Você está na página 1de 16

nmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj

klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiop
asdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe
rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcv
bnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfgh
jklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuio
Grécia
pasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmq
wertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzx
O Pais e a sua gente
cvbnmrtyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjk
16-09-2009

Pedro Lourenço
lçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa
sdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwer
tyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvb
nmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghj
klçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwertyuiop
asdfghjklçzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklçzxcvbnmqwe
rtyuiopasdfghjklçzxcvbnmrtyuiopasdfghjklçzxcvbnm
INDICE
1. O pais e a sua gente
2. Geologia e relevo
3. Clima e hidrografia
4. Flora e fauna
5. População
6. Religião
7. Economia
8. Agricultura, pecuária e pesca
9. Energia e mineração
10. Finanças e comércio
11. Indústria
12. Atracções turísticas da Grécia
13. Gastronomia grega
14. Divisão Administrativa do País

2
Bandeira e Brazão de armas da Grécia

1. O pais e a sua gente

• Ano de adesão à União Europeia: 1981


• Sistema político: República
• Capital: Atenas
• Superfície total: 131 957 km²
• População: 11,2 milhões de habitantes
• Moeda: Euro “Substituto do Dracma”
• Língua oficial falada no país: Grego
• Dialectos:
• Grego-Macedônio – dialecto usado de
heleno-macedônios na Macedónia
• Grego-Chiprio – dialecto usado de Greco-
cipriotas em Chipre
• Grego-Cretico – dialecto usado de Greco-
critas na Creta
• Grego-Trácico – dialecto usado de Greco-
tráciotas na Trácia

Comercio Tradicional
A República Helénica, nome oficial da
Grécia (Ellinikí Dimokratía ou Ellás, em
grego), é um país europeu situado no sul da
península dos Balcãs. Sua superfície de
131.957 km2 inclui várias ilhas nos mares
Jónico e Egeu, que ocupam cerca de um
quinto da extensão total. Faz fronteira com a Monte Olimpo

Turquia, a leste; com a Bulgária e a

3
Macedónia, ao norte; e com a Albânia, a
noroeste. O nome latino Grécia deriva de
graeci, com o qual os romanos denominaram
a tribo dos beócios, estabelecida na Itália até
o século 8 a.C.

2. Geologia e relevo

A montanha e o mar são os dois elementos


dominantes na paisagem grega. Três quartos
do país são cobertos de montanhas e de tal
maneira o mar invade a terra, com inúmeros
golfos, que o ponto mais afastado da costa
dista dela apenas oitenta quilómetros. O
relevo tem como principal nó orográfico a
cadeia do Pindo, prolongamento das
montanhas balcânicas, na direcção noroeste-
sudeste. Do Pindo partem algumas
ramificações, como o maciço do monte Aeta,
que se estende, também na direcção sudeste,
pelos montes Parnaso, Kizeron e Helicon. Na
direcção leste partem do Pindo duas cadeias
que delimitam a bacia da Tessália. Na porção
mais setentrional ergue-se o famoso monte
Olimpo, com 2.918m, ponto culminante da
Grécia. Na península do Peloponeso,
separada do continente europeu pelos golfos
de Patras e de Corinto, erguem-se os montes
de Acaia e Arcádia.

As regiões naturais da Grécia são: a


Macedónia e Trácia, ao norte, montanhosas e
com planícies litorâneas de origem aluvial; a
Grécia central, onde se encontram a Tessália

4
e a Ática, com férteis vales; o Peloponeso,
zona muito montanhosa mas com vales
litorâneos; e Creta, a maior ilha do país, com
montanhas que atingem quase 2.500m de
altitude.

3. Clima e hidrografia

O clima é mediterrâneo em grande parte do


território, com sensíveis diferenças entre as
regiões localizadas a oeste do Pindo, mais
quentes e húmidas, e as orientais, mais secas
e de temperaturas mais baixas. Nas regiões
montanhosas ocorrem climas semi
continentais.

A hidrografia grega é pobre, devido à


abundância de solos calcários, que
determinam represamentos subterrâneos. Os
rios são curtos, com volume irregular
durante o ano, não são navegáveis e têm
limitadas possibilidades para a irrigação. Os
principais cursos fluviais gregos são o
Vardar, o Struma e o Nestos, que cruzam a
Macedónia e a Trácia para desembocar no
mar Egeu.

4. Flora e fauna

A vegetação é tipicamente mediterrânea


(pinheiros, oliveiras, vegetação rasteira e
matas esparsas) nas regiões meridionais e
centrais. No norte prevalece o tipo de

5
vegetação característico da Europa central,
com florestas mistas. Nas planícies
predomina vegetação arbustiva e herbácea.
Nos planaltos do centro e do sul aparecem
árvores de folhas caducas, sobretudo o
carvalho e o castanheiro. Acima de 200m
estendem-se florestas e cerrados.

Nas regiões centrais, sobretudo nas zonas de


floresta, a fauna é do tipo centro-europeu,
com ursos, lobos, javalis, linces, martas,
corças, camurças e vários répteis. No litoral
predominam as espécies mediterrâneas,
como o chacal, o bezoar (espécie de cabra
selvagem) e o porco-espinho. Entre as aves,
salientam-se pelicanos, garças, cucos e
cegonhas. Muitas espécies do norte da
Europa migram para a Grécia durante o
inverno.

5. População

A população grega é de raça branca, embora


se encontrem pessoas de pele escura devido
à mestiçagem ocorrida durante a dominação
turca. Outros grupos étnicos, além da
maioria grega, são os macedónios, albaneses,
búlgaros, arménios, turcos e ciganos. A
língua oficial e mais falada é o grego
moderno, que conserva os mesmos
caracteres gráficos do grego clássico, mas é
sintacticamente mais simples. O tipo de
povoamento rural compreende desde
pequenas comunidades montanhesas,

6
semelhantes às da Europa central, até as
maiores do sul e de Creta, semelhantes às do
norte da África. O desenvolvimento
económico e a influência do turismo
favorecem o êxodo do campo para a cidade,
o que determina uma concentração de mais
de dois terços da população nas zonas
urbanas. A principal cidade é Atenas, a
capital, que com seu porto, o Pireu, constitui
a maior concentração demográfica da Grécia
e um importante centro industrial e
portuário. Seguem-se, em importância,
Tessalónica, na Macedónia, e Heracléia
(Cândia), em Creta.

Com excepção de Chipre, sul da Albânia e


Turquia, não há grupos gregos nos países
vizinhos, mas há importantes comunidades
gregas no oeste da Europa, na América e na
Austrália. Os limitados recursos económicos
da Grécia sempre foram motivo de
emigração. Enquanto no período clássico ela
se dirigia para o resto do Mediterrâneo, nos
tempos modernos se voltou para os Estados
Unidos, Canadá, Austrália, Alemanha e
Bélgica, embora a crise económica mundial
de 1973 tenha travado a corrente migratória.

6. Religião
A religião na Grécia inclui cerca de 97% de
cristãos ortodoxos. O resto da população é
muçulmana, católica e Judaica. Grecia e
Rússia são os países com o maior número de
pessoas que pertencem à Igreja Ortodoxa.

7
Nota: A população católica da Grécia é
constituída por católicos latinos de rito
romano (a maioria) e por greco-católicos de
rito bizantino (a minoria).

A Igreja Ortodoxa Grega (Grego:


Ἑλληνοπθόδοξη Ἐκκληζία Hellēnorthódoxē
Ekklēsía) é formada por várias igrejas
nanocéfalas (independentes, mas ligadas pela
comunhão supranacional), dentro da
Ortodoxia cuja liturgia é tradicionalmente
realizado em Koiné, a língua original do
Novo Testamento, e cujo clero é totalmente
ou predominantemente grego ou foi durante
grande parte de sua história, como no caso
de Antioquia, que foi totalmente colocada
sob controlo árabe local somente em 1899.
Padres Ortodoxo
Trata-se de igrejas independentes do ponto
de vista administrativo, mas unidas na
doutrina, na comunhão eclesiástica e no
ritual, e diferente da Igreja Católica, onde
existe um único centro cultural e
administrativo (o Vaticano), predomina na
ortodoxia grega a pluralidade de centros
eclesiásticos e culturais. A celebração da
missa e sacramentos é idêntica, variando
apenas as notas locais acidentais, como o
canto, a arquitectura dos templos, a arte
iconográfica e a forma da cruz.

7. Economia

A Grécia experimentou um rápido


desenvolvimento económico depois da
segunda guerra mundial, apesar da limitação
de seus recursos naturais e da excessiva
burocratização. O país vinculou-se
economicamente à Comunidade Económica
Europeia (CEE) em Janeiro de 1981 e, em
julho de 1992, o Parlamento ratificou a
adesão grega à União Europeia, regulada
Laocoon

8
pelo Tratado de Maastricht. Embora a
economia grega tenha se baseado
tradicionalmente na iniciativa privada, a
intervenção pública aumentou bastante --
sobretudo com a chegada ao poder do
Movimento Socialista Pan-helénico (Pasok),
em 1981 -- até controlar mais de dois terços
da actividade económica, especialmente
produção de energia, estaleiros,
comunicações, seguros e bancos. A partir de
1970 observou-se uma queda significativa no
número de pessoas empregadas na
agricultura e um aumento proporcional de
trabalhadores nos sectores industrial e de
serviços.
8.
Agricultura, pecuária e pesca

Aproximadamente trinta por cento da


superfície total da Grécia são aráveis,
sessenta são usados como pastos ou estão
cobertos por florestas e os outros dez são
improdutivos. A produção agrícola é
economicamente importante, apesar do solo
rochoso, das chuvas escassas, do excesso de
minifúndios e da utilização de técnicas
agrícolas obsoletas. As principais lavouras
são as de trigo, cevada, arroz, algodão, fumo
e batata, no norte; as regiões centrais, o sul e
as ilhas produzem melões, figos, tomates,
uvas e azeite. A pecuária é constituída,
principalmente, de rebanhos ovinos e
caprinos; na Tessália, há criação de gado
bovino. Os produtos florestais não são

9
economicamente importantes.

A grande extensão do litoral e a tradição


marítima impulsionaram a modernização da
frota pesqueira. Entretanto, o relativo
esgotamento piscícola do Mediterrâneo
transformou a Grécia em importador de
produtos da pesca.
9.
Energia e mineração

A produção de energia eléctrica, baseada na


linha e nas cascatas, aumentou a partir de
1950, em virtude de investimentos feitos
pela Empresa Pública de Energia, que contou
com ajuda financeira e técnica dos Estados
Unidos. A Grécia não é rica em recursos
minerais, excepto em bauxita, de que é um
dos principais produtores europeus. Há
também produção em serie, manganêsferro,
zinco, chumbo, ouro e diamantes. A
produção de petróleo e de gás natural no
norte do mar Egeu começou em 1981.
10.
Indústria

Algumas empresas de grande porte,


concentradas em Atenas e Tessalónica,
dividem a actividade industrial com milhares
de pequenas empresas que não empregam
mais de dez trabalhadores por unidade.
Devido às fortes diferenças regionais, a CEE
considerou que todo o território da Grécia, à
excepção da Ática e da Tessalónica, reúne os

10
requisitos necessários para receber ajuda do
Fundo Europeu para o Desenvolvimento
Regional.
11. Finanças e comércio

O Banco da Grécia, fundado em 1928, dirige


a política monetária do país e supervisiona
todas as operações bancárias. As ruínas da
antiga civilização helénica, as aprazíveis
ilhas e o clima ensolarado fizeram da Grécia
uma potência turística. O turismo e as Zeus

remessas dos imigrantes e marinheiros


compensa parcialmente o défice do comércio
exterior e o saldo negativo da balança de
pagamentos. As principais importações
consistem em petróleo, maquinaria e
produtos químicos e alimentícios. As
exportações incluem alimentos, bebidas,
madeira e diamantes.

O transporte terrestre, tanto rodoviário como


ferroviário, tem menos importância que o
marítimo, já que a Grécia conta com uma das
maiores frotas mercantes do mundo. O
transporte aéreo é servido por uma
companhia nacional e várias companhias
estrangeiras. O país dispõe de modernos
aeroportos, especialmente em Atenas e
Atenas capital
Creta.

11
12. Atracções turísticas da Grécia

O Partenon (em grego antigo Παπθενών, =


Partenon; em grego moderno Παπθενώναρ,
=. Parthenónas) foi um templo da deusa
grega Atena, construído no século V a.C. na
acrópole de Atenas. É o mais conhecido dos
edifícios remanescentes da Grécia Antiga e
foi ornado com o melhor da arquitectura
grega. Suas esculturas decorativas são
consideradas um dos pontos altos da arte
grega.
O Partenon é um símbolo duradouro da Friso das Ergastinas
Grécia e da democracia, e é visto como um
dos maiores monumentos culturais do
mundo. O nome Partenon parece derivar da
monumental estátua de Atena Partenos
abrigada no salão leste da construção. Foi
esculpida em marfim e ouro por Fídias e seu
epíteto parthenos (em grego παπθένορ,
"virgem") refere-se ao estado virginal e
solteiro da deusa.
O Partenon foi construído para substituir um Mármores de Elgin
antigo templo destruído por uma invasão dos
persas em 480 a.C. Como muitos templos
gregos, servia como tesouraria, onde se
guardavam as reservas de moeda e metais
preciosos da cidade e também da Liga de
Delos, que se tornaria mais tarde o império
ateniense. No século VI foi convertido numa
igreja cristã dedicada à Virgem Maria e
depois da conquista turca foi transformada
numa mesquita.
Em 1687, um depósito de munição instalado Partenon

12
pelos turcos explodiu após ser atingido por
uma bala de canhão veneziana, causando
sérios danos ao edifício e a suas esculturas.
No século XIX, o diplomata britânico
Thomas Bruce, 7.° Conde de Elgin, removeu
muitas das esculturas sobreviventes para a
Inglaterra, hoje conhecidas como Mármores
de Elgin e expostas no Museu Britânico, em
Londres. Uma disputa polémica pede o
retorno dessas peças à Grécia.
O Partenon e outros edifícios da acrópole
formam hoje um dos mais visitados sítios
arqueológicos da Grécia e o Ministério da
Cultura grego leva adiante um programa de Abóbada do Tesouro de Atreu
restauração e reconstrução.

13. Gastronomia grega


Os sabores incomparáveis da culinária grega
fazem o país distinguir-se por sua cozinha.
Durante sua estadia na Grécia, não poderá
deixar de ter surpresas agradáveis no que diz
respeito à cozinha grega. Contrariamente ao
preconceito que tem a maioria das pessoas,
Salada Grega
essa última não se resume exclusivamente no
«mussaká», no «souvláki» e na «salada
horiátiki», mas apresenta uma grande
variedade de pratos capazes de dar plena
satisfação às buscas gastronómicas tanto dos
comedores de carne como dos vegetarianos.
Aliás, as coisas não poderiam ser de outro
modo no país que deu à luz os simpósios e os
filósofos epicurianos. Mais precisamente, souvláki
Arquestratos foi quem escreveu o primeiro

13
livro de receitas na História, recordando que
a culinária é sinal de civilização. A tradição
gastronómica da Grécia ascende a mais ou
menos 4.000 anos. Todavia, como ocorre
com quase todas as culinárias nacionais, a
gastronomia grega influenciou e recebeu
influências de países vizinhos, tanto do
Oriente como do Ocidente.
A culinária grega (em grego: Ελληνική
Κοςζίνα, =. Ellinikí kuzína) é a culinária
Mussacá
tradicional da Grécia, de características
mediterrânicas, e que partilha diversas
características com as culinárias da Itália,
dos Balcãs, da Turquia e do Oriente Médio
em geral e também utiliza extensivamente o
azeite, grãos e pão, vinho, peixes e diversos
tipos de carnes, incluindo aves e coelho.
Entre os ingredientes típicos da culinária
grega estão a carne de cordeiro ou de porco,
Taramosalata
azeitonas kalamata, queijo feta, folhas de
uva, abobrinha e iogurte. Entre as
sobremesas predominam o mel e as nozes.
Alguns pratos se utilizam de massa folhada

14. Divisão Administrativa do País

A Grécia está dividida em 13 divisões


administrativas, chamadas “periferias”
(Regiões).
O nível seguinte de divisões administrativas
é o “Nomos” (Departamento). No total, há
51 Nomí, e uma divisão territorial com
governo autónomo (Agion Oros, no Monte
Athos).
As comunidades locais são chamadas ou
“Dimos” (Município Urbano) ou “Kinotita”
(Município Rural). No total, há 900 Dimi e

14
133 Kinotites.
Mapa Administrativo Grego

15
Curso de Animação e Informação Turística

Modulo: Geografia Tristita

Tema: Destino de sonho “Grécia”

Trabalho elaborado por: Pedro Lourenço

Fontes informativas: www.google.pt

Atlas do mundo

Documentação do pais

Imagens recolhidas de: www.google.pt

www.sapo.pt

www.msn.pt

Entre outros motores de busca

16-09-2009

16

Você também pode gostar