Você está na página 1de 18

Da Visão ao Sistema: Finalizando a Tarefa da Teologia Adventista Parte I: Revisão Histórica

Fernando Canale
Andrews University Theological Seminary

1. Introdução

Depois de fazer uma apresentação para um grupo de professores adventistas que lecionavam
em universidades de todo o mundo, abri a palavra para perguntas. Um erudito de fala mansa
reagiu à minha apresentação afirmando: “Se as coisas são como você argumentou, não
pertencemos à mesma igreja”. Eu não sabia o que dizer. Eu fui pego de surpresa. Embora eu
não conhecesse pessoalmente os membros do grupo, sabia que todos eles eram crentes
adventistas que ensinavam em instituições educacionais adventistas. Como poderia outro
colega adventista chegar a uma conclusão tão chocante? Afinal de contas, acabei de fazer uma
apresentação adventista padrão para um grupo de irmãos crentes. Depois de um momento de
hesitação, me atrevi a perguntar: “O que você ensina?” O grupo desatou a rir. Quando o riso
diminuiu, fui levado à velocidade. Meu interlocutor era professor de teologia. Na época,
desconsiderei o incidente como um exagero. No entanto, com o passar do tempo, percebi que
meu colega estava certo. Embora membros da mesma denominação e ensino para o mesmo
sistema educacional, nós não pertencíamos à mesma igreja. Pode uma casa dividida contra si
mesma? (Marcos 3:25)
O adventismo cresceu e se desenvolveu de uma maneira muito desigual. Eu costumava
acreditar que todos os administradores, pastores e mestres adventistas de todo o mundo
entendiam a teologia e a missão adventistas da mesma maneira. Mais de vinte anos no
Seminário Teológico Adventista do Sétimo Dia me ensinaram que os adventistas se
distanciaram na maneira como se compreendem, fazem teologia, se engajam em missão e até
adoram a Deus. O que nos mantém juntos é a nossa sólida administração mundial. Uma vez
fomos um movimento; agora somos uma instituição. O movimento originou-se, desenvolveu-se
e cresceu por causa de sua intransigente teologia bíblica e autocompreensão. À medida que o
movimento se tornou institucionalizado, a teologia bíblica e a autocompreensão do
adventismo lenta mas seguramente foram deslocadas de seu papel original de fundação. Uma
deteologização sutil da mente e experiência adventista ocorreu. Um esquecimento progressivo
da teologia adventista motivou algumas mentes inquiridoras a encontrar sua autocompreensão
no mundo da teologia protestante. Enquanto esse processo estava ocorrendo em alguns
setores da igreja na América, Europa e Austrália, outros setores continuaram a entender o
adventismo a partir das Escrituras e Ellen White. A unidade teológica foi substituída pela
diversidade teológica. (p. 5.).
Como professor de seminário, experimento essa diversidade em primeira mão de meus
próprios alunos. Eles trazem para o seminário as idéias ensinadas por seus pastores e
professores em todo o mundo. Além disso, durante os últimos vinte anos, as publicações
adventistas, não só no nível acadêmico, mas também popular, disseminaram a diversidade
teológica. Muitos vêem a diversidade teológica como um sinal de crescimento e vitalidade.
Entretanto, um estudo cuidadoso das idéias teológicas que circulam no adventismo no início do
século XXI mostra a existência de sistemas teológicos incompatíveis competindo pela mente
adventista.1 Pode uma casa dividida contra si mesma? (Marcos 3:25)

O objetivo desta série de quatro artigos é ajudar os leitores a entender a atual paisagem
teológica (primeiro artigo); esboça maneiras de superar diferenças divisivas na teologia que
conspiram contra a unidade da Igreja Adventista e retardam sua missão global (segundo e
terceiro artigos); e considerar o modo como as idéias teológicas afetam o ministério e a missão
da igreja (quarto artigo).

Para realizar o primeiro objetivo, consideraremos neste artigo o processo teológico que nos
trouxe à situação atual. Em 1893, Ellen White escreveu: “Não temos nada a temer pelo futuro,
a não ser que esqueçamos o modo como o Senhor nos conduziu e seus ensinamentos em
nossa história passada.” 2 Esquecemos? O que há para lembrar? Para responder a essas
perguntas, analisarei a estrutura metodológica, hermenêutica e sistemática da teologia
adventista primitiva. “Lembrar” nos ajudará a perceber o lento “esquecimento” que
eventualmente levou a uma surpreendente “substituição” e uma “reafirmação” bem-vinda que
se estendeu a setores significativos e diferentes da liderança e membresia da igreja.

No segundo artigo, consideraremos se “lembrar” pode nos motivar a “recuperar” a estrutura


metodológica, hermenêutica e sistemática que chamou o adventismo à existência. Por fim,
consideraremos como a “recuperação” pode nos guiar em nossa teologia do “fazer” e concluir
a missão da Igreja em nossos tempos pós-modernos. (p. 6).

2. Relembrando
Como a teologia adventista começou? Podemos responder a essa pergunta simplesmente
dizendo que o adventismo começou estudando a profecia bíblica, especialmente os livros de
Daniel e Apocalipse. Embora seja verdade, essa resposta é limitada porque não conta toda a
história. Perceber que a Teologia Adventista começou como Teologia Escatológica não explica
sua genialidade nem a razão dos pioneiros em se separar de todas as outras igrejas e teologias
existentes para formar uma nova comunidade mundial que eles acreditavam ser a Igreja
verdadeira de Deus remanescente nos últimos dias antes A segunda vinda de Cristo.3
Para visualizar o gênio implícito na Teologia Escatológica Adventista, precisamos refletir sobre o
fundamento metodológico em que foi construído. Especificamente, precisamos considerar o
terreno e a visão a partir dos quais o sistema da teologia cristã foi entendido pelos primeiros
teólogos adventistas.
O chão. Para um bom número de nós, o aspecto mais importante da teologia adventista, o
aspecto que caracteriza sua singularidade e seu destino, passa geralmente despercebido nos
círculos adventistas cotidianos. Estou me referindo ao princípio da “sola Scriptura” sobre o qual
se constrói.4 Ellen G. White repetiu esse princípio com frequência. Ela elogiou Lutero por
aplicar este princípio5 que ela identificou como o “Princípio Protestante”. 6 No final dos
tempos, ela nos assegurou: “Deus terá um povo na terra para manter a Bíblia, e somente a
Bíblia, como padrão de todas as doutrinas e a base de todas as reformas ”. 7 (p. 7).

Como os adventistas receberam o fundamento sobre o qual construíram sua teologia do


protestantismo, surge a questão da diferença que existe entre as teologias protestantes e
adventistas. Se ambos construíram no mesmo terreno, por que os primeiros crentes
adventistas sentiram a necessidade de deixar para trás todas as denominações protestantes e
formar uma nova? Como os estudos de nossas raízes focalizam principalmente as
continuidades da tradição protestante, eles não ajudam muito a explicar as diferenças entre as
teologias adventistas do sétimo dia e protestantes.8 A questão sobre a singularidade da
teologia adventista nos leva, então, a considerar os campos da teologia adventista.
metodologia teológica e hermenêutica. Se a diferença entre as teologias adventista e
protestante não pode ser explicada em relação à fonte da teologia, ela pode se tornar aparente
se considerarmos o método e os princípios hermenêuticos que cada tradição usou na
construção de suas visões teológicas.
Abordando essa questão há dez anos, o historiador adventista C. Mervyn Maxwell identificou
corretamente quatro características básicas da hermenêutica e do método em que a teologia
adventista foi construída.10 Três delas, como veremos, são intensificações de princípios
metodológicos recebidos da Teologia Protestante. . A quarta é a visão macro-hermenêutica da
qual a teologia adventista veio à existência. Vamos considerar cada um brevemente. (p. 8).
(1) Desconstruindo a Tradição. “Embora os reformadores tenham rejeitado alguns costumes e
tradições, os escritores adventistas manifestaram uma rejeição mais acentuada da tradição.” 11
Os primeiros adventistas, então, estavam cientes das tradições do cristianismo que suas antigas
igrejas adotaram. No entanto, em vez de tomá-los como fontes de teologia ou guias
hermenêuticos para a interpretação das Escrituras ou a compreensão de suas doutrinas, eles
decidiram envolvê-los criticamente. Sua relação crítica com a tradição não era nova, apenas
mais extensa. Esta abordagem metodológica é necessária para a aplicação do princípio da sola
Scriptura. A menos que entendamos a tradição, a distingamos da Escritura e critiquemos seu
conteúdo, inevitavelmente confundiremos idéias recebidas da tradição com as bíblicas.
Desconstruir a tradição, no entanto, é apenas um passo negativo necessário para nos dar
acesso ao fundamento da teologia adventista, a Escritura. Assim, passamos agora para a
segunda característica metodológica da teologia adventista primitiva.

(2) O Princípio de Tota Scriptura. Maxwell explica que

os reformadores insistiram na autoridade superlativa das Escrituras,


mas os adventistas mostraram um apreço mais profundo pela
autoridade de toda a Bíblia. Lutero é bem conhecido por sua
tendência a rejeitar James, fazer muito pouco uso de Hebreus e
estabelecer um cânon dentro do cânon. Calvino praticamente
rejeitou o livro do Apocalipse. Os últimos reformadores escoceses
americanos, Thomas e Alexander Campbell, contemporâneos dos
pioneiros adventistas, rejeitaram todo o AT. Mas os adventistas, e
especialmente os adventistas do sétimo dia, insistiram em tirar a
verdade de toda a Bíblia.

Como a Escritura é a única fonte de teologia, ela fornece o ponto de vista do qual avaliar,
criticar e substituir os ensinamentos transmitidos através da tradição da igreja. Quando o
princípio tota Scriptura é adicionado ao princípio sola Scriptura, algo novo aparece no método
teológico, a saber, a historicidade da teologia cristã, que, lamentavelmente, foi e continua a ser
desconsiderada como o reino do ser divino e da ação. Assim, esta afirmação implicitamente
trouxe um novo pré-conceito da realidade e atividades divinas para a interpretação das
Escrituras e a compreensão das doutrinas cristãs. A partir da compreensão atemporal da
realidade operativa nas teologias cristã e protestante, o adventismo mudou implicitamente
para uma visão histórico-temporal da realidade. As conseqüências dominantes dessa mudança
paradigmática que implicitamente ocorreu no nível ontológico da teologia adventista primitiva
ainda não foram totalmente percebidas e formuladas por teólogos cristãos ou adventistas.
Voltaremos a essa questão em nosso segundo artigo. Vamos agora voltar nossa atenção para a
terceira característica do método e hermenêutica adventistas primitivos.

(3) compreensão tipológica. Maxwell observa que “enquanto os reformadores fizeram uso
entusiasta dos tipos da cruz do AT, os escritores adventistas fizeram um uso mais rico de tipos
bíblicos e antítipos que previam a evolução do último dia” .13 A intensificação da interpretação
tipológica na teologia adventista não deveria ser vista como uma esquisitice não relacionada,
mas como conseqüência direta da compreensão histórica da realidade implicitamente
incorporada no princípio do tota escritura. Richard Davidson demonstrou convincentemente
que, na tipologia bíblica, a realidade é considerada histórica, “ocorrendo ou existindo como
registrado nas Escrituras” .14 Se a realidade e as atividades de Deus devem ser entendidas
historicamente, então, o método tipológico se torna a chave para entender as significado da
atividade divina na história da salvação.15 (p. 9)
Até agora, a revisão de Maxwell da hermenêutica adventista inicial revela que os pensadores
adventistas aplicaram alguns traços metodológicos básicos recebidos da teologia protestante
com maior consistência e determinação do que os próprios teólogos protestantes. Agora
voltamos nossa atenção para o quarto princípio hermenêutico que Maxwell menciona em seu
artigo. Os pioneiros descobriram isso aplicando os três princípios metodológicos anteriores.
A visão. Maxwell explica, finalmente, que a diferença entre a hermenêutica protestante e
adventista deve ser rastreada até o uso pioneiro da realização profética como uma ferramenta
hermenêutica. “Uma vez estabelecido como escriturístico, o cumprimento da profecia no
movimento do segundo advento se tornou uma ferramenta hermenêutica para ajudar a
estabelecer o sábado, santuário, dons espirituais, igreja verdadeira, doutrinas do segundo
advento, etc. . . ”16 Ellen White expressa a mesma visão hermenêutica em palavras diferentes.
“O tema do santuário foi a chave que desvendou o mistério da decepção de 1844. Ele se abriu
para ver um sistema completo de verdade, conectado e harmonioso, mostrando que a mão de
Deus havia dirigido o grande movimento do Advento, e revelando o dever atual como trouxe à
luz a posição e a obra de seu povo ”. 17 Em poucas palavras, Alberto Timm chamou a nossa
atenção para o fato de que os adventistas sabatistas utilizavam o“ fim do santuário ”. A ênfase
escatológica de tempo como a estrutura hermenêutica básica para o desenvolvimento de um
sistema doutrinário único integrado pelo conceito da purificação do santuário de Dan 8:14 e as
mensagens dos três anjos de Apocalipse 14: 6-12. ”19 (p. 10).

De acordo com Timm, “a configuração de todo o sistema” foi uma das contribuições originais
da teologia adventista inicial.

Com o passar do tempo, os crentes adventistas colocaram essa perspectiva hermenêutica entre
os “pilares” do adventismo. De acordo com Ellen White, os pilares eram as Doutrinas do
Santuário, o Sábado e a Lei, a não-imortalidade da alma e as mensagens dos três anjos.21
Identificar esses quatro ensinamentos como pilares sugere que eles desempenharam um papel
especial na construção de teologia adventista primitiva. A metáfora do “pilar” insinua que
essas doutrinas bíblicas básicas são bases a partir das quais a teologia cristã deve ser
construída. O fato de que Ellen White relatou um dos pilares, a doutrina do Santuário, como
abertura para ver “um sistema completo de verdade conectada e harmoniosa” sugere que os
pilares funcionavam como princípios hermenêuticos que guiavam a interpretação das
Escrituras e a compreensão de suas doutrinas. Indiscutivelmente, a doutrina do santuário é a
doutrina ou motivo mais abrangente nas Escrituras e, portanto, desempenha um papel decisivo
na orientação da interpretação bíblica e na construção da teologia adventista. A natureza
revolucionária desta perspectiva macro hermenêutica ainda não recebeu atenção suficiente
nos estudos adventistas. Vamos considerar o sistema de teologia dos primeiros pioneiros
adventistas imaginado através das lentes fornecidas pela “profecia cumprida”.
O sistema. Desde o início, a teologia adventista era sistemática. Em 1858, James White relatou
que “a verdade presente é harmoniosa em todas as suas partes; seus links estão todos
conectados; os rolamentos de todas as suas partes uns sobre os outros são como um relógio.
”22 LeRoy Froom viu a teologia adventista primitiva como“ a base de um sistema coordenado
de verdade ”.23 Segundo George Knight, os adventistas sabatistas produziram uma teologia
integrada em vez de uma lista de No entanto, eles não deixaram por escrito um relato
completo do sistema que viram ou de como essa conectividade mecânica funcionou para
eles.25 Eles viram o sistema em suas mentes e em seu perfil amplo. No entanto, eles ficaram
aquém de explorar, expressar, formular, explicar e descobrir todos os seus conteúdos, conexões
e conseqüências. Talvez possamos encontrar a melhor expressão do sistema teológico que o
Santuário abriu para ver nos escritos de Ellen White. Embora inacabado, o sistema teológico
dos adventistas sabatistas desempenhou um papel decisivo em sua experiência espiritual,
autoconsciência e missão.26 (p. 11).
Gerações posteriores de crentes adventistas herdaram a visão hermenêutica encapsulada na
doutrina do Santuário e uma tarefa teológica inacabada. A tarefa ainda inacabada envolve o
entendimento, expansão, formulação, explicação e aplicação do sistema teológico que as
doutrinas do pilar trouxeram à vista.

3. Esquecendo
A convicção de Ellen White de que “não temos nada a temer pelo futuro, a não ser que
esqueçamos o modo como o Senhor nos conduziu e seu ensinamento em nossa história
passada” 27 se aplica à visão e sistema teológico que originou a existência do sétimo -dia Igreja
Adventista. Nós nos esquecemos deles? A visão dos primeiros adventistas continua operativa
na teologia adventista. No entanto, com o passar do tempo, alguns setores influentes do
adventismo lentamente começaram a esquecer a visão teológica que originou o movimento e
culminou com a organização da Igreja Adventista do Sétimo Dia em 1863. O esquecimento não
aconteceu da noite para o dia, nem abraçou toda a denominação mundial. Como o
esquecimento aconteceu? Uma resposta detalhada a essa pergunta requer uma análise
histórica que esteja fora do alcance limitado deste artigo. Em vez disso, podemos considerar
brevemente alguns padrões gerais que de alguma forma contribuíram para o esquecimento da
visão adventista em alguns setores da comunidade adventista.

Da escatologia à soteriologia: mudando a ênfase. A apresentação da Conferência Geral de


Minneapolis em 1888 por AT Jones e EJ Waggoner mudou a atenção dos estudos adventistas
da profecia (escatologia) para a justificação pela fé e a experiência da salvação (soteriologia) .
28 Segundo Froom, EJ Waggoner estava convencido de que a suprema verdade de a redenção
"não era, em nenhum sentido, uma partida divergente da grande estrutura estrutural da"
verdade presente ", como alguns afirmaram injustamente. Em vez disso, investiu a Mensagem
com maior poder, força e atratividade. ”Ellen White compartilhou essa visão afirmando que a
mensagem da justificação pela fé“ é a mensagem do terceiro anjo, na verdade. ”29 A maioria
dos adventistas compartilhou essa visão sobre a mensagem. anos. (p. 12)
No entanto, trinta e dois anos depois de Mineápolis, uma nova maneira de compreender e
conectar todo o corpo de doutrinas cristãs começou a se manifestar no adventismo. “Prescott,
a principal autoridade adventista em doutrina e ex-editora da Review (1901-1909), achava que
a abordagem tradicional da doutrina adventista do sétimo dia resultava em um sistema rígido e
compartimentalizado que não integrava as crenças com a pessoa de Cristo. Para corrigir este
problema, ele publicou um livro em 1920 intitulado A Doutrina de Cristo. ”30 O propósito de
Prescott neste livro para estudantes de teologia não era“ desenvolver um esquema de teologia
sistemática ”, mas enfatizar“ o significado da revelação de Cristo ”. No entanto, mais tarde, em
seu livro, ele afirma que os “grandes fatos concernentes a Cristo”, a saber, Sua morte, ascensão
ao céu, segunda vinda e glorioso Reino eterno “estão entre os fundamentos de Cristo”. todo
um sistema de pensamento e hábito de sentir, e quando ensinado como tal, eles crescem em
um esquema de doutrina. ”32 A aparente contradição entre essas duas afirmações revela a
tensão que existe entre a visão teológica adventista primitiva e a visão protestante clássica
implícita em A abordagem cristológica de Prescott. Como veremos mais adiante, com o passar
do tempo, outros pensadores adventistas interpretaram as Escrituras e compreenderam as
doutrinas adventistas a partir dessa nova perspectiva.
Indo além da ênfase prática explícita de Prescott, A. G. Daniells entendeu que pastores
adventistas e membros leigos precisavam incorporar em seus pensamentos e vidas a
mensagem e experiência de 1888. De acordo com Daniells, a justiça pela fé era “uma verdade
fundamental e abrangente” 33 que “lança uma torrente de luz sobre o grande problema da
redenção em todas as suas fases” .34 Depois de enumerar vinte e dois temas doutrinários, ele
passou a explique que essa foi “a grande extensão da verdade adotada na curta frase 'Justiça
pela fé'”. “A breve frase 'Justiça pela fé' [acrescenta Daniells] abre a porta para todas as lojas
inestimáveis da riqueza e da glória. do evangelho em Cristo Jesus nosso Senhor. ”35 Segundo
Daniells, então, a doutrina da justiça pela fé“ abre para ver ”todo o esquema das verdades
bíblicas e sua interconexão. Para Daniells, a justiça pela fé desempenha o mesmo papel
hermenêutico até agora desempenhado pela doutrina do Santuário e os pilares do adventismo.
Daniells provavelmente não sabia que suas opiniões introduziam uma tensão no nível macro-
hermenêutico da teologia adventista. (p. 13).
Desde 1888, então, duas visões hermenêuticas coexistiram implicitamente no adventismo. À
medida que a visão da “justiça pela fé” se juntou à visão do “santuário”, um processo
imperceptível de “esquecer” o último foi posto em movimento. A incompatibilidade interna
dessas duas visões, no entanto, não se tornou aparente até quase um século depois.
Da Escola Sabatina à Universidade: Mudando a Matriz. Durante a década de 1960, o
adventismo entrou em uma fronteira inexplorada: a Universidade.37 A matriz a partir da qual a
reflexão teológica gera mudou do âmbito prático do ministério, evangelismo e administração
para o domínio técnico da erudição. À medida que os adventistas entravam no mundo erudito,
no qual ciências de diferentes tipos não só eram ensinadas, mas também criadas, elas se
deparavam com novas questões fundamentais. Não surpreendentemente, essas questões
desafiaram os eruditos adventistas. Para respondê-las, precisavam ter um conjunto sistemático
de princípios, não ambíguos, coerentemente concebidos e claramente formulados. Em termos
simples, precisavam de uma visão articulada de maneira acadêmica e de uma metodologia
teológica plena. Infelizmente, não apenas essa visão acadêmica formulada não existia, mas
também o adventismo estava implicitamente operando com duas visões conflitantes: Santuário
e justificação pela fé. Consequentemente, durante esse período, os estudiosos adventistas
enfrentaram a difícil tarefa de superar as ambiguidades teológicas herdadas de períodos
anteriores e novos desafios apresentados pelo mundo acadêmico sem uma compreensão
explícita da visão hermenêutica ou do modo como ela funciona no método teológico.

Os teólogos tentaram resolver questões originárias da comunidade acadêmica sem antes


abordar a questão dos pressupostos hermenêuticos exigidos no mundo acadêmico. Alguns
tentaram responder a perguntas e compreender a teologia adventista a partir da visão implícita
que herdaram de sua educação na igreja. Outros lentamente ajustaram seu modo de pensar à
visão acadêmica.38 Aos poucos, outra visão se juntou às visões já em ação na comunidade
adventista. A competição contra a visão do Santuário Adventista Sabatista gradualmente
cresceu. O mesmo aconteceu com o esquecimento da visão da igreja, sobre a qual ela sozinha
deve permanecer. (p. 14).
Como adventistas envolvidos em estudos de pós-graduação e pesquisa acadêmica, eles se
concentraram em questões cronológicas, arqueológicas, históricas e exegéticas. Essa
concentração afastou a reflexão teológica da natureza sistemática e dinâmica do pensamento
adventista inicial. Assim, o papel da visão na pesquisa acadêmica tornou-se cada vez menos
claro para as novas gerações de eruditos e crentes adventistas. À medida que a
interconectividade do pensamento foi negligenciada, os crentes adventistas começaram a
experimentar as doutrinas da igreja como afirmações desconexas, separadas da experiência da
salvação e da missão da igreja.
Enquanto isso, a vida e a ação comunitária foram absorvidas na prática e missão da igreja, em
detrimento da reflexão teológica e do avanço. A ênfase no lado prático da experiência da igreja
colocou em movimento um processo que, com o tempo, produziu uma desconexão entre
pastores e professores, prática e teologia. O impulso teológico que dirigiu o curso futuro do
adventismo foi lentamente diminuindo e, assim, minimizando a importância da visão e seu
papel na geração do pensamento teológico. À medida que as questões teológicas se tornam
progressivamente menos importantes para os adventistas, a diversidade de visões e os
sistemas teológicos que eles geram encontraram seu lar na igreja. Dentro dessa atmosfera, o
esquecimento da doutrina do Santuário e seu papel como chave hermenêutica abrindo para
ver um sistema completo de verdade conectada e harmoniosa se intensificou.
4. Mudança
Este memorável esquecimento produziu pelo menos quatro mudanças paradigmáticas em
alguns setores da liderança da igreja na América do Norte e na Europa. Como a comunidade
esqueceu o papel hermenêutico da doutrina do Santuário, as novas gerações de adventistas
tornaram-se incapazes de ver por si mesmas o sistema completo da verdade descoberto pelos
pioneiros. Por padrão, ocorreu uma mudança macro hermenêutica. Um novo princípio
hermenêutico começou a operar e se expandir em alguns setores do adventismo que se
abriram para ver um sistema de verdade diferente daquele descoberto pelos pioneiros. A
mudança na visão hermenêutica e no entendimento teológico desencadeou uma reação em
cadeia de mudanças paradigmáticas no solo (teologia das fontes), prática do ministério e
autoconsciência da igreja. (p. 15)

A revisão histórica de Leroy Froom da teologia adventista revela a ambiguidade que se forma
no pensamento adventista durante os anos sessenta e setenta. No contexto das Questões
sobre Doutrinas, 40 adventistas diferenciaram entre as chamadas “verdades eternas” e “testar
verdades”. O primeiro incorporou “o Evangelho Eterno em essência e operação”, 41 enquanto o
último incluía o sábado, o Santuário, o Espírito. da Profecia, Imortalidade Condicional, novos
aspectos da profecia e coisas semelhantes. 42 Implícita ou explicitamente, a convicção de que
“praticamente todas as crenças adventistas do sétimo dia são mantidas por um ou mais grupos
cristãos” 43 se tornou amplamente aceita em todos os setores do adventismo. . De acordo com
essa visão, mantemos junto com a maioria das igrejas cristãs as “verdades eternas” que
incluem as questões fundamentais da teologia, incluindo o caminho da salvação. Diferimos em
nossos pontos de vista sobre a existência de um Santuário Celestial, o Julgamento Investigativo,
o Espírito de Profecia manifestado no ministério e nos escritos de EG White e os Três Anjos de
Revelação 14 como descrevendo a proclamação da última mensagem ao mundo antes a vinda
de Cristo.44 Obviamente, os adventistas começaram a se relacionar com o Santuário bíblico
como uma doutrina, entre outros, sem perceber explicitamente seu papel hermenêutico
orientador.

Assim, parece que quase cinquenta anos atrás, alguns setores da liderança adventista
começaram a pensar que havia muito pouca diferença entre doutrinas adventistas e
evangélicas. Para alguns, a Igreja Adventista não era mais a igreja remanescente no sentido da
única igreja visível na terra. Em vez disso, eles viram o adventismo como apenas mais uma
denominação evangélica. O Santuário e a Mensagem dos Três Anjos não eram mais concebidos
como pilares sobre os quais se encontrava um sistema competitivo de verdade, mas como
peças da construção evangélica da verdade. Essa mudança de convicção pode nos ajudar a
entender as mudanças que ocorreram no adventismo na segunda metade do século.
Mudando a visão hermenêutica. O Santuário ainda era visto como “abertura para ver um
sistema completo de teologia”? A análise de Froom da história adventista expõe algumas
ambiguidades quanto à função hermenêutica da visão escatológica que deu origem ao
adventismo e ao sistema teológico que ela trouxe à luz. Por um lado, Froom mostra que a
função de “visão” da doutrina do Santuário experimentada por E. G. White e os primeiros
pioneiros estava sendo substituída pela perspectiva protestante soteriológica. No início do
adventismo - explica Froom - as novas doutrinas da descoberta ainda não haviam “encontrado
seu relacionamento integral com Cristo. Consequentemente, cada um deles era considerado
uma doutrina amplamente independente, embora relacionada. ”45 Essa avaliação mostra
como a nova ênfase soteriológica estava começando a operar como uma visão hermenêutica a
partir da qual todo o corpus de doutrinas tinha que ser entendido. Por outro lado, Froom
reconheceu que, sem a doutrina do Santuário, “não temos lugar justificável no mundo
religioso, nenhuma missão e mensagem denominacional distinta, nenhuma desculpa para
funcionar como uma entidade da igreja separada hoje.” 46 Além disso, ele também
reconheceu a função sistemática do Santuário no pensamento de Ellen White. Citando-a,
Froom afirma que a doutrina do Santuário "envolve e constitui" um sistema completo de
verdade "(GC 423). Todas as outras verdades essenciais são realmente abrangidas - a lei moral,
o sábado, a expiação sacrificial, a mediação do sumo sacerdócio, o julgamento, a justificação e
a santificação, a justiça pela fé, as recompensas e punições finais, o segundo advento e a
destruição total dos incorrigíveis ímpios. 47 (p. 16).

Os escritos de Froom parecem indicar que, no início da segunda metade do século XX, os
adventistas eram pelo menos ambíguos em relação à visão hermenêutica a partir da qual
construíam seus entendimentos bíblicos e teológicos. Em teoria, a doutrina escatológica do
Santuário ainda é mencionada, mas não como uma visão, mas como a personificação do
próprio sistema. Na prática, porém, os adventistas começaram a usar a ênfase soteriológica
como visão hermenêutica a partir da qual entender as Escrituras e construir seu sistema de
teologia. Consequentemente, a visão hermenêutica do Santuário do Santuário estava sendo
substituída pela visão hermenêutica soteriológica do protestantismo. Dez anos depois,
Desmond Ford expressou essa substituição explicita e teoricamente, desencadeando uma
mudança de paradigma de época na hermenêutica e teologia adventistas.
A rejeição articulada, erudita e carismaticamente apresentada por Desmond Ford à doutrina do
Santuário levou seus pontos de vista à atenção da Igreja.48 Sua rejeição deu expressão
explícita à implícita mudança hermenêutica que já ocorria em alguns setores do adventismo.
Ele substituiu o “pilar” fundamental sobre o qual a teologia adventista se posiciona com a visão
soteriológica da teologia protestante.49 Assim, o que o adventismo estava enfrentando nas
reuniões da Geleira de 1980 não era apenas um desafio exegético à doutrina do Santuário, mas
principalmente um paradigma Mudança nos fundamentos hermenêuticos de seu sistema
teológico.50 Como Ford identificou a interpretação protestante da Justificação pela Fé,
originada por Lutero51 com os ensinamentos de Paulo em Romanos, ele corretamente
percebeu sua inconsistência interna com o ensino adventista do juízo investigativo. Porque
Ford estava persuadido de que “nós, como todos os outros cristãos, recebemos o 'evangelho
eterno', é essencial que nada em nossa apresentação doutrinária possa competir ou colidir
com esse evangelho”, a doutrina do Santuário teve que desaparecer.52 Em última análise,
então, Ford sentiu-se compelido a abandonar a doutrina do Santuário não apenas porque
acreditava que a exegese adventista se baseou em suposições “altamente discutíveis” 53 e no
impopular método historicista de interpretação profética54, mas porque conflitava com os
protestantes. Visão que a Ford explicitamente entendeu e aplicou a compreensão Protestante
da Justificação pela Fé como visão hermenêutica que se abre para ver um sistema completo de
teologia torna-se aparente a partir de sua afirmação de que “quando o evangelho da graça é
entendido, a verdade coordena todas as outras verdades. incluindo questões aparentemente
esotéricas como a profecia e a natureza humana de nosso Senhor ”. (p. 17 e 18).
Embora o adventismo tenha condenado oficialmente a rejeição de Ford da doutrina do
Santuário e a interpretação historicista da profecia nas reuniões de 1980 da Glacier View,
alguns ainda acham que suas visões representam progresso teológico real. Este setor usa o
“Evangelho” (Justificação pela Fé compreendida por Lutero) como a “visão” hermenêutica
através da qual a Bíblia é entendida e todo o sistema de teologia é construído. O resultado da
aplicação dessa visão é uma reinterpretação generalizada das doutrinas e práticas adventistas.
Os adventistas que usam essa nova visão hermenêutica para entender o sistema de
pensamento e doutrina cristã se convencem de que a compreensão dos pioneiros do Santuário
estava errada e que a Igreja deveria reconhecer esse erro e retificá-lo para as futuras gerações.
Uma volta ao protestantismo substitui a saída precoce dos pioneiros.58 Os crentes que pensam
ao longo dessas linhas compõem o chamado adventismo evangélico. Embora os adventistas em
nome e afiliação, em pensamento e prática, pertençam à comunidade protestante. O
adventismo evangélico não é uma comunidade organizada, mas uma maneira de pensar
teologicamente dentro do adventismo. Os crentes que seguem este modo de pensar
geralmente acreditam que eles representam o “verdadeiro” pensamento adventista ao qual a
igreja eventualmente deveria se aproximar. Provavelmente, a maioria dos crentes que pensam
ao longo destas linhas nunca entenderam a doutrina do Santuário ou a usaram como chave
hermenêutica para compreender o sistema completo da verdade bíblica. O adventismo
evangélico leva a uma reinterpretação radical da doutrina ou à deserção.59
Contudo, um problema em ignorar, rejeitar ou substituir a doutrina do Santuário é que, como
Froom colocou, sem a doutrina do Santuário, o adventismo “não tem lugar justificável no
mundo religioso, nenhuma missão e mensagem denominacional distinta, nenhuma desculpa
para funcionar como uma entidade da igreja separada hoje. ”60 Sem o papel hermenêutico da
doutrina do Santuário, as únicas razões que permanecem para explicar o adventismo para o
mundo são culturais. Não é de surpreender que alguns proponham que o adventismo se junte
ao movimento ecumênico; outros deixam a igreja para se juntar às denominações
protestantes. (p. 20).
Mudando o chão. O esquecimento da revolução teológica que deu origem à teologia
adventista logo se estendeu para além da visão hermenêutica do Santuário para o princípio da
sola Scriptura do qual ela surgiu. No final do século XX, um setor da comunidade teológica
adventista abandonou o princípio da sola Scriptura, no qual os primeiros adventistas
construíram seu sistema teológico, substituindo-o pela abordagem das múltiplas fontes sobre a
qual os teólogos católicos e protestantes construíram suas visões teológicas. Alguns
pensadores adventistas não entendem mais o cristianismo e o mundo a partir das Escrituras.
Em vez disso, eles tentam entender as Escrituras da ciência e cultura contemporâneas.
Talvez o escritor que formulou essa mudança com maior clareza e conhecimento seja Fritz
Guy63. Para ele, a teologia não é mais a investigação da verdade divina revelada nas Escrituras,
como é para a maioria dos adventistas até hoje, mas a tentativa de entender nossa experiência
religiosa expressa em crenças.64 Ao fazê-lo, ele coloca sua compreensão do adventismo dentro
da moderna tradição teológica como expressa na História da Escola de Religiões do
pensamento teológico.65 Isto indica não apenas um abandono do princípio da sola Scriptura
em favor de as múltiplas fontes do paradigma da teologia, 66 mas também uma
reinterpretação radical da origem e natureza das Escrituras.67 A visão moderna de que a
Escritura preserva as convicções religiosas humanamente originadas substitui a visão
adventista de que a Escritura divulga diretamente a mente de Deus e age na história em
pensamentos e palavras .68 A abordagem de múltiplas fontes levou os teólogos modernos a
acreditarem que os escritores bíblicos usavam a cultura e idéias de seus dias para transmitir
seus encontros pessoais não-cognitivos com Deus. De acordo com essa visão, o conteúdo da
Escritura é meramente a resposta da “fé” humana aos encontros divinos com Deus.69 Assim, a
Escritura é uma tradição humana, não uma revelação divina. É somente pela fé que somos
capazes de experimentar o evento da revelação divina que está por trás e além das palavras e
ensinamentos bíblicos. A teologia é entendida como tradição cristã em vez de revelação bíblica.
(p. 20 e 21).
Mesmo que o abandono do princípio sola Scriptura seja mais divisivo que as visões de Ford
sobre a doutrina do Santuário, a Igreja Adventista ainda não abordou oficialmente essa
mudança e suas implicações teológicas conforme descrito na metodologia teológica de Guy.71
No entanto, um número crescente de intelectuais adventistas estão construindo suas visões
teológicas ao longo destas linhas. Alguns pertencentes a este modo de pensar chamam a si
mesmos de “adventistas progressistas”. Para este grupo de adventistas, “progresso” significa
adaptar a “fé” adventista (doutrinas que eles receberam através da tradição adventista) e
ensinamentos bíblicos à ciência moderna e cultura contemporânea.72 Durante Na segunda
metade do século XX, esse tipo de aggiornamento adventista surgiu em torno de grandes
instituições com grande concentração de crentes formados em faculdades e universidades.

Para muitos adventistas que enfrentam questões para as quais não têm respostas, ajustar suas
crenças parece ser a única maneira de manter a honestidade intelectual e a sanidade
espiritual. Perguntas sobre o significado e a compreensão do sistema de crenças adventista
logo substituíram as perguntas sobre interpretação bíblica. Por causa de sua história, o
adventismo estava melhor preparado para responder a este último. Assim, o crescimento e
desenvolvimento do adventismo criou uma necessidade que a igreja não abordou enquanto
crescia. Individualmente, os adventistas buscavam responder as perguntas da melhor forma
que podiam.
Geralmente, os adventistas integravam visões teológicas, científicas e pastorais que se
encaixam no entendimento das Escrituras com sistemas de crenças emprestados de outras
denominações. Quando novas questões surgiram, alguns professores, pastores e
administradores influentes integraram idéias seculares e teológicas que eles achavam
harmonizadas com as Escrituras. Infelizmente, muitos deles eram incompatíveis com isso. À
medida que as novas gerações de crentes adventistas receberam essas novas idéias de dentro
da videira adventista, elas logicamente as experimentaram como ensinamentos adventistas. As
inconsistências foram ajustadas por meio da adaptação do pensamento bíblico aos novos
desenvolvimentos na cultura religiosa e secular.73 Com o tempo, esse processo moldou a
compreensão e prática teológica do adventismo cultural / progressista, que obviamente se
desenvolveu em direções bem diferentes das crenças biblicamente fundamentadas de sua
Igreja. (p. 22).
O fato de que os adventistas progressistas levam a sério a mudança radical do adventismo se
torna claro quando se aprende suas visões sobre as origens. Sua profunda certeza de que
devemos construir nossas crenças em um multiplex de fontes leva-os à inevitável convicção de
que a ciência, não as Escrituras, diz a verdade sobre a história da vida na Terra. Assim, rejeitar a
“verdade” científica equivale a rejeitar a “verdade presente”. 74 Em face da crescente
evidência científica - eles afirmam - os adventistas não podem mais acreditar de forma
inteligente e honesta em uma criação histórica literal de seis dias. Para acomodar as longas
eras da ciência, 75 eles lêem o relato de Gênesis “teologicamente”. 76 De acordo com essa
visão, evolução e criação não são contraditórias porque a criação não fala sobre o processo
histórico pelo qual a vida se originou, mas sobre a dependência da Enquanto a teoria
evolucionista nos ilumina sobre a história da vida na Terra, a Escritura nos ilumina sobre o lado
“espiritual”, “metafísico” em vez de físico da realidade.78

Acomodar a narrativa de Gênesis à teoria evolucionista requer também uma mudança na


compreensão adventista tradicional da inspiração da revelação. De que outra forma
poderíamos explicar por que Deus inspirou um texto descrevendo um processo criativo de seis
dias histórico, enquanto todo o tempo tentava comunicar uma verdade espiritual não-histórica.
Se a verdade da criação era espiritual, por que Deus não inspirou os profetas a dizer isso
claramente? Se os teólogos podem explicar claramente o chamado significado espiritual da
criação, por que Deus não conseguiu deixar claro aos escritores bíblicos? Por que Deus decidiu
não usar a história evolucionária para transmitir a verdade teológica? (p. 24).
Para responder a essas e outras questões relacionadas, alguns adventistas progressistas usam
uma compreensão idiossincrática de inspiração-revelação comumente conhecida como
“inspiração de pensamento”. Segundo essa visão, Deus inspirou pensamentos, mas não as
palavras.79 “Erros” bíblicos como os de seis dias. o relato da criação pode ser explicado como
originário das palavras dos autores, não das idéias de Deus.80 Ao fechar uma brecha entre
pensamento e palavras, eles tentam abrir espaço para uma interpretação teológica das idéias
que Deus revelou ao profeta.81 Um problema com essa visão é que, na comunicação humana,
não podemos separar as palavras do pensamento. Sem palavras, não temos acesso aos
pensamentos dos outros. Assim, a interpretação teológica é incapaz de fazer o que é suposto
fazer, isto é, alcançar a mensagem divina que está além e fora do texto. Quando o modelo
moderno de inspiração-revelação - de acordo com o qual a imaginação humana e não a
inspiração divina é responsável pelo conteúdo do relato da criação de Gênesis - é adotado, esse
problema desaparece. Não há necessidade de explicar aqui como o modelo moderno ou a
noção de inspiração reveladora sozinho destrói toda a construção dos ensinamentos cristãos.
Essas mudanças paradigmáticas na compreensão das fontes teológicas, a doutrina da
revelação-inspiração e a história da vida humana têm um amplo impacto hermenêutico na
tarefa de fazer a teologia adventista. Se aceitas pela igreja, essas mudanças requerem
necessariamente uma reinterpretação generalizada da teologia e da vida adventistas à imagem
das teologias protestantes e católicas romanas. No entanto, os adventistas progressistas
parecem esquecidos do papel hermenêutico e sistemático que a doutrina da evolução
desempenha no pensamento contemporâneo. Eles parecem aceitar o tempo profundo e as
idéias evolucionistas que o acompanham como explicação para a coluna fóssil e a origem da
vida na Terra, esquecendo que, quando aceitas, essas idéias tornam-se necessariamente a
visão que se abre para ver um sistema alternativo de verdade82. Mudar o terreno da teologia
adventista do princípio da sola Scriptura para as múltiplas fontes da matriz teológica, então,
requer necessariamente mudar a visão hermenêutica. Em outras palavras, a mudança de
terreno requer a substituição da doutrina do Santuário e dos outros chamados "pilares" como
princípios macro-hermenêuticos da teologia adventista.83 (p. 24).
Uma vez que as visões teológicas dos adventistas progressistas e bíblicos derivam de profundas
convicções intelectuais e religiosas, é improvável que uma reflexão posterior as integre em um
sistema teológico harmonioso. Os adventistas progressistas parecem considerar que a
incompatibilidade gritante que existe entre seu modo de pensar e o adventismo bíblico não
põe em perigo o futuro da igreja. Pelo contrário, eles acham que sua contribuição é
indispensável para a própria sobrevivência do adventismo na sociedade contemporânea. Eles
estão comprometidos em redimir o adventismo de seus humildes primórdios intelectuais e
seus erros do século dezenove.
Além disso, eles parecem acreditar que a rejeição do princípio da sola Scriptura e as mudanças
hermenêuticas que desencadeia não põem em perigo a unidade da igreja. Segundo eles, a
comunidade é primária, o pensamento teológico é secundário.84 As divisões teológicas não
devem ameaçar a unidade da igreja porque a unidade não depende da compreensão teológica,
mas da obra sobrenatural do Espírito Santo que gera amor comunitário. Eles raciocinam que,
uma vez que o amor é todo-inclusivo, deve ser o suficiente para construir a unidade entre
todos os crentes adventistas - não importa quão incompatíveis possam ser suas visões
teológicas. Com base nisso, há pouca motivação para examinar, avaliar ou rejeitar visões
teológicas divergentes à luz do pensamento bíblico. Do outro lado, milhões de crentes
adventistas ao redor do mundo se perguntam como seus irmãos e irmãs “progressistas” são
capazes de aceitar ensinamentos que contradizem não apenas a base bíblica e os princípios
macro hermenêuticos em que se encontra o adventismo, mas também a lógica interna do
pensamento bíblico. .85 (p. 25).
A mudança da sola Scriptura para o multiplex de fontes teológicas a partir das quais procede o
pensamento adventista progressivo requer uma reformulação completa da teologia e prática
adventistas. Se aceita, essa mudança acelerará e intensificará profundas divisões na
comunidade adventista ao redor do mundo. Além disso, acomodar-se às tendências de
mudanças rápidas nas culturas filosóficas, científicas e de entretenimento mergulha o
adventismo no redemoinho de inabaláveis conformes aos padrões deste mundo,
contradizendo assim explicitamente a injunção de Paulo de fazer o oposto (Romanos 12: 2).

Mudança na autoconsciência da igreja. O Pastor Jan Paulsen, atual Presidente da Associação


Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, parece perceber uma mudança na autoconsciência da
Igreja. Ele vê muitos adventistas perdendo seu senso de identidade.

Há muitas coisas que temos em comum e podemos fazer em comum


com cristãos de outras igrejas, mas somos cristãos de uma identidade
muito específica. Essa identidade é refletida nos ensinamentos, no
que valorizamos e na nossa qualidade de vida. Eu me pergunto: Nós
nos tornamos ou estamos nos tornando mais reconhecíveis como
“cristãos” do que como cristãos adventistas do sétimo dia? E é
possível que isso seja algo que gostaríamos que acontecesse e,
portanto, estamos sendo deliberados sobre nos projetarmos da
maneira dele? Na medida em que isso é assim, o que é que nos
trouxe até este ponto? É uma conseqüência do "mobismo teológico"?
É uma consequência de um complexo de inferioridade? É uma
consequência de apenas querer se misturar melhor? 86

Parece que as mudanças paradigmáticas na visão hermenêutica e nas fontes teológicas que
ocorreram em alguns setores do adventismo influenciaram não apenas nossa interpretação
bíblica e compreensão doutrinal, mas também nossa autocompreensão comunitária. Afinal, a
maneira como pensamos determina quem somos (Provérbios 23: 7) e o que fazemos.

A visão hermenêutica do Santuário e o sistema de teologia que ela abriu para ver levaram os
pioneiros adventistas a deixar suas igrejas e formar uma nova. A noção de ser o remanescente
escatológico visível representando Cristo no tempo do fim deu unidade, identidade e um senso
de missão ao adventismo. 87 Os adventistas bíblicos continuam a sentir a mesma unidade,
uma identidade que os impulsiona em missão implacável e crescimento explosivo ao redor do
mundo. À medida que os setores evangélicos e progressistas do adventismo mudaram suas
visões hermenêuticas e as fontes da teologia a partir das quais procuravam entender a teologia
e a experiência adventistas, sua autoconsciência como membros da comunidade começou a
mudar de acordo. O sistema de teologia bíblica do início do adventismo tornou-se cada vez
mais problemático para eles. Em vez de criticarem a tradição cristã e a metodologia teológica,
usaram-nas como a perspectiva a partir da qual entender as Escrituras, 88 doutrinas,
experiência e a missão da igreja. 89 Eles rejeitaram a noção do remanescente como arrogante
e anti-bíblico e se entenderam como membros da ampla comunidade cristã evangélica das
igrejas, mesmo de uma “ecumenicidade espiritual” que supera “o pecado da fragmentação e
divisão” entre as denominações cristãs. 90 (p. 26)

Neste contexto, surge a pergunta: O que significa ser um adventista em vez de um cristão
evangélico? A Igreja Adventista tem uma razão para existir como uma denominação separada?
Vamos considerar uma resposta que o adventismo progressivo dá a esta questão. Depois de
descrever as mudanças teológicas na história adventista, Fritz Guy questiona se ainda podemos
falar de cristianismo adventista “autêntico”. “Se não mais lermos as escrituras da maneira
como os adventistas inicialmente leram, se não acreditarmos mais no que os adventistas
inicialmente acreditaram, e se não mais pensarmos como os adventistas pensaram
inicialmente, em que sentido ainda somos autenticamente adventistas?” 91 Sua mais atraente
A razão parece ser a “escolha pessoal da comunidade adventista como um lar espiritual e a
adoção do passado adventista como parte da identidade espiritual.” 92 De acordo com esse
modo de pensar, o adventismo não tem características teológicas convincentes que possam
atrair outros cristãos. para se tornarem adventistas. Para Guy, “autêntico” 93 o adventismo
torna-se a melhor atualização particular disponível do cristianismo. 94 Para que esse setor do
adventismo se torne ou permaneça um membro da “comunidade” adventista 95 parece
depender mais de razões sociológicas do que teológicas. 96 Isso não foi assim no começo. (p.
27)

Mudando a Prática do Ministério. As mudanças teológicas que ocorrem dentro do adventismo


também afetam a prática cotidiana do ministério. O esquecimento da visão adventista por
adventistas “equilibrados”, a introdução de novos pilares por adventistas “evangélicos” e a
rejeição do princípio sola Scriptura por adventistas “progressistas” produziram lentamente uma
crise de identidade não apenas em teólogos e professores, mas também em pastores e
membros da igreja. Com o passar do tempo, alguns setores do adventismo esqueceram os
pilares bíblicos e foram incapazes de transmiti-los às novas gerações. Um setor importante do
adventismo recebeu os pilares, mas negligenciou usá-los para compreender melhor a verdade
bíblica. 97 Como explicamos anteriormente, esse vácuo imperceptivelmente levou alguns a
usar pilares extra-bíblicos, dos quais o pensamento e a prática adventistas começaram a
moldar-se à imagem de um protestantismo e modernismo decadentes. Assim, gerações
recentes de adventistas têm achado cada vez mais difícil ver e experimentar o sistema
harmonioso de verdade bíblica como seus ancestrais fizeram. Como os novos pilares estavam
em bases não-bíblicas, os adventistas começaram não apenas a entender a teologia cristã
como os protestantes, mas também a incorporar métodos na prática do ministério que se
encaixam e se harmonizam com os sistemas teológicos evangélicos e modernistas.

Conforme essas mudanças ocorriam dentro do adventismo, mudanças dramáticas estavam


ocorrendo do lado de fora. A rápida secularização98 produzida pela modernidade deslocou
uma cultura centrada em Deus com uma cultura que gira em torno dos interesses próprios dos
seres humanos. Quando, em meados do século XX, a pós-modernidade99 substituiu a
modernidade, o estado de espírito da sociedade ocidental secular tornou-se relativista e
decididamente pluralista. A revolução na tecnologia de comunicação, notadamente a televisão
100 e a internet, 101 intensificou exponencialmente essas mudanças culturais e as disseminou
globalmente. As denominações cristãs lutaram contra a única maneira pela qual sabiam como:
acomodando-se ainda mais às rápidas mudanças filosóficas, científicas e culturais. 102 A noção
por trás desse método de combate à secularização com a secularização é que secularizar a
igreja nos “não essenciais” atrairá indivíduos de mentalidade secular para os “fundamentos”
do cristianismo. Em outras palavras, um pacote secular atrairá indivíduos seculares ao sagrado
conteúdo "espiritual" do cristianismo. Mesmo que essa estratégia se encaixe adequadamente
nas visões e sistemas teológicos evangélicos e progressistas, os adventistas bíblicos também
começaram a “testar” essa estratégia em seus rituais de adoração e em seu ministério para os
jovens. (p. 29)

Na Igreja, pastores e evangelistas estão encarregados de “empacotar” a mensagem para atrair


a atenção de platéias superestimuladas. Para atrair interesse pela mensagem da igreja, essa
abordagem permite que a cultura dite os padrões da atividade ministerial. A sabedoria divina
guardada nas Escrituras e os escritos de Ellen White são deixados para trás como antigos e
irrelevantes. No processo de produzir um novo modelo secular de prática ministerial, pastores
e evangelistas acomodam doutrinas e práticas a novas ideologias, ou simplesmente as afastam
para o anúncio do Evangelho. A adoração torna-se central e novas formas culturais tornam-se
as ferramentas escolhidas para chamar multidões para “experimentar” o evangelho por meio
da excitação emocional.

O pragmatismo ministerial substitui a verdade bíblica. Quaisquer obras são vistas como o que o
"Espírito Santo" quer para a igreja, mesmo que isso contradiga os ensinamentos e práticas
bíblicas. No início do século XX, o modernismo dividiu as denominações ao longo da fronteira
em campos liberais e conservadores. No início do século XXI, o movimento carismático permeia
todas as denominações conservadoras e liberais e as une no ecumenismo praxe. (p. 30)

Na América do Norte, Europa e Austrália, a presença e os escritos de adventistas evangélicos e


progressistas influenciaram a mentalidade de um número crescente de líderes adventistas
(pastores, professores, administradores e leigos). Eles olham para o adventismo não do
Santuário bíblico e dos pilares da perspectiva adventista, mas dos princípios hermenêuticos
(pilares) sobre os quais a teologia cristã (católica romana e protestante) foi construída. Assim,
eles estão preparados para acomodar ainda mais suas crenças a novas mudanças no
pensamento carismático e cultural. 103 Eles estão convencidos de que, para alcançar uma nova
audiência secular, o modelo de entretenimento carismático da “adoração” é a solução. 104
Consciente ou inconscientemente, muitos estão se unindo ao movimento carismático e
trazendo-o para a autoconsciência e missão da igreja. Como resultado, eles advogam unir a
nova “ecumenicidade espiritual” que varre todas as denominações cristãs. 105

Para alguns, o objetivo na prática do ministério é ter uma grande participação no sábado. 106
Porque nos países de primeiro mundo a freqüência à igreja não aumenta, os pastores sentem a
irrelevância de seus esforços. Seguindo o modelo carismático de culto varrendo todo o
cristianismo, alguns pastores atribuem a irrelevância de seu esforço, em favor de crentes e não-
crentes, a “embalagens antigas” ou formas de culto. Assim, muitos pastores procuram atrair
um público maior, adotando rituais de culto culturalmente engajados em detrimento da
pregação da Palavra e engajando-se na missão da Igreja. Incorretamente, essa renovação do
ritual é rotulada como renovação da “adoração”. No entanto, os rituais são apenas formas
externas incapazes de produzir ou provocar a natureza espiritual da adoração. (p. 31)

A ênfase não é um ritual carismático e transformada em outra versão da ritualística do


cristianismo. A chamada experiência de adoração torna-se uma ferramenta preferida para
evangelizar os jovens. A relação com Deus torna-se associada e mediada pelo “fazer” do ritual.
Um novo legalismo substitui o antigo legalismo. A ética atitude legalista pressupõe que as
mulheres sejam responsáveis pela execução de ações éticas prescritas pelas Escrituras. A nova
atitude legalista “ritualística” assume a forma de uma oração através do batismo e dos rituais
de adoração no sábado.

Em um número esmagador de nossas igrejas adventistas, um novo “sacramento” 108


mediando a presença do Espírito Santo é a batida popular ou a música rock. Music109 então
substitui a palavra. Concertos substituem a pregação. Sentir substitui a missão. A
espiritualidade substitui a obediência. A religião torna-se uma experiência existencial e
indiferenciada mecanicamente, em meio a gritos espirituosos e expressões externas de alegria.
Como resultado, o estudo da Bíblia e o compromisso pessoal com a verdade bíblica estão
desaparecendo da consciência e imaginação dos evangélicos em geral e das novas gerações de
adventistas em particular. O adventismo está rapidamente secularizando seus rituais de
adoração e experiência cristã. 112 No início do século XXI, muitas comunidades adventistas
estão se movendo rapidamente de um culto e estilo de vida biblicamente para um centro
cultural. Mudanças no terreno e pilares hermenêuticos da igreja geram mudanças em sua vida
e missão. (p. 32)

Essas tendências no ministério e na missão não são compatíveis com o sistema coerente de
verdade que a doutrina do Santuário abriu à mente de Ellen White e dos pioneiros. Como eles
surgiram? Um fator contribuinte pode ser que durante toda a sua curta vida, a base para a
práxis das comunidades adventistas tenha mudado do Livro Único, para os “muitos livros” de
Ellen White, para as muitas fontes de teologia no Adventismo Evangélico e Progressivo, e aos
muitos livros de escritores evangélicos que nossos pastores agora usam como guias para seu
pensamento teológico e ação prática. 113

5. Reafirmando

Embora alguns setores da igreja tenham experimentado grandes mudanças paradigmáticas na


visão hermenêutica - pilares - e base cognitiva - as fontes da teologia - nas quais se situam a
teologia e ministério adventistas, a maioria dos adventistas permaneceu e continua a
desconhecer que tais mudanças estão ocorrendo. Lugar, colocar. No entanto, como nos últimos
vinte anos, as reinterpretações evangélicas e progressistas do adventismo começaram a
circular mais livremente por meio de publicações, sermões, apresentações, aulas e intercâmbio
pessoal, duas respostas desafiaram a reinterpretação do adventismo por reafirmar as crenças
tradicionais adventistas. Uma resposta se baseia nos escritos de Ellen White e a outra nas
Escrituras. Vamos considerar cada um brevemente.

Adventismo Histórico. Como designação geral, o Adventismo Histórico é um rótulo de


conveniência para designar um setor do adventismo que, desde os primeiros anos dos anos 90,
reagiu fortemente contra as visões de Ford sobre a doutrina do Santuário. 114 Esse setor
continuou a prática difundida de fazer teologia a partir dos escritos de Ellen White, que
começou logo após sua morte, no início do século XX. 115 Aqueles que estão familiarizados
com os escritos de Ellen White poderiam facilmente detectar as grandes mudanças que os
adventistas evangélicos e culturais estavam introduzindo na comunidade adventista. Os
adventistas que acreditavam no papel profético da Sra. White viam essas mudanças não como
meras nuances teológicas, mas como desvios da verdade confiada aos santos. Eles entenderam
que a proposta de Ford era uma rejeição da doutrina do Santuário e do papel hermenêutico
em que o adventismo se destaca. Eles fizeram o melhor que puderam para combater a “nova
teologia” que se infiltrava no pensamento adventista. 116 (p. 33)
Embora seus escritos, sem dúvida, ajudassem muitos adventistas a entender os problemas e
manter viva a perspectiva teológica original, seus esforços foram limitados de duas maneiras.
Do ponto de vista administrativo, a estratégia de organização dos “ministérios independentes”
colocou-os em desacordo com a própria comunidade que eles queriam apoiar. Do ponto de
vista teológico, a argumentação dos escritos de Ellen White os colocam em desacordo com o
princípio sola Scriptura que eles defendem. Ao fazê-lo, criaram uma desconexão metodológica
entre eles e a “nova teologia” contra a qual eles estão reagindo. Para resumir, os adventistas
históricos e evangélicos falam duas línguas diferentes. Os primeiros falam da teologia de Ellen
White e os últimos falam da Escritura. Ao proceder dessa maneira, os adventistas históricos
maximizam sua influência entre os crentes familiarizados com os escritos de Ellen White, mas
diminuem muito sua persuasão com os adventistas evangélicos e culturais.

Seguindo de perto os escritos de Ellen White, o Adventismo Histórico reafirma os


ensinamentos tradicionais do adventismo. Do lado positivo, essa abordagem mantém viva a
visão hermenêutica que originou o adventismo. Do lado negativo, o Adventismo Histórico
interpreta a doutrina do Santuário a partir da “visão” ontológica da natureza humana
pecaminosa de Cristo, Cristo encarnado em carne humana pecaminosa, compartilhando as
mesmas tendências ao pecado que temos. Isto implica que os cristãos verdadeiros devem
alcançar absoluta perfeição sem pecado antes da segunda vinda de Cristo. A perfeição sem
pecado torna-se o capítulo final e decisivo do Grande Conflito antes da vinda de Cristo. 117 De
acordo com o historiador adventista George Knight, a maioria dos adventistas manteve essas
opiniões até a publicação de 1957 de Questions on Doctrines. 11 (p. 34)

A natureza humana de Cristo é pecaminosa, sem pecado ou ambos? Em vez de insistir no


ensinamento tradicional adventista inacabado do passado anterior aos anos sessenta ou em
entrar em guerra usando citações de Ellen White, os teólogos adventistas devem se dedicar a
extrair sua visão teológica das Escrituras, incluindo todas as questões ontológicas envolvidas,
até mesmo a natureza de Cristo. Não fazer isso contribuiu em grande medida para as divisões
na teologia adventista que estamos examinando brevemente neste artigo.

Como observado acima, o Adventismo Histórico não constrói suas doutrinas e entendimento
teológico sobre o princípio da Sola Scriptura, embora Ellen White o recomende. 120 Além
disso, sua estratégia teológica negligencia as questões teológicas, metodológicas e intelectuais
que sustentam as reconstruções evangélicas e culturais do pensamento adventista. Para
sobreviver como uma comunidade teológica unida, o adventismo deve abordar e resolver
esses problemas.

Adventismo Bíblico. O estudo bíblico sério, revolucionário e comprometido é o gênio do


adventismo. À medida que a comunidade crescia, o centro que gerava estudos bíblicos
revolucionários passou dos leigos para a administração. Com a criação de faculdades e
universidades, o centro da atividade teológica mudou novamente da administração para a
comunidade acadêmica em todo o mundo, liderada pelo Instituto de Pesquisa Bíblica da
Associação Geral. 12 (p. 35)

Entre as contribuições importantes desse setor do adventismo ao pensamento bíblico da igreja


estava a publicação do Comentário Bíblico Adventista do Sétimo Dia (1953-1957). 122 Como
resposta à reinterpretação evangélica de Ford da doutrina do Santuário, o Instituto de
Pesquisas Bíblicas produziu uma série de estudos substanciais sobre questões relacionadas à
interpretação bíblica. Na virada do século, uma equipe de importantes teólogos adventistas
liderada por Raoul Dederen publicou uma exploração sistemática biblicamente fundamentada
das 27 crenças fundamentais no Manual da Teologia Adventista do Sétimo Dia. 123 Outros
teólogos que contribuem substancialmente para o adventismo bíblico em várias áreas de
pesquisa incluem Edward Heppenstall, 124 Hans La Rondelle, 125 Gerhard Hasel, 126 Samuele
Bacchiocchi, 127 e Richard Davidson. 128 (p. 36)

Quando o adventismo evangélico rejeitou a doutrina do Santuário no início dos anos oitenta,
os adventistas bíblicos reafirmaram-na com sólida erudição bíblica. 129 Assim, apesar das
mudanças que ocorrem na comunidade adventista, a sola Scriptura continua sendo o terreno
implícito e oficial no qual os adventistas devem construir sua teologia e seus ensinamentos. No
entanto, apesar dessas afirmações tão importantes, o adventismo bíblico negligenciou o papel
macro hermenêutico que a doutrina do Santuário desempenha na teologia adventista.

A reafirmação erudita da doutrina do Santuário não persuadiu os adventistas evangélicos ou


progressistas. Este fato revela a profundidade das divisões teológicas no pensamento
adventista. Eles alcançam os fundamentos do pensamento teológico e método. Eles nos
dividem no nível de (1) a base cognitiva da teologia da sola Scriptura e (2) a visão hermenêutica
da qual devemos nos esforçar para entender todas as questões teológicas. Como resultado,
teologias e práticas incompatíveis coexistem na Igreja.

6. Conclusão

Nossa breve visão geral da visão adventista primitiva que gerou a comunidade adventista e
abriu à sua vista um sistema completo, porém inacabado, de verdade bíblica, conectada e
harmoniosa, revelou que com o passar do tempo a Igreja a negligenciou. Além disso, grandes
setores da liderança e dos leigos adventistas estão convencidos de que a visão adventista
estava errada e a substituíram por visões emprestadas de outras teologias cristãs. Como
resultado, no início do século XXI, o adventismo é administrativamente unido, mas
teologicamente dividido. Como apontamos brevemente neste artigo, as divisões alcançam os
fundamentos do pensamento teológico. Apesar das reafirmações históricas e bíblicas, o
esquecimento ainda está dividindo o adventismo hoje; esquecendo o princípio sola Scriptura,
esquecendo os pilares, e esquecendo o sistema completo da verdade, perfeito e harmonioso,
os pilares trazem à vista. O esquecimento não está apenas fazendo incursões na comunidade
acadêmica, mas também nas comunidades pastorais e leigas. (p. 37)

Esses desenvolvimentos não são encorajadores. A diversidade tornou-se pluralismo no nível


fundamental da revelação divina e no nível hermenêutico da visão a partir da qual é gerado o
pensamento teológico da igreja e sua práxis.

Podemos superar a divisão que existe no nível da visão hermenêutica se trabalharmos a partir
do princípio da sola Scriptura. As preocupações e contribuições teológicas dos adventistas
evangélicos não são apenas contraditórias, mas também incluídas no sistema completo de
teologia que a doutrina do Santuário e os pilares do adventismo estão abertos a serem vistos.

No entanto, se persistirmos em substituir o princípio sola Scriptura pelas múltiplas fontes da


matriz teológica emprestadas da teologia cristã, não seremos capazes de superar nossas
divisões hermenêuticas, teológicas e práticas. A visão adventista e o sistema de teologia que
nossos pioneiros descobriram nas Escrituras são incompatíveis com visões e teologias
derivadas da sabedoria científica e filosófica. Assim, abraçar o que conhecemos amplamente
como “Adventismo Progressivo” implica uma mudança radical no terreno, visão hermenêutica,
sistema teológico e prática de ministério do que ainda hoje conhecemos como adventismo. O
adventismo bíblico e o adventismo progressivo são dois sistemas teológicos completos que são
incompatíveis entre si. A racionalidade requer que escolhamos entre eles. As diferenças entre o
adventismo evangélico e o progressista, de um lado, e o sistema completo de teologia que a
doutrina do Santuário abre para ver, por outro lado, alcançam o próprio solo a partir do qual o
pensamento e a prática da comunidade fluem. Devido a este fato, a igreja será forçada a
escolher entre eles. Eles não podem coexistir em uma igreja unida. Pode uma casa dividida
contra si mesma estar (Marcos 3:25)?

O que deveríamos fazer? Consistente com seu modo de pensar, os adventistas evangélicos e
progressistas sugerem unidade no amor, não no pensamento teológico. Eles argumentam que
a aceitação amorosa do pluralismo teológico é boa para a Igreja. Contudo, uma vez que estão
conscientes de que seu entendimento teológico implica grandes mudanças de paradigma que a
igreja mundial pode não estar disposta a aceitar, manter o status quo parece funcionar bem
para o avanço de suas visões teológicas. (p. 38)

No entanto, não devemos confundir o pluralismo teológico no nível básico da fonte da teologia,
a visão hermenêutica e seu impacto no ministério geral de ensino da igreja global com a
diversidade no nível pessoal de compreender e experimentar nossa vida em Cristo. A causa do
pluralismo teológico é de natureza intelectual e alcança os próprios alicerces da nossa teologia,
identidade, unidade e missão. Uma vez que uma casa dividida contra si mesma não pode
resistir, precisamos superar teologicamente o estado atual do pluralismo teológico no
adventismo.

Devemos ir além de reafirmar o princípio da sola Scriptura, a doutrina do Santuário e os pilares


do adventismo. Devemos usá-los como uma visão hermenêutica a partir da qual podemos
descobrir por nós mesmos o sistema completo de teologia e verdade que nossos pioneiros
descobriram nas Escrituras. Devemos usar a visão adventista para avançar a tarefa inacabada
da teologia adventista no século XXI. Precisamos de mais do que algumas doutrinas
desconectadas: precisamos da compreensão plena de seus significados interconectados e da
diferença que eles fazem na compreensão da vida cotidiana. Precisamos também entender a
revolução teológica que essa abordagem implica quando comparada com as abordagens
clássica, protestante e moderna da teologia cristã.

Podemos alcançar esses objetivos de maneira intelectualmente correta? Podemos defender a


abordagem do "Grande Conflito" à teologia cristã no nível acadêmico da pesquisa
universitária? É possível continuar trabalhando no projeto teológico que os pioneiros deixaram
inacabado e muitos adventistas esqueceram ao longo do caminho? Esse projeto teológico
ajudaria a comunidade adventista a superar o pluralismo e promover a unidade e a missão? A
segunda parte desta série irá explorar essas questões. (p. 39)