Você está na página 1de 10

Novas perspectivas de análise em investigações

sobre meio ambiente: a teoria das representações


sociais e a técnica qualitativa da triangulação de
dados
New analytical prospects in research on environment: The
theory of Social Representations and the qualitative technique
of data triangulation

Dilmara Veríssimo de Souza


Mestre em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da
Resumo
Universidade de São Paulo; técnica da Companhia de Saneamento Diante da complexidade e fragmentação crescentes da
Básico do Estado de São Paulo SABESP.
realidade, tem-se buscado elaborar estratégias meto-
E-mail: dvsouza@hotmail.com
dológicas que possibilitem uma compreensão mais
Fabiola Zioni abrangente dos fenômenos estudados.
Professora Doutora do Departamento de Prática de Saúde Pública
Este artigo alia ao referencial teórico das Repre-
da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.
E-mail: fabiolaz@usp.br sentações Sociais a técnica da triangulação de dados
na tentativa de identificar quais são os significados
que as populações instaladas em áreas de mananciais
atribuem às águas e ao meio ambiente e de que forma
apropriam-se dos recursos naturais locais.
Palavras chaves: Representação Social, Triangulação
de dados, Método qualitativo.

Abstract
Facing the increasing reality complexity and frang-
mentation, it has been acquired an elaboration on
methodological strategies which enable to embrace a
wider comprehension of the studied phenomenon.
This article connects to Social Representation
theoretical referential a technic of data triangulation,
in attempt to identify the significance attributed by
the population, installed in fountainhead areas, to
waters and environment, and in which way the local
natural resources are appropriated.
Key words: Social Representation, Data Triangula-
tion, Qualitative Methods

76 Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003


Esse artigo tem como objetivo apresentar a metodo- as Representações Sociais – enquanto senso comum,
logia empregada no estudo da relação e percepção de idéias, imagens, concepções, percepções e visões de
grupos de moradores de um município próximo de São mundo que os atores sociais possuem sobre a realida-
Paulo, sobre os recursos hídricos, assim como os re- de, são reconhecidas como indispensáveis para com-
sultados obtidos. A perspectiva adotada, de caráter preender a dinâmica das interações sociais e ainda
qualitativo, não busca a generalização dos resultados, para buscar determinantes das práticas sociais. Elas
mas tem como preocupação a compreensão de um gru- se manifestam em condutas e práticas que chegam a
po social, de uma organização, de uma instituição, de ser institucionalizadas, portanto, podem e devem ser
uma política ou de uma representação. analisadas a partir da compreensão das estruturas e
Partilha-se do pressuposto de Minayo (1992) de que dos comportamentos sociais. (Minayo, 1992)
a pesquisa qualitativa responde a questões muito par- Neste sentido, entende-se que a compreensão das
ticulares, preocupando-se com um nível de realidade condutas institucionalizadas e práticas de apropria-
que não pode ser quantificado. Ou seja, este tipo de ção dos recursos naturais e, em particular dos hídri-
pesquisa trabalha com o universo de significados, cos, norteadas pelas representações e, portanto, pe-
motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que los significados que o grupo constrói socialmente, na
corresponde a um espaço mais profundo das relações, sua relação dialética com a realidade objetiva, propi-
dos processos e dos fenômenos que não podem ser cie subsídios para a criação de Políticas Públicas e
reduzidos à operacionalização de variáveis. processos educativos voltados a uma gestão adequa-
A pesquisa qualitativa, como todo método, só po- da e participativa dos mesmos, uma vez que temos
deria alcançar os objetivos a que se propõe quando constatado freqüentemente, através da mídia falada
conjugada a uma teoria. Nos últimos anos a teoria das e escrita, que medidas punitivas e de controle não têm
Representações Sociais tem se apresentado como uma sido suficientes para garantir os objetivos aos quais
forma de abordagem das questões de saneamento se prestam.
ambiental , na medida em que propicia, a partir do Jodelet, citada por Spink, 1993, conceitua de for-
desvelamento da subjetividade de um dado grupo, a ma objetiva as representações sociais como sendo
compreensão em profundidade de uma faceta da rela- modalidades de conhecimento prático, orientadas
ção tão complexa homem-meio ambiente, a partir do para a comunicação e para a compreensão do contexto
universo de significados que aqueles sujeitos social, material e ideativo em que vivemos. Neste sen-
constróem na sua relação com o mundo. tido, segundo aquela autora, são formas de conheci-
Estes significados funcionam como elementos que mento que se manifestam como elementos cognitivos
estabelecem conexões entre os sujeitos e o mundo, o - imagens, conceitos, categorias, teorias - , mas que
qual é, ao mesmo tempo, descoberto e construído, quer não se reduzem jamais aos componentes cognitivos.
na dimensão individual quer na coletiva. (Minayo, 1992) Sendo socialmente elaboradas e compartilhadas, con-
De acordo com Andrade, 1997, a representação que tribuem para a construção de uma realidade comum,
o indivíduo tem do mundo é resultado do trabalho de que, em última análise, possibilita a comunicação.
recriação feito a partir da sua relação com este mesmo De acordo com a teoria pensada originariamente
mundo. Por sua vez o próprio sujeito é recriado pela sua por Moscovici, para se dar conta das relações infor-
representação do mundo. Assim, para analisar uma re- mais e mais cotidianas da vida humana, em um nível
presentação, é preciso levar em conta que ela sempre é mais coletivo ou social, é importante considerar tan-
referência de alguém para alguma coisa (pessoa, grupo, to os comportamentos individuais quanto os fatos
relação, etc.) e está inserida numa estrutura social, ou sociais, como por exemplo, as instituições e as práti-
seja, assume elementos da cultura, da linguagem e das cas em sua concretude e singularidade histórica. O
representações do grupo no qual se insere o sujeito. que se percebe é uma via de mão dupla, não importa
Apesar de comportar grande diversidade na sua apenas a influência unidirecional dos contextos soci-
conceituação e pressupostos específicos em cada uma ais sobre os comportamentos, estados e processos in-
das áreas de estudo, é consenso dentre as várias cor- dividuais, mas também a participação destes na cons-
rentes teóricas no interior das Ciências Sociais, que trução das próprias realidades sociais. (Sá, 1993)

Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003 77


Jodelet afirma que o campo de estudo das repre- sentido clássico do termo, isto é, como busca da essên-
sentações sociais é formado por dois eixos principais: cia do fenômeno na relação entre o real e a teorização
no primeiro, as representações são formas de conhe- sobre o real.
cimento prático, voltadas para o cotidiano e para a No entanto, a estratégia de triangulação vem per-
comunicação; no segundo, são elaborações de sujei- dendo a conotação de estratégia de validação ou vali-
tos sociais sobre objetos socialmente valorizados. O dade, através da aferição de índices, ou da expressão
primeiro eixo nos remete ao senso comum, que forma estatística da coerência entre diferentes recortes do
uma teia de significados capaz de criar a realidade objeto dentro da pesquisa, emergindo como alternati-
social. Esta capacidade criativa confere às representa- va à validação, ou seja, como aprofundamento da aná-
ções sociais a dupla face de estruturas estruturadas lise e não como caminho para chegar à verdade obje-
e estruturas estruturantes. O segundo eixo nos lembra tiva. (Adorno et al, 1994)
que as representações são interpretações da realida- Estes mesmos autores entendem que a proposta
de, portanto uma construção social, fruto da realida- da triangulação, atualmente, propõe a sobreposição
de intra-individual; a relação com o real nunca é dire- de uma análise unidimensional, alicerçada em índi-
ta; é sempre mediada por categorias histórica e sub- ces da realidade, a uma análise multidimensional, ou
jetivamente constituídas. (Spink , 1993) do contexto. A análise realizada através desses pres-
supostos permite o estabelecimento de inter-relação
entre os fatos, as falas e as ações dos indivíduos, o
Desenho da pesquisa
que permite uma compreensão mais abrangente dos
A realização de uma pesquisa deste tipo compreende significados construídos socialmente na relação dos
a articulação de várias técnicas como a observação – sujeitos com o meio.
participante ou sistemática – entrevistas, grupais ou Assim, o desenho metodológico deve compreender
individuais, assim como o levantamento de dados se- as seguintes fases:
cundários de caráter quantitativo ( indicadores de saú- • levantamento de dados em fontes secundárias
de, econômicos, de saneamento básico, etc.) e pesqui-
• trabalho de campo
sa bibliográfica sobre o tema estudado.
Parte-se do pressuposto de que a análise das falas, • triangulação
ao lado de uma observação sistemática acerca dos Fontes secundárias
múltiplos aspectos inerentes ao cotidiano dos sujeitos
Essa etapa da pesquisa consiste em um levantamen-
e do levantamento de informações complementares,
to bibliográfico acerca da problemática estudada, deve
as quais dizem respeito a sua dinâmica social, sejam
ser feita através da consulta a periódicos e publica-
instrumentos que subsidiem a compreensão destes
ções científicas consagradas na área. Normalmente
significados, uma vez que possibilitam a identificação
esse material pode ser encontrado através de consul-
das representações sociais, assim como dos elemen-
tas a fontes de referencia consagradas ou mesmo atra-
tos políticos, culturais e econômicos que permeiam o
vés de consulta junto a pesquisadores e técnicos re-
contexto no qual são produzidas socialmente.
conhecidos no campo de estudo.Com esse procedimen-
Para a análise destes dados a estratégia metodo-
to pode-se adquirir uma apreensão mais abrangente
lógica de triangulação dos dados coletados através
das fontes já referidas permite, concomitantemente, do contexto (econômico, político e cultural) em que se
uma maior validade dos dados e uma inserção mais insere o problema estudado.Além desse levantamen-
aprofundada dos pesquisadores no contexto de onde to nessa fase são também investigados documentos e
emergem os fatos, as falas e as ações dos sujeitos. relatórios em que constem os indicadores procurados
Spink apud Palos, 2000, remete a introdução do que permitirão um dimensionamento da questão. As
processo de análise através da triangulação de dados principais fontes para esta primeira etapa do traba-
a Denzin na década de 70. Segundo aquela autora este lho costumam ser, no que se refere a
desenho de procedimento metodológico procurava • dados relativos ao uso e ocupação espacial: site da
estabelecer bases para uma validação dos dados no EMPLASA: http://www.emplasa.sp.gov.br,

78 Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003


• dados demográficos, de saúde, habitação e renda: superação dos limites da observação e dos levantamen-
Fundação SEADE: http://www.seade.gov.br, tos. As informações obtidas através da observação e dos
• série histórica de doenças de veiculação hídrica: site contatos desenvolvidos durante essa fase podem ser
do DATASUS: http://www.datasus.gov.br registradas através de anotações em diário de campo,
gravações em fita k-7 e recursos como vídeos ou foto-
Observação grafias. De maneira geral, as impressões dos pesquisa-
Na busca de uma abordagem que garanta uma compre- dor devem compor o diário, enquanto que as falas de-
ensão mais ampla do objeto de estudo, a partir da utili- vem ser registradas e transcrita porque em sua com-
zação de multimeios, e conforme indicado inicialmen- preensão e análise encontra-se um conteúdo fundamen-
te, o segundo momento da pesquisa baseou-se na ob- tal para o conhecimento desejado pela pesquisa.
servação participante, técnica etnográfica que se rea- Segundo Beyaut, 1997, o homem deve ser estuda-
liza por meio do contato direto do pesquisador com o do como um ser indivisível. Não existe um homem
fenômeno estudado. Como o pressuposto da aborda- econômico, um homem social, um homem produtor de
gem etnográfica é o estudo do sujeito em seu próprio cultura. Há um só ser, que é um ser de conduta social,
contexto, tal estratégia permite a obtenção do maior um ser de comportamento econômico e um ser produ-
número de informações sobre o cotidiano em estudo e tor e consumidor de cultura, que se revela através de
os indivíduos aí inseridos. (Minayo, 1992) seu discurso e de sua prática social que pode ser enten-
A observação participante pode ser considerada dida como a institucionalização das representações
parte essencial do trabalho de campo na pesquisa qua- de um grupo. Ao lado dessas informações, imagens
litativa. Sua importância é de tal ordem que alguns que o pesquisador possa fazer em campo são muito
estudiosos a tomam não apenas como uma estratégia importantes porque possibilitam a visualização de
no conjunto da investigação, mas como um método em detalhes relevantes que podem escapar à observação.
si mesmo, para compreensão da realidade, uma vez Além disso, podem ser utilizadas como recurso para
que suscita uma variedade de situações ou fenôme- posteriores discussões com a população além de
nos que não são obtidos por meio de perguntas,já que, contribuírem para a reflexão, no momento da análise.
observados diretamente na própria realidade, os su- A realização desta fase permite também delimita-
jeitos transmitem o que há de mais imponderável e ção do campo propriamente dito. MINAYO apud CRUZ
evasivo na vida real. (Minayo, 1992; Cruz Neto, 1993) NETO 1993, descreve o campo como sendo o recorte
Entende-se que este instrumento favoreça, inclu- espacial que representa uma realidade empírica a ser
sive, uma melhor compreensão das contradições vivi- estudada, a partir das concepções teóricas que fun-
das pelos sujeitos no seu cotidiano. Contudo, acredi- damentam o objeto de investigação.
ta-se que a observação participante, como as demais Ainda segundo esta mesma autora “a pesquisa
técnicas utilizadas na construção do objeto de estu- social trabalha com gente, com atores sociais em re-
do, não reuna condições para a apreensão integral da lação, com grupos específicos. Esses sujeitos de in-
realidade, isto porque induz a “explicações”, elabora- vestigação, primeiramente, são construídos teorica-
das a partir de categorias interpretativas criadas pelo mente enquanto componentes do objeto de estudo. No
pesquisador, que têm como base a valorização de de- campo, fazem parte de uma relação de intersubjetivi-
terminados aspectos da dinâmica social em detrimen- dade, de interação social com o pesquisador, daí re-
to de outros. sultando um produto novo e confrontante tanto com
Moscovici apud Palos, 2000, afirma que a observa- a realidade concreta como com as hipóteses e pressu-
ção tem um papel significativo nos estudos de Repre- postos teóricos, num processo mais amplo de cons-
sentações Sociais, pois nos liberta da quantificação e trução de conhecimentos.” (Minayo, 1992 p.105)
da experimentação. Nesta fase busca-se o maior nú- Nesta fase também devem ser realizadas reuniões
mero de informações possível sobre o contexto onde com os moradores e líderes comunitários a fim de se
são produzidas as representações sociais, de forma a apresentar a proposta de trabalho ao grupo, levantar
complementar os dados obtidos através da pesquisa seus interesses e preocupações. As informações as-
bibliográfica. Essa complementação permite uma sim obtidas podem fornecer subsídios para o roteiro

Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003 79


das entrevistas, as quais buscaram contemplar, na nea) para fazer o entrevistado falar sobre um determi-
medida do possível, as inquietações da comunidade, nado tema. Segundo ele, questões são evitadas, são
a fim de que este trabalho pudesse também se rever- feitas reformulações, complementações, sem, contu-
ter em instrumento para auxílio no eqüacionamento do, se estabelecer uma ordem definida e muito menos
da problemática local. uma avaliação dos efeitos suscitados.
Com base nessas visões, acredita-se que a entre-
Entrevistas
vista, assim como o levantamento de dados e a obser-
Minayo, 1992, entende que ao lado da observação par- vação participante, sejam instrumentos de constru-
ticipante, a entrevista – tomada no sentido amplo de ção do conhecimento, que devam ser utilizados levan-
comunicação verbal, e no sentido restrito de coleta de do-se em conta as suas limitações relativamente à
informações sobre determinado tema científico – é a teorização sobre o real. Desta forma, cabe ao pesqui-
técnica mais usada no processo de trabalho de cam- sador buscar mecanismos que garantam a maior pro-
po. Traduz-se também em fonte de dados secundários ximidade possível entre o conhecimento produzido e
e primários, referentes “a fatos, idéias, crenças, ma- a realidade.
neira de pensar, opiniões, sentimentos, maneiras de
sentir, maneiras de atuar, conduta ou comportamen- Entrevistas individuais
to presente ou futuro, razões conscientes ou incons- De acordo com Minayo, 1992, a entrevista que inclui
cientes de determinadas crenças, sentimentos, manei- questões abertas, onde o sujeito tem liberdade total
ras de atuar ou comportamentos.” (Jahoda apud para abordar o assunto sob o seu ponto de vista, per-
Minayo, 1992 p. 108) mite tanto a obtenção de informações denominadas
Cicourel, mencionando pela mesma autora, a mais objetivas, como outras de caráter mais subjeti-
reconhece como sendo uma técnica privilegiada na vo, referentes às atitudes, opiniões e valores dos indi-
construção do conhecimento, na medida em que pro- víduos entrevistados.
picia subsídios significativos, quer se levada em con- No que tange às práticas sociais, Bordieu entende
ta isoladamente, quando revela a qualidade do sujei- que “todos os membros do mesmo grupo ou da mes-
to e dos dados específicos que dele emergem, quer se ma classe são produtos de condições objetivas idênti-
levada em conta no seu conjunto, quando cria um ver- cas. Daí a possibilidade de se exercer na análise da
dadeiro caleidoscópio que favorece a composição do prática social, o efeito de universalização e de parti-
“quadro” pelo pesquisador. cularização, na medida em que eles se homogeneizam,
Blanchet et al, 1985, entendem que a entrevista distinguindo-se dos outros”. (Bordieu apud Minayo,
permite estudos de fatos tais como ações passadas, 1992 p.111)
conhecimentos sociais, além de sistemas de valores e A seleção dos entrevistados deve ser feita a partir
normas, nos quais a palavra é o vetor principal. Além de critérios definidos pelo pesquisador , devidamen-
desses é possível também realizar outros onde a pró- te apresentados e justificados pelo mesmo. A identi-
pria palavra é o elemento central, como por exemplo dade de cada um dos participantes deve ser mantida
as análises de estruturas discursivas, de fenômenos sob sigilo salvo se houver outro tipo de acordo. Todos
de persuasão, de argumentação, etc. esses entendimentos devem constar do termo de com-
Entretanto, este mesmo autor alerta para o fato de promisso que o pesquisador apresenta aos entrevis-
que, se por um lado, a entrevista como instrumento tados e ‘a população antes da realização do trabalho
tem uma utilidade heurística indiscutível, por outro, de campo .
é bastante discutível como método; isto porque não As entrevistas devem ser gravadas em fita K-7, se
responde aos critérios mínimos que caracterizam um o entrevistado concordar e transcritas ipsis literis, tal
método científico, uma vez que nenhuma de suas va- como preconiza a tradição das pesquisas etnográ-
riáveis são verdadeiramente controladas. Na sua opi- ficas,porém, se necessário, pode haver uma adequa-
nião, durante o processo de entrevista tudo se passa ção do discurso oral à linguagem escrita, para se ga-
como se o entrevistador fizesse o melhor uso de sua rantir a inteligibilidade do depoimento. (Palos, 2000).
pessoa e de sua sociabilidade (artificial ou espontâ- A análise das falas dos sujeitos é realizada atra-

80 Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003


vés da identificação de núcleos estruturadores recor- nas entrevistas individuais. Nessa fase, como forma
rentes nos discursos. Busca-se, a partir destes núcle- de ampliação e aprofundamento destes temas, podem
os ou temas, a explicitação do sentido contido nos ser utilizados os registros fotográficos obtidos du-
conteúdos das diversas falas, de forma a permitir a rante a fase da observação. As imagens podem ser
compreensão das representações sociais. Já existe projetadas e alimentar a discussão do grupo
uma produção importante sobre as representações O grupo focal deve ser composto por cerca de 7 a
sociais acerca de recursos hídricos e meio ambiente, 15 indivíduos que compartilhem uma identidade re-
assim como as práticas sociais de apropriação destes, ferente ao tema estudado: moradores de um bairro,
no contexto da dinâmica urbana. (Soares, 2000; grupo etário, portadores de determinadas doenças,
Reigota, 1995, Palos 2000). etc.; as discussões devem ser conduzidas pelo pesqui-
Alguns estudos de análise temática também se sador e dois assistentes, um deve se encarregar do
valem de operações estatísticas como a porcentagem registro das falas, dos cuidados com o gravador, etc
ou a análise fatorial para determinar a regularidade enquanto que o segundo deve se preocupar em regis-
dos temas emergentes das falas, como é convencional trar a linguagem não falada: gestos, disposição das
nas análises temáticas. pessoas no grupo, expressões, etc.O pesquisador que
De acordo com Bardin, 1979, “o tema é a unidade conduz a reunião deve se preocupar em garantir que
de significação que se liberta naturalmente de um tex- todos os entrevistados participem, que alguém mono-
to analisado segundo critérios relativos à teoria que polize a conversa ou que se instaure um clima agres-
serve de guia à leitura”. (pg. 105) sivo ou muito tenso.
O critério para o agrupamento dos temas pode ser As reuniões de grupo-foco devem ser realizadas em
a similaridade do seu significado. O significado des- locais “neutros”, ou seja, se o objetivo do estudo refe-
tes temas, por seu turno, deve ser explicitado a partir rir—se às relações entre usuários e técnicos, à avalia-
de categorias -gerais e específicas. ção do serviço junto à população, etc, devem ser evita-
Grupo focal dos prédios públicos ligados ao próprio serviço; o ide-
Segundo Cotrim, 1996, “trata-se de um tipo especial al são escolas, ( se o tema não for educação) centros
de grupo em termos do seu propósito, tamanho, com- recreativos ,etc. Seu tempo de duração não deve ultra-
posição e dinâmica. Basicamente, o grupo focal pode passar uma hora e meia, lembrando-se que na primei-
ser considerado uma espécie de entrevista de grupo, ra reunião talvez seja necessário um tempo maior para
embora não no sentido de ser um processo onde se o entrosamento do grupo, o entendimento da dinâmi-
alternam perguntas do pesquisador e respostas dos ca e dos objetivos, etc.
participantes. Diferentemente, a essência do grupo O número de grupos e de encontros deve ser defini-
focal consiste justamente em se apoiar na interação do pelo pesquisador de acordo com a problemática
entre seus participantes para colher dados, a partir detectada, dos objetivos da pesquisa ou de outros cri-
de tópicos que são fornecidos pelo pesquisador. Uma térios como o tipo e número de sub-grupos identifica-
vez conduzido, o material obtido vai ser a transcrição dos como pertinentes para o projeto. Devem ser reali-
de uma discussão em grupo, focada em um tópico es- zadas tantas reuniões quanto forem as necessárias
pecífico (por isso grupo focal) ” (p.286) para o entendimento do tema ou tantas quantas o gru-
Ainda segundo esta autora, a coleta de dados atra- po aceitar.
vés do grupo focal contrasta com aqueles colhidos em Esses procedimentos metodológicos foram aplica-
entrevistas individuais, onde as pessoas são convoca- dos no estudo de dois bairros populares do município
das a emitir opiniões sobre assuntos sobre os quais de Mairiporã.
talvez nunca tenham pensado anteriormente. Para ela A pesquisa, realizada entre 2000 e 2001, tinha
os indivíduos em geral precisam ouvir as opiniões dos como objetivo identificar as representações sociais
outros antes de formar as suas próprias. Assim, a em relação a recursos hídricos, justificando-se pelo
opção por este procedimento pode complementar e fato de estes bairros estarem localizados em área
ampliar aspectos abordados, com grande freqüência, crítica, do ponto de vista da prática dos mananciais.

Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003 81


Essa linha de pesquisa, por sua vez, vai ao encon- dão conta da dinâmica social, política e econômica que
tro de um entendimento já consensual sobre a neces- os incorpora e em muitas ocasiões acabam assumin-
sidade de maior participação popular no que diz res- do a responsabilidade pelas condições ambientais in-
peito a políticas públicas. salubres, as quais são determinadas muito mais pela
A participação, porém, só é possível quando o uni- conjuntura sociopolítica do que pelas suas práticas
verso dos técnicos é capaz de entender outros discur- sociais e tradições culturais de interação com o meio.
sos e culturas. Neste processo, onde passam a assumir a respon-
Nesse sentido, os resultados obtidos demonstram sabilidade pela degradação ambiental, elaboram re-
a pertinência dos métodos adotados, conforme o que presentações de pobreza, as quais remetem a atribu-
se segue. tos desvalorizados socialmente, tais como a falta de
zelo, educação, capricho, o que resulta em uma auto-
imagem bastante negativa.
Resultados
Esta representação reforça o processo de exclusão
Em decorrência do padrão de desenvolvimento urba- social do qual são vítimas, à medida em que os segre-
no adotado a partir do final do século XIX e da cres- ga, afastando-os dos demais moradores, ou seja, da-
cente concentração de indivíduos em áreas territo- queles que são zelosos, educados, civilizados...
riais restritas, institucionalizaram-se práticas soci- Diante desta situação desfavorável, estes segmen-
ais de apropriação do espaço e dos recursos naturais tos sociais elaboram estratégias de auto-inclusão ado-
que conduziram à degradação ambiental e ao compro- tando as práticas que são valorizadas pelo grupo con-
metimento da disponibilidade destes recursos, com siderado por eles mais civilizado. Essa estratégia, por
conseqüências diretas à saúde da população. sua vez, lhes confere um padrão diferenciado de
Embora as condições ambientais nas grandes ci- educação, a despeito da sua condição socioeconômica,
dades, em geral, não sejam salubres, a porção localiza- equiparando-os àqueles outros sujeitos que são asse-
da nas franjas das metrópoles, onde a infra-estrutura ados, zelosos e “civilizados”...
urbana é deficitária, particularmente nos países em de- Os moradores do bairros de Vila Davi e Vila São
senvolvimento, é aquela que se constitui em área mais José, do município de Mairiporã, exemplificam esta
crítica; sobretudo, porque historicamente vem acomo- situação quando removem a cobertura vegetal origi-
dando contingentes populacionais crescentes, expul- nal, substituindo-a por gramados e espécies exóticas,
sos das zonas centrais, basicamente em função das de- a exemplo das propriedades de alto padrão do Jardim
sigualdades sociais e, sobretudo, do desemprego. Sandra I.
Particularmente nas periferias das cidades, muito O novo visual criado por este tipo de vegetação
mais do que em outras áreas urbanas, a população de imprime à moradia e, consequentemente, ao seu pro-
baixo nível socioeconômico experimenta a carência prietário uma imagem que recria a representação de
sob várias formas. Esta situação se constitui, inclusi- pobreza, à medida em que lhe infunde atributos como
ve, em elemento de identificação entre aqueles sujei- capricho e higiene, os quais o distingue dos demais
tos e é fruto de uma desigualdade estrutural e estru- pobres do local - os descuidados e sem asseio.
turante. Há escassez de moradia, saneamento básico, Entretanto, mesmo as residências que não adotam
transporte, educação, lazer, saúde, trabalho, renda, este padrão paisagístico nas áreas externas, eviden-
consumo etc. De acordo com IANNI 1999, a vida nes- ciam uma série de cuidados com o local no sentido de
tes locais se desenvolve no limite dos recursos, sejam garantir a salubridade do meio.
eles ‘naturais’ ou sociais. Para isto criam soluções individuais que buscam
Neste contexto, os processos de degradação am- o controle dos processos erosivos, a dispersão de resí-
biental são intrínsecos ao cotidiano destes habitan- duos sólidos e a proliferação de vetores. Afinal, para
tes e se desencadeiam muito mais em função de defi- a maioria dos moradores, aquele é o lugar da realiza-
ciências na atuação do poder público do que devido ção de um projeto de vida assim como do resgate da
as práticas sociais de apropriação do meio. dignidade, uma vez que foi o único espaço onde pude-
Entretanto, os habitantes destas regiões não se ram concretizar o sonho da casa própria.

82 Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003


Diante do exposto, entende-se que conhecer as re- ção da vida e da saúde; passando a ser associada à morte
presentações sociais acerca de recursos hídricos e e, portanto, rejeitada socialmente.
meio ambiente dos moradores dos bairros de Vila Davi, As representações de meio ambiente estão relacio-
Vila São José, Jardim Sandra I e II, bem como identifi- nadas predominantemente ao meio natural, que por sua
car as formas de apropriação social destes elementos vez está associado ao acesso universal à saúde, na me-
é, antes de tudo, desvelar as injustiças sociais, tradu- dida em que propicia paz, lazer, alegria, tranqüilidade,
zidas pela má distribuição da riqueza e a falta de aces- bom clima e ar puro a todos, de forma eqüânime.
so a direitos elementares do ser humano como a mo- Embora a população identifique várias formas de
radia, o trabalho, a educação, a saúde, dentre outros. degradação ambiental e as relacione de alguma ma-
Desta forma, levando-se em conta que as represen- neira com a má distribuição de renda, falta de inves-
tações sociais sejam resultado de processos cogniti- timentos do setor público em áreas sociais, assim
vos e, portanto, intra-individuais, é fundamental para como com deficiências de planejamento e infra-estru-
a sua compreensão que não sejam desconsiderados os tura urbanos, associa, contraditoriamente, grande
aspectos sociais, culturais, políticos e econômicos que parte dos processos de deterioração do meio à condi-
lhes são subjacentes, uma vez que os grupos huma- ção de pobreza dos moradores.
nos elaboram a sua visão de mundo a partir das suas Para o grupo pesquisado a baixa renda implica em
condições objetivas de existência. ignorância e negligência da população quanto às con-
Acredita-se que a compreensão aprofundada das dições de salubridade locais. Esta representação, por
representações sociais construídas por estes sujeitos, sua vez, reforça os processos de exclusão social dos
assim como a identificação das suas práticas de apro- quais são vítimas na medida em que os coloca em con-
priação do meio, produzam elementos que favoreçam dição de inferioridade em relação a outros grupos
a criação de mecanismos e estratégias, quer por par- “mais educados” e “mais civilizados”, que habitam
te do poder público quer pela sociedade civil, volta- locais melhor estruturados.
das à inserção social destes atores, no âmbito do es- Desta forma, entende-se que um primeiro passo
paço urbano. para a reinserção social destes sujeitos seja a descons-
Tanto os processos de compreensão destas repre- trução desta representação, assim como a valorização
sentações quanto de inserção destes sujeitos implicam, dos seus talentos, recursos próprios e estratégias de
necessariamente, na reflexão acerca das contradições sobrevivência para criar e recriar o seu espaço de vida.
e desigualdades sociais que permeiam o seu cotidiano, Partilha-se do pressuposto de IANNI 1999, segun-
quer no âmbito da esfera pública, quer na privada. do o qual esses moradores de áreas periféricas são,
No que diz respeito aos recursos hídricos locais, antes de tudo, artistas que, vivendo no limiar da es-
basicamente o rio Juqueri, identificou-se que os mes- cassez, criam e recriam cotidianamente as suas vidas,
mos se constituem em referência e elemento de iden- com as próprias mãos.
tidade daquela população, integrando-se à paisagem Ainda que não participem da gestão do espaço e
de forma indissociável. dos recursos naturais regionais, os habitantes pres-
O fato de a maioria dos corpos d’água locais se- sionam o poder público, através das Associações de
rem superficiais e não estarem canalizados propicia Moradores, no sentido de uma atuação mais eficiente.
a sua apropriação pela população, resultando em um Entretanto, as reivindicações daqueles moradores
vínculo identitário calcado na sua re-significação per- restringem-se apenas aos bairros pesquisados, evi-
manente. denciando o desconhecimento da problemática sócio-
A água, pela sua característica transparência e au- ambiental mais ampla e a falta de participação nos
sência de odores, é associada à idéia de pureza. Soma- processos políticos.
se a este significado o da geração e manutenção da vida, Outro aspecto observado foi a predominância dos
aspectos estes que remetem-na à esfera divina, elevan- interesses da metrópole de São Paulo em detrimento
do-a à categoria de elemento sagrado. Sendo contami- da vocação econômica, das tradições culturais e da
nada, todavia, torna-se impura e neste sentido indigna herança histórica dos municípios circunvizinhos.
de cumprir a sua determinação divina, que é a promo- Acredita-se que este padrão de desenvolvimento ten-

Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003 83


da a agravar ainda mais as desigualdades regionais é possível registrar algumas ações, as quais
além de impor a estas populações condições ambien- objetivam fortalecer a atividade econômica, redu-
tais cada vez mais precárias. zir os prejuízos financeiros assim como os passi-
vos ambientais para o setor público e o privado:
Dentre estas, pode-se citar:
Os desafios para o município
• fornecimento de subsídios e incentivos à expansão
No município de Mairiporã e, particularmente, nos bair- das atividades agrícolas desenvolvidas nos moldes
ros de Vila São José, Vila Davi, Jardim Sandra I e II, ob- acima;
serva-se que as práticas sociais de apropriação e gestão • criação de linhas de crédito e benefícios fiscais,
dos recursos naturais, sobretudo os hídricos, refletem, objetivando a criação de novos postos de trabalho e
ao mesmo tempo, os processos históricos de interação fixação de mão-de-obra no campo;
homem-meio natural e o modelo de desenvolvimento
• cadastramento dos produtores rurais visando a
econômico predominante nos dois últimos séculos.
estruturação de suporte técnico no que se refere ao
Mairiporã teve o seu crescimento desenhado por
manejo adequado do solo, particularmente das áreas
São Paulo, a partir de uma ‘racionalidade’ econômica,
mais frágeis.
que privilegiou os interesses da metrópole em detri-
mento do patrimônio ambiental e da herança cultural • investimos privados e incentivos públicos em seto-
do município, descaracterizando toda uma região em res voltados ao turismo e ao lazer;
razão da necessidade do aumento da capacidade hi- • elaboração de Programas e Projetos de conservação
dráulica e elétrica da Região Metropolitana de São e recuperação ambiental em conjunto com o governo
Paulo. Este processo produziu uma desestruturação estadual e segmentos da sociedade civil, em cumpri-
econômica e social que até o momento não conseguiu mento à lei de Proteção aos Mananciais.
ser superada pela região. Não obstante a conjuntura institucional, acredi-
O município reduziu a uma parcela mínima as ati- ta-se que o grande desafio para o município seja o de
vidades agropecuárias e minerais, base da sua econo- estabelecer sua autonomia frente aos interesses da
mia em um passado recente, para transformar-se em metrópole, inserindo-se como parceiro nas relações
cidade dormitório, absorvendo a massa de trabalha- políticas sem, contudo, abrir mão da definição dos
dores que têm baixa remuneração e não possuem con- seus objetivos e prioridades.
dições de permanecer nos grandes centros, em fun- Neste contexto, os processos de educação am-
ção do alto custo das moradias. biental surgem como uma possibilidade de inserção
Após uma série de restrições às atividades produ- do cidadão comum nos processos decisórios, à me-
tivas, impostas pela Lei de Proteção aos Mananciais, dida em que estabelece as bases para a reflexão crí-
a cidade vem buscando, ainda que embrionariamente, tica a respeito da crise ambiental e da responsabili-
a consolidação de alternativas econômicas que garan- dade que tem cada cidadão na gestão do espaço onde
tam, paralelamente, o crescimento da arrecadação e a vive.
criação de postos de trabalho. Não se trata apenas de propor a criação de uma
Já é possível identificar no município, basicamente consciência ecológica, mas prioritariamente, uma
através da mídia escrita, um discurso que faz alusão consciência crítica, voltada ao resgate ético e moral
à necessidade de se estabelecer uma identidade local, nas relações entre os seres humanos e o meio.
baseada em um modelo de desenvolvimento que con- Acredita-se que desta perspectiva serão buscadas
temple a vocação econômica da região, de uma pers- alternativas de desenvolvimento que minimizem os
pectiva sustentável. prejuízos ambientais e sociais e maximizem as
Embora não exista uma política pública muni- potencialidades econômicas e culturais locais, assim
cipal clara de gestão dos recursos naturais locais, como o capital humano.

84 Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003


Referências Bibliográficas IANNI, A. M. Z. Meio ambiente e saúde na periferia da
metrópole: Capela do Socorro, São Paulo. São Paulo,
ADORNO, R. C. F.; CASTRO, A. L. O exercício da sensi- 1999. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais)
bilidade: pesquisa qualitativa e a saúde como – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências
qualidade. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.3, n.2, Humanas, Universidade de São Paulo.
p. 172-85, 1994. MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa
ANDRADE, M. T. As representações do cirurgião- qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec/ABRAS-
dentista do serviço público municipal sobre a CO, 1992.
prevenção da cárie, e seu papel neste processo. São PALOS, C. M. C. Meio ambiente e saúde em Espírito
Paulo: 1997. Dissertação (Mestrado em Saúde Santo do Turvo-SP: um estudo das representações
Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Universi- sociais das integrantes do movimento de mulhe-
dade de São Paulo. res. São Paulo, 2000. Dissertação (Mestrado em
BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública, Uni-
1979. versidade de São Paulo.
BEYHAUT, G. Metropolização e globalização: bosque- REIGOTA, M. Meio ambiente e representação social.
jos históricos e sociais. In: GADELHA, R. M. A. F. São Paulo: Cortez, 1995.
Globalização, metropolização e políticas neolibe- SÁ, C. P. Representações sociais: o conceito e o estado
rais. São Paulo: EDUC, 1997. p. 17-26. atual da teoria. In: SPINK, M. J. (Org.) O conheci-
BLANCHET, A. et al. L’entretien dans les sciences mento no cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1993.
sociales. Paris: Dunod, 1985. p.19-45.
COTRIM, B. C. Potencialidades da técnica qualitativa SOARES, S. M. Práticas terapêuticas não-alopáticas
grupo focal em investigações sobre abuso de no serviço público de saúde: caminhos e
substâncias. Revista de Saúde Pública, São Paulo, descaminhos. São Paulo, 2000. Tese (Doutorado
v.30, n.3, p. 285-93, 1996. em Saúde Pública) - Faculdade de Saúde Pública,
CRUZ NETO, O. O trabalho de campo como descoberta Universidade de São Paulo.
e criação. In: MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa SPINK, M. J. O estudo empírico das representações
social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro: sociais. In: SPINK, M. J. (Org.) O conhecimento no
Vozes, 1994. p. 51-66. cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 85-107.

Recebido em: 05/02/2003


Reapresentado em: 14/05/2003
Aprovado em: 03/06/2003

Saúde e Sociedade v.12, n.2, p.76-85, jul-dez 2003 85