Você está na página 1de 8

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE

UNINORTE

LAUREATE INTERNACIONAL UNIVERSITIES

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO – ADN0101/ADN01S1

EMERSON CUNHA PEIXOTO


LUISA GABRIELLE TORRES CARDOSO
LUCAS OLIVEIRA DOS SANTOS
THAYNA APARECIDA VIEIRA DO AMARAL

FUNDAMENTOS DA ADMNISTRAÇÃO
O MARKETING NAS ORGANIZAÇÕES.

Manaus, Amazonas
01/10/2018
FUNDAMENTOS DA ADMNISTRAÇÃO
O MARKETING NAS ORGANIZAÇÕES.

Trabalho apresentado ao Centro Universitário do


Norte/ Laureate como pré-requisito para obtenção de
nota para a disciplina FUNDAMENTOS DA
ADMNISTRAÇÃO.
Orientador: Prof(a). Anne Marcelle Guimarães Sales

Manaus, Amazonas
2018
Seth Godin em seu livro “A Vaca Roxa: Como tranformar
sua empresa e ganhar o jogo fazendo o inusitado”

Em um mundo saturado de informação, somente o que for excepcional e incrível


tem alguma chance de se tornar conhecido, comentado e lucrativo. Seth Godin em
seu livro “A Vaca Roxa: Como tranformar sua empresa e ganhar o jogo fazendo o
inusitado” tenta nos passar que fazendo apenas o básico, nos torna “vacas
marrons” no mundo coorporativo dos negócios. Ser um vaca roxa é ser notável!
Não jogar de acordo com as regras é fundamental na visão do autor, ele cita
Starbucks, Amazon, Google e HBO, empresas que oferecem serviços que já
existiam mais de uma forma surpreendentemente inovadora. Não seguir o comum
é o motivo para que essas empresas sejam vistas como as “vacas roxas” no seu
ramo.
Sair da zona de conforto é imprecíndivel. Para Godin, Muitas pessoas não
arriscam algo novo, deixando boas oportunidades e grandes idéias escaparem.
Ele nos incentiva afirmando que arriscar é o mais seguro e é o que nos motiva a
fazer coisas verdadeiramente incríveis.
A vaca é rara porque as pessoas tem medo de se arriscar.Desde pequenos somos
moldados a fazer tudo de modo seguro, de acordo com as regras, evitando o
fracasso. Apenas seguindo ideias que já surgiram.
Godin afirma que se olharmos bem o voo dos pássaros, veremos que, de tempos
em tempos, um dos que está atrás dá a volta, voa para frente e começa a guiar o
grupo, dando a oportunidade do líder anterior ir para trás e voar com mais calma.
Ele quis fazer uma comparação entre a organização dos pássaros e as relações
de concorrência existentes no mercado.
Portanto, podemos dizer que a maior atribuição do marketing é fazer algo jamais
visto, arriscar-se em construir algo notável, procurando sempre as melhorias
necessárias e criar um produto não pra atingir a massa, mas um público
específico. Ser uma vaca roxa é uma questão de sobrevivência.
Philip Kotler e seu conceito de Marketing.
Na Administração, o marketing é a parte mais importante da comunicação interna
de uma empresa, onde se desenvolvem um conjunto de atividades de processos
de criação, planejamentos e desenvolvimentos de produtos ou serviços que
satisfazem as necessidades do consumidor. Para Drucker (com Kotler, 2000, p.30)
a meta do marketing é “conhecer e compreender tão bem o cliente que o produto
ou serviço se adapte a ele e se venda por si só”. Para entendermos melhor o
marketing é o grupo de ferramentas que se utiliza para desenvolver a oferta de
bens e serviços objetivando o retorno necessário sustentado da organização.

Conceito

Kotler (2000) organiza o conceito de marketing segundo sua função social e


gerencial.
No âmbito social Kotler (2000,p.30) define o marketing como “um processo social
por meio do qual pessoas e grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e
o que desejam com a criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de
valor com outros”.
No âmbito gerencial a American Marketing Association (com Kotler, 200,p30)
define a administração de marketing como “o processo de planejar e executar a
concepção, a determinação do preço, a promoção e a distribuição de ideias, bens
e serviços para criar trocas que satisfaçam metas individuais e organizacionais”.
Segundo Kotler, a palavra que resume o Marketing é o “posicionamento” onde é “a
ação de projetar o produto e a imagem da organização com o fim de ocupar uma
posição diferenciada na escolha do seu público alvo”. Então, veremos o
posicionamento do marketing ligado aos conjuntos 4P’s e 4C’s, Os 4P’s foi
formulado pelo professor Jerome McCarthy que dizem respeito aos 4 pilares que
sustentam uma estratégia de marketing de uma empresa, são eles:
Produto: refere-se a uma séria de aspectos relacionados ao estudo e ao
desenvolvimento de um produto ou de um serviço;
Preço: abrange todas as escolhas operacionais do preço em função dos objetivos
estratégicos;
Praça: inerente as escolhas dos canais de distribuições indicados nas estratégicas
de marketing;
Promoção: refere-se as atividade de promoção, incluindo publicidade, anúncios
patrocinados, marketing direto e etc.
Agora veremos os 4P’s junto com 4C’s (Cliente, custo, comunicação e
conveniência) criado por Robert Lauterbom que segundo ele o mais importante
além de ter produtos e serviços é ter clientes para satisfaze-los.
4P’s 4C’s:
Produto= consumidor (necessidades e desejos);
Preço= custo para o consumidor;
Praça= conveniência;
Promoção= comunicação.
Esses conceitos estão ajudando os profissionais a olharem para o mesmo
composto, mas se colocando como cliente.
O que é posicionamento de marketing, segundo Al Ries?

Estudar marketing e comunicação é essencial para todos os gestores de negócio


ou empreendedores. Afinal, é o uso de suas técnicas e teorias que possibilita um
maior conhecimento do mercado e garante o crescimento das vendas. E isso é o
objetivo de qualquer empresa criada, independentemente de sua área de atuação
ou tamanho.
Todo gestor e empreendedor deseja que sua marca e produto superem suas
expectativas e ganhe mercados consumidores cada vez maiores, aumentando
a lucratividade e a longevidade da empresa como um todo.Mas assim que se
começa a estudar ou a ler a respeito de marketing e todas as suas estratégias
para aumentar a visibilidade de um negócio e os resultados financeiros, a palavra
posicionamento aparece como sendo o centro de todas as atenções. Para quem
ainda não tem muita intimidade, muitas dúvidas acabam surgindo, e podem haver
confusões a respeito do que ele significa, o que representa e mais, como pode ser
colocado em prática.

De forma geral, podemos dizer que segundo Al Ries, o “posicionamento não é


algo que você faz com seu produto ou empresa, mas sim uma mudança
conquistada na mente do seu consumidor”.Isto é, pouco se pensava no
produto como algo que pode ir além do seu sentido prático. Uma boa bebida, por
exemplo, era aquela que matava a sede, refrescava no calor, era saborosa de
alguma forma especial e, quem sabe, tinha um custo mais baixo do que as
concorrentes.Hoje em dia, depois do conceito de posicionamento, raramente
vemos algum anúncio ou qualquer comunicação feita desta forma. Basta uma
simples olhada na publicidade de refrigerantes. Estas bebidas são o diferencial
para quem quer fazer o bem, levam você além, ou ainda se mostram como a
opção de escolha de quem tem certeza onde quer chegar.Esta forma de
comunicação, portanto, é algo mais subjetivo, e conquista um lugar cativo na
mente e no coração dos consumidores. O produto ou o serviço em si deixa de ser
somente algo físico e concreto e passa a ter um significado maior do que ele
realmente é.Ou seja, aquele que conseguir oferecer ao seu consumidor um valor a
mais do que a solução que ele atende ganha um espaço cativo. E de nada adianta
tentar dividir o mesmo espaço com outras marcas. Uma marca que conquista o
lugar de mais conectada ao público jovem, por exemplo, dificilmente vai ser
retirada deste patamar, e não adianta os concorrentes tentarem somente entrar
nesta abordagem, com uma comunicação que fala algo como “meu produto
também fala com o jovem”.

Podemos dizer, portanto, que para o autor, o posicionamento não é apenas uma
estratégia de marketing, mas sim de comunicação, e que precisa ser integrada
para funcionar. O segredo é encontrar em um mercado competitivo e cheio de
produtos semelhantes um local completamente único dentro do pensamento e do
sentimento do consumidor ideal.Além disso, é preciso fazer uma manutenção
constante deste posicionamento, através de campanhas publicitárias, interação
com consumidor, comunicação em diferentes meios, embalagens e claro, também
no ponto de venda e em cada uma das ações utilizadas para aumentar as vendas.
O modo como observamos o Marketing inserido no
cotidiano.

Geralmente quando vamos a um restaurante,boteco,rede de fast-foods, sempre


existem aqueles cardápios onde se adota um nome para a comida ou bebida ali
vendida.

Isto é uma estratégia de Marketing muito comum e eficácia para a rede de


restaurantes,fast-foods,etc.

Pois a familiriazação entre nome,produto e necessidade de consumo te induz


a ter uma perspicácia do produto consumido, ou a estratégia de voltar a consumir
devido estar familiarizado com o produto e com seu nome.

Exemplo de um “nome produto” de uma rede fast-food.

O lanche se chama “VINGADOR”, neste produto citado, além de sua aparência


gigantesca, esse lanche vem incluso batata frita, mais um refil de refrigerante de
500ml, a venda casada com a batata e o refrigerante engloba o sentido “fictissio”
do nome do produto.

A condição de necessidade de consumo, atrelado com bom atendimento,


qualidade de produto, te seduz para o mercado, você irá se fidelizar ao
estabelimeto devido os teus sentidos “consumidores”, estarem satisfeitos e
principalmente fidelizados com os bons serviços prestados para as tuas
necessidades.

Clientes fiéis, que têm boas experiências com uma marca, são verdadeiros porta-
vozes da mesma na rede. Ter uma legião de fãs, dá à marca maior poder de
atração e conversão. E, uma boa recomendação, vale mais que muita propaganda
por aí!

Neste caso, notamos claramente a teoria de posicionamento de marketing


segundo Al Ries.

“Posicionamento não é algo que você faz com seu produto ou empresa, mas
sim uma mudança conquistada na mente do seu consumidor”.
Atribuições de outros departamentos inseridos no
Marketing.

Uma marca bem posicionada no mercado é aquela que tem toda a organização
focada e trabalhando em prol do mesmo objetivo. Produtos e serviços alinhados
às necessidades dos clientes, departamentos de atendimento integrados com
vendas, logística e marketing, inteligência de mercado trabalhando em conjunto
com marketing, etc. Além de atrair mais clientes, isso impacta diretamente na
percepção do valor da marca pelos mesmos. Equipes alinhadas conseguem
trabalhar com mais agilidade e oferecer melhores serviços, que por sua vez
conseguem atrair e reter clientes. Logo, a fidelização pode ser considerada um
benefício direto e um dos mais proeminentes do marketing.

A diferença é que essa estratégia não se restringe ao departamento de marketing,


ou seja, combina diferentes ferramentas do setor com as de outras áreas. A
qualidade da experiência do cliente em todo os pontos de contato que ele tem com
a empresa (atendimento via SAC, redes sociais, email, recebimento do produto,
navegação pelo site, etc) é o que constrói hoje, sua real percepção da marca. E
falhas nesses canais podem impactar negativamente essa percepção.

Por meio do envolvimento multicanal, a empresa é capaz de ter uma visão


integrada dos consumidores e atendê-los melhor. Essa integração melhora não só
os pontos de contato com os clientes, mas ajuda a detectar oportunidades de
negócio, que servem para as estratégias futuras. O ideal é que todos os fatores de
rejeição do cliente sejam estudados e que a equipe trabalhe para solucionar essas
questões com agilidade, o que só é possível quando há integração.

Para essa integração de departametos entrar em prática, é preciso, em primeiro


lugar, criar uma cultura interna voltada à cooperação entre os setores. Isso quer
dizer que a empresa precisa trabalhar uma comunicação forte entre os
colaboradores, provendo também os canais para que todos tenham acesso.
Sistemas de logística, produção, gestão empresarial e de gerenciamento de
clientes devem estar integrados. Depois, é fundamental trabalhar o
relacionamento com o cliente em todos os pontos de contato dele com a marca.
Aqui, estamos falando de SAC e, claro, das redes sociais. Elas são hoje o
principal ponto de contato entre o cliente e a empresa. E é por isso que ter uma
estratégia para esses canais é tão importante.

É necessário utilizar bancos de dados de marketing para poder acessar


informações dos consumidores e, a partir de uma análise, construir as estratégias
para se comunicar com eles. Além disso, é preciso treinar a equipe para que ela
atue em conjunto e melhore os serviços oferecidos a partir dos insights que
provêm dos dados.
REFERÊNCIAS BIBIOGRÁFICAS

Administração de Marketing - 14ª Ed. 2012


Kotler, Philip / Keller,Kevin Lane

Marketing 4.0 – Ed.2010


Kotler, Philip; Kartajaya,Hermawan; Kotler,Philip; Iwan Setiawan - Sextante (Edição
Digital)

Vaca Roxa – Como transformar sua empresa e ganhar o jogo


fazendo o inusitado. Ed. 2003 ( Seth Godin )

Posicionamento: A Batalha por Sua Mente ED . 2009 (AL RIES


& JACK TROUT )