Você está na página 1de 2

LIÇÃO 13 – AUTORIDADE ECLESIÁSTICA

“A obediência a Deus e às autoridades constituídas, é a mais infalível evidência do sincero e supremo amor
a Ele.”

Introdução
A autoridade eclesiástica visa ao benefício da igreja em sua organização e disciplina. Deus instituiu as
lideranças pastorais para cuidar do Seu rebanho enquanto peregrinam fielmente aqui na terra. Orar por essas
lideranças é dever do povo de Deus; apoiá-los é de total responsabilidade da igreja, enquanto eles estiverem
no caminho do Senhor; ajudá-los é a nossa maneira carinhosa de dizer-lhes muito obrigado, e entendermos o
quanto é fundamental para a divulgação e expansão do Reino de Deus.
1. Quem resiste à autoridade resiste à ordenança de Deus.
“E os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação” (Rm 13.1-7). A autoridade foi dada por Deus para
ordenação, controle e respeito na sociedade como um todo. Toda instituição precisa ter liderança, porque
evita que todos mandem que a desordem se instale e a instituição vire bagunça.
1.1. A insubmissão é uma afronta.
Passar por cima de uma autoridade, querer comandá-la, tomar à dianteira, retirar seu cajado, resolver
situações que não estejam na sua alçada e, sim, na do líder, tudo isso desonra e afronta à autoridade
constituída. Deus só lhe honra se você for submisso a Ele e às autoridades outorgadas (Lc 10.16 Quem vos
ouve, a mim me ouve; quem vos rejeita, a mim me rejeita; mas quem me rejeita, rejeita aquele que me
enviou.). Não respeitar os que presidem ou atropelar a hierarquia depõe contra os princípios de uma
sociedade moderna e ordeira. Querer depor o titular para ficar no seu lugar, além de ser covardia é uma
grande ofensa. Não queira confrontar as autoridades, fique no seu lugar e seja abençoado por Deus, espere a
sua vez.
A autoridade de quem perde a submissão não prevalece. Se você é insubmisso, a sua autoridade vai falhar.
A verdadeira autoridade é mostrada na submissão. Se as regras ditadas são fracas, insuficientes ou
radicais, discutem-se tais regras e não se praticam insubordinação.
1.2. A insensatez dos resistentes será manifesta a todos.
Não irão, porém, avante: porque a todos será manifesta a sua insensatez, como também aconteceu com Janes
e Jambres (2Tm 3.9). Quer perder a posição que conquistou ao longo dos anos? Fale mal dos seus líderes!
Quer se dar mal? “Passe o carro na frente dos bois”. O que você pode fazer para ajudar, em vez de
murmurar? “Você expõe claramente o seu caráter quando fala sobre o caráter dos outros”. Pense nisso!
Quando descubro as falhas dos meus líderes e fico investindo nelas provo que sou menor do que os
pequenos. Qualquer comentário maldoso que se faça contra outra pessoa é suficiente para revelar que está
fora da direção de Deus.

As facções são como facas afiadas nas gargantas das autoridades (parte divergente ou dissidente de um
grupo que não aceita a liderança). Os conluios normalmente têm o dedo de satanás (maquinam e conspiram
para derrubar alguém que Deus levantou). Não espere receber algo de Deus se você planta resistência e
não respeita os seus LÍDERES.
2. Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles.
Obedecer aos pastores é mandamento bíblico e isso não deve ser contestado, porque eles velam pelas almas
como aqueles que hão de dar conta delas (Hb 13.17). As lideranças eclesiásticas são autoridades espirituais
dadas por Deus, não as despreze, não as enfrente. No entanto, isso não quer dizer que a liderança em forma
de ditadura é ensinada nas Escrituras como padrão a ser seguido (3 Jo 9.10 Escrevi à igreja, mas Diótrefes,
que gosta muito de ser o mais importante entre eles, não nos recebe. Portanto, se eu for, chamarei a
atenção dele para o que está fazendo com suas palavras maldosas contra nós. Não satisfeito com isso, ele se
recusa a receber os irmãos, impede os que desejam recebê-los e os expulsa da igreja.), mas a deferência
pelas autoridades, pela ordem e disciplina na igreja de Cristo são amplamente ensinadas no Novo
Testamento.
2.1. A obediência é uma semeadura.
Se você não obedece aos seus líderes, quando estiver liderando, os seus liderados também não o obedecerão,
mesmo que você esteja ocupando a mais simples posição de liderança. A obediência é o sólido fundamento
para que possamos resistir às tempestades da vida. Quem não obedece às autoridades superiores constituídas
colherá como fruto de seu erro a desobediência de seus liderados. Cuidado! Isso é regra e a cobrança dói!
Jesus nos ensina através do Seu exemplo que mesmo sendo em forma de Deus não teve por usurpação ser
igual ao Pai, mas a Si mesmo Se esvaziou tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante aos homens. E,
achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte e morte de cruz. A
semeadura lhe rendeu a exaltação e um Nome superior; a ele todos têm de se dobrar (Fp 2.5-11).
2.2. Obedecer é melhor do que sacrificar.
Samuel disse: Tem, porventura, o Senhor tanto prazer em holocaustos e sacrifícios como em que se obedeça
à sua Palavra? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar e o atender melhor é do que a gordura de
carneiros (ISm 15.22). Muitos querem fazer história sem supervisão, sem obediência aos superiores e
acabam registrando a história da rebeldia. Querem fazer o que pensam achando que, por realizar e sacrificar
terão mais recompensa do que por prestar obediência.

Não adianta ser o máximo, trabalhar como ninguém, fazer tudo da melhor maneira possível; se não
obedecer aos pastores, tudo, se torna nulo, porque o sacrificar sem obedecer não estimula o prazer do
Senhor. É melhor fazer pouco em submissão do que muito em desobediência.
3. Reconheçam os que presidem sobre vós no Senhor.
“Agora vos rogamos, irmãos, que reconheçais os que trabalham entre vós, e que presidem sobre vós no
Senhor, e vos admoestam. Tratai-os com grande estima e amor, por causa da sua obra. Tende paz entre vós”
(lTs 5.12-13). Por que as ovelhas devem estimar seus pastores? Por causa do seu trabalho! Os líderes
precisam de apoio, estímulo e amizade dos liderados; carecem, também, de reconhecimento pelo que fazem,
pelas noites mal dormidas, lágrimas derramadas e as preocupações com o rebanho. Muitas vezes são
incompreendidos por uns e rejeitados por outros. Você que têm o Espírito de Deus em sua vida abençoe seu
pastor, ele é seu líder espiritual.
3.1. Tratai-os com grande estima e amor.
Precisamos entender que nem todas as decisões tomadas pelas autoridades serão aceitas e compreendidas na
sua totalidade, mas mesmo que não compreendamos ou não aceitamos, se faz necessário honrar os líderes
superiores nos momentos de divergências. O amor deverá suplantar as diferenças e reconhecer as limitações
e fragilidades de todos os seres humanos, inclusive dos pastores.
3.2. Tende paz entre vós.
Viver em paz com os líderes é uma necessidade, mesmo que Deus já o tenha rejeitado. Davi nos dá uma
grande lição. O reinado de Saul já estava decadente, Deus já havia rejeitado Saul, Davi já era escolhido e
ungido por Deus, mas não enfrentou o rei, suportou, não criou confusão, esperou o tempo passar para não
tomar decisão precipitada. Viver em paz é esperar Deus agir. Quem toca nos ungidos do Senhor será
castigado (lCr 16.22). Não se devem devorar uns aos outros (Gl 5.15), mas amar cordialmente uns aos
outros com amor fraternal preferindo em honra uns aos outros (Rm 12.9,10; ICo 10.24; Fp 2.1-8); com toda
humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, procurando guardar a
unidade do Espírito pelo vínculo da paz (Ef 4.1-3).
Ser insubordinado, contender e brigar com as autoridades nunca rendeu nada positivo para ninguém; ao
contrário, só rende desgaste. Tudo que estiver ao seu alcance para fazer faça-o sem discussão; não crie
contenda (Fp 2.3), nem murmuração (Fp 2.14). Enquanto depender de vós tende paz também com os líderes
(Rm 12.18). Suporte e perdoe as falhas uns dos outros (Cl 3.13). Quem perdoa também erra!

Conclusão
Quem não concorda e briga, discute, desafia, murmura, fala mal dos líderes do próprio ministério deveria
procurar um lugar onde servisse a Deus com alegria, não é bom adorar a Deus descontente. Precisamos tirar
todos os impedimentos de ir para o céu, porque ficar do jeito que está é duvidoso. Os que não concordam
com nada devem mostrar dignidade, ser coerentes e entregar as chaves.