Você está na página 1de 18

Cartilha com orientações para o MEI

solicitar os benefícios previdenciários.


Sumário
Introdução ..................................................................................................................................... 3
Benefícios concedidos ao MEI e sua família ................................................................................ 4
Aposentadoria por tempo de contribuição............................................................................... 4
Aposentadoria por tempo de contribuição acima de um salário mínimo .............................. 5
Aposentadoria por invalidez ..................................................................................................... 6
Auxílio-doença........................................................................................................................... 8
Salário maternidade ................................................................................................................ 10
Pensão por morte.................................................................................................................... 12
Auxílio-reclusão ....................................................................................................................... 14
Conclusão .................................................................................................................................... 18

2
Introdução

Uma das grandes vantagens do trabalhador informal se tornar um


microempreendedor individual – MEI é o fato de passar a ter direito a benefícios
previdenciários.
Para ter direito aos benefícios, o MEI, em regra geral, faz uma contribuição mensal
fixa à previdência social correspondente à 5% (cinco por cento) do salário mínimo
vigente. Em virtude de o salário mínimo ser constantemente atualizado, tal valor também
sobre alteração.
Os benefícios abrangem o próprio microempresário e sua família.
Os benefícios do empresário são:
 Aposentadoria por idade: mulher aos 60 anos e homem aos 65. É necessários pelo
menos 15 anos de contribuição
 Aposentadoria por invalidez: é necessário 1 ano de contribuição
 Auxílio doença: é necessário 1 ano de contribuição
 Salário maternidade: são necessários 10 meses de contribuição
Os benefícios para família são:
 Pensão por morte: a partir do primeiro pagamento em dia
 Auxílio reclusão: a partir do primeiro pagamento em dia
Importante ressaltar que se o MEI contribui com base no salário mínimo, qualquer
dos benefícios concedidos também terão como base tal salário.

3
Benefícios concedidos ao MEI e sua família

Aposentadoria por tempo de contribuição

A Aposentadoria por tempo de contribuição é um benefício devido ao cidadão que


comprovar o tempo total de 35 anos de contribuição, se homem, ou 30 anos de
contribuição, se mulher. Conforme quadro abaixo:

Modalidade Idade mínima Tempo total de contribuição Carência

Soma da idade + o tempo de


180 meses
Regra 85/95 Não há idade contribuição
efetivamente
progressiva mínima 85 anos (mulher)
trabalhados
95 anos (homem)

Regra com 180 meses


Não há idade 30 anos (mulher)
30/35 anos de efetivamente
mínima 35 anos (homem)
contribuição trabalhados

25 anos de contribuição +
180 meses
Regra para 48 anos (mulher) adicional (mulher)
efetivamente
proporcional* 53 anos (homem) 30 anos de contribuição +
trabalhados
adicional (homem)

*Outras informações
 Tempo exigido para proporcional: o adicional de tempo citado na regra transitória
corresponde a 40% do tempo que faltava para o cidadão atingir o tempo mínimo da
proporcional que era exigido em 16/12/1998 (30 anos para homem e 25 para
mulher). Exemplo: um homem que tinha 20 anos de contribuição nessa data,
precisava de 10 para aposentar-se pela proporcional. Logo, para aposentar-se pela
proporcional hoje, deverá comprovar 34 anos (30 anos + 40% de 10 anos).
 Valor da aposentadoria proporcional: a aposentadoria proporcional tem valor
reduzido, que vai de 70 a 90% do salário-de-benefício.

4
 Fim da aposentadoria proporcional: a aposentadoria proporcional foi extinta em
16/12/1998. Só tem direito a esta modalidade quem já contribuía até esta data;

 Observações

 Adicional de 25% para beneficiário que precisa de assistência permanente de


terceiros: somente o aposentado por invalidez possui este direito.
 Período de carência: para ter direito a este benefício, é necessário que o cidadão tenha
efetivamente trabalhado por no mínimo 180 meses. Períodos de auxílio-doença, por
exemplo, não são considerados para atender a este requisito (carência);
 Requerimento por terceiros: caso não possa comparecer ao INSS, você tem a opção
de nomear um procurador para fazer o requerimento em seu lugar.

 Solicitação do benefício

Poderá agendar eletronicamente o atendimento através da página da Previdência na


Internet, selecionando a opção "Requerimento de salário-maternidade", ou pela Central
de Atendimento 135.

 Documentos necessários

Para ser atendido nas agências do INSS você deve apresentar:


 Um documento de identificação válido e oficial com foto;
 O número do CPF;
 Carteiras de trabalho, carnês de contribuição e outros documentos que
comprovem pagamento ao INSS.

Aposentadoria por tempo de contribuição acima de um salário mínimo

Caso o microempreendedor individual – MEI queira se aposentar pelo tempo de


contribuição, há a possibilidade de contribuir com mais de um salário mínimo à
Previdência.
Caso queira assim proceder, o MEI deve comprar o carnê de pagamento laranja do
INSS em qualquer papelaria, preencher o número do PIS (para quem possua este número
anteriormente ao registro da empresa) ou o NIT (consta no certificado gerado quando do

5
registro da empresa como Microempreendedor Individual – MEI no Portal do
Empreendedor).
Para calcular o valor, você deve ter como base o benefício que deseja receber, que
deve estar entre um salário mínimo (R$ 880,00) e o teto máximo de contribuição ao INSS
(R$ 5.189,82 em 08/2016). Após a escolha, calcule 20% do valor escolhido e diminua
5% de um salário mínimo. O resultado será o valor a ser pago no carnê.
Veja um exemplo:
Base escolhida: R$ 1.000,00
a) 20% sobre a base escolhida: R$ 200,00
b) 5% sobre o salário mínimo (R$ 880,00): R$ 44,00
Valor a ser pago (a – b ou R$ 200 – R$ 44,00) = R$ 156,00
O código de recolhimento será 1910.

Aposentadoria por invalidez

A Aposentadoria por invalidez é um benefício devido ao trabalhador


permanentemente incapaz de exercer qualquer atividade laborativa e que também não
possa ser reabilitado em outra profissão, de acordo com a avaliação da perícia médica do
INSS. O benefício é pago enquanto persistir a incapacidade e pode ser reavaliado pelo
INSS a cada dois anos.
Inicialmente o cidadão deve requerer um auxílio-doença, que possui os mesmos
requisitos da aposentadoria por invalidez. Caso a perícia-médica constate incapacidade
permanente para o trabalho, sem possibilidade de reabilitação em outra função, a
aposentadoria por invalidez será indicada.

 Outras informações

 Doença anterior à filiação à Previdência: não tem direito à aposentadoria por


invalidez quem se filiar à Previdência Social já portador de doença ou lesão que
geraria o benefício, a não ser quando a incapacidade resultar no agravamento da
enfermidade;
 Adicional de 25% para acompanhante: o aposentado por invalidez que necessitar
de assistência permanente de outra pessoa poderá ter direito a um acréscimo de

6
25% no valor de seu benefício, inclusive sobre o 13º salário, conforme determina
o art. 45 da Lei 8.213 de 24 de julho de 1991. Nesse caso é necessário efetuar o
requerimento na agência do INSS onde é mantido o benefício. Além disso, o
segurado passará por uma nova avaliação médico-pericial do INSS. Caso o
benefício seja cessado por óbito, o valor não será incorporado à pensão deixada
aos dependentes.
 Fim do benefício: a aposentadoria por invalidez deixa de ser paga quando o
segurado recupera a capacidade e/ou volta ao trabalho.
 Revisão periódica do benefício: de acordo com a lei, o aposentado por invalidez
deve fazer perícia médica a cada dois anos para comprovar que permanece
inválido. Os maiores de 60 (sessenta) anos são isentos dessa obrigação, conforme
a Lei n. 13.063/2014.
 Solicitação de acompanhante em perícia médica: o cidadão poderá solicitar a
presença de um acompanhante (inclusive seu próprio médico) durante a realização
da perícia. Para tanto, é necessário preencher o formulário de solicitação de
acompanhante e levá-lo no dia da realização da perícia. O pedido será analisado
pelo perito médico e poderá ser negado, com a devida fundamentação, caso a
presença de terceiro possa interferir no ato pericial.
 O aposentado por invalidez que retorna ao trabalho como MEI ou realizando
qualquer outra atividade é considerado recuperado e apto ao trabalho, portanto,
deixará de receber o benefício por invalidez.

 Solicitação do benefício

Agende pela Central de Atendimento 135.

 Documentos necessários

Para ser atendido nas agências do INSS você deve apresentar:


 Um documento de identificação válido e oficial com foto;
 O número do CPF;
 Carteiras de trabalho, carnês de contribuição e outros documentos que
comprovem pagamento ao INSS.
 Documentos médicos que comprovem a causa do problema de saúde, o
tratamento médico indicado e o período sugerido de afastamento do trabalho;

7
Auxílio-doença

O auxílio-doença é um benefício por incapacidade devido ao segurado do INSS


acometido por uma doença ou acidente que o torne temporariamente incapaz para o
trabalho. O empregado deve imprimir o requerimento gerado pelo sistema e levá-lo ao
INSS no dia da perícia, com carimbo e assinatura da empresa.
Caso não possa comparecer à perícia médica no dia e hora marcados, você pode
solicitar a remarcação, uma única vez, até três dias antes da data agendada, comparecendo
diretamente na agência antes da data da perícia.
O pedido de prorrogação deve ser solicitado nos últimos 15 dias do benefício.

Caso não concorde com o indeferimento ou a cessação do benefício e não seja mais
possível requerer pedido de prorrogação, o segurado pode entrar com recurso à Junta de
Recursos, em até 30 dias contados a partir da data em que tomar ciência da decisão
(Portaria MDSA nº 152, de 25/08/2016).

 Principais requisitos

 Possuir a carência de 12 contribuições (isenta em caso de acidente de trabalho ou


doenças previstas em lei);
 Possuir qualidade de segurado (caso tenha perdido, deverá cumprir toda a carência
novamente);
 Comprovar doença que torne o cidadão temporariamente incapaz de trabalhar;
 Caso perca a qualidade de segurado, deverá cumprir toda a carência novamente;
 Para o empregado em empresa: estar afastado do trabalho há pelo menos 15 dias
(corridos ou intercalados dentro do prazo de 60 dias).

 Benefícios concedidos ou reativados por decisão judicial

 O auxílio-doença concedido por decisão judicial será cessado na data fixada pelo
Judiciário ou, na ausência de fixação, em cento em vinte dias contados da data da
concessão/reativação.
 Nos quinze últimos dias do auxílio-doença, o segurado poderá requerer a
prorrogação do benefício comparecendo em uma agência do INSS, caso ainda
esteja incapaz de retornar ao trabalho.

8
 No dia da perícia médica para revisão de decisão judicial, será necessário
apresentar os seguintes documentos:
 Documento de identificação com foto (RG ou CTPS);
 Sentença/acórdão ou decisão judicial que determinou a implantação/reativação do
benefício;
 Laudo médico judicial;
 Toda documentação médica que disponha em relação à doença/lesão (laudos,
exames, atestados, receitas, etc.).
 O benefício será cessado caso o(a) segurado(a) ou seu representante não
compareçam, nos 15 últimos dias do benefício, à uma agência do INSS para
requerer a prorrogação do benefício de auxílio-doença concedido/reativado
judicialmente.

 Outras informações

 Fim do benefício: ocorre quando o segurado recupera a capacidade ou retorna ao


trabalho;
 Data do início do pagamento: caso o pedido seja feito depois de 30 dias de
afastamento, o INSS não se responsabiliza pelo pagamento de valores retroativos;
 Cancelamento do pedido: o pedido de auxílio-doença só poderá ser cancelado na
agência do INSS em que a perícia médica foi agendada;
 Comprovação da incapacidade: deve ser realizada em perícia médica da
Previdência Social. O não comparecimento implica no indeferimento e
arquivamento do pedido.
 Solicitação de acompanhante em perícia médica: o cidadão poderá solicitar a
presença de um acompanhante (inclusive seu próprio médico) durante a realização
da perícia. Para tanto, é necessário preencher o formulário de solicitação de
acompanhante e levá-lo no dia da realização da perícia. O pedido será analisado
pelo perito médico e poderá ser negado, com a devida fundamentação, caso a
presença de terceiro possa interferir no ato pericial.

 Solicitação do benefício

Agende pela Central de Atendimento 135.

9
 Documentos necessários

Para ser atendido nas agências do INSS você deve apresentar:


 Um documento de identificação válido e oficial com foto;
 O número do CPF;
 Carteiras de trabalho, carnês de contribuição e outros documentos que
comprovem pagamento ao INSS.
 Documentos médicos que comprovem a causa do problema de saúde, o
tratamento médico indicado e o período sugerido de afastamento do trabalho;

Salário maternidade

O salário maternidade é um benefício pago às seguradas que acabaram de ter um


filho, seja por parto ou adoção, ou aos segurados que adotem uma criança. Casos
específicos estão descritos no quadro abaixo.

Evento gerador Onde pedir? Quando pedir? Como comprovar?

Atestado médico (caso se


Parto (inclusive de A partir de 28 dias afaste 28 dias antes do
No INSS
natimorto) antes do parto parto) ou certidão de
nascimento

A partir da adoção
Termo de guarda ou
Adoção No INSS ou guarda para fins
certidão nova
de adoção

A partir da
Aborto não- Atestado médico
No INSS ocorrência do
criminoso comprovando a situação
aborto

10
 Duração do benefício

A duração do salário-maternidade dependerá do tipo do evento que deu origem ao


benefício:
 120 (cento e vinte) dias no caso de parto;
 120 (cento e vinte) dias no caso de adoção ou guarda judicial para fins de adoção,
independentemente da idade do adotado que deverá ter no máximo 12 (doze) anos
de idade.
 120 (cento e vinte) dias, no caso de natimorto;
 14 (quatorze) dias, no caso de aborto espontâneo ou previstos em lei (estupro ou risco
de vida para a mãe), a critério médico.

 Solicitação do benefício

Poderá agendar eletronicamente o atendimento através da página da Previdência na


Internet, selecionando a opção "Requerimento de salário-maternidade", ou pela Central
de Atendimento 135. O salário-maternidade da Microempreendedora Individual será
pago diretamente pelo Instituto Nacional do Seguro Social – INSS e a contribuição
previdenciária devida pela MEI durante o recebimento do salário-maternidade será
descontada automaticamente do valor desse benefício.

 Documentos necessários

Para ser atendido nas agências do INSS você deve apresentar:


 Um documento de identificação válido e oficial com foto;
 O número do CPF;
 Os comprovantes de pagamento do DAS (carência de 10 meses anterior ao
nascimento);
 A certidão de nascimento (vivo ou morto) do dependente;
 Em caso de afastamento 28 dias antes do parto, apresentar atestado médico
original, específico para gestante.

 Observações

 Em caso de guarda, deve apresentar o Termo de Guarda com a indicação de que


a guarda destina-se à adoção.

11
 Em caso de adoção, deverá apresentar a nova certidão de nascimento expedida
após a decisão judicial.
 Em caso do MEI ser homem e sua esposa não estiver recebendo o salário
maternidade e não tiver renda, o mesmo terá direito a receber o seguro
maternidade.

Pensão por morte

A pensão por morte é um benefício pago aos dependentes do segurado do INSS que
vier a falecer ou, em caso de desaparecimento, tiver sua morte presumida declarada
judicialmente.

 Principais requisitos

Para ter direito ao benefício, é necessário comprovar os seguintes requisitos:


 Que o falecido possuísse qualidade de segurado do INSS na data do óbito;
 A duração do benefício pode variar conforme a quantidade de contribuições do
falecido, além de outros fatores.
 Se o falecido já recebia algum benefício do INSS, é possível fazer o pedido pela
Internet e enviar os documentos necessários pelos Correios. Esta forma de pedir
é simples, rápida e fácil.

 Duração do benefício

A pensão por morte tem duração máxima variável, conforme a idade e o tipo do
beneficiário.

Para o (a) cônjuge, o (a) companheiro (a), o (a) cônjuge divorciado (a) ou separado
(a) judicialmente ou de fato que recebia pensão alimentícia:

Duração de 4 meses a contar da data do óbito:


 Se o óbito ocorrer sem que o segurado tenha realizado 18 contribuições mensais
à Previdência ou;
 Se o casamento ou união estável se iniciou em menos de 2 anos antes do
falecimento do segurado;

12
Duração variável conforme a tabela abaixo:
 Se o óbito ocorrer depois de vertidas 18 contribuições mensais pelo segurado e
pelo menos 2 anos após o início do casamento ou da união estável; ou
 Se o óbito decorrer de acidente de qualquer natureza, independentemente da
quantidade de contribuições e tempo de casamento/união estável.

Idade do dependente na data do óbito Duração máxima do benefício ou cota

Menos de 21 (vinte e um) anos 3 (três) anos

Entre 21 (vinte e um) e 26 (vinte e seis) 6 (seis) anos


anos

Entre 27 (vinte e sete) e 29 (vinte e nove) 10 (dez) anos


anos

Entre 30 (trinta) e 40 (quarenta) anos 15 (quinze) anos

Entre 41 (quarenta e um) e 43 (quarenta 20 (vinte) anos


e três) anos

A partir de 44 (quarenta e quatro) anos Vitalício

Para o cônjuge inválido ou com deficiência:

 O benefício será devido enquanto durar a deficiência ou invalidez, respeitando-


se os prazos mínimos descritos na tabela acima.

Para os filhos, equiparados ou irmãos do falecido (desde que comprovem o


direito):

 O benefício é devido até os 21 (vinte e um) anos de idade, salvo em caso de


invalidez ou deficiência.

13
 Documentos necessários

Para ser atendido nas agências do INSS você deve apresentar:


 Um documento de identificação válido e oficial com foto;
 O número do CPF;
 Os comprovantes de pagamento do DAS;
 É obrigatório a apresentar a certidão de óbito e o documento de identificação do
falecido.

 Outras informações

 Caso não possa comparecer à agência do INSS pessoalmente, o cidadão poderá


nomear um procurador para fazer o requerimento em seu lugar.
 Os agendamentos para requerentes menores de 16 anos de idade devem ser feitos
pela Central de Atendimento 135.
 Se segurado não deixar dependentes menores ou incapazes, o resíduo de valor
correspondente entre o início do mês e a data do óbito será pago aos herdeiros
mediante apresentação de alvará judicial.
 A Pensão por morte de companheiro ou cônjuge poderá ser acumulada com a
Pensão por morte de filho.
 O dependente condenado pela prática de crime doloso de que tenha resultado na
morte do segurado (com o devido trânsito em julgado), não terá direito à Pensão
por morte, a partir da data da entrada em vigor da Lei nº 13.135, de 17 de junho
de 2015.

Auxílio-reclusão

O Auxílio-reclusão é um benefício devido apenas aos dependentes do segurado do


INSS (ou seja, que contribui regularmente) preso em regime fechado ou semiaberto,
durante o período de reclusão ou detenção. O segurado não pode estar recebendo salário
de empresa nem benefício do INSS.
Para que os dependentes tenham direito, é necessário que o último salário recebido
pelo segurado esteja dentro do limite previsto pela legislação (atualmente, R$ 1.212,64).
Caso o último salário do segurado esteja acima deste valor, não há direito ao benefício.

14
 Principais requisitos

Em relação ao segurado recluso:


 Possuir qualidade de segurado na data da prisão;
 Estar recluso em regime fechado ou semiaberto (desde que a execução da pena
seja em colônia agrícola, industrial ou similar);
 Possuir o último salário-de-contribuição abaixo do valor previsto na legislação,
conforme a época da prisão;
Em relação aos dependentes:
 Para cônjuge ou companheira: comprovar casamento ou união estável na data em
que o segurado foi preso;
 Para filho, pessoa a ele equiparada ou irmão (desde que comprove a dependência),
de ambos os sexos: possuir menos de 21 anos de idade, salvo se for inválido ou
com deficiência;

 Documentos necessários

 Declaração expedida pela autoridade carcerária, informando a data da prisão e o


regime carcerário do segurado recluso;
 Documento de identificação do requerente. O documento deve ser válido, oficial,
legível e com foto;
 Documento de identificação do segurado recluso. O documento deve ser válido,
oficial, legível e com foto;
 Número do CPF do requerente;

 Duração do benefício

O auxílio-reclusão tem duração variável conforme a idade e o tipo de beneficiário.


Além disso, caso o segurado seja posto em liberdade, fuja da prisão ou passe a cumprir
pena em regime aberto, o benefício é encerrado.

Para o (a) cônjuge, o (a) companheiro (a), o (a) cônjuge divorciado (a) ou separado
(a) judicialmente ou de fato que recebia pensão alimentícia:

Duração de 4 meses a contar da data da prisão:


 Se a reclusão ocorrer sem que o segurado tenha realizado 18 contribuições
mensais à Previdência ou;
15
 Se o casamento ou união estável se iniciar em menos de 2 anos antes do
recolhimento do segurado à prisão;

Duração variável conforme a tabela abaixo:

 Se a prisão ocorrer depois de vertidas 18 contribuições mensais pelo segurado e


pelo menos 2 anos após o início do casamento ou da união estável;

Idade do dependente na data da prisão Duração máxima do benefício ou


cota

Menos de 21 (vinte e um) anos 3 (três) anos

Entre 21 (vinte e um) e 26 (vinte e seis) anos 6 (seis) anos

Entre 27 (vinte e sete) e 29 (vinte e nove) anos 10 (dez) anos

Entre 30 (trinta) e 40 (quarenta) anos 15 (quinze) anos

Entre 41 (quarenta e um) e 43 (quarenta e três) 20 (vinte) anos


anos

A partir de 44 (quarenta e quatro) anos Vitalício

Para o cônjuge inválido ou com deficiência:

 O benefício será devido enquanto durar a deficiência ou invalidez, respeitando-se


os prazos mínimos descritos na tabela acima.

Para os filhos, equiparados ou irmãos do segurado recluso (desde que comprovem o


direito):

 O benefício é devido até os 21 (vinte e um) anos de idade, salvo em caso de


invalidez ou deficiência.

16
 Outras informações
 Se a declaração carcerária apresentada no requerimento do benefício permitir a
identificação plena do segurado recluso, não é necessária a apresentação dos
documentos de identificação do recluso. Entretanto, se for necessário o acerto de
dados cadastrais do recluso, se faz necessária a apresentação do documento de
identificação.
 A cada três meses deverá ser apresentada nova declaração de cárcere, emitida pela
unidade prisional.
 Equipara-se à condição de recolhido à prisão a situação do segurado com idade
entre 16 e 18 anos que tenha sido internado em estabelecimento educacional ou
congênere, sob custódia do Juizado de Infância e da Juventude.
 Assim que o segurado recluso for posto em liberdade, o dependente ou
responsável deverá apresentar imediatamente o alvará de soltura, para que não
ocorra recebimento indevido do benefício.
 Em caso de fuga, liberdade condicional, transferência para prisão albergue ou
cumprimento da pena em regime aberto, o dependente ou responsável também
deverá procurar a Agência do INSS para solicitar o encerramento imediato do
benefício e, no caso de nova prisão posterior, deverá requerer um novo benefício,
mesmo nos casos de fuga com posterior recaptura.
 O Auxílio-reclusão será devido a contar da data do efetivo recolhimento do
segurado à prisão, se requerido até trinta dias depois desta, ou da data do
requerimento, se posterior.
 Em caso de morte do segurado na cadeia, o Auxílio-reclusão é convertido para
pensão.
 A cota do Auxílio-reclusão será dividida em partes iguais a todos os dependentes
habilitados.

17
Conclusão

Diante do que foi exposto, ressalta-se a importância do pagamento em dia da guia


DAS, pois os benefícios só serão concedidos mediante o pagamento do tempo de carência,
visto que a previdência funciona como uma seguradora do MEI.
Em caso de gozo de benefício de auxílio-doença ou de salário-maternidade não é
necessário o recolhimento da contribuição do MEI à Previdência Social, desde que o
período do benefício englobe o mês inteiro.
Caso o início do gozo do auxílio-doença e do salário-maternidade transcorra dentro
do mês, será obrigatório o recolhimento da contribuição do MEI relativo àquele mês.
Quando não for efetivado o recolhimento da contribuição previdenciária (benefícios que
englobem o mês inteiro), o ICMS e ISS acumularão até completar R$ 10,00. Completando
esse valor é possível emitir o DAS no portal do empreendedor.
Caso o recolhimento não ocorra no mês que completou os R$ 10,00, serão cobrados
juros e multas sobre todo o valor acumulado, obedecendo aos meses de competência das
contribuições.

18