Você está na página 1de 14

TABELA DOS TRANSTORNOS MENTAIS

TRANSTORNOS ALTERAÇÕES
Transtorno Bipolar: sintomas maníacos – sintomas depressivos – sintomas
psicóticos.
 Transtorno Bipolar I: predomínio da fase maníaca com depressão mais leve
distimia, que é uma condição neuropsíquica que se manifesta com
desequilíbrio da vida afetiva. Podendo ser por episódio maníaco único, para
descrever indivíduo apresentando um primeiro episódio ou atual.
 Transtorno Bipolar II: se caracteriza por episódios recorrentes de depressão
maior, com a ocorrência episódica de hipomania, que não é grave o bastante
para causar um distúrbio acentuado no funcionamento social ou ocupacional
e não inclui características psicóticas.
Transtorno depressivo: uma das principais causas de incapacidade em todo mundo;
estima-se 350 milhões de pessoas afetadas (OMS) e 17% da população brasileira
HUMOR: apresentarão o transtorno ao longo da vida. Estima-se que até 2020 a depressão seja
Transtornos nos quais a perturbação fundamental é uma alteração do humor a segunda patologia que mais incapacita para o trabalho.
ou do afeto, no sentido de uma depressão (com ou sem ansiedade associada)  Depressão Maior: este distúrbio caracteriza por humor deprimido ou perda
ou de uma elação. Pode ser desencadeada por estresse, assédio, jornada de de interesse ou prazer nas atividades habituais. Evidências de distúrbio de
trabalho excessiva, problemas financeiros, desemprego, cobrança pessoal, funcionamento social e ocupacional estão presentes a pelo menos 2 semanas.
frustrações e luto. Não há nenhuma historia de comportamento maníaco e os sintomas não
podem ser atribuídos a uso de drogas ou a uma condição medica geral.
A alteração do humor é pervasiva. Classificado por:
- Episódio único ou Recorrente – é usado para o primeiro diagnóstico.
Recorrente é especificado 2 ou mais episódios;
- Leve, moderado ou grave – são identificados pelo número ou pela
gravidade dos sintomas;
- Com características psicóticas – o individuo apresenta delírios ou
alucinações;
- Com características melancólicas - esta é uma forma tipicamente grave de
episódio depressivo maior, os sintomas são exagerados.
 Distúrbio Distímico: a característica deste distúrbio é semelhante
 àquelas atribuídas ao distúrbio depressivo maior, porém um pouco mais
leve. Os indivíduos portadores deste distúrbio descrevem seu humor como de
tristeza ou “baixo astral” (APA, 1994). Não há nenhuma evidência de
sintomas psicóticos e a característica essencial é um humor cronicamente
deprimido, por pelo menos 2 anos para adultos e 1 ano para crianças e
adolescentes. Classificado por:
- Início precoce – Identificam os casos de distúrbio distímico cuja o início se
dá antes dos 21 anos de idade;
- Início tardio - Identificam os casos de distúrbio distímico em que o início
tem lugar aos 21 anos de idade ou mais.
 Sentimentos depressivos:  Ideais:
–Negativos e sofridos – Conteúdo negativo
•Baixa auto-estima •Pessimismo
•Culpa •Culpa
•Desesperança •Falta de sentido
•Falta de inteligência •Ruína
•Tristeza •Menosvalia
•Apatia •Doença
•Ansiedade •Morte
•Falta de sentido •Suicídio
•Perda de motivação • Preocupações exageradas

 Pensamento:  Psicomotricidade lentificada:


– Lentificado – Energia mental e física
Sintomas da Depressão – Fadigabilidade
– Raciocínio
– Preguiça
– Concentração
– Sensação de sono ou torpor
– Atenção – Necessidade de mais esforço para
– Memória (retenção e realizar atividades
evocação)  Agitação ou inquietação:
– Latência de tempo para – Mais característicos de estados
resposta mistos

 Sintomas ansiosos
 Redução de energia
 Volição
– Vontade
– Ânimo
– Perda de iniciativa
 Crítica da doença geralmente está preservada
 Distorção da realidade para o negativo
– Passado, presente, futuro
 Delírios de ruína
 Alucinações auditivas, visuais, sensoriais
 Sintomas vegetativos
– Inapetência
– Aumento de apetite
– Perda ou ganho de peso
– Sono não reparador
– Insônia
 Inicial
 Intermediária
 Terminal
– Hipersônia
– Sintomas dolorosos
– Diminuição/perda de libido
– Disfunção erétil ou ejaculatória
Anorexia Nervosa: caracterizada pela “incessante procura da magreza até à morte”,
ou seja, perda intensa e intencional de peso busca desenfreada pela magreza, com
distorção grave da imagem. Quando comem, limitam-se a alimentos hipocalóricos e,
com frequência, praticam exercícios físicos extenuantes, numa tentativa de queimar
as calorias que ingeriram. Este regime leva a uma acentuada perda de peso, chegando
a alcançar níveis 50% inferiores ao ideal estatístico.
Bulimia Nervosa: consiste em comer grandes quantidades de comida e depois a
ALIMENTARES: tentativa de purgar as calorias por vias prejudiciais à saúde, tais como induzir o
É um grupo de doenças psicológicas caracterizadas por alterações vômito, utilização de laxantes e diuréticos, jejuns e exercícios físicos intensos. Esta
significativas do comportamento alimentar normal, definidas por um situação tende a repetir-se, tornando-se, um ciclo. São comuns danos no aparelho
conjunto de atitudes e comportamentos relacionados com a alimentação, o digestivo, dentes, glândulas salivares, tal como depressão grave, transtornos de
peso e a imagem corporal, incluindo também transtornos de imagem, humor, ansiedade e obsessivos-compulsivos.
controlo dos impulsos e relações interpessoais. Pica: trata-se do impulso de comer objetos não nutritivos nem cuja ingestão é aceite
socialmente, como metais, argila, carvão, areia, ou até mesmo, impulso para
ingredientes alimentares, como farinha, batata crua, arroz cru e cubos de gelo. Mais
comum em crianças e mulheres grávidas.
Ruminação: caracterizado pela regurgitação ou remastigação repetida. Podendo
resultar em desnutrição, perda de peso, desidratação e até morte. Mas geralmente,
este transtorno é encarado como uma situação normal, pois ocorre com a maioria dos
bebês.
Compulsão Alimentar: caracteriza-se por episódios de alimentação em excesso, em
que são consumidas rapidamente grandes quantidades de comida, mesmo que o
indivíduo não tenha fome e até se sinta desconfortável com tanta comida. Não purga
depois de comer, nem pratica exercício físico, traduzindo-se num constante aumento
de peso, que se pode tornar em obesidade.
 Obesidade: define-se por uma acumulação excessiva de gordura corporal.
Esta doença, no entanto, é mais que uma preocupação estética, pois faz com
que aumente os riscos de problemas de saúde como diabetes e pressão
sanguínea alta.
Outro transtorno alimentar especificado: usada nas situações em que o clínico
opta por comunicar a razão específica pela qual a apresentação não satisfaz os
critérios para qualquer transtorno alimentar específico.
Transtorno de insônia: dificuldade para iniciar e/ou manter o sono e presença de
sono não reparador, ou seja, insuficiente para garantir qualidade de alerta e bem-estar
físico e mental durante o dia, associado ao comprometimento do desempenho das
atividades diurnas e funcionalidade.
Transtorno do sono relacionado à respiração (ápneia e hipopneia): são os
transtornos de sono mais comuns relacionados à respiração. Caracteriza-se pela
repetição de episódios de obstrução da via aérea superior durante o sono. Apneia
refere-se à ausência total do fluxo de ar, e hipopneia refere-se a uma redução do fluxo
de ar.
 Apneia: trata-se de transtornos no controle ventilatório nos quais os eventos
ocorrem em um padrão periódico ou intermitente.
SONO-VIGILIA:  Hiporventilação: os indivíduos podem se queixar de sonolência excessiva e
É uma das muitas ocorrências biológicas que tem lugar à mesma hora, cada de insônia ou de cefaléias pela manhã ou podem se apresentar com achados de
24 horas. Este é marcado por uma intensa atividade cerebral e pela disfunção neurocognitiva ou depressão. A hipoventilação pode não ocorrer
ocorrência de determinadas funções que são muito importantes para o durante o estado de vigília.
organismo. Denominado também por um estado comportamental típico a Narcolepsia: de modo geral a narcolepsia produz cataplexia que costuma apresentar
cada espécie caracterizado por redução de movimentos, postura específica e em períodos breves. Os músculos afetados incluem pescoço, mandíbula, braços,
sincronização circadiana. pernas, durante as crises os indivíduos permanecem despertos e conscientes.
A sonolência ocorre diariamente, pelo menos três vezes por semana, por período
mínimo de três meses.
Não existe o não dormir e sim os microssonos! Transtorno de hipersonolencia: os indivíduos com esses transtornos conseguem
dormir rapidamente e apresenta boa eficiência no sono. Podem ter dificuldades para
acordar pela manhã, às vezes parecendo confusos, combativos ou atáxicos. Com
frequência essa alteração prolongada no estado de alerta durante a transição sono-
vigília é conhecida por inércia do sono.
Transtorno do sono-vigilia do ritmo cicardiano: padrão persistente ou recorrente
de interrupção do sono devido, principalmente a alteração no sistema circadiano
(período de 24 horas) ou a desequilíbrio entre o ritmo circadiano endógeno e os
horários de sono-vigília impostos pelos horários dos ambientes físico, social ou
profissional do individuo.
Parassonias: alterações que envolvem o comportamento do sono, de maneira
transitórias e com carácter benigno.
 Distúrbios associados aos microdespertar do sono NREM
 Despertar confusional;
 Sonambulismo;
 Terror noturno.
 Parassonias associadas ao sono REM
 Distúrbio comportamental do sono REM;
 Paralisia recorrente isolada do sono REM;
 Pesadelos.
Dicas:  Desordem dissociativa associada ao sono
Hiper: aumento;
 Consciência
A: ausência;
 Memória
Hipo: diminuição.
 Identidade
 Percepção ambiental
 Ambiente
– Gritar, andar, auto-mutilar, correr, fugas noturnas, comportamentos sexuais;
– Amnésia.
Pesadelos: é uma experiência de sonho carregada de ansiedade ou de medo que se
acompanha de uma lembrança muito detalhada do conteúdo do sonho.
 Ocorrem no sono REM;
 Geralmente são lembrados, principalmente os do final da noite;
 Dificultam o retorno ao sono;
 Ocorrem em todas as idades.
Terror noturno: constituem episódios noturnos de terror e pânico extremos
associados a uma vocalização intensa, agitação motora e hiperfuncionamento
neurovegetativo.
 Poucas palavras abafadas ou choro precedendo um grito terrificante;
 Senta-se e arregala os olhos;
 Pode sair da cama ou fazer movimentos, falar palavras ou expressões
como que procurando se esquivar de algum horror;
 Em minutos, volta a um sono sadio, tranquilo e não há lembranças no dia
seguinte;
 Entre 4 e 12 anos;
 Incidência: 1 a 3% (10% são sonâmbulos);
 Pode desaparecer na adolescência.
Sonambulismo: é uma alteração do estado de consciência, associando fenômenos de
sono e de vigília.
 Prevalência: 15 % da população;
 Idade: 4 a 6 anos;
 Duração: 1/3 até os 5 anos e 12% até 10 anos;
 Pode ser quieto ou agitado;
 Pode sair da cama;
 Frequentemente apresentam comportamentos complexos;
 Precauções de segurança;
 Tratamento: acalmar os pais, evitar os gatilhos, reduzir stress;
 Raramente usam-se benzodiazepínicos.
Sono Normal: começa por NREM – NREM e REM se altera a cada 90 minutos –
SWS predomina no terço inicial da noite – REM predomina no terço final da noite.
Sono Não-REM: é composto por 4 etapas em grau crescente de profundidade, os estágios
I, II, III e IV. No sono NREM, há relaxamento muscular comparativamente à vigília, porém,
mantém-se sempre alguma tonicidade basal.
Sono REM: recebe também as denominações de sono paradoxal e de sono dessincronizado.
Apesar de ser um estágio profundo no tocante à dificuldade de se despertar o indivíduo nesta
fase.
Outras Parassonias:
 Sonilóquio – conversar durante o sono;
 Startles (sustos) – ocorre em 60 a 70% da população;
 Bruxismo – ranger dos dentes ou simplesmente apertá-los. Pode causar
cefaleia, trauma de dente.
Ejaculação retardada: é a dificuldade para atingir a ejaculação durante o intercurso
sexual. Pode ter origem psicossexual ou orgânica e também estar relacionada com
disfunção erétil ou uso de antidepressivos.
Transtorno erétil: incapacidade persistente em obter e/ou manter uma ereção
suficiente, que permita uma atividade sexual completa e satisfatória.
Transtorno do orgasmo feminino: consiste no atraso ou ausência persistente ou
recorrente de orgasmo, após uma fase normal de excitação sexual. Devendo ser
levado em conta se a capacidade da mulher atingir o orgasmo for menor do que se
poderia esperar para a sua idade, a experiência sexual e a adequada estimulação que
recebe.
Transtorno do interesse/excitação sexual feminino: diz respeito à incapacidade
persistente ou recorrente de adquirir ou manter uma resposta de excitação sexual de
lubrificação-turgescência até o término da atividade sexual.
Transtorno da penetração gênito-pélvica/penetração: se trata de toda e qualquer
dor relacionada ao ato sexual, penetração ou tentativa de fazê-lo. Pode ocorrer desde
a primeira relação sexual, ser eventual, estar relacionada com determinada parceria ou
DISFUNÇÕES SEXUAIS: acontecer apenas em certa fase da vida. Suas causas podem ser físicas (infecções e
Geralmente são caracterizados por uma perturbação clinicamente doenças que atingem o útero, canal da vagina, ânus e toda a região pélvica), mas
significativa na capacidade de uma pessoa responder sexualmente ou de também é muito comum que a dor esteja associada a fatores psicológicos.
experimentar prazer sexual. É importante determinar através de julgamento  Vaginismo: é uma síndrome psicofisiológica cuja característica fundamental
clínico, se as dificuldades sexuais são resultado de estímulo sexual é a contração involuntária, recorrente ou persistente, dos músculos do períneo
inadequado, pois mesmo nesses casos pode haver necessidade de tratamento, adjacentes ao terço inferior da vagina, ou seja, uma tensão ou desconforto
embora o diagnóstico não se aplique. durante a penetração;
 Dispareunia: caracterizada por dor genital associada ao intercurso sexual,
OBS: Uma mesma pessoa pode ter várias disfunções ao mesmo tempo. mas também pode ocorrer antes ou após o intercurso.
Transtorno do desejo sexual masculino hipoativo: caracteriza-se pela ausência ou
diminuição do desejo sexual, bem como de fantasias eróticas. É a disfunção mais
prevalente em mulheres, podendo também verificar-se na população masculina. É o
transtorno da sexualidade masculina de mais difícil diagnostico visto que os aspectos
etiológicos não são prontamente identificados, sendo, na maioria das vezes,
resultantes de outra doença ou distúrbio. Raramente é identificado como entidade
independente e frequentemente tratada de forma equivocada.
Ejaculação precoce: caracteriza-se por uma ejaculação que ocorre sempre ou quase
sempre antes ou até 1 minuto após a penetração vaginal; é uma incapacidade de
retardar a ejaculação em todas ou quase todas as penetrações vaginais e resulta em
consequências pessoais negativas tais como angústia, incomodo, frustração ou evita a
intimidade sexual;
Disfunção sexual induzida por substâncias/medicamentos: tem como
consequência acentuado sofrimento ou dificuldade interpessoal, plenamente
explicada pelos efeitos fisiológicos diretos de uma substância como drogas ilícitas,
medicamentos ou exposição a toxinas;
Outra disfunção sexual especificada
Disfunção sexual não especificada: não atendem aos critérios para qualquer
disfunção sexual específica, como ausência de sensações eróticas subjetivas, apesar
de excitação normal e orgasmo.
Ao longo da vida: problema sexual que está presente desde as primeiras experiências
SUBTIPOS sexuais;
Irão designar o início da dificuldade do indivíduo e no momento inicial Adquirido: transtornos sexuais que se desenvolveram após um período de função
poderá indicar a causa (etiologia) e qual a melhor intervenção para o caso. sexual relativamente normal;
Generalizado: dificuldades sexuais que não se limitam a certos tipos de estimulação,
situações ou parceiros;
Situacional: dificuldades sexuais que ocorrem somente com determinados tipos de
estimulação, situações ou períodos.
Transtorno do namoro: assemelham-se a componentes distorcidos do componente
de namoro.
 Transtorno voyeurista: espiar outras pessoas em atividades privativas,
Grupo 1 momento intimo ou de nudez;
TRANSTORNOS PARAFÍLICOS: Baseado em  Transtorno exibicionista: expor órgãos genitais a uma pessoa desavisada ou
Termo que representa qualquer interesse sexual intenso preferência por prática de atos sexuais com a intenção de que outras pessoas vejam;
e persistente que não aquele voltado para a estimulação atividades  Transtorno frotteurista: tocar ou esfregar-se em individuo que não
genital ou para carícias preliminares com parceiros anormais. consentiu.
humanos que consentem e apresentam fenótipo* Transtornos algolagnia: perversão daquele que só tem prazer sexual associado a
normal e maturidade física. Uma parafília é uma uma dor experimentada por ele mesmo ou infligida a outrem. Envolvem dor e
condição necessária, mas não suficiente, para que se sofrimento.
tenha um transtorno parafílico. Por si só, uma parafília,  Transtorno de masoquismo sexual: passar por humilhação. Submissão ou
não necessariamente justifica ou requer intervenção sofrimento;
clínica. Por exemplo: Adeptos das práticas BDSM.  Transtorno do sadismo sexual: infligir humilhação, submissão ou
Esse transtorno, ou parafília, causa sofrimento ou sofrimento.
prejuízo ao indivíduo cuja satisfação implica dano ou
risco de dano pessoal a outros.
Alvo Humano:
 Transtorno pedofílico: foco sexual em crianças.
*Conjunto de características particulares ao indivíduo Outros Alvos:
que podem ser visíveis ou detectáveis. Ex.: cor dos Grupo 2  Transtorno fetichista: usar objetos ou ter um foco altamente específico em
olhos. Baseado em partes não genitais do corpo.
preferência por alvo  Transtorno transvéstico: vestir roupas do sexo oposto visando excitação
anômalo. sexual.
Transtorno parafílico não especificado: inclui uma variedade de outros
comportamentos parafílicos, tais como:
 Escatologia telefônica: telefonemas obsenos;
 Necrofilia: cadáveres;
 Zoofilia: animais;
 Coprofilia: fezes;
 Clismafilia: enemas;
 Urofilia: urina.
Transgênero: refere-se ao amplo espectro de indivíduos que, de forma transitória ou
DISFORIA DE GÊNERO: persistente, se identificam com um gênero diferente do de nascimento.
Refere-se ao sofrimento afetivo/cognitivo que pode acompanhar a Transexual: indica um indivíduo que busca ou que passa por uma transição social de
incompatibilidade entre o gênero experimentado (ou expresso) e o gênero masculino para feminino ou de feminino para masculino, o que, em muitos casos
designado de uma pessoa. Vale ressaltar que: sexo e gênero não são a mesma (mas não em todos), envolve também transição somática por tratamento hormonal e
coisa! cirurgia genital (cirurgia de redesignação sexual).
Sexo refere-se ao status biológico de uma pessoa: masculino, feminino ou  Transexualismo masculino para feminino: se dar através do uso de
intersexo. hormônios feminilizantes em doses moderadas (p. ex., adesivos transdérmicos
Identidade sexual refere-se ao sexo ao qual uma pessoa é sexualmente de estradiol, 0,1 a 0,15 mg, 1 vez/dia) mais eletrólise, terapia de voz e outros
atraída. tratamentos feminilizantes pode tornar o ajustamento para o papel de gênero
Identidade de gênero é a sensação subjetiva de saber a qual gênero uma feminino mais estável. Tendo efeitos benéficos significativos sobre os
pessoa pertence; aqueles que se consideram masculino, feminino, sintomas de disforia de gênero, muitas vezes antes que haja quaisquer
transgênero ou outro termo de identificação (p. ex., gênero queer). mudanças visíveis nas características sexuais secundárias.
Papel do gênero é o objetivo, a expressão pública da identidade de gênero e  Transexualismo feminino para masculino: se dar através do uso de
inclui tudo o que as pessoas dizem e fazem para indicar para si mesmas e histerectomia e ooforectomia podendo ser feitas depois de um curso de
para outros com qual gênero elas mais se identificam. hormônios androgênicos (p. ex., preparações de éster de testosterona, 300 a
400 mg, IM, a cada 3 semanas ou doses equivalentes de géis ou adesivos
OBS: No DMS IV era considerado transtorno, porém no DSM V passou a transdérmicos de androgênio). Preparações de testosterona tornam a voz
ser considerado disforia. permanentemente grave, induzem uma distribuição muscular e de gordura
Disforia de gênero não é homossexualidade! mais masculina, induzem clitoromegalia e promovem o crescimento de pelos
faciais e corporais.
Níveis de envolvimento: envolvem um padrão patológico de comportamentos em
que os pacientes continuam a usar uma substância apesar de experimentarem
problemas significativos relacionados ao uso. Também pode haver manifestações
fisiológicas, incluindo alterações na circuitaria cerebral.
 Intoxicação: refere-se ao desenvolvimento de uma síndrome reversível,
específica da substância, de alterações mentais e comportamentais que pode
envolver alteração de percepção, euforia, comprometimento cognitivo,
comprometimento do funcionamento físico e social, labilidade de humor,
beligerância ou uma combinação. Levada ao extremo, a intoxicação pode
causar overdose, morbidade significativa e risco de morte.
 Abstinência: refere-se aos efeitos fisiológicos, sintomas e alterações
comportamentais específicos da substância que são causados pela interrupção
ou redução da ingestão de uma substância. Para ser classificada como
transtorno por abstinência de substância, a síndrome deve causar ao paciente
sofrimento significativo e/ou prejudicar o funcionamento (p. ex., social,
ocupacional). A maioria dos pacientes com abstinência reconhece que
readministrar a substância reduzirá os sintomas.
 Dependência: refere-se à presença de um agrupamento de sintomas
cognitivos, comportamentais e fisiológicos indicando que o indivíduo
continua utilizando uma substância, apesar de problemas significativos
relacionados a ela. Existe um padrão de autoadministração repetida que
geralmente resulta em tolerância, abstinência e comportamento compulsivo de
TRANSTORNO RELACIONADO Á SUBSTÂNCIAS: consumo da droga. Pode ser aplicado a qualquer substância, exceto a cafeína.
Difere entre si pela gravidade variável e por sintomatologia diversa, mas que Categoria:
têm em comum o fato de serem todos atribuídos ao uso de uma ou de várias  Depressores: essas substâncias resultam em sedação comportamental e
substâncias psicoativas, prescritas ou não por um médico. Relaciona-se podem induzir ao relaxamento. Incluem o álcool (álcool etílico) e os
também com substâncias que envolvem drogas que ativam diretamente o medicamentos de ordem sedativa e benzodiazepinas (por exemplo, Valium,
sistema de recompensa do cérebro. A ativação do sistema de recompensa Xanax).
normalmente provoca sensações de prazer; as sensações de prazer  Estimulantes: essas substancias deixam as pessoas mais ativas e alertas e
específicas evocadas variam amplamente, dependendo da droga. melhoram o humor. Nesse grupo estão as anfetaminas, a cocaína, a nicotina e
a cafeína.
 Opioides: o principal efeito dessas substancias é produzir analgesia (redução
da dor) temporária e euforia. Heroína, ópio, codeína e morfina fazem parte
desse grupo.
 Alucinógenos: essas substancias alteram a percepção sensorial e podem
produzir ilusões, paranoia e alucinações. Cannabis e LSD fazem parte desta
categoria.
Transtorno por uso de álcool: padrão problemático de uso de álcool levando
comprometimento ou sofrimento clinicamente significativo, manifestado por pelo
menos 2 dos seguintes critérios, ocorrendo durante um período de 12 meses.
 Gravidade:
 Leve: presença de dois a três sintomas.
 Moderada: presença de quatro a cinco sintomas.
 Grave: presença de seis ou mais sintomas.
Transtorno por uso de sedativos, hipnóticos e ansiolíticos: padrão problemático de
uso de sedativos, hipnóticos e ansiolíticos levando comprometimento ou sofrimento
clinicamente significativo, manifestado por pelo menos 2 dos seguintes critérios,
ocorrendo durante um período de 12 meses.
 Gravidade:
 Leve: presença de dois a três sintomas.
 Moderada: presença de quatro a cinco sintomas.
 Grave: presença de seis ou mais sintomas.
Transtorno por uso de estimulantes: padrão de uso de substância tipo anfetamina,
cocaína ou outro estimulante levando a comprometimento ou sofrimento clinicamente
significativo, manifestado por pelo menos 2 dos seguintes critérios, ocorrendo
durante um período de 12 meses.
 Gravidade:
 Leve: presença de dois a três sintomas.
 Moderada: presença de quatro a cinco sintomas.
 Grave: presença de seis ou mais sintomas.
Transtorno por uso de tabaco: padrão problemático de uso de tabaco levando a
comprometimento ou sofrimento significativos, manifestado por pelo menos 2 dos
seguintes critérios, ocorrendo durante um período de 12 meses.
 Gravidade:
 Leve: presença de dois a três sintomas.
 Moderada: presença de quatro a cinco sintomas.
 Grave: presença de seis ou mais sintomas.
Transtorno por uso de opioides: padrão problemático de uso de opioides levando
comprometimento ou sofrimento clinicamente significativo, manifestado por pelo
menos 2 dos seguintes critérios, ocorrendo durante um período de 12 meses.
 Gravidade:
 Leve: presença de dois a três sintomas.
 Moderada: presença de quatro a cinco sintomas.
 Grave: presença de seis ou mais sintomas.
Transtorno por uso de cannabis: padrão problemático pelo uso de cannabis levando
a comprometimento ou sofrimento clinicamente significativo, manifestado por pelo
menos 2 dos seguintes critérios, ocorrendo durante um período de 12 meses.
 Gravidade:
 Leve: presença de dois a três sintomas.
 Moderada: presença de quatro a cinco sintomas.
 Grave: presença de seis ou mais sintomas.
Transtorno por uso de outros alucinógenos: padrão problemático de uso de
alucinógenos (que não a fenciclidina), levando a comprometimento ou sofrimento
significativos, manifestado por pelo menos 2 dos seguintes critérios, ocorrendo
durante um período de 12 meses.
 Gravidade:
 Leve: presença de dois a três sintomas.
 Moderada: presença de quatro a cinco sintomas.
 Grave: presença de seis ou mais sintomas.
TRANSTORNOS ADITIVOS:

TRANSTORNO DO CONTROLE DE IMPULSO:

GRUPO A Transtorno da Personalidade Paranóide: Desconfiança e suspeitas em relação aos


Refere-se ao tipo outros, de modo que as intenções são interpretadas como maldosas, que se
paranoide, esquizoide e manifesta no início da idade adulta e está presente em uma variedade de contextos
esquizotípico, que
compartilham
características
identificadas em
indivíduos excêntricos e
TRANSTORNOS DA PERSONALIDADE: esquisitos.
Caracterizado como padrão persistente de
experiência interna e comportamento que se desvia
acentuadamente das expectativas da cultura do GRUPO B
indivíduo, é difuso e inflexível, começa na Constitui-se dos
adolescência ou início da fase adulta, é estável ao antissociais,
longo do tempo e leva a sofrimento ou prejuízo. histriônicos, narcisistas
e borderlines; com
estereótipos de
indivíduos dramáticos,
emotivos e erráticos.
GRUPO C
Engloba as
personalidades
evitativas, dependentes
e obsessivo-
compulsivas, que
correspondem aos
indivíduos com perfil
ansioso e medroso.

ESPECTRO DA ESQUISOFRENIA:

TRANSTORNOS PSICÓTICOS:

Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): transtorno


neurobiológico crônico, que se inicia na fase de desenvolvimento, caracterizado por
três principais sintomas-alvo: déficit de atenção, hiperatividade e impulsividade
levando a consequências negativas no comportamento social, afetivo, subjetivo e
acadêmico. Apresenta heterogeneidade clínica: intensidade variável e sintomas
emocionais frequentes e consequência dentro e fora da escola: problemas de
TRANSTORNOS DO NEURODESENVOLVIMENTO: funcionalidade frente às tarefas cotidianas.
São doenças caracterizadas por um atraso ou desvio no desenvolvimento do Transtorno específico da aprendizagem: são transtornos nos quais os padrões
cérebro que influenciam características fenotípicas (Rutter et al, 2006); por normais de aquisição de habilidades são perturbados desde os estágios iniciais do
exemplo, TDAH, transtornos de aprendizagem, retardo mental e transtornos desenvolvimento. Eles não são simplesmente uma consequência de uma falta de
do espectro autista. No DSM V esse grupo apoia características oportunidade de aprender nem são decorrentes de qualquer forma de traumatismo ou
fisiopatológicas. de doença cerebral adquirida. Ao contrário, pensa-se que os transtornos originam-se
de anormalidades no processo cognitivo, que derivam em grande parte de algum tipo
de disfunção biológica. São classificados em subtipos, dependendo da área da
aprendizagem mais afetada: transtorno de leitura, transtorno de expressão escrita,
transtorno de habilidades matemáticas, transtorno não verbal e transtorno de
linguagem, entre outros.
Transtorno do espectro autista: é uma nova categoria no DSM- 5 no entendimento
de que três distúrbios anteriormente listados separados sob a rubrica Transtornos
Invasivos do Desenvolvimento (TID) no DSM-IV são mais bem conceituados como
diferentes níveis de gravidade de uma condição única. Assim, o DSM-5 introduziu
aqui o conceito de espectro, reforçando a relevância da dimensionalidade. O TEA
inclui o transtorno de autismo, a síndrome de Asperger e transtorno invasivo do
desenvolvimento não especificado. Transtorno de Rett e transtorno desintegrativo da
infância foram removidos da seção. Os critérios de diagnóstico para o TEA foram
reduzidos de três para dois domínios de sintomas centrais: déficits de comunicação
social e interação social e comportamento, interesses e atividades restritos e
repetitivos.
 Leve: asperger e autismo de alto funcionamento ou rendimento.
 Moderada: marcada incapacidade de comunicação e com interesses muito
restritivos.
 Grave: severa incapacidade de qualquer flexibilidade social ou comunicação.
Transtorno de desenvolvimento intelectual: no DSM- 5, o termo deficiência
intelectual substitui o termo retardo mental do DSM-IV (a próxima revisão do CID
propõe, por sua vez, utilizar o termo “transtornos do desenvolvimento intelectual”).
Os critérios para Deficiência Intelectual enfatizam que, além da avaliação cognitiva é
fundamental avaliar a capacidade funcional adaptativa.
TRANSTORNOS NEUROCOGNITIVOS:

Você também pode gostar