Você está na página 1de 18

COMPORTAMENTO INGESTIVO DOS GATOS

Ao contrário dos cães, os gatos são carnívoros estritos. Com exceção dos leões, os felídeos
geralmente são caçadores solitários. O gato por seu pequeno porte, na natureza só conseguiria presas
pequenas e para atender suas necessidades energéticas diárias precisava fazer várias caças. Gatos
comem voluntariamente de 12 a 20 refeições por dia uniformemente distribuídas pelo período diurno
e noturno. Dessa maneira, para eles, o alimento deve ficar disponível durante 24 horas, já que a
restrição de horários pode levar à diminuição de consumo, exceto em problemas com obesidade.
Os gatos, ao receberem alimentação abundante e de fácil acesso, estão bastante susceptíveis
ao tédio e à frustração. A solução para esse impasse entre acesso fácil e frustração é tornar interessante
e estimulante o ato de se alimentar do gato. O uso de ração seca é mais adequado para o
enriquecimento alimentar, e deve-se espalhar ração em pequenas quantidades por todo o ambiente,
em locais baixos e altos costumeiramente frequentados pelo animal.
A maioria dos donos tem por hábito fornecer água no mesmo cômodo em que fornece
comida. Na natureza, gatos caçam suas presas e buscam fontes de água em momentos distintos.
Assim, a presença de água próxima à fonte de alimento pode, em muitos casos, fazer com que o gato
beba menos água do que o necessário.
O recém-nascido geralmente inicia o comportamento ingestivo dentro de uma hora após o
nascimento, geralmente após a conclusão do parto. À medida que a maturação do gatinho progride
numerosas modificações são feitas nos comportamentos associados à alimentação

Comportamento ingestivo na amamentação


Fase Inicial
Durante as primeiras 3 semanas de vida, as sessões de alimentação são iniciadas
principalmente pela mãe. Ela desperta os gatinhos geralmente dormindo por seus movimentos e
lambendo e posiciona-se em torno dos jovens, quase envolvendo-os com seus membros e ventre. O
reflexo de enraizamento faz com que o gatinho se enterre em um objeto quente, geralmente sua mãe
ou irmãos da ninhada, e pode estar presente até 11 dias. A maturação dos sentidos, particularmente a
visão, e dos mecanismos homeostáticos altera todos os reflexos neonatais. Durante o componente de
busca apetitiva do comportamento de amamentação, os movimentos do gatinho em direção à mãe são
desajeitados, mas eles se tornam progressivamente mais coordenado à medida que o o controle do
sistema nervoso e muscular do gatinho aumenta com a idade.
O reflexo de sucção está presente no nascimento e pode ser estimulado taticamente em uma
grande área perioral. Tal estímulo resulta em uma virada na direção do estímulo e acompanhando os
movimentos de sucção. Pequenos objetos na boca também estimulam o reflexo, que é mais forte
imediatamente após despertar. Dentro de alguns dias, o reflexo de sucção é limitado ao contato labial,
e objetos estranhos na boca são rejeitados. Isso é provavelmente quando as pistas olfativas se tornam
mais importantes na localização do teto do que na tentativa e erro, o método inicial usado pelo
gatinho. A destruição dos bulbos olfatórios produz gatinhos que não podem iniciar a sucção mesmo
com experiência anterior, mas isso não interfere na sua capacidade de aprender a sugar de uma
garrafa. Isso também é consistente com a descoberta que os sinais de odor podem ser importantes
para localizar a mãe, e pistas táteis ajudam a localizar o mamilo. O reflexo de sucção normalmente
desaparece em 23dias. O sabor e a textura podem ser discriminados logo após o nascimento, mas são
aparentemente de menor importância na sucção normal.
O contato inicial do gatinho com a teta resulta em um movimento de retirada da cabeça,
seguido por um movimento descendente e talvez outra retirada antes que a teta seja finalmente
fechada pela boca. Esta cabeça aleatória diminui à medida que aumenta a capacidade do gatinho de
discriminar a teta. Aos 4 dias, os gatinhos são relativamente proficientes em mamar, e em 1 semana
é necessário encostar um pouco o nariz.
Antes do final do terceiro dia e, às vezes, logo no início, desenvolve-se uma forma de
preferência do teto, que pode se tornar muito rígida. Os mamilos posteriores são usados
preferencialmente. Em ninhadas grandes, há uma disputa inicial competitiva, que diminui à medida
que a preferência por tetos específicos se desenvolve. Cerca de 80% dos indivíduos cuidam apenas
de um mamilo específico. Quando as preferências são mais vagamente definidas, um gatinho
amamenta de um par de tetas, geralmente próximas umas das outras, ou de uma região geral da
superfície mamária. Ocasionalmente, indivíduos não desenvolvem qualquer preferência e
amamentarão aleatoriamente. A incidência da preferência do teto é independente do tamanho da
ninhada. O desenvolvimento da preferência do teto pode servir para minimizar as lesões de garra
entre os irmãos da ninhada, fornecer estimulação ideal para garantir a produção de leite e permitir
uma conclusão mais rápida da amamentação.
Se uma teta específica não for sugada por cerca de 3 dias, a produção de leite por essa glândula
mamária para. A aparência da região mamária de uma fêmea na fase de amamentação se torna óbvio
quando apenas alguns mamilos são usados.
Posições de amamentação são identificadas por meios olfativos, e gatinhos raramente mamam tetas
estranhas após os primeiros dias se a amamentação normal é permitida. Um gatinho que toma o
mamilo errado pode deixá-lo imediatamente ou pode continuar a mamar até que o “dono” de direito
encoste o nariz. Somente quando se amamenta a teta preferida, um gatinho se agarra a ela quando
desafiado.Ao contrário dos porcos, os filhotes que amamentam nas tetas posicionadas cranialmente
não se tornam necessariamente maiores do que seus outros irmãos. As posições das patas são
mantidas por aproximadamente 1 mês, quando a preferência se torna menos rígida. Nas colônias de
gatos, onde várias ninhadas são alojadas juntas, os gatinhos comumente mamam as fêmeas lactantes
indiscriminadamente, com pouco ou nenhum desenvolvimento de preferência de tetas.
O “degrau do leite”, geralmente considerado uma parte do comportamento de amamentação
dos gatinhos, consiste em movimentos alternados rítmicos das patas dianteiras contra a glândula
mamária. Inicialmente, um padrão um pouco semelhante é observado quando o neonato tenta
estabilizar sua posição de sucção. Funcionalmente, o passo do leite pode servir para afastar a pele da
fêmea lactante do nariz do neonato, mas logo se torna mais importante para ajudar a estimular o fluxo
de leite. O comportamento é usado principalmente quando o leite não vem tão rápido quanto o gatinho
pode beber. Geralmente é alternada com sucção não-rítmica.
O ronronar tanto da fêmea lactante como dos gatinhos geralmente acompanha a amamentação.
O recém-nascido passa inicialmente muito tempo mamando. Cada sessão pode amamentação
permite que a maioria dos filhotes dobre seu peso ao nascer em uma semana, triplique na segunda
semana e quadruplique até o final da terceira semana. A produção de leite aumenta para ninhadas
grandes, mas não em proporção direta ao tamanho da ninhada. Além disso, há um aumento de até dez
vezes na gordura subcutânea para o isolamento para ajudar na homeostase. A taxa média de
crescimento para a as primeiras 8 semanas são 7,3 g / dia (gatinhos de ninhadas de sete a oito) a 13,7
g / dia (gatinhos de ninhadas de dois).
Fase Intermediária
Durante a segunda fase do comportamento de amamentação, a amamentação é iniciada
igualmente pela fêmea lactante e pelos filhotes. Inicialmente, 40% das mamadas são iniciadas por
gatinhos, com aumentos marcantes posteriores. Em 4 semanas, aproximadamente metade dos
contatos é iniciada pelos gatinhos e metade pela mãe. A fase intermediária geralmente dura a partir
da segunda ou terceira semana de vida até o final da quarta ou quinta semana, quando o
desenvolvimento da visão, o uso de dicas visuais e a coordenação das habilidades motoras permitem
que os filhotes se aproximem ativamente da fêmea lactante, mesmo quando ela não está na área do
ninho. Ela, por sua vez, encontra-se em decúbito lateral para apresentar a região mamária para os
filhotes. Perto do final desta fase, os gatinhos podem iniciar a sucção com a fêmea em pé, mas ela
então responderá deitando-se.
Fase de Evitação
Perto do final do primeiro mês, os gatinhos são muito ativos no início da amamentação e a
mãe se torna cada vez mais evasiva - a fase de evitação. Às 8 semanas, apenas 5% dos contatos são
iniciados pela mãe, 42% pelos gatinhos e 42% mutuamente. A crescente demanda por leite neste
momento já faz com que a mãe coma o dobro do que normalmente faria para manter o contato. A
princípio, a fêmea evita alguns dos avanços dos jovens pulando em objetos que eles não conseguem
alcançar, mas à medida que as habilidades motoras dos gatinhos se desenvolvem, eles se tornam cada
vez mais difíceis de evitar. A evitação se torna ainda mais difícil porque seus esforços são geralmente
individualizados e não coordenados. Suas táticas vão mudar para tornar a amamaentação
progressivamente mais difícil. A fêmea lactante pode deitar-se em decúbito esternal para impedir o
acesso às tetas, e se os gatinhos se tornarem muito persistentes, ela bate neles ou se levanta e se afasta.
Quando ela permite a amamentação, a rainha geralmente está sentada ou em pé, com os gatinhos
contorcidos em várias posturas. Se ela tiver apenas um gatinho na ninhada, ela pode não mostrar essa
fase de evitação.
Fase de Desmame
O desmame é um processo gradual e variável que resulta da inacessibilidade da fêmea lactante
e da capacidade crescente dos gatinhos de caçar. Na natureza, os gatos não desmamam os filhotes,
mas se a mãe ainda estiver amamentando, o leite tem pouco valor nutricional após 12 semanas.
Quando esse valor diminuído é associado à dispersão normal necessária para obter a presa, o
desmame simplesmente acontece. Mesmo sem o aumento da evitação por parte da fêmea, há uma
tendência natural para que os jovens diminuam sua amamentação na época do desmame normal.
Quando os gatinhos estão confinados à mãe ou têm acesso imediato a ela, a amamentação pode
continuar por vários meses, embora 8 a 10 semanas sejam mais comuns. Existe uma correlação
inversa entre o tamanho da ninhada e o tempo que a fêmea permite a amamentação. As ninhadas de
menor porte amamentam por mais tempo. Filhotes nascidos na primavera muitas vezes continuam a
amamentar por 3 a 5 meses, até o outono.
Comportamento Ingestivo Transicional
O estágio de transição do comportamento ingestivo ocorre enquanto o gatinho está
amamentando e comendo alimentos sólidos. Começando perto do final da quarta semana de idade,
este período nutricional misto dura até que o gatinho seja normalmente desmamado, em cerca de 8
semanas. Gatinhos domésticos começam a comer alimentos sólidos entre 28 e 50 dias de idade (média
de 32 dias), muitas vezes seguindo a fêmea até a tigela de comida ou acidentalmente pisando na
comida. Imediatamente antes da transição para alimentos sólidos, pode-se notar que os gatinhos
comem sujeira ou lixo.
Se a fêmea lactante é uma caçadora, ela apresenta seus filhotes à comida sólida na forma de
presas pequenas e mortas. Cerca de 35 dias, ela come na presença deles, mas em 6 semanas alguns
dos gatinhos começam a comer com ela por conta própria. Isso garante que a comida sólida estará
disponível para os jovens quando estiverem prontos. A mãe, aparentemente, traz presa para o ninho
em resposta às características dos filhotes de uma idade apropriada.

Comportamento de Caça
Felis catus tem sido descrito como o carnívoro mais perfeito, porque todo o seu corpo é
voltado para a vida predatória. Além de adaptações sensoriais e locomotoras, o gato tem dentes
caninos achatados lateralmente, o que permite que ele corte a medula espinhal de sua presa sem
danificar os corpos vertebrais. A ação de alavanca da mandíbula e a ação de tesoura dos pré-molares
também aceleram a matança e a ingestão de presas porque nenhuma ação de moagem de molar é
necessária. Assim, o gato tem molares rudimentares e quase nenhum movimento lateral da mandíbula.
O gato come do lado da boca, usando os pré-molares para rasgar a carne, em vez de partir da frente
como um animal pastando. Enquanto o gato está mastigando, o ouvido e as vibrissas do lado da presa
são visivelmente achatados na cabeça. As garras afiadas nos membros torácicos ajudam a capturar a
presa, e sua retratibilidade por meio de ligamentos especializados ajuda a manter sua nitidez extrema.
Os pés acolchoados permitem o ataque por emboscada, e o canal alimentar encurtado permite a
digestão rápida para que o gato não tenha que carregar o excesso de peso.
Os gatos de fazenda são considerados principalmente caçadores, embora, na verdade, grande
parte de sua dieta seja suplementada por humanos. Eles gastarão 3,9% a 25,7% do tempo caçando,
geralmente por volta do meio-dia e do anoitecer, e 1,2% a 3,4% se alimentando.

Desenvolvimento da caça

Comportamentos predatórios rudimentares podem ser vistos com 3 semanas de idade. Então,
o reconhecimento de presas começa no final do primeiro mês, quando a mãe traz para casa presas
mortas para seus filhotes cheirarem e eventualmente saborearem. Entre 3 ou 4 semanas, ela traz presas
fracas ou feridas para que os jovens possam começar a adquirir suas próprias habilidades de caça. Os
gatinhos interagem com as presas mais rapidamente e por períodos mais longos imediatamente após
a luta da mãe. Entre 4, 5 e 7 semanas, a maioria dos comportamentos predatórios é significativamente
correlacionada entre si.

Técnicas de caça são desenvolvidas pela prática durante o jogo e durante as sessões de presas
com a mãe. Acredita-se que os aspectos de caça e captura da caça sejam inatos, mas as respostas de
contato manipuladoras e positivas são comportamentos adquiridos. Os aspectos de caçar, capturar e
matar também podem ser aprendidos ou pelo menos aperfeiçoados pelo aprendizado. A mordida da
nuca é o comportamento de matar presas que geralmente não aparece no jogo e deve ser aperfeiçoado
com a prática da presa real. Quando o estilo de caça do gatinho falha e o rato ou outra presa escapa,
o gatinho recebe outra oportunidade porque a mãe recaptura o rato e o arrasta de volta para os filhotes.
Os gatinhos seguem a mãe em viagens de caça para aperfeiçoar suas habilidades à medida que se
aproximam da autossuficiência. Entre 15 e 18 semanas, a exploração e a caça chegam a 68% do tempo
do gato jovem.
As tendências predatórias são herdadas e provavelmente foram modificadas pela
domesticação, tornando os gatos predadores geralmente menos defensivos e mais agressivos do que
os não caçadores. Essas tendências são influenciadas pela experiência inicial. A competência na
predação está relacionada à presença da mãe durante a exposição do gatinho a uma presa e a vivenciar
a vida adulta. Os gatinhos caçam a mesma presa que observaram sua mãe matar e levar para casa. Os
gatos são mais capazes de capturar presas se tivessem experiência com presas, abordando,
manipulando e mordendo-os em um contexto de brincadeira como gatinhos. Aprender a matar presas
geralmente é limitado do sexto até aproximadamente a vigésima semana, mas para os poucos gatos
que aprendem depois dessa idade, o processo parece quase trabalhoso. Se os jovens nunca observam
esse processo, aproximadamente a metade aprenderá habilidades de caça por conta própria. Mesmo
que um gatinho nunca seja exposto à caça, em uma idade apropriada, o gato responde ao chiado de
um rato ao atacá-lo. O modo como um gatinho é criado também será importante no futuro
comportamento de caça. Um gatinho jovem criado apenas com um rato raramente se torna um
caçador, mas os cerca de 17% que se tornam caçadores geralmente não caçam o tipo de presa com o
qual foram criados. Se o gatinho é criado com um rato, além de outros gatinhos, a socialização para
a presa natural é mínima.

A caçada
Captura de presas
Embora roncos ou guinchos possam inicialmente atrair a atenção do gato, a visão da presa em
movimento é o principal fator que inicia o comportamento de caça. Com a experiência, um gato pode
aprender a reconhecer a presa imóvel. Os gatinhos podem orientar visualmente a presa a partir dos 9
dias de idade. A fome e a caça são independentes, mas a primeira pode reduzir o limiar para esta
última. Depois de ser alertado para presas em potencial, até mesmo presas tão grandes quanto ele, um
gato se aproxima da presa em uma emboscada de perseguição. Inicialmente, o gato vai para uma
determinada área, e quando chega, a marcha muda para uma caminhada lenta enquanto olha para a
área. Uma vez que a presa foi localizada, o gato se agacha perto do chão e usa um trote em fuga,
parando periodicamente. Ela está lá temporariamente com os membros anteriores e os cotovelos
salientes. A cabeça está esticada para frente, assim como as orelhas. Os bigodes estão espalhados.
Conforme seus olhos seguem a presa, o gato geralmente contrai sua cauda. A perseguição continua
periodicamente até o gato se aproximar da área de alcance. Nesse momento, ele novamente para e
abaixa seu corpo, prosseguindo em uma caminhada cautelosa e discreta. Enfim há uma pausa final
durante a qual sua cauda se contorce com grande intensidade e os membros pélvicos posicionados
caudalmente, balançando toda a parte traseira para trás.Então, depois de um curto percurso, se
necessário, o gato salta para frente, para aproveitar a presa. Nesse ataque, seus membros pélvicos
geralmente permanecem no solo e apenas suas patas dianteiras são usadas na captura. Assim que os
membros anteriores deixam o chão, os membros traseiros se afastam para estabilizar o gato e ajudá-
lo a frear. Desta forma, o gato pode mudar de direção para acomodar os ziguezagues feitos pela presa
em fuga. Se, em vez disso, os membros torácicos e pélvicos estivessem fora do chão durante a
investida, o gato estaria comprometido em sua direção de viagem. O gato que errar sua presa
intencional não faz nenhuma tentativa de corrigir o erro. Em vez disso, ele se retira temporariamente
e, se as condições ainda forem favoráveis, renova seu ataque. Em média, um gato produzirá 3,6 pulos
para cada vertebrado que capturar enquanto caça. Sabe-se que os gatos deixam um rato em favor de
outro mais ativo.
Mordida de nuca
As presas capturadas são contidas e posicionadas com as patas dianteiras e mortas pela
mordida de nuca. O caçador realiza essa mordida no aspecto dorsal do pescoço, direcionando seus
dentes caninos entre as vértebras cervicais adjacentes para romper a medula espinhal ou para a
articulação atlanto-occipital para perfurar a medula oblonga. A força de direção inata é governada
visualmente pela constrição do pescoço da presa e, taticamente, pela direção da pelagem da mesma.
Os dentes caninos de F. catus são achatados lateralmente, de modo que servem como uma cunha.
Além disso, há numerosos receptores nervosos na base desses dentes, provavelmente para ajudar a
direcionar a mordida da morte. O rápido tempo de contração para os músculos da mastigação permite
uma rápida mordida depois que a colocação correta é alcançada. Um gato jovem inexperiente,
especialmente um tímido, pode inicialmente não usar força suficiente para matar a presa, mas a
competição com ninhadas e ataques repetidos aumentam. a excitação até que eventualmente faça a
matança. Alguns gatinhos nunca chegam a esse ponto, e para gatos mais velhos a quantidade
necessária de excitação é muito difícil de ser alcançada. Depois de algumas mortes bem-sucedidas,
os gatinhos parecem se tornar menos habilidosos, pois individualizam e aperfeiçoam suas técnicas
em situações mais difíceis, como quando a caça aos ratos não está sendo executada precisamente. O
abate de presas está relacionado ao tamanho e à fome. A probabilidade de um abate aumenta com a
fome e diminui com o tamanho da presa maior. Quando esses fatores estão em conflito, o gato está
mais apto a brincar com a presa primeiro.
O processo de aprendizagem associado à mordida da nuca envolve vários aspectos
interessantes. Em ocasiões em que a mordida não é dirigida corretamente, o gatinho pode segurar
outra porção do corpo da presa. A presa pode se virar e morder o nariz do gatinho. A matança inicial
geralmente é inesperada pelo gatinho, e ele tenta continuar brincando com a presa agora imóvel. O
filhote deve fazer vários abates antes de associar a mordida no pescoço com sua habilidade de
transformar presas vivas em alimento, e somente então a fome inicia ações de captura de presas. Se
a presa for morta por um método diferente da mordida da nuca, o gato pode executar uma mordida
de nuca no animal morto, geralmente antes de comê-lo, mas ocasionalmente após os estágios iniciais
da ingestão. Quando não usados por algum tempo, as habilidades associadas ao abate tendem a
atrofiar.

Ingestão de presas
Comer presas mortas é outro comportamento baseado na experiência. Se o gatinho aprender
a comer presas mortas da mãe, ele comerá a presa capturada. O gatinho que comeu carne crua, mas
não a presa fresca, vai comer a presa capturada se a presa for cortada para liberar o cheiro de tecido
fresco ou se, acidentalmente, ele extrair sangue durante a matança. Gatos criados como vegetarianos
matam, mas geralmente não comem a presa.
Depois da matança, um gato frequentemente se arruma e depois leva sua presa morta para
uma área tranquila antes de comê-la. Quando come um rato, até mesmo um gato jovem começa com
a cabeça e trabalha caudalmente enquanto se agacha sobre ela. Alguns gatos podem tentar morder o
abdome primeiro, mas logo se movem para a cabeça. Geralmente o animal inteiro é consumido, com
a exceção ocasional da cauda.
O ambiente provavelmente exigiu que os felídeos precoces usassem técnicas de caça de alta
busca e baixa perseguição. Por causa deste desenvolvimento evolutivo, e porque a presa é pequena,
os gatos geralmente são caçadores solitários. Na ocasião, dois e três indivíduos caçam dentro de 50 a
75 metros um do outro; no entanto, a verdadeira caça cooperativa é rara e se restringe principalmente
aos casais que se cortejam.
Como um meio de controle de roedores, o gato é insuperável. Embora os gatos sejam
importantes nesse controle, a emigração de gatos para uma área sem gatos residentes diminuirá o a
população de roedores. Os gatos não podem despovoar completamente uma área de roedores, mas
podem impedir o aumento da população.

Captura de presas não roedores


Estudos de material ingerido em populações de gatos selvagens confirmam que os
camundongos são o principal alimento do gato. Outras presas variam sazonalmente, mas incluem
ratos, morcegos, pequenos répteis, carniça, coelhos, pássaros e insetos. Ratos pesando menos de 200
g são outras espécies de presas, mas metade são mortas e não comidas. Os gatos selvagens tendem a
ser oportunistas e catadores, portanto o tipo de presa é largamente dependente de sua abundância
relativa. A disponibilidade de alimentos comerciais ou de mesa não diminuem o consumo de presas
selvagens.
As aves não compõem a maior parte da dieta do gato, como é comumente acreditado, com
atividade humana sendo 56 vezes mais propensos a matar pássaros do que gatos. Escotilhas de
primavera e verão fornecem a maior parte da oferta, e gatos que caçam perto de estradas
aparentemente matam mais aves do que quando caçam em campos. A maioria das aves de jardim
tendem a se reproduzir nas bordas de matas e clareiras, onde seriam atacadas por várias espécies de
animais, não apenas por gatos. São necessárias habilidades especiais de caça para capturar presas
voadoras, nem todos os gatos são bem-sucedidos. O pássaro geralmente é pego com uma ou ambas
as patas dianteiras e instantaneamente levado à boca pela mordida da nuca. Se a ave tiver um pescoço
longo, a mordida da nuca pode ser direcionada para perto da cabeça ou do ombro. Instintivamente, o
último é mais comumente usado porque a disparidade de tamanho é maior entre o corpo e o pescoço
do que entre a cabeça e o pescoço. Os melhores caçadores não liberam a captura para uma melhor
mordida no pescoço, porque o pássaro tende a escapar. Com exceção de algumas penas, que podem
ser arrancadas, o animal inteiro é normalmente comido, começando pela cabeça.
Quando um gato começa a caçar pássaros, é quase impossível impedir sua continuação. Na
melhor das hipóteses, jogando coisas no gato faz com que ele passar a caçar às escondidas. Para evitar
que um gato capture pássaros, deve ser selecionado um gatinho cuja mãe não caçará aves, ou deve
ser adotado com cerca de 6 semanas de idade. Em ambos os casos, o gatinho deve ser confinado e
não deve ser exposto a aves, pelo menos até completar um ano de vida.
Outra presa menos comum para o gato é o peixe. Embora a maioria dos gatos deixe peixes em
paz, alguns são conhecidos por perseguirem o peixe dourado da família. O gato de pesca da Malásia
é muito hábil em enganchar peixes com suas patas dianteiras, assim como certos indivíduos que
vivem em regiões costeiras ou perto de lagos e córregos. A pesca é uma das primeiras habilidades
para as quais a seleção foi feita em domesticação.

Comportamento Alimentar Adulto


Os gatos continuam a crescer durante vários meses após o desmame. Nas primeiras 8 semanas,
ambos os sexos crescem a uma taxa aproximadamente igual. Depois disso, os machos crescem mais
rapidamente. As fêmeas crescem até cerca de 6 meses de idade e os machos até 9 a 12 meses. Um
recém-nascido necessita de 380 kcal / kg de ingestão diária e as necessidades diminuem gradualmente
para uma necessidade diária de 80 kcal / kg no adulto. A refeição de camundongo fornecerá
aproximadamente 30 kcal de energia, portanto a maioria dos gatos requer aproximadamente 10
camundongos por dia. Cada camundongo é composto de 64% a 76% de água, 14% a 18% de proteína,
6% a 18% de gordura e de 1% a 5% de minerais. Esses dados sugerem que os gatos evoluíram para
comer várias pequenas refeições por dia. Os ancestrais imediatos do gato também comiam presas
pequenas, como pequenas refeições frequentes, em vez de seguir o princípio de “festa ou fome” típico
de seus grandes primos felinos. Se for permitido estabelecer seu próprio horário, os gatos domésticos
comerão de 9 a 16 refeições pequenas e uniformes por dia. Quando alimentados periodicamente, os
gatos tendem a ser mais agressivos e menos cooperativos do que se alimentados por livre escolha.
Gatos alimentados com refeição também tendem a comer e beber com menos frequência, e seus níveis
de pH, magnésio e fósforo na urina flutuaram muito mais do que em gatos alimentados por livre
escolha.
Se a oportunidade existe, uma grande parte do tempo pode ser gasto na caça. As fêmeas
gastam 26% a 46% do dia caçando, em comparação com 5% a 34% gastas pelos machos, durante as
lutas com uma média de 30 minutos (intervalo de 5 a 133 minutos). Os machos geralmente comem
mais, mas as fêmeas mostram mais variações no peso corporal, principalmente devido a mudanças
nos padrões de alimentação e atividade relacionados aos ciclos de estro. Com base nas necessidades
corporais de alta proteína, um gato doméstico consome aproximadamente 75 g de alimento seco ou
250 g de comida enlatada por dia (cada um com 250 calorias) ou cerca de 30 kg de comida seca ou
90 kg por ano. Ingestão calórica flutua um pouco em um ciclo de 4 meses, juntamente com as
mudanças cíclicas no peso corporal, ingestão de alimentos e atividade da tireoide.
A regulação do comportamento ingestivo não é completamente compreendida. Várias teorias
foram avançadas, mas cada uma tem exceções, de modo que a alimentação pode realmente ser
regulada por múltiplos fatores. Fatores ambientais como disponibilidade e propriedades nutricionais
da dieta são os principais determinantes do padrão alimentar. À medida que a densidade calórica
diminui, os gatos mantêm a ingestão com base no conteúdo volumoso, não calórico. Os gatos adultos
também regulam o consumo em certa medida no conteúdo de matéria seca. À medida que a umidade
é adicionada, o consumo aumenta em proporção à quantidade de água adicionada. À medida que os
custos de energia e segurança de obter comida aumentam para um gato, a frequência de alimentação
é reduzida e há um aumento compensatório na quantidade ingerida por refeição. As teorias sobre os
reguladores da ingestão incluem palatabilidade dos alimentos, níveis sanguíneos de aminoácidos e
glicoreceptores hepáticos. Não há correlação entre o tamanho da refeição e os intervalos intermédios,
e uma ração não é selecionada porque é nutricionalmente equilibrada.
Comportamentos ingestivos de gatos adultos antes e depois da alimentação têm sido bem
caracterizados. Os comportamentos prévios são dirigidos ao proprietário como vocalização e
comportamentos dirigidos. Um gato se aproximará com o rabo para cima e sacudindo como se fosse
para outro gato. Ele também vai se esfregar no proprietário e em outros objetos. Comportamentos pós
refeição ocorrem com muito menos interação com o proprietário.
Quando mais de um gato se aproxima de uma tigela de comida não é governado pelo status
social como em outras espécies. Em vez disso, os gatos geralmente aderem ao princípio primeiro a
chegar, primeiro a ser servido, ou podem compartilhar. Como os gatos não sabem como se comportar
quando comem juntos, o indivíduo que chega mais tarde pode optar por esperar. Quem come primeiro
ou quantos comem ao mesmo tempo depende de indivíduos e não de idade, sexo ou outros fatores de
dominância. Um gato ocasionalmente vai pegar presas de outro, especialmente se houver uma
distração.

Preferências Alimentares
As respostas gustativas iniciais aparecem logo no primeiro dia de vida e envolvem
basicamente a diferenciação do leite salgado do leite normal. Em 10 dias, as respostas também são
amargas, doces e amargas. A maturação envolve mudanças no comportamento ingestivo, mas o
ambiente é provavelmente a influência mais forte sobre as preferências alimentares. A presa
específica introduzida pela mãe ou tipo de alimento fornecido pelos donos ao juvenil muitas vezes
determina os padrões no adulto, com as preferências alimentares geralmente estabelecidas antes dos
6 meses de idade. Se o gatinho não foi exposto a uma variedade de sabores e texturas alimentares, as
preferências alimentares podem ser tão limitadas que o gato pode até se recusar a comer qualquer
coisa, exceto uma ou duas opções. Os gatos tendem a ser extremamente particulares, e a suposição
de que o gato acabará ingerindo um alimento nutritivo quando ele fica com fome não está correta.
Eles são conhecidos por recusarem uma dieta nutricionalmente completa e desagradável por um
período prolongado, e literalmente morrem de fome ao invés de comer uma refeição inaceitável.
Sabe-se que as mães comem seus filhotes enquanto estão nesse estado, nunca tocando no alimento
disponível.
Preferências podem ser mostradas comportamentalmente. A introdução de um alimento que
produz uma resposta “lamber / cheirar comida e lamber os lábios” indica que é uma refeição
desejável. Um “lambuzar / cheirar comida e lamber o nariz” mostra um grau de indesejabilidade.
Gatos que são acostumados a uma variedade geralmente preferem uma nova dieta à sua dieta normal.
Entretanto, essa preferência é curta, se a nova dieta for menos palatável. As preferências também
podem mudar significativamente ao longo do tempo. Para gatos que não estão acostumados à
variedade, os alimentos devem ser mudados gradualmente misturando bem 20% a 25% do novo
alimento com o velho. Esta primeira mistura deve ser oferecida até que seja prontamente aceita, o
que geralmente leva até 14 dias. Em seguida, a mistura pode ser ainda mais alterada, introduzindo
outros 20% a 25% do novo alimento. Essas etapas devem ser repetidas até que a nova dieta seja
introduzida de maneira exclusivamente.
A palatabilidade desempenha um papel importante na preferência alimentar, e essa é composta
por diversos fatores, tais como o aroma, a textura, o sabor do alimento e a temperatura.
A palatabilidade se dá primeiramente pelo odor do alimento, seguido da textura e sabor.
Assim, é importante estimular a alimentação do gato sênior e geriátrico com alimentos ricos em
aromas, já que o olfato é o primeiro sentido a ser afetado com a idade. Além disso, o local onde são
ofertados os alimentos deve ser calmo e longe de possíveis odores que possam vir a interferir em sua
palatabilidade, já que o animal pode associar o mau odor ao alimento. As fêmeas das mais diversas
espécies possuem maior sensibilidade aos odores quando comparadas a machos, e que em períodos
de cio e até mesmo durante a gestação (devido a oscilação hormonal de estrógenos no sangue) essa
sensibilidade tende a aumentar significativamente podendo vir a desenvolver aversão a alguns
alimentos, assim como o aumento do consumo de outros.
Ações consecutivas de lambedura dos lábios e o ato de cheirar ao redor do alimento são
reações indicativas de verificação de palatabilidade. Quando o alimento é palatável, o gato lambe os
lábios, cheira ao redor do alimento e o consome. Ainda, o gato pode em seguida realizar
comportamentos de higiene, como a autolimpeza da face e do corpo. Já quando o alimento em questão
não é palatável, ele cheira ao redor da comida, lambe o focinho e se afasta, podendo também depois
vir a realizar a limpeza de seu tórax e corpo.
Os gatos possuem receptores gustativos especializados em ingestão de carne e, por esse
motivo, a preferência por uma dieta rica em proteína se sobressalta quando comparada a outras.
Felinos possuem um grande número de neurônios especializados em aminoácidos, especialmente os
que estão localizados no nervo facial, sendo esse o único entre os quatro nervos cranianos responsável
pela distinção de gosto. A maioria desses receptores possuem preferência por aminoácidos
considerados doces (como prolina, cisteína, ornitina, lisina, histidina e alanina) aos de sabor amargo,
como triptofano, arginina, isoleucina e fenilalanina. Em segundo lugar, os gatos possuem uma grande
rede de receptores gustativos especializados em ácidos. Já o hábito de não consumir carnes velhas,
ou carniças, pode estar relacionado ao fato de que os felinos rejeitam alimentos que possuem em sua
composição nucleotídeos monofosfatos, os quais após a morte se acumulam nos tecidos animais e
isso esclarece o motivo pelo qual eles comem apenas carnes frescas. Os gatos respondem
positivamente aos alimentos que possuem sabores salgados, amargos e azedos. Os felinos não
possuem receptores para compostos de sacarose e açúcares, e por esse motivo, gatos podem não
responder ou se interessar por alimentos doces.
Porém, quando diluídos em solução salina ou em leite, os felinos podem vir a aceitar
alimentos doces. A gordura também é apreciada ao paladar felino, ela esta associada mais a questão
da textura do que pelas reações relacionadas ao sabor. Alimentos ricos em ácidos graxos de cadeia
média são aversivos em felinos, e essa teria sido a forma encontrada por eles de evitar alimentos com
baixos níveis de gordura. Porém, quando a questão é textura, os felinos tendem a rejeitar alimentos
pegajosos, pequenos e esfarelados. Preferem alimentos que possuam temperatura corporal ou
ambiental e rejeitam os que possuem valores abaixo dos 15° C. Selecionam os sólidos inteiros e
úmidos. Tal preferência pode ser explicada pelo simples fato de que a baixa ingestão de água pelos
gatos está relacionada diretamente aos hábitos alimentares predatórios, já que grande parte da água
ingesta era obtida por meio do tecido animal (tendo um camundongo como exemplo, esse possui em
média 76% de umidade quando comparada a uma dieta com ração seca que possui apenas 10%).
Logo, a maior parte de sua hidratação diária está voltada ao alimento e não a ingestão de água em si.
Porém, dietas ricas em proteínas e minerais podem induzir ao maior consumo de água, segundo
MacDonald et al. (1984).
A seleção inicial de um alimento de livre escolha depende do odor, que pode fornecer a única
base para a seleção da dieta. Se o cheiro é aceitável, a base da língua traz a próxima informação. Os
odores, sabores ou texturas indesejáveis podem anular a necessidade metabólica de nutrição e são
mais importantes como fatores negativos do que positivos. Isso explica por que alguns gatos ingerirão
uma nova dieta se ela for esteticamente aceitável. A rejeição também pode ocorrer após um período
sem um tipo específico de alimento. A carne é obviamente o alimento de escolha, e os gatos mais
velhos preferem o rim. Eles também escolhem peixes e ração comercial a ratos. Ratos frios e mortos
são levemente mais palatável do que a matança recente. A ordem decrescente de preferência felina
em geral é carne de ovelha, gado, cavalos, porcos, galinha e peixe. Se uma carne é crua ou cozida é
relativamente sem importância; no entanto, os alimentos à temperatura do corpo são preferíveis
àqueles em temperaturas mais altas ou mais baixas. A umidade, que pode ajudar a liberar odores,
aumenta a palatabilidade e os alimentos condimentados geralmente não são apreciados.
As características físicas de um alimento estão envolvidas na seleção de alimentos. Gatos
preferem soluções com maior densidade (leite integral versus leite diluído), mas são mais cautelosos
com texturas pastosas. À medida que a dieta se torna mais seca e mais pulverizada, a aceitação
também diminui. As gorduras são desejáveis, com o sebo é preferido em relação ao frango ou
manteiga, e estes são mais apreciado que o óleo de milho.
Alguns sabores são selecionados contra gatos. Estes incluem sacarina, ciclamato, caseína,
triglicerídeos de cadeia média, ácido caprílico e certas combinações. Estudos conflitam sobre a
habilidade de um gato em detectar guloseimas. Pode ser por isso que a sacarose não aumenta a
palatabilidade em gatos como acontece em outros. Os gatos gostam de sólidos doces como sorvete,
então pode-se dizer que eles realmente acham a combinação de textura doce, gordurosa e leitosa
altamente palatável.
Os indivíduos podem ter preferências fortes que são únicas de outros gatos. Um gato, criado
por um rabino judeu, observou as leis judaicas ao não tomar leite quando comia carne, embora ambos
estivessem disponíveis. Isso ilustra que as variações ocorrem com base em fatores individuais e
influências ambientais.
A preferência por presas pode existir não apenas na caça, mas também no consumo. Os gatos
que pegam ratos geralmente pegam todos os tipos de camundongos, mas se recusam a comer certos
tipos de camundongos, pássaros e toupeiras. Cobras, rãs e sapos raramente são comidos, embora
possam ser caçados e capturados.
As preferências alimentares não se restringem à carne, e isso pode refletir novamente a
herança selvagem. Grama e outras matérias vegetais podem ser encontradas nas fezes ou estômagos
de aproximadamente um terço dos gatos selvagens. Animais servindo como presa normal para F.
catus são principalmente vegetarianos, então quando a presa é comida, a matéria vegetal se torna
parte da dieta do gato. Portanto, a maior parte da matéria vegetal consumida já foi parcialmente
processada pelo trato intestinal da presa. Embora os gatos possam digerir uma pequena quantidade
de amido de vegetais frescos, grandes quantidades de carboidratos crus podem causar vômitos ou
diarreia. Como os gatos não têm a capacidade de quebrar as ligações beta da celulose à glicose, a
grama fresca permanece inalterada dentro do sistema gastrointestinal e pode na verdade tornar-se
irritativa. Como o gato doméstico é mais propenso a consumir grandes quantidades com pouca
frequência, a grama costuma receber o papel de um purgante nos casos de bolas de pêlo. Se, no
entanto, é introduzido pequenas porções de matéria vegetal no início da vida do gato, ele pode ser
considerado um animal onívoro. Comer capim em casos de dificuldade digestiva pode ser um
comportamento aprendido, na tradição de outras espécies que aprendem a automedicação. O lixo
também é comumente consumido, representando uma adaptação oportunista.

Consumo de água
Por volta da quinta semana de vida, um gatinho começa a beber dos pratos. Na idade adulta,
o gato médio necessita de aproximadamente 44 a 66 ml de água por quilo de peso corporal por dia.
Os gatinhos precisam de 66 a 88 ml / kg / dia. A água está disponível para um animal a partir de três
fontes: água potável, água dos alimentos e água do metabolismo de nutrientes como a gordura e a
energia. Uma dieta de comida enlatada é composta por 74% de água, disponibilizando 49,8 g/kg da
dieta para um gato adulto. Suplementaria sua ingestão bebendo 7,3 g/kg. Isso significa que, para o
gato comum, aproximadamente 185 ml estão disponíveis diretamente. Cerca de mais 15 ml vem do
metabolismo da gordura. O gato pode não precisar beber. Os alimentos secos têm apenas 10% de
água, fornecendo 7,5 ml, com outros 7,5 ml disponíveis do metabolismo da gordura. Neste caso,
185ml de água devem ser ingeridos diretamente.
Um gatinho aprende a beber abaixando a cabeça até a boca tocar a água. A cabeça é então
levantada e a água é lambida ao redor da boca. O gato adulto geralmente se agacha sobre a fonte de
água e usa sua língua para trazer água para a boca. Para isso, a ponta da língua é enrolada caudalmente,
formando uma concha para levantar o líquido para dentro da boca, e o gato geralmente bate quatro
ou cinco vezes antes de engolir. Ocasionalmente, os gatos domésticos preferem beber da privada ou
de uma torneira escorrendo. Geralmente uma das duas posturas é usada.

COMPORTAMENTO INGESTIVO DOS CÃES


O cão é um animal carnívoro por definição, mas onívoro por convenção, por isso acaba sendo
melhor definido como sendo um carnívoro não estrito. O comportamento alimentar do cão se divide
em 3 etapas bem distintas: busca, identificação e seleção. Na busca e identificação, os cães usam o
olfato para capturar odores e depois tocam os alimentos para sentir a temperatura. O olfato é o sentido
mais importante nessa fase (os cães possuem entre 70 e 200 milhões de receptores olfatórios,
comparado com 5-20 milhões dos seres humanos). Na fase de seleção, entra o paladar. Cães possuem
cerca de 1700 papilas gustativas (contra cerca de 9000 dos seres humanos) e distinguem cinco sabores
– amargo, doce, ácido, salgado e “umami” (reconhecimento de um aminoácido chamado glutamato).
Na natureza os canídeos caçam em matilhas, havendo disputas e dessa maneira uma ingestão
rápida do alimento. Dependendo da raça, comem 4 a 8 ou até mesmo mais refeições, geralmente
durante o período diurno. Assim, recomenda-se fornecer a quantidade calculada de alimento (ou a
porção indicada pelo fabricante – no caso de rações comerciais), de preferência dividida em no
mínimo duas porções diárias e caso haja mais de um cão, separa-los se houver competição/disputa
pelo alimento.
Sabe-se muito sobre o comportamento ingestivo de cães, mas grande parte dessa informação
permanece escondida dentro dos limites dos principais fabricantes de alimentos para cães. Pesquisas
independentes estão fornecendo algumas observações interessantes que são úteis para entender todos
os cães.
Comportamento na amamentação
A amamentação de recém-nascidos é o começo do comportamento alimentar de um cão.
Durante a maior parte do parto, a cadela mostra pouco interesse em amamentar qualquer um de seus
filhotes. Uma vez que todos eles nasceram, porém, ela calmamente apresenta sua superfície mamária
para eles. Filhotes recém-nascidos têm pouca força e coordenação, então suas primeiras tentativas de
amamentar são desajeitados. Por causa do reflexo de enraizamento, os filhotes se enterram em
qualquer superfície morna e quente que encontram. Esta superfície quente e macia é geralmente a
ninhada ou a mãe, por isso esse reflexo ajuda a garantir que os filhotes encontrem comida e calor.
Enquanto suas cabeças balançam para cima e para baixo durante os períodos de amamentação, elas
também balançam para frente e para trás. Os membros traseiros também se movem, pois, os filhotes
tentam permanecer na posição vertical. Depois de tocar um mamilo, o recém-nascido fará várias
tentativas para agarrá-lo e fazer várias tentativas para mamar antes de conseguir a sucção adequada.
Alguns filhotes parecem mais eficientes que outros, e a maioria aperfeiçoará a técnica à medida que
for crescendo.
Enquanto o filhote mama, ele faz um movimento rítmico e amassado de suas patas dianteiras
contra a região mamária da cadela. Este movimento de amassar pode servir um ou mais propósitos.
Filhotes recém-nascidos têm uma aparência de blocos no rosto, e o nariz não alonga até que o filhote
tenha algumas semanas de vida. Considerando o fato de que o amassamento ocorre durante a sucção
e é mais consistente em filhotes muito jovens, pode-se especular que isso ajuda a afastar o abdômen
da mãe do nariz do jovem. Uma segunda função pode ser ajudar a estimular do fluxo de leite via
massagem da mamaria glândula, embora, pelo menos em teoria, a massagem deva vir depois, pois os
filhotes maiores precisam de mais leite. Além disso, a massagem deve ocorrer em um ciclo de sucção.
Aos 17 dias de idade, a penetração do membro anterior não é mais vista nos filhotes e, aos 21 dias, a
sucção não é mais rítmica, mas torna-se barulhenta e irregular.
O reflexo de sucção labial ajuda a garantir que os recém-nascidos tentem amamentar com
projeções leves. É independente da fome ou da ingestão de alimentos. A sucção também pode ser não
nutricional, pois os filhotes saciados com alimentos geralmente adormecem enquanto apresentam
comportamentos de sucção. Eles também mostrarão o comportamento de sucção novamente se
alguém perturbar o sono. Este tipo de sucção não nutricional tem sido chamado de “comportamento
de conforto”.
Durante as primeiras 3 semanas, a mãe inicia todas as sessões de amamentação. Ela faz a
abordagem, apresenta a área mamária e desperta os filhotes lambendo-os. Os filhotes não têm
posições preferenciais nos mamilos.

Cada dia um cachorro traz mudanças nas necessidades e na fisiologia. Muitas bactérias já
estão presentes no estômago no primeiro dia. Em filhotes com menos de 8 dias de idade, o estômago
geralmente contém de 1 a 5 ml de leite e é muito alcalino. Essa condição do estômago pode indicar
dificuldades frequentes de sucção. A ingestão diária média é de 175 g por dia (150 a 175 ml). Após
o oitavo dia, o estômago do filhote ficará de 10 a 20 ml, e a ingestão de leite atinge um pico aos 26
dias. Nesse momento, o leite pode fornecem 1,5 kcal/g de energia bruta, e a cadela média pode
produzir 1050 g por dia de leite (aproximadamente 1 L).

Comportamento ingestivo transitório


Às 4 semanas após o nascimento, os filhotes começam a desenvolver os comportamentos
alimentares que usarão como adultos, mas continuam mamando também. Esta é a idade em que
devem ser introduzidos alimentos semi-sólidos. É também um momento em que a cadela torna-se
menos cooperativa nas lutas de amamentação, por isso os filhotes estão mais aptos a solicitar cuidados
à mãe. Ela geralmente coopera com as solicitações deitando-se. Depois de 30 dias, os jovens iniciam
todas as lutas para conseguirem mamar. A cadela está apta a restringir a duração desses períodos, a ir
mais longe e até a mostrar agressão aos filhotes se eles tentarem mamar com mais frequência do que
ela deseja. Suas tentativas de solicitação tornam-se cada vez mais mal sucedidas durante esse período,
com a mãe permanecendo em pé para as lutas cada vez mais curtas de amamentação. Ela pode até se
deitar e esconder seus mamilos contra o chão.
Para a maioria dos filhotes, seu primeiro alimento sólido é uma variedade de ração comercial,
enlatada ou umedecida para torná-la compatível com dentes decíduos e gengivas macias. Os dentes
decíduos estão no lugar por 3 semanas e não são substituídos até 16 a 26 semanas. É necessário
cuidado durante este período de transição porque às vezes uma cadela competirá agressivamente com
seus filhotes por comida disponível. Se ela estiver bem alimentada, essa competição é improvável
que ocorra. A variação nos sabores nas dietas de filhotes não é particularmente importante para as
preferências alimentares de longo prazo em cães adultos, mas ajuda a evitar que alguns indivíduos se
tornem comedores exigentes. Existe uma variação individual considerável na quantidade de leite e
ingestão de alimentos sólidos por filhotes durante o período de transição. Existe, no entanto, uma
correlação significativa entre a ingestão de alimentos sólidos e o peso do filhote.
Nos lobos, a comida semi-sólida é introduzida aos filhotes com 3 a 4 semanas, quando a mãe
e os outros membros da matilha são estimulados a regurgitar lambendo o rosto dos filhotes. Esse
comportamento permite que os adultos levem grandes quantidades de comida para os filhotes sem
que sejam roubados, e isso significa que os jovens não estão expostos aos perigos de viajar com os
adultos enquanto caçam grandes herbívoros. Comer comida regurgitada também facilita a transição
entre a amamentação e a ingestão de alimentos sólidos. O mesmo tipo de comportamento de
regurgitação ocorre em alguns cães. Quase dois terços das raças de cães de estimação exibem
regurgitação ocasionalmente para filhotes. Quase todas as cadelas livres vão regurgitar para seus
filhotes e os machos ocasionalmente fazem isso também. A idade dos filhotes quando o
comportamento começa varia, mas geralmente ocorre entre três e seis semanas. Embora 78% do
tempo seja a mãe que regurgita a comida para os filhotes, outros cães podem estar envolvidos.
Muitos proprietários não compreendem que a regurgitação do conteúdo estomacal por um cão
adulto na presença de filhotes é normal e, além disso, esse comportamento pode não se limitar à mãe
dos filhotes. Portanto, é importante verificar se nos casos de cão apresentando vômito ou regurgitação,
se ele está em volta de filhotes.
Enquanto a ninhada permanece unida, a competição por alimentos aumenta a ingestão de
alimentos por cada filhote até que as relações de dominância sejam estabelecidas. Filhotes
normalmente comem 14% a 50% mais quando alimentados como um grupo do que quando
alimentados individualmente. Um único filhote é alimentado até que esteja “cheio”, ele consome 30%
a 200% a mais se seus ninhados famintos receberem permissão para comer. Quando a dominância é
estabelecida, a facilitação social se torna importante. Quando as relações sociais se desenvolvem entre
os grupos os membros que são alimentados juntos, os cães vão comer mais no grupo do que se
alimentado sozinho, mas os filhotes dominantes, simplesmente com a sua presença, podem inibir
alguns dos seus irmãos de comer tanto.
Embora o desmame seja completo em 7 a 10 semanas em cães e lobos, lobos jovens não são
capazes de caçar presas grandes até que tenham pelo menos 4 meses de idade.

Mastigação Não-Nutricional
Filhotes mostram comportamentos orais que não estão associados diretamente com a
alimentação. Os comportamentos de bocas são uma forma canina normal de exploração e
investigação que começa no início da socialização - em torno de 3 semanas. Ao mastigar, lamber,
carregar, puxar e até mesmo engolir pequenos objetos, um filhote pode obter informações sensoriais
sobre seu ambiente. A relação real de mastigar objetos na dentição permanece incerta. Certas raças
parecem mostrar mais esses comportamentos. Aqueles com características adultas orientadas para a
boca, como Labrador Retrievers e German Shepherds, são mais propensos a mostrar muita atividade
oral como filhotes. Assim, medidas de controle devem ser tomadas para que o comportamento da
boca não se torne um problema. O uso de uma caixa para filhotes de cachorro jovens controla o acesso
deles / delas a objetos assim sua atividade oral pode ser dirigida a dois ou três brinquedos de
mastigação agradáveis. Os brinquedos de morder podem ser mais atraentes, manchando-os com
comida ou enfiando comida nas fendas. O elogio deve ser usado quando o filhote brincar com o
brinquedo, e um “não” e a substituição por um brinquedo aceitável devem ser usados para incidências
de mastigação inadequada.
A coprofagia também é um comportamento normal nos filhotes por um curto período. Comer
as fezes de outro cão pode ajudar o filhote a estabelecer uma flora normal no trato intestinal, e a dieta
pode afetar a flora intestinal. A coprofagia em filhotes pode simplesmente representar um
comportamento exploratório. Em ambos os casos, o proprietário não deve punir o comportamento.
Em vez disso, a atenção do filhote poderia ser desviada para outra atividade ou acesso impedido para
as fezes de outros cães.

Comportamento ingestivo do cão adulto


Uma vez estabelecida a dominância, os comportamentos alimentares juvenis são
gradualmente substituídos pelos adultos. A maioria dos canídeos silvestres sobrevive com um tipo de
ingestão de comida do tipo "festa ou fome", porque a caça grande bem-sucedida é esporádica. A
tendência com esse padrão é comer demais quando há muita comida para superar os momentos em
que é escassa. Os cães tendem a manter as características da festa ou da fome e comem mais calorias
do que o necessário, se houver comida disponível. Quando o alimento seco de livre escolha está
disponível, os cães tendem a ingerir várias refeições por dia em poucos dias. Os cães alojados
individualmente comem toda vez que são oferecidos alimentos frescos e geralmente comem de três a
seis refeições por dia. Se os cães forem mantidos em grupos, em vez de isoladamente, no entanto, sua
tendência é ingerir de nove a doze refeições por dia. Em geral, os cães tendem a comer mais do que
precisam para a manutenção, e até se tem a hipótese de que um segundo ponto para o peso corporal
pode se desenvolver quando alimentos altamente saborosos são oferecidos rotineiramente.78
Aproximadamente 70% dos cães comerão muito mais do que eles estão acostumados a comer se a
comida estiver disponível.
Padrões de alimentação de cães foram estudados, e verificou-se que apenas 26% dos donos de
cães alimentam seu animal de estimação uma vez por dia; outros alimentam seus animais de
estimação com mais frequência. Mesmo os cães que são alimentados apenas uma vez por dia recebem
guloseimas além da refeição. Ração seca e enlatada, guloseimas, comida de mesa e assim por diante
são fornecidos.
Existem aparentemente vários controles para a ingestão de alimentos por cães. Por um curto
período de tempo, a distensão resultante da maior parte do alimento é o principal fator para limitar a
ingestão, conteúdo calórico, temperatura corporal, temperatura ambiente, estresse, entrada sensorial
orofaríngeo, tempo de disponibilidade de alimento, olfato, sabor e textura, e quimiorreceptores
intestinais também podem ser restritivos. A ingestão de alimentos diminuirá 4% para cada aumento
de 10 ° F (2 ° C) na temperatura ambiente. As influências do olfato na percepção do paladar parecem
envolver um mecanismo cognitivo. O gosto parece influenciar também a percepção do olfato,
provavelmente por meio da orofaringe até a nasofaringe. A tendência de ajustar a ingestão diária do
volume para as necessidades calóricas é modificada apenas lentamente.

Preferências Alimentares
Vários estudos foram relatados sobre as preferências relativas de vários alimentos por cães. É
importante lembrar que essas preferências são relativas, embora existam preferências alimentares
individuais. Um alimento saboroso é aquele que tem alguma probabilidade de ser comido sob algumas
condições específicas. Preferência tem a ver com a probabilidade de um dos dois alimentos
disponíveis ser ingerido sob condições muito específicas. Muitos tipos de refeições são palatáveis
sob certas condições e outros não, e os alimentos que às vezes são considerados intragáveis podem
até ser altamente desejáveis quando o cão está com fome. Esse fato é particularmente relevante no
que diz respeito aos cães que precisam procurar por toda ou parte de sua comida. Mesmo dentro dos
componentes do lixo, uma classificação de preferência pode ser determinada.
A comparação das preferências alimentares indica que os cães preferem a carne a um alimento
rico em proteínas e gordurosas, mas não carne. A ordem de preferência decrescente para carne é carne
de vaca, porco, cordeiro, frango e carne de cavalo. A comida enlatada é geralmente preferida a
alimentos semiúmido, e a de ração seca. A carne enlatada é preferida à mesma carne recém-cozida,
e a carne recém-cozida é preferida à carne crua. A carne moída é preferida a pedaços de carne, e
quentes melhor do que frio.
Um novo sabor enlatado é preferido inicialmente quando comparado a um alimento familiar
de longa duração. Isso também é verdade em filhotes alimentados com um alimento específico desde
o desmame até os 6 meses e depois oferecido um novo. Se dadas as opções antecipadamente, a
palatabilidade e o efeito materno da dieta podem anular o consumo de um novo alimento. Se um
filhote estiver familiarizado com alimentos semiúmido, preferirá a comida enlatada.
Cães preferem doces a gostos agradáveis, gostos tão doces também podem ser avaliados por
preferências. As unidades predominantes de gemas de paladar do nervo facial de um cão são as do
tipo A que respondem aos aminoácidos. Muitos desses aminoácidos são descritos como “adocicados”.
A glicose é a mais apreciada, seguida pela frutose, sacarose e açúcar de mesa. Embora a sacarose seja
apreciada pelos cães, a frutose está acima da sacarose, o oposto ocorre no homem e no porco. A
sacarina e a maltose não são apreciadas. Os cães tendem a comer em excesso. alimentos doces. Como
os alimentos naturais não contêm muitos doces, a natureza não desenvolveu nenhum método para
limitar a ingestão de alimentos doces.
Quando o sentido do olfato é perdido por doença, trauma ou manipulação experimental,
palatabilidade e preferências também são afetadas. A preferência por carne ou sacarose sobre um
cereal suave permanece, mas as preferências entre elas são eliminadas.
Embora as preferências alimentares raramente representem um problema para os cães, a
experiência inicial de um filhote com alimentos sólidos pode influenciar suas escolhas mais tarde. Se
alimentados com dietas limitadas antes dos 6 meses de idade, um filhote pode continuar a optar por
essa dieta em particular. Mesmo mais tarde, um cão pode adquirir uma preferência por um
determinado alimento se for exposto ao odor desse alimento na dieta. respiração de outro cão que
comeu o mesmo alimento.

Planta (grama) comendo


A maioria dos proprietários observou seus cães comendo grama ou outras plantas. A
alimentação de grama representa um comportamento normal que, se levado ao excesso, pode ser
considerado um problema. A grama é consumida com mais frequência que outros tipos de plantas, e
não há correlação com a frequência de ingestão de plantas para sexo, raça, dieta, carga parasitária
interna ou outros problemas comportamentais. Em vez disso, o comportamento está relacionado ao
observado em lobos. Os lobos comem grandes ungulados, com as vísceras sendo a porção favorita da
presa. Ao comer o conteúdo abdominal, um lobo normalmente absorve alguma matéria vegetal
parcialmente digerida. Os carnívoros não têm a capacidade de romper as ligações beta da celulose
com a glicose, que é então convertida em ácidos graxos voláteis para absorção, de modo que
dependem de uma forma parcialmente digerida. No entanto, a maioria dos cães comerá rotineiramente
pequenas quantidades de grama. sem efeitos adversos. Os problemas surgem apenas se o cão não
tiver acesso à matéria vegetal por um tempo, como pode ocorrer no inverno. Eles tendem a comer
grandes quantidades de grama quando têm acesso a ela novamente. Como não conseguem digerir
esse material, ele permanece como irritante gastrintestinal até que o cão vomite ou passe nas fezes.
Aparentemente, alguns cães aprendem a associar plantas com vômitos e procuram plantas em
momentos em que não estão se sentindo bem. A incidência de vômitos associados a plantas pode ser
minimizada com a suplementação da dieta do cão com pequenas quantidades de grama fresca ou
vegetais cozidos.

Comportamento de Caça (Predatório)


Padrões de alimentação ancestral ainda desempenham um papel no comportamento ingestivo
do cão. A ordem Carnivora significa literalmente "comedores de carne". Os canídeos desenvolveram
técnicas sofisticadas de caça em bandos. À medida que o tamanho da presa caçada pelos ancestrais
do lobo por sua fonte primária de alimento aumentou, as técnicas de caça mudaram. Os tamanhos dos
bandos agora variam tipicamente de 2 a 12 membros, embora possam ser maiores. A caça em grupo
permite que uma matilha localize, persiga, mate e coma animais de forma mais eficiente. Em teoria,
um indivíduo teria mais alimentos disponíveis por refeição do que faz um membro do bloco; no
entanto, as vantagens da caça em grupo aumentam a probabilidade de a caça ser bem-sucedida.
Para o Canis lupus, o lobo cinzento, certos comportamentos pré-caça são típicos. À medida
que os membros da matilha se reúnem, há muita motivação para a caça. Quando a presa é localizada,
a sequência do comportamento de caça começa. No início, os lobos perseguem a presa para chegar o
mais perto possível dela. Então vem o encontro. À medida que os lobos e as presas se confrontam, as
presas grandes tendem a permanecer no solo, enquanto as menores tendem a trancar.114 Os caçadores
correrão em direção ao animal em retirada. Uma perseguição pode chegar a uma velocidade de 35 a
40 milhas por hora e geralmente não passa por mais de 2 milhas. O sucesso em pegar presas dessa
perseguição varia de 25% a 63% .
Quando os lobos pegam uma presa menor, eles normalmente a derrubam e rasgam em
qualquer parte de seu corpo. Presas maiores geralmente são atacadas por trás na garupa, flanco ou
membros posteriores por vários lobos, como um lobo segurando o nariz da presa. Durante a
alimentação do animal abatido, os membros da matilha tendem a ficar lado a lado ao redor da carcaça
e geralmente começam na garupa e no abdome, rasgando em todas as direções. A comida é ingerida
rapidamente. Se o espaço é limitado, os membros mais graduados comem primeiro, os juvenis comem
por último. Existe uma correlação entre o tamanho da presa e o tamanho do predador ou o número de
predadores cooperativos da mesma espécie. Todos os canídeos têm uma tendência a enterrar comida
extra depois que eles estão saciados.
Às 4 semanas de idade, alguns filhotes de lobos começarão a demonstrar comportamento
predatório em relação aos ratos. Dentro de poucos dias após o início do comportamento, eles
esmagarão o rato imediatamente e fracamente o sacudirão. Comportamentos de agitação
eventualmente serão usados para atordoar presas menores enquanto fortalecem o controle do predador
sobre sua presa. Filhotes raramente brincam com suas presas na presença de outro lobo. Eles também
preferem presas que se movem e fazem barulho.
O ponto de discutir o comportamento de caça no lobo é que muito do mesmo comportamento
é mostrado pelos cães, incluindo orientação para os locais de ataque e presas. Quando os cães atacam
animais maiores, as feridas estão frequentemente no períneo e na área da cauda. Vítimas ligeiramente
menores de ataques de cães, como bezerros, ovelhas ou pôneis, têm uma predominância de ferimentos
nos membros posteriores, na cabeça ou no pescoço. A oportunidade de perseguir com sucesso não é
comum para cães, porque populações verdadeiramente selvagens não são comuns, e a maioria dos
cães não tem acesso a presas.

Cães perseguem objetos em movimento porque o comportamento de caçar presas é iniciado


pela visão de algo se movendo rapidamente para longe. A intensidade do desejo de prosseguir
aumenta com o comprimento da perseguição. É por isso que o cão pode perseguir o gato da família
quando está em seu quintal, mas ignora o gato na casa. O comportamento de abanar aumenta da
mesma forma com o comprimento da perseguição. Se nenhuma perseguição for iniciada, ou se a
perseguição for curta, a agitação da presa provavelmente será mínima ou ausente.
Ao contrário dos lobos, a presença de outro cão aumenta a incidência de brincadeira
direcionada à presa. Esse comportamento de brincadeira inclui comportamentos como sacudir e
arremessar a presa no ar, além de morder e farejar. Filhotes com menos de 10 semanas de idade
tipicamente mostram tentativas de prender a presa com seus membros dianteiros - a punhalada do
membro anterior - com e sem um salto vertical. Eles também mostram todos os vários aspectos dos
comportamentos predatórios de adultos em sequências fragmentadas associadas a outros
comportamentos lúdicos. Outra característica da forma de brincar do filhote de cachorro é a mordida
inibida. Movimentos e sons reforçam os vários comportamentos e a imobilidade é respondida por
cheirar e enrolar. Quando a presa tenta escapar, seus movimentos são seguidos pela perseguição ou
bloqueio de fuga. Até mesmo um rato morto será colocado entre as patas dianteiras, cheirando,
beliscando e jogando-o no ar. O domínio não é afirmado sobre a posse de presas em cães, o que é
diferente do que em outros canídeos.
Durante um ataque mordaz à presa, todos os canídeos achatam suas orelhas e fecham
parcialmente os olhos. Quando atingem a pata dianteira, a cabeça e o pescoço são levantados e
arqueados e as orelhas erguidas para cima. Como acontece com outros comportamentos
consumidores, como acasalamento e eliminação, o canídeo não perturbado apresenta uma “expressão
facial consumatória” com as orelhas parcialmente achatadas e os olhos parcialmente ou totalmente
fechados, uma face de prazer.
A reprodução seletiva produziu muitas variações no comportamento de brincadeira. Tem sido
sugerido que os cães são os descendentes neotênicos de alguns ancestrais canídeos, o que significa
que comportamentos como pastoreio ou guarda representam o retardamento do desenvolvimento que
levou à retenção de certas características juvenis ou embrionárias ancestrais. De acordo com essa
teoria, os cães de guarda representariam as formas mais juvenis por causa de suas características
físicas de orelhas flácidas e crânios abaulados. Os cães pastores têm uma forma um pouco menos
juvenil, com mais crânios em forma de adulto e orelhas semi-erectas. Quando cães de várias raças
são testados em campo com cabras, a maioria reage latindo, perseguindo e atacando. Alguns cães
mostram inibição de ataque, que aparentemente é geneticamente programada para ter efeito em um
certo estágio de predação. Tantos cães com visão e olfato apurados são excelentes no aspecto de
rastreamento ou de fuga da predação, mas são menos propensos a ir além desse ponto na sequência
do comportamento. Observou-se que os cães de ovelhas e bois param no pastoreio ou na condução,
enquanto cães como os Boarhounds e os Terriers continuam no estágio de ataque/morte. Outra
variação da criação seletiva é o cão de guarda de uma espécie (como a ovelha), mas pode atacar outras
espécies (como coiotes) como predadores em potencial.
Grandes herbívoros não são a única presa para canídeos. Cães vão atrás de coelhos, gatos,
pássaros e ocasionalmente até mesmo peixes. Outras espécies pequenas, exclusivas de certos locais,
também podem ser consumidas, como aves, iguanas ou tartarugas. Estudos analisando o conteúdo
estomacal e as fezes em uma população de cachorros selvagens de cães de rua revelaram uma
variedade de alimentos, indicando que os cães estavam agindo como predadores e carniceiros.
Alimentos de origem animal incluíam coelhos, ratos, aves canoras, carniça e insetos. Outros itens que
os cães podem consumir incluem alimentos de origem vegetal como grama, folhas e frutas
(especialmente caquis).

Consumo de água
Beber tem dois componentes - o comportamento e o processo subjacente que resulta no
consumo de água. Um cachorro pega água com a língua. A língua está enrolada para trás e serve
como concha para levantar a água para a boca. Como a curvatura é quase plana em vez de em forma
de taça, grande parte da água sai pelos lados antes que o cão possa introduzi-la na boca. Dependendo
da taxa de lapidação, tamanho da língua, tamanho do prato de água e distância entre a boca e a água,
um cão pode driblar a água em uma área grande ou manter quase tudo na tigela de água.
A quantidade que um cão bebe todos os dias depende de vários fatores, mas o mais
significativo é o tamanho. O cão médio consome aproximadamente 1100 ml de água por dia. Desse
montante, aproximadamente a metade vem da ingestão de alimentos e a outra metade do consumo.
Em média, um cão bebe nove vezes por dia, com média de 60 ml por hora. À medida que a
temperatura ambiente aumenta, o consumo de água aumenta. A regulação do consumo de água
depende de várias coisas. Por um curto período, a quantidade de água que passa pela boca e faringe
pode trazer um fim temporário ao ato de beber. Um segundo fator que ajuda a inibir o ato de beber é
a distensão do estômago. Subsequente saciedade permanente ocorre após a absorção intestinal que
reabastece o déficit hídrico do corpo, reequilibra os níveis plasmáticos de sódio, e ajuda a restaurar
os níveis de eletrólitos extracelulares. A colecistocinina, que é liberada quando alimentos ricos em
proteínas ou gordurosos são ingeridos, estimula a contração da vesícula biliar, aumenta a secreção
enzimática pancreática e atua como um agente de saciedade.

Regulamento neural e hormonal


Várias respostas neuro-hormonais relacionadas estão associadas à alimentação. Gastrina,
hormônio adrenocorticotrófico, prolactina, hormônio do crescimento, ocitocina e insulina são
liberados com a digestão. A produção de somatostatina, um peptídeo inibitório, é reduzida. Gravidez
e lactação estão associadas a alterações nos hormônios gastrointestinais que podem aumentar a
capacidade digestiva e o anabolismo. Durante a gravidez, os níveis de gastrina, somatostatina e
colecistocinina aumentam. Os níveis de somatostatina permanecem elevados durante a primeira
semana de lactação; a gastrina e a colecistocinina aumentam em resposta à amamentação. Os níveis
de insulina e prolactina também aumentam em resposta à sucção em jovens. Os níveis de ocitocina
aumentam em resposta ao aleitamento por parte dos animais jovens e à presença de alimentos no trato
gastrointestinal.
Dentro do cérebro, várias áreas do hipotálamo afetam os comportamentos alimentares. O
“centro da saciedade” no hipotálamo ventromedial ajuda a parar o desejo por comida e é responsável
pela regulação do tecido adiposo. A estimulação experimental do hipotálamo ventromedial provoca
anorexia, e a destruição dessa área causa hiperfagia. O hipotálamo lateral, ou “centro de alimentação
ou fome”, está associado à disponibilidade de glicose. A estimulação dessa área causa grandes
aumentos na ingestão de alimentos, mesmo na saciedade. Por outro lado, a destruição do hipotálamo
lateral resulta em afagia. O núcleo parabraquial pontino é importante para a aquisição da aversão ao
gosto.
Outros fatores influenciam os comportamentos alimentares direta ou indiretamente:
temperaturas ambientais, pressões osmóticas no intestino delgado, facilitação social, o sabor e o
cheiro dos alimentos.
A psicodietética é o estudo do comportamento e da dieta. Compreender a relação entre os dois
pode ser difícil e constantemente sofrer modificações à medida que os pesquisadores coletam novas
informações. De maior interesse no momento atual é a influência dietética dos aminoácidos nos
neurotransmissores. O triptofano se transforma em 5-hidroxitriptofano, que se torna serotonina. A
tirosina é alterada para dihidroxifenilalanina e depois para dopamina, que pode mudar para
noradrenalina e para a adrenalina. A terceira via é a histidina, que se torna histamina. A última via é
a lecitina, a colina, a acetilcolina e de volta à colina. Dos aminoácidos do triptofano, tirosina, lecitina
e histidina vêm seis neurotransmissores - serotonina, dopamina, noradrenalina, adrenalina,
acetilcolina e histamina.

REGULAÇÃO DA INGESTÃO
Dos fatores intrínsecos, tem-se o hipotálamo como o órgão regulador de consumo, constituído
pelo centro da fome (hipotálamo lateral) e da saciedade (hipotálamo ventro-medial), os quais possuem
ações complementares e são modulados por diversos fatores químicos. Das teorias relacionadas à
regulação de consumo, duas se destacam para cães: teoria energética ou de nutrientes circulantes no
sangue (teoria química), e a teoria da distensão gástrica (teoria física). O consumo em animais não-
ruminantes é controlado, principalmente, pelo teor de energia contido no alimento, ou seja,
teoricamente, ao ingerir alimentos de alta energia, a ingestão cessaria antes que houvesse repleção
estomacal.
A densidade energética da dieta é resultante da oxidação dos nutrientes nela contidos, como
lipídeos, proteínas e carboidratos. Ao ingerir alimentos, tem-se o início da absorção de diferentes
nutrientes pelo trato digestório, seguido do envio de sinais quimiostáticos, que são informações
químicas ou hormonais enviadas ao hipotálamo, via corrente sanguínea, desencadeando o processo
de saciedade. Tais nutrientes circulantes no sangue podem ser glicose, aminoácidos, ácidos graxos e
íons, que são as chamadas teorias glicostática, aminostática, lipostática e ionostática,
respectivamente.
A teoria física (distensão gástrica) de regulação do consumo refere-se às respostas nervosas
de neurotransmissores (tensorreceptores) localizados na mucosa gástrica e intestinal, que estimulam
o nervo vago, emitindo informações de saciedade ao cérebro. Entretanto, devido à história evolutiva,
por ingerirem grande quantidade de alimentos com alta densidade energética, os cães apresentam
capacidade de ingestão e armazenamento de alimentos no estômago relativamente alta
(aproximadamente 62% do trato digestório), sendo este mecanismo pouco efetivo na regulação de
consumo.
De modo geral, pode-se dizer que, em curto prazo, quando a densidade energética da dieta for
baixa, o que prevalecerá será a distensão gástrica, suprimindo o consumo. Ao passo que, quando
ofertada dieta de alta energia, o que determinará o consumo será o nível de nutrientes circulantes no
sangue. Além dessas teorias, tem se ainda a interação dos sentidos sob a motivação para ingestão dos
alimentos, os quais apresentam hierarquias de importância em cães na percepção da palatabilidade.
O principal sentido é o olfato, seguido do paladar e, por último, a sensação do alimento na boca (tato).
O olfato pode ainda variar conforme a raça do cão, em função da superfície da mucosa olfativa, do
número de receptores, assim como da anatomia facial, tendo grande influência na percepção de odor.
Por exemplo, cães da raça Beagle apresentam aproximadamente 75 cm2 de epitélio olfativo,
com variação entre 18 a 150 cm2 e 67 a 200 milhões de células olfativa. Apesar disso, o sabor do
alimento, determinado pelo paladar, é o maior responsável pelo consumo.
O odor é mais importante para localizar alimentos e não para o consumo em si, sendo o paladar
o regulador de ingestão. Os cães podem ser atraídos por alimentos que emanem odor de carne, por
exemplo, mas se, ao provarem, o sabor não corresponder ao odor, a preferência por aquele alimento
não será mantida.
A sensação fisiológica representada pelo contato da cavidade oral com a dieta, principalmente
da língua, está diretamente relacionada ao tamanho de partícula, forma, densidade, dureza, formato,
umidade e tamanho dos alimentos, influenciando na palatabilidade dos mesmos. Assim como o olfato,
o tato é influenciado pelas raças, como cães das raças Boxer e Buldogue que, por serem
braquicefálicos, apresentam dificuldade de preensão e deglutição, devendo optar por formatos mais
achatados e com bordas arredondas.
Não menos importantes, a audição e visão são de fundamental relevância, pois estão
associados à oferta de alimentos, preparando o organismo para recebê-los e dar inicio à digestão.
Do mesmo modo que os sentidos variam, características de comportamento se alteram
conforme a raça, por exemplo Labradores apresentaram maior consumo de kcal de energia
metabolizável (EM) por kg de peso metabólico comparados à Beagles, isso porque algumas raças
apresentam apetite exacerbado e quando alimentados à vontade podem desenvolver obesidade , bem
como cães Labradores podem ingerir em média 20% a mais de energia, enquanto cães da raça Husky
Siberiano podem consumir até 35% a menos.
Tal comportamento da raça Husky pode ser explicado, devido à necessidade de energia de
adultos em baixa atividade ser menor em relação à média da maioria das raças. Isso se deve ao fato
desta raça apresentar menor gasto energético para a termorregulação (isolamento térmico pela
pelagem), maior rendimento do metabolismo energético, temperatura corporal menor que a
encontrada em outras raças e temperamento mais tranquilo.
São denominados neofílicos aqueles animais que, acostumados a consumir dietas variadas,
geralmente optam por sabores novos em detrimento da dieta que consumiam há algum tempo
(monotonia do sabor ou curiosidade). Por outro lado, animais em situações estressantes, tais como
um novo ambiente, presença de animais dominantes ou pessoas estranhas, ou se a nova dieta
apresentar textura muito diferente da de costume, os animais preferem a dieta rotineira, característica
denominada neofobia.
Como fatores extrínsecos, temos características relacionadas ao alimento, como uso de
ingredientes contaminados ou de gordura oxidada. Devido ao olfato aguçado dos cães, que são
capazes de perceber tais odores, e fatores climáticos, como presença e temperatura da água e
temperatura ambiente.

Interesses relacionados