Você está na página 1de 6

A MÚSICA DAS ESFERAS

A mais sublime, mas menos conhecida, de todas as especulações pitagóricas era


a dos harmônicos siderais. Dizia-se que, de todos os homens, apenas Pitágoras
ouvia a música das esferas. Aparentemente, os caldeus foram os primeiros a
conceber os corpos celestes unidos em um canto cósmico enquanto se moviam de
maneira majestosa pelo céu. Jó descreve um tempo “quando as estrelas da manhã
cantaram juntas”, e no Mercador de Veneza o autor das peças de Shakespeare
escreve: “Mesmo o menor astro que tu vês, em seu movimento como um anjo
canta”.

Pitágoras concebeu o universo como um imenso sonômetro, com sua única corda
conectada em sua extremidade superior ao espírito absoluto e em sua
extremidade inferior à matéria absoluta - em outras palavras, um cordão esticado
entre o céu e a terra. Contando para dentro da circunferência dos céus, Pitágoras,
de acordo com algumas autoridades, dividiu o universo em nove partes; de acordo
com os outros, em doze partes. O sistema doze vezes era o seguinte: A primeira
divisão era chamada de empyrean, ou a esfera das estrelas fixas, e era a morada
dos imortais. A segunda parte da décima segunda divisão era (em ordem) as
esferas de Saturno, Júpiter, Marte, o Sol, Vênus, Mercúrio e a Lua, e fogo, ar, água
e terra.
Os nomes dados pelos pitagóricos às várias notas da escala diatônica foram, de
acordo com Macrobius, derivados de uma estimativa da velocidade e magnitude
dos corpos planetários. Acreditava-se que cada uma dessas esferas gigantescas,
enquanto corria interminavelmente pelo espaço, soava um certo tom causado por
seu contínuo deslocamento da difusão ætereal. Como esses tons eram uma
manifestação da ordem e do movimento divinos, deve necessariamente acontecer
que eles participassem da harmonia de sua própria fonte. “A afirmação de que os
planetas em suas revoluções ao redor da terra expressavam certos sons que
diferiam de acordo com suas respectivas 'magnitude, celeridade e distância local',
era comumente feita pelos gregos. Assim, Saturno, o planeta mais distante, foi dito
para dar a nota mais grave, enquanto a Lua, qual é o mais próximo, deu o mais
agudo. 'Estes sons dos sete planetas, e a esfera das estrelas fixas, junto com a
que está acima de nós [Antichthon], são as nove Musas, e sua sinfonia conjunta é
chamada Mnemosine.' ”(Veja O Cânon.) Esta citação contém um referência
obscura à divisão nove vezes do universo anteriormente mencionado.

Os iniciados gregos também reconheceram uma relação fundamental entre os


céus ou esferas individuais dos sete planetas e as sete vogais sagradas. O
primeiro céu proferiu o som da vogal sagrada Α (Alfa); o segundo céu, a vogal
sagrada E (Epsilon); o terceiro, Η (Eta); o quarto, Ι (Iota); o quinto, Ο (Omicron); o
sexto, Υ (Upsilon); e o sétimo céu, a vogal sagrada Om (ômega). Quando esses
sete céus cantam juntos, eles produzem uma harmonia perfeita que ascende como
um louvor eterno ao trono do Criador. (Veja Ireneu 'Contra Heresias.) Embora não
seja assim declarado, é provável que os céus planetários sejam considerados
ascendentes na ordem pitagórica, começando com a esfera da lua, que seria o
primeiro céu.
Muitos dos primeiros instrumentos tinham sete cordas, e geralmente se reconhece
que Pitágoras foi quem adicionou a oitava corda à lira de Terpander. As sete
cordas sempre foram relacionadas tanto às suas correspondências no corpo
humano quanto aos planetas. Os nomes de Deus também foram concebidos para
serem formados a partir de combinações das sete harmonias planetárias. Os
egípcios confinaram suas canções sagradas aos sete sons primários, proibindo
que quaisquer outros fossem proferidos em seus templos. Um de seus hinos
continha a seguinte invocação: “Os sete sons que soam louvam a Ti, o Grande
Deus, o incansável Pai operante de todo o universo”. Em outro, a Divindade
descreve a Si mesmo assim: “Eu sou a grande lira indestrutível de todo o mundo. ,
sintonizando as canções dos céus.

Os pitagóricos acreditavam que tudo o que existia tinha uma voz e que todas as
criaturas estavam eternamente cantando o louvor do Criador. O homem falha em
ouvir essas melodias divinas porque sua alma está enredada na ilusão da
existência material. Quando ele se liberta da escravidão do mundo inferior com
suas limitações de sentido, a música das esferas será novamente audível como na
Era de Ouro. A harmonia reconhece a harmonia, e quando a alma humana
recupera seu verdadeiro estado, ela não apenas ouvirá o coro celestial, mas
também se unirá a ele em um eterno hino de louvor ao Eterno Bem, controlando o
infinito número de partes e condições do Ser.
Os mistérios gregos incluíam em suas doutrinas um conceito magnífico da relação
existente entre música e forma. Os elementos da arquitetura, por exemplo, foram
considerados como comparáveis aos modos e notas musicais, ou como tendo uma
contraparte musical. Consequentemente, quando um edifício foi construído no qual
vários desses elementos foram combinados, a estrutura foi então comparada a um
acorde musical, que era harmônico apenas quando satisfazia plenamente os
requisitos matemáticos dos intervalos harmônicos. A compreensão dessa analogia
entre som e forma levou Goethe a declarar que “arquitetura é música cristalizada”.

Ao construir seus templos de iniciação, os primeiros sacerdotes freqüentemente


demonstravam seu conhecimento superior dos princípios subjacentes aos
fenômenos conhecidos como vibração. Uma parte considerável dos rituais
Misteriosos consistia em invocações e intenções, para o que foram construídas
câmaras sonoras especiais. Uma palavra sussurrada em um desses apartamentos
foi tão intensificada que as reverberações fizeram o prédio inteiro balançar e se
encher de um rugido ensurdecedor. A própria madeira e pedra usadas na
construção desses edifícios sagrados acabaram se tornando tão permeadas pelas
vibrações sonoras das cerimônias religiosas que, quando atingidas, elas
reproduziriam os mesmos tons assim repetidamente impressos em suas
substâncias pelos rituais.

Cada elemento na natureza tem sua nota individual. Se esses elementos forem
combinados em uma estrutura composta, o resultado será um acorde que, se
soado, desintegrará o composto em suas partes integrantes. Da mesma forma,
cada indivíduo tem uma palestra que, se soada, irá destruí-lo. A alegoria das
muralhas de Jericó caindo quando as trombetas de Israel foram tocadas é, sem
dúvida, destinada a expor o significado arcano da nota individual ou vibração.