Você está na página 1de 4

Relatório de Aula Pratica

Montes Claros-MG Maio/2012

André juneo Edmar Alves Gestephânio marques

Relatório de Aula Pratica

Trabalho apresentado como um dos instrumentos de avaliação da disciplina de Materiais de


Construção, do 6º período do curso de Engenharia Civil das Faculdades Integradas Pitágoras –
FIP-MOC, sob orientação da professora Cassia Aparecida.

MONTES CLAROS-MG Maio/2012

O conhecimento das propriedades dos sólidos particulados é fundamental para o estudo de


muitas operações unitárias como a fragmentação, o peneiramento, a fluidização, a mistura, o
armazenamento, as separações mecânicas, o escoamento de fluidos através de leitos
granulares e a adsorção.

De todas as formas e tamanhos em que podem ser encontrados os sólidos, a mais importante,
do ponto de vista da Engenharia, são as partículas pequenas. É necessário conhecer as
características dos sólidos em forma de partículas para desenhar os processos e os
equipamentos em que intervêm tais sólidos.

A análise granulométrica da amostra de partículas sólidas é obtida classicamente através de


um conjunto de peneiras compreende a determinação do tamanho das mesmas, bem como da
frequência com que ocorrem em uma determinada classe ou faixa de tamanho. O
peneiramento é, muito possivelmente, o método de análise mais frequentemente usado, pois o
equipamento, o procedimento analítico e os conceitos básicos são enganadoramente simples.
Na peneiração as partículas encontram uma série de aberturas iguais que constituem uma
sequencia de gabaritos do tipo passa/não passa.

A necessidade de separar sólidos prende-se a duas finalidades:

Dividir o sólido granular em frações homogêneas; Obter frações com partículas de mesmo
tamanho.

O estudo dos agregados tem por finalidade o conhecimento das materias primas que estao se
utilizando na sua obra o seja a determinaçao de da qualidade e especificaçoes da sua
composiçaoou da sua estrutura estudo este que pode ser feito atraves de etudos quimicos o
fisicos.

No caso deste ensaio feito vamos verificar a sua estrutura atraves do seu diametro atraves de
do ensaio de ganulometria. A análise granulométrica ou ensaio de granulométrica promove a
determinação das dimensões das partículas do solo e das proporções relativas em que se
encontram na massa total do solo ensaiado (CAPUTO, 2008).

Este ensaio tem por objetivo, determinar a composição granulométrica do agregado graúdo,
bem como conhecer o módulo de finura e a dimensão máxima característica do agregado,
fundamentado na NBR 7217 a classificação da brita através de ensaio granulométrico que
através de pesagem, peneiramento e com o auxilio de tabelas ira determinarem em que classe
a brita ira se enquadrar determinando com isso sua classificação dentro das normas da ABNT.
Os principais equipamentos e utensílios utilizados no ensaio são: Balança de precisão; Jogo de
peneiras ABNT/NBR 5734/89 (38, 32, 25, 19,12. 5,9. 5,6. 3,4. 8); Agitador de peneiras e
amostra de brita. MATERIAL UTILIZADO:

Balança;

Escova de aço.

Vibrador de peneiras

Abaixo as fotos de alguns dos materiais utilizados no experimento.

Brita Balança Com Precisão de


Agitador de Peneiras (Ilustrativo) Série de Peneiras

Procedimento experimental

As peneiras foram colocadas, umas sobre as outras, na ordem decrescente de abertura das
malhas, ou seja, a peneira com maior abertura 38 m fica no topo e a de menor abertura 4.8 m é
a última. Abaixo da última peneira há um fundo das peneiras uma espécie de panela que
recolhe a fração que contém as partículas mais finas do material e não é retida por nenhuma
peneira.

Após isso se acrescenta 1000 gramas da brita que foi pesada na balança, no topo da
sequencia das peneiras tampa esta sequencia que e adicionado ao vibrador este e ligado por
cinco minutos para sofrer processo de peneiramento.

Ao final do ensaio pesa-se a massa da amostra retida em cada peneira e na panela do fundo,
somam-se as massas para obter a massa total da amostra, sendo possível assim calcular as
frações mássicas ou porcentagens retidas nas peneiras que será feito os cálculos e será
mostrado adiante na tabela 01.

Resultados e discursão

A seguir veremos a tabela 1 para analise dos resultados obtidos com o ensaio

AMOSTRA IAMOSTRA 2% RETIDO % ACUMULADO% RETIDO % ACUMULADO% RETIDO


% ACUMULADO

MASSA RETIDA (g)MÉDIAPENEIRA (m)

AMOSTRA 1AMOSTRA 2 Tabela 1: Resultados da granulometria do agregado

Através dos dados construídos na tabela acima e de tabela 2 à frente iremos determinar o tipo
de brita com o qual foi feito o teste e assim poder determinar as especificações desta brita
podendo assim chegar a uma conclusão a respeito desta brita e verificar a sua utilização na
construção civil.

Aprox: 3% p/ G2Fora faixaFora faixaAprox: 96% G1/ G2

GRADUAÇÃOPorcentagem retida acumulada, em peso, nas peneiras de abertura nominal, em


m, de Tabela2: Limites Granulométricos de Agregado Graúdo

Como podemos ver analisando as tabelas acima a brita e questão se enquadra tanto na brita 1
como na brita 2, ou seja, esta brita em questão e uma brita heterogênea, pois na peneira de25
m encontra-se 3% do material e se enquadra no grupo g2 que vai de 0 a 25 % do material na
peneira de 9.5 m se encontra 96% de material acumulado com isso enquadrando-se tanto na
brita g1que vai de 80 a 100 % do material quanto na brita g2que vai de 95 a 100%do material
na peneira de 6.3 m encontra-se 9.5% do material que se enquadra no grupo g1 que vai de 95
a 100% do material e na peneira de 4.8 m encontra-se 9.7% do material assim se enquadrando
no grupo g1 que vai de 95 a 100% do material.Sendo assim vemos que no material analisado
temos características de brita tipo 1 e tipo 2 sendo com isso um material heterogêneo.

Conclusão

Podemos concluir através deste ensaio que a brita analisada se enquadra nos critérios de brita
tipo um e tipo 2, ou seja, e uma brita que se encontra misturada sendo assim não e uma brita
que e indicada para a construção civil, pois a mesma não e uma brita homogênea e sim
heterogênea qualidade esta que não e de grande utilidade para o fim de se construir, pois
assim não dará maior resistência para o meio na qual for utilizada.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS SAMPAIO Et A. L. Análise granulométrica a seco de


materiais cerâmicos. 2007 GOMIDE, R. Operações unitárias 2º ed. v. 1. São Paulo: Gomide,
1991

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 7181 – Análise


Granulométrica de Solos. Rio Janeiro, 1984.

CAPUTO, Hometo Pinto. Mecânica dos Solos e suas aplicações, volume I: Fundamentos
/Homero Pinto Caputo. – 6. Ed. Rio de Janeiro: LTD, 2008.