Você está na página 1de 2

12/02/2019 Lúcifer - Ocultura

AstrumArgentum.org.br Ocultura.org.b
Autenticar-se   

PáginaDiscussãoVer código-fonteHistórico
Navegação

Fórum thelêmico Lúcifer


Página principal Até 100% de bolsa* com Enem
Portal comunitário Entre na Estácio com a nota do Enem! Quanto maior a nota, melhor INSCREVER-SE
o desconto. Estácio
Eventos atuais
Mudanças recentes Lúcifer (em hebraico, heilel ben-shachar, ‫ ;הילל בן שחר‬em grego na Septuaginta, heosphoros) representa a estrela da manhã (a estrela matutina),
a estrela D'Alva, o planeta Vênus, mas também foi o nome dado ao anjo caído, da ordem dos Querubins, como descrito no texto Bíblico do Livro de
Página aleatória
Ezequiel, no capítulo 28. Nos dias de hoje, numa nova interpretação da palavra, o chamam de Diabo (caluniador, acusador), ou Satã (cuja origem
Ajuda é o hebraico Shai'tan, que significa simplesmente adversário). Atualmente discute-se a probabilidade de Lucifer ter sido um Rei Assírio da
Babilonia.
Busca

Tabela de conteúdo
Ir Buscar
1 Origem
2 Significado
Ferramentas 3 Hebraísmo / Judaísmo
4 Conceito da Igreja Católica
Páginas afluentes 5 A visão teosófica
Alterações relacionadas 6 Outras opiniões
7 Links externos
Páginas especiais
Versão para impressão
Link permanente Origem

Até o século IV da era Cristã, o nome Lúcifer era um nome como outro qualquer e não tinha nada de diabólico. A prova mais eloqüente disto é que
houve, no século IV, até um bispo católico chamado Lúcifer de Cagliari. Este Bispo brigou com o Papa, pois o Papa, para agradar ao imperador
Constantino, estava voltando a aceitar a doutrina do Bispo Arius, segundo a qual Jesus seria uma criatura de Deus e não da mesma substância que
Deus (ou seja negando a Santíssima Trindade). A doutrina do Bispo de Arius já havia sido banida pelo Concílio de Nicéia.

O Bispo Lúcifer de Cagliari foi muito agressivo em sua condenação ao Papa. De fato o conflito foi longo.

S. Jerônimo não gostava da intransigência nem das opiniões do Bispo Lúcifer de Cagliari e seus seguidores. S. Jerônimo inclusive escreveu um livro
criticando detalhadamente tais opiniões.

Pouco depois, quando S. Jerônimo traduziu a Bíblia do Grego para o Latim, ao traduzir Isaias 14, S. Jerônimo tradiziu "Estrela da Manhã" por
Lúcifer (Lúcifer em Latim realmente quer dizer "Estrela da Manhã").

Note que a expressão "Estrela da Manhã" é usada na Bíblia várias vezes para indicar Grandeza, Grandiosidade. Em Apocalipse, a expressão "Estrela
da Manhã" é usada duas vezes para designar Jesus. Em Isaias 14, a expressão "Estrela da Manhã" é usada como adjetivo para o rei da Babilônia (um
homem, não um espirito). Mas S. Jerônimo escolheu usar a palavra Lúcifer, como tradução de "Estrela da Manhã" neste único ponto: em Isaias
14,12. Em todos os outros pontos S. Jerônimo usou a expressão composta "Estrela da manhã", em Latim.

Por isso, todas as traduções da Bíblia baseadas na tradução de S. Jerônimo têm uma única ocorrência da palavra Lúcifer e é precisamente em
Isaias 14. As Bíblas que não são baseadas na tradução de S. Jerônimo simplesmente não tem a palavra Lúcifer.

Pouco depois da tradução da Bíblia por S. Jerônimo, Santo Agostinho criou a fábula da revolta dos anjos contra Deus. E pouco depois, no século V,
início da Idade Média, o nome Lúcifer passou a ser o nome do anjo chefe de tal rebelião. A fábula da revolta dos anjos contra Deus se tornou tão
popular que muitas pessoas acreditam que ela está na Bíblia, mas na realidade não está.

Antes de Santo Agostinho, a única menção a anjos caídos era no Livro de Enoch (que não é parte da Bíblia). Este livro conta a estória de 200 anjos
que tendo se apaixonado por mulheres comuns escolheram VOLUNTARIAMENTE abandonar os Céus e descer à Terra para serem seus maridos. Deus
não aprovou a decisão deles, enviou cinco Arcanjos que os localizaram e os prenderam em lugares remotos da Terra, onde esperam o julgamento
no fim dos tempos. O Livro de Enoch foi escrito no século II (dois) antes de Cristo, e há evidências (por exemplo, Epístola de São Judas e Segunda
Epístola de São Pedro) que os Apóstolos e os chamados Pais da Igreja Católica conheciam este livro (ou, pelo menos, a estória contida nele). No
Livro de Enoch também NÃO aparece o nome Lúcifer nem Heilel (o correpondente em hebraico de Lúcifer).

Além disto, algumas pessoas citam Ezequiel 28 como sendo relativo a Lucifer, mas não há fundamento para isto. Ezequiel 28 é uma repreensão
feita por Deus ao rei de Tyro (um homem, não um espirito). Não há nada que ligue este texto ao nome de Lúcifer, nem mesmo o uso da expressão
"Estrela da Manhã".

Significado

O nome Lúcifer ocorre uma vez nas Escrituras Sagradas e apenas em algumas Traduções da Bíblia em língua portuguesa. Por exemplo, a tradução
de Figueiredo verte Isaías 14:12: "Como caíste do céu, ó Lúcifer, tu que ao ponto do dia parecias tão brilhante?"

Lúcifer (do latim Lux fero, portador da Luz, em hebraico, heilel ben-shahar, ‫ ;הילל בן שחר‬em grego na Septuaginta, heosphoros) significa o que
leva a luz', representando a estrela da manhã, o planeta vênus, que é visível antes do alvorecer. A designação descritiva de Isaias 14:4, 12,
provém duma raiz que significa “brilhar” (Jó 29:3), e aplicava-se a uma metáfora aplicada aos excessos de um “rei de Babilônia”, não a uma
entidade em si, como afirma o pesquisador iconográfico Luther Link "Isaías não estava falando do Diabo.Usando imagens possivelmente retiradas
de um antigo mito cananeu, Isaías referia-se aos excessos de um ambicioso rei babilônico".

A expressão hebraica (heilel ben-shahar) é traduzida como “o que brilha”, nas versões NM, MC, So. A tradução “Lúcifer” (portador de luz), (Fi,
BMD) deriva da Vulgata latina de Jerônimo e isso explica a ocorrência desse termo em diversas versões da Bíblia.

Mas alguns argumentam que Lúcifer seja satanás e por isso, também foi o nome dado ao anjo caído, da ordem dos Arcanjos. Assim, muitos nos
dias de hoje, numa nova interpretação da palavra, o chamam de Diabo (caluniador, acusador), ou Satã (cuja origem é o hebraico Shai'tan,
Adversário).

Hebraísmo / Judaísmo

Os judeus o chamam de heilel ben-shachar, onde heilel significa Vênus e ben-shachar significa "o luminoso, filho da manhã". Alguns judeus
interpretam Lúcifer como uma referência bíblica a um rei babilônico. Mais tarde a tradição judaica elaborou a queda dos anjos sob a liderança de
Samhazai, vindo daí a mesma tradição dos padres da Igreja.

Conceito da Igreja Católica

http://www.ocultura.org.br/index.php/L%C3%BAcifer 1/3
12/02/2019 Lúcifer - Ocultura
Segundo a igreja católica, Lúcifer era o mais forte e o mais belo de todos os Arcanjos. Então, Deus lhe deu uma posição de destaque entre todos
os seus auxiliares. Segundo a mesma, ele se tornou orgulhoso de seu poder, que não aceitava servir a uma criação de Deus,"O Homem",e revoltou-
se contra o Altíssimo. O Arcanjo Miguel liderou as hostes de Deus na luta contra Lúcifer e suas legiões de anjos corrompidos; já os anjos leais a
Deus o derrotaram e o expulsaram do céu, juntamente com seus seguidores. Desde então, o mundo vive esta guerra eterna entre Deus e o Diabo;
de seu lado Lúcifer e suas legiões tentam corromper a mais magnífica das criaturas mortais feitas por Deus, o homem; do outro lado Deus, os
anjos, arcanjos, querubins e Santos travam batalhas diárias contra as forças do Mal (personificado em Lúcifer). Que maior vitória obteria o
Anticristo frente a Deus do que corromper e condenar as almas dos humanos aos infernos, sua morada verdadeira?

A aparência de Lúcifer pode variar; acredita-se que ele (chamado agora de Diabo), pode assumir
a forma que desejar, podendo passar-se por qualquer pessoa. Seu aspecto físico criado pela
Igreja em seus primeiros séculos (e posteriormente herdado pelas várias religiões cristãs) fora
copiado de várias entidades das mitologias e religiões de diferentes povos antigos (não
exatamente ligadas a maldade); Seu reino, os Infernos, sofreu infuência do Tártaro da mitologia
grega, morada de Hades, local para onde iam as almas dos mortos, cuja porta de entrada era
guardada por Cérbero, o Cão de três cabeças; seus chifres eram de Pam , uma entidade grega
protetora da natureza; sua fama de representar uma força eternamente em conflito com Deus
veio do Zoroastrismo. Ainda encontramos coincidências com as crenças dos antigos Egipcios,
quando se acreditava que o Deus Anubis (o Chacal) carregaria a alma dos mortos cujo coração ao
ser pesado numa balança, seria mais pesado que uma pluma.

Durante a " baixa Idade Média",entretanto, que o "Anjo Decaído" ganhou a hedionda aparência
com a qual o conhecemos hoje; asas de morcego, pés de bode, olhos de fogo, chifres enormes na
cabeça, olhar aterrorizante, etc. A idade das trevas fora um momento fértil para a propagação
nas crenças nas ações de forças demoníacas agindo sobre o mundo. Os milhões de mortos nas
epidemias de peste negra vieram, juntamente com a ocorrência de guerras sangrentas, de que "o
Anticristo estaria atuando no mundo". Foi aí que Lúcifer passou a representar a personificação do
mal da forma mais intensa e poderosa que conhecemos hoje. Surge a crença de que para cada
ser humano vivo na Terra, Lúcifer criou um Demônio particular, encarregado de corromper aquele
indivíduo; já Deus, não poderia deixar por menos, e criou para cada ser humano um "Anjo da
Guarda" ao qual incumbia da missão de proteger e zelar pela alma daquela pessoa.

Interessante observar que o próprio Jesus Cristo é a estrela da manhã que ilumina até o fim dos A queda de Lucifer, Ilustação de Gustave Doré
para o livro O Paraíso Perdido de John Milton.
tempos toda escuridão(trevas), como em Apocalipse 22:16 onde está escrito: "Eu, Jesus,enviei o
meu anjo.Ele atestou para vocês todas essas coisas a respeito das Igrejas. Eu sou a raiz e o
descendente de Davi, sou a estrela radiosa da manhã.". Assim como em II Pedro 1,19 que diz: "E
temos, mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumina em lugar escuro, até que o dia
amanheça, e a estrela D'alva apareça em vossos corações.".

A palavra Lúcifer significa "o portador da luz" ou "o portador do archote" (a palavra tem sua origem no latim, lux ou lucis com o significado de
"luz"; ferre com o significado de "carregar"). Ou seja, de acordo com a origem, seu significado é "aquele que carrega a luz". Apesar de Satanás ser
originalmente conhecido como Lúcifer, perdeu seu posto ao desejar subir a alturas acima de Deus e de Seu Ungido (Jesus Cristo).

A visão teosófica

Corroborando outras opiniões, o Glossário Teosófico de Helena Blavatsky diz que Lúcifer é a Estrela da Manhã, o planeta Vênus, e literalmente a
palavra significa O Portador da Luz. Rejeita a atribuição a Lúcifer dos defeitos do orgulho e da arrogância que o cristianismo lhe imputou, nem diz
que ele é a origem do mal e tampouco o identifica com o diabo e similares, que considera produtos apenas da imaginação humana sem existência
autônoma real. Blavatsky faz notar, como já foi dito acima, que o próprio Cristo, no Apocalipse (cap. XX, 16) chama a si mesmo de "Estrela da
Manhã".

Mas o nome também esconde uma multiplicidade de significados alegóricos, dos quais talvez o mais importante é sua identificação com Manas, a
Mente dual, a inteligência espiritual que habita em todos os homens, que tanto condescende voluntariamente em cair na matéria como é o agente
que foge por si mesmo da animalidade e resgata-se para uma vida superior, sendo ao mesmo tempo o Tentador e o verdadeiro Redentor interno de
cada um.

Outras opiniões

Muitos exegetas afirmam que não existe fundamentação bíblica para identificar Lúcifer como o Satã tentador. Esta confusão com Satã foi
ocasionada por uma má interpretação de Isaías 14:12-15: "Como caíste desde o céu, ó estrela da manhã, filha da alva! Como foste cortado por
terra, tu que debilitavas as nações! E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte
da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás
ao (Seol) inferno, ao mais profundo do abismo.".

Esta interpretação é geralmente atribuida a São Jerônimo, que ao traduzir a Vulgata atribuiu
Lúcifer ao anjo caído, a serpente tentadora das religiões antigas, embora antes dele esta
interpretação não existisse. Oficialmente a Igreja não atribui a Lúcifer o papel de Diabo, mas
apenas o estado de "caído" (Petavius, De Angelis, III, iii, 4).

Por exemplo, a enciclopédia Estudo Perspicaz das Escrituras, vol.1, pág, 379, explica que “o
termo “brilhante”, ou “Lúcifer”, é encontrado na “expressão proverbial contra o rei de
Babilônia” que Isaías mandou profeticamente que os israelitas proferissem. De modo que faz
parte duma expressão dirigida à dinastia babilônica.

Que o termo “brilhante” é usado para descrever um homem e não uma criatura espiritual é
notado adicionalmente na declaração: “No Seol serás precipitado.” Seol é a sepultura comum da
humanidade — não um lugar ocupado por Satanás, o Diabo. Além disso, os que vêem Lúcifer
levado a essa condição perguntam: “É este o homem que agitava a terra?” É evidente que
“Lúcifer” se refere a um humano, não a uma criatura espiritual. — Isaías 14:4, 15, 16.”

Por que se dá tal ilustre descrição à dinastia babilônica? Temos de dar-nos conta de que o rei de
Babilônia seria chamado de brilhante apenas depois da sua queda e de forma escarnecedora.
(Isaías 14:3)

O orgulho egoísta induziu os reis de Babilônia a se elevarem acima dos em sua volta. A arrogância
da dinastia era tão grande, que ela é retratada fazendo a seguinte declaração jactanciosa:
“Subirei aos céus. Enaltecerei o meu trono acima das estrelas de Deus e assentar-me-ei no
monte de reunião, nas partes mais remotas do norte. . . . Assemelhar-me-ei ao Altíssimo.” —
Isaías 14:13, 14.

As “estrelas de Deus” são os reis da linhagem real de Davi. (Números 24:17) A partir de Davi,
essas “estrelas” governavam desde o Monte Sião, e com o tempo, o nome Sião passou a ser
aplicado a toda a cidade. Por decidir subjugar os reis judeus e depois removê-los daquele monte,
Jerusalém, Nabucodonosor declara sua intenção de se colocar acima dessas “estrelas”. Em vez de
atribuir a Deus o mérito dessa vitória sobre eles, coloca-se arrogantemente no lugar Dele. Imagem de Lúcifer na catedral Saint-Paul de
Portanto, é depois da sua queda que a dinastia babilônica é chamada zombeteiramente de Liège, na Bélgica.
“brilhante”.

Com certeza a arrogância dos governantes babilônicos realmente refletia a atitude de Satanás, o Diabo também chamado de o “deus deste
sistema de coisas” ou o “deus deste mundo”.-(2 Coríntios 4:4)

“Satanás também anseia ter poder e deseja colocar-se acima de Deus. Mas a Bíblia não atribui claramente o nome Lúcifer a Satanás”.- it-1 379.

Links externos

Satanismo Fatos e Lendas

http://www.ocultura.org.br/index.php/L%C3%BAcifer 2/3