Você está na página 1de 29

Rio em Números

Fevereiro/2019
OBJETIVO

Apresentar um panorama sobre as


condições de vida e desenvolvimento
do estado fluminense, com base em
indicadores socioeconômicos.
INDICADORES

1 Pobreza e desigualdade social


2 Mercado de trabalho
3 Segurança pública
4 Educação
5 Saúde
6 Juventude
7 Políticas urbanas
INDICADORES

1 Pobreza e desigualdade social


Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios
Contínua (Pnad-C):

56% dos domicílios fluminenses chefiados por pretas ou pardas


(classificação do IBGE) estavam abaixo da linha de pobreza em 2017;

83% da população vive com menos de dois salários mínimos.


INDICADORES

1 Pobreza e desigualdade social


Políticas para enfrentar a desigualdade são fundamentais para
acelerar o efeito diminuição de pobreza decorrente
exclusivamente do PIB. Crescimento é absolutamente
necessário, mas não suficiente para combater de
forma expedita a pobreza.
INDICADORES

1 Pobreza e desigualdade social


Dado o aperto fiscal, estadual e federal, é preciso encontrar
caminhos suplementares, com soluções no setor privado,
para gerar mais dinamismo econômico e dar robustez e
efetividade ao combate à pobreza e desigualdade de renda.

O principal foco deve ser a qualificação, a atenção sobre as


pessoas e o emprego formal – esta deve ser o principal
norte das politicas sociais.
INDICADORES

2 Mercado de trabalho
Evolução da taxa de desemprego (%)
Piora do mercado de 14,6%
trabalho, em especial a 16
15
Rio de Janeiro
partir de 2015. 14
13
12
Desemprego em 2018-3: 11
10 Brasil 11,9%
9
14,6% com viés juvenil. 8
7
6
Desemprego entre 5
1º 2º 3º 4º 1º 2º 3º 4º 1º 2º 3º 4º 1º 2º 3º 4º 1º 2º 3º 4º 1º 2º 3º 4º 1º 2º 3º

pessoas de 18 a 24 anos: tri


2012
tri
2013
tri
2014
tri
2015
tri
2016
tri
2017
tri
2018

32,2% Fonte: Iets. Estimativas produzidas com base nos microdados da


Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-C).
INDICADORES

2 Mercado de trabalho
19,6% da força de Evolução da taxa composta de subutilização
da força de trabalho das pessoas de 14 anos
trabalho, no estado do ou mais de idade (%) 24,2 %
27
Rio de Janeiro, encontra- Brasil
22 20,9% 24,7%…
se subutilizada - o que
17
representa 1,7 milhão 19,6 %
12
de pessoas. Rio de Janeiro
16,6%
7
1T2T3T4T1T2T3T4T1T2T3T4T1T2T3T4T1T2T3T4T1T2T3T4T1T2T3T
2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018

Fonte: Iets. Estimativas produzidas com base nos microdados da


Pnad-C.
INDICADORES

2 Mercado de trabalho
Das pessoas de 15 anos ou
mais ocupadas, 41,9%
trabalham informalmente no
estado do Rio de Janeiro.
68,3% dos trabalhadores
sem carteira estão no setor de
serviços (2017).
Parte da informalidade está
Fonte: Iets. Estimativas produzidas com base nos
relacionada a transações no microdados da Pnad-C. Nota: Médias anuais.

mercado clandestino.
INDICADORES

2 Mercado de trabalho
Estratégias para criar postos de trabalho
formais de qualidade devem focar no
futuro da economia, com nova dinâmica
do mercado baseado em:
Criatividade
Inovação tecnológica e social
Adaptabilidade
Interação humana
Economia compartilhada
INDICADORES

2 Mercado de trabalho
Crescimento da ocupação no setor de turismo vs crescimento da
Crescimento da ocupação ocupação no estado do Rio de Janeiro, 2007/01 (base 100) a 2016/01
no setor de turismo foi 160

superior ao crescimento da 150

ocupação no estado do Rio. 140

130

120

110

100
01/2007

01/2008

01/2009

01/2010

01/2011

01/2012

01/2013

01/2014

01/2015

01/2016
Ocupação no turismo Ocupação no estado do Rio

Fonte: SIMT. Elaboração Fecomércio RJ. Nota: dados disponíveis


até 2016.
INDICADORES

3 Segurança pública
Taxas de roubo a estabelecimentos comerciais:

De 28,8, em 2011, ao valor máximo de 47 casos por 100 mil


habitantes em 2014. Em 2018, 37,8
Taxas de roubo a transeuntes (2007-2018):
de 384,4 para 519,5 casos por 100 mil habitantes.
Taxas de roubo a cargas:
28,9 por 100 mil habitantes - 2007.
63- 2017, máxima da série, desde 1991.
53,9 - 2018.
INDICADORES

3 Segurança pública Evolução da taxa de roubos de


cargas

Centenas
11 Capital
Maiores taxas na Região Baixada Fluminense
9
Metropolitana do Rio de Janeiro. Interior
Grande Niterói
7
Crescimento aconteceu de Região Metropolitana
Outras localidades da RM
5
forma mais acelerada a partir de
2014. 3

1
Abrupta queda da série, entre
janeiro e março de 2017: greve -1

jan/07
out/07

jan/10
out/10

jan/13
out/13

jan/16
out/16
jul/08
abr/09

jul/11
abr/12

jul/14
abr/15

jul/17
abr/18
da polícia civil que durou 78 dias Fonte: Estimativas do Instituto de Segurança
Pública (ISP).
naquele período. Nota: Dados dessazonalizados.
INDICADORES

3 Segurança pública
Número de visitantes estrangeiros (Y, em milhares) vs taxa total de
homicídios (X, por cem mil habitantes): estado do Rio de Janeiro, 2003 a
2017
200
175
Número de visitantes/mês

150
125
100
75
50
25
0
5 6 7 8 9

Taxa de homicídios

Fonte: ISP e Ministério do Turismo. Elaboração Fecomércio RJ. Os dados


relacionados à Copa do Mundo e às Olimpíadas foram retirados para não
distorcer o gráfico.
INDICADORES

3 Segurança pública
A relação entre visitantes estrangeiros e total de homicídios permanece
negativa quando controlamos para outras variáveis;

Estima-se que o aumento de 1% na taxa de crimes violentos/mês

redundará em uma redução média de 0,5% - 0,6% turistas


estrangeiros/mês no estado do Rio de Janeiro.
INDICADORES

4 Educação
Porcentagem de jovens de 15 a 19 anos
que não estudam e não trabalham 23%
Aproximadamente metade das
24 21% 21%
pessoas com 15 anos ou mais não 22
18%
completou o Ensino Médio – sendo 20
18
que 23,3% 16
14
têm Ensino Fundamental incompleto 15%
12 14%
(Pnad-C, 2017). 10
2012 2013 2014 2015 2016 2017
“Nem-nem”*: 21% dos jovens na Brasil Estado do Rio de Janeiro

Região Metropolitana, de 15 a 19 Rio de Janeiro (Capital) Região Metropolitana RJ


Interior do RJ
anos. Destes, 70% são mulheres, 40%
já têm filhos (2016).

*não estudam e não trabalham


INDICADORES

4 Educação
Meninas: um dos determinantes de ociosidade é a
gravidez precoce.

Consequências permanentes tanto na sua formação


escolar, participação no mercado de trabalho e,
portanto, na sua renda futura;

Desdobra-se nas oportunidades à disposição de seus


filhos e perpetua a cadeia de pobreza da família.
INDICADORES

4 Educação
Educação é a chave para promover o desenvolvimento
social e sustentável, essencial para minimizar a
desigualdade de oportunidades e necessária para
aumentar a produtividade do trabalho.

A baixa qualidade da educação não prepara jovens para o


novo mundo do trabalho, que requer trabalhadores
inovadores, criativos, adaptáveis e capazes de solucionar
problemas.
INDICADORES

5 Saúde
Os idosos são a única faixa que crescerá com taxas
positivas nos próximos anos.

No Rio, os idosos, até 2030, corresponderão a 16,2%


da população. Em 2018, estimam-se 1,9 milhões de idosos,
contingente equivalente a 11,2% da população
fluminense.
INDICADORES

5 Saúde
INDICADORES

5 Saúde
O envelhecimento da população aumenta a
demanda e custos do sistema de saúde e da
previdência.

A crise fiscal e a “Lei do Teto dos Gastos” impõem


aumentar a eficiência e qualidade da oferta de
serviços de saúde.
INDICADORES

6 Juventude
53,7% das vítimas totais de homicídios no país são
jovens. 94,6% deles são homens. (2016)

A taxa de homicídios de jovens entre 15 e 29 anos, no


Estado do Rio de Janeiro, em 2016, era 87,7 por 100
mil habitantes, bastante superior à média nacional, igual
a 65,5 jovens mortos por grupo de 100 mil.

O Rio é a nona Unidade da Federação do país que


mais viu jovens morrer.
INDICADORES

6 Juventude
Evolução da taxa de homicídio juvenil
(15 a 29 anos) – Rio de Janeiro e Brasil
110
A redução da taxa de 100
homicídios entre 2006 90
e 2009 deve ser Rio de Janeiro 87,7%
80
interpretada com
70
cautela, tendo em vista
60
a dificuldade de 65,5%
50
aferição de mortes Brasil
violentas sem causa 40
2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016

determinada. Fonte: IPEA. Atlas da Violência 2018.


INDICADORES

7 Políticas urbanas
Mobilidade
A RMRJ tem aproximadamente 12 milhões de habitantes,
mais da metade na capital, onde se encontram cerca de 70%
dos postos de trabalho formais, assim como a maior parte
dos leitos hospitalares.

O trabalhador, em média, faz 4 deslocamentos ao dia, de


meia hora cada.

FONTE: CÂMARA METROPOLITANA DE INTEGRAÇÃO GOVERNAMENTAL. Caderno metropolitano 2:


centralidades: territórios de perspectivas para políticas públicas. Rio de Janeiro: Câmara Metropolitana de Integração
Governamental, 2017.
INDICADORES

7 Políticas urbanas
Habitação
O déficit habitacional do Rio de Janeiro é o quarto do País,
em termos absolutos, o que corresponde a 0,5 milhão de
moradias.

15 % da população vive em aglomerados urbanos


(classificação IBGE) na RMRJ.

Fonte: IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) 2015.


INDICADORES

7 Políticas urbanas
Saneamento
7,6% da população do estado do Rio de Janeiro não tem
acesso à água tratada, correspondente a mais de1,2 milhão
de pessoas.

33,9% ou 5,6 milhões de pessoas não tem coleta de


esgoto em domicílio.
Fonte: INSTITUTO TRATA BRASIL. Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento no Brasil. EX
ANTE CONSULTORIA ECONÔMICA, Novembro de 2018. Ano base 2016.
Obrigado
GLOSSÁRIO

1 Pobreza e desigualdade social

Utilizou-se a linha de pobreza regionalizada como


referência neste estudo: Rio de Janeiro urbano: Linha de
pobreza R$ 309,24 e linha de extrema pobreza R$ 154,62.
GLOSSÁRIO

2 Mercado de trabalho

Taxa de subutilização da força de trabalho: relaciona os


desocupados, os subocupados por insuficiência de horas
trabalhadas e a força de trabalho potencial.

Economia Compartilhada: Modelo de mercado híbrido


(entre posse e doação) de trocas de pessoa para pessoa. Tais
transações são frequentemente facilitadas via serviços online
comunitários.