Você está na página 1de 15

Universidade Federal do Espírito Santo

Departamento de Engenharia Mecânica

Projeto de Fontes Alternativas de


Energia: Dimensionamento da placa
de absorção de um coletor solar

Bruno Margotto
João Marcos Tidesco
João Victor Soares
Marllon Fraga
Thiago Demuner

Vitória

2016
Sumário

I. Introdução
II. Metodologia
III. Resultados
IV. Referências

2
Introdução

O objetivo do presente trabalho é determinar as dimensões ideais de um


coletor solar usado para aquecimento da água de uma residência, deixando em
segundo plano outros parâmetros interessantes do sistema de aquecimento, tais
como os tubos e as coberturas transparentes. Para tal tomamos como base o
sistema de aquecimento SOLETROL, restando como objetivo somente o
dimensionamento da placa de absorção.

O sistema básico de aquecimento de água por energia solar é composto de


coletores solares (placas) e reservatório térmico (boiler). As placas coletoras são
responsáveis pela absorção da radiação solar. O calor do sol, captado pelas
placas do aquecedor solar, é transferido para a água que circula no interior de
suas tubulações de cobre. O reservatório térmico, também conhecido por boiler,
é um recipiente para armazenamento da água aquecida. São cilindros de cobre,
inox ou polipropileno, isolados termicamente com poliuretano expandido sem
CFC, que não agride a camada de ozônio. Desta forma, a água é conservada
aquecida para consumo posterior. A caixa de água fria alimenta o reservatório
térmico do aquecedor solar, mantendo-o sempre cheio.

Em sistemas convencionais, a água circula entre os coletores e o


reservatório térmico através de um sistema natural chamado termossifão. Nesse
sistema, a água dos coletores fica mais quente e, portanto, menos densa que a
água no reservatório. Assim a água fria “empurra” a água quente gerando a
circulação. Esses sistemas são chamados da circulação natural ou termossifão.
A circulação da água também pode ser feita através de motobombas em um
processo chamado de circulação forçada ou bombeado, e são normalmente
utilizados em piscinas e sistemas de grandes volumes.

Quando os raios do sol atravessam o vidro da tampa do coletor, eles


esquentam as aletas que são feitas de cobre ou alumínio e pintadas com uma
3
tinta especial e escura que ajuda na absorção máxima da radiação solar. O calor
passa então das aletas para os tubos (serpentina) que geralmente são de cobre.
Daí a água que está dentro da serpentina esquenta e vai direto para o
reservatório do aquecedor solar. Os coletores são fabricados com matéria-prima
nobre, como o cobre e o alumínio. Recebem um cuidadoso isolamento térmico
e ainda vedação com borracha de silicone. Eles, têm cobertura de vidro liso e
são instalados sobre telhados ou lajes, sempre o mais próximo possível do
reservatório térmico. O número de coletores a ser usado numa instalação
depende do tamanho do reservatório térmico, mas pode também variar de
acordo com o nível de insolação de uma região ou até mesmo de acordo com as
condições de instalação.

Figura 1: Exemplo de aplicação de um aquecedor solar SOLETROL.

O reservatório térmico é como uma caixa d’água especial que cuida de


manter quente a água armazenada no aquecedor solar. Esses cilindros são
feitos de cobre, inox, ou polipropileno e depois recebem um isolante térmico. A
maioria dos modelos de reservatório térmico da SOLETROL vem com sistema

4
de aquecimento auxiliar elétrico, mas podem ser fabricados com sistema auxiliar
a gás ou até mesmo sem esse recurso.

Os modelos SOLETROL de reservatórios térmicos variam de 100 a 20 mil


litros. O tamanho do reservatório térmico, ou seja, o volume de água que ele é
capaz de armazenar, é calculado pelos técnicos da SOLETROL depois que o
usuário responde a uma série de questões. No dimensionamento do aquecedor
solar é preciso saber quantas pessoas vão usar o sistema diariamente, a
duração média e a quantidade de banhos diários, quantos serão os pontos de
uso de água quente, ou a dimensão da piscina, e assim por diante.

5
Metodologia
Podemos resumir em cinco os parâmetros necessários para o projeto de
um coletor solar:

1. Características dos tubos: É importante que saibamos seu


material, diâmetro, comprimento, quantidade e o espaçamento entre os tubos.
Como o objetivo é o dimensionamento da placa, as características do tubo não
possuem papel fundamental no projeto.

2. Características da placa de absorção: Trata-se do parâmetro mais


importante para o presente projeto. O objetivo é encontrar dimensões de
comprimento e largura que maximizem o rendimento da placa. Também é
importante saber a espessura e, obviamente, o material que o compõe.

3. Coberturas transparentes: Conhecer o número de coberturas, seu


material e sua quantidade é fundamental para o dimensionamento da placa de
absorção. Para o presente trabalho, definiu-se que teremos apenas uma
cobertura de vidro.

4. Fluido de trabalho: Foi adotado, para o caso do sistema


SOLETROL, água líquida.

5. Orientação e inclinação do coletor: A inclinação foi fixada,


pensando num valor médio. Contudo, é sabido que o valor de inclinação ótimo
muda de dia para dia e a placa que está sendo dimensionada não possui
sistemas de movimentação diário. Por outro lado, temos da literatura que a
orientação ótima para regiões no hemisfério sul é definindo que a placa esteja
voltada para o norte. Nessa posição, a absorção do calor incidente é maior.

6
DADOS DE ENTRADA PARA A RESOLUÇÃO DO PROBLEMA

Velocidade do Vento (m/s) 5

Condutividade Térmica do Isolante (W/m.K) 0,04

Espessura do Isolante (m) 0,025

Emitância da placa absorvedora 0,9

Transmissividade do Vidro 0,88

Ângulo de inclinação do coletor (°) 45

Altura do coletor (m) 0,06

Número de coberturas de vidro 1

Constante de Boltzmann (W/m²) 5,667. 10−8

Constante Solar (W/m²) 1353

Latitude (°) -20,32

Longitude (°) -40,34

Temperatura Ambiente (°C) 25

Temperatura média da placa absorvedora (°C) 40

Tabela 1: Dados de entrada

7
Primeiramente, calculou-se o calor útil absorvido pela placa utilizando a
seguinte equação:


QU  Ac S  U L Tpm  Ta  

O primeiro termo é a área, em função do comprimento e largura que


estamos tentando otimizar. As duas temperaturas também são parâmetros de
entrada. O cálculo de 𝑈𝐿 é feito da seguinte forma:

U L  Ut  Ub  Ue

Onde podemos encontrar os três termos com as equações que se seguem:

ka k a MP
Ub  Ue 
l l  Ac

1
 1 
Ut   N
 
p  p a 
 (C / T ) (T  T ) /( N  f ) e hw 
 

 
 
  (Tp  Ta )(Tp  Ta )
2 2

 ( 2 N  f  1  0,33 ) 
 [ p  0,0591Nhw ]1  p
N
 g 
 

Entretanto, para que seja possível estimar o valor de Ut se faz necessário


o uso das seguintes equações auxiliares:

8
f  ( 1-0,089hw  0,11665hw p )( 1  0,07866N)

hw  5,7  3,8v

C  520(1  0,000051 2 )

e  0,430(1 100 / Tp )

Definido o valor do coeficiente global de perda de calor, resta apenas


encontrar o valor de S seguindo a equação abaixo:

S = HT.(τα)

Onde HT é dado pela expressão abaixo:

  360 n   2s 
H o  Gsc 1  0,033cos   cos cos sen s  sen sen 
  365   360 

Nessa expressão, n é o dia juliano,  é a latitude. A declinação é dada por

 e o ângulo horário é  s . Esses dois ângulos são encontrados por meio das
duas equações seguintes:

s  arc cos tan  tan  

Tendo em vista que os valor do calor útil é conhecido e que todos os


parâmetros acima já estão bem definidos, usa-se a equação abaixo para estimar
o rendimento da placa de absorção:

Qu
 c
H T Ac

9
O grande desafio desse projeto é o de dimensionar a placa de modo a
tornar ótimo o rendimento do coletor. Dessa forma, foi feito um script em MatLab
para iterar os valores do comprimento e da largura, tendo em vista o aumento
progressivo dos anos julianos, de modo a otimizar os valores de comprimento e
largura pensando na finalidade proposta pela SOLETROL de esquentar água
para banho. O script será enviado por e-mail.

10
Resultados
Para este trabalho, analisamos os valores resultantes de eficiência para
diferentes valores de comprimento e largura, estes variando de 0.5m até 5m,
assim como a quantidade de energia necessária para elevar a temperatura da
água ambiente (~25°C) a 40°C. Assim, obtemos o gráfico abaixo para os valores
de eficiência para diferentes valores dimensionais da placa coletora:

Podemos dizer que, através dos resultados obtidos, a eficiência de uma


placa aumenta de acordo com o aumento de suas dimenões e diminui com a
diminuição de suas dimensões, porém esse aumento, ou diminuição, é de no
máximo 0,42%.

A figura abaixo expõe que, assim como se era esperado, se aumentarmos


as dimensões da placa, maior será o calor útil. Podemos concluir então que,
como a eficiência varia de maneira desprezível para as medidas consideradas
aqui neste trabalho, o fator principal para seleção das dimensões do coletor solar
será a energia necessária para aquecimento da água.

11
Para o resultado da energia necessária para elevar a temperatura da água,
utilizamos o equacionamento abaixo.

𝐸̇ = 𝑚̇. 𝑐𝑝 . ∆𝑇 = 𝜌. 𝑉̇ . 𝑐𝑝 . ∆𝑇

No caso, adotamos que ρ equivale a 1000 kg/m 3, vazão volumétrica de


12L/min (ou seja, consideramos apenas o banho e não outras atividades
ocorrendo simultâneament) e cp de 4180 J/kg.K, resultando assim 1254W de
taxa de energia necessária.

Assim, procuramos as medidas que aproximaram a este valor de calor útil


e que fossem as menores possíveis para evitar o excesso de captação de
energia, assim como o gasto desnecessário de material. Portanto, obtemos uma
placa de medidas 1200x1100 mm.

12
Referências
[1] www.soletrol.com.br

[2] Fontes Alternativas de Energia, 2016, Apresentação de Slides, Prof.


Juan Romero.

13
Anexo
% Trabalho Fontes Alternativas de Energia
%
% Bruno Margotto
% João Marcos
% João Victor
% Marlon Fraga
% Thiago Bridi
%
% DIMENSIONAMENTO DE COLETOR SOLAR

clear all; clc; close all;

% Parâmetros de Entrada

a = 0.5:0.1:5; % Comrpimento do coletor (m)


b = 0.5:0.1:5; % Largura do coletor (m)

v = 5.0; % Velocidade do vento (m/s)


Ka = 0.04; % Condutividade térmica do isolante
(W/m.K)
l = 0.025; % Espessura do isolante (m)
alpha = 0.90; % Emitância da placa absorvedora
trans = 0.88; % Transmissividade do vidro
incli = 45; % Ângulo de inclinação do coletor (°)
M = 0.06; % Altura do coletor (m)
N = 1; % Número de coberturas de vidro
boltz = 5.667e-8; % Constante de Boltzman (W/m²)

Gsc = 1353; % Constante Solar (W/m²)

latitude = -20.32;
longitude = -40.34;

Tamb = 25; % Temperatura ambiente (°C)


Tcol = 40; % Temperatura média da placa
absorvedora(°C)

P = zeros(length(a),length(b));
A = zeros(length(a),length(b));
Ue = zeros(length(a),length(b));
Ul = zeros(length(a),length(b));
Qu = zeros(length(a),length(b));
Ef = zeros(length(a),length(b));

e = 0.43*(1-100/Tcol);
C = 520*(1-0.000052*degtorad(incli)^2);
hw = 5.7+3.8*v;
f = (1-0.089*hw+0.11665*hw*alpha)*(1+0.07866*N);

delta = zeros(365,1);
ws = zeros(365,1);
H = zeros(365,1);

% Cálculo

14
for i = 1:365

delta(i) = asind(-sind(23.45) * cosd((360/365) * (i+10)));


ws(i) = acosd(-tand(delta(i)) * tand(latitude));
H(i) =
Gsc*(1+0.033*cosd(360*i/365))*(cosd(latitude)*cosd(delta(i))*sind(ws(i
)) + 2*pi*ws(i)*sind(latitude)*sind(delta(i)/360));

end

Hmean = mean(H);

S = Hmean*trans*alpha;

Ub = Ka/l; % Coeficente de perda de calor


por condução pelo fundo

Ut = ( (N/( (C/Tcol) * ( (Tcol-Tamb)/(N+f) )^ e ) ) + (1*hw) )^-1 + (


( boltz* ...
(Tcol+Tamb)*(Tcol^2+Tamb^2) ) / ( (alpha+0.0591*N*hw)^-1 + ( (2*N + f
- 1 + 0.35*alpha)/trans ) - N ) );

for i = 1:length(a)
for j = 1:length(b)

P(i,j) = 2*(a(i)+b(j)); % Perímetro (m)


A(i,j) = a(i)*b(j); % Área (m²)

Ue(i,j) = (Ka*M*P(i,j))/(l*A(i,j)); % Coeficiente de perda


de calor pelos lados do coletor

Ul(i,j) = Ub + Ut + Ue(i,j);

Qu(i,j) = a(i)*b(j)*( S-Ul(i,j)*(Tcol - Tamb) );

Ef(i,j) = Qu(i,j)/(Hmean*a(i)*b(j));

end
end

% Chuveiro

rho = 1000; % kg/m^3


vazao = 12/(10e3*60); % m^3/s
cp = 4180; % J/kg.K
deltaT = Tcol - Tamb; % K

EnergiaChuveiro = rho*vazao*cp*deltaT;

% FIM

15