Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA

ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS


Curso de Engenharia Elétrica
Componente curricular: Conversão Eletromecânica de Energia Experimental
Professor: Marconi Januário

01 - Ensaio de curto circuito e circuito aberto em transformadores


para determinação de parâmetros elétricos

1 Introdução
Os objetivos deste encontro são:

• Efetuar os ensaios de circuito aberto e de curto circuito.

• Determinar os valores de parâmetros do modelo clássico do transformador através dos


ensaios de circuito aberto e curto circuito.

• Determinar o valor da impedância percentual.

• Avaliar o valor da perda do transformador em vazio.

• Determinar o valor da corrente a vazio.

2 Materiais necessários
• 1 Transformador 220/48 V (550 VA).

• 1 Wattı́metro.

• 1 Amperı́metro True RMS.

• 1 Voltı́metro.

• 1 Medidor de temperatura.

3 Ensaio de circuito aberto


a) Caracterı́stica: Tensão nominal.
O ensaio de circuito aberto (ou a vazio) é realizado com o secundário em aberto e uma
tensão nominal aplicada ao primário.
Sendo assim, obtém-se uma corrente de excitação pequena em relação a corrente de plena
carga (menor nos grandes transformadores e maior nos pequenos).

1
A seguir, deve-se medir a tensão de entrada, a corrente de entrada e a potência de entrada
do transformador.(Essas medidas serão realizadas no lado de baixa tensão do transformador,
pois é mais fácil lidar com baixas tensões.) Com essa informação, é pode-se determinar o
fator de potência da corrente de entrada e consequentemente a magnitude e o ângulo da
impedância de excitação.
O ensaio de circuito aberto pode ser usado para se obter as perdas no núcleo, em cálculos de
rendimento, e para se verificar o módulo da corrente de excitação. Algumas vezes, a tensão
nos terminais em aberto do secundário é medida para verificar a relação de espiras.

b) Monte o circuito esboçado na Figura 1. Antes de ligar ajuste a tensão do variador de tensão
com o valor nominal de tensão.

Figura 1 - Esboço do ensio de circuito aberto.

c) Meça os valores de tensão, de corrente e de potência obtidos com o ensaio. Anote os valores
obtidos na Tabela 1.
Tabela 1 - Valores medidos no ensaio de circuito aberto

Tensão nominal Corrente Potência ativa


(aplicada) [V] [A] [W]
220 0,37 78,2

4 Ensaio de curto-circuito
a) Caracterı́stica: Corrente nominal
Para ensaio de curto-circuito, os terminais de baixa tensão do transformador deverão estar
em curto-circuito e os terminais de alta tensão devem ser ligados a uma fonte de tensão.
As medidas são obtidas normalmente no lado de alta tensão do transformador, porque as
correntes são menores nesse lado, sendo mais fáceis de serem manipuladas. A tensão de
entrada é ajustada até que a corrente no enrolamento em curto-circuito seja igual ao seu
valor nominal.

b) Calcule o valor da corrente nominal do transformador em estudo (lado de alta tensão).


Anote o valor calculado na Tabela 2.
S = 550VA Vnp = 220V

2
c) Monte o circuito da Figura 2. Antes de ligar, ajuste a tensão do variador de tensão em zero
(não ligue o circuito ainda).

Figura 2 - Esboço do ensio de circuito aberto.

d) Com o medidor de temperatura meça a temperatura inicial dos enrolamentos antes do ensaio
e anote na Tabela 2.
e) Ligue o circuito e ajuste a tensão de entrada até que a corrente no enrolamento em
curto-circuito seja igual ao seu valor nominal. Meça novamente a tensão, a corrente e a
potência de entrada. Anote os valores obtidos no ensaio nos campos da Tabela 2.
Tabela 2 - Valores medidos no ensaio de curto-circuito

Corrente nominal Temperatura inicial Corrente nominal Tensão Potência ativa Temperatura final
(calculada) [A] ◦C (aplicada) [A] [V] [W] ◦C

2,5 23,8 2,5 11,0 26,7 24,6

f) Desligue o circuito, meça a temperatura final do transformador e anote na Tabela 2.

5 Cálculos

5.1 Valores de parâmetros

Determine os valores dos parâmetros do modelo clássico: resistência dos enrolamentos Req ,
indutância de dispersão Leq , resistência de magnetização RC e indutância de magnetização
LM , vide o modelo (circuito) mostrado na Figura 3. Admita que no ensaio de curto-circuito
o ramo magnetizante pode ser desprezado e que no ensaio de circuito aberto a resistência dos
enrolamentos e a indutância de dispersão podem ser desprezadas.

Figura 3 - Modelo elétrico simplificado de transformador.

3
Figura 4 - Circuito equivalente para ensaio de circuito aberto.

• Relação de transformação

220
a= a = 4, 583 (1)
48

• Circuito Aberto

V ocø2 2202
Rc = Rc = Rc = 2.349, 51[Ω] (2)
P ocø 20, 6
V ocø2 2202
Xm = Xm = Xm = 614, 603[Ω] (3)
Qocø 78, 750
Xm 614, 603
Lm = Lm = Lm = 1, 630[H] (4)
2Πf 2Π60
p p
Qocø = Socø2 − P ocø2 Qocø = 81, 42 − 20, 62 Qocø = 78, 750[V ar] (5)
Socø = V ocø × Iocø Socø = 220 × 0, 37 Socø = 81, 4[A] (6)

• Curto Circuito

P scø 26, 7
Req = Req = Req = 4, 272[Ω] (7)
Iscø2 2, 52
Qscø 6, 584
Xeq = 2
Xeq = Xeq = 1, 053[Ω] (8)
Iscø 2, 52
p p
Qsc = P scø2 − Sscø2 Qsc = 26, 72 − 27, 52 Qsc = 6, 584[V ar] (9)
Sscø = V scø × Iscø Sscø = 11, 0 × 2, 5 Sscø = 27, 5[V a] (10)

5.2 Impedância percentual

Determine o valor da impedância de curto-circuito em percentual. Posteriormente,


converta-a para a temperatura de referência de 75◦ C. Use como temperatura do ensaio a média
entre a temperatura inicial e final (Tabela 2). Tem que escrever o pq temos que fazer isso ????

4
• Temperatura média

T1 + T2
T med = T med = 24, 2◦ C (11)
2
• Impedância de Curto Circuito
ez 11
z= z= z = 4, 4Ω (12)
In 2, 5
(lado com Tensão no ensaio de curto)

ez 11
z% = × 100 z% = × 100 z = 5, 00% (13)
vn 220
ez = Tensão de Curto Circuito
In = Corrente Nominal

• Componente Resistiva

We 26, 7
r= z= z = 4, 272Ω (14)
In2 2, 52
We 26, 7
r% = × 100 r= r = 4, 854% (15)
Pn 550
We = Potência Absorvida pelo Trafo

• Componente Reativa
√ p
x= z 2 − r2 x= 4, 42 − 4, 2722 x = 1, 0535Ω (16)
p p
x% = z 2 % − r2 % x% = 5, 02 % − 4, 8542 % x% = 1, 199% (17)

• Converter para 75◦ C

K + Θ0 234, 5 + 75, 0
W r0 = W r × W r0 = 26, 7 × W r0 = 31, 943W (18)
K +Θ 234, 5 + 24, 2
Θ0 = Referente a 75◦ C
Θ = Temperatura média do ensaio
K = 2,34,5 Cobre
K = 225,0 Aluminio

Wr 31, 943
r0 = r0 = r0 = 5, 11Ω (19)
In2 2, 52
Wr 31, 943
r% = × r% = × 100 r% = 5, 805% (20)
Pn 550
√ p
z 0 = r02 + x02 z 0 = 5, 112 + 1, 0532 z 0 = 5, 217Ω (21)

(CHAPMAN, 2005; Del Toro, 1999; FITZGERALD; Kingsley Júnior; UMANS, 2006)

5
Referências
CHAPMAN, S. Electric machinery fundamentals. 4. ed. New York, USA: Mc Graw-Hil, 2005.
746 p. ISBN 9780072465235.

Del Toro, V. Fundamentos de máquinas elétrica. Rio de Janeiro: LTC - Livros Técnicos e
Cientı́ficos Editora S.A., 1999. 550 p. ISBN 8521611846.

FITZGERALD, A. E.; Kingsley Júnior, C.; UMANS, S. D. Máquinas elétricas: com introdução
à eletrônica de potência. Porto Alegre: [s.n.], 2006. 648 p. ISBN 978856003104.