Você está na página 1de 20

CAPÍTULO

Prevenção de Trauma

OBJETIVOS DO CAPÍTULO

Ao final deste capítulo, o leitor deverá ser capaz de fazer o seguinte:


INI1111~~11

 Descrever o conceito da energia como causa de  Descrever e defender o papel dos serviços de
lesão no trauma. emergência médica na prevenção de trauma,
incluindo:
 Construir uma Matriz de Haddon para um tipo de
trauma específico.  Indivíduos
 Famílias
 Relacionar a importância das observações atentas
 C o mu ni da de s
e precisas da cena e da documentação dos dados
 Profissionais
pelos socorristas do atendimento pré-hospitalar
 Oraanizacões
opara
sucesso das iniciativas de prevenção de trauma.
 Gru po s de or gan iz açõ es
 Auxiliar no desenvolvimento, implementação e
 Identificar estratégias que os socorristas de
avaliação de programas de prevenção de trauma na
atendimento pré-hospitalar possam implementar e
sua comunidade ou na organização de serviços de
que irão reduzir o risco de traumas.
emergência médica.
CAPÍTULO 2 Prevenção de Trauma 15

Você e seu parceiro estão na cena de urna colisão de automóveis e estão trabalhando para retirar rapidamente um paciente pesado do
banco do motorista de seu veículo. Ele não usava cinto de segurança durante a batida. Você e seu parceiro estão ambos usando coletes de
segurança aprovados sobre o seu uniforme de trabalho urna vez que vocês estão perto da estrada. Policiais estão no local para controlar o
tráfego, e a ambulância está estacionada para maximizar a proteção de veículos no sentido contrário. O paciente está devidamente
acomodado e protegido na maca elétrica, utilizada devido ao peso do paciente. A maca elétrica permite que você e seu parceiro levantem o
paciente com segurança até a ambulância, sem colocar o excesso de peso sobre seus corpos.
Uma vez dentro da ambulância, você coloca seu cinto de segurança na cadeira voltada para trás e continua a cuidar do paciente enquanto
seu parceiro opera a sirene e as luzes estroboscópicas intermitentes da ambulância para chamar a atenção dos outros motoristas. Ele manobra
com segurança até a pista e segue para o hospital. A ambulância chega com segurança ao hospital, e você transfere o paciente para os
cuidados da equipe do pronto socorro.
Enquanto preenche a papelada após o chamado, você pensa nas estatísticas de lesões e mortes nacionais globais dos socorristas. Você
percebe que, graças à cuidadosa atenção a todos os aspectos da prevenção de lesões que você e seu parceiro demonstraram, o chamado foi
concluído com segurança para todos os envolvidos.

 A prevenção de acidentes é uma abordagem realista para prevenir traumas e mortes em colisões automobilísticas e outras causas de
lesão traumática?
 Existem evidências de que a conformidade com o uso de assentos e cintos de segurança apresentam impacto na prevenção de lesões e
mortes?
 Como socorristas, o que podemos fazer para evitar mortes e lesões causadas por colisões automobilísticas?

entanto, o método mais eficiente e eficaz para combater o trauma é


impedir que ele aconteça em primeiro lugar. Profissionais de saúde
em todos os níveis desempenham um papel ativo na prevenção de
Foi de grande importância para o traumas para que se alcance os melhores resultados não somente
desenvolvimento dos serviços de emergência médica (EMS) para a comunidade em geral, corno também para si mesmos.
modernos a publicação, em 1966, pela Academia Nacional de
Em 1966, os autores do relatório da NAS/NRC reconheceram a
Ciências / Conselho Nacional de Pesquisa (NAS / NRC), do artigo
importância da prevenção do trauma, quando escreveram:
entitulado Accidental Death and Disability: the Neglected Disease of
Modern Society. A publicação destacou falhas nas condutas no
A solução de longo prazo para o problema do trauma é a
atendimento ao trauma nos Estados Unidos e ajudou a lançar uru
prevenção... A prevenção de acidentes envolve o treinamento
sistema formal de atendimento na cena e de transporte rápido dos
em casa, na escola e no trabalho, reforçado por ações frequentes
pacientes feridos em decorrência de "acidentes". Essa iniciativa
voltadas para a segurança nos meios de comunicação; por
educacional foi fundamental para a criação de um sistema mais
cursos de primeiros socorros e reuniões públicas; e pela
eficiente que oferecesse atendimento pré-hospitalar aos doentes e
feridos.' inspeção e vigilância das agências reguladoras.'
A incidência de morte e invalidez por traumas nos Estados
Unidos diminuíram desde a publicação desse artigo. 2 Apesar desse As ações de prevenção de algumas doenças, como a raiva ou
progresso, no entanto, o trauma permanece como um grande o sarampo, são tão eficazes que a ocorrência de um único caso se
problema de saúde pública. Mais de 182.000 americanos morrem torna notícia de primeira página. As autoridades de saúde pública
anualmente por trauma, e outros milhões são afetados negativamente reconhecem que ações de prevenção resultam nos melhores
em algum grau. 3' 4 O trauma ainda é uma das principais causas de resultado para a redução do número de casos de doenças. Os
morte em todos as faixas de idade. 5,5 Para alguns grupos etários, currículos para formação de socorristas há muito tempo incluem a
instrução formal sobre segurança da cena e uso dos equipamentos
especialmente crianças, adolescentes e adultos jovens, ele é a
de proteção individual, como meio de prevenção de lesões para
principal causa de morte.
esses profissionais. Para estimular os sistemas de serviços de
O trauma é também um problema mundial. Mais de cinco
emergência médica a desempenharem um papel mais ativo nas
milhões de pessoas morreram no mundo em decorrência de traumas
em 2010. 5 Em todo o mundo, nove pessoas morrem de lesões estratégias de prevenção de trauma na comunidade, a Emergency
ocasionadas por traumas a cada minuto. Medical Services Agenda for the Future, que foi desenvolvida pela
O desejo de cuidar de pacientes acometidos por traumas atrai e para a comunidade dos serviços de emergências médicas, lista
muitos para o campo dos serviços de emergência médica. O curso de a prevenção como um dos 14 atributos a serem desenvolvidos, a
Suporte Pré-hospitalar de Vida no Trauma (Prehospital Trauma Life fim de "melhorar a saúde da comunidade e resultar no uso mais
Support, PHTLS) ensina os socorristas a serem eficientes e eficazes apropriados dos recursos de saúde". 7 Para esse fim, o National
no atendimento a traumatizados. A necessidade de socorristas bem
treinados para cuidarem de vítimas de trauma sempre existirá. No
16 ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR AO TRAUMA, OITAVA EDIÇÃO

EMS Education Standards (padrão nacional de educação dos


serviços de emergências médicas) incluiu a prevenção de
Energia Fora de Controle
As pessoas dominam e utilizam todas as cinco for .
trauma na comunidade.
em diversas atividades produtivas todos os dias. Nes
Os serviços de emergências médicas estão se transformando energia está sob controle, de modo que ela não afet:
de um modelo exclusivamente reativo para um modelo mais amplo e o corpo. A capacidade de um indivíduo controlar a e
mais eficaz, que inclui maior ênfase na prevenção. Este capítulo de dois fatores: do desempenho durante a execução
apresenta os principais conceitos de prevenção de trauma para exigências dessa tarefa. 9 Enquanto a capacidade para
soem-listas. executar uma tarefa for superior às exigências energia
será liberada de forma controlada para ser u
Conceitos de Trauma Nas três situações seguintes, entretanto, a
exceeder o desempenho, levando à liberação de
Definição de Trauma energia:

Uma discussão sobre a prevenção de trauma deve começar com a 1. Quando a dificuldade da tarefa repentina
definição do termo trauma. Trauma é hoje definido como um evento capacidade de desempenho do indivíduc
nocivo que acontece quando há liberação de formas um socorrista pode operar uma ambulância
específicas de energia física ou quando há barreiras ao fluxo durante condições normais de condução, 1
normal de energia.8 A grande variabilidade das causas de trauma o controle quando o veículo passar sobre
inicialmente representaram um grande obstáculo para seu estudo água na pista. O aumento repentino nas
e prevenção. Por exemplo, o que uma fratura de quadril tarefa pode ultrapassar a capacidade de e
causada pela queda de um idoso tem em comum com um socorrista e causar um acidente.
ferimento de arma de fogo autoinfligido em crânio de um adulto 2. Quando o nível de desempenho do indir ficando abaixo do que
jovem? Além disso, qual o paralelo que pode ser feito entre uma exigiria a taref, que adormece ao volante de um veículo 4 em
fratura de fêmur de uma queda em uma senhora idosa e uma uma estrada apresenta urna redução desempenho. E, sem que
fratura de fêmur de um homem jovem que bateu sua moto? Todas houvesse mudança' da tarefa, ela pode sofrer um acidente.
as possíveis causas de trauma, desde colisões de veículos, 3. Quando ambos fatores são modificados sim Falar em um telefone celular
passando por ferimentos por arma branca e suicídio até ao enquanto concentração de um motorista na estrad surge de repente na
afogamento, apresentam um fator em comum: a transferência de frente do veículo, a exi de forma brusca. Em circunstâncias norml
energia para a vítima.
poderia ser capaz de lidar com esse aumer
A energia existe em cinco formas físicas: mecânica, química, da tarefa. Uma redução da concentraçã
térmica, radioativa e elétrica. exato em que a habilidade adicional é exi
uma colisão.
 Energia mecânica é a energia que um objeto contém
quando está em movimento. Por exemplo, a energia Assim, podem ocorrer lesões quando há liberaç
mecânica, a causa mais comum de lesões, é transferida a forma descontrolada em locais próximos às vítimas.;
partir de um carro quando um motorista, sem cinto de
segurança bate contra o para-brisa durante uma colisão
1
do veículo. O Trauma como uma Doença
 Energia química é a energia que resulta da interação
de um composto químico com o tecido humano exposto O processo patológico tem sido estudado há anos.
a ele. Por exemplo, a energia química leva a urna que três fatores devem estar presentes e interagir si
queimadura por meio da exposição a um ácido ou uma para que uma doença ocorra: (1) um agente que cau:
base. um hospedeiro em que o agente possa residir e (
 Energia térmica é a energia associada com o adequado no qual o agente e o hospedeiro possar
aumento de temperatura e calor. Por exemplo, a Assim que os profissionais de saúde pública reco
energia térmica causa lesões quando um cozinheiro ao"tríade epidemiológica", eles descobriram como
borrifar um líquido inflamável no carvão em brasa em doenças (Figura 2-1). A erradicação de certas doen-
é possível por meio da vacinação do hospedeiro, eli
urna churrasqueira ao ar livre, acaba queimando seu
agente com antibióticos, da redução da transmissão
rosto.
meio de melhorias no saneamento básico, ou de mi
 Energia por radiação é qualquer onda eletromagnética que
desses três fatores.
trafega em raios (como o Raio-X) e não apresenta massa
física. A energia por radiação pode produzir queimaduras Apenas no final da década de 1940 inicia a pesqui
solares em urna adolescente que tentasse ficar com um do processo de trauma. Os pioneiros no estue
demonstraram que, apesar dos resultados obviamei
bronzeado dourado para o verão.
a doença clínica e o trauma se comportam de fora
 Energia elétrica é resultante da movimentação de
elétrons entre dois pontos. Ela está associada tanto ao
trauma direto, bem corno ao trauma térmico e, por
exemplo, pode produzir lesões na pele, nervos e vasos
sanguíneos de um socorrista que falha durante a
avaliação adequada da cena antes de tocar em um
veículo que bateu em um poste de luz.

Qualquer forma de energia física em quantidade suficiente


pode causar danos aos tecidos. O corpo pode tolerar a transferência
de energia até certos limites; no entanto, sempre haverá trauma
quando esse limiar for excedido.
CAPÍTULO 2 Prevenção de Trauma

enquanto a babá corria para dentro da casa para atender ao telefone.


Com o hospedeiro, agente e ambiente todos juntos, ao mesmo
tempo, uni trauma não intencional — nesse caso, o afogamento —
poderá ocorrer.

Matriz de Haddon
Dr. William J. Haddon Jr. é considerado o pai da ciência da prevenção
ao trauma. Durante seus estudos sobre o conceito da tríade
epidemiológica, em meados da década de 1960, ele reconheceu que
o trauma pode ser dividido em três fases temporais:

1. Pré-evento: Antes da lesão.


Figura 2-1 Tríade epidemiológica. 2. Evento: O momento no qual a energia nociva é liberada.
3. Pós-evento: As consequências do trauma (veja também o
capítulo PHTLS: Passado, Presente e Futuro).
Ambos apresentam os três elementos da tríade epidemiológica, e,
consequentemente, ambos são tratados como urna doença: Ao exa mi nar os três fa t or es da tría de epi demi oló gic a
durante cada fase temporal, Haddon criou uma matriz "fase-fator"
1. Para que uma trauma ocorra, um hospedeiro (no caso, constituída de nove células (Figura 2-2). Esta tabela ficou conhecida
o homem) deve existir. Assim como acontece com as corno a Matriz de Haddon. Ela fornece um meio para representar
doenças, a susceptibilidade do hospedeiro não se mantém graficamente os eventos ou ações que aumentam ou diminuem
constante de indivíduo para indivíduo; ela varia em as possibilidade de ocorrência de um trauma. Ela também pode
função de fatores internos e externos. Fatores internos ser usada para identificar estratégias de prevenção. A matriz de
incluem inteligência, gênero e tempo de reação. Fatores Haddon demonstra que diversos fatores podem levar a um trauma e,
externos incluem intoxicação, raiva e crenças sociais. consequentemente, existem diversas possibilidades para prevenir ou
A susceptibilidade também varia ao longo do tempo em reduzir sua gravidade. A matriz desempenhou um papel importante
relação a uma mesma pessoa. na desmistificação da ideia de que a trauma seria o resultado de uma
2. Como descrito anteriormente, o agente do trauma é a única causa, de azar ou do acaso.
energia. A velocidade, a forma, o material e o tempo A Figura 2-2 mostra urna Matriz de Haddon para um acidente
de exposição ao objeto que libera a energia, todos de ambulância. Os componentes em cada célula da matriz são
desempenham um papel na relação de eventual sobrecarga diferentes, dependendo do trauma a ser analisado. A fase de
do nível de tolerância do hospedeiro. pré-evento inclui fatores que podem contribuir para a probabilidade
3. O hospedeiro e o agente devem se encontrar em um de um acidente; no entanto, a energia ainda está sob controle. Essa
ambiente que permita que os dois interajam. Normalmente, fase pode durar de alguns segundos até vários anos. A fase do evento
o ambiente é dividido em componentes físicos e sociais. mostra os fatores que influenciam na gravidade da lesão. Durante
Fatores físicos do ambiente pode ser vistos e tocados. esse período, a energia descontrolada é liberada e o trauma ocor re
Fatores sociais do ambiente incluem atitudes, crenças se a transferência de energia exceder a tolerância do corpo. Afase do
e julgamentos. Por exemplo, os adolescentes são mais evento é normalmente muito curta; pode durar apenas uma fração de
propensos a comportamentos de risco (componente físico), segundo e raramente dura mais do que alguns minutos. Os fatores na
porque eles apresentam uma sensação de invencibilidade
fase pós-evento afetam o resultado depois de uma lesão ter ocorrido.
(componente social), maior do que outras faixas etárias. Dependendo do tipo de evento, pode durar de alguns segundos até
o tempo de vida restante do hospedeiro. (Veja também o capítulo
As características do hospedeiro, do agente e do ambiente PHTLS: Passado, Presente e Futuro).
mudam conforme o tempo e as circunstâncias. Os profissionais de Programas de saúde pública adotaram a t erminologia de
saúde pública Tom Scavo Christoffel e Susan Gallagher descrevem prevenção primária, secundária e terciánia.
essa dinâmica da seguinte forma:
 A prevenção primária destina-se a evitar o trauma antes
Para ilustrai; pense nos componentes da tríade epidemiológica que ele ocorra. Esse tipo de atividade de prevenção
como rodas que giram constantemente. Dentro de cada roda, envolve programas de educação para ajudar a minimizar
há divisões, como fatias de torta, urna para cada variável comportamentos de risco e a usar equipamentos de
circunstancial possível — boa e ruim. As três rodas giram proteção como capacetes, assentos de segurança para
em velocidades diferentes, então características diferentes crianças e cintos de segurança em veículos.
interagem (se encontram) em momentos diferentes e em  A prevenção secundária refere-se às medidas tornadas para
diferentes combinações. Algumas combinações fazem com prevenir a progressão de uma lesão aguda, uma vez que ela
que nenhum trauma ocorra; outras levam a um desastre.w já tenha ocorrido — por exemplo, evitando a ocorrência de
hipóxia ou hipotensão após uma lesão cerebral traumática
No caso do trauma, o hospedeiro pode ser uma curiosa criança
de 2 anos de idade que se move; o agente do trauma pode ser uma
piscina cheia de água com uma bola de praia que boia bem próximo
da borda; o ambiente pode ser um portão que foi deixado aberto
18 ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR AO TRAUMA, OITAVA EDIÇÃO

ou corrigindo-a o mais rapidamente possível se já estiver


presente.
Modelo do queijo suíço
■ A prevenção terciária visa reduzir a ocorrência de morte O psicólogo britânico James Reason propôs uma outra maneira
e de invalidez a longo prazo por um trauma (ou doença) de pensar sobre como ocorrem os acidentes." Ele comparou o
após ele ter ocorrido. Programas ativos e agressivos de processo a um queijo suíço. Em cada situação, existe um risco, que
reabilitação se enquadram nesta categoria. tem o potencial de causar traumas ou permitir que um erro ocorra.

Figura 2-2 Matriz de Haddon para colisões com ambulâncias


Tríade epidemiológica
Fases Fatores do hospedeiro Fatores do agente Fatores do ambiente
Pré-evento Precisão visual do motorista Manutenção dos freios, pneus etc. Visibilidade dos perigos
Experiência e julgamento Equipamentos com defeito Inclinação e curvatura da estrada
Quantidade de tempo na Centro de gravidade mais alto na Coeficiente de atrito da superfície
ambulância por turno ambulância Largura da pista de acostamento
Nível de cansaço Velocidade Sinalização de trânsito
Alimentação adequada Facilidade de controle Limites de velocidade
Nível de estresse
Adesão às leis de trânsito da
comunidade e da empresa
Qualidade dos cursos de
formação do motorista

Evento Uso do cinto de segurança Capacidade de velocidade Falta de grades de proteção


Condicionamento físico Tamanho da ambulância Barreiras centrais
Limiar de lesão Limitadores automáticos Distância entre as estradas e
Ejeção Rigidez e perfurabilidade objetos fixos
das superfícies de contato. Limites de velocidade
Rigidez e perfurabilidade de itens Outros tráfegos
soltos (p. ex., pranchetas, lanternas) Postura quanto ao uso de cinto de
Coluna de direção segurança
Prática de hábitos seguros de Manutenção de uma rota de fuga
condução: velocidade, uso de Não fazer suposições sobre
luzes/sirene, ultrapassagens, um ambiente ser seguro (p.
cruzamentos, ré ex., "uma região bacana da
Prática de bons hábitos de parceiros cidade", "casa de alto padrão")
no deslocamento: observar a Tempo
estrada, parar em cruzamentos
Estacionar com segurança
Pós-evento Idade Integridade do sistema de Capacidade de comunicação de
Condição física combustível
emergência
Tipo e tamanho do trauma
Aprisionamento Distância e qualidade da resposta
da emergência médica
Treinamento da equipe de
emergência médica
Disponibilidade de equipamentos
de extricação
Sistema de atendimento ao trauma
da comunidade.
Programas de reabilitação
na comunidade
CAPÍTULO 2 Prevenção de Trauma 1 9

Geralmente há uma série de proteções ou barreiras para impedir


que isso aconteça. Ele sugeriu que cada urna dessas barreiras ou
proteções funcionem como um pedaço de queijo suíço. Os buracos
do queijo são brechas ou falhas que aumentariam a probabilidade
de uni risco ou erro causarem traumas. Estas falhas podem ser
resultado de deficiências na administração ou organização ou podem
ocorrer após a fiscalização do sistema (condições latentes), ou corno
resultado de atos de omissão ou comissão (falhas ativas). A lógica
mostra que todo risco possui urna trajetória e que geralmente é
necessário que ocorra urna série de falhas para que haja um problema
subsequente, e que a trajetória deve ser de tal forma que cruze com
buracos ou falhas que estejam alinhados para permitir que todas as
proteções não funcionem e que o trauma ocorra (Figura 2-3)."
Figura 2-3 O modelo do queijo suíço.
Classificação do Trauma Fonte: Reproduzido do British Medical Journal. Reason, J, Human error. Models and
Management, 320, p. 768, 2000 com permissão de BMJ Publishing
U m mé t o d o c o mu m p a r a s ub c l a s s i f i c a r o t r a u ma b a s e a - s e Group Ltd.
na intencionalidade. O trauma pode resultar tanto de causas

Escopo do Problema
intencionais, quanto não intencionais. Embora este seja um caminho
lógico para visualizar o trauma, ele ressalta a dificuldade dos
esforços de prevenção. Morte por trauma é um grande problema de saúde em todo o mundo,
Trauma intencional é trauma associado a um ato de violência resultando em mais de 14.000 mortes diariamente (Figura 2-4),
interpessoal ou autointligido. Problemas como homicídio, suicídio, com colisões automobilísticas levando a aproximadamente 1,3
assalto, violência sexual, violência doméstica, abuso infantil e milhão, suicídios 844.000 e homicídios 600.000 mortes anualmente.'
guerra entram nesta categoria. Antigamente, a prevenção de um Na maioria dos países, independentemente do seu nível de
trauma intencional era pensada corno de exclusiva responsabilidade desenvolvimento, o trauma aparece entre as cinco principais causas
da justiça criminal e dos sistemas de saúde mental. Embora de morte.4 Apesar de as causas de morte por trauma variarem pouco
estas agências colaborem para a redução de mortes violentas, os entre os países, existe grande variabilidade que causa maior impacto
traumas intencionais podem ser melhor prevenidos por meio de sobre cada faixa etária específica. Devido a questões econômicas,
uma abordagem ampla e multidisciplinar, que inclui o professional
sociais e de desenvolvimento, a causa da morte relacionada ao
médico.
trauma varia de país para país e até de região para região dentro de
No passado, traumas não intencionais eram chamadas de um mesmo país.
acidentes. Os autores do relatório público da NAS/NRC se referiram Por exemplo, em países de baixa e média renda do Pacífico
de forma adequada à morte acidental e invalidez; esses eram os ocidental, as principais causas de mortes ligadas a trauma são
vocabulários da época.' Porque desde que se compreendeu que colisões automobilísticas, afogamento e suicídio, ao passo que na
fatores muito específicos devem se reunir para que um trauma África as principais causas são colisões automobilísticas, guerras
ocorra, os profissionais da saúde perceberam que o termo acidental e violência interpessoal. Nos países de alta renda das Américas, a
não descreve traumas não intencionais decorrente de eventos corno principal causa de morte entre as pessoas entre 15 e 29 anos de idade
colisões de veículos, afogamentos, quedas e choques elétricos. Os são colisões automobilísticas. Para esta mesma faixa etária, em
sistemas dos serviços de emergências médicas acolheram esse países de baixa e média renda das Américas, a principal causa é a
conceito ao usarem o termo colisões de veículos automotores violência interpessoal.' A Figura 2- 5 mostra que o trauma exerce uni
(frequentemente abreviado corno CVM) no lugar de acidentes com papel de liderança no peso global de doenças.
veículo automotores (AVM). No entanto, a percepção do público Em 2010, cerca de 33.000 pessoas nos Estados Unidos morreram
geral muda de forma muito mais lenta. Repórteres ainda falam nos em colisões de veículos automotores, o menor valor desde 1949. Mais
noticiários de pessoas feridas em acidentes de automóveis ou em de 10.000 pessoas morreram nas mãos de motoristas alcoolizados, e
disparos acidentais. O termo acidente sugere que uma pessoa foi cerca de 2,6 milhões de motoristas e passageiros foram atendidos
ferida como resultado do destino, intervenção divina ou azar. Isso em pronto-socorro (PS) após colisões automobilísticas.' Nos
implica que a lesão era aleatória e, portanto, inevitável. Enquanto Estados Unidos, as lesões são a quinta causa de morte no geral,
persistir essa percepção equivocada, a implementação de medidas sendo responsáveis por mais de 180.000 mortes por ano, ou cerca de
corretivas será muito difícil. 1 pessoa a cada três minutos' (Figura 2-6). Trauma é um problema
Também é importante observar que pode haver sobreposição especialmente grave para os jovens dos EUA, assim corno para a
entre estas duas classificações comuns de trauma." Por exemplo, maioria das nações industrializadas de todo mundo. Nos Estados
uma colisão de um veículo automotor pode ser resultado de um Unidos, o trauma mata mais crianças e adultos jovens do que todas
motorista que tentou cometer suicídio. Classificar o ocorrido as doenças somadas (mais de 32.000 em 2006).' Sessenta e cinco
como um acidente de veículo automotor, apenas, não implica por cento das mortes de crianças com menos de 19 anos de idade
qualquer intenção por parte do condutor em relação aos riscos, ao ocorrem devido a traumas não intencionais."
passo que o conhecimento da ideação suicida do condutor implica Infelizmente, as mortes por trauma são apenas a ponta do
claramente na intenção de causar a colisão. iceberg. O "triângulo do trauma" mostra um panorama mais
completo do impacto do trauma na saúde pública (Figura 2-7).
PO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR AO TRAUMA, OITAVA EDIÇÃO

~■~~~im
Figura 2-4
1

Lesão Geral Afogamento


 As oito principais causas de mortalidade relacionadas com  Cerca de 389.000 pessoas se afogaram em 2004.
lesões, em ordem, foram:  97% das mortes por afogamento ocorreram em países de
1. Lesões ocorridas no trânsito baixa e média renda.
 Entre as várias faixas etárias, crianças menores de 5 anos de
2. Violência auto-infligida
3. Violência interpessoal idade apresentam as mais altas taxas de mortalidade por
4. Afo game nto afogamentos, sendo responsáveis por mais de 50%.
5. Intoxicação  Os homens na África e no Pacífico ocidental apresentam as
6. Guerra mais altas taxas de mortalidade por afogamento.
7. Quedas
8. I ncêndios Quedas
 Estima-se que 424 mil pessoas morrem anualmente em
 Estima-se que cinco milhões de pessoas morrem no mundo
função de quedas.
vítimas de trauma.
 Um quarto de todas as quedas fatais ocorrem em países de
 Trauma responde por 9% das mortes no mundo e 16% das alta renda.
incapacidades/invalidez.  Em todas as regiões do mundo, adultos com mais de 65
 Para pessoas com idade entre 5 e 44 anos, 6 das 10 anos de idade, especialmente as mulheres, apresentam a
principais causas de morte eram relacionadas a trauma. maior taxa de mortalidade por queda.
 O peso das doenças relacionadas a trauma, principalmente  A Europa e o Pacífico ocidental somados respondem
lesões em colisões automobilísticas, deverá aumentar por quase 60% do número total de mortes relacionadas
drasticamente até o ano de 2020. com quedas.
 Duas vezes mais homens morrem de trauma do que Intoxicação
mulheres; mortes relacionadas com o fogo são uma  Estima-se que 346 mil pessoas morreram de intoxicação em
importante exceção. todo o mundo.
 Os homens na África têm as mais altas taxas de mortalidade  Mais de 94% das intoxicações fatais ocorreram em países de
ligada a trauma. baixa e média renda.
 Mais de 90% de todas as mortes relacionadas a trauma  A taxa de intoxicação geral entre os homens na Europa é
ocorrem em países de renda baixa e média. aproximadamente três vezes maior do que a taxa em ambos
 Traumas respondem por 12% do total de anos perdidos de os sexos em qualquer outra região do mundo.
vida potencial, seja por morte prematura ou por invalidez.  A região da Europa responde por mais de um terço de todas
as mortes por intoxicação em todo o mundo.
Traumas ocorridas no trânsito
 Estima-se que 1,3 milhão de pessoas morreram em Violência interpessoal
consequência de traumas no trânsito, e outras 50 milhões e Estima-se que 520 mil pessoas morreram em todo o mundo
ficaram feridas ou inválidas. como resultado da violência interpessoal.
 95% dos homicídios ocorreram em países de baixa e média
 Trauma no trânsito é a principal causa de morte de crianças renda.
e jovens com idade entre 10 a 29 anos.
 As maiores taxas de violência interpessoal são encontradas
A mortalidade no trânsito para os homens é quase três vezes nas Américas, entre homens de 15 a 29 anos.
superior à das mulheres.  Entre as mulheres, a África tem a maior taxa de mortalidade
 O sudeste asiático é responsável pela maior percentagem de por violência interpessoal.
mortes por trauma no trânsito.
Suicídio
Queimaduras em incêndio  815 mil pessoas em todo o mundo cometeram suicídio.
 Aproximadamente 195.000 mortes relacionadas com  86% de todos os suicídios ocorreram em países de baixa e
queimaduras em incêndio ocorrem anualmente em todo o média renda.
mundo.  As mulheres da China tem uma taxa de suicídio que é
 Mulheres no sudeste asiático têm as mais altas taxas de aproximadamente o dobro das mulheres em outras partes
do mundo.
mortalidade por queimaduras relacionadas à incêndio.
 Crianças menores de 5 anos de idade e idosos têm as mais  Mais do que 50% de suicídios ocorreram com pessoas de
idade entre 15 e 44 anos.
altas taxas de mortalidade relacionadas a incêndio.
 O sudeste asiático sozinho responde por pouco mais de
metade das mortes de queimaduras relacionadas a incêndio.

odos os dados foram compilados a partir dos relatórios de 2012 da Organização Mundial da Saúde (OMS).
CAPÍTULO 2 Prevenção de Trauma 21

de morte. Em 2006, os traumas diminuíram um estimado de 3,68


Traumas milhões de anos de suas vítimas em comparação com 1,8 milhões
decorrentes 23% de anos pelo câncer, muito embora o câncer tire mais vidas do que o
do trânsito trauma.'
Urna terceira medida da gravidade do trauma pode ser
demonstrada financeiramente. Os aspectos econômicos do trauma
3% são sentidos muito além do paciente e de sua família. Os custos do
Intoxicação trauma estão distribuídos em um amplo espectro. Toda a sociedade
7% sente o efeito, porque os custos do trauma são sustentados por
agências federais e outras agências, programas de seguro privados
4% Quedas que repassam a despesa para outros contribuintes e empregadores,
Guerra
16% 5 % '`f bem como ao próprio paciente. Como resultado, todos pagam
9%
Incêndios quando um indivíduo fica gravemente ferido. As estimativas de
custo do trauma giram em torno de 406 bilhões de dólares por
Afogamento ano, o que inclui o custo direto da assistência médica e os custos
Violência Violência indiretos, como lucros cessantes. 4 Dados da Organização Mundial
'6

interpessoal auto-infligida de Saúde (OMS) indicam que as atividades de prevenção são um


bom investimento:
Figura 2 5 Distribuição da mortalidade mundial por trauma em
-

função da causa.  Cada dólar americano investido em capacetes de moto


Fonte: Dados do projeto da OMS Peso Mundial das Doenças, 2002, Versão 1. leva a uma economia de 32 dólares com despesas médicas.
 Cintos de segurança diminuem o risco de ser ejetado e de
ferimentos graves ou fatais em 40% a 65%, e já salvaram
Nos Estados Unidos, em 2009, mais de 118 mil pessoas morreram
um número estimado de 255 mil vidas entre 1975 e 2008. 14
por traumas, e outras 2,8 milhões foram hospitalizadas por causa
de traumas não fatais. Os traumas também levaram a mais de 45,4 Os números do trauma relacionados a morbidade, mortalidade
atendimentos em pronto-socorros. 3 e impacto econômico é excessivo. Conforme colocado por Maguire
O impacto pode ser ainda mais notado por meio da análise e seus colegas:
do número de anos potenciais de vida perdidos (APVP), como
resultado do trauma. Os anos potenciais de vida perdidos (APVP) O trauma é desde sempre uma ameaça ao bem-estar público,
são calculados pela subtração da idade à morte de uma idade fixa mas até meados do século )0(, as doenças infecciosas
do grupo sob análise, geralmente 65 ou 70 anos ou a expectativa ofuscaram a terrível contribuição do trauma à morbidade
de vida do grupo. Trauma mata ou incapacita pessoas de todas as e à mortalidade humanas. O sucesso de saúde pública em
idades, mas afeta proporcionalmente mais crianças, jovens e adultos outras áreas ofuscou o trauma como um importante problema
jovens, especialmente nos países industrializados. Como o trauma é de saúde pública, que tem sido chamado de "a epidemia
a principal causa de morte de americanos entre 1 e 44 anos de idade, negligenciada"."
é também responsável por mais APVP do que qualquer outra causa

Figura 2-6 lassificação de Causas de Mortes Ligadas a Traumas por Faixas Etárias, 2010
Faixas etárias
<1 1-4 5-9 1 0 -1 4 1 5-24 25 -3 4 5-44 45-54 55-64 65 + Todas as
idades
(número
de mortes)
Lesão não 5° Principal Principal Principal Principal 3° 4° 5°
intencional (120.859)
Principal 9°
Intencional Principal
Lesão
3° 3° 18° 10°
* 4°
Suicídio 13° 4° 8° (38.364)
4° 2° 2°
* 16°
3° 4°
50
13° 17°
Homicídio 3° (16.259)
14°

*Dados não aplicáveis ou não disponíveis.


Fonte: Retirado de National Vital Statistics System, National Center for Health Statistics, Centers for Disease Control and Prevention (CDC), Office of
Statistics and Programming, National Center for Injury Prevention and Control. CDC: ranking of causes of injury-related deaths by age groups, 2010.
http://www.cdc.gov/injury/wisdars/pdf/10LCID_All_Deaths_By_Age_Group_2010-a.odf. Acesso em 11 de janeiro de 2013.
ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR AO TRAUMA, OITAVA EDIÇÃO

Além disso, a privação do sono pode ter efeitos profundos


sobre a saúde do socorrista, bem como interferir nas relações
pessoais e familiares mais importantes. Falta de sono pode levar à
irritabilidade, ansiedade e depressão.
De 1992 a 1997, um número estimado de 12,7 mortes ocorreu
a cada 100.000 trabalhadores por ano nos serviços de emergência
Mortes médica.1839 Isso equivale a uma taxa de letalidade média nacional de 5
118,000 em 100.000 para todos os trabalhadores, a uma taxa de 14,2 em 100.000
para policiais e de 16,5 para os bombeiros durante o mesmo período.
Mais de 58% das fatalidades relacionadas aos serviços de emergências
médicas envolveram colisões de ambulâncias e 9% envolveram
Altas hospitalares agressões ou homicídios. Assim como acontece com as mortes,
2,8 milhões estimar os traumas não fatais também pode ser difícil. No entanto,
1 trauma grave e incapacitante com necessidade de hospitalização a
cada 31.616 remoções foi documentada por socorristas em ambiente
urbano.2°
Atendimentos no pronto-socorro
45,4 milhões Um estudo publicado em 2011 avaliou as lesões fatais e não fatais
de socorristas e paramédicos durante o período de 2003 a 2007. 21 Os
autores revisaram os dados do Censo de acidentes de trabalho fatais
do Bureau of Labor Statistics, bem como os registros ocupacionais do
Sistema Nacional de Vigilância Eletrônica de Lesões. No período, eles
Casos de lesões atendidas medicamente constataram 99.400 lesões não fatais e 65 fatalidades. A maioria das
66 milhões mortes foi relacionadas ao transporte, de colisões com veículos (45%)
a quedas de aviões (31%). Entre os socorristas remunerados, a taxa
de mortalidade foi de 6,3 por 100.000, mais alto do que a taxa para os
bombeiros (6,1 por 100,000) no mesmo período. A única notícia boa
Figura 2 7 Triângulo do trauma.
-
neste relatório é que os números de fatalidade são menores do que os
Fonte: Dados do US Department of Health and Human Services, Centers for Disease documentados 10 anos atrás.
Control and Prevention, National Center for Health Statistics. injury in the United
States 2007 Chartbook. Esses números revelam uma realidade preocupante. De acordo
com Garrison:
A sociedade está pedindo a todos os setores da comunidade
médica para que aumentem suas atividades de prevenção. Com ... os momentos mais perigosos para a equipe de serviços de
até 840 mil socorristas apenas nos Estados Unidos, os sistemas de emergência médica são quando estão dentro da ambulância
serviços de emergência médica podem dar uma enorme contribuição em movimento ou quando estão trabalhando no local do
para os esforços de prevenção de trauma com base em ações na incidente perto de outros veículos em movimento."
comunidade.
É fundamental que a equipe de serviços de emergência médica
conheça e compreenda os conceitos de trauma e prevenção do
Trauma ao Socorrista durante o trauma para que os riscos inerentes ao atendimento médico possam
Atendimento ser identificados e corrigidos. Desde praticamente o primeiro dia
de treinamento, os estudantes são ensinados que ninguém é mais
Os socorristas de emergência médica estão expostos a urna ampla importante na cena do incidente do que o socorrista, de modo
variedade de situações que podem resultar em traumas. As cenas do que a sua segurança deve vir em primeiro lugar. O uso do cinto de
incidente são muitas vezes inseguras, apesar dos melhores esforços segurança na ambulância é o primeiro passo de segurança.
dos serviços de emergência médica e dos policiais, pois estas cenas Em 2009, o Conselho Consultivo Nacional dos Serviços de
envolvem pessoas que estão passando por crises emocionais e Emergência Médica (National EMS Advisory Council, NEMSAC)
físicas. A própria natureza do trabalho de emergência implica riscos observou que a Agência Nacional de Segurança de Tráfego Rodoviário
de trauma. O simples fato de dirigir até a cena do incidente pode (National Highway Traffic Safety Administration, NHTSA) deveria
ser perigoso. Trabalho pesado, exposição a riscos ambientais e criar uma cultura nacional de segurança nos serviços de emergências
a doenças infecciosas, privação do sono e o estresse do trabalho médicas. Para isso, uma minuta de documento foi desenvolvida
também trazem riscos significativos para ocorrência de traumas. descrevendo os vários passos e ações recomendados e necessários
A privação do sono é um fator importante que afeta claramente para implementar esse conceito. 23
o desempenho do socorrista." Quanto maior o tempo que uma
pessoa fica acordada, maior sera a fadiga resultante e a sonolência;
maior o efeito sobre o tempo de reação e sobre a avaliação e toma da
de decisão médica; e maior a probabilidade de ocorrerem erros, Prevenção como
lesões em si próprio ou nos outros, e até mesmo fatalidades. i 7 A
privação do sono é comparada à intoxicação alcoólica: ficar sem Solução
dormir durante 18 horas equivale a uma concentração de álcoo l O ideal, antes de mais nada, é prevenir que um trauma ocorra,
no sangue (CAS) de 0,05 e ficar sem dormir durante 24 horas se eliminando assim a necessidade de tratá-lo depois de ocorrer. Quando
assemelha a uma CAS de 0,1. o trauma é evitado, poupa-se o paciente e a fanulia do sofrimento
CAPÍTULO 2 Prevenção de Trauma 23

e de dificuldades econômicas. O Centro Nacional de Prevenção e comportamento seja em longo prazo. Essa tarefa é monumental, mas
Controle de Traumas (National Center for Injury Prevention, NCIPC) não é insuperável.
dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) estima o
seguinte:
Oportunidades para Intervenção
 1 dólar gasto em detectores de fumaça economiza 69 As estratégias de prevenção podem ser organizadas de acordo
dólares.
com o seu efeito sobre o tipo de trauma. Elas coincidem com as
■ 1 dólar gasto em capacetes de bicicleta economiza 29 fases temporais da Matriz de Haddon. Intervenções no pré-evento,
dólares. conhecidas como intervenções primárias, visam evitar que o trauma
 1 dólar gasto com assentos de segurança para crianças ocorra. As ações destinadas a manter os motoristas alcoolizados longe
economiza 32 dólares. das estradas, reduzir os limites de velocidade e instalar semáforos,
são projetadas para evitar que colisões ocorram. Intervenções na
 1 dólar gasto em linhas de sinalização no centro e nas
fase do evento visam reduzir a gravidade do trauma ao suavizar os
margens das pistas economiza 3 dólares apenas com
choques que ocorrerem. Usar cintos de segurança, instalar painéis
gastos médicos.
almofadados e air bags em veículos, e aplicar leis para uso do
 1 dólar gasto em consulta com pediatras para evitar lesões
assento de segurança infantil são meios de reduzir a gravidade dos
economiza 10 dólares.
traumas sofridos em colisões. Intervenções no pós-evento oferecem
 1 dólar gasto em serviços de controle de contaminação
um meio de aumentar a probabilidade de sobrevivência dos feridos.
economiza 7 dólares em despesas médicas.'
Incentivar a boa forma fisica, projetar sistemas de combustível para
Além dos achados do NCIPC: veículos que não explodam no momento do impacto e implementar
sistemas de serviços de emergência médica de alta qualidade visam
 Um estudo de avaliação financiado pelo CDC sobre o reduzir o tempo de recuperação dos feridos.
sistema regional de cuidados de trauma, em Portland, Os sistemas pré-hospitalares limitam tradicionalmente, o
Oregon, encontrou uma diminuição de 35% no risco de contato com a comunidade na fase pós-evento. Como resultado,
morte para pacientes gravemente feridos tratados no inúmeras vidas foram salvas. No entanto, por causa das limitações
sistema." em função da espera até que o trauma tenha ocorrido, melhores
 Um programa de distribuição de detectores de fumaça em resultados ainda não foram alcançados. Sistemas de emergência
Oklahoma reduziu lesões relacionadas com queimaduras médica devem tentar entrar ainda mais cedo no ciclo da lesão.
em 80%.25 Usando a Matriz de Haddon, sistemas de serviços de emergência
médica podem identificar oportunidades de colaboração com outras
Devido à variabilidade entre hospedeiro, agente e ambiente, em organizações de saúde pública e de segurança pública, para evitar
determinado momento, os profissionais de atendimento de saúde que traumas ocorram ou para suavizar o seu impacto.
nem sempre podem prever ou prevenir todos os traumas individual.
No entanto, é possível identificar populações de alto risco (as

Estratégias Potenciais
quais incluem os socorristas), produtos de alto risco e ambientes
de alto risco. Os esforços de prevenção que sejam voltados pa ra
grupos ou situações de alto risco influenciam uma ampla gama da Nenhuma estratégia isolada é a melhor abordagem para a prevenção
sociedade. Os profissionais de saúde podem buscar a prevenção de trauma. A opção ou as opções mais eficazes dependem do tipo
de várias maneiras. Algumas estratégias provaram ser um sucesso de lesão era questão. No entanto, Haddon desenvolveu uma lista
em todo os Estados Unidos e ao redor do mundo. No entanto, de 10 estratégias genéricas projetadas para quebrar em vários
algumas estratégias funcionam em uma região, mas não em outra. pontos a cadeia de eventos que produzem traumas (Figura 2 -8).
Antes de implementar uma estratégia de prevenção de trauma, Essas estratégias representam estratégia para que a liberação de
deve-se concentrar em determinar se ela vai funcionar. Embora não energia descontrolada possa ser evitada ou pelo menos reduzida a
seja necessário "reinventar a roda", profissionais de saúde podem patamares que o corpo consiga tolerar melhor. A Figura 2-8 também
precisar modificar uma estratégia de prevenção para melhorar suas mostra medidas defensivas que podem ser tomadas nas fases de
chances de sucesso. Os métodos para fazer isso são analisados na pré-evento, evento e pós-evento e que são voltadas ao hospedeiro,
seção seguinte. agente ou ambiente. Esta lista não está completa e serve apenas
corno um ponto de partida para ajudar a determinar as opções mais

Conceitos de eficazes para o problema específico em questão.


A maioria das estratégias de prevenção de trauma são ativas ou
Prevenção de Trauma passivas. A estratégias passivas exigem pouca ou nenhuma ação
por parte do indivíduo; sistemas de aspersão contra incêndio e air
Objetivo bags para automóveis são exemplos. Estratégias ativas exigem
O objetivo de programas de prevenção de trauma é provocar uma a cooperação da pessoa a ser protegida; exemplos incluem cintos
mudança no conhecimento, na postura e no comportamento por de segurança manuais e a opção por usar um capacete de moto ou
parte de um segmento previamente identificado da sociedade. bicicleta. As medidas passivas são geralmente mais eficazes porque
Simplesmente fornecer informações a potenciais vítimas não é o as pessoas não precisam fazer conscientemente nada para serem
suficiente para evitar traumas. Um programa deve ser executado beneficiadas pela proteção. No entanto, as estratégias passivas são
de forma a influenciar a postura da sociedade e, mais importante, geralmente mais difíceis de se implementar, pois podem ser caras ou
a mudar comportamentos. A expectativa é de que toda mudança de exigir ação legislativa ou regulatória. Às vezes, uma combinação de
estratégias ativas e passivas é a melhor opção.
24 ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR AO TRAUMA, OITAVA EDIÇÃO

Estratégia Possível medida preventiva


Impedir o surgimento Não produzir fogos de artifício, veículos de três rodas com capacidade para diferentes terrenos ou
inicial do perigo. diversos venenos.
Acabar com o spearing no futebol americano do ensino médio.

Reduzir a quantidade Diminuir a potência dos motores dos veículos.


de energia contida na Embalar drogas tóxicas em quantidades menores e mais seguras.
atividade perigosa. Obedecer ou reduzir limites de velocidade.
Delegar ao transporte público a redução do número de veículos na estrada.
Incentivar a redução da temperatura de aquecedores de água residenciais.
Limitar a velocidade de armas de fogo.
Limitar a quantidade de pólvora nos fogos de artificio.
Evitar a liberação de um Guardar armas de fogo em recipientes trancados ou usar travas de armas.
perigo que já existe. Fechar piscinas e praias quando não houver salva-vidas de plantão.
Incentivar a utilização de superfícies antiderrapantes em banheiros e chuveiros.
Usar travas recipients para todos os medicamentos e produtos químicos perigosos de uso
doméstico, para evitar acidentes pediátricos.
Limitar o uso de telefone celular em veículos, ou usar viva-voz sem as mãos.
Exigir escudos de proteção em equipamentos giratórios de uso no campo.
Melhorar a condução do veículo.

Modificar a frequência ou Obrigar o uso de cinto de segurança e assento de segurança infantil.


distribuição espacial do Fornecer freios ABS.
perigo. Incentivar o uso de travas curtas em chuteiras de futebol, de modo que os pés girem em vez de
transmitir uma força súbita para os joelhos.
Exigir air bags nos veículos.
Providenciar amortecedores hidráulicos em veículos.
Providenciar redes de segurança para proteger trabalhadores contra quedas.
Incentivar o uso de roupas antichamas.

Separar, no tempo ou Instalar passarelas para pedestres em cruzamentos com alto volume de trânsito.
no espaço, o perigo Manter os acostamentos livres de postes e árvores.
daquilo que deve ser Não deixar áreas de lazer perto de regiões com água sem vigilância
protegido. Construir ciclovias.
Pulverizar pesticidas somente quando pessoas não estiverem presentes.
Construir calçadas.
Limitar o acesso de caminhões transportando material perigoso por vias de pouco trânsito.
Incentivar a utilização de detectores de fumaça em casa.

Separar o perigo daquilo Instalar cercas ao redor e em todos os lados da piscina.


que deve ser protegido Incentivar o uso de óculos de proteção para esportes e riscos de trabalho.
por um material de Construir muretas centrais entre pistas de mãos diferentes.
barreira. Construir escudos de proteção em torno de máquinas perigosas.
Instalar grades de proteção entre calçadas e ruas.
Instalar painéis de reforço nas portas dos veículos.
Exigir que a equipe de emergência médica coloque as agulhas utilizadas diretamente em um
recipiente de descarte apropriado.
Obrigar o uso de capacetes para motociclistas, ciclistas e atividades esportivas de alto risco.

Modificar a natureza Instalar air bags em veículos.


básica do perigo. Providenciar colunas de direção articuladas.
Providenciar postes facilmente quebráveis.
Fazer com que as barras nas laterais dos berços não sejam tão próximas para não estrangular o bebê.
Utilizar bases de beisebol facilmente quebráveis.
Retirar tapetes das casas de idosos.

(continua na próxima página)


CAPITULO 2 Prevenção de Trauma 25

Figura 2-8 ias básicas •_ara medidas preventivas de lesões (continuação)


Estratégia Possível medida preventiva
Tornar aquilo que deve Estimular o consumo de cálcio para reduzir osteoporose.
ser protegido mais Incentivar o condicionamento musculoesquelético em atletas.
resistente ao perigo. Proibir a venda e o consumo de álcool perto de áreas de lazer com água.
Tratar condições médicas, como epilepsia, para evitar episódios que possam resultar em queimaduras,
afogamentos e quedas.
Verificar os códigos de construção antissísmica em zonas suscetíveis.

Combater os danos já Providenciar atendimento médico de emergência.


causados pelo perigo. Utilizar sistemas que encaminhem feridos para socorristas com formação adequada.
Desenvolver protocolos nas escolas para atender às emergências traumáticas.
Fornecer treinamento em primeiros socorros aos residentes.
Instalar sistemas de aspersão automáticos.
Estabilizar, reparar e Desenvolver planos de reabilitação numa fase precoce do tratamento do trauma.
recuperar o que foi Fazer uso de reabilitação ocupacional para pacientes paraplégicos.
objeto de dano.
* Os exemplos listados são apenas para fins ilustrativos e não necessariamente são as recomendações oficiais do PHTLS, a Associação Nacional dos paramédicos ou do
Comitê de Trauma do Colégio Americano de Cirurgiões.
Em negrito = oportunidades para a equipe de emergência médica fornecer educação e liderança.
1

Implementação de Estratégias 2. Ensinar sobre certos tipos e causas de traumas para


faixas etárias específicas. A educação pode ser a única
Três abordagens comuns para a implementação de estratégias estratégia disponível para estes grupos.
de prevenção de lesões ficaram conhecidas como os três "Es" da 3. Alterar a percepção de risco do público e o risco
prevenção de trauma — Educação, Execução e Engenharia. Cada um
aceitável para mudar as normas e atitudes sociais.
dos elementos é descrito a seguir:
Esta abordagem já foi usada na relação de ingerir alcool
e dirigir e se aplica agora na relação de usar capacete ao
Educação andar de bicicleta, patinete, skate ou patins.
Estratégias educativas visam transmitir informações. O público-alvo 4. Promover a mudança política e educar os consumidores
pode ser indivíduos envolvidos em atividades de alto risco, pessoas a exigir produtos mais seguros."
públicas que têm a autoridade para promulgar nova legislação ou
Utilizada como abordagem isolada para a prevenção de trauma,
regulação de prevenção e socorristas em treinamento para que se
programas educacionais tiveram resultados decepcionantes.
tornem participantes ativos na prevenção de trauma.
Como muitos medicamentos, a educação precisa ser "redosada"
Educação já foi o principal meio de implementar programas após um período de tempo para que tenha um efeito permanente.
de prevenção, porque a sociedade acreditava que a maioria dos No entanto, quando combinada com outras formas e estratégias
traumas eram simplesmente resultado de erro humano. Embora de implementação, a educação pode ser urna ferramenta valiosa.
esta sup osição seja verda de até certo ponto, muitas pessoas A educação muitas vezes serve como um ponto de partida para
não conseguiram reconhecer o papel que a energia e o ambiente pavimentar o caminho para estratégias de execução e engenharia.
exercem em causar a lesão. No entanto, a educação é ainda utilizada
muitas vezes e é provavelmente a mais fácil das três estratégias de Execução
se implementar.
A experiência tem demonstrado que as estratégias educacionais A execução visa explorar o poder persuasivo de lei para obrigar
não tiveram êxito incontestável por vários motivos. Para começar, o a adesão a estratégias simples mas eficazes de prevenção. Os
público-alvo pode nunca ouvir a mensagem. Caso a mensagem seja dispositivos legais podem tanto exigir quanto proibir, e podem
ouvida, alguns podem refutá-la imediatamente ou não endossá-la ser direcionados para o comportamento individual (pessoas), de
o suficiente a ponto de mudar o comportamento. Aqueles que a produtos (coisas), ou condições ambientais (locais), da seguinte
endossam podem fazê-lo esporadicamente ou com entusiasmo cada forma:
vez menor ao longo do tempo? No entanto, a educação ainda pode ser
particularmente útil na redução de trauma nas quatro seguintes áreas: ■ As exigências legais que se aplicam a pessoas são cintos de
segurança obrigatório, cadeirinha para crianças e as leis
1. Ensinar às crianças pequenas comportamentos de de uso de capacete.
segurança e habilidades básicas que farão parte de
suas vidas para sempre. Exemplos incluem reagir
adequadamente quando um detector de fluriaça toca um
alarme, ligar para 9-1-1 (190, no Brasil) para obter ajuda em
caso de emergência ou usar o cinto de segurança.
26 ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR AO TRAUMA, OITAVA EDIÇÃO

 As proibições que se aplicam às pessoas são leis sobre mais eficazes podem ser aquelas que incorporam todas as três
dirigir alcoolizado, limites de velocidade e leis que estratégias de implementação.
estipulam crimes de trânsito.
 As exigências legais que se aplicam aos produtos incluem
normas de projeto e desempenho, corno os Padrões de
Segurança de Veículos Motorizados.
Abordagem em Saúde Pública
 As proibições que se aplicam aos produtos incluem Muito se aprendeu s obre trauma e prevenção de traumas. Infelizmente,
restrições quanto a animais perigosos e tecidos inflamáveis. existe urna grande discrepância entre o que se sabe sobre trauma e o
 As exigências legais que se aplicam aos lugares incluem a que está sendo feito sobre ele." O trauma é um problema complexo
instalação de placas de sinalização ao longo das estradas e em todas as sociedades do mundo. Infelizmente, uma única pessoa
cercas ao redor de piscinas. ou agente isolado, por si só, geralmente apresenta pouco impacto. A
 As proibições que se aplicam a lugares incluem o veto a abordagem em saúde pública alcançou sucesso em lidar com outras
estruturas rígidas ao longo de rodovias e a armas de fogo doenças e está evoluindo na prevenção do trauma também. Órgãos
em terminais de aeroporto. de serviços de emergência médica que uniram forças com outras
 As exigências legais que se aplicam a grupos e locais organizações públicas e privadas são capazes de obter resultados
específicos incluem os requisitos federais que agentes de sememlhantes ou maiores do que seriam capazes por conta própria.
segurança pública e de emergência usem roupas de alta Parcerias unem conhecimentos de uma comunidade para resolver
visibilidade em locais de incidentes com tráfego intenso." uma questão complexa e intrigante.
A abordagem em saúde pública cria uma união na base
A aplicação das leis também é uma medida preventiva ativa, comunitária para combater uma doença comunitária através de um
porque as pessoas devem obedecer à lei para se beneficiarem dela. processo de quatro etapas, conforme segue:
O público-alvo pode ser menos propenso a cumpri-la, se acreditar
que a norma viola a liberdade individual, ou se acreditar que tem 1. Vigilância
pouca chance de ser pego ou que não sofrerá as consequências de 2. Identificação de fator es de ri sco
violar a lei. 3. A va l i a ç ã o da i nt er ve n ç ã o
4. Implementação
Corno a sociedade como um todo tende a obedecer às leis ou
pelo menos a ficar dentro de limites próximos a elas, a execução
é, muitas vezes, mais eficaz do que a educação. A execução em A união é formada por especialistas de diversas áreas, como
conjunto com a educação parece produzir melhores resultados do epidemiologia, a comunidade médica, escolas de saúde pública, as
que apenas uma única iniciativa. As leis de capacete para moto agências de saúde pública, programas de defesa da comunidade,
são um interessante estudo de caso do papel da execução na economia, sociologia e justiça criminal. Sistemas de emergência
prevenção de lesões. Nos estados em que as leis do capacete foram médica ocupam um lugar importante em uma abordagem em saúde
revogadas para motociclistas, a taxa de traumas graves e mortes pública para a prevenção de trauma. Participar de uma união para
aumentaram.26-28 melhorar a segurança do parque infantil pode não ter o efeito
imediato da prestação de atendimento na cena de uma colisão
automobilística de grande porte, mas os resultados serão muito mais
Engenharia difundidos.

Muitas vezes, os meios mais eficazes de prevenção de trauma


sã o aq uel es em q ue a lib eraçã o de ener gia dest r uti va fica Vigilância
permanentemente separada do hospedeiro. Medidas preventivas
passivas cumprem esse objetivo com pouca ou nenhuma dificuldade Vigilância é o processo de coleta de dados dentro de uma
por parte do indivíduo. Estratégias de engenharia visam estabelecer comunidade. A coleta de dados em base populacional ajuda na
uma prevenção de traumas por meio de produtos ou alterações descoberta da verdadeira magnitude de um tipo de trauma e o efeito
ambientais p ara que o hospedeiro não tenha que agir de forma diferente sobre a comunidade. Uma comunidade pode ser um ba irro, urna
para ser protegido. Estratégias de engenharia ajudam as pessoas que cidade, um município, um estado, ou até mesmo o próprio serviço de
realmente precisam delas, e é durante o tempo todo. Medidas como ambulância. Apoio para o programa, alocação adequada de recursos
sistemas automáticos de aspersão contra incêndio em edifícios, e mesmo saber quem incluir na equipe interdisciplinar depende de
cascos flutuantes em barcos e alarmes reservas em ambulância s compreender a dimensão do problema.
comprovaram salvar vidas com p ouco ou nenhum esforç o p or parte do Fontes de informação disponíveis dentro de uma comunidade
hospedeiro. incluem:
A engenharia parece ser a resposta perfeita para a prevenção
de trauma. É passiva, eficaz e geralmente a menos perturbadora dos  D a do s d e mor t a l i da d e
três Es. Infelizmente, geralmente é a mais cara de ser implementada.  Estatísticas de internação e alta hospitalar
Projetar segurança em um produto geralmente o torna mais caro e  Prontuários médicos
pode envolver questões legislativas ou regulatórias. O preço pode  R e g i s t r os d e t r a u ma s
ser maior do que o fabricante está disposto a absorver ou do que o  R e l a t ó r i os p ol i c i a i s
cliente está disposto a pagar. A sociedade dita o quanto de segurança a Roteiros de emergência médica
 R e l a t ó r i os d e s e g ur os
ela quer inclusa em um produto e o quanto está disposta a apoiar
este esforço financeiramente.
Iniciativas de educação devem anteceder as estratégias de
execução e engenharia. Em última análise, as medidas preventivas
CAPÍTULO 2 Prevenção de Trauma 27

■ Dados de vigilância exclusivos coletados apenas para o prevenção de trauma podem ser estendidos para populações mais
estudo em questão amplas em risco.

Identificação de fatores de risco O Papel Crescente


Após um problema ser identificado e pesquisado, é necessário
sab er q uem est á em risc o para or i enta r uma estra té gia de
dos Serviços de
pr evenç ã o pa ra a p op ul açã o c er ta. Ab or da gens q ue "a tiram Emergências Médica
na Prevenção do
pra todos os lados" quanto à prevenção de trauma são menos
bem-sucedidos do que os direcionados. A identificação das causas
e fatores de risco determina quem sofre o trauma; quais tipos Trauma
de lesões ocorrem; e onde, quando e por que elas ocorrem. 29 Às
vezes, um fator de risco é óbvio, corno o consumo de álcool em Tradicional mente, o papel do s ocorrista se concent ra
colisões automobilísticas fatais. Em outras ocasiões, é necessário quase exclusivamente no pós -evento, no tratamento face
investigação para descobrir os verdadeiros fatores de risco a face de uni indivíduo. Pouca ênfase é colocada na compreensão
envolvidos em alguns traumas. Sistemas de emergência médica das causas do trauma ou no que um socorrista poderia fazer para
podem servir como os "olhos e ouvidos" da saúde pública no local impedi-los. Corno resultado, os pacientes podem voltar para o mesmo
dos traumas para identificar fatores de risco que ninguém seria ambiente e serem novamente vítimas de traumas. Outro aspect é
capaz de descobrir. Os fatores de risco podem, então, ser mapeados que informações que poderiam ajudar no desenvolvimento de um
em urna Matriz de Haddon à medida que forem corretamente programa de prevenção na comunidade para evitar, antes de mais
identificados. nada, que outros sofram traumas podem não ser documentadas e,
portanto, ficam indisponíveis para outros setores da saúde pública.
A abordagem do trauma em saúde pública é mais pró -ativa.
Avaliação da Intervenção Ela trabalha para determinar corno mudar o hospedeiro, o agente
e o ambiente, para evitar traumas. Por meio de uniões que fazem
À medida que os fatores de risco tornam-se claros, as estratégias
a vigilância e implementam intervenções, a saúde pública trabalha
de intervenção começam a surgir. A lista de Haddon com 10
para desenvolver programas de prevenção em toda a comunidade.
estratégias de prevenção de trauma serve como um ponto de
A Ernergency Medical Services Agenda for the Future prevê laços
partida (ver Figura 2-8). Mesmo que as comunidades tenham
mais estreitos entre os sistemas de serviços de emergência médica
características diferentes, uma iniciativa de prevenção de trauma
e a saúde pública, o que tomaria ambos os setores de cuidados de
em urna comunidade, com adaptações, pode funcionar em outra.
saúde mais eficazes.'
Urna vez que unia possível intervenção tenha sido selecionada, um
programa-piloto usando um ou mais dos três Es pode dar indicações Os socorristas podem assumir um papel mais ativo no
do sucesso da implementação em grande escala. desenvolvimento de programas de prevenção de trauma em toda
a comunidade. Sistemas de emergência médica desfrutam de
urna posição privilegiada na comunidade. Com aproximadamente
Implementação 840.000 profissionais apenas nos Estados Unidos, socorristas de
O passo final na abordagem em saúde pública é a implementação e a atendimento básico e avançado estão amplamente distribuídos
avaliação da intervenção. Os procedimentos de execução detalhados em nível conumitário. Os socorristas desfrutam de uma reputação
são preparados para que outros interessados na implementação de de credibilidade na comunidade, tornando-os bons exemplos a
programas similares tenham um guia para seguir. A coleta de dados serem seguidos. Além disso, eles são prontamente bem-vindos em
de avaliação mede a efetividade de um programa. Responder às residências e comércios. Todas as fases da abordagem em saúde
três perguntas seguintes pode ajudar a identificar o sucesso de um pública para a prevenção de trauma são beneficiadas pela presença
programa: dos serviços de emergência médica.

1.
2.
As atitudes, habilidades ou julgamento mudaram?
O comportamento mudou?
Intervenções individuais
3. Será que a mudança de comportamento levou a um Os sistemas de emergência médica não devem abrir mão de sua
resultado favorável? 8 abordagem face a face de atendimento ao paciente para realizar
valiosas intervenções de prevenção de trauma. A abordagem face
A abordagem em saúde pública é uni meio comprovado a face proporciona aos sistemas de serviços de emergência médica
para combater doenças como o trauma. Através de um esforço urna capacidade singular de conduzir iniciativas de prevenção
comunitário e multidisciplinar, é possível identificar "quem, o quê, de trauma. Socorristas podem levar mensagens de prevenção de
onde, quando e por quê" de um problema relacionado ao trauma trauma diretamente para indivíduos de alto risco. Um indicador
e desenvolver uni plano de ação. Sistemas de emergência médica de uni programa educacional bem-sucedido é que a informação
precisam desempenhar um papel muito mais substancial para ajudar seja recebida com entusiasmo suficiente para que se mude o
a fechar a lacuna entre o que se sabe sobre trauma e o que está sendo comportamento. Socorristas podem usar seu status de modelo
feito a respeito. Esta abordagem pode ser pensada como um ciclo a ser seguido para passar mensagens importantes de prevenção.
contínuo. A supervisão contínua ocorre após a implementação Implicitamente, as pessoas observam esses modelos, ouvem o que
de unia estratégia de controle de trauma. Estes dados são então eles dizem e imitam o que fazem.
utilizados para modificar ou alterar a estratégia. Os sucessos na
28 ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR AO TRAUMA, OITAVA EDIÇÃO

O aconselhamento preventivo na cena tira proveito de um traumas. Esses "momentos de aprendizado" podem reforçar
"momento de aprendizado". Um momento de aprendizado é o e complementar o aconselhamento na cena do socorrista,
momento em que um paciente que não precisa de intervenções se eles já souberem o que foi discutido ou demonstrado.
médicas críticas ou que seus familiares estão em um estado clínico 2. Outros profissionais de saúde pública podem usar dados
que os torna mais receptivos ao que o profissional que serviria corno sobre trauma fornecidos pelos socorristas de forma
modelo diz. O socorrista pode pensar no tempo gasto em cena como retrospectiva para ajudar a desenvolver um programa de
um desperdício, ao se tornar evidente que as intervenções médicas prevenção de trauma que envolva toda a comunidade.
eram pouco ou nada necessárias. No entanto, este pode ser o melhor
momento para fazer a prevenção primária. 3° Os socorristas normalmente não trabalham com documentação
Nem todos os chamados permitem um aconselhamento para ajudar a dar apoio a um programa de prevenção que abranja
preventivo de trauma. Ocorrências graves e com risco de morte toda a comunidade. Saber o que coletar e quando documentar
podem exigir concentração no tratamento do paciente. No entanto, informações benéficas para o desenvolvimento de programas de
95% dos chamados de ambulância não envolvem risco de morte. prevenção em toda a comunidade exige a abertura de um diálogo
Uma parcela significativa dos chamados de serviços de emergência com outros membros da equipe de saúde pública. Líderes do sistema
médica precisam de pouco, ou talvez nenhum atendimento. O de serviços de emergência médica precisam se unir com outros
aconselhamento preventivo face a face pode ser apropriado durante lideres da saúde pública para elaborar políticas que promovam a
estes chamados não críticos. documentação completa dos traumas.
Interações com o paciente são geralmente encontros rápidos, A emergência médica pode ser a ponta de lança para programas
especialmente os que exigem pouco ou nenhum tratamento. No de prevenção de trauma eficazes e viáveis que causem uni impacto
entanto, oferecem tempo suficiente para discutir e demonstrar aos profundo em uma comunidade. Programas foram criados a partir
pacientes e familiares as práticas que podem impedir um trauma do desejo de um pequeno grupo de profissionais de serviços de
no futuro. O socorrista está em uma posição singular, por ser o emergência médica para evitar mortes infantis.na' Serviços na
único profissional de saúde que entra no ambiente do paciente, Louisiana, Flórida, Washington, Oregon e Havaí foram reconhecidos
visualizando, dessa forma, as situações que p o dem pre disp or traumas. por seus esforços na concepção, coordenação e realização de
Um profissional-modelo que discute a importância de substituir programas de prevenção de lesões através do Prêmio Nicholas
uma lâmpada queimada ou de retirar um tapete escorregadio de um Rosecrans, para as melhores práticas em prevenção de trauma em
corredor mal iluminado pode impedir uma queda de um idoso. Os serviços de emergência médica. 34,3'
socorristas têm um público atento durante o deslocamento até um Apesar de existirem oportunidades para os socorristas
hospital. A prevenção é um assunto mais importante para discutir educarem os pacientes, um estudo realizado pelo Dr. David Jaslow
do que como está o tempo ou falar sobre o time de futebol local. e seus colegas sugere que apenas uma minoria dos socorristas
Os momentos de aprendizagem levam dois minutos para serem utilizam de fato o momento de aprendizado. Eles descobriram que
concluídos e não interferem no tratamento ou transporte. apenas 33% orientam rotineiramente seus pacientes sobre como
Programas educativos foram desenvolvidos para treinar os modificar comportamentos de risco de trauma, e apenas 19% dão
socorristas para que façam aconselhamento preventivo nas cenas de rotineiramente instruções sobre o uso correto de dispositivos de
trauma. 3 ' Esses tipos de programas devem ser mais desenvolvidos proteção.
e avaliados para descobrir quais são os mais valiosos e, portanto,
dignos de inclusão na formação básica de um socorrista.
Prevenção de Trauma para
Intervenções na Comunidade Socorristas
A abordagem em saúde pública para a prevenção de trauma é "Quem é a pessoa mais importante na cena de um incidente?"
baseada na comunidade e envolve uma equipe multidisciplinar. Os estudantes dos serviços de emergência médica são sempre
Socorristas apresentam o conhecimento e experiência para serem recebidos com essa pergunta no início do treinamento para fazê-los
membros importantes desta equipe. Estratégias de prevenção em pensar sobre sua própria segurança. Invariavelmente, um ou dois
nível comunitário dependem de dados para tratar adequadamente alunos irão dizer "o paciente", que é o que o instrutor quer ouvir. Esta
resposta incorreta proporciona um momento de aprendizado para
o "quem, o quê, quando, onde e porquê" de um trauma. Diversas
fontes de informação, conforme descrito anteriormente, fornecem que o instrutor comece a orientação ao longo do curso para reforçar
os dados necessários. Socorristas, talvez mais do que qualquer que a prevenção de traumas em serviço é o serviço mais valioso que
outro membro da equipe, possuem a oportunidade de examinar a um socorrista pode proporcionar.
interação do paciente com o ambiente no momento do trauma. Isto Ambientes hostis em função de atividade terrorista ou
pode permitir a identificação de um indivíduo com alto risco, uma vazamento de materiais perigosos infelizmente é aquilo que se
atitude de alto risco ou um comportamento de alto risco, que não noticia frequentemente. No entanto, as atividades do dia a dia dos
estão mais presentes no momento em que o paciente chega ao PS. socorristas de oferecem risco suficiente para traumas que poderiam
Os socorristas podem utilizar a documentação adquirida no acabar com uma carreira ou com a vida. O Bureau of Labor Statistics
deslocamento para o centro médico nas seguintes formas: traça um panorama preciso dos perigos "normais" dos serviços de
emergência médica:
1. Os dados podem ser util izados imediatamente pel o
pessoal de emergência que recebe o paciente. Médicos e Socorristas e paramédicos trabalham tanto em ambientes
enfermeiros de emergência também são chamados para internos quanto ao ar livre, em todos os tipos de clima. Eles
melhorar e aumentar os seus papéis na prevenção de são obrigados a se ajoelhar, a flexionar-se e a levantar bastante
CAPÍTULO 2 Prevenção de Trauma 29

peso. Estes trabalhadores estão sob risco de perda auditiva Em um serviço pré-hospitalar, os funcionários não são apenas
induzida por barulho de sirenes e de lesão nas costas por o bem mais valioso, mas também o mais dispendioso. O serviço,
elevação de pacientes. Além disso, socorristas e paramédicos a comunidade e, mais importante, o socorrista se beneficiam
podem ser expostos a doenças como hepatite B e AIDS, assim quando este permanece ileso. Um programa de prevenção dentro
corno violência de vítimas de overdose de drogas ou pacientes da própria instituição vale a pena por seus próprios méritos.
mentalmente instáveis. O trabalho não é só fisicamente Quando realizada por meio de uma abordagem de saúde pública, no
cansativo, mas também mentalmente estressante por envolver entanto, ele fornece uma experiência valiosa para o envolvimento
situações de vida e morte e por lidar com pacientes que estão em iniciativas de prevenção de trauma na comunidade também. A
sofrendo." comunidade (por exemplo, o serviço de ambulância) é pequena, há
100% de acesso a ela, e a vigilância é mais fácil porque o serviço
Socorristas estão em risco significativo de trauma ou morte de ambulância tem acesso a muitas das fontes de dados que pode
durante o atendimento, manejo e remoção de uni chamado de precisar. A identificação dos fatores de risco é mais simples porque
emergência médica. Os riscos associados a traumas tanto no local o público-alvo é composto por colegas de trabalho. A obtenção de
quanto na ambulância em movimento podem ser minimizados informações de avaliação deve ser quase imediata. A coleta de dados
através de medidas preventivas adequadas, como uso de cintos de de resultados deve estar prontamente disponível também.
segurança ou de roupas com faixas refletivas. O Dr. Janet ~me e colegas mencionam programas internos
Socorristas podem se tornar complacentes em relação aos perigos de prevenção que utilizam educação, fiscalização e estratégias
diários do trabalho. A complacência é uma sensação de segurança ou de implementação de engenharia. 20 A grande variabilidade dos
confiança diante de um p erigo potencial desconhecido. Os componentes programas demonstra os perigos envolvidos em sistemas de
da situação são o idealismo e a invencibilidade da juventude que são emergência médica e a necessidade de iniciativas de prevenção.
típicos de alguns socorristasY É necessário uma gestão que crie urna Demonstra também a variabilidade entre as comunidades de
cultura de prevenção de trauma, ou melhor, uma cultura de segurança, emergência médica. Mesmo que todos os sistemas de emergência
instituindo políticas de prevenção, mantendo a adesão ao processo e médica sejam semelhantes, serviços individuais (comunidades) têm
desempenho positivo gratificante. É preciso que os próprios socorristas diferentes fatores de risco e diferentes prioridades de prevenção.
estejam igualmente comprometidos com os princípios da prevenção de Conforme descrito anteriormente, os programas de educação
trauma. O insucesso desta iniciativa pela gestão ou pelos socorristas melhoram o bem-estar, previnem lesões nas costas e aumentam a
pode ter efeitos potencialmente devastadores. percepção potencial de pacientes violentos. Programas de execução
Outros fatores a se considerar são o nível de experiência tornam programas de fitriess obrigatórios e estabelecem protocolos
da equipe e seu grau de cansaço. Os motoristas devem estar para lidar com pacientes violentos. Iniciativas de engenharia visam
adequadamente preparados e treinados para conduzirem os urna utilização cada vez maior do cinto de segurança na parte de
veículos com segurança e a equipe de emergência médica deve trás da ambulância, avaliando o posicionamento do equipa mento e
ser monitorada para garantir que eles tenham tm - i sono adequado a localização do assento. Triagens pré-admissionais e fortalecimento
a segurança durante as operações seja mantida. Em um estudo que físico ajudam a reduzir lesões nas costas.
analisou fatores comuns em profissionais de serviços de emergência Um programa interno de prevenção de trauma em pequena
médica envolvidos em acidentes de ambulância, a probabilidade escala pode colher recompensas para além do resultado mais
aumentava quando os condutores envolvidos em acidentes com importante da melhora da saúde do funcionário. Pequenos sucessos
veículos de emergência fossem as pessoas mais jovens da equipe de lançam as bases para a participação em empreendimentos maiores
emergência médica, além daqueles relatando problemas de sono. 38 e mais complicados. Eles fornecem urna valiosa ferramenta de
O Dr. Neil Stanley, da Sociedade Britânica do Sono, observou: aprendizagem durante o trabalho sobre prevenção de trauma para
"Ninguém deve faze algo importante nos primeiros 15 a 30 minutos todos os funcionários. Além disso, programas internos de prevenção
depois de acordar". Isto tem sérias implicações para a emergência fornecem uma introdução ao sistema de emergência médica para
médica, considerando que a equipe deve responder imediatamente, outras agências de saúde pública na comunidade que auxiliam na
não importa a que hora da noite, se acordado ou dormindo, e é implementação e avaliação internas do programa.
esperado que trabalhem "normalmente".

 O trauma é a epidemia atual mais negligenciada. O setor de saúde não foi capaz de diminuir de forma mensurável
a incidência de trauma.
 Socorristas estão em uma posição privilegiada para influenciar as taxas de morb idade e mortalidade de trauma,
por meio de ações preventivas. Existem diversas oportunidades para a equipe de emergência médica promover a
educação e liderança na comunidade.
 O avanço dos sistemas de emergência médica na prevenção de trauma depende da adoç ão desse novo papel por
cada socorrista individualmente.
 Ao se comprometer com os esforços de prevenção de trauma e ao reconhecer os fatores de risco de trauma, os
socorristas podem ajudar a prevenir mortes e casos de invalidez em sua comunidade.
30 ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR AO TRAUMA, OITAVA EDIÇÃO

REVISÃO DO CENÁRIO
Você e seu parceiro estão na cena de uma colisão de automóveis e estão trabalhando para retirar rapidamente um paciente pesado do
banco do motorista de seu veículo. Ele não usava cinto de segurança durante a batida. Você e seu parceiro estão ambos usando coletes de
segurança aprovados sobre o seu uniforme de trabalho uma vez que vocês estão perto da estrada. Policiais estão no local para controlar o
tráfego, e a ambulância está estacionada para maximizar a proteção de veículos no sentido contrário. O paciente está devidamente
acomodado e protegido na maca elétrica, utilizada devido ao peso do paciente. A maca elétrica permite que você e seu parceiro levantem o
paciente com segurança até a ambulância, sem colocar o excesso de peso sobre seus corpos.
Uma vez dentro da ambulância, você coloca seu cinto de segurança na cadeira voltada para trás e continua a cuidar do paciente
enquanto seu parceiro opera a sirene e as luzes estroboscópicas intermitentes da ambulância para chamar a atenção dos outros motoristas.
Ele manobra com segurança até a pista e segue para o hospital. A ambulância chega com segurança ao hospital, e você transfere o paciente
para os cuidados da equipe do pronto socorro.
Enquanto preenche a papelada após o chamado, você pensa nas estatísticas de lesões e mortes nacionais gerais dos socorristas de
atendimento pré-hospitalar. Você percebe que, graças à cuidadosa atenção a todos os aspectos da prevenção de lesões que você e seu parceiro
demonstraram, o chamado foi concluído com segurança para todos os envolvidos.

 A prevenção de acidentes é uma abordagem realista para prevenir trauma e mortes em colisões automobilísticas e outras causas de lesão
traumática?
 Existem evidências de que a conformidade com o uso de assentos e cintos de segurança apresentam impacto na prevenção de lesões
e mortes?
 Como socorristas, o que podemos fazer para evitar mortes e lesões causadas por colisões automobilísticas?
.0~~freea,
Você e seu parceiro se mantiveram seguros na cena da colisão automonilística porque vocês se lembraram e seguiram os protocolos de segurança do seu
departamento. Vocês estavam cientes de que as luzes piscantes ou estroboscópicas nem sempre são suficientes para chamar a atenção dos motoristas,

então vocês usaram seus coletes refletivos aprovados para ficarem mais visíveis para os outros motoristas durante a operação no local.
Vocês também se lembraram e seguiram técnicas adequadas de remoção e procedimentos de segurança, e garantiram a segurança de
vocês, usando cinto de segurança na área de tratamento da ambulância.
Além disso, seu departamento recentemente atualizou o desenho do refletivo chevron na parte traseira da ambulância para aumentar a
visibilidade à distância da ambulância. Para melhorar a visibilidade à noite, as luzes vermelhas e brancas no exterior da ambulância foram substituídos
por luzes azuis adicionais. Todas estas medidas se revelam como muito úteis para reduzir problemas de visibilidade no local e garantir a segurança
dos membros da equipe.

Referências 7. National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), US


Department of Health and Human Services, Health R esources
1. National Academy of Sciences/National Research Council (NAS/ and Services Administration, Maternal and Child Health Bureau.
NRC). Accidental death and disability: the neglected disease of Emergency Medical Services Agenda for the Future. Washington,
modern society, Washington, DC: NAS/NRC; 1966. DC: NHTSA; 1999.
2. National Center for Health Statistics (NCHS). Heaith, United 8. Martinez R. Injury control: a primer for physicians. Anal Emerg
States, 2000, with, Adoleseent Heaith Chartbook, Hyattsville, MD: Med. 1990;19:72-77, 1990.
NCHS; 2000. 9. Waller JA. Injury Control: A Guide to the Causes and Prevention
3. National Center for Injury Prevention and Control, Centers for of Trauma. Lexington, MA: Lexington Books; 1985.
Disease Control and Prevention. http://www.cdc.gov/injury/ 10. US Department of Transportation, National Highway Traffic Safety
wisqars/index.html, Accessed August 2009. Administration. PIER: Public Information, Education, and Relations
4. Centers for Disease Control and Prevention, National Center for for EMS Injury Prevention Modules. Washington, DC: DOT HS 809
Injury Prevention and Control, Web-based Injury Statistics Query 520; 2002.
and Reporting System 11. Reason J. Human error: mod els and managem ent. BMJ.
5. World Health Organization (WHO). Injuries and violente: the facts. 2000;320:768-770.
Geneva, Switzerland: WHO; 2010. 12. Cohen L, Miller T, Sheppard MA, Gordon E, Gantz T, Atnafou R.
6. Peden M, McGee K, Sharma G. The Injury Chart Book: A Grctphical Bridging the gap: bringing together intentional and unintentional
Overuiew of the Global Burden of Injuries. Geneva: World Health injury prevention efforts to improve health and well being. J Safety
Organization; 2002. Res. 2003;34:473-483.
CAPÍTULO 2 Prevenção de Trauma 31

13. Alterman MD, Daniel M. Considerations in pediatric trauma: Pennsylvania's mandatory motorcycle helmet law. Ana, J Public
epidennology. http://eme dicine. medscap e. c om/article/435031- Health. 2008; 98(8):1464-1467.
overview#aw2aab6b3. Accessed March 23, 2013. 27. Bledsoe GH, Li G. Trends in Arkansas motorcycle trauma after
14. Centers for Disease Control and Prevention, National Center for helmet law repeal. South Med J. 22005;98(4):436-440.
Injury Prevention and Control. Saving Lives and Frotecting People 28. Chenier TC, Evans L. Motorcyclist fatalities and the repeal
from Injuries and Violente. http://www. cdc.gov/injury/p dfs/NCIPC_ of mandatory h elmet wearing laws. Accid Anal Prev.
Overview_FactSheet_Overview-a.pdf. Accessed October 4, 2013. 1987; 19(2): 133-139.
15. Christoffel T, Gallagher SS. Injury Prevention and Public Health: 29. Todd KH. Accidents Aren't: Proposal for Evatuation of an. Injury
Practical Knowledge, Slcills, and Stra.tegies. Gaithersburg, MD: Prevention Curriculum for EMS Providers-A Grant Proposal to the
Aspen; 1999. National Association of State EMS Dimctors. Atlanta: Department
16. VanDale K. Sleep deprivation in EMS. http://www.fireengineering. of Emergency Medicine, Emory University School of Medicine; 1998.
com/articles/print/volume-166/issue-02/departments/fireems/ 30. lünnane JM, Garrison HG, Coben JH, et al. Injury prevention: is
sleep-deprivation-in-ems.html. Accessed August 1, 2013. there a role for out-of-hospital emergency medica]. services? Acad
17. Patterson PD, Weaver MD, Frank RC, et al. Association between Emerg Med. 1997;4:306.
poor sleep, fatigue, and safety outcomes in emergency medicai, 31. EPIC Medics. http://www.epicmedies.org/Conferences.html
services providers. Prehosp Emerg Gare. 2012;16:86-97. Accessed October 8, 2013.
18. Maguire BJ, Huntington KL, Smith GS, Levick NR. Occupational 32. Hawkins ER, Brice JH, Overby BA. Welcome to the world: findings
fatalities in emergency medicai services: a hidden crisis. Ann from an emergency medicai services pediatric injury prevention
Emerg Med. 2002;40:6. program. Pediatr Emerg Care. 2007;23(11):790-795.
19. Centers for Disease Control and Prevention. Ambulance crash - 33. Griffiths K. Best practices in injury prevention. JEmerg Med Serv.
related injuries among emergency medical services workers - 2002;27:8.
United States, 1991-2002. MMWR. 2003;52(8):154-156. 34. Krimston J, Griffiths K. Best practices in injury prevention. J Emerg
20. Tortella BJ, Lavery RE Disablingjob injuries among EMS providers. Med Serv. 2003;28:9.
Medicina Pré-hospitala• em Desastre. 1994;9:2120-2213.
35. Jaslow D, Ufberg J, Marsh R. Primary injury prevention in an urban
21. Reichard A, Marsh S, Moore P. Fatal and nonfatal injuries among
EMS system. JEmerg Med. 2003;25(2):167-170.
emergency medicai technicians and paramedics. Prehosp Emerg
36. US Department of Labor. Emergency medicai technicians and
Cave. 2011;15(4):511-517.
paramedics. In: US Department of Labor, Bureau of Labor Statistics,
22. Garrison HG. Keeping rescuers safe. Ana?, Emerg Med. eds. Occupational Outlook Hanclbook, 2004-2005 Edition.
2002;40:633-635. http://stats.bls.gov/oco/ocos101.htm. Accessed July 2004.
23. National EMS Advisory Council. Strategy for a National EMS 37. Federal Emergency Managernent Agency, US Fire Administration.
Culture of Safety (draft). http://www.emscultureofsafety.org/ EMS Safety: Techuiques and Applications. International
wp-content/uploads/2012/12/Strategy-for-a-National-EMS-Cultureof- Association of Fire Fighters, FEMA contract EMW-91-C-3592.
Safety-NEMSAC-DRAFT.pdf Accessed October 8, 2013. 38. Studnek JR, Fernandez AR. Characteristics of emergency medicai
24. Mullins RJ, Veum-Stone J, Helfand M, et al. Outcome of hospitalized technicians involved in ambulante crashes. Medicina Pré-
injured patients after institution of a trauma system in an urban hospitalar em Desastre. 2008;23(5):432-437.
area. JAMA. 1994;271(24):1919-1924.
25. Haddix AC, Mallonee S, Waxweiler R, et al. Cost effectiveness
analysis of a smoke alarrn giveaway program in Oklahoma City, Leituras Sugeridas
Oklahoma. Inj Prev. 2001;7:276-281.
American College of Surgeons Committee on Trauma. Advanced Trauma
26. Mertz KJ, Weiss HB. Changes in motorcycle-related head injury I4fe Support for Doctors, Student Course Manual. 9th ed. Chicago:
deaths, hospitalizations, and hospital charges following repeal of American College of Surgeons; 2012.

Você também pode gostar