Você está na página 1de 116

Câmpus Ponta Grossa

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADORES
OPERACIONAIS
(AMP OP)
Prof. Dr. Hugo Valadares Siqueira

Especialização em Automação e Controle de


Processos Industriais
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADORES
OPERACIONAIS
 Introdução
 Princípio básico de
funcionamento
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Tópicos analisados

 Histórico

 Aplicações

 Características básicas
• Simbolologia

• Pinagem

• Encapsulamentos

 Princípio de funcionamento
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Histórico

 Década de 40: Amp. Ops. a válvulas


termoiônicas usados em computadores
analógicos

 Década de 60: primeiro Amp Op monolítico


(C.I.) lançado pela Fairchild (EUA)
• 1963: µA-702 (muitos problemas )

• 1965: µA-709 (tecnologia bipolar)

• 1968: µA-741 (tecnologia bipolar)


Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Histórico

 Década 70 – domínio do 741

 Início anos 80 – MOSFET

 Década 80 – Bi-FET
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Aplicações
 A maioria dos amp ops disponíveis possuem
uma pinagem e alimentação padronizada (fácil
substituição)

 Principais fatores de seleção no projeto:


• Ganho em malha aberta

• Largura de banda

• Nível de ruído

• Impedância de entrada

• Consumo de potência
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Aplicações

 Atualmente amplificadores aparecem como


blocos funcionais em circuitos com funções
específicas, como:

• Condicionadores de sinais

• Filtros ativos

• Geradores de função

• Circuitos de chaveamento
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Aplicações

 Aplicações:

• Controle e instrumentação industrial

• Instrumentação nuclear

• Instrumentação médica

• Computadores

• Telecomunicações
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Características básicas

 Simbologia
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Características básicas
 Codificação
• Identificação por um código alfanumérico – PIN
(Part Identification Number)

• Identifica o fabricante o circuito e o modelo

• Principais fabricantes
Fabricantes Códigos
Fairchild uA 741
National LM 741
Motorola MC 741
RCA CA 741
Texas SN 741
Siemens TBA 741
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Características básicas
 Pinagem
• Normalmente as pinagens de um AmP Op são
padronizadas
• Exemplo: pinagem da família ..741
 1 e 5: balanceamento do AmP Op (ajuste de offset)
 2: entrada inversora
 3: entrada não-inversora
 4: alimentação negativa
 7: alimentação positiva
 6: saída
 8: sem conexão (terra nos encapsulamentos metálicos)
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Características básicas

 Encapsulamentos
• Comumente os encapsulamentos são
metálicos ou de plástico

• Metálico
 Maior dissipação de calor

• Plástico
 Mais comum: DIP (Dual in-line package) de 14 (dois
Amp Op) e 8 pinos
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Características básicas

 Encapsulamentos
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Princípio básico de funcionamento


 Um Amp Op amplifica a diferença de tensão (Vd = V1
– V2) entre os sinais de entrada, apresentando o
seguinte ganho em malha aberta:

A = Vout/Vd

 Em magnitude, o ganho de tensão em malha aberta


está na faixa de 10.000 a 10.000.000.

 A magnitude máxima da tensão de saída de um Amp


Op é chamada de sua tensão de saturação.

– (Vcc – 2V) < Vout < (Vcc – 2V)


Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADORES
OPERACIONAIS
 Circuito Interno Básico
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais
 Circuito Interno
• Depende do tipo de circuito
Características do fabricante
Aplicações específicas
• Depende da tecnologia envolvida
Bipolar
Fet
Bifet
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais
 Circuito Interno
• Basicamente pode ser dividido em três blocos
funcionais:
Estágio de entrada
Estágio intermediário
Estágio de saída

Estágio Estágio Estágio


V1
diferencia de deslocador e acionador de Vo
entrada amplificador saída
V2 intermediário
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais

 Diagrama Interno – modelo didático


• Genérico
• Independente de fabricante e aplicação
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais

 Circuito Interno
• Estágio diferencial de entrada
Formado por um amplificador diferencial (Q1
e Q2) e uma fonte de corrente constante (Q4,
R7 e o diodo zener "Z1").
 A fonte de corrente constante garante a
estabilidade do circuito minimizando o efeito da
temperatura sobre o ponto quiescente de cada
transistor (Q1 e Q2).
A função de Q1 e Q2 é fornecer uma tensão CC
diferencial e amplificada para o estágio
seguinte.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais
• Par diferencial - Funcionamento
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais
 Par diferencial - Funcionamento
• ENTRADA NÃO-INVERSORA: quando V1
aumenta, a corrente no emissor de Q1
aumenta, isso eleva a tensão na
extremidade superior de Re, que equivale a
uma redução em Vbe de Q2, que acarreta
em uma menor corrente nesse transistor,
elevando a tensão de saída (em Q4)
• ENTRADA INVERSORA: Quando V2
aumenta, a corrente de coletor de Q2
aumenta, reduzindo a tensão de saída (em
Q4)
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais

 Circuito Interno
• Estágio Amplificador Intermediário
Representado por "Q3", tem a função de
proporcionar maior ganho de sinal, bem como
ajustar em um referencial "zero" o nível de tensão
CC proveniente do estágio anterior.
Este ajuste é importante para não alterar a
referência de saída do operacional, principalmente
quando em operação com corrente alternada.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais

 Circuito Interno
• Estágio Acionador de Saída
Este estágio deve proporcionar uma baixa
impedância de saída e suficiente corrente para
alimentar a carga especificada para o operacional
Evidente que a impedância de entrada deste
estágio precisa ser alta para não carregar o
estágio anterior
Normalmente, utiliza-se uma configuração do tipo
seguidor de tensão para este estágio (Q5 e Q6) e
para a saída geralmente transistores
complementares, neste exemplo "Q7" e "Q8".
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais

 Símbolo + circuito interno


Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADORES
OPERACIONAIS

 Amp Op Ideal x Amp Op Real


 Modos de Operação
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amp Op Ideal X Amp Op Real

 Propriedades de um Amp Op Ideal

• Ganho de tensão diferencial infinito


• Ganho de tensão de modo comum nulo
• Tensão de saída nula para tensão de entrada igual a
zero
• Impedância de entrada infinita
• Impedância de saída igual a zero
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amp Op Ideal X Amp Op Real

 Propriedades de um Amp Op Ideal


• Deslocamento de fase igual a zero
• Deriva da tensão de saída nula para variações de
temperatura

 OBS.: Na prática as limitações dos amplificadores


operacionais são muitas, ocorrendo, entretanto, um
contínuo aperfeiçoamento das suas características
pelos seus respectivos fabricantes.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amp Op Ideal X Amp Op Real


 Propriedades de um Amp Op Real
•Ganho de tensão diferencial: Normalmente chamado
de ganho de malha aberta. É definido como a relação
da variação da tensão de saída para uma dada variação
da tensão de entrada. Este parâmetro, denotado por A
ou Av, tem seus valores reais que vão desde alguns
milhares até cerca de cem milhões em amplificadores
operacionais sofisticados.

𝑉𝑜𝑢𝑡
𝐴𝑉 =
𝑉1 − 𝑉2
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amp Op Ideal X Amp Op Real


 Propriedades de um Amp Op Real
•Tensão de Compensação (offset) de saída - A saída de
um amplificador operacional ideal é nula quando suas
entradas estão em curto circuito. Nos amplificadores reais,
devido principalmente a um casamento imperfeito dos
dispositivos de entrada, normalmente diferencial, a saída do
amplificador operacional pode ser diferente de zero quando
ambas entradas estão no potencial zero. Significa dizer que
há uma tensão C.C. equivalente, na entrada, chamada de
tensão de "offset". Os componentes comerciais são
normalmente dotados de entradas para ajuste da tensão de
"offset".

• Fatores Principais
 Diferenças nos Valores de Vbe
 Diferenças nas Correntes de base
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amp Op Ideal X Amp Op Real

 Propriedades de um Amp Op Real


•Corrente de compensação (Offset) de entrada – As
correntes de base IB1 e IB2 circulam através dos resistores
da base de um amplificador diferencial. A corrente de
compensação (Offset) de entrada é definida como a
diferença entre as correntes de base.

•Algebricamente: I in ( off )  I B1  I B 2
•A diferença nas correntes de base indica o quanto são
próximas as características dos dois transistores.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amp Op Ideal X Amp Op Real

 Propriedades de um Amp Op Real


• Ganho de modo comum: É, em condições normais,
é extremamente pequeno.

Vd  0V  Vout  0V
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amp Op Ideal X Amp Op Real

 Propriedades de um Amp Op Real


• CMRR – Razão de Rejeição de Modo Comum
 Definição: razão do ganho de tensão diferencial
(Av) pelo ganho de tensão de modo comum
(Acm).

 Algebricamente:

AV
CMRR 
Acm
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amp Op Ideal X Amp Op Real

 Propriedades de um Amp Op Real


• As folhas de dados geralmente expressam a CMRR
em decibéis.

CMRR em decibéis → CMRR` = 20 log CMRR

• Exemplo 2: Pesquisando em um datasheet você


encontra que a CMRR’ de um dado amplificador é de
49,5 dB e seu ganho em malha aberta é de 150.000.
Encontre o ganho em modo comum do amplificador.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Modos de Operação do Amp Op


• Sem Realimentação
• Também denominado de operação em malha aberta.
• O ganho do Amp Op é estipulado pelo próprio fabricante,
ou seja, não se tem o controle sobre o mesmo.

• Este circuito é muito útil quando em circuitos


comparadores.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Modos de Operação do Amp Op

 Sem Realimentação
• COMPARADORES: um comparador de tensão é um amplificador
operacional de alto ganho ligado de forma a comparar uma tensão
de entrada com uma tensão de referência. A saída estará no nível
alto ou baixo, conforme a tensão de entrada for maior ou menor que
a tensão de referência. O alto ganho do Amp Op em malha aberta
amplifica a entrada diferencial e leva a saída do Amp Op para:

Um valor alto: + Vsat ou um valor baixo: - Vsat

 Matematicamente:
 Vsat , quando vi  0
Vout 
 Vsat , quando vi  0
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Modos de Operação do Amp Op

 Comparadores
• Comparador não-inversor

• Comparador inversor
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Modos de Operação do Amp Op


 Com Realimentação Positiva
• Características:
 Este tipo de operação é denominado operação em
malha fechada
 Saída é reaplicada à entrada não inversora do Amp
Op através de um resistor de realimentação (Rf)
 Conduz o circuito à instabilidade
 Resposta não linear

• Principal Aplicação
 Circuitos osciladores
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Modos de Operação do Amp Op


 Com Realimentação Positiva
• Osciladores:
Num sistema eletrônico, de um modo geral, é
necessário dispor de um oscilador ou de um gerador
de onda. A existência de uma fonte regular de
oscilações é essencial em qualquer instrumento de
medida de acontecimentos cíclicos, em qualquer
instrumento que inicialize medidas ou processos e
em qualquer instrumento que envolva fenômenos
periódicos. Por exemplo, osciladores ou geradores
de ondas são usados em multímetros digitais,
osciloscópios, rádios, computadores e quase todos
os periféricos de computadores.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Modos de Operação do Amp Op


 Com Realimentação Negativa
• Este tipo de operação é o mais importante em circuitos
com Amp Ops, pois abrange a grande maioria das
aplicações envolvendo amplificadores operacionais.
• Características:
 Também denominado de operação em malha fechada
 Saída é reaplicada à entrada inversora do Amp Op através de
um resistor de realimentação (R2)
 Resposta linear
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADORES
OPERACIONAIS

 Realimentação Negativa
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Modos de Operação do Amp Op


 Com Realimentação Negativa
• Principais Aplicações
 Amplificador não-inversor
 Amplificador inversor
 Soma
 Amplificador diferencial
 Filtros Ativos
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Amplificadores Operacionais
 Circuito com Realimentação Negativa (RN)

 Diagrama de blocos para o Amp. Op. com RN


Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa

 Analisando o diagrama

𝑉𝑑 = 𝑉𝑖 -𝑉𝑓 (1)

𝑉𝑜
𝑉𝑑 = (2)
𝐴

𝑉𝑓 =B𝑉𝑜 (3)
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa

• Substituindo a
equação (2) na 𝑉0
= 𝑉𝑖 − 𝑉𝑓 (4)
equação (1) temos: 𝐴

• Substituindo a 𝑉0
equação (3) na = 𝑉𝑖 − 𝐵𝑉0 (5)
𝐴
equação (4) temos:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa
 Rearranjando a equação (5):

𝑉0 𝐴 (6)
=
𝑉𝑖 1 + 𝐵. 𝐴
 A divisão (Vo/Vi) passa a ser denominada de
“ganho de tensão em malha fechada” (Avf):

𝐴
𝐴𝑣𝑓 = (6)
1 + 𝐵. 𝐴
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa
 Simplificando a equação (7) para ganho de
malha aberta tendendo ao infinito:
1
𝐴𝑣𝑓 = (8)
𝐵

 O que a equação (8) comprova?


• Ganho de tensão em malha fechada é controlado
pelo....?

... circuito de realimentação negativa


Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADORES
OPERACIONAIS
Conceitos importantes
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa
 Curto-Circuito Virtual
• A natureza virtual deste curto-circuito deve-se à
coexistência de uma igualdade entre tensões sem
ligação física entre terminais.
• Explicando:
 Considerando o ganho A infinito temos que pela equação de
ganho de malha aberta:

𝑉0 →
𝑉0
𝐴= 𝑉+ − 𝑉− = ≅0
(𝑉+ − 𝑉− ) 𝐴 Pois: A → ∞ e
Vo é finito
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa

 Curto-Circuito Virtual
• Desta forma podemos notar que teremos uma tensão
de entrada V- igual (tendendo) ao valor de tensão de
saída.
• Esta técnica nos permite dizer que quanto maior for
A, mais o valor da entrada V+ se aproxima do valor da
entrada V- para valores finitos de Vo.
• Em outras palavras, é como se as entradas inversora
e não inversora estivessem em curto circuito. Por isso
curto circuito virtual.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa
 Terra Virtual
• No caso particular em que a entrada não inversora
estiver conectada diretamente ao terra
• O terminal inversor terá potencial igual a zero em
função do curto-circuito virtual
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa

 Slew-Rate (SR)
• Taxa de subida, taxa de resposta, taxa de giro, etc.
• Definição: taxa máxima de variação da tensão de
saída por unidade de tempo
• Velocidade de resposta do amplificador
 Quanto maior melhor
• Unidade: V/µs
• Exemplos:
 Amp Op 741 SR = 0,5 V/µs
 Amp Op LM 318 SR = 70 V/µs
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa
 Slew-Rate (SR)
• Relação com a frequência máxima do sinal
v0  V p .sent
dv0
SR 
dt máxima

SR  V p .. cos t
t  0

SR  V p .
SR  2. . f .V p
SR
f 
2. .V p
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa
 Slew-Rate (SR)
• Relação com a frequência máxima do sinal
O projetista deve-se ater a este fato
Para um dado SR do dispositivo, os valores de
frequencia e Vpico tem dependência
Possível distorção do sinal – Exemplo de distorção
de sinal senoidal
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa
 Saturação
• Valor fixo de tensão a partir do qual a amplitude do
sinal de saída não aumenta mais seu valor absoluto
• Na prática o nível de saturação ocorre próximo dos
valores de +- Vcc. Exemplo:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa
 Saturação
• Exemplo de sinal senoidal ceifado ()
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa

 Overshoot
• Sobredisparo ou sobrepassagem
• Definição: porcentagem de quanto o nível de
tensão de saída foi ultrapassado durante a
resposta transitória do circuito
• Fenômeno indesejável, principalmente para
sinais de baixo nível
• Algebricamente: Vovs
%Vovs  .100
Vo
• Exemplo:
Amp Op 741 – 5%
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Realimentação Negativa

• Overshoot
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

PARTE 2:
Circuitos Lineares com
Amplificadores
Operacionais
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 São Configurações em que o Amp. Op. é colocado
para trabalhar na região de operação linear, operando
como um amplificador

 Exemplo: no 741 alimentado em +- 15 V a saturação


do dispositivo ocorrerá próximo dos +- 14 V
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


ANÁLISES DE
CIRCUITOS
COM AMP
OPS

APLICAÇÕES AMPLIFICADOR
LINEARES ES IDEAIS

USO DE TEOREMAS JÁ
ESTABELECIDOS:
- LEIS DE KIRCHHOFF
- TEOREMA DA SUPERPOSIÇÃO
- TEOREMA DE THEVENIN
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Amplificador Inversor
• Sinal de saída encontra-se defasado de 180 °
do sinal de entrada
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Equacionamento – Amplificador inversor
• Aplicando LKC ao ponto (nó) a, tem-se:

𝐼1 + 𝐼𝑓 = 𝐼𝑏1
• Supondo o Amp OP ideal tem-se:

𝐼𝑏1=0

• Logo:

𝑉𝑖 −𝑉𝑎 𝑉𝑜 −𝑉𝑎
+ =0
𝑅1 𝑅𝑓
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Equacionamento – Amplificador inversor


• Analisando o ponto a verifica-se um curto virtual com
o ponto b, que neste caso específico é um terra virtual,
ou seja:
Va  0
• Portanto,
vi vo
 0
R1 R f
• Rearranjando a equação acima, o ganho de malha
fechada resulta em: R vo
Avf   
f

vi R1
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Amplificador Inversor
• Pela equação de saída do amplificador inversor
comprova-se a controlabilidade do ganho em malha
fechada pelo circuito de realimentação
• O sinal negativo na equação de saída indica a
defasagem, característica do amplificador inversor
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Amplificador não-inversor
• Sinal de saída em fase com o sinal de entrada

• Configuração básica:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Equacionamento – Amplificador não-inversor


• Nomeando correntes e nós do circuito:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Equacionamento – Amplificador não-inversor


• Aplicando LKC ao ponto (nó) a, tem-se:

𝐼1 + 𝐼𝑓 = 𝐼𝑏1
• Supondo o Amp OP ideal tem-se:

𝐼𝑏1=0

• Logo:
0−𝑉𝑎 𝑉𝑜 −𝑉𝑎
+ =0
𝑅1 𝑅𝑓
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Equacionamento – Amplificador não-inversor


• Analisando o ponto a verifica-se um curto virtual:

Va  Vi
Portanto,
vi V0  Vi
  0
R1 Rf
•Rearranjando a equação acima (isolando
Vo/Vi), tem-se: R vo
Avf   1 
f

vi R1
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

• Exercício - De acordo com a figura abaixo,


determine:
– a) A tensão de saída

– b) Projete um circuito que resulte no mesmo ganho


utilizando um único Amp Op
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


• Solução:
a) estágio 1  vo   R f  vo   10k  vo1  20V
R1 vi
2 1k
vo Rf vo 10k
estágio 2      vo 2  100V
vi R1  20 2k
b)
vi  2V e vo 2  100V
vo 2
Avf   50 ( sem inversão de fase)
vi
Deve ser usado um amplificador não  inversor
Rf Rf Rf
Avf ( nãoinversor )  1   50  1    49
R1 R1 R1
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Seguidor de Tensão (Buffer)


• Caso particular do amplificador não-inversor em
que R1 =  (circuito aberto) e Rf = 0 (curto-
circuito)
• Ganho de Malha Fechada:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Seguidor de Tensão (Buffer)


• Configuração básica:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Seguidor de Tensão (Buffer)


• Características básicas:
 Alta impedância de entrada
 Baixa impedância de saída
 Ganho unitário

• Principais aplicações:
 Isolador de estágios
 Reforçador de corrente
 Casamento de impedâncias
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Seguidor de Tensão (buffer)
• No português pode ser traduzido para amortecedor ou
tampão

• Exemplo de utilidade prática de um seguidor de tensão:

a) carga ligada diretamente à fonte cuja resistência interna


introduz um divisor resistivo

b) carga e fonte intercaladas por um seguidor de tensão


Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Seguidor de Tensão (Buffer)

• Diferença entre os dois circuitos:


 No primeiro caso (a) a tensão na carga é inferior à tensão da
fonte e é a fonte de sinal que fornece potência à carga:

𝑉𝑜 𝑅
= <1
𝑉𝑠 𝑅 + 𝑅𝑠
 No segundo caso (b) é o amplificador que entrega potência à
carga. Como resultado das impedâncias de entrada infinita e
de saída nula do amplificador operacional verifica-se a
seguinte igualdade:
𝑉𝑜 = 𝑉𝑠
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Amplificador Somador
• Dois ou mais sinais de tensão conectados em paralelo à
entrada inversora
• Configuração básica de um somador com três sinais de
entrada
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Exercício 1: Encontre Vo, em relação às
tensões de entrada (v1, v2, v3) para o circuito
abaixo
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Solução:
• Aplicando LKC no nó a:
I b1  I1  I 2  I 3  I f
I1  I 2  I 3  I f  0
I f   ( I1  I 2  I 3 ) (1)

• Aplicando a lei de Ohm e o conceito de terra virtual na


equação (1): v0  ( v1  0  v2  0  v3  0 )
Rf R1 R2 R3
v0 v1 v2 v3
 (   )
Rf R1 R2 R3
v1 v2 v3
v0   R f (   )
R1 R2 R3
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

• Configuração Somador Inversor – Casos


particulares:

• R1 = R2 = R3 = Rf
𝑉0 = −(𝑉1 + 𝑉2 + 𝑉3 )

• R1 = R2 = R3 = 3Rf
𝑉1 + 𝑉2 + 𝑉3
𝑉0 = −
3
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Amplificador Somador Não-Inversor
• Dois ou mais sinais de tensão conectados em paralelo à
entrada não-inversora
• Configuração básica de um somador não-inversor com
três sinais de entrada (v1, v2, v3)
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Somador não-inversor
• Exercício 3: Encontre Vo, em relação às tensões de
entrada (v1, v2, v3) para o seguinte circuito
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Solução:
• Aplicando LKC no nó b:
I b 2  I1  I 2  I 3
(2)
I1  I 2  I 3  0
• Aplicando a lei de Ohm na equação (2):
v1  vb v2  vb v3  vb
  0 (3)
R1 R2 R3
• Isolando Vb e aplicando o conceito de condutância:
v1 v2 v3
  (4)
R1 R2 R3 G1v1  G2 v2  G3v3
vb  
1

1

1 G1  G2  G3
R1 R2 R3
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

• Solução:
Os resistores Rf e R formam um amplificador não-
inversor que, como visto, pode ser dado por:

 Rf 
v0  1  vb
(5)
 R 

Portanto, substituindo a equação (4) na equação (5):


 Rf  G1v1  G2 v2  G3v3
v0  1  
 R  G1  G2  G3
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Caso particular:
•R1 = R2 = R3 e Rf =0
𝑉1 + 𝑉2 + 𝑉3
𝑉0 =
3
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Amplificador Subtrator
• Saída resultante da diferença entre os sinais de entrada aplicados na
entrada inversora
• Diagrama básico de um subtrator:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

 Amplificador Subtrator

•Exercício4: Encontre Vo, em relação às


tensões de entrada (v1 e v2) para o circuito
abaixo
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


 Amplificador Subtrator - Equacionamento
• Aplicando LKC no nó a:

I b1  I1  I f
I1  I f  0 (6)

• Aplicando a lei de Ohm na equação (6):


v1  va v0  va
 0
R1 R2 (7)

• Aplicando o conceito de curto-circuito virtual:


v1  vb v0  vb
 0 (8)
R1 R2
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops

• Amplificador Subtrator - Equacionamento


Aplicando LKC e lei de Ohm no nó b:

v2  vb vb
  Ib2
R1 R2
v2  vb vb
 0 (9)
R1 R2
Isolando vb na equação (9) obtemos:

R2
vb  v2
R1  R2 (10)
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Lineares com Amp Ops


• Amplificador Subtrator - Equacionamento
Substituindo a equação (10) na equação (8):

 R2   R2 
v1   v2 v0   v2
 R1  R2    R1  R2   0
(11)
R1 R2

Isolando vo na equação (11):

(12)
v0 
R2
v2  v1 
R1
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos com Amp Ops :


Diferenciadores e
Integradores
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e Integradores

 Generalidades
• Circuitos de enorme aplicabilidade
• Presença de capacitores (impedâncias capacitivas) nos
circuitos
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e Integradores

 Amplificador Diferenciador
• Saída proporcional à taxa de variação do sinal de entrada
• Diagrama de um diferenciador básico
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e Integradores

 Equacionamento - amplificador diferenciador


ic  i f  ib1
dvi vo  0
C  0
dt Rf
vo dvi dvi
 C  vo   R f C
Rf dt dt
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e Integradores


Exemplo:
Vi Onda triangular simétrica

vi
diferenciador
Vi/Vout vout
vi Onda quadrada
diferenciador
Vi/Vout
vout
Pulsos agudos

Os valores de pico para os sinais de saída são


encontrados pela seguinte relação:
𝑉𝑝𝑝 4 ∗ 𝑉𝑝
𝑉𝑜𝑝 = 𝑅𝑓 ∗ 𝐶 ∗ = 𝑅𝑓 ∗ 𝐶
𝑇 𝑇
2
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e Integradores

• Exemplo: Determine a tensão de saída Vo para o sinal


de entrada ilustrado na figura abaixo, aplicado na entrada de
um diferenciador. Dados Rf=1kΩ e C=1µF

Vi(V) Obs: Encontre o


resultado para 0 a T/4 e
2 T/4 a T/2
T
250 500
T(µs)
-2
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e
Integradores
𝑇
• De 0- :
4
′ 𝟔
𝒅𝑽𝒊 𝟑 −𝟖
𝒕 𝟏𝟎
𝑽𝟎𝒊 = −𝑹𝒑 ∗ 𝑪 ∗ = −𝟏𝟎 ∗ 𝟏𝟎 ∗ = −𝟏𝟎𝟑 ∗ 𝟏𝟎−𝟖 ∗ = −𝟖𝟎𝒎𝑽
𝒅𝒕 𝟏𝟐𝟓 𝟏𝟐𝟓

𝑇 𝑇
• De 𝑎 :
4 2
−𝒕
𝒅 𝟔
𝑽𝟎𝒊= −𝟏𝟎𝟑 ∗ 𝟏𝟎−𝟖 ∗ 𝟏𝟐𝟓 + 𝟒 = −𝟏𝟎𝟑 ∗ 𝟏𝟎−𝟖 ∗ −𝟏𝟎 = 𝟖𝟎𝒎𝑽
𝒅𝒕 𝟏𝟐𝟓
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e
Integradores
• Configuração básica
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e Integradores

• Equacionamento
i1  i f  ib1
vi  0 dv0
C 0
R1 dt
dv0 vi dv0 vi
C   
dt R1 dt CR1
t t
vi 1
v0    dt  v0    vi dt
0
CR1 R1C 0
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e
Integradores
- Pela equação de saída, nota-se que o sinal de
entrada é integrado
- Caso haja uma tensão inicial no capacitor, o seu
valor deverá ser somado ao resultado (saída)
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Circuitos Diferenciadores e
Integradores
- A fim de eliminar a tensão inicial do capacitor,
utiliza-se uma chave em paralelo com o capacitor
para descarregá-lo antes do processo de
integração
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADOR DE
INSTRUMENTAÇÃO
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO

- É um tipo especial de Amp Op que permite a


obtenção de algumas características particulares,
tais como:
- resistência de entrada muito elevada;
- resistência de saída bem reduzida;
- CMRR maior que 100 dB;
- ganho de malha aberta superior ao dos Amp
Ops comuns;
- drift extremamente baixo.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO
- Em aplicações de precisão a utilização de
amplificadores de instrumentação é muitas
vezes indicada (Ex: LH0036 da National)
- Diagrama elétrico de um Amp. de Inst. gnérico
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO

 Equacionamento
• Nomeando correntes e nós do circuito
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO
 Equacionamento
• Identificando os circuitos
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO

• Equacionamento:
• Aplicando LKC nos nós 1 e 2, tem-se:
• Nó 1:

𝑉01 − 𝑉1 𝑉2 − 𝑉1 𝑉1 𝑅𝐺 + 𝑉1 𝑅2 − 𝑉2 𝑅2
= =0 𝑉01 =
𝑅2 𝑅𝑔 𝑅𝐺

• Nó 2:

𝑉02 − 𝑉2 𝑉1 − 𝑉2 𝑉1 𝑅𝐺 + 𝑉2 𝑅2 − 𝑉1 𝑅2
= =0 𝑉02 =
𝑅2 𝑅𝑔 𝑅𝐺
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

AMPLIFICADOR DE INSTRUMENTAÇÃO

• Como o terceiro Amp Op (A3) representa a


configuração de um subtrator temos:

2𝑅2
𝑉0 = 𝑉01 − 𝑉02 𝑉0 =(1+ )(𝑉2 − 𝑉1 )
𝑅𝑔
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos
com Amplificadores
Operacionais
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos com Amplificadores


Operacionais
• Objetivo: não ultrapassar os limites de projeto dos
componentes

• 1 – Proteção das Entradas de Sinal


- O estágio diferencial de entrada de um Amp Op poderá ser
danificado caso a máxima tensão diferencial de entrada seja
excedida
- EX: 741 – 30 V

- Medida de prevenção usual: conexão de dois diodos em


antiparalelo conectados entre os terminais das entradas do
Amp Op
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos com Amplificadores


Operacionais

 1 – Proteção das Entradas de Sinal


• DIODOS EM ANTIPARALELO
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos com Amplificadores


Operacionais
• 2 – Proteção da saída
• A maioria já possui proteção interna contra curto-
circuito na saída (EX: 741)
 A duração do curto depende da capacidade de
dissipação térmica do componente
 741 (encapsulamento plástico): 310 mW
 741 (encapsulamento metálico): 500 mW
• Para CIs que não possuam proteção interna deve-
se acrescentar um resistor externo para essa
função
- Ex: Amp Op 709
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos com Amplificadores


Operacionais
 3 – Proteção contra Latch-up (sobretravamento)
• Manutenção da saída mesmo após a retirada do
sinal de entrada
• Normalmente danifica o CI
• Recomendação: conectar um diodo de sinal entre
o pino 6 (saída) e o pino 8 (entrada de
compensação de frequência)
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos com Amplificadores


Operacionais

• 3 – Proteção contra Latch-up (sobretravamento)


- A utilização do diodo não interfere na operação
normal do Amp Op
- Ex:
- O 741 não apresenta esse problema
- O 709 pode apresentar
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos com Amplificadores


Operacionais

• 4 – Proteção das entradas de Alimentação


- Caso ocorra a inversão das polaridades da
alimentação o componente será destruído
- Colocação de diodos retificadores nos pinos de
alimentação do amp op:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos com Amplificadores


Operacionais
• 6 – Proteção contra ruídos e oscilações da fonte
de alimentação
- A presença de fontes geradoras de ruído próximas
aos circuitos com Amp Op, pode alterar o nível de
tensão CC e gerar ripple (ondulações) indesejáveis
- Dependendo dos níveis dos sinais aplicados os
erros gerados poderão ser significantes
- Proteção utilizada: colocação de capacitores (da
ordem de 0,1 uF) entre o terra e cada um dos
terminais de alimentação do Amp Op
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Proteção em Circuitos com Amplificadores


Operacionais
• 6 – Proteção contra ruídos e oscilações da fonte de
alimentação