Você está na página 1de 21

EDUCAÇÃO FÍSICA

6º ANO
COLÉGIO SALESIANO SÃO JOÃO BOSCO

DEFE – DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTES

ORGANIZADORES

PROF. FRANCISCO IVAN LIMA ALVES

PROF. JOSÉ BENDIMAR DE LIMA JUNIOR (Coordenador DEFE)

APOSTILA DE ESTUDOS

EDUCAÇÃO FÍSICA 6º ANO

ENSINO FUNDAMENTAL

JUAZEIRO DO NORTE - CE

2017
CARO ALUNO,

Esta apostila foi organizada com o intuito de facilitar a compreensão dos


conteúdos teóricos apresentados na disciplina de Educação Física do Ensino Fundamental II,
facilitando o acesso aos conteúdos que serão estudados durante o ano letivo, o objetivo é que os
alunos tenham de forma acessível os textos que serão trabalhados em sala de aula podendo
utilizar seus aparelhos eletrônicos como tablete e celular para a leitura da apostila. Desde já nos
colocamos a disposição para tirar suas dúvidas e quaisquer atualizações necessárias dos
conteúdos.

Atenciosamente,

Prof. Ivan Lima.


SUMÁRIO

UNIDADE 1 ...................................................................................................... 5

O que é Educação Física ................................................................... 6

O Jogo ................................................................................................. 7

O Esporte ............................................................................................ 8

UNIDADE 2 ...................................................................................................... 9

Jogos Populares e Tradicionais ....................................................... 10

Jogos Desportivos ............................................................................. 11

O jogo de Damas ................................................................................ 12

UNIDADE 3 ...................................................................................................... 15

Jogos Olímpicos: do Início da História aos moldes atuais........................ 16


Unidade 1
 O que é Educação Física?

 O Jogo

 O Esporte
A final o que é educação Física?

Desde os primórdios da humanidade o homem teve a necessidade de se mover,


mexer o corpo era primordial para sua sobrevivência pois necessitavam caçar, pescar subir
em árvores e demais atividades para que pudessem ter o alimento e sobreviver. Com o
passar dos tempos o homem viu que havia a necessidade de buscar novos locais para sua
sobrevivência, pois o local em que habitavam ficou escasso de recursos.
Relatos históricos datam de 60.000 anos a.C onde significativamente a atividade
física fez com que o homem pudesse mostrar suas habilidades e forma de expressar
sentimentos e qualidades através da dança. A dança era praticada por todos os povos,
segundo Oliveira (2004), A dança primitiva podia ter características eminentemente lúdicas
como também um caráter ritualístico, onde havia demonstrações de alegria pela caça e
pesca feliz ou a dramatização de qualquer evento que merecesse destaque, como os
nascimentos e funerais.
Outros relatos históricos denotam a educação física como preparação dos soldados
para a guerra, povos como os Gregos e os Romanos tinham o entendimento da
potencialidade da preparação dos corpos para a batalha. Com o tempo a educação desses
povos passará a ser uma forma de elevar o espirito através das danças ritualísticas e da
filosofia.
A importância do conhecimento do corpo e da necessidade de movimentar-se
transformou a educação física em uma das disciplinas fundamentais para o
desenvolvimento do ser humano, a ideia de proporcionar saúde e benefícios a ela mostrou
que cada vez mais a educação física tem um fator essencial para o desenvolvimento
humano. A educação física compreende o ideal da Cultura Corporal do Movimento, onde o
movimento é o fator primordial para a manutenção e apropriação da saúde. Além disso a
Educação Física comporta uma bagagem de conceitos que são divididos em: Esportes,
Danças, Lutas, Jogos, entre outras atividades expressivas.

6
QUAL A DIFERENÇA ENTRE JOGO E ESPORTE?

JOGO
Atividade ou ocupação voluntária, exercido dentro de
determinados limites de tempo e de espaço, segundo regras
livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias; dotado de um fim em si mesmo,
acompanhado de um sentimento de tensão e de alegria e de uma consciência de ser diferente da
vida quotidiana (HUIZINGA, 2004, p. 33).

Huizinga, filósofo holandês, em seu clássico Homo Ludens, aponta seis características do
jogo que apoiam a busca de uma definição:

1) O jogo é uma atividade voluntária. Sujeito a ordens, deixa de ser jogo, podendo no
máximo ser uma imitação forçada.
2) O jogo não é vida "corrente" nem vida "real". Trata-se de uma evasão para uma esfera
temporária de atividade com orientação própria.
3) No jogo há algo em suspenso, o seu resultado é incerto. Sempre existe a possibilidade
do êxito ou do fracasso.
4) O jogo cria ordem e é ordem. Introduz na confusão da vida e na imperfeição do mundo
uma perfeição temporária e limitada, exigindo uma ordem suprema e absoluta.
5) O jogo é praticado dentro de certos limites próprios de espaço e de tempo.
6) O jogo cria a sociabilidade, o partilhar algo importante, conservando a sua magia para
além da duração do jogo.

Extraindo ideias-chaves dessas características, podemos afirmar que o jogo é "toda a ação
livre, desenvolvida dentro de certos limites de tempo e espaço, não fazendo parte da vida
ordinária e que, contendo algo de incerto, cria a ordem e estimula a sociabilização". (OLIVEIRA,
2004, p. 33).

7
ESPORTE

Praticado pelo homem desde as mais remotas épocas, o esporte tem suas raízes etimológicas no
francês desport, que os ingleses alteraram para sport. O termo tinha, então, a conotação de prazer,
divertimento, descanso. E, apesar das diversas nuances que o esporte assumiu ao longo do nosso século,
as pessoas continuam fiéis ao seu sentido original. Até hoje, por exemplo, quando se pretende manifestar
algum descompromisso, diz-se que se fez alguma coisa por esporte.

Manifestação da cultura corporal de movimento, orientada pela comparação de um


determinado desempenho entre indivíduos ou grupos (adversários); regida por um conjunto de
regras institucionalizadas por organizações (associações, federações e confederações
esportivas), as quais definem as normas de disputa e promovem o desenvolvimento da
modalidade em todos os níveis de competição.

Para o pensador Georges Magnane que, em busca de uma definição para o esporte, considera-
o "uma atividade de lazer cuja predominância é o esforço físico, participando simultaneamente do
jogo e do trabalho, praticada de maneira competitiva, comportando regulamentos e instituições
específicas, e suscetível de transformar-se em atividade profissional". Um outro aspecto
importante é a preocupação com o rendimento. Coubertin já afirmava ser o esporte "o culto
voluntário e habitual do esforço muscular intensivo, apoiado no desejo de progresso e podendo ir
até o risco". O próprio lema olímpico revela a busca do rendimento máximo como um objeto
primordial: Citius, Altius, Fortius (mais veloz, mais alto, mais forte).

8
Unidade 2
 Jogos Populares e Jogos Tradicionais

 Jogos Desportivos

 O Jogo de Damas
O QUE SÃO OS JOGOS POPULARES E OS JOGOS
TRADICIONAIS?

Jogos Populares

Quando localizamos um jogo que está muito enraizado numa determinada região e os
habitantes do lugar os praticam habitualmente, quer seja no conjunto (diferentes idades e
gêneros) ou em setores específicos da população (por exemplo, crianças e idosos), podemos
denominar esse jogo de popular. Neste caso, popular tem o sentido de pertencente ao povo, às
pessoas do lugar, que – com suas características, crenças e estilos de vida locais – o têm
incorporado a seu cotidiano (LAVEGA BURGUÉS, 2000, p. 31).

Jogos Tradicionais

Aqueles jogos que são praticados desde sempre, que


as pessoas mais velhas recordam desde o tempo de infância.
São práticas que têm se mantido ao longo dos anos e,
portanto, têm sido transmitidas entre as distintas gerações. Os
jogos tradicionais fazem parte de um processo de transmissão
cultural que tem continuidade ao longo de um determinado período histórico. Ainda que não
sejam mais praticados hoje em dia e tenham se perdido no tempo (LAVEGA BURGUÉS, 2000, p.
31).

VAMOS TRABALHAR!

 Forme 1 grupo de 5 alunos.


 Pesquise 1 jogo tradicional ou popular e apresente o mesmo.

1. Pais (Surgimento)?
2. Material (Equipamento que é utilizado)
3. Descrição (Como se joga)?

10
Jogos Desportivos

Os jogos são atividades cujo fim é a diversão e o entretenimento dos participantes

(denominados jogadores). A sua prática implica o respeito de uma série de regras que regem a

dinâmica do jogo. Existem jogos nos quais participa um único jogador e outros onde participam

vários, inclusive equipas.

Os jogos promovem o desenvolvimento de habilidades práticas e psicológicas, contribuindo

simultaneamente para o estímulo mental e físico. Por isso, para além de proporcionar

entretenimento e diversão aos participantes, podem desempenhar um papel educativo.

Leia mais: Conceito de jogos desportivos - O que é, Definição e


Significado http://conceito.de/jogos-desportivos#ixzz4WIeOUm5k

Os Jogos Desportivos são aqueles em que sua função é orientar para a prática de
determinada modalidade esportiva, trabalhando em seu princípio atividades que desenvolvam
habilidades básicas para a prática do desporto. Essas habilidades compreendem as capacidades
corporais básicas, desde uma simples corrida a um salto em distância. Logo os Jogos
Desportivos têm a capacidade de englobar os fundamentos básicos das modalidades esportivas
de forma simples que permite ao praticante aprender de forma simplificada tais fundamentos.

Algumas habilidades básicas de fundamentos das modalidades esportivas que são


trabalhados nestes jogos:

 Corridas
 Saltos
 Quedas
 Arremessos
 Chutes, entre outras.

11
O Jogo de Damas

Regras Oficiais

O jogo de damas é praticado em um tabuleiro de 64


casas, claras e escuras. A grande diagonal
(escura), deve ficar sempre à esquerda de cada
jogador.

O objetivo do jogo é imobilizar ou capturar todas


as peças do adversário.

O jogo de damas é praticado entre dois


parceiros, com 12 pedras brancas de um
lado e com 12 pedras pretas de outro lado.
O lance inicial cabe sempre a quem estiver
com as peças brancas. Também joga-se
damas em um tabuleiro de 100 casas, com
20 pedras para cada lado - Damas
Internacional.

A pedra anda só para frente, uma casa de cada


vez. Quando a pedra atinge a oitava linha do
tabuleiro ela é promovida à dama.

12
A dama é uma peça de movimentos mais
amplos. Ela anda para frente e para trás,
quantas casas quiser. A dama não pode
saltar uma peça da mesma cor.

A captura é obrigatória.

Não existe sopro.

Duas ou mais peças juntas, na mesma diagonal,


não podem ser capturadas.

A pedra captura a dama e a dama captura a


pedra. Pedra e dama têm o mesmo valor
para capturarem ou serem capturadas.

A pedra e a dama podem capturar tanto para frente


como para trás, uma ou mais peças

Se no mesmo lance se apresentar mais de


um modo de capturar, é obrigatório
executar o lance que capture o maior
número de peças (Lei da Maioria).

13
A pedra que durante o lance de captura de várias
peças, apenas passe por qualquer casa de
coroação, sem aí parar, não será promovida à
dama.

Na execução do lance do lance de captura,


é permitido passar mais de uma vez pela
mesma casa vazia, não é permitido capturar
duas vezes a mesma peça.

Na execução do lance de captura, não é permitido


capturar a mesma peça mais de uma vez e as
peças capturadas não podem ser retiradas do
tabuleiro antes de completar o lance de captura.

Empate: 2 damas contra uma dama e uma pedra;


Após 20 lances sucessivos de damas, sem uma dama contra uma dama e uma dama contra
captura ou deslocamento de pedra, a partida uma dama e uma pedra, são declarados empatados
é declarada empatada. após 5 lances.
2 damas contra uma;
Finais de:
Disponível em: www.xadrezregional.com.br
2 damas contra 2 damas;

14
Unidade 3
 Os Jogos Olímpicos: do Início da História aos
moldes atuais.
O QUE SÃO AS OLIMPÍADAS?

História e Desenvolvimento do Jogos Olímpicos

Os gregos inventaram os Jogos Olímpicos há mais de 3 mil anos. Durante esse tempo,
muitas histórias foram criadas para explicar como surgiu um dos eventos esportivos mais
importantes do mundo.

Uma delas diz que Hércules, filho de Zeus, o deus supremo, matou um homem em um dia
difícil, por um motivo bobo. Arrependido, ele criou as Olimpíadas para pedir desculpas ao pai e
aos outros deuses.

Na verdade, os gregos inventaram os jogos para exibir suas habilidades e agradar aos
deuses do Olimpo, um monte sagrado que era a morada das antigas divindades gregas. Criaram
então quatro grandes festas, das quais as Olímpias – que aconteciam na cidade de Olímpia, onde
havia um templo dedicado a Zeus – eram as mais importantes. O primeiro registro desses jogos é
de 776 a.C. (antes de Cristo). Os gregos foram impedidos de continuar a festa quando os
romanos dominaram a Europa, por volta do século II antes de Cristo.

Os implicantes romanos achavam que as Olimpíadas não tinham a menor importância e


que os gregos deviam trabalhar para eles… como escravos!

Os jogos entraram em decadência, até que um imperador mandou derrubar os templos e o


estádio de Olímpia.

A origem dos Jogos e espetáculos atléticos remonta ao terceiro milênio a.C.


No Egito a atividade desportiva era praticada por todas as classes sociais, tendo o atletismo o
objetivo de espetáculo popular, que se aproximava um pouco do circo moderno, e os exercícios
atléticos estavam ligados a um conjunto de práticas sócio religiosas

Nas Ilhas do Mar Egeu e Creta o espírito atlético surge por volta dos anos 1500 a.C. De
entre os Jogos mais praticados salientam-se a acrobacia, o boxe, a luta, o volteio na corda bamba

16
acima de um touro. Estes Jogos tinham lugar num recinto preparado para o efeito – uma arena, e
estas provas atléticas estavam também relacionadas com cerimônias religiosas.

Em Micenas o atletismo teve uma grande amplitude, desenvolvendo-se variadas


manifestações desportivas quer por ocasião de festas religiosas em honra de um deus quer nas
cerimônias dedicadas a um herói morto. Os Micênicos criaram novos jogos, como a corrida a pé e
as corridas de carros. É com estes jogos que surge a noção de competição.

É na Era Homérica e pós-Homérica que o desporto se instala nos hábitos de vida das
pessoas. Os exercícios que tinham aplicação militar foram objeto de verdadeiras provas entre os
concorrentes. A sociedade tinha em alta estima o atletismo e os atletas e o desporto determinou o
nascimento de uma aristocracia – somente os melhores participavam nas competições. Para
Homero, o herói ideal possuía força física e mental, era inteligente, bravo e possuidor de caráter.
Os Jogos eram organizados visando o simples prazer do esforço físico, da proeza e da vitória

A prática desportiva tornou-se parte integrante na educação grega em que o ideal a


alcançar era o homem belo e nobre (Kalos Kagatos),
o homem consumado ou perfeito referenciado por
Sófocles, Platão e Xenofonte. Surge nesta altura a
idéia de se alcançar um equilíbrio harmonioso entre o
corpo e o espírito, e a música, o canto e a dança
constituíram também complementos da formação do
adolescente. Os primeiros ginásios surgem em
Atenas no séc. sexto.

Na maioria das religiões da Antiguidade o mundo terrestre é uma representação do


cosmos. Assim sendo, os homens da Grécia criaram os heróis e deuses da sua mitologia com as
características, atitudes e atividades próprias da natureza humana e os encontros atléticos foram
projetados para um plano divino e às competições desportivas foi dada uma feição sagrada.

Os jogos Olímpicos

A chamada Era Olímpica foi caracterizada pelo espírito de competição e todos os gregos podiam
participar nos Jogos.

17
As festas desportivas abertas a todos os povos gregos foram chamadas de manifestações
pan-helênicas. Os Jogos foram instituídos, alguns mensalmente outros anualmente e outros de 4
em 4 anos. Fora de Olímpia, os centros atléticos mais célebres foram Delfos (Jogos Píticos),
Corinto (Jogos Ístmicos) e Neméia (Jogos Nemeos).

Mas nenhuma destas competições pode igualar a dimensão e celebridade dos Jogos de
Olímpia realizados de 4 em 4 anos nos meses de Agosto e Setembro (época das colheitas) e no
período em que decorriam eram feitos acordos de paz – a Trégua (todas as hostilidades entre as
cidades relacionadas com as provas eram interrompidas durante a realização dos Jogos). O
território dos Jogos, Elida, era declarado neutro, inviolável e sagrado. A origem mítica dos Jogos
está ligada, para uns, ao mito de Zeus, para outros aos seus filhos Apolo ou Hércules. Mas a sua
origem está estreitamente ligada ao culto dos deuses e dos heróis e à vontade de celebrar os
seus combatentes.

As provas decorriam no Estádio e no Hipódromo e constavam das seguintes atividades:


corridas de velocidade e de fundo; o pentatlo (corrida, salto em comprimento, lançamento do
disco, lançamento do dardo e luta); o pancrácio (com todos os golpes da luta e do pugilato);
corridas de cavalos e de carros (inclusão na 25ª Olímpiada).

Aos vencedores das provas era atribuída, como recompensa, uma coroa de oliveira (árvore
da paz). Mas a vitória era sinal de favor divino e assim o vencedor era considerado como um
eleito dos deuses, sendo a sua maior recompensa a de ficar na memória coletiva da Grécia.

Os ideais que norteavam os Jogos vão ser desvirtuados com a conquista da Grécia pelos
Romanos. A corrupção, os prêmios monetários, a preferência por espetáculos de grande violência
acabaram por minar os ideais olímpicos e a pretexto de os Jogos serem manifestações pagãs, o
Imperador Teodósio proibiu a sua celebração no ano de 393 d.C. A última Olimpíada da
Antiguidade, a 287ª, decorreu no ano 369 d.C.

Os Jogos que durante mais de 12 séculos foram um fator de unidade da civilização Grega
chegaram ao fim, sem glória.

18
Arcos, um dos principais símbolos dos Jogos Olímpicos.

Jogos Olímpicos da Era Moderna

Nas últimas 3 décadas do século XIX, começam a surgir movimentações desportivas,


nomeadamente o atletismo. Competições locais e campeonatos organizam-se por todo o lado.
Esta moda de costumes é aproveitada por Pierre de Coubertin.

Em 1886 o barão Pierre de Coubertin escreve os primeiros artigos sobre a educação


desportiva, com o desejo de desenvolvimento do movimento desportivo nos liceus e colégios de
França.

Em 1889 sonha com o restabelecimento dos Jogos.

Em 1894 convoca um congresso em Paris, do qual resultou a fundação do Comitê


Olímpico Internacional (COI), e a revitalização dos Jogos Olímpicos “adaptados à Era Moderna,
ajustando-se à antiguidade clássica e com base internacional”.

Os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna tiveram lugar em Atenas, em 1896,


celebrando-se, desde então, de 4 em 4 anos, com interrupções em 1916 e 1939-1945 devido às
grandes guerras mundiais.

Somente 14 países estiveram presentes com 245 atletas em 13 modalidades desportivas,


tendo sido utilizado o estádio construído todo em mármore e desenhado por Licurgo no ano 350
a.C.

19
O ideal Olímpico restaurado visava a fraternidade dos povos.

Na sessão inaugural, também estabelecida por Coubertin, desfilam as delegações dos


países participantes e as suas bandeiras, faz-se a proclamação da abertura dos Jogos, iça-se a
bandeira olímpica ao mesmo tempo em que se toca o hino olímpico, acende-se a pira olímpica
com um simbolicamente aceso em Olímpia e levado de mão em mão pelos corredores até ao
estádio e fazem-se os juramentos olímpicos (atletas e juízes).

Aos vencedores das competições é concedida a subida ao pódio sendo-lhes entregue


diplomas e medalhas para o 1º, 2º e 3º classificados por membros do COI. Segue-se o hastear
das bandeiras das nações dos vencedores e ouve-se o hino nacional do 1º classificado.

A cerimônia final efetua-se no final da última competição no estádio. Tornam a desfilar os


participantes e suas bandeiras e o presidente do COI declara os Jogos encerrados, convidando a
juventude de todos os países a voltar a reunir-se 4 anos mais tarde, na cidade já escolhida.
Depois do soar das trombetas é arreada a bandeira olímpica e entregue ao edil da cidade eleita
para os próximos Jogos.

As Olimpíadas de Inverno (começaram em 1924) que deviam realizar-se em 1996, tiveram


lugar no ano de 1994, em Lilimaier, de modo a que de futuro a sua realização ocorra,
alternadamente, com os Jogos de Verão.

Jogos Olímpicos e Política

As Olimpíadas, em função de sua visibilidade na mídia, serviram de palco de


manifestações políticas, desvirtuando seu principal objetivo de promover a paz e a amizade entre
os povos. Nas Olimpíadas de Berlim (1936), o chanceler alemão Adolf Hitler, movido pela idéia de
superioridade da raça ariana, não ficou para a premiação do atleta norte-americano negro Jesse
Owens, que ganhou quatro medalhas de ouro. Nas Olimpíadas da Alemanha em Munique (1972),
um atentado do grupo terrorista palestino Setembro Negro matou 11 atletas da delegação de
Israel. A partir deste fato, todos os Jogos Olímpicos ganharam uma preocupação com a
segurança dos atletas e dos envolvidos nos jogos.

Em plena Guerra Fria, os EUA boicotaram os Jogos Olímpicos de Moscou (1980) em


protesto contra a invasão do Afeganistão pelas tropas soviéticas. Em 1984, foi a vez da URSS
não participar das Olimpíadas de Los Angeles, alegando falta de segurança para a delegação de
atletas soviéticos.
20
Jesse Owens: quatro medalhas de ouro nas Olimpíadas de Berlim (1936)

Você sabia?

- No ano de 1916, as Olimpíadas deveriam ocorrer na Alemanha. Porém, em função da Primeira


Guerra Mundial, os Jogos Olímpicos foram cancelados.

- Em função da Segunda Guerra Mundial, os Jogos Olímpicos de 1940 e 1944 também foram
cancelados.

- Críquete, golfe e cabo-de-guerra já foram esportes olímpicos no começo do século XX. Nas
Olimpíadas de 1920 (Antuérpia - Bélgica), o tiro ao pombo também fez parte do quadro de jogos
olímpicos.

- O lema olímpico "Citius, altius, fortius" (mais rápido, mais alto e mais forte) foi proposto por
Pierre de Coubertin em 1894. Porém, o lema só foi oficialmente introduzido nas Olimpíadas de
Paris de 1924.

- O futsal ainda não é um esporte olímpico.

21