seus olhos nunca
deixaram os meus.

Ele trouxe a outra mão para a segunda alça, as costas dos seus
dedos roçando os topos dos meus seios — puxando, puxando, ainda
puxando — até que ele mergulhou meticulosamente com movimentos
medidos no material do top do meu biquíni e puxou-o para baixo com
um toque doloroso e deliberante, expondo meu corpo.

Seu olhar caiu para meus seios nus e ele piscou, os olhos meio
cerrados, a ascensão e queda de seu peito era óbvio.

Então ele me tocou com as costas das mãos e, meus mamilos


endureceram e a parte inferior dos meus seios, até o topo foi reduzido
completamente. Meu estômago revirou e minhas costas arquearam
instintivamente. Eu estava perto de ofegar agora.
Sentia-me louca, oprimida, como se estivesse à beira de um
penhasco alto e precisava saltar — eu tinha que fazer. Eu não tinha
escolha. Eu absolutamente precisava disso. O que quer que Martin
estava prestes a fazer, eu precisava disso.

Um som pequeno, indefeso escapou dos meus lábios, algo como


um gemido, fazendo o seu olhar aguçar e seu corpo balançar para o
meu. Percebi que seu peito subia e descia mais rápido do que antes, e
sentindo que ele estava perto de uma borda semelhante me deixou mais
ávida.

Então eu toquei ele.

Foi apenas as pontas dos meus dedos contra os cumes duros de


seu abdômen, mas o fez vacilar e lançar um suspiro rosnado como se
eu tanto lhe causasse sofrimento como lhe desse prazer.

"Kaitlyn..." Meu nome saiu de seus lábios apertado, sufocado,


carente.

Ele se mexeu uma polegada mais perto; a água rodou em torno de


nós. Uma de suas mãos deslizou de volta ao meu corpo e me segurou —
reverentemente a princípio, como se eu fosse frágil — e sua outra mão
se moveu mais abaixo, em torno de minhas costas, escorregando no
tecido da parte de baixo do meu biquíni, dentro, para baixo, até que ele
estava segurando minha bunda com uma mão e massageando meu
peito com a outra, seu polegar varrendo o pico comprimindo duas vezes
mais forte do que antes.

Eu gritei, o pico de prazer grave e inesperado e claramente com


um fio direto para o meu núcleo. Minhas mãos instintivamente levantou
para segurar seus ombros e costas flexionadas, arqueando em
instinto.

"Droga." Fechou metade dos olhos, e me trouxe contra ele com


um movimento espasmódico, como se fosse um reflexo de que ele não
podia se controlar.
De repente, ele se inclinou em sua cintura e sua boca estava
sobre mim. Ele lambeu, beijou, e chupou meu mamilo em sua boca
quente, então roçou com os dentes.

"Ah! Martin." Meus olhos se fecharam brevemente e meus quadris


empurraram, o meu domínio sobre seus ombros aumentou. Eu me
senti tensa e inchada e gananciosa por seu toque, as mãos, a boca, o
corpo dele.

"Eu tenho que tocar em você." Sua voz retumbou. Ele circulou o
centro do meu peito com a língua antes de desenhá-lo entre os lábios.

"Você está me tocando", repetia, segurando seu pescoço e parte


traseira de sua cabeça, pressionando ele ao meu peito, me sentindo um
pouco insana.

"Não aqui", ele rosnou, suas carícias cada vez mais agressivas e
insistentes, vigorosas.

Ele mordeu o lado de baixo do meu peito e minhas costelas como


se quisesse me consumir, seus dedos em minha bunda cavando minha
carne, grave e punindo. Ele beliscou meu mamilo novamente, desta vez
mais duro, e doía, mas também parecia necessário. Em seguida, a mão
no meu biquíni moveu da parte de trás para minha frente, os dedos
saindo e entrando.

Martin endireitou-se, em seguida, capturou meus lábios com os


seus, assim que eu gritei minha surpresa. Sua língua espelhou o afago
de seus dedos. Sua mão livre agarrou meu rabo de cavalo e ele
asperamente me posicionou como ele gostava, inclinando a cabeça para
o lado, tomando minha boca, enquanto ia abrindo meu centro.

Meus mamilos roçaram em seu peito. Eu flexionei minhas coxas,


meu estômago, e minhas costas apertaram. Minhas unhas se
enterraram em seus ombros e costas. Seus dedos estavam dentro de
mim e não era a provocação suave que ele tinha empregado em meu
dormitório. Isto foi áspero, urgente, seus dedos procurando,
desconfortável e um pouco doloroso, mas... Deus, me sentia tão bem.
Isso era bom. Muito bom.

Meu corpo parecia entender o que minha mente ainda não tinha
descoberto e meus quadris balançavam instintivamente no tempo com
seus golpes. Ele mordeu meu lábio enquanto eu ofegava, sua boca
quente se movendo em minha mandíbula, em seguida, pescoço
enquanto ele puxou meu cabelo, expondo a extensão vulnerável de pele
para os dentes e língua.

Como se de uma grande distância, ouvi-o xingar e me elogiar. O


constante fluxo de foda e linda e maravilhosa, rosnado com os dentes
cerrados, contra a minha pele, respiração quente derramando sobre
minha orelha e pescoço. Tomei consciência de uma só vez que a sua
ereção estava pressionada contra o meu quadril e ele estava movendo o
comprimento duro, esfregando contra mim, enquanto eu mexia em sua
mão. Minha respiração engatou enquanto meu estômago enrolava
apertado. Meu queixo estava apertado. Tudo parecia apertado e tenso e
perto de quebrar.

E então eu fiz.

Eu quebrei.

Na verdade, eu gritei.

Violento, doce desolação rasgou através de mim, espasmos


deliciosos acompanhados por pontadas de tremor. Eu estava paralisada
por esta onda viciosa de destruição linda, estrangulando e liberando e
me sufocando mais e mais. Tomei consciência de seus dedos
acariciando mais lentos, mais suave, como se tivesse tomado o que eles
queriam e agora estavam se movendo como um mero eco da sua
urgência anterior.

Meu corpo também instintivamente relaxou sem eu nem mesmo


dizer-lhe para fazê-lo, estava quase flácido. A boca de Martin estava no
meu pescoço, sugando, lambendo e mordendo. Eu senti seu coração
batendo contra os meus seios e seu ritmo estrondoso combinado com o
meu. Minha visão estava embaçada e eu percebi que não era a
respiração, então engasguei para o ar, engolindo uma respiração
ofegante quando enterrei meu rosto abaixo de seu pescoço, escondendo.

Eu senti-o estremecer. Seus dedos dentro do meu corpo, ainda


acariciando e afagando — como se eu tivesse feito algo bom e ele estava
me recompensando com um toque suave.

Com relutância, ele tirou a mão do meu biquíni e soltou meu rabo
de cavalo. Primeiro eu pensei que ele ia colocar de novo sua mão onde
estava, mas ele não o fez. Ele me abraçou. Seus braços fortes vieram ao
redor do meu corpo e me esmagou a ele. Automaticamente eu me
aconcheguei mais perto.

Eu não estava confusa. Eu não era nada além do meu corpo.


Abençoadamente saciada. Minha mente estava completamente em
branco, desprovida de pensamento. Eu simplesmente sentia. E tudo
sobre estar nos braços de Martin parecia como uma bem-aventurança.
CAPÍTULO DEZ

Mais uma vez, Sam e eu pedimos o jantar no meu quarto.

Levei um tempo para me recuperar do...

MEU PRIMEIRO ORGASMO!!!

É assim que eu pensei sobre isso no meu cérebro.

MEU PRIMEIRO ORGASMO!!!!!!!!

Com todas as letras maiúsculas, seguida de um número ridículo


de pontos de exclamação. No passado tentei trazer-me a satisfação de
qualquer número de vezes e sempre falhei, razão pela qual eu tinha
feito muita pesquisa sobre o ato sexual. Eu pensei que se pudesse ler
bastante sobre o assunto eu acabaria por encontrar a chave para...
esperar por...

MEU PRIMEIRO ORGASMO!!!!!!!!!!!!

Eu não esperava isso para tornar palavras, mas ele fez, e por
várias horas. Felizmente e de uma forma desconcertante, Martin
também parecia exigir tempo de recuperação. Nenhum de nós falamos
depois, não na enseada, e não na caminhada de volta para o carrinho
de golfe, e não na viagem de volta para a casa.

Embora, algumas barreiras entre nós tinham sido quebradas,


porque ele parecia se sentir em liberdade para me beijar e me tocar
quando e como ele queria, e eu o deixei porque simplesmente precisava
da garantia de pós-orgasmo e seu toque. Parecia necessário e natural e
eu ansiava por isso.
Antes de sem palavras reatar as alças do meu biquíni, ele
esbanjou meus seios e ombros com água quente, molhados beijos,
acariciando meu corpo como se fosse seu para jogar e explorar como ele
quisesse. Quando nós deixamos a enseada, ele me puxou para os seus
braços e me beijou até que eu estava escalando e sem fôlego.

Durante o caminho na unidade do carrinho de golfe, ele colocou


uma mão possessiva na minha coxa, em seguida, acariciou minha
bunda avidamente enquanto nós caminhamos para a casa.

Uma vez lá dentro, ele pegou minha mão e me girou até que
estávamos pressionados um contra o outro dos joelhos ao peito, e ele
me beijou de novo, as mãos alisando meu pescoço, em seguida, ombros,
braços, cintura e quadris.

Quando finalmente nos separamos, ele tinha um sorriso


profundamente satisfeito e seus olhos brilhavam como eles tinham feito
na enseada.

Então ele falou. "Vá se limpar. Pegue isso."

Olhei para o cesto que estava segurando. Era o piquenique que


não tínhamos comido. Levei-o, em seguida, voltei o olhar para o seu.

"Você deve comer alguma coisa", disse ele.

Eu balancei a cabeça obedientemente.

Seu sorriso cresceu. "Você nunca vai falar de novo?"

Pisquei para ele, então deu de ombros tipo „Eu não sei’.

Falar? Falar? O que é isso?

Ele riu, me puxou para outro abraço e beijou o topo da minha


cabeça. Seus olhos estavam felizes quando ele me enviou no meu
caminho para baixo, "Vejo você no jantar."
Mas eu não o vi no jantar. Eu comi no meu quarto com Sam,
porque minha mente estava apanhada com o que tinha acontecido
enquanto tomava meu banho. Eu senti a dor entre as minhas pernas e
a realidade caiu sobre mim como uma cachoeira tempestuosa. O
mundo entrou em foco nítido. Peguei a parede do chuveiro para firmar-
me.

Seus dedos não tinham sido gentis, daí a dor. E quando eu refleti
sobre os eventos na enseada, reconheci que tudo sobre ele, seu toque,
suas palavras, seus beijos, tinham sido ditatorial, forte e dominador.

Ele pode ter me dado o meu primeiro orgasmo, mas ele


tomou algo assim.

E ele sabia disso. Ele sabia enquanto isso estava acontecendo.

Somando-se ao meu estado de confusão, vi no espelho do


banheiro que ele tinha deixado marcas de mordida e chupões na minha
pele — duas no meu pescoço, e uma na parte inferior do meu seio
direito. Elas pareciam como evidências. Como se tivessem sido
colocadas lá propositalmente.

Eu precisava de tempo para assimilar os eventos, aceitar o que


tinha acontecido, para decidir o que significava, figurando porque eu
tinha deixado isso acontecer, e para determinar se era uma coisa boa
ou ruim.

Não entrei em pânico. Mas lembrei-me de que o sangue de mil


virgens tinham sido sacrificadas no altar de suas proezas sexuais.

Um nódulo frio reuniu em meu estômago, composto de confusão e


mal-estar, e eu vesti calças de moletom e uma camiseta grande.

Sam chegou cerca de uma hora mais tarde, encontrei-me


enrolada na minha cama gigante olhando pela janela para o mar.
Embora eu soubesse que ela notou as marcas roxas no meu pescoço,
ela parecia sentir que eu não queria falar, e eu estava grata quando ela
sugeriu comermos o jantar, em seguida, estudar em meu quarto. Eu
trouxe meus cadernos específicos de classe, ao qual tinha um apego
prejudicial, portanto, isso era tudo que eu precisava para ficar e
estudar.

Meus cadernos eram calmantes para mim. Basta ver as minhas


notas escritas à mão, que foi como voltar no tempo para o dia da
palestra. Eles me deram confiança. Eles me fizeram sentir como se eu
pudesse, na verdade, ser capaz de ir bem nos testes. Eles eram o
cérebro-espinafre no meu Popeye, o marinheiro.

Assim como, eu realmente não queria enfrentar os companheiros


de equipe de Martin com esses chupões, a evidência óbvia do que
tínhamos feito. Eu não estava arrependida ou envergonhada, mas
parecia privado, sagrado para mim. Eu não queria compartilhar o que
havia acontecido com uma sala cheia de estranhos, especialmente com
Ben espiando.

Por isso, Sam e eu nos sentamos na varanda e mastigamos bolos


de salmão, salada jardim, e aspargos, entre capítulos e notas de aula de
cálculo vetorial e história europeia. Ao por do sol fomos para uma
caminhada na praia. Ela me contou sobre seu dia, em que ela nadou
com Eric, então o convenceu a jogar tênis com ela.

É claro que ela chutou a bunda dele.

Eu não perguntei se ela gostava dele e ela não me perguntou o


que estava acontecendo com Martin.

Em uma série de maneiras, Sam e eu éramos similar. Quando


sentimentos pesados reais estavam envolvidos, nós duas pensamos que
vocalizar os pensamentos era muito difícil. Acho que nós duas
precisamos do tempo necessário para o nosso próprio material figurar
antes de falar disso uma com a outra.

Durante a nossa caminhada, decidimos compartilhar minha cama


gigante novamente, então ela saiu em busca de seus pijamas, enquanto
eu agarrei a bandeja com os nossos pratos sujos e andei em torno da
casa em busca da cozinha. Eu precisava de chá, para não mencionar
cookies.

Na cozinha, eu encontrei o chef — bochechas vermelhas, cabelos


vermelhos, nariz vermelhos, uma mulher em seus sessenta anos
chamada Irma, e sua ajudante — a mesma semelhança, bochechas
vermelhas, cabelos vermelhos e nariz vermelho, em seus quarenta e
poucos anos chamada Tamra — que eu suspeitava que era filha de
Irma. Elas gentilmente admoestaram-me por limpar meus próprios
pratos, em seguida, prometeram trazer-me chá, leite e cookies.
Perguntei a direção de volta para o meu quarto, e Tamra se ofereceu
para me mostrar o caminho.

No meu pedido, ela foi me mostrando o caminho mais direto, em


vez da rota cênica, como eu suspeitava que gostaria de fazer várias
viagens furtivas para a cozinha durante a minha estadia. Eu sondei ela
por respostas sobre a casa enquanto nós caminhamos, e fiquei sabendo
que tinha sido adquirida pelo Sr. Sandeke, pai de Martin, alguns anos
atrás. Uma equipe veio com a casa. Fiquei sabendo também que Tamra
era divorciada e sem filhos, e havia se mudado para cá para trabalhar
com sua mãe, cerca de quatro anos atrás.

Elas viviam em casas no bairro do pessoal que trabalha aqui,


durante todo o ano e alimentam o restante da equipe diariamente, mais
dos quais também eram empregados durante o ano. No entanto, o Sr.
Thompson e Sra. Greenstone também eram responsáveis por várias
outras propriedades da família na Inglaterra, Itália, Suíça, Tailândia,
Japão, Nova Zelândia e Estados Unidos. Eles viajavam com a família e
sempre abriam as casas para Martin e seus pais onde quer que fossem.

Viramos para o longo corredor que levava a minha suíte quando


Tamra parou de falar de repente, em seguida, deu um passo para trás.

"Oh! Sr. Sandeke." Tamra se virou para mim, me deu um sorriso


apertado, então saiu sem outra palavra.
Eu assisti-a ir, um pouco perplexa pela forma como ela de repente
fugiu de seu empregador. Quando me virei para minha porta entendi o
porquê. Os olhos de Martin eram profundas piscinas azuis de
infelicidade e sua mandíbula estava, em conjunto, uma linha sombria
cruel.

"Onde você esteve?"

Minhas sobrancelhas marcaram para cima, porque a sua


pergunta exigente me fez querer socá-lo, então abaixei, porque me
lembrei que ele agora tinha conhecimento carnal de mim e eu não tinha
me juntado a ele para jantar como tínhamos combinado.

Além disso, apesar de seu tom mal-humorado e rosto, meu corpo


aparentemente queria que ele me desse o tratamento áspero de novo,
porque derretia e cantarolava sob sua carranca de insatisfação.

Eu endireitei minha espinha, dando ao meu corpo um tapa


mental, destinado a sobriedade, e levantei meu queixo.

Tive o cuidado de manter a voz agradável e constante. "Eu estive


saltitando com os servos."

"Saltitando", ele repetiu, seu tom liso. Mas tive o prazer de ver a
borda de granito — quando sua mandíbula amaciou e seus olhos
perderam seu brilho duro.

"Sim. Saltitando por cookies. Eu vagava pelos corredores por um


tempo, me perdi, então, eventualmente encontrei a cozinha." Eu disse
isso enquanto caminhava em direção a ele, casualmente, como era
capaz, em seguida, entrei no meu quarto, deixando a porta aberta atrás
de mim em um convite silencioso.

Ele tomou o convite e fechou a porta enquanto ele me seguia. Eu


o ouvi suspirar antes de exigir, "Por que você não desceu para o jantar?"

"Sam e eu decidimos estudar um pouco. E eu estava cansada."


Eu cruzei para a área de estar, para a grande janela e me sentei em
uma cadeira, em seguida, dei-lhe um pequeno sorriso amigável. "Como
estão os meninos? Completamente recuperados dos perigos de viajar via
avião particular, limusine e iates, e praticar esta manhã?"

Um pouco de nitidez reentrou em seu olhar e ele cruzou os braços


sobre o peito. "Você preferiria um voo comercial?"

"Claro que não. Eu prefiro não voar em tudo. Eu insisto que você
me teletransporte da próxima vez que tirar umas férias ao paraíso".

Ele finalmente esboçou um sorriso e foi até onde eu estava. Ele


me examinou por um momento em silêncio, em seguida, assumiu a
cadeira ao lado da minha. Isso o aliviou, toda a graça fluida, membros
longos e enrolados de poder.

"A próxima vez?" Ele perguntou, e fiquei satisfeita ao ouvir que a


sua voz tinha uma pitada de provocação.

"É claro. Eu decidi que você e eu vamos ser melhores amigos,


apenas contanto que você me mantenha um fornecimento estável de
bolos de salmão".

"E cookies."

"Sim. E cookies." Abaixei meu cotovelo no braço almofadado da


cadeira e descansei minha bochecha contra minha mão, deixei meus
olhos se moverem sobre suas belas feições e encontrei-me observando,
seus olhos atentos.

Sua boca se curvou em um sorriso que foi espelhado em seu


olhar. "E as aulas de dança?"

Eu cresci muito ainda, meus olhos fixos nos dele, porque, por
aulas de dança, eu sabia que ele queria dizer orgasmos. Orgasmos
provavelmente mútuo. E muitos deles.

Eu engoli em seco e calor viajou até meu peito para o meu


pescoço. O caroço frio no estômago parecia um balão pressionando
contra meus pulmões. Eu pensei sobre as marcas na minha pele e a
dor entre as minhas pernas, lembretes de intimidade física com Martin
tinham sido emocionante e gratificante, mas também extremamente
intenso e um pouco assustador. Talvez demasiado intenso.

Ele pegou minha mão que descansava no meu rosto e eu


endureci, endireitei, e puxei-a longe, optando por torcer meus dedos
juntos no meu colo. Eu também rasguei meu olhar do seu e olhei para o
chão.

Ficamos em silêncio por um momento enquanto eu tentava


imaginar o que dizer, como reagir. Isto era problemático que eu não
sabia o que dizer ou como reagir.

"Olhe para mim."

Tentei engolir novamente, mas senti engolir um caroço, e lancei


uma respiração instável.

"Martin..." Eu cobri o rosto com as mãos. Minhas bochechas


estavam quentes e eu balancei minha cabeça.

"Kaitlyn, se você me disser que lamenta o que aconteceu..." Sua


voz era baixa, parecia apertada e mal controlada.

"Eu não me arrependo", soltei, porque era verdade. Eu não me


arrependo. Eu gostei muito disso. E eu queria fazê-lo novamente.

Olhei para ele por entre meus dedos, ele estava me observando,
sua mandíbula dura e seus olhos afiados. Quando falei foi abafado
pelas minhas palmas das mãos na minha boca. "Eu não me arrependo.
Mas não sei como me sinto sobre isso, porque foi um pouco
assustador."

Seu olhar introspectivo cresceu, como se estivesse procurando


algo em sua memória, e notei que sua testa ficou marcada com rugas de
preocupação. "Assustador? Como assim?"
Eu tentei me distanciar da conversa e abordá-lo com uma análise
pragmática.

"Bem, eu acho que a primeira verdadeira „experiência sexual‟ para


qualquer menina é assustadora, por isso, é assim mesmo. Mas
também... bem... eu estou dolorida. E você deixou hematomas no meu
quadril e mordidas no meu pescoço. Você foi muito intenso e eu gostei
muito disso, mas você não foi muito... gentil".

Ele piscou rapidamente e uma tremulação de algo como


consternação nublou suas feições. Ele me estudou com uma pensativa
infelicidade. Em seguida, sua cabeça caiu para trás, para a almofada da
cadeira e seu peito expandiu com um grande fôlego. "Maldição".

Ele parecia irritado.

"Você está... louco?" Perguntei, minhas mãos caindo para o meu


colo enquanto estudava seu rosto por uma pista. Não podia acreditar
que ele estava com raiva. Pelo amor de Deus, eu era nova nisso, em
tudo isso.

Ele fechou os olhos por um total de cinco segundos, em seguida,


disse: "Eu não tive a intenção de te machucar, não de tudo. Eu não
quero te machucar."

Examinei-o, ele estava chateado, e percebi que a irritação estava


apontada para dentro. "Você pode ser — eu quero dizer — é possível
para você ser menos áspero?"

Ele levantou a cabeça, seu olhos se alargaram e vi sua


determinação antes de falar. "Sim. Você tem a minha palavra. Isso não
vai acontecer novamente."

Eu tenho a sensação de que ele estava decepcionado com ele


mesmo... muito curioso.

"Eu não disse isso exatamente. Quer dizer," Eu limpei minha


garganta, tentando anular o meu nervosismo, porque era estranho fazer
uma análise pós-orgasmo com Martin Sandeke, "assim, só para ficar
claro, foi bom. Foi tudo muito bom. Eu gostei do que aconteceu... mais
cedo. Minhas calças também gostaram. Mas tanto quanto minhas
calças querem começar a festa, eu sou muito nova nisso tudo." Eu
enfatizei tudo isto acenando minhas mãos sobre minha pélvis, em
seguida, acenando na direção de seu corpo inteiro.

Um pouco do seu desânimo deu lugar à diversão. "Eu sei."

"Eu não estou dizendo que o áspero é ruim, e não estou


descartando-o para futuros interlúdios — isso se houver futuros
interlúdios — contanto que eu chegue a ser dura algumas vezes
também."

Seu olhar abruptamente aqueceu e seus olhos se estreitaram,


afiados. Eu ignorei isso porque a ideia de ser áspera com Martin era...
epicamente excitante. Corri para continuar, "Eu só estou sugerindo
que, se isso acontecer novamente..."

"Quando isso acontecer novamente."

"... você vai com um pouco mais de calma comigo até que eu saiba
como fazer isso."

Ele balançou a cabeça e tive o prazer de vê-lo relaxar um pouco


mais.

Olhamos um para o outro por um instante, e o ar estava maduro


e pesado. Ele me olhava como se estivesse imaginando esses interlúdios
futuros, planejando e se preparando para eles.

"Eu só desejo..."

"O que deseja?"

A ideia súbita ocorreu-me e eu a abracei antes que pudesse


pensar muito sobre ramificações; Achei que ele ia rejeitar a ideia de
imediato, então é por isso que soltei. "Ah, vamos com tudo. Se nós
vamos experimentar, podemos muito bem realmente fazer uma
tentativa. Acho que devemos jogar o cuidado ao vento e rotular um ao
outro como namorado e namorada. Ala, Você conhece Martin? Ele é meu
namorado. Sou Parker, sua namorada. Estamos juntos no sentido bíblico
da palavra, sans de sacramento."

Ele olhou para mim por cinco segundos completos, obviamente


pego de surpresa por minha sugestão, mas, em seguida, ele me
surpreendeu ao chegar para a frente, e com um movimento seguro e
suave, me puxou para seu colo. Eu tropecei e, basicamente, cai na dele.
Enquanto isso suas mãos seguraram meu rosto, seus polegares
acariciaram a linha da minha mandíbula, e seus olhos se moviam
quase reverentes do progresso de seus dedos em meus lábios.

"Parker", sua voz era um sussurro de um rosnado, atado com o


aviso: "não diga isso a menos que você realmente queira dizer isso."

Bem, porcaria. Ameaça chamando.

Lambi meus lábios — um hábito nervoso, que teve o subproduto


de transformar seus olhos mais escuros.

Ele parecia... ganancioso.

"Martin, isso é loucura. Você não precisa ou quer ter uma


namorada."

"Eu te quero."

Gah! Direito e reto!

Ele parecia confortável me tocando, isso estava claro. Mas eu


hesitei em tocá-lo. Eu não quero tocá-lo quando isso não era realmente
meu; porque quando isso acabar, eu não teria permissão para tocá-lo
mais. Então eu teria perdido alguma coisa.

Portanto, cruzei os braços sobre o peito e balancei a cabeça.


"Vamos falar sobre as nossas diferenças", eu disse, esperando que um
argumento bem fundamentado faria algum tipo de entalhe em sua
fixação louca.

Mais uma vez, ele apertou os dentes; suas mãos escorregaram


longe do meu rosto e seus braços em torno de mim, como se quisesse
me impedir de sair.

"Ontem, de volta na limusine", disse eu, afirmando minha


decisão, "e, em seguida, no barco, e, em seguida, quando saímos da
marina, você fez essa coisa, você deu aos outros caras olhares de
reprovação por falar comigo."

Martin olhou para mim, traindo nada de seus pensamentos.


"Eu me sinto muito confiante em afirmar que você é... bem, você está
interessado em mim e não é platônico. Portanto, o seu comportamento
parece como se estivesse marcando seu território. Eu nunca
tive um cara fazendo isso antes, mas talvez estou interpretando mal a
situação...?"

Ele limpou a garganta novamente. "Você não está."

"Eu não gosto disso."

"Você não gosta?"

"Não. Eu não gosto. Isso me fez sentir como, eu não sei, como se
eu fosse sobras chinesas e você não quer que ninguém me prove."

"Eu não quero que ninguém prove você."

"Mas eu não sou comida. Eu consigo dizer o que é e o que não é."

"Eu pensei que a maioria das meninas gostassem quando os


homens são possessivos."

"Sério?" Eu perguntei isso porque realmente não penso assim;


então balancei minha cabeça. "Não. Pelo menos... bem, pelo menos eu
não penso assim, não gosto disso. É como se, por que eu iria querer
estar com alguém que não confia em mim para ser leal? Eu não sou um
buffet. Os caras não podem provar só porque estou ali de pé. Eu dou
um voto para quem come meu macarrão."

"Eu confio em você", disse ele rapidamente, lançando seu olhar


para o meu e então afastando. "Depois de sexta à noite, o que você fez,
acho que confio em você mais do que ninguém."

Oh, gah! Ele parecia tão... sincero. Eu senti dor por ele, porque
acreditei nele e isso me deixou triste. Como era possível que eu fosse a
pessoa mais confiável em sua vida? Como desolador era isso?

Incapaz de ajudar a mim e estimulada por um súbito desejo de


tocá-lo, coloquei minhas mãos em seus ombros. "Martin, é só que, eu
não tenho muita experiência com o namoro ou ter um namorado.
Eu tive um, mas ele não estava... bem, ele não conta. Eu não estou
realmente certa de como isso funciona..."

"Eu tenho ainda menos experiência do que você."

Eu olhei para ele. "Isso é uma mentira."

"Não. Não é. Eu nunca...", ele limpou a garganta, "...você é a


primeira garota que eu quero... assim."

Ele parecia enormemente frustrado e seus dedos cavaram em


meu quadril e costelas, onde ele me segurou.

Quando ele falou novamente foi com os dentes cerrados. "Eu só


queria que você fosse menos teimosa."

"Você não pode ter sempre tudo do seu jeito."

"Eu sei disso. Se eu tivesse tudo do meu jeito estaríamos nus


agora no oceano ou... merda, fazendo qualquer outro coisa além de
discutir mais razões pelas quais você não acha que isso vai funcionar."

Meu instinto foi de acalmá-lo, chegar à frente e acalmar seu


temperamento ruim, prometer que eu seria menos difícil e apenas ceder
à fantasia de esta ser minha realidade. Mas eu não podia ignorar a
razão e a lógica, mesmo que eu estivesse estranhamente lisonjeada por
suas exibições de homem das cavernas, possessivo impaciente, e
fixação aparente.

E também... com imagens de Martin nadando nu = antes da hora


de dormir como uma vitória.

Calor correu até meu pescoço e sobre meu rosto e eu apertei


meus olhos fechados, reunindo uma profunda respiração. Eu esperava
também reunir meu juízo, porque logo naquele minuto eles estavam em
Martin nadando nu com algumas centenas de jardas de distância, no
Caribe.

"E agora você está corando." Ele não parecia contente com isso.
Ele parecia frustrado e ressentido.

"O que você espera?" Perguntei, então abri meus olhos. "Eu não
estou acostumada a isso. Vai demorar algum tempo para me acostumar
com a ideia de que você está interessado em mim. Pelo amor de Deus,
faz umas 48 horas e não estamos nem sequer namorando..."

"Estamos namorando. Lembre-se, nós vamos sair para comer


tacos e em breve vamos ter muitas lições de dança." Seus olhos
desviaram-se para as marcas de amor no meu pescoço e ele sorriu. Era
um satisfeito, um sorriso de prazer.

Um sorriso idiota.

"Bem, tacos futuros então," estrategicamente e teimosamente, eu


ignorei a sua referência as aulas de dança, "Eu sei que não sou sua
namorada, e mesmo se fosse eu não gostaria que fosse feito xixi em
mim."

Martin se engasgou com o ar, em seguida, me deu um olhar


espantado. "Fazer xixi sobre você?"

"Você sabe, figurativamente e para o registro, literalmente. Se


chegarmos a um lugar onde nós nos tornamos „envolvidos‟", eu usei
aspas no ar para enfatizar os envolvidos, porque parecia uma palavra
estranha, mas a mais apropriada para a situação, "eu não acho que
ficaria feliz com você marcando seu território, a menos que um cara
estivesse sendo inadequado comigo e eu mandei o símbolo do morcego11
namorado".

Ele olhou para mim, seu olhar procurando. Então, ele acenou
com a cabeça. "Bem. Se eu ficar o dia todo de amanhã sem... fazer xixi
em você", seus lábios tremeram, mas ele rapidamente escondeu sua
expressão, "se eu fizer isso, você vai à festa comigo amanhã à noite."

O que deveria ter sido um pedido ou uma pergunta foi mais uma
vez uma declaração. Eu olhei para ele.

Eu realmente odiava essas partes. Mas ele parecia


estranhamente... esperançoso.

Estranhamente esperançoso sobre Martin Sandeke fazia meu


coração derreter. Sua expressão, além da sensação dele em volta de
mim, significava que eu realmente não tinha muita escolha.

"Tudo bem." Eu suspirei, tentando não soar como uma


adolescente petulante e principalmente ter sucesso. "Eu vou."

11Nt.: só para esclarecimentos, o Bat sinal do Batman. Que a polícia manda quando precisam
de sua ajuda.
CAPÍTULO ONZE

Martin não fez xixi em mim. Na verdade, ele nem sequer olhou
para mim ou falou comigo na maior parte do dia. Como no dia anterior,
os caras estavam praticando logo cedo, Sam e eu assumimos nossos
lugares na praia, e eles chegaram no início da tarde para comer. Eu saí
logo que Ben chegou. Ele me fazia sentir desconfortável e nojenta, e eu
sabia que isso estava em mim. Eu deveria ter sido capaz de ignorar
ele, mas não podia. Então eu saí.

Eu caminhei em torno da casa, explorando, esperando por Martin


para aparecer. Ele não apareceu. Eu encontrei a sala de música, sim,
este composto de excesso tinha a sua própria sala de música, com
discos de ouro assinados por lendas do rock e da música country,
revestindo as paredes, cartazes de concertos autografados, e imagens de
um alto, magro nerd cara olhando ao lado de vários músicos e
celebridades notáveis.

Eu reconheci o cara nerd nas fotos como o pai de Martin e notei


que tinha a mesma espessura de cabelo e lábios. Eles eram susceptíveis
à mesma altura. Mas é aí que as semelhanças pareciam acabar. Depois
de inspecionar as imagens várias vezes, testando o grande piano que
precisava ser afinado e descobrindo três belas guitarras Gibson ao
longo da parede, eu voltei para o meu quarto e li.

Então, fiz algum trabalho de casa de química.

Então, tirei uma soneca.

Então, acordei com um homem.


Eu não percebi isso a princípio, porque eu sofria de confusão pós-
soneca. Quando vim para os meus sentidos descobri que eu estava meio
deitada em um peito duro e dedos estavam brincando com o meu
cabelo, escovando-o de volta do meu rosto e pescoço, reunindo-o,
torcendo-o, puxando-o levemente.

Eu endureci, atirei para cima, levantei meus punhos para


defender minha honra, e encontrei Martin deitado na cama, com as
mãos para cima como se ele, se rendesse.

"Whoa!" Seus olhos eram enormes e ele me deu um sorriso de


surpresa. "Você sempre salta para cima como isso depois de dormir?"

"Como o quê? Fodão?" Minha voz estava rouca, ainda atada com
sono.

"Sim, como fodão".

Eu bufei, deixando meus punhos caírem para o meu colo. "Não.


Só quando encontro Martin Sandeke na minha cama."

"Bom saber." Seus lábios se torceram para o lado e seus olhos


percorreram de cima para baixo a minha forma. "Eu vou certificar-me
de usar óculos de proteção quando estiver em sua cama."

"Você provavelmente deve usá-lo, mesmo quando não estamos na


cama."

"Eu sempre uso proteção." Ele levantou uma sobrancelha


significativamente.

Pausa.

Pisco.

Oh... eu entendi.

Por incrível que pareça eu não corei. Eu só dei-lhe um olhar


semicerrado, não com o brilho impressionado que fez ele começar a rir.
"Você é um cara." Eu dei-lhe um sorriso relutante.

"O que você sabe sobre eles?" Ele reposicionou-se na cama, e


colocou as mãos atrás das costas contra os travesseiros.

"É verdade, não muito. Meu pai não é muito como um cara."

"Do que o seu pai gosta?" Martin parecia interessado, o rosto de


repente sóbrio.

"Bem, vamos ver. Ele é um cientista. Ele está sempre perdendo as


coisas. Suas meias não correspondem. Ele adora baseball, mas ele não
pode jogá-lo muito bem. Ele tentou me colocar no softball. Eu sempre
esgueirei meu Gameboy na minha bolsa de prática e então me escondia
atrás das arquibancadas e jogava Dr. Mario em seu lugar."

"Então ele empurrou-lhe muito?"

"Não. De modo nenhum. Acho que ele queria que eu fizesse isso
porque ele gosta de torcer por mim... para ser honesta. Ele sempre tira
fotos em eventos, cerimônias, esse tipo de coisa. Ele quase nunca está
nas fotos. Olhei para meu álbum de fotos da graduação e percebi que
ele tinha tirado mais de mil, mas ele não estava em nenhuma delas.
Então coloquei de volta meu chapéu e um vestido, fiz meu cabelo do
mesmo jeito, e — com George ajudando como fotógrafo — vim em casa
para que pudéssemos ter algumas boas fotos."

"Quem é George? Seu ex-namorado? O que não sabia como


brincar?"

"Não." Eu olhei para Martin, balancei a cabeça para suas


travessuras. "George é o assistente pessoal da minha mãe, ele é como
um irmão mais velho para mim."

"Hmm..." Os olhos de Martin estreitaram uma fração,


considerando-me, então, perguntou: "E o seu pai gostou? O que você
fez?"
Eu balancei a cabeça, sorrindo para a memória. "Sim. Ele gostou.
Ele chorou na verdade. Não muito, só um pouco. A última vez que fui
visitá-lo no trabalho, vi que ele tinha nada menos do que seis das fotos
em seu escritório".

Eu ri levemente, balançando a cabeça. "Ele é um bobo."

Ficamos em silêncio por um longo momento, compartilhando um


olhar fixo. Sua boca realizou um sussurro de um sorriso, se ele
estivesse vivendo através da minha experiência, achei que era um lugar
agradável para visitar.

Foi legal. Confortável. Estranho.

Limpei a garganta, desviei os olhos, achando este momento


agradável e confortável, mais estranho e desconcertante do que as
discussões acaloradas que tínhamos compartilhado até agora. Isto me
fazia sentir como se pudéssemos levar algo duradouro e normal.
Estávamos, Martin e Kaitlyn tendo uma conversa, compartilhando
coisas, como pessoas reais fazem. Não como playboys bilionários fazem.

"Então, o que acontece com o seu pai?" Eu perguntei, porque


estava curiosa. Eu sabia muito sobre o pai de Martin porque seu pai era
um gênio, doentiamente rico, e aparecia no noticiário o tempo todo
namorando alguma modelo ou atriz.

"Meu pai..." O sorriso deixou os seus olhos, e o único que


permaneceu em seus lábios parecia falso.

"Sim. O homem que te viu crescer."

Ele soltou uma risada sem humor e olhos fechados. "Ele não me
viu crescer."

Estudei sua feição — os completos, deliciosos lábios, mandíbula


forte, maçãs do rosto salientes e cílios grossos — seus traços perfeitos.
Tão perfeito. Eu me perguntava como seria ser perfeito, ou, pelo menos,
visto dessa forma pelo mundo exterior. Pareceu-me que a palavra —
perfeita e toda as suas conotações, pode se sentir um pouco como uma
gaiola, um piso definido e teto.

"Conte-me sobre ele", eu disse, sabendo que estava empurrando.

Martin abriu os olhos e a amargura que tinha estado ausente nas


últimas vezes que estávamos juntos estava de volta. Aborrecido, o rosto
cansada de Martin.

"Ele não veio a minha graduação da escola."

Eu pisquei para ele. "Oh?"

"Não. Ele disse mais tarde que foi porque eu não era o orador
oficial, mas acho que é porque ele se esqueceu sobre isso. Não estava
classificado em suas prioridades".

"Oh," eu disse, porque não sabia o que mais dizer. Seus olhos
estavam encapuzados, guardados, insultados — como se ele estivesse
me desafiando a sentir pena dele. Eu não iria. Ou melhor, eu não iria
mostrá-lo.

"Ele é o homem mais inteligente do mundo, você sabia disso? Ele


passou em todos os testes, o que quer diabos isso significa, em geral ele
é o mais inteligente."

Eu coloquei minha mão sobre sua coxa e apertei. "Há mais de um


tipo de inteligente, Martin."

"Isso é verdade", admitiu, seus olhos perdendo o foco sobre o meu


ombro enquanto ele considerava minhas palavras.

Sentindo raiva, acrescentei, "Eu não acho que qualquer um


desses exames testam o quanto inteligente é como pai, ou inteligente
com suas prioridades, ou inteligente sobre como valoriza seu incrível
filho, porque se o fizessem, ele teria falhado".
Seu brilhante olhar recentrou no meu e eu estava um pouco
surpresa ao ver a amargura sanguessuga sair de sua expressão,
deixando apenas tristeza e vulnerabilidade roubando sua respiração.

"Você é uma boa pessoa, Kaitlyn." Ele estava franzindo a testa


para mim, como se eu fosse um quebra-cabeça ou um unicórnio, como
„Boas pessoas‟ fossem objetos de contos de fadas.

Eu abri minha boca, depois fechei-a, em seguida, abri-a


novamente. "Obrigada. Você também, Martin."

Seu sorriso de resposta parecia torto e seus olhos se moveram


para o meu pescoço, onde eu ainda tinha as marcas arroxeadas de
nosso encontro na enseada.

Conversa normal e confortável deu lugar a nossa linha de base: a


tensão sexual. Seu olhar semi cerrado ficou quente, a intensidade
construiu um fogo na área de minhas calças. Ele era sempre
fogos de construção em minhas calças. O bico de Bunsen figurativo
estava sempre aceso.

"Você nunca mentiu para mim antes", disse ele, sua voz sensual e
provocante.

"Eu não menti ainda."

"Parker." Ele me deu um olhar compreensivo.

"O quê?"

"Eu não sou tão bom. Você sabe disso, lembra? Você me chamou
de um valentão com cara de idiota".

"Bem, até agora você foi bom para mim, tanto quanto sei."

"Eu gostaria de fazer mais coisas boas, coisas melhores, se você


me deixar..."
Eu estava quente. Minhas bochechas estavam ruborizadas. Eu
tinha que medir e regular minha respiração. Odor entre as minhas
pernas foi um lembrete bonito das coisas boas que ele tinha feito, mas
assim como as marcas no meu pescoço.

"Sem mais chupões," eu soltei.

Seus olhos se arregalaram embora ele sorriu. "Por que não?"

"Você gostaria que eu te desse um chupão?"

"Claro que sim."

Revirei os olhos. "Eu vou chamar isso de seu blefe. Vou te dar um
chupão."

Ele estendeu as mãos para os lados como se estivesse oferecendo-


se para mim. "A qualquer hora, gracinha."

"Eu vou fazer em sua parte inferior e eu vou fazer tão grande, que
você não será capaz de sentar-se." Eu apertei os olhos e apontei para
ele.

Ele gemeu como um homem faminto dando uma mordida na


sobremesa mais deliciosa, como se o pensamento fosse mais agradável
do que ele poderia processar.

Eu zombava dele, bufando. "Você é um idiota."

Em seguida, ele se sentou e escorregou para onde eu estava


sentada, uma mão deslizando pela minha coxa na bainha de meu short
de algodão, sua outra mão colocando meu cabelo atrás da minha
orelha. Seus olhos sentiam apreço e um pouco perdidos. O efeito dos
olhos de assalto-fervoroso triplo, mãos acariciando, sorriso sexy-
potente.

"Eu lhe disse antes," ele fez uma pausa, deu um beijo leve sobre
os meus lábios, deixando-me sem fôlego quando continuou em voz
baixa, "não fale, a menos que você queira realmente dizer isso."
Eu levantei meu queixo para outro beijo, mas para minha
surpresa, Martin levantou-se da cama. Eu assisti ele, confusa com sua
retirada, e passei meus braços em volta da minha cintura.

Ele olhou para mim e deve ter sentido minha confusão, porque ele
explicou quando andou para trás, para a porta. "É tarde, você dormiu
por horas. Você perdeu o jantar, mais uma vez. Eu vou pedir que Rosa
lhe traga uma bandeja antes de sair, mas nós precisamos ir."

"Ir? Onde estamos indo?"

Seu sorriso virou afetado e vitorioso quando ele disse, "Para uma
festa, é claro."

Uma festa.

A aposta.

Eu tinha esquecido.

Bem... merda.

Martin ganhou a aposta, mesmo que ele tivesse me enganado, e,


portanto, Sam estava no meu quarto me ajudando a ficar pronta para a
festa. Ela me viu saindo do meu quarto com meu cabelo em um rabo de
cavalo, vestindo calças de moletom, chinelo, e uma camiseta manchada
e puída que mostrava Chuck Norris destruindo a tabela periódica. Ele
dizia, O único elemento que eu acredito é o elemento surpresa.

Ela não achava que meu traje fosse apropriado.

Portanto, ela me fez marchar de volta para o meu quarto, me fez


esperar enquanto ela encontrava algumas roupas adequadas de seu
quarto, em seguida, me enfeitou. Ela me colocou em uma cadeira
laranja sem encosto e coloquei um vestido de alças estampado roxo que
fez meus seios parecerem fantásticos.

Ela também franziu o meu cabelo com produtos químicos,


separando meus cachos e domando um pouco do frizz.

Por cima de tudo isso, ela colocou maquiagem no meu rosto.

Mais uma vez. Era algum tipo de recorde pessoal, a composição


duas vezes numa semana. Eu dei-lhe meu rosto de cadela enquanto ela
aplicou rímel.

"As tiras das alças cobrem o seu...", seus olhos tremeluziram para
o meu pescoço, "... abrange suas marcas de amor".

Eu resmunguei. "Apenas me faça ficar bonita para que eu possa


me jogar de um penhasco."

"Você está sendo ridícula."

"Você sabe que odeio festas."

"Você não se queixou tanto na sexta-feira."

"Isso é porque eu tinha uma missão. Eu tinha uma razão para


estar lá, uma atribuição. Entrar, dizer a Martin o que ouvi, sair, ir para
casa. Desta vez," Eu levantei minhas mãos e minhas recém-pintadas
unhas de roxo — em seguida, deixei-as cair estrondosamente com um
tapa na minha coxa, "desta vez sou uma janela vestida. Eu sou cortina
estampada".

"Este vestido fica bem em você."

"Eu sei, sinto muito. Você está sendo tão boa. Eu só preciso parar
de reclamar."

Eu não estava brincando quando disse que odiava as festas.

Ódio!
Eu não compreendia. Elas pareciam trazer o pior nas pessoas. As
pessoas riam muito alto, falavam, se comportavam estranho, exibiam-se
muito alto, fingindo estar se divertindo quando eles não estavam tendo
divertimento algum... ou talvez era só eu. Talvez as pessoas se divertiam
em festas e eu era a esquisita.

Apesar da minha postura mal-humorada, eu tinha que admitir


que Sam fazia milagres. Eu parecia bem. Nós encontramos os meninos
na entrada; eles estavam vestidos casualmente em shorts e camisetas,
mas todos eles pareciam ter tomado um cuidado especial de barbear,
passaram produtos para os cabelos, e aplicaram colónia. Era um
furacão variável de cheiros, tudo com sabor Proctor e Gamble
masculino.

No entanto, um pouco do meu mau humor recuou quando Martin


olhou para cima e nossos olhares se encontraram. Quando seus olhos
arregalaram um pouco e ele parecia ter algum grau de surpresa por
minha aparência. Seus lábios se separaram e seus olhos caíram,
moveram para cima e para baixo algumas vezes, piscando.

Sam me cutucou e limpou a garganta, dizendo apenas alto o


suficiente para eu ouvir, "Não é o vestido e não é a maquiagem, é você."
Então ela caminhou em direção a Eric, dirigindo seu próximo
comentário: "Desta vez eu quero dirigir."

"Você dirigiu a última vez."

"Qual ponto?"

Ele sorriu para ela, parecendo bonito e feliz, então deu de ombros.

"Tudo bem, dirija agora, vai de carona12 mais tarde."

Ela bateu-lhe no ombro, mas ela riu de seu duplo sentido, e saiu
pela porta. Enquanto isso, Martin puxou os olhos de mim e eu estava

12 Nt.: Ride, que também pode ser montar/cavalgar.


um pouco perplexa ao ver uma máscara de tédio deslizando sobre suas
características.

"Hey Ray", disse Martin. "Você leva Parker? Griffin vai de carona
comigo."

Eu senti como se tivesse acabada de ser penhorada e não tinha


ideia do porquê. Eu nem sequer quero ir a esta festa, Martin tinha
insistido, e agora ele não queria ir comigo?

Ray olhou de mim para Martin, em seguida, novamente, suas


sobrancelhas levantaram e os lábios entreabertos traindo sua surpresa.
"Cccclaro", disse ele, hesitando, franzindo a testa com sua confusão.
Martin e Ray trocaram um olhar enquanto eu brincava com o bolso do
meu vestido, todos os bons sentimentos ao entrar no foyer dissiparam
em face dessa estranha troca. Assim como, Ben estava lá e eu podia
sentir os olhos viscosos dele em mim. Eu desejei que meus seios não
parecessem tão fantásticos neste vestido.

Em seguida, Ray assentiu com veemência súbita. "Quero dizer,


com certeza." Ele virou um sorriso brilhante para mim. Fiquei aliviada
ao ver como genuíno parecia, e ele me ofereceu o braço. "Eu adoraria."

"Obrigada." Eu dei-lhe um sorriso tenso.

Os meninos eram estranhos e eu os odiava. Exceto Ray. Ray era


bom. Saímos primeiro. Ele conversou amigavelmente na caminho, me
fazendo rir com uma história sobre como ele desmaiou na escola
quando teve que dissecar uma arraia. Ele também tinha um sorriso
envolvente e uma abertura sobre ele e que me fazia pensar que éramos
amigos, ou ele era meu aliado, ou que eu podia confiar nele para não
comer as minhas sobras chinesas, mesmo quando eu não estava
olhando.

Quando chegamos em outra casa alastrando monstruosidade,


embora ligeiramente menos alastrada — Ray correu para o meu lado do
carro, e me ajudou a sair. Fomos os primeiros a chegar, por isso ele
parecia contente em demorar-se pelo carrinho enquanto esperamos
pelos outros.

Ray colocou minha mão em seu cotovelo e me deu um grande


sorriso. "Então, você e Martin, hein?"

"Eu, honestamente não sei. Não faz muito sentido para mim", eu
admiti, encolhendo os ombros.

"Não faz sentido para mim." Suas palavras foram tranquilas, sua
fala mansa.

Eu olhei para Ray, surpreendida que encontrei ele olhando para


mim com os olhos igualmente macios. "Você é inteligente, linda..."

Eu suspirei, e revirei os olhos.

"Espere, escute, você não é linda de uma maneira convencional.


Você não é linda em tudo. Você é bonita."

Eu apertei os lábios e franzi a testa para ele, dizendo sem rodeios,


"E eu tenho realmente uma grande personalidade, certo?"

Ele sorriu para isso, parecia que ele estava tentando não rir. "Sim,
você tem realmente uma grande personalidade".

"Você é bom, Ray."

"Não, você é boa, Kaitlyn. E você tem bom riso e um grande,


estranho sorriso com essa lacuna fofa entre os dentes."

Eu zombei — fiz uma careta para ele, pressionando meus lábios.


Ele pareceu hesitar enquanto me estudava, e debatia se devia ou não
dar voz à seus pensamentos. Ele deve ter decidido a favor da ideia,
porque ele disse abruptamente, "Você é a menina que caras como nós,
se formos espertos e tivermos sorte, isto é, a garota para se casar. Você
é menina casamento."
Meu queixo caiu e meus olhos saltaram da minha cabeça. Levei
três ou quatro segundos para encontrar minha voz antes de dizer: "O
que você está falando?"

"Eu tenho duas irmãs, e lhes digo isso o tempo todo. Seja a
menina casamento. Não seja a menina ficante. Não seja ela. Ela é
estúpida e superficial. Sim, ela recebe muita atenção masculina,
vestindo-se com trajes sexys... por um tempo. Mas, então, ela está
esgotada, endurecida, desiludida e desesperada, porque ninguém fica
com uma garota ficante".

Pisquei para ele, puxei minha mão de seu cotovelo, e recuei um


passo. "Você é nojento e isso é completamente misógino. E se a garota
ficante está usando você, tanto quanto você está usando ela? E se ela
está apenas se divertindo? Este é o problema com a sociedade. Quando
um cara dorme por aí, ele é um garanhão. Quando uma garota faz isso,
ela é uma menina ficante, uma vadia".

Ele ergueu as mãos e balançou a cabeça. "Eu não vou defender a


sociedade, não estou dizendo que isso é certo. Eu estou dizendo que é
biologia. É a evolução. É um comportamento programado."

"Você percebe que tenho dezenove anos, certo? Eu posso nunca


me casar. E eu certamente não vou me casar tão cedo."

"Não importa. Sua independência, e o fato de que você não está se


esforçando para encontrar o seu grau MRS13 — que a própria ideia é
repelente por si só faz de você mais uma menina para casar. Você é o
polar oposto da menina ficante".

Rosnei para ele. Ele riu de mim.

"Escute, eu não estou falando sobre a garota que quer se divertir


e ter um bom tempo sem ter um relacionamento sério. Eu estou falando

13 Nt.: Um grau MRS é um termo usado para descrever quando uma jovem frequenta a
faculdade ou universidade com a intenção de conhecer e encontrar um marido.
sobre a menina que está à procura de um passeio livre após o término
do passeio."

Eu bati minha boca fechada, franzindo o cenho para ele de


verdade, e cruzei os braços sobre o peito. Eu não disse nada, porque
sabia que tinha meninas assim. Bem, eu não as conhecia, mas tinha
ouvido sobre isso com Ben na sexta-feira. Isso foi o que quis dizer
quando Ray estava falando sobre as meninas ficantes.

"Ah... Eu vejo que você sabe o que quero dizer."

Eu bufei. "Eu não sei nem mesmo do que estamos falando mais."

"Você. Você não é uma garota vadia, você não poderia ser nem se
tentasse. Você é a garota para se casar."

"Como é agradável para você, especialmente depois que você


passou sua adolescência e início da idade adulta fazendo garotas como
eu me sentir como excremento."

Ele me deu um encolher de ombros que teria sido encantador há


dez minutos. "Eu só estou dizendo a verdade. Pode não ser fácil de
ouvir, mas esse é o caminho do mundo. Você é o exemplo da menina
mais fina para se casar que eu já conheci. Você é linda. Pelo que tenho
visto, você é graciosa sob pressão, inteligente, capaz, e livre de drama.
Você vem de uma família que é historicamente famosa para ser
brilhante e excepcional. Você é boa — como realmente, realmente boa
— genuína, e você é hilária."

"Você acha que sou engraçada agora? Basta esperar até a festa.
Haverá várias assim então."

Ray me ignorou. "É por isso que você e Martin fazem sentido.
Porque, se Martin é uma coisa, ele é inteligente. Ele pode não ser
agradável, mas é foda e afiado como uma Katana. Ele nunca teve que
trabalhar por isso, ele nunca teve que trabalhar por nada. Ele está
entediado. Ele teve sua diversão. Ele está cheio de meninas
interesseiras. Ele está pronto para o que vem a seguir e você é a
medalha de ouro olímpica, o Prêmio Nobel da Paz, o Prêmio Pulitzer, e o
prêmio da Academia de material de casamento".

O resto dos carrinhos chegaram naquele momento. Ouvi os gritos


de Sam de alegria quando ela e Eric giraram em torno do canto. Eles
estacionaram de forma limpa e arrumada no espaço ao lado de Ray.
Herc e Tambor foram ao lado, seguido por Lee e Will, Ben por ele
próprio, em seguida, Martin e Griffin por último.

Enquanto isso, Ray estava olhando para mim como um irmão


mais velho ou um pai pode olhar para sua irmã ou filha depois de
entregar uma dura verdade sobre a vida. Como se ele estivesse pedindo
desculpas por como as coisas eram, mas não arrependido de ter
entregue a mensagem.

Ele se adiantou e me ofereceu seu cotovelo. "Será que eu arruinei


a sua noite?" Seu tom era sóbrio e se desculpava.

Eu balancei minha cabeça, peguei o braço oferecido, e disse:


"Não." Ele não tinha arruinado minha noite porque eu estava indo para
uma festa. Não havia maneira de estragar algo que já estava arruinado.

"Conheço-o há muito tempo", ele sussurrou, quando os motores


dos carros de nossos companheiros desligaram e eles saíram para o
caminho de cascalho.

"Quanto tempo?" Perguntei, com cuidado para manter minha voz


baixa.

"Desde a escola primária."

Eu balancei a cabeça, pensando nisso, pensando na nossa


conversa bizarra.

"Ele é meio louco por você, Kaitlyn."


Meus olhos cortaram para Ray. Sua boca era uma linha sombria.
Antes que eu pudesse interrogá-lo ainda mais, os outros estavam em
cima de nós e a nossa conversa estranha estava no fim.

"Vamos!" Sam passou o braço no meu e puxou.

Ray me deixou ir com um pequeno sorriso, um aceno e um olhar


que dizia, deixe-me saber se eu posso ajudar.

Eu não sabia bem como responder a isso, que olhar dar em troca.
Então virei minha a atenção para a mansão em frente de mim e na
tarefa em mãos. Eu não conseguia pensar em ser a menina para casar
de Martin, não até que eu estivesse em segurança até o fim da noite
com essa festa odiosa.

Então, e só então, eu iria examinar este novo desenvolvimento e


tentar figurar o que, se qualquer coisa, eu ia fazer sobre isso.
CAPÍTULO DOZE

Às vezes eu odeio quando estou certa. Às vezes adoro quando


estou errada.

Deixe-me explicar o que aconteceu. Vou tentar mantê-lo como


uma emoção mais livre possível em prol de todas as pessoas que não
podem lidar com os altos e baixos, e o drama e a angústia. Isto é
porque sou uma dessas pessoas. Eu não posso lidar com o drama.
Evidentemente, isto é provavelmente porque fui criada em um lar sem
dramas.

Eu tentei uma vez ser dramática quando tinha quatorze anos.


Minha mãe me disse para adicioná-lo ao calendário.

Nós chegamos na casa, Sam e eu braço-a-braço, os meninos atrás


de nós. Nós caminhamos na porta.

Martin me deu um breve aceno de cabeça, em seguida, se foi. É


isso mesmo, ele se afastou. Ele desapareceu na multidão.

Fiquei ali atordoada por cerca de vinte segundos antes de Sam me


puxar para mais perto e gritar por cima da música: "Talvez ele tem que
usar o banheiro ou algo assim."

"Ou alguma coisa", eu disse, sentindo níveis gigantescos de ficar


irritada e magoada e confusa. Rapazes eram tão estranhos e,
obviamente, colocados na terra para torturar as meninas. O
comportamento de Martin não fazia sentido. Eu considerei tentar
resolver o problema, mas finalmente decidi que as ações dos homens
iam além da minha compreensão.
Notei que Herc estava colado a Ben quando eles passaram e
foram absorvidos na multidão. Eu me perguntava se Ben iria tentar
drogar alguém em uma festa, mas agora eu suspeitava que Herc era
atribuído para manter um olho nele.

Sam, Eric — que deixou o show à parte — ficou com Sam e eu


levei um breve passeio pela festa.

Nós andamos de sala em sala, examinando os arredores, obtendo


um reconhecimento do terreno. Para mim, parecia uma festa em uma
casa grande e nada mais emocionante do que isso. Então... não tinha
nada de excitante.

Os quartos eram gigantescos e ricamente decorados e foram


ficando cheios por foliões.

Um DJ tocava música alta na casa. As pessoas estavam dançando


e se embriagando, e falando alto para ouvir uns aos outros através da
música. A maioria das meninas estavam vestidas com biquínis. A
maioria dos caras estavam vestidos com shorts e camisetas, ou short
curto de nadar. A piscina era enorme e envolveu em torno de um lado
da casa. Ela tinha uma cachoeira e três escorregadores, bem
como quatro banheiras de hidromassagem.

Sam disse que queria ir nadar. Eu não tinha trazido um maiô. Ela
levantou uma bolsa em seu ombro e me informou que não só tinha
trazido um maiô para mim, como um biquíni. Eu pensei que poderia
morrer de felicidade.

Essa última parte não é verdade. Eu estava sendo sarcástica.


Desculpe.

Sam e eu deixamos Eric no deck com a promessa de voltar uma


vez que estivermos adequadamente vestidas. Eu me vesti entorpecida,
recusando-me a olhar para mim mesma no espelho, porque... por quê?
Por que eu faria isso para mim mesmo? Posteriormente, nós descemos
para o térreo. Nós caminhamos para o deck.
E vi Martin beijando uma garota.

Isso foi literalmente como aconteceu. Dei dois passos para fora da
porta, esquadrinhei o espaço por Eric, e em vez disso vi uma loira de
pernas longas, com os braços ao redor do pescoço de Martin e seu corpo
colado ao seu, e sua boca aspirava na sua como se ela quisesse provar
o seu jantar.

Eu imediatamente desviei o olhar.

Mesmo que você não se sinta calma, não significa que você não
pode ficar calma.

"Eu vou matá-lo." A voz de Sam era baixa com ameaça. Segurei-
lhe o braço para mantê-la no lugar e balancei a cabeça, deixando-a ver
que eu considerei a situação toda ridiculamente inútil. Eu duvidava que
meu olhar de aceitação havia sido muito eficaz porque podia sentir as
lágrimas picarem meus olhos. Voltei-me para a porta e me afastei de
tudo... dessa confusão quente.

Ouvi-a rosnar para Eric quando ele começou a explicar e trazê-la


para perto e atrás de mim, enquanto eu tecia no meio da multidão. Ela
me parou quando chegamos ao extremo de uma enorme cozinha.

"Deus, que idiota!" Eu podia sentir seus olhos em mim. "O que
você quer fazer?"

Dei de ombros e rolei meus olhos para que eu não chorasse. Eu


não choraria.

Nem poderia lidar com a nuvem de sentimentos que rasgou


através de mim, porque... Eu apenas não podia. Eu não sabia o que
dizer ou fazer ou para onde olhar, então olhei por cima do ombro.

Vários caras estavam mexendo no barril perto da maior geladeira


que eu já vi.
"Kaitlyn, o que você quer fazer? Você quer sair?" Sam me
cutucou.

"Não", eu disse. Eu não queria sair. Eu queria me enfiar em um


armário e me esfriar, acalmar a crescente onda de emoção. "Mas eu
tenho que ir ao banheiro."

"Eu vou com você."

"Não." Eu balancei minha cabeça enquanto vi Eric pairando atrás


dela, cerca de cinco pés de distância. Ele me deu um desagradável,
sorriso de desculpas. "Não. Estou realmente bem, só preciso de um
minuto. Eu falarei com você mais tarde."

"Kaitlyn..."

"Realmente, eu estou bem", gritei ao longo dos espectadores em


volta do barril e levantei meu queixo em direção a Erin, encorajando-o a
me livrar de Sam.

Eu precisava de um minuto sozinha. Na verdade, precisava de


vários. Ironicamente, era mais provável encontrar algum tempo sozinha
aqui, nesta multidão, do que faria se Sam e eu saísse da festa.

Ela iria querer que eu ficasse enfurecida contra Martin, talvez


fazer as malas e deixar a ilha esta noite. Eu não queria fazer isso. Eu
queria reunir os meus pensamentos, deixar a festa em poucas horas, e
cumprir a minha parte no trato.

Em seguida, na parte da manhã, depois de uma discussão muito


calma, racional com Martin Sandeke, em que eu soletraria para ele
todas as razões do fato que nós juntos nunca iria funcionar, por
exemplo, como eu agora o odiava com o fogo de todos os fornos do
inferno, e que ele era um mentiroso, mentirosos que mentiam quando
diziam que nunca iria me machucar — gostaria de deixar a ilha.

Eu não choraria.
Eu não iria acusar.

Eu realmente não esperava muito de Martin, então por que


deveria ficar surpresa agora? Há pouco tempo, ele me deu um orgasmo
perto de uma cachoeira. E daí? Não é como se ele tivesse me dado um
unicórnio.

Foi apenas um orgasmo.

Eu não choraria. Gostaria apenas de sair.

Assim que chegasse em casa, eu mandaria um e-mail ao meu


professor de química e solicitaria um novo parceiro de laboratório. E se
eu tivesse muito cuidado — e muita sorte — nunca teria que colocar os
olhos no idiota do Martin Sandeke uma vez mais.