Você está na página 1de 7

[Direito Constitucional] Teoria Geral da Constituição -

Constitucionalismo

Nessa aula vamos lhe mostrar o que significa o termo Constitucionalismo e como foi a evolução
desde as primeiras civilizações até o Neoconstitucionalismo.

Constitucionalismo

Constitucionalismo é o movimento político, social, jurídico e, até mesmo, ideológico que dá origem a
constituição de um Estado. É esse movimento que limita o poder do Estado e impõe as leis escritas.

Seria como em um condomínio. Os condôminos se reúnem, elegem um representante, neste caso o


sindico, e juntos elaboram as regras e estatuto do condomínio. Veja os elementos presentes:

• Movimento social: reunião dos moradores


• Movimento político: eleição do sindico
• Movimento jurídico: elaboração das regras e estatuto

Significado

O termo possui, na doutrina, diversos significados, sendo os mais importantes:

• Limitação dos poderes dos órgãos governantes


• Imposição de leis escrita

1
Limitação dos poderes dos órgãos governantes

O Constitucionalismo, em termos sociológicos, representa um movimento que sustenta a limitação


do poder. Impede que o interesse dos governantes fiquem acima dos interesses do Estado e da
população.

Isso acontecia muito durante a monarquia, onde os bens dos governantes se confundiam com os
bens do Estado.

Seria como se todo o país, literalmente, pertencesse a uma pessoa. E toda a riqueza gerada neste
país seria do governante e ele pudesse impor qualquer regra.

A constituição impede isso, já que ela é colocada acima de qualquer pessoa.

Daí entra o segundo conceito.

Imposição de leis escritas

É a compilação de todas as normas que irão reger o Estado. Todas as definições, conceito, diretos e
obrigações devem estar lá. Esse conceito apareceu nas constituições modernas.

Então...

O Constitucionalismo é a organização do Estado para o exercício do poder. Isso para evitar que
acumule todo o poder em apenas uma pessoa, evitando também o arbítrio e a imposição. Como
ocorre em regimes autoritários.

A Constituição deve ser colocada acima de qualquer pessoa e representar a vontade e anseios do
povo. Garantindo direitos fundamentais as pessoas. Direitos esses que não podem ser violados nem
pelo Estado.

Normalmente as bancas se referem ao constitucionalismo como sendo um movimento político-


social.

2
Constitucionalismo na história

Em diversos momentos da sociedade percebemos a presença do movimento político-social com o


intuito de restringir o poder do Estado perante o povo.

Existem três grandes movimentos históricos nesse sentido.

Constitucionalismo Antigo

O povo Hebreu se organizava em regime teocrático, onde os poderes dos governantes eram
limitados pela Lei Divina e a fiscalização do exercício do poder era feito pelos profetas.

Já na Grécia Antiga, as Cidades-Estado eram organizadas em regime democrático direto, onde os


governados participavam ativamente do processo.

Então, daí para frente, vieram outros movimentos como a Carta Magna Inglesa (1.215), Petition of
Rights (1.628), Habeas Corpus Act (1.679) e o Bill of Rights (1.689). Todos esses documentos visavam
garantir direitos e liberdades individuaisperante ao Estado. Esse foi o primeiro momento do
constitucionalismo.

3
Constitucionalismo Moderno

Os documentos citados no parágrafo anterior são considerados o embrião do constitucionalismo


moderno. Neles estavam presentes as ideias do constitucionalismo, mas ainda não aparecia a
necessidade de um documento escrito.

As constituições dos Estados Unidos da América (1.787) e a da França (1.791) deram início ao
constitucionalismo moderno. Trazendo a necessidade de um documento escrito onde os direitos e
deveres dos cidadãos eram expressamente definidos.

Primeiramente, as constituições tinham um viés liberal, defendendo a propriedade privada e a


interferência mínima do Estado.

“O constitucionalismo moderno representa uma técnica específica de limitação do poder com fins
garantísticos.” - José Gomes Canotilho

Com o constitucionalismo moderno, a constituição deixou de ser vista como um documento


estritamente político e passou a ser uma norma fundamental, trazendo importantes conceitos
como:

• Separação dos poderes


• Proteção e garantia dos direitos individuais
• Supremacia constitucional

Estado Liberal x Estado Social de Direito

Constituição de Weimar - 1.919 No início do século XX, surgiu a


Constituição de Weimer (Império Alemão - 1.919). O Estado passou a
fornecer prestações positivas à sociedade, ao invés de se abster
totalmente, conforme previam as constituições Liberais. Essa constituição
entrou em vigou com o fim do Império Alemão e durou, tecnicamente, até
o final da Segunda Guerra, ela representa a crise do Estado Liberal e a
ascensão do Estado Social, consagrando os direitos sociais de segunda
geração (relativo ao trabalho, educação, cultura e previdência) e
reorganizou o estado em função da Sociedade e não mais do indivíduo.
Então, o Estado passou a ser responsável não só pelas liberdades dos
indivíduos como deveria também garantir os direitos sociais.

Neoconstitucionalismo

Após a Segunda Guerra Mundial, com a exposição dos crimes cometidos pelos regimes totalitários,
surgiu o neoconstitucionalismo, que tinha base na proteção da dignidade da pessoa humana, a
terceira geração de direito.

4
Então, as constituições passaram a prever também valores para a pessoa humana, como o direito a
paz, ao meio ambiente e à copropriedade do patrimônio comum do gênero humano.

Certamente, outra alteração substancial foi a supremacia constitucional. Ou seja, as leis passaram a
ser subordinadas à constituição, sendo está o topo da hierarquia jurídica.

Por isso, o estado passou de Estado Legislativo de Direito para Estado Constitucional de Direito.

Vamos entender melhor...

Durante a Segunda Guerra, atrocidades foram cometidas contra as pessoas em nome de um "bem"
maior, que seria o Estado. Não havia nenhum tipo de dispositivo que protegesse o cidadão contra as
mazelas do estado.

Por exemplo, o Nazismo, durante toda a sua vigência, encontrou embasamento jurídico para seus
atos. Hitler nunca deixou de estabelecer leis para o povo alemão e, principalmente, para os que
considerava inimigo. E essas leis autorizavam os atos do Estado, independente do que dizia a
constituição.

Depois disso, com o fim da guerra, com o surgimento do Neoliberarismo, as leis passaram a se
subordinar à constituição. Houve um reconhecimento da supremacia constitucional.

Então, uma lei só poderia entrar em vigor se estivesse em consonância com a constituição. Ou seja,
a lei não poderia ir de encontro aos direitos de terceira geração, previstos na constituição.

Assim, o Neoliberarismo aproximou o direito e a ética, dando relevância ao princípio da dignidade


humana e buscando a concretização dos direitos fundamentais e garantia de sobrevivência do
indivíduo.

5
Infográfico

6
Resumindo

• O Constitucionalismo é o movimento político-social que limita o poder do estado


• Houveram dois grandes movimentos: o constitucionalismo antigo e o constitucionalismo
moderno
• O Constitucionalismo antigo tinha como elemento principal a restrição do poder do estado.
• O Constitucionalismo moderno foi marcado pela elaboração das primeiras constituições,
tendo como base as declarações de direito
• As primeiras constituições tinham um viés Liberal, com a proteção da liberdade do indivíduo
• Depois, vieram os Estados Sociais de Direito, onde além das garantias de liberdade, o estado
passou a exercer uma contraprestações positivas ao indivíduo
• Ao fim da Segunda Guerra, surgiu o neoliberarismo, com a adição dos direitos de terceira
geração, garantindo a dignidade da pessoa humana