Você está na página 1de 6

5

Referências Bibliográficas

ALGRANTI, Leila Mezan. “A escravidão no cotidiano das instituições de


reclusão feminina no Sudeste do Brasil colonial”. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza
da (org.). Brasil: colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.
ALTHUSSER,Louis. A favor de Marx. Rio de Janeiro : Zahar, 1979.
ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do
trabalho, 2.ed., São Paulo: Editorial Boitempo, 2000.
_______ Neoliberalismo, trabalho e sindicatos: reestruturação produtiva no
Brasil e na Inglaterra. 3.ed., São Paulo: Editorial Boitempo, 1999.
BADARÓ, Marcelo (org.). História: pensar e fazer. Rio de Janeiro: Laboratório
Dimensões da História, 1998.
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0115377/CB

BARBOSA, Renata Corrêa Tavares. Desvios do olhar: a escravidão na


historiografia brasileira. Rio de Janeiro, 2001, 139 p. Dissertação de Mestrado,
PUC-Rio.
BOURDIEU, Pierre. “O campo científico”. In: ORTIZ, Renato. Pierre Bourdieu:
Sociologia. São Paulo: Ed. Ática, 1983.
BOUTIER, Jean & JULIA, Dominique (orgs.). Passados recompostos: campos e
canteiros da História. Rio de Janeiro: UFRJ / FGV, 1998.
BURKE, Peter (org.). A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo:
UNESP, 1992.
_______ Variedades de história cultural. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira,
2000.
CAPELATO, Maria Helena Rolim (coord.). Produção histórica no Brasil:
catálogo de dissertações e teses dos programas de pós-graduação em História.
São Paulo: Xamã, 1995.
CARDOSO, Ciro Flamarion E BRIGNOLI, Héctor Pérez. Os métodos da
História. Rio de Janeiro: Graal, 1983.
_______ História econômica da América Latina. Rio de Janeiro: Graal, 1983.
CARDOSO, Ciro Flamarion (org.). Escravidão e abolição no Brasil: novas
perspectivas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.
_______ “Escravismo e dinâmica da população escrava na Américas”. Estudos
Históricos, São Paulo, IPE-USP, 13 (1), jan./abr., 1983.
_______ Uma introdução à história. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988.
_______ “A História na virada de milênio: fim das certezas, crise dos
paradigmas? Que História convirá ao século XXI?”, mimeo, s/d.
A produção do novo e do velho na historiografia 105

_______ & VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História. Rio de Janeiro: Campus,


1997.
_______ “Epistemologia pós-moderna, texto e conhecimento: a visão de um
historiador”. Diálogos, DHI/UEM, v. 3, nº 3, p. 1-28, 1999.
CARNEIRO, Nestor Luis Garcia. “Ainda a indigência teórica: ou de como se
fazem algumas ‘novas histórias da escravidão’”. Histórica. PUCRS, Porto
Alegre, nº 2, 1997, p. 34-42.
CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário, 2ª
ed., Petrópolis: Ed. Vozes, 1999.
CASTRO, Hebe Maria Mattos. “A escravidão fora das grandes unidades
agroexportadoras”. In: CARDOSO, Ciro Flamarion (org.). Escravidão e abolição
no Brasil: novas perspectivas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.
_______ Das cores do silêncio: os significados da liberdade no sudeste escravista
– Brasil seculo XIX.Rio de Janeiro : Arquivo Nacional, 1995.
CHALHOUB, Sidney. Visões da liberdade. São Paulo: Cia das Letras, 1990.
CHARTIER, Roger. A História cultural: entre práticas e representações. Lisboa:
Difel, 1990.
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0115377/CB

_______ “A História hoje: dúvidas, desafios, propostas”. Estudos históricos. 7


(13), 1994.
CORRÊA, Maria Amélia Ayd. De que lugares fala essa história?As matrizes
teórico-metodológicas na produção discente do Programa de Pós-Graduação
Strictu Sensu em História da UFF (1989-1996). Rio de Janeiro, 2001, 214 p.
Dissertação de Mestrado, IFCS / UFRJ.
COSTA, Emília Viotti da. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São
Paulo: Grijalbo, 1977.
DAVIS, David Brion. O problema da escravidão na cultura ocidental. Rio de
janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
ELIAS, Norbert. A sociedade de corte.Lisboa: Estampa, 1995.
Estudos econômicos. São Paulo, 13 (1), jan./abr., 1983.
FALCON, Francisco Calazans. “A identidade do historiador”. Estudos históricos,
Rio de Janeiro, nº 17, p. 7-30, 1996.
FARIA, Sheila de Castro. A colônia em movimento. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira.
FERREIRA Jr., Maurício Vicente et alii (entrevistadores). “A história que se faz
na academia: uma entrevista com Fernando Antônio Novais”. Revista Arrabaldes,
nº 3, jan./abr., 1989, p. 119-138.
FONTANA, Josep. História: análise do passado e projeto social. Bauru, São
Paulo: EDUSC, 1998.
FREITAS, Mário Cezar de. Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo:
Contexto, 2000.
A produção do novo e do velho na historiografia 106

FRAGOSO, João Luís Ribeiro. “Modelos explicativos da economia escravista no


Brasil”. In: CARDOSO, Ciro Flamarion (org.). Escravidão e abolição no Brasil:
novas perspectivas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.
_______ Homens de grossa aventura.Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1992.
_______ & FLORENTINO, Manolo. “Marcelino, filho de crioula, neto de Joana
Cabinda: um estudo sobre famílias escravas na Paraíba do Sul (1835-1872).
Estudos Históricos, São Paulo, IPE-USP, 17 (2), 1987.
_______ O arcaísmo como projeto : mercado atlântico, sociedade agrária e elite
mercantil no Rio de Janeiro, 1790 – 1840.Rio de Janeiro: Sette Letras, 1998.
FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. São
Paulo: Kairós, 1983.
FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981.
FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil, 22 ed., São Paulo: Editora
Nacional, 1987.
GADAMER, Hans-Georg. O problema da consciência histórica. Rio de Janeiro:
FGV, 1998.
GEBARA, Ademir. O mercado de trabalho livre no Brasil (1871-1888). São
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0115377/CB

Paulo: Brasiliense, 1986.


GENOVESE, Eugene. A economia política da escravidão. Rio de Janeiro: Pallas,
1976.
GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais. Morfologia e História. São Paulo:
Cia das Letras, 1990.
GOLDSCHMIDT, Eliana Maria Rea. “Matrimônio e escravidão em São Paulo:
dificuldades e solidariedades”. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (org.). Brasil:
colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, P. 59-72.
GOMES, Flávio dos Santos & REIS, João José (orgs.).Liberdade por um fio:
história dos quilombos no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
GORENDER, Jacob. O escravismo colonial. São Paulo: Ática, 1978.
_______ A Escravidão reabilitada, 2.ed., São Paulo: Ática, 1991.
GRAF, Márcia Elisa de Campos. “Nos bastidores da escravidão: convivência e
conflito no Brasil colonial”. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (org.). Brasil:
colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.
GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1968.
_______ Concepção dialetica da historia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,
1978.
HOBSBAWM, Eric. Sobre história. São Paulo: Cia das Letras, 1998.
HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26 ed., São Paulo: Cia das
Letras, 1999.
HUNT, Lynn. A Nova História Cultural. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
A produção do novo e do velho na historiografia 107

IANNI, Otávio. “Escravidão e capitalismo”, In: Escravidão e racismo. São Paulo:


Ed. Hucitec, 1988.
KARASCH, Mary. “‘Minha nação’: identidades escravas no fim do Brasil
colonial”. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (org.). Brasil: colonização e
escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, p. 127-141.
KOSIK, Karel. Dialética do concreto. 2 ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1965.
LAPA, José Roberto do Amaral (org.). Modos de produção e realidade brasileira.
Petrópolis: Vozes, 1980.
LARA, Silvia Hunold. Campos da Violência: escravos e senhores na Capitania
do Rio de Janeiro 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.
_______ “Sedas, panos e balangandãs: o traje de senhoras e escravas nas cidades
do Rio de Janeiro e Salvador (século XVIII)”. In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da
(org.). Brasil: colonização e escravidão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, p.
177-191.
_______ “Blowin’ in the wind: E.P. Thompson e a experiência negra no Brasil”.
Projeto História, São Paulo, nº 12, 1995.
LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime
representativo no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0115377/CB

LÊNIN, V. Materialismo e empirocriticismo. Rio de Janeiro: Leitura, s/d.


LEVI, Giovanni. “Sobre a micro-história”. In: BURKE, Peter (org.). A escrita da
História: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.
MARX, K. e ENGELS, F. A ideologia alemã. São Paulo: Grijalbo, 1977.
MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural,
1988. Volume 1.
MACHADO, M. H. "Em torno da autonomia escrava: uma nova direção para a
história social da escravidão". Revista Brasileira de História, São Paulo: ANPUH
/ Ed. Marco Zero, vol. 8, nº 16, março-agosto, 1988.
_______ O plano e o pânico: os movimentos sociais na década da abolição. Rio
de Janeiro: UFRJ, EDUSP, 1994.
MATTOSO, Kátia de Queirós. Ser escravo no Brasil. São Paulo: Brasiliense,
1982.
NOVAIS, Fernando A. “Caio Prado Jr. na historiografia bresileira”. MORAES,
Reginaldo e ANTUNES, Ricardo (orgs.). Inteligência brasileira. São Paulo:
Brasiliense, 1986.
_______ Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema Colonial (1777-1808). 2ª
ed., São Paulo: Hucitec, 1983.
PAIVA, Eduardo França. Escravos e libertos nas Minas Gerais do século XVIII.
São Paulo: Annablume, 1995.
PALMER, Richard E. “A crítica de Gadamer à estética moderna e à consciência
estética”. In: Hermenêutica. Lisboa: Ed. 70, p. 167-196.
PRADO JR., Caio. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense,
2000.
A produção do novo e do velho na historiografia 108

_______ Dialética do conhecimento. 5ª ed., tomos I e II, São Paulo: Brasiliense,


1969 [1952].
_______ “A revolução brasileira”. In: Caio Prado Jr. e Florestan Fernandes:
clássicos sobre a revolução brasileira. São Paulo: Expressão Popular, 2000
[1966].
_______ O estruturalismo de Lévi-Strauss – O marxismo de Althusser. São Paulo:
Brasiliense, 1971.
QUEIROZ, Suely Robles Reis de. “Aspectos ideológicos da escravidão”. In:
Estudos Históricos, São Paulo, IPE-USP, 13 (1), jan./abr., 1983.
QUINTÃO, Antônia Aparecida. “As irmandades de pretos e pardos em
Pernambuco e no Rio de Janeiro na época de D. José I: um estudo comparativo”.
In: SILVA, Maria Beatriz Nizza da (org.). Brasil: colonização e escravidão. Rio
de Janeiro: Nova Fronteira, 2000, p. 163-176.
REIS, João José e SILVA, Eduardo. Negociação e conflito: a resistência negra no
Brasil escravista. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.
REIS, João José (org.). Escravidão e invenção da liberdade. São Paulo:
Brasiliense, 1988, p. 10.
________. Escravidão e invenção da liberdade: estudos sobre o negro no Brasil.
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0115377/CB

São Paulo: Brasiliense/CNPq, 1988.


SANTIAGO, Téo Araújo (org.). América colonial. Rio de Janeiro: Pallas, 1975.
SCHAFF, Adam. História e verdade. 2 ed., São Paulo: Martins Fontes, 1983.
SCHWARTZ, Stuart. Burocracia e sociedade no Brasil colonial: a Suprema
Corte da Bahia e seus Juízes: 1609-1751. São Paulo: Perspectiva, 1979.
_______ Segredos internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-
1835.São Paulo: Companhia das Letras, 1988.
_______ “Padrões de propriedade de escravos nas Américas: nova evidência para
o Brasil”. Estudos Históricos, São Paulo, IPE-USP, 13 (1), jan./abr., 1983.
SENNETT, Richard. A corrosão do caráter: conseqüências pessoais do trabalho
no novo capitalismo, 3ª ed., Rio de Janeiro: Record, 1999.
SILVA, Maria Beatriz Nizza da (org.). Brasil: colonização e escravidão. Rio de
Janeiro: Nova Fronteira, 2000.
SLENES, Robert e FARIA, Sheila de Castro. “Família escrava e trabalho”.
Tempo. Rio de Janeiro: Sete Letras, vol. 3, nº 6, p. 38.
SLENES, Robert. Na senzala uma flor: esperanças e recordações na formação da
família escrava, Brasil, Sudeste, século XIX. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,
1999.
_______ “O que Rui Barbosa não queimou: novas fontes para o estudo da
escravidão no século XIX”. Estudos Históricos, São Paulo, IPE-USP, 13 (1),
jan./abr., 1983.
SOUZA, Laura de Mello e. O diabo e a terra de santa cruz: Feitiçaria e
religiosidade no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Companhia das Letras.
A produção do novo e do velho na historiografia 109

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica


ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
_______ “Modos de dominação e revoluções na Inglaterra”. In: A peculiaridade
dos ingleses e outros artigos. Textos didáticos, nº 10, v. 2, jan, 1998.
_______ A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
1987.
_______ “The moral economy of the english crowd in the eighteenth century”.
Past and present, nº 50, 1971, p. 76-136.
VAINFAS, Ronaldo. Ideologia e escravidão; os letrados e a sociedade no Brasil
colonial. Petrópolis: Vozes, 1986.
________ “Escravidão, ideologias e sociedade”. In: CARDOSO, Ciro Flamarion
(org.). Escravidão e abolição no Brasil: novas perspectivas. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 1988.
WEBER, Max. “A ‘objetividade’ do conhecimento nas Ciências Sociais”. In:
COHN, Gabriel (org.). Sociologia, São Paulo: Ed. Ática, 2 ed., 1982.
WILLIAMS, Raymond.Marxismo e literatura. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
PUC-Rio - Certificação Digital Nº 0115377/CB