Você está na página 1de 140

Introdução à História

da Matemática
Rogério S. Mol

Introdução à História
da Matemática

Belo Horizonte
CAED-UFMG
2013
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CONSELHO EDITORIAL
Profº Clélio Campolina Diniz Profª. Ângela Imaculada Loureiro de Freitas Dalben
Reitor Profº. Dan Avritzer
Profª Rocksane de Carvalho Norton Profª. Eliane Novato Silva
Vice-Reitoria
Profº. Hormindo Pereira de Souza
Profª Antônia Vitória Soares Aranha
Profª. Paulina Maria Maia Barbosa
Pró Reitora de Graduação
Profª. Simone de Fátima Barbosa Tófani
Profº André Luiz dos Santos Cabral
Pró Reitor Adjunto de Graduação Profª. Vilma Lúcia Macagnan Carvalho
Profº. Vito Modesto de Bellis
Profº. Wagner José Corradi Barbosa
CENTRO DE APOIO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA
Profº Fernando Selmar Rocha Fidalgo COLEÇÃO EAD – MATEMÁTICA
Diretor de Educação a Distância Coordenador: Dan Avritzer
Prof º Wagner José Corradi Barbosa Livro: Introdução à História da Matemática
Coordenador da UAB/UFMG Autor: Rogério S. Mol
Profº Hormindo Pereira de Souza Junior Revisão: Jussara Maria Frizzera
Coordenador Adjunto da UAB/UFMG
Projeto Gráfico: Laboratório de Arte e Tecnologia
para Educação/EBA/UFMG
Formatação: Sérgio Luz
EDITORA CAED-UFMG
Profº Fernando Selmar Rocha Fidalgo

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


(Luciana de Oliveira M. Cunha, CRB-6/2725)

Mol, Rogério Santos


M717i Introdução à história da matemática / Rogério S. Mol. – Belo
Horizonte : CAED-UFMG, 2013.
138 p. : il. (algumas color.) ; 27 cm.

Inclui bibliografia.
ISBN 978-85-64724-26-6

1. Matemática – História. 2. Ensino a distância. I. Universidade


Federal de Minas Gerais. II. Título.

CDD 510.9
CDU 51(091)
Sumário

Apresentação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Nota do Editor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Aula 1 - Primórdios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.1 Contagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.2 Mesopotâmia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.3 Egito. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.4 Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2 Grécia, período helênico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.2 Os sistemas de numeração gregos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2.3 Tales de Mileto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
2.4 Pitágoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
2.5 Os Eleatas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
2.6 A Academia de Platão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.7 Eudoxo e o método de exaustão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.8 Aristóteles. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2,9 Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
3 Grécia, período helenista. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.2 Os Elementos de Euclides. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
3.2.1 Livro I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
3.2.2 Livros II, III e IV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3.2.3 Livros V e X. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.2.4 Livros VII, VIII e IX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.2.5 Livros XI, XII e XIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.3 Arquimedes de Siracusa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.4 As cônicas de Apolônio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.5 Ptolemeu de Alexandria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
3.6 A aritmética de Diofanto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
3.7 Epílogo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
3.8 Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
4 O período medieval . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.1 A matemática hindu . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
4.2 A matemática árabe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
4.2.2 A Casa da Sabedoria e al-Khwarizmi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
4.2.3 Abu-Kamil. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4.2.4 Al-Karagi . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4.2.5 Al-Samaw’al. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
4.2.6 Alhazen . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
4.2.7 Omar Khayyam . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
4.2.8 Al-Kashi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
4.2.9 O postulado das paralelas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
4.3 A Europa na Idade Média. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.3.2 Séculos XI a XIII . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
4.3.3 Leonardo de Pisa, o Fibonacci . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
4.4 Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
5 Do Renascimento europeu ao Cálculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
5.1 O Renascimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
5.2 Novas ideias na astronomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
5.3 Matemática e arte: a perspectiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
5.4 A álgebra renascentista . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
5.4.1 Luca Pacioli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
5.4.2 Die Coss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
5.4.3 Cardano e a solução de equações cúbicas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
5.4.4 François Viète e o simbolismo algébrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
5.5 Desargues e a geometria projetiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
5.6 Descartes e a geometria analítica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
5.7 Pierre de Fermat . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
5.8 Blaise Pascal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
5.9 O princípio de Cavalieri . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
5.10 John Wallis e Isaac Barrow . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
5.11 Isaac Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
5.11.1 A concepção infinitesimal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
5.11.2 O método das fluxões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
5.11.3 O método das primeiras e últimas razões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
5.12 Gottfried Leibniz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.13 Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
6 Episódios dos séculos XVIII e XIX 105. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
6.1 Introdução. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
6.2 Os irmãos Bernoulli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
6.3 Leonhard Euler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
6.4 França, período revolucionário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
6.4.1 D’Alembert . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
6.4.2 Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
6.4.3 Cauchy . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
6.5 Gauss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
6.6 A evolução da geometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
6.7 A fundamentação do cálculo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
6.8 Exercícios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
Referências. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
Para meus amores,
Ana Paula e Gabriela
apresentaç
Apresentação ão
“A matemática é uma vasta aventura em ideias;
sua história reflete alguns dos mais
nobres pensamentos de incontáveis gerações”
Dirk J. Sruik

O termo matemática tem origem na palavra grega — com pronúncia vizinha


à de sua descendente em lı́ngua portuguesa — µαθηµατ ικά. Esta, por sua vez,
provém da palavra µάθηµα, que significa, simplesmente, conhecimento. Esse
curto exercı́cio de etimologia em si já é fonte de evidências históricas. Os pensa-
dores da Grécia Clássica, ao racionalizar a compreensão de quantidades e formas,
estruturaram a matemática como modo de pensar. Ela, ao longo da história, teve
papel central na maneira como o homem entende o mundo — o que induziu os
gregos a tratá-la como a essência do conhecimento.
O presente texto tem por fim apresentar um panorama histórico da ma-
temática, desde suas mais remotas origens até o século XIX. Ele foi concebido
como texto para o curso de Licenciatura em Matemática a Distância da Universi-
dade Federal de Minas Gerais. O foco nesse público alvo tem efeitos na estrutura
do livro, tanto na escolha dos temas a serem abordados quanto na profundidade.
Pressupõe-se, evidentemente, que a compreensão histórica de um assunto requer
algum nı́vel de conhecimento sobre o próprio assunto. Porém, apesar de con-
cebido como livro-texto para um curso universitário, a intenção é que essa obra
seja acessı́vel a um público mais amplo. Conhecimentos básicos sobre geometria,
álgebra e aritmética, em nı́vel equivalente ao dos programas do ensino médio, são
suficientes para embasar a maior parte da leitura do livro, até a metade do capı́tulo
5, quando começamos a relatar sobre o desenvolvimento da teoria do cálculo di-
ferencial e integral. Desse ponto em diante, algum conhecimento de cálculo é
recomendado, no nı́vel ensinado nos cursos de graduação em ciências exatas.
Pensando na função didática da obra, foram acrescentados alguns exercı́cios no
final de cada capı́tulo. A maior parte deles trabalha o conteúdo matemático dos
temas tratados. Porém, a compreensão geral do texto independe dos exercı́cios.
O material é apresentado, salvo pequenas flutuações, em ordem cronológica.
Iniciamos descrevendo as primeiras experiências quantitativas do homem com as
primeiras tentativas de contagem. Em seguida, passamos às civilizações anti-
gas — Mesopotâmia e Egito — que acumularam considerável quantidade de sa-
ber matemático. A contribuição basilar da Grécia Clássica é enfatizada em dois
capı́tulos inteiros, sendo um lugar especial reservado aos Elementos, de Euclides,
obra prima da matemática antiga. No perı́odo que corresponde à Idade Média
europeia, destacamos a contribuição árabe — relevante tanto no que diz respeito
à preservação do conhecimento clássico quanto às suas contribuições originais.
Em seguida, abordamos o ressurgimento da matemática como objeto de estudo e
de criação na Europa Medieval. Finda a Idade Média, nosso foco se dirige para o
florescimento da matemática no Renascimento e suas interconexões com as artes
e as outras ciências, que culminou com a criação da teoria do cálculo no século

9
XVII. Finalizamos o texto com um relato sobre alguns episódios da matemática
dos séculos XVIII e XIX, com ênfase para os desdobramentos da teoria do cálculo.
Mesmo para um tema aparentemente tão bem delimitado como a matemá-
tica, a pretensão de se produzir uma história exaustiva foge à realidade. Assim,
fomos forçados a escolher linhas mestras que nos conduziram ao longo do texto.
Falamos, sobretudo, sobre a evolução de duas disciplinas — a geometria e a
álgebra — e sobre como elas levaram ao desenvolvimento do cálculo diferencial e
integral. Buscamos abordar a evolução das ideias, conceitos, métodos e problemas,
procurando ainda dar um gosto da evolução da notação e da linguagem.
A história aqui contada é a da matemática do Ocidente, ou seja, da ma-
temática formada a partir da herança grega e que veio a desaguar na matemática
moderna. Mesmo o que é dito no livro sobre a matemática árabe e a breve
menção à matemática hindu correspondem a contribuições que estiveram na raiz
da matemática ocidental. Alguns temas negligenciados seriam dignos de merecer
um tratamento mais cuidadoso. Talvez coubesse uma análise mais profunda da
matemática hindu e um relato sobre a matemática chinesa.
Procuramos apresentar a matemática como uma ciência dinâmica, em pro-
cesso de construção, resultado de séculos de contribuições — individuais e cole-
tivas — de vários gênios criativos cujos nomes a história registrou, mas também
de incontáveis anônimos. A matemática é um produto de séculos de vida em
civilização. Foi influenciada e estimulada por muitos eventos e situações de cunho
econômico, social e polı́tico. Assim como a história humana em geral moldou
a maneira do homem produzir ciência, a posse do conhecimento cientı́fico teve
grande influência sobre a forma como o homem conduz sua vida — algo cuja
evidência aumenta à medida que nos aproximamos dos dias atuais.
Dois textos gerais foram usados como linhas condutoras da nossa narrativa e
também serviram de fontes para o material apresentado: o livro Une histoire des
mathématiques — routes et dédales, de Amy Dahan-Dalmedico e Jeanne Peiffer,
e a obra A history of mathematics, de Carl B. Boyer e Uta C. Merzbach. São
textos de grande qualidade, que recomendaria ao leitor que se sentisse atraı́do
pelo tema. Outras obras de caráter geral foram consultadas, assim como diversos
textos originais, todos citados como referências.
Gostaria de agradecer ao Professor Dan Avritzer, pelo convite para lecionar a
disciplina História da Matemática para a primeira turma do curso de Licenciatura
em Matemática a Distância da UFMG. Como mencionado, o livro nasceu para
atender às demandas do curso. Agradeço também a minha esposa, Ana Paula,
pelo estı́mulo e empolgação demonstrados enquanto redigi o texto. Nada melhor
do que recebê-los de uma pessoa tão próxima, sobretudo sendo ela uma especialista
em livros. Sou grato a ela ainda por ter encontrado tempo — em meio à redação
de sua tese de doutorado — para fazer a primeira leitura e a primeira revisão desse
livro.
Finalizo manifestando a esperança de que essa obra, ao proporcionar uma
visão da matemática a partir de sua dimensão histórica, contribua para que o
leitor aprofunde sua compreensão sobre a própria matemática.

Belo Horizonte, novembro de 2011


Rogério Santos Mol

10
nota do editor

A Universidade Federal de Minas Gerais atua em diversos projetos de Educação


a Distância, que incluem atividades de ensino, pesquisa e extensão. Dentre elas,
destacam-se as ações vinculadas ao Centro de Apoio à Educação a Distância
(CAED), que iniciou suas atividades em 2003, credenciando a UFMG junto ao
Ministério da Educação para a oferta de cursos a distância.
O CAED-UFMG (Centro de Apoio à Educação a Distância da Universidade Federal
de Minas Gerais), Unidade Administrativa da Pró-Reitoria de Graduação, tem
por objetivo administrar, coordenar e assessorar o desenvolvimento de cursos
de graduação, de pós-graduação e de extensão na modalidade a distância,
desenvolver estudos e pesquisas sobre educação a distância, promover a
articulação da UFMG com os polos de apoio presencial, como também produzir
e editar livros acadêmicos e/ou didáticos, impressos e digitais, bem como a
produção de outros materiais pedagógicos sobre EAD.
Em 2007, diante do objetivo de formação inicial de professores em serviço, foi
criado o Programa Pró-Licenciatura com a criação dos cursos de graduação a
distância e, em 2008, com a necessidade de expansão da educação superior
pública, foi criado pelo Ministério da Educação o Sistema Universidade Aberta
do Brasil – UAB. A UFMG integrou-se a esses programas, visando apoiar a
formação de professores em Minas Gerais, além de desenvolver um ensino
superior de qualidade em municípios brasileiros desprovidos de instituições de
ensino superior.
Atualmente, a UFMG oferece, através do Pró-licenciatura e da UAB, cinco
cursos de graduação, quatro cursos de pós-graduação lato sensu, sete cursos de
aperfeiçoamento e um de atualização.
Como um passo importante e decisivo, o CAED-UFMG decidiu, no ano de 2011,
criar a Editora CAED-UFMG como forma de potencializar a produção do material
didático a ser disponibilizado para os cursos em funcionamento.

Fernando Selmar Rocha Fidalgo


Editor

11
1 Primórdios
AULA1: PRIMÓRDIOS

OBJETIVOS
Ao terminar a leitura desse capı́tulo, o leitor deverá ser capaz de:
1. Compreender a evolução do processo de contagem.
2. Entender as motivações e os primeiros avanços da matemática nas civilizações
mesopotâmica e egı́pcia.
3. Entender os sistemas de numeração usados na Mesopotâmia e no Egito.

1.1 Contagem
Começamos a nossa história abordando aquela que parece ser a noção ma-
temática mais simples: o processo de contagem. Ele começou a ser desenvolvido
pelo ser humano muito antes de haver escrita ou civilização e, por isso, possuı́mos
poucos elementos concretos para sua análise. No entanto, as habilidades de contagem
precedem qualquer desenvolvimento matemático mais sofisticado e sua compreensão
é um passo inicial essencial para uma abordagem histórica da matemática.
O ser humano possui habilidades naturais para pensar noções quantitativas rudi-
mentares: muito e pouco, grande e pequeno, lento e rápido. A evolução humana, de
uma vida primitiva para uma vida em sociedade, incorporou novos desafios sociais
e econômicos. Novas demandas surgiram na organização do espaço, nas técnicas de
produção e nas relações de natureza comercial. Estı́mulos vieram da interação com
a natureza ao seu redor, em especial da observação dos céus. O homem se viu assim
diante da necessidade de pensar numericamente.
O processo de contagem é algo sofisticado e não se trata de algo instintivo ou
inato. Seu inı́cio aconteceu quando o homem desenvolveu a capacidade de comparar
conjuntos de objetos e estabelecer entre eles uma correspondência um a um. Por
exemplo, um pastor podia ter a noção do tamanho de seu rebanho ao comparar suas
ovelhas com os dedos de suas mãos. Partes do corpo, como os dedos das mãos ou dos
pés, funcionaram como instrumentos de contagem naturais. Pedregulhos, conchas
ou grãos, bem como marcas no chão, na areia, em ossos ou madeira, poderiam ser
empregados para quantificar o número de pessoas em uma população, de animais em
um rebanho, ou ainda o número de dias decorridos desde um determinado evento.
No entanto, esse primeiro passo ainda não é suficiente para construir um sistema de
contagem. Para tal, seria ainda necessário incorporar a noção de ordem. No processo
simples de associar objetos aos dedos das mãos, essa noção aparece ao ordenarmos os
dedos, do polegar para o mı́nimo ou vice-versa. Note-se que o modo como os dedos
são usados na contagem é um fato cultural: diferentes povos ordenam os dedos de
forma distinta — alguns povos fecham os dedos da mãos ao contar, enquanto outros
os abrem.

aul a 1: primórdios 13
Como salientamos, o processo de contagem é anterior à história matemática,
à existência de documentos escritos. Assim, é impossı́vel estabelecer com alguma
precisão as etapas do seu desenvolvimento. No entanto, alguns elementos podem nos
dar pistas sobre os caminhos percorridos em sua evolução. Uma dessas ferramentas
é a linguı́stica. Palavras dos idiomas conhecidos, vivos ou mortos, que designam
números ou noções de quantidade, podem nos revelar a forma como esses conceitos
foram incorporados. Por exemplo, o emprego da palavra “dı́gito” — proveniente
do latim digitus, que significa dedo — para significar numeral escrito é uma forte
indicação do uso dos dedos na origem do processo de contagem.
Considerando as evidências de que a contagem iniciou com os dedos, infere-se
que a maneira de usá-los foi determinante na escolha das bases para os sistemas
numéricos. A base 10, que hoje usamos e que era empregada pelos egı́pcios antigos,
teria origem nos 10 dedos da mão. A base 20, usada pelos maias pré-colombianos,
teria sido motivada pelo uso dos 10 dedos das mãos e dos 10 dedos dos pés. A
contagem em dúzias, ou seja, na base 12, pode também ser vista como de natureza
antropomórfica: em uma mão, o dedo polegar é usado para contar as 12 falanges
dos outros quatro dedos. A possibilidade de contar 12 unidades em uma das mãos,
conjugada com os cinco dedos da outra mão, pode estar na origem de sistemas de
contagem na base 60, como era o sistema babilônico, sobre o qual falaremos na
próxima seção.
Uma segunda observação de natureza linguı́stica é a de que o singular e o plural
já indicam um tratamento diferenciado entre o conjunto com uma unidade ou mais
de uma unidade. Algo ainda mais sutil ocorre em algumas lı́nguas, nas quais, além
do singular e do plural, existe uma terceira forma chamada de “dual” que é usada
para grupos de exatamente dois objetos. Isso está presente no grego clássico, no
hebreu bı́blico e no árabe, sugerindo um processo primitivo de contagem da forma
“um, dois e muitos”. Observamos que a palavra “três” tem origem no indo-europeu
trejes, cujo significado é “além”, “do outro lado” — o prefixo “trans-” tem a mesma
origem. Aparentemente, a distinção entre as diversas formas de “muito” é algo
posterior a essa noção primária de contagem.
Uma segunda fonte de evidências a respeito da evolução do processo de contagem
vem da observação e do estudo de tribos não civilizadas ao redor do mundo. Alguns
padrões são encontrados e estes possivelmente estiveram presentes nos grupos huma-
nos que viriam posteriormente a construir as primeiras civilizações. O padrão “um,
dois e muitos” é aqui reencontrado. Algumas tribos australianas e sul-africanas têm
palavras para designar “um” e “dois”, sendo as quantidades maiores representadas
por uma palavra cujo sentido é “muitos”.
Construções quantitativas um pouco mais elaboradas são encontradas em algu-
mas tribos da Nova Guiné, da África e da América do Sul: existem palavras para
designar “um”, “dois” e, a partir daı́, os números são construı́dos pela justaposição
destas duas palavras básicas: “dois-um”, “dois-dois” e assim por diante, até atingir
uma certa quantidade limite, a partir da qual todas as quantidades são referidas
por “muitos”. Esse sistema é chamado de 2-sistema. Observamos que o nosso sis-
tema de numeração na base 10 é, em grande medida, formado pelo mesmo processo:

14 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


dezesseis = dez e seis, dezessete = dez e sete, vinte e um, etc.
Os bushmen de Bostswana, na África, designam números de um até seis da
seguinte forma:

um: a quatro: oa-oa


dois: oa cinco: oa-oa-a
três: ua seis: oa-oa-oa

Quantidades maiores que seis são referidas por um termo significando “muitos”.
O seguinte exemplo vem dos povos aborı́genes das Ilhas do Estreito de Torres,
entre a Austrália e a Nova Guiné:

um: urapon quatro: okosa-okosa


dois: okosa cinco: okosa-okosa-urapon
três: okosa-urapon

Há vários exemplos, vindos da linguı́stica e da antropologia, de que as primei-


ras tentativas de contagem foram contextuais. Existem lı́nguas primitivas em que
a escolha da palavra empregada para designar o número de objetos em um con-
junto estava vinculada à natureza do objeto. Por exemplo, no século XIX, a lı́ngua
Tsimshian, falada por tribos da Colúmbia Britânica, no Canadá, possuı́a pelo me-
nos sete sistemas diferentes de palavras usadas para contar, cujo uso dependia das
caracterı́sticas do objeto contado. Assim, as palavras designando números de 1 a 10
mudariam se os objetos contados fossem canoas ou pessoas, ou ainda se eles fossem
planos, redondos ou longos. Esse aspecto contextual da contagem deixou traços
nas lı́nguas modernas, aparecendo em diversos vocábulos que guardam a noção de
quantidade, dentre eles os substantivos coletivos.
Há registros primitivos de ensaios humanos no campo da contagem. O osso de
Ishango é um dos mais antigos objetos com inscrições de caráter numérico. En-
contrado na região de Ishango, perto do Lago Eduardo, na fronteira entre Congo e
Uganda, trata-se de um osso, mais especificamente da fı́bula de um babuı́no, com um
pedaço de quartzo em sua extremidade, indicando que também funcionasse como
uma ferramenta de gravação e escrita. Estima-se que esse osso date de mais de
20000 anos. O osso possui três colunas de traços talhados, correspondendo às suas
três faces. Essas marcas indicam, a princı́pio, uma tentativa de contagem. Porém, a
análise das relações entre os agrupamentos de traços pode sugerir uma compreensão
matemática um pouco mais sofisticada. O número de traços por grupo, em cada
uma das colunas, é indicado no quadro abaixo:

Coluna 1: 9, 19, 21, 11


Coluna 2: 19, 17, 13, 11
Coluna 3: 7, 5, 5, 10, 8, 4, 6, 3

aul a 1: primórdios 15
Figura 1.1: Faces frontal e posterior do Osso de Ishango — Institut royal des sciences naturelles de Belgique.

Alguns fatos curiosos são observados na distribuição dessas marcas: as colunas 2


e 3 têm soma 60, o que pode estar relacionado aos meses lunares. A coluna 1 tem o
padrão 10-1, 20-1, 20+1, 10+1, enquanto o padrão na coluna 2 é 20-1, 10+7, 20-7,
10+1. Os números primos sequenciais 11, 13, 17, 19 são encontrados na coluna 2.
São evidências de noções elementares de números primos e de contagem nas bases
10 e 20.
Todos esses primeiros ensaios no universo numérico, que resultaram em métodos
de contagem, prepararam terreno para que a matemática surgisse como campo de
conhecimento. Isso aconteceria somente com as primeiras civilizações, na Meso-
potâmia e no Egito, que serão tema das duas próximas seções.

1.2 Mesopotâmia
Considerada o berço da civilização, a Mesopotâmia compreende um conjunto de
povos que viveram nos vales dos rios Tigres e Eufrates, no que hoje corresponde ao
território do Iraque e regiões adjacentes da Sı́ria, Turquia e Irã, no perı́odo que se
estende aproximadamente do ano 3500 a.C. até o começo da era cristã. Dentre os
reinos mesopotâmicos, merece destaque aquele baseado na cidade de Babilônia, cujo
apogeu ocorreu entre 1800 a.C. e 1500 a.C., destacando-se o reino de Hamurabi, que
conquistou toda a região em torno de 1700 a.C.. Por isso, há a convenção de se referir
como babilônica à civilização mesopotâmica, ao menos no perı́odo de 2000 a.C. a 600
a.C.. Na Mesopotâmia, a vida urbana floresceu, a técnica e os artefatos evoluı́ram
a partir do domı́nio da metalurgia e a engenharia teve progressos nos métodos de
construção e no desenvolvimento de sistemas de irrigação e de controle de cheias.
Pela primeira vez na história surgiu uma economia de larga escala. Porém, o maior
legado dessa civilização foi o desenvolvimento, no quarto milênio antes da nossa era,
da forma de comunicação escrita mais antiga da humanidade: a escrita cuneiforme,
assim denominada por ser composta por sı́mbolos em forma de cunha.
Os mesopotâmicos usavam como suporte para sua escrita placas de argila, que
eram marcadas com estilete e, em seguida, eram cozidas ou secas ao sol para aumen-

16 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


tar sua durabilidade. Essas tabuletas, normalmente retangulares, tinham espessura
pouco maior que 2 cm, com tamanhos variando de poucos a algumas dezenas de
centı́metros. Tais objetos se mostraram muito mais resistentes à ação do tempo do
que outros suportes de escrita utilizados ao longo da história, como por exemplo os
papiros egı́pcios. Assim, milhares de tabuletas com escrita cuneiforme chegaram aos
nossos dias e vieram à luz através de pesquisas arqueológicas empreendidas desde o
século XIX. Muitas delas contêm conteúdo matemático e vieram a funcionar como
preciosas fontes para analisar o estágio do conhecimento matemático da civilização
mesopotâmica.
A análise dessas fontes revelam que a matemática mesopotâmica tinha um as-
pecto eminentemente — mas não exclusivamente — prático. Os babilônicos desen-
volveram um extenso conhecimento de cálculos e medidas, que se aplicava, sobre-
tudo, a problemas de natureza econômica e comercial: câmbio de moedas, troca de
mercadorias, taxas de juros simples e compostos, cálculos de impostos e problemas
de divisão de colheitas. Uma boa parcela das tabuletas matemáticas babilônicas
que chegaram aos nossos dias são tabelas de números, tais como tabelas de multi-
plicações e de recı́procos — estes tinham importância pois a divisão por um número
era feita multiplicando-se pelo recı́proco correspondente, ou seja, m/n = m × 1/n.
Há ainda tabelas de quadrados, cubos, raı́zes quadradas e raı́zes cúbicas, progressões
geométricas, coeficientes geométricos e fatores de conversão envolvendo pesos e me-
didas. Algumas tabuletas apresentam sequências de potências de um número dado,
parecendo ter a função de uma tabela de logaritmos. Visavam responder a pergun-
tas do tipo “a que potência um número deve ser elevado para se obter um outro
número dado?”. Questões deste tipo poderiam advir de problemas práticos, tais
como cálculos envolvendo taxas de juros. A interpolação linear, técnica que os ba-
bilônicos usavam com frequência, podia ser usada para estimar o logaritmo de um
número que estivesse em posição intermediária na tabela.
Um outro grupo importante de tabuletas babilônicas continha problemas ma-
temáticos. A maior parte delas, escritas de forma abreviada, pareciam destinadas a
serem usadas em escolas, contando provavelmente com a explicação de um profes-
sor. Em geral, o objetivo do problema proposto era o cálculo de um número e era
relacionado a aspectos quantitativos de objetos ou a atividades quotidianas: pesos
e medidas, áreas de terrenos, quantidade de material em uma construção, etc. A
natureza desses problemas ilustra o caráter algorı́tmico e aritmético da matemática
babilônica, em oposição ao caráter geométrico da matemática grega, em que figuras
e demonstrações tinham papel central.
O sistema de numeração babilônico combinava um sistema sexagesimal e decimal,
ou seja, as bases 60 e 10, com um princı́pio de posição, em que dı́gitos colocados mais
à esquerda representavam valores maiores. O sı́mbolo designava a unidade 1 (na
base 60), enquanto o sı́mbolo representava o número 10. As combinações desses
dois sı́mbolos eram usadas para gerar os números até 60. Alcançado o número 60,
passava-se para a coluna imediatamente à esquerda e o procedimento era repetido.
Dessa forma, qualquer número podia ser representado usando apenas dois sı́mbolos
básicos. O sistema numérico, ao menos o apresentado nas tabuletas mais antigas

aul a 1: primórdios 17
(antes de 1700 a.C.), não contava com o zero. Isso a princı́pio criava um problema
para a representação de números grandes, o que poderia ser resolvido deixando vazia
a coluna que deveria ser preenchida com o zero. De um modo geral, o valor dos
sı́mbolos numéricos dependia do contexto, podendo o mesmo sı́mbolo representar
60 ou 3600 (= 602 ), ou então as frações 1/60 ou 1/3600. No século III a.C., a
matemática mesopotâmica resolveu esse problema e passou a empregar o sı́mbolo
para preencher os espaços vazios, criando assim o zero mais antigo da história.
Especula-se que o uso da base 60 tenha sido motivado por observações as-
tronômicas, seja na consideração de que o mês lunar dura perto de trinta dias,
ou de que o ano consiste aproximadamente de 360 = 6 × 60 dias. Uma outra es-
peculação é a de que a base 60 também tenha raiz antropomórfica, uma vez que é
possı́vel, como descrito na seção anterior, usar as duas mãos para contar de 1 até 60.
Uma outra hipótese, bastante razoável, é de natureza puramente prática: o número
60 possui um grande número de divisores (2, 3, 4, 5, 6, 10, 12, 15, 20 e 30), o que
facilitaria os cálculos envolvendo divisões e frações. De todo modo, os resquı́cios
de contagem na base 60 que hoje temos em nossa cultura, tais como o número de
subdivisões de um minuto em segundos, ou de uma hora em minutos, ou ainda a
divisão de um cı́rculo em 6 × 60 = 360 graus, são todos herança babilônica.

Nos exemplos abaixo, o sı́mbolo representa a unidade na base 60, enquanto o


sı́mbolo representa o número 10:
23 = 20 + 3
83 = 60 + 23
1343 = 2 × 10 × 60 + 2 × 60 + 23
3743 = 60 × 60 + 2 × 60 + 23

Na tabuleta da Figura 1.2 é calculada a diagonal de um quadrado. A razão


entre o valor da diagonal e o lado do quadrado está marcada sobre a diagonal
da figura:

Esse valor corresponde a:

1; 24.51.10 = 1 + 24 × 60−1 + 51 × 60−2 + 10 × 60−3 = 1, 4142129.

Empregamos aqui o ponto e vı́rgula para separar as partes inteira e fracionária,


e os pontos para√ separar as posições sexagesimais. O valor obtido deve ser
comparado com 2 = 1, 4142135...

18 In t roduç ão à His tória da M at em átic a



Figura 1.2: Tabuleta 2 — Babylonian Collection, Yale University.

Os babilônicos usavam, para o cálculo√da raiz quadrada, um método de apro-


ximações sucessivas. Para resolver x = a, tentavam uma primeira aproximação
a1 . A segunda√ aproximação era√obtida
√ por b1 = a/a1 , tendo como base o fato de
que se a1√≈ a, então b1 ≈ a/ a = a. Evidentemente, se a1 é menor do que o
valor de a procurado, então b1 é maior do que esse valor e vice-versa. Assim, a
aproximação seguinte pode ser tomada como a média aritmética a2 = 12 (a1 + b1 ).
O processo continua, fazendo b2 = a/a2 e tomando como aproximação seguinte
a3 = 12 (a2 + b2 ). Tem-se assim um método iterativo, que poderia ter trazido para
a ciência matemática, ainda em processo de gestação, a noção de infinito.

Nas tabuletas babilônicas são também encontrados problemas que podem ser
interpretados como equações de primeiro e segundo graus. Neles, era usada uma
linguagem puramente retórica e de caráter geométrico. A variável x era chamada
de lado e x2 de quadrado. No caso de duas incógnitas, elas eram chamadas de com-
primento e largura. No entanto, não era respeitado o princı́pio da homogeneidade e
eram permitidas operações com grandezas diferentes, como por exemplo a subtração
de um lado e de uma área. As equações quadráticas mais estudadas eram as da forma
x2 − ax = b e x2 − ax = b. Em ambas as situações,√as soluções apresentadas equiva-
lem a usar √as fórmulas que hoje conhecemos: a/2+ a2 + 4b/2, para o primeiro caso,
e −a/2 + a2 + 4b/2, para o segundo. Ressaltamos que as soluções negativas não
eram admitidas. Provavelmente, os babilônicos chegaram a essas soluções somando
(a/2)2 a ambos os lados da equação e completando quadrados.
No que diz respeito à geometria, os babilônicos conheciam a área do retângulo, do
triângulo retângulo e do trapézio. Conheciam a circunferência do cı́rculo, estimada
em três vezes o seu diâmetro, e sua área, 1/12 do quadrado de sua circunferência.

aul a 1: primórdios 19
Ambos os cálculos envolviam uma estimativa de π = 3, muito embora tenham sido
encontradas em algumas tabuletas estimativas de π = 3 18 = 3, 125. Os babilônicos

conheciam o volume de um paralelepı́pedo e o volume do cilindro. Os cálculos de 2
apresentados acima mostram um conhecimento do resultado que, desde os tempos
clássicos, recebe o nome de Teorema de Pitágoras. Ademais, os babilônicos tinham
ciência do fato de que um ângulo inscrito em um semicı́rculo é reto. Esse resultado,
por sua vez, é conhecido como Teorema de Tales, muito embora os babilônicos o
usassem um milênio antes de Tales ter nascido. Esses dois exemplos, envolvendo
o Teorema de Pitágoras e o Teorema de Tales, dão uma mostra do quanto a ma-
temática grega pode ter herdado da matemática babilônica.

1.3 Egito

Figura 1.3: Papiro de Ani, 1250 a.C. — Museu Britânico.

A civilização egı́pcia se desenvolveu no fértil vale do rio Nilo, no território que


hoje corresponde ao Egito. Apesar de elementos civilizatórios estarem ali presentes
desde o inı́cio do quarto milênio antes de Cristo, marcamos o seu inı́cio em 3150
a.C., quando ocorreu a unificação do baixo e do alto Egito com o primeiro faraó,
iniciando o chamado perı́odo dinástico. A civilização egı́pcia passou pelo seu auge
de prosperidade e poder entre os séculos XVI e IX a.C., entrando em seguida em
um perı́odo de progressiva decadência, que culminou com a conquista do Egito
por Alexandre, o Grande, em 332 a.C.. Um de seus generais, Ptolemeu Soter, se
estabeleceu como governante, iniciando a chamada dinastia Ptolemaica que, a partir
de Alexandria, governou o Egito até 30 a.C., ano em que a região passou a ser uma
provı́ncia romana.

20 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Situa-se no Egito pré-dinástico aquele que pode ser considerado o mais antigo
evento datado: a introdução do calendário egı́pcio, em 4241 a.C.. Composto de
12 meses de 30 dias cada e mais 5 dias festivos, era bastante superior ao usado na
Europa até o século XVI. A produção do calendário foi feita a partir da comparação
de observações astronômicas com o ciclo de cheias do rio Nilo. As habilidades
aritméticas demandadas na organização do calendário egı́pcio dão uma medida das
possibilidades do uso de conhecimentos matemáticos para solucionar problemas de
natureza prática.
De fato, foram as necessidades práticas que serviram de estı́mulo para o desen-
volvimento da matemática egı́pcia. A partir do ano 3000 a.C., inicia-se um perı́odo
de grande desenvolvimento da engenharia, em que a face mais visı́vel é a construção
de pirâmides e de outros monumentos grandiosos. A maior das pirâmides, a grande
pirâmide de Quéops, construı́da por volta do ano de 2550 a.C., tinha originalmente
146,6 m de altura (o que equivale a um prédio de 49 andares) e foi, até cerca do
ano 1300 d.C., a mais alta estrutura erguida pelo homem. Sua construção envolveu
nı́veis de precisão surpreendentes: sua base é quadrada, com um erro de 1/14000 do
comprimento total, na medida do comprimento, e um erro de 1/27000 de um ângulo
reto, na medida do ângulo. No entanto, sugestões de que as pirâmides guardavam
em suas proporções sinais de um conhecimento matemático ainda mais avançado
— sugere-se, por exemplo, que a pirâmide de Quéops tenha sido intencionalmente
construı́da de forma que a razão entre o perı́metro da base e sua altura fosse de
2π — parecem infundadas. De todo modo, o desafio lançado pela engenharia gerou
necessidades que fizeram impulsionar o estoque de conhecimentos matemáticos da
civilização egı́pcia.
Muitos dos registros da civilização egı́pcia chegaram aos nossos dias em papiros,
alguns deles de conteúdo matemático. O papiro era produzido cortando-se em finas
tiras a parte interna do caule da planta de mesmo nome, planta esta abundante no
vale do rio Nilo. Essas tiras eram sobrepostas e cruzadas, para em seguida serem
prensadas, formando folhas que, coladas a outras folhas, formavam uma longa fita
que depois era disposta em um rolo. Os papiros eram grafados por escribas em
escrita hierática, uma simplificação da escrita hieroglı́fica mais adequada à escrita
corrente. Ambas eram compostas de sı́mbolos, porém a escrita hieroglı́fica tinha
caráter pictórico e era mais usada em monumentos.
O papiro de conteúdo matemático mais célebre é o Papiro de Rhind, adquirido
pelo egiptólogo escocês Alexander Rhind em 1858 e datado de cerca de 1650 a.C..
Com mais de 5 m de comprimento e 33 cm de largura, é possivelmente o melhor
registro da matemática egı́pcia. Foi copiado por um escriba de nome Ahmes de um
texto matemático mais antigo. Contém 84 problemas de geometria e de aritmética
acompanhados de soluções. Entre os problemas aritméticos, há estudos de frações
unitárias e de equações lineares e entre os problemas de geometria, há o cálculo de
volume de silos de base circular e retangular e cálculo de áreas.

aul a 1: primórdios 21
Figura 1.4: Papiro de Rhind — Museu Britânico.

No problema 41 é calculado o volume de um silo cilı́ndrico de diâmetro d e altura


h. O volume V é dado por:

V = [(1 − 1/9)d2 h.

Usando a notação moderna, com r = 2d, temos:

V = [(8/9)2r]2 h = 256/81r2 h.

Essa expressão nos dá a aproximação π  256/81 = 3, 1605.

Uma indicação de como é obtida a aproximação π  256/81 = 3, 1605, que


aparece no problema acima, é dada no problema 48, onde a área de um cı́rculo é
aproximada pela de um octógono regular.

No problema 48 a área de um cı́rculo é calculada aproximando-se o cı́rculo por


um octógono inscrito em um quadrado. Em um quadrado de lado 9, cada um de
seus lados é trissectado e os triângulos das extremidades são retirados, formando
um octógono regular de lado 3, conforme indicado na figura a seguir:

22 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


{ {
3

Assim, a área do octógono é A = 92 − 4 × (1/2)32 = 63. A área é em seguida


aproximada por 64. Podemos, a partir dessa aproximação, calcular o valor de π:
 2
9 216
π ≈ 64 = 82 ⇒ π ≈ = 3, 1605.
2 81

Um segundo documento egı́pcio de valioso conteúdo matemático é o chamado


Papiro de Moscou. Adquirido pelo egiptólogo russo Vladimir Golenishchev no final
do século XIX, é menor que o Papiro de Rhind (5,4 m de comprimento e entre 4 e
7 cm de largura), porém é mais antigo — seu texto se refere a material de cerca de
1850 a.C.. É composto de 25 problemas com soluções. O problema 14 do Papiro
de Moscou apresenta o método para o cálculo do volume V do tronco da pirâmide
de base quadrada com dimensões dadas, que está de acordo com a fórmula que
conhecemos:
V = (1/3)(a2 + ab + b2 )h,
onde a e b são os lados das duas bases quadradas e h é a altura. Não há, no entanto,
referência sobre como essa fórmula foi obtida. No entanto, considerando a com-
plexidade dessa expressão, dificilmente ela teria sido obtida de maneira puramente
empı́rica, e é de se supor que algum trabalho teórico tenha sido feito para obter esse
resultado.
O historiador grego Heródoto (c. 484-420 a.C.) atribuiu a origem da geometria
egı́pcia à necessidade de, após cada inundação do rio Nilo, redistribuir os campos
cultiváveis entre seus proprietários. Em contraste com a geometria grega — a ser
tratada mais adiante — na qual as demonstrações são parte essencial, a geometria
egı́pcia é prática. O objetivo principal era, por meio de tentativas e aproximações,
obter métodos e regras eficazes do ponto de vista da aplicação. Assim, os egı́pcios
eram capazes de calcular áreas de figuras retilı́neas, como o quadrado, o triângulo
e o trapézio. Por exemplo, no problema 51 do Papiro de Rhind, a área de um
triângulo isósceles é calculada tomando metade da base e multiplicando pela altura.
A justificativa apresentada é a de que o triângulo isósceles pode ser pensado como
dois triângulos retos que, ao serem justapostos, formam um retângulo. Como vimos,

aul a 1: primórdios 23
os egı́pcios usavam a aproximação π = (16/9)2 para calcular a área do cı́rculo.
Multiplicavam a base pela altura para calcular o volume do cubo, do prisma e do
cilindro, e usavam a fórmula V = (1/3)Ah para calcular o volume da pirâmide
de área da base A e altura h. Todas essas fórmulas envolvendo áreas e volumes
eram empregadas no cálculo da quantidade de material necessário na construção de
monumentos.
Faremos a seguir algumas considerações sobre o sistema de numeração egı́pcio.
A numeração hieroglı́fica era na base 10 e não posicional. Isso significa que sı́mbolos
diferentes representam 1, 10, 100, etc. Cada um desses sı́mbolos é repetido quantas
vezes forem necessárias e a ordem de apresentação não é importante por serem os
sı́mbolos diferentes. A seguinte tabela apresenta alguns sı́mbolos egı́pcios e seus
valores correspondentes:

1.000.000 100.000 10.000 1.000 100 10 1

Alguns números são a seguir grafados a partir da composição desses números básicos:

21 3.103.030
201 21.032

475 38.500

A notação hierática dos numerais era simplificada: para representar os grupos


de sı́mbolos que apareciam na notação hieroglı́fica foram introduzidos novos signos,
com pouca relação com os sı́mbolos originais. Assim, havia nove sı́mbolos para
as unidades, nove para as dezenas, nove para as centenas e assim por diante. Isso
permitiu uma economia de sı́mbolos, de forma que o número 475, representado acima
com 16 sı́mbolos na notação hieroglı́fica, demandava apenas 3 sı́mbolos na notação
hierática.
Os egı́pcios admitiam apenas frações unitárias, ou seja, frações com numerador 1.
Demandas do mundo prático explicam essa predileção: o conhecimento das frações
unitárias atendia às necessidades contábeis envolvidas na repartição de recursos e
na coleta de impostos. Representavam o recı́proco de um número sobrescrevendo
o sı́mbolo de uma oval alongada ao sı́mbolo do número correspondente. Possuı́am
ainda sı́mbolos particulares para as frações 1/2, 2/3 e 3/4. Tinham interesse em
frações da forma 2/n, que eram decompostas em frações unitárias. O Papiro de
Rhind contém, em sua primeira parte, uma tabela com decomposições desse tipo
para n ı́mpar variando de 3 a 101.

24 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


A seguir, um exemplo de decomposição de uma fração da forma 2/n em frações
unitárias:
2 1 1 1 1
= + + +
101 101 202 303 606
Essa decomposição pode ser obtida da seguinte forma:
2 1 1
101
= 101
+
1
101
1 1

= 101
+ 2 101
1
+ 12 101
1 1
 1 
= 101
+ 202
+ 23 202 1
+ 13 202
1 1 1 1
= 101
+ 202
+ 303 + 606

Nos cálculos acima são usados os métodos de redução pelas frações 1/2 (linha 2)
e 1/3 (linha 3). Vale destacar que os egı́pcios realizavam os cálculos acima sem a
notação atual de frações, o que tornava esse procedimento muito mais complexo.
Vários dos problemas presentes nos Papiros de Rhind e de Moscou diziam res-
peito à repartição de vı́veres, animais e outros objetos. Esses problemas eram re-
solvidos de forma aritmética ou através de equações lineares da forma x + ax = b
ou x + ax + bx = c. Com exceção da fração 2/3, os egı́pcios trabalhavam com
frações com numerador 1, o que trazia dificuldades para o manejo de tais equações.
A solução encontrada foi resolvê-las por um método conhecido hoje como “método
da falsa posição”.

No método da falsa posição, um valor especı́fico é atribuı́do à incógnita. A ex-


pressão do lado esquerdo é calculada para esse valor e o resultado encontrado é
comparado com o resultado desejado. Em seguida, o resultado correto é encon-
trado por proporção. Como exemplo, o problema 24 do Papiro de Rhind propõe
resolver a equação x + (1/7)x = 19. Inicialmente, é atribuı́do valor x = 7 e, para
esse valor, encontramos x + (1/7)x = 8. Sabendo que 8(2 + 1/4 + 1/8) = 19, a
solução é obtida multiplicando 7 por 2+1/4+1/8. Expressa em frações unitárias,
a solução é x = 16 + 1/2 + 1/8.

Para os egı́pcios, a operação aritmética fundamental era a adição. A partir


dela, as operações de multiplicação e divisão eram feitas por um processo conhecido
como “duplicação”. Nesse processo, o resultado é obtido a partir de sucessivas
multiplicações por 2. Assim, para multiplicar 23 por 18, primeiro são calculados,
sucessivamente, 23 × 2 = 46, 46 × 2 = 92, 92 × 2 = 184 e 184 × 2 = 368. Uma vez que
18 = 2×2×2×2+2 = 24 +2, o resultado é obtido fazendo 23×18 = 368+46 = 414.
Para a divisão, o processo de duplicação é invertido, sendo o divisor sucessivamente
duplicado.

aul a 1: primórdios 25
1.4 Exercı́cios
1. Escreva os seguintes números na base 60 e os converta para a base 10 (admita
que todos os números começam com as unidades):
(a)
(b)
(c)

2. Na tabuleta em que é feito o cálculo de 2 (Figura 1.2) aparecem os seguintes
números:
• , ou seja, 0; 30, no lado do quadrado.
• , ou seja, 0; 42.25.35 para o valor da
diagonal.
Com a ajuda de uma calculadora, converta esses números
√ para a base 10 e
calcule sua razão para obter o valor aproximado de 2.
3. Use o método babilônico do cálculo da raiz quadrada por aproximações
√ suces-
sivas e, partindo
√ de a 1 = 1, 5, calcule a aproximação a 3 para 2. Compare
com o valor de 2.
4. Considere a seguinte tabela:

n 1 2 3 4
3n 3 9 27 81

Use interpolação linear para obter a potência a qual 3 deve ser elevado para
obter 50. Compare com o valor de log3 50.
5. Escreva os seguintes números hieroglı́ficos no sistema indo-arábico:
(a)
(b)
(c)
6. Escreva os números 184, 627 e 1282 nos sistemas de numeração babilônico e
egı́pcio.
7. Faça uma comparação entre as vantagens e as desvantagens dos sistemas de
numeração babilônico e egı́pcio.
8. Usando reduções por 1/2 e 1/3, decomponha em frações unitárias a fração
2/51.
9. Use o método egı́pcio da duplicação para calcular 27 × 15.

26 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


2 Grécia, período
helênico
AULA 2: GRÉCIA, PERÍODO HELÊNICO

OBJETIVOS
Ao terminar a leitura desse capı́tulo, o leitor deverá ser capaz de:
1. Compreender a evolução filosófica que a matemática experimentou na Grécia.
2. Entender os sistemas de numeração usados na Grécia Antiga.
3. Entender como a noção de infinito apareceu na matemática.

2.1 Introdução
A civilização antiga que desempenhou o papel mais significativo na construção
da matemática tal como a conhecemos foi a civilização grega. Seu florescimento,
a partir do século VIII a.C., representou uma mudança no centro de gravidade do
mundo civilizado dos vales dos grandes rios — Tigres e Eufrates (Mesopotâmia), e
Nilo (Egito) — para as margens do mar Mediterrâneo. A cidade de Mileto, na Ásia
Menor (atual Turquia), foi a principal cidade grega até o século VI a.C.. Porém, o
apogeu da civilização grega ocorreu nos séculos V e IV a.C., quando Atenas passou
a ser a capital da Grécia. Após as conquistas de Alexandre, o Grande, entre 334 e
327 a.C., Atenas perdeu progressivamente seu poder e Alexandria, no Egito, passou
a ocupar o lugar de cidade mais importante do mundo grego. Teve inı́cio, nesse
momento, o que é conhecido como perı́odo helenista da história grega, em oposição
ao perı́odo anterior, chamado de helênico. A Grécia peninsular foi conquistada pelos
romanos em 146 a.C., mas a civilização grega ainda teve sobrevida em Alexandria,
que passou ao poder romano somente em 30 a.C.. Alexandria ainda cumpriria o
papel de guardiã da cultura grega até sua tomada pelos muçulmanos em 641 d.C..
A evolução da matemática sofreu uma mudança de rumo na Grécia Antiga. Ela
deixou de ser uma coleção de resultados empı́ricos e passou a ter o formato de uma
ciência organizada, de maneira sistemática e por elementos racionais. A matemática,
tanto na Mesopotâmia quanto no Egito, tinha caráter concreto e prático. Na Grécia,
ela passou a ser essencialmente abstrata, com uma certa independência em relação
às aplicações práticas. As demonstrações, instrumentos para garantir a validade dos
resultados por argumentação puramente racional, foram introduzidas como parte
fundamental de sua estrutura. Os gregos remodelaram a matemática e introduziram
elementos que viriam a orientar a evolução dessa ciência pelos séculos seguintes da
história humana.
Muito se sabe sobre a volumosa herança matemática deixada pela civilização
grega. Ainda assim, uma compreensão mais acurada da dimensão dessa herança é
limitada pelas fontes disponı́veis. Dos matemáticos gregos pioneiros, tais como Tales
de Mileto e Pitágoras, nenhum documento escrito chegou aos nossos dias. Sobre eles
o que há são referências secundárias e indiretas, escritas, em geral, séculos depois.
Algumas das obras dos grandes matemáticos gregos se perderam para sempre e sua

Aul a 2 – G récia, período hel ênico 29


existência foi registrada apenas em citações posteriores. Mesmo as grandes obras da
matemática grega que sobreviveram ao tempo não chegaram até nós em suas versões
originais, mas através de cópias de cópias, passando por traduções árabes e latinas.

2.2 Os sistemas de numeração gregos


Alguns sistemas de numeração foram usados na Grécia Antiga durante o primeiro
milênio a.C.. Vamos analisar, em primeiro lugar, o sistema de numeração ático,
usado em Atenas em seu perı́odo de apogeu. Também era conhecido por sistema
acrofônico, pois o sı́mbolo para cada número provinha da primeira letra de seu nome.
Esse sistema era aditivo na base 10 e formado pelos seguinte sı́mbolos básicos:

I=1 iota H = 100 hekaton


Γ=5 penta X = 1000 khiloi
∆ = 10 deka M = 10000 murioi

Os números 50, 500, 5000 e 50000 eram representados pela composição do


sı́mbolo referente a 5 com os sı́mbolos para 10, 100, 1000 e 10000, respectivamente,
como mostra o quadro a seguir:

Γ∆ = 50 ΓH = 500 ΓX = 5000 ΓM = 50000

Os demais números eram compostos pela combinação dos sı́mbolos acima. Assim,
os números de 1 a 4 são I, II, III, IIII. Alguns outros exemplos de números formados
a partir desses:

ΓI = 6 ∆II = 12 ∆∆III = 23 XHHΓI 1206


Γ∆ ∆II = 62 ΓH HΓ∆ ∆II = 662 Γ∆ ∆∆Γ = 75 XΓH HH = 1700

Por não ser posicional, esse sistema de numeração não necessitava do zero para
preencher os espaços vazios. O sistema ático, no entanto, não era uniforme no mundo
grego, podendo sofrer variações de cidade para cidade.
O sistema de numeração ático foi progressivamente substituı́do pelo sistema
iônico ou sistema alfabético, no qual os números eram representados por letras do
alfabeto grego. Este sistema era de uso generalizado em Alexandria já no século III
a.C., época em que os Elementos de Euclides, obra-prima da matemática grega, fo-
ram escritos. Neste sistema, as 24 letras do alfabeto grego eram usadas em conjunto
com três letras, de origem fenı́cia, presentes no alfabeto grego antigo: (stigma),
(qoppa) e (sampi). O quadro a seguir mostra as letras gregas e os números
correspondentes escritos no sistema indo-arábico:

30 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Unidades Dezenas Centenas
α alfa 1 ι iota 10 ρ rô 100
β beta 2 κ capa 20 σ sigma 200
γ gama 3 λ lambda 30 τ tau 300
δ delta 4 µ mi 40 υ ı́psilon 400
 épsilon 5 ν ni 50 ϕ fi 500
stigma 6 ξ csi 60 χ chi 600
ζ zeta 7 o ômicron 70 ψ psi 700
η eta 8 π pi 80 ω omega 800
θ teta 9 qoppa 90 sampi 900

No sistema iônico, cabia ao contexto definir se um conjunto de letras representa


um número ou uma palavra. Para desfazer eventuais dubiedades, uma barra ho-
rizontal poderia ser sobreposta para distinguir o número da letra correspondente.
Assim, o número 111 poderia ser grafado tanto como ρια quanto como ρια.
Os nove múltiplos de 1000 eram denotados pelas nove primeiras letras precedidas
de um acento:

α = 1000,  β = 2000,  γ = 3000, etc.
Os múltiplos de dez mil, ou mirı́ades, eram grafados com o sı́mbolo M sobreposto
ou precedido pela letra correspondente:
β γ
M = βM = 20000 , M = γM = 30000, etc.

Os sı́mbolos básicos acima eram usados para compor os demais números, como nos
exemplos:

β

M ϕξα = 20561 ρµ = 5140 ζM δση = 74208

O sistema iônico se mostrava pouco eficaz para a escrita de frações. As frações


unitárias podiam ser indicadas marcando o denominador com um acento:

1 1 1
γ´ = µγ´ = ou 40
3 43 3

O exemplo acima retrata a ambiguidade da notação usada. Mais uma vez, cabe-
ria ao contexto estabelecer seu significado. A escrita de frações ganhou uma forma
mais eficiente com Diofanto de Alexandria, no século III d.C. Na notação de Dio-
fanto, o denominador era sobreposto ao numerador, prenunciando a notação usada
na matemática moderna:

λβ 13 ψλβ 213 ´ψλβ 2013


= = =
ιγ 32 σιγ 732 ´σιγ 7032

Aul a 2 – G récia, período hel ênico 31


2.3 Tales de Mileto
O inı́cio do estudo sistemático da matemática na Grécia pode ser atribuı́do a
Tales (c. 624-546 a.C.), nascido na cidade de Mileto, na Iônia, costa ocidental da
Ásia Menor. Tales uniu o estudo da astronomia ao da geometria e da teoria dos
números, fundando a chamada Escola Ioniana. Dois séculos após sua morte, Tales
seria qualificado pelo filósofo Aristóteles como o primeiro filósofo de tradição grega.
Mileto, no tempo de Tales, era uma importante cidade comercial, estando co-
nectada por rotas mercantis a outros pontos do Oriente. Tales foi comerciante
quando jovem e viajou bastante em razão de sua ocupação. Ao visitar o Egito e a
Mesopotâmia, tomou contato com a matemática desenvolvida nesses locais, o que
supostamente lhe deu uma base de conhecimentos para atuar como matemático.
Tales atuou ainda como polı́tico e, em idade mais avançada, como astrônomo.
Tales é considerado o criador da geometria dedutiva, sendo a ele atribuı́das as
primeiras demonstrações matemáticas. São admitidos como de Tales os resultados
sobre figuras planas relacionados no quadro abaixo:

• Todo cı́rculo é dividido em duas partes iguais por seu diâmetro.

• Os ângulos da base de um triângulo isósceles são iguais.

• O ângulo inscrito em um semicı́rculo é reto.

• Quando duas retas se interceptam, os ângulos opostos são iguais.

• Os lados de triângulos semelhantes são proporcionais.

• Dois triângulos são congruentes se possuem dois ângulos e um lado iguais.

Todos esses resultados parecem simples e intuitivos e alguns deles já eram co-
nhecidos pelas civilizações pré-helênicas. São, no entanto, atribuı́dos a Tales, assim
como a ele são atribuı́das tentativas de demonstrá-los. Ocorre, com Tales, uma
mudança de perspectiva no estudo da geometria. A geometria e a aritmética até
então praticadas na Mesopotâmia e no Egito tinham caráter prático e se limitavam
a aplicar procedimentos numéricos para resolver problemas especı́ficos, sem maiores
preocupações com a estrutura intelectual ou com os princı́pios filosóficos da ma-
temática envolvida. A tradição clássica atribui a Tales de Mileto a primeira ação no
sentido de organizar a geometria como estudo abstrato e dedutivo.

32 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


2.4 Pitágoras
A matemática da Grécia Antiga se desenvolveu em diversas escolas que sucede-
ram umas às outras. A Escola Ioniana, de Tales de Mileto, perdeu gradativamente
sua importância e foi suplantada pela Escola Pitagórica, cujo fundador foi Pitágoras
(c. 570-495 a.C.). Nascido na ilha de Samos, também na Iônia e próxima a Mi-
leto, Pitágoras, que teria sido aluno de Tales, realizou viagens em sua juventude
e terminou por estabelecer-se na cidade de Crotona, na costa sudeste da Itália.
Em Crotona, formou-se em torno de Pitágoras uma irmandade religiosa, filosófica
e cientı́fica, uma escola de pensamento onde o racionalismo grego convivia com ele-
mentos de misticismo.
Assim como ocorre em relação à obra de Tales, inexistem fontes originais acerca
da obra e da contribuição de Pitágoras e de seus seguidores. Dentro da escola
de Pitágoras, a transmissão oral do conhecimento era tradição, o que certamente
contribuiu para a escassez de fontes escritas. Muito do que se atribui a Pitágoras é
baseado em relatos produzidos anos depois de seu tempo.
A Escola Pitagórica dava destaque a quatro campos do saber: aritmética, música,
geometria e astronomia. A concepção pitagórica do universo era aritmética: “to-
das as coisas são números”, segundo Pitágoras. Os números, elementos básicos da
filosofia pitagórica, eram tratados como entidades mı́sticas e objeto de devoção.

O misticismo pitagórico atribuı́a aos números caracterı́sticas e personalidades:

• O número um é a essência do número, o gerador de todos os outros números


e o número da razão; nele está a origem de todas as coisas e do divino.

• O número dois é o primeiro número par ou número feminino, o número da


opinião.

• O número três é o primeiro número masculino, o número da harmonia.

• O número quatro é o número da justiça.

• O número cinco é o número do casamento, por ser a união dos primeiros


números feminino e masculino.

Um lugar sagrado é reservado ao número dez ou tetractys. Ele é considerado


o número do universo, por ser a soma das dimensões geométricas: um ponto,
que é o gerador de todas as dimensões; dois pontos, que determinam uma reta
de dimensão um; três pontos não alinhados, que determinam um triângulo de
dimensão dois; e, por fim, quatro pontos não contidos em um plano, que de-
terminam um tetraedro de dimensão três. Desse modo, o número dez, que nos
primórdios da evolução matemática nasce do método de contagem com os dedos,
é produzido pelos pitagóricos por um processo puramente abstrato.

Aul a 2 – G récia, período hel ênico 33


Os pitagóricos produziram famı́lias especiais de números a partir de motivações
geométricas. São os chamados números triangulares, quadrados, pentagonais e assim
por diante. A Tétraktys — o sı́mbolo esotérico da seita pitagórica — corresponde
ao número triangular 10, representado na Figura 2.1.

Figura 2.1: Números triangulares.

Figura 2.2: Números quadrados.

A filosofia pitagórica dava aos números inteiros o poder de descrever o mundo.


Essa concepção, porém, sofreu um grande abalo com a descoberta das grandezas
incomensuráveis, que √ a história da matemática atribui aos pitagóricos. O número
hoje conhecido por 2 pode ter sido obtido de duas formas distintas. De uma ma-
neira geométrica, ao se calcular a diagonal do quadrado de lado 1. Ou ainda, de
uma forma puramente aritmética, obtendo-se a média geométrica entre a unidade e
duas vezes a unidade, ou seja, 1/x = x/2. O número assim produzido e a unidade
são incomensuráveis, ou seja, inexiste uma unidade básica a partir da qual ambos
podem ser obtidos como múltiplos inteiros. Tal descoberta, talvez a mais impor-
tante descoberta matemática da época, entrou em choque com a visão mı́stica que
Pitágoras tinha dos números, a ponto de colocar em dúvida a adequação de sua
concepção numérica do universo. Pela primeira vez na história a matemática viveu
uma crise em seus fundamentos.
Pitágoras propunha teoremas do ponto de vista abstrato e intelectual e, sem
dúvida, o resultado mais famoso atribuı́do à Escola Pitagórica é o que hoje conhe-
cemos como Teorema de Pitágoras: as medidas a e b dos catetos e a medida c da
hipotenusa de um triângulo retângulo satisfazem a2 + b2 = c2 . Esse resultado já era
conhecido na geometria da Mesopotâmia e do Egito e não existem evidências de que
Pitágoras ou seus seguidores tenham trabalhado nele. De todo modo, também não
há evidências de outros trabalhos matemáticos dos pitagóricos e muito do que lhes
é atribuı́do provém de uma tradição que remonta à antiguidade clássica.

34 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Após um levante popular, o templo de Pitágoras em Crotona foi destruı́do e
sua irmandade deixou de existir como um grupo ativo e organizado. Muitos de
seus seguidores, espalhados pelo mundo helênico, ainda mantiveram suas atividades
por mais dois séculos. Acredita-se que Pitágoras tenha sido o primeiro homem a
denominar-se “filósofo”, ou seja, amante da sabedoria. As ideias pitagóricas viriam
a influenciar Platão e, através deste, toda a filosofia ocidental.

2.5 Os Eleatas
Parmênides (séc. V a.C.), nascido na cidade grega de Eleia, no sul da Itália, foi
o fundador da chamada Escola de Eleia. Parmênides foi o primeiro filósofo grego a
fazer uma distinção rigorosa entre o sensı́vel e o inteligı́vel, estimulando o confronto
entre a experiência e a razão. Os filósofos de sua escola, conhecidos como eleatas, se
opuseram à concepção numérica do universo defendida pelos pitagóricos que, ao as-
sociar números inteiros aos objetos fı́sicos, discretizava o universo. A descoberta das
grandezas incomensuráveis revelou a existência de grandezas contı́nuas, de natureza
geométrica, como comprimentos, áreas e volumes, que não podiam ser concebidos
como coleções discretas de unidades. Os eleatas tentaram incorporar tais grandezas
ao universo matemático ao considerá-las como compostas por uma coleção infinita
de objetos muito pequenos. Nesse contexto, a noção de infinito fez sua estreia na
matemática grega. Surgiu a semente de uma ideia que, séculos mais tarde, teria
papel fundamental no desenvolvimento do conceito de continuidade e da teoria do
cálculo diferencial e integral.
Zenon de Eleia (c. 490-430 a.C.) foi um seguidor de Parmênides. Seus argumen-
tos são provavelmente o primeiro exemplo de demonstração por redução ao absurdo.
Zenon criou alguns paradoxos que retratam o mal estar gerado entre os pensadores
gregos pelas noções de infinito e contı́nuo, em oposição ao finito e discreto. Estão aı́
em choque duas concepções matemáticas: a continuı́sta, que pensava o número, o
espaço e o tempo como divisı́veis ao infinito, e a atomista, que propunha a existência
de elementos básicos indivisı́veis. Os paradoxos de Zenon produziram impasses para
qualquer uma das duas concepções.

Paradoxo de Aquiles e da tartaruga

Aquiles, disputando uma corrida com a tartaruga, permite que esta largue na
frente. Enquanto ele percorre a distância que o separava da tartaruga no inı́cio
da corrida, ela avança mais um pouco. A distância entre Aquiles e a tartaruga
diminui, mas a tartaruga permanece em vantagem. Na etapa seguinte, Aquiles
percorre a distância que o separa da tartaruga e esta avança mais um pouco.
Esse processo continua sucessivamente, de forma que Aquiles nunca conseguirá
ultrapassar a tartaruga.

Aul a 2 – G récia, período hel ênico 35


O paradoxo acima se opõe à divisibilidade infinita do espaço. O que está em sua
essência é a dificuldade em somar uma quantidade infinita de parcelas progressiva-
mente menores e, ainda, a dificuldade em aceitar que essa soma possa resultar em
um número finito.
O seguinte paradoxo também se opõe à concepção continuı́sta do espaço:

Paradoxo da dicotomia

Antes de percorrer toda a extensão de uma reta, um objeto em movimento


deve percorrer a metade desta reta. Na etapa seguinte, o objeto deve percorrer
a metade da metade da reta. Analisando as etapas sucessivas de modo similar,
chega-se à conclusão de que o movimento nunca poderia ser concluı́do. O movi-
mento é, portanto, ilusório. Usando instrumentos da matemática moderna, esse
paradoxo é desfeito ao considerar a série
∞
1 1 1 1
n
= + + + ···,
i=1
2 2 4 8

cuja soma vale 1.

Para se contrapor à concepção atomista, Zenon propõe o chamado paradoxo da


flexa:

Paradoxo da flecha

Suponha que o espaço e o tempo sejam formados por elementos indivisı́veis,


chamados respectivamente de “pontos” e “instantes”. Uma flecha, seguindo uma
trajetória, ocupa um certo ponto em um determinado instante e, portanto, está
em repouso. Se isso é verdade em cada instante de seu voo, a flecha não pode
estar em movimento. Nesse caso, o que está em jogo é a noção de velocidade
instantânea. Qual é o valor da razão ∆x/∆t, da distância percorrida sobre o
intervalo de tempo correspondente, se ∆t assume valores muito pequenos? A
concepção atomista não tinha como lidar com esse problema, que teria um trata-
mento satisfatório apenas quando a velocidade instantânea pudesse ser definida
como lim∆t→0 ∆x/∆t. Isso aconteceria apenas com a introdução da noção de
limite na teoria do cálculo diferencial e integral, dois milênios mais tarde.

36 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 2.3: Cópia de uma imagem de Platão feita para a Academia de
Athenas em c. 370 a.C. — Musei Capitolini.

2.6 A Academia de Platão


O mundo helênico se estruturava em cidades, ou polis, com status de pequenos
Estados autônomos. Nelas, a partir do final do século VI a.C., surgiu o sistema de-
mocrático, no qual o poder se apoiava na comunidade dos cidadãos — homens livres,
não escravos — que participavam diretamente das decisões. No século V a.C., Ate-
nas consolidou-se como o principal centro econômico e cultural do mundo helênico,
transformando-se também no principal exemplo de democracia. O debate público
inerente ao sistema democrático estimulou o compartilhamento de conhecimentos e
sistemas de pensamento, criando um incentivo para a formação filosófica e cultural
de seus cidadãos. A primeira grande escola filosófica ateniense foi a dos sofistas,
professores ambulantes que vendiam seus conhecimentos e treinavam cidadãos para
os confrontos verbais que aconteciam nas assembleias públicas.
Atenas seria palco da mais decisiva contribuição para a estruturação da ma-
temática na Grécia Antiga, dada pelo filósofo Platão (c. 427-347 a.C.). Perto do
ano de 377 a.C., Platão fundou em Atenas uma escola, a Academia, que durante um
século dominaria a vida filosófica da cidade. A Academia era um espaço destinado
ao estudo, pesquisa e ensino da filosofia e da ciência, e talvez tenha sido o primeiro
exemplo de instituição de ensino e pesquisa de alto nı́vel. Platão atribuı́a uma im-
portância especial à matemática e a incluiu no rol das disciplinas indispensáveis

Aul a 2 – G récia, período hel ênico 37


para a formação intelectual do cidadão. Não há evidências de contribuições técnicas
de Platão à matemática. No entanto, ele fez de sua Academia o centro de atividade
matemática mais importante de seu tempo, contando com matemáticos de destaque
entre seus alunos e colaboradores. Platão herdou de Pitágoras a ideia de que a
matemática estruturava o universo. Tinha, no entanto, uma concepção geométrica,
contrastando com a concepção aritmética pitagórica. Relata-se que a frase “que não
entre aqui aquele que não é geômetra” estava inscrita sobre o pórtico de sua escola,
um retrato do lugar de destaque reservado à matemática em seu pensamento e em
sua Academia.
Platão, ao questionar a respeito da estrutura e da natureza da matemática, criou
novas referências para sua compreensão e desenvolvimento. Mostrou ter consciência
sobre o caráter abstrato dos objetos matemáticos ao distinguir o “mundo real”,
onde vivem os objetos sensı́veis, do “mundo das ideias”, alcançado através da razão.
Para Platão, os objetos sensı́veis são suscetı́veis a mutações, enquanto seus modelos
abstratos são imutáveis, eternos e universais. Na matemática, o interesse está nas
figuras abstratas e não em suas representações reais. Na visão de Platão, a ma-
temática constitui um domı́nio independente e autossuficiente, acessı́vel através do
entendimento, cujas verdades podem ser conhecidas a priori, independente dos sen-
tidos. Isso influenciou na noção de demonstração, onde apenas o uso do raciocı́nio
dedutivo passou a ser permitido, ficando proibido o recurso à experiência sensı́vel.
A filosofia grega procurava a verdade eterna e imutável e assim também deveria
proceder a matemática.
No tempo de Platão, três célebres problemas receberam a atenção dos ma-
temáticos: a duplicação do cubo, a trisseção do ângulo e a quadratura do cı́rculo.
A reta e o cı́rculo eram figuras geométricas básicas para os geômetras gregos. Por
isso, somente eram permitidas soluções que pudessem ser construı́das usando exclu-
sivamente a régua e o compasso. Os três problemas são enunciados a seguir:

Duplicação do cubo. Encontrar o lado x de um cubo que tem como volume


duas vezes o volume de um cubo de lado a. Ou seja, propõe-se encontrar
√ x tal
3 3 3
que x = 2a . O problema equivale, portanto, a encontrar o valor 2 usando
régua e compasso.
Trisseção do ângulo. Dado um ângulo θ, encontrar, usando a régua e o
compasso, o ângulo θ/3 .
Quadratura do cı́rculo. Encontrar o lado x de um quadrado que tenha a
mesma área de um cı́rculo de raio r. Ou seja, trata-se de resolver a equação
x2 = πr2 , o que equivale a determinar o valor de π usando régua e compasso.

Esses problemas viriam a desafiar os matemáticos por mais de dois milênios, a


ponto de a expressão “quadratura do cı́rculo” ter se tornado sinônimo de problema
impossı́vel de ser resolvido. Demonstrações para a impossibilidade de resolver esses
problemas seriam produzidas apenas no século XIX.

38 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


2.7 Eudoxo e o método de exaustão
Um dos grandes nomes que militaram na Academia de Platão foi o de Eudoxo
de Cnidus (c. 408-355 a.C.), aluno e colaborador de Platão que se transformou no
maior matemático e astrônomo de seu tempo. Eudoxo estabeleceu uma teoria de
proporções, que viria a ser tratada no livro V dos Elementos de Euclides.

Em linguagem moderna, a definição de Eudoxo para grandezas em razão era


feita do seguinte modo: a/b = c/d (ou seja, a está para b na mesma razão que c
está para d) se, e somente se, dados quaisquer dois inteiros m e n, vale

• se ma < nb, então mc < nd;

• se ma = nb, então mc = nd;

• se ma > nb, então mc > nd.

A definição de Eudoxo tinha o mérito de poder lidar com proporções envolvendo


grandezas incomensuráveis e, de certa forma, foi uma resposta à crise provocada
pelo descobrimento dessas grandezas pelo pitagóricos. Eudoxo conseguiu incorpo-
rar os incomensuráveis à sua teoria de proporções fazendo uso apenas de relações
envolvendo números inteiros. Assim, mesmo sem ter os instrumentos para traba-
lhar com o infinito, Eudoxo produziu um método eficiente para dar demonstrações
satisfatórias para resultados envolvendo proporções.
A grande contribuição de Eudoxo para o desenvolvimento da matemática — que
pode ser considerada o primeiro passo no caminho que conduziria à teoria do cálculo
diferencial e integral — esteve no cálculo de comprimentos, áreas e volumes de figu-
ras curvilı́neas, através de seu método de exaustão. A ideia de calcular medidas de
figuras definidas por curvas usando polı́gonos inscritos com um grande número de
lados já existia. No entanto, foi Eudoxo quem forneceu as ferramentas técnicas para
executar esse tipo de procedimento de maneira rigorosa. O Postulado de Eudoxo,
hoje conhecido como Propriedade de Arquimedes, diz o seguinte: dadas duas gran-
dezas não nulas a e b, existe um inteiro m tal que ma > b. A partir desse postulado,
é simples provar o resultado que estava na base do método de exaustão, o qual em
linguagem moderna se expressa como:
Se M é uma grandeza dada, e r é um número com 1/2 < r < 1, então, dado  > 0,
existe um inteiro n0 tal que M (1 − r)n <  para todo n ≥ n0 .
Isso equivale a dizer que limn→∞ M (1 − r)n = 0, mas, como já salientamos, a noção
de limite só apareceria muitas centenas de anos mais tarde.
No que diz respeito ao cálculo de comprimentos, áreas e volumes, o interesse de
Eudoxo não residia em seu cálculo absoluto, pois a existência dos números inco-
mensuráveis tornava impossı́vel a existência de uma unidade de medida satisfatória.

Aul a 2 – G récia, período hel ênico 39


Para evitá-los, os resultados envolvendo medidas de figuras geométricas propunham
o cálculo da razão de medidas de figuras conhecidas. Um resultado conhecido de
Eudoxo, cuja demonstração está no livro XII dos Elementos de Euclides, diz que as
áreas de dois cı́rculos estão em proporção em razão igual aos quadrados dos seus
diâmetros. Isso é provado inscrevendo, nos dois cı́rculos dados, polı́gonos regulares
com o mesmo número de lados, cuja razão das áreas é conhecida. O resultado é
obtido empregando o Postulado de Eudoxo, assim como sua definição de proporção.
No método de Eudoxo, ao contrário do que a terminologia “método de exaustão”
possa sugerir, não se chega a “exaurir” a figura dada. Na realidade, era feito um
processo de aproximação, seguido por uma dupla redução ao absurdo, provando que
a grandeza procurada não podia ser nem menor nem maior que um determinado va-
lor. O método de Eudoxo conseguia, assim, contornar a inexistência de uma noção
de limite.

2.8 Aristóteles

Figura 2.4: A Escola de Atenas, afresco de Rafael Sanzio de 1509.


Aristóteles, à direita, gesticula em direção ao chão, indicando sua crença na experiência e observação
empı́rica, enquanto Platão, à esquerda, aponta para o céu — Palazzi Pontifici, Vaticano.

40 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Aristóteles (384-322 a.C.) foi o discı́pulo mais famoso de Platão, tendo estudado
e trabalhado em sua Academia. Aristóteles foi tutor de Alexandre, o Grande, e teria
sido professor de outro futuro rei, que viria a ter um papel essencial na ciência do
mundo clássico, Ptolemeu Sóter.
Aristóteles discordava de seu mestre em relação à natureza da matemática e de
seus objetos. Para Aristóteles, as formas geométricas e numéricas não existem como
entidades independentes do mundo real. Os objetos matemáticos existem como
abstração dos objetos reais, mas sua existência depende da existência do próprio
objeto. Aristóteles tem uma visão empirista que contrasta com a visão racionalista
de Platão, na qual os entes matemáticos têm vida independente no “mundo das
ideias”. Para Aristóteles, o que a matemática faz é abstrair certos aspectos dos
objetos fı́sicos e estudar essas abstrações. Por exemplo, ao representar uma bola do
mundo real por uma esfera matemática perfeita, um objeto matemático abstrato,
considera-se apenas a propriedade — satisfeita de forma imperfeita — de que os
pontos da bola são equidistantes de seu centro. A visão aristotélica da matemática
tem o mérito de favorecer sua aplicabilidade, pois a matemática é, em essência, uma
maneira de descrever o mundo sensı́vel.
Segundo Aristóteles, é fundamental para o conhecimento produzir um discurso
capaz de explicá-lo de acordo com certas regras. Essas regras foram estabelecidas
através da lógica formal, criada e sistematizada por esse filósofo. Aristóteles en-
tendia uma ciência dedutiva como um edifı́cio estruturado por verdades encadeadas
através de relações lógicas, fundado sobre alguns pressupostos fundamentais não
demonstrados. Na Grécia Clássica, esse modelo teria a sua melhor materialização
nos Elementos de Euclides, onde um corpo significativo de resultados sobre geome-
tria e aritmética é produzido tendo como ponto de partida um conjunto pequeno
de axiomas e postulados básicos. O modelo aristotélico de lógica foi dominante no
Ocidente até o século XIX, quando ele foi incorporado à moderna lógica formal.
Aristóteles analisou a noção do infinito e o classificou em duas formas: o infinito
atual e o infinito potencial. O primeiro seria uma quantidade infinita acabada,
enquanto o segundo, uma quantidade finita que poderia aumentar indefinidamente.
Para Aristóteles, bastaria aos matemáticos o infinito potencial. É essa noção que
viria a ser usada na construção do conceito de limite na teoria do cálculo, muito
embora a matemática moderna tenha incorporado, em diversas situações, o infinito
atual.
Aristóteles analisou e esclareceu noções matemáticas fundamentais, como as de
axioma, definição, hipótese e demonstração. Criticou as demonstrações por redução
ao absurdo, já presentes no método de exaustão de Eudoxo. Segundo Aristóteles,
essas demonstrações eram não explicativas: sabia-se que um fato era verdade apenas
por ser verdade. Sua posição viria a criar, ao longo da história da matemática, certas
predileções na busca por demonstrações diretas.
Aristóteles, assim como Platão, não produziu resultados nem teorias matemáticas.
No entanto, suas contribuições no campo da filosofia influenciaram de forma mar-
cante a maneira como a matemática seria construı́da nos séculos vindouros.

Aul a 2 – G récia, período hel ênico 41


2.9 Exercı́cios
1. Faça uma comparação entre os sistemas de numeração gregos e aqueles usados
no Egito e na Mesopotâmia.

2. Escreva os números 185, 1437, 63.829 nos sistemas de numeração ático e iônico.

3. Escreva, usando o sistema indo-arábico, os seguintes números, expressos no


sistema ático:
(a) XΓH HHHH∆III
(b) ΓM M XXXΓ∆ ∆ΓI
(c) ΓX XXΓH H∆∆∆ΓIII

4. Escreva, usando o sistema indo-arábico, os seguintes números, expressos no


sistema iônico:
(a) M  ηχµθ
(b)  δφξθ
ζ
(c) M πα

5. Faça desenhos representando os quatro primeiros números pentagonais e he-


xagonais. Todos esses números poligonais são gerados por uma progressão
aritmética cujo primeiro termo é 1. Determine a razão dessa progressão para
os números triangulares, quadrados, pentagonais e hexagonais.

6. Mostre que se a e b são dois números comensuráveis, ou seja, se existe uma


unidade básica a partir da qual a e b podem ser obtidos como múltiplos inteiros,
então a/b é um número racional.

7. No paradoxo de Aquiles e da tartaruga, suponha que ambos corram em uma


reta com velocidade constante, sendo a velocidade de Aquiles va e a velocidade
da tartaruga igual a va , onde 0 <  < 1. Supomos que Aquiles parte da
posição d = 0, enquanto a tartaruga inicia a corrida na posição d = d0 > 0.
(a) Encontre a posição da tartaruga no instante em que Aquiles atinge a
posição d = d0 .
(b) Encontre a posição da tartaruga no instante em que Aquiles atinge a
posição ocupada por ela no final da primeira etapa do movimento.
(c) Fazendo de forma indutiva os cálculos para as etapas seguintes do movi-
mento, escreva a série cuja soma é a posição onde Aquiles ultrapassa a tarta-
ruga.

42 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


8. Comente e dê exemplos que ilustrem a seguinte frase, presente no texto, a
respeito da filosofia de Platão: “Para a matemática, o interesse está nas figuras
abstratas, e não em suas representações reais”.

9. Descreva as diferenças básicas entre as concepções filosóficas da matemática


de Platão e de Aristóteles.

10. Explique porque a definição dada por Eudoxo para grandezas em razão coin-
cide com a noção moderna (use a possibilidade de aproximar qualquer número
real por números racionais).

11. Faça uma experimentação no campo do método de exaustão:


(a) Mostre que a área de um polı́gono regular de n lados inscrito em um cı́rculo
de raio r vale  
r2 n 2π
An = sen .
2 n

(b) Calcule a área do cı́rculo fazendo lim→∞ An (isso já não é método de
exaustão, mas sim teoria do cálculo!).

Aul a 2 – G récia, período hel ênico 43


3 Grécia, período
helenista
AULA 3: GRÉCIA, PERÍODO HELENISTA

OBJETIVOS
Ao terminar a leitura desse capı́tulo, o leitor deverá ser capaz de:
1. Entender a estrutura geral dos Elementos de Euclides.
2. Entender as principais contribuições à matemática de Arquimedes, Apolônio,
Ptolemeu e Diofanto.

3.1 Introdução
O século IV a.C. foi marcado pela conquista da Grécia por Felipe II da Macedônia
e pelo fim da autonomia e da democracia nas cidades gregas. O filho e sucessor de
Felipe, Alexandre, conhecido como o Grande, expandiu e unificou o império grego.
Ao conquistar o Egito, em 332 a.C., fundou, às margens do Mediterrâneo, a cidade
de Alexandria, que se tornou a capital de seu império. Alexandria viria a ocupar
o lugar de Atenas como principal polo de conhecimento e cultura do mundo grego.
Com a morte de Alexandre, em 323 a.C., Ptolemeu Sóter (323-283 a.C), um de seus
generais, se estabeleceu como rei do Egito, dando inı́cio a uma dinastia.
Um ato de Ptolemeu I como governante do Egito teria consequências decisivas
para a história da ciência: a fundação, em Alexandria, de uma instituição de estudo e
ensino denominada Museu, o “templo das Musas” — deusas que, na mitologia grega,
inspiravam as criações literária e artı́stica. Contando com o apoio da famı́lia real dos
Ptolemeu, o Museu de Alexandria atraiu sábios do mundo inteiro e, pelos seis séculos
seguintes, seria o principal centro de produção cientı́fica da humanidade. O Museu
era dotado de uma biblioteca, criada com a missão de reunir todo o conhecimento
disponı́vel no mundo antigo, cujo acervo chegou a dispor de mais de 700.000 rolos
de papiro. O Museu de Alexandria foi palco para o estudo de diversas disciplinas,
dentre elas a literatura, a medicina e a astronomia, com um destaque especial para
a matemática. Na órbita do Museu, a matemática grega teve o seu perı́odo áureo no
século III a.C, notabilizando-se tanto pelos avanços técnicos e conceituais, quanto
pelo magnı́fico trabalho de sistematização de conhecimentos, cujos resultados mais
visı́veis estão nos Elementos de Euclides.

3.2 Os Elementos de Euclides


Os Elementos de Geometria, de Euclides, representaram o apogeu da produção
matemática na Grécia clássica. Esta foi a mais brilhante obra matemática grega e
um dos textos que mais influenciaram o desenvolvimento da matemática e da ciência.
Foi um dos livros mais editados e lidos em toda a história, tendo sido usado como
livro-texto no ensino de matemática até o final do século XIX e inı́cio do século XX.

AUl a 3: G récia, período hel enis ta 45


Os Elementos foram produzidos como um livro-texto, de caráter introdutório,
cobrindo o que era considerado, na época, matemática elementar. A obra não se
propunha a expor de forma exaustiva o conhecimento matemático de então ou a re-
latar resultados mais recentes e sofisticados. Euclides não foi o pioneiro na produção
de livros-texto de geometria: Hipócrates de Quı́os (c. 470-410 a.C.) escreveu, mais de
um século antes de Euclides, o primeiro livro-texto organizado de forma sistemática
sobre geometria, do qual sobreviveram apenas fragmentos.
Considerando a importância de sua obra, pouco é conhecido sobre a vida de
Euclides, onde e quando nasceu, ou sobre as circunstâncias de sua morte. Sabe-se que
viveu no século III a.C. em Alexandria, durante o reinado de Ptolemeu I, e que esteve
dentre os estudiosos que foram convidados para trabalhar no Museu de Alexandria.
Pelas evidências que temos, não há descobertas matemáticas atribuı́das a Euclides
e sua contribuição foi sobretudo no âmbito da compilação e da sistematização do
conhecimento matemático. No entanto, há muito de originalidade em seu trabalho,
tanto na forma de exposição quanto na estrutura das demonstrações.
Euclides foi herdeiro de uma tradição matemática iniciada na Grécia pelo menos
três séculos antes. Os Elementos incorporaram as ideias de Platão quanto à natu-
reza abstrata dos objetos matemáticos, mas sobretudo as de Aristóteles no que diz
respeito à estrutura do conhecimento matemático e dos elementos lógicos usados em
sua construção. A obra é rigorosa quanto à estrutura lógica, criteriosa na escolha das
noções básicas — definições, axiomas e postulados admitidos sem demonstração —
e clara nas demonstrações de proposições mais complexas a partir das mais simples.
É um perfeito retrato do caráter abstrato e dedutivo da matemática grega.
Os Elementos são compostos de treze livros ou capı́tulos. Não é certo que te-
nham resultado do trabalho exclusivo de Euclides. Possivelmente, a obra foi fruto
da colaboração de uma equipe de matemáticos coordenada por ele. Os primeiros
quatro livros tratam de geometria plana elementar e estudam propriedades de fi-
guras retilı́neas e do cı́rculo, abordando problemas cuja solução se faz com régua
e compasso. O livro V aborda a teoria de proporções e o livro VI aplica essa te-
oria ao estudo de geometria. Os livros VII, VIII e IX versam sobre a teoria dos
números. O livro X trata dos incomensuráveis e os livros XI, XII e XIII discorrem
sobre geometria sólida.

3.2.1 Livro I

A maior parte do conteúdo do livro I é conhecida por quem estuda geometria


plana na escola: teoremas de congruência de triângulos, construções elementares
com régua e compasso, desigualdades envolvendo ângulos e lados de triângulos,
construções envolvendo retas paralelas. São apresentados definições e conceitos a
serem usados no decorrer da obra. O livro I começa com 23 definições de forte
conteúdo intuitivo, estabelecidas tendo a realidade fı́sica como referência. No quadro
abaixo, apresentamos algumas delas:

46 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 3.1: Iluminura do século XIV, em uma tradução latina dos Elementos de Euclides, atribuı́da a Adelardo de Bath;
a figura feminina no papel de professora é provavelmente uma personificação da geometria — The British Library.

Definição 1. Um ponto é aquilo que não contém nenhuma parte.


Definição 2. Uma linha é um comprimento sem largura.
Definição 4. Uma linha reta é aquela que está igualmente colocada entre seus
pontos.
Definição 5. Uma superfı́cie é aquela que tem comprimento e largura somente.

Definição 8. Um ângulo plano é a inclinação, uma em relação à outra, de duas


retas em um plano que se encontram e que não se encontram em uma linha reta.

Definição 10. Quando uma linha reta encontrando uma linha reta forma
ângulos adjacentes iguais um ao outro, cada um dos ângulos é reto, e a linha
reta encontrando a outra é chamada de perpendicular àquela que ela encontra.
Definição 15. Um cı́rculo é uma figura plana contida em uma única linha
(chamada de circunferência) tal que todas as linhas retas radiadas em direção
à circunferência do ponto dentre aqueles dentro da figura são iguais umas as
outras.
Definição 16. E o ponto é chamado de centro do cı́rculo.
Definição 17. E o diâmetro do cı́rculo é qualquer linha reta, desenhada através
do centro, e terminando em cada direção na circunferência do cı́rculo. E qualquer
uma delas também corta o cı́rculo na metade.

AUl a 3: G récia, período hel enis ta 47


Essas definições são seguidas de cinco postulados:

1) Traçar uma linha reta de uma ponto a outro ponto.


2) Prolongar continuamente uma linha reta finita em uma reta.
3) Descrever um cı́rculo, dados um centro qualquer e um raio qualquer.
4) Todos os ângulos retos são iguais.
5) Se uma reta, caindo sobre duas retas, forma ângulos interiores do mesmo
lado menores que dois retos, essas retas, prolongadas ao infinito, se encontrarão
nos lados onde os dois ângulos são menores que dois retos.

Além dos postulados são dadas cinco noções comuns ou axiomas:

1)Coisas que são iguais à mesma coisa também são iguais uma a outra.
2) Se iguais são adicionados a iguais, então os totais são iguais.
3) Se iguais são subtraı́dos de iguais, então os restos são iguais.
4) Coisas que coincidem umas às outras são iguais umas às outras.
5) O todo é maior que a parte.

Segundo Aristóteles, os axiomas eram “indispensáveis de conhecer para aprender


qualquer coisa”, eram verdades comuns a todos os estudos e tinham validade geral.
Os postulados seriam menos óbvios, não pressupondo conhecimento prévio, uma
vez que se aplicavam apenas ao objeto em estudo — a geometria, no caso. Essa
ideia aristotélica é usada por Euclides ao separar seus postulados dos axiomas. A
matemática moderna, no entanto, não faz distinção entre os dois conceitos.
Os postulados e axiomas do livro I dos Elementos asseguram a existência de
figuras geométricas básicas, tais como a reta e o cı́rculo, a partir das quais as outras
figuras geométricas são construı́das. Além disso, eles determinam propriedades do
que hoje chamamos de geometria euclidiana: o espaço é homogêneo e infinito (toda
reta finita pode ser prolongada continuamente, dois ângulos retos são iguais, as
figuras geométricas não são modificadas por deslocamento). Além do mais, há a
possibilidade de medir distâncias, uma vez que vale o Teorema de Pitágoras, provado
em conjunto com seu recı́proco no final do livro I.
Os Elementos têm sequência com a apresentação de proposições, sempre acom-
panhadas de demonstrações construı́das de forma lógica a partir dos postulados,
axiomas e das proposições já demonstradas. Começam com o seguinte resultado:

48 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Proposição I.1. Construir um triângulo equilátero em uma linha reta finita
dada.
Seja AB a linha reta finita dada. Então é requerido construir um triângulo
equilátero sobre a linha reta AB. Desenhe o cı́rculo BCD com centro A e raio
AB (Postulado 3), e ainda o cı́rculo ACE com centro B e raio BA (Postulado
3). E faça com que as linhas retas CA e CB sejam unidas do ponto C, onde
os cı́rculos cortam um ao outro, aos pontos A e B, respectivamente (Postulado
1). E como o ponto A é o centro do cı́rculo CDB (Definição 15). Ainda, como o
ponto B é o centro do cı́rculo CAE, BC é igual a BA (Definição 15). Mas CA
também foi mostrado ser igual a AB. Logo, CA e CB são iguais a CB. Mas
coisas iguais à mesma coisa também são iguais umas às outras (Noção comum
1). Logo, CA também é igual a CB. Logo, as três linhas retas CA, AB e BC
são iguais umas às outras. Logo, o triângulo ABC é equilátero e foi construı́do
sobre a linha reta finita AB dada, que foi exatamente a coisa pedida para ser
feita.

Na demonstração da Proposição I.1 acima, Euclides assume que os dois cı́rculos


se interceptam. De fato, sua obra admite a natureza contı́nua do plano. Esse é um
exemplo de inconsistência presente em sua geometria, que seria fundamentada em
bases sólidas apenas no final século XIX.
Uma discussão fundamental suscitada pelo livro I dos Elementos de Euclides diz
respeito ao estudo de retas paralelas. Euclides prova a seguinte proposição:
Proposição I.29. Uma reta que cai sobre retas paralelas faz ângulos alternos iguais
entre eles, o externo igual ao interno e ao oposto, e a soma dos internos do mesmo
lado igual a dois ângulos retos.

Figura 3.2: Proposição I.29.

Na demonstração da Proposição I.29, é usado o Postulado 5, conhecido como


“postulado das paralelas”. A partir da Proposição I.29, Euclides prova que por

AUl a 3: G récia, período hel enis ta 49


um ponto fora de uma reta passa uma única reta paralela a uma reta dada. Esse
resultado é usado, em seguida, na demonstração de que a soma dos ângulos de um
triângulo é igual a dois retos.

Figura 3.3: O postulado das paralelas.

O postulado das paralelas ocupa um lugar especial na construção euclidiana.


O seu caráter peculiar, diferindo dos quatro outros postulados pelo aspecto mais
complexo de sua formulação, chama a atenção. Ao longo dos séculos, foram levan-
tadas dúvidas sobre sua necessidade, especulando-se que ele poderia ser provado a
partir dos outros postulados e, assim, seria apenas mais uma proposição dentro da
construção euclidiana. Essas dúvidas foram desfeitas apenas no século XIX, com a
criação das geometrias não-euclidianas e o trabalho de fundamentação da geometria.
O postulado das paralelas é, de fato, necessário na geometria de Euclides.

3.2.2 Livros II, III e IV


O livro II é curto, contém apenas 13 proposições, e se ocupa de um assunto
conhecido hoje como álgebra geométrica. A álgebra, com seus artifı́cios simbólicos
de representação e manipulação, só seria desenvolvida a partir da Idade Média.
Euclides prova resultados de natureza algébrica de forma geométrica, com o uso de
quadrados e retângulos. Por exemplo, enuncia e prova o seguinte resultado:
Proposição II.4. Se uma linha reta for cortada aleatoriamente então o quadrado
do todo é igual aos quadrados das partes e duas vezes o retângulo contido pelas
partes.
Traduzindo para linguagem moderna, o enunciado propõe demonstrar a relação
(a + b)2 = a2 + 2ab + b2 . Soluções de alguns tipos de equações quadráticas também
são apresentadas por meio da manipulação de áreas de quadrados e retângulos. Os
gregos já sabiam da existência de grandezas incomensuráveis e ainda não dispunham
da noção de números reais para tratá-las. Desse modo, uma abordagem geométrica
para problemas que hoje se acham dentro do domı́nio da álgebra parecia aos ma-
temáticos gregos mais geral do que um tratamento puramente aritmético.
Os livros III e IV lidam com a geometria do cı́rculo, material que possivelmente
tem origem em Hipócrates de Quı́os. O livro III inclui relações de interseção e

50 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


tangências entre cı́rculos e retas. Apresenta uma definição de tangente ao cı́rculo
da seguinte forma: “Uma linha reta que toca o cı́rculo é qualquer linha reta que,
encontrando o cı́rculo, não corta o cı́rculo”. No livro IV são tratados problemas
sobre a inscrição e a circunscrição de figuras retilı́neas no cı́rculo.

3.2.3 Livros V e X
O livro V aborda a teoria de proporções de Eudoxo e o livro X versa sobre os
incomensuráveis. A matemática grega tendia a evitar proporções. Grandezas em
razão da forma x : a = b : c eram tratadas geometricamente como uma igualdade
de áreas do tipo cx = ab. A teoria de Eudoxo, uma das mais finas construções
da matemática grega, contornou o problema da existência de incomensuráveis e
colocou sobre bases sólidas toda a teoria geométrica envolvendo proporções. Ela é
incorporada aos Elementos para ser aplicada nos livros subsequentes.
O livro X faz uma classificação sistemática de segmentos de reta incomensuráveis
da forma  
√ √ √ √ √
a ± b, a ± b e a± b
onde a e b são comensuráveis. O tratamento geométrico dispensado a esses objetos
fazia Euclides considerar este como mais um livro de geometria.

3.2.4 Livros VII, VIII e IX


Esses livros são devotados à teoria dos números, os quais, para os gregos, eram
inteiros e positivos. Uma vez que nem todas as grandezas podiam ser representadas
por números inteiros, Euclides associava a cada número um segmento de reta e se
referia a ele por AB. Não usava expressões do tipo “é múltiplo de ” ou “é fator de”.
No lugar, empregava “é medido por” ou então “mede”. O livro VII apresenta vinte e
duas definições de tipos de números: par e ı́mpar, primo e composto, plano e sólido
(produto de dois inteiros ou de três inteiros). Seguem algumas dessas definições:

Definição 6. Um número par é aquele (que pode ser) dividido na metade.


Definição 7. E um número ı́mpar é aquele (que) não (pode ser) dividido na
metade ou que difere de um número par por uma unidade.
Definição 12. Um número primo é aquele (que é) medido por uma unidade
apenas.
Definição 13. Um número composto é aquele (que é) medido por algum
número.

As duas primeiras proposições do livro VII apresentam aquilo que hoje é conhe-
cido como o algoritmo de Euclides para encontrar o maior divisor comum (maior
medida comum, na linguagem de Euclides) de dois números. O processo é uma
aplicação repetida do Postulado de Eudoxo.

AUl a 3: G récia, período hel enis ta 51


No livro IX, Euclides demonstra, dentre outros resultados, a infinitude dos
números primos:
Proposição IX.20. O (conjunto de) todos os números primos é mais numeroso
que qualquer quantidade de números primos dada.

3.2.5 Livros XI, XII e XIII


O livro XI contém 39 proposições sobre geometria espacial. O livro XII se ocupa
da medida de figuras, usando o método de exaustão. Ele começa mostrando que
polı́gonos similares inscritos em dois cı́rculos têm suas áreas em razão igual ao qua-
drado dos diâmetros dos cı́rculos, para em seguida mostrar, usando o método de
Eudoxo, que as áreas dos dois cı́rculos seguem a mesma proporção. O método é
empregado ainda para o cálculo de volumes de pirâmides, cones, cilindros e esferas.
Por fim, o último dos livros é dedicado ao estudo de propriedades dos quatro
sólidos regulares, ou sólidos platônicos: cubo, tetraedro, octaedro, icosaedro (12
faces) e dodecaedro (20 faces). Um poliedro é regular se suas faces são polı́gonos
regulares congruentes e, em cada vértice, o mesmo número de faces se encontram.
Os sólidos platônicos têm um lugar proeminente na filosofia de Platão, que associava
os poliedros regulares aos elementos clássicos (terra, ar, água e fogo) e, portanto,
à própria constituição do universo. Os sólidos platônicos já eram conhecidos dos
pitagóricos, mas a prova de que existem apenas cinco poliedros regulares é devida
a Theaetetus (c. 417-369 a.C.), matemático ateniense contemporâneo de Platão.
Possivelmente, boa parte do livro XIII se deve a esse matemático.

3.3 Arquimedes de Siracusa

Figura 3.4: Imagem da Medalha Fields, exibindo na frente a imagem de Arquimedes e no verso a figura da esfera
inscrita no cilindro, gravada em sua sepultura — International Mathematical Union.

Arquimedes (c. 287-212 a.C.) nasceu e viveu na cidade de Siracusa, na Sicı́lia,


mas possivelmente estudou em Alexandria e, ao longo de sua vida, manteve-se em
comunicação com os estudiosos que lá trabalhavam. Sua obra foi representativa do
espı́rito da ciência da Escola de Alexandria, conjugando o rigor matemático com

52 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


preocupações em relação a aplicações. Foi um inventor com uma grande reputação
em todo o mundo grego. Eram famosas suas máquinas de guerra, usadas para
defender Siracusa de ataques de navios romanos. Há relatos de que um desses
engenhos usava espelhos parabólicos para fazer convergir raios de sol e atear fogo
aos navios inimigos.
Arquimedes foi um estudioso pioneiro da mecânica teórica. Antes dele, os tex-
tos sobre ciências fı́sicas, tais como a Fı́sica, de Aristóteles, eram de natureza não
matemática e especulativa. Em contraste, a obra Sobre o Equilı́brio do Plano, de
Arquimedes, foi escrita de maneira formal e com estrutura similar aos Elementos de
Euclides: partindo de definições e postulados simples, um corpo de resultados mais
complexos é obtido. Seus famosos estudos sobre a lei de alavancas estão contidos
nesta obra. Ao calcular o centro de gravidade de um segmento parabólico, utilizou o
princı́pio de exaustão, que hoje é mais conhecido como sendo de Arquimedes do que
de Eudoxo. Em sua obra chamada Sobre Corpos Flutuantes, também estruturada
de forma matemática, postulados simples sobre pressão de fluidos permitem provar
duas proposições que compõem o que hoje é conhecido como princı́pio hidrostático
de Arquimedes. O trabalho de Arquimedes estabeleceu uma profunda relação entre
matemática e mecânica, que influenciaria a evolução histórica tanto da fı́sica quanto
da matemática.
Em seu tratado Sobre a Medida do Cı́rculo, Arquimedes demonstrou suas ha-
bilidades computacionais ao avaliar a razão entre a circunferência e o diâmetro de
um cı́rculo. Começando com um hexágono regular inscrito e um hexágono circuns-
crito, dobrou progressivamente o número de lados até chegar a um polı́gono de 96
lados. Como resultado de seus cálculos, obteve uma aproximação para π da forma
10
3 71 < π < 3 10
70
, ou seja, 3, 1408 < π < 3, 1428 (compare com o valor π = 3, 1415 . . .).
Mereceram destaque no trabalho de Arquimedes problemas que hoje estão no
domı́nio do cálculo diferencial e integral. Em seu tratado Sobre Espirais, definiu a
espiral como o lugar dos pontos que se movem uniformemente em uma semirreta,
enquanto a semirreta tem um movimento de rotação uniforme em torno de sua ori-
gem. Ou seja, trata-se da curva dada em coordenadas polares por r = aθ, onde
a > 0 é uma constante. Essa curva, hoje conhecida como espiral de Arquimedes, foi
proposta como um método para a quadratura do cı́rculo e para a trisseção do ângulo,
sem evidentemente fazer uso da régua e do compasso. A espiral é uma curva defi-
nida de forma dinâmica, o que contrasta com o caráter estático da geometria grega
tradicional. Também por um método dinâmico, Arquimedes encontrou tangentes:
decompôs o movimento de um ponto da espiral em uma componente radial e em ou-
tra circular, usando em seguida um paralelogramo de velocidades para determinar a
direção da velocidade do movimento e, assim, a direção da tangente. Realizou ainda
vários cálculos envolvendo comprimentos e áreas, empregando técnicas do método
de exaustão.
Dentre seus muitos tratados matemáticos, aquele do qual Arquimedes aparente-
mente mais se orgulhava era Sobre a Esfera e o Cilindro. Solicitou que sobre sua
sepultura fosse gravado o desenho de uma esfera inscrita em um cilindro regular de
altura igual ao diâmetro da esfera, em referência à demonstração de que a razão dos

AUl a 3: G récia, período hel enis ta 53


Figura 3.5: A espiral de Arquimedes, com a indicação da decomposição da velocidade
em suas componentes radial e circular.

volumes do cilindro e da esfera nessa figura era a mesma razão de suas áreas, ou
seja, 3/2.

A fórmula para o volume da esfera aparece na obra Sobre a Esfera e o Cilindro


no seguinte formato: qualquer esfera é igual a quatro vezes o cone que tem base
igual ao maior cı́rculo da esfera e altura igual ao raio da esfera. Já era conhecido
— havia sido provado por Eudoxo — que o volume do cone era de 1/3 do volume
do cilindro correspondente, o qual nesse caso tem raio igual ao raio r da esfera
e altura h = r. Ou seja:
1 1
Vcone = πr2 h = πr3 .
3 3
Portanto
4
Vesfera = 4Vcone = πr3 .
3
Esse resultado, provado pelo método exaustão usual, tem como corolário o re-
sultado sobre a razão dos volumes do cilindro.

No inı́cio do século XX foi descoberto um dos mais importantes tratados de


Arquimedes, sobre cuja existência não havia referências até então. Chamado de
O Método, continha uma série de cartas escritas por Arquimedes ao matemático
Erastótenes de Cirene (c. 275-194 a.C.), chefe da biblioteca de Alexandria. Nesta
obra, Arquimedes esclareceu alguns aspectos do seu processo de criação matemática.
Para ele, a existência de indicações sobre a validade de um resultado facilitaria a
demonstração do mesmo. Essas indicações, Arquimedes obtinha por investigações
“mecânicas” — pesos teóricos dos objetos matemáticos envolvidos — após as quais
uma prova rigorosa deveria ser construı́da pelo método geométrico tradicional.

54 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


3.4 As cônicas de Apolônio
O matemático e astrônomo Apolônio (c. 262-190 a.C.) nasceu em Pérgamo, na
Ásia Menor, mas foi vinculado à Escola de Alexandria, onde teria estudado e atuado
como professor. Sua obra Cônicas, um livro sobre curvas cônicas de exposição
puramente retórica, foi o único texto de sua autoria que chegou aos nossos dias,
mas seu trabalho foi tão marcante que, em seu tempo, Apolônio, e não Euclides, era
considerado o maior dos geômetras.

O estudo de seções cônicas remonta ao século IV a.C., quando Menecmo (c.


380-320 a.C.), aluno de Eudoxo, as obteve no estudo do problema de médias
proporcionais duplas. Dizemos que x e y estão em média proporcional dupla em
relação a dois segmentos de reta a e b se a : x = x : y = y : b, o que equivale ao
conjunto de equações
x2 = ay, y 2 = bx e xy = ab.
As duas primeiras das equações são equações de parábolas e a terceira é a equação
de uma hipérbole. No século anterior, Hipócrates de Quı́os havia mostrado que
a duplicação do cubo era equivalente ao problema de encontrar x e y em média
proporcional dupla em relação a a e b, tais que b = 2a. De fato, nesse caso temos

x2
y 3 = yy 2 = bx = 2x3 .
a
A duplicação do cubo fica assim reduzida ao estudo da interseção de duas dessas
cônicas.

Desde o tempo de Menecmo era conhecido que uma seção de um cone de base
circular por um plano perpendicular a uma de suas geratrizes produzia curvas di-
ferentes de acordo com o ângulo do vértice do cone: elipse, parábola ou hipérbole
para ângulos agudo, reto ou obtuso, respectivamente. Apolônio obteve as três curvas
interceptando um cone oblı́quo de base circular por um plano secante variável: uma
parábola, para um plano paralelo a uma das geratrizes; uma elipse, para um plano
secante interceptando apenas uma das folhas do cone; e uma hipérbole, para um
plano interceptando as duas folhas. Apolônio obteve propriedades caracterı́sticas
dessas três curvas que, em notação moderna, se traduzem nas equações:
• y 2 = px (parábola);

• y 2 = x(p − ap x) (elipse);

• y 2 = x(p + ap x) (hipérbole),
onde a e p são parâmetros. Dessa caracterização provém a terminologia, parábola
(= comparação), hipérbole (= excesso) e elipse (= deficiência).
Apolônio estudou ainda propriedades fundamentais das cônicas, tais como assı́n-
totas, diâmetros conjugados e tangentes. Para Apolônio, uma tangente era uma

AUl a 3: G récia, período hel enis ta 55


“reta que toca a cônica e nenhuma outra reta pode estar entre ela e a cônica”.
Essa noção de tangente, de caráter estático, contrasta com a ideia cinemática de
Arquimedes. A definição de Apolônio, insatisfatória à luz da matemática moderna,
também lhe parecia insatisfatória. Apolônio evitava o uso da reta tangente em sua
definição de reta normal, que era feita do seguinte modo: a normal a uma curva C
por um ponto p é a reta passando por p que maximiza ou minimiza a distância de
p a C.
A obra de Apolônio foi marcante para o desenvolvimento da geometria. Em
muitos aspectos, seu trabalho foi uma antecipação da geometria analı́tica de René
Descartes, que viria a ser desenvolvida no século XVII. Diferentemente da geometria
analı́tica, onde um sistema de coordenadas é fixado, nas Cônicas, o sistema de
coordenadas era definido a posteriori através do uso de retas de referência. Além
do mais, na geometria de Apolônio uma curva definia uma equação, enquanto na
geometria analı́tica são as equações que definem curvas. A geometria da Grécia
antiga trabalhava com poucos exemplos de curvas, todas elas geradas a partir de
cı́rculos e retas. Além disso, a inexistência de uma teoria algébrica desenvolvida
impediu maiores avanços da teoria de Apolônio na direção de uma teoria nos moldes
da geometria analı́tica.
Séculos mais tarde, a obra de Apolônio teria importantes aplicações nos estudos
de astronomia de Kepler e na teoria mecânica de Newton. Trata-se de um exemplo
notável de como uma teoria matemática produzida a partir de motivações puramente
filosóficas e estéticas pode se revelar fundamental para o avanço global da ciência e
da técnica.

3.5 Ptolemeu de Alexandria


O astrônomo, geógrafo e matemático Cláudio Ptolemeu (c. 90-168 d.C.) — que
não tinha relação familiar com os reis da dinastia ptolemaica — escreveu um tratado
astronômico e matemático sobre o movimento estelar e planetário que celebraria o
modelo geocêntrico do universo e seria um dos textos cientı́ficos de maior influência
de todos os tempos. Com o tı́tulo de Sı́ntese Matemática e composto por 13 livros,
seu tratado ficou conhecido por Almagesto — o maior, a partir do termo usado
pelos árabes para destacá-lo de outros tratados de astronomia. Em seu Almagesto,
Ptolemeu deu a contribuição mais significativa para a trigonometria na Antiguidade.
A ideia da esfericidade do céu e a descoberta da forma esférica da Terra moti-
varam a criação de ferramentas para lidar com a geometria do cı́rculo e da esfera.
Hiparco de Niceia (c. 180-125 a.C.) construiu uma tabela de cordas do cı́rculo e, no
século I d.C, Menelau de Alexandria criou a chamada trigonometria esférica e es-
tudou sistematicamente as propriedades de triângulos esféricos. Ptolemeu estendeu
os trabalhos de Hiparco e de Menelau, criando um procedimento para o cálculo de
cordas subentendidas por arcos de um cı́rculo.
A divisão de um cı́rculo em 360 graus, que já era usada na Grécia e cujo uso
provavelmente vem da astronomia, foi celebrizada por Ptolemeu. Para fazer uso
do sistema babilônico de frações sexagesimais, Ptolemeu dividiu cada grau em 60

56 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


partes minutae primae (primeiras pequenas partes) e cada uma dessas subdivisões
em 60 partes minutae secundae (segundas pequenas partes), de onde vem os nomes
“minutos” e “segundos”. Em seus cálculos, Ptolemeu usava como aproximação de
π o valor de 3; 8.30, aqui escrito no sistema sexagesimal. No sistema decimal, isso
equivale a π ≈ 3, 1416.
Em seu Almagesto, Ptolemeu construiu uma tabela de cordas de arcos, com
o o
os ângulos variando de 12 a 180o em intervalos de 12 . Sua tabela de cordas seria
referência para os astrônomos por mais de mil anos. A construção de Ptolemeu
o
equivalia a construir uma tabela de senos de 14 a 90o e, uma vez que cos θ =
sen(90o − θ), indiretamente também fornecia uma tabela de cossenos.

Para um ângulo θ, Ptolemeu calculava o comprimento da corda subentendida


por esse ângulo, em um cı́rculo de diâmetro igual a 120 unidades. No cálculo do
seno, a trigonometria moderna calcula a razão entre a metade dessa corda e o
raio do cı́rculo. Assim, se denotamos o comprimento da corda subentendida por
â por crd(â) (veja Figura 3.6), temos

crd(â)/2 crd(â)
sen(â/2) = = ,
60 120

Figura 3.6: Cálculo de sen(â/2) a partir da corda subentendida pelo ângulo â.

3.6 A aritmética de Diofanto


Diofanto de Alexandria foi o último grande matemático da Escola de Alexandria.
Viveu no século III d.C., mas seu perı́odo de vida preciso não é conhecido, assim
como muito pouco é sabido sobre sua vida. Sua grande obra, intitulada Aritmética,
era composta de 13 livros, sendo que desses apenas seis chegaram aos nossos dias,
através de manuscritos gregos de origem bizantina, e se tornaram conhecidos desde

AUl a 3: G récia, período hel enis ta 57


o Renascimento. Possivelmente, a Aritmética, assim como os Elementos de Euclides,
foi uma compilação e sistematização dos conhecimentos da época. A obra é composta
por problemas de aritmética, com enunciados abstratos e gerais, sendo os dados
numérico especificados apenas a posteriori. Na solução desses problemas, Diofanto
se libertou das referências geométricas, o que faz seu método diferir substancialmente
dos usados na álgebra geométrica grega tradicional.
Diofanto estudou as chamadas “equações indeterminadas”, ou seja, equações ou
sistemas de equações com várias variáveis, que admitiam em geral muitas soluções.
Os coeficientes de suas equações, assim como suas soluções, eram sempre números
racionais positivos, quase sempre inteiros. Trabalhando com exemplos numéricos
especı́ficos, buscou soluções particulares, não demonstrando preocupação ou inte-
resse na obtenção de soluções gerais. Os artifı́cios de cálculo por ele empregados
indicavam um profundo conhecimento das propriedades dos números. Diofanto é
muitas vezes considerado o “pai da álgebra”, mas talvez seja muito mais adequado
tratá-lo como precursor da moderna teoria de números, cujo ponto de partida seria
o trabalho de Fermat no século XVII.
Uma outra contribuição fundamental da Aritmética de Diofanto diz respeito à
notação empregada. Esta abandonou o estágio puramente retórico e incorporou
sı́mbolos, notações e abreviações. No entanto, estes elementos não eram ainda ob-
jeto de manipulação algébrica. A notação de Diofanto foi um primeiro passo na
direção da álgebra simbólica, que seria desenvolvida apenas a partir do Renasci-
mento europeu e atingiria sua maturidade com a obra de René Descartes no século
XVII.

Em Diofanto, a variável x era chamada de número e denotada por S. A notação


para as potências da variável x, descrita no quadro a seguir, guardava implı́cito
o princı́pio da adição dos expoentes:

x2 ∆Υ
x3 KΥ
x4 ∆Υ ∆
x5 ∆K Υ
x6 K ΥK
Diofanto denotava a adição pela simples justaposição, enquanto a subtração era
o
representada pelo sı́mbolo . O coeficiente independente era denotado por M .

O sistema de numeração empregado era o iônico ou alfabético. Essa notação


permite escrever polinômios em uma variável de maneira tão concisa quanto a
atual. Assim, o polinômio
x4 + 2x3 + 3x2 + 4x + 5
assumiria a seguinte forma na notação diofantina:
o
∆Υ ∆αK Υ β∆Υ γSδM 

58 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


3.7 Epı́logo
O ano 30 a.C. marcou o fim da dinastia ptolemaica e o inı́cio do domı́nio romano
no Egito. O Museu de Alexandria sobreviveu, porém perdeu seu vigor sem o apoio de
seus antigos patronos. Cláudio Ptolemeu e Diofanto de Alexandria atuaram já nessa
fase. Depois deles, merece menção o nome Pappus de Alexandria que, por volta do
ano 320 d.C., escreveria o último tratado matemático significativo da Antiguidade
Clássica, chamado de Coleção.
Em todos os domı́nios do Império Romano, a ascensão do cristianismo minaria o
ambiente para a produção cientı́fica. Em 391 d.C., seguindo um decreto do impera-
dor romano Teodósio I que bania o paganismo, a Biblioteca e o Museu de Alexandria,
considerados templos pagãos, foram fechados. Acusadas de ensinarem uma filosofia
pagã que ameaçava o cristianismo, as escolas filosóficas de Atenas também seriam fe-
chadas em 529 d.C. por ordem de Justiniano, imperador romano do Oriente. Alguns
de seus filósofos se exilaram na Pérsia. Esse fato, que é um marco para o fim da era
de desenvolvimento da matemática grega, significaria também uma transmigração
para o Oriente dos polos de criação cientı́fica.

AUl a 3: G récia, período hel enis ta 59


3.8 Exercı́cios
1. Transcreva para a linguagem matemática moderna as Definições 8, 10, 15 e 17
do livro I dos Elementos de Euclides.

2. Transcreva para a linguagem matemática moderna os Postulados de 1 a 5 do


livro I dos Elementos de Euclides.

3. Escreva o enunciado e a demonstração da Proposição 1 dos Elementos de


Euclides em linguagem moderna. Faça um desenho.

4. Critique a definição de reta tangente de Apolônio. Compare com a definição


de Arquimedes para a reta tangente à espiral e ainda com a definição moderna.

5. Sabendo que sen(60o ) = 3/2, calcule, em frações sexagesimais e com a apro-
ximação de duas casas sexagesimais, o comprimento da corda subentendida
pelo ângulo de 120o no cı́rculo ptolemaico (lembre-se que ele tem um diâmetro
de 120 unidades).

6. Escreva, na notação de Diofanto, o polinômio 5x4 + 6x3 + 7x2 + x + 9.

60 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


4 O período medieval
AULA 4: O PERÍODO MEDIEVAL

OBJETIVOS
Ao terminar a leitura desse capı́tulo, o leitor deverá ser capaz de:
1. Entender a contribuição dos árabes à matemática, sobretudo no que diz respeito
à criação da álgebra.
2. Entender como o estudo da matemática foi retomado na Europa no perı́odo me-
dieval.
3. Entender como o sistema de algarismos indo-arábicos chegou à Europa.

4.1 A matemática hindu


Após o perı́odo clássico, os polos de criação matemática se deslocaram na direção
do Oriente. A matemática ganhou contribuições vindas da Índia e, sobretudo, do
Império Árabe, que deixaram consequências importantes em sua estrutura. Nessa
seção analisaremos alguns aspectos da matemática indiana.
A contribuição mais marcante da Índia para a matemática foi seu sistema de
numeração, decimal e posicional, com o uso de nove sı́mbolos e do zero. Na órbita
do Ocidente, a referência mais antiga ao sistema de numeração hindu foi feita em
um texto de 662 d.C. do bispo sı́rio Severus Sebokt, em que, lamentando o desprezo
demonstrado em seu tempo pelo conhecimento produzido fora do mundo grego, re-
latava os “valiosos métodos de cálculo” dos hindus e seu sistema numérico composto
por nove sı́mbolos.

Figura 4.1: Desenhos dos numerais presentes no manuscrito Bakhshali, texto matemático hindu produzido
entre o séc. II a.C. e o séc. III d.C. — Fonte: On The Bakhshali manuscript, Augustus Hoernle.

O sistema de numeração hindu foi resultado da incorporação de elementos de


outros povos e de uma longa evolução interna. Os hindus uniram em seu sistema
quatro elementos: a base decimal, a notação posicional, o uso do zero e uma notação
para cada um dos dez numerais. Nenhum desses elementos foi criação hindu, mas foi
na Índia que eles ganharam uma existência conjunta. A princı́pio, o sistema contava
apenas com nove sı́mbolos básicos. O zero, como instrumento para preencher as
posições vazias, surgiu apenas posteriormente — a primeira referência a ele data
do século IX. Nessa época, o desenho dos dez numerais diferia bastante do formato
moderno. Em seu caminho para o Ocidente, sua grafia passou por transformações
nas mãos dos árabes antes de ganhar a forma atual.

AUl a 4: O período medie va l 63


Os primeiros registros sobre a matemática indiana, datando do século II da era
cristã, estão nos Sulvasutras, livros religiosos sobre o uso de cordas em medidas de
altares. Essa técnica já era usada pelo menos desde o século VII a.C. e possivelmente
teve origem no Egito. Nos Sulvasutras o sistema de numeração na base dez já era
empregado.
Nos séculos IV e V d.C., os astrônomos e matemáticos indianos produziram
os Siddhantas, ou sistemas de astronomia, textos que receberam forte influência
dos astrônomos de Alexandria. Por exemplo, em um desses textos foi usada a
177
aproximação π ≈ 3 1250 = 3, 1416, essencialmente a mesma usada por Ptolemeu em
seu Almagesto. Nos Siddhantas, a correspondência ptolemaica entre arco e corda da
circunferência foi transformada: passou-se a associar metade da corda à metade do
arco. Nasceu, assim, a função seno moderna.
Em 499 d.C., o matemático e astrônomo Aryabhata publicou o Aryabhatiya, obra
classificada como um Siddhanta. Seu texto, em verso, descreveu regras de cálculo
em astronomia e de medidas em matemática, sem fazer uso de métodos dedutivos.
A regra de três foi descrita da seguinte maneira:

Na regra de três multiplique o fruto pelo desejo e divida pela medida. O resultado
será o fruto do desejo.

O verso se refere à proporção a : b = c : x, onde a é a “medida”, b é o “fruto”, c é


o “desejo” e x é o “fruto do desejo”, resolvida fazendo x = bc/a. Em sua segunda
metade, o Aryabhatiya é devotado ao cálculo do tempo e da trigonometria esférica.
A obra fornece tabelas de senos e procedimentos para seu cálculo.
No século VII d.C., o matemático e astrônomo Brahmagupta (c. 598-668) deu
importantes contribuições conceituais que seriam essenciais para o desenvolvimento
da álgebra. Ao buscar soluções para equações quadráticas, ampliou o espectro das
possı́veis soluções ao incluir soluções negativas. Estabeleceu regras numéricas para
lidar com números negativos que, pela primeira vez, tiveram sua aritmética siste-
matizada:

Positivo dividido por positivo, ou negativo dividido por negativo é positivo. [...] Po-
sitivo dividido por negativo é negativo. Negativo dividido por afirmativo é negativo.

Ao contrário dos gregos, os matemáticos hindus consideravam raı́zes irracionais


de números como sendo números. Essa concepção era motivada pela inexistência,
na matemática hindu, de distinção entre valores exatos e aproximados. Uma outra
contribuição hindu foi a incorporação do zero à aritmética, avançando em relação à
ideia grega do “nada”, nunca interpretada como um número.
Por fim, merece ser citado o nome de Bhaskara (1114-1185), o matemático in-
diano mais significativo do perı́odo medieval, com um vasto trabalho na solução de
equações indeterminadas lineares e quadráticas, além de contribuições em diversas
outras áreas da matemática.

64 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


4.2 A matemática árabe

4.2.1 Introdução

Figura 4.2: Exemplo de arte islâmica: mosaico da Madraça Ben Youssef em Marraquech, Marrocos. c. 1565.

No século VII da era cristã, surgiu na penı́nsula arábica a religião islâmica


ou muçulmana, religião monoteı́sta baseada nos ensinamentos do profeta Maomé
(c. 570-632 d.C.) e no texto sagrado do Alcorão. Ao unificar tribos nômades na
Penı́nsula Arábica, Maomé fundou também um Estado baseado na fé islâmica que,
sob a liderança de seus sucessores, os califas, expandiu seus domı́nios em territórios
que se estendiam da Índia à Penı́nsula Ibérica, passando pelo Oriente Médio e norte
da África. Esse vasto império teve inicialmente como capital a cidade de Damasco,
na Sı́ria, mas posteriormente foi desmembrado em dois reinos independentes, no
Oriente e no Ocidente. A civilização árabe viveu seu perı́odo áureo entre os séculos
VII e XIII, entrando em decadência com as Cruzadas (séculos XI a XIII), em sua
porção ocidental, e com as conquistas mongóis (século XIII), na porção oriental.
Dois eventos marcaram o declı́nio árabe: a conquista de Córdoba (Espanha), capi-
tal do ocidente muçulmano, por Fernando III de Castela em 1236, e a destruição de
Bagdá, capital do oriente muçulmano, pelos mongóis em 1258.
Nos paı́ses conquistados, os árabes encontraram civilizações em estágio bastante
superior à sua e souberam assimilar as culturas e padrões intelectuais locais. Su-
perado um estágio inicial de fanatismo religioso, souberam desenvolver um espı́rito
de tolerância e, integrando-se às sociedades locais, construı́ram uma civilização e
cultura próprias. Nas cidades árabes, havia liberdade de culto para as religiões
cristã e judaica, religiões monoteı́stas assim como a muçulmana. No mundo árabe,
a ciência passou a ocupar um lugar de destaque e suas cidades se transformaram em
importantes centros de saber cientı́fico. Academias, observatórios e bibliotecas fo-
ram fundados, recebendo estı́mulo e proteção de mecenas locais e do próprio califa.
Os árabes desenvolveram uma preocupação pela observação, descrição e medição
rigorosas, o que propiciou o desenvolvimento de diversos ramos da ciência, entre os
quais a astronomia, a medicina, a quı́mica, a botânica, a zoologia e a matemática.

AUl a 4: O período medie va l 65


Consideramos ciência árabe tudo aquilo que foi desenvolvido no perı́odo e no
espaço geográfico relatados acima e, em grande parte, registrado na lı́ngua árabe.
Os árabes se fizeram depositários do saber clássico. Obras da Antiguidade, ori-
ginalmente escritas em grego e latim, foram traduzidas para seu idioma. Muitas
dessas obras — literárias, filosóficas e cientı́ficas — sobreviveram e puderam chegar
à era moderna através de suas traduções árabes. Os alicerces da matemática árabe
foram herdados da Grécia clássica, mas também do Oriente — em particular da
Índia, região com a qual havia um intenso intercâmbio. A contribuição árabe para a
matemática, no entanto, foi além da assimilação e da preservação do conhecimento
herdado de civilizações mais antigas. Os árabes conjugaram o rigor grego às visões
práticas babilônica e hindu para, a partir daı́, introduzir elementos originais que
deram uma nova vida à matemática.
Aspectos de natureza religiosa estiveram na raiz da incursão árabe no mundo
da ciência. Os primeiros pensadores islâmicos, em contraste com os cristãos euro-
peus medievais, enxergaram o conhecimento como uma forma de se aproximar de
Deus. Há versı́culos no Alcorão, livro sagrado islâmico, que se referem à capacidade
humana de explorar a ordem divina do universo: “Ele foi Quem fez do Sol uma
luz e da lua uma claridade, e deu-lhe fases para que saibais o número dos anos e a
as estações. [...] Ele detalha as revelações aos sensatos” (10,5). De fato, a maior
parte do Alcorão convida os fiéis a pensar e a buscar Deus através de suas criações,
dentre elas o céu e a Terra. O preceito islâmico das cinco orações diárias voltadas
para a cidade sagrada de Meca em horários definidos impuseram desafios à medição
do tempo e à orientação geográfica, que resultaram em estı́mulos para o avanço da
astronomia e da matemática.
Um elemento, material, esteve no cerne da revolução cultural árabe: o papel.
Os europeus, no perı́odo medieval, usavam como suporte para a escrita e produção
de livros o pergaminho — pele animal, geralmente de caprino ou ovino, tratada e
polida. Esse material foi desenvolvido no século II a.C. na cidade de Pérgamo — de
onde vem o seu nome — para atender às necessidades de sua biblioteca diante do
alto custo e da escassez do papiro. No século VIII, os árabes passaram a dominar a
tecnologia chinesa de fabricação do papel, supostamente adquirida de prisioneiros de
guerra chineses. Em comparação com o pergaminho, o papel era um suporte barato
e leve, fácil de transportar e suficientemente resistente. Seu uso se disseminou e, em
poucas décadas, moinhos de produção de papel se estabeleceram em várias cidades
árabes. O papel propiciou a formação e a disseminação de uma cultura da escrita e
do livro nas cidades árabes, que passaram a contar com mercados de livros e grandes
bibliotecas.

4.2.2 A Casa da Sabedoria e al-Khwarizmi


A cidade de Bagdá foi construı́da pelo califa Abu Jafar al-Mansur (714-775)
para substituir Damasco como capital da porção oriental do Império Árabe. Al-
Mansur era um homem interessado em filosofia e ciência e procurou criar condições
em sua nova cidade para o estudo e a produção cientı́fica. Fundou uma biblioteca

66 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


em seu palácio, que inicialmente se ocupou de traduções para o árabe de textos
persas, hindus e gregos. Essa biblioteca ficaria conhecida como Casa da Sabedoria
(Bait al-Hikma) e, mais tarde, evoluiria para uma instituição de ensino e pesquisa,
destacando-se como um dos mais importantes centros de produção cientı́fica no
perı́odo compreendido entre os séculos IX e XIII.
Um dos mais notáveis estudiosos vinculados a essa academia foi o matemático
e astrônomo Muhammad ibn Musa al-Khwarizmi (c. 780-850). Duas de suas obras
exerceram uma influência decisiva nos rumos tomados pela matemática. A primeira
delas é o tratado de aritmética intitulado Livro da Adição e da Subtração segundo
o Cálculo dos Indianos. Em seu texto são discutidos o sistema de numeração deci-
mal posicional hindu e as operações feitas nesse sistema, incluindo a multiplicação
e a divisão. Séculos mais tarde, as traduções latinas desse livro criariam na Eu-
ropa a impressão de que o sistema de numeração nele descrito eram uma criação
de seu autor. Os numerais indo-arábicos ficaram então conhecidos com sendo de
al-Khwarizmi, o que resultou nas palavras algarismo e algoritmo, incorporadas às
lı́nguas europeias modernas.
Uma segunda obra fundametal de al-Khwarizmi foi o Tratado sobre o Cálculo
da al-Jabr e al-Muqabalah. Esse livro é considerado o fundador da álgebra como
área do conhecimento matemático, sendo a palavra álgebra uma evolução do termo
al-jabr. Nessa obra, al-Khwarizmi discorreu sobre soluções de equações de primeiro
e segundo graus, tratadas de forma puramente retórica, sem o emprego de sı́mbolos.
Uma amostra da álgebra retórica de al-Khwarizmi está no quadro seguinte:

• “Um quadrado é igual a cinco raı́zes. A raiz do quadrado então é 5, e 25


forma o seu quadrado que, é claro, é igual a 5 de suas raı́zes.” O texto
apresenta a equação x2 = 5x, sua raiz x = 5 e afirma que x2 = 25.

• “Um quadrado e dez raı́zes são iguais a 39 unidades.” A frase faz referência
à equação x2 + 10x = 39.

Al-Khwarizmi reduziu as equações de segundo grau a seis tipos canônicos:

• ax2 = bx (quadrado igual a uma raiz);


• ax2 = c (quadrado igual a um número);
• bx = c (raiz igual a um número);
• ax2 + bx = c (quadrado e raiz igual a um número);
• ax2 + c = bx (quadrado e número igual a uma raiz);
• bx + c = ax2 (raiz e número igual a um quadrado).

AUl a 4: O período medie va l 67


A classificação nessas categorias se fazia necessária pois não se admitiam equações
com coeficientes negativos. Para cada um desses tipos, o método de solução foi
apresentado através de exemplos. Nesses cálculos, duas operações básicas foram
usadas:
• al-jabr (complemento ou restauração), que consistia em transpor os termos
subtraı́dos para o outro lado da equação.
• al-muqabalah (redução ou balanceamento), que consistia no cancelamento de
termos iguais dos dois lados da equação.

A equação quadrática
x2 + 15 − 3x = 10
é transformada em
x2 + 15 = 3x + 10,
por al-jabr, sendo, em seguida, reduzida a

x2 + 5 = 3x,

por al-muqabalah.

4.2.3 Abu-Kamil
A obra de al-Kwarizmi teve sequência com o trabalho de Abu-Kamil (c. 850-
930), matemático de origem egı́pcia que publicou, na transição do século IX para o
século X, um tratado de grande repercussão sobre al-jabr e al-muqabalah. A al-jabr
de al-Kwarizmi era mais elementar e voltada para um público amplo, enquanto o tra-
balho de Abu-Kamil foi concebido para leitores familiarizados com os Elementos de
Euclides. O cálculo algébrico de Abu-Kamil atingiu um nı́vel elevado de abstração.
Utilizou uma série de identidades algébricas, como, por exemplo,

√ √ √
a ± b = a + b ± 2 ab.

Além disso, Abu-Kamil trabalhou com quantidades irracionais, tanto como coefi-
cientes de equações quanto como soluções, o que era evitado por al-Kwarizmi. Abu-
Kamil estudou equações algébricas de grau superior a dois e sistemas de equações
não lineares em três variáveis. Assim como em al-Kwarizmi, a al-jabr de Abu-Kamil
era retórica. Por exemplo, uma expressão da forma “quadrado-quadrado-coisa” era
usada para representar x5 = x2 x2 x.

68 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


4.2.4 Al-Karagi
A trajetória de desenvolvimento da álgebra prosseguiu com al-Karagi (c. 953-
1029), matemático de origem persa que viveu e trabalhou em Bagdá. Atuando na
fronteira entre álgebra e aritmética, al-Karagi teve o mérito de tornar o cálculo
algébrico independente da geometria. Foi o primeiro algebrista a perceber que as
potências da forma x, x2 , x3 , . . ., assim como os recı́procos 1/x, 1/x2 , 1/x3 , . . ., po-
deriam ser definidos para expoentes arbitrariamente altos, sem a necessidade de se
fazer referência a medidas de objetos, como acontecia na álgebra geométrica grega.
Trabalhou com a álgebra de polinômios e produziu regras para somar, subtrair,
multiplicar polinômios e dividir polinômios por monômios.

Al-Karagi forneceu a seguinte demonstração geométrica para a identidade


n
 n 2
 
3
k = k .
k=1 k=1

Construiu, inicialmente, um quadrado ABCD de lado 1 + 2 + · · · + n.

A área do polı́gono ∆1 = DD1 C1 B1 BC, obtida pela diferença entre os quadrados


ABCD e AB1 C1 D1 , vale
n(n + 1)
2n(1 + 2 + · · · + n) − n2 = 2n − n2 = n 3 .
2
De forma análoga, a área do polı́gono ∆2 = D1 D2 C2 B2 B1 C1 é igual a (n − 1)3 .
Prosseguindo dessa forma, o quadrado é decomposto na união dos polı́gonos
∆1 , ∆2 , · · · , ∆n−1 e do quadrado de lado 1. Igualando as áreas, obtém-se

13 + 23 + · · · + n3 = (1 + 2 + · · · + n)2 .

AUl a 4: O período medie va l 69


Al-Karagi calculou os coeficientes de (a + b)n até n = 12 e ainda indicou que tais
coeficientes poderiam ser calculados para todo n seguindo a regra
     
m m−1 m
= + ,
n n−1 n−1
o que hoje é conhecido como triângulo de Pascal. Tanto no caso dos coeficientes
da expansão binomial, quanto na identidade aritmética do exemplo anterior, estão
presentes argumentos que guardam os elementos básicos do moderno método de
demonstração por indução.

4.2.5 Al-Samaw’al
O principal sucessor de al-Karagi foi al-Samaw’al (c. 1130-1180), médico e ma-
temático de origem judia que viveu em Bagdá. Sua obra principal se chamava al-
Bahir ou Livro Luminoso da Aritmética. Al-Samaw’al estabeleceu regras algébricas
para lidar com expressões negativas, tais como

−(−axn ) = axn e − axn − (bxn ) = −(a + b)xn .

Al-Samaw’al também generalizou o conceito de potência algébrica e enunciou a


regra do produto xn xm = xm+n para m e n inteiros. Para tal, fez uso de um quadro
da forma
··· 2 1 0 1 2 ···
1 1
· · · x2 x 1 x x2
···

Neste diagrama, efetua-se a multiplicação de xm por xn movendo-se, a partir


da posição correspondente a xm , n posições para a esquerda, se n é positivo, ou
para a direita, se n é negativo. Esse instrumento visual para realizar as operações
significou um avanço em termos de eficiência em relação à álgebra retórica e foi um
importante passo para o desenvolvimento do simbolismo algébrico. Al-Samaw’al
utilizou seu quadro para produzir um algoritmo para divisão de polinômios. Na
verdade, ele considerou polinômios em x e em 1/x, ou seja, expressões do tipo
 n k
k=−m ak x , e operou com essas expressões como se fossem séries de potências. No
caso de polinômios estritos, al-Samaw’al obteve um método de divisão com resto
análogo ao algoritmo de divisão de Euclides para inteiros positivos.

4.2.6 Alhazen
Ibn al-Haytham (965-1040), também conhecido por Alhazen, foi um matemático,
astrônomo e médico nascido em Basra, atual Iraque, que viveu e trabalhou na ci-
dade do Cairo. Seus trabalhos sobre óptica, reflexão, refração e sobre a natureza
da visão foram marcantes, influenciando o subsequente desenvolvimento da área.
Realizou experimentos com lentes e espelhos, reflexão e refração. Sua ênfase na ex-
perimentação controlada e rigorosa faz com que seja visto como um dos precursores
do método cientı́fico moderno.

70 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Seu livro mais importante foi o Tratado de Óptica, texto inspirado nos traba-
lhos de Ptolemeu sobre refração e reflexão. Composto de sete volumes, essa obra
exerceu grande influência na ciência ocidental. Em seu livro V está presente o que
é hoje conhecido como problema de Alhazen: “dada uma fonte de luz e um espelho
esférico, encontre o ponto do espelho onde a luz será refletida para os olhos de um
observador”. A solução desse problema produz uma equação de grau quatro, resol-
vida por Alhazen tomando a interseção de uma circunferência com uma hipérbole.
Nesse trabalho Alhazen obteve uma fórmula para a soma de potências de ordem
quatro, a qual ele aplicou para encontrar o volume do sólido formado pela revolução
de um arco de uma parábola em torno da reta tangente ao seu  a vértice. Foi, assim,
o primeiro matemático a calcular o que hoje denotamos por 0 x4 dx.

4.2.7 Omar Khayyam


Nas obras dos primeiros algebristas, al-Kwarizmi e Abu Kamil, e nos trabalhos de
al-Karagi, foram estudadas apenas equações algébricas de grau dois ou equações de
grau superior que pudessem ser reduzidas a esse grau. A partir do século X, ressurgiu
o interesse por uma série de problemas geométricos clássicos, tais como a duplicação
do cubo, a trisseção do ângulo e a construção de certos polı́gonos regulares inscritos
no cı́rculo. A solução desses problemas recai em equações de grau três e, por isso,
como viria a ser conhecido no século XIX, não poderiam ser resolvidos com régua e
compasso. Concomitantemente, o estudo da astronomia e da óptica trouxe à tona
vários problemas envolvendo equações de grau três ou maior.
Omar Khayyam (1048-1131), matemático, astrônomo, filósofo e poeta persa,
produziu um grande tratado denominado Demonstração de Problemas de al-Jabr e
al-Muqabalah, escrito em torno de 1070. Nesse trabalho, Omar Khayyam classificou
as equações cúbicas e propôs construções geométricas de suas raı́zes. As equações,
apesar de estudadas com coeficientes quaisquer, eram expressas de uma maneira
completamente retórica.

A equação cúbica
x 3 + p2 x = p 2 q
é resolvida com auxı́lio das equações

x2 + y 2 = qx
x2 = py

A primeira é a equação de um cı́rculo e a segunda, a equação de uma parábola.


Desse modo, uma solução para a equação cúbica é a abcissa do ponto de in-
terseção de um cı́rculo com uma parábola.

A álgebra de Omar Khayyam tinha um caráter geométrico, contrastando com


o aspecto aritmético daquela praticada por al-Karagi e por al-Samaw’al. Por isso,

AUl a 4: O período medie va l 71


respeitava o princı́pio de homogeneidade das dimensões. Por exemplo, a equação
x3 + ax = b era tratada no formato x3 + p2 x = p2 q. Omar Khayyam classificou
as equações cúbicas em quatorze tipos canônicos e, para cada um desses tipos,
identificou o par de curvas de grau dois usado na solução. Alguns aspectos ligados
ao método geométrico de solução de equações cúbicas de Omar Khayyam, tais como
a existência de interseção, continuidade, convexidade e propriedades assintóticas,
seriam abordados por seu sucessor al-Tusi (1201-1274), matemático e astrônomo
persa, que desenvolveu métodos de natureza numérica para a extração de raı́zes
n-ésimas de um número (ou seja, a solução da equação xn = a) e para a obtenção
de raı́zes de certas equações cúbicas.

4.2.8 Al-Kashi
Al-Kashi (c. 1380-1429) foi um matemático e astrônomo de origem persa que tra-
balhou em Samarcanda (atual Uzbequistão). Sua obra mais importante se chamava
Chave da Aritmética, uma verdadeira enciclopédia matemática que reuniu todos os
avanços em álgebra e aritmética de seus predecessores árabes e se tornou livro de
referência para os estudiosos nos séculos seguintes. O autor obteve, em seu Tratado
da Circunferência, uma aproximação de 2π com 16 casas decimais exatas, usando
um método de aproximações numéricas baseado no método de Arquimedes de apro-
ximação do cı́rculos por polı́gonos regulares inscritos. No seu Tratado da Corda e
do Seno, obteve aquilo que é considerado o primeiro método de solução de equações
por meio de aproximações numéricas sucessivas, descrito no quadro a seguir:

A equação cúbica
x3 + q = px
é estudada com o objetivo de calcular sen 3o a partir de sen 1o , usando a relação
sen 3θ = 3sen θ − 4sen3 θ. A equação cúbica equivale a

q + x3
x= .
p

Toma-se, por primeira aproximação da raiz, x1 = p/q. Por segunda aproximação,


q+x3
toma-se x2 = p 1 . Sucessivamente, tem-se a fórmula recursiva

q + x3n−1
xn =
p
para a obtenção de aproximação da raiz na n-ésima etapa. Pode-se então
demonstrar que a sequência obtida converge rapidamente para uma raiz da
equação.

72 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 4.3: O quadrilátero de Saccheri.

4.2.9 O postulado das paralelas


Apesar de a matemática islâmica ter se notabilizado mais pela álgebra, um pro-
blema geométrico clássico mereceu a atenção dos árabes: a prova do quinto postu-
lado de Euclides. Entre os gregos, esse problema já era conhecido como “o quarto
problema famoso da geometria”.
Alhazen propôs a construção de um quadrilátero com três ângulos retos e achou
ser possı́vel provar que o quarto ângulo também deveria ser reto. Dessa construção,
o quinto postulado seguiria como corolário. Alhazen assumiu que o lugar dos pontos
equidistantes a uma dada reta deveria ser paralelo à reta dada, fato que é equivalente
ao postulado de Euclides.
Uma segunda tentativa foi feita por Omar Khayyam, que partiu de um qua-
drilátero possuindo dois lados opostos iguais e perpendiculares à base — esse qua-
drilátero ficaria conhecido como quadrilátero de Saccheri, em reconhecimento aos
estudos sobre o postulado das paralelas no século XVIII. Omar Khayyam sabia que
os dois ângulos superiores do quadrilátero eram iguais e concluiu que ambos de-
veriam ser retos. No entanto, partiu de pressupostos equivalentes ao postulado de
Euclides.
Al-Tusi foi o terceiro matemático islâmico que se envolveu com o problema das
paralelas. A prova de al-Tusi dependia da seguinte hipótese:
se uma reta u é perpendicular a uma reta w no ponto A e se uma reta v é oblı́qua
a w no ponto B, então as perpendiculares traçadas a partir de pontos de u à reta v
são menores que AB no lado em que v faz um ângulo agudo com w e maiores que
AB no lado em que v faz um ângulo obtuso com w.
A hipótese se al-Tusi também era equivalente ao postulado das paralelas.

AUl a 4: O período medie va l 73


4.3 A Europa na Idade Média

4.3.1 Introdução
Os textos de história classificam como Idade Média o perı́odo que se iniciou com
a queda de Roma em 476 d.C., marcada pela deposição do último imperador do
Império Romano do Ocidente, Rômulo Augusto, e que terminou em 1453, com a
conquista de Constantinopla (atual Istambul) pelos otomanos, significando o fim do
Império Bizantino. Esse perı́odo é caracterizado de forma simplista como “idade
das trevas”, algo sem dúvida motivado por uma visão eurocêntrica da história. A
matemática, assim como a atividade cientı́fica em geral, esteve em plena atividade no
mundo árabe, com importantes avanços em relação à herança clássica, fato também
verdadeiro para a China e a Índia.
Mesmo a visão de que, durante a Idade Média, o Ocidente estivesse totalmente
imerso em obscurantismo e ignorância deve ser considerada com reservas. Em pri-
meiro lugar, o Império Bizantino desempenhou o papel de continuação natural do
Império Romano. Resultado da divisão do Império Romano, no ano de 395, em uma
porção ocidental e em outra oriental, o Império Bizantino possuı́a uma população
predominantemente cristã e sua lı́ngua principal era o grego. Nele, alguma ativi-
dade matemática sobreviveu, em nı́vel elementar, consistindo sobretudo de estudos
e comentários sobre textos clássicos. Essa atividade intelectual, ainda que limitada,
teve uma importante função na preservação do conhecimento clássico.
A Europa ocidental, ou seja, os territórios que compunham o antigo Império
Romano do Ocidente, viveu nos primeiros séculos da Idade Média um ambiente de
decadência econômica, desordem e fragmentação polı́tica. Esse perı́odo foi, de fato,
pouco fecundo para a atividade cientı́fica em geral. Alguma vida intelectual restou
nos mosteiros em algumas regiões periféricas, como na Catalunha, na Irlanda e na
Itália. Por outro lado, a doutrina cristã colocou o divino, o pecado e o inferno
no centro das preocupações e interesses. O homem medieval, incapaz de conhecer o
universo por meio de suas faculdades racionais, foi desestimulado a exercer atividades
de observação da natureza e de pensamento cientı́fico.

4.3.2 Séculos XI a XIII


Um primeiro passo para a mudança do panorama cientı́fico europeu na Idade
Média foi dado pelo francês Gerberto de Aurillac (c. 946-1003), que se tornou Papa
com o nome de Silvestre II em 999. Gerberto se interessava por questões educa-
cionais e escreveu textos sobre o quadrivium (aritmética, geometria, astronomia e
música). O futuro Papa teve um papel fundamental na redescoberta do estudo da
matemática nas escolas catedrais europeias — escolas ligadas às igrejas, que ori-
ginalmente tinham a função de formar o clero. Gerberto foi o primeiro ocidental
a empregar os algarismos indo-arábicos no ensino, mas ainda sem fazer o uso do
zero. Foi ainda responsável por reintroduzir o uso do ábaco na Europa, em desuso

74 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


desde a queda do Império Romano. Também é atribuı́da a Gerberto a introdução
na Europa do astrolábio — instrumento inventado pelos gregos e aperfeiçoado pelos
árabes, usado para encontrar a posição geográfica e calcular o tempo a partir da
posição dos astros.

Figura 4.4: Papa Silvestre II e o demônio — Fonte: Cod. Pal. germ. 137,
Folio 216v Martinus Oppaviensis, Chronicon pontificum et imperatorum, c. 1460.

Gerberto tornou-se admirador da matemática e da astronomia árabes quando,


entre 967 e 969, esteve na Espanha e entrou em contato com o sistema de ensino
árabe. Não se sabe ao certo se Gerberto de fato esteve na parte moura da Espanha,
sendo mais provável que tenha visitado apenas a Catalunha cristã, região com fortes
conexões com o mundo islâmico.
A introdução dos algarismos arábicos na Europa cristã encontrou, a princı́pio,
forte resistência. Foram boicotados por muitos calculadores medievais, que os trata-
vam por “signos diabólicos desses cúmplices de Satanás que são os árabes”. Herdeira
da tradição romana, a Igreja Católica não aceitava a superioridade de elementos vin-
dos de outra cultura. Por suas ligações com a cultura e a ciência árabes, Gerberto
seria inclusive acusado de ter estudado magia e astrologia nas cidades árabes, o que
alimentou a lenda de que ele fosse um feiticeiro pactuado com o demônio.

AUl a 4: O período medie va l 75


Os séculos XI e XII foram marcados por um redespertar da Europa. Apesar de
ainda majoritariamente feudal, a Europa viveu um perı́odo de crescimento popula-
cional e de urbanização, ao mesmo tempo em que assistiu a um processo de cres-
cimento e sofisticação das atividades econômicas, com a intensificação do comércio,
o aumento da circulação monetária e o inı́cio de atividades industriais. A igreja
ergueu grandes catedrais, abriu escolas e os monastérios se tornaram ativos centros
de cultura. O latim se tornou a lı́ngua dos eruditos, para em breve assumir o papel
de lı́ngua franca da ciência.
Nesse mesmo perı́odo, começou a mudar o panorama da ciência na Europa oci-
dental. As Cruzadas (1095-1291), sequência de expedições militares convocadas pelo
Papa com o fim de retomar o controle cristão sobre Jerusalém e a Terra Santa, co-
locaram em choque a Europa cristã e o mundo islâmico. Contudo, permitiram uma
maior interação do Ocidente com o universo islâmico. Sábios europeus, como o inglês
Adelardo de Bath (c. 1080-1152), usaram as bases estabelecidas pelos cruzados no
Oriente Próximo para travar contato com a cultura e a ciência árabes. Adelardo, a
saber, foi o responsável pela primeira tradução completa dos Elementos de Euclides
para o latim.
Uma série de traduções de obras, sobretudo do árabe — mas também do he-
breu e do grego — para o latim, fez o século XII ser conhecido como o “século das
traduções”. O contato com os árabes foi mais intenso em três regiões, que serviram
de ponte entre a Europa cristã e o mundo islâmico: em primeiro lugar a Espanha,
seguida pela Sicı́lia e pelo Império Bizantino. Em Toledo, cidade espanhola durante
séculos dominada pelos árabes que no século XI voltou ao domı́nio cristão, funcionou
uma verdadeira escola de tradução, que se valeu de suas bibliotecas ricas em manus-
critos árabes e de uma população versada no idioma árabe. As traduções, muitas
vezes, eram feitas em duas etapas, envolvendo pelo menos dois tradutores: em um
primeiro momento, a obra era traduzida do árabe para a lı́ngua vulgar para, em
seguida, ser traduzida para o latim. Um dos mais conhecidos e prolı́ficos tradutores
que trabalharam em Toledo foi Gerardo de Cremona (c. 1114-1187). São conhe-
cidas mais de 80 obras por ele traduzidas, de filósofos, matemáticos e astrônomos,
tanto clássicos quanto árabes. Seu trabalho foi de importância fundamental para a
evolução subsequente da ciência.
Os séculos XII e XIII assistiram à fundação das primeiras universidades: Bo-
lonha (1088), Oxford (1096), Salamanca (1134), Paris (1150), Cambridge (1209),
Montpellier (1220) e Pádova (1222), entre outras. A palavra “universidade” provém
do latim universitas magistrorum et scholarium, que significa explicitamente “co-
munidade de professores e estudiosos”, tendo sido introduzida pela Universidade de
Bolonha, considerada a primeira universidade.
A fundação das universidades foi uma das marcas da decadência do feudalismo
e do desenvolvimento urbano na Europa Medieval. Elas se beneficiavam de ga-
rantias que as isentavam do controle de autoridades locais e propiciavam liberdade
acadêmica. Eram compostas de faculdades especializadas: teologia, direito, medi-
cina e artes. Esta última se ocupava de todas as outras ciências. Em primeiro lugar,
eram ensinadas as artes do trivium: gramática, lógica e retórica, disciplinas que

76 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


abordavam sobretudo habilidades da escrita e da fala. Essas eram seguidas pelas
quatro artes matemáticas do quadrivium: aritmética, geometria, música e astrono-
mia. As formações do quadrivium eram consideradas muito mais complexas e difı́ceis
do que as do trivium. Segue daı́ a origem da palavra “trivial”, que desde os tempos
do Renascimento é empregada com o significado de simples ou ordinário (comum).
Várias das primeiras universidades nasceram sob os auspı́cios da igreja e muitas
delas resultaram da evolução de escolas catedrais. Nos primeiros anos, as universi-
dades foram dominadas por ordens monásticas, que não respondiam às autoridades
eclesiásticas locais, mas apenas à autoridade papal. Seus membros podiam transitar
de uma universidade a outra, sem considerações de fronteira. Foram dominadas
pelo chamado “pensamento escolástico”, que procurava sistematizar os objetos da
fé cristã através de princı́pios e instrumentos racionais. Como resultado, a obra
de Aristóteles foi difundida e o pensamento aristotélico passou a ser corrente nas
faculdades de artes, estimulando uma renovação nas ciências e criando um ambiente
onde a racionalidade dominava o misticismo. Em seus primeiros anos, as univer-
sidades tiveram resultados muito limitados no que diz respeito ao desenvolvimento
cientı́fico. No entanto, o nascimento dessas instituições foi um marco na história das
ciências pois, com poucos séculos de vida, elas passariam a ser o principal palco da
atividade cientı́fica europeia.

4.3.3 Leonardo de Pisa, o Fibonacci


Se o século XII foi marcado pelas grandes traduções, no século XIII houve uma
retomada da criação matemática em solo europeu. Leonardo de Pisa (c. 1170-1250),
também conhecido como Fibonacci, é considerado o mais importante matemático da
Europa Medieval. Pisa, no tempo de Leonardo, era uma importante cidade mercantil
de onde partiam rotas comerciais para as cidades árabes conquistadas pelos cruzados.
Filho de um comerciante, Fibonacci, quando jovem, passou uma temporada na
Argélia, onde aprendeu o idioma árabe e estudou aritmética, ganhando o gosto pelo
estudo da matemática. Viajou pelo mundo árabe como mercador e aproveitou para
estudar matemática. Assim, Fibonacci entrou em contato com a álgebra árabe e
com o sistema de numeração indo-arábico, tendo sido fortemente influenciado pelos
trabalhos de al-Khwarizmi e de Abu Kamil. De volta a Pisa, em 1202, escreveu o
Liber Abaci (Livro do Ábaco ou Livro de Cálculo), uma enciclopédia matemática
que, em conjunto com sua Practica Geometrica de 1220 — que trata de aplicações
da álgebra para a solução de problemas de geometria e trigonometria —, forneceu
material para que os estudiosos italianos do século XIII tomassem contato com a
matemática árabe e grega, preparando o terreno para os progressos que a álgebra
italiana teria no perı́odo renascentista, dois séculos mais tarde.
O Liber Abaci teve grande importância na introdução do sistema de numeração
indo-arábico no continente europeu. Fibonacci descreveu esse sistema, com seus
nove sı́mbolos e o zero, mostrando seu valor prático com aplicações à matemática
comercial, conversões de pesos e medidas, cálculos de taxas de juros e de câmbio,

AUl a 4: O período medie va l 77


dentre outras. A palavra “zero” foi através dele introduzida nos idiomas europeus
modernos em sua forma zephyrum, versão latina para a palavra árabe sifr, que
também está na raiz do vocábulo “cifra”. O quadro seguinte apresenta um trecho,
contido no Liber abaci, da explicação de Fibonacci para a multiplicação no sistema
árabe:

“Se você quiser multiplicar quaisquer números de dois lugares não tendo unida-
des neles no primeiro lugar, como em 10 ou 40 ou 90, em cujo lugar o zephyrum
é sempre necessário, então será feito assim: você escreve o número como eu disse
acima (um número abaixo do outro) e o segundo lugar é multiplicado pelo se-
gundo e os dois zephyra são colocados antes do produto, e assim nós teremos
o produto de quaisquer tais multiplicações. Se você busca a multiplicação de
70 por 70, então ambos os 70 são escritos na maneira dada acima e a figura 7
que está no segundo lugar no número superior é multiplicada pelo 7 no infe-
rior; haverá 49, antes do qual os dois zephyra são colocados, nomeadamente para
aqueles que estão antes de cada 7; 4900 é feito, que é o produto da multiplicação
procurada.”

Fibonacci é hoje, no entanto, mais conhecido pela chamada sequência de Fibo-


nacci, apresentada no Liber Abaci como resposta para um problema envolvendo o
crescimento de uma população de coelhos.

Uma população de coelhos cresce de acordo com o seguinte modelo:

• no primeiro mês há apenas um casal de coelhos;


• os casais se reproduzem apenas no segundo mês de vida;
• todo mês, cada casal com pelo menos dois meses de vida tem um casal de
filhos;
• os coelhos nunca morrem.

Assim, se fn é o número de casais no inı́cio mês n, obtemos, de maneira recursiva,



1 se n = 1, 2
fn =
fn−1 + fn−2 se n > 2
Os primeiros números dessa sequência são 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13,... e seus termos
têm diversas propriedades interessantes. Por exemplo, dois termos consecutivos
são sempre
√ relativamente primos e o limite limn→∞ fn−1 /fn é a razão áurea
Φ = (1 + 5)/2.

78 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


4.4 Exercı́cios
1. Considere a parábola y = x2 . Produza um sólido pela revolução em torno do
eixo x da região compreendida pela parábola, pelo eixo x, por x = 0 e x = 1.
1
Mostre que o volume desse sólido é determinado a partir da integral 0 x4 dx.
Esse cálculo foi feito por Alhazen, sem dispor ainda da noção de integral.

2. A fórmula de Alhazen para a soma das quartas potências dos n primeiros


números naturais é
n
 1 1 1 1
k 4 = 14 + 24 + · · · + n4 = n5 + n4 + n3 − n.
k=1
5 4 3 30
1
Use essa fórmula para calcular 0 x4 dx através de somas de Riemann (ou
seja, divida o intervalo [0, 1] em n subintervalos iguais e construa retângulos
inscritos à curva y = x4 com base em cada um dos subintervalos. Calcule a
área da poligonal formada por esses retângulos e, em seguida, faça n → ∞).

3. Demonstre a seguinte relação trigonométrica:

sen 3θ = 3sen θ − 4sen3 θ.

Note que, conhecido a = sen 3θ, fazendo x = sen θ, temos a equação de grau
três
a = 3x − 4x3 .
Encontrar raı́zes dessa equação equivale, portanto, ao problema clássico de
trissecção do ângulo. Equações cúbicas dessa natureza foram estudadas por
Omar Khayyam e por al-Kashi.

4. Usando o exercı́cio anterior e o método iterativo de solução da equação cúbica


de al-Kashi, calcule sen 1o sabendo que sen 3o = 0, 0523.

5. Partindo das propriedades de congruência de triângulos (que não dependem do


postulado das paralelas), demonstre que os ângulos superiores do quadrilátero
de Saccheri são iguais.

6. A propriedade de que a soma dos ângulos internos de um triângulo vale 180o


é equivalente ao postulado das paralelas.
(a) Mostre que a hipótese de Alhazen — se três ângulos de um quadrilátero
são retos, então o quarto ângulo também o é — implica na propriedade da
soma dos ângulos do triângulo.
(b) Mostre que a hipótese do ângulo reto no quadrilátero de Saccheri — ou seja,
seus ângulos superiores são ambos retos — também implica na propriedade da
soma dos ângulos do triângulo.

AUl a 4: O período medie va l 79


7. Escreva, em linguagem moderna (e de forma mais sucinta), a explicação de
Fibonacci para a multiplicação de dois números dada no quadro da página 76.

8. A razão áurea é o número racional Φ > 0 definido da seguinte maneira: dois


números a e b estão em razão áurea se
a+b a
= =Φ
a b
Mostre que Φ é a raiz positiva da equação x2 − x − 1 = 0. Calcule essa raiz.

80 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


5 Do Renascimento
europeu ao Cálculo
AULA 5: DO RENASCIMENTO EUROPEU AO
CÁLCULO

OBJETIVOS
Ao terminar a leitura desse capı́tulo, o leitor deverá ser capaz de:
1. Compreender a mudança do panorama cientı́fico na Europa renascentista.
2. Entender a evolução da álgebra e do simbolismo algébrico no Renascimento.
3. Entender as contribuições matemáticas que levaram ao desenvolvimento da teoria
do cálculo diferencial e integral.

5.1 O Renascimento
No final da Idade Média, a Europa viveu um perı́odo de problemas: a Guerra
dos Cem Anos (1337-1453) — série de conflitos militares entre França e Inglaterra
—, a Grande Peste (1348-1352) — pandemia de peste bubônica que em cinco anos
dizimou entre 30 e 50 por cento da população europeia —, além de vários perı́odos
sucessivos de colheitas ruins que disseminaram a fome. Foi uma era de decadência
econômica, em que o misticismo ganhou espaço, resultando em um ambiente pouco
fecundo para a criação humana e, em particular, para a produção cientı́fica.
Esse panorama sofreu uma mudança significativa no decorrer do século XV. No
perı́odo que ficou conhecido como Renascimento, a Europa vivenciou um redespertar
das atividades criativas, assistindo ao florescimento de diversas áreas, entre as quais
a literatura, a arte e a ciência. O conhecimento clássico, revalorizado e revigorado,
passou a ser um instrumento no questionamento dos padrões de autoridade vigen-
tes. Uma marca do Renascimento foi a crença no potencial do homem: habilidades
e faculdades humanas poderiam ser usadas para explorar os segredos do universo.
O homem renascentista era capaz de estender seu domı́nio e controle sobre o mundo
em que vivia. Contrastava com o homem medieval, um ser impotente diante da
Providência divina. O ambiente criativo surgido no Renascimento, aliado ao desen-
volvimento da técnica e à acumulação do saber empı́rico, lançou novos desafios e
problemas a serem trabalhados pela ciência.
A Itália, berço do Renascimento, foi palco de um forte progresso econômico fun-
dado na intensa atividade mercantil de suas cidades, com destaque para Veneza.
Através das rotas comerciais com o Oriente, aportaram na Europa, além de merca-
dorias, conhecimentos e ideias. Com a queda de Constantinopla em 1453, muitos
sábios bizantinos se refugiaram no Ocidente, trazendo na bagagem versões gregas
de textos antigos que proporcionaram uma reavaliação das traduções existentes na
Europa.
A invenção da prensa de tipos móveis pelo alemão Johannes Gutemberg (1398-
1468) em 1434 criou a tecnologia para a produção em série de livros, evolução técnica
que deu um impulso inédito à divulgação do conhecimento. Já no final no século

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 83


Figura 5.1: Rombicuboctaedro, desenho de Leonardo da Vinci,
publicado na obra Divina Proportione, de Luca Pacioli, 1509.

XV, as oficinas de impressão de Veneza produziam mais livros que todos os copistas
da Europa juntos. Porém, os livros permaneceram ainda raros e caros, distantes
de serem artigos de acesso massificado. Os textos cientı́ficos, de leitura acessı́vel
a poucos, não estiveram dentre os primeiros livros impressos. Apenas em 1482 foi
impressa uma edição de uma tradução latina dos Elementos de Euclides. Trabalhos
de Arquimedes e de Apolônio ganharam edições impressas somente no século XVI.
A autoridade da Igreja Católica, principal núcleo de poder no perı́odo medieval,
foi questionada de forma frontal no movimento conhecido como Reforma Protes-
tante. Seu inı́cio se situa no século XVI, quando o padre alemão Martinho Lutero
(1483-1546) propôs uma reforma do catolicismo, contestando suas doutrinas, rituais
e sua estrutura eclesiástica, resultando na cisão do cristianismo com a criação das
igrejas protestantes. O movimento, iniciado na Alemanha, estendeu-se para outras
regiões da Europa, tais como a Suı́ça, a França, a Inglaterra, os Paı́ses Baixos e a Es-
candinávia. A princı́pio, configurou-se em um movimento de restauração religiosa,
ancorado nas tradições medievais e com pouca conexão com os ideais humanistas
do Renascimento. O Protestantismo, porém, instituiu novos valores em relação ao
trabalho e às conquistas materiais, limitando os assuntos de fé à esfera privada.
Ao privilegiar o julgamento individual em detrimento da autoridade religiosa, suas
ideias acabaram por exercer forte atração sobre sábios e cientistas.
Os pensadores renascentistas atuavam isoladamente, normalmente a serviço de
monarcas e mecenas. Ainda não existia algo parecido com uma comunidade ci-
entı́fica. Nas relações entre os sábios, a rivalidade sobrepunha à colaboração. As

84 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


universidades, muito conservadoras e dominadas pelo pensamento escolástico, não
funcionavam ainda como polos geradores e irradiadores do saber. O sábio que melhor
simboliza o perı́odo renascentista talvez tenha sido Leonardo da Vinci (1452-1519),
homem de múltiplos interesses, em domı́nios diversos da arte, da ciência e da tecno-
logia. Dono de imaginação e criatividade ilimitadas, além de um profundo espı́rito de
observação, Leonardo realizou experimentos de forma metódica e usou a expressão
artı́stica — sobretudo a pintura — em prol da descrição cientı́fica.

5.2 Novas ideias na astronomia


Um dos grandes marcos da Revolução Cientı́fica Renascentista foi a evolução das
concepções astronômicas clássicas na direção de modelos matematizados e apoiados
em verificações experimentais.
Ao final da Idade Média, eram plenamente aceitos os modelos cosmológicos gre-
gos que colocavam a Terra como centro do universo. Para Platão, a Terra era uma
esfera, estacionária, em torno da qual todos os planetas e estrelas giravam em esferas
ou cı́rculos. Em seu tempo, os corpos celestes conhecidos eram, em ordem crescente
de distância da Terra: Lua, Sol, Vênus, Mercúrio, Marte, Júpiter, Saturno e, por
fim, as estrelas fixas localizadas numa esfera celeste. Aristóteles elaborou um pouco
mais o modelo de Platão. Colocou os corpos celestes em 56 esferas celestes, formadas
por uma substância chamada éter, que se moviam em velocidades diferentes.
Ptolemeu sofisticou o sistema geocêntrico ao descrever a órbita de cada planeta
por um sistema de duas esferas, cujo efeito combinado fazia cada planeta parecer
mais próximo ou mais distante da Terra em pontos diferentes da sua órbita. O
sistema de Ptolemeu, bastante condizente com as observações astronômicas, encon-
trou importantes aplicações na navegação e no cálculo do tempo. Era, no entanto,
incapaz de descrever com precisão todos os fenômenos astronômicos observados.
O primeiro sábio renascentista a criticar os modelos astronômicos clássicos foi
o polonês Nicolau Copérnico (1473-1543). Em seu livro Sobre as Revoluções das
Esferas Celestes, Copérnico demonstrou a inexatidão do modelo ptolemaico e de-
fendeu a ideia de que a Terra girasse em torno do Sol. Cônego da Igreja Católica
e preocupado com as possı́veis repercussões de suas conclusões, Copérnico hesitou
por muito tempo em publicar seu trabalho, o que seria feito somente em 1543, ano
de sua morte. Na concepção de Copérnico, a Terra era um planeta como os outros,
possuindo movimentos de rotação em torno do Sol e em torno de seu eixo. O Sol
ocupava o lugar de centro de rotação das esferas que continham os corpos celestes.
Seu modelo, mesmo sem apresentar provas observacionais, uniformizou e sistemati-
zou os movimentos planetários, sempre circulares e uniformes, com os perı́odos de
revolução dos planetas aumentando em função da distância em relação ao Sol.
A visão de Copérnico a princı́pio não atraiu a atenção de estudiosos e muito
menos foi alvo de condenação por parte da Igreja. A concepção heliocêntrica geraria
polêmica apenas quando o teólogo, filósofo e frade dominicano italiano Giordano
Bruno (1548-1600) defendeu a tese do universo infinito, onde o Sol era apenas mais

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 85


Figura 5.2: Modelo do universo segundo Copérnico — Sobre as Revoluções das Esferas Celestes, 1543.

uma estrela dentre muitas outras e onde ainda haveria muitos outros planetas do-
tados de vida inteligente como a Terra. Acusado de heresia — mas não por suas
concepções acerca da astronomia —, Giordano Bruno seria condenado à fogueira
pela Inquisição.
Um novo capı́tulo na astronomia foi iniciado pelo astrônomo dinamarquês Tycho
Brahe (1546-1601). Em seu livro De Nova Stella (Sobre a Nova Estrela) de 1573, ele
refutou a teoria das esferas celestes, mostrando que o céu não era perfeito e imutável.
Tycho Brahe propôs um modelo astronômico em que combinou elementos dos sis-
temas de Copérnico e de Ptolemeu. Seu modelo era essencialmente geocêntrico, em
que a Terra ocupava o centro do universo, o Sol e a Lua giravam em torno da Terra,
enquanto os outros planetas giravam em torno do Sol. Tycho Brahe foi um im-
portante astrônomo observacional, responsável por extensas e precisas observações
astronômicas.
A formulação matemática que sedimentaria a teoria heliocêntrica como con-
cepção astronômica amplamente aceita foi proposta pelo alemão Johann Kepler
(1571-1630). De fé protestante, Kepler trabalhou para a corte do imperador Ro-
dolfo II em Praga. Inicialmente foi assistente de Ticho Brahe, assumindo, após a
morte deste, as funções de matemático e astrônomo da corte. O movimento dos
planetas foi descrito por Kepler através de três leis matemáticas simples estabele-
cidas de forma empı́rica a partir de observações astronômicas. Para seu trabalho,
as observações de Ticho Brahe foram essenciais, em especial aquelas sobre o movi-
mento de Marte. As primeiras duas leis de Kepler sobre o movimento dos planetas
foram publicadas em 1609 na obra Astronomia Nova. A primeira delas afirmava

86 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


que cada planeta descrevia uma obra elı́ptica em que um dos focos era ocupado pelo
Sol, enquanto a segunda dizia que uma reta unindo cada planeta ao Sol percorria
áreas iguais em tempos iguais. A terceira lei de Kepler, publicada 1619 na obra
Harmonices Mundi (A Harmonia do Mundo), dizia que para todos os planetas a
razão T 2 /a3 era constante, onde T é o perı́odo da órbita planetária e a é o valor do
semi-eixo maior da órbita do planeta.

Figura 5.3: Johannes Kepler,


retrato de 1610 de autor desconhecido
— Benediktinerkloster, Krems, Áustria.

A teoria heliocêntrica ganhou bases definitivas com as observações do astrônomo


italiano Galileu Galilei (1564-1642). Galileu fez melhorias técnicas no telescópio,
usado por ele para fazer observações astronômicas. Com base nelas identificou o
sistema de fases do planeta Vênus, algo incompatı́vel com o modelo geocêntrico de
Ptolemeu. Em 1633, Galileu foi citado em um tribunal de inquisição e obrigado,
sob tortura, a renegar suas doutrinas sobre o movimento da Terra. Deixou, no
entanto, uma contribuição marcante no método cientı́fico que o faz ser considerado
por muitos como o “pai” da ciência moderna. Galileu combinou de forma inovadora
experimentação e matemática, tendo sido o primeiro dos pensadores modernos a
afirmar que as leis da natureza são matemáticas. Em seu livro Il Sagiatore (O
Ensaiador), de 1623, afirmou:
A filosofia encontra-se escrita neste grande livro que continuamente se abre perante
nossos olhos, que não se pode compreender antes de entender a lı́ngua e conhecer
os caracteres com os quais está escrito. Ele está escrito em lı́ngua matemática, os
caracteres são triângulos, circunferências e outras figuras geométricas [...].
A evolução das ideias astronômicas promovida pelos sábios renascentistas teve
enormes consequências filosóficas. O modelo clássico de universo hierarquizado, onde

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 87


cada corpo tinha seu lugar natural, foi substituı́do por uma concepção de espaço ho-
mogêneo e infinito. O homem deixou de ocupar o centro imóvel do universo e a Terra
perdeu sua primazia para se transformar em um astro como os outros. Pela primeira
vez na história da ciência, um modelo teórico consagrado pela tradição e pela re-
ligião foi suplantado por uma formulação apoiada em verificações experimentais e
em suas vantagens matemáticas.

5.3 Matemática e arte: a perspectiva


Os artistas renascentistas criaram a noção de perspectiva na arte: a técnica da
representação de objetos tridimensionais no plano em consonância com a percepção
óptica desses objetos. Ela contrapôs à representação puramente simbólica ou deco-
rativa, presente na pintura medieval. Para os artistas renascentistas, o quadro era
uma “janela”, que funcionava como uma seção transparente do cone visual, formado
pelo conjunto de raios luminosos que, partindo do objeto retratado, convergem para
o olho do expectador. As leis da perspectiva são baseadas na existência de um
“ponto de fuga”, que pode ou não estar dentro da imagem retratada. Para o ponto
de fuga convergem retas, de forma que os objetos parecem menores à medida que se
aproximam dele.
O nome óptica tem origem grega e foi retomado pelos renascentistas para se
referir à ciência que trata da natureza e do comportamento da luz. Euclides havia
escrito sua Óptica, um livro estruturado de forma semelhante aos seus Elementos de
Geometria, com resultados de natureza puramente geométrica, sem considerações
sobre a natureza fı́sica da luz. Já a palavra de origem latina perspectiva era o nome
usado na Idade Média para a ciência da visão, que tratava não apenas do compor-
tamento da luz, mas também de questões tais como a anatomia e o funcionamento
do olho humano.
Tentativas de representação em perspectiva já eram feitas na arte pré-renascen-
tista. O pintor florentino Giotto di Bondone (c. 1266-1337), conhecido simplesmente
por Giotto, possuı́a técnicas de representação em perspectiva que, embora em desa-
cordo com o método geométrico moderno, produziam uma ilusão de profundidade.
Seu trabalho representou um importante avanço na arte ocidental.
O primeiro conjunto de regras matemáticas para a obtenção da perspectiva cor-
reta foi criada em torno de 1413 por Filippo Brunelleschi (1377-1446), arquiteto
famoso por projetar e construir a gigantesca cúpula da catedral de Florença. Bru-
nelleschi buscou regras para produzir a “perspectiva artificial”, ou seja, o conjunto
de procedimentos capazes de fazer o olho humano enxergar as proporções da forma
imaginada pelo criador da obra. O olho humano, por sua vez, estaria sujeito às
regras da “perspectiva natural”, ou seja, as leis matemática que regem a visão.
O pioneirismo na aplicação da perspectiva à pintura foi do genovês Leon Battista
Alberti (1404-1472), artista, arquiteto e filósofo. Alberti era versado em ciências e
enxergava a matemática como um campo comum para as artes e as ciências. Seus
conhecimentos em óptica eram ligados à tradição inaugurada pelo matemático árabe

88 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 5.4: A Flagelação, de Piero della Francesca, c.1455-1460.
Pintura onde as técnicas de perspectiva são empregadas — Palazzo Ducale, Urbino, Italia.

Figura 5.5: O Massacre dos Inocentes, de Giotto, 1304-1306.


Pintura anterior ao desenvolvimento da técnica da perspectiva geométrica
— Capela Scrovegni, Pádova, Italia.

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 89


Alhazen em seu Tratado de Óptica. Em seu Tratatto della Pittura (Tratado sobre
a Pintura), de 1435, Alberti estabeleceu os princı́pios matemáticos da perspectiva
para aplicação em pinturas bidimensionais. Esta obra teve forte influência sobre os
artistas de sua época.
Piero della Francesca (c. 1415-1492), um dos grandes pintores italianos do século
XV, explorou em sua obra a geometria e a perspectiva. Além de artista, foi um
matemático reputado em seu tempo, tendo estudado as bases teóricas da perspectiva.
Sua obra De Prospectiva Pingendi (Sobre a Perspectiva na Pintura), escrita na
década de 1470, propôs avanços em relação ao trabalho de Alberti. Enquanto Alberti
se limitou à perspectiva em figuras planas, della Francesca estudou figuras sólidas.
Della Francesca foi o primeiro artista a produzir desenhos dos sólidos platônicos em
perspectiva correta.

5.4 A álgebra renascentista

5.4.1 Luca Pacioli


A Renascença, em quase todos os campos do conhecimento, caracterizou-se pela
retomada da tradição clássica grega. No entanto, a matemática no perı́odo renascen-
tista foi marcada pelo desenvolvimento da álgebra, representando uma continuidade
com respeito à tradição medieval árabe e europeia.
O frade franciscano Luca Pacioli (1445-1514) nasceu na cidade de Borgo San
Sepolcro, na Toscana, também cidade natal de Piero della Francesca, de quem
foi discı́pulo e amigo. Pacioli, que foi professor de matemática e colaborador de
Leonardo da Vinci, publicou em 1494 o livro Summa de Arithmetica, Geometria,
Proporzioni di Proporzionalita (Compêndio de Aritmética, Geometria, Proporções e
Proporcionalidade), escrito em idioma vernacular. A obra abordava quatro assuntos:
aritmética, álgebra, geometria euclidiana elementar e contabilidade. O livro, sı́ntese
de boa parte do conhecimento matemático de então, foi o primeiro livro impresso
a tratar de álgebra, retomando a classificação das equações de segundo grau dos
árabes. No que diz respeito à contabilidade, introduziu o chamado método das par-
tidas dobradas, também conhecido como método veneziano. Esse é o sistema padrão
usado em empresas e outras organizações para registrar transações financeiras, em
que todos os movimentos são lançados em pelo menos duas contas, com o total de
débitos devendo se igualar ao total de créditos. A contribuição de Pacioli veio a aten-
der algumas necessidades de técnicas aritméticas surgidas com o desenvolvimento
do sistema bancário nas cidades mercantis italianas.
Na obra De divina proportione (Sobre as proporções divinas), publicada em Ve-
neza en 1509, Pacioli discorreu sobre proporções matemáticas e artı́sticas, sobretudo
sobre a matemática da razão áurea e suas aplicações à arquitetura. No livro, há ilus-
trações dos sólidos platônicos desenhadas por Leonardo da Vinci. O terceiro volume
do livro de Pacioli era uma tradução para o italiano, sem citar o autor original, da

90 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 5.6: Luca Pacioli, em pintura de 1495, de autor desconhecido,
primeiro retrato autêntico de um matemático — Museo di Capodimonte, Nápoles, Itália.

obra Sobre os Cinco Sólidos Regulares, de Piero della Francesca, escrita original-
mente em latim.

5.4.2 Die Coss


O interesse pelo estudo da matemática no perı́odo renascentista, em especial da
álgebra, não ficou restrito à Itália, mas também foi despertado em outros pontos
do continente europeu. Na Alemanha, vários livros de álgebra foram editados. A
palavra germânica Coss, ou coisa, passou a ser usada para designar variável, seguindo
o termo usado pelos árabes, que significava raiz ou coisa. Essa mesma palavra
passou a ser usada para nomear a escola de algebristas alemães, que ficou sendo
conhecida como Die Coss. Seu principal nome foi Michael Stifel (1487-1567), monge
e matemático, que se converteu em pregador luterano itinerante e trabalhou na
Universidade de Jena. Os algebristas alemães realizaram um importante trabalho
no sentido de prover uma notação simples e eficiente. As notações germânicas,
hoje universalmente empregadas + e −, substituı́ram gradualmente as√italianas p e
m para a adição e a subtração. Os alemães √ introduziram o sı́mbolo
√ n para raiz
quadrada de n. Essa notação evoluiu para z n e, mais tarde, para n, formato que
conhecemos hoje. Os algebristas alemães usavam uma letra para a variável e, para
representar potências da variável, repetiam a letra tantas vezes quanto necessário.
Assim, se A denotasse a variável x, AA seria usada para denotar x2 e AAA para
denotar x3 .

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 91


5.4.3 Cardano e a solução de equações cúbicas
Gerolamo Cardano (1501-1576) foi um médico e matemático italiano de grande
reputação e espı́rito universalista. Professor em Bolonha e em Milão, Cardano foi o
mais importante algebrista de sua época. Envolveu-se em uma das mais interessantes
histórias de rivalidade da matemática com Nicollo Fontana (c. 1499-1557), conhecido
como Tartaglia. Em 1535, Tartaglia venceu um desafio público envolvendo a solução
de equações cúbicas dos tipos
x3 + px2 = q e x3 + px = q.
Tartaglia revelou seu método de solução de equações cúbicas a Cardano sob o jura-
mento de que este guardasse segredo. No entanto, em 1545, com a publicação do seu
livro Artis Magnae Sive de Regulis Algebraicis (Livro Número Um sobre a Grande
Arte ou as Regras da Álgebra), Cardano tornou público o método de resolução
de Tartaglia, gerando a ira do mesmo. Aparentemente, Cardano decidiu divulgar
a solução de Tartaglia após tomar conhecimento de trabalhos não publicados de
Scipione del Ferro (c. 1465-1526), com data anterior à solução de Tartaglia.
Em seu Ars Magna, Cardano tratou de forma distinta vários tipos de equações
de terceiro grau. Assim como acontecia com os algebristas árabes, os coeficientes
negativos não eram admitidos, sendo que termos de graus distintos podiam aparecer
dos dois lados da equação. Em analogia ao método geométrico de Al-Khwarismi
para equações quadráticas, que se baseava em “completar o quadrado”, o método
de Cardano, também geométrico, seria algo como “completar o cubo”. Cardano
tomava como representante de uma categoria geral alguma equação com coeficientes
numéricos especı́ficos. Por exemplo, um problema da forma “o cubo e seis vezes o
lado igual a 20”, ou seja, a equação x3 + 6x = 20, apresentava o método que se
aplicava a todas as equações do tipo x3 + px = q. As soluções, apresentadas em
forma retórica, eram longas, resultando em um método de solução que recaı́a na
fórmula conhecida nos dias de hoje no seguinte formato:
 
3 3
x= 3 2
(p/3) + (q/2) + q/2 − (p/3)3 + (q/2)2 − q/2.
Ao resolver equações do tipo “cubo igual a coisa e número”, tratadas através do
exemplo x3 = 15x + 4, Cardano chegou ao resultado
 
3 √ 3 √
x = 2 + −121 + 2 − −121.
Cardano não foi capaz de dar uma explicação, pois, se por um lado sabia não existir
raiz quadrada de números negativos, por outro podia verificar, por inspeção direta,
que x = 4 era uma solução para a equação. Os números complexos fizeram assim
sua aparição na matemática. Foram chamados por Cardano de “números sofistas”
e tratados como “sutis e inúteis”.
Em seu trabalho, Cardano mostrou como eliminar o termo em xn−1 de uma
equação de grau n, usando uma translação do tipo y = x + h. Observou ainda que

92 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


as equações de grau três podem possuir até três raı́zes e as de grau quatro, até quatro
raı́zes. Cardano mostrou ainda como resolver equações de grau quatro reduzindo-as
ao grau três, método que ele atribuiu a seu discı́pulo Ludovico Ferrari (1522-1565).

Cardano denota a igualdade


√ √
(5 + 15) · (5 − 15) = 25 − (−15) = 40

por
5p : Rm : 15
5m : Rm :15
25m : m : 15qd est 40.

Após terem surgido no trabalho de Cardano, as raı́zes quadradas de números


negativos seriam definitivamente incorporadas à álgebra com o trabalho de Rafel
Bombelli (1526-1572), último grande algebrista do Renascimento italiano. Admira-
dor de Cardano, Bombelli escreveu um tratado de álgebra que, além de contribuir
para um formulação mais abstrata e teórica dessa disciplina, teve o mérito de di-
vulgar os problemas de Diofanto no Ocidente. Retomando o problema da solução
de equações cúbicas, Bombelli buscou compreender o aparecimento de soluções en-
volvendo raı́zes quadradas de números negativos.
√ Passou a designar esses √ objetos
por piu de meno e meno di meno, denotando + −10 por p.d.m. 10 e − −10 por
m.d.m. 10. Para Bombelli, as raı́zes das equações eram expressas como somas de
números positivos modificados por um dos quatro sı́mbolos: piu, meno, piu di meno
e meno di meno, correspondendo, em linguagem moderna, a +, −, +i e −i. Propôs
ainda regras de multiplicação desses 4 elementos. Por exemplo, piu di meno via
meno di meno fa piu, o que significa (+i)(−i) = +1.

5.4.4 François Viète e o simbolismo algébrico


O passo decisivo para que a notação algébrica avançasse na direção do que conhe-
cemos hoje foi dada pelo francês François Viète (1540-1603), matemático e advogado,
mais conhecido em seu tempo por ter sido conselheiro particular do rei Henrique IV.
De intensa carreira polı́tica, dedicou pouco tempo a sua obra cientı́fica. Viète passou
a designar por letras não somente as variáveis e as potências das variáveis, o que já
era feito em sua época, mas também os coeficientes das variáveis. Com essas letras
ele formou expressões algébricas, com as quais podia operar de acordo com as regras
já conhecidas na álgebra do seu tempo. Viète empregou vogais A, E, I, O, U para
as variáveis desconhecidas e consoantes B, C, D, . . . para as variáveis conhecidas, ou
seja para os coeficientes da equação. Para o quadrado da variável A, empregava a
notação A quadratus, enquanto o cubo da mesma variável era denotado por A cu-
bus. A multiplicação era indicada pela palavra in e a igualdade por uma abreviatura
de aequalis. Viète realizou importantes progressos no cálculo algébrico e em suas
aplicações. No entanto, sua contribuição mais significativa talvez tenha sido a de

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 93


libertar a álgebra de casos particulares, permitindo que esta se tornasse o estudo
de tipos gerais de expressões e de equações. Com isso, seu trabalho simplificou a
manipulação de expressões e criou condições para uma maior atenção à estrutura
de cada problema.

5.5 Desargues e a geometria projetiva


Leon Battista Alberti, ao estabelecer os princı́pios da técnica da perspectiva em
seu Tratatto della Pitura, propôs o seguinte problema:
Quais são as propriedades geométricas comuns a duas perspectivas da mesma figura?
O estudo geométrico visando dar uma resposta a essa questão foi empreendido
pelo arquiteto, engenheiro e matemático francês Girard Desargues (1591-1661), que
nasceu e viveu na cidade de Lion. Esse trabalho deu origem a uma subárea da
geometria conhecida como geometria projetiva. No tempo de Desargues, diversas
edições das Cônicas de Apolônio foram publicadas, surgindo um grande interesse
pelo estudo dessa obra. Desargues procurou dar à teoria de Apolônio contribuições
motivadas pela técnica artı́stica da perspectiva, ao mesmo tempo em que buscou
fornecer aos artistas, engenheiros e arquitetos uma formulação matemática mais
precisa para essa técnica.
Desargues partiu da definição de uma cônica como interseção de um cone de
base circular com um plano. Assim, uma cônica passou a ser interpretada como
a projeção, com centro no vértice do cone, do cı́rculo da base sobre o plano inci-
dente. Essa concepção projetiva permitiu substituir o estudo separado de cada tipo
de cônica (cı́rculo, elipse, hipérbole e parábola) por uma teoria geral. Desargues
introduziu, em cada reta, um ponto no infinito, seguindo a ideia de Alberti de trans-
formar retas paralelas em retas concorrentes. Esse ponto, onde se intercepta um
sistema de retas paralelas, corresponde ao “ponto de fuga” da perspectiva. Com
essa ideia, deixa de existir a noção de paralelismo e todas as retas contidas em um
plano passam a ter a mesma natureza no que diz respeito à incidência. A união de
todos os pontos no infinito forma uma reta, a reta no infinito.

O seguinte teorema é conhecido como Teorema de Desargues (veja Figura 5.7):


dois triângulos, no plano ou no espaço, têm os vértices dois a dois sobre retas
concorrentes se, e somente se, seus lados se encontram dois a dois em pontos que
estão sobre a mesma reta. Na figura abaixo, os dois triângulos ABC e A B  C 
são tais que as retas AA , BB  e CC  se interceptam no ponto P (ou seja, estão
em perspectiva central, sendo P o centro de perspectiva), o que equivale ao fato
de R, Q e S estarem sobre a mesma reta t (ou seja, estão em perspectiva axial,
sendo t o eixo de perspectiva).

94 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 5.7: O Teorema de Desargues.

5.6 Descartes e a geometria analı́tica


Um capı́tulo fundamental para a construção da matemática moderna foi escrito
por René Descartes (1596-1650), filósofo e matemático francês que viveu por duas
décadas na Holanda. Descartes foi uma figura central do racionalismo, corrente
filosófica que preconizava a busca da verdade por meios intelectuais e dedutivos
em contraposição aos meios sensoriais. Suas contribuições filosóficas e matemáticas
fizeram dele um dos pilares da Revolução Cientı́fica, que ganhou corpo no final do
Renascimento e estabeleceu as bases da ciência moderna.
Os fundamentos da filosofia da ciência de Descartes, segundo a qual tudo era
explicável em termos de matéria e movimento, estão em seu tratado filosófico mais
importante, o Discurso do Método para Bem Conduzir a Razão e Buscar a Verdade
nas Ciências, de 1637.
Se, por um lado, a filosofia de Descartes era inovadora e revolucionária para
sua época, por outro sua obra matemática inseriu-se na corrente evolutiva que teve
inı́cio com os algebristas árabes e prosseguiu com os matemáticos do Renascimento.
As bases da teoria hoje conhecida por geometria analı́tica foram lançadas em seu
trabalho matemático mais importante, A Geometria, de 1637. Esse texto nasceu
como um conjunto de três apêndices ao Discurso do Método e, a princı́pio, sua

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 95


Figura 5.8: Retrato René Descartes — Pintura de 1649, de Frans Hals, Museu do Louvre.

função era ilustrar o método filosófico de Descartes. A Geometria, que apenas mais
tarde ganhou existência como obra independente, era aberto com a seguinte frase:
Todos os problemas em geometria podem facilmente serem reduzidos a termos tais
que basta o conhecimento dos comprimentos de algumas retas para que sejam cons-
truı́dos.
A primeira seção de A Geometria era intitulada “Como o cálculo aritmético
se relaciona às operações de geometria”. De fato, a nova concepção de geometria
proposta por Descartes, muito mais do que a aplicação da álgebra à geometria,
buscava a tradução das operações aritméticas para a linguagem geométrica. O
seu método tinha dois objetivos centrais: libertar a geometria do uso de diagramas
através de procedimentos algébricos e dar significado às operações algébricas através
da interpretação geométrica.
Diante de um problema geométrico, Descartes o convertia em equações que eram
em seguida simplificadas por métodos algébricos, para finalmente serem resolvidas
geometricamente. A obra de Descarte representou um significativo avanço da álgebra
formal, tanto em termos de notação como de interpretação geométrica. A notação

96 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


sofreu grande evolução e assumiu um formato muito próximo do atual. Em A Ge-
ometria, as variáveis eram denotadas pelas últimas letras do alfabeto, enquanto as
letras iniciais do alfabeto eram reservadas para os parâmetros. Esse é o primeiro mo-
mento da história da matemática em que o leitor contemporâneo poderia identificar,
sem dificuldades, a notação empregada. Como exemplo, a expressão

y 3 −− byy −− cdy + bcd + dxy ∝ 0

representava uma equação nas variáveis x e y, com parâmetros b, c e d, que, na


notação moderna, se escreveria como

y 3 − by 2 − cdy + bcd + dxy = 0.

No trabalho de Descartes há uma significativa mudança de perspectiva em relação


à álgebra de seus predecessores. Descartes deixou de considerar quantidades da
forma x2 ou x3 como quadrados ou cubos geométricos, passando a considerar suas
grandezas como comprimentos de segmentos de reta. Tornou sua álgebra muito mais
flexı́vel ao abandonar o princı́pio da homogeneidade.
No entanto, há poucos elementos em A Geometria que possibilitem identificar
o que hoje conhecemos como geometria analı́tica. Descartes não trabalha siste-
maticamente com sistema de coordenadas retangulares, fórmulas para distâncias,
inclinações e ângulos de retas. Além do mais, o fato, central na geometria analı́tica,
de que equações em duas variáveis correspondem a lugares geométricos no plano,
aparece apenas quando estuda equações do tipo y 2 = ay − bxy + cx − dx2 , equação
geral de uma cônica passando pela origem.

5.7 Pierre de Fermat


Pierre de Fermat (1601-1665) foi um advogado e polı́tico francês que viveu na
cidade de Toulouse. Fermat tinha a matemática como um hobby e nunca atuou como
matemático profissional. Porém, foi um dos maiores gênios criativos da matemática
do seu tempo. Deixou contribuições significativas em diversas áreas, que o fazem
ser visto como um dos precursores da moderna teoria dos números e ainda como um
dos criadores da geometria analı́tica e do cálculo diferencial. Fermat não escreveu
obras completas, sendo que muitos dos seus trabalhos permaneceram manuscritos
em vida e ficaram conhecidos através de cartas a seus amigos e colaboradores.
Em seus estudos de aritmética, Fermat retomou o trabalho de Diofanto, cujas
obras, traduzidas para o latim, haviam despertado o interesse dos matemáticos
desde o Renascimento. Fermat, de posse de uma tradução latina da Aritmética de
Diofanto, fez anotações nas margens do livro que se tornariam célebres. Diofanto,
em seus problemas, considerava soluções racionais, enquanto Fermat restringiu o
universo de soluções possı́veis aos números inteiros. Seus interesses principais em
aritmética estavam nos números primos e nas propriedades de divisibilidade. Alguns
dos resultados propostos por ele seriam provados apenas por seus sucessores. Por
exemplo, o chamado Pequeno Teorema de Fermat, que afirma que

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 97


Se p é primo e a é um número não divisı́vel por p o número ap−1 − 1 é divisı́vel por
p.
A primeira demonstração desse resultado foi publicada por Leonhard Euler em 1741.
n
Fermat conjecturou ainda que os números da forma Fn = 22 +1 fossem todos primos.
Euler demonstrou que a conjectura falha para F5 = 232 + 1.
A mais célebre conjectura atribuı́da a Fermat ficaria conhecida como o Último
Teorema de Fermat:
Para n > 2, não existem números inteiros positivos x, y e z satisfazendo a identidade
xn + y n = z n .
Este resultado foi conjecturado por Fermat em uma anotação escrita na margem
da Aritmética de Diofanto. Fermat, usando um método indutivo, apresentou uma
demonstração do resultado para n = 4. Observou, contudo, que não havia espaço
para escrever a demonstração do caso geral. De fato, o Último Teorema de Fer-
mat se transformou em um dos problemas mais célebres da história da matemática,
atraindo a atenção de várias gerações de matemáticos e estimulando enormes de-
senvolvimentos na teoria dos números. Uma demonstração satisfatória foi obtida
apenas em 1995 pelo matemático inglês Andrew Wiles, usando métodos sofistica-
dos, o que faz crer aos historiadores da matemática que, de fato, uma demonstração
geral do resultado não estava ao alcance de Fermat.
Fermat se empenhou em reconstruir a obra Lugares Planos, de Apolônio, a partir
das referências contidas na Coleção de Pappus. Nesse trabalho, Fermat descobriu,
em 1636, o princı́pio fundamental da geometria analı́tica: uma equação envolvendo
duas variáveis descreve uma curva no plano. Fez essa constatação um ano antes
da publicação da Geometria de Descartes e, por essa razão, Fermat pode ser consi-
derado coinventor da geometria analı́tica. Fermat realizou estudos sobre equações
de retas e de cônicas e explorou esses assuntos em um pequeno tratado intitulado
Introdução aos Lugares Planos e Sólidos, publicado apenas após a sua morte. Sua
exposição era muito mais clara e sistemática que a de Descartes e seu método muito
mais próximo da visão moderna. Por exemplo, Fermat faz uso de um sistema de
eixos coordenados ortogonais. O uso de coordenadas representou uma evolução
histórica fundamental na matemática, tendo surgido em um contexto no qual as
técnicas algébricas desenvolvidas pelos matemáticos medievais e renascentistas fo-
ram aplicadas aos problemas geométricos clássicos.
Fermat produziu um outro tratado intitulado Método para Encontrar Máximos
e Mı́nimos. Fermat estudou curvas do tipo y = xn , onde n ∈ Z, hoje conhecidas
como “parábolas” ou “hipérboles de Fermat”, nos casos em que n é positivo ou
negativo, respectivamente. Para curvas polinomiais da forma y = f (x), produziu
um método para encontrar os pontos de máximo e de mı́nimo que o coloca como
um dos precursores do cálculo diferencial.

O método de Fermat para encontrar máximos e mı́nimos de uma função polino-


mial f (x) parte do pressuposto que, em um ponto de máximo ou de mı́nimo x, os

98 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


valores de f (x) e de f (x+e), para e pequeno, são próximos. Fermat então forçou
a igualdade f (x) = f (x + e), para em seguida, dividir o resultado por e e fazer
e = 0. Os pontos de máximo e de mı́nimo eram então calculados igualando-se a
zero a expressão obtida:

f (x + e) − f (x)
g(x) = |e=0 .
e
Essa expressão é, de fato, igual à derivada da função f (x), ou seja

f (x + e) − f (x)
g(x) = lim = f  (x).
e→0 e

Fermat também desenvolveu uma técnica para encontrar tangentes a uma curva
polinomial do tipo y = f (x). Não apresentou justificativas convincentes para
seu método, limitando-se a dizer que ele era similar àquele usado para encontrar
máximos e mı́nimos. Por isso, o procedimento de Fermat não ganhou aceitação
ampla pelos matemáticos de sua época.

O método de Fermat para calcular a tangente no ponto (a, f (a)) partia da ideia
que, para e pequeno, o ponto (a + e, f (a + e)) poderia ser considerado sobre a
reta tangente (veja Figura 5.9). Assim, se T é a intercessão da tangente com o
eixo x e d é a distância entre os pontos T e (a, 0), considerando semelhança de
triângulos, a seguinte proporção é encontrada:

f (a) f (a + e)
= .
d d+e
Essa relação era então manipulada, o resultado dividido por e para em seguida
fazer e = 0. A expressão encontrada permitia calcular valor de d. A inclinação
da reta tangente obtida, m = f (a)/d é exatamente o que conhecemos como
f  (a).

Fermat também obteve resultados a respeito de áreas sob curvas, produzindo
b
um método para calcular, na notação moderna, a xn dx, para n fracionário, com
n = 1. Generalizou um resultado de Bonaventura Cavalieri, outro dos precursores
do cálculo, sobre quem falaremos adiante.

5.8 Blaise Pascal

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 99


Figura 5.9: O método de Fermat para a reta tangente.

O francês Blaise Pascal (1623-1662), filho de um matemático, desde muito jovem


demonstrou um excepcional talento para a matemática. Tomou contato com as
ideias de Desargues e, aos 16 anos de idade, publicou um texto, de uma só página,
contendo um resultado hoje conhecido como Teorema de Pascal: os lados opostos
de um hexágono inscrito em uma cônica se interceptam em pontos colineares.
Pascal é considerado um dos fundadores da teoria de probabilidades. Trabalhou
nesse assunto motivado por problemas envolvendo jogos de dados. Nunca publi-
cou suas ideias, ficando elas registradas em correspondências com Pierre de Fermat.
Baseado nessas correspondências, o matemático holandês Christiaan Huygens (1626-
1695) escreveu em 1657 o texto Sobre o Raciocı́nio no Jogo de Dados, considerado
o primeiro livro sobre a teoria de probabilidades. Pascal estudou propriedades do
triângulo aritmético, hoje conhecido como triângulo de Pascal, formado pela dis-
posição em linhas e colunas dos coeficientes binomiais nk . Em seu Tratado sobre o
Triângulo Aritmético (1653) apresentou a primeira formulação explı́cita do princı́pio
de indução matemática.
Pascal foi um matemático brilhante. Porém, em 1654, aos trinta anos de idade,
abandonou sua produtiva vida cientı́fica em prol da teologia e da filosofia. Voltou
à matemática apenas nos anos de 1658 e 1659. Fez estudos sobre a cicloide (curva
descrita por um ponto sobre um cı́rculo que rola sobre uma reta). Encontrou áreas,
volumes e centros de gravidade. Em 1658, publicou o Tratado sobre os Senos do
Quadrante do Cı́rculo, em que desenvolveu estudos sobre a integração da função
seno. Esteve bem próximo de criar a teoria do cálculo, tanto que Gottfried Leibniz,
um dos criadores dessa teoria, reconheceu ter se inspirado nas ideias de Pascal.

5.9 O princı́pio de Cavalieri

100 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


O milanês Bonaventura Cavalieri (1598-1647), discı́pulo de Galileu, foi professor
de matemática em Bolonha e desenvolveu um método para operar com indivisı́veis
no cálculo de áreas e volumes. Este assunto foi tema de seu influente livro Geometria
Indivisibilibus Continuorum Nova Quadam Ratione Promota (Geometria desenvol-
vida por um novo método através dos indivisı́veis do contı́nuo), publicado em 1635.
Mesmo sem possuir uma definição formal de indivisı́vel, Cavalieri caracterizou os
elementos infinitesimais nos quais se decompõem regiões planas e sólidos. Ele con-
siderou uma região plana como sendo a união de linhas paralelas a uma reta dada
e uma região sólida como uma união de seções planas paralelas a um plano fixado.
De posse dessas decomposições e ciente da dificuldade em somar uma quantidade
infinita de indivisı́veis, Cavalieri evitou calcular áreas ou volumes pela soma desses
elementos indivisı́veis, mas desenvolveu um método para relacionar áreas ou volumes
de figuras em que os indivisı́veis têm relação constante.

Aplicamos o princı́pio de Cavalieri para calcular a relação entre as áreas da elipse


(x/a)2 + (y/b)2 = 1 e do cı́rculo x2 + y 2 = a2 . Considerando somente as porções
das duas figuras √
no semiplano superior, a elipse é limitada superiormente √ pela
curva y = (b/a) a2 − x2 , enquanto o cı́rculo é limitado por y = a2 − x2 .
Assim, decompondo a elipse e o cı́rculo em segmentos verticais, a relação entre
os comprimentos dos segmentos correspondentes das duas figuras vale b/a. Isso
implica que a mesma razão vale para suas áreas, de onde se conclui que
b b
Aelipse = Acı́rculo = πa2 = πab.
a a

Através de seu método, Cavalieri efetuou o cálculo da quadratura de y = xn ,


com n inteiro e n = −1, obtendo o resultado que hoje conhecemos como
 a
an+1
xn dx = .
0 n+1

5.10 John Wallis e Isaac Barrow


Os métodos dos franceses Descartes e Fermat fizeram muito sucesso na Ingla-
terra. O matemático John Wallis (1616-1703), professor de geometria em Oxford,
publicou em 1655 um texto sobre geometria analı́tica intitulado Tratactus de Sectio-
nibus Conicis (Tratado sobre seções cônicas), em que procurou aritmetizar o assunto,
substituindo, sempre que possı́vel, conceitos geométricos por numéricos. Uma tenta-
tiva de aritmetizar a geometria de indivisı́veis de Cavalieri foi feita por Wallis em sua
obra Arithmetica Infinitorum, também publicada em 1655. Nesta obra, Wallis usou
um método envolvendo séries infinitas para calcular quadratura de curvas y = xn ,

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 101


para n inteiro com n = −1. Vale destacar que o sı́mbolo ∞ para denotar o infinito
aparece pela primeira vez na obra de Wallis.
O matemático inglês Isaac Barrow (1630-1677), professor em Cambridge, desen-
volveu um método para encontrar tangentes que se parece bastante com o que é
usado hoje no cálculo. Seu procedimento era similar ao de Fermat, mas no lugar
de usar um único incremento — que Fermat denotava por e — Barrow usava duas
quantidades, equivalentes ao que hoje chamamos de ∆x e ∆y. Para uma curva
definida pela equação polinomial f (x, y) = 0, substituı́a x e y por x + e e y + a,
desprezava os termos que não continham a ou e para, a seguir, eliminar os termos
com grau maior que um em a e e. Então, considerava o triângulo caracterı́stico da
curva (Figura 5.10) obtendo a razão a/e = M P/T P por semelhança de triângulos
para, enfim, calcular o valor da subtangente T P .

Figura 5.10: Triângulo caracterı́stico

Vamos aplicar o método de Barrow para a parábola y 2 = px. Substituindo x e


y por x + e e por y + a temos

(y + a)2 = p(x + e) ⇒ y 2 + 2ay + a2 = px + pe.

Eliminando os termos independentes de a ou e e os termos de grau maior que


um nesses incrementos, obtém-se
a p
2ay = pe ⇒ = .
e 2y
Isso permite, a partir da razão y/T P = a/e, calcular o valor da subtangente T P .

102 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


5.11 Isaac Newton
Na primeira metade do século XVII muitos resultados de natureza infinitesimal
já eram conhecidos. No entanto, faltava ainda um trabalho de sistematização que
colocasse esses resultados isolados dentro de uma estrutura teórica unificada. Esse
trabalho foi feito de forma independente por dois homens: pelo fı́sico inglês Isaac
Newton (1642-1727) e pelo filósofo, jurista e polı́tico alemão Gottfried Wilhelm
Leibniz (1646-1716). Ambos criaram métodos gerais e processos algorı́tmicos que
transformaram o cálculo infinitesimal em uma área com vida própria, independente
da geometria.

Figura 5.11: Retrato Isaac Newton. Pintura de 1689, de Godfrey Kneller


— Isaac Newton Institute for Mathematical Sciences, Cambridge, Reino Unido.

Newton estudou no Trinity College em Cambridge, onde foi aluno de Barrow.


Desde o inı́cio de seus estudos, em 1661, leu obras de diversos matemáticos, entre
eles Euclides, Descartes, Galileu e Wallis. Em pouco tempo atingiu a fronteira da
matemática conhecida em seu tempo e já possuı́a uma base teórica para propor
contribuições inéditas. Entre 1665 e 1666 interrompeu seus estudos em razão de
uma epidemia de peste. Foi nesse perı́odo que, segundo ele, desenvolveu suas ideias

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 103


fundamentais sobre mecânica e sobre o cálculo infinitesimal. De volta a Cambridge,
em 1669 sucedeu Barrow na cátedra de matemática, função que ele manteve até
1695, quando abandonou a pesquisa e aceitou um emprego na Casa da Moeda em
Londres. Newton se tornou ainda, em 1703, presidente da Royal Society — a mais
antiga das sociedades cientı́ficas, fundada em 1660 — posto que conservaria até o
final de sua vida.
Newton escreveu três trabalhos sobre o cálculo diferencial, todos eles publicados
apenas no inı́cio do século XVIII, anos depois de escritos. Por essa razão, esses
trabalhos tiveram uma influência muito limitada no meio matemático. Newton, te-
meroso em relação às crı́ticas, hesitava em publicar seus trabalhos. Sua obra mais
famosa, considerada por muitos o livro mais importante da história da ciência, foi
Philosophiae Naturalis Principia Mathematica (Princı́pios matemáticos da filosofia
natural), publicado em 1687. Nessa obra, em que propôs suas leis de movimento e
a lei de gravitação universal, estabelecendo os fundamentos da mecânica clássica, já
apareceram menções à sua teoria de fluxões. Diversas proposições sobre velocidades,
acelerações, tangentes e curvaturas presentes nos Principia motivaram as pesquisas
de Newton sobre o cálculo infinitesimal. Newton apresentou três concepções distin-
tas para o cálculo: a concepção infinitesimal, o método das fluxões e o método das
primeiras e últimas razões.

5.11.1 A concepção infinitesimal


Newton, influenciado pelos trabalhos de Wallis e de Barrow, trabalhou com quan-
tidades infinitesimalmente pequenas, por ele chamadas de momentos. Para o cálculo
da área abaixo de uma curva, considerou o momento da área, ou seja, o crescimento
da área da região quando a variável x aumenta da quantidade infinitesimal o. Ele
calculou a taxa de crescimento da área no ponto de abscissa x e conclui que ela é
igual à ordenada y = f (x) (Figura 5.12).
Reciprocamente, Newton determinou que a área sob a curva e equação y = f (x)
era dada pelo procedimento inverso ao da derivação, ou seja, calculando a integral
indefinida de f . Newton estabeleceu o vı́nculo entre quadratura e derivada em 1669
na obra De Analysi per Aequationes Numero Terminorum Infinitas (Sobre a Análise
de Equações com um Número Ilimitado de Termos), publicada apenas em 1711.
Contudo, não há na obra definições precisas de derivada ou de integral, nem mesmo
de quantidades infinitesimais.

Newton usa o argumento a seguir para provar que a área sob a curva de equação
y = xn , onde n é um inteiro positivo, é dada por
1
z= xn+1 .
n+1

104 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 5.12

Considerando o incremento de x por um infinitesimal o, o valor da área passa a


ser
1
z + oy = (x + o)n+1 .
n+1
Desenvolvendo o lado direito pela expressão binomial, cancelando y = xn e
dividindo por o, obtém
 
1 n+1 n (n + 1)n n−1 2
z + oy = x + (n + 1)x o + x o + ··· .
n+1 2
1
Cancelando z = n+1 xn+1 , dividindo por o e eliminando os termos ainda contendo
o, obtém finalmente
y = xn .

De fato, Newton demonstrou o resultado acima em caráter mais geral, para n


racional diferente de −1, usando para tanto seus resultados sobre a série binomial
infinita. Este talvez seja o primeiro momento em que uma área foi obtida pelo
inverso do que hoje conhecemos por derivação.

5.11.2 O método das fluxões


Em 1671, Newton escreveu Methodus Fluxionum et Serierum Infinitorum (Mé-
todo das Fluxões e das Séries Infinitas), obra que introduziu seu método mais fa-
moso, que seria publicada apenas em 1736. Nele, produziu avanços conceituais
sobre o método dos infinitesimais, sem no entanto abandonar por completo essa
noção. Passou a considerar as quantidades matemáticas como sendo de natureza
contı́nua, comparando com o espaço descrito por um corpo em movimento. Esse
corpo possuı́a velocidades, que eram chamadas de fluxões. Newton se valeu de um
modelo mecânico e usou o tempo como variável universal. As funções da variável

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 105


tempo eram chamadas por ele de fluentes. A fluxão — ou derivada, na linguagem
moderna — do fluente x = x(t) era denotada por ẋ, notação largamente empregada
hoje no cálculo diferencial. Para Newton, o problema central do cálculo consistia
no seguinte:
Dada a relação das quantidades fluentes, encontrar a relação entre suas fluxões, e
reciprocamente.

O método de Newton aplicado a y = xn é descrito a seguir. Se o é um “intervalo


de tempo infinitesimalmente pequeno”, ẋo e ẏo são os crescimentos infinitesi-
malmente pequenos de x e de y. Substituindo y + ẏo e x + ẋo na relação (entre
as quantidades fluentes) y = xn obtém:

y + ẏo = (x + ẋo)n
n(n − 1) n−2 2 2
= xn + nxn−1 ẋo + x ẋ o + · · ·
2

Cancelando y = xn e dividindo por o, tem-se

n(n − 1) n−2 2
ẏ = nxn−1 ẋ + x ẋ o + · · ·
2
Newton elimina todos os termos que contém o como fator para obter

ẏ = nxn−1 ẋ.

Newton não calcula a fluxão de uma quantidade, mas sim a razão entre duas
fluxões. Esse procedimento retorna à ideia clássica de número, concebido como
razão entre uma quantidade e outra do mesmo tipo tomada como unidade. Essa é
a noção que aparece na teoria de proporções de Eudoxo e no livro V dos Elementos
de Euclides.

5.11.3 O método das primeiras e últimas razões


Em sua obra Tratactus de Quadratura Curvarum (Tratado Sobre a Quadratura
de Curvas), escrita em 1676 e publicada em 1704, Newton tentou libertar-se definiti-
vamente das quantidades infinitesimalmente pequenas e colocar sua teoria em bases
geométricas mais sólidas. Desenvolveu nessa obra seu terceiro método de cálculo
infinitesimal, conhecido como método das primeiras e últimas razões.

106 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Newton procede como no método de fluxões descrito acima, mas em vez de, ao
final do processo, negligenciar as parcelas contendo o, Newton considera a razão
entre as variações de x e de y para, em seguida, fazer com que o valha 0.

(x + ẋo) − x ẋo
=
(y + ẏo) − y (x + ẋo)n − xn
ẋo
= n(n−1)
nxn−1 ẋo + 2 xn−2 ẋ2 o2 + · · ·
1
= n(n−1)
nxn−1 + 2 xn−2 ẋo + · · ·

Fazendo o igual a zero, o resultado é uma razão igual a 1/nxn−1 , o que Newton
chama de “a última razão entre variações evanescentes”.

O processo de Newton descrito acima equivale, de fato, ao cálculo da derivada


f (x + h) − f (x)
f  (x) = lim .
h→0 h
Newton, em um cálculo como acima, não possuı́a a definição formal de limite, muito
embora tenha revelado em seus Principia possuir uma noção de limite, como ilustra
o texto seguinte:
As relações últimas nas quais certas quantidades desaparecem não são realmente
relações de quantidades últimas, mas limites dos quais essas relações de quantidades,
decrescendo sem limite, se aproximam sempre; e dos quais podem se aproximar tão
perto quanto qualquer diferença dada [...]

5.12 Gottfried Leibniz


A contribuição de Leibniz ao cálculo diferencial, de caráter distinto da contri-
buição de Newton, foi também fundamental. Leibniz fez parte de uma missão di-
plomática em Paris em 1672, onde, influenciado por Christian Huygens, entrou em
contato com a obra de diversos matemáticos, em especial com os trabalho de Blaise
Pascal. Leibniz também esteve em Londres em 1673, onde conheceu a obra de Isaac
Barrow e se tornou um membro da Royal Society. De volta à Alemanha, Leibniz
se manteve bastante engajado em suas ocupações polı́ticas. Dedicou-se, porém, à
pesquisa matemática e, em 1676, já possuı́a resultados em cálculo infinitesimal simi-
lares aos que Newton obtivera anos antes. Leibniz escreveu seus resultados de forma
fragmentada, em uma série de artigos publicados no periódico cientı́fico Acta Erudi-
torum, do qual foi cofundador. Muitos de seus resultados nunca foram publicados,
tendo sido registrados somente em um diário pessoal, em forma de notas confusas e
de difı́cil compreensão.

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 107


Figura 5.13: Retrato de Gottfried Leibniz. Pintura de c. 1700, de Christoph Bernhard Francke —
Herzog-Anton-Ulrich-Museum, Braunschweig, Alemanha.

O cálculo de Leibniz se apoiava na noção de diferencial. A operação fundamental


era o cálculo de diferenças — que equivale à derivada —, cuja operação inversa
era a soma — que equivale à integral. Leibniz tinha noção da importância para
o pensamento matemático de uma notação apropriada. Introduziu a notação dy
para indicar a “menor diferença possı́vel” — ou diferencial — entre valores vizinhos
da variável y. Criou também a notação , um S de summa (soma) estilizado, de
acordo com a qual dy = y. A notação, bastante conveniente, foi incorporada à
matemática e é empregada nos dias de hoje. Leibniz chamava seu método para
o cálculo de tangentes de calculus diferentialis, enquanto denominava o cálculo de
áreas e volumes por calculus summatorius ou integralis. De sua terminologia nasceu
o nome “cálculo diferencial e integral”.
O primeiro artigo de Leibniz sobre o cálculo diferencial foi publicado em 1684
com o sugestivo tı́tulo de Um Novo Método para Máximos e Mı́nimos, e Também
para Tangentes, que não é Obstruı́do por Quantidades Irracionais. Leibniz percebeu
que a busca da tangente a uma curva dependia das relações entre as ordenadas e
as abscissas quando elas se tornam infinitesimalmente pequenas e que a quadratura
dependia da soma de retângulos de bases infinitesimalmente pequenas apoiadas so-
bre o eixo das abscissas. O ponto de partida de Leibniz para o estudo do cálculo
diferencial foi, mais uma vez, o triângulo caracterı́stico.

108 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Leibniz considera o triângulo infinitesimalmente pequeno ∆M RN como uma
caracterı́stica da curva (veja Figura 5.14). Seus três lados infinitesimalmente pe-
quenos são determinados pela semelhança com o triângulo ∆T P M , cuja base é a
subtangente T P e a altura, o valor da ordenada P M . Para Leibniz, mesmo con-
siderando que dx e dy são quantidades infinitesimalmente pequenas, sua relação
dy/dx é um valor finito determinado, igual à razão P M/T P no triângulo carac-
terı́stico. Isso permite estabelecer uma relação entre diferenciais: se dx é uma
quantidade qualquer, a diferencial dy é definida por
dy y
= ,
dx s
onde y é o valor da ordenada e s é o valor da da subtangente.

Figura 5.14

O método de Leibniz, descrito acima, pecava pela falta de uma definição rigo-
rosa de tangente. Leibniz considerava, de forma imprecisa, como sendo tangente
uma reta ligando pontos infinitesimalmente próximos. Ele também procurou dar
uma justificativa para a existência das quantidades infinitesimalmente pequenas ao
considerá-las apenas como instrumentos auxiliares em seus cálculos.
Leibniz introduziu regras para d(x + y), d(xy), d(x/y) e dxn , manifestando a
intenção de produzir uma álgebra das quantidades infinitesimalmente pequenas.
Fez esses cálculos eliminando infinitesimais de ordem maior que um. Por exemplo,
considerando as menores diferenças possı́veis dx e dy, a menor diferença possı́vel
associada a xy é obtida fazendo (x + dx)(y + dy) − xy, de onde, negligenciando

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 109


dxdy, obtêm-se d(xy) = xdy + ydx. A simplicidade e a elegância da notação e dos
algoritmos tornaram o método de Leibniz bastante atraente, o que muito explica
sua popularidade.
A paternidade em relação à criação do cálculo diferencial gerou uma das maiores
disputas da história da matemática. Nos últimos anos do século XVII, diante do fato
de que, na Europa continental, a criação do cálculo era atribuı́da a Leibniz, surgiram
na Inglaterra alegações que este havia copiado suas ideias de Newton. Tais suspeitas,
sustentadas inclusive por uma comissão de investigação da Royal Society, deixaram
Leibniz amargurado pelo resto de sua vida. Pelos elementos que se tem hoje, as
alegações de plágio parecem infundadas. A história da matemática reconhece que
Newton foi o primeiro inventor do cálculo. No entanto, Leibniz desenvolveu seu
método de forma independente e teve a primazia na divulgação de seus resultados,
publicados décadas antes dos de Newton. Ademais, o método de Leibniz foi rapi-
damente aceito pelos matemáticos, sobretudo os da Europa continental, exercendo
grande influência sobre o desenvolvimento posterior da matemática.

110 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


5.13 Exercı́cios
1. Analise as figuras da página 87. Tente identificar um ou mais pontos de fuga
na pintura de Piero della Francesca. Comente por que a pintura de Giotto não
se enquadra na técnica da perspectiva geométrica.

2. Considere a equação de quarto grau x4 +a3 x3 +a2 x2 +a1 x+a0 = 0. Mostre que,
através de uma mudança de variáveis da forma y = x + h, ela é transformada
em uma equação da forma y 4 + b2 y 2 + b1 y + b0 = 0. Calcule o valor de h para
que isso ocorra.

3. Mostre que, no método de Fermat para encontrar pontos de máximo e mı́nimo,


a função g(x) obtida é de fato a derivada da função polinomial f (x). Proceda
da seguinte maneira: demonstre o resultado, em primeiro lugar, para uma
função da forma f (x) = xn , onde n ∈ N. Observe que, pela fórmula do
binômio de Newton,

(x + E)n = xn + nExn−1 + E 2 h(x),

onde h(x) é um polinômio de grau n − 2 em x. O resultado geral segue por


linearidade.

4. Mostre que o método de Fermat para encontrar tangentes a uma curva polino-
mial da forma y = f (x) equivale ao método moderno, em que a inclinação da
tangente é calculada por m = f  (a). Efetue os cálculos propostos na página
97 para uma função da forma f (x) = xn , onde n ∈ N. Calcule o valor de d e
da inclinação m = a/d.

5. Usando a notação e a técnica de Leibniz, calcule d(x/y).

6. Encontre a tangente à curva x2 + y 2 = 25 no ponto (3, 4) usando os seguintes


métodos:
(a) o método de Fermat;
(b) o método de Barrow;
(c) o método de Leibniz.

AUl a 5: Do Ren a scimen to europeu ao C á lculo 111


6 Episódios dos
séculos XVIII e XIX
AULA 6: EPISÓDIOS DOS SÉCULOS XVIII E
XIX

OBJETIVOS
Ao terminar a leitura desse capı́tulo, o leitor deverá ser capaz de:
1. Compreender a evolução do cálculo diferencial no perı́odo subsequente à sua
criação.
2. Entender os esforços empreendidos nos séculos XVIII e XIX em busca do rigor
no cálculo.
3. Compreender a evolução da concepção de geometria no século XIX.

6.1 Introdução
O século XVIII assistiu a uma evolução filosófica, cientı́fica e cultural que o faria
ser conhecido como o “Século das Luzes”. Institui-se entre os pensadores a crença
no poder da razão como fonte de transformação da sociedade. Ganharam espaço
ideais democráticos e liberais, que culminariam, no final do século, nas Revoluções
Americana e Francesa.
Também no século XVIII teve inı́cio um perı́odo de transformações econômicas
que marcariam profundamente as sociedades ocidentais: a chamada Revolução In-
dustrial. Em essência, ela consistiu na redefinição dos métodos de produção através
da incorporação de avanços tecnológicos, acompanhada da intensificação do comércio
e da evolução dos meios de transporte. Teve inı́cio na Inglaterra, espalhando-se, ao
longo do século XIX, para outros paı́ses da Europa Ocidental. A Revolução In-
dustrial proporcionou um aumento global da renda e um processo de urbanização
acelerado, resultando no aparecimento de grandes cidades. Novas tecnologias e pro-
cessos transformaram muitas áreas de produção. Em particular, a produção de papel
e a indústria da impressão se beneficiaram de avanços técnicos que proporcionaram
uma significativa redução do custo do material impresso, abrindo a possibilidade
da massificação do acesso a livros e jornais. O triunfo da tecnologia aportado pela
Revolução Industrial teve o efeito de valorizar a matemática como ferramenta, colo-
cando essa disciplina em destaque, com consequências para seu ensino e sua pesquisa.
No século XVIII os governos começaram a atuar sistematicamente no fomento da
ciência, ocupando o lugar dos mecenas, ativos nos séculos anteriores. A comunidade
cientı́fica tomou iniciativas para se organizar através da criação de academias. No
século XVII, já haviam sido criadas a Royal Society (1662), em Londres, e a Académie
des Sciences (1666), em Paris. Em 1700 a Academia de Berlim foi criada por Leibniz.
Em 1724, como parte de seus esforços de modernização e ocidentalização da Rússia,
o czar Pedro, o Grande (1672-1725), fundou a Academia de São Petersburgo. As
academias de ciências, que se multiplicaram nos séculos XVIII e XIX, passaram
a ter um papel ativo na vida cientı́fica, estimulando a colaboração e a divulgação

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 113


de novas ideias e teorias. Revistas e jornais cientı́ficos foram criados, assumindo o
lugar de principais veı́culos de divulgação das ideias matemáticas. Antes de 1700,
apenas 17 periódicos publicavam artigos de matemática, número que subiu para
210 no século XVIII e para 950 no século XIX. No século XIX surgiram revistas
dedicadas exclusivamente à matemática. A mais célebre delas foi o Journal für die
reine und angewandte Mathematik, fundado em 1826 por August Leopold Crelle
(1780-1855), em Berlim. Na França, merece destaque o Journal de mathématiques
pures et appliquées, fundado em 1836 por Joseph Liouville (1809-1882). Ambos,
publicados até os dias de hoje, mantêm seu lugar entre os periódicos matemáticos de
maior prestı́gio. Na segunda metade do século XIX várias sociedades de matemática,
nacionais e locais, foram fundadas, tais como a London Mathematical Society (1865)
e a Société Mathématique de France (1872). Elas também passaram a publicar suas
próprias revistas de matemática.
A Revolução Francesa promoveu diversas transformações de sentido democrático.
Dentre elas, houve uma reforma do ensino secundário, quebrando o monopólio da
Igreja e instituindo uma rede de liceus espalhados pelo paı́s, subordinados a um
Ministério da Educação central. Paralelamente, os programas estudados evoluı́ram,
aumentando o espaço para estudo das ciências. No que concerne à ciência de ponta,
os revolucionários franceses criaram, em 1794, a École Polytechnique. Contando em
seus quadros com as maiores mentes da matemática francesa, essa escola exerceu,
em seu primeiro meio século de vida, um papel central na matemática. Seus profes-
sores deveriam combinar pesquisa cientı́fica com ensino. Assim, textos dos cursos
ministrados na Polytechnique, de alto padrão e voltados para um corpo de alunos
de nı́vel elevado, foram sistematicamente publicados e se tornaram referências. A
qualidade da vida cientı́fica proporcionada pela Polytechnique atraiu estudantes e
professores estrangeiros, contribuindo para colocar, nas primeiras décadas do século
XIX, a matemática francesa na vanguarda da Europa. Na França pós-revolucionária
seriam ainda fundadas a École Normale Supérieure, em 1795, com a função de formar
professores e, mais tarde, outras escolas especı́ficas de ciências e engenharia.
O ideal iluminista do uso da razão como instrumento de transformação do mundo
se materializou, no final do século XVIII, na criação do sistema métrico decimal.
Um sistema de pesos e medidas simples e preciso, baseado em princı́pios de lógica
e em fenômenos naturais, foi desenvolvido com a função de substituir os diversos
sistemas então utilizados. Por determinação do governo pós-revolucionário francês,
foi instituı́da na Académie des sciences, em 1790, uma comissão com o objetivo de
criar um novo sistema de medidas. A comissão, da qual faziam parte matemáticos
de destaque, encerrou seus trabalhos em 1799, propondo o sistema métrico decimal.
O metro padrão foi tomado como a décima milhonésima parte da distância entre
o Equador e o Polo Norte. No mesmo ano de 1799, o sistema métrico decimal foi
oficialmente adotado na França, se tornando obrigatório em 1837.
Na Europa Ocidental do século XIX ocorreu um expressivo processo de expansão
e de democratização do ensino universitário. As muitas vagas de professor de ma-
temática criadas proporcionaram condições para a profissionalização da pesquisa.
Nas universidades do século XIX surgiu ainda a ideia de liberdade acadêmica no

114 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 6.1: Folha de rosto do primeiro tomo da Encyclopédie, publicada em 1751.

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 115


ensino, dando a cada professor o direito de lecionar temas de seu desejo, inclusive o
objeto de sua própria pesquisa. As universidades se transformaram nos centros vivos
da produção matemática. Isso foi nı́tido sobretudo na Alemanha que, na segunda
metade do século XIX, assumiu o lugar da França como epicentro da produção ma-
temática, distribuı́da por seus importantes centros universitários, com destaque para
a Universidade de Göttingen.
No século XIX, a matemática, pela primeira vez, ganhou autonomia em relação
às motivações trazidas pela mecânica e pela fı́sica: questões geradas internamente
passam a ser sua principal força motriz. Um volume enorme de resultados foi pro-
duzido ao mesmo tempo em que houve um esforço continuado em busca do rigor. A
par de disciplinas que acompanharam sua história, como geometria e álgebra, novas
teorias surgiram e ganharam corpo, tais como a análise, nascida como uma evolução
do cálculo, e a topologia, evolução da geometria. No século XIX a matemática
evoluiu na direção de uma especialização que seria sua marca no século XX.
Nos séculos XVIII e XIX a produção matemática cresceu de forma acelerada,
tanto em volume quanto em profundidade. Abordar esse perı́odo com um nı́vel
maior de detalhes ultrapassa os objetivos e as possibilidade desse livro. Assim, nas
seções seguintes nos limitaremos a dar um panorama muito geral da matemática
desenvolvida nestes dois séculos, dando destaque a alguns nomes e episódios mar-
cantes.

6.2 Os irmãos Bernoulli


O cálculo infinitesimal nasceu no final do século XVII através dos trabalhos de
Newton (médodo das fluxões) e de Leibniz (cálculo diferencial). Newton não tinha
muita afeição por publicar e divulgar seus resultados, o que fez com que seu método
de fluxões tivesse pouco destaque fora da Inglaterra. A escola de matemáticos in-
gleses que deu prosseguimento à concepção de Newton trabalhou com o objetivo de
tentar esclarecer as noções fundamentais do método das fluxões, especialmente no
sentido de tornar menos ambı́gua noção de infinitesimal.
Ao contrário de Newton, Leibniz fez um intenso trabalho de divulgação de seu
método. Sua concepção de cálculo diferencial difundiu-se rapidamente, sobretudo
graças à intensa correspondência de Leibniz com seus contemporâneos. Dentre os
correspondentes e colaboradores de Leibniz, os mais destacados foram os irmãos
suı́ços Jacques (1654-1705) e Jean (1667-1748) Bernoulli, estabelecidos na cidade
de Basel. Os irmãos Bernoulli tiveram um papel fundamental na evolução e conso-
lidação da teoria, desenvolvendo métodos, aplicações e notações.
Jacques, a princı́pio, estudou teologia, enquanto Jean estudou medicina. Ambos
se envolveram com o estudo de matemática após tomarem conhecimento dos traba-
lhos de Leibniz. Em 1687, Jacques assumiu a cadeira de matemática na Universidade
de Basel e, em 1695, Jean se tornou professor na Universidade de Groningen na Ho-
landa. Após a morte de Jacques em 1705, Jean assumiu seu posto em Basel. Jean,
doze anos mais novo que o irmão, viveria até os oitenta anos de idade.

116 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Os irmão Bernoulli foram responsáveis pelo desenvolvimento de grande parcela
do conteúdo hoje presente nos livro de cálculo. De fato, Jean Bernoulli esteve por
trás daquele que é considerado o primeiro livro de cálculo. Em troca de um salário
regular, Jean Bernoulli forneceu ao francês Marquês de L’Hôpital (c. 1661-1704)
informações sobre suas descobertas matemáticas, concedendo a este o direito de
usá-las como lhe conviesse. L’Hôpital escreveu, baseado no material fornecido por
Jean Bernoulli, o livro Analyse des infiniment petits pour l’intelligence des lignes
courbes (Análise dos infinitamente pequenos para a compreensão de linhas curvas),
publicado em 1696. Esse texto, a primeira exposição sistemática da teoria do cálculo
diferencial, teve um papel importante na popularização dos métodos de Leibniz. A
regra de L’Hôpital, conhecida dos estudantes de cálculo e divulgada em seu livro, é,
na verdade, criação de Jean Bernoulli.
Jacques Bernoulli encontrou a equação da isócrona, a curva plana ao longo da
qual um objeto cai com velocidade uniforme. Ao publicar o trabalho no Acta Eru-
ditorum em 1690, introduziu a palavra “integral”. Leibniz passou a usar o termo
calculus integralis no lugar de calculus summatorius para o inverso do calculus dif-
ferentialis. A matematização da fı́sica com o progressivo emprego de técnicas de
cálculo diferencial e integral deu origem à teoria de equações diferenciais, tema ao
qual se dedicou Jacques Bernoulli. Este estudou equações diferenciais da forma
y  + P (x) = Q(x)y, hoje conhecidas como “equações de Bernoulli”, resolvida por
uma mudança de variáveis z = x1−n e transformada em uma equação linear. É
devido a Jacques Bernoulli o uso de coordenadas polares, o estudo da catenária (a
curva descrita por uma corda apoiada em suas extremidades sob o efeito de seu
próprio peso). Realizou ainda estudos em teoria de probabilidades.
Os trabalhos de Jean Bernoulli tiveram fortes ligações com os do irmão mais ve-
lho, sendo muitas vezes difı́cil distinguir os trabalhos dos dois. A relação profissional
dos dois foi marcada pela colaboração, mas também por muita rivalidade.

O misto de colaboração e rivalidade dos irmão Bernoulli esteve presente na


solução do problema da braquistócrona, que pode ser enunciado da seguinte
maneira: dados dois pontos A e B, sendo A situado acima de B, encontrar
a trajetória entre esses dois pontos que minimiza o tempo de percurso de um
objeto que, partindo do repouso, se move sob efeito da gravidade constante e
sem atrito. Jean Bernoulli propôs que essa curva fosse uma cicloide (a curva
descrita por um ponto sobre um cı́rculo que rola sobre uma reta) e deu uma
demonstração incorreta. Desafiado pelo irmão, Jacques Bernoulli apresentou
uma demonstração correta de que, de fato, a cicloide era a curva procurada.
Esse problema estimulou o desenvolvimento de técnicas, mais tarde aprimora-
das por Leonhard Euler, que resultaram em um área conhecida como cálculo de
variações. Essencialmente, no cálculo de variações, o objetivo é a otimização de
funcionais, em contraste com o cálculo diferencial, em que os objetos maximi-
zados são funções. Um exemplo simples é a determinação  b da relação funcional
y = f (x) que minimiza ou maximiza uma certa integral a g(x, y)dx.

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 117


O estudo de curvas e superfı́cies sob o ponto de vista do cálculo deu origem à ge-
ometria diferencial. Jean Bernoulli contribuiu nesse domı́nio com seus estudos sobre
geodésicas em superfı́cies (curvas que minimizam a distância entre dois pontos).

6.3 Leonhard Euler

Figura 6.2: Leonhard Euler, pintura de 1753 — Kunstmuseum Basel, Suiça

Da cidade suı́ça de Basel também veio aquele que foi a maior mente matemática
do século XVIII, um dos gênios que mais influenciaram os rumos tomados pela
matemática moderna: Leonhard Euler (1707-1783). Euler estudou na Universidade
de Basel, onde foi aluno de Jean Bernoulli, que desde cedo reconheceu o talento
de seu pupilo para a matemática e investiu em sua formação. Em 1727 Euler se
transferiu para São Petersburgo, capital russa, onde assumiu um posto na Academia
de Ciências Imperial. Em 1741, a convite de Frederico da Prússia, aceitou um
emprego na Academia de Berlim. Viveu e trabalhou em Berlim até 1766, quando
voltou para São Petersburgo. Euler foi considerado o matemático mais produtivo
de seu tempo e, possivelmente, foi o mais prolı́fico matemático da história. Em
sua vida, publicou 560 livros e artigos, número que se aproxima de 800 quando
também contabilizados os manuscritos publicados após sua morte. Em 1766 ficou
completamente cego, mas manteve o ritmo de sua produção matemática até o final
de sua vida, confiando em sua memória e ditando seus trabalhos para um assistente.
Euler deu contribuições originais em todos os campos da matemática conheci-
dos em sua época. Além disso, escreveu livros que estruturaram diversas teorias,
construı́das a partir de resultados que se achavam dispersos e desordenados. Seus
livros tiveram muito prestı́gio e acabaram por estabelecer uma grande parcela das
notações e da terminologia hoje usadas na álgebra, na geometria e na análise.

118 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Euler foi responsável pela introdução de diversos sı́mbolos empregados na escrita
matemática. A letra “e” para “o número cujo logaritmo hiperbólico vale 1” foi intro-
duzida por Euler, possivelmente tendo como referência a primeira letra da palavra
exponencial. Embora não tenha sido criação sua, o sı́mbolo π, denotando a razão
entre a circunferência e o diâmetro do cı́rculo, passou a ter uso generalizado
√ após ser
sistematicamente empregado por Euler. A introdução do sı́mbolo i para −1 e das
notações sin.v, cos.v, tang.v, cosec.v, sec.v, cot.v para as funções trigonométricas
também é devida a Euler. Em geometria, Euler estabeleceu a convenção de se usar
letras minúsculas a, b e c para os lados de um triângulo e letras maiúsculas A, B e
C para os  ângulos
 opostos. Em textos sobre teoria de probabilidades, introduziu a
 
notação q para o que hoje denotamos por np = p!(n−p)!
p n!
.
Em sua obra Introductio in analisin infinitorum (Introdução à análise do infi-
nito), de 1748, Euler estudou séries infinitas, tais como as de ex , senx e cosx, e
apresentou a famosa relação eix = cosx + i senx. Estudou curvas e superfı́cies a
partir de suas equações, o que faz com que esse seja considerado o primeiro livro
de geometria analı́tica. Seu aspecto mais relevante, no entanto, é o fato de ser o
primeiro texto em que a noção de função aparece como elemento central da análise
matemática. Euler definiu função de uma quantidade variável como “uma expressão
analı́tica composta de alguma maneira da quantidade variável e de números ou de
quantidades constantes”. Ou seja, para Euler, uma função era uma expressão obtida
a partir das operações básicas conhecidas em seu tempo: polinomiais, exponenciais,
logarı́tmicas, trigonométricas e trigonométricas inversas. A definição de Euler, a
par de ser imprecisa à luz da matemática moderna, englobava um universo limitado
de funções. Euler procurou caracterizar as funções categorizando-as, de acordo com
o modo como eram geradas, entre algébricas e transcendentes, uniformes e multi-
formes, explı́citas e implı́citas. A notação f (x) para uma função de x também foi
introduzida por Euler.
Em seu livro Institutiones calculi differentialis (Fundamentos do cálculo diferen-
cial), de 1755, e nos três volumes de Institutiones calculi integralis (Fundamentos
do cálculo integral), publicados entre 1768 e 1774, além de apresentar um trata-
mento mais exaustivo da teoria do cálculo, Euler desenvolveu a teoria de equações
diferenciais. É devida a Euler a distinção entre equações “lineares”, “exatas” e “ho-
mogêneas”, adotadas hoje nos cursos elementares de equações diferenciais. Euler
foi o maior responsável pelos métodos de solução estudados nesses cursos: o uso
de fatores integrantes, o método de solução de equações lineares, a distinção entre
equações lineares homogêneas e não homogêneas, as noções de solução particular e
de solução geral.
Os trabalhos de Euler na área de teoria de números foram significativos. Como
já foi dito, demonstrou o Pequeno Teorema de Fermat e mostrou sua capacidade de
5
computação provando que F5 = 22 = 4.294.967.297 não é primo. Euler contribuiu
para demonstração do Último Teorema de Fermat ao provar que, para n = 3, inexiste
solução inteira para a equação xn + y n = z n .

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 119


6.4 França, perı́odo revolucionário

6.4.1 D’Alembert
O matemático francês Jean Le Rond d’Alembert (1717-1783) foi um dos mais
importantes cientistas da França do século XVIII. Foi coeditor, ao lado de Denis
Diderot (1713-1784), da Encyclopédie ou dictionnaire raisoné des sciences, des arts
et des métiers (Enciclopédia ou dicionário sistemático das ciências, das artes e dos
ofı́cios), editada entre 1751 e 1772. A Encyclopédie — grande projeto de compilação,
organização e sı́ntese dos conhecimentos e das ideias dos pensadores do Século das
Luzes — teve d’Alembert como responsável por muitos dos artigos sobre ciência e
matemática.
D’Alembert trabalhou com a concepção de limite. Rejeitou a ideia atomista da
existência de quantidades infinitamente pequenas estáticas: para ele, uma quanti-
dade era nula ou não nula, não existindo uma situação intermediária. D’Alembert
concebia uma diferencial (fluxão, na linguagem de Newton, ou quantidade infini-
tamente pequena, para Leibniz), como uma “quantidade menor que toda grandeza
determinada”, considerada como “a diferença infinitamente pequena de duas grande-
zas finitas, em que uma ultrapassa a outra infinitamente pouco”. Para ele, o cálculo
diferencial era a “maneira de diferenciar as quantidades, ou seja, de encontrar a
diferença infinitamente pequena de uma quantidade finita variável”.

Para d’Alembert, “a noção de limite é a base e a verdadeira metafı́sica do cálculo


diferencial”. No verbete “Limite” da Encyclopédie, ele apresentou a seguinte
definição:
“Dizemos que uma grandeza é o limite de uma outra grandeza, quando a
segunda pode se aproximar da primeira mais perto que uma grandeza dada, tão
pequena quanto podemos supor, sem no entanto que a grandeza que aproxima
possa ultrapassar aquela da qual ela se aproxima; de forma que a diferença de
uma tal quantidade e seu limite seja absolutamente indeterminável.”
“Por exemplo, suponhamos dois polı́gonos, um inscrito e o outro circuns-
crito a um cı́rculo, é evidente que podemos multiplicar os lados tantas vezes
quando queiramos; e, neste caso, cada polı́gono aproximará progressivamente da
circunferência do cı́rculo, o contorno do polı́gono inscrito aumentará, e aquele
do circunscrito diminuirá. Mas o perı́metro ou o contorno do primeiro não ultra-
passará nunca o comprimento da circunferência, e aquele do segundo nunca será
menor que esta mesma circunferência; a circunferência do cı́rculo é portanto o
limite do aumento do primeiro polı́gono e da diminuição do segundo.”

Além de seu trabalho como enciclopedista, d’Alembert foi também um ma-


temático atuante. Procurou dar uma demonstração, sem sucesso, do Teorema Fun-
damental da Álgebra: todo polinômio não constante p(x) com coeficientes complexos
possui pelo menos uma raiz complexa. Em um trabalho sobre resistência de fluidos,

120 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


obteve as relações hoje conhecidas como equações de Cauchy-Riemann, que estão
no alicerce da teoria de funções de variáveis complexas. D’Alembert produziu ainda
trabalhos sobre equações diferenciais. Seus estudos sobre as vibrações de uma corda
o levaram à equação diferencial ∂ 2 u/∂t2 = k 2 ∂ 2 u/∂x2 , fato que o faz ser considerado
como um dos fundadores da teoria das equações diferenciais parciais.

6.4.2 Lagrange
Joseph-Louis Lagrange (1736-1813) nasceu e foi educado em Turim, na Itália.
Trabalhou inicialmente em sua cidade natal, porém, em 1766, com a ida de Euler de
Berlim para São Petersburgo, foi indicado por este e por d’Alembert para assumir
um posto na Academia de Berlim. Foi então convidado pelo rei Frederico, o Grande,
da Prússia, que expressou a Lagrange o desejo de “o maior rei da Europa” ter em
sua corte o “maior matemático da Europa”. Lagrange viveu em Berlim até 1786,
ano da morte de Frederico. Seguiu então para Paris, onde, no perı́odo da Revolução
Francesa, trabalhou na reformulação do sistema de pesos e medidas. Lagrange foi
professor nas recém criadas École Normale, em 1795, e École Polytechnique, em 1797,
trabalhando ativamente na produção de textos de cursos para os novos programas
dessas escolas.
Um clássico escrito por Lagrange foi Théorie des fonctions analytiques (Teoria
das funções analı́ticas), publicado em 1797. Nessa obra, ele apresentou sua visão de
que as operações do cálculo diferencial e integral poderiam ser efetuadas através de
manipulações algébricas nas expansões em série de potências das funções estudadas.
Lagrange produziu assim as chamadas funções derivadas, de onde vem a termi-
nologia derivada empregada atualmente. Também provêm de Lagrange as notações
f  (x), f  (x), . . . , f (n) (x) para as derivadas da função f (x). A função derivada f (n) (x)
era calculada por Lagrange como n! multiplicado pelo coeficiente de hn da expansão
em série de Taylor de f (x + h). Através desse procedimento, buscava eliminar o
uso de limites ou de infinitesimais. O método de Lagrange é falho, evidentemente,
pois nem todas as funções possuem desenvolvimento em série de potências. Além
do mais, as propriedades de convergência necessárias para o tratamento de séries
necessitam da noção de limite.
Lagrange desenvolveu o cálculo de variações, apresentando para ele uma for-
mulação analı́tica. Em álgebra, analisou questões sobre a solubilidade de equações
polinomiais em termos de permutações de suas raı́zes, tentando entender por que
os métodos empregados para polinômios de grau n ≤ 4 não funcionavam em grau
n > 4. Esse trabalho levaria à teoria de grupos e às provas de Niels Henrik Abel
(1802-1829) e de Évariste Galois (1811-1832) sobre a insolubilidade de equações de
grau maior que quatro, resultado este conjecturado por Lagrange.
Lagrange produziu a célebre obra Mécanique analytique (Mecânica analı́tica),
publicada em 1788, em que aplicou à mecânica as técnicas de análise recentemente
desenvolvidas. Sua apresentação contrapôs à abordagem geométrica de Newton. No
prefácio escreveu: “Não serão encontradas figuras nesta obra, somente operações
algébricas”.

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 121


Duas contribuições de Lagrange são hoje estudadas nos cursos elementares de
cálculo:
• O método de variação de parâmetros para equações diferenciais lineares
não homogêneas: se c1 u1 + c2 u2 , c1 , c2 ∈ R, é a solução geral da equação linear
homogênea y  + p(x)y  + q(x)y = 0, então uma solução para e equação não
homogênea y  + p(x)y  + q(x)y = r(x) pode ser obtida na forma v1 u1 + v2 u2 ,
onde v1 e v2 são funções a serem determinadas.
• O método dos multiplicadores de Lagrange, usado para encontrar extre-
mos da função f (x, y, z) sujeita à condição g(x, y, z) = 0. Para isso, produz-se
a função F = f + λg, onde λ ∈ R é o chamado multiplicador de Lagrange,
resolvendo-se em seguida o sistema de equações Fx = 0, Fy = 0, Fz = 0, g = 0.

6.4.3 Cauchy

Figura 6.3: Cauchy, em torno de 1840.


Litografia de Zéphirin Belliard baseada
em pintura de Jean Roller
— Library of Congress Prints and Photographs Division.

O parisiense Augustin-Louis Cauchy (1789-1857), um dos matemáticos mais des-


tacados do inı́cio do século XIX, foi um dos precursores da análise matemática, tendo
sido responsável por formular e demonstrar de maneira rigorosa resultados do cálculo
infinitesimal e pelo desenvolvimento da teoria de funções complexas.

122 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Cauchy estudou na École Polytechnique e, em seguida, na École des ponts et
Chaussés, prestigiosa escola de engenharia onde se formou em engenharia civil. Ini-
ciou sua vida profissional trabalhando na construção de uma base naval na cidade de
Chergourg. Em 1812, de volta a Paris após uma doença, Cauchy decidiu abandonar
a carreira de engenharia para se dedicar à matemática. Em 1815 se tornou professor
da École Polytechnique, a princı́pio com um emprego temporário, obtendo um posto
permanente em 1816.
Em 1814, Cauchy apresentou à Academia Francesa um trabalho que continha os
germes de sua teoria de variáveis complexas ou variáveis “imaginárias”, conforme a
terminologia da época. A representação gráfica de uma função w = f (z), onde w e
z são variáveis complexas, ao necessitar de quatro dimensões reais, impossibilitava o
recurso à visualização geométrica. Assim, Cauchy tinha noção de que um nı́vel maior
de abstração seria necessário para lidar com funções complexas, o que significaria
também uma dose maior de rigor, direção na qual seu trabalho caminhou.
O trabalho como professor na École Polytechnique envolvia também a produção
de textos didáticos. Cauchy publicou, entre 1821 e 1829, três livros que deram ao
cálculo diferencial as caracterı́sticas que tem hoje. Cauchy fez da concepção de limite
de d’Alembert um elemento central no cálculo. Para essa noção, deu uma definição
mais precisa:
[...] quando valores sucessivamente atribuı́dos a uma mesma variável se aproximam
infinitamente de um valor fixo, de maneira a diferir deste por tão pouco quando se
queira, este último é chamado limite de todos os outros.
Cauchy apresentou também uma definição mais satisfatória de função contı́nua,
em que faz uso do sı́mbolo i para um infinitesimal:
[...] quando uma função f (x) admitindo um valor único e finito para todos os valores
de x compreendidos entre dois limites dados, a diferença f (x + i) − f (x) é sempre
entre esses limites uma quantidade indefinidamente pequena, dizemos que f (x) é
uma função contı́nua da variável x entre os limites em questão.
Se, na definição de Cauchy, interpretarmos o termo “quantidade infinitamente
pequena” como sendo o processo de tomar o limite, a definição se assemelha a que
temos hoje.
Cauchy definiu derivada para uma função y = f (x), ou, seguindo sua terminolo-
gia, a “razão última das diferenças infinitamente pequenas ∆y e ∆x”. Considerando
∆x = i, tomou os quocientes das diferenças
∆y f (x + i) − f (x)
=
∆x i
para, em seguida, calcular o limite quando ∆x e ∆y tendem a zero.
A integração era tratada nos primórdios do cálculo como uma operação inversa
à diferenciação. Cauchy apresentou uma definição de integral de maneira indepen-
dente. Definiu integral considerando somas do tipo

Sn = (x1 − x0 )f (x0 ) + (x2 − x1 )f (x1 ) + · · · + (xn − xn−1 )f (xn−1 ),

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 123


onde a = x0 < x1 < · · · < xn = b é a subdivisão do intervalo [a, b] em n subintervalos,
tomando em seguida o limite dessas somas quando os tamanhos dos intervalo xi −xi−1
diminuem infinitamente. A relação entre sua definição de integral e a antiderivada
foi por ele demonstrada fazendo uso do Teorema do Valor Médio. A definição de
Cauchy permitiu as generalizações modernas da noção de integral.

Como parte dos esforços no sentido de dar mais rigor ao cálculo, Cauchy cha-
mou a atenção para a necessidade de observar a convergência de séries, algo
negligenciado por seus antecessores. Definiu convergência nos seguintes termos:
“Consideremos a série

u0 , u1 , u2 , u3 , etc.,

composta de termos quaisquer reais ou imaginários. Para que esta série seja
convergente, será necessário e suficiente que os valores crescentes de n façam
convergir indefinidamente a soma

sn = u0 + u1 + u2 + · · · + un

para um limite fixo s. Em outros termos, será necessário e suficiente que, quando
o número n se torna infinito, as somas

sn , sn+1 , sn+2 , etc.

difiram indefinidamente pouco do limite s e, por consequência, umas das outras.”


Em sua última linha, a definição chama a atenção para a propriedade que
hoje é conhecida critério de Cauchy de convergência: para todo p, a diferença
entre sn e sn+p tende a zero quando n cresce.

Cauchy é considerado o precursor do estudo das funções de variáveis complexas.


D’Alembert já havia estudado essas funções em seus trabalhos sobre resistência de
fluidos, onde obteve as relações que hoje são conhecidas como equações de Cauchy-
Riemann. Porém, ao estabelecer novos conceitos e ferramentas, Cauchy transformou
o estudo de funções de variáveis complexas em uma área com vida própria. No estudo
Mémoire sur les intégrales définies, prises entres des limites imaginaires (Memória
sobre as integrais definidas, tomadas entre dois limites imaginários), de 1825, apa-
receu a fórmula integral com resı́duos. Em um trabalho posterior, de 1831, provou
que uma função analı́tica de uma variável complexa w = f (z) tem desenvolvimento
em série de potências no ponto z = z0 , convergente em um disco centrado em z0 .
Cauchy publicou diversos trabalhos sobre funções complexas. Sua teoria foi ampla-
mente aceita pela comunidade matemática de seu tempo e se transformou em uma
área matemática de intensa atividade.

124 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


6.5 Gauss

Carl Friedrich Gauss (1777-1855) demonstrou desde cedo uma enorme capaci-
dade matemática. Conta-se a história de que, quando criança, seu professor, para
manter a turma ocupada, pediu aos alunos que somassem todos os números de 1
a 100. Gauss, sem fazer maiores cálculos, imediatamente apresentou o resultado
correto, possivelmente usando a expressão n(n + 1)/2 para a soma dos n primeiros
números naturais. O talento do jovem estudante chamou a atenção do Duque de
Braunschweig, sua cidade natal, que custeou sua educação. Em 1795, Gauss iniciou
seus estudos na Universidade de Göttingen. No ano seguinte, aos 18 anos de idade,
demonstrou que o polı́gono regular de 17 lados poderia ser construı́do com régua e
compasso. Até então, os únicos polı́gonos com número de lados primo construı́dos
eram o triângulo e o pentágono regulares. Este é apenas um exemplo dos muitos
resultados que Gauss obteve em seu tempo de estudante.
Gauss concluiu seu doutorado em 1799. Na sua tese forneceu uma demonstração
para o Teorema Fundamental da Álgebra: todo polinômio não constante com coe-
ficientes complexos possui pelo menos uma raiz complexa. Erros nas tentativas de
demonstração deste teorema por d’Alembert foram apontados por Gauss. A de-
monstração contida em sua tese foi uma das quatro demonstrações para o Teorema
Fundamental da Álgebra que ele daria ao longo de sua vida.
Gauss publicou a obra Disquisitiones arithmeticae (Investigações aritméticas)
em 1801, ainda no inı́cio de sua carreira matemática. Trata-se de um texto sobre
teoria dos números que se transformou num clássico da literatura matemática. Esse
texto é considerado o marco inicial da moderna teoria de números. Nele, compilou o
trabalho de seus predecessores e deu à área uma vida nova, desenvolvendo as teoria
de congruências quadráticas, formas e resı́duos.
Gauss ganhou fama quando, aos 23 anos de idade, computou a órbita do pla-
netoide de Ceres. Descoberto em 1801 pelo astrônomo italiano Giuseppe Piazzi,
esse corpo celeste teve sua órbita perdida em poucas semanas. A partir de poucos
dados observacionais, Gauss desenvolveu um procedimento matemático que previu
a órbita do planetoide. Conhecido como método de Gauss, ele envolvia a solução de
uma equação de grau oito. Esse método ainda hoje é usado para rastrear satélites.
O reconhecimento pelos trabalhos de Gauss em astronomia levou-o a ser designado,
em 1807, diretor do observatório de Göttingen.
Desde o nascimento do cálculo diferencial e integral, os métodos dessa teoria fo-
ram usados para o estudo de curvas e superfı́cies. Gauss, em sua obra Disquisitiones
circa superficies curvas (Investigãções sobre superfı́cies curvas), de 1827, inovou o
estudo da geometria de superfı́cies ao usar métodos analı́ticos para explorar suas
propriedades locais. O texto de Gauss foi marcante no desenvolvimento da geome-
tria diferencial, apontando direções para o avanço da teoria. Nele, Gauss inovou ao
estudar superfı́cies partindo de suas equações paramétricas.

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 125


Figura 6.4: Gauss, litografia publicada na Astronomische Nachrichten em 1828.

Gauss definiu o invariante hoje conhecido como curvatura gaussiana da seguinte


forma. Em um ponto p de uma superfı́cie S, toma-se o feixe de planos contendo a
direção normal N . Cada um desses planos intercepta a superfı́cie em uma curva
que possui um certo raio de curvatura. As direções correspondentes ao maior e ao
menor raio de curvatura são chamadas de principais. Gauss demonstrou que elas
são perpendiculares entre si. Denotando os raios de curvatura correspondentes
por R e r, a curvatura Gaussiana de S em p é então definida por K = 1/rR.
Gauss forneceu fórmulas para o cálculo de K em termos das derivadas parciais
da parametrização da superfı́cie.

A partir da parametrização da superfı́cie, Gauss estudou suas propriedades métri-


cas. Expressou a diferencial ds2 do comprimento de arco como uma forma diferencial
quadrática
ds2 = Edu2 + F dudv + Gdv 2 ,
onde u e v são os parâmetros. Por fim, no Theorema egregium demonstrou que a
curvatura total da superfı́cie depende apenas das expressões E, F e G.
Um tratado publicado por Gauss em 1831 teve importância histórica por apre-
sentar a representação geométrica dos números complexos, estabelecendo a corres-
pondência entre o número z = x + iy e o ponto do plano cartesiano de coordenadas
(x, y). Uma representação geométrica similar dos números complexos já havia sido
obtida, em 1797, pelo norueguês Caspar Wessel (1745-1818). No entanto, foi o tra-
balho de Gauss que a popularizou dentro da comunidade matemática, tanto que
o plano dos números complexos é hoje conhecido como plano Gaussiano. O termo

126 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


“número complexo” também foi proposto por Gauss, em substituição à terminologia
“número imaginário”, que ajudava a nutrir dúvidas sobre a existência desses obje-
tos. Gauss contribuiu expressivamente para a estruturação da teoria dos números
complexos, propondo diversas aplicações à álgebra e à aritmética. Por exemplo,
criou uma nova teoria de números primos, dentro da qual 5 = (1 + 2i)(1 − 2i) não
mais era considerado primo.
Foram também significativos os trabalhos de Gauss em fı́sica. Realizou trabalhos
experimentais em magnetismo e propôs contribuições sobre a teoria de forças inver-
samente proporcionais ao quadrado da distância, dando inı́cio à teoria do potencial.
Nos últimos anos de sua vida, muitas de suas publicações estiveram vinculadas ao seu
trabalho no observatório astronômico. Nesse perı́odo, desenvolveu estudos dentro
do que hoje é considerada matemática aplicada.
Gauss, além de trabalhador incansável, era um perfeccionista, que só se permitia
publicar trabalhos sobre teorias devidamente acabadas. Muitas de suas descobertas
permaneceram em um diário pessoal e não foram publicadas. Um exemplo disso
são seus estudos sobre geometrias não-euclidianas. Em seus anos de estudante em
Göttingen, Gauss fez tentativas de demonstrar o postulado da paralelas, chegando
à conclusão de que não era possı́vel uma prova. As conclusões não publicadas de
Gauss o tornariam inventor das geometrias não-euclidianas.

6.6 A evolução da geometria


A reorganização do ensino francês durante o perı́odo revolucionário teve a parti-
cipação de diversos cientistas de destaque. Dentre eles esteve o matemático Gaspard
Monge (1746-1818), criador da geometria descritiva, disciplina inspirada nas técnicas
gráficas dos desenhistas práticos. Monge produziu o texto Géometrie Descriptive,
editado em 1799, baseado em notas tomadas de suas aulas na École Normale. Nele,
destacou seus objetivos:
• representar com exatidão em desenhos bidimensionais objetos tridimensionais
definidos rigorosamente;
• deduzir da descrição exata dos corpos as propriedades advindas de suas formas
e de suas posições respectivas.

A teoria de Monge buscava oferecer procedimentos para aplicar a geometria à re-


solução problemas de natureza prática. Em seu método cada ponto do objeto tridi-
mensional era inicialmente projetado em dois planos mutuamente perpendiculares.
Um desses planos, em seguida, sofria uma rotação de um ângulo reto com eixo em
sua reta de interseção (a chamada linha de terra), de forma que os dois planos iniciais
passassem a formar um único plano.
Um aluno de Monge, Jean-Victor Poncelet (1788-1867), reviveu e renovou a
geometria projetiva de Desargues. Oficial do exército de Napoleão, Poncelet desen-
volveu suas ideias sobre geometria enquanto prisioneiro em um campo russo. Ele foi
o primeiro matemático a tratar a geometria projetiva como um ramo autônomo da

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 127


geometria, renunciando ao uso de coordenadas e às técnicas de geometria analı́tica.
Poncelet desenvolveu um método geral, em que distinguiu as propriedades métricas
— ligadas às noções de distância e de ângulo — das propriedades descritivas —
invariantes por projeção. No último grupo estavam, por exemplo, os resultados con-
tidos nos teoremas de Desargues e de Pascal. Nesses estudos, Poncelet ressaltou a
importância das transformações geométricas. Seu texto Traité des propriétés pro-
jectives des figures (Tratado das propriedades projetivas de figuras), de 1822, onde
são estabelecidos os princı́pios da geometria projetiva, teve uma influência marcante
nos geômetras do século XIX.
O inı́cio do século XIX também assistiu à criação das geometrias não-euclidianas.
Ao longo dos séculos, muitos matemáticos fizeram tentativas de demonstrar o quinto
postulado de Euclides — o chamado postulado das paralelas — ou, ao menos, de
substituı́-lo por outro com formulação mais simples e intuitiva. No entanto, todas
as tentativas de demonstração recaiam no uso de resultados equivalentes ao axioma
de Euclides. No Capı́tulo 4 foram relatados os estudos dos árabes sobre o quinto
postulado. Inspirado neles, no século XVIII, o padre jesuı́ta italiano Giovani Saccheri
(1667-1733) partiu da hipótese do ângulo agudo no quadrilátero de Saccheri (veja
a página 71) para obter uma série de teoremas. Saccheri esteve próximo de criar a
geometria hiperbólica, mas rejeitou seus resultados por parecerem absurdos aos seus
olhos. Mais tarde, o suı́ço Jean Henri Lambert (1728-1777), baseado nos trabalhos de
Saccheri, não enxergou contradições na hipótese do ângulo agudo, mas viu diante de
si um problema aberto. Lambert foi o primeiro a tratar como possı́vel a construção
de geometrias logicamente coerentes, tanto com a hipótese do ângulo agudo quanto
com a hipótese do ângulo obtuso.
Gauss, desde seus tempos de estudante, se interessou pelo problema de postu-
lado das paralelas. Por volta de 1813 teria construı́do uma geometria, segundo ele,
“estranha e totalmente diferente da nossa”. No entanto, como lhe era caracterı́stico,
não publicou sobre o assunto. Por outro lado, sua visão sobre a possibilidade de
existência de geometrias diferentes da euclidiana apareceu em seus resultados so-
bre geometria diferencial de superfı́cies, onde ficou clara a possibilidade de dotar
uma mesma superfı́cie de diversas geometrias. Em seu Disquisitiones Circa Super-
ficies Curvas, Gauss já havia desenvolvido a noção de geometria intrı́nseca a uma
superfı́cie, estudando suas propriedades geométricas de forma independente de seu
espaço ambiente.
A comunidade matemática tomaria conhecimento das geometrias não-euclidianas
apenas com os trabalhos do russo Nicolai Ivanovich Lobatchevski (1792-1856), pro-
fessor na Universidade de Kazan, e do húngaro János Bolyai (1802-1860), oficial
do exército do império austrı́aco. Eles são considerados coinventores da geometria
não-euclidiana, teoria que elaboraram, de forma independente, por volta do ano de
1825. A concepção de geometria que desenvolveram e divulgaram, idêntica à desen-
volvida por Gauss, receberia mais tarde de Felix Klein a denominação de geometria
hiperbólica.
A visão, preponderante até o final do século XVIII, de que a geometria euclidi-
ana fosse uma descrição fiel do mundo sensı́vel — sendo, por isso, tratada como um

128 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


dogma — foi questionada por Gauss, que reconheceu nas geometrias não-euclidianas
o direito de representar o espaço fı́sico. Segundo ele, caberia à experiência determi-
nar a geometria melhor adaptada à realidade fı́sica, visão que seria avalizada pelos
avanços da fı́sica no século XX. A criação das geometrias não-euclidianas marcou
a própria essência da matemática, proporcionando a ela uma libertação do mundo
fı́sico a partir da aceitação de objetos coerentemente concebidos pela mente humana.

Figura 6.5: Riemann, imagem de 1863 — Smithsonian Libraries.

A obra de Gauss sobre geometria teve continuidade com um de seus mais brilhan-
tes alunos: Bernhard Riemann (1826-1866). Adotando o ponto de vista da geome-
tria diferencial, Riemann explorou as propriedades das geometrias não-euclidianas,
colocando-as em um quadro mais geral. O trabalho de Riemann retomou e genera-
lizou a ideia de Gauss sobre a geometria intrı́nseca das superfı́cies, criando uma teo-
ria de geometria diferencial para dimensão qualquer, hoje conhecida como geometria
Riemanniana. O elemento central de sua abordagem está na definição de uma forma
quadrática ds2 , generalização do elemento linear ds de Gauss, usada para calcular
distâncias. Riemann explorou a noção de curvatura, mostrando que a geometria
euclidiana correspondia à curvatura nula, enquanto a geometria de Bolyai e Loba-
tchevski estava associada à curvatura negativa. Riemann mostrou ainda que, em
dimensão dois, as superfı́cies de curvatura positiva podiam ser aplicadas sobre uma
esfera, onde poderia ser desenvolvida uma geometria desprovida de retas paralelas.
O alemão Felix Klein (1849-1925), por ocasião de sua admissão na Universidade
de Erlangen em 1872, propôs abordar as duas grandes correntes de estudo de ge-
ometria — a geometria métrica e a geometria projetiva — dentro de um mesmo
princı́pio geral. A ideia de Klein era caracterizar as geometrias através do estudo

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 129


de invariantes de grupos de transformações. Sua proposta ficou conhecida como
programa de Erlangen.
O grande desenvolvimento da geometria no século XIX culminou, no final do
século, com a axiomatização da geometria euclidiana empreendida por David Hilbert
(1862-1943), professor da Universidade de Göttingen. Em sua obra Grundlagen der
Geometrie (Fundamentos da geometria), de 1899, Hilbert propôs uma construção
partindo de três elementos básicos — ponto, reta, plano — e de seis relações entre
esses elementos — relações de “estar entre”, de “estar contido” e de “ser congruente”.
A descrição dessas relações foi feita através de 21 axiomas, distribuı́dos em cinco
grupos:

• 8 axiomas de conexão;

• 4 axiomas de ordem;

• 6 axiomas de congruência;

• axioma das paralelas (axioma de Euclides);

• 2 axiomas de continuidade.

Sobre a necessidade de abstrair os conceitos geométricos, conta-se que Hilbert


certa vez dissera: “Temos sempre que ser capazes de substituir ‘pontos, retas e
planos’ por ‘mesas, cadeiras e canecas de cerveja’ ”. O trabalho de Hilbert, ao
desconsiderar o apelo à intuição, abriu a possibilidade de definir axiomaticamente
espaços abstratos, sem a obrigatoriedade de conexão com o mundo fı́sico. A geome-
tria redesenhou sua identidade, mantendo assim seu lugar como uma das áreas mais
férteis da matemática.

6.7 A fundamentação do cálculo


No inı́cio do século XIX os matemáticos sentiam a necessidade de elucidar os
conceitos básicos do cálculo e de assentar a teoria sobre fundamentos mais sólidos.
Como exemplo, os pioneiros do cálculo operavam com diferenciais sem no entanto
ter uma ideia precisa do que fossem esses objetos. Um passo a frente havia sido
dado no século XVIII com os trabalhos de Euler e de Lagrange, que deram à noção
de função o papel de destaque no cálculo. Porém, o próprio conceito de função
não estava bem estabelecido, muito menos havia uma definição rigorosa de função
contı́nua.
O padre tcheco Bernard Bolzano (1781-1848) foi o primeiro a se aventurar a
esclarecer os conceitos fundamentais do cálculo. Publicou trabalhos sobre o assunto
entre os anos de 1810 e 1817. Porém, tardaria ainda meio século para que suas
ideias fossem reconhecidas pela comunidade matemática. Por isso, Cauchy, que

130 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Figura 6.6: Karl Weierstrass — Biblioteca da Humboldt-Universität zu Berlin, Alemanha.

desconhecia as ideias de Bolzano, é tido como o primeiro matemático a introdu-


zir sistematicamente elementos de rigor no cálculo infinitesimal. Seus três livros
publicados na década de 1820 colocaram a noção de limite no centro da teoria.
A grande contribuição para fundamentação do cálculo veio do analista alemão
Karl Weierstrass (1815-1897), professor da Universidade Técnica de Berlim. Weiers-
trass procurou retirar todo apelo à intuição através da quantificação das definições.
Traduziu em termos de desigualdades numéricas expressões do tipo “uma variável
se aproxima infinitamente de um valor fixo”. Weierstrass estabeleceu definições ri-
gorosas de limite e de continuidade em termos de  e δ, da forma como conhecemos
hoje:
Se for possı́vel determinar um limite δ tal que, para todo valor h menor em valor
absoluto que δ, f (x+h)−f (x) seja menor que uma quantidade , tão pequena quanto
se queira, então dizemos que fizemos corresponder a uma variação infinitamente
pequena da variável uma variação infinitamente pequena da função.
O formalismo proposto por Weierstrass deu à análise feições muito próximas das
que ela tem hoje.
A aritmetização da análise proposta por Weirstrass, no entanto, esbarrou na bar-
reira da falta de uma definição rigorosa de número. O tema, que ganhara a última
contribuição efetiva no Livro V dos Elementos de Euclides, permaneceu negligen-
ciado por séculos. Os matemáticos alemães Eduard Heine (1821-1881) e o Georg

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 131


Cantor (1845-1918) — que nasceu em São Petersburgo, mas viveu na Alemanha
toda sua vida adulta — publicaram em 1872 no Journal de Crelle um artigo em que
propuseram a construção dos números reais através de limites de sequências con-
vergentes. Essencialmente, os números irracionais seriam definidos como sequências
convergentes sem limite racional.
Uma segunda proposta de construção formal dos números reais foi lançada por
Richard Dedekind (1831-1916), que nasceu e viveu a maior parte de sua vida na
cidade alemã de Braunschweig, mesma cidade natal de Gauss. Dedekind investigou
a natureza do contı́nuo, percebendo que a essência da continuidade em um seg-
mento de reta estava na possibilidade de, por um dado ponto, dividi-lo em duas
partes em que apenas uma delas contivesse o ponto em questão. Dedekind propôs
então uma construção dos números irracionais, tendo como ponto de partida os ra-
cionais, através de operações que chamou de cortes. A construção foi apresentada
em seu livro Stetigkeit und di Irrationalzahlen (Continuidade e números irracionais),
publicado em 1872, mesmo ano do trabalho de Cantor e Heine.

Um corte (C1 , C2 ) é uma partição de Q em dois subconjuntos C1 , C2 , (ou seja


C1 ∪ C2 = Q e C1 ∩ C2 = ∅) tal que todo elemento de C1 é estritamente inferior
a todos elemento de C2 . Os cortes determinados por números racionais possuem
a seguinte propriedade: ou bem existe um maior elemento em C1 ou bem existe
um menor elemento em C2 . Existem cortes que não satisfazem essa propriedade.
Por exemplo, tomamos C1 como o conjunto formado pelos racionais negativos
e pelos racionais não-negativos cujo quadrado é menor que 2, enquanto C2 é
formado pelos demais racionais positivos. Um corte (C1 , C2 ) que não satisfaz essa
propriedade determina
√ um número irracional. No caso do exemplo, o número
determinado é 2.

Dedekind definiu uma relação de ordem entre os cortes e verificou propriedades


que fazem de R um corpo totalmente ordenado. Por fim, demonstrou que não era
possı́vel estender R, ou seja, a repetição das operações de cortes com os elementos
de R produziria novamente R. Essa propriedade hoje é chamada de completude. O
trabalho de Dedekind, pela primeira vez na história, apresentou uma definição satis-
fatória para a noção de contı́nuo. Seu método de cortes ou formulações axiomáticas
equivalentes passaram a figurar nos fundamentos da teoria da análise.
Um próximo capı́tulo na formalização da aritmética foi escrito pelo italiano Giu-
seppe Peano (1958-1932), professor na Universidade de Turim. Peano propôs de-
senvolver uma linguagem formal que contivesse a lógica assim como as principais
áreas da matemática. Dentre os sı́mbolos introduzidos por Peano, estão ∈, ∃, ⊃,
∩ e ∪, hoje largamente empregados. Inspirado em Dedekind, Peano formulou em
1899 um sistema simples de axiomas para definir os números inteiros. Partiu de três
conceitos primitivos: zero, número e a relação “ser sucessor de”. Esses elementos
eram definidos pelos hoje denominados axiomas de Peano:

132 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


1) Zero é um número.
2) Se a é um número, então o sucessor de a é um número.
3) Zero não é o sucessor de nenhum número.
4) Dois números cujos sucessores são iguais também são iguais.
5) Se um conjunto S de números contém zero e também o sucessor de todos os
números em S, então S contém todos os números (axioma de indução).

Estes axiomas, expostos aqui em forma literal, foram apresentados por Peano
com uma formulação simbólica. A construção rigorosa de Peano estruturou as mui-
tas construções em álgebra e em análise assentadas sobre a aritmética. Em par-
ticular, deu bases sólidas para as construções de números reais de Dedekind e de
Cantor-Heine, que tinham sua raiz nos números racionais e, em última instância,
nos números naturais.

AUl a 6: Episódios dos séculos X V III e XIX 133


6.8 Exercı́cios
1. Tendo em mente a definição moderna de função, faça uma crı́tica à definição de
função de Euler. Dê exemplos de funções que não se enquadram na definição
de Euler.

2. Busque em um texto de equações diferenciais definições e exemplos de equações


lineares, exatas e homogêneas, definidas por Euler. Recorde os métodos de
solução das equações lineares e das exatas.

3. Compare a definição de limite de d’Alembert com a definição moderna (usando


 e δ). Discuta porque sua definição é insatisfatória.

4. Compare a definição de função contı́nua de Cauchy com a definição moderna,


usando limites.

5. Procure, em algum livro de Cálculo ou de Análise, o critério de Cauchy de


convergência de sequências. Compare com o que é dito por Cauchy em sua
definição sobre convergência de séries.

6. Em uma superfı́cie, uma geodésica é uma curva que minimiza a distância


entre dois pontos. Em uma esfera, as geodésicas estão contidas nos cı́rculos
máximos (ou seja, cı́rculos que passam por pontos diametralmente opostos da
esfera). Um triângulo geodésico é um triângulo cujas arestas são geodésicas,
enquanto ângulo entre duas geodésicas é definido como sendo o ângulo entre
suas retas tangentes. Encontre exemplos, na esfera, de triângulos geodésicos
cujos ângulos internos têm soma maior que 180◦ .

7. Usando a relação de ordem dos números racionais, defina uma relação de ordem
“≤” entre os cortes de Dedekind. Mostre que essa ordem é total. Ou seja,
para todos os cortes a, b, e c valem:
(i) ou a ≤ b ou b ≤ a;
(ii) se a ≤ b e b ≤ a então a = b;
(iii) se a ≤ b e b ≤ c então a ≤ c (transitividade).

8. Verifique que o conjunto que você conhece como N satisfaz os axiomas de


Peano. Explique porque os conjuntos Z e Q≥0 = {r ∈ Q; r ≥ 0} não satisfazem
esses axiomas.

134 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


REFERÊNCIA S

Referências

[Bar] John D. Barrow. Pi in the sky — counting, thinking and being. Cambridge,
Oxford University, 1992.
[BoM] Carl B. Boyer & Uta C. Merzbach. A history of mathematics. 3a ed. Hoboken,
John Wiley & Sons, 2011.
[Caj] Forian Cajori. A history of mathematical notations. New York, Dover Publi-
cations, Inc., 1993.
[Cau] Augustin Louis Cauchy. Leçons sur le calcul différentiel. Paris, Chez de Bure
Frères, 1829.
[Dav] Norman Davies. Europe — a history. Oxford, Oxford University Press, 1996.
[Des] René Descartes. The Geometry of René Descartes. Traduzido do francês e do
latim por David E. Smith e Marcia L. Latham. New York, Dover Publications,
1954.
[DPe] Amy Dahan-Dalmedico & Jeanne Peiffer. Une histoire des mathématiques —
routes et dédales. Paris, Éditions du Seuil, 1986.
[Euc] Euclides. Os elementos. Traduzido por Irineu Bicudo. São Paulo, Editora
Unesp, 2009.
[Eve] Howard Eves. Introdução à história da matemática. Campinas, Editora Uni-
camp, 2004.
[Fie] J. V. Field. The invention of infinity — mathematics and art in the renais-
sance. New York, Oxford University Press, 1997.
[Fla] Graham Flagg. Numbers — their history and meaning. Dover Publications,
2002.
[Gal] Galileu Galilei. O ensaiador. Coleção Os Pensadores. São Paulo, Nova Cultu-
ral, 1996.
[Gra] Eduard Grant. A sourcebook in medieval science. Cambridge, Harvard Uni-
versity Press, 1974.
[Hea] Sir Thomas L. Heath. A manual of greek mathematics. New York, Dover
Publications Inc., 2003.
[Lin] David C. Lindbert (editor). Science in the middle ages. Chicago, The Univer-
sity of Chicago Press, 1978.

131

Referências 137
[Ifr] Georges Ifrah. Os números — a história de uma grande invenção. São Paulo,
Globo, 2005.
[Lyo] Jonathan Lyons. A Casa da Sabedoria — como a valorização do conhecimento
pelos árabes transformou a civilização ocidental. Rio de Janeiro, Zahar, 2011.
[Men] Karl Meninger. Number words and number systems — a cultural history of
numbers. Dover Science, 1992.
[Pai] Ana Paula M. Paiva. A aventura do livro experimental. Belo Horizonte,
Autêntica Editora, 2010.
[Sig] Laurence Sigler. Fibonacci’s Liber Abacci — Leonardo de Pisano’s book of
calculation. New York, Springer Verlag, 2002.
[Sil] Jairo José da Silva. Filosofias da matemática. São Paulo, Editora Unesp, 2007.
New York, Springer Verlag, 2002.
[Smi] David E. Smith. History of mathematics. Vol I e II. New York, Dover Publi-
cations, 1958.
[Str] Dirk J. Struik. A concise history of mathematics. 4a ed. New York, Dover
Publications, Inc., 2002.
[Wen] Sister Wendy Beckett. Sister Wendy’s story of painting. New York, DK Pu-
blishing, 1994.

138 In t roduç ão à His tória da M at em átic a


Composto em caracteres Aller, Arial, Calibri, PT Sans e Times New Roman.
Editorado pelo Centro de Apoio à Educação a Distância da UFMG (CAED-UFMG).
Capa em Supremo, 250g, 4 X 0 cores - Miolo couchê fosco 90g, 2X2 cores.
2013