Você está na página 1de 18

Desenho do Programa

de Treinamento
Processo de Treinamento
Diagnóstico
(necessida
des)

Avaliação Desenho
dos do
resultados Programa

Aplicação
do
Programa
Estratégias de Ensino

• Desenho – É a elaboração do projeto ou programa de


treinamento para atender às necessidades
diagnosticadas.

“O segredo de um grande sucesso está no


trabalho de uma grande equipe.”
Desenho do Programa de Treinamento
Quem deve ser treinado? • Treinandos

Como treinar? • Métodos ou recursos instrucionais

Em que treinar? • Assunto ou conteúdo do treinamento

Por quem treinar? • Instrutor ou treinador

Onde treinar? • Local físico, órgão ou entidade

Quando treinar? • Época ou horário do treinamento

Para que treinar? • Objetivos ou resultados esperados


Recursos
• A tecnologia está influenciando os métodos de treinamento e
reduzindo custos.

✓Recursos audiovisuais: imagens, informação em áudio, CD e DVD;


✓Teleconferência: áudio e vídeo;
✓Correio eletrônico (e-mail);
✓Tecnologia de multimídia: integra áudio, vídeo e texto;
✓Cartazes, mapas, fotografias, objetos, dentre outros.
Cuidado na utilização excessiva
Execução do Treinamento
• É norteada pelo plano de treinamento e pressupõe
sempre a relação facilitador-participante e as pessoas
estão situadas em qualquer nível hierárquico.

• Treinamento no trabalho: formal interno ou formal


externo; e
• À distância (E-learning).
Fatores que podem afetar a qualidade
de execução do treinamento

• Qualificação dos instrutores;


• Seleção dos participantes (conhecimento, motivação);
• Qualidade do material e técnicas;
• Apoio administrativo; e
• Cooperação dos gestores.
Os treinamentos mais utilizados pelas organizações
Estratégias de treinamento
• Exposição: Conhecimento prévio sobre o assunto deve
ser considerado e pode ser tomado como ponto de partida.

Conteúdo com a participação ativa dos participantes


através de exemplos e busca conexões entre a experiência da
vida.

O forte dessa estratégia é o diálogo, com espaço para


questionamentos, críticas e solução de dúvidas. É
imprescindível que o grupo discuta e reflita sobre o que está
sendo tratado, a fim de que uma síntese integradora seja
elaborada por todos.
• Discussão em grupo:

• MESA REDONDA/DISCUSSÃO EM GERAL


• Discutir ou refletir sobre um tema ou situação-problema;
• Obter a participação de todos;
• Chegar a uma decisão participativa e, quando possível,
unânime;
• Levar os participantes a assumir responsabilidades.
Participação na decisão é garantia de colaboração.
Phillips 66/ DISCUSSÃO 6/6
• Os alunos são divididos
Grupos de 6 membros.
Durante 6 minutos podem discutir um
assunto/tema/problema na busca da proposição de uma
solução provisória.
Pode ser feito uma síntese com a solução acordada pelo
grupo e explicitada aos demais durante mais 6 min.
GV-GO
GV = grupo de valorização
GO = grupo de observação.

• Consiste na divisão do grupo em dois subgrupos


O primeiro grupo é o que irá discutir o tema na primeira
fase, e o segundo observa e se prepara para substituí-lo.
Na segunda fase, o primeiro grupo observa e o segundo discute. É
uma técnica bastante fácil e informal.

Após as discussões, o coordenador poderá apresentar uma síntese do


assunto debatido. Poderá ser, inicialmente, marcando um
“sintetizador”.
• Demonstração:
✓Adequada para o ensino
de habilidades manuais ou rotineiras;
✓Repetição dos participantes;
✓Feedback do desempenho.
Operação de máquina agrícola

• Estudo de Caso: O caso é levado para reuniões e debates,


possibilitando aos participantes a análise dos fatos através
de críticas ou soluções. Embasar a tomada de decisão.
• Dramatização: Representação de situações reais de forma
simulada

Recursos Execução
Espaço Estudo do ambiente

Roteiro/Tema Seleção dos Personagens

Vídeo Planejamento
Ensaio Montar cena
• Jogos: Ferramentas de ensino baseadas em mecânicas
de jogos

Recursos Execução
Objetos/Materiais Divisão dos grupos
Dinâmicas Elaborar estratégias
Exercícios Definir a regras do jogo
Estudo de caso Estabelecer a duração ideal
• Leituras: Técnica mais utilizada para transmitir informação
em programas de treinamento.

. Comunicação de mão única


. Presente na maioria dos programas
• Instrução programada: Pode ser computadorizada ou através
de livros e os treinandos aprendem no seu próprio ritmo.

Informação inicial Aluno reage


(estímulo) Aluno aprende
(resposta)
A resposta é
comparada com a A resposta correta é
Nova informação
certa recompensa (reforço)
Referência Bibliográfica
• CHIAVENATO, Idalberto. Treinamento. In: Idalberto
CHIAVENATO. Gestão de Pessoas. 3° Edição. RJ, ELSEVIER,
2008, p. 365-391
• Texto extraído do livro Gestão de Pessoas: enfoque nos
papéis profissionais (2001) cap. 6

Você também pode gostar