Você está na página 1de 12

DOI: 10.1590/1413-81232015219.

17842016 2785

Programa Mais Médicos: panorama da produção científica

ARTIGO ARTICLE
The Mais Médicos (More Doctors) Program:
panorama of the scientific output

Elisandréa Sguario Kemper 1


Ana Valeria Machado Mendonça 1
Maria Fátima de Sousa 1

Abstract Despite the progress achieved by the Resumo Apesar dos avanços conquistados pela
Primary Health Care and Family Health Strate- Atenção Primária e Estratégia Saúde da Família
gy in the Unified Health System (SUS) challeng- no SUS, ainda persistem desafios com relação à
es still remain with regard to the universality of universalização do acesso e à qualidade dos ser-
access and the quality of services, one of the fac- viços, tendo como um dos fatores a defasagem e a
tors being the unequal distribution of physicians. distribuição desigual de médicos. O Governo bra-
The Brazilian Government established the Mais sileiro propôs o Programa Mais Médicos (PMM)
Médicos Program (More Doctors Program), in para o Brasil, considerado como um conjunto de
order to move forward in the provision, placement medidas para avançar no provimento, fixação e
and training of physicians in the SUS. This study formação de médicos no SUS. Este estudo consiste
consists of a review of the literature of the Mais em uma revisão bibliográfica do Programa Mais
Médicos Program, in order to map and assess the Médicos, com o objetivo de mapear e dimensionar
scientific production on the Program, as well as a produção científica sobre o mesmo, bem como
summarize the findings and present the results of sistematizar os achados e apresentar os resultados
the analysis. Fifty-four publications were selected, a partir de uma análise crítica. Foram seleciona-
which evaluate the Program in terms of effective- das 54 publicações, as quais avaliam o Programa
ness, analysis of the implementation process, the Mais Médicos em termos de efetividade, de análise
media and the statements of the actors and assess- do processo de implantação, de análise da mídia e
ment of the legal and constitutional precepts. The dos discursos de atores, da formação e da análise
criticisms and limitations found were also sys- jurídica e constitucional. Foram também siste-
tematically analyzed. With respect to the analysis, matizadas as críticas e as limitações encontradas.
evaluations of the Program are overwhelmingly Com relação à análise, de forma geral, as avalia-
positive, showing important changes in the work ções do Programa são positivas, apresentando mu-
processes in services and training. The studies that danças importantes no processo de trabalho nos
show the Program as being an important instru- serviços e na formação. Destaque para os estudos
ment for the effective implementation of the right que apontam o Programa como um importante
to health are highlighted. instrumento para a efetivação do direito à saúde.
1
Organização Pan-
Americana da Saúde (OPAS/ Key words Primary Health Care, Mais Médicos Palavras-chave Atenção Primária em Saúde,
OMS). Setor de Embaixadas Program, Access, Universal coverage Programa Mais Médicos, Acesso, Cobertura uni-
Norte, lote 19. 70800-400
versal
Brasília DF Brasil.
elisaskemper@gmail.com
2786
Kemper ES et al.

Introdução nº 12.871 de 22 de outubro de 2013, como uma


proposta para avançar na solução dos problemas
A universalização do acesso e a prestação de ser- da APS no SUS, com medidas que intervêm na
viços de qualidade são desafios enfrentados pelos formação, na estrutura e no provimento de mé-
sistemas de saúde, os quais buscam estratégias e dicos nos serviços de APS. A vinda de médicos
políticas que possam superá-los e responder às estrangeiros para atuar na Atenção Básica causou
necessidades em saúde da população. Mesmo em grande reação negativa das entidades médicas,
países com sistemas universais e garantia consti- com inúmeras disputas ideológicas e judiciais7.
tucional, como é o caso do Brasil, na prática en- Apesar das críticas, o PMM vai além da vinda
frentam dificuldades na concretização do Direito em caráter emergencial de médicos estrangeiros,
à Saúde. propondo também ações estruturantes para o
Com suporte científico das evidências, é pos- SUS7, visando à ampliação do acesso e o fortaleci-
sível afirmar que países que possuem sistemas de mento do processo de trabalho na Atenção Básica
saúde organizados a partir da Atenção Primária (AB), intervindo na qualidade e na integralidade
a Saúde (APS) apresentam melhores resultados, da atenção e no ordenamento da formação mé-
traduzidos em menores custos da assistência, dica. Se trata de um Programa com um espectro
melhores níveis, maior satisfação dos usuários e de ações que variam de curto a longo prazo; de
diminuição das desigualdades sociais1-7. emergenciais a estruturais e que se desenvolvem
A APS deve ser compreendida como um nível em três eixos: (i) ampliação e melhoria da infra-
de atenção e cuidados essenciais em saúde, sus- estrutura de unidades de saúde; (ii) provimento
tentada pelo princípio da integralidade, baseada emergencial de médicos para áreas desassistidas; e
em métodos e tecnologias cientificamente funda- (iii) formação de recursos humanos para o SUS13.
mentadas e socialmente aceitáveis, garantindo a Frente a essa iniciativa do governo, em que se
plena participação popular8. Deve estar baseada propõe a fortalecer a APS no SUS, com ampliação
nos elementos essenciais ou atributos que são do acesso e cobertura aos serviços de saúde, den-
acesso e primeiro contato, longitudinalidade, in- tre outras medidas, tornam-se necessárias pes-
tegralidade e coordenação do cuidado, além da quisas científicas que possam avaliar essa recente
atenção individual com foco na família e na co- e complexa política pública, bem como, subsidiar
munidade9. a tomada de decisão e o aperfeiçoamento de es-
No Brasil, o fortalecimento da APS tem sido tratégias futuras.
um processo gradativo, com a ampliação da Es- O PMM ainda não gerou um grande volu-
tratégia Saúde da Família (ESF), que é a forma me de artigos publicados, especialmente para a
brasileira de organizar a Atenção Básica no Sis- avaliação dos resultados efetivos do Programa14.
tema Único de Saúde (SUS), mantendo os prin- Devido ao pouco tempo de criação do Progra-
cípios do SUS e apoiada nos atributos da APS. ma, a hipótese é que muitas pesquisas estejam em
Em 20 anos, a ESF ampliou a cobertura de 5% desenvolvimento ou concluídas recentemente e
para 60%7, e com isso, trouxe impactos positivos ainda sem publicação. Nesse sentido, este estu-
na saúde da população, além de fortes evidências do tem como objetivo mapear e dimensionar a
que demonstram que os resultados da ESF são produção científica sobre o PMM, sistematizar
muito superiores se comparados ao modelo tra- os achados e apresentar os resultados a partir de
dicional da APS no SUS6,10. uma análise crítica. A expectativa é de acrescentar
Apesar da importante expansão da ESF nos elementos para a reflexão e a discussão sobre essa
últimos anos, a capacidade de formação de médi- importante estratégia para o SUS.
cos não acompanhou a mesma velocidade, assim
como não se desenvolveram tecnologias suficien-
tes para o planejamento adequado de recursos hu- Método
manos em saúde7. A escassez de profissionais com
perfil adequado para o cuidado integral, aliada à Trata-se de uma revisão bibliográfica do PMM,
insuficiência e à má distribuição, é uma das prin- com a finalidade de fornecer um panorama cien-
cipais barreiras para a universalização do acesso tífico e análise crítica da literatura selecionada.
em saúde, sendo necessárias medidas que fortale- Este estudo se encaixa na definição de Vosgerau
çam as habilidades e as competências e a distribui- e Romanowski15, para revisão bibliográfica, que
ção equitativa dos profissionais nos serviços11,12. consiste em uma forma de mapear um campo do
Nesse contexto é lançado o Programa Mais conhecimento, com a finalidade de compreensão
Médicos (PMM) no Brasil, instituído pela Lei dos movimentos da área, da configuração, das
2787

Ciência & Saúde Coletiva, 21(9):2785-2796, 2016


propensões teóricas metodológicas e das análi- Resultados e discussão
ses críticas indican­do tendências, recorrências e
lacunas. Foram considerados para a revisão do PMM o
Esta revisão iniciou com a busca eletrônica total de 54 publicações, sendo 37 em formato de
nos bancos de dados do Medline, SciELO, Lilacs artigo e 17 trabalhos acadêmicos, divididos em
e BVS/Bireme, utilizando como descritor o ter- nove trabalhos de conclusão de curso ou mono-
mo ‘programa mais médicos’. Em seguida, fez-se grafias e oito dissertações de mestrado.
a busca por outros artigos a partir das referên- Os textos revisados foram organizados em
cias citadas em estudos selecionados. Foi também seis categorias considerando o foco principal do
utilizada como ferramenta de busca a Plataforma estudo ou dos resultados apresentados. As catego-
de Conhecimentos do Programa Mais Médicos rias são: a) Análise da implantação do PMM (15
(http://apsredes.org/mais-medicos/), utilizando publicações); b) Efetividade (15); c) Mídia (8);
o título das pesquisas cadastradas na Plataforma d) Limitações e críticas (6); e) Formação (5); e f)
para a busca no Google Acadêmico. Essa busca Análise jurídica/ constitucional (5) (Quadro 1). O
foi realizada entre os meses de janeiro, fevereiro, tema da efetividade foi dividido cinco subtemas,
até 20 de março de 2016. que são: acesso, cobertura e equidade; integrali-
Para a seleção das publicações foram consi- dade e longitudinalidade; mudanças do processo
derados como critérios de inclusão os estudos, de trabalho e modelo de atenção; satisfação dos
artigos e demais publicações que citam o termo usuários; e intersetorialidade. Apesar de a maioria
Programa Mais Médicos no título ou que tiveram das publicações apresentarem resultados em mais
como foco de estudo o Programa e que foram de uma área ou tema, para fins dessa categoriza-
publicados entre os anos de 2014, 2015 e 2016. ção, foram incluídos em apenas uma delas.
No total foram localizadas 82 publicações, sendo As áreas que tiveram mais publicações selecio-
excluídos os trabalhos apresentados em congres- nadas foram as que incluíram os estudos da análi-
sos, os que não geraram artigos e publicações, se de implantação do PMM e sobre efetividade. A
ou matérias jornalísticas em mídias eletrônicas, hipótese é que, por ser uma política recente, jus-
blogs, páginas institucionais e redes sociais, che- tifica-se o quantitativo de estudos que avaliam o
gando em 54 publicações consideradas para esta PMM em relação ao processo de implantação ser
revisão bibliográfica (Gráfico 1). Além destes tex- mais elevado que as outras áreas e o interesse em
tos, outros 12 artigos foram selecionados como avaliá-lo em termos de efetividade, trazendo sub-
referência conceitual e metodológica ao texto. sídios para a sua legitimação e também produzir
evidências para respaldar tanto as ações governa-
mentais como dar respostas à sociedade.
Em suma, os estudos se propuseram a analisar
e resgatar o processo histórico do PMM, a ana-
lisar o Programa com relação ao cumprimento
das regras e sob a perspectiva dos atores sociais,
tiveram análises comparativas, tanto com outros
250 países quanto com as regras de recrutamento e fi-
200
xação da Organização Mundial de Saúde (OMS),
82 estudos sobre a satisfação dos usuários, sobre a
150
ampliação do acesso e cobertura, com foco na
100 66 equidade, sobre os impactos na formação, análi-
50 54 ses das principais mídias do País e estudos jurídi-
0 cos na perspectiva da constitucionalidade do Pro-
grama e do Direito à Saúde. Destaca-se que oito
Publicações inseridas com o critério de busca (82). trabalhos acadêmicos foram produzidos em área
Publicações incluídas por avaliação de título e resultados distintas da saúde, como por exemplo, na área de
para o Programa Mais Médicos e suporte teórico do artigo Direito, Administração, Ciências Sociais, Filoso-
(66).
fia, entre outras, apontando para um despertar de
Publicações consideradas para a revisão do Programa Mais
Médicos (54).
interesse interdisciplinar gerado pelo PMM.
A seguir serão apresentados, de forma siste-
Gráfico 1. Número de publicações selecionadas neste matizada e estratificada por categoria, os resul-
artigo, a partir da aplicação de critérios de exclusão - tados da análise das publicações, com o foco nos
Brasil, 2016. resultados apresentados.
2788
Kemper ES et al.

Quadro 1. Artigos selecionados para a revisão bibliográfica segundo o autor e a categoria.

Análise implantação Efetividade Mídia Limitações e Formação Análise jurídica/


do PMM críticas constitucional

Alessio M (2015) Santos L. et al. Segallin M. Schefer M. Castro T. Carvalho G.


(2015) (2013) (2015) (2015) (2015)

Baião D et al. (2014) Silva R. e Sousa D. Luz C. Schanaider Sousa MF. et Silva S. e Santos
(2015) (2015) A. (2014) al. (2015) L. (2015)

Couto M (2015) OPAS (2015) Morais I. et Robespierre Cyrino E. et al Vasconcelos D.


al. (2014) C. (2015) (2015) (2014)

Pinto H et al. (2014) Pereira L. et al. Scremin L. Caramelli B. Santos B. et Di Jorge F.


(2015) e Javorski E. (2013) al. ( 2015) (2013)
(2013)

Santos M (2015) Mendes B. (2014) Carvalho F. Campos G. Sena I. et al. Kamikawa G. e


(2014) (2015) (2015) Motta I. (2014)

Bull WHO (2013) Florentino A. Souza L. CEBES


(2014) (2014) (2013)

Mádson A (2015) Souza B. e Paulette Santos R.


A. (2015) (2014)

Campos G (2013) Rojas V. (2015) Landim I.


(2013)

Molina J et al. (2014) Cruz M. (2015)

Lima R et al. (2015) Gonçalves R. et al.


(2014)

Collar J et al. (2015) Bertão I. (2015)

Rovere M (2015) Silva R. et al. (2015)

Oliveira F et al. (2015) Brito L. (2014)

González J. et al.
(2015) Silva I. (2014)

Carvalho K. (2015) Almeida E. et al.


(2015)

Análise da Implantação PMM dos prefeitos também naquele ano e a articulação


dos tomadores de decisão, no âmbito político e
Para iniciar a reflexão sobre a análise da im- institucional, agindo imbuídos do objetivo de
plantação do PMM, cabe citar os fatores desenca- eleger suas alternativas como a solução mais ade-
deantes do Programa, os que trouxeram à tona o quada ao problema evidenciado16,17.
debate político, geraram uma janela de oportuni- O processo de implantação do PMM foi per-
dade e se tornaram uma Questão Social. As mo- meado por disputas judiciais e embates ideológi-
bilizações populares em junho de 2013, a marcha cos, tendo sido creditada pelas entidades médicas
2789

Ciência & Saúde Coletiva, 21(9):2785-2796, 2016


como uma medida unilateral do Governo Fede- to na produção de conhecimento e novas formas
ral, eleitoreira e sem planejamento7. de cuidado25.
Mesmo considerando a hipótese de resposta Em perspectiva internacional comparada,
as mobilizações sociais, autores ousam classificar o PMM se destaca pela magnitude e dimensão
a implantação do PMM como um modelo top para atender a demanda dos municípios e tam-
down de políticas públicas, considerando que as bém pelo diferencial, em termos de ética, já que,
estratégias e as soluções vieram de cima para bai- países com proporção de médicos por habitantes
xo, apesar de reconhecer os esforços da política igual ou inferior ao Brasil não são elegíveis26,27.
em efetivar o Direito à Saúde18. Com relação ao Projeto Mais Médicos (pro-
Em agosto de 2013, iniciou a chegada dos vimento emergencial), é visto pelos cubanos
primeiros médicos estrangeiros no âmbito do como uma nova modalidade de colaboração,
PMM. A demanda dos gestores municipais por com diferencial em relação às outras missões de
médicos chegou a 15.460 vagas, as quais não fo- ajuda ou de cooperação médica, pela proposta de
ram preenchidas por profissionais brasileiros. educação continuada, por meio de estratégias de
Após um ano do início, o Programa contava com aprendizagem durante todo o tempo de trabalho
14.462 médicos, atuando em 3.785 municípios e no projeto e diversas ofertas educacionais28,29.
assistindo uma população de cerca de 50 milhões
de pessoas7. Efetividade
Considerando o alcance dos objetivos pro-
postos para o processo de implantação, um dos Cobertura, Acesso e Equidade
artigos classifica o PMM como exitoso, uma vez A falta de acesso à Atenção Básica atinge
que os editais de chamamento cumpriram os grande parte da população brasileira de regiões
seus objetivos de contratação imediata, a adesão remotas, vulneráveis e nas periferias das grandes
de médicos brasileiros no Programa aumentou e, cidades, ocasionada em grande proporção pela
com gestão descentralizada, mas com papéis bem escassez de profissionais médicos. O PMM con-
tribui para a permanência de equipes comple-
definidos, a estrutura de contratação é clara e or-
tas em regiões de alta rotatividade profissional,
ganizada19.
permitindo o acesso e a equidade nos serviços
O PMM surge como resposta à necessidade
a populações historicamente com restrições de
legítima de fortalecimento da Atenção Básica,
acesso, a exemplo da população Quilombola.
de expandir a cobertura da ESF, a qual vinha
Dessa forma, é possível evidenciar que o PMM
apresentando crescimento lento (1,5% ao ano),
contribuiu para reduzir iniquidades, atendendo
também com a proposta de distribuição mais
os municípios mais necessitados, os quais tinham
equitativa dos médicos nos serviços, com foco na
as piores razões médico/ habitante, em situação
ampliação e universalização do acesso à saúde e,
de miséria e com mais necessidades em saúde29-33.
consequentemente, produzir impactos na quali-
Em relação à cobertura e acesso efetivo às
ficação da atenção17,18. ações e serviços de saúde, o PMM, ao fixar pro-
Para além da provisão imediata de médicos, fissionais médicos nas equipes, amplia a atenção
o PMM traz estratégias para reordenar a forma- à saúde em regiões carentes de profissionais e
ção em saúde no País, como uma tentativa de contribui para o incremento necessário à expan-
cumprimento do papel regulador do Estado em são da ESF34. A ampliação do acesso pode ser ve-
efetivar o Direto à Saúde, conforme preconiza a rificada também pelo aumento na produção dos
Constituição Federal5,20-22. serviços e a produtividade das equipes35.
Em termos de possibilidades e potenciali- Destaca-se que a cobertura do PMM é qua-
dades, o PMM se configura como um projeto lificada, uma vez que os profissionais cumprem
transformador efetivo em defesa do SUS, como a carga-horária preconizada, possuem formação
uma oportunidade de transformar a APS e de adequada para atuar na Atenção Básica e estão
implantar o modelo de cuidados concebido pela em constante processo de aprendizagem e edu-
ESF, contribuindo para a organização e o desen- cação em serviço35.
volvimento das redes de atenção em saúde e a Em números, podemos observar que a quan-
transformação do modelo de atenção23,24. tidade de equipes de Saúde da Família aumentou
Permite construir uma proposta de regionali- no País mais de 10% entre maio de 2013 e maio
zação da formação médica fora dos grandes eixos de 2014. A cobertura populacional do PMM nos
populacionais e se configura como uma estraté- 10 primeiros meses era de cerca de 30 milhões de
gia que possibilita novos compartilhamentos à pessoas, especialmente em municípios caracteri-
equipe de atenção, podendo gerar um incremen- zados como 20% de maior pobreza36.
2790
Kemper ES et al.

A cobertura populacional da ESF no Estado ção mais aberta e comunicativa entre médico-
de Pernambuco aumentou 5%, comparando os paciente, bem como, de respeito e proximidade
anos de 2011 e 2013 com 2014 e, considerando entre o médico e a equipe de saúde, o que tem
o parâmetro da Política Nacional de Atenção Bá- fortalecido a integralidade nas ações em saúde
sica (PNAB), de três mil pessoas por equipes, o desenvolvidas39.
PMM proporcionou acesso à população estima-
da de dois milhões de pessoas (junho de 2014). Mudança no Processo de trabalho
Em Pelotas, no Rio Grande do Sul, com o PMM e Modelo de Atenção
foi possível implantar 25 equipes de Saúde da Fa-
mília no município37,38. Assim como outros sistemas de saúde, o SUS
Em termos de distribuição equitativa, obser- enfrenta o desafio da tripla carga de doenças e a
va-se que o número de municí­pios com escassez crise causada pelo desencontro entre as condi-
desses profissionais passou de 1.200 em março de ções de saúde e um sistema voltado para o aten-
2013, para 558 em setembro de 2014 (redução de dimento de condições agudas, que é reativo, epi-
53,5%). Na região Norte, 91,2% dos municípios sódico, focado na doença e sem o protagonismo
que apresentavam escassez em 2013 foram aten- dos usuários no próprio cuidado2,5.
didos, com provimento de 4,9 médicos por mu- A inserção dos médicos nas equipes de Saú-
nicípio em média (a maior razão entre regiões). de da Família fortalece e expande a capacidade
No Estado de Pernambuco, dos 143 municípios de intervenção na perspectiva da adoção de um
participantes, 103 (72%) estão enquadrados na modelo de atenção que atenda as necessidades
situação de pobreza e neles foram alocados 58% em saúde. Agrega novas práticas e formas de cui-
dos médicos do Projeto17,29,37. dado, traz novos compartilhamentos, fortalece a
Dos municípios com cobertura do PMM, integração das equipes, apoiando a organização
cerca de 400 nunca haviam tido profissionais mé- dos serviços e contribuindo para o fortalecimen-
dicos. Destaca-se ainda os 34 Distritos Sanitários to da Atenção Básica25,29,32.
Especiais Indígenas (DSEI), distribuídos em todo Os estudos apresentam evidências de melho-
País, que nunca tiveram médicos e contam hoje ria nos processos de trabalho, como por exemplo,
com 300 profissionais. Por exemplo, os Ianomâ- os relatos de gestores e profissionais de saúde,
mis em 2013 tiveram cerca de 500 atendimentos citando que a integração do profissional médico
médicos, em 2014 o número de atendimentos ampliou a capacidade de diagnóstico dos proble-
passou para sete mil, com 15 médicos cubanos mas do território, bem como trouxe mais agili-
dedicados à etnia com exclusividade (99% dos dade e continuidade no tratamento dos usu­ários.
médicos que atendem a população indígena no Mudanças também foram observadas na quali-
Programa são cubanos)39. dade da atenção a partir do PMM25,41.
Com relação à atenção a grupos populacio-
Integralidade e longitudinalidade nais específicos é possível destacar a melhora na
As pesquisas demonstram que no PMM fo- organização e oferta dos serviços à população
ram identificadas práticas e ações em saúde na Quilombola, o fortalecimento das relações entre
perspectiva da atenção integral, bem como, uma a equipe e a maior articulação entre os profissio-
concepção ampliada do processo saúde-doença. nais. Da mesma forma em uma comunidade in-
O PMM ampliou a oferta de ações e serviços des- dígena, com o peso da formação acadêmica dos
de a promoção da saúde até os cuidados palia- médicos intercambistas, especialmente os cuba-
tivos e proporcionou uma relação de vínculo e nos, foi possível interferir positivamente na aten-
maior proximidade com os usuários que, além de ção à saúde, com destaque para o conhecimento
fortalecer a integralidade, contribui para a longi- sobre plantas medicinais e as visitas domiciliares
tudinalidade (continuidade dos cuidados ao lon- com uma visão mais holística33,42.
go do tempo), sendo facilitada pela permanência
do profissional médico na equipe por mais tem- Satisfação dos usuários
po32,39,40.
O atributo da longitudinalidade na Atenção Além de demonstrar que os usuários das
Básica foi identificado, considerando que o mé- Unidades Básicas de Saúde estão mais satisfeitos
dico conhece os aspectos pessoais da vida dos com o atendimento médico dos profissionais do
seus pacientes, podendo representar o estabeleci- PMM, são pontuadas diferenças concretas na
mento de uma relação pessoal de longa duração. assistência prestada pelo médico cubano e pelo
Foi possível perceber a construção de uma rela- médico brasileiro. Em muitos aspectos, o aten-
2791

Ciência & Saúde Coletiva, 21(9):2785-2796, 2016


dimento do médico cubano é qualificado pelos cendo subsídios para o debate e a reflexão. Cabe
usuários como superiores aos dos brasileiros, ressaltar que os textos incluídos neste tema – li-
com ênfase na questão de ouvir, olhar ou dar mitações e críticas – são, em sua maioria, textos
atenção, interesse, educação e respeito43. de opinião, editorial ou debate.
Observou-se também, em um dos estudos, o Como limitação, destaca-se a preocupação
alto grau de satisfação dos usuários considerando com a sustentabilidade do PMM, considerado
as dimensões de “tempo de espera para agen­dar como uma medida de caráter provisório e ime-
a consulta” e “atendimento durante a con­sulta”29. diatista, corre o risco de se tornar apenas um
Resultados de uma pesquisa realizada pela modelo paliativo, de curto prazo e com custo
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) elevado, permanecendo os mesmos problemas
e o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Eco- quando finalizado o seu prazo de duração16,35.
nômicas (Ipespe) em 2014 revelou que 85% dos Nessa linha, também são identificadas críticas
usuários avaliaram que o atendimento médico no sentido de o PMM ser considerado como uma
ficou ‘melhor’ ou ‘muito melhor’ após a chegada resposta aos problemas estruturais do SUS, no
de profissionais estrangeiros por meio do PMM. sentido de que, respostas políticas e temporárias
Outros 87% apontaram melhora na atenção como o PMM, não são suficientes para enfrentar
profissional durante a consulta. Ainda de acor- problemas estruturais, os quais exigem medidas
do com a pesquisa, 60% destacaram como pon- estruturantes e de longo prazo, com maior dispo-
to positivo a presença constante do médico e o nibilidade de recursos para a área da saúde como
cumprimento da carga horária e 46% disseram um todo, com investimento em infraestrutura,
que o acesso às consultas melhorou39. recursos humanos, tecnologia, entre outros20,35.
Para um dos autores, uma saída apontada é a ne-
Intersetorialidade cessidade de se definir uma Política de Pessoal do
SUS, condizente com a complexidade das neces-
Além da natureza do PMM ser intersetorial, sidades em saúde dos brasileiros22.
ou seja, já iniciou como uma política articulada Um dos artigos aponta, de forma mais inci-
entre os Ministérios da Saúde (MS), Ministério siva, o PMM como uma medida que caminha
da Educação (MEC) e Ministério do Planeja- na contramão da história, privilegiando a quan-
mento, destaca-se o Projeto Mais Médicos para tidade em detrimento da qualidade. A abertura
o Brasil (PMMB), em que todas as ações prevista de novas vagas de medicina, de residência e a
na Lei fazem referência a atos conjuntos do MS e ampliação numérica de médicos, segundo os au-
do MEC44. tores, não irá contribuir efetivamente para a mu-
No decorrer das ações de execução do PMM é dança de estilo de vida da população, tampouco
possível identificar a materialização da interseto- resolverá a questão da alocação equitativa dos
rialidade, seja pela discussão da formação, volta- profissionais, os quais, na primeira oportunidade
da para as necessidades do SUS, tanto nos cursos irão buscar o setor privado, com suposta alterna-
de graduação como de residência, na abertura tiva profissional mais compensadora e o contato
de novas vagas de medicina e no espaço dado com os grandes centros46,47.
a Atenção Básica nas discussões das Diretrizes Outros aspectos do PMM também são alvo
Curriculares Nacionais (DCN)44. de críticas, como a autorização dos profissionais
Um exemplo claro de articulação intersetorial para o exercício da medicina sem treinamento
é a estratégia de apoio integrado ao Programa adequado e sem ambientação cultural e linguís-
implantada pelo MEC, que tem se apresentado tica, o valor pago aos médicos intercambistas
como uma ação de gestão articulada, que exige cubanos, a restrição ao trânsito livre dos familia-
diálogo e colaboração, aproximando os diferen- res dos médicos cubanos, o limite da disponibi-
tes níveis de gestão e execução do PMM e contri- lidade de migração de médicos, as inadequações
buindo para a melhoria da Atenção Básica e do na execução das atividades de supervisão e tuto-
Sistema de Saúde brasileiro45. ria, as substituições de médicos contratados por
médicos intercambistas, a alocação de médicos
Limitações e críticas em locais já saturados, a forma de contrato e o
processo de recrutamento, a extensão do curso de
Esta revisão não tem a intenção de contra-ar- medicina e o apoio à expansão de universidades
gumentar as limitações e as críticas apresentadas, privadas48,49.
assim como os outros temas deste artigo, a ideia Outro ponto destacado como uma limita-
foi de sistematizar e apresentá-las ao leitor, forne- ção é o fato de o Brasil apresentar um contexto
2792
Kemper ES et al.

mais adverso que outros países, pois, somado às sileiros apresentam dificuldades em aceitar mu-
desigualdades regionais de distribuição de médi- danças que possam beneficiar um público, que
cos, está o subfinanciamento do SUS e a disputa não somente o da medicina, enquanto coletivo
acirrada com o setor privado. Além disso, com o profissional54-56.
PMM ficou evidente a impossibilidade dos mu- Um estudo analisou o debate sobre o PMM
nicípios implementarem a Atenção Básica com na página do Facebook do Ministério da Saúde
qualidade, sustentabilidade e cobertura da popu- e concluiu que pode até representar um tipo de
lação. Somente com a interferência direta do MS, participação por ter argumentos circulando, po-
foi possível contratar e fixar médicos ao SUS em rém, esses não se sustentam pela pouca adesão
curto tempo22,34,49. e baixa legitimidade, considerando que apenas
Por fim, em artigo que analisa as tendências 0,18% da população teceu comentários acerca
e os elementos que aparecem em discursos liga- das postagens57.
dos a médicos e suas entidades representativas é
possível inferir que o PMM pode não estar sendo Formação
compreendido na sua totalidade, que vai além da
provisão imediata de médicos em lugares desas- Um importante objetivo que consta na lei
sistidos, assim como, a interpretação equivocada que cria o PMM é a transformação do processo
de que o Estado, cumprindo o seu papel na regu- de formação de médicos no Brasil, em uma ten-
lação da formação, está interferindo na autono- tativa clara de apontar a formação para o cuida-
mia da profissão médica7. do integral e as necessidades da população e do
SUS. Finalmente, o Estado vem ao encontro do
Mídia reordenamento da formação em saúde17.
As análises demonstram evidente incompati-
Desde o anúncio oficial, o PMM vem geran- bilidade no Brasil entre o atual modelo de prática
do intenso debate e movimentando as mídias e médica e o acesso universal e equitativo da po-
redes sociais, estando presente na cobertura jor- pulação aos serviços de saúde. Apontam também
nalística, no debate público, nos pronunciamen- que o PMM constrói medidas estruturantes para
tos do Governo Federal e das entidades médicas. aprimorar a formação médica e responde à legis-
A mídia se constitui como uma importante ferra- lação do SUS, que ordena novas práticas58-60.
menta a um determinado propósito, bem como, As mudanças que são apontadas na Lei se
uma peça chave na implementação de uma Polí- referem aos cursos de graduação de medicina,
tica Pública, podendo contribuir para seu fracas- ordenando os locais de abertura de novas vagas
so ou sucesso50. e exigindo a adequação dos currículos às novas
Em geral, as análises destas pesquisas de- Diretrizes Curriculares Nacionais definidas pelo
monstram clara divisão de interesses e de posi- Conselho Nacional de Educação (CNE). A Lei
cionamentos sobre o PMM e um forte viés polí- também aponta para mudanças nas residências
tico, com pautas que priorizam a contraposição de algumas especialidades, sendo necessário fazer
das entidades representativas da corporação mé- no mínimo um ano de Medicina Geral e Comu-
dica com o Governo Federal, o pouco aprofun- nitária.
damento dos conteúdos relativos à área da Saúde As políticas públicas atuais parecem estar
Pública e a ausência da voz do usuário. Foram indo ao encontro dos apontamentos internacio-
destacados os aspectos relativos à nacionalidade nais de se investir na formação de médicos de fa-
dos médicos, a validação do diploma estrangeiro mília, em número suficiente para um sistema de
e o registro profissional. Sugerem o PMM como saúde centrado na APS. Resultados apontam que
uma política eleitoreira e aponta supostas falhas a Lei que cria o PMM representa uma importante
na organização e nas regras51-53. evolução nas ferramentas de gestão de recursos
Com relação aos estudos que apontam aná- humanos em saúde, além de mudanças e maior
lises dos discursos dos médicos e das entidades rigor na aplicação das DCN para formação de
representativas, percebe-se um posicionamen- médicos no país, com ênfase na Atenção Básica7.
to discriminatório, desqualificando os médicos Com relação à formação em serviço, ficou
estrangeiros e sugerindo a superioridade dos demonstrado que o PMM tem um grande po-
brasileiros, havendo uma mudança do discurso tencial pedagógico58, contribuiu para a melhoria
com relação aos médicos cubanos à medida que dos processos de aprendizado e que, a integração
o Programa se consolida. Os resultados também ensino, serviço e comunidade, aumentou o grau
apontam para a conclusão que os médicos bra- de satisfação dos estudantes de medicina e o en-
2793

Ciência & Saúde Coletiva, 21(9):2785-2796, 2016


tendimento dos alunos sobre a importância das apontando resultados satisfatórios em relação à
práticas na comunidade e o potencial de apren- ampliação do acesso, à equidade, à satisfação dos
dizado na graduação de medicina61,62. usuários e à humanização do cuidado. Foram
identificadas práticas inovadoras e mudanças
Análise jurídica/constitucional nos processos de trabalho, com destaque para a
prática do cuidado integral e a longitudinalidade.
Os estudos que trazem análises jurídicas e Há que destacar também a troca de conhecimen-
constitucionais do PMM apontam para o Pro- tos, em âmbito bidirecional, entre profissional
grama como uma Política Pública que reafirma médico intercambista e as equipe de saúde na
o Direito à Saúde, sob a perspectiva de garantir produção do cuidado, contribuindo para o aper-
a efetividade jurídica e constitucional e com a feiçoamento das práticas e formação em serviço
prerrogativa de melhorar os níveis de saúde da e consequentemente para a melhoria dos resulta-
população. O PMM obedece e é compatível com dos em saúde.
arcabouço jurídico-constitucional brasileiro e Resultados indicam que o PMM tem um for-
apresenta-se como instrumento indispensável de te potencial para o reordenamento da formação
eficácia social ao Direito à Saúde18,63-65. em saúde, voltados para a necessidade do País e
Contraditoriamente, um único estudo en- do Sistema de Saúde, com a retomada do papel
contrado, realizado ainda sobre a Medida Provi- regulador do Estado na condução desse proces-
sória (MP 621/13) anterior a Lei que cria o PMM, so, o que se caracteriza como uma resposta a um
conclui que a MP viola as regras básicas constitu- problema estrutural do SUS.
cionais e impede a correta prestação de serviço Do ponto de vista deste artigo, o resultado
público de saúde. Considera a MP como um ato mais importante são as evidências de que o PMM
de império do governo, incompatível com o que representa uma Política Pública que obedece aos
se espera dos atos discricionários da Administra- preceitos constitucionais e é um importante ins-
ção Pública66. trumento para a efetivação do Direito à Saúde.

Considerações finais

O SUS avançou no processo de reorganização


da Atenção Básica, inclusive com a ampliação da
cobertura e implementação da ESF, como uma
proposta de um novo modelo assistencial. Po-
rém, ainda persistem desafios no sentido de me-
lhorar a qualidade da atenção e a ampliação do
acesso, rumo a um sistema universal em saúde.
Com a intenção de enfrentar um dos nós críticos
da Atenção Básica, o governo brasileiro propôs o
PMM, considerado como um conjunto de medi-
das para avançar no provimento, fixação e for-
mação de médicos para o SUS.
O processo de implementação do PMM foi
permeado por debates e críticas em torno da for- Colaboradores
ma como foi estruturado, da real efetividade e,
principalmente, com relação à sustentabilidade, ES Kemper participou da concepção, delinea-
uma vez que se trata de um Programa ancorado mento, análise e interpretação dos dados e da re-
no Ministério da Saúde e de caráter provisório. dação do artigo. AVM Mendonça participou da
Porém, com o apoio de pesquisas científicas, é revisão do artigo. MF Sousa participou da apro-
possível analisá-lo sob a ótica das mudanças posi- vação da versão a ser publicada.
tivas que estão acontecendo, pelo processo de co-
operação e troca de conhecimentos entre os pro-
fissionais e, em especial, a satisfação dos usuários. Agradecimentos
Com relação à análise das publicações sele-
cionadas, destaca-se que, de forma geral, os re- Agradecimento especial a Ariel Delgado Ramos
sultados das avaliações do PMM são positivos, pelo apoio na elaboração do gráfico.
2794
Kemper ES et al.

Referências

1. Giovanella L. Atenção Primária à Saúde e coordena- 18. Santos MCF. Programa Mais Médicos. Estrutura do Pro-
ção dos cuidados na rede assistencial. Saúde em Debate grama Mais Médicos e Implementação do Projeto Mais
2014; 51:30-37. Médicos para o Brasil [monografia]. Belo Horizonte:
2. Mendes EV. As Redes de Atenção à Saúde. 2ª ed. Brasília: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas; 2015.
Organização Pan-Americana da Saúde; 2011. 19. Bull World Health Organ. Funding, Flexible manage-
3. Sisson MC, Andrade SR, Giovanella L, Almeida PF, ment needed for Brazil’s health worker gaps 2013. Fran-
Fausto MCR, Souza CRP. Estratégia de Saúde da Famí- cisco Eduardo de Campos – Entrevista. [acessado 2016
lia em Florianópolis: integração, coordenação e posição mar 10] Disponível em: http://www.who.int/bulletin/
na rede assistencial. Saúde Soc 2011; 20(4):991-1004. volumes/91/11/13-031113/en/
4. Chueiri PS. Proposta de instrumento para a avaliação 20. Mádson AMD. Dificuldades de se proporcionar mais
da coordenação do cuidado e da ordenação das redes de médicos para o Sistema Único de Saúde (SUS) [disserta-
atenção à saúde pela Atenção Primária no Brasil [dis- ção]. Brasília: Faculdade de Economia, Administração
sertação]. Porto Alegre: Faculdade de Medicina; 2013. e Contabilidade – FACE; 2015.
5. Diretoria Nacional (CEBES). O SUS precisa de Mais 21. Campos GWS. A Saúde, o SUS e o Programa “Mais
Médicos e de Muito Mais!. Saúde em Debate 2013; Médicos”2013. RADIS Comunicação e Saúde [acessado
37(97):200-207. 2016 mar 10] Disponível em: http://www6.ensp.fio-
6. Macinko J, Starfied B, Shi L. The Contribution of Pri- cruz.br/radis/radis-na-rede/saude-o-sus-e-o-progra-
mary Care Systems to Health Outcomes within Orga- ma-mais-medicos
nization for Economic Cooperation and Development 22. Molina J, Suárez J, Cannon LRC, Oliveira G, Fortunato
(OCDE) Countries. HSR 2003; 38(3):831-865. MA. O Programa Mais Médicos e as Redes de Atenção
7. Alessio MM. Análise da Implantação do Programa Mais à Saúde no Brasil Mais Médicos. Divulg. Saúde Debate
Médicos [dissertação]. Brasília: Faculdade de Ciências 2014; 52:190-201.
da Saúde; 2015. 23. Lima RCGS, Garcia Jr CAS, Kerkoski E, Chesani FH.
8. Sousa MF, Hamann EM. Programa Saúde da Família Programa Mais Médicos no Estado de Santa Catarina:
no Brasil: uma agenda incompleta? Cien Saude Colet breve relato de experiências iniciais. Tempus, actas de
2009; 14(1):1325-1335. saúde colet. 2015; 9(4):67-80.
9. Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessi- 24. Collar JM, Almeida Neto JB, Ferla AA. Formulação e
dades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: UNESCO, impacto do Programa Mais Médicos na atenção e cui-
Ministério da Saúde; 2002. dado em saúde: contribuições iniciais e análise compa-
10. Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na Aten- rativa. Saúde em Redes 2015; 1(2):43-56.
ção Primária à Saúde: o imperativo da consolidação da 25. Rovere MR. El Programa Más Médicos: un análisis
Estratégia Saúde da Família. Brasília: Organização Pan complementario desde la perspectiva de la salud in-
-Americana da Saúde; 2012. ternacional. Interface (Botucatu) 2015; 19(54):635-636.
11. Frenk J. Leading the way towards universal health co- 26. Oliveira FP, Vanni T, Pinto HA, Santos JTR, Figueiredo
verage: a call to action. Lancet 2015; 385(9975):1352- AM, Araújo SQ, Matos MFM, Cyrino EG. “Mais Médi-
1358. cos”: um programa brasileiro em uma perspectiva in-
12. Cassiani SHB. Strategy for universal access to health ternacional. Interface (Botucatu) 2015; 19(54):623-634.
and universal health coverage and the contribution of 27. González JEC, Morales ECL, Ramos AD. Proyecto
the International Nursing Networks. Rev Lat Am Enfer- “Mais Médicos para Brasil”: nueva modalidad de cola-
magem 2014; 22(6):891-892. boración cubana en el exterior. Rev Edumecentro 2015;
13. Brasil. Lei nº 12.871 de 22 de outubro de 2013. Institui 7(1):171-177.
o Programa Mais Médicos, altera as Leis n. 8.745, de 9 28. Carvalho KSR. Programa Mais Médicos e as recomen-
de dezembro de 1993, e n. 6.932, de 7 de julho de 1981, dações da Organização Mundial de Saúde sobre atração,
e dá outras providências. Diário Oficial da União 2013; retenção e recrutamento de médicos para áreas rurais e
23 out. remotas [monografia]. Brasília: Faculdade de Saúde
14. Baião DC, Leônidas SR, Lins CFM. Avaliação do Pro- Coletiva; 2015.
grama Mais Médicos: uma revisão da literatura. XIV 29. Santos LMP, Costa AM, Girardi SN. Programa Mais
Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa. Fortaleza: Uni- Médicos: uma ação efetiva para reduzir iniquidades em
versidade de Fortaleza; 2014. saúde. Cien Saude Colet 2015; 20(11):3547-3552.
15. Vosgerau DSAR, Romanowsi JP. Estudos de revisão: 30. Silva RJO, Sousa D. O Programa Mais Médico na
implicações conceituais e metodológicas. Rev. Diálogo Perspectiva dos Atores Sociais Responsáveis por sua
Educ. 2014; 14(41):165-189. Implantação e dos Beneficiários no Município de Bo-
16. Couto MP. O Programa Mais Médicos: a formulação de queirão, PB. REUNIR: Revista de Administração, Conta-
uma nova política pública de saúde no Brasil [disserta- bilidade e Sustentabilidade 2015; 5(3):59-75.
ção]. Curitiba: Pós-Graduação em Políticas Públicas; 31. Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Im-
2015. plementação do Programa “Mais Médicos” em Curitiba.
17. Pinto HA, Sales MJT, Oliveira FP, Brizolara R, Figuei­ Experiências inovadoras e lições aprendidas. Brasília:
redo AM, Santos JT. O Programa Mais Médicos e o for- OPAS; 2015.
talecimento da Atenção Básica. Divulg. Saúde Debate
2014; 51:105-120.
2795

Ciência & Saúde Coletiva, 21(9):2785-2796, 2016


32. Pereira LL, Silva HP, Santos LMP. Projeto Mais Médicos 47. Caramelli B. Os médicos estrangeiros: a questão da lín-
para o Brasil: Estudo de caso em Comunidades Qui- gua. Rev. Assoc. Med. Bras. 2013; 59(5):407-408.
lombolas. Revista da ABPN 2015; 7(16):28-51. 48. Campos GWS. Mais médicos e a construção de uma
33. Schefer M. Programa Mais Médicos: em busca de política de pessoal para a Atenção Básica no Siste-
respostas satisfatórias. Interface (Botucatu) 2015; ma Único de Saúde SUS. Interface (Botucatu) 2015;
19(54):637-640. 19(54):641-642.
34. Mendes BC. O Programa Mais Médicos trará bons resul- 49. Segallin M. O Programa Mais Médicos: Um estudo de
tados? [monografia]. Brasília: Faculdade de Economia, imagem a partir da revista Veja [dissertação]. Porto
Administração e Contabilidade; 2014. Alegre: Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação;
35. Florentino Júnior AL. Mais Médicos e Mais Cobertura? 2013.
Efeitos iniciais do Projeto Mais Médicos na cobertura da 50. Luz CA. O Programa Mais Médicos em uma aborda-
Atenção Básica no Brasil [monografia]. Brasília: UNB; gem lexical: representação social e repercussão científica
2014. [dissertação]. Belo Horizonte: Faculdade de Medicina;
36. Souza BPA, Paulette AC. Projeto Mais Médicos para o 2015.
Brasil em Pernambuco: uma abordagem inicial. Tem- 51. Morais I, Alkimin D, Lopes J, Santos M, Leonel M, San-
pus, actas de saúde colet. 2015; 9(4):11-34. tos R, Rosas W, Mendonça AV, Sousa MF. Jornais Folha
37. Rojas VC. Impactos na Atenção Básica no município de de São Paulo e Correio Braziliense: o que dizem sobre
Pelotas-RS com a implantação do Programa Mais Mé- o Programa Mais Médicos? Rev Esc Enferm USP 2014;
dico [dissertação]. Porto Alegre: Escola de Administra- 48(2):112-120.
ção; 2015. 52. Scremin L, Javorski E. O enquadramento das notícias
38. Cruz MAC. A integralidade nas práticas de saúde após a sobre os estrangeiros do Programa Mais Médicos. In:
implantação do Programa Mais Médicos: A experiência 9º Ciclo de Debates sobre Jornalismo UniBrasil. Curitiba:
da Unidade Básica de Saúde Samambaia-Juatuba/MG UniBrasil; 2013.
[dissertação]. Campinas: Faculdade de Ciências Médi- 53. Carvalho FC. A Consolidação do Programa Mais Mé-
cas; 2015. dicos na Opinião Pública e na Cobertura Jornalística.
39. Gonçalves RC, Ribeiro CLM, Medeiros MR, Souza MT, Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da
Kunitake CST. Projeto Mais Médicos para o Brasil – Comunicação. In: XV Congresso de Ciências da Comu-
Uso de instrumentos de avaliação e acompanhamento nicação na Região Sul; 2014.
dos profissionais – município de São Paulo (julho-de- 54. Souza L. Representações do “Programa Mais Médicos”
zembro 2014). XXIX Congresso de Secretários Munici- pelo site Pragmatismo Político e pelo Portal do Conselho
pais de Saúde do Estado de São Paulo. [acessado 2016 Federal de Medicina [dissertação]. Brasília: Instituto de
mar 10] Disponível em: http://pesquisa.bvs.br/brasil/ Letras; 2014.
resourc/pt/sms-10210 55. Santos RSO. Médicos Brasileiros Conservadores: O Pro-
40. Bertão IR. A atuação de um médico do Programa Mais grama Mais Médico pela Retórica da Intransigência
Médicos para o Brasil e a mudança processo de traba- [dissertação]. Brasília: Graduação em Saúde Coletiva;
lho da equipe de Estratégia de Saúde da Família. Tem- 2014.
pus, actas de saúde colet. 2015; 9(4):217-224. 56. Landim IC. Um estudo sobre a relação entre a Demo-
41. Silva RP, Barcelos AC, Hirano BQL, Izzo RS, Calafate cracia Digital e a Participação Política a partir do deba-
JMS, Soares TO. A experiência de alunos do PET-Saúde te sobre o Programa Mais Médico no Facebook: Mídia e
com a saúde indígena e o Programa Mais Médicos. In- Cotidiano 2013; 3(3) [acessado 2016 mar 10]. Disponí-
terface (Botucatu) 2015; 19(1):1005-1014. vel: http://www.ppgmidiaecotidiano.uff.br/ojs/index.
42. Brito LM. Programa Mais Médicos: satisfação dos usu- php/Midecot/article/view/60
ários das Unidades Básicas de Saúde de Ceilândia/DF 57. Castro TF. Reflexões sobre a prática de supervisão no Pro-
quanto ao atendimento médico [monografia]. Brasília: grama de Valorização do Profissional da Atenção Básica
Graduação em Saúde Coletiva; 2014. (PROVAB) e no Programa Mais Médicos [dissertação].
43. Silva IEP. “Tem hora que a gente se pergunta por que é Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2015.
que não se junta tudo numa coisa só?” Programa Mais 58. Sousa MF, Franco MS, Rocha DG, Andrade NF, Prado
Médicos para o Brasil: Caminhos da Intersetorialidade EAJ, Mendonça AV. Por que mais médicos no Brasil? Da
[dissertação]. Porto Alegre: Faculdade de Educação; política à formação. Tempus, actas de saúde colet. 2015;
2014. 9(4):159-174.
44. Almeida ER, Germany H, Firminiano JGA, Martins AF, 59. Cyrino EG, Pinto HA, Oliveira FP. O Programa Mais
Dias AS. Projeto Mais Médicos para o Brasil: A experi- Médicos e a formação no e para o SUS: por que a mu-
ência pioneira do apoio institucional no Ministério da dança? Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 2015;
Educação. Tempus, actas de saúde colet. 2015; 9(4):49- 19(1).
66. 60. Santos BEF, Sena IS, Alves CP, Batista NA, Nazina
45. Schanaider A. Mais ou menos médicos! Rev. Col. Bras. MTST, Morais LSS. Avaliação discente sobre interação
Cir. 2014; 41(5):303-304. ensino, serviços e comunidade em equipes de saúde in-
46. Robespierre CR. Programa Mais Médicos: um equívo- tegradas ao Programa Mais Médico no Estado da Ama-
co conceitual. Cien Saude Colet 2105; 20(2):421-424. zônia. Tempus, actas de saúde colet. 2015; 9(4):123-136.
2796
Kemper ES et al.

61. Sena IS, Guerreiro LC, Ribeiro AC, Morais LSS, Nazima
MTST, Santo BEF. Percepções de estudantes de medici-
na sobre a experiência de aprendizado na comunidade
dentro do programa mais médicos: análise de um gru-
po focal. Tempus, actas de saúde colet. 2015; 9(4):81-95.
62. Carvalho GL. Enfrentando paradoxos: A análise consti-
tucional do Programa Mais Médico como afirmação ao
direito à saúde [dissertação]. Pouso Alegre: Faculdade
de Direito do Sul de Minas; 2015.
63. Silva SM, Santos LMP. Estudo das Ações Diretas de In-
constitucionalidade do Programa Mais Médicos. Cad.
Ibero-Amer. Dir. Sanit. 2015; 4(2):68-82.
64. Vasconcelos D. Programa Mais Médicos: Exegese Cons-
titucional da Política, Direitos Sociais e Políticas Públi-
cas III CONPEDI, Florianópolis, SC; 2014.
65. Di Jorge FM. Estudo jurídico do Programa Mais Médi-
cos. ADV: Advocacia Dinâmica - Seleções Jurídicas 2013;
14-26.
66. Kamikawa GK, Motta ID. Direito à Saúde e Estudo da
Política Pública do Programa “Mais Médicos”. Revista
Jurídica Cesumar – Mestrado 2014; 14(2):341-367.

Artigo apresentado em 28/03/2016


Aprovado em 30/06/2016
Versão final apresentada em 02/07/2016

Interesses relacionados